Anda di halaman 1dari 129

Examine

as Escrituras
Diariamente

2011

es11-T
Examine
as Escrituras
Diariamente

2011


Nome
Examine
as Escrituras
Diariamente
2011

˘ 2010
WATCH TOWER BIBLE AND TRACT SOCIETY
˜ OF PENNSYLVANIA ´
ASSOCIAÇAO TORRE DE VIGIA DE BIBLIAS E TRATADOS
Todos os direitos reservados

Editoras
Watchtower Bible and Tract Society
of New York, Inc.
Brooklyn, New York, USA
˜ ´
Associaçao Torre de Vigia de Bıblias e Tratados
´
Rodovia SP-141, km 43, Cesario Lange - SP, 18285-000 Brasil
˜ ˜ ´
Essa publicaçao nao e vendida.
´
Ela faz parte de uma obra educativa bıblica,
mundial, mantida por donativos.

Examining the Scriptures Daily—2011


Portuguese (Brazilian Edition)
˜
Ediçao brasileira (es11-T)

Made in Brazil Impresso no Brasil


Examine as Escrituras Diariamente
´
Prefacio
˜ ´
“Bom dia!” Essa alegre saudaçao e ouvida no
´
mundo inteiro inumeras vezes todos os dias. Em qual-
´
quer idioma, em geral e a primeira coisa que familia-
res dizem uns aos outros ao se levantar ou ao cumpri-
´
mentar outros que encontram mais tarde. E como
´ ´ ˆ
dizer: “Ola, e bom ver voce. Espero que tenha um bom
˜
dia.” Para a maioria das pessoas, no entanto, ela nao
˜
passa de uma expressao. De fato, quando ouvia as pa-
lavras “bom dia”, certa pessoa respondia: “Espero que
seja mesmo.” Mas o que torna um dia realmente
“bom”?
Alguns acham que começar o dia com um nutri-
´ ˜ ´
tivo cafe da manha e muito importante. Outros con-
sideram um dia como bom quando se sentem bem e
ˆ ˜ ´
tem bastante energia. As condiçoes do tempo tambem
podem influenciar nosso ponto de vista. Para muitos,
´
ter um bom dia e simplesmente poder acordar e con-
´
seguir satisfazer suas necessidades basicas.
´
Essas necessidades, porem, incluem mais do que
comida, roupa, abrigo e outras coisas. Quando tenta-
˜
do pelo Diabo a transformar pedras em paes, Jesus
˜ ˜
disse: “O homem tem de viver, nao somente de pao,
˜
mas de cada pronunciaçao procedente da boca de
´
Jeova.” (Mat. 4:4) Fica claro que, se realmente dese-
jamos ser felizes, precisamos cuidar de outra neces-
´
sidade basica. Jesus mencionou essa necessidade em
˜ ˆ
seu Sermao do Monte quando disse: “Felizes os cons-
cios de sua necessidade espiritual.” (Mat. 5:3) A feli-
´ ´
cidade e possıvel porque essa necessidade pode ser sa-
tisfeita por se entender a Palavra escrita de Deus, a
´
Bıblia.
˜
Muitos se dao conta dessa necessidade espiritual
´
quando se perguntam: ‘Por que existimos? Qual e o
objetivo da vida?’ A resposta torna-se clara quando
˜
sao ajudados a entender que, em vez de o homem ter
´
evoluıdo de formas de vida mais simples, ele foi cria-
´
do por um Deus amoroso. Alem disso, fomos criados
`
“a imagem de Deus” e refletimos algumas de suas
ˆ ´
qualidades. (Gen. 1:27; Deut. 32:4; Jo 12:13; Isa. 40:26;
˜ ´ ˜
1 Joao 4:8) Jeova nos criou nao apenas com necessi-
´ ´
dades fısicas, mas tambem com uma necessidade es-
piritual. Temos um desejo inato de conhecer e adorar
´
a Deus. (Rev. 4:11) Por estudar a Bıblia, aprendemos
verdades espirituais — fatos a respeito de Deus, suas
´
normas e seu proposito para a humanidade. O que
´ ´ ´
aprendemos e para nosso proprio bem, porque Jeova
nos ensina o melhor modo de vida. — Isa. 48:17; Luc.
11:28.
´
Assim como nosso corpo precisa de alimento fısi-
co regularmente, nossa espiritualidade precisa ser
nutrida com regularidade. Mesmo que tenhamos
aprendido muitas verdades espirituais, nossa mente
ˆ
imperfeita tem a tendencia de esquecer. Ficamos en-
˜ ´
volvidos com as preocupaçoes diarias da vida. Somos
bombardeados pela propaganda do sistema de Sata-
´
nas. Mas a Palavra inspirada de Deus pode nos en-
´
sinar, nos corrigir quando necessario, endireitar as
coisas e nos tornar ‘plenamente competentes, com-
pletamente equipados para toda boa obra’. — 2 Tim.
3:16, 17.
˜ ´
Por isso, como ´ sao importantes os lembretes dia-
´
rios da Bıblia! E por esse motivo que publicamos o
ˆ
Examine as Escrituras Diariamente de 2011. Nele voce
´ ´ ´
encontrara um texto bıblico com comentario para
´ ˜
cada dia do ano. Essas joias diarias o farao lembrar
ˆ
de verdades que voce aprecia, da necessidade de estar
ˆ
espiritualmente desperto e de como voce pode agra-
´
dar a Deus. (1 Tes. 5:6) Os breves comentarios im-
˜
pressos sao curtos, o que possibilita que sejam consi-
derados em apenas alguns minutos. Muitos fazem isso
´ ˜ ´
no cafe da manha, quer sozinhos quer com sua famı-
ˆ ´
lia. Se voce começar cada dia dessa maneira, tera
´
realmente dado um bom inıcio ao seu dia.
Texto do ano para 2011
´
‘Refugie-se no nome de Jeova.’
— Sof. 3:12.
Em 12 de janeiro de 2010, a cidade haitiana de Porto
´
Prıncipe foi abalada por um terremoto devastador, de
´
magnitude 7. Muitos edifıcios desabaram, incluindo hospi-
´ ˜ ˜
tais, escolas, quarteis-generais da missao das Naçoes Uni-
´
das e partes do palacio presidencial. Mais de 225 mil pes-
soas morreram. Sem saber onde se refugiar, as pessoas
foram para as ruas e acamparam durante semanas em
´
qualquer area aberta que puderam encontrar. Foi uma boa
˜
decisao, visto que mais terremotos abalaram a cidade, in-
cluindo um de magnitude 6,1 que ocorreu em 20 de janeiro.
´ ´
Encontrar o melhor lugar de refugio e sempre um pro-
blema quando acontecem calamidades. Deve-se permane-
´ ´
cer onde esta ou ir para outro lugar? Que lugar sera mais
˜ ˜
seguro? Quem pode prover socorro? As decisoes sao mais
´ ´ ´
faceis quando somente uma pequena area e afetada. Mas
´
e se a calamidade ocorre numa area muito extensa, atin-
´
gindo ate mesmo o mundo todo?
´ ´
Os que acham que uma calamidade global e improva-
´
vel precisam se lembrar do Diluvio e do aviso de Jesus: “As-
´ ´
sim como eram os dias de Noe, assim sera a presença do Fi-
´
lho do homem.” E Jesus disse tambem que, se a grande
˜ ˜
tribulaçao nao fosse abreviada, “nenhuma carne seria sal-
va”. — Mat. 24:22, 37.
´ ´ ˜ ´
Digno de nota e o relato profetico de Revelaçao, capı-
´ ˜
tulo 16. No versıculo 14, aprendemos que expressoes demo-
´ ˜
nıacas “vao aos reis de toda a terra habitada, a fim de
´
ajunta-los para a guerra do grande dia de Deus, o Todo-po-
deroso”. A profecia continua dizendo que “houve um gran-
de terremoto, tal como nunca tinha havido desde que os
˜
homens vieram a estar na terra, tao extensivo era o terre-
˜
moto, tao grande”. (Rev. 16:18) Apesar de essas declara-
˜ ´
çoes serem simbolicas, elas indicam que acontecimentos
˜ ´
destrutivos de proporçoes globais se aproximam e que e ur-
´ ´
gente procurar um lugar de refugio. E Jeova promete esse
´ ´
refugio para os que o buscam com verdadeira fe. — Sof.
1:14, 15, 18; 2:2, 3.
Mesmo agora, antes desses preditos acontecimentos,
´ ´ ´ ˆ
e necessario encontrar refugio. Por que? Depois de predi-
˜ ´ ´
zer a derrota e a expulsao do Diabo dos ceus na epoca do
´ ´
nascimento do Reino em 1914, a Bıblia diz que Satanas
`
— cheio de ira e confinado a vizinhança da Terra — trava
uma guerra contra os que “observam os mandamentos de
ˆ
Deus e tem a obra de dar testemunho de Jesus”. — Rev.
12:17.
´
Um poderoso e invisıvel inimigo que conhece nossas
´ ´
fraquezas pessoais e de fato um adversario muito perigo-
´ ˜ ´
so. Mas ha aqueles que sao mais poderosos do que Satanas,
´ ´ ´
e o mais poderoso de todos e Jeova Deus. Onde poderıamos
´
encontrar uma fortaleza, um lugar de refugio, melhor do
˜ ´
que a proteçao do proprio Todo-Poderoso? Com sabedoria
˜ ´ ´
inspirada, o Rei Salomao escreveu: “O nome de Jeova e
uma torre forte. O justo corre para dentro dela e recebe
˜
proteçao.” — Pro. 18:10.
O profeta hebreu Joel mencionou o poder salvador do
´
nome de Jeova quando escreveu: “Todo aquele que invocar
´ ´ ´
o nome de Jeova salvar-se-a.” (Joel 2:32) O ap ostolo Pedro
˜ ˜
confirmou isso quando a congregaçao crista foi fundada no
Pentecostes de 33 EC, ao dizer: “Todo aquele que invocar o
´ ´ ´
nome de Jeova sera salvo.” (Atos 2:21) Anos depois, o ap os-
´ ´
tolo Paulo disse o mesmo. (Rom. 10:13) Hoje, e em Jeova
´ ´ ´ ´
Deus que nos tambem encontramos refugio. Ele sera nos-
´
sa fortaleza invencıvel!
´
De acordo com o significado do nome Jeova (“Ele Cau-
´ ´
sa que Venha a Ser”), Deus mostrara ser o que for necessa-
ˆ ´
rio em quaisquer circunstancias. Ele fara isso por causa de
´ ´
seu povo e de acordo com seu prop osito. Jeova pode supe-
˜ ´ ´ ´
rar qualquer desafio. Nao ha um refugio melhor nesta epo-
ca aflitiva. Pensando nisso, o Corpo Governante escolheu
para o texto do ano de 2011 estas palavras baseadas em So-
´
fonias 3:12: ‘Refugie-se no nome de Jeova.’
´ ´
TEXTO DIARIO E COMENTARIOS
´ ˆ ´
Nas paginas seguintes, ´ voce encontrara um texto ´ para ˜
cada dia e o coment ´ ario para esse texto. Os comentarios sao
tirados de numeros ´ de A Sentinela
´ (w) de abril de 2009 a mar-
ço de 2010. O numero apos a data de A Sentinela se refere ao
artigo de estudo na ordem´ (1, 2, 3, 4, 5) em que aparece na
revista, ´ seguido pelos paragrafos onde se podem encontrar
comentarios adicionais sobre o texto.
´
Sabado, 1.° de janeiro amassem e obedecessem˜ aos seus
mandamentos. (Joao 14:15) ´ Assim
Todos os que desejarem viver como Jesus, seus discıpulos de-
˜
com devoçao piedosa em asso- monstraram profundo amor e afe-
˜ ´
ciaçao com Cristo Jesus tambem to pelos a quem pregaram. Mesmo
˜ ˜
serao perseguidos. sofrendo perseguiçao e correndo
— 2 Tim. 3:12. risco de vida, serviram como ˆ mi-
´ nistros e pregaram com exito as
Que valioso conhecimento ´ nos boas novas. Quanto afeto sentiam
temos ´ como servos de Jeova! Sim, pelos a quem ajudavam espiritual-
nos sabemos a quem cabe ˜
˜ a cul- mente! Sao muito tocantes ´ as pala-
pa pela piora ˜ das´ condi˜çoes mun- vras escritas pelo apostolo Paulo:
˜ ´
diais. Entao, sera que nao nos sen- “Tendo . . . terna˜ afei ´ çao por vos,
timos impelidos
´ a participar no de bom grado nao so vos conferi-
minist ` erio de campo ´ para infor- mos as´ boas novas de ´ Deus, mas
mar as pessoas quem e o principal ˜ tambem as nossas proprias almas,
causador dos problemas? E nao porque
´ viestes a ser amados por
nos alegra apoiar o Deus verdadei- nos.” — 1 Tes. 2:8. w09 15/7 3:16, 17
´
ro, Jeova, e´ explicar a outros ´ como
ele acabar a com Satanas e as Segunda-feira, 3 de janeiro
˜ ´ afli- ˜
ç´ oes da humanidade?
´ Satanas nao [Jesus] curou a todos os que
e respons avel apenas por mui- passavam mal. — Mat. 8:16.
tas das ´ desgraças do˜ mundo, mas
tambem pela oposiçao que o povo Quase todo mundo ´ enfrenta
´ problemas de saude, quer seus
de Deus sofre. Ele esta decidido ´
a nos ´ provar. Jesus Cristo disse proprios, quer os de familiares.
˜ ˜ A atitude mental de Jesus para
ao apostolo Pedro: ´ “Simao, Simao, ˆ
eis que Satanas reclamou que fos- com os ´ doentes serve de exemplo
seis peneirados como trigo.” (Luc. para nos. Seu amor motivou-o ´ a
´ sentir pena deles eˆ cura-los. Hoje,
22:31) De modo similar, todos nos ˜ ˜
que seguimos as pisadas de Je- os cristaos nao tem o poder de
˜ curas milagrosas que Jesus tinha,
sus sofreremos provaçoes de uma
maneira ou de outra. Pedro mas eles compartilham da atitu-
˜ com- de compassiva dele para com ´ os
parou o Diabo a um “le ao que
doentes. Esforcemo-nos tambem
ruge, procurando a quem devo-
em tratar outros com bondade, ˜
rar”. — 1 Ped. 5:8. w09 15/4 2:5, 6
mesmo quandoˆ suas ` imperfeiçoes
Domingo, 2 de janeiro e fraquezas vem a tona. Obede-
´ çamos corajosamente ´ a todos os
Tornamo-nos meigos entre vos. requisitos de Jeov˜ a, mesmo dian- ˜
— 1 Tes. 2:7. te de provaçoes. Em conclusao,
demonstremos amor semelhante
Jesus era paciente e ´ compreensi- ao ˜ de Cristo a todos os nossos ir-
vo. Quando seus ˜ discıpulos preci- ´
maos, ´ como o proprio Cristo fez,
savam de correçao, ele a adminis- “ate o fim”. Esse amor identifica-
trava com amor. (Mar. 9:33-37) Ele nos como verdadeiros seguidores
os encorajava, expressando con- ˜
de Jesus. (Joao 13:1, 34, 35) Sim,
fiança de que seriam bons prega- “continue o vosso amor fraternal”.
˜
dores das boas novas. Nunca houve (Heb. 13:1) Nao desista! ´ Use sua
um instrutor humano mais amo- vida para louvar a Jeov a e para´
´
roso do que Jesus. O amor ´ que ajudar outros! Jeova abençoar a
ele mostrou aos seus discıpulos seus esforços sinceros. w09 15/9
fez com que eles, por sua vez, o 3:16, 17, 19, 20
Terça-feira, 4 de janeiro (Pro. 2:1-6) Considere
´ o valor dos
˜ tesouros que Jeova exorta seus
Resguarda teu coraçao.
adoradores a´ procurar. Um des- ´
— Pro. 4:23. ses tesouros e “o temor de Jeova”,
No complicado mundo em que que nos protege nestes tem- ´
vivemos, ˜precisamos tomar mui- pos perigosos. Encontrar “o pro-
tas decis prio conhecimento de Deus” pode
ˆ oes que envolvem nossa resultar na maior honra que se
obediencia a Deus. Como pode-
mos˜ ter certeza de que essas de- concede a um ser humano ˜ — ter
cisoes se harmonizam com a sua uma estreita
´ rela ç ao pessoal
´ ´ com o Altıssimo. E com os tesou-
vontade? Jeova nos deu uma da-
diva que pode nos ajudar mui- ros divinos da sabedoria, do co-
˜ ˆ ´
to na quest ao da obedi nhecimento e do discernimento
ˆ ´ encia. Eˆ a podemos enfrentar com
ˆ
consci ´ encia. O que e conscien- ˜ exito os
cia? problemas e as situaçoes do coti-
´ E um tipo especial de autoa- diano. — Pro. 9:10, 11. w09 15/7
nalise. Ela age como juiz inter-
no, habilitando-nos a analisar as 1:1-3
escolhas com que nos deparamos ˜ Quinta-feira, 6 de janeiro
na
´ vida, ou a˜ avaliar se as´ açoes ´
ja tomadas sao boas ou mas, cer- O reino de Deus vos sera tirado
´ ˜
tas ou erradas. (Rom. ˆ 2:14, 15) No e sera dado a uma naçao que
entanto,
˜ a consciencia tem limi- produza os seus frutos.
taçoes. Por exemplo, se dermos — Mat. 21:43.
excessivo valor ˜ aos desejosˆ do ´ ˜
nosso Jeova falou de seu povo, a naçao
´ coraçao, ˜nossas tendencias de Israel antiga, como um servo
egoıstas poder ao distorcer a nos- ´
ˆ ˜ coletivo. “ ‘Vos [plural] sois as mi-
sa consciencia. (Jer. 17:9) Se n ´
´ ao nhas testemunhas [plural]’, e a
confiarmos ˜ ´
˜ na correta e imutavel pronunciaçao de Jeova, ‘sim, meu
orienta
´ çao da Palavra ˆ de Deus, a servo [singular] a quem escolhi’.”
B´ ıblia, a nossa consciencia pode- ´ (Isa. 43:10)˜ Todos os membros
ra se tornar a bem dizer inutil. ´
dessa ´naçao estavam incluıdos´
— Sal. 119:105. w09 15/8 4:6, 8 nessa unica classe. No entanto, e
Quarta-feira, 5 de janeiro importante notar que somente os
´ ´ sacerdotes,
˜ junto com os levitas
O temor de Jeova e puro, per- nao sacerdotais, tinham ˜ oˆ dever
´
manecendo de pe para todo de ensinar a naçao.˜ (2 Cro. 35:3;
o sempre. — Sal. 19:9. Mal. 2:7) Era a naçao de Israel o
escravo a respeito de quem˜ Jesus
Descobertas de tesouros ocul- falou em Mateus 24:45? Nao. Sa-
tos muitas vezes viram manche- bemos disso pelas palavras do tex-
tes. Algumas delas
´ podem ter´ to de hoje, as quais Jesus ´ dirigiu
certo valor hist orico ou art ıs- aos judeus de seus dias. E eviden-
tico, mas geralmente pouco ou te que
nada influem no nosso dia a dia. ´ ocorreria uma mudan ˜ ça.
Jeova usaria uma nova naçao.` En-
No entanto, a Palavra de Deus tretanto, no que diz respeito a ins-
˜
nos convida a buscar tesouros truçao espiritual,˜ a tarefa do es-
que realmente´ nos influenciam. cravo na ilustra çao de Jesus segue
˜
Esse convite e feito a todos, e a um padrao similar ao do “servo” de
recompensa vale muito mais do Deus no Israel antigo. w09 15/6
que qualquer tesouro material. 4:4, 5
Sexta-feira, 7 de janeiro com a chave do abismo ˜ e uma
´
grande
´ cadeia na mao”. Esse e o
Mantende-vos puros. proprio arcanjo Miguel, que vai
— Isa. 52:11. ´
amarrar o Diabo e lan´ ça-lo (e evi-
ˆ
´ dentemente tambem os˜ demo-
Muitos anos antes de Isaıas es-
crever essas palavras, o bom Rei nios) no abismo. Eles serao soltos
Asa lançou uma vigorosa campa- por pouco tempo no fim do Reina-
nha para eliminar a imoralidade do˜ Milenar de Cristo, quando en-
´ ´ tao
de Juda. (1 Reis 15:11-13)
´ E secu- ´ a humanidade perfeita passa-
los mais tarde, o apostolo Paulo ra por´ uma prova final. Depois,
disse a Tito que Jesus entregou a Satanas e ˜todos os outros ˜ rebel-
si mesmo para ´ purificar seus se- des sofrerao a destruiçao. ˜ (Rev.
guidores e torna-los “um povo pe- 20:1-3, 7-10)
´ Toda rebeliao contra
culiarmente seu, zeloso de obras Deus tera sido removida. w09 15/5
excelentes”. (Tito 2:14) Na ˜cor-´ 3:20, 21
rompida
´ sociedade atual nao e
facil — em especial para os jo- Domingo, 9 de janeiro
vens — manter-se moralmente Ele viajava de cidade em cida-
puro. Por exemplo, todos os ser- de e de aldeia em aldeia, pre-
vos de Deus, jovens ˜ ou idosos, gando e declarando as boas
precisam lutar para nao se conta- novas do reino de Deus.
minarem com a pornografia, exi-
bida
— Luc. 8:1.
˜ em cartazes de rua, na tele-
visao, em filmes e em especial na O bom instrutor faz os estudan-
`
internet. Nosso zelo em acatar os tes se sentirem a vontade, de
avisos de Deus ´ pode nos ajudar
´ a modo que desenvolvam um forte
desenvolver odio pelo que e mau. desejo de assimilar o que apren-
(Sal. 97:10; Rom. 12:9) Precisa- dem e tenham prazer em se ex-
mos abominar a pornografia para pressar. O instrutor amoroso
podermos˜ ‘nos libertar da forte transmite conhecimentos porque
atraçao que ela exerce’, ˜ como se se importa genuinamente com os
expressou certo cristao. w09 15/6 seus estudantes. Ele adapta seu
` ´
2:14, 15 ensino as necessidades e´ ao nıvel
˜ ´
´ de
` compreens ao deles. E sens
ˆ ıvel
Sabado, 8 de janeiro as habilidades e circunstancias
O Diabo tem estado pecando de seus estudantes. Estes discer-
´ ˜ nem quando o instrutor tem esse
desde o princıpio. — 1 Joao 3:8.
˜ ˜ amor, e o ensino e o´ aprendiza-
“Por ocasiao da revela´ çao do Se- do se tornam agradaveis. Jesus
nhor Jesus desde o ceu, com os mostrou esse tipo ˜ de amor. A sua
seus anjos
˜ poderosos”, todos “os maior expressao de amor foi en-
que nao ˜ conhecem a` Deus e os tregar a sua vida humana perfeita
que nao obedecem as boas no- para que˜ outros pudessem ser sal-
vas acerca ˜ de nosso
´ Senhor Je- vos. ´(Joao 15:13) Durante ´seu mi-
sus” serao destru ˜ ıdos. (2 Tes. 1:6- nisterio, Jesus foi incansavel´ em
10) Numa visao a respeito˜ desse ajudar pessoas em sentido fısico
mesmo evento, ´ Joao descreveu
´ e, em especial, em sentido espiri-
Jesus e os angelicos exercitos ce- tual. Em vez de esperar que as
lestiais montados em cavalos pessoas o procurassem,ˆ ele per-
brancos para travar uma ˜ guer- correu
´ centenas de quilometros a
ra justa.
´ (Rev. 19:11-14)
´ Joao viu pe para levar-lhes as boas novas.
tambem “descer do ceu um anjo — Mat. 4:23-25. w09 15/7 3:15, 16
Segunda-feira, 10 de janeiro mos na sua atividade’ e˜ ‘nos ocu-
pamos com as suas açoes’, tanto ´
‘O zelo pela tua casa me
´ ˜ mais podemos conhecer a Jeova.
devorara.’ — Joao 2:17. (Sal. 77:12) Uma excelente ma-
´
No templo em Jerusalem, no neira´ de ´ se achegar ainda mais a
´
Patio dos Gentios, Jesus se de- Jeova e por ´ seguir o Cristo. Pen-
para com ‘os que vendem gado, se na gloria que Jesus tinha ao
ovelhas e pombas, e os correto- lado de seu Pai ˜ “antes de´ haver o
res de dinheiro nos seus assen- mundo”.
´ (Joao ˜ 17:5) Ele e “o prin-
tos’. Com um chicote de cor- cıpio da criaçao de ˆDeus”. (Rev.
das´ ele expulsa todos os animais. 3:14) Como ˜ “primogenito de toda
Alem disso, ele derrama as moe- a criaçao”, ´ ele viveu por muito ´
das dos cambistas e derruba as tempo no ceu com seu Pai, Jeovˆ a.
suas mesas. Aos que vendiam (Col. 1:15)
´ Durante a sua existen-
pombas, Jesus ordena que apa- cia pre-humana, Jesus fez mais
nhem suas coisas e saiam dali. do que simplesmente passar tem-
˜ ˜
(Joao ˜ 2:13-16) As açoes de Je- po com seu Pai. Ele era amigo
sus s ao um reflexo direto de pessoal de Deus. w09 15/5 4:3, 4
˜
sua preocupaçao com o templo.
Ele ordena: “Parai de fazer da Quarta-feira, 12 de janeiro
casa ˜ ´
´ de meu Pai uma casa de co- Deus nao nos deu um espırito
mercio!” Observando ´ esses even- de covardia, mas de poder, e de
tos, os disc ıpulos de Jesus se ´
´ amor, e de bom juızo.
lembram do que foi escrito se- — 2 Tim. 1:7.
culos antes pelo salmista Davi: ´
‘O´ zelo pela tua casa me devora- “Bom juızo” envolve saber pen-
˜
ra.’ (Jo ao 2:16, 17; Sal. 69:9)˜ Nes- sar e ponderar de modo sensa-
´
te seculo 21, mais de 7 milhoes de to. Inclui a capacidade de˜ enca- ˜
˜
cristaos manifestam grande in- rar as coisas ˆ como elas sao, nao
teresse pela casa de Deus. Cada como voce gostaria que fossem.
´
um de nos pode se perguntar: Alguns jovens imaturos´ manifes-
‘Como posso aumentar meu zelo tam certo “espırito de covardia” e
´
pela casa de Jeova?’ w09 15/6 mentalmente
˜ tentam escapar de
1:1-3 situaçoes estressantes recorren-
do a dormir demais, a ver TV em
Terça-feira, 11 de janeiro excesso, ao abuso de drogas ou
˜ ´ ´
[Deus nao esta] longe de cada de
` alcool, a festas constantes ˜ ou
´ a imoralidade sexual. Os cristaos
um de nos. — Atos 17:27.
precisam ‘repudiar a impieda-
Podemos buscarˆ a Deus e real- de e os desejos ´ mundanos, viver ˜
mente conhece-lo. ˜ Por exemplo, com bom juızo, justiça e devoçao
o livro da cria çao diz muito a piedosa no meio deste ´ atual sis-
respeito das qualidades e habili- tema’. (Tito 2:12) A Bıblia exor-
dades de Deus. De fato, refletir ta “os homens mais jovens a se-
com apreço nas suas obras criati- rem ajuizados”. (Tito 2:6) Isso
vas pode nos ensinar muita coi- significa enfrentar
˜ os problemas
sa a respeito
´ do Criador.
´ (Rom. com oraçao e confiar na força que
1:20) Jeova tambem revelou de- vem de Deus.ˆ (1 Ped. ´ 4:7) Com
talhes sobre si mesmo´ na sua Pa- isso, voce desenvolvera confian-
lavra escrita, a Bıblia. (2 Tim. ça na “força que Deus fornece”.
3:16, 17) Quanto mais ‘medita- — 1 Ped. 4:11. w09 15/5 2:9, 10
Quinta-feira, 13 de janeiro A narrativa nos esclarece a res-
peito de acontecimentos
ˆ de gran- ´
Ele saiu vencendo e para de importancia ocorridos no ceu
´ ˜
completar a sua vitoria. e enfatiza a suprema quest ao
— Rev. 6:2. da soberania´ universal de Deus.
´ ´
Como Davi, Jesus e um rei vito- O relato de Jo tamb ˜ em aprofunda´
´ nossa compreensao do que esta
rioso. Logo apos ter sido entroni-
zado como Rei do´ Reino de Deus, envolvido em manter a integri-
ele venceu Satanas numa batalha dade e nos ´ ajuda
` a entender por
e oˆ lançou, junto com seus de- que Jeova as vezes permite ´ que
` seus servos ´ sofram. Alem disso,
monios, para baixo a Terra. (Rev. ´
12:7-9) Sua o livro de Jo identifica Satanas,
´ vitoriosa
´ cavalgada
o ´ Diabo, como principal Adver-
continuar
´ a ate “completar a sua ´
vit oria”, destruindo completa- sario de Jeova e inimigo da hu-
mente o perverso sistema de Sa- manidade.
´ O livro mostra tam-
´ bem que humanos imperfeitos
tanas. (Rev. 19:11,´ 19-21) Mas, ´
como Davi, Jesus e um rei com- como Jo ´ podem permanecer leais
´ a Jeova apesar de duras provas.
passivo˜ e proteger a a “grande
multidao” no Armagedom. (Rev. w09 15/4 1:1, 2
´
7:9, 14) Alem disso, sob o gover- ´
no de Jesus e seus co-herdeiros´
Sabado, 15 de janeiro
´ ˜ ´ ´
(os ressuscitados˜ 144 mil) havera A propria criaçao tambem sera
“uma ressurreiçao tanto de justos ˜ `
liberta da escravizaçao a cor-
como de ˜ injustos”. (Atos 24:15) Os ˜ ´
rupçao e tera a liberdade glo-
que ser ˜ ao ressuscitados na Ter- riosa dos filhos de Deus.
ra terao a perspectiva de viver — Rom. 8:21.
para sempre. Que futuro maravi-
lhoso os aguarda! Estejamos deci-´ Hoje, a perspectiva de viver
didos a continuar ‘a fazer o que e para
˜ sempre na˜ Terra faz o cora-
bom’, de modo a estarmos vivos ç ao de milh oes de˜ pessoas ´
quando a Terra inteira for ´ habi- transbordar de ´ gratidao a Jeova.
tada por justos e felizes suditos O profeta Isa ıas foi inspirado
do Davi Maior. — Sal. 37:27-29. a escrever sobre o tipo´ de vida
w09 15/4 5:10, 11 que o povo de Deus tera na ´ Ter-
ra. (Isa. 65:21-25) Certas arvores
Sexta-feira, 14 de janeiro que´ estavam vivas´ uns 2.700 anos
Continue a ser abençoado o atras, quando Isaıas escreveu es-
´ ´ sas palavras, possivelmente ain-
nome de Jeova. — Jo 1:21. ˜
´ da estaoˆ vivas hoje. Pode imagi-
Moises tinha cerca de 40 anos nar voce viver tanto
´ tempo com
quando fugiu ˜ do Egito e foi morar vigor e boa sa ude? Em vez de
em Midia. (Atos ´ 7:23)
´ Enquan- ser uma curta ´ caminhada entre o
to vivia ali, e poss ıvel que ˜ te- berço e´ o tumulo,
´ a vida apre-
nha
´ ouvido falar das provaçoes de sentara infindaveis oportunida-
Jo, que morava na vizinha˜ ter- des de construir, plantar e apren-
ra de Uz. Segundo
´ a tradiçao ju- der. Pense
´ nas amizades que
daica,
´ Moises escreveu o livro de poder˜ a cultivar. Essas
˜ amorosas
Jo algum ´ tempo depois´ da mor- relaçoes aumentarao indefinida-
te de J´ o. O livro de Jo fortale- mente. Que “liberdade gloriosa”˜
ce a fe dos servos de Deus nos os “filhos de Deus” usufruirao na
tempos atuais. De que maneiras? Terra! w09 15/8 3:17-19
´
Domingo, 16 de janeiro teus proprios olhos.” ´ (Pro. 3:7) Em
´ vez disso,
´ siga o sabio conselho de
A vontade [de Deus] e que toda Moises ao povo de Deus nos tem-
sorte de homens sejam salvos e ´
pos antigos: “Deves ´ temer a Jeova,
venham a ter um conhecimento teu Deus. A ele e que deves ser-
exato da verdade. — 1 Tim. 2:4. vir e a ele te deves apegar.” (Deut. ´
´ 10:20) Por nos apegarmos a Jeova,
As Testemunhas de Jeova vascu-`
imitaremos a Jesus, a respeito de
lham a Terra, por assim dizer, a
quem se disse:´ “Amaste a justiça e
procura dos que anseiam conhecer ´ odiaste o que e contra
˜ ` a lei.” (Heb.
e servir a Deus. De fato, nos ulti-
1:9) Prestar aten´çao a sabedoria de
mos 17˜ anos, dedicamos mais ` de
Deus aumentara nossa ´ felicidade
1 bilhao de horas por´ ano a obra
agora e ˜ nos resguardara nos dias
de pregar e fazer discıpulos. Faze-
que virao. — Ecl. 7:12. w09 15/4
mos isso voluntariamente,
˜ embo-
3:18, 19
ra a obra de pregaçao exija em-
penhar tempo, energias e recursos Terça-feira, 18 de janeiro
materiais. Assim como Jesus, sa- ´ ´
bemos que o nosso amoroso Pai ce- Por intermedio de um so homem
lestial deseja que as pessoas adqui- entrou o pecado no mundo, e a
ram o conhecimento que conduz ´
` ˜ morte por intermedio do peca-
a vida eterna. (Joao 17:3) O amor do, e assim a morte se espalhou
nos motiva a ajudar os sinceros ´ a todos os homens, porque todos
a conhecer ´ e a amar a Jeova as-
sim como nos o conhecemos e ama- tinham pecado. — Rom. 5:12.
mos. Sim, para sermos instrutores ˜
A ´ taxa de contaminaçao do peca-´
realmente eficazes,
´ precisamos de do e de 100%. (Rom. 3:23) E qual e
um amor ` trıplice — amor a Deus, ´ a taxa de mortalidade? Paulo es-
amor a verdade e amor ao proxi- creveu que o pecado traz a morte
mo. Ao cultivar esse tipo de amor ´ e “a˜ todos os homens”. Muitos hoje
o demonstrar ˜ no nosso ministerio, nao consideram a ´ morte e o pe-
sentimos nao apenas a alegria ˜
´ ˜ de cado algo tao terrıvel assim. Eles
dar mas tambem a satisfaçao de se preocupam com o que chamam
saber que estamos imitando´ a Je- de morte prematura, mas encaram
sus e agradando a Jeova. w09 15/7 como “natural” a morte que sobre-
3:18, 20 ´
vem aos humanos por meio ´ do pro-
cesso
´ de envelhecimento. E muito
Segunda-feira, 17 de janeiro facil os humanos se esquecerem do
´ ´ ponto de vista do Criador. A dura-
Abominai o que e inıquo, agar- ˜ ´
´ çao de nossa vida e infinitamente
rai-vos ao que e bom.
— Rom. 12:9. menor do que deveria ser. Na rea-
ˆ lidade, nenhum ´ humano viveu se-
As influencias
´ nocivas do mundo quer “um ´ so dia” do ponto de vista
de Satanas podem fazer-nos ´ per- de Jeova. (2 Ped. 3:8) Assim, a Pa-´
der o apego a princıpios divinos. lavra de´ Deus diz que nossa vida e
Por exemplo,
˜ associar-se
` com os transitoria como o ciclo de cresci-
que nao obedecem as leis de Deus mento ˜ da grama ou como uma exa-
— na escola, no trabalho ou por laçao. (Sal. 39:5; 1 Ped. 1:24) Pre-
meio de alguma forma de entre- cisamos ter essa ˆ perspectiva em
tenimento mundano — ˜ pode afe- mente. Por que? Se entendermos
tar nossa
´ determina
˜ çao de fazer o a gravidade da “doença” que nos
que e certo. Nao ˆ permita que isso aflige,
` poderemos dar mais valor
aconteça a˜ voce! A Palavra´ de Deus a sua “cura” — nosso livramento.
avisa: “N ao te tornes s abio aos w09 15/9 5:3, 4
´ ˜
Quarta-feira, 19 de janeiro ovelhas e tao grande que, quando
esteve na Terra, voluntariamen-
Recomendamo-nos de todo te deu de si mesmo pelo bem-es-
modo como ministros de ˜
tar delas. (Joao 10:3, 14, 15) Como
Deus, . . . pela palavra Pastor Excelente, Jesus realiza
veraz. — 2 Cor. 6:4, 7. algo que Davi nunca poderia reali-
˜ ´
Foi assim no caso de um irmao zar. Seu sacrifıcio de resgate abriu
na Inglaterra. Tentando ven- caminho para a humanidade ser´
der um carro para um prospec- resgatada
ˆ da morte. Nada podera
tivo comprador, dete-lo de pastorear seu “peque-
´ ele descreveu´ as
no rebanho” para a vida imortal
boas caracterısticas do veıculo, ´
bem como seus defeitos, incluin- no ceu e de conduzir suas “ou-
˜ tras ovelhas” para a vida eterna
do os que nao se podiam ver. De-
pois de fazer um teste com o carro, num novo mundo justo, livre de
˜ predadores semelhantes a lobos.
o comprador perguntou ao irmao ´ ˜
se ele era Testemunha de Jeov˜ a. — Joao 10:27-29. w09 15/4 5:7
Por que chegou a essa suposiçao?
Porque haviaˆ notado a honestida- Sexta-feira, 21 de janeiro
de ˜ e a aparencia asseada do ir- Mantende-vos no amor de Deus.
mao. A conversa que se seguiu — Judas 21.
resultou
´ num ´ bom testemunho.
´ ´
Sera que nos tambem louvamos Esse texto indica ˜ que e pre-
ao Criador por meio de nosso bom ciso alguma ˜ a ç ao de nossa par-
´ te. Entao, o que precisamos fa-
carater moral? Paulo ` disse: “Te-
mos renunciado as coisas dissimu- zer para permanecer no amor de
˜ ˜ Deus? A resposta a essa pergun-
ladas, que sao vergonhosas,
´ nao
andando com astucia.”´ (2 Cor. 4:2) ta ´ se encontra nas palavras do ´
Assim, façamos o maximo para proprio Jesus, proferidas na ul-
sempre tima noite de sua vida na Ter-
´ falar a verdade com ´ o nos-´ ra. Ele disse: “Se observardes os
so proximo. Isso resultara em glo-
ria para nosso Pai celestial e para meus mandamentos, permanece-
seu povo. w09 15/6 3:19, 20 reis no meu amor, assim como eu
tenho observado os mandamentos
Quinta-feira, 20 de janeiro do Pai˜ e permaneço no seu amor.”
(Joao 15:10) Fica claro que Jesus
Eu sou o pastor excelente.
˜ sabia que observar ´ os mandamen-
— Joao 10:11. tos de Jeova era essencial para
˜
Os anos que Davi passou nos manter uma boa posiçao peran-
campos e nas montanhas cuidan- te seu Pai. Ora, se era assim no
do de ovelhas prepararam-no para caso˜ do perfeito ´ Filho de Deus,
ˆ
as exig encias e responsabilida- nao seria tambem assim no nosso
˜
des de pastorear a naçao de Is- caso? Acima de tudo, ´ mostramos
´ ˆ
rael. (Sal. 78:70, 71) Jesus tambem que amamos ´ a Jeov ˜ a por obedece-
mostra ser um pastor exemplar. lo. O apostolo Joao expressou isso
˜
Ele deriva desta maneira: “O amor de Deus
´ ` forças e orientaçoes
de Jeova a medida que pastoreia significa o seguinte: que observe-
seu “pequeno rebanho” e as “ou- mos os seus mandamentos; con- ˜
˜
tras ovelhas”. (Luc.´ 12:32; Joao tudo,
˜ os seus mandamentos ˜ nao
10:16) Assim, Jesus e o Pastor Ex- sao pesados.”
´ ˜ (1 Jo ao 5:3) De fato,
celente.
˜ Ele conhece seu reba- Jeova nao pede ´ que façamos algo ´
nho tao bem que chama cada ove- que seja difıcil demais para nos.
lha por nome. Seu amor por suas w09 15/8 4:2-4
´ ´
Sabado, 22 de janeiro eterna e um aspecto fundamen-
´ tal das boas novas que pregamos.
Qual sera o sinal da tua pre- Ela molda o nosso conceito ˜ de
˜
sença e da terminaçao do siste- vida. A maior parte das religioes
ma de coisas? — Mat. 24:3. da cristandade desconsidera a es-
O cumprimento inicial da profe- perança de vida´ eterna na Ter-
` ra. Embora a Bıblia ensine que a
cia de Jesus em resposta´ a per-
gunta de seus disc ıpulos ocorreu alma
˜ morre, a maioria das reli-
´
´ gioes ensina a doutrina antibıbli-
no primeiro s eculo. Ele fa-
lou sobre um acontecimentoˆ in- ca de que o homem tem` uma alma
comum que indicaria a iminencia imortal que sobrevive a morte do ´
do fim. Ao observarem esse acon- corpo e passa a viver no domı-
tecimento, ‘os que estivessem nio espiritual. (Eze. 18:20) Assim,
na Judeia deviam fugir para os muitos duvidam da possibilidade
montes’. de vida eterna na Terra. w09 15/8
ˆ (Mat.´ 24:1, 2, 15-22)
1:1, 2
Umas tres decadas
´ mais tarde, em
61 EC, o apostolo Paulo escreveu´ Segunda-feira, 24 de janeiro
uma ˜ mensagem forte e seria aos ´
cristaos´ hebreus que viviam em Quem tiver perseverado ate o
´ ´
Jerusalem e nas suas proximida- fim e o que sera salvo.
des. Sem que Paulo ˜ e seus com- — Mat. 24:13.
panheiros cristaos soubessem, o
sinal que marcaria a fase Seria
˜ um erro baixar nossos
˜ inicial padr oes morais e espirituais,
de uma “grande tribulaçao”` esta-
va apenas uns cinco anos a fren- achando que somos fortes o bas-
´ tante para resistir aos efeitos de
te. (Mat. 24:21) Em 66 EC, Cestio ´
Galo liderou tropas romanas num mas companhias, mesmo que se-
quase bem-sucedido ataque con- jam em forma de entretenimen-
´ ´ to violento e imoral. Em vez
tra Jerusalem. Mas daı ele subita- ´ dis-
mente se retirou, dando aos que so, devemos proteger a ˆ nos e a
estavam em perigo uma oportuni- nossos filhos da influ
´ encia cor-
dade de fugir para a segurança. rompedora
´ ´ do espırito de Sata-
w09 15/5 1:1, 2 nas. Usuarios de computador fa-
zem de tudo para impedir que
Domingo, 23 de janeiro seu equipamento
´ seja infectado
´ com vırus, pois esses podem des-
Enxugara dos seus olhos toda truir dados, interferir no funcio-
´ ˜ ´ ´ ´
lagrima, e nao havera mais namento da maquina, ate ´ mes-
´
morte, nem havera mais pranto, mo controlando-a. Dever ıamos
nem clamor, nem dor. As coisas ser menos vigilantes em nos pro-
´ teger das´ “artimanhas” de Sata-
anteriores ja passaram. ´
— Rev. 21:4. nas? (Efe. 6:11, nota) Quase to-
ˆ dos os dias, de algum modo temos
Talvez voce se lembre da ale- de escolher se faremos´ as coi- ˜
gria que sentiu quando aprendeu sas da maneira de Jeov
´ ˜ a ou nao.
que no futuro proximo, em vez Para ganhar a salvaçao, devemos
de envelhecer
˜ e morrer, as pes- obedecer a Deus e´ viver de acor-
soas viver
˜ ao para sempre na Ter- do com seus princıpios justos. Por
ra. (Joao 17:3) Com certeza tem seguir o exemplo de Cristo
´ ` em ser
tido o prazer de falar a outros
´ obediente, mesmo “ate ´ a ´ morte”,
a respeito dessa esperança bıbli- mostramos que nossa fe e verda-
ca. Afinal, a esperança de vida deira. — Fil. 2:8. w09 15/9 2:8, 9
` ˜
Terça-feira, 25 de janeiro propensos a ceder as press
˜ oes do
´ mundo. Os pais crist ˜ aos sabem ´
A menos que alguem nasça de
´ ´ ˜ que criar filhos nao envolve so
agua e espırito, nao pode en- prover suas necessidades mate-
trar no reino de Deus. riais. Portanto, seria extrema fal-
˜ ˜
— Joao 3:5. ta de visao ensinar uma criança a
Jesus disse a Nicodemos que´ os se empenhar exclusivamente por
que entram no Reino dos ceus alvos materiais.
´ Jesus ensinou
˜ seus discıpulos a dar prioridade
precisam ‘nascer ˜ de ´ novo’. (Joao
3:3, 4) Mas nao foi so isso que Je- a valores e interesses espirituais.
sus disse. Depois ele falou da es- (Mat. 6:33) Assim,˜ imitando a Je-
perança oferecida ao mundo in- sus, os pais cristaos devem em-
˜ penhar-se em cultivar nos filhos
teiro.
` (Joao 3:16) Jesus se referia ´
a esperança de vida eterna no ceu o desejo de buscar alvos espiri-
para seus seguidores ungidos, e tuais. w09 15/7 2:13, 14
vida eterna na Terra para outros. Quinta-feira, 27 de janeiro
Depois de ter falado ´ com Nicode- ´ ´
mos em ˜ Jerusalem, Jesus viajou Jeova Deus vos suscitara dentre
` ˜
na direçao norte, rumo a Galileia. os vossos irmaos um profeta se-
No caminho, ele encontrou uma melhante a mim. — Atos 3:22.
´
mulher na fonte de Jaco, perto da Pouco depois ´ do Pentecostes
cidade de Sicar, em Samaria.´ Ele de 33 EC, o apostolo Pedro ci-
disse a ela: “Quem beber da agua ´
tou uma profecia de Moises que
que´ eu lhe der, nunca ´ mais fica- se cumpriu em Jesus Cristo. Pe-
ra com sede, mas´ a agua que eu dro˜ estava diante de uma mul-
lhe der´ se tornara nele uma fonte tidao de adoradores no templo.
de agua que borbulha para dar ˜
˜ Quando ele e Joao curaram um
vida
´ eterna.” (Joao 4:5, 6, 14) ˜ Essa mendigo aleijado de nascença,
agua representa as provis ˜ oes de as pessoas ficaram “fora de si de
Deus para a restaura ` çao de toda surpresa”. (Atos 3:11) Pedro ex-
a humanidade a vida˜ eterna, in- plicou que esse ato˜ espantoso´ re-
cluindo os que viverao na Terra. sultou da opera
w09 15/8 2:8, 9 ´ çao do espırito
santo de Jeova ´ por meio de Je-
sus Cristo. Daı, citando as Escri-
Quarta-feira, 26 de janeiro turas Hebraicas, ele declarou as
A vantagem do conhecimento palavras encontradas no texto ´ de
´ ´ hoje. (Deut. 18:15, 18, 19) E pro-
e que a propria sabedoria pre- ´
serva vivos os que a possuem. vavel que os ouvintes de Pedro
— Ecl. 7:12. conhecessem
´ essas palavras de
Mois es. Como judeus, ˜ tinham
O esfor
´ ço dos
´ pais em aplicar os muita consideraçao por esse pro-
princ
˜ ıpios b´ ıblicos no dia a dia feta. (Deut. 34:10) Eles aguar-
nao passara despercebido ˜ ´ pelos davam ansiosamente a vinda de
filhos. Eles levar ao a s erio as um´ profeta maior do ˜ que Moi-
palavras e os ensinamentos dos ses. Esse profeta nao seria ape-
pais. Mas, se os ˜ filhos percebe- ˜ nas um messias, ´ um ungido de
rem um padrao duplo, ´ poder
´ ao Deus como Moises, mas o Mes-
concluir
˜ ˜ que os princ ıpios b ıblicos sias, “o Cristo
´ de Deus, o Escolhi-
nao sao ´ realmente importantes do” de Jeova. — Luc. 23:35; Heb.
ou praticos, ficando assim mais 11:26. w09 15/4 4:6, 7
´
Sexta-feira, 28 de janeiro sair a todas
´ ˆ as terras, e o pro-
´ prio Jeova pos˜ o pavor dele ˆ sobre
Ele nem mesmo fez a nos segun- todas as naçoes.” (1 Cro. 14:17)
do os nossos pecados; nem trou- Como o Rei Davi, Jesus era des-
´
xe sobre nos o que merecemos temido. Qual Rei-Designado, ele
segundo os nossos erros. demonstrou sua autoridade´ sobre
ˆ
— Sal. 103:10. os demonios, resgatando vıtimas
de suas garras. (Mar. 5:2, 6-13;
Para compreender a gravidade
Luc. 4:36) Mesmo´ seu arqui-ini-
˜
do pecado e de seus efeitos, pre-
migo, Satanas, ´ o Diabo, nao tem
cisamos tentar entender ´ o que nenhum domınio ´ sobre ele. Com
ele nos custou.
´ A princıpio, isso
o apoio de Jeova, Jesus venceu o
pode ser difıcil porque o pecado
mundo,
´ que˜ jaz no poder de ˜ Sata-
nos custou algo que
˜ nunca expe-
nas. — Joao 14:30; 1 Joao 5:19.
rimentamos. Adao e Eva tinham
w09 15/4 5:8, 9
vida perfeita. Perfeitos na men-
te e no corpo, eles podiam es- Domingo, 30 de janeiro
colher controlar seus pensamen-
˜
tos, sentimentos e açoes. Assim, Vinde a mim, todos os que
eles eram livres para se desenvol- estais labutando e que estais so-
´
ver como servos de Jeova Deus e brecarregados, e eu vos reani-
atingir o grande potencial que ti- ´
marei. Tomai sobre vos o meu
nham. Em vez disso, eles ´ despre- jugo e aprendei de mim, pois
zaram sua preciosa dadiva. Por ´ sou de temperamento brando e
escolherem pecar contra Jeova, ˜
humilde de coraçao, e achareis
eles perderam para ˆ si mesmos
revigoramento para as vossas
e para sua descend ´ encia o tipo
de vida que ˆJeova intencionava almas. — Mat. 11:28, 29.
para eles. (Gen. 3:16-19) Ao mes- Jesus, o perfeito Filho de Deus,
mo tempo, ´ infligiram a si mes- `
´ de bom grado veio a Terra para
mos e a nos a terrıvel ˜ “doen´ ça” servir entre pessoas imperfeitas e
do pecado. Com razao,´ Jeova os pecadoras. Algumas destas mais
condenou. Mas para nos ele ofe- tarde o matariam. Mas Jesus sem-
rece a esperança de livramento. pre manteve sua alegria e auto-
w09 15/9 5:5 ´
domınio. (1 Ped. 2:21-23) ‘Olhar
´ atentamente’ para o exemplo de
Sabado, 29 de janeiro Jesus pode nos ajudar a fazer o
˜ mesmo ˜ quando as falhas e im-
No mundo tereis tribulaçao,
mas, coragem! eu venci o perfeiçoes de outros nos afetam.
˜ (Heb.
mundo. — Joao 16:33. ´ 12:2) Jesus convidou seus
discıpulos a ‘entrar sob o seu jugo
Como rei, Davi foi um guerrei- com ele’ e assim aprender dele.
ro decidido que protegeu´ a terra (Mat. 11:29, nota) O que pode-
do povo de Deus e “Jeova salvava riam aprender? Que Jesus era de
a Davi aonde quer que [ele] fos- temperamento´ brando e paciente
se”. Sob a lideran
´ ça de Davi, os com seus discıpulos, apesar das
limites do paıs foram
´ ampliados falhas
` deles. Na noite anterior ´
do rio do Egito ate o rio Eufra- a sua morte, Jesus lavou os pes ˜
tes. (2
´ Sam. 8:1-14) Na força de deles, ensinando-lhes uma ˜ li çao
Jeova, ele se tornou um gover-
´ de ‘humildade de coraçao’ que ˜
nante muito poderoso. A Bıblia eles jamais esqueceriam. — Joao
diz: “A fama de Davi começou a 13:14-17. w09 15/9 1:1, 3
´
Segunda-feira, 31 de janeiro provado de forma severa, Jo di- ´
´ ´ zia´ coisas positivas sobre Jeova.
O proprio Jeova fez recuar a con- (Jo´ 10:12) Que exemplo excelente!
˜ ´ ´
diçao cativa de Jo quando ele Nos tambem temos de assimilar
orou a favor dos seus companhei- regularmente ´ conhecimento´ exa-
´
ros, e, adicionalmente, Jeova co- to sobre Jeova e seus prop ositos.
meçou a dar em dobro tudo o que Seguimos uma sadia rotina de ati-
´ ´ vidades espirituais
fora de Jo. — Jo 42:10. ˆ ` tais como
˜ es-
´ tudo,
˜ assistencia
˜ as reunioes, ora-
As coisas que Jo aprendeu so- çao´ e pregaçao das boas novas.
bre Deus criaram ´ nele o desejo de Alem disso, fazemos tudo ao nos-
agradar a Jeova. Caso seus fami- so alcance para divulgar o nome
liares tivessem feito algo que de- ´
de Jeova. E, ´ assim como a inte- ´
sagradasse a Deus ou ‘tivessem ˜ gridade de Jo agradou a Jeova, a
amaldiçoado a Deus ´ no coraçao’, integridade dos atuais˜ servos de
ele oferecia ´ sacrifıcios com regu- Deus alegra Seu coraçao. w09 15/4
laridade. (Jo 1:5) Mesmo quando 1:9, 18

Terça-feira, 1.° de fevereiro Quarta-feira, 2 de fevereiro


´
Torna-te exemplo para os fieis. Esdras tinha preparado seu co-
˜
— 1 Tim. 4:12. raçao para consultar a lei de
´ ´ ´
Jeova e para pratica-la.
Paulo exortou Timoteo a se em-
penhar em progredir no´ falar, na — Esd. 7:10.
˜
conduta, no amor, na fe e na cas- Um modo de preparar o cora´ çao
´
tidade, bem como no ´ modo de e estudar diligentemente a B ıblia
˜
cumprir seu ministerio. Ele de- e as publicaçoes que a explicam. ˜ ´
via empenhar-se em ser exem- Imagine-se nesta situaçao: e suaˆ
plar no seu modo de vida. (1 Tim. noite de estudo pessoal. Voc ´ e
4:13-15) Quando Paulo escreveu acabou de orar para que o espıri-
´
esse conselho, algum ´ tempo´ en- to de Jeova o ajude a aplicar oˆ
tre 61 e ˜ 64 EC, Timoteo ja era que aprende de sua Palavra. Voce
um anciao experiente. ´ Em 49 ou planeja assistir a um filme ´ na TV,
50 EC, quando Timoteo prova- mas sabe que ele cont ˆ em cenasˆ
velmente tinha ˜ uns 20 anos de de imoralidade
ˆ ´ e violencia. Voce
idade, “os irmaos em Listra e Ico- medita em Efesios 5:3: “A fornica-
˜
nio”, que haviam notado seu pro- çao e aˆ impureza ˜ de toda sorte, ou
gresso espiritual, ‘davam dele um a ganancia, nao sejam nem mes-
´
bom relato’. (Atos 16:1-5) Naque- ´ mo mencionadas entre vos, assim
´ ´
le tempo, Paulo levou Timoteo ´ como e´ proprio dum povo santo.”
com ele numa viagem missiona- Tamb` em se lembra de Filipenses
ria. Depois de observar
´ por al- 4:8. A medida que reflete nesses
guns meses ´ o contınuo progres- conselhos inspirados, pergunta a
so de Tim
ˆ oteo, Paulo o enviou a si mesmo: ‘Se eu deliberadamen- ˜
Tessalonica para ˜ consolar e for- te expuser meu coraçao e mente
talecer os cristaos naquela cida- a programas desse tipo, estarei
de. (1 Tes. 3:1-3, 6)´ Obviamente, seguindo o exemplo ˆ de Jesus de
o progresso de Timoteo tornou-se estrita
ˆ obedi
´ encia a ´ Deus?’ O que
manifesto a outros enquanto ele voce fara? Assistira ao filme mes-
ainda era jovem. w09 15/5 2:3-5 mo assim? w09 15/9 2:5-7
´ ˆ ˜
Quinta-feira, 3 de fevereiro uma unica linha, ele pos em açao
´ mais penas e forneceu
˜ ˜ assuntos
Quem e realmente o escravo fiel para mais sermoes, oraçoes, estu-
e discreto a quem o seu amo de- dos, obras eruditas, obras de arte
´
signou sobre os seus domesticos, e hinos de louvor do que o inteiro
´
para dar-lhes o seu alimento no exercito de grandes homens dos
tempo apropriado? tempos antigos´ e modernos.” Esse
— Mat. 24:45. homem notavel foi, naturalmen-
´ ˜
te, Jesus ´ Cristo. O apostolo ´ Joao
Depois de fazer essa pergun- disse: “Ha, de fato, tambem mui-
ta, Jesus prosseguiu dizendo que, tas outras coisas que Jesus fez, as
como recompensa por sua fideli- quais, se alguma vez fossem escri-
dade, esse escravo seria designa- tas em todos os ´ pormenores, su-
do sobre todos os bens do Amo. ˜
ponho que o proprio mundo nao
(Mat. 24:46, ˜ 47)˜ Jesus, o “amo” poderia
na ilustraçao, nao ˜ disse que ha- ˜ conter os rolos escritos.”
— Joao 21:25. w09 15/4 4:1, 2
veria uma multidao ´ de escravos
espalhados pelas varias seitas da ´
Sabado, 5 de fevereiro
cristandade. Ele disse claramente
que haveria apenas um “mordo- Mantende a vossa conduta
˜
mo”, ou “escravo”, a quem ele de- excelente entre as naçoes.
signaria sobre todos´ os seus bens. — 1 Ped. 2:12.
´
Como A Sentinela ja explicou va- Nos lares ˜de Betel ˜ ao redor do
rias vezes, o mordomo obviamen- mundo, irmaos e irmas trabalham
te simboliza o “pequeno rebanho” ˜
´ zelosamente e sem remuneraçao,
de discıpulos ungidos como corpo, oferecendo seu tempo e energia
ou grupo. No contexto do Evange- para ajudar a divulgar as boas˜ no-
lho de Lucas, Jesus tinha acaba- vas. ˜ Da mesma forma, os irmaos e
do de falar deles. (Luc. 12:32, 42) irmas que fazem servi
O “corpo de assistentes”, ou “do- ´ ço ˜ secular
´ para cuidar da famılia sao bons
mesticos”, refere-se a esse mes- trabalhadores. (Col. 3:23, 24) Em
mo grupo, mas
´ destaca seu papel certos casos, isso melhora a es-
como indivıduos. w09 15/6 4:1, 3 `
tabilidade no ˜ emprego, a medida
que os patroes valorizam ˜ sua ati-
Sexta-feira, 4 de fevereiro tude conscienciosa e nao desejam
´ ´ ˆ
Jeova Deus vos suscitara dentre perde-los como ´ empregados. ` Con-
˜ fiar em˜ Jeova, obedecer as suas
os vossos irmaos um profeta se-
melhante a mim. A este tendes instruçoes e cuidar˜ bem ˜ de nos-
de escutar. — Atos 3:22. sos locais de reuniao sao manei-
´ ras de demonstrar´ nosso
´ zelo pela
Dois mil anos atras, o nasci- casa de Jeova. Alem ´ disso, de-
mento ˜de um menino levou´ uma sejamos participar o maximo pos-
´
multidao de anjos no ceu a louvar sıvel na obra´ de pregar o Reino
a Deus e isso foi ouvido por al- e fazer discıpulos. Sejamos jo-
´
guns pastores. (Luc. 2:8-14) Trin- vens ou idosos, nosso arduo esfor- ˜
ta anos depois, essa criança, agora
´ ço em manter os elevados padroes ˜
um adulto, iniciou um ministˆ e- associados´ com a nossa adora´ ao

