Anda di halaman 1dari 16

FITOTERAPIA

Um pouco de história…
2800 a.C. – NEI JING

Primeiro tratado médico conhecido pela humanidade

Parte teórica – Teorias gerais

Parte prática – Acupunctura e ervas medicinais

Sec. III a.C - “Tratado do frio nocivo” (Dr. Zhang)

Doenças febris

Apresenta 113 prescrições baseadas em 100 “matérias-primas”, 10 de origem animal, 7 de


origem mineral e as restantes de origem vegetal

Divide as doenças em 6 tipos: 3 Yang e 3 Yin segundo os órgãos afectados, as prescrições do Dr.
Zhang tendem a reequilibrar as deficiências e os excessos entre quente-frio, vazio-plenitude,
interno-externo e yin-yang, pela tonificação ou pela dispersão.

Sec. I a.C – “Farmacopeia de Sheng Nang”

Primeira dedicada inteiramente á Fitoterapia.

Descreve 365 plantas subdivididas em 3 classes:

- Classe superior – alimenta a vida

- Classe média – alimenta a natureza ou seja a vitalidade

- Classe inferior – venenos, ou seja, drogas que tratam doenças

Uma das bases da Fitoterapia Tradicional Chinesa é “combater o veneno pelo veneno”, daí as
plantas mais tóxicas terem reputação de serem as mais eficazes nas doenças mais graves ou
mais virulentas.
A noção de “mais vale prevenir do que remediar” é apanágio da MTC.

Sec. III d.C

Na dinastia dos HAN foi instaurado o ensinamento oficial e regular da medicina pelas plantas

Sec. V

TAO HUNG JING publicou o “Comentário sobre a farmacopeia de Shen Nung” em que
acrescenta á obra original 30 “matérias-primas” de origem animal e mineral.

Sec. VI e VII

O médico mais conhecido desta época (Dr. SUN SI MIAO) célebre por ter descoberto os pontos
ASHI de Acupunctura (dolorosos ao toque), foi o primeiro no mundo a compreender a
necessidade de administrar extractos de tiróide e algas marinhas para o tratamento do bócio.

Na dinastia dos TANG a China conheceu uma nova era de desenvolvimento científico e cultural.

Estabelece-se a primeira escola universitária oficial de medicina, pela primeira vez as plantas
são leccionadas e os diplomas são oficializados.

SU JING, sistematiza as plantas medicinais resultando desse trabalho a “Nova compilação de


Farmacopeia” ou “Matéria médica dos TANG” que foi a primeira farmacopeia a ser publicada
oficialmente na China e continha 884 “matérias-primas”

Sec. X

Na dinastia SONG, ressurge a ética e a filosofia neo-confucionista e há um reforço considerável


da profissão de médico.

A Fitoterapia Tradicional torna-se comum neste período e as prescrições das plantas mais
coerentes foram unificadas e compiladas num manual corrente.

Aparecem as pílulas confeccionadas a partir de plantas reduzidas a pó e envolvidas numa pasta á


base de mel (formula galénica ainda hoje utilizada).
Sec. XI

SU SONG compilou a primeira “Farmacopeia Ilustrada” editada em 21 volumes, ricos em


gravuras e desenhos de plantas.

Fim do Sec. XI

TANG SHEN WEI compilou o “Clássico da Matéria Médica, classificada para Urgência” sendo
uma obra composta por 31 volumes estando classificadas 1746 espécies de medicamentos, bem
como as directivas da sua preparação.

Sec. XIII

Os Mongóis ocupam o império e é preciso esperar pela dinastia MING para assistir a uma nova
expansão da Fitoterapia Tradicional.

Sec. XVI

Dr. LI SHI ZHANG, medico fitoterapeuta, escreveu o livro “Compendium de Matéria Médica”
uma verdadeira bíblia dos herboristas tradicionais chineses.

