Anda di halaman 1dari 19

NOTÍCIAS DE

ISRAEL
É uma publicação mensal da “Obra
Missionária Chamada da Meia-Noite” com
licença da “Verein für Bibelstudium in Israel,
Beth-Shalom” (Associação Beth-Shalom para
Estudo Bíblico em Israel), da Suíça.

Administração e Impressão:
Rua Erechim, 978 • Bairro Nonoai
90830-000 • Porto Alegre/RS • Brasil
Fone: (51) 3241-5050 Fax: (51) 3249-7385
E-mail: mail@chamada.com.br
www.chamada.com.br

Endereço Postal:
Caixa Postal, 1688
90001-970 • PORTO ALEGRE/RS-Brasil

Fundador: Dr.Wim Malgo (1922 - 1992)


TEOLOGIA DA NEO-SUBSTITUIÇÃO
Conselho Diretor: Dieter Steiger, Ingo Haake,
Markus Steiger, Reinoldo Federolf

Editor e Diretor Responsável: Ingo Haake

Diagramação & Arte: Roberto Rcinke 8c Julia


Wiesinger

Assinatura - an u al..................................31,50
-sem estral............................19,00
Exemplar Avulso.................................... 3,50
Exterior: Assin. anual (Via Aérea)... US$35.00

ORIZONTE Edições Internacionais


A revista “Notícias de Israel” é publicada
também em espanhol, inglês, alemão,
COMO A TURQUIA FOI PERDIDA holandês e francês.

As opiniões expressas nos artigos assinados


são de responsabilidade dos autores.

INPI n° 040614
Registro n° 50 do Cartório Especial
ISLAMISMO 2.0
O objetivo da Associação Beth-Shalom para
Estudo Bíblico em Israel é despertar e
fomentar entre os cristãos o amor pelo
Estado de Israel e pelos judeus. Ela demonstra
o amor de Icsus pelo Seu povo de maneira
DIREITOS HUMANOS - prática, através da realização de projetos
DIA DE LAMENTAR. NÃO DE CELEBRAR sociais e de auxílio a Israel. Além disso,
promove também Congressos sobre a Palavra
Profética em Jerusalém e viagens, com a
intenção de levar maior número possível de
peregrinos cristãos a Israel, onde mantém a
LULA QUER VISITAR 0 IRÃ Casa de Hóspedes “Beth-Shalom” (no monte
Carmelo.em Haifa).
Quandio o primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu partiu para uma visita aos
Estados l nidos no início de novembro, a mídia israelense ficou em alvoroço. Ninguém sabia se o
presidem: Obama iria recebê-lo, e, caso o recebesse, o que os dois políticos iriam tratar. Depois
que o enc mtro acabou ocorrendo, as conversações não terminaram com a costumeira entrevista
coletiva Assim, a expectativa continuou a crescer na imprensa. Na ocasião, Netanyahu apenas
declarou Aiue foram tratados assuntos importantes e que todo o resto dar-se-ia mais tarde,
r, a resolução governamental anunciada pelo primeiro-ministro israelense, congelando
provisória tmente, por dez meses, o estabelecimento de novos assentamentos nas áreas palestinas foi
uma decií,ão dramática para Netanyahu e seu gabinete. Ela poderia até mesmo colocar em risco a
continuidide de seu governo. Para o próprio Netanyahu esse passo foi, certamente, uma grande prova,
uma vez <|ue ele sempre considerou os assentamentos uma prioridade nacional. Mas a decisão de
ceder ài ext!igência do presidente Obama, congelando temporariamente novos assentamentos, mostra
mais uma vez a grande importância da parceria estratégica entre Israel e os EUA.
Para 3bama, parar com os assentamentos é muito importante. Ele precisa do apoio e da
simpatia los países árabes moderados para a continuidade do assim chamado processo de paz e
deseja unjta normalização das relações deles com Israel. Afinal, o presidente americano declarou
que uma )az abrangente no Oriente Médio é um de seus alvos prioritários. 0 governo israelense,
por sua fez, ao prosseguir com novas construções no perímetro expandido de Jerusalém,
sinalizou claramente que não aceitará interromper seus projetos nessa cidade. Na questão dos
assentam|eintos, porém, foi obrigado a ceder às exigências norte-americanas,
Essa tbndéncia nos mostra que o governo israelense, majoritariamente de direita, não pode fazer o
que bem i ntende, por causa de sua dependência dos Estados Unidos. Outra prova dessa realidade é a
nova e de idida ênfase na política do presidente Obama para o Oriente Médio. Em futuro próximo,
essa deter ninação do presidente americano assumirá contornos ainda mais definidos,
Nos soontecimentos atuais também podemos reconhecer que o processo de paz, que deverá
culminar com a formação de um Estado palestino, não pode ser barrado, apesar do governo
direitista no poder em Israel. Isso se dará para confirmar o que a Bíblia diz acerca de uma paz
aparente, que será finalmente alcançada.
Por s::t uma prova tão evidente da veracidade da Bíblia, devemos prestar muita atenção ao
cumprim ento das profecias bíblicas no novo ano. Continuaremos tentando analisar os eventos
no Orienjie Médio à luz da Palavra de Deus, para reconhecer o que ela tem a nos dizer. Afinal,
sabemos que os fatos em Israel e os acontecimentos que envolvem o povo judeu mostram a
poderosa ação de Deus. Jesus censurou os fariseus e saduceus de então por não reconhecerem os
sinais do; tempos (veja Mt 16.1-4). Por isso, devemos ficar vigilantes, avaliando-os corretamente
e vivendo de forma adequada (veja Lc 21.36).
Agra< iecemos de todo o coração pelo seu apoio e pela sua confiança no ano que passou,
Desejamc s um ano de 2010 sob a direção do Senhor e Suas mais ricas bênçãos!
Unid' iiis nAquele que é a paz, saudamos com um cordial
Shalo
Não será fácil encontrar uma prega­ Bíblia é mesmo a Palavra de Deus, como sígnio de Deus” (At 20.27). Ele não escamo­
rão ou um comentário mais extenso acerca poderíamos simplesmente deixar de lado teou nada! Daí a importância de estudar,
do “Santo Monte do Senhor”. Hoje em dia grande parte do que Deus disse? Por que inclusive, temas, expressões e personagens
grande parte dos temas tratados no meio nos comportamos como “sapinhos cris­ bíblicos pouco populares.
cristão estão relacionados com problemas tãos” pulando de uma promessa edificante O prim eiro monte da Bíblia não é
práticos e a solução de crises pessoais. 0 para nosso próximo versículo predileto? O mencionado logo no início. Encontramos o
eixo central ao redor do qual giram todas apóstolo Paulo assegura por ocasião de sua registro em Ezequiel 28. Em um lamento é
as atenções é o bem-estar do homem mo­ despedida dos anciãos da igreja de Éfeso: anunciado ao rei de Tiro (localizada ao
derno. Mas, se estamos convictos de que a “...jamais deixei de vos anunciar todo o de­ norte de Israel, atual Líbano) a aproxima-

R O l i C I A S OE I S R A E l . J A N H B O OE 2 8 I S 5
ção do juízo de Deus. Uma leitura atenta se (Ap 12.4). Um terço do mundo angeli- o modelo que tefoi mostrado no monte”. Ou
dos versículos 11 a 19 demonstrará, numa cal, das miríades celestiais, seguiu esse se- como Davi, quando entregou as plantas do
retrospectiva profética, que o príncipe de duto- príncipe das trevas” em sua queda. projeto da construção do Templo para seu
Tiro simboliza o querubim mais belo e I.m Isaías 14 reconhecemos o mesmo filho e sucessor Salomão executar: “Tudo
mais perfeito. Este era perfeito “até que se esqueima. A zombaria do rei da Babilônia isso, disse Davi, me foi dado por escrito por
achou iniquidade em ti [nele] ” (V.15J. 0 rei revela detalhes sobre a queda daquele que mandado do Senhor, a saber, todas as obras
humano, extremamente inteligente, equi­ é chaimado de “estrela da manhã, filho da desta planta” (1 Cr 28.19).
pado com muitos dons e coroado de êxito, alva (v.12), que em sua soberba até ousava Na volta gloriosa e triunfal de Cris­
transformou-se em um dominador corrup­ con correr com Deus. Por isso também não to, quando Ele estabelecer Seu reino de
to, perverso e orgulhoso a ponto de refletir hesitlo u em atacar no jardim do Éden os paz, haverá grandiosas transformações so­
aquele que é “homicida desde o princípio e dois primeiros seres humanos criados “ à bre a nossa terra: “Naquele dia, estarão os
jam ais se firmou na verdade porque nele imag,em de Deus”. Usando de artimanhas seus pés sobre o Monte das Oliveiras, que es­
não há verdade. Quando ele profere menti­ traiçci'eiras, lábia enganosa e adulação ca­ tá defronte de Jerusalém para o oriente; o
ra, fala do que lhe é próprio, porque é men­ mufljaida, ele semeou dúvidas no coração monte das Oliveiras será fendido pelo meio,
tiroso e pai da mentira” (Jo 8.44). Em Eze- d eE ,'a, questionando o Deus amoroso, que para o oriente e para o ocidente, e haverá
quiel 28.12-13 descobrimos detalhes muito ele ap:resentou como sendo opressor e com um vale muito grande; metade do monte se
interessantes a seu respeito: “Tu és o sinete intert1 ções ocultas e malvadas. Depois da apartará para o norte, e a outra metade, p a­
da perfeição, cheio de sabedoria e formosu­ exp ilsão do primeiro casal do Paraíso, ra o sul... Toda a terra se tornará como a
ra. Estavas no Éden, jardim de Deus...” Em que rubins armados vigiavam o acesso à planície de Geba e Rimon, ao sul de Jerusa­
seguida, no versículo 14, é mencionado o árvone da vida. lém; esta será exaltada...” (Zc 14.4,10).
primeiro monte da Bíblia: “Tu eras queru­ formulação “no Éden, jardim de 0 que, em sentido figurado, aconteceu
bim da guarda ungido, e te estabeleci; per­ Dem: no santo monte de Deus” (Ez no passado por meio da pregação de João
manecias no monte santo de Deus, no 28. n i,14) demonstra desde o início o nível Batista, cumprirá-se-á literalmente quando
brilho das pedras andavas”. de iinportância desse tema, mencionado Jesus voltar: “Todo vale será aterrado, e ni­
Todo esse texto mostra que o maravi­ rep e tidas vezes na Palavra de Deus e que, velados, todos os montes e outeiros; o que é
lhoso anjo protetor havia sido posto por no f nal, é uma indicação à Jerusalém ce- tortuoso será retificado, e os lugares escabro­
Deus no jardim do Éden, mas desqualifi­ lest i tl Como o Tabernáculo no deserto sos, aplanados” (Is 40.4; comp. Mt 3.3). Tan­
cou-se por seu orgulho e sua rebelião con­ simtVolizava e refletia coisas espirituais e to montes inóspitos como mares de quilô­
tra o Deus Criador. As conseqüências fo­ ceie; tiais, assim o Santo Monte do Senhor metros de profundidade não faziam parte
ram devastadoras. No meio da revelação tamlpiém é uma indicação evidente daquilo da criação original, pois foram uma neces­
do Apocalipse o apóstolo João escreve que que Deus vai realizar num futuro não tão sidade pós-diluviana, para que voltasse a
o querubim se transformou em um terrível distí nte, bem dentro do espírito de He- haver terra seca (SI 104.6-9). Catástrofes
dragão destruidor: “A sua cauda arrastava breus 8.5: “os quais ministram em figura e cósmicas e o maior terremoto de todos os
a terça parte das estrelas do céu, as quais sompra das coisas celestes, assim como foi tempos, assim como chuva de pedras de
lançou para a terra; e o dragão se deteve em Moi:. és divinamente instruído, quando esta- mais de 35 quilos sublinham o fim apoca­
frente da mulher que estava para dar à luz, vap1,ira construir o tabernáculo; pois diz ele: líptico do domínio humano e realçam as
afim de lhe devorar o filho quando nasces- Vê ç ue faças todas as coisas de acordo com gigantescas modificações que ocorrerão: “o

