Anda di halaman 1dari 30

Blamb/Shutterstock.

com

Figura 4.3 - Medula espinhal.

4.3.2 Sistema Nervoso Periférico


O Sistema Nervoso Periférico (SNP) é o sistema de comunicação do corpo formado por ner-
vos, que levam e trazem informações da periferia para o Sistema Nervoso Central'. Os nervos são
estruturas formadas por feixes compactos de axônios, e são distribuídos por todo o corpo, os que
saem do encéfalo são denominados nervos cranianos e os que partem da medula são denominados
nervos raquidianos ou espinhais.
Nervos cranianos: são em número de 12 pares de nervos, saem do encéfalo, e se clas-
sificam em quanto as suas funções em nervos sensitivos - são condutores de impres-
são sensitiva ao cérebro; nervos motores - são condutores da ordem do movimento,
comandado pelo cérebro à periferia do corpo; nervos mistos - são compostos por fibras
sensitivas e motoras.

Sistema Nervoso
Nervos espinhais ou raquidianos: são em número á
de 31 pares de nervos, divididos conforme a
região ou segmento da coluna, sendo 8 na região SNC: recebe, analisa e integra infor-
cervical, 5 na região lombar, 12 na região dorsal mações. Local onde ocorre a tomada de
decisões e o envio de ordens.
e 6 na região sacra. Todos saem da medula e são
SNP: carrega informações dos órgãos
mistos.
sensoriais para o Sistema Nervoso Cen-
tral e deste para os órgãos efetores
(músculos e glândulas).

4.3.3 Sistema Nervoso Autônomo


O Sistema Nervoso Autônomo (SNA) está dividido em sistema nervoso simpático e sistema
nervoso parassimpático.

Sistema Nervoso Simpático

É responsável pela inervação dos órgãos da nutrição e é formado por três elementos básicos:
os gânglios — localizados na região dorsal do tronco, dispostos dos dois lados da coluna vertebral;
ramos comunicantes — fazem a ligação dos nervos espinhais aos gânglios; plexos — nervos que ligam
os gânglios aos órgãos da nutrição.

Sistema Nervoso Parassimpático

Tem origem nas fibras brancas existentes na cadeia simpática. Algumas têm origem no encéfalo,
formando o parassimpático craniano, e outras têm origem na última porção da coluna vertebral, for-
mando a região sacra.

De um modo geral, tanto o Sistema Nervoso Simpático como o Parassimpático possuem fun-
ções antagônicas(').

Fique de olho!

Antagônicas: Funções contrárias — um corrige o excesso do outro.

Observem no Quadro 4.1 algumas funções do Sistema Nervoso Simpático e Parassimpático


com relação a alguns órgãos do corpo humano.

Quadro 4.1 - Funções do Simpático e Parassimpático sobre os órgãos

Orgão Sistema simpático Sistema parassimpático

Íris Dilatação da pupila — midríase Contração da pupila — miose

Glândula lacrimal Vasoconstrição — pouco efeito sobre a secreção Secreção abundante

Vasoconstrição — secreção viscosa e pouco


Glândulas salivares Vasodilatação — secreção fluida abundante
abundante

Anatomia e Fisiologia Humana


Orgão Sistema simpático Sistema parassimpático

Glândulas sudoríparas Secreção copiosa Inervação ausente

Músculos eretores dos pelos Ereção dos pelos Inervação ausente

Aceleração do ritmo cardíaco — taquicardia — dilata- Diminuição do ritmo cardíaco — bradicardia — dila-
Coração
ção das coronárias tação das coronárias

Brônquios Dilatação Constrição

Diminuição do peristaltismo e fechamento dos


Tubo digestivo Aumento do peristaltismo e abertura dos esfíncteres
esfíncteres

Bexiga Pouca ou nenhuma ação Contração da parede

Genital masculino Vasoconstrição — ejaculação Vasodilatação — ereção

Glândula suprarrenal Secreção de adrenalina Nenhuma ação

Vasos sanguíneos tronco e


Vasoconstrição Nenhuma ação — inervação possivelmente ausente
extremidades

Fonte Dangelo & FattinM, 2002.

4.4 Sistema sensorial


O sistema sensorial é uma parte do Sistema Nervoso responsável pelo processamento das
informações sensoriais do nosso organismo.

Shutterstock.com
Sensações
Consciência Memória
Fala
Armazenamento de informações

Visão

Audição
Atividades musculares
Equilíbrio emocional

Funções respiratórias

Figura 4.4 - Áreas do cérebro de acordo com as funções.

Sistema Nervoso
É formado por receptores sensoriais, nos neurônios aferentes, e nas partes do cérebro envol-
vidas no processamento de informações. Os sentidos são as respostas a essas informações, sabe-
mos e conhecemos os cinco sentidos do nosso corpo humano, são eles: a visão, a audição, o tato, o
paladar e o olfato.

O sistema sensorial são formas anatômicas especializadas em recolher impressões do meio


ambiente externo para o meio interno'. Esses órgãos estão divididos em quatro grupos: quimior-
receptores — sensíveis a modificações do ambiente químico, envolvem dois sentidos, o paladar e o
olfato; mecanorreceptores — sensíveis a estímulos mecânicos, consideramos os sentidos da audição e
tato, mas a percepção da dor e o equilíbrio também se encaixam nesse grupo; fotorreceptores —sensí-
veis a ondas luminosas; e termorreceptores — sensíveis a temperatura.

4.4.1 Características dos órgãos dos sentidos


Paladar: a percepção do gosto é realizada por meio de estruturas denominadas papilas,
que se localizam na língua e estão ligadas aos nervos sensitivos. A essa percepção damos o
nome de gustação, como definimos e identificamos as substâncias doces e salgadas, ácidas
e amargas.

Olfato: depende dos neurônios que se localizam na mucosa da parte superior da cavidade
nasal. Essas terminações nervosas são mais sensíveis que as papilas.

