Anda di halaman 1dari 12

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO

DEPARTAMENTO DE AGROTECNOLOGIA E CIÊNCIAS SOCIAIS


ENGENHARIA QUÍMICA

LISTA 01
Disciplina: Instrumentação e Controle
Professor: Rafael Barbosa Rios

Aluno: ________________________________________________________________

1. Uma coluna de destilação (Figura 1) é utilizada para destilar uma mistura binária. Os
símbolos x, y, e z representam a fração molar do componente mais volátil, enquanto
que B, D, R e F representam as taxas de fluxo molar. Deseja-se controlar a composição
do destilado y, apesar dos distúrbios no fluxo de alimentação, F. Todas as taxas de fluxo
podem ser medidas e manipuladas, com exceção de F, que só pode ser medida. Um
analisador de composição permite medir y.

Figura 1 – Coluna de destilação.

(a) Proponha um método de controle feedback (a variável controlada é medida e essa


medida é usada para alterar a variável manipulada), informe quem são as variáveis
controlada, manipulada e perturbação e esboce o diagrama esquemático.
(b) Sugira um método de controle feedforward (a variável perturbação é medida e essa
medida é usada para alterar a variável manipulada), informe quem são as variáveis
controlada, manipulada e perturbação e esboce o diagrama esquemático.

2. Um sistema de controle feedback é apresentado abaixo (Figura 2), onde o mesmo é


aplicado ao problema de controle da temperatura do óleo que sai ́ de uma fornalha. A
temperatura de saída do óleo é a variável controlada desse sistema. Admita que o
controle realize um trabalho satisfatório de regulação da temperatura do óleo quente a
despeito dos distúrbios na taxa de fluxo de óleo ou na temperatura do óleo frio.

Entretanto, se ocorrer um distúrbio na pressão de combustível de abastecimento de gás,


o fluxo de gás vai mudar, o que perturba a operação do forno e altera temperatura do
óleo quente. Só depois de alterada a temperatura de saída do óleo quente, o
controlador de temperatura (TC) começa a tomar medidas corretivas ajustando o fluxo
de gás combustível. Desta forma, o controle feedback pode resultar em respostas muito
lentas a mudanças na pressão de combustível de abastecimento de gás. Proponha uma
alteração na estratégia de controle para ajudar a contornar esse problema. A empresa
tem orçado dinheiro suficiente para comprar até um transmissor-sensor a mais e um
controlador a mais.

Figura 2 – Sistema de aquecimento de óleo.

3. Dois tanques são usados para amortecer as flutuações de pressão causadas por
operações irregulares de um compressor de ar de grande porte (Figura 3).

Figura 3 – Sistema forno mais compressor de ar.

(a) Se a pressão de descarga do compressor é Pd (t) e a pressão de trabalho do forno


é Pf (constante), desenvolva um modelo dinâmico considerando as pressões nos
tanques e os fluxos de massa (wa, wb e wc). Pode-se admitir que as resistências
das válvulas são constantes, que a característica do fluxo nas válvulas é linear,
exemplo, wb = P1-P2/Rb, que os processos operam isotermicamente e que o gás
segue a lei dos gases ideais.
(b) Monte um esquema de instrumentação e controle (válvulas, transmissores-
sensores e controladores) para contornar o problema em questão de forma a ser
possível eliminar os tanques.
4. Um tanque de armazenamento de líquido (Figura 4) apresenta dois fluxos de entrada
com taxas de fluxo mássico w1 e w2 e um fluxo de saída com taxa w3. O tanque cilíndrico
tem uma altura de 2,5 m e 2 m de diâmetro. O líquido tem densidade de 700 kg/m3. O
procedimento de operação normal enche o tanque até uma altura de 1,8 m usando
taxas de fluxo constantes: w1= 120 kg/min, w2= 100 kg/min e w3= 210 kg/min.

Figura 4 – Tanque de armazenamento.

Num determinado momento, a taxa de fluxo de entrada é ajustada para manter o nível
do tanque constante. Porém, em um dia qualquer, a corrosão no tanque abriu um
buraco na parede a uma altura de 1 m, o que acarretou em um vazamento a uma taxa
volumétrica q4 (m3/min) que pode ser aproximado por:

q4  0,025 h 1 , onde h é a altura em metros.

