Anda di halaman 1dari 42

A Quinua (Chenopodium quinoa W.

) é
uma planta nativa dos Andes;
O grão é melhor cultivado nos
altiplanos e vales altos da Bolívia;
Pertence à família Chenopodiaceae;
É considerado um alimento sagrado
pelo povo Inca;
O nome “quinua” é de origem
quéchua, o idioma falado pelos
antigos incas.
A Quinua (Chenopodium quinoa W.) é
uma planta nativa dos Andes;
O grão é melhor cultivado nos
altiplanos e vales altos da Bolívia;
Pertence à família Chenopodiaceae;
É considerado um alimento sagrado
pelo povo Inca;
O nome “quinua” é de origem quéchua,
o idioma falado pelos antigos incas.
Domesticação da Quinua entre 8 e
10 mil anos atrás;
Após a conquista espanhola, a
Quinua caiu em desuso;
Redescoberta da importância do
grão no último terço do século XX.
No Brasil, “em se plantado, tudo dá”;
A Quinua foi introduzida no Brasil por
volta dos anos 90;
Pesquisas com a Quinua têm sido feitas
desde sua introdução no país, obtendo-
se ótimos resultados;
O Brasil tem um enorme potencial para
produzir Quinua.
A Quinua é um espinafre que “produz
grãos”;
Na maturação, os cachos são semelhantes
aos do Sorgo;
Biomassa que protege o solo;
Os frutos (grãos) são do tipo aquênio;
Composto Quantidade
Proteína 15 g
Carboidratos 68 g
Ferro 9,5 mg
Fósforo 286 mg
Cálcio 112 mg
Fibras 5g
Calorias 350 à 375 cal
Fonte: FAO, 2003
A Quinua Real é a mais conhecida;
Podemos encontrar a Quinua na forma de:
Grãos;
Flocos;
Farinha.
A qualidade nutritiva e protéica da
Quinua é extremamente superior à dos
demais grãos.
A Quinua é fonte de aminoácidos;
É fonte de proteínas de alta qualidade;
Possui quantidades consideráveis de
minerais;
Apresenta um alto valor energético,
pouca gordura e grande quantidade
de fibras;
Possui fitoestrógenos;
Componentes Quinua Trigo Aveia
Calorias (Kcal) 335 à 375 330 405
Carboidrato (g) 68,3 71,6 68,5
Proteína (g) 12,1 9,2 10,6
Lipídio (g) 6,1 1,5 10,2
Água (g) 10,8 16,5 9,3
Fósforo (mg) 302 224 321
Cálcio (mg) 107 36 100
Fibras (g) 6,8 3 2,7
Cinzas (g) 2,7 1,1 1,5
Ferro (mg) 5,2 4,6 2,5
Tiamina (mg) 1,5 0,2 0
Niacina (mg) 1,2 2,8 0
Riboflavina (mg) 0,3 0,8 0
Ácido Ascórbico (mg) 1,1 0 0
Fonte: PROCISUR - ICCA, 1997
Age na prevenção de enfermidades
crônicas;
Age também nas funções
cardiovasculares, de cicatrização e
normalização de órgãos;
É especialmente útil às crianças,
por conter lisina.
Quinua, a alternativa para os
celíacos;
Poucas diferenças são notadas no
produtos feitos com Quinua;
O valor calórico da Quinua é
semelhante ao do arroz;
É rica em fibras, aumentando a
saciedade;
Composição nutricional perfeita para
atletas;
A Quinua tem uma ótima combinação de
aminoácidos;
Não apresenta contra-indicações de uso.
Componentes Leite de Leite
Quinua Carne Ovo Queijo
(%) vaca humano
Proteínas 13.00 30.00 14.00 18.00 3.50 1.80
Gordura 6.10 50.00 3.20 - 3.50 3.50
Açúcar - - - - 4.70 7.50
Ferro 5.20 2.20 3.20 - 2.50 -
Calorias 100g ± 370 ± 431 ± 200 ± 24 ± 66 ± 80
Fonte: PLANETA ORGÂNICO, 2010
A Quinua não tem a mesma quantidade de
ferro que a carne;
Apresenta um excelente mix de fibras e
minerais;
A Food and Agriculture Organization
(FAO) considera a Quinua o melhor e mais
completo alimento de origem vegetal.
O Sorgo (Sorghum bicolor L. Moench) é
uma granífera da mesma família
botânica do milho;
É o 5º cereal mais importante do
mundo;
Seus grãos são úteis na produção de
farinha para panificação, amido
indústria, álcool e como forragem ou
cobertura de solo.
O Sorgo é de origem africana;
Foi introduzido no Brasil no início
do século XX;
Tem como principais regiões
produtoras São Paulo e o Rio
Grande do Sul.
Basicamente, existem quatro tipos de Sorgo:
Sorgo Granífero;
Sorgo Sacarino;
Sorgo Vassoura;
Sorgo Forrageiro.