rio que durou apenas tres anos ´ resultara em muitos benefıcios.
e meio, mas mudou a Historia. E continuaremos a ser conhecidos
O historiador Philip Schaff sen- como um povo “zeloso de obras
tiu-se induzido a dizer a respei- excelentes”. — Tito 2:14. w09 15/6
to desse homem: “Sem ter escrito 2:16-18
˜
Domingo, 6 de fevereiro Caso o assunto ainda nao tenha
˜ sido considerado pelos pais, se-
Na recriaçao, quando o Filho ˜
ria apropriado que ˆ ´ a mae per-
do homem se assentar no seu
´ guntasse: “Voce ja falou sobre
glorioso trono, vos, os que me isso com o seu pai?” Se o´ filho
´ ˜
seguistes, tambem estareis sen- disser que nao, ela devera con-
tados em doze tronos, julgando siderar o assunto com o marido
as doze tribos de Israel. antes de se tomar qualquer deci-
— Mat. 19:28. ˜ ˜
sao. E a esposa crista certamen-
´ te evita contradizer o˜ marido, ou
Jesus disse aos seus apostolos
que eles estariam entre os que desafiar a sua opiniao, na fren-
governariam como reis e julga- te dos filhos. Se´ ela discordar do
riam ´ “as doze tribos de Israel”, marido, devera falar ´ com ele em
isto e, o mundo da humanida- particular. — Efe. 6:4. w09 15/7
˜ 2:9, 10
de que nao faz parte da classe
governante celestial. ´ (1 Cor. 6:2)
Ele falou tamb em de uma re- Terça-feira, 8 de fevereiro
´
compensa para “todo aquele” que ´ [Cristo] obteve para nos um li-
o seguisse. ˜ Tais pessoas tambem vramento eterno. — Heb. 9:12.
‘herdarao a vida eterna’. ´ (Mat.
19:29)˜ Tudo isso ocorrera “na re- Entre
´ os mais importantes sa-
criaçao”. O que Jesus quis dizer crifıcios exigidos pela Lei esta-
˜ vam aqueles oferecidos no anual
com “recriaçao”? Visto que Jesus ˜
usou esse termo sem dar uma ex- Dia da Expiaç ao. Nesse dia, ´o
˜ sumo sacerdote oferecia sacrif ı-
plicaçao, evidentemente ele se ´ ´ ˜
referia ao que os judeus havia se- cios a Jeova para a expiaçao de
culos aguardavam. Haveria uma pecados — primeiro os peca-
˜ ˜ dos da classe sacerdotal, depois
recriaçao de condiçoes na Ter- ˜
ra, de modo que as coisas seriam ´ os pecados ˆ das tribos n ao sa-
como eram no cerdotais.´ (Exo. 25:22; Lev. 16:1-
˜ jardim do Eden 30) O apostolo Paulo foi inspira-
antes de ˜ Adao e Eva ´ pecarem.
A recriaçao cumprira a promes- do a revelar´ o significado desses
´ atos simbolicos. Ele mostrou que
sa de Deus de ‘criar novos ceus
e uma nova terra’. — Isa. 65:17. o sumo sacerdote prefigurava o
w09 15/8 2:4, 5 Messias, Jesus Cristo, ´ ao passo
que as ofertas de sacrifıcios sim-
Segunda-feira, 7 de fevereiro bolizavam a morte sacrificial de
˜ ˜ Cristo. (Heb. 9:11-14) Esse sa-
Jesus . . . nao deu consideraçao ´
˜ crifıcio perfeito proveria verda-
a uma usurpaçao, a saber, que ˜
˜ deira expiaçao para dois grupos
devesse ser igual a Deus. Nao,
de pessoas — a classe ˜ sacerdo-
mas ele se esvaziou e assumiu a
tal dos 144 mil irm ´ aos de Cristo
forma de escravo. — Fil. 2:5-7. ungidos por esp
˜ ´ ˜ ırito e as “outras
A esposa crista desejara imitar ovelhas”. (Joao 10:16) Quando o
a Jesus por apoiar a chefia do sumo
´ sacerdote entrava no San-
marido. (1 Ped. 2:21; 3:1, 2) Veja tıssimo, ele prefigurava ´ a´ entra-
˜
uma situaçao em que ela pode fa- da de Jesus no proprio ´ ceu para
zer
˜ isso. Um filho pede permis- apresentar ´ a Jeova Deus o valor
sao para praticar uma ˜ atividade do sacrifıcio de resgate. — Heb.
que exige a aprovaçao dos pais. 9:24, 25. w09 15/9 5:8, 9
ˆ
Quarta-feira, 9 de fevereiro que e treine nossa consciencia
´ para que ela nos seja realmen-
Nos temos a mente de Cristo. ´
te util.ˆ Precisamos escutar nossa ´
— 1 Cor. 2:16.
consciencia treinada pela Bıblia
Se as falhas de outros facilmen- em vez ˜ de deixar
´ que nossas incli-
te nos aborrecem, temos de nos naçoes egoıstas ´ a dominem. De-
perguntar: ‘Como posso refletir vemos tambem nos ˆ esforçar em
melhor “a mente de Cristo”?’ Pro- ˜ respeitar a consci ˜ encia de nossos
cure lembrar-se de que Jesus nao ´ amados irmaos espirituais. Fa-
ficava aborrecido com seus discı- zemos todo esforço para evitar
ˆ
pulos, mesmo quando eles mos- faze-los tropeçar, ˆ tendo em men-
travam certa medida de fraque- te ˜ que a consciencia de nossos ir-
´
za espiritual.
´ Considere o caso maos pode ser mais sensıvel ou
do apostolo Pedro. Quando Je- mais restritiva do que a nossa.
sus lhe disse para sair do´ bar- — 1 Cor. 8:12; 2 Cor. 4:2. w09 15/8
co e andar por cima das aguas, 4:8, 9
Pedro realmente conseguiu ´ fazer
isso por um tempo. Mas daı Pedro Sexta-feira, 11 de fevereiro
olhou para a ventania e começou ´
´ Considero tambem, deveras, to-
a afundar. Sera que Jesus ficou
irado e disse: “Bem feito! das as coisas como perda, por
˜ ˜ Que isso causa do valor superior do co-
lhe sirva de liçao”? Nao! “Esten- ˜
dendo imediatamente a mao,´ Je- nhecimento de Cristo Jesus.
sus agarrou-o e disse-lhe: ‘O` tu, — Fil. 3:8.
´ ´
de pouca fe, por que cedeste a du- Desde pequeno, Robert se des-
vida?’ ” (Mat. 14:28-31) Se um dia tacou nos ˆ estudos. Suas realiza-
tivermos de lidar com a aparen- ˜
´ ˜ çoes academicas como estudante
te falta de fe de um irmao, po- ´
de ensino medio o qualificaram
deremos ˜ simbolicamente´ esten-
para estudar nas melhores ´ uni-
der
´ a mao ´ e ajuda-lo a ter mais versidades de seu paıs. Mas Ro-
fe? Sem duvida, podemos apren-
der do modo brando de Jesus agir bert escolheu renunciar ao que
com Pedro. w09 15/9 1:2, 4, 5 muitos encaravam ´ como uma
oportunidade unica na vida a
Quinta-feira, 10 de fevereiro fim de se empenhar por seu alvo
ˆ de servir como pioneiro regu-
Tende uma boa consciencia. lar. (1˜ Cor. 7:29-31) O que motiva
— 1 Ped. 3:16. crist`aos como Robert˜ a se ´ dedi-
Lamentavelmente,˜ muitas pes- car a obra de prega ´ çao? ´ Alem de ˜
ˆ seu amor a Jeova, que e a razao
soas neste mundo dao importan- ˜
cia demais aos desejos do coraçao principal,
˜ eles consideram ´ a edu-
e pouca, ou nenhuma, aos pa- caçao divina superior. Ja parou
˜ para pensar como seria sua vida
droes estabelecidos
´ na
´ Palavra de ˆ ˜
Deus. (Efe. 4:17-19) E por isso que se voc e n ao tivesse conhecido
tantas pessoas fazem coisas ter- a verdade? ´ Refletir
ˆ ˜ em algumas
´
rıveis, mesmo sendo dotadas de das notaveis bençaos que temos
ˆ
uma consciencia. (1 Tim. 4:2) De- em resultado´ de sermos ´ ensina-
vemos estar determinados a ja- dos por Jeova nos ajudara a man-
mais ser como essas pessoas! Em ter nosso apreço pelas boas novas ´
vez disso, continuemos a permi- e a ser zelosos em compartilha-
tir que a Palavra de Deus edu- las com outros. w09 15/9 4:1, 2
´ e as pessoas envelheciam e mor-
Sabado, 12 de fevereiro ˆ
riam. (Gen.
˜ 3:23, 24) Com o tempo,
Ficamos denodados . . . para a duraçao˜ da vida humana dimi-
falar-vos as boas novas. nuiu. Adao viveu 930 anos. Sem,
— 1 Tes. 2:2. ´
que sobreviveu ao Diluvio, viveu
´ ´ apenas 600 anos e seu filho
Como e bom ouvir boas ´ not
˜ ı- ˜ Arpa-
cias! E as melhores notıcias sao as xade, 438. O pai de Abraao, Tera,
“boas novas” do Reino de Deus, viveu 205˜ anos. Os anos de vida
que nos garantem que o sofrimen- de Abraao foram 175; de seu ´ fi-
to, as doenças, a dor, a triste- lhoˆ Isaque, 180; e de Jaco, 147.
˜ (Gen. 5:5; 11:10-13, 32; 25:7; 35:28;
za e a morte um dia acabarao. As ´
boas novas abrem o caminho para 47:28) Muitas pessoas sem duvi- ´
´ da reconheciam o que esse declı-
a vida eterna, revelam o proposi-
to de Deus e nos mostram˜ como nio significava — a perspectiva
entrar numa amorosa relaçao com de vida eterna havia sido perdida.
ele. Seria de imaginar que todo w09 15/8 1:3
mundo
´ se alegrasse com essas no-
tıcias que Jesus trouxe para a hu- Segunda-feira, 14 de fevereiro
´
manidade.
˜ ´ Infelizmente, porem, Acautelai-vos: talvez haja al-
nao ´ e assim. Jesus disse aos seus ´
˜ guem que vos leve embora como
discıpulos: “Nao penseis que vim ´
presa sua, por intermedio de fi-
estabelecer paz na terra; vim es- ˜
˜ losofia e de vao engano, segun-
tabelecer, nao a paz, mas a espa- ˜
da. . . . Deveras, os inimigos do´ ho- do a tradiçao de homens.
˜ — Col. 2:8.
mem´ serao pessoas de sua propria
famılia.” (Mat. 10:34-36) Em vez ´ ´
Nos tambem temosˆ de tomar cui-
de se alegrar com as boas novas, a dado
maioria as rejeita. Alguns se tor- ´ com as influencias de Sa-
tanas e seu perverso sistema. Fi-
nam inimigos dos que as procla- ´ losofias mundanas, incluindo o
mam, mesmo sendo familiares ın- humanismo secular e a teoria da
timos. w09 15/7 4:1, 2 ˜
evoluçao, moldam o modo de pen-
sar, a moral, os alvos e o estilo ˜ de
Domingo, 13 de fevereiro
` ´ vida das pessoas. A religiao falsa
Quanto a arvore do conheci- promove ativamente muitos ´ feria-
´ ´ dos populares. A industria do en-
mento do que e bom e do que e ˆ
˜ tretenimento explora as tend´en-
mau, nao deves comer dela,
porque no dia em que dela co- cias degradadas da carne´ decaıda,
´ e grande
meres, positivamente morreras. ´ parte do conteudo na in-
ˆ ternet e um perigo real tanto para
— Gen. 2:17. jovens como para adultos. A cons-
´ ´ ˜
O proposito de Jeova para a hu- tanteˆ exposiçao a essas e a outras
manidade ficou evidente logo no tendencias mundanas pode facil-
´ ´
inıcio da historia humana. Deus in- mente afetar nossos sentimentos e
˜
dicou claramente que Adao vive- nossa
˜ atitude ´ para com as instru-
ria para çoes de Jeova, levando-nos ` a afrou-
ˆ sempre se fosse obedien-
te. (Gen. 2:9; 3:22) Os ˜ primeiros ´ xar o nosso ‘firme apego a verda- ´ ´
descendentes de Ad ao sem d u- deira vida’. (1 Tim. 6:17-19) E obvio
vida sabiam ´ que os humanos ˜ ha- que precisamos captar o sentido
viam decaıdo da perfei ˆ çao, algo ´ das palavras de Paulo ´ aos colos-
confirmado por evidencias visı- senses e levar ˜ a serio seu conse-
`
veis. Por exemplo,
´ a entrada do lho, para˜ nao sucumbirmos
´ as ar-
jardim do Eden estava bloqueada maçoes de Satanas. w09 15/7 1:5, 6
Terça-feira, 15 de fevereiro esse ato. Ele disse: “Todo aquele
que persiste em olhar para˜ uma
Sobre estes haja paz e miseri- mulher,
´
cordia, sim, sobre o Israel de ´ a ponto de ter paix˜ ao por
´ ela,
´ ja cometeu no ˆ coraçao adul-
Deus. — Gal. 6:16. terio com ela.” (Exo. 20:14; Mat.
˜ ´
A nova na ç˜ ao, “o Israel de 5:27, 28) ˜ Apos mencionar a inter-
Deus”, compoe-se de israelitas preta ˜ çao farisaica de uma decla-
em sentido espiritual. (Mat.21:43; raç´ ao na Lei (“Tens de amar o teu
` proximo e odiar teu inimigo”), Je-
Rom.
ˆ 2:28, 29; 9:6) Ela veio a exis-
tencia com o derramamento do sus explicou´ o modo de pensar
´ de Jeova, dizendo: “Continuai a
espırito de Deus no Pentecos-
tes de 33 EC. Depois disso, to- amar os vossos inimigos e a orar
˜ ´ pelos que ˆvos perseguem.” (Mat.
dos os cristaos ungidos por espıri- ˜
to se tornaram parte dessa naçao 5:43, 44; Exo. 23:4) Saber como
Deus pensa e sente, e o que ele´ re-
que passou a servir como escra-
quer, nos prepara para imita-lo
vo coletivo designado pelo Amo,
mais plenamente. w09 15/5 4:6
Jesus ˜ Cristo. Todo membro ˆ dessa
naçao recebeu a incumbencia de ´ Quinta-feira, 17 de fevereiro
pregar as boas novas e fazer discı-´ ˜
pulos. (Mat. 28:19, 20) Mas sera Honra a teu pai e a tua mae.
que cada um´ dos membros des- — Mat. 15:4.
se grupo esta envolvido em pro- ˆ `
Pode ser que voces, jovens, as
ver alimento espiritual ˜ no ´ tem- vezes se sintam tentados a de-
po apropriado? Nao. O´ apostolo´ sobedecer aos pais.ˆ Assim, o que
Paulo faz a seguinte
˜ ´ analise: “Ser
´ a pode ajudar voc es a imitar o
que todos ˜ sao apostolos? ´ Sera que exemplo de Jesus e resistir a ten-
todos˜ sao profetas? Sera que to- ˜
taçoes? (Mat. 4:1-10) A maioria de
dos sao instrutores?” (1 Cor. ˜ 12:29) seus colegas de escola com certe-
Apesar de todos ´ os cristaos nasci- za tem pouco ou nenhum respei-
dos por espırito estarem envolvi- ´
˜ to pelas normas bıblicas. Talvez
dos na´ obra de pregaçao, somente tentem induzi-lo a participar em
um numero bem limitado — oito ´
atividades question ˆ aveis e zom- ´
homens — foi usado para escrever bem de voce caso se recuse. Ja o
os 27 ˜livros das Escrituras Gregas chamaram de nomes
Cristas. w09 15/6 4:6, 10 ´ ˆ depreciati-
˜
vos so porque voce nao se jun-
ta a eles em certas atividades?
Quarta-feira, 16 de fevereiro Nesse caso, qual foi a sua rea-
´ ˜ ˆ
Tens de amar o teu proximo çao? Voc e sabe´ que intimidar-´
como a ti mesmo. Eu sou se e acompanha-los desapontar ´ a
´ a seus ´ pais e a Jeova. Que rumo
Jeova. — Lev. 19:18.
tomara a sua vida caso decida se-
Jesus mostrou o que Deus re- guir seus
´ ˆ colegas de escola? Tal-
quer de n os e o que pensa de vez voce tenha estabelecido cer-
seus adoradores. (Mat. 22:36-40; tos alvos, como tornar-se pioneiro
Luc. 12:6, 7; 15:4-7) Por exem- ou servo ministerial, servir em
´ ´
plo, depois de citar ˜ um dos territorio onde ha mais necessi-
Dez Mandamentos´ (“Nao deves dade de publicadores ´ do Reino ou
cometer adulterio”), Jesus escla- ser
˜ betelita. Sera que a associa-
receu como Deus ˜ encara o que çao com ´ seus colegas de escola
acontece no coraçao de um ho- o ajudara a alcançar tais alvos?
mem muito antes de ele cometer w09 15/7 2:16, 17
´
Sexta-feira, 18 de fevereiro tambem: “Vem˜ a hora ´em que to-
´ dos os que est˜ ao nos tumulos me-
Morara Deus verdadeiramente
´ moriais ouvirao˜ a voz [do Filho do
na terra? Eis que os proprios homem] e sairao, os que fizeram
´ ´ ´ ˜
ceus, sim, o ceu dos ceus, nao boas coisas, para uma ressurrei-
te podem conter; quanto menos, ˜
˜ ´ çao de vida, os que praticaram coi-
˜
entao, esta casa que construı! sas ruins, para uma ˜ ressurreiçao
— 1 Reis. 8:27. de julgamento.” (Joao 5:1-8, 19, 22,
24-29) Jesus estava dizendo a esses
No Israel antigo, a casa´ de Deus judeus perseguidores que ele era o
era o templo em´ Jerusal ˜ em. Natu-
designado por Deus para cumprir a
ralmente, Jeova nao habitava ali
esperança judaica de vida eterna
em sentido
´ ˜ literal. Ele declarou: na Terra e que ˜ faria isso por meio
“Os ´ ceus sao o meu trono e a ter-
da ressurreiçao. w09 15/8 2:10
ra˜ e o meu ´ escabelo. Onde, ´ en-
tao, esta a casa que vos me po- ˜ Domingo, 20 de fevereiro
deis
´ construir, e onde, ent ao, ˜
e o lugar como lugar de˜ descanso Eu nao faço parte do mundo.
˜
para mim?” (Isa. 66:1)´ Nao obstan- — Joao 17:16.
te, o templo ˜ construıdo no reina-
do de Salomao servia como princi- Visto que estamos cercados pela
˜ ´ conduta e pelas atitudes des-
pal centro da adora ˜ çao de Jeova,
um local de oraçoes. (1 Reis te mundo, precisamos de coragem
´ 8:28-
˜ ´ ` ˜
para ˜ resistir a contamina˜çao. Os
30) Hoje, ´ a casa de Jeova nao´ e
um edifıcio literal em Jerusalem cristaos enfrentam pressoes mo-
ou em qualquer outro rais, sociais, financeiras e reli-
´ ˜ lugar. Em ˆ
giosas que podem faze-los se des-
vez disso, e a provis
´ ` ao para ado- ´
rarmos a Jeova a base do sacri- viar dos caminhos justos ˜ de Jeova.
´ Muitos sofrem´ oposiçao familiar.
fıcio ´ resgatador de Cristo. Todos ˜
os fieis servos de Deus na Terra Em alguns paıses, instituiçoes de
´ ensino promovem cada vez mais
se unem para adorar ´ a Jeova nes- ˜ ´
se templo simbolico. — Isa. 60:4, a teoria da evoluçao e o˜ ateısmo
8, 13; Atos 17:24; Heb. 8:5; 9:24. tem tido maior ˜ aceita˜ çao. Dian-
w09 15/6 1:4, 5 te dessas pressoes, nao podemos
´ simplesmente
˜ cruzar os braços e
Sabado, 19 de fevereiro nao fazer nada. Precisamos agir
O homem ficou imediatamente para resistir a elas e, desse modo,
˜ nos proteger. O exemplo de Je-
sao, e ele apanhou a sua maca e sus mostra-nos como podemos ser`
˜
começou a andar. — Joao 5:9. bem-sucedidos. Ele nunca cedeu a
´ ˆ
Em Jerusalem, Jesus curou um influencia do mundo. Nunca per-
´ mitiu que o mundo o ˜ impedisse
homem doente no reservatorio de
Betsata. Aos judeus que o critica- de cumprir sua comissao de pre-
ram por isso, Jesus explicou que gar ou ˜ que o fizesse baixar` seus
˜ padr˜ oes no que se refere a ado-
“o
´ Filho nao pode fazer´ nem uma
unica coisa de sua propria iniciati- raçao verdadeira
´ e
´ conduta
˜ apro-
va, mas somente o que ele obser- priada. Nos tambem nao podemos
va o Pai fazer”. Depois de dizer- permitir que isso aconteça conos-
lhes que o Pai havia “confiado todo co. Estudar o exemplo corajoso de
o julgamento ao Filho”, Jesus de- Cristo — e meditar nesse exem-
clarou: “Quem ouve a minha pa- plo — ´ pode dar-nos a coragem ne-
lavra e acredita naquele que me cessaria para permanecer separa-
enviou tem vida eterna.” Ele disse dos do mundo. w09 15/9 2:10, 11
Segunda-feira, 21 de fevereiro (1 Reis 4:30,
´ 32, 34) Muitos de
´ ˜ seus proverbios foram
[Jo] se levantava de manha cedo ˜ colocados
´ por escrito e ainda sao muito va-
e oferecia sacrifıcios queimados lorizados pelos que procuram sa-
´ ´
segundo o numero de todos [os bedoria. A rainha deˆ Saba viajou
´
seus filhos]. . . . Assim Jo fazia cerca de 2.400 quilometros para
´ ˜
sempre. — Jo 1:5. testar a sabedoria ´ de Salomao
Como podemos mostrar com “perguntas difıceis”. Ela fi-
´ que te- cou impressionada com o que Sa-
mos em mente quem e o verda- ˜ ˜
deiro inimigo quando um irmao lomao disse e com a prosperida-
´ de de
sofre uma tragedia? Em vez de ´ seu reino. (1 Reis 10:1-9)
nos distanciarmos dele, agimos A Bıblia identifica ˜ a Fonte da sa-
´
como Eli bedoria de Salomao ao declarar:
´ u do passado, que fa-
lou´ a Jo como verdadeiro amigo. “Todas as pessoas da terra ˜ pro-
˜
Nos nos juntamos ao nosso irmao curavam a face de Salomao para
na luta contra o nosso ´ inimigo ouvir a sua sabedoria ˜ que Deus
em comum, Satanas. (Pro. ´ 3:27; lhe pusera no coraçao.” — 1 Reis
1 Tes. 5:25) ˜ Nosso alvo e ajudar 10:24. w09 15/4 5:12, 13
nosso irmao a manter a integri-
dade, aconteça o que acontecer, Quarta-feira, 23 de fevereiro
˜ ´e ˜
assim alegrar o coraçao de Jeova. ´ Nao vos façais iguais ao cavalo
A primeira´ riqueza que Satanas
e ao mulo sem entendimento.
tirou de Jo foi o seu gado. Esses
animais eram valiosos, provavel- — Sal. 32:9.
mente´ uma
´ fonte de renda. Mas ˜ Alguns adultos jovens se casam
Jo tambem os usava na adoraçao. precipitadamente, achando ser
Depois que come çaram as prova- ˜
˜ ´ ´ essa a solu
˜ çao´ para a infelicidade,
çoes, ˜ isso era impossıvel, pois Jo a solidao, o tedio e os problemas
nao tinha mais essas “coisas va- em casa. No entanto, a´ troca de
liosas” com´ as quais pudesse hon- ´
votos conjugais e algo serio. (Pro.
rar a Jeova. (Pro. 3:9) ´ Mas ele po- 20:25) Nem sempre os adultos jo-
dia
´ honrar a Jeova com os seus vens consideram com seriedade
labios — e fez isso. w09 15/4 2:7, 8 ˆ
as exigencias do casamento. ´ Mais
tarde, descobrem que ha muito
Terça-feira, 22 de fevereiro mais envolvido do que pensavam.
´ Assim, antes de iniciar um na-
Da-me agora sabedoria e conhe-
ˆ moro, pergunte-se: ‘Por que de-
cimento. — 2 Cro. 1:10.
˜ sejo me casar? ´ Que expectativas
Quando
´ Salomao se tornou rei, eu tenho? E essa a pessoa˜ certa
Jeova apareceu a ele num sonho e para mim? Que contribuiçao pos-
disse que lhe ˆ daria o que ˜ solici- so´ dar ao casamento?’ Para aju-
tasse. (2 Cro. 1:7) Salomao pode- da-lo a fazer um exame conscien-´
ria ter pedido mais riquezas, po- cioso, “o escravo fiel e discreto” ja
der ou vida longa. Em vez disso, ´
publicou artigos bem especıficos
altruistamente ele pediu sabedo-´ a respeito.´ (Mat. 24:45-47) Encare
ria e ` conhecimento.
˜ Jeov
˜ a aten- ˆ essas´ materias como conselhos de
ˆ
deu a oraçao de Salomao. (2 Cro. Jeova para voce. ˜Avalie com cui-
1:11, 12) As ˜palavras de sabedoria dado as informaçoes e aplique-as.
que Salomao ´proferiu enquanto ´ Jamais
´ permita se tornar compa-
foi fiel a Jeova eram incompar ˆ a- ravel ‘ao cavalo e ao mulo sem en-
veis entre seus contemporaneos. tendimento’. w09 15/5 2:12, 13
Quinta-feira, 24 de fevereiro fundas”
´ da verdade. (1 Cor. 2:10)
˜ Alem disso,˜ suas faculdades per-
Toma a criancinha e sua mae, ceptivas sao treinadas pelo uso
´ ˜
foge para o Egito e fica ali ate — pela aplicaçao do que conhe-
eu te avisar; porque Herodes cem — ajudando-as a distinguir o
´
esta prestes a procurar a crian- certo ˜ do errado. Diante de uma
´
cinha para destruı-la. decisao a tomar, esse treinamen-
— Mat. 2:13. to´ as ajuda
´ a discernir
˜ que prin-
cıpios bıblicos ´ estao´ envolvidos ´
A vida terrestre de Jesus ti- e como aplica-los. “E necessario
nha certas ´ semelhanças com a prestarmos mais do que a costu-
de Moises. Por exemplo, quando ˜ `
ˆ ´ meira atençao as coisas ouvidas”,
eram beb es, tanto Mois es escreveu Paulo, “para que nun-
como ` Jesus
˜ escaparam da mor-
ˆ ca nos desviemos”. — Heb. 2:1.
te as maos de um tirano. (Exo. w09 15/5 1:3, 5, 6
1:22–2:10) E ambos foram ‘cha-
mados do Egito’. O profeta Oseias ´
Sabado, 26 de fevereiro
declarou:˜ “Quando Israel era ra- ´
paz, entao o amei, e do Egito cha- Ele te machucara a cabeça e tu
´
mei o meu filho.” (Ose. 11:1) lhe machucaras o calcanhar.
` ´ Es- ˆ
— Gen. 3:15.
sas palavras se ˜ referiam a epoca
em que a naç´ ao de Israel, coman- Nessa profecia aprendemos
dada pelo ´ lıder designado por algo sobre
Deus, ´ o custo do livramen-
ˆ Moises, foi retirada do Egi- to. Jeova proveria um “descen-
to. (Exo. 4:22, 23; 12:29-37) No en- ˜ dente”, um resgatador, que um
tanto, as palavras de Oseias nao ´
dia destruiria Satanas, eliminan-
se referiam apenas a um ´ evento do-o por completo. No entanto,
do passado, mas tambem a um esse resgatador sofreria ao lon-
evento futuro. Tratava-se de uma go do caminho, sendo machucado
profecia
´ que se cumpriu quando no calcanhar em sentido figura-
Jose e Maria voltaram do Egito tivo. Isso soa doloroso e debili-
com Jesus, depois da morte do tante, mas o que significa? O que´
Rei Herodes. — Mat. 2:15, 19-23. exatamente o Escolhido de Jeova
w09 15/4 4:8 teria de enfrentar? Para salvar
a humanidade do pecado, o res-
Sexta-feira, 25 de fevereiro gatador teria de prover um meio
˜
Agora que temos abandonado a de redençao, uma maneira de re-
´ conciliar os humanos com Deus
doutrina primaria a respeito do
` por desfazer os efeitos do peca-
Cristo, avancemos a madureza.
— Heb. 6:1. do. O que ´ isso envolveria? Cedo
˜ ´ na hist
˜ oria humana, houve ´ indi-
˜ Paulo nao so incentivou os ´ cris- caçoes de ´ que um sacrifıcio se-
taos hebreus
` do primeiro seculo a ria necessario. Quando o primeiro
avan´ çar a madureza como tam- humano
´ fiel, Abel, ofereceu ´ sa-
bem lhes informou o que esta- crifıcios de animais ˜ a Jeova, ele
va envolvido na madureza es- obteve a aprovaçao de Deus. Mais
piritual. (Heb. ˜ 5:12-14) “Pessoas tarde, patriarcas ´ tementes
˜ a´
maduras” nao se contentam ape- Deus, ´ como Noe, Abraao, ´ Jaco
nas com “leite”.
´ Elas assimilam e Jo, ofereceram sacrifıcios si-
“alimento solido”. Assim, elas co- milares, ˆ que agradaram a Deus.
nhecem tanto as “coisas ele- —´ Gen. 4:4; 8:20, 21; 22:13; 31:54;
mentares” como as “coisas pro- Jo 1:5. w09 15/9 5:6, 7
Domingo, 27 de fevereiro Segunda-feira, 28 de fevereiro
˜ ´ ´
A mulher foi totalmente enga- Nao ha ninguem igual a ele
´
nada. — 1 Tim. 2:14. na terra. — Jo 1:8.
˜ ´
Muitos
´ nao acreditam que Sata- Jo era um homem rico e in-
nas existe. Embora fiquem ˜ alar- fluente, um patriarca de bom ca-
´ ´
mados
˜ com a situaçao mundial, rater moral. E descrito como ho-
nao discernem o verdadeiro ´ ´ cau- mem ‘inculpe e reto, que temia a
sador disso —´ Satanas. E verda- ˜ Deus e se desviava do mal’. ˜ Foi
de que os ˜
´ proprios humanos sao a sua devoçao a Deus ˆ — nao a
respons aveis por grande parte sua riqueza e influencia — que
dos males da humanidade. ˜ Nos- fez dele um alvo dos ataques de
sos primeiros pais, Adao e Eva, ´ ´
Satanas, o Diabo. ´ (Jo 1:1; 29:7-16;
preferiram ser independentes do 31:1)
Criador.
˜ ˜ Satanas ´ afirmou que a ado-
˜ Desde ˆ entao, sucessivas raçao de Jo a ˜ Deus se baseava
geraçoes tem agido de maneira ´
no egoısmo, n´ ao´ na integridade.
muito insensata. Ainda assim, foi
Alegou ´ que Jo so continuaria ˜ leal
o Diabo que induziu Eva a rebelar-
a Jeova se ´ este nao deixasse de
se contra Deus. Foi ele quem de- ˆ
senvolveu entre os humanos im- recompensa-lo e proteg` e-lo. Para
˜
perfeitos e mortais um sistema prover uma resposta a acusaçao
´ ´
mundial sob de Satanas, Jeova permitiu que
´ ´ seu controle. Visto ele atacasse esse homem´ fiel. As-
que Satanas e “o deus deste siste-
ma”, a sociedade humana sim, no decorrer de um unico dia,
´ ´exibe ´
Jo soube que seu gado foi rouba-
as mesmas caracterısticas basicas ´ ´
— orgulho, animosidade, ciume, do ou destruıdo, que a maioria
ˆ ´ de seus ajudantes foram mortos e
ganancia, espırito de engano e de
rebeldia. (2 Cor. 4:4; 1 Tim. que seus´ dez filhos perderam a
´ 3:6; vida. (Jo 1:13-19) Ao inves de
´
Tia. 3:14, 15) Essas caracter´ ısticas ´ su-´
geram conflitos polıticos e reli- cumbir ao ataque ´ de Satan ´ as, Jo
´ ˜ ´
giosos, odio, corrupçao e distur- disse: ´ “O pr oprio
´ Jeov a deu e o
bios, e tudo isto contribui muito proprio Jeova tirou. Continue a
´
para o sofrimento da humanida- ser abençoado o nome de Jeova.”
´
de. w09 15/4 2:4 — Jo 1:21. w09 15/4 1:3-5