(a) Se o tanque estava inicialmente vazio, quanto tempo foi necessário para o nível do
tanque alcançar o ponto de corrosão?
(b) Se as taxas de fluxo w1 e w2 e w3 forem mantidas constantes, o tanque eventualmente
terá seu líquido transbordado? Considere ainda a presença do furo no tanque.
(c) Monte um sistema de instrumentação e controle para evitar possíveis problemas
caso ocorra perturbações nas vazões de entrada.

5. Um sistema de aquecimento, instalado em um tanque de agitação, é utilizado para


aquecer um fluido de entrada (Figura 5). A taxa de aquecimento dessa serpentina (Q)
varia.

Figura 5 – Sistema de aquecimento de um tanque agitado.


(a) Desenvolva um modelo matemático (equações diferenciais) que descreva a
temperatura de saída considerando que as perdas de calor para o ambiente ocorrem e
que a temperatura ambiente (Ta) e a temperatura do fluxo de entrada (Ti) podem variar.
Considere que ρ, Cp e U (coeficiente de transferência de calor global) são constantes,
que Ti>Ta (temperatura de entrada é maior que a temperatura ambiente) e que As é a
área de superfície que perde calor para o ambiente.
(b) Discuta qualitativamente o que você espera que aconteça com o perfil de
temperatura de saída quando Ti aumenta e diminui e quando w aumenta e diminui.
Justificar a partir do modelo.
(c) Encontre uma função algébrica que descreva a variável controlada em função das
variáveis distúrbios.

6. Usando expansão das frações parciais, encontre x(t) para:


( s  2)( s  3)
(a) X ( s) 
( s  4)( s  5)( s  6)

s 1
(b) X ( s)  e0,5 s
s( s  2)( s  3)

2
(c) X ( s ) 
s  4s  8
2

7. Um procedimento de start-up para um reator batelada inclui uma etapa de


aquecimento na qual a temperatura do reator é gradualmente aumentada até a
temperatura de operação (75 oC). O perfil de temperatura T(t) é mostrado na Figura 6.
Qual o valor de T(s)?

Figura 6 – Perfil de temperatura de aquecimento de um reator batelada.

8. A partir da equação diferencial-integral abaixo, encontre:


d 2x dx t
2
 3  2 x  2 et dt
dt dt 0

(a) x(t)
(b) x(t) para t ∞

9. Obtenha a transformada de Laplace da seguinte função, onde u(t) = função degrau


unitário:

y (t )  u (t  3) 1  e  (t 3)/4 

10. (REFAP/PROCESSAMENTO – 2007)

A função de transferência que representa a malha interna da figura acima é:


GC1GC 2 G2GC 2 G2GC 2
(a) (b) (c)
1  GC1GC 2 H 2 1  G2GC 2 H 2 1  G2GC 2G1
G1GC1 G1GC 2
(d) (e)
1  G1GC1 H 2 1  G1GC 2 H 2

11. (PETROBRAS/PROCESSAMENTO – 2010)


1 2
G1 ( s )  e G2 ( s )  foram conectados conforme mostrado abaixo.
s 1 5s  1

A função de transferência G(s) = Y(s)/U(s), representada no diagrama de blocos acima,


apresenta polinômios em s, no numerador e no denominador, de ordens,
respectivamente:
(a) 0 e 1 (b) 0 e 2 (c) 1 e 1 (d) 1 e 2 (e) 2 e 2

12. (TERMOAÇU/PROCESSAMENTO – 2008) Analise o diagrama de bloco a seguir:


A função de transferência F/V1 é representada por:
G
(a) , onde G  GC G1G2G3 H1H 2
1 G
G2G3
(b) , onde G  GC G1G2G3 H1H 2
1 G
G2G3
(c) , onde G  GC G1G2G3 H1H 2
1 G
G2G3
(d) , onde G  GC G1G2G3
1 G
G2G3
(e) , onde G  GC G1G2G3
1 G

13. (PETROBRAS/PROCESSAMENTO – 2012)

O diagrama de bloco, descrito na figura, mostra uma malha de controle fechada de um


determinado processo. São vistos agentes descritos como R, Q, P e N, que são fornecidos
ou recebidos pelo controle e pelo processo.
Os agentes R, Q, P e N são, respectivamente,
(a) correção, set-point, variável manipulada e ação
(b) ação, variável manipulada, resultado e set-point
(c) distúrbio, variável manipulada, resultado e medição
(d) distúrbio, variável manipulada, correção e set-point
(e) set-point, correção, variável manipulada e ação

14. (PETROBRAS/PROCESSAMENTO – 2006) Observe a representação gráfica abaixo.


