Anda di halaman 1dari 8

O CÂNONE LINGÜÍSTICO-LITERÁRIO

segundo a Gramática Normativa da Língua Portuguesa,


de Carlos Henrique da Rocha Lima

Claudio Cezar Henriques

Como considerar adequado um determinado uso lingüístico?


No primeiro parágrafo do texto de Apresentação de sua Gramática de
usos do português, Maria Helena Moura Neves afirma que seu livro “consti-
tui uma obra de referência que mostra como está sendo usada a língua portu-
guesa atualmente no Brasil”.
E continua dizendo que sua gramática “parte dos próprios itens lexi-
cais e gramaticais da língua e, explicitando o seu uso em textos reais, vai (...)
mostrando as regras que regem o seu funcionamento em todos os níveis,
desde o sintagma até o texto”.
Essa é a prática de partir do princípio de que “é no uso que os diferen-
tes itens assumem seu significado e definem sua função e de que as entidades
da língua têm de ser avaliadas em conformidade com o nível em que ocor-
rem, definindo-se, afinal, na sua relação com o texto”.
Tal afirmação nos remete a um tipo de investigação que, sem dúvida,
pode nos fornecer interessante material para interpretar relações nem sempre
explícitas entre conceitos como “canonização lingüística” e “canonização
literária”.
O livro de Maria Helena menciona “textos reais” e diz que “o que está
abrigado nas lições é, portanto, a língua viva”. E, num universo tão amplo a
respeito do que se poderia entender sobre “como está sendo usada a língua
portuguesa”, a autora enfatiza que os usos tomados como base foram tirados
de um banco de dados de 70 milhões de ocorrências armazenadas no Centro
de Estudos Lexicográficos da UNESP, campus de Araraquara. Reúne, pois,
um corpus de textos escritos, que abrange literatura romanesca, técnica,
oratória, jornalística e dramática.
A citação à gramática de Moura Neves, lançada no segundo semestre
de 2000, mostra que os autores de obras referenciais no campo dos estudos
lingüísticos continuam adotando o recomendável princípio de atestar suas
considerações e comentários em fontes confiáveis registradas por escrito e
que, entre estas, permanece válida e representativa a expressão literária ro-
manesca, oratória e dramática, à qual se têm somado as citações das lingua-
gens jornalística e técnica.
Houve época, porém, em que as gramáticas adotavam como única
forma de exemplificação de suas regras e descrições a transcrição de trechos
de autores de nossa literatura (luso-brasileira). Pode-se daí dizer que havia
uma espécie de cumplicidade lingüístico-literária que justificava a esco-
lha do autor e do exemplo por parte do gramático. A esse assunto já nos
referimos no livro Literatura: esse objeto do desejo (Eduerj, 1997) e no
artigo “A canonização lingüístico-literária na Moderna gramática do

1
português, de Evanildo Bechara” (Idioma no20, 1998).
Assim, nos contextos normativos ou descritivos de uma gramática, a
presença de um verso, frase, período ou oração é uma espécie de “atestado de
qualidade” conferido por especialista do estudo das regras da linguagem (e de
suas teorias). Além disso, a linguagem contida nesses trechos – extraídos de
obras da literatura vernácula – caracteriza um determinado modelo de corre-
ção, que projeta uma exemplaridade passada sobre o presente e o futuro da
língua.
Nesse sentido, observar qual o perfil dos autores escolhidos é uma
oportunidade para caracterizar as influências e opiniões vigentes em deter-
minada época da história da gramaticografia portuguesa.
Nessa história, um dos livros referenciais nos estudos lingüísticos lu-
so-brasileiros é a Gramática normativa da língua portuguesa, de Carlos
Henrique da Rocha Lima, que integra a bibliografia oficial de quase todos os
cursos de Letras das universidades brasileiras– o que pudemos comprovar
com os dados colhidos na pesquisa que desenvolvemos junto ao Departamen-
to LIPO do Instituto de Letras da UERJ durante os anos de 1993 a 1996.
A primeira edição da Gramática de Rocha Lima é de 1957 (por F. Brigui-
et & Cia.). Em 1972, ao atingir sua 15a edição – a 1a pela José Olympio Editora –,
foi ela republicada com sensíveis modificações em alguns capítulos. O autor, no
novo Prefácio, advertia (p.. XXI):

(...) enriquecemos copiosamente a exemplificação dos “fatos” da lín-


gua, a qual estendemos aos escritores de nossos dias.
E cabe, a propósito, uma observação importantíssima, que vem assim à
guisa de pôr os pontos nos is: a de que, em matéria de bom uso da língua
literária, os ensinamentos até aqui esposados pela Gramática Normativa
são confirmados, em sua quase totalidade, pela lição dos prosadores e poe-
tas de hoje – o que patenteia, de maneira solar, a continuidade histórica
das formas verdadeiramente afinadas com o sentimento idiomático.

