Anda di halaman 1dari 3

ESCOLA SECUNDÁRIA MANUEL ARRIAGA Ano letivo 2017/2018

Linguagem e Comunicação B2A

FICHA N.º 5

Nome: ____________________________________________________________Nº:___________ Data:______/___/___

Parte A – Compreensão da leitura

Lê com muita atenção o texto abaixo.

A Borracha Cansada
Risco de lápis, risco de tinta, nada lhe escapava. E agora aquele cansaço,
sem saber porquê. De que seria? A borracha foi ao médico.
Na sala de espera do consultório, estava também um lápis com soluços, que
só desenhava linhas tracejadas. Veio depois, de maca, uma régua, que tinha
perdido os centímetros e, também muito combalida, uma caixa de lápis de cor,
descorados.
Quando o médico, depois de muito se ter feito esperar, finalmente chegou,
quem primeiro atendeu foi o rancho dos lápis de cor, porque já tinham consulta
marcada, há que tempos.
Receitou-lhes vitaminas e ares de praia. Veriam que voltavam a ganhar
cores, como dantes. E que fizessem exercício e que pintassem, primeiro pouco e
leve e depois com mais força. Era muito despachado este médico.
À régua sem centímetros deu-lhe de receita o lápis com soluços. Estavam
um para o outro. O lápis com soluços de certeza que iria avivar os centímetros da régua e ela, por sua
vez, lhe ensinaria a desenhar a direito.
Sobrava a borracha que já apagava pouco.
- Mas a senhora apagou imenso, ao que sei – disse-lhe o médico. – Uma vida inteira a apagar,
esgota qualquer um.
- Não aprendi a fazer outra coisa… - respondeu-lhe muito queixosa a borracha.
- Pois agora descanse, porque está com um esgotamento. Precisa de férias – recomendou-lhe o
médico. – A senhora está num risco muito grande.
- Risco grande? – exclamou a borracha. – O que era isso, dantes, para mim…
- Resguarde-se. É um aviso. Senão, apaga-se de vez.
Que horror! Para que tal não aconteça a borracha repousa agora na minha secretária, a ver passar
os riscos que eu vou traçando no papel. E, para não perder o treino, lá lhe consinto que apague um
pontinho aqui, um pontinho ali, por desfastio. Vão ver que, qualquer dia, já está boa, outra vez.

António Torrado, Da Rua do Contador para a Rua do Ouvidor, Desabrochar Editorial, 1990
Depois de teres lido com muita atenção o texto, responde, de forma completa, às
questões que se seguem.

1. Qual o título do texto?


____________________________________________________________________
2. Quem é o seu autor?
____________________________________________________________________
3. Identifica a obra da qual foi retirado este texto.
____________________________________________________________________
4. O texto que acabaste de ler é:
a) Uma fábula. (__) b) Uma aventura. (__) c) um conto. (__).
5. Qual é o tipo de narrador do texto? Justifica a tua resposta.
____________________________________________________________________________
____________________________________________________________
6. Neste texto a história passa-se em mais do que um espaço. Identifica-os.
___________________________________________________________________
7. Porque é que a borracha foi ao médico?
____________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________
8. No consultório estavam outros pacientes. Quais?
____________________________________________________________________
9. Qual era o problema dos lápis de cor?
____________________________________________________________________
9.1.Que lhes receitou o médico?
_________________________________________________________________
10. Que conselho deu o médico à borracha para que não se apagasse de vez?
____________________________________________________________________
11. Substitui as palavras ou expressões em destaque por outra sem alterar o sentido.
11.1. (…) quem primeiro atendeu foi o rancho dos lápis de cor.
_________________________________________________________________
11.2. Senão, apaga-se de vez.
_________________________________________________________________
Parte B – Gramática
1. Classifica as frases quanto ao tipo e à forma.
Frases Tipo Forma
“Risco grande?”
“Resguarde-se.”
“Que horror!”
“Não aprendi a fazer outra coisa…”

2. Identifica o número de parágrafos do texto.


____________________________________________________________________

3. Coloca os sinais de pontuação adequados nos locais assinalados com (__).

(__) Olha, Linguado! Este barco está cheio de tesouros! (__) disse Ariel, a Pequena Sereia,
remexendo entre os resto de um naufrágio.
O peixinho contemplou com curiosidade o cachimbo que ela lhe mostrava.
(__) O que é isso, Ariel? Para que serve?
(__) Não sei (__) disse (__), mas é lindo. Anda, ajuda-me a procurar mais coisas.
(__) Temos que ir, Ariel (__) disse o peixe. (__) O teu pai deve andar à tua procura.
Estavam tão distraídos que não repararam num tubarão.
(__) CUIDADO, ARIEL! (__) disse o peixe aterrorizado!
(__) Corre, Linguado! (__) disse a Pequena Sereia. (__) Segue-me!
O peixinho desatou a nadar o mais depressa que lhe permitiam as suas diminutas
barbatanas.
(__) Por aqui! (__) disse Ariel apontando para uma corrente que segurava a âncora.
Linguado e a Pequena Sereia só tiveram tempo de passar através da argola da corrente,
antes que a imensa cabeça do tubarão ficasse presa nela.
(__) Que sorte termos conseguido escapar, querido amigo! (__) disse Ariel sem perder o
seu encantador sorriso.
A Pequena Sereia, Everest Editora (adaptado)

A professora: Sandra Dutra