“TODO VALE SER A ATERRADO,


E NIVELADOS, TODOS OS
MONTES E OUTEIROS; 0 QUE É
TORTUOSO SERÁ RETIFICADO,
E OS LUGARES ESCABROSOS,
APLANAD OS" (IS 40.4;
COMP. M T 3.3).

6 1 N O T Í C I A S DE I S R A E l . J A N E I R O DE 2010
0 MAR MORTO É REAL. E SEU
AMBIENTE HOSTIL À VIDA É
CONHECIDO MUNDIALMENTE.
REAL ASSIM TAMBÉM SERÁ
O MONTE DO SENHOR COM
O TEMPLO. LÁ BROTARÁ A
ÁGUA QUE LEVARÁ VIDA AO
MAR MORTO!

céu recolheu-se como um pergaminho quan­ auxílio de mãos” esmiuçará a estátua Vista onde quer que passe este rio. Junto a ele se
do se enrola. Então, todos os montes e ilhas no sonho de Nabucodonosor, que sim )oli- acharão pescadores; desde En-Gedi até En-
foram movidos do seu lugar” (Ap 6.14). “...e zava os reinos humanos, e encherá to]da a Eglaim haverá lugar para se estenderem re­
ocorreu grande terremoto, como nunca hou­ terra (veja Dn 2.34-35). des; o seu peixe, segundo as suas espécies,
ve igual desde que há gente sobre a terra; tal No reino de paz haverá um teriplo será como o peixe do mar Grande, em mul­
foi o terremoto, forte e grande. E a grande real? Muitas vezes encontramos respostas tidão excessiva" (Êx 47.8-10).
cidade se dividiu em três partes, e caíram as às nossas perguntas através de uma con­ Até hoje não existem pescadores em
cidades das nações... Todas as ilhas fugiram, clusão lógica. Em Zacarias 14.4 lemas a En-Gedi, pois a água do mar Morto contém
e os montes não foram achados; também de­ respeito da vinda do grande Rei celest al, e uma concentração tão grande de sal e mi­
sabou do céu sobre os homens grande sarai­ no versículo 8 está escrito: “Naquele dia, nerais que nem peixes nem plantas aquáti­
vada, com pedras que pesavam cerca de um também sucederá que correrão de Jerust úém cas sobrevivem ali. A Bíblia relata que o
talento...” (Ap 16.18-21). águas vivas, metade delas para o mar orien­ mar Morto será transformado tão radical­
Todas essas mudanças topográficas tal, e a outra metade, até ao mar ocidental; mente pelas águas que vêm de Jerusalém
têm um propósito: o Santo Monte do Se­ no verão e no inverno, sucederá isto’ (Zc que haverá muitos peixes em En-Gedi. 0
nhor, com isso, se tornará o monte mais al­ 14.8). Portanto, uma grande fonte de água mar Morto é real, e seu ambiente hostil à
to do mundo: “Nos últimos dias, acontecerá viva se abrirá em Jerusalém, com parte da vida é conhecido mundialmente. Real as­
que o monte da C asa do Senhor será esta­ água escorrendo para o mar Mediterrâneo sim também será o monte do Senhor com
belecido no cimo dos montes e se elevará so­ e a outra para o mar Morto. o Templo. Lá brotará a água que levará vida
bre os outeiros, e para ele afluirão todos os O profeta Ezequiel, que também men­ ao mar Morto!
povos” (Is 2.2). Ao mesmo tempo, o Santo ciona muitas coisas relativas ao fim dos O monte da paz: “0 lobo habitará com
Monte do Senhor será o centro do mundo tempos, nos revela com exatidão onde es­ o cordeiro, e o leopardo se deitará junto ao
vindouro: “Irão muitas nações e dirão: Vin­ tará localizada essa fonte: “Depois disto, o cabrito; o bezerro, o leão novo e o animal
de, e subamos ao monte do Senhor e à ca­ homem me fez voltar à entrada do templo, e cevado andarão juntos, e um pequenino os
sa do Deus de Jacó, para que nos ensine os eis que saíam águas de debaixo do limic r do guiará. A vaca e a ursa pastarão juntas, e as
seus caminhos, e andemos pelas suas vere­ templo, para o oriente; porque a face da :asa suas crias juntas se deitarão; o leão comerá
das; porque de Sião sairá a lei, e a palavra dava para o oriente, e as águas vinham de palha como o boi. A criança de peito brinca­
do Senhor, de Jerusalém” (Is 2.3). Todo o Is­ baixo, do lado direito da casa, do lado sul do rá sobre a toca da áspide, e o j á desmamado
rael se reunirá ali: “Trarão todos os vossos altar” (Ez 47.1). De onde vem a água e oara meterá a mão na cova do basilisco. Não se
irmãos, dentre todas as nações, por oferta onde ela flui? Ela brota do templo e corre fará mal nem dano algum em todo o meu
ao Senhor, sobre cavalos, em liteiras e sobre para o mar Morto: “Então, me disse: Estas santo monte, porque a terra se encherá do
mulas e dromedários, ao meu santo m on­ águas saem para a região oriental, e descem conhecimento do Senhor, como as águas co­
te, a Jerusalém, diz o Senhor, como quando à campina, e entram no mar Morto, cujas brem o mar” (Is 11.6-9).
os filhos de Israel trazem as suas ofertas de águas ficarão saudáveis. Toda criatura vi­ Críticos, justamente da ala dos defenso­
manjares, em vasos puros à casa do Senhor” vente que vive em enxames viverá por onde res da piedosa evolução teísta, desqualifi­
(Is 66.20). Esse monte está inseparavel­ quer que passe o rio, e haverá muitíss imo cam a literalidade do leão e da ovelha como
mente ligado com nosso Senhor jesus que peixe, e, aonde chegarem estas águas, to :na- sendo uma ilusão infantil, e argumentam
está voltando, pois a pedra cortada “sem rão saudáveis as do mar, e tudo viverá por que essa imagem é linguagem figurada.