Sobre essa parceria entre gramática e literatura, diz o autor que as re-
gras da gramática normativa se fundamentam nas obras dos grandes escrito-
res, “em cuja linguagem as classes ilustradas põem o seu ideal de perfeição,
porque nela é que se espelha o que o uso idiomático estabilizou e consagrou”
(p. 7).
A 31a edição, póstuma, publicada em 1992, foi “retocada e enriqueci-
da”, mas não mudou muito a feição do livro. Nela, novamente o autor se
refere a uma edição “copiosamente enriquecida, sobretudo na exemplificação
dos fatos da língua” (p. XXIII). Encontram-se nela exatos 1095 exemplos de
autores brasileiros e portugueses, citados sempre com o intuito de abonar
algum específico ensinamento gramatical, o que expõe o estudioso dos “fa-
tos” de nossa língua a uma listagem pancrônica de nossos “melhores” escri-
tores.
O levantamento das “citações literárias” da Gramática normativa da
língua portuguesa – sem considerar o capítulo “Noções elementares de versi-

2
ficação”, onde obviamente a exemplificação é específica do âmbito da litera-
tura – retrata um padrão lingüístico-literário de características variadas.
O quadro completo é o seguinte:

AUTOR (país - nascimento): páginas (pela 31a ed., 1992) = ocorrências


1. Adalgisa Nery (Bras.- 1905): 404 = 01 ocorrência
2. Adelino Fontoura (Bras.-1859): 331 = 01 ocorrência
3. Afonso Arinos (Bras.-1868): 424 = 01 ocorrência
4. Afrânio Peixoto (Bras.-1876): 425-465 = 02 ocorrências
5. Alberto de Oliveira (Bras.-1859): 246-291-325(2)-358(2)-359-365-371-465-
513 = 11 ocorrências
6. Alceu Wamosy (Bras.-1895): 316 = 01 ocorrência
7. Alexandre Herculano (Port.-1810): 244-245-246-247-250-253-288-291-293-
302-303-313-316-321-349-356-357-358(2)-359(3)-360(3)-361(3)-363(2)-
367(2)-392-393-394(2)-395(3)-397-398-399-400(3)-403-405-406-413-
414-415(2)-418-419-421-422-424(2)-426-429-430-434-436(2)-438-439-
441(3)-442-443-445(3)-446(2)-451-460-468-491-505-507 = 82 ocorrên-
cias
8. Alfredo d’Escragnolle Taunay (Bras.-1843): 268-455-463-471 = 4 ocorrên-
cias
9. Almeida Garrett (Port.-1799): 281-293-308-358-360-400-405-406-409-410-
436-444-488-489-490 = 15 ocorrências
10. Alphonsus de Guimaraens (Bras.-1870): 61-465-466-504-505 = 05 ocor-
rências
11. Aluísio de Azevedo (Bras.-1857): 120-274-361-378-400 = 05 ocorrências
12. Álvares de Azevedo (Bras.-1831): 468 = 01 ocorrência
13. Amador Arrais, Fr. (Port.-1530?): 306-389 = 02 ocorrências
14. Aníbal Machado (Bras.-1894): 92-250-264-266-273-420-422-425-429-
432(3)-434-442-443-446-477 = 17 ocorrências
15. Antero de Figueiredo (Port.-1866): 426 = 01 ocorrência
16. Antero de Quental (Port.-1842): 288-368-478-482 = 04 ocorrências
17. Antônio das Chagas, Fr. (Port.-1631): 408 = 01 ocorrência
18. Antônio Feliciano de Castilho (Port.-1800): 250-303(2)-337-359-361-363-
374-392-394-401-403-405-415-420-435-441-444-462 = 19 ocorrências
19. Antônio Ferreira (Port.-1528): 34-245 = 02 ocorrências
20. Antônio Nobre (Port.-1867): 358 = 01 ocorrência
21. Antônio Prestes (Port.-15--?): 313 = 01 ocorrência
22. Antônio Vieira, Pe. (Port.-1608): 245(2)-246-247-250-281-288-305-306(2)-
307-308-313-344(2)-358-361-363-368-389-393-394-395-397-398-399-400-
401-403(3)-406-411(2)-413-423(3)-461-462-464-465-517(2) = 44 ocorrên-
cias
23. Araújo Porto-Alegre (Port.-1806): 439 = 01 ocorrência
24. Arnaldo Gama (Port.-1828): 413 = 01 ocorrência
25. Artur Azevedo (Bras.-1855): 460-468-469 = 03 ocorrências
26. Augusto de Lima (Bras.-1860): 334(2)-368 = 03 ocorrências

