Anda di halaman 1dari 8

1. As afirmações que se seguem dizem respeito ao metabolismo das microalgas.

I. A fonte de eletrões para a produção de matéria orgânica é o dióxido de carbono.

II. Os fosfatos são necessários à síntese de nucleótidos.

III. Na fase da fotossíntese diretamente dependente da luz, ocorre fosforilação de ADP.

(A) I é verdadeira; II e III são falsas.

(B) III é verdadeira; I e II são falsas.

(C) I e II são verdadeiras; III é falsa.

(D) II e III são verdadeiras; I é falsa.

2. Ao contrário do que acontece na síntese proteica bacteriana, nos peixes

(A) verifica-se a transcrição do DNA.

(B) ocorre processamento do RNA.

(C) o tRNA liga-se aos aminoácidos.

(D) a tradução ocorre nos ribossomas.

3. As enzimas que intervêm na duplicação do material genético são as

(A) RNA polimerases.

(B) DNA hidrolases.

(C) DNA polimerases.

(D) RNA hidrolases.

Uma das estratégias utilizadas por plantas como as leguminosas na defesa contra os
afídios1 é a síntese de substâncias tóxicas. Estes metabolitos secundários2, quando
hidrossolúveis, são armazenados pelas plantas em vacúolos.
Um exemplo de um metabolito secundário é o aminoácido L-canavanina, que se
acumula sobretudo em sementes e que é estruturalmente semelhante ao aminoácido L-
arginina. Nas plantas, a L-canavanina, contrariamente à L-arginina, não é incorporada nas
proteínas.
Os organismos que consomem as sementes podem incorporar o aminoácido nas suas
proteínas, no lugar da L-arginina, pois a enzima responsável pela ligação do aminoácido ao
RNA de transferência não reconhece a diferença. Alguns insetos, no entanto, desenvolveram
estratégias de defesa, pois conseguem metabolizar eficientemente estas moléculas em seu
benefício ou evitar a sua incorporação nas proteínas.
Baseado em D. Hillis et al., Principles of Life, Sunderland, Sinauer Associates, 2012

Notas:
1 afídios – insetos que se alimentam da seiva das plantas.

2 metabolitos secundários – metabolitos que não são necessários para processos celulares essenciais.
4. Os tRNA que transportam a L-canavanina e a L-arginina têm

(A) os mesmos anticodões.

(B) diferentes tipos de estruturas.

(C) os mesmos codões.

(D) diferentes tipos de nucleótidos.

5. Durante a transcrição da informação genética ocorre

(A) a intervenção da RNA polimerase.

(B) a formação de péptidos simples.

(C) a intervenção dos ribossomas.

(D) a adição de nucleótidos de timina.

6. Refira a etapa da síntese proteica em que poderá ocorrer a incorporação da L-canavanina.

____________________________________________________________________________

7. A incorporação da L-canavanina em polipéptidos pelos insetos originará

(A) proteínas que não podem incluir L-arginina.

(B) proteínas com uma estrutura modificada.

(C) proteínas com um maior número de aminoácidos.

(D) proteínas idênticas às proteínas com L-arginina.

8. Bactérias cultivadas durante várias gerações num meio de cultura contendo o isótopo do
nitrogénio 15N foram transferidas para um meio contendo o isótopo 14N. Ao fim de duas
gerações neste meio, o DNA bacteriano será constituído por

(A) 25% de moléculas de DNA híbridas.

(B) 50% de moléculas só com o isótopo 14N.

(C) 100% de moléculas só com o isótopo 14N.

(D) 75% de moléculas de DNA híbridas.

9. A presença de auxinas no citoplasma das células vegetais ativa a expressão do gene que
codifica a proteína membranar H+–ATPase, desencadeando, primeiro, a

(A) tradução de intrões do RNA mensageiro.

(B) transcrição dos nucleótidos do gene para a H+–ATPase.

(C) remoção dos exões do gene para a H+–ATPase.

(D) migração do RNA mensageiro para o citoplasma.


10. Faça corresponder cada uma das descrições de moléculas que intervêm na síntese de
toxinas proteicas expressas na coluna A à respetiva designação, que consta na coluna B.