O paladar e o olfato desempenham funções relacionadas à proteção da vida, como a recusa por
substâncias de sabor ou odor desagradáveis.

>> Tato: se apresenta como terminações nervosas livres ou se associam aos pelos, se distri-
buem por todo o corpo, estando mais concentrados nas mãos (ponta dos dedos e palma
das mãos), nos pés e órgãos genitais. Sofrem variações térmicas e de pressão.
>> Audição: formado pelo pavilhão auditivo externo, pelas glândulas, membrana timpâ-
nica e pelos ossículos auditivos. O som é reconhecido pelo encéfalo por sua frequência
e intensidade.

Visão: a captação dos estímulos luminosos é feita por células localizadas nos olhos.
O olho é formado por: córnea — membrana transparente localizada na parte anterior do
olho; humor aquoso — líquido transparente; cristalino — aspecto de uma lente fina; íris —
membrana que recobre o cristalino; humor vítreo — líquido que preenche todo o globo
ocular; retina — parte do olho responsável pela formação da imagem, possui células espe-
cializadas que se conectam ao nervo óptico.

Amplie seus conhecimentos

De acordo com pesquisas recentes, os seres humanos perdem neurônios com o passar dos anos. Este dado explica a
existência de algumas doenças, ligadas ao sistema nervoso, que estão relacionadas aos idosos. Entre elas estão a demên-
cia senil, o Alzheimer, Parkinson, esclerose múltipla, acidente vascular cerebral, doença de Huntington. Pesquise sobre a
relação dessas doenças com o sistema nervoso.

www.todabiologia.com.br

Anatomia e Fisiologia Humana


Vamos recapitular?

Este capitulo nos permitiu conhecer a formação do Sistema Nervoso Central pela sua composição
primária, os neurônios, bem como os aspectos gerais da organização e divisão do Sistema Nervoso Cen-
tral em Simpático e Parassimpático e suas ações sobre determinados órgãos do nosso corpo humano.

Conhecemos as diferenças entre um sistema e outro e também a organização do Sistema


Sensorial, responsável pelos órgãos do sentido.

Para continuarmos os estudos sobre Anatomia e Fisiologia, o próximo capitulo nos proporcio-
nará conhecer sobre o Sistema Tegumentar, mas antes disso, vamos às nossas atividades, uma forma
de colocarmos em prática o nosso conhecimento.

Agora é com você!

Faça uma pesquisa sobre o Sistema Nervos Central e amplie seus estudos.

O Sistema Nervoso Periférico (SNP) é o sistema de comunicação do corpo, forma-


do por nervos, que levam e trazem informações da periferia para o Sistema Nervoso
Central. Sendo assim, descreva o que você entendeu por nervos cranianos e espinhais.

O que se entende por sistema sensorial e como está dividido. Escolha um dos senti-
dos e discorra sobre ele.
O que são neurônios e como se dividem?
Como está subdividido o Sistema Nervoso?
Quais as características básicas do SNC e SNP?

Sistema Nervoso
4.5 Bibliografia

CRUZ, A. P. (Org.). Curso didático de enfermagem - módulo I. 1. ed. São Paulo: Yendis, 2005.

MARQUES, E. C. M. Anatomia e fisiologia humana. 1. ed. São Paulo: Martinari, 2011.

DANGELO, J. G.; FATTINI, C. A. Anatomia humana básica. 2. ed. São Paulo: Atheneu, 2002.

SANTOS, N. C. M. Clínica médica para enfermagem. 1. ed. São Paulo: Iátria, 2004.

Anatomia e Fisiologia Humana


Sistema
Tegumentar

I Para começar

Este capítulo tem como objetivo principal reconhecer o Sistema Tegumentar como um sistema de
proteção e regulação térmica do corpo humano.
Daremos início aos estudos apresentando os conceitos básicos de pele, dos tecidos, e toda sua
constituição, assim com as camadas da pele, as glândulas, suas colorações e seus anexos, e saberemos
identificar as principais lesões que afetam o Sistema Tegumentar.
Vamos a mais um estudo de um sistema de vital importância ao corpo humano.

5.1 Conceitos básicos


Dá-se o nome de tegumento ou sistema tegumentar a tudo aquilo que reveste externamente o
corpo humano.
O Sistema Tegumentar é constituído pela pele e seus órgãos acessórios, identificados aqui
como pelos, unhas, glândulas e receptores especializados.

A pele forma um envoltório para as estruturas do corpo humano e substâncias vitais, for-
mando assim o maior órgão do corpo humano(2).

As principais funções da pele são:


Proteção do corpo: contra o meio ambiente, abrasões, perda de líquido e micro-organis-
mos invasores;
Regulação do calor: feito pelas glândulas sudoríparas e vasos sanguíneos;
Sensibilidade: pelos nervos superficiais e suas terminações sensitivas.

5.2 Composição
A pele é composta por camadas, dividas em:
>> Epiderme: camada mais superficial constituída por tecido epitelial. É protegida por que-
ratina nos locais mais propensos a ações mecânicas, como a sola dos pés. A melanina é
responsável pela coloração da pele e essa camada não possui vascularização.
>> Derme: está situada logo abaixo da epiderme, é formada por tecidos conjuntivos e possui
vasos sanguíneos que realizam a nutrição entre os tecidos. Essa camada é responsável em
manter a pele sob constante tensão elástica e é onde se formam as impressões digitais.
>> Hipodelme: também conhecida como tecido subcutâneo, tem em sua constituição tecido
conjuntivo, vasos sanguíneos e linfáticos e nervos. Tem a função de armazenar lipídeos,
isolar e proteger o corpo e regular a temperatura do organismo.
Observe a Figura 5.1 que identifica, pelo corte transversal da pele, as suas camadas de
constituição.

Alex Luengo/Shutterstock.com
Pelo

Epiderme

Glândulas sudoríparas

Derm

Foliculo

Tecido subcutâneo adiposo

Figura 5.1 - Corte transversal da pele.

