Anda di halaman 1dari 62

Entrada em processo de RVCC

(B1, B2, B3 e NS)

Reconhecimento de Formação Complementar


Competências (mín. 50h)

Reúne condições de
Validação de Validação Preparação para a prova
Competências de certificação (máx. 25h)

Certificação de
Não reúne condições Competências
de Validação

Encaminhamento Certificação Certificação


(EFA/FM) Parcial Total

Comissão
Técnica
Reconhecimento de Competências

Descodificação
Construção da do RCC
Reconstrução da
autobiografia autobiografia

Competências Formação

Confronto com o Balanço de


RCC Indícios Competências
Reconhecimento de Competências

Confronto
com o RCC

Reconstrução da Formação
autobiografia

Descodificação
do RCC Competências
Reconhecimento de Competências

Sessões Iniciais Sessões Intermédias Sessões Finais PRA

• Apresentação da equipa • Construção do Portefólio • Finalização da formação


complementar
• Explicitação/planificação das • Balanço de competências
etapas, metodologias e • Acompanhamento e orientação
instrumentos • (Re)construção da narrativa individual para a conclusão do
(auto)biográfica Portefólio
• Clarificação/contextualização da
abordagem (auto)biográfica • (Re)construção do Portefólio • Apreciação final do Portefólio face
ao RCC
• Apresentação/explicitação do RCC • Seleção de documentos a integrar
o Portefólio • Formalização da validação de
• Recolha de histórias de vida competências, tendo por base a
• Orientações para a autorreflexão
Grelha de Validação
• Construção da narrativa
(auto)biográfica • Planificação e/ou
desenvolvimento de formação
• Atividades e instrumentos de complementar
balanço de competências

• Planificação e desenvolvimento
de formação complementar
Reconhecimento de Competências

Permite:
• Estabelecer uma relação de proximidade e confiança e um elevado
nível de interação;
• Prestar um apoio mais individualizado no trabalho a realizar;
• Explorar e abordar assuntos/temas mais sensíveis para o
candidato;
Sessão Individual • Garantir a autenticidade do Portefólio.

Propicia:
• Momentos de discussão, de partilha e de comparação de pontos
de vista;
• A construção de novas perspetivas e uma dinâmica reflexiva;
• A evidenciação de competências relacionais (respeito, liderança,
argumentação, assertividade, …).

Aspetos a considerar:
Sessão de Grupo • Devem ser selecionados assuntos/temas transversais às ACC em
avaliação;
• Não devem ser planeadas sessões com mais de 8 a 10 candidatos.
Reconhecimento de Competências

Constituindo-se como a metodologia mais adequada ao


desenvolvimento do processo de RVCC, as sessões presenciais
podem ser individuais ou em grupo e implicam a presença (no
mesmo espaço físico) dos elementos da equipa e do(s)
candidato(s).

Sessão Presencial

Em casos específicos, é possível desenvolver sessões de


reconhecimento a distância, desde que se reportem a sessões
realizadas em áudio e ou videoconferência.

Não é possível desenvolver um processo de RVCC exclusivamente


a distância, pelo que o candidato se deverá comprometer a estar
presente nas sessões que a equipa considerar adequadas.
Sessão a Distância
Reconhecimento de Competências

Notas sobre o desenvolvimento do reconhecimento de competências

• Um elemento que acumule as funções de Técnico de ORVC e Formador não o poderá fazer
num mesmo processo;

• Deve ser garantido um equilíbrio entre a tipologia de sessões a desenvolver (individuais e


em pequeno grupo) e a presença dos diferentes elementos da equipa (Técnico de ORVC e
Formadores das diferentes ACC) devendo, para tal, ter-se em conta o perfil dos candidatos
e a tipologia de atividades a realizar;

• Não existe um número mínimo e máximo de sessões a desenvolver, dispondo a equipa de


autonomia para planificar e organizar as diferentes sessões de trabalho;

• O nível de certificação a que o candidato se propõe pode ser alterado até ao registo de,
pelo menos, uma sessão de formação complementar. A validação e a certificação de
competências apenas é possível para um nível de certificação;

• Durante a etapa de reconhecimento de competências o candidato pode ser encaminhado


para uma oferta externa, com vista à obtenção do nível se certificação a que se propôs
através de uma outra modalidade de qualificação.
Reconhecimento de Competências
Reconhecimento de Competências

