Anda di halaman 1dari 10
MURR AK SPEtH - JevE -O AAPA (9 ba ALAA Do tempo e eternidade (Sincronicidade) Denle a suas primeias rentativas para explarae alma humana, mapetla © estabelecer suas fronteias, Jung mostrou-te fscinado pelo que aeontece nas fas fronteirgas. Esse era 9 seu temperament — gostava de arpliar os limi- tes sho jf conhecido. O seu primeisa estado Importante fol uma dissertagion sobre transes melinicase os surpreensdentes relatos de sua jovem primi, Helene Fretomork, sobre pereonagens mertos desde hai muito tempo, Fat uma iawest- sag puicligea da ecg entre extados noes poranormaéede conscitn- ‘ia Trabalho subseqientes subee associagso de plays ¢ a tev cos eum Plesus estudanns as fhontelrss entre as partes consciente e inconsciente da psc. Penetrand ainda mais profurdamcate no vesrivdri do inconectente, Jang Uescubeis umn outra regio Fonteiriga. ones situa entre vateivlas pesca e Lpestoal do consciente, entre o teritéio dos complexos cn dis combinagGes aryoetipicas de imagem-esinstingo. Em sus ulerionesin- vestiges dost-mesmg, encunnmow uns ponte de tranggresibe da fronteia entre psu © nto-paigue. Como u anquétipo pir se & pstedide e nlo se encontra rgowsamente dentro dos limites Exadkos pelas fromtciras da psique, serve de Fonte entre os mundas interioe ¢ exterioe © deeompde 4 dicotoma sxcty- cyto tSncia, essa curiniidade acerca de fronteiras levou Jung a formular wna veoria que procura articular um dieu sistema unificado que bean 176 Piodemo e ctemvile 0 ‘ge maria €espltiio ¢ langa wns ponte crise tempo e cternidante. Ey revcka a sincranicidade. Extensio da teuria do s-mestea & cosmeleyin, a sincronicidace ulovo que existe. Essa teorin mente NERA. ictade ent fala da prof tame revela Jung o metaffsico, uma ibenaidade que cle fey Padrdes no Caos Or poucos textos de Jang a respeito da sincronicidnde exploram a ardem signi fleativa om eventos aparentemente aleatéries, Assinala cle — con) muitos coueros autores tarabém o fzeram — que as imagens priguicas e os econtecie mentas objeivas esto. organitados, por vezes, em configurogdes clnramence defines, « que gsses padtées ocorvem por acasf'e nig em vigtude de uma aden coural de’ eventos precedentes, Por oatras palavras,nifo existe uma ra- sho causal para que a Configuragse apatesa. Ela ocorre puramente por acaso. E surge inevitavelmente a pergents: Essa configurago & completamente alent ris ou @ signficativa’ A adivinhaséo regue essa iia de que certoe acont amended aleatdeios passuem uot significado, Um eerie ptssate € visto sobreve ando e o adivinho diz 2orei que esti na hora de se preparar paraa betalha. Qu ha © gens psiquicas (as quais incluem também os nicleos de pensamentos cientif ‘cos absirator, corto 0 de Kepler) poder revelar também veriades sobre a rea- lidade no espelho tefletor da eonseiéncia humana, A te no a a em reciprocamonie, Esta €a ese de Jung Mapuvetlece ! De tempos armas 19 O Desenvol de Sincror Numa carta Catl Seelig,o escritor e jomalista sufgacque escrevet ura biog fia de Albert Einstein, Jung excreve sobre a sua primeira © wage suspeita de sincronicidade: © Professor Einscein foi meu coovidado para jantar em muitas oxasiées.. Estava ele comerard ero 9 desenvoler a sua primeitatconia da relate, Procur wa Intie em ns ox elemento dela, cars esor ou menor dase de éxito. Como r-matemdeios, a, puta, tnhamon cera diculdade em segul sua anew mentagSo. Compreend, no enianin, o sient para formar wea pedro lx sressla de Einstein. Foi, ebretwa, a simplicidade e frarquera de seu ytniorcamo ‘penindor que ie impreasionou de modo