M U i C I A S Ot I S B A U . J A Ü t l R O fll ? 0 H I 7
Mas, então, por que Deus explica, através do de lá não se acreditar na Bíblia e constante­
profet;a, como e por que o leão, no Milênio, mente se condenar Israel.
rejeit i a saborosa ovelha como alimento? A vinda de Jesus em glória também
Porquiie o leão, que segundo Romanos 8.18- significará paz com Deus para Israel, pois
21 rá completamente liberto e transfor- Ele mesmo habitará entre Seu povo: “En­
mado se alimentará da mesma maneira tão, ouvi grande voz vinda do trono, dizen­
que a ovelha se alimenta - literalmente! do: Eis o tabernáculo de Deus com os ho­
Em Gênesis 1.24 descobrimos conexões mens. Deus habitará com eles. Eles serão
logic i:s: “Disse também Deus: Produza a ter­ povos de Deus, e Deus mesmo estará com
ra senes viventes, conforme a sua espécie: ani- eles” (Ap 21.3). O profeta Ezequiel diz algo
mais domésticos, répteis e animais selváticos, semelhante: “Habitarão na terra que dei a
segu ndo a sua espécie. E assim se fez”. Vemos meu servo Jacó, na qual vossos pais habita­
que Deus criou animais específicos para ram; habitarão nela, eles e seus filhos e os fi­
conv ver com o homem e também criou ani- lhos de seus filhos, para sempre; e Davi, meu
mais selvagens. Mesmo sendo chamados de servo, será seu príncipe eternamente. Farei
“selvpiáticos”, antes da queda em pecado to- com eles aliança de paz; será aliança perpé­
dos ■ des eram vegetarianos pacíficos: “E a tua. Estabelecê-los-ei, e os multiplicarei, e
todo: os animais da terra, e a todas as aves porei o meu santuário no meio deles, para
dos céus,:, e a todos os répteis da terra, em que sempre. O meu tabernáculo estará com eles;
há fi itego de vida, toda erva verde lhe será eu serei o seu Deus, e eles serão o meu povo.
para mantimento. E assim sefez” (Gn 1.30). As nações saberão que eu sou o Senhor que
Esselé um fato irremovível, que não pode ser santifico a Israel, quando o meu santuário
inter iretado de outra forma. Aqui todo cris- estiver para sempre no meio deles” (Ez
tão \ erdadeiro precisa tomar posição e ves- 37.25-28).
tira :amisa de“criacionista”. O monte dos sobreviventes: Em Za­
s imensas mudanças que ocorrerão carias 14 temos a descrição da situação
por bcasião da volta de Cristo têm uma li- que se sucede após os juízos apocalípticos,
gaçap imediata com o Santo Monte do Se- que criarão circunstâncias jamais vistas na
nhot “0 lobo e o cordeiro pastarão juntos, e terra: “Todos os que restarem de todas as
o tec, 0 comerá palha como o boi; pó será a nações que vieram contra Jerusalém subirão
■ . comida da serpente. Não se fará mal nem de ano em ano para adorar o Rei, o Senhor
dam algum em todo o meu santo monte, dos Exércitos, e para celebrar a Festa dos Ta­
diz o Senhor” (Is 65.25). bernáculos. Se alguma das famílias da terra
l iá, no Santo Monte do Senhor, também não subir a Jerusalém, para adorar o Rei, o
haverá o ajuntamento de todo o Israel, que Senhor dos Exércitos, não virá sobre ela a
terá retornado da Diáspora (Dispersão), chuva” (Zc 14.16-17).
comp diz o versículo 20 de Isaías 66: “Tra- Do mundo todo virão os sobreviventes
rão 1odos os vossos irmãos, dentre todas as dos diversos povos até o centro da terra para
naçc es, por oferta ao Senhor, sobre cavalos, adorar o Deus verdadeiro, o Deus de Israel,
em / leiras e sobre mulas e dromedários, ao em Jerusalém, e para celebrar a Festa dos
meu santo monte, a Jerusalém, diz o Se­ Tabernáculos. Portanto, haverá sobreviven­
nhot como quando os filhos de Israel trazem tes, um fato que mais uma vez reflete nitida­
TALVEZ HOJETAO POUCOS as si as ofertas de manjares, em vasos puros mente a infinita graça de Deus. Por quê? Se
FALEM DE ASSUNTOS à Ca >ia do Senhor". todos os que aceitarem o sinal da besta esti­
PROFÉTICOS PORQUE SE O Iflaverá paz - entre os animais, entre verem perdidos, e todos os que a rejeitarem
anmiiais e homens e entre os povos: “Ele jul- serão martirizados, quem restará? - Sabe­
FIZESSEM. NÃO APENAS garcí entre os povos e corrigirá muitas nações; mos que haverá um remanescente de Israel
ESTARIAM OLHANDO PARA O estas converterão as suas espadas em relhas que, de forma milagrosa, será sustentado e
FUTURO DOS SALVOS, de a,iados e suas lanças, em podadeiras; uma protegido por Deus do furor do Anticristo.
naçc, o não levantará a espada contra outra Além desses, existe o grupo especial mente
MAS TAMBÉM TERIAM DE naçc o, nem aprenderão mais a guerra” (Is mencionado de 144.000 selados, que será
PROCLAMAR O LUGAR DE 2.4). Essa paz não virá por meio de esforços protegido e usado por Deus. Esses sobrevi­
humlainos, com negociações de paz ou trata- ventes serão judeus, mas haverá mais ho­
ISRAEL NO CALENDÁRIO
dos de desarmamento, mas através do Prín- mens vivendo e participando do Milênio,
DIVINO DO PLANO cipe da Paz, o Messias de Israel, o Libertador como já vimos nos versículos mencionados
DE SALVAÇÃO. de S: ão. Esse versículo maravilhoso está afi­ acima, o que prova a imensa graça de Deus
xadc na sede da ONU em Nova York apesar para com uma humanidade rebelde.

8 I N O T Í C I A S DE I S R A E l . J A N E I R O DE 2010
Perguntemo-nos por que depois das dos combatem a crença em um rei io de É fascinante saber que Deus, em um
sete cartas do Apocalipse aparecem em ce­ paz como sendo “fanatismo quilicsta” *. futuro não muito distante, interferirá atra­
na as Duas Testemunhas e os 144.000 sela­ Afirmam que Isaías 11.6 é apenas li ígua- vés de Jesus no nosso “sistema aparente­
dos. Se nos aprofundamos nos capítulos 7 gem figurada. Que assim como o leão p as­ mente fechado” e o romperá. Ele acabará
e 11 do Apocalipse sem idéias pré-concebi- ta pacificamente com a ovelha, hoje o rei­ definitivamente com a política e o poder
das e sem limitações denominacionais, en­ no de Cristo estaria frente a um n undo humanos. Essas mudanças imensas e essa
tenderemos facilmente que esses 144.000 e ímpio e inimigo de Cristo e que o rei ao da reviravolta total são uma forte esperança
as Duas Testemunhas serão judeus. Por que cruz significaria reino de paz e amcr, um em meio à decadência e à desorientação
de repente Israel reaparece em cena? As paraíso bem-aventurado. Percebemos co­ que nos rodeia. Que Deus nos ajude a en­
Duas Testemunhas, equipadas com muito mo, mesmo no meio das igrejas cristãs, tender o que significa a “riqueza em Cris­
poder, sem o menor resquício de dúvida muitas falácias no raciocínio acabam em to”, a compreender tudo o que está incluído
atuam como os maiores profetas do Antigo becos espirituais sem saída. Simplesmen­ e assegurado na obra redentora de Cristo e
Testamento, bem dentro da “linguagem de te não se admite o sentido lógico de algu­ tudo que se tornará realidade por ocasião
Deus para com Israel”. Por quê? Simples­ ma passagem! Após a queda em pecado, da manifestação da glória do Rei dos reis.
mente, porque a Igreja não estará mais nosso mundo começou a sofrer n a is e
aqui nessa ocasião! A Noiva com a “bendita mais debaixo da maldição, intensificada Reinhold Federo lf, de na­
esperança” já terá sido arrebatada, tirada ainda mais pelo devastador Dilúvio. Toda cionalidade alemã, palestrante mis­
sionário e artista gráfico, vive há 35
desta terra pelo Noivo celestial antes “da a criatura geme e sofre sob o domír io da anos no Brasil, trabalhando com a
hora da provação” que há de vir (Ap 3.10). morte. Mas Deus promete: quando o Prín­ Obra Missionária Chamada da Meia-
Um exemplo forte de idéias eclesiasti- cipe da Paz voltar, tudo será mudae o, fi­ Noite e fazendo parte da liderança. É
casado com Traudi, gaúcha de ori­
camente pré-concebidas é encontrado no cando semelhante à criação original. Mas
gem alemà, e pai de 7 filhos. Ele
site wvvvv.theworkofgod.org/ZION.htm quando, no meio supostamente crist io, se viaja pelo Brasil inteiro, desde o ano
(em inglês). Ali, o “estudo bíblico” propõe expande o pensamento darwinista o ate- 2000 com a ajuda do bem equipado ônibus missionário
VERBUS, visitando as cidades, representando a missão,
simplesmente substituir “Sião” e “santo ísta e a crítica à Bíblia, logicamente r ão se
palestrando nas mais diversas igrejas e divulgando a lite­
monte do Senhor” por “Maria” , e trocar pode mais esperar por declarações edifi­ ratura cristã. Reinhlod desenvolveu no seu ministério a
“Jerusalém” por “Igreja Católica” . Esse é cantes e fiéis à Palavra de Deus. pregação audiovisual (ilustrada e falada ao mesmo
tempo), que tem sido uma bênção para muitos.
um exemplo típico de abuso das promes­ Expressões como “Santo Monte c o Se­
sas que são válidas exclusivamente para nhor” , “meu santo monte”, “monte do Tem­ Esta mensagem é a mais nova e também
Israel. O comentário sobre o texto de Mi- plo” ou “monte Sião” e combinações c e pa­ está disponível em multimídia (DVD):
quéias é uma aula prática desse abuso. Es­ lavras de sentido similar aparecem m lis de
tá escrito: “Irão muitas nações e dirão: Vin­ 60 vezes na Bíblia. Esta nossa explanação
de, e subamos ao monte do Senhor e à ca­ reflete uma posição doutrinária que pode
sa do Deus de Jacó, para que nos ensine os ser definida como “simples e evidmte” .
seus caminhos, e andemos pelas suas vere­ Não devemos nos desviar da “simplicidade
das; porque de Sião vird a lei, e a palavra e pureza devidas a Cristo”, como Pau o re­
do Senhor, de Jerusalém” (Mq 4.2). Comen­ lembrou aos coríntios (2 Co 11.3). Talvez
taristas católicos explicam assim esta pas­ hoje tão poucos falem de assuntos pro­
Outras mensagens de Reinhold Federolf
sagem: “ Todos os povos virão a Maria e a féticos porque se o fizessem , não apenas em DVD, todas ricamente ilustradas
partir de lá (do papa, do Vaticano) provém estariam olhando para o futuro dos sal­
a doutrina verdadeira!” Ou Miquéias 4.11: vos, m as tam bém teriam de proclam ar
“Acham-se, agora, congregadas muitas na­ o lugar de Israel no calendário d vino
ções contra ti, que dizem: Seja profanada, e do plano de Salvação. Após quase 2.000
vejam os nossos olhos o seu desejo sobre anos de história eclesiástica, para muitos é
Sião”. O comentário: “Ataque protestante a extremamente estranho falar em cumpri­
Maria” . Ou Isaías 29.8: “Será também co­ mento literal das profecias bíblicas, espe­
mo o faminto que sonha que está a comer, cialmente das que dizem respeito ao f rturo
mas acordando, sente-se vazio; ou como o de Israel. Isso acontece por preconceito,
sequioso que sonha que está a beber, mas mas também porque muitas denomin ições
acordando, sente-se desfalecido e sedento; simplesmente proscreveram de um i vez Para realizar palestras em sua cidade/igreja,
assim será toda a multidão das nações que por todas os “assassinos de Cristo”. A mal­ entre em contato com:
pelejarem contra o monte Sião”. A explica­ dição é deixada para os judeus, e as bên­ T ra u d i F e d e r o l f
ção: “Não há pão celestial em outras igre­ çãos são todas para os cristãos. ■a O x x 5 1 - 3 2 5 9 . 1 3 3 2
e-m ail: reinhold.federolf@ verbus.com .br
jas” - exceto, é óbvio, na “ única que salva”,
que seria a Igreja Católica. C h a m a d a d a M eia -N o ite - escritório:
Enquanto os católicos se apossam de­ ■a 0 3 0 0 7 8 9 .5 1 5 2
' De "quiliasmo" (do palavra grega chíliai: mil): a crenço
savergonhadamente das mais belas pro­ no reino Milenar com sede em Sião (Jerusalém e com e veja o site: ,
m essas que Deus fez a Israel, os reforma­ Jesus como "Rei dos reis e Senhor dos Senhores w w w .v e r D U 5 .c o m .b r
“Supersessionismo é a visão de que a nhecjido, observando suas características: ceber que a afirmação acima e o restante
Igreja do Novo Testamento suplanta, subs­ “Se ciminha como um pato, grasna como de seu livro demonstram que ele defende
titui, ou cumpre o lugar e o papel de Israel um pato,i, e cheira como um pato, então de- uma forma de Teologia da Substituição?
no plano de Deus” ,[ 1j observa Mike Vlach, ve s e ­ um pato”. Shakesperare expressou- 0 fato é que ele afirma que a Igreja re­
que escreveu uma tese de doutorado sobre se in t!is eloquentemente: “ Uma rosa pode presenta uma nova “fase de existência” e
esse assunto.[2] ser c íamada de qualquer outra coisa, mas depois define a “fase” de Israel do Novo
O supersessionismo é um outro termo, aindí é uma rosa”. Esses ditos podem ser Testamento como a fase de inclusão dos
geralmente encontrado em círculos acadê­ aplicaidos a alguns evangélicos que ensi- gentios.[4) Isso é a clássica Teologia da
micos, usado como sinônimo de Teologia nam i Teologia da Substituição, mas depois Substituição, uma vez que o resultado e a
da Substituição. Hoje há uma crescente não admitem o que realmente defendem, lógica de sua posição são que o Israel étni­
tendência por parte de alguns que ensinam Simuel Waldron, teólogo amilenista e co e nacional foi substituído pela Igreja. Tal
a Teologia da Substituição, de negar que alian :ista, escreveu uma resposta a uma visão prega que Israel foi deserdado e não
suas visões deveriam ser legitimamente pales :na proferida por John MacArthur na tem um futuro que inclui uma existência
classificadas como supersessionismo. qual este defende o premilenialismo. VVal- nacional para um Israel redimido. Waldron
dron negou veementemente ser um adepto demonstra uma cegueira que não lhe per­
da T<ologia da Substituição, embora sus- mite ver que dois mais dois são quatro.
CAMINHA DA MESMA tente suas crenças clássicas. Diz ele: “A Hank Hanegraaff é um outro neo-su-
FORMA, GRASNA DA Igrejí é Israel em uma nova fase de exis- persessionista que disse: “Nunca defendi a
MESMA FORMA tênci 1, reformada e expandida. (...) A Igreja Teologia da Substituição” .[5] Essa é uma
é real:mente a continuação de IsraeP.[3] declaração surpreendente, uma vez que seu
Existe uma expressão americana que Como pode alguém com um PhD em Teo- livro The Apocalypse Code [0 Código do
mostra ser possível identificar algo desco- logia como o que Waldron possui, não per­ Apocalipse) está cheio de afirmações e ar-