Sessão de Reconhecimento Escolar

N.º de sessões Múltiplas


Duração 30m a 4h
Intervenientes Técnico de ORVC e/ou Formador
Copiar Sim
Editar Sim
Eliminar Sim
Documentação Grelha de Validação (1ª sessão)
Formação Complementar

Objetivos: • (Re)aproximar os candidatos ao contexto de aprendizagem formal (ALV)


• Possibilitar a melhoria e o aperfeiçoamento de conhecimentos e
competências
• Colmatar lacunas detetadas
• Potenciar o aumento efetivo das qualificações

Duração: • Mínimo de 50h por candidato

Tipologias: • Formação Complementar Interna – FCI


• Formação Complementar Externa – FCE
Formação Complementar

Formação Complementar Formação Complementar


INTERNA EXTERNA
• Lacunas detetadas em alguns • Lacunas detetadas na generalidade
Em que situação? conteúdos da UC dos conteúdos da UC

• Em uma ou mais UC de uma ou • Em UC/UFCD diretamente


mais ACC correspondente(s) à(s) UC em
Em quantas UC? avaliação (CFB)
• Em UFCD cujos conteúdos estejam
relacionados com a(s) UC em
avaliação (CFT)
• Formadores que acompanham o • Formadores de cursos EFA/FM das
Quem promove? processo do candidato no Centro entidades formadoras do SNQ
Qualifica
• Reflexão acerca das competências • Certificado(s) de Qualificações
O que incluir adquiridas ou desenvolvidas e • Reflexão acerca das competências
no Portefólio? sempre que possível contextualizá- adquiridas ou desenvolvidas e
las em experiências de vida sempre que possível contextualizá-
las em experiências de vida
Formação Complementar

• A frequência de FCE em UC/UFCD da componente de formação de base (CFB) que


correspondam ao Referencial de Competências-Chave em avaliação deve respeitar os
seguintes limites:

Nível de Certificação Duração máxima N.º de UC/UFCD


B1 100h 4
B2 100h 4
B3 200h 4
Secundário 300h + 100h (em UFCD de língua estrangeira) 6+2

• A frequência de FCE em UFCD da componente de formação de tecnológica (CFT) respeita


os requisitos de escolaridade para a frequência de UFCD inseridas em percursos de
qualificação de nível 2 ou de nível 4.
Formação Complementar

Notas sobre a Formação Complementar

• Compete aos formadores definirem a duração máxima e a tipologia de formação


complementar que cada candidato deverá frequentar;

• A frequência de formação complementar pode ocorrer no início do processo de


reconhecimento ou durante o mesmo, sendo o nível de certificação apresentado
correspondente ao nível registado na sessão de reconhecimento escolar exatamente anterior;

• Não existe lugar ao desenvolvimento de formação complementar após a validação de


competências, sendo que esta última só poderá ser realizada quando concluídas, pelo menos,
50h de formação complementar interna e/ou externa;
Formação Complementar

Notas sobre a Formação Complementar (continuação)

• As competências adquiridas e/ou desenvolvidas na sequência da frequência de FCI e/ou de FCE


em UFCD da CFT carecem de validação por parte dos formadores das respetivas ACC que
acompanham o processo do candidato;

• As competências adquiridas e/ou desenvolvidas na sequência da frequência de FCE em


UC/UFCD da CFB não carecem de validação por parte dos formadores das respetivas ACC,
ficando automaticamente validadas e certificadas no âmbito do processo de RVCC;

• A FCE em UC/UFCD da CFB apenas é possível para as UC/UFCD exatamente correspondentes ao


nível de certificação em avaliação.
Formação Complementar
Formação Complementar
Formação Complementar
Formação Complementar
Formação Complementar

FCI FCE
N.º de sessões Múltiplas Única
Tempo gasto a definir as
Duração 30m a 4h
UC/UFCD para FCE
Formadores das Formadores das
Intervenientes
diferentes ACC diferentes ACC
Copiar Sim Não
Editar Sim Sim
Eliminar Sim Não
Documentação Termo de Formação ----------
Validação de Competências

Balanço de Competências
Confronto com o Referencial
Validação de Competências

Instrumentos de
Autoavaliação Heteroavaliação
Avaliação
Equipa que acompanhou
Equipa do Centro Candidato
o candidato

