Anda di halaman 1dari 126

Livro Eletrônico 

Aula 02 
Nordeste Brasileiro p/ BNB (Analista Bancário) 
Rosy Ellen Freire Viana Santos, Sergio Henrique 
00494751347 - francisco alessandro cordeiro lima 
 
SUMÁRIO 
00. Bate Papo Inicial. 
......................................................................................................... 2 1. Atmosfera e 
sua dinâmica: Tempo e Clima. .................................................................... 3 
1.1. Fatores Estáticos que influenciam no Clima 
.............................................................................. 4 
1.2. Fatores Dinâmicos que influenciam no Clima 
............................................................................ 4 
1.3. Massas de Ar, Ventos e El Ni o (Efeito Enso) 
............................................................................. 5 2. Os Tipos Climáticos do Nordeste 
Brasileiro. ................................................................... 8 
2.1. Clima Tropical 
............................................................................................................................. 9 
2.2. Tropical mido 
.......................................................................................................................... 10 
2.3.  Tropical  Semiárido 
....................................................................................................................  11  3. 
Domínios  Vegetais  do  Brasil. 
........................................................................................  12  4.  Domínios 
Florestais...................................................................................................... 14 
4.1. ùona da Mata 
........................................................................................................................... 14 
4.2. Caatinga. 
.................................................................................................................................. 16 
4.3. Mangues (Vegeta o Complexa: Litoral da ùona da Mata). 
................................................... 20 
4.4. Agreste. 
.................................................................................................................................... 22 5. 
Aspectos Físicos: Relevo e Hidrografia. ........................................................................ 23 
5.1. O Relevo 
.................................................................................................................................... 23 
5.2. Planicie Litorânea Sedimentar. 
................................................................................................ 25 
5.3. Tabuleiros Litorâneos 
............................................................................................................... 25 
5.4. Planalto da Borborema. 
........................................................................................................... 25 
5.5. Chapada do Araripe. 
................................................................................................................ 2 
5.6. Depress o Sertane a. 
............................................................................................................... 2 
5. . Pediplanos e Inselbergs 
............................................................................................................ 2 6. Hidrografia: 
Conceitos Fundamentais. ......................................................................... 29 
6.1. A Bacia do Rio S o Francisco: 
................................................................................................... 30 
6.2.  A  Bacia  do  Atlântico  Nordeste  Oriental. 
..................................................................................  34  7.  Exercícios. 
....................................................................................................................  35  8. 
Considerações  Finais. 
................................................................................................... 99 
Aspectos Históricos e Geográficos do Nordeste. www.estrategiaconcursos.com.br 
00494751347 - francisco alessandro cordeiro lima 


 
Prof. Sérgio Henrique Aula 02 - Geografia do Nordeste I. 

00. B 
ATE 

Olá,  amigo  concurseiro.  É  com  muita  alegria  que  o  recebo  novamente  para 
falarmos  de  geografia.  Estudar  as  aulas  anteriores  é  fundamental  para  que  você  possa 
compreender  muitas  das  coisas  que  vamos  tratar  aqui.  Leia  com  atenção  seu  texto  de 
apoio,  releia  e  pratique  os  exercícios.  Aos  poucos,  o  conteúdo  básico  vai  ficar  retido  na 
sua  memória.  Claro  que,  para  isso,  é  muito  importante  você  fazer  suas  próprias 
anotações,  ou  em  forma  de  resumo  ou  nos  exercícios,  não  importa,  você  escolhe.  O 
importante  é  estudarmos  bastante  e  nos  concentrarmos  nos  estudos.  Estimule  sua 
disciplina e procure motivação pensando em seus sonhos. Bons estudos. 
Aspectos Históricos e Geográficos no Nordeste. www.estrategiaconcursos.com.br 
00494751347 - francisco alessandro cordeiro lima 


APO 

NICIAL 

 
Prof. Sérgio Henrique Aula 02 - Geografia do Nordeste I. 
Aspectos Históricos e Geográficos no Nordeste. www.estrategiaconcursos.com.br 1. A 

TMOSFERA E SUA DINÂMICA 



O comportamento atmosférico é bastante complexo e possui vários elementos. 
Não confunda clima e tempo. 
Tempo são as condições metrológicas no dia. Clima é o conjunto das condições 
metrológicas no ano. O clima é muito dinâmico e vários elementos interferem no seu 
funcionamento. Existem fatores estáticos e fatores dinâmicos. 
00494751347 - francisco alessandro cordeiro lima 

: T 
EMPO E 

LIMA 

 
Prof. Sérgio Henrique Aula 02 - Geografia do Nordeste I. 

1.1. FATORES ESTÁTICOS QUE INFLUENCIAM NO CLIMA 


✓ Latitude: É a distância em graus medida a partir do equador, que é latitude = 0°. 
Quanto 
mais próximo do equador, ou seja, menor a latitude, mais quente. 
✓ Altitude:(quanto maior altitude, menor temperatura e maior amplitude). 
O  agreste,  que  é  a  zona  de  transição  entre  a  mata  e  o  sertão,  está  sobre  o  planalto 
da  Borborema.  Por  estar  em  maiores  altitudes  as  temperaturas  são  mais  baixas.  Quanto 
maior a altitude do lugar, menor a temperatura e maior a amplitude térmica. 
✓ Proximidade do mar: (marítimidade). A maritimidade 
provoca  dois  efeitos  fundamentais:  aumenta  a  pluviosidade  (quantidade  de  chuvas)  e 
diminui  a  amplitude  térmica  (a  temperatura  oscila  pouco  anualmente,  normalmente 
sempre  quente.  O  litoral  pernambucano  com  suas  belas  praias,  atrai  tanto  pela  história 
quanto  pelo  turismo  de  balneário,  diante  das  excelentes  condições  climáticas  para  o 
turismo. É sempre quente, possui chuvas bem distribuídas. 
✓  Relevo  O  relevo  interfere  de  várias  formas.  Em  Pernambuco,  um  dos  fatores 
geográficos  responsáveis  pela  formação  do  clima  semiárido  no  sertão  é  o  planalto  da 
Borborema,  pois  impede  a  passagem  de  umidade  para  o  interior.  Os  ventos  alísios 
também são um fator responsável pelo clima semiárido. 
1.2. FATORES DINÂMICOS QUE INFLUENCIAM NO CLIMA 
✓ Chuvas: há vários tipos de chuvas. Os três principais tipos são: 
❖  Chuvas  convectivas:  formadas  por  correntes  de  convecção.  O  ar  quente  sobe  e  o  frio 
desce.  Essa  circulação  permite  que  a  água  em  vapor  suba  até  as  mais  altas  camadas  da 
atmosfera,  condense  em  nuvens  e  precipite  quando  estiver  carregada.  É  o  tipo  de  chuva 
mais comum, provocada pelo próprio ciclo da água. 
❖ Chuvas frontais: São o resultado do choque de uma massa de ar quente e uma massa 
de ar fria. São chuvas bem fortes, e normalmente as chuvas de inverno do clima tropical 
Aspectos Históricos e Geográficos no Nordeste. www.estrategiaconcursos.com.br 
00494751347 - francisco alessandro cordeiro lima 


 
Prof. Sérgio Henrique Aula 02 - Geografia do Nordeste I. 

úmido, que resultam do choque da massa polar atlântica com as massas de ar quente que 
atuam no litoral. Ocorrem no agreste e zona da mata. 
❖  Chuvas  orográficas  (ou  chuvas  de  relevo):  São  formadas  em  planaltos  que  não 
permitem  a  passagem  da  umidade  oceânica,  se  acumulando  ao  redor  do  planalto, 
condensando  e  precipitando.  A  face  leste  (voltada  para  o  atlântico)  do  planalto  da 
Borborema provoca este tipo de chuvas na região da mata. 
Chuva orográfica, na chapada do Araripe. 

1.3. MASSAS DE AR, VENTOS E EL NIÑO (EFEITO ENSO) 


No  Brasil  atuam  5  mais  importantes  massas  de  ar.  No  Nordeste  vamos  destacar  a 
atuação  de  duas  massas  de  ar:  A  massa  equatorial  atlântica  (MEA:  quente  e  úmida)  que 
atua  no  verão  e  a  maior  parte  do  ano,  e  a  massa  polar  atlântica  (MPA:  fria  e  úmida)  que 
atua durante o inverno provocando chuvas frontais na região da zona da mata. 
Aspectos Históricos e Geográficos no Nordeste. www.estrategiaconcursos.com.br 
00494751347 - francisco alessandro cordeiro lima 


 
Prof. Sérgio Henrique Aula 02 - Geografia do Nordeste I. 
Aspectos Históricos e Geográficos no Nordeste. www.estrategiaconcursos.com.br 

✓  Ventos  são  os  deslocamentos  do  ar  atmosférico  provocados  pelo  movimento  de 
rotação  da  terra.  Em geral eles sopram de áreas de baixa pressão (regiões frias) para áreas 
de alta pressão (regiões quentes), como podemos observar na imagem abaixo. 
00494751347 - francisco alessandro cordeiro lima 


 
Prof. Sérgio Henrique Aula 02 - Geografia do Nordeste I. 

Perceba que os ventos sopram dos polos para os trópicos e dos trópicos para o 
equador. Pernambuco encontra-se na ZCIT ( Zona de Convergência Intertropical ), ou 
seja, a zona de convergência (encontro) dos ventos alísios. O estado também sofre grande 
influência do efeito El Nino, que provoca maiores estiagens. 
No  ano  de  2016  o  fenômeno  el  nino,  de  acordo com vários institutos de meteorologia foi 
intenso,  o  que  agravou  os  períodos  de  estiagem  no  Nordeste.  É  um  fenômeno  causado 
pelo  aquecimento  anormal  das águas do oceano pacífico sul, que causa desequilíbrios por 
todo o planeta. 
O  principal  tipo  climático  brasileiro  é  o  tropical  com  duas  estações  bem  definidas 
(verão  úmido e inverno seco) e pequena amplitude térmica anual (variação). Há variações 
do clima tropical: Equatorial, de altitude e úmido, entre outros subtipos. 
Aspectos Históricos e Geográficos no Nordeste. www.estrategiaconcursos.com.br 
00494751347 - francisco alessandro cordeiro lima 


 
Prof. Sérgio Henrique Aula 02 - Geografia do Nordeste I. 
Aspectos Históricos e Geográficos no Nordeste. www.estrategiaconcursos.com.br 2. O 



Observe  atentamente  o  mapa.  Quanto  mais  escura  a  cor  verde,  maior  a 
precipitação  (chuvas).  Quanto  mais  vermelho  menor  pluviosidade  (menor  precipitação). 
A  zona  da mata, sobretudo a parte meridional (sul) é muito úmida. É fácil perceber com o 
gráfico  de  pluviosidade,  que  o  agreste  é  uma  faixa  de  transição  climática.  São  poucas 
chuvas,  mas  ocorrem  com  certa  regularidade.  Quanto  mais  próximo  do  sertão,  as 
estiagens são maiores. 
Observe  aqui  a  previsão  do  comportamento  atmosférico  para  os  meses  de  abril, 
maio  e  junho  desse  ano.  A  sequência  permite  uma  melhor  visualização  das mudanças de 
pluviosidade na mata e as estiagens do sertão. 


IPOS 

LIMÁTICOS DO 
00494751347 - francisco alessandro cordeiro lima 


ORDESTE 

RASILEIRO 

 
Prof. Sérgio Henrique Aula 02 - Geografia do Nordeste I. 

2.1. CLIMA TROPICAL 


O clima tropical possui alguns padrões: 
✓ Alta média térmica. ✓ Baixa amplitude térmica. ✓ Período de chuvas concentrado no 
verão (tropical típico) ou no inverno (tropical úmido). 
O clima na zona da mata é tropical úmido, que é caracterizado pelo fato de que 
suas chuvas são concentradas no inverno . O sertão e o agreste mais próximo ao sertão 
possui o regime de chuvas escasso. 
Aspectos Históricos e Geográficos no Nordeste. www.estrategiaconcursos.com.br 
00494751347 - francisco alessandro cordeiro lima 


 
Prof. Sérgio Henrique Aula 02 - Geografia do Nordeste I. 

2.2. TROPICAL ÚMIDO 


É o clima da zona da mata. Suas principais características são: 
✓ Quente (altas médias térmicas, baixa latitude). ✓ Úmido (marítimidade). ✓ Pequena 
amplitude térmica (baixa variação. Sempre quente. Um dos efeitos da 
maritimidade). ✓ Chuvas de inverno provocadas pela MPA (massa polar atlântica). 
✓ Duas estações bem definidas. 
Observe  com  atenção  o  gráfico.  A  linha  azul  é  a  de  temperatura.  Perceba  que  a 
temperatura  cai  a  partir  de  março,  até  agosto,  voltando  a  aumentar  em  setembro.  É  o 
outono/inverno  em  que  as  temperaturas  são  mais  baixas.  As  colunas  verdes  e  vermelhas 
correspondem  a  pluviosidade.  Perceba  que  temos  chuvas  regulares,  bem  distribuídas  no 
decorrer  no  ano,  mas  os  picos  de  pluviosidade,  ou  seja,  período  em  que  chove  mais,  são 
os  meses  de  junho/julho.  As  chuvas  no  inverso  são  características  do  tropical  úmido,  e 
são  provocadas  pela  ação  da  MPA  (massa  polar  atlântica,  fria  e  úmida).  Perceba  que  a 
amplitude  térmica  (variação)  é  pequena  (máx  26,3°C  e  mim  pouco  mais  de  23,5°C). 
Aproximando as temperaturas, a variação foi de 3°C entre o verão e o inverno. 
Aspectos Históricos e Geográficos no Nordeste. www.estrategiaconcursos.com.br 
00494751347 - francisco alessandro cordeiro lima 

10 
 
Prof. Sérgio Henrique Aula 02 - Geografia do Nordeste I. 

Esse  é  o  climograma  do  Município  de  Gravatá.  A  cidade  está  na  zona  da  mata  já 
na  proximidade  da  transição  para  o  agreste  e,  próximo  ao  planalto  da  Borborema. 
Observe  que  a  linha  vermelha  é  a  temperatura,  e  sua  variação  no  decorrer  do  ano  é 
mínima.  Possui  uma  baixa  amplitude  térmica.  Observe  também  que  as  chuvas  estão 
concentradas entre os meses de março e julho. 
2.3. TROPICAL SEMIÁRIDO 
É o clima do Sertão. Suas principais características são: ✓ Baixa pluviosidade. ✓ Altas 
médias térmicas. ✓ Baixa amplitude térmica. 
Aspectos Históricos e Geográficos no Nordeste. www.estrategiaconcursos.com.br 
00494751347 - francisco alessandro cordeiro lima 

11 
 
Prof. Sérgio Henrique Aula 02 - Geografia do Nordeste I. 
Aspectos Históricos e Geográficos no Nordeste. www.estrategiaconcursos.com.br 3. D 

OMÍNIOS 

Observe atentamente o mapa abaixo: 
Ele nos apresenta a vegetação natural do Brasil. Claro que atualmente ela não se 
encontra como neste mapa e está bastante devastada, devido anos de exploração 
econômica. 
Atualmente estaria aproximadamente assim: 


EGETAIS DO 
00494751347 - francisco alessandro cordeiro lima 


RASIL 
12 
 
Prof. Sérgio Henrique Aula 02 - Geografia do Nordeste I. 

As  áreas  marcadas em cor de rosa são áreas naturais destruídas pela ação antrópica 


(antropo  =  homem,  ação  humana),  seja  através  de  corte  ilegal  da  madeira,  pecuária, 
agricultura  ou  mineração. Perceba que as áreas próximas ao litoral foram mais destruídas, 
isso  ocorre  porque  o  processo  de  colonização  do  país  começou  pelo  litoral  atlântico.  Os 
elementos físicos que mais interferem na vegetação brasileira são o clima e o solo. 
O  clima  nordestino  é  totalmente  tropical.  No  litoral  há  o  clima  tropical  úmido,  no 
interior  o  tropical  semiárido  com  secas  prolongadas  e  o  agreste,  uma  zona  de  transição, 
com  o  clima  mais  ameno  e  mais  chuvoso  que  o  sertão,  podemos  classificado  como 
tropical semiúmido. 
Podemos dividir as formações vegetais em formações florestais, arbustivas, 
complexas e de transição. Vamos analisar as características das principais formações 
vegetais do Nordeste. 
Aspectos Históricos e Geográficos no Nordeste. www.estrategiaconcursos.com.br 
00494751347 - francisco alessandro cordeiro lima 

13 
 
Prof. Sérgio Henrique Aula 02 - Geografia do Nordeste I. 

4. D 
OMÍNIOS 

LORESTAIS 
4.1. ZONA DA MATA 
É o domínio da Mata atlântica . É a vegetação mais destruída pela ação antrópica, 
devido a colonização e a exploração do solo, desde o século XVI. 
A zona da mata (mata atlântica) é: 
✓ Latifoliada: Que possui plantas com folhas grandes e largas. ✓ Perenófila: Sempre 
verde e abundante ✓ Densa: Mata muito fechada, com muitas variedades e de difícil 
penetração. ✓ Ombrófila: Sombria. As copas das árvores maiores fazem com que o 
interior da 
floresta receba pouca luz. ✓ Higrófila: Plantas adaptadas a alta pluviosidade 
(quantidade de chuvas). ✓ Heterogênea: Possui enorme diversidade. É considerada 
Megadiversa. 
Aspectos Históricos e Geográficos no Nordeste. www.estrategiaconcursos.com.br 
00494751347 - francisco alessandro cordeiro lima 

14 
 
Prof. Sérgio Henrique Aula 02 - Geografia do Nordeste I. 
Aspectos Históricos e Geográficos no Nordeste. www.estrategiaconcursos.com.br 
Na imagem temo o ca u, gua ir e a pitanga. 

A  mata  atlântica  se  estende  do  litoral  à  borda  oriental  do  planalto  da  Borborema. 
Aproximadamente  uns  75  km.  Como  espécies  importantes  podemos destacar o Jequitibá, 
Visgueiro,  jacarandá,  maçaranduba,  pau-d’arco  e  pau  brasil.  Todas  de  grande  porte, 
chegando a alcançar 30 metros. 
00494751347 - francisco alessandro cordeiro lima 

15 
 
Prof. Sérgio Henrique Aula 02 - Geografia do Nordeste I. 
Olinda, Recife, Paulista, Waboat o e Igarassu surgiram onde a séculos atrás era vegeta o original de mata atl ntica. 

4.2. CAATINGA. 
A Caatinga ocupa a porção do sertão nordestino. O clima em que se desenvolve é 
o semiárido. Em tupi-guarani significa “Mata Branca”. 
Caracteriza-se  por  ser  uma  vegetação  rasteira  e  arbustiva,  com  espécies  xerófitas: 
plantas  com  raízes  profundas  para  captar  água,  já que a atmosfera é seca (Por exemplo, o 
xique-xique e o mandacaru). 
✓ Decíduas: perdem as folhas parcialmente ou totalmente na seca. Aspectos Históricos 
e Geográficos no Nordeste. www.estrategiaconcursos.com.br 
00494751347 - francisco alessandro cordeiro lima 

16 
 
Prof. Sérgio Henrique Aula 02 - Geografia do Nordeste I. 
Aspectos Históricos e Geográficos no Nordeste. www.estrategiaconcursos.com.br 
00494751347 - francisco alessandro cordeiro lima 

17 
 
Prof. Sérgio Henrique Aula 02 - Geografia do Nordeste I. 
Aspectos Históricos e Geográficos no Nordeste. www.estrategiaconcursos.com.br 
00494751347 - francisco alessandro cordeiro lima 

18 
 
Prof. Sérgio Henrique Aula 02 - Geografia do Nordeste I. 
Aspectos Históricos e Geográficos no Nordeste. www.estrategiaconcursos.com.br 

00494751347 - francisco alessandro cordeiro lima 
Aspecto da Caatinga ainda verde e mida, no município de Arcoverde. 

19 
 
Prof. Sérgio Henrique Aula 02 - Geografia do Nordeste I. 

