Anda di halaman 1dari 219

Nelson Ferreira Filho

(organizador)

Tópicos em Ergonomia e
Segurança do Trabalho
Volume 1

1ª Edição

Belo Horizonte

Poisson

2017
Editor Chefe: Dr. Darly Fernando Andrade

Conselho Editorial

Dr. Antônio Artur de Souza – Universidade Federal de Minas Gerais


Dra. Cacilda Nacur Lorentz – Universidade do Estado de Minas Gerais
Dr. José Eduardo Ferreira Lopes – Universidade Federal de Uberlândia
Dr. Otaviano Francisco Neves – Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais
Dr. Luiz Cláudio de Lima – Universidade FUMEC
Dr. Nelson Ferreira Filho – Faculdades Kennedy

Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP)


T674
Tópicos em Ergonomia e Segurança no Trabalho
volume 1/Organizador Nelson Ferreira Filho –
Belo Horizonte (MG: Poisson, 2017)
219 p.

Formato: PDF
ISBN: 978-85-93729-24-9
DOI: 10.5935/978-85-93729-24-9.2018B001

Modo de acesso: World Wide Web


Inclui bibliografia

1. Ergonomia. 2. Segurança do Trabalho


3.Administração da Produção. 4. Engenharia da
Produção I. Ferreira Filho, Nelson II. Título

CDD-658.8

O conteúdo dos artigos e seus dados em sua forma, correção e confiabilidade


são de responsabilidade exclusiva dos seus respectivos autores.

www.poisson.com.br

contato@poisson.com.br
Apresentação
As marcas do desenvolvimento econômico, das inovações tecnológicas somadas às novas
exigências do mercado, a partir da década de 90 do século passado, trouxeram muitas opções, as
quais incidiram sobre as exigências de transformações nas formas e no comportamento dos gestores
atuarem nas organizações, quer sejam elas privadas ou públicas.
Hoje, a realidade deste cenário é de exigências práticas e rápidas nas resoluções de
problemas que estão interconectados com a economia, modernidades tecnológicas, mercado e nas
relações do comportamento com o mundo do trabalho.
A otimização dos processos e o aumento da produtividade são preocupações constantes nas
organizações, requerendo cada vez mais a aplicação de ferramentas e métodos que permitam atingir
níveis mais elevados de desempenho nesses aspectos. Em paralelo a isso, é crescente a
preocupação das empresas e dos pesquisadores com os efeitos do trabalho na saúde, satisfação e
segurança dos operadores.
Essas ações de mudanças de ordem tecnológica conduzem suas aplicações às relações de
complexidade do trabalho, as quais tendem a aumentar, tornando indispensável para os gestores das
organizações e pesquisadores repensarem novos estilos dos processos de trabalho. Assim, compete
aos gestores das organizações e pesquisadores refletirem sobre as formas de processos de trabalho
quando do desenvolvimento de projetos, onde a cada dia são agregadas novas definições de
informações e de controle, repercutindo, diretamente nos trabalhadores e nas suas ações tanto físicas,
organizacionais como cognitivas na atividade real de trabalho.
A Ergonomia e Segurança do Trabalho busca a compreensão desses fatores através da
utilização de ferramentas adequadas para identificar problemas em situações de trabalhos e
implementar melhorias.
Pesquisas em Ergonomia e Segurança do Trabalho tem se ampliado de forma volumosa,
desde seu início, nos primórdios da Revolução Industrial. Este crescimento é notório de verificação
tanto pelo aumento no número de programas de pós graduação stricto e lato sensu, quanto pelo
elevado número de eventos e congressos que apresentam trabalhos relacionados ao tema.
O livro Tópicos em Ergonomia e Segurança no Trabalho, em seu primeiro volume, aborda
investigações dos pesquisadores da área, procedente das diversas regiões do Brasil. O livro é
dividido em vinte capítulos, nos quais são comtemplados as três grandes áreas da Ergonomia, a
saber: Ergonomia Física, Ergonomia cognitiva e Ergonomia organizacional, juntamente com as
reflexões sobre Segurança do Trabalho.
Isto posto, os capítulos do livro são compostos por temas que abrangem pesquisas, tais como:
na Ergonomia física, onde análises apontam às características da anatomia humana, antropometria,
fisiologia e biomecânica em sua relação a atividade física, além de assuntos relevantes que incluem o
estudo da postura no trabalho, manuseio de materiais, movimentos repetitivos, distúrbios músculo-
esqueletais relacionados ao trabalho, projeto de posto de trabalho, segurança e saúde.
Há capítulos de afirmações de análises da Ergonomia cognitiva: na qual se refere aos
processos mentais, como percepção, memória, raciocínio e resposta motora conforme afetem as
interações entre seres humanos e outros elementos de um sistema, acrescido de estudo da carga
mental de trabalho e tomada de decisão.
Existem também capítulos que comtemplam a Ergonomia organizacional: onde são
compartilhados estudos de pesquisas referentes à otimização dos sistemas sóciotécnicos, incluindo
suas estruturas organizacionais, políticas e de processos, bem como, projeto de trabalho, organização
temporal do trabalho, trabalho em grupo, projeto participativo, novos paradigmas do trabalho, trabalho
cooperativo, cultura organizacional e gestão da qualidade.
Por fim, espero que os conteúdos apresentados sejam inspiradores para continuidade e
futuras análises de produções científicas na área ergonômica e, que possam ser aplicados em
organizações privadas, públicas e de prestações de serviços, bem como nos cursos de graduação e
pós-graduação.
Os temas apresentados falam por si sobre sua relevância. Desejo, portanto, que a leitura seja
proveitosa e que os conceitos aqui abordados, por alunos de graduação, graduados, mestres,
mestrandos, doutores, doutorados, bem como pós-doutores e renomados pesquisadores, possam
servir de base e repercutir de modo positivo em futuras pesquisas da área.

Nelson Ferreira Filho


Capítulo 1: MTM e ergonomia na análise do trabalho de um operador de soldagem
7
de placas eletrônicas de uma empresa de comunicação digital de Florianópolis-SC .............................
(Alexandre Tsuyoshi Kobayashi , Wellington Renan Holler, Lizandra Garcia Lupi Vergara, Mirna
de Borba)

Capítulo 2: Produtividade e avaliação de desempenho do trabalho a partir da


perspectiva da análise da atividade. Um estudo de caso no setor de
suprimentos de uma grande empresa ...........................................................................................
17
(Juliana Giglio de Andrade, Thales da Silveira Paradela , Francisco José de Castro Moura
Duarte)

Capítulo 3: Avaliação de postura corporal em uma operação logística .......................................


26
(Úrsula Berion Rei, Camila Aparecida Maciel da Silveira, Priscilla Barbosa Sant’Ana, Caio Lopes
Gonçalves)

Capítulo 4: Avaliação dos níveis de risco ocupacional associados ao manejo


de medicamentos antineoplásicos numa central de abastecimento hospitalar ............................
37
(Leonardo de Lima Moura, Ronaldo Ferreira da Silva, Fernando Sergio Ferreiro da Silva, André
Teixeira Pontes)

Capítulo 5: Cargas de trabalho na rotina de operadores de caixa de um


supermercado ...............................................................................................................................
47
(Eva Bessa Soares),

Capítulo 6: Conhecimento tácito: o processo de transferência do saber-fazer


na atividade metal-mecânica .........................................................................................................
56
(Jose Portugal Rennó Neto, Maria Fernanda Leonardi, Joao Victor Coelho Mendes, Vitor
Guilherme carneiro Figueiredo)

Capítulo 7: Ergonomia cognitiva e a importância do fluxo de informação dentro


de um posto de trabalho de uma empresa moveleira do estado de Sergipe ...............................
65
(Felipe Augusto Silva Lessa, Gabriel Santana Vasconcelos, Allan dos Anjos Costa Dantas,
Simone de Cassia Silva),

Capítulo 8: Princípios de usabilidade no transporte público.........................................................


74
(Evaldo Cesar Cavalcante Rodrigues, Ivo Almeida Costa, Paulo Henrique da Silva Costa, Mário
Lopes Condes, José Matsuo Shimoishi)

Capítulo 9: Avaliação de higiene industrial e segurança do trabalho em uma


indústria metalúrgica de Campina Grande-PB ...............................................................................................
85
(Danielle Freitas Santos, Thatiana Silva Januário)

Capítulo 10: Análise ergonômica das condições de trabalho em um


restaurante universitário .................................................................................................................
94
(André Duarte Lucena, Álamo Carlos de Oliveira Lima, Annyelly Virginia Brito, Cryslaine
Cinthia Carvalho Nascimento)
Capítulo 11: aplicação de métodos ergonômicos no supermercado de
medianeira Paraná .........................................................................................................................
103
(Marilia Neumann Couto)

Capítulo 12: Análise da atividade de trabalho em uma padaria: as causas e


efeitos da sobrecarga física e da privação de sono ......................................................................
111
(Larissa Sousa Campos , Monise Viana Abranches , Thales Fernandes Morais , Jean Patrik Boro
Rodrigues, Michelly Patrícia de Oliveira)

Capítulo 13: Análise das medidas de controle de riscos químicos - estudo de


caso em um laboratório de análise de água ..................................................................................
121
(Rosse Carla de Lima Diniz , Diogo Sergio Cesar de Vasconcelos , Maria do Socorro Marcia
Lopes Souto , Helena Thâmara Aquino dos Santos , Denise Dantas Muniz)

Capítulo 14: Análise de perigos e riscos na manutenção elétrica no ramo


sucroalcooleiro ...............................................................................................................................
133
(Hebert Roberto da Silva)

Capítulo 15: Medidas ativas e passivas de prevenção e combate a incêndios -


estudo de caso em uma casa noturna de são josé do egito/pe ....................................................
142
(Lucas Vitorino Alves , Diogo Sergio Cesar de Vasconcelos Maria , Bernadete Fernandes Vieira
de Melo , Jose Wagner Ferreira De Souza, Matheus Albuquerque Lucena de Figueiredo)

Capítulo 16: Análise ergonômica do trabalho em uma serraria ....................................................


153
(Aline Menardi Culchesk, Paulo Fernando Soares, Aline Lisot, Isabel Cristina Moretti, Franciely
Velozo Aragão)

Capítulo 17: Acidentes de trabalho na indústria da construção civil no estado


do Tocantins, Brasil: estudo descritivo (2007-2012) ......................................................................
162
(Onésima Aguiar Campos Barreto, Luciane de Paula Machado, Antonelli Santos Silva)

Capítulo 18: Diagnóstico ergonômico de três diferentes postos de trabalho ...............................


170
(Alessandro da Silva Barbosa, Danieli Biagi Vilela, Laura Okishima Duarte, Luana de Carvalho
dos Santos, Marina Gutierrez Bispo da Silva)

Capítulo 19: Análise ergonômica de três postos de trabalho em um


supermercado ................................................................................................................................
182
(Danielli da Silva Batista, Karina Sayumi Gomes Sato, Amandha Kurokawa da Silva, Lucas Perez
Moraes, João Batista Sarmento dos Santos Neto)

Capítulo 20: Segurança do trabalho na construção civil - um estudo de caso


múltiplo em cidades do interior de São Paulo ...............................................................................
193
(Amanda Castro Pinto, Glauco Fabrício Bianchini, Vívian Karina Bianchini, Diego Fernandes
Neris, Marília Giselda Rodrigues)

Autores ....................................................................................................................................
203
CAPÍTULO 1
MTM E ERGONOMIA NA ANÁLISE DO TRABALHO DE UM
OPERADOR DE SOLDAGEM DE PLACAS ELETRÔNICAS DE
UMA EMPRESA DE COMUNICAÇÃO DIGITAL DE
FLORIANÓPOLIS-SC
Alexandre Tsuyoshi Kobayashi
Wellington Renan Holler
Lizandra Garcia Lupi Vergara
Mirna de Borba

Resumo: O presente artigo propõe uma aplicação integrada da Avaliação


Ergonômica e de MTM na descrição e avaliação do trabalho de um operador de
soldagem de placas eletrônicas de uma empresa de comunicação digital de
Florianópolis-SC. O objetivo é identificar e quantificar os principais fatores de riscos
devido à sobrecarga biomecânica dos membros superiores, relacionados aos
trabalhos envolvendo precisão de operações manuais. Inicialmente foram aplicados
questionários e o método RULA para identificação de problemas ergonômicos que
possam afetar a saúde do operador. Para avaliar o método e o tempo de execução
da atividade, utilizou-se o método MTM-1. A partir dos resultados da Avaliação
Ergonômica e de MTM, foram propostas melhorias no posto de trabalho analisado,
apresentando os benefícios da aplicação integrada desses métodos.

Palavras-chave: Ergonomia, MTM, method-time measurement, trabalho de precisão,


RULA.

Tópicos em Ergonomia e Segurança do Trabalho - Volume 1


8

1. INTRODUÇÃO As questões de produtividade e os custos


humanos devem ser considerados
A otimização dos processos e o aumento da
simultaneamente na análise de desempenho
produtividade são preocupações constantes
de sistemas produtivos. Métodos de análise
na indústria, requerendo cada vez mais a
do trabalho, como o MTM e a ferramenta de
aplicação de ferramentas e métodos que
análise ergonômica são utilizados para
permitam atingir níveis mais elevados de
melhorar as condições de trabalho visando
desempenho nesses aspectos. Em paralelo a
diminuir: riscos relativos à fadiga do operador,
isso, é crescente a preocupação das
os tempos de produção e os custos unitários.
empresas com os efeitos do trabalho na
Porém, observa-se muitas vezes que esses
saúde, satisfação e segurança dos
métodos não são aplicados de forma
operadores. A Ergonomia busca a
complementar na identificação de problemas
compreensão desses fatores através da
em situações de trabalho.
utilização de ferramentas adequadas para
identificar problemas em situações de A finalidade da análise MTM é identificar o
trabalhos e implementar melhorias. método e os relativos movimentos
elementares para determinar o tempo
Os Distúrbios Osteomusculares Relacionados
necessário de execução de uma operação,
ao Trabalho (DORT), conforme Couto (2002)
sendo que o material utilizado durante a fase
constituem-se no principal problema de
de análise de MTM, segundo Colombini et
natureza ergonômica em todo o mundo,
al.(2008), torna-se uma fonte preciosa
ocasionando dor forte associada à
também para uma análise ergonômica, onde
incapacidade temporária para o trabalho até
a simplificação dos movimentos muito
mesmo podendo resultar em aposentadoria
complexos e a redução de movimentos inúteis
por invalidez. Corresponde a um Distúrbio por
são, objetivos adequados para se obter uma
Sobrecarga Funcional (DSF) das estruturas
melhoria, seja de produtividade ou da
frágeis dos membros superiores, sem o
ergonomia.
devido tempo de recuperação de sua
integridade. A partir deste contexto, o presente artigo
propõe uma aplicação integrada da análise
Os DSF podem acometer todo profissional
ergonômica e de MTM na avaliação do risco e
cuja atividade envolva o uso intensivo das
proposição de melhorias em um posto de
mãos enquanto ferramenta de trabalho, tais
soldagem de placas eletrônicas em uma
como digitadores, dentistas, operadores de
empresa do ramo de comunicação digital
caixa de supermercado, de linhas de
situada na cidade de Florianópolis-SC.
montagem diversas como automóveis e
componentes eletrônicos pequenos, objeto de
estudo deste artigo.
2. REFERENCIAL TEÓRICO
O trabalho de precisão envolve basicamente
A ergonomia como disciplina científica,
mãos e dedos, requerendo conforme Kroemer
relaciona-se ao estudo das interações entre
e Grandjean (2005) grandes exigências
os seres humanos e outros elementos ou
relativas à: regulação rápida e acurada da
sistemas, e à aplicação de teorias, princípios,
contração muscular; coordenação das
dados e métodos em projetos, a fim de
atividades individuais dos músculos; precisão
otimizar o bem estar humano e o desempenho
de movimento; concentração e controle visual.
global do sistema. Também pode ser definida
Quanto ao trabalho com movimentos como a ciência de “conceber uma tarefa que
repetitivos dos membros superiores, se adapte ao trabalhador, e não forçar o
Colombini et al. (2008) afirmam que, para a trabalhador a adaptar-se à tarefa.”
descrição e a avaliação do trabalho devem-se (WALTRICK, 2010).
identificar e quantificar os principais fatores
É comum que as indústrias não levem os
de riscos devido a sobrecarga biomecânica
aspectos ergonômicos em consideração ao
dos membros superiores, dentre eles:
otimizar seus sistemas produtivos em relação
frequência de ação elevada, uso excessivo de
à eficiência e à produtividade. Para Lima
força, posturas e movimentos dos membros
(2003), a análise ergonômica é um
superiores inadequados e carência de
instrumento de essencial importância num
períodos de recuperação adequados, através
sistema produtivo, não só para proporcionar
dos quais se caracteriza a exposição
conforto e segurança ao trabalhador, mas
ocupacional em relação à respectiva duração
também, para extrair deste maior
dentro do tempo real de trabalho repetitivo.

Tópicos em Ergonomia e Segurança do Trabalho - Volume 1


9

produtividade, acarretando no aumento dos posicionamentos dos membros analisados,


lucros e na diminuição das perdas. considerando tipo de movimentos, carga e
postura. Ao final tem-se um valor variável de 1
Conforme Menezes (1976) apud Gonçalves
a 7, sendo que a maior pontuação pode
(2003), o layout de uma estação de trabalho
significar um risco maior. Esta análise,
deve atender primeiramente a duas
contudo, deve servir como indicativo, pois o
premissas: localização ótima dos
método não é definitivo.
componentes físicos e adequação
antropométrica, já que o conforto, bem estar Já o Method-Time Measurement (MTM) ou
físico e performance do operador são sistemas de tempos pré-determinados, é um
fortemente influenciados pelo sistema utilizado para organizar a seqüência
dimensionamento físico das estações de de movimentos manuais em movimentos
trabalho. básicos, que correspondem a um valor
padrão de tempo pré-determinado, de acordo
Já para a adequação do arranjo físico de um
com a influência de cada movimento
posto de trabalho deve ser considerada a
(BARALDI E KAMINSKI, 2011).
distribuição espacial ou o posicionamento
relativo dos diversos elementos que o De acordo com MTM (2009), cerca de 80% a
compõem, tais como: tipo de equipamento, 85% dos movimentos executados em postos
controles; agrupamento funcional; sequência de trabalho podem ser decompostos nos
de uso; intensidade de fluxo; ligações seguintes movimentos básicos: alcançar,
preferenciais, entre outros. A escolha dos pegar, mover, posicionar e soltar. De acordo
critérios mais relevantes a ser aplicado ao com Baraldi e Kaminski (2011) no estudo de
projeto vai depender de cada caso, de análise MTM, é possível observar uma grande
acordo com o grau de importância e quantidade de movimentos que não agregam
frequência de uso. (GUIMARÃES, 2006). valor ao produto.
A Análise Ergonômica do Trabalho (AET) visa O MTM-1 é um sistema MTM preciso e
aplicar os conhecimentos da Ergonomia para detalhado, baseado em uma análise
analisar, diagnosticar e corrigir uma situação minuciosa dos movimentos em que a unidade
real de trabalho categorizando as atividades de estudo é o movimento elementar, ou seja,
desenvolvidas pelos indivíduos no trabalho e a parte menor e não ulteriormente
norteando as modificações necessárias para decomponível de uma operação manual. O
uma ampla adequação das condições de sistema permite uma ótima descrição do
trabalho (GUÉRIN et al., 1991). Assim ela método de trabalho, sendo útil apenas,
procura reduzir a fadiga, estresse, erros e conforme Colombini et al. (2008), para o
acidentes, proporcionando segurança, cálculo do tempo em um posto de trabalho
satisfação, saúde aos trabalhadores (IIDA, bem organizado.
2005) e melhorar a qualidade de vida.
Em uma AET muitas ferramentas podem ser
2.1 CONSIDERAÇÕES SOBRE APLICAÇÃO
utilizadas para avaliar os riscos de se
CONJUNTA DE ERGONOMIA E MTM
desenvolver lesões músculo esqueléticas,
sendo que a escolha das ferramentas deve A incorporação de ferramentas para análises
ser feita de acordo com o tipo de atividade quantitativas sobre ergonomia e MTM,
que está sendo analisada e os objetivos conforme Fritzsche et al (2011) fornece uma
pretendidos. avaliação objetiva das mudanças propostas e,
assim, os custos de ensaios da produção
Para realizar a análise postural em situações
extensiva pode diminuir consideravelmente.
nas quais o trabalhador utiliza principalmente
os membros superiores para executar sua A vantagem da metodologia MTM é que o
atividade, é adequada a utilização do método usuário é obrigado a definir o método de
RULA (Rapid Upper Limb Assessment). De trabalho completamente na fase de
acordo com Pavani e Quelhas (2006), o planejamento para obter o tempo padrão.
método RULA é um instrumento ágil e veloz Esse planejamento ajuda a criar um processo
que permite obter uma avaliação da padronizado que, também, está em
sobrecarga biomecânica dos membros conformidade com as normas ergonômicas
superiores e do pescoço em uma tarefa em estações de trabalho (BARALDI E
ocupacional. Zuque e Necchi (2007) afirmam KAMINSKI, 2011).
que a análise é realizada lançando-se escores
na planilha específica em função dos

Tópicos em Ergonomia e Segurança do Trabalho - Volume 1


10

Almeida (2008) afirma que “o aumento de apenas pelas habilidades biomecânica e


produtividade não pode ser pensado como estirpe ergonômico, mas também por um
uma melhoria em curto prazo. Para que a número de outras influências (FRITZSCHE et
produtividade seja aumentada de maneira al, 2011).
consciente, deve-se atentar para a ergonomia
Apesar das diferenças entre as abordagens, é
dos postos e atividades dos operadores”.
possível obter grandes benefícios quando as
Assim, é importante notar que em muitos
ferramentas são aplicadas de maneira
casos, os efeitos dos problemas ergonômicos
conjunta. Entretanto, deve-se levar em conta
podem ser notados somente no longo prazo.
os custos envolvidos e esforços necessários,
Se não houver análise ergonômica quando um
uma vez que a grande competitividade exige
método de trabalho é proposto com base no
que as organizações busquem eficiência e
método MTM, é provável que futuramente os
eficácia. Laring et al (2002) ressalta que em
trabalhadores sofram as consequências,
uma organização que utiliza o MTM para
podendo inclusive diminuir a produtividade e
planejar sua produção, um grande esforço é
acarretar em prejuízos para a organização.
despedido para determinar o tempo
É importante notar que existem diferenças necessário para que determinada tarefa seja
significativas entre as abordagens da realizada pelo operador. Se o esforço extra
ergonomia e do MTM. A respeito do método para realizar uma avaliação ergonômica for
MTM, Dias e Tavares (2000) ressaltam que: pequeno, o incentivo pode ser suficiente para
incluir a ergonomia na avaliação geral do
“o executor da tarefa, o trabalhador, é
processo planejado.
introduzido” na tarefa a posteriori, isto é,
primeiro planeja-se a tarefa e depois
seleciona-se o trabalhador que irá realizá-la”.
3. PROCEDIMENTO METODOLÓGICO
Como planejar a tarefa se não se sabe quem
irá executá-la? A resposta é: baseando-se em A análise de um posto de trabalho, usando
um homem médio. A organização clássica técnicas de ergonomia e MTM, constitui o
“enxerga” os trabalhadores, portanto, como tema central deste trabalho. Uma pesquisa
um conjunto de homens médios, sujeitos a exploratória, por meio de estudo de caso foi
uma produção constante, que realizam desenvolvida com o intuito de apresentar uma
operações independentes, as quais podem aplicação integrada destas técnicas na
ser prescritas através da observação dos análise de um posto de soldagem de placas
movimentos ou da combinação de eletrônicas de comunicação digital. As etapas
movimentos básicos obtidos das tabelas de seguidas são representadas na Figura 1 e
MTM”. detalhadas a seguir.
Por outro lado, movimentos humanos em um
ambiente de trabalho não são determinados

Figura 1– Etapas da pesquisa de campo

Fonte: Os autores

Tópicos em Ergonomia e Segurança do Trabalho - Volume 1


11

A aplicação da proposta foi utilizada na O segundo critério utilizado refere-se à


análise da bancada de soldagem (Figura 2) aplicabilidade da proposta do artigo, de
de placa eletrônica de uma empresa de integração das análises ergonômica e de
comunicação digital. Como critérios aplicados MTM em um posto de trabalho, conciliando os
para a seleção do posto, verificou-se problemas de sobrecarga biomecânica dos
primeiramente o volume de produção, membros superiores, relacionados aos
considerando que as melhorias do processo trabalhos envolvendo precisão de operações
teriam um maior impacto para a empresa. manuais.

Figura 2 – Bancada de soldagem

Fonte: Os autores

3.1. IDENTIFICAÇÃO DOS PROBLEMAS 3.2. ANÁLISE DA TAREFA


Em conjunto com o gerente do setor, definiu- As tarefas desempenhadas pelo operador
se analisar a tarefa de soldagem da placa foram analisadas considerando aspectos da
CTS-2501, especificamente. A tarefa consistia ergonomia física e organizacional, desde a
em soldar os componentes fibra e resistor em descrição da tarefa prescrita e avaliação do
uma placa eletrônica utilizando soldador e posto de trabalho, do ambiente físico (layout,
estanho. A tarefa exigia movimentos equipamentos, EPI´s), condições ambientais
repetitivos e esforços posturais uma vez que (medições de temperatura, ruído e
eram aplicados doze pontos de soldagem iluminação), além das características
para a fibra e o resistor, por ter dimensões pessoais, qualificação profissional e demais
pequenas, precisava ser manuseado com fatores psicossociais e de organização de
auxilio de pinça. Foram realizadas entrevistas trabalho (entrevistas e check-list AET),
e aplicados questionários com as pessoas baseado na NR 17 Ergonomia.
envolvidas - desde o dono da empresa, o
A aplicação do check-list da AET
gerente do setor até os trabalhadores do
instrumentou a identificação da relação entre
posto analisado, para identificar os problemas
o operador e o ambiente de trabalho, assim
relacionados à atividade de trabalho, ou seja,
como, sua satisfação com a direção e os
identificação da demanda ergonômica.
demais funcionários da empresa.
Algumas queixas foram constatadas
relacionadas à atividade em questão, obtidas O ambiente de trabalho se apresenta
através de reclamações de dores nos adequado às atividades desempenhadas no
membros superiores relatadas por local, desde layout, disposição dos postos de
trabalhadores do posto de trabalho, inclusive trabalho e mobiliário e equipamentos. A
com um caso de afastamento. empresa fornece aos trabalhadores EPI’s
como máscara, óculos de proteção e um
exaustor adequado para soldagens, pois a
soldagem libera fumaça derivada do estanho.

Tópicos em Ergonomia e Segurança do Trabalho - Volume 1


12

O ruído e temperatura estão dentro dos limites osteomusculares e o método de avaliação


recomendados em norma. Com relação a postural Rapid Upper Limb Assessment
iluminância constatou-se que estava entre 560 (RULA).
e 580 lux, insuficiente para este tipo de
A partir de observações e filmagens das
atividade. Observou-se que o estanho
atividades, foi possível constatar as seguintes
utilizado liberava compostos químicos e o
informações relacionadas à etapa de análise
operador não utilizava o exaustor.
das atividades:
Com relação ao método de trabalho,
percebeu-se que não havia uma  Falta de padronização na execução
padronização na prescrição da tarefa. O da tarefa pelo operador, visto que em
operador não recebia treinamento prévio, mas alguns momentos a mesma soldava a
conhecia o processo e realizava a tarefa da fibra e o resistor logo em seguida na
seguinte forma: placa e, em outros era soldado a fibra
em todas as placas e depois o
 Preparar a caixa de fibras (10 resistor;
unidades), abrir e posicionar na
bancada de trabalho;  Falta de ordenação na disposição dos
objetos na bancada de trabalho;
 Pegar placa eletrônica e colocar na
posição de trabalho;  Grandes distâncias de movimentos,
em média, e fora das recomendações
 Pegar fibra e colocar na placa; ergonômicas;
 Pegar estanho e soldador e soldar  Obstrução do movimento do operador
primeiro ponto de fibra para fixação; para alcançar uma fibra, para desviar
do estanho com movimento em curva.
 Soldar demais pontos de fibra na
placa; A fim de ter uma análise mais consistente e
com maiores critérios em relação aos
 Pegar resistor com pinça e soldar; aspectos físicos, foram utilizadas algumas
 Colocar placa pronta na bancada de ferramentas ergonômicas mais específicas,
trabalho. como o questionário nórdico de sintomas
osteomusculares, no qual o operador relatou
sentir dores em determinadas regiões do
3.3. ANÁLISE DAS ATIVIDADES DO POSTO corpo, causadas pela execução da tarefa, nos
DE TRABALHO últimos doze meses.

A análise das atividades executadas pelo Para utilização do protocolo RULA, foram
operador no posto de trabalho na realização analisadas as filmagens da postura assumida
da tarefa de soldagem da placa eletrônica foi pelo operador durante a realização da
feita através da avaliação Ergonômica e do atividade de trabalho, classificando-as de
método MTM-1. acordo com o método de avaliação postural
aplicado. O método RULA classifica as
posturas por partes do corpo (braço, punho,
3.3.1 ANÁLISE ERGONÔMICA pescoço, pernas, antebraço, rotação de
punho, tronco) e a atividade, em relação à
Para identificar e quantificar os principais postura estática, ações repetitivas e carga. A
fatores de riscos devido à sobrecarga Tabela 1 mostra os dados obtidos para a
biomecânica dos membros superiores foram etapa pegar placa eletrônica.
aplicados o questionário nórdico de sintomas

Tópicos em Ergonomia e Segurança do Trabalho - Volume 1


13

Tabela 1 - Análise da etapa “pegar placa eletrônica utilizando o método RULA”

Fonte: Os autores

3.3.2 ANÁLISE MTM-1 de trabalho com base nas observações e


entrevistas com o operador. A Tabela 2
Para avaliar o método e o tempo de execução
apresenta os componentes, ferramentas e
foi utilizado o método MTM-1. Inicialmente
faixas de distâncias em que se encontram.
foram identificados os componentes e
ferramentas utilizados na realização da tarefa,
as faixas de distâncias assim como o método

Tabela 2- Componentes, ferramentas e faixa de distância

Fonte: Os autores

Em seguida foi feito o desmembramento da nesta etapa foram realizadas filmagens e


sequência de atividades da tarefa em nove fotos.
etapas operacionais (Tabela 3). Para auxiliar

Tabela 3- Etapas operacionais

Fonte: Os autores

Tópicos em Ergonomia e Segurança do Trabalho - Volume 1


14

Para cada uma das etapas operacionais foi etapa operacional tem-se o tempo total para
feita a descrição usando os símbolos dos realização da tarefa. O tempo total para a
movimentos básicos de acordo com a tabela tarefa foi de 1,06 min/placa. A Tabela 4
MTM-1. Para cada movimento foi atribuído o apresenta, como exemplo, a descrição dos
valor do parâmetro de influência (extensão movimentos, parâmetros de influência e o
dos movimentos) e o valor de tempo obtendo- valor de tempo da etapa pegar placa
se dessa foram o tempo de cada etapa eletrônica.
operacional. Somando-se os tempos de cada

Tabela 4 – Movimentos básicos para etapa pegar placa eletronica

Fonte: Os autores

3.4. DIAGNÓSTICO E PROPOSTAS DE Através dos resultados de aplicação das


MELHORIAS ferramentas ergonômicas de avaliação de
riscos biomecânicos, constatou-se que o
3.4.1 DIAGNÓSTICO
operador sente dores em determinadas
Nesta etapa foi realizado um diagnóstico regiões do corpo, causadas pela execução
baseado na análise ergonômica e MTM-1, a da tarefa, porém após a aplicação do método
fim de propor melhorias nas condições de de avaliação postural proposto, não foram
trabalho e saúde destes profissionais. identificados riscos biomecânicos.
A partir das etapas de análise da tarefa e das Com relação ao método de trabalho não havia
atividades, não foram identificados problemas padronização sendo que o operador alterava
significativos relacionados aos aspectos da a sequencia de atividades na realização da
ergonomia física, visto que os elementos do tarefa. A disposição e distância dos
posto de trabalho, como bancada, cadeira componentes e ferramentas na bancada de
com regulagem de altura, encosto de costas e trabalho não estavam adequados fazendo
braços são adequados para o tipo de com que muitos movimentos tivessem uma
atividade realizada. extensão maior do que o necessário.
O operador desempenha suas atividades com
segurança e satisfação, porém não utilizava
3.4.2 PROPOSIÇÃO DE MELHORIAS DO
os EPI’s como máscara e óculos de proteção,
POSTO DE TRABALHO
por serem incômodos e o exaustor para
soldagens, devido ao ruído. Foram feitas duas propostas de melhorias a
fim de obter uma padronização da atividade
A iluminação do ambiente, no local do posto
de soldagem, assim como, uma melhoria nos
analisado, deveria adequar-se a norma NBR
aspectos ergonômicos do posto.
5413, visto que a atividade se encaixa na
classe C por se tratar de soldagem de Para ambas as propostas propõem-se
eletrônicos com componentes pequenos. Em adequação do nível de iluminação do posto
relação aos aspectos físicos, não se observou de trabalho analisado, seguindo
situações críticas na qual o operador era recomendações da norma NBR 5413, classe
submetido, sendo assim, não se necessita de C por se tratar de soldagem de eletrônicos
uma intervenção em curto prazo. Os aspectos com componentes pequenos. Em relação aos
cognitivos foram desconsiderados na análise, aspectos físicos, não se observou situações
considerando apenas a grande experiência críticas na qual o operador era submetido,
do operador no domínio da atividade. sendo assim, não se necessita de uma
intervenção em curto prazo. Recomenda-se

Tópicos em Ergonomia e Segurança do Trabalho - Volume 1


15

que o operador faça pausas durante a distância maior que a fibra e o resistor, pois o
realização da tarefa. mesmo atrapalhava o movimento até a fibra. A
pinça foi colocada em um local fixo, a uma
O método de trabalho foi padronizado e as
distância menor que os componentes. O
ferramentas, componentes e materiais
layout proposto para a bancada de soldagem
auxiliares foram dispostos de forma adequada
pode ser visto na Figura 3.
na bancada. O estanho foi colocado a uma

Figura 3 – Proposta de layout da bancada de soldagem

Fonte: Os autores

Na proposta 1, o operador pega da caixa dez 4. CONSIDERAÇÕES FINAIS


placas e coloca na bancada. Pega a placa e
A análise de um posto de trabalho abrange
faz a soldagem da fibra e resistor,
inúmeros fatores como operadores, condições
simultaneamente, em cada placa até
de trabalho e organização geral da empresa
completar um lote de dez placas.
os quais são cruciais para a adequação de
Na proposta 2, o operador pega da caixa dez um posto de trabalho segundo as normas
placas e dispõe na bancada. Pega uma ergonômicas.
placa, faz primeiro a soldagem da fibra e
Por outro lado o método MTM propiciou uma
coloca placa na bancada. Repete isto para as
padronização da execução da atividade, e
dez placas. A operadora faz a mesma
como maior diferencial, foi possível fazer uma
sequência para a soldagem do resistor.
análise e uma simulação da tarefa isenta de
um teste no posto de trabalho e, por fim, obter
o tempo final de execução da mesma.
3.5. AVALIAÇÃO E ESCOLHA DAS
PROPOSTAS ATRAVÉS DE MTM A aplicação conjunta da análise ergonômica
do trabalho e do método MTM-1 na análise do
As propostas elaboradas foram avaliadas pelo
posto de soldagem propiciou uma melhoria no
método MTM-1. Para cada proposta, foi feito o
método de trabalho, no qual os movimentos
desmembramento da atividade em etapas
desnecessários foram eliminados, as
operacionais, descrição das observações
distâncias dos movimentos foram otimizadas
usando símbolos dos movimentos básicos,
e padronizadas respeitando as normas
atribuição dos valores aos parâmetros de
ergonômicas.
influência e seus efeitos e atribuídos o valor
tempos aos movimentos básicos Recomenda-se a aplicação conjunta das
determinando-se o tempo da tarefa. A ferramentas de análise ergonômica e de MTM,
proposta 1 resultou num tempo total da tarefa visto que é possível obter melhorias no que
de 0,98 min/placa enquanto a proposta 2 foi tange ao método e tempo de execução da
de 0,92 min/placa. Dessa forma a proposta tarefa, sem deixar de se preocupar com os
escolhida foi a proposta 2. aspectos ergonômicos da estação de
trabalho, os quais além da eficácia do sistema
produtivo priorizam a saúde e segurança do
trabalhador.

Tópicos em Ergonomia e Segurança do Trabalho - Volume 1


16

REFERÊNCIAS [9] GONÇALVES, E. C. Constrangimentos no


posto do motorista de ônibus urbano segundo
[1] ALMEIDA, D.L.M. Análise da aplicação do a visão macroergonômica. Dissertação de
método MTM em empresas de manufatura: Mestrado profissionalizante, Universidade
estudos de caso. 2008. 159f (Dissertação de Federal do Rio Grande do Sul, 2003.
Mestrado em Engenharia Mecânica) –
Universidade Federal de Santa Catarina. [10] GUIMARÃES, L. B. de M. Design Ergonômico:
Florianópolis, 2008. Postos de Trabalho, Equipamentos e
Ferramentas. In: Ergonomia do produto 2.
[2] BARALDI, E. C. ; KAMINSKI, P. C. Ergonomic Porto Alegre: Ed. FEENG - PPGEP/ UFRGS,
planned supply in an automotive assembly line. 2006.
HumanFactorsandErgonomics in
Manufacturing, v. 21, p. 104-119, 2011. [11] KROEMER, K.H.E. e GRANDJEAN, E. Manual
de Ergonomia: adaptando o trabalho ao
[3] COLOMBINI, D.; OCCHIPINTI, E.; FANTI, M. homem. Porto Alegre: Bookman, 2005.
Método OCRA para a análise e a prevenção
do risco por movimentos repetitivos: manual [12] LIMA, J.A.A. Bases teóricas para uma
para a avaliação e a gestão do risco. São metodologia de análise ergonômica. In: 4º
Paulo: LTr, 2008. Congresso internacional de ergonomia e
usabilidade de interfaces humano-tecnologia:
[4] COUTO, H.A. Ergonomia aplicada ao trabalho produtos, programas, informação, ambiente
em 18 lições. Belo Horizonte: Ergo, 2002. construído, 2004
[5] DIAS, A.V.C.; TAVARES, J.C. Análise [13] LIMA, J.A.A. Metodologia de Análise
ergonômica do trabalho e a organização Ergonômica. João pessoa, 2003.
qualificante: sinergias e divergências. Escola
Politécnica – USP, 2000. [14] MTM. Apostila do Método Básico MTM. São
Paulo: Associação MTM do Brasil, 2009.
[6] IIDA, ITIRO. Ergonomia; Projeto e Produção -
2ª edição. 2. ed. São Paulo: Edgard Blucher, [15] PAVANI, R.A.; QUELHAS, O.L.G. A avaliação
2005. v. 1. 614 p. de riscos como ferramenta gerencial em saúde
ocupacional. In: XII Simpósio de engenharia de
[7] LARING, J., FORSMAN, M., KADEFORS, R., & produção, 2006.
ÖRTENGREN, R. (2002). MTM-based
ergonomic workload analysis. Aplied [16] WALTRICK, R.P.. Criação de ferramenta
Ergonomic, 30, 135-148. manual para retirada de porcas hidráulicas de
grande porte utilizando conceitos de
[8] FRITZSCHE, L., R. JENDRUSCH, ET AL. ergonomia, projeto do produto e MTM. In: XVII
(2011). Introducing ema (editor for manual Simpósio de engenharia de produção, 2010.
work activities) - A new tool for enhancing
accuracy and efficiency of human simulations [17] ZUQUE, A.L.S.; NECCHI, J.A. Avaliação do
in digital production planning. 6777 LNCS: risco ergonômico pelo método RULA de
272-281. funcionários que usam o computador. Revista
Conexão, Três Lagoas, v. 04, n. 1, dezembro
2007.

Tópicos em Ergonomia e Segurança do Trabalho - Volume 1


CAPÍTULO 2
PRODUTIVIDADE E AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DO
TRABALHO A PARTIR DA PERSPECTIVA DA ANÁLISE DA
ATIVIDADE. UM ESTUDO DE CASO NO SETOR DE
SUPRIMENTOS DE UMA GRANDE EMPRESA

Juliana Giglio de Andrade


Thales da Silveira Paradela
Francisco José de Castro Moura Duarte

Resumo: A transição da sociedade industrial para a pós-industrial lança desafios


importantes à organização do trabalho. No contexto em que parte significativa do
trabalho humano se dá de forma imaterial, na criação de conceitos, ou mesmo na
construção conjunta de significado da atividade de trabalho, como no caso do
setor de serviços, diminui substancialmente a capacidade do gestor de antecipar o
conteúdo do trabalho, ora complexo, e criar procedimentos padronizados para sua
realização. Com a variação do conteúdo do trabalho, os tempos de ciclo industriais
tem dificuldade em representar a “quantidade” de trabalho realizado, o que dificulta
medir sua eficiência através do conceito clássico de produtividade expresso por
Volume/unidade de tempo. Nesse contexto, essa pesquisa propõe avaliar a
adequação, em relação à realidade da atividade de trabalho, dos parâmetros de
desempenho organizacional utilizados na avaliação do trabalho em uma operação
da área de compras. Para tanto, foi lançada mão da Análise Ergonômica do
Trabalho (AET) para, a partir da compreensão da atividade de trabalho, testar
premissas utilizadas no projeto organizacional e identificar outros fatores de
interveniência que balizam as estratégias operativas e que teriam sido
desconsiderados na elaboração do projeto dos parâmetros de desempenho para
avaliação do trabalho. Ao final, a pesquisa aponta uma possibilidade de um projeto
organizacional com foco na atividade de trabalho de modo a singularizar a
aplicação do projeto às características da área e incorpora na avaliação de
trabalho elementos de desempenho estratégico.

Palavras-chave: Avaliação de desempenho; Produtividade; Projeto Organizacional.

Tópicos em Ergonomia e Segurança do Trabalho - Volume 1


18

1. INTRODUÇÃO: DESAFIOS DA AVALIAÇÃO método de avaliação pelo tempo de trabalho


DE DESEMPENHO NA ERA “PÓS- totalmente inadaptados” (DEJOURS, 2008, p.
INDUSTRIAL” 64).
A moderna sistematização do controle e Modernamente, a meritrocracia se institui
avaliação do trabalho humano nos sistemas como uma mobilidade organizacional focada
produtivos encontra a sua origem nos no uso de parâmetros de desempenho
Princípios de Administração Científica de organizacional para avaliação do trabalho
Taylor (1990), num contexto de produção em humano. Para Baker & Maddux (2005), não há
série, de produtos industriais padronizados, possibilidade de administrar o que não se
em sistemas intensivos em mão de obra. entende, em consequência, o que não é
Neste contexto, o uso intensivo do fator de medido efetivamente, não se pode entender.
produção mão de obra apresenta-se como Essa perspectiva reduz o conteúdo sensível
fator decisivo de aumento de desempenho do trabalho às possibilidades de medidas de
organizacional. Com o produto e o método de desempenho organizacional. A despeito
trabalho padronizados, a eficiência disso, trata-se de uma modalidade gerencial
organizacional dependia, do ponto de vista da que vem ganhando espaço na gestão
gestão do trabalho, da melhor utilização do contemporênea.
tempo de trabalho, o que significava a maior
Dentro desta perspectiva, esta pesquisa teve
quantidade de ciclos produtivos por unidade
como objetivo avaliar a adequação, em
de tempo. Isso justifica a grande força que o
relação à realidade da atividade de trabalho,
conceito de Produtividade, representado por
dos parâmetros de desempenho operacionais
sua clássica unidade de medida volume /
utilizados na avaliação do trabalho em uma
unidade de tempo, ganhasse centralidade na
determinada operação da área de serviços.
gestão organizacional, quase confundindo-se
Para tanto, a pesquisa identificou premissas
com o próprio conceito de avaliação do
iniciais utilizadas no projeto da avaliação do
trabalho.
trabalho e testou a aderência destas em
Uma das teses principais de De Masi (1999) é relação à atividade de trabalho real a ser
que a partir da metade do século XX a avaliada. Identificada a inadequação destas
sociedade teria iniciado uma transição do premissas, a pesquisa utilizou a análise da
industrialismo para o pós-industrialismo, atividade de trabalho para identificar
enquanto a organização do trabalho praticada elementos concretos que balizam as
nas organizações continuaria baseada estratégias operativas e que devessem ser
fundamentalmente nos padrões industriais. considerados no projeto organizacional de
Do ponto de vista específico desta pesquisa, avaliação do trabalho. Ao final, a pesquisa
destaca-se a primazia da utilização do aponta uma possibilidade de reconstrução
conceito de Produtividade, com foco na deste projeto organizacional, com foco na
eficiência, para a avaliação do trabalho em atividade de trabalho e nos objetivos
sistemas produtivos não industriais. Chama estratégicos da organização.
atenção ainda a relevância da medição de
Volume/unidade de tempo em processos não
padronizados, com tempos de ciclos 2. A IDEIA DA TAREFA E ALGUNS DE SEUS
variados, o que do ponto de vista da atividade INDICADORES DE DESEMPENHO
de trabalho realizada, tenderia a fazer menos
A pesquisa (ANDRADE, 2013) estudou uma
sentido. Esta dificuldade é mais facilmente
unidade do setor de suprimentos de uma
percebida nas atividades de trabalho do setor
grande empresa: a mesa de serviços (MDS).
de serviços, as quais, ao inserirem a relação
A criação da MDS se deu como resposta
com o cliente, requerem “uma mobilização
organizacional aos atrasos das requisições de
subjetiva por parte do trabalhador em
suprimentos. Com o aumento da escala de
registros invisíveis, uma vez que são
atividade da empresa, as demandas de
relacionais e até mesmo intersubjetivos”
suprimentos foram crescendo em volume e
(DEJOURS, 2008, p.62). O que Déjours
variedade de requisitos. A ideia foi concentrar
chama de “invisibilidade do trabalho efetivo”
os “compradores” nas atividades de seleção,
(DEJOURS, 2008, p.75) para o padrão
negociação e contratação de fornecedores,
industrial de avaliação faz o autor sugerir que
legando à MDS as atividades “repetitivas” de
“no estado atual dos conhecimentos, não se
gestão do contrato já assinado. Assim, a
pode avaliar o trabalho porque não se sabe
premissa da organização é que a atividade de
fazê-lo devido sua singularidade, tornando o
manutenção contratual é de baixa

Tópicos em Ergonomia e Segurança do Trabalho - Volume 1


19

complexidade, altamente padronizável, duas das premissas centrais usadas no


podendo ser estruturada num setor projeto organizacional da MDS: o cálculo da
especializado que utilize operadores de baixa produtividade de cada operador e a
qualificação. Isso liberaria os “compradores presumida baixa variabilidade da atividade.
qualificados” para o trabalho mais central da
Na MDS a Produtividade individual de cada
área de suprimentos, aumento a capacidade
operador leva em consideração diversos
do setor.
fatores. O mais sensível à atividade real de
A atividade principal da MDS é a manutenção trabalho é o Valor do Contrato. A cada faixa
contratos pré-existentes, com os fornecedores de valor contratual, é atribuído um índice. A
já selecionados, com valor inicialmente produtividade do operador é o somatório de:
acordado e termos contratuais discutidos. As requisições tratadas por ele dentro do prazo,
principais tarefas são os aditivos de prazo e multiplicadas pelo índice de cada faixa de
valor dos contratos acordados, bem como o valor. De acordo com estes índices, tratar
reajuste anual dos valores contratados através uma requisição até R$ 4.000.000,00 é duas
de fórmulas paramétricas previstas em vezes mais produtivo que uma até R$
contrato. 500.000,00. Caso esta premissa estivesse
correta, seria razoável supor, à luz da
A avaliação do trabalho na MDS é feita de
atividade de trabalho real, que um contrato
maneira individualizada, principalmente com
mais caro “dá mais trabalho” para tratar que
base nos resultados operacionais de cada
um contrato mais barato.
operador em relação às metas estabelecidas
pelos parâmetros de desempenho. Esta Para avaliar esta premissa comparou-se a
avaliação do trabalho é determinante para a média dos lead times para o tratamento das
progressão de carreira e principalmente a resquisições nos principais processos da
remuneração variável proporcional às metas MDS, para as duas faixas de valor contratual
atingidas. mencionadas acima. Foi usado o método
estatística t de duas amostras com variâncias
Dentre os parâmetros de desempenhos que
diferentes (TRIOLA 2012, p.473). Caso a
são utilizados na avaliação do trabalho da
premissa estivesse correta, o tempo médio
MDS, destaca-se o lead time. Lead time
dos lead times da faixa de maior valor
corresponde ao tempo total, em dias, que o
contratual deveria ser maior do que na faixa
processo de tratamento da requisição é
de menor valor. A hipótese nula afirma que,
realizado, desde a aprovação da requisição
em média, o lead time das requisições de
pelo gerente da área-cliente até a conclusão
valores de contratação das diferentes faixas
da manutenção contratual no sistema.
de valor contratual são iguais. A hipótese
alternativa diz que existe uma diferença entre
a média do lead time em diferentes faixas
2.1 AVALIAÇÃO DE ALGUMAS PREMISSAS
contratuais analisadas. O resultado do teste
ASSUMIDAS NA IDEIA DA TAREFA
resume-se no quadro 1.
A pesquisa buscou avaliar, em relação à
atividade de trabalho real, a adequação de

Quadro 1– Resultados da premissa de produtividade

P-value Padrão
Processo de Tratamento Conclusão
bicaudal (nivel de confiança)
Reajuste por fórmula 0,65 0,05 P-value>0,05: aceita-
paramétrica se a Ho
Aditivo de Prazo e valor 0,14 0,05 P-value>0,05: aceita-
se a Ho
Aditivo de Prazo 0,108 0,05 P-value>0,05: aceita-
se a Ho
Fonte: Andrade (2013)

Tópicos em Ergonomia e Segurança do Trabalho - Volume 1


20

Com base no teste, aceita-se a hipótese nula dispersão nos tempos de ciclos operacionais,
e não se pode comprovar estatisticamente como se dá na indústria.
que haja diferença entre as médias do lead
Para avaliar esta premissa, novamente com
time para diferentes faixas de valor contratual.
técnicas de estatística descritiva, foi utilizado
Do ponto de vista da atividade de trabalho,
o grau de curtose. A curtose avalia o grau de
não se justifica o uso de índices de
dispersão de determinada amostra, podendo
produtividade diferentes para valores de
ser: “platicúrtica (alta dispersão caracterizada
faixas contratuais distintas.
por uma curva achatada) ou leptocúrtica
A outra premissa escolhida para avaliação foi (baixa dispersão caracterizada por uma curva
a de baixa variabilidade da atividade da MDS alongada)” (BRUNI, 2011, p.80). Foram
e a consequente possibilidade de escolhidos os operadores mais experientes
padronização, repetição de ciclos em cada processo de contratação. Para cada
operacionais e seu controle sob a forma de comprador, foi calculado a curtose real do
Volume/unidade de tempo. Caso esta conjunto de valores do lead time de
premissa estivesse correta, do ponto de vista tratamento de suas requisições, comparando
da atividade de trabalho real, em situação de com o valor teórico de classificação da
funcionamento normal, haveria uma baixa dispersão (KTEÓRICO = 0,263).

Quadro 2 – Resultados da premissa de baixa variabilidade

Grau de Classificação da distribuição


Processo de Contratação Comprador
Curtose pelo grau de curtose

Reajuste por fórmula parámetrica Comprador 2 0,279 Platicurtica 0,279 > Kteórico

Comprador 13 0,308 Platicurtica 0,308 > Kteórico

Aditivo de Prazo Comprador 3 0,272 Platicurtica 0,272 > Kteórico

Comprador 9 0,267 Platicurtica 0,267> Kteórico

Aditivo de Prazo e valor Comprador 14 e 15 0,264 Platicurtica 0,264 > Kteórico

Fonte: Andrade (2013)

Diante dos resultados apresentados não se 3. A ANÁLISE DA ATIVIDADE DE TRABALHO


pode afirmar que atividade tenha alta PARA COMPREENDER O LEAD-TIME
concentração do valor do lead time (tempo de
A possibilidade de síntese entre as
ciclo). Isso dificulta a percepção de que se
Abordagens Organizacionais e a Análise
trata de tarefa altamente padronizada, com
Ergonômica do Trabalho (GUÉRIN, 1991) é
baixa variabilidade dos ciclos de tratamento.
defendida por Salerno (2000) como uma
O que a análise dos resultados acima sugere possibilidade de enriquecimento analítico no
é que as duas premissas de projeto projeto organizacional. Segundo o autor, se
organizacional utilizados na formulação da por um lado as Abordagens Organizacionais
avaliação do trabalho da MDS não aderem à conferem maior facilidade de percepção das
realidade da atividade real de trabalho do “partes das organizações e suas
setor. Isso indica que estes parâmetros de interrelações, suas interfaces” (p.51); por
desempenho possuem pouca capacidade de outro lado a AET “pode ser um bom
influenciar a atividade real de trabalho e instrumento para ajudar a análise
podem mesmo obstruir ações operacionais organizacional [...] a voltar a incorporar o
que concorram para o aumento de trabalho explícita, sistemática e
desempenho do processo como um todo. controladamente [...] em suas considerações”
(p.58). A utilização desta combinação de

Tópicos em Ergonomia e Segurança do Trabalho - Volume 1


21

abordagens é utilizada por Paradela (1999 e  Retroagir os reajustes para valores


2005), tendo sido capaz de orientar pagos anteriormente (TS).
metodologias concretas de projetos
organizacionais. Neste sentido, esta pesquisa Neste processo, destaca-se a inclusão de
buscou utilizar a Análise da Atividade como etapa de negociação antes desconsiderada.
suporte metodológico de investigação dos Sofrendo impactos da degradação do cenário
fatores de interveniência na atividade de externo de negócios, a empresa orientou o
trabalho real da MDS, com vistas ao projeto setor de suprimentos a renegociar as bases
dos parâmetros de desempenho operacionais contratuais de seus fornecedores, incluindo o
utilizados na avaliação do trabalho. direito de reajuste anual de contratos de longo
prazo já assinados. Essa atividade, não
A investigação partiu do conjunto de prevista inicialmente, pode gerar economias
requisições cujos lead times extrapolaram a significativas à organização. Trata-se de
meta nos 6 meses anteriores à pesquisa. O atividade complexa e seu tempo de execução
objetivo era identificar fatores de não foi considerado na meta de 21 dias
interveniência sobre a atividade de trabalho inicialmente prevista para o lead time.
da MDS que mais impactavam em seu
resultado, devendo, portanto, servir de base Já para o processo de expansão contratual
para o projeto de avaliação do trabalho da através de Aditivos de Prazo/Valor, foram
MDS. A história destas requisições foi encontrados os seguintes fatores de
reconstruída a partir da perspectiva dos interveniência não previstos:
operadores, tendo como base seus próprios  fornecedor bloqueado no sistema
registros pessoais. (TE);
Esta análise permitiu identificar três principais  tempo de resposta do fornecedor
grupos de fatores de interveniência não para aceite dos termos dos aditivos e para
considerados na ideia preliminar da tarefa da assinatura da minuta do contrato (TE);
MDS:
 Desatualização do quadro de
[1] Trabalho Externo (TE) – atividades quantidades e preços que serve de base para
que impactam nos processos da MDS, mas cálculo dos valores contratuais (TS);
são de responsabilidade de outros setores da
empresa;  Tratamento e avaliação de exigências
de contrapartidas do fornecedor para aceitar
[2] Trabalho Suplementar (TS) – tarefas
bases de aditivos de contrato (TS);
inicialmente não previstas, mas que foram
incorporadas à atividade de trabalho da MDS;  Tratamento inicial das requisições
realizado em outros setores (TB).
[3] Trabalho Bloqueado (TB) – condições
que impedem que os operadores da MDS Percebe-se que nos casos de Trabalho
realizem atividades de sua responsabilidade. Externo (TE) e Trabalho Bloqueado (TB) a
contagem do tempo de lead time corre em
Em comum, todos estes fatores possuem o
momentos em que o operador da MDS não
fato de influenciar no lead time e terem sido
tem como avançar no tratamento da
desconsiderados no projeto da tarefa da
requisição. Além disso, nos casos de
MDS.
Trabalho Suplementar (TS), há acréscimo de
Os principais fatores encontrados para o tarefas na atividade de trabalho sem aumento
processo de Reajuste por Fórmula do tempo previsto para sua realização na
Paramétrica foram: meta de lead time. Segue uma figura que
dimensiona o impacto no lead time da MDS
 Índices utilizados como referência de destes fatores de interveniência não previstos
reajuste contratual não divulgados pelos e que permite perceber que se a atividade de
organismos responsáveis na data do reajuste trabalho do operador fosse apenas o
do contrato (TB); tratamento da requisição, como previsto no
 Negociação para redução do valor de projeto organizacional da área, facilmente
reajuste (TS); todas as requisições teriam sua meta
alcançada.

Tópicos em Ergonomia e Segurança do Trabalho - Volume 1


22

Figura 1 – Impacto dos fatores de interveniência no lead time

Fonte: Andrade (2013)

O que se depreende da identificação dos bater o lead time, ou pelo menos não ter um
fatores de interveniência acima revelados é lead time tão maior”.
que não houve uma preocupação em projetar
os parâmetros de desempenho que avaliam o
trabalho na MDS com foco na real atividade 4. ALGUMAS INDICAÇÕES PARA UM
de trabalho ali realizada. Isso gera distorções PROJETO ORGANIZACIONAL NA MESA DE
severas. Por um lado, no caso de Trabalho SERVIÇOS
Externo ou Trabalho Bloqueado, a imprecisão
A pesquisa termina por sugerir elementos de
de cálculo do lead time incorpora na
orientação de uma reconfiguração do projeto
avaliação do trabalho do operador diversas
organizacional das medidas de desempenho
ineficiências de outros setores da companhia
utilizadas na avaliação do trabalho na MDS.
que podem distorcer a percepção de
As indicações permitem avançar o projeto
qualidade de seu trabalho. Por outro lado, a
organizacional em dois princípios: 1) Maior
desconsideração dos fatores de Trabalho
adequação das medidas de desempenho
Suplementar afeta o dimensionamento da
(métrica e meta) em relação à realidade da
meta de 21 dias utilizadas para o lead time,
atividade de trabalho na MDS e 2) Ampliação
incorporando trabalho à atividade do
da avaliação do trabalho também para itens
operador sem computar esse acréscimo na
de Qualidade da tarefa em relação ao
meta projetada.
desempenho organizacional como um todo.
Do ponto de vista do desempenho
A primeira proposta baseia-se na ideia de que
organizacional, fatores como a negociação de
devem existir dois lead time: a) o lead time
valores de reajustes contratuais não são
final – refere-se ao tempo total do processo a
valorizados na meta. Ao não considerar o
partir da criação da requisição até a
tempo de negociação na previsão da meta,
conclusão do tratamento pela área de
sugere-se que não é importante investir tempo
compras e b) lead time do operador – usado
nessa atividade para obter o menor reajuste,
para medir a atividade de trabalho apenas do
pois isso aumentaria o lead time e impactaria
comprador durante o tratamento da
negativamente na percepção de valor do
requisição, excetuando-se todos os fatores de
trabalho do operador. Um outro aspecto
Trabalho Externo e Trabalho Bloqueado.
relevante é que, diante da impossibilidade de
Assim, o lead time final, avaliando a
gerenciar os fatores de TE e TB que fazem
velocidade de todo o processo, passaria a ser
avançar o lead time, a única estratégia
uma meta conjunta de todas as áreas
possível ao operador da MDS é a
envolvidas. O operador seria medido apenas
intensificação da jornada de trabalho. Como o
pelo lead time específico de seu trabalho.
lead time é medido em dias, e não em horas,
aumentar o “tamanho” do dia ajuda a reduzir Com relação à incorporação da dimensão da
o impacto destes efeitos no lead time. De fato, Qualidade na avaliação do trabalho da MDS,
a pesquisa pôde perceber a utilização este projeto pretendeu interrogar sobre o que
sistemática de hora-extra (não remunerada) seria um “BOM” resultado do trabalho do
no setor, como sugere um operador: “a única operador da MDS. Do ponto de vista da
maneira é realizar hora-extras para tentar operação, o trabalho deve ser capaz de

Tópicos em Ergonomia e Segurança do Trabalho - Volume 1


23

manter a normalidade operacional, sem a  Adequação do valor da meta de lead


interrupção da prestação dos serviços time para processos com negociação, de
contratados. Do ponto de vista estratégico, o forma a motivar o investimento de trabalho
operador da MDS, sobretudo nos processos nesta atividade, gerando redução do valor
envolvendo negociação de reajustes, pode dos reajustes e consequente economia
conseguir economias importantes para a monetária para a empresa;
empresa. De certa forma, são dois critérios
que juntam diferentes parâmetros de  Redução do número de parâmetros
desempenho, mas permitem uma abordagem de eficiência utilizados na avaliação do
concreta em relação ao funcionamento trabalho, através da eliminação de parâmetros
organizacional como mostra o quadro 3. de eficiência redundantes (aging, saúde da
carteira...) e imprecisões conceituais
As principais contribuições deste quadro de (Produtividade). A combinação de lead time
parâmetros de desempenho para a avaliação (média dos tempos de ciclo) com SLA
do trabalho da MDS são: (percentual de requisições tratadas no prazo)
dão conta da percepção de eficiência do
 Adaptação à realidade do trabalho do
processo;
operador, tornando mais precisa a percepção
de qualidade deste trabalho, ao medir o lead  Incorporação de parâmetros de
time exclusivo de seus processos, sem eficácia com foco no desempenho global da
incorporar trabalho de outros setores; organização.

Quadro 3 – Quadro de proposições da avaliação

Parâmetro Forma de Cálculo Valor

Processos com
Média dos lead times do operador, negociação:
excetuando-se os fatores de 21 dias
Lead time do operador
Trabalho Bloqueado e Trabalho
Externo Demais processos:
14 dias

Quantidade de requisições
SLA (Service Level entregues no prazo acordado com
85%
Agreement) o cliente/ Quantidade total de
Requisições tratadas
Percentual de vezes que a
prestação dos serviços
% Serviços Interrompidas contratados foram interrompidos 0%
por problemas na manutenção
contratual

Economia Financeira na % de reajuste economizado com a


50%
negociação negociação com o fornecedor

Fonte: Andrade (2013)

Tópicos em Ergonomia e Segurança do Trabalho - Volume 1


24

5. CONCLUSÕES operacionais a serem nela utilizados, constitui


parte nevrálgica do projeto organizacional
A avaliação, em relação à atividade de
como um todo. A perspectiva de projeto
trabalho, das premissas utilizadas no projeto
singular desta avaliação, tomando como base
organizacional da MDS mostra que não é
objetivos estratégicos da organização e a
possível afirmar tratar-se de uma atividade de
especificidade da atividade de trabalho ali
baixa complexidade. Os testes também não
desenvolvida, podem constituir fator de
logram comprovar que exista uma relação
importante aprimoramento no desempenho
direta entre a quantidade de trabalho e o valor
organizacional. Neste caso, a Análise
do contrato, de forma a sustentar a
Ergonômica do Trabalho pode atuar como útil
metodologia atual de cálculo da
suporte metodológico a fazer emergir a
Produtividade. Conclui-se que o projeto
perspectiva da atividade real do trabalho de
organizacional, no que tange à sua
cada área a ser projetada.
concepção e avaliação do trabalho, baseou-
se mormente na generalização de medidas de A pesquisa sugere ainda que a primazia do
desempenho em outros setores da empresa e conceito de Produtividade, sobretudo em sua
não foram construídos com base na realidade métrica Volume/unidade de tempo, não
singular da atividade de trabalho da MDS. encontra fácil adequação em atividades pós-
industriais não padronizadas e de alta
Um dos efeitos desta inadequação é a
complexidade, muitas das quais no setor de
dificuldade do operador em construir
serviços. Esta perspectiva pode ser encarada
estratégias operativas eficientes para
por dois ângulos: 1) A necessidade de um
influenciar na qualidade percebida do seu
esforço teórico na busca de adequação de
trabalho. Parte significativa desta qualidade
métricas e conceitos para a aplicação da
percebida é devida a fatores que ele não
Produtividade no setor de serviço e 2) A
controla. Por outro lado, estratégias operativas
própria perda de prioridade da Produtividade
importantes para o desempenho da
como forma principal de medir o desempenho
organização, como a negociação de redução
do trabalho neste setor. De toda forma, duas
de valor dos reajustes contratuais, não
questões que esta pesquisa não pretendeu
aparecem na avaliação de desempenho, não
exaurir, mas que sugere para reflexão futura.
sendo valorizadas em sua medição. Pelo
contrário, para “economizar” dinheiro nos A proposta de reconfiguração da avaliação do
contratos, o operador, ao empreender maior trabalho na MDS apresentada nesta pesquisa,
tempo de negociação, acaba sendo avaliado ao mesmo tempo que singulariza o projeto a
de forma negativa. Diante da baixa autonomia partir das características da atividade real de
de possibilidades de influenciar na qualidade trabalho no setor, incorpora elementos de
percebida de seu trabalho, a estratégia mais desempenho estratégicos (economia em
comum utilizada pelos operadores é a negociações e normalidade operacional). A
intensificação sistemática da jornada de proposta se mostra ainda como uma
trabalho, o que contribui para o aumento da simplificação da avaliação, eliminando
percepção de desgaste dos operadores e alta medidas de desempenho menos adequadas
rotatividade de operadores no setor, além de ou redundantes, facilitando tanto o controle de
encobrir ineficiências sistêmicas da seus resultados por parte da gerência, como
organização. o foco em seu desempenho por parte do
operador. Importante ressaltar que o cálculo
A avaliação de desempenho do trabalhador,
do valor das metas propostas neste novo
sobretudo em sistemas de remuneração
formato precisaria ter suporte numa outra
variáveis, tende a se constituir num importante
pesquisa específica para dimensionamento
balizador de estratégias operacionais. A
das metas com base na atividade de trabalho
forma como será avaliado induzirá a forma
real. Os valores aqui sugeridos devem ser
como o trabalhador desempenha sua
considerados em caráter ilustrativo preliminar,
atividade. Portanto, o projeto da avaliação do
apenas para melhor entendimento conceitual
trabalho, bem como dos parâmetros
da proposta.

REFERÊNCIAS de trabalho do comprador de uma empresa de


extração de recursos naturais. Rio de Janeiro:
[1] ANDRADE, Juliana, 2013. A custa de tudo e de UERJ, 2013. 180p. Dissertação (Graduação
todos: Avaliação da adequação dos em Engenharia de Produção). Universidade do
parâmetros de desempenho com a atividade

Tópicos em Ergonomia e Segurança do Trabalho - Volume 1


25

Estado do Rio de Janeiro, UERJ, Rio de Engenharia, Universidade Federal do Rio de


Janeiro, 2013. Janeiro, COPPE/UFRJ, Rio de Janeiro, 1999.
[2] BRUNI, Adriano Leal. Estatística aplicada à [7] PARADELA, Thales. A transição de comando
gestão empresarial. 3 ed. São Paulo: Atlas de uma pequena empresa industrial no Brasil
S.A., 2011. como projeto organizacional segundo uma
perspectiva ergológica. Rio de Janeiro: UFRJ,
[3] De MASI, Domênico, 1999. O futuro do
2005. 250p. Tese (Doutorado em Ciências em
trabalho: fadiga e ócio na sociedade pós-
Engenharia de Produção) – Programa de Pós-
industrial. 2 ed. Rio de Janeiro: José Olympio,
Graduação e Pesquisa de Engenharia,
1999.
Universidade Federal do Rio de Janeiro,
[4] DEJOURS, Christophe. Trabalho, Tecnologia e COPPE/UFRJ, Rio de Janeiro, 2005.
Organização: Avaliação do trabalho submetido
[8] SALERNO, M. Análise ergonômica do trabalho
à prova real. São Paulo: Blucher, 2008
e projeto organizacional: uma discussão
[5] GUERIN et al. Comprendre le travail pour le comparada. In ABEPRO – Revista Produção.
transformer. PARIS: ANACT, 1991. Número especial . p. 45-60, ago. 2000.

