Anda di halaman 1dari 16

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO

CURSO DE FARMÁCIA
DISCIPLINA: QUÍMICA GERAL E INORGANICA
PROF. DRª CRISTINA ALVES LACERDA

DOCENTES: MARTHA CRISTINA ANDRADE FONSECA


SIDYNA SAMARA MENDES MACHADO
CECÍLIA CRISTINA COSTA TINOCO

DENSIDADE DE SÓLIDOS E LÍQUIDOS

SÃO LUÍS
21 de setembro de 2018
05 de outubro de 2018
SUMÁRIO

1. RESUMO.................................................................................................................3
2. INTRODUÇÃO.......................................................................................................4
3. OBJETIVO..............................................................................................................5
4. MATERIAIS E REAGENTES..............................................................................6
4.1. Materiais e reagentes da densidade dos sólidos...................................................6
4.2. Materiais e reagentes da densidade dos líquidos.................................................6
5. PROCEDIMENTO EXPERIMENTAL................................................................7
5.1. Métodos de densidade dos sólidos.........................................................................7
5.2. Métodos de densidade dos líquidos.......................................................................7
6. RESULTADOS E DISCUSSÕES..........................................................................8
6.1. Densidade dos sólidos.............................................................................................8
6.2. Densidade dos líquidos...........................................................................................8
6.3. Resultados a apresentar.......................................................................................11
7. CONCLUSÃO.......................................................................................................13
7.1. Densidade dos sólidos...........................................................................................13
7.2. Densidade dos líquidos.........................................................................................13
8. ANEXO..................................................................................................................14
9. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS................................................................16
3

1. RESUMO
Esse relatório trata da densidade dos sólidos e dos líquidos. A densidade, é a relação
entre massa e volume, sendo uma propriedade intensiva. Pesando os objetos sólidos: esfera,
latão e ferro, e depois observando o deslocamento da água, descobriu-se o volume e aplicou-
se o cálculo da densidade. Na densidade dos líquidos, utilizou-se o volume do picnômetro e a
massa das soluções.
No experimento foi observou-se que a densidade pode mudar, de acordo com os
compostos, o formato dos objetos, a pureza das soluções, a calibragem das balanças e até as
vidrarias podem interferir no cálculo da densidade.
4

2. INTRODUÇÃO
“A densidade é definida como a massa da unidade de volume de uma substância, ou
simplesmente, massa por unidade de volume”. (RUSSEL, 2004, p. 40). A densidade é a
relação entre massa e volume, a uma dada pressão e temperatura e sua fórmula é:
𝑚
𝑑=
𝑣
Onde: 𝑑 é a densidade, v é o volume e m é a sua massa. No SI (Sistema Internacional
de Unidades) a densidade dos sólidos e líquidos são comumente expressas em gramas por
centímetro cúbico, g/cm³. Ela é uma propriedade intensiva, possui um valor fixo e não
depende da quantidade da substância. Sendo possível identificar uma substância pelo seu
valor. A densidade relativa de um material é a relação entre a sua densidade absoluta e a
densidade absoluta de uma substância estabelecida como padrão, sendo que a água é a
substância padrão. A densidade dos objetos sólidos é dependente da sua temperatura e da sua
estrutura cristalina. Sendo que para o cálculo das densidades dos objetos sólidos podemos
descobrir o valor da massa e do volume, através da pesagem do objeto e a medição do seu
volume, que pode ser medido colocando-o em um recipiente cheio de água; o volume de água
deslocada é igual ao volume do objeto irregular, sendo que a esfera é uma exceção, podemos
determinar seu volume através de uma fórmula:
4𝜋𝑟 3
𝑉𝑒𝑠𝑓 =
3
Onde: v: volume da esfera, r: raio da esfera, π: 3,14. Os líquidos são substâncias com
densidades bem menores em relação aos sólidos, pois, as partículas de suas moléculas se
encontram mais distanciadas umas das outras. Suas densidades variam um pouco e para se
medir a densidade de líquidos e fluidos, existem dois tipos de equipamentos: um deles é o
picnômetro e o outro é o densímetro. No experimento foi utilizado o picnômetro.
5

3. OBJETIVO
Determina a densidade dos sólidos como o da esfera, do prego e do latão através da
diferença de volume, e o uso paquímetro com a esfera. E para determinar a densidade de uma
mistura utilizando o método do picnômetro e aplicar conceito de erro.
6

