Anda di halaman 1dari 128

LEGISLAÇÃO BÁSICA

LEGISLAÇÃO BÁSICA
V - igualdade entre os Estados;
VI - defesa da paz;
CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1988 – VII - solução pacífica dos conflitos;
(DOS PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS, VIII - repúdio ao terrorismo e ao racismo;
DOS DIREITOS E GARANTIAS IX - cooperação entre os povos para o progresso da humani-
FUNDAMENTAIS, DA ORGANIZAÇÃO DO dade;
ESTADO, DA DEFESA DO ESTADO E DAS X - concessão de asilo político.
Parágrafo único. A República Federativa do Brasil buscará
INSTITUIÇÕES DEMOCRÁTICAS). a integração econômica, política, social e cultural dos povos da
América Latina, visando à formação de uma comunidade latino-a-
mericana de nações.

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA TÍTULO II


FEDERATIVA DO BRASIL DE 1988 Dos Direitos e Garantias Fundamentais
CAPÍTULO I
PREÂMBULO DOS DIREITOS E DEVERES INDIVIDUAIS E COLETIVOS
Nós, representantes do povo brasileiro, reunidos em Assem-
bleia Nacional Constituinte para instituir um Estado Democrático, Art. 5º Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qual-
destinado a assegurar o exercício dos direitos sociais e individuais, quer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros re-
a liberdade, a segurança, o bem-estar, o desenvolvimento, a igual- sidentes no País a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à
dade e a justiça como valores supremos de uma sociedade frater- igualdade, à segurança e à propriedade, nos termos seguintes:
na, pluralista e sem preconceitos, fundada na harmonia social e I - homens e mulheres são iguais em direitos e obrigações, nos
comprometida, na ordem interna e internacional, com a solução termos desta Constituição;
pacífica das controvérsias, promulgamos, sob a proteção de Deus, II - ninguém será obrigado a fazer ou deixar de fazer alguma
a seguinte CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA coisa senão em virtude de lei;
DO BRASIL. III - ninguém será submetido a tortura nem a tratamento desu-
mano ou degradante;
TÍTULO I IV - é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o
Dos Princípios Fundamentais anonimato;  
V - é assegurado o direito de resposta, proporcional ao agravo,
Art. 1º A República Federativa do Brasil, formada pela união além da indenização por dano material, moral ou à imagem; 
indissolúvel dos Estados e Municípios e do Distrito Federal, cons- VI - é inviolável a liberdade de consciência e de crença, sendo
titui-se em Estado Democrático de Direito e tem como fundamen- assegurado o livre exercício dos cultos religiosos e garantida, na
tos: forma da lei, a proteção aos locais de culto e a suas liturgias;  
I - a soberania; VII - é assegurada, nos termos da lei, a prestação de assistên-
II - a cidadania cia religiosa nas entidades civis e militares de internação coletiva;  
III - a dignidade da pessoa humana; VIII - ninguém será privado de direitos por motivo de crença
religiosa ou de convicção filosófica ou política, salvo se as invocar
IV - os valores sociais do trabalho e da livre iniciativa;
para eximir-se de obrigação legal a todos imposta e recusar-se a
V - o pluralismo político.
cumprir prestação alternativa, fixada em lei;
Parágrafo único. Todo o poder emana do povo, que o exerce
IX - é livre a expressão da atividade intelectual, artística, cien-
por meio de representantes eleitos ou diretamente, nos termos des-
tífica e de comunicação, independentemente de censura ou licença;
ta Constituição.
X - são invioláveis a intimidade, a vida privada, a honra e a
Art. 2º São Poderes da União, independentes e harmônicos
imagem das pessoas, assegurado o direito a indenização pelo dano
entre si, o Legislativo, o Executivo e o Judiciário.