10 I N O T Í C I A S DE I S R A E L J A H E I R O Pi ZOlfl
gumentos da Teologia da Substituição. [6] to indica que as profecias do Antigo Testa­
Ele dá a seguinte razão para negar que mento relativas ao Israel nacional estão sen­
apóia as visões supersessionistas: do cumpridas com a lgreja.[l I]
Deus desde sempre teve apenas um po­ É óbvio que Hanegraaff adotou u her­
vo escolhido, que form a uma comunidade menêutica ou o método, e depois as con­
de aliança, simbolizada lindamente nas Es­ clusões, da Teologia da Substituição.
crituras por uma oliveira cultivada. De fato, Que o Novo Testamento possui priori­
a terminologia exata usada para descrever dade interpretativa sobre o Antigo é visto
os filhos de Israel no Antigo Testamento é em todo o AC à medida que Hanej;raaff
atribuída à Igreja no N ovo Testamento. (...) deixa de lado a profecia do Antigo ’ Testa­
Com o tal, a verdadeira Igreja é o verdadei­ mento que nunca foi cumprida por Israel
ro Israel, e o verdadeiro Israel é verdadeira­ ao incluí-la em um suposto cumprir tento
mente a Igreja - não se pode substituir o do Novo Testamento. Por exemplo, ao ca­
que ela já é. Em vez de raciocinarem juntos racterizar Israel no Antigo Testameni o co­
em um debate de alto nível, os dispensacio- mo “a noiva prostituída” que é substituída
nalistas cunharam a frase "Teólogo da Subs­ no Novo Testamento pela “noiva pui ifica-
tituição” como o silenciador final.[7] da”, que é a Igreja, Hanegraaff reintei preta
Por um ou outro motivo, a nova ten­ o Antigo à luz do Novo.j 12]
dência de alguns é rejeitar o rótulo, mas Após comparar uma série de per ;ona-
ensinar o ponto de vista histórico da Teolo­ gens do Antigo Testamento com Jesus do
gia da Substituição. Novo Testamento (por exemplo, Josut e Je­
sus), Hanegraaff diz: “Em cada caso, o me­
nor é cumprido e tornado obsoleto pelo
RAZÕES DA maior”.] 13] Concordo que o Novo "esta­
SUBSTITUIÇÃO mento sempre observa o progresso c a re­
velação de Deus ao manter o
Hanegraaff erra ao pensar que a Teolo­ do Antigo por Cristo, mas em nenhu n
gia da Substituição seja algo inventado pe­ gar o Novo indica que as promessas do An­
los dispensacionalistas para que possam tigo Testamento ao Israel étnico são substi­
rotular aqueles que discordam deles. “Em­ tuídas pela obra de Cristo. Em vez disso,
bora seja verdade que Israel ocupa um lu­ Cristo é a base para o cumprimento das
gar importante na Teologia da Dispensa- promessas do Antigo Testamento. Di;: Ha­
çâo, também é verdade que a reflexão rela­ negraaff que “sombras da aliança antiga
tiva ao lugar de Israel no plano de Deus encontram sua consumação final na pes­
data de muitos séculos antes dessa escola soa e na obra de Jesus Cristo”.] 14] Não é
de pensamento”,[8] afirma Ronald Dipro- uma situação “ou isso ou aquilo”; é m dhor
se. Embora observe que uma forma ante­ ver a relação entre os testamentos como
rior da Teologia da Substituição começou “tanto isso quanto aquilo” .
no Século II com Justino Mártir, Diprose a O segundo ponto m etodológio de
descreve como uma teologia que consistia Vlach é que os defensores da Teologia da
da crença de que “Israel foi repudiado por Substituição vêem o Israel nacional como
Deus e foi substituído pela Igreja na execu­ um tipo da Igreja do Novo Testamento.
ção de Seu plano. Uma variação dessa idéia “Jerusalém simbolizava tudo o que Israel
é que o verdadeiro Israel tem sempre sido a deveria ser. (...) Jerusalém é tipológico
Igreja” ,[9] que é a visão expressa por Wal- dos maiores propósitos de Deus” ,] 15] de­
"U M A ROSA PODE SER
dron e por Hanegraaff em todo o livro The clara Hanegraaff. Ele fala de Paulo ilus­
Apocalypse Code (doravante, AC).[ 10] trando um “cumprimento tipologicamen- CHAMADA DE QUALQUER OUTRA
Mike Vlach, em sua tese de doutorado te elevado (...) de que todos que se fir­ COISA, MAS AINDA É UMA
sobre esse assunto, descreve tanto o méto­ mam em uma Jerusalém terrena com um
ROSA". ESSE DITO PODE SER
do da Teologia da Substituição quanto a te­ templo reconstruído e com os sacrifícios
ologia, ou o resultado que ela produz: do templo reinstituídos estão em escravi­ APLICADO A ALGUNS
N o âmbito da hermenêutica, os super­ dão a tipos e sombras” .] 16] Hanegraaff EVANGÉLICOS QUE ENSINAM A
sessionistas argumentam que: ( I ) o Novo fala do “cumprimento tipológico do tem­ TEOLOGIA DA SUBSTITUIÇÃO,
Testamento possui prioridade interpretativa plo e do restante da antiga aliança” [17]
sobre o Antigo Testamento; (2) o Israel na­ Suas visões são resumidas da seg tinte MAS DEPOIS NÃO ADMITEM 0
cional funcionou como um tipo da Igreja do maneira: “ Desta forma, a interpretaçí.o ti- QUE REALMENTE DEFENDEM.
Novo Testamento; e (3) o Novo Testamen­ pológica do Antigo Testamento pelo 'Jovo