iresistivel ¢ exerceu wma duradoura in Fiotncia sre o meu pris tah intelectual. Fos Einstein quem prireiro me tewou specs sabe uma postive relatvidade tana do tempo quanta do espa, sua condicional dade peiquica. Mais de trinta anas depois, esse estimulo peopicivn! {6 mie relacionamens com o Saco Prufewor W. Paul, ¢w elaboragto de xia ese sole sincromicidade psiquica* ‘A ceorin da selotividade de Einstein deve ter conguitac a imaginagto de Jung, ainda que ndo entendesse os seus detathes aw as provss matemticas que fg embasavam. Também é interessance assinalar que fsicos famosas desempe- ‘nharam um papal nessa teorizagge em sow comeso e na conchusio. [ssa aso cio com a Fisica moderna foenece 0 contexte histérlco apropelado para 3 reocia da sincron 9 re fon “A relagbes entre Jung € 0: Famineres ela fica moderna fazem parte de uma histéria que ainda tem de sex contada na totegra. Além de Einstein e Pauli, hav'r também muitas oucras figures destacodes ca fsica moderna que hrabicavam Zurique na primeira metace do século XX e reslizavam conferén- ‘iss ou davam aulas na-Universidade Politécnica onde Jung era professor de picologia na déeada de 30, Zurique era wm aut8ntico viveico da Skea moderna nas primeiras décadas deste séeulo, « seria quase impossive! ignorae o esti: lante fermento eriado por esses tntelectos. Havia a clara impressio de que a natureza da realdade fisica estava seco fundamentalmente repensada e Jung comezou desde cedo— conforme indica a sua cartaa sespeito de Einstein — 2 cinelhangas entre a fica moderna ea pricologiaanalfcica. © STA NGaRIS Tor tan UOnTn,@ anNinbo Te Marat discusses com essas pessoas durante os trinta ow mais anos que precederam a sua forma ¢ publicagio fina. Iso Joye —O Maja cs Nba ‘Cumpre seconhecer que a teria thi anips © do sb-mesis€a feoca da sincronicidade combinarany-se para eri wm nice tecido de pensamenta. Esa éavisio unificada de Jung a gue nos referimes na Inarodugio deste livo. Para aapreender toda a extensio da teoria do sismes ela tem que se? eonsieraa ‘Sestro do contexto do pensameno de Jung bee sineonteidade; pura aprect sce a sus teoria dla sincronieidade, eumpre ter também em conskleragfo a sua reoria dos angudtipos. Esa € urna des razies por que poucos pricdlogos sepui- Fam a ofientagio de Jung no tocante & teorta dor arquétipes. Ela torna-se Inetyuicokigiea,& bei de toenas-se metafisica, ¢ poucos psicélogos se sentem 8 wontade em todatas dreas requeridas para abranger essa teoria em toda asa plenitude — peicologia,fsica e metafsica.£ um nivel intelectual que poucos ensadotes modeenos podem muir a esperanga de alcangat. Os meseres uni versitfcios mostram-se-sumamente cautelosos em dar um passo além dos like tes das especialidades de seitsrespectivos departamentos. A teocia da sincra- nicilade ajustarse A visio de Jung do s-meimo como wma earacterisica de radical transcendncia sobre a conseidneta ¢ a psique cami tra todo, e desala as inka de fronceira comumente tracadss para separarns facuiléades de peica- Ing, isica, bloga, flosofia€ expiritualidade, Supd A pscologta se si-mesmo ¢ da sincronicidade, a psicologia analitica de Jung desafiou essa sepmentacao arbitrdria. Quando estudantes petguntaram certa vera Jung onde termina 0 s+-meimo ¢ quals aio. suns fronteira, sun resposta fo que no tem fim, € ilimitado, Para se entender o que ele quis lier com este comentéri, tem que se levar em conta que ele exava considerandle as implicagées da sincro- niicidade para a teoria do si-mesmo. Jung ets compreensivelivente armbivalente a respeico da apresentagto de vam idéia