material ou moral decorrente de sua violação;   
Art. 3º Constituem objetivos fundamentais da República Fe- XI - a casa é asilo inviolável do indivíduo, ninguém nela po-
derativa do Brasil: dendo penetrar sem consentimento do morador, salvo em caso de
I - construir uma sociedade livre, justa e solidária; flagrante delito ou desastre, ou para prestar socorro, ou, durante o
II - garantir o desenvolvimento nacional; dia, por determinação judicial;  
III - erradicar a pobreza e a marginalização e reduzir as desi- XII - é inviolável o sigilo da correspondência e das comunica-
gualdades sociais e regionais; ções telegráficas, de dados e das comunicações telefônicas, salvo,
IV - promover o bem de todos, sem preconceitos de origem, no último caso, por ordem judicial, nas hipóteses e na forma que
raça, sexo, cor, idade e quaisquer outras formas de discriminação. a lei estabelecer para fins de investigação criminal ou instrução
Art. 4º A República Federativa do Brasil rege-se nas suas rela- processual penal;  
ções internacionais pelos seguintes princípios:   XIII - é livre o exercício de qualquer trabalho, ofício ou
I - independência nacional; profissão, atendidas as qualificações profissionais que a lei es-
II - prevalência dos direitos humanos; tabelecer;   
III - autodeterminação dos povos; XIV - é assegurado a todos o acesso à informação e resguar-
IV - não-intervenção; dado o sigilo da fonte, quando necessário ao exercício profissional;  

Didatismo e Conhecimento 1
LEGISLAÇÃO BÁSICA
XV - é livre a locomoção no território nacional em tempo de XXXIV - são a todos assegurados, independentemente do pa-
paz, podendo qualquer pessoa, nos termos da lei, nele entrar, per- gamento de taxas:
manecer ou dele sair com seus bens; a) o direito de petição aos Poderes Públicos em defesa de direi-
XVI - todos podem reunir-se pacificamente, sem armas, em lo- tos ou contra ilegalidade ou abuso de poder;
cais abertos ao público, independentemente de autorização, desde que b) a obtenção de certidões em repartições públicas, para defesa
não frustrem outra reunião anteriormente convocada para o mesmo de direitos e esclarecimento de situações de interesse pessoal;
local, sendo apenas exigido prévio aviso à autoridade competente; XXXV - a lei não excluirá da apreciação do Poder Judiciário
XVII - é plena a liberdade de associação para fins lícitos, vedada lesão ou ameaça a direito;
a de caráter paramilitar; XXXVI - a lei não prejudicará o direito adquirido, o ato jurídico
XVIII - a criação de associações e, na forma da lei, a de coopera- perfeito e a coisa julgada;
tivas independem de autorização, sendo vedada a interferência estatal
XXXVII - não haverá juízo ou tribunal de exceção;
em seu funcionamento;
XXXVIII - é reconhecida a instituição do júri, com a organiza-
XIX - as associações só poderão ser compulsoriamente dissolvi-
das ou ter suas atividades suspensas por decisão judicial, exigindo-se, ção que lhe der a lei, assegurados:
no primeiro caso, o trânsito em julgado; a) a plenitude de defesa;
XX - ninguém poderá ser compelido a associar-se ou a perma- b) o sigilo das votações;
necer associado; c) a soberania dos veredictos;
XXI - as entidades associativas, quando expressamente autoriza- d) a competência para o julgamento dos crimes dolosos contra
das, têm legitimidade para representar seus filiados judicial ou extra- a vida;
judicialmente; XXXIX - não há crime sem lei anterior que o defina, nem pena
XXII - é garantido o direito de propriedade; sem prévia cominação legal;
 XXIII - a propriedade atenderá a sua função social; XL - a lei penal não retroagirá, salvo para beneficiar o réu;
XXIV - a lei estabelecerá o procedimento para desapropriação XLI - a lei punirá qualquer discriminação atentatória dos direi-
por necessidade ou utilidade pública, ou por interesse social, mediante tos e liberdades fundamentais;
justa e prévia indenização em dinheiro, ressalvados os casos previstos XLII - a prática do racismo constitui crime inafiançável e im-
nesta Constituição; prescritível, sujeito à pena de reclusão, nos termos da lei;
 XXV - no caso de iminente perigo público, a autoridade compe-  XLIII - a lei considerará crimes inafiançáveis e insuscetíveis de
tente poderá usar de propriedade particular, assegurada ao proprietário graça ou anistia a prática da tortura , o tráfico ilícito de entorpecentes
indenização ulterior, se houver dano; e drogas afins, o terrorismo e os definidos como crimes hediondos,
XXVI - a pequena propriedade rural, assim definida em lei, desde
por eles respondendo os mandantes, os executores e os que, poden-
que trabalhada pela família, não será objeto de penhora para paga-
do evitá-los, se omitirem;   (Regulamento)
mento de débitos decorrentes de sua atividade produtiva, dispondo a
lei sobre os meios de financiar o seu desenvolvimento; XLIV - constitui crime inafiançável e imprescritível a ação de
XXVII - aos autores pertence o direito exclusivo de utilização, grupos armados, civis ou militares, contra a ordem constitucional e