N O T I C I A S D! I S R AE L . J A N E I R O Ot 1 01 0 I 11
Testamento coloca-se como a repreensão 12.3, que eu entendo que inclui o Israel 3. Somuel E. Waldron, MacArthur's Millennial Manifesto:
final ao zelo sionista” .[ 18] étnico, se refere, em vez disso, ao “verda­ A Friendly Response [0 Manifesto Mileniol de
MacArthur: Umo Resposta Amistosa] (Owensboro, KY:
0 terceiro ponto, de que as promessas deiro Israel, que consiste de toda pessoa Reformed Baptist Academic Press, 2008), p. 7.
do Antigo Testamento a Israel são cumpri­ que, fo r meio da fé, foi adotada na família [ênfase original],
das com a Igreja, também é evidente em de Deus” . [24] Quando ele fala sobre as 4. Waldron, Manifesto, pp. 35-55.
Hanegraaff. Ele diz que: “as promessas da prom :ssas da terra, que até agora ainda 5. Honk Honegrooff, "Response to National Liberty
terra são enfim totalmente cumpridas no não foram completamente cumpridas, Journal article on The Apocalypse Code [Resposto
ao Periódico Liberdade Nacional - ortigo sobre 0
futuro final através de Jesus. (...) A pro­ Haneçraaff insiste em que elas foram Código do Apocalipse], www.equip.org/sile/apps/
messa é tipologicamente cumprida no Se­ “cum jridas e tornadas obsoletas pela pro­ nl/content2.asp?c=mulllaMNJrE&b=2616123&ct
nhor” . ] ^ ] Adiante, ele afirma: “ Pedro usa messa maior”.[25] Estas são as afirma­ =3839317.
a linguagem exata anteriormente reservada ções clássicas da Teologia da Substituição. 6. Hank Hanegraaff, The Apocalypse Code: Find Out
para o Israel nacional e a aplica ao Israel seguro concluir que, a despeito de What the Bible Really Says About The End Times and
Why It Matters Today [0 Código do Apocalipse:
espiritual” .[20] suas hegativas, Hanegraaff e Waldron são Descubra o Que o Bíblia Realmente Diz Sobre os
“Além disso, as promessas da terra são claramente defensores da Teologia da Tempos do Fim e Por Que Isso é Importante Hoje]
cumpridas no futuro remoto através de Je­ Substituição. Norman Geisler também en­ (Nashville: Thomas Nelson, 2007). Paro um livro
sus, que provê para o verdadeiro Israel um tende que o AC de Hanegraaff ensina a com a refutação ao livro de Hanegraaff, veja Mark
descanso permanente de suas peregrina­ Teologia da Substituição quando observa: Hitchcock e Thomas Ice em seu livro Breaking The
Apocalypse Code: Setting The Record Straight About
ções em pecado”.[21] Hanegraaff usa o “Em >eral, 0 Código tira repetidamente as The End Times [Quebrando o Código do Apocalipse:
termo “verdadeiro Israel” como uma refe­ promessas do Antigo Testamento para os Corrigindo um Equívoco Sobre os Tempos do Fim]
rência à Igreja. ju d eis de seu contexto original substi­ (Costa Mesa, CA: The Word For Today).
Vlach também descreve os argumentos tuindo Israel pela Igreja do Novo Testa­ 7. Hanegraaff, "Response" [Resposta].
teológicos que os supersessionistas cons­ mento. A “Teologia da Substituição” é um 8. Ronald E. Diprose, Israel In The Development of
Christian Thought [Israel no Desenvolvimento do
troem como seguem: “ (1) o Novo Testa­ exemplo clássico de retirar um texto de Pensamento Cristão] (Rome: Instituto Biblico
mento ensina a rejeição permanente do Is­ seu contexto” .[26] Embora eles rejeitem Evangélico Itoliono, 2000), p. 3.
rael nacional como o povo de Deus; (2) a vigor jsamente o rótulo, tanto Hanegraaff 9. Diprose, Israel, p. 31. [ênfase original]
aplicação da linguagem de Israel à Igreja quan o Waldron e outros seguem hoje al­ 10. Hanegraaff chama a Igreja de "o verdadeiro Israel"
gum: forma de Teologia da Substituição, (p. 116, 124, 127, 180, 199, 200) ou o "Israel
mostra que a Igreja é agora o verdadeiro
espiritual" (p. 221) várias vezes no AC.
Israel; (3) a unidade salvífica entre os ju­ admitam eles ou não. Maranata! (Pre-Trib 11. Vlach, "Replacement of Israel" [A Substituição de
deus e os gentios descarta uma restauração Research Center) Israel], p. xvii.
do Israel nacional; e (4) o cumprimento da 12. Hanegraaff, Código, p. 124.
nova aliança com a Igreja mostra que a Thoma: Ice é diretor-executivo do Pre-Trib Research 13. Hanegraaff, Código, p. 201.
Igreja é agora o verdadeiro Israel” .[22] Cla­ Center em Lynchburg, VA (EUA). Ele é outor de muitos 14. Hanegraaff, Código, p. 174.
livros e um dos editores da Bíblia de Estudo Profética. 15. Hanegraaff, Código, p. 190.
ramente Hanegraaff e Waldron aderem a 16. Hanegraaff, Código, pp. 202-03.
essas crenças teológicas. 17. Hanegraaff, Código, p. 223.
18. Hanegraaff, Código, p. 223.
19. Hanegraaff, Código, p. 182.
Notas: 20. Hanegraaff, Código, p. 221.
CONCLUSÃO 1. Mihael J. Vloch, "12 Reasons Why Supersessionism/ 21. Hanegraaff, Código, p. 180.
Hanegraaff até mesmo utiliza o termo Reilacement Theology Is Not o Biblicol Doctrine", [12 22. Vloch, "Replacement of Israel" [A Substituição de
“substituir” na seguinte declaração: “A Rozões Pelas Quais o Supersessionismo ou a Teologia Israel], p. xvii.
história, assim como o Novo Testamento, da Substituição Não é Uma Doutrina Bíblica] www. 23. Hanegraaff, Código, p. 197.
revela que a Cidade Santa - que se tornou thi ologicalstudies.org/page/page/4425336.htm. 24. Hanegraaff, Código, p. 200.
em cidade prostituta - é substituída pelo 2. Michael J. Vloch, "The Church os o Replacement of 25. Hanegraaff, Código, p. 201.
1st nek An Analysis of Supersessionism" [A Igreja 26. Norman L. Geisler, "Review of Honk Hanegraaff's
santo Cristo. Jesus é o antítipo que cum­
Co no Uma Substituição de Israel: Uma Análise do The Apocalypse Code" [Crítica de 0 Código do
pre toda a tipologia investida em Jerusa­ Surersessionismo], Tese de Doutorado, Southeastern Apocalipse de Hank Hanegraaff]. www.ses.edu/
lém” . [23] Hanegraaff diz que Gênesis ptist Theological Seminary, maio de 2004. NormGeisler/ReviewApocalypseCode.html.

p edid os: <X' 0300 789.5152 | w w w .chainnda.eorn.br

12 I N O T I C I A S Dt I S R A E L J A N E I R O DE 2010
Como a lurquia foi perdida
Antes considerada a apoteose de escandalosamente imbecil e auto-fla- com relação a Israel. Em vez disso,
uma democracia muçulmana confiá­ gelante de Israel. foi dito que Ancara simplesmente
vel, pró-ocidental, agora a Turquia Até agora, tanto Israel quanto os apoiava a democracia e que o AKP,
deixou oficialmente a aliança ociden­ Estacos Unidos foram rápidos em como um partido islamita anterior-
tal e tornou-se um membro por com­ desculpar Ancara. Em 2003, quando mente tido como fora da lei, sentia
pleto do eixo iraniano. o pcrlamento turco, dominado pelo certa afinidade com o Hamas como
Isso não significa que o compor­ AKP, proibiu as forças armadas dos um pobre coitado muçulmano.
tamento de Ancara mudou funda­ EUA de invadirem o Iraque através Jerusalém deu desculpas seme­
mentalmente nos últimos dias. Não do Curdistão, os EUA culparam a si lhantes para os atos de Ancara
há nada de novo em sua sólida hos­ mesmos. Em vez de ficar irado contra quando, durante a guerra de 2006
tilidade em relação a Israel e sua a Turquia, o governo Bush argumen­ contra o Hezb'allah, a Turquia fe­
efusiva solicitude em relação à Síria tou que seus funcionários mais gra­ chou os olhos para os comboios de
e ao Hamas. Desde que o partido duados haviam feito o jogo diplomá­ armas iranianas que passavam pelo
islâmico AKP ganhou o controle so­ tico ce maneira ineficiente. seu território em direção ao Líbano.
bre o governo da Turquia nas elei­ Em fevereiro de 2006, quando As mesmas desculpas foram dadas
ções de 2002, liderado por Recip Erdogan tornou-se a prim eira figu­ quando a Turquia tomou o partido
Tayyip Erdogan, os turcos têm movi­ ra internacional a dar as boas-vin­ do Hamas contra Israel durante a
do cada vez mais e inexoravelmente das aos líderes do Hamas em uma Operação Chumbo Moldado em
sua democracia muçulmana, ante­ visite oficial, após o grupo dos Gaza, e requereu, dentre outras coi­
riormente favorável ao Ocidente, jihacistas ter ganhado as eleições sas, que Israel fosse expulso das N a ­
para o campo islamita radical em palestinas, Jerusalém tentou achar ções Unidas; e quando Erdogan cau­
que convivem o Irã, a Síria, o uma explicação, amenizando essa sou um incidente diplomático ao ata­
Hezb'allah (Partido de Alá), a al- agreisão diplom ática. Os líderes is­ car o presidente Shimon Peres
Qaeda e o Hamas. raelenses afirm aram que o trata- durante um aparecimento conjunto
O que fez o comportamento turco menta com tapete vermelho que Er- na Conferência de Davos. Da mesma
recente diferir do seu comportamento dogen tinha dispensado aos assas­ forma, o apoio aberto ao programa
de meses e anos passados foi que sinos em massa que buscam a de armas nucleares do Irã e seu co­
seus ataques [contra Israel] foram d estrjição física de Israel não era mércio galopante com Teerã e com
concentrados, inequívocos e inegá­ motivado por uma hostilidade ine­ Damasco, bem como seu envolvi­
veis para todos, exceto para a mídia rente por parte do regime do AKP mento com os financiadores da al-