4.3. MANGUES (VEGETAÇÃO COMPLEXA: LITORAL DA ZONA DA MATA). 


Os Mangues são vegetações litorâneas encontradas do litoral do Amapá ao Rio 
Grande do Sul. Estão bastante ameaçados devido à poluição, pois os litorais brasileiros 
são densamente povoados. Se caracterizam por plantas: 
✓ Halófitas (ou Halófila): 
Adaptadas à salinidade do mar (lembre-se que em geral as plantas são prejudicadas pelo 
sal e poucas são as espécies adaptadas à salinidade). O litoral pernambucano possui 270 
Km2 de mangues, que se formam no encontro das aguas doces com as águas salgadas do 
mar. ✓ Pneumatóforas: Raízes aéreas. O mangue é um ecossistema muito rico em vida 
marinha. Muitos trabalhadores dependem dos carangue os capturados no mangue. 
Aspectos Históricos e Geográficos no Nordeste. www.estrategiaconcursos.com.br 

00494751347 - francisco alessandro cordeiro lima 

20 
 
Prof. Sérgio Henrique Aula 02 - Geografia do Nordeste I. 

A população ribeirinha que se estabeleceu no mangue ao longo dos séculos 


sobreviveu de sua grande biodiversidade com muitos caranguejos, camarões, ostras, 
aratus, siris e vários peixes. 
Ocupa o humana ao longo do mangue, no rio Beberibe, na cidade de Olinda. 

Aspectos Históricos e Geográficos no Nordeste. www.estrategiaconcursos.com.br 



00494751347 - francisco alessandro cordeiro lima 

21 
 
Prof. Sérgio Henrique Aula 02 - Geografia do Nordeste I. 

4.4. AGRESTE. 
O agreste uma zona de transição entre a mata e o sertão. Está sobre o planalto da 
Borborema e suas temperaturas, em razão da altitude são mais baixas. No agreste temos 
os Brejos. 
O  desenho  esquemático  que  mostra  o planalto da Borborema permite observarmos 
alguns  elementos  do  clima.  O  planalto  funciona  como  uma  barreira,  dificultando  que  os 
ventos  oceânicos  cheguem  ao  sertão.  No  esquema  você  pode  observar  também  uma 
chuva  orográfica,  ou  seja,  aquela  provocada  pelo  relevo,  que  causa  o  acúmulo  da 
umidade  que  não  deixa  passar.  Observe  que  na  vertente  oriental  (à  leste,  a  face  voltada 
para  o  mar)  a  pluviosidade  é  bem  maior  que  a  vertente  ocidental  (à  oeste,  face  voltada 
para o interior, sertão). 
Aspectos Históricos e Geográficos no Nordeste. www.estrategiaconcursos.com.br 

00494751347 - francisco alessandro cordeiro lima 

22 
 
Prof. Sérgio Henrique Aula 02 - Geografia do Nordeste I. 
Aspectos Históricos e Geográficos no Nordeste. www.estrategiaconcursos.com.br 5. A 

SPECTOS 

Este  é  um  mapa  hipsométrico,  ou  seja,  de  altitudes.  De  acordo  com  a  legenda 
podemos  observas  que  quanto  mais  próximo  do  azul,  as  altitudes  são  menores  e  quanto 
mais próximo do vermelho as altitudes são maiores. 
5.1. O RELEVO 
O  relevo  é  o  modelo  da  superfície  terrestre.  Ele é formado por agentes internos ao 
planeta,  como  vulcanismo,  mas  no  caso  do  estado  de  Pernambuco,  principalmente  pela 
ação  de  agentes  externos.  Os  principais  agentes  externos  modeladores  do  relevo 
(intemperismo)  podem  ser  físicos  (intemperismo  provocado  pelos  ventos  e  pela variação 
de  temperatura,  que  desgasta  materiais  rochosos)  ou  químicos  (provocado  pela  ação  da 
água,  como  as  chuvas  e  os  rios).  A  ação  da  atmosfera  sobre  a  superfície  rochosa  (o 
intemperismo)  provoca  a  erosão  (desgaste).  No  sertão  a  principal  forma  de  erosão  é  a 
eólica (ação dos ventos) e na zona da mata a química (ação das águas). 
Para podermos falar do relevo é fundamental que saibamos o conceito das 
principais formas de relevo: 


ÍSICOS 
: R 
ELEVO E 

00494751347 - francisco alessandro cordeiro lima 


IDROGRAFIA 
23 
 
Prof. Sérgio Henrique Aula 02 - Geografia do Nordeste I. 

✓ Planaltos: formas de relevo em que o processo de erosão supera o de sedimentação. ✓ 


Planícies: formas de relevo em que o processo de sedimentação supera a erosão. ✓ 
Depressão relativa: formas de relevo profundamente erodidas (sofreram muita erosão) e 
são mais baixas que o relevo ao redor, encaixadas entre planaltos. 
Os principais compartimentos do revelo pernambucano são: planície litorânea 
sedimentar, planalto da Borborema, e Depressão sertaneja. 
A  altitude  é  a  altura  com  relação  ao  nível  do mar. Se afirmarmos que determinada 
cidade  possui  30  m  de  altitude,  são  trinta  metros  acima  do  nível  do mar. Recife e Olinda 
são  cidades  bastante  próximas,  mas  com  altitudes  bem  diferentes:  Recife  possui  9m  de 
altitude enquanto Olinda possui 31,9m. 
Aspectos Históricos e Geográficos no Nordeste. www.estrategiaconcursos.com.br 

00494751347 - francisco alessandro cordeiro lima 

24 
 
Prof. Sérgio Henrique Aula 02 - Geografia do Nordeste I. 

5.2. PLANÍCIE LITORÂNEA SEDIMENTAR. 


Ocupa as áreas do litoral e avança um pouco ao interior pelas margens dos rios 
Capiberibe, Beberibe, Ipojuca e Jaboatão. Na planície litorânea que ocorreu a ocupação 
humana no estado de Pernambuco e a área que sofreu maior antropização (ação humana). 
Sua vegetação e a vegetação litorânea dos mangues está bastante comprometida devido à 
grande poluição das áreas costeiras. Estão na planície litorânea: Recife e região 
metropolitana, Olinda, Jaboatão dos Guararapes, Cabo de Santo Agostinho, Suape, 
Ipojuca. 
5.3. TABULEIROS LITORÂNEOS 
A  planície  arenosa  é  interrompida  por  elevações  bastante  erodidas  (desgastadas) 
pela  ação  das  águas  dos  rios,  que  podem  chegar  à  200m  de  altitude,  mas  em  geral  não 
ultrapassam  os  40m.  Em Olinda, Recife e Paulista apresentam o topo arredondado devido 
à  maior  ação  das  chuvas.  Nestes  municípios  já  foram  totalmente  ocupados  pelas 
atividades humanas. 
5.4. PLANALTO DA BORBOREMA. 
A  estrutura  de  relevo  planáltica,  de  estrutura  cristalina, sobre a qual está o agreste. 
Suas  altitudes  são  modestas  e  não  ultrapassa  os  1.200  m  de  altitude suas áreas mais altas 
e os pontos mais altos são: 
✓ 1o Serra do ponto, município de “Brejo da Madre de Deus” (1195m). ✓ 2o Serra 
pelada, município de “Triunfo” (1185m). ✓ 3o Serra dos caboclos, município de “Brejo 
da Madre de Deus” (1180m). 
As  altitudes  variam  bastante,  pois  áreas  planálticas  com  estrutura  rochosa 
cristalina  normalmente  são  desgastadas  lentamente  pelo  intemperismo químico (da água) 
e  apresentam  superfície  mais  irregular  que  os  planaltos  sedimentares.  A  borda  leste  da 
Borborema  (em  direção  à  zona  da  mata)  é  bastante  desgastada  pelo  intemperismo 
químico,  principalmente  em  razão  das  chuvas  orográficas  que  ocorrem  em  suas escarpas 
(as  bordas/as  vertentes  do  planalto).  Há  um  debate  sobre  a  sua  influência  do  planalto  da 
Borborema  na  formação  do  semiárido  do  sertão.  A  tese  predominante é que interfere nas 
massas  de  ar  que  penetram  no  continente,  mas  alguns  geógrafos  apontam  que  suas 
altitudes  provocam  chuvas  orográficas,  mas  não  são  capazes  de  barrar  toda  umidade que 
atravessa  para  o  interior  a  altitudes  maiores.  Nas  provas  de  concurso  adotaremos  a visão 
das  bancas,  que  é  a  visão  tradicional,  já  consolidada.  Pode  vir  uma  questão  trazendo  o 
debate, mas não obrigara certamente o concurseiro a se posicionar. 
Aspectos Históricos e Geográficos no Nordeste. www.estrategiaconcursos.com.br 
00494751347 - francisco alessandro cordeiro lima 

25 
 
Prof. Sérgio Henrique Aula 02 - Geografia do Nordeste I. 
Aspectos Históricos e Geográficos no Nordeste. www.estrategiaconcursos.com.br 

Brejos  de  altitude:  São áreas sobre o planalto que possuem uma menor temperatura, e são 


mais  úmidos  (principalmente  devido  às  chuvas  orográficas).  Suas  condições  climáticas 
permitem  que  existam  plantas  típicas  da  mata  atlântica  e  também  da  caatinga.  São  áreas 
mais  frias  e  úmidas  e  com  vegetação  mais  variada  e  densa.  Garanhuns,  Taquaritinga  do 
norte e triunfo, são considerados brejos de altitude. 
O vale que observamos na imagem foi modelado pelo desgaste provocado pelos rios, no decorrer de milhares de anos. 
Serra Talhada, no município de mesmo nome. 
00494751347 - francisco alessandro cordeiro lima 

26 
 
Prof. Sérgio Henrique Aula 02 - Geografia do Nordeste I. 

5.5. CHAPADA DO ARARIPE. 


Chapada do Araripe: É responsável pela produ o de 95% do gesso consumido no Brasil. 

Chamamos  chapadas  os  planaltos  sedimentares  com  topo  plano.  Em  locais  com 
estrutura  rochosa  sedimentar  encontramos  riquezas  minerais  sedimentares  como  o gesso, 
que é fundamentalmente uma rocha formada por sulfato de cálcio (CaSO 

). Também 
encontramos muitas rochas calcárias. 
Por possuir uma estrutura predominantemente sedimentar, lá são encontrados 
vários fósseis. 
5.6. DEPRESSÃO SERTANEJA. 
No  Sertão  a  principal  unidade  de  relevo  é  a  Depressão  Sertaneja  do  Rio  São 
Francisco, uma depressão Interplanáltica (entre planaltos). As exceções são as Regiões do 
Rio  Moxotó  e  Pajeú,  que  estão  na  região  do  planalto  da  Borborema.  As cotas altimetrias 
(a  altitude)  diminuem  na  direção  da  Depressão  do  São  Francisco,  que  é  uma  depressão 
relativa ao planalto da Borborema. 
5.7. PEDIPLANOS E INSELBERGS 
Inselbergs são “morros testemunhos”. Um testemunho de como era o relevo em 
um passado geológico muito distante. São escarpas cristalinas em meio a planícies 
sedimentares que 
Aspectos Históricos e Geográficos no Nordeste. www.estrategiaconcursos.com.br 
00494751347 - francisco alessandro cordeiro lima 

27 
 
Prof. Sérgio Henrique Aula 02 - Geografia do Nordeste I. 

se  formou  pela pediplanação. Eram planaltos que sofreram um profundo processo erosivo 


físico,  típico  dos  climas  semiáridos.  É  a  erosão provocada pelo intemperismo físico (pela 
ação  dos  ventos  e  pela  dilatação  e  contração  da  rocha,  que  sofre  assim  rachaduras).  Os 
sedimentos liberados pediplanaram os arredores formando planícies sedimentares. 
De acordo com o IBGE: 
Inselberg Forma residual que apresenta feições variadas tais como crista, cúpula domo e 
dorso de baleia e cujas encostas mostram declives entre 500 e 600, dominando uma 
superfície de aplanamento herdada ou funcional, com a qual forma uma ruptura de onde 
divergem as rampas de erosão. 
Observe na imagem um inselberg, com o entorno pediplanado. 
Ainda de acordo com o IBGE, áreas pediplanadas: 
Pediplanadas: Superfícies de aplanamento elaboradas durante fases sucessivas de 
retomada de erosão, sem, no entanto, perder suas características de aplanamento, cujos 
processos geram sistemas de planos inclinados, às vezes levemente côncavos. Pode 
apresentar cobertura detrítica e/ou encouraçamentos com mais de um metro de espessura, 
indicando remanejamentos sucessivos (Pri), ou rochas pouco alteradas truncadas pelos 
processos de aplanamento que desnudaram o relevo (Pru). Ocorre nas depressões 
pediplanadas interplanálticas e periféricas tabuliformes e no sopé de escarpas que 
dominam os níveis de erosão inferiores e eventualmente nos topos de planaltos e 
chapadas ao longo dos vales. 
Aspectos Históricos e Geográficos no Nordeste. www.estrategiaconcursos.com.br 
00494751347 - francisco alessandro cordeiro lima 

28 
 
Prof. Sérgio Henrique Aula 02 - Geografia do Nordeste I. 
Aspectos Históricos e Geográficos no Nordeste. www.estrategiaconcursos.com.br 6. H 

IDROGRAFIA 

O que são Bacias hidrográficas? São o conjunto de rios formados por um rio 
principal e por outros rios menores que o abastecem: os rios afluentes. 
Observe  que  neste  esquema  o  rio  nasce  numa  região  planáltica  (a  nascente  é  no 
alto  do  curso  superior)  e  corre  em  direção  às  planícies  do  litoral,  desembocando  no 
oceano  com  uma  foz  em  estuário  (possui  uma  saída).  Recebe  afluentes  e  subafluentes 
(abastece os afluentes). 
Os rios podem ser classificados: 
Quanto ao relevo: 
✓ Rios de Planalto: Nascem e correm por regiões planálticas. São de difícil navegação e 
possuem um alto potencial hidrelétrico. 
✓ Rios de Planícies: Nascem em regiões mais altas, e correm por regiões de relevo 
plano e levemente ondulados. São importantes para a navegação, 
Quanto à drenagem: 
✓ Rios de drenagem exorréica: rio corre em direção ao oceano. ✓ Rios de drenagem 
endorréica: rio corre em direção ao interior. 

: C 
ONCEITOS 
00494751347 - francisco alessandro cordeiro lima 


UNDAMENTAIS 
29 
 
Prof. Sérgio Henrique Aula 02 - Geografia do Nordeste I. 

Tipo de foz: 
✓ Estuário (uma grande desembocadura principal). ✓ Delta (o rio desemboca por várias 
saídas). 
Quanto a permanência: 
✓ Rios perenes: permanecem sempre cheios, mesmo na seca, pois possuem um rico 
abastecimento subterrâneo, ou seja, possuem lençóis d’água que mantem o rio com água 
na seca. ✓ Rios intermitentes: temporários (secam com a chegada da seca). 
Quanto ao abastecimento: 
✓ Pluvial: abastecidos pelas chuvas. 
6.1. A BACIA DO RIO SÃO FRANCISCO: 
Todos os rios aqui descritos possuem sua foz, ou seja, desaguam no rio São 
Francisco. São predominantemente rios intermitentes. 
✓ Pajeú 
Aspectos Históricos e Geográficos no Nordeste. www.estrategiaconcursos.com.br 
00494751347 - francisco alessandro cordeiro lima 

30 
 
Prof. Sérgio Henrique Aula 02 - Geografia do Nordeste I. 

Sua  nascente  está  localizada  nos  limites  estaduais  entre  Pernambuco  e  Paraíba,  no 
município  de  Brejinho.  É  um  afluente  do  rio  São Francisco. Percorre mais de 350 km até 
o  lago  Itaparica,  que  foi  construído  para  a  usina  hidroelétrica  Luiz  Gonzaga,  em 
Petrolândia. 
É uma grande reserva natural da Caatinga. Sua fauna e Flora. 

Aspectos Históricos e Geográficos no Nordeste. www.estrategiaconcursos.com.br 


00494751347 - francisco alessandro cordeiro lima 

31 
 
Prof. Sérgio Henrique Aula 02 - Geografia do Nordeste I. 

Após  quatro  anos  de  seca  o  rio  Pajeú em 2016 apresenta uma cheia média. A imagem 


é  do  rio  no  município de Tuparetama. Junto com Ingazeira, São José do Egito e Iguaracy, 
são os municípios que a seca mais tem castigado. 
✓ Rio Moxótó. 
O Rio Moxotó banha os estados de Pernambuco e Alagoas, e serve de divisa entre 
os estados. É considerado um rio temporário e é um afluente do São Francisco. 
Aspectos Históricos e Geográficos no Nordeste. www.estrategiaconcursos.com.br 
00494751347 - francisco alessandro cordeiro lima 

32 
 
Prof. Sérgio Henrique Aula 02 - Geografia do Nordeste I. 

✓ Brígida 
Sua  nascente  está  na  chapada  do  Araripe  e serve de limites entre o estado do Piauí 
e  Ceará.  Possui  várias  barragens  como  a  do  Cachimbo,  entre  montes,  e  a  barragem  do 
chapéu,  que  o  perenizou  (o  tornou  perene,  pois  originalmente  era  intermitente).  As 
barragens  foram  muito  importantes  para  a  agricultura  de  subsistência  da  região, 
possibilitando irrigá-las, e permitindo o cultivo de feijão, milho e a prática da pecuária. 
Aspectos Históricos e Geográficos no Nordeste. www.estrategiaconcursos.com.br 
00494751347 - francisco alessandro cordeiro lima 

33 
 
Prof. Sérgio Henrique Aula 02 - Geografia do Nordeste I. 

6.2. A BACIA DO ATLÂNTICO NORDESTE ORIENTAL. 


É  formada  por  vários  pequenos  rios  litorâneos.  Desaguam  no  oceano,  em  que  na 
orla  irrigam  de  agua  doce  os  mangues  de águas salobras (salgadas do mar misturada com 
águas dos rios). Possuem drenagem exorréica, ou seja, nascem no interior e correm para o 
mar.  Regime  de  abastecimento  pluvial  (correm  entre  as  bordas  do  agreste  em  direção  à 
zona  da  mata).  O  planalto  da  Borborema  é  um  importante divisor de águas, pois separa a 
bacia  do  rio  São  Francisco  e  do  atlântico.  A  maioria  dos  rios  possuem  a  nascente  no 
planalto da Borborema: Os principais rios São: 
✓ Capiberibe. ✓ Ipojuca. ✓ Una. ✓ Jaboatão. 
Aspectos Históricos e Geográficos no Nordeste. www.estrategiaconcursos.com.br 
00494751347 - francisco alessandro cordeiro lima 

34 
 
Prof. Sérgio Henrique Aula 02 - Geografia do Nordeste I. 

7. E 
XERCÍCIOS 

1. 
Um dos principais sistemas produtores de chuva que atuam no norte do Nordeste 
brasileiro é a Zona de Convergência Intertropical do Atlântico ZCIT. Este sistema 
A) é o mais importante gerador de chuvas sobre a região equatorial dos oceanos 
Atlântico, Pacífico e Índico. 
B) provoca chuvas convectivas intensas entre os meses de setembro e outubro no litoral 
do Nordeste. 
C) permanece quase todo o ano estacionado sobre as latitudes mais próximas ao Trópico 
de Capricórnio. 
D) não recebe a influência da umidade dos oceanos Atlântico e Pacífico, mas sim da 
Amazônia. 
Comentários 
Como mencionado corretamente na alternativa [A], o ZCIT, zona de baixa pressão e 
convergência dos ventos alísios é responsável pelas chuvas na área equatorial. 
Estão incorretas as alternativas: 
[B] Porque a conjugação da mTa com a mPa é a responsável pelas chuvas no litoral 
nordestino; 
[C] Porque a ZCIT se movimenta na região equatorial; 
[D] Porque é alimentada também pela umidade oceânica. 
Gabarito: A 
2. 
Sobre o clima semiárido, analise as afirmações abaixo. 
I. O principal sistema responsável pela maior parte da precipitação na porção Norte do 
Nordeste do Brasil é a Zona de Convergência Intertropical. 
II. As chuvas no semiárido brasileiro ocorrem predominantemente entre os meses de 
fevereiro a maio. 
III. O semiárido apresenta um regime pluviométrico que proporciona a manutenção de 
drenagens perenes durante todo o ano. 
Aspectos Históricos e Geográficos no Nordeste. www.estrategiaconcursos.com.br 
00494751347 - francisco alessandro cordeiro lima 

35 
 
Prof. Sérgio Henrique Aula 02 - Geografia do Nordeste I. 

