Anda di halaman 1dari 4

SANEAMENTO AMBIENTAL EXPERIMENTAL

TH 758
DHS – PPGERHA - UFPR

AULA PRÁTICA 2 - Determinação da demanda biológica de oxigênio


(DBO) - Método Winkler (azida sódica) e Oxitop

1. Princípio do método – Método de Winkler


A determinação da DBO consiste em medidas da concentração de oxigênio dissolvido nas amostras,
diluídas ou não, antes e após o período de incubação de 5 dias a 20 ºC. Durante esse período ocorrerá
redução da concentração de OD na água, consumido por microrganismos aeróbios nas reações
bioquímicas de decomposição de compostos orgânicos biodegradáveis.

1.1 Equipamentos, vidrarias e materiais


 Garrafão para água de diluição (compatível com o volume necessário no ensaio)
 Incubadora termo-regulável (20±1ºC)
 Frascos de DBO de 300ml
 Pipetas volumétricas/micropipetas
 Béckeres
 Erlenmeyer
 Bureta de 50ml

1.2 Reagentes
 Solução tampão de fosfato
 Solução de sulfato de magnésio
 Solução de cloreto de cálcio
 Solução de cloreto férrico
 Água de diluição

1.3 Preservação da amostra


Após a coleta, a amostra deverá ser mantida refrigerada, com validade de até 24 horas para o início da
análise (incubação)

2. Procedimento experimental – Método Winkler

1. Regular o pH das amostras para 6,8 a 7,2 quando estiverem a temperatura ambiente. Utilize para o
ajuste soluções levemente ácidas ou básicas como HCl 0,01 mol.L-1 ou NaOH 0,01 mol.L-1; Obs. caso
haja a necessidade de correção do pH, as amostras deverão ser incubadas com adição de semente.
2. Adicionar ao frasco de DBO identificado, a amostra ou amostra mais a alíquota da diluição. O
Standard recomenda pelo menos 5 diluições. As diluições devem ser decididas com base na concentração
de DQO ou conhecimento anterior do conteúdo orgânico.
3. Anotar o nº e volume do frasco e a porcentagem da amostra adicionada em uma ficha de controle
padrão;
4. No caso de diluição da amostra, completar o volume do frasco com água de diluição evitando a
formação de bolhas e turbulências;
5. Preparar, considerando a necessidade de diluição, amostra em réplica de modo que possibilite a
medição do ODinicial e ODfinal;
5. Medir o ODinicial em um dos frascos.
6. Levar as amostras de DBO5 para a incubação (20±1ºC); (segundo frasco de cada amostra)
7. Após 5 dias determinar a concentração de ODfinal da amostra por meio do método modificado pela
azida sódica (ver POP-01);

2.1 Cálculo da DBO – Método Winkler sem semente

ODI  ODF
DBO5 (mg / L) 
P

em que :
ODI = concentração de OD inicial (mg.L-1)
ODF = concentração de OD final (mg.L-1)
P = fração volumétrica da amostra utilizada (ml)

2.3 Descarte dos resíduos


Depois de finalizada a etapa de titulação o resíduo gerado nas leituras de DBO, pode ser descartado
diretamente na pia sem necessidade de um pré-tratamento.

3. Princípio do Método respirométrico/manométrico - OXITOP

Baseia-se numa amostra em uma garrafa âmbar sob quantidade suficiente de microrganismos e nutrientes a
temperatura controlada de 201ºC e que por meio de agitação faz com que o O2 presente na câmara de ar se
dissolva no líquido. Os microorganismos respiram este oxigênio dissolvido na amostra durante o processo de
degradação da matéria orgânica, exalando CO2, que é absorvido pelos grânulos de NaOH p.a contido em um
reservatório de borracha, produzindo uma diferença de pressão na garrafa, que é medida pelo sensor Oxitop, cujo
sistema realiza este leitura digital e conversão dos valores para mg O2.L-1.
3.1 Equipamentos, vidrarias e materiais
 Garrafas de DBO Oxitop
 Bandeja de agitação magnética
 Agitador magnético
 Incubadora termo-regulável (20±1ºC)
 Pipetas volumétricas
 Frascos volumétricos padrão

3.2 Reagentes
 NAOH (pa) em pérolas
 Solução tampão de fosfato
 Solução de sulfato de magnésio
 Solução de cloreto de cálcio
 Solução de cloreto férrico
 Solução de cloreto de amônio

3.3 Preservação da amostra


Após a coleta, a amostra deverá ser mantida refrigerada, com validade de até 24 horas para o início da
análise (incubação)

4. Procedimento analítico: Método respirométrico/manométrico - OXITOP

1. Com o valor da DQO da amostra ou a faixa de DBO esperada e de acordo com estes valores observar na
Tabela 1, o volume da amostra e solução nutriente a ser transferido para a garrafa de Oxitop;

Tabela 1. Especificação dos valores de amostra e volume de solução nutriente utilizados na quantificação de DBO,
a partir do procedimento OXITOP segundo as faixas de DBO.

DBO ESPERADA VOLUME DE AMOSTRA VOLUME DE SOLUÇÃO


(mg.L-1) (ml) NUTRIENTE (ml)
0 – 40 432 1,7
0 – 80 365 1,5
0 – 200 250 1,0
0 – 400 164 0,6
0 – 800 97 0,4
0 – 2000 43,5 0,2
2. Transferir o volume de amostra no frasco de DBO Oxitop;
3. Pipetar o volume da solução nutriente, que é composta por:
a. 6ml da solução de tampão fosfato;
b. 2ml da solução de sulfato de magnésio;
c. 2ml da solução de cloreto férrico;
d. 2ml da solução de cloreto de cálcio;
e. 2ml da solução de cloreto de amônio.
4. Colocar a barra magnética dentro da garrafa;
5. Adicionar de 2 a 4 pastilhas de NaOH (p.a) no reservatório de borracha;
6. Colocar o reservatório com cuidado na boca da garrafa;
7. Fechar a garrafa com o sensor e colocar sobre o sistema de agitação;
8. Ligar o sistema de agitação e verificar os agitadores;
9. Pressionar simultaneamente as teclas M e S até que apareça no visor do sensor “00”;

4.1 Cálculo da DBO – Método Oxitop

A concentração final da DBO5 será dada após o término da análise no leitor do sensor do Oxitop.

4.2 Descarte do resíduo gerado – Método Oxitop

Depois de finalizada as leituras no equipamento OXITOP, o resíduo (amostra e mistura de solução


nutriente) pode ser descartado diretamente na pia sem necessidade de um pré-tratamento.

5. Referências

STANDARD METHODS, methods 4500 - O C & 5210 B (Apha, 1998)