˜
Terça-feira, 1.° de março eterna”. “Os justos”
˜ que receberao
a vida eterna sao os ˜ que apoiam
Quando o Filho do homem che-
˜ lealmente os “irm ´ aos” de Cristo
gar . . . , diante dele serao ajun-
˜ ungidos por espırito. (Mat. 25:33,
tadas todas as naçoes, e ele 34, 40, 41, 45, 46) Visto que os un-
´ ˜
separara uns dos outros assim gidos sao escolhidos para ser go-
como o pastor separa as ovelhas vernantes no Reino celestial,
dos cabritos. — Mat. 25:31, 32. ˜ ´ “os
justos” com certeza sao os suditos ´
` terrestres desse Reino.´ A Bıblia
Jesus referiu-se a vida eterna ao ´ ´
falar sobre o fim do sistema. (Mat. predisse: O Rei de Jeova “tera su-
24:1-3) Ele disse que os que rece- ditos
´ de mar a mar e desde o Rio
´ ate os confins da terra”. (Sal. 72:8)
berem um ˜ julgamento desfavora- ´ ˜
vel “partirao para o decepamento Esses suditos viverao para sempre
eterno, mas os justos, para a vida na Terra. w09 15/8 2:6
Quarta-feira, 2 de março o bem ou para o mal. Portanto,
´ ´ pais, perguntem-se: ‘Que mensa-
Se alguem quer vir apos mim, gem estamos passando aos nos-
repudie-se a si mesmo e . . . sos filhos quanto ao tempo que
siga-me continuamente. ˜
gastamos vendo televisao˜ e nos
— Luc. 9:23. divertindo, em comparaçao com
´ o tempo que dedicamos ao estu-
Quanto prazer Jeova deve sen- ˜ ´
tir ao observar entre as multidoes do bıblico˜ e ao serviço de campo?
congregadas de´ seus adoradores Quais sao realmente ´ as priori-
na Terra os` recem-interessados e dades de nossa famılia? Estamos
os jovens! A medida que estudam dando bom exemplo por centrali- ˜
´ ˜ zar nossa ˜ vida e nossas decisoes
a Bıblia,˜ frequentam as reunioes
cristas e aumentam seu conheci- na adoraçao verdadeira?’ A lei di-
mento da verdade que salva vi- vina
˜ deve estar primeiro
˜ no cora-
das, contida na Palavra´ de Deus, çao dos pais, se hao de criar fi-
eles precisam levar a serio o con- lhos tementes a Deus. w09 15/7
vite de Jesus mencionado no tex- 2:11, 12
to de hoje. Jesus diz que negar
Sexta-feira, 4 de março
a si mesmo ´ e tornar-se seu se- ´ ´
guidor e algo que devemos que- O domınio principesco vira a es-
rer fazer. Mas,
´
´ ´ que dizer dos en- tar sobre o seu ombro. E sera cha-
tre nos que ja seguem as pisadas mado pelo nome de Maravilhoso
de Jesus Cristo? Somos ˆ exorta- Conselheiro, Deus Poderoso, Pai
dos a ‘persistir em faze-lo ainda ´
Eterno, Prıncipe da Paz.
mais plenamente’. (1 Tes. 4:1, 2)
— Isa. 9:6.
Quer ˜ tenhamos aceitado a ado- ˜ ˆ
raçao verdadeira
´ ´ recentemente, Jo ao e os outros tr es evan- ´
quer
˜ ha decadas, refletir nas ra- gelistas mencionaram Mois es,
˜
zoes´ para seguir o Cristo ˜ nos aju- Davi e Salomao como homens que
dara a aplicar a exortaçao de Pau- prefiguraram Jesus qual Ungido
lo e a seguir a Jesus de modo de Deus e Rei designado. Em que
ainda
´ mais pleno na nossa vida sentido esses servos de Deus do
diaria. w09 15/5 4:1, 2 passado proveram vislumbres de
Jesus, e o que nos ensinam ´ esses
Quinta-feira, 3 de março relatos? Em resumo, a Bıblia diz
´
Estas palavras que hoje te orde- que Moises foi profeta, mediador
ˆ e libertador. O mesmo se aplica a
no tem de estar sobre o teu ´
˜ Jesus. Alem de pastor, Davi foi
coraçao. — Deut. 6:6.
´ um rei que derrotou ´ inimigos
´ de
Jesus e um excelente
˜ modelo Israel. Jesus tambem e pastor e
para os pais cristaos. Como
ˆ as- rei vitorioso. (Eze. 37:24, 25)˜ En-
sim? Com amor ´ e paciencia en- quanto ainda era fiel, ´ Salomao foi
sinou seus discıpulos por meio um governante sabio e, sob seu
de suas palavras e seu exem- reinado, Israel teve paz. ´ ´ (1 Reis
plo. Mostrou˜ a eles como cum- 4:25, 29) Jesus ´ tamb´ em e supre-
prir a missao que˜ lhes dera. (Luc. mamente
´ sabio e e´ chamado de
8:1) A disposiçao e atitude´ de Je- “Prıncipe da Paz”. E evidente que
sus para com seus discıpulos os o papel de Cristo Jesus se pare-
ensinou como deviam
˜ tratar uns ce ao daqueles homens do´ passa-
aos outros. (Joao 13:14-17) Os fi- do, mas ´ Seu lugar no proposito de
lhos tendem a imitar os pais, para Deus e superlativo. w09 15/4 4:4, 5
´ ˜ ´
Sabado, 5 de março de Salomao, que descreveu varias
coisas que trazem felicidade
´ para
Tende intenso amor uns pelos quem adora a Jeova. (Pro. 3:13;
outros. — 1 Ped. 4:8. 8:32, 33; 14:21; 16:20) Jesus enfa-
Em todo o mundo, tizou que a verdadeira felicidade
´ ˜ as Testemu- vem de˜ coisas relacionadas com a
nhas de Jeov a s ao conhecidas ´ ´
por demonstrarem na pratica seu adoraçao de Jeova e o cumprimen-
amor semelhante ao de Cristo. to das promessas´ divinas. Os que
Veja o exemplo das Testemunhas aplicam os princıpios contidos
˜ nos
´
´ ensinamentos de Jesus sao atraı-
de Jeova que se ofereceram para ´
prestar ajuda depois que tem- dos a Jeova, “a fonte da vida”. (Sal.
˜ 36:9; Pro. 22:11; Mat. 5:8) Jesus
pestades ´ e furacoes devastaram
grandes areas no sul dos Estados Cristo personifica a “sabedoria de
Unidos em 2005. Motivados pelo Deus”.ˆ (1 Cor. 1:24, 30) Como
´ Rei
exemplo de Jesus, mais de 20 messianico, ele tem “o espırito de
´ mil sabedoria”. — Isa. 11:2. w09 15/4
trabalharam como volunt arios, ´
muitos deixando casas conforta- 5:14
veis e empregos ˜ seguros para aju-
dar˜ seus irmaos afligidos. Duas ir- Segunda-feira, 7 de março
´
m as carnais, vi uvas, colocaram Ele estava sendo traspassado
seus pertences numa picape ˜
ˆ e diri- pela nossa transgressao.
giram mais de 3 mil quilometros
— Isa. 53:5.
para ajudar.
˜ Mais de 5.600 casas
´
de irm ˜ aos e de outras pessoas
´ na Isaıas predisse que o Messias se-
regiao foram reconstruıdas ou re- ria rejeitado, perseguido e execu-
formadas. Em muitos ´ casos, Tes- tado, ou traspassado, para levar os
temunhas de Jeova desabrigadas pecados de humanos imperfeitos. `
permaneceram
˜ ´ em suas acomoda- (Isa. 53:4, 7) Antes de vir a Ter-
ˆ
çoes temporarias por um ano ou ra, o Filho unigenito de Deus sabia
mais depois de´ suas casas ˆ terem o que o nosso livramento exigiria
sido reconstruıdas.` Por que?˜ Para dele. Ele teria
deixar ´suas casas a disposiçao dos ˜ de sofrer terrivel-
mente e entao ser morto. Quando
voluntarios ´ que prestavam ajuda seu ´ Pai lhe ensinou essas verdades,
humanitaria. Que exemplo em de- sera que ele recuou ou se rebelou?
monstrar a atitude mental de Cris- ´
Ao contrario, ` ele de ˜ bom grado se
to! w09 15/9 3:12-15 submeteu as instruçoes de seu Pai.
(Isa. 50:4-6) Da mesma maneira,
Domingo, 6 de março enquanto na Terra, Jesus de modo
ˆ obediente cumpriu a vontade de
Felizes os conscios de sua neces- ˆ
sidade espiritual, porque a eles seu Pai. Por que? Ele deu a respos-
´ ta nestas palavras: “Eu amo o Pai.”
pertence o reino dos ceus. ´
E outra resposta nestas: “Ninguem
— Mat. 5:3.
tem maior
´ amor do que este, que
Evidentemente, apenas um hu- alguem entregue a sua alma ˜ a fa-
mano vor de seus amigos.” (Joao 14:31;
˜ superou a sabedoria de Sa-
lomao. Esse foi Jesus Cristo, que 15:13) Portanto, nosso livramento
descreveu a si mesmo como ˜ “algo se deve, em grande ´ parte, ao amor
maior do que Salom ao”. (Mat. ˜ do Filho de Jeova. Apesar de isso
12:42) Jesus falou ˜ “declaraçoes de ter lhe custado sua vida humana
vida eterna”.˜ (Joao 6:68) Por exem- perfeita, ele se agradou em fazer
plo, o ´ Sermao do Monte ampliou ´ os isso para trazer nosso livramento.
princıpios de alguns dos proverbios w09 15/9 5:10, 11
Terça-feira, 8 de março te aos pequeninos.” (Luc.
´ 10:21)
´
Como servos de Jeov´ a, sera que
Se . . . sou eu a quem procurais,
˜ podemos atribuir a nos mesmos a
deixai ir a estes. — Joao 18:8. sabedoria de ˜ termos encontrado
Jesus manifestou grande ´ co- a verdade?
´ Nao. De fato, por nos- ´
ragem durante seu ministerio. sa propria iniciativa nunca terıa-
Exercendo sua autoridade como mos chegado a conhecer´ a Deus.
Filho de Deus, ele destemida- Jesus disse: “Ninguem pode vir
mente “entrou no templo e lan- a mim, a menos que o Pai, ˜ que
çou fora todos os que vendiam me enviou, o atraia.” (Joao 6:44) ˜
e compravam no templo, e der- Por meio´ da obra de prega ´ çao´
rubou as mesas dos cambistas e e do espırito santo, Jeova esta
as bancas dos que vendiam pom- atraindo pessoas semelhantes ´
bas”. (Mat. 21:12) Quando os sol- a ovelhas, “as coisas
˜ desejaveis
dados de˜ todas as naçoes”. (Ageu 2:7)
´ vieram prender Jesus em
sua ultima noite na Terra, ele co- Nao se sente´ grato por ser um
rajosamente se identificou para dos que Jeova atraiu a seu Filho?
´
proteger seus discıpulos, dizendo — Jer. 9:23, 24. w09 15/9 4:4, 5
as palavras do texto de hoje. Mo-
mentos depois, ele disse a Pedro Quinta-feira, 10 de março
para guardar sua espada, mos- ˆ ´
Se sabio, filho meu, e alegra meu
trando assim ˜
˜ que a fonte de sua coraçao, para que eu possa re-
`
confiança nao eram´ as armas
˜ ter- plicar aquele que me escarnece.
renas, mas ˜ Jeova. (Joao 18:11) — Pro. 27:11.
Jesus nao´ teve medo de expor ´ ´
os insensıveis falsos instrutores Jeov a permitiu que Satan as
de seus dias e seus ensinamen- provasse a integridade ´ de Seu
tos errados. (Mat. 23:13, 23, 25) leal servo
´ J o. Como resulta-
´
Os discıpulos de Jesus precisa- do, Jo perdeu ´ o gado, os filhos
riam ter´ coragem similar porque e a saude. No entanto, ao ´ de-
´
falsos lıderes religiosos tambem safiar´ a ˜ integridade de Jo, Sa-
os perseguiriam e matariam al- tanas nao tinha em mente ape-
guns deles. — Mat. 23:34; 24:9. nas esse homem. “Pele por pele,´
w09 15/9 2:12, 13 e tudo o que o homem tem dar ´ a
pela sua alma”, afirmou Satanas.
Quarta-feira, 9 de março Esse desafio levantou uma ques-
´ ˜
[Deus] da benignidade imereci- tao que passou ´ a envolver
´ ´ mui-
da aos humildes. — 1 Ped. 5:5. tos outros alem de Jo e ja se es-
tendeu por muito ´ tempo desde˜ a
Como podemos nos qualificar
´ sua morte. (J ´ o 2:4) Numa ˜ visao ´
para receber
˜ os benef ıcios da dada ao apostolo Joao, Satanas
educaçao divina?
´ Um importante foi observado acusando os servos
requisito e que a pessoa seja hu- de Deus´ depois de ter sido ´ expul-
milde e esteja disposta a apren- so do ceu algum tempo apos o es-
der. O´ salmista ´ Davi escreveu: tabelecimento do Reino ´ de Deus
“[Jeova] ensinara aos mansos o em˜ 1914. Sim, ate mesmo hoje,
seu caminho.” (Sal. 25:8, 9) E Je- tao perto do fim ´ deste perverso
sus disse: “Escondeste cuidado-
´ sistema, Satanas ainda desafia a
samente estas coisas dos sabios integridade dos servos de Deus!
e dos intelectuais, e as revelas- — Rev. 12:10. w09 15/4 2:1, 2
Sexta-feira, 11 de março gador que tinha grande conheci-
˜ mento da verdade. No entanto,
A criaçao [humana] estava su-
` ` ocasionalmente
´ ele mesmo acha-
jeita a futilidade . . . a base da va dif˜ ıcil pregar. Eleˆ escreveu aos
esperança. — Rom. 8:20. cristaos em Tessalonica: “Depois
´ ´ de primeiro termos sofrido e ter-
A primeirıssima profecia da Bı- ˆ
blia apontou para um “descen- mos sido tratados com insolen-
dente” que ‘machucaria a cabe- cia em Filipos (conforme sabeis),
ˆ ficamos denodados, por meio de
ça da serpente’. (Gen. 3:1-5, 15)
Essa promessa forneceu uma nosso Deus, para falar-vos as boas
base para a esperan ça de que novas de Deus com bastante luta.”
˜ (1 Tes. 2:2) Em Filipos, as autori-
Deus
´ nao abandonaria seu pro-
posito para a humanidade. Veja dades ordenaram que Paulo e seu
˜ companheiro Silas fossem espan-
o caso de Abra ao. Quando foi
provado, ele “a bem dizer ofere- cados com varas, encarcerados e
ˆ
ceu Isaque, . . . seu unigenito”. presos no tronco. — Atos 16:16-24.
˜
(Heb.ˆ 11:17) Por que Abraao se w09 15/7 4:3, 4
dispos˜ a fazer isso? (Heb. ˜ 11:19)
Abraao cria na ressurreiçao! Ele Domingo, 13 de março
tinha´ base para crer nela. Afinal, ˜ ˜ ´
Elas nao serao jamais destruı-
Jeova havia revitalizado a ˜ capaci- ´ ´
das, e ninguem as arrebatara da
dade reprodutiva de Abraao e tor- ˜ ˜
´ minha mao. — Joao 10:28.
nado possıvel que ele e sua es- ˜
posa, Sara, tivessem ˆ um filho na Na Festividade´ da Dedicaçao,
idade avançada. (Gen. 18:10-14; em Jerusalem, Jesus ´ disse
˜ aos
˜ seus opositores:
21:1-3; Rom. ´ 4:19-21) Abraao ti- ˜ “Vos nao acredi-
nha tamb em esta promessa de tais, porque nao sois das minhas
´ ´
Jeova: “O que ser ovelhas. Minhas ovelhas escu-
´ a chamado ´ teu
descendente serˆ a por intermedio tam a minha voz e eu as conheço,
de Isaque.” (Gen. 21:12) Portan- e elas me seguem. ˜ E eu lhes dou´
˜ ´
to, Abraao tinha solidos motivos vida eterna.” (Joao 10:26-28)` Sera
para esperar que Deus ressuscita- que Jesus
´ se referia apenas a vida
ria Isaque. w09 15/8 1:4, 5 no´ ceu, ou tinha em mente tam-
´ bem a´ vida eterna numa Terra
Sabado, 12 de março paradısica? Pouco antes, ele ha-
Se me perseguiram a mim, via consolado ˜ seus seguidores di-
˜ ´ ´ zendo: “Nao temas, pequeno re-
perseguirao tambem a vos.
˜ banho, porque vosso Pai aprovou
— Joao 15:20. dar-vos
´ ˜ ˜ o reino.” (Luc. 12:32) Por
Em muitos paıses ˜ nao temos ocasiao dessa ˜ mesma ´ Festividade
uma persegui ç ao direta, mas da Dedicaçao, porem, Jesus disse: ˜
com certeza enfrentamos despre- “Tenho
˜ outras ovelhas, que nao
zo e apatia.
´ Por isso, precisamos sao ´ deste aprisco; a estas ˜ tam-
de fe e coragem para perseve- bem tenho de trazer.” (Joao 10:16)
rar em pregar as boas novas ` com Assim, quando Jesus falou a es-
destemor.
ˆ (2 Ped. 1:5-8) ´ As vezes, ses ´ opositores, suas palavras in-
voce talvez ache ´ difıcil partici- cluıam tanto a esperança de vida
par no ministerio, ou certo aspec- celestial para o “pequeno reba-
to dele ´ lhe pareça intimidador. nho” como a esperança de˜ vida
O apostolo Paulo, por exemplo, eterna na Terra para milhoes de
era um corajoso e destemido pre- “outras ovelhas”. w09 15/8 2:12
Segunda-feira, 14 de março A resposta encontra-se ˜ no tex-
to de hoje, na soluçao da˜ disputa ´
Nunca homem algum falou a respeito da distribui çao diaria
˜ ` ´
como este. — Joao 7:46. de comida as viuvas. (Atos 6:1-3)
´ ´ Asˆ novas medidas
A Bıblia nos da uma ideia do im- ˜ ´ ` resultaram nas
pacto que Jesus causou nos que ti- bençaos de Jeova a medida que “a ´
veram a oportunidade de ouvi-lo palavra de Deus´ crescia e o nu-
ensinar. Por exemplo, o evangelis- mero dos discıpulos multiplicava- ´
ta Lucas conta que as pessoas na se grandemente em Jerusalem”.
cidade onde Jesus se criou ‘mara- (Atos 6:7) Portanto, a responsa-
vilhavam-se bilidade principal pela obra de
´ das palavras cativan- alimenta
˜
çao espiritual cabia aos
tes que saıam de sua boca’. Ma- ´
teus informa que os que ouviram o apostolos. — Atos 2:42. w09 15/6
˜ 4:7, 8
Sermao do Monte de Jesus ‘fica-
ram assombrados com ˜ o seu modo
de ensinar’. E Joao observa que Quarta-feira, 16 de março
os guardas que haviam sido envia- Falai a verdade, cada um de
dos para prender Jesus voltaram ´ ´
˜ vos com o seu proximo.
de maos vazias, dizendo: “Nunca ´
— Efe. 4:25.
homem algum falou como este.” ˆ
(Luc. 4:22;
´ Mat. 7:28) Jesus foi, Poncio Pilatos, governador
´ ro-
sem
´ duvida, o maior Instrutor que mano do primeiro seculo, refletiu
ja viveu. Ele ensinava ´ com clare-
´ um conceito distorcido da verda-
za, simplicidade e logica irrefut˜ a- de quando cinicamente
´ perguntou˜
vel. Usava habilmente ilustraçoes a Jesus: “Que e verdade?” (Joao
´
e perguntas. Adaptava seu ensino 18:38) Hoje em dia ha muitos con-´
aos ouvintes, fossem˜ eles pessoas ceitos conflitantes sobre o que e
de destaque ou nao. As verdades´ verdade. Muitos dizem´ que a pa-
que ele ensinava ´ eram faceis de lavra “verdade” tem varias nuan-
compreender, porem bem profun- ças de sentido, ou que a verda-
das. w09 15/7 3:1, 2 de difere de uma pessoa para
´
outra. Outros so falam a verda-
Terça-feira, 15 de março de se´ fazer isso for conveniente
´ ou pratico. O livro The
Nos mesmos nos devotaremos . . .
´ ˆ Importance
ao ministerio da palavra. of Lying (A Importancia de Men-
tir) diz: “A honestidade pode ser
— Atos 6:4.
um ideal nobre, mas pouco vale na
´
A tarefa principal dos 12 aposto- lutaˆ de vida ou morte pela sobre-
los designados por Jesus envolvia vivencia e segurança. O homem ˜
ser enviados para pregar as boas tem pouca escolha nessa questao
novas. (Mar. 3:13-15) Essa incum- — ele precisa ´ mentir para sobrevi-
ˆ
bencia´ se harmonizava com o sen- ver.”
´ Como e diferente com os dis-
tido basico da palavra grega apos- cıpulos de Cristo! O conceito ˜ de
tolos, derivada de um verbo que Jesus´ sobre a verdade nao era fi-
significa simplesmente
` “enviar”. losofico. ´ Ele sempre falou a verda-
No entanto, a medida que ˜ o tem- de. Ate mesmo seus inimigos re-
po˜ passava e a congregaçao cris- conheceram:
´ “Instrutor, sabemos
ta estava prestes a´ ser estabeleci- que es veraz e que ensinas o cami-
da, o papel de apostolo tornou-se
ˆ nho de Deus˜ em verdade.” ´ (Mat.
um “cargo de superintendencia”. 22:16) Cristaos genuınos ˜ imitam
(Atos 1:20-26) Qual era o ´ inte- o exemplo de Jesus. Nao hesitam
resse principal dos 12 apostolos? em falar a verdade. w09 15/6 3:1-3
Quinta-feira, 17 de março pensar de Deus nos ajuda a trei-
nar nossas faculdades percepti-
Quem me tem visto, tem visto
´ ˜ vas. Considere
˜ o exemplo de uma
tambem o Pai. — Joao 14:9. crista chamada Orchid. Ela diz:
Quando lemos nos Evangelhos “O lembrete ´ que mais influencia a
que Jesus sentia pena dos ne- minha vida
´ e aquele a respeito de
cessitados, empatia pelos que so- ler a Bıblia regularmente. Levei ´
˜
friam e indignaçao com seus dis- cerca de dois anos para ler a Bı-
´
cıpulos por˜ terem repreendido blia inteira, mas parecia que eu
crian
´ ças, nao imaginamos tam- estava conhecendo meu Criador
bem o˜ Pai sentindo essas mesmas pela primeira vez. Aprendi a res-
emo ˜ çoes? (Mar. 1:40-42; 10:13, 14; peito de seus caminhos, o que o
Joao 11:32-35)
˜ Pense em como agrada e o desagrada, a magnitu-
as açoes de Jesus nos ajudam a de de seu poder e a profundeza de
´
identificar os˜ principais ´ atributos sua sabedoria. Ler a Bıblia todos
de Deus. Nao e verdade que os os dias tem me sustentado duran-
milagres que Cristo realizou de- te alguns dos piores momentos da
monstram o ` tremendo ˜ poder que minha vida.” w09 15/5 1:7
ele tinha a disposiçao? Mas ele
nunca usou esse poder em pro-
´
´ Sabado, 19 de março
veito proprio ou para prejudicar ˜
outros. O Filho do homem nao veio para
ˆ (Luc. 4:1-4) Com quanta que se lhe ministrasse, mas para
veemencia seu ato de expulsar do
templo comerciantes gananciosos ministrar e dar a sua alma como
mostra seu senso ˜ de justiça! (Mar. resgate em troca de muitos.
11:15-17; Joao 2:13-16) Seus ensi- — Mat. 20:28.
namentos e as palavras cativan- ˜
tes que usava para tocar o coraçao Refletir sobre a humilde atitu-
das pessoas indicam ˜ que ele era de mental de Jesus pode nos aju-
“maior do que Salomao” em sabe- dar a ‘comportar-nos como ˜ me-
doria. nores’ entre nossos irmaos. (Luc.
´ (Mat. 12:42) O que mais po- 9:46-48)
derıamos dizer a respeito do amor ˜ Fazer´ isso contribui para
que Jesus demonstrou por entre- a uniao. Jeov ´ a, como pai de uma
´ grande famılia, deseja que seus
gar sua alma ˜ em benefıcio´ de ou- ˜
tros, a nao ser que “ninguem tem filhos ‘morem juntos em uniao’,
˜ ou seja, que se deem bem. (Sal.
maior amor do que este”? — Joao
15:13. w09 15/5 4:7, 8 133:1) Jesus orou ˜ a seu Pai pedin-
do que os cristaos verdadeiros fos-
Sexta-feira, 18 de março sem unidos, para que, como disse
Todo aquele que toma leite des- ele, “o mundo tenha conhecimen-
to de que tu me enviaste e que
conhece a palavra da justiça,
´ os amaste ˜ assim como amaste a
pois e criancinha. — Heb. 5:13. mim”. (Jo ao 17:23) Assim, a nos-
˜
Para atingir a madureza, temos sa uniao ajuda a nos identificar
de conhecer bem a palavra de como seguidores ˜ de Cristo. Para
´
Deus, a sua mensagem para nos.´ ter essa uniao, temos de ter o
Visto que essa mensagem est´ a mesmo
` conceito
˜ de Cristo quanto
contida na Palavra de Deus, a Bı- as imperfeiçoes de outros. Jesus
blia, devemos ser bons estudantes
˜ era perdoador e ensinou que ´ ape-
das Escrituras e das publicaçoes nas por sermos perdoadores ˜ e que
do “escravo fiel e discreto”. (Mat. podemos receber perdao. — Mat.
24:45-47) Assimilar o modo de 6:14, 15. w09 15/9 1:6, 7
´
Domingo, 20 de março agua
´ quando, sob suas ordens, as
aguas do Nilo e seus banhados de
Tinham consigo o livro da lei de
´ ˆ junco se transformaram em san-
Jeova. — 2 Cro. 17:9. gue, o mar Vermelho foi dividido
´
No mundo inteiro, nos nos e´ de uma ˆ rocha no deserto jorrou
´ em- `
penhamos em ensinar a Bıblia as agua. ´ (Exo. 14:21; 17:5-7) Jesus
´
pessoas, pois ela e a Palavra de tambem realizou milagres ´ que
Deus. Fazemos esforço especial tinham a ver com a agua. Seu
para ler textos diretamente da primeiro
´ milagre foi transformar
´ ´
Bıblia no nosso ministerio. Cer- agua em vinho˜ numa festa de ca-
ta moradora disse a Linda, ´ uma samento. (Joao 2:1-11) Mais tar-
Testemunha de Jeova, que seu de, ele acalmou o agitado ´ mar da
marido tinha sofrido um˜ derra- Galileia. E certa vez ´ ate mesmo
me ´ e precisava da aten ˜ çao dela. caminhou sobre a agua. — Mat.
Daı, lamentou: “Eu nao sei o que 8:23-27; 14:23-25. w09 15/4 4:9
fiz para Deus permitir que isso
acontecesse comigo.” Linda res- Terça-feira, 22 de março
pondeu: “Posso lhe garantir uma ´ ˜ ´
´ Mas associaçoes estragam habi-
coisa?” Daı ela leu as palavras de ´
tos uteis. — 1 Cor. 15:33.
Tiago 1:13 e acrescentou:
´ “O so-
frimento que nos e nossos entes Quando se trata ˜ de amizades,
˜ ´ as pessoas sao como esponjas.
queridos˜ enfrentamos nao e uma
puniçao da parte de Deus.” Nis- Tendemos a absorver qualquer
so a moradora lhe deu um calo- coisa que nos cerca. Nosso Cria-
roso abraço. Linda reconheceu: dor sabe muito bem como as
´ ´
“Pude` conforta-la usando a Bı- amizades podem ˜ ´ ser perigosas
blia. As´ vezes, lemos diretamen- — ou entao uteis — para hu-
´
te da Bıblia certos versıculos que manos imperfeitos.
´ ´ De modo que
o morador nunca antes ouviu fa- ele nos da este sabio conselho: ´
lar.” Essa´ conversa levou a um “Quem anda ´ com ´ pessoas s´ abias
estudo bıblico domiciliar regu- tornar-se-a sabio, mas ira mal
lar com essa senhora. w09 15/6 com aquele
´ que tem tratos com
2:7, 9 os estupidos.” ´ (Pro. 13:20) Ne-
nhum de nos quer ‘ir mal’. ´ Todos
Segunda-feira, 21 de março desejamos ‘nos tornar sabios’.
´ ˜
˜ Jeov
´ a nao pode ´ se ´ tornar mais
Toma teu bastao e estende tua sabio do que ja e,´ nem ser cor-
˜ ´
mao sobre as aguas do Egito, so-
rompido por algu ´ em. Mesmo as-
bre os seus rios, sobre os seus ca-
sim, ele nos da um belo exem-
nais do Nilo e sobre os seus banha-
plo quando se trata de amizades.
dos de juncos, e sobre todas as
´ Pense nisso — que ´ humanos im-
suas aguas represadas, ˆ para que perfeitos Jeov ´ a escolhe como
se tornem sangue. — Exo. 7:19.
amigos? ˜Jeova chamou o patriar-
´
Tanto Moises como Jesus rea- ca Abraao de “meu amigo”. (Isa.
lizaram milagres ´ como prova do´ 41:8) Esse homem era muito fiel,
apoio de Jeov
´ a. Segundo a Bı- justo ´ e obediente — um homem ´
blia, Moises foi o primeiro ˆ ho- de f e. (Tia. 2:21-23) Esse ´ e o
mem a realizar milagres. (Exo. tipo de´ amigo que Jeova esco-
4:1-9) Por exemplo, ele reali- lhe, ate mesmo nos dias de hoje.
zou milagres relacionados com w09 15/8 4:11, 12
´
Quarta-feira, 23 de março palavras da fe”? Paulo escreveu:
`
´ “Continua
´ ` a aplicar-te
˜ a leitura
Satanas passou a entrar no
´ publica, a exortaçao, ao ensino.
meio deles. — Jo 1:6. Pondera estas coisas; absorve-te
´ nelas.” (1 Tim.
A narrativa inicial ˜do livro´ de Jo ´ 4:13, 15) Para ha-
descreve uma reuniao no ceu em ver melhora e preciso estudo ˜ pes-
˜ soal diligente. A expressao “ab-
que os anjos tomaram ´ sua
´ posiç´ ao
perante Jeova. Satanas tambem sorve-te” transmite a ideia de
˜ mergulhar
estava presente
´ ´ e fez acusaçoes ˜ ´numa atividade. Quais´
contra Jo. (Jo 1:6-11) Embora Sa- sao seus habitos de estudo? Esta
´ ´ absorto nas “coisas profundas de
tanas mencionasse os bens ˜ de Jo,
ele focalizou sua atençao em de- Deus”? (1 Cor. 2:10) ´ Ou se es-
safiar a integridade dele. O termo força apenas o mınimo? ˆ Ponde-
“integridade” transmite a ideia de rar a respeito do que
˜ voce estuda
ser correto, inculpe, justo e ir- motiva seu coraçao. — Pro. 2:1-5.
´ w09 15/5 2:15, 16
repreens
´ ıvel. Conforme usado na
Bıblia, a integridade ˜ denota ˜ple-`
nitude de devo´ çao de coraçao a Sexta-feira, 25 de março
pessoa de Jeova. ˜ Mais tarde,
´ hou- ´ Em amor fraternal, tende terna
ve outra reuniao no ceu. ˜
˜ Satanas afeiçao uns para com os outros.
voltou
´ a fazer acusaçoes contra Tomai a dianteira em dar honra
Jo, dizendo: “Pele por pele, ´ e tudo uns aos outros. — Rom. 12:10.
o que o homem tem dara pela sua
alma.” Ao dizer isso,˜ ele questio- Pedro, que foi beneficiado pelo
nou
´ a integridade nao apenas de amor
˜ de Jesus, incentivou ˜ os cris-
Jo mas de qualquer “homem”, ´ ou taos a cultivar “afeiçao fraternal
pessoa, que adora a Jeova. De- sem hipocrisia”
ˆ ` e a demonstrar
pois´ disso, Deus permitiu´ que Sa- “obediencia a verdade”. Eles de-
tanas atacasse Jo´ com uma dolo- vem ‘amar uns aos ˜ outros intensa-
rosa doença. — Jo 2:1-8. w09 15/4 mente de coraçao’. (1 Ped. 1:22)
1:4, 6 Hoje, mais do que nunca, preci-
samos desenvolver
` qualidades se-
Quinta-feira, 24 de março melhantes as de Cristo. Atual-
´ ˜
O espırito pesquisa todas as coi- mente, a pressao sobre o povo de
´ Deus se intensifica. Nada que faça
sas, ate mesmo as coisas pro-
parte deste velho mundo deve
fundas de Deus. — 1 Cor. 2:10.
˜ ` merecer a nossa confiança, como
Chamando a aten ˜ çao a impor-
´ a recente
˜ crise financeira mun-
tante designa ç ao de Tim oteo, dial t˜ ao claramente demonstra.`
Paulo escreveu: “Eu te mando so- (1 Joao 2:15-17) Em vez disso, a
lenemente, perante Deus e Cristo medida que o fim deste sistema se
Jesus, . . . prega a palavra, ocupa- aproxima, precisamos ´ nos ache-
te nisso urgentemente.” E acres- gar mais a Jeova e uns aos outros,
centou: “Faze a obra dum evange- cultivando amizades
˜ verdadeiras
lizador,´ efetua plenamente o teu na congregaçao. Pedro enfatizou
ministerio.” (2 Tim. 4:1, 2, ´5) Para esse ponto ainda mais ao dizer:
cumprir essa tarefa, Timoteo ti- “Acima de tudo, tende intenso
nha de estar ´ “nutrido com as pa- amor uns pelos outros, porque ˜ o
lavras
ˆ da fe”. (1 Tim. 4:6) Como amor cobre uma multidao de pe-
voce pode estar “nutrido com as cados.” — 1 Ped. 4:8. w09 15/9 3:12
´
Sabado, 26 de março tarmos
´ as casas em diversos ho-
Cuidadosamente ocultos rarios e em dias diferentes, ´ tal-
vez consigamos falar com varios´
[em Cristo] se acham todos membros de uma mesma famılia.
os tesouros da sabedoria e Muitos dos atuais servos de Deus
do conhecimento. ˆ ˜
tem mostrado disposiçao de dei-
— Col. 2:3. xar suas casas e mudar-se para
onde a necessidade de Testemu-
˜ Dizer que todos os tesouros˜ es- ´ ´
nhasˆ de Jeova zelosas e maior.
tao “ocultos” em Cristo nao signi-
fica que estejam bloqueados, ou Voce pode´ fazer o ˜ mesmo? Al-
´ guns de nos, que nao podem se
fora do alcance de alguem. Em
vez disso, significa simplesmente mudar, talvez possam tentar dar
que, para achar esses tesouros, testemunho
˜ a pessoas de nossa
´ regiao que falam outro idioma.
e preciso fazer
˜ muito esforço e
ter a atençao voltada para Jesus w09 15/6 2:7, 8
Cristo. Isso se harmoniza com o
que Jesus disse sobre si mesmo: Segunda-feira, 28 de março
´ ´ ´
‘Eu sou o caminho, ´ a verdade e [Jeova] guardara o proprio
a ˜ vida. Ninguem vem ao Pai se- ˜
˜ caminho dos que lhe sao
nao por mim.’ (Joao 14:6) Sim, leais. — Pro. 2:8.
para encontrar o conhecimento ´
sobre Deus, precisamos da ajuda Contrario ao que afirma ´ o Dia- ˆ
˜ ´ bo, nosso amor a Deus e esponta-
e das instruçoes de Jesus. Alem
de ser “o caminho”, Jesus disse neo e incondicional. (Rev. 12:10)
´ Esse amor sincero nos fortalece
que ele e ‘a verdade e a vida’. Isso
indica que seu papel vai muito para manter a integridade quan-
´ do somos provados. (Sal. 97:10)
alem de ser o meio de ´ se achegar
ao´ Pai. Jesus tambem exerce pa- O amor nos motiva ´ ˜ a honrar o
peis vitais no processo de enten- nome de Jeov a nao importa o
´ quanto
der verdades bıblicas e ganhar a ˆ nos sintamos limitados. ˜ ˜
vida eterna. w09 15/7 1:7-9 Ele ve nossa boa motiva ˜ çao e nao
nos condena caso nao possamos ´
Domingo, 27 de março fazer tudo o que ˜ gostar
´ ´ ıamos. O
´ que importa nao´ e so o que faze-
Eles davam volta atraves das ci-
´ mos, mas tambem por que o fa-
dades de Juda e ensinavam entre
ˆ zemos. Apesar de sua tristeza e
o povo. — 2 Cro. 17:9. de´ tudo o que teve de suportar,
Ao´ nos empenharmos no´ mi- Jo expressou aos seus acusado-
nisterio de casa em casa, ate que res seu ´ amor ´ pelos caminhos´ de
ponto cobrimos cabalmente ´ o Jeova. (J ´ o 10:12; 28:28) No ´ ulti-
´
nosso territorio designado? E in- mo capıtulo do livro de Jo, Deus
teressante que, no terceiro ano externou sua ira contra ˜ Elifaz,
´
de seu reinado, Jeosafa convocou Bildade e Zofar por nao terem
´
cinco prıncipes, nove levitas e falado a verdade. ´ Ao mesmo tem-
dois sacerdotes e os enviou numa po, Jeov´ a indicou ´ que aprova-
viagem por todas as cidades
´ para va Jo por chama-lo quatro vezes ´
ensinar as leis de Jeov
˜ a ao povo. de “meu servo” e por instruı-lo a
Essa campanha foi˜ tao eficaz que interceder
´ pelos transgressores.
´ ´
os povos das naçoes vizinhas
´ pas-ˆ (Jo 42:7-9) Vivamos nos ´tambem
saram a temer a Jeova. (2 Cro. de tal maneira que Jeova nos en-
17:10) No nosso caso, por visi- care com favor. w09 15/4 2:12, 13
Terça-feira, 29 de março significa? Significa que podemos
´ ´ decidir entre fazer o bem ou fazer
Jeova esta convosco enquanto
o mal. Em outras palavras, Deus
mostrardes estar com ele. nos deuˆ a liberdade de escolher
ˆ ˜
— 2 Cro. 15:2. obedece-lo ou nao. Essa grande
´
As reformas realizadas pelo liberdade traz tambem respon- ˜
´ sabilidade. Nossas decisoes mo-
Rei Asa uniram o povo de Juda,
bem como muitas pessoas do rei- rais significam
´ vida
´ ou morte
no de Israel que compareceram para nos. Elas tambem afetam as
˜ pessoas a nossa volta. ˜ Por cau-
a uma
´ grande reuniao em Jeru-
salem. Juntos, declararam sua´ sa de nossaˆ imperfei ˜ çao herda-
˜ da, a obediencia nao ocorre
determinaçao de adorar a Jeova ´ na-
´
lealmente. Lemos: “Juraram a turalmente.` Nem sempre e ´ facil
´ ´ obedecer as leis de Deus. E claro
Jeova. . . . E todo o Juda se ale- ´ ´
grava por causa do que se jurou; que
˜ e mais
´ facil
´ obedecer quando
porque tinham jurado de todo nao ha sacrifıcio, sofrimento ou
˜ dificuldade envolvidos.
o seu coraçao e o tinham pro- ´ Mas como
curado com pleno bel-prazer da reagimos quando ha um confli-
sua parte, de modo que se´ dei- to entre nosso desejo de ser obe-
xou achar por eles; e Jeova con- dientes e “o desejo da carne, ˜ e o
tinuou a dar-lhes descanso em desejo dos olhos”? — 1 Joao 2:16.
ˆ w09 15/9 2:4, 5
todo ´ o redor.” (2 Cro. 15:9-15)
´
Jeova com ´ certeza tambem nos Quinta-feira, 31 de março
abençoar ˜ a se o servirmos de todo
o coraçao. (Mar. 12:30) Infeliz- Pondera estas coisas; absorve-te
mente, mais tarde ˜ Asa ressen- nelas, para que o teu progresso
tiu-se da repreensao que rece- seja manifesto a todos.
ˆ
beu de Hanani, o vidente. (2 Cro. — 1 Tim. 4:15.
16:7-10) ´ Como reagimos
´ quan- Os jovens precisam exercer
do Jeov˜ a nos da conselhos ˜ ou ´
bom crit ´ erio. Note o conselho ´
instru˜ çoes por meio de anciaos do ˜ apostolo Paulo aos corıntios:
cristaos? Aceitamos prontamen- “Nao vos torneis criancinhas na
te´ seus conselhos baseados na capacidade de entendimento . . .
Bıblia e evitamos cair na armadi- Ficai plenamente desenvolvidos
lha do ressentimento? w09 15/6 na capacidade de entendimento.”
1:7, 8 (1 Cor. 14:20) Acatar o conselho
de adquirir a capacidade de pen-
Quarta-feira, 30 de março
sar e ´ ponderar como
´ adulto res-
Observo em meus membros ou- ponsavel ´ ajudara os jovensˆ ´ a evi-
tra lei guerreando contra a lei tar serios erros. Se voce e jovem,
da minha mente e levando-me lembre-se de que se tornar ma-
` ´ duro ´ exige esforço. Paulo disse a
cativo a lei do pecado que esta
nos meus membros. Timoteo:
´ ‘Torna-te exemplo para
— Rom. 7:23. os fieis, no´ falar, na conduta, no
˜ amor, na fe, na castidade.
` Conti-
´
Deus criou Adao e Eva como nua a aplicar-te a leitura publica,
` ˜
criaturas inteligentes ´e com a ca- a exortaçao, ao ensino.’ ˜ (1 Tim.
pacidade de livre-arbıtrio.
´ Como´ 4:12, 13) Os jovens crist´ aos devem
seus descendentes,
´ nos tambem fazer progresso e torna-lo eviden-
temos livre-arbıtrio. O que isso te. w09 15/5 2:2, 3
´
Sexta-feira, 1.° de abril de Deus e os de Satanas. Essa ini-
´ mizade logo se manifestou quan-
Todos nos tropeçamos muitas
do Abel, um homem ˜ justo, foi
vezes. — Tia. 3:2. morto por seu irmao. Mais tar-
ˆ de, a inimizade se voltou contra
O que voc e faria se notasse
que um amigo solteiro estives- Enoque, outro homem´ fiel que vi-
se se envolvendo romanticamen- veu antes do Diluvio. Ele pro-
˜ fetizou que Deus
te com uma ´ pessoa que nao ser- ´ viria com “as
ve a Jeova? Deixaria de expressar suas santas mirıades” para exe- ´
˜ ´ cutar o julgamento contra os ım-
sua preocupaçao s o por temer
prejudicar sua amizade? Ou caso pios. (Judas 14, 15)˜ Essa mensa-
˜ gem com certeza nao era popular.
seu amigo nao acatasse ˆ seu con-
selho, o que voce faria? Um bom As pessoas
´ odiavam Enoque, e
amigo buscaria a ajuda de pas- sem d´ uvida
˜ o teriam matado se
tores amorosos no esfor´ ço de Jeov a n ao tivesse abreviado a
alertar o amigo que esta dan- vida dele. Quanta coragem ˆ Eno-
do um passo em falso. Fazer isso que demonstrou! — Gen. 5:21-24.
˜ w09 15/7 4:5
exige ´ coragem, mas n ao cau-
sara nenhum dano duradouro a
uma ´amizade baseada no amor a Domingo, 3 de abril
Jeova. Vez por outra ´
˜ damos aos A terra ha de encher-se do co-
´
nossos amigos ´ “razao para ´ quei- nhecimento de Jeova assim como
xa” ´ ´
˜ contra ˜ nos, e eles tambem fa- as aguas cobrem o proprio mar.
rao ou dirao coisas que nos abor- — Isa. 11:9.
recem. (Col. 3:13, 14) No entanto, ˜ ˜
o valor ` de uma amizade nao se Usando uma ´ bela descriçao, a
mede a base de quantas vezes profecia˜ de Isaıas retrata a trans-
‘pecamos’` uns contra os ˜ outros, formaçao de personalidades que
mas sim a base de quao ampla- tem ocorrido em nossos dias.
mente perdoamos´ tais ofensas. Pessoas que antes eram ´ violen-
Portanto, como e vital edificar tas se tornaram pacıficas. (Isa.
fortes amizades ˜ por meio de uma 11:6-8) Os que antes eram inimi-
comunicaçao aberta e por libe- gos por causa de diferenças de
ralmente perdoar uns aos outros! raça,˜ nacionalidade, tribo ou for-
Esse
´ amor demonstrado ´ se torna-
˜ maçao cultural aprenderam˜ a vi-
ra “o perfeito vınculo de uniao”. ver juntos em uniao. Figurati-
w09 15/10 4:20, 21 vamente falando, eles ‘forjaram
´ das suas espadas relhas ´ de
˜ ara-
Sabado, 2 de abril do’. (Isa.´ 2:4) Qual e a razao des-
Porei inimizade entre ti e a mu- sas not aveis mudan ças? Essas
lher, e entre o teu descendente e pessoas obtiveram ´ o “conheci-
ˆ mento de Jeova” e aplicaram-no
o seu descendente. — Gen. 3:15.
em sua vida. Apesar de os ser-
O exemplo supremo de cora- vos de Deus serem imperfeitos,
gem e destemor foi, naturalmen- ´ eles formam uma verdadeira fra-
te, Jesus Cristo.
´ Mas, desde o inı- ternidade internacional. O alcan-
cio da´ historia humana, os leais a ce universal das boas novas e o
Jeova sempre precisaram
ˆ de co- resultado excelente que elas pro-
ragem.
˜ Por
´ que? Depois
´ da rebe- duzem testificam
˜ o valor superior
liao no Eden, Jeova predisse que da educaçao divina. — Mat. 11:19.
haveria inimizade entre os servos w09 15/9 4:6
´
Segunda-feira, 4 de abril “Esquadrinha-me,˜ o Deus, e co-
˜ ˆ nhece meu coraçao. Examina-me
O corpo de anciaos pos as suas e conhece meus ˆ pensamentos in-
˜ ´
maos sobre ti. — 1 Tim. 4:14. quietantes, e ve se ha em mim
´ qualquer caminho penoso, e guia-
Quando menino, ´ Timoteo mo-
rava na provıncia´ romana da Ga- me no caminho do tempo indefi-
´
´ ´ nido.” (Sal. 139:23, 24) Alem de
lacia, onde hoje˜ e a Turquia. ˜ Va-
rias congregaçoes crist as foram orar, devemos nos sujeitar ao exa-
´ me de Deus e aos
estabelecidas ali apos a morte ´ de ´ conselhos de sua
Jesus. Numa determinada Palavra. Jeova pode nos condu-
´ ˜ epoca, zir no “caminho do tempo indefi-
o jovem
´ Timoteo, sua mae e sua
avo aceitaram o cristianismo e nido”, ajudando-nos a` seguir um
tornaram-se ativos numa congre- proceder que conduz a vida eter-
˜ ´ na. w09 15/11 1:1-3
gaçao. (2 Tim. ´ 1:5; 3:14, 15) Timo-
teo sem duvida levava uma ˜ vida
feliz como jovem cristao nesse Quarta-feira, 6 de abril
ambiente familiar. Entretanto, as `
Ainda te aferras a tua integri-
coisas começaram a mudar ´ com a` dade? Amaldiçoa a Deus e
segunda visita do apostolo Paulo ´
˜ ˜ ´ a morre! — Jo 2:9.
regiao. Naquela ´ ocasiao, Timoteo ´ ´
talvez ˆ ja estivesse no fim da ado- De inıcio, a esposa de Jo so-
lescencia ou com pouco mais de freu os mesmos golpes que atin- ´
20 anos de idade. ˜ Paulo observou ˜ giram seu marido. Ela sem du-
que os irmaos nas congregaçoes vida ficou arrasada com a perda
locais ´ ‘davam bom relato’ sobre dos
´ filhos´ e das riquezas da fa-
Timoteo. (Atos 16:2) Esse jovem mılia. (Jo 1:13-19) Deve ter sido
deve ter demonstrado ´ uma matu- muito triste ver seu marido so-
ridade acima ´ da media ˜ para a sua ´ frer de uma doença dolorosa, fa-
idade. Daı, sob a direçao do espı- zendo com ´ que ela dissesse
ˆ o aci-
rito
˜ santo, Paulo e o corpo de
˜ an- ma. Daı, chegaram tres homens
ciaos local ´ impuseram as maos so- (Elifaz, Bildade e Zofar)´ suposta-
bre Timoteo, designando-o para ˜ mente para consolar Jo. ´ Em vez
serviço especial na congregaçao. disso, eles usaram raciocınios en-
— 2 Tim. 1:6. w09 15/12 1:1, 2 ganosos e mostraram ser “conso-
ladores funestos”. Por exemplo,´
Terça-feira, 5 de abril Bildade alegou que os filhos de
´ ˜ ˜ Jo
O Ouvinte de oraçao, sim, a haviam cometido transgressoes e
˜ mereceram o que lhes acontece-
ti chegarao pessoas de toda
ra. Elifaz insinuou
´ que o ˜ sofri-
carne. — Sal. 65:2.
mento de Jo era uma puniçao por
´
Jeova nunca se faz de surdo aos pecados
´ que ele havia cometido.
´
pedidos de seus servos fieis. Po- Ate mesmo ˆ questionou se aqueles˜
demos confiar que˜ ele nos ouve. que mantem a integridade s´ ao de
Mesmo que milh´ oes de Testemu- algum valor para Deus. (Jo 2:11;
nhas de Jeova orassem a Deus 4:8; 8:4;
˜ 16:2; ´ 22:2, 3) Sob tal forte
ao mesmo tempo, nenhuma delas press´ ao, Jo manteve a integrida-
receberia um ‘sinal de ˜ ocupado’. de. E verdade que ele estava equi-
Para que nossas oraçoes sejam vocado quando passou ´ a “decla-
atendidas, temos de nos dirigir a rar justa a sua propria ´ alma em
Deus com humildade. (Sal.
´ 138:6) vez de a Deus”. (Jo 32:2) Mesmo ´
Devemos pedir a Jeova que nos assim, ele permaneceu fiel ate o
examine, como fez Davi ao dizer: fim. w09 15/4 1:7
Quinta-feira, 7 de abril (Mat. 9:36) Ele era caloroso,
´ com-
passivo
´ e bondoso. ˜Alem disso, os
Seguramente multiplicarei o teu lıderes religiosos nao tinham ver-
descendente como as estrelas dos dadeiro amor a Deus. Mas Jesus
´ ˜
ceus e como os graos de areia amava seu Pai e se deleitava em fa-
´ ` ´
que ha a beira do mar. zer a Sua vontade. Os lıderes reli-
ˆ
— Gen. 22:17. giosos torciam as palavras´ de Deus
´ para servir aos seus
O numero dos que comporiam ´ proprios inte-
resses. Jesus, porem, amava a “pa-
seu “descendente” ˜ era desconheci-
lavra de Deus” — ele a ensinava,
do para Abra ´ ao. No entanto, mais explicava, defendia e vivia de acor-
tarde esse numero foi revelado. Je-
do com ela. (Luc.ˆ 11:28) De fato, o
sus
˜ Cristo e os 144 mil, que reina-
rao com ele no seu Reino, ´ consti- amor era a essencia da personali-
tuem o “descendente”. (Gal. 3:29; dade de Cristo, influenciando seus
ˆ ensinos e seu modo de tratar as
Rev.´ 7:4; 14:1) O Reino messiani-
co e˜ o meio pelo ˜ qual “todas as pessoas. w09 15/7 3:3
naçoes da terra h ˆ ao de abençoar ˜ ´
a ˜si mesmas”. (Gen. 22:18) Abraao
Sabado, 9 de abril
´
nao tinha como entender o ple-´ Mantem os teus sentidos em to-
no significado do pacto que Jeova das as coisas, sofre o mal, faze
havia feito com ele. Contudo, ele a obra dum evangelizador, efe-
“aguardava a cidade que tem´ ver- ´
dadeiros alicerces”, diz a´ Bıblia.
tua plenamente o teu ministerio.
(Heb. 11:10) Essa cidade e o ˆ Reino — 2 Tim. 4:5.
˜
de Deus. Para receber ˜ as´ bençaos ‘Fazer a obra dum evangeliza-
desse Reino, Abraao tera de vol- dor’ significa tornar mais efi-
tar a viver.´ A vida ´
´ eterna na Ter- caz o seu ministerio e˜ ajudar ou-
ra lhe sera ˜ possıvel por meio da tros a ganhar a salvaçao. Para isso
ressurrei ´
´ ´ çao. E´ a vida eterna tam- e preciso desenvolver a “arte de
bem sera possıvel para os que so- ensino”. (2 Tim.´ 4:2) Por parti-
breviverem ao Armagedom e para cipar no ministerio com pessoasˆ
os que forem levantados dentre os
experientes ´ nesse trabalho, voc ´ e
mortos. — Rev. 7:9, 14; 20:12-14.
w09 15/8 1:6, 7
podera aprender de seus meto- ´
dos de ensino, assim como Timo-
Sexta-feira, 8 de abril teo aprendeu por trabalhar com
˜ ´ Paulo.
` (1 Cor. 4:17) Referindo-se
Nao tendes em vos o amor de as pessoas a quem˜ havia ajudado,
˜
Deus. — Joao 5:42. Paulo disse que nao havia apenas
lhes conferido as boas novas mas
´Entre os escribas e fariseus, sem ´
tamb em a sua ‘propria
´
alma’, ou
duvida havia homens inteligentes ´
que tinham conhecimentos e a ha- seja, usado a sua pr ´ opria vida no
bilidade de transmiti-los. Em que empenho de ajuda-los, pois vie-
sentido o modo de Jesus ensinar ram a ser amados por ele. (1 Tes.
˜ 2:8) Para imitar
era tao diferente´ do modo de ensi- ´ o exemplo ˆ de Pau-
nar deles? Os˜ lıderes religiosos da- lo no ministerio, voc ˜ e precisa´ ter
queles dias nao amavam as pessoas a mesma disposiçao de Timoteo,
comuns. Em vez disso, as despreza- que realmente se preocupava com
vam, encarando-as como “amaldi- outros e ‘trabalhava ˜ como escra-
˜
çoadas”. (Joao 7:49) Contudo, Jesus vo na promoçao das ˆ boas novas’.
sentia pena delas, pois eram “esfo- (Fil.´ 2:19-23) Voce mostra esse es- ´
ladas e empurradas dum lado para pırito abnegado no seu ministe-
outro como ovelhas sem pastor”. rio? w09 15/5 2:15, 18
˜
Domingo, 10 de abril centiva toda a congregaçao a re-
˜ ´ fletir a atitude mental de Cristo.
Deus nao e parcial, mas, em ca- Jesus ˜ relacionou ser “humilde de
˜
da naçao, o homem que o teme e coraçao” com a brandura, que faz
´ ´ ´
que faz a justiça lhe e aceitavel. parte do fruto do espırito santo de
´
— Atos 10:34, 35. Deus. (Mat. 11:29) Assim, alem de
´ estudar o exemplo de Jesus, preci-´
Jesus mostrou a seus discıpulos ´
˜ samos do espırito santo de Jeova
que Deus nao favorece uma raça
ou nacionalidade acima de outra. para poder imitar corretamente
˜ o exemplo de seu´ Filho. Devemos
(Joao 4:5-26) Portanto, devemos
encarar orar pedindo espırito santo a Deus
´ todas as pessoas como nos-´ e nos esfor
so proximo, mostrando amor ate ´ çar em cultivar o seu
mesmo pelas que agem como ini- fruto. (Gal. 5:22, 23) Por seguirmos
migos. (Mat. 5:43-45) Mas o que o modelo de humildade e brandura
Paulo tinha em mente quando dis- de Jesus, agradaremos
´ ao nosso Pai
se que devemos´ falar a verdade celestial, Jeova. w09 15/9 1:8, 9
´
com o nosso proximo? (Efe. 4:25)
Falar a verdade envolve transmitir Terça-feira, 12 de abril
˜
informa˜ çoes verdadeiras, sem ˜ a in- O Filho do homem . . . veio pa-
tençao de enganar.˜ Os cristaos ver- ra . . . dar a sua alma como
dadeiros nao torcem ou deturpam resgate em troca de muitos.
os fatos para iludir ´ ´ outros. Eles
‘abominam o que
— Mat. 20:28.
´ e inıquo’ e ‘agar-
ram-se ao que e bom’. (Rom. 12:9) O proceder de
Imitando o “Deus da verdade”, de- ˜ Jesus nos incenti-
va a uma reaçao positiva. ´Ao pen-
vemos nos esforçar em ser hones- sar no que Cristo fez por nos, nosso
tos e francos em todos os nossos amor por ele aumenta. Correspon-
tratos. (Sal. 15:1, 2; 31:5) Se es- dendo ao amor de Cristo pela hu-
colhemos bem as nossas palavras, ´
´ ˜ manidade, nos nos sentimos impe- ˜
ate mesmo ˆ situaçoes embaraçosas lidos a cumprir a nossa designaçao
ou incomodas podem ser resolvi- ` antes de vir o fim. (2 Cor. 5:14, 15)
das com jeito sem recorrer a falsi- O amor demonstrado por Cris-
dade. — Col. 3:9, 10. w09 15/6 3:4, 5 to foi essencial para ´ que ele pu-
desse cumprir o prop osito de Deus
Segunda-feira, 11 de abril para a humanidade. E o modelo
´ ´ que Cristo deixou para seguirmos
[Tende] entre vos proprios a ´
mesma atitude mental que de perto habilita cada um de nos a
Cristo Jesus teve. participar
´ no cumprimento do pro-
— Rom. 15:5. p osito divino.
ˆ Isso requer que te-
nhamos exito´ em cultivar ´ o amor
Podemos´ aprender muito´ por a Deus o maximo possıvel. (Mat.
imitar a fe daqueles que j a por 22:37) Por acatar os ensinos de Je-
muitos anos imitam a Cristo. As- sus e guardar seus mandamentos,
sim ˜ como Jesus, em geral esses ir- mostramos que o amamos e que es-
maos mostram˜ que compreendem tamos decididos — como no caso
as imperfeiç oes de outros. Eles de Jesus — a apoiar a soberania de ˜
aprenderam
˜ que ` mostrar compai-
˜ ´ Deus custe o que custar. — Joao
xao semelhante a de Cristo nao so 14:23, 24; 15:10. w09 15/12 4:9-11
nos ajuda a “suportar as fraque- ´
˜ ˜ Leitura da Bıblia˜
zas dos ´ que nao sao fortes”, mas˜ para a Comemoraçao:˜
tambem contribui´ para a uniao. (Eventos em 9 de nisa)
(Rom. 15:1) Alem do mais, isso in- Mateus 26:6-13
Quarta-feira, 13 de abril companheiros˜ das “outras ove-
˜ ´ lhas”. (Joao 10:16) Independente-
˜
O que eu ensino nao e meu, mas
` mente de nossa´ formaçao, pode-
pertence aquele que me enviou. mos ter o privilegio de ser
˜
— Joao 7:16. ´ amigos
de Jesus.ˆ Essa amizade e de suma
Na Terra, Jesus era importancia, pois sermos seus
˜ “represen- amigos nos torna tamb
´
tante do Pai”. (Jo ao 16:27, 28) ´ ´ em amigos´
Embora Jesus tivesse creden- de Jeova. De fato,´ e impossıvel
ciais de sobra para provar que achegar-se a Jeova sem primeiro˜
ele era o Messias, a vasta maio- achegar-se a Cristo. — Joao 14:6,
´
ria˜ dos judeus no primeiro seculo 21. w09 15/10 3:1, 2
ˆ ´
nao o aceitou. Por que? Porque Leitura da Bıblia˜
eles tinham ideias preconcebidas para a Comemoraçao:˜
sobre o Messias, incluindo a de (Eventos em 10 de nisa)
´ Mateus 21:18, 19; 21:12, 13;
que ele seria um messias polı- ˜
tico que os libertaria da opres- Joao 12:20-50
˜ ˜
sao romana.
˜ (Joao 12:34) Assim,
Sexta-feira, 15 de abril
eles nao podiam aceitar o Mes- ´
sias que cumpriu as profecias de Estabeleci o modelo para vos, a
que ele seria desprezado e evita- fim de que, assim como eu vos
do pelos homens, marcado para ´ ´
fiz, vos tambem façais.
sofrer dores e doenças e que por´ ˜
— Joao 13:15.
fim seria morto. (Isa.
´ 53:3, 5) Ate ´
mesmo alguns discıpulos leais de O que Jesus´ fez ao lavar ˜ os pes
Jesus˜ ficaram desapontados de seus discıpulos n ao foi um
˜ ´ por mero ritual ou simplesmente um
ele nao trazer libertaçao polıtica.
Mas permaneceram leais e, com ato de bondade. ˜ ˜ Antes de falar
o tempo, foi-lhes dado o enten- dessa ocasiao, Joao escreveu: “Je- ´
dimento correto. — Luc. 24:21. sus, tendo amado os seus pro-
w09 15/12 3:10, 11 prios que estavam ´ no mundo,
˜
´ amou-os ate o fim.” (Joao´ 13:1)
Leitura da Bıblia˜
para a Comemoraçao:˜ Foi o amor aos seus discıpulos
(Eventos em 9 de nisa) que motivou Jesus a prestar um
Mateus 21:1-11, 14-17 serviço que normalmente seria
feito por
´ um escravo. Agora eles
Quinta-feira, 14 de abril tambem teriam de humildemen-
Eu vos chamei de amigos, por- te servir uns aos ´ outros por amor.
que todas as coisas que tenho Sim, o genuıno amor fraternal
ouvido do meu Pai vos tenho deve nos motivar a ˜ mostrar in-
˜ teresse e preocupa çao
deixado saber. — Joao 15:15. ˜ ´ por todos
˜
nossos irmaos.´ O ap ostolo Joao,
Os homens reunidos com Jesus que teve os pes lavados pelo Se-
no sobrado
´ naquela noite em Je- nhor, escreveu: “Filhinhos, ame-
rusalem estavam convencidos de ˜
mos,
´ nao em palavra ˜ nem com a
que Jesus˜ era o prometido Mes- lıngua, mas em
sias. (Joao 6:68, 69) Eles certa- ˜ açao e em ver-
dade.” — 1 Joao 3:18. w09 15/11
mente se comoveram ao ouvi-lo 4:20, 21
dizer as palavras do texto de hoje. ´
Leitura da Bıblia˜
Essas
´ palavras
´ de Jesus a seus para a Comemoraçao:˜
ap ostolos
´ fi eis aplicam-se
˜ em (Eventos em 11 de nisa)
princıpio a todos os cristaos
˜ ungi- Mateus 21:33-41; 22:15-22;
dos atuais e, por extensao, a seus 23:1-12; 24:1-3
´ ˜
Sabado, 16 de abril lugar, eles nao entenderam
˜ o que
´ ele queria dizer. (Jo ao 14:2-5)
Dar-se testemunho de Jesus e o
Mais tarde, Jesus disse-lhes: ´
que inspira o profetizar. “Quando esse chegar, o espırito
— Rev. 19:10. ´
da verdade, ele vos
˜ guiara a toda´
˜
Desde a primeira´ declaraçao a verdade”. (Joao 16:13) Foi so
´
prof eticaˆ de Jeov a, registra- depois do Pentecostes de 33 EC, ´
´
da em Genesis 3:15, ate as glo- quando foram ungidos pelo espı-
˜
riosas˜ vis oes rito de Deus como futuros reis,
´ ´ no livro ´ de Re-
velaçao, so e possıvel entender que os seguidores de Jesus dis-
´
corretamente as profecias bıbli- cerniram
´ que seus tronos seriam
cas por se levar em conta o papel no ceu. — 1 Cor. 15:49; Col. 1:5;
de Jesus relacionado com o Rei- 1 Ped. 1:3, 4. w09 15/8 2:13, 14
ˆ ´
no messianico. Isso explica por Leitura da Bıblia˜
que muitas profecias ˜ nas Escri- para a Comemoraçao: ˜
turas Hebraicas sao (Eventos em 13 e 14 de nisa)
˜ um enigma Mateus 26:17-56; Lucas 22:7-13
para aqueles que nao aceitam Je-
sus como o prometido
´ Messias.
Segunda-feira, 18 de abril
Explica
´ tambem por que Jesus
e considerado apenas um gran- Estamos pregando . . . a Cristo
˜
de homem por aqueles que nao Jesus como Senhor. — 2 Cor. 4:5.
valorizam as ˆ Escrituras Hebrai- ´ ´
cas, que Na Bˆ ıblia, o tıtulo´ “Cristo” com
ˆ contem muitas profecias referencia a Jesus e usado de va-
´
messianicas.´ O conhecimento so-
bre Jesus da ao povo de Deus a rias maneiras, tais como Jesus
chave para desvendar o significa- Cristo, ´ Cristo Jesus e o Cristo.
´ O proprio Jesus foi quem primei-
do de˜ profecias bıblicas que ain-
da nao se cumpriram. — 2 Cor. ro usou o termo “Jesus Cristo” ´
1:20. w09 15/7 1:11 — o˜ nome seguido pelo tıtulo.
´ (Joao 17:3) Esse˜ uso chama clara-
Leitura da Bıblia˜
para a Comemoraçao:˜ mente a atençao para aquele que
(Eventos em 12 de nisa) foi enviado por Deus e tornou- ´
Mateus 26:1-5, 14-16; Lucas 22:1-6 se
´ seu Ungido. Quando o tıtulo
˜ e colocado antes do nome, como
Data da Comemoraçao ˆ
´ ˆ em “Cristo Jesus”, a enfase ˜ passa
Apos o por do sol da pessoa para a posiçao, ou car-
Domingo, 17 de abril go, ocupado por ele. ´ Usar a ex-
´ ´ ˜
Estaras comigo no Paraıso. pressao “o Cristo”, o tıtulo ´ prece-
— Luc. 23:43. dido de artigo definido, e outro ˜
modo de enfatizar a posiçao de
O malfeitor
˜ com quem Jesus fa- Jesus como Messias. (Atos 5:42)
lou nao ˜ precisava de nenhuma
´ Independentemente de como o
explicaçao sobre o Paraıso. Ele ´ ´
tıtulo
˜ “Cristo” e usado com rela-
sabia da esperança de vida eter- çao a Jesus, ele destaca
na na Terra num mundo futuro. ´ que Jesus
˜ era o Ungido de Jeova. w09 15/5
O´ que exigia umaˆ explicaçao, po-` 4:10, 11
rem, era a referencia de Jesus a ´
Leitura da Bıblia˜
esperança celestial.
´ Quando fa- para a Comemoraçao:˜
lou a seus
´ discıpulos sobre sua (Eventos em 14 de nisa)
ida ao ceu para lhes preparar um Mateus 27:1, 2, 27-37
´
Terça-feira, 19 de abril riais. No entanto, o apostolo Pau-
´ lo mostra que ainda ´ se espera que
Esau . . . começou a [abraçar ofereçamos sacrifıcios. Paulo ex-
´ ˜
Jaco] e a lançar-se ao pescoço plica que os cristaos devem ex-
´ ˜
dele, e a beija-lo, e romperam pressar sua gratid´ao por levarem
ˆ
em pranto. — Gen. 33:4. uma
˜ vida de sacrifıcio, ou abnega-
˜ çao. Para isso, temos de reajustar
A oraçao pode reduzir a ansieda- a nossa mentalidade. Por causa da
de. Temendo um ataque ˜
˜ ˆ ´ ´ de seu imperfei` çao herdada, estamos su-
irm
´ ao g´ emeo, Esau, Jaco orou: jeitos a “lei do pecado e da morte”.
“O Jeov ˜ a, . . . livra-me,˜ eu te peço, ˜ (Rom. 8:2) Portanto, precisamos
da mao´ de meu irmao, da mao ser transformados, ou ‘ser feitos
de Esau, porque estou com medo novos na força que ativa a nossa
dele, de que venha ˜ e certamente mente’, por mudar
me assalte, a mae junto com os´ fi- ˜ radicalmente´
as nossas inclinaçoes. — Efe. 4:23.
lhos. E tu, tu disseste: ‘Sem duvi- w09 15/10 1:1, 2
da, tratar-te-ei ˆ bem e hei de fazer ˜
tua descendencia como ˜ os graos Quinta-feira, 21 de abril
de areia do mar, que nao podem ´ ´
ser contados por causa da sua Sai do homem, o espırito
˜ ˆ impuro. — Mar. 5:8.
multid ao.’ ´ ” (Gen. 32:9-12) Em-
bora Jaco tomasse´ medidas para ˜ Jesus se´ posicionou corajosa-
proteger sua famılia, sua ora´ çao ˆ
mente ate mesmo ˜ contra demo-
foi atendida quando ˆ ele e Esa u fi- nios. Certa ocasiao, ele ´ se deparou
zeram as pazes. (Gen. 33:1-3) Leia´ com
com aten ç
˜
ao esse pedido e notara ˆ um homem possu˜ ıdo por de-
´ ˜ monios´ que era tao forte´ que nin-
que Jaco nao apenas ´ suplicou aju- guem conseguia amarra-lo, nem
da. Ele expressou fe no Descen- ˜ mesmo com correntes. Sem se
dente prometido e gratidao pela intimidar,
ˆ
benevolencia de Deus. Do ˆ Jesus expulsou os mui-
˜ ˜ mesmo tos demonios que mantinham o
modo, nossas oraçoes nao devem homem sob seu controle. (Mar.
conter apenas˜ pedidos, ˜ ´
´ ´ mas tam- 5:1-13)
˜ Hoje, Deus nao da aos cris-
bem expressoes de fe. w09 15/11 taos o poder para realizar mila-
2:5, 6 gres assim.˜ Entretanto,´ em nos- ´
sa pregaçao e ensino, nos tambem
Quarta-feira, 20 de abril precisamos travar uma luta espi-
´
Apresenteis os vossos corpos co- ritual contra Satanas, aquele que ´
´ tem “cegado as mentes dos incre-
mo sacrifıcio vivo, santo [e] acei-
´ dulos”. (2 Cor. 4:4) Como no caso
tavel a Deus. — Rom. 12:1. ˜ ˜
´ ´ de Jesus, nossas armas “nao sao
Jeova´ se agrada de sacrifıcios carnais, mas poderosas em Deus
voluntarios que seus servos fa- para demolir as coisas fortemente
zem para expressar ˜ seu
` amor a entrincheiradas” — conceitos reli-
ele e sua submissao a Sua von- giosos profundamente arraigados,
tade.
´ Na antiguidade, ele
´ aceitava mas errados. (2 Cor. 10:4) Pode-
varios tipos de sacrifıcio de ani- mos aprender muito do exemplo
mais e outras ofertas. Com base de Jesus sobre como manejar es-
na Lei mosaica, os israelitas fa- sas armas espirituais.
˜ A coragem
ziam ˜ tais ofertas em busca do per- de Jesus nao era simples ´ valen-
dao
˜ de pecados ˜ e como expres- ˜ tia, mas se baseava
´ na fe. A nossa
sao de ˜ gratid ´ ao.
˜ Na congrega´ çao coragem´ tambem precisa basear-
crist´ a, Jeova nao exige de nos sa- se na fe. — Mar. 4:40. w09 15/9
crifıcios formais de ofertas mate- 2:14, 15
´
Sexta-feira, 22 de abril ciou a vinda do ha muito espera- ´
´ ˆ do profeta maior do que Moises
Jeosafa . . . pos a sua face a bus- ˜
´ ˆ — Jesus Cristo. (Joao 1:23-36)
car a Jeova. — 2 Cro. 20:3.
Como profeta, Jesus
´ falou a res-
Confrontado com a ameaça das peito de sua propria morte, pre-
forças conjuntas de Amom, Moa- dizendo como e onde morreria ´
˜
be e os povos da regi´ ao monta- e quem seriam os responsaveis
nhosa´ de´ Seir, Jeosafa suplicou a por ela. (Mat. 20:17-19) Para a
˜
Jeov surpresa de seus ouvintes, Je-
´ a: “O nosso Deus, nao execu- ´
taras neles sus
˜ predisse tamb em a destrui-
˜ ´ o julgamento?
´ Por- ´
que nao ha em nos poder dian- çao de Jerusalem e de seu tem-
te desta grande massa de gente plo. (Mar. 13:1, 2) O alcance de´
´ ˆ
que vem contra n os.” (2 Cr o.´ suas profecias se estende at e
20:12, 13) Depois que Jeosaf a os nossos dias. — Mat. 24:3-41.
´ ´
orou, o espırito de Jeova moveu w09 15/4 4:10, 11
o levita Jaaziel a proferir pala-
vras de consolo para Domingo, 24 de abril
ˆ dar confian-´ ˜
ça ao povo. (2 Cro. 20:14-17) ´ La Por meio disso saberao todos
naquele tempo, Jeosafa e o rei- ´
´ ˜ que sois meus discıpulos, se
no de Jud´ a receberam instruçoes ´
tiverdes amor entre vos.
de Jeova por meio de Jaaziel. ˜
— Joao 13:35.
Hoje,˜ recebemos consolo e ins-
truçoes por meio do Marcelino, um homem de Ca-
´ escravo fiel ˜ ˜
maroes, perdeu a visao no tra-
e discreto. Sem duvida, sempre
desejamos cooperar com os´ an- balho. Depois desse acidente,
˜ correu o boato de que ele havia
ciaos designados e respeita-los,
pois trabalham arduamente em ficado cego porque´ era feiticeiro.
nos pastorear e em implementar Em vez de consola-lo, o pastor˜ e
˜ outros membros de sua religiao
as instruçoes do “escravo fiel e
discreto”. — Mat. 24:45; 1 Tes. o expulsaram da igreja. Quan- ´
5:12, 13. w09 15/6 1:9, 10 do uma Testemunha de Jeova˜ o
´ convidou para uma reuni ˜ ao,
Sabado, 23 de abril Marcelino hesitou. Ele nao que-
´ ria ser rejeitado de novo. Mar-
Seras chamado profeta do
´ celino teve uma surpresa agra-
Altıssimo. — Luc. 1:76. ´ ˜
´ davel quando chegou ao Salao
O verdadeiro profeta e um´ por- do Reino. Ele foi bem recebido
ta-voz
´ inspirado de Jeova, al- e sentiu-se´ consolado pelos en-
guem ´ que proclama “as coisas sinos bıblicos que ouviu. Come- ˜
magnıficas de Deus”. (Atos 2:11, çou a assistir a todas as reunioes
16, 17) Entre outras coisas, seu congregacionais, ´ progrediu no
profetizar pode incluir anun- estudo da Bıblia e foi ´ batizado
ciar eventos futuros, ´ revelar´ as- em 2006.` Agora ´ ele da testemu-
pectos do proposito de Jeova ou nho
´ a sua ´ famılia e vizinhos ´ e
proclamar os julgamentos ´ divi- ja iniciou varios estudos bıblicos.
nos. No primeiro seculo, Zaca- Marcelino deseja ´ que seus
´ estu-
rias agiu ´ como profeta ao revelar ˜ dantes da Bıblia tambem expe-
o proposito de Deus ˜ com relaçao rimentem o amor existente en-
a seu filho,˜ Joao. Esse filho tor- tre o povo de Deus. w09 15/11
nou-se Joao Batista, que anun- 4:1-3
Segunda-feira, 25 de abril certos casos, ‘os inimigos do ho- ´
´ mem seriam ´ pessoas de sua
´ pro-
Penavam ao proprio Santo de pria famılia’. (Mat. 10:36) E muito
Israel. — Sal. 78:41. consolador saber que na congre-
´ ˜ ˜
Jeov a ´ n ao se deixa paralisar gaçao podemos ˜ encontrar
´ pessoas
pela magoa e desapontamento. que se apegar
˜ ao a nos mais do que
Diante de dificuldades, ele sem- um irmao literal. (Pro. 18:24) Os
pre agiu de ´ imediato para mini- cumprimentos pessoais ` de Paulo ˜
ˆ
mizar as mas consequ
´ encias do no fim de sua carta a congregaçao
acontecido. Alem disso, ele tem em Roma indicam que ele culti-
tomado medidas de longo´ prazo vou muitas boas amizades. (Rom. ´
para que por fim seu prop osito se´ 16:8-16)
˜ Obviamente,
´ o ap osto-
realize. (Sal. 104:31) Sim, Jeova lo Joao tambem cultivou muitas
permanece o “Deus feliz”. (1 Tim. amizades duradouras. w09 15/10
1:11; Sal.` 16:11) Por termos´ sido ´ 3:19, 20
criados a imagem de Jeova, ´ nos
temos capacidade ´ de racioc ınio Quarta-feira, 27 de abril
e sabedoria pratica para analisar
Vim a estar ao seu lado como
nossos problemas e tomar ´ medi-
das positivas quando possıvel. Um mestre de obras, e vim a ser aque-
fator importante que pode nos le de quem ele gostava especial-
ajudar a ´ lidar com os problemas mente. — Pro. 8:30.
da vida e reconhecer que ˜ certas ˜
Nao foi Jesus quem ´ originou ou
coisas simplesmente estao fora planejou o sacrifıcio de resgate.
de nosso controle. Atormentar-
Em vez˜ disso, esse meio de li-
se por causa dessas ˜ coisas pode
berta´ çao era parte´ essencial ´ do
aumentar a frustraçao e privar a
prop osito de Jeova. O ap ostolo
pessoa das muitas alegrias ˜ rela-
cionadas com a adoraçao verda- Paulo indicou que o altar ´ no tem-
deira. plo, no qual os sacrifıcios eram
´ Depois de tomar medidas oferecidos, ´ representava a vonta-
razoaveis´ para resolver um pro-
blema, e melhor seguir em fren- de de Jeova. (Heb. 10:10) Portan-
te e nos concentrar em empenhos to, o livramento que ´ recebemos´
mais produtivos. w09 15/12 2:5-8 por meio do sacrifıcio de Cristo e
algo que ´ devemos antes ´ de tudo
Terça-feira, 26 de abril a Jeov ˜ a. (Luc. 1:68) E uma ex-
´ pressao de seu grande ˜ amor pe-
Da os meus cumprimentos aos los humanos. (Joao 3:16) Ele e seu
˜ ´
amigos, por nome. — 3 Joao 14. Filho tinham usufruıdo a compa-
´ ´
nhia um do outro por ´ incont ˜ aveis
˜Jesus continua a zelar por nos ˜
milhoes, talvez ate bilhoes, de
nao˜ apenas por meio da super-
visao de pastores amorosos, mas anos. O Filho trabalhou alegre-
´ mente com o Pai como seu amado
tamb em ˜ por nos
˜ dar, ˜ na con-
grega ç ao, ‘m aes, irm aos e ir- “mestre de obras” e como seu Por-
˜ ta-Voz, “a Palavra”. (Pro. 8:22, 31;`
mas’ em sentido espiritual. ˆ (Mar. ˜ ´
10:29, 30) Quando voc e come- Joao 1:1) O que Jeova suportou a
çou medida que seu Filho foi˜ tortu-
˜ a se associar
´ com a organiza-
˜
çao de Jeova, qual foi a reaçao rado, ridicularizado e entao exe-´
de seus familiares ou parentes? cutado
´ como um criminoso ˜ esta
Talvez tenham apoiado seus es- alem de nossa compreensao. ´Nos-
forços de achegar-se a Deus e a so livramento´ custou a Jeova um
Cristo. Mas Jesus alertou que, em grande sacrifıcio! w09 15/9 5:12, 14
´
Quinta-feira, 28 de abril para provas de fe. O estudo ˜ nos
˜ ´ ´ ajuda a entender as questoes da
“Abraao depositou fe em Jeova,
soberania universal´ e da integri-
e isso lhe foi contado como jus- dade pessoal. Alem do mais, so-
tiça”, e ele veio a ser chamado mos muito beneficiados por per-
´ `
“amigo de Jeova”. — Tia. 2:23. tencer a ´ fraternidade mundial
´ que Jeova supre de alimento es-
O que pode ajuda-lo` a fazer
boas escolhas quanto as amiza- piritual. (Mat. 24:45-47) Em to-
´ das
des? Estudar exemplos bıblicos ˜ as cerca de 100 mil congrega-´
pode ser motivador. Considere çoes das Testemunhas ˜ de Jeova
a amizade entre Rute e sua so-˜ realizam-se reunioes que nos ins-
gra Noemi, entre Davi e Jonata truem e nos fortalecem. w09 15/4
´
e entre Timoteo e Paulo. (Rute 2:15, 16
1:16, 17; 1 Sam. 23:16-18; Fil. ´
2:19-22) Essas amizades se firma- Sabado, 30 de abril
ram principalmente pelo seguin- ´ ´
Se vos fizesseis parte do mundo,
te motivo:
´ elas se baseavam´ ´ em ´ o mundo estaria afeiçoado ao
genuıno amor a Jeova. E possı- ´ ˜
que e seu. Agora, porque nao
vel encontrar
´ amigos que ˆ amam a
Jeova tanto quanto voce? ˜ Esteja fazeis parte do mundo, mas eu
certo vos escolhi do mundo, por es-
˜ ´ de que na congregaçao cris- ˜
ta razao o mundo vos odeia.
ta ha grande potencial
˜ ˜ para isso. ˜
Tais amigos nao o farao ‘ir mal’ — Joao 15:19.
em sentido espiritual. ˜ Em vez Jesus alertou seus seguidores
disso, eles o ajudarao a obedecer ˜
´ de que ˜ eles sofreriam oposiçao
a Jeova, a crescer espiritualmen- ´ das naçoes` do mundo e, na noite
te e´ a semear visando o esp ˜ ırito.
anteriorˆ a sua morte, explicou´ o
(Gal. 6:7, 8) Eles o ajudarao a per-
porque dizendo o acima. O apos-
manecer no amor de Deus. — Ju-
das 21. w09 15/8 4:12, 13 toloˆ Paulo´ confirmou por expe-
riencia propria a veracidade das
Sexta-feira, 29 de abril palavras de Jesus. Na segunda
carta ao ´ seu jovem companhei-
Temos um ajudador junto ao ro Timoteo, ele escreveu: “Tu se-
˜
Pai, Jesus Cristo. — 1 Joao 2:1. guiste de perto o meu ensino,
´ meu proceder na
Como´ atuais servos de Jeova, ´ ´ vida, meu pro-
usufru ımos importantes bene- posito, minha fe, minha longani-
´ midade, meu amor, minha per-
fıcios. Por exemplo,
´ Jesus Cris- ˜
to proveu o sacrifıcio de resgate severança, minhas persegui´ çoes,
e,˜ com isso, possibilitou o per- meus sofrimentos.” Daı, acres-
dao de pecados. Com base nes- centou: “De fato, todos os que
˜ de-
´ sejarem viver com˜ devoçao pie-
se sacrif ıcio podemos
˜ ter uma
estreita relaçao com Deus ape- dosa em associa
´ çao˜ com Cristo
˜ Jesus tambem serao persegui-
sar de nossa imperfeiçao.˜ (Tia.
4:8) dos.” (2 Tim.˜ 3:10-12) Escreven-
´ Ao enfrentar provaçoes, tam-
bem oramos pedindo o apoio do aos´ cristaos em Roma, Paulo
´ e
a ajuda fortalecedora deu sabios conselhos sobre como
´ do espırito
santo de´ Deus. Alem disso, te- eles˜ deviam reagir diante de opo-
mos a Bıblia completa e, se a ler- siçao. As suas palavras podem
mos ´ e meditarmos sobre seu con- nos orientar neste tempo do fim.
teudo, estaremos nos preparando — Rom. 12:17-21. w09 15/10 2:1, 2
Domingo, 1.° de maio mostraria “um caminho
´ que ultra-
passa” tudo. Os versıculos seguin-
´
A sabedoria deste mundo tes mostram que esse caminho e o
´
e tolice perante Deus. amor. Em que sentido ele ultra-
— 1 Cor. 3:19. passa tudo? Paulo passou a ilus-
´ trar o que ele quis dizer. (1 Cor.
A palavra “sabedoria” e usada
liberalmente. Alguns dizem que 13:1-3) Por exemplo, se ele tives-
´ se grandes habilidades e reali-
para ser considerado sabio basta ´ ˜
acumular um vasto conhecimen- zasse coisas notaveis ´ mas nao ti-
to. No entanto, os chamados in- vesse amor, que m erito ´ teria?
˜ Nenhum! Movido pelo espırito de
telectuais do ˜ mundo n ´ ao ofere-
cem explicaçoes confiaveis sobre Deus, Paulo apresentou essa im-
o verdadeiro sentido da vida. Ao portante verdade. w09 15/12 4:12
´
contrario, os que se ˜ deixam in-
fluenciar por eles sao “jogados Terça-feira, 3 de maio
como que ´ por ondas ´ e levados Tornai-vos imitadores de Deus.
para ca e para la por todo ven- ´
´ — Efe. 5:1.
to
´ de ensino”. (Efe. 4:14) Como ´ ´
e diferente com os que adquirem Jeova Deus da o exemplo per-
a verdadeira sabedoria, feito em demonstrar boas manei-
´ ´ ´ cuja Fon- ras. Apesar de sua elevada posi-
te e Jeov
´ ´ a Deus!´ A B´ ıblia diz que ˜
Jeova e o “unico sabio”. (Rom. çao como Soberano do Universo,
16:27) Ele sabe tudo sobre o Uni- ele trata os humanos com muita
˜
verso, incluindo sua composi çao e bondade e˜ respeito. Ao falar ´ tan-´
´ ´
sua historia. As leis fısicas da na- to a Abraao como a Moises, Jeova
tureza, nas quais os humanos ba- usou um termo hebraico mui-
seiam suas pesquisas, foram todas tas ˆ vezes traduzido ˆ “por favor”.
´ ˜
criadas por Jeova. Assim, ele n˜ ao (G en. 13:14; Exo. 4:6) Quando´
se impressiona seus servos cometem erros, Jeova
˜ com as invençoes ´
humanas e nao fica fascinado pelo e “misericordioso e clemente, va-
chamado pensamento elevado da garoso em irar-se ˆ e abundante
filosofia humana. w09 15/4 3:1, 2 em benevolencia´ e veracidade”.
(Sal. 86:15) Ele e muito diferen-
Segunda-feira, 2 de maio te de alguns humanos que explo- ˜
Tornai-vos meus imitadores, dem de raiva ` quando outros nao
assim como eu sou de Cristo. atendem as suas expectativas. ˜ As
boas maneiras ´ de Deus sao evi-
— 1 Cor. 11:1. dentes tambem no modo como ele
´ ˜
O apostolo Paulo seguia o exem- ouve os humanos. Quando Abraao
plo de Cristo. Assim, por seguir de fez perguntas a respeito ´ do povo
perto os Seus passos, Paulo po- de Sodoma, Jeova pacientemen- ˆ
dia˜ com franqueza exortar seus ir- te respondeu a todas ˜ elas. (Gen.
´
maos a imita-lo. Embora instasse 18:23-32) Ele ˜ nao considerou ˜ a
˜ ´
com os cristaos corıntios a persis- preocupaçao de Abra ´ ao como ´ per-
tir em buscar da de tempo. Jeova tambem ouve
´ zelosamente certos ˜ ´
dons do espırito que se ´ manifes- as oraçoes de seus servos e as su-
tavam no primeiro ´ seculo, como plicas de pecadores ˜ arrependidos.
curar e falar em lınguas, Paulo (Sal. 51:11,´ 17) Nao devemos imi- ˜
mostrou-lhes que havia algo me- tar a Jeova por ˜ ouvir com atençao
lhor pelo
´ qual se empenhar. Em e consideraçao quando outros fa-
1 Corıntios 12:31, ele explicou que lam conosco? w09 15/11 5:3, 4
Quarta-feira, 4 de maio arduamente para permanecer lim-
˜ pos aos olhos de Deus. (2 Ped. 3:14)
Muitos sao os amigos do rico. Mostraremos isso por comparti-
— Pro. 14:20. lhar com outros nossa maravilhosa
˜ esperança de livramento, de modo
ˆEssa observaçao resume a ten- que outros
´
tambem tenham ´ uma
dencia de humanos imperfeitos de ˜
fazer amizades pensando no que posiçao limpa perante Jeova e a
podem receber, em vez de no que esperança de um´ futuro eterno.
˜ (1´ Tim. 4:16) Jeova e seu Filho sem
podem dar. Jesus ˜ nao tinha essa
fraqueza. Ele nao se ˜ deixava in- duvida merecem todo o tempo e
fluenciar pela condiçao financei- energia
´ que devotamos para lou-
˜ va-los. (Mar. 12:28-30) Pense nis-
ra ou social da pessoa. Jesus n˜ ao
era conhecido por suas relaçoes so! Podemos aguardar com entu-
com os ricos e famosos, mas sim siasmo ´ a vida que Deus˜ desejou
por ser amigo dos humildes e des- para nos, em perfeiçao, para sem-´
prezados. (Mat. 11:19) Os amigos pre — tudo graças ao que Jeova
de Jesus eram com certeza pes- fez para nos livrar! — Rom. 8:21.
soas sujeitas a falhas. Pedro, por w09 15/9 5:15, 17
`
exemplo, as vezes deixava de en-
carar as coisas de uma perspecti- Sexta-feira, 6 de maio
va espiritual. (Mat. 16:21-23) Tia- ˜
˜ ´ [Tende] consideraçao para com
go e Joao mostraram um espırito os que trabalham arduamente
ambicioso quando pediram a Jesus ´
˜ entre vos e que presidem sobre
que lhes desse posiçoes de desta- ´
que no Reino, e ´ essa atitude irri- vos. — 1 Tes. 5:12.
˜
tou os outros apostolos. A questao Temos de mostrar respeito pe-
de ter destaque causava conten- `
los em ´ autoridade.
˜ ´ Por que ´ isso as
das, mas Jesus pacientemente ten- vezes e tao difıcil para nos?˜ Por
tava corrigir o modo de pensar de um lado, humanos em posiçao de
seus amigos sem logo se irritar com ˜ ´
autoridade sao imperfeitos. E nos
eles. — Mat. 20:20-28. w09 15/10 mesmos somos imperfeitos. Lu-
3:3, 4 ˆ
tamos contra uma tendencia ine-ˆ
rente para a rebeldia. Assim, ´ ˜ voc´ e
Quinta-feira, 5 de maio talvez se pergunte: ‘Se e
´ ´ ´ ˆ tao difı-
Ele e um sacrifıcio propiciato- cil respeitar os que detem autori- ˆ
rio pelos nossos pecados. dade, por que precisamos faze-lo?’ ˜
˜ A resposta tem a ver com a quest ao
— 1 Joao 2:2. ˆ
da soberania.
´ A quem voc e esco-
Se ´ tivermos apre ço pelo que lhera como seu soberano, seu go-´
´
Jeova e seu Filho fizeram por nos vernante? Se escolhemos a Jeova
para nos livrar do pecado e da mor- como nosso Soberano, precisamos ˜
˜
te, demonstraremos isso. (1 Joao respeitar sua autoridade. Se nao
5:3) Lutaremos contra nossa ten- o fizermos,
´ poderemos realmen-
ˆ
dencia te cham a-lo de nosso Governante?
` de ´ pecar. Nunca cedere- ´ ´
mos a pratica deliberada´ do peca- Alem disso, Jeova em geral exerce
do nem levaremos a hipocrita vida sua autoridade por meio de huma-
dupla que geralmente a acompa- nos imperfeitos a quem ele confia a
nha. Fazer ˜isso seria o mesmo que responsabilidade de´ cuidar de seu
dizer
´ que nao damos valor ao sacri- povo. Se nos rebelassemos ´ contra
fıcio de resgate nem temos apreço esses humanos,˜ como Jeova enca-
por ele. Em vez disso, mostraremos raria nossas açoes? — 1 Tes. 5:13.
nosso apreço por nos esforçarmos w09 15/8 4:14, 15
´ ´
Sabado, 7 de maio Mas
´ Jesus e “o caminho” tam-
Nunca homem algum falou bem em outro sentido. O pecado
˜ alienou a humanidade de Deus.
como este. — Joao 7:46.
(Isa. 59:2) Jesus deu “sua alma
´
Alem de profeta, Jesus era pre- como resgate em troca de mui-
gador e instrutor. Ele pregou as tos”. (Mat. 20:28)
´ Como resulta-
boas novas do Reino de Deus e do disso, a Bıblia explica: “O san-
´
ninguem falou com mais cora- gue de Jesus . . . purifica-nos
˜ de
gem do que ele. (Luc. 4:16-21, 43) todo o pecado.” (1 Joao 1:7) Des-
´
Era um instrutor inigualavel. se modo o Filho abriu caminho
˜ Je- ˜
sus era zeloso na divulgaçao das para a reconcilia´ çao com Deus.´
boas novas e inspirou em seus (Rom. 5:8-10) E por ˆ depositar fe
seguidores esse mesmo zelo pelo em Jesus e obedece-lo ˜ que po-
Reino. Assim, ele lançou a base demos ter uma rela ˜ çao aprovada
para uma campanha de prega- com Deus. — Joao 3:36. w09 15/5
˜
çao e ensino mundial que ain- 4:12, 13
da continua. (Mat. 28:18-20; Atos
5:42) No Segunda-feira, 9 de maio
˜ ano passado, mais de
7 milhoes de seguidores de Cris- ˜ Eu vos dou um novo mandamen-
to dedicaram mais ` de 1 bilh
˜ ao to, que vos ameis uns aos outros.
e meio de horas a pregaçao das ˜
— Joao 13:34.
boas novas do Reino ´ e ao ensi- ˜ ´
no de verdades bıblicas a pes- Nao ha nada que se compa-
ˆ re com o amor existente na fra-
soas interessadas.
˜ Voce tem uma ˜ ´ ˜
participaçao significativa nes- ternidade crista. Como um ıma
sa obra? Meditar no exemplo de que atrai o ferro,´ o amor une
Jesus nos motiva a ‘ficar des- os servos de Jeov ` a e atrai ˜ pes-
pertos e manter os nossos senti- soas sinceras a adoraçao ver-
´ dadeira. Por mais atraente ˜ que´
dos’ quanto ao que Deus fara em
breve. — 1 Tes. 5:2, 6. w09 15/4 seja, esse
´ amor fraternal nao ´ e
4:12, 13 automatico. Podemos compara-
lo a uma fogueira numa noite ´
Domingo, 8 de maio fria que atrai pessoas ao agrada-
Eu sou o caminho, e a verdade, vel calor de suas chamas. A me-
˜ nos que essas pessoas alimen-
e a vida. — Joao 14:6. ´
˜ tem o fogo´ com combustıvel, ele
As palavras de Jesus sao sig- se apagara. De ´ modo similar, o
nificativas para aqueles que es- maravilhoso ˜ vınculo de amor ´ na
peram ganhar a vida eterna na congregaçao se enfraquecera a
Terra. (Rev. 7:9, 10; 21:1-4)
´ Como menos que cada um ˆ faça sua par-
assim? Jesus ´ Cristo e´ “o cami-
´ te para fortalec
´ e-lo. Como fazer
nho”. Isto e, ele e o unico isso? O ap ostolo Paulo responde:
por meio de quem podemos´ nos “Prossegui andando ´ em amor,
aproximar de Deus. Isso ` e as-
˜ assim como tamb em o Cristo ´
sim no que diz respeito a oraçao, vos amou e se entregou ´ por vos
pois somente´ por orar em nome como oferta e sacrifıcio a Deus ´
de Jesus e que podemos ter a´ para ser cheiro fragrante.” (Efe.
garantia de que o Pai nos dara 5:2) Pergunte-se: ‘Como posso
o que quer que peçamos ˜ segun- prosseguir andando em amor?’
do a sua vontade. (Joao 15:16) w09 15/11 4:1, 2, 4
˜
Terça-feira, 10 de maio n ao escolhem essa esperan ´ ça
por si mesmos, mas ´ Jeova coloca
Acautelai-vos: talvez haja al-
´ seu selo, ou espırito santo, so-
guem que vos leve embora como bre eles. (2 Cor. 1:21, 22; 1 Ped.
´
presa sua, por intermedio de fi- 1:3, 4) Eles percebem que, ape-
˜
losofia e de vao engano, segundo sar de terem recebido um convite
˜ ˜ ´
a tradiçao de homens . . . e nao maravilhoso, e apenas isso — um
segundo Cristo. — Col. 2:8. convite.
´ ´ ´ Precisam permanecer
O apostolo Paulo comparou o fieis ˆ ate a morte para obter esse
´ prˆ emio. Os do restante ungido
ministerio dos servos de Deus a ´
uma guerra espiritual. Ele escre- tem de fazer o maximo para ‘an-
veu: darem dignamente da chamada
˜ “As ˜ armas de nosso combate com que foram chamados, com
nao sao carnais, mas poderosas
completa humildade mental’, fa-
em Deus para demolir as coi-
zendo ´ isso “com temor e tremor”.
sas fortemente entrincheiradas. ´ — Efe. 4:1, 2; Fil. 2:12; 1 Tes.
Pois estamos demolindo raciocı-
2:12. w09 15/6 4:13, 14
nios e toda coisa altiva levantada
contra o conhecimento de ˜ Deus.” Quinta-feira, 12 de maio
(2 Cor. 10:4, 5) Quais sao algu- ˜ ´
mas das “coisas fortemente en- Nao retribuais a ninguem mal
trincheiradas” das quais a edu- por mal. — Rom. 12:17.
˜
caçao divina liberta as pessoas? Paulo explicou que, ˜ ao enfren-
O fardo dos ensinamentos
˜ fal- tarmos hostilidade, nao devemos
sos, superstiçoes e filosofias hu- retaliar. Acatar esse conselho
manas, para se mencionar ape- ´
˜ e especialmente
´ importante nas
nas algumas. A educaçao divina famılias em ´ que nem todos ser-
ajuda as pessoas a vencer maus ˆ ˜
´ vem a Jeova. O conjuge ` cristao, ˜
habitos e a cultivar qualidades por exemplo, resiste a tentaçao
piedosas. (1 Cor. 6:9-11) Isso ´ ` me- de reagir a uma palavra ou ges-
lhora a vida familiar. E da as pes- to maldoso com outra palavra ou
soas sem esperança um ´ real ob- gesto maldoso. Nada de bom re-
jetivo na ˜ vida. Esse
´ e o tipo de sulta de ‘retribuir mal por mal’.
educaçao necessaria hoje em dia. ´
Ao contrario, isso ˜ pode apenas
w09 15/9 4:7 agravar a situa ç ao. Paulo re-
comenda uma maneira melhor: `
Quarta-feira, 11 de maio
˜ ˜ “Provede coisas excelentes a vis-
Irmaos, nao me considero ain- ta de todos os homens.” No lar, a
da como o tendo obtido; mas . . . esposa ´ que trata o marido com
empenho-me para alcançar o genuına bondade, mesmo depois
ˆ de ele ter falado mal das cren-
alvo do premio da chamada
para cima, da parte de Deus, por ças dela, pode ˜ muito bem evi-
meio de Cristo Jesus. tar uma situaçao potencialmen-
— Fil. 3:13, 14. te explosiva. (Pro. 31:12) Quanto `
˜ a prover “coisas excelentes a vis-
Aqueles
´ que sao ungidos pelo ta de todos os homens”, as Teste-
´
espırito santo de Deus recebem munhas de Jeova muitas vezes
uma “chamada”, ou “convite”, ce- vencem preconceitos ajudando ´
lestial. (Heb. 3:1; nota) Esse con- as pessoas em casos de tragedia.
vite pessoal vem de Deus. Eles w09 15/10 2:3, 4
˜
Sexta-feira, 13 de maio lan
´ ças, podadeiras.
˜ Nao levanta- ˜
´ ra espada naç˜ ao contra naçao,
Este homem certamente e o sal-
˜ nem aprenderao mais a guerra.”
vador do mundo. — Joao 4:42.
˜ (Isa. 2:3, 4) Por
´ agir em harmo-
Uma razao pela qual as pessoas nia com´ o espırito de Deus, con-
rejeitaram Jesus como prome- tribu
´ ımos para a beleza do pa-
tido Messias foram os seus en- ´ raıso espiritual.
´ No entanto,
` o
sinos, que muitos acharam difı- futuro sera ainda melhor. A me-
cil de aceitar. Entrar no Reino dida que ´ os humanos obedientes
exigiria ‘repudiar a si mesmo’, usufruırem paz sem precedentes
‘comer’ a carne e o sangue ˜ de sob˜ o governo de˜ Jesus, eles atin-
Jesus, ‘nascer de novo’ e ‘nao fa- girao a perfeiçao humana.
´ De-
zer˜ parte do mundo’. (Mar. 8:34; pois de passarem no ultimo teste
Joao 3:3; 6:53; 17:14, 16) Os´ or- no final do Reinado ˜ Milenar, os
gulhosos, os ricos e os hip ocri- “mansos possuirao ˜ a terra e de-
ˆ
tas encaravam ´ esses requisitos veras se deleitarao na abundan-
como difıceis demais. No entan- cia de paz”. — Sal. 37:11; Rev.
to, judeus humildes aceitaram o 20:7-10. w09 15/4 5:18, 19
fato de´ Jesus ser o Messias, como
tamb em fizeram alguns sama- Domingo, 15 de maio
ritanos. Jesus predisse que se- Eu sou a luz do mundo.
ria condenado pelos principais ˜
— Joao 8:12.
sacerdotes e pregado na estaca
por gentios, mas que, no tercei- Muito antes do nascimento ´ de
ro dia, seria ressuscitado. (Mat. Jesus na Terra, o profeta Isaıas
˜ predisse:
20:17-19)
´ A sua afirmaçao no Si- ˜ “O povo que andava na
nedrio, de que era “o Cristo, o escuridao viu uma grande luz.
Filho ˆ de Deus”, foi considerada Quanto aos que moram na ter-
blasfemia. (Mat. 26:63-66) Pila- ra de sombra tenebrosa, ´ resplan-
˜ deceu sobre eles
tos nao encontrou nele ‘nada que ´ a propria luz.”
merecesse a morte’, mas, vis- (Isa. 9:2) O ap ostolo Mateus ex-
´ plicou que Jesus cumpriu essa
to que os judeus ˜ tambem o acu-
savam de sedi` çao, Pilatos “en- profecia quando começou a pre-
tregou Jesus a vontade deles”. gar e disse: “Arrependei-vos,
´
— Luc. 23:13-15, 25. w09 15/12 pois o reino dos ceus se tem
3:12, 13 aproximado.”´ (Mat. 4:16, 17)
´ O ministerio de Jesus proveu ao
Sabado, 14 de maio povo esclarecimento espiritual e
´ ˜ ´ ´ ˜ ˜
A propria criaçao tambem sera libertaçao da escravidao a fal-
˜ ` sos ensinos religiosos. “Eu vim
liberta da escravizaçao a cor-
˜ como luz ao mundo”, disse ele,
rupçao. — Rom. 8:21.
˜ ˜ ´ “a fim de que ´ todo aquele
˜ que
Na congregaçao crista usufru ´ ı- depositar fe em mim ˜ nao˜ perma-
mos um verdadeiro paraıso espi- neça na escurid
ˆ ao”. (Joao 1:3-5;
ritual. Temos paz com Deus e 12:46) Voce preza os tesouros es-
com nossos ´ semelhantes. Note o pirituais que encontrou em ´ Je-
que Isaıas profetizou ˜ a respei- sus a ponto de recomenda-los a
to das˜ condiçoes que temos hoje: outros, tanto por meio de pala-
“Terao de forjar das suas espa- vras como
˜ de excelente conduta
das relhas de arado, e das suas crista? w09 15/7 1:12, 13
Segunda-feira, 16 de maio objetivas sobre o modo de ˜ nos ves-
tir e arrumar, a divers´ ao e o mau
A paz de Deus, que excede uso da internet. Sera que acatamos
´
todo pensamento, guardara os fielmente esses bons conselhos que
˜ ˜ ˜
vossos coraçoes e as vossas fa- nos dao proteçao˜ espiritual? Que
culdades mentais por meio de dizer da exortaçao de ˜ estabelecer ´
Cristo Jesus. — Fil. 4:7. uma rotina de adora ´ çao em fam˜ ı-
´ lia? Levamos a serio essa sugestao
O apostolo Paulo tinha um pro- e reservamos uma noite para essa
blema
˜ que lhe causava muita afli- finalidade? Se somos solteiros, es-
çao. Qualquer que tenha sido esse tamos tirando tempo para estu-´
problema, Paulo fez ˆ tudo o que do pessoal das´ Escrituras? Jeova
podia para ´ remov e-lo. ´ Ele ora- nos aben çoar
va a Jeova pedindo alıvio. Depois ´ a individualmente
e como fam˜ ılia se seguirmos as
da terceira vez, Deus lhe revelou
˜ orientaçoes do “escravo”. w09 15/11
que o “espinho na carne” nao seria 3:2, 3
removido milagrosamente. Paulo
aceitou esse fato e´ concentrou-se Quarta-feira, 18 de maio
em servir a Jeova de modo ˜ ple-
no. (2 Cor. 12:7-10) Isso nao signifi- Falai a verdade, cada um de
´ ´
ca que vos com o seu proximo.
´ devemos deixar de orar a ´
Jeova a respeito de assuntos — Efe. 4:25.
´ afli-
tivos. (Sal. 86:7) Ao contrario, ˜ a ´
Sera que falar a verdade signifi-
Palavra de Deus nos exorta: “Nao
ca que temos de revelar cada deta-
estejais ansiosos de coisa ˜ alguma, ´ lhe de um assunto a quem quer ˜ que
mas em tudo, por oraçao e supli-
nos faça uma pergunta? Nao ne-
ca, junto com agradecimento, ˜ fa- cessariamente. Quando esteve na
zei conhecer as vossas´ petiçoes˜ a
Terra, Jesus mostrou que nem to-
Deus.” (Fil 4:6) Jeova talvez nao re- dos merecem ouvir ˜ uma resposta
mova o nosso problema, mas ˜ ele direta ou informaçoes ´ sobre cer-
pode responder nossas oraçoes por tos assuntos. Quando lıderes reli-
proteger nossas faculdades men- ´
giosos hipocritas lhe perguntaram
tais. Depois de orar sobre um as- com que poder ou autoridade ele
sunto, talvez nos apercebamos do realizava sinais e milagres, ´ Jesus
perigo de ser consumido por ansie- disse: “Eu vos farei uma so per-
dades. w09 15/12 2:10, 11 gunta. Respondei-me, e eu tam-
´
Terça-feira, 17 de maio bem vos direi com que autorida-
de faço estas coisas.” Diante ˜ da
Escrevo-te estas coisas . . . pa- recusa dos escribas e anciaos de
ra que saibas como deves com- lhe darem uma resposta, Jesus dis-
´ se: “Tampouco eu vos digo com
portar-te na famılia de Deus.
— 1 Tim. 3:14, 15. que autoridade fa ço estas coi-
sas.” (Mar.
˜ 11:27-33) Por
´ causa´ da
Uma maneira de descobrir
˜ nosso corrupçao e falta
˜ de fe desses lıde-
lugar na congrega
´ çao, e provar que res, Jesus n ` ao se viu obrigado a
o prezamos, e por cooperar plena- responder a pergunta deles. ´ (Mat.
mente com o “escravo fiel e discre- 12:10-13; 23:27,´ 28) Tambem hoje,
to” e o Corpo Governante, que o o povo de Jeov´ a precisa estar aler-
representa. (Mat. 24:45-47) Temos ta contra apostatas e outros ´ ho-
de examinar se estamos˜ de fato mens maus que usam a ast´ ucia
acatando as orientaçoes desse “es- ou esperteza para ´ fins egoıstas.
cravo”. Por exemplo, ao longo
˜ dos — Mat. 10:16; Efe. 4:14. w09 15/6
anos recebemos orientaçoes bem 3:3, 6
Quinta-feira, 19 de maio mais novo do ´ que os outros quatro
˜ ˜ ´ homens, Eliu mostrou mais sa-
Nao sao todos eles espıritos para bedoria. Ele ´ dirigiu-se respeito-
´
serviço publico, enviados para samente a Jo, chamando-o pelo
˜ ˜
ministrar aos que hao de herdar nome. Elogiou-o´ por sua retidao,
˜
a salvaçao? — Heb. 1:14. mas disse que Jo havia se concen-
´ ˜ ´ trado demais em tentar ´ provar
´ ´
´ Ha milhoes ˜ de anjos fieis no que era irrepreens
´ ıvel. Daı, Eliu
ceu. Todos sao “poderosos em po- garantiu a Jo que servir a Deus´
der” ´ e ‘cumprem a palavra de fielmente sempre vale a pena. (Jo
Jeova’. (Sal. 103:20; Rev. 5:11) 36:1, 11) Que excelente exemplo
Esses
ˆ filhos espirituais de Deus para quem precisa dar conselhos
tem personalidade, qualidades ´
´ ˜ hoje em dia! Eli˜ u foi paciente, ou-
divinas e livre-arbıtrio. Sao mag- viu com atençao, elogiou quando
nificamente organizados e ocu- ´
˜ possıvel e´ deu conselhos edifican-
pam altas posi ç oes no arranjo tes. — Jo 33:32. w09 15/4 1:8
de Deus. Todos os anjos ˜ se ale- ´
graram com a ‘fundaçao da Ter- Sabado, 21 de maio
ra’ e executaram com prazer ´
Os ceus e a terra que agora exis-
suas tarefas designadas enquan- ˜
´ tem estao sendo guardados para
to esta inigualavel joia no espaço ˜
o fogo e estao sendo reservados
se transformava ´ no lar da ´ huma-
para o dia do julgamento e da
nidade. (Jo 38:4, 7) Jeova criou ˜ ´
o homem “um pouco menor que destruiçao dos homens ımpios.
` — 2 Ped. 3:7.
os anjos”, mas a Sua “imagem”,
´
para que os humanos refletissem O apostolo Pedro foi inspira-
as elevadas qualidades ˆ do Cria- do a escrever o acima a respeito
dor. (Heb. 2:7; Gen. 1:26) Se exer- do futuro da ´ humanidade.
´ O que
cessem corretamente
´ ˜ o dom do li- substituira os ceus governamen-
vre-arbıtrio, Adao e Eva e seus tais e a perversa sociedade hu-
descendentes poderiam conti- mana que˜ agora existem? ´ (2 Ped.
´
nuar a viver num lar 3:13) Ser ao substituıdos por ˆ “no-
´ paradısico ´
vos ceus” — o Reino messianico
como parte ´ da fam ılia universal
de Jeova de criaturas inteligen- de Deus — e por uma “nova terra”
tes. w09 15/5 3:1, 2, 4 — uma sociedade humana justa ´
de adoradores verdadeiros. ´ O ul-
Sexta-feira, 20 de maio timo livro ˜ da B ıblia anima ˜ o nos-
´ so coraçao com a sua vis ` ao da hu- ˜
Eliu, filho de Baraquel, o buzita, manidade restaurada a perfeiçao.
passou a responder e a dizer: (Rev. 21:1-4) Essa tem sido a es-
´ ´
“Sou jovem em dias, e vos sois perança de pessoas de fe desde
˜
idosos. Por isso recuei e tive medo que a perfeiçao humana ´ foi perdi-
de vos declarar o meu conheci- da no jardim ˜ do˜ Eden. Pessoas ´
´ de retidao viverao no Paraıso na
mento.” — Jo 32:6.
ˆ Terra para sempre, sem envelhe- ´
Depois de lermos sobre´ os tres cer. Essa esperança tem base so-
falsos consoladores ´ de Jo, lemos
´ lida tanto nas Escrituras Hebrai-
a respeito´ de Eliu, que tambem cas como nas Escrituras Gregas
˜ ´
visitou Jo. Primeiro,´ ele ouviu Cristas ´ e ate hoje´ fortalece os ser-
os ˆ argumentos de Jo e de seus vos fieis de Jeova. — Rev. 22:1, 2.
tres companheiros. Embora fosse w09 15/8 2:16, 17
Domingo, 22 de maio cesse melhor os ´ Seus caminhos, o
que era necessario para ele ´ po-
Cristo [deixou-vos] um modelo der˜ liderar o povo de Jeova. Salo-
para seguirdes de perto os seus mao pediu a Deus ´ que lhe desse
passos. — 1 Ped. 2:21. a sabedoria necessaria para cum-
Como seguidores de Cristo, de- prir os ˜ deveres de rei ˜ em Israel.
´ A ora´ çao de Salomao˜ agradou a
sejamos
´ imit a-lo no nosso mi-
nisterio e na nossa Jeova, que lhe deu nao apenas o
˜ ´ vida. Assim, que ele pediu,
´
mas tamb em ri-
nosso objetivo nao e apenas ´ trans- ´
mitir ´ conhecimento bıblico, mas quezasˆ e gloria. (1 Reis
´ 3:7-14) Se
tamb´ em refletir as qualidades de voce receber privilegios´ de servi-
Jeov ço que parecem ser alem da sua
˜ a, em especial o seu amor. capacidade, ore por´ sabedoria e
Nao importa se temos muito ou
pouco conhecimento, muita ou demonstre
´ um espırito
´ humilde.
pouca habilidade de ensino, o Daı, Deus o ajudara a adquirir o
amor´ que demonstramos contri- conhecimento
´ e a sabedoria ne-
˜ cessarios para cuidar de seus de-
buira muito para tocar o coraçao
dos a quem pregamos. Para ser- veres de modo apropriado e amo-
mos realmente eficazes na obra de roso. w09 15/11 2:7, 8
´
fazer discıpulos, temos de imitar a
Jesus por ensinar com amor. Na-
Terça-feira, 24 de maio
turalmente, o bom instrutor pre- ´ Cessai de ser modelados segundo
cisa ter conhecimento da materia este sistema de coisas, mas sede
e habilidade para transmiti-la.
´ Je- transformados por reformardes
sus ajudou seus´ discıpulos nesse a vossa mente, a fim de provar-
sentido, e Jeova da mesma forma ´ ´
des a vos mesmos a boa, e aceita-
nos ajuda ˜ hoje por meio de sua or-
ganizaçao. (Isa. 54:13; Luc. 12:42) vel, e perfeita vontade de Deus.
Mesmo assim, — Rom. 12:2.
˜ ´ nosso alvo deve ser ˜
ensinar´ nao so com a mente, ˜ mas Uma mudan ça t ao completa
tamb em com o coraçao. Quando pode ser realizada apenas com a
o conhecimento, a habilidade e o ´
ajuda de Deus ´ e de seu espırito. ˜
amor trabalham juntos, os resul- ´ Exige tambem forte determinaçao
tados podem ser muito satisfato- de nossa parte, usando a nossa “fa-
rios. w09 15/7 3:4, 5 ´
culdade de raciocınio”. ´ (Rom. 12:1) ˜
Significa fazer o maximo para nao
Segunda-feira, 23 de maio sermos “modelados segundo este
´ sistema” com a sua moral corrup-
Faze-me saber os teus proprios ˜
´ ´ ta, diversao degradante e concei-
caminhos, o Jeova. — Sal. 25:4. ´
´ tos pervertidos. (Efe. 2:1-3) Paulo
O desejo de agradar a Jeov a nos convida a usar a nossa “facul-
´
deve nos motivar ´ a orar pedindo dade de raciocınio” para nos certi-
´
sabedoria. Moises orou a Deus pe- ficar da ‘boa, aceitavel e perfeita ´
dindo que este o fizesse
ˆ conhecer vontade de Deus’. Desse modo, nos
os Seus caminhos.
´ “Ve”, ele implo- participamos em atividades cris-
˜
rou, “tu [Jeova] me dizes: ‘Faze su- tas ´ porque somos movidos pelo es-
bir este povo [do Egito]’ . . . E ago- pırito de Deus a demonstrar ´ ´ nos-
ra, por favor, se eu tiver achado so caloroso amor a Jeova. Alem do
favor aos teus olhos, por favor, mais, estamos convencidos ´ de que
faze-me
ˆ saber os teus caminhos.” realizar tais atividades
´ e a vontade ´
( Exo. 33:12, 13) Em resp ´ osta, de Deus para nos. — Zac. 4:6; Efe.
Deus fez com que Moises conhe- 5:10. w09 15/10 1:2, 3
Quarta-feira, 25 de maio carei boa.” Reunindo coragem,
ela fez isso e imediatamente sen-
Paulo expressou o desejo de que
´ tiu que havia sido ´ curada. Jesus
[Timoteo] fosse com ele. percebeu que alguem o havia to-
— Atos 16:3. cado, e olhou em volta para ver
´ quem era. A mulher, provavel-
Timoteo recebeu um convite ˜
incomum — tornar-se compa- mente temendo uma repreensao ˆ
´ por ter violado a
nheiro de viagem do ap ostolo ´ Lei, caiu tre-
Paulo.˜ Imagine´ a surpresa e a mula aos seus pes ´ e contou toda
emoçao de Timoteo! Ele passaria a verdade. Sera que Jesus re-
` preendeu essa pobre mulher so-
anos viajando com Paulo, e as´ ve-
zes com outros, cumprindo fredora? Longe disso! De maneira
˜ ´ arias
v
consoladora, ele disse as pala-
missoes ˜ em nome dos ap ´ ostolos
e anciaos. Paulo e Timoteo rea- vras do texto de hoje. (Mar. 5:25-
´ 33) Ela deve ter se sentido muito
lizaram viagens que contribu ˜ ı-
ram muito para˜ a edificaçao es- aliviada ao ouvir essas palavras!
piritual dos irmaos. (Atos 16:4, 5) w09 15/9 1:11, 12
˜
Assim, muitos crist aos passa- ´
ram a conhecer bem a Timoteo Sexta-feira, 27 de maio
por causa de seu progresso espi- ´ ˜
Ate eu expirar nao removerei
ritual. Depois de trabalhar ´ uns de mim a minha integridade!
dez anos com ele, o apostolo Pau- ´
˜ — Jo 27:5.
lo escreveu aos filipenses: ‘Nao ´
tenho˜ a nenhum outro de dis- No´ perıodo entre ˜os dias de
` Jose (bisneto de Abra ao) e os dias
posi
´ çao igual a dele, que cuida- ´
ra genuinamente do profeta Moises, ´ viveu um ´ ho-
´ ´ das coisas re- mem chamado Jo. O livro bıbli-
ferentes a vos. Vos conheceis a ´
prova que ele deu de si mesmo, co de Jo, provavelmente
´ escri-
que ele trabalhou ˜ como escravo to por ´ Moises, explica´ por que
comigo na promoçao das boas no- Jeova permitiu que Jo sofresse
vas, como um filho junto ao pai.’ e o que por fim lhe aconteceu. ˜ ´
— Fil. 2:20-22. w09 15/12 1:3 No entanto, esse livro nao ˜ e um
simples
´ relato das provaçoes que ˜
Quinta-feira, 26 de maio Jo enfrentou; ˆ focaliza questoes
´ de importancia universal. O li-´
Filha, a tua fe te fez ficar boa.
vro lança luz sobre como Jeova
Vai em paz. — Mar. 5:34.
˜ exerce a sua soberania ´ com justi-
A compaixao de Jesus o moti- ça.
˜ Revela tambem´ que a ques-
vava a agir. Veja um exemplo. tao levantada no Eden envolve
Por 12 longos anos, certa mu- a integridade e a perspectiva de
lher sofreu de um fluxo anor- vida de todos os servos ´ terrestres
˜
mal de sangue. Ela sabia que, de de Deus. Embora Jo ˜ nao tenha ˜
acordo ˜ com a Lei mosaica, sua entendido essa questao, ˆ ele nao
condiçao tornava tanto ela como permitiu que seus tres compa-
quem a tocasse cerimonialmen- nheiros o levassem a pensar que
te impuros. (Lev. 15:25-27)
˜ Ainda ele tinha falhado em manter a
assim, a reputaçaoˆ e a atitude integridade. ´ Isso deve fortalecer
de Jesus devem te-la convencido ´ a nossa fe e nos ajudar a enten-
de que ele poderia e iria cura- der que podemos manter a inte-
la. Ela dizia: “Se eu apenas to- gridade ´ e defender a soberania
car na sua roupagem exterior, fi- de Jeova. w09 15/8 1:8
´ ´
Sabado, 28 de maio meiro seculo se destacaram pelo
´ ` seu apego a Deus e uns ´ aos ou-
A fe segue a coisa ouvida.
tros. Atualmente, como e praze-
— Rom. 10:17. roso associar-se com uma orga-
´ ˜
Como adquirir verdadeira fe? nizaçao mundial cujos membros
O exemplo de Jesus nos guia. seguem
˜ o exemplo daqueles
´ cris-
Ele demonstrou perfeito conhe- taos do primeiro s eculo! Esta- `
cimento das Escrituras e ple- mos decididos a obedecer a or- ´
na confiança nelas.˜ Como arma, dem de Jesus de mostrar genuıno
Jesus manejava, nao uma espa- amor uns pelos ´ outros. No entan-
da literal, mas sim a espada do to, nestes ultimos ˜ dias, as pes-
´
espırito, a Palavra de Deus. Re- soas em
˜ geral sao desleais e sem
petidas vezes ele provou a ve- afeiçao. (2 Tim. 3:1-3) As ami-
racidade de ` seu ensino com uma zades
˜ que cultivam muitas vezes
ˆ
referencia as Escrituras. Geral- sao superficiais e interesseiras.
mente ele introduzia˜ suas pala- Para manter ˜ a nossa identidade
´
vras com a ´ declaraçao: “Esta es- como cristaos verdadeiros, temos
crito”, isto e, na ˜ Palavra de Deus. de ser diferentes. w09 15/10 4:1, 2
(Mat. 21:13; Joao´ 8:17) Para de- `
senvolver uma fe que resiste as Segunda-feira, 30 de maio
˜ ´
provaçoes
ˆ que inevitavelmente
˜ ´ A palavra de Deus e viva e
sobrevem aos cristaos, nos ´ preci- exerce poder. — Heb. 4:12.
samos ler e estudar a` Bıblia to- ˜ ˆ
dos os Os beb˜ es espirituais nos dias de
˜ dias e assistir as reunioes
cristas, alimentando nossa mente Paulo nao aplicavam a Palavra de
˜
com ´ as verdades que sao a base Deus a si mesmos, nem ´ perce-
´
da fe. Tambem devemos meditar, biam seu ˜ valor na pratica. (Heb.
ou seja, refletir profundamen- 5:13) Nao conheciam a mensa-
te no que aprendemos, permitin- gem o suficiente para permitir
˜
do que penetre em nosso´ coraçao. que˜ esta ´ os guiasse em tomar de-
Somente a verdadeira fe pode nos cisoes sabias na vida. Conhecer
motivar a agir de maneira cora- bem a Palavra de Deus significa
josa. (Tia. saber o que ela diz e aplicar esse
´ 2:17) E devemos orar ´ ˆ
pelo espırito santo porque a fe faz conhecimento. ˜ A˜ experiencia de
´ ´
parte do fruto do espırito. — Gal. uma irma crista chamada Kyle
5:22. w09 15/9 2:15, 16 mostra como isso pode ˜ ser feito.
Ela teve uma discussao com uma
Domingo, 29 de maio colega de trabalho. O que ela fez
Estas coisas eu vos mando, que para sanar a brecha? Ela explica:
vos ameis uns aos outros. “O texto de que logo me lembrei
˜ foi Romanos 12:18,´ que diz: ‘No ´
— Joao 15:17.
´ que depender de vos, sede pacıfi-
Na sua ultima noite na Terra,
´ cos para com todos os homens.’
Jesus incentivou seus discıpulos Assim, marquei um encontro com
leais a continuarem ´ amigos uns essa colega para depois do traba-
dos outros. Os apostolos tinham lho.” O encontro foi muito bem-
de continuar sendo grandes ami- sucedido, e a colega ficou impres-
gos ˜ para poderem suportar pro- sionada com a iniciativa de Kyle. ´
vaçoes futuras e realizar a obra “Aprendi que nunca nos ´ saımos ´
da qual Jesus logo os ˜ encarrega- mal se aplicamos os princıpios bı-
ria. De fato, os cristaos do pri- blicos”, diz Kyle. w09 15/5 1:8-10
˜ ˜
Terça-feira, 31 de maio oraçoes sinceras por ajuda ser´ ao
´ ´ atendidas. Com a ajuda do espıri-
Se alguem de vos tiver falta de to santo, encontraremos na Pala-
sabedoria, persista ele em pedi- vra de Deus joias de sabedoria que
la a Deus. — Tia. 1:5. nos habilitam a lidar com desafios
˜ ˜ ´
Quais seguidores do Salom ao e a tomar decis ˜ oes sabias.
´ (Luc.
Maior, como podemos nos bene- 11:13) Salomao tambem foi cha-
ficiar da sabedoria divina? Vis- mado de “congregante” que ‘con-
´ ´ tinuamente ensinava o conheci-
to que a sabedoria de Jeov a ´ e
revelada em sua Palavra, a B ı- mento ao povo’. (Ecl. 12:9, 10)
´ Jesus, como
blia, temos de estuda-la cuidado- ˜ ˜ ´ Cabeça ´ da congrega-
samente, em especial o registro çao crista, e tambem um˜ congre-
das palavras de Jesus, e meditar
´ gante de seu povo. (Joao 10:16;
no que lemos. (Pro. 2:1-5) E pre- Col. 1:18) Portanto,
` fazemos
˜ bem
´
ciso tambem perseverar em pe- em assistir as reunioes congre-
dir sabedoria a Deus. A Palavra gacionais, onde somos ‘ensinados
de Deus nos garante que nossas continuamente’. w09 15/4 5:15