Está correto o que se afirma apenas em 


A) II. 
B) I e III. 
C) I e II. 
D) III. 
Comentários 
[III]  Incorreto,  uma  vez  que  o  clima  semiárido  apresenta  os  menores  índices 
pluviométricos  do  Brasil,  entre  250  e  750  mm.  Este  tipo  climático apresenta distribuição 
desigual  das  chuvas  ao  longo  do  ano  e  do  ponto  de  vista  geográfico.  Assim,  é 
caracterizado  por  secas  prolongadas  e  rios  intermitentes  ou  temporários,  ou  seja,  cujo 
leito seca durante a estiagem. 
Gabarito: C 
TEXTO PARA A QUESTÃO 3: 
Leia o texto e observe o mapa. Eles serão a base para a resolução da(s) quest(ões): 
“Os sistemas da Sabesp na Grande São Paulo produzem 6 milhões de m3 por dia de [água 
potável],  mas  quase  metade  vem  de  bacias  fora da zona metropolitana, como a bacia PCJ 
(rios  Piracicaba,  Capivari  e  Jundiaí), que alimenta o [sistema] Cantareira. [Nessas bacias] 
as  chuvas  estão  há  dois  anos  abaixo  das  médias  mensais.  No  acumulado  de  2013,  o  pior 
ano, as represas registraram 1.090 mm de precipitação a média anual é de 1.566 mm. “ 
(Tudo sobre: crise da água in Folha de S. Paulo, 14/09/2014, p. 6) 
Aspectos Históricos e Geográficos no Nordeste. www.estrategiaconcursos.com.br 
00494751347 - francisco alessandro cordeiro lima 

36 
 
Prof. Sérgio Henrique Aula 02 - Geografia do Nordeste I. 

3. 
Considerando a dinâmica climática brasileira e a estiagem atual, pode ser dito que: 
A) áreas menos suscetíveis a estiagem, como o sul do país, estão vivendo-a com 
frequência, e logo as mudanças climáticas obrigar-nos-ão a redesenhar o mapa climático 
do Brasil. 
B) as mudanças climáticas criam paradoxos no mapa climático do Brasil, com estiagens 
fortes nas regiões de climas úmidos e com períodos chuvosos mais longos nas áreas de 
climas secos. 
C)  o  Centro-Oeste  brasileiro  e  os  estados  de  São  Paulo  e  de  Minas  Gerais,  que  sempre 
tiveram  seus  territórios  livres  do  problema  da estiagem, sofrem agora com esse problema 
em razão do aquecimento global. 
D)  as  regiões  brasileiras  influenciadas  por  frentes  frias  têm o clima mais úmido do país e 
são  aquelas  que,  nesse  momento,  estão  livres  das  estiagens  que  afetam  algumas  zonas 
metropolitanas e certas bacias hidrográficas. 
E)  as  áreas  de  climas úmidos que estão sob o efeito de situações de estiagem que atingem 
o  país  não  são  áreas  que  estão  em meio a vastas zonas úmidas e sim nas proximidades de 
áreas e regiões que registram climas mais secos. 
Comentários 
A  região  atingida  pela  estiagem  prolongada  nos  últimos  anos  (2012-2015) corresponde a 
partes  dos  estados  de  Minas  Gerais  e  São  Paulo  (domínio  dos  mares  de  morros)  que  se 
inserem  na  faixa  de  climas  úmidos,  no  caso,  o  Tropical  de  Altitude  (verão  chuvoso  e 
inverno  seco).  Estas  áreas  estão  relativamente  próximas  as  faixas  com climas subúmidos 
(Tropical  típico  no  interior  paulista  e  parte  de  Minas  Gerais)  com  volume  pluviométrico 
um pouco mais baixo. 
Gabarito: E 
4. 
Estabeleça a relação entre os tipos de vegetação que aparecem nas figuras com as 
características apresentadas e assinale a opção correta. 
A)  A  figura  I  representa  a  caatinga,  vegetação  própria  de  ambientes  de  temperaturas 
elevadas  e  chuvas  escassas,  que  predomina  na  Zona da Mata Nordestina e é um dos tipos 
mais preservados no Brasil. 
Aspectos Históricos e Geográficos no Nordeste. www.estrategiaconcursos.com.br 
00494751347 - francisco alessandro cordeiro lima 

37 
 
Prof. Sérgio Henrique Aula 02 - Geografia do Nordeste I. 

B)  A  figura  II  representa  os  campos,  os  quais  são  formados  por  vegetação  rasteira  ou 
herbácea.  Esses,  comuns  no  Rio  Grande  do  Sul,  em  clima  do  tipo  tropical  e  terrenos 
elevados, são aproveitados para criação de gado e desenvolvimento da rizicultura. 
C)  A  figura  II  representa  o  cerrado,  o  qual  é  formado  por  restingas  e  manguezais. 
Composto  por  vegetação  arbustiva,  desenvolve-se  em  áreas  de  clima  tropical  e 
subtropical, e hoje está ameaçado pelo avanço da urbanização. 
D)  A  figura  III  representa a Mata Atlântica, a qual aparece ao longo do litoral brasileiro e 
é  formada  por  uma  vegetação  densa,  de  grande  porte  e  também  arbustiva.  Essa  Mata  foi 
drasticamente reduzida pela exploração econômica e pela expansão urbana. 
E)  A  figura  IV  representa  a  Mata  dos  Pinhais,  a  qual  é  nativa do Brasil, própria de clima 
seco  e  desenvolve-se  nas  áreas  baixas  e  arenosas  da região Sul. Valorizada pela indústria 
madeireira é, por isso, um dos tipos mais preservados do Brasil. 
Comentários 
A  Mata  Atlântica  é  uma  floresta  adaptada  ao  clima  tropical  úmido  e  de  altitude.  A 
floresta  se  desenvolve  tanto  em  planícies  litorâneas  quanto  em  planaltos  e  serras.  A 
floresta  apresenta  alta  biodiversidade,  é  latifoliada,  perenifólia,  higrófila,  densa  e 
estratificada.  Cerca  de  93%  do  ecossistema  foi  devastado  em  decorrência  da  densa 
ocupação  demográfica  e  econômica  da  faixa  litorânea  do  Nordeste  e  das regiões Sudeste 
e  Sul  desde  o  período  colonial.  As  causas  da  devastação  ao  longo  do  tempo  foram: 
exploração  do  pau  Brasil,  ciclo  da  cana  de  açúcar,  ciclo  do  café,  urbanização,  expansão 
do turismo e industrialização. 
Gabarito: D 
5. 
Considerando as características hidrofitogeográficas do Brasil, é correto afirmar que o 
domínio: 
A)  da  Mata  Atlântica  é  caracterizado  pela  ocorrência  de  rios intermitentes sazonais e por 
uma  vegetação  menos  densa,  com  predomínio  de  plantas  de  grande  porte  que  recebem 
influências dos ventos úmidos. 
B)  da  Caatinga  é  caracterizado  pela  ocorrência  de  rios  intermitentes  sazonais  devido  ao 
baixo  índice  de  chuvas,  e  apresenta  uma  vegetação  composta  por  arbustos  com  galhos 
retorcidos e raízes profundas, assim como cactos e bromélias. 
C) da Floresta Equatorial ocupa o Planalto Meridional Brasileiro e é caracterizado por 
rios que deságuam diretamente no Oceano Atlântico, situando-se sua foz na Faixa 
Tropical. 
D) do Cerrado ocupa áreas do Planalto Central Brasileiro e parte da área de várzea da 
Amazônia, apresentando uma rede pluvial que forma a bacia hidrográfica do Rio Paraná. 
E)  da  Mata  de  Araucária,  o  mais  preservado  do  país,  possui  uma  vegetação  formada 
predominantemente  pelo  chamado  pinheiro-do-paraná,  sofre  influência  do  clima 
subtropical  e  da  elevada  altitude  e  apresenta  rios  que  congelam  por  longos  períodos  no 
inverno. 
Aspectos Históricos e Geográficos no Nordeste. www.estrategiaconcursos.com.br 
00494751347 - francisco alessandro cordeiro lima 

38 
 
Prof. Sérgio Henrique Aula 02 - Geografia do Nordeste I. 

Comentários 
O  domínio  morfoclimático  da  Caatinga  é  caracterizado  pela  dominância  de  depressões 
interplanálticas  (entremeadas  por  chapadas,  cuestas  e  inselbergs),  clima  semiárido, 
vegetação  de  caatinga  (plantas  xerófilas,  inclusive  cactáceas  e  bromeliáceas,  além  de 
espécies  caducifólias)  e  rios  intermitentes  ou  temporários  (cujos  leitos  secam  no  período 
de  estiagem).  Observação:  galhos  retorcidos  é  uma  característica  mais  comum  no 
Cerrado. 
Gabarito: B 
6. 
Os três principais tipos de chuva são: 1) chuva frontal, 2) chuva de relevo ou orográfica, e 
3) chuva de convecção ou chuva de verão. Analise as proposições sobre os tipos de 
chuva. 
I.  As  chuvas  orográficas  ocorrem  em  alguns  lugares  do  planeta  onde  barreiras  de  relevo 
obrigam as massas de ar a atingir altitudes superiores, o que causa queda de temperatura e 
condensação do vapor. 
II.  Chuvas  de  convecção  ocorrem  quando  o  ar  quente  próximo  à  superfície  fica  leve  e 
sobe  para  as  camadas  superiores  da  atmosfera,  carregando  umidade.  Ao  atingir  altitudes 
superiores,  a  temperatura  diminui  e  o  vapor  se  condensa  em  gotículas  pequenas  que 
permanecem  em  suspensão.  Esse  processo  se  repete  até  formar  nuvens  muito  grandes, 
que se precipitam no final do dia. 
III.  A  chuva  frontal  acontece  na  zona  de  contato  entre  duas  massas  de  ar  (frente)  de 
características  diferentes (uma fria e outra quente), onde ocorrem a condensação do vapor 
e a precipitação da água. 
IV.  As  chuvas  de  relevo  costumam  ser  intermitentes  e  finas  e  são  muito  comuns  nas 
regiões  Nordeste  e  Sudeste  do  Brasil,  onde  as  serras  e  chapadas  dificultam  a penetração, 
para o interior do continente, das massas úmidas de ar provenientes do oceano Atlântico. 
V. Chuvas de convecção são aquelas que ocorrem em dias quentes. 
Assinale a alternativa correta. 
A) Somente as afirmativas I e V são verdadeiras. 
B) Somente as afirmativas I, III e IV são verdadeiras. 
C) Somente as afirmativas II e IV são verdadeiras. 
D) Somente a afirmativa V é verdadeira. 
E) Todas as afirmativas são verdadeiras. 
Comentários 
I.  CORRETO.  Chuvas  orográficas  ocorrem quando uma massa de ar úmido se desloca ao 
encontrar  uma  formação  rochosa.  Ao  elevar-se,  ocorre  queda  de  temperatura  e 
condensação de vapor de água, precipitando-se em uma das vertentes da formação. 
Aspectos Históricos e Geográficos no Nordeste. www.estrategiaconcursos.com.br 
00494751347 - francisco alessandro cordeiro lima 

39 
 
Prof. Sérgio Henrique Aula 02 - Geografia do Nordeste I. 

II.  CORRETO.  Chuvas  de  convecção,  ou  “chuvas  de  verão”,  resultam  do  aquecimento 
rápido  do  ar,  que,  ao ascender, encontra menores temperaturas, precipitando-se em forma 
de pancadas de chuvas. 
III. CORRETO. Chuvas frontais resultam do encontro de uma massa de ar quente e uma 
massa de ar frio, que, ao formar uma frente fria, precipitam-se por períodos mais 
prolongados. 
IV. CORRETO. A área litorânea do Brasil por possuir uma formação de serras, chapadas 
e planaltos, quase contínua em toda sua extensão, favorece a formação de chuvas 
orográficas. 
V. CORRETO. Chuvas de convecção são as chamadas “chuvas de verão” e resultam do 
rápido aquecimento do ar e, portanto, típicas de estações com temperaturas elevadas. 
Gabarito: E 
7. (IAUPE) 
Esta questão apresenta-se com uma proposição e uma razão para a proposição, separadas 
pela palavra PORQUE. Leia-a. 
As chuvas que acontecem na parte oriental do Nordeste brasileiro concentram-se nos 
meses da primavera-ver o 
PORQUE 
é nesse periodo que s o mais intensos os fluxos da Frente Polar Atlântica e das Ondas de 
Leste sobre essa regi o brasileira. 
Assinale 
A) se a proposição é uma afirmativa verdadeira, e a razão é uma afirmativa falsa. 
B) se a proposição e a razão são afirmativas verdadeiras, e a razão é uma causa da 
proposição. 
C) se a proposição e a razão são afirmativas verdadeiras, e a razão não é a causa da 
proposição. 
D) se a proposição é uma afirmativa falsa, e a razão é uma afirmativa verdadeira. 
E) se a proposição e a razão são afirmativas falsas. 
Comentários 
As  chuvas  que  ocorrem  na  parte  oriental  do  Nordeste,  principalmente  na  Zona  da  Mata 
entre  RN  e  BA,  concentram-se  no inverno, período em que as frentes frias impulsionadas 
pela MPA (massa polar atlântica) atingem o litoral nordestino. 
Gabarito: E 
Aspectos Históricos e Geográficos no Nordeste. www.estrategiaconcursos.com.br 
00494751347 - francisco alessandro cordeiro lima 

40 
 
Prof. Sérgio Henrique Aula 02 - Geografia do Nordeste I. 

8. (IAUPE) 
Observe com atenção o mapa a seguir: 
É CORRETO afirmar que esse mapa é uma representação cartográfica do seguinte fato 
geográfico: 
A) As principais bacias sedimentares. 
B) Os grandes domínios climáticos segundo a classificação de W. Koppen. 
C) As principais áreas de expansão agrícola. 
D) Os principais domínios fitogeográficos primitivos. 
E) Os espaços geoeconômicos. 
Comentários 
Trata-se  da  representação  cartográfica  da  vegetação,  fitogeografia  ou  ecossistemas 
brasileiros,  entre  os  quais:  Amazônia,  Cerrado,  Caatinga,  Mata  Atlântica,  Mata  de 
Araucária e Pampa e Formações Litorâneas (Mangue e Restinga). 
Gabarito: D 
9. (IAUPE/UPE) 
Observe, com atenção, o mapa a seguir. As áreas escuras correspondem, grosso modo, a 
um determinado aspecto analisado de maneira enfática pela Geografia. 
Aspectos Históricos e Geográficos no Nordeste. www.estrategiaconcursos.com.br 
00494751347 - francisco alessandro cordeiro lima 

41 
 
Prof. Sérgio Henrique Aula 02 - Geografia do Nordeste I. 

Em qual das alternativas a seguir, esse aspecto está mencionado? 


A) Espaços fortemente atingidos pela seca de 2014. 
B) Regiões naturais submetidas ao domínio de solos aluviais. 
C) Áreas destacadamente antropizadas. 
D) Espaços geográficos dominados pela forte emigração. 
E) Regiões de marcado processo de conurbação. 
Comentários 
As  áreas  escuras  foram  “antropizadas”,  isto  é,  transformadas  pelo  homem  ou  pela 
sociedade.  Portanto,  foram  desmatadas  e  se  transformaram  em  áreas rurais (agropecuária 
e silvicultura), vias de circulação e áreas urbanas (indústria e atividades terciárias). 
Gabarito: C 
10. (IAUPE/UPE) 
A  temperatura  do  ar  atmosférica  e  a  precipitação  pluviométrica  são  elementos  de grande 
importância  à  análise  climato-ambiental,  sobretudo  no  mundo  tropical.  Esses  elementos 
podem  ser  representados  num  diagrama,  como  o  que  é  apresentado  a  seguir.  Neste,  a 
linha  curva  indica  o  andamento  médio  da  temperatura  ao  longo  do  ano,  as  barras 
inferiores  correspondem  às  chuvas  mensais,  e  as  letras  são  a  abreviatura  de  cada  mês  do 
ano. Observe- o atentamente. 
Aspectos Históricos e Geográficos no Nordeste. www.estrategiaconcursos.com.br 
00494751347 - francisco alessandro cordeiro lima 

42 
 
Prof. Sérgio Henrique Aula 02 - Geografia do Nordeste I. 

Este diagrama permite que se chegue às seguintes conclusões: 


1. Essa localidade situa-se no hemisfério norte, em pleno domínio tropical, numa área 
elevada. 
2. O clima dessa localidade é quente, mas seco, do tipo BSh, segundo a Classificação 
Climática de W. Koppen. 
3. Nessa localidade, a evapotranspiração potencial anual deve superar a precipitação 
pluvial anual; há, assim, um deficit hídrico. 
4. A localidade situa-se integralmente no hemisfério sul e possui um clima de caráter 
subtropical. 
5. As variações térmicas anuais e diárias nessa localidade são insignificantes, o que 
significa dizer que ela se situa próxima do Trópico de Capricórnio. 
6. A localidade possui um regime de chuvas de primavera-verão, provocado por invasões 
de anticlones móveis. 
Estão corretas apenas 
A) 2 e 3. 
B) 2, 3 e 4. 
C) 1, 2 e 3. 
D) 3, 4 e 6. 
E) 1, 2, 5 e 6. 
Comentários 
1.  INCORRETO.  Os  meses  de  verão,  constatado  pelas  maiores  temperaturas  no  início  e 
fim  de  ano  indicam  que  o  climograma  representa  uma  localidade  do  hemisfério  sul.  A 
elevada média térmica inviabiliza a localização em áreas de altitudes elevadas. 
Aspectos Históricos e Geográficos no Nordeste. www.estrategiaconcursos.com.br 
00494751347 - francisco alessandro cordeiro lima 

43 
 
Prof. Sérgio Henrique Aula 02 - Geografia do Nordeste I. 

2. CORRETO. A elevada média térmica e as chuvas escassas são características do clima 


semiárido, classificado segundo Koppen como BSh. 
3. CORRETO. As chuvas escassas indicam que há deficit hídrico em razão da 
evapotranspiração ser maior que a precipitação. 
4. INCORRETO. As características do climograma o classificam como o de um clima 
semiárido. 
5.  INCORRETO.  As  variações  térmicas  anuais  são  pequenas  (5°C),  contudo,  por  ser um 
clima  seco,  ocorre  amplitude  térmica  diária  elevada,  haja  vista  que  a  umidade  funciona 
como um regulador térmico, e na sua ausência, registram-se variações significativas. 
6. INCORRETO. As chuvas incidem nos meses de outono-inverno. 
Gabarito: A 
11. 
O  Brasil,  devido  a  sua  extensão  territorial  e  a  sua  diversidade  climática,  possui  sistemas 
paisagísticos  muito  heterogêneos.  Na  imagem  abaixo,  está  representado  um  dos  biomas 
mais  ricos  e  diversificados  do  território  brasileiro.  Sobre  esse  bioma,  podemos  afirmar 
que: 
A)  possui  como  característica  marcante  a  presença  de  espécies  perenifoliadas,  com  a 
capacidade  de  armazenamento  de  água,  como  as  cactáceas,  e  uma  grande  diversidade 
faunística. 
B)  está  localizado  em  ambiente  semiárido,  com  índices  pluviométricos  que  variam  entre 
300  e  800  mm  ao  ano,  com  formações  vegetais predominantemente arbustivas, xerófilas, 
das quais muitas são endêmicas. 
C)  seus  solos  são  geralmente  férteis,  profundos  e  com  pouca  umidade,  o  que  dificulta  a 
prática  agrícola,  apesar  dessa  ser  uma  das  principais  atividades  econômicas  na  região  da 
Caatinga. 
Aspectos Históricos e Geográficos no Nordeste. www.estrategiaconcursos.com.br 
00494751347 - francisco alessandro cordeiro lima 

44 
 
Prof. Sérgio Henrique Aula 02 - Geografia do Nordeste I. 

