Anda di halaman 1dari 5

LIÇÃO 12

24/09/18

ESCATOLOGIA INDIVIDUAL

Texto Áureo: 4 Vi também tronos, e nestes sentaram-se aqueles aos quais foi dada
autoridade de julgar. Vi ainda as almas dos decapitados por causa do testemunho de Jesus,
bem como por causa da palavra de Deus, tantos quantos não adoraram a besta, nem
tampouco a sua imagem, e não receberam a marca na fronte e na mão; e viveram e
reinaram com Cristo durante mil anos. 5 Os restantes dos mortos não reviveram até que se
completassem os mil anos. Esta é a primeira ressurreição.

Verdade Prática: O mundo conhecerá o reinado de Jesus durante o Milênio. Será um tempo
de paz e harmonia jamais visto.

SUMÁRIO

1 Introdução .................................................................................................................................. 2
2.Escatologia individual nas diversas religiões ............................................................................... 2
3.Onde estão os salvos? ................................................................................................................ 2
4. O CÉU......................................................................................................................................... 3
5. A Presente situação dos Ímpios Mortos .................................................................................... 4
6. O INFERNO ................................................................................................................................. 4
7.Conclusão ................................................................................................................................... 5
1 INTRODUÇÃO

A morte se tem feito tema de discussão e preocupação de todos os povos, independentemente


da cultura e da religião que tenham. A partida de um ente querido para o Além, não apenas fere
corações queridos, também levanta indagações dos que aqui ficam quanto ao futuro eterno do
ente querido que partiu. Neste caso, a Bíblia é de inestimável valor, uma vez que ela fala, não
apenas da vida presente, mas também fala da morte, do estado intermediário dos mortos e do
que lhes aguarda no porvir.

2.ESCATOLOGIA INDIVIDUAL NAS DIVERSAS RELIGIÕES

Mesmo as religiões falsas, tanto as mais primitivas como as mais evoluídas, têm sua escatologia.
O budismo tem o seu nirvana, o maometanismo o seu paraíso sensual, e os índios americanos
os seus felizes campos de caça. A crença na permanente existência da alma aparece em toda
parte e sob diversas formas. Diz J. T. Addison: “A crença em que a alma do homem sobrevive à
sua morte, tão perto está de ser universal que não temos nenhum registro confiável de alguma
tribo, nação ou religião em que ela não esteja em destaque”. Pode manifestar-se na convicção
de que os mortos continuam pairando nos arredores e por perto, no culto aos antepassados, na
busca de comunicação com os mortos, na concepção de um mundo subterrâneo habitado pelos
mortos, ou na idéia da transmigração das almas; mas,numa ou noutra forma, está sempre
presente.

3.ONDE ESTÃO OS SALVOS?

A Palavra de Deus afirma enfaticamente que uma das razões porque Jesus veio a este mundo,
foi para nos mostrar não apenas como termos vida abundante aqui, mas também vida eterna
no Além. A Bíblia diz: "Segundo o poder de Deus, que nos salvou e nos chamou com santa
vocação; não segundo as nossas obras, mas conforme a sua própria determinação e graça que
nos foi dada em Cristo Jesus antes dos tempos eternos" (2 Tm 1.9,10). A imortalidade sempre foi
um fato inconteste nas Escrituras, mas foi necessário que Cristo a trouxesse à luz para que
soubéssemos o que ela é e como podemos obtê-Ia.

a) Antes da Ressurreição de Cristo

Para compreender o ensino bíblico sobre o lugar para onde vão os mortos, é necessário
observar o texto original tanto do Antigo quanto do Novo Testamento. A palavra sheol, no
Antigo Testamento, equivale em sentido a Hades, no Novo. Ambos os termos designam o lugar
para onde, nos tempos do Antigo Testamento, eram levados todos os mortos: justos e ímpios,
havendo, no entanto, nessa região dos mortos uma divisão para os justos e outra para os
ímpios, separados por um abismo intransponível. Todos estavam ali plenamente conscientes. O
lugar dos justos era de felicidade, prazer e segurança. Era chamado “Seio de Abraão” e
"Paraíso". Já o lugar dos ímpios era (e ainda é) medonho, cheio de dores, sofrimentos, e os que
aí habitam estão em plena consciência.

