Anda di halaman 1dari 14

PORTUGUÊS 7.

O ANO – Avaliação diagnóstica

ESCOLA_________________________________________________ DATA ___/ ___/ 20____

NOME________________________________________________ N.O____ TURMA________

AVALIAÇÃO _________________

COMPREENSÃO DO ORAL

Vais ouvir um programa radiofónico, intitulado Dias do avesso, da responsabilidade de Eduardo


Sá, psicólogo, e Isabel Stilwell, jornalista e escritora.

http://www.rtp.pt/play/p271/e290094/dias-do-avesso

De seguida, responde aos itens que se seguem.

1. Para cada item (1.1. a 1.3.), seleciona a opção que completa a frase, de acordo com o sentido
do texto.

1.1. No programa defende-se que «brincar está progressivamente em vias de extinção»


atendendo a que

(A) se verifica uma diminuição do tempo dedicado pelas crianças à brincadeira.

(B) as crianças só brincam depois de concluídos os trabalhos de casa.

(C) as crianças brincam exclusivamente ao fim de semana.

(D) a sociedade não aceita que se brinque após os dezoito anos.

1.2. No decurso da conversa, critica-se o facto de as escolas

(A) considerarem que brincar só deve ter lugar na época de primavera ou de verão.

(B) não ensinarem os alunos a brincar todos os dias.

(C) não terem espaços de recreio suficientemente grandes e adaptados à meteorologia.

(D) terem espaços muito pequenos para brincar.

1.3. Quando Eduardo Sá diz a Isabel Stilwell que está a «apanhá-la de má-fé» pretende
afirmar que

(A) está a colocar em causa a fé da jornalista.

(B) está a agir com segundas intenções, eventualmente danosas.

(C) está a agir de forma contrária aos ensinamentos da fé.

(D) está a faltar à verdade no que diz à jornalista.

©Edições ASA | 2017/2018 – Carla Marques | Inês Silva 1


PORTUGUÊS 7.O ANO – Avaliação diagnóstica

2. Seleciona todas as opções que constituem razões apresentadas para justificar uma possível
candidatura do ato de brincar a Património Imaterial da Humanidade.

(A) Há crianças que não têm o direito a brincar.

(B) Brincar é fundamental para o ser humano.

(C) Brincar é um ato de liberdade a que as crianças têm direito.

(D) Portugal já protagonizou outras candidaturas a Património Imaterial da Humanidade,


como a falcoaria, o fado ou o cante alentejano.

(E) O ato de brincar deve ser encarado com respeito pelos seres humanos.

LEITURA

Texto A
Lê o texto.

Há quase 170 milhões de crianças a trabalhar em todo o mundo

Cerca de 168 milhões de crianças trabalham no mundo, das quais mais de metade faz trabalhos
perigosos colocando em risco as suas vidas, segundo dados das Nações Unidas e de organizações não
governamentais.

Daniel Berehulak – GettyImages

As organizações divulgaram estes números no Dia Mundial contra o Trabalho Infantil, e


insistem na urgência de abolir os trabalhos dos menores, muitos em condições de escravidão.
A agricultura é o setor com o maior número de crianças que exercem trabalho infantil (98
milhões), seguindo-se o setor de serviços (54 milhões) e da indústria (12 milhões).
5 Este ano, o alerta do dia mundial incide no impacto dos conflitos e desastres naturais no
trabalho infantil.

©Edições ASA | 2017/2018 – Carla Marques | Inês Silva 2


PORTUGUÊS 7.O ANO – Avaliação diagnóstica

A ONG World Vision dá como exemplo o de uma criança síria refugiada no Líbano que vende
tecidos na rua para ajudar a sua família. Os refugiados sírios que vivem na Jordânia e no Líbano
não estão legalmente autorizados a trabalhar, o que os obriga a fazerem tarefas por salários
10 muito baixos, e os seus filhos renunciam à educação para procurar trabalhos para ajudar as suas
famílias.
A ONG de defesa da infância Plan International destaca que dez milhões de crianças, 67%
das quais meninas, trabalham no serviço doméstico em condições de escravidão, escondidas nas
vivendas dos seus empregadores sem que estas atividades possam ser controladas.
15 A organização recorda que em muitos países da América Latina e de África o trabalho
doméstico e infantil é aceitável a nível social e cultural, pelo que pede aos Governos e aos
legisladores que incluam nas suas prioridades «o objetivo de limitar o trabalho doméstico e
garantir o acesso à educação».
A ONG Educo, que desenvolve projetos contra o trabalho infantil no Bangladesh, exige aos
20 governos que cumpram com suas obrigações e compromissos estabelecidos antes de 2025,
dentro dos objetivos de Desenvolvimento Sustentável. «A educação é a melhor solução para se
lutar contra o trabalho infantil», explica esta ONG, porque ajuda as crianças a romperem o círculo
de pobreza em que vivem.
A organização Comércio Justo chamou a atenção para a utilização de menores «em
25 situações de trabalho forçado e de exploração» nos setores da alimentação e têxtil, destacando a
necessidade de se conhecerem as condições de fabrico dos produtos para evitar a «violação dos
direitos das crianças».
Visão, 12/06/2017 [em linha, consult. 16/06/2017]