4. MATERIAIS E REAGENTES
4.1.Materiais e regentes da densidade dos sólidos
 Balança digital
 Proveta graduada 25 ml
 Proveta graduada 50 ml
 Béquer 100 ml
 Sólidos: esfera de vidro, latão e prego
 Paquímetro
 Pipeta paster
 Piceta
 Placa de Petri
 Bastão de vidro
 Água destilada
4.2.Materiais e reagentes da densidade dos líquidos
 Balança digital
 Béquer 100 ml
 Picnômetro
 Piceta
 Termômetro
 Solução de NaCl a 5%
 Solução de NaCl a 10%
 Solução de NaCl a 15%
 Solução de NaCl a 20%
 Água destilada
 Papel toalha
7

5. PROCEDIMENTO EXPERIMENTAL
5.1. Métodos de densidade dos sólidos
Primeiro, mede-se o diâmetro da esfera utilizando o paquímetro, e com a
𝐷
utilização da fórmula r = se encontra-se o raio da esfera. Após tirar as medidas,
2

faz-se a pesagem da esfera na balança, para medir sua massa. E para encontrar o
volume da esfera, utiliza-se a fórmula do volume da esfera.

Faz-se a pesagem dos objetos sólidos na balança analítica, depois se coloca


uma medida de água na proveta V1 (água), e após anotar o dado coloca-se o objeto
sólido na água V2 (água com o objeto sólido), e a diferença 𝑉𝑓 = 𝑉2 – 𝑉1, Vf
será o volume ocupado pelo sólido.

Com a massa e o volume do objeto se calcula a sua densidade através da


𝑚
fórmula 𝑑 = 𝑣 .

5.2. Métodos de densidade dos líquidos


O picnômetro foi calibrado e depois pesado. Sendo que a pesagem da água
foi duplicada. Foi colocada água destilada no béquer de 100ml, com o uso da
pisseta. Mediu-se a temperatura da água com um termômetro (três minutos), pois
sua densidade varia de acordo com a sua temperatura. Colocou-se a água do
béquer no picnômetro, e o pesou na balança analítica. Colocou-se composto de
NaCl 5%, no béquer e dele foi transferido para o picnômetro para ser pesado em
triplicada. O mesmo procedimento foi adotado para o NaCl a 10%, a 15% e a 20%.
8

6. RESULTADOS E DISCURÇÕES
6.1. Densidade dos sólidos
No decorrer do experimento, foram feitas as medições da esfera para encontrar
o diâmetro, o raio utilizando o paquímetro, e pesou-se a esfera na balança analítica
para saber a massa, e através da fórmula para encontrar o seu volume. Na tabela 1,
estão todas as medidas que foram obtidas.
DIÂMETRO MASSA RAIO VOLUME DENSIDADE
(cm) (g) (cm) DA ESFERA (g/cm³)
(cm³)
ESFERA 1,5 7,1567 0,75 1,7662 4,0519
Tabela 1: Características da esfera.
Cálculos:
4𝜋𝑟³ 3×3,14×0,75³ 5,2987
𝑉𝑒𝑠𝑓 = → 𝑉𝑒𝑠𝑓 = → 𝑉𝑒𝑠𝑓 = → 𝑉𝑒𝑠𝑓 = 1,7662𝑐𝑚³
3 3 3
𝑚 7,1567
𝑑= → 𝑑 = 1,7662 → 𝑑 = 4,0502𝑔/𝑐𝑚³
𝑣

As medidas dos sólidos de latão, do prego e da esfera, primeiro foram pesadas


a amostra de cada sólido. E através da proveta graduada foi colocado um valor inicial,
e depois colocou-se o sólido na proveta graduada e obteve o volume final, e com
diferença de volume utilizando a fórmula Vs= Vf-Vi, para encontrar o volume dos
sólidos. Na tabela 2, estão as medidas dos sólidos.
MASSA VOLUME VOLUME VOLUME DO DENSIDADE
(g) INICIAL (ml) FINAL (ml) SÓLIDO (ml) (g/ml)
LATÃO 62,6032 30 37 7 8,9433
PREGO 15,8999 35 37 2 7,9499
ESFERA 7,1567 15 18 3 2,3855
Tabela 2: Medidas do latão, prego e esfera.
Cálculos:
𝑚 62,6032
Latão: 𝑑 = →𝑑= → 𝑑 = 8,9433𝑔/𝑚𝑙
𝑣 7
𝑚 15,8999
Prego: 𝑑 = →𝑑= → 𝑑 = 7,9499𝑔/𝑚𝑙
𝑣 2
𝑚 7,1567
Esfera: 𝑑 = →𝑑= → 𝑑 = 2,3855𝑔/𝑚𝑙
𝑣 3