da tagnitude que a sincronicidade implica. Sempre @ sviga cautela- so ¢ conscrvadog Jung procurou, de um rondo geral, fandamentar seus argu menos em bases puramente psleoligicas, a érea onde sua autoridade ¢ expertise ‘cram indiscutiveis. Com a teeria da sineronicidaue, entretanto, ele ficou isola sdo. AG pslque por sis6 nao Ihe daria apoio. NBo obstame, aos 75 anos de ‘dade, deve ter sentido que adquitia o direito de entrepae-t a esi especie de especulagio commoliges. Estava pronto para mandas para o prelo uma de suns mais audhelosas nogées, 2 unidade do sicmesmo-e do Sex E isso to diferente de sc dizer que 0 simesmo.¢ Deus eho um ai? Ele aceftou a iscu de ese como um profeta au, pict ainda, comp un excénetico Sincronicidade e Causalidade O proprio ensaki ¢ diffe ¢, por certo’ profundamente peejudicade por um mal crien~o exforga de andlize cetarkticn dle uma pesuisa sobre casas realicada ACAAL =U Seng (hE. On conten gin Ava? 1, i existe auras? ven wo chese alan Pen dy wtnples ren po eae 8 1 re oa © vanes te HE cats exes? or win cole. Ein minha cftica dese ens cis sees et Jang comega por fazer um comentiris sokee u nogde de causal e a es de probobildade,e assinala a tendénela humana universal para projet a cus dade, De yga todo quaseinevitivel, as pessoas faa a petgut: To pie act teceu insofar se do principio de que wodo-0 evento causa por alten coisa que o precedeu. Com freqiénein, esté presente uma rek espécie mas, ocasionalmente, pode nfo estar ticularmente dice ‘anata ERATE WIGTaGTO coTseenlee existe motivagio inconsclente des con- Timpulus psiquices. HA miuitas teorins que testam expliear nemogio & © comportamenta em termas causal, mas as nassas projeges levam-nes. sem dhvida alpums, a apontar mals causas-no donatnio dos fenbmenos pros clo aque realmente af se encontrar. Ou posiemos atrbuir os acontecimentnea cai sas enralas, descabrindo rs tarde que estdvamos equivecados. Poderfamos apressar-nos em aceitar 3 eaneltto de que um homers expan ca a mulher porque fo espancado quando erianga ow porque vis 8 pai surat regularmente sua mie. Comporta-se astm por causa de experiéncias infantis, cou porque seus pais 0 influenciaram nessa direySc. Podertamos declnrar com srande eonfianga em nossa acuidade peicobiyice que “ele sai a0 pai” ow que & responsdvel €0 "seu complexe materno”. isa nia deixa de ser uma boa abor- dager inicil, sas tal andliseredutiva cercamente mio espota toda a eoma Je causas € sinifcados possveis. Também existe uma causa final, por exemplo, aque leva as pessoas a fazer algo com. vistas 8 reaizagio de um determinade objetivo eu & obtengo de uma certa medida de adsptacio & vides Talves ate hhomam estejateneando assegurar-se de poder © controle sabre sux mlb. pre conden assim adgite raioe dominio sobre o eeu psprio future, A cousagtin ipsicoligica pode levar a um retrocesso na hist ou iqualmencte a um bei avango rss a0 futuro. E depois temos também os econtecimentas aleaciros, ‘como encontrarma-nqg no higar certo ea hora certa & fill explicar por que ‘alguns pessoas #20 0 aforeunadas ou malfadadas, cho bfejadas pela sorte ow rmarcadas pelo inforténio, e € fequence acabarmos elygando-28 pur coisas que clas ni Azerane ou censuraindo-os por coleat que me pediam evita. Existe um cipaga quate infinite para a projegdes © a especulagto Pensamos em termes de causi-e-cfeito porque somos humanos, no ve roman conc catiicos contenizen, Pererni dir hes um Teterminodo individeo que cle sc comporta como um monstra psicopiticn pt- ‘que fol severamente maltratado em crianga, a passo que na Kdade Mélia a