Anda di halaman 1dari 3

QUESTOES PENAL NO TEMPO

1. Qual o principio que rege a lei penal no tempo ?

Consoante o principio tempus regit actum, aplica-se a lei vigente, quando da realização do fato, a lei regerá os fatos que foram
praticados durante a sua vigência, não podendo alcançar fatos pretéritos nem aqueles ocorridos depois de sua revogação.
Principio da Anterioridade da lei Art. 1º “não há crime sem lei anterior que o defina. Não a pena sem previa cominação legal”.

2. O que é Vigência da lei ? O que faz cessar a vigência da lei, e como pode ocorrer ?
vigência é desde a data em que começa a valer a lei até que essa lei seja revogada (anulada) ou que, no caso de uma lei
temporária venha exposto o tempo de vigência, ou em caso de leis excepcionais cessem o(s) evento(s) que a fizeram entrar em
vigor( vigorarem), como por exemplo terremotos, tufões, alagamentos, etc.

3. O que é “extratividade” da lei ?

A extra-atividade ocorre quando a lei regula fatos ocorridos fora do período de atividade. Quando for anterior é retroatividade,
quando for posterior é ultra-atividade.

4. Qual o nome como qual se designa uma nova lei que, tratando de matéria já legislada, beneficia, de qualquer
forma, a situação do agente da conduta criminalizada? esta lei pode retroagir ?
Novatio Legis in Mellius, ocorre quando a nova lei é mais branda que a anterior. Lex Militor, será considerada lei mais benigna a
que, de qualquer modo, favorecer o agetne, podendo ser a lei anterior ou posterior, consoante dispõe o texto constitucional,
em seu art. 5º, XL, que diz: “a lei penal não retroagirá, salvo para beneficiar o réu”
5. Qual o nome da lei a qual se designa uma nova lei, tratando de matéria já legislada, Agrava, de qualquer
forma, a situação do agente da conduta criminalizada? Esta lei pode retroagir?
Novatio legis in Pejus, ocorre quando a nova lei e mais severa que a anterior. Lex Gravior, será considerada lei mais grave a que,
de qualquer modo, for mais severa ao agente, não podendo retroagir, sendo somente aplicada aos fatos praticados durante a
sua vigencia.
Nesse caso, vige o principio da Irretroatividade da lei penal. Em suma, a lei penal mais severa só se aplica, enquanto vigente, aos
fatos ocorridos durante o periodode sua vigencia, vedada em caráter obsoluto sua retroatividade.
6. Qual o nome que se da a lei que deixa de considerar crime uma conduta tipificada em lei anterior ? Esta lei pode
retroagir ?
Abolitio Criminis ocorre quando a lei nova exclui da órbita penal um fato considerado crime pela legislação anterior, é o que preceitua o
art 2º da CP.”Ninguem pode ser punido por fato que lei posterior deixa de considerar crime, cessando e, virtude dela a execução e os
efeitos penais da sentença condenatória”
Deve retroagir.
7. Qual o nome com o qual se designa uma nova lei que tipificada conduta anteriormente não considera crime ? esta lei
pode retroagir?
Novatio Legis Incriminadora, ocorre quando o texto da nova lei torna típico um fato que anteriormente não era incriminado.
Neste caso, a nova lei somente será aplicada aos fatos praticados depois do inicio de sua vigência. Todos os fatos praticados
antes do inicio da vigência da nova lei não poderão ser processados, uma vez que e vedado pelo principio da anterioridade da
lei penal.
8. O que é lei excepcional? O que é uma lei temporária? O que ocorre com essas leis do ponto de vista do direito
intertemporal, e sob qual fundamentação legal?

Lei Excepcional ou Temporaria: diz o art 3º, do CP. “A Lei excepcional ou temporária, embora decorrido o período de sua
duraçãoou cesadas as circunstancias que a determinaram, aplica-se ao fato praticado durante a sua vigência

Lei Excepcional: é aquela que vige durante situação de emergência, como calamidade publica, convulsão social, estado de
sitio, revolução epidemia, etc.

Lei temporária: é aquela que possui vigencia permanente fixada pelo legislador.

Essas duas leis se ( auto-revogam ), assim que se cumprir o tempo determinado ( temporário), ou cessar a circunstancia que a
determinou ( excepcional )

9. Quais as teorias formuladas na doutrina a respeito do tempo do crime, e o que as distingue ? qual a teria
adotada pela legislação brasileira ? cite a norma legal.

Atividade: o crime reputa-se praticado no momento da conduta comissiva ou omissiva.


Resultado: o crime é praticado no momento da produção do resultado.

Ubiqüidade ou Mista : o crime considera-se praticado no momento da conduta e no momento do resultado.

Nosso Código Penal adotou a teoria da atividade. Como conseqüência principal, a imputabilidade do agente deve ser auferida
no momento em que o crime é praticado, pouco importando a data em que o resultado venha a ocorrer.