Analisando a densidade da esfera na tabela 1 e na tabela 2, percebeu-se que a


diferença entre as duas é bastante perceptível. Com isso, tirou-se a conclusão de que a
esfera pode possuir um vácuo, e quando se faz o cálculo do volume da esfera, resulta
em uma densidade bem maior.
6.2. Densidade dos líquidos
Na prática, foram obtidos os valores da massa do picnômetro vazio, do
picnômetro + água, foram feitas medidas duplicadas de água.
9

H2O M1 M2 MÉDIA DA
(g) (g) MASSA
MASSA DO PICNÔMETRO 29,1708 29,1699 29,1703
VAZIO

MASSA DO PICNÔMETRO + 78,7483 78,7350 78,7416


ÁGUA

Tabela 3: Medidas de água destilada e do picnômetro vazio.

𝑀2 + 𝑀1
𝑀𝑝𝑖𝑐 𝑣𝑎𝑧𝑖𝑜 =
2
29,1699 − 29,1708
𝑀𝑝𝑖𝑐 𝑣𝑎𝑧𝑖𝑜 =
2
𝑀𝑝𝑖𝑐 𝑣𝑎𝑧𝑖𝑜 = 29,1703𝑔

𝑀2 + 𝑀1
𝑀𝑝𝑖𝑐 𝑚𝑎𝑖𝑠 𝐻2𝑂 =
2
78,7350 + 78,7483
𝑀𝑝𝑖𝑐 𝑚𝑎𝑖𝑠 𝐻2𝑂 =
2
𝑀𝑝𝑖𝑐 𝑚𝑎𝑖𝑠 𝐻2𝑂 = 78,7416𝑔

𝑀á𝑔𝑢𝑎 = 𝑀𝑝𝑖𝑐 𝑚𝑎𝑖𝑠 𝐻2𝑂 − 𝑀𝑝𝑖𝑐 𝑣𝑎𝑧𝑖𝑜


𝑀á𝑔𝑢𝑎 = 78,7416 − 29,1703
𝑀á𝑔𝑢𝑎 = 49,5713𝑔

Colocou-se 100ml de água destilada em um béquer de 100ml, para medir a


temperatura com um termômetro de mercúrio. Aguardou durante 3 minutos, para
medir em qual temperatura estava a água, para utilizar na densidade da água em
função da temperatura. A temperatura da água estava a 27℃, e que teria a densidade
de 0,99652g/ml de acordo com a tabela.
10

Tabela 4: Densidade da água em função da temperatura.

Mediu-se a massa do picnômetro mais a solução de NaCl a 5%, 10%, 15% e


20%. Encheu-se o picnômetro até derramar, colocou-se a tampa, secou-o com papel
absorvente a solução e pesou na balança analítica, anotando as massas de forma
triplicada para cada solução.
NaCl 5% NaCl 10% NaCl 15% NaCl 20%

MASSA DO PIC 80,4315g 82,0909g 83,7275g 85,3693g


+ NaCl:
PESAGEM 1
MASSA DO PIC 80,4301g 82,0909g 83,7268g 85,3626g
+ NaCl:
PESAGEM 2
MASSA DO PIC 80,4290g 82,0913g 83,7218g 85,3585g
+ NaCl:
PESAGEM 3
MÉDIA DAS 80,4302g 80,0910g 83,7353g 85,3634g
PESAGENS
Tabela 5: Medidas triplicadas das soluções de NaCl.

O cálculo utilizado para descobrir a massa de NaCl foi através da fórmula.