b) Depois da Ressurreição de Cristo

2
Antes de morrer por nós, Jesus prometeu que as portas do Inferno não prevalecerão contra a
Igreja. Isto mostra que os fiéis de Deus, a partir dos dias de Jesus, não mais desceriam ao Hades,
isto é, à divisão ali reservada para os justos. O texto de Mateus 16.18, indica futuridade em
relação à ocasião em que foi proferido por Jesus. A mudança ocorreu entre a morte e a
ressurreição do Senhor, pois Ele disse na cruz ao ladrão arrependido: "Hoje estarás comigo no
paraíso" (Lc 23.43). Escreve o apóstolo Paulo: "Quando ele [Jesus] subiu às alturas, levou cativo
o cativeiro, e concedeu dons aos homens. Ora, que quer dizer subiu, senão que também havia
descido até as regiões inferiores da terra?" (Ef 4.8,9). Entende-se, pois, que Jesus ao ressuscitar
levou consigo os crentes do Antigo Testamento, que jaziam no "Seio de Abraão". A muitos
desses crente Jesus ressuscitou por ocasião da sua própria morte no Calvário, certamente para
que se cumprisse o tipo prefigurado na Festa das Primícias (Lv 39.9-11) que profeticamente
falava da ressurreição de Cristo (1 Co 15.20,23). Nessa festa profética havia pluralidade (o texto
fala de "molho" ou "feixe"). Logo, no seu cumprimento deveria haver também pluralidade. E
houve, conforme vemos em Mateus 27.52,53. Deste modo a obra redentora de Jesus no
Calvário alcançou beneficamente não só os vivos, mas também aqueles que dormiam no
Senhor.

O apóstolo Paulo foi ao Paraíso, o qual está no terceiro céu (2 Co 12.1-4). Portanto, o Paraíso
está agora lá em cima, na imediata presença de Deus, e não em baixo, como dantes. As almas
dos mártires da Grande Tribulação permanecerão no Céu, "debaixo do altar", aguardando o
momento da ressurreição e ingresso do reino milenial de Cristo" (Ap 6.9,10; 20.4). Portanto, os
crentes que agora dormem no Senhor, estão no Céu, pois o Paraíso está agora ali, como um dos
resultados da obra redentora do Senhor Jesus Cristo" (2 Co 5.8). No momento do
arrebatamento da Igreja, porém, seus espíritos virão com Jesus, unir-se-ão a seus corpos
ressurretos, e subirão com Cristo, já glorificados. Depois que Cristo subiu para o Céu, a Bíblia
nunca mais se refere ao Paraíso como estando "em baixo". Desse ponto em diante todas as
referências no Novo Testamento sobre o assunto, falam da localização do Paraíso como estando
"em cima" ou "no alto".

4. O CÉU

O destino final e eterno da Igreja é sua habitação na eterna presença de Deus. A Bíblia e a
doutrina cristã chamam isto de "céu". Mas, como é o Céu?

1. O Céu é Um Lugar Indescritível Quando as pessoas perguntam qual a crença cristã sobre o
Céu, não é possível dar uma resposta precisa e detalhada. As razões são óbvias. Como seria
possível explicar a um índio que vive nas selvas do Xingu como é a cidade do Rio de Janeiro?
Todavia, tanto ossilvícolas quanto os citadinos vivem no planeta Terra, respiram o mesmo ar e
gozam dos benefícios do mesmo sol. Mas o Céu, como quer que ele seja, deve ser
fundamentalmente diverso. Sua definição deve estar quase além do entendimento e
imaginação do homem. A coisa mais importante que podemos dizer neste caso é que o Céu é
onde Deus está. Em termos do livro de Apocalipse, "Deus habitará com os homens?" (Ap 21.3).

