Anda di halaman 1dari 8

XXVI Encontro Nacional de Tratamento de Minérios e Metalurgia Extrativa

Poços de Caldas-MG, 18 a 22 de Outubro 2015

CONCENTRAÇÃO DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO


(RCD) ATRAVÉS DE JIGAGEM A AR

SAMPAIO, C.H.1, CAZACLIU, B.G.2, MILTZAREK, G.L.3, HUCHET, F.4,


LE GUEN, L.5, PETTER, C.O.6, PARANHOS, R.7, AMBRÓS, W.M.8, LIENDO, A.9,
OLIVEIRA, M.L.S.10, RAPOSO, F.L.Q.11
1,3,6,8,11
Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Escola de Engenharia,
Departamento de Metalurgia.
2,4,5
LUNAM, University of Nantes, IFSTTAR, Aggregates and Material Processing Laboratory.
7,9
Universidade Federal do Pampa, Laboratório de Lavra, Planejamento e
Tratamento de Minérios.
10
Centro Universitário La Salle, Mestrado em Avaliação de Impactos
Ambientais em Mineração.

RESUMO

Este trabalho trata da separação de partículas de concreto, tijolo e gesso a partir de


uma mistura de agregado reciclado CDW. Os materiais de construção e de
demolição podem ser tratados como um problema de tratamento de minério. Todos
os testes foram realizados com partículas com tamanhos entre 4 e 20 mm, utilizando
um jigue a ar do laboratório. Concentrados com teores de concreto superiores a 90%
e teores de gesso significativamente menores do que 1% foram possíveis de serem
atingidos. A redução de gesso em concentrados de concreto foi de cerca de 25
vezes.

PALAVRAS-CHAVE: jigagem a ar; beneficiamento por densidade; RCD.

ABSTRACT

This work deals with the separation of concrete, brick and gypsum particles from a
CDW recycled aggregate mixture. Construction and Demolition Waste materials can
be handled as an ore treatment problem. All tests were carried out in the size range
between 4 and 20 mm using a laboratory air jig. Concentrates with concrete contents
higher than 90% and gypsum contents significantly lower than 1% were possible to
be reached and can be an alternative in aggregates for the concrete market. Indeed,
gypsum reduction in concrete concentrates was about 25 times.

KEYWORDS: jigging; gravity concentration; air jig; C&DW materials.


Sampaio, C.H.; Cazacliu, B.G.; Miltzarek, G.L.; Huchet, F.; Le Guen, L.; Petter, C.O.; Paranhos, R.;
Ambrós, W.M.; Liendo, A.; Oliveira, M.L.S.; Raposo, F.L.Q.

1. INTRODUÇÃO

A composição básica de Resíduos de Construção e Demolição (C&DW) é


fortemente dependente, dentre outros, da localização geográfica, tipo de construção,
processo de construção comercial ou residencial, processo convencional ou pré-
moldado, etc. (Lachimpadi, 2012). A porcentagem média aproximada de concreto e
cerâmica em resíduos de demolição é estimado em 70% (Oikonomou, 2000). A
utilização destes resíduos inertes é economicamente viável (Begum, 2006), mas
infelizmente, quando reciclado, o emprego de materiais de resíduos inertes, como
agregados reciclados, é ainda limitado a materiais de construção em obras públicas
(aterros, calçadas, etc.), ou como material para a recuperação de áreas degradadas
em pedreiras. Há também exemplos de melhores usos para alguns desses resíduos
quando eles apresentam um teor mais elevado de conteúdo de concreto e menor de
contaminantes, como gesso.

O sucesso do programa de triagem de resíduos de construção off-site poderia ser


incentivada por políticas de incentivo do governo (Lu, 2012; Wang, 2010). Por
exemplo, a meta europeia a ser alcançada até 2020, exige a recuperação de 70% de
todo C&DW da construção e obras públicas. A utilização de uma política de gestão
de resíduos em canteiros de obras potencialmente permite uma redução de custos
de cerca de 30-40% (Coelho, 2013 A e B).

Métodos de separação para o tratamento de C&DW são propostos por Tomas e


Gröger (2000). Equipamentos com relativamente baixa eficiência de separação são
adequados para a remoção de impurezas leves, tais como papel, madeira, plásticos,
etc. Separação magnética e separação por correntes de Foucault podem ser usados
para remover os metais ferrosos ou não ferrosos (Xing, 2006).

