Anda di halaman 1dari 35

Avaliações de impacto: 

O que são? Por que fazê‐las? 
Quando fazê‐las? 
(Nome professor)
(Universidade)
Abdul Latif Jameel Poverty Action Lab
www.povertyactionlab.org
Contexto do curso

1 – Monitoramento
e Avaliação

2 - Avaliação
de programas

3 – Avaliação
de impacto

4 - Avaliação
Aleatória
Programa do curso
1. Avaliações de impacto: O que são? Por que 
fazê‐las? Quando fazê‐las?
2. Teoria da Mudança, indicadores e medição 
de impacto
3. Por que aleatorizar?
4. Como aleatorizar?
5. O tamanho da amostra 
6. Implementar uma avaliação
7. Análise e inferência
Programa da apresentação

I. Introdução
II. Por que avaliar impacto?
III. O que é uma avaliação de impacto?
IV. Quando realizar uma avaliação de impacto?
I ‐ Introdução
Pergunta nº1

• Pense em um programa social no qual você 
esteja envolvido e indique:

– Nome do programa

– É um bom programa?

– Como você sabe que é um bom programa? 
A grande pergunta: Como decidimos quais 
programas implementar?

Ideologia
• Própria
• Externa
Conhecimento
• Evidência Apoio
• Experiência • Orçamento
• Pessoal • Político
• Coletiva • Capacidade

Programas/
Políticas
Dois objetivos fundamentais da 
Avaliação

1. Responsabilidade

2. Aprendizagem
Contexto do Curso

1 - Monitoramento
e Avaliação

2 – Avaliação
de programas

3 – Avaliação
de impacto

4 - Avaliação
Aleatória
Tipos de Avaliação
• Rossi (1999) classifica as avaliações em 5 tipos:
a) Necessidades
b) Design
c) Implementação
d) Impacto
e) Eficiência

• Neste curso nos focamos nas avaliações de impacto
Avaliações de Impacto

• Procuram responder a seguinte pergunta: qual é o 
efeito de um programa social sobre os beneficiários?

• Exemplos:
– Qual é o efeito de um programa de formação profissional 
sobre a renda dos beneficiários?
– Qual é o efeito de um programa de bolsas sobre a taxa de 
matrícula dos beneficiários?
II ‐ Por que avaliar impacto?
Por que avaliar impacto?

• Premissa: A maioria dos programas sociais 
tem a intenção genuína de melhorar as 
condições de vida dos beneficiários

• Realidade: Das palavras à ação, há um trecho 
a percorrer.
Pergunta nº2

• Qual das seguintes intervenções é mais custo‐
efetiva para aumentar a assistência às aulas 
nos povoados rurais do Quênia?
A – Programa de 
alimentação escolar 
B – Remédios contra vermes 
intestinais
C – Bolsas de estudos para 
meninas
D – Distribuição de 
uniformes escolares
Pergunta nº3

• Qual das seguintes intervenções é menos custo‐
efetiva para aumentar a assistência às aulas nos 
povoados rurais do Quênia?
A – Programa de 
alimentação escolar 
B – Remédios contra vermes 
intestinais
C – Bolsas de estudos para 
meninas
D – Distribuição de 
uniformes escolares
Por que avaliar impacto? (cont.)
• Uma boa avaliação de impacto pode ajudar a:
– Identificar programas que estão funcionando bem
– Identificar aspectos de um programa que podem ser 
melhorados
– Identificar programas que não estão funcionando bem

• Resumindo: as avaliações podem contribuir para 
um uso mais racional dos recursos dedicados aos 
programas sociais
III ‐ O que é uma avaliação de 
impacto?
Impacto

O impacto de um programa é a diferença entre: 


1. Os resultados obtidos pelos participantes do programa 
um tempo depois de participar no programa, e

2. Os resultados que esses mesmos participantes teriam
obtido no mesmo momento, se não tivessem 
participado no programa
Impacto
• Fazemos a diferença entre 
O que aconteceu (com o programa) e 
‐ O que teria acontecido (sem o programa)
= IMPACTO do programa

• Este último cenário é chamado de 
contrafatual

19
Impacto: o que é?
Resultado primário

Intervenção

Impacto

Tempo
Como avaliar Impacto?

Intervenção
Impacto
Resultado primário

Tempo
Como avaliar Impacto?
Intervenção
Resultado primário

Impacto

Tempo
Contrafatual

• O contrafatual representa o estado do mundo 


que os participantes do programa teriam 
experimentado na ausência do programa
• Problema: Não é possível observar o 
contrafatual
• Solução: Temos que “replicar” ou “construir” 
o contrafatual
Construindo o contrafatual
• O contrafatual geralmente se constrói a partir da 
escolha de um grupo não afetado pelo programa

• Avaliação Aleatória:
– Faz uma alocação aleatória do programa para criar um 
grupo de controle.

• Avaliação Não Aleatória:
– Argumenta que um certo grupo excluído do programa 
é uma réplica do contrafatual. 

24
De que maneira as avaliações de impacto 
diferem das de processo?

• Processo: Descrevemos o que aconteceu

• Impacto: Comparamos o que aconteceu, com 
o que teria acontecido na ausência do 
programa

25
Análise Custo‐Benefício

• Avaliação de necessidades:  nos dá a métrica 
para medir o impacto

• Avaliação de processo:  nos dá os custos 

• Avaliação de impacto: nos dá os benefícios 

26
Exemplo 1: Comparação de custo‐efetividade

Fonte: J-PAL (2010)


Exemplo 2: Comparação de custo‐efetividade

Fonte: J-PAL (2010)


IV ‐ Quando avaliar?
Quando realizar uma avaliação aleatória?

1. Quando existe uma pergunta importante
para a qual se deseja/necessita uma resposta 
2. O programa a ser avaliado é representativo
3. Prazo: nem muito cedo nem muito tarde
4. Tempo, experiência e dinheiro para fazê‐lo 
bem
30
Quando NÃO se deve realizar uma 
avaliação aleatória?
• Quando o programa é prematuro e ainda  requer 
mudanças consideráveis antes de ser ampliado ou 
repetido
• Quando o programa é muito pequeno em escala 
para aleatorizar
• Se foi demonstrado um impacto positivo a través de 
uma metodologia rigorosa e se há recursos 
suficientes para cobrir a todos
• Depois que o programa já começou
Aprendizagem a partir das avaliações 
de impacto
• Aprendizagem a partir de um único estudo

• Aprendizagem a partir de um acúmulo de 
estudos 

• Aprendemos mais se colocarmos cada 
avaliação dentro de uma estratégia geral de 
aprendizagem e se existe uma teoria por trás

32
Desenvolvendo uma estratégia de 
avaliação

1. Determinar quais são as perguntas‐chave para sua 
organização
– Quantas já podem ser respondidas? 

2. Escolher as perguntas de alta prioridade para a 
avaliação de impacto

3. Estabelecer um plano para respondê‐las

33
Estratégia de avaliação: dois princípios

1. Poucos estudos de impacto de alta qualidade 
valem mais do que vários estudos de má qualidade

2. Se for feita a pergunta certa, é mais provável que 
os resultados da avaliação sejam usados

34
FIM 

(Nome professor)
(Email professor)
Abdul Latif Jameel Poverty Action Lab

www.povertyactionlab.org

Minat Terkait