2. O Céu é um Lugar Real Este mundo é apenas a porta de entrada no mundo do porvir. A
existência presente é apenas a primeira página da eternidade à qual fomos destinados por
Deus. Deste modo, no seu anseio por coisa melhor, o coração é levado a admitir a existência
dum lugar melhor, para onde partirá a alma após a morte física.

3. O Céu é um Lugar Espaçoso Grandes metrópoles como as cidades do México Tóquio, Nova
Iorque, Buenos Aires e São Paulo, se constituem em insignificâncias diante da imensidão que é o

3
Céu. No começo da descrição da sua visão dos mártires glorificações, escreve o apóstolo João:
"Depois destas coisas olhei, e eis aqui uma multidão, a qual ninguém podia contar, de todas as
nações e tribos, e povos, e línguas, que estavam diante do trono, e perante o Cordeiro, trajando
vestidos brancos e com palmas nas suas mãos" (Ap 7.9).

4. O Céu Fica em Cima A posição exaltada do Céu é encontrada ao longo de toda a narrativa
bíblica. Sim, o Céu reserva maravilhosas perspectivas para aqueles que foram lavados no
precioso sangue de Cristo; e a verdade é que, onde quer que esteja o Céu, está vinculado às
bênçãos de Deus em Seu Filho, Jesus Cristo.

5. O Céu é um Lugar de Maior Conhecimento Salomão diz que "ficar a alma sem conhecimento
não é bom" (Pv 19.2). Certamente que Salomão fala da sabedoria deste mundo. Mesmo assim,
esta sede de conhecimento se constitui num dos elementos de distinção entre os homens e os
irracionais. O conhecimento que pertence a este mundo corresponde a importantes propósitos,
porém "a excelência do conhecimento" só é encontrada em Cristo e na salvação que Ele oferece
(Fp 3.8). Os santos na terra, quando comparados com os pecadores, são incomparavelmente
sábios; porém comparados com os santos que estão nos Céu, sabem mui pouco.

6. O Céu é um Lugar de Santidade Perfeita No Céu não há pecado. É um lugar de delícias. Os


anjos são santos. Os redimidos estarão diante do trono sem mancha alguma. A santidade do
Céu se constitui num dos seus mais poderosos atrativos.

7. O Céu é um Lugar de Amor Santo O Céu é um reino repleto de santo amor. Todos os santos
daquele mundo dourado amam a Deus no sentido mais elevado. Diferentemente deste mundo
hostil em que vive, ao chegar no Céu o crente poderá dizer convictamente: "Amo a cada um
destes santos que aqui estão e cada um deles me amam".

5. A PRESENTE SITUAÇÃO DOS ÍMPIOS MORTOS

Para os ímpios mortos não houve qualquer alteração quanto ao seu estado. Continuam
descendo ao Hades, o "império da morte", onde ficarão retidos em sofrimento consciente até o
Juízo Final, após o Milênio, onde serão julgados e condenados ao Inferno eterno (Ap 20.13-15).
Assim sendo, qualquer fantasma ou "alma do outro mundo" que porventura aparecer por aqui,
é coisa diabólica, porque do Hades não sai ninguém. É uma prisão, cuja chave está nas mãos de
Jesus (Ap 1.18). Alma doutro mundo não vem à Terra, pois os salvos estão em Jesus, e os
perdidos que morreram estão encerrados para o grande dia do juízo do Grande Trono Branco.
O Diabo, sim, por enquanto está solto, vivo e ativo no planeta Terra.

6. O INFERNO

Ao mesmo tempo em que é um grato privilégio referirmo-nos ao Céu como a morada dos
justos, se constitui um solene dever reconhecer o ensinamento da Bíblia acerca do Inferno, o
lugar onde os maus serão castigados. A tendência própria da doutrina do castigo futuro é
separar o homem do pecado, assim como a doutrina da bem- aventurança futura o estimula e o
atrai à santidade. Evidentemente, tudo o que tivermos de dizer sobre o Inferno como "lugar de
tormento", deverá ser provado pelas Escrituras. Sem este auxílio, nosso raciocínio não é digno
de crédito.