3. As frases a seguir apresentadas de (A) a (E) contêm informações presentes ao longo do texto.
Escreve a sequência de letras que corresponde à ordem pela qual essas informações
aparecem no texto.

(A) O acesso à educação é uma forma de se lutar contra o trabalho infantil.

(B) Para algumas crianças, o trabalho infantil é uma forma de contribuição para a economia
familiar.

(C) O trabalho infantil ocorre em todos os setores económicos.

(D) Causas tanto naturais como humanas podem desencadear o trabalho infantil.

(E) Muitas situações de trabalho infantil são ocultadas dos olhares exteriores.

©Edições ASA | 2017/2018 – Carla Marques | Inês Silva 3


PORTUGUÊS 7.O ANO – Avaliação diagnóstica

4. Completa o esquema com as frases apresentadas nas alíneas (A) a (D), de modo a
identificares sinteticamente as ideias defendidas por cada uma das organizações referidas no
texto.
Faz corresponder cada uma das alíneas (A), (B), (C) e (D) a um dos números (I), (II), (III) e (IV).
Escreve a letra da frase e o número correspondente.

(A) A pobreza, que desencadeia o trabalho infantil, deve ser combatida com o acesso à
educação.

(B) O trabalho doméstico, que muitas vezes está no limiar da escravidão, está muito
associado ao género feminino.

(C) As leis aplicadas por diferentes países aos refugiados propiciam o trabalho infantil.

(D) A obrigatoriedade de divulgação das condições de produção de determinados artigos é


uma forma de combater o recurso ao trabalho infantil.

Organizações não governamentais

World Vision Plan International Educo Comércio Justo

(I) (II) (III) (IV)

©Edições ASA | 2017/2018 – Carla Marques | Inês Silva 4


PORTUGUÊS 7.O ANO – Avaliação diagnóstica

EDUCAÇÃO LITERÁRIA
Texto B

Lê o texto.

Um pequeno príncipe deixa o pequeno planeta onde habita com uma


flor para visitar outros planetas. Quando chega ao planeta Terra, cai no deserto
onde encontra um adulto cujo avião tinha avariado.

No quinto dia, sempre graças à ovelha, foi-me revelado este segredo da vida do principezinho.
Dirigiu-se a mim para me perguntar, abruptamente, como fruto de um problema sobre o qual
andasse há muito a meditar em silêncio:
— Uma ovelha, se come arbustos, também come flores?
5 — Uma ovelha come tudo o que encontra.
— Mesmo flores com espinhos?
— Sim, mesmo flores com espinhos.
— Então os espinhos servem para quê?
Eu não sabia. Naquele momento, andava muito entretido a remexer no meu motor, à procura
10 de um parafuso demasiado apertado. Estava seriamente preocupado, pois a avaria parecia
bastante grave e a água para beber ia-se esgotando, fazendo-me recear o pior.
— Os espinhos servem para quê?
Uma vez lançada, o principezinho nunca desistia de uma pergunta. Irritado com o tal parafuso,
respondi sem pensar:
15 — Os espinhos não servem para nada, são uma pura maldade da parte das flores!
— Oh!
Após um silêncio, ele ripostou, com um certo ressentimento:
— Não acredito em ti! As flores são frágeis. São ingénuas. Defendem-se como podem. Elas
acham que ficam assustadoras com os seus espinhos…
20 Nem respondi. Naquele instante, estava eu a matutar: «Se este parafuso continuar a não se
mexer, vou arrancá-lo à martelada.» O principezinho tornou a interromper os meus raciocínios:
— Mas então, tu achas mesmo que as flores…
— Não! não! não acho nada! respondi sem pensar. Estou a tratar de coisas sérias!
Ficou a olhar para mim, perplexo.
25 — De coisas sérias!
Ali estava eu, de martelo na mão, os dedos mascarrados com óleo do motor, debruçado sobre
um objeto que lhe parecia muito feio.
— Tu falas como os crescidos!
Senti-me um tanto ou quanto envergonhado. Porém, implacável, ele acrescentou:
30 — Confundes tudo… Baralhas tudo! […]
— Sei de um planeta onde há um senhor vermelhão. Nunca respirou uma flor. Nunca
contemplou uma estrela. Nunca gostou de ninguém. Nunca fez mais nada a não ser contas. E, tal
como tu, leva o dia inteiro a repetir: «Sou um homem sério! Sou um homem sério!», e fica todo
inchado de orgulho. Mas aquilo não é um homem, é um cogumelo! […]