[6] PARADELA, Thales .Além do contrato: a [9] TAYLOR, Frederick. Princípios de


cooperação e outras estratégias de gestão em administração científica. São Paulo: Atlas,
uma linha de produção estruturada em rede. 1990.
Rio de Janeiro: UFRJ, 1999. 154p. Tese
[10] TRIOLA, M. Elementary Statistics technology
(Mestre em Engenharia de Produção) –
update. Boston: Pearson Education, 2012.
Programa de Pós-Graduação e Pesquisa de

Tópicos em Ergonomia e Segurança do Trabalho - Volume 1


CAPÍTULO 3
AVALIAÇÃO DE POSTURA CORPORAL EM UMA
OPERAÇÃO LOGÍSTICA
Úrsula Berion Rei
Camila Aparecida Maciel da Silveira
Priscilla Barbosa Sant’Ana
Caio Lopes Gonçalves

Resumo: Este trabalho consiste num estudo ergonômico de uma operação logística
em um supermercado de peças de uma montadora. Com o objetivo de melhorar a
produtividade da operação, observando não só oportunidades de redução de
tempo e aplicação de medidas 5S, mas também as questões de saúde e
segurança que afetam a produtividade, foi realizado um estudo para avaliar as
condições em que as operações estão sendo realizadas atualmente e proposto
sugestões de melhorias para reduzir riscos de integridade física a que os
operadores estão expostos. As análises foram realizadas com o auxílio do software
Ergolândia, especialmente desenvolvido para análises ergonômicas aprofundadas
e diversas, e os resultados foram discutidos ao final, conflitando com as exigências
da NR 17 e com os conhecimentos adquiridos nas aulas de Ergonomia e na
bibliografia pesquisada sobre o assunto.

Palavras-chave: Ergonomia, postura, operação logística.

Tópicos em Ergonomia e Segurança do Trabalho - Volume 1


27

1. INTRODUÇÃO complexa e que exige oscilações do corpo


para manter o equilíbrio, qualquer desvio na
Inseridas em um mercado cada dia mais
forma da coluna vertebral pode prejudicar o
globalizado, as empresas do ramo automotivo
funcionamento dos membros, aumentar a
além de procurar desenvolver suas atividades
fadiga ou gerar lesões corporais no decorrer
da forma mais enxuta possível aumentando
do tempo. O controle postural requer uma
sua competitividade no mercado, devem
complexa interação entre o sistema neural e
pensar nas questões críticas que estão
musculoesquelético, o que inclui as relações
envolvidas como qualidade de vida,
biomecânicas entre os segmentos corporais.
segurança e ergonomia, considerando que
Sendo assim, envolve o controle da posição
esses fatores também estão intimamente
do corpo no espaço com dois propósitos:
ligados a produtividade.
estabilidade e orientação, onde a estabilidade
A produtividade pode ser considerada como
postural é a habilidade de manter o corpo em
a razão entre a produção e os recursos.
equilíbrio e a orientação postural é definida
Segundo de Oliveira (2012), os recursos
como a habilidade em manter uma relação
humanos estão inseridos no denominador
apropriada entre os segmentos do corpo para
dessa razão e seu desempenho exerce
a realização de uma tarefa (Shumway-Cook e
grande influência sobre os resultados de
Woollacott, 2000).
produtividade. Neste sentido, pode-se
destacar que é extremamente importante que
1.1. OBJETO DE ESTUDO –
se realizem estudos e pesquisas sobre a
SUPERMERCADO DE PEÇAS
melhor forma de geri-los.
Conforme apontado, identifica-se a O conceito de supermercado está inserido na
necessidade do estudo das atividades mentalidade enxuta (lean thinking) e, de
inerentes ao processo produtivo de forma a acordo com Pinto (2012), ele surge como uma
melhorar as condições para sua realização. das ferramentas de eliminação de
Alguns tópicos de ergonomia são desperdícios da cadeia de valor no tocante a
fundamentais para essa análise que pode ser logística interna, principalmente. Em oposição
voltada tanto para a avaliação da postura à movimentação de lotes, estabelece-se o
corporal como para a do ambiente de conceito do fluxo unitário em função da
trabalho físico, envolvendo temperatura, necessidade. De uma forma geral, o autor
iluminação e ruído. Para o presente estudo, as afirma que este elemento facilita a criação de
análises serão voltadas para a avaliação da fluxo ao longo de toda a cadeia de valor.
postura corporal. O termo “ergonomia” é Em outras palavras, as peças com
composto por duas palavras gregas: ergon características pré-determinadas, são
(trabalho) e nomos (normas, regras, leis) que dispostas em prateleiras, que obedecem aos
unidas sugerem o estudo da adaptação do padrões lean, em uma área dedicada a
trabalho às características dos indivíduos, separação dessas peças de acordo com o
proporcionando maior conforto, segurança e produto referente, que serão enviadas para a
melhorando o desempenho nas atividades do linha de produção em carrinhos, conhecidos
trabalho (FALZON, 2007). como basket ilustrado na Figura 1, os quais
A manutenção da postura ereta, ou seja, acompanham seus respectivos produtos
controlar os segmentos corporais mantendo a durante o processo.
coluna em alinhamento é uma tarefa

Tópicos em Ergonomia e Segurança do Trabalho - Volume 1


28

Figura 1: Exemplo de Basket em um supermercado de peças

Fonte: Os autores

Observando o posto de trabalho de uma ergonômicas. Seu objetivo é por meio da


operação logística em um supermercado de identificação e análise de condições
peças de uma montadora de veículos inadequadas em postos e trabalho, auxiliar no
comerciais no sul do estado do Rio de planejamento e na elaboração de melhorias,
Janeiro, torna-se clara a necessidade da de modo a eliminar os riscos físicos ou
avaliação para ajuste ergonômico da mentais aos quais os operários estão
atividade, com o objetivo de aumentar a expostos (FBFSistemas 2013).
produtividade e diminuir os riscos a sua Os resultados obtidos devem ser comparados
integridade e segurança, já que atividades com os padrões estabelecidos na Norma
realizadas de forma repetitiva podem Regulamentadora 17 (NR 17), a qual visa a
prejudicar e limitar as aptidões de seus estabelecer parâmetros que permitam a
operadores. adaptação das condições de trabalho às
Portanto, o propósito do presente artigo é características psicofisiológicas dos
realizar uma análise ergonômica da atividade trabalhadores, de modo a proporcionar um
de abastecimento de bandejas de peças de máximo de conforto, segurança e
fixação nos baskets de um dos desempenho eficiente. Incluindo aspectos
supermercados de peças de uma montadora relacionados ao levantamento, transporte e
de veículos comerciais, para avaliar as descarga de materiais, ao mobiliário, aos
operações que a compõem e os impactos equipamentos e às condições ambientais do
negativos que podem causar nos operadores, posto de trabalho e à própria organização do
visando promover melhorias que possam trabalho (MTE 1990).
amenizar ou sanar esses impactos, além de A seguir serão apresentados os
aumentar a eficiência do trabalhador no procedimentos metodológicos utilizados, de
exercício de suas funções, com base em um forma a possibilitar a compreensão da análise
estudo de caso. ergonômica realizada. Após isso, serão
As análises foram efetivadas com a utilização apresentados os dados coletados juntamente
do software Ergolândia 3.0 desenvolvido pela aos resultados das análises executadas com
FBF SISTEMAS, que é destinado à utilização o auxílio do software Ergolândia. Finalizando,
de ergonomistas, fisioterapeutas e empresas serão discutidos os aspectos mais relevantes
para avaliar a ergonomia dos funcionários, apontados pelo estudo, bem como sua
além de profissionais da área de saúde importância e a viabilidade da implantação
ocupacional, professores e estudantes com o das melhorias propostas e apresentada a
intuito de aprender e aplicar ferramentas conclusão.

Tópicos em Ergonomia e Segurança do Trabalho - Volume 1


29

2. PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS ergonômico extremo – descrição de algum


fator de altíssima intensidade e, caso haja,
Para o desenvolvimento desse trabalho,
este fator deve receber atenção especial na
primeiramente foi realizado um estudo em
análise – e dificuldade, desconforto e fadiga
diferentes postos de trabalho, para identificar
observados pelo analista durante a avaliação
aquele com maior aplicabilidade do estudo.
– utilizado mesmo na inexistência de fator
Com o ambiente ideal encontrado, foi possível
biomecânico significativo com o objetivo de
realizar a proposta do trabalho por meio das
orientar medidas corretivas.
etapas abaixo descritas.
Com a finalidade de observar detalhadamente
2.1.2 CÁLCULO DE FORÇA
cada elemento da operação e realizar sua
cronometragem, foi realizada uma filmagem O Cálculo de Força permite verificar a força
da atividade. Para a análise ergonômica da necessária para realizar o transporte de uma
atividade foi necessário pesquisar sobre as carga de determinada massa, a ser
ferramentas oferecidas pelo software em sua especificada, em três diferentes condições:
extensão, porém somente foram selecionadas carregar horizontalmente, arrastar sobre um
aquelas cujas propostas/objetivos estão de plano horizontal ou arrastar sobre um plano
acordo com as condições da atividade em inclinado. No presente trabalho a atividade
questão e com a análise desejada. em questão é referente à primeira condição.
A coleta de dados consistiu em mensurar as Por não haver contato com superfícies, a
dimensões dos baskets, prateleira e bandejas intensidade força a ser aplicada para o
de elementos de fixação, os deslocamentos transporte, uma vez que a carga já se
vertical e horizontal e o peso das bandejas, encontre na altura em que será movimentada,
além de coletar informações sobre o é equivalente à força peso, que corresponde
funcionário que executa a atividade. à ação da gravidade sobre a carga. O risco
Para análise de postura da atividade em ao qual o operador está exposto é
questão, foram escolhidas quatro dentre as proporcional, entre outros, ao peso do objeto
vinte ferramentas oferecidas pelo software transportado. Em função desta força e de
Ergolândia para avaliação e melhoria dos outros parâmetros, pode-se avaliar que
postos de trabalho, aumentando sua decisões tomar para a redução dos riscos
produtividade e diminuindo os riscos potenciais.
ocupacionais.
2.1.3 MÉTODO DE MOORE E GARG
2.1 FERRAMENTAS DO SOFTWARE
ERGOLÂNDIA Proposto em 1995 por Moore e Garg, o
método Strain Index é utilizado na avaliação
Segue abaixo uma breve explicação das
de riscos potenciais devido a posturas
ferramentas utilizadas para o presente artigo.
inadequadas e esforços repetitivos nestas
partes do corpo. A repetitividade não se
2.1.1 CHECK LIST DE COUTO
caracteriza apenas pela a execução de
O Check List de Couto é utilizado na movimentos uniformes, mas também pela
verificação da existência de riscos devido a utilização dos mesmos músculos e nervos em
fatores biomecânicos, que são os movimentos movimentos similares.
e posições realizados pelo corpo. Esta Os riscos aos quais os trabalhadores
ferramenta é composta de 25 perguntas, submetidos às atividades repetitivas estão
divididas em seis tópicos: sobrecarga física, expostos podem ser agravados pela postura
força com as mãos, postura no trabalho, posto inadequada. Uma postura corporal ereta
de trabalho, repetitividade e organização do possibilita o equilíbrio da ação da gravidade,
trabalho e ferramenta de trabalho. De acordo implicando em um gasto de energia mínimo.
com a resposta, o item recebe uma Segundo Gonzalez (2005), esse baixo gasto
pontuação que ao final será somada, gerando energético é decorrente de uma menor
o resultado. A interpretação do resultado se sobrecarga articular que, por sua vez,
dá por meio da comparação do valor final determina uma atividade muscular menos
com os valores dos intervalos pré- intensa.
determinados pela ferramenta. Por exemplo o O método de Moore e Garg permite analisar a
intervalo entre 0 a 3 pontos: ausência de existência de sobrecarga nos membros
fatores biomecânicos, ausência de risco. superiores através da determinação de seis
O Check List de Couto conta com mais dois fatores referentes à atividade realizada pelo
tópicos, cujas análises são qualitativas: fator operador. É importante ressaltar que o Strain

Tópicos em Ergonomia e Segurança do Trabalho - Volume 1


30

Index não permite a avaliação de múltiplas denominados multiplicadores, são obtidos


tarefas simultaneamente, devendo estas ser através da conversão do parâmetro analisado
estudadas separadamente. em números decimais através da utilização de
Os seis parâmetros utilizados na aplicação da tabelas de equivalência.
ferramenta foram: Fator de Intensidade do O resultado final é obtido através do produto
Esforço (FIE), Fator Duração do Esforço dos seis multiplicadores, conforme
(FDE), Fator Frequência do Esforço (FFE), demonstrado abaixo na Equação (1), e do
Fator Postura da Mão e do Punho (FPMP), confronto com intervalos pré-determinados,
Fator Ritmo do Trabalho (FRT) e Fator que indicam a existência, ou não, de risco
Duração do Trabalho (FDT). Estes fatores, potencial para causar lesões
.

Índice de Moore e Garg = FIE x FDE x FFE x FPMP x FRT x FDT (1)

Os intervalos e suas conclusões são:


- ≤ 3: trabalho provavelmente seguro;
- ]3;5]: duvidoso, questionável;
- ]5;7]: risco de lesão de extremidade distal dos membros superiores;
- 7: alto risco de lesão, tão mais alto quanto maior for o resultado da multiplicação.

2.2 COLETA DE DADOS horizontal, foi utilizada uma trena de fita de


aço. A trena de fita de aço é um instrumento
Com base nas informações necessárias para
de medição cuja fita é graduada ao longo de
aplicação das ferramentas acima descritas,
seu comprimento, com traços transversais e
realizou-se a coleta de dados que consistiu
acoplada a uma caixa ou suporte dotado de
em mensurar as dimensões dos baskets,
mecanismo para recolhimento manual ou
prateleira e bandejas de elementos de
automático da fita, com sistema de
fixação, o deslocamento horizontal e a massa
travamento conforme observado na Figura 2
das bandejas, além de coletar informações
(ABNT 2004).
sobre o funcionário que executa a atividade.
As dimensões e tolerâncias aplicadas para a
2.2.1 MEDIDAS trena utilizada nesse trabalho estão
apresentadas na Tabela 1.
Para mensurar as dimensões do carrinho
(basket), da prateleira e das caixas, bem
como as medidas de deslocamento

Figura 2 – Esquema de uma Trena

Fonte: ABNT (2004)

Tópicos em Ergonomia e Segurança do Trabalho - Volume 1


31

Tabela 1 - Dimensões e Tolerâncias para a Trena Utilizada


Grupo de Largura Espessura Erro máximo
Tipo de Tolerância
Comprimento (mm) (mm) Tolerância admissível
fita (mm)
(m) Mín Máx Mín Máx (mm)
curvada de 2 à 5 6 13 ± 0,3 0,1 0,2 ± 0,02 6
Fonte: ABNT (2004)

2.2.2 MASSA DAS CARGAS onde foram questionadas informações como


idade, altura e jornada de trabalho.
Para obter a massa aproximada da carga
sustentada pelo operador, foram selecionadas
3. RESULTADOS
duas bandejas, uma de cada nível da
prateleira. Cada um desses níveis contém 3.1 COLETA DE DADOS
aquelas relativas a cada uma das famílias de
Coletando os dados necessários à aplicação
produtos.
das ferramentas, foram obtidos os seguintes
As massas foram medidas em uma balança
resultados.
digital com capacidade de 5g a 30.000g, com
sensibilidade de contagem de ± 10g, com
3.1.1 MEDIDAS
cujos valores encontrados estão tabelados na
sessão resultados. 3.1.1.1 DIMENSÕES
As dimensões das bandejas, dos baskets e
2.2.3 DADOS SOBRE O OPERADOR
das prateleiras estão descritas na Tabela 2.
Os dados do operador que realiza a atividade
foram obtidos através de entrevista direta,

Tabela 2 – Dimensões dos objetos

Objetos Dimensões (mm)


Bandeja 320x535x205
Basket 1290x600x1050
Prateleira 1520x1650x1310
Fonte: Os autores

3.1.1.2 DESLOCAMENTO HORIZONTAL 3.1.2 MASSAS DAS CARGAS


O deslocamento horizontal ocorre entre 0 e As massas das bandejas alocadas em cada
2800mm, dependendo da posição do basket nível da prateleira estão descritas na Tabela
em relação a prateleira. 3.

Tabela 3 – Massas das Bandejas Relativas aos Níveis da Prateleira


Níveis Massa 1 Massa 2
Nível 1 5,090 kg 6,115 kg
Nível 2 4,265 kg 3,920 kg
Nível 3 5,995 kg 6,635 kg
Nível 4 5,715 kg 5,860 kg
Fonte: Os autores

Tópicos em Ergonomia e Segurança do Trabalho - Volume 1


32

3.1.3 DADOS SOBRE O OPERADOR sexta e, ocasionalmente, aos sábados


conforme Tabela 4.
O operador entrevistado era do sexo feminino
e possui jornada de trabalho de segunda a

Tabela 1: Dados da operadora


Idade Altura Jornada
24 anos 1,59m Início: 06:30h
Término: 16:18h

Fonte: Os autores

3.2 APLICAÇÃO DAS FERRAMENTAS DO execução desta atividade. O cenário em


ERGOLÂNDIA questão é o “Carregar uma Carga”, onde a
única direção de esforço a ser aplicado é a
3.2.1 CÁLCULO DE FORÇA
vertical, em sentido contrário ao da gravidade.
A primeira ferramenta aplicada na análise do Como o intervalo de possibilidades de
posto de trabalho é o Cálculo de Força, pois massas das caixas é de 3,920kg e 6,635kg,
seu resultado será uma das bases utilizadas serão calculados os limites inferior e superior
durante a aplicação das demais ferramentas de força exigida para manuseio de cargas na
propostas. Ao informarmos a massa da carga atividade em questão. Os resultados
a ser transportada pelo operador, o Cálculo encontrados são demonstrados na Figura 3.
de Força retorna a força necessária para a

Figura 3 – Limites de força inferior e superior, respectivamente, necessários à atividade.

Fonte: Software Ergolândia 3.0

Conforme demonstrado, o esforço pesos variam entre 6,64% e 11,25% do seu


despendido pelo Operador Logístico no peso.
transporte de uma caixa com peças se
concentra entre 38,455N e 65,089N. Para o 3.2.2 CHECK LIST DE COUTO
dimensionamento da representatividade do
O Check List de Couto foi aplicado com o
resultado, a funcionária analisada possui
objetivo de obter uma visão geral da
massa de 59kg, que sofrendo os efeitos da
existência de risco devido a movimentos e
gravidade gera uma força peso de 578,79N.
posições realizados pelo corpo. O resultado
Portanto, esta pessoa transporta cargas cujos
de sua aplicação esta ilustrado na Figura 4.

Tópicos em Ergonomia e Segurança do Trabalho - Volume 1


33

Figura 4 – Resultado da aplicação do método Check List de Couto

Fonte: Software Ergolândia 3.0

O somatório dos pontos equivalente a oito Por último, em Posto de Trabalho e Esforço
indica a improbabilidade de risco, porém não Estático foi atribuída mais uma penalização
descarta sua existência. O principal devido à falta de regulagem de altura no
contribuinte para este resultado foi o tópico posto de trabalho, que no caso é
Postura no Trabalho. A existência do esforço representado pelas prateleiras e pelo basket.
estático das mãos e do ombro durante a
jornada de trabalho já garantiram dois pontos 3.2.3 MOORE E GARG
nas duas primeiras perguntas. Além dos
O método Strain Index foi utilizado porque,
esforços estáticos, há o desvio ulnar forçado
devido às características da atividade
dos punhos no momento de se colocar a
analisada, as principais partes do corpo do
bandeja sobre o basket ou de retirá-la da
operador sujeito a riscos ergonômicos são os
prateleira, o que adicionou um ponto ao
membros superiores. Devido ao fato da
somatório.
massa da caixa com as peças variar entre
O quarto ponto da Postura de Trabalho foi
3,920kg e 6,635kg, o Fator de Intensidade do
devido à necessidade de se levantar os
Esforço foi considerado “algo pesado”.
braços acima da altura dos ombros, esforço
Analisando o resultado encontrado com a
que, apesar de não ser exigido em todas os
aplicação do método Cálculo de Força, a
níveis da prateleira, não pode ser
força necessária para o transporte das cargas
desconsiderado por fazer parte da rotina de
entre os limites de massa citados varia entre
trabalho da função, e da frequente abdução
38,455N e 65,089N e a classificação da
do braço acima de 45 graus.
intensidade do esforço levou em
Analisando os demais tópicos, a Sobrecarga
consideração a não concentração de peso
Física contribuiu com um ponto devido à
das cargas nos limites.
massa da caixa com as peças ser superior a
O Fator Frequência do Esforço é de quatro a
300g. A Repetitividade e Organização do
oito minutos, determinado através do
Trabalho foi o segundo colocado em relação
acompanhamento da atividade e do vídeo
às penalizações. A não existência de
gravado em 07/03/2013. Estas medidas
alternância de grupamentos musculares e o
também foram importantes para a
não estabelecimento de um tempo de
classificação do Fator Duração do Esforço em
descanso superior a cinco minutos por hora
“maior ou igual a 80% do ciclo”. O Fator
renderam mais dois pontos ao somatório.
Postura da Mão e Punho, assim como o Fator

Tópicos em Ergonomia e Segurança do Trabalho - Volume 1


34

Ritmo de Trabalho, é razoável, enquanto o respondendo por, aproximadamente, 50% do


Fator Duração do Trabalho é de duas a quatro turno da função. O resultado obtido com a
horas por dia, devido ao fato de esta atividade aplicação do método e dos valores está
não ser a única realizada pelo operador, ilustrado na Figura 5.

Figura 5 – Resultado da aplicação do método Strain Index

Fonte: Software Ergolândia 3.0

Um índice acima de sete, além de indicar um Como a carga transportada pela operadora se
alto risco, informa que este é proporcional ao encontra entre 6,64% e 11,25% do seu peso,
valor obtido. Este resultado, apesar de ruim, e o limite seriam 23kg que representam
poderia ser muito pior caso a caixa possuísse 38,98% do seu peso, podemos afirmar
uma amplitude de peso maior. também que a saúde ou a segurança da
operadora não seria comprometida por se
4. DISCUSSÃO tratar de pesos inferiores ao limite para a
execução da atividade.
4.1 CÁLCULO DE FORÇA
O resultado da análise com esta ferramenta 4.2 CHECK LIST DE COUTO
possibilitou certificar que a atividade de
A Figura 5 ilustra a representatividade de
levantamento de carga está atendendo as
cada tópico na composição do somatório do
exigências da NR 17 que dizem respeito a
resultado final da análise.
esse ponto, bem como os itens 17.2.2 a
17.2.5.

Tópicos em Ergonomia e Segurança do Trabalho - Volume 1


35

Figura 2: Representatividades dos tópicos no somatório do Check List de Couto.

Fonte: Os autores

Para atingir a inexistência de risco, algumas utilizados por todos os trabalhadores durante
medidas corretivas devem ser tomadas. as pausas das atividades em que os trabalhos
Dentre as possibilidades mais viáveis devam ser realizados de pé. Não há assentos
destacam-se o estabelecimento de uma para descanso nesse posto de trabalho, e a
pausa de cinco a dez minutos por hora e a colocação dos mesmos amenizaria os riscos
atribuição de atividades no restante da devido a fatores biomecânicos.
jornada de trabalho que façam uso de outros
grupamentos musculares. Estas medidas, se 4.3 MOORE E GARG
tomadas em conjunto, já seriam suficientes
Na análise com a ferramenta de Moore e
para que o somatório do método caísse para
Garg, caso o limite inferior de massa do
seis pontos, passando para uma situação de
conjunto caixa mais peças, 3,920kg, fosse
fatores biomecânicos significativos, porém
levemente reduzido ao ponto de ser
com ausência de risco.
considerado um esforço de intensidade leve,
É importante ressaltar que, neste caso, a
e se observasse uma concentração de caixas
Postura no Trabalho passaria a representar
com massas próximas a este valor, o índice
2/3 da pontuação total, devido ao fato de as
estaria no intervalo ]3;5], onde o a existência
ocorrências penalizadas neste tópico serem
de risco é considerada incerta.
características da atividade e, portanto,
A evolução do índice em função do Fator de
dificilmente poderão ser alteradas.
Intensidade do Esforço pode ser observada
Em relação a NR 17, verificamos que a
na Figura 6, com os demais fatores fixados, a
atividade atende o item 17.3.2, que trata das
cor amarela indica o risco duvidoso e a azul a
características do mobiliário dos postos de
proporção de risco dentro da classificação
trabalho, porém não atende o item 17.3.5 que
alto risco.
exige a colocação de assentos para
descanso em locais em que possam ser

Figura 6 – Gráfico Strain Index em função do Fator de Intensidade do Esforço

Tópicos em Ergonomia e Segurança do Trabalho - Volume 1


36

Na Figura 6 é possível perceber a influência entrevista com a operadora do posto,


do FIE na composição do índice. aplicação de três ferramentas do software
Desconsiderando a alteração nas massas das Ergolândia e análise dos resultados obtidos,
bandejas para a redução do nível de risco alto conhecer a atividade e os fatores que
para a classificação imediatamente inferior, interferem no risco ergonômico durante a
“algum risco”, cujo intervalo está realização da atividade.
compreendido entre ]5;7], seria necessário, Confrontando os resultados obtidos com a
por exemplo, a redução do número de ciclos Norma Regulamentadora referente a
por minuto para, no máximo, quatro. ergonomia (NR 17), foram diagnosticados
Já para alcançar a classificação de risco pontos de melhoria no que tange a execução
incerto, além da medida anterior, seria preciso da atividade, ampliando a segurança na sua
a redução da representatividade desta tarefa realização, além de promover saúde e bem-
na jornada da função, de modo que esta estar biomecânicos para a operadora.
ocupasse entre uma e duas horas da rotina Analisando a carga transportada, a atividade
diária de trabalho. O principal obstáculo é não causaria danos ou lesões devido a esse
que, para isso, seria exigida a adição de um quesito, já que o peso real é inferior ao limite
novo operador à função, de modo a satisfazer estabelecido pela norma. Por outro lado, as
a necessidade diária da atividade. outras duas ferramentas utilizadas mostraram
Alguns parâmetros como o FDE e o FMPM oportunidades de melhorias relacionadas,
são característicos da atividade e principalmente, a fadiga biomecânica. Foram
praticamente impossíveis de serem alterados. propostas melhorias no sentido de se incluir
Sendo assim, para garantir a segurança total tempo e local para descanso, redução do
na operação, com índice menor ou igual a ciclo de trabalho e adotar práticas de job
três, o tempo despendido na atividade não rotation entre a atividade estudada e outras
poderia ser superior a uma hora diária, que seja necessário o uso de outros
medida considerada inviável. grupamentos musculares. Dentre essas, a de
Isso se reflete no subitem b do item 17.6.3 da aplicação mais viável seria a adoção da
NR 17, onde informa que para as atividades prática de job rotation, que além de não
que exijam sobrecarga muscular estática ou interferir no quadro de funcionários e custos
dinâmica do pescoço, ombros, dorso e da empresa, estaria de acordo com os
membros superiores e inferiores, devem ser conceitos da mentalidade lean relacionados
incluídas pausas para descanso. ao emprego de trabalhadores multifuncionais.
Pretende-se ampliar a abrangência desse
5. CONCLUSÃO estudo, incluindo a análise do ambiente físico
de trabalho. Assim, recomenda-se verificar as
Tendo como foco do presente estudo a
condições de iluminação e temperatura além
sugestão de melhorias de caráter ergonômico
dos níveis de ruído, por intermédio de
em uma das atividades do posto de trabalho
comparações com os padrões estabelecidos
de um dos supermercados de peças de uma
pela NR 17, conforme empregado nesse
montadora de veículos comerciais, pode-se,
artigo.
por meio de observações, coleta de dados,

REFERÊNCIAS
[1] ABNT (2004). "Instrumento de medição e [6] Ferreira, E. A. G. "Postura e controle
controle – Trena de fita de aço - Requisitos". NBR postural: desenvolvimento e aplicação de método
10123:1987. quantitativo de avaliação postural". Tese de
[2] Bolis, I. "Contribuições da ergonomia para Doutorado. São Paulo, 2005.
a melhoria do trabalho e para o processo de [7] MTE, M. d. T. e. E. (1990). "NR 17 -
emancipação dos sujeitos". Tese de Mestrado. São Ergonomia" Retrieved 10/03/2013, from
Paulo, 2011. http://portal.mte.gov.br/data/files/FF8080812BE914
[3] Oliveira, F. M. C. "Gestão participativa e E6012BEFBAD7064803/nr_17.pdf.
produtividade: uma abordagem da ergonomia". [8] Pinto, M. B. F. "Total flow management:
Universidade Candido Mendes. Pós Graduação dimensionamento de supermercados na indústria".
“Lato Sensu”, 2012. Universidade do Porto. Mestrado Integrado, 2012.
[4] FALZON, P. "Ergonomia". São Paulo, [9] Shumway-Cook, A. Woollacott "Motor
Edgard Blucher, 2007. Control- Theory and Pratical Applications", 2000.
[5] FBFSistemas (2013). "Software Ergolândia
3.0." Retrieved 09/03/2013, from
http://www.fbfsistemas.com/screenshots.html

Tópicos em Ergonomia e Segurança do Trabalho - Volume 1


CAPÍTULO 4
AVALIAÇÃO DOS NÍVEIS DE RISCO OCUPACIONAL
ASSOCIADOS AO MANEJO DE MEDICAMENTOS
ANTINEOPLÁSICOS NUMA CENTRAL DE ABASTECIMENTO
HOSPITALAR

Leonardo de Lima Moura


Ronaldo Ferreira da Silva
Fernando Sergio Ferreiro da Silva
André Teixeira Pontes

Resumo: No passado, qualquer acidente ocorrido no processo produtivo era


definido como uma fatalidade não sendo geralmente relacionado à forma como a
atividade era realizada. Após a percepção da possibilidade da redução dos custos
de seguros e do próprio desenvolvimento de um caráter preventivo das
organizações frente a acidentes, estas passaram a investir no gerenciamento dos
riscos ocupacionais. Apesar disso, ainda existem organizações cujos riscos
ocupacionais e os acidentes têm sido constantemente subestimados por ocorrerem
em pequena escala. Dentre estas organizações, destacam-se os hospitais, cujo
ambiente submete os seus funcionários a riscos ocupacionais de diversa natureza
devido à exposição a fatores de caráter variado como físicos, químicos,
psicossociais, ergonômicos, e biológicos. Dentre os fatores químicos podem se
destacar os fármacos antineoplásicos utilizados no tratamento do câncer. Em
virtude disso realizou-se um estudo de caso num hospital universitário para se
avaliar os níveis de risco ocupacional envolvidos no conjunto de atividades
realizadas numa central de abastecimento farmacêutico. Observou-se uma
predominância da probabilidade de risco improvável associada a uma alta
consequência, constituindo-se então de riscos gerenciáveis.

Palavras-chave: Riscos ocupacionais, antineoplásicos, hospital

Tópicos em Ergonomia e Segurança do Trabalho - Volume 1


38

1. INTRODUÇÃO O presente estudo tem o objetivo de analisar


os riscos ocupacionais relacionados à
Na organização social atual, o ser humano
manipulação de quimioterápicos na unidade
destina ao trabalho em torno de 65% da sua
de quimioterapia de um hospital universitário
capacidade produtiva, dedicando cerca de
de alta complexidade, utilizando a
metade da sua existência à atividade
metodologia da norma OHSAS 18001.
profissional (MAURO, 2004).
Entretanto, nas suas atividades diárias, os
2. REVISÃO BIBLIOGRÁFICA
trabalhadores podem estar expostos a
acidentes e doenças ocupacionais que, 2.1. A QUIMIOTERAPIA ANTINEOPLÁSICA
devido às suas conseqüências, provocam um
Os principais de tratamento para o câncer são
considerável prejuízo social. As ações
a cirurgia, a radioterapia e a quimioterapia e o
destinadas à mitigação desta exposição são
objetivo de cada um deles é eliminar a
de responsabilidade das empresas, do
doença, normalmente por meio da terapia
Estado e da sociedade (BARRETO, 2012).
combinada, em que é associado mais que um
O ambiente hospitalar tem sido considerado
tipo de tratamento (ALMEIDA, 2OO4).
um dos mais predisponentes à exposição a
A quimioterapia utiliza os medicamentos
diversos riscos ocupacionais por agrupar
quimioterápicos antineoplásicos que
pacientes portadores de diversas doenças de
constituem uma categoria de fármacos cujo
caráter infectocontagioso e realizar diversos
emprego está progressivamente aumentando,
procedimentos que oferecem riscos de
nos últimos decênios, em função do crescente
acidentes e doenças para os profissionais de
número de casos diagnosticados e da
saúde (NISHIDE, 2004).
conseqüente necessidade de investigação
Os riscos ocupacionais que mais acometem
sobre novas opções de tratamento que
os trabalhadores de saúde são oriundos de
ofereçam aos pacientes uma vida
fatores físicos, químicos, psicossociais,
qualitativamente melhor (MARTINS, 2004).
ergonômicos, e biológicos. Em relação aos
A quimioterapia pode ser feita com a
riscos químicos são aqueles associados a
aplicação de um ou mais medicamentos. O
agentes que tenham a capacidade de
uso de drogas isoladas (monoquimioterapia)
penetrar no organismo pela via respiratória
mostrou-se ineficaz em induzir respostas
por meio de poeiras, névoas, neblinas, gases
completas ou parciais significativas na maioria
ou vapores ou que, pela natureza da atividade
dos tumores, sendo atualmente de uso muito
realizada e exposição, possam ser absorvidos
restrito. A poliquimioterapia é de eficácia
pelo organismo através da ingestão ou da
comprovada e tem como objetivos utilizar a
pele (CHIODI, 2006).
ação sinérgica das drogas, reduzir o
Dentre os agentes químicos, destacam-se os
desenvolvimento de resistência aos
quimioterápicos pois os profissionais de
medicamentos e promover maior resposta por
saúde que os manuseiam podem estar
dose administrada (INCA, 2012).
expostos a agentes citotóxicos pela inalação
A manipulação de quimioterápicos pode ser
dos aerossóis, das gotas e da poeira dos
entendida como um conjunto de operações
produtos ou mesmo pelo contato direto com a
que envolvem a recepção, armazenamento e
pele, que é considera a principal via de
transporte, a preparação, a partir de uma
exposição. Na atividade diária, as três formas
embalagem comercial, da dose adequada e a
de contaminação coexistem e, na maioria dos
sua administração ao paciente, além do
casos, ocorrem simultaneamente, embora
recolhimento e eliminação dos resíduos e o
com graus de extensão diferentes, de acordo
tratamento adequado das excretas do
com a natureza da substância perigosa para
paciente (TEIXEIRA, 2001).
saúde e a atividade desenvolvida (SILVA,
O processo de manipulação ocorre em
2011).
algumas etapas. Primeiro, extrai-se o líquido
Uma ferramenta útil para minimizar o impacto
proveniente da ampola ou frasco-ampola,
das atividades sobre a saúde dos
observando-se a dosagem prescrita que
profissionais envolvidos .é a norma OHSAS
depois é injetado numa bolsa de soro para a
18001 que estabelece um processo de gestão
posterior administração no paciente. As
de saúde e segurança ocupacional cujo
seringas e agulhas utilizadas ao longo do
objetivo é minimizar ou eliminar
processo, são desprezadas num coletor,
completamente os riscos aos quais os
juntamente com as embalagens que podem
profissionais que possam estar expostos na
estar vazias ou conter resquícios de
sua rotina de trabalho (SEIFFERT, 2010).
medicamento. Apesar da utilização de

Tópicos em Ergonomia e Segurança do Trabalho - Volume 1


39

medidas de proteção adequadas por parte suprimentos sem a utilização de


dos profissionais que atuam na manipulação equipamentos de proteção individual. Este
de fármacos citotóxicos é improvável esperar fato, associado ao contínuo desenvolvimento
que o risco ocupacional associado a esta de novos medicamentos, torna possível
atividade seja completamente eliminado prever que os riscos ocupacionais associados
(MOURA, 2012). à sua utilização tendem a aumentar
consideravelmente (KOPJAR, 2009).
2.2. O RISCO OCUPACIONAL ASSOCIADO À Levando-se em consideração que os fatores
MANIPULAÇÃO DE QUIMIOTERÁPICOS de risco relacionados aos medicamentos
antineoplásicos estão inseridos em todas as
No contexto das atividades realizadas pelos
etapas da cadeia e não se limitam somente
farmacêuticos e enfermeiros no âmbito
aos profissionais de saúde, mas também aos
hospitalar, a principal atividade de exposição
próprios pacientes e profissionais de limpeza
ocupacional a agentes químicos é a
responsáveis pelo manejo dos resíduos de
manipulação de quimioterápicos (MORAIS,
quimioterápicos, Castiglia (2008), sugere
2009).
formas de redução desta exposição como o
Ao final da década de 70 e inicio da de 80,
treinamento dos profissionais sobre os riscos
começaram a surgir os primeiros relatos não
ocupacionais associados, a adoção de
formais de efeitos colaterais e reações
processos de tratamento que reduzam a
adversas em profissionais de enfermagem
toxicidade dos seus resíduos e o
envolvidos na terapia antineoplásica. Dentre
monitoramento biológico e ambiental do
os mais comuns, destacavam-se os de
impacto destes resíduos.
alterações de funções imunológicas e a
presença destes fármacos no sangue ou urina
2.3. SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL
destes profissionais (MARQUES, 2010).
A principal forma de exposição dos A definição da Organização Internacional do
profissionais que preparam e administram Trabalho (OIT) e da Organização mundial de
tratamentos quimioterápicos é por meio da Saúde (OMS) para o objetivo da saúde e
inalação dos aerossois, das gotas e dos pós segurança ocupacional é promover e manter
dos produtos ou por meio de contato direto um elevado grau de bem-estar físico, mental e
com a pele, que é considerada a principal via social dos profissionais, em todas as suas
de exposição. Num ambiente de trabalho, atividades e impedir danos a sua saúde
estas três possibilidades de contaminação relacionados com as condições de trabalho e
coexistem e, na maioria dos casos, ocorre de protegê-los dos riscos relacionados à
forma simultânea, embora dependam da presença de agentes prejudicais a saúde
natureza da substância e da atividade (BARRETO, 2012).
desenvolvida ( SILVA, 2011). Os acidentes e as doenças relacionadas a
Uma grande variedade de estudos tem realização do trabalho sob condições
alertado para a existência de contaminação inadequadas afetam a performance geral da
com resíduos destes fármacos nas superfícies organização interferindo negativamente na
de trabalho, paredes, pavimentos, roupas de sua competividade gerando a necessidade
cama de doentes tratados e recipientes que de um processo de gerenciamento. Isto se
recolheram secreções ou excreções em todas deve ao fato de que a segurança e saúde dos
as etapas da terapia antineoplásica tanto na funcionários está alcançando patamares de
preparação pelos farmacêuticos ou na exigências nunca vistos, em que o aumento
administração pelos profissionais de da eficácia produtiva com foco na redução
enfermagem (SUSPIRO,2012). das doenças ocupacionais, pode funcionar
Tal fato é comprovado por Sottani (2011) que como uma vantagem competitiva para as
analisou oito farmácias e nove áreas empresas (MELLER, 2011).
específicas de pacientes e detectou, em 54% No entanto, os programas de segurança e
da amostras, traços de pelo menos um saúde ocupacional ainda estão
fármaco antineoplásico e demonstrou que, predominantemente focados na organização
comparativamente, as farmácias estão mais das atividades de modo a avaliar e controlar
expostas à estes agentes do que as áreas os riscos no trabalho. A conseqüência é que
destinadas a pacientes. os programas apresentam muitas vezes um
Dentre os fatores que podem contribuir para a baixo desempenho, por várias razões, mas,
maior exposição dos profissionais de saúde principalmente porque privilegiam as
pode se destacar o manuseio destes situações de risco que possam infringir a
medicamentos ao longo da cadeia de legislação e que podem se transformar em

Tópicos em Ergonomia e Segurança do Trabalho - Volume 1


40

objeto de fiscalização pelos órgãos distribuição no tempo e a magnitude do


competentes (FRICK, 2011) resultado desfavorável. Assim, de acordo com
Nesta perspectiva, as questões relativas à essa definição, situação ou fator de risco é
segurança e saúde do trabalho passam a ser uma condição ou conjunto de circunstâncias
encaradas de forma distinta de outros que tem o potencial de causar um efeito
processos realizados pelas empresas por adverso, que pode ser a morte, as lesões,
estarem associadas aos regulamentos legais doenças ou danos à saúde e à propriedade
e sujeitos as sanções financeiras caso não ou ao meio ambiente (NEVES, 2007).
sejam realizadas, mas também como A identificação precoce dos riscos
operações que não acrescentam valor ao ocupacionais pode funcionar como uma
produto da empresa (CHAIB, 2005). atitude preventiva frente às doenças e
Entretanto, esta visão está sendo reformulada acidentes no âmbito do trabalho,
no momento em que existe a percepção de possibilitando a redução da ocorrência de
que, para se destacar num mercado cada vez acidentes. O conhecimento destes riscos por
mais global, não é mais suficiente oferecer parte dos próprios profissionais de saúde é
qualidade, preços competitivos, obedecer às importante já que os mesmos podem atuar
leis e pagar os impostos. As organizações como agentes internos da instituição na
que pretendam ser pioneiras em suas prevenção e promoção da saúde ocupacional
atividades, serão cada vez mais pressionadas (LEITÃO, 2008).
a analisar a relação de seus processos com o Diversos órgãos sugerem que no inicio da
ambiente e a sociedade, assim como o atividade e sempre que ocorram alterações
impacto de suas políticas e ações na em procedimentos, equipamentos ou
qualidade de vida de seus empregados e na utilização de substâncias tóxicas, ou seja, em
sociedade como um todo (BENITE, 2011). fatores que possam impactar na saúde
Nos hospitais, a gestão da segurança e saúde ocupacional dos trabalhadores, deva ser
do trabalho ainda se encontra em estágio realizada uma avaliação de risco. Neste tipo
inicial, uma vez que a forma de organização de avaliação, são analisadas as condições
do trabalho dos profissionais de saúde pode que podem comprometer a segurança dos
atuar como agravante do desgaste destes sistemas e o risco a que os trabalhadores
trabalhadores, principalmente em relação a estão expostos, além da magnitude da
exposição à agentes químicos. Esta exposição e da sensibilidade individual dos
exposição pode ocorrer pela interação do trabalhadores envolvidos no processo
trabalhador no interior de salas sem (CANASTRO, 2011).
ventilação e exaustão adequadas e Seiffert (2010) ressalta que o trabalhador não
potencializados por problemas com está exposto apenas no seu ambiente de
equipamentos, longas jornadas e faltas de trabalho, uma vez que após o cumprimento
medidas de proteção coletiva (COSTA, 2005). da jornada, estará exposto juntamente com o
restante da população, aos contaminantes
2.4. GESTÃO DE RISCOS OCUPACIONAIS que ele mesmo e os demais colegas de
trabalho originaram. Também elabora um
O conceito de risco é bidimensional pois
diagrama que identifica as diversas fases de
representa a possibilidade de um efeito
avaliação de risco descrito na figura 1.
adverso ou dano, a incerteza da ocorrência, a

Figura 1: Fases de avaliação de risco

Fonte: Adaptado de Seiffert (2010)

Tópicos em Ergonomia e Segurança do Trabalho - Volume 1


41

No ambiente hospitalar, muitas vezes as requisitos da norma, realizar uma auto-


avaliações de risco de saúde e segurança avaliação de conformidade e buscar a
ocupacional, são realizadas de maneira certificação de seu sistema de gestão por
informal, havendo um maior enfoque nos uma organização externa (OLIVEIRA,2008).
fatores que impactam diretamente na Outros benefícios potenciais advindos da
legislação vigente, com todas as melhorias do implantação de um sistema de gestão da
processo focadas num caráter reativo. No saúde e segurança ocupacional são:
entanto, diversas organizações pioneiras em assegurar aos stakeholders o
avaliação de risco consideram este processo comprometimento da instituição com a gestão
preliminar de avaliação como indispensável da saúde e segurança ocupacional, a
para o gerenciamento efetivo dos riscos melhoria da imagem pública da empresa, a
ocupacionais e que a presença de maior produtividade relacionada à redução da
procedimentos sistemáticos é importante para taxa de absenteísmo e a melhoria das
assegurar o sucesso desta gestão relações entre as organizações e os órgãos
(BARRETO, 2012). públicos de fiscalização do trabalho
Uma das formas para a obtenção de sucesso (SEIFFERT, 2010).
no processo de gerenciamento dos riscos A abordagem mais relacionada à norma é a
ocupacionais é a implementação de sistemas estrutural, no qual se estabelece um processo
de gestão de saúde e segurança ocupacional de auditoria que se baseia na verificação do
baseada nos sistemas de gestão ambiental grau de comprometimento dos requisitos de
(ISO 14001) e saúde e segurança segurança e saúde do trabalho focado numa
ocupacional (OHSAS 18001). descrição formal de todos os esforços
realizados pela empresa na melhoria da
2.5. NORMAS PARA GESTÃO DA SAÚDE E segurança e da saúde do trabalhador. No
SEGURANÇA OCUPACIONAL entanto, esta forma de análise não avalia
como o sistema influencia os riscos
O simples processo de aplicação da
relacionados ao trabalho, fazendo com que a
legislação trabalhista não garante
empresa possa apresentar resultados
necessariamente um sistema adequado de
significativos no papel, embora incidentes
gestão da segurança e saúde do trabalhador.
continuem a ocorrer no ambiente de trabalho
Assim, muitas vezes se faz necessário o uso
(COSTELLA, 2008).
de um sistema de certificação como a OHSAS
18001 para se atingir um processo de
3. METODOLOGIA
excelência que se trata de um sistema de
certificação mais complexo e exigente Para o presente trabalho, optou-se por
(GONÇALVES, 2012). realizar um estudo de caso numa unidade
A OHSAS 18001 é uma normativa baseada na quimioterápica de um hospital de alta
BS 8800 que busca atender às necessidades complexidade, iniciado a partir de um
das empresas por se tratar de uma ferramenta questionamento que pudesse funcionar como
de permanente controle, através do norteador do artigo tanto na constituição do
monitoramento periódico dos riscos existentes referencial teórico, bem como na busca por
nos diversos âmbitos da organização. Através resultados.
da antecipação, reconhecimento, avaliação e A pergunta que conduziu o desenvolvimento
consequente controle dos riscos ocupacionais do estudo de caso foi: de que forma as
existentes ou que venham a existir, as atividades envolvendo o manejo de
empresas que implantam esta normativa quimioterápicos ao longo das atividades
podem estabelecer critérios de pré-seleção internas do hospital poderiam ocasionar
de riscos e medidas de controles mais algum risco ocupacional aos profissionais de
adequadas para a realidade na qual a saúde?
empresa está inserida (ARAUJO,2002). A unidade-caso escolhida foi a unidade de
A norma OHSAS 18001 pode ser aplicável a alta complexidade em oncologia de um
qualquer tipo de organização que tenha entre hospital universitário considerado um dos
seus objetivos, as seguintes diretrizes: maiores do Estado do Rio de Janeiro.
estabelecer um sistema de segurança e Atualmente, é considerado na hierarquia do
saúde no trabalho, implementar, manter e SUS como hospital de nível terciário e
melhorar de forma contínua este sistema, quaternário, isto é, unidade de saúde de alta
demonstrar a conformidade da empresa aos complexidade de atendimento que atende a

Tópicos em Ergonomia e Segurança do Trabalho - Volume 1


42

uma população estimada em mais de dois Quimioterapia e Distribuição. A Central de


milhões de habitantes, realizando atendimento Abastecimento Farmacêutico funciona como
clínico, cirúrgico, oncológico, exames almoxarifado, sendo responsável por receber
laboratoriais e radiológicos, possuindo uma os medicamentos adquiridos pelo hospital e
capacidade de 200 leitos. abastecer os demais locais de
armazenamento A Farmácia de Quimioterapia
A unidade quimioterápica do hospital é
é a farmácia voltada para a preparação de
constituída pelo setor de hematologia,
quimioterápicos para serem administrados na
responsável pelo tratamento de pacientes
hematologia e ambulatório.
oncológicos internados, pelo ambulatório,
responsável pela administração de Para avaliar os riscos ocupacionais envolvidos
quimioterápicos a pacientes ambulatoriais e nas atividades de manuseio dos
pelo setor de Farmácia, responsável por suprir medicamentos antineoplásicos utilizou-se a
a demanda destes setores. metodologia proposta por Seiffert (2010) que
caracteriza a probabilidade de ocorrência do
O setor de Farmácia é dividido em 4 seções:
risco e as suas conseqüências e está
Central de Abastecimento Farmacêutico,
sintetizada no quadro 1:
Farmácia Ambulatorial, Farmácia de

Quadro 1- Enquadramento da probabilidade e da consequência do risco ocupacional.


Probabilidade Consequência do risco

Improvável Baixa

Provável Média

Rotineira Alta
Fonte: Adaptado de Seiffert (2010)

Em relação à probabilidade, o risco envolvem lacerações e queimaduras,


improvável é definido como aquele cuja enquanto a conseqüência do risco de
ocorrência esperada é acima de 10 anos. O natureza alta é aquela que ocasiona danos
risco provável é o que apresenta como amputações e câncer ocupacional..
probabilidade de ocorrer entre 1 e 10 anos. O Para a avaliação do nível de risco
risco rotineiro é aquele que apresenta ocupacional, foi utilizada a metodologia
possibilidade de ocorrer mais de duas vezes também proposta por Seiffert (2010) que o
ao mês. classifica como negligenciável, gerenciável e
Em relação à conseqüência do risco, o dano não tolerável em função da correlação entre a
de caráter baixo é aquele que provoca probabilidade e a gravidade do dano que
perturbações leves à saúde dos funcionários pode ser avaliada pela matriz descrita no
como desconfortos de caráter temporário. Já quadro 2.
os danos de natureza média são lesões

Quadro 2- Avaliação do nível de risco ocupacional

Consequência
Probabilidade Alta Média Baixa
Improvável Gerenciável Negligenciável Negligenciável
Provável Gerenciável Gerenciável Negligenciável
Rotineira Não tolerável Não tolerável Gerenciável
Fonte: Adaptado de Seiffert (2010)

Segundo a autora, o risco é classificado como adicional sobre o processo seja necessário. É
negligenciável caso nenhum controle gerenciável caso as probabilidades e

Tópicos em Ergonomia e Segurança do Trabalho - Volume 1


43

magnitudes sejam controláveis de forma a lote, da descrição do medicamento e da


serem aceitas pela comunidade. É quantidade solicitada.
classificado como não tolerável quando as Outra atividade realizada neste setor é a
probabilidades e magnitudes quando segregação dos ítens com prazo de validade
associadas, exigem ações que busquem a expirado em bombonas especificas que são
sua minimização. recolhidas a um serviço terceirizado de
Realizou-se uma descrição detalhada de tratamento de resíduos de serviços de saúde.
todas as atividades relacionadas ao manejo
de quimioterápicos e uma análise mais 4.1.3. ATIVIDADES DA FARMÁCIA
detalhada sobre os riscos ocupacionais QUIMIOTERÁPICA.
relacionados às atividades desenvolvidas no
Após a confirmação da separação do pedido,
ambulatório.
os profissionais da farmácia quimioterápica se
A coleta de dados se deu por meio de uma
dirigem ao estoque e retiram manualmente as
observação participante no período de março
embalagens contendo os medicamentos
a dezembro de 2012, no qual os
quimioterápicos solicitados.
pesquisadores participaram da execução das
No momento da estocagem na farmácia
atividades diárias do serviço de farmácia.
quimioterápica, é realizado um check-list
pelos funcionários de forma a se observar se
4. RESULTADOS E DISCUSSÃO as quantidades separadas, os medicamentos
e os lotes são equivalentes aos solicitados
4.1 O PROCESSO DE UTILIZAÇÃO DOS
pelo sistema.
QUIMIOTERÁPICOS
Depois, parte deles é direcionada para a área
De forma a facilitar o entendimento das limpa onde sofrerão um processo de
atividades realizadas nos setores analisados, higienização com água, sabão e alcool para
foi realizada inicialmente uma análise das repor o estoque interno da manipulação de
diversas atividades realizadas no processo de quimioterápicos. Este processo é realizado
manejo de quimioterapicos desde o seu diáriamente para que haja reposição contínua
recebimento no hospital até o descarte dos do estoque interno do processo de
resíduos gerados. manipulação.
No momento da manipulação, os
4.1.2. ATIVIDADES DA CENTRAL DE medicamentos são separados e levados até a
ABASTECIMENTO cabine de segurança no qual serão
manipulados pelo farmacêutico que deve
Nesta central, o medicamento proveniente
portar equipamentos de segurança individual
dos fornecedores é recebido por um auxiliar
e coletiva. No processo de manipulação,
de farmacia previamente treinado. Este
ocorre a transferência dos líquidos presentes
profissional é responsável por conferir, no
nos frascos dos medicamentos para as bolsas
momento da entrega, se há equivalencia entre
que serão administradas aos pacientes.
o que está estabelecido na nota fiscal e os
Ao final do processo de manipulação, os
medicamentos entregues, bem como a
frascos, as seringas, gazes, luvas e agulhas
quantidade e as condições de transporte já
que podem conter resquícios de
que existem medicamentos oncológicos que
medicamento são devidamente descartados
são termolábeis.
em bombonas.
Outro fator de destaque no processo de
As bolsas contendo quimioterápicos são
conferência, é analisar a integridade do
devidamente identificadas com etiquetas que
medicamento pois pode ter sido transportado
contenham dados do paciente como nome,
de maneira inapropriada e grande parte
prontuário e medicação a ser utilizada e são
destes medicamentos é perecivel. Após a
posteriormente colocadas numa maleta que
conferência, os medicamentos são
servirá como meio de transporte destes
armazenados num setor específico de
medicamentos até o ambulatório que será
quarentena no qual permanecem até que seja
realizado por um técnico de enfermagem.
dada a entrada do medicamento no sistema
Os resíduos gerados nesta etapa são
de gerenciamento de estoques.
segregados em recipientes apropriados e
Depois, os medicamentos são armazenados
retirados ao final do dia pelos profissionais de
em locais específicos e, semanalmente, a
limpeza.
farmácia quimioterápica realiza um pedido de
reposição de estoques que envolve a
separação dos medicamentos em função do

Tópicos em Ergonomia e Segurança do Trabalho - Volume 1


44

4.1.4. ATIVIDADES DO AMBULATÓRIO. devidademente descartados em recipientes


específicos.
No ambulatório, ocorre a administração dos
Como na farmácia quimioterápica, as salas de
quimioterápicos a pacientes ambulatoriais. O
administração são limpas diáriamente por
processo de administração dos
profissionais devidamente treinados utilizando
medicamentos é realizado por um profissional
equipamentos de proteção e os recipientes
de enfermagem que, antes da infusão,
são também diariamente substituidas e
consulta se as informações estabelecidas nas
encaminhadas a um setor de armazenamento
bolsas são equivalentes às da prescrição
temporário de resíduos de serviços de saúde.
para o paciente no qual ocorrerá a
administração. A infusão dos medicamentos
é realizada por meio da inserção de um 4.2. AVALIAÇÃO DO RISCO OCUPACIONAL
catéter no paciente que geralmente recebe DAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS NO
mais de uma medicação quimioterápica no AMBULATÓRIO.
mesmo dia.
Os riscos ocupacionais associados às
Após o término dainfusão, todos resíduos
atividades desenvolvidas no ambulatório
oriundos da administração de quimioterápicos
foram analisados segundo a probabilidade, a
como equipos, bolsas, seringas e agulhas são
consequência do dano e o nível de risco e
estão descritos no Quadro 3.

Quadro 3: Avaliação dos Riscos ocupacionais

Descrição das atividades do ambulatório Probabilidade do Consequência Nível do risco


risco do risco
Transporte interno de medicamentos
Risco
com risco de ruptura da embalagem do Provável Alta
Gerenciável
produto
Administração do quimioterápico com
Risco
risco de ruptura da embalagem do Provável Alta
Gerenciável
produto
Administração do quimioterápico com
Risco
risco de extravasamento na Provável Alta
Gerenciável
administração
Administração do quimioterápico com Risco não
Rotineira Alta
geração de resíduos perigosos tolerável
Administração de quimioterápicos com a
Risco não
emissão de partículas contendo Rotineira Alta
tolerável
quimioterápicos
Administração de quimioterápicos com a
Risco não
eliminação de excretas infectadas pelos Rotineira Alta
tolerável
pacientes
Armazenamento temporário de resíduos
Risco
de quimioterápicos com risco de serem Improvável Alta
gerenciável
acondicionados de maneira errada
Armazenamento temporário dos resíduos
Risco não
com risco de emissão de partículas de Rotineira Alta
tolerável
quimioterápicos
Fonte: Os autores

Analisando-se a probabilidade de risco demonstra a detecção de farmácos


ocupacional associado às atividades antineoplásicos em diversas etapas da
realizadas no ambulatório, observa-se que manipulação de quimioterápicos expondo não
quatro são de carater rotineiro e que apenas só os enfermeiros como também os
uma das atividades está classificada como profissionais de limpeza responsáveis pela
improvável quanto à probabilidade de coleta e descarte dos resíduos de
ocorrência. Isto corrobora o estudo medicamentos e excretas dos pacientes.
desenvolvido por Suspiro (2012) que

Tópicos em Ergonomia e Segurança do Trabalho - Volume 1


45

Em relação à consequência deste risco, internas de um hospital bem como as


observa-se que todas as atividades tem como consequências desta exposição
consequência um dano de carater alto, de especificamente no ambulatório. Observa-se
acordo com Kopjar (2009) que em seu que em metade das atividades do ambulatório
estudo, salientou que o desenvolvimento de a probabilidade do risco é rotineira e
novos fármacos bem como associação dos já associada a uma alta consequencia,
existentes com toxicidades variadas tende a constituindo-se de riscos não toleraveis. Isto é
aumentar consideravelmente não só o risco signifcante já que se trata do setor em que o
ocupacional mas também a consequência do profissional de enfermagem tem efetivo
risco associado a estes medicamentos. contato com o paciente e está exposto não só
às suas excretas como aos residuos de
No caso do nível de risco, observa-se que
medicamentos. Além disso, a exposição diária
este varia de gerenciável a não tolerável, ou
à estes medicamentos sem a correta
seja, nenhuma das atividades é passível de
paramentação, pode se configurar como um
ser negligenciada, ou seja, o processo de
risco a saúde não só destes profissionais
manipulação de quimioterápicos é uma
como dos demais profissionais que realizam
atividade que precisa ser continuamente
suas atividades no setor.
gerenciada devido aos riscos ocupacionais a
ela associados. Todos os riscos não toleráveis Diante dos resultados apresentados,
são resultantes da rotina diária do configura-se a importância da constante
ambulatório. Barreto (2012), afirma que isto é capacitação dos profissionais de forma que
considerável já que muitas instituições, os mesmos adotem uma postura mais crítica
inclusive os hospitais, realizam a avaliação de em relação às atividades realizadas e possam
risco ocupacional de maneira informal, sem colaborar na adoção e implementação de
realizar uma análise detalhada do nível de medidas que minizam os riscos ocupacionais
risco ocupacional a que estão submetidos de suas atividades.
seus funcionários.
O estudo também demonstra a necessidade
de desenvolvimento de novos estudos que
possam avaliar de forma abrangente o
5. CONCLUSÃO
conjunto de atividades que envolvem a
Este estudo buscou avaliar os principais utilização de quimioterápicos no sentido de
riscos envolvidos e posteriormente a propor melhorias nos processos e reduzir os
probabilidade, a frequência e os níveis de riscos ocupacionais associados a estas
significância relacionados a estes riscos no atividades.
manejo de quimioterápicos nas atividades

REFERÊNCIAS hospital oncological department. Journal of


occupational health, v. 50, n. 1, p. 48-56, 2008.
[1] ALMEIDA, VL et al. Câncer e agentes [6] CAVALLO, D. et al. Evaluation of genotoxic
antineoplásicos ciclo-celular específicos e effects induced by exposure to antineoplastic
ciclo-celular não específicos que interagem drugs in lymphocytes and exfoliated buccal
com o DNA: uma introdução. Quim. Nova, v. cells of oncology nurses and pharmacy
28, n. 1, p. 118-129, 2005. employees. Mutation Research/Genetic
[2] ARAUJO, N.M.C. Proposta de Sistema de Toxicology and Environmental Mutagenesis, v.
Gestão da Segurança e Saúde no Trabalho, 587, n. 1, p. 45-51, 2005.
baseado na OHSAS 18001 para empresas [7] CHAIB, E. B. A.; Proposta para Implementação
construtoras de edificações verticais. de Sistema de Gestão Integrada de Meio
Dissertação de Doutorado em Engenharia de Ambiente, Saúde e Segurança do Trabalho em
Produção, UFPB, 2002 Empresas de Pequeno e Médio Porte: Um
[3] BARRETO, M.F.O; PIRES, K.R. Gestão de Estudo de Caso da Indústria Metal-Mecânica.
riscos ocupacionais na cadeia produtiva da Dissertação de Mestrado em Ciência de
construção civil, Simpósio de Engenharia de Planejamento Estratégico, UFRJ, 2005.
Produção, Anais 2012 [8] CHIODI, M. B.; MARZIALE, M. H. P.. Riscos
[4] BENITE, Anderson Glauco. Sistema de gestão ocupacionais para trabalhadores de Unidades
da segurança e saúde no trabalho para Básicas. Acta Paul Enferm, v. 19, n. 2, p. 212-
empresas construtoras. Dissertação de 7, 2006.
mestrado em Engenharia de Construção Civil e [9] COSTA, T. F.; FELLI, V. E. A.. Exposição dos
Urbana, USP 2011. trabalhadores de enfermagem às cargas
[5] CASTIGLIA, L. et al. Evaluation of occupational químicas em um hospital público universitário
exposure to antiblastic drugs in an Italian da cidade de São Paulo. Revista Latino-

Tópicos em Ergonomia e Segurança do Trabalho - Volume 1


46

Americana de Enfermagem, v. 13, n. 4, p. 501- fármacos antineoplásicos. Revista brasileira de


508, 2005. medicina do trabalho [periódico da internet], p.
[10] COSTELLA, M. F.. Método de avaliação de 118-25, 2004.
sistemas de gestão de segurança e saúde no [19] MAURO, Maria Yvone Chaves et al. Riscos
trabalho (MASST) com enfoque na engenharia ocupacionais em saúde. Rev Enfermagem
de resiliência . Tese de doutorado em UERJ, v. 12, n. 3, p. 316-22, 2004.
engenharia de produção, UFRGS, 2008. [20] MELLER, G.S.; Elaboração da matriz de riscos
[11] FERNANDES, G. S., et al. . Avaliação dos e perigos em uma empresa de beneficiamento
riscos ocupacionais de trabalhadores de de carvão- mineral; Monografia de
serviços de radiologia. Radiol Bras, 38(4), 279- Especialização em Engenharia de Segurança
81,2005. do Trabalho, UNESC, 2011
[12] FRICK, Kaj. Worker influence on voluntary OHS [21] NEVES, E. B. Gerenciamento do risco
management systems–A review of its ends and ocupacional no Exército Brasileiro: aspectos
means. Safety Science, v. 49, n. 7, p. 974-987, normativos e práticos Occupational risk
2011. management in the Brazilian army: normative
[13] GONÇALVES, T.A.;ROMANO,C.A. Diretrizes and practical aspects. Cad. saúde pública, v.
para implementação de OHSAS18001 no 23, n. 9, p. 2127-2133, 2007.
sistema de gestão da saúde e segurança do [22] NISHIDE, V.M.; BENATI, M.C.C Riscos
trabalho: Estudo de caso em indústria ocupacionais entre trabalhadores de
metarlugica, Simpósio de Engenharia de enfermagem de uma unidade de terapia
Produção, Bauru, 2012 intensiva. Rev Esc Enferm USP, v. 38, n. 4, p.
[14] GUERRA, M. R. et al. Risco de câncer no 406-14, 2004.
Brasil: tendências e estudos epidemiológicos [23] OLIVEIRA, João Cândido de. Segurança e
mais recentes. Rev bras cancerol, v. 51, n. 3, saúde no trabalho: uma questão mal
p. 227-34, 2005. compreendida. São Paulo em Perspectiva, v.
[15] HAO, X.. Occurrence, Ecotoxicology, and 17, n. 2, p. 03-12, 2003.
Treatment of Anticancer Agents as Water [24] OLIVEIRA, A. B. et al. Diretrizes gerais para a
Contaminants. Journal of Environmental & implantação de sistemas de gestão da
Analytical Toxicology, 2012. segurança e saúde no trabalho. Revista
[16] KOPJAR, Nevenka et al. Assessment of Gestão Industrial, 4(3), 2008.
genotoxic risks in Croatian health care workers [25] SILVA, J.O.. Manipulação de citostáticos num
occupationally exposed to cytotoxic drugs: A Hospital: estudo do impacto sobre a
multi-biomarker approach. International journal contaminação do ambiente ocupacional.
of hygiene and environmental health, v. 212, n. Dissertação de mestrado em Engenharia
4, p. 414, 2009. Humana, Universidade do Minho, 2011.
[17] LEITÃO,I. M. T. A.,et al . Saúde ocupacional: [26] SOTTANI, Cristina et al. Occupational
analisando os riscos relacionados à equipe de exposure to antineoplastic drugs in four Italian
enfermagem numa unidade de terapia health care settings. Toxicology letters, 2011.
intensiva-DOI: 10.4025/cienccuidsaude. v7i4. [27]SUSPIRO, A.; PRISTA, J. Exposição
6630. Ciência, Cuidado e Saúde, 7(4), 476- ocupacional a citostáticos e efeitos sobre a
484, 2009. saúde, Revista Portuguesa de Saúde
[18] MARTINS, I.; ROSA, H. V. D. Considerações Pública, 2011.
toxicológicas da exposição ocupacional aos

Tópicos em Ergonomia e Segurança do Trabalho - Volume 1


Capítulo 5
CARGAS DE TRABALHO NA ROTINA DE OPERADORES DE
CAIXA DE UM SUPERMERCADO
Eva Bessa Soares

Resumo: Esse estudo apresenta um olhar da ergonomia sobre o trabalho de


operadores de caixa de um supermercado situado em Belo Horizonte, Minas
Gerais. Utilizou-se da AET (Análise Ergonômica do Trabalho), o que possibilitou
conhecer aspectos das cargas de trabalho desses profissionais. Os resultados
apontaram para uma participação expressiva dos aspectos mentais (psíquicos e
cognitivos) na sobrecarga de trabalho. Na conclusão são apresentadas algumas
sugestões de ações que poderão melhorar a organização do trabalho e as
condições de trabalho para amenizar as sobrecargas encontradas.

Palavras chave: AET, sobrecarga psíquica e mental, operadores de caixa.