D)  não  sofreu  grande  pressão  antrópica,  devido  ao  seu  aspecto  rudimentar,  desse  modo 
ainda  possui  mais  de  70%  da  sua  vegetação  preservada,  sem  evidência  de  grandes 
processos de degradação. 
E)  é  encontrado  em  regiões  de  clima  tropical  e  semiárido,  dessa  forma  se  estende  pelo 
Nordeste  e  Centro-Oeste  brasileiro,  assim  como  também  pode  ser  encontrado  em  alguns 
locais do continente africano. 
Comentários 
Como mencionado corretamente na alternativa [B], a Caatinga está associada ao clima 
semiárido, presença de formação xerófita, e solos rasos e pedregosos. 
Estão incorretas as alternativas: 
[A], porque a Caatinga registra a presença de espécies decíduas; 
[C], porque seus solos são rasos e pedregosos; 
[D], porque quase metade da área do bioma está desmatada; 
[E], porque está associado ao clima semiárido. 
Gabarito: B 
12. 
Em  uma  das  suas  músicas  mais  famosas,  o  cantor  Jorge  Bem  Jor  diz:  “moro  num  país 
tropical  abençoado  por  Deus  e  bonito  por  natureza”.  Como  90%  do  território  brasileiro 
encontra-se  entre  os  Trópicos  de  Câncer  e  Capricórnio,  vivemos,  sim,  num  país tropical. 
No  entanto,  o  espaço  brasileiro  não  se  limita  apenas  ao  clima  tropical,  existem  outras 
variações  climáticas.  Os  elementos  mais  utilizados  para  definir  os  tipos  de  clima  são  o 
volume das precipitações e as médias de temperaturas anuais. 
De acordo com as informações do texto e seus conhecimentos sobre o tema, os 
CLIMOGRAMAS abaixo retratam os climas: 
A) equatorial e tropical de altitude. 
B) subtropical e semiárido. 
Aspectos Históricos e Geográficos no Nordeste. www.estrategiaconcursos.com.br 
00494751347 - francisco alessandro cordeiro lima 

45 
 
Prof. Sérgio Henrique Aula 02 - Geografia do Nordeste I. 

C) semiárido e tropical atlântico. 


D) subtropical e equatorial. 
E) equatorial e tropical de semiárido. 
Comentários 
O  climograma  da  esquerda  apresenta  chuvas  bem  distribuídas  durante  o  ano,  verões 
quentes  e  invernos  amenos,  ao  passo  que  o  climograma  da  direita  apresenta  elevadas 
médias  térmicas  anuais  com  chuvas  escassas.  Portanto,  como  mencionado  corretamente 
na alternativa [B], correspondem, respectivamente, aos climas subtropical e semiárido. 
Gabarito: B 
13. 
O  climograma  é  um  tipo  de  gráfico,  no  qual  se  analisa  dois  elementos  climáticos 
(temperatura  e  pluviosidade),  para  determinar  o  tipo  de  clima.  A  análise  climática  e 
meteorológica  é  muito  importante  para  a  atividade  agrícola,  principalmente  para  o 
planejamento do plantio, devido à necessidade hídrica da planta. 
Um agricultor, ao analisar o climograma da cidade de Macau (RN), conforme 
representado, percebe que o mês: 
A) com menor precipitação foi agosto, com uma temperatura de 25°. 
B) de março, além de quente, foi o que teve maior precipitação. 
C) de novembro, apesar da baixa temperatura, teve maior precipitação. 
D) de abril, teve uma temperatura de 18 °C e uma precipitação alta. 
Aspectos Históricos e Geográficos no Nordeste. www.estrategiaconcursos.com.br 
00494751347 - francisco alessandro cordeiro lima 

46 
 
Prof. Sérgio Henrique Aula 02 - Geografia do Nordeste I. 

Comentários A) INCORRETA. A menor precipitação ocorreu no mês de setembro e os 


meses de outubro e novembro registram ausência de precipitação. B) CORRETA. A 
maior temperatura e a maior pluviosidade ocorreram no mês de março. C) INCORRETA. 
O mês de novembro caracteriza ausência de precipitação e alta temperatura. D) 
INCORRETA. O mês de abril caracteriza a temperatura de 27°C e o segundo maior 
volume de chuvas do ano. 
Gabarito: B 
14. 
O  rio  São  Francisco  sempre  desempenhou um papel relevante no cenário da conquista do 
interior  do  Brasil.  Em  1813,  José  Hipólito  da  Costa,  no  jornal  Correio  Brasiliense, 
destacou  em  seu  artigo  a  importância  da  construção  de uma cidade central para a sede da 
Corte  portuguesa,  às  margens  do  rio  São  Francisco,  que,  em  suas  palavras,  afirmou  ser 
um  sítio  ameno,  fértil  e  regado  por  um  rio  navegável.  Esta  ideia  foi  retomada  por  José 
Bonifácio,  em  1823.  Ao  Velho  Chico  foi  atribuído,  a partir de 1840, o papel de elemento 
unificador  do  país,  numa  iniciativa  de  escravocratas  e  políticos  que  lutavam  pela 
centralização  monárquica,  com  apoio  dos  representantes  das  províncias  banhadas  pelo 
São Francisco. 
(Vanessa Maria Brasil. Um rio, uma nação. Nossa Hist ria, ano 2, n° 18, 2005. 
Adaptado.) 
Analise as afirmações. 
I. Os climas predominantes na bacia do São Francisco são o tropical, o tropical semiárido 
e o tropical úmido. 
II. O rio São Francisco nasce em Minas Gerais e banha os estados da Bahia, Pernambuco, 
Sergipe e Alagoas, desaguando no Oceano Atlântico. 
III. A unidade de relevo presente na maior parte da bacia é a Depressão Sertaneja do São 
Francisco. 
IV. A bacia hidrográfica está inserida totalmente na macrorregião geoeconômica do 
Norte. 
V. O tipo de cobertura vegetal predominante é a floresta tropical, que atualmente 
apresenta forte presença humana. 
As afirmativas que melhor descrevem as características geográficas da bacia do rio São 
Francisco são, apenas, 
A) III e IV. 
B) I e V. 
C) IV e V. 
D) I, II e III. 
Aspectos Históricos e Geográficos no Nordeste. www.estrategiaconcursos.com.br 
00494751347 - francisco alessandro cordeiro lima 

47 
 
Prof. Sérgio Henrique Aula 02 - Geografia do Nordeste I. 

E) II, IV e V. 
Comentários 
O  rio  São  Francisco  percorre  terras  brasileiras  no  sentido  sul  norte.  Tal  disposição  lhe 
conferiu  um  caráter  de  unificador  nacional  em  função  das  possibilidades  de  navegação e 
interligação do sudeste com o nordeste. 
As  proposições  [I],  [II]  e  [III]  estão  corretas,  pois  em  suas  nascentes  (Serra  da 
Canastra/MG)  e  foz  (Alagoas  e  Sergipe)  predominam  os  tipos  climáticos  tropical  e 
tropical  úmido,  ele  percorre  o  semiárido  nordestino  e  é  banhado  pelos  5  estados 
brasileiros indicados. A depressão sertaneja é a formação geomorfológica predominante. 
A proposição [IV] está incorreta pela referência à macrorregião geoeconômica do Norte, 
pois se trata predominantemente do Nordeste. 
A proposição [V] está incorreta, uma vez que a formação vegetal predominante é a 
caatinga, apesar da ocorrência de cerrados e florestas tropicais em sua bacia. 
Gabarito: D 
Aspectos Históricos e Geográficos no Nordeste. www.estrategiaconcursos.com.br 
00494751347 - francisco alessandro cordeiro lima 

48 
 
Prof. Sérgio Henrique Aula 02 - Geografia do Nordeste I. 

15. 
Observe na tabela os dados climáticos de algumas cidades paraibanas. Auxiliado pela 
tabela e de posse dos seus conhecimentos sobre a climatologia da Paraíba, analise as 
proposições. 
CIDADE ALTITUDE 
PRECIPITAÇÃO ANUAL (MM) 
TEMPERATURA MÍNIMA MÁXIMA ANUAL MÉDIA 

MESORREGIÃO 
JOÃO 
PESSOA 
48,0m 1829,3 19,7 31,2 25,6 
Mata 
Paraibana 
ANDRADINA 49,0m 1867,0 19,3 30,0 25,1 
Mata 
Paraibana 
AREIA 445m 1367,1 17,5 31,0 21,6 
Agreste 
Paraibano 
BANANEIRAS 700m 1187,9 16,8 31,4 22,4 
Agreste 
Paraibano 
ARARUNA 580 853,6 16,7 29,4 22,2 
Agreste 
Paraibano 
CUITÉ 620 877,4 16,5 29,8 22,3 
Agreste 
Paraibano 
INGÁ 144m 665,2 19,0 32,6 25,3 
Agreste 
Paraibano 
CAMPINA 
GRANDE 
Aspectos Históricos e Geográficos no Nordeste. www.estrategiaconcursos.com.br 
Agreste 
Paraibano 
CABACEIRAS 390m 316,6 17,9 30,0 24,2 Borborema 
S. JOÃO 
DO CARIRI 
508m 765,5 17,1 31,1 22,7 
445m 384,8 17,7 30,0 24,0 Borborema 
PATOS 250m 698,9 19,0 34,6 27,2 
Sertão 
Paraibano 
POMBAL 178m 724,9 19,5 35,1 27,0 
Sertão 
Paraibano 
Dados coletados in: <http://www.dca.ufcg.edu.br/clima/chuvapb/htm 
00494751347 - francisco alessandro cordeiro lima 

49 
 
Prof. Sérgio Henrique Aula 02 - Geografia do Nordeste I. 

I.  Os  índices  pluviométricos  e  as  temperaturas  mais  baixas  do  Brejo  Paraibano  estão 
relacionados  à  altitude  e  à  localização  na  frente  oriental  do  Planalto  da  Borborema, 
oposta às chuvas orográficas. 
lI.  Os  municípios  do  Sertão  Paraibano,  por  se  localizarem  numa  depressão,  apresentam 
não  só  as  menores  amplitudes  térmicas  do  estado,  mas  também  os  menores  índices 
pluviométricos. 
III.  Os  municípios  litorâneos  sujeitos  à  maritimidade  apresentam  amplitudes  térmicas 
menores  que  os municípios do Cariri Paraibano, os quais já sofrem a interferência de dois 
outros fatores climáticos: a altitude e a continentalidade. 
IV.  lngá,  localizada  no  sopé  da  Borborema,  apresenta  índices  pluviométricos  e 
temperaturas  mais  semelhantes  aos  índices  sertanejos  que  os  de  outros  municípios  do 
Agreste  da  Borborema,  o  que  reforça  a  importância  do  planalto  como um fator climático 
importante. 
Estão corretas apenas: 
A) II e III. 
B) II e lV. 
C) I e IV. 
D) I, III e IV. 
E) II, III e IV. 
Comentários 
Os  municípios  localizados  no  Sertão  paraibano  onde  vigora  o  semiárido  apresentam 
maior  amplitude  térmica  em  decorrência  da continentalidade, ou seja, maior distância em 
relação  ao  mar.  Pela  tabela,  municípios  da  região  do  “Borborema”  como  Cabaceiras, 
localizado a oeste da cadeia montanhosa, apresentam menor índice pluviométrico. 
Gabarito: D 
Aspectos Históricos e Geográficos no Nordeste. www.estrategiaconcursos.com.br 
00494751347 - francisco alessandro cordeiro lima 

50 
 
Prof. Sérgio Henrique Aula 02 - Geografia do Nordeste I. 

16. 
Analise o mapa e o texto que seguem. 
Nas  últimas  décadas,  o  Brasil  transformou-se  em  um  dos  maiores  produtores  e 
fornecedores  de  alimentos  e  fibras  para  o  mundo.  A  retirada  da cobertura vegetal natural 
está  entre  os  fatores  que  evidenciam  o  aumento  da  produção e da participação do país no 
mercado  mundial.  A  cultura  da  soja,  por  exemplo,  é  a principal responsável pela retirada 
da cobertura vegetal natural para uso agrícola. 
Em relação a esse contexto, o bioma identificado pelo número corresponde , área mais 
afetada pela retirada de cobertura vegetal natural para a produção de soja. 
A) 1 - à caatinga. 
B) 2 - aos campos. 
C) 3 - à zona da mata. 
D) 4 - ao cerrado. 
E) 5 - ao pantanal. 
Comentários Como mencionado corretamente na alternativa [D], a área mais afetada pela 
expansão da produção de soja corresponde ao bioma do cerrado, identificado no mapa 
com o n° 4. Estão incorretas as alternativas: [A], porque o bioma da caatinga corresponde 
ao n° 2; [B], porque o bioma das pradarias ou campos não está indicado por números no 
mapa; [C], porque o n° 3 indica o bioma da Amazônia; [E], porque o n° 5 indica o bioma 
da Araucária. 
Gabarito: D 
Aspectos Históricos e Geográficos no Nordeste. www.estrategiaconcursos.com.br 
00494751347 - francisco alessandro cordeiro lima 

51 
 
Prof. Sérgio Henrique Aula 02 - Geografia do Nordeste I. 

17. (IAUPE Prefeitura de Recife Guarda Municipal 2011) 


Uma  característica  marcante  da  compartimentação  do  relevo  do  Município  do  Recife é a 
presença  de  duas  paisagens  muito  distintas:  os  morros  e  a  planície.  Sobre  a  planície 
costeira, analise as proposições a seguir: 
I. A planície costeira do Recife se originou no período Terciário, e nela deságuam 
importantes rios pernambucanos, como o Capibaribe, Beberibe, Tejipió, Una e Jaboatão. 
II. A planície costeira teve sua origem no Quaternário, por processo de sedimentação 
marinha, em alguns trechos, e por deposição fluvial, em outros. 
III.  Na  planície  costeira  do  Recife,  são  encontradas  as  planícies  marinhas  e  fluviais,  as 
restingas,  além  de  outras  feições  do  relevo,  como  os  planaltos  e  as  colinas  formadas  por 
terrenos cristalinos de estrutura complexa. 
IV. Recife foi edificada na planície flúvio-marinha. O crescimento da cidade fez-se por 
meio de aterros em áreas alagadas e em terras de planície de antigos engenhos de açúcar. 
Estão CORRETAS 
A) I, II e III. 
B) I, II, III e IV. 
C) II, III e IV. 
D) II e IV. 
E) III e IV. 
Comentários 
[I]  está  errada,  pois  não  se  formou  no  período  terciário  (quando  se  formaram  as  mais 
importantes  montanhas,  e  sim  no  quaternário,  quando  se  formaram  as  planícies 
sedimentares).  Os rios citados estão corretos. Observe a imagem das eras geológicas. Não 
se  preocupe  em  decorá-la,  ela  serve  para  consulta.  As regiões planálticas pernambucanas 
são  mais  antigas  e  se  formaram  no  final  da  era  mesozoica  e  início  da  cenozoica 
(terciário).  As  planícies  litorâneas  são  de sedimentação recente e se formaram no período 
quaternário da era cenozoica. 
Aspectos Históricos e Geográficos no Nordeste. www.estrategiaconcursos.com.br 
00494751347 - francisco alessandro cordeiro lima 

52 
 
Prof. Sérgio Henrique Aula 02 - Geografia do Nordeste I. 

[II]  está correta, pois a planície litorânea em todo o Brasil, e no litoral Pernambuco, claro, 
se  formou  no  período  quaternário  da  era  cenozoica  (geologicamente  recentes)  e  pela 
deposição e sedimentação de sedimentos marinhos e fluviais (trazidos pelos rios). 
[III] está errada, pois não há planaltos e colinas nas planícies litorâneas, mas são 
paisagens típicas encontradas no sertão. 
[IV]  está  correta.  A  questão  descreve  corretamente  a  ocupação  do  solo  litorâneo  em 
Pernambuco  que  se  deu  através  dos  engenhos  em  áreas  planas  próximas  ao  litoral  e 
através de aterros de áreas alagadas, que se impôs com o aumento da ocupação humana. 
Gabarito: D 
18. (IAUPE Prefeitura de Abreu e Lima Professor do Ensino Fundamental 2008) 
Assinale a alternativa que não contém os compartimentos do relevo encontrados em 
Pernambuco. 
A) Planície e tabuleiros costeiros. 
B) Colinas da zona da mata e planície costeira. 
C) Planalto da Borborema e maciços residuais. 
D) Chapada do Araripe e Depressão Sertaneja 
E) Planalto da Bacia Jatobá e Chapada do Apodi. 
Aspectos Históricos e Geográficos no Nordeste. www.estrategiaconcursos.com.br 
00494751347 - francisco alessandro cordeiro lima 

53 
 
Prof. Sérgio Henrique Aula 02 - Geografia do Nordeste I. 

Comentários 
A  chapada  do  Apodi  fica  nos  estados  do  Ceará  e  Rio  Grande  do  Norte,  o  planalto  do 
Jatobá  fica  entre  Bahia  e  Pernambuco  se  estendendo  até  a  região  de  Arcoverde. O litoral 
são  planícies  litorâneas  e  tabuleiros  profundamente  desgastados  do  período  quaternário. 
A  zona  da  mata  está numa região entre a Borborema e a planície litorânea e possui relevo 
mamelonar,  ou  seja,  ondulado.  Maçiços  residuais,  são  elevações  cristalinas,  mais 
conhecidas  como  inselbergs.  A  depressão  sertaneja  do rio São Francisco, inter planáltica, 
é  dos  principais  compartimentos  do  relevo  pernambucano,  junto  do  planalto  sedimentar 
do Araripe. 
Gabarito: E 
19. (IAUPE PM/PE Soldado 2009) 
Sobre as regiões de Pernambuco, analise as afirmações abaixo. 
I.  Na  Zona  da  Mata,  o  clima  é  quente  e  úmido;  o  relevo  se  caracteriza  por  apresentar 
colinas  convexas,  que  surgem  dominantemente  em  terrenos cristalinos da porção oriental 
do  estado,  principalmente  na  Mata  Sul  assim  como  apresenta  médias  anuais  de  chuvas 
superiores a 1.800mm, com temperaturas anuais em torno de 24oC. 
II.  No  Sertão,  sobretudo  a  partir  de  Arcoverde, o relevo se mostra com predominância de 
superfície  aplainada,  denominado  de  pediplanos,  com  relevos  residuais,  também 
conhecidos  como  inselbergues.  Apresenta  precipitações  anuais  iguais  ou  inferiores  a 
800mm.  Também  são  encontradas  “ilhas  de  umidade”,  ou  brejos,  onde  se  observam 
índices de chuvas em torno de 900 a 1.000 mm. 
III.  O  Agreste  marca  a  transição  entre  a  Zona  da  Mata  e  o  Sertão.  A  policultura  e  a 
pecuária  de  corte  são  as  principais  atividades  econômicas.  Os  rios  são 
predominantemente  perenes,  sendo  constatados,  apenas,  pela  forma  do  leito  e  pela 
existência de alguns poços. 
Somente está CORRETO o que se afirma em 
A) I e II. 
B) II e III. 
C) I e III. 
D) II. 
E) III. 
Comentários 
[I] Correta. A zona da mata possui clima tropical úmido e relevo ondulado. Relevo 
convexo (com colinas) e estrutura cristalina. 
[II] Correta. No sertão encontramos a predominância de áreas planas (pediplanos) com a 
presença de inselbergs (morros testemunhos ou residuais). 
Aspectos Históricos e Geográficos no Nordeste. www.estrategiaconcursos.com.br 
00494751347 - francisco alessandro cordeiro lima 

54 
 
Prof. Sérgio Henrique Aula 02 - Geografia do Nordeste I. 