Quarta-feira, 1.° de junho Quinta-feira, 2 de junho


˜
Todo aquele que perder a sua al- Oramos a Deus para que nao
´
ma por minha causa e o que a façais nada de errado.
´
salvara. — Luc. 9:24. — 2 Cor. 13:7.
˜ ´ ´
O que habilita
˜ os cristaos a per- Sera que oramos pedindo ´ espı-
severar nao importa que provas, rito santo, rogando a Jeova que
dificuldades e problemas ´ enfren- nos ajude a demonstrar seu fruto:
tem? Basicamente, ´ e o amor ba- amor, alegria, paz, longanimidade,
´
seado em princ ´ ıpios. Esse amor benignidade, ´ bondade, fe, brandu- ´
nos move ˜ a ir alem de apenas abrir- ra e autodomınio? (Luc. 11:13; Gal.
mos mao de algo em sentido mate- 5:22, 23) Em ˜ caso positivo, ˜ nossas
rial. Ele vai a ponto de nos motivar ´ palavras e açoes mostrarao que es-
a estarmos ´ dispostos a ser ınte- tamos
´ andando
´ e vivendo por es-
gros e ate mesmo a perder a vida pırito. (Gal. 5:16, 25) Se souber-
por causa de Cristo. (Luc. 9:25) mos que nossos filhos se sentem
Considere o proceder ´ fiel de Tes- tentados a colar nas provas escola-
temunhas de Jeova que sofreram ˜ res, devemos orar por ´ eles e consi-
em campos de concentraçao, cam- ˜ derar
´ conselhos bıblicos para ˜ aju-
pos de trabalho ´ for çado e prisoes da-los a ser honestos e nao fazer
durante e ap os a Segunda Guer- nada ˜ de errado. Paulo disse aos
ra ˜ Mundial. ˜ Wilhelm, um jovem ir- cristaos em Corinto as˜ palavras
mao alemao, exemplifica bem isso. do texto de hoje. Oraçoes humil- ´
Em vez de transigir, ele permane- des desse tipo agradam a Jeova e
ceu leal ao enfrentar ˜ a morte por revelam uma boa atitude de nos-
meio de um pelotao de fuzilamen- sa parte. (Pro. 15:8) Podemos ´ pe-
to nazista.
` Numa
´ carta de despedi- dir que outros´ orem por nos, como ˜
da a sua famılia, ele escreveu: “De- fez o ap ´ ostolo Paulo. “Fazei oraçoes
vemos amar a Deus ´ acima de tudo, por nos”, escreveu, “pois ˆ confiamos
assim como nosso Lıder Jesus Cris- em ter uma consciencia honesta,
to ordenou.
˜ Se tomarmos nossa po- visto que queremos comportar-nos
siçao ao´ lado dele, ele nos recom- honestamente em todas as coisas”.
pensara.” w09 15/12 4:14, 15 — Heb. 13:18. w09 15/11 1:10, 11
Sexta-feira, 3 de junho maneceria leal se ˜ perdesse sua
excelente condi ´ ç ao financeira.
Queremos comportar-nos hones- A lealdade de
tamente em todas as coisas. ´ ´ Jo passou no teste.
Daı, Satanas afirmou que qual-
— Heb. 13:18. quer humano se desviaria de
´ ´ Deus
Uma mulher se sofresse fisicamente. Jo sofreu,
´ na India aceitou ˜
mas nao violou a ´ sua integrida-
um estudo bıblico e com o tem-
po qualificou-se como publicado- de. Assim, Satanas mostrou ser
˜ mentiroso no caso desse homem
ra nao batizada. Um dia, ao voltar
para casa˜ depois de trabalhar na fiel, embora imperfeito. Que di-
˜ zer de outros adoradores de Deus?
construçao de um Salao ˜do Rei-
no, ela encontrou no chao, per- Na verdade, ´ todo ´ servo de Deus
´ que se mantem ıntegro apesar de
to da rodoviaria, uma ´ corrente de ´
qualquer ataque de Satanas de-
ouro que valia 800 dolares. Ape-
monstra ˜ que, no seu caso,
´ as acu-
sar de ser pobre, ela entregou ´ a sa˜ çoes desse implacavel inimigo
corrente na˜ delegacia de polıcia.
sao falsas. w09 15/4 1:10, 11
O policial nao conseguia acreditar
no que via. Mais tarde, outro po- Domingo, 5 de junho
licial ˆ perguntou a ela: “Por que
voce decidiu entregar a corren- Porei inimizade entre ti e a mu-
´
te?” Ela explicou: “O ensino bı- lher, e entre o teu descendente e o
ˆ
blico mudou minha vida, por isso seu descendente. — Gen. 3:15.
sou uma pessoa honesta agora.”
Existiria
´ uma inimizade entre
Impressionado,
˜ ele disse ao´ an-
Satanas e ´ a “mulher” de Deus.
ciao que a acompanhou
´ ate a de-
˜ Sim,
˜ Jeova encarava´ a organiza-
legacia: “Ha mais de 38 milhoesˆ
çao celestial de fieis criaturas es-
de pessoas neste Estado. Se voce
pirituais como esposa amada liga-
conseguir ajudar dez pessoas a se da a ele como seu Marido. Essa
tornarem
´ como essa mulher, isso profecia proveu uma base segu-
sera um feito e tanto.” Quando le- ˜ ra para esperança, embora os de-
vamos em conta que a educaçao talhes permanecessem como “se-
divina tem mudado ˜ para melhor˜ a gredo sagrado” a ser revelado
vida de milhoes de pessoas, nao progressivamente. Deus se pro-
nos sentimos motivados a louvar a ˆ
´ p os a fazer com que um membro
Jeova? w09 15/9 4:8 da parte celestial de sua organi-
˜
´ zaçao esmagasse todos os rebel-
Sabado, 4 de junho
des e que, por meio desse,´ fossem
Foi lançado para baixo o acusa- ajuntadas “as coisas nos ´ ceus e as
˜ coisas na terra”. (Efe. 1:8-10) Nos
dor dos nossos irmaos, o qual os ´
acusa dia e noite perante o nosso dias de Noe, alguns anjos aban-
Deus. — Rev. 12:10. donaram sua “moradia correta”
´ ´ e materializaram corpos ´ carnais
Jeov a e o Criador do Univer- em busca de prazeres egoıstas na´
ˆ
so,
˜ o Soberano de toda a cria- Terra. (Judas 6; Gen. 6:1-4) Jeova
çao.
˜ Por que ele simplesmente ˜ lançou esses rebeldes num estado
˜
nao desconsiderou as ´ acusaçoes de densa escuridao e,´ desse modo,
que o Diabo fez sobre Jo?´ Deus sa- juntaram-se a Satanas, tornando-´
bia ´ que ignorar
˜ a Satanas ou ˜ des- se “forças espirituais inıquas” e
truı-lo nao resolveria a quest´ao. O ferrenhos inimigos
´ dos servos de
Diabo ´ havia afirmado que
´ ˜ Jo, um Deus. — Efe. 6:11-13; 2 Ped. 2:4.
notavel servo de Jeova, nao per- w09 15/5 3:6, 7
˜
Segunda-feira, 6 de junho rupçao’ por meio dos serviços
Resmungam contra mim. sacerdotais de Cristo Jesus e
´ seus 144 mil subsacerdotes.
— Num. 14:27. ´
(Rom. 8:21) Alem disso, Jere-
Quando os israelitas se quei- mias e outros destemidos servos
xaram´ e se rebelaram
´ contra de Deus do passado foram cora-
Mois es, Jeov a encarou esses josos ´ por causa da garantia de
atos rebeldes como ´ dirigidos Jeova, refletida nesta promes-
a ele mesmo.
˜ (Num. 14:26, 27) sa feita ˜ a Jeremias: “Por˜ certo
Deus nao mudou. Se nos rebe- lutarao ˜ contra ti, mas nao pre-
larmos contra˜ os que ele colo- valecerao contra ´ ti, pois ‘eu es-
˜
cou em posiçao de autoridade, tou contigo’,
´ e a pronunciaçao
estaremos nos ´ rebelando con- de Jeova, ‘para te livrar’.” (Jer.
tra ele! O ap ostolo Paulo revela 1:19) Hoje, quando refletimos
a atitude correta a ser ˆ cultiva- sobre o que Deus nos promete
da˜ para com os que tem posi- para o futuro e sobre sua ˜ ga-
ç oes de resp˜ onsabilidade
˜ na rantia de ´ nos dar prote
´ çao espi-
congregaçao crista. Ele escre- ritual, nos tambem somos for-
veu: “Sede obedientes aos que ´ talecidos. — Pro. 2:7; 2 Cor.
tomam a dianteira entre vos e 4:17, 18. w09 15/7 4:7, 8
sede submissos, pois vigiam so-
bre Quarta-feira, 8 de junho
´ as vossas almas como quem ´ ´
ha de prestar contas; para que ˜ Cada um de nos prestara contas
façam isso com alegria e nao de si mesmo a Deus.
com suspiros, porque isso vos — Rom. 14:12.
seria prejudicial.” (Heb. 13:17) ˜
Realmente, exige esforço real Como outros cristaos devem
de nossa parte desenvolver tal encarar uma pessoa que pro-
´ fessa ser ungida e come ça a
espırito obediente e submisso.
Mas lembre-se de que estamos participar˜ dos emblemas ˜ na Co-
nos empenhando em permane- memoraçao? Ela nao´ deve ser
cer julgada.´ O assunto e entre ela
˜ no´ amor de Deus. Esse alvo e ˜ Jeov a. No entanto, os˜ cris-
nao e digno de todo nosso esfor-
ço? w09 15/8 4:16, 17 taos realmente ˜ ungidos nao exi- ˜
gem atençao especial. Eles nao
Terça-feira, 7 de junho acham que, por serem ungidos,
˜ ˆ ´
Embora nao recebessem o cum- tem ´ mais perspic acia do que
primento das promessas, . . . ate mesmo membros experien- ˜
viram-nas de longe e acolheram- tes da “grande multidao” ˜ talvez
tenham. (Rev. 7:9) Naoˆ creem
nas. — Heb. 11:13.
´ ´ que´ necessariamente tem mais
Servos
˜ fieis dos tempos pr˜ e- espırito santo do que seus com-
crist aos, como Abel, Abra ao, panheiros
˜ das “outras
˜ ovelhas”.
Sara, Elias e Jeremias, aguar- (Jo ao 10:16) Nao esperam ser
davam um futuro promissor e tratados de modo especial ˜ e
atraente. (Tito 1:2) Depois de tampouco que sua participaçao
ressuscitados,
˜ ˜ por fim ˜ alcança- nos emblemas ˜ os coloque acima
rao a perfeiçao e ser˜ao ‘liber-
` dos anci ˜ aos designados da con-
tados da escraviza ç ao a cor- gregaçao. w09 15/6 4:15
Quinta-feira, 9 de junho te correspondente”, Jesus pagou
´ a penalidade peloˆ pecado herda- ˜
Se alguem levar de vencida a um
´ ´ do pela descend
´ encia de Adao e
que esta so, dois juntos pode- tornou possıvel a vida eterna para
´
riam manter-se de pe contra ele. todos os que o aceitam como o
˜ ´ ˜ ˜
E um cordao trıplice nao pode meio divino de salva
ser prontamente rompido ˆ çao. (1 Tim. ´
2:5, 6) Depois de tres dias no tu-
em dois. — Ecl. 4:12. mulo, Cristo foi ressuscitado e,
´ ´
As amizades mais solidas se ba- por 40 dias, apareceu a seus discı-
´ pulos para provar que estava vivo
seiam no amor ´ a Jeova. Se numa ˜
amizade Jeova for o terceiro “cor- e lhes dar´ novas instruçoes. ´ (Atos
˜ ´ 1:3-5) Daı, ele subiu ao ceu para
d´ ao”, essa amizade perdurar a. ˜ ´
E verdade que´ pessoas que n ao apresentar a Jeov ´ a o valor de seu
´ precioso sacrifıcio e esperar o
amam a Jeova tamb em podem ´
cultivar amizades´ satisfatorias. tempo designado para iniciar ˆ a
Mas, quando alguem se achega a sua presença como Rei messiani-
´ co. Enquanto isso, ele tinha mui-
outro por causa do amor mutuo ´ a
Deus, to a fazer. w09 15/12 3:14, 15
´ a amizade resultante e ina-
balavel. Se surgirem mal-enten- ´
didos, os verdadeiros amigos tra- Sabado, 11 de junho
˜
tarao uns aos outros´ de um modo Eu sou o caminho, e a verdade,
que˜ agrada a Jeova. Os que se ˜
e a vida. — Joao 14:6.
op oem a Deus ˜ talvez tentem cau- ´ ˜
sar divisoes, mas esses˜ inimigos Jesus e “a verdade” nao ape-
´ ´ nas porque sempre falou e viveu
logo descobrem que nao e facil ´
romper amizades entre os cris- a verdade, mas tambem porque
˜ todas as profecias escritas a res-
t aos ´ verdadeiros. Ao longo ´ da´
Historia, os servos de Jeova j a peito do Messias — e foram mui- ˜
provaram que preferem enfren- tas — cumpriram-se nele. “Nao
tar a morte a trair uns ´ aos ou- importa quantas sejam as pro-
˜ messas de D eus”, escreveu o
tros. (1 Joao 3:16) Sem duvida, as ´
melhores amizades que podemos ap ostolo Paulo, “elas se tornaram
˜ Sim por meio dele”. (2 Cor. 1:20)
ter sao ´ com pessoas que amam a
Jeova. w09 15/10 4:3-5 Mesmo “uma sombra das boas
coisas vindouras”, contida na Lei
Sexta-feira, 10 de junho mosaica, tornou-se realidade em
O Filho do homem . . . veio Cristo Jesus.
´ (Heb. 10:1; Col. 2:17)
para . . . dar a sua alma Jesus e o ponto focal em que to-
das as profecias se concentram e
como resgate em troca de
elas lançam luz sobre ˜ seu papel ´
muitos. — Mat. 20:28. central na realiza çao do prop o-
´ ´
A fidelidade de Jesus ate a mor- sito de Jeova. (Rev. 19:10) Para
te resolveu um importante as- nos beneficiar
´ do cumprimento
pecto do “segredo sagrado”. (Col. do prop osito de Deus, precisamos´
1:26, 27) Ele provou, sem a menor seguir o Messias. Jesus e “a vida”
´
sombra de duvida, que um ho- porque ele comprou a raça hu-
mem ˜ perfeito pode manter a “de- mana com ´ seu sangue,
´ e a vida
voçao piedosa” e apoiar a sobera- eterna e uma d adiva de Deus
nia de Deus mesmo sob os mais “por [meio de] Cristo Jesus, nosso
severos
´ testes impostos por Sata- Senhor”. — Rom. 6:23. w09 15/5
nas. (1 Tim. 3:16) E, como “resga- 4:12, 14, 15
˜
Domingo, 12 de junho var alegria e satisfaçao. Quando
´ as coisas saem errado na nossa´
O profundidade das riquezas, e
vida, o que nunca devemos fazer e
da sabedoria, e do conhecimento descontinuar a nossa sadia rotina
˜ ´ ˜ ˜ ´
de Deus! Quao inescrutaveis sao de adoraçao. De fato, um antıdo-
´ ´
os seus julgamentos e alem de to para a tristeza e empenhar-se
˜ ˜
pesquisa sao os seus caminhos! em atividades que dao felicidade.
— Rom. 11:33. ´
Jeova nos diz que podemos en-
A sabedoria divina enfatiza o contrar alegria e felicidade por
bom senso e se baseia em co- ler e pesquisar regularmente a
nhecimento exato e entendimen- sua Palavra. (Sal. 1:1, 2; Tia. 1:25)
´ Tanto as Escrituras
to.
´ (Tia. 3:17) Por Jeova ser todo- ˜ ˜ Sagradas
s abio, temos confiança de que como as reunioes˜ cristas ´ nos ofe-
suas leis nos guiam para o me-´ recem “declaraçoes afaveis” que
lhor modo de viver. Afinal, Jeov a podem nos reanimar
˜ e alegrar o
´ nosso cora ç ao. — Pro. 12:25;
sabe melhor do que ninguem o
que precisamos para ser felizes. 16:24. w09 15/12 2:12, 13
´
(Pro.´ 3:5, 6) A sabedoria de Jeova,
alem de´ outras qualidades in- Terça-feira, 14 de junho
comparaveis, pode ser observada Alargai-vos. — 2 Cor. 6:13.
nas coisas que ele´ criou. (Rom.
1:20) Da maior´ ate a menor, as ´ Por que Paulo incentivou os co-
obras de Jeova revelam aspec- rıntios a ‘se alargarem’ em seu
˜ amor?
tos de sua personalidade. Nao im- ´ ˜ Considere como a congre-
porta onde olhemos, para os ceus gaçao ´ na Corinto antiga começou.
acima ou para o solo debaixo dos O ap ostolo Paulo chegou ali no ´
´ ˆ final de 50 EC. Embora no` inı-
pes, encontramos fartas evid ´ en-
cias de um Criador todo-sabio e cio muitos ˜ se opusessem
˜ a sua
amoroso. Podemos aprender mui- pregaçao ali, ele nao desistiu.
to sobre Deus por considerar as Em pouco tempo, muitos naque-
coisas que ele criou. — Sal. 19:1; la cidade aceitaram as boas no-
Isa. 40:26. w09 15/4 3:3, 4 vas. Por “um ano ´ e seis meses”,
Paulo fez o maximo para ensi-
Segunda-feira, 13 de junho nar ˜ e fortalecer a nova congrega-
˜ ´ çao. Fica evidente ˜ que´ ele amava
Por causa da dor de coraçao ha
´ muito os cristaos corıntios. (Atos
um espırito abatido. 18:5, 6, 9-11) Eles tinham todos os
— Pro. 15:13. ´ ´
motivos´ para tambem ama-lo e
˜ ˜ respeita-lo. Apesar disso, alguns
Alguns cristaos ficam tao abati- ˜
dos que deixam de fazer sua na congregaçao se afastaram de
´ Paulo. Pode ser que uns poucos
leitura pessoal da B ıblia e ˜ de ˜
meditar nela. As suas oraç oes nao gostassem de seus conselhos
ˆ
tornam-se mecanicas e eles tal- francos. (1 Cor. 5:1-5; 6:1-10) Ou-
vez se isolem˜ de seus compa- tros
` talvez
´ tenham dado ouvidos ´
nheiros crist aos. Obviamente, as calunias dos “superfinos ap os-
permanecer num estado de aba- tolos”. (2 Cor. 11:5, 6)˜ Paulo que-
timento pode ser prejudicial. ria que todos os irmaos o amas-
(Pro. 18:1, 14) Por outro lado, sem de verdade. Assim, ele pediu
uma perspectiva positiva nos aju- que eles ‘se alargassem’ por se
da a focalizar aspectos de nos- aproximarem ˜ mais dele e dos ou-
sa vida dos quais podemos deri- tros irmaos. w09 15/11 4:5, 6
´ ´
Quarta-feira, 15 de junho seus discıpulos. O notavel exem-
plo de amor de Jesus ˜ estabele-
Se o teu inimigo tiver fome, ali- ce um elevado padr´ ao para seus
´
menta-o; se ele tiver sede, da-lhe seguidores. Tamb em nos moti-
algo para beber; pois, por faze- va a mostrar um amor semelhan-
´ ˜
res isso, amontoaras brasas ace- te por nossos irmaos espirituais e
sas sobre a sua cabeça. por outras
` pessoas. Na noite´ an-
— Rom. 12:20. terior
´ a morte de Jesus, o prˆ oprio
ap ostolo Pedro negou-o tres ve-
Ao usar as ´ palavras registradas ´ zes. (Mar. 14:66-72) Mas, quan-
nesse versıculo, Paulo sem du- do Pedro retornou, como Jesus
vida tinha em ´ mente o que le- predisse que faria, este o per-
mos em Proverbios 25:21, 22: “Se doou. Mais tarde, Jesus encar-
aquele
´ que
˜ te odeia tiver fome, regou Pedro de pesadas respon-
da-lhe pao para ´ comer;
´ e se ele sabilidades. — Luc. 22:32; Atos
tiver sede, da-lhe ´ agua para be- 2:14; 8:14-17; 10:44, 45. w09 15/9
ber. Porque juntaras brasas ´ sobre´ 3:1-3
a sua cabeça, e ´ o proprio Jeova
te recompensara.” Considerando Sexta-feira, 17 de junho
seu
´ conselho em Romanos, ca- ˜ Aprendem . . . a estar desocu-
pıtulo 12, Paulo certamente nao ´
queria dizer que as brasas simbo- padas, vadiando pelas casas;
˜
licas serviriam para punir ou en- sim, e nao somente desocupadas,
´
vergonhar um mas tambem tagarelas e intro-
´ opositor. Em vez metidas nos assuntos dos outros,
disso, o proverbio — bem como as ˜
palavras similares de Paulo aos falando de coisas de que nao de-
romanos — ´parece referir-se a viam. — 1 Tim. 5:13.
um antigo m˜ etodo de extrair me- ´
´ Paulo indicou que ha pessoas
tal pela fusao do minerio. Como indignas de receber uma respos-
“brasas”, atos de ˜ bondade podem ta plena ou completa. Referiu-se
aquecer´ o coraçao de opositores a pessoas ‘tagarelas e introme-
e ate ‘derreter’ a sua hostilida- tidas nos assuntos dos outros’ ˜ e
de. Atos bondosos podem levar as que ‘falam de coisas de que nao
pessoas ´ a ter uma atitude mais deviam falar’. Os que se intro-
favoravel para com os do ´ povo de metem
´
Jeova e a mensagem bıblica que ˜ nos assuntos alheios, ˆ ou
que nao sabem guardar confiden-
pregam. w09 15/10 2:5, 6 cias, talvez descubram que outros ˜
relutam em´ lhes dar informaçoes
Quinta-feira, 16 de junho pessoais. E muito melhor aca-
´ tar o conselho inspirado de Paulo:
Jesus, tendo amado os seus pro-
prios que estavam no mundo, “[Tomai] por vosso alvo viver sos-
´ ˜ segadamente,
amou-os ate o fim. — Joao 13:1. ´ ´ e [cuidai] de vossos
pr` oprios negocios.”
´ (1˜ Tes. 4:11)
Jesus estabeleceu o exemplo As vezes, porem, anciaos congre-
perfeito de amor. Tudo a seu gacionais talvez precisem fazer
respeito — seu modo de falar, perguntas sobre assuntos pes-
sua conduta, seus ensinos e sua soais a fim de cumprir seus deve-
morte sacrificial
´ — demonstrou res designados.˜ Nesse caso, a nos-
seu amor. Ate o fim de sua vida sa
´ cooperaçao em falar a verdade
na Terra, Jesus amou aqueles a e muito apreciada e de grande
quem conheceu e especialmente ajuda. — 1 Ped. 5:2. w09 15/6 3:7
´ ´
Sabado, 18 de junho caminhada. (Mat. 24:11) O˜ ap osto-
lo Pedro
´ alertou os cristaos: “Ha-
´
Faço sempre as coisas que agra- vera falsos instrutores entre vos.”
˜ ´
dam [ao Pai]. — Joao 8:29. (2 Ped. 2:1)´ O ap ostolo Paulo falou
Normalmente, ficamos ansiosos de ˜ um perıodo em que as pessoas
em compartilhar com´ outros o que ‘nao suportariam
´ o ensino salu-
sabemos´ sobre alguem que ama- tar,´ porem, de acordo com os seus
mos. Nos o elogiamos, honramos pr oprios desejos, acumulariam
e defendemos. Fazemos isso por- para si´ instrutores para lhes faze-
que desejamos rem cocegas nos ouvidos’. (2 ´ Tim.
˜ ´ que outros ` se sin- ´ ´
4:3, 4) Satanas esta por tras do
tam tao atraıdos a ele ´ e as suas
qualidades como nos nos senti- desencaminhamento das pessoas.
mos. Antes de Ele tem usado a cristandade para
´ podermos cultivar
´ obscurecer a reanimadora verdade
amor a Jeov ´ a em outros, e pre- ´
ciso que nos mesmos o conheça- sobre o prop osito de Deus para a
mos˜ e o amemos. Afinal, a ado- humanidade e a Terra. — 2 Cor.
ra ç ao verdadeira baseia-se no 4:3, 4. w09 15/8 3:2, 3
amor a Deus. (Mat. 22:36-38) Je-
sus deu um exemplo perfeito. Ele Segunda-feira, 20 de junho
´ ˜
amava a Jeova de todo coraçao,
mente, alma e for˜ ça. Tendo pas- ˆ meu pacto.
[Guardai]
— Exo. 19:5.
sado
´ talvez bilhoes de anos no ´
ceu com seu Pai celestial, Jesus Como Moises, Jesus era um me-
o conhecia muito bem. O resul- diador. Um mediador age como ´
tado? ˜ “Eu amo o Pai”, disse ele. ponte entre duas partes. Moises´
(Joao 14:31) Esse amor motivou-o mediou o pacto da Lei entre Jeova´
a sempre fazer o que agradava a e os israelitas. Em 33 EC, Jeova
Deus.
´ Impeliu-o a denunciar os iniciou um pacto melhor com um
lıderes religiosos, que hipocrita- novo Israel, o “Israel de Deus”, ˜
mente afirmavam representar ´ a que se tornou uma congrega ˜ çao
Deus. Motivou-o
´ tamb em a falar mundial composta
´ de crist aos un-
sobre Jeova e a ajudar outros a co- gidos. (Gal. 6:16) Ao passo que ´ o
´
nhecer e amar a Deus. w09 15/7 pacto mediado por Moises inclu ıa
´
3:6, 7 leis escritas por Deus em tabuas
de pedra, o pacto mediado por Je-
Domingo, 19 de junho sus mostrou-se superior, pois as
´ ˜
O Daniel, guarda em segredo as suas leis s˜ ao inscritas por Deus
´ em coraç oes humanos. (1 Tim.
palavras . . . ate o tempo do fim.
2:5; Heb. ´ 8:10) Assim, o “Israel de
— Dan. 12:4.
Deus” e agora a propriedade ˜ espe-
˜ `
A restaura çao da humanidade a cial de Deus, ‘uma naçao que pro- ˆ
˜ ˜
perfeiçao perdida por Adao fazia duz os frutos’ do Reino messiani-
parte da esperança de Israel. As co. (Mat.
˜ 21:43) Os membros
˜ dessa ´
˜
Escrituras Gregas Crist´ as expli- naçao espiritual s ao os partıci-
´
cam como Deus tornara possıvel pes
˜ desse
˜ novo
´ pacto. Mas esses
que a humanidade
´ viva para sem- nao sao os unicos que ´ se benefi- ´
pre no Paraıso na Terra. Assim, ciam dele. Um incontavel nume-
por que a esperança da humanida- ro de pessoas, incluindo muitas
de teve de ser redescoberta? Jesus que ´ hoje ˆ dormem
˜ na morte, rece-
predisse que falsos profetas cor- bera b ençaos eternas resultantes
romperiam Seus ensinos e que a desse superlativo pacto. w09 15/4
maioria das pessoas seria desen- 4:14, 15
˜
Terça-feira, 21 de junho espiritual da congregaçao. Como
` faria isso? Em parte, por dar um
Avancemos a madureza. bom ´ exemplo. Paulo escreveu a
— Heb. 6:1. Timoteo: “Torna-te exemplo para
` ´
Avançar a madureza exige que os fieis, no falar,
´ na conduta, no
´ amor, na fe, na castidade.” Ele
façamos´ o maximo para obedecer
a Jeova. Conforme exemplifica- acrescentou: “Pondera estas coi-
ˆ sas; absorve-te nelas, para que o
do por Jesus Cristo, ´ a obedien-
cia muitas vezes e aprendida ou teu progresso seja manifesto a to-
aperfeiçoada por meio das coisas dos.” (1 Tim. 4:12, 15) Esse pro-
que a pessoa sofre. (Heb. 5:8, 9) gresso tinha a ver com as ´ qualida-
˜
` des espirituais de Timoteo e nao
Antes de vir a Terra, Jesus era
obediente ao seu Pai. No entan- com algum
´ cargo de autoridade.
to, fazer a vontade de seu Pai ´ na Esse e o tipo
˜ de progresso que
Terra envolveu sofrimento fısi- todo cristao deve desejar mani-
co ˆ e mental. Por meio da obe- festar. w09 15/12 1:5, 6
diencia sob extrema adversida-
de, Jesus foi “aperfei˜ çoado” para Quinta-feira, 23 de junho
assumir a nova funçao que Deus ˜
Vosso coraçao tem de mostrar-
tinha em mente para ele, a de ´
se pleno para com Jeova, nosso
Rei e Sumo ´ Sacerdote. Que di- Deus, andando nos seus regula-
zer de nos? Estamos ´ decididos a mentos e guardando seus man-
obedecer a Jeova mesmo dian-
damentos como no dia de hoje.
te de problemas aflitivos? (1 Ped.
1:6, 7) Os conselhos de Deus a — 1 Reis. 8:61.
˜
respeito de moral,´ honestida- Para ser ouvida, ˜ a oraçao˜ tem
de, uso correto da lıngua, leitura de vir do˜ coraçao. Salomao fez
pessoal ˆ e estudo` das˜ Escrituras,
˜ uma oraçao´ assim, registrada em
assistencia˜ as reunioes cristas e 1 Reis, ˜ capıtulo 8, diante de uma ´
participa
˜ ˜ çao na obra de prega- multidao reunida˜ em Jerusalem
ç ao s ao claros. ´ (Jos. 1:8; Mat. para ´ a inauguraçao do templo de
28:19, 20; Efe. 4:25, 28, 29; 5:3-5; ˆ Jeova, em 1026 AEC. Depois que
Heb. 10:24, 25) Nossa obediencia, a arca
´ ´ do pacto foi colocada no´
mesmo sob adversidades, e um` Santıssimo e a nuvem de˜ Jeova
indicativo de que progredimos a encheu o templo, Salomao ˜ lou-
madureza. w09 15/5 1:3, 12, 13 vou a Deus. Examine a oraçˆ ao de
˜
Salomao ˜ e note suas ˜ referencias
Quarta-feira, 22 de junho ao coraçao. Salom´ ao reconheceu
Permanece nestas coisas, pois, que˜ somente Jeova conhece o co-
´ raçao de uma pessoa.
por fazeres isso, salvaras tanto a ˜ (1 Reis 8:38,
ti mesmo como aos que te escu- 39) ´ A mesma oraçao mostra que
tam. — 1 Tim. 4:16. ha esperança para um pecador
que ‘retorna
˜ a Deus de todo o seu
Antes de escrever as palavras
` coraçao’. Se um inimigo captu-
acima,
ˆ Paulo havia viajado a Ma-
´ rasse os do povo de Deus, seus
cedonia, mas solicitou
´ a Timoteo ˆ apelos
˜ seriam ouvidos se o cora-
que ficasse em Efeso. Por que? çao deles
´ fosse pleno para com
Alguns˜ nessa cidade causavam
˜ Jeova. (1 Reis 8:48, 58) Certamen-
˜
divisoes na congregaçao por in- ˜ te, pois, as nossas ora ˜ çoes devem
troduzir´ ensinos falsos. A funçao ser feitas de coraçao. w09 15/11
de Timoteo era proteger a pureza 2:9, 10
´
Sexta-feira, 24 de junho lossos, o ap ostolo Paulo ´ escreveu
´ o acima. Paulo˜ tambem orou ˆ em
Vos sois meus amigos, se fizerdes
˜ favor de cristaos em Tessal ˜ oni-
o que vos mando. — Joao 15:14. ca. (2 Tes. 1:11, 12) Oraçoes assim
˜
Jesus ´ nao permaneceu amigo revelam muito a nosso respeito
dos discıpulos imperfeitos por ˜ ser e sobre
˜ como ´ encaramos nossos ˜
tolerante demais ou˜ por nao en- irmaos na fe. As nossas ˜ oraçoes
xergar as imperfeiçoes deles. Em em favor dos cristaos ungidos e
vez disso, ele preferiu˜ concen- de seus companheiros das “outras
˜ ˆ
trar-se nas boas intençoes e qua- ovelhas” dao evidencia do nosso ˜
lidades positivas de seus segui- zelo e interesse pela organizaçao
˜
dores. ˜ Por exemplo, Pedro, Tiago de Deus. (Joao 10:16) Paulo pediu
e Joao adormeceram em vez de a coadoradores que orassem para
apoiar Jesus´ na sua hora ´ mais que ‘lhe fosse dada a capacidade
provadora. E compreensıvel que de falar a fim de tornar conheci-
Jesus tenha ficado desapontado do o segredo sagrado das
com eles. Mesmo assim, ele ´ ´ boas no-
˜ reco- vas’.
´ (Efe. 6:17-20) Sera que tam-
nheceu as boas motiva ´ çoes de- bem ˜ oramos em favor de˜ outros
les, dizendo: “O ´ espırito, natu- cristaos em nossas oraçoes pes-
ralmente, ´ esta ansioso, mas a soais? w09 15/11 1:8, 9
carne e fraca.” (Mat. 26:41) Em
contraste com isso, Jesus rom- Domingo, 26 de junho
peu sua amizade com Judas Isca-
riotes. Embora Judas mantivesse De modo algum damos qualquer
ˆ causa para tropeço, para que
uma aparencia de amizade, Je- ˜
sus detectou que esse ex-compa- nao se ache falta no nosso minis-
´
nheiro
˜ havia corrompido seu co- terio; mas, recomendamo-nos de
raçao. Visto que Judas havia se todo modo como ministros de
tornado amigo do mundo, ele fez Deus. — 2 Cor. 6:3, 4.
de si mesmo um inimigo de Deus. ´
(Tia. 4:4) Por isso, Jesus ja ha- Alguns talvez
˜ achem que coisas
via despedido Judas quando de- como diversao e o˜ modo de se ves-
clarou sua amizade aos tir e arrumar sao˜ assuntos pes-
´ ´ remanes- ˜
centes 11 ap ostolos fieis. — Joao soais. Mas o cristao dedicado que ˜
13:21-35. w09 15/10 3:5, 6 preza
˜ seu lugar na congrega˜ çao
´ n` ao deve tomar decis
ˆ oes apenas
Sabado, 25 de junho a base de preferencias pessoais.˜
Agradecemos a Deus, o Pai de Devemos dar consideraçao espe- ´
nosso Senhor Jesus Cristo, sem- cial ao ponto de vista de Jeov ´ a,
´ revelado na sua Palavra, a Bˆ ıblia.
pre que oramos por vos, pois
´ Sua mensagem deve
ouvimos falar da vossa fe em co- ´ ser ‘lampa-
˜ da para o nosso pe e luz para a
nexao com Cristo Jesus e do amor
nossa senda’. (Sal. 119:105) Deste
que tendes por todos os santos. modo podemos evitar desenvol-
— Col. 1:3, 4. ´ ˆ
ver um esp´ ırito´ de independen-
´ ´ ´
Nos sem duvida oramos por nos cia. Tamb em e importante
˜ le-
˜
mesmos, mas nossas oraçoes de- var em consideraçao como nossas
´
vem incluir outros escolhas em assuntos pessoais
˜ ˜ — ate mes- ´
mo cristaos que nao conhecemos ˜ afetam nosso ministerio e outras
por nome. Embora talvez ˜ nao co- pessoas
˜ dentro ou fora da congre-
nhecesse todos os cristaos em Co- gaçao. w09 15/11 3:4, 5
Segunda-feira, 27 de junho corpo”.´ (Rom.´ 12:4, 5, 7, 8) Esse
´ ministerio e similar ao menciona- ´
Fiquei cheio de palavras; espıri- do em Atos 6:4, onde os ap osto-
˜ ´
to exerce pressao no meu ventre. los dizem:` “Nos mesmos nos devo-
´ ˜ ´
— Jo 32:18. taremos a oraçao e ao minist erio
˜ ´
Ainda que as declara da palavra.” O que esta envolvi-
´ ˜ ç oes de do nesse
´
ministerio? Os anciaos
˜
Eliu feitas sob inspiraçao tenham ˜ ˜
se´ cumprido na ´ restauraçao de cristaos usam seus dons para edi-
˜ ficar os membros da congrega-
Jo, elas sao tamb em significativas
˜ ˜
para outros. Elas dao esperan ça ç ao. Eles mostram ´ estar ‘ocu-
ˆ pados nesse ministerio’ quando
para todos` os que mantem ´ a inte-
gridade. As zelosamente ˜ orientam e instruem
´ vezes, Jeova transmi- `
a congregaçao a base da Palavra
te a algu ´ em certa mensagem que
tamb em` se aplica mais ampla- de Deus. Fazem isso em resultado
mente a humanidade em geral. de seu devotado estudo, pesqui-
Isso pode ser visto na profecia de sa, ensino e pastoreio. w09 15/10
Daniel sobre o sonho do rei babi- 1:4, 5
ˆ
lonio Nabucodonosor a respeito ´ da
derrubada de uma imensa arvore. Quarta-feira, 29 de junho
(Dan. 4:10-27) Esse sonho indica-
˜
Quem nao receber o reino de
va˜ que ` a soberania divina em rela- Deus como uma criancinha, de
çao a Terra, expressa por um rei- ´
modo algum entrara nele.
no na linhagem do Rei Davi, seria — Mar. 10:15.
manifestada
´ de novo depois de um ˜ ´
perıodo de 2.520 anos, a partir de Em certa ocasiao, os discıpu-
607 AEC. ˜ A soberania de Deus em los tentaram impedir as pessoas
relaçao ao nosso globo começou a de levar seus filhos a Jesus ˜ para
ser novamente firmada com a pos- que ele os tocasse. Jesus nao ´ gos-
se de Jesus Cristo como Rei celes- tou da atitude de seus discıpulos.
tial no ano de 1914. Imagine ver Ele lhes disse: “Deixai vir a mim
˜
em breve o governo do Reino cum- as criancinhas; nao tenteis impe-
prir as esperanças da humanidade di-las, pois o reino de Deus per- ´
obediente! w09 15/8 1:9, 10 tence a tais.” (Mar. 10:13, 14) Daı,
usando as crianças˜ para ensinar
Terça-feira, 28 de junho uma importante liçao, ele disse as
Temos dons que diferem segundo palavras do texto de hoje. Pen-
a benignidade imerecida que nos se por um instante em como al-
gumas dessas crianças devem ter
foi dada. — Rom. 12:6.
se sentido
´ quando, anos mais tar-
Alguns dos dons que Paulo men- de, ja adultas, se lembraram de
ciona — de admoestar, de pre- que Jesus Cristo ‘as havia tomado
sidir — ˜ aplicam-se em especial nos seus braços e as abençoado’.
˜ ˜
aos anciaos cristaos, que sao exor- (Mar. ´ 10:16) As crian˜ ças de hoje
tados a presidir “em verdadeira se- tamb em se recordar
˜ ao com cari-
riedade”. Essa mesma seriedade nho dos anciaos e de outros que
deve ser evidente, diz Paulo, no lhes mostrarem
´ interesse puro e
modo como os superintendentes genuıno. Mais importante, crian-
servem como instrutores
´ e reali- ças que desde
˜ cedo sentem que a
zam um “ministerio”. O contexto congregaçao se importa ´ com elas´
parece indicar que
´ Paulo se refere aprendem
´ que o espırito de Jeova
aqui ao “ministerio” ˜ realizado den-´ esta sobre o seu povo. w09 15/9
tro da congregaçao, ou o “um so 1:13, 14
Quinta-feira, 30 de junho tante,
´ dessa vez´ como ˆ parte da
“pascoa
´ de Jeova”. (Exo. 12:1-13)
Eis o Cordeiro de Deus.
˜ Alem disso,
´ a Lei´ mosaica previa
— Joao 1:36. o sacrifıcio de varios animais,ˆ in-
´
Na Bıblia, as ovelhas desempe- cluindo ovelhas e cabritos. (Exo.
nharam um papel importante no 29:38-42; Lev. ´ 5:6, 7) Nenhum
˜
perdao de pecados e na aproxi- desses sacrif´ ıcios — de fato, ne-
˜
maçao a Deus.˜ Por exemplo, de- nhum sacrifıcio oferecido por hu-´
pois que Abraao mostrou que es- manos — poderia trazer alıvio
tava determinado a oferecer seu permanente do pecado e da mor-
˜
filho, foi-lhe dito que nao cau- te. (Heb.
´ 10:1-4) Jesus, por outro
sasse dano ao rapaz e, em lu- lado, e “o Cordeiro de Deus, que ˜
gar de Isaque, ˆ foi-lhe provido um tira o pecado
´ do
´ mundo”. (Joao
carneiro. (Gen. 22:12, 13) Quan- 1:29) So isso ja faz de Jesus um
do os israelitas foram libertados tesouro que suplanta ´ qualquer
do Egito, as ovelhas de novo de- tesouro material ja encontrado.
sempenharam um papel impor- w09 15/7 1:14, 15