Tópicos em Ergonomia e Segurança do Trabalho - Volume 1


48

1. INTRODUÇÃO O aspecto físico da carga de trabalho


relaciona-se às posturas adotadas, aos
O setor supermercadista faz parte do setor
esforços físicos requeridos durante a
terciário e apresenta a prestação de serviço
realização do trabalho, manuseio de cargas.
como característica. O trabalho dos
O aspecto psíquico é constituída pelos
operadores de caixa desses
elementos afetivos e relacionais, comportando
estabelecimentos tem sido abordado por
um forte componente emocional. Ele engloba:
muitos estudiosos interessados no olhar da
prazer, frustração, agressividade, desejos,
ergonomia acerca desse contexto de
expectativas, reconhecimento. O aspecto
trabalho.
cognitivo envolve fenômenos como atenção,
Na literatura, há muitos estudos que abordam concentração, tomada de decisão, busca de
os fatores fisiológicos e biomecânicos, ou informações necessárias à execução do
seja, enfatizando a existência de sobrecargas trabalho, análise da situação, memorização e
físicas ao longo da jornada de trabalho outros (ABRAHÃO, et al., 2009). Toda
desses operadores. Exemplos podem ser atividade profissional envolve os três aspectos
citados: BATIZ et al, 2009; TRELHA et al, 2007 da carga de trabalho. Algumas ocupações
e ASSUNÇÃO, 2004. Estes estudos apontam requerem mais o aspecto físico, outras o
para uma significativa incidência de mental, enquanto outras o psíquico. Mas pode
transtornos osteomusculares, principalmente ocorrer de haver uma alta exigência
em punhos e ombros. Há pesquisas que relacionada às três cargas.
abordam a organização do trabalho de forma
superficial e há outros que buscam Ao referir-se à carga de trabalho,
aprofundar a questão. Percebe-se também normalmente diz-se de excessos, de uma
uma tendência à recomendação de atividades sobrecarga (ABRAHÃO, et al., 2009). Esses
físicas e ginástica laboral para amenizar a autores citam como exemplos: esforços para
sobrecarga física vivenciada por tais carregar peso, desconforto na manutenção de
trabalhadores em seu contexto de trabalho. determinada postura, dificuldade para
Esse estudo, com um olhar diferente, visou tratamento de informações.
conhecer a carga global de trabalho de É ambíguo o uso do termo carga, pois ele
operadores de caixa de um supermercado em pode referir ao nível de exigência de uma
Belo Horizonte, buscando identificar os tarefa num dado momento ou às
fatores da organização do trabalho que mais conseqüências dessa tarefa (FALZON, 2007).
contribuem para a percepção da carga de Ainda sob as considerações desse autor,
trabalho pelos operadores, além de detectar analisar a carga consiste em identificar os
possíveis fatores que lhes ocasionam constrangimentos da tarefa: objetivos,
sobrecargas. Após a pesquisa, foram procedimentos, cadência equipamentos, além
propostas sugestões para melhorias no dos descritores do esforço. A carga faz parte
contexto estudado; como a própria ergonomia do trabalho, no entanto, é preciso eliminar a
preconiza: compreender para transformar sobrecarga.
(GUÈRRIN et al., 2001).
Para compreender a carga de trabalho, é
imprescindível ter acesso a aspectos da
2. CARGAS DE TRABALHO organização de trabalho, pois esses dois
conceitos estão intimamente relacionados.
Definir cargas de trabalho é um pouco Pode-se dizer que os elementos constituintes
complicado, considerando a abrangência da carga de trabalho fazem parte da
desse tema. Assim, recorremos a Wisner organização do trabalho.
(1987), tendo em vista que, para esse autor, o
conceito de carga de trabalho pode ser, Em linhas gerais compreendemos a
didaticamente, abordado a partir de três organização do trabalho como algo externo
componentes interligados: o físico, o cognitivo ao trabalhador que é lançado por um outro,
e o psíquico. Toda a carga de trabalho é seja o líder direto, o gerente, o proprietário da
portadora destes três componentes, ou seja, a empresa, enfim, alguém que estabelece as
sobrecarga produzida em qualquer um deles normas de produção, define as jornadas de
repercute nos demais. trabalho, horas extras, divisão das tarefas à
equipe, exigência de produtividade, ritmo,
permissão para revezamento nas tarefas,
pausas, e outros. Fazem parte da organização
do trabalho também os estilos de liderança,

Tópicos em Ergonomia e Segurança do Trabalho - Volume 1


49

as formas de remuneração, formas de os fatores de sobrecarga para, em seguida,


treinamentos das equipes, além de muitos buscar amenizá-los. Com base em enfoque
outros aspectos que tornariam muita extensa qualitativo, os dados coletados foram tratados
a descrição. e sistematizados sob a forma de sínteses e
um quadro descritivo que serão citados nos
próximos tópicos desse artigo.
3. METODOLOGIA UTILIZADA
Nesse estudo foi utilizada a AET (Análise
4. CARACTERÍSTICAS GERAIS DA EMPRESA
Ergonômica do trabalho) e tomou-se por base
ESTUDADA
o modelo metodológico proposto por GUÉRIN
et al. (2001). A análise ergonômica do A empresa está em Belo Horizonte na rua
trabalho consiste em analisar o trabalho no principal de um dos bairros mais afastados do
contexto onde ele é realizado visando centro. Trata-se de uma empresa familiar (o
compreender os mecanismos usados pelo proprietário exerce a função de gerente) e na
trabalhador para atingir as metas equipe tem parentes trabalhando com ele.
estabelecidas pela empresa. Após essa Está no mercado há cinco anos. A entrada
análise, busca transformar as situações de para o imóvel é através de duas portas de
trabalho para proporcionar saúde, segurança metal e vidro fosco. As paredes internas são
e conforto ao trabalhador, além de aumento pintadas na cor cinza e o piso é liso, na cor
da produtividade para a empresa. preta. As mercadorias vendidas são produtos
de higiene, limpeza e também produtos
destinados à alimentação (tanto enlatados
3.1. PROCEDIMENTOS E INSTRUMENTOS quanto in natura). A clientela é composta
pelas classes C e D.
Realizou-se contato com o proprietário da
empresa para solicitar permissão para a A loja funciona de 8:00 às 20:00 horas de
realização do estudo ergonômico. Na segunda a sábado, nos domingos e feriados
oportunidade, como em todo trabalho funciona de 8:00 às 14:00 horas. Possui vinte
acadêmico, foi acordado tratamento ético e funcionários, sendo que as operadoras de
confidencial em relação aos dados obtidos caixa são nove. Há um gerente/proprietário,
durante o estudo. um subgerente e uma encarregada de linha
de frente (área onde situam os caixas). Essa
A pesquisadora compareceu à empresa
funcionária coordena as atividades das
durante os meses de novembro e dezembro
operadoras como por exemplo: liberação para
de 2012 em dias e horários variados
almoço, lanche, informa a elas dias de folga,
objetivando um conhecimento mais amplo do
além de resolver assuntos de departamento
fluxo da produção e sua variabilidade. Foi
de pessoal junto ao contador (terceirizado). O
realizado levantamento bibliográfico sobre o
estudo foi feito com nove operadoras de
tema aqui abordado, entrevistas com o
caixa.
proprietário, com operadoras de caixa e com
a encarregada dessas profissionais.
Utilizou-se de instrumentos da pesquisa 4.1. INFORMAÇÕES SOBRE AS
qualitativa: observações gerais e sistemáticas OPERADORAS DE CAIXA
da situação real da atividade de trabalho das
Todas as operadoras que trabalham no
operadoras, entrevistas individuais
supermercado em questão possuem o ensino
semiestruturadas, gravação de entrevistas e
médio completo. Todas iniciaram o trabalho
transcrição de extratos delas, coleta de
na empresa nesse cargo, sendo que a mais
verbalizações espontâneas, autoconfrontação
antiga está na empresa há cinco anos e a
dos dados encontrados com as operadoras
mais recente está há sete meses. As demais
de caixa.
possuem um tempo médio de dois anos.
Esses procedimentos tiveram como objetivo Cinco são casadas e as outras solteiras.
proporcionar os primeiros contatos com as Nenhuma dessas trabalhadoras estavam
trabalhadoras, conhecimento do fluxo de estudando no período em que a pesquisa foi
produção do serviço e por fim, conhecer a realizada. A faixa etária é compreendida entre
atividade de trabalho delas e os principais 22 e 35 anos.
dificultadores para sua execução para, em
seguida, propor recomendações de melhoria.
De certa forma, o que objetivou foi conhecer

Tópicos em Ergonomia e Segurança do Trabalho - Volume 1


50

4.2. POSTOS DE TRABALHO (CAIXAS) operadora revelou queixa sobre as cadeiras


que utiliza.
O caixa é o termo utilizado para caracterizar o
posto destinado às operações de registro e
cobrança das mercadorias compradas pelos
4.3. A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO DAS
clientes. A empresa estudada possui quatro
OPERADORAS DE CAIXA
caixas. Eles estão posicionados na entrada da
loja em posição paralela entre si. São cinza, O supermercado adota dois turnos de
com detalhes e tampo de inox. Possuem trabalho 700 às 1500 horas (com intervalo
sistema de registro computadorizado de saída de 1200 às 1300 horas para almoço) e 1100
de mercadorias. Tem leitora óptica de código às 2000 horas (com intervalo de 1500 às
de barras, esteira que pode ser acionada pela 1600 horas para lanche).
operadora por um botão verde toda vez que
as mercadorias são colocadas sobe ela. O O caixa destinado às compras de até 10
teclado fica à frente da operadora a vinte volumes (caixa rápido) e o destinado aos
centímetros de altura, assim como um idosos, gestantes e clientes com deficiência
dispositivo para a leitura de cartões de são ocupados cada dia por uma operadora
crédito. O monitor do computador fica à diferente, tendo em vista seu grande volume
direita da operadora. A impressora de cupom de trabalho. No entanto, considerando o
fiscal fica embaixo do monitor e a gaveta com número de funcionárias por turno, cada uma
dinheiro embaixo dessa impressora. À tende a trabalhar em cada um desses caixas
esquerda da operadora está a área de pelo menos uma vez na semana. Quando há
embalagem de mercadorias. Sob essa área poucos clientes na loja, as operadoras de
está o depósito de sacos plásticos para caixa fazem serviços de reposição de
embalagem das mercadorias. Todos os mercadorias nas prateleiras, auxiliando os
caixas são numerados e possuem lâmpada funcionários dessa função.
com interruptor que são usadas pelas Os horários de maior movimento de clientes
operadoras para chamar a encarregada (denominados horários de pico) são de 1000
quando surgem problemas que essas não às 1130 e de 1800 às 2000 horas de
conseguem solucionar sozinhas. O caixa de segunda a sexta-feira. Nos sábados,
numero um é reservado ao atendimento de domingos e feriados, segundo a gerência, é
clientes com deficiência física, gestantes e difícil apontar quais os horários de pico, pois
idosos, ao passo que o de número quatro são os dias em que o movimento de clientes é
(denominado caixa rápido) é destinado constante o dia inteiro. Nesses dias e nos
àqueles clientes que compram até dez horários citados acima, todos os caixas
volumes. funcionam. Nos demais horários, a
É conhecido na literatura e também na prática encarregada (líder das operadoras de caixa)
dos supermercados que ainda não existe um observa a necessidade de deixá-los
mobiliário ideal para caixa de supermercado, funcionando. Às vezes, apenas duas
no entanto, podemos considerar satisfatório o operadoras atuam no caixa e as demais vão
mobiliário existente nesse supermercado, pois auxiliar os repositores de mercadorias.
os equipamentos necessários para execução Todas as operadoras trabalham seis dias por
da atividade de operador estão próximos à semana, tendo uma folga semanal em dia fixo.
sua área de alcance, conforme as respostas As folgas só poderão acontecer de segunda a
das operadoras durante as entrevistas e sexta-feira, pois nos sábados e domingos o
também durante as observações realizadas. movimento de clientes é maior, havendo
Isso diminui as rotações e flexões de coluna necessidade de a equipe estar completa para
comuns em outros modelos de mobiliários atendê-los.
destinados a essa função. A área destinada
ao trabalho das operadoras é suficiente para A empresa disponibiliza café aos funcionários
que elas revezem as posições sentada/de pé antes de eles iniciarem a jornada de trabalho.
ao realizar a atividade. Segundo as A pausa para almoço é fixa, com uma hora
informações colhidas nas entrevistas junto às por dia. Ao longo da jornada há possibilidade
operadoras, esse mobiliário é considerado de pausas não fixas para utilizarem o sanitário
bom. Em relação às cadeiras utilizadas pelas além de tomarem água e café.
operadoras, percebeu-se que elas atendem
às exigência de conforto para a realização da
atividade na postura sentada e nenhuma

Tópicos em Ergonomia e Segurança do Trabalho - Volume 1


51

4.4. DESCRIÇÃO DA TAREFA DA discrimina mercadorias e valores) e entrega


OPERADORA DE CAIXA ao cliente. Se o pagamento for feito em
cheque ou cartão de crédito, há tecla
Sentada na cadeira, com pés apoiados no
específica para cada um. Com a mão
apoio circular, fixo à haste da cadeira, a
esquerda, deposita as mercadorias na área
operadora, de frente para o cliente, com a
de embalagem (à esquerda da operadora).
leitora de códigos de barras e o teclado entre
Fica com membro superior direito suspenso
ambos, com a mão direita inicia o fluxo de
(sem apoio) enquanto digita códigos. Às
mercadorias que estão sobre a esteira.
vezes faz rotação de tronco de 30º à direita
Passa-as uma a uma pela leitora óptica de para pegar o troco na gaveta, o que pode ser
códigos de barras. Se a mercadoria é evitado, considerando que a cadeira tem
pesada, a operadora usa as duas mãos. rodízios.
Quando a leitora de códigos de barras não
faz a leitura, a operadora lê o código de
barras da mercadoria e digita-o com a mão 4.5. A ATIVIDADE DA OPERADORA DE
direita. Ao terminar de passar as mercadorias, CAIXA
aciona a tecla que totaliza o valor das
Segue uma descrição detalhada da atividade
mercadorias. Informa ao cliente esse valor.
de uma operadora de caixa em horário de
Recebe o dinheiro, digita o valor recebido, a
pico no caixa de número 1 (reservado aos
tecla escrita dinheiro, depois a tecla confirma,
clientes idosos, deficientes físicos e
a gaveta de dinheiro será aberta. A
gestantes).
funcionária retira o troco e o cupom fiscal (que

Figura 1: ficha de emprego de tempo da operadora W no caixa 1 (destinado a atendimentos


prioritários: clientes gestantes, clientes idosos e clientes deficientes)
16h 10min Chega ao posto de trabalho, senta na cadeira
Abre a gaveta, confere o troco que pegou na tesouraria e distribui as moedas
Até 16h 12min
nas divisórias de acordo com valor de cada uma.
Registra o valor de 100,00 no computador e lança senha para abertura do
16h 14min
caixa.
Atende 1º cliente Cumprimenta-o, recebe a mercadoria, registra, totaliza,
informa o valor, recebe o dinheiro, digita a quantidade, confirma, a gaveta de
16h16min 40seg
dinheiro abre, deposita o dinheiro, pega o troco, aguarda a impressão do
cupom fiscal, retira-o, entrega-o ao cliente junto com troco.
Atende 2º cliente Cumprimenta-o, recebe as mercadorias, registra, totaliza,
informa o valor, recebe o dinheiro, digita a quantidade, confirma, a gaveta de
16h16min 42seg
dinheiro abre, deposita o dinheiro, pega o troco, aguarda a impressão do
cupom fiscal, retira-o, entrega-o ao cliente junto com troco.
Atende 3º cliente Cumprimenta-o, recebe a mercadoria, registra, totaliza,
informa o valor, recebe o dinheiro, digita a quantidade, confirma, a gaveta de
16h18min 28seg
dinheiro abre, deposita o dinheiro, pega o troco, aguarda a impressão do
cupom fiscal, retira-o, entrega-o ao cliente junto com troco.
Atende 4º cliente Cumprimenta-o, recebe as mercadorias, registra, totaliza,
informa o valor, recebe o dinheiro, digita a quantidade, confirma, a gaveta de
16h 20min
dinheiro abre, deposita o dinheiro, pega o troco, aguarda a impressão do
cupom fiscal, retira-o, entrega-o ao cliente junto com o troco.
Atende 5º cliente Cumprimenta-o, recebe as mercadorias, registra, cliente
tem dúvidas a respeito do preço de uma mercadoria, esclarece, totaliza,
16h20min 45seg informa o valor, recebe o dinheiro, digita a quantidade, confirma, a gaveta de
dinheiro abre, deposita o dinheiro, pega o troco, aguarda a impressão do
cupom fiscal, retira-o, entrega-o ao cliente junto com o troco.
Atende 6º cliente Cumprimenta-o, recebe as mercadorias, registra, totaliza,
informa o valor, recebe o dinheiro, digita a quantidade, confirma, a gaveta de
16h21min 15seg
dinheiro abre, deposita o dinheiro, pega o troco, aguarda a impressão do
cupom fiscal, retira-o, entrega-o ao cliente junto com o troco.
Atende 7º cliente Cumprimenta-o, recebe as mercadorias, registra, totaliza,
16h 25min
informa o valor, pagamento é feito através de cartão de crédito, passa-o pelo

Tópicos em Ergonomia e Segurança do Trabalho - Volume 1


52

dispositivo reservado a essa finalidade, confirma, aguarda a impressão do


cupom fiscal, retira-o, entrega-o ao cliente para que assine, guarda uma via,
entrega a outra ao cliente.
Atende 8º cliente Cumprimenta-o, recebe as mercadorias, registra, totaliza,
informa o valor, recebe o dinheiro, digita a quantidade, confirma, a gaveta de
16h28min 11seg
dinheiro abre, deposita o dinheiro, pega o troco, aguarda a impressão do
cupom fiscal, retira-o, entrega-o ao cliente junto com o troco.
Atende 9º cliente Cumprimenta-o, recebe as mercadorias, registra, totaliza,
informa o valor, recebe o dinheiro, digita a quantidade, confirma, a gaveta de
16h31min 20seg
dinheiro abre, deposita o dinheiro, pega o troco, aguarda a impressão do
cupom fiscal, retira-o, entrega-o ao cliente junto com o troco.
Atende 10º cliente Cumprimenta-o, recebe a mercadoria , registra, totaliza,
informa o valor, recebe o dinheiro, digita a quantidade, confirma, a gaveta de
16h 32min
dinheiro abre, deposita o dinheiro, pega o troco, aguarda a impressão do
cupom fiscal, retira-o, entrega-o ao cliente junto com o troco.
Atende 11º cliente Cumprimenta-o, mercadorias (caixas de leite), retira uma
16h31min da caixa, passa-a pela leitora de código de barras, digita número de caixas,
20segTempo total registra outras mercadorias, totaliza, informa o valor, recebe o dinheiro, digita
3’Fica sem a quantidade, confirma, a gaveta de dinheiro abre, deposita o dinheiro, pega
clientes por 4min o troco, aguarda a impressão do cupom fiscal, retira-o, entrega-o ao cliente
junto com o troco.
Atende 12º cliente Cumprimenta-o, recebe a mercadoria, registra, totaliza,
informa o valor, recebe o dinheiro, digita a quantidade, confirma, a gaveta de
16h 38min 40seg
dinheiro abre, deposita o dinheiro, pega o troco, aguarda a impressão do
cupom fiscal, retira-o, entrega-o ao cliente junto com o troco.
Atende 13º cliente Cumprimenta-o, recebe a mercadoria, registra, totaliza,
informa o valor, recebe o dinheiro, digita a quantidade, confirma, a gaveta de
16h 39min 42seg
dinheiro abre, deposita o dinheiro, pega o troco, aguarda a impressão do
cupom fiscal, retira-o, entrega-o ao cliente junto com o troco.
Atende 14º cliente Cumprimenta-o, recebe a mercadoria, registra, totaliza,
16h 40min 22seg informa o valor, cliente desiste de levar a mercadoria. Há necessidade de
efetuar devolução, acende a luz chamando a encarregada.
Encarregada termina de efetuar a devolução, libera o caixa para atendimento
16h 43min
de outro cliente.
Atende 15º cliente Cumprimenta-o, recebe a mercadoria, registra, totaliza,
informa o valor, recebe o dinheiro, digita a quantidade, confirma, a gaveta de
16h 43min 10seg
dinheiro abre, deposita o dinheiro, pega o troco, aguarda a impressão do
cupom fiscal, retira-o, entrega-o ao cliente junto com o troco.
Atende 16º cliente Cumprimenta-o, recebe as mercadorias, registra, totaliza,
informa o valor, recebe o dinheiro, digita a quantidade, confirma, a gaveta de
16h 45min
dinheiro abre, deposita o dinheiro, pega o troco, aguarda a impressão do
cupom fiscal, retira-o, entrega-o ao cliente junto com o troco.
Atende 17º cliente Cumprimenta-o, recebe as mercadorias, registra, totaliza,
informa o valor, pagamento em cheque, cliente questiona possibilidade de
parcelar valor da compra, recebe cheque, passa-o pela máquina destinada
ao registro do mesmo, recebe identidade, pede assinatura, aperta tecla
16h 52min
cheque, confirma, a gaveta de dinheiro abre, deposita o cheque, aguarda a
impressão do cupom fiscal, retira-o, entrega-o ao cliente.

Atende 18º cliente Cumprimenta-o, recebe as mercadorias, registra, totaliza,


informa o valor, recebe o dinheiro, digita a quantidade, confirma, a gaveta de
17h
dinheiro abre, deposita o dinheiro, pega o troco, aguarda a impressão do
cupom fiscal, retira-o, entrega-o ao cliente junto com o troco.
Atende 19º cliente Cumprimenta-o, recebe as mercadorias, registra, totaliza,
17h 00min 42seg informa o valor, recebe o dinheiro, digita a quantidade, confirma, a gaveta de
dinheiro abre, deposita o dinheiro, acende a luz para encarregada

Tópicos em Ergonomia e Segurança do Trabalho - Volume 1


53

comparecer e trocar dinheiro, pega o troco, aguarda a impressão do cupom


fiscal, retira-o, entrega-o ao cliente junto com o troco.
Atende 20º cliente Cumprimenta-o, recebe as mercadorias, registra, totaliza,
informa o valor, recebe o dinheiro, digita a quantidade, confirma, a gaveta de
17h 02min
dinheiro abre, deposita o dinheiro, pega o troco, aguarda a impressão do
cupom fiscal, retira-o, entrega-o ao cliente junto com o troco.
Atende 21º cliente Cumprimenta-o, recebe as mercadorias, registra, totaliza,
informa o valor, recebe o dinheiro, digita a quantidade, confirma, a gaveta de
17h 03min 04seg
dinheiro abre, deposita o dinheiro, pega o troco, aguarda a impressão do
cupom fiscal, retira-o, entrega-o ao cliente junto com o troco.
Atende 24º cliente Cumprimenta-o, recebe as mercadorias, registra, totaliza,
17h 07min
informa o valor, recebe o dinheiro, digita a quantidade, confirma, a gaveta de
55segTempo total
dinheiro abre, deposita o dinheiro, pega o troco, aguarda a impressão do
48seg
cupom fiscal, retira-o, entrega-o ao cliente junto com o troco.
Atende 25º cliente Cumprimenta-o, recebe as mercadorias, registra, totaliza,
17h 10minTempo informa o valor, recebe o dinheiro, digita a quantidade, confirma, a gaveta de
total 1min e 50seg dinheiro abre, deposita o dinheiro, pega o troco, aguarda a impressão do
cupom fiscal, retira-o, entrega-o ao cliente junto com o troco.
Atende 26º cliente Cumprimenta-o, recebe as mercadorias, registra, totaliza,
informa o valor, recebe o dinheiro, digita a quantidade, confirma, a gaveta de
17h 12min
dinheiro abre, deposita o dinheiro, pega o troco, aguarda a impressão do
cupom fiscal, retira-o, entrega-o ao cliente junto com o troco.
17h 15min Sai para lanchar
Fonte: essa ficha de emprego de tempo foi confeccionada pela pesquisadora a partir de observação direta no
local de trabalho no horário de 16h10’ às 17h10’ de uma quarta-feira.

Essa descrição revela que o trabalho das Falta troco demais. Tem gente que chega
operadoras de caixa é uma atividade que aqui com R$ 100,00 para comprar duas
requer forte componente visual, assim como caixas de leite de R$ 2,00. O pior é que
exigência de um esforço mental e cognitivo quando a gente não está trabalhando no
intenso (atenção, concentração, resolução de caixa 1, está no caixa 4. São os dois mais
problemas, memória imediata e de médio complicados. Sempre tem clientes.”
prazo). É constituída de ciclos variáveis de 15 (Verbalização espontânea coletada em
segundos a 5 minutos de duração. Como foi observação durante a realização do trabalho).
descrito na ficha acima, entre um atendimento
e outro, no horário de pico, há pequenos
intervalos e às vezes não há intervalos para 5. RESULTADOS
autoregulação (um pequeno descanso mental
Os resultados revelam algumas questões da
e também para recuperação da musculatura
organização do trabalho que ocasionam
dos membros superiores) o que comprova
sobrecargas às trabalhadoras, como por
que, do ponto de vista da ergonomia, a
exemplo:
atuação no caixa denominado prioritário (para
gestantes, idosos e deficientes) é muito a) Dificuldades de as operadoras fornecerem
desgastante para a funcionária. o troco aos clientes quando eles realizam o
pagamento das mercadorias compradas.
Lembramos que cada funcionária ocupa esse
Muitos desses revelam impaciência e
caixa uma vez por semana com intuito de não
queixam diretamente com elas. Uma
sobrecarregar nenhuma das operadoras, visto
funcionária verbalizou:
que esse caixa funciona ao longo da jornada
de trabalho quase que ininterruptamente ou “Se não temos dinheiro trocado, os clientes
com pequenos intervalos entre um cliente e acham que a culpa é da gente. A empresa
outro. Quando não há gestantes, idosos ou tinha que colocar dinheiro trocado com a
deficientes, outros clientes fazem opção por encarregada para ela passar para a gente.
serem atendidos nesse caixa. Sobre essa Falta troco todo dia e ela finge que não vê a
questão, uma operadora relatou: gente chamando por ela. É muito cansativo.
Tem vezes que a gente troco com as
“ficar nesses dois caixas é cansativo demais.
colegas”. (Verbalização espontânea coletada
A gente não tem um minuto de descanso.

Tópicos em Ergonomia e Segurança do Trabalho - Volume 1


54

em observação durante a realização do com o que estava na seção, gerando


trabalho). reclamações do cliente e desgaste
psicológico para as trabalhadoras.
b) O dispositivo para leitura dos cartões
(crédito, débito) dos clientes apresenta e) Os dispositivos dos caixas estragam com
problemas com muita frequência. Sugere muita frequência, dificultam a realização do
estar com um fio com mau contato. Às vezes trabalho, gera aumento nas filas, longas
não lê o cartão. A operadora fica insistindo esperas, queixas dos clientes e sobrecargas
várias vezes, nem sempre o cliente aguarda. às operadoras.
Ocorreram situações de ele deixar as
f) Essas profissionais consideram excessivo o
mercadorias sobre o caixa e ir embora. Uma
volume de trabalho a ser desenvolvido por
operadora relatou:
elas em alguns dias e em determinados
“é chato demais isso. Não sei se é falta de momentos da jornada de trabalho: operar o
manutenção. Mas esses cartões... não é caixa e fazer serviços de reposição de
sempre que eles passam. A gente fica mercadorias.
irritada, mas não pode falar nada. Tem que
Foi constatada também uma grande
olhara para o cliente e ficar sorrindo, fingindo
insatisfação em relação ao conteúdo da tarefa
que está tudo bem. Eles olham com cara feia
que elas realizam. Cinco das nove operadoras
para a gente e reclamam.” (Verbalização
relataram que não gostam do trabalho que
espontânea coletada em observação durante
realizam. Atribuem à baixa escolaridade o
a realização do trabalho).
fator de as levam a aceitar essa função.
c) Há tensão nas relações interpessoais de Todas revelam que sentem cansaço mental
chefias imediatas com as operadoras. Os ao final da jornada com muita frequência e a
encarregados de outras seções (açougue e maioria revelou que aos sábados e domingos,
padaria) cobram qualidade e quantidade de dias em que o número de clientes é maior em
trabalho das operadoras de caixa. Para uma relação aos outros dias da semana, o
operadora, cansaço mental ocorre durante quase toda a
jornada de trabalho.
“isso é muito confuso. Às vezes fica difícil
atendê-los. Não sei se obedeço ao Todas revelaram que o fator que mais as
encarregado do açougue, do depósito, ou à preocupam é lidar com o dinheiro do caixa. O
minha encarregada. Tem informação que é risco de assalto é grande. Já ocorreram
contraditória”. (Verbalização espontânea alguns. Elas ficam de costas para a entrada
coletada em observação durante a realização principal, posição esta que dificulta ter
do trabalho). contato visual com quem entra na loja. Outro
fator é o receio de voltar troco errado para o
As operadoras relataram também a existência
cliente. Se os valores “não fecham” no final da
de muito autoritarismo e desrespeito em
jornada de trabalho, é descontada a diferença
relação à marcação e desmarcação dos dias
no salário delas.
de folga pela encarregada das operadoras.
Esse fator, segundo elas desorganiza suas Os pontos positivos relatados relacionam ao
vidas pessoais, pois nesses horários elas trabalho em equipe. As operadoras relatam
agendam consultas médicas e outros que são boas colegas e veem as demais
compromissos e, quando são orientadas a como companheiras. Quando há problemas
desmarcar, revelam muita insatisfação. difíceis de serem solucionados, umas contam
com as outras. Em relação ao salário,
d) Há problemas relacionados aos preços das
consideram-no suficiente para as despesas e
mercadorias. Muitos produtos estão sem
também compatível com o mercado de
preços e as operadoras dos caixas são
trabalho.
orientadas a não realizarem a consulta de
preços dos produtos porque atrasam a fila de Além dessas questões, foram observados
clientes. Os preços nas etiquetas de produtos aspectos que podem causar sobrecargas
molhados (frios, congelados) são difíceis de físicas, como o manuseio de produtos em
serem reconhecidos pela leitora óptica do embalagens de cinco e dez quilos (arroz,
caixa. Há necessidade de passá-los muitas açúcar, feijão), caixas de leite e outros. Esse
vezes consecutivas e quando a leitura não é risco é eminente, principalmente nos
realizada, o código deve ser digitado. Há horários ”de pico” quando muitos clientes
circunstâncias em que o preço do produto no compram grandes volumes de produtos que
momento de passar no caixa não coincide enchem os carrinhos do supermercado.

Tópicos em Ergonomia e Segurança do Trabalho - Volume 1


55

6. CONCLUSÕES abrangência de suas atuações, de forma


que cada um fique responsável pelo
Considerando os dados encontrados nas
trabalho do seu setor não interferindo no
entrevistas, nas verbalizações espontâneas e
trabalho dos demais. Esse aspecto evitará
nas observações em relação ao trabalho das
que os encarregados de outros setores
funcionárias, percebe-se necessidade de
passam ordens às operadoras de caixa.
rever a organização do trabalho dessas
operadoras para obter melhorias na forma de Em síntese, do ponto de vista da ergonomia,
atuação delas e redução das sobrecargas, conclui-se que a interrelação entre as
principalmente a cognitiva e a psíquica. exigências externas, ambientais, instrumentais
e organizacionais, impostas às operadoras
Assim, sugerimos em um primeiro momento:
exigem delas estratégias de regulação muito
a) Reuniões periódicas entre as chefias e além de suas capacidades. Foi identificado
funcionários para que haja discussões, também que o ritmo de trabalho elevado, as
avaliações e coleta de sugestões para atividades repetitivas executadas durante a
melhorias. jornada de trabalho, administração de
dinheiro da empresa são fatores muito
b) Avaliar uma melhor forma de fornecer
presentes na rotina de trabalho dessas
dinheiro trocado às operadoras para que
profissionais. Essas questões contribuem para
possam solucionar os principais
sobrecargas cognitiva e psíquica.
problemas relacionados ao troco para os
clientes. Já é fornecido, no entanto é Vale ainda ressaltar que esse estudo tem
insuficiente. limitações, assim, sugere estudos mais
abrangentes, em outros supermercados, que
c) Implantar um programa de manutenção
contemplem, por exemplo, as questões
preventiva e corretiva dos equipamentos
relacionadas ao layout da linha de frente. É
(principalmente os dispositivos que
importante estudar a possibilidade e as
compõem o caixa).
consequências de mudar a posição do posto
d) Rever com os fornecedores de produtos de trabalho das operadoras, que hoje as
frios e congelados a possibilidade de obrigam a ficar de costas para a porta
melhorar a qualidade das etiquetas de principal na maioria dos supermercados.
preço que, quando molhadas dificultam a Estudar a possibilidade de implantar outros
leitura na leitora óptica do caixa. turnos de trabalho que sobrecarreguem
menos os operadores nos finais de semana.
e) O proprietário poderá reorientar os
encarregados de setor quanto à

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS: [5] GUÉRIN, François et. al.- Compreender o


trabalho para transformá-lo. A prática da
[1] ABRAHÃO, J. I. [et al.] Introdução à ergonomia - Tradução: Giliane M. J. Ingratta e
ergonomia: da prática à teoria. São Paulo: Marcos Maffei, São Paulo, Edgar Blucher
Blucher, 2009. LTDA, 2001.
[2] ASSUNÇÃO, A. A. A cadeirologia e o mito da [6] TRELHA, C. S. et al. Análise de posturas e
postura correta. Revista Brasileira de Saúde movimentos de operadores de checkout de
Ocupacional, São Paulo, 29 (110): 41-55, 2004. supermercado. Fisioterapia em movimento,
[3] BATIZ, E. C. et al, A postura no trabalho dos Curitiba, v.20, n.1, p.45-52, jan/mar., 2007.
operadores de checkout de supermercados: [7] WISNER, A. Por dentro do trabalho -
uma necessidade constate de análises. ergonomia: métodos e técnicas. São Paulo:
Produção, v.19, n.1, jan/abr., p.190-201, 2009. Oboré, 1987.
[4] FALZON, P. Carga de trabalho e estresse. In:
Ergonomia. Pierre Falzon editor. São Paulo:
Blucher, 2007.

Tópicos em Ergonomia e Segurança do Trabalho - Volume 1


Capítulo 6
CONHECIMENTO TÁCITO: O PROCESSO DE
TRANSFERÊNCIA DO SABER-FAZER NA ATIVIDADE
METAL-MECÂNICA
Jose Portugal Rennó Neto
Maria Fernanda Leonardi
Joao Victor Coelho Mendes
Vitor Guilherme carneiro Figueiredo

Resumo: O conhecimento tácito é o conhecimento intrínseco em cada indivíduo,


adquirido com a prática e de difícil compartilhamento. Esse tipo de conhecimento
contrapõe o conhecimento explícito, que é o conhecimento em sua forma formal,
expresso em cálculos matemáticos, livros, manuais e de fácil compartilhamento.
Estudos recentes mostram infinitas possibilidades na utilização do conhecimento
tácito nas empresas e também de sua gestão. A gestão do conhecimento e seu
compartilhamento possibilitam substituir ou melhorar os treinamentos realizados
atualmente, reduzindo custos de contratação de funcionários e de funcionamento.
O estudo realizou-se por meio do método da Analise Ergonômica do Trabalho
centrada na atividade em uma empresa do setor metal-mecânico. A empresa
escolhida possui atividade vasta e complexa, já que seus serviços são exclusivos
para cada tipo de demanda e ela dispõe de um sistema de garantia da qualidade
que a capacita para atender seus clientes com soluções adequadas e serviços
feitos sob encomenda que exigem uma mobilização pessoal diferente a cada novo
pedido. Por isso há um interesse mútuo em se estudar o compartilhamento e
gerenciamento do conhecimento tácito nas situações de trabalho. Para suprir a
demanda inicial utilizou-se recomendações a fim de facilitar a comunicação entre
novatos e experientes para que na prática seja possível compartilhar os
conhecimentos adquiridos ao longo do tempo de forma mais prática e eficaz
utilizando o gerenciamento do conhecimento tácito.

Palavras-chave: Conhecimento tácito; transferência de conhecimento; gestão do


conhecimento; setor metal mecânico; comunicação

Tópicos em Ergonomia e Segurança do Trabalho - Volume 1


57

1. INTRODUÇÃO A GC depende de vários fatores, dentre eles:


cultura gerencial das empresas, parcerias
A Gestão do Conhecimento (GC) é uma
com a equipe de recursos humanos,
estratégia de gerenciamento que visa a
mensuração de resultados, implementação de
aquisição de vantagens competitivas no
incentivos etc.
mercado. As organizações que forem
capazes de identificar e utilizar seus próprios
conhecimentos, tanto adquiridos quanto
“os indivíduos em seus processos criativos
gerados, obterão seus resultados atingidos
e de aprendizado dependem de grande
(RIBEIRO JÚNIOR, 2010).
motivação intrínseca, assim como a
A maioria dos conhecimentos de uma interação com outros, da combinação de
empresa existe na forma de experiências e múltiplas perspectivas e experiências e,
nas mentes de seus funcionários. Por isso, finalmente, tentativas e erros pessoais”
diversas práticas, ferramentas e metodologias (TERRA, 2012, p.2).
têm sido desenvolvidas para promover a
criação e compartilhamento destes
conhecimentos (RIBEIRO JÚNIOR, 2010). A disseminação do conhecimento requer uma
disponibilidade de tempo incompatível com o
Para compreender o processo de formação
mundo dos negócios atual. Identifica-se,
do conhecimento organizacional faz-se
portanto, o gerenciamento individual do
necessário uma análise por meio de dois
tempo como o primeiro indicador relevante
pontos de vista; o primeiro do conhecimento
para a transferência do conhecimento tácito e
prático, aprendido com o tempo,
para isso necessita-se uma GC eficaz
conhecimento empírico, experiência ou ainda,
(LEMOS; JOIA, 2012).
expertise, definida como conhecimento tácito
associado à prática. Já o segundo ponto de Num mercado extremamente competitivo e
vista baseia-se no conhecimento tangível, que globalizado que precisa de fluidez, o setor
pode ser articulado, como em livros ou metalúrgico de bens de capital,
manuais (RIBEIRO, 2012b). O conhecimento especialmente o que produz máquinas e
explícito, geralmente, é articulado em equipamentos, enfrenta ainda o desafio da
linguagem formal (NONAKA; KROGH, 2009). retenção de clientes e garantia da qualidade
dos produtos, mesmo dispondo de
O conhecimento tácito é o conhecimento que
significativa representatividade econômica
se sabe mais do que pode-se dizer, saber
para o desenvolvimento do Brasil (SOUZA;
como fazer alguma coisa sem falar sobre isso,
MOORI; MARCONDES, 2004).
ou seja, algo pessoal, uma destreza para
fazer algo ou solucionar um problema “A atual configuração da estrutura industrial
baseado em experiência própria e mundial confere ao setor metal mecânico e
aprendizado (POLANYI, 1966). Geralmente de eletroeletrônico uma posição estratégica na
difícil articulação em linguagem formal e trajetória de crescimento econômico de
baseado em percepções pessoais. É um tipo países e regiões, visto que atua na geração e
de conhecimento desenvolvido apenas com a difusão de novas tecnologias para os demais
experiência adquirida durante os anos, não setores industriais.” (CÂNDIDO et alli, 2010,
podendo ser compartilhado por um conjunto p.9)
de instruções (RIBEIRO, 2012a). A essência
Essa nova configuração do setor metal
do conhecimento tácito está na habilidade de
mecânico gera uma necessidade de garantir
participar por completo em uma forma de
mão de obra qualificada e qualidade aos
vida: “conhecimento tácito coletivo”
produtos, além de alta produção. Para que
(COLLINS, 2007).
essa mão de obra seja suprida, justifica-se a
A partir da década de 1990 percebe-se que necessidade do compartilhamento de
era necessário mais que uma abordagem conhecimento na indústria para garantir que
desestruturada da GC (LEMOS; JOIA, 2012). os parâmetros de produção sejam contínuos.
Passa-se, então, a uma necessidade da
abordagem e análise do conhecimento em
relação às atividades de trabalho em 2. REVISÃO BIBLIOGRÁFICA
empresas e à gestão do conhecimento
A ideia de que o conhecimento explícito pode
gerado.
ser armazenado e facilmente ser transmitido
formalmente é debatida por pesquisas

Tópicos em Ergonomia e Segurança do Trabalho - Volume 1


58

realizadas na indústria de metal, visto que A aquisição de conhecimento tácito é ajudada


nesses locais é necessário um longo tempo por conter o máximo de experiência possível
para análise de manuais, máquinas, regras e das atividades físicas, materiais e de
para que se entenda o procedimento a ser processo de domínio (RIBEIRO, 2007). Assim,
seguido (RIBEIRO, 2012c). o conhecimento passa a ser uma fonte de
informações importantes à empresa e esta,
O debate em torno das pesquisas
por sua vez, tem que encontrar maneiras de
convencionais não significa dizer que
reconhecer, utilizar, compartilhar, adquirir,
manuais, padrões operacionais e similares
ensinar e mensurar o conhecimento tácito na
não tenham nenhum uso, mas sim, que eles
atividade de trabalho.
são insuficientes, já que a aplicação das
normas ou procedimentos operacionais No estudo de Ribeiro (2012a), por meio dos
dependem de conhecimento prévio e níveis de similaridade dos trabalhadores,
julgamento dos operários. “O conceito de provou-se ser de extrema importância o
conhecimento explícito reitera a perspectiva gerenciamento do conhecimento,
de abordagem do conceito de aprender e principalmente quando há escassez de mão
fazer na prática” (RIBEIRO, 2012c, p.3). de obra e necessidade de treinamento de
funcionários, já que assim há uma economia
Dentro da realidade encontrada, as empresas
de tempo e custos.
que reconhecem e usam sua crescente
variedade de experiência adquirida durante Assim como no estudo de Ribeiro (2012a), na
os anos de trabalho pelos funcionários e o empresa analisada nessa pesquisa, há falta
conhecimento explícito para resolver de mão obra qualificada para o trabalho de
problemas e alcançar metas têm uma grande operador de máquina CNC (Controle
vantagem competitiva, entretanto, muitas Numérico Computadorizado), já que esta
vezes a GC não é bem feita (SMITH, 2001). atividade demanda um treinamento longo e
habilidades práticas que só podem ser
As empresas atuais que sabem a importância
desenvolvidas com o tempo, além de envolver
da mobilização e compartilhamento do
atividades complexas. Diante desse cenário,
conhecimento buscam formas de transferi-lo
esse estudo objetivou fazer recomendações à
para que esse conhecimento organizacional
empresa de maneira a suprir as lacunas
não se perca. Entretanto, percebe-se que
existentes no processo de transferência do
muitas empresas não sabem como fazê-lo:
aprendizado entre novatos e experientes,
“poucos estudos têm concentrado esforços
assim como atender demandas verbalizadas
na problemática da transferência de saber
pelos trabalhadores no decorrer da análise de
prático” (GUZMAN; MACHADO, 2006, p.1).
sua atividade.
A dedicação de cada indivíduo em seu
trabalho ou ambiente laboral, utilizando-se de
conhecimento e produtividade próprios, gera 3. METODOLOGIA
bem estar social e pessoal, colaborando para
Na ergonomia de linha franco-fônica existem
contínuos desenvolvimento e manutenção do
diversos métodos de análise do trabalho. Um
setor econômico e da sociedade como um
deles é a AET (Análise Ergonômica do
todo. Esse saber prático é o que as empresas
Trabalho), nela o trabalho projetado pela
buscam para poder compartilhar entre os
engenharia, métodos e as condições de sua
funcionários novatos ou que não tenham
execução são confrontadas com o trabalho
experiência no mercado.
realmente desenvolvido pelos trabalhadores.
É importante manter na empresa os Aplicou-se a AET a fim de determinar as
trabalhadores que adotam a prática de fontes possuidoras do conhecimento num
difusão e criação de conhecimento tácito ambiente de trabalho no setor metal mecânico
porque, este, não pode ser convertido em em uma empresa localizada em Minas Gerais
conhecimento explícito. Logo, deve ser e analisar como o conhecimento tácito é
compartilhado, principalmente se utilizado em adquirido e como pode ser transferido,
um método face-to-face, ou seja, de ajudando as empresas a captarem esse
compartilhamento pessoal, pois, o “saber conhecimento e entender melhor com a coleta
prático não pode ser transferido, mas de dados os benefícios da utilização do
aprendido” (GUZMAN; MACHADO, 2006, conhecimento tácito e como deve ser feita a
p.3). GC.
Na AET, procura-se evidenciar as inter-
relações entre os fatores biomecânicos e

Tópicos em Ergonomia e Segurança do Trabalho - Volume 1


59

organizacionais analisados a partir de de movimentos dos eixos de uma máquina


observações das atividades dos operatriz. O movimento de cada eixo é
trabalhadores em situação de trabalho, traduzido em grandezas numéricas por
levando-se em consideração a distinção entre dispositivos especiais e então, processado
“o quê” é estabelecido para os trabalhadores pelo CNC. Por sua vez, o CNC é programado
executarem e “como” eles respondem às com o formato da peça que deve ser usinada
exigências do trabalho (GUÉRIN, 2001). e, por meio de interfaces, comanda os
servomotores para executar os movimentos
A pesquisa de campo configurou-se como
coordenados.
uma abordagem qualitativa de corte
transversal para fins analíticos descritivos. Em Por ser uma empresa do setor metal-
uma primeira visita visou-se entender o mecânico e trabalhar com recuperação de
processo produtivo geral da empresa e peças, os produtos produzidos são
levantar a demanda. Posteriormente, foi feita a exclusivos, ou seja, peças feitas a partir da
sua reformulação, onde se obteve que a GC especificação do cliente. Primeiramente, os
era uma demanda real, pois o processo é clientes entram em contato por e-mail ou
aprimorado através de técnicas adquiridas telefone e enviam especificações das peças
com a experiência e a empresa demandava que precisam ser produzidas. A partir desse
funcionários experientes na máquina de primeiro contato é gerado um orçamento pelo
usinagem CNC. departamento de vendas para aprovação do
cliente.
Num segundo contato analisou-se o setor em
estudo para compreender as atividades do Com a aprovação do orçamento, o pedido é
setor e compreender a complexidade da enviado ao PCP (Planejamento e Controle de
máquina. Nesse momento da AET fez-se o Produção), o qual define o prazo de entrega e
estudo da atividade realizada pelo operador a as metas de produção.
fim de compreender a mobilização do
O pedido então é passado para o projetista
conhecimento envolvida no manuseio da
fazer a programação para entrada na
máquina CNC, além de registrar
máquina CNC, caso seja a fabricação de uma
verbalizações e constrangimentos
nova peça ou para os setores de jateamento
ergonômicos vivenciados.
abrasivo e soldagem, caso seja um serviço de
A coleta de dados ocorreu durante sete visitas recuperação de peças danificadas. Após a
a campo, onde foi possível realizar entrevistas aprovação e registro de finalização do
semiestruturadas com os trabalhadores e projetista, o pedido é encaminhado para a
evidenciar seus modos operatórios para lidar produção.
com as variabilidades do processo produtivo,
Na produção, a ordem de serviço é
além de registrar imagens do local de
direcionada para o setor específico, contendo
trabalho. Foram utilizados nessa etapa
especificidades dos materiais, ferramentas a
câmera fotográfica e gravador de voz.
utilizar e todos os detalhes pertinentes ao
trabalho. Quando o processo de fabricação é
terminado, o setor de expedição faz uma
4. ANÁLISE DOS RESULTADOS
análise do produto, embala-o e é feito um
Para melhor compreensão do que é uma contato com transportadoras para realizar a
máquina CNC, Capelli (2007) define como entrega como demonstrado no Fluxograma 1.
sendo um computador dedicado ao controle

Tópicos em Ergonomia e Segurança do Trabalho - Volume 1


60

Fluxograma 1 – Representação do Processo produtivo da empresa analisada

Planejamento e
Recebimento Vendas / Aprovação do
Controle de Projeto
do pedido Orçamento cliente
Produção

Planejamento e
Ordem de
Transporte Expedição Controle da Operador
Serviço
Produção

Fonte: Autores

No setor escolhido para essa pesquisa, (JOB), em seguida, ele analisa as informações
recorte da demanda, os funcionários que contidas nesse documento e inicia o setup da
trabalham na máquina centro de usinagem máquina.
CNC possuem escolaridade técnica e
Primeiramente, ele utiliza um guindaste para
executam suas atividades em três turnos.
colocar um apoio de metal para a peça dentro
Atualmente, existem dois funcionários com
da máquina. O uso do guindaste requer
mais experiência e outro em treinamento.
constante movimentação, o que se torna
O processo de trabalho do operador inicia-se complicado pela presença de um desnível
com o recebimento da ordem de serviço acentuado e sem sinalização (Figura 1).

Figura 1 – Utilização do Guindaste para apoio da peça na máquina e desnível no chão sem
sinalização adequada

Fonte: Autores

Tópicos em Ergonomia e Segurança do Trabalho - Volume 1


61

Em seguida, utilizando o mesmo que será usinada na máquina CNC (Figura 2).
equipamento, ele faz a colocação da peça

Figura 2 – Colocação da peça a ser usinada dentro da máquina e fixação da peça

Fonte: Autores

Para a máquina CNC iniciar o processo de suas atividades que foram previamente
usinagem, ela precisa reconhecer as peças definidas. Assim que o download está
com as mesmas medidas que foram definidas completo, ela pede um reconhecimento das
na sua programação. Após a checagem das ferramentas que serão utilizadas durante o
ferramentas, ele começa um processo de processo de usinagem.
medição para que a máquina reconheça o
Após a inserção das ferramentas na máquina,
ponto (0, 0, 0) dos eixos (x,y,z) que devem
utilizando apenas um pedaço de papel, o
coincidir com o centro da peça a ser usinada.
operador verifica se as mesmas estão
Este processo demanda muita atenção,
posicionadas corretamente em relação à
resposta de curta duração e carga cognitiva,
base. Essa é uma estratégia desenvolvida
visto ser minucioso. Apenas com as medidas
pelo operador para verificar se as medidas
corretas a máquina poderá iniciar o processo
anteriores estavam corretas, já que a folha de
de usinagem.
papel tem menos de 1mm. Ele desce a
Quando todo o processo de medição está ferramenta enquanto movimenta a folha de
concluído e a identificação do centro da peça papel de um lado para outro na máquina
já foi feito, a máquina faz o download das (Figura 3).

Figura 3 – Estratégia utilizada pelo operador para balanceamento da peça

Tópicos em Ergonomia e Segurança do Trabalho - Volume 1


62

Fonte: Autores

Quando a folha para de se movimentar é “É como uma faca cega serrando uma peça
porque a ferramenta está devidamente de carne, ela passa, mas não corta”.
posicionada e pronta para o uso. Essa
Quando isso acontece, o som é mais agudo
estratégia foi desenvolvida pelo operador
em relação ao ruído normal emitido pela
mais experiente da máquina CNC para que
máquina normalmente. Os ruídos emitidos
ele saiba quando a ferramenta toca a base
pela máquina também dependem da dureza
fixa, sem que desça demais e cause possíveis
da peça, ou seja, o metal muitas vezes chega
danos à ferramenta.
à empresa com uma dureza padrão
Quando questionado sobre esse determinada, entretanto, verifica-se que ele
procedimento, ele verbalizou que o faz está mais ou menos duro, e isso também vai
porque é a maneira mais fácil e rápida de influenciar no ruído emitido pela ferramenta
saber se a ferramenta está bem posicionada e durante o trabalho, mas o operador afirma não
firme, já que a distância desta com a base conseguir descrever esse som e que isso
seria menos de 1mm, medida considerada deve ser acompanhado no campo e
satisfatória. Essa estratégia realizada pelo assimilado com o tempo.
operador é de extrema importância na
O “grito” acontece quando a máquina corta
realização do trabalho, mas nem sempre é
duas paredes ao mesmo tempo, ou seja, num
repassada aos outros.
ângulo de 90 graus. De acordo com essa
O operador mobiliza saberes para efetuar seu situação, o operador verbalizou:
trabalho e muitas vezes nem sabe que o
“Ah, parece com o barulho de uma máquina
utiliza, o que foi comprovado também pela
de trem em baixa velocidade num trilho,
utilização do computador CNC, pois, as teclas
aquele grito fino, mais estridente”.
do mesmo estão todas apagadas e mesmo
assim ele sabe suas funções e posições. O operador também se refere à fluidez com
que a ferramenta corta a peça que está sendo
Após confrontarmos essa informação com o
trabalhada. Se o som e a vibração forem mais
trabalhador, vimos que além do treinamento
fortes, também quer dizer que a ferramenta
era necessário um conhecimento específico
está desgastada.
que só era aprendido com o tempo, já que a
máquina demandava o que ele verbalizou “Tudo depende da vibração, do ruído e do
como sendo “malícia”, ou seja, um balanço da ferramenta, eu sinto se ela está
aprendizado adquirido com o tempo, mas de indo ou não, através da vibração”.
difícil explicação e que demanda tempo e
Por meio desses parâmetros o operador
conhecimento das operações gerais para
consegue entender o que acontece durante o
serem adquiridos.
processo de usinagem e isso geralmente não
A máquina trabalha de uma maneira é compartilhado nem sequer gerido pela
específica para cada tipo de material, peça e empresa. Foi perguntado ao operador se o
trabalho a ser feito e nem sempre as mesmo conseguiria treinar uma pessoa nova
especificações de materiais e ferramentas a no trabalho, ele relatou que conseguiria, mas
serem utilizadas são suficientes para que o que a pessoa teria que o acompanhar durante
trabalho seja realizado de maneira satisfatória, os processos para entender cada ruído
portanto, o trabalhador necessita de específico de cada processo da máquina e
conhecimentos específicos para concluir seu também para sentir a vibração. Ele disse
trabalho e esse conhecimento não é explícito. também que não consegue explicar o
Isso pode ser comprovado na maneira que a trabalho dele em termos específicos,
máquina se comporta em diversas situações, principalmente no que se refere ao ruído e a
emitindo diferentes ruídos ou tipos de vibração típicos da máquina.
vibração. O trabalhador chamou esses ruídos
A partir dessas observações fizeram-se
de “choro” e “grito” da máquina, dependendo
algumas recomendações com as quais se
da peça que é trabalhada naquele momento.
acredita que com o gerenciamento e
O choro da máquina é um ruído que está compartilhamento do conhecimento do
relacionado com a vibração e ao som e, ao operador de máquina CNC será possível
mesmo tempo, com o desgaste da ferramenta acelerar o processo de aprendizagem dos
(se ela está afiada ou não). novos operadores e propiciar um ambiente de
trabalho mais saudável e seguro.

Tópicos em Ergonomia e Segurança do Trabalho - Volume 1


63

5. RECOMENDAÇÕES Com a teorização e gestão de parte desse


conhecimento, a empresa poderá ter ganhos
5.1 IMPLEMENTAÇÃO DE BANCO
de produção e treinar funcionários com mais
SEMISSENTADO
facilidade. Como apresentado na descrição
De acordo com o item 17.3.3 da NR-17 do processo, os operadores verbalizaram ter
recomenda-se a implementação de um banco “malícias” que podem ser comparadas com
semissentado que deve atender os seguintes exemplos dados por eles e que se estudados
requisitos mínimos de conforto: ter altura pelos novatos, poderão ser mais facilmente
ajustável à estatura do trabalhador e à captados.
natureza da função exercida, características
A gestão do conhecimento permitirá aos
de pouca ou nenhuma conformação na base
novatos aprenderem de forma mais rápida e
do assento, borda frontal arredondada e
eficiente, por meio da assimilação entre os
encosto com forma levemente adaptada ao
fatos descritos pelos operadores mais
corpo para proteção da região lombar.
experientes e vivências nas situações
O banco deve ficar posicionado perto da área cotidianas.
onde o trabalhador executa sua atividade
para que atenda esse item da norma, além de
5.4. TREINAMENTO
dar a oportunidade do trabalhador descansar
durante os períodos de inatividade. De acordo Além do treinamento convencional oferecido
com o item 17.3.5, para as atividades em que pela empresa, recomenda-se fazer uma
os trabalhos devam ser realizados de pé, sessão de treinamentos com os operadores
devem ser colocados assentos para mais experientes, ou seja, aqueles que
descanso em locais em que possam ser possuem o conhecimento prático incorporado
utilizados por todos os trabalhadores durante há mais tempo. Nesses momentos de
as pausas. conversas menos formais, os trabalhadores
antigos poderiam repassar as “malícias” da
atividade para os operadores mais novos e
5.2. ORGANIZAÇÃO DAS FERRAMENTAS
quando surgissem dúvidas essas poderiam
Ainda de acordo com a NR-17, item 17.1, que ser esclarecidas entre eles, por meio de
visa estabelecer parâmetros que permitam a grupos de confrontação.
adaptação das condições de trabalho às
Esses treinamentos também podem ser feitos
características psicofisiológicas dos
durante o trabalho do operador mais
trabalhadores, de modo a proporcionar um
experiente, por meio de imersão, para que
máximo de conforto, segurança e
assim os novatos visualizem na prática a
desempenho eficiente, recomenda-se que a
atividade do operador detentor do
empresa faça modificações no espaço físico
conhecimento prático e possam “sentir” a
para organização das ferramentas. Essa
máquina durante o trabalho.
organização pode ser feita por meio de uma
bancada específica para o posicionamento
das ferramentas, além de um compartimento 5.5. TROCA DE SABERES COM OS
de separação por tipo de ferramenta. OPERADORES
Recomenda-se formalizar os encontros entre
5.3. GESTÃO DO CONHECIMENTO os programadores e operadores de máquina
CNC a cada emissão de um novo JOB para
Recomenda-se fazer a gestão do
que o trabalho seja esclarecido e facilitado
conhecimento mobilizado por esse
para os executores. Deve-se reunir o
trabalhador durante seus anos de prática na
programador e o trabalhador responsável
empresa, ou seja, analisar tudo aquilo que o
pela usinagem da peça a fim de
trabalhador aprendeu além das prescrições
determinarem as melhores ferramentas a
formalizadas, intrínsecas à sua atividade, e
serem utilizadas e a maneira de realização de
tentar coloca-las em termos explícitos
trabalho.
comparativos, para que os trabalhadores
novatos entendam como fazer a tarefa com
mais facilidade e demandando menos tempo 6. CONSIDERAÇÕES FINAIS
de aprendizagem desses conhecimentos
Verificou-se que para a atividade analisada
específicos.
necessita-se de grande experiência para o

Tópicos em Ergonomia e Segurança do Trabalho - Volume 1


64

trabalho, porque a atividade parece ser fazer o gerenciamento desses conhecimentos


simples, mas há uma enorme gama de e como transferi-los para os novatos porque
variabilidades previstas e incidentais que assim, acredita-se que o tempo de
precisam ser gerenciadas. aprendizado seria reduzido e com a redução
do tempo de treinamento, os custos também
O trabalhador do posto analisado mobiliza
seriam reduzidos.
conhecimentos ao longo do tempo para suprir
essa necessidade de operação da máquina, Os conceitos da ergonomia voltada à
pois desenvolve sua atividade por meio de atividade permitem que o trabalho seja
adoção de modos operatórios alternativos que analisado profundamente entendendo como
culminam em uma menor carga de trabalho. se dá a mobilização do conhecimento e como
ele pode ser descrito em meios comparativos
Esse conhecimento tácito mobilizado durante
descritivos facilitando a GC. Esse
a prática, embora não possa ser facilmente
conhecimento gerado a partir dos princípios
descrito, pode ser repassado, comunicado ou
de GC e ergonomia permitirão que as
compartilhado. O compartilhamento do
empresas possam entender melhor como
conhecimento tem enorme importância para o
gerenciar o conhecimento e transferi-lo para
trabalho, portanto, além de recomendações
assim, conseguir vantagens competitivas.
pontuais e físicas é importante entender como

REFERÊNCIAS
[1] BRASIL. Ministério do Trabalho e Emprego. [11] RIBEIRO, Rodrigo. Levels of immersion, tacit
Legislação: Normas Regulamentadoras. NR-17 knowledge and expertise. Phenomenology and
Ergonomia. Disponível em: the Cognitive Sciences, p. 1-31, 2012 (b).
<http://portal.mte.gov.br/legislacao/normas- [12] RIBEIRO, Rodrigo. Remarks on explicit
regulamentadoras-1.htm>. knowledge and expertise acquisition.
[2] CÂNDIDO, M. S.; FERREIRA, C.; GRAPEGGIA, Phenomenology and the Cognitive Sciences, p.
M.; SILVA, J. A.; TRÊS, D. L. Santa Catarina em 1-5, 2012 (c).
Números: metal mecânico. SEBRAE. Santa [13] RIBEIRO, Rodrigo. The role of interactional
Catarina, 2010. 68 p. expertise in interpreting: the case of
[3] CAPELLI, Alexandres. Automação Industrial: technology transfer in the steel
Controle do Movimento de Processos industry. Studies in History and Philosophy of
Contínuos. 2º Ed. São Paulo: Erica, 2007. Science Part A. v. 38, n. 4, p. 713-721, 2007.
[4] COLLINS, Harry M. Bicycling on the moon: [14] RIBEIRO, Rodrigo. Knowledge Transfer. Tese
collective tacit knowledge and somatic-limit (Doutorado), School of Social Sciences, Cardiff
tacit knowledge. Organization Studies 28 (2), University, United Kingdom, 2007.
2007. [15] RIBEIRO JUNIOR, Hugo José; STANO, Rita de
[5] GUÉRIN, F.; LAVILLE, A.; DANIELLOU, F.; Cássia Magalhães Trindade. Laboratório
DURAFFOURG, J.; KERGUELEN, A. Nacional de Astrofísica do Ministério da
Compreender o trabalho para transforma-lo: a Ciência e Tecnologia: um diagnóstico para
prática da ergonomia. São Paulo: Blücher: implantação do programa de gestão do
Fundação Vanzolini, 2001. 224 p. conhecimento. Gest. Prod., São Carlos , v.
[6] GUZMAN, G.; Machado, M. Transferindo o 17, n. 1, 2010 .
saber prático: o caso de uma indústria [16] SMITH, Elizabeth A. The role of tacit and
biofarmacêutica. XXVI ENEGEP. ABEPRO. explicit knowledge in the workplace. Journal of
Fortaleza, 2006. knowledge Management. 5.4 (2001): 311-321.
[7] LEMOS, Bernardo e JOIA, Luiz Antônio. [17] SOUZA, Manuel Fernandes Silva; MOORI,
Relevant factors for tacit knowledge transfer Roberto Giro; MARCONDES, Reynaldo
within organizations: an exploratory Cavalheiro. O que o cliente de bens industriais
study. Gestão da Produção. São Carlos, v. valoriza na relação com os seus fornecedores:
19, n. 2, 2012. o caso de empresas do setor metal
[8] NONAKA, I.; KROGH, G.; Perspective—Tacit mecânico. Rev. Adm. Contemp., Curitiba, v.
Knowledge and Knowledge Conversion: 8, n. 1, Mar. 2004.
Controversy and Advancement in [18]TERRA, José Claudio. Gestão do
Organizational Knowledge Creation Theory. conhecimento: o grande desafio empresarial.
Organization Science. May/June 2009. 20:635- São Paulo: terra Fórum, 2012. Disponível em:
652. http://www.terraforum.com.br/biblioteca/Docum
[9] POLANYI, Michael. The Tacit Dimension. ents/libdoc00000011v002Gestao%20do%20Co
Garden City, New York: Doubleday & Co., nhecimento_%20O%20grande%20desafio%20
(1966), 87. e.pdf. Acesso em 15/05/2013.
[10] RIBEIRO, Rodrigo. Tacit knowledge
management. Phenomenology and the
Cognitive Sciences, p. 1-30, 2012 (a).

Tópicos em Ergonomia e Segurança do Trabalho - Volume 1


Capítulo 7
ERGONOMIA COGNITIVA E A IMPORTÂNCIA DO FLUXO
DE INFORMAÇÃO DENTRO DE UM POSTO DE TRABALHO
DE UMA EMPRESA MOVELEIRA DO ESTADO DE SERGIPE

Felipe Augusto Silva Lessa


Gabriel Santana Vasconcelos
Allan dos Anjos Costa Dantas
Simone de Cassia Silva

Resumo: Este estudo aborda os aspectos da ergonomia cognitiva, com a


percepção e processamento das informações, e também dos dispositivos de
informação aplicado a uma indústria moveleira no Estado de Sergipe. A análise da
ergonomia cognitiva deste estudo abrange a etapa do processo de polimento, que
é composta por um posto de trabalho que prepara as peças a serem
encaminhadas à pintura. Após a realização do estudos observou-se que a fábrica
apresenta-se em condições satisfatórias e toleráveis de trabalho em diversos
pontos analisados. Porém, foram vistas algumas oportunidades de melhorias no
posto estudado e foram propostas soluções necessárias envolvidas a aspectos
ligados a situações de risco à segurança do trabalhador.