[III]  errada,  pois  o  agreste  está  sobre  o  planalto  da  Borborema  é  um divisor de águas, ou 
seja,  separa  as  bacias  do  São  Francisco  e  dos  rios  “borborêmicos”  que  possuem  a 
nascente  no  planalto  e  possuem  drenagem  exorréica  (correm  para  o  mar).  São 
predominantemente  perenes  (estão  sempre  cheios,  inclusive  na  estiagem).  Desde  sua 
nascente  até  a  foz,  seu  curso  possui  água.  Constatamos  a  existência  de  um  rio  pela 
cabeceira,  forma  do  leito  e  alguns  poços,  quando  observamos  um  rio  intermitente  na 
estiagem. 
Gabarito: A 
20. (IAUPE/Upe 2014) 
O  corte  topográfico  e  geológico,  mostrado  a  seguir,  representa,  grosso  modo,  um  perfil 
feito  por  um  pesquisador  que  se  deslocou  da  área  costeira  para  o  interior  do  Brasil, 
objetivando  realizar  um  estudo  integrado  do meio ambiente de uma região do país. Nesse 
corte,  estão  indicados  pelos  números  1  e  2  importantes  compartimentos  regionais  de 
relevo. 
Considerando-se as informações contidas no gráfico, é CORRETO afirmar que esses 
compartimentos são, respectivamente, 
A) Chapada do Apodi e Planalto da Borborema. 
B) Chapada do Araripe e Depressão Sertaneja. 
C) Planalto de Diamantina e Bacia do Parnaíba. 
D) Planalto da Borborema e Depressão Sertaneja. 
E) Chapada do Araripe e Planalto do Meio Norte. 
Comentários 
As unidades de relevo são: 1 Planalto da Borborema com geologia cristalina e formado 
por morros e serras. 2 Depressão Sertaneja com geologia cristalina e formado por 
superfícies aplainadas e morros residuais denominados de inselbergues. 
Gabarito: D 
Aspectos Históricos e Geográficos no Nordeste. www.estrategiaconcursos.com.br 
00494751347 - francisco alessandro cordeiro lima 

55 
 
Prof. Sérgio Henrique Aula 02 - Geografia do Nordeste I. 

21. (IAUPE/Upe 2014) 


Leia o texto a seguir: 
O sertão vai virar mar? 
Carinhosamente  chamado  de  Velho  Chico,  o  rio  São  Francisco,  considerado  o  rio  da 
unidade  nacional  por  ligar a região Sudeste à Zona da Mata nordestina, tem sido ponto de 
discórdia  nos  últimos  tempos porque o governo ressuscitou um antigo projeto dos tempos 
imperiais:  o  de  aproveitar  suas  águas  para  minorar  os  efeitos  da  seca  no  semiárido 
nordestino.  A  providência  terá  repercussão  positiva  na  vida  de  12 milhões de brasileiros, 
que  passarão  a  ter  condições,  ao  menos,  de  manter  a  higiene  pessoal  e  de  desenvolver  a 
agricultura  de  subsistência  -  fatores  essenciais  para  que  ultrapassem  a  linha  da  pobreza 
absoluta. 
Fonte: Revista Desenvolvimento Regional, 2005. Adaptado. 
Do  ponto  de  vista  socioeconômico,  as  ações  necessárias  à  implantação  do  Projeto  de 
Integração  do  Rio  São  Francisco  com  Bacias  do  Nordeste  Setentrional  poderão  ter 
resultados negativos. 
Sobre esses resultados, analise os seguintes itens: 
I. Perda de áreas produtivas e deslocamento de populações para a implantação dos canais 
e dos reservatórios. 
II. Ampliação de riscos socioculturais, tais como os de comprometimento do Patrimônio 
Arqueológico e de interferência em comunidades indígenas. 
III. Risco de redução da biodiversidade das comunidades biológicas aquáticas nativas nas 
bacias receptoras. 
IV. Risco de introdução de espécies de peixes potencialmente daninhas às pessoas nas 
bacias receptoras. 
V. Modificação do regime fluvial das drenagens receptoras, tornando bem maior o caráter 
sazonal intermitente dos rios. 
Estão CORRETOS 
A) I e II, apenas. 
B) II e III, apenas. 
C) III, IV e V, apenas. 
D) I, II, III e IV, apenas. 
E) I, II, III, IV e V. 
Comentários 
O  item  [V]  está  incorreto,  considerando  como  drenagens  receptoras  os  rios intermitentes 
que  receberão  água  da  transposição  do  São  Francisco.  Assim,  estes  rios  terão mais água, 
diminuindo seu caráter intermitente e sazonal. 
Gabarito: D 
Aspectos Históricos e Geográficos no Nordeste. www.estrategiaconcursos.com.br 
00494751347 - francisco alessandro cordeiro lima 

56 
 
Prof. Sérgio Henrique Aula 02 - Geografia do Nordeste I. 

22. (IAUPE/Upe 2012) 


Vários  estudantes  do  terceiro  ano  do  Ensino  Médio  de  uma  determinada  escola 
pernambucana  formaram  um  grupo  de  estudo  para  analisar  um  tema  abordado  em 
Geografia no Ensino Médio. O tema refere-se à denominação do mapa a seguir: 
Assinale a alternativa que contém esse tema. 
A) Bacias Hidrográficas do Brasil. 
B) Áreas Climáticas do Brasil. 
C) Áreas de Produção Agrícola do Brasil. 
D) Domínios Morfoclimáticos do Brasil. 
E) Recursos Minerais do Brasil. 
Comentários 
O mapa mostra as principais bacias hidrográficas do Brasil, como citado corretamente na 
alternativa [A]. Estão incorretas as alternativas restantes porque os temas abordados por 
elas sugerem diferentes formas de classificação do espaço. Gabarito: A 
Aspectos Históricos e Geográficos no Nordeste. www.estrategiaconcursos.com.br 
00494751347 - francisco alessandro cordeiro lima 

57 
 
Prof. Sérgio Henrique Aula 02 - Geografia do Nordeste I. 

23. (Uern 2015) 


Observe o mapa. 
No  mapa,  os  pontos  A  e  B  representam  uma  região  composta  por  unidades  de  relevo, 
proposta  pelo  geólogo  Wurandyr  Ross.  Indique  a  alternativa  que  corresponde  à  unidade 
de relevo representada pelos pontos A e B. 
A) 
B) 
C) 
D) 
Comentários 
Na  linha  A-B,  as unidades de relevo são: Planaltos e Chapadas da Bacia do Parnaiba (não 
apenas  o  rio  Parnaíba),  Depress  o  Sertane  a  e  do  São  Francisco,  Planalto  da  Borborema, 
Planícies & Tabuleiros Litorâneos. Por fim, a referência ao Oceano Atlântico. 
Gabarito: A 
Aspectos Históricos e Geográficos no Nordeste. www.estrategiaconcursos.com.br 
00494751347 - francisco alessandro cordeiro lima 

58 
 
Prof. Sérgio Henrique Aula 02 - Geografia do Nordeste I. 

24. (Uern 2015) 


Analise os gráficos. 
A partir da análise dos gráficos, pode-se inferir que 
A) a região Norte concentra o maior potencial hídrico e uma das menores populações. 
B) nas últimas décadas, a questão das águas tem sido agravada pela poluição e pela 
contaminação. 
C) a região Nordeste apresenta pequena disparidade entre a oferta de água e a 
concentração populacional. 
D) nas áreas urbanas, o adensamento de construções, ruas e avenidas impede a infiltração 
de água das chuvas no solo. 
Comentários 
A  região  Norte  apresenta  o  maior  potencial  hídrico  do  Brasil,  uma  vez  que  apresenta 
clima  equatorial  (chuvas  abundantes  e  bem  distribuídas)  e  a  bacia  hidrográfica  do  rio 
Amazonas,  a  maior  do  mundo. Porém, é a segunda região com menor população absoluta 
e a com menor densidade demográfica do país. 
Gabarito: A 
Aspectos Históricos e Geográficos no Nordeste. www.estrategiaconcursos.com.br 
00494751347 - francisco alessandro cordeiro lima 

59 
 
Prof. Sérgio Henrique Aula 02 - Geografia do Nordeste I. 

25. (Uema 2014) 


Analise a imagem abaixo. 
Trata-se  da  Pedra  da  Tartaruga,  situada  no  Parque  Nacional  de  Sete  Cidades  PI,  que 
retrata  o  resultado  do  processo  da  desagregação  de  uma  rocha.  Nela,  os  minerais 
constituintes  se  dilatam  quando  aquecidos  e  se  contraem  quando  resfriados.  Seus 
principais  agentes  de  intemperismos  são  a  variação  de  temperatura  e  a  cristalização  que 
ocorrem nas áreas de grande amplitude térmica, desérticas e semiáridas. 
O que caracterizou essa modelagem da Pedra da Tartaruga foi o intemperismo: 
A) cratônico. 
B) biológico. 
C) químico. 
D) fluvial. 
E) físico. 
Comentários 
Como  mencionado  corretamente  na  alternativa  [E],  o  processo  de  degradação  da  rocha 
resultante  da  alternância  de  dilatação  e  contração  do  material  causado  pela  amplitude 
térmica define-se como intemperismo físico. 
Estão incorretas as alternativas: 
[A], porque cratons são estruturas geológicas e não processos de modelagem; 
[B], porque o intemperismo biológico resulta da ação de micro-organismos; 
[C], porque o intemperismo químico resulta da ação da água sobre a estrutura rochosa; 
[D], porque fluvial não é tipo de intemperismo, mas erosão. 
Gabarito: E 
Aspectos Históricos e Geográficos no Nordeste. www.estrategiaconcursos.com.br 
00494751347 - francisco alessandro cordeiro lima 

60 
 
Prof. Sérgio Henrique Aula 02 - Geografia do Nordeste I. 

26. (IAUPE/Upe 2013) 


O  relevo  terrestre  é  fortemente  influenciado pela estrutura geológica. Por exemplo, o tipo 
de  rocha  e  a  sua  disposição  na  parte  superficial  da  litosfera  exercem  um papel destacado 
na definição das morfoestruturas, como pode ser observado na fotografia a seguir. 
Pelas características morfológicas e estruturais, é CORRETO afirmar que esse 
compartimento de relevo é do tipo 
A) Morfoestrutura tabular. 
B) Morfoestrutura dômica. 
C) Morfoescultura de planície lacustre. 
D) Morfoescultura de crista dissecada. 
E) Morfoestrutura de arqueamento. 
Comentários 
Observação:  o  uso  do  termo  morfoestrutura  está  incorreto,  visto  que  as  morfoestruturas 
são  unidades  de  relevo  de  escala  mais  abrangente  e  determinadas  pela  geologia,  a 
exemplo  de  uma  Bacia Sedimentar ou de um Dobramento Moderno. A foto é da Chapada 
dos  Guimarães  (MT)  que  apresenta  a dominância de rochas sedimentares. Esta chapada é 
a  borda  noroeste  dos  Planaltos  e  Chapadas  da  Bacia  do  Paraná.  O  topo  aplainado  e  as 
vertentes  abruptas  foram  esculpidos  pela  erosão,  portanto  o  termo  mais  apropriado  é 
“morfoescultura tabular”. 
Gabarito: A 
Aspectos Históricos e Geográficos no Nordeste. www.estrategiaconcursos.com.br 
00494751347 - francisco alessandro cordeiro lima 

61 
 
Prof. Sérgio Henrique Aula 02 - Geografia do Nordeste I. 

27. (Uepb 2012) 


Assinale com V ou com F as proposições conforme sejam respectivamente verdadeiras 
ou falsas em relação aos elementos mostrados na foto abaixo. 
(  )  A  Ilha  da  Restinga,  onde  predominam  manguezais, pela localização estratégica na foz 
do  rio  Paraíba, serviu, segundo alguns historiadores, de base para a ocupação da capitania 
da Parahyba com a construção de um fortim de madeira. 
(  )  A  cidade  de  Cabedelo  está  localizada  em  uma  restinga  faixa  de  areia  resultante  do 
trabalho  fluvio-marinho  que  faz  parte  da  unidade  geomorfológica  denominada  Baixada 
Litorânea.  Apesar  da  degradação  provocada  pela  especulação  imobiliária  ainda  preserva 
manguezais e resquícios da mata de restinga. 
( ) O porto de Cabedelo, com capacidade para receber navios de grandes portes, tem essa 
vantagem graças a sua localização, pois é um ancoradouro natural e profundo, condição 
muito comum nas formações de ria vale profundo e submerso, talhado em litoral 
escarpado além da proteção fornecida pelo quebra- mar constituído pelo cordão litorâneo 
de Areia Vermelha. 
(  )  A  cidade  de  Cabedelo,  localizada  na  região  metropolitana  de João Pessoa, com a qual 
é  conurbada,  apesar  de  ser  uma  cidade  dormitório,  possui  um  dos  maiores  PIBs  da 
Paraíba,  o  que  se  deve  à  presença  do  porto  e  do  turismo  de  mar  e  sol.  A  cidade  ainda 
dispõe  de  objetos  culturais  e  ecológicos,  que  precisam  e  poderiam  ser  mais  bem 
explorados. 
A sequência correta das assertivas é: 
A) V V F V. 
B) F F V F. 
C) V V V V. 
D) V V F F. 
E) F F V V. 
Aspectos Históricos e Geográficos no Nordeste. www.estrategiaconcursos.com.br 
00494751347 - francisco alessandro cordeiro lima 

62 
 
Prof. Sérgio Henrique Aula 02 - Geografia do Nordeste I. 

Comentários 
O  terceiro  item  é  falso, (F), visto que o porto de Cabedelo está localizado no lado externo 
de  uma  restinga  (faixa  de  areia  resultante  de  deposição  de  material  arenoso  pelas 
correntes  marinhas),  portanto,  não  se  localiza  em  área  de  litoral  escarpado  (íngreme).  A 
área  apresenta  de  baixa  para  média  profundidade  e  não  é  caracterizada  por  escarpas 
íngremes, tampouco constitui um vale profundo. 
Gabarito: A 
28. (Ufrgs 2012) 
Observe o mapa e o perfil esquemático abaixo. 
Os compartimentos de relevo destacados no perfil (A — A’) com as letras A, B e C 
indicam, respectivamente, 
A) a Planície e o Pantanal Mato-grossense — o Planalto e a Chapada dos Parecis — a 
Depressão do Tocantins. 
B) a Depressão da Amazônia Ocidental a Depressão Cuiabana — a Planície do Rio 
Araguaia. 
C) a Depressão do Araguaia — o Planalto e as Serras de Goiás/Minas — as Planícies 
Litorâneas. 
D) a Depressão Sertaneja — o Planalto da Borborema — as Planícies e os Tabuleiros 
Costeiros. 
E) os Planaltos e a Chapada dos Parecis — a Depressão Periférica — a Depressão do 
Miranda. 
Aspectos Históricos e Geográficos no Nordeste. www.estrategiaconcursos.com.br 
00494751347 - francisco alessandro cordeiro lima 

63 
 
Prof. Sérgio Henrique Aula 02 - Geografia do Nordeste I. 

Comentários 
Como  mencionado  corretamente  na  alternativa  [D],  o  perfil  de  relevo  representa:  a 
Depressão  Sertaneja  cujas  características  são  a  extensão  de  um  pediplano  com  vales 
estreitos  cujas  vertentes  são  fortemente  dissecadas;  o  Planalto  da  Borborema,  área 
montanhosa  com  altitudes  medianas  por  volta  de  400  metros,  embora  em  pequenas 
porções  chegue  a  1000  metros;  as  Planícies  e  os  Tabuleiros  Costeiros,  faixa  estreita  de 
formação cenozoica, que abrange grande parte do litoral brasileiro. 
Gabarito: D 
29. (Fgv 2013) 
Estes  rios  fazem  parte  da  paisagem  e do dia a dia do homem do Nordeste, servindo como 
fonte  de  água,  áreas  de  recreação,  cultivo  de  vegetais  e  criação  de  animais.  O  sertanejo 
apresenta  estratégias  de  sobrevivência  durante os períodos de estiagem, que são resultado 
direto  de  suas  percepções  sobre  as  variações  no  fluxo  de  água  desses  rios.  Estes 
ambientes  fazem  parte  da  cultura  do  sertanejo  sendo  citados  em  sua  produção  artística 
por  grandes  escritores  como  Euclides  da  Cunha,  João  Cabral de Melo Neto, José Lins do 
Rego e Guimarães Rosa. 
(www.ecodebate.com.br/2012/09/03/reducao-de-apps-compromete-rios-e--biomas- 
brasileiros-entrevista-com-o-biologo-elvio-sergio-medeiros) 
O texto faz referência a dois elementos naturais de grande importância na região 
Nordeste. São eles os rios 
A) efêmeros e a paisagem de colinas. 
B) cársticos e a paisagem de chapadas. 
C) intermitentes e a paisagem de caatingas. 
D) de talvegue e a paisagem de cerrados. 
E) temporários e a paisagem de terras baixas. 
Comentários 
No  Sertão  do  Nordeste,  o  “domínio  morfoclimático  da  Caatinga”,  prevalecem  o  clima 
semiárido,  os  rios  intermitentes  (temporários),  a  vegetação  de  Caatinga  (plantas 
xerófilas),  os  solos  pouco desenvolvidos e o relevo dominado por depressões intercaladas 
por chapadas, planaltos cristalinos e inselbergs (morros isolados). 
Gabarito: C 
Aspectos Históricos e Geográficos no Nordeste. www.estrategiaconcursos.com.br 
00494751347 - francisco alessandro cordeiro lima 

64 
 
Prof. Sérgio Henrique Aula 02 - Geografia do Nordeste I. 

1. 
Um dos principais sistemas produtores de chuva que atuam no norte do Nordeste 
brasileiro é a Zona de Convergência Intertropical do Atlântico ZCIT. Este sistema 
A) é o mais importante gerador de chuvas sobre a região equatorial dos oceanos 
Atlântico, Pacífico e Índico. 
B) provoca chuvas convectivas intensas entre os meses de setembro e outubro no litoral 
do Nordeste. 
C) permanece quase todo o ano estacionado sobre as latitudes mais próximas ao Trópico 
de Capricórnio. 
D) não recebe a influência da umidade dos oceanos Atlântico e Pacífico, mas sim da 
Amazônia. 
2. 
Sobre o clima semiárido, analise as afirmações abaixo. 
I. O principal sistema responsável pela maior parte da precipitação na porção Norte do 
Nordeste do Brasil é a Zona de Convergência Intertropical. 
II. As chuvas no semiárido brasileiro ocorrem predominantemente entre os meses de 
fevereiro a maio. 
III. O semiárido apresenta um regime pluviométrico que proporciona a manutenção de 
drenagens perenes durante todo o ano. 
Está correto o que se afirma apenas em 
A) II. 
B) I e III. 
C) I e II. 
D) III. 
TEXTO PARA A QUESTÃO 3: 
Leia o texto e observe o mapa. Eles serão a base para a resolução da(s) quest(ões): 
Aspectos Históricos e Geográficos no Nordeste. www.estrategiaconcursos.com.br 
00494751347 - francisco alessandro cordeiro lima 

65 
 
Prof. Sérgio Henrique Aula 02 - Geografia do Nordeste I. 
Aspectos Históricos e Geográficos no Nordeste. www.estrategiaconcursos.com.br 

“Os sistemas da Sabesp na Grande São Paulo produzem 6 milhões de m3 por dia de [água 
potável],  mas  quase  metade  vem  de  bacias  fora da zona metropolitana, como a bacia PCJ 
(rios  Piracicaba,  Capivari  e  Jundiaí), que alimenta o [sistema] Cantareira. [Nessas bacias] 
as  chuvas  estão  há  dois  anos  abaixo  das  médias  mensais.  No  acumulado  de  2013,  o  pior 
ano, as represas registraram 1.090 mm de precipitação a média anual é de 1.566 mm. “ 
(Tudo sobre: crise da água in Folha de S. Paulo, 14/09/2014, p. 6) 
3. 
Considerando a dinâmica climática brasileira e a estiagem atual, pode ser dito que: 
A) áreas menos suscetíveis a estiagem, como o sul do país, estão vivendo-a com 
frequência, e logo as mudanças climáticas obrigar-nos-ão a redesenhar o mapa climático 
do Brasil. 
B) as mudanças climáticas criam paradoxos no mapa climático do Brasil, com estiagens 
fortes nas regiões de climas úmidos e com períodos chuvosos mais longos nas áreas de 
climas secos. 
C)  o  Centro-Oeste  brasileiro  e  os  estados  de  São  Paulo  e  de  Minas  Gerais,  que  sempre 
tiveram  seus  territórios  livres  do  problema  da estiagem, sofrem agora com esse problema 
em razão do aquecimento global. 
D)  as  regiões  brasileiras  influenciadas  por  frentes  frias  têm o clima mais úmido do país e 
são  aquelas  que,  nesse  momento,  estão  livres  das  estiagens  que  afetam  algumas  zonas 
metropolitanas e certas bacias hidrográficas. 
E)  as  áreas  de  climas úmidos que estão sob o efeito de situações de estiagem que atingem 
o  país  não  são  áreas  que  estão  em meio a vastas zonas úmidas e sim nas proximidades de 
áreas e regiões que registram climas mais secos. 
00494751347 - francisco alessandro cordeiro lima 

66 
 
Prof. Sérgio Henrique Aula 02 - Geografia do Nordeste I. 