Alguns pesquisadores sugerem o uso de jigues a água (Kohler, 1998; Burke, 1992)
ou jigs a ar (Coelho, 2013 A e B; Mulder, 2007) para a separação densimétrica de
agregados reciclados. Outros métodos complementares são sugeridos, tais como as
espirais (Coelho, 2013 A) ou sensors ópticos (Burke, 1992). Schnellert e Mueller
(2010) consideram jigagem e classificação óptica como tendo um bom desempenho
de classificação. Nenhum destes dispositivos foi profundamente investigado na
literatura para o uso em triagem de C&DW.

Jigagem é um processo de separação, que consiste na expansão e compressão


repetida de um leito de partículas, através da utilização de um meio, geralmente
água ou ar. Os jigues foram e continuam a ser amplamente utilizados,
principalmente, devido aos seus baixos custos de investimento e operacional. Além
disto, eles são robustos, tem uma alta capacidade, são fáceis de operar e
beneficiam relativamente grande distribuição de partículas, o que simplifica os
fluxogramas de processamento mineral.

Na indústria de processamento de minerais, o Critério Concentração, CC, (Taggart,


1945) é largamente utilizado para estimar a facilidade com que os materiais podem
ser separados por métodos gravimétricos e é assim definido:

CC=(δp-δm)/(δl-δm) (1)
XXVI Encontro Nacional de Tratamento de Minérios e Metalurgia Extrativa
Poços de Caldas-MG, 18 a 22 de Outubro 2015

Onde:
δp - Densidade das partícula pesada, em g / cm3;
δm - Densidade do fluido (usado no equipamento, neste caso ar), em g / cm3;
δl - Densidade das partículas leves, em g / cm3.

Quando CC é um número grande (grande diferença de densidade entre partículas),


é fácil de se concentrar (por separação física) as partículas. Se CC é um número
pequeno, isso significa que as partículas pesadas e leves possuem quase a mesma
densidade. Neste caso, considera-se que a separação é difícil ou impossível de ser
realizada.

2. MATERIAL E MÉTODOS

Os testes foram conduzidos em um jigue a ar da firma AllMineral, Modell "AllAir S


500®" (ver figura 1), com tamanho de partículas 4x20 mm.

Foram determinadas para cada material utilizado a densidade de envelope e


esquelética (Webb, 2001).

Os parâmetros de jigagem utilizados nos ensaios foram:

 Frequência de pulsação do jigue, que é medido em pulsações por minuto.


Uma pulsação é uma expansão (dilatação) e uma contracção (compressão)
do leito de partículas; e
 Expansão do leito de partículas. Foi utilizado um percentual da capacidade do
ventilador (motor gera 6.000 Pa).

(a) (b)
Figura 1. a: Jigue a ar AllMineral, modell "AllAir S 500®". b: montagem das câmaras de
jigagem.

O jigue é montado em diferentes câmaras ou gavetas (sem fundo), uma sobre a


outra (Figura 1, b), onde as partículas são estratificadas durante os testes. A
primeira câmara, a mais baixa, foi completamente preenchida com partículas de
concreto. A segunda, com partículas de tijolo, e a terceira com partículas de gesso
(Figura 2-a).

Três tipos de materiais foram utilizados: partículas de concreto (C25/30), partículas


de tijolos, e partículas de gesso a partir de blocos de gesso sólido.
Sampaio, C.H.; Cazacliu, B.G.; Miltzarek, G.L.; Huchet, F.; Le Guen, L.; Petter, C.O.; Paranhos, R.;
Ambrós, W.M.; Liendo, A.; Oliveira, M.L.S.; Raposo, F.L.Q.

Todas elas foram cominuídas a um top size de 20 mm. A Tabela 1 apresenta a


caracterização granulométrica e densimétrica destes materiais.

Tabela 1. Caracterização dos Materiais: Distribuição de tamanhos (a fração menor que 4,75 mm
foi descartada). Densidade esquelética e de envelope dos materiais; A densidade bulk de
partículas secas quando colocadas na gaveta do jigue.
Material Concreto Tijolo Gesso
Fração (mm) Massa (%) Massa (%) Massa (%)
15,9x19,1 3,9 12,6 3,6
9,5x15,9 38,6 43,2 46,4
6,35x9,5 28,8 31,0 38,1
4,75x6,35 28,7 13,2 11,9
Densidade esquelética (g/cm3) 2,67 2,59 2,30
Densidade de envelope (g/cm3) 2,39 2,26 1,86
Dens. Bulk ± desvio padrão (g/cm3) 1,67±0,037 0,84±0,042 0,61±0,046

Amostras com cerca de 39 kg, obtidas a partir de 53% de partículas de concreto,


27% de partículas de tijolo e 20% de partículas de gesso, foram utilizadas em cada
ensaio de jigagem. A amostra de partículas misturadas foi colocada nas câmaras do
jigue (Figura 2-a). A quantidade de cada material (concreto, tijolo ou gesso) foi
escolhida de tal maneira a preencher completamente as câmaras do jigue (Figura 3-
a).

