Anda di halaman 1dari 20

20/01/2014

Prof. Edem Oliveira Milhomem Filho


Farmacêutico Generalista

Prof. Edem Oliveira Milhomem Filho


Farmacêutico Generalista

1
20/01/2014

Termos Técnicos

AGENTE ETIOLÓGICO

Agente causador ou responsável pela origem da


doença. Pode ser um vírus, bactéria, fungo,
protozoário, helminto.

Prof. Edem Oliveira Milhomem Filho


Farmacêutico Generalista

Vírus Bactéria: Vibrio cholerae

Helminto:
Trichuris trichiura
Fungo: Tinea pedis Tricuríase: Prolapso Retal

2
20/01/2014

Termos Técnicos

AGENTE INFECCIOSO

Parasito, sobretudo, microparasitos (bactérias,


fungos, protozoários, vírus etc.), inclusive
helmintos, capazes de produzir infecção ou
doença infecciosa.

Prof. Edem Oliveira Milhomem Filho


Farmacêutico Generalista

Termos Técnicos

INFECÇÃO

Penetração e desenvolvimento de um agente


infeccioso no homem ou animal (inclusive vírus,
bactérias, protozoários e helmintos) 
ENDOPARASITOS.

Prof. Edem Oliveira Milhomem Filho


Farmacêutico Generalista

3
20/01/2014

Termos Técnicos

INFECÇÃO INAPARENTE (período de incubação)

Presença de infecção num hospedeiro, sem o


aparecimento de sinais ou sintomas clínicos.
(Nesse caso, pode estar em curso uma patogenia
discreta, mas sem sintomatologia; quando há
sintomatologia a infecção passa a ser uma doença
infecciosa).
Prof. Edem Oliveira Milhomem Filho
Farmacêutico Generalista

Fase crônica na infecção


pelo HIV (inaparente).

4
20/01/2014

Termos Técnicos

INFESTAÇÃO

É o alojamento, desenvolvimento e reprodução


de artrópodes na superfície do corpo ou vestes.
(Pode-se dizer também que uma área ou local está
infestado de artrópodes).

Termos Técnicos

ANTROPONOSE

Doença exclusivamente humana.


Ex.: filariose bancrofiiana.

Helminto: Wuchereria bancrofti

Prof. Edem Oliveira Milhomem Filho


Farmacêutico Generalista

5
20/01/2014

Termos Técnicos

ENZOOSE

Doença exclusivamente de animais.


Exemplos:
• Peste suína (cólera dos porcos):
Vírus da família Flaviviridae.

Prof. Edem Oliveira Milhomem Filho


Farmacêutico Generalista

6
20/01/2014

Termos Técnicos

ANTROPOZOONOSE

Doença primária de animais, que pode ser


transmitida aos humanos.
Exemplo:
Brucelose, na qual o homem é um hospedeiro acidental.

Prof. Edem Oliveira Milhomem Filho


Farmacêutico Generalista

Brucella abortus

7
20/01/2014

Termos Técnicos

ZOOANTROPONOSE

Doença primária dos humanos, que pode ser


transmitida aos animais.
Exemplo:
A esquistossomose no Brasil. O humano é o principal hospedeiro.

Prof. Edem Oliveira Milhomem Filho


Farmacêutico Generalista

8
20/01/2014

Schistosoma mansoni
- Hospedeiro pode eliminar até 300 ovos/dia

Termos Técnicos

ZOONOSE e ANFIXENOSE
Doença que circula indiferentemente entre humanos e animais,
isto é, tanto os humanos quanto os animais funcionam como
hospedeiros do agente.
• Exemplo:
Doença de Chagas, na qual o Trypanosoma cruzi pode circular
nos seguintes tipos de ciclo:
• ciclo silvestre: gambá-triatomíneo-gambá;
• ciclo peridoméstico: ratos, cão-triatomíneo-ratos, cão;
• ciclo doméstico: humano-triatomíneo-humano.
Prof. Edem Oliveira Milhomem Filho
Farmacêutico Generalista

9
20/01/2014

Outros exemplos....
• Leishmaniose;
• Toxoplasmose;
• Raiva etc.

Termos Técnicos

CEPA
Grupo ou linhagem de um agente infeccioso que apresenta
alguma característica biológica distinta compreendida
dentro de uma espécie e que se caracteriza por alguma
propriedade biológica e/ou fisiológica.

Ex.: a cepa "Laredo" da E. histolytica se


Amebíase: cultiva bem a temperatura ambiente, com
Entamoeba histolytica média patogenicidade.
Prof. Edem Oliveira Milhomem Filho
Farmacêutico Generalista

10
20/01/2014

Termos Técnicos

ESTÁGIO
É a fase ou forma evolutiva de um organismo durante
seu ciclo biológico.
“É a forma de transição (imaturos) de um artrópode ou
helminto para completar o ciclo biológico”.

Ovo Larva Verme Adulto

Prof. Edem Oliveira Milhomem Filho


Farmacêutico Generalista

Termos Técnicos

ESTÁDIO
É a fase intermediária entre duas mudas de larva de
um parasito.

“É a fase intermediara ou intervalo entre duas


mudas da larva de um artrópode ou helminto”.