Foram precisos 20 anos para o Dr. LI acabar a sua obra, 52 volumes, 1892 substâncias
medicinais, mais de 100 ilustrações e de 10000 prescrições detalhadas em 8 rubricas diferentes:

1- ORIGEM – Historia natural do medicamento


2- NOME – Nomes antigos e recentes
3- CORREÇÃO – Corrige falsas informações
4- PREPARAÇÃO – Descreve a preparação e uso
5- NATUREZA E SABOR – Informa sobre o sabor, natureza, aroma, cor ou outras
características para identificação mais exacta
6- MEDICAMENTO – Descreve efeitos terapêuticos de cada “matéria-prima”
7- DESCOBERTA – Inclui observações pessoais
8- PRESCRIÇÔES SUPLEMENTARES – Recapitula todas as prescrições antigas e
recentes

Todas as rubricas são divididas em 3 grandes categorias, mundo vegetal, animal e mineral.
As plantas são subdivididas de acordo com a parte utilizada (flores, frutos, caule, casca, raiz,
rizoma, tubérculo, folha, semente ou planta inteira) havendo indicações terapêuticas distintas para
as distintas partes.

Os remédios minerais são subdivididos de acordo com a lei dos 5 movimentos em Madeira, Fogo,
Terra, Metal, Agua.

As partes animais são divididas de acordo com a sua proveniência em insectos, repteis, peixes,
aves e mamíferos.

Sec. XX

A medicina moderna ocidental espalhou-se na China, mas a Fitoterapia continua a praticar-se


segundo os antigos princípios até aos dias de hoje.

Actualmente, conhecem-se cerca de 6800 substâncias utilizadas pela farmacopeia chinesa em


terapia, são utilizadas em fórmulas compostas de 3 a 40 substancia (Nº infinito de possibilidades
de conjugação).

A Fitoterapia Chinesa, graças á sua enorme riqueza, em termos de sabedoria acumulada ao


longo de milénios de experiência e á sua diversidade oferece aos terapeutas uma arma poderosa,
eficaz e 100% segura (sem efeitos secundários) para lutar contra a doença.
PRINCIPIOS DA FITOTERAPIA TRADICIONAL CHINESA

È essencial estudar a função de cada planta e preparado na sua acção terapêutica especifica.

Como em muitos domínios, a abordagem chinesa é essencialmente pragmática. Para melhor


analisar as funções terapêuticas, classificam-se as “matérias-primas” em diferentes categorias:

- Segundo as leis Yin e Yang

- Segundo a sua natureza ou propriedade

HAN – Frio
RE – Quente
WEN – Morno
LIANG – Fresco
- Segundo o sabor (correspondendo aos 5 movimentos)

- Segundo o seu tropismo para um meridiano

- Segundo as 4 tendências direcionais das plantas

SHENG – Ascendente
JIAN – Descendente
FU – Flutuante
CHEN – Sombreante
- Segundo as 5 cores (correspondendo aos 5 movimentos)

- Segundo os 8 métodos terapêuticos

- Segundo a classificação chinesa das 20 classes terapêuticas


As 4 naturezas funcionais das plantas medicinais
A propriedade ou natureza de uma planta determina-se pela sua ação terapêutica experimental

HAN LIANG PING WEN RE


Frio Fresco Neutro Morno Quente
YIN YANG

Diz-se de natureza neutra a substancia situada entre o morno e o fresco

Tem uma natureza de tal forma tão pouco marcada que é difícil classifica-la.

As plantas eficazes nas doenças do tipo Calor, YANG e plenitude são de natureza fria ou fresca.

As plantas eficazes nas doenças do tipo Frio, YIN e vazio são de natureza quente ou morna.

Lei dos opostos: É o princípio que se aplica em Fitoterapia Tradicional chinesa, trata-se o frio
administrando calor e o calor administrando frio.

Nos vazios tonifica-se e nas plenitudes dispersa-se.

Frio – Significa frio como o Inverno (grau superior de frio, gelado)

Fresco – Significa frio como o Outono (grau menor de frio)

Quente – Significa calor como o Verão (grau superior de calor, tórrido)

Morno - Significa calor como a Primavera (grau moderado de calor)

Plantas de natureza neutra (PING)

São plantas em que é difícil destingir a sua verdadeira natureza, o seu grau de calor ou de frio é
mínimo.

A neutralidade absoluta não existe, estas plantas são muito pouco quentes ou muito pouco frias.
Ação das plantas de natureza quentes e morna

- Dispersar/movimentar o frio
- Aquecer o centro do organismo em caso de sintoma interno de natureza fria
- Aquecer e aumentar o Yang em caso de perca de Yang
A escolha entre plantas de natureza quente ou morna faz-se em função da gravidade dos
sintomas Frio (YIN) se os sintomas são fortes utilizam-se plantas quentes, se são moderados
utilizam-se plantas de natureza morna.