O sorgo é uma cultura marginal ao
milho, assim como o milho é
marginal à soja;
Em nível mundial, o sorgo é uma
cultura marginal;
O sorgo produzido no Brasil é todo
consumido na alimentação animal;
Para o uso industrial, não há
estatísticas que apontem a
demanda por sorgo em grão.
A grande vantagem econômica do
sorgo, é o preço menor do que o do
milho;
 O país pode consumir mais Sorgo
em rações de aves, suínos e
bovinos;
 O aumento da produção de sorgo
poderia atuar como regulador da
oferta de grãos para a produção de
ração.
 O grande problema do sorgo está na
comercialização;
 O custo de produção de sorgo é semelhante ao
do milho;
 A produção de sorgo só é realizada quando o
produtor já possui o destino para a sua colheita.
Algumas variedades de sorgo possui
polifenois;
Os polifenois conferem certa resistência
ao grão;
Retirar a camada do córtex sementes
que contém o pigmento é difícil;
Muitos grãos contêm outros fenóis,
incluindo os flavonóides e pigmentos
antocianinas.
Algumas variedades de sorgo possui
polifenois;
Os polifenois conferem certa
resistência ao grão;
Retirar a camada do córtex sementes
que contém o pigmento é difícil;
Muitos grãos contêm outros fenóis,
incluindo os flavonóides e pigmentos
antocianinas.
O Sorgo é um grão de áreas de chuvas
escassas;
É uma cultura que tem uma elevada
resistência à seca;
As principais áreas de cultivo são
atualmente Índia, China e as zonas
semi-áridas da África;
Existem algumas variedades que foram
selecionados como uma cultura para a
produção de açúcar;
O sorgo também é tolerante ao calor e
a salinidade;
A camada de farelo do sorgo é mais
complexa que a dos demais cereais.
Papas (mingaus);
Alimentos a base de grãos germinados;
Alimentos fermentados;
“Kisra”;
Cerveja opaca “Chibuku”.
ARAÚJO, C. Sorgo tem potencial para uso na alimentação do brasileiro. 2008. Disponível em:
<www.agrosoft.org.br/agropag/100573.htm>. Acesso em 04 out. 2010.
ASCHERI, J. L.; SPEHAR, C. R.; NASCIMENTO, N. E. Caracterización química comparativa de harinas instantaneas por
extrusión de quinoa (Chenopodium quinoa Willd.), maíz y arroz. Alimentaria, Madrid, v. 39, n.331, p. 82-89.2002.
BADAWI, C. Quinua – O alimento do momento. FSP-USP. São Paulo, [s.n.]. Disponível em:
<http://www.nutrociencia.com.brupload_filesarquivosquinua.doc>. Acesso em 04 out. 2010.
BELEZA E SAÚDE. Quinua. Disponível em: <http://belezaesaude.dae.com.br/quinua>. Acesso em 03 out. 2010.
BITTENCOURT, B.; CONTRERAS, E. Quinua: proteína em grão. Disponível em:
<http://boaforma.abril.com.br/dieta/pro-musculos/quinua-proteina-grao-488349.shtml>. Acesso em 01 out. 2010.
CARDOZO, A.; BATEMAN, J. V. La quinua en la alimentación animal. Turrialba, San Jose,v. 11, p. 72-77, 1961.
FAO - Cultivos Andinos: Cap. VIII Valor Nutritivo y Usos de la Quinua. CD Rom. Disponível em
<http://www.rlc.fao.org/prior/segalim/prodalim/prodveg/cdrom/contenido/libro03/cap8_2.htm#Top>. Acesso em 04 out.
2010.
FAO - Seminário Internacional: “La Quinua: Alimento y Cultivo Promisorio del Siglo XXI”. Santa Fé de Bogotá,
Colômbia. 2003. Disponível em: <http://www.rlc.fao.org/eventos/2000/octubre/semina/nota.pdf>. Acesso em 04 out.
2010.
HENRIQUE, B. Brasil terá cultivo de Quinoa, 2008. Disponível em:
<http://www.estadao.com.br/noticias/suplementos,brasil-tera-cultivo-de-quinoa,175900,0.htm>. Acesso em 01 out. 2010.
INFOAGRO-BOLIVIA. Quinua. Bolívia. Disponível em: <http://www.infoagro.gov.bo/index1.htm>. Acesso em 07 out. 2010.
IPA – Instituto Agronômico de Pernambuco. Pesquisa: Sorgo. Disponível em: <http://www.ipa.br/resp3.php>. Acesso em
02 out. 2010.
JACOBSEN, E. E.; SKADHAUGE, B.; JACOBSEN, S. E. Effect of dietary inclusion of quinoa on broiler growth performance.
Animal Feed Science and Technology, v. 65, p.5-14. 1997.