4. 
Estabeleça a relação entre os tipos de vegetação que aparecem nas figuras com as 
características apresentadas e assinale a opção correta. 
A)  A  figura  I  representa  a  caatinga,  vegetação  própria  de  ambientes  de  temperaturas 
elevadas  e  chuvas  escassas,  que  predomina  na  Zona da Mata Nordestina e é um dos tipos 
mais preservados no Brasil. 
B)  A  figura  II  representa  os  campos,  os  quais  são  formados  por  vegetação  rasteira  ou 
herbácea.  Esses,  comuns  no  Rio  Grande  do  Sul,  em  clima  do  tipo  tropical  e  terrenos 
elevados, são aproveitados para criação de gado e desenvolvimento da rizicultura. 
C)  A  figura  II  representa  o  cerrado,  o  qual  é  formado  por  restingas  e  manguezais. 
Composto  por  vegetação  arbustiva,  desenvolve-se  em  áreas  de  clima  tropical  e 
subtropical, e hoje está ameaçado pelo avanço da urbanização. 
D)  A  figura  III  representa a Mata Atlântica, a qual aparece ao longo do litoral brasileiro e 
é  formada  por  uma  vegetação  densa,  de  grande  porte  e  também  arbustiva.  Essa  Mata  foi 
drasticamente reduzida pela exploração econômica e pela expansão urbana. 
E)  A  figura  IV  representa  a  Mata  dos  Pinhais,  a  qual  é  nativa do Brasil, própria de clima 
seco  e  desenvolve-se  nas  áreas  baixas  e  arenosas  da região Sul. Valorizada pela indústria 
madeireira é, por isso, um dos tipos mais preservados do Brasil. 
5. 
Considerando as características hidrofitogeográficas do Brasil, é correto afirmar que o 
domínio: 
A)  da  Mata  Atlântica  é  caracterizado  pela  ocorrência  de  rios intermitentes sazonais e por 
uma  vegetação  menos  densa,  com  predomínio  de  plantas  de  grande  porte  que  recebem 
influências dos ventos úmidos. 
B)  da  Caatinga  é  caracterizado  pela  ocorrência  de  rios  intermitentes  sazonais  devido  ao 
baixo  índice  de  chuvas,  e  apresenta  uma  vegetação  composta  por  arbustos  com  galhos 
retorcidos e raízes profundas, assim como cactos e bromélias. 
Aspectos Históricos e Geográficos no Nordeste. www.estrategiaconcursos.com.br 
00494751347 - francisco alessandro cordeiro lima 

67 
 
Prof. Sérgio Henrique Aula 02 - Geografia do Nordeste I. 

C) da Floresta Equatorial ocupa o Planalto Meridional Brasileiro e é caracterizado por 


rios que deságuam diretamente no Oceano Atlântico, situando-se sua foz na Faixa 
Tropical. 
D) do Cerrado ocupa áreas do Planalto Central Brasileiro e parte da área de várzea da 
Amazônia, apresentando uma rede pluvial que forma a bacia hidrográfica do Rio Paraná. 
E)  da  Mata  de  Araucária,  o  mais  preservado  do  país,  possui  uma  vegetação  formada 
predominantemente  pelo  chamado  pinheiro-do-paraná,  sofre  influência  do  clima 
subtropical  e  da  elevada  altitude  e  apresenta  rios  que  congelam  por  longos  períodos  no 
inverno. 
6. 
Os três principais tipos de chuva são: 1) chuva frontal, 2) chuva de relevo ou orográfica, e 
3) chuva de convecção ou chuva de verão. Analise as proposições sobre os tipos de 
chuva. 
I.  As  chuvas  orográficas  ocorrem  em  alguns  lugares  do  planeta  onde  barreiras  de  relevo 
obrigam as massas de ar a atingir altitudes superiores, o que causa queda de temperatura e 
condensação do vapor. 
II.  Chuvas  de  convecção  ocorrem  quando  o  ar  quente  próximo  à  superfície  fica  leve  e 
sobe  para  as  camadas  superiores  da  atmosfera,  carregando  umidade.  Ao  atingir  altitudes 
superiores,  a  temperatura  diminui  e  o  vapor  se  condensa  em  gotículas  pequenas  que 
permanecem  em  suspensão.  Esse  processo  se  repete  até  formar  nuvens  muito  grandes, 
que se precipitam no final do dia. 
III.  A  chuva  frontal  acontece  na  zona  de  contato  entre  duas  massas  de  ar  (frente)  de 
características  diferentes (uma fria e outra quente), onde ocorrem a condensação do vapor 
e a precipitação da água. 
IV.  As  chuvas  de  relevo  costumam  ser  intermitentes  e  finas  e  são  muito  comuns  nas 
regiões  Nordeste  e  Sudeste  do  Brasil,  onde  as  serras  e  chapadas  dificultam  a penetração, 
para o interior do continente, das massas úmidas de ar provenientes do oceano Atlântico. 
V. Chuvas de convecção são aquelas que ocorrem em dias quentes. 
Assinale a alternativa correta. 
A) Somente as afirmativas I e V são verdadeiras. 
B) Somente as afirmativas I, III e IV são verdadeiras. 
C) Somente as afirmativas II e IV são verdadeiras. 
D) Somente a afirmativa V é verdadeira. 
E) Todas as afirmativas são verdadeiras. 
Aspectos Históricos e Geográficos no Nordeste. www.estrategiaconcursos.com.br 
00494751347 - francisco alessandro cordeiro lima 

68 
 
Prof. Sérgio Henrique Aula 02 - Geografia do Nordeste I. 

7. (IAUPE) 
Esta questão apresenta-se com uma proposição e uma razão para a proposição, separadas 
pela palavra PORQUE. Leia-a. 
As chuvas que acontecem na parte oriental do Nordeste brasileiro concentram-se nos 
meses da primavera-ver o 
PORQUE 
é nesse periodo que s o mais intensos os fluxos da Frente Polar Atlântica e das Ondas de 
Leste sobre essa regi o brasileira. 
Assinale 
A) se a proposição é uma afirmativa verdadeira, e a razão é uma afirmativa falsa. 
B) se a proposição e a razão são afirmativas verdadeiras, e a razão é uma causa da 
proposição. 
C) se a proposição e a razão são afirmativas verdadeiras, e a razão não é a causa da 
proposição. 
D) se a proposição é uma afirmativa falsa, e a razão é uma afirmativa verdadeira. 
E) se a proposição e a razão são afirmativas falsas. 
8. (IAUPE) 
Observe com atenção o mapa a seguir: 
Aspectos Históricos e Geográficos no Nordeste. www.estrategiaconcursos.com.br 
00494751347 - francisco alessandro cordeiro lima 

69 
 
Prof. Sérgio Henrique Aula 02 - Geografia do Nordeste I. 

É CORRETO afirmar que esse mapa é uma representação cartográfica do seguinte fato 
geográfico: 
A) As principais bacias sedimentares. 
B) Os grandes domínios climáticos segundo a classificação de W. Koppen. 
C) As principais áreas de expansão agrícola. 
D) Os principais domínios fitogeográficos primitivos. 
E) Os espaços geoeconômicos. 
9. (IAUPE/UPE) 
Observe, com atenção, o mapa a seguir. As áreas escuras correspondem, grosso modo, a 
um determinado aspecto analisado de maneira enfática pela Geografia. 
Em qual das alternativas a seguir, esse aspecto está mencionado? 
A) Espaços fortemente atingidos pela seca de 2014. 
B) Regiões naturais submetidas ao domínio de solos aluviais. 
C) Áreas destacadamente antropizadas. 
D) Espaços geográficos dominados pela forte emigração. 
E) Regiões de marcado processo de conurbação. 
Aspectos Históricos e Geográficos no Nordeste. www.estrategiaconcursos.com.br 
00494751347 - francisco alessandro cordeiro lima 

70 
 
Prof. Sérgio Henrique Aula 02 - Geografia do Nordeste I. 

10. (IAUPE/UPE) 
A  temperatura  do  ar  atmosférica  e  a  precipitação  pluviométrica  são  elementos  de grande 
importância  à  análise  climato-ambiental,  sobretudo  no  mundo  tropical.  Esses  elementos 
podem  ser  representados  num  diagrama,  como  o  que  é  apresentado  a  seguir.  Neste,  a 
linha  curva  indica  o  andamento  médio  da  temperatura  ao  longo  do  ano,  as  barras 
inferiores  correspondem  às  chuvas  mensais,  e  as  letras  são  a  abreviatura  de  cada  mês  do 
ano. Observe- o atentamente. 
Este diagrama permite que se chegue às seguintes conclusões: 
1. Essa localidade situa-se no hemisfério norte, em pleno domínio tropical, numa área 
elevada. 
2. O clima dessa localidade é quente, mas seco, do tipo BSh, segundo a Classificação 
Climática de W. Koppen. 
3. Nessa localidade, a evapotranspiração potencial anual deve superar a precipitação 
pluvial anual; há, assim, um deficit hídrico. 
4. A localidade situa-se integralmente no hemisfério sul e possui um clima de caráter 
subtropical. 
5. As variações térmicas anuais e diárias nessa localidade são insignificantes, o que 
significa dizer que ela se situa próxima do Trópico de Capricórnio. 
6. A localidade possui um regime de chuvas de primavera-verão, provocado por invasões 
de anticlones móveis. 
Estão corretas apenas 
A) 2 e 3. 
B) 2, 3 e 4. 
Aspectos Históricos e Geográficos no Nordeste. www.estrategiaconcursos.com.br 
00494751347 - francisco alessandro cordeiro lima 
==1097c1== 

71 
 
Prof. Sérgio Henrique Aula 02 - Geografia do Nordeste I. 

C) 1, 2 e 3. 
D) 3, 4 e 6. 
E) 1, 2, 5 e 6. 
11. 
O  Brasil,  devido  a  sua  extensão  territorial  e  a  sua  diversidade  climática,  possui  sistemas 
paisagísticos  muito  heterogêneos.  Na  imagem  abaixo,  está  representado  um  dos  biomas 
mais  ricos  e  diversificados  do  território  brasileiro.  Sobre  esse  bioma,  podemos  afirmar 
que: 
A)  possui  como  característica  marcante  a  presença  de  espécies  perenifoliadas,  com  a 
capacidade  de  armazenamento  de  água,  como  as  cactáceas,  e  uma  grande  diversidade 
faunística. 
B)  está  localizado  em  ambiente  semiárido,  com  índices  pluviométricos  que  variam  entre 
300  e  800  mm  ao  ano,  com  formações  vegetais predominantemente arbustivas, xerófilas, 
das quais muitas são endêmicas. 
C)  seus  solos  são  geralmente  férteis,  profundos  e  com  pouca  umidade,  o  que  dificulta  a 
prática  agrícola,  apesar  dessa  ser  uma  das  principais  atividades  econômicas  na  região  da 
Caatinga. 
D)  não  sofreu  grande  pressão  antrópica,  devido  ao  seu  aspecto  rudimentar,  desse  modo 
ainda  possui  mais  de  70%  da  sua  vegetação  preservada,  sem  evidência  de  grandes 
processos de degradação. 
E)  é  encontrado  em  regiões  de  clima  tropical  e  semiárido,  dessa  forma  se  estende  pelo 
Nordeste  e  Centro-Oeste  brasileiro,  assim  como  também  pode  ser  encontrado  em  alguns 
locais do continente africano. 
Aspectos Históricos e Geográficos no Nordeste. www.estrategiaconcursos.com.br 
00494751347 - francisco alessandro cordeiro lima 

72 
 
Prof. Sérgio Henrique Aula 02 - Geografia do Nordeste I. 

12. 
Em  uma  das  suas  músicas  mais  famosas,  o  cantor  Jorge  Bem  Jor  diz:  “moro  num  país 
tropical  abençoado  por  Deus  e  bonito  por  natureza”.  Como  90%  do  território  brasileiro 
encontra-se  entre  os  Trópicos  de  Câncer  e  Capricórnio,  vivemos,  sim,  num  país tropical. 
No  entanto,  o  espaço  brasileiro  não  se  limita  apenas  ao  clima  tropical,  existem  outras 
variações  climáticas.  Os  elementos  mais  utilizados  para  definir  os  tipos  de  clima  são  o 
volume das precipitações e as médias de temperaturas anuais. 
De acordo com as informações do texto e seus conhecimentos sobre o tema, os 
CLIMOGRAMAS abaixo retratam os climas: 
A) equatorial e tropical de altitude. 
B) subtropical e semiárido. 
C) semiárido e tropical atlântico. 
D) subtropical e equatorial. 
E) equatorial e tropical de semiárido. 
Aspectos Históricos e Geográficos no Nordeste. www.estrategiaconcursos.com.br 
00494751347 - francisco alessandro cordeiro lima 

73 
 
Prof. Sérgio Henrique Aula 02 - Geografia do Nordeste I. 

13. 
O  climograma  é  um  tipo  de  gráfico,  no  qual  se  analisa  dois  elementos  climáticos 
(temperatura  e  pluviosidade),  para  determinar  o  tipo  de  clima.  A  análise  climática  e 
meteorológica  é  muito  importante  para  a  atividade  agrícola,  principalmente  para  o 
planejamento do plantio, devido à necessidade hídrica da planta. 
Um agricultor, ao analisar o climograma da cidade de Macau (RN), conforme 
representado, percebe que o mês: 
A) com menor precipitação foi agosto, com uma temperatura de 25°. 
B) de março, além de quente, foi o que teve maior precipitação. 
C) de novembro, apesar da baixa temperatura, teve maior precipitação. 
D) de abril, teve uma temperatura de 18 °C e uma precipitação alta. 
14. 
O  rio  São  Francisco  sempre  desempenhou um papel relevante no cenário da conquista do 
interior  do  Brasil.  Em  1813,  José  Hipólito  da  Costa,  no  jornal  Correio  Brasiliense, 
destacou  em  seu  artigo  a  importância  da  construção  de uma cidade central para a sede da 
Corte  portuguesa,  às  margens  do  rio  São  Francisco,  que,  em  suas  palavras,  afirmou  ser 
um  sítio  ameno,  fértil  e  regado  por  um  rio  navegável.  Esta  ideia  foi  retomada  por  José 
Bonifácio,  em  1823.  Ao  Velho  Chico  foi  atribuído,  a partir de 1840, o papel de elemento 
unificador  do  país,  numa  iniciativa  de  escravocratas  e  políticos  que  lutavam  pela 
centralização  monárquica,  com  apoio  dos  representantes  das  províncias  banhadas  pelo 
São Francisco. 
(Vanessa Maria Brasil. Um rio, uma nação. Nossa Hist ria, ano 2, n° 18, 2005. 
Adaptado.) 
Analise as afirmações. 
I. Os climas predominantes na bacia do São Francisco são o tropical, o tropical semiárido 
e o tropical úmido. 
Aspectos Históricos e Geográficos no Nordeste. www.estrategiaconcursos.com.br 
00494751347 - francisco alessandro cordeiro lima 

74 
 
Prof. Sérgio Henrique Aula 02 - Geografia do Nordeste I. 
Aspectos Históricos e Geográficos no Nordeste. www.estrategiaconcursos.com.br 

II. O rio São Francisco nasce em Minas Gerais e banha os estados da Bahia, Pernambuco, 
Sergipe e Alagoas, desaguando no Oceano Atlântico. 
III. A unidade de relevo presente na maior parte da bacia é a Depressão Sertaneja do São 
Francisco. 
IV. A bacia hidrográfica está inserida totalmente na macrorregião geoeconômica do 
Norte. 
V. O tipo de cobertura vegetal predominante é a floresta tropical, que atualmente 
apresenta forte presença humana. 
As afirmativas que melhor descrevem as características geográficas da bacia do rio São 
Francisco são, apenas, 
A) III e IV. 
B) I e V. 
C) IV e V. 
D) I, II e III. 
E) II, IV e V. 
00494751347 - francisco alessandro cordeiro lima 

75 
 
Prof. Sérgio Henrique Aula 02 - Geografia do Nordeste I. 

15. 
Observe na tabela os dados climáticos de algumas cidades paraibanas. Auxiliado pela 
tabela e de posse dos seus conhecimentos sobre a climatologia da Paraíba, analise as 
proposições. 
CIDADE ALTITUDE 
PRECIPITAÇÃO ANUAL (MM) 
TEMPERATURA MÍNIMA MÁXIMA ANUAL MÉDIA 

MESORREGIÃO 
JOÃO 
PESSOA 
48,0m 1829,3 19,7 31,2 25,6 
Mata 
Paraibana 
ANDRADINA 49,0m 1867,0 19,3 30,0 25,1 
Mata 
Paraibana 
AREIA 445m 1367,1 17,5 31,0 21,6 
Agreste 
Paraibano 
BANANEIRAS 700m 1187,9 16,8 31,4 22,4 
Agreste 
Paraibano 
ARARUNA 580 853,6 16,7 29,4 22,2 
Agreste 
Paraibano 
CUITÉ 620 877,4 16,5 29,8 22,3 
Agreste 
Paraibano 
INGÁ 144m 665,2 19,0 32,6 25,3 
Agreste 
Paraibano 
CAMPINA 
GRANDE 
Aspectos Históricos e Geográficos no Nordeste. www.estrategiaconcursos.com.br 
Agreste 
Paraibano 
CABACEIRAS 390m 316,6 17,9 30,0 24,2 Borborema 
S. JOÃO 
DO CARIRI 
508m 765,5 17,1 31,1 22,7 
445m 384,8 17,7 30,0 24,0 Borborema 
PATOS 250m 698,9 19,0 34,6 27,2 
Sertão 
Paraibano 
POMBAL 178m 724,9 19,5 35,1 27,0 
Sertão 
Paraibano 
Dados coletados in: <http://www.dca.ufcg.edu.br/clima/chuvapb/htm 
00494751347 - francisco alessandro cordeiro lima 

76 
 
Prof. Sérgio Henrique Aula 02 - Geografia do Nordeste I. 

I.  Os  índices  pluviométricos  e  as  temperaturas  mais  baixas  do  Brejo  Paraibano  estão 
relacionados  à  altitude  e  à  localização  na  frente  oriental  do  Planalto  da  Borborema, 
oposta às chuvas orográficas. 
lI.  Os  municípios  do  Sertão  Paraibano,  por  se  localizarem  numa  depressão,  apresentam 
não  só  as  menores  amplitudes  térmicas  do  estado,  mas  também  os  menores  índices 
pluviométricos. 
III.  Os  municípios  litorâneos  sujeitos  à  maritimidade  apresentam  amplitudes  térmicas 
menores  que  os municípios do Cariri Paraibano, os quais já sofrem a interferência de dois 
outros fatores climáticos: a altitude e a continentalidade. 
IV.  lngá,  localizada  no  sopé  da  Borborema,  apresenta  índices  pluviométricos  e 
temperaturas  mais  semelhantes  aos  índices  sertanejos  que  os  de  outros  municípios  do 
Agreste  da  Borborema,  o  que  reforça  a  importância  do  planalto  como um fator climático 
importante. 
Estão corretas apenas: 
A) II e III. 
B) II e lV. 
C) I e IV. 
D) I, III e IV. 
E) II, III e IV. 
16. 
Analise o mapa e o texto que seguem. 
Aspectos Históricos e Geográficos no Nordeste. www.estrategiaconcursos.com.br 
00494751347 - francisco alessandro cordeiro lima 

77 
 
Prof. Sérgio Henrique Aula 02 - Geografia do Nordeste I. 