´
Sexta-feira, 1.° de julho Sabado, 2 de julho
´ ´
Este e meu Filho, aquele que foi Ele se apegava a Jeova.
escolhido. Escutai-o. — 2 Reis. 18:6.
— Luc. 9:35. Ezequias e os habitantes ˜ de Je-
˜ ´
Pedro, Joao e Tiago ˜ testemu- rusalem convidaram a naçao toda
nharam a transfigura çao. Nessa — mesmo os que pertenciam ao` rei-
˜
ocasi ao, eles ouviram uma voz ˆ do no do norte
˜ — para ´ assistir a ce-
´
ceu dizer o acima. Nossa obedien- lebraçao anual da Pascoa. ´ Mensa-
`
cia a ordem de escutar o Messias geiros percorreram o paısˆ levando
´
e um assunto importante. (Atos cartas de convite. (2 Cro. 30:6-9)
3:22, 23) Escutar a Jesus envolve Em anos recentes, temos partici-
‘olhar atentamente para ele, con- pado num esforço um tanto similar.
siderando de perto o seu exem- Com atraentes convites impres-
plo’. (Heb. 12:2, 3) Assim, fare- sos, incentivamos ´ as pessoas no
mos bem em “prestarmos˜ mais do nosso
` territ˜ orio a assistir˜ conosco
`
que a costumeira atençao as coi- a celebraçao da Refeiˆ çao Noturna
sas” do Senhor, em obediencia ao man-
´ que lemos a respeito ˜ dele na
Bıblia e nas publicaçoes do “es- damento de Jesus. (Luc. 22:19, 20)
cravo fiel e discreto”, bem como Participamos zelosamente ´ nesse
ao que trabalho. E como Jeova tem aben-
˜ ouvimos ˜ sobre ele nas
reunioes cristas. (Heb. 2:1; Mat. çoado esse esforço! Em 2008, ˜ por
´
24:45) Como suas ovelhas, seja- exemplo,´ cerca de 7 milhoes de nos
mos zelosos em escutar a Jesus´ distribuıram convites e 17.790.631
˜
e em segui-lo. (Jo ˆ ao 10:27) Sera pessoas
˜ compareceram a essa cele-
que podemos ter exito em seguir o braçao. Foi dito a respeito
´ de Eze-
Cristo continuamente? Sim, pode- quias: “Foi em Jeova, o Deus de Is-
mos, se nos ‘apegarmos ao mode- rael, que ele confiou.” (2 Reis 18:5)
lo de palavras salutares’ por pra- Que seja assim no nosso caso. O zelo´
ticar
´ o que aprendemos ´ “com ˜ a pela casa de Deus ´ nos ‘mantera
fe e o amor que ha em conexao apegados a Jeova’ com a perspecti-
com Cristo Jesus”. — 2 Tim. 1:13. va de vida eterna. — Deut. 30:16.
w09 15/5 4:17-19 w09 15/6 1:16-18
˜ ˜
Domingo, 3 de julho Eles nao permitem que distinçoes
de classe ˜ existam, impedindo que
Eu, da minha parte, me alegra- seus irmaos e outros recebam o
´
rei em Jeova. — Sal. 104:34. respeito que merecem. (Tia. 2:1-4)
´ ˜
Os disc´ ıpulos de Jesus, no pri- A consideraçao que Deus e seu Fi-
˜ lho demonstram por pessoas de
meiro seculo, simplesmente nao ˜ ´
podiam parar de falar sobre as todas as naçoes e grupos etnicos
coisas que haviam visto e ouvi- dignifica essas pessoas e atrai as
do. (Atos ´ 4:20; 5:28) Eles sabiam que buscam a verdade. Natural-
que Jeova estava com eles e os mente, o que constitui boas ma-
abençoaria — e ele os abençoou! neiras varia de ´um ˜ lugar para
De fato, menos de 30 anos de- outro. Por isso, nos nao
´ estabele-
´ cemos um conjunto rıgido de re-
pois da morte de Jesus, o ap os-
tolo Paulo podia escrever que as gras nesse assunto.´ Em vez ´ dis-
boas novas haviam sido prega- so, seguimos princıpios bıblicos,
˜ que nos permitem a flexibilida-
das “em ´ toda a criaçao debaixo ´
do ceu”. (Col. 1:23) Se desejamos de necessaria para dignificar nos-
ser instrutores sos semelhantes em qualquer lu-
´ ´ realmente efica- gar. w09 15/11 5:6, 7
zes, nos tamb em precisamos for-
talecer cada vez mais o nosso amor
a Deus. Como? Por regularmente Terça-feira, 5 de julho
˜ ´ ˜
falar a Deus em oraçao. Alem dis- Os inimigos do homem serao pes-
so, fortalecemos o nosso amor a ´ ´
soas de sua propria famılia.
Deus por meio do estudo de sua ˜ — Mat. 10:36.
Palavra,
´ da leitura deˆ publica` çoes ´
bıblicas
˜ e da
˜ assist
` encia as reu- Uma coisa e o povo de Deus so-
nioes cristas. A medida que au- frer ataques´ em geral. Outra bem ˜
mentamos em conhecimento ˜ so- diferente e quando a oposi ç ao
˜
bre Deus, nossos coraçoes ´ ficam contra um crist ao vem de mem-
´ ˜
cheios de amor a ele. Daı, ao ex-´ bros da famılia. Jesus nao predisse
pressarmos o nosso ˜ amor a Jeova que isso aconteceria? Sim, e mui-
´
em palavras
˜ e açoes, outros obser- tos ja vivenciaram o cumprimen-
varao isso e talvez se acheguem a to de suas palavras. (Mat. 10:35)
ˆ ˜
ele. w09 15/7 3:8, 9 Adolescentes tem sofrido oposiçao
de pais descrentes. Alguns foram ˜
Segunda-feira, 4 de julho expulsos de casa, mas crist aos
˜ ˜ bondosos os acolheram. Outros
Esta multidao, que nao sabe a ˜ ˆ
˜ sao repudiados. O que os tem ha-
Lei, sao pessoas amaldiçoadas.
˜ bilitado a˜ suportar esses maus-
— Joao 7:49.
tratos? N˜ ao apenas ´ o seu amor pe-
´
Os l ıderes religiosos judaicos los irmaos na f´ e, mas acima de´
consideravam e tratavam os que tudo seu genuıno amor a Jeov˜ a
˜
nao conheciam a Lei como “pes- e seu Filho.
´ (1 Ped. 1:22; 1 Jo˜ ao
soas amaldi 4:21) Ha muitas outras situaçoes
˜ çoadas”. Mas o Filho
de Deus nao fazia isso. Jesus cha- na vida que exigem o amor que
mou Marta, Maria, Zaqueu e ou- persevera em todas as coisas. No
tros pelo nome. (Luc. 10:41, 42; casamento, por exemplo, marido
19:5) Emboraˆ a cultura local e as e esposa que ˜ se revestem dessa
circunstancias talvez determinem
` qualidade sao fortalecidos para se
como nos dirigimos
˜ as pessoas apegarem um ao outro e preser-
hoje, ´ isso nao impede os servos de var seu casamento. — Col. 3:14.
Jeova de ser amistosos com elas. w09 15/12 4:17, 18
˜ ˜
Quarta-feira, 6 de julho sociados da congregaçao crista, e
˜ ` outros foram repreendidos. Hoje
Nao negues o bem aqueles a ocorre o mesmo. (1 Cor. 5:11-13;
´
quem e devido, quando estiver no 1 Tim.
˜ ˆ
poder da tua mao faze-lo. ˜ 5:20) Apesar disso, quando
anciaos
˜ que lidam com essas si-
— Pro. 3:27. tuaçoes demonstram amor seme-
˜ lhante ao de Cristo, isso pode ter
Boas amizades ´ nao surgem ´ por um profundo impacto no trans-
acaso. ´ A base
´ e o amor mutuo a gressor. Assim como Jesus, os an-
Jeova. Alem ˜ ˆ
˜ disso, amizades du- ciaos sempre ˜ tem de ´ apoiar os
radouras sao resultado ˜ de ´ muito justos padroes de Jeova. Ao faze-
empenho ˜ e abnegaçao. Ate mes- rem isso, eles refletem a brandu-
mo irm ´
´ aos literais ´ que adoram
˜ a ra, a bondade´ e o amor
´ de Jeova.
Jeova numa famılia crista preci- Quando alguem est˜ a genuinamen-
sam se empenhar em cultivar ´ ´
te arrependido,
˜ nao e difıcil para
uma˜ estreita
ˆ amizade. Como, en- os anciaos “reajustar tal homem
tao, voce pode fazer bons ´
´ amigos? num espırito de brandura”. — Sal.
Tome a iniciativa. O ap ostolo Pau- 34:18. w09 15/9 3:4, 5
lo nos incentivou a ‘seguir o proce-
der (ou caminho) da hospitalida- Sexta-feira, 8 de julho
de’. (Rom. 12:13)´ Para seguir um ´
caminho literal e preciso dar um [Jesus] obteve para nos um livra-
´ mento eterno. — Heb. 9:12.
passo ap os outro. De modo simi-
lar, ´ ˆ
´ ser hospitaleiro˜ envolve uma Na ultima noite antes do Exo-
serie de açoes ´ pequenas e regula- do, alguns dos filhos de Israel cor-
res. Ninguem pode seguir o cami- reram um grande risco. O anjo
nho da hospitalidade em seu lu- de Deus logo passaria pela terra
gar.
´ Um exemplo de hospitalidade doˆ Egito matando todos os primo-
e convidar˜ diferentes pessoas ´
˜ da genitos.
´ Jeova havia ˆ dito a Moi-
congregaçao para uma refeiçao ou ses que os primogenitos de Israel
lanche na sua casa. Que acha de seriam poupados se os israelitas
incluir na sua rotina mostrar hos- aspergissem o sangue de um cor-
pitalidade para˜ com membros de deiro pascoal nas laterais e vigas
sua congregaçao? w09 15/10 4:6, 7 superiores das portas de suas ca-
ˆ
sas. (Exo. 12:1-13, 21-23) Assim ˜
Quinta-feira, 7 de julho aconteceu. Mais tarde, a naçao in-
Tentai reajustar tal homem num teira correu um grande perigo. Ela
´ ´ estava encurralada entre o mar
espırito de brandura. — Gal. 6:1.
Vermelho
´ e os carros de guerra´
Algo
´ que
´ em especial pode ser˜ egıpcios que a perseguiam. Jeova
difıcil e lidar com transgress
` oes mais uma´ vez os libertou por meio
graves. Infelizmente, a ´ medida de Mois es, ´ que milagrosamente ˆ
que o sistema de ´ Satanas chega partiu as aguas do mar. ( Exo.
ao seu fim, o espırito do mundo 14:13, 21) Por mais grandiosas que
˜
cobra um tributo moral cada vez essas liberta çoes tenham sido, a
˜ ´
maior. A imoralidade ou a ˜ indife- libertaçao que Jeov a realizou por
´
rença do mundo em questoes mo- meio´ de Jesus e muito maior. Je-
rais podem influenciar tanto jo- sus e˜ o meio pelo qual os obedien- ˜
vens como adultos,
˜ corroendo sua tes sao libertados da escravidao ao
determinaçao de andar no cami-´ pecado. (Rom. ´ 5:12, 18) E esse li-
nho estreito. No primeiro secu- vramento e “um livramento eter-
lo, alguns tiveram de ser desas- no”. w09 15/4 4:16, 17
´ ´
Sabado, 9 de julho transitoria — um´ teste para de-
´ terminar
´ se ela e digna de viver
Vos . . . pareceis por fora justos
no ceu. Algo parecido aconteceu
aos homens, mas por dentro es- com a esperança judaica original
tais cheios de hipocrisia e do que `
´ de vida eterna na Terra. A me-
e contra a lei. — Mat. 23:28. dida que os judeus aos poucos
´ adotavam o conceito grego da
Levado perante o Sinedrio e
interrogado pelo sumo sacerdo- imortalidade inerente, sua espe-
te, Jesus destemidamente afir- rança original de vida na ´ Terra
mou ser o Cristo e Filho de Deus. enfraquecia. Como isso e diferen-´
(Mar. 14:53, 57-65) Pouco depois, te do modo como o ´ ser humano ´ e
` apresentado
Jesus foi levado amarrado a pre- ˆ ´ na Bıblia!
˜ Ele e ´ uma
sença de Pilatos, que poderia te- criatura´ fısica, nao um espırito.
˜ Jeova´ disse ao primeiro homem:
lo libertado. ` Mas Jesus
˜ nao res- ´ ˆ
pondeu as acusaçoes contra ele. “Tu
˜ es p ´ o.”´ (Gen. 3:19) A Terra,
(Mar. 15:1-5) Tudo isso exigiu nao o ceu, e o lar eterno dos seres
muita coragem. A Pilatos, po- humanos. — Sal. 104:5. w09 15/8
´ 3:4, 7
rem, Jesus disse: “Para isso nas-
ci e para isso vim ao mundo, a
fim de dar˜ testemunho da ver- Segunda-feira, 11 de julho
´ ´
dade.” (Joao 18:37) Jeova havia Rola teu caminho sobre Jeova, e
encarregado Jesus de pregar as ´
confia nele, e ele mesmo agira.
boas novas, e Jesus fez isso com — Sal. 37:5.
prazer, pois amava seu Pai ce-
lestial. (Luc. 4:18, 19) Jesus tam- O estudo dos Salmos˜ pode ´ enri-
´ quecer suas oraçoes e ajuda-lo a
bem amava as pessoas. Ele ´ sabia
que a vida delas era difıcil. Da esperar pela resposta
ˆ de Deus.
mesma forma, o nosso corajoso e Considere a paciencia de um levi-
destemido testemunho se baseia ta exilado. Embora ficasse
´ impe-´
profundamente no amor a Deus dido de ir ao santuario de Jeova
´
e ao proximo. — Mat. 22:36-40. por um tempo, ele ´ cantou: “Por
w09 15/7 4:10, 11 que te desesperas,
´ o minha alma,
e por ´ que estas turbulenta no
Domingo, 10 de julho meu ıntimo? Espera por Deus,
´ ´ porque eu ainda o elogiarei como
Os ceus pertencem a Jeova, mas ˜
a terra ele deu aos filhos dos a grandiosa salvaçao da minha
pessoa e como o meu Deus.” ˆ (Sal.
homens. — Sal. 115:16. 42:5, 11; 43:5) O que voce podeˆ
De acordo com ´as Escrituras,` aprender desse levita? Se voce
a humanidade sera restaurada a for preso pela causa da justiça e
˜
perfeiçao na Terra. (Rev. 20:1-3, ficar temporariamente impedido ˜
´
6, 12;´ 21:1-4) No entanto, ap osta- de se associar com seus ˜ irmaos
tas lıderes religiosos da cristan- no seu local
ˆ de adoraç˜ ao, espere
ˆ
dade t´ em adotado outras ideias. com paciencia pela açao de Deus
Os teologos torceram as Escritu- em seu favor.
ˆ ´ Medite nas alegrias
ras para fazer com que os textos que voce j a teve no serviço de
que falam da esperança celestial Deus e ore pedindo perseverança
parecessem ˜ ensinar´ que todos os enquanto “espera” que Deus lhe
bons vao para o ceu. De acordo conceda de novo a oportunidade
com esse conceito, a vida da pes- de se associar ativamente com o
soa na Terra se destinava a ser Seu povo. w09 15/11 2:11, 12
´
Terça-feira, 12 de julho que Jeova cuidou de que a maio-
˜ ` ria deles˜ sobrevivesse. As Escri-
Se nao os escutar, fala a congre- turas nao ensinam que toda pes-
˜
gaçao. — Mat. 18:17. soa na Terra tem um “anjo da
´ guarda”. Naturalmente, Deus po-
Sera que todos os ungidos, es- ˜
palhados por toda a Terra, sao deria enviar um anjo ´ para nos
parte de uma rede de comunica- ajudar, mas o auxılio pode vir
˜ de ˜ maneira
çoes global ´ que de alguma for- ˜ ´ diferente. Nossos ir-
ma esta envolvida na revelaçao maos na fe podem ser motivados
de˜ novas verdades espirituais? a prover ajuda e consolo. Deus
Nao. Apesar de a classe do escra- pode nos dar a sabedoria
´ e a for-
´ ça interior necess
vo, como corpo, ser responsavel ´ arias para su-
por alimentar espiritualmente os portar um possıvel “espinho na
´ ´ carne” que venha a nos afligir
domesticos, nem todos ˆ os indivı- ´
duos dessa classe tem os mesmos como se estivessemos sendo es-
˜ bofeteados por “um anjo de Sa-
deveres ou designaçoes de traba- ´
tanas”. — 2 Cor. 12:7-10; 1 Tes.
lho. (1 ´ Cor. 12:14-18) No primei- 5:14. w09 15/5 3:9, 10
ro seculo, todos estavam envol- ˜
vidos na ´ vital ´ obra de pregaçao. Quinta-feira, 14 de julho
Mas so um numero bem peque- ´
no foi usado para escrever os li- Vai ter com a formiga, o pregui-
´ ˆ
vros da Bıblia e supervisionar a çoso; ve os seus caminhos e tor-
˜ ˜ ´
congregaçao crist ` a. Para ilustrar: na-te sabio. — Pro. 6:6.
As Escrituras ˜ as vezes falam da
Considere a sabedoria instin-
“congregaçao”˜ como tomando de-
tiva da formiga. (Pro. 30:24, 25)
terminada açao ao lidar com as-
Alguns pesquisadores acreditam´
suntos ´ judicativos.
˜ Na realidade,
˜ que, para cada ser humano, ha
porem, sao apenas ˜ os anciaos que pelo menos 200 mil formigas, to-
tomam essa açao como ˜ represen- das trabalhando arduamente aci-
tantes da congregaçao. w09 15/6 ma ˜ e abaixo do solo. As formigas
4:16, 17 ˆ
estao organizadas em ´ colonias
ˆ e,
na maioria dessas, ha tres tipos
Quarta-feira, 13 de julho
´ de formigas:
´ rainhas, machos e
O anjo de Jeova acampa-se ao operarias.´ Cada grupo contribui
redor dos que o temem, e ele os a seu proprio modo ˆ para as ne-
socorre. — Sal. 34:7. cessidades da colonia. Uma ´ for-
˜ miga em particular, a sauva sul-
Os anjos estao sempre alertas americana, pode ser chamada de
para intervir de acordo com a jardineiro sofisticado. Esse pe-
vontade de Deus. Eles resgata- queno inseto fertiliza, transplan-
ram Sadraque, Mesaque, Abed- ˜ ta e apara seus jardins de fungos
nego, Daniel e Pedro, mas nao ˜
ˆ de modo a aumentar a produçao.
impediram
˜ as mortes
` ˜ de Este- Pesquisadores descobriram que
vao e de Tiago as maos de inimi- esse habilidoso “jardineiro” ajus-
gos. (Dan. 3:17, 18, 28; 6:22; Atos ta seus esforços de acordo com a
7:59,
ˆ 60; 12:1-3, 7, 11)
˜ As circuns- quantidade de alimento que a co-
ˆ
tancias e as questoes envolvidas lonia precisa. Podemos aprender
eram diferentes. De modo˜ simi- das formigas. Elas nos ensinam
lar, alguns de nossos irm ˜ aos em que ´para produzirˆ bons resulta-
campos de concentraçao nazis- dos e preciso diligencia. w09 15/4
tas foram executados, ao passo 3:7-9
Sexta-feira, 15 de julho renovada segundo a imagem Da-
˜ quele que a criou.” A mensagem
´
Nao deveis fazer vossas almas da Palavra de Deus, a Bıblia, tem
impuras. — Lev. 11:44. o poder de revelar o que a pessoa
´ ´ ´
Jeova quer que sejamos ´ limpos. realmente e no ıntimo, e de mu-´
Ele sabe que a limpeza e essen- dar sua maneira de pensar e ate
cial para o´ nosso bem-estar. Ele mesmo seus conceitos. Por adqui-
sabe tambem que a nossa limpeza rir conhecimento exato das Escri-
se reflete´ nele, nosso Pai celes- turas˜ e por ajustar sua ´ vida aos
tial. Isso e muito importante, pois padroes justos de Jeova, a pes-
as pessoas talvez se acheguem ao soa pode se tornar amiga de Deus,
Deus a quem servimos por no- com a perspectiva de viver para
tarem o quanto somos diferentes sempre. w09 15/9 4:9
das pessoas neste mundo corrom-
pido. Em que aspectos precisa- Domingo, 17 de julho
mos nos manter limpos? Na reali- Estarmos adequadamente habi-
dade, em todos os´ aspectos. No
litados procede de Deus.
Israel antigo, Jeova tornou ´ claro a
seu povo que a limpeza fısica era — 2 Cor. 3:5.
essencial. (Lev. 15:31) A Lei mo- Os dons
saica inclu
´
ıa assuntos como a des- ` que talvez tenhamos se
˜ devem a ´ “benignidade imerecida”
tinaçao de excrementos
˜ ´ e a lim- de˜ Jeova. (Rom. 12:3) Portanto,
peza
ˆ de vasos, maos, pes e roupas.
´ nao devemos nos glorificar. Preci-
(Exo. 30:17-21; Lev. 11:32; Num. samos reconhecer humildemente
19:17-20; Deut. 23:13, 14) Os israe- que qualquer sucesso que tenha-
litas foram ´ lembrados de que seu ´ ´
´ mosˆ no
˜ ministerio e resultado˜ das
Deus, Jeova, e santo — o que sig- bençaos de Deus, eˆ nao de nos-
nifica “limpo”, “puro” e “sagrado”. ´
´ sa propria competencia. (1 Cor.
Os servos do Deus santo tambem 3:6, 7) Em harmonia com isso,
precisam ser santos. — Lev. 11:45. ´
Paulo´ diz: “Digo
˜ a cada um aı en-
w09 15/8 4:18, 19 tre vos que nao ´ pense mais de si
´
´ mesmo´ do que e necessario pen-
Sabado, 16 de julho sar.” E preciso ter autoestima e
´ ˜
A palavra de Deus e viva e exerce encontrar alegria e satisfaçao no
´ nosso serviço do Reino. No entan-
poder, e e mais afiada do que
qualquer espada de dois gumes, to, sermos modestos, ˜ ou cientes
´ ˜ de ´ nossas limitaçoes, nos impe-
e penetra ate a divisao da alma e
´ dira de valorizar demais as nos-
do espırito, e das juntas e da sua ˜
´ sas opinioes. Requer verdadeira
medula, e e capaz de discernir os
˜ humildade e esforço consciencio-
pensamentos e as intençoes do
˜ so reconhecer ˜ ´ que cada um´ de
coraçao. — Heb. 4:12. nossos irmaos e superior a nos de
O poder transformador da Pa- uma maneira ou outra. ´ (Fil. 2:3)
lavra Ao passo que privilegios de servi-
´ de Deus, com a ´ ajuda do
espırito santo de Jeova, habilita ço especial talvez deem certo des- ˜
as pessoas a fazer grandes mu- taque a alguns, todos encontrarao
dan profunda alegria em realizar “coi-
´ ças em sua vida. (Rom. 12:2;
Gal. 5:22, 23) Colossenses 3:10 diz: sas humildes”, tarefas modestas
“Revesti-vos da nova personali-
´ que muitas vezes passam desper-
dade, a qual, por intermedio
´ do cebidas por outros. — Rom. 12:16;
conhecimento exato, esta sendo 1 Ped. 5:5. w09 15/10 1:7, 8
˜
Segunda-feira, 18 de julho promessas de Deus, eles nao co-
´ ˆ ˜ nheciam os detalhes de como ele
E da abundancia do coraçao que as cumpriria por meio do Messias´
a boca fala. — Mat. 12:34. e do Reino. Nesse sentido, a ´ sua fe
O nosso falar revela muito a era incompleta. De fato,
´ ate mes-
nosso respeito. Tiago, meio-ir- mo aqueles que Jeova usou para
˜ escrever as˜ muitas profecias mes-
mao de Jesus, reconheceu o im- ˆ
pacto que o nosso sianicas nao entenderam o ple-
˜ falar pode ter
na nossa adoraçao. Ele escreveu:´ no ´sentido
´ do que escreveram.
“Se algum homem achar que e A fe so pode ser aperfeiçoada, ou
˜
adorador formal, contudo nao re- tornada´ completa, por meio de
´
frear a sua lıngua, mas´ prosse- Jesus. E essencial, portanto, en-
guir˜ enganando seu proprio ˜ co- tender claramente e reconhecer
raçao, a forma´ ´ de adoraçao de o papel de Jesus como “Agente
tal homem e futil.” (Tia. 1:26) Principal
´ e Aperfeiçoador da nos-
O nosso falar pode˜ revelar a ou-´ sa fe”. — Heb. 12:1, 2. w09 15/7
tros na congregaçao o quanto ja 1:16, 17
progredimos espiritualmente. As-
sim sendo, em vez de falar´ coi- Quarta-feira, 20 de julho
sas indignas, negativas, ˜ crıticas Tornai-vos benignos uns para
ou prejudiciais, os cristaos madu-
ros se esforçam em edificar, con-
com os outros, ternamente com-
´ passivos, perdoando-vos liberal-
solar e encorajar. (Pro. 12:18; Efe. ˜
4:29; 1 Tim. 6:3-5, 20) A prontid˜ ao mente uns aos outros, assim
´
em falar sobre nossas convicçoes como tambem Deus vos perdoou
morais e ˜ em defesa dos eleva- liberalmente por Cristo.
dos padroes divinos pode revelar
´
˜ — Efe. 4:32.
o grau de nossa devoçao a Deus.
(Rom. 1:15, 16) Pessoas de reti- Muitos problemas e mal-enten-
˜ ˜ didos podem ser minimizados ou
dao com certeza observarao como
usamos o dom da fala e talvez eliminados por sermos francos,
imitem o nosso exemplo. — Fil. sinceros e˜ bondosos na nossa co-
4:8, 9. w09 15/12 1:8, 9 municaçao. Por exemplo, quando´
cometemos um engano, sera que
Terça-feira, 19 de julho hesitamos ˆ em admitir isso peran-
te nosso conjuge, nossos filhos ou
Eles investigaram. outros familiares bem achegados?
— 1 Ped. 1:11. Um sincero pedido de desculpas
´ ˜
Em Hebreus, capıtulo 11, en- ajuda a´ promover a paz e a uniao
contramos a magistral explana- na famılia.˜ (1 Ped. 3:8-10) Falar a
˜ ´ verdade nao significa ser rude ou
çao de Paulo a respeito ˜ de fe, ˜ ˜
que inclui uma definiçao concisa nao usar de tato. A grosseria nao
e uma realça o valor da verdade, nem o
´ lista de homens e mulheres ´
de fe˜ exemplar, tais como Noe, seu impacto. Paulo´ disse: “Sejam
Abraao, Sara e Raabe. Com tudo tirados dentre vos toda a amargu-
isso em˜ mente, Paulo exortou ra maldosa, e ira, e furor, e brado,
os cristaos a olhar “atentamente e linguagem ultrajante,´ junto com
para o Agente Principal ´ e Aper- toda a maldade.” (Efe. 4:31) Falar
feiçoador
ˆ da nossa fe, Jesus”. Por com bondade e dignidade enobre-
´
que? Embora
´ os homens e ´ mulhe- ce as nossas palavras e da honra
res fieis alistados no capıtulo ´ 11 aos a quem nos dirigimos. — Mat.
de Hebreus tivessem forte fe nas 23:12. w09 15/6 3:8, 9
ˆ
Quinta-feira, 21 de julho ou outras circunst ´ ancias adver-
´ sas. Nestes “ultimos dias”, es-
Satanas saiu de diante da pes-
´ ´ ses problemas parecem aumen- ˜
soa de Jeova e golpeou a Jo com tar, mas de modo algum s ao
´
um furunculo maligno, desde a novidade. (2 Tim. 3:1) Nos tem-
´ ´ ´ ˜
sola de seu pe ate o alto da sua pos bıblicos, cristaos enfrenta-
´
cabeça. — Jo 2:7. vam
˜ ˜ problemas similares. ˜ ˜ Assim,
As Escrituras Hebraicas dao açoes prestativas sao tao impor-
detalhes sobre ´ o vergonhoso pa- tantes ˜ hoje como eram para os
pel de Satan as em desafiar a cristaos que viviam naquele tem-
´ po. Paulo, por exemplo, incenti-
Jeova e corromper a humanida- ˜
de. vou os crist ` aos a ‘falar consolado-
˜ Nas Escrituras Gregas˜ Cris- ramente as almas deprimidas, ˆ a
tas temos mais˜ informaçoes´ so-
amparar os fracos, a ser longa-
bre a´ op osi ç ao de Satan as ˜ a
nimes para com todos’. (1 Tes.
Jeov a, e o livro de Revelaç ao
5:14) Isso envolve ˜ ´colocar a bon-
nos ˜ informa a respeito da vindi- ´ dade crista em pratica. w09 15/9
caçao da soberania ˜ de ´Jeova e
1:15, 16
da destrui ´ çao de Satanas. O li-
vro de Jo aumenta nosso conhe- ´
Sabado, 23 de julho
cimento sobre ´ o proceder rebel- ` ´
de de Satan as. ´ Ao comparecer as Se possıvel, no que depender de
˜ ˜ ´ ´
reunioes no c eu, a inten çao de vos, sede pacıficos para com to-
´ ˜ ´ dos os homens. — Rom. 12:18.
Satanas nao era louvar a Jeova.
Ele tinha uma atitude maldo- ˜ ´ ˜
Os cristaos genuınos sao aman-
sa e um objetivo sinistro. ´ De- tes da paz e pacificadores. (Mat.
pois de ter ˜ acusado Jo´ e recebido 5:9, nota) Uma das maneiras
permiss ao para prova-lo, “Sata- ´ ´
´ de ser pacificador na famılia e
nas saiu
´ de´ diante da pessoa de por resolver desacordos o mais
Jeova”. ´(Jo 1:12) Portanto, o li- ´
´ rapidamente poss ıvel, em vez
vro de Jo identifica Satanas como de permitir que as´ coisas pio-
impiedoso inimigo da humanida- rem. (Pro. 15:18; ´Efe. 4:26) Deve
de. w09 15/4 1:13, 14 ser ˜ assim tamb em na congre-
˜ ´
gaç ´ ao crista. Paulo, porem, vai
Sexta-feira, 22 de julho alem de destacar a necessidade
˜ ´ ´
Os homens serao amantes de si de ser pac˜ ıfico na famılia e na
˜ congregaçao.´ Ele diz que deve-
mesmos, . . . sem afeiçao natu-
` mos ser “pacıficos para com todos
ral . . . sem amor a bondade.
— 2 Tim. 3:2, 3. os homens”. Isso inclui vizinhos,
´ colegas de trabalho e de esco-
E
´ animador ver o contraste que la, e pessoas que encontramos no
´ ´
ha entre o ambiente ˜ da
˜ verda- nosso ministerio publico. Mas o
´
deira congregaçao crista e o des- ap ostolo faz a seguinte ressalva ´
te mundo sem bondade. Por imi- no seu conselho: “Se
´ ´ possıvel, no
tar a Jesus, cada um de nos pode que depender de vos.” ´ Isso signi-
contribuir para esse ambiente fica fazer tudo ´ o que e razoavel-
sadio. Como podemos fazer isso? mente
´ possıvel para sermos “pa- ˜
Para come˜ çar, muitos na con- cıficos para com todos”, mas nao
gregaçao precisam de nossa aju- a ponto de ´ comprometer os jus-
da e encorajamento porque en- ´ tos princıpios de Deus. w09 15/10
frentam problemas de sa ude 2:7-9
Domingo, 24 de julho sem sem avisar. Muitas vezes ele
´ interrompia o que estava
Façamos o que e bom para ´ fazen-
´ do a fim de ajudar alguem aflito.´
com todos. — Gal. 6:10.
Jesus mostrava˜ extraordinaria
Enquanto aguardamos as ma- consideraç´ ao pelos que demons-
ravilhas que´ o futuro nos re- travam fe nele. (Mar. 5:30-33; ˜
serva, Jeova deseja que apro- Luc. 18:35-41) Como crist aos,
veitemos as boas coisas que ele procuramos seguir o exemplo de
´ ´
nos da. A˜ Bıblia diz: “Vim sa- Jesus sendo ˜ bondosos e prestati-
´
ber que nao ha nada melhor para vos. Isso nao deixa de ser notado
[a humanidade] do que alegrar- por´ parentes, vizinhos e outros.
se e fazer o bem ´ durante a sua Alem do mais,´ essa conduta glo-
vida; e tambem que todo homem rifica a Jeova e nos faz felizes.
coma´ e deveras beba, e veja o w09 15/11 5:5
que e´ bom por ´ todo
´ o seu traba-
lho arduo. E a dadiva de Deus.” Terça-feira, 26 de julho
(Ecl. 3:12, 13) “Fazer o ´
˜ bem” in- Achei um resgate! — Jo 33:24.
clui realizar boas açoes em fa-´ ´ ˜
vor de outros. Jesus disse que ha´ Eliu provavelmente nao enten-
mais felicidade em dar do que ha deu o pleno significado do resga-
em receber. Gestos te. (1 Ped. 1:10-12) Ainda assim,
ˆ de bondade as palavras de Eliu refletem a
´
para com o nosso conjuge, nossos
filhos, pais e outros familiares esperança de que Deus um dia
˜ aceitaria um resgate e libertaria
produzem profunda satisfaçao.
(Pro. 3:27) Ser brando, hospita- o homem do processo de enve-
leiro e perdoador nos tratos com lhecimento e morte. Essas mes-
˜ mas palavras apresentaram a
nossos
´ ´ irmaos espirituais tam-
bem d perspectiva maravilhosa de vida
´ a muita alegria e agrada a eterna. O livro de J o
´
mostra tam-
Jeova. (Col. 3:12-14; 1 Ped. ´ 4:8, 9) ´ ´
E realizar˜ o nosso ministerio com bem ˜ que´ havera uma ressurrei-
´ çao. (Jo
abnegaçao e realmente recom- ´ 14:14, 15) ˆ As palavras
pensador. w09 15/12 2:15 de Eliu ainda ˜ tem significado ˜
para milh oes de crist ` aos que
Segunda-feira, 25 de julho esperam sobreviver a destrui-
´ ˜
Filha, a tua fe te fez ficar boa. çao do atual sistema mundial.
Vai em paz e fica curada da tua Os sobreviventes
˜ idosos recupe-
rarao o vigor´ juvenil. (Rev. 7:9,
doença penosa. — Mar. 5:34.
10, 14-17) Alem disso, a perspec-
Uma das muitas coisas que Je- tiva de ver os ressuscitados ` se-
˜
sus Cristo aprendeu de seu Pai rem restaurados a sua condiçao
foi como demonstrar boas´ ma- juvenil´ continua a alegrar pes-
`
neiras. Embora seu ministerio as soas fieis. Naturalmente, ´ tanto a
vezes exigisse muito de seu tem- imortalidade
˜ no ceu para os cris-
po e energias, Jesus sempre foi taos ungidos como a vida eterna
paciente e bondoso. Ele se dis- na Terra para as “outras ovelhas”
punha a ajudar aleijados, cegos de Jesus ´ dependem
´ de se exer-
que precisavam mendigar para ˜ cer fe no sacrif ˜ ıcio de resgate de
viver, e outros necessitados. Nao Cristo. — Joao 10:16; Rom. 6:23.
os ignorava, embora apareces- w09 15/8 1:11-13
´
Quarta-feira, 27 de julho a imit
˜ a-lo por receber nossos ir-
˜ ˜ maos da mesma forma. ˜ Ao cum- ˜
‘A fornicaçao nao seja nem mes- primentar nossos irmaos˜ no Salao
´
mo mencionada entre vos.’ do Reino ou em reunioes maio-
´ ˜ `
— Efe. 5:3. res, podemos dar atençao aque-
˜
Ter as faculdades perceptivas les que n ˜ ao temos visto ou com
corretamente treinadas para quem nao temos conversado ul-
´ dis- ˜
timamente. Por que nao passar
tinguir o certo do˜ errado e uma
verdadeira proteçao para ´ o cris- alguns minutos˜ conversando com
˜ ´ eles? Na reuniao seguinte, pode-
tao num mundo que esta ´ “alem
de todo o senso moral”. (Efe. 4:19) mos fazer o mesmo com outros.
˜ Em pouco tempo, teremos conver-
Por exemplo, um irmao chamado
James, que sempre lia˜ e valoriza- sado˜ com ˜ praticamente todos os ˜
´ irmaos. Nao se preocupe se nao
va muito as publicaçoes bıblicas,
passou a trabalhar num empre- conseguir falar´ com todos no mes-
go em que todos os colegas eram mo dia.
˜ Ninguem deve se ofender ´
mulheres. “Embora muitas delas se nao pudermos cumpriment
˜ a-lo
demonstrassem clara falta de boa em todas as reunioes. w09 15/11
moral”, diz James, “uma parecia 4:8, 9
´
ter bom carater e mostrou ´ inte-
resse na´ verdade da Bıblia. Certa Sexta-feira, 29 de julho
´
vez, porem, quando estavamos so- Santo Pai, vigia sobre eles por
zinhos numa sala de trabalho, ela ´
˜ causa do teu proprio nome que
começou a fazer insinuaçoes de me deste, para que sejam um,
cunho sexual. . . . Logo me lembrei ´
assim como nos somos.
de um caso relatado em A ˜ Senti- ˜
nela a respeito de um˜ irmao que
— Joao 17:11.
˜
enfrentou uma tentaçao parecida Jesus nao se concentrou nas fa-
no seu local de trabalho. ´ O artigo lhas de seus amigos leais, mas
usou o exemplo de Jose e a esposa sempre agiu nos melhores interes-
de Potifar. Eu prontamente afas- ses deles. Por exemplo, ele orou
tei ˆ a garota, e ela saiu correndo.” a seu Pai para que os ˜proteges-
(Gen. 39:7-12) James estava gra- se durante suas provaçoes. ˜ Jesus
to ˆ por ter mantido uma boa cons- ´
levou em conta as limitaçoes f˜ ı-
ciencia. — 1 Tim. 1:5. w09 15/5 sicas deles. (Mar. 6:30-32) E nao
1:13, 14 se interessava em apenas dizer-
lhes
´ o que ele pensava, mas tam-
Quinta-feira, 28 de julho b em em ouvir e entender o que
Acolhei-vos uns aos outros, as- eles pensavam e sentiam. (Mat.
´ 16:13-16; 17:24-26) Jesus viveu e
sim como tambem o Cristo nos
acolheu. — Rom. 15:7. morreu
´ em favor de seus amigos.
E verdade que ele sabia que tinha
O termo grego traduzido ‘aco- de oferecer a sua vida, como re-
lher’ significa “receber num gru- quisito
˜ legal, para satisfazer o pa-
po de amigos de forma bondosa ´ drao de justiça de seu Pai. (Mat.
ou hospitaleira”. Nos tempos
˜ bı- 26:27, 28; Heb. 9:22, 28) Mas Jesus
˜
blicos, quando um anfitriao hospi- deu a sua vida´ como expressao de
taleiro recebia amigos ˜ em sua
ˆ amor. “Ninguem tem maior amor
casa, ele fazia questao de faze- do ´ que este”, disse ele, “que al-
los se sentirem bem-vindos. Cris- guem entregue a sua alma ˜ a fa-
to simbolicamente nos recebeu vor de seus amigos”. — Joao 15:13.
dessa maneira, e somos exortados w09 15/10 3:7, 8
´
Sabado, 30 de julho Domingo, 31 de julho
O que for que fizerdes, trabalhai Herdai o reino preparado para
´ ˜
nisso de toda a alma como para vos desde a fundaçao do mundo.
´ ˜
Jeova, e nao como para homens, — Mat. 25:34.
´ ´
pois sabeis que e de Jeova que ´
Ao longo dos˜ seculos desde a
recebereis a devida recompensa.
sua ressurreiçao, Jesus tem su-
— Col. 3:23, 24. pervisionado fielmente as ativi-
˜ ˜
Uma maneira de mostrar que dades da congregaçao crista so-
prezamos
˜ ´ nosso lugar na congre- bre a qual tem governado como
gaçao ˆ e por examinar nossas cir- Rei. (Col. 1:13) No tempo de-
cunstancias pessoais e fazer tudo signado, ele passaria a exercer
ao nosso alcance para ‘glorificar seu poder como Rei do
´
nosso´ ministerio’ e trazer honra a
´ Reino de
Deus. As profecias bıblicas e os
Jeova. (Rom. 11:13) Alguns podem eventos mundiais confirmam que
ser pioneiros regulares. Outros a sua presença como Rei come-
servem em modalidades especiais ´
çou em 1914.˜ Iniciou-se tambem
do serviço ´ de tempo integral como a “terminaçao do sistema” mun-
mission arios, superintendentes dial. (Mat. 24:3; Rev. 11:15) Pouco
viajantes
´ ou membros de uma ˜ fa- depois, ele liderou os santos an-
mılia de Betel. Muitos irm ´
˜ ˜ aos e ir- jos em expulsar
m˜ as ajudam na construçao de Sa- ˆ ´ Satanas e seus
demonios do ceu.˜ (Rev. 12:7-10)
loes do Reino. A ´ vasta
´ maioria dos
servos de Jeova da o melhor de si A obra de pregaçao e ensino ini-
para cuidar das ´ necessidades es- ciada por Jesus em 29 EC aproxi- ´
pirituais da˜ famılia e ter´ uma boa ma-se de seu grandioso ´ clımax.
participaçao no ministerio todas Em breve ele ´ julgar a todos
´ os hu-
as semanas. Podemos confiar que, manos.
´ Daı, ele dira aos com-
se nos oferecermos de bom grado paraveis a ovelhas que o ˜ acei-
para realizar o serviço de Deus e tam como ´ meio de salvaçao de
dermos o nosso melhor para servi-´ Jeov a: “Herdai o reino.” (Mat.
lo de toda a alma, 25:31-33, 41) Os que ˜ rejeitam´ Je-
´ sempre havera
um ˜ lugar para nos na sua organi- sus como Rei serao destruıdos.
zaçao. w09 15/11 3:6 — Rev. 19:11. w09 15/12 3:16, 17