Art. 4°, CP: “Considera-se praticado o crime no momento da ação ou omissão, ainda que outro seja o momento do resultado”.
Ex: Um menor de 17 anos e 11 meses esfaqueia uma senhora, que vem a falecer, em conseqüência desses golpes, 3 meses
depois. Ele não responde pelo crime pois era inimputável à época da infração.

1. 10. Tristão praticou uma conduta durante a vigência da lei “X”, que prevê pena de reclusão por ocasião da sentença a matéria
passa ser regulada por lei “Y”, que comina pena de detenção ( reclusão é pior que detenção para o condenado ). Há conflito
intertemporal? Qual principio a ser aplicado? Sob qual argumento?
Será aplicada a lei quando da realização do fatos que foram praticados durante a sua vigência.

No caso aplica-se o principio da Extratividade da lei mais favorável; o argumento que a lei só pode retroagir salvo para
beneficiar o réu

1. 11. Isolda foi condenada por sentença penal irrecorrível. Durante o cumprimento da pena, surge “novatio legis”, que discrimina a
conduta anteriormente tipificada. Há conflito intertemporal? Qual o principio a ser aplicado? sob qual argumento ? o que
acontecerá com a ré ?
Aplica-se o principio da retroatividade da lei mais benéfica, discriminando a conduta o fato passa a ser atípico, a ré será
excluída do rol dos culpados pelo crime praticado.

Art. 2º – Ninguém pode ser punido por fato que lei posterior deixa de considerar crime, cessando em virtude dela a execução e os
efeitos penais da sentença condenatória
1. 12. Homero foi condenado com base na Lei “X” e cumpre pena, já estando apto ao beneficio da progressão da pena. Uma lei “Y”
apresenta os requisitos para a concessão do beneficio para o crime praticado por Homero. Há conflito intertemporal? Qual o
principio a ser aplicado? sob qual argumento ? O que acontecerá como réu com relação ao beneficio pretendido?
Caso essa concessão seja mais gravosa ao réu, Homero não poderá ser incluído nessa concessão pelo principio da
irretroatividade da lei mais gravosa. Aplica-se aqui

Aplica-se aqui o princípio universalmente aceito do nullum crimen nulla poena sine lege (princípio da Legalidade ou Reserva
Legal ) , que o Código Penal brasileiro colocou no seu artigo primeiro nos seguintes termos: “Art.1. Não há crime sem lei
anterior que o defina. Não há pena sem prévia cominação legal”.
Entretanto caso a lei seja benéfica ela retroagirá em favor do réu.

1. 13. Tiburcio, com 17 anos e 11 meses de idade, esfaqueia uma senhora que vem a falecer, em decorrência dos golpes, somente 03
meses após. Ele responde pelo crime ? justifique,
em matéria de prescrição, o CP adotou a teoria do resultado. O lapso prescricional começa a correr a partir da consumação, e
não do dia em que se deu a ação delituosa. (CP, art. 111, I)

Art. 111 – A prescrição, antes de transitar em julgado a sentença final, começa a correr:
I – do dia em que o crime se consumou

1. 14. Tiburcio, com 17 anos e 11 meses de idades, seqüestra uma senhora e a mantem em cativeiro durante 03 meses, quando
finalmente e preso em flagrante. Ele devera ou não responder pelo crime ? justifique.
No caso de crime permanente, como a conduta se protrai no tempo, o agente responderia pelo delito. Assim, fosse preso
em flagrante 3 meses depois, responderia pelo crime, pois o estaria cometendo na maioridade.

Art. 111 – A prescrição, antes de transitar em julgado a sentença final, começa a correr
III – nos crimes permanentes, do dia em que cessou a permanência

1. 15. O agente de um crime foi condenado a cumprir uma pena de 6 anos, 3 meses e 25 dias, iniciou o cumprimento da pena no dia 7
de junho de 1999, as 17:45 hs. Calcular a data do termino da pena.
Art. 10 – O dia do começo inclui-se no cômputo do prazo. Contam-se os dias, os meses e os anos pelo calendário comum.
Frações não computáveis da pena

Art. 11 – Desprezam-se, nas penas privativas de liberdade e nas restritivas de direitos, as frações de dia, e, na pena de multa, as frações de
cruzeiro

Ou seja, a pena terminará no Ano de 2006 no mês de Outubro

1. 16. Em se tratando de contagem de prazos, há uma diferença entre Direito penal e Direito processual penal. Qual é ela ?
No direito penal quanto mais breve o prazo, melhor para o réu ( incluindo o primeiro dia no computo )

No Direito Processual Penal, quanto mais longe o prazo melhor para o réu ( não se inclui o primeiro dia do computo art 768 § 1
do CPP )
Art. 798. Todos os prazos correrão em cartório e serão contínuos e peremptórios, não se interrompendo por férias, domingo ou
dia feriado.