Anatomia e Fisiologia Humana


5.3 Fisiologia da pele
A pele protege o organismo contra substâncias nocivas líquidas, gasosas e sólidas, contra agen-
tes externos, microorganismos, parasitas e insetos.
É um órgão provido de grande sensibilidade, pois é pelo tato que percebemos forma, dimensão
e temperatura de tudo que tocamos.
Possui função excretora, eliminando suor e secreções sebáceas, mantendo a temperatura do
corpo constante.

5.4 Anexos da pele


Os anexos da pele estão divididos em pelos, glândulas sebáceas, glândulas sudoríparas e unhas.

5.4.1 Pelos
Estruturas que possuem uma raiz imersa na hipoderme e uma haste qur atravessa toda a
derme, a epiderme e sai na pele sob forma de filamento(4). A parte imersa constitui o folículo piloso,
uma bolsa epitelial que aloja o início do pelo. Aparecem na pele de forma oblíqua e simultânea.
Existem dois tipos de pelos:
>> Lanugem: se desenvolve inicialmente, são pequenos, delicados, e cobrem todo o corpo;
>> Terminal: são pelos longos, grossos, em abundância, que recobrem o couro cabeludo,
axilas e região púbica. É mais fácil de ser visualizado.

5.4.2 Glândulas sebáceas


São glândulas de forma piriforme (formato de pera). Quanto à secreção são consideradas holó-
crinas, ou seja, a célula inteira morre e se destaca participando da sua própria secreção; secretam o
que produzem. Quanto à natureza química são consideradas de lipídicas, por possuírem lipídeos em
sua composição.
Estão distribuídas por toda a pele, com exceção das palmas das mãos e da planta dos pés.
Possuem um duto excretor que se abre no folículo piloso. A secreção das glândulas sebáceas
lubrifica a pele evitando seu ressecamento, tem poder bactericida e dificulta a evaporação.

5.4.3 Qlândulas sudorip_ara.s_.


Localizam-se da superfície até a hipoderme. São responsáveis por secretarem suor. tem
_
uas porções, uma secretora e outra excretora. São consideradas termorreguladoras.

5.4.4I
.Jahas-
São placas curvas queratinizadas dispostas na superfície dorsal das falanges distais. Tem fun-
eLar.otetora. Seu crescimento é contínuo por causa do processo de proliferação e diferenciiçã-ó—dB—
células epiteliais da raiz da unha, que gradualmente se queratinizam formando essa placa.

Sistema Tegumentar
A coloração da unha é um ponto importante, pois determina a oxigenação do corpo, por
exemplo, a cianose provoca uma coloração azulada na base da unha, a anemia determina uma colo-
ração pálida e transparente; deficiência nutricional pode ser detectada em unhas fracas e quebradi-
ças; quando apresentam formatos irregulares podem determinar alguma doença sistêmica; as unhas
com bases rosadas e avermelhadas indicam presença circulatória normal, a ausência deste tom
indica insuficiência circulatória.

5.5 Principais lesões da pele


O aparecimento de vários tipos de lesões altera o aspecto da pele, podendo ser vistas a olho nu
ou com a ajuda de uma lupa.

As lesões são distintas, podendo ser causadas por vários fatores externos ou internos, podendo
afetar uma ou várias camadas da pele.

Podem variar de acordo com tamanho, extensão e forma.

Veja no Quadro 5.1 os diferentes tipos de lesões que pode ocorrer na pele.

Quadro 5.1 - Tipos de lesão de pele mais comuns e suas características

Tipos Característica para identificação Exemplo Tamanho

Plana
-~3• Sardas
Não palpável < 1 cm
r.ad
Joe
. Petéquias
Sofre alteração na coloração da pele

Mácula

. 75

Elevação sólida
Nervo elevado < 0,5 cm
Palpável
. ÁS?

Pápula

EalNimie ,

Massa elevada, sólida, profunda Verruga 0,2 a 0,5 cm

Nódulo

r----- '
Massa sólida
Epitelioma 1,0 a 2,0 cm
- Podendo atravessar o tecido subcutâneo

Tumor

Anatomia e Fisiologia Humana


Tipos Característica para identificação Exemplo Tamanho

Área elevada de edema

Localizada Picada de inseto


Variável
Irregular Urticária

Variável no tamanho
Placa

Elevação da pele Herpes simples


< 0,5 cm
Com presença de líquido seroso Varicela
4. .k.
Vesícula

.---,5

em.- -_-_- •
Elevação da pele Acne
aiiiiiii
Variável

kW "
Com presença de pus Infeção por estafilococos

Pústulas

Perda da superfície da pele


,d•02,-:-
-~-
`
-,-,.
no:- s Pode se estender até a derme
Úlcera de estase venenosa Variável
Ocorre sangramento
Az. À"
Presença de escoriações
Úlcera

-- Afinamento da pele
._ , •
Perda das estrias normais
Insuficiência arterial Variável

..43. Passa a ter aspecto brilhante e trans-


lúcido
Atrofia

Amplie seus conhecimentos

Sabemos que sob a pele, há uma camada de tecido conjuntivo frouxo, o tecido subcutâneo, muito rico em fibras e em
células que armazenam gordura - células adiposas ou adipócitos. A camada subcutânea, denominada hipoderme, atua
como reserva energética, como proteção contra choques mecânicos e isolante térmico. Pesquise sobre essa relação.

www.todabiologia.com.br

Sistema Tegumentar
Vamos recapitular?

Neste capítulo foi possível conhecer a constituição do tecido tegumentar do corpo humano, bem
como as características e composição da pele, assim como aprendemos a identificar os diferentes tipos
de lesões que pode ocorrer no tecido tegumentar.

No próximo capítulo vamos estudar o Sistema Circulatório, mas antes de entrarmos nesse novo
capítulo, vamos às atividades.