Ação das plantas de natureza fria e fresca

- Evacuam o calor (ex: febre)


Em MTC todos os quadros clínicos infecciosas são considerados síndromas de calor
- Reduzem o fogo (anti-piréticos)
- São anti-toxicas
Muitas plantas YIN (frias ou frescas) têm efeito antibiótico, antifúngicos e antivirais.

As 5 naturezas categorias das plantas segundo o sabor

MOVIMENTO MADEIRA FOGO TERRA METAL AGUA


ORGÃO Fígado Coração Baço Pulmão Rim
VISCERA V.Biliar I.delgado Estomago G.intestino Bexiga
SABOR Acido Amargo Doce Picante Salgado
Faz
transpirar,
Tonifica o
Combate a Elimina o afugenta o
QI e a
perda de calor e frio e o
digestão
líquidos seca a vento Laxativo,
AÇAO Ativa a
Tropismo humidade Trata antipirético,
TERAPEUTICA assimilação
pra fígado, Dispersa o sintomas antitóxico,
GERAL ea
olhos, fogo superficiais diurético
distribuição
tendões e Acalma o Elimina os
dos
músculos coração bloqueios
alimentos
Regula o
QI
Casca de Algas e
Frutos não Alcaçuz Gengibre
EXEMPLO sobreiro da ervas
maduros chines fresco
china marinhas
Em MTC dá-se mais importância aos órgãos (YIN) do que ás vísceras (YANG) pois estas
dependem energeticamente dos primeiros.

O sabor não se dirige integralmente para o órgão que lhe corresponde, mas este é o mais
recetivo.

Classificação YIN/YANG dos 5 sabores:

Plantas PICANTE e DOCE são YANG e intensificam o aspeto Yang do corpo.

Plantas ACIDO, AMARGO e SALGADO são YIN e intensificam o aspeto Yin do corpo

Apreciação do sabor:
- Sabor Real - O paladar concreto

- Sabor Funcional – O dado pela resposta terapêutica

Plantas insipidas têm tropismo para o Rim como as Salgadas

Acção geral das plantas em função do sabor

PICANTES:
- Reforçam a superfície

- Combatem sintomas superficiais

- Acção diaforética

- Eliminam frio e vento á superfície

- Tratam problemas digestivos e o bloqueio do QI do estômago

AMARGAS:
- Evacuam o calor e dispersam o fogo

- Reduzem os sintomas de plenitude

- Secam a humidade
- Tonificam o baço

- Acalmam o coração

DOCES:
- Tonificam o QI

- Anti-espasmódicas do músculo liso

- Tropismo para o baço e estômago

- Úteis no reumatismo sensível á humidade

ACIDAS:
- São adstringentes

- Combatem a perda de líquidos

- Tropismo para o fígado

- Regularizam a função hepática

SALGADAS:
- São emulsionantes, fragmentam os sólidos e as acumulações internas

- Excrementos duros

- Acumulação de alimentos (aquecedor médio fraco)

- Estagnação do sangue

- Tumores, quistos e abcessos, etc…

- Tropismo para o rim

O salgado tonifica ou dispersa o rim segundo a natureza quente ou fria:

Salgado + Quente – Tonifica

Salgado + Frio – Dispersa


Tendências direccionais das plantas

ASCENDENTES:
Quando provocam reacção de subida ou encaminham o seu efeito para a parte alta do
organismo

DESCENDENTES:
Quando fazem descer as energias para a parte baixa do organismo

FLUTUANTES:
Provocam uma acção para cima e para o exterior. A sua acção é ascendente mas com tendência
a exteriorizar para a superfície.

Provoca uma dispersão das energias para a superfície corporal

AFUNDANTES:
A sua acção dirige-se para baixo e para o interior. A sua acção é descendente mas centrada para
o interior.

Promove uma contracção das energias vitais em profundidade.

Plantas ASCENDENTES e FLUTUANTES, são YANG

Plantas DESCENDENTES e AFUNDANTES ou sombreantes, são YIN


Constituição e hierarquia da Formula

IMPERADOR (JUN ZHU)


Ingrediente com a ação curativa principal (principio ativo – “veneno”)

MINISTRO (CHEN FU)


Ajuda o Imperador na sua ação.

Reforça a ação curativa

ASSISTENTE ou AUXILIAR
Elimina os efeitos secundários

Completa a ação dos imperadores e ministros, personaliza a prescrição.