14 I N O T I C I A S DE I S R A E l . J A N E I R O DE 20 10
Qaeda, suscitaram nada mais que
alguns resmungos por parte de Israel
e da América.
Durante essas últimas manifesta­
ções contra Israel, Jerusalém buscou
prosseguir com sua política de encon­
trar desculpas para a agressão da
Turquia. Depois que a Turquia des-
convidou a Força Aérea de Israel pa­
ra tomar parte do exercício aéreo
conjunto Anatolian Eagle juntamente
com a Turquia e a OTAN, funcioná­
rios de alto escalão, como o vice-mi-
nistro do Exterior Danny Ayalon, e a
líder oposicionista Tzipi Livni, tenta­
ram sublimar o incidente, afirmando
que a Turquia permanece como alia­
do estratégico de Israel.
Mas a Turquia não perdeu tem­
po e logo os fez de bobos. Onze
ministros do governo turco desce­
ram à Síria para assinarem uma sé­
rie de acordos de cooperação com 0 GOVERNO BUSH OS AVISO S DOS LÍDERES SECULARES TURCOS
os lacaios árabes do Irã. O Ministé­
M ÍD IA 0 0 P A ÍS. E NAS CORPORAÇÕES M ILITAR ES
rio do Exterior de Israel nem teve
tempo de escrever os pontos apolo­ E D IP LO M Á TIC A S TURCAS. DE QUE ERDOGAN
géticos para a discussão daquele ERA UM LOBO EM VESTES DE CORDEIRO.
movimento descarado antes que a
Síria anunciasse que estava entran­
do em aliança m ilitar com a Turquia
e iria realizar um exercício m ilitar res palestinas a abortar nos blo­ poder tenha sido simplesmente uma
conjunto com as forças militares tur­ queios das estradas e que en ilei- questão de tempo.
cas. Atônita diante da decisão da ram grupos de palestinos cont a a Mas, mesmo que a subida do
Turquia de realizar manobras m ili­ parede para serem fuzilados. AKP ao poder fosse eminentemente
tares com seu inim igo, apenas dois A transmissão da TRT1 consl ran­ previsível, sua habilidade para con­
dias depois de haver cancelado o geu Israel. O ministro do Exterior solidar o controle sobre todos os ór­
treinamento conjunto com Israel, Je­ anunciou que comunicaria um protes­ gãos do governo turco, assim como
rusalém não pôde pensar em ne­ to oficial à embaixada da Turquic. In- o que antes havia sido uma impren­
nhuma explicação branda para es­ felizmente, não ficou claro quem /iria sa livre, e de mudar completamente
se acontecimento. ao Ministério do Exterior para rece­ a postura estratégica da Turquia em
O dia seguinte foi caracterizado ber a comunicação, uma vez que a apenas sete anos estava longe de ser
por uma escalada de ataques verbais Turquia não mantinha embaixador inevitável. Por causa dessas realiza­
ao Estado judeu. Primeiro, Erdogan em Israel há três semanas. ções, o AKP tem um débito de grati­
renovou suas alegações difamatórias O rompimento da Turquia ccm o dão com os governos tanto de Bush
de que Israel deliberadamente matara Ocidente, assim como sua dec siva quanto de Obama, bem como da
crianças em Gaza. Depois, ele apelou ruptura com Israel e sua oposição União Européia.
aos turcos que aprendessem a ganhar aos EUA no Iraque e no Irã eram O governo Bush ignorou os avi­
dinheiro como os judeus ganham. previsíveis. O islã militante da varie­ sos dos líderes seculares turcos na
Os ataques anti-israelenses e dade AKP vem gozando de crescen­ mídia do país, e nas corporações
anti-semitas de Erdogan foram se­ te popularidade e apoio em tocla a militares e diplomáticas turcas, de
guidos pelo lançamento na rede de Turquia há muitos anos. A corrupção que Erdogan era um lobo em vestes
TV TRT1, que é controlada pelo go ­ endêmica dos líderes seculares tradi­ de cordeiro. Em vez de prestarem
verno turco, de uma nova série, no cionais da Turquia fez aumentar a atenção a suas tentativas anteriores
horário nobre, que representa os popularidade dos islamitas. Cada de enfraquecer o caráter secular e
soldados das Forças de Defesa de essa realidade doméstica da Turc uia, pró-ocidental da Turquia, e de tra-
Israel como assassinos de bebês e é possível que a subida de Erdcgan tá-lo ao menos com suspeita módi­
de meninas, que forçam as mulhe­ e de seus companheiros islamitas ao ca, após a vitória eleitoral do AKP

HO11CIAS BE ISRAfI .lAUflBfl BI ?II1H


em 2002 o governo Busch aprovou nao encontrou nenhuma oposição sidente Barack Obama fez uma visi­
o AKP e Erdogan como modelos de no C cidente a suas manobras para: ta envaidecedora a Ancara, na qual
virtude da moderação islâmica e (a qcabar com a liberdade de im- ele efetivamente endossou a islami-
como provas positivas de que os prenjs<a na Turquia; (b) expurgar as zação da política externa turca, que
EUA e o Ocidente não tinham ne­ forç ds armadas turcas de seus líde- levou esse membro da OTAN para
nhum problema com o islã político. res seculares e terminar com seu os braços dos mullahs de Teerã. Vis­
O islã de Erdogan, que foi sendo mand ato constitucional que visava tas em conjunto, as ações da Casa
mascateado suavemente, mas con­ press rvar o caráter secular da Tur­ Branca vindas de Bush e de Obama
solidado sem remorsos, foi abraça­ quia fe) intim idar e privar dos di- desmoralizaram os turcos ocidentali­
do pelos altos funcionários america­ rei tos de serem votados aos líderes zados, que agora crêem que seu pa­
nos que queriam reduzir a demo­ empnesariais seculares e diploma- ís está fadado a descer às profundi­
cracia a um sinônimo de eleições, tas; e (d) encher os tribunais turcos dades do extremismo islâmico. Da
em vez de reconhecer que a demo­ com islamitas. Isto quer dizer que, maneira como muitos vêem essa
cracia só é significativa quando é em nome de seu apoio à definição questão, se esses turcos ocidentaliza­
um sistema de leis e de práticas que agu ada de democracia, os EUA fa- dos quiserem permanecer na Tur­
promovem o igualitarism o liberal. cilitci ram a subversão, engendrada quia, seu único recurso será se uni­
Num sentido bastante real, a por Erdogan, de todas as institui- rem ao campo islamita e acrescenta­
disposição do governo Bush de ser ções turcas que possibilitavam que rem suas vozes ao crescente coro de
manipulado por Erdogan abriu ca­ nor mas liberais fossem preservadas anti-americanismo e anti-semitismo
minho para a decisão americana, e q mantinham a Turquia na que está varrendo o país.
em 2005, de pressionar Israel a alian ça ocidental. Além disso, há também a União
perm itir que o Hamas participasse Quanto ao governo Obama, des- Européia (UE). Durante anos, Bruxe­
das eleições palestinas e de coagir de que começou, em janeiro, ele las vinha animando a Turquia, pro­
o Egito a perm itir que a Fraternida­ aba ndonou o apoio dos EUA a ati- metendo que, se esta promovesse
de Muçulmana participasse em sua viste democráticos em todo o mun- suficientes reformas quanto aos d i­
eleição parlamentar. do, sm favor de uma política de pu- reitos humanos, o país muçulmano
Na própria Turquia, o apoio en­ ro apaziguamento dos adversários de 80 milhões de habitantes pode­
tusiástico que o governo americano dos EUA, à custa dos aliados dos ria se unir à Europa. Mas, longe de
deu ao AKP significou que Erdogan EUA . Seguindo essa política, o pre- induzir a um comportamento mais
liberal por parte da Turquia, essas
reformas supostamente iluminadas
abriram caminho para o crescimen­
to do islamismo no país. Ao forçar
a Turquia a restringir seu papel m ili­
tar como garantia do secularismo
turco, a UE afastou a última linha
de defesa dos secularistas contra a
crescente onda do AKP. Ao forçar a
Turquia a tratar seus prisioneiros
políticos com mais humanidade e a
cancelar a pena de morte, a UE cor­
roeu a reivindicação moral dos se­
cularistas à liderança e enfraqueceu
a habilidade deles de efetivamente
combaterem o terrorismo, tanto dos
curdos quanto dos islamitas.
Ao mesmo tempo, ao se recusar
constantemente a permitir que a
Turquia se unisse à UE, a despeito
das mudanças promovidas por A n­
cara para comprovar sua correção
política, Bruxelas depreciou ainda
mais os secularistas turcos. Q uan­
0 PRESIDENTE 8ARACK OBAMA FEZ UMA VISITA ENVAIDECEDORA A ANCARA. do, depois de todas as suas refor­
NA QUAL ELE EFETIVAMENTE ENDOSSOU A ISLA MIZAÇÃO DA POLÍTICA EXTERNA TURCA. mas auto-destrutivas e auto-degra-
QUE LEVOU ESSE MEMBRO DA OTAN P/ RA OS BRAÇOS DOS M ULLAHS DE TEERÃ. dantes, a Europa ainda os rejeitou,
os turcos precisaram encontrar uma