Grelha de Validação
Instrumento disponibilizado
pela ANQEP

Sessão de Validação

Formalizada em reunião
Validação de Competências

• Não abordou a competência


1
• Abordou a temática da competência, sem a explorar e/ou sem
refletir/emitir a sua opinião
2
• Abordou a temática da competência, com recurso a pesquisas
e/ou trabalhos (refletindo e emitindo a sua opinião)
3
• Abordou a competência, apresentando os conhecimentos/saberes
detidos (refletindo e emitindo a sua opinião)
4
• Evidenciou a competência, demonstrando capacidade de
intervenção, autonomia e argumentação
5
Validação de Competências

• “(…) Aos 53 anos foi-me diagnosticado um problema de saúde que me


levou a alterar alguns hábitos alimentares e até mesmo o meu estilo de
vida.”
• [STC_Saúde_DR1]

2
Validação de Competências

• “(…) Uma alimentação saudável e equilibrada faz parte do


tratamento das pessoas com diabetes, em conjunto com a
atividade física e a medicação (antidiabéticos orais ou insulina).
Os principais objetivos da alimentação de uma pessoa com
diabetes são: obter um bom controlo da glicemia, colesterol,
triglicéridos, pressão arterial e atingir e manter um peso

3 saudável, de forma a prevenir o aparecimento das complicações


da diabetes. Para ajudar a controlar estes fatores é importante
reduzir a ingestão de gordura e sal e aumentar a ingestão de
fibra.”
• [STC_Saúde_DR1]
Validação de Competências

• “(…) Após o diagnóstico e em conversa com o meu médico, fiquei


a saber que para o controlo da diabetes é muito importante,
para além da medicação diária, ter cuidado com a alimentação,
não só com os alimentos ingeridos, mas também com o tempo
de intervalo entre as refeições. Para além disso, o exercício físico
é muito importante para controlar o peso e, deste modo, evitar

4 algumas complicações típicas desta doença. Do meu ponto de


vista, é fundamental que o SNS divulgue informação e apoie os
doentes no processo de tratamento, na maior parte das vezes as
pessoas desconhecem os cuidados a ter com os hábitos
alimentares (…).”
• [STC_Saúde_DR1]
Validação de Competências

• “(…) No meu caso, sendo um diabetes de tipo 2, passei a evitar


alimentos gordos e açucares. Faço uma dieta rigorosa. No que
respeita às horas em que tomo as minhas refeições, percebi que é
fundamental comer várias vezes ao dia (2 horas de intervalo no
máximo), mas em quantidades reduzidas. Passei a deitar-me mais
5 cedo e não passo sem ir ao ginásio, pelo menos, duas vezes por
semana e até mesmo em casa faço alguns exercícios (a propósito, já
perdi 6 Kg e sinto-me muito melhor). Outra coisa que me tem
ajudado muito (e que não me foi recomendada pelo médico) é um
grupo do Facebook do qual passei a fazer parte. Aqui, partilhamos
receitas saudáveis, conselhos úteis, combinamos caminhadas e,
principalmente, partilhamos as nossas angústias. Há uns anos atrás
não imaginava a importância que as redes sociais poderiam passar a
ter na minha vida, desde (…).”
• [STC_Saúde_DR1]
Validação de Competências

Condições de
Validação –
Nível Básico

Uma UC reúne condições de validação


quando…

Exista uma ou mais UC


Pontuada nos níveis 3,
na respetiva ACC
4 ou 5 da escala de
pontuada no nível 5 da
validação.
escala de validação.*

* As UC de língua estrangeira são de carácter opcional


Validação de Competências

Condições de
Validação – Nível
Secundário
Um NG reúne condições de validação
quando…

São pontuados, pelos Exista pelo menos um


menos, 2 DR nos níveis DR pontuado no nível
3, 4, ou 5 da escala de 5 da escala de
validação. validação.
Validação de Competências

Notas sobre a sessão de validação de competências

• A sessão de validação deve ser formalizada em reunião convocada e presidida pelo


Coordenador do centro, com a presença dos elementos que acompanharam o processo
do candidato;

• Deve ser elaborada ata onde conste: data; local; participantes; assuntos tratados;
deliberações tomadas; resultados das avaliações realizadas; outras informações;

• O registo da sessão de validação só é disponibilizado quando registadas, pelo menos, 50h


de formação complementar interna e/ou externa;