Assina a opção que descreve a transformada da função mostrada.

A A A
(a) X ( s )  (b) X ( s )  A (c) X ( s )  (d) X ( s )  (e) X ( s)  1
s  2
2
 s 1 s

15. (PETROBRAS/PROCESSAMENTO – 2010) A Figura a seguir representa, em diagrama


de blocos, um sistema com 3 funções de transferência G1(s), G2(s) e G3(s).

A função de transferência global entre Y(s) e X(s) é dada por:


(a) G1(s) - G2(s) + G3(s)
(b) [G1(s)-G2(s)]/G3(s)
(c) [G1(s)-G2(s)]G3(s)
(d) G1(s)G3(s)/[1 - G2(s)G3(s)]
(e) G1(s)G3(s)/[1 + G2(s)G3(s)]

16. (PETROBRAS/PROCESSAMENTO – 2012) O quadro abaixo mostra como são os


modos de correção dos diversos tipos de controle. Em cada coluna, observa-se como a
ação de cada tipo de controle pode atuar.
Os modos K, L, M e N, são, respectivamente:
(a) rampa, pulso, degrau e senoidal
(b) rampa, senoidal, degrau e pulso
(c) degrau, pulso, rampa e senoidal
(d) degrau, senoidal, rampa e pulso
(e) degrau, rampa, pulso e senoidal

17. (TRANSPETRO/PROCESSAMENTO – 2012) Um sistema é formado por dois tanques


agitados, tanque 1 e tanque 2, com fornecimento de aquecimento ao tanque 1 com taxa
Q. Um líquido entra no sistema a uma temperatura T e sai dos tanques com
temperaturas T1 e T2, respectivamente. O comportamento térmico desse sistema pode
ser representado na forma do diagrama de blocos apresentado abaixo.

(a) T2(s) = Gp(s).T(s) + GM(s).Q(s), sendo T a variável de perturbação e T2 a variável


manipulada.
(b) T2(s) = Gp(s).T(s) x GM(s).Q(s), sendo Q a variável manipulada e T a variável de
perturbação.
(c) T2(s) = Gp(s).T(s) + GM(s).Q(s), sendo Q a variável manipulada e T a variável
perturbação.
(d) T2(s) = Gp(s).Q(s) + GM(s).T(s), sendo Q a variável perturbação e T a variável
manipulada.
(e) T2(s) = Gp(s).Q(s) x GM(s).T(s), sendo Q a variável perturbação e T a variável
manipulada.

18. (TERMOAÇU/PROCESSAMENTO – 2008) Em um reator, é retirada continuamente


uma porção do líquido do seu interior a uma taxa de 1000 mL.min-1 através de uma linha
de amostragem que contém um elemento de medida de concentração situado distante
do reator. A linha de amostragem tem um comprimento de 5 m e uma área de seção
reta de 0,5 cm2. Essa linha de amostragem é considerada, em um sistema de controle,
como um retardo por transporte, sendo representada pela função de transferência:
(a) e-0,25s
(b) e-0,15s
(c) e-0,05s
(d) e-0,5s
(e) e-s

19. (PETROQUÍMICA SUAPE/PROCESSAMENTO – 2011)


Se um sistema de primeira ordem representado pelo diagrama de blocos acima, sofre
uma perturbação degrau de 2 unidades em X, a resposta, no domínio do tempo de Y, é:
(a) 2(1 – e-t/2) (c) 4(1 – e-t) (e) (1 – e-t)/4
(b) 2(1 – e-t) (d) 4(1 – e-t/2)

20. (PETROBRAS/PROCESSAMENTO – 2010) Um reator qui ́mico conti ́nuo, de mistura


perfeita, estava operando em regime estacionário. As temperaturas das correntes de
entrada e de sai ́da eram 295 K e 320 K, respectivamente. Em um dado tempo t = 0, a
temperatura da corrente de entrada aumentou para 300 K. Em resposta a esse degrau,
a temperatura da corrente de sai ́da também aumentou, estacionando, depois de um
tempo suficientemente longo, em 330 K.
Um modelo de função de transferência, relacionando a temperatura de sai ́da à
temperatura de entrada, em variáveis-desvio, exibe um ganho de processo
(adimensional) dado por:
(a) 33/30
(b) 1/3
(c) 1
(d) 2
(e) 66