16 I IIOliCIAS 01 ISBftll. JAIIIIRO 01 ?01


A UNIÃO EUROPÉIA VINHA ANIMANDO A TURQUIA. PROMETENDO QUE. SE ESTA PROMOVESSE SUFICIENTES REFORMAS QUANTO AOS
DIREITOS HUMANOS. O PAÍS PODERIA SE UNIR À EUROPA. MAS. LONGE DE INDU. IR A UM COMPORTAMENTO MAIS LIBERAL POR PARTE DA
TURQUIA. ESSAS REFORMAS SUPOSTAMENTE ILUMINADAS ABRIRAM CAMINHO PARA O CRESCIMENTO 00 ISLAMISMO NO PAÍS.

maneira para restaurar sua honra cerá ali no futuro. Se um regine é deixem mais seguro a longo prazo.
ferida. O meio mais natural de fa ­ democrático ou autoritário, ou algo Uma democracia turca controlada
zer isso foi que os turcos simples­ entre essas duas posições, as condi­ pelas forças armadas, que impedia
mente viraram suas costas à Europa ções e tendências domésticas têm que os islamitas subissem ao poder
e se moveram em direção a seus ir­ papel mais importante em determi­ político, era mais desejável do que
mãos muçulmanos. nar sua postura estratégica com o um regime do AKP eleito pelo voto
Por seu lado, como o solitário correr do tempo. Isso é tão verdadei popular, que moveu a Turquia para
Estado judeu que não pertence a ro para a Turquia quanto o é para o eixo iraniano. Por isso, também,
nenhuma aliança, Israel não tinha os EUA, para o Irã, para a Siécia um regime corrupto dependente do
nenhuma habilidade para influen­ ou para o Egito. Ocidente no Afeganistão é mais de­
ciar mudanças internas na Turquia. A perda da Turquia mostra que sejável que um Estado de terror
Mas, mesmo assim, a decisão da países podem mudar e mudam. A controlado pelo Taliban e pela al-
Turquia de trair o Ocidente traz li­ melhor maneira de se influenciar a Qaeda. Da mesma forma, uma mu-
ções gerais para Israel e para o mudança é permanecer verdadeiro locracia instável e enfraquecida no
mundo livre como um todo. Essas li­ com seus amigos, mesmo que esses Irã, desafiada por uma oposição li­
ções deveriam ser aprendidas e amigos sejam imperfeitos. Apencs ao beral bem financiada, é preferível a
aplicadas não apenas nas próximas fortalecer aqueles que comparti ham uma mulocracia forte e estável, que
ações relacionadas à Turquia, mas das normas e dos interesses de um reprimiu com sucesso seus rivais li­
a toda uma hoste de regimes políti­ país - em vez de seus procedimentos berais internacionalmente isolados.
cos e grupos subnacionais naquela e de sua retórica - é que os governos A Turquia está perdida e é melhor
região e pelo mundo afora. podem exercer influências construti­ nos conformarmos com esse fato de­
No primeiro momento, é crucial vas sobre mudanças internas err ou­ vastador. Mas, se aprendermos suas
que os formuladores das políticas re­ tros Estados e sociedades. lições, poderemos elaborar políticas
conheçam que a mudança é a única Além disso, é apenas estando que chequem os perigos que a Turquia
característica permanente da condi­ disposto a reconhecer o que faz que projeta e nos preparar para o dia em
ção humana. A presença de um país um aliado seja um aliado e um ad­ que ela venha a decidir que quer re­
no campo ocidental hoje não é ga ­ versário seja um adversário que o tornar ao aprisco ocidental. (Caroline
rantia alguma de que ele permane­ Ocidente vai adotar políticas q je o Glick - www.carolineglick.com)

N O T I C I A S Dl I S R A I l . J A N Í I R D Dl ? 01 D I 17
Islamismo 2.0
Emprestando um termo usado na ordem existente. Imagine se os isla- Embora a violência do Islamismo
informática, se o aiatolá Khomeini, mitas tivessem causado a devastap;ao 1.0 raramente obtenha êxito no fo­
Osama bin Laden e N idal Hasan do furacão Katrina ou do tsunarr i de mento da sharia, a estratégia do Isla­
(autor do massacre em Fort Hood, 2004 - o que seria alcançado corno mismo 2.0, de trabalhar através do
no Texas) representam o Islamismo efeito duradouro? sistema, se sai melhor. Islamitas adep­
1.0, Recep Tayyip Erdogan (o p ri­ A violência não-terrorista co ti o tos da conquista da opinião pública
meiro-ministro da Turquia), Tariq objetivo de implantar a sharia am- representam a principal força de
Ramadan (um intelectual suíço) e bém não atinge mais êxito. Resyolu- oposição em países de maioria mu­
Keith Ellison (um congressista dos ções (com o significado de revoltb so- çulmana tais como Marrocos, Egito,
Estados Unidos) representam o Isla- ciai em larga escala) levaram os sla- Líbano e Kuwait. Os islamitas se be­
mismo 2.0. Os primeiros matam mitas ao poder em apenas um lugar neficiaram com o sucesso eleitoral na
mais pessoas, mas os últimos repre­ e uma só vez - no Irã em 1978- 79. Argélia em 1992, em Bangladesh em
sentam uma ameaça m aior à civili­ Da mesma forma, um golpe de Êsta- 2001, na Turquia em 2002 e no Ira­
zação ocidental. do (praticado por militares) levou os que em 2005.
A versão 1.0 ataca aqueles con­ islamitas ao poder somente uma vez Uma vez no poder, eles podem d i­
siderados como empecilho a sua me­ - no Sudão em 1989. O me:smo rigir o país em direção à sharia. En­
ta de alcançar uma sociedade regi­ ocorreu com uma guerra civil no quanto Mahmoud Ahmadinejad en­
da por um califado global e inteira­ Afeganistão em 1996. frenta a ira das manifestações de rua
mente regulado pela sharia (lei
islâmica). As táticas originais do is­
lamismo, do governo totalitário ao
mega-terrorismo, abrange uma bru­
talidade ilimitada. Três mil mortos
em um ataque? A busca de Bin La­
den por armas atômicas indica que
o número de vítimas poderia ser cem
ou até mil vezes maior.
Entretanto, uma revisão das últi­
mas três décadas, desde que o isla­
mismo se tornou uma força política
importante, mostra que a violência
sozinha raramente funciona. Sobre­
viventes do terrorismo raramente ca­
pitulam diante do islã radical - foi o
que se viu depois do assassinato de
Anw ar el-Sadat no Egito em 1981,
dos ataques de 11 de setembro, dos
ataques a bomba em Bali em 2002,
dos ataques a bomba em M adri em
2004, dos ataques a bomba em
Amã em 2005 ou das campanhas ENQUANTO MAHMOUD AHMA pINEJAD ENFRENTA A IRA DAS MANIFESTAÇÕES DE RUA.
terroristas em Israel, no Iraque, no 0 PRIMEIRO-MINI!) TRO DA TURQUIA RECEP TAYYIP ERDOGAN SE REGOZIJA
Afeganistão e no Paquistão. O terro­ COM A APROVAÇÃO PÚBLICA. REFAZ A REPÚBLICA OA TURQUIA
rismo causa lesões físicas, mata e in­ E PROPÕE UM M ODELO SEDUTOR AOS ISLAMITAS AO REDOR 00 MUNDO.
timida, mas raramente subverte a