publicação ou reprodução de suas obras, transmissível aos herdeiros o Estado Democrático;
pelo tempo que a lei fixar; XLV - nenhuma pena passará da pessoa do condenado, poden-
XXVIII - são assegurados, nos termos da lei: do a obrigação de reparar o dano e a decretação do perdimento de
a) a proteção às participações individuais em obras coletivas e à bens ser, nos termos da lei, estendidas aos sucessores e contra eles
reprodução da imagem e voz humanas, inclusive nas atividades des- executadas, até o limite do valor do patrimônio transferido;
portivas; XLVI - a lei regulará a individualização da pena e adotará, entre
b) o direito de fiscalização do aproveitamento econômico das outras, as seguintes:
obras que criarem ou de que participarem aos criadores, aos intérpre- a) privação ou restrição da liberdade;
tes e às respectivas representações sindicais e associativas; b) perda de bens;
XXIX - a lei assegurará aos autores de inventos industriais privi- c) multa;
légio temporário para sua utilização, bem como proteção às criações d) prestação social alternativa;
industriais, à propriedade das marcas, aos nomes de empresas e a ou- e) suspensão ou interdição de direitos;
tros signos distintivos, tendo em vista o interesse social e o desenvol- XLVII - não haverá penas:
vimento tecnológico e econômico do País; a) de morte, salvo em caso de guerra declarada, nos termos do
XXX - é garantido o direito de herança;
art. 84, XIX;
XXXI - a sucessão de bens de estrangeiros situados no País será
b) de caráter perpétuo;
regulada pela lei brasileira em benefício do cônjuge ou dos filhos bra-
sileiros, sempre que não lhes seja mais favorável a lei pessoal do “de c) de trabalhos forçados;
cujus”; d) de banimento;
XXXII - o Estado promoverá, na forma da lei, a defesa do con- e) cruéis;
sumidor; XLVIII - a pena será cumprida em estabelecimentos distintos,
XXXIII - todos têm direito a receber dos órgãos públicos infor- de acordo com a natureza do delito, a idade e o sexo do apenado;
mações de seu interesse particular, ou de interesse coletivo ou geral, XLIX - é assegurado aos presos o respeito à integridade física
que serão prestadas no prazo da lei, sob pena de responsabilidade, e moral;
ressalvadas aquelas cujo sigilo seja imprescindível à segurança da L - às presidiárias serão asseguradas condições para que possam
sociedade e do Estado; permanecer com seus filhos durante o período de amamentação;

Didatismo e Conhecimento 2
LEGISLAÇÃO BÁSICA
LI - nenhum brasileiro será extraditado, salvo o naturalizado, LXXII - conceder-se-á habeas data:
em caso de crime comum, praticado antes da naturalização, ou de a) para assegurar o conhecimento de informações relativas à
comprovado envolvimento em tráfico ilícito de entorpecentes e dro- pessoa do impetrante, constantes de registros ou bancos de dados
gas afins, na forma da lei; de entidades governamentais ou de caráter público;
LII - não será concedida extradição de estrangeiro por crime b) para a retificação de dados, quando não se prefira fazê-lo
político ou de opinião; por processo sigiloso, judicial ou administrativo;
LIII - ninguém será processado nem sentenciado senão pela au- LXXIII - qualquer cidadão é parte legítima para propor ação
toridade competente; popular que vise a anular ato lesivo ao patrimônio público ou de
LIV - ninguém será privado da liberdade ou de seus bens sem o entidade de que o Estado participe, à moralidade administrativa,
devido processo legal; ao meio ambiente e ao patrimônio histórico e cultural, ficando o
LV - aos litigantes, em processo judicial ou administrativo, e autor, salvo comprovada má-fé, isento de custas judiciais e do ônus
aos acusados em geral são assegurados o contraditório e ampla de- da sucumbência;
fesa, com os meios e recursos a ela inerentes; LXXIV - o Estado prestará assistência jurídica integral e gra-
LVI - são inadmissíveis, no processo, as provas obtidas por tuita aos que comprovarem insuficiência de recursos;
meios ilícitos;
LXXV - o Estado indenizará o condenado por erro judiciário,
LVII - ninguém será considerado culpado até o trânsito em jul-
assim como o que ficar preso além do tempo fixado na sentença;
gado de sentença penal condenatória;
LXXVI - são gratuitos para os reconhecidamente pobres, na
LVIII - o civilmente identificado não será submetido a identifi-
cação criminal, salvo nas hipóteses previstas em lei; (Regulamento). forma da lei:   (Vide Lei nº 7.844, de 1989)
LIX - será admitida ação privada nos crimes de ação pública, se a) o registro civil de nascimento;
esta não for intentada no prazo legal; b) a certidão de óbito;
LX - a lei só poderá restringir a publicidade dos atos proces- LXXVII - são gratuitas as ações de habeas corpus e habeas
suais quando a defesa da intimidade ou o interesse social o exigirem; data, e, na forma da lei, os atos necessários ao exercício da cida-
LXI - ninguém será preso senão em flagrante delito ou por or- dania.