Agora é com você!

Com a ajuda de seu professor, identifique a coloração de suas unhas e explique.

Faça uma pesquisa sobre o tecido tegumentar e aponte as principais lesões que pos-
sam ocorrer e as causas aparentes para essas lesões.

Quais são as principais funções da pele?

O que são glândulas sebáceas?

Defina derme, epiderme e hipoderme.

Quanto à fisiologia da pele, afirmamos que é um órgão provido de grande sensibili-


dade. Faça uma pesquisa sobre essa afirmação.

5.6 Bibliografia

www.infoescola.com/histologia/tegumento - acesso em Novembro/2013.

www.auladeanatomia.com/tegumentar/tegumentar.htm - acesso em Novembro/2013.

SANTOS, N. C. M. Clínica Médica para Enfermagem; 1. ed. São Paulo: Iátria, 2004.

CRUZ, A. P. organizadora. Curso Didático de Enfermagem - módulo I; 1. ed.


São Caetano do Sul, SP: Yendis, 2005.

DANGELO e FATTINI. Anatomia Humana Básica. 2. ed. São Paulo: Atheneu, 2002.

PERRY, A. G.; POTTER, P. A. Grande Tratado de Enfermagem: Clinica e Prática Hospitalar.


3. ed. São Paulo: Santos, 2011.

Anatomia e Fisiologia Humana


Sistema
Circulatório

Para começar

Daremos início a mais uma etapa dos nossos estudos. Este capítulo nos permitirá entender o
Sistema Circulatório, ou Sistema Cardiovascular como também é conhecido, de forma clara e objetiva.

Estudaremos desde os conceitos básicos do Sistema Circulatório, suas funções, divisão e seus
componentes, como funciona a circulação do nosso organismo, os vasos sanguíneos, as artérias e reco-
nheceremos o coração como um grande órgão responsável por todo ofuncionamento do sistema.

O objetivo deste capítulo é reconhecer e conceituar o Sistema Circulatório, do ponto de vista mor-
fológico e funcional e também compreender como funciona a pequena e grande circulação.

6.1 Conceitos básicos


O Sistema Circulatório é o sistema responsável pelo transporte de substâncias como nutrientes
(aminoácidos, eletrólitos e linfa), de gases, hormônios, hemácias, para todas as células(1X2) do nosso
organismo, com o propósito de defesa dos diversos sistemas que compõem o nosso organismo.
Entre as diversas funções do sistema circulatório, que veremos no decorrer do capítulo, pode-
mos destacar: defesa, regulação da temperatura, estabilização do pH e homeostase(1)(2). Lembra que
estudamos homeostase lá no Capítulo 1? O Sistema Circulatório proporciona a comunicação entre
os diversos tecidos e sistemas do nosso organismo.
O Sistema Circulatório é considerado um sistema fechadoo) formado por vasos sanguíneos
(artérias, veias e capilares) e pelo coração, órgão central que funciona como uma bomba propulsora
de sangue(1). Esse Sistema pode ser considerado como uma rede de distribuição de sangue, composto
pelos Sistemas Cardiovascular (coração e vasos sanguíneos) e Linfático (linfonodos e vasos linfáti-
cos). Esses dois sistemas dão origem ao Sistema Circulatório.

6.2 Divisão do Sistema Circulatório


O Sistema Circulatório é dividido em: sistema sanguíneo, sistema linfático e órgãos hema-
topoiéticos. Veja a subdivisão a seguir. Veremos com mais detalhes a subdivisão na sequência
deste capítulo.

6.2.1 Sistema Sanguíneo


>> Vasos: são tubos "fechados" que transportam sangue para todos os órgãos e retornam
para o coração. Dividem-se em:
Artérias: são vasos sanguíneos que partem do coração e se ramificam progressiva-
mente em vasos de calibre menor, dando origem às arteríolas.
Arteríolas
Veias: na junção de vários capilares, formam-se as vênulas, dando origem às veias,
que levam o sangue para o coração.
Vênulas
Capilares: são as ramificações mais finas das arteríolas. É nos capilares que e ocorrem
as trocas gasosas e nutritivas, entre o sangue e os tecidos.
Coração: órgão muscular que funciona como uma bomba que possui contrações e faz
o sangue circular. Estudaremos neste mesmo capítulo, mais a frente, os detalhes do
coração.

6.2.2 Sistema Linfático


>> Vasos condutores de linfa: drenam a linfa dos espaços intercelulares para a corrente
venosa através dos vasos linfáticos. É composto por:
Capilares linfáticos
Vasos linfáticos
Troncos linfáticos
>> Órgãos linfoides: localizados entre os vasos sanguíneos, dão origem as células brancas,
podem ser encontrados também entre os vasos linfáticos onde filtram a linfa e combatem
anticorpos. São eles:
Linfonodos
Tonsilas

Anatomia e Fisiologia Humana


6.2.3 Órgãos hematopoiéticos
São órgãos que produzem os elementos do sangue - leucócitos, hemácias e plaquetas. São eles:
Medula óssea
Baço
Timo

6.3 Coração
O coração é um órgão muscular oco, que funciona como uma bomba contrátil(1)(2)._ formado
pelo tecido muscular estriado cardíaco (lembra-se que já estudamos essa estrutura muscular no capí-
tulo sobre músculos?), composto Por- três camadas: o endocárdio - camada interna; o miocárdio -
camada média; e o epicárdico ou pericárdio - camada externa. Está dividido em quatro câmaras:
átrio direito (AD), ventrículo direito (VD), átrio esquerdo (AE) e ventrículo esquerdo (VE). Entre os
átrios e ventrículos existem orifícios com dispositivos orientadores da corrente sanguínea', denomi-
nados valvas cardíacas. As valvas estão divididas em tricúspide ou atrioventricular direita, bicúspide
ou atrioventricular esquerda ou mitral, valva pulmonar e valva aórtica.