Prof. Edem Oliveira Milhomem Filho


Farmacêutico Generalista

11
20/01/2014

ESTÁGIO
Ovo Larva Verme Adulto

ESTÁDIO

L1  L2  L3
• Larva de primeiro estádio (L1)
• Larva de segundo estádio (L2)
• Larva de terceiro estádio (L3)
Prof. Edem Oliveira Milhomem Filho
Farmacêutico Generalista

Termos Técnicos

FASE AGUDA
É aquele período após a infecção
em que os sintomas clínicos são
mais marcantes (febre alta etc.).

É um período de definição: o
indivíduo se cura, entra na fase
crônica ou morre.

Prof. Edem Oliveira Milhomem Filho


Farmacêutico Generalista

12
20/01/2014

Termos Técnicos

FASE CRÔNICA
É a que se segue a fase aguda;
caracteriza-se pela diminuição da
sintomatologia clínica e existe um
equilíbrio relativo entre o hospedeiro e o
agente infeccioso.

O número do parasitos mantém uma


certa constância. E importante dizer que
este equilíbrio pode ser rompido em
favor de ambos os lados.
Prof. Edem Oliveira Milhomem Filho
Farmacêutico Generalista

Termos Técnicos

FÔMITE
É representado por utensílios que podem veicular o parasito
entre hospedeiros.

EXEMPLOS
- Roupas
- Superfícies de contato
- Seringas
- Utensílios, etc.

Prof. Edem Oliveira Milhomem Filho


Farmacêutico Generalista

13
20/01/2014

Termos Técnicos

VETOR
Transmissor do parasito entre dois hospedeiros.
Geralmente um artrópode (inseto) ou molusco.

Vetor Biológico:
• Parasita se desenvolve no vetor.
• T. cruzi, S. mansoni .
Vetor Mecânico:
• Apenas como transporte.
• Tunga penetrans transporta fungos
Prof. Edem Oliveira Milhomem Filho
Farmacêutico Generalista

Termos Técnicos

FONTE DE INFECÇÃO

Pessoa, coisa ou substância da qual um agente infeccioso


passa diretamente a um hospedeiro.

Pode estar situada em qualquer ponto da cadeia de


transmissão.

Exemplos: Água contaminada (febre tifóide)


Mosquito infectante (malária)
Carne com cisticercos (teníase)
Prof. Edem Oliveira Milhomem Filho
Farmacêutico Generalista

14
20/01/2014

Termos Técnicos

HOSPEDEIRO

É o organismo que alberga o parasito.

Hospedeiro Definitivo:
– Alberga o parasito em fase de maturidade ou sexual.

Hospedeiro Intermediário:
– Apresenta o parasito em fase larvária ou assexuada.

Prof. Edem Oliveira Milhomem Filho


Farmacêutico Generalista

Termos Técnicos

DOENÇA METAXÊNICA

Quando parte do ciclo vital de um parasito se realiza


no VETOR; isto é, o vetor não só transporta o agente,
mas é um elemento obrigatório para maturação e/ ou
multiplicação do agente.

Ex.: malária, esquistossomose.

Prof. Edem Oliveira Milhomem Filho


Farmacêutico Generalista

15
20/01/2014

MALÁRIA
DISTRIBUIÇÃO POR PAÍSES NO GLOBO

Prof. Edem Oliveira Milhomem Filho


Farmacêutico Generalista

Termos Técnicos

Parasito Estenoxênico

Parasitam espécies próximas.

EXEMPLO:
Plasmodium  Primatas

Prof. Edem Oliveira Milhomem Filho


Farmacêutico Generalista

16
20/01/2014

Termos Técnicos

Parasito Eurixeno

São aqueles que têm a


capacidade de parasitar
espécies de vertebrados
muito diferentes.

EXEMPLO:
Toxoplasma gondii
(mamíferos e aves)
Prof. Edem Oliveira Milhomem Filho
Farmacêutico Generalista

Termos Técnicos

Parasito Heteroxênico

São aqueles que possuem


hospedeiros intermediários
e definitivos.
EXEMPLO:
• Trypanosoma cruzi
• Schistosoma mansoni

Prof. Edem Oliveira Milhomem Filho


Farmacêutico Generalista

17
20/01/2014

Termos Técnicos

Parasito Monoxênico

São aqueles que possuem


apenas o hospedeiro definitivo.

EXEMPLO:
• Ascaris lumbricoides
• Enterobius vermicularis

Prof. Edem Oliveira Milhomem Filho


Farmacêutico Generalista

Termos Técnicos

Patognomônico
(sinal patognomônico)

Sinal ou sintoma característico de uma doença.

EXEMPLO:
• Sinal de Romaña
(típico da doença de Chagas)
• Esteatorreía
(típico de casos de giardíase)
Prof. Edem Oliveira Milhomem Filho
Farmacêutico Generalista

18
20/01/2014

Termos Técnicos

PROFILAXIA
É o conjunto de medidas
que visam a prevenção,
erradicação ou controle
de doenças ou fatos
prejudiciais aos seres
vivos.

Prof. Edem Oliveira Milhomem Filho


Farmacêutico Generalista

Trabalho 01
CARACTERIZAÇÃO DO QUADRO DE MALÁRIA

Agente etiológico? Infecção ou Infestação?


Monoxênico ou Heteroxênico?

Vetor? Fômites?

Sinal Patognomônico?

Estenoxênico ou Eurixeno?

19
20/01/2014

Até a próxima aula...


• Relação Parasita-Hospedeiro

Capítulo 2
NEVES, David Pereira. Parasitologia
Humana. Ed. Atheneu.

20