Anda di halaman 1dari 9
| | | | [346] wor exasssies vo ronrucues sesteito v1. ACOORDENACAO. saa. ESTATUTO DA COORDENAGAO A polarizagio coordenedas/subordinadas ébem antiga na reflexto grammatical, estava asso a questio da concordancia, Apoldnio Discolo (sé. 1 d.C./1987) descreve a similitude das term bes flexionais constativeis entre o adjetivo eo substantivo, e entre o verbo e o substantvo- sujet Como uma relagdo de igualdade, Para denominar tal relagio, vale-se de diversos verbos prefia porsy-spreposigio grega que correspond latina cm (>co-,em coordenada),adequada rest {que os termos relacionados apresentam-se em pé de igualdade, concordes entre si. Bécares Bots (apud Discolo,séct C1987: 42) destacou ess fat, listando os verbos uilizados por Apolo Discolo para indicar a relagdo de coordenagio: synparalambeino (“ligar em conjunto’,synércoma (teunir-se [através de sufxos}”) e spnécho (“manter-se ligado 2°). Jé as relastes de dependent foram denominadas por meio de verbos prefixados por ep, do latim super, empregando os verbog epidzetéo (“procurar, buscar’, pois 0 verbo transitvo “procura o objeto direto’ sem o qual no produz uma oragao perfeita)e epartdo(“ligara, pendurar’, pois o termo subordinado pendura no termo subordinador), ‘Vé-se que Apolonio Discoto tratava a concordancia como um epifendmeno que abriga tanto a concordancia nominal e verbal quanto as rlagOes entre sentengas, que podiam concord (© coordenadas) ou nao (= subordinadas). ‘Varios argumentos retomaram na Linguistica moderna a conveniéncia de distinguir senteng coordenadas de sentencas subordinadas, tendo-se examinado a natureza dessas elacoes: (1) na coordenacio, as sentencas so idénticas ou equivalentes; na suberdinasao, elas ni equivalems; (2) _assentengas coordenadas nto podem ser focalizadas, pois no funcionam como con ‘uintes de outra sentenga, o que ocorre com as subordinadas, (3) a simetria semantica entre as coordenadias,eassimeteia entre as subordinadess (4) as relagies de coordenasio e subordinagio ocorrem também no processo de de morfoldgica; (5) “casos de coordenagao [podem ser tratados] como expanses de estruturas equivalent sintitica e seranticamente, o que os aproxima dos casos de repetisio, um compro te6rico marcadamente funcionalista” (Camacho / Pezati, 1998: 88. Passo a elaborar alguns desses argumentos. 1. Coordenadas e suibordinadas representa expansdes de unta sentenca simples. Na coord naglo, a fungio do elemento acrescentado € idéntica dos elementos preexistentes” (Marit 1968, apud Dias de Moraes, 1987: 33). }éna subordinacfo, 0 clemento subordenado tem nat sintética distinta da do superordenado, ao qual modifica semanticamente, A identidade sinti das sentengas coordenadasé sua propriedace mais lembrada. Como diz Rojas Nieto (1970: 18 “a coordenagio um procedimento combinatério sintético de termos equivalents, inserod i mesmo nivel de estrutura hierérquica, que opera seja por simples justaposicio, seja por meio dg tum elemento conectivo”. Do ponto de vista semAntico, um elemento coordenado nao modifi ‘outro, nisto que nio Ihe dé qualquer contribuicgo de sentido. As relagbes de subordinagio ocor (i) entre o suibstantivo e 0 adjetivo; (i) entre o verbo e seu complemento; (iii) entre a senting subordinada ea superordenada, ou matriz. 