dem escrita e fundamentada de autoridade judiciária competente, LXXVIII a todos, no âmbito judicial e administrativo, são as-
salvo nos casos de transgressão militar ou crime propriamente mili- segurados a razoável duração do processo e os meios que garantam
tar, definidos em lei; a celeridade de sua tramitação. (Incluído pela Emenda Constitu-
LXII - a prisão de qualquer pessoa e o local onde se encontre cional nº 45, de 2004)
serão comunicados imediatamente ao juiz competente e à família do § 1º As normas definidoras dos direitos e garantias fundamen-
preso ou à pessoa por ele indicada; tais têm aplicação imediata.
LXIII - o preso será informado de seus direitos, entre os quais o § 2º Os direitos e garantias expressos nesta Constituição não
de permanecer calado, sendo-lhe assegurada a assistência da família excluem outros decorrentes do regime e dos princípios por ela ado-
e de advogado; tados, ou dos tratados internacionais em que a República Federati-
LXIV - o preso tem direito à identificação dos responsáveis por va do Brasil seja parte.
sua prisão ou por seu interrogatório policial; § 3º Os tratados e convenções internacionais sobre direitos
LXV - a prisão ilegal será imediatamente relaxada pela autori- humanos que forem aprovados, em cada Casa do Congresso Na-
dade judiciária; cional, em dois turnos, por três quintos dos votos dos respectivos
LXVI - ninguém será levado à prisão ou nela mantido, quando membros, serão equivalentes às emendas constitucionais. (Incluí-
a lei admitir a liberdade provisória, com ou sem fiança; do pela Emenda Constitucional nº 45, de 2004)  (Atos aprovados
LXVII - não haverá prisão civil por dívida, salvo a do respon- na forma deste parágrafo)
sável pelo inadimplemento voluntário e inescusável de obrigação § 4º O Brasil se submete à jurisdição de Tribunal Penal Inter-
alimentícia e a do depositário infiel; nacional a cuja criação tenha manifestado adesão. (Incluído pela
LXVIII - conceder-se-á habeas corpus sempre que alguém so-
Emenda Constitucional nº 45, de 2004)
frer ou se achar ameaçado de sofrer violência ou coação em sua
liberdade de locomoção, por ilegalidade ou abuso de poder;
CAPÍTULO II
LXIX - conceder-se-á mandado de segurança para proteger di-
reito líquido e certo, não amparado por habeas corpus ou habeas DOS DIREITOS SOCIAIS
data, quando o responsável pela ilegalidade ou abuso de poder for
autoridade pública ou agente de pessoa jurídica no exercício de atri- Art. 6º São direitos sociais a educação, a saúde, a alimentação,
buições do Poder Público; o trabalho, a moradia, o transporte, o lazer, a segurança, a previ-
LXX - o mandado de segurança coletivo pode ser impetrado dência social, a proteção à maternidade e à infância, a assistência
por: aos desamparados, na forma desta Constituição.   (Redação dada
a) partido político com representação no Congresso Nacional; pela Emenda Constitucional nº 90, de 2015)
b) organização sindical, entidade de classe ou associação legal- Art. 7º São direitos dos trabalhadores urbanos e rurais, além