Palavras-chave: Ergonomia cognitiva, fluxo de informação, posto de trabalho

Tópicos em Ergonomia e Segurança do Trabalho - Volume 1


66

1. INTRODUÇÃO evitar possíveis problemas ergonômicos para


os trabalhadores.
Com as constantes mudanças no ambiente
organizacional, as empresas têm readequado
2. REFERENCIAL TEÓRICO
as suas estratégias para poderem ser
competitivas no mercado atual. Vive-se um 2.1. ERGONOMIA
momento em que a sociedade esta cada vez
Os conceitos de ergonomia já foram
menos aceitando pagar o alto preço dos
discutidos por diversos autores em variados
desperdícios.
estudos e em diferentes épocas, mas sua
Para enfrentar a concorrência com as grandes
essência está atrelada à interação entre os
empresas, está sendo preciso oferecer
seres humanos e outros elementos de um
produtos que, além de qualidade, possuam
sistema, adaptando o trabalho ao homem com
prazos e custos competitivos. Porém, manter
o objetivo de proporcionar bem-estar às
a competitividade de uma empresa sempre
pessoas envolvidas neste processo. Também
alta é um dos desafios enfrentados por elas.
se pode destacar que a ergonomia possui um
Um setor nacional que avançou muito nos
caráter interdisciplinar, envolvendo diversas
últimos anos, foi o moveleiro. Sua
áreas de estudo que corroboram para o
produtividade, em alguns segmentos, já se
alcance dos objetivos propostos pela
aproxima dos níveis internacionais. Neste
ergonomia.
novo ambiente de abertura comercial e de
Segundo Falzon (2007), o ergonomista deve
intensa competitividade, a indústria brasileira
trabalhar não somente buscando a satisfação
de móveis tem revelado uma grande
e a segurança do trabalhador, como também
capacidade empresarial de adaptação
aliar a melhoria da produtividade da empresa,
(GORINI, 1998).
podendo dar uma ênfase em um desses
Este crescimento fez com que houvesse um
aspectos sem abdicar do outro. Para Iida
aumento de trabalho mecânico em todo o
(2005) a ergonomia parte do estudo das
país, e consequentemente, um aumento dos
características do trabalhador para poder
casos de problemas ergonômicos, podendo
projetar o ambiente de trabalho de modo que
colocar a saúde dos trabalhadores sujeita a
seja priorizada a saúde, segurança e
riscos. Além disso, o crescimento
satisfação do trabalhador, sem prejuízo à
desordenado do setor, através da falta de
produtividade da organização.
planejamento na elaboração de processos de
Segundo a Associação Internacional de
trabalho padronizados, pode dificultar o
Ergonomia ou International Ergonomics
andamento da dinâmica de gestão de
Association (IEA), a ergonomia é a disciplina
informação e da aprendizagem no ambiente
científica que visa a compreensão
organizacional da empresa,
fundamental das interações entre os seres
consequentemente, podendo lidar com
humanos e os outros componentes de um
dificuldades em termos de competição de
sistema, e a profissão que aplica princípios
mercado.
teóricos, dados e métodos como o objetivo de
aperfeiçoar o bem-estar das pessoas e o
As atividades dos operários envolvem
desempenho global dos sistemas.
diversos riscos ergonômicos de trabalho,
A ergonomia direciona seus estudos
como os ambientais, cognitivos e os aspectos
abarcando tanto as condições prévias de
organizacionais, podendo assim refletir nos
trabalho, ou seja, a concepção do trabalho,
resultados obtidos devido à diminuição da
como também as consequências do trabalho
produtividade e do comprometimento da
que interagem na relação entre o homem, à
saúde do trabalhador.
máquina e o ambiente durante o seu
Segundo Iida (1995), a ergonomia contribui
relacionamento com esse sistema produtivo.
para melhorar a eficiência, a confiabilidade e
Além disso, como toda atividade que se
a qualidade das operações industriais,
destina ao setor produtivo, a ergonomia só
aperfeiçoando o sistema homem-máquina,
será aceita como elemento importante nas
organização do trabalho e melhorando as
empresas se for economicamente viável, ou
condições de trabalho.
seja, se apresentar uma relação
Dentro deste contexto, o presente estudo
custo/benefício favorável (LEITE; CARVALHO,
analisa os aspectos da ergonomia cognitiva e
2011).
da importância do fluxo de informações em
A IEA divide a ergonomia em três domínios de
um posto de trabalho, identificando os pontos
especialização: ergonomia física; cognitiva e
críticos para a realização da atividade e
organizacional. O presente estudo realizado
propondo soluções de melhoria, no sentido de

Tópicos em Ergonomia e Segurança do Trabalho - Volume 1


67

no posto de trabalho de polimento de uma 2005). A percepção é dividida em três


indústria moveleira abrange os aspectos estágios: pré-atenção, atenção e
cognitivos. reconhecimento. Na pré-atenção são
detectadas características globais, na
2.2. ERGONOMIA COGNITIVA atenção ocorre à focalização dos sentidos nos
aspectos interessantes mencionados no
A Ergonomia Cognitiva é um campo de
estagio anterior e o no reconhecimento
aplicação da ergonomia que tem como
acontece uma comparação com as
objetivo explicitar como se articulam os
informações armazenadas na memória.
processos cognitivos face às situações de
resolução de problemas nos seus diferentes
2.2.2. PROCESSAMENTO DA INFORMAÇÃO
níveis de complexidade. Ela refere-se aos
processos mentais, tais como percepção, O sistema nervoso central tem a função de
atenção, memória, cognição, raciocínio, receber todas as informações que são
controle motor, armazenamento e captadas pelos órgãos sensoriais através de
recuperação de memória, como eles afetam estímulos. Segundo Iida (2005) certas
as interações entre seres humanos e outros condições tendem a facilitar ou dificultar a
elementos de um sistema. Tópicos relevantes transmissão e o processamento desses
da área da ergonomia, a qual será estudada estímulos. O intervalo de tempo entre a
aqui, incluem o estudo da carga mental de recepção de um estímulo e a emissão da
trabalho, vigilância, tomada de decisão, resposta pelo organismo é conhecido como
desempenho de habilidades individuais, erro tempo de reação. O tempo de reação sofre
humano, interação homem-máquina e influência direta do grau de incerteza de
treinamento relacionados a seres humanos ou resposta.
sistemas (GRANDJEAN, 1998).
A ergonomia cognitiva visa analisar os 2.2.3. TOMADA DE DECISÕES
processos cognitivos implicados na interação:
As decisões podem ser de caráter individual
a memória (operativa e longo prazo), os
ou coletivo. Existem decisões mais fáceis de
processos de tomada de decisão, a atenção
serem tomadas, chamadas de decisões
(carga mental e consciência), enfim as
simples e existem decisões mais difíceis de
estruturas e os processos para perceber,
serem tomadas, chamadas de decisões
armazenar e recuperar informações (CAÑAS;
complexas. Decisão e a escolha de uma entre
WAERS, 2001).
diversas alternativas, cursos de ação ou
Os processos cognitivos não são estáveis,
opções possíveis. A tomada de decisão é
eles se adaptam ao que deve ser realizado,
umas das atividades intelectuais mais comuns
nas condições existentes. Um dos objetivos
ao ser humano (IIDA, 2005). Quando não há
da análise dos processos cognitivos é
processos de comunicação eficazes, as
compreender como os indivíduos regulam a
pessoas estão sujeitas a tomarem decisões
situação de trabalho, ao solucionar os
equivocadas dentro de uma estrutura
problemas decorrentes da discrepância entre
organizacional.
o que é prescrito (tarefa) e a realidade
encontrada (WEILL-FASSINA, 1990; WEILL-
2.2.4. APRESENTAÇÃO DAS INFORMAÇÕES
FASSINA; RABARDEL; DUBOIS, 1993).
As informações podem ser apresentadas de
2.2.1. SENSAÇÃO E PERCEPÇÃO diversos modos, para cada situação tem-se
uma modalidade mais adequada,
A captação de um estímulo ambiental é um
dependendo das condições que envolvem a
fenômeno constituído de duas etapas:
análise. Para Iida (2005), uma cuidadosa
sensação e percepção, que no final se
análise da tarefa pode fornecer respostas
transformar em cognição. A sensação é um
satisfatórias para a maioria das perguntas
processo biológico de captação de energia
relacionadas a determinado assunto ou
ambiental; para que ocorra a sensação é
atividade.
necessário que a energia ambiental, esteja
A padronização de processos de trabalho em
dentro de certo limite chamado de limiar. A
formas de registro e documentos facilitam o
percepção é um processamento do estimulo
desempenho produtivo de qualquer
ambiental, dando – lhe um significado. Faz-se
profissional, contribuindo consideravelmente
o uso de informações armazenadas na
para a gestão de informação de uma empresa
memória para converter as sensações em
(DAVENPORT; PRUSAK, 2003). Porém, é
significados, relações e julgamentos (Iida,
importante se saber que esta não é uma

Tópicos em Ergonomia e Segurança do Trabalho - Volume 1


68

tarefa simples. Não adianta a elaboração de setor sobre os temas abordados. A partir
documentos e registros de instruções de dessa análise, foram sugeridas
processo, quando não há implementação e recomendações ergonômicas a fim de gerar
colocação prática dos mesmos. mudanças significativas no setor estudado,
visando um aumento de produtividade e
3. METODOLOGIA melhor conforto ao operador no seu posto de
trabalho.
Primeiramente, foi realizada uma revisão
bibliográfica a fim de levantar as informações
4. RESULTADOS E DISCUSSÕES
que seriam necessárias para desenvolver este
estudo. Em seguida, foi construído um 4.1. POSTO DE TRABALHO
questionário de 14 questões (Anexo 1) com a
O objeto de estudo selecionado foi o setor de
finalidade de levantar informações
polimento, que é responsável pela
necessárias relacionadas à ergonomia
preparação das peças para serem
cognitiva.
encaminhadas ao setor de pintura. Este posto
Em visitas à fábrica, através da aplicação do
de trabalho possui dois colaboradores, que
questionário e de um diálogo com membros
trabalham de maneira conjunta em uma
da gestão e da operação, foi possível obter as
mesma bancada, conforme mostrado na
informações desejadas.
Figura 1.
Por fim, foram analisados o questionário e as
outras informações coletadas para a
realização de um diagnóstico ergonômico do

Figura 1 – Posto de trabalho analisado

Fonte: Os autores

No ambiente de trabalho, predominantemente e troca de informações constantes tanto entre


circulam informações originadas da os funcionários do mesmo posto, como entre
comunicação de operadores do posto de funcionários de outros setores e a gerência.
polimento, de outros setores e da gerência. Outra característica do setor é a inexistência
Além das informações por meio da de tarefas prescritas padronizadas
conversação, existe um sinal sonoro que relacionadas ao polimento das peças. Assim,
surge em caso de algum incidente crítico a execução de uma operação de qualidade
ocorrendo na fábrica. depende essencialmente do conhecimento
O ambiente organizacional permite uma tácito dos operadores.
relação interpessoal bastante favorável para o
desempenho das funções, com uma interação

Tópicos em Ergonomia e Segurança do Trabalho - Volume 1


69

4.2. ANÁLISE DA ERGONOMIA COGNITIVA Nota-se que o frequente nível de troca de


DO POSTO DE TRABALHO informações entre os operadores do setor é
peça fundamental para a baixa incidência de
Primeiramente foi verificado que os
erros, agregando qualidade ao processo.
funcionários dos setores não sofrem estresse
Além disso, a comunicação é importante para
mental acima do esperado para um ambiente
tornar o ambiente de trabalho mais agradável
produtivo. Então, presume-se que a pressão
para os trabalhadores, que sentem maior
pela produtividade do setor está ocorrendo de
satisfação e motivação, diminuindo a
forma adequada.
monotonia.
As sensações na área operacional se limitam
Os funcionários têm consciência de onde
à captação de sinais sonoros da conversação
devem armazenar os estoques do setor e o
de outros operadores do setor de polimento,
local do armazenamento é respeitado,
de outros centros de trabalho e da gerência.
evitando acúmulo e desorganização dos
A percepção caracteriza-se pela
produtos semi-acabados.
interpretação dessa conversação, que é
Por fim, os operadores sabem da existência
transformada em ação, podendo interferir no
de um sinal sonoro em caso de emergência e
processo de polimento, seja no modo que vai
a fábrica possui uma saída ampla para a
ser feita a operação ou na velocidade exigida.
passagem dos funcionários. Porém, não há
Durante a operação não existem sinais
uma sinalização que auxilie o operador no
simultâneos que sobrecarreguem o aspecto
momento de crise e a única saída alternativa
cognitivo do operador, sendo assim não há
possui um cadeado que impede a livre
necessidade de sinais redundantes. O ruído
passagem dos operadores em caso de uma
emitido de outros setores da fábrica não
necessidade.
influencia significativamente nas atividades de
polimento.
4.3. PROPOSIÇÃO DE MELHORIAS
A principal tomada de decisão do setor é a
escolha da lixa adequada para realizar a O setor não possui grandes problemas
abrasão. O operador tem que decidir entre relacionados à ergonomia cognitiva, porém
qual ferramenta utilizar (elétrica ou manual) e puderam ser visualizadas algumas
a granulação da lixa que será utilizada no oportunidades de melhoria.
móvel em processamento. São possíveis Um dos principais pontos é a tomada de
diversas combinações e o operador não decisão na escolha da lixa e a execução do
possui nenhuma orientação descrita em processo, as quais os operadores comentam
manuais ou procedimentos operacionais não possuir dificuldades na atividade. Porém,
padrão. Em contrapartida, os funcionários caso haja a necessidade da empresa admitir
dizem não sentir dificuldades em escolher a um novo operador, ele poderá sentir
lixa correta, nem de executar o procedimento dificuldades com a falta de padronização e
abrasivo. ocasionar grandes atrasos e número de erros
Segundo as informações obtidas, a no procedimento.
quantidade de erros de operação é pequena Segundo Falzon (2007), o modelo de
e são identificados muitas vezes só no setor Rasmussen representa os diversos níveis de
de pintura. Existe uma comunicação informal tratamento de problemas que aparecem no
à gerência quando ocorre alguma falha, ambiente de trabalho. Observando a Figura 2,
porém não há registros desta comunicação. O verifica-se que os operadores do setor têm
que pode ocasionar um mascaramento dos seu comportamento no trabalho baseado nas
níveis reais de erros do setor. suas habilidades, agindo quase sempre
automaticamente às tarefas atribuídas.

Tópicos em Ergonomia e Segurança do Trabalho - Volume 1


70

Figura 2 – Níveis de tratamento de problemas

Fonte: Rasmussen (1983) apud Lima (2003)

Por essa razão, os operadores do posto não padronização do processo e da inexistência


sentem dificuldades nas suas tarefas, porém de manuais de auxílio.
as contratações de novos funcionários podem Por fim, a fábrica precisa sinalizar melhor a
ocasionar a necessidade de frequentes saída para situações críticas, garantindo um
comportamentos baseados em tempo curto de resposta de seus funcionários
conhecimentos e em regras, mas eles não na evacuação, como é regulamentado na NR
irão possuir nenhum manual que auxilie nesse 23. Outro ponto fundamental é tornar
processo de aprendizagem. acessível a outra opção de saída que a
Isso torna o novato e a fábrica extremamente fábrica possui para evitar que problemas de
dependentes de outros operadores que obstrução da saída principal gerem grandes
podem não possuir a didática necessária. efeitos em caso de um acidente.
Assim, o aprendiz pode demorar um tempo A fim de evitar um atraso no tempo de
longo para aprender o processo, trazendo resposta dos funcionários, é importante
grandes prejuízos à produtividade da fábrica verificar se o som do alarme sonoro é maior o
e à autoestima do funcionário. suficiente que os ruídos operacionais da
Outro ponto muito importante é a falta de fábrica. Também é primordial instruir seus
registro de erros, que pode ocasionar um funcionários a executarem procedimentos
mascaramento de índices mais altos de falhas padrão em casos de emergência, que o
dos que se acreditam na fábrica. Lembrando operador diz não existir na aplicação do
que esses erros podem também gerar um questionário.
aumento substancial e inesperado dos custos O Quadro 1 resume o conjunto de melhorias
da produção. E caso esses níveis de erros associadas à ergonomia cognitiva no setor.
sejam altos, pode ser devido à falta da

Tópicos em Ergonomia e Segurança do Trabalho - Volume 1


71

Quadro 1 – Melhorias sugeridas quanto à ergonomia cognitiva

Melhorias sugeridas Justificativa


Auxilia a operadores novatos e diminui os erros do
Elaboração de manuais do processo
processo.
Evita o mascaramento de procedimentos
Registro dos erros inadequados e aumenta precisão dos custos
operacionais
Criar/instruir procedimento padrão Diminuição do tempo de resposta dos funcionários e
em casos de emergência aumento da velocidade de evacuação.
Testar som de alarme com o ruído
Evitar o mascaramento do alarme sonoro.
operacional da fábrica
Tornar acessível saída secundária de Evita efeitos catastróficos em caso de obstrução da
emergência saída principal
Sinalizar o caminho das saídas de Diminuição do tempo de resposta dos funcionários e
emergência aumento da velocidade de evacuação.

5. CONCLUSÃO Apesar dos bons resultados, foram sugeridas


algumas melhorias no setor. Dentre elas
Na análise da cognição do setor percebeu-se
destacam-se a criação de manuais de auxílio
que não existem graves problemas cognitivos
a iniciantes e registro dos erros por parte da
no ambiente. A carga de estresse é aceitável,
gerência. Também foram levantadas
as informações transitam com facilidade e os
melhorias necessárias envolvidas a aspectos
operadores sabem executar suas tarefas sem
ligados a situações de risco a segurança,
dificuldades e com baixos níveis de erros.
como em caso de situações de incêndio.
Do ponto de vista cognitivo, o fluxo de
Por fim, acredita-se que o estudo tenha
informações entre os profissionais ocorre com
contribuído para levantamento dos aspectos
facilidade, desenvolvendo uma boa
positivos do posto de trabalho, na intenção de
socialização do conhecimento e satisfação
que se a gestão consiga mantê-los, e houve
dos trabalhadores. Porém, não há
sugestões de melhorias pontuais para que
padronização e manuais de atividades, nem o
haja a melhoria contínua do posto de trabalho,
registro dos erros ocorridos no setor, o que
o qual se encontra em um estado satisfatório
pode acarretar consequências na eficiência
de funcionamento.
do processo.

REFERÊNCIAS Disponível em:


<http://www.bndes.gov.br/SiteBNDES/bndes/b
[1] ABNT – Associação Brasileira de Normas ndes_pt/Institucional/Publicacoes/Consulta_Ex
Técnicas. NR 23: Proteção Contra Incêndios. pressa/Setor/
Brasília: Ministério do Trabalho e Emprego, Produtos_Florestais/199809_1.html>.
2011. Disponível em: Acessado em: 10/02/2014.
<http://portal.mte.gov.br/data/files/ [6] GRANDJEAN, Etienne. Manual de ergonomia:
8A7C816A2E7311D1012FE5B554845302/nr_2 adaptando o trabalho ao homem. Porto Alegre:
3_atualizada_2011.pdf>. Acessado em: Artes Médicas, 1998.
10/07/2013. [7] IIDA, Itiro. Ergonomia: projeto e produção. São
[2] CAÑAS, J.J.; WAERS, Y. Ergonomia Cognitiva Paulo: Edgard Blucher Ltda, 1995.
– Aspectos Psicológicos de la Interacción de [8] IIDA, Itiro. Ergonomia: projeto e produção, 2.
las Personas con la Tecnologia de la ed.. São Paulo: Edgard Blucher, 2005.
Información. Ed. Medica Panamericana, 2001. [9] LEITE, C. M. G.; CARVALHO, R. J. M. Gestão
[3] DAVENPORT, T. H.; PRUSAK, L. Ecologia da da ergonomia para a saúde ocupacional dos
informação. 2. Ed. São Paulo: Futura, 2003. gerentes hoteleiros. International Journal on
[4] FALZON, P. (ed.) Ergonomia. São Paulo, Working Conditions (RICOT Journal), N.1,
Edgard Blucher, 2007. Porto: IS-FLUP, p. 110-128, 2011.
[5] GORINI, Ana Paula. Panorama do setor [10] LIMA, S. L. dos S. Ergonomia Cognitiva e a
moveleiro no Brasil, com ênfase na Interação Pessoa-Computador: Análise da
competitividade externa a partir do Usabilidade da Urna Eletrônica 2002 e do
desenvolvimento da cadeia industrial de Módulo Impressor Externo. Tese (Mestrado)
produtos sólidos de madeira. BNDES, 1998. Florianópolis, 2003.

Tópicos em Ergonomia e Segurança do Trabalho - Volume 1


72

[11] WEILL-FASSINA, A. L’Analyse des aspects Enjeux et formes (pp.193-198). Paris: Cereq,
cognitifs du travail. Em M. Dadoy, C. Heenry, 1990.
B. Hillau, G. de Terssac, J.-F. Troussier & A. [12] WEILL-FASSINA, A.; RABARDEL, P.; DUBOIS,
Weill-Fassina (Orgs.), Les analyses du travail. D. Représentations pour l’action (1ª ed.).
Toulouse: Octarés Éditions, 1993.

ANEXO 1

QUESTIONÁRIO DE ERGONOMIA COGNITIVA

1) Quantos tipos de lixa o operador usa no processo?


a) 1
b) 2
c) 3
d) 4
e) 5 ou mais.

2) Como se sabe qual tipo de lixa deve-se passar no móvel?


a) Orientação informal da montagem ou pintura.
b) Experiência prática do operador.
c) Definido em algum manual prescrito de montagem ou pintura.
d) Alguma informação visual advinda da montagem ou pintura.
e) Outra opção.

3) Quais operadores dão opinião sobre o processo de polimento?


a) Outro operador do centro de polimento.
b) Operadores do setor de pintura.
c) Operadores do setor de montagem.
d) Chefe ou gerente de produção.
e) Raramente se tem opinião de um terceiro no processo.

4) Existe alguma dificuldade de saber como será feito o polimento, ou qual lixa se utilizará?
a) Não
b) Raramente
c) Poucas vezes
d) Com certa frequência.
e) Muito frequentemente.

5) O operador do centro de polimento auxilia a pintura com algum tipo de opinião?


a) Sim, frequentemente.
b) Sim, quando é necessário.
c) Não, só em raras ocasiões.
d) O operador nunca se envolve com o processo de pintura.

6) De que forma se estoca os móveis já lixados?


a) No centro da pintura, sem acúmulo de estoque.
b) No centro da pintura, com acúmulo de estoque.
c) No setor de polimento, em locais determinados.
d) Em locais variados, próximo a uns dos centros.

Tópicos em Ergonomia e Segurança do Trabalho - Volume 1


73

7) Em caso de uma situação perigosa como um incêndio ou outra situação de risco, como o
operador ficará sabendo na fábrica?
a) Alerta sonoro.
b) Alerta visual.
c) Alerta visual e sonoro.
d) Aviso informal de colegas de trabalho.

8) O operador sabe como reagir em caso de uma situação crítica, como um incêndio?
a) Sim.
b) Sim, mas não existem um procedimento padrão ou treinamento, só uma orientação.
c) Não.

9) Qual seria a reação em uma situação crítica, como um incêndio?


a) Tentaria resolução do foco do problema.
b) Buscaria informações com outros de como reagir.
c) Tentaria ajudar pessoas em situações de risco.
d) Se afastaria, garantindo sua segurança.

10) O operador sabe qual caminho percorrer para sair da fábrica em situação de emergência?
Ele também acha que esse caminho está bem sinalizado?
a) Sabe o caminho e acredita que está bem sinalizado.
b) Sabe o caminho, mas não acha que esteja bem sinalizado.
c) Não sabe o caminho.

11) Para o operador, existe alguma rota alternativa caso o caminho principal esteja bloqueado?
Acha que é de fácil acesso?
a) Sim e o operador acha que é de fácil acesso.
b) Sim e o operador acha que não é de fácil acesso.
c) Apesar de existir um caminho alternativo o operador desconhece.
d) Não existe caminho alternativo, ou é de difícil acesso.

12) Quando há um erro no polimento, quem geralmente identifica o erro?


a) Quase sempre os operadores dos postos.
b) O setor de pintura.
c) Os clientes.

13) O que acontece quando o operador erra no processo?


a) Apenas corrige o erro.
b) Comenta com o responsável da produção informalmente.
c) Comenta com o responsável da produção e a o registro do erro.

14) O operador sente estresse mental pela carga de trabalho?


a) Pouco, sendo de forma aceitável.
b) Médio, incomodando às vezes.
c) Alto, sendo um grande incomodo.
d) Insuportável, precisa de melhoria urgente nas condições de trabalho.

Tópicos em Ergonomia e Segurança do Trabalho - Volume 1


Capítulo 8
PRINCÍPIOS DE USABILIDADE NO TRANSPORTE
PÚBLICO

Evaldo Cesar Cavalcante Rodrigues


Ivo Almeida Costa
Paulo Henrique da Silva Costa
Mário Lopes Condes
José Matsuo Shimoishi

Resumo: A usabilidade dos transportes apoia-se na subárea da ergonomia que se


ocupa dos aspectos cognitivos – a ergonomia cognitiva, e visa criar mecanismos
de orientações para os usuários do transporte público sem incidência de erros.
Este artigo tem como objetivo avaliar os impactos da usabilidade no transporte
público do Distrito Federal. Neste contexto, é abordado no estudo a tríade da
usabilidade: acessibilidade; sua permanência; e sua localização (do usuário ao
sistema de transporte público). São tratadas ainda a aplicação da usabilidade na
condução do usuário ao sistema de transporte, nas etapas de viagem, além da
interação entre esta e as tecnologias de informação e comunicação. Para este
trabalho, foi realizada pesquisa composta de duas etapas: uma foi a realização de
pesquisa de campo com a aplicação de questionários a especialistas e
pesquisadores em transportes do Programa de Pós-graduação da Universidade de
Brasília – UnB; na outra, os dados dos questionários foram tabulados elaborando-se
planilhas e gráficos para análise dos resultados conforme os indicadores de
usabilidade definidos. A análise dos indicadores mostrou que o sistema de
transporte do Distrito Federal não possui sinalização e orientação aos usuários
sobre os sistemas disponíveis, com os ônibus e micro-ônibus apresentando índices
ruins de usabilidade, contrário aos do metrô que apresentou índices de usabilidade
de bom a excelente.

Palavras-chave: Transporte Público; Usabilidade; Acessibilidade.

Tópicos em Ergonomia e Segurança do Trabalho - Volume 1


75

1. INTRODUÇÃO inclusão de princípios de usabilidade no


transporte público. Nesse sentido, vários
modelos de usabilidade têm sido
O transporte gera reflexos variados no
desenvolvidos no mundo, alguns
ambiente urbano, com o crescimento das
apresentando resultados satisfatórios, outros
cidades, passa a ser vital para o
se revelando menos satisfatórios, para
desenvolvimento das atividades sociais e
determinados tipos de negócio ou prestação
econômicas, garantindo o funcionamento das
de serviço. É importante que o processo de
instituições e o incremento das atividades
usabilidade tenha como suporte informações
produtivas. Assim, o papel desempenhado
mensuráveis que o torne menos subjetivo e
pelo transporte torna-se peça fundamental na
que seja dotado de maior precisão e menor
movimentação urbana. Logo surge a
possibilidade de erro. Atualmente as
necessidade de sua evolução, implantação
organizações públicas e privadas estão
de novas tecnologias para atender as
voltadas principalmente para a valorização de
mudanças das estruturas urbanas e das
ativos intangíveis, tais como: o capital
novas necessidades dos consumidores. As
intelectual; a “carteira de clientes”; a marca; e
cidades crescem e os anseios da população
o renome da entidade. Desta forma, aproxima
por transporte acompanham de tal forma que
e permite à organização estar ligada
em um determinado momento são atendidos
diretamente ao cliente, que implica recursos
com simples benefícios tradicionais
para interpretar as necessidades do usuário
decorrentes de reduções de: custos
cliente, segmentar novos ambientes de
operacionais e tempo de viagem. Porém, em
negócio, preocupar com serviços antes e
ocasião própria de desenvolvimento urbano,
após o atendimento, inovar, minimizar custos
passa a existir a necessidade de apropriação
e melhorar a qualidade do serviço. Portanto, a
de um transporte moderno, que exerça uma
usabilidade tem foco na valorização dos
função muito mais ampla do que o simples ato
fatores operacionais da empresa, que
de transportar e, que atenda também a
proporcione adaptações do ambiente para o
função social de oferecer melhores condições
cliente usuário, com instalações modernas,
de vida para a população, portanto, é
assim como de um sistema de usabilidade de
imprescindível que em uma sociedade
transporte público, por meio do qual seja
moderna se avalie o transporte sem desprezar
possível oferecer melhores condições de vida
seus benefícios intrínsecos.
para população e a geração de maior
O Governo do Distrito Federal – GDF é
credibilidade da organização.
responsável por gerenciar de forma integrada
os transportes públicos por micro-ônibus,
2. USABILIDADE
ônibus e metrô, que faz parte das
macrodiretrizes da Secretaria de Estado de
Transportes do Distrito Federal, para criar A usabilidade é derivada da ergonomia e está
mecanismos de usabilidade para a debruçada nas relações conflituosas dos
população. No entanto, o GDF se apresenta trabalhadores e as condições de trabalho. O
inoperante para a criação de um plano de foco da usabilidade está centrado nos
ação integrado dos referidos sistemas, que instrumentos para adequação das atividades
permita a inserção de benefícios proveniente empresariais, para promover o uso de
de uma cultura geral de planejamento equipamentos, seja ele trabalhador ou
integrado no transporte público em Brasília. simples usuário. Oportunamente, ao iniciar a
Diante do exposto, passa a ser oportuno o seção que trata do tema usabilidade torna-se
seguinte questionamento: existe um modelo relevante apresentar alguns conceitos
de usabilidade de transporte público capaz ergonômicos.
de permitir ao usuário cliente melhorias das
condições de transporte público e propiciar 2.1. CONCEITOS ERGONÔMICOS A
melhorias na qualidade de vida para a SERVIÇO DA USABILIDADE
população do Distrito Federal?
O objetivo desta pesquisa é avaliar a
A ergonomia tem sido considerada como a
usabilidade do transporte público urbano de
solução para os problemas relativos à
passageiros no âmbito do Distrito federal.
adaptação das tarefas ao homem, além de
A gestão pública exige conhecimentos,
oferecer vantagens econômicas através da
habilidades, atitudes, visão estratégica e,
melhoria do bem-estar, da redução de custos
principalmente métodos que possibilitem a

Tópicos em Ergonomia e Segurança do Trabalho - Volume 1


76

e da melhoria da qualidade e produtividade cognitivos para diagnosticar junto ao sujeito, o


nas empresas. A forma de abordar o homem usuário do transporte público, a percepção
nas diversas situações de interação com as sobre o formato de acessibilidade,
máquinas está, principalmente, ligada aos permanência e localização no sistema.
problemas vivenciados dentro das A usabilidade se apropria de conceitos da
organizações e nas suas atividades ergonomia cognitiva, com o objetivo de criar
produtivas. mecanismos de orientação para o usuário,
Considerando uma abordagem e que estejam dentro do nível de exploração
aplicabilidade bem mais ampla, Falzon (2007) das suas estruturas mentais e que permita o
apresenta a ergonomia como sendo uma uso do transporte público sem incidência de
ferramenta que permite o estudo científico das erros, seja ele, um usuário frequente,
interações entre o homem e a tecnologia, intermitente ou novato.
considerando o meio-ambiente, a sociedade,
o ambiente organizacional, as situações, os 2.2. TRÍADE DA USABILIDADE
métodos e os dispositivos de produção, a fim
de otimizar o bem-estar das pessoas e o
A usabilidade é um instrumento que permite
desempenho global dos sistemas, mais
adequar os espaços dos sistemas de
especificamente, os sistemas produtivos
transporte às características dos
integrados de bens e serviços.
consumidores. Ela é identificada como uma
Segundo Falzon (2007), os aspectos
interface e entendida como parte significativa
ergonômicos físicos são tratados pela
do produto, que está relacionada à facilidade
ergonomia física que se ocupa das
de uso. Para Fiske e Haslam (2005), a
características anatômicas, antropométricas,
usabilidade é a interface que traduz de forma
fisiológicas e biomecânicas do homem em
mediadora, de um lado a máquina e do outro
relação com sua atividade física, tendo como
o usuário. Dias (2003), afirma que a
principais temas as posturas de trabalho, a
usabilidade é uma qualidade de uso de um
manipulação de objetos, os movimentos
sistema. Segundo Cybis, Betiol e Faust
repetitivos, os problemas musculares, o
(2007), a usabilidade representa a qualidade
arranjo físico do posto de trabalho, a
do uso de um sistema interativo e se refere à
segurança e a saúde. Completando as
relação que se estabelece entre usuário,
abordagens da ergonomia há também uma
tarefa, interface, equipamento e demais
subárea denominada de ergonomia
aspectos do ambiente no qual o usuário utiliza
organizacional ou macroergonomia a qual
o sistema. Portanto, a usabilidade agrega
estuda os sistemas sócio-técnicos, incluindo
valor ao bem ou serviço e gera boas
sua estrutura organizacional, regras e
referências sobre o transporte público que se
processos, apresentando, dentre outros
apodera de conceitos que facilite o uso do
temas, a comunicação, a concepção
serviço e minimize erros de seus usuários.
participativa e a cultura organizacional.
A tríade composta de acessibilidade,
Ocupando-se dos aspectos ergonômicos
permanência e localização é uma forma de
cognitivos tem-se a ergonomia cognitiva que
representar os componentes da usabilidade,
trata dos processos mentais, tais como a
que compreende: a) acessibilidade, que
percepção, a memória, o raciocínio e as
permite a inclusão ou participação para
respostas motoras, com relação às interações
adentrar o sistema de transporte público; b)
entre as pessoas e os outros componentes de
permanência, no que se refere a decidir em
um sistema, tendo como principais temas a
que parte do sistema quer percorrer e quando
carga mental, os processos de decisão, o
deseja sair; c) localização, que apresenta
desempenho especializado, a interação
mecanismos de orientação para o usuário
homem-máquina, a confiabilidade humana, o
saber onde se encontra e as diversas opções
estresse profissional e a formação, na sua
de deslocamentos no transporte público.
relação com a concepção pessoa-sistema.
Neste contexto, a usabilidade do transporte
público carece de aspectos teóricos

Tópicos em Ergonomia e Segurança do Trabalho - Volume 1


77

Figura 1 – Acessibilidade no Transporte Público

2.3. USABILIDADE NA CONDUÇÃO DO orientam para uma forma de condução


USUÁRIO induzida dos passageiros, com base em
mecanismo que dialoga ou sugere a melhor
alternativa para o passageiro, permitindo que
A usabilidade tende a viabilizar a percepção ele controle e decida no diálogo ao máximo
do usuário, que necessita identificar os possível. Entretanto, existe também a
espaços do transporte público, como comuns condução forçada, que indica com barreira
e predominantes em sua vida, com a física o uso, de modo que, restringe o espaço
perseguição da geração de valor para a do usuário e apresenta uma interface que
população local. Nessa perspectiva, força o resultado.
Rodrigues et al. (2013) cita que os conceitos
da usabilidade terão que considerar os
aspectos culturais da população, que

Figura 2 – Condução Induzida pela Faixa Amarela

Tópicos em Ergonomia e Segurança do Trabalho - Volume 1


78

2.4. USABILIDADE E AS ETAPAS DA VIAGEM 3. MÉTODO DE PESQUISA


transporte público desloca os seus usuários O método de desenvolvimento da pesquisa foi
no interior das estações ou plataformas por o estudo empírico voltado para avaliar os
elevadores e escadas ou esteiras rolantes. impactos da usabilidade no transporte público
Segundo Bolchini e Garzotto (2007), para o do DF, tendo por base os valores dos
usuário obter resultado necessita cumprir especialistas e pesquisadores em transportes
etapas e para, em específico, o usuário do do programa de pós-graduação em
transporte público chegar ao destino final, transportes da Universidade de Brasília. A
necessita cumprir as seguintes etapas: a) pré- pesquisa foi realizada nos meses de fevereiro
viagem de transporte público é caracterizada e março do ano de 2014. O foco do trabalho
pela caminhada até a estação e segundo foi a usabilidade dos sistemas de transporte
Rodrigues (2003) o usuário do transporte do Distrito Federal. Para atender aos objetivos
público afirma caminhar uma distância média propostos e comprovar as hipóteses
de 500 m para acessar o sistema; b) acesso formuladas, foram estabelecidas as seguintes
ao embarque na origem que é a etapa até a etapas de trabalho: revisão bibliográfica,
plataforma de embarque, que percorre da definição de variáveis e planejamento da
porta de entrada, passa pela bilheteria para pesquisa.
compra de bilhete de passagem, ultrapassa o
bloqueio (catraca) e se dirige até a plataforma 3.1. REVISÃO BIBLIOGRÁFICA
de embarque; c) espera na plataforma de
Nessa etapa foi realizada uma revisão
embarque para acompanhar a chegada do
bibliográfica em livros, periódicos e
trem e em seguida embarcar no veículo; d)
publicações em geral, nacionais e
viagem propriamente dita que se inicia
internacionais, permitindo agregar
quando o usuário entra no carro do transporte
conhecimentos referentes ao tema de estudo,
público e termina quando o mesmo chega ao
com ênfase para os mecanismos de
seu destino e sai do veículo; f) acesso à
usabilidade dos transportes, além de levantar
plataforma de destino, na sequência as
conceitos, definições e os principais estudos
roletas de desembarque e até a porta de
realizados acerca do tema.
saída de estação; g) transferência entre
modais ou caminhada até o destino final.
3.2. DEFINIÇÃO DAS VARIÁVEIS
2.5. USABILIDADE E AS TECNOLOGIAS DE Foram definidas as variáveis a serem
INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO (TIC) consideradas para diagnosticar a usabilidade
dos sistemas de transportes de Brasília – DF e
Elas são os dispositivos que buscam orientar
suas regiões lindeiras, em consonância com
ou mediar os processos de interação entre o
Vergara (2005), que ressalta a importância da
comunicador e o receptor. As TIC poderão
seleção das variáveis e dos objetos de estudo
explorar os sinais com base nos seguintes
como de fundamental importância para a
sentidos humanos: a) visuais (símbolos,
apuração fidedigna dos resultados da
ilustrações, escritos – língua escrita); b)
pesquisa.
auditivos (língua oral); c) olfativos; d) táteis; e)
As variáveis definidas para a pesquisa foram:
físicos; f) dispositivos ou interativos.
orientações fora do sistema de transporte;
Dahmer e Fleury (2010) afirmam que o
orientações da localização do sistema de
instrumento mediador do processo de
transporte; orientações na porta de entrada,
interação e colaboração, tem a necessidade
plataforma ou ponto de parada; orientações
de ser compatível com as características dos
para a compra na bilheteria ou ponto de
usuários, de forma a facilitar a sua
parada; orientações para movimentação na
apropriação e o seu uso.
plataforma ou ponto de parada; orientações
São estruturas baseadas em informação, que
dentro do veículo; orientações para indicação
são agrupadas de maneira lógica para ajudar
das solicitações ou dos pedidos; orientações
o usuário do transporte público na realização
para saída do veículo; sistema(s) de controle
da tarefa e na interação com o equipamento.
e de orientações do Headway.

Tópicos em Ergonomia e Segurança do Trabalho - Volume 1


79

3.3. PLANEJAMENTO DA PESQUISA questionário, o mesmo foi aplicado a dois


especialistas como pré-teste e em seguida
partiu-se para coleta em campo.
Foram planejadas duas etapas da pesquisa
destinadas a diagnosticar e avaliar a
3.4. TABULAÇÃO E ANÁLISE DE DADOS
usabilidade dos transportes públicos do
Distrito Federal.
A primeira etapa focada na dinâmica de Após a coleta de dados foi priorizado a fase
grupo chamada de brainstorming, que visa de tabulação, com a elaboração de planilhas
explorar a potencialidade criativa dos e gráficos para expressar resumidamente os
especialistas em transportes. resultados. De posse das tabelas e gráficos
Nesta etapa foi desenvolvida a pesquisa em partiu-se para a seleção das melhores figuras
campo, com o caráter descritivo e utilizada para compor a parte textual do trabalho e
como fonte primária, a aplicação de um geração de discussões e análise dos dados,
questionário junto aos especialistas em conforme a Figura 3.
transportes, que responderam a partir de uma Foram selecionados e classificados dados
escala "Likert", com estrutura de valoração de sobre a usabilidade nos sistemas de
1 até 5, onde um representava as piores transporte público do Distrito federal,
condições e cinco, as melhores. A ferramenta relacionando-os com a identificação dos
de coleta de dados foi composta por ambientes do sistema, acessibilidade,
questões fechadas, com fundamentação deslocamento em seu interior, entrada no
baseada na escala “Likert” e respondidas veículo, movimentação no interior do veículo,
pelos referidos especialistas de modo saída do veículo e integração com outros
voluntário e anônimo. Após a preparação do sistemas.

Figura 3 – Fluxo do Método de Pesquisa

4. DEFINIÇÃO E ANÁLISE DOS mensuração de qualidade e quantidade de


INDICADORES DE USABILIDADE mecanismos de usabilidade, em específico do
transporte público do Distrito Federal.
Eseweb (2006) afirma que os indicadores de
4.1. DEFINIÇÃO DOS INDICADORES DE
usabilidade são identificados pelas
USABILIDADE DO TRANSPORTE PÚBLICO
características físicas que permitem avaliar,
medir e valorar as qualidades de uso dos
sistemas de transportes. Deve-se levar em Ao criar um ambiente de discussão a partir da
consideração o espaço percorrido pelo ferramenta de brainstorming com os referidos
possível usuário cliente potencial, para especialistas em transportes, concluiu-se que
identificação dos critérios ou variáveis para os principais indicadores de usabilidade dos

Tópicos em Ergonomia e Segurança do Trabalho - Volume 1


80

transportes públicos são apresentados em funcionário para dirimir eventual dúvida; e


seis grupos: sinalização por catálogo de cores;

4.1.1. ITENS EXTERNOS 4.1.5 ITENS DE SAÍDA DO SISTEMA


Os indicadores que abarcam os itens Os indicadores que abarcam os itens de
externos são: sinalização na cidade da saída do sistema são: faixa com condução
existência dos terminais ou pontos de induzida para sair do ponto de parada; e
paradas; orientação em pontos turísticos da indicação de integração.
cidade; folder de orientação para visitantes e
usuários novatos; e indicação de referência 4.1.6 OUTROS ITENS
padronizada em todos os terminais e pontos
Além dos indicadores apresentados, foram
de parada.
utilizados os seguintes indicadores: sistema(s)
de controle de veículos; e orientações do
4.1.2. ITENS DE ACESSO AO SISTEMA
Heaadwy.
A seguir são apresentados os indicadores dos
itens de acesso ao sistema: mapa afixado no 4.2. ANÁLISE DOS INDICADORES DE
rol de entrada; preço unitário e pacotes USABILIDADE DO TRANSPORTE PÚBLICO
vantajosos de viagem; faixa de condução DO DF
induzida para entrar no ambiente; sensor
As tabelas apresentam uma qualificação do
sinalizador de entrada; indicação de
tipo ruim para o ônibus e para o micro-ônibus
elevadores, escadas tradicionais e rolantes;
em todos os indicadores, o que reflete um alto
folder de orientação ou funcionário para
grau de insatisfação com a usabilidade do
dirimir eventual dúvida; e orientações para
sistema. Porém, no item de usabilidade do
chegar até a plataforma.
interior do veículo, observa-se uma avaliação
regular do sistema. Tal fato deve-se a
4.1.3. ITENS DE ACESSO AO VEÍCULO
aquisição recente de ônibus e micro-ônibus
A relação dos indicadores de itens de acesso novos circulando.
ao veículo está composta de: mapa afixado
na plataforma; divulgação do intervalo entre 4.2.1. ITENS EXTERNOS AO SISTEMA
veículos ou o horário; faixa de condução
Este item buscou avaliar as sinalizações
induzida para entrar no veículo; faixa de
externas dos componentes do sistema de
segurança para determinar a distância entre o
transporte do Distrito Federal. O resultado,
usuário e o veículo; definição de pessoas
apresentado no Gráfico 1, mostra que a
prioritárias; e placa de indicação do local da
sinalização externa do micro-ônibus foi
parada do e veículo.
avaliada como ruim por 68% dos avaliadores,
para os ônibus, 91% dos avaliadores
4.1.4. ITENS DO INTERIOR DO VEÍCULO
qualificaram as sinalizações externas como
Os itens do interior do veículo estão formados ruim e regular. Em sentido oposto, o metrô foi
pelos seguintes indicadores: faixa com avaliado como bom ou muito bom por 68%
condução induzida para entrar e sair do dos avaliadores. Deve-se ressaltar que
veículo; mapa de orientação; indicação de nenhum dos veículos foi qualificado como
bancos especiais; folder de orientação ou excelente.

Tópicos em Ergonomia e Segurança do Trabalho - Volume 1


81

Gráfico 1 - Itens externos ao sistema

4.2.2. ACESSO AO SISTEMA maior destaque são, regular e ruim, para o


ônibus (86%) e micro-ônibus (91%). O metrô
O Gráfico 2 apresenta o resultado da
neste quesito recebe uma avaliação positiva
avaliação do acesso do usuário ao sistema,
de aproximadamente 73% variando de bom a
observando mapa da linha, faixas de
excelente.
condução, folder’s, orientação por parte dos
funcionários. Neste item, os conceitos de

Gráfico 2 - Acesso ao sistema

4.2.3. ACESSO AO VEÍCULO dos avaliadores e regular, por 36%. O ônibus


também obteve uma avaliação ruim por 59%
Neste item, foi avaliado os indicadores de
dos avaliadores. Neste Item, o metrô foi
acesso ao veículo, como intervalo entre
qualificado como bom (36%) e muito bom
veículos, mapas nas plataformas, faixa de
(32%). Nenhum dos veículos obteve
segurança, definição de prioridades e
qualificação excelente.
identificação do local de parada do veículo. O
micro-ônibus foi avaliado como ruim por 54%

Tópicos em Ergonomia e Segurança do Trabalho - Volume 1


82

Gráfico 3 - Acesso ao veículo

4.2.4. INTERIOR DO VEÍCULO micro-ônibus 40% dos entrevistados


classificaram regular e 36% ruim. Para o
O Gráfico 4 apresenta o resultado da
ônibus destaca-se que 36% classificaram este
avaliação dos indicadores componentes do
item como ruim, 32% como regular, 27%
item Interior do veículo (faixa de condução,
como bom e 5% como muito bom. O metrô foi
mapa de orientação, identificação de
avaliado da seguinte maneira: 41% dos
assentos especiais, sinalização por catálogo
entrevistados avaliaram como muito bom,
de cores). Observa-se que tanto o ônibus
27% como bom, e 9% excelente.
como o micro-ônibus obtiveram um certo
equilíbrio entre as avaliações. Na avaliação do

Gráfico 4 - Interior do veículo

4.2.5. SAÍDA DO SISTEMA considera a saída do sistema de micro-ônibus


ruim e 23% regular. Para o ônibus, temos uma
Neste item o questionamento aos
elevada porcentagem de 54% para uma
entrevistados diz respeito a saída do sistema
avaliação ruim e 32% regular. Apesar do
observando a presença de faixas com
metrô obter a maior porcentagem aplicada
condução induzida para sair do ponto de
para uma avaliação de 32% boa, 27%
parada e indicação de integração com outros
avaliaram esta interface regular e 18%
sistemas. O Gráfico 5 dialoga com esta
excelente.
interface, onde 59% dos entrevistados

Tópicos em Ergonomia e Segurança do Trabalho - Volume 1


83

Gráfico 5 - Saída do sistema

4.2.6. CONTROLES E ORIENTAÇÕES observamos uma pequena linearidade entre


as opiniões, 25% dos entrevistados
Os questionamentos relevantes ao controle e
consideram o metrô com bom controle e
as orientações, refletem as avaliações dos
orientações, a mesma porcentagem se repete
especialistas do sistema de controle do
para os que consideram muito bom, a
veículo e das orientações de Headway. Nesse
segunda avaliação mais concentrada (20%) o
sentido o Gráfico 6, apresenta um percentual
considera ruim, e empatados com 15% as
considerável de entrevistados que atribuem a
atribuições de regular e excelente.
nota mais baixa (ruim) ao ônibus (60%) e ao
micro-ônibus (65%). Com relação ao metrô

Gráfico 6 - Controles e orientações

5. CONCLUSÃO e orientações sobre os sistemas disponíveis


para a população. Existem indicativos de
necessidade de inovar para os sistemas de
Para as regiões lindeiras aos sistemas de
ônibus e micro-ônibus, com foco principal na
transporte e nos centros de grande fluxo de
introdução de ferramentas, que permitam
pessoas na cidade, sugerem-se sinalizações
garantir a usabilidade. No caso do sistema

Tópicos em Ergonomia e Segurança do Trabalho - Volume 1


84

metroviário foram registrados índices usabilidades externas aos sistemas,


considerados satisfatórios de usabilidade. principalmente a veiculação de informações
A pesquisa realizada constitui um mecanismo importantes para os usuários e turistas. A
de apoio ao gestor público, que possibilita melhoria da qualidade do sistema pode torna-
pontuar os gargalos existentes na usabilidade lo mais atrativo e competitivo, face ao
do transporte público. A avaliação mais crítica transporte individual.
para o micro-ônibus é com relação as

REFERÊNCIAS
[1] BOLCHINI, D. e GARZOTTO, F. (2007). [7] FISKE, A. P. e HASLAM, N. (2005). The four
"Quality of Web Usability Evaluation Methods: basic social bonds: Structures for coordinating
An Empirical Study on MiLE+". In: International interaction. In M. Baldwin (Ed.), Interpersonal
Workshop on Web Usability and Accessibility cognition, 267–298. New York: Guilford.
(IWWUA) WISE 2007 Workshops, v. LNCS [8] RODRIGUES, E.C.C.; RODRIGUES, M. M. V. O.
4832, pp. 481 - 492, Nancy, France. C.; SILVEIRA JÚNIOR, A.; SHIMOISHI, J. M.
[2] CYBIS, W.; BETIOL, A. e FAUST, R. (2007). (2013). Avaliação dos sistemas metroviários de
Ergonomia e Usabilidade Conhecimentos, Brasília, Porto Alegre, São Paulo e Buenos
Métodos e Aplicações. São Paulo: Novatec. Aires - espaço comunicação e peças
[3] DAHMER, A. Z. e FLEURY, A. L. (2010). publicitárias: uma abordagem
Roadmapping para serviços de tecnologia antropotecnológica. In: XVII Congresso
educacional. in Eboli, M.; Fischer, A.; Moraes, Latinoamericano de Transporte Público Y
F.; Amorim, W. Educação Corporativa. Ed. Urbano (XVII CLATPU), 2013, Guayaquil -
Atlas. Ecuador. Mobilidade, Conhecimento, equidade
[4] DIAS, C. (2003). Usabilidade na web: criando e inclusão social. Guayaquil:
portais mais acessíveis. Rio de Janeiro: Alta http://www.clatpu.org.
Books. [9] RODRIGUES, E. C. C. (2003). Avaliação dos
[5] ESEWEB. (2006). "Experimental Software Impactos Socioeconômicos da Implantação do
Engineering for Web Applications - Parte Metrô no Principal Eixo de Transportes do DF:
integrante do Projeto ESE (Engenharia de Estudo de Caso da Cidade de Taguatinga.
Software Experimental e Ciência em Larga Dissertação de Mestrado - Universidade de
Escala) - projeto apoiado pelo CNPq Brasília. Faculdade de Tecnologia.
(47545/2007-5)." Disponível em Departamento de Engenharia Civil. Brasília,
http://lens.cos.ufrj.br:8080/ESEWEB Acessado UnB.
em Janeiro, 2009. [10]VERGARA, S. C. (2005) Métodos de pesquisa.
[6] FALZON, P. (2007). Ergonomia. São Paulo: São Paulo: Atlas.
Blucher.

Tópicos em Ergonomia e Segurança do Trabalho - Volume 1


Capítulo 9
AVALIAÇÃO DE HIGIENE INDUSTRIAL E SEGURANÇA DO
TRABALHO EM UMA INDÚSTRIA METALURGICA DE
CAMPINA GRANDE-PB

Danielle Freitas Santos


Thatiana Silva Januário

Resumo: As condições ambientais são essenciais para a efetiva realização das


atividades laborais, nesse sentido, avaliar os agentes associados e os cenários
propensos a riscos e acidentes de trabalho é fator preponderante na atual
condução da gestão da produção e processos. O estudo visa a determinação de
um diagnóstico simplificado das condições ambientais de trabalho associadas a
uma indústria metalúrgica especializada na fabricação de perfis de alumínio. Para
tanto, realizou-se medições dos principais aspectos ambientais, a saber: ruído,
temperatura e iluminação, em dois setores distintos do empreendimento
(administrativo e anodização), verificando-se a qualidade do ambiente de trabalho
e a existência de riscos mais evidentes para os trabalhadores. Foi aplicado o
cheklist referente às condições de segurança no âmbito de trabalho, bem como os
questionários sobre a usabilidade dos equipamentos de proteção individual.
Mediante a avaliação, identificou-se que o setor de anodização apresenta uma
maior propensão a agentes e riscos ambientas, bem como infere maior
suscetibilidade a ocorrência de acidentes, condições inseguras e insalubres.

Palavras-chave: higiene, segurança, anodização, alumínio.

Tópicos em Ergonomia e Segurança do Trabalho - Volume 1


86

1. INTRODUÇÃO atividades de cada trabalhador, também são


aspectos relevantes e que devem ser
A produção industrial exige cada vez mais
considerados quanto a um diagnóstico mais
eficiência e comprometimento por parte dos
preciso sobre tais condições de trabalho.
colaboradores, que em alguns casos são
A partir da assimilação da necessidade de
submetidos a rotinas de trabalho intensas e
uma avaliação mais abrangente sobre esse
exaustivas, a condução de processos
segmento, este trabalho objetivou realizar um
produtivos envolvendo maquinário
diagnóstico simplificado de segurança e
tecnológico sem o devido treinamento, a
higiene ocupacional sobre as condições
condições de trabalho inadequadas para a
laborais de uma indústria metalúrgica
atividade, a um nível de horas extras de
especializada na fabricação de perfis de
trabalho demasiadamente elevado. Mediante
alumínio, na cidade de Campina Grande – PB
essa perspectiva, o trabalhador está sujeito a
– Brasil. Foi enfatizada a identificação dos
desenvolver sérios problemas, a curto e longo
agentes ambientais inerentes a dois setores
prazo, em termos de saúde ocupacional e
específicos da empresa, a mensuração e
acidentes no âmbito do trabalho.
comparação de tais parâmetros, a disposição
A segurança do trabalho se refere a ciência
de listas de checagem sobre riscos avaliados
que atua na prevenção dos acidentes do
e o nível de usabilidade dos EPI’s adequados
trabalho decorrentes dos fatores de risco
para o trabalho em questão, bem como as
operacional (SALIBA, 2010). De acordo com
sugestões para combater as
Elache (2010), envolve as metodologias e
desconformidades com a legislação
medidas que visam minimizar os acidentes de
brasileira.
trabalho, doenças ocupacionais, bem como
proteger a integridade e a capacidade de
2. FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA
trabalho do colaborador. Os fundamentos de
segurança do trabalho costumam ser Toda atividade de trabalho infere riscos
referenciados a situações, onde atos ambientais, principalmente as inerentes a
inseguros agregados ou não a condições indústria. Um instrumento legal que viabiliza a
inseguras originam a ocorrência de acidentes, promoção de ambientes de trabalho mais
que podem afetar a condição laboral do saudáveis e seguros consiste no Programa de
trabalhador, de modo temporário ou Prevenção de Riscos e Acidentes, o PPRA,
permanente. A higiene ocupacional visa não que é previsto pela Norma Regulamentadora
só identificar, avaliar e posteriormente n° 9 (1978). Estabelece a preservação da
controlar os riscos relativos às atividades saúde e da integridade física dos
laborais, mas proporcionar alternativas que trabalhadores, por meio da antecipação,
analisem a abrangência desses riscos não reconhecimento, avaliação e controle da
apenas sob o aspecto das doenças ocorrência dos riscos ambientais existentes
ocupacionais, como também mediante as ou que possam vir a ser inerentes ao
questões inerentes ao conforto e bem-estar ambiente de trabalho (SZABÓ JÚNIOR, 2012).
nesse âmbito. Outras duas normas regulamentadoras são de
Segundo a Associação Brasileira do Alumínio fundamental importância para a concepção
(ABAL), o segmento da indústria metalúrgica de diagnósticos de segurança e higiene
admite relevância no escopo econômico e ocupacional: as Normas Regulamentadoras
industrial, uma vez que detém elevadas taxas N° 15 sobre Atividades e Operações
de crescimento em termos de produtividade e Insalubres e a N° 17 que versa sobre
expansão de mercado. Porém, esse Ergonomia. A NR 15 define as atividades
desempenho significativo encontra-se sujeitas a insalubridade, os limites de
paralelo á condições de trabalho inseguras, tolerância e os critérios de avaliação (SZABÓ
muitas vezes desumanas, submetendo os JÚNIOR, 2012). Já a NR 17 visa determinar os
trabalhadores do setorial a perigos fundamentos básicos que possam tornar as
constantes. Não apenas a rotina exaustiva rotinas de trabalho mais confortáveis e
submete os trabalhadores a condições seguras, de modo a evitar a incidência de
inseguras, mas a falta de conhecimento sobre doenças ocupacionais.
os efetivos riscos, a ausência de treinamento A indústria de alumínio, segundo a
eficiente, o não reconhecimento da Associação Brasileira do Alumínio – ABAL
necessidade do uso correto de equipamentos (2011) detém uma participação de 0,7% do
de proteção individual (EPI’s), a falta de uma PIB nacional e 3,2% do PIB industrial, além
infraestrutura de trabalho que possibilite uma disso, admitiu uma produção de chapas de
rotina laboral mais condizente com as alumínio de 507700 toneladas no ano de

Tópicos em Ergonomia e Segurança do Trabalho - Volume 1


87

2011. Sendo assim, o setor é relevante para o numa área de 19,26m2 (4,63m x 4,16m),
crescimento da indústria nacional. Aliado a detém um pé direito de 3 metros, piso de
esse cenário encontram-se condições de cerâmica, teto de gesso e a iluminação é
trabalho suscetíveis a riscos ambientais basicamente artificial.
evidentes, como condições acústicas O setor de adonização abrange os serviços
inadequadas, elevadas temperaturas, de adonizaçao dos perfis de alumínio como
iluminação insuficiente e exposição a forma de garantir uma maximização da
substâncias químicas. resistividade do alumínio, bem como
Os aspectos acústicos tem reflexo em todo proporcionar cor aos perfis (fosco, preto,
organismo e não apenas no aparelho auditivo, natural ou branco). Este setor possui quinze
ambientes com ruídos intensos e trabalhadores efetivos no local de
permanentes geram uma gama de efeitos operacionalização das atividades, o galpão
negativos, como alteração do humor, de produção é construído em alvenaria, com
capacidade de concentração, inferências no um pé direito de 8 metros, piso de cimento,
metabolismo e riscos de problemas cobertura de estrutura metálica com telhas de
cardiovasculares, além de perda auditiva resina translucidas, iluminação natural e
muitas vezes irreversível. O calor excessivo é artificial e ventilação natural.
introduzido pelas atividades desenvolvidas e
pelos equipamentos utilizados nos processos, 3.2. CARACTERIZAÇÃO DA PESQUISA
assim como pelas características do ambiente
Visando o cumprimento dos objetivos de
e a sua capacidade de manter condições
pesquisa foram abordados quatros aspectos
internas adequadas no que se refere ao
metodológicos principais: revisão
conforto térmico. As condições lumínicas
bibliográfica, quantificação e comparativo
precisam considerar fatores como o ambiente,
entre os setores avaliados no que abrange os
dimensões, funcionalidade, cores
agentes acústicos, térmicos e lumínicos, a
predominantes e a idade dos trabalhadores, e
identificação qualitativa dos riscos ambientais
podem prejudicar efetivamente a saúde do
por meio da aplicação das folhas de
trabalhador, e afetar sua produtividade.
verificação de inspeção de segurança
(cheklist) e a percepção do nível de
3. ASPECTOS METODOLÓGICOS
usabilidade dos EPI’s por partes dos
3.1. CARACTERIZAÇÃO DO trabalhadores de ambos os setores.
EMPREENDIMENTO Em relação à pesquisa bibliográfica utilizou-se
como parâmetro a consulta a fontes primárias
O trabalho foi realizado numa indústria
e secundárias provenientes de livros
metalúrgica que trabalha na produção de
reconhecidos da área, artigos e periódicos
alumínio e suas ligas em forma primária e na
técnicos e científicos, assim como sites
transformação do alumínio em chapas, para
relacionados a temática abordada. Além
perfis de alumínio. Localizada no município de
disso, a pesquisa bibliográfica foi aliada a
Campina Grande – PB - Brasil, admite duas
pesquisa de campo, no intuito de
filiais e detém 96 trabalhadores, além disso,
proporcionar dados e resultados mais
tem o segmento da construção civil como
concisos.
principal mercado de atuação. Seu processo
No que concerne a abordagem quantitativa,
produtivo abrange as seguintes etapas:
empregou-se procedimentos experimentais
recebimento e estocagem de matéria-prima,
mediante o uso do aparelho termo – hidro –
transporte de matéria-prima, esteira, corte,
decibelímetro – luxímetro, referente a marca
extrusão, estiramento, forno de
Instrutherm, modelo THDL - 400. O referido
envelhecimento, anodizaçao, secagem,
instrumento consiste num dispositivo que
embalagem, estocagem e expedição.
operacionaliza as medições inerentes aos
A pesquisa foi centralizada em dois setores
aspectos níveis de ruído (decibéis), índices
da referida organização: o setor administrativo
de iluminância (lux), temperatura (°C) e
e o setor de anodização. O setor
umidade (%). O mesmo estava calibrado
administrativo trabalha com os serviços de
corretamente. As medições relativas a níveis
coordenação da produção e demais serviços
de ruído e temperatura foram realizadas no
inerentes a administração. É composto por
ciclo de 8 horas de trabalho corridas,
cinco trabalhadores: um auxiliar
correspondendo a um turno produtivo, tendo
administrativo, dois encarregados de
em vista que a operacionalização do
produção e um técnico de segurança do
processo exige tal especificação. Os
trabalho. O mesmo encontra-se disposto
intervalos entre as medições de ruído e

Tópicos em Ergonomia e Segurança do Trabalho - Volume 1


88

temperatura de ambos os setores aspecto dos atos e condições inseguras,


corresponderam a 30 minutos entre cada baseado nas especificações contidas nas
aferição. Em relação ao exame dos aspectos normas regulamentadoras N°9 (Programa de
lumínicos, as mensurações aconteceram nos Prevenção de Riscos e Acidentes – PPRA), n°
períodos da manhã e da tarde e os intervalos 15 (Atividades e Operações Insalubres) e n°
foram de 1 hora entre as medições. 17 (Ergonomia). Os aspectos avaliados nas
O procedimento de medição foi basicamente folhas de verificação foram EPI’s, edificações,
semelhante para os dois setores. A instalações e serviços em eletricidade,
mensuração envolvendo ruído foi efetivada da transporte e armazenagem de materiais,
seguinte forma: dispõe-se o aparelho na máquinas e equipamentos, proteção contra
proximidade do ouvido do trabalhador, incêndios e sinalização de segurança.
verificado o resultado, anotou-se a medida e No que se refere aos índices de usabilidade
avaliou-se de acordo com o anexo 1 da NR dos equipamentos de proteção individual
15. A temperatura foi avaliada na altura de (EPI’s), aplicou-se um questionário dividido
trabalho dos colaboradores, dentro dos ciclos em três blocos principais de perguntas, o
anteriormente especificados, e por questões primeiro correspondente a identificação de
de limitações operacionais foi inviável a ocorrência de acidentes na rotina laboral do
mensuração do índice de sensação térmica. trabalhador, da conscientização sobre o uso e
Dessa forma, utilizou-se apenas a temperatura a importância de aplicação dos mesmos, bem
ambiente como parâmetro, avaliando-se os como a constatação da disponibilização de
resultados por meio da NR 17. Em relação aos tais EPI’s pela organização em questão. A
índices de iluminação, estabeleceu-se quatro segunda fase de avaliação compreende a
pontos efetivos de medição (p1, p2, p3 e p4), verificação dos trabalhadores que usam
onde as medidas encontradas foram efetivamente os referidos equipamentos, a
analisadas de acordo com a NBR 5382 (1985) existência de treinamento para otimizar o
sob a premissa de campo regular de trabalho, emprego destes e a identificação do
com luminária centralizada, efetivando a desconforto quanto ao uso. O último
média de iluminância dos setores em foco. segmento de avaliação abrange a frequência
Para a quantificação ideal da iluminância de uso por parte dos trabalhadores avaliados.
foram empregados três fatores determinantes:
idade, velocidade e precisão e refletância do 4. ANÁLISE DOS RESULTADOS
fundo. Estabeleceu-se o somatório das
4.1. QUANTIFICAÇÃO E ANÁLISE DOS
pontuações encontradas, considerando o
AGENTES DE RISCOS
sinal, com base na NBR 5413 (1992). Após as
medições estruturou-se um comparativo entre A abordagem quantitativa possibilitou a
os setores de forma a identificar a maior mensuração e identificação dos níveis
incidência dos aspectos acústicos, térmicos e acústicos, térmicos e lumínicos da empresa
lumínicos em cada ambiente de trabalho. avaliada. As tabelas abaixo indicam os
Estabeleceram-se ainda folhas de verificação resultados relativos às aferições
de inspeção de segurança (check-lists) como correspondentes a cada setor avaliado.
forma de avaliar o ambiente laboral sob o

Tabela 1: Quantificação dos agentes de risco – setor administrativo

Agente de Valor máximo Valor mínimo Média Valor Norma


risco Normatizado
Ruído 65,6 dB 39,7 dB 56,1 dB 85 dB NR 15
Temperatura 24,9 °C 21,7 °C 23, 1 °C 20ºC e 23ºC NR 17
Iluminação 275 lux 215 lux 247,75 lux 500 lux NBR 5413
Fonte: Pesquisa de campo

Tópicos em Ergonomia e Segurança do Trabalho - Volume 1


89

Tabela 2: Quantificação dos agentes de risco – setor anodização


Agente de Valor máximo Valor mínimo Média Valor Norma
risco Normatizado
Ruído 83,8 dB 60,1 dB 73,31 dB 85 dB NR 15
Temperatura 28,6 °C 22,1°C 25,2°C 20ºC e 23ºC NR 17
Iluminação 287 lux 185 lux 238,13 lux 500 lux NBR 5413
Fonte: Pesquisa de campo
No que diz respeito às medições dos níveis Cabe ressaltar que o setor de anodização
de ruído, realizou-se as leituras em um turno detém níveis de ruído muito próximos do limite
produtivo, e utilizando-se como parâmetro o de tolerância previsto na Norma, fato que
Anexo 1 da NR 15, que estabelece como evidencia a maior incidência de aspectos
limite de tolerância máxima permitida para acústicos nesse ambiente de trabalho. O
uma jornada de trabalho de 8 horas, o nível tempo de exposição dos trabalhadores a
de ruído de 85dB, infere-se que o nível de índices aproximados também pode, com o
ruído em ambos os setores avaliados tempo, contribuir para possíveis doenças
encontra-se de acordo coma s especificações ocupacionais, principalmente lesões no
da Norma. Dessa forma, constata-se que o aparelho auditivo. O gráfico 1 ilustra um
padrão identificado de ruído na rotina de comparativo entre os níveis de ruído obtidos
ambos os setores proporciona condições por cada setor analisado e o limite
favoráveis para o trabalho, bem como admite especificado pela NR 15.
conforto acústico, não incidindo
insalubridade.

Gráfico 1 – Comparativo do nível de ruído encontrado nos setores avaliados

Administrativo Anodização Limite de Tolerância NR 15

100
80
60
40
20
0

Fonte: Elaborado pelos autores com base na pesquisa de campo (2013)

No aspecto temperatura, o setor trabalhadores, bem como não oferece


administrativo mantém o controle de tal condições de insalubridade.
variável por meio do uso de um ar- Em relação ao setor de anodizaçao a
condicionado possibilitando que o ambiente temperatura média foi de 25,2°C, nível acima
detenha a temperatura ideal para o conforto do determinado em norma, devido às
térmico. Identificou-se uma temperatura características do ambiente de trabalho e ao
ambiente média de 23,1ºC. Segundo a NR-17, tipo de atividade realizada. Assim, infere-se
especificamente o subitem 17.5.2., o índice que o setor de adonização submete seus
de temperatura deve encontrar-se entre 20ºC trabalhadores a condições térmicas
e 23ºC. Desse modo, pode-se inferir que o desfavoráveis, que geram incomodo e
ambiente administrativo admite condições desconforto, podendo originar eventuais
térmicas coerentes com as atividades, cenários de insalubridade laboral e doenças
possibilita determinado nível de conforto aos ocupacionais, como evidencia o gráfico 2.

Tópicos em Ergonomia e Segurança do Trabalho - Volume 1


90

Gráfico 2 – Comparativo do nível de temperatura encontrado nos setores avaliados

Administrativo
Anodização
Faixa inferiror do Limte de Especificação NR 17
Faixa superiror do Limte de Especificação NR 17
40

30

20

10

Fonte: Elaborado pelos autores com base na pesquisa de campo (2013).

Em relação ao aspecto iluminação do setor amplas do galpão, além disso, ainda detém
administrativo, a iluminância artificial do paredes de cor clara.
mesmo é feita mediante uma luminária Ambos os setores possuem índices de
embutida do tipo calha com duas lâmpadas iluminância inadequados para as atividades
fluorescentes. Apesar da existência de uma realizadas, segundo a NBR 5413. Tal
janela, o local não conta com iluminação evidência constata a efetivação de um
natural, uma vez que esta incide para outra ambiente de trabalho insalubre que pode
área da empresa. O fato das cores das ocasionar doenças ocupacionais ao longo
paredes e do teto serem claras eleva o nível dos anos, a depender do tempo de exposição
de refletância do ambiente. O setor de a essa inadequação, e exige maior esforço e
anodização possui iluminação artificial e atenção do trabalhador na condução de suas
principalmente natural devido às portas atividades. Tal comparativo segue
exemplificado no gráfico 3.