3
27. Augusto dos Anjos (Bras.-1884): 280-307(2)-312-466-469-483-504-508 =
09 ocorrências
28. Augusto Frederico Schmidt (Bras.-1906): 410 = 01 ocorrência
29. Augusto Meyer (Bras.-1902): 270 = 01 ocorrência
30. Autran Dourado (Bras.-1926): 267-406 = 02 ocorrências
31. Bastos Tigre (Bras.-1882): 471 = 01 ocorrência
32. Bernardino Lopes (Bras.-1859): 116-324-331 = 03 ocorrências
33. Camilo Castelo Branco (Port.-1825): 100-182-245-246(3)-247-279-290-292-
303(2)-321-357-358(2)-359(2)-360(3)-361(2)-362(3)-363-378-389(2)-
394(2)-396(2)-398-401-404(2)-405-406-418(5)-419(3)-421(2)-423(2)-424-
425-427-428(3)-429(2)-431-432(3)-433-434(2)-435-436(2)-438(3)-439(2)-
441-442(2)-444(2)-445(2)-446-447-462 = 85 ocorrências
34. Carlos Drummond de Andrade (Bras.-1902): 269-272-273-349-394-398-
422(2)-424-427-455-519 = 12 ocorrências
35. Casimiro de Abreu (Bras.-1839): 467 = 01 ocorrência
36. Cassiano Ricardo (Bras.-1895): 34 = 01 ocorrência
37. Castro Alves (Bras.-1847): 267-281-346-348(2)-349-365-368-374-377-444-
459-460-468(2)-488(2)-490-503-504-512(2)-519 = 23 ocorrências
38. Cecília Meireles (Bras.-1901): 248-268-270(2)-388-395-404(2)-430(2) = 10
ocorrências
39. Ciro dos Anjos (Bras.-1906): 265-269-388-389-390-397-401-404-419-
421-422-423-424-427-430-446 = 16 ocorrências
40. Clarice Lispector (Bras.-1925): 270-390-392-397-405-427-503-505-510 =
09 ocorrências
41. Cláudio Manuel da Costa (Bras.-1729): 334-359 = 02 ocorrências
42. Coelho Neto (Bras.-1864): 59-302-306-388-389-419-421-424-436-437-439-
440-445-466-507 = 15 ocorrências
43. Constâncio (C. Antônio Alves?) (Bras.-1868?): 433 = 01 ocorrência
44. Costa e Cunha (Antônio Estêvão da C. e C.?) (Bras.-18--?): 517 = 01 ocor-
rência
45. Cristóvão Falcão (Port.-15--?): 362 = 01 ocorrência
46. Cruz e Sousa (Bras.-1861): 312-347-459-478-482-503-505(3) = 09 ocorrên-
cias
47. Da Costa e Silva (Bras.-1885): 265-482 = 02 ocorrências
48. Dinah Silveira de Queirós (Bras.-1910): 390 = 01 ocorrência
49. Domingos Vieira, Fr. (Frei D. de S. José?) (Bras.-1670?): 336 = 01 ocorrên-
cia
50. Duarte, D. (Port.-1391): 318 = 01 ocorrência
51. Eça de Queirós (Port.-1845): 100-259-288-302-344-360-371-400(3)-420-
437-451-467-512(2) = 16 ocorrências
52. Érico Veríssimo (Bras.-1905): 265-267-271-402-421-430-437-438-443-445
= 10 ocorrências
53. Ernesto Carneiro Ribeiro (Bras.-1839): 393(2)-394-426-462-465 = 06 ocor-
rências
54. Euclides da Cunha (Bras.-1866): 371-377-424-435-436-441-460-464-468 =