K D l i C I A S Dl I S f l A Í I . i A M I l R O Dl ? D I 0 I 19
formação legal ecoa uma mudança
bem mais ampla; assim sendo, co­
mo observa o escritor Lawrence
W right, sua deserção representa
uma "terrível ameaça" à Al-Qaeda.
Outras organizações islâmicas vio­
lentas do passado na Argélia, no
Egito e na Síria reconheceram o po­
tencial do islamismo legal e em ge­
ral renunciaram à violência. Tam­
bém pode-se observar uma mudan­
ça paralela em países ocidentais:
Ramadâ e Ellison representam uma
tendência florescente.
(O que se poderia chamar de
Islamismo 1.5 - uma combinação
de meios duros com meios bran­
dos, de abordagens externas e in­
ternas - também funciona. Envolve
SAYYID IMAM AL-SHARIF, 0 OUTRORA PRINCIPl islamitas legais com o propósito de
PERCEBEU A INUTILIDADE DOS ATAQUES VIOLEN DEFENDER acalm ar o inim igo e em seguida a
A ESTRATÉGIA DA INFILTRAÇÃO NO ESTADO EA SOCIEDADE. conquista do poder por elementos
violentos. A tomada do poder pelo
Hamas em Gaza comprova que es­
sa combinação pode funcionar:
e bin Laden se encolhe de medo em ques violentos e passou a defender a vencer as eleições em 2006, depois
uma caverna, Erdogan se regozija estratégia da infiltração no Estado e executar uma insurreição violento
com a aprovação pública, refaz a a m luência na sociedade. em 2007. E possível que processos
República da Turquia e propõe um E
Em um livro recente, ele condenou análogos estejam acontecendo no
modelo sedutor aos islamitas ao re­ o u$<iO da força contra muçulmanos Paquistão. O Reino Unido pode es­
dor do mundo. ("G cda gota de sangue derramada tar atravessando o processo inver­
Reconhecendo esse padrão, o ou- ou que estiver sendo derramada no so, através do qual a violência cria
trora principal teórico da Al-Qaeda Afecjjianistão e no Iraque é de respon- uma abertura política).
repudiou publicamente o terrorismo e sabi idade de bin Laden e Zawahiri e Em resumo, somente islamitas,
adotou os meios políticos: Sayyid seus seguidores") e mesmo contra não fascistas ou comunistas, se de­
Imam al-Sharif (nascido em 1950, não muçulmanos (o 11 de setembro ram bem indo além da força bruta
também conhecido pelo nome de foi contraproducente, pois "o que se para ganhar apoio popular e criar
guerra Dr. Fadl) foi acusado de estar ganjiia destruindo um dos edifícios do uma versão 2.0. Pelo fato desse as­
envolvido no assassinato de Sadat. seu inimigo, se ele acaba destruindo pecto do islamismo enfraquecer valo­
Em 1988 ele publicou um livro sus­ um Je seus países? O que se ganha res tradicionais e destruir liberdades,
tentando a jihad (guerra santa) per­ qua ido você mata um deles e ele ele pode ameaçar o modo de vida ci­
pétua e violenta contra o Ocidente. matò mil dos seus?"). vilizado até mais do que a brutalida­
Entretanto, com o passar do tempo, evolução de Sharif de teórico de da versão 1.0. (Daniel Pipes,
Sharif percebeu a inutilidade dos ata­ do terrorismo a defensor da trans­ vAvw.danielpipes.org)

20 I N 0 1 1Cl AS Oí I S R A H . J A N E I R O D! 7010
HORIZONTE

Direitos humanos dia de lamentar.


não de celebrar
O ano de 2009 foi outro período tantes, não tem nenhum interesse em Organizações superpoderosas co­
ruim para os direitos humanos e hou­ abrir uma discussão sobre a opressão mo a Anistia Internacional, a Human
ve pouco para se celebrar no Dia In­ sistemática das mulheres ou das Rights Watch (HRW), a Federação In­
ternacional dos Direitos Humanos. norias na Arábia Saudita, na S^ria, ternacional dos Direitos Humanos,
Assassinatos em massa continua­ na Líbia, em Gaza, etc. com sede em Paris, e grupos seme­
ram em Darfur, no Congo e em mui­ Israel é uma alvo conveniente pa- lhantes, com orçamentos de muitos mi­
tos outros lugares na África, com ra desviar a atenção, o que exp ica lhões de dólares, trabalham em sinto­
apenas pouca e esporádica atenção o enfoque obsessivo nas alegações nia e apoiam a agenda do CDHNU e
por parte da mídia ou das Nações de "crimes de guerra" [supostam*en- de outras estruturas internacionais.
Unidas. As ditaduras na Coréia do te cometidos pelo exército israe en- Em vez de falarem a verdade so­
Norte e em Mianmar (Birmânia) ater­ se], inclusive no relatório Goldstbne bre esse abuso ostensivo do poder, os
rorizam seus cidadãos diariamente, sobre o conflito em Gaza, montado representantes desses autodenomina­
sem que se tenha um fim em vista. com profunda parcialidade. dos grupos de defesa dos direitos hu­
No Irã, uma eleição fraudulenta Para piorar as coisas, as ent da manos são parte do problema, per­
levou milhares de pessoas às ruas des não-governamentais de de esa manecendo totalmenfe em silêncio
para protestarem pela democracia. dos direitos humanos, que foram cria­ enquanto continuam os abusos na
As manifestações foram duramente das para compensar o comportanr ien- África, na Àsia ou no mundo árabe.
reprimidas [pelo governo de Ahma- to não-ético e a parcialidade dos go- No ano passado houve ainda
dinejad] (com pelo menos 70 mor­ vemos, tornaram-se cúmplices na maior cooperação entre a ONU e as
tos). Ocorreram inúmeras prisões, promoção da opressão. ONGs em distorcerem os valores dos
seguidas por julgamentos simulados
à moda stalinista para intimidar os
manifestantes. .V, n o t
Tragicamente, o Dia dos Direitos S T J r lfl To °r-;
Humanos, que marca o aniversário LAVRINo ■ i in AFc> i jjB r
da Declaração Universal dos Direitos lOrtfN iMAf.
Humanos e da Convenção Para a
Prevenção do Genocídio, de 1948,
agora serve como uma lembrança do
fracasso lamentável da comunidade
internacional em viver à altura de
seus compromissos morais.
Ignorando os apelos das vítimas
em todo o mundo, o Conselho de Di­
reitos Humanos das Nações Unidas
(CDHNU) está preso a uma agenda
política que usa a retórica da legisla­
ção internacional como arma na guer­
ra política que tem Israel como alvo.
A Organização da Conferência
Islâmica, que controla a agenda do
CDHNU e que escolhe seus represen-

N O T I C I A S Di I S R A H , J A N M R O Ui ? 0 H I 2 1
direitos humanos de forma irreconhe­ Outros escândalos, inclusive a cional dos relatórios e das campa­
cível. A HRW foi flagrada tentando susplensão do "analista militar se- nhas da Anistia Internacional se con­
levantar fundos entre membros abas­ nior'■" da HRW, e perguntas não res­ centra em criticar os Estados Unidos e
tados da elite da Arábia Saudita. pondidas sobre suas qualificações os países da OTAN por supostas in­
Em vez de liderar a campanha pro issionais, mancharam ainda frações no Iraque e no Afeganistão,
contra os abusos impostos pela polícia majs essa organização. Paralela- enquanto os terroristas e seus patroci­
religiosa wahabita naquele país, essa meirite, a Anistia Internacional e ou- nadores recebem relativamente pou­
"entidade de defesa" ofereceu um jan­ tros grupos aceleraram seus esforços ca atenção [...].(Gerald M. Steinberg
tar com a presença de um membro do para transformarem os direitos hu- - extraído de www.ngo-monitor.org)
Conselho da Shura (que supervisiona maitvos e a legislação internacional
a aplicação da lei islâmica na Arábia em plataformas ideológicas usadas
Saudita), no qual o maior destaque fo­ contira democracias ocidentais e con-
ram as difamações de Israel e as ad­ tra iociedades abertas. 0 Professor Gerald M. Steinberg ministra aulas de ciência
vertências sobre o poder de "grupos Como as análises da HRW, uma politico na Universidade Bar llan e chefia a organização
de pressão pró-lsrael". porcentagem altamente despropor­ ONG-Monitor (Jerusalém, Israel).

m m m

Lula quer visitar o Irã


Celso A m o r i m fo i ao Irã para c o n v e r s a r sobre q u e s t õ e s n u c l e a r e s
e a v i s i t a de Lula ao país

Dez dias após a visita do presi­ que (...) aumentar a pressão a cada
dente iraniano, Mahmoud Ahmadine- dia pode não resultar em algo positivo. A secretária de Estado
jad, ao Brasil, o ministro das Relações Precisamos de mais paciência para ele­ americana, Hillary Clinton,
Exteriores, Celso Amorim, fez uma var o nível de conversação com o Irã", advertiu os países latino-ame­
rápida visita ao Irã para continuar as afirmou Lula, logo depois que a chan­ ricanos sobre as conseqüên-
conversações que tiveram início em celer alemã, Angela Merkel, havia dito cias de "flertar" com o Irã:
Brasília, inclusive sobre o controverti­ que há possibilidades [dos países oci­ "Esperamos que pensem duas
do programa nuclear do Irã. dentais] "perderem a paciência" com o vezes. Relacionar-se com o Irã
Amorim chegou ao Irã partindo Irã devido às posições iranianas. é realmente uma má idéia",
de Genebra, na Suíça, onde havia A visita de Ahmadinejad ao Brasil afirmou, revelando que espera
participado de uma rodada de nego­ provocou controvérsias, uma vez que que os países reconheçam que
ciações na Organização Mundial do o presidente iraniano chamou Lula de o Irã "é um dos maiores pro­
Comércio (OMC), e passou um dia "meu amigo", que defendeu o direito motores e exportadores de ter­
inteiro em conversações com Ahma- do Irã de desenvolver um programa rorismo no mundo de hoje".
dinejad e o ministro do Exterior ira­ nuc ear para propósitos pacíficos. Além disso, no dia 14 de
niano, Manouchehr Mottaki [tratan­ Ahmadinejad assegurou que a usi­ dezembro, esteve no Brasil o
do, entre outros assuntos, da visita de na de enriquecimento de urânio em subsecretário de Estado dos
Lula ao Irã, prevista para maio]. seu país não tem objetivos militares. EUA para a América Latina,
Além do encontro de Amorim com Entretanto, a Agência Internacional de Arturo Valenzuela. Ele veio
Ahmadinejad, o presidente brasileiro, Energia Atômica (AIEA) aprovou uma para conversar sobre as in­
quando em visita à Alemanha, concla­ resolução em 27 de novembro censu­ quietações americanas devido
mou a comunidade internacional a rando o programa nuclear do Irã pela ao crescente relacionamento
manter conversações com o Irã: "O construção de uma usina de enriqueci­ dos países latino-americanos
melhor (...) é nos empenharmos nas mento de urânio suspeita de ter pro­ com o Irã.
negociações e sermos pacientes. Penso pôs tos militares, (extraído de Xinhua)

22 I N D I l G I A S flt I S R A E L . J A N E I R O 0! 2010