Nas  últimas  décadas,  o  Brasil  transformou-se  em  um  dos  maiores  produtores  e 
fornecedores  de  alimentos  e  fibras  para  o  mundo.  A  retirada  da cobertura vegetal natural 
está  entre  os  fatores  que  evidenciam  o  aumento  da  produção e da participação do país no 
mercado  mundial.  A  cultura  da  soja,  por  exemplo,  é  a principal responsável pela retirada 
da cobertura vegetal natural para uso agrícola. 
Em relação a esse contexto, o bioma identificado pelo número corresponde , área mais 
afetada pela retirada de cobertura vegetal natural para a produção de soja. 
A) 1 - à caatinga. 
B) 2 - aos campos. 
C) 3 - à zona da mata. 
D) 4 - ao cerrado. 
E) 5 - ao pantanal. 
17. 
Existem  formações  vegetais  nas  áreas  tropicais,  que  são  adaptadas  aos  ambientes  que 
apresentam  condições  climáticas  de  muita  umidade  e  alta  pluviosidade.  No  Brasil,  há 
inúmeros exemplos de tais formações, que são genericamente denominadas de: 
A) xerófilas. 
B) ambrófilas. 
C) hiperxerófilas. 
D) apifitas. 
E) aciculifoliadas. 
18. 
Observe atentamente o mapa a seguir, onde estão delimitados os grandes domínios 
climáticos do Brasil. Com relação aos domínios indicados pelos números, é correto dizer 
que: 
Aspectos Históricos e Geográficos no Nordeste. www.estrategiaconcursos.com.br 
00494751347 - francisco alessandro cordeiro lima 

78 
 
Prof. Sérgio Henrique Aula 02 - Geografia do Nordeste I. 

I. o domínio 1 corresponde à área do país que apresenta um regime pluviométrico 


profundamente subordinado às invasões de sistemas frontais. 
II. o domínio 2, cuja porção ocidental exibe um amplo mosaico de paisagens vegetais 
xerófilas, tem um regime pluviométrico associado a sistemas atmosféricos extratropicais. 
III. o domínio 3, nitidamente semiárido, notabiliza-se pelas secas periódicas, cuja causa 
principal é o fenômeno "La Niña", verificado no Atlântico Sul. 
IV. o domínio 4 é típico de áreas de transição climática; representa a área do país onde as 
mínimas térmicas são mais significativas. 
V.  o domínio 5 é notadamente tropical, mas encontra-se em pleno domínio equatorial e se 
caracteriza  por  possuir  uma estação seca mais prolongada, o que favorece a ocorrência de 
cerrados. 
Estão corretas: 
A) I, II, II. 
B) I e II. 
C) III e IV. 
D) IV E V. 
E) II e V. 
19. 
Num relatório de trabalho de campo, realizado por um grupo de alunos encarregados de 
estudar geograficamente uma determinada área do Brasil, foi dito o seguinte: 
"A  área  investigada,  situada  na  Zona  da  Mata  pernambucana,  apresenta  um  relevo 
dominantemente  composto  por  colinas  de  perfil  convexo,  em  áreas  cristalinas.  Os  solos 
são  bem  desenvolvidos  e,  nas  várzeas,  são  excelentes  para  o  desenvolvimento  de 
atividades  agrícolas.  Essa  área  apresenta  semelhanças  notáveis  com  alguns  trechos  da 
Região  Sudeste  do  país,  especialmente  no  que  se  refere  às  condições  de  umidade 
atmosférica,  pedológicas  e  cobertura  vegetal.  Contudo  o  uso  do  solo  e  o  processo  de 
ocupação  do  espaço  exibem  grandes  diferenças  quando  comparadas  com  essa 
macrorregião brasileira mencionada." 
Que princípio da análise geográfica foi utilizado nesse texto? 
A) Princípio do Atualismo. 
B) Princípio da Atividade. 
C) Princípio do Determinismo. 
D) Princípio da Causalidade. 
E) Princípio da Analogia. 
Aspectos Históricos e Geográficos no Nordeste. www.estrategiaconcursos.com.br 
00494751347 - francisco alessandro cordeiro lima 

79 
 
Prof. Sérgio Henrique Aula 02 - Geografia do Nordeste I. 

20. 
O  Brasil  é  um  país  muito  rico  em  biomas.  Existem  no  território  brasileiro  pelo  menos 
cinco  tipos  de  florestas,  reunidos  em  dois  grupos:  o  das  florestas  ombrófilas  e  o  das 
florestas estacionais. As florestas estacionais são aquelas que: 
A) se localizam em solos hidromórficos ou litólicos e não se prestam ao extrativismo 
vegetal. 
B) apresentam árvores que perdem parcialmente ou quase totalmente as folhas na estação 
seca. 
C) se localizam em áreas de elevada umidade, sem estação seca. 
D) surgem apenas em áreas de clima subtropical. 
E) apresentam árvores as quais mantêm as folhas em todas as estações do ano. 
TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO: 
"Os  sertanejos  davam  conta  da  metade  do  serviço  do  campo.  Batiam  na  usina,  aos 
bandos,  contratando  tarefas.  Só  queriam  receber  dinheiro  corrente,  nada  de  vales. 
Metiam-se  assim  nos  partidos,  nas  limpas  e,  enquanto  o  eito  da  fazenda  se  mexia 
devagar,  os  sertanejos  raspavam  terra  com  uma  velocidade  de  máquina.  Tiravam  as 
tarefas  em  três  tempos. Agora com a falta de braços o serviço deles era estimado por toda 
parte.  Podiam  até  contar  com  os  "corumbas"  até  que  para  as  bandas  do  sertão,  os 
relâmpagos  aclareassem,  porque  só  ficavam  por  ali  esperando  que  as  chuvas  caíssem 
pelas  suas  caatingas.  Não  havia  pedidos  que  os  contivessem.  Com  a  chuva  a  terra  deles 
era um presente do céu." 
(José Lins do Rego - Usina) 
21. 
As  chuvas  que  acontecem  no  Sertão  da  Paraíba,  Estado que serviu de cenário para a obra 
referida  de  José  Lins  do  Rego,  especialmente  nos  finais  do  verão-outono,  caracterizadas 
por  aguaceiros  convectivos,  são  determinadas  pelo(s)  seguinte(s)  sistema(s) 
atmosférico(s): 
A) nuvens convectivas, formadas pelo fenômeno "La Niña", que avançam de sudoeste. 
B) Zona de Convergência lntertropical. 
C) Ondas de Leste. 
D) Frente Polar Atlântica. 
E) Massa de ar Tropical Atlântica. 
22. 
"Na zona costeira e litorânea cearense, a dinâmica atual é caracterizada pela ocorrência 
de precipitações elevadas, em torno de 800 e 1500 mm anuais na faixa litorânea, e entre 
750 e 
Aspectos Históricos e Geográficos no Nordeste. www.estrategiaconcursos.com.br 
00494751347 - francisco alessandro cordeiro lima 

80 
 
Prof. Sérgio Henrique Aula 02 - Geografia do Nordeste I. 

1000  mm  na  área  costeira  mais  interiorizada.  (...)  A  penetração  de  massas  de  ar  úmidas 
no  estado  (...)  concentra-se  largamente  no  primeiro  semestre  do  ano.  Tal  fato  confere  a 
muitos  setores  costeiros  e  litorâneos  um  comportamento  tendendo  a  aridez  durante  o 
segundo semestre do ano." 
(Sales, 2006.) 
A oscilação pluvial a que se refere o texto está relacionada à Zona de Convergência 
Intertropical que, no segundo semestre, 
A) permanece estacionada no Ceará. 
B) migra para o Hemisfério Norte. 
C) penetra no Ceará. 
D) migra para o sul do país. 
E) desvia para o litoral de Pernambuco. 
23. 
NÃO está corretamente caracterizada a seguinte subdivisão do complexo regional do 
Nordeste: 
A) Agreste: predomínio de médias e grandes propriedades, monocultura de cacau e 
pecuária de corte. 
B) Meio-Norte: mata de palmeiras nativas, relevo diversificado e economia centrada no 
extrativismo vegetal. 
C) Litoral: concentração da maior parte da população, principais centros 
urbanos/industriais e alto índice de mortalidade infantil. 
D) Sertão: baixas densidades demográficas, economia baseada na pecuária extensiva de 
corte e crescimento expressivo da agricultura irrigada de frutas. 
24. 
Trata-se  de  uma  área  de  topografia  com  baixas  altitudes,  que  sofre  inundações  por 
ocasião  das  cheias  do  rio  principal  e  seus  afluentes.  A  vegetação é variada, apresentando 
espécies  da  floresta  amazônica,  da caatinga, dos campos, das palmáceas e do cerrado. É a 
cobertura  vegetal  mais  heterogênea  do  Brasil,  cobrindo  ampla  planície  e  estendendo-se 
também para a Bolívia. 
O texto refere-se ao: 
A) Pantanal. 
B) Agreste. 
C) Chaco. 
Aspectos Históricos e Geográficos no Nordeste. www.estrategiaconcursos.com.br 
00494751347 - francisco alessandro cordeiro lima 

81 
 
Prof. Sérgio Henrique Aula 02 - Geografia do Nordeste I. 

D) Mangue. 
E) Pampa. 
25. 
O  Sertão  do  Nordeste  brasileiro  não  é,  na  sua  totalidade,  semiárido.  Quando  as  encostas 
dos  planaltos  do  (I)  formam  gargantas  ou  vales  voltados  para  o  oceano,  elas  permitem  a 
penetração  das  massas  de  ar  úmidas  do litoral para determinados pontos do interior, onde 
as chuvas propiciam a existência de (II) nessas áreas chamadas (III) . 
Os termos que expressam melhor as lacunas enumeradas com I, II e III são, 
respectivamente, 
A) agreste; vegetação rala; chapadas. 
B) litoral; pântanos; açudes. 
C) litoral; pântanos; brejos. 
D) sertão; vegetação xerófita; chapadas. 
E) agreste; vegetação viçosa; brejos. 
26. 
"A  vida  na  fazenda  se  tornara  difícil.  Sinhá  Vitória  se  benzia  tremendo,  manejava  o 
rosário,  mexia  os  beiços  rezando  rezas  desesperadas.  Encolhido  no  banco  do  copiar, 
Fabiano  espiava  a  caatinga  amarela,  onde  as  folhas  secas  se  pulverizavam  ,  trituradas 
pelos redemoinhos, e os garranchos se torciam, negros, torrados". 
(IN: RAMOS, Graciliano. VIDAS SECAS.) 
Acerca do tipo de vegetação em destaque no texto anterior, é correto afirmar que: 
A) está associado à ocorrência do clima semiárido, predominante no sertão nordestino. 
B) vem-se expandindo em todas as sub-regiões do Nordeste, devido à ação das secas 
periódicas. 
C) justifica a chamada "indústria da seca", devido ao mau aproveitamento dos seus 
recursos. 
D) é uma consequência biogeográfica do fenômeno "El Niño", que impede as chuvas no 
Nordeste. 
E) ocorre, predominantemente, no Agreste, dificultando as atividades produtivas e 
provocando migração. 
Aspectos Históricos e Geográficos no Nordeste. www.estrategiaconcursos.com.br 
00494751347 - francisco alessandro cordeiro lima 

82 
 
Prof. Sérgio Henrique Aula 02 - Geografia do Nordeste I. 

27. 
Considere as seguintes afirmações sobre as características climáticas da Região Nordeste 
do Brasil. 
I - Os totais pluviométricos anuais mais elevados ocorrem na Zona da Mata. 
II - Os menores índices pluviométricos anuais ocorrem no Agreste. 
III - Tanto no sertão como no Agreste as condições são de semi-aridez, com totais 
pluviométricos anuais inferiores a 300mm. 
Quais estão corretas? 
A) Apenas I. 
B) Apenas II. 
C) Apenas III. 
D) Apenas I e II. 
E) I, II e III. 
28. 
O agreste alterna, de maneira geral, dois tipos de vegetação: 
A) Cerrado e cocais. 
B) Floresta equatorial e cerrado. 
C) Floresta tropical e mangues. 
D) Floresta tropical e caatinga. 
E) Floresta equatorial e cocais. 
29. (IAUPE Prefeitura de Recife Guarda Municipal 2011) 
Uma  característica  marcante  da  compartimentação  do  relevo  do  Município  do  Recife é a 
presença  de  duas  paisagens  muito  distintas:  os  morros  e  a  planície.  Sobre  a  planície 
costeira, analise as proposições a seguir: 
I. A planície costeira do Recife se originou no período Terciário, e nela deságuam 
importantes rios pernambucanos, como o Capibaribe, Beberibe, Tejipió, Una e Jaboatão. 
II. A planície costeira teve sua origem no Quaternário, por processo de sedimentação 
marinha, em alguns trechos, e por deposição fluvial, em outros. 
III.  Na  planície  costeira  do  Recife,  são  encontradas  as  planícies  marinhas  e  fluviais,  as 
restingas,  além  de  outras  feições  do  relevo,  como  os  planaltos  e  as  colinas  formadas  por 
terrenos cristalinos de estrutura complexa. 
Aspectos Históricos e Geográficos no Nordeste. www.estrategiaconcursos.com.br 
00494751347 - francisco alessandro cordeiro lima 

83 
 
Prof. Sérgio Henrique Aula 02 - Geografia do Nordeste I. 

IV. Recife foi edificada na planície flúvio-marinha. O crescimento da cidade fez-se por 
meio de aterros em áreas alagadas e em terras de planície de antigos engenhos de açúcar. 
Estão CORRETAS 
A) I, II e III. 
B) I, II, III e IV. 
C) II, III e IV. 
D) II e IV. 
E) III e IV. 
30. (IAUPE Prefeitura de Abreu e Lima Professor do Ensino Fundamental 2008) 
Assinale a alternativa que não contém os compartimentos do relevo encontrados em 
Pernambuco. 
A) Planície e tabuleiros costeiros. 
B) Colinas da zona da mata e planície costeira. 
C) Planalto da Borborema e maciços residuais. 
D) Chapada do Araripe e Depressão Sertaneja 
E) Planalto da Bacia Jatobá e Chapada do Apodi. 
31. (IAUPE PM/ Soldado 2009 - Adaptada) 
Sobre as regiões do nordeste, analise as afirmações abaixo. 
I.  Na  Zona  da  Mata,  o  clima  é  quente  e  úmido;  o  relevo  se  caracteriza  por  apresentar 
colinas  convexas,  que  surgem  dominantemente  em  terrenos cristalinos da porção oriental 
do  estado,  principalmente  na  Mata  Sul  assim  como  apresenta  médias  anuais  de  chuvas 
superiores a 1.800mm, com temperaturas anuais em torno de 24oC. 
II.  No  Sertão,  sobretudo  a  partir  de  Arcoverde, o relevo se mostra com predominância de 
superfície  aplainada,  denominado  de  pediplanos,  com  relevos  residuais,  também 
conhecidos  como  inselbergues.  Apresenta  precipitações  anuais  iguais  ou  inferiores  a 
800mm.  Também  são  encontradas  “ilhas  de  umidade”,  ou  brejos,  onde  se  observam 
índices de chuvas em torno de 900 a 1.000 mm. 
III.  O  Agreste  marca  a  transição  entre  a  Zona  da  Mata  e  o  Sertão.  A  policultura  e  a 
pecuária  de  corte  são  as  principais  atividades  econômicas.  Os  rios  são 
predominantemente  perenes,  sendo  constatados,  apenas,  pela  forma  do  leito  e  pela 
existência de alguns poços. 
Somente está CORRETO o que se afirma em 
A) I e II. 
Aspectos Históricos e Geográficos no Nordeste. www.estrategiaconcursos.com.br 
00494751347 - francisco alessandro cordeiro lima 

84 
 
Prof. Sérgio Henrique Aula 02 - Geografia do Nordeste I. 

B) II e III. 
C) I e III. 
D) II. 
E) III. 
32. (IAUPE 2014) 
O  corte  topográfico  e  geológico,  mostrado  a  seguir,  representa,  grosso  modo,  um  perfil 
feito  por  um  pesquisador  que  se  deslocou  da  área  costeira  para  o  interior  do  Brasil, 
objetivando  realizar  um  estudo  integrado  do meio ambiente de uma região do país. Nesse 
corte,  estão  indicados  pelos  números  1  e  2  importantes  compartimentos  regionais  de 
relevo. 
Considerando-se as informações contidas no gráfico, é CORRETO afirmar que esses 
compartimentos são, respectivamente, 
A) Chapada do Apodi e Planalto da Borborema. 
B) Chapada do Araripe e Depressão Sertaneja. 
C) Planalto de Diamantina e Bacia do Parnaíba. 
D) Planalto da Borborema e Depressão Sertaneja. 
E) Chapada do Araripe e Planalto do Meio Norte. 
33. (IAUPE/Upe 2014) 
Leia o texto a seguir: 
O sertão vai virar mar? 
Carinhosamente  chamado  de  Velho  Chico,  o  rio  São  Francisco,  considerado  o  rio  da 
unidade  nacional  por  ligar a região Sudeste à Zona da Mata nordestina, tem sido ponto de 
discórdia  nos  últimos  tempos porque o governo ressuscitou um antigo projeto dos tempos 
imperiais:  o  de  aproveitar  suas  águas  para  minorar  os  efeitos  da  seca  no  semiárido 
nordestino.  A  providência  terá  repercussão  positiva  na  vida  de  12 milhões de brasileiros, 
que  passarão  a  ter  condições,  ao  menos,  de  manter  a  higiene  pessoal  e  de  desenvolver  a 
agricultura  de  subsistência  -  fatores  essenciais  para  que  ultrapassem  a  linha  da  pobreza 
absoluta. 
Fonte: Revista Desenvolvimento Regional, 2005. Adaptado. 
Aspectos Históricos e Geográficos no Nordeste. www.estrategiaconcursos.com.br 
00494751347 - francisco alessandro cordeiro lima 

85 
 
Prof. Sérgio Henrique Aula 02 - Geografia do Nordeste I. 

Do  ponto  de  vista  socioeconômico,  as  ações  necessárias  à  implantação  do  Projeto  de 
Integração  do  Rio  São  Francisco  com  Bacias  do  Nordeste  Setentrional  poderão  ter 
resultados negativos. 
Sobre esses resultados, analise os seguintes itens: 
I. Perda de áreas produtivas e deslocamento de populações para a implantação dos canais 
e dos reservatórios. 
II. Ampliação de riscos socioculturais, tais como os de comprometimento do Patrimônio 
Arqueológico e de interferência em comunidades indígenas. 
III. Risco de redução da biodiversidade das comunidades biológicas aquáticas nativas nas 
bacias receptoras. 
IV. Risco de introdução de espécies de peixes potencialmente daninhas às pessoas nas 
bacias receptoras. 
V. Modificação do regime fluvial das drenagens receptoras, tornando bem maior o caráter 
sazonal intermitente dos rios. 
Estão CORRETOS 
A) I e II, apenas. 
B) II e III, apenas. 
C) III, IV e V, apenas. 
D) I, II, III e IV, apenas. 
E) I, II, III, IV e V. 
34. (IAUPE/Upe 2012) 
Vários  estudantes  do  terceiro  ano  do  Ensino  Médio  de  uma  determinada  escola 
pernambucana  formaram  um  grupo  de  estudo  para  analisar  um  tema  abordado  em 
Geografia no Ensino Médio. O tema refere-se à denominação do mapa a seguir: 
Aspectos Históricos e Geográficos no Nordeste. www.estrategiaconcursos.com.br 
00494751347 - francisco alessandro cordeiro lima 

86 
 
Prof. Sérgio Henrique Aula 02 - Geografia do Nordeste I. 

Assinale a alternativa que contém esse tema. 


A) Bacias Hidrográficas do Brasil. 
B) Áreas Climáticas do Brasil. 
C) Áreas de Produção Agrícola do Brasil. 
D) Domínios Morfoclimáticos do Brasil. 
E) Recursos Minerais do Brasil. 
35. (Uern 2015) 
Observe o mapa. 
No  mapa,  os  pontos  A  e  B  representam  uma  região  composta  por  unidades  de  relevo, 
proposta  pelo  geólogo  Wurandyr  Ross.  Indique  a  alternativa  que  corresponde  à  unidade 
de relevo representada pelos pontos A e B. 
A) 
B) 
C) 
Aspectos Históricos e Geográficos no Nordeste. www.estrategiaconcursos.com.br 
00494751347 - francisco alessandro cordeiro lima 

87 
 
Prof. Sérgio Henrique Aula 02 - Geografia do Nordeste I. 