4
09 ocorrências
55. Eugênio de Castro (Port.-1869): 371-482 = 02 ocorrências
56. Fagundes Varela (Bras.-1841): 334-347 = 02 ocorrências
57. Fernando Sabino (Bras.-1923): 254-427-447 = 03 ocorrências
58. Fernão Lopes (Port.-1378?): 410 = 01 ocorrência
59. Fernão Mendes Pinto (Port.-1509?): 291(2)-414-419 = 04 ocorrências
60. Filinto Elísio (Port.-1734): 303-357-404(2) = 04 ocorrências
61. Francisco de Castro (Bras.-1856): 424-447-467 = 03 ocorrências
62. Francisco de Montalverne, Fr. (Bras.-1784): 323-346-441 = 03 ocorrências
63. Francisco de Morais (Port.-1500?): 336-408 = 02 ocorrências
64. Francisco Manuel de Mello, D. (Port.-1608): 246-247(3)-348-361-405-
410-442 = 09 ocorrências
65. Francisco Otaviano (Bras.-1825): 376 = 01 ocorrência
66. Gastão Cruls (Bras.-1888): 441 = 01 ocorrência
67. Gil Vicente (Port.-1465?): 251-293-360-480 = 04 ocorrências
68. Godofredo Rangel (Bras.-1884): 270 = 01 ocorrência
69. Gonçalves de Magalhães (Bras.-1811): 310-327-346 = 03 ocorrências
70. Gonçalves Dias (Bras.-1823): 100-116-246-248-288-293-305-325-346(3)-
347-348(2)-367(2)-368(2)-373-376-404(2)-413-415 = 24 ocorrências
71. Graça Aranha (Bras.-1868): 302 = 01 ocorrência
72. Graciliano Ramos (Bras.-1892): 264-265-390(2)-429-434-436-438-439-442-
511 = 11 ocorrências
73. Guerra Junqueiro (Port.-1850): 358-400-463 = 03 ocorrências
74. Guilherme de Almeida (Bras.-1890): 388 = 01 ocorrência
75. Guimarães Rosa (Bras.-1908): 120-479-482-490-503-505-512 = 07 ocor-
rências
76. Gustavo Barroso (Bras.-1888): 365 = 01 ocorrência
77. Heitor Pinto, Fr. (Port.-1528?): 303(2)-306-321-408-515 = 06 ocorrências
78. Hermes Fontes (Bras.-1888): 59-461-505-516 = 04 ocorrências
79. João da Câmara, D. (Port.-1852): 362 = 01 ocorrência
80. João de Barros (Port.-1496): 337(2)-400-402-408-410 = 06 ocorrências
81. João de Deus (Port.-1830): 369 = 01 ocorrência
82. João de Lemos (Bras.-1819): 334 = 01 ocorrência
83. João Francisco Lisboa (Bras.-1812): 418-446 = 02 ocorrências
84. João Ribeiro (Bras.-1860): 290-321-398-426-431 = 05 ocorrências
85. Joaquim Cardoso (Bras.-1897): 513 = 01 ocorrência
86. Joaquim Manuel de Macedo (Bras.-1820): 471 = 01 ocorrência
87. Joaquim Nabuco (Bras.-1849): 266 = 01 ocorrência
88. Jorge Amado (Bras.-1912): 269-401-518 = 03 ocorrências
89. Jorge de Lima (Bras.-1895): 403 = 01 ocorrência
90. Jorge Ferreira de Vasconcelos (Port.-1515?): 336 = 01 ocorrência
91. José Agostinho de Macedo, Pe. (Port.-1761): 461 = 01 ocorrência
92. José Bonifácio (Bras.-1765): 508 = 01 ocorrência
93. José de Alencar (Bras.-1829): 250-288-334-356-365-395-397-455-461-463
= 10 ocorrências