©Edições ASA | 2017/2018 – Carla Marques | Inês Silva 5


PORTUGUÊS 7.O ANO – Avaliação diagnóstica

35 O principezinho estava pálido de raiva.


— Há milhões de anos que as flores fabricam os espinhos. Há milhões de anos que, mesmo
assim, as ovelhas comem as flores. E não é sério tentar perceber porque é que elas se dão ao
trabalho de fabricar esses espinhos que nunca lhes serviram de nada? […] E se eu conhecer uma
flor que é única no mundo, que não existe em mais parte nenhuma a não ser no meu planeta,
40 mas que uma pequena ovelha pode aniquilar, assim, de um momento para o outro, numa manhã
qualquer, sem sequer ter noção daquilo que faz, então isto – isto não é importante?! […]
Já não conseguiu dizer mais nada. De súbito, começou a soluçar. A noite caíra. Eu largara as
minhas ferramentas. Queria lá saber do martelo, do parafuso, da sede e da morte. Havia, numa
estrela, num planeta, no meu, na terra, um principezinho para consolar! Tomei-o nos braços e
45 embalei-o.
Antoine de Saint-Exupéry, O Principezinho. Trad. de Maria João Medeiros, 3.ª ed. Alfragide:
Edições Dom Quixote, 2015, pp. 25-28.

5. Apresenta duas razões que motivem a preocupação do narrador no início do excerto.

6. Explica o ponto de vista do principezinho quando acusa o narrador de se comportar como


uma pessoa crescida.

7. De entre as opções abaixo apresentadas, seleciona todas as que permitem afirmar que o
narrador é também uma personagem da história que narra.

(A) «Eu não sabia» (l. 9)


(B) «Não acredito em ti!» (l. 18)
(C) «os meus raciocínios» (l. 21)
(D) «Ali estava eu, de martelo na mão» (l. 26)
(E) «E se eu conhecer uma flor» (l. 38-39)

8. Para responderes aos itens 8.1. a 8.4., escreve o número do item e a letra que identifica a
opção correta.
8.1. No contexto em que é utilizada, a palavra «implacável» (l. 29) significa

(A) com piedade.


(B) com irritação.
(C) com crueldade.
(D) com perturbação.

8.2. No excerto «Nunca respirou uma flor. Nunca contemplou uma estrela. Nunca gostou de
ninguém. Nunca fez mais nada a não ser contas.» (l. 31-32), o recurso expressivo
utilizado é uma
(A) enumeração.
(B) comparação.
(C) perífrase.
(D) metáfora.

©Edições ASA | 2017/2018 – Carla Marques | Inês Silva 6


PORTUGUÊS 7.O ANO – Avaliação diagnóstica

8.3. Ao afirmar que o «senhor vermelhão» (l. 31) é um «cogumelo» (l. 34), o principezinho
pretende afirmar que
(A) ele é muito gordo, assemelhando-se fisicamente a um cogumelo.
(B) ele não parece humano porque apenas se preocupa com os números e não com os
sentimentos.
(C) o orgulho o faz inchar de tal modo que ele parece um cogumelo.
(D) tem mais respeito pelos cogumelos do que pelo senhor.

8.4. Ao falar das flores e dos seus espinhos ao narrador, o principezinho tem a intenção de
(A) contar a história da sua flor para que se perceba como ele gosta dela.
(B) mostrar que o senhor vermelhão não se preocupa com a sua flor.
(C) evidenciar que tem medo que a ovelha não perceba a utilidade dos espinhos da
flor.
(D) mostrar que os sentimentos são mais importantes que as coisas materiais.