D) 
36. (Uern 2015) 
Analise os gráficos. 
A partir da análise dos gráficos, pode-se inferir que 
A) a região Norte concentra o maior potencial hídrico e uma das menores populações. 
B) nas últimas décadas, a questão das águas tem sido agravada pela poluição e pela 
contaminação. 
C) a região Nordeste apresenta pequena disparidade entre a oferta de água e a 
concentração populacional. 
D) nas áreas urbanas, o adensamento de construções, ruas e avenidas impede a infiltração 
de água das chuvas no solo. 
37. (Uema 2014) 
Analise a imagem abaixo. 
Aspectos Históricos e Geográficos no Nordeste. www.estrategiaconcursos.com.br 
00494751347 - francisco alessandro cordeiro lima 

88 
 
Prof. Sérgio Henrique Aula 02 - Geografia do Nordeste I. 

Trata-se  da  Pedra  da  Tartaruga,  situada  no  Parque  Nacional  de  Sete  Cidades  PI,  que 
retrata  o  resultado  do  processo  da  desagregação  de  uma  rocha.  Nela,  os  minerais 
constituintes  se  dilatam  quando  aquecidos  e  se  contraem  quando  resfriados.  Seus 
principais  agentes  de  intemperismos  são  a  variação  de  temperatura  e  a  cristalização  que 
ocorrem nas áreas de grande amplitude térmica, desérticas e semiáridas. 
O que caracterizou essa modelagem da Pedra da Tartaruga foi o intemperismo: 
A) cratônico. 
B) biológico. 
C) químico. 
D) fluvial. 
E) físico. 
38. (IAUPE/Upe 2013) 
O  relevo  terrestre  é  fortemente  influenciado pela estrutura geológica. Por exemplo, o tipo 
de  rocha  e  a  sua  disposição  na  parte  superficial  da  litosfera  exercem  um papel destacado 
na definição das morfoestruturas, como pode ser observado na fotografia a seguir. 
Aspectos Históricos e Geográficos no Nordeste. www.estrategiaconcursos.com.br 
00494751347 - francisco alessandro cordeiro lima 

89 
 
Prof. Sérgio Henrique Aula 02 - Geografia do Nordeste I. 

Pelas características morfológicas e estruturais, é CORRETO afirmar que esse 


compartimento de relevo é do tipo 
A) Morfoestrutura tabular. 
B) Morfoestrutura dômica. 
C) Morfoescultura de planície lacustre. 
D) Morfoescultura de crista dissecada. 
E) Morfoestrutura de arqueamento. 
39. (Uepb 2012) 
Assinale com V ou com F as proposições conforme sejam respectivamente verdadeiras 
ou falsas em relação aos elementos mostrados na foto abaixo. 
(  )  A  Ilha  da  Restinga,  onde  predominam  manguezais, pela localização estratégica na foz 
do  rio  Paraíba, serviu, segundo alguns historiadores, de base para a ocupação da capitania 
da Parahyba com a construção de um fortim de madeira. 
(  )  A  cidade  de  Cabedelo  está  localizada  em  uma  restinga  faixa  de  areia  resultante  do 
trabalho  fluvio-marinho  que  faz  parte  da  unidade  geomorfológica  denominada  Baixada 
Litorânea.  Apesar  da  degradação  provocada  pela  especulação  imobiliária  ainda  preserva 
manguezais e resquícios da mata de restinga. 
( ) O porto de Cabedelo, com capacidade para receber navios de grandes portes, tem essa 
vantagem graças a sua localização, pois é um ancoradouro natural e profundo, condição 
muito comum nas formações de ria vale profundo e submerso, talhado em litoral 
escarpado além da proteção fornecida pelo quebra- mar constituído pelo cordão litorâneo 
de Areia Vermelha. 
(  )  A  cidade  de  Cabedelo,  localizada  na  região  metropolitana  de João Pessoa, com a qual 
é  conurbada,  apesar  de  ser  uma  cidade  dormitório,  possui  um  dos  maiores  PIBs  da 
Paraíba,  o  que  se  deve  à  presença  do  porto  e  do  turismo  de  mar  e  sol.  A  cidade  ainda 
dispõe  de  objetos  culturais  e  ecológicos,  que  precisam  e  poderiam  ser  mais  bem 
explorados. 
A sequência correta das assertivas é: 
Aspectos Históricos e Geográficos no Nordeste. www.estrategiaconcursos.com.br 
00494751347 - francisco alessandro cordeiro lima 
90 
 
Prof. Sérgio Henrique Aula 02 - Geografia do Nordeste I. 

A) V V F V. 
B) F F V F. 
C) V V V V. 
D) V V F F. 
E) F F V V. 
40. (Ufrgs 2012) 
Observe o mapa e o perfil esquemático abaixo. 
Os compartimentos de relevo destacados no perfil (A — A’) com as letras A, B e C 
indicam, respectivamente, 
A) a Planície e o Pantanal Mato-grossense — o Planalto e a Chapada dos Parecis — a 
Depressão do Tocantins. 
B) a Depressão da Amazônia Ocidental a Depressão Cuiabana — a Planície do Rio 
Araguaia. 
C) a Depressão do Araguaia — o Planalto e as Serras de Goiás/Minas — as Planícies 
Litorâneas. 
D) a Depressão Sertaneja — o Planalto da Borborema — as Planícies e os Tabuleiros 
Costeiros. 
E) os Planaltos e a Chapada dos Parecis — a Depressão Periférica — a Depressão do 
Miranda. 
41. (Fgv 2013) 
Estes  rios  fazem  parte  da  paisagem  e do dia a dia do homem do Nordeste, servindo como 
fonte  de  água,  áreas  de  recreação,  cultivo  de  vegetais  e  criação  de  animais.  O  sertanejo 
apresenta  estratégias  de  sobrevivência  durante os períodos de estiagem, que são resultado 
direto  de  suas  percepções  sobre  as  variações  no  fluxo  de  água  desses  rios.  Estes 
ambientes 
Aspectos Históricos e Geográficos no Nordeste. www.estrategiaconcursos.com.br 
00494751347 - francisco alessandro cordeiro lima 

91 
 
Prof. Sérgio Henrique Aula 02 - Geografia do Nordeste I. 

fazem  parte  da  cultura  do  sertanejo  sendo  citados  em  sua  produção  artística  por  grandes 
escritores  como  Euclides  da  Cunha,  João  Cabral  de  Melo  Neto,  José  Lins  do  Rego  e 
Guimarães Rosa. 
(www.ecodebate.com.br/2012/09/03/reducao-de-apps-compromete-rios-e--biomas- 
brasileiros-entrevista-com-o-biologo-elvio-sergio-medeiros) 
O texto faz referência a dois elementos naturais de grande importância na região 
Nordeste. São eles os rios 
A) efêmeros e a paisagem de colinas. 
B) cársticos e a paisagem de chapadas. 
C) intermitentes e a paisagem de caatingas. 
D) de talvegue e a paisagem de cerrados. 
E) temporários e a paisagem de terras baixas. 
42. (IAUPE/Ufrgs 2000) 
O corte topográfico abaixo esquematiza o perfil do relevo da Região Nordeste do Brasil 
entre o Planalto da Borborema e a Bacia do Parnaíba. 
As áreas identificadas pelos algarismos I e II correspondem, respectivamente, 
A) à Depressão Sertaneja e às falésias cristalinas. 
B) à Depressão Sertaneja e aos tabuleiros litorâneos. 
C) à Depressão Nordestina e aos tabuleiros litorâneos. 
D) à Depressão Sertaneja e aos "inselbergs". 
E) à Depressão Nordestina e às falésias sedimentares. 
43. (Ufpe 2005) 
Observe o desenho esquemático a seguir. 
Aspectos Históricos e Geográficos no Nordeste. www.estrategiaconcursos.com.br 
00494751347 - francisco alessandro cordeiro lima 

92 
 
Prof. Sérgio Henrique Aula 02 - Geografia do Nordeste I. 

Sobre essa paisagem, é correto afirmar que: 


A) ela não apresenta vestígios de tectonismo. 
B) a área 1 representa um talvegue, que, pelas características morfológicas, não apresenta 
erosão. 
C) a área 2 funciona como nível de base para a erosão. 
D) no talvegue 3, não estão ocorrendo processos erosivos, mas, apenas, deposicionais. 
E) ela não exibe marcas de processos morfogenéticos fluviais. 
44. (Ufpe 1996) 
Observe a figura e estabeleça a correspondência entre os pontos numerados no mapa e 
seu significado: 
( ) Leito menor. 
( ) Vertente. 
( ) Divisor de água. 
( ) Leito maior. 
A sequência correta é: 
Aspectos Históricos e Geográficos no Nordeste. www.estrategiaconcursos.com.br 
00494751347 - francisco alessandro cordeiro lima 

93 
 
Prof. Sérgio Henrique Aula 02 - Geografia do Nordeste I. 

A) 2, 1, 3 e 4; 
B) 4, 2, 1 e 3; 
C) 3, 1, 4 e 2; 
D) 4, 1, 2 e 3; 
E) 1, 3, 4 e 2. 
45. (Ufrgs 2000) 
O corte topográfico abaixo esquematiza o perfil do relevo da Região Nordeste do Brasil 
entre o Planalto da Borborema e a Bacia do Parnaíba. 
As áreas identificadas pelos algarismos I e II correspondem, respectivamente, 
A) à Depressão Sertaneja e às falésias cristalinas. 
B) à Depressão Sertaneja e aos tabuleiros litorâneos. 
C) à Depressão Nordestina e aos tabuleiros litorâneos. 
D) à Depressão Sertaneja e aos "inselbergs". 
E) à Depressão Nordestina e às falésias sedimentares. 
46. (Pucpr 2007) 
Leia com atenção o texto a seguir: 
"Um  projeto  do  Ceará  foi  aprovado  na  semana  passada  pela  Unesco  para  ser  o 
primeiro  a  receber  o  selo  de  geoparque  no  hemisfério  Sul.  Isso  significa  uma  área  de 
proteção  especial  a  riquezas  geológicas  e  paleontológicas,  como  reconhecimento 
internacional.(...)  O  geoparque  cearense  será  sediado  na  chapada  do  Araripe,  no  sul  do 
Estado,  onde  há  mais  de  um  terço  de  todos  os  pterossauros  (répteis  alados)  descritos  no 
planeta  e  mais  de  20  ordens  diferentes  de  insetos  fossilizados,  com  idade  estimada  entre 
70  milhões  e  120  milhões  de  anos.  (...)  Os  fósseis  da  chapada  do  Araripe  reconstroem  a 
quebra  do  supercontinente  de  Gonduana  (que  unia  todas  as  terras  emersas  do  Sul), 
completada há cerca de 120 milhões de anos. Fósseis do 
Aspectos Históricos e Geográficos no Nordeste. www.estrategiaconcursos.com.br 
00494751347 - francisco alessandro cordeiro lima 

94 
 
Prof. Sérgio Henrique Aula 02 - Geografia do Nordeste I. 

peixe  Dastilbe,  encontrados  tanto  na  África  quanto  no  Ceará,  são  tidos  como  uma  prova 
de  que  ambos  os  continentes  eram  unidos.  Além  dos  pterossauros,  foram  descritos  na 
região pelo menos dois dinossauros, o Santanaraptor e o Irritator." 
(FERMANDES, K. Chapada do Araripe vira parque geológico in "Folha de São Paulo", 
26 de Setembro de 2006.) 
A respeito das informações apresentadas no texto jornalístico, pode-se constatar que as 
afirmações apresentadas nas alternativas adiante estão corretas, EXCETO uma delas. 
Assinale a alternativa que apresenta-se INCORRETA: 
A) A grande quantidade de fósseis presentes nas rochas da chapada do Araripe sugere 
que a estrutura geológica local é de bacia sedimentar. 
B) O supercontinente de Gondwana (ou Gonduana, como apresentado no texto), 
originou-se a partir da divisão da massa continental denominada pelos geólogos de 
Pangeia. 
C)  A  presença  de  fósseis  de  grandes  répteis,  os  dinossauros,  na  chapada  do  Araripe, 
revelam  que  esses  depósitos  rochosos  correspondem  na  tabela  geológica  à  última  era,  a 
Cenozoica ou Terciária, que se estende até a atualidade. 
D)  A Chapada do Araripe, situada no sul do Ceará, bem como a da Dimantina, na Bahia e 
o  Planalto  da  Borborema,  em  Pernambuco  e  Paraíba,  constituem  importantes  formações 
geomorfológicas do Planalto Nordestino. 
E)  Da  mesma  forma  que  as  importantes  descobertas  arqueológicas  da  Serra  da  Capivara 
abriram  uma  nova  opção  econômica  para  a  região  de  São  Raimundo  Nonato,  no  sul  do 
Piauí,  focada  no  turismo  cultural,  a  criação  do  primeiro  parque  geológico  do  país,  com 
seu  rico  acervo  paleontológico,  pode  também  oferecer  uma  alternativa  econômica 
sustentável para a região da Chapada do Araripe. 
47 . (G1 1996) 
Araripe e Apodi, na Região Nordeste, são: 
A) Serras cristalinas. 
B) Chapadas sedimentares. 
C) Planícies. 
D) Colinas litorâneas. 
E) Brejos 

48. (Ufu 2006) 
Na obra "Os Sertões", ao descrever a travessia da caatinga por um viajante, Euclides da 
Cunha escreveu que: 
Aspectos Históricos e Geográficos no Nordeste. www.estrategiaconcursos.com.br 
00494751347 - francisco alessandro cordeiro lima 

95 
 
Prof. Sérgio Henrique Aula 02 - Geografia do Nordeste I. 

"[...]  a  caatinga  o  afoga;  abrevia-lhe  o  olhar;  agride-o  e  estonteia-o;  enlança-o  na  trama 
espinescente  e  não  o  atrai;  repulsa-o  com  as  folhas  urticantes,  com  o  espinho,  com  os 
gravetos  estalados  em  lanças;  o  desdobra-se-lhe  na  frente  léguas  e  léguas,  imutável  no 
aspecto  desolado:  árvores  sem  folhas,  de  galhos  estorcidos  e  secos,  revoltos, 
entrecruzados,  apontando  rijamente  no  espaço  ou  estirando-se  flexuosos  pelo  solo, 
lembrando um bracejar imenso, de tortura, da flora agonizante." 
CUNHA, Euclides da. "Os Sertões". Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1989. 
Sobre as principais características do domínio morfoclimatobotânico mencionado, é 
correto afirmar que: 
A) esse constitui-se como área de transição na qual se destaca uma vegetação típica de 
clima tropical, com elevada temperatura. 
B) predominam extensos planaltos e chapadas sedimentares cobertas por solos ácidos e 
profundos. 
C) o relevo é formado basicamente por planaltos (planaltos da Bacia do Parnaíba e da 
Borborema) e por depressões (Depressão Sertaneja e do São Francisco). 
D) possui solos profundos e formas mamelonares resultantes da ação do intemperismo 
químico. 
49. (Uff 1999) 
O  controle  e  a  distribuição  da  água,  por  meio  de  obras  de  engenharia,  tem  sido  a  forma 
pela  qual  os  governos  vêm  enfrentando  a  questão  da  seca  no  Nordeste  semiárido. 
Seguindo este modelo histórico, a solução desta questão refere-se, atualmente, à: 
A) canalização e perenização dos rios Jaguaribe e Parnaíba; 
B) criação de grandes represas nos rios temporários da região; 
C) transposição das águas do rio São Francisco para outras áreas do semiárido; 
D) perfuração e multiplicação de poços artesianos pela zona semi-árida; 
E) irrigação das várzeas criadas pelo curso do rio São Francisco. 
50. (Fuvest 1996) 
"Lá  um  dia,  para  as cordas das nascentes do Paraíba, via-se, quase rente do horizonte, um 
abrir  longínquo  e  espaçado  de  relâmpago  era  inverno  na  certa  no  alto  sertão.  As 
experiências  confirmavam  que  com  duas  semanas  de  inverno  o  Paraíba  apontaria  na 
várzea  com  sua  primeira  cabeça  d'água.  O  rio  no  verão  ficava  seco  de  se  atravessar  a  pé 
enxuto.  Apenas,  aqui  e  ali,  pelo  seu  leito,  formavam-se  grandes  poços,  que  venciam  a 
estiagem." 
[J. L. do Rego - MENINO DE ENGENHO, cap. 13] 
Aspectos Históricos e Geográficos no Nordeste. www.estrategiaconcursos.com.br 
00494751347 - francisco alessandro cordeiro lima 

96 
 
Prof. Sérgio Henrique Aula 02 - Geografia do Nordeste I. 
Aspectos Históricos e Geográficos no Nordeste. www.estrategiaconcursos.com.br 

O texto anterior faz referência, direta e indiretamente, a aspectos da paisagem natural 


observados na sub-região do Sertão Nordestino, tais como: 
A) clima tropical semiárido, predominância de rios intermitentes, com padrão de 
drenagem exorréica. 
B) clima tropical úmido a leste e semiárido a oeste, rios perenes e intermitentes, com 
padrão de drenagem endorréica. 
C) clima tropical, rios predominantemente perenes, com padrão de drenagem exorréica. 
D) clima tropical semiárido a leste e úmido a oeste, rios temporários, com padrão de 
drenagem endorréica. 
E) clima tropical mais úmido no inverno e mais seco no verão, rios temporários, com 
padrão de drenagem arréica. 
00494751347 - francisco alessandro cordeiro lima 

97 
 
Prof. Sérgio Henrique Aula 02 - Geografia do Nordeste I. 
Aspectos Históricos e Geográficos no Nordeste. www.estrategiaconcursos.com.br 

1.  Alternativa  A  2.  Alternativa  C  3.  Alternativa  E  4.  Alternativa  D  5.  Alternativa  B  6. 
Alternativa  E  7.  Alternativa  E  8.  Alternativa  D  9.  Alternativa  C  10.  Alternativa  A  11. 
Alternativa  B  12.  Alternativa  B  13. Alternativa B 14. Alternativa D 15. Alternativa D 16. 
Alternativa D 
00494751347 - francisco alessandro cordeiro lima 

17.  Alternativa  B  18.  Alternativa  D  19.  Alternativa E 20. Alternativa B 21. Alternativa B 


22.  Alternativa  B  23.  Alternativa  A 24. Alternativa A 25. Alternativa E 26. Alternativa A 
27.  Alternativa  A  28.  Alternativa D 29. Alternativa D 30. Alternativa E 31. Alternativa A 
32. Alternativa D 
33.  Alternativa  D  34.  Alternativa A 35. Alternativa A 36. Alternativa A 37. Alternativa E 
38.  Alternativa  A  39.  Alternativa A 40. Alternativa D 41. Alternativa C 42. Alternativa B 
43.  Alternativa  C  44.  Alternativa  B  45.  Alternativa B 46. Alternativa C 47. Alternativa B 
48. Alternativa C 49. Alternativa C 50. Alternativa A 
98 
 
Prof. Sérgio Henrique Aula 02 - Geografia do Nordeste I. 

8. C 
ONSIDERAÇÕES 

Muito  bem,  querido  concurseiro.  Se  chegou  até  aqui  é  um  bom  sinal:  o  de  que 
tentou  praticar  todos  os  exercícios.  Não  se  esqueça  da  importância  de  ler  a  teoria 
completa  e  sempre  consultá-la.  Não  esqueça  dos  seus  objetivos  e  dedique-se  com  toda  a 
força  para  alcança-los.  Sonhe  alto,  pois  “quem  sente  o  impulso  de  voar,  nunca  mais  se 
contentará em rastejar”. Te encontro na nossa próxima aula. 
Bons estudos, um grande abraço e foco no sucesso. 
Até logo... 
Prof. Sérgio Henrique Lima Reis. 
Aspectos Históricos e Geográficos no Nordeste. www.estrategiaconcursos.com.br 


INAIS 
00494751347 - francisco alessandro cordeiro lima 

99