5
94. José Lins do Rego (Bras.-1901): 282-390-455-484-507-512 = 06 ocorrên-
cias
95. José Oiticica (Bras.-1882): 290-447-459-465 = 04 ocorrências
96. Júlia Lopes de Almeida (Bras.-1862): 444 = 01 ocorrência
97. Júlio Dinis (Port.-1839): 323-374-393-432-468-471 = 06 ocorrências
98. Júlio Nogueira (Bras.-18--?): 403-464 = 02 ocorrências
99. Júlio Ribeiro (Bras.-1845): 413-420-426 = 03 ocorrências
100. Júlio Salusse (Bras.-1872): 388 = 01 ocorrência
101. Junqueira Freire (Bras.-1822): 82-312 = 02 ocorrências
102. Latino Coelho (Port.-1825): 398-415-423-428-433-438-440-441(2) = 09
ocorrências
103. Laudelino Freire (Bras.-1873): 290(2)-393 = 03 ocorrências
104. Lima Barreto (Bras.-1881): 267-428-432 = 03 ocorrências
105. Luís Carlos (Bras.-1880): 468-503 = 02 ocorrências
106. Luís de Camões (Port.-1525?): 117-210-211(2)-232-244-245(3)-248-250-
251-272-273-283-291-292-297(2)-303-311(4)-312(4)-314-321-325-328-
332(5)-334(3)-335-336(2)-338(2)-346-360-362-367-368-369-372(2)-374(3)-
376(3)-377-378(2)-396(2)-401-402-420(3)-463-504-506-511-513(4)-516-518
= 79 ocorrências
107. Luís de Sousa, Fr. (Port.-1555?): 250-251-377-391-392-393-414-423 = 08
ocorrências
108. Luís Delfino (Bras.-1834): 334-377-468 = 03 ocorrências
109. Luís Guimarães (L. G. Júnior?) (Bras.-1845): 327 = 01 ocorrência
110. Machado de Assis (Bras.-1839): 88-244(2)-246-251-259-279-288(3)-302-
303(2)305-306-313-325(2)-326-327(3)-246-348-351-352-356-357(2)-360-
361(2)-362(2)-363(2)-366-368(3)-369-371-373-374-376-377-378-390(2)-
391(4)-392-393-399-400(2)-404(2)-405-406-407-411-413(2)-415(3)-416-
420(2)-421-425(3)-426(2)-427-429-430(2)-431-434(2)-435-436(3)-437(2)-
438(2)-440-443-445(2)-446-459(2)-460-461(2)-462(2)-463-464-467-469-
470-490-492-494-503-510(2)-518-519 = 118 ocorrências
111. Manuel Bandeira (Bras.-1886): 269-270-292-510-519 = 05 ocorrências
112. Manuel Bernardes, Pe. (Port.-1644): 244(2)-245-246-292-308-322-358-
359-361-368-372-392(2)-397-398-399(2)-401(2)-402(2)-410-416(2)-418-508
= 27 ocorrências
113. Maria Eugênia Celso (Bras.-1890): 489 = 01 ocorrência
114. Mário Barreto (Bras.-1879): 425(3) = 03 ocorrências
115. Mário de Andrade (Bras.-1893): 267-396 = 02 ocorrências
116. Marques Rebelo (Bras.-1907): 503 = 01 ocorrência
117. Matias Aires (Bras.-1705): 404 = 01 ocorrência
118. Menotti del Picchia (Bras.-1892): 270-466 = 02 ocorrências
119. Monteiro Lobato (Bras.-1882): 244-348-362-517-518 = 05 ocorrências
120. Múcio Leão (Bras.-1898): 469 = 01 ocorrência
121. Murilo Mendes (Bras.-1901): 484 = 01 ocorrência
122. Odorico Mendes (Bras.-1799): 377-423 = 02 ocorrências
123. Olavo Bilac (Bras.-1865): 31-92-290-291-292(2)-326-327-329(2)-332-