𝑀𝑁𝑎𝐶𝑙 = 𝑀𝑝𝑖𝑐 𝑚𝑎𝑖𝑠 𝑁𝑎𝐶𝑙 − 𝑀𝑝𝑖𝑐 𝑣𝑎𝑧𝑖𝑜

𝑀𝑁𝑎𝐶𝑙 5% = 80,4302 − 29,1703


𝑀𝑁𝑎𝐶𝑙 5% = 51,2599𝑔

𝑀𝑁𝑎𝐶𝑙 10% = 80,0910 − 29,1703


𝑀𝑁𝑎𝐶𝑙 10% = 50,9207𝑔

𝑀𝑁𝑎𝐶𝑙 15% = 83,7353 − 29.1703


𝑀𝑁𝑎𝐶𝑙 15% = 54,5650𝑔
11

𝑀𝑁𝑎𝐶𝑙 20% = 85,3634 − 29,1703


𝑀𝑁𝑎𝐶𝑙 20% = 56,1931𝑔
No experimento, efetuou a pesagem do picnômetro mais a solução de NaCl a
5%, 10%, 15% e 20%, descobriu-se a massa das soluções de NaCl, e a densidade das
soluções.
Para encontrar a densidade das soluções, através da fórmula 𝑑 𝑙𝑖𝑞, 𝑁𝑎𝐶𝑙 =
𝑀𝑁𝑎𝐶𝑙
.
𝑀𝐻2𝑂

51,2599
𝑑 𝑙𝑖𝑞, 𝑁𝑎𝐶𝑙5% = = 1,0340
49,5713
50,9207
𝑑 𝑙𝑖𝑞, 𝑁𝑎𝐶𝑙10% = = 1,0272
49,5713
54,5650
𝑑 𝑙𝑖𝑞, 𝑁𝑎𝐶𝑙15% = = 1.1007
49,5713
56,1931
𝑑 𝑙𝑖𝑞, 𝑁𝑎𝐶𝑙20% = = 1,1335
49,5713

NaCl NaCl 5% NaCl 10% NaCl 15% NaCl 20%

MASSA DO 29,1703g 29,1703g 29,1703g 29,1703g


PICNÔMETRO
VAZIO
MASSA DO 80,4302g 80,0910g 83,7353g 85,3634g
PICNÔMETRO +
SOLUÇÃO DE
NaCl
MASSA DA 51,2599g 50,9207g 54,5650g 56,1931g
SOLUÇÃO DE
NaCl
DENSIDADE 1,0340g/ml 1,0272g/ml 1,1007g/ml 1,1335g/ml
DA SOLUÇÃO
DE NaCl
Tabela 6: Medidas das soluções de NaCl.
6.3. Resultados a apresentar
Densidade dos sólidos
1) Calcule a densidade da água utilizando o volume descrito no picnômetro, compare
com o valor da densidade tabelada e calcule o erro. Resposta: O volume de 50 ml,
é do picnômetro. A densidade tabelada é de 0,99652g/ml, de acordo com a
temperatura da água de 27℃.
𝑚𝐻2𝑂 49,5713
𝑑 á𝑔𝑢𝑎 = → 𝑑 á𝑔𝑢𝑎 = → 𝑑 á𝑔𝑢𝑎 = 0,99142𝑔/𝑚𝑙
𝑣𝐻2𝑂 50
12

[(0,99142−0,99652)×100] (−0,51)
% 𝐸𝑟𝑟𝑜 = → % 𝐸𝑟𝑟𝑜 = 0,99652 → %𝐸𝑟𝑟𝑜 = −0,51 →
0,99652

|%𝐸𝑟𝑟𝑜| = 0,51%
2)

Densidade do NaCl

1.1335
1.1007
1.0272
1.0340

0.96 0.98 1 1.02 1.04 1.06 1.08 1.1 1.12 1.14 1.16

Densidade NaCl 20% Densidade NaCl 15% Densidade NaCl 10% Densidade NaCl 5%

Gráfico 1: Densidade das soluções de NaCl.

3) Obtivemos valores da densidade de cada solução de NaCl a 5%, a 10%, a 15% e a


20%. Em relação aos valores comparados tiveram uma diferença perceptível,
concluiu-se que deve ter ocorrido uma contaminação das soluções devido à outas
soluções que podem ter ficado no picnômetro, alterando o resultado das
densidades.
13

7. CONCLUSÃO
7.1.Densidade dos sólidos
Podemos concluir que quando se trata de um sólido feito de um material
específico ele apresenta uma característica única devida sua composição química,
a que denominamos densidade. A relação entre a massa do mesmo e seu volume.
Existem diferentes métodos para a obtenção da densidade de um sólido, no
primeiro foi utilizado o paquímetro para encontrar as medidas da esfera. O
segundo método, mais fácil para a obtenção da densidade é determinar o volume
que o mesmo ocupa quando é imerso em um líquido, ou seja, a diferença do
volume antes do sólido ser imerso com o volume do sólido imerso.
Na medida da densidade da esfera, foram observadas as diferenças das
densidades. E percebeu-se que a esfera deve possuir um vácuo, o que explica a
diferença entre os valores nas duas formas de se encontrar a sua densidade.