1. O Inferno Existe É inegável que há um inferno, em vista dos seguintes textos das Escrituras:

4
-"Portanto, se o teu olho direito te escandalizar, arranca-o para longe de ti, pois te é melhor que
se perca um dos teus membros do que seja todo o teu corpo lançado no inferno" (Mt 5.29)..

- "E não temais os que matam o corpo, e não podem matar a alma; temei antes aquele que
pode fazer parecer no inferno a alma e o corpo" (Mt 10.28).

-"Serpentes, raça de víboras! como escapareis da condenação do inferno? (Mt 23.33).

-"E, se a tua mão te escandalizar, corta-a; melhor é para ti entrares na vida aleijado, do que,
tendo duas mãos, ires para o inferno, para o fogo que nunca se apaga" (Mc 9.43).

-"Mas eu vos mostrarei a quem deveis temer; temei aquele que, depois de matar, tem poder
para lançar no inferno; sim, vos digo, a esse temei" (Lc 12.5).

Estas passagens provam de maneira enfática, que há um inferno, e que é um lugar terrível; pois
se nos ensina que é prudente evitar o inferno, sendo preferível sermutilado ou sofrer a morte
do corpo.

2. Os Maus Serão Castigados no Inferno Que é castigo? É a imposição de uma pena por causa de
desobediência. Impor uma pena sem haver desobediência, seria uma calamidade e não um
castigo. Neste caso o castigo tem relação com o pecado, e, debaixo do governo de Deus, a pena
é imposta por sua lei. É Deus quem executa a pena de morte eterna aos transgressores da sua
lei. Segundo o ensinamento das Escrituras, os ímpios no Inferno serão castigados na medida do
que requerem as suas faltas. Isto demonstra que o castigo será à medida da gravidade da falta,
será gradual em intensidade e não quanto à duração, uma vez que as Escrituras mesmas dizem
que o castigo será eterno.

3. O Castigo no Inferno Será Eterno As palavras de Jesus são: "E irão estes para o tormento
eterno" (Mt 25.46). Acerca do castigo dos maus, diz o apóstolo Paulo: "Os quais por castigo
padecerão eterna perdição, ante a face do Senhor e a glória do seu poder" (2 Ts 1.9). A
destruição a que a Bíblia faz referência, não é aniquilamento, porque durará eternamente. E o
processo de destruição que continuará para sempre. A doutrina do aniquilamento dos maus,
ensinada por algumas seitas heréticas, não encontra apoio nas Escrituras. Como seus
defensores não podem dá sequer um exemplo de aniquilamento no mundo material, como
provar ser isto possível no mundo espiritual? Insistir nesta discussão é contrário tanto à filosofia
quanto à Palavra de Deus. No seu DISCURSO AOS GREGOS ACERCA DOS HADES, o historiador
judeu, Flávio Josefo, contemporâneo do Senhor Jesus Cristo, descreve o Inferno como um lugar
"preparado para um dia predestinado por Deus, dia no qual haverá um justo juízo sobre todos
os homens, quando os injustos e todos os que têm sido desobedientes a Deus e têm honrado os
ídolos, serão mandados a este castigo eterno... enquanto os justos obterão um reino
incorruptível que nunca desaparecerá".

7.CONCLUSÃO

Todo ser humano tem uma alma imortal, e é responsável por ela, no sentido de colocar num
caminho reto, depositando de fé sua alma aos cuidados de Cristo, ou, num caminho de
perdição, buscando a auto gratificação e procurando salvar-se a si mesmo pelos próprios
méritos. A bíblia é clara em afirmar que só a dois caminhos, e é enfática em dizer que só o
caminho que é Jesus Cristo é que nos salva da morte eterna e o juízo, então devemos confiar
em Cristo para que nossas almas estejam segura nele.