11. Ordene as expressões identificadas pelas letras de A a E, de modo a reconstituir a


sequência de acontecimentos que conduzem à síntese de AQP-2 e à sua posterior inserção na
membrana plasmática.

A. Síntese de proteínas nos ribossomas associados ao retículo endoplasmático.

B. Fusão de vesículas golgianas com a membrana citoplasmática.

C. Síntese de uma molécula de RNA pré-mensageiro.

D. Modificações pós-traducionais ao nível do complexo de Golgi.

E. Migração de uma molécula de RNA mensageiro para o citoplasma.

12. A biossíntese dos lípidos ocorre em vias _______, com _______ de ATP.

(A) catabólicas … produção

(B) anabólicas … produção

(C) catabólicas … consumo

(D) anabólicas … consumo (exame BG – 2014 – 2ª fase)

13. Faça corresponder cada uma das descrições expressas na coluna A à respetiva designação,
que consta da coluna B. Escreva, na folha de respostas, apenas as letras e os números
correspondentes. Utilize cada letra e cada número apenas uma vez. (exame BG – 2014 - 2ª fase )
Em 2012, um grupo de cientistas conseguiu produzir um par de bases nucleotídicas
sintéticas, complementares entre si, diferentes das que se encontram na natureza. Em 2014, os
mesmos cientistas adicionaram estas bases a um meio de cultura. Este meio de cultura foi
inoculado com uma estirpe da bactéria E. coli, que expressa um transportador membranar capaz
de incorporar estas bases nas células bacterianas.
Uma vez dentro da célula, as bases teriam de ser reconhecidas e aceites pelas enzimas
que copiam o DNA e pelas enzimas envolvidas na transcrição dos genes. Os cientistas
comprovaram que as bactérias se multiplicaram, sintetizaram cópias de DNA artificial com seis
tipos de bases e, em 99,4% dos casos, transmitiram o novo par de bases à descendência.
Para que as bactérias identifiquem este novo código, os cientistas têm ainda de
modificar os mecanismos de tradução, garantindo o reconhecimento das bases artificiais
introduzidas nos ácidos nucleicos e a incorporação de aminoácidos sintéticos específicos nas
proteínas, tornando, deste modo, possível a produção de proteínas inexistentes na natureza.
Baseado em E. Abdoun, «Code de la Vie», Science & Vie, 1163, agosto de 2014

14. Os novos nucleótidos manterão a configuração em dupla hélice do DNA se tiverem

(A) bases nitrogenadas que se unam por ligações de hidrogénio.

(B) moléculas de desoxirribose que se liguem entre si.

(C) grupos fosfato unidos por ligações de hidrogénio.

(D) bases nitrogenadas ligadas a grupos fosfato. (exame BG – 2015 – 1ª fase – Grupo)

15. A incorporação de novas bases em E. coli conduziu à

(A) alteração dos mecanismos de tradução.

(B) formação de novos aminoácidos.

(C) alteração da expressão dos genes.

(D) formação de novas moléculas de DNA. (exame BG – 2015 – 1ª fase – Grupo IV)

Nos eucariontes, o DNA genómico forma um complexo com proteínas nucleares – a


cromatina. Para que um gene seja transcrito, a cromatina deve sofrer uma reorganização.
Uma perturbação, ainda que transitória, pode repercutir-se no estado da cromatina,
influenciando a expressão dos genes e, consequentemente, as características das células.
Trabalhos recentes revelaram que a manipulação do metabolismo pode influenciar o
decurso da diferenciação celular.
Observou-se em ratos de laboratório que o regime alimentar do progenitor modifica o
metabolismo dos lípidos, nomeadamente do colesterol, da sua descendência. A análise
molecular revelou que as mudanças metabólicas eram acompanhadas de modificações da
cromatina nas regiões genómicas onde estão localizados os genes reguladores da biossíntese
dos lípidos. Estas observações apoiam a ideia de que o regime alimentar influencia o estado da
cromatina e a expressão dos genes transmissíveis às gerações seguintes.
Baseado em A. Páldi, «Épigénétique et métabolisme», Dossier pour la Science, 81, outubro, 2013
16. Nos eucariontes, durante a transcrição, verifica-se

(A) a descodificação da informação genética nos ribossomas.

