Anda di halaman 1dari 79
+ ul ca y ‘Copario neutro, ‘Trés portas iguais. Ao VWvéventar do pano, todas as personagens estado em cena., Conyersam, fazem tricé . e jogam cartas. O prélogo destaca-se e “adeanta-se. PROLOGO Pronto t Estas personagens vao representar para vocés 4 histiria de Antigone. Antigone é aquela magrinha que es ta sontada 14 no fundo © nfo diz palavra. - Ela olna firme para a fronte. Ela pensa. Ela pensa que daqui a pouco vai ser Antigone, que Antigone vai surgir repentinamento da mocinha magra, trigueira e concentrada, qué ninguem ie vava a sério na fam{1lia, e val se erguer 86/et face do mundo, s6 em face de Créon, seu tio, que é.0 rel, Fla pensa que vai morrer, .que moga € que também gostaria ds viver, Mas, ndo ha nada a fazer, Ela chama-se Antigone e val ter que representar o seu papel até ao tim... E, de Pois-que se levantou o pano, ela sente que se afasta, com uma rapidez vertiginosa, de sua irml Isméne, que esté ta- garelando @ rindo com um rapaz, rindo de todos nés, que aqui estamos a olhéi-la tranquilamente, de todos nés que ndo temos @ obrigagdo de morrer esta noite: ° O mego com quem estd falando a loira,-a bela, a feliz Is- méne, & } 2 aon, 0 f12ho'de Créon; Fiéest& noivo de Anti- ‘gone, Tudo o impelta para Isméne:.o prazer que ela sen- ‘ia em dangar e divertir-se, sua avidez de felicidade e ‘de exito, @ também sua sensualidade, porque Isméne 6 mut, to wais bonita que Antigone: , Uma noite, porém, aquela noite de baile em que ele 36 tinha dangado com Isméne, aquela noite em que Isméne ostava deslumbranto com seu vestido novo, ele foi procurar Antigone, que estava a um cento sonhando como agora, prendendo os joolhos com OS bragos, e pediu-a en casamento! Nunca ninguem comm Preendeu porque: Antigono ergueu para ele, sem surpre 2, seus olhos graves e disse "sim", com um leve sorrl So triste :.. A orquestra atacava uma nova danga; Is ne ria de gargalhadas num grupo de outros rapazes, _@ eis que agora ele 6 que ia ser o marido de Antigone: Ela ndo sabia quo nunca poderia havor marido de Antigo ne nesta terra @ que esse titulo principesco apenas 1ho conferia o direlto do morrer: Aquele homem robusto, de cabelos brancos, que estd alf meditando, ao lado de seu pagem, é créon. f 0 relzEst& cheio de rugas e fatigado: © seu papel é o papel difi- cil de governar os homens, Antigamente, no tempo de fdi Po, quando era apenas a primeira figura da corte, ele gostava de musica, de encadernagdes ponitas, de longos passeios pelos modestos antiqudrios de Teva: Mas fialpo © seus filhos morreram, le entdo abandonou os livros 6 os seus objetos de arte, arregagou as mangas e@ tomou o lugar deles: De noite, 4s vezes, sente~se cansado © poeese a perguntar se valerd a pena governar os homens: Se ésse nao sevé. ua officio Sérdido que se deve deixar para gonte réles.: > & logo de manha surgem os problemas explicitos que é preci ‘so resolver, e Ge se levanta tranquilamente como um ope. ratio no comego do seu dia de trabalno. Aquela senhora de idade » que esté fazendo tricé ao lado da ema que criou as duas montnas, £ surtatco, @ mulher de créon, Ela faré tricé durante toda a tragédia, até que chegue @ sua vez de se levantar e morrer; & béa, di” na, amorosa; ela ndo o ajuda em nada; Créon esté 26. S¢ Gon seu Pequeno page, que 6 pequeno demais e que em nade também poderd auxi114-10; Aquele mogo pdlido, que esta 14, no fundo, encostado’a parede, sonhando solit&rlo, 6 0 Mensageiro. 1 éle que, d'aqui a pouco, vird anunciar a morte de Hémon, & por Jsso que nao quer conversar nem se misturar con 03 oU- tros: que 6le Jisabe 223 Enfin, aqueles trés homens sangufneos que estdo jogando cartas:, de chapew na nuyfea, so 08 uardas ; Nao sao maus fujeitos, tém mulheres, filhos, caceteagdes como todo o nundo. Mas, daquf a povco vZo prender os acusados com @ nalor naturaltdade. ‘trecandam a alho, couro e surrapa no tém imaginagio algum.. So os auxiliares da Justi ga de Créon, por enquanto; isto 4, até que wm novo cheze Ge Tebas, devidamente empossado, mande que eles prendam créon: E agora, que vocés j4 conhecem a todos, eles vao poder representar: A historia. comega no momento em que os Gots filhos de fdtpo, Etééeles e Polinices, que daviam reinar em Tebas pov perlodog de um ano cada um, lutaram wm coutra o outro ¢ se materem um ap outro, junto ds ma vralhas da cidade, porque Etooéles, 6 mais velho, findo o seu primeiro ano de governo se recusou a ceder o pos to ao irmio. Sete grandes principes estrangeliros, que Polintees conseguira formar sob a sua bandeira, foram corrotades frente 4s sete portas de vedas. Agora a ci~ dade esta salva, os dots irmios inimigos mortos 6 créon, 9 rei, ordenou que se fizessem dmponentes funerais a Eteo efles, © bom irmio, mas que Polinices, o patife, o revo, tado, o canalna a S080 entrogue, sem Drantos nem sepultu- ra, & gula de serves, © chacais; Quem ater que ouse ren~ der2he homenagens funebres, sera impiedosamente conde~ nado & morte;