Anda di halaman 1dari 3

O Critério de Chauvenet

É comum que o experimentalista ache que alguns valores medidos em um certo


experimento extrapolam a tendência dominante. Estes valores podem ser, de fato, medições
erradas, como podem também representar certo fenômeno físico de interesse. Por este motivo,
estes valores que fogem à tendência dominante não podem ser descartados sem recorrer a critério
consistente para sua eliminação.
Sejam n medições de uma grandeza, onde n é grande, de modo que os resultados seguem
uma distribuição Gaussiana. Como já vimos, esta distribuição fornece a probabilidade de que um
dado valor medido esteja desviado de um certo valor da média esperada. Não se pode esperar
probabilidade menor que 1/n. Assim, se a probabilidade para o desvio de um certo valor medido é
menor que 1/n, pode-se qualificá-lo para ser eliminado do conjunto de dados. Na realidade, testes
mais restritivos são aplicados para eventualmente eliminar valores medidos. O critério de
Chauvenet é um deles: especifica que um valor medido pode ser rejeitado se a probabilidade m
de obter o desvio em relação à média é menor que 1/2n. A tabela 1 lista valores da razão do
desvio em relação ao desvio padrão para vários valores de n conforme este critério.

Tabela 1 – Critério de Chauvenet para rejeição de valor medido.


Número de leituras, Razão entre o máximo desvio aceitável
n e o desvio padrão,
d max / 
3 1,38
4 1,54
5 1,65
6 1,73
7 1,80
10 1,96
15 2,13
25 2,33
50 2,57
100 2,81
300 3,14
500 3,29
1000 3,48

Para aplicar o critério de Chauvenet para eliminar valores duvidosos, em primeiro lugar
calcula-se o desvio médio e o desvio padrão do conjunto de dados medidos. O desvio de cada um
dos pontos é comparado com o desvio padrão, conforme os valores da Tabela 1, para assim se
eliminar os pontos duvidosos. Para a apresentação dos dados finais, um novo valor médio e um
novo desvio padrão são calculados, sem incluir os pontos eliminados. O critério poderia até ser
repetido mais uma vez, para a eliminação de mais pontos, entretanto o procedimento não é
recomendável, basta uma vez. Se diversos pontos extrapolarem o critério-limite estabelecido, é
provável que o sistema de instrumentação seja inadequado, ou que o processo sendo medido seja
extremamente variável.
Como já vimos, erros em medições podem ser caracterizados por uma função normal, e o
desvio padrão  pode ser reduzido aumentando-se o número de medições. Na maioria dos casos,
o custo experimental coloca um limite sobre o número de medições. Deve-se considerar, também,
que o erro sistemático presente na medição não é uma variável aleatória, e os procedimentos
estatísticos podem ser efetivamente usados para “condicionar” dados experimentais com valores
medidos erroneamente.
O critério de Chauvenet, então, fornece uma base consistente para tomar a tomada de
decisão de excluir ou não um dado de um conjunto de valores medidos. Para sua aplicação, basta
cálcular a razão do desvio individual para o desvio padrão, R, e comparar com um valor de
referência, R0. R0 depende do número de medidas, enquanto que R é definida como:
R  ( x i  x ) /  . O valor medido é rejeitado quando R > Ro.

Exemplo de Aplicação do Critério de Chauvenet.

As medidas a seguir são de comprimento. Calcule o valor médio, o desvio padrão, a


variância e desvio absoluto médio. Aplicar o critério de Chauvenet para verificar possível
inconsistência.

Leitura 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10
x, cm 5,30 5,73 6,77 5,26 4,33 5,45 6,09 5,64 5,81 5,75

Solução:

O valor médio é dado por

1 n 1
xm   xi  (56,13)  5,613 cm .
n i 1 10
Os outros valores são computados com auxílio da tabela abaixo:

Leitura d i  xi  xm (cm) ( xi  xm ) 2  102 (cm2)


1 -0,313 9,797
2 0,117 1,369
3 1,157 133,865
4 -0,353 12,461
5 -1,283 164,609
6 -0,163 2,657
7 0,477 22,753
8 0,027 0,0729
9 0,197 3,881
10 0,137 1,877

A variância,
1 n
2   ( x i  x m ) 2  0,3533 cm 2 cm
n i 1
O desvio-padrão,
1/ 2
 1 
 (3,536)  (0,3929) 1 / 2  0,627 cm
10  1 

O desvio absoluto médio,


__
1 n 1 n 1
di   di   xi  xm  (4,224)  0,4224 cm
n i n i 10

Calcula-se a razão R  d i / 

Leitura 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10
di /  0,499 0,187 1,845 0,563 2,046 0,260 0,761 0,013 0,314 0,219

Compara-se o valor obtido com o valor de referência na Tabela 1, 1,96 (para n = 10).
Assim, pode-se eliminar somente o 5o ponto. O novo valor médio é

1
xm  (51,80)  5,756 cm
9

O novos valores de desvio e desvio quadrático estão na tabela abaixo:

Leitura d i  xi  xm ( xi  xm ) 2  102
1 -0,456 20,7936
2 -0,026 0,0676
3 1,014 102,8196
4 -0,496 24,602
6 -0,306 9,364
7 0,334 11,156
8 -0,116 1,346
9 0,054 0,292
10 -0,006 0,0036

Então,
1/ 2 1/ 2
 1  1 
  ( xi  xm ) 2    (1,7044)   (0,213)1 / 2  0,4615 cm.
 n 1  8 

ORLANDO, A.F. Análise da Incerteza de Medição em um Processo Metrológico. Mestrado em Metrologia,


Qualidade e Inovação, Departamento de Engenharia Mecânica, PUC-Rio: Rio de Janeiro, 2004.