Age sobre os sintomas de forma a completar a ação principal da fórmula.

Se o imperador for muito toxico são necessários mais assistentes

EMBAIXADOR ou MENSAGEIRO
Planta com o tropismo ou tendência direcional marcados

Canaliza a ação terapêutica geral

Orienta para onde a formula se deve dirigir


20 CLASSES TERAPEUTICAS
1- Plantas medicinais para reduzir sintomas superficiais
Indicadas para sintomas superficiais

2- Plantas medicinais “Purgativas”


Provocam evacuação intestinal

3- Plantas medicinais “Vomitivas”


Fazem vomitar

4- Plantas medicinais para “evacuar o calor”


Antipiréticas e refrescantes

5- Plantas diuréticas, filtrantes da humidade


Provocam diurese suave, dispersando excesso de líquidos.

6- Plantas medicinais para evacuar o vento frio e a humidade


Essencialmente anti-reumatismais

7- Plantas medicinais para aquecimento interno e evacuar o frio


De natureza quente, para afastar o frio

8- Plantas aromáticas para transformar e dissolver a humidade


Não são diuréticas
Vaporizam e retiram excesso de humidade aumentando a capacidade do baço e do
aquecedor médio de eliminar as mucosidades

9- Plantas medicinais “para regularizar o QI”


Facilitam a circulação, eliminam os bloqueios da energia
Param as dores e outros sintomas devidos a estagnação ou a circulação inversa do QI

10- Plantas medicinais “para regularizar o sangue”


Activam a circulação sanguínea, retiram as obstruções, dissolvem os coágulos, ajudam a
preservar a boa saúde dos vasos. Previnem hemorragias.
11- Plantas “tónicas”
Restauram o vigor físico e mental.
Tonificam os órgãos e as funções mais débeis. São utilizadas em doenças do tipo “vazio”

12- Plantas medicinais “Astridentes ou constritivas”


São plantas tranquilizantes, ansiolíticas e sedativas
Tonificam o rim e acalmam o coração

13- Plantas
14- Plantas medicinais/aromáticas que “abrem as portas do espírito”
Estimulam, ressuscitam, fazem reviver o espírito
Fazem retomar consciência em caso de síncope, de coma ou apoplexia porque “as
aberturas do coração” estão bloqueadas pelas mucosidades.

15- Plantas medicinais “para parar o vento e acalmar os espasmos e


convulsões”
Têm tropismo para o fígado, acalmam a subida do YANG e param o vento interno.
São de uso frequente nas enxaquecas

16- Plantas medicinais “para dissolver as mucosidades e acalmar a tosse”


Expectorantes e anti-tússicas

17- Plantas medicinais “para promover a digestão”


Promovem e facilitam a digestão do excesso de alimentação acumulada no estômago
São tonificantes

18- Plantas medicinais “anti-helminticas”


Matam e expulsão os vermes dos intestinos. São desparasitantes
Combatem o calor e a humidade. Tonificam o fígado

19- Plantas medicinais de uso externo


Têm acção “anti-parasitárias”, “desinfectante” e cicatrizantes
Combatem o calor e a humidade
Utilizam-se para tratar a pele: prurido, eczemas, úlceras, etc…

20- Plantas medicinais “anticancerosas”


Além de anticarcinogénicos, combatem tumores, quistos e outras acumulações de matéria.
8 REGRAS TERAPEUTICAS
Em MTC, todo o tratamento tem como objectivo reforçar o ZHENG QI (energia sã), equilibrar o
XIE QI (energia perversa), tonificar os vazios, dispersar os excessos, equilibrar o YIN/YANG e
transformar as produções patogénicas.

Isto é, conservar ou restabelecer um estado patológico correcto, permitindo ao SHEN


(consciência organizadora) agir no seio de uma estrutura corporal apta para conter e exprimir os
seus impulsos no mundo da forma.