Gráfico 3 – Comparativo do índice de iluminância encontrado nos setores avaliados

Administratitvo Anodização Iluminância ideal (lux) - NBR 5413

600
500
400
300
200
100
0

Fonte: Elaborado pelos autores com base na pesquisa de campo (2013)

4.2. ANÁLISE DAS FOLHAS DE empreendimento, com exceção do setor


VERIFICAÇÃO DE INSPEÇÃO DE administrativo. A empresa disponibiliza os
SEGURANÇA (CHEKLIST) SOBRE AS mesmos como previsto na NR 6, mas não
CONDIÇÕES AMBIENTAIS avalia a adequação as rotinas de trabalho de
cada setor. A manutenção e higienização dos
Em relação à análise do checklist aplicado
EPI’s são caracterizadas como regular, porém
verificou-se que há a exigência de uso de
não há efetividade nesse tipo de prática. As
EPI’s na maioria dos setores do

Tópicos em Ergonomia e Segurança do Trabalho - Volume 1


91

edificações da empresa encontram-se em procedimentos de trabalho. Tal cenário infere


bom estado de conservação, assim como as uma relativa mudança na perspectiva de tais
escadas e rampas. Não há evidências de trabalhadores sobre a efetiva contribuição
rachaduras ou infiltrações, bem como ralos que os EPI’s trazem as rotinas de trabalho,
acessíveis ou painéis de vidros quebrados. sendo assim verifica-se que há um processo
No que abrange as instalações elétricas tanto de conscientização dos colaboradores em
as da empresa como as das máquinas e relação à usabilidade e eficiência dos EPI’s
equipamentos estão adequadas a NR 10. que podem amenizar e evitar danos
Todo projeto elétrico é aterrado e isolado para potenciais aos mesmos.
que não ocorra nenhum acidente envolvendo Outro aspecto fundamental avaliado consistiu
substâncias líquidas. As tomadas estão na constatação do fornecimento dos
protegidas, toda fiação é embutida e as equipamentos de proteção individual
ferramentas utilizadas para serviços dessa adequados para cada função. Identificou-se
finalidade são eletricamente isoladas. Quanto que os principais EPI’s utilizados no ambiente
ao transporte e estocagem de cargas, os de trabalho são: os respiradores purificadores
materiais são estocados respeitando a de ar, as máscaras, capacetes de segurança,
distância de 0,50 m (norma) e as luvas, botas e os protetores auriculares tipo
empilhadeiras atendem as especificações concha ou inserção. Apenas o setor de
como bom funcionamento, manutenção e uso, anodização obrigatoriamente exige o uso de
de acordo com a NR 11. EPI’s, porém não se pode isentar o setor
O maquinário atende a distancia mínima de administrativo de ocorrências advindas da
espaçamento de 0,60m à 0,80m e há falta desse tipo de equipamento. Como o
marcações especificas para as áreas e processo de anodização emite gases e
corredores de armazenamento, conforme a trabalha diretamente com substâncias
NR12. Os dispositivos de acionamento podem químicas, tais ferramentas são indispensáveis
ser ligados e desligados pelo próprio para a segurança do trabalhador. Há
trabalhador do setor e por outros em caso de efetivamente a distribuição de EPI’s entre os
emergência. Em relação a combustíveis e colaboradores, porém não existe um estudo
inflamáveis, ambos são alocados sobre a adequação desses instrumentos as
corretamente, mediante as especificações da atividades realizadas, sendo assim um total
NR 20, além disso, há identificação do perigo de 86,67% consideraram os EPI’s
tanto nos recipientes quanto no local de empregados como adequados as suas
armazenamento. operações.
No quesito proteção contra incêndios, Constatou-se que 86,67% dos trabalhadores
verificou-se que as saídas e corredores analisados admite o uso dos EPI’s, um
atendem a largura máxima de 1,20m e que o percentual considerável tendo em vista os
sentido das portas é externo. Os índices de riscos relativos ao setorial. Apesar
equipamentos de combate a incêndio estão de grande parte dos trabalhadores admitir
acessíveis aos trabalhadores, e os extintores que usa os equipamentos de proteção
encontram-se a 1,60m do nível do piso, de individual, 93,33% destes afirmaram que não
acordo com a NR 23. As sinalizações são receberam nenhum tipo de treinamento
bem visualizadas, seguindo a NR 26, no quanto ao uso específico desses
tamanho e locais adequados. equipamentos, o que corresponde a um
4.3. USABILIDADE DOS EQUIPAMENTOS DE percentual significativo, uma vez que o uso
PROTEÇÃO INDIVIDUAL inadequado pode originar danos efetivamente
perigosos a saúde e integridade do
Verificou-se que 20% do total avaliado indicou
trabalhador, bem como potencializar a ação
a ocorrência de alguma eventualidade ou
dos agentes ambientais inerentes ao setor.
acidente inerente ao contexto laboral, sendo
Outro aspecto considerado consistiu na
estes inerentes ao setor de anodização. A
identificação de desconforto no que concerne
maioria desses trabalhadores admite em
à utilização dos EPI’s. Os resultados foram
média 5 anos de trabalho no
bastante relevantes, onde praticamente a
empreendimento, porém nenhum incidente
metade dos trabalhadores do setor admite
deteve características graves ou que afetasse
que o uso desses equipamentos seja um
efetivamente a saúde e integridade física dos
incômodo na execução da sua atividade de
relativos colaboradores. Em sua totalidade, os
trabalho. O desconforto indicado se refere
trabalhadores de ambos os setores afirmaram
principalmente ao calor gerado pelo uso dos
que consideram importante o uso e
respiradores, máscaras, luvas e capacetes,
concordam em aplicá-los na execução dos

Tópicos em Ergonomia e Segurança do Trabalho - Volume 1


92

pela sensação de aperto que alguns EPI’s de uso é aceitável, cerca de 60% dos
proporcionam, tanto em relação à cabeça colaboradores afirmam usar sempre os
quanto ao ouvido do trabalhador. Essa equipamentos de proteção individual, porém
constatação de desconforto efetivamente mediante os riscos ambientais inerentes ao
influencia a condução do trabalho e o setor de trabalho, esperava-se que a
desempenho do colaborador. A figura 2 frequência de uso fosse mais efetiva. Cerca
abrange os resultados sobre essas assertivas. de 26,67% admitem usar os EPI’s algumas
Uma possibilidade de amenização desse vezes durante a rotina de trabalho, resposta
desconforto laboral poderia consistir na justificada, segundo os próprios
junção de treinamento adequado quanto ao trabalhadores, pela pressa em operacionalizar
uso dos EPI’s e de uma política educacional o processo produtivo ou pelo esquecimento
da empresa que vise conscientizar a dos mesmos. Apenas 13,33% não tem
essencialidade do uso de tais equipamentos. nenhuma frequência de uso dos EPI’s, o
Apesar de todos os trabalhadores afirmarem a motivo principal desse fato é relacionado ao
importância e estarem dispostos a usar os desconforto associado a utilização dos EPI’s,
EPI’s, é preciso incentivar, ensinar, ratificar onde mesmo alguns deles cientes do riscos
que esses instrumentos existem para que a aos quais estão submetidos, optam por
rotina de trabalho seja mais agradável e continuar não utilizando os equipamentos que
segura, e que podem evitar danos podem prevenir acidentes mais graves ou
substanciais a saúde dos trabalhadores. doenças ocupacionais futuras. O gráfico 4 faz
O último segmento de avaliação quanto ao um apanhado geral sobre os aspectos
uso dos EPI’s abrange a frequência de uso principais concernentes a usabilidade dos
por parte dos trabalhadores avaliados. Diante EPI’s.
dos resultados, verificou-se que a frequência

100,00% 100,00% 93,33%


100,00%

80,00%

60,00% 46,67%
40,00%
20,00%
20,00%

0,00%

Sofreram acidentes de trabalho Consideram importante o uso dos EPI's


Concordam com o uso dos EPI's Ausência de treinamento quanto ao uso dos EPI's
Desconforto quanto ao uso dos EPI's

Gráfico 4 – Identificação da usabilidade dos EPI’s.


Fonte: Elaborado pelos autores com base na pesquisa de campo (2013)

5. CONSIDERAÇÕES FINAIS principalmente em relação a manipulação de


substâncias químicas por parte dos
A partir das análises dos riscos ambientais,
trabalhadores do setor de anodização. Seria
pode-se concluir que em relação a ambos os
imprescindível um novo plano de iluminação
setores da empresa, os índices relativos a
baseado nas especificações da norma.
ruído estão adequados à rotina de trabalho e
As condições apresentadas pela folha de
a norma, apenas é preciso evidenciar o setor
verificação identificaram uma empresa
de anodização que infere níveis próximos ao
preocupada com as condições de trabalho
limite de conforto, cabendo medidas de
oferecidas aos seus colaboradores,
controle mais efetivas. Em relação a
disponibilizando as exigências mínimas
temperatura, os índices dos setores admitiram
previstas em norma. No que concerne, a
desconforto térmico, evidenciando a
usabilidade de EPI’s evidenciou-se a
necessidade de avaliações mais precisas.As
importância da conscientização sobre o uso,
condições lumínicas encontram-se abaixo do
mas ainda falta a promoção de treinamentos
padrão especificado em norma, para os dois
para a utilização adequada dos mesmos.
setores avaliados, fato preocupante

Tópicos em Ergonomia e Segurança do Trabalho - Volume 1


93

Sendo assim, os trabalhadores da anodizaçao também se mantém mais elevada do que o


estão mais sujeitos a agentes e riscos estabelecido pela norma, fazendo necessária
ambientais, principalmente no que se refere a a utilização de ventilação artificial ou criação
produtos químicos, ao excesso de calor da de novas entradas para a ventilação natural. A
rotina e a iluminação inadequada para a iluminação também está bem abaixo do que é
condução da atividade. Assim como, os proposto pela norma, devendo ter um maior
valores dos agentes avaliados em tal setor cuidado porque se trata de um processo
encontram-se em níveis mais elevados ou ate produtivo, no qual uma boa iluminação é
mesmo acima dos limites da norma, essencial. A usabilidade de EPI’s também é
ocasionando insalubridade. O setor uma ferramenta importante, já que o mesmo
administrativo é mais efetivo no que se refere tem a função de proteger o trabalhador dos
às questões de higiene e segurança, e riscos que ele está exposto. Felizmente, os
submete seus trabalhadores a riscos menores funcionários da empresa em estudo estão de
e a condições menos insalubres. acordo com o uso dos equipamentos, mas
No setor da anodização o ruído também está falta a promoção de treinamentos para a
dentro dos valores corretos. A temperatura usabilidade adequada dos mesmos.

REFERÊNCIAS iluminância de interiores. Rio de Janeiro:


ABNT, 1985.
[1] ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DO [4] ELACHE, Vanessa. Apostila Saúde e
ALUMÍNIO – ABAL (2011). Segurança do Trabalho. Coteca: 2010.
[2] ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS [5] SZABÓ JUNIOR, Adalberto Mohai. Manual
TÉCNICAS. NBR 5413 – Iluminâncias de de Segurança, Higiene e Medicina do
interiores. Rio de Janeiro: ABNT, 1992. Trabalho. 5. ed. São Paulo: Rideel, 2013.
[3] ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS [6] SALIBA, Tuffi Messias. Curso básico de
TÉCNICAS. NBR 5382 – Verificação de segurança e higiene ocupacional. 3ª Ed.
São Paulo: LTr, 2010.

Tópicos em Ergonomia e Segurança do Trabalho - Volume 1


Capítulo 10
ANÁLISE ERGONÔMICA DAS CONDIÇÕES DE TRABALHO
EM UM RESTAURANTE UNIVERSITÁRIO

André Duarte Lucena


Álamo Carlos de Oliveira Lima
Annyelly Virginia Brito
Cryslaine Cinthia Carvalho Nascimento

Resumo: Existem diversas particularidades vinculadas ao condicionamento do


indivíduo relacionadas ao Trabalho. Esse estudo apresenta uma abordagem da
ergonomia sobre o trabalho dos funcionários de um restaurante universitário nas
dependências da UFERSA Campus Mossoró. Com o intuito de identificar situações
críticas existentes no posto de trabalho em que o colaborador serve o cliente do
restaurante e no local de higienização dos utensílios, este estudo aborda um
diagnóstico ergonômico no qual engloba uma AET (Análise Ergonômica do
Trabalho) envolvendo a avaliação postural dos funcionários, que será feita através
da aplicação do método RULA (Rapid Upper Limb Assessement), bem como uma
análise dos riscos ambientais como o calor. No intuído de facilitar o método de
trabalho dos empregados este trabalho apresenta ainda medidas preventivas e
corretivas para mitigar ou até eliminar as possíveis doenças decorridas dos
movimentos exercidos na função e o ambiente de trabalho visando em primeiro
lugar o bem estar e a segurança do trabalhador obtendo uma eficiência profissional
e a satisfação dos empregados envolvidos.

Palavras-chave: AET, funcionários, restaurante, riscos ambientais, RULA

Tópicos em Ergonomia e Segurança do Trabalho - Volume 1


95

1. INTRODUÇÃO Upper Limb Assessement) no software


ERGOLÂNDIA, busca-se identificar os
No âmbito do mundo globalizado em que
esforços e as más posturas do colaborador na
vivemos as pessoas buscam cada vez mais
realização do atendimento aos clientes. E
trabalhos que proporcionem sua ascensão
referente aos riscos ambientais existentes
social buscando incessantemente uma melhor
neste posto, fez-se uma avaliação do calor no
qualidade de vida. Com isso, a cada dia as
ambiente de lavagem dos utensílios.
corporações, vivenciando num mundo
altamente competitivo e a fim de garantir
2. REFERENCIAL TEÓRICO
espaço no mercado, vêm se aproveitando
desse momento para exigir mais de seus Neste item, serão apresentados os conceitos
colaboradores participação assídua sem lhes mais pertinentes da Ergonomia para o
proporcionar um adequado método e presente estudo, além de conceder uma
ambiente de trabalho. Decorrente disso, melhor compreensão sobre o método de
Maciel et al. (2013) afirma que para que as Análise Ergonômica do Trabalho (AET) e uma
atividades sejam executadas no ritmo abordagem sistêmica sobre os riscos
demandado, o trabalhador tem, muitas vezes, ambientais.
sua saúde, seja ela física e/ou mental
prejudicada. Complementando, o pensamento 2.1. ERGONOMIA, CONCEITOS E
de Borges e Ferrao (2013) assegura que tudo OBJETIVOS
isso ocasiona elevados números de
Derivada do grego ergon (trabalho) e nomos
absenteísmo, gerando transtornos e
(regras) para caracterizar a ciência do
dificuldades para a empresa atingir os níveis
trabalho, a ergonomia é uma disciplina
de produção.
orientada para o sistema, que hoje se aplica a
Segundo Wielewski et al. (2007) a alimentação todos os aspectos da atividade humana
é a base fundamental sobre o qual se firma o (FALZON, 2007).
bem-estar do indivíduo e seu mau uso
Conforme Couto (1995), a ergonomia é uma
contribui para o desequilíbrio do estado
“ciência do trabalho” que destina a ser
nutricional, onde é altamente danoso ao ser e
requisitada, constantemente, a interferir em
favorece o aumento da improdutividade.
casos cujos questionamentos variam desde a
De acordo com Colares e Freitas (2007), os elaboração de salas de controle,
fatores relacionados à organização do extremamente automatizadas, passando por
trabalho em restaurantes como ritmo e esforço situações alusivas ao trabalho manual ou,
de trabalhos intensos, horários prolongados e ainda, por queixas associadas ao ambiente
sobrecarga de atividades, pressão em função físico de trabalho, sem desprezar os
dos horários, exigência de postura problemas de saúde, em particular, os
inadequada, movimentos repetitivos, entre resultantes das lesões por esforços
outros, influenciam tanto na produtividade repetitivos.
como na saúde dos colaboradores. Por fim, a
A Ergonomia, segundo a ABEPRO, está entre
preocupação dos administradores das
as áreas de conhecimento responsáveis pelo
unidades alimentares se torna maior em
“projeto, aperfeiçoamento, implantação e
relação aos custos relativos à produção dos
avaliação de tarefas, sistemas de trabalho,
alimentos do que com a saúde dos
produtos, ambientes e métodos para fazê-los
funcionários, apesar da influência que estes
compatíveis com as necessidades,
exercem sobre a produtividade e qualidade
habilidades e capacidades das pessoas
do produto.
visando à melhor qualidade e produtividade,
Tendo como objetivo principal a análise e preservando a saúde e integridade física.” De
avaliação das condições de trabalho dos fato, se há um elemento crucial no trabalho,
funcionários de um Restaurante Universitário que não pode ser preterido, este elemento é o
referentes à sua segurança, ergonomia e homem, e a ergonomia tem o mérito de tornar
qualidade de vida presentes, este trabalho o trabalho mais humano, pois visa adaptar o
busca uma otimização desses processos para trabalho ao homem, e não o oposto, dentro da
que os colaboradores do empreendimento ao perspectiva máquina-homem-ambiente-
longo de sua jornada de trabalho tenham um organização (IIDA, 2005).
bom desempenho nas atividades exercidas.
Conforme a IEA - Associação Internacional de
Utilizando Análise Ergonômica do Trabalho
Ergonomia (2000) apud ABERGO (2014):
(AET), aplicando o método RULA (Rapid

Tópicos em Ergonomia e Segurança do Trabalho - Volume 1


96

A Ergonomia (ou Fatores Humanos) é uma ergonomia, seu conceito traz uma série de
disciplina científica relacionada ao benefícios para as empresas: como economia
entendimento das interações entre os seres e redução de custos, além de aumento da
humanos e outros elementos ou sistemas, e à produtividade para funcionários e
aplicação de teorias, princípios, dados e comodidade para as pessoas em geral, e
métodos a projetos a fim de otimizar o bem diminui ainda o número de afastamentos por
estar humano e o desempenho global do ordem médica, que por sua vez aumenta o
sistema. Os ergonomistas contribuem para o índice de produtividade e reduz despesas
planejamento, projeto e a avaliação de (CHOOBINEH et al, 2004).
tarefas, postos de trabalho, produtos,
ambientes e sistemas de modo a torná-los 2.2. ANÁLISE ERGONÔMICA DO TRABALHO
compatíveis com as necessidades, (AET)
habilidades e limitações das pessoas.
A Análise Ergonômica do Trabalho (AET) é um
método elaborado para estudar o
Nos dizeres de Iida (2005), a ergonomia é o
funcionamento real das situações de trabalho:
estudo da adaptação do trabalho ao homem,
as condutas realizadas no trabalho constituem
onde o trabalho não está designado apenas
seu objeto principal, permitindo identificar os
àquele executado com máquinas e
processos que regem a relação entre elas e o
equipamentos utilizados no processo
sistema de constrangimento nos quais elas se
produtivo, mas também como todas as outras
desenvolvem. Este método contribui para
possíveis relações entre o homem e uma
identificar, de um lado, a diferença entre o
atividade produtiva. Podendo não envolver
"dever-fazer" (a tarefa prescrita) e o "fazer" (a
somente o ambiente físico como também
atividade real) e, de outro lado, como o
envolver os aspectos organizacionais. A
indivíduo faz reajustamentos, chamados de
ergonomia tem uma visão ampla onde
regulação (TERSSAC, 1990).
abrange atividade de planejamento e projeto,
que ocorrem antes do trabalho ser realizado, A Análise Ergonômica do Trabalho (AET) visa
e aquelas de controle e avaliação, que aplicar os conhecimentos da ergonomia para
ocorrem durante e após esse trabalho. analisar, diagnosticar e corrigir uma situação
Percebe-se que a ergonomia considera a real de trabalho. Ela foi desenvolvida por
análise integral do projeto como necessária pesquisadores franceses e se constitui em um
para que o trabalho possa atingir os exemplo de ergonomia de correção (IIDA,
pretendidos resultados. 2005).
Lima (2003) aponta na sua bibliografia que a Além de permitir a identificação do trabalho, a
ergonomia admite analisar a adaptação do AET, também proporciona à descrição de
trabalho ao homem e, por isso, sua todos os modos operatórios, assim como os
importância referente ao ambiente de agravantes, as comunicações, o coletivo de
trabalho. Desta forma, essa ciência tem por trabalho, as competências requeridas pela
objetivo, de acordo com Abrahão et al (2009), função e as competências que os operadores
ajustar a atividade às características já possuem, neste contexto, verifica-se que
peculiares do trabalhador, tornando este diagnóstico serve de subsídio para
apropriada e salutar a interação entre ele e o adequar os treinamentos à realidade (SOUZA,
processo produtivo em que atua. 1994).
A Ergonomia tem duas finalidades primordiais A aplicação desta metodologia pressupõe a
que é o melhoramento e a conservação da participação do trabalhador no processo de
saúde dos trabalhadores e a concepção e intervenção ergonômica, bem como prioriza o
funcionamento satisfatórios do sistema estudo da situação real de trabalho
teórico, do ponto de vista da produção e da (VASCONCELOS et al., 1999).
segurança (SHUVAL; DONCHIN, 2005).
Segundo Santos e Fialho (1997), a AET é
Atualmente, as finalidades da ergonomia composta por três fases: análise da demanda,
levam a uma preocupação por parte dos a análise da tarefa e a análise das atividades,
fabricantes, em deixar a opção de regulagens que devem ser abordadas para garantir uma
de assentos, controles, etc., de acordo com o consistência metodológica. Na prática
tamanho do operador. Até no caso de ergonômica estas fases podem acontecer de
calçados industriais, começam a surgir uma forma simultânea, sem que prejudique a
numeração intermediária aos números sequência metodológica.
padrões. Com a preocupação de atender a

Tópicos em Ergonomia e Segurança do Trabalho - Volume 1


97

2.3. POSTO DE TRABALHO caracteriza-os pelas substâncias químicas


encontradas nas formas líquida, sólida e
De acordo com Iida (2005) tem-se como
gasosa e quando ingeridos pelo organismo,
definição de posto de trabalho a configuração
podem produzir reações tóxicas e danos à
física do sistema homem-máquina-ambiente
saúde. Existem três vias de penetração no
sendo o mesmo uma unidade produtiva
organismo: - Via respiratória: inalação pelas
envolvendo um homem e o equipamento que
vias aéreas - Via cutânea: absorção pela pele
ele utiliza para realizar o trabalho, bem como
- Via digestiva: ingestão. Já os riscos
o ambiente que o circunda.
biológicos são causados por microrganismos
Seguindo o raciocínio deste autor, o arranjo invisíveis a olho nu, como bactérias, fungos,
físico é o estudo da distribuição espacial ou vírus, bacilos e outros, são capazes de
do posicionamento relativo dos diversos provocar doenças devido à contaminação e
elementos que compõe o posto de trabalho. pela própria natureza do trabalho. Os riscos
ergonômicos são contrários às técnicas de
O autor ainda diz que os critérios para o
ergonomia, aconselhando que os ambientes
arranjo físico são: Frequência de uso onde
de trabalho se adaptem ao homem,
se faz importante que os objetos
proporcionando bem estar físico e psicológico
frequentemente usados estejam em fácil
ao colaborador, eles estão ligados também a
acesso ou posição de destaque; em seguida
fatores externos como o ambiente e a fatores
vem a importância que aconselha colocar o
internos como o plano emocional. E por fim,
objeto de maior importância em posição de
os riscos de acidentes, eles sucedem em
destaque no posto; por conseguinte vem a
função das condições físicas e tecnológicas
intensidade de fluxo onde os objetos com
impróprias capazes de causar lesões à
intenso fluxo de uso devem ser colocados o
integridade física do trabalhador.
mais próximos possível; logo após vem o
agrupamento funcional que propõe agrupar
2.5. MÉTODO RULA
os objetos que possuem funções similares;
em seguida tem a sequência de uso que visa Análise Rápida dos Membros Superiores
ordenar os objetos que possuem sequência (RULA) é um método de análise desenvolvido
na utilização de modo a facilitar o manuseio para o uso em investigações ergonômicas de
desses; e por último vem as ligações locais de trabalho, onde foram reportadas
preferenciais onde os objetos que possuem doenças dos membros superiores ligadas ao
ligações entre si devem ser colocados trabalho. Este método não requer
próximos entre si. equipamento especial e oferece uma rápida
análise das posturas de pescoço, tronco e
2.4. RISCOS AMBIENTAIS membros superiores junto com a função
muscular e a carga externa recebida pelo
Consideram-se riscos ambientais os agentes
corpo (MCATAMNEY; CORLETT, 1993).
químicos, físicos, biológicos, existentes nos
ambientes de trabalho. Em alguns casos Segundo Stanton (2005) este método foi
significativos utilizamos também referenciar os desenvolvido por McAtamney e Corlett em
agentes ergonômicos e os riscos de 1993 de uma forma bem similar ao método
acidentes como riscos ambientais para este OWAS, todavia tem a função de avaliar
efeito. Os riscos ambientais são capazes de pessoas expostas a posturas que colaboram
causar danos à saúde e à integridade física para distúrbios de membros superiores. O
do trabalhador devido a sua natureza, RULA (Rapid Upper Limb Assessment) usa
concentração, intensidade, suscetibilidade e observações adotadas pelos membros
tempo de exposição. Os riscos ambientais ou superiores, como pescoço, costas e braços,
profissionais estão divididos em cinco grupos antebraços e punhos. Esse método analisa a
principais: Riscos Físicos, Riscos Químicos, postura, força e movimentos associados com
Riscos Biológicos, Riscos Ergonômicos, tarefas sedentárias, como por exemplo,
Riscos De Acidentes (SHOVOONG, 2008). trabalho com computador. As 4 principais
aplicações do RULA são: medição de risco
Na sua obra, Shovoong (2008) conceitua
músculo-esquelético, usualmente como parte
cada risco ambiental, ele diz que os riscos
de uma ampla investigação ergonômica;
físicos são efeitos gerados por máquinas,
comparação do esforço músculo-esquelético
equipamentos e condições físicas
entre design da estação de trabalho atual e
características do local de trabalho, que
modificada; avaliar resultados como
podem causar prejuízos à saúde do
produtividade ou compatibilidade de
trabalhador. Nos riscos químicos o autor

Tópicos em Ergonomia e Segurança do Trabalho - Volume 1


98

equipamentos e orientar trabalhadores sobre Esse trabalho trata de um estudo constituído


riscos músculo-esqueléticos criados por de uma pesquisa bibliográfica e exploratória,
diferentes posturas de trabalho. no qual, inicialmente, foram coletados os
dados através de observações em visitas
Com a finalidade de aplicar um método de
sempre no turno da noite. O levantamento dos
realização rápida, o corpo é segmentado em
dados foi realizado na Empresa Meio Dia
partes que formam os grupos A e B. No grupo
Refeições, uma empresa prestadora de
A estão incluídos o braço, antebraço e pulso,
serviços alimentícios contratada pela
e no grupo B estão o pescoço, tronco e
Universidade Federal Rural do Semi-Árido –
pernas. Isto garante que todas as posturas do
UFERSA no campus Mossoró para administrar
corpo são verificadas, assegurando que
o Restaurante Universitário (R.U.). A empresa
qualquer postura constrangedora das pernas,
contém 12 funcionários e seu funcionamento
tronco ou pescoço que influenciem na postura
ao público acontece, no horário da manhã,
de membros superiores sejam incluídas na
das 10:30hs até às 13:00hs, e no turno
avaliação (SILVA, 2001).
noturno, acontece das 17:30 às 19:10hs.
Como vantagens desse método pode-se citar
A análise foi feita por meio de fotos, filmagens
que não é necessário o uso de equipamentos
e entrevistas com os trabalhadores, com
especializados e sua aplicação não interfere
registro das queixas frequentes, considerando
na situação do trabalho (MARRAS;
a sintomatologia específica para os agentes
KARWOWSKI, 2006).
ergonômicos existentes. Para o cumprimento
dos objetivos propostos e o desenvolvimento
2.6. SOFTWARE ERGOLÂNDIA
deste trabalho foram utilizados os princípios
O software Ergolândia é destinado à utilização da Análise Ergonômica do Trabalho (AET)
de ergonomistas, fisioterapeutas e empresas aplicando o método RULA, como ferramenta
para avaliar a ergonomia dos funcionários. O de identificação do esforço muscular
software possui 20 ferramentas ergonômicas associado à postura de trabalho adotada e às
para avaliação e melhoria dos postos de forças exercidas na realização da atividade
trabalho, aumentando sua produtividade e no momento de servir o cliente bem como a
diminuindo os riscos ocupacionais. As aferição do nível do conforto térmico do posto
ferramentas ergonômicas que o software de trabalho de lavagem dos utensílios, tudo
possui são: Método NIOSH, OWAS, RULA, isso inserido no aplicativo ERGOLÂNDIA.
REBA, SUZANNE RODGERS, MOORE E
GARG (STRAIN INDEX), QUESTIONÁRIO 3.1. AVALIAÇÃO POSTURAL UTILIZANDO O
BIPOLAR, LEHMANN, CHECK LIST DE MÉTODO RULA
COUTO, QEC, ANÁLISE DE IMAGEM,
 TAREFA: SERVIR O CLIENTE
ANÁLISE DE VÍDEO, ANTROPOMETRIA,
CÁLCULO DE FORÇA, USO DE EPI (NR 6), Em geral toda atividade que apresente algum
AVALIAÇÃO DE CALOR (NR 15), AVALIAÇÃO desvio na forma da coluna vertebral pode
DE RUÍDO (NR 15), AVALIAÇÃO DE apresentar requerimentos funcionais
DIGITAÇÃO (NR 17), AVALIAÇÃO DE prejudiciais que causam um aumento de
ILUMINAÇÃO (NBR 8995) e CHECK LIST fadiga do colaborador e o leva a lesões
PARA ESCRITÓRIO (ERGOLÂNDIA, 2014). graves ao longo do tempo. Com isso foi
realizada uma avaliação ergonômica
utilizando o método RULA.
3. METODOLOGIA
Figura 3 – Posições executadas pelo colaborador durante a realização das tarefas

Fonte: Autor

Tópicos em Ergonomia e Segurança do Trabalho - Volume 1


99

A operação realizada refere-se a servir o de alimento passando para o próximo da fila.


cliente que vem em forma de fila ao lado do A figura 03 mostra as posições adotadas
balcão ilha, onde o mesmo trás o prato e a pelos colaboradores durante a execução da
funcionária o serve colocando duas colheres tarefa.

Figura 5: Resultado final da avaliação na tarefa de servir o cliente.

Fonte: Aplicativo Ergolândia

Figura 6 - Controle de Nível de Ação da avaliação na tarefa de servir o cliente.

Fonte: Aplicativo Ergolândia

A figura 5 apresenta o resultado mostrado no pontuação final do método escolhido, obtendo


software ERGOLANDIA onde resultou uma 5 ou 6 pontos, tendo como nível de ação 3

Tópicos em Ergonomia e Segurança do Trabalho - Volume 1


100

pontos e obtendo uma intervenção de realizar iluminação, a existência de exaustores


investigação e devendo ser feita mudanças também foi percebida na análise. Levando em
no posto de trabalho. consideração o elevado índice de barulho
decorrente das máquinas higienizadora de
3.2. AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES louça, verificou-se que a empresa toma os
AMBIENTAIS
devidos cuidados para com os colaboradores
No âmbito da avaliação das condições
objetivando a integridade dos mesmos, ou
ambientais existentes no posto de trabalho
seja, todos os envolvidos no processo fazem
analisado, verificamos vários aspectos, foram
uso dos devidos EPI's. Porém, outro aspecto
eles: as cores do local, que favorecem a
relevante encontrado neste posto de trabalho
execução e bem-estar no trabalho exercido
foi a elevada temperatura a qual os
pelo colaborador. Foi analisada também a
colaboradores são expostos diariamente,
ventilação do restaurante como um todo,
aspecto este que foi tomado como foco do
tendo no salão externo uma ótima qualidade
trabalho.
no que diz respeito ao conforto do
trabalhador, pois além de possuir várias
3.3. AVALIAÇÃO DO CONFORTO TÉRMICO
unidades de condicionadores de ar, ainda
A análise referente ao conforto térmico foi
possui uma vasta quantidade de janelas para
realizada através do aparelho posto no
melhorar a circulação de ar numa indesejada
colaborador ao nível do tórax dos
falta de energia e favorecendo na boa
colaboradores e executada em condições
iluminação do ambiente. Na cozinha, foi
normais de trabalho.
verificada também uma vasta quantidade de
Tabela 1 – Temperatura (IBUTG) e Medidas
janelas, todas, fechadas com tela, para a
Preventivas
melhoria da circulação de ar e a qualidade da

Tabela 1: Temperatura (IBUTG) e medidas preventivas


IBUTG (ºC)
IBUT(°C) Máximo Medidas preventivas
permitido
De acordo com aferição verificou-se que houve um
elevado nível de calor causando desconforto aos
Setor de
colaboradores que atuam nesse posto de trabalho
higienização 37,8 28,5
em todo o expediente. Sugere-se a colocação
dos utensílios
imediata de ventiladores e exaustores suficientes
para contemplar esse setor.
Fonte: Dados da pesquisa

Tópicos em Ergonomia e Segurança do Trabalho - Volume 1


101

Fonte: Autor

As ilustrações acima demostram o local exato doença pelo esforço repetitivo que ela
da medição da temperatura, mostrando sua produz, seja ela LER (Lesão por esforço
iluminação e as condições de temperatura do repetitivo) ou até mesmo uma DORT (Distúrbio
ambiente onde o mesmo apresenta de uma osteomuscular relacionado ao trabalho). Já no
ventilação escassa. que diz respeito ao alto nível de temperatura
no posto de trabalho de higienização dos
4. RECOMENDAÇÕES ERGONÔMICAS E utensílios, uma medida mitigadora urgente
CONSIDERAÇÕES FINAIS para esse problema é a utilização e
colocação de ventiladores, exautores ou até
Baseando-se na Análise Ergonômica do
mesmo aparelhos condicionadores de ar.
Trabalho (AET), este estudo possibilitou
relacionar os fatores e as causas das queixas O objetivo do trabalho foi alcançado, ou seja,
mais constantes que interferem na saúde dos análise ergonômica teve êxito na sua
funcionários do posto de trabalho avaliado. A aplicação. Conseguiu-se estudar o posto de
utilização do método RULA juntamente com o trabalho e as recomendações ergonômicas
software ERGOLÂNDIA possibilitaram uma foram propor melhorias aos problemas
melhor identificação dos riscos aos quais os identificados no ambiente em estudo,
funcionários estão expostos, neles viu-se que permitindo ao colaborador executar as
é necessário um plano de melhoria urgente atividades com o mínimo de exigência física e
para que o colaborador não adquira uma evitando a sobrecarga muscular.
doença ao executar sua função de forma
De forma complementar, esse trabalho
repetida por várias horas de trabalho. Esse
agregou valor tanto para o restaurante da
plano de melhoria seria de forma rápida e
Universidade quanto para a classe
eficiente acatando a ideia de uma rotação de
trabalhadora, pois se entende que este
funções para cada funcionário que exerce
estudo contribuiu para a prevenção de
essa tarefa fazendo com que o mesmo não
doenças ocupacionais e para que o
fique somente naquela função de
colaborador execute sua tarefa de forma
característica repetitiva para não adquirir uma

Tópicos em Ergonomia e Segurança do Trabalho - Volume 1


102

prazerosa e produtiva onde o mesmo não na companhia por decorrência dessas


possa chegar a interromper suas atividades doenças.

REFERÊNCIAS [13] SANTOS, N.; FIALHO, F. Manual de


análise ergonômica do trabalho. Curitiba: Gênesis,
[1] Associação Brasileira de Ergonomia – 1997.
ABERGO. O que é ergonomia. 2014. Disponível em
<http://www.abergo.org.br/internas.php?pg=o_que [14] SILVA, C. R. de C. Constrangimentos
_e_ergonomia>. Acesso em 15 fevereiro 2014. posturais em ergonomia: uma análise da atividade
do endodontista a partir de dois métodos de
[2] ERGOLÂNDIA. Software ERGOLÂNDIA avaliação. Tese de Mestrado, Universidade Federal
5.0. 2014. Disponível em de Santa Catarina, Florianópolis, 2001.
<http://www.fbfsistemas.com/ergonomia.html>.
Acesso em 17 fevereiro 2014. [15] SHUVAL, K.; DONCHIN, M. Prevalence of
upper extremity musculoskeletal symptoms and
[3] ABRAHÃO, J; SZNELWAR, L; SILVINO, A; ergonomic risk factors at a Hi-Tech company in
SARMET, M; PINHO, D. Introdução à Ergonomia: Israel. International Journal of Industrial
da prática à teoria. São Paulo, 2009. Ergonomics, v. 35, p. 569-581, 2005.
[4] BORGES, R.; FERRAO, S. R. Qualidade de [16] SHVOONG. Definição de riscos
vida no trabalho: Análise da satisfação do ambientais no trabalho. 2008. Disponível em:
ambiente produtivo em uma indústria de pequeno <http://pt.shvoong.com/medicine-and-
porte. ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA health/epidemiology-public-health/1821378-defin
DE PRODUÇÃO. 33. 2013, Salvador. Anais...
Salvador: UFBA, 2013. [17] i%C3%A7%C3%A3o-riscos-ambientais-
trabalho/>. Acesso em: 15 Fev. 2014.
[5] COUTO, H. de A. Ergonomia Aplicada ao
Trabalho: O Manual Técnico da Máquina Humana. [18] SOUZA, R. J. de. Ergonomia no projeto do
Belo Horizonte: Ergo, 1995. trabalho em organizações: o enfoque
macroergonômico. Florianópolis, 1994. Dissertação
[6] CHOOBINEH, A.; TOSIAN, R.; ALHAMDI, (Mestrado em Engenharia de Produção)
Z.; DAVARZANIE, M. Ergonomic intervention in Departamento de Engenharia de Produção,
carpet mending operation. Applied Ergonomics, v. Universidade Federal de Santa Catarina.
35, p. 493-496, 2004.
[19] STANTON, N. Handbook of Human
[7] COLARES, L. G; FREITAS, C. M. F. Factors and Ergonomics Methods. CRC Press,
Processo de trabalho e saúde de trabalhadores de 2005.
uma unidade de alimentação e nutrição: entre a
prescrição e o real do trabalho. Cadernos de [20] TERSSAC, G. de. Impact de l'analyses du
Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 23, n. 12, p. travail sur les relations de travail. In: CENTRE
3011- 3020, dez. 2007. D´ÉTUDES ET DE RECHERCHES SUR LES
QUALIFICATIONS. Les analyses du travail: enjeux
[8] IIDA, I. Ergonomia: projeto e produção. et formes. Paris, 1990. 239 p. p. 27-41. (Collection
São Paulo: Edgard Blucher, 2005. desetudes).
[9] [21] VASCONCELOS, R. C. Análise
[10] LIMA, João. Metodologia de Análise ergonômica do trabalho na prática: Os
Ergonômica. João Pessoa: UFPB, 2003. Monografia condicionantes, as técnicas e as confrontações no
(Especialização) – Departamento de Engenharia de desenvolvimento de uma intervenção ergonômica
Produção, Universidade Federal da Paraíba, João em situação de trabalho com Lesões por Esforços
Pessoa, 2003. Repetitivos. São Carlos, 2000. Dissertação
(Mestrado em Ergonomia) - Departamento de
[11] MACIEL, G. F. S. V. et al. Aplicação do Engenharia de Produção, Universidade Federal de
método de análise ergonômica do trabalho em uma São Carlos.
empresa alimentícia de pequeno porte objetivando
propostas de melhoria das condições de trabalho. [22] WIELEWSKI, D. C; CEMIN, R. N. A;
In: ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE LIBERALI, R. Perfil antropométrico enutricional de
PRODUÇÃO, 33. 2013, Salvador. Anais... Salvador: colaboradores de uma unidade de alimentação e
UFBA, 2013. nutrição do interior de Santa Catarina. Revista
Brasileira de Obesidade, Nutrição e
[12] MARRAS, S. W.; KARWOWSKI, W. Emagrecimento, São Paulo, v. 1, n. 1, p. 39-52,
Fundamentals and Assessment Tools for jan.-fev. 2007.
Occupational Ergonomics. 2. ed. CRC Press,
2006.

Tópicos em Ergonomia e Segurança do Trabalho - Volume 1


Capítulo 11
APLICAÇÃO DE MÉTODOS ERGONÔMICOS NO
SUPERMERCADO DE MEDIANEIRA PARANÁ

Marilia Neumann Couto

Resumo: A presente pesquisa trata da identificação de problemas posturais, em


postos de trabalho em supermercado da cidade de Medianeira - Paraná. A
ergonomia é a principal ferramenta utilizada, para identificar e propor correções na
postura dos trabalhadores em diversos postos de trabalho no segmento
pesquisado. O objetivo da pesquisa foi abordar a ergonomia como meio de
melhoria nos postos de trabalho. A metodologia empregada foi a bibliográfica,
descritiva com o apoio do questionário nórdico. Após a aplicação do questionário
se evidenciaram diversos problemas posturais e apresentadas sugestões de
melhorias.

Palavras-chave: Postos de trabalho; questionário nórdico; Ergonomia.

Tópicos em Ergonomia e Segurança do Trabalho - Volume 1


104

1. INTRODUÇÃO de questionário nórdico.


A presente pesquisa se origina de atividade  Propor medidas que garantam a
realizada na disciplina de ergonomia no eliminação ou minimização dos riscos
primeiro semestre de 2014, do curso de detectados
Engenharia de Produção.
Com ela, foi possível analisar diversos 1.3 JUSTIFICATIVA
assuntos discutidos em sala de aula, dentre
eles, o uso da ergonomia em diversos setores A ergonomia pode ser compreendida como a
de trabalho. ciência que procura configurar, planejar,
adaptar o trabalho às pessoas, respondendo
A ergonomia ganhou notoriedade quando da questões levantadas em condições de
formulação do Ministério do Trabalho e trabalho insatisfatórias (RODRIGUES JR,
Previdência Social (MTPS) institucionalizou em 2012)
1990 a Norma Reguladora NR.17.
A Ergonomia compreende a ausência da
A utilização dos conceitos da ergonomia nos adequação de equipamentos para realizar
postos de trabalho auxilia na prevenção de diversas tarefas, sem que as organizações
acidentes e doenças ocupacionais, pois esta percam seu espaço no mercado, e promove a
atua para adequar o trabalho ao homem, de empresa para um melhor desempenho, que é
modo a garantir o máximo de conforto, oferecido através de boas condições de
segurança e eficácia das ferramentas, trabalho (LUZ, 2013).
máquinas e dispositivos utilizados pelo
trabalhador (WISNER, 1987). Diante da importância da função exercida por
estes colaboradores, a pesquisa se justifica
Segundo dados do Ministério da Saúde por analisar as condições reais de trabalho,
(2005) esclarece que embora as dimensões assim como todas as possibilidades, com
do posto de trabalho não causem distúrbios base na metodologia ergonômica de modo a
músculo esqueléticos por si, podem forçar o proporcionar, se possível, melhorias nessas
trabalhador a adotar posturas, a suportar condições.
certas cargas e a se comportar de forma a
causar ou agravar afecções músculo
esquelética. 2. REFERENCIAL TEÓRICO
Neste sentido, a escolha por um Faz-se necessário neste estudo abordar
Supermercado foi em conseguir evidenciar alguns aspectos importantes para a
diversas áreas onde o profissional da área de compreensão da aplicação da ergonomia
Segurança do Trabalho, pode relacionar através da NR.17. Aborda-se ainda dentre os
medidas corretivas, analisando temas: Postos de trabalho, atividades
comportamento e postura de cada realizadas, bem como, os efeitos da má
empregado e empregado, aplicando a postura laboral.
ergonomia.

2.1 POSTOS DE TRABALHO


1.1 OBJETIVOS
Posto de Trabalho é definido como a menor
A pesquisa tem como foco abordar a unidade produtiva em um sistema de
ergonomia como meio de melhoria nos postos produção. O posto de trabalho envolve o
de trabalho de uma empresa, no caso homem, seu local de trabalho, e toda ajuda
Supermercado localizado na cidade de material que o indivíduo necessita para
Medianeira – Paraná. realizar suas tarefas, abrangendo: máquinas,
ferramentas, equipamentos, mobiliário,
softwares, sistemas de proteção e segurança,
1.2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS EPIs e o próprio sistema de produção (IIDA,
 Identificar fatores de risco a que estão 2005)
submetidos os trabalhadores em
determinados postos de trabalho.
2.1.1 ANÁLISE ERGONÔMICA DE UM
 Obter com os colaboradores dos postos POSTO DE TRABALHO
de trabalho, os fatores de riscos
envolvidos nas atividades diárias, através O projeto do posto de trabalho tem

Tópicos em Ergonomia e Segurança do Trabalho - Volume 1


105

basicamente dois enfoques historicamente Atividades de Caixa: atender clientes nas


conhecidos; o enfoque taylorista e o enfoque compras realizadas, passar os produtos pelos
ergonômico tradicional e, com o advento da leitores de códigos de barras, verificar as
automação, informatização e dos novos inconsistência de apontamento, trocar a fita
sistemas de gestão dos negócios, assim de impressão, cobrar os valores dos clientes
descreve Iida (2005): e, efetuar abertura e fechamento do caixa.
Enfoque Taylorista: é baseado no estudo dos O trabalhador realiza as atividades em pé ou
movimentos corporais para realizar uma tarefa sentado e, isso varia de acordo com o volume
e no tempo gasto em cada um desses de clientes.
movimentos. O melhor método de trabalho é
Empacotador: Atuar com atendimento ao
escolhido pelo menor tempo consumido na
cliente, empacotar compra dos clientes. Essa
realização das tarefas. O enfoque taylorista
tarefa é realizada com o trabalhador em pé,
não leva em consideração as características
ao lado do caixa.
físicas e psicológicas dos usuários /
operadores, muito menos, as necessidades Atendente de balconista: O mesmo atende
individuais dos mesmos. nos setores da panificação e açougue.
Servindo os clientes de acordo com o que foi
Enfoque Ergonômico Tradicional: é baseado
solicitado. Essa atividade é realizada com o
no princípio da redução das exigências
trabalhador em pé.
biomecânicas no intuito de minimizar a fadiga
física, ou seja, leva em consideração os Repositor: O repositor é o profissional que irá
limites e capacidades do indivíduo do ponto repor os produtos prateleiras das diversas
de vista da biomecânica ocupacional e, as áreas do Supermercado. Algumas das tarefas
características antropométricas dos usuários / do repositor são as de abastecer as
operadores. No enfoque ergonômico prateleiras do supermercado; gerir as datas
tradicional, o posto de trabalho é considerado de validade dos produtos, entre outros. Essa
um prolongamento do corpo humano, visto atividade é realizada com o trabalhador em
que este trata apenas dos fatores físicos do pé.
posto de trabalho. O enfoque ergonômico
Zelador (faxineiro): Também designado como
tradicional é aplicado na concepção e/ou
faxineiro. Esse profissional é responsável em
adaptação de postos de trabalhos
zelar pela limpeza diária de todas as áreas
tradicionais.
operacionais e administrativas do
Para cada categoria profissional, existe uma supermercado. Na falta de equipamentos
característica particular de exigência mental e motorizados, as atividades são realizadas em
motora, e devido a tais exigências, há locais pé.
mais suscetíveis e, o que irá determinar são a
Fiscal de Caixa: O fiscal de caixa dá
alta exposição e intensidade do trabalho.
assistência aos operadores de caixa. Busca
No caso dos colaboradores que trabalham em troco e analisa cheques e cartões, se
supermercado, as atividades diárias e necessário. Em caso de dúvidas sobre preço,
repetitivas podem levar o trabalhador a peso, data de vencimento ou qualidade da
fatores de risco, desde postura na realização mercadoria, ele resolve se deslocando até a
de atividades, até o manuseio de mercadorias gôndola para checar as informações corretas.
que sobrecarregam, principalmente, os Em diferentes horários do dia, retira dinheiro,
membros superiores. cheques e vales- alimentação dos checkouts
para serem transferidos ao cofre. Essa
A realização destas atividades por tempo
atividade é realizada com o trabalhador em
prolongado pode trazer algum tipo de
pé.
distúrbio em várias regiões do corpo.

2.2 NORMA REGULAMENTADORA


2.1.2 ATIVIDADES DESEMPENHADAS
As Normas Regulamentadoras (NR) são
A pesquisa limitou-se a analisar as atividades
normas elaboradas pelo Ministério do
a seguir descritas, desempenhadas pelos
Trabalho através da Portaria nº 3.214/78,
colaboradores do Supermercado, por se
(MTb, 1978) que foram criadas e devem ser
entender que são atividades “chave” para o
observadas a fim de promover saúde e
completo desempenho do segmento:
segurança do trabalho na empresa.

Tópicos em Ergonomia e Segurança do Trabalho - Volume 1


106

O Ministro de Estado, no uso de suas tenha de ser feito de pé as bancadas mesas e


atribuições legais, considerando o disposto escrivaninhas e os painéis devem estar
no Art. 200 da Consolidação das Leis do proporcionais ao trabalhador
Trabalho, com redação dada pela Lei 6.514,
Ter altura e característica da superfície de
de 22 de dezembro de 1977, resolve:
trabalho distancia requerida dos olhos ao
Art. 1º - Aprovar as Normas campo de trabalho
Regulamentadoras - NR - do Capítulo V, Título
17.3.3 os assentos devem possuir altura
II, da Consolidação das Leis do Trabalho,
regulável, borda arredondada encosto para
relativas à Segurança e Medicina do Trabalho:
proteger a lombar
A partir desta data foi dado o marco inicial ao
17.3.5 se a pessoa trabalha em pé deve ser
processo de normatização as condições de
colocados assentos para descanso em locas
trabalho.
em que possam ser utilizados por todos os
trabalhadores
A Lei n°. 6.514 (BRASIL, 1977) destaca nos
2.3 EMBASAMENTO LEGAL - NR. 17
artigos a seguir os itens: iluminação e conforto
Através da Portaria nº 3.751 (MTPS, 1990) térmico, nos locais de trabalho.
adequou-se a NR 17 – Ergonomia.
Quanto a Iluminação, a seção VII em seu
Considerando, ainda, as sugestões artigo 175 trata da iluminação do local de
apresentadas pelos grupos de trabalho trabalho.
instituídos pela Portaria MTb/GM n.º 3.223, de
Art. 175 - Em todos os locais de trabalho
29 de junho de 1989,
deverá haver iluminação adequada, natural ou
artificial, apropriada à natureza da atividade.
Resolve: § 2º - O Ministério do Trabalho estabelecerá
os níveis mínimos de iluminamento a serem
Art. 1º Fica alterada a Norma
observados.
Regulamentadora n.º 17 - ERGONOMIA, nos
termos do ANEXO constante desta Portaria.
A NR. 17 no item:
As alterações, assim como em qualquer outra
situação deve periodicamente ser revisada e 17.5.3. Em todos os locais de trabalho deve
adequada. haver iluminação adequada, natural ou
artificial, geral ou suplementar, apropriada à
Neste contexto a ergonomia é uma ciência
natureza da atividade.
que busca uma integração entre o homem e o
seu trabalho, propiciando benefícios como Quanto ao conforto térmico a seção VIII
conforto físico e mental. Ou seja, o principio sequencia no artigo 176:
da ergonomia é trabalho com segurança e
conforto para gerar eficiência. A NR. 17 no item:
17.1. Esta Norma Regulamentadora visa a Art . 176 - Os locais de trabalho deverão ter
estabelecer parâmetros que permitam a ventilação natural, compatível com o serviço
adaptação das condições de trabalho às realizado.
características psicofisiológicas dos Parágrafo único - A ventilação artificial será
trabalhadores, de modo a proporcionar um obrigatória sempre que a natural não
máximo de conforto, segurança e preencha as condições de conforto térmico
desempenho eficiente.
17.6.3. Nas atividades que exijam sobrecarga
17.1.1. As condições de trabalho incluem muscular estática ou dinâmica do pescoço,
aspectos relacionados ao levantamento, ombros, dorso e membros superiores e
transporte e descarga de materiais, ao inferiores, e a partir da análise ergonômica do
mobiliário, aos equipamentos e às condições trabalho, deve ser observado o seguinte:
ambientais do posto de trabalho e à própria
organização do trabalho. a)[...];
[...] b) devem ser incluídas pausas para
Quanto aos trabalhos manuais, sentados ou descanso;
em pé a NR ainda esclarece: c) [...]
17.3.2 para trabalho manual sentado ou que Observa-se que a legislação está vinculada a

Tópicos em Ergonomia e Segurança do Trabalho - Volume 1


107

Norma. Essa hegemonia trabalha no intuito de se relacionam com o fenômeno ou processo.


harmonizar as tarefas diárias dos Uma de suas peculiaridades está na
colaboradores. utilização de técnicas padronizadas de coleta
de dados, tais como o questionário e a
observação sistemática.
2.4.PRINCIPAIS MOTIVOS DE
Após a revisão bibliográfica, que segundo
AFASTAMENTO DO TRABALHO
Cervo, Bervian e Da Silva (2007, p.60) “a
A partir de dados coletados no Ministério da pesquisa bibliográfica procura explicar um
Previdência Social (2010), se obtiveram as 10 problema a partir de referências teóricas
doenças que mais afastaram os trabalhadores publicadas em artigos, livros, dissertações e
brasileiros. Em um ano, foram contabilizadas teses. Pode ser realizada independente ou
571.042 licenças com duração superior a 15 não como parte da pesquisa descritiva ou
dias. experimental”.
O parâmetro utilizado pelo levantamento foi o Como parte da pesquisa, se optou pela
afastamento, sem levar em conta se a origem utilização de questionário nórdico dos
pode ou não ser ocupacional. sintomas músculos esquelético, relacionando
os pontos do corpo, que segunda Iida (2005),
Primeira a listar o rol é a dor nas costas, ou
esse questionário musculoesquelético permite
seja, a causa mais comum nos afastamentos.
a identificação de desordens
Podendo, como causa decorrente da má
osteomusculares e fornece descrições quanto
postura na execução da atividade laboral,
à ocorrência de sintomas (dor, desconforto ou
constar a obesidade ou ainda predisposição
dormência) nas várias regiões anatômicas
genética.
(pescoço, ombros, coluna, região torácica e
Em seguida, os problemas no joelho lombar, cotovelos, punhos e mãos, quadril,
decorrentes da atividade profissional ou de joelho, tornozelo e pé).
atividades fora do ambiente profissional.
Na sequencia aparecem a hérnia inguinal,
4. APRESENTAÇÃO DOS DADOS
depressão, mioma uterino.
O estabelecimento é um Supermercado que
As varizes, que estão vinculadas as
possui em torno de 170 funcionários
patologias vasculares, ocuparam o sexto
distribuídos em diversas tarefas.
lugar no rol das doenças que mais causaram
afastamentos no ano de 2010. Pessoas que Dentre elas foi aplicado questionário
trabalham muito tempo em posição sentada abrangendo as seguintes funções:
ou permanecem a maior parte do dia em pé,
estão propensas a desenvolver este tipo de
doença.  caixa;
Em seguida, doença isquêmica do coração,  empacotador;
hemorragia no início da gravidez, câncer de  atendente de balcão;
mama e bexiga caída são líderes, nesta  repositor,
ordem, em fazer com que as pessoas fiquem  zelador; e
afastadas de seus cargos, estes problemas  fiscal de caixa.
também podem ser reflexo das más
condições do ambiente de trabalho.
No questionário dos sintomas
musculoesquelético perguntou-se onde
3. METODOLOGIA sentem dores na execução das suas tarefas:
pescoço, cotovelos, punhos e mãos, coluna
Quanto ao objetivo se utilizou da pesquisa dorsal, coluna lombar, quadril ou coxas,
descritiva, que segundo Gil (2008): O joelhos e tornozelos ou pés, e a frequência
processo descritivo visa à identificação, destas dores, vinculado nos últimos sete dias
registro e análise das características, fatores e, no último ano e, se a pessoa já deixou de
ou variáveis que trabalhar por causa dessa dor.

Tópicos em Ergonomia e Segurança do Trabalho - Volume 1


108

Figura 1: Partes do corpo humano

Fonte: Autoria própria

4.1 TABULAÇÃO DOS DADOS nos pés.


Com auxílio do questionário foram coletadas  Repositor: sem reclamação.
as informações e se constataram os  Fiscal de caixa: coluna dorsal,
problemas mais frequentes: joelhos, tornozelos e pés.
Operadores de Caixa: Dor nos ombros
(ambos) e nos cotovelos. No caso desta Constatou-se que nas atividades diárias dos
atividade, são diversos os fatores de risco, postos de trabalho pesquisados não há
desde a postura em que realizam as pausas frequentes, não há lugares para
atividades, até o manuseio de mercadorias descanso dos funcionários que trabalham
que sobrecarregam, principalmente, os atrás do balcão, e que a ergonomia do
membros superiores; além das rotações de ambiente não é adaptada para todos os tipos
tronco. de funcionários, pois além da diversidade da
altura há também a diferença entre o corpo
 Empacotador: coluna dorsal.
dos homens e mulheres.
 Atendente de balconista: pés e
tornozelos, coluna dorsal e lombar, Com essas informações criou-se o gráfico em
pescoço, mãos, joelhos. que se demonstram quais os pontos em que
 Zelador: dor no pescoço, dor no os trabalhadores apresentam os maiores
ombro esquerdo, quadril, nos punhos pontos de desconforto.
e nas mãos (ambos), nos tornozelos e

Tópicos em Ergonomia e Segurança do Trabalho - Volume 1


109

Figura2: Apresentação dos pontos de desconforto

Fonte: Elaborado pelos autores

Levando-se em conta a Figura 2, se observa precisem de muito esforço.


que o principal problema, de acordo com o
Já para a função de repositor o auxílio de
questionário, é a coluna dorsal e,
escadas melhoraria o posto de trabalho, pois
posteriormente, as mãos, ou seja, eles são os
não precisaria se esticar para repor produtos
mais prejudicados neste estabelecimento e se
que ficam em prateleiras mais altas e também
devem tomar medidas de correção, para os
uma postura adequada quando for repor
mesmos, com maior enfoque.
produtos que ficam em prateleiras mais
Como meio para a solução dos problemas baixas; como essa função também faz o
detectados foram propostas sugestões em trabalho em um balcão com balança foi
cada setor para melhoria para os problemas sugerido uma cadeira para que pudesse
encontrados. descansar enquanto não houvesse movimento
no estabelecimento.
No caso dos balconistas, uma cadeira
confortável para sentarem enquanto não Para todas as funções, a adaptação de
estiverem exercendo de fato a função e; como pausas periódicas durante 10 minutos na
cada balconista tem uma altura, implantar jornada de trabalho junto com ginástica
uma plataforma no chão com 10 cm de altura laboral seria ideal para os colaboradores não
para que quando fossem entregar a sentirem dores no corpo, e melhorarem o
mercadoria ao cliente não exercerem muita desempenho no trabalho.
força no braço.
Para os que exercem a função nos caixas a
5. CONCLUSÃO
implantação de uma esteira ajudaria para que
os colaboradores não forçassem os braços De acordo com a pesquisa fundamentada em
pegando muito peso; a troca de lado nos gráfico, se observa que em cada setor se
caixas que já é realizada e também um pode incluir melhorias em que se busca uma
assento com encosto que apoie também a rotina em que os danos físicos ao trabalhador
parte superior das costas. sejam minimizados, na busca da prevenção
de problemas futuros e, na busca da correção
As funções de empacotador e fiscal de caixa,
dos já existentes.
que trabalham somente em pé a melhor
sugestão são pausas em torno de 10 minutos Conclui-se através desse trabalho que a
para não sentirem dores no corpo. utilização da ergonomia pode modificar o
ambiente de trabalho dos trabalhadores para
Para a função de zelador, adaptar os
melhorar desempenho e, melhor, fazer com
instrumentos de trabalho (vassoura, rodo,
que os mesmo não sejam prejudicados
balde) seria a melhor opção, adaptando a
posteriormente devidos, por exemplo, as
altura, para não prejudicar a coluna e rodos
posturas indevidas.
que absorvem água para que não precisem
forçar a coluna com rodos tradicionais que A saúde do trabalhador, neste caso, é levada

Tópicos em Ergonomia e Segurança do Trabalho - Volume 1


110

em conta e é primordial na elaboração do região, para serem objetos de análise sobre


trabalho. as questões posturais dos diversos postos de
trabalho existentes no segmento, o que
O autor sugerem, para futuras pesquisas,
permitirá conclusões mais consistentes sobre
ampliar o número de supermercados na
os problemas apontados.

REFERÊNCIAS 1977. Portaria nº 3.214 de 08.06.1978.


Legislação complementar, índices remissivos.
[1] BRASIL. Lei n. 6.514, de 22 Dezembro de 72ª Ed. Atlas. São Paulo, 2013.
1977. Altera o Capítulo V do Título II da
Consolidação das Leis do Trabalho, relativo a [8] MINISTÉRIO DA SAÚDE. Disponível em:
segurança e Medicina do trabalho e dá outras http://dtr2004.saude.gov.br/consultapublica/in
providências. Disponível em: dex.php?modulo=display&sub=dsp_texto_inte
http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l6514.h gral&documento=8 44
tm
[9] Acesso em 02 abr. 2014
[2] Acesso em: 15 mar. 2014
[10] MINISTÉRIO DO TRABALHO E PREVIDÊNCIA
[3] CERVO, Amado Luiz; BERVIAN, Pedro Alcino; SOCIAL. Portaria n.º 3.751, de 23 de
DA SILVA, Roberto. Metodologia Científica. 6. Novembro de 1990
Ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2007.
[11] – NR. 17 Ergonomia. Disponível em:
[4] GIL, Antonio Carlos. Como elaborar projetos http://portal.mte.gov.br/data/files/FF8080812C1
de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2008 2AA70012C13340B670F37/p_19901123_3751.
pdf Acesso em 02 abr. 2014
[5] IIDA, I. Ergonomia: projeto e produção. 2ª Ed.
São Paulo: Edgar Blücher, 2005. [12] RODRIGUES JR. Hércules Silva. Análise
ergonômica dos postos de trabalho dos
[6] LUZ, Adjane de Moura. A influência da funcionários de uma construtora na cidade de
ergonomia para o desempenho no trabalho: Foz do Iguaçu - PR. 2012 51.f. Trabalho de
um estudo em uma agência bancária na conclusão de curso (Especialista em
cidade de Picos – PI. PI. 2013. Trabalho de Engenharia de Segurança no Trabalho)
conclusão de curso (Bacharelado em Universidade Tecnológica Federal do Paraná –
Administração) Universidade Federal do Piaui. UTFPR, Campus Medianeira, Paraná –
Disponível em: http://repositorio.roca.utfpr.edu.br/jspui/bitstrea
http://www.ufpi.br/subsiteFiles/admpicos/arquiv m/1/1752/1/MD_ENSEG_%20IV_2011_15.pdf
os/files/TCC%20DE%20ADJANE%20DE%20M
OURA%20LU Z.pdf Acesso em 07 abr. 2014 [13] 2012. Acesso em: 20 mar. 2014
[7] MANUAL DE LEGISLAÇÃO. Segurança e [14] WISNER A. Por Dentro do Trabalho –
Medicina do Trabalho. Nr. 1 a 36 . CLT. Arts. Ergonomia: método e técnica. São Paulo: FTD;
154 a 201. Lei nº6.514 de 22 de dezembro de 1987

Tópicos em Ergonomia e Segurança do Trabalho - Volume 1


Capítulo 12
ANÁLISE DA ATIVIDADE DE TRABALHO EM UMA
PADARIA: AS CAUSAS E EFEITOS DA SOBRECARGA FÍSICA
E DA PRIVAÇÃO DE SONO

Larissa Sousa Campos


Monise Viana Abranches
Thales Fernandes Morais
Jean Patrik Boro Rodrigues
Michelly Patrícia de Oliveira

Resumo: Uma realidade bastante comum no setor de panificação são os


empreendimentos de micro e pequeno porte, onde a produção é executada de
forma tipicamente manual. É característico deste tipo de processo o trabalho
noturno, muitas vezes combinado à extensas jornadas. Somando-se a isto um
ambiente de alta temperatura, devido aos fornos e fogões, tem-se um cenário que
pode representar risco a saúde e a segurança de quem nele trabalha. Neste
contexto uma análise ergonômica do trabalho - AET auxilia na identificação dos
fatores de risco e permite elaborar modificações que proporcionem melhorias. Este
artigo apresenta os resultados de um estudo realizado em uma panificadora de um
município da região do Alto Paranaíba- MG, com base na AET. O estudo
demonstrou a existência de sobrecarga física como demanda emergente da
análise, o que além de acarretar dores e fadiga ocasionou privação do sono. Os
resultados discutem as causas primárias e secundárias do problema, bem como as
consequências, para por fim propor um conjunto de recomendações que podem
auxiliar em redução destes fatores de risco.

Palavras-chave: Sobrecarga física, Privação do sono

Tópicos em Ergonomia e Segurança do Trabalho - Volume 1


112

1. INTRODUÇÃO orientado pela perspectiva de separação


entre trabalho prescrito e real, identificação
Em todo o país, existem mais de 63 mil
de problemas, formulação de demanda
panificadoras, sendo aproximadamente 96%
emergente e de diagnóstico (GUÉRIN, 2001).
das padarias classificadas como micro e
Por fim procurou-se detalhar as
pequenas empresas, muitas de caráter
consequências dos problemas encontrados e
familiar, que atendem cerca de 40 milhões de
elaborar recomendações para cada causa
pessoas por dia. O que representa 21,5% da
diagnosticada.
população brasileira. O setor gera mais de
700 mil empregos diretos e, mais de 1,8
milhões de indiretos (ABIP, 2014). 2. MATERIAIS E MÉTODOS
Apesar da importância econômica do setor, O presente trabalho foi realizado em um micro
uma realidade comum a muitos destes empreendimento, familiar, localizado na
empreendimentos são as extensas jornadas região do alto Paranaíba. A organização conta
de trabalho (superiores à 12 horas) com 5 funcionários, sendo 1 padeiro e 1
combinadas ao curto tempo de descanso (DA cozinheira, os quais são também os
SILVA, 2011). O que, de fato, pode trazer proprietários do estabelecimento, e 3
consequências para a saúde dos atendentes, que trabalham em turnos
trabalhadores, como destacado por diversos distintos. Devido à grande quantidade de
autores que apontam a má qualidade do sono tarefas realizadas por cada um, e
como fonte de dores de cabeça, cansaço, considerando que o padeiro é responsável
queda de rendimento cognitivo, dificuldade pela confecção da maior parte dos produtos
de concentração, problemas gastrointestinais, comercializados, optou-se pelo foco da
entre outros (SIMÕES et al., 2010; MENDES e análise desta atividade.
DE MARTINO, 2012; SOARES e ALMONDES, Após o contato inicial com a empresa, que
2012; PILCHER e HUFFCUTT, 1996). autorizou a pesquisa no local, iniciou-se o
processo de observação e entrevistas com os
Somam-se a isso fatores de ambiência de
trabalhadores, por meio da Análise
trabalho que podem acarretar desgaste físico,
Ergonômica do Trabalho – AET. Foram
como temperatura inadequada, devido aos
coletados dados referentes ao processo
fornos e fogões, fontes de calor radiante (DA
produtivo, buscando compreender sua
SILVA, 2011). A questão torna-se relevante na
organização, procedimentos, metas e a
medida em que o processo de manutenção
metódos, ou as tarefas prescritas. No entanto,
da temperatura corporal demanda eliminação
a atividade não se resume ao que se pretende
de água e sais minerais, que quando não é
atingir, nem ao que pode ser manifestado
realizada de forma satisfatória, resulta em
verbalmente, é necessário realizar
sintomas como desidratação, cãibras,
observações sistemáticas do processo de
esgotamento, lesões da pele e,
trabalho real, buscando identificar as
consequentemente, redução da produtividade
dificuldades, as variações e os possíveis
(ABRAHÃO et al., 2009).
problemas (ABRAHÃO et al., 2009). A partir
Diante do exposto, a análise de fatores
deste pré-diagnóstico inicial foram elaboras
ergonômicos, bem como o estudo de técnicas
as primeiras hipóteses sobre as causas e
de engenharia de segurança do trabalho,
consequências dos problemas encontrados.
pode auxiliar na identificação de fatores que
Para melhor entender as causas, foi escolhida
possam representar riscos de acidente, que
a ferramenta da qualidade Diagrama de
ocasionem danos à saúde do trabalhador da
Ishikawa. Segundo Carpinetti (2010), o
panificação; ou que possam vir a
diagrama de Ishikawa foi desenvolvido por
comprometer sua capacidade de trabalho,
Kaoru Ishikawa para explicar fatores inter-
sua saúde ou a produção (IIDA, 2005).
relacionados de um processo. O diagrama
Partindo deste cenário, este trabalho teve
utilizado permite o levantamento de
como objetivo avaliar as atividades de
determinantes, estabelecendo a relação entre
trabalho em uma padaria, localizada no
os efeitos e suas causas, além de ser um
interior de Minas Gerais, na região do Alto
método visual. Por fim, após o procedimento
Paranaíba. Buscou-se compreender como é
de auto-confrontação foi elaborado o
realizado o trabalho, seus determinantes,
diagnóstico final, bem como recomendações
problemas, possíveis causas e
de melhoria (GUÉRIN, 2001).
consequências físicas, cognitivas e
produtivas. Assim, foi realizado um estudo
baseado na Análise Ergonômica do trabalho,

Tópicos em Ergonomia e Segurança do Trabalho - Volume 1


113

3. RESULTADOS E DISCUSSÃO dia tem como público-alvo as pessoas que


deixam suas casas para irem trabalhar.
A empresa estudada tem receita através da
Nesse horário os principais produtos
venda de produtos alimentícios, lanches,
fornecidos são: pão de queijo, pão de sal e
biscoitos, bebidas (refrigerante, suco e
café. No restante do dia, principalmente à
iogurte), chocolates, salgados, bolos, dentre
tarde, o publico maior é de estudantes e os
outros produtos. O foco da empresa é vender
produtos são preferencialmente: salgados
os produtos produzidos na padaria própria
assados e fritos, bolos e biscoitos. A padaria
(pães, bolos, rosquinhas, salgados). Os
também tem sua produção e faturamento
produtos feitos pelo padeiro e pela cozinheira
alterados em função dos períodos de aulas e
são os responsáveis pela maior parte do
de férias dos estudantes da Instituição de
faturamento da empresa. As tarefas de cada
Ensino localizada próxima ao
operador podem ser visualizadas no quadro
estabelecimento. No período de férias o
1. O período de trabalho do padeiro, foco
público-alvo são pessoas e trabalhadores da
deste estudo, se inicia às 2 horas da manhã e
cidade. O que, apesar de modificar a
é finalizado às 22 horas.
quantidade de produtos confeccionados, não
A demanda é alterada em função do horário altera a jornada de trabalho. Do padeiro ou
do dia e também em temporadas. O início do dos demais operadores.