2,lguns testes sugeridos, entre outros, por Scorretti (1988), permitem distinguir a coordena a subordinagio: A sOMTINEA comPeana Eva Toioet [347] 2.1 Assubordinadas podem ser focalizadas por clivagem, visto que fancionam como constituin- {es integrados em sentengas hierarquicamente maisaltas. As coordenadas néo tm essa propriedade, por isso nao podem ser clvadas. A clivagem afeta 0 operador da ligacto sintatca (28) Disse que voltaria logo, Se eu quiser eu saio. Eu saio quando quiser. (280) Disse & que voltaria logo. £ se eu quiser queen sao, E quando eu quiser que ex sao. (29) Clara encontrow Médrio e saiu com ele. Clara encontrou Mério ou saiu com ele. Clara encontrou Mario mas saiu com Alberto. (29a) *Clara encontrou Mario ée que saiu com ele. “Clara encomtrou Mério éou que sai com el, “Clara encontrou Mirio é mas que sau com Alberto. 2.2. Oselementos coordenadlos sko simétricos, visto que nfo se modificam,e porisso podem mu- dar de lugar no enunciado, sem aterar sua interpretagéo semantic Os elementos subordinados, quan- dointercambiados, liberam outrossignificados. Isso pode ser demonstrado pelas seguintes pardfrases: (80) Mario chegou e André saiu. Amanhd chega Mario ou André? E jover mas €disciplinado. (302) André sain e Mério chegou. Amana chega André ou Mério? E diseiplinado mas ¢ joven, (1) Buzina quando chega. Disse que vinha. Comeu porque estava com fom. Gla) Chega quando buzina. Que vinha, disse. Estava com fome porque come. Aparentemente, apenas as sentencas coordenadas sio simétricas, isto 6, reversiveis, ao passo aque as subordinadas slo assimétricas,ireversiveis. Estas propriedades sto de natureza maiormente discursiva. 0 conhecimento de mundo pode afetaraaplicacao desses testes. Assim, os predicadores “encontrar X”e“sait com X” implicam numa sequencialidade que nao pode ser alterada se 0 sujeto ¢idéntico, como em (29b)*Clarasaiu com Mario eo encontrou. possivel apenas em caso de sujeito diferente: (82). Clara sai com Mario e Josefa encontrou And. (32a) Josefa encontrow André e Clara saiu com Mario. ‘Tanto em (30) quanto em (31), a mudanga na ordem das sentencasaltera 2 orientagao argu- ‘mentativa, ofoco, ¢as implicaturas. Assim, na terceira senten¢a de (30), a equacio por implicitaco over = indisciplinado &alterada. Na primeira sentenga de (31),0 predicado buzina €uma evidencia da chegada de alguém, mas em (31a) € apenas um modificador de chega. Na segunda sentenga de (Gla), a reversao apenas focalizaa sentenga subordinada. E assim por diante. 23. Prefixos podem ser ligados por coordena¢do, nio por subordinacao: (83) Quero uma mii e wma minidesvalorizacae do délarimés ou minidesvalorizacaolnao uma ‘maxi, mas uma minidesvalorizasao. (64) Ordenou que uma més e uma minidesvalorizagao do délarintegrasse as negeciagbes, (G42)*Ordenow uma maxi que uma minidesvalorizasto do délar. ‘Vé-seque Seorretti operou com argumentos gramaticais (2.1,2.3) esemanticos (2.2). Quando.os testes falharam, 2 explicacio correu para os lados do discurso, Deacordo coma teoria que movimenta ‘sta gramtica, qualquer um dos fend menos invocados pode merecer uma anilise multissistémica. 3. Hockett (1958/1971) distingue estruturas endocEntricas de estruturas exocéntricas. As estru- turas coordenadas sio endocéntricas, no sentido de que tém seu niicleo em seu interior, ¢assubor- dinadas sio exocéntricas, no sentido de que seu nticleo se encontra fora de seus limites, vale dizer, | na cstrutura matriz. Esse argumento foi retomado por Neves (1984: 63) no caso das coordenadas: “o trago central que define dois seymentos entre 0s quais ocorre uma conjungéo coordenativa é 0 sda exterioridade: 0 segundo segmento 6, sintaticamente, externo ao primeiro” (© portugués brasileiro ndo dispoe de marcagso morfolgica para as coordenadas, apenas para as [548] sow enautrica no rorruouts sxastei ‘ou nos valemos das conjungtes do tipo de e, mas; nas coordenadas de sujeito idéntico, apaga-se 0 sujeito da segunda sentence, nas construgbes de ordem nao marcada, Na subordinasio, além das