21. (PETROBRAS/TÉCNICO DE OPERAÇÃO – 2012)

Nos processos industriais, para melhorar a eficiência e o controle, faz-se uso de


instrumentação industrial. Na figura acima, há uma malha de controle de um tanque
industrial. Analisando a figura, verifica-se que a(o):
(a) malha de controle é fechada
(b) TCV é uma válvula de controle autoatuada, com sinal de entrada elétrico.
(c) TCV envia os dados de processo para a TIC através de sinal pneumático.
(d) TIC controla a TCV, utilizando sinal elétrico.
(e) TIC é um controlador indicador de temperatura, com entrada de sinal pneumático.
22. (TRANSPETRO/ENG. JR. DE AUTOMAÇÃO – 2011) Um sinal v(t) é expresso, no
domínio de Laplace, por:
180(s 2 + 5s + 4)
V(s) = 3
(s + 9s 2 + 20s)(s + 3)

No domi ́nio do tempo, quando t tende para infinito, o sinal v(t) tende para um valor
estacionário, constante e igual a:
(a) 240
(b) 180
(c) 60
(d) 12
(e) 9

23. (PETROBRAS/TÉCNICO DE OPERAÇÃO – 2014) Abaixo encontra-se representada uma


malha de controle de pressão e temperatura de um reator industrial.

Nessa malha de controle,


(a) todos os equipamentos encontram-se montados em campo, sendo os sinais da malha
de controle de temperatura elétricos, e da malha de controle de pressão, pneumáticos.
(b) todos os equipamentos da malha de controle de tem- peratura encontram-se
montados na sala de controle, sendo que o transmissor dessa malha recebe e envia
sinais elétricos.
(c) o transmissor de pressão encontra-se montado em campo, convertendo um sinal
pneumático em um sinal elétrico.
(d) o controlador de pressão encontra-se montado em campo, recebendo e emitindo
sinais elétricos.
(e) as válvulas e os sensores encontram-se montados em campo, sendo que as válvulas
atuam segundo sinais elétricos.

24. (FIOCRUZ/ENGENHARIA ELÉTRICA – 2010) Analise o diagrama de blocos a seguir,


no qual, G1, G2, G3, H1 e H2 são funções de transferência.
Considerando a entrada (U(s)) e a saída (Y(s)), a função de transferência resultante
equivalente a estrutura dos blocos da figura é:
(a) G2G1
1+ G3G2 H 2
G3G2
(b)
1+ G2G1 H 1

(c) G3G2G1
1- G3G1 H1 H 2

(d) G3G2G1
1- G3G2 H 2 + G2G1 H 1

(e) G3G2G1
1+ G3G2 H 2 - G2G1 H 1

25. (FCC/ENGENHARIA ELÉTRICA – 2010) A resposta à entrada degrau de um sistema de


primeira ordem é dada por:
K K
vc (t) = - e-bt
b b

K e b são constantes e t ≥ 0. A transformada de Laplace dessa resposta é:


K.s K.s
(a) Vc (s) = -
b b + s2

K.s K.s
(b) Vc (s) = -
b b.(s + b)

K K
(c) Vc (s) = -
b b.s

K K
(d) Vc (s) = - 2
b.s b.s

K K
(e) Vc (s) = -
b.s b.(s + b)
26. Considere o tanque de mistura abaixo (Figura 7). As vazões mássicas w1 e w2 são
constantes, assim como  e V. As composições x1, x2 e x são composições do
componente A. A composição de A na corrente 1 varia com o tempo, já x 2 é constante.
As condições nominais de estado estacionário inicial são: w1 = 600 kg/min, w2 = 2 kg/min,
x1 = 0,05, x2 = 1 (puro),  = 900 kg/m3 e V = 2 m3.

Figura 7 – Tanque de mistura.

(a) Calcule a concentração de saída nominal, x.


(b) Escreva a função de transferência em termos de variáveis desvio desse sistema de
primeira ordem.
(c) Determine o valor de K (ganho do estado estacionário) e de  (constante de tempo)
e suas respectivas unidades.
(d) Encontre uma expressão para a resposta x(t) para uma mudança imprevista e súbita
em x1 de 0,05 para 0,075, que ocorre na forma de um degrau.
(e) Se x2 variar (for função do tempo), apresente o diagrama de blocos para esse
processo incluindo as funções de transferência de cada bloco.