Quadro 1 - Perfil das tarefas realizadas pelos trabalhadores da padaria


Funções Atividades
Produção dos pães "francês" e "de queijo" e dos salgados assados, com
exceção das empadas
Padeiro
Compras de matéria-prima
Entrega de encomendas
Produção dos bolos, rosquinhos, salgados fritos e dos recheios
Cozinheira
Verificar e planejar encomendas
Atendentes Atendimento dos clientes in loco e por telefone
Fonte: elaborado pelos autores

Tópicos em Ergonomia e Segurança do Trabalho - Volume 1


114

Figura 1 – Fluxograma das tarefas na padaria estudada

Tópicos em Ergonomia e Segurança do Trabalho - Volume 1


115

3.1 ANÁLISE DA ATIVIDADE depois para dar o formato, o padeiro usa uma
forma circular aberta no meio. Por fim, o
Foi acompanhada a produção dos salgados,
salgado vegetariano é produzido, com
a qual se iniciou às 6 h. Todos os salgados
alteração apenas do recheio (queijo, palmito,
são feitos com a mesma massa, havendo
requeijão e tomate). Vale salientar que o
apenas variações quanto ao tipo de recheio e
salgado vegetariano é o único a ser cortado
o corte da massa. Primeiramente, são
depois de assado, pois isso evita perda do
separadas as matérias-primas (trigo, ovos,
recheio.
fermentos, manteiga, etc.) a serem utilizadas.
Todo o corte é realizado de forma manual
Como padeiro possui experiência quanto à
(com exceção do hambúrguer que utiliza o
produção diária, o mesmo produz a
auxílio do aro). O padeiro afirma que é
quantidade aproximada a ser consumida no
necessário seguir uma determinada ordem de
dia. É relevante ressaltar que ele se diz
corte, para que os produtos fiquem uniformes
preocupado com a qualidade “Produzir todo
e para reduzir desperdício de massa.
dia para ter um produto fresco para nosso
cliente”. Outra observação feita pelo padeiro é
sobre como a temperatura e a umidade do dia 3.2 PRÉ-DIAGNÓSTICO E DEMANDA
afetam principalmente a produção do pão EMERGENTE
francês. Nos dias frios esse pão cresce
Com uma jornada de trabalho extensa (de 2
menos, assim em dias como esse ele é
às 22h) o padeiro alterna suas posturas e o
colocado em um armário e com ele uma
tempo de descanso ao longo do dia. Nas
panela com água fervendo para tentar
primeiras horas, das 2 às 5 h 30 min, ele
amenizar o efeito da temperatura sobre o
trabalha de pé, nessa etapa de preparação, a
produto. E nos dias de calor a panela contém
postura do padeiro é curvada nos momentos
água fria.
em que ele usa a bancada para preparar e
Os ingredientes da massa são colocados na abrir as massas, e também enquanto ele
masseira. Embora essa etapa de mistura recheia e corta os salgados; o que demonstra
exclua o esforço braçal, apenas o padeiro que o dimensionamento das mesas e
pode determinar o ponto certo em que a bancadas não estão compatíveis com a altura
massa deve ser deixada em repouso, para do trabalhador. Esta questão antropométrica
que reações químicas ocorram entre os acaba por gerar contração estática da coluna
ingredientes e influencie a percepção e consequentemente dores musculares. É
sensorial pelo consumidor (textura, aroma, importante mencionar que durante a
sabor, cor, homogeneidade). execução das tarefas, o padeiro sempre se
encontra posicionado de pé. Em nenhum
Depois de obter a massa nos padrões
momento ele senta, seja para descansar, seja
desejados, é iniciada a produção dos
para executar alguma tarefa.
salgados. O padeiro retira porções da massa
O primeiro, e breve intervalo, acontece deste
da masseira e assim começa a produção.
horário até as 6h, momento no qual ele inicia a
Primeiramente, ele elabora o salgado com
produção dos salgados até que a meta do dia
recheio de carne moída. A porção retirada da
seja atendida, o que ocorre até as 10 h. A
masseira é colocada em um cilindro industrial,
partir desse momento o padeiro pode fazer
que tem a função de reduzir a espessura da
uma pequena pausa, sendo que, em seguida,
massa. Em seguida, a massa é esticada
iniciam-se os preparativos para a produção
sobre uma mesa de inox até o ponto da
de alimentos no período da tarde. Às 11 h
montagem dos salgados. A massa é então
acontece o intervalo para o almoço,
cortada com auxílio de uma faca e no seu
encerrando às 13 h 30 min. O padeiro
centro é colocada uma porção do recheio de
permanece trabalhando na cozinha e fazendo
carne moída e uma fatia de presunto.
entregas até as 22 h, momento no qual a
De forma similar é feito o salgado de frango, padaria é fechada.
todavia recebe um recheio diferente (frango, A jornada trabalho do padeiro é considerada
mozarela, tomate e batata palha) e um corte longa e exaustiva, gerando um grande
mais simples. Este, depois de enrolado segue cansaço ao final do dia. Ela foi estabelecida
para crescimento da massa. O salgado dessa forma devido à falta de profissionais
“hambúrguer” segue os mesmos para ajudá-lo na cozinha; o padeiro relatou ter
procedimentos dos demais: estica-se a dificuldade em encontrar trabalhadores
massa, coloca-se hambúrguer, mozarela, qualificados, pois a oferta no município é
presunto e tomate, fecha-se a massa e logo pequena, o que eleva o custo. Além disso, ele

Tópicos em Ergonomia e Segurança do Trabalho - Volume 1


116

destacou que contratar uma pessoa sem com o ritmo biológico constrangimento para
experiência demanda tempo para treinamento que as metas sejam atingidas. O método de
e, devido a alta demanda do município, os trabalho adotado intensifica o desgaste físico
trabalhadores treinados deixam o posto para e mental, pois as atividades são manuais,
abrir seu próprio negócio. Soma-se a isto o repetitivas (como o corte, por exemplo),
fato do padeiro ser, também, o proprietário, o exigem esforço físico e muito tempo de pé;
que exige que ele realize atividades com um tempo de repouso se resume a
administrativas e organizacionais. poucas horas de sono o organismo pode
A sobrecarga física do padeiro é acumular o cansaço gerando o risco de
intensificada por um conjunto de fatores problemas imediatos ou futuros.
observado na pesquisa. Um dos problemas A distribuição dos equipamentos no local
identificados foi a variação da demanda, ao acaba por intensificar o desgaste físico, pois
longo do dia e do ano. A demanda da os fornos dispostos em uma área de pouca
empresa varia em relação ao público e de ventilação (sem janelas ou exaustores),
acordo com os horários, por exemplo, as 6 h o elevando a temperatura no local, o que eleva
público é de trabalhadores da cidade que a temperatura do corpo e a atividade do
tomam o desjejum antes de irem para o organismo. Além disso, há muito
trabalho e às 18 h o público a ser atendido é movimentação, como pode ser observado no
principalmente de universitários que retornam fluxo, figuras 2 e 3. Em projetos de padaria,
das suas atividades. Ao longo do ano, a além da área de atendimento ao público é
variação é decorrente da entrada anual de necessário incluir o setor de recepção de
universitários na instituição localizada próxima mercadorias, a qual dever ser localizada
à padaria, aumentando a quantidade de próxima ao estoque para que o fluxo de
moradores na cidade. Com essa variação as trabalho seja linear e a área de manipulação
máquinas, que são de pequeno porte acabam deve ocupar 50% da área total (BERTIN;
sobrecarregadas, pois não atendem a MENDES, 2011). Este excesso de
capacidade, levando a uma intensificação do movimentação se soma aos demais fatores
ritmo de produção para atender a demanda. como fonte de desgase físico e pode
O ritmo de trabalho intenso é, também, fator representar, ainda, perda de rendimento,
de risco. Uma vez que por ser incompatível devido à movimentações desnecessárias.

Figura 2 - Layout da padaria

Fonte: elaborado pelos autores

Tópicos em Ergonomia e Segurança do Trabalho - Volume 1


117

Figura 3 - Fluxos

Fonte: Elaborado pelos autores

Nesta análise de causas procurou-se da análise da atividade emergiu a demanda


entender a demanda, compreender e definir da sobrecarga física do padeiro, resultado
os problemas apresentados, baseado em dos fatores identificados no texto e
informações fornecidas pelo padeiro e pela relacionados no diagrama de Ishikawa da
cozinheira, além das observações. Por meio figura 4.

Figura 4 – Diagrama de Ishikawa

Fonte: elaborado pelos autores

Tópicos em Ergonomia e Segurança do Trabalho - Volume 1


118

4. DIAGNÓSTICO motor, acarretando maior probabilidade de


ocorrência de acidentes de trabalho.
Diante do exposto, pode-se inferir que a
sobrecarga de esforço físico é gerada por De acordo com Antunes (2008), após a
uma combinação de fatores. A postura com privação ou supressão de sono pode ocorrer
as costas inclinada para frente no momento perda de atenção e necessidade de maior
de abrir a massa dos salgados e para realizar tempo de sono para reposição das funções
seus cortes é a principal responsável pelas normais.Isto pôde ser percebido, devido ao
dores na região lombar da coluna. A grande fato de que o padeiro ter o tempo de repouso
jornada de trabalho realizada em pé, é maior durante o domingo, momento no qual,
responsável pelas dores nas pernas. Ela segundo seu relato, costuma dormir 12 h.
também pode estar relacionada com o pouco
As dores corporais relatados pelo padeiro
tempo que o padeiro tem para descansar,
podem ser resultado das atividades
sendo de 4 h/dia o período destinado ao sono
desempenhadas ao longo do processo de
e pela movimentação que ele realiza.
produção. Isso porque as atividades são
Uma consequência também percebida e realizadas por horas de maneira desfavorável
citada pelo padeiro, é que todo o tempo que à zona de conforto do ser humano. A postura
ele tem disponível acaba sendo destinado ao curvada, pode refletir na harmonia e no
trabalho, impedindo-o de ter momentos de equilíbrio entre as partes do corpo (músculos,
lazer. Outras consequências dessa ligamentos, tendões e as estruturas ósseas),
sobrecarga como o estresse, perda de influenciando no desempenho das tarefas e
concentração, desmotivação e perda de acarretando movimentos desnecessários para
qualidade de vida, podem aumentar a realizar as atividades de produção na
propensão de ocorrência de acidentes panificadora. Soma-se a isso o período que o
durante a execução das tarefas. A norma padeiro de estabelece em posição ortostática,
regulamentadora NR12 do Ministério do gerando dor nas pernas e na coluna vertebral.
Trabalho e Emprego estabelece requisitos A dor pode restringir as atividades de uma
mínimos para prevenção de acidentes e pessoa e reduzir sua capacidade de trabalho,
doenças do trabalho, através da definição de bem como a qualidade do aproveitamento da
referências técnicas, princípios fundamentais vida diária. As causas são multifatoriais e
e medidas de proteção, como adequação de podem advir das diversas atividades do seu
fornos, amassadeiras e cilindros, é possível dia a dia, sobrecarregando as estruturas
proteger a saúde e integridade física dos vertebrais, musculares, nervosas e articulares
trabalhadores. Faz necessário agir nos fatores (IIDA, 2005).
causadores de sobrecarga física uma vez que
A dor pode apresentar-se de duas formas:
este problema traz um conjunto de
constante ou intermitente, restrita a um local
consequência para as pessoas e para o
ou irradiar para outras áreas. Essa constante
processo.
rotina de esforço e dores também pode ser
4.1 CONSEQUÊNCIAS DA SOBRECARGA sentida no pescoço (podendo irradiar para os
FÍSICA braços), coluna superior, ou na região lombar
(podendo irradiar para as pernas). Segundo
IIDA (2005), as dores localizadas no conjunto
Uma das consequências da longa jornada de
de músculos solicitados na conservação das
trabalho do padeiro é a privação do sono. O
diversas posturas podem ocorrer devido aos
sono é considerado um estado vital e
projetos inadequados de máquinas, assentos
complexo, constituído por processos ativos e
ou bancadas de trabalho que obrigam o
altamente organizados (ROETHS, 2000). Ele é
trabalhador a usar posturas inadequadas. A
dividido em dois estágios: NREM e REM. No
autora chama atenção para a dor muscular e
estágio REM ocorrem os sonhos mais vívidos.
afirma que ela pode ser entendida como um
A privação do sono é a remoção parcial ou
sinal de alerta para problemas ósteo-
total do sono de um individuo. No caso
musculares futuros.
estudado foi relatada a privação parcial do
sono do padeiro, dada a média diária de 4 Embora o organismo do ser humano possa se
h/noite. Segundo Pilcher e Huffcutt (1996), a adaptar às exigências do seu posto de
maioria dos estudos confirma que os efeitos trabalho, muitas situações negativas podem
da privação de sono são mais evidentes surgir a partir dessa incompatibilidade entre o
sobre o humor, desempenho cognitivo e ritmo biológico e o ritmo de trabalho, como
surgimentos de dores crônicas, tendinites,

Tópicos em Ergonomia e Segurança do Trabalho - Volume 1


119

mau humor, estresse, isolamento social e leva a perda clientes, e redução do


incapacidade de raciocínio rápido, resultando faturamento ou estagnação. A segunda
em acidentes (GUÉRIN, 2001). opção possui duas vertentes: a) Contratação
de novo funcionário para trabalhar na
produção, de forma a agilizar o processo
5. RECOMENDAÇÕES
produtivo e reduzir a carga de trabalho do
Com este diagnóstico da atividade buscou-se, padeiro, o que já se sabe que possui
então, elaborar recomendações de melhorias limitantes; b) Contratação de funcionário que
para: 1. Buscar solução para as causas de fique responsável pela parte administrativa,
sobrecarga física (demanda) e 2. Amenizar os fazendo a contabilidade, lidando com
efeitos sofridos pelos trabalhadores no fornecedores, agendando e fazendo entregas,
desempenho da atividade. e programando a produção. Com alguém
responsável por essas funções, o padeiro
A primeira sugestão foi a automatização na
poderia organizar melhor seu tempo, inclusive
produção de alguns salgados, porém, ela foi
seu horário de descanso.
rejeitada, pois o padeiro informou que por
meio de pesquisa prévia o investimento é
elevado e a qualidade dos produtos, hoje 6. CONSIDERAÇÕES FINAIS
feitos manualmente, pode ser afetada; o que é
Nesse estudo foi realizada uma análise
incompatível com a missão da empresa de
ergonômica do trabalho, onde se procurou
primar pela qualidade e não pela quantidade
identificar os principais problemas
de produtos produzidos diariamente.
vivenciados em uma padaria de pequeno
Algumas causas identificadas afetam de porte, através de observações e entrevistas
forma secundária a demanda, como o layout e constatou-se a demanda de sobrecarga física
a temperatura do ambiente. O layout pode ser do padeiro como principal problema
melhorado, mas há limitação do espaço físico encontrado. Foram, então, identificadas as
da empresa. No entanto, existem planos da causas primárias e secundárias do problema
empresa de expansão do local de produção para por fim propor-se recomendações de
para o segundo andar do prédio, uma melhoria.
sugestão de arranjo deve ser elaborada para
A primeira sugestão apresentada foi sobre a
este fim, seguindo o fluxo e sequenciamento
mudança do layout, visando à expansão ou
da operação, buscando reduzir as distâncias
mesmo mudança para novas instalações, esta
percorridas e os desperdícios de
solução foi bem recebida e demanda a
movimentação (NUNES et al., 2012). Deve-se
realização de trabalhos futuros. O segundo
considerar, também, uma medida em relação
grupo de sugestões foi composto por ideias
aos fornos. Sugere-se que eles fiquem
referentes à contratação de profissional para
próximos e que seja fechada uma área de
trabalhar diretamente na produção, o que foi
forma que só a parte frontal dos mesmos seja
bem recebido e inclusive já implantado,
ligada ao ambiente da cozinha, deixando
trazendo redução da jornada de trabalho do
parte da estrutura do forno em um ambiente
padeiro e uma maior disposição do mesmo no
separado com um exaustor, assim a
decorrer do dia.
temperatura ambiente sofre menos influência
do calor, favorecendo o conforto térmico dos Vale ressaltar a necessidade de realização de
trabalhadores. trabalhos como esse, pois medidas simples
podem ter grande chance de sucesso, uma
No entanto, a causa primária do problema é a
vez que partem das causas reais dos
quantidade de tarefas sob responsabilidade
problemas e, assim, reduzem ou eliminam
do padeiro e sua extensa jornada de trabalho.
potenciais fontes de risco identificadas. Para
Duas recomendações podem ser propostas.
além do conforto e da segurança os
A primeira seria a redução da quantidade de
resultados podem inferir diretamente no
serviço, feita recusando entregas e até
desempenho produtivo, na qualidade dos
mesmo diminuindo as metas diárias de
produtos e consequentemente na melhoria do
produção, o que pode não ser vantajoso, pois
serviço ofertado.

Tópicos em Ergonomia e Segurança do Trabalho - Volume 1


120

REFERÊNCIAS [9] GUÉRIN, F.; LAVILLE, A.; DANIELLOU, F.;


DURAFFOURG, J.; KERGUELEN, A.
[1] ABIP – Associação Brasileira da Indústria de Compreender o trabalho para transformá-lo: a
Panificação e Confeitaria. Disponível em: prática da ergonomia. Tradução de Giliane M.
<http://www.abip.org.br/ > Acesso em 02 maio J. Ingratta e Marcos Maffei. São Paulo: Edgard
2015. Blücher, 2001.
[2] [10] MENDES, Sandra Soares e De MARTINO,
[3] ABRAHÃO, J.; SZNELWAR, L.; SILVINO, A.; Milva Maria Figueiredo. Trabalho em turnos:
SARMET, M.; PINHO,D. Introdução à estado geral de saúde relacionado ao sono em
ergonomia da prática à teoria. Sãp Paulo. trabalhadores de enfermagem. Revista Escola
Blucher, 2009. Enfermagem da USP. 2012; 46(6):1471-6.
[4] ANTUNES, Hanna Karen M.. Privação de Sono [11] NUNES, Andre Miranda Dourado, Mayara
e Exercício Físico. Revista Brasileira de Medeiros, and Francisco Kegenaldo Alves de
Medicina do Esporte vol.14 no.1 Niteróis Sousa. "PROPOSTA DE UM MODELO DE
Jan/Feb. 2008. ARRANJO FÍSICO: ESTUDO DE CASO NUMA
[5] BERTIN, B.; MENDES, F. Comércio de PANIFICADORA EM CAMPINA GRANDE-PB."
alimentos aspectos específicos de boas XXXII ENEGEP, Bento Gonçalves, 2012.
práticas por tipo de estabelecimento In: [12] PILCHER, JJ, HUFFCUTT, AI. Effects of sleep
BERTIN, B.; MENDES, F. Segurança de deprivation on performance: a meta-analysis.
alimentos no comércio: atacado e varejo. Rio Sleep. 1996; 19: 318-26.
de Janeiro: Senac Nacional, p 129-174, 2011. [13] ROETHS, T. Sleep-wake state and memory
[6] CARPINETTI, Luiz Cesar Ribeiro. Gestão da function. Sleep. 2000; 23: S64-8.
qualidade: conceitos e técnicas. São Paulo. [14] SIMÕES, Mariana Roberta Lopes; MARQUES,
Atlas, 2010. Flávia Cristina e ROCHA, Adelaide de Mattia.
[7] DA SILVA, Ana Cristina. MAPEAMENTO DE O trabalho em turnos alternados e seus efeitos
RISCOS EM UMA PADARIA. Monografia do no cotidiano do trabalhador no beneficiamento
Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em de grãos. Revista Latino-Americana de
Engenharia de Segurança do Trabalho. Enfermagem. 18(6):[07 telas]. Nov-dez 2010.
UNIVERSIDADE REGIONAL DO NOROESTE [15] SOARES, Cibele Siebra e ALMONDES, Katie
DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL. Santa Moraes de. "Sono e cognição: implicações da
Rosa, 2011. privação do sono para a percepção visual e
[8] IIDA, I. Ergonomia – Projeto e Produção. São visuoespacial." Psico 43.1 (2012).
Paulo. Blucher, 2005.

Tópicos em Ergonomia e Segurança do Trabalho - Volume 1


Capítulo 13
ANÁLISE DAS MEDIDAS DE CONTROLE DE RISCOS
QUÍMICOS - ESTUDO DE CASO EM UM LABORATÓRIO DE
ANÁLISE DE ÁGUA
Rosse Carla de Lima Diniz
Diogo Sergio Cesar de Vasconcelos
Maria do Socorro Marcia Lopes Souto
Helena Thâmara Aquino dos Santos
Denise Dantas Muniz

Resumo: Com a crescente poluição das fontes de obtenção de água em nosso


país, vê-se a cada dia uma maior necessidade de analisar e conhecer os agentes
que em contato com a água podem trazer danos à saúde da população, por isso
existem laboratórios de análises físico-químicas de água, que colhem amostras da
fonte a ser estudada e fazem uso de processos químicos para detectar agentes
nocivos à saúde humana, visando elaborar métodos de amenização desses
agentes e tornar a água própria ao consumo humano. Este trabalho tem como
objetivo analisar as medidas de controle adotadas para os riscos químicos
existentes em um laboratório de análise de água de uma instituição de ensino
superior localizada no estado da Paraíba. A investigação realizada para alcançar o
objetivo do presente estudo se apresenta em duas etapas: a pesquisa bibliográfica
e estudo de caso, sendo este composto três etapas: i) Levantamento das
atividades realizadas e dos produtos químicos utilizados; ii) Identificação dos
pontos de não conformidade; e iii) Proposição de medidas de controle mais
adequadas ou correção das já existentes. Concluiu-se neste trabalho que as
medidas de controle ali existentes são precárias e deficientes, na medida em que
foram identificados vários pontos não conformes à legislação pertinente a SST em
laboratórios. A falta de alguns equipamentos e condutas necessárias à proteção da
saúde e a segurança dos que desenvolvem os experimentos, bem como a falta de
treinamento quanto à utilização dos equipamentos de proteção coletiva e individual
e a má organização do espaço de trabalho, contribuem para a possibilidade de
ocorrência de acidentes e doenças ocasionadas por mau uso de substancias
nocivas ao ser humano.O laboratório de análise de água observado neste estudo
poderá ser alvo de diversos outros estudos sobre saúde e segurança do trabalho,
projetos que proporcionem a adequação do ambiente laboral às normas vigentes
devem ser elaborados, profissionais especializados em segurança do trabalho
devem ser contratados para garantir a implantação das medidas de controle e
garantir um ambiente salubre e melhores condições de vida aos trabalhadores.

Palavras-chave: Riscos químicos, medidas de controle, laboratório.

Tópicos em Ergonomia e Segurança do Trabalho - Volume 1


122

1. INTRODUÇÃO nocivos à saúde humana, visando elaborar


métodos de amenização desses agentes e
A necessidade da utilização da água em
tornar a água própria ao consumo humano.
diversos setores da economia, assim como,
para a sobrevivência do próprio homem gerou Esses laboratórios, no entanto, apresentam
o consumo desenfreado e sem preocupação muitos riscos ocupacionais, principalmente
com a quantidade de água doce, observando químicos, que colocam em risco a saúde e a
atualmente que este recurso embora integridade física dos profissionais que
renovável, necessita ser preservado, pois não realizam as análises físico-químicas. A
se renova na mesma proporção em que é Organização Internacional do Trabalho (OIT)
consumido e muitas vezes desperdiçado. O considera que, quase 2 em cada 3
crescimento populacional e econômico dos trabalhadores no mundo inteiro estão
países trouxe também consigo um acúmulo expostos à substâncias químicas, estimando-
de resíduos, que contribuem para a poluição se que 1,5 a 2 bilhões de pessoas tem sua
das fontes de abastecimento de água. saúde afetada.
Estima-se que 80% de todas as moléstias e Este trabalho tem como objetivo analisar as
mais de um terço dos óbitos dos países em medidas de controle adotadas para os riscos
desenvolvimento sejam causados pelo químicos existentes em um laboratório de
consumo de água contaminada, e, em média, análise de água de uma instituição de ensino
até um décimo do tempo produtivo de cada superior localizada no estado da Paraíba.
pessoa se perde devido a doenças
relacionadas à água. (MORAES; JORDÃO, p
376, 2002) 2. FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA
A diminuição da quantidade de água doce no 2.1 RISCOS QUÍMICOS
planeta e o aumento na demanda por esse
Os Riscos Químicos são substâncias,
recurso ocasionou a utilização da água das
compostos ou produtos que têm a
fontes poluídas trazendo diversas doenças e
capacidade de modificar a composição
inclusive a morte de pessoas que tem como
química do meio ambiente de trabalho e
única opção a utilização da água
podem ser absorvidos pelo organismo do
contaminada, sendo necessário o estudo das
trabalhador por ingestão, inalação ou contato
propriedades físico-químicas da água para
direto, sendo mais comuns as formas de
saber se existe a possibilidade da sua
absorção cutânea e respiratória. O organismo
utilização e consumo.
do trabalhador elimina rapidamente parte
Com a crescente poluição das fontes de desses riscos, porém outros podem se
obtenção de água em nosso país, vê-se a concentrar em determinados órgãos ou
cada dia uma maior necessidade de analisar tecidos, causando desde tonturas até câncer
e conhecer os agentes que em contato com a ou mutações genéticas.
água podem trazer danos à saúde da
Segundo Hathaway e Proctor (2004), os riscos
população, por isso, existem laboratórios de
químicos classificam-se como mostra a Figura
análises físico-químicas de água, que colhem
1.
amostras da fonte a ser estudada e fazem uso
de processos químicos para detectar agentes

Tópicos em Ergonomia e Segurança do Trabalho - Volume 1


123

Figura 1 – Classificação dos Riscos Químicos

Riscos Classificação
Todas as partículas que se encontram em suspensão no ar e que
podem ser nocivas à saúde. O tempo de permanência dos
Aerodispersóides aerodispsersóides no ar depende do tamanho, do peso específico e da
velocidade de movimentação do ar. Se dividem em névoas, neblinas,
poeiras, fumos metálicos e fibras

Gases Denominação dada às substâncias que, em condições normais de


temperatura e pressão (25C e 760mmHg), estão no estado gasoso

Vapores Fase gasosa de uma substância que, a 25C e 760mmHg é líquida ou


sólida
Fonte: Adaptado de Hathaway e Proctor (2004)

A presença de agentes químicos em um (BREVIGLIERO et al., 2006). O objetivo desta


ambiente de trabalho oferece um risco à etapa é adotar medidas que visem à
saúde das pessoas que ali estão eliminação ou minimização do risco presente
desenvolvendo suas atividades laborais. no ambiente. (SALIBA; CORREIA, 2000;
Porém, o simples fato de estarem expostos ao SALIBA et al., 2002).
risco não significa que, obrigatoriamente, irão
Segundo a Norma Regulamentadora n.º 9,
contrair as chamadas doenças ocupacionais.
Programa de Prevenção de Riscos
Para que isso ocorra é necessário que haja
Ambientais, as medidas de controle dos
uma inter-relação entre vários fatores: tempo
riscos devem ser inseridas na seguinte ordem
de exposição, concentração, toxicidade,
de prioridade:
forma em que o contaminante se apresenta e
susceptibilidade individual.  1º Medidas coletivas;
O controle desses agentes químicos deve ser  2º Medidas administrativas de
feito preferencialmente através de medidas de organização do trabalho;
engenharia, protegendo o ambiente de  3º Equipamentos de proteção
trabalho. De modo geral para todos os individual (EPI).
agentes, as medidas de controle devem ser
adotadas, priorizando a sua eficiência, isto é, De acordo com Brevigliero et al. (2006), o
em primeiro lugar as que se referem à fonte, estudo, desenvolvimento e implementação
seguidas das que se referem ao percurso e das medidas coletivas deverão obedecer à
finalmente as relativas aos trabalhadores seguinte hierarquia (Figura 2):

Figura 2 – Prioridade das medidas de controle

Fonte: Adaptado de BREVIGLIERO et al., 2006

Tópicos em Ergonomia e Segurança do Trabalho - Volume 1


124

As medidas de organização do trabalho são tempo de exposição, o local de trabalho, a


tomadas com o objetivo de diminuir a existência ou não de ventilação, as condições
exposição dos trabalhadores por meio de físicas do trabalhador, além da observância
diversas providências. Para o caso dos riscos da ficha de instruções de uso, higienização,
químicos são exemplos de medidas de armazenamento, sem dispensar a realização
controle organizacional a redução da jornada de treinamento.
de trabalho e/ou a utilização de pausas em
tarefas repetitivas.
2.2 SEGURANÇA EM LABORATÓRIOS
A Instrução Normativa 01/1994, do Ministério
do Trabalho e Emprego determina em seu Devido à grande quantidade de agentes
artigo primeiro, que o empregador deverá químicos manipulados em laboratórios, é
adotar um conjunto de medidas com a essencial que haja uma maior segurança
finalidade de adequar a utilização dos nesse tipo de ambiente, evitando que
equipamentos de proteção respiratória - EPR, acidentes de trabalho ocorram
quando necessário para complementar as posteriormente. Os riscos no trabalho em
medidas de proteção coletiva implementadas, laboratórios podem ter diferentes fontes,
ou enquanto as mesmas estiverem sendo como os produtos químicos e biológicos, as
implantadas, com a finalidade de garantir uma ferramentas que equipamentos utilizados, que
completa proteção ao trabalhador contra os podem gerar riscos como, por exemplo,
riscos existentes nos ambientes de trabalho. temperaturas elevadas, entre outros. Assim, a
partir dos motivos supracitados, sabe-se da
A insuficiência das medidas de proteção
importância da existência de melhores
organizacionais e coletivas adotadas no
condições de trabalho, objetivando a
ambiente de trabalho é que determinam a
minimização de riscos.
utilização dos equipamentos de proteção
individuais, que visam proporcionar o controle A NR-9 estabelece a obrigatoriedade da
adequado ao risco oferecido pela atividade elaboração e implementação, por parte de
executada, assim como, melhores condições todos os empregadores e instituições que
de saúde e segurança para o trabalhador, admitam trabalhadores como empregados, do
que são responsabilidades impostas ao Programa de Prevenção de Riscos Ambientais
empregador e devem ser realizadas - PPRA, visando à preservação da saúde e da
juntamente com uma equipe multidisciplinar a integridade dos trabalhadores, através da
fim de transformar o ambiente em um lugar antecipação, reconhecimento, avaliação e
saudável. consequente controle da ocorrência de riscos
ambientais existentes ou que venham a existir
Segundo a FUNDACENTRO (2002), o Plano
no ambiente de trabalho, tendo em
de Proteção Respiratória - PPR deverá ser
consideração a proteção do meio ambiente e
executado no controle das doenças
dos recursos naturais.
ocupacionais provocados pela inalação de ar
contaminado com, por exemplo, poeiras, A segurança em laboratórios abrange
fumos, névoas, gases e vapores, com o diversas fases, partido desde a avaliação,
objetivo de minimizar a contaminação no passando pela prevenção, até o tratamento
ambiente de trabalho, após a tentativa de dos riscos. De acordo com a NBR 14785 -
conter o risco através das medidas Laboratório Clínico - Requisitos de segurança,
organizacionais. Os respiradores a serem ABNT (2001), o laboratório clínico deve ter um
adotados deverão seguir as recomendações manual ou procedimento de segurança para
da Fundação Jorge Duprat Figueiredo de avaliação, prevenção e tratamento dos riscos
Segurança e Medicina do Trabalho - existentes no mesmo. Este procedimento
FUNDACENTRO contidas na publicação deve ser regularmente revisto e atualizado
intitulada "Programa de Proteção Respiratória pelo coordenador ou supervisor das equipes
- Recomendações, Seleção e Uso de de segurança, devendo estar disponível e
Respiradores”. acessível aos usuários. A Figura 3 mostra
quais os itens necessários para a elaboração
A escolha dos respiradores deverá observar a
do manual.
substância a qual o trabalhador se expõe, o

Tópicos em Ergonomia e Segurança do Trabalho - Volume 1


125

Figura 3 – Itens procedimento de segurança para avaliação, prevenção e tratamento dos riscos

Fonte: Adaptado da NBR 14785 - Laboratório Clínico - Requisitos de segurança, ABNT (2001)

Segundo Barros et al. (2003), a prevenção de relacionadas a equipamentos e outras de


acidentes exige a atenção e colaboração dos ordem pessoal e geral devem ser adotadas.
envolvidos em todas as etapas do trabalho. Logo, é válido mencionar algumas dessas
Para que o ambiente e o trabalho sejam regras de segurança, explanadas na Figura 4.
seguros algumas recomendações

Figura 4 – Regras básicas de segurança em laboratórios

Fonte: Adaptado de Barros et al. (2003)

Todos os tipos de riscos estão presentes em prevenir, o mais rápido possível, qualquer
um laboratório e alguns deles dependem inadequação nas atividades e o registro das
muito da estrutura do laboratório. Outros já demais atividades do laboratório, como o
envolvem a relação com reagentes e treinamento de pessoal, acidentes e
equipamentos laboratoriais e podem ser incidentes ocorridos e outros. Por fim, o
avaliados para verificação de sua importância laboratório deve seguir exigências de
na garantia da segurança (FERNANDES, arquitetura e estrutura física e meio ambiente,
2015). de forma a mitigar e minimizar os riscos que
Além das regras vistas na Figura 4, é ideal possivelmente existam no ambiente.
que se realize também, auditorias internas no Logo, é sabido que a implementação de
programa de segurança com o intuito de treinamentos, a utilização correta dos
verificar se as atividades estão em equipamentos e cuidados nas atividades
conformidade ou em não-conformidade. desenvolvidas em laboratório, tem como
Deve-se ainda, fazer o registro de todas as garantia a melhor qualidade do trabalho.
auditorias com o objetivo de se corrigir ou

Tópicos em Ergonomia e Segurança do Trabalho - Volume 1


126

3. MATERIAIS E MÉTODOS O instrumento de coleta de dados é composto


pelos seguintes itens:
A investigação realizada para alcançar o
objetivo do presente estudo se apresenta em
duas etapas: a pesquisa bibliográfica, tendo
por base a literatura existente sobre o tema e  Instalações, Equipamentos de
normas de segurança e saúde ocupacional, e Proteção Coletiva (bancadas,
estudo de caso em um laboratório de análise armários, lava olhos, chuveiros de
de água. emergência, exaustores,
iluminação/ventilação, piso, mapa de
O estudo de caso foi composto por três riscos);
etapas: i) Levantamento das atividades  Proteção Contra Incêndio (saídas de
realizadas e dos produtos químicos utilizados; emergência, extintores de incêndio,
ii) Identificação dos pontos de não iluminação/sinalização de
conformidade; e iii) Proposição de medidas emergência);
de controle mais adequadas ou correção das  Funcionários (equipamentos de
já existentes. proteção individual, treinamentos e
Com o intuito de melhor conhecer as exames médicos);
atividades realizadas pelo laboratório objeto  Equipamentos do Laboratório
de estudo, na primeira etapa deste estudo (condições de conservação e de
foram identificadas as principais análises funcionamento; mobília, sinalização,
físico-químicas realizadas, bem quais os instruções de utilização);
produtos químicos utilizados.  Estocagem de Material
(armazenagem, conservação e
As caracterizações físico-químicas da água e descarte de resíduos).
de soluções aquosas têm como objetivo
identificar e quantificar os elementos e A terceira e última etapa do estudo de caso
espécies iônicas presentes nesses compostos visa propor medidas de controle mais
e associar os efeitos de suas propriedades às adequadas ou corrigir as já existentes. Para
questões ambientais, permitindo a tanto, as medidas de controle existentes e
compreensão dos processos naturais ou identificadas no item anterior foram divididas
alterações no meio ambiente. O conhecimento nas seguintes categorias: i) Medidas de
das propriedades físicas e químicas de Controle Coletivas; ii) Medidas de Controle
átomos e moléculas, e de suas interações, Organizacionais; e iii) Medidas de Controle
permitem responder a questões como, quais Individuais.
e em que níveis eles podem ser adversos aos
ecossistemas e à saúde humana. Os teores Nesta etapa foi feita a comparação entre a
determinados nas amostras analisadas são situação das medidas de controle existentes
comparados aos padrões conhecidos, os no ambiente estudado com aquelas tidas
quais são especificados em portarias e como corretas e adequadas de acordo com a
resoluções legais, que dão subsídios aos literatura e legislação pertinente. O objetivo
laboratórios na expedição de seus laudos. desta comparação foi propor medidas
Para que essas determinações sejam complementares àquelas já adotadas, bem
realizadas, há uma série de técnicas como corrigir as que se apresentem de forma
analíticas que são capazes de identificar os inadequada, como forma de proteger a saúde
componentes presentes em determinada e a integridade física dos trabalhadores.
amostra e quantificar suas concentrações
com grande sensibilidade (PARRON et al,
2011). 4. APRESENTAÇÃO E ANÁLISE DOS
RESULTADOS
Na segunda etapa da pesquisa, utilizou-se um
4.1 LEVANTAMENTO DAS ATIVIDADES
check-list para identificar as não-
REALIZADAS E DOS PRODUTOS QUÍMICOS
conformidades das medidas de controle
UTILIZADOS
existentes no laboratório. O instrumento de
pesquisa utilizado trata-se de uma adaptação O laboratório em questão faz o estudo das
do “Check-list de Laboratórios de Química" de condições físico-químicas das fontes de água
Marangon (AREASEG, 2015), disponível na (Figura 5), utilizando mais de 140 substâncias
internet. químicas para sua realização.

Tópicos em Ergonomia e Segurança do Trabalho - Volume 1


127

Figura 5 – Principais análises físico químicas realizadas

Fonte: Informações obtidas durante a pesquisa

A Figura 6 apresenta algumas substâncias químicas utilizadas no processo de análise da água.

Figura 6 - Substâncias químicas utilizadas na análise da água

Fonte: Adaptado de Diniz (2016)

Tópicos em Ergonomia e Segurança do Trabalho - Volume 1


128

Dado o grande número de substâncias evacuação do local, discordando do item 23.2


químicas utilizadas nas análises físico- da norma supracitada.
químicas da água, não foi objetivo deste
O laboratório não apresenta também, kit
estudo quantificar a concentração destes
primeiros socorros para atendimento
agentes no ambiente de trabalho, visto ainda
emergencial em caso de acidente, como
que alguns desses agentes não são
determina a NR 7 em seu item 7.5.1.
frequentemente utilizados e/ou não são
Observou-se ainda, que o ambiente em
utilizados em grandes quantidades.
estudo contém bancos ergonomicamente
Porém, apesar da não realização de incorretos, além do pequeno escritório
avaliações quantitativas das exposições, também apresentar estrutura ergonômica
sabe-se que, de acordo com literatura incorreta, em desacordo a NR 17, item 17.5.1.
específica, muitas das substâncias químicas
Nas Medidas de Controle Organizacionais,
utilizadas penetram ou são absorvidas pelo
notou-se inicialmente a ausência de planos de
organismo humano, podendo causar assim
ações emergenciais: evacuação, primeiros
doenças ocupacionais. Ressalta-se assim que
socorros como descreve a NR 23, item 23.1.1.
o objetivo deste trabalho é verificar a
Foi constatado também, que os produtos
adequação das medidas de controle para os
químicos necessários à realização das
riscos químicos existentes no laboratório
análises não possuem FISPQ – Ficha de
objeto de estudo, propondo melhorias se
Informação de Segurança de Produtos
necessário.
Químicos, determinado na NR 26 em seu item
26.2.3.4.
4.2 IDENTIFICAÇÃO DOS PONTOS DE NÃO Não são realizados exames periódicos de
CONFORMIDADE saúde dos funcionários que se expõem
durante oito horas diárias a substancias
Através da análise do laboratório, verificou-se
nocivas a saúde humana, e o PCMSO, se
pontos de não conformidade com as normas
existe na instituição, não é aplicado, como
estabelecidas no que se diz respeito à
determina a NR 7, no item 7.2.4. Contatou-se
Medidas de Proteção Coletiva, Medidas de
ainda, a desorganização do ambiente, onde
Controle Organizacional e Medidas de
os aparelhos e vidros contendo substâncias
Proteção Individual.
químicas utilizadas nas análises se encontram
Em relação às Medidas de Proteção Coletiva, espalhados nas bancadas, não havendo um
observou-se a inexistência da tampa de vidro armazenamento adequado, como determina a
na capela utilizada, permitindo assim, que o NR 17, item 17.1.1.
vapor da mistura das substâncias químicas
Por fim, foram observados os pontos não
circule no ambiente, uma vez que este não
conformes relacionados com as Medidas de
possui ventiladores para ajudar na
Proteção Individual. A instituição não oferece
propagação dos gases, nem janelas por onde
treinamentos aos funcionários e alunos que
esses gases possam ser eliminados,
utilizam os laboratórios sobre o uso de EPI,
discordando do que sugere a NBR 14785-
como sugere a NR 6, item 6.6.1. Foi
Laboratório Clínico - Requisitos de segurança,
verificado, também, a existência de apenas
ABNT (2001). O ambiente apresenta ainda,
uma máscara contra gases que está com
pontos não conforme, de acordo com a NR
certificado de aprovação vencido, assim
23. Os extintores presentes não se encontram
como os óculos de segurança utilizado no
instalados e sinalizados como estabelece o
laboratório, estando em desacordo com o
item 23.1.1., além do ambiente apresentar
determinado pela NR 6, item 6.2.
apenas uma saída utilizada como entrada e
saída do ambiente, e esta possuir abertura A síntese da identificação dos pontos não
para dentro do laboratório, dificultando a conforme de acordo com as normas pode ser
visualizada na Figura 7.

Tópicos em Ergonomia e Segurança do Trabalho - Volume 1


129

Figura 7 - Identificação dos pontos de não conformidade

Fonte: Adaptado de Diniz (2016)

4.3 SUGESTÕES DE MELHORIA minimamente a legislação vigente. Sugere-se


a seguir medidas de controle (coletivas,
Visando a promoção da melhoria na
organizacionais e individuais) para o
qualidade de vida dos funcionários alunos e
laboratório estudado.
professores que utilizam o espaço estudado,
No laboratório de análise de água, assim
a instituição de ensino superior a qual
como nos demais existentes no campus,
pertence o laboratório de pesquisa deve
existe a necessidade da implantação e
estabelecer medidas com o objetivo de
manutenção de um sistema de exaustão e
oferecer melhores condições de trabalho
ventilação para uma melhor diluição de gases
naquele ambiente laboral, obedecendo
e vapores, de maneira que diminua a

Tópicos em Ergonomia e Segurança do Trabalho - Volume 1


130

concentração das substancias e possibilidade de explosão naquele ambiente.

Figura 83 – Sistema de exaustão/ventilação em um laboratório

Fonte: http://migre.me/soFZt

Outro aspecto importante diz respeito à que os professores, funcionários e alunos


implantação da sinalização de orientação e fiquem cientes dos tipos de riscos a que
emergência para que as pessoas que utilizam estarão expostos.
o espaço possam se orientar em caso de Faz-se necessária a existência de uma caixa
acidente e até mesmo na utilização diária, de primeiros socorros que esteja sempre
como está descrito na NR 26, no item 26.1.1. abastecida com materiais básicos, para ser
Devem ser adotadas cores para segurança utilizada em caso de acidente.
em estabelecimentos ou locais de trabalho, a Instalação de chuveiro de emergência e lava-
fim de indicar e advertir acerca dos riscos olhos em cada laboratório para utilização
existentes. Recomenda-se a modificação da imediata em caso de contato com alguma
abertura da porta de acesso para fácil e substancia nociva à saúde do trabalhador
rápida evacuação, o ideal é que as portas A manutenção periódica dos equipamentos
sejam abertas para fora do local e não utilizados nas analises ali realizadas, como é
possuam trancas que as impeçam de serem o caso da capela que deve possuir vidro para
abertas rapidamente, além disso, devem ser proteção adequada do trabalhador,
bem sinalizadas. iluminação, sistema de exaustão e trava para
Elaborar o mapa de riscos do laboratório e que a janela de vidro não seja aberta durante
coloca-lo em local visível, de preferência na o procedimento (Figura 9).
entrada daquele ambiente laboral, de modo

Tópicos em Ergonomia e Segurança do Trabalho - Volume 1


131

Figura 9 – Capela com vidro de proteção

Fonte: Arquivo pessoal

Recomenda-se a elaboração de planos estudo detalhado e extremamente necessário


emergenciais e treinamentos a respeito de das condições da água doce encontrada nas
primeiros socorros, prevenção e combate a fontes da região para sua utilização segura,
incêndio e explosões, além de treinamento sem proporcionar danos à saúde dos seres
relativo ao manuseio, conservação, vivos que a consomem e prejuízo às
armazenamento e descarte dos produtos indústrias que fazem uso desse bem
químicos usados nos experimentos. renovável para fabricação de sua matéria-
Quanto aos produtos químicos, estes devem prima, é indispensável.
ser armazenados em local apropriado, Por outro lado, esses laboratórios expõem
constituído de material resistente ao possível seus trabalhadores a diversos riscos
derramamento das substancias ali guardadas anteriormente descritos neste estudo, riscos
e acompanhadas das suas respectivas esses que afetam a saúde e segurança dos
FISPQ. É da maior importância que mesmos, podendo ocorrer danos irreparáveis
funcionários e alunos recebam treinamentos a essas pessoas inclusive a morte. O estudo
relativos ao manuseio, conservação, desse ambiente identificou uma variedade de
armazenamento e descarte de produtos riscos contidos no processo de trabalho,
químicos usados nos experimentos, além da estando os trabalhadores expostos aos riscos
utilização das FISPQs (que devem estar sobre químicos, físicos, ergonômicos, biológicos e
as bancadas) e dos Equipamentos de mecânicos e demonstrou a falta de alguns
proteção individual-EPI. equipamentos e condutas necessárias à
Recomenda-se que os EPIs sejam guardados proteção da saúde e a segurança dos que
em local livre de contaminação e desenvolvem os experimentos. Um fator que
disponibilizados a todos, de acordo com os agrava essa situação é a falta de treinamento
riscos das substancias utilizadas com maior quanto à utilização dos equipamentos de
frequência e de maior potencial nocivo à proteção coletiva e individual e da
saúde dos que manuseiam esses produtos. organização do espaço de trabalho,
contribuindo para a possibilidade de
5. CONSIDERAÇÕES FINAIS ocorrência de acidentes e doenças
ocasionadas por mau uso de substancias
A partir da necessidade cada vez maior da
nocivas ao ser humano. Em síntese, pode-se
utilização de água para atender a demanda
concluir que as medidas de controle ali
do consumo em um país onde a maior parte
existentes são precárias e deficientes, na
sociedade não está preocupada com a
medida em que foram identificados vários
poluição, nem com a escassez de um
pontos não conformes à legislação pertinente
elemento tão necessário a vida, a utilização
a SST em laboratórios.
de laboratórios que tem como objetivo fazer o

Tópicos em Ergonomia e Segurança do Trabalho - Volume 1


132

O laboratório de análise de água observado presença de profissionais especializados em


neste estudo poderá ser alvo de diversos segurança do trabalho, que sejam
outros estudos sobre saúde e segurança do responsáveis pela implementação das
trabalho, pois podem ser estudados mais medidas sugeridas, para garantir a eficácia
detalhadamente os riscos, seus efeitos e a das medidas de controle através de avaliação
adoção de medidas para saná-los. Assim qualitativa/ quantitativa das substâncias
como, a elaboração de projetos que presentes no ambiente para garantir um
proporcionem a adequação do ambiente ambiente salubre e melhores condições de
laboral às normas vigentes, incluindo a vida aos trabalhadores.

REFERÊNCIAS [8] HATHAWAY, G.J.; PROCTOR, N.H.


Chemical hazards of the workplace. 5ªed. Malden:
[1] AREASEG - SITE DE SEGURANÇA DO Wiley-Interscience, 2004.
TRABALHO. Checklist de Laboratórios de Quimica
/ Carlos Marangon - Fev/2003. Disponível em: [9] MORAES, DS de L; JORDÃO, BQ.
http://www.areaseg.com/checklist/laboratorios.html Degradação de recursos hídricos e seus efeitos
. Acessado em 15/05/2015. sobre a saúde humana. Rev.Saúde Púlica2002; p
370 - 373. www.fsp.usp.br/rsp
[2] ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS
TÉCNICAS (ABNT). NBR 14785 Laboratório Clínico [10] NR – 06 – EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO
- Requisitos de Segurança, 2001. INDIVIDUAL, 2015.
[3] BARROS, I. C. et al. Recomendações [11] NR – 07 – Programa de Controle Médico
referentes a segurança nos laboratórios da de Saúde Ocupacional – PCMSO, 2013.
Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia.
[12] NR – 09 – PROGRAMA DE PREVENÇÃO
Brasília: EMBRAPA, 2003.
DE RISCOS AMBIENTAIS, 2014.
[4] BREVIGLIERO, E.; POSSEBON, J.;
SPINELLI, R. Higiene Ocupacional: Agentes
Biológicos, Químicos E Físicos. 6ªed. São Paulo: [13] NR – 15 – ATIVIDADES E OPERAÇÕES
Editora SENAC, 2006. INSALUBRES. 2014.
[5] DINIZ, R. C. L. Medidas de Controle dos [14] NR – 17 – ERGONOMIA. 2007.
Riscos Químicos em um Laboratório de Análise de
[15] NR – 23 – PROTEÇÃO CONTRA
Água. 2016. Trabalho de Conclusão de Curso
INCÊNDIOS, 2011.
(Curso de Tecnólogo em Segurança do Trabalho) -
Instituto Federal de Educação, Ciência e [16] ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS
Tecnologia da Paraíba, Patos. 2016. (ONU). A ONU e a população mundial. Disponível
em: http://nacoesunidas.org.br. Acesso em: 30 mar
[6] FERNANDES, A. C. G. et al. Segurança no
2015.
laboratório de química. Revista Gestão em
Foco. União das Instituições de Serviços, Ensino e [17] PARRON, L.M.; MUNIZ, D.H.F.; PEREIRA,
Pesquisa. São Paulo, 2015. Disponível em: C.M.. Manual de procedimentos de amostragem e
http://unifia.edu.br/revista_eletronica/revistas/gesta análise físico-química de água. Colombo: Embrapa
o_foco/artigos/ano2015/seguranca_labquimica.pdf. Florestas, 2011.
Acesso em 24 de abril de 2016.
[18] SALIBA, T.M.; CORRÊA, M.A.C.
[7] FUNDAÇÃO JORGE DUPRAT Insalubridade e periculosidade: aspectos técnicos
FIGUEIREDO DE MEDICINA E SEGURANÇA DO e práticos. 5ªed atualizada. São Paulo: Editora LTR,
TRABALHO (FUNDACENTRO). Programa de 2000.
Proteção Respiratória, seleção e uso de
respiradores. São Paulo: FUNDACENTRO, 2002. [19] SALIBA, T.M.; CORRÊA, M.A.C.; AMARAL,
L.S. Higiene do trabalho e programa de prevenção
de riscos ambientais. 3ªed. São Paulo: Editora LTR,
2002.

Tópicos em Ergonomia e Segurança do Trabalho - Volume 1


Capítulo 14
ANÁLISE DE PERIGOS E RISCOS NA MANUTENÇÃO
ELÉTRICA NO RAMO SUCROALCOOLEIRO

Hebert Roberto da Silva

Resumo: Em um ambiente de trabalho dinâmico e potencialmente crítico, como o


do ramo Sucroalcooleiro, a manutenção elétrica é um fator decisivo para garantir a
máxima confiabilidade e manter a regularidade do maquinário, equipamentos
conforme as normas regulamentadoras de segurança. Diante ao caráter dos
processos produtivos empregados nas indústrias sucroalcooleiras a influência
exercida pelos fatores de riscos nos ambientes de trabalho desse ramo estreita as
relações entre segurança e a manutenção elétrica numa planta de uma usina, de
pequeno ou grande porte. Devem ser propostas medidas práticas e estratégicas,
com o objetivo de reduzir todos e quaisquer riscos e perigos, como falhas que
podem surgir ao longo do tempo, prejudicando o estado normal dos instrumentos e
a segurança dos operadores. O objetivo deste trabalho é discutir e apresentar os
fatores de riscos a que é submetido um eletricista em uma planta de produção de
etanol, alertando para a duplicidade de condições perigosas previstas nos Anexo
N.º 2 da NR-16 que trata de atividades e operações perigosas por inflamáveis e o
Anexo N.º 4 da NR-16 que trata da Periculosidade por Eletricidade.

Palavras-chave: Manutenção Elétrica, Segurança, Riscos e Perigos, Ramo


Sucroalcooleiro

Tópicos em Ergonomia e Segurança do Trabalho - Volume 1


134

1. INTRODUÇÃO tempo, prejudicando o estado normal dos


instrumentos e a segurança dos operadores.
Em um ambiente de trabalho extremamente
Em seguida implementar recomendações e
dinâmico e potencialmente crítico, como o do
treinamentos que possam prevenir e evitar
ramo Sucroalcooleiro, a manutenção elétrica é
acidentes pertinentes ao serviço prestado na
um fator decisivo e imprescindível para
manutenção de máquinas,processos e
garantir a máxima confiabilidade e manter a
equipamentos elétricos. Cumprindo o dever
regularidade do maquinário, equipamentos
de prever qualquer situação perigosa que
conforme as normas regulamentadoras de
possa resultar num eventual incidente, de
segurança. Outra finalidade é garantir que
acordo com as normativas regulamentadoras
estes cumpram a função de atender aos
específicas.
requisitos de produção e operação de forma
segura. O objetivo deste trabalho é discutir e
apresentar os fatores de riscos a que é
Segundo a Associação Brasileira de Normas
submetido um eletricista em uma planta de
Técnicas (1994), manutenção é: “[...]
produção de etanol, alertando para a
combinação de todas as ações técnicas
duplicidade de condições Perigosas previstas
destinadas a manter ou recolocar um item em
nos Anexo N.º 2 da NR-16 que trata de
um estado no qual possa desempenhar uma
atividades e operações perigosas por
função requerida”.
inflamáveis e o Anexo N.º 4 da NR-16 que
A manutenção elétrica nas indústrias trata da Periculosidade por Eletricidade.
sucroáeiras compreende mais do que
somente garantir o bom funcionamento dos
equipamentos. É responsável comumente 2. MANUTENÇÃO ELÉTRICA INDUSTRIAL
pela segurança dos trabalhadores, garantindo
Segundo Araujo e Câmara (2010), existem
as boas condições dos ativos industriais.
três formas de atuação da manutenção
No setor sucroalcooleiro atualmente tem-se elétrica numa indústria:
uma grande vantagem econômica no
emprego da co-geração que consiste na  Centralizada: A manutenção é
produção de energia elétrica a partir da centralizada em torno de uma equipe;
queima do bagaço de cana, que produz  Descentralizada: Age contrariamente
vapor de alta pressão e alta temperatura para à centralizada, sendo que a principal
alimentar turbo - geradores. Parte desse vantagem é a cooperação entre
vapor pode ser extraída a uma pressão operação e manutenção, de modo
menor, para acionamento das moendas e que exista espírito de equipe;
outros equipamentos (PALLETA, 2004). Os  Mista: Combina as formas
sistemas mais comuns empregam turbinas de centralizadas e descentralizadas,
contrapressão, nas quais a geração de sendo aplicada em plantas grandes
energia elétrica segue as variações da ou muito grandes, proporcionando as
demanda de vapor de processo (COELHO, vantagens da manutenção
1998). centralizada e descentralizada.

Diante ao caráter dos processos produtivos


empregados nas indústrias sucroalcooleiras 2.1. ESTRUTURAS DE MANUTENÇÃO
demanda-se do empregador manter dentro A estrutura organizacional da manutenção
da indústria além do layout, as máquinas e pode variar e se apresentar de três maneiras
equipamentos dentro de padrões pré- numa usina:
estabelecidos, de modo a garantir a saúde e
a segurança dos trabalhadores. A influência  Em linha direta, em uma estrutura
exercida pelos fatores de riscos nos convencional;
ambientes de trabalho desse ramo estreita as  Em estrutura matricial;
relações entre segurança e a manutenção  Em estrutura mista, a partir da
elétrica numa planta de uma usina, de formação de times.
pequeno ou grande porte.
Deste modo, devem ser propostas medidas
práticas e estratégicas, com o objetivo de
reduzir todos e quaisquer riscos e perigos,
comofalhas que podem surgir ao longo do

Tópicos em Ergonomia e Segurança do Trabalho - Volume 1


135

2.2. SISTEMAS DE CONTROLE mão-de-obra, alimentação de sistemas


especialistas e priorização adequada dos
Um sistema de controle da manutenção é
trabalhos (ARAUJO; CÂMARA, 2010).
necessário para sincronizar todos os
processos que interagem na manutenção. Ele
permitirá, entre outras coisas, identificar
3. COGERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA
claramente os serviços que serão executados,
quando serão realizados, quais recursos A aplicação da cogeração é convencionada
serão necessários para a execução, quanto de duas formas, em função da sequência
tempo será gasto em cada atividade, qual relativa da geração de energia
será o custo de cada serviço, quais materiais eletromecânica para a térmica: geração
serão aplicados e quais máquinas, anterior de energia eletromecânica (topping) e
dispositivos e ferramentas serão necessárias, geração posterior de energia eletromecânica
possibilitando o nivelamento de recursos, (bottoming) (Figura 1).

Figura 1 – Faixa típica de temperatura dos sistemas de cogeração

Fonte: COGEM Europe (2001)

De acordo com Carvalho et al (2004) é 4. PRECAUÇÕES COM RELAÇÃO À


habitual na faixa entre 120 e 200°C, ELETRICIDADE
temperatura comum para os processos de
Assim como os trabalhos com soldagem, o
cozimento, secagem e evaporação. Já a
manutentor eletricista deve ser uma pessoa
geração de energia elétrica trabalha em níveis
qualificada para exercer sua função. A Norma
mais elevados de temperatura, entre 400 e
Regulamentadora nº 10 (Segurança em
950°C.
Instalações e Serviços em Eletricidade) do
Esse processo evidencia as condições de Ministério do Trabalho e Emprego estabelece
trabalho a que o mantenedor estará exposto os requisitos e condições mínimas que devem
durante uma eventual manutenção no meio ser atendidas para garantir a saúde e
laboral. A temperatura excessiva e a segurança dos empregados que, direta ou
possibilidade de vapores e um risco de indiretamente, interajam com instalações e
descarga elétrica é um grande fator de risco. serviços com eletricidade.
Na área de cogeração de energia elétrica o Como forma de proteção individual contra
eletricista pode fazer manutenção na descargas elétricas e queimaduras por arcos
iluminação interna e externa, assim como na elétricos existe hoje uniforme (blusas, calças e
rede elétrica dos equipamentos e circuitos luvas) com proteção retardante a chama,
que alimentam o processo de geração de além de luvas, óculos de proteção e
energia. balaclavas (tipo gorro isolante, que protege a
face). Estes devem ser especificados para
cada tipo de trabalho, verificando mobilidade
e proteção contra as diversas tensões e

Tópicos em Ergonomia e Segurança do Trabalho - Volume 1


136

correntes elétricas em que estiverem  Melhorar o acesso a informação sobre


expostos. higiene e segurança no trabalho;
O atendimento à legislação vigente quanto às  Participação dos trabalhadores em
características de construção e proteção dos programas de higiene e segurança no
equipamentos, aliados à utilização dos trabalho;
Equipamentos de Proteção (Coletivos e/ou
Individuais), e ainda no seguimento de  Implantação efetiva de um Programa
procedimentos rigorosos na execução dos de Prevenção de Riscos Ambientais
trabalhos com eletricidade, são fatores (PPRA).
determinantes para que os riscos estejam
controlados e os acidentes de trabalho sejam Também é necessário acompanhamento
eliminados. médico periódico do trabalhador, conforme
PCMSO (Serviços Especializados em
Engenharia de Segurança e em Medicina do
5. PRECAUÇÕES EM AMBIENTES Trabalho) da Norma Regulamentadora 4 do
INFLAMÁVEIS Ministério do Trabalho e Emprego.
Medidas de controle podem ser tomadas para
neutralizar ou minimizar os riscos dos 6. MANUTENÇÃO ELÉTRICA NO SETOR
trabalhos de manutenção em ambientes SUCROALCOOLEIRO
inflamáveis. Como forma de proteção coletiva
tem-se a ventilação e exaustão de interiores Assim como em outros setores industriais, no
que, segundo Gomes e Ruppenthal (2002, ramo sucroalcooleiro requerem-se medidas
p.4) garantem a segurança durante a de segurança e manutenção que influem na
operação num local com essas qualidade e produtividade desse ambiente
especificações. tecnológico de produção.

Podem-se controlar os riscos com utilização Ao passo que novas tecnologias surgem,
de Equipamentos de Proteção Individual novosparâmetros são solicitados ao setor de
(EPI). Para proteção respiratória, podem ser manutenção, os quais necessitam de
utilizadas (além da ventilação citada) ferramentas inovadoras e também técnicas de
máscaras especiais de proteção. Para planejamento e gerenciamento da produção.
proteção contra radiações e temperaturas Sendo assim, Viana (2002) nos diz que
elevadas, devem ser utilizados óculos e manutenção pode ser dividida em subáreas
máscaras de proteção (para evitar danos aos como indicadas abaixo:
olhos e face), além de avental e luvas (de  Manutenção Corretiva;
couro, para evitar a incidência da radiação e
 Manutenção Preventiva;
proteção contra choque elétrico).
 Manutenção Preditiva;
Ficam evidenciadas, então, verificações  TPM(Manutenção Produtiva Total).
imprescindíveis para garantir a segurança e a
saúde do mantenedor nessas condições do A abordagem de cada subárea de
espaço laboral: manutenção cumpre os requisitos de
confiabilidade, uma vez que
 Limpeza, sinalização e organização;
compreendemmedições, análises, adoção de
 Local adequado para materiais, procedimentos, monitoramentos que influem
equipamentos e rejeitos; na efetividade das práticas corretivas,
preventivas, preditivas e produtivas em geral.
 Revisão e manutenção dos
equipamentos e instalações; O universo industrial que engloba as usinas
 Organização de emergência, como sucroalcooleiras adota técnicas de
primeiros socorros e proteção contra manutenção em diversos níveis, expondo os
incêndios; seus funcionários constantemente a
ambientes de alto risco que possuem
 Proteção coletiva através de significância relevante à saúde e à segurança.
ventilação geral;
Nesse contexto, a manutenção elétrica
 Proteção individual com a utilização acrescenta fatores de risco e atividades em
dos EPI (Equipamentos de proteção condições de periculosidade com energia
individual); elétrica conforme os quadros de operações

Tópicos em Ergonomia e Segurança do Trabalho - Volume 1


137

que tratam do nível de perigo no Sistema 6.1. MANUTENÇÃO ELÉTRICA DA PLANTA


Elétrico de Potência, pois os geradores SUCROALCOOLEIRA
produzem a energia elétrica consumida
O profissional que desenvolve operações
nasusinas nas safras na central de operação
nesse setor entra em contato com espaços de
termoelétrica.
variados níveis de exposição à
O operador do processo, no ato da periculosidade. A manutenção elétrica
manutenção, atua exposto a situações e inerente aos locais previstos pelo arranjo
ambientes que o inserem num patamar de físico da planta é repleta de fases que ora
riscos singulares, podendo lidar com apresentam baixo grau de riscos, ora pontos
montagem, instalação, substituição, com extrema necessidade de cuidados,
manutenção e reparos de: barramentos, treinamento, advertências, monitoramento
transformadores, disjuntores, chaves e e/ou sistemas de prevejam qualquer acidente
seccionadoras, condensadores, chaves a ocasional por falha humana ou do
óleo, transformadores para instrumentos, equipamento.
cabos subterrâneos e subaquáticos, painéis,
circuitos elétricos, contatos, muflas e
isoladores e demais componentes de redes 6.1.1. PLANTA INDUSTRIAL
subterrâneas.
Ao longo das diretrizes estimadas dada a
planta industrial do complexo sucroalcooleiro
o eletricista ou técnico em manutenção
desempenha funções que abrangem, por
exemplo, a manutenção da iluminação nos
super postes trocando os reatores e
lâmpadas (Figura 2). Apesar de ser uma
atividade em altura, com risco de queda, tais
procedimentos não se enquadram em uma
atividade periculosa ou insalubre.
Figura 2 - Vista geral dos super postes

Fonte: Autores, 2016

Muitas vezes os eletricistas além de instalar de cabos das caixas de passagem no


os componentes são deslocados a fabricação subterrâneo, sua manutenção e a passagem
de suportes para as calhas e os leitos. para uma estrutura aérea. Neste caso em
Usando solda com eletrodo e lixadeira suas particular a atividade pode ser realizada em
atividades são desenvolvidas em condições áreas perigosas da planta ou ao lado da
precárias como em containeres. subestação de energia (Figura 3).
Outra função rotineira e de alto risco de
picadas de animais peçonhentos é a retirada

Tópicos em Ergonomia e Segurança do Trabalho - Volume 1


138

Figura 3 - Lançamento de cabos em caixas de passagem

Fonte: Autores, 2016


O eletricista lida com os cabos de sinais com
corrente e tensão de trabalho baixos, porém
6.1.2. SUBESTAÇÃO
em locais de grande risco como uma
destilaria. Trabalhando com o oficial da área O rigor do trabalho na subestação é
lança os cabos em leitos, constrói tubulações caracterizado por uma exposição a riscos
elétricas e faz toda a instrumentação. O físicos intensos. A tensão de trabalho na área
eletricista necessita lançar os cabos em todo da subestação é de 13,8 kV de acordo com o
o parque industrial incluindo a moenda, recebido da concessionária de energia. As
fábrica de açúcar, destilaria, fermentação, condições nesse ambiente trazem a uma
etc. Quando não tem ordens de serviço para reflexão sobre o trabalho do técnico ou
atender permanecem no canteiro de obras eletricista responsável, mediante a grande
fazendo outras atividades como a fabricação presença de fatores de periculosidade, como:
de suportes para luminárias, leitos e cabos de alta tensão, temperatura elevada,
tubulações. espaço restrito para execução de
procedimentos, etc. O profissional pode se
As redes elétricas normalmente são de
deparar com situações onde precisará
corrente alternada, sendo lançadas em
desmontar e montar cabos na subestação
diversos pontos da indústria. Nem sempre é
durante as remoções de um transformador
possível a adoção de um procedimento de
(Figura 4).
bloqueio antes de iniciar os trabalhos, ou seja,
inexiste a possibilidade da energia
permanecer desligada.
Figura 4 - Área da subestação

Fonte: Autores, 2016

Tópicos em Ergonomia e Segurança do Trabalho - Volume 1


139

6.2. MANUTENÇÃO ELÉTRICA EM ÁREAS DE prejudicialmente à saúde, funcionando contra


RISCO a segurança pré-estabelecida pelas
normatizações.
A manutenção elétrica em áreas classificadas
como perigosas detém uma atenção mais Nesse ambiente do setor sucroalcooleiro,
específica e esboça a necessidade de um levamos em consideração os agentes físicos
controle mais abrangente e rigoroso das (fatores pertinentes à eletricidade,
atividades desenvolvidas. Por isso, um intenso temperatura, pressão e ergonomia) que
controle documental através das permissões influem na segurança e saúde do
de trabalho e procedimentos de segurança mantenedor, assim como os agentes químicos
fazem-se necessários. (fatores pertinentes a líquidos inflamáveis,
gases, vapores) que são abertamente uma
condição que acrescenta perigo às atividades
6.2.1. DESTILARIA laborais.
A operação nesse espaço laboral se faz cheio Um eletricista adentra constantemente na
de fatores externos e internos que influenciam destilaria para fazer tubulações, montar
no grau de riscos de acidentes e agentes calhas e passar cabos (Figura 5).
físicos e químicos que podem agir

Figura 5 – Área da destilaria

Fonte: Autores, 2016

Para adentrar na área da destilaria além dos 3.2.2. TANQUES DE ETANOL E


cuidados com os procedimentos da área CARREGAMENTO
elétrica, o eletricista deve se preocupar em
Na área dos tanques de etanole de seu
eliminar os riscos de explosão. Por isso, são
carregamento faz-se necessário fazer
necessárias documentações adicionais como
tubulações e passar cabos em condições de
a liberação de trabalho através de uma
perigo. Normalmente os operadores do
análise de perigos e riscos, bem como o uso
carregamento de etanol assim como os da
de ferramentas adequadas que evitem a
destilaria recebem pelo adicional de
geração de faíscas.
Periculosidade (Figura 6). O eletricista de
forma similar adentra de forma habitual e
intermitente nesta área de risco.