6
333-335-346-348-367-371-372-373-374-422-455-459(2)-460(3)-461(3)-463-
480-481-483-504-508-511-512-515 = 39 ocorrências
124. Olegário Mariano (Bras.-1889): 466 = 01 ocorrência
125. Oliveira Martins (Port.-1845): 421 = 01 ocorrência
126. Osório Duque-Estrada (Bras.-1870): 447 = 01 ocorrência
127. Otávio de Faria (Bras.-1908): 392-421 = 02 ocorrências
128. Pinheiro Chagas (Port.-1842): 421 = 01 ocorrência
129. Rachel de Queiroz (Bras.-1910): 269-388-390-392-402(2)-447-455(2) =
09 ocorrências
130. Raimundo Correia (Bras.-1860): 329-330-332-333-338-377-388-469-482-
483 = 10 ocorrências
131. Raul Bopp (Bras.-1898): 503 = 01 ocorrência
132. Raul de Leoni (Bras.-1895): 59 = 01 ocorrência
133. Raul Pompéia (Bras.-1863): 302-362-468-506 = 01 ocorrência
134. Rebelo da Silva (Port.-1822): 280-289-303-325-351-365-374-418-420-
435-438-439(2)-443-460-462(2) = 17 ocorrências
135. Ribeiro Couto (Bras.-1898): 268 = 01 ocorrência
136. Rodrigues Lobo (Port.-1580): 244-246(2)-248-251-356-358-367-405-
460(2) = 11 ocorrências
137. Ronald de Carvalho (Bras.-1893): 388-465-471-505 = 04 ocorrências
138. Rui Barbosa (Bras.-1849): 59-244(2)-246-259-273-275(2)-302-327-
344(4)-346-357(2)-358-359-360-365-370(4)-372(2)-373-374-376(2)-378-
401-405-413-418-419(2)-422(3)-423-424-425-426(2)-429(2)-434(2)-435-
437-438-441-443(3)-444-445-459-470(3)-514-516 = 65 ocorrências
139. Sá de Miranda (Port.-1481?): 321-337-411 = 03 ocorrências
140. Santa Rita Durão, Fr. (Bras.-1720?): 363 = 01 ocorrência
141. Sena Freitas, Pe. (Port.-1840): 332 = 01 ocorrência
142. Sílvio Romero (Bras.-1851): 290 = 01 ocorrência
143. Tasso da Silveira (Bras.-1895): 388-392-427 = 03 ocorrências
144. Teófilo Dias (Bras.-1857): 324 = 01 ocorrência
145. Tomás Ribeiro (Port.-1831): 250 = 01 ocorrência
146. Viana Moog (Bras.-1906): 427 = 01 ocorrência
147. Vicente de Carvalho (Bras.-1866): 34-327-330-333(2)-376-466 = 07 ocor-
rências
148. Vila da Barra, Barão da (Francisco Bonifácio de Abreu) (Bras.-1819): 316 =
01 ocorrência
149. Viriato Correia (Bras.-1884): 119 = 01 ocorrência
150. Xavier Marques (Bras.-1861): 464 = 01 ocorrência

N. do A.: O levantamento inclui 3 citações entre aspas cuja au-


toria não foi indicada (p. 328) e interpreta algumas indicações
cuja identificação não é suficiente (Constâncio, Frei Domingos
Vieira, Freire e Luís Guimarães). Exclui os exemplos sem au-
toria retirados de outras obras gramaticais e o capítulo “Noções
de Versificação”, no qual a exemplificação precisa ser específi-

7
ca do âmbito da literatura.

Desse total de 1095 citações e 150 autores, 118 frases são de Machado
de Assis, 85 de Camilo Castelo Branco, 82 de Alexandre Herculano, 79 de
Luís de Camões, 65 de Rui Barbosa. Estes cinco escritores, juntos, represen-
tam 39,2% de toda a exemplificação.

As totalizações de cada item ficariam assim resumidas:


 143 autores pertencem ao sexo masculino; 7 ao sexo feminino.
 107 autores são brasileiros; 43 são portugueses.
 02 autores nasceram entre 1378 e 1400;
 04 autores nasceram entre 1401 e 1500;
 11 autores nasceram entre 1501 e 1600;
 05 autores nasceram entre 1601e 1700;
 10 autores nasceram entre 1701 e 1800;
 99 autores nasceram entre 1801 e 1900;
 19 autores nasceram entre 1901 e 1926.

A leitura atenta desse inventário permite buscar variados campos in-


terpretativos, relacionando de modo crítico algumas das afirmações que tra-
dicionalmente perpassam os manuais de língua e de literatura, entre as quais
será inevitável lembrar as referências sobre os usos lingüísticos de nossos
escritores.
Isso, porém, é tarefa que aqui quisemos apenas insinuar, deixando-a
para outros pesquisadores.