• Nos casos em que o candidato frequente FCE, a sessão de validação só ficará disponível
para registo caso o candidato se encontre no estado “Certificado Parcial” na(s) UC/UFCD
indicada(s) na ação de FCE (com data compreendida entre o início do processo e o registo
da sessão de validação);
Validação de Competências

Notas sobre a sessão de validação de competências (continuação)

• A equipa deve transpor para o SIGO as pontuações atribuídas a todas UC/DR;

• Todas as UC/DR devem ser pontuadas, numa escala de 1 a 5;

• Às UC certificadas em outras inscrições são atribuídos, automaticamente, 5 pontos;

• O sistema sinalizará, a cor vermelha, as UC/DR em que não se verifiquem as condições de


validação. Essas UC/DR não poderão ser alvo de avaliação na prova (Sessão de Júri de
Certificação) devendo, necessariamente, ser concluídas em EFA/FM após certificação
parcial em RVCC.
Validação de Competências
Validação de Competências
Validação de Competências
Validação de Competências
Validação de Competências

Sessão de Validação

N.º de sessões Única


Duração 1h a 2h
Coordenador
Intervenientes Técnico de ORVC
Formador
Copiar Não
Editar Sim
Eliminar Sim
Documentação ----------
Preparação para a Prova

Objetivo: Preparar o momento de realização da Sessão de Júri de Certificação

Apoio na estruturação e organização do trabalho a desenvolver pelo candidato

Duração: Máximo de 25h por candidato

Início após a Sessão de Validação de Competências

Intervenientes: Elementos da equipa que acompanharam o processo do candidato

Técnico de ORVC + Formadores das diferentes ACC


Preparação para a Prova

Compete ao Técnico de ORVC

• Apoiar o candidato na seleção da tipologia/metodologia de apresentação a realizar,


tendo em conta as suas aptidões e capacidades;

• Acompanhar o processo de realização do trabalho a ser apresentado (tutoria):

Documento a entregar
ao júri antes da prova
Prova

• Preparar uma breve síntese/contextualização do processo desenvolvido pelo candidato a


apresentar no momento de realização da sessão de júri de certificação.
Preparação para a Prova

Compete aos Formadores das diferentes ACC

• Decidir, conjuntamente com o candidato, qual(ais) a(s) temática(s) integradora(s) que


permitirá(ão) demonstrar as competências validadas;

• Apoiar o candidato na seleção dos conteúdos da apresentação a realizar, induzindo


questões para reflexão, atividades de demonstração prática, situações-problema, entre
outros;

• Definir as UC/NG a abordar no âmbito da prova.


Preparação para a Prova

Número de UC/NG a abordar no âmbito da prova

UC validadas UC a abordar*
Até 8 Todas
Nível Básico
Mais de 8 Mínimo 8**
Até 9 Todas
Nível Secundário
Mais de 9 Mínimo 9**

* Preferencialmente as UC/DR validados nos níveis 3 ou 4 da Grelha de Validação

** Seleção equitativa das UC pelas diferentes ACC


Preparação para a Prova

Número de UC/NG a abordar no âmbito da prova – Nível Básico

UC A UC B UC C UC D UC LEA UC LEB

Cidadania e Empregabilidade
5 4 4 3
(CE)
Linguagem e Comunicação
5 4 4 3 4 2
(LC)
Matemática para a Vida
5 4 3 2
(MV)
Tecnologias de Informação e Comunicação
5 2 2 1
(TIC)

Legenda:
UC não validada, não passa à etapa de certificação de competências
UC validada, pode ou não ser abordada na prova
UC validada, devendo ser abordada na prova (de acordo com as regras de definição de UC a abordar na prova)
Preparação para a Prova

Número de UC/NG a abordar no âmbito da prova – Nível Secundário

DR1 DR2 DR3 DR4

Equipamentos e Sistemas Técnicos (EST) 5 5 1 1


Ambiente e Sustentabilidade (AS) 5 3 1 1
Saúde (S) 1 1 3 2
Gestão e Economia (GE) 4 5 3 2
Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC) 5 3 4 3
Urbanismo e Mobilidade (UM) 5 5 5 5
Saberes Fundamentais (SF) 5 2 2 1

Legenda:
DR não validado, não passa à etapa de certificação de competências
DR validado, pode ou não ser abordado na prova
DR validado, devendo ser abordado na prova (de acordo com as regras de definição de UC/DR a abordar na prova)
Preparação para a Prova