6.3.1 Forma
Tem a forma aproximada de um "cone truncado", apresentando uma base (área ocupada pelas raí-
zes dos grandes vasos da base do coração), um ápice, e faces - esternocostal, diafragmática e pulmonar.

Fique de olho!

Você sabia que o coração tem o tamanho da nossa própria mão fechada?

6.3.2 Situação
Encontra-se na cavidade torácica, atrás do osso esterno, acima do músculo diafragma, que, por
sinal, podemos dizer que é onde o coração repousa, no espaço entre dois sacos pleurais - o medias-
tino. Sua maior porção esta localizada à esquerda do plano mediano do nosso corpo. Apresenta-se
obliquamente à base medial e ao ápice lateral.

6.3.3 Morfologia interna


A morfologia interna do coração esta relacionada às câmaras cardíacas que tem sua origem na
cavidade cardíaca, denominadas septos. Os septos se dividem em quatro câmaras:
Átrio direito (AD): a ele chega a veia cava superior, veia cava inferior e a veia coronária,
transportando sangue venoso de todo o organismo, inclusive do músculo cardíaco.
Ventrículo direito (VD): formado por uma musculatura mais espessa que o átrio, dele sai
a artéria pulmonar, que se divide em artéria pulmonar direita e esquerda, cada qual indo
para um pulmão respectivamente, transportando sangue venoso para os pulmões.

Sistema Circulatório
>> Átrio esquerdo (AE): é constituído por uma parede mais resistente que a do átrio direito,
em sua cavidade desemboca duas veias pulmonares direitas e duas veias pulmonares
esquerdas, que recebem sangue arterial vindo dos pulmões.
>> Ventrículo esquerdo (VE): é a cavidade mais espessa de musculatura cardíaca, recebe san-
gue do átrio esquerdo, de onde sai a artéria aorta.
>> Valva tridispide ou atrioventricular direita: está localizada entre o átrio direito e o ventrí-
culo direito. Abrem-se permitindo a passagem do sangue do átrio para o ventrículo e se
fecham impedindo o refluxo do sangue do ventrículo para o átrio.
>> Valva bicúspide ou atrioventricular esquerda ou mitral: está localizada entre o átrio
esquerdo e o ventrículo esquerdo, tem a mesma função da valva tricúspide, porém do
lado esquerdo do coração.
>> Valva pulmonar: está localizada entre o ventrículo direito e a artéria pulmonar. Quando se
abre permite a saída do sangue dos ventrículos para as artérias, e quando se fecha impede
o refluxo do sangue para dentro do ventrículo.
>> Valva aórtica: está localizada entre o ventrículo esquerdo e a artéria aorta e tem a mesma
função a valva pulmonar.

okili77/Shutterstock.com
Artéria aorta
Veia cava superior

Artéria pulmonar

Ot2;•" "W''
Átrio esquerdo

Átrio direito

Ventriculo esquerdo

Ventrículo direito

Septo
intraventricular

Figura 6.1 - Principais partes da morfologia interna do coração.

6.3.4 Vasos de base


Já vimos que os vasos são tubos fechados que transportam sangue para todo o corpo. A parede
deles é formada por três camadas. A primeira é a íntima - camada interna; depois a média - camada
que fica entre uma e outra e a adventícia - camada externa.
Com relação ao tipo, estão classificados em artérias ou veias.

Anatomia e Fisiologia Humana


>> Artérias: participam ativamente da circulação sanguínea transportando sangue para todo
o corpo, possuem parede com flexibilidade elástica. A aorta sai do ventrículo esquerdo
e suas ramificações originarão, direta ou indiretamente, todas as artérias da circulação
sistêmicao). As principais artérias do corpo humano são: coronárias - irrigam o mús-
culo cardíaco; carótida - irrigam o pescoço e a cabeça; subclávias - irrigam os membros
superiores; aorta torácica - irriga a cavidade torácica; aorta abdominal - irriga a cavidade
abdominal; femoral - irriga a região da genitália, região inguinal e coxas.
>> Veias: são vasos cujos calibres aumentam gradativamente(2) na direção do coração. Apre-
sentam no seu interior válvulas para evitar o refluxo sanguíneo. Agrupam-se em veias
superficiais e veias profundas, dependendo de sua localização. As principais veias são:
cava superior - recebe sangue venoso dos mem-
bros superiores, da cabeça e do pescoço e da parede
Lembre-se
dos órgãos do tórax; cava inferior - recebe sangue
dos membros inferiores, da região pélvica e região Artérias — transportam sangue — irrigam
abdominal; porta - recebe sangue do estômago, do os órgãos — levam sangue
esôfago, da vesícula biliar, do pâncreas, do baço, e do Veias — recebem sangue dos órgãos —
intestino; cardíacas - levam sangue venoso da mus- trazem o sangue
culatura cardíaca para o átrio direito.

Coração

BlueRingMedia/Shutte
Veia cava superior

Artéria pulmonar
Veias pulmonares

Veia cava inferior Arteria aorta

Figura 6.2 - Principais veias e artérias.

6.4 Circulação do coração


A circulação é a passagem do sangue através do coração e dos vasos permitida por duas cor-
rentes sanguíneas, que partem ao mesmo tempo do coração(2).

Sistema Circulatório
6.4.1 Sistema de condução
Podemos também chamar de automatismo do coração, pois o coração trabalha de maneira
automática, sob o controle do sistema nervoso central. Os nervos agem sobre uma formação situ-
ada na parede do átrio direito, chamada nó ou nodo sinoatrial (NSA), considerado o marcapasso do
coração. O impulso se espalha desse ponto para o miocárdio, resultando em contração. Esse mesmo
impulso chega ao nó atrioventricular e propaga-se pelos ventrículos pelo feixe atrioventricular. Este,
no nível da porção superior do septo interventricular emite o impulso aos ramos direito e esquerdo,
chegando ao miocárdio.