mente constituída e em funcionamento há pelo menos um ano, em de outros que visem à melhoria de sua condição social:
defesa dos interesses de seus membros ou associados; I - relação de emprego protegida contra despedida arbitrária
LXXI - conceder-se-á mandado de injunção sempre que a falta ou sem justa causa, nos termos de lei complementar, que preverá
de norma regulamentadora torne inviável o exercício dos direitos e indenização compensatória, dentre outros direitos;
liberdades constitucionais e das prerrogativas inerentes à naciona- II - seguro-desemprego, em caso de desemprego involuntário;
lidade, à soberania e à cidadania; III - fundo de garantia do tempo de serviço;

Didatismo e Conhecimento 3
LEGISLAÇÃO BÁSICA
IV - salário mínimo , fixado em lei, nacionalmente unificado, XXIX - ação, quanto aos créditos resultantes das relações de
capaz de atender a suas necessidades vitais básicas e às de sua fa- trabalho, com prazo prescricional de cinco anos para os trabalha-
mília com moradia, alimentação, educação, saúde, lazer, vestuário, dores urbanos e rurais, até o limite de dois anos após a extinção do
higiene, transporte e previdência social, com reajustes periódicos contrato de trabalho; (Redação dada pela Emenda Constitucional
que lhe preservem o poder aquisitivo, sendo vedada sua vincula- nº 28, de 25/05/2000)
ção para qualquer fim; a) (Revogada). (Redação dada pela Emenda Constitucional nº
V - piso salarial proporcional à extensão e à complexidade do 28, de 25/05/2000)
trabalho; b) (Revogada). (Redação dada pela Emenda Constitucional nº
VI - irredutibilidade do salário, salvo o disposto em conven- 28, de 25/05/2000)
ção ou acordo coletivo; XXX - proibição de diferença de salários, de exercício de fun-
VII - garantia de salário, nunca inferior ao mínimo, para os ções e de critério de admissão por motivo de sexo, idade, cor ou
que percebem remuneração variável; estado civil;
VIII - décimo terceiro salário com base na remuneração inte- XXXI - proibição de qualquer discriminação no tocante a salá-
rio e critérios de admissão do trabalhador portador de deficiência;
gral ou no valor da aposentadoria;
XXXII - proibição de distinção entre trabalho manual, técnico
IX – remuneração do trabalho noturno superior à do diurno;
e intelectual ou entre os profissionais respectivos;
X - proteção do salário na forma da lei, constituindo crime sua
XXXIII - proibição de trabalho noturno, perigoso ou insalu-
retenção dolosa;
bre a menores de dezoito e de qualquer trabalho a menores de de-
XI – participação nos lucros, ou resultados, desvinculada da zesseis anos, salvo na condição de aprendiz, a partir de quatorze
remuneração, e, excepcionalmente, participação na gestão da em- anos; (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 20, de 1998)
presa, conforme definido em lei; XXXIV - igualdade de direitos entre o trabalhador com víncu-
XII - salário-família pago em razão do dependente do tra- lo empregatício permanente e o trabalhador avulso.