Da mesma forma que os diagnósticos dos desequilíbrios, se podem exprimir segundo a dialéctica
dos 8 princípios:

- YIN e YANG

- BIAO e LI (Superfície e Profundidade)

- HAN e RE (Frio e Calor)

- XU e SHI (Vazio e Plenitude)

A sua terapêutica baseia-se na aplicação das oito regras (BA FA), métodos de tratamento
específicos, adaptados a cada situação patológica:

- Sudorificação (Han Fa)

- Vomificação (Tu Fa)

- Purgação (Xie Fa)

- Regularização ou Harmonização (He Fa)

- Calorificação (Wen Fa)

- Arrefecimento, Purificação do calor (Qing fa)

- Tonificação, aumento (Bu Fa)

- Dispersão, redução (Xiao fa)

SUDORIFICAÇÃO (Han Fa)


Induzir a transpiração estimulando as funções de difusão do Qi (Pulmão)

Tem como efeito a dilatação dos poros da pele e levar os líquidos orgânicos para a periferia para
que sob a ação do Wei Qi, se desloquem para o exterior juntamente com as energias
patogénicas.

Particularmente indicada nos ataques de vento-frio e vento-calor


VOMIFICAÇÃO (Tu Fa)
Consiste na evacuação de matérias ou energias patogénicas que estagnam no aquecedor
superior e/ou no estomago.

Geralmente considerada uma técnica de urgência, visando impedir a propagação para a


profundidade do corpo.

Utiliza se apenas pontualmente uma vez que prejudica o zheng Qi

PURGAÇÃO (Xie Fa)


Trata se de produzir a evacuação por defecação de matérias e energias perversas que assentam
ao nível intestinal, no aquecedor inferior.

REGULARIZAÇÃO ou HARMONIZAÇÃO (He Fa)


Este método diz respeito particularmente a distúrbios do SHAO YANG (meridianos Yang da mão),
qdo nos referimos à dialectica de penetração de energias perversas nos 6 meridianos, assim
como determinadas desarmonias entre o Qi e o sangue.

CALORIFICAÇÃO (Wen Fa)


Trata se de aquecer o interior do organismo, a fim de dispersar o frio e restabelecer o Yang

ARREFECIMENTO, Purificação do calor (Qing fa)


Consiste em clarificar o Calor e o Fogo, eliminando a toxicidade que por vezes os acompanham

TONIFICAÇÃO, aumento (Bu Fa)


Tonificar, no seu sentido mais abrangente, pode significar reforçar, alimentar, enriquecer,
aumentar, restabelecer…

Tratar as situações de vazio, caracterizadas por uma deficiência de matéria ou de energia

DISPERSÃO, redução (Xiao Fa)


Utilizada para tratar doenças devidas a uma acumulação de matéria ou energia.
TRATAMENTO REGULAR (Zheng Zhi)
Em MTC, a terapêutica é geralmente oposta à natureza da patologia.

Por exemplo: O calor é tratado pelo frio, o vazio pela tonificação, a plenitude pela dispersão, a
perda pela contenção, a acumulação pela difusão…Isto é denominado Tratamento Regular.

TRATAMENTO CONTRÁRIO (Fan Zhi)


Em certos casos são prescritas fórmulas cujo efeito terapêutico é análogo aos sintomas. Esta
estratégia justifica-se quando os sintomas são opostos á verdadeira causa da doença (por
exemplo, falso calor/frio verdadeiro e vice-versa).

Também pode ser usado em casos de extremo vazio ou plenitude, os quais apresentam
frequentemente sinais opostos à verdadeira origem da doença.

Por outro lado, torna-se por vezes necessário utilizar o tratamento contrario, afim de induzir um
efeito terapêutico que se manifestará, com o tempo, sob a forma de tratamento regular. Por
exemplo as estagnações ou obstruções (habitualmente dispersas) devidadas a um vazio do Qi do
baço requerem tonificação.

Tecnicamente, torna-se necessário, numa primeira fase, colaborar com a patologia para poder
penetrar até ao seu centro e eliminá-la.

TRATAMENTO da RAIZ
Consiste numa terapêutica baseada na etiologia e na natureza profunda da doença.

O efeito é geralmente lento mas progressivo e duradouro.

TRATAMENTO do TRONCO
Actua-se sobre os sintomas superficiais afim de aliviar o paciente nas fases agudas da patologia,
sempre que necessário obter um efeito rápido apesar de superficial e temporário.

A estratégia terapêutica consiste em analisar a importância relativa dos sintoma e da própria


doença, tendo em conta a maior ou menor urgência, as capacidades de resistência do doente, os
riscos de reações pontuais aquando de um tratamento que atua profundamente…

Na prática, associam-se ou alternam-se frequentemente estes dois tipos de tratamento.