6.4.2 Tipos de circulação


O Sistema Circulatório compreende dois tipos de circulação, conhecidas como circulal-_
monar~cLuena circulação, e circulação sistêmica, ou grande circulação. Existem também outros
dois tipos de circulação, a circulação colateral e circulação portal. Veja as características de cada uma
das circulações a seguir.
>> Circulação pulmonar ou pequena circulação: tem início no ventrículo direito, de onde o
sangue é bombeado para a rede capilar dos pulmões. Depois de sofrer hematose (troca
de gás carbônico por oxigênio) o sangue é oxigenado e retorna ao átrio esquerdo. Em
resumo, é a circulação coração-pulmão-coração. Explicando a circulação: o sangue
venoso sai do ventrículo direito pela artéria pulmonar, que se ramifica em direita e
esquerda, cada uma indo para os respectivos pulmões. Os capilares arteriais, que con-
tem sangue venoso envolvem os alvéolos pulmonares, onde ocorre a hematose. A união
de vários capilares venosos com sangue arterial formam as quatro veias pulmonares,
duas de cada lado de cada pulmão, desembocando no átrio esquerdo.
>> Circulação sistêmica ou grande circulação: tem início no ventrículo esquerdo, onde
o sangue é bombeado para a rede capilar dos tecidos de todo o organismo. Após as
trocas, o sangue retorna pelas veias ao átrio direito. Em resumo, é a circulação coração-
-tecidos-coração. Explicando a circulação: é a circulação que leva o sangue arterial do
ventrículo esquerdo para a aorta e da aorta para todo o organismo, abastecendo todas
as células com oxigênio e nutrientes. Depois de receber o gás carbônico e as excreções
das células, retorna ao átrio direito como sangue venoso pelas veias cavas superiores
e inferiores.
>> Circulação colateral: normalmente existem anastomoses entre ramos de artérias ou de
veias, ou seja, comunicação entre ambas, dependendo da região do corpo em maior ou
menor número. Geralmente não há muita passagem de sangue por essas comunicações,
mas se houver uma obstrução parcial ou total em
algum vaso calibroso das circulações pulmonar ou
sistêmica, o sangue passa a circular ativamente por Lembre-se
essas variantes, estabelecendo então a circulação
equena circulação — circulação pulmonar
colateral. Resumindo, a circulação colateral é um = coração — pulmão—coração
mecanismode defesa do organismo para irrigar ou Grande circulação — circulação sistêmica
drenar determinado órgão onde ocorreu a obstrução = coração — tecidos - coração
de artérias ou veias de relativo calibre.

Anatomia e Fisiologia Humana


>> Circulação portal: ocorre quando uma veia se interpõe entre duas redes de capilares, sem
passar por um determinado órgão. Ocorre na circulação portal-hepática, que possui uma
rede de capilar no intestino, que há absorção de alimentos e outra na rede de capilares no
fígado, ficando a veia porta interposta entre essas duas redes.

MikiR/Shutterstock.com
Pulmão

Artéria carótida

Artéria pulmonar Veia pulmonar

Aorta
Veia cava superior

Coração
Veia cava inferior

Figura 6.3 - Pequena e grande circulação.

6.5 Sistema Linfático


É um sistema formado por vasos e órgãos linfoides, nele circula linfa. É considerado um anexo
do sistema venoso, pois drena linfa dos espaços intercelulares para a corrente venosa por meio de
seus vasos linfáticos.
Tem como função:

Sistema Circulatório
Ser uma via acessória para o líquido intersticial fluir para o sangue;
Transportar substâncias dos espaços intercelulares que não podem ser removidos pelos
capilares sanguíneos, como as proteínas e partículas grandes;
Ser uma barreira à disseminação de bactérias, vírus e células cancerígenas.
É composto por:
>> Linfa: líquido semelhante ao plasma, desprovido de plaquetas, apresenta raras hemácias,
rico em leucócitos e linfócitos.
Linfonodos: denominados gânglios linfáticos, possuem estruturas dilatadas por causa da
junção dos vasos linfáticos, apresentam aspecto de "caroços"(') e servem de barreira contra
os processos infecciosos.

6.6 Órgãos hematopoiéticos


São constituídos pelos seguintes órgãos:

6.6.1 Baço
É um órgão linfoide, localizado do lado esquerdo da cavidade abdominal, junto ao diafragma,
ao nível das 9-1, DY e 1 la costelas. Apresentam duas faces distintas, a face diafragmática voltada ao
diafragma, e a face visceral, voltada as vísceras abdominais.

O baço é considerado um anexo do sistema circulatório, e tem como função:


Destruir os glóbulos vermelhos velhos.
Armazenar o ferro liberado pela distribuição da hemoglobina.
>> Armazenar eritrócitos.
>> Sintetizar substâncias de defesa.
Incorporar e destruir bactérias e resíduos de células.

6.6.2 Timo
É também considerado um órgão linfoide, formado por massa irregular. Está localizado parte
no tórax e parte na porção inferior do pescoço.

O timo cresce após o nascimento e atinge seu maior tamanho na puberdade, regredindo
depois dessa fase e sendo posteriormente substituído por tecido adiposo e fibroso.

6.6.3 Medula óssea


É um tecido conjuntivo rico em fibras, capaz de originar diversos tipos de células do sangue,
tais como glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas. Essas células são renovadas continua-
mente pela medula óssea.

Anatomia e Fisiologia Humana


1
Está localizada na cavidade interna dos ossos longos.
A medula óssea se mantém em atividade intensa e ininterrupta, originando uma quantidade
grande de novas células a cada segundo.