Tópicos em Ergonomia e Segurança do Trabalho - Volume 1


140

Figura 6 – Área do carregamento de etanol

Fonte: Autores, 2016

O eletricista trabalha na montagem de leitos e transita com frequência pelo local durante a
eletro calhas (Figura7) na área do manutenção dos super postes que estão
carregamento de etanol e ao lado dos presentes em toda a planta industrial.
tanques de armazenamento. Além disso,

Figura 7 – Eletro calhas no carregamento de etanol

Fonte: Autores, 2016

6. CONSIDERAÇÕES FINAIS no espaço laboral sucroalcooleiro. Isto porque


a somatória dos riscos pertinentes à geração
Observa-se que as práticas laborais de
de energia elétrica, toda sua gama de
manutenção elétrica no âmbito do setor
equipamentos juntamente com a produção de
sucroalcooleiro se assemelham a de muitos
etanol com seus riscos por produtos
outros setores, que lidam com ambientes
inflamáveis. Nota-se uma multiplicidade de
industriais insalubres e perigosos.
fatores de riscos como, por exemplo, a
Entretanto, é perceptível uma latente presença da Periculosidade prevista aos
diferenciação e um ligeiro acréscimo de eletricitários e aos que laboram em ambientes
complicações inerentes a essa manutenção com presença de Inflamáveis.

Tópicos em Ergonomia e Segurança do Trabalho - Volume 1


141

No ambiente industrial sucroalcooleiro, é lícito em virtude de diversos fatores, tais como o


e recomendável buscar, primeiramente, um fator humano (falta de informação,
processo produtivo de baixo e, se possível, negligência, estresse) e cultura da empresa
nenhum risco. Conseguintemente, utilizar-se (principalmente o não atendimento aos
de ferramentas e equipamentos conforme os requisitos legais, por custo, desmazelo ou
parâmetros legais e recomendados, desconhecimento). Têm-se também as
dimensionados para os trabalhos, buscando comuns características de algumas empresas
um universo laboral seguro e saudável para terceirizarem estas atividades de manutenção
os empregados. elétrica submetendo os trabalhadores a riscos
intensos e condições precárias. Portanto,
É conhecido que mesmo com toda tecnologia
nota-se a necessidade de um cuidado e
existente atualmente, não pode extinguir e/ou
atenção toda especial nas atividades que
controlar todos os perigos e riscos das
envolvem a manutenção elétrica em usinas de
atividades de manutenção nesses ambientes,
produção de etanol.

REFERÊNCIAS [6] COGEM Europe. Educogem –


Aneducational tool for cogeneration, 2ª ed.
[1] ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS Brussels, Belgium: COGEM Europe, 2001.
TÉCNICAS, NBR 5462: Confiabilidade e
Mantenabilidade. Rio de Janeiro: ABNT, 1994. [7] GOMES, Altamir Almeida; RUPPENTHAL,
Janis Elisa. Aspetos de higiene e segurança na
[2] ARAUJO, I. M.; CÂMARA, J. M.. Estrutura soldagem com eletrodos revestidos e
organizacional da manutenção. O Setor Elétrico, microempresas do tipo serralheria. XXII Encontro
2010. 68-71 p. Nacional de Engenharia de Produção. Curitiba,
[3] Brasil. Ministério do Trabalho e Emprego. 2002.
Aprova as Normas Regulamentadoras – NR – do [8] MORÁN, Angel Vázquez. Manutenção
Capítulo V, Título II, da Consolidação das Leis do Elétrica Industrial. 2. ed. São Paulo: Ícone, 2004.
Trabalho, relativas à Segurança e Medicina do
Trabalho. Portaria n. 3.214, de 8 de junho de 1978. [9] PALETTA, C. E. M. Implementação de
Manuais de Legislação Atlas. São Paulo, 2008. 62 projetos de geração de energia elétrica a partir de
ed. 9-547 p. biomassa de cana-de-açúcar no Brasil: um estudo
de viabilidade. (Dissertação de Mestrado)
[4] CARVALHO, Fabiano da Rosa; PIPGE/USP – Programa Interunidades de Pós-
NOGUEIRA, Luiz Augusto Horta; TEIXEIRA, Flávio Graduação em Energia, Universidade São Paulo.
Neves. Cogeração e Geração Distribuída. In: São Paulo, 2004.
LORA, Electro Eduardo Silva, NASCIMENTO,
Marco Antonio Rosa. Geração termelétrica: [10] SOUZA, Valdir Cardoso. Organização e
planejamento, projeto e operação. Rio de Janeiro: Gerência da Manutenção – Planejamento,
Interciência: 2 volumes, 2004. 1296 p. Programação e Controle da Manutenção. 3ª Ed,
revisada. São Paulo: All Print, 2009. 285 p.
[5] COELHO S. T. Mecanismos para
implementação da Co-geração de Eletricidade a [11] VIANA, Herbet Ricardo Garcia. PCM –
partir de Biomassa. Um Modelo para o Estado de Planejamento e Controle da Manutenção. 1ªed. Rio
São Paulo. (Tese de Doutorado) PIPGE/USP – de Janeiro: Qualitymark, 2002. 167 p.
Programa Interunidades de Pós-Graduação em
Energia, Universidade São Paulo. São Paulo, 1998.

Tópicos em Ergonomia e Segurança do Trabalho - Volume 1


CAPÍTULO 15
MEDIDAS ATIVAS E PASSIVAS DE PREVENÇÃO E
COMBATE A INCÊNDIOS - ESTUDO DE CASO EM UMA
CASA NOTURNA DE SÃO JOSÉ DO EGITO/PE
Lucas Vitorino Alves
Diogo Sergio Cesar de Vasconcelos
Maria Bernadete Fernandes Vieira de Melo
Jose Wagner Ferreira De Souza
Matheus Albuquerque Lucena de Figueiredo

Resumo: Nos últimos anos aumentaram os registros, notificações e interdições de


bares e casas noturnas de todo Brasil. Uma das principais causas relatadas por
especialistas é que esse tipo de ambiente possui uma segurança contra incêndio
bastante vvulnerável, colocando o público frequentador e funcionários em risco de
morte. Isto posto, e com a preocupação de não permitir que tragédias como a de
Santa Maria/RS se repitam em outras cidades do Brasil, este trabalho possui como
objetivo analisar a adequação das medidas ativas e passivas de proteção e
combate a incêndios existentes em uma casa noturna, localizada no município de
São José do Egito/PE. A investigação realizada para alcançar o objetivo do
presente estudo se apresenta em duas etapas: pesquisa bibliográfica e estudo de
caso, este composto por três etapas: i) Definição da Classificação da edificação; ii)
Identificação dos pontos de não conformidade; e iii) Proposição de medidas ativas
e/ou passivas mais adequadas ou correção das já existentes. Após a realização
deste estudo foi possível concluir que o ambiente estudado não possui medidas de
proteção adequadas e eficazes para possíveis situações de emergência. É
preocupante também o fato de que uma edificação destinada a receber centenas
de pessoas possua uma certificação do Corpo de Bombeiros válida com tantas
não-conformidades em relação ao projeto de proteção e combate a incêndios. Esta
é a realidade de muitas empresas, em particular das casas noturnas, do país: a não
adequação dos sistemas de combate aos incêndios. As não conformidades
encontradas mostram o grau de risco ao qual toda a população de uma edificação
(funcionários, visitantes, etc.) fica exposta em ambientes como estes. Evitar
tragédias como a da boate Kiss é possível, normas técnicas já existem e estão aí
para serem estudadas e aplicadas, basta agora que empresas, governos e
sociedade cumpram, cada um, com seu papel.

Palavras-chave: Incêndios, medidas ativas e passivas, casa noturna


Tópicos em Ergonomia e Segurança do Trabalho - Volume 1
143

1. INTRODUÇÃO 2. FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA


O fogo sob controle proporciona ao ser 2.1 INCÊNDIO
humano conforto e segurança, além de
Segundo o subitem 4.25.2 da Instrução
permitir a transformação de materiais
técnica Nº 03/2015 do CBMSP (Corpo de
necessários no dia-a-dia. Fora de controle, o
Bombeiro Militar do Estado de São Paulo), o
fogo inicialmente irá aquecer o ambiente e
incêndio “é o fogo sem controle, intenso, o
seus materiais, chegando a um ponto nos
qual causa danos e prejuízos à vida, ao meio
quais os materiais poderão ser deformados e
ambiente e ao patrimônio”.
transformados, podendo vir a se transformar
em um incêndio. Independentemente do grau Segundo Bretano (2007), para que o fogo seja
de desenvolvimento que o fogo sem controle extinto é necessário eliminar apenas um dos
venha a atingir, perdas (materiais, ambientais, três elementos que compõe o triângulo do
pessoais e sociais), na maioria das vezes, fogo (Combustível, comburente e calor), ou
ocorrerão. interromper a reação em cadeia, sendo assim,
os métodos adotados para extinção do fogo
Acidentes em espaços fechados (bares e
são:
casas noturnas, por exemplo) requerem uma
atenção especial de todos os envolvidos e a) Extinção por isolamento: retirada do
principalmente dos profissionais de material combustível do ambiente.
Segurança no Trabalho que implantam e b) Extinção por abafamento: retirada do
fiscalizam o cumprimento das Normas de comburente (ar) por abafamento.
proteção e combate a incêndios existentes. c) Extinção por resfriamento: retirada do
Nestes estabelecimentos, a presença de calor através da redução da
medidas ativas e passivas, bem como a temperatura do material combustível
existência de pessoal treinado, torna-se d) Extinção por química: interrupção da
indispensável, pois os procedimentos de combustão dos materiais através de
emergência realizados de maneira incorreta agentes extintores, onde ocorre a
contribuem para vítimas fatais. quebra da reação química da cadeia
formando uma mistura não inflamável.
Nos últimos anos aumentaram os registros,
notificações e interdições de bares e casas
Os agentes extintores são substâncias que
noturnas de todo Brasil. Uma das principais
tem como principal função extinguir a
causas relatadas por especialistas é que esse
combustão dos materiais combustíveis. Sendo
tipo de ambiente possui uma segurança
assim, os agentes extintores atuam no foco de
contra incêndio bastante vulnerável,
incêndio como elemento de interrupção da
colocando o público frequentador e
reação em cadeia representado pelo
funcionários em risco de morte (DUARTE,
tetraedro do fogo. Para Bretano (2007), os
2013; MADEIRO, 2013; FREITAS, 2014).
agentes extintores são “substâncias químicas,
Dentre alguns acidentes registrados sólidas ou gasosas”, que atuam sobre um ou
recentemente, pode-se citar o da boate Kiss, mais elementos.
ocorrido no dia 27 de janeiro de 2013 na Para cada tipo de material combustível existe
cidade de Santa Maria/RS, que devido a um tipo de agente extintor apropriado, pelo
inexistência de medidas de proteção e fato de conter características específicas de
combate e a superlotação do local, 241 combustão (BRETANO, 2007):
vieram a óbito de vido a um incêndio de
a) Agente extintor com Água: incêndios
grandes proporções.
de classe A.
Isto posto, e com a preocupação de não b) Agente extintor com Pó químico:
permitir que tragédias como a de Santa incêndios de classe B e C e para
Maria/RS se repitam em outras cidades do classe D (Pó químico especial).
Brasil, este trabalho possui como objetivo c) Agente extintor com Espuma
analisar a adequação das medidas ativas e mecânica: incêndios de classe B.
passivas de proteção e combate a incêndios d) Agente extintor com Gás carbônico
existentes em uma casa noturna, localizada CO2: incêndios de classe C, mais
no município de São José do Egito/PE. pode ser utilizado em incêndios de
classe A e B.
e) Agente extintor com Halon: incêndios
de classe B e C.

Tópicos em Ergonomia e Segurança do Trabalho - Volume 1


144

2.2 MEDIDAS ATIVAS/PASSIVAS DE Técnicas (ABNT);


PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIOS  Legislação Estadual: Normas do
Corpo de Bombeiros da Polícia Militar;
As medidas relativas de proteção contra
incêndio devem ser implantadas de acordo  Legislação Municipal: Códigos de
com a necessidade de cada tipo de obras e/ou edificações.
edificação. Segundo Fagundes (2013), “Estas
medidas têm por objetivo minimizar as De acordo com Araújo (2012), apesar das
possibilidades da eclosão de um princípio de competências dos entes da Federação
fogo, bem com reduzir a probabilidade de seu estarem elencados em vários dispositivos da
alastramento”. Constituição Federal, é de salientar que as
As medidas de proteção ativa vêm a normas jurídicas não podem e não devem ser
complementar as medidas de proteção conflitantes, de modo que a lei federal possui
passiva, [...] sendo compostas basicamente prevalência em face do princípio da
de equipamentos e instalações prediais que hierarquia. Do mesmo modo os legislativos,
serão acionadas em caso de emergência, de estadual e municipal não podem regular
forma manual ou automática, usualmente não assuntos que pela constituição, devam ser
exercendo nenhuma função em situação regulados por lei federal.
normal de funcionamento da edificação Por último, esclareça-se que a competência
(SEITO, A. et al., 2008). legislativa municipal é residual, isto é, as leis
Estas medidas ativas estão representadas por que não ofendam às disposições de norma
equipamentos que de alguma forma federal ou estadual, e que atendam ao
necessitam de acionamento interesse local, podem ser livremente
manual/automático para seu manuseio. Sendo elaboradas pelas Câmaras Municipais, e terão
alguns destes: Equipamentos portáteis a mesma força obrigatória que a lei federal e
(extintores de incêndio); Sistema de hidrantes estadual, logicamente, nos limites do
e mangotinhos; Sistema de chuveiros e município (ARAÚJO, 2012).
automáticos (sprinklers); Sistema de detecção Ressalta-se aqui que a legislação de um
e alarme, entre outras. estado pode ser utilizada em outro no caso de
Por sua vez as medidas passivas ao contrário inexistência de norma técnica sobre o referido
das ativas, tem como característica principal a assunto.
ausência de acionamento para seu
funcionamento, ou seja, são medidas 3. MATERIAIS E MÉTODOS
implantadas que funcionam de modo livre, A investigação realizada para alcançar o
isto faz com que diminua o poder de objetivo do presente estudo se apresenta em
propagação do incêndio pela edificação duas etapas: a pesquisa bibliográfica, tendo
facilitando a fuga dos usuários. Podemos por base a literatura existente sobre o tema e
considerar medidas passivas, os seguintes normas de proteção e combate a incêndios, e
itens: Compartimentação vertical e horizontal; estudo de caso em uma casa noturna.
Provisão de rotas de fuga seguras;
Sinalização adequada e acesso dos O estudo de caso foi composto por três
equipamentos de combate a incêndio; Portas etapas: i) Definição da Classificação da
corta-fogo; Pintura anti-chamas, entre outras. edificação; ii) Identificação dos pontos de não
conformidade; e iii) Proposição de medidas
2.3 LEGISLAÇÃO E NORMAS TÉCNICAS ativas e/ou passivas mais adequadas ou
correção das já existentes.
A Constituição Federal de 1988 estabelece
competências legislativas, tanto para a União, A primeira etapa visa classificar a edificação
como para Estados e Municípios. Decorrente de acordo com a ocupação/uso, risco, altura
das competências estabelecidas pela e carga de incêndio. O objetivo desta
Constituição Federal resulta a legislação classificação é determinar quais as medidas
federal, estadual e municipal. ativas/passivas de proteção contra incêndios
No que tange a temática deste trabalho, tem- necessárias de acordo com normas técnicas
se legislações e normas técnicas nessas três para a edificação estudada.
esferas de poder: Na segunda etapa serão identificados os
 Legislação Federal: Norma pontos de não conformidade de acordo com
Regulamentadora n.º 23 - Proteção as especificações contidas nas Normas
Contra Incêndios; e Normas Técnicas Técnicas (NBR) da ABNT. Serão vistoriadas
da Associação Brasileira de Normas

Tópicos em Ergonomia e Segurança do Trabalho - Volume 1


145

as medidas ativas e passivas identificadas emergência; Extintores; Hidrantes e


como necessárias na etapa anterior. mangotinhos.
Por fim, na terceira etapa, serão propostas de O estabelecimento em questão apresentou
medidas ativas e/ou passivas mais um Certificado de Aprovação do Corpo de
adequadas ou correção das já existentes. Bombeiros válido.
Essa proposição será embasada nas Normas
Técnicas (NBR) da ABNT.
4.2 IDENTIFICAÇÃO DE PONTOS DE NÃO-
CONFORMIDADE
4. APRESENTAÇÃO E ANÁLISE DOS
I. Acesso de viaturas na edificação
RESULTADOS
4.1 CLASSIFICAÇÃO DA EDIFICAÇÃO A edificação possui apenas uma entrada de
acesso a veículos automotores, porém não
A seguir apresenta-se a classificação da cumpre as exigências mínimas para acesso a
edificação estudada para fins de verificação viaturas de combate a incêndios de acordo
das medidas e técnicas de combate a com a Instrução Técnica Nº. 06/2015 do
incêndios que devem ser adotadas. Nesta CBMSP. A porta principal tem largura de 3,90
classificação foi utilizada normalização da m por 3,10 m de altura.
ABNT. A classificação verificada foi a
seguinte:
 Área construída: 1.563,32 m² II. Hidrantes/Mangotinhos
 Ocupação/uso: Locais de reunião de
O ambiente estudado possui apenas dois
público / divisão F-6
hidrantes, o que torna mais difícil o combate
 Carga de incêndio: 600 MJ/m²
ao foco de incêndio com o uso de água. Não
 Classificação de risco: foi apresentado memorial de cálculo
Médio/ordinário B2 comprovando o dimensionamento adequado
 Classificação quanto à altura: tipo III do sistema de hidrantes existente.
(edificações de baixa-média altura
6,00m<H<12,00m) Não há sistema de bombeamento instalado
 Classificação quanto à carga de de forma a garantir a pressurização da rede
incêndio: média (entre 300 e 1200 de hidrantes quando esta estiver sendo
MJ/m²) utilizada.

Assim, segundo normalização da ABNT, as


medidas ativas/passivas de proteção contra III. Extintores de incêndio
incêndios necessárias para a edificação
Os extintores presentes no local não são
estudada serão: Acesso de viatura na
demarcados corretamente como mostra a
edificação; Compartimentação horizontal;
Figura 1. As bordas da sinalização horizontal
Controle de materiais de acabamento; Saída
(de piso) possui cor amarela já apagada,
de emergência; Plano de Atendimento à
quase que inexistente, e o seu interior não
Emergências (PAE); Brigada de incêndio;
está pintado na cor vermelha.
Iluminação de emergência; Detecção e
alarme de incêndio; Sinalização de

Tópicos em Ergonomia e Segurança do Trabalho - Volume 1


146

Figura 1 - Demarcação incorreta do extintor

Fonte: Arquivo Pessoal

O posicionamento dos extintores no ambiente extintores não apresentavam sinalização


também deve ser levado em conta na análise vertical (na parede), como pode ser visto na
de prevenção de incêndios. Diversos Figura 1.
extintores estão instalados de forma e em
locais inadequados e não há comprovação de
dimensionamento dos mesmos de acordo IV. Iluminação de Emergência
com norma da ABNT.
O ambiente analisado não possui nenhum
A casa noturna possui 6 extintores, sendo 5 sistema de iluminação de emergência,
(cinco) localizados no térreo e 1 (um) no aumentando a probabilidade de acidentes em
pavimento superior da edificação (camarote situações de evacuação imediata do local.
principal. De acordo com o responsável, os
extintores presentes no local passam
regularmente por inspeções e manutenções, V. Saídas de emergência e sinalização
porém nenhum plano de manutenção ou ficha
de controle foi apresentada. Existem três de saídas de emergência no
Os extintores presentes no ambiente de local estudado (Figura 2). Todas estas saídas
estudo têm classificação A, B e C, sendo estão com dimensionamentos e sinalização
apenas 2 (dois) de classificação A com inadequadas. Nestas saídas deveriam
capacidade extintora de 2A, localizado no também ser utilizadas portas corta-chamas, e
pavimento térreo, e os demais com o que se vê no local é a existência de portas
capacidade extintora de 20B:C. Alguns de madeira.

Figura 4 - Saídas de emergência

Fonte: Arquivo Pessoal

Tópicos em Ergonomia e Segurança do Trabalho - Volume 1


147

Na edificação, há duas escadas de acesso ao se ineficaz em situações em que ocorra


público. A Figura 3 mostra que as escadas necessidade de evacuação local. Não houve
não possuem nenhuma indicação de também nenhum tipo de dimensionamento
salvamento ou orientação para o público para a construção dessas escadas.
frequentador, ou seja, sua localização torna-

Figura 3 – Escadas existentes na casa noturna

Fonte: Arquivo Pessoal

Exceção a sinalização vertical de alguns A compartimentação horizontal se destina a


extintores, não foram observadas sinalizações impedir a propagação de incêndio no
de emergência que permitam o balizamento pavimento de origem para outros ambientes
de pessoas em uma situação de pânico. no plano horizontal.
VI. Brigada de incêndio No ambiente estudado não foi identificada
nenhuma medida (paredes ou portas corta-
No local analisado, pode-se constatar a fogo) que permitam a contenção do fogo m
ausência de brigadistas de incêndio. caso de incêndios.
VII. Detecção e alarme de incêndio IX. Controle de materiais de acabamento
e revestimento
No local utilizado como ambiente de estudo
não foi constatado nenhum tipo de alarme ou Apesar de ser item obrigatório, não foi
sistema de detecção de incêndio. apresentado nenhum tipo de controle de
VIII. Compartimentação horizontal materiais de acabamento, revestimento e
termo acústicos na casa noturna.
A compartimentação visa dividir o edifício em X. Plano de Atendimento a Emergências
células capazes de suportar a ação da (PAE)
queima dos materiais combustíveis nela
contidos, impedindo o alastramento do fogo. Na edificação não foi encontrado nenhum tipo
A contenção do incêndio em seu ambiente de de Plano de Atendimento à Emergência
origem tende a facilitar as operações de (PAE).
combate ao fogo e, adicionalmente, restringir
a livre movimentação da fumaça no interior do
edifício.

Tópicos em Ergonomia e Segurança do Trabalho - Volume 1


148

4.3 PROPOSIÇÃO DE MEDIDAS ATIVAS E/OU das medidas ativas e passivas de combater a
PASSIVAS MAIS ADEQUADAS OU incêndios que devem ser implantadas pela
CORREÇÃO DAS JÁ EXISTENTES casa noturna como forma de garantir a
segurança de seus funcionários e
O Quadro 1 apresentado a seguir apresenta
frequentadores.
as propostas de adequação ou de correção

Quadro 1 – Pontos de melhorias das medidas passivas e ativas de proteção e combate a incêndios
e explosões
Item Legislação Melhorias
Instrução Técnica n°.  Correção das dimensões
Acesso de viaturas 06/2015 do Corpo de encontradas para acesso de viaturas na
na edificação Bombeiros Militar do Estado edificação, passando a ser 4,0 m de largura
de São Paulo por 4,5 m de altura.
 Elaboração de um memorial de
cálculo hidráulico da rede de hidrantes e
seus componentes;
 Instalação de dispositivo de
recalque, consistindo em um prolongamento
de mesmo diâmetro da tubulação principal;
 A tubulação aparente do sistema
deve ser identificada em cor vermelha;
 O alcance do jato compacto
produzido pelo sistema não deve ser inferior
a 8 m, medido da saída do esguicho ao
ponto de queda do jato;
 As mangueiras de incêndio devem
ABNT NBR 13714:2000 -
ser acondicionadas dentro dos abrigos;
Sistemas de hidrantes e de
 Os abrigos devem ser em cor
mangotinhos para combate
vermelha, possuindo apoio ou fixação
a incêndio.
própria, independente da tubulação que
ABNT NBR 11861:1998 -
abastece o hidrante ou mangotinho;
Mangueira de incêndio -
 O acionador do esguicho regulável
Requisitos e métodos de
deve permitir a modulação da conformação
Hidrantes / ensaio
do jato e o fechamento total do fluxo;
Mangotinhos ABNT NBR 14349:1999 -
 As mangueiras de incêndio para uso
União para mangueira de
de hidrantes devem atender às condições
incêndio - Requisitos e
da NBR 11861. As uniões entre mangueiras
métodos de ensaio
de incêndio devem ser conforme a NBR
ABNT NBR 5580:2015 -
14349;
Tubos de aço-carbono para
 Todo e qualquer material previsto ou
usos comuns na condução
instalado na tubulação deve ser capaz de
de fluidos - Especificação
resistir ao efeito do calor, mantendo seu
funcionamento normal;
 O meio de ligação entre tubos,
conexões e acessórios diversos deve
garantir a estanqueidade e a estabilidade
mecânica da junta e não deve sofrer
comprometimento de desempenho, se for
exposto ao fogo;
 Os tubos de aço devem ser
conforme a NBR 5580;
 Instalação de sistema de
bombeamento com bomba elétrica, a
combustão e jockey.

Tópicos em Ergonomia e Segurança do Trabalho - Volume 1


149

Quadro 1 – Pontos de melhorias das medidas passivas e ativas de proteção e combate a incêndios
e explosões (continuação)
Item Legislação Melhorias
 Dimensionamento da quantidade de
extintores de incêndio observando a
população fixa da edificação, classes de
incêndio existentes, distâncias máximas a
serem percorridas e capacidade extintora
de cada extintor;
 Demarcação horizontal dos
extintores;
ABNT NBR 12693:2010 –
Extintores de  Substituição dos suportes de
Sistemas de proteção por
incêndio fixação;
extintores de incêndio,
 Os extintores devem ser colocados
com a sua parte superior, no máximo, a 1,60
metros de altura em relação ao piso
acabado;
 Os extintores devem ser distribuídos
de modo a serem adequados à extinção dos
tipos de incêndio, dentro de sua área de
proteção.
 Luminárias de emergência
alimentadas por central independente
(bateria) com funcionamento mínimo de 1
hora;
 As luminárias deverão ficar
dispostas a altura de 2,60m do chão;
ABNT NBR 10898:2013 –
Iluminação De  O sistema de iluminação de
Sistema de iluminação de
Emergência emergência deve possuir as seguintes
emergência.
características básicas: sistemas de
iluminação por centrais independentes
(baterias), com autonomia mínima de 1 hora
de funcionamento; comutação instantânea;
funcionamento automático quando houver
queda de tensão.
ABNT NBR 9077/2001 –  A sinalização básica é constituída
Saídas de emergência em por quatro categorias, de acordo com a sua
edifícios. função, descritas a seguir: a) sinalização de
ABNT NBR 13434 - proibição; b) sinalização de alerta; c)
Sinalização de segurança sinalização de orientação e salvamento
contra incêndio e pânico (fotoluminescente); d) sinalização de
Saídas de
(partes 1, 2 e 3). equipamentos de combate e alarme
emergência e
ABNT NBR 14100:1998 – (fotoluminescente);
Sinalização
Proteção contra incêndio –  As saídas de emergência (portas e
Símbolos gráficos para escadas) devem ser dimensionadas em
projeto função da população da edificação;
ABNT NBR 11742:2003 –  Devem ser instaladas portas corta-
Porta corta-fogo para saída fogo P-60 (duração de 60min de resistência)
de emergência nas saídas da edificação;
ABNT NBR 14276:2006 –  Compor brigada de incêndio no
Brigada de
Brigada de Incêndios - local conforme as exigências mínimas (7
incêndio
Requisitos brigadistas).

Tópicos em Ergonomia e Segurança do Trabalho - Volume 1


150

Quadro 1 – Pontos de melhorias das medidas passivas e ativas de proteção e combate a incêndios
e explosões (continuação)
Item Legislação Melhorias
 Adoção de sistema de detecção de
alarme do tipo endereçável;
 Central - localizada na recepção da
edificação, que é área de fácil acesso e,
sempre que possível, sob vigilância humana
constante;
 Acionadores – do tipo manual,
ABNT NBR 17240:2010 - quebre o vidro. Instalado a uma altura entre
Sistemas de detecção e 1,20 m e 1,60 m do piso acabado na forma
alarme de incêndio – Projeto, embutida ou de sobrepor;
Detecção e alarme
instalação, comissionamento  Alarmes sonoros/visuais – Instalados
de incêndio
e manutenção de sistemas em quantidades suficientes, nos locais que
de detecção e alarme de permitam sua visualização e/ou audição, em
incêndio – Requisitos qualquer ponto do ambiente no qual estão
instalados nas condições normais de
trabalho deste ambiente;
 Detectores de temperatura – a área
máxima de ação destes detectores é de
81,00 m², para instalação em tetos planos,
ambientes sem condicionamento de ar, com
altura de instalação de até 8,00 m.
ABNT NBR 14323:2013 –  Adoção de compartimentação
Projeto de estruturas de aço horizontal (Portas corta-fogo, paredes corta-
e de estruturas mistas de fogo);
aço e concreto de edifícios  As aberturas situadas em fachadas
em situação de incêndio paralelas ou ortogonais, pertencentes a
ABNT NBR 5628:2001 – áreas de compartimentação horizontal
Compartimentação Componentes construtivos distintas do edifício devem estar
horizontal estruturais – determinação distanciadas de forma a evitar a
da resistência ao fogo; propagação do incêndio por radiação
ABNT NBR 14432:2001 – térmica, onde foram consideradas as
Exigências de resistência ao separações entre edificações.
fogo de elementos
construtivos de edificações –
procedimento.
ABNT NBR 9442:1988 -  O controle de materiais de
Materiais de Construção – acabamento e revestimento empregado na
Controle de
Determinação do índice de edificação não deve permitir o surgimento
materiais de
propagação superficial de de condições propícias do crescimento e da
acabamento e
chama pelo método do propagação de incêndios, bem como da
revestimento
painel radiante - Método de geração de fumaça.
Ensaio
Plano de ABNT NBR 15219:2005 –  Implantação do PAE juntamente
Atendimento a Plano de emergência contra com profissional habilitado e Corpo de
Emergências (PAE) incêndio - Requisitos Bombeiros local

Tópicos em Ergonomia e Segurança do Trabalho - Volume 1


151

As melhorias apresentadas no Quadro 1 de proteção e combate aos incêndios não


deverão ser projetadas por empresa e/ou garante que a maioria das empresas estejam
profissional habilitado e com experiência cientes de suas responsabilidades e
comprovada na área. cumprindo com todas as suas obrigações. É
preciso intensificar e melhorar a qualidade
das fiscalizações (já obrigatórias) para a
5. CONCLUSÃO obtenção do Certificado de Aprovação do
Corpo de Bombeiros e consequentemente do
A partir da verificação da existência das
alvará de funcionamento fornecidos pelas
medidas ativas e passivas de combate aos
prefeituras municipais. A obtenção destes
incêndios do ambiente de estudo e posterior
documentos deve ser tratada de forma
análise da adequação destas medidas de
técnica e não como mero processo
acordo com normas da ABNT, foi possível
burocrático.
concluir que o ambiente estudado não possui
medidas de proteção adequadas e eficazes A partir do desta pesquisa foi possível
para possíveis situações de emergência. constatar a realidade de muitas empresas, em
particular das casas noturnas, do país: a não
Ainda é mais preocupante o fato de que uma
adequação dos sistemas de combate aos
edificação destinada a receber centenas de
incêndios. As não conformidades encontradas
pessoas possua uma certificação do Corpo
mostram o grau de risco ao qual toda a
de Bombeiros válida com tantas não-
população de uma edificação (funcionários,
conformidades em relação ao projeto de
visitantes, etc.) fica exposta em ambientes
proteção e combate a incêndios.
como estes. Evitar tragédias como a da boate
As autoridades públicas devem estar mais Kiss é possível, normas técnicas já existem e
atentas para estas situações. O fato do Brasil estão aí para serem estudadas e aplicadas,
hoje possuir uma normatização completa e basta agora que empresas, governos e
bastante consistente sobre este tema, que sociedade cumpram, cada um, com seu
abrange uma grande diversidade de medidas papel.

REFERÊNCIAS
[1] ABNT – Associação Brasileira de Normas [10] _________ NBR 13714 - Sistemas de
Técnicas. NBR 5580 - Tubos de aço-carbono para hidrantes e de mangotinhos para combate a
usos comuns na condução de fluidos – incêndio. Rio de Janeiro: ABNT, 2000.
Especificação. Rio de Janeiro: ABNT, 2015. [11] _________ NBR 14100 – Proteção contra
[2] _________ NBR 5628 – Componentes incêndio – Símbolos gráficos para projeto. Rio de
construtivos estruturais – determinação da Janeiro: ABNT, 1998.
resistência ao fogo. Rio de Janeiro: ABNT, 2001. [12] _________ NBR 14276 – Brigada de
[3] _________ NBR 9077 – Saídas de Incêndios. Rio de Janeiro: ABNT, 2006.
emergência em edifícios. Rio de Janeiro: ABNT, [13] _________ NBR 14323 – Projeto de
2001. estruturas de aço e de estruturas mistas de aço e
[4] _________ NBR 9442 - Materiais de concreto de edifícios em situação de incêndio. Rio
Construção – Determinação do índice de de Janeiro: ABNT, 2013.
propagação superficial de chama pelo método do [14] _________. NBR 14349 - União para
painel radiante. Rio de Janeiro: ABNT, 1988. mangueira de incêndio - Requisitos e métodos de
[5] _________ NBR 10898 – Sistema de ensaio. Rio de Janeiro: ABNT, 1999.
iluminação de emergência. Rio de Janeiro: ABNT, [15] _________ NBR 14432 – Exigências de
2013. resistência ao fogo de elementos construtivos de
[6] _________ NBR 11742 – Porta corta-fogo edificações – procedimento. Rio de Janeiro: ABNT,
para saída de emergência. Rio de Janeiro: ABNT, 2001.
2003. [16] _________ NBR 15219 – Plano de
[7] _________ NBR 11861 - Mangueira de emergência contra incêndio. Rio de Janeiro: ABNT,
incêndio - Requisitos e métodos de ensaio. Rio de 2005.
Janeiro: ABNT, 1998. [17] _________ NBR 17240 - Sistemas de
[8] _________ NBR 12693 – Sistemas de detecção e alarme de incêndio – Projeto,
proteção por extintores de incêndio. Rio de instalação, comissionamento e manutenção de
Janeiro: ABNT, 2010. sistemas de detecção e alarme de incêndio. Rio de
[9] _________ NBR 13434 - Sinalização de Janeiro: ABNT, 2010.
segurança contra incêndio e pânico. Rio de [18] ARAÚJO, Wellington Tavares de. Manual
Janeiro: ABNT, 2005. de segurança do trabalho. São Paulo: DLC –
Difusão Cultural do Livro, 2012.

Tópicos em Ergonomia e Segurança do Trabalho - Volume 1


152

[19] BRETANO, Telmo. Instalações hidráulicas Grande do Sul: Monografia (Engenharia de


de combate a incêndios nas edificações. 3. ed. Segurança do Trabalho) UNIJUÍ, 2013.
Porto Alegre: EDIPUCRS, 2007. [24] FREITAS, Levy de. Segurança em boates
[20] CORPO DE BOMBEIROS DO ESTADO DE aumenta após um ano da tragédia em Santa Maria.
SÃO PAULO. Instrução Técnica 03/2004 – Disponível em:
Terminologia de segurança contra incêndio. São <http://diariodonordeste.verdesmares.com.br/cade
Paulo, 2004. rnos/ cidade/seguranca-em-boates-aumenta-apos-
[21] _________ Instrução Técnica 06/2015 – um-ano-da-tragedia-em-santa-maria-1.799643>
Acesso de viaturas na edificação e áreas de risco. Acesso em: 14/03/2016.
São Paulo, 2015. [25] MADEIRO, Carlos. Ações fecham casas
[22] DUARTE, Rachel. Proprietários temem que noturnas em pelo menos quatro cidades; veja
burocracia force fechamento de casas noturnas na operação nos Estados. Disponível em: <
Cidade Baixa. Disponível em: http://noticias.uol.com.br/cotidiano/ultimas-
<http://www.sul21.com.br/jornal/proprietarios- noticias/2013/01/30/acoes-fecham-casas-noturnas-
temem-que-burocracia-force-fechamento-de- em-pelo-menos-quatro-cidades-veja-operacao-
casas-noturnas-na-cidade-baixa/> Acesso em: nos-estados.htm> Acesso em: 14/03/2016.
14/03/2016. [26] SEITO, Alexandre (coord.) et al., A
[23] FAGUNDES, Fábio. Plano de prevenção e Segurança Contra Incêndio no Brasil. 3.ed. São
combate a incêndios: Estudo de caso em Paulo: Projeto Editora, 2008.
edificação residencial multipavimentada. Rio

Tópicos em Ergonomia e Segurança do Trabalho - Volume 1


Capítulo 16
ANÁLISE ERGONÔMICA DO TRABALHO EM UMA
SERRARIA

Aline Menardi Culchesk


Paulo Fernando Soares
Aline Lisot
Isabel Cristina Moretti
Franciely Velozo Aragão

Resumo: O setor produtivo de madeiras e produtos derivados destaca-se pelo seu


impacto econômico e social, tanto em nível mundial quanto no caso particular
brasileiro. Neste setor, no âmbito das serrarias verifica-se haver importantes
demandas por melhorias ergonômicas, visto que os trabalhadores estão sujeitos a
riscos biomecânicos advindos das posturas adotadas durante suas atividades. A
análise ergonômica do trabalho avalia, diagnostica e corrige um posto de trabalho,
proporcionando aos operadores melhores condições de trabalho e produtividade,
visando à melhoria da saúde, do bem-estar, da segurança e da produtividade dos
trabalhadores. O presente estudo teve por objetivo investigar as condições
ergonômicas em uma serraria, localizada no município de Apucarana, PR. Para
tanto, realizou-se levantamentos in loco e a aplicação de métodos de análise
ergonômica RULA, NIOSH e OWAS. Seis atividades foram selecionadas e verificou-
se o carregamento de peso como o trabalho mais crítico, com necessidade urgente
de intervenções ergonômicas no âmbito postural. Para esta e demais posturas
avaliadas, foram descritas propostas de melhorias ergonômicas vislumbrando
melhor adequação das tarefas às capacidades dos trabalhadores, como
adequação de mobília, maquinário e método de trabalho.

Palavras-chave: Ergonomia; Serraria; Análise postural; Carregamento de peso.

Tópicos em Ergonomia e Segurança do Trabalho - Volume 1


154

1. INTRODUÇÃO “Em 1555, surgiu o primeiro engenho de


desdobro, movido por um braço adaptado ao
A cadeia produtiva da madeira ocupa uma
eixo de uma roda d’água. Na extremidade da
posição de destaque no Brasil. Trata-se de
serra havia um peso de chumbo, o qual
um setor cuja importância se evidencia tanto
possibilitava o movimento alternativo vertical”
em aspectos econômicos como sociais.
(ROCHA, 1999, apud BATISTA, 2006).
Ainda que tenha grande importância, a
“Em 1896 surgiu a primeira serra alimentada
atividade da serraria é, na sua maioria,
por motor movido a corrente elétrica. As
executada sob condições adversas, em
serrarias passaram a ser construções de
especial à integridade física do ser humano,
grande porte, podendo ser construídas longe
que permanece exposto a ambientes de
dos rios” (LATORRACA, 2004, apud BATISTA,
trabalho desfavoráveis: condições climáticas
2006).
inadequadas; elevados níveis de ruído;
iluminação deficiente e posturas Desde então as máquinas para serrar madeira
inadequadas. e os elementos de corte estão em constante
desenvolvimento, como a automação dos
Frente ao exposto este trabalho objetivou
processos industriais, a produção em série e
investigar as condições ergonômicas atuais
os elevados rendimentos na produção.
em uma serraria. Tomando-se como objeto
analisado uma serraria localizada na cidade 2.2 ERGONOMIA
de Apucarana, região norte do Paraná,
Iida (2008) destaca que a ergonomia é o
oportunidade em que se utilizaram os
estudo da adaptação do trabalho ao homem,
métodos de análise postural OWAS (Ovako
sendo que o trabalho não é apenas aquele
Working Posture Analysing System), NIOSH
executado com máquinas e equipamentos,
(National Institute for Occupational Safety and
mas toda a situação de relacionamento entre
Health) e RULA (Rapid Upper limb
o homem e uma atividade produtiva.
Assessment).
Segundo o Ministério do Trabalho e Emprego
Insta ressaltar, que o presente feito trata-se de
(2012), a NR17- Ergonomia visa estabelecer
estudo de caso. Todas as informações tem
parâmetros que permitam a adaptação das
orientação teórica fundamentada, as quais
condições de trabalho às características
serviram de suporte quanto à formulação de
psicofisiológicas dos trabalhadores, de modo
apontamentos, sempre objetivando a melhoria
a proporcionar um máximo de conforto,
do desenvolvimento de produção, por
segurança e desempenho eficiente.
intermédio da indicação de instrumentos de
recolhimento de dados e guia na análise dos As posturas no trabalho vão depender do
resultados. estado físico do homem da disposição das
máquinas e dos equipamentos no espaço de
trabalho, das características do ambiente, da
2. FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA forma das ferramentas e suas condições de
utilização, do produto utilizado, do conteúdo
O setor madeireiro ocupa uma posição de
das tarefas, das cadências e ritmo de trabalho
destaque no Brasil. A estimativa de
e da frequência e duração das pausas
crescimento para o Estado do Mato Grosso,
(MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2001)
por exemplo, é de 100% nos próximos dez
anos. A expectativa de crescimento existe Para Iida (2003), aplicar os conhecimentos
devido, principalmente, ao reflorestamento e ergonômicos para analisar, diagnosticar e
ao uso, cada vez mais comum, do manejo corrigir uma atividade real de trabalho. A AET
florestal (SBC MAFRA, 2013). (Análise Ergonômica do Trabalho) desdobra-
se em três fases:
a. Análise da demanda: se trata da definição
2.1 ASPECTOS HISTÓRICOS DO PROCESSO
do problema ou de uma situação
PRODUTIVO DA MADEIRA SERRADA
problemática, que justifique a elaboração de
Mühlbauer e Razeira (2011) destacam que a uma análise ergonômica. Assim é possível
primeira riqueza das terras Brasileiras foi um verificar se problemas mais relevantes não
tipo de madeira que foi encontrada de estão sendo mascarados;
imediato junto ao litoral: o pau-brasil. Madeira
b. Análise da tarefa: pode ser definida como
esta que era usada para fabricação de
tudo aquilo que é prescrito pela
tinturas de cor avermelhada.
organização, ou seja, é tudo aquilo que deve

Tópicos em Ergonomia e Segurança do Trabalho - Volume 1


155

ser feito de acordo com objetivos definidos. cargas, em especial o levantamento delas,
Pode estar detalhada em procedimentos, deve ser considerado como trabalho pesado,
descrição de função, ou outros documentos e o problema não é tanto a exigência dos
formais da empresa; músculos, mas sim o desgaste dos discos
intervertebrais.
c. Análise da atividade: é a forma como o
trabalhador procede para alcançar os a) Transporte de Cargas:
objetivos em sua função, estando diretamente
Segundo Iida (2008) a carga provoca dois
relacionada ao comportamento do trabalhador
tipos de reações corporais. Primeiramente, o
para realizar suas tarefas, podendo ser:
aumento de peso provoca uma sobrecarga
ações, gestos, comunicação com os outros,
fisiológica nos músculos da coluna e dos
raciocínio da pessoa ou estratégias para o
membros inferiores. Ademais, pode provocar
trabalho.
estresse postural. Ambas podem causar
Após as análises, deve-se formular um desconforto, fadiga e dores.
diagnóstico com o objetivo de descobrir as
Iida (2008) destaca algumas recomendações
causas que provocam o problema descrito na
para manter o equilíbrio do corpo: manter a
demanda. “É somente neste estágio que as
carga próxima do corpo; adotar um valor
conclusões podem ser tiradas e um
adequado para cargas unitárias; usar cargas
diagnóstico estabelecido. É necessário que
simétricas; providenciar pegas adequadas;
todas as fases tenham sido realizadas para
trabalhar em equipe; definir o caminho;
que se possa definir as conclusões”
superar os desníveis do piso; eliminar
(SANTOS; FIALHO, 1995).
desníveis entre postos de trabalho; usar
Um caderno de encargos de recomendações transportadores mecânicos e usar carrinhos.
ergonômicas deve ser elaborado, baseado
em dados normativos gerais e específicos da b) Trabalhos em Pé
situação de trabalho analisada e o analista
deve utilizar técnicas especificas para os Para trabalhos em pé, Iida (2003) elaborou
modos operativos, das posturas, das estudos de acordo com o tipo de tarefa. Em
atividades e dos deslocamentos. uma empresa do ramo madeireiro tem-se, na
sua grande maioria, trabalho pesado. Na
Figura 1 é possível verificar as alturas
2.2.1 MANUSEIO DE CARGAS recomendadas para as superfícies horizontais
de trabalho, na posição em pé, de acordo
Segundo Grandjean (1998), o manuseio de com o tipo de tarefa realizada.

Figura 1 - Alturas recomendadas para as superfícies horizontais de trabalho, na posição em pé, de


acordo com o tipo da tarefa

Fonte: Adaptado de Iida (2003)

Tópicos em Ergonomia e Segurança do Trabalho - Volume 1


156

2.2.2 MÉTODOS DE ANÁLISE Kuorinka, que trabalhavam em uma empresa


siderúrgica, em 1977.
De acordo com Santos e Fialho (1995), a
escolha do método a ser empregado Eles começaram com análises fotográficas
depende basicamente de dois aspectos: das das principais posturas encontradas na
características da situação de trabalho a ser indústria pesada. Analisaram-se 72 posturas
analisada e dos objetivos do estudo, que típicas, resultando em diferentes
pode ser realizado visando um simples combinações das posições do dorso, braços
arranjo físico das instalações existentes ou e pernas.
uma implantação de novas instalações.
De acordo com Iida (2008), com base nas
Atualmente existem softwares disponíveis no posturas e em avaliações, as posturas foram
mercado os quais auxiliam na análise, como classificadas em categorias. Essas classes
por exemplo, o software “Ergolândia que é dependem do tempo de duração das
destinado à utilização de ergonomistas, posturas, em percentagem da jornada de
fisioterapeutas e empresas para avaliar a trabalho ou da combinação das quatro
ergonomia dos funcionários. O software variáveis dorso, braços, pernas e cargas. O
possui 20 ferramentas ergonômicas para resultado da classificação das posturas são:
avaliação e melhoria dos postos de trabalho,
aumentando sua produtividade e diminuindo  Classe 1 – postura normal, que
os riscos ocupacionais” (FBF SISTEMAS, dispensa cuidados, a não ser em
2012). casos excepcionais;
 Classe 2 – postura que deve ser
a) Método RULA verificada durante a próxima revisão
rotineira dos métodos de trabalho;
O método RULA (Rapid Upper Limb
Assessment) ou Análise Rápida dos Membros  Classe 3 – postura deve receber
Superiores foi desenvolvido por Mctamney e atenção em curto prazo;
Corllet em 1993 para o uso em pesquisas
ergonômicas de locais de trabalho centradas  Classe 4 – postura deve receber
nos riscos dos membros superiores atenção imediata.
(CARDOSO JUNIOR, 2006).
c) Método NIOSH
De acordo com Cardoso Junior (2006) o
método RULA foi desenvolvido para investigar “A equação de NIOSH (National Institute for
a exposição dos trabalhadores aos fatores de Occupational Safety and Health – EUA) foi
risco associados aos distúrbios dos membros desenvolvido para calcular o peso limite
superiores, ou seja: recomendável em tarefas repetitivas de
levantamento de cargas” (IIDA, 2008).
 Proporcionar um método de pesquisa
rápido da exposição da população aos Segundo Iida (2008), este método foi
fatores de risco de distúrbios dos desenvolvido por uma comissão de cientistas
membros superiores; e refere-se à tarefa de apanhar uma carga e
deslocá-la para depositá-la em outro nível,
 Identificar o esforço muscular que usando as duas mãos. Estabeleceu-se um
está associado com a postura de valor de referência de 23 kg que corresponde
trabalho, força e trabalho estático ou à capacidade de levantamento no plano
repetitivo, o que contribui para a fadiga sagital, de uma altura de 75 cm do solo, para
muscular; um deslocamento vertical de 25 cm,
 Gerar resultados que podem ser segurando a carga a 25 cm do corpo.
incorporados em uma avaliação Este valor de referência seria a carga
ergonômica mais ampla, considerando aceitável para 99% dos homens e 75% das
a epidemiologia, fatores físicos, mulheres sem provocar nenhum dano físico
mentais, ambientais e organizacionais. em trabalhos repetitivos (IIDA, 2008).
O limite de peso recomendado (LPR) é
b) Sistema OWAS
definido como o peso da carga que
OWAS (Ovako Working Analysing System) é aproximadamente todos os trabalhadores
um método de análise ergonômica que saudáveis poderiam suportar por um período
segundo Iida (2008), foi desenvolvido por três de até 8 horas diárias, sem aumentar o risco
pesquisadores finlandeses, Karku, Kansi e de desenvolverem lombalgia relacionada ao

Tópicos em Ergonomia e Segurança do Trabalho - Volume 1


157

trabalho (NIOSH, 1994 apud TEIXEIRA; Na segunda fase, observação in loco, foram
OKIMOTO; GONTIJO, 2011). feitas três visitas, em dias e horários
aleatórios, às instalações da empresa, onde
Uma vez calculado o limite de peso
foram coletados dados referentes ao tipo de
recomendado (LPR) compara-se com a carga
atividade, de equipamentos e máquinas
real levantada, obtendo-se então o índice de
utilizadas no setor, posteriormente, foram
levantamento (IL) (WATERS, 1993 apud
capturadas imagens das posturas adotadas
ROSSO; OKUMURA, 2007).
durante a atividade nos postos de trabalho.
De acordo com Couto (1995), a interpretação
Na terceira fase, de análise postural, foram
deste índice baseia-se nas seguintes
analisadas e interpretadas as informações
considerações:
colhidas, com o auxílio do software
 se o índice de levantamento for menor Ergolândia, para a obtenção-se do grau de
que 1,0 o trabalhador se encontra risco biomecânico de acordo com os métodos
numa situação segura, tem uma NIOSH, RULA e OWAS, e através de escores
chance mínima de vir a ter uma lesão; de tabelas apropriadas, estimaram-se
 se o índice de levantamento for de 1,0 mudanças, para redução de riscos
a 2,0, o risco de vir a ter uma lesão ergonômicos.
aumenta;
 se o índice de levantamento for maior
que 2,0 o risco de vir a ter alguma 3.2 PROCESSO PRODUTIVO
lesão na coluna ou no sistema Atualmente a madeireira é composta por uma
músculo-ligamentar aumenta de forma linha produtiva, onde o volume de madeira
considerável. serrada produzido é determinado pelas
solicitações de venda, ou seja, de acordo
3. PROCEDIMENTOS DE PESQUISA com a demanda do mercado.

Com base na fundamentação teórica Inicialmente ocorre o recebimento das toras


apresentada, foi realizado o desenvolvimento de eucalipto e pinos, as quais permanecem
do trabalho em uma empresa do ramo no pátio para a secagem natural, já que o
madeireiro, localizada na cidade de material lenhoso recém-abatido apresenta
Apucarana, região norte do Paraná. considerável quantidade de água que, para
um determinado uso, deve ser removida.
Os funcionários da empresa apresentam
poucas faltas e afastamentos no trabalho, O abastecimento de madeira às serras é feito
porém, uma alta rotatividade. Tal fato, na sua por um trator carregador, que retira as toras
totalidade, não está relacionado a acidentes do pátio e as conduz até as máquinas
do trabalho e sim a questões pessoais. principais. Posteriormente inicia-se a
conversão das toras em madeira serrada, ou
seja, o processamento de peças de seção
3.1 METODOLOGIA circular em peças de seção retangular. As
serras fita, circular e a destopadeira são o
O presente trabalho se baseia em um estudo maquinário responsável por tal conversão.
exploratório e interpretativo, cuja pesquisa de
natureza qualitativa e quantitativa foi realizada A serra fita, destinada a recortes externos,
pela abordagem in loco no decorrer de cinco retos e curvos e ao traço e desdobramento de
visitas, durante o horário normal de peças de madeira ou derivados, é utilizada
expediente e sem interrupção do processo de para o desdobro primário de toras de madeira
produção. de pinus e eucalipto, produzindo semiblocos
após a retirada de duas costaneiras, com a
Inicialmente foram realizadas visitas às realização de dois cortes tangenciais.
instalações da empresa, durante a primeira
visita, foi possível conhecer a estrutura física, Em seguida são resserrados os semiblocos
seus principais processos, cargos, missão, na serra circular, que é utilizada para serrar
visão e valores. Para tanto, contataram-se os madeira ou derivados em cortes retos, por
proprietários da empresa, explicando-lhes o meio de cortes longitudinais. E na serra
motivo da escolha do local para realização da destopadeira é realizado o corte transversal,
pesquisa e os resultados esperados do de acordo com o comprimento solicitado pelo
estudo. cliente.

Tópicos em Ergonomia e Segurança do Trabalho - Volume 1


158

3.3 ANÁLISE DA DEMANDA serviço da empresa.


O estudo foi realizado com trabalhadores do Auxiliar Operador de Máquinas: fazer
sexo masculino envolvidos exclusivamente no carregamento e descarregamento das
setor de produção, encarregado de produção madeiras; operar as máquinas serra-fita, serra
e auxiliares. O motivo da escolha está circular e destopadeira; cortar as madeiras de
diretamente relacionado à maior exposição a acordo com o pedido do cliente.
esforços e fadiga, já que o estudo busca
exclusivamente conhecimentos quanto à
postura, carregamento de peso, movimentos 3.5 ANÁLISE DAS ATIVIDADES
repetitivos, adequação da mobília e
Devido ao porte da empresa o encarregado
equipamentos presentes no ambiente de
de produção exerce também funções
trabalho.
operacionais, e não apenas gerenciais.
Portanto, executa também atividades no
processo semelhantes às que os auxiliares
3.4 ANÁLISE DAS TAREFAS
operadores de máquinas exercem.
Os funcionários possuem um conjunto de
As informações coletadas quanto às
objetivos prescritos, os quais devem ser
atividades, foram organizadas de acordo com
cumpridos, correspondentes a um plano do
o Quadro 1, apresentando-se uma sequência
trabalho. A seguir a descrição dos cargos
sucinta das principais atividades
objetos de estudo:
desempenhadas pelos operadores, de acordo
Encarregado de Produção: distribuir e com o tipo de máquina do processo e o
organizar os serviços dentro do setor; fazer o método de análise utilizado, sendo que
carregamento e descarregamento das utilizou-se o método RULA para análise
madeiras; operar as máquinas serra-fita, serra postural de atividades que não exigiam
circular e destopadeira; cortar as madeiras de carregamento de peso e , OWAS e NIOSH
acordo com o pedido do cliente; dirigir o nas que apresentavam.

Quadro 1 - Sequência das atividades dos operadores

Fonte: O autor

Tópicos em Ergonomia e Segurança do Trabalho - Volume 1


159

4. RESULTADOS E ANÁLISES Já que a atividade quando repetitiva, ao


decorrer do tempo, pode causar fadiga da
Em posse dos dados coletados, utilizou-se o
musculatura e desconforto, causado pelas
software Ergolândia para as análises dos
condições adversas do fluxo do sangue
postos de trabalho. Apresentam-se a seguir,
venoso.
os resultados obtidos e os diagnósticos para
as situações que apresentam fatores a serem Porém, a pontuação registrada considera a
corrigidos. operação com o braço levantado, visto que o
operador encontra-se nesta posição apenas
no momento de ligar e desligar a serra fita e
a) Operador 01 no restante do período permanece com os
braços abaixados entre - 20° e + 20°, em
Utilizou-se o método RULA para análise da
relação ao corpo, tem-se então a pontuação
atividade de fixação da tora no carro-porta-
2, caracterizando uma postura aceitável.
toras para o deslocamento até a serra fita.
Pontuação final do método RULA: 4 de uma
escala até 7, significando que deve-se realizar c) Operador 03
uma observação e podem ser necessárias
Utilizou-se os métodos OWAS e NIOSH para
mudanças.
análise da atividade de coleta, deslocamento
Diagnóstico: A atividade em princípio não e descarregamento das tábuas do estoque na
requer mudanças imediatas. Devem-se base.
realizar observações e entrevistas, qualquer
Categoria de Ação pelo método OWAS: São
sintoma de desconforto do operador deverá
necessárias correções imediatas.
ser avaliado. Já que a atividade quando
repetitiva, ao decorrer do tempo, pode causar Pontuação final do método NIOSH: Ruim,
fadiga da musculatura e desconforto, deve-se fazer uma seleção ergonômica que é
causado pelas condições adversas do fluxo o aconselhamento do trabalhador para a
do sangue venoso. mudança nos métodos de trabalho.
Diagnóstico: Diminuir o tamanho da carga em
até 20 Kg e, no momento do descarte na
Proposta de melhoria a ser estudada de
base, não realizar inclinação, podendo
acordo com a viabilidade da empresa:
realizar a torção, porém mantendo a coluna
 Instalação de garras hidráulicas no ereta. De acordo com o Método NIOSH o
carro-porta-toras, não necessitando limite de peso recomendado seria 12 Kg,
que o operador fixe as garras com o porém, se a distância horizontal entre a carga
martelo manualmente. e o pé for 10 cm e uma carga de 20 Kg,
obtém-se um bom índice de levantamento.
 Implantação de esteiras rolantes,
responsáveis pela alimentação do Proposta de melhoria a ser estudada de
carro-porta-toras, assim a atividade acordo com a viabilidade da empresa:
do Operador 01 exigiria menos  Instalação de plataforma sobre trilhos,
esforços, atuando no facilitando a atividade de transporte
acompanhamento do processo. das madeiras serradas até o estoque
de produtos.
b) Operador 02
 Reorganização do espaço físico:
Utilizou-se o método RULA para análise da delimitação das áreas de passagem
atividade de acionamento da alavanca para de carga e trabalhadores; delimitação
ligar/desligar a serra fita. da área de armazenagem dos
subprodutos e produtos finais;
Pontuação final do método RULA: 4 de uma
delimitação da área das máquinas e o
escala até 7, deve-se realizar uma
acesso a lâmina da serra fita.
observação e podem ser necessárias
mudanças.
Diagnóstico: A atividade em princípio não d) Operador 04 e 05
requer mudanças imediatas. Devem-se
Utilizou-se os métodos OWAS e NIOSH para
realizar observações e qualquer sintoma de
análise da atividade de corte da tábua na
desconforto do operador deverá ser avaliado.
serra circular, onde o operador recolhe a

Tópicos em Ergonomia e Segurança do Trabalho - Volume 1


160

tábua da base, posiciona no carro de trilho e Propostas de melhoria a serem estudadas de


o empurra o para iniciar o corte. acordo com a viabilidade da empresa:
Categoria de ação pelo método OWAS: São  Implementação de uma esteira de
necessárias correções em um futuro próximo. roletes junto à serra destopadeira,
assim a operação seria facilitada no
Pontuação final do método NIOSH: Bom, o
índice de levantamento é menor que 1. momento do deslocamento da
madeira a ser cortada.
Diagnóstico: O posto de trabalho não
apresenta problemas ergonômicos, porém é  Adaptação que possibilite o ajuste da
recomendável que o operador procure manter altura da mobília para os diferentes
a postura o mais ereta possível, pois mesmo tipos de trabalhadores que possam
se tratando de um trabalho muscular regular, ocupar o posto.
se os movimentos forem repetidos por um 5. CONCLUSÃO
tempo mais longo, podem ocorrer dores, de
início leves e depois mais intensas, não só Foi possível, tendo como base o referencial
nos músculos, mas também nas articulações teórico e respeitando-se as limitações do
e nos tendões. estudo, estimar os riscos de desordens
corporais aos quais os trabalhadores estão
expostos, incluindo a identificação de esforço
e) Operador 06 muscular associado à postura adotada.

Este posto de trabalho é caracterizado pela Os métodos utilizados possibilitaram a


realização do trabalho em pé. Para tal avaliação da frequência das ações técnicas
atividade recomenda-se que a mobília esteja executadas, como movimentos repetitivos e
adequada, ou seja, de 10 – 30 centímetros do trabalho pesado envolvendo o manuseio
abaixo do nível do cotovelo (IIDA, 2003). de cargas.
Verificou-se que a mobília está de acordo com A atividade mais crítica observada é aquela
os valores estabelecidos para o trabalhador que diz respeito ao carregamento de peso. As
em questão, porém não possui opção de demais atividades não apresentaram
regulagem para os diferentes tipos de necessidade de grandes intervenções
trabalhadores que possam ocupar o posto. A ergonômicas. Porém, o acompanhamento e
seguir a análise pelo método RULA. avaliação das atividades devem ser
Utilizou-se o método RULA para análise da constantes.
atividade de corte da madeira, na serra Vale destacar que o trabalho realizou apenas
destopadeira, de acordo com o comprimento uma análise postural e que a ergonomia de
solicitado pelo cliente. segurança procura, entre outros fatores,
Pontuação final do método RULA: 4 de uma garantir a integridade física do trabalhador.
escala até 7, deve-se realizar uma Logo, seria de extrema importância que
observação e podem ser necessárias estudos e melhorias dos demais aspectos
mudanças. fossem implementados no processo, como
exemplo a utilização de equipamento de
Diagnóstico: A atividade em princípio não proteção coletiva e individual, layout e
requer mudanças imediatas, porém devem-se iluminação.
realizar observações e qualquer sintoma de
desconforto do operador deverá ser avaliado, Desta forma o estudo possibilitou o
já que permanecer em pé por um tempo direcionamento, elaboração de
prolongado não só causa fadiga da recomendações ergonômicas, para uma
musculatura, mas também desconforto, correta adoção de posturas que favoreçam o
causado pelas condições adversas do fluxo melhor desenvolvimento de funções, de modo
de retorno do sangue venoso. que eliminem ou minimizem as atividades
penosas.

Tópicos em Ergonomia e Segurança do Trabalho - Volume 1


161

REFERÊNCIAS [10] MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO


(M. T. E.). Norma regulamentadora - NR17 -
[1] BATISTA, Djeison Cesar. Avaliação do Ergonomia. Disponível em:<
Desempenho Operacional de uma Serraria através http://portal.mte.gov.br/portal-mte/>. Acesso em:
de Estudo do Tempo, Rendimento E Eficiência: 26/09/2012
Estudo De Caso em Piraí-RJ. Trabalho de
Conclusão do Curso de Engenharia Florestal. [11] MÜHLBAUER, Clarice Futuro; RAZEIRA,
Universidade Rural do Rio de Janeiro - UFRRJ. Philipe Sidartha. Conservação e restauração de
2006. madeira na arquitetura brasileira. 2011. Disponível
em: <http://pt.scribd.com/doc/55101930/1/principais-
[2] CARDOSO JUNIOR, Moacyr Machado. aplicacoes-da-madeira-ao-longo-da-historia-do-brasil>.
Avaliação ergonômica: Revisão dos métodos para Acesso em 18/09/2012.
avaliação postural. Revista Produção On Line.
Florianópolis, SC, ISSN 1676 – 1901/ Vol. 6/ Num. [12] ROSSO, André Luiz Barp; OKUMURA,
3/ dez. 2006. Sérgio. Estudo Comparativo entre o Peso
Suportado pelos Trabalhadores no Transporte
[3] COUTO, Hudson de Araújo. Ergonomia Manual de Sacas de Cimento e o Limite
aplicada ao trabalho: o manual técnico da máquina Recomendado pelo Método NIOSH. Trabalho de
humana. Belo Horizonte: Ergo, 1995. Conclusão de Curso, Graduação em Engenharia
[4] FBF SISTEMAS, Software Ergolândia 3.0. Segurança do Trabalho, Universidade do Extremo
Disponível em:< Sul Catarinense – UNESC, Criciúna, abr. 2007.
http://www.fbfsistemas.com/ergonomia.html>. Acesso: [13] SANTOS, N; FIALHO, F. Manual da análise
29/11/2012. ergonômica do trabalho, 1º ed. Curitiba: Editora
[5] GRANDJEAN, Etienne. Manual de Gênesis, 1995.
ergonomia: adaptando o trabalho ao homem. Trad. [14] ______. ______, 2º ed. Curitiba: Editora
João Pedro Stein, Porto Alegre: Artes Médicas, Gênesis, 1997.
Editora Bookman, 4ª ed., 1998.
[15] SBC MAFRA. Agência de Noticias. Meio
[6] GRANDJEAN, Etienne; KROEMER, H. E. Ambiente: Setor Madeireiro deve crescer 100% em
Kare Manual de ergonomia: adaptando o trabalho 10 anos, 13/03/2013. Disponível em:<
ao homem. Trad. Lia Buarque de Macedo http://www.mafra.sbcbrasil.com.br/>. Acesso em:
Guimarães, Porto Alegre: Artes Médicas, Editora 16/04/2013.
Bookman, 5ª ed., 2005.
[16] SOUZA, V. F. Análise Postural em uma
[7] IIDA, Itiro. Ergonomia: Projeto e Produção, Serraria de Pedras Decorativas Utilizando o
2ª ed. Revisada e Ampliada, São Paulo: Editora Método OWAS. Trabalho de Conclusão de Curso.
Edgard Blücher, 2003. Faculdade de Engenharia da Universidade Federal
[8] ______. ______, 2ª ed. Revisada e de Juiz de Fora, Orientador: Prof. Eduardo
Ampliada, São Paulo: Editora Edgard Blücher, Breviglieri Pereira de Castro, D. Sc. 2010.
2008. [17] TEIXEIRA, E. R.; OKIMOTO, M. L. R.;
[9] MINISTÉRIO DA SAÚDE. Lesão por GONTIJO, L. A. Índice de Levantamento da
esforço repetitivo (LER) distúrbio osteomuscalares Equação do NIOSH e Lombalgia. Revista Produção
relacionados ao trabalho (DORT). Série A. Normas Online, Florianópolis, C, v.11, n.3, ISSN 1676-1901,
e Manuais Técnicos, no103. Brasília, DF, fev.2001. jul./set. 2011.

Tópicos em Ergonomia e Segurança do Trabalho - Volume 1


Capítulo 17
ACIDENTES DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA
CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESTADO DO TOCANTINS,
BRASIL: ESTUDO DESCRITIVO (2007-2012)

Onésima Aguiar Campos Barreto


Luciane de Paula Machado
Antonelli Santos Silva

Resumo: Considerando-se a inexistência de estudos regionais e a pouca


informação sobre os acidentes de trabalho na indústria da construção civil no
Tocantins, o objetivo desta pesquisa foi descrever a quantidade de acidentes de
trabalho relacionados a este setor, com foco nos dados de acidentes e doenças
ocupacionais das estatísticas oficiais do governo, para avaliar a situação da
indústria da construção civil no estado. O estudo foi realizado com base nos dados
de acidentes de trabalho e doenças ocupacionais do Ministério da Previdência
Social e publicados no Anuário Brasileiro de Proteção da revista Proteção. Quanto
aos objetivos, a pesquisa caracteriza-se como descritiva, pois realizou a
quantificação de acidentes de trabalho ocorridos nos anos de 2007 a 2012
especificamente na indústria da construção civil no estado do Tocantins. Conclui-se
que a indústria da construção deixou a liderança em número de acidentes de
trabalho. Os dados levantados mostraram que de acordo com a frequência dos
mesmos, os acidentes típicos se sobressaem em relação aos de trajeto e as
doenças ocupacionais, necessitando assim de um melhor dimensionamento dos
fatores de segurança e saúde nesse setor.

Palavras–chave: Acidente de trabalho, indústria da construção, Tocantins.