7.2.Densidade dos líquidos


A partir dos resultados, foram obtidos conhecimento das diferenças de
densidade experimental e teórica com uma margem de erro de 0,51% para a água,
podendo ter sido ocasionado pelas impurezas, descalibração do picnômetro e pelo
fato dos 50ml de água medido na proveta ter sido insuficiente para o volume de
50ml do picnômetro. Houve também uma variação na densidade da solução de
NaCl, e essa variação pode ter ocorrido devido a misturas das soluções com as que
restavam dentro do picnômetro.
14

8. ANEXO
8.1. Resultados e Discursões
No decorrer do experimento com a utilização da água destilada, em um béquer
foi colocado 50 ml de água destilada. Essa medida foi transferida para o erlenmeyer e
a medição do seu volume foi de aproximadamente 52 ml de água destilada, a água foi
transferida para a proveta graduada que mediu aproximadamente 52 ml (50ml ±0,5ml).
Foi feita a repetição do experimento, colocou-se a água destilada na proveta graduada,
e retirou-se o excesso com a pipeta graduada até 50 ml (50 ml ±0,5ml), transferiu-se a
água destilada para o béquer que medi 49 ml, depois foi transferida para o erlenmeyer
e mediu aproximadamente 51ml.
Colocou-se a água destilada no béquer, sugou-se 10 ml de água com a pipeta
volumétrica e foi transferida para uma proveta graduada e a leitura foi de 10,2ml
(10ml ±0,3). Repetiu-se o experimento, com a pipeta volumétrica sugou-se 10 ml e foi
transferida para a proveta graduada e a leitura foi de 10,4ml.
Como o esperado no experimento foi observado que para cada uma das
vidrarias utilizadas houve uma medida volumétrica diferente, isso ocorre devido a
vários motivos: por conta de erros pessoais; a inaptidão em fazer algumas observações
corretamente, o menisco que pode ter levado algum estudante a ter anotado o volume
errado; erros devidos a instrumentos, a própria limpeza dele pode facilitar a criação de
bolhas e atrapalhar a medição ou dependendo do fabricante pode-se ter uma margem
de erro diferente, dependendo também do material que vai ser utilizado como
referência e os erros indeterminados, se uma mesma pessoa faz mais de uma análise,
haverá pequenas variações do seu resultado. Por conta disso, é necessário estimar a
precisão dos resultados, isto é, até que ponto eles podem ser reproduzidos.
1. experimento 2. experimento Ordem crescente
de precisão

Béquer 50ml 49ml 3º

Erlenmeyer 52ml 51ml 2º

Proveta 52ml 50ml 1º

Tabela1: Erro de cada aparelho.


8.2. Questionário
A) Faça um esquema de cada tipo de aparelho de medição volumétrico observado.
Béquer, erlenmeyer, proveta e pipeta.
15

B) Quando deve ser usada uma pipeta volumétrica? E uma graduada?


A pipeta volumétrica deve ser usada para escoar volumes variáveis de um
líquido. A graduada é uma melhor opção quando se precisa de uma maior precisão
na medição do volume.
C) A medida de volumes líquidos com qualquer material volumétrico está sujeita
a uma série de erros. Cite algumas causas que podem originar tais erros e
explique.
A marca da vidraria, por conta da qualidade do vidro influencia na dilatação
ou contração dele. As vidrarias que se utilizam, as graduadas possuem uma precisão
menor que as volumétricas e os erros na hora de fazer a leitura da medição, por conta
do menisco.
16

9. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
1. FACULDADE DE CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS DE RIBEIRÃO
PRETO - USP. Densidade relativa dos líquidos. Disponível em:
<http://www.fcfrp.usp.br/dfq/Fisica/GuiaDensidadedeLiquidos/DensidadeLiquidos.pd
f>. Acesso em: 05 out. 2018.
2. RUSSEL, John B. Noções preliminares. In:___. Química geral. 2. ed. São
Paulo: Makron Books, 2004. cap. 1, p. 40-41.
3. MARINHO, Claudiane. Determinação da Densidade. Disponível em:
<https://www.ebah.com.br/content/ABAAAAvL0AH/determinacao-densidade>.
Acesso em: 6 out. 2018.