Amplie seus conhecimentos

Nosso corpo tem cerca de 5,6 litros de sangue circulando três vezes a cada minuto pelo corpo. A essa quantidade de
sangue circulante, chamamos de volemia. Pesquise mais sobre o assunto.

www.todabiologia.com.br

Neste capítulo aprendemos a importância do coração para o nosso organismo, sua morfologia
interna, conhecendo suas câmaras e suas divisões, assim como a pequena e a grande circulação, respon-
sáveis por todo o Sistema Circulatório.
Conhecemos as veias, as artérias, o sistema linfático e o sistema hematopoiético e a importância
da medula óssea.
Vimos também a importância dos capítulos anteriores na relação de continuidade dos nossos
estudos, como a homeostase e o músculo cardíaco.
Dando continuidade aos nossos estudos, o próximo capítulo traz o Sistema Respiratório, mas
antes vamos praticar nossos estudos respondendo as atividades.

Agora é com você!

Na sua opinião, porque o coração é considerado uma "bomba"? Pesquise sobre o


assunto e troque informação com seus colegas de sala.
A medula óssea é considerada uma grande fonte de "fabricação de células". Você con-
corda com essa afirmação? Pesquise sobre a medula óssea e apresente um seminário
entre seus colegas de sala.
Pesquise sobre a grande e pequena circulação e promova um debate em sala, expli-
cando o que você entendeu. Peça ajuda ao seu professor.

Como está dividido o Sistema Circulatório?

Como se divide a morfologia interna do coração?

Quais as principais artérias do coração?

Sistema Circulatório
6.7 Bibliografia

CRUZ, A. P. (Org.). Curso didático de enfermagem - módulo I. 1. ed. São Paulo: Yendis, 2005.

DANGELO, J. G.; FATTINI, C. A. Anatomia humana básica. 2. ed. São Paulo: Atheneu, 2002.
MARQUES, E. C. M. Anatomia e fisiologia humana. 1. ed. São Paulo: Martinari, 2011.

KAWAMOTO, E. E. Anatomia e fisiologia humana. 3. ed. São Paulo: EPU, 2009.

Anatomia e Fisiologia Humana


Sistema
Respiratório

Para começar

Estudaremos neste capitulo a anatomia e fisiologia do Sistema Respiratório, conhecendo seus con-
ceitos e suas divisões, assim como os principais órgãos que participam desse sistema.
O objetivo deste novo capitulo é que, ao final dos nossos estudos, você seja capaz de conceituar o
Sistema Respiratório do ponto de vista anatômico e funcional.

7.1 Conceitos básicos


O aparelho respiratório ou Sistema Respiratório é responsável por processar a respiração, per-
mitindo a entrada e saída do ar no nosso organismo, promovendo assim a hematose - troca gasosa
que ocorre na captação de oxigênio e eliminação de gás carbônico, responsável também por filtrar
e umedecer o ar(2). A respiração é uma característica básica dos seres vivos'. O principal órgão do
Sistema Respiratório é o pulmão.

7.2 Divisão do Sistema Respiratório


Ele está dividido em duas partes: uma porção condutora e outra respiratória. Veja as caracte-
rísticas de cada porção.
Parte ou porção condutora: pertence os órgãos tubulares, com função de levar ar inspi-
rado até a outra porção, a respiratória, representada pelos pulmões, onde expiram o ar
eliminando o gás carbônico. O ar expirado é conduzido pelos brônquios e traqueia, esses
órgãos funcionam como tubos que transportam ar. Essa porção é responsável, além do
4
transportar o ar, filtrar, purificar, aquecer e torna-lo úmido. É constituído pelo nariz,
laringe, traqueia e brônquios.
Parte ou porção respiratória: é a parte responsável pela troca de dióxido de carbono
presente no sangue por oxigênio. É constituída pelos bronquíolos - porção terminal da
árvore brônquica, dutos alveolares e alvéolos.

snapgalleria/Shutterstock.com
Cavidade nasal

Cavidade nasal

Nariz

Faringe

Laringe Brônquio principal

Traqueia Brônquios

Brônquio principal

Alvéolos

Pulmão
Pulmão
Pleura parietal

Costelas
Diafragma

Figura 7.1 - Órgãos que participam da respiração.

Anatomia e Fisiologia Humana


7.3 Anatomia do Sistema Respiratório
Para melhor entendermos esse sistema, suas funções e características, vamos estudar parte de
cada órgão que compõem esse sistema, até chegarmos aos pulmões, o órgão principal.

O Sistema Respiratório é constituído por: fossas nasais, faringe, laringe, traqueia, brônquios
e pulmões. Consideramos também os músculos ventilatórios - o diafragma, músculo que separa a
cavidade torácica da abdominal, e o centro de controle da respiração no encéfalo, Sistema Nervoso
Central.

7.3.1 Fossas nasais


São duas cavidades separadas por um septo. Os orifícios anteriores são denominados narinas e
os posteriores, cóanas. As cóanas ligam as fossas nasais à faringe.

O ar é aquecido e umedecido pela mucosa de revestimento das fossas nasais, que é ricamente
vascularizado e filtrado por meio dos pelos existentes nessa área.

?Ivric-x-Pcte
p•-• ct-
7.3.2 Faringe-4) 92-noturd• trj).):. -1--7^ ~:*W
; S P4')
rt, Pf-lCA--0•40 "1;
' —
Está localizada na continuação da boca com as fossas nasais. Possuem duas aberturas na
extremidade inferior: a parte anterior liga a faringe à laringe, sendo conduzida aos pulmões, e a
parte posterior se comunica com o esôfago. 0-1"`"•'1
"1

É na faringe que encontramos a epiglote, válvula que permite durante a deglutição evitar que
os alimentos entrem na traqueia. Esta também é considerada um órgão do Sistema Respiratório, pois
tem a função de levar o ar para a laringe, além de filtrar, aquecer e umidificar o ar.

pela_ ,Poct9_n_ À.(1-


7.3.3 Laringe-5
Constitui uma estrutura sustentada po .cartilagens, entre elas a cartilagem tireoide, também
conhecida como "pomo de adão", e a epiglote que se abaixa no momento da deglutição fechando a
laringe, e se levanta durante a respiração.

É na laringe que se situam as pregas vocais.