Após os ensaios de jigagem, as câmaras foram removidas separadamente (Figura


2-c), os diferentes tipos de partículas dentro de cada câmara - Inferior, Média e
Superior - foram separadas por cata manual e pesadas. Para cada ensaio de
jigagem, foi determinada a percentagem em peso de concreto, tijolo e gesso dentro
de cada câmara (Inferior, Médio e Superior).

(a) (b) (c)


Figura 2. Leito do jigue. (a) Alimentação, antes da mistura; (b) Alimentação, após a mistura,
antes da separação; (c) Após a jigagem, leito estratificado.

3. RESULTADOS E DISCUSSÃO

A Figura 3 mostra a porcentagem em massa de concreto, tijolo e gesso nas câmaras


Inferior, Média e Superior em função do tempo de jigagem. Pela figura, pode-se
notar que:

 As partículas de concreto preenchem preferencialmente a camada inferior


(cerca de 80-90%), as partículas de tijolo a camada média (40-60%) e as de
gesso a camada Superior (cerca de 60-80%);
XXVI Encontro Nacional de Tratamento de Minérios e Metalurgia Extrativa
Poços de Caldas-MG, 18 a 22 de Outubro 2015

 A baixa quantidade de partículas gesso na camada inferior, bem como a


grande quantidade de partículas de gesso na camada superior proporciona
uma boa visão para uma futura aplicação industrial de jigagem;

 A estratificação ocorre rapidamente, cerca de 30 s.

(a) (b)

(c)
Figura 3. Porcentagem em massa de concreto, tijolo e gesso nas câmaras Inferior (a), Média (b)
e Superior (c) em função do tempo de jigagem.

A Figura 4 mostra a porcentagem em massa de concreto, tijolo e gesso nas


camadas inferiores, médio e superior para três frequências de jigagem: 150 cpm,
160 cpm e 170 cpm. O efeito da frequência jigagem pode ser bem observado na
camada superior (Figura 4-c), onde a proporção de gesso aumenta com altas
frequências, enquanto que concreto e tijolo diminuem.

(a) (b)

(c)
Figura 4. Porcentagem em massa de concreto, tijolo e gesso nas câmaras Inferior (a), Média (b)
e Superior (c) em função da frequência (150, 160 and 170 rpm).
Sampaio, C.H.; Cazacliu, B.G.; Miltzarek, G.L.; Huchet, F.; Le Guen, L.; Petter, C.O.; Paranhos, R.;
Ambrós, W.M.; Liendo, A.; Oliveira, M.L.S.; Raposo, F.L.Q.

A influência da expansão da jigagem foi analisada testando-se três expansões


diferentes, 60%, 70% e 80%, e mantendo-se os outros parâmetros de jigagem
constantes: a mesma composição da mistura como nos testes anteriores, jigagem
por um período de 120 s, de frequência de 160 rpm (Figura 5).

(a) (b)

(c)
Figura 5. Porcentagem em massa de concreto, tijolo e gesso nas câmaras Inferior (a), Média (b)
e Superior (c) em função da expansão (670, 70 e 80 porcento da capacidade do ventilador).

Pode ser observado, pela figura 5, que um aumento no coeficiente de expansão


entre 60% a 70% produz uma melhoria significativa da estratificação. O aumento do
coeficiente de expansão para 80% não produz benefícios na estratificação, devido o
aumento da remistura das partículas.

4. CONCLUSÕES

As principais conclusões do trabalho são apresentadas a seguir:

 Materiais de demolição pode ser tratado como um simples problema de


tratamento de minério, com possibilidades de separação razoáveis;

 Processos de triagem eficientes podem permitir a reutilização de partículas de


concreto, tijolo e gesso;

 É possível a separação de partículas de gesso, de concreto e de tijolos, com


granulometrias de 4 a 20 mm, em jigues a ar, devido à diferença de
densidades bulk dos materiais, bem como da densidade de envelope das
partículas;

 Concentrados com teores de concreto superiores a 90% e teores de gesso


inferiores a 1% foram possíveis de ser alcançados;
XXVI Encontro Nacional de Tratamento de Minérios e Metalurgia Extrativa
Poços de Caldas-MG, 18 a 22 de Outubro 2015

 A redução de gesso nos concentrados de concreto foi de cerca de 25 vezes.