Tópicos em Ergonomia e Segurança do Trabalho - Volume 1


163

1. INTRODUÇÃO indústria da construção civil no estado,


delineando ações de melhoria.
Em nível internacional, em especial no Brasil,
a indústria da construção tem lugar de Pesquisas envolvendo determinados setores
destaque, absorvendo considerável têm delineado parcialmente a população
porcentagem da mão-de-obra nacional trabalhadora e mostrado que a Construção
(RESENDE E SILVA, 2014). No entanto, civil, dentre outros setores, é apontada como
concomitantemente, este setor conquista de maior risco para a ocorrência de acidentes
espaço entre os mais problemáticos do ponto ocupacionais, com elevado risco de morte.
de vista de acidentes do trabalho.
Assim, o tema da pesquisa é relevante não só
De acordo com Chagas e Teixeira (2014), a por se tratar de uma atividade perigosa, mas
indústria da construção civil no Brasil mantém também porque a prevenção de acidentes de
elevados índices de acidentes de trabalho, trabalho nas obras exige um enfoque
apesar de esforços do governo federal, com específico, considerando a natureza particular
ações de fiscalização e orientações, bem do trabalho.
como das próprias empresas e sindicatos que
têm desenvolvido ações no sentido de reluzi- 2. REFERENCIAL TEÓRICO
las.
2.1 SETOR DA CONSTRUÇÃO CIVIL
Devido ao alto grau de risco das atividades
Segundo Melo e Amorim (2009) a cadeia
inerentes à construção civil, os problemas
produtiva da construção civil engloba uma
com segurança do trabalho do setor são
gama de setores industriais, desde
maiores que em outros. Contudo, para
mineração, siderurgia, metalurgia, vidro,
Rigolon et al., (2014) com o passar dos anos
cerâmica, madeira, plásticos, equipamentos
as leis trabalhistas e as leis relacionadas à
elétricos e mecânicos, além de prestadores
segurança do trabalho vêm sofrendo um
de serviços, como escritórios de projetos
processo de evolução e se tornando cada vez
arquitetônicos, serviços de engenharia, e
mais rigorosas. O resultado desta evolução já
empreiteiros, dentre outros. Sua principal
é sentido uma vez que vem diminuindo o
característica é a amplitude e complexidade
índice de acidentes de trabalho (BRASIL,
de empresas, desde construtoras,
2012a).
incorporadoras e imobiliárias, empreiteiras
Assim, o setor da construção civil, que já foi o (obras de infraestrutura e construção de
líder no quadro de acidentes de trabalho, não edifícios), além dos consumidores em geral
ocupa mais este posto, estando atualmente (pequenas construções e reformas)
no terceiro lugar, atrás da indústria de (ABRAMAT/FGV, 2011).
alimentos e bebidas e também dos serviços
Segundo (2012), a força da impulsão do
relacionados com comércio e reparos de
negócio da cadeia da construção, também
veículos (BRASIL, 2012a).
conhecido como construbusiness, representa
Apesar do quadro econômico favorável, as uma participação expressiva nos
estatísticas mostram que o número de investimentos globais do país.
acidentes de trabalho ainda são alarmantes
A atividade econômica da construção civil
(ENSSLIN, ET AL., 2012)
também representa uma parcela importante
A falta de informação sobre a quantidade de do produto interno bruto de qualquer país e
acidentes e doenças da construção civil pode tem efeitos significativos na empregabilidade
prejudicar o planejamento e o investimento na de pessoal (UNIEMP, 2010).
área de saúde e segurança no canteiro de
Este macrossetor é uma potência na geração
obras por parte dos sindicatos, construtores e
de empregos, ocupando 10 milhões de
trabalhadores (GOBBO, 2011)
pessoas no país. Já a construção civil em si
Considerando-se a inexistência de estudos responde pela maior parcela de ocupados na
regionais e a pouca informação sobre os cadeia com 69%, ou seja: 6,9 milhões de
acidentes de trabalho na indústria da trabalhadores (CADERNO..., 2010).
construção civil no Tocantins, o objetivo desta
Segundo o Ministério do Trabalho e Emprego
pesquisa foi descrever a quantidade de
(MTE), em 2010 foram geradas nos meses de
acidentes de trabalho relacionados a este
janeiro a agosto mais de 259 mil vagas,
setor, com foco nos dados de acidentes e
aumentando mais de 10% o número de
doenças ocupacionais das estatísticas oficiais
trabalhadores formais, atingindo cerca de 2,8
do governo, para avaliar a situação da

Tópicos em Ergonomia e Segurança do Trabalho - Volume 1


164

milhões de empregados contratados no ano atividade, os acidentes ocorridos no percurso


(MTE, 2010). residência/local do trabalho/residência e nos
horários de refeições (BRASIL, 1991).
De acordo com o Sinduscon – SP, o setor da
construção civil foi responsável pela geração De acordo com o Ministério da Previdência
de 46.447 novos empregos com carteira Social (2015), os acidentes caracterizam-se
assinada apenas em abril de 2012, e no por típicos, de trajeto e doença do trabalho:
acumulado dos doze meses, foram
contratados mais de 255.602 trabalhadores,  Acidentes Típicos: são os acidentes
sendo que em abril deste mesmo ano o setor decorrentes da característica da
empregava um total de 3.343 milhões de atividade profissional desempenhada
trabalhadores (SINDUSCON-SP, 2012). No pelo segurado acidentado;
entanto, embora este setor possua extrema
importância na atualidade, principalmente por  Acidentes de Trajeto: são os
se tratar de uma área fortemente acidentes ocorridos no trajeto entre a
empregadora, tem sido foco de grandes residência e o local de trabalho do
preocupações devido ao elevado número de segurado e vice-versa;
acidentes de trabalho.
 Doença do trabalho: são as doenças
Segundo Gobbo (2011), a indústria da profissionais, aquelas produzidas ou
construção civil destaca-se por apresentar desencadeadas pelo exercício do
elevado índice de acidentes de trabalho trabalho.
graves e fatais. Ainda segundo o mesmo
Conforme Almeida (2010), acidentes de
autor, as atividades desse setor não se
trabalho e doenças relacionadas ao trabalho
caracterizam como homogênea e apresentam
são eventos influenciados por aspectos
uma série de peculiaridades que se iniciam a
relacionados à situação imediata de trabalho
partir do processo de instalação do canteiro
como o maquinário, a tarefa, o meio técnico
de obras e estende-se até as fases finais de
ou material, e também pela organização e
conclusão dos trabalhos.
pelas relações de trabalho.
2.2 ACIDENTE DE TRABALHO Os acidentes do trabalho devem ser
registrados através do registro da
O artigo 19 da Lei nº. 8. 213 publicada em 24
Comunicação de Acidentes do Trabalho –
de julho de 1991, que trata sobre os planos
CAT até 24 horas após a sua ocorrência.
de benefícios da previdência social, traz a
Contudo, em muitas situações, ela é entregue
definição de acidente de trabalho, como
com atraso ou mesmo não é entregue,
aquele que ocorre pelo exercício do trabalho,
gerando uma subnotificação de acidentes do
a serviço da empresa, provocando lesão
trabalho. Com isso, além dos acidentes com
corporal ou perturbação funcional que cause
CAT registrada, existe também a categoria de
a morte, ou perda, ou redução permanente ou
acidentes sem registro de CAT. Como não há
temporária, da capacidade para o trabalho
registro, faltam diversas informações sobre o
(BRASIL, 1991).
acidente, embora haja informações sobre
Ainda de acordo com o artigo 20 da mesma suas consequências.
lei, são equiparados aos acidentes de
Segundo a Organização Internacional do
trabalho as doenças profissionais e as
Trabalho (OIT), ocorrem cerca de 270 milhões
doenças do trabalho. No entanto para fins de
de acidentes de trabalho e dois milhões de
aplicação da lei excetuam-se a doença
mortes a eles relacionadas, a cada ano, em
degenerativa, a inerente a grupo etário, a que
todo o mundo. Estima-se que 4% do produto
não produza incapacidade laborativa e a
interno bruto (PIB) sejam perdidos por
doença endêmica.
doenças e agravos ocupacionais, proporção
A legislação Previdenciária brasileira também que pode aumentar em 10% quando se trata
considera como acidentes, os ligados ao de países em desenvolvimento.
trabalho — embora o trabalho não seja a
No ano de 2010, no Brasil, segundo as
única causa, os acidentes ocorridos no local
estatísticas oficiais da Previdência Social,
do trabalho decorrentes de atos intencionais
aconteceram 701.496 acidentes, com 2.712
de terceiros ou de companheiros do trabalho,
mortes, dos quais 54.664 são apenas da
os casos fortuitos ou decorrentes de força
indústria da construção, que se apresenta
maior, as doenças provenientes de
contaminação acidental no exercício da

Tópicos em Ergonomia e Segurança do Trabalho - Volume 1


165

como uma das atividades com maior número podem ser registros, comunicações oficiais,
de acidentes. relatórios e outros.
O número de acidentes no trabalho pode Os dados utilizados para a pesquisa referem-
representar perdas consideráveis, como os se ao total de trabalhadores com vínculos
que se referem aos aspectos humanos, formais e registrados no ramo da Indústria da
sociais e econômicos gerando custos construção dos anos selecionados de acordo
elevados para as empresas, trabalhadores e com os CNAE específicos do setor.
governo (GOBBO, 2011)
Os dados referentes ao número de acidentes,
doenças do trabalho e tipos de acidentes
3. MATERIAL E MÉTODOS
foram selecionados na base de dados da
O estudo foi realizado com base nos dados Dataprev, disponibilizados no site MPS/AEAT
de acidentes de trabalho e doenças da Previdência Social, através do link
ocupacionais do Ministério da Previdência (http://creme.data-
Social e publicados no Anuário Brasileiro de prev.gov.br/scripts8/netuno.cgi e no Anuário
Proteção da revista Proteção. Brasileiro de Proteção da revista Proteção.
Quanto aos objetivos, a pesquisa caracteriza-
4. RESULTADOS E DISCUSSÃO
se como descritiva, pois realizou a
quantificação de acidentes de trabalho
ocorridos nos anos de 2007 a 2012 Com base na análise dos dados do Anuário
especificamente na indústria da construção Estatístico de Acidentes de Trabalho e no
civil no estado do Tocantins. Anuário Brasileiro de Proteção, observa-se
que no estado do Tocantins, nos anos de
A área e população escolhida para a
2007 a 2012 houve um aumento significativo
realização desta pesquisa referem-se ao total
de 17% no número total de trabalhadores
de trabalhadores (as) formais do ramo da
registrados, e de 14% no número de
Indústria da construção.
trabalhadores de outros setores da economia.
Quanto aos procedimentos, a pesquisa Já no setor da indústria da construção, houve
caracteriza-se como pesquisa documental. uma variação ao longo dos anos, sendo que
Segundo Vergara (2005), a análise em 2011 foi registrado o maior número de
documental é uma modalidade de coleta de trabalhadores com 25.880, decaindo no ano
dados que busca informações em posterior e mantendo uma redução de 7% no
documentos conservados no interior de crescimento do número de trabalhadores,
órgãos públicos e privados de qualquer conforme mostra o Figura 1.
natureza, ou com pessoas. Tais documentos

Figura 1 – Número de trabalhadores do Tocantins

Fonte: Elaborado pelos autores

Tópicos em Ergonomia e Segurança do Trabalho - Volume 1


166

Figura 1 – Número de trabalhadores do Tocantins

Fonte: Elaborado pelos autores

Este aumento é decorrente principalmente brasileira, onde mostra que o PIB setorial da
dos grandes investimentos realizados em construção civil havia crescido 3,6% no
nível nacional, como por exemplo, os primeiro semestre, se comparado ao mesmo
Programas de Aceleração do Crescimento período de 2010. (CBIC, 2014).
(PAC) do governo federal. Este aumento Ainda segundo a pesquisa, o número de
justifica-se também através da disponibilidade acidentes de trabalho no estado do Tocantins
dos dados de uma pesquisa divulgada pela tem diminuído significativamente se
Câmara Brasileira da Indústria da Construção compararmos os anos de 2007 a 2012,
(CBIC) em outubro de 2011, momento conforme mostra a Figura 2.
considerado positivo para a economia

Figura 2 – Número de acidentes no Tocantins

Fonte: Elaborado pelos autores

Tópicos em Ergonomia e Segurança do Trabalho - Volume 1


167

A análise dos dados apresentados na Figura Estas mudanças no número de acidentes de


2 mostra uma redução de 17% no número trabalho na indústria da construção no estado,
total de acidentes. Já no número de acidentes não traduzem verdadeiramente melhoria da
de outros setores da economia, houve uma segurança das condições de trabalho ou a
variação no decorrer dos anos, mantendo um efetiva redução dos riscos ocupacionais, pois
aumento de 2% em 2012 se comparado ao segundo os autores Loomis et al (2004) e
ano de 2007. Este comparativo também é Waldvogel (2005) esta redução seria uma
utilizado para representar a redução de 66% consequência mais relacionada às mudanças
no número de acidentes de trabalho na no perfil produtivo, em especial, ao aumento
indústria da construção. do setor de serviços.
Segundo GOBBO (2011) a redução de Segundo o Ministério da Previdência Social
acidentes de trabalho é um grande desafio, (MPS), os acidentes de trabalho podem ser
visto que estão sendo aplicados grandes classificados como típico, de trajeto ou
esforços para a sua prevenção. Mas o que se doença do ocupacional. A análise desses
vê é que os acidentes ainda continuam dados, segundo a tipologia adotada está
ocorrendo. representada na Figura 3.

Figura 3 – Acidentes de Trabalho no Tocantins por tipologia

Fonte: Elaborado pelos autores

Como observado na Figura 3, nos anos de doenças ocupacionais representam uma


2007 a 2012, houve redução de 11,31% no média de 0,12 ocorrências em todo o estado.
número de acidentes típicos e de 5,88% no Mesmo não sendo um número muito alto,
número de doenças ocupacionais. Contudo entre os anos analisados, e principalmente se
os acidentes de trajeto sofreram um aumento comparado a outros estados, é importante
6,57% no estado do Tocantins. analisá-los mais profundamente,
Em média aconteceram 3,39 acidentes de principalmente porque o grande causador
trabalho por dia no estado do Tocantins. Com dessa média são os acidentes típicos. Ou
relação aos acidentes típicos a média de seja: a maior ocorrência de acidentes de
ocorrência é de 2,51 acidentes por dia. As trabalho tem acontecido no desempenho da
atividade profissional. Este diagnóstico chama

Tópicos em Ergonomia e Segurança do Trabalho - Volume 1


168

a atenção para a necessidade de o setor implicará em um aumento no número absoluto


investir em melhorias na segurança do de acidentes do trabalho. Tendo em vista
trabalho, no sentido de diminuir os riscos nos essa relação, mais relevante do que analisar o
ambientes de trabalho. número absoluto de acidentes do trabalho é
Os achados da pesquisa referem-se apenas analisar os números relativos de acidentes,
aos acidentes de trabalho de trabalhadores ponderados pelo volume do emprego no setor
formais e com preenchimento da de atividade analisado. No estado do
Comunicação de Acidente de Trabalho – CAT. Tocantins, essa relação é perfeitamente
Este aspecto nos permite afirmar que, embora aplicável, uma vez que o número de
tenha havido uma diminuição nos números de trabalhadores deste setor sofreu uma variação
acidentes, o resultado não condiz com a e queda significativa ao longo dos anos.
realidade do estado, pois segundo Alves et al Os dados apresentados na pesquisa não
(2013), a confiabilidade dos dados permitem identificar as causas dessas
estatísticos oficiais do MPS sobre acidentes variações no setor. No entanto, indicam que o
de trabalho no Brasil, utilizados como fonte de cenário de segurança e saúde na construção
numerosos estudos epidemiológicos e para a civil vem sofrendo mudanças, as quais
formulação de políticas públicas de requerem estudos mais detalhados para
prevenção de acidentes de trabalho, é identificar as causas das mesmas.
questionada devido aos elevados níveis de A indústria da construção caracteriza-se pela
subnotificação. não homogeneidade, grande dimensão,
empresas de diversos portes, níveis
5. CONSIDERAÇÕES FINAIS tecnológicos, níveis de qualificação dos
funcionários, níveis de preocupação e
adequação às normas e práticas de
A indústria da construção é um dos setores
prevenção de acidentes do trabalho diversos.
em que mais ocorrem acidentes de trabalho e
Desta forma, as políticas setoriais de
onde o risco de acidentes é maior. Além deste
prevenção de acidentes não são tão eficazes,
fator marcante, este setor vem
pois não foram delineadas para atingir
experimentando na última década uma queda
empresas com a diversidade mencionada.
no número de trabalhadores no estado do
Cabe destacar que a redução dos acidentes
Tocantins.
de trabalho na indústria da construção não
A indústria da construção também deixou a
deve desviar a percepção do dano causado
liderança em número de acidentes de
pelos acidentes no setor, afim de que o
trabalho. Os dados levantados mostraram que
mesmo não se acomode com a melhora
de acordo com a frequência dos mesmos, os
obtida e que dêem continuidade nos esforços
acidentes típicos se sobressaem em relação
para que se prolongue a redução dos
aos de trajeto e as doenças ocupacionais,
números de acidentes do trabalho.
necessitando assim de um melhor
Por fim, cabe mencionar que os dados
dimensionamento dos fatores de segurança e
utilizados para a pesquisa são limitados pela
saúde nesse setor.
ausência de dados para análise de acidentes
Embora esteja evidente, a redução de
por gênero, idade e escolaridade, de forma a
acidentes no setor da construção civil no
detalhar ou a agrupar as classes. Estas
período 2007 a 2012, a simples observação
informações seriam úteis, especialmente, para
dessa redução não é suficiente para
uma análise mais detalhada do setor. Sugere-
concluirmos que houve uma melhora das
se, portanto, a necessidade de uma revisão
condições de trabalho no setor. Isso porque
dos links para permitir o acesso aos dados
os acidentes em um setor econômico
dos anuários estatísticos de acidentes de
dependem, de maneira importante, da
trabalho (AEAT) disponibilizados pelo MPS e
quantidade de trabalhadores naquele setor.
facilitar análises com maior especificidade.
Ou seja, tudo o mais constante, um aumento
no número de trabalhadores no setor

Tópicos em Ergonomia e Segurança do Trabalho - Volume 1


169

REFERÊNCIAS [10] INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL.


Boletim Estatístico de Acidentes de Trabalho –
[1] ALMEIDA, Ildeberto Muniz. Modelo de análise BEAT. Brasília. 2002. Disponível em
e prevenção de acidente de trabalho – MAPA / <http://www1.previdencia.gov.br/docs/2sh04_0
Ildeberto Muniz Almeida e Rodolfo A. G. Vilela; 1.xls> Acessado em: 12 Abril 2015.
Alessandro J. Nunes da Silva....[et al.],
(colab.). – Piracicaba: CEREST, 2010. [11] MELLO, L. C. B. B.; de AMORIM, S. R. L. O
subsetor de edificações da construção civil no
[2] ABRAMAT/FGV – Associação Brasileira de Brasil: uma análise comparativa em relação à
Matérias e Fundação Getúlio Vargas. Perfil da união europeia e aos estados unidos.
[3] Cadeia Produtiva da Construção e da Indústria Produção, v. 19, n. 2, p. 388-399, 2009.
de Materiais e Equipamentos, 2011. [12] MINISTÉRIO DA PREVIDÊNCIA E
[4] BRASIL. Anuário Estatístico da Previdência ASSISTÊNCIA SOCIAL. Saúde e segurança
Social. Ministério da Previdência Social, 2012a. ocupacional. Disponível em
Disponível em: acesso em 20.03.2015. <http://www.previdenciasocial.gov.br/conteudo
Dinamico.php ?id=39> Acesso em Abril de
[5] CADERNO Técnico ConstruBusiness 2010. 9º 2015.
Congresso Brasileiro da construção. Brasil
2022: planjejar, construir, crescer. São Paulo: [13] RESENDE Andre Alves de; SILVA Philippe
FIESP, 2010. Disponível em: < Barbosa. Indústria da construção: riscos e
http://az545403.vo.msecnd.net/uploads/2014/0 intervenções ergonômicas visando aumento na
3/9-construbusiness_2010_portugues.pdf> produtividade. XXXIVI ENEGEP - Curitiba, PR,
Acesso em 24 de Novembro de 2014 Outubro de 2014.

[6] CHAGAS, Leila Soares Viegas Barreto; [14] RIGOLON, Andre; NAGALLI, Andre; GILIOLI,
TEIXEIRA, Eduardo Cruz. Estudo sobre o uso Leandro Nicoletti ; CATAI, Rodrigo Eduardo.
de Equipamentos de Proteção Individual Aplicação de um check list para avaliação do
(EPI´S) na indústria da construção civil da cumprimento da NR-18 em um canteiro de
cidade de João Pessoa. XXXIVI ENEGEP - obras. XXXIVI ENEGEP - Curitiba, PR, Outubro
Curitiba, PR, Outubro de 2014. de 2014.

[7] CBIC. Câmara Brasileira da Indústria da [15] SINDICATO DA INDÚSTRIA DA


Construção. Perfil da Cadeia Produtiva da CONSTRUÇÃO CIVIL DO ESTADO DE SÃO
Construção. 2012. Disponível em: PAULO (Brasil). (2012). Disponível em:
<http://www.cbicdados.com.br/home/>. <http://www.sindusconsp.com.br/msg2.asp?id
Acesso 23 Novembro 2014. =5649&categ=4&subcateg=18>. Acesso em:
10 janeiro 2015.
[8] ENSSLIN, Sandra R.; ENSSLIN, Leonardo;
MOREIRA, Artur Carlos da Silva; PEREIRA Vera [16] UNIEMP. Fórum Permanente das Relações
Lúcia Duarte do Valle. Evidenciação do estado Universidade-Empresa. 2010.
da arte da avaliação da segurança do trabalho [17] VERGARA, S.C. (2011).Projetos e relatórios de
em empreendimentos da construção civil. pesquisa em administração. 13. Ed. São Paulo:
Interciência, Jan 2014, Vol. 39 nº 1 Atlas, 2011.
[9] GOBBO, Gustavo. Análise de acidentes de [18] WALDVOGEL, B. C. Acidentes de trabalho no
trabalho ocorridos em construtoras na cidade Brasil entre 1994 e 2004: uma revisão.
de criciúma no ano de 2010. Monografia
apresentado ao Programa de Pós-Graduação [19] Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janiero v. 10,
em Engenharia de Segurança do Trabalho – n. 4, p. 841- 855, 2005.
UNESC. Criciúma, agosto 2011.

Tópicos em Ergonomia e Segurança do Trabalho - Volume 1


Capítulo 18
DIAGNÓSTICO ERGONÔMICO DE TRÊS DIFERENTES
POSTOS DE TRABALHO

Alessandro da Silva Barbosa


Danieli Biagi Vilela
Laura Okishima Duarte
Luana de Carvalho dos Santos
Marina Gutierrez Bispo da Silva

Resumo: Nessa pesquisa realizou-se uma análise ergonômica de três postos de


trabalho: de um desenvolvedor em uma empresa desenvolvedora de softwares e
aplicativos para celular, de um carregador e de uma operadora de caixa ambos em
uma empresa de produção e transporte de ovos. O objetivo é analisar as condições
de trabalho e diagnosticá-las como adequadas ou não ergonomicamente. A
pesquisa é classificada no que se refere à metodologia, como quantitativa e
qualitativa, quanto aos fins é aplicada e quanto aos meios é bibliográfica e
pesquisa de campo. Foi observado que as diferenças ergonômicas nos postos de
trabalho podem ser relacionadas com idade da empresa, segmento, e valorização
da profissão. As empresas, além de assegurar condições ergonômicas, devem
conscientizar e treinar seus funcionários para a utilização correta das máquinas e
equipamentos, a fim de preservar a manutenção de sua saúde e bem-estar.

Palavras-chave: Ergonomia, postos de trabalho, diagnóstico ergonômico.

Tópicos em Ergonomia e Segurança do Trabalho - Volume 1


171

1. INTRODUÇÃO ou regra”. A NR 17 a define como o estudo da


adaptação das condições de trabalho às
Dentre os objetivos da ergonomia, destaca-se
características psicofisiológicas dos
o desenvolvimento e aplicação de técnicas e
trabalhadores, de modo a proporcionar
procedimentos para adaptação do ambiente
máximo conforto, segurança e desempenho
de trabalho ao homem, objetivando não
eficiente. No Brasil, existe a ABERGO
somente o conforto, como também a
(Associação Brasileira de Ergonomia), que
produtividade. O estudo da ergonomia é feito
entende por ergonomia o estudo das
a partir das características físicas, e
interações das pessoas com a tecnologia, a
psicológicas dos seres humanos e sua
organização e o ambiente, objetivando
interação com ambiente/máquina, a fim de
intervenções e projetos que visem melhorar,
adaptar situações ou criar soluções para
de forma integrada e não dissociada, a
determinado posto de trabalho.
segurança, o conforto, o bem-estar e a
Em 1943, Alphonse Chapanis, tenente do eficácia das atividades humanas.
exército norte-americano, mostrou que o “erro
Devido às tecnologias, competitividade,
do piloto” poderia ser reduzido quando
necessidade de melhoria na eficácia,
controles mais lógicos e diferenciáveis
segurança e qualidade da produtividade,
substituíram os projetos das cabines dos
entre outros, surge à ergonomia. Segundo Iida
aviões. Em 1949, K.F.H. Murrel, engenheiro
(2005), esta é dividida, em três domínios:
inglês, começou a dar um conteúdo preciso à
ergonomia física que se ocupa de
ergonomia, e fez o reconhecimento desta
características da anatomia humana,
disciplina científica criando a primeira
antropometria, fisiologia e biomecânica,
associação nacional de Ergonomia, a
relacionados com a atividade física
Ergonomic Research Society, que reunia
desempenhada; ergonomia cognitiva que se
fisiologistas, psicólogos e engenheiros que se
encarrega dos processos mentais, como a
interessavam pela adaptação do trabalho ao
percepção, memória, raciocínio e resposta
homem (IIDA, 2001).
motora, relacionados com as interações entre
Torna-se notório a evolução da ergonomia no as pessoas e o sistema; e ergonomia
ultimo século, todavia, ainda se faz organizacional que se dedica à otimização
necessários estudos que abordem os dos sistemas sociotécnicos, abrangendo as
princípios da ergonomia aplicados em estruturas organizacionais, políticas e
situações que tragam melhorias para a processos.
organização e para o colaborador.
Atualmente a ergonomia abrange setores de
O objetivo deste artigo é apresentar uma serviço, indústria, agricultura, construção civil,
avaliação ergonômica acerca de três Postos e até a vida diária, em afazeres domésticos ou
de trabalho em duas diferentes empresas sul no lazer. Focando nos problemas encontrados
mato-grossenses. A discussão abrange não na organização do trabalho como aumento da
apenas as questões comuns em ergonomia, carga horária, horas extras excessivas, ritmo
mas também os fatores que influenciam nos acelerado e déficit de trabalhadores; em
resultados. fatores ambientais como mobiliários
inadequados, iluminação insuficiente, clima e
Baseando-se em duas empresas sul mato-
vibrações; e em possíveis sobrecargas de
grossenses, a CAMVA (Cooperativa Agrícola
segmentos corporais em determinados
Mista de Várzea Alegre), responsável por
movimentos, causadas por força excessivas
grande parte do mercado estadual de ovos.
para realizar tarefas, repetitividade de
Conta com centenas de funcionários, centros
movimentos e posturas inadequadas no
de distribuição em Campo Grande, Cuiabá e
desenvolvimento das atividades.
Rondonópolis. A outra empresa analisada é a
Jera, que trabalha com desenvolvimento de
ferramentas e aplicativos para iPhone, iPad,
3. METODOLOGIA
Android e Windows Phone.
3.1 CARACTERIZAÇÕES DAS PESQUISAS
Markoni e Lakatos (2007, p.15) definem a
2. ERGONOMIA
pesquisa como “um procedimento formal,
Ergonomia (ou fatores humanos) é um termo com método de pensamento reflexivo, que
que deriva do grego “ergos”, que significa requer tratamento científico e se constitui no
“trabalho” e “nomos”, que significa “lei, norma caminho para se conhecer a realidade ou

Tópicos em Ergonomia e Segurança do Trabalho - Volume 1


172

para se descobrir verdades parciais”. Para a obtenção dos resultados, foi utilizada
Segundo Gil (1999, p.42), “o objetivo pesquisa qualitativa e quantitativa, pois
fundamental da pesquisa é descobrir analisamos as condições de trabalho
respostas para descobrir os problemas comparando-as com as normas adequadas.
mediante o emprego de procedimentos Quanto aos fins, se classifica como uma
científicos”. pesquisa aplicada e quanto aos meios pode
ser classificada como pesquisa de campo e
As pesquisas são caracterizadas pelo tipo de
bibliográfica.
dados coletados e pelo tipo de análise que se
fará para atingir os objetivos, que pode ser Para realização da pesquisa foi feita uma
qualitativa ou quantitativa, de acordo com pesquisa bibliográfica para levantar
Chizotti (2001). Vergara (2004) sugere que se informações e fornecer sustentação ao tema.
defina a pesquisa quanto aos fins e aos meios A Figura 1 traz o fluxograma das etapas
de investigação. metodológicas realizadas.

Figura 1 – Fluxograma representativo da metodologia.

Fonte: Autoria própria

3.2 DELIMITAÇÃO DA PESQUISA impresso, com auxílio dos autores. No posto


de trabalho da empresa Jera, dois dias antes
A origem dessa pesquisa deu-se na disciplina
da visita à empresa, o funcionário do posto
de Ergonomia, fundamentada por alunos do
recebeu por e-mail um link que o direcionava
5º período do curso de Engenharia de
aos questionários, contendo instruções de
Produção da Universidade Federal de Mato
como ser respondido.
Grosso do Sul (UFMS). Foi designado a
grupos que escolhessem três postos de O instrumento de coleta foi estruturado em
trabalho e analisasse-os com enfoque nas três seções, (1) Dores, (2) Iluminação e Ruído,
características e abordagens ergonômicas (3) bem-estar do funcionário. As dores foram
estudadas em sala. Nesta pesquisa buscou- classificadas por cada parte do corpo e estas
se averiguar as condições ergonômicas dos eram avaliadas por nível de dor de um a sete,
trabalhadores que se dispuseram a colaborar em que aumento da escala equivale a grau
com a pesquisa nas empresas CAMVA e Jera. maior de dor, conforme disposto no
questionário nórdico (Anexo A). É válida a
Optou-se pela escolha das empresas por
mesma técnica de escala para análise de
indicação de dois integrantes do grupo. Os
iluminação, temperatura e ruído (Anexo B).
cargos analisados foram: desenvolvedor na
empresa Jera, e na empresa CAMVA, A pesquisa realizada individualmente durou
operadora de caixa e a função de carregador. cerca de uma hora e a coleta de dados nos
três postos de trabalho foi por meio de três
visitas com duração de cerca de 1h30min
3.3 COLETA DE DADOS cada.
A pesquisa foi dividida em duas etapas, a 3.4 ANÁLISE DOS DADOS
primeira foi a distribuição dos questionários,
Gil (1999) afirma que as respostas obtidas
onde os dois colaboradores da empresa
pelos pesquisados são sempre bastante
CAMVA responderam o questionário
variáveis e, para que possam ser

Tópicos em Ergonomia e Segurança do Trabalho - Volume 1


173

adequadamente analisadas, torna-se 4. ANÁLISE ERGONÔMICA


necessário organizá-las por meio de seu
4.1 DESCRIÇÃO DOS AMBIENTES DE
agrupamento em determinado número de
PESQUISA
categorias.
No primeiro posto analisado, o desenvolvedor
Para o presente artigo, os dados primários
trabalha sentado em uma cadeira, de frente
obtidos via questionário e medições foram
para uma mesa sobre a qual está o
categorizadas, tabulados, e analisados
computador. Durante sua atividade, seus
estatisticamente ou comparados à tabela
principais movimentos são com os braços,
antropométrica. Já os dados coletados por
concentrados nas mãos e nos punhos, devido
meio de imagens e entrevistas foram
à utilização de mouse e teclado. Ele trabalha
utilizados como complementação, reforçando
com os braços por inteiro na mesa e seus
os resultados adquiridos pelos dados
cotovelos ficam apoiados nela. O computador
primários ou justificando-os. Além disso,
é elevado por um acessório da mesa para
esses dados visuais facilitaram a dedução de
adequar ao ângulo de visão do trabalhador. A
informações que só podem ser obtidas por
cadeira utilizada é ajustável, de rodas, com
instrumentos de precisão. Essa categorização
encosto até o final das costas do trabalhador,
obedeceu à ordem determinada inicialmente
com apoio para os cotovelos que ele não
no estudo, sejam estes: posto de trabalho
utiliza. Sua posição na cadeira é ereta, com a
ocupado, especialização, tempo de trabalho,
coluna apoiada, com as pernas dobradas em
conhecimento e treinamento ergonômico,
ângulo reto entre o assento e o chão e com o
regiões do corpo em que há mais queixas de
tronco a poucos centímetros da mesa. As
dor, força aplicada em determinada tarefa e
paredes, o piso e o teto das instalações da
posição de trabalho.
empresa são brancos, há lâmpadas na frente
e atrás de sua mesa, há também uma parede
de vidro que permite iluminação natural e a
3.5 LIMITAÇÕES DA PESQUISA
temperatura é controlada pelo aparelho de ar-
Nesta etapa serão analisadas e consideradas condicionado. A jornada de trabalho é de oito
as dificuldades obtidas durante a realização horas diárias, com pausas para água e
da pesquisa, que podem influenciar na banheiro de acordo com sua necessidade e
precisão e prejudicar a análise dos para o almoço. A situação descrita, o
resultados. Esta etapa será discutida junto as trabalhador e o ambiente podem ser
Conclusões. observados na Figura 2.

Figura 2 – Posto de trabalho: desenvolvedor de software

Fonte: Autoria própria

Tópicos em Ergonomia e Segurança do Trabalho - Volume 1


174

No segundo posto (função de carregamento), levantamento delas para o carregador no


o carregador leva caixas de ovos do depósito interior do caminhão. A quantidade de caixas
para o caminhão. Transporta com o auxílio de transportadas por viagem depende das
um carrinho as caixas empilhadas. Cada demandas diárias da empresa, que
caixa contém 12 bandejas com 30 ovos, apresentam variação. O carregador utiliza um
somando 360 ovos por caixa. Os ovos tem EPI conhecido como cinta abdominal lombar,
peso médio de 50 gramas, portanto, cada uma faixa que fica na região da lombar e
caixa pesa 18 kg. Na pilha de caixas ajuda a manter o tronco rígido, porém não
transportadas, há quatro camadas com quatro utilizam com alças. As paredes e o piso das
caixas cada, totalizando 16 caixas que instalações da empresa são marrons, e o teto
somam um peso final de 288 kg transportados é branco. A temperatura dentro do depósito é
com o carrinho do depósito até o caminhão, controlada por poucos ventiladores e na
do tipo baú. Próximo ao caminhão, o operação de carga, que se dá em um
carregador afasta o carrinho e deposita o ambiente parcialmente aberto, são utilizadas
palete com as caixas para serem colocadas iluminação e ventilação naturais somente, não
no caminhão. Em seguida, as caixas são há outras fontes de iluminação e manutenção
passadas para outro trabalhador que se de temperatura. A jornada de trabalho é de
encontra dentro do caminhão, as recebe e as oito horas diárias, mas são feitas, no máximo,
deposita. O trabalhador levanta as caixas a oito viagens ao dia. Quando não está
uma altura de 120 centímetros para que o realizando a operação de carga, que dura em
carregador dentro do caminhão as pegue e média 20 minutos, o trabalhador se encontra
termine a operação de carga. Na empresa, há no depósito dos ovos, esperando a próxima
pelo menos cinco carregadores por turno, que carga.
revezam o transporte do carrinho com as
A situação descrita, o trabalhador e o
caixas de ovos até o caminhão e o
ambiente podem ser observados na Figura 3.

Figura 3 – Posto de trabalho: carregador

Fonte: Autoria própria

No terceiro posto (função de operador de para comunicação com os clientes. Dentro da


caixa), a operadora de caixa trabalha dentro cabine, há sua mesa de trabalho de
de uma cabine com dimensões de 136 x 150 dimensões 107 x 50 centímetros na base da
centímetros, teto aberto, feita de vidro na mesa e 100 centímetros de altura. A
metade superior, com uma abertura circular operadora de caixa tem altura de 1,52 metros.

Tópicos em Ergonomia e Segurança do Trabalho - Volume 1


175

Sobre a mesa há um computador, caixa de clientes varia com a demanda da empresa e


cédulas, caixa de moedas, e uma gaveta com os horários do dia. A cabine não possui
exterior. Há uma cadeira antiga regulável, iluminação e a ventilação própria, utiliza a
porém a operadora passa a maior parte do iluminação e ventilação da rua, uma vez que
tempo trabalhando em pé, de acordo com fica de frente para a entrada da empresa, que
preferências e adequação do espaço. A é totalmente aberta, e a iluminação de
operadora realiza várias atividades no lâmpadas que se encontram atrás do seu PT,
atendimento aos clientes, utiliza o ao lado da área para carga do caminhão,
computador, faz operações com cédulas e descrita anteriormente. O piso da cabine é
moedas nos pagamentos e trocos, operações marrom e as paredes são metade de vidro. A
com notas fiscais e fechamento do caixa. situação descrita, o trabalhador e o ambiente
podem ser observados na Figura 4.
A jornada de trabalho é de oito horas diárias,
com pausa para o almoço, e o fluxo de

Figura 4 – Posto de trabalho: operadora de caixa

Fonte: Autoria própria

4.2 ANÁLISE ERGONÔMICA DOS POSTOS o computador oferecem conforto ao


DE TRABALHO trabalhador e não oferecem desgastes e
riscos a saúde, no caso, aparecimento de
Com as descrições do item 4.1, foi realizada
DORT (Distúrbio Osteomuscular Relacionado
uma análise confrontando o abordado com os
ao Trabalho). A cadeira é regulável, permite
principais princípios da ergonomia em cada
flexibilidade e permite variações de postura
posto de trabalho.
que ajudam a aliviar as tensões nos músculos.
O que é observado neste ponto é a má
4.2.1 ANÁLISE ERGONÔMICA DO
utilização dos itens presentes no posto de
DESENVOLVEDOR DE SOFTWARE:
trabalho por parte dos funcionários.
As condições ergonômicas estão adequadas
nesse posto de trabalho, a mesa, a cadeira e

Tópicos em Ergonomia e Segurança do Trabalho - Volume 1


176

Figura 5 – Postura incorreta

Fonte: Autoria própria

A empresa, a exemplo do formato moderno e As lâmpadas incidem direta e indiretamente


dinâmico de empreendimentos, tem um sobre a visão do trabalhador, pois há
ambiente descontraído, sem a pressão e lâmpadas atrás e na frente do PT, pois há
formalidade características de muitas várias bancadas na sala.
empresas. Esse fator, dentro da ergonomia
cognitiva, causa a diminuição do estresse e
da carga das interações do trabalho. A carga 4.2.2 DIAGNÓSTICO ERGONÔMICO DO
horária de oito horas está dentro dos padrões CARREGADOR
ergonômicos para manter a produtividade. É
Ao analisar o segundo posto, verifica-se que
um trabalho considerado estático, então
peso que o operador suporta no trabalho
necessita de ótimas condições ergonômicas e
estático de levantar a caixa para outro
algumas pausas.
trabalhador no caminhão está dentro do
A inclinação da cabeça nesse PT de trabalho adequado. Não é um trabalho totalmente
é muito importante para o bem-estar do estático, pois há a movimentação do depósito
trabalhador e para retardar o aparecimento de para a área de carga. A postura que ele tem
fadigas. A inclinação adequada é de até 30 quando levanta a caixa do chão não é
graus, e como se pode notar na Figura 2, o propriamente a adequada, observa-se que a
trabalhador está dentro do indicado. postura está próxima a curvatura em “C” pela
coluna vertebral.

Tópicos em Ergonomia e Segurança do Trabalho - Volume 1


177

Figura 6 – Carregador levantando a caixa com a postura inadequada

Fonte: Autoria própria

Um ponto positivo que contribui para não Verificou-se que há uma quantidade maior de
sobrecarregar os músculos dos carregadores ruído nesse PT, em função da empresa ser
é o revezamento que fazem entre si das localizada em uma rua movimentada próxima
atividades de transportar, levantar e depositar a um centro de comércio popular com grande
as caixas. Um treinamento de conscientização fluxo de pessoas em uma rua movimentada.
sobre os efeitos da sua postura ao levantar a
carga auxiliaria no problema. A altura em que
levanta a caixa para o carregador do 4.2.3 DIAGNÓSTICO ERGONÔMICO DA
caminhão também está adequada, e como OPERADORA DE CAIXA
essa atividade é muito rápida, não apresenta
A primeira conclusão quanto aos aspectos
grandes riscos ao trabalhador. O fluxo de
ergonômicos do posto de trabalho da
atividades é flexível, apesar de trabalhos de
operadora de caixa é que o espaço de
cargas serem considerados pesados, o
trabalho, realização das atividades e
trabalhador faz no máximo oito cargas em um
circulação dentro da cabine é pequeno, não é
período de oito horas, que é uma carga
ergonomicamente adequado e ocasiona
horária adequada, então tem pausas
desconforto. A mesa de trabalho também não
importantes para o relaxamento da
está adequada ergonomicamente,
musculatura utilizada durante as operações
necessitaria de maior espaço. A mesa tem
de transporte e carregamento. As condições
altura de um metro, muito maior do que o
da instalação não são adequadas
recomendado (até 74 centímetros), não é
ergonomicamente, a área de carga do
adequado para essa operadora, que tem 152
caminhão precisaria de iluminação além da
centímetros de altura, uma estatura baixa na
natural e o depósito requer melhor iluminação
média brasileira, e nem para outro trabalhador
e ventilação. Um ponto importante é a
de estatura maior. A cabine necessita de
utilização da cinta abdominal lombar para
ventilação e iluminação própria. A área de
manter o tronco rígido. Como esse PT é
alcance ótimo (obtida girando-se os
caracterizado por atividades pesadas, o peso
antebraços em torno dos cotovelos com
e os movimentos causam sobrecarga
braços caídos ao lado do ombro) sobre a
muscular e fadiga, por isso há de se fazer
mesa também não é adequada.
pausas de no mínimo 10 minutos a cada hora
de trabalho. Como realizam as pausas e o No questionário nórdico e diagrama de áreas
revezamento das atividades, nesse sentido dolorosas, a operadora de caixa não
esse PT está ergonomicamente adequado. apresentou nenhuma queixa sobre dores.
Por meio do questionário nórdico e diagrama
A quantidade de ruído nesse posto é maior do
de áreas dolorosas, pode-se verificar que a
que encontrado na empresa Jera, devido a
maior incidência de dores desse trabalhador
sua localização ser em um grande centro de
se dá na região do dorso (superior, médio e
comércio popular.
inferior) e no pescoço.

Tópicos em Ergonomia e Segurança do Trabalho - Volume 1


178

5. RESULTADOS caixa ser levantada próximo do corpo e


procurar movimentá-la simetricamente de
Foram realizadas entrevistas informais por
acordo com a NR 11 - TRANSPORTE,
meio de questionários com os empregados
MOVIMENTAÇÃO, ARMAZENAGEM E
visando verificar as principais queixas para
MANUSEIO DE MATERIAIS.
realização da tarefa, e conhecimento do
ambiente de trabalho. A operadora de caixa encontrada na empresa
CAMVA possui 30 anos e ao responder o
A relação entre o homem e a máquina na
diagrama de áreas dolorosas e o questionário
CAMVA é relativamente diferente da
nórdico, aparentou estar não disposta a
encontrada na empresa Jera. Verificou-se que
colaborar com a pesquisa. Como a operadora
a empresa Jera, do segmento em
de caixa fica a maior parte do tempo em pé,
desenvolvimento de softwares, possui um
necessitaria de um treinamento ergonômico,
ambiente jovial no qual a idade média dos
adequando às estruturas de acordo com a
funcionários é de 23 anos, todos os assentos
mobilidade que esse posto necessita, há
são reguláveis, maior liberdade aos
pausas para descanso da funcionária
funcionários, organização do trabalho em
também. É um trabalho considerado estático,
equipes e possibilidade de contato direto com
apesar de haver operações dinâmicas com as
o empregador. A empresa CAMVA, que
mãos.
trabalha com um sistema de produção maior,
é especializada em produção e distribuição Foi analisado na empresa Jera a postura dos
de ovos, foi possível encontrar funcionários de desenvolvedores de software e a
18 anos até 60 anos, possui três diretores infraestrutura da empresa, que se encontra
gestores em que o contato de empregado- adequada para os funcionários. Porém, para
empregador pode ser feito através dos esse posto de trabalho recomenda-se realizar
gerentes ou direto aos diretores, há ainda um trabalho de conscientização e treinamento
profissões diversificadas em que os com os funcionários sobre as condições
empregadores cumprem as tarefas em ergonômicas, principalmente a postura ao
posição estática ou em movimento. sentarem-se, pois foi observado que a
posição e a postura do trabalhador frente aos
A CAMVA está no mercado há 59 anos
instrumentos estavam inadequadas.
possuindo maior experiência quando
comparada a Jera, que tem 5 anos de
mercado. Isso deduz que a Jera, por ter uma
6. CONCLUSÃO
infraestrutura mais recente, dispõe de uma
boa iluminação artificial para os funcionários e Após aplicação deste estudo, pode-se notar
materiais de escritório recentes. A CAMVA que o segmento de atuação da empresa, sua
também possui uma boa estrutura, mas a idade e modernização da estrutura física são
maioria da iluminação do local é pela luz do variáveis importantes para a ergonomia dos
sol, e como a parte de distribuição é feita em postos de trabalho. As empresas mais
um galpão, não há ar condicionado, somente antigas, no geral, não apresentam muitas
a ventilação natural. preocupações com a qualidade ergonômica
dos funcionários. As empresas modernas se
No caso do carregador, ele é exposto a um
preocupam mais com o bem-estar do
esforço que prejudica principalmente as
funcionário em sua cultura organizacional e
partes do dorso, do pescoço e do quadril.
proporcionam essas condições adequadas
Para melhorar essas dores, além de realizar o
nos postos de trabalho.
levantamento da caixa com a coluna ereta,
propõe-se a realização de alongamentos. A valorização da profissão, que está
Uma medida para amenizar as dores diretamente ligada às diferenças de classes,
desenvolvidas por meio do ato de levantar infelizmente também é uma das variáveis que
peso é colocar as caixas a uma altura maior, interferem nas condições ergonômicas dos
para que o carregador possa levantá-las sem funcionários. Profissões que não exigem
dobrar e forçar a coluna, o recomendado por especialização ou formação superior,
Iida (2005) é de no mínimo 40 centímetros. geralmente são aquelas em que os PTs estão
Caso não seja possível realizar essa elevação, menos adequados ergonomicamente,
deve-se fazer o movimento em duas etapas: prejudicando assim, a saúde física e mental
levantar a carga do chão e colocá-la em uma do trabalhador, além de gerar estresse,
plataforma 100 centímetros e depois levantá- desgaste e fadiga.
la em definitivo. Também é recomendado a

Tópicos em Ergonomia e Segurança do Trabalho - Volume 1


179

A relação entre chefe e funcionários também produtividade, com a motivação e disposição


deve ser analisada. Nas empresas que são dos funcionários e com a qualidade das
comandadas por um chefe que inspira atividades realizadas. Dessa forma, todas as
superioridade, devem ser analisados os empresas deveriam proporcionar, manter e
receios de comunicar as verdadeiras fiscalizar as condições ergonômicas
condições ergonômicas, e terminam por adequadas para os diferentes postos, pois
trabalhar com dores, ou contribuir para a essa é uma das medidas para o sucesso da
aparição de problemas futuros. empresa.
As condições ergonômicas dos postos estão
diretamente relacionadas com a

REFERÊNCIA [4] CHIZZOTTI, Antônio. Pesquisa em ciências


humanas e sociais. 5.ed. São Paulo: Cortez,
[1] ABERGO. Associação Brasileira de Ergonomia. 2001.
O que é Ergonomia? Disponível em:
http://www.abergo.org.br/internas.php?pg=o_que_e [5] GIL, Antonio Carlos. Métodos e técnicas de
_ergonomia. Acesso em 20/04/2015. pesquisa social. 5.ed. São Paulo: Atlas, 1999.
[2] BRASIL. Gabinete do Ministro. NR 11 - [6] IIDA, Itiro. Ergonomia; projeto e produção.
Transporte, movimentação, armazenagem e 8.ed. São Paulo: Edgard Blücher,. 2002.
manuseio de materiais. Portaria 3214 de 08 de
[7] LAKATOS, Eva Maria; MARCONI, Marina de
junho de 1978.
Andrade. Metodologia científica. 5.ed. SÃO
[3] BRASIL. Gabinete do Ministro. NR 18 – PAULO: Atlas, 2007. 312p.
Condições e meio ambiente de trabalho na
[8] VERGARA, S. C. Projetos e relatórios de
indústria da construção. Portaria 3214 de 08
pesquisa em Administração. São Paulo: Atlas,
de junho de 1978.
2004.

Tópicos em Ergonomia e Segurança do Trabalho - Volume 1


180

ANEXO A – QUESTIONÁRIO NÓRDICO

Fonte: Bridger, 2003

Tópicos em Ergonomia e Segurança do Trabalho - Volume 1


181

ANEXO B – QUESTIONÁRIO DE ILUMINAÇÃO, RUÍDO E BEM-ESTAR DO FUNCIONÁRIO

Fonte: Bridger, 2003

Tópicos em Ergonomia e Segurança do Trabalho - Volume 1


Capítulo 19
ANÁLISE ERGONÔMICA DE TRÊS POSTOS DE TRABALHO
EM UM SUPERMERCADO

Danielli da Silva Batista


Karina Sayumi Gomes Sato
Amandha Kurokawa da Silva
Lucas Perez Moraes
João Batista Sarmento dos Santos Neto

Resumo: A ergonomia objetiva a prevenção de acidentes, tendo como enfoque a


saúde e o conforto do indivíduo. A obtenção, análise e estudo de dados históricos e
pessoais da empresa são as bases para dar início às ações ergonômicas. Nas
ações ergonômicas, além dos fatores técnicos, diversos outros fatores devem ser
considerados, tais como a gestão e organizarão empresarial e os padrões dos
perfis dos colaboradores de acordo com o posto de trabalho em estudo. Desta
forma, o presente artigo tem o objetivo de realizar uma analisa ergonômica de três
diferentes postos de trabalho de um supermercado varejista. Para tal, a
metodologia utilizada foi coleta de dados via questionário, análise de dados por
meio do confronto dos princípios da ergonomia com as características dos postos
de trabalho pesquisado e também proposta de melhorias para os pontos negativos
verificados. Os postos de trabalho analisados formam: o caixa, o estoque e a
padaria de um supermercado, nos quais foram entregues questionários para o
estudo de cada local e ao término deste estudo pode-se verificar que a análise
ergonômica possibilitou o exame dos dados de três postos de trabalho e as
possíveis soluções para sanar os problemas envolvidos, de forma a prevenir
acidentes relacionados ao trabalho.

Palavras chave: Ergonomia, postos de trabalho, ações ergonômicas, setor varejista.

Tópicos em Ergonomia e Segurança do Trabalho - Volume 1


183

1. INTRODUÇÃO (1914 – 1917), fisiologistas e psicólogos foram


chamados para colaborarem no esforço de
Face à grande importância do segmento de
aumentar a produção de armamento, com a
comércio alimentício, como hipermercados e
criação da Comissão de Saúde dos
supermercados, gerando novas
Trabalhadores na Industria da Munição, em
oportunidades e consequentemente
1915. Com o fim da guerra, a mesma foi
movimentando a economia do país, percebe-
transformada em Instituto de Pesquisa da
se a necessidade de investir em qualidade
Fadiga Industrial, que realizou diversas
também neste ramo. Embora a deficiência na
pesquisas sobre o problema fadiga na
economia tenha afetado as vendas no
indústria. Com a eclosão da II Guerra Mundial
comércio varejista, através do aumento da
(1939 – 1945), foram utilizados conhecimentos
inflação e da redução do poder de compra do
científicos e tecnológicos disponíveis, para
consumidor, o setor é um dos que menos
construir submarinos, tanques, radares,
sofreu com toda a situação.
sistemas contra incêndios e aviões. Estes
Diante de toda essa magnitude, houve a exigiam muitas habilidades do operador, em
necessidade de dar importância a uma condições ambientais bastante desfavoráveis
parcela muito importante nesse setor, os e tensas, no campo de batalha. Os erros e
trabalhadores. Enquanto a estes funcionários, acidentes, muitos com consequências fatais,
que ocupam vários cargos, realizam diversas eram frequentes. Tudo isso fez redobrar o
atividades e múltiplas tarefas, por vezes, não esforço de pesquisas para adaptar esses
se atém ao cuidado de adaptar o posto de instrumentos bélicos as características e
trabalho aos mesmos, comprometendo a sua capacidades do operador, melhorando o
saúde. desempenho e reduzindo a fadiga e os
acidentes, (IIDA, 2005).
Desta forma, o presente artigo tem o objetivo
de analisar, com base no enfoque Foi definida em 1949, a Ergonomics Research
ergonômico, três diferentes postos de Society:
trabalho em um supermercado varejista
“Ergonomia é o estudo do relacionamento
localizado na cidade de Campo Grande - MS.
entre o homem e seu trabalho, equipamento e
Sendo eles: Operador de caixa, repositor e
ambiente, e particularmente a aplicação dos
atendente de padaria.
conhecimentos de anatomia, fisiologia e
A empresa atende os clientes, basicamente, psicologia na solução de problemas surgidos
através de venda de produtos alimentícios, desse relacionamento.”
higiene pessoal e limpeza. O público alvo da
A Associação Internacional de Ergonomia
empresa são consumidores das classes C, D
(AIE), que representa associações de 40
e E. Além dos expositores, a distribuição
diferentes países com 19 mil sócios, adotou
espacial do supermercado é dividida em mais
em agosto de 2000 a seguinte definição
dois setores: açougue e padaria.
ergonômica:

2. FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA “Ergonomia (ou Fatores Humanos) é uma


disciplina científica relacionada ao
2.1. ERGONOMIA entendimento das interações entre os
Segundo Iida (2005), ao contrário de muitas seres humanos e outros elementos ou
outras ciências cujas origens se perdem no sistemas, e à aplicação de teorias,
tempo e no espaço, a ergonomia tem uma princípios, dados e métodos a projetos a
data “oficial” de nascimento: 12 de julho de fim de otimizar o bem estar humano e o
1949. Nesse, dia reuniu-se pela primeira vez desempenho global do sistema. Os
na Inglaterra, um grupo de cientistas e ergonomistas contribuem para o
pesquisadores interessados em discutir e planejamento, projeto e a avaliação de
formalizar a existência desse novo ramo da tarefas, postos de trabalho, produtos,
aplicação interdisciplinar da ciência. Na ambientes e sistemas de modo a torná-los
segunda reunião desse mesmo grupo, compatíveis com as necessidades,
ocorrido em 16 de fevereiro de 1950, foi habilidades e limitações das pessoas.”
proposto o neologismo, ergonomia, formado
dos termos ergo, que significa trabalho e
Associação Internacional de Ergonomia (AIE)
nomos, que significa regras, leis naturais.
apresenta três categorias, a saber:
Na Inglaterra durante a I Guerra Mundial

Tópicos em Ergonomia e Segurança do Trabalho - Volume 1


184

a) Ergonomia Física – foca a carga física que de trabalho podem trazer melhorias
o corpo humano sofre em uma situação significativas;
laboral. A Ergonomia Física estuda fatores
III. Trabalhadores que possam ser afetados
como: movimentos repetitivos, manipulação
por quaisquer mudanças
de materiais, força excessiva, posturas
ergonômicas no ambiente de trabalho
desfavoráveis.
devem ser envolvidos nas discussões
b) Ergonomia Cognitiva – também conhecida antes que as mudanças sejam feitas,
como engenharia psicológica, foca o pois a Sua contribuição pode ser
tratamento do aspecto mental (percepção, muito útil para determinar as
atenção, armazenamento e recuperação de mudanças necessárias e adequadas.
memória). Pesquisa a capacidade e os
Zalk (2000) considera que os princípios
processos de formação e produção de
ergonômicos utilizam a experiência de uma
conhecimentos em sistema em geral.
força de trabalho de base e concentra-se em
c) Ergonomia Organizacional – objetiva a interpretações da ergonomia participativa de
busca de um equilíbrio sociotécnico entre as riscos quantitativos e 29 qualitativos e
pessoas, incluindo a estrutura organizacional, informações de avaliação da exposição que,
políticas e processos. É utilizada em três por sua vez, resultam em um treinamento de
níveis da organização que são: operacional, ergonomia pré-desenvolvido.
tático e estratégico.
Segundo Couto (1995), através da aplicação
No Brasil, a Associação Brasileira de dos princípios ergonômicos, pode-se
Ergonomia, adota a seguinte definição: propiciar uma interação adequada e
confortável do ser humano com os objetos
"Entende-se por Ergonomia o estudo das
que maneja e com o ambiente onde trabalha
interações das pessoas com a tecnologia, a
e ainda melhorar a produtividade, reduzir os
organização e o ambiente, objetivando
custos laborais que se manifestam através de
intervenções e projetos que visem melhorar,
absenteísmo, rotatividade, conflitos e pela
de forma integrada e não-dissociada, a
falta de interesse para o trabalho.
segurança, o conforto, o bem-estar e a
eficácia das atividades humanas." Para Wisner (1987), a ergonomia só
acontecerá se existir a oportunidade de que
Segundo Iida (2005), a ergonomia é o estudo
vários níveis de uma organização participem
da adaptação do trabalho ao homem. O
na introdução e difusão dos princípios
trabalho aqui tem uma acepção bem ampla,
ergonômicos, porque a ergonomia é
abrangendo não apenas aquelas máquinas e
participativa na essência e ela existirá se, na
equipamentos utilizados para transformar os
sua discussão, o processo for participativo.
materiais, mas também toda situação em que
ocorre o relacionamento entre o homem e seu
trabalho. Isso envolve não somente o
3. METODOLOGIA
ambiente físico, mas também os aspectos
organizacionais de como esse trabalho é 3.1. CARACTERÍSTICAS DA PESQUISA
programado e controlado para produzir os
Este estudo foi direcionado para a realização
resultados desejados.
de análises com um enfoque na ergonomia
em três postos de trabalho em um
supermercado de médio porte. O método
2.2. PRINCÍPIOS DA ERGONOMIA
adotado para o desenvolvimento da pesquisa
Sobre os princípios ergonômicos, a OIT foi o qualitativo descritivo-explicativo.
(Organização Internacional do Descritivo por ter a finalidade de observar,
Trabalho)(1996) descreve que: registrar e analisar os fenômenos ou sistemas
técnicos e explicativo pelo fato de registrar
I. Em geral, é mais eficaz para examinar as
fatos, analisá-los, interpretá-los e identificar
condições de trabalho se os
suas causas.
princípios ergonômicos forem
aplicados para resolver ou evitar A coleta de dados foi baseada em
problemas; questionários e a análise através da
concepção qualitativa do referencial teórico.
II. Às vezes, pequenas mudanças no
design ergonômico de equipamentos,
nas estações trabalho ou nas tarefas

Tópicos em Ergonomia e Segurança do Trabalho - Volume 1


185

3.2. PROCEDIMENTO METODOLÓGICO funções, a fim de observar as distintas


necessidades ergonômicas existentes em um
A escolha por um supermercado deu-se pelo
mesmo segmento. Os postos de trabalho
fato de ser um ambiente variado e com várias
analisados foram: o caixa, o estoque e a
possibilidades de análise. Os postos foram
padaria do supermercado.
escolhidos pela distinção de tarefas e

Figura 1 – Procedimento metodológico

Fonte: Elaborado pelos autores

A seguir serão detalhadas as etapas do pois identifica e analisa fatos que marcaram o
procedimento metodológico aplicado no desenvolvimento da empresa relacionados,
presente estudo. direta e indiretamente , com as atividades de
trabalho dos operadores. Outra característica
3.2.1 DESCRIÇÃO DO AMBIENTE
que deve ser observada e analisada na
Nesta atividade será realizado um empresa é se esta apresenta ou não
levantamento descritivo das características e homogeneidade (de sexo, idades,
particularidades dos postos de trabalho qualificação, etc), pois, essas informações
escolhidos. O caixa, o estoque e a padaria. podem contribuir na comunicação interna, e
Embora a crescente instabilidade econômica que podem ajudar, por exemplo, na política
e política no ano de 2015 e a retração no de organização de trabalho, atingindo fatores
setor de hipermercados e supermercados, relacionados às condições de trabalho.
aumento da inflação e decréscimo do poder
de compra do consumidor, o setor de
alimento é um dos que menos sofreu abalos, 3.2.2 COLETA DE DADOS
segundo a revista RBA (Rede Brasil Atua).
A coleta de dados foi baseada em
Pois a alimentação é uma prioridade, ou seja,
questionários respondidos pelos próprios
um gasto fixo e essencial na vida humana. O
trabalhadores de seus respectivos postos
estudo e a análise dos postos de trabalho
com o auxílio dos componentes do grupo.
visam a melhoria na realização das tarefas e
Quatro questionários foram distribuídos. Três
um melhor aproveitamento e rendimento dos
foram retirados de referências bibliográficas.
funcionários deste setor, fazendo com que a
Os quatro questionários aplicados seguem no
instabilidade econômica não afete ainda mais
anexo I.
este seguimento.
A análise histórica da empresa é fundamental
para desenvolver políticas que visam tanto a
saúde e a produtividade dos colaboradores,

Tópicos em Ergonomia e Segurança do Trabalho - Volume 1


186

3.2.3 ANÁLISE DE DADOS 4.1. DESCRIÇÃO DO AMBIENTE DA


PESQUISA
Para a análise dos dados foi utilizado o
referencial teórico com perspectiva qualitativa O supermercado em estudo apresenta, de
examinando o contexto de cada posto, forma geral, gôndolas, prateleiras e
considerando cada condição de trabalho, expositores distribuídos espacialmente de
dentre elas, os horários flexíveis de intervalo, forma a facilitar a circulação, tanto dos
as várias tarefas realizadas pelos funcionários trabalhadores (que repões as mercadorias)
e a polivalência dos mesmos. como dos clientes. Os ambientes do açougue
e da padaria, apesar de dividir a mesma área
onde os clientes circulam, estão bem
3.2.4 SUGESTÃO DE MELHORIAS organizados e separados, o que torna o local
visualmente agradável para os clientes. Os
Oferecer sugestões de melhorias não era o
caixas, assim como na maioria dos
principal objetivo da pesquisa, porém, foram
supermercados, estão dispostos na saída do
propostos neste estudo meios gerais e
supermercado. No supermercado onde foram
sucintos para promover um maior conforto e
coletados os dados, foi verificado também
segurança aos funcionários de acordo com
que os funcionários podem trabalhar em dois
aspectos observados mediante análises
turnos: manhã e tarde, ou tarde e noite. Além,
visuais com as quais não foram ponderados
disso, a empresa oferece cursos anuais aos
conhecimentos técnicos e específicos de
seus funcionários que contribuem para o
cada setor estudado.
aperfeiçoamento das atividades e do próprio
colaborador. Diariamente os colaboradores
têm direito a 2 horas de almoço e um intervalo
4. ANÁLISE ERGONÔMICA
de 15 minutos.
Apesar de diferentes definições, de modo
O primeiro posto de trabalho é a área de
geral, a ergonomia busca aliar dois pontos
estocagem dos produtos e se localiza na
fundamentais: a saúde e eficiência do
parte externa do espaço onde os clientes
trabalho. Entretanto, há diversos outros fatores
circulam. Os produtos, caixas e lotes estão
que influenciam no desenvolvimento dessas
organizados em prateleiras com dimensões
atividades de modo a minimizar os riscos de
de, aproximadamente, 3,50 metros de altura e
lesões, ou seja, movimentos corporais
1m de largura e as instalações contam com
ergonomicamente corretos, tais como: custo,
prateleiras suspensas em algumas paredes
políticas internas da empresa,
do local. O ambiente é fechado e com
conscientização dos colaboradores, etc.
circulação do ar apenas com ventiladores, e a
Nos próximos tópicas será descrito e iluminação é a partir de lâmpadas
discutidos os resultados gerados após a fluorescentes de baixa intensidade. A maioria
aplicação das etapas descritas na dos funcionários responsáveis pela carga e
metodologia. descarga dos produtos não utilizam qualquer
equipamento de segurança ou máquina
elétrica que auxiliam no desempenho da sua
função, utilizam apenas um carrinho de carga
e descarga, como mostrado na Figura 02.

Tópicos em Ergonomia e Segurança do Trabalho - Volume 1


187

Figura 2 - Exemplo de figura

Fonte: GM Parafusos e Ferramentas

O segundo posto de trabalho estudado foi a


padaria, ambiente bem iluminado e apresenta
4.2. ANÁLISE DOS POSTOS
ruído de não prejudicial aos funcionários,
porém é fechado e estreito e, devido à De acordo com um dos funcionários
distribuição, aparentemente, aleatória dos entrevistados, às 2 horas concedidas pela
fornos, o local onde os padeiros trabalham, empresa para o almoço são suficientes, não
além de possuir difícil circulação, a somente para a alimentação, mas também
temperatura ambiente é alta. Os funcionários para o descanso antes de retornar as
nesse posto de trabalho utilizam apenas atividades na empresa, fundamental para
equipamento para higiene (touca, luvas evitar a fadiga durante a execução dos seus
descartáveis, aventais e bota sete léguas exercícios na empresa. A área de estocagem,
branca), e, não foi observado a presença de segundo alguns repositores, apresenta uma
nenhum tipo de dispositivo ou equipamento iluminação adequada, apesar de sua baixa
de proteção aos funcionários nesse ambiente. intensidade, pois não são realizadas
atividades que exigem esforços visuais, além
O último posto de trabalho analisado foi o
de proporcionar um conforto visual aos
caixa do supermercado, área também coberta
funcionários daquele setor.
e próxima à entrada do supermercado,
portanto, os clientes possuem acesso Na padaria, o segundo setor analisado, por
diretamente. O ambiente é bem iluminado, ser localizado do mesmo espaço onde os
com temperatura ambiente agradável e níveis clientes circulam, a iluminação é melhor,
de ruído não prejudicial aos funcionários. Os comparado ao posto anterior. Contudo,
caixas de supermercado há uma cadeira dev0ido a grande quantidade de fornos para
disponível para cada operador, entretanto pães e demais assados, o ambiente onde o
nem todos a utilizam durante todo o tempo de trabalhador realiza as suas funções é
trabalho. bastante quente. E, um segundo fator que

Tópicos em Ergonomia e Segurança do Trabalho - Volume 1


188

contribui para um ambiente desconfortante é operadores de caixa não são


a dimensão e a disposição espacial dos sobrecarregados e não correm o risco de
fornos. realizar atividades prejudiciais relacionadas
às posturas corporais inadequadas.
Já no posto de trabalho dos operadores de
caixa, devido a sua localização (próximo às O primeiro passo para a realização de
portas de entrada e saída), é um ambiente melhorias ergonômicas na empresa é o
agradável visual e termicamente. Entretanto, a estudo do histórico da empresa e análise dos
utilização da cadeira nos postos de trabalho colaboradores de acordo com os postos de
desses funcionários não é obrigatória, por trabalho onde pretende-se melhorar e
essa razão, a postura de alguns dos aumentar a produtividades. Após colher e
colaboradores estava inadequada, pois tais analisar os dados é necessário planejar as
cadeiras permitem que os colaboradores soluções para cada problema identificado ou
regulem, de acordo com a própria altura e a melhoria encontrada. E, por fim, os planos de
altura da bancada, a melhor posição para ação são colocados em prática, e é
manusear os produtos sobre o check-out. importante ressaltar que nessa última etapa,
deve ser considerado a aplicabilidade das
ações, ou seja, além de planejar as ações,
5. RESULTADOS deve-se pensar também em como aplicá-las
de forma eficiente e eficaz, a partir de
Com base nos relatos dos funcionários e
políticas internas da empresa e de
pontos negativos observados por meio da
treinamentos que visam não somente a
coleta de dados, é possível propor algumas
capacitação do colaborador, mas também a
mudanças e melhorias aos postos de
importância e os efeitos das atividades
trabalho.
ergonômicas que serão desenvolvidas em seu
Na área externa de estocagem, os posto de trabalho.
funcionários precisam de uma orientação ou
treinamento para elevar ou transportar os
pesos corretamente, de acordo com o 6. CONCLUSÃO
tamanho e a massa dos volumes e altura das
De maneira geral, a empresa analisada e
prateleiras ou gôndolas de onde as
estudada nesse artigo apresenta certa
mercadorias são retiradas ou dispostas.
preocupação com o bem-estar dos
Durante os treinamentos ou orientações deve-
funcionários. Entre os três postos de trabalhos
se enfatizar não somente as ferramentas e os
analisados, o check-out é o ambiente em
equipamentos que auxiliarão o manuseio dos
melhores condições de trabalho, com
volumes, mas também, as posturas corporais
iluminação e temperatura agradáveis aos
para cada situação, salientando a importância
colaboradores. Todavia, a padaria é o posto
e as consequências advindas de uma má
de trabalho menos adequado, pois além do
postura.
desconforto térmico, o espaço é bastante
Já na padaria, o posto de trabalho deveria limitado para o desenvolvimento das
dispor de maior espaço e melhor divisão do atividades e para o conforto e segurança dos
ambiente, além disso, a fixação de exaustores colaboradores nesse setor. No setor de
contribuiria para a melhora da situação estocagem, a iluminação é adequada, mas o
térmica do local, melhorando o bem-estar dos ambiente é muito fechado e pouco ventilado.
funcionários, o que pode acarretar num A melhoria nesse ambiente seria bastante