Anda di halaman 1dari 3

A APRENDIZAGEM DIALÓGICA E

COMUNIDADE DE APRENDIZAGEM
EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL:
POSSIBILIDADES PARA INOVAR
NAS PRÁTICAS FORMATIVAS
Manoel dos Santos1
Cristiana Saddy Martins2
Marlene Francisca Tabanez3
Suzana Machado Padua4

Eixo Temático e Tema: Políticas, Programas e Práticas de Educação Ambiental e


Formação de Educadores em Educação Ambiental.
Palavras-Chave: Aprendizagem Dialógica; Comunidade de Aprendizagem;
Tertúlia Pedagógica Dialógica; Formação de Professores.

Resumo Expandido: Este estudo é parte da reflexão estabelecida na dissertação


de mestrado que analisou a Educação Ambiental no Curso de Pedagogia a partir
do projeto acadêmico-curricular de Licenciatura em Pedagogia da Universidade
Estadual de Santa Cruz (UESC), apresentada como requisito para a obtenção do
grau de mestre profissional em Conservação da Biodiversidade pelo Instituto de
Pesquisas Ecológicas – IPÊ/São Paulo. O presente recorte tem como objetivo
apresentar as contribuições da aprendizagem dialógica no contexto do projeto
comunidade de aprendizagem através da atuação educativa de êxito denominada
tertúlia dialógica pedagógica, como instrumento metodológico transformador na
formação de professores em educação ambiental, objetivando inovar nas futuras
práticas educativas, adotando novas formas de aprender e de contribuir
conhecimentos socioambientais, de forma dialógica e transformadora. A
metodologia utilizada foi a do tipo análise bibliográfica sobre as temáticas
abordadas de maneira articulada e dialógica entre as diferentes abordagens

1 Escola Superior de Conservação Ambiental e Sustentabilidade – ESCAS/IPÊ-SP. E-mail:


kalilmanoel@hotmail.com
2 Escola Superior de Conservação Ambiental e Sustentabilidade – ESCAS/IPÊ-SP. E-mail:
ipecristi@uol.com.br
3 Escola Superior de Conservação Ambiental e Sustentabilidade – ESCAS/IPÊ-SP. E-mail:
marlenetabanez@gmail.com
4 Escola Superior de Conservação Ambiental e Sustentabilidade – ESCAS/IPÊ-SP. E-mail:
suzana@ipe.org.br revista brasileira
de

o
educação
Revbea, São Paulo, V. 10, N 3 – Anais do IX FBEA: 01-03, 2017. ambiental
1
conceituais. A concepção de aprendizagem dialógica está pautada em sete
princípios, a saber: diálogo igualitário, inteligência cultural, transformação,
dimensão instrumental, criação de sentido, solidariedade e igualdade de
diferenças (FLECHA, 1997; AUBERT et al., 2016). A aprendizagem dialógica
representa uma oportunidade para a utilização de “habilidades comunicativas”,
onde a “[...] aprendizagem dos elementos fundamentais de nossa realidade é
focalizada, mas os objetivos a serem alcançados e os conteúdos a serem
desenvolvidos são consensualizados coletivamente entre profissionais, familiares
e estudantes” (MELLO, et al., 2012, p. 65). Os fundamentos e princípios da
aprendizagem dialógica estão sustentados no referencial teórico da ação
comunicativa, de Jurgen Habermas ([1981]2001), a qual parte do pressuposto que
todas as pessoas têm a capacidade de linguagem e ação. E, na abordagem
sociocultural/teoria da ação dialógica, desenvolvida pelo educador brasileiro,
Paulo Freire. Para Freire (1979), a dialogicidade é algo “[...] cheia de curiosidade,
de inquietação e de respeito mútuo entre os sujeitos que dialogam. Comunidade
de Aprendizagem é uma proposta educativa de transformação social e cultural que
inicia na escola, mas que se expande para toda a comunidade a partir da
participação de familiares e voluntários nas decisões e atividades da escolar
(AUBERT et al., 2016). Neste sentido, a Comunidade de Aprendizagem para
formação de professores em educação ambiental representa, conforme Orellana
(2001, p. 44) “[…] un paso significativo hacia importantes cambios educacionales,
entre los que destacan los cambíos en las condiciones de aprendizaje y las
estructuras de formación”. Em educação ambiental, possibilita um processo
reflexivo e profundo que extrapola a sala de aula e favorece a articulação entre
teoria e prática e propicia a visão crítica diante do mundo. Os resultados parciais
indicam que, os professores que assumem um compromisso pelas transformações
socioambientais tendo como base uma proposta metodológica fundamentada em
um conjunto de atuações educativas de êxito, tomando como referência as
estratégias da tertúlia pedagógica dialógica, para formação de professores em
educação ambiental, pautadas na concepção da aprendizagem dialógica, devem
ser participativos e “[...] consensualizados coletivamente, entre profissionais
envolvidos nas práticas educativas” (MELLO, et al. 2012, p. 65) socioambientais,
bem como considerar o envolvimento do alunado e de membros da comunidade
neste processo. A formação de professores em educação ambiental no contexto
da comunidade de aprendizagem poderá favorecer a construção de situações
inovadoras de aprendizagem e de reflexões que valorizem a formação humana
para a emancipação dos seus educandos. E dessa forma, pode possibilitar a
problematização das estruturas de desigualdades sociais apresentadas e permitir
a construção de uma visão crítica para a inserção dos conhecimentos dentro deste
pressuposto nas respectivas áreas de atuação (FRANCO, 2003).

Agradecimentos

revista brasileira
de
educação o
Revbea, São Paulo, V. 10, N 3 – Anais do IX FBEA: 01-03, 2017.
ambiental
2
À Universidade Estadual de Santa Cruz – UESC, e ao Colegiado de
Pedagogia, por tornarem possível a realização da pesquisa.
Ao Instituto Arapyaú, à Fibria e ao IPÊ, por terem viabilizado a concessão
de bolsa de estudos para eu cursar o mestrado.

Referências
AUBERT, Adriana [et al.]. Aprendizagem Dialógica na Sociedade da
Informação. São Paulo: São Carlos, EDUFSCar, 2016.

FLECHA, R. Compartiendo palabras. Barcelona: Paidós, 1997. Disponível em:<


https://pt.scribd.com/document/208948998/Compartiendo-Palabras-Ramon-
Flecha#scribd>. Acesso em: 30 de setembro de 2015.

FRANCO, Maria Amélia Santoro. Pedagogia como ciência da educação.


Campinas, SP: Pairus, 2003, p. 15-117.

FREIRE, Paulo. Conscientização teoria e prática da libertação: uma introdução ao


pensamento de Paulo Freire. São Paulo: Cortez & Moraes, 1979.

MELLO, Roseli Rodrigues de; BRAGA, Fabiana Marini; GABASSA, Vanessa.


Comunidades de Aprendizagem: outra escola é possível. São Paulo:
EDUFSCar, 2012.

ORELLANA, Isabel. La Comunidad de Aprendizaje en Educación Ambiental: una


estrategia pedagógica que abre nuevas perspectivas en el marco de los cambios
educacionales actuales. Tópicos en Educación Ambiental, Vol. 3, nº 7, p. 43-51,
México, 2001.

HABERMAS, J. Teoria de la acción comunicativa: racionalidad de la acción y


racionalización social, Vol. 1, Madrid: Taurus, ([1981]2001). (Publicado
originalmente em 1981).

revista brasileira
de

o
educação
Revbea, São Paulo, V. 10, N 3 – Anais do IX FBEA: 01-03, 2017. ambiental
3