9. Seleciona todas as expressões que fornecem informações sobre o avanço temporal da ação
narrada.
(A) «No quinto dia» (l. 1)
(B) «há muito» (l. 3)
(C) «Naquele instante» (l. 20)
(D) «leva o dia inteiro» (l. 33)
(E) «Há milhões de anos» (l. 36)
(F) «A noite caíra» (l. 42)

10. Lê a afirmação.

Os sentimentos do narrador alteram-se ao longo do texto, mostrando este, no final, ter


compreendido a mensagem do principezinho.

Explica por que razão esta afirmação é verdadeira de acordo com a evolução da ação no
texto. Fundamenta a tua resposta com exemplos do texto.

11. Seleciona, entre as frases apresentadas, aquela que, na tua opinião, corresponde ao segredo
do principezinho. Explica a tua opção.

(A) Os sentimentos são o mais importante.


(B) A sua flor é o mais importante.
(C) A perspetiva adulta da vida é errada.

©Edições ASA | 2017/2018 – Carla Marques | Inês Silva 7


PORTUGUÊS 7.O ANO – Avaliação diagnóstica

GRAMÁTICA

12. Associa cada uma das palavras apresentadas ao seu processo de formação.
Faz corresponder cada uma das alíneas de (A) a (H) a cada um dos números I., II., III. ou IV..

(A) principezinho
I. Palavra derivada por prefixação
(B) mau-humor
(C) pôr do sol
II. Palavra derivada por sufixação
(D) ecossistema
(E) recomeçar
III. Palavra composta por radicais
(F) emigrar
(G) astronomia
IV. Palavra composta por palavras
(H) martelada

13. Identifica a classe a que pertence a palavra destacada em cada frase.


Escreve a letra da frase e número da classe a que cada palavra corresponde.

(A) O principezinho queria uma resposta. I. verbo principal


(B) Onde ficou o meu avião? II. verbo copulativo
(C) Que flor seria aquela? III. advérbio de modo
(D) Ele ficou simplesmente a pensar. IV. advérbio interrogativo
(E) O avião parecia um objeto horrendo. V. determinante interrogativo

14. Reescreve as frases seguintes substituindo as expressões sublinhadas por pronomes


pessoais. Faz apenas as alterações necessárias.
14.1. O principezinho não fez aquela viagem para conhecer os adultos.
14.2. Quem conhece o senhor de tez escarlate?
14.3. Onde encontraste aquela criança curiosa?

15. Identifica todas as frases em que a expressão destacada desempenha a função sintática de
sujeito.

(A) Pela sua flor o principezinho faria tudo.


(B) Ao principezinho foram proporcionadas muitas experiências.
(C) Principezinho, vens comigo?
(D) Conheci o principezinho no deserto.
(E) O principezinho contou a história da sua flor.
(F) Desta história faz parte um principezinho.

©Edições ASA | 2017/2018 – Carla Marques | Inês Silva 8


PORTUGUÊS 7.O ANO – Avaliação diagnóstica

16. Completa cada uma das frases seguintes com a forma adequada do verbo entre parênteses.
Escreve o número do item e a forma verbal que completa corretamente a frase.
16.1. Se eu ____________ (poder), vou ter contigo.
16.2. Antigamente, não ____________ (haver) homens tão preocupados com o dinheiro.

ESCRITA

O principezinho e o narrador viviam graves problemas: o avião estava avariado, a água estava
a acabar e eles estavam perdidos no deserto. O que lhes terá acontecido de seguida?

Escreve um texto narrativo em que contes essa aventura.

O teu texto, com um mínimo de 120 e um máximo de 200 palavras, deve incluir:

− uma situação inicial, o seu desenvolvimento e um desfecho;


− um momento de descrição de espaço ou de personagem;
− um momento de diálogo entre as personagens.

FIM

©Edições ASA | 2017/2018 – Carla Marques | Inês Silva 9


PORTUGUÊS 7.O ANO – Avaliação diagnóstica

CRITÉRIOS DE CORREÇÃO
COMPREENSÃO DO ORAL

1.1. (A)

Seleciona a opção correta 2


Seleciona uma opção incorreta 0

1.2. (C)

Seleciona a opção correta 2


Seleciona uma opção incorreta 0

1.3. (B)

Seleciona a opção correta 2


Seleciona uma opção incorreta 0

2. (B); (C); (E)

Seleciona as três opções corretas 3


Seleciona duas opções corretas 2
Seleciona uma opção correta 1
Seleciona uma opção incorreta 0

LEITURA

3. (C), (D), (B), (E) e (A)

Reconstitui corretamente a sequência. 5


Não apresenta uma sequência correta. 0

4. (A) – (III); (B) – (II); (C) – (I); (D) – (IV)

Associa corretamente as quatro alíneas. 4


Associa corretamente três alíneas. 3
Associa corretamente duas alíneas. 2
Associa corretamente uma alínea. 1
Não estabelece associações corretas 0

EDUCAÇÃO LITERÁRIA

5. O narrador mostra-se preocupado pelo facto de (1) não conseguir compor o avião e de (2) a água se estar a acabar.
Estas situações poderiam levá-los à morte.