Compete ao Júri de Certificação

• Analisar a documentação disponibilizada pelos elementos da equipa que acompanharam


o processo do candidato, nomeadamente: Portefólio; Grelha de Validação; trabalho que
sustenta a apresentação perante o júri de certificação;

• Esclarecer, diretamente com os elementos que acompanharam o processo do candidato,


eventuais dúvidas que possam existir relativamente à validação de competências;

• Elaborar um “Guião” de questões a colocar durante a sessão de júri de certificação, que


permitam ao candidato posicionar-se num determinado contexto e que induzam a
emissão de uma opinião, de uma reflexão ou uma tomada de decisão.
Preparação para a Prova

Notas sobre a preparação para a prova

• Não deve haver lugar à uniformização das apresentações a realizar na sessão de júri de
certificação;

• As características e condições de realização da prova deverão ser previamente explicitadas


pelos elementos da equipa ao candidato;

• Compete aos elementos da equipa assegurar a disponibilização dos espaços e o regular


funcionamento dos recursos materiais necessários à realização da prova;

• Sempre que possível deve haver lugar à simulação da sessão de júri de certificação, não
sendo autorizada a presença de elementos que venham a integrar o júri de certificação.
Certificação de Competências

Para que serve No que consiste

Certificação de
Competências
A Prova O júri de certificação
Certificação de Competências

Para que serve

• Reconhecimento externo das competências detidas pelo candidato;


• Legitimação e credibilização do processo de RVCC;
• Mecanismo de controle de qualidade.
Certificação de Competências

No que consiste

A prova deverá consistir na apresentação de uma exposição e reflexão


subordinada a uma temática integradora, trabalhada no âmbito do Portefólio,
que evidencie saberes e competências das ACC em avaliação.

Neste contexto, a prova de certificação requer uma estreita ligação ao trabalho


desenvolvido pelo candidato e à informação constante dos instrumentos de
avaliação mobilizados durante o processo.
Certificação de Competências

A Prova

Local: Instalações do Centro ou, excecionalmente, em instalações adequadas onde o


Centro esteja a desenvolver a sua atividade em regime de itinerância.

Duração: Máximo 90 minutos para:


• Apresentação do candidato e realização de breve síntese/contextualização
do processo e da organização do portefólio – Técnico de ORVC
• Prova do candidato
 15 a 30 minutos – Níveis B1 e B2
 20 a 40 minutos – Níveis B3 e Secundário
• Interação do júri com o candidato

Tipologia: Apresentação oral:


• Recurso às TIC
• Demonstração prática de competências
• Outras
Certificação de Competências

O júri de certificação

• Técnico de ORVC (que acompanhou o candidato)


• Formadores das diferentes ACC (que não tenham estado envolvidos
Constituição no processo do candidato)
• Compete ao Coordenador do Centro a nomeação do júri e do seu
presidente (voto de qualidade)

• Confirmar se o candidato é ou não detentor das competências em


Função avaliação e se as consegue demonstrar/mobilizar num determinado
contexto (atitude reflexiva e argumentativa).

• Tomada de decisão (avaliação sustentada de cada UC/NG que integra


o Referencial em avaliação, com base no desempenho do candidato na
Atribuições prova e na análise do portefólio e dos instrumentos de avaliação)
• Elaboração de um relatório que explicite as UC e os NG/DR
certificados
Certificação de Competências

Condições de Certificação

Nível Básico Nível Secundário


Todas as UC de todas as ACC certificadas Pelo menos 2 DR de cada NG de todas as
ACC certificados

Certificação Total

Certificado de Qualificações
Diploma*

*O Diploma apenas será emitido para os níveis B3 e secundário


Certificação de Competências

Condições de Certificação

Nível Básico Nível Secundário


Pelo menos uma UC de uma ACC não Pelo menos um NG de uma ACC não
certificada* certificado

Certificação Parcial

Certificado de Qualificações
Plano Pessoal de Qualificações

*À exceção das UC de língua estrangeira (níveis B2 e B3)


Certificação de Competências

Plano Pessoal de Qualificações

• Documento a ser preenchido pela equipa do Centro Qualifica com a colaboração do júri
de certificação;

• Identifica as UC/UFCD a realizar (correspondentes às UC/NG não certificados no âmbito


do processo de RVCC;