(B) a ligação entre bases complementares do mRNA e do rRNA.

(C) a transferência da informação genética para o pré-mRNA.

(D) a formação de moléculas de rRNA ao nível do citoplasma. (exame BG – 2014 – 2ª fase – Grupo IV)

A renovação dos antibióticos


Descobriu-se recentemente que bactérias e fungos podem sintetizar antibióticos de
natureza peptídica com forte proporção de aminoácidos não convencionais que os ribossomas
são incapazes de incorporar nas proteínas.
A descoberta deste mecanismo ocorreu quando cientistas que trabalhavam na
biossíntese de um antibiótico, a gramicidina S, observaram que os extratos celulares da
bactéria que produz este antibiótico continuam a sintetizá-lo mesmo que se adicione uma
enzima que destrói o RNA ou uma substância que impede a síntese proteica ao nível dos
ribossomas. Descobriram que na síntese destes antibióticos estavam envolvidas enzimas de
grandes dimensões, que designaram por sintetases de péptidos não ribossomais (NRPS).
No cromossoma bacteriano, são vários os genes que estão implicados na codificação
de uma NRPS. Esta enzima é composta por vários módulos (em geral, uma dezena) ligados uns
aos outros. Cada módulo é responsável pela incorporação específica de um dado aminoácido
na cadeia polipeptídica em crescimento. Uma NRPS só catalisa a síntese de uma molécula bem
definida, sendo a sucessão dos diferentes módulos o que determina a composição do produto,
como se evidencia na Figura 2.
Em 1995, conseguiu-se trocar a ordem das sequências de DNA que codificam módulos
inteiros de uma NRPS. Esta manipulação conduziu à síntese de uma nova enzima, que produziu
péptidos inéditos. Também já foi possível transferir genes responsáveis pela síntese de NRPS
da bactéria Streptomyces lasaliensis para a bactéria Escherichia coli. Esta última bactéria é a
mais conhecida, a que se sabe manipular melhor e a que se utiliza para produzir moléculas em
quantidades industriais. Em 2002, quando pela primeira vez foi sequenciado o genoma de uma
bactéria produtora de antibióticos, Streptomyces coelicor, descobriram-se vários genes
correspondentes a NRPS, mas que não se exprimiam, isto é, fontes potenciais de NRPS
responsáveis pela síntese de novos péptidos. Surge assim o desafio de tentar obter novas
NRPS e de selecionar, do ponto de vista farmacológico, as mais interessantes.
18. A descoberta da atividade das NRPS foi possível quando se adicionaram aos extratos
celulares das bactérias substâncias que impediram

(A) a tradução.

(B) a transcrição.

(C) a replicação.

(D) o processamento. (exame BG – 2012 – 2ª fase – Grupo IV)

19. O aumento das doenças infeciosas resistentes aos antibióticos, como a tuberculose
multirresistente, tem vindo a preocupar a comunidade científica internacional, que aposta cada
vez mais em investigação biomédica. Explique de que modo a sequenciação do genoma de S.
coelicor e a utilização de E. coli podem contribuir para a produção de novos antibióticos.
(exame BG – 2012 – 2ª fase – Grupo II)

A resposta deve apresentar os seguintes tópicos:

•  referência à descoberta de genes correspondentes a NRPS que não se exprimem;


• referência à necessidade de fazer exprimir os genes correspondentes a novas NRPS;
•  referência à transferência desses genes para uma bactéria de fácil manipulação genética
(E. coli), para obter novos antibióticos.

20. Faça corresponder cada um dos polímeros existentes em fungos, expressos na coluna A, à
respetiva designação, que consta da coluna B. Escreva, na folha de respostas, as letras e os
números correspondentes. Utilize cada letra e cada número apenas uma vez.