balhador de baixa renda nos termos da lei; (Redação dada pela Parágrafo único. São assegurados à categoria dos trabalhado-
Emenda Constitucional nº 20, de 1998) res domésticos os direitos previstos nos incisos IV, VI, VII, VIII,
XIII - duração do trabalho normal não superior a oito horas X, XIII, XV, XVI, XVII, XVIII, XIX, XXI, XXII, XXIV, XXVI,
diárias e quarenta e quatro semanais, facultada a compensação de XXX, XXXI e XXXIII e, atendidas as condições estabelecidas em
horários e a redução da jornada, mediante acordo ou convenção lei e observada a simplificação do cumprimento das obrigações
coletiva de trabalho; (vide Decreto-Lei nº 5.452, de 1943) tributárias, principais e acessórias, decorrentes da relação de tra-
XIV - jornada de seis horas para o trabalho realizado em tur- balho e suas peculiaridades, os previstos nos incisos I, II, III, IX,
nos ininterruptos de revezamento, salvo negociação coletiva; XII, XXV e XXVIII, bem como a sua integração à previdência so-
XV - repouso semanal remunerado, preferencialmente aos do- cial.   (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 72, de 2013)
mingos; Art. 8º É livre a associação profissional ou sindical, observado
XVI - remuneração do serviço extraordinário superior, no mí- o seguinte:
nimo, em cinquenta por cento à do normal; (Vide Del 5.452, art. I - a lei não poderá exigir autorização do Estado para a fun-
59 § 1º) dação de sindicato, ressalvado o registro no órgão competente,
XVII - gozo de férias anuais remuneradas com, pelo menos, vedadas ao Poder Público a interferência e a intervenção na orga-
um terço a mais do que o salário normal; nização sindical;
XVIII - licença à gestante, sem prejuízo do emprego e do sa- II - é vedada a criação de mais de uma organização sindical,
lário, com a duração de cento e vinte dias; em qualquer grau, representativa de categoria profissional ou eco-
XIX - licença-paternidade, nos termos fixados em lei; nômica, na mesma base territorial, que será definida pelos traba-
XX - proteção do mercado de trabalho da mulher, mediante lhadores ou empregadores interessados, não podendo ser inferior à
incentivos específicos, nos termos da lei; área de um Município;
III - ao sindicato cabe a defesa dos direitos e interesses cole-
XXI - aviso prévio proporcional ao tempo de serviço, sendo
tivos ou individuais da categoria, inclusive em questões judiciais
no mínimo de trinta dias, nos termos da lei;
ou administrativas;
XXII - redução dos riscos inerentes ao trabalho, por meio de
IV - a Assembleia geral fixará a contribuição que, em se tra-
normas de saúde, higiene e segurança;
tando de categoria profissional, será descontada em folha, para
XXIII - adicional de remuneração para as atividades penosas, custeio do sistema confederativo da representação sindical respec-
insalubres ou perigosas, na forma da lei; tiva, independentemente da contribuição prevista em lei;
XXIV - aposentadoria; V - ninguém será obrigado a filiar-se ou a manter-se filiado a
XXV - assistência gratuita aos filhos e dependentes desde o sindicato;
nascimento até 5 (cinco) anos de idade em creches e pré-esco- VI - é obrigatória a participação dos sindicatos nas negocia-
las; (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 53, de 2006) ções coletivas de trabalho;
XXVI - reconhecimento das convenções e acordos coletivos VII - o aposentado filiado tem direito a votar e ser votado nas
de trabalho; organizações sindicais;
XXVII - proteção em face da automação, na forma da lei; VIII - é vedada a dispensa do empregado sindicalizado a par-
XXVIII - seguro contra acidentes de trabalho, a cargo do tir do registro da candidatura a cargo de direção ou representação
empregador, sem excluir a indenização a que este está obrigado, sindical e, se eleito, ainda que suplente, até um ano após o final do
quando incorrer em dolo ou culpa; mandato, salvo se cometer falta grave nos termos da lei.

Didatismo e Conhecimento 4
LEGISLAÇÃO BÁSICA
Parágrafo único. As disposições deste artigo aplicam-se à or- V - da carreira diplomática;
ganização de sindicatos rurais e de colônias de pescadores, atendi- VI - de oficial das Forças Armadas.
das as condições que a lei estabelecer. VII - de Ministro de Estado da Defesa (Incluído pela Emenda
Art. 9º É assegurado o direito de greve, competindo aos tra- Constitucional nº 23, de 1999)
balhadores decidir sobre a oportunidade de exercê-lo e sobre os § 4º - Será declarada a perda da nacionalidade do brasileiro que:
interesses que devam por meio dele defender. I - tiver cancelada sua naturalização, por sentença judicial, em
§ 1º A lei definirá os serviços ou atividades essenciais e dis- virtude de atividade nociva ao interesse nacional;
porá sobre o atendimento das necessidades inadiáveis da comuni- II - adquirir outra nacionalidade, salvo nos casos: (Redação dada
dade. pela Emenda Constitucional de Revisão nº 3, de 1994)
§ 2º Os abusos cometidos sujeitam os responsáveis às penas a) de reconhecimento de nacionalidade originária pela lei estran-
da lei. geira; (Incluído pela Emenda Constitucional de Revisão nº 3, de 1994)
Art. 10. É assegurada a participação dos trabalhadores e em- b) de imposição de naturalização, pela