Segunda-feira, 1.° de agosto para enxergar os perigos


´ ocultos
no mundo de Satanas. Um modo ´
Mantende os vossos sentidos, de permanecer vigilante e por
sede vigilantes. — 1 Ped. 5:8. ˜
nos beneficiar´ da proteçao espiri-
´ ´ tual que Jeova nos oferece. O es-
O procavia e uma criatura rela-
tivamente pequena que ˜ pode nos tudoˆ da Palavra
` de˜ Deus e˜ a as- ˜
ensinar importantes liçoes. (Pro. sistencia as reunioes cristas nao
30:26) Primeiro, note que esse devem ser negligenciados. ´ (Luc.
˜ ˜
animal 4:4; Heb. 10:24, 25)´ Alem disso,
´ nao se expoe a um ata-
que˜ facil. Ele usa muito bem sua assim como o procavia se desen-
visao volve bem numa comunidade bem
` aguçada
ˆ para ver predado-
res a distancia e permanece perto unida, precisamos permanecer
de buracos e fendas nos penhas- achegados
˜ a nossos companheiros ˆ
cos que lhe ´ servem´ de abrigo pro- cristaos para ter um “intercam-
tetor. Nos tamb ˜ em precisamos bio de encorajamento” com eles.
ter uma visao espiritual aguçada — Rom. 1:12. w09 15/4 3:11-13
˜
Terça-feira, 2 de agosto vo antes de tomar decisoes. (Atos
´ 16:4, 5)˜ Os membros da grande
Apareceu-lhe . . . um anjo do ceu multidao apreciam o alimento es-
e o fortaleceu. — Luc. 22:43. ˜
piritual produzido sob a direçao
Os˜ anjos poderiam ter evitado a do Corpo Governante.
´ Ao mesmo
prisao e morte´ cruel de Jesus. Em tempo, porem, ao passo que res-
vez disso, porem, um peitam o escravo como classe, os
ˆ anjo foi en- ˜
da grande multidao´ evitam exal-
viado para fortalec ´ e-lo. De acor-
´
do com o prop osito de Jeova, Je- tar qualquer indivıduo que pro-
sus teve uma morte sacrificial fesse ser parte
˜ desse escravo. Ne-
e provou que´ um homem perfei- nhum
´ cristao que genuinamente
´
to pode ser ıntegro a Deus mes- e ungido com o espırito de Deus
mo sob o mais´ severo teste. De desejaria ou esperaria receber tal
modo que Jeova ressuscitou Jesus tratamento. — Atos 14:14, 15.
` w09 15/6 4:18, 19
a vida celestial imortal, dando-
lhe “toda a autoridade” e˜ colocan- Quinta-feira, 4 de agosto
do os anjos em sujeiçao a ele. ´
(Mat. 28:18; Luc. 24:4-7; Atos 2:32; A propria luz brilhou para o
1 Ped. 3:22) Assim, Jesus pro- justo. — Sal. 97:11.
vou ser a parte principal do “des- ˜
Embora a maioria das ˜ religioes
cendente”
ˆ da “mulher”
´ de Deus.
que afirmam ser cristas negue a
(Gen. 3:15; Gal. 3:16) Jesus sa-´
esperança´ de vida eterna na Ter-
bia
` que seria errado colocar Jeova
ra, Satanas nem sempre conse-
a prova por esperar que anjos o
guiu obscurecer a verdade. Ao
resgatassem caso ele se envolves-
longo das eras, ´ alguns atentos
se em comportamento arriscado. leitores da Bıblia viram lampe-
(Mat. 4:5-7) Portanto, imitemos o jos da verdade ao passo que en-
exemplo´ de Jesus por viver com tendiam alguns ´ aspectos de como`
“bom ju´ ızo”, sem correr
´ riscos des- Deus restaurar a a humanidade a
necessarios, porem, enfrentan- ˜
˜ perfeiçao. (Mat. 7:13, 14; 13:37-39)
˜
do com confiança a perseguiçao. Nos anos 1600,
— Tito 2:12. w09 15/5 3:11, 12 ˜ ´ a traduçao e im-
pressao da Bıblia havia aumen-
tado a disponibilidade das Es-
Quarta-feira, 3 de agosto crituras Sagradas. Em 1651, um
Pedro ergueu-o, dizendo: “Le- erudito escreveu ˜ que, assim como
´ por meio de Ad´ ao os homens “per-
vanta-te; eu mesmo tambem sou
homem.” — Atos 10:26. deram o Paraıso, e a Vida Eter-
´ na na Terra”,
´ por meio de Cristo
Nos dias de hoje um numero li- “far-se-a que todos ˜ os homens vi-
mitado de homens ungidos tem a vam na Terra;
responsabilidade de representar ˜ se˜ nao fosse assim,
˜ a a comparaçao nao seria apropria-
classe do escravo. Eles comp oem da”. (1 Cor. 15:21, 22) Um dos ´ fa-
o Corpo Governante´ das Teste- mosos poetas do mundo de lıngua
munhas de Jeova. ´ Esses homens inglesa, John Milton (1608-1674),
ungidos por espırito supervisio- ´
escreveu
ˆ Paraıso Perdido e sua
nam a obra do ˜ Reino e o programa ´
sequencia Paraıso Reconquistado.
de alimentaçao ´ espiritual. Como Nas suas obras, Milton referiu-se
` ´
no primeiro˜ seculo, o Corpo Go- as recompensas que´ os fieis re-
vernante nao consulta cada mem- ceberiam num paraıso terrestre.
bro individual da classe do escra- w09 15/8 3:8
´
Sexta-feira, 5 de agosto e desejavel
ˆ cumprimentar os ou-
´ tros. Voce costuma fazer isso? Ou
De que proveito sera para o ho- em geral passa sem dar um sorriso
mem, se ele ganhar o mundo in- ´
ou sem dizer uma palavra amiga-
teiro, mas pagar com a perda da vel? Mesmo sem querer, ´ a pessoa
sua alma? — Mat. 16:26. pode desenvolver
´ um habito que ˜
´ ˜ na realidade e falta de educaçao.
Um modo notavel de a educaçao
Nesse respeito, o consultor Don-
divina nos preparar´ ´ para o futu-
ald Weiss escreveu: “As pessoas se
ro dia de Jeova e por nos ajudar
ressentem quando outros
˜ passam
a estabelecer
´ prioridades corre-
por elas como se nao ˜ as
´ enxer-
tas. O
´ apostolo´ Paulo escreveu ˜ a
gassem. . . . A soluçao e simples:
Timoteo: “Da ordens aos que sao
cumprimente as pessoas. Fale
ricos no
˜ atual sistema de coisas, ˜ com elas.” Se evitarmos ser frios
que nao sejam soberbos e que nao ou indiferentes ao fazer isso, te-
baseiem a sua esperança nas ri-
remos bons resultados. w09 15/11
quezas incertas, ˜ mas em Deus.” 5:8, 9
Mesmo que nao sejamos ricos, po-
demos nos beneficiar desse conse- Domingo, 7 de agosto
lho divinamente inspirado. O que ´ ´
ele envolve? Em vez de armazenar Deus enxugara toda lagrima
riquezas materiais, devemos nos dos olhos deles. — Rev. 7:17.
esforçar ‘para praticar o bem’ e
Durante seu ´ Reinado Milenar, `
‘para ser ricos em obras excelen-
Jesus vivera plenamente ´ a altu-
tes’. Por colocar assuntos espiri-
ra de todos os seus tıtulos, tais
tuais em primeiro lugar em nos- ´ como “Maravilhoso Conselheiro, ´
sa vida, ‘entesouramos para nos
Deus Poderoso, Pai Eterno, Prın-
um alicerce excelente para o fu-
cipe da Paz”.´ (Isa. 9:6, 7) O ` seu
turo’. (1 Tim. 6:17-19) Esse modo
Reino ˜ erguera os humanos a per-
de vida abnegado
´ evidencia sa-
feiçao, incluindo ˜ os ressuscitados
bedoria pratica. (Mat. ´ 16:27) ´ Vis- ´ da morte. (Joao 5:26-29) ˜ Os huma-
to que o dia de Jeova esta pro-
nos receptivos serao guiados ´ pelo
ximo, devemos nos perguntar:
Messias para “fontes de aguas da
‘Onde estou armazenando tesou- vida”, de modo que a humanida-
ros? Sou escravo de Deus ou das de obediente
Riquezas?’ — Mat. 6:19, 20, 24. ˜ ´ possa usufruir ´ uma
relaçao pacıfica com Jeova. (Rev.
w09 15/9 4:11 7:16) Depois da prova final, todos
´ ´
Sabado, 6 de agosto os rebeldes,ˆ incluindo˜ Satanas e
seus demonios, serao ‘lançados no
Se cumprimentardes somente os lago de fogo’. (Rev. 20:10) Jesus
˜
vossos irmaos, que fazeis de ex- cumpre seu papel como Messias
´ ˜ de´ um modo maravilhoso e impe-
traordinario? Nao fazem tam-
´ cavel! Humanos redimidos ocupa-
bem a mesma coisa as pessoas ˜ ´
˜ rao ˜uma Terra paradısica onde vi-
das naçoes? — Mat. 5:47.
´ ver´ ao para sempre com perfeita
Em muitos lugares
´ hoje a vida e saude e felicidade.
´ ´ O nome sagra-
bem agitada. E comum duas pes- ´ do de Jeova ter ´ a sido limpado de
soas se cruzarem sem dizer “ola” ˜ todo o vituperio e a legitimidade
ou “como vai?”. Naturalmente,
´ n ao de Sua soberania universal plena-
se espera que alguem cumprimen- mente vindicada. ´ Que grandiosa
te todos os que passam numa cal- recompensa e iminente para to-
çada movimentada. ˜ Mas
´ em mui- dos os que obedecem ao Ungido de
tas outras situaçoes e apropriado Deus! w09 15/12 3:18, 19
Segunda-feira, 8 de agosto maturidade.
˜ (1 Cor. 13:8-12) En-
´ ´ tao concluiu com as palavras do
Resguarda a tua lıngua do que e
´ texto de hoje. As coisas´ que hoje
mau, e teus labios de falarem en- aguardamos com fe por fim se
gano. — Sal. 34:13. ˜
tornar´ ao ˜ realidade, de´ modo ´ que
´ essa fe nao mais sera necessaria.
Quando seus apostolos repeti-
das vezes discutiam entre si Depois de todas as coisas terem
sobre qual deles era o maior, sido feitas novas, a esperança
´
Jesus, de modo firme, porem pa- de ver cumpridas as promessas
ciente, os ajudava a entender a cujo´ cumprimento ansiamos dei-
necessidade de humildade. (Mar. xara de existir. Mas que dizer ´ do
9:33-37; Luc. 9:46-48; 22:24-27; amor? Ele sempre existira. Com
˜ ´
Joao 13:14) Tambem hoje, em- a perspectiva de vida eterna, cer-
bora sejam firmes a favor da tamente veremos e entendere-
˜ ˜ ˜
justiça, os anciaos cristaos nao mos ainda mais ˜ facetas do amor
agem como dominadores do re- de Deus. — 1 Joao 2:17. w09 15/12
banho de Deus. (Mar. 10:42-44) 4:20, 21
Eles imitam a Cristo sendo “be-
nignos uns para com os outros” Quarta-feira, 10 de agosto
e “ternamente compassivos” ´ nos Alargai-vos. — 2 Cor. 6:13.
seus relacionamentos. (Efe. 4:32)
Por sermos francos com os nos- Se os interesses que temos ˜ em
˜ ´ comum com alguns irmaos nos
sos irmaos, porem discretos, po-
demos expressar o que pensamos separam de outros, precisamos
˜ ‘nos alargar’. Seria bom nos per-
sem ser ofensivos. De ´ fato, nao
queremos que a nossa lıngua seja guntar: ‘Cumprimento tanto os
“afiada como navalha”, usando-a idosos˜ como os jovens na ´congre-
para infligir dolorosas feridas gaçao?’ Cumprimentar e o pri-
com linguagem abusiva ou de- meiro passo para receber bem as
gradante. (Sal. 52:2; Pro. 12:18) pessoas. (Rom. 15:7) ´ Pode ´ levar
Isso˜ honra a Deus ˜ e promove a conversas agradaveis e solidas
uniao na congregaçao. w09 15/6 amizades. Por exemplo, quando
3:10, 11 os que assistem a congressos e
assembleias se apresentam e co-
Terça-feira, 9 de agosto meçam a conversar, eles ficam
´ ´ ansiosos
Agora, porem, permanecem a fe,
ˆ ´ para se verem de ˜ novo.
a esperança, o amor, estes tres; Volunt
˜ arios na construçao de Sa-
´ loes do Reino´ ou em obras de aju-
mas o maior destes e o amor.
da humanitaria muitas vezes se
— 1 Cor. 13:13. tornam grandes amigos por co-
´
Entre o povo de Jeova vemos a nhecer as excelentes qualidades
sabedoria de se empenhar pelo uns dos outros ao trabalharem
amor, o caminho que ultrapas- juntos. As oportunidades ˜ de fa-
sa tudo. De fato, ele zer grandes amizades sao ´ muitas
˜ supera toda ˜
e qualquer
´ situaçao. Note como na organizaçao de Jeova. Se ‘nos
o apostolo Paulo enfatizou essa alargarmos’, teremos mais ami-
verdade. Primeiro,´ ele destacou gos e fortaleceremos o amor ˜ que
que os dons do espırito deixariam ˜ nos une ˜ com nossos irmaos na
de existir
˜ e que a congrega
ˆ çao adoraçao verdadeira. w09 15/11
crista passaria da infancia para a 4:5, 7, 10
Quinta-feira, 11 de agosto em seus dias em termos´ bem cla-
´ ros, mas nem uma unica vez dis- ´
Vos sois os que ficastes comigo
˜ se algo que demonstrasse ˜ odio
nas minhas provaçoes. ou que tivesse a intençao de ma-
— Luc. 22:28. goar. (1 Ped. 2:23) Em vez disso,
Jesus era generoso em dar de ele deixou o caminho aberto para
˜ que os transgressores se arrepen-
seu tempo, ´ afeiçao e recursos.
Isso atraıa as pessoas, que ale- dessem e ´ voltassem a ter o favor
´ de Jeova. De fato, uma das prin-
gremente lhe retribuıam essa ge- ˜
nerosidade. (Luc. 8:1-3) Por ex- cipais razoes para a vinda de Je-
ˆ ´ sus ao mundo foi “para salvar pe-
periencia pr opria, Jesus podia
dizer: “Praticai˜ o dar, e dar-vos- cadores”. (1 Tim. 1:15)
˜ Lembre-se
´
˜ de ˜ que a orientaçao bıblica para
ao. Derramarao em vosso rega- ˜
ço uma medida excelente, recal- açao judicativa na congregaçao
cada, sacudida e transbordante. protege o rebanho e pode levar
Pois, com a ˜ medida´ com que me- o transgressor a se arrepender.
dis, medir ao a v os em troca.” — 2 Cor. 2:6-8. w09 15/9 3:6, 7
(Luc. 6:38) Naturalmente, alguns ´
tentaram associar-se com Jesus Sabado, 13 de agosto
apenas por causa do que podiam ´
Ele salvara o seu povo dos peca-
receber dele. Esses falsos amigos dos deles. — Mat. 1:21.
abandonaram Jesus quando en- ˜ ´
tenderam mal algo que ele ha- Jesus nao so nos resgata de pe- ´
via dito. Em vez cados ´ do passado mas tambem
´ ´ de dar a Jesus o nos da a perspectiva de um futu-
benefıcio da duvida, eles precipi-
tadamente tiraram uma conclu- ro melhor. Por libertar ˜ seus se-
˜ guidores da escravidao ao peca-
sao errada ´ e lhe deram as costas.
Os apostolos, por sua vez, eram do, Jesus os salva da ira divina e
leais. A sua amizade com Cris- os˜ introduz numa ´ amorosa rela-
to foi provada muitas vezes, mas çao com Jeova. ˜ No devido tem-ˆ
´ po, a liberta˜ çao que Jesus prove
eles fizeram o melhor para apoia-
lo nos bons˜ e nos maus momen- da´ escravid ´ ao ao pecado inclui-
tos. — Joao 6:26, 56, 60, 66-68. ra tamb
´ em ficar livre de seus´
w09 15/10 3:9, 10 terrıveis efeitos: a doença e ate
mesmo a morte. Para´ visualizar
Sexta-feira, 12 de agosto o que isso significara, conside-
´ re o que
Nos temos a mente de Cristo. ` aconteceu quando Je-
sus foi a casa de Jairo, cuja filha
— 1 Cor. 2:16.
de 12 anos havia˜ falecido. Jesus
Quando um transgressor rejei- lhe garantiu:
´ “Nao temas,
´ apenas
´
ta conselhos bıblicos ou tenta jo- exerce fe, e ela sera salva.” ` (Luc.
gar a culpa por ˜ seu erro em ou- 8:41, 42, 49, 50) Fiel as suas pala-
tros, os anciaos e outras pessoas vras, a menina foi ressuscitada!
podem se sentir indignados. Sa-´ Consegue imaginar a alegria dosˆ
bendo do dano que a pessoa ja pais? Em caso afirmativo, voc´ e
causou, eles talvez se sintam ten- tem uma ideia da extraordina-
tados ˜ a dizer o que sentem sobre ria alegria que sentiremos ˜ quan-
´
as açoes e ´ a atitude dela. Contu-
˜ do ‘todos os que estao˜ nos tumu-
do, a ira e prejudicial e nao re- los memoriais ˜ ouvir ao a voz ˜de
flete “a mente de Cristo”. (Tia. Jesus ˜ e sairao’ na ressurreiçao.
1:19, 20) Jesus advertiu alguns — Joao 5:28, 29. w09 15/4 4:17, 18
˜
Domingo, 14 de agosto da natureza nao custa nada, ˆ mas
˜ pode nos encher de reverencia e
Tu tens declaraçoes de vida alegria. Refletir sobre essas coi-
˜ ´
eterna. — Joao 6:68. sas aumenta nosso amor
´ ´ a Jeova,
Se o instrutor se interessa´ pelo pois
´ e ele quem nos da tudo que
que ensina, seu entusiasmo e evi- e bom. Amar a Deus, obedecer´
ˆ aos seus ´ mandamentos e ter fe
dente, exercendo forte influen-
cia sobre os a quem ele instrui. no sacrif´ ıcio de´ resgate por fim
˜ resultara em alıvio completo das
Por outro lado, se o instrutor nao
aprecia realmente o que ensi- adversidades da vida imperfei- ˜
na, como pode esperar que seus ta e em alegria eterna. (1 Joao
estudantes valorizem o que ou- 5:3)´ Enquanto isso, ´ nosso conso-
vem? Nunca subestime seu exem- lo e saber que Jeova se apercebe
plo como instrutor da Palavra de das coisas que nos afligem. ´ Por´
Deus. Jesus disse: “Todo aquele causa de seu ´ amor por nos, Jeova
´ nos livrara da calamidade. — Sal.
que for bem preparado sera como
o seu mestre.” (Luc. 6:40, Nova 34:19. w09 15/12 2:16, 17
˜
Versao Internacional) Jesus ama-
Terça-feira, 16 de agosto
va o que ensinava. Ele sabia que ´ ´
tinha algo precioso a partilhar Nos, embora muitos, somos um so
— a verdade ´ sobre seu Pai ce- ˜ corpo. — Rom. 12:5.
lestial, as proprias “declaraçoes ˜
˜ Paulo compara os cristaos ungi-
de Deus”. (Joao 3:34) Como luz
dos a membros de um corpo que
penetrante, as verdades que Je-
servem unidamente sob seu Ca-
sus ensinou expuseram o que era
beça, Cristo. ˜(Col. 1:18) Ele lem-
mau e realçaram o que era bom.
bra
´ aos cristaos ungidos por es-
Trouxeram esperança e conso-
pırito que um corpo tem muitos ˜
lo para os humildes, que ´ esta-
membros com diferentes funçoes ˜
vam sendo enganados por lıderes e que´ eles, ‘embora ˜ muitos, sao
religiosos falsos e oprimidos pelo um so corpo em uniao com Cris-
Diabo. (Atos 10:38) O amor que to’. (Rom. 12:4) De modo˜ simi-
Jesus tinha
˜ pela verdade se reve- lar, Paulo exortou os cristaos un-
lava nao apenas nos seus ensi- ´
gidos em Efeso: “Cresçamos pelo
nos, mas em tudo o que ele fazia. amor´ em todas as coisas naquele
w09 15/7 3:10, 11 que e a cabeça, Cristo. Da parte
dele, todo o corpo, por ser har-
Segunda-feira, 15 de agosto
moniosamente conjuntado e fei-
Vou jubilar e alegrar-me na tua to´ cooperar ´ por toda junta que
ˆ
benevolencia, porque tens visto da o necessario, segundo o fun-
˜ cionamento de cada membro res-
a minha tribulaçao; soubeste das
˜ pectivo, na devida medida, pro-
afliçoes da minha alma.
— Sal. 31:7. duz o desenvolvimento
˜ do corpo
˜ para a edifica´ çao de si mesmo em
Mesmo diante de provaç oes, amor.” (Efe. 4:15, 16) Embora as
˜
podemos encontrar
´ alegria em “outras ovelhas” nao sejam par-
quaisquer dadivas ´ materiais
´ re- te do corpo composto de Cristo,
cebidas de Jeova. Al ˆ em do mais, elas podem˜ aprender muito dessa
observar um belo p or do sol, uma ilustraçao e fazer sua parte˜ a fim ˜
majestosa paisagem, filhotes de contribuir
˜ para a uniao crista.
brincando e outras maravilhas — Joao 10:16. w09 15/10 1:9, 10
Quarta-feira, 17 de agosto ja ´ envenenada por
˜ uma atitude
crıtica com relaçao a˜ certos mem- ˜
Temos dons que diferem segundo
bros ˜ na congregaçao, a anciaos
a benignidade imerecida que nos cristaos ou ao´ Corpo Governan-
foi dada. — Rom. 12:6. ˜
te. Alguns apostatas se opoem ´ ao
˜
´
E importante avaliar bem´ nos- uso do nome divino, Jeova. Nao
ˆ se interessam em aprender so-
sas circunstancias pois, ate cer- ´
to ponto, elas afetam o que po- bre Jeova, nem em servi-lo.´ As-
˜ sim´ como o pai deles, Satanas,
demos fazer na congregaçao. Por ´ os
exemplo, em apostatas˜ atacam pessoas ınte-
˜ certos sentidos, o ˜ ´
gras. (Joao 8:44) Nao e para´ me-
que um˜ irmao pode fazer na con-˜
gregaçao difere do que uma irma nos que os servos de Jeova evi-
´ tam qualquer contato com eles!
pode fazer. A idade, ´ a saude e ou- ˜
tros fatores tambem influem no — 2 Joao 10, 11. w09 15/4 1:14, 15
que podemos ´ realizar no servi-
ço de´ Jeova. “A beleza dos jo- Sexta-feira, 19 de agosto
vens e´ o seu poder”, ou vigor, diz Ficai plenamente desenvolvidos
Proverbios˜ 20:29, ˜ “e o esplendor
˜ na capacidade de entendimento.
dos anciaos sao as suas cas”. Por — 1 Cor. 14:20.
terem mais energia, ˜ os mais jo-
vens na congregaçao conseguem Quando nos esforçamos em fa-
´
fazer mais em sentido fısico, ao zer progresso espiritual, nossa
passo que os mais velhos˜ bene- mente fica focalizada nas “coisas
ficiam muito a congrega mais importantes”. (Fil. 1:9, 10)
ˆ çao com
sua sabedoria e experiencia. Pre- Desse modo, aumentamos nosso
´
cisamos ter em mente tambem apreço por ˜Deus e por todas as ´
que tudo o que ˜ podemos ´ realizar suas provisoes em nosso ˜ benefı-
na organizaçao de Jeova depen- cio. (Rom. 3:24) O cristao ‘plena-
de de sua benignidade imereci- mente desenvolvido na capacida-
da. — Atos 14:26; Rom. 12:6-8. de de entendimento’
˜ desenvolve
w09 15/11 3:7 essa gratidao ˜ e desfruta de´ uma
estreita
˜ relaçao com Jeova. Uma
Quinta-feira, 18 de agosto irm a chamada Louise admitiu
´ ` que, por algum tempo depois do
[Jo] ainda se agarra a sua in-
tegridade, embora me instigues batismo, o que mais ˜ a preocu-
´ pava era a impressao ˜ que ˜ dava
contra ele para traga-lo sem
´ aos outros. “Meu coraçao nao ar- ´
causa. — Jo 2:3. dia de desejo de servir a Jeova”,
´
Jo foi provado pelo Diabo tan- disse ela. “Eu sabia que teria
to no seu estado´ de prosperidade de fazer algumas mudanças para ´
como no sentir que estava´ dando meu ma-
´ de˜ miseria. Obviamente,˜
Satanas nao tem compaix ao dos ximo para´ Jeova. O maior desafio
˜
´
necessitados ou das vıtimas de foi adora-lo de todo o coraçao.”
calamidade.
´ ´ Ele odeia as pessoas Por ter se esforçado nesse senti-
ıntegras. (J ´ o 2:3-5) Mas a fideli- ´ ´ do, Louise˜ desenvolveu ‘firmeza
dade de Jo provou´ que Satanas e de coraçao’, que mostrou ser vital
mentiroso. Satanas foi a´ primeira quando ela enfrentou ´ um afliti-
criatura
´ a se tornar apostata. Os vo problema de saude. (Tia. 5:8)
apostatas´ atuais demonstram ca- Louise disse: “Lutei muito, mas ´
racterısticas parecidas com as do realmente me acheguei a Jeova.”
Diabo. A mente deles talvez este- w09 15/5 1:15, 16
´ sempre em mente o aviso inspira-
Sabado, 20 de agosto
do do texto de hoje. Atualmente,
Sobre cada alma começou a cair permanecemos espiritualmente
temor, e muitos portentos e si- limpos por nos refrearmos de se-
nais começaram a ocorrer por quer tocar no que nosso Pai ce-
´ ´
intermedio dos apostolos. lestial encara como ´ impuro em
— Atos 2:43. sentido religioso. E por isso que,
por exemplo, evitamos ˜ cuidado-
Enfurecidos
´ por causa do que samente as celebra çoes
os discıpulos ˜ ˜ e feria-
´ de Jesus estavam fa- dos da religiao falsa,´ tao comuns
zendo, os lıderes religiosos
˜ pren- no
deram Pedro e Joao e os proibi- ´ mundo de hoje. E verdade que
e um desafio permanecer ´ lim-
ram de falar sobre Jesus. Depois pos. Mas os servos de Jeova se es-
de libertados,
˜ os dois relataram forçam nesse sentido porque fa-
aos irmaos o acontecido, e to- zer isso os ajuda a permanecer
dos˜ oraram a respeito ´ dessa opo- no amor de Deus. — Judas 21.
siçao pedindo: “Jeova, . . . concede w09 15/8 4:20
aos teus escravos que persistam
em falar a tua palavra com todo o Segunda-feira, 22 de agosto
denodo.” O resultado? ´ Todos “fi- ´
caram cheios de espırito santo e ‘Persista em pedir com fe.’
falaram a palavra de Deus com — Tia. 1:6.
denodo”. (Atos 2:41; 4:24-31) ´ Note Sejam quais forem as suas cir-
que foi o´ poderoso espırito ´ santo ˆ ´
cunstancias, ore sempre com fe.
de Jeova que ajudou os discıpulos Se estiver enfrentando um tes-
a falar a palavra de Deus com co- te de integridade, siga o conse-
ragem. A coragem de falar a˜ ver-` ´
lho do ´ discıpulo Tiago. ˜ ˜ Recorra
dade, mesmo aos que ˜ se op oem a a Jeova em oraçao e nao duvi-
nossa
´ mensagem,
´ nao procede de ´ de de que ele possa lhe dar a sa-
nos. Jeov ´
´ a pode dar, e nos dara, bedoria necess ˜ aria para enfren-
seu espırito santo se o´ pedirmos. ´ tar ´ a provaçao. (Tia. 1:5-8) Deus
Com ajuda divina, nos tamb em esta ciente de quaisquer ˆ pensa-
podemos
˜ vencer qualquer oposi- mentos aflitivos que voce´ possa
çao. — Sal. 138:3. w09 15/7 4:12-14 ´
ter e pode guia-lo´ e consola-lo por
meio de ˜ seu espırito.´ Abra-lhe o
Domingo, 21 de agosto coraçao com plena fe, “em nada
´ ˜
Desviai-vos, desviai-vos, saı de duvidando”,´ e aceite a orientaçao
´ ˜ de seu espırito e o´ conselho de
la, nao toqueis em nada impuro;
´ sua Palavra. A esteril Ana, uma
saı do meio dela, mantende-vos
puros. — Isa. 52:11. das duas esposas do levita Elca-´
na, orou por um˜ filho e tinha fe
Precisamos ser limpos tanto por em que sua oraçao seria atendida.
dentro como por fora. Fazemos (1˜ Sam. 1:9-18) Meditar na ora- ˜
esforços para manter limpos os çao que ´ Ana fez naquela ocasiao
nossos pensamentos. ˜ Aderimos podera muito ´ bem ˜ enriquecer as ´
fielmente aos padr
´ oes de limpeza suas ´ proprias oraçoes.´ E podera
moral
˜ de Jeova, apesar da degra- ajuda-lo a ver que ate mesmo a
daçao sexual do mundo a nossa tristeza causada por um problemaˆ
volta. Mais importante, insisti- ˜ aflitivo pode ´ ser vencida´ se voce
mos em manter nossa adoraçao orar´ com fe em que Jeova o aten-
pura, evitando
˜ qualquer
˜ conta- dera. — 1 Sam. 2:1-10. w09 15/11
minaçao da religiao falsa. Temos 2:13-15
´
Terça-feira, 23 de agosto creveu:
´ “Eu me recordo da fe que
´ ha em ti sem qualquer hipocrisia.” ´
Tomai sobre vos o meu jugo e (2 Tim. 1:5) Mesmo assim, Timo-
aprendei de mim, pois sou de teo tinha de manifestar a outros a
temperamento brando e humilde ˜
˜ sua genuinidade crista. Paulo,
´ nas
de coraçao, e achareis revigora- suas duas˜ cartas a Timoteo, ´ deu
mento para as vossas almas. exortaçoes a respeito de v arios
´ ´ `
Pois o meu jugo e benevolo e aspectos ligados
´ a conduta. Por
´ exemplo, Timoteo devia evitar a
minha carga e leve.
— Mat. 11:29, 30. busca de riquezas.ˆ O amor a rique-
´ ˜ zas indica deficiencia ˜ espiritual.
E ˜dever dos cristaos ‘receber´ os Em contraste, os cristaos que se
irmaos benevolamente’ e trata-los contentam com uma vida simples,
assim como Jesus os˜ trataria, mos-´ com ‘sustento e com que se co-
trando preocupaçao sincera ate brir’, manifestam progresso espi-
mesmo pelos que˜ acabaram de co- ritual. — 1 Tim. 6:6-8; Fil. 4:11-13.
nhecer. (3 Joao 5-8) Assim como w09 15/12 1:10, 11
Jesus tomava ˜a iniciativa
´ em´ mos-
trar compaix ao, nos tamb em de- Quinta-feira, 25 de agosto
vemos fazer o mesmo, sempre en-
corajando outros. (Isa. Tendes de guardar os meus esta-
´ 32:2; Mat. ˜
tutos e as minhas decisoes ju-
11:28) Cada um de nos pode mos-
trar bondade por se interessar diciais, cumprindo as quais o
ativamente no bem-estar de ou-
´
homem tambem tem de viver por
tros. Procure meios e crie opor- meio delas. — Lev. 18:5.
tunidades para fazer isso. Tome ` ˜
a iniciativa! “Em amor frater- Ao ´ dar a Lei a naçao de Israel,
˜ Jeova declarou o acima. Mas, por
nal, tende terna afeiçao uns para
com os outros”, exortou Paulo, causa` de sua incapacidade de vi-
acrescentando: “Tomai a diantei- ver a altura das normas perfei-
ra em dar honra uns aos outros.” tas da Lei, os israelitas foram con-
(Rom. 12:10) Isso significa se- denados por ela e precisavam ˜ ser
´
guir o exemplo de Cristo, tratan- livrados dessa condenaç´ ao. (Gal.´
do outros com ternura e bonda- 3:13) Depois de Mois es, Jeov ´ a
de, aprendendo a mostrar “amor inspirou outros escritores bıbli-
livre de hipocrisia”. — 2 Cor. 6:6. cos a mencionar a esperança de
w09 15/9 1:17, 18 vida eterna. (Sal. 21:4; 37:29) Por
exemplo, o salmista Davi concluiu
Quarta-feira, 24 de agosto com estas palavras um salmo a
´ ˜
O amor ao dinheiro e raiz de toda respeito da uniao dos ˜ adoradores´
verdadeiros em Siao: “Ali ˆ Jeov ˜ a
sorte de coisas prejudiciais.
ordenou que estivesse a b ençao,
— 1 Tim. 6:10. sim, vida por tempo indefinido.”
´ ´ ´
Falar o que e direito sem fa- (Sal. 133:3) Jeova inspirou Isaıas a
´ ´
zer o que e direito e hipocrisia. profetizar a respeito da vida eter-
Paulo conhecia muito bem a hipo- na na Terra. (Isa. 25:7, ´ 8) Como
crisia dos fariseus e os maus re- um sufocante “envoltorio” — um
sultados desse proceder.´ Mais de cobertor
ˆ — o pecado e a morte
uma vez ele alertou Timoteo a res- tem sido um fardo sufocante ´ para
peito dessa falsidade e fingimen- ´ a humanidade. Mas Jeova garante
to. (1 ˜ Tim. 1:5; ´ 4:1, 2) Mas Timo- ao seu˜ povo que o pecado e a mor-
teo nao era hip ocrita. Na segunda te serao ‘tragados’, ou eliminados,
carta que lhe dirigiu, Paulo es- “de toda a terra”. w09 15/8 1:14-16
˜ ˜
Sexta-feira, 26 de agosto lo aconselha os cristaos a nao se
vingarem, mas a ‘ceder lugar ao
Todas as coisas, portanto, que
furor’. Ao “furor” de quem Pau-
quereis que os homens vos fa- lo se refere? De modo algum ele
´ ´
çam, vos tambem tendes de fazer quer dizer que devemos
do mesmo modo a eles. ˜ ´ dar li-
vre vazao ao nosso ´ proprio fu-
— Mat. 7:12. ror. Obviamente, nos ‘cedemos
Depois que o primeiro˜ casal hu- lugar’˜ ao furor de Deus. ˜ Como
mano pecou, a redençao da hu- crist
´ aos, sabemos que nao cabe a
manidade pecaminosa tornou-se nos a vingança. O salmista es-
´ creveu: “Larga
parte´ importante do proposito de ˜ a ira e abando-
Jeova. Para possibilitar essa re- na o furor; nao te acalores ape-
˜ ´ ´ nas para ˜ fazer o mal.” (Sal.˜ 37:8)
dençao, Jeova proveu o sacrifı-
cio de resgate de ´ Cristo. (Rom. E Salomao aconselhou: “Nao di-
5:8) Proveu´ tambem a sua Pa- gas: ‘Vou retribuir
´ o mal!’ Espe- ´
lavra, a Bıblia, que orienta os ra em Jeova, e ele te salvara.”
humanos sobre o melhor˜ modo — Pro. 20:22. w09 15/10 2:10
de lidar com a imperfeiçao her-
dada. (Sal. ´ 119:105) Na sua Pa- Domingo, 28 de agosto
˜ ´
lavra, Jeova fornece instruçoes Nosso Pai nos ceus, santificado
que
´ ajudam a manter uma fa- seja o teu nome. Venha o teu rei-
mılia forte e feliz. ˆ Sobre casa- no. Realize-se a tua vontade,
mento, o livro de Genesis diz que` ´ ´
como no ceu, assim tambem na
o homem tem de “seˆ apegar a terra. — Mat. 6:9, 10.
sua esposa, e´ eles tem ˆ de tor- ˜
nar-se uma so carne”. (Gen. 2:24) As nossas oraçoes a˜ Deus reve-
´
No seu ministerio terrestre, Je- lam nossas motivaçoes, ´ interes-
sus enfatizou que o casamento ses e ´ desejos. Jeov ´ a conhece o
devia ´ ser para sempre. Ensinou nosso ıntimo. Proverbios ˜ 17:3
´ diz:
princıpios que, se aplicados,´ aju- “O cadinho de refinaçao e˜ para a
dariam os membros da famılia a prata e o forno de´ fundi ´ çao para
evitar atitudes prejudiciais para o ouro, mas Jeov ˜ a e o examina- ˆ
o casamento ou a felicidade fa- dor dos coraçoes.” ˜ Deus ve o que
miliar. — Mat. 5:27-37. w09 15/7 temos no coraçao. (1 Sam. 16:7)
2:2, 3 Ele sabe o ˜ que achamos de nos- ´
´ sas reunioes, de nosso ˜ ministerio
Sabado, 27 de agosto e de nossos
˜ ´ irmaos espirituais.
Nao vos vingueis, amados, mas Sabe˜ tambem o que achamos dos
´ irmaos ungidos de Cristo. (Mat.
cedei lugar ao furor; pois esta es- ´
´ 25:40) Jeova sabe se realmente
crito: “A vingança e minha; eu
´ desejamos aquilo pelo qual ora-
pagarei de volta, diz Jeova.”
mos, ou se estamos apenas reci-
— Rom. 12:19.
tando um conjunto de palavras. ˜
˜
Mesmo com “os que nao estive- “Ao orares”, disse Jesus, “nao di- ´
rem favoravelmente dispostos” gas as mesmas coisas vez apos
para com a nossa obra e a nos- vez, ˜ assim como fazem os das
sa mensagem, incluindo´ oposito- naçoes, pois imaginam ˜ [equivo-
res declarados, nos nos ‘restrin- cadamente] que serao ouvidos
gimos sob o mal’ e agimos “com por usarem de muitas palavras”.
brandura”. (2 Tim. 2:23-25) Pau- — Mat. 6:7. w09 15/11 1:12, 13
Segunda-feira, 29 de agosto estivermos
˜ isolados,
´ nossas
˜ ` peti-
´ çoes ˜ a Jeova nos unirao a “asso- ˜
Faze para nos um deus que ciaçao inteira dos [nossos] irmaos
´ ´ ´
va adiante de nos, pois quanto a no mundo”. (1 Ped. 5:9) Jeosafa˜ e
´ ˜
este Moises, . . . certamente nao seu povo acataram a orientaçao
sabemos o que ˆ lhe aconteceu. divina dada por meio de Jaaziel.
— Exo. 32:1. Com que resultado? Eles vence-
ram a batalha que se seguiu e vol- ´
Aplicar o que aprendemos das
taram “com alegria” a Jerusalem
Escrituras pode ser um desa- ˆ e, ‘com instrumentos de ` cordas,
fio, em ´ especial sob circunstan- harpas e trombetas, a casa de
cias difıceis. Por exemplo, pou- ´ ˆ ´
´ Jeov ´ a’. (2 Cro. 20:27, 28) Nos˜ tam-
co depois de Jeova ter libertado ˜ bem respeitamos as instruçoes de
os filhos de Israel da escravidao ´
Jeova dadas por meio de Seu´ ca-
no Egito,
´ eles ‘altercavam com nal e nos unimos em louva-Lo.
Moises’ e constantemente
´ ` colo- ˆ w09 15/6 1:9, 11, 12
cavam “Jeova a prova”. Por qu ´ e?
Por causa de umaˆ falta de agua Quarta-feira, 31 de agosto
para beber. (Exo. 17:1-4) Menos ´
de dois meses depois de terem Moises era em muito o mais
entrado num pacto com Deus e manso de todos os homens.
´
concordado em obedecer a — Num. 12:3.
´ ‘to- ´
das as palavras que Jeova lhes Moises mostrou coragem ao fa-
falara’, eles violaram aˆ lei divi- ´
lar com ˜ Farao, um governante
na contra a idolatria.˜ (Exo. 24:3, que nao era encarado como mero
12-18; 32:2, 7-9) N ao importa representante dos deuses, mas
quais eram seus motivos, os is- ´
sim ele proprio ´ um deus. A pala-
raelitas ‘negaram-se a se tornar vra de Farao era lei; ele gover-
obedientes’. (Atos˜ 7:39-41) Paulo ´ nava por decreto. Poderoso, ar-
exortou os crist ˜
˜ aos a ´ ‘fazer o ma- rogante e obstinado, nao estava
ximo’ para nao ‘caırem ˆ no mes- acostumado a receber ordens. Foi
mo tipo de desobediencia’ que os ´
perante esse homem que Moises,
israelitas demonstraram quando um manso pastor, compareceu
estavam com medo de entrar na diversas vezes — sem ser convi-
Terra Prometida. — Heb. 4:3, 11. dado ´nem ser bem-vindo. E o que
w09 15/5 1:11 Moises predisse? Pragas devasta-
doras.
˜ E o que ele pediu? ˜ Permis-
Terça-feira, 30 de agosto sao para que´ milhoes de escra-
´ ´
Vieram consultar a Jeova. vos ´ de Farao deixassem ´ o paıs.
ˆ Sera que Moises precisava de co-
— 2 Cro. 20:4.
´ ragem? Com certeza! ´ (Heb. 11:27)
Assim como Jeosafa e seu povo Durante os seculos seguintes, os
´
se˜ reuniram em ´ busca
˜ da orienta- profetas e outros servos fieis de
´
çao de Jeova, nao ˜ deixemos de Deus tambem ˜ tomaram uma co-
frequentar as reunioes congrega-
˜ rajosa posiçao em favor da ado-
˜
cionais com
´ nossos irmaos. Dian- ra´ çao ˜ pura. O mundo de Sata-
te de s erias dificuldades, sem nas nao os tratou bem. Paulo diz:
saber o que fazer, imitemos ´ o ‘Foram apedrejados, morreram
bom exemplo ´ de Jeosaf a e do´ abatidos pela espada,˜ passando
povo de Jud ˜ a recorrendo a Jeova necessidade, tribulaçao, sofren-
em oraçao com plena confiança. do maus-tratos.’ — Heb. 11:37.
(Pro. 3:5, 6; Fil. 4:6, 7) Mesmo se w09 15/7 4:6, 7
Quinta-feira, 1.° de setembro 6:8)´ Por um lado, orar pedindoˆ
ˆ espırito santo indica que voce
O mero homem ve o que aparece ´
´ confia em Jeova. Por exemplo,
aos olhos, mas quanto a Jeova, se uma ˆ pessoa lhe pedisse aju-
ˆ ˜ ´ ´
ele ve o que o coraçao e. da, voce sem duvida faria tudo
— 1 Sam. 16:7. ´
para ajuda-la, pois esse pedido ˆ
˜ prova que ´ ela confia em voce.
Ele nao tinha o perfil de um
rei. Para o profeta Samuel, ele (Note Proverbios ´ 3:27.) Do mes-
parecia apenas um jovem pas- mo modo, ˆ Jeova se alegra´ quan-
tor de ovelhas. No entanto, Deus do voce´ lhe pede seu espırito, e
˜ ele o da. Outra maneira de se´ co-
podia ˜ discernir a condiçao do co- ˆ
raçao de Davi, da qual se agrada- locar sob a influencia do espırito
˜ de ˜ Deus envolve as nossas reu-
va.
´ Para Deus, oˆ importante nao
e a mera apar nioes, assembleias e congressos.´
´ encia,
´ mas sim˜ o ˜
Prestar atençao ao programa e
que a pessoa e no ıntimo. Entao,´
quando Samuel viu que Jeov a muito importante para entender
˜ “as coisas profundas de Deus”.
nao havia escolhido nenhum dos
sete filhos mais velhos de Jes- — 1 Cor. 2:10. w10 15/3 2:8, 9
´
se, mandou chamar o filho mais ´
Sabado, 3 de setembro
novo, que estava nas pastagens. ´
Diz o´ relato: “Por conseguinte, Vos sois as minhas testemunhas.
[Jesse] mandou que [Davi] vies- — Isa. 43:10.
se. Ora, ele era ruivo, rapaz ˆ ´ ˜
Voce j a fez uma ˜ dedicaçao a
de belos ´ olhos e˜ bem-parecido. Deus em oraçao e pretende ser
Jeova disse ent ´ ao: ‘Levanta-te, batizado?
unge-o, pois e este!’ Consequen- ´ Com´ base no seu ´ estu-
do da Bıblia, e bem provavel que
temente, ´ Samuel tomou o chi- saiba agora que sua vida deve
fre de oleo e˜ ungiu-o no ´ ser ˜
´ meio centrada em louvar a Jeova, nao
dos seus ´ irmaos. E o espırito de em apenas agradar a si mesmo
Jeova começou a tornar-se ativo ou em adquirir bens materiais.
em Davi daquele dia em dian- (Sal. ˜ 148:11-13; Luc. 12:15) Como
te.” — 1 Sam. 16:12, 13. w09 15/4 ´
cristao dedicado, sua vida ter ˆ a o´
5:1, 3 mais elevado objetivo. Voc e ser a
´
feliz, pois estara fazendo a von-
Sexta-feira, 2 de setembro tade divina. (Rom. 12:1,
˜ ´ ´ ´ 2) O es-
A oraçao dos retos e um prazer pırito
´ santo ˆ de Jeov a produzi-
´ ra em voce qualidades piedosas
para [Jeova]. — Pro. 15:8. ´ ´
como paz e ´ fe. (Gal.˜ 5:22, 23)
Precisamos persistir
˜ em pedir´ Deus´ ouvira suas oraçoes e aben-
a ajuda e a orientaçao de Jeova. çoara seus esforços de harmoni-
Ele pode “fazer mais do´ que su- zar sua vida
perabundantemente alem de to- ´ com as ´ Escrituras.
Seu ministerio sera feliz, e viver
das as coisas que ´ pe çamos ou assim como Deus aprova reforça-
´
concebamos”. (Efe. ˆ 3:20; Luc. ra sua ´ esperança de vida eter-
11:13) Mas ´como voce responde- na. ˜ Alem disso, fazer uma dedi-´
ria se alguem perguntasse: “Por caçao e ser batizado confirmara
que continuar a pedir se Deus seu desejo de ser Testemunha de
´
sabe ‘de que coisas necessitamos Jeova. — Isa. 43:11, 12. w10 15/2
antes de lhe pedirmos’?” (Mat. 4:4, 5
´
Domingo, 4 de setembro do Paulo disse que Timoteo devia
ser exemplar na castidade, ele se
Tenho de declarar as boas
referia a um´ aspecto de conduta
novas do reino de Deus. bem especıfico — a moralidade
— Luc. 4:43. sexual. Em especial nos seus tra-
´
Por que o Reino de Deus era tos com as mulheres,
´ Timoteo de-
´
o tema central do ministerio de via ser irrepreensıvel. Devia tra-
˜
Jesus? Ele sabia que, como Rei tar ‘as mais idosas como a maes ˜
desse Reino, junto com seus res- e as mais jovens como a irmas,
˜
suscitados irmaos ungidos pelo com toda a castidade’.
´ (1 Tim.
´ ´
espırito, atacaria as causas ba- 4:12; 5:2) Ate mesmo atos imo- ˜
sicas dos males da humanida- rais aparentemente secretos sao
de — o pecado e o Diabo. (Rom. conhecidos˜ a Deus, e com certe-
5:12; Rev. 20:10) Assim, ele or- za acabarao sendo conhecidos a
denou que seus seguidores ´ pro- outros humanos. — 1 Tim. 5:24.
clamassem esse Reino ate o fim w09 15/12 1:12, 13
do atual sistema mundial. (Mat.
24:14) Pessoas que meramente ˜
Terça-feira, 6 de setembro
dizem seguir a Cristo nao partici- Tornai-vos benignos uns para
pam nessa obra —˜ de fato, nem
podem.ˆ Por que nao? Pelo menos
com os outros, ternamente com-
˜ passivos, perdoando-vos libe-
por ˜ tres razoes: Primeiro,˜ elas
nao podem pregar o que nao en- ralmente uns aos outros, assim
´
tendem. Segundo, a maioria de- como tambem Deus vos perdoou
˜
las nao tem a´ humildade e a cora- liberalmente por Cristo.
´
gem necess ´ arias para enfrentar˜ — Efe. 4:32.
a possıvel zombaria e a oposiçao
resultantes de divulgar a mensa- ˜ Paulo descreveu o amor cris-
gem do Reino. (Mat. 24:9; 1 Ped. t´ ao da seguinte
ˆ maneira: “O amor
2:23) E˜ terceiro, os e ˜ long ´ anime e benigno. O amor
˜ ˆ ´ falsos cris- ˜
nao e ciumento, nao se gaba, nao
˜
taos n˜ ao tem o espırito de Deus.
— Joao 14:16, 17. w10 15/1 3:6 se enfuna.” (1 Cor. 13:4) Em vez
de guardar ˜ ressentimento contra
Segunda-feira, 5 de setembro nossos irmaos, acatemos o conse-
lho do texto de hoje. Nosso empe-
Que as mulheres se adornem em
nho em cultivar ˜ e mostrar bonda-
vestido bem arrumado, com mo- de crista˜ em todos os momentos
´ ´
destia e bom juızo. e situaçoes nos´ traz ricas recom-
— 1 Tim. 2:9. ´
pensas.´ O espırito de Jeova po-
Mulheres modestas e ajuizadas dera operar ˜ livremente na con-
na sua maneira de se vestir e gregaçao, ´ produzindo
´ o bom fruto
em outros do espırito. Alem ˜ disso, se se-
˜ ´ aspectos da vida pes- guirmos o padrao estabelecido
soal dao otimo exemplo.
´ (1´ Tim.
3:11) Esse princıpio tamb em se por Jesus e ajudarmos outros a
˜
aplica a homens cristaos. Pau- fazer o mesmo, ˜ nossa ˜ felicidade
´
lo exortou os superintendentes e adoraçao unida darao gloria a
´
a serem ‘moderados nos habitos, Deus. Por isso, empenhemo-nos
ajuizados, ordeiros’. (1 Tim. 3:2) sempre em refletir a brandura
Mostrar tais qualidades
´ no nos- e a bondade de Jesus em nos-
so dia a dia tornara nosso pro- sos relacionamentos com outros.
gresso manifesto a todos. Quan- w09 15/9 1:18, 19
˜
Quarta-feira, 7 de setembro vemos fazer p eti ç o es a D eus
˜ “junto com agradecimento”.
˜ Cer-
Toma cuidado! Nao faças isso!
tamente temos razoes para ex-
Sou apenas coescravo teu e dos pressar sentimentos como ˆ os de
˜
teus irmaos. — Rev. 22:9. Davi encontrados em 1 Cronicas
´ ˜ 29:11-13.
Os anjos de Jeova nos dao ex- ˜ Jesus agradeceu a Deus
celentes exemplos de servir com pelo˜ pao e o vinho usados na Re-
humildade. Alguns deles se recu- feiçao Noturna do Senhor. ´ (Mat.
saram a revelar seu nome a hu- 15:36; Mar. 14:22, 23) Alem de
ˆ ´ agradecer pelo alimento, deve-
manos. (Gen. 32:29; Juı. ˜ 13:17, 18) ´
Embora existam milhoes de cria- mos ‘agradecer a Jeova’ por “suas
´ ´ obras maravilhosas para com
turas espirituais no ceu, a Bıblia
revela apenas os nomes de Miguel os filhos
˜ dos homens”, por suas
e Gabriel. Isso pode servir de pro- “decisoes judiciais justas” e por
˜ sua ´ palavra, ´ ou mensagem, dis-
teçao contra dar honra indevida a
anjos. (Luc. 1:26; Rev. 12:7) Nossa ponıvel na Bıblia. — Sal. 107:15;
˜ ˜ 119:62, 105. w09 15/11 1:5-7
adoraçao, incluindo as oraçoes,
deve ser prestada apenas a Deus. ˜
(Mat. ´ 4:8-10) Os anjos nos dˆ ao Sexta-feira, 9 de setembro
tambem um exemplo de pacien- Maridos, continuai a amar as
cia. Embora se interessem muito vossas esposas, assim como tam-
em conhecer os segredos sagra- ´
˜ bem o Cristo amou a congrega-
dos de Deus, eles nao conhecem ˜ ´
´ çao. — Efe. 5:25.
todos eles. “Nestas
˜ coisas e que
os anjos estao desejosos ´ de olhar Jesus era “de temperamento ˜
de perto”, diz a Bıblia. (1 Ped. brando e humilde de´ coraçao”.
1:12) Assim, o que fazem? ´ Espe- (Mat. 11:29) Era tamb em um ho-
ˆ
ram pacientemente ate o devi- mem dinamico. Jamais deixou de
do tempo de Deus para que a cumprir suas ˜responsabilidades.
Sua ‘diversificada sabedoria seja ´ (Mar. 6:34; Joao 2:14-17) Bondo- ´
dada a conhecer ˜ por interm ´ edio samente ´ aconselhava seus discı-
da congregaçao’. — Efe. 3:10, 11. pulos,´ ate repetidas vezes se ne-
w09 15/5 3:14, 15 cess ario. (Mat. 20:21-28; Mar.
9:33-37;
˜ Luc. 22:24-27) Mas Jesus
Quinta-feira, 8 de setembro nao ralhava com eles, nem os hu-
˜ milhava; tampouco os fazia senti-
Nao estejais ansiosos de coisa al- ˜
˜ rem-se nao amados ou incapazes
guma, mas em tudo, por oraçao
´ de executar o que ele lhes ensina-
e suplica, junto com agradeci-
mento, fazei conhecer as vossas va a fazer. Em vez disso, Jesus
˜ os elogiava ˜ e encorajava.
´ (Luc.
petiçoes a Deus. — Fil. 4:6.
10:17-21) Nao e de admirar que
“Suplicar” significa “pedir de seu modo bondoso ´ e compassivo
maneira humilde e intensa”. Es- de tratar seus discıpulos lhe te-
pecialmente em casos de perigo nha granjeado o respeito deles.
˜
ou persegui´ çao devemos implo- O exemplo de Jesus ensina ˜ ˜ aos´
˜
rar a ´ Jeova ajuda e orientaçao. maridos que ´ a chefia crist˜ a nao e
Se orassemos apenas´ em casos de um exerc´ ıcio de´ dominaçao dura.
necessidade, porem, o que isso Ao contrario, e marcado pelo res-
revelaria˜ a respeito de nossas peito e amor abnegado. w09 15/7
motivaçoes? Paulo disse que de- 2:4-6
´ ` ˜
Sabado, 10 de setembro declarasse as naçoes as boas no- ´
´ vas acerca das riquezas insond
´ ´ a-
A paz de teus filhos sera abun- ´
veis do Cristo.” (Efe. 3:8) E facil
dante. — Isa. 54:13. imaginar o entusiasmo de Paulo
˜ ´
O mundo nao tem nada que se ao ensinar ´ a respeito de Jeova e
´
compare ao´ nosso paraıso espiri- Seus prop ositos. As boas novas
tual. Isso e especialmente evi- contidas na Palavra de Deus nos
dente em congressos interna- habilitam a conhecer o Criador˜ e
˜
cionais, onde a entrar numa amorosa relaçao
˜ nossos irmaos de
muitas na ç oes, idiomas e gru- com ele. Elas ´ proveem respos-
´ ´
pos etnicos se re tas satisfatorias para importan-
˜ unem num cli-
ma de paz, uniao e´ amor frater- tes perguntas
ˆ a respeito
ˆ da nos-
nal. O nosso paraıso espiritual sa existencia. E tem o poder de
se contrasta ˜ nitidamente
´ com as transformar a nossa vida, nos dar
condiçoes deploraveis no mundo esperança ´ e nos fortalecer em
moderno. (Isa. 65:13, 14) Por pro- tempos difıceis. w09 15/7 3:12, 13
clamarmos a mensagem ´ do Rei-
no, temos o privilegio de esten- Segunda-feira, 12 de setembro
der a outros ´ o convite para´ entrar Prossegui andando em amor.
no´ para ıso espiritual. E tam- ´
ˆ ˜ — Efe. 5:2.
bem ´ uma bençao ajudar os re- ˜
cem-associados com a congrega- Todo cristao ´ deve se pergun-
˜
çao e que se beneficiariam tar: ‘Sou acessıvel, ˜ ou geralmen-
´ de um
treinamento no minist erio. Sob te dou a impressao´ de que estou ˜
˜ ˜
a direçao dos anciaos, podemos muito
˜ ocupado?’ Habitos que nao
´
ser abençoados com o privile- sao errados
` em si mesmos ` po-
gio de ajudar alguns desses ´ novos dem as vezes ˜ criar barreiras a co-
na verdade, assim como Aquila e municaçao. Se sempre estamos
Priscila ‘expuseram mais corre- usando o telefone celular ou fo-
tamente o caminho de Deus’ a nes de ouvido na presença de ou-
Apolo. — Atos 18:24-26. w10 15/2 tros, por˜ exemplo, podemos ˜ dar a
4:12, 13 impressao de que nao queremos
a companhia deles. Se outros
Domingo, 11 de setembro muitas vezes nos veem entreti-
´ dos com ˜ um palmtop (computa-
Ha um anelo da minha parte
para declarar as boas no- dor ˜ de mao), talvez concluam que
˜ nao queremos conversa. Natural-
vas . . . Pois eu nao me envergo- ´
mente, ha um “tempo para ficar
nho das boas novas.
quieto”. Mas, quando ´estamos
— Rom. 1:15, 16.
com pessoas, em geral e “tempo
Assim como Jesus, o´ amor e para falar”. (Ecl. 3:7) Alguns tal-
o apreço que seus discıpulos ti- vez digam: “Eu ˜ prefiro ficar na
´
nham pela verdade sobre Jeova e minha”, ˜ ou “nao gosto de falar de
˜
Cristo eram t˜ ao grandes que os manha cedo”. No entanto, con-
opositores
´ nao conseguiam
´ de- versar amigavelmente mesmo´
sencoraja-los de divulga-la. Pau- sem muita vontade de fazer isso e
lo considerava uma honra pro- uma maneira˜ de mostrar o amor ´
clamar a verdade. Ele escreveu: que “nao procura os seus pro-
“A mim, . . . foi dada esta be- prios interesses”. — 1 Cor. 13:5.
nignidade imerecida para que eu w09 15/11 4:12
˜
Terça-feira, 13 de setembro teza se lembrarao de que eles res-
peitaram sua dignidade e˜ os trata-
Estes foram escritos para que ram com amor. Os anciaos nunca
´
creiais que Jesus e o Cristo, o Fi- devem se apressar em desasso-
˜
lho de Deus. — Joao 20:31. ciar
˜ um transgressor da congrega-
Assim ´ como os judeus no pri- çao. Devem demonstrar que de-
meiro seculo, a maioria dasˆ pes- sejam que´ os que erraram voltem
soas hoje despreza as evidencias para Jeova. Assim, quando um pe-
da´ presença do Messias. Elas tam- cador ˜ mais tarde se arrepende de
´ coraçao, como acontece com mui-
b em desejam um messias polıti-
co, ou pelo menos um que ´ atue tos, ele talvez fique profundamen-
´ `
por meio de governantes polıticos te ´ grato tanto a Jeova como as
ˆ ´ “dadivas em
humanos. Voce, ´ porem, ´ veio a sa- ´ homens” que torna-`
ber que Jesus ja esta governando ram mais f˜ acil para ele
´ retornar a
˜ congregaçao. — Efe. 4:8, 11, 12.
como Rei do Reino de Deus. Nao
ficou emocionado ao´ saber disso? w09 15/9 3:7, 8
Assim como ´ os disc
ˆ ıpulos no pri-
meiro seculo, voce se sentiu moti- Quinta-feira, 15 de setembro
vado ˜ a dizer: “Achamos o Messias.” Ficamos reconciliados com Deus
(Jo ao 1:41) Hoje, quando ´
ˆ fala a por intermedio da morte de seu
respeito da verdade, voce destaca Filho. — Rom. 5:10.
o papel de Jesus como ´ Messias? ´
Fazer isso aumentar
´ a seu apre
ˆ ço Nenhum de nos tem um pai hu-
pelo que ´ ele ja fez por voce, pelo mano que poderia nos transmi-
que esta fazendo ´agora e por aqui- tir a vida como ela deveria
lo que ainda
´ ´ ser
˜
ˆ fara. ´ Como Andre e — perfeita. (1 Tim. 6:19) Nos nao
Filipe, voce sem duvida tem fala- nascemos como filhos de Deus
do a seus parentes e amigos sobre porque, quando o primeiro ca-
o Messias. Que tal falar com eles sal humano pecou, a raça huma-
com renovado zelo´ e mostrar-lhes na foi separada de seu amoroso
que Jesus Cristo e de fato o pro- ˆ
Pai e Criador. (Note Deuteron
˜ o-
metido˜ Messias, o meio divino de mio 32:5.) Desde entao, o mun-
salvaçao? w09 15/12 3:2, 20, 21 do da humanidade vive aliena- ´
Quarta-feira, 14 de setembro do de Deus, fora de Sua famılia
´ ´ universal.
´ Individualmente, po-
‘Um fruto do espırito e o amor.’ rem, podemos pedir a´ Deus que
´
— Gal. 5:22. nos aceite na sua famılia ´de ser- ´
˜ vos aprovados. Como isso e possı-
Infelizmente alguns nao se ar-
rependem e precisam ser desas- vel, visto´ que somos pecado-
´ res? O ap ostolo Paulo respondeu
sociados, mas e consolador
´ saber
que um grande numero´ deles mais usando as palavras do texto de
tarde volta para Jeova e sua con- hoje. No batismo,ˆ pedimos a Deus
˜ uma boa consci´ encia para que lhe
grega çao. Quando demonstram
`
uma atitude˜ semelhante a de Cris- sejamos aceitaveis. (1 Ped. 3:21)
´ Antes do batismo, contudo, te-
to, os anciaos tornam mais facil
para a pessoa mudar seu proceder mos de dar certos passos. Temos
e com o tempo retornar. No futu- de conhecer a Deus, aprender a
ro, alguns desses ex-transgresso- confiar nele, nos arrepender
˜ e
˜
res talvez nao se lembrem de to- mudar de proceder. — Joao 17:3;
´
dos os Atos 3:19; Heb. 11:6. w10 15/1
˜ conselhos bıblicos que os
anciaos lhes deram, mas com cer- 1:11, 12
˜
Sexta-feira, 16 de setembro soas de todas as naçoes, ensinan-
´ do-as a observar todas as coisas
Faze-me saber os teus proprios
´ ´ que ele lhes ordenara’. Jesus lhes
caminhos, o Jeova; ensina-me prometeu que estaria com eles
´ ´ ` ˜
as tuas proprias veredas. Faze- “todos os dias, ate a terminaçao
me andar na tua verdade. do sistema”. (Mat. 24:14; 26:1, 2;
— Sal. 25:4, 5. 28:19,´ 20) Como Testemunhas de ˜
Que dizer se˜ simplesmente nos Jeova, temos uma participaçao
falta motivaçao para´ fazer mais ativa numa´ obra iniciada no pri-
no servi ço de Jeova e temos a meiro seculo. Por ser uma ˜ ativi-
ˆ dade que salva vidas, nao exis-
tendencia de seguir a lei˜ do me-
nor esforço na congrega çao? Pau- te obra mais importante do ´ que
´ pregar o Reino e fazer discıpu-
lo diz: “Deus e aquele´ que, por´ ´
causa do seu´ beneplacito, esta los. Portanto, como e´ vital ser efi-
agindo em vos, para que tanto´ caz no nosso ministerio! w10 15/2
queirais como atueis.” 1:1, 2
´ Sim, Jeova
pode agir no nosso ıntimo e afe-
tar a nossa vontade, ou desejos.
Domingo, 18 de setembro
˜ ´
(Fil.
˜ 2:13; 4:13) Nao ´ devemos, en- Fazei discıpulos de pessoas de
tao, pedir a Jeova que nos faça ˜
todas as naçoes, batizando-as
querer fazer a sua vontade? O Rei ´
em o nome . . . do espırito santo.
Davi, do Israel antigo, fez exata- — Mat. 28:19.
mente isso, como´ mostra o tex- ´ ´ ´
to de hoje. Nos podemos Jeova e a Fonte de esp ´ ırito san-
´ fazer o to. Ele usa esse esp ırito para
mesmo: pedir que Jeova nos faça ˜
querer fazer sua vontade. Quan- abrir o coraçao e´ a mente dos
do refletimos sobre o apreˆ ço que membros da simbolica noiva para
´
Jeova Deus e seu Filho tem por que ´ entendam ´ a Sua Palavra, a
nossos esforços em servir seus in- Bıblia. O espırito os impele a fa-
˜
teresses, nosso coraçao se enche zer o ´convite e a explicar ˆ verda-
˜
de gratidao. (Mat. 26:6-10; Luc. des bıblicas aos que tem a pers-
˜
21:1-4) Essa gratidao pode´ nos pectiva´ de viver para sempre no
motivar a implorar a Jeova que Paraıso na Terra. Que dizer dos
nos faça ter o desejo de progredir que aceitam ´ o convite, tornam-
espiritualmente. w09 15/11 3:9, 10 se discıpulos de Jesus Cristo e
´ fazem
´ o convite
´ a ´ outros? O es-
Sabado, 17 de setembro pırito tambem esta envolvido no
´ caso desses. Tendo
Ficaram cheios de espırito santo ´ sido batizados
e falaram a palavra de Deus ‘em nome do espırito ´ santo’, eles
cooperam com o espırito e con- ´
com denodo. — Atos 4:31.
fiam na sua ajuda. Pense tambem
ˆ
Tres dias antes de sua morte, na mensagem que os ungidos ˜ e
´
Jesus disse aos seus discıpulos: a crescente grande multid ´ ao pre-
˜
“Estas boas novas do reino serao gam. Ela se origina daˆ Bıblia — o
pregadas em toda a terra habita- livro escrito
´ sob influencia direta
da,˜ em testemunho
˜ ´ a todas as na- do espırito´ de Deus. Desse modo, ´
çoes; e entao vir
´ a o fim.” Antes o convite e feito por meio de espı-
de subir ao ceu, o ressuscitado rito santo. Somos realmente ´ diri-
Jesus encarregou ´ seus seguido- gidos por esse espırito. w10 15/2
res de ‘fazer discıpulos de pes- 3:12
˜ ˜
Segunda-feira, 19 de setembro embora sua dedicaçao nao seja a
uma obra, mas sim ao nosso apre- ´
Eis que realmente nem sei falar, ciativo Deus. (1 Cor. 3:9) Ninguem
pois sou apenas rapaz. poderia ter maior apre ço pela ab-
— Jer. 1:6. ˜ ´
nega
´ çao deles do que ´ Jeova. Ele
´ ate mesmo restaurara a juventude
Quando Jeov a designou Jere-
mias como profeta, Jeremias dos leais, para que possam se be-
´ falou neficiar para sempre de seus cui-
o acima.
˜ Mais tarde, ele ate disse: ´
“Nao vou mais falar em seu nome.” dados. (Jo 33:25; Heb. 6:10) ´ Dedi-ˆ
(Jer. 20:9) No entanto,´ com o en- car a sua vida
˜ a Jeova leva voce
corajamento de Jeova, Jeremias a uma´ relaçao achegada com ele.
por 40 anos pregou uma mensa- A Bıblia diz: “Chegai-vos
´ ´ a Deus,
´ e ele se chegara a vos.” — Tia. 4:8.
gem impopular. Jeova sempre o
reanimava, dizendo: “Estou con- w10 15/1 1:18, 19
tigo para te salvar e para te li-
vrar.” (Jer.´ 1:8, 19; 15:20) Assim
Quarta-feira, 21 de setembro
como Jeova fortaleceu Jeremias, Queremos comportar-nos hones-
ele pode nos ajudar a ˜ fazer o tamente em todas as coisas.
que ele espera´ dos cristaos hoje. — Heb. 13:18.
O fator-chave
´ e confiar em Deus.
´
A Bıblia diz: “Confia Vivemos numa era de ampla de-
˜ em Jeova de sonestidade, de modo` que pode
todo o teu coraçao . . . Nota-o ´ ˜
em todos os teus caminhos, e ele ser dif˜ ıcil resistir a tenta ç ao
´ de nao ser honesto com o em-
mesmo endireitara as´ tuas ve-
redas.” (Pro. 3:5, 6) Nos mostra- pregador. Ao se candidatar a
´ um emprego, muitos recorrem a
mos que confiamos em Jeova por
aproveitarmos a ajuda que ele for- mentiras flagrantes. Por exem-
nece por meio˜ de sua Palavra e plo, talvez exagerem
ˆ a respeito
da congrega de sua experi ´ encia ou escolarida-
´ çao. Se permitirmos de, no currıculo, para obter um
que Jeova guie os nossos´ passos
na vida, emprego melhor ou mais bem re-
´ nada nos impedira de ser-
mos fieis a ele. w10 15/1 2:7, 8 munerado. Por outro lado, muitos
empregados, embora afirmem
Terça-feira, 20 de setembro trabalhar, cuidam ´ de assuntos
˜ pessoais no
Nao podeis trabalhar como ´ ` horario de serviço,
contrario as normas da ´ empre- ˜
escravos para Deus e para
sa. Talvez leiam mat erias n ao
as Riquezas. — Mat. 6:24. relacionadas com o seu traba-
´ lho, façam telefonemas pessoais,
Dedicar-nos a Jeova e viver ˜ em ˆ
harmonia com essa dedicaçao por enviem mensagens eletronicas
fazer a Sua vontade resulta em pessoais ou naveguem
˜ na inter- ˜
mais felicidade do que dedicar-se net. Os cristaos verdadeiros nao
a qualquer outra coisa ou pessoa. acham que ser honesto e fide-
Por exemplo, muitos dedicam a digno seja algo opcional. (Pro.
`
vida a busca de riqueza mate- 6:16-19)
´ Assim, ˜ em troca
˜ de seu
rial sem nunca alcan´ çar verdadei- salario, os cristaos dao ao empre-
˜
ra felicidade e genuına satisfaçao. gador´ um pleno dia de trabalho.
Por outro´ lado, os que se dedicam (Efe. 6:5-8) Ser um trabalhador ´
a Jeova encontram felicidade du- consciencioso pode tambem tra-
radoura. A honra de ser “colabora- zer louvor ao nosso Pai celestial.
dores de Deus” os deixa felizes, — 1 Ped. 2:12. w09 15/6 3:13, 14
´
Quinta-feira, 22 de setembro so, para
´ Jerusalem a fim de ser
´ instruıdo por Gamaliel, respeita-
Persisti em andar por espırito.
´ do instrutor da Lei. (Atos 22:3)
— Gal. 5:16. Com o tempo, Paulo passou a se
´ ˆ
Precisamos do espırito de Deus destacar entre seus contempora-
para levar uma ´ vida dedicada´ neos e, se tivesse continuado as- ´
a ele. Seu alvo e servir a Jeov a sim, talvez se tornasse ´ alguem ´
´
para sempre. Por meio da Bıblia muito famoso no judaısmo. (Gal.
˜
e da organiza 1:13, 14) Quando aceitou as boas
´ çao de Deus, dirigi- ` ˜
da pelo espırito, novas e dedicou-se a pregaçao,
´ a força ˜ ativa de ´
Deus o impelir a na direçao corre- ele ´deixou tudo isso para tras.
ˆ
ta. Se voce estuda Sera que Paulo se arrependeu
´ com as Teste- ˜
munhas da escolha que fez? Nao, confor-
˜ de Jeov ˜ a e frequenta as
reunioes cristas, mas ainda pre- me mostra o texto
˜ de hoje. Como
cisa dar os passos vitais da de- Paulo,
´ os cristaos hoje fazem sa-
˜
dicaçao e batismo, pergunte-se: crifıcios por causa das boas no-
‘Por que vas. — Mar. 10:29, 30. w09 15/9
ˆ hesitar nesse sentido?’
Se voce´ reconhece o papel atual 4:13, 14
˜
do espırito santo ´na realizaçao ´
da vontade de ˜Jeovˆ a e aprecia sua Sabado, 24 de setembro
˜ ´ ´
opera ˆ çao, entao de os passos que ´ Ao chegar sobre vos o espırito
voce sabe´ ser corretos. Jeova o santo, recebereis poder e sereis
aben ´ çoara muito por isso e lhe testemunhas de mim tanto em
dar
´ a generosamente ˆ de´ seu ´ es- ´
Jerusalem como em toda a Ju-
pırito santo. ´ Se voc´e ja e bati- ´ `
zado ha anos ou decadas, com deia e Samaria, e ate a parte
ˆ mais distante da terra.
certeza tem ´ sentido a influen-
cia do espırito santo. Tem visto — Atos 1:8.
e sentido
ˆ como Deus´ pode forta-´ O ressuscitado Jesus disse aos
lece-lo com seu espırito. Podera ´
seus discıpulos as palavras ˜ aci-
ser assim — para todo o sempre. ma.´ A obra que entao se iniciou
Portanto, esteja decidido ´ a per- esta sendo realizada hoje em es-
sistir em andar por espırito san- cala sem
to. w10 15/3 2:17, 18 ˜ precedentes. Cerca de
7 milh´ oes˜ de Testemunhas de
Sexta-feira, 23 de setembro Jeova estao declarando a mensa-
´ gem do Reino em mais de 230 ter- ˜
Considero tambem, deveras, to- ras, dedicando quase 1,5 bilh ´ ao
das as coisas como perda, por de horas ´ por ano ao ministerio.
causa do valor superior do co- Como e emocionante participar
nhecimento de Cristo Jesus, meu zelosamente nessa ´ obra que ja-
Senhor. Por causa dele tenho mais se repetir ´ a! Assim como no
aceito a perda de todas as coi- primeiro˜ seculo, a ´ atual obra de
sas e as considero como uma prega
´ çao mundial e dirigida pelo
˜ espırito de Deus. Se
porçao de refugo. — Fil. 3:8. ´ nos deixar-
˜ mos guiar pelo espırito, mostra-
Antes
´ de se tornar cristao, o remos “maior franqueza ´ no falar”
ap ostolo Paulo estava sendo pre- no nosso ministerio. (Atos 28:31)
parado para ser bem-sucedido
´ ´ no Portanto, sejamos ´ sempre guia-
sistema judaico. E provavel que dos pelo espırito ao declarar as
por volta dos 13 anos ele tenha se boas novas do Reino de Deus!
mudado de sua cidade natal, Tar- w10 15/2 1:17, 18
˜ ´
Domingo, 25 de setembro Oraçoes sinceras a Jeova Deus
podem expor quaisquer desejos
Quem quiser tome de graça a errados que talvez tenhamos e
´
agua da vida. — Rev. 22:17. nos ajudar a mudar antes que fi-
Um convite geral tem sido es- quem
˜ arraigados. Esposas cris-
tendido´ aos humanos por meio tas talvez desejem muito que
de esp ırito santo. Esse convi- seus maridos sirvam como ˜ ser-
´ vos ministeriais ou anciaos. Es-
te e para ‘vir’ e saciar a sede ˜
com um ˜ tipo sas irmas podem agir em har-
´ ´ muito´ especial de monia com os sentimentos que
agua. Nao e uma agua comum, ˜
composta de duas partes de hi- expressam em suas oraçoes por
ˆ ˆ se esforçarem em ter um com-
drogenio´ e uma de oxigenio. Em- ´
bora a agua literal seja essen- portamento exemplar. Isso e im-
cial para a vida na Terra, Jesus portante, porque ´ as palavras e
se a conduta da famılia de um ho-
´ referia a um tipo diferente de mem influem muito˜ no concei-
agua quando disse a uma mu-
lher samaritana junto a um poço: to que a congregaçao tem dele.
´ w09 15/11 1:15, 16
“Quem beber da agua´ que eu lhe
der, nunca ´ mais ficara com sede, Terça-feira, 27 de setembro
mas a ´ agua que eu lhe der ´ se ´ ´ ˜
tornara nele uma fonte de agua Jeova e o meu ajudador; nao te-
que borbulha para dar vida eter- rei medo. Que me pode fazer o
˜ ´ homem? — Heb. 13:6.
na.”
´ (Joao 4:14) A extraordin ˜ aria
agua que os humanos ´ sao convi- Assim como no passado, a ver-
dados
´ a beber ‘da vida eterna’. dade continua a causar divi-
A agua da˜ vida representa todas ˜
sao entre as pessoas.˜ Algumas
as provisoes de Deus para livrar a aceitam, outras n ao enten-
do pecado e da morte os huma- dem nem apreciam a nossa for-
nos obedientes e lhes dar´ vida ˜
ma de adoraçao. Ainda outras
perfeita sem fim ˜ no Paraıso na nos criticam, nos ridicularizam
Terra. — 1 Joao 4:9, 10. w10 15/2 ´
ou ate mesmo nos odeiam, como `
3:3, 4 Jesus predisse. (Mat. 10:22) As
vezes,
˜ somos alvos de deturpa-
Segunda-feira, 26 de setembro çoes e propaganda maldosa nos
´ ´ ˜ ˜
Vos, porem, nao deveis ser meios de comunica ç ao. (Sal.
assim. — Luc. 22:26. 109:1-3) Nesse mundo apartado
´ de Deus, exige coragem pregar
Orar com sinceridade a Jeov ˜ a assim como
a respeito de nossas motivaçoes ´ Jesus pregou. O que
o ajudara nesse sentido? Olhe
pode nos ajudar a discernir a ver- para o futuro. Mantenha´ forte
dade sobre elas. Por exemplo, o seu amor a ´ Deus e ao proximo.
que motiva a forte vontade˜ de ter Ore a Jeova pedindo coragem.
um cargo de supervis ao entre o ˆ
´ Lembre-se ´ sempre: voc e nun-´
povo de Deus? E realmente um ca esta sozinho, pois Jesus est
´ ˆ ´ a
desejo humilde de ser util e fazer com voce. (Mat. 28:20)
´ ˜ ´ O espıri-
´
o maximo na promoçao dos inte- to santo o´ fortalecera. ´ E Jeova o
resses do Reino? Ou poderia ser o abençoara e apoiara. Portanto,
desejo de ´ocupar “o primeiro lu- tenhamos boa coragem e diga-
gar” ou ate˜ mesmo ‘dominar’ ou- mos as palavras do texto de hoje.
tros? (3 Joao 9, 10; Luc. 22:24-27) w09 15/7 4:15, 18
Quarta-feira, 28 de setembro e respeito, pode abrandar a ati-
´ tude dos ofensores. (Tito 2:7, 8)
O verdadeiro companheiro esta
´ Paulo recomendou:
˜ “Vossa pro-
amando todo o tempo e e um ir- nunciaçao seja sempre com gra-
˜ ´
mao nascido para quando ha ça, temperada com sal, para que
˜
afliçao. — Pro. 17:17. saibais como responder a cada ´
Ao˜ escrever essas palavras, Sa- um.” (Col. 4:6) Se tivermos o habi-
lomao talvez pensasse na ami- to de ser bem-educados com fa-
zade que seu pai, Davi, tinha miliares, colegas
˜ de escola e de
˜
˜ trabalho, irmaos da congregaçao
com Jonata. (1 Sam. 18:1) O Rei
Saul queria que seu filho Jona- e pessoas na vizinhança, estare-
˜ mos mais bem preparados para
ta herdasse ˜ o trono de Israel.
Mas Jonat a aceitou o fato de que enfrentar zombaria e insultos
´ de
Jeova havia´ escolhido Davi para ˜ um modo digno de um cris-
esse privilegio. tao. — Rom. 12:17-21. w09 15/11
˜ Diferentemente
˜
de Saul, Jonata˜ nao ficou com in- 5:11, 12
veja de Davi. Nao ficou ressentido
por causa dos elogios que Davi Sexta-feira, 30 de setembro
recebeu, e tampouco acreditou ´
´ Se alguem amar o mundo, o
na calunia que Saul lançou con- ˜ ´
amor do Pai nao esta nele.
tra Davi. (1 Sam. ˜
˜ 20:24-34) So- — 1 Joao 2:15.
mos como Jonata? Quando ´ nos- ´
sos amigos recebem ´ privilegios ˜ O mundo e seu´ espırito carnal ´
de serviço sera que ´ nos alegramos sao contra Jeova e seu espırito
com eles? Sera que os consola- santo. Assim, os verdadeiros ˜ se-
mos ˜ e apoiamos quando ´ sofrem guidores de Cristo nao apenas evi-
afliçoes? Quando alguem fala mal tam fazer parte do mundo. ˜ Eles o
de um amigo nosso, acreditamos rejeitam no cora ç ao, sabendo ´
logo no que˜ se diz? Ou, assim que, como escreveu o discıpulo
como Jonata, lealmente defen- Tiago, ´ “a amizade com o mun-
demos o nosso amigo? w09 15/10 do e inimizade com Deus”. (Tia.
4:11 4:4) Pode ser um desafio acatar
as palavras de Tiago ´ num mun-
Quinta-feira, 29 de setembro do˜ que oferece inumeras tenta-
Se me perseguiram a mim, per- çoes. (2 Tim. 4:10) Por isso, Jesus
˜ ´ ´ orou em favor de seus seguido-
seguirao tambem a vos. ˜
˜ res: “Solicito-te, nao que os ti-
— Joao 15:20.
˜ res do mundo, mas que vigies ´
Pagar na mesma moeda n ao sobre˜ eles, por causa do inıquo.
produz bons resultados. ´ Como Nao fazem parte ˜ do mundo, assim
devemos reagir? O ap ostolo Pe- como eu˜ nao faço parte do mun-
dro escreveu: “Santificai o Cris- do.” (Joao 17:15, 16)˜ Pergunte-se:
to˜ como Senhor nos vossos cora- ‘Esforço-me em ´ nao fazer parte
çoes, sempre prontos para fazer do mundo? ´ Sera que outros ˜ sabem
uma defesa perante´ todo aquele ˜ qual
˜ e a minha˜ posiçao em rela-
que reclamar de vos uma ´ razao
´ çao´ a celebraçoes e costumes ´ an-
para a esperança
´ que h a em vos, tibıblicos, ˜ bem como praticas que˜
fazendo-o, porem, com tempera- talvez nao tenham origem pag´ a
mento brando e profundo respei- mas refletem claramente o espı-
to.” (1 Ped. 3:15) Sermos educa- rito do mundo?’ — 2 Cor. 6:17;
dos, por responder com brandura 1 Ped. 4:3, 4. w10 15/1 3:15, 16
´
Sabado, 1.° de outubro perseguidores,
ˆ tentamos escla-
rece-los, reconhecendo que al-
Para isso vim ao mundo, a fim
guns delesˆ podem estar agindo
de dar testemunho da verdade. por ignorancia. (2 Cor. 4:4) Pro-
˜
— Joao 18:37. curamos acatar o conselho de
Jesus sabia que o melhor modo Paulo descrito no texto de hoje.
de vida se centralizava em ser- Uma das maneiras
´ de abençoar
vir a Deus e dar testemunho os opositores e orar por
˜ eles. Je-
da verdade. Ele sabia que seria sus disse no seu Sermao do Mon-
provado severamente e morto. te: “Continuai a amar os vossos
(Mat. 20:18, 19; Heb. 4:15) Pou- inimigos, a fazer o bem aos que
co depois de seu batismo, ´ Je- vos odeiam, a abençoar os que
sus foi tentado por Satanas a vos amaldiçoam, a orar pelos que
abandonar o melhor modo de vos insultam.” — Luc. 6:27, 28.
˜ w09 15/10 2:13, 14
vida — mas em vao. (Mat. 4:1-11)
Isso nos ensina´ que, seja o que
Segunda-feira, 3 de outubro
for que Satanas faça, podemos
manter a integridade. Ele pro- Pedro [disse] a eles: “Arrependei-
´
vavelmente
˜ focaliza
˜ sua aten- vos, e cada um de vos seja bati-
çao nos que estao prestes
´ a ser zado no nome de Jesus Cristo,
batizados e nos recem-batiza- ˜
˜ para o perdao de vossos peca-
dos. (1 Ped. 5:8) A oposiçao pode ´
dos, e recebereis a dadiva gra-
vir de familiares bem-inten- ´
´ tuita do espırito santo.”
cionados, porem mal-informa-
˜ ˜ — Atos 2:38.
dos. Mas essas provaçoes nos dao ˜
oportunidades de mostrar exce- Pense na situaçao religiosa´ da-
˜ queles judeus e proselitos que
lentes qualidades cristas, como
respeito e tato, ao responder ouviram´ o discurso de Pedro.´
perguntas e dar testemunho. Eles ja haviam aceitado a Jeova
˜ como seu Deus. E, com base nas
(1 Ped. 3:15) Essas situaçoes,
portanto, podem ter um efeito Escrituras Hebraicas,
´ sabiam o
positivo sobre os que nos escu- que era o espırito santo, a for-
tam. — 1 Tim. 4:16. w10 15/2 ça ativa de Deus usada ˜ duran-ˆ
4:14, 15 te e depois
´ da criaçao. (Gen.
1:2; Juı. 14:5, 6; 1 Sam. 10:6; Sal.
Domingo, 2 de outubro 33:6) Mas precisavam de algo
Persisti em abençoar os que mais. Era vital que entendessem ˜
˜ e aceitassem o meio de salvaçao
vos perseguem; abençoai e nao
provido por Deus — o Messias,
amaldiçoeis. — Rom. 12:14. Jesus. Assim, Pedro destacou a
necessidade de serem ‘batizados
˜ Sabemos que a atividade cris-
ta provoca a ira de nossos inimi- no nome de Jesus Cristo’. Dias
gos, pois Jesus nos alertou: “Se- antes, o ressuscitado Jesus orde-
reis ˜pessoas odiadas por todas as nou que Pedro e outros batizas-
naçoes, por causa do meu˜ nome.” sem pessoas ‘em ´ nome do Pai, do
(Mat. 24:9) Portanto, nao fica- Filho e do espırito santo’. (Mat.
mos surpresos ou desanimados ˜ 28:19, 20) Isso tinha um profun- ´
quando enfrentamos oposiçao. do significado no primeiro secu-
(1 Ped. 4:12, 13) Em vez de sen- lo, e ainda tem hoje. w10 15/3
tirmos animosidade por nossos 1:2, 3
Terça-feira, 4 de outubro as riquezas de sua generosidade.
Pois, isso foi segundo a capacida-
[Ofereçam-se] completamente a de real
´
Deus como um sacrifıcio vivo, ´ deles, sim, testifico que
foi alem de sua capacidade real,
dedicado ao seu serviço e agra- ao passo que nos rogavam espon-
´ ´ ´
davel a ele. — Rom. 12:1, “Bı- taneamente, com muita supli-
´
blia na Linguagem de Hoje”. ca, pelo privilegio de dar bondo-
˜
samente ´ e pela participaçao no
Antes que uma pessoa alienada
ministerio destinado aos santos
de Deus possa ´ se tornar membro
[na Judeia].” (2 Cor. ˜ 8:2-4) Em-
de Sua famılia de servos aprova-
boraˆ pobres, os cristaos na Ma-
dos, ela precisa fazer´ uma pro-
cedonia eram muito generosos. ´
messa solene a Jeova. Para en-
Eles consideravam um privile-
tender o´ motivo, imagine um pai
gio partilhar
˜ seus recursos com
respeitavel que amavelmente ´ se˜ os irmaos necessitados na Judeia.
interessa por´ um jovem orf ao w09 15/10 1:12
e deseja adot ´ a-lo como´ membro
de sua famılia. O pai e conheci- Quinta-feira, 6 de outubro
do como um homem bom. Mesmo
assim, antes de aceitar o jovem [Jesus] continuava em retiro nos
como filho, ele espera que o rapaz desertos e orava. — Luc. 5:16.
lhe faça uma promessa. ´ Assim, Jesus muitas vezes se afastou
ele diz: “Antes de aceita-lo ˜
ˆ como das multidoes para orar a seu
filho, preciso saber se voce vai me Pai em particular. (Mat. 14:13;
amar e respeitar ´
´ como pai.”´ O ho- Luc. 6:12) Nos temos a mesma ne-
mem o aceitara na sua famılia so- cessidade de privacidade. Numa
mente se o jovem estiver dispos- ˜
oraçao calma em ambiente tran-
to ˜ a fazer
´ uma
´ promessa solene. quilo, ˜ provavelmente tomaremos
Nao e razoavel isso? De modo ´ si- ´
´ decis
˜ oes que agradam a Jeova e
milar, Jeova aceita na sua famılia sao nos nossos melhores interes-
apenas os dispostos a fazer um ses espirituais.
˜
voto de dedicaçao a ele. w10 15/1 ´ No entanto,
´ Je-
sus orou tamb˜ em em publico. Nas
1:13 nossas reunioes, homens ˜ leais re-
presentam
˜ ´ a congregaçao em ora-
Quarta-feira, 5 de outubro çoes publicas. (1˜ Tim. 2:8) No
Partilhai com os santos segundo fim dessas oraçoes,´ os presen-
as suas necessidades. tes devem dizer “amem”, que sig-
— Rom. 12:13. nifica “assim seja”. ´ Para poder
˜ fazer isso, porem, precisam con-
O nosso
´ amor pelos irmaos nos cordar com o que foi dito. Na
˜ ˜ ´ ora-
motivara a ‘partilhar com os san- çao-modelo de Jesus nao ha nada
tos segundo as suas necessida- chocante ou desamoroso. (Luc.
˜
des’ e de acordo com as nossas 11:2-4) E ele nao detalhou to-
possibilidades. Mesmo que te- das as necessidades ou proble-
nhamos poucos bens materiais, mas de cada pessoa que ouvia ˜ a
˜
podemos partilhar
˜ o que temos.
ˆ sua oraçao. Assuntos pessoais sao
˜
Sobre os cristaos na Macedonia, apropriados ˜ para ora çoes em par-
´
Paulo escreveu: “Durante ˜ uma ticular, nao em publico. E ao re- ˜
grandeˆ prova, sob tribulaçao, a presentar um grupo em oraçao,
abundancia da alegria e a profun- devemos evitar incluir assuntos
da pobreza deles fizeram abundar confidenciais. w09 15/11 1:17, 18
´
Sexta-feira, 7 de outubro luvio e os varreu a todos”,´ disse
Jesus.
´ (Mat. 24:38, 39) Ha tam-
Comecem a fugir para os mon- bem os zombadores ou
tes os que estiverem na Judeia. ˜ opositores.
(2 Ped. 3:3) A oposiçao pode par-
— Luc. 21:21. tir de autoridades, colegas
´ ´ de es-
Durante cola ou de trabalho, ou ate mesmo
˜ sua fuga de Jerusalem, ´
de familiares ıntimos. Acrescen-
os cristaos precisavam demons-
trar amor semelhante ao de Cristo te-se a isso as nossas fraquezas
uns pelos outros, assim como Cris- pessoais, como timidez e medo
to tinha mostrado amor por eles. de ser rejeitado. Muitos fatores
Eles com certeza tiveram de parti- podem dificultar nossa “franque-
´ za no falar” a palavra de Deus
lhar o que possuıam. Mas a pro- ´
com “denodo”. (Efe. ˜ 6:19, 20) Fa-
fecia de Jesus tinha um alcance ˜ lar com denodo nao significa ser ´
muito maior do que a destruiçao
rude ou grosseiro. (Col. 4:6) Alem
daquela antiga ´ cidade. Ele predis- ˜ de ´ destemidos, queremos ser pa-
se: “Havera grande tribulaçao, tal
cıficos com todos. — Rom. 12:18.
como
´ nunca ocorreu ´ desde o prin- ˜ w10 15/2 1:3, 4
cıpio do mundo ate agora, ´ nao,
nem tampouco ocorrera de novo.” Domingo, 9 de outubro
(Mat. 24:17, 18, 21) Antes e duran- ˜ ´ ´
te essa futura “grande tribula çao”, Saboreai e vede que Jeova e
´ ´
pode ser que nos tamb em enfren- bom. — Sal. 34:8.
˜ ˆ ´
temos dificuldades e privaçoes.
Se voc e ˜ j a participa na ´ obra
Ter a mesma atitude ´ mental ´ de de pregaçao e ´ ensino ha algum
Cristo nos ajudara a enfrenta-las. tempo, sem d uvida teve opor-
Naquele tempo, precisaremos se- tunidades de
guir o exemplo ´ de Jesus, mostran- ´ ´ exp erimentar e
˜ ver˜ que Jeova e bom. Houve oca-
do amor altruısta. Em relaçao a sioes´ em que sentiu a ajuda do
isso, Paulo ´ aconselhou: ‘Que ´ cada esp ırito de Deus ao apresen-
um de nos agrade ´ ao seu proximo tar as boas novas? Tem visto os
naquilo que e bom `
˜ ´ para a edifica- olhos das pessoas ´ brilharem ˜a me-
çao ˜ dele. Pois ate mesmo o Cristo dida que Jeova abre o cora ç` ao de-
nao agradou ˜
´ ´ a si mesmo. Tende las para prestar atençao a men-´
entre vos proprios a mesma atitu- sagem? (Atos
de mental que Cristo Jesus teve.’ ˆ 16:14) Tem Jeov ´ a
ajudado voce a superar obstacu-
— Rom. 15:2, 3, 5. w09 15/9 3:9-11 los, talvez abrindo o caminho para
ˆ ´
´ voc
´ e expandir seu ˆ minist
´ erio? Ele ´
Sabado, 8 de outubro
ja apoiou voce em´ epocas difı-
Todos juntos . . . falaram a pa- ceis, tornando possıvel que conti-
lavra de Deus com denodo. nuasse a servi-lo quando sentia
— Atos 4:31. que suas forças estavam acaban-
do? (Fil. 4:13) Quando ˜ sentimos ´
A obra de proclamar o Reino, pessoalmente a mao de Jeova nos
que Deus´ nos encarregou
´ de rea- ajudando ao efetuarmos nosso mi-
´
lizar, e um privilegio sem igual. nisterio,´ Ele se torna mais real
No entanto, tem seus desafios. para nos e nos sentimos ainda
Enquanto alguns aceitam pronta- mais achegados
˜ ´ ˆ a ele.
˜ (Isa. 41:10)
mente as boas novas do Reino de Nao e uma b ençao ser um dos
Deus, muitos agem como ´ os que
˜ “colaboradores de Deus” ˜ na gran-
viviam nos dias de
´ Noe. Eles “nao diosa obra de educaçao divina?
fizeram caso, ate que veio o di- — 1 Cor. 3:9. w09 15/9 4:14, 15
´
Segunda-feira, 10 de outubro Paulo. (1 Cor. 10:12) E digno ´ de
˜ ˜ nota que´ foi dito a Timoteo que
Os que te sao leais te bendirao. em ‘perıodos posteriores alguns
— Sal. 145:10. ´
se desviariam
˜ da fe e prestariam
Ao orar, lembre-se atençao a ˜ desencaminhantes pro-
´ ´ de louvar e nunciaçoes inspiradas e a ensinos
agradecer
˜ a Jeova. Ha muitas ra- ˆ
zoes para fazer isso. Por exemplo, de dem´ onios’. (1 Tim. 4:1) Como ˜
Davi estava ansioso para louvar o Timoteo, todos na congrega ˜ çao,
´ incluindo os em posiçao de res-
reinado ´ de Jeova. (Sal. ˜ 145:11-13)
Sera queˆ suas oraçoes mostram ponsabilidade,
´ devem
´ ser fortes e
´ inabalaveis na fe. Por tomarmos
que voce aprecia o privilegio ´ de ˜
anunciar o Reino de Jeova? As uma açao firme e resoluta contra
a apostasia, podemos manifestar
palavras
´ do
´ salmista podem tam- nosso´ progresso e ser exemplos
bem ajud ˜ a-lo a orar a Deus de
de fe. w09 15/12 1:16, 17
cora ˜ çao, expressando ˜ sua grati-
dao pelas reunioes, ˜ assembleias Quarta-feira, 12 de outubro
e congressos crist ˜ aos. (Sal. 27:4; ˜
122:1) A ˜ gratidao por sua precio- Nao critiques severamente um
˜ ´
sa´ relaçao com Deus pode moti- anciao. Ao contrario, suplica-
˜ lhe como a um pai, os homens
va-lo a orar de coraçao, expres- ˜
sando pensamentos como estes: mais jovens, como a irmaos, as
“Eu te ´ elogiarei entre os povos, mulheres mais idosas, como a
´ ˜
o ˆ Jeova´ . . . Pois a´ tua benevo- ´ maes, as mulheres mais jovens,
˜
lencia e grande at ´ e os´ ceus, e a como a irmas, com toda a casti-
tua ˆ veracidade at e o c eu nublado. dade. — 1 Tim. 5:1, 2.
Se´ deveras ´ exaltado acima ´ dos ´
ceus, o Deus; seja a tua gloria aci- Paulo incentivou o jovem Timo-
ma de toda a terra.” (Sal. 57:9-11) teo a respeitar ˜ todos´ os membros
´
˜ da congregaçao. Nos˜ tambem de-
Que sentimentos calorosos! Nao
vemos ˜ tratar os irm aos da congre-
concorda que palavras comoven-
gaçao, tanto os mais velhos como
tes dos Salmos como essas ˜ podem
os mais jovens, como ˜ se fossem
influir ˆ nas suas oraçoes e enri- nossos pais ´ e irmaos,´ membros
quece-las? w09 15/11 2:18, 19 da nossa propria famılia. Se fi-
Terça-feira, 11 de outubro zermos assim, nenhum ˜ de nos-´
sos queridos irmaos se sentira
Ele [tem] mania de criar ques- um estranho em nossa presença.
˜
toes e debates sobre palavras. Por envolvermos outros em ´con-
— 1 Tim. 6:4. versas edificantes, contribuımos
´ para sua espiritualidade e ˜ bem-
Deveria Timoteo envolver-se estar emocional. Certo irmao que
com ideias nocivas que˜ se in- ˜ serve em Betel lembra-se com
filtravam na congregaçao? Nao, ´
carinho de varios betelitas mais
pois Paulo o exortou´ a ‘travar velhos que costumavam tirar
a luta excelente da ´ fe’ e˜ a des- tempo para falar com ele quando
viar-se “dos falat
´ orios vaos, que era mais jovem. Isso o fez sen- ´
violam˜ o que e santo, e das con- tir-se realmente parte da famılia
tradiçoes do falsamente chama- de Betel. Agora ele tenta seguir
do ‘conhecimento’
´ ”. (1 Tim.
´ 6:12, o exemplo deles por conversar
20, 21) Timoteo´ sem duvida aca- com outros betelitas. w09 15/11
tou esses s abios conselhos de 4:13, 14
Quinta-feira, 13 de outubro importante do que ´ adorar regu-
´ larmente a Jeova. (Mat. 5:16) Da-
Ha mais felicidade em dar do
´ niel preferia morrer a negligen-
que ha em receber. ciar sua rotina espiritual. Que
— Atos 20:35. ´ ´
dizer de nos? Que sacrifıcios es-
˜ ´ tamos fazendo, ou estamos dis-
Nao existe area de conheci-
mento mais preciosa ou mais im- postos a fazer, para declarar
portante as boas novas do Reino de Deus
˜ do que ´ a das boas novas. ´ ˆ ˜
Elas sao uma ´ dadiva inestimavel com constancia? Sim, n ˆ ao deve-
que nos da grande alegria. E essa mos passar nem um m´ es sem fa- ´
alegria aumenta ´ quando parti- lar a outros
˜ sobre Jeova! Se possı-
lhamos essa ˆ dadiva com outros. vel, nao devemos nos´ esforçar em
O que voce pode fazer para au- participar no ministerio cada se-
mentar ainda mais seu amor pe- mana? w10 15/2 3:14, 16
las boas novas? Ao ler a Palavra ´
de Deus, pause de vez em quan-ˆ Sabado, 15 de outubro
do para
´ refletir sobre o que voce Sempre [estai] prontos para fa-
esta lendo. Por exemplo, imagi-
zer uma defesa perante todo
ne como seria acompanhar ´ Je- ´
sus no seu ministerio aquele que reclamar de vos uma
´ terrestre ˜
razao para a esperança [que
ou viajar com o ap ostolo Pau- ´ ´
lo. Ou imagine-se no novo mundo ha] em vos. — 1 Ped. 3:15.
´
e visualize como a vida sera di- ´ ‘Manejar corretamente a pala-
ferente. Reflita sobre ˆ os benef
` ı- vra da verdade’ significa mais do
cios que a sua obediencia as boas ´
que explicar˜ verdades bıblicas
novas lhe tem proporcionado. Se
com precisao. (2 Tim. 2:15)˜ Deve-
seu amor pelas boas novas conti-ˆ
mos ´ ter o cuidado de nao usar
nuar forte, aqueles ˜ a quem voce
ensina perceberao isso. Por bons a Bıblia para intimidar as pes-
motivos, portanto, devemos ‘pon- soas. Embora possamos usar as
derar’ sobre o que aprendemos e Escrituras para defender a ver-
˜ dade, como Jesus fez quando
‘prestar atençao ao nosso ensi- ´ ˜ foi´
no’. — 1 Tim. 4:15, 16. w09 15/7 tentado pelo Diabo, a Bıblia nao e
3:13, 14 um porrete para golpear nossos
ouvintes. (Deut. 6:16; 8:3; 10:20;
Sexta-feira, 14 de outubro Mat. 4:4, 7, 10) Se for maneja-
da corretamente, o que a ver-
Teu Deus, a quem serves com dade da Palavra de Deus pode
ˆ
constancia, ele mesmo te realizar?
´
salvara. — Dan. 6:16. ´ (2 Cor. 10:4, 5) A ver-
dade bıblica pode demolir “coisas
O profeta Daniel demonstrou fortemente
´ entrincheiradas”, isto
´
ˆ e, expor doutrinas falsas, prati-
a importancia ˜ da regularidade
na adora çao. (Dan. 6:4-10, 19-22) cas prejudiciais e filosofias que
˜ refletem a imperfeita sabedoria
Ele nao mudou sua rotinaˆ espiri- ´
tual (de orar a Deus “tres vezes humana. Podemos usar a Bıblia
por dia, . . . assim como havia para eliminar qualquer ideia “le-
feito regularmente antes vantada contra o conhecimento
ˆ disso”) ´
nem mesmo por um mes, embo- de Deus”. Os ensinos bıblicos po-
ra isso significasse
˜ ser lançado
˜ na dem ser usados para ajudar ou-
cova dos leoes. As suas açoes in- tros a harmonizar seu modo de
dicaram com muita clareza aos pensar com a verdade. w10 15/2
observadores que nada era mais 2:11, 12
Domingo, 16 de outubro lha para todos. A sua Palavra diz:
´ “Tens de escolher a vida para ˆ fi-
[A] vontade [de Deus] e que toda
car vivo, tu e tua ´ descend en-
sorte de homens sejam salvos e cia, amando a Jeova, teu Deus.”
venham a ter um conhecimento (Deut. 30:19, 20) Ele deseja que
exato da verdade. — 1 Tim. 2:4. expressemos o nosso amor a ele
´ ˆ
Nos nos empenhamos numa por servi-lo de livre e esponta-
campanha para ajudar as pes- nea vontade. Em vez de nos privar
soas a se libertarem de da liberdade, pertencer ao Deus´
´ falsos que amamos com certeza nos fara
ensinos religiosos e ate mesmo ´ ´
da idolatria. No nosso ministe- e manter
˜ a felizes. Como pecado-
rio de casa em casa encontra- res, nao merecemos pertencer
´ ´a
mos todo ´ tipo de pessoas. Uma um Deus perfeito. Isso e possı-
jovem asiatica lembra-se dos ri- vel apenas por causa da bondade
˜ imerecida de Deus. — 2 Tim. 1:9.
tuais que sua mae realizava na
frente de muitas imagens em sua w10 15/1 2:17-19
casa. Concluindo que nem todas
as imagens poderiam representar Terça-feira, 18 de outubro
o Deus verdadeiro, a jovem sem- ´
Um so homem morreu por todos.
pre orava para que pudesse co- — 2 Cor. 5:14.
nhecer Sua verdadeira identida- `
de. Certo dia, ao atender a porta O que sentiu ao aprender o que ˆ
de sua casa, ela se deparou´ com o Filho de Deus fez por voce?
duas Testemunhas de Jeova dis- (2 Cor. 5:15) Com ˜ certeza uma
´ profunda gratid´ ao. Isso contri-
postas a ajuda-la a aprender o
distinto ´ nome do Deus´ verdadei- buiu para motiva-lo a dedicar˜ sua
ro, Jeova. E ficou muitıssimo gra- vida a Deus e a ‘viver nao mais
ta por aprender a verdade sobre para si mesmo, mas para ˆ aque-
´ le que morreu por voce’. Ser ba-
os ıdolos!
´ Agora ela participa
ˆ com
notavel zelo e diligencia no ser- tizado em nome do Filho signi-
viço de campo, ajudando outros fica reconhecer
ˆ o que Jesus fez
espiritualmente. — Sal. 83:18; por voce e aceitar sua autoridade
˜
115:4-8; 1 Joao 5:21. w09 15/6 2:6 como “Agente Principal da vida”.ˆ ˜
(Atos 3:15; 5:31)
˜ Antes, voce nao
Segunda-feira, 17 de outubro tinha relaçao com o Criador, e
Quer vivamos, vivemos para realmente
´ nenhuma esperan ´ ça
´ valida. Mas, por exercer fe no
Jeova, quer morramos, morre-
´ sangue derramado de ˆ Jesus Cris-
mos para Jeova. — Rom. 14:8. to e ser batizado, voce agora tem
˜ ˜ ´
Assim como a boa reputaçao de uma rela ç´ ao com o Pai. (Efe. ´
˜
um cirurgiao pode aumentar nos- 2:12,13) “Vos, os que ´ outrora est a-
sa confiança nele, a nossa veis apartados e ereis inimigos,
´ ´ ` con-
fiança em Jeova aumentara a me- porque as vossas ´ mentes se fixa-
dida que aprendermos´ mais a seu vam ´ nas obras inıquas”, escreveu
respeito. Portanto, nos continua- o ap ostolo Paulo, “[Deus] reconci-
mos a estudar cuidadosamente liou agora novamente, mediante
a Palavra de Deus porque ´ isso o corpo´ carnal [de Jesus], por in-
nos ajuda a amar a Jeova de um termedio da morte dele, a fim de ´
modo que afasta qualquer ˜ receio vos apresentar santos e sem ma-
de lhe´ pertencer. (1 Joao 4:18) cula”. — Col. 1:21, 22. w10 15/3
Jeova oferece liberdade de esco- 1:11
Quarta-feira, 19 de outubro mo assim, talvez ache que parar
˜ ´ de se associar ˆ com eles seria des-
Nao retribuais a ninguem mal
leal. Se voce enfrenta esse desa-
por mal. Provede coisas excelen- fio, lembre-se de ´ que um verda-
`
tes a vista de todos os homens. Se deiro amigo ficara feliz de saber
´ ´ ˆ ´
possıvel, no que depender de vos, que voce esta procurando melho-
´
sede pacıficos para com todos os rar seu´ modo de vida. Ele tal-ˆ
homens. — Rom. 12:17, 18. vez ate queira juntar-se ´ a voce
Mostrar boas maneiras em si- em aprender sobre Jeova. Por ou- ˜
˜ ´ tro lado, falsos amigos ‘falarao
tuaçoes difıceis produz
˜ bons re- ˆ
sultados. No Japao, por exemplo, de voce ˆ de ˜ modo ultrajante’ por-
˜ que voce nao segue com eles para
certo irmao foi ridicularizado
´ por
um˜ morador e seu hospede. O ir- “o˜ mesmo antro vil de devassi-
mao educadamente se retirou. dao”. ˜ (1 Ped. 4:3, 4) Na realida- ˜
Ao de, sao esses amigos que est
´ ao
´ continuar a pregar no terri- ´ ˜
sendo desleais, nao o contrario.
torio, ele percebeu que o hos-
pede estava ali perto observan- w09 15/10 4:12, 13
˜
do. Quando o irmao se aproximou Sexta-feira, 21 de outubro
dele, o homem disse: ´ “Lamento ´
o que aconteceu. Nos fomos Vos, maridos, continuai a mo-
ˆ ru-
des, mas mesmo assim voce con- rar com [suas esposas] da mes-
tinuou sorrindo. O queˆ preciso ma maneira . . . atribuindo-lhes
fazer para ser como voce?” O ho- honra. — 1 Ped. 3:7.
mem˜ estava desempregado e sua
mae havia falecido recentemen- Como o marido pode exercer
te. Ele achava que nunca mais sua autoridade e, ao mesmo tem- ´
˜ po, tratar a esposa como alguem
seria feliz. O´ irmao ofereceu-lhe
um estudo bıblico e ele o aceitou. digno de honra? Uma maneira´
Logo passaram a estudar duas de o marido honrar a esposa e
vezes por semana. w09 15/11 por considerar o ponto de vista e
5:12, 13 os sentimentos ˜ dela antes de to-
mar´ uma decisao que afeta a fa-
Quinta-feira, 20 de outubro mılia. Talvez seja preciso decidir
´ ˜ ´ sobre mudar de casa ou de em-
Mas associaçoes estragam habi- prego, ou sobre assuntos diver-
´ ´
tos uteis. — 1 Cor. 15:33. sos, tais como onde passar as fe-
´ rias ou como ajustar o orçamento
Quando um estudante da Bıblia
começa a fazer mudanças na vida, familiar diante do crescente ˜ cus-
talvez enfrente um real desafio to de vida. Visto que
´ decisoes as- ´
no que diz respeito a amizades. sim afetam a famılia, seria bene-
Talvez tenha amigos cuja com- fico e˜ bondoso o marido ouvir a
panhia ele aprecie, mas que des- opiniao da esposa. Isso˜ talvez o
˜
prezam os padroes de moral da ajude a tomar decisoes de modo
´
Bıblia. Ele pode ter participado mais equilibrado e compreensivo
regularmente em atividades so- e facilite o apoio
˜ dela. (Pro. 15:22)
´
ciais com eles. Agora, porem, ele O marido cristao que honra a es-
percebe que essas ´ atividades po- posa ganha o amor e o respei-
deriam
ˆ influencia-lo para o mal e to dela e, mais ˜ importante´ ain- ´
ve a necessidade de limitar seu da, a aprovaçao de Jeova. — Efe.
contato com tais pessoas. Mes- 5:28,29. w09 15/7 2:6, 7
´ ˆ
Sabado, 22 de outubro guns tem ´ feito isso por usar me-
lhor
´ a B ıblia. “A palavra de Deus
Rogai ao Senhor da colheita
e viva´ e exerce poder”, escreveu
que mande trabalhadores para o ap ostolo Paulo, que costumava
a sua colheita. — Mat. 9:38. `
raciocinar com outros a base das
˜ Escrituras. (Heb. 4:12; Atos 17:3)
Jesus nao apenas disse isso. ˆ ˜ ´
Depois de dizer essas palavras, Assim, se voce nao usa ´ a Bıblia
´ regularmente no ministerio, que
ele ‘convocou seus doze discıpu-
los’ e os˜ enviou numa viagem de tal fazer disso um alvo? Talvez ´
pregaçao, ou de “colheita”. (Mat. possa escolher alguns textos ´ ba-
9:35-38; 10:1, 5) Mais tarde, Jesus sicos que explicam o que e o Rei-´
“indicou outros setenta e os en- no de Deus e como ´ ele resolvera
viou, aos dois”, para realizarem problemas especıficos de interes-
o mesmo trabalho. (Luc. 10:1, 2) se das ´ pessoas na sua localida- ˆ
A necessidade de mais de. Daı, esteja preparado para le-
´ proclama-
´ los ao pregar de casa em casa.
dores do Reino tambem ˆ e grande
hoje em dia. A assist w10 15/1 3:7, 9
` ˜ encia mun-
dial a Comemoraçao no ano de
serviço de 2009 foi de 18.168.323 Segunda-feira, 24 de outubro
˜
pessoas. Isso ˜ excedeu
´ em mais Remove de teu coraçao o vexame
de 10 milhoes o numero
´ de Teste- e afasta de tua carne a calami-
munhas de Jeov ˜ a no mundo. Os dade; pois a juventude e o pri-
campos estao realmente˜ madu- ˜
mor da mocidade sao vaidade.
ros para a colheita. (Joao 4:34, — Ecl. 11:10.
35) Portanto, devemos orar e
pedir mais trabalhadores. Mas “Jovem, aproveite a sua mo-´
como podemos agir em harmonia cidade e seja feliz enquanto e
´ ´ ´
com esse pedido? Isso e poss moço.” (Ecl. 11:9, Bıblia na Lin-
ˆ ı- guagem de Hoje) Assim escreveu
vel por aumentar nossa eficien- ´ ˜
cia como ministros ao participar- o sabio´ Rei
´ Salomao, do Israel an-
mos zelosamente na atividade´ de tigo. E obvio que ´a Fonte des-
pregar o Reino e fazer discıpu- sa mensagem,ˆ Jeova Deus, deseja
los. — Mat. 28:19, 20; Mar. 13:10. que voc es, jovens, sejam feli-
w10 15/2 2:1, 2 zes. Mais do que isso, ele deseja ´
que essa felicidade perdure alem
Domingo, 23 de outubro dos anos da juventude. No en-
` tanto, os anos da mocidade mui-
Raciocinou com eles a base das ˜
tas vezes sao prejudicados por er-
Escrituras. — Atos 17:2.
ros dolorosos que podem afetar a´
Os verdadeiros seguidores de felicidade futura ´ da pessoa. Ate
˜
Cristo dao prioridade aos interes- mesmo ˆ o fiel Jo lamentou ‘as con-
ses do Reino de Deus na sua vida, sequencias ´ dos erros da sua mo- ˆ
proclamando-o em todo o mundo, cidade’. (Jo 13:26) Na adolescen-
´ ´
com a ajuda do ˆ espırito de Jeova. cia e ˜ no começo da vida adulta o
(Zac. 4:6) Voce participa regu- cristao muitas vezes precisa ˜ to-
larmente nesse trabalho? Procu- mar ´ importantes decisoes. Mau
ra aprimorar-se como proclama- criterio pode deixar profundas ci-
dor do Reino, talvez por´ dedicar catrizes emocionais e gerar pro-
mais
´ tempo ao ministerio ˆ ou rea- blemas que talvez afetem o resto
liza-lo com mais eficiencia? Al- de sua vida. w09 15/5 2:1
Terça-feira, 25 de outubro frimento provou sua completa in-
´ ´ tegridade. Embora ˜ fosse homem
‘Pagai a Cesar as coisas de Ce- perfeito, Jesus nao confiou na sua
sar, mas a Deus as coisas de ´
propria for ça para permanecer
Deus.’ — Mat. 22:21. obediente. Ele orou pela ajuda de
Que tipo de Deus para continuar obediente.
´ ´ “coisas”
` devemos a
Para permanecermos obedientes,
Cesar, isto e, as autoridades go- ´ ´
vernamentais? Quando Jesus dis- nos tamb em precisamos ser hu-
mildes e orar ˜ pela ajuda
´ de Deus.
se essas palavras, o assunto em
Por essa razao, o ap ostolo
˜ Pau-
foco era o pagamento de ˆ impos- lo aconselhou´ os cristaos: “Man-
tos. Para ter uma consciencia lim-
tende em vos esta ´ atitude mental
pa perante
˜ Deus e os ` homens, os ´ que houve tamb em em Cristo Je-
cristaos obedecem as leis do paıs
sus”, que “humilhou-se
´ ` e tornou-
em que vivem, incluindo as re-
se obediente ate a morte”. — Fil.
lacionadas com o pagamento de
2:5-8. w09 15/9 2:2, 3
impostos. (Rom. ´ 13:5, 6) Reco-´ ´
nhecemos, porem, que´ Jeova e o Quinta-feira, 27 de outubro
Soberano Supremo, o unico Deus
verdadeiro,˜ a quem amamos de O amor nunca falha.
todo coraçao, alma, mente e força. — 1 Cor. 13:8.
(Mar. 12:30; Rev. 4:11) Portanto, ´
˜ ´ ´ O amor
nossa submissao a Jeova Deus e ´ e uma necessidade ´ hu-
mana b asica. Mas, ´ o genu ´ ıno amor
sem reservas. ´ (Sal. 86:11, 12) Mui-
a Deus e ao proximo e lamenta-
tos paıses oferecem programas ´ ou
velmente escasso. Estamos´ vendo
serviços sociais em benefıcio dos acontecer o que a ´Bıblia predisse a
que ˜ precisam
´ de ajuda ˜ material. respeito destes ultimos dias. Os
Nao e errado o cristao receber tal ˜
homens sao “amantes de si mes-
ajuda — contanto que se habilite mos, amantes do dinheiro, . . .
para ´ isso. ˜Falar a verdade com o mais amantes de prazeres do que
pr˜ oximo nao permite dar informa- amantes de Deus”. (2 Tim. 3:1-5)
çoes falsas a autoridades governa- ´
ˆ A Bıblia nos alerta contra o amor
mentais ´ a fim de receber assisten- mal orientado. E ela descreve o
cia publica. w09 15/6 3:16, 17 que acontece quando˜ esse amor
´
cria raızes no coraçao. (1 Tim.
Quarta-feira, 26 de outubro 6:9, 10) Apesar de Demas ter sido
´
[Cristo] ofereceu ` suplicas e tam- colaborador de Paulo, ele passou
´ ˜ a amar o que o mundo oferecia.
bem petiçoes Aquele que era ca- ´ ˜
´ (2 Tim. 4:10) ˜ O ap ostolo Joao aler-
paz de salva-lo. — Heb. 5:7.
ˆ tou os cristaos exatamente ˜ con-
A experiencia de Jesus como hu- tra esse perigo. (1 Joao 2:15, 16)
mano na Terra ensinou-lhe novos Amar o mundo e suas
ˆ ˜ coisas
´ e ati-
´
aspectos da obediencia. ˜ (Heb. 5:8) tudes passageiras nao e compatı-
Pode parecer que nao havia mais vel com o amor a˜ Deus e ao que se
nada que Jesus pudesse ´ aprender origina Dele. Nao fazemos parte
quanto a servir ´ a Jeov´ a. Afinal, deste mundo, embora ainda viva-
ele havia˜ usufruıdo ´ de ıntima as- mos ´ nele. Portanto, nosso desa-
sociaçao ´ com Jeova por um lon- fio e evitar o conceito distorcido
go perıodo e tinha sido o “mestre que o mundo
´ tem a respeito do
˜
de˜ obras” de Deus durante a cria- amor. E vital nao nos deixar enga-
çao. ´ (Pro. 8:30) Mas, perseverar nar pelo amor mal orientado ou
na fe como humano apesar de so- deturpado. w09 15/12 4:1-3
´ ´
Sexta-feira, 28 de outubro ritorios para
´ mission ´ arios no pri-
˜ meiro seculo. O ap ostolo Paulo e
As declaraçoes de minha boca
˜ ˜ seus companheiros ´ foram “proi-
e a meditaçao de meu coraçao, bidos pelo espırito santo de fa-
´
tornem-se elas agradaveis dian- lar ´a palavra dentro
´ ´
te de ti, o Jeova. — Sal. 19:14. ´ ˜ do distrito
da Asia”;˜ tambem ` nao´ receberam
˜
˜ permissao de ir a Bitınia. Nao sa-
Muitos hoje simplesmente ´ nao ´
querem ouvir o que a Bıblia diz. bemos exatamente como o espıri-
Para perseverar´ em falar a pa- to os impediu
´ ´ de ir a tais´ lugares,
lavra de Deus, e importante es- mas e obvio que o espırito im-
tudar as Escrituras de modo que peliu Paulo a ir ao vasto campo ˜
possamos absorver a sua mensa- da Europa. Ele recebeu
ˆ uma visao
˜ de um macedonio pedindo aju-
gem. A regularidade — nao a ca- ´
sualidade´ — deve caracterizar os da. (Atos 16:6-10)
´ ´ Hoje, ´ o espıri-
nossos habitos de estudo. Como to de Jeova tamb
˜ em esta dirigin-
´ do a pregaçao mundial. w10 15/3
e vital tirar tempo para medi-
tar no que´ lemos, para que as 2:10-12
verdades bıblicas ˜ penetrem fun-
Domingo, 30 de outubro
do no nosso coraçao! Certamente, ˜
temos de nos esforçar em apri- O dragao ficou furioso com a
morar a qualidade de nosso es- mulher e foi travar guerra com
tudo pessoal. Outra´ maneira de os remanescentes da sua semen-
se beneficiar
´ ´ do espırito santo de te, que observam os mandamen-
Jeova e ‘considerar-nos uns aos ˆ
tos de Deus e tem a obra de dar
outros para nos estimularmos ao ˜ testemunho de Jesus.
amor e a obras excelentes, nao — Rev. 12:17.
deixando de nos ajuntar’. (Heb. ´ ˜
10:24, 25) Esfor ` çar-se ˜ para sem- ˜ O ap ostolo Joao viu´ um “anjo
pre assistir as reuni ˜ oes cristas, voando pelo meio do ceu, e ele ti-
ouvir com aten ˜ çao e aplicar o que nha boas novas eternas ´ para de-
se aprende sao maneiras excelen- ´ clarar, como boas notıcias aos
tes de ser guiado pelo espırito. que moram na terra”. (Rev. ˜ 14:6)
w10 15/2 1:11, 12 Portanto, apesar da oposiçao fe-´
´ roz
ˆ do Diabo, os servos de Jeov´ a
Sabado, 29 de outubro tem a garantia de apoio angelico
´ ˜ ˜
O espırito e a noiva estao dizen- na pregaçao das boas novas do
do: “Vem!” — Rev. 22:17. Reino˜ estabelecido. Hoje, ` os an-
´ jos nao nos encaminham as pes-
O espırito, que opera por meio´ soas sinceras por falar conosco
da ungida classe da noiva, esta assim como um anjo falou a ´ Fili-
fazendo
´ esse convite a respeito ˆ pe e o conduziu ao eunuco etıope.
da agua da vida. Se voce´ acei- (Atos 8:26-29) No entanto, muitos
tou o convite para ‘vir’, esta deci- exemplos modernos evidenciam
dido a fazer esse mesmo ´ convite
´ que anjos nos bastidores ˜ apoiam
a outros? Que privilegio e par- nossa obra de pregaçao do Rei-
ticipar nessa obra que salva ´ vi- no e nos guiam aos “corretamen-
das! Essa obra vital ˜ esta sendo ´ te dispostos para com a vida eter-´
realizada sob a direçao´ do espıri- na”. (Atos 13:48) Assim, como e
to santo. Lemos ´ na Bıblia sobre importante participar
´ regular-
˜
como o espırito santo estava en- mente no ministerio! — Joao 4:23,
volvido na abertura de novos ter- 24. w09 15/5 3:17, 18
˜ ´
Segunda-feira, 31 de outubro (Joao 13:34, 35; Gal. 5:22) Pessoas
´ mansas
˜ com certeza se comove-
˜
Tens de amar o teu proximo rao ao ver esse amor em açao. Por
como a ti mesmo. — Mat. 22:39. `
exemplo,˜ ao assistir
˜ a sua primei-
´ ra reuniao crista, um jovem judeu
´ Esse amor (a·ga·pe em grego) em Israel ficou muito surpreso de
e um amor moral ´ que leva em ˜ ´
ver irmaos judeus e ´arabes ado-
conta dever, princıpio e justeza,
rando juntos a Jeova. Como re-
mas pode ser caloroso e intenso. sultado, ele passou a frequentar
(1 Ped. 1:22) Esse amor se refle- ˜
˜ ´ as reuni
´ oes e aceitou
ˆ um estu-
te em palavras e açoes altruıstas. do bıblico. Voce demonstra esse
(1 Cor. 13:4-7) Por ser um produ- ˜
´ amor sincero ˜ pelos seus irmaos?
to do espırito santo de ˜ Deus, o Faz questao de acolher˜ calorosa-
amor habilita os cristaos verda- ˜ mente os novos no ˜ Salao do Rei-
deiros a fazer o que outros nao no, sem consideraçao de naciona- ˜
conseguem, como vencer barrei- ´ lidade, cor da pele ou condiçao
ras raciais, culturais e polıticas. social? w10 15/1 3:18, 19