21. Suponha que um determinado dinoflagelado tem, na constituição do seu DNA, 14% de
nucleótidos de adenina. Determine as percentagens relativas dos restantes nucleótidos de
DNA. Na resposta, deve explicitar o seu raciocínio, fazendo referência à estrutura do DNA

•  relação entre as duas cadeias de nucleótidos que constituem a molécula de DNA e o


emparelhamento das bases azotadas complementares (A-T; C-G);
•  explicitação do raciocínio que possibilita a determinação da presença de 14% de timina,
36% de citosina e 36% de guanina. (Teste intermédio BG – 2014 – Grupo III)
Moléculas de RNA com um pequeno número de nucleótidos podem vir a ser utilizadas
como fármacos, capazes de revolucionar o tratamento de algumas doenças humanas.
As funções dessas moléculas de RNA, normalmente na forma de cadeia dupla (dsRNA),
foram descobertas na década de 90, graças à identificação dos mecanismos de interferência
do RNA, que reduzem a tradução de RNA mensageiros de genes-alvo.
Um desses tipos de pequenos RNA é denominado micro-RNA (miRNA). Os genes que
codificam estes miRNA são transcritos em sequências denominadas miRNA primários (pri-
miRNA), que contêm regiões que se autocomplementam, dando origem a moléculas de cadeia
dupla com extremidades em forma de laço. Por ação de um complexo enzimático nuclear,
estas moléculas são processadas, formando-se os pré-microRNA (pré-miRNA) de cadeia dupla,
com um número reduzido de nucleótidos. As moléculas de pré-miRNA são exportadas para o
citoplasma, associam-se ao complexo RISC e são novamente processadas, formando-se o
miRNA maduro de cadeia simples.
O miRNA maduro direciona o complexo RISC para RNA mensageiros (mRNA) que
contêm uma sequência complementar ao miRNA maduro. Quando se dá a complementaridade
entre as duas moléculas de RNA, o RISC corta o mRNA ou retém-no no complexo. Qualquer
destas ações resulta na inibição da tradução dos mRNA-alvo, silenciando o respetivo gene. A
retenção no complexo, sem quebra do mRNA, resulta de uma complementaridade imperfeita.
Assim, é possível que um mesmo miRNA tenha como alvo mRNA de diferentes genes. A Figura
2 apresenta o esquema simplificado da biogénese e do funcionamento do miRNA.

Baseado em Capitão, C. F. S., «The feedback regulation of miRNA biogenesis in response to water deficit in Medicago truncatula», FCUL, 2009

22. Um determinado miRNA poderá

(A) inibir a exportação de exões.

(B) regular vários genes num organismo.

(C) impedir o processamento do mRNA.

(D) provocar a separação de desoxirribonucleótidos. (Teste intermédio BG – 2013 – Grupo II)


23. A cadeia de miRNA que silenciará a sequência de DNA 5’ ATTCGG 3’ de um determinado
gene-alvo deverá ter uma sequência

(A) 5’ AUUCGG 3’.

(B) 5’ UAAGCC 3’.

(C) 3’ UAAGCC 5’. Opção (B)

(D) 3’ AUUCGG 5’.

24. Ordene as letras de A a E, de modo a reconstituir a sequência cronológica dos


acontecimentos que ocorrem durante o silenciamento de um gene através de um mecanismo
mediado por um miRNA. Escreva, na folha de respostas, apenas a sequência de letras.

A. Bloqueio da tradução do mRNA-alvo.

B. Transcrição de nucleótidos.

C. Processamento enzimático no citoplasma.

D. Formação de um pré-miRNA.

E. Formação de uma molécula com extremidades em forma de laço.

B, E, D, C, A

25. O desenvolvimento da tecnologia de silenciamento de genes associada ao RNA permite que


pequenas moléculas de dsRNA, denominadas siRNA, possam ser introduzidas em células.
Atualmente, várias empresas de biotecnologia podem produzir moléculas de siRNA para
qualquer gene humano que o investigador pretenda silenciar. Explique como procederia para
tratar, com recurso a moléculas de siRNA, uma doença celular cuja manifestação dependesse
da produção de um determinado péptido.

Na resposta, são apresentados os seguintes tópicos:

• referência à produção de um siRNA correspondente ao gene causador da doença;

• relação entre a introdução do siRNA nas células e o silenciamento do gene-alvo;

•  relação entre o silenciamento do gene-alvo e a inibição da síntese do péptido por ele


codificado.