Compreende de forma completa. 4


Compreende parcialmente ou com incorreções. 2
Não compreende. 0

6. O narrador dá atenção apenas a assuntos que ele julga sérios, como compor o avião, não tendo tempo ou paciência
para perceber os problemas de uma criança, que, para ele, são disparatados. Todavia, segundo o principezinho, são
estes os únicos que interessam verdadeiramente e, porque o narrador não o consegue compreender, acusa-o de agir
como os adultos.

Compreende de forma completa. 4


Compreende parcialmente ou com incorreções. 2
Não compreende. 0

©Edições ASA | 2017/2018 – Carla Marques | Inês Silva 10


PORTUGUÊS 7.O ANO – Avaliação diagnóstica

7. (A), (C), (D)

Seleciona as três opções corretas 3


Seleciona duas opções corretas 2
Seleciona uma opção correta 1
Seleciona uma opção incorreta 0

8.1. (C)

Seleciona a opção correta 3


Seleciona uma opção incorreta 0

8.2. (A)

Seleciona a opção correta 3


Seleciona uma opção incorreta 0

8.3. (B)

Seleciona a opção correta 3


Seleciona uma opção incorreta 0

8.4. (D)

Seleciona a opção correta 3


Seleciona uma opção incorreta 0

9. (A), (C), (F)

Seleciona as três opções corretas 3


Seleciona duas opções corretas 2
Seleciona uma opção correta 1
Seleciona uma opção incorreta 0

10. No início do excerto, o narrador mostra-se muito preocupado com o conserto do avião, dando pouca atenção às
preocupações do principezinho (ll.10-11). Todavia, o menino vai-lhe mostrar que ele está errado nas suas opções de
«gente crescida», por meio do exemplo do senhor vermelhão e da história da sua flor. O narrador acaba por
perceber que o mais importante é o cuidado com os sentimentos ou com as relações existentes ou mesmo com os
pequenos prazeres. Por esta razão, no final, abandona os parafusos e as chaves para embalar o menino (l. 45).

Explica de forma completa. 5


Explica parcialmente ou com incorreções. 3
Não explica. 0

11. O aluno poderá selecionar qualquer uma das três frases apresentadas.
(A) Ao longo do excerto, o principezinho rejeita todas as perspetivas que não contemplem o sentimento. Por isso,
mostra ao narrador que os sentimentos são mais importantes, fazendo-o compreender por que razão o conserto de
um motor não é mais importante do que a sua flor.
(B) Todas as intervenções do principezinho estão relacionadas com a sua flor e revelam que quer compreendê-la e que
se preocupa com o seu destino.
(C) O principezinho mostra que a visão adulta é uma opção errada porque se centra em aspetos materiais e não
reconhece a importância dos pequenos prazeres ou do sentimento.
Explica de forma completa. 5
Explica parcialmente ou com incorreções. 3
Não explica. 0

Ortografia
Considerando as respostas 5., 6., 10. e 11., identifique o número de erros ortográficos apresentados pelo aluno.
Até 2 erros ortográficos 2
De 3 a 6 erros ortográficos 1
Mais de 7 erros ortográficos 0

©Edições ASA | 2017/2018 – Carla Marques | Inês Silva 11


PORTUGUÊS 7.O ANO – Avaliação diagnóstica

GRAMÁTICA

12. I – (E), (F); II – (A), (H); III – (D), (G); IV – (B), (C)

Associa corretamente 8 palavras 2


Associa corretamente 6 palavras 1.5
Associa corretamente 4 palavras 1
Associa corretamente 2 palavras 0.5

13. (A) – I; (B) – IV; (C) – V; (D) – III; (E) – II

Identifica corretamente a classe das 5 palavras 2


Identifica corretamente a classe de 3 ou 4 palavras 1.5
Identifica corretamente a classe de 1 ou 2 palavras 1