Terça-feira, 1.° de novembro Quarta-feira, 2 de novembro


˜ ´ ´
Os dois serao uma so carne. Para tudo ha um tempo deter-
— Mat. 19:5. minado. — Ecl. 3:1.
´ ˜ Ao ˜ sermos representados numa
O casamento e uma relaçao que ´
requer um alto grau de compro- ora ç ao p ublica, precisamos de-
misso. Duas pessoas que sim- monstrar reverente “temor ´ de
plesmente vivem junto Deus”. (1 Ped. 2:17) H a certas
˜ sem se ˜
açoes ou atitudes que podem˜ ser
casarem jamais poderao ter real
apropriadas em ˜ certas ocasioes ˜ e
segurança; tampouco seus ˜ filhos.
lugares, ˜ mas n ao numa reuniao
Mas parceiros que estao compro- crista. Por exemplo, suponhamos
metidos num casamento ˜ ´
ˆ ´ ˜ honroso
´ que durante
´ uma oraçao publica
tem uma fortıssima razao bıbli- alguem incentive todos num gru-
ca para se esfor çar em resol- ˜
po a dar as maos ou a ficar de
ver suas dificuldades com amor braços dados. Isso poderia ˜ desa-
quando surgem problemas. (Mat. gradar ou desviar a atençao de al- ˜
19:6; 1 Cor.´ 13:7, 8; Heb. 13:4) Nos guns,
ˆ incluindo visitantes que nao ´
tempos bıblicos, as pessoas se be- tem as mesmas crenças que nos.
neficiavam de´ ter contratos for- Alguns casais talvez ˜ discretamen-
mais nos negocios e no emprego.´ te se deem as maos, mas se eles ˜
(Mat. 20:1, 2, 8) O mesmo se da se´ abraçarem durante˜ uma oraçao
hoje. Por exemplo, somos benefi- publica alguns poder ˜ ao ficar inco-˜
ciados por fazer um acordo for- modados. Poderao ter a impressao
mal, ou contrato escrito, antes de de que o casal ˜ se concentra
ˆ mais na
sua rela ˆ çao romantica ´ do que na
iniciar uma atividade comercial
reverencia a Jeova. Por causa de
ou de começar a trabalhar numa nosso profundo respeito por Ele,
empresa. Assim, ˜ se o compromis- portanto, ´ ‘façamos todas as coisas
so reforça relaçoes como amiza- para a gloria de Deus’ e evitemos
de, casamento e emprego, ˜ quanto qualquer conduta que possa dis-
mais uma dedica çao sem reservas ´
´ ˜ trair, chocar ou fazer alguem tro-
o beneficiar
´ a na sua relaçao com peçar. — 1 Cor. 10:31, 32; 2 Cor. 6:3.
Jeova! w10 15/1 1:6, 7 w09 15/11 1:19
`
Quinta-feira, 3 de novembro que. Nada pode se interpor a ha-
bilidade
ˆ de Deus de resolver com
Segui o proceder da hospitali-
exito os assuntos. Num mundo
dade. — Rom. 12:13. marcado por ˆ imoralidade, guer-
Uma maneira de mostrar ra, desobediencia, parcialidade,
´ ´ hospi-
talidade e convidar alguem para hipocrisia, falta
´ de razoabilida-
´
˜
uma refei ç ao e, ´ quando ´ feito de e misericordia, Jeova tem tido
com amor, isso e elogiavel. Mas, ampla oportunidade de ´mostrar
usando de iniciativa, descobrire- a suas criaturas o que´ e verda-
mos muitas outras maneiras de deira sabedoria. O discıpulo Tia-´
ser hospitaleiro. Por exemplo, se ˜ go disse: “A sabedoria de cima e
nossos recursos ou energias nao primeiramente
´ ´ casta, depois pa-
nos permitirem convidar outros cıfica, razoavel, pronta para
˜ ´ obe-
para´ uma refei ´ çao, oferecer um´ decer, cheia de misericordia e
cafe, um´ cha ou outra bebida e de bons frutos, sem parcialida-
tambem uma forma de˜ mostrar de, sem hipocrisia.” — Tia. 3:17.
hospitalidade. Os cristaos que se w10 15/1 4:14
empenham em aprender um novo ´
idioma para pregar as boas no- Sabado, 5 de novembro
vas a estrangeiros´ que se muda-
Faço novas todas as coisas.
ram para ˜ o territorio de´ sua con-
grega´ çao podem, sem duvida, ser — Rev. 21:5.
incluıdos entre os que seguem o ˜
Aqueles que ainda nao se deci-
proceder da hospitalidade. ´ ˜ Natu-
ˆ diram definitivamente em favor
ralmente, muitos de nos nao tem ´
˜ de Jeov ˜ a devem´ considerar com
condiçoes de aprender um novo ´ oraçao os benefıcios que o gover-
idioma. Ainda assim, todos nos ´
˜ no de Deus trara para a huma- ˜
podemos ter uma participaçao nidade. O governo humano nao
significativa em ajudar os estran- consegue resolver o problema do
geiros usando bem o folheto Boas crime, incluindo o terrorismo.
Novas para Pessoas de Todas as ´
˜ ´ O governo
´ de Deus eliminara do
Naçoes,´ que contem uma mensa- cenario terrestre todos os maus.
gem bıblica em muitos idiomas. (Sal. 37:1, 2, 9) O governo humano
w09 15/10 1:12-14 tem provocado guerras constan-´
tes, mas o governo de ´ Deus fara
Sexta-feira, 4 de novembro “cessar as guerras ate a extremi-
´
O profundidade das riquezas, e dade da terra”.´ (Sal. 46:9) O gover-´
da sabedoria, e do conhecimen- no de Deus ate mesmo restaurara
˜ ´ a paz entre humanos e animais!
to de Deus! Quao inescrutaveis
˜ ´ (Isa. 11:6-9) A pobreza e a fome
sao os seus julgamentos e alem ˆ
˜ tem sido uma constante sob o go-
de pesquisa sao os seus cami-
verno humano, mas o governo de
nhos! — Rom. 11:33. ´
˜ Deus as eliminara. (Isa. 65:21) Sob
Assim que
´ Adao e Eva peca- o governo de Deus, ˜ os idosos e os
ram, Jeova revelou como desfa- ˜ doentes sentirao o prazer de ´ recu-
ria osˆ maus efeitos dessa
˜ rebeliao. perar seu vigor juvenil. (Jo 33:25;
(Gen. 3:15) Essa açao imediata, e Isa. 35:5, ´ 6) A Terra ´ realmente se´
ter ele revelado progressivamen- tornara um paraıso, no ˜ qual ate
te aos seus´ servos os ` detalhes mesmo os mortos voltarao a viver.
desse prop osito,
´ deu a sabedo- — Luc. 23:43; Atos 24:15. w10 15/1
ria de Jeova um enorme desta- 5:16, 17
Domingo, 6 de novembro e ˜ aos seus deuses”, mas Rute´
nao. (Rute 1:15) Ela agiu pela fe
Falou com denodo . . . , profe-
e sabia a quem queria perten-˜
rindo discursos e usando de
˜ cer. Ela disse a Noemi: “Nao ins-
persuasao. — Atos 19:8. tes comigo para te abandonar,
“Persuadir” significa “conven- para recuar de te acompanhar;
cer”. A pessoa persuadida fica pois, aonde quer que fores, irei
˜
tao convencida a respeito de al- eu, e onde quer que pernoitares,
guma coisa que p assa a con- pernoitarei eu.”
´ Por ter escolhido
fiar nisso.
´ Quando persuadimos ´ servir a Jeova, Rute se benefi-
alguem ´ a aceitar um ensino bı- ciou da˜ Lei de Deus, que ´ fazia
blico, nos o convencemos a con-´ provisoes especiais para viuvas e
fiar nesse ensino. Para tanto, e para os˜ pobres e sem terra. Sob a
preciso convencer nossos ouvin- ´
proteçao de Jeov
´ a, ela encontrou
tes da veracidade do que fala- felicidade, refugio e segurança.
mos. Ao apresentar
˜ um texto, ˆ fo- w10 15/1 2:4
calize a atençao na importancia
de saber o que Deus pensa sobre Terça-feira, 8 de novembro
o assunto. Depois de fazer uma
pergunta e ouvir a resposta do As mulheres que anunciam boas
˜ ´
morador, talvez queira dizer algo novas sao um grande exercito.
assim: ‘Vejamos como podemos — Sal. 68:11.
obter o ponto de vista de Deus so- ˜
Pela ´ participa çao´ plena no mi-
bre o assunto.’ Ou pode pergun- nisterio e pelo esp
tar: ‘O que Deus tem a dizer sobre ˜ ´ ırito de abne-
˜ gaçao ˜em benefıcio dessa obra,
essa situaçao?’ Apresentar o tex- as irmas provam que˜ prezam seu
to desse modo ´ destaca a origem
papel na congregaçao. Paulo es-
divina da Bıblia e ajuda a desen-
creveu a Tito: “As mulheres ido-
volver um elevado apreço por ela
na mente do ouvinte. w10 15/2
sas sejam reverentes no compor-´
2:14, 15 tamento, . . . instrutoras do que e
bom, a fim de fazerem as mulhe-
Segunda-feira, 7 de novembro res jovens recobrar o bom sen-
´ so para amarem seus maridos,
Teu povo sera o meu povo, e teu para amarem seus filhos, para
Deus, o meu Deus. — Rute 1:16. serem ajuizadas, castas, operosas
´ em casa,´ boas, sujeitando-se aos
´ Quando era bem jovem, e pro-´ seus proprios maridos, para que
vavel que Rute adorasse Quemos ˜
e os outros deuses de Moabe. Mas nao se fale da palavra de Deus
ela veio a conhecer o Deus verda- de modo ultrajante.” (Tito 2:3-5) ˜
´ Que força para o bem as irmas
deiro, Jeova, e casou-se com um
israelita que havia se refugiado maduras
˜ podem ser na congrega-
˜
´ çao! Por respeitarem os irmaos
no paıs dela. (Rute 1:1-6) Mais
tarde, quando Rute, sua cunha- que tomam a lideran ˜ ça e por to-
da Orpa e a sogra delas, Noe- marem boas decisoes em assun-
´
mi, seguiam para Belem, Noe- tos como vestimenta, modo de se
mi sugeriu que as duas jovens arrumar
˜ e entretenimento, elas
voltassem˜ para seu
´ lugar de ori- dao excelente exemplo para ou-
gem. Nao seria facil para elas se tros e mostram ter em alta es- ˜
estabelecerem em Israel. Orpa tima seu lugar na congregaçao.
realmente “voltou ao seu povo w09 15/11 3:13, 14
Quarta-feira, 9 de novembro tuais produzem “fruto excelente”.
˜ Os dois tipos de fruto tornaram-
Nao te deixes vencer pelo mal,
´ se bem evidentes neste tempo do
porem, persiste em vencer o mal fim. (Dan. 12:3, 10)
com o bem. — Rom. 12:21. ˜ ˆ ˜ Os falsos cris-
taos tem uma˜ visao distorcida so-
´ bre Deus e nao
O ap ˆ ostolo ´ Paulo sabia por ex- ˜ ´ raro uma forma de
periencia propria que um perse- devoçao hip
ˆ ocrita, ao passo
˜ que
´ os que tem compreensao espiri-
guidor pode se tornar um discı- ´
pulo fiel de Cristo e um zeloso tual adoram a Deus ˜ “com espıri-
´ ´ to e verdade”. (Joao 4:24;´ 2 Tim.´
servo de Jeova. (Gal. 1:13-16, 23)
Em outra carta, Paulo declarou: 3:1-5) Pergunte-se: ‘Sera que e
“Quando injuriados, abençoamos; evidente que a minha conduta
quando perseguidos, suportamos e meus ensinos se harmonizam
isso; quando difamados, suplica- com a Palavra de Deus? Torno
mos.” (1 Cor. 4:12, 13) Concorde- a verdade atraente para aqueles
˜ que a procuram?’ w10 15/1 3:1, 2
mente, o verdadeiro cristao aca-
ta as palavras do texto ´ de hoje.
´
A fonte de todo o mal e ˜ Satanas, o Sexta-feira, 11 de novembro
˜
Diabo. (Joao 8:44; 1 Joao˜ 5:19) Je- Perdoai o que tiverdes contra ou-
sus disse que seus irm ´ aos ungi- tro; a fim de que o vosso Pai, que
dos “venceram [Satanas] por cau- ´ ´ ´
esta nos ceus, tambem vos per-
sa do sangue do Cordeiro e por doe. — Mar. 11:25.
causa da palavra do seu testemu-
nho”. (Rev. 12:11) Isso mostra que ´ Embora sejaˆ batizado em nome
o melhor modo de vencer ˆ Satanas do Filho, voce se apercebe ´ mui-
e sua perversa influencia´ sobre o to bem ˜ de suas proprias incli-
atual sistema mundial e fazer o naçoes ˜ pecaminosas.
´ ´ Essa per-
bem por meio de nossa obra de cepçao e util todos os dias. Por
dar testemunho, ou seja, pregar exemplo,ˆ se uma pessoa o ofende,
as boas novas do Reino. w09 15/10 voce tem em ˆ mente
˜ que tanto ela
2:13-15 como voce sao pecadores? ˜ Am-
bos precisam do perdao de Deus
Quinta-feira, 10 de novembro e devem ser perdoadores. Para
´ enfatizar essa necessidade, Jesus
Toda arvore boa produz fruto ˜
´ fez uma ilustraçao: o amo de cer-
excelente, mas toda arvore po- ´
´ to escravo cancelou-lhe uma dı-
dre produz fruto imprestavel.
vida ˜ de 10 mil´ talentos (60 mi-
— Mat. 7:17.
lhoes de denarios). ˜ Mais tarde,
Jesus disse que a diferença en- esse
´ escravo n ao quis perdoar a
tre os que falsamente professas- dıvida de outro ´ escravo que lhe
sem servi-lo e seus seguidores devia 100 denarios. ´ Jesus ˜ desta-
verdadeiros seria marcada pe- cou
´ o seguinte: ˜ Jeova nao perdoa- ˜
los seus frutos — seus ensinos e ra quem nao perdoar seu irmao.
sua conduta.
´ (Mat.
´ 7:15, 16, 20) (Mat. 18:23-35) Sim, ser batiza-
De fato, e inevitavel as pessoas do em nome do Filho significa
serem influenciadas pelo que as-˜ reconhecer a autoridade de Je-
similam na mente e no coraçao. sus e empenhar-se em seguir seu
(Mat. 15:18, 19) Quem se alimen- exemplo e seus ensinos, incluin-
ta de falsidades
´ produz “fruto im- do o de estar disposto a perdoar ˜
prestavel”, ao passo que aqueles outros. — 1 Ped. 2:21; 1 Joao 2:6.
que aprendem verdades espiri- w10 15/3 1:12
´ ` ˜
Sabado, 12 de novembro ver a altura de nossa dedicaçao ´
´ ao nosso Deus ´ perfeito, Jeova.
A palavra de Deus e viva e
Um agravante e que alguns de
exerce poder. — Heb. 4:12.
´ seus antigos amigos talvez se in-
Como e poderosa a palavra, ou triguem com seu novo ˆ modo de
mensagem, de Deus! Em sentido ´ vida e ‘falem de voce de modo ul- ˜
figurado,
´ a mensagem da Bıblia trajante’. (1 Ped. 4:4) ˆ Mas nao
e mais afiada do que ˜ qualquer se esqueça de que voce cultivou
espada de fabricaçao humana,´ novas amizades, as´ mais impor-
pois simbolicamente
˜ penetra ate tantes sendo Jeov´ a e Jesus Cris-
a divisao dos ossos e sua medu- ´
´ to. (Tia. 2:21-23) E vital tamb ˜ em
la. Ou seja, as verdades bıblicas procurar conhecer os irm aos na
atingem o interior da pessoa e ˜ ´
congregaçao local,
˜ que e par-
penetram ˜ nos seus pensamentos te ˜ da “associaçao inteira dos ir-
e emoçoes, ´ expondo
´ o que ela maos” no mundo. — 1 Ped. 2:17;
de fato e no ıntimo. Essas ver- Pro. 17:17. w10 15/3 2:14, 15
dades podem exercer seu poder ´
transformador e causar genuı- Segunda-feira, 14 de novembro
nas mudanças na pessoa. (Col. ´
3:10) Sim, a Palavra
Fazei para vos amigos por meio
´ de Deus das riquezas injustas, para que,
pode ´ mudar ´ vidas! Alem do mais,
a Bıblia´ e um livro de quando estas vos falharem, vos
´ sabedoria recebam nas moradias eternas.
inigual
˜ ´ avel. Ela contem informa- `
çoes uteis que podem ensinar as — Luc. 16:9.
pessoas como viver neste mun-´ Uma maneira de os membros
do complexo. (Sal. 119:105) Ela e do grupo das outras ovelhas´ aju-
de enorme ajuda para lidar ˜
˜ com darem os irmaos de Cristo e por
problemas ou tomar decis ˜ oes so-
apoiar financeiramente
˜ a obra
bre amizades, diversao, empre-
de pregaçao. Jesus incentivou
go, roupas, e assim por diante. ˜ seus seguidores a fazer amigos
— Sal. 37:25; Pro. 13:20; Jo ao
por˜ meio das “riquezas injustas”.
15:14; 1 Tim. 2:9. w10 15/2 2:4, 5
Nao se trata de comprar a´ ami-
Domingo, 13 de novembro zade de Jesus ou de Jeova. Em
vez disso, usando nossos recur-
Estarmos adequadamente sos materiais para promover os
habilitados procede de Deus. interesses do Reino, provamos
— 2 Cor. 3:5. ˜
nossa amizade e amor nao ape- ˜
ˆ nas em palavras, mas˜ “em açao
Como ministro ´ ordenado, voce
tem um ministerio a ˜ cumprir. e em verdade”. (1 Joao 3:16-18)
(Rom. 10:14) Talvez nao se sin- Damos esse apoio financeiro˜ ao
ta plenamente qualificado para participar na obra de pregaçao,˜ e
arcar com tal responsabilida- ao doar fundos˜ para a construçao
de. Mas, como no caso dos ungi- e a˜ manutençao de locais de reu-
´ ˆ
dos, ˆ e Deus quem` habilita voce. niao e ˜ para a obra mundial de
Voce pode viver a altura de sua pregaçao. Quer nossos
˜ donati-
˜
dedicaçao por dar´ o seu melhor vos feitos de coraçao sejam´ gran-
e´ confiar no espırito
˜ ´ de
´ Deus. des, quer pequenos, Jeova e Je-
E ´ verdade que nao e facil para sus com certeza os apreciam.
nos, humanos imperfeitos, vi- — 2 Cor. 9:7. w09 15/10 3:17
Terça-feira, 15 de novembro ba cem
´ vezes mais agora, neste
´ per˜ ıodo de ˜ tempo,˜ casas, e ir-
Chegar-me a Deus e bom para
maos, e irmas, e maes, e˜ filhos, e
mim. — Sal. 73:28. campos, com perseguiçoes, e no
˜
Nao podemos´ usufruir plena- vindouro sistema de coisas a vida ˜
mente os benef eterna.” (Mar. ´ 10:29, 30) Crist´ aos
´ ıcios de ser ´mem-
bros da fam ılia de Jeov˜ a sem do
´ primeiro seculo, como Lıdia,
fazer um´ voto de dedicaçao. Por- Aquila, Priscila e Gaio, estavam
tanto, nos nos dedicamos a Deus entre os que proveram ˜ “casas”
˜
porque, embora imperfeitos, de- e se
˜ tornaram ‘irmaos, irmas e
sejamos pertencer a ele, decidi- maes’ de concrentes, como Je-
dos a ser leais venha o que vier.´ sus prometera. ˜ — Atos 16:14, 15;
(Mat. 22:37) Dedicar-se 18:2-4; 3 Joao 1, 5-8. w10 15/2
´ ˆ a Deus
´ e
4:7, 8
um ato ´ de fe. Por que? A fe em
Jeova nos faz ter certeza ´ de que ´
nos achegar a ele e bom para nos.´ Quinta-feira, 17 de novembro
Sabemos
´ que nem sempre ser a Todos os que se refugiaram em
facil andar com Deus˜ vivendo em ´ ˜
[Jeova] se alegrarao; por tempo
meio a uma “geraçao perverti- ˜ ´
indefinido gritarao de jubilo.
da e deturpada”, mas confiamos — Sal. 5:11.
na promessa divina de apoiar os ´ ˜
nossos esforços. (Fil. 2:15; 4:13) ˜ As Testemunhas de Jeova nao
Sabemos que somos imperfeitos, sao imunes ` a calamidades que
´ ´
mas confiamos que Jeova sera acontecem a humanidade em´ ge-
misericordioso conosco, mesmo ral. Muitos ´ do povo de Deus ja fo-
quando cometermos erros. (Sal. ram vıtimas do crime, da guerra
103:13, 14; Rom. 7:21-25) Temos e de outras injustiças. Desastres
´ ´ ´
fe que Jeov a recompensar a a naturais, pobreza, doen˜ ça e mor-
˜
nossa determinaç´ ao de manter a te causam ´ muita afliçao. ´ (Rom.
´
integridade. — Jo 27:5. w10 15/1 8:22) Nos somos ´ tamb em vıti-
1:14, 15 mas˜ de nossa propria imperfei-
çao. (Sal.
˜ 38:4) E, como˜ Jesus, os
Quarta-feira, 16 de novembro cristaos verdadeiros sao odiados
´ e perseguidos. (Mat. 10:22, 23;
O que havera realmente para ˜
´ Jo ao 15:20; 16:2) Significa isso
nos? — Mat. 19:27. ˜
que os cristaos verdadeiros de-
Pedro queria saber o que o fu- vem viver sem nenhuma alegria e
turo´ reservava para ele e outros felicidade? Deve a nossa vida ser
discıpulos de Jesus. `Para se dedi-
˜ marcada˜ apenas
´ por tristezas e´
carem plenamente a pregaçao ´ do afliçoes ate chegar o fim? Jeova
Reino,´ eles haviam feito notaveis obviamente deseja que sejamos
sacrif ıcios. (Mat. 4:18-22) Que felizes enquanto aguardamos o
garantia Jesus lhes deu?´ Jesus in- cumprimento ´ de suas
´ promessas.
dicou que seus discıpulos fariam Vez ap os vez a Bıblia descreve
parte de uma fraternidade ´ espi- os adoradores verdadeiros como
ritual. Ele disse: “Ningu
˜ em aban- ˜ pessoas ´ felizes.
´ (Isa. 65:13, 14) ´
donou˜ casa, ou irmaos, ou irmas, Sim, e possıvel sentir considera-
ou mae, ou pai, ou filhos, ou cam- vel alegria, paz mental e conten-
pos, por minha causa e pela ˜ cau- tamento mesmo em meio a cala-
sa das boas novas, que nao rece- midades. w09 15/12 2:1-3
˜
Sexta-feira, 18 de novembro convoca ´ çao ajudou o restante da
´ ´ simbolica noiva a alcançar mais
Exorto Evodia e exorto Sıntique
pessoas com o convite. Em 1929,
a serem da mesma mentalidade A Sentinela de 15 de março (em
no Senhor. — Fil. 4:2. ˆ
ingles) publicou um artigo inti-
´ ´ tulado “Gentil convite”. O artigo
˜ Evodia e Sıntique, duas cris-
tas na antiga Filipos, pelo vis- dizia, em parte: “A fiel classe do
to tiveram dificuldades para re- restante
´ ungido junta-se ao [Al-
solver um problema que surgiu tıssimo] no gentil convite e diz:
˜ ‘Vem.’ Essa mensagem deve ser
entre elas. Uma forte discuss ´ ao
entre´ Paulo e Barnabe tornou- proclamada aos que desejam jus-
se publica e fez com que seguis- tiça e verdade. Tem´ de ser pro-
sem caminhos separados por um clamada
´ agora.” Ate hoje, a sim-
tempo. (Atos 15:37-39) Esses re- bolica noiva continua a fazer esse
latos mostram que os ˜ adorado- convite. w10 15/2 3:8
˜
res verdadeiros nao est ´ ao imunes Domingo, 20 de novembro
a desacordos. Jeova nos forne- ´ ´ ˜ `
ce ajuda para resolver conflitos ´ e Jeova, da atençao as ameaças
restaurar amizades, mas nos pre- deles e concede aos teus escra-
cisamos fazer aˆ nossa parte. Di- ˜ vos que persistam em falar a
gamos que voce e um amigo vao tua palavra com todo o denodo.
fazer uma viagem de carro. An- — Atos 4:29.
tes de ˆ iniciarem a viagem, um ´
de voces ˜ precisa colocar a chave Depois que o ap ostolo Paulo
na igniçao e dar partida no mo- e seus companheiros ˆ foram “tra-
tor. tados com insolencia em Fili-
ˆ O processo de resolver ´ diver-
pos”, como foi que conseguiram
gencias pessoais tambem come- ´
ça com uma chave. Essa chave e a reunir ˆ coragem para pregar em
humildade. (Tia. 4:10) Essa cha- Tessalonica? “Por meio de nos-
ve permite aos que se desenten- so Deus”, escreveu
´ Paulo. (1 Tes.
deram come çar a aplicar os prin- 2:2) Jeova Deus pode dissipar
´ ´ nossos temores e nos dar cora-
cıpios bıblicos. w09 15/11 4:15, 16
gem similar. Ao serem desafia- ˜
´
Sabado, 19 de novembro dos pelos ‘governantes, ´ anciaos
´ ˜ e escribas’, os ap ostolos Pedro e
O espırito e a noiva estao dizen- ˜ ´ `
Joao disseram: “Se e justo, a vis- ´
do: “Vem!” — Rev. 22:17.
ta de Deus, escutar antes ´ a vos
Os´ seguidores ungidos de Cris- do que a Deus, julgai-o ´ vos˜ mes-
to ja fazem o convite desde ´ 1918. mos. Mas, quanto a nos, nao po-
Naquele ano, o discurso publico demos parar de falar das coisas
˜
“Milhoes que agora vivem talvez que vimos e ouvimos.” Em vez
jamais morram” apresentou a es- de orarem˜ a Deus pelo fim da
˜
perança de que muitos ganharao ´
perseguiçao, eles e seus compa- ´
a vida eterna numa Terra paradı- nheiros suplicaram a Jeova, con-
sica depois da batalha do Arma- forme as palavras do texto de
gedom. Um discurso proferido no ´ hoje. Ele os ajudou a reunir cora- ´
congresso dos Estudantes da Bı- gem por meio de Seu espırito. ´
blia em Cedar Point, Ohio, EUA, (Atos 4:5, 19, 20, 31) O espırito
em 1922, exortou os ouvintes a de´ Deus pode fazer o mesmo por
‘anunciar o Rei e seu reino’. Essa nos. w10 15/2 1:4, 5
Segunda-feira, 21 de novembro meiros
˜ membros dessa nova na-
çao. (Dan. 9:27a;˜ Mat. 10:6) Mais
Pus diante de ti a vida e a morte, tarde, muitos nao
ˆ ˜ ˜
a bençao e a invocaçao do mal; e ´ ´ israelitas tam-˜
bem foram incluıdos nessa na ´ çao,
tens de escolher a vida para fi- pois Pedro acrescentou: “Vos, ou-
ˆ ˜ ´
car vivo, tu e tua descendencia, trora, nao ereis povo, mas agora
´
amando a Jeova, teu Deus, escu- sois povo de Deus.” ˜ ´ (1 Ped. 2:10)
tando a sua voz e apegando-te a Essa ˜ nova naçao e composta ˆ de
ele. — Deut. 30:19, 20. cristaos ungidos, que ˜ tem espe-
rança celestial.´ Eles sao “o Israel ˜
Israel foi infiel´ a Deus, mas os de Deus”. (Gal.
ˆ
tres requisitos basicos para ´ ˜ 6:16) Numa visao,
´ ˜ a vida o ap ostolo Joao observou que es-
mencionados por Moises nao mu- ses
daram. Foram confirmados por ´ israelitas espirituais, ou sim-
bolicos, somam 144 mil. — Rev.
Jesus e outros. Primeiro,
´ ‘temos 14:1, 4; 20:6. w10 15/3 4:2-4
de´ amar a Jeova, nosso Deus’.
Nos mostramos que o amamos Quarta-feira, 23 de novembro
por agirmos´ de acordo com seus ´ ´
justos princıpios. (Mat. 22:37) Se- Deus recomenda a nos o seu pro-
gundo, prio amor, por Cristo ter morrido
´ ‘temos de escutar a voz de ´ ´
por nos enquanto eramos ainda
Jeova’ por estudar a Palavra de
Deus e obedecer aos mandamen- pecadores. — Rom. 5:8.
˜
tos divinos.
ˆ (1 ` Joao 5:3)˜ Isso exi-˜ Por estudar as Escrituras e pro-
ge frequencia as reuni´ oes cristas, gressivamente assimilar conheci-
onde se estuda a Bıblia. (Heb. ´
mento sobre Jeova, podemos au-
10:23-25) Terceiro, ´ ‘temos de nos mentar nosso apre ço por suas
apegar a Jeova’. Seja o que for qualidades — sua justiça, poder,
que tenhamos de´ enfrentar, exer- sabedoria e, acima de´ tudo, su-
çamos sempre fe em Deus e siga- perlativo amor. Jeova manifes-
mos seu Filho. — 2 Cor. 4:16-18. ta justiça em todos os seus cami-
w10 15/2 4:16, 17. nhos e em sua perfeita lei. (Deut.
32:4; Sal. 19:7) Podemos ˜ meditar
´
Terça-feira, 22 de novembro em todas as criaçoes de Jeova e
´
O reino de Deus vos sera tirado e nos admirar de sua superior sabe-´
´ ˜ doria. ´ (Sal. 104:24) O Universo e´
sera dado a uma naçao que pro-
duza os seus frutos. tamb
´ em uma prova de que Jeov ˆ a
— Mat. 21:43. e a Fonte´ de energia dinamica
´ e inesgotavel poder. (Isa. 40:26)
O ap ostolo Pedro identificou ˜ Que dizer da qualidade predomi-
claramente essa nova naçao. Ele nante de Deus, o seu amor? Esse
´
escreveu
˜ aos
´ seus companheiros amor e´ abrangente e afeta a to-
´
cristaos: “V´ os sois ‘raça ˜ escolhi- dos nos. Jeova demonstrou esse
da, sacerdocio real, naçao santa, amor ao ˜ prover o resgate para
povo para propriedade especial, a reden
ˆ ˜ çao da
´ humanidade.
´ Essa
para que divulgueis as excelen- provisao esta dispon ıvel a todos
˜
cias’ daquele
˜ que vos chamou da os humanos. (Joao 3:16, 36) Ter
escuridao para a sua maravilhosa Deus
´ oferecido´ Jesus como sacri-
luz.” (1 Ped. 2:9) Como predito, os fıcio propiciatorio por nossos pe-
judeus literais que aceitaram Je- cados deve motivar-nos a retri-
sus como Messias foram os pri- buir esse amor. w09 15/12 4:5, 6
Quinta-feira, 24 de novembro “Eu me senti como se algo dentro
˜ ˜ de mim tivesse morrido. Eu pensa-
Eu nao entro em consideraçao! va que minha amiga estava ˜ bem
´ ´
Deus e que anunciara bem-estar alicerçada na verdade, mas nao es-
´ ˆ
a Farao. — Gen. 41:16. tava. Eu me perguntava se ela ha-
´ ´
Nos tempos bıblicos, pais via servido a Jeov
´ a apenas para ˜
˜ temen- agradar a famılia. Passei entao a
tes a Deus faziam questao de en- ´ ´
sinar aos seus filhos os princ ı- reavaliar
˜ minhas
´ proprias motiva-
´ çoes. Sera´ que eu estava servin-
pios b asicosˆ das boas maneiras.
Note em Genesis 22:7˜ a manei- do a Jeova por motivos˜ corretos?”
ra educada como Abraao e seu fi- Como foi que essa irma lidou com
lho Isaque se dirigiram um ao ou- esses sentimentos?´ “Lancei minha
´ ´ carga sobre Jeova”, disse ela. ´ “Es-
tro. Jose tambem evidenciou que ˜
tinha recebido uma boa educaçao tou decidida a mostrar´ a Jeov ˜ a que
de seus pais. Quando estava pre- eu o amo pelo que ele ´ e, e nao ape-
´ nas porque ele me da a oportuni-
so, ele era gentil ate mesmo ˆ com
outros prisioneiros. (Gen. dade ˜ de ter amigos na sua organi-
´ 40:8, 14) zaçao.” w09 15/10 4:14, 15
E suas palavras a Farao mostram
que ele havia aprendido a se dirigir ´
Sabado, 26 de novembro
de modo ˆ apropriado a uma autori- ˜
dade. (Gen. 41:33, 34) Os Dez Man- Os que abraçaram de coraçao
damentos ´ dados aos filhos de Is- a sua palavra foram batizados,
rael incluıam esta ordem: ˜ “Honra e naquele dia acrescentaram-se
a teu pai e a tua mae, a fim de ˆ
cerca de tres mil almas.
que os teus dias se prolonguem so-
´ — Atos 2:41.
bre
´ o solo
ˆ que Jeova, teu Deus, te
´
da.” (Exo. 20:12) Um modo de os fi- Jeova deseja que levemos o me-
lhos honrarem os pais era por ter lhor modo de vida. A pessoa pode
boas´ maneiras em´ casa. A filha de levar a vida de diversos ´ modos,
Jefte mostrou notavel respeito por mas apenas um deles e o me-
˜
seu pai por se submeter ao voto lhor. Nao existe maneira melhor
dele embora
˜ isso a colocasse numa ´ de conduzir a nossa vida do que
situaçao muito provadora. — Juı. ´
harmoniza-la com as Escrituras e
11:35-40. w09 15/11 5:14, 15 aprender do Filho de Deus, Je-
sus Cristo. Ele ensinou seus se-
Sexta-feira, 25 de novembro guidores a adorar a Deus com es-
´ ´
Façamos o que e bom para com pırito e verdade e confiou-lhes
´ a
todos, mas especialmente para tarefa de fazer ˜ discıpulos. (Mat.
com os aparentados conosco na 28:19, 20; Joao 4:24) Viver ˜ em har-
´ ´ monia com as instru ´ çoes de Je-
fe. — Gal. 6:10. sus
´ ˜ ˆ agrada
˜ a Jeova e resulta em
Quando estudantes da Bıblia sao b ençaos. Quando os “corretamen-
abandonados por ex-amigos que te dispostos para com ˜ a vida eter-
˜
nao amam ˜ a Deus, os membros da na” se tornam crist ˜ aos batizados,
congregaçao podem preencher o temos fortes razoes para lhes di-
vazio. Mas que˜ dizer se um amigo zer: “Bem-vindos ao melhor modo
na congrega çao decide rejeitar a de vida!”
´ (Atos 13:48) No primei-
´
Jeova, talvez tendo˜ de ser desasso- ro seculo da Era Comum, milhares ˜
ciado? Essa situaçao pode ser mui- ˜
de pessoas de diferentes naçoes
to aflitiva. Descrevendo sua reaçao aceitaram
´ a verdade
˜ e tornaram
quando uma grande ´ amiga ˜ parou publica sua devoçao a Deus por
de servir a Jeova, certa irma disse: serem batizadas. w10 15/2 4:1, 2
Domingo, 27 de novembro impureza, conduta
´ desenfreada,
idolatria, pratica de´ espiritismo,
Quando observaram a franque-
˜ inimizades, rixa, ciume, ˜ acessos
za de Pedro e Joao, . . . ficaram de ira, contendas, divisoes, sei-
admirados. — Atos 4:13. tas, invejas, bebedeiras, festan-
´ ´ ´
O espırito santo e a força mais ças”. (Gal. 5:19-21)
´ Em certo
ˆ sen-
poderosa do Universo. Pode ca- tido,
` ‘pelo espırito
´ voce entrega
pacitar os humanos a fazer aˆ von- a morte as praticas do corpo’.
´ (Rom. 8:5, 13) Isso o ajuda a´ fixar
tade de Jeov ´ a. Sob a influ ˜ encia
desse esp a mente nas coisas do espırito ˜ e
´ ırito, os cristaos do pri- a cooperar com suas indicaçoes,
meiro seculo realizaram˜ uma tre-
menda obra de pregaçao. Divul- em vez de se deixar controlar por
garam ˜as boas novas “em toda desejos carnais. w10 15/3 2:4, 5
´
a criaçao debaixo do ceu”. (Col.
1:23) Considerando que a maio- Terça-feira, 29 de novembro
ria deles eram “indoutos e co- Hilquias, o sacerdote, achou o
muns”, fica evidente que foram
´
livro da lei de Jeova.
motivados por uma força supe- ˆ
— 2 Cro. 34:14.
rior. Viver de uma ´ maneira que
permita o espırito santo ´ dirigir Hilquias
´ entregou o livro ˜ ao se-
a nossa vida pode tambem nos cretario da corte, Saf ´ a, que pas-
motivar a realizar o nosso mi- sou a ler seu ˆ conteudo para Jo-
´ ´ sias. (2 Cro. 34:14-18) Com que
nisterio com coragem. Os benefı-
cios gerais de sempre orar por es- resultado? O rei rasgou imedia-
´ tamente as suas vestes em si-
pırito santo, de diligentemente
realizar um estudo pessoal sig- nal de lamento e ordenou que
nificativo, de meditar com ora- seus ´ homens consultassem a
˜ Jeov a. Por meio da profetisa
çao no˜ que lemos ˜ e frequentar as
reunioes cristas podem nos´ aju- Hulda, Deus proveu uma mensa-
dar a ser “fervorosos de espırito”. gem condenando alguns ´ dos cos-
— Rom. 12:11. w10 15/2 1:13, 14 tumes religiosos em Juda. No en-
tanto, o empenho ´ de Josias
´ em
Segunda-feira, 28 de novembro remover as praticas idolatras foi
´ notado, de modo que permane-
Persisti em andar por espırito. ´
´ ceu no favor de Jeov a apesar
— Gal. 5:16. das calamidades preditas para
´ ˜ ˆ
“Andar por˜ espırito”´ envolve a naçao como um todo. (2 Cro.
aceitar a açao 34:19-28) Com certeza, o nos-
ˆ do espırito san- ´
to sobre voce, permitindo que so desejo e o mesmo que o de
ele o influencie. Em outras pala- Josias. Queremos acatar ˜ pronta- ´
vras, mente as orienta çoes de Jeova,
´ significa ser governado pelo ´
espırito levando a serio o exemplo aler-
´ santo ´ nas suas ativida-
´ ´
des diarias. Galatas, capıtulo 5, tador do que podera acontecer
fala do contraste entre ser in- se permitirmos que a apostasia
´
fluenciado pelo espırito santo ´ e e a infidelidade ˜ contaminem a
ser influenciado pela
´ carne. (Gˆ al. nossa adoraçao. E podemos con-
5:17, 18) Se
´ esta sob a influˆ en- fiar que, como
´ no´ caso de Jo-
cia do espırito santo, voce procu- sias,
˜ Jeova notara com aprova- ˜
ra refrear-se das obras da car- ˜ çao o nosso zelo pela adoraçao
ne. Entre essas a “fornicaçao, verdadeira. w09 15/6 1:20
˜ ´
Quarta-feira, 30 de novembro laçoes sexuais ilıcitas. Essas pra-´
´ ´ gas espiritualmente
˜ prejudiciais ja
Dara aos seus proprios anjos levaram milhoes de pessoas a per-
uma ordem concernente a ti, der o seu amor a ´ Deus. (Sal. 91:7-
para te guardar em todos os teus 10; Mat. 24:12) E de muito con-
caminhos. — Sal. 91:11. forto saber que anjos celestiais
´ ˆ nos guiam e protegem para que
O desejo egoısta de independen-
cia tem levado muitos a cair na ar- possamos pregar´ as boas novas.
´ (Rev. 14:6) Tambˆem, o “escravo fiel
madilha de Satanas. (2 Cor. 11:3)
Ele ˆcaptura outros promovendo a e discreto” prove alimento espiri-
ganancia, o orgulho e tual para nos proteger contra o en-
˜ o materialis- ˜ ˜
sino da evoluçao, a tentaçao de de-
mo. Ainda outros sao desencami-
nhados por meio de filosofias como sejos imorais, a busca de riqueza e
˜ ˜
patriotismo, evoluç ao e religiao destaqueˆ e muitos outros desejos
falsa. (Col. 2:8) E muitos foram in- e influencias prejudiciais. — Mat.
duzidos a cair na armadilha de re- 24:45. w10 15/1 2:12, 13