7.3.4 Traqueia
É uma estrutura formada por semianéis de cartilagem, possui glândulas secretoras de muco e
células epiteliais ciliadas. Conduz ar para os pulmões pela bifurcação em dois brônquios principais
que levam ar aos pulmões direito e esquerdo.
A traqueia tem seu início ao nível da Lia vértebra cervical, ocupando uma posição central à
frente do esôfago, e tem seu término entre a zia e a 5a vértebra dorsal ou torácica.

Sistema Respiratório
snapgalleria/Shutterstock. com

Figura 7.2 - Outros órgãos responsáveis pela respiração.

7.3.5 Brônquios - bronquíolos e alvéolos


Os brônquios resultam da bifurcação da traqueia, são dois, direito e esquerdo, e dirigem-se
respectivamente aos pulmões.

Os brônquios penetram nos pulmões, e em seu interior Lembre-se


ramos cada vez mais finos, denominados bronquíolos, e no
Hematose - é a troca de gases que ocorre
final dos bronquíolos encontramos os alvéolos envolvidos por devido à diferença de concentração de oxi-
vasos finíssimos, onde ocorre a hematose. gênio e gás carbônico.

7.3.6 Pulmões
São dois órgãos volumosos e esponjosos que contêm ar em sua cavidade. Encontram-se na
cavidade torácica e estão dispostos bilateralmente ao coração.

Anatomia e Fisiologia Humana


001 o wos
Possuem um ápice (parte superior) e uma base (parte inferior), que se apoiam no músculo
diafragma. Estão separados um do outro por um espaço denominado mediastino, onde se localizam
o coração e os grandes vasos.
O pulmão direito é dividido em três lobos e o esquerdo em dois. São revestidos por duas
membranas, denominadas de pleura - a que envolve os pulmões é chamada de pleura visceral e
a que envolve a cavidade torácica é chamada de pleura parietal. Entre as duas pleuras existem um
espaço virtual denominado espaço pleural, que possui uma pequena quantidade de líquido, facili-
tando a expansão suave dos pulmões ao se encherem de ar na inspiração.

snapgalleria/Shutterstock.com
Artéria pulmonar Veia pulmonar

Ducto alveolar

Traqueia

Alvéolos
:
D co
t)c);,oclr"'

àe/e5e"50`)
Brônquios

Pulmão

Bronquiolos

Diafragma Pleura

Figura 7.3 - Estrutura dos pulmões.


nk),& r-N "o

7.4 Fisiologia da respiração

Chamamos de respiração a retirada de oxigênio do ar atmosférico, seu transporte à célula,


somada ao processo inverso - retirada de dióxido de carbono dessa mesma célula e seu transporte
para a atmosfera(2).

Sistema Respiratório
A respiração está dividida em três partes:

Ventilação pulmonar: o ar que chega aos pulmões já foi filtrado, as partículas menores ficam
presas no muco, a rede vascular aquece esse ar, e as glândulas serosas umedecem o ar.
Trocas gasosas: transferência de oxigênio e gás carbônico pela membrana alveolar.
Transporte de gases: o gás difunde-se do sangue para as células e das células para o sangue.
Na inspiração ocorre a expansão do tórax com diminuição da pressão dentro cavidade torá-
cica, onde o ar penetra nos pulmões.

Na expiração, a cavidade torácica diminui de volume, a pressão interior aumenta e o ar vai


para o exterior.

Alila Medical Media/S hutterstock.com


Inspiração Expiração

Figura 7.4 - Fisiologia da respiração - inspiração e expiração.

leifflikahadiumiãne
• - • u -

Aprendemos neste capitulo todo o processo que envolve o Sistema Respiratório, seus principais
órgãos e conceitos básicos, sua anatomia e fisiologia.

Partindo desses estudos, somos capazes de identificar o funcionamento da inspiração e expiração


em nosso organismo, bem como a importância do Sistema Respiratório no complemento do ciclo vital
ao ser humano.

Nosso próximo passo é estudar o Sistema Digestório, sua constituição e suas funções.

Mas como já é de conhecimento de todos, as atividades de reforço ao aprendizado encontram-se a


seguir. Reforce seus estudos e responda.

Anatomia e Fisiologia Humana


rP \901--k

Agora é com você!

Identifique no esqueleto que há em sua sala de aula a localização/região dos órgãos


da respiração.
Faça uma pesquisa sobre hematose e amplie seus estudos.
Faça uma pesquisa sobre a traqueia e relate aos colegas de sala a importância dela no
Sistema Respiratório.
Sobre a fisiologia da respiração, estude um pouco mais sobre o assunto e apresente
um trabalho, sinalizando como estão divididos os pulmões e o que acontece com a
pressão neles.
Como se divide o Sistema Respiratório?

Explique a fisiologia da respiração.

9P 11

cio
J.- a_ j-,1.1"--
t1 C0 j,

().stá6"--e-J.-0tç,tAboki0
ah,
Tfroyco-•
Otcx- _M
J:Y170k.oNAA-'?'
)LI-Y12t)t7 "r10\ -n- C)V 2
.,n,07à(50- Mc"
- ef2sw-s'''

Anatomia e Fisiologia Veb "n-,JÁ3Llus9*-


-
ne:7;00.4›,r-TLcc, -
7.5 Bibliografia

DANGELO, J. G.; FATTINI, C. A. Anatomia humana básica. 2. ed. São Paulo: Atheneu, 2002.
CRUZ, A.P. (Org.). Curso didático de enfermagem - módulo I. 1. ed. São Paulo: Yendis, 2005.
MARQUES, E.C.M. Anatomia e fisiologia humana. 1. ed. São Paulo: Martinari, 2011.
APPLEGATE, E. Anatomia e fisiologia. 4. ed. São Paulo: Elsevier, 2012.

,l‘n6c(À),a,
-rnà2riL

41=10i Anatomia e Fisiologia Humana