14.1. O principezinho não a fez para conhecer os adultos.

Reescreve corretamente a frase. 1


Não reescreve corretamente a frase. 0

14.2. Quem o conhece?

Reescreve corretamente a frase. 1


Não reescreve corretamente a frase. 0

14.3. Onde a encontraste?

Reescreve corretamente a frase. 1


Não reescreve corretamente a frase. 0

15. (A), (E), (F)

Identifica corretamente as 3 frases. 3


Identifica corretamente 2 frases. 2
Identifica corretamente 1 frase. 1
Não identifica corretamente nenhuma frase. 0

16.1. puder

Conjuga corretamente 1
Não conjuga corretamente 0

16.2. havia

Conjuga corretamente 1
Não conjuga corretamente 0

©Edições ASA | 2017/2018 – Carla Marques | Inês Silva 12


PORTUGUÊS 7.O ANO – Avaliação diagnóstica

ESCRITA
Parâmetro A: Formato textual

Cumpre integralmente a instrução quanto ao formato narrativo: 5


– apresenta uma situação inicial, o seu desenvolvimento e um desfecho;
– integra um momento de descrição de espaço ou de personagem;
– apresenta um momento de diálogo entre as personagens.
Cumpre parcialmente a instrução quanto ao formato narrativo: 3
– apresenta uma situação inicial, o seu desenvolvimento e um desfecho;
– integra um momento de descrição de espaço ou de personagem;
– apresenta um momento de diálogo entre as personagens.
Cumpre de forma muito incompleta a instrução quanto ao formato narrativo: 1
– apresenta uma situação inicial, o seu desenvolvimento e um desfecho;
– integra um momento de descrição de espaço ou de personagem;
– apresenta um momento de diálogo entre as personagens.
Não respeita o formato textual solicitado. 0

Parâmetro B: Tema e pertinência da informação

Respeita integralmente o tema proposto (o que sucedeu às personagens). 5


Apresenta uma sucessão de eventos coerente.
Apresenta o tema proposto (o que sucedeu às personagens) com desvios. 3
Apresenta uma sucessão de eventos nem sempre coerente.
Apresenta um texto com desvios e incoerências. 1
Apresenta um texto completamente incoerente. 0

Parâmetro C: Organização e coesão textuais

Redige um texto bem estruturado, que evidencia uma correta marcação de parágrafos e um claro domínio dos 5
mecanismos de coesão.
A pontuação é correta.
Redige um texto estruturado satisfatoriamente, que evidencia uma marcação de parágrafos por vezes 3
incorreta e um domínio suficiente dos mecanismos de coesão.
A pontuação apresenta incorreções que não afetam a inteligibilidade do texto.
Redige um texto estruturado de modo muito elementar, que evidencia uma marcação de parágrafos 1
frequentemente incorreta e desconhecimento de mecanismos de coesão.
A pontuação evidencia desconhecimento das regras elementares.

Parâmetro D: Morfologia e sintaxe

Apresenta estrutura sintáticas claramente diversificadas e complexas. 5


Evidencia domínio dos processos de flexão, concordância, seleção…
Apresenta estrutura sintáticas com alguma diversidade e complexidade. 3
Evidencia algumas incorreções nos processos de flexão, concordância, seleção…
Apresenta estrutura sintáticas pobres e repetitivas, com recurso sobretudo à parataxe. 1
Evidencia muitas incorreções nos processos de flexão, concordância, seleção…

Parâmetro E: Repertório vocabular

Utiliza vocabulário diversificado e adequado ao tema tratado. 5


Utiliza vocabulário comum mas adequado ao tema tratado. 3
Utiliza vocabulário restrito, redundante e, por vezes, desadequado. 1

Parâmetro F: Ortografia

Apresenta de 0 a 2 erros orográficos. 5


Apresenta de 3 a 5 erros ortográficos. 4
Apresenta de 6 a 8 erros ortográficos. 3
Apresenta de 9 a 11 erros ortográficos. 2
Apresenta de 12 a 14 erros ortográficos. 1
Apresenta mais de 14 erros ortográficos. 0

©Edições ASA | 2017/2018 – Carla Marques | Inês Silva 13


PORTUGUÊS 7.O ANO – Avaliação diagnóstica

Extensão: penalizações

Escreve um texto com um mínimo de 120 e um máximo de 200 palavras 0


Escreve um texto com 80 a 119 ou com 201 a 250 palavras -2
Escreve um texto com 40 a 79 ou com mais de 250 palavras -4
Escreve um texto com menos de 40 palavras -5

©Edições ASA | 2017/2018 – Carla Marques | Inês Silva 14