Este nível de redução é adequado na sua utilização como agregados;

 Concentrados com densidades mais baixas apresentam mais de 70% de


partículas de gesso;

 Todos os materiais (concreto, tijolos e gesso) utilizados neste trabalho foram


originados por cominuição de amostras individuais.

Resultados encorajadores foram alcançados neste trabalho, apesar dos problemas


descritos no artigo. Os resultados mostram que a precisão da concentração em
jigues pode ser melhorada, apresentando menores teores de gesso.

5. AGRADECIMENTOS

Os autores agradecem à Fundação Capes e ao Cofecub pelo financiamento obtido.

6. REFERÊNCIAS

Begum, RA, Siwar C., Pereira, JJ, Jaafar, AH, de 2006. A análise de custo-benefício
sobre a viabilidade econômica da minimização dos resíduos de construção: o caso
da Malásia. Recursos, Conservação e Reciclagem, 48 (1), 86-98.

Burke, TT, Cohen, MD, Scholer, CF, 1992. Estudo de síntese sobre Uso de concreto
reciclado a partir de Pavement e entulho na Highway System Indiana, Projeto de
Pesquisa da estrada comum.

Coelho, A., Brito, J., 2013. A análise de viabilidade econômica de uma usina de
reciclagem de resíduos de construção e demolição em Portugal - parte I: localização,
materiais, tecnologia e análise econômica. Journal of Cleaner Production, 39, 338-
352.

Coelho, A., J. Brito 2013 B. Análise Ambiental de Resíduos de Construção e


Demolição Usina de Reciclagem em Portugal - Parte I: consumo de energia e
emissões de CO2. Gestão de Resíduos 33 (5), 1258-1267.

Kohler, G., Kurkowski, H. Optomising o uso de RCA. Construção Sustainabel: O uso


de agregado reciclado de concreto. Anais do Int. Simpósio realizado no Department
of Trade and Industry, Centro de Conferência, Reino Unido, 11-12 novembro de
1998.

Lachimpadi, SK, Pereira, JJ, Taha, MR, Mohktar, M., 2012. Construção minimização
de resíduos comparando métodos em arranha-céus de construção convencional e
pré-moldado (sistema misto e IBS): Um estudo de caso da Malásia. Conservação de
Recursos e Reciclagem, 68, 96-103.
Sampaio, C.H.; Cazacliu, B.G.; Miltzarek, G.L.; Huchet, F.; Le Guen, L.; Petter, C.O.; Paranhos, R.;
Ambrós, W.M.; Liendo, A.; Oliveira, M.L.S.; Raposo, F.L.Q.

Lu, W., Yuan, H., 2012. Off-site triagem de resíduos de construção: O que podemos
aprender a partir de Hong Kong? Recursos, Conservação e Reciclagem, 69, 100-
108.

Mulder, E., Tako, PRJ, Feenstra, L., 2007. Fechado Ciclo de construção: um
processo integrado para a separação e aproveitamento de resíduos C & D. Gestão
de Resíduos, 10, 1408-1415.

Oikonomou, Nik.D. de 2005. Agregados reciclados de betão. Cimento e Concreto


Composites 27, não. 2, 315-18.

Schnellert, T., Mueller, A., 2010. As técnicas de separação para CDW - Melhor
prática. www.abw-recycling.de/de/barcelona.html.

Tomas, J., Gröger, G., 2000. Avaliação de andares múltiplos aeroseparation


turbulento fluxo cruzado de entulho. Dev. Transformação Mineral, 13pp, C7-C34-C7-
C43.

Wang, J., Yuan, H., Kang, X., Lu, W., 2010. Fatores críticos de sucesso para a
triagem no local de resíduos de construção: Estudo China. Recursos, Conservação e
Reciclagem, 54, 931-936.

Webb, PA, 2001. Volume e densidade de partículas Determinações para tecnólogos.


Micromeritics Instrument Corporation, Norcross, Georgia.

Xing, W., Hendriks, CF de 2006. A descontaminação de resíduos granulares por


mineração de técnicas de separação. Journal of Cleaner Production, 14 (8), 748-
753.