Anda di halaman 1dari 2

Além do Véu!

1 Corintios 3:11 - Por que nínguem pode pôr outro fundamento além do que já está posto,
o qual é Jesus Cristo.
terça-feira, 12 de fevereiro de 2013
A guerra do Dízimo!
Tenho recebido perguntas e postagens sobre o dízimo e acho interessante dar sequencia a
exposição desse tema.

Primeiro a intenção deste post não é ofender a ninguém apenas expor o outro lado da moeda.

Existe uma corrente que defende Abraão como o primeiro praticante do dizimo com base em:

Genesis 14:20
E bendito seja o Deus Altíssimo, que entregou os teus inimigos nas tuas mãos. E Abrão deu-
lhe o dízimo de tudo.

Vejamos o contexto à volta desse versículo:

Em meio a uma guerra Ló irmão de Abraão foi sequestrado em um ataque organizado pelos
reis de Sinear, Elão e Goim contra Sodoma e Gomorra. Abraão organizou um contra ataque e
teve êxito libertando Ló, seus bens e tudo mais que havia sido tomado do povo de Sodoma e
Gomorra.

No retorno da Guerra Abraão se encontra com Melquisedeque o Rei de Salém e lhe entrega os
dízimos de guerra.

Destaco que a palavra dizimo nem sempre quer dizer 10%, em uma guerra quando você diz
que vai dizimar o alvo não tem nada a ver com 10%, tem mais a ver com destruir e matar. No
caso de Abraão que entregou dízimos ao Rei de Salém após a guerra, isso tem mais a ver com
entregar os despojos de guerra e não alguma semelhança com a pratica do dizimo nos dias de
hoje.
<!--[if !supportLineBreakNewLine]-->

<!--[endif]-->
O autor do livro de Hebreus confirma a versão conforme em:
Hebreus 7:4
Considerai, pois, quão grande era este, a quem até o patriarca Abraão deu os dízimos dos
despojos.
Abraão então organiza os despojos recuperados. Contabiliza tudo. Parte dos despojos
pertencia aos reis de Sodoma e Gomorra. Outra parte a Ló e outra parte se referia ao “custo
operacional da guerra”. Devolve tudo aos seus legítimos donos.

Nada pertencia a Abraão, que se recusou a tomar qualquer coisa para si.

Gênesis 14:23
Jurando que desde um fio até à correia de um sapato, não tomarei coisa alguma de tudo o que
é teu; para que não digas: Eu enriqueci a Abrão;

Para que o dízimo de Abraão tenha o mesmo significado dos dízimos cobrados hoje pelas
“igrejas cristãs”, ele teria que ter ficado com os outros 90%. Que dizimista é este que dá 10%
para o Sumo Sacerdote e os outros 90% para um rei pagão? Leia todo o capitulo 14 de
Genesis.

Jesus nunca recebeu dízimos. Se Melquisedeque simbolizava a Cristo, por que não
encontramos relatos de pessoas dando dízimos a Jesus durante Seu ministério aqui na Terra?
Não é Ele o Sumo Sacerdote da Ordem de Melquisedeque? Como ousam os líderes religiosos
hoje exigir dízimos aos seus fiéis na qualidade de sacerdotes sucessores de Melquisedeque,
se o nosso Sumo Sacerdote Jesus não fazia assim?

E conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará. (João 8:32)

Motivos que confirmam, Abraão não era praticante do dízimo que vemos hoje:
1º - O dizimo que Abraão entregou para o Rei de Salém era despojos de guerra.

2º - A lei do dizimo veio após Abraão e se encerrou com a entrada da Graça (fim do sistema
levitico e ressurreição de Cristo) e por isso não havia a pratica do dizimo em sua época.

3º - Abraão entregou dízimos (de guerra) uma única vez em toda a bíblia durante seus 175
anos de vida.

Relaciono apenas três fatos que anulam a ideia de um Abraão “dizimista”. Fique atento, o
dizimo é bíblico, mas não é Cristão.

O dizimo nunca foi dinheiro, nem mesmo na época de Jesus quando já existiam as moedas de
Cesar.

Segundo a lei da antiga aliança, somente os levitas (da tribo de Levi) poderiam receber os
dízimos fora eles apenas, órfãos, viúvas e estrangeiros para suprir suas necessidades básicas.