LEWIS, L. D. Nutrição Clínica de Eqüinos: alimentação e cuidados. São Paulo: Roca. 2000, 710 p.
LIMA, J. M. P. de; M. A . LIRA; M. L. de LIMA; M. C. M. das CHAGAS - Embrapa/EMPARN (EMPRESA DE PESQUISA
AGROPECUÁRIA DO RIO GRANDE DO NORTE S/A). SORGO. 3p. Disponível em:
<http://www.emparn.rn.gov.br/links/publicacoes/folders/sorgo.pdf>. Acesso em 05 out. 2010.
MAGALHÃES, P. C.; DURÃES, F. O. M.; SCHAFFERT, R. E. Fisiologia da planta de sorgo. Sete Lagoas: Embrapa Milho
e Sorgo, 2000. 46p. (Embrapa Milho e Sorgo - Circular Técnica, 3).
MAGALHÃES, P.C.; RODRIGUES, W.A.; DURÃES, F.O.M. Tanino no grão de sorgo: bases fisiológicas e métodos de
determinação. Sete Lagoas: EMBRAPA - CNPMS, 1997. 26 p. (EMBRAPA - CNPMS. Circular Técnica, 27).
NEGRON, A. A.; ALVARES, G. E.; CALMET, U. E. La quínua y la cañihua en raciones de pollos parrilleros en Puno, Perú. In:
CONVENCIÓN INTERNACIONAL DE QUENOPODIÁCEAS, 2. Actas... Potosí: Universidade Boliviana “Tomas Frías”, 1976. p. 170-176.
NEMATODES. In: FREDERIKSEN, R.A. (Ed.). Compendium of sorghum diseases. St. Paul: American Phytopathological Society, 1986.
p.50-53.
NUTRICIO. Ranto e Quinoa (Quinua Real). Disponível em: <http://www.nutricio.com.br/quinua-amaranto.htm>. Acesso em 01 out.
2010.
PREZOTTO L. D. et al. Análise econômica na substituição de milho por Sorgo triturado e extrusado em dietas para equinos. In:
ZOOTEC, Pirassununga, SP. 2006.
PROCISUR – ICCA (Programa Cooperativo para el Desarrollo Tecnológico Agropecuário del Cono Sur – Instituto Interamericano de
Cooperación para la Agricultura), 1997. Disponível em <www.infoagro.gov.br/index1.htm>. Acesso em 08 out. 2010.
SPEHAR, C. R. Production systems in the savannas of Brazil: key factors to sustainability. In: LAL, R. (Ed.).
Soil quality and agricultural sustainability. Chelsea: Ann Arbor, 1998. p. 301-318.
SPEHAR, C. R. Quinoa – Alternativa para a diversificação agrícola e alimentar. Pesquisa Agropecuária Brasileira. Planaltina, DF,
2007.
SPEHAR, C. R.; CABEZAS, W. A. R. L. Introdução e seleção de espécies para a diversificação do sistema produtivo nos cerrados. In:
CABEZAS, W. A. R. L.; FREITAS, P. L. (Ed.). Plantio direto na integração lavoura pecuária. Uberlândia: UFU, 2000. p. 179-188.
SPEHAR, C. R.; SANTOS, R. L. B. Quinoa BRS Piabiru alternativa para diversificar os sistemas de produção de grãos. Pesquisa
Agropecuária Brasileira. 2002, vol.37, n.6. Disponível em: <www.scielo.br>. Acesso em 03 out. 2010.
SPEHAR, C. R.; SANTOS, R. L. B.; NASSER, L. C. Diferenças entre Chenopodium quinoa e a planta daninha Chenopodium album. Planta
Daninha, Viçosa, v. 22, p. 126-130, 2003.
SPEHAR, C. R.; SOUZA, P. I. M. Adaptação da quinoa (Chenopodium quinoa Willd.) ao cultivo nos cerrados do Planalto Central:
resultados preliminares. Pesquisa Agropecuária Brasileira, Brasília, DF, v. 28, n. 5, p. 635-639, 1993.
SPOHR, E. Quinua. Disponível em: <http://www.planetaorganico.com.br/quinua1.htm &
<http://www.planetaorganico.com.br/quinua2.htm>. Acesso em: 04 out. 2010.
TAPIA, M. Cultivos andinos subexplotados y su aporte a la alimentación. Santiago: FAO, 1997. 217 p.
VICKTOR, M. Quinua a toda poderosa. [s.n.]. Disponível em: <http://revistavivasaude.uol.com.br/Edicoes/61/artigo88322-2.asp>.
Acesso em: 01 out. 2010.
WIKIPÉDIA. Quinoa. Disponível em: <http://pt.wikipedia.org/wiki/Quinoa>. Acesso em 03 out. 2010.
WIKIPÉDIA. Sorgo. Disponível em: <http://pt.wikipedia.org/wiki/Sorgo>. Acesso em 06 out. 2010.