• No nível básico (B2 e B3) acrescem as UC de língua estrangeira (obrigatórias nos


respetivos referenciais de formação – Inglês e Francês);

• No nível secundário e caso não tenha sido certificado um NG da ACC de CLC devido ao
facto de o adulto não ter qualquer domínio de uma língua estrangeira podem acrescer as
UC de língua estrangeira (CLC_LEI e CLC_LEC – Inglês, Francês, Alemão, Espanhol e
Italiano).
Certificação de Competências

Notas sobre a sessão de júri de certificação

• Deve ser elaborada ata da sessão de júri de certificação, de acordo com modelo
disponibilizado pela ANQEP, I.P.;

• Na sequência da realização da sessão de júri de certificação devem os seus elementos


reunir no sentido de decidir da certificação a atribuir a cada candidato. Dessa reunião
deverá resultar a elaboração de um relatório que contenha a identificação das UC/NG e
DR certificados (anexo à ata da sessão de júri de certificação);

• Caso o júri de certificação decida não certificar uma UC/DR validado pela equipa no nível
5 da escala de validação, deverão ser incluídos no relatório os fundamentos que
justifiquem essa decisão;

• Não há lugar à repetição de provas, no entanto, e por motivos legítimos e devidamente


justificados, o Coordenador do Centro poderá autorizar a alteração da data de realização
da sessão de júri de certificação.
Certificação de Competências

Notas sobre a sessão de júri de certificação (continuação)

• Todas as UC/DR devem ser preenchidos com “C” (Certificado) ou “NC” (Não Certificado);

• As UC certificadas em outras inscrições aparecem, automaticamente, certificadas (“C”);

• As UC/DR com pontuação de validação < 3 aparecem, automaticamente, não certificadas


(“NC”) e sinalizadas a vermelho, sem possibilidade de alteração;

• As UC/DR com pontuação de validação 5 aparecem, automaticamente, certificadas (“C”),


com possibilidade de alteração;

• As UC/DR com pontuação de validação 3 ou 4 aparecem por classificar com “C” ou “NC”;

• O sistema sinalizará, a cor vermelha, as UC/DR não certificados.


Certificação de Competências
Certificação de Competências
Certificação de Competências
Certificação de Competências
Certificação de Competências

Sessão de Júri Certificação

N.º de sessões Única


Duração 1h a 2h
Técnico de ORVC
Intervenientes Formador
Interveniente Externo
Copiar Não
Editar Sim
Eliminar Não
Certificado de Qualificações
Documentação Diploma
Plano Pessoal de Qualificações
Certificação de Competências
Certificação de Competências

2.º momento

Avaliação e
Preparação para a Sessão de Júri de tomada de
prova Certificação decisão
(prova)
1.º momento 3.º momento
Certificação de Competências
N.º de sessões/
Momento Intervenientes Descrição
Duração
Técnico de ORVC Apoio na seleção da tipologia/metodologia da Prova
Apoio na seleção dos conteúdos da Prova
Formadores
1 ou mais Definição das UC/DR a abranger
Preparação sessões/Até um Preparação da Prova
Candidato
para a Prova máximo de 25 Elaboração do trabalho a entregar ao Júri de Certificação (prévio)
horas Analisar a documentação entregue pela equipa
Júri de Certificação Esclarecer dúvidas relativamente à validação de competências
Preparar o guião de questões a colocar na Sessão de Júri
Apresentação do candidato
Técnico de ORVC Síntese/contextualização do processo realizado e da organização
do Portefólio
Sessão de Júri 1 sessão/Máximo
Prova (apresentação): níveis B1 e B2 15 a 30 minutos; níveis B3 e
de Certificação 90 minutos Candidato
secundário 20 a 40 minutos
Interação com o candidato (questões elaboradas no guião e/ou
Júri de Certificação
resultantes da prova realizada)
Elaboração da ata da Sessão de Júri
Elaboração do relatório de certificação das UC/DR (justificações)
Júri de Certificação Atribuição da certificação (total ou parcial)
Até 2 semanas
Avaliação e Colaboração na elaboração do Plano Pessoal de Qualificações
após a Sessão de
Tomada de (quando aplicável)
Júri de
Decisão Certificação Registos no SIGO (Sessão de Júri de Certificação)
Emissão da documentação (Certificado de Qualificações e
Equipa do Centro
Diploma, quando aplicável)
Elaboração do Plano Pessoal de Qualificações (quando aplicável)