Quinta-feira, 1.° de dezembro Sexta-feira, 2 de dezembro


´ ´
Alargai-vos tambem. Jeova . . . , por favor, faze que
ˆ
— 2 Cor. 6:13. aconteça. — Gen. 24:12.
´ ´ ˆ
Ja chegou alguma vez a achar Em seu estudo
´ da Bıblia voce
˜ ´ ´
que ˜ nao ha ninguem na sua congre- aprende que e preciso sempre ˜ orar
gaçao com quem possa fazer˜ ami- a Deus pedindo orientaçao. Veja o
zade? Em ˆ caso afirmativo, nao es- que aconteceu
˜ quando o patriar-
taria voce estreitando demais o ca Abraao enviou seu servo ´mais
seu conceito sobre quem poderia antigo
` (provavelmente
ˆ Eli ezer)
ser amigo a Mesopotamia a fim de procurar
˜ ou amiga? (Rom. 11:13)
Paulo nao limitou suas amizades para Isaque uma esposa temente
´ ´
aos de sua propria faixa´ etaria. a Deus. ´ Enquanto as mulheres ti-
Por exemplo, ele e Timoteo tor- ravam agua´ de um poço, o servo
naram-se grandes amigos, apesar orou a ´ Jeova: “O que tem de acon-
das diferen
˜ ças de idade e de for- tecer e que a moça a quem eu dis- ˆ
maçao. Hoje, muitos jovens pre- ser: ‘Por favor, inclina o teu can-
zam as amizades que cultivaram taro para que eu possa beber’, e
com alguns ˜ mais idosos na con- que deveras disser: ´ ‘Bebe, e da-
gregaçao. “Eu tenho uma amiga rei de beber tamb ´ em aos teus ca-
muito querida que tem mais de melos’, esta e a que tens de de-
50 anos”, diz Vanessa, de 20 e pou- terminar
ˆ ao teu servo, a Isaque.”
˜
cos anos. “Posso falar com ela so- (Gen. 24:13, 14) Essa oraçao´ foi
bre qualquer coisa que falaria com atendida quando Rebeca deu agua ˜
amigos da minha idade. E ela se aos camelos do servo de Abraao.
interessa muito por mim.” Como Pouco˜ depois, ela o acompanhou a
se formam amizades assim? Vanes- Canaa e tornou-se a amada espo-ˆ
sa diz: “Tive ˜ de cultivar essa ami- sa˜ de Isaque. Naturalmente, ´ voce
zade, e nao apenas ˆ esperar ´ que naoˆ pode esperar que Jeova lhe
ela acontecesse.” Voce esta dispos- de um sinal´ especial. No entanto,
to a fazer amizades com pessoas ´ ele ˆo guiara durante sua vida se
de diferentes idades? ´ Jeova cer- voce orar e estiver decidido a´ dei-
tamente recompensara seus esfor- xar-se ´ conduzir por Seu espırito.
ços. w09 15/10 4:9, 10 — Gal. 5:18. w09 15/11 2:3, 4
´
Sabado, 3 de dezembro isso, os nossos primeiros
´ pais se`
Quem ouve diga: “Vem!” uniram
´ a Satanas no desafio´ a
legıtima autoridade de Jeova e
— Rev. 22:17.
tornaram-se pecadores aos Seus
Os que ˜ ouvem o convite para olhos. (Rom.´ 5:12-14) Natural-
‘vir’ s ao convidados a dizer mente, Jeovˆ a sabia quais seriam
“Vem!” em resposta. Por exem- as consequencias desse proceder
plo, A Sentinela de 1.° ˆ de agos- desrespeitoso e rebelde. No ´ en-
to de´ 1932 (em ingles) declarou tanto, esse resultado inevitavel
´
na pagina 232: “Que os ungidos teria de tornar-se obvio para to-
encorajem todos os que deseja- das as criaturas inteligentes. As-
rem participar em falar˜ as boas ´
sim, era necessario˜ tempo para
novas do reino. Estes nao preci- resolver essa questao
sam ser ungidos do Senhor para ´ e demons-
trar de modo inequıvoco que os
declarar ´ a mensagem do Se- rebeldes estavam totalmente er-
nhor. E um grande consolo ´ para rados. w10 15/1 4:1, 2
as testemunhas de Jeov ˆ a sabe-
rem ˜ agora que elas´ tem permis- Segunda-feira, 5 de dezembro
sao para levar as aguas da vida a ´
uma classe de pessoas que pode-
Meu alimento e eu fazer a von-
˜ tade daquele que me enviou e
rao sobreviver ao Armagedom e
ganhar a vida eterna na Terra.” terminar a sua obra.
˜
Em 1935, foi esclarecida a — Joao 4:34.
˜ identi- ´
dade da “grande multid ˜ ao” men- Ser dedicado a Jeova resulta
cionada em Revelaçao 7:9-17. em felicidade porque envolve
E esses, depois de ouvirem com ´
dar de nos mesmos. Jesus ´ decla-
apreço a mensagem, dedicaram- rou uma verdade basica, quan-
se ´
´ a Deus, foram batizados ` em
´ do disse: “Ha´ mais felicidade em
agua e juntaram-se a simboli- dar do que ha em receber.” (Atos
ca noiva em convidar ativamen- 20:35) Jesus sentiu plenamente a
te ´ outros a ‘vir e tomar de graça
felicidade ´ de “dar” durante seu
a agua da vida’. w10 15/2 3:9, 10
minist´ erio terrestre. Quando ne-
Domingo, 4 de dezembro cessario, ele ficava sem descan-
˜ ´ so, comida e conforto para po-
Nao resultara em nada de bom der ajudar outros a encontrar o
´
para o inıquo. — Ecl. 8:13. caminho para a vida. Jesus˜ gos-
Mais cedo ou mais tarde, os tava de alegrar o cora ç ao de
˜ seu Pai. Ele disse: “Faço sem-
perversos terao de enfrentar a
justi ça. (Pro. pre ˜ as coisas que lhe agradam.”
´ ´ 5:22; Ecl. 8:12) Essa (Joao 8:29; Pro. 27:11) Portan-
e uma notıcia consoladora, em
especial para os que amam a to, Jesus indicou a seus seguido- ´
ˆ res um modo de vida satisfat orio
justiça e tem sofrido` ˜ injustiças ´
e maus-tratos as maos dos per- quando ´ disse: “Se algu em quer
versos. O principal perverso vir ap os mim negue-se a si mes-
´ ` ´ ´ que
sera levado˜ a justiça e´ Satan´ as, o mo.”
´ (Mat. 16:24) Por fazer´ isso,
Diabo.´ (Joao 8:44) La no ˜Eden, nos nos achegamos
´ a Jeova. Ha-
Satanas, cheio de presunçao, in- veria alguem melhor ´ do que ele
duziu os humanos ´ a rejeitar o para cuidar de nos de modo amo-
modo de Jeova governar. Com roso? w10 15/1 1:16, 17
Terça-feira, 6 de dezembro der de seu exemplo e boas qua-ˆ
lidades. Do mesmo modo, voce
Alegrai-vos com os que se
deseja
´ aprender
ˆ de
´ Cristo e imi-
alegram; chorai com os que ta-lo. Voce tambem precisa res-
choram. — Rom. 12:15. peitar o modo como Jesus diri-
´
ge os dedicados a Jeova. Cristo
´ O conselho de Paulo nesse ver- ´
esta usando humanos imperfeitos
sıculo pode ser resumido em duas ˜
palavras: mostre empatia. Temos na congregaçao local, em espe-
de aprender a entender, e mes- cial os homens idosos ˜ em senti-
mo compartilhar, os sentimen- do espiritual, os˜ anciaos designa-
tos de outras pessoas. Se somos dos.
´ A designaçao desses homens
´ e feita “visando o reajustamen-
fervorosos de espırito, os nossos
sentimentos de alegria ou˜ com- to dos ˜ santos . . . para a edifi- ´
˜ caçao do corpo do Cristo”. (Efe.
paixao compartilhados ser ´ ao evi-
dentes. Quando 70 discıpulos de 4:11, 12) Mesmo que um huma-
Cristo voltaram alegres de uma no imperfeito cometa um engano,
˜
campanha de pregaçao e relata- Jesus como Rei do Reino celestial
ram os bons resultados de seu pode cuidar do assunto ´ no tempoˆ
´
trabalho, o proprio Jesus “ficou certoˆ e a seu proprio modo. Voce
´
cheio de alegria no espırito san- cre nisso? w10 15/3 1:13, 14
to”. (Luc. 10:17-21) Ele compar-
tilhou a alegria deles. Por outro Quinta-feira, 8 de dezembro
lado, Jesus ‘chorou com os que ´
Vos haveis de ver novamente a
choravam’ a morte de Seu ami- ´
´ ˜ diferença entre o justo e o inı-
go Lazaro. (Joao 11:32-35) Que- quo, entre o que serve a Deus e o
remos imitar o exemplo de Je- ˜
que nao o serviu. — Mal. 3:18.
sus de mostrar empatia. ˜ Quando
um companheiro cristao se ale- Ao refletir sobre essas palavras,
gra, queremos nos alegrar com pergunte-se: ‘Identifico-me com
ele. De ´ modo` similar, devemos ˜ o mundo, ou sou diferente? Procu-
ser sensıveis as˜ dores e afliçoes ro sempre me ajustar ˜ aos ˜ costu-
de nossos irmaos. Em muitos ca- mes de pessoas nao cristas, na es-
sos,´ podemos ˜proporcionar
´ muito cola ou no ´ trabalho,
´ ou me ´ apego
alıvio aos irmaos na fe que sofrem aos princıpios bıblicos, ate mesmo
dor emocional se tirarmos ´ tempo os defendendo, quando apropria-
para ouvi-los com genuına empa- do?’˜ (1 Ped. 3:16) Naturalmente,
tia. w09 15/10 1:15, 16 nao queremos parecer moralis-
tas, mas devemos ˜ ser diferen-
˜
Quarta-feira, 7 de dezembro tes dos que n´ ao amamˆ e nao ser-
´ vem a Jeova. Se voce nota que
Vos vos deveis revestir da nova ´
´ ha˜ campo para melhora, por que
personalidade. — Efe. 4:24.
nao ora a respeito e busca for-
Em harmonia com suaˆ since- ça espiritual por meio de
˜ ´ ˜ estudo
ra dedicaçao a Deus, voce deseja regular
ˆ da
` Bıblia, ˜ oraçao e fre-
imitar a´ Jesus da melhor manei- quencia ˆ as reunioes? Quanto mais
ra possıvel. Isso significa
ˆ empe- voce assimilar a Palavra ´ de Deus,
nhar-se sempre em p or de lado tanto mais produzira o “fruto ex- ´
a velha personalidade
´ e revestir- celente”, incluindo “o fruto ˜ de
´ la-
se da
ˆ nova. (Efe. 4:20-23) Quando bios que fazem declaraçao publica
voce passa a respeitar um ami- do nome [de Deus]”. — Mat. 7:17;
go, com certeza procura apren- Heb. 13:15. w10 15/1 3:4, 5
ˆ
Sexta-feira, 9 de dezembro que deu o seu Filho unigenito,
a fim de que ´ todo ˜ aquele que
´
Alegrai-vos na esperança. Perse-
˜ nele exercer fe nao seja destru˜ ı-
verai em tribulaçao. Persisti em do, mas tenha vida eterna.” (Joao
˜
oraçao. — Rom. 12:12. 3:16) Poderia haver um modo
´ ´ ´
Romanos, capıtulo 12, nos da mais notavel de ` Deus demons-
muitos conselhos sobre como trar seu amor a humanidadeˆ do
` ˜ ˜ que` enviar seu Filho unigeni-
devemos reagir a oposiçao. Nao
devemos retaliar, mas tentar to a Terra ˜ para resgatar peca-
˜ dores? (Jo ao 15:13) Essa gran-
vencer a oposiçao com atos´ de ˜
bondade. Dentro´ do poss de demonstra çao ˜ de amor serve
´ ıvel, ´
tambem de padrao para os hu-
sem violar princ ıpios bıblicos,
devemos ‘viver pacificamen- manos, dando-lhes a oportunida-
te com todos os homens’. Mes- de de, assim como Jesus, refletir
mo diante de franca hostilida- o abnegado
´ amor
˜ de Deus na vida
de, fazemos o nosso melhor para diaria. — Joao 17:25, 26. w10 15/1
vencer o mal com o bem, lem- 4:11
brando-nos de que ´ a ´ vingança
pertence a ´ Jeova. Al´ em desses Domingo, 11 de dezembro
conselhos ˜
´ ˆ sabios e praticos, ˜ Pau- Surgiu uma perturbaçao nada
lo da tres admoesta ´ çoes. Visto pequena a respeito do Caminho.
que jamais poderıamos aplicar ´ — Atos 19:23.
tudo´ isso sem a ajuda de Jeova, o ´
ap ostolo nos aconselha a ‘persis- Os primeiros discıpulos de Cris-
˜ ´ to pertenciam ao “Caminho”.
tir em oraçao’. Isso nos ajudara a
acatar seu conselho adicional de (Atos 9:2) Esse nome era adequa-
˜ do, pois os seguidores de Cris-
‘perseverar em tribulaçao’. Por
fim, temos de fixar ´ nossa mente to adotavam ´ um modo de vida
no futuro que Jeova nos reserva centrado na fe em Jesus Cristo e
e ‘nos alegrar na esperan ça’ de em imitar seu exemplo. (1´ Ped.
´ 2:21) A obra de fazer
vida eterna, seja no ceu, seja na ´ discıpulos
Terra. w09 15/10 2:17, 18 se acelerou
´ nestes ultimos dias
e esta sendo realizada ´ em mais
´
Sabado, 10 de dezembro de 230 terras. Nos ultimos ˜ dez
´ ˜ anos, mais de 2,7 milhoes de pes-
Deus e amor. — 1 Joao 4:8. ´
soas decidiram servir ´ a Jeova e
O modo maravilhoso como fo- ˆ ser batizadas˜ em sımbolo ´ de sua ´
mos feitos, que inspira reveren- dedicaçao a ele. Isso e, em me-
cia,´ confirma o amor
´ de Deus. dia, mais de 5 mil ˜ pessoas por
Alem disso, Jeova amorosamen- semana! A decisao de ser bati-
te proveu aos humanos um belo ´ zado baseia-se no amor a Deus,
lar, com tudo o que era necessˆ a- no conhecimento
´ das Escrituras
rio para a felicidade deles. (Gen. e na fe no ´ que estas ensinam.
1:29-31; 2:8, 9; Sal. 139:14-16) O batismo e um marco na nossa
Mas depois que a perversidade
´ vida, pois assinala ˜ o começo de ´
se infiltrou
´ na famılia humana, uma
´ estreita
´ relaçao com Jeov ˜ a.
Jeova expressou seu amor de´ no- E tambem uma demonstraçao de´
vas maneiras.
˜ Como? O ap osto- confiança de que ele nos ajudara
lo Joao citou as palavras de Je- a servi-lo fielmente — Isa. 30:21.
sus: “Deus amou tanto o mundo, w10 15/2 4:2, 3
´
Segunda-feira, 12 de dezembro razoado. ˆ Jeova ‘o ensinou o que
˜ fazer’. (Exo. 3:11; 4:1, 10, 13-15) ´
Fizeram diligente indagaçao e
Por ter aceitado a ajuda, Moises
cuidadosa pesquisa os profetas. sentiu a alegria de fazer a von-
— 1 Ped. 1:10. ´ ´ ´
tade ´ de Deus. Jeova e tambem ´
˜ ´ razoavel no que espera de nos.
Com a ˆ operaçao do espırito san-
to, voc e manifesta qualidades Ele entende a nossa natureza im-
´ perfeita e deseja nos ajudar. (Sal.
piedosas,
´ ‘o fruto do espırito’.
(Gal. 5:22, 23) Mas sabe que isso 103:14) Servir a´ Deus como segui-
exige esforço de sua parte. Para dor de Jesus e reanimador, em
ilustrar: um vez de desgastante, pois esse pro-
´ lavrador ´cultiva˜ a ter-
ra. Sol ceder ˜ beneficia outros e alegra o
´ e agua sem duvida sao ˜ ne- ´
cessarios; sem esses, ele nao vai coraçao de Jeova. w10 15/1 2:6
colher nada.´ Podemos compa-´
rar o esp Quarta-feira, 14 de dezembro
´ ırito santo ao sol. Ele e
necessario para ´ manifestarmos o Humilhai-vos aos olhos de
fruto do espırito. Mas o que se- ´ ´
´ Jeova, e ele vos enaltecera.
ria produzido sem o trabalho ar- — Tia. 4:10.
duo do lavrador? (Pro. ˆ 10:4) Sim, a ´
maneira de voc ˜ e cultivar o solo A Bıblia tem excelentes conse-
de seu coraçao influi na qualida- ´ lhos sobre como resolver confli- ´
de e quantidade do fruto ˆ do espı- tos. (Mat. 5:23, 24; 18:15-17; Efe.
rito que age em voce. Portanto, 4:26, 27) Mas, a menos que apli-
pergunte-se: ´ ‘Estou permitindo quemos esses´ conselhos com hu-
´
que o espırito santo produza seu mildade, sera difıcil restaurar a
fruto por cooperar com ele?’ Para ´ paz. Ficar esperando que a outra
sermos influenciados pelo espıri- ˜ ´
pessoa ˜ mostre humildade ´ n´ ao e a
to santo, temos de ler a Palavra de soluçao quando nos tambem te-
Deus ˆ e meditar nela. Se faz isso, mos
voce imita o excelente exemplo ˜ a ‘chave’ da humildade ˜ na
mao. Se por alguma razao as nos-
dos profetas. w10 15/3 2:6, 7 sas primeiras ˜ tentativas de res-
taurar
˜ a paz nao derem resultado,
Terça-feira, 13 de dezembro nao devemos perder a esperan-
Vinde a mim, . . . e eu vos rea- ça. A outra pessoa talvez ˆ pre-
´ cise de tempo para p or em or-
nimarei. Tomai sobre vos o meu ˜
jugo e aprendei de mim, pois dem seus ´ sentimentos. Os irmaos
sou de temperamento brando e de Jose foram traiçoeiros com ele.
˜ Passou-se muito tempo antes de
humilde de coraçao.
eles o reencontrarem como pri-
— Mat. 11:28, 29.
ˆ meiro-ministro do Egito e mais
Voce ´ talvez se pergunte´ se con- tempo ainda antes ˜ de eles abran-
seguiraˆ fazer
´ ´ o que Jeova espera darem ˜ o cora ´ çao e implorarem
de voce. E facil sentir-se ansioso perdao. Jose ´ os perdoou, e os fi- ˜
com a perspectiva de tornar-se ` lhos de Jaco se tornaram ´ a naçao
um servo de Deus, obedecer as que teve o privil ´ egioˆ de levar o
suas ´ leis e falar em Seu nome. nome de Jeova. (Gen. 50:15-21)
Moises, por exemplo, achava-se Por˜ manter a paz com nossos ir-
incapaz quando foi enviado para m aos, estaremos ˜ contribuindo
falar com os israelitas e com o para˜ a uniao e alegria da congre-
rei do Egito. Mas ´ o que
˜ Deus es- gaçao. — Col. 3:12-14. w09 15/11
perava de Moises nao era desar- 4:16, 18, 19
ˆ
Quinta-feira, 15 de dezembro Marcos 9:17-27.) Voce se orgulha
de levar o nome de seu Pai celes-
Sede obedientes aos que tomam tial? Ajuda outros a conhecer esse
´
a dianteira entre v os e sede santo nome? Em Paris, na Fran-
submissos pois vigiam sobre as ça, uma mulher ouviu falar que as
´ ´
vossas almas como quem ha de Testemunhas de Jeova sabiam o
prestar contas; para que façam nome
˜ ` ´ de Deus, de modo que pediu´
isso com alegria e nao com suspi- a proxima Testemunha de Jeova
ros, porque isso vos seria preju- que encontrou que ´ lhe mostrasse
dicial. — Heb. 13:17. esse nome na Bıblia dela. Ler o
Salmo 83:18 causou-lhe um gran-
Uma maneira de provarmos ´ que de impacto. Ela começou a estu-˜
somos amigos de ˜ Cristo e por aca- ´ ´
˜ dar a Bıblia e agora e uma ´ irma
tar as orienta ç oes dos anci aos fiel que serve em outro paıs. Por-
congregacionais.
˜ Esses ´ homens tanto, assim como Jesus, orgulhe-
sao designados ˜ por espırito´ santo se de usar o nome de Deus e de di-
sob
` a direçao de Cristo. (Efe. 5:23) vulgar a todos esse nome precioso.
As vezes, pode parecer ˜ um
´ desafio w10 15/1 3:13, 14
seguir ˜ as orientaçoes bıblicas dos
anciaos locais. ´
˜ Talvez conheçamos˜ Sabado, 17 de dezembro
as imperfeiçoes desses irmaos, e ´ ´
isso pode distorcer o nosso con- Se vos, embora inıquos, sabeis
´
ceito a respeito dos seus conse- dar boas dadivas a vossos fi-
´
lhos. Ainda assim, ˜ Cristo, o Cabe- lhos, quanto mais o Pai, no ceu,
ça da congregaçao, se agrada em ´ ´
dara espırito santo aos que lhe
usar esses homens imperfeitos. pedirem! — Luc. 11:13.
Portanto, a maneira como enca-
ramos a autoridade deles influen- A maneira´ mais direta de re-
cia diretamente a nossa amiza- ceber
´ o espırito santo
´ de Deus
de com Cristo. Quando relevamos e pedi-lo. Sem duvida, devemos
˜ orar constantemente pedindo es-
as falhas dos anciaos e com ale- ˜ ´
gria seguimos as suas orientaçoes, pırito santo.
´ Se certas facetas do
provamos o nosso amor a Cristo. ministerio — testemunho de rua,
w09 15/10 3:18 pregar´ de modo informal ou em
territorio comercial — nos´ intimi-
Sexta-feira, 16 de dezembro dam, podemos orar a Jeova pedin-
´
Todo aquele que invocar o do seu espırito e sua ´ ajuda para
´ ´ adquirir a necess aria coragem.
nome de Jeova sera salvo.
(1 Tes. 5:17)˜ Foi isso o que fez
— Rom. 10:13. uma crista chamada Rosa. Quan-
´ do uma colega
Quais Testemunhas de Jeova, ´ de trabalho, abala-
como podemos individualmen- da com notıcias sobre maus-tra-´
` tos de crianças, clamou: “Onde e
te viver a altura de nosso nome
sem igual? Por um lado, temos de que ˜ este mundo vai parar?” Rosa
´
ser fieis em nao podia perder essa oportuni-
´ dar testemunho sobre
Deus. Alem disso, devemos expor dade de dar testemunho. O que
com tato as falsidades religiosas ela fez para ter ´ coragem de falar?
que difamam nosso Criador, como “Orei a ´ Jeova e pedi a ajuda de
a doutrina do inferno de fogo, que seu espırito”, diz ela. Rosa deu um
na realidade atribui ao Deus de bom testemunho e se prontificou
´ ´
amor as caracterısticas ˜ crueis do a continuar a conversa em outra
Diabo. (Jer. 7:31; 1 Joao 4:8; note oportunidade. w10 15/2 1:6, 7
´ ´
Domingo, 18 de dezembro espırito santo a Jeova. “Quando ´
˜ ´ estou fraco”,˜ escreveu o ap ostolo
Nao e a ti que rejeitaram, mas ´
´ Paulo, “entao e que sou podero-
e a mim que rejeitaram como rei
so”. (2 Cor. 4:7-10;´ 12:10) Pau-
sobre eles. — 1 Sam. 8:7. lo sabia que o espırito de Deus
´
Atraves do profeta Samuel, Is- pode contrabalançar as fraque-
´
rael exigiu ´ um rei visıvel, hu- zas humanas, sejam quais forem.
mano. Jeova disse a Samuel que Assim, a for ça ˆ ativa de Deus
atendesse ´ o pedido. Embora pode fortalece-lo sempre que se
Jeova permitisse´ que Israel ti- sentir fraco e precisar de aju-
vesse um rei visıvel, ele os aler- da. Paulo escreveu que ele po-
tou de que serem governados dia ‘ter prazer em fraquezas’.´
por um rei humano lhes custa- Quando estava ˜ fraco e´ que sen-
ria´ caro. (1 Sam. 8:9-18) A His- tia a opera çao do esp ırito santo
ˆ
toria confirmou´ a veracidade do nele. Voce pode sentir o mesmo.
alerta de Jeova. Ser governado w10 15/3 2:16
por um rei humano causava gra-
ves problemas a Israel, em espe- Terça-feira, 20 de dezembro
cial quando o rei era infiel. Pen- ´
Aceitai . . . a espada do espı-
sando ´
˜ ´ nesse exemplo de Israel, rito, isto e, a palavra de Deus.
nao e de admirar que, no decor- ´
— Efe. 6:17.
rer das eras, ˜ o governo de huma-´ ´
nos ˜ que nao conhecem a Jeova Aplicar os princıpios da Pala-
nao obteve bons ´ resultados per- vra ˆ de Deus possibilita a boa con-
manentes.
´ E verdade queˆ alguns
˜ vivencia com outros. (Mat.` 7:12;
polıticos invocam as bençaos de Fil. 2:3, 4) Com o caminho a fren-
Deus sobre seus esforços de pro- te simbolicamente bem ilumina-
duzir paz e segurança, mas como ˜ do, podemos levar em conta os
Deus pode abençoar os que nao efeitos ˜ a longo prazo de nossas
se submetem ao seu modo de go- decisoes. (1 Tim. 6:9) ´ As Escritu-
´
vernar? — Sal. 2:10-12. w10 15/1 ras predizem tambem o prop osi-
5:8, 9 to de Deus para o futuro, ajudan-
do-nos a viver de ´ modo coerente
Segunda-feira, 19 de dezembro com ˜ esse prop osito. (Mat. 6:33;
´ 1 Joao 2:17, 18) Que vida signi-
Que o Deus que da esperança
vos encha de toda alegria e paz ficativa pode ter a pessoa ´ que
pela vossa crença, para que se deixa guiar por princ ´ ıpios di-
abundeis em esperança com po- vinos!´ Pense´ tambem em como
´ a Bıblia e uma arma poderosa
der de espırito santo. ´
na nossa guerra espiritual. (Efe.
— Rom. 15:13.
6:12) Paulo chamou a palavra ´
Mesmo com o apoio de pres- ˜ de Deus de “espada do espırito”.
timosos
ˆ amigos na congrega
´ çao, Quando apresentada´ eficazmen-
voce talvez ache
´ difıcil lidar comˆ te, a mensagem da Bıblia pode li- ˜
os desafios diarios. O que voce bertar as pessoas da ´ escravid
´ ao
precisa enfrentar talvez o deixe espiritual a Satanas. E uma es-
um tanto perdido, como ´ se esti- pada que ´ salva
˜ vidas, em vez de
vesse num´ longo tunel de pro- destruı-las. N´ ao devemos nos es-
blemas. E em especial ˆ nesses forçar em usa-la com habilidade?
momentos que voce deve pedir w10 15/2 2:5, 6
˜
Quarta-feira, 21 de dezembro do Adao e Eva, ˜ as obras-primas
de sua criaçao material, lhe ˜ de-
Nenhuma arma que se forjar ram
´
contra ti sera bem sucedida. ˜ as costas. Desde entao, bi-
lhoesˆ de descendentes desse ca-
— Isa. 54:17. sal tem
´ rejeitado
´ a autoridade de´
Assim como sempre precisa- Jeova. Ja por uns 6 mil anos Jeov ˆ a
mos nos proteger contra perigos tem observado idolatria, viol ˜ en-
´ cia, assassinatos e perversao se-
fısicos, tais como acidentes,
˜ cri- ˆ ´
minosos ou infecçoes, temos de xual. (Gen. 6:5, 6, 11, 12) ˆ Alem
agir continuamente para nos pro- disso, tem ouvido ´ blasfemias
´ e
teger contra perigos espirituais. mentiras desprezıveis. Ate mes-
Portanto, temos de nos benefi- mo seus adoradores verdadeiros
ciar˜ com regularidade das orien- vez por outra feriram Seus sen-
´ ˆ timentos.´ (Sal. 78:40, 41) A dor
taçoes que Jeov˜ a nos prove nas ˜
nossas publicaçoes e nas reunioes que Jeova sente
´ quando seu povo
o rejeita e certamente
´ ´ grande. ´
congregacionais e assembleias.
(Jer. 3:1-10) E obvio que Jeova se
Buscamos
˜ ˜ os conselhos dos an- entristece profundamente
´ quan-
ciaos. E nao nos beneficiamos da
do coisas mas acontecem. — Isa.
variedade de ˜ boas qualidades
˜ ´ de 63:9, 10. w09 15/12 2:4, 5
nossos irmaos e˜ irmas? Sem duvi-
da, ˜ a associaçao com a congre- ´ Sexta-feira, 23 de dezembro
gaçao nos ajuda a nos tornar sa- ˜ ˜ ˜
bios. (Pro. 13:20; 1 Ped. 4:10) Nao Teu pai e tua mae se alegrarao.
temos — Pro. 23:25.
´ motivos para duvidar que
Jeova pode nos proteger contra Nunca se deve subestimar a im-
qualquer coisa que poderia nos ˆ
˜ portancia de ensinar boas ma-
levar a perder a sua aprovaçao. neiras aos filhos. Para se tornar
(Rom. 8:38, 39) ˜ Ele tem protegi- adultos bem-sucedidos, os jo-
do a congregaçao contra podero-
´ vens precisam aprender o modo
sos inimigos religiosos e pol˜ ıticos apropriado de cumprimentar vi-
cujo objetivo em geral nao tem sitas, de atender
sido nos matar, mas sim nos sepa- ` o telefone e de
se comportar a mesa. Precisam
rar de nosso santo Deus. w10 15/1 entender por que devem segurar
2:14, 15 a porta para outros, tratar bem
idosos e doentes e se oferecer
Quinta-feira, 22 de dezembro para carregar pacotes pesados.
˜ ˆ
Todos pecaram e nao atingem a Precisam aprender a importan-
´ cia de dizer “por favor”, “obriga-
gloria de Deus. — Rom. 3:23. ´
´ do”, “disponha”, “posso ajuda-lo?”
Jeova domina o Universo ˜ intei- e “desculpe”, e ser sinceros nisso.
ro. Nada˜ lhe falta e ele nao preci- A melhor maneira de treinar
´ ´ os
sa, ou nao ´ depende, de ninguem. filhos a ser bem educados e por
Mas, Jeova com certeza ficou um dar bom exemplo. Desse modo,
˜
tanto desapontado quando um de saberao fazer amigos ˜ e se dar
seus filhos espirituais ´ se rebelou bem com outros. Serao bons em-
e tornou-se Satanas. E, quando pregados e colegas de trabalho.
´
mais tarde outros anjos se junta- Alem do mais,´ filhos gentis,
` ˜ ´ ˜ bem-
ram a rebeliao, isso sem duvida ´ educados e ıntegros
˜ darao ale-
afetou a Deus. Pense,´ tamb em, gria e satisfaçao aos pais. — Pro.
na dor que Jeova sentiu quan- 23:24. w09 15/11 5:16-18
´ ´ ˜
Sabado, 24 de dezembro franca. O´ sabio Rei Salom˜ ao es-
creveu: “Oleo e incenso
˜ s ao
´ os que
Elevaram unanimemente as
alegram o coraçao, tambem a do-
suas vozes a Deus. — Atos 4:24. çura do companheiro que se tem,
´
devido ao conselho da alma.”
˜Pense nas suas proprias ora- ´ ˆ
ç oes. Refletem elas seu pro- (Pro. 27:9) E assim que voce en-
fundo´ interesse pelo Reino de cara o conselho que recebe deˆ
Jeov a, em fazer ˜ a Sua vonta- um amigo? (Sal. 141:5) Como voce
de e na santificaçao de Seu san- reage quando ˜ um amigo expres-
to nome? (Mat. 6:9, 10) Devem sa preocupaçao ˆ com algum pro-
refletir.
˜ Por causa de˜ persegui- ceder que voce esteja´ adotando?
çao ˜ ou outras provaçoes, as ora- Encara tais coment arios como
çoes muitas vezes incluem apelos ´ gesto de bondade ou fica ofendi-
de ajuda para servir a Jeov ´ a com do? w09 15/10 4:17, 18
coragem. Quando o Sin˜ edrio or-
denou que Pedro` e Joao paras- Segunda-feira, 26 de dezembro
sem de ‘ensinar a base ´ do nome Veio seu inimigo e semeou por
de Jesus’, esses ap ostolos cora-
cima joio entre o trigo.
josamente se recusaram a parar.
(Atos 4:18-20) Depois de liberta- — Mat. 13:25.
˜ ´
dos, eles ˜ contaram a seus irmaos Jesus nos diz que o inimigo e
crist aos o que tinha acontecido. ´
´ “o Diabo”. O joio ´ e descrito como
Daı, todos os presentes pediram “os filhos do inıquo”. (Mat. 13:38,
a Deus que os ajudasse a falar a `
39) O joio, a planta a qual Je-´
Sua palavra com coragem. Como sus provavelmente se referiu, e
deve ter sido˜ emocionante quan- uma erva venenosa muito pa-
do essa oraçao foi atendida, pois ´
´ recida com o trigo nos est a-
ficaram “cheios de espırito santo gios iniciais, antes ´ de atingir a
e falaram a palavra de Deus com maturidade. Que˜ sımbolo apro-
denodo”! (Atos ˜
˜ 4:24-31) Em resul- priado para cristaos de imitaçao,
tado, multid ´ oes passaram
˜ a ado-
que afirmam ˜ ser filhos do Reino ´
rar a Jeova. A´ oraçao ˆ pode dar
mas nao produzem ˜ frutos´ genuı-
coragem tambem a voce para de-
clarar as boas novas. w09 15/11 nos! Esses cristaos hip ocritas que
2:21, 22 afirmam ˜ ser seguidores de Cris-
to sao realmente parte ´ do “des-
Domingo, 25 de dezembro cendente”
ˆ de Satan˜ as, o Diabo.
˜ (Gen. 3:15) Jesus nao disse que o
Vossa pronunciaçao seja sempre trigo se transformaria em joio,
com graça, temperada com sal. mas sim que o joio foi semea-
— Col. 4:6. do entre˜ o trigo. Portanto, essa
˜ ˜
Paulo se referia especificamen- ilustra ´ çao nao retrata os cristaos
te a como ´devemos falar aos “de genuınos que se afastam da ver-
˜ ˜ dade. Em vez disso, indica um
fora”, isto
˜ e, aos ˜que nao sao nos- ´ es-
sos irmaos cristaos. (Col. 4:5) Se forço intencional de Satan ˜ as de˜
os descrentes merecem respei- corromper a congregaçao crist ´ a
to ao lhes falarmos, quanto mais introduzindo
´ nela pessoas
´ mas. ´
˜
os nossos amigos na congregaçao! Na epoca ˜ em que o ultimo ap os-
˜
Bons amigos valorizam a opiniao tolo,´ Joao, era idoso, essa aposta-
um do outro,
˜ por meio de uma co- sia ja era bem ˜ evidente. — 2 Ped.
municaçao que deve ser gentil e 2:1-3; 1 Joao 2:18. w10 15/3 3:5, 7
Terça-feira, 27 de dezembro zer isso por causa do grande˜ ´ amor
que sentimos no coraçao e uma
Persisti em examinar se estais prova de que obedecemos aos
´
na fe, persisti em provar o que mandamentos de Deus com
´
vos mesmos sois. — 2 Cor. 13:5. ˜ ˜ mo-
tivaçao pura. Nossos irmaos em
todo o mundo perseveram em
´ Por sermos “fervorosos de es- obedecer aos mandamentos de
pırito” podemos aumentar ´ nos-
sa coragem no ministerio de casa Deus, mesmo quando as pessoas
em casa e no testemunho infor- reagem
˜ ` com apatia ou total rejei-
mal. (Rom. 12:11) Que dizer´ se çao ˜ a mensagem do Reino. Eles
perdemos o zelo pelo ministerio, nao diminuem seus esforços de
˜ ´ cumprir plenamente o´ seu minis-
ou se o nosso fervor por ele n ´ ao e ´ ´
mais o mesmo? Nesse caso, e pre- terio. (2 Tim. 4:5) Nos tambem
somos motivados a compartilhar
ciso fazer um sincero autoexame.
com outros o nosso conhecimen-
Pergunte-se: ´ ‘Ainda sou fervoro-´ to sobre Deus e a observar to-
so de espırito?´ Oro a Jeova pe-
dos os seus outros mandamentos.
dindo
˜ seu esp ırito? Minhas ora-
w09 15/12 4:7, 8
çoes revelam que confio na ajuda
de Deus para fazer a˜ Sua vonta- Quinta-feira, 29 de dezembro
de? Incluo nas oraçoes ´ palavras ˆ
de apreço pelo ministerio que nos Considerai a paciencia de nosso
˜ ´ ˜
foi confiado? Quais sao meus ha- Senhor como salvaçao.
bitos de estudo pessoal? Quanto — 2 Ped. 3:15.
tempo tiro para meditar nas ˆ
´ coi- A paciencia
´ e a longanimidade
sas que leio e ouço? Qual e meu de Jeova ˜ dificilmente teriam se
grau de envolvimento nas reu- ˜
˜ tornado tao evidentes se nao fos-
nioes congregacionais?’ Refletir se a necessidade de ele lidar com
sobre perguntas assim pode aju- ˜
´ as imperfeiçoes, pecados ˜ e falhas
da-lo a identificar pontos fra- humanas. A disposiçao de fazer
cos e tomar medidas corretivas. isso por milhares de anos mos-
w10 15/2 1:14, 16 ´
tra que Jeova tem essas qualida-
des maravilhosas num grau per-
Quarta-feira, 28 de dezembro feito, pelo que devemos ser muito
´ ˆ ˜ ´
E da abundancia do coraçao gratos. Todos nos somos peca-
que a boca fala. — Mat. 12:34. dores, e tropeçamos ˜ muitas ve- ˜
zes. (Tia. 3:2; 1 Joao 1:8, 9) Quao´
Como p odemos demonstrar gratos devemos ser de que Jeov a
amor a Deus por tudo o que ele ˜
se disp oe a perdoar “amplamen- ´
tem feito em nosso ´ favor? A res- te”! (Isa. 55:7) Considere tambem
posta inspirada e fundamental: o seguinte: tendo nascido como
“O amor [a] Deus significa o se- pecadores imperfeitos, podemos
guinte: que observemos os seus sentir a profunda alegria que re-
mandamentos; contudo,
˜ ˜ os seus sulta de Deus perdoar os nos-
mandamentos
˜ nao sao pesados.”´ sos erros. (Sal. 51:5, 9, 17) Sen-
(1 Joao 5:3) Sim, o amor a Jeova tir pessoalmente essa animadora
´ ´
Deus nos motiva a obedecer ´ aos caracterıstica de Jeova fortalece
seus mandamentos.
˜ Essa e uma nosso amor a ele e nos incenti-
das razoes de darmos testemu- va a seguir seu exemplo nos nos-
nho a respeito de seu nome e Rei- sos relacionamentos. — Col. 3:13.
no, que beneficia a outros. Fa- w10 15/1 4:15, 16
´
Sexta-feira, 30 de dezembro Sabado, 31 de dezembro
´ `
Ninguem pode vir a mim, a me- [Paulo] raciocinou com eles a
nos que o Pai, que me enviou, o base das Escrituras.
˜
atraia. — Joao 6:44. — Atos 17:2.
´ `
Je ov a amorosamente atraiu Raciocine a base das Escritu-
cada ˜ um de seus servos a uma re- ras de modo convincente. Usan-
laç˜ ao com ele. Dentre todos os bi-´ ´ ´
do sinceros apelos e solida logi-
lhoes de pessoas na Terra, Jeova ca, e de modo convincente, Paulo`
nos fez um convite pessoal para ‘raciocinava com os ouvintes a
sermos
˜ parte de sua congrega- base das Escrituras’. (Atos 17:4)
çao atual. Aceitar ˜ esse convite ´ Como ele, esforce-se em tocar
foi a melhor decisao que ja to-` ˜
o coraçao de seu ouvinte. ´ ‘Puxe
mamos. Deu objetivo e sentido a para fora’ o que h a nele com
nossa ˜vida. E quanta ´ alegria e sa- perguntas bondosas que reflitam
tisfaçao nos ˜ da ter um lugar na interesse na pessoa. (Pro. 20:5)
congrega´ çao e fazer a nossa par-
Evite ser rude. Apresente ´ argu-
te!˜ “Jeova, tenho amado a habita-
mentos com clareza e logica. ˆ De-
çao da tua´ casa”, disse o salmista. ´
Ele vem ser ´ apoiados por evidencias ˜
´ tambem cantou: “Meu ´ proprio
satisfatorias. Suas declaraçoes
p e certamente ficara posto ´ em
lugar plano; bendirei a Jeova no devem basear-se solidamente
´ na
˜ Palavra de Deus. E melhor´ usar
meio das multidoes congregadas.”
(Sal. 26:8, 12) O Deus verdadeiro bem um texto por explica-lo e
tem um lugar para ˜ cada um de ilustrarˆ o ponto, do ´que ler dois
´ ou˜ tres textos em rapida suces-
nos na sua organizaçao. Por conti- ˜ ˆ
nuarmos a seguir as orientaçoes sao.
´ Usar evidencias´ comprova-
´ torias pode ˜ tambem ‘acrescen-
teocraticas e por nos mantermos ´
ocupados no serviço de Deus, po- tar persuasao` aos seus labios’.
demos continuar a exercer o nos- (Pro. 16:23) As vezes pode ser
˜
so precioso papel na organizaçao preciso fazer
˜ pesquisa e dar mais
´
de Jeova. w09 15/11 3:16, 17 informaçoes. w10 15/2 2:17

2011
D S T Q Q S S D S T Q Q S S D S T Q Q S S
JAN 1 MAIO 1 2 3 4 5 6 7 SET 1 2 3
2 3 4 5 6 7 8 8 9 10 11 12 13 14 4 5 6 7 8 9 10
9 10 11 12 13 14 15 15 16 17 18 19 20 21 11 12 13 14 15 16 17
16 17 18 19 20 21 22 22 23 24 25 26 27 28 18 19 20 21 22 23 24
23 24 25 26 27 28 29 29 30 31 25 26 27 28 29 30
30 31
FEV 1 2 3 4 5 JUN 1 2 3 4 OUT 1
6 7 8 9 10 11 12 5 6 7 8 9 10 11 2 3 4 5 6 7 8
13 14 15 16 17 18 19 12 13 14 15 16 17 18 9 10 11 12 13 14 15
20 21 22 23 24 25 26 19 20 21 22 23 24 25 16 17 18 19 20 21 22
27 28 26 27 28 29 30 23 24 25 26 27 28 29
30 31
MAR 1 2 3 4 5 JUL 1 2 NOV 1 2 3 4 5
6 7 8 9 10 11 12 3 4 5 6 7 8 9 6 7 8 9 10 11 12
13 14 15 16 17 18 19 10 11 12 13 14 15 16 13 14 15 16 17 18 19
20 21 22 23 24 25 26 17 18 19 20 21 22 23 20 21 22 23 24 25 26
27 28 29 30 31 24 25 26 27 28 29 30 27 28 29 30
31
ABR 1 2 AGO 1 2 3 4 5 6 DEZ 1 2 3
3 4 5 6 7 8 9 7 8 9 10 11 12 13 4 5 6 7 8 9 10
10 11 12 13 14 15 16 14 15 16 17 18 19 20 11 12 13 14 15 16 17
17 18 19 20 21 22 23 21 22 23 24 25 26 27 18 19 20 21 22 23 24
24 25 26 27 28 29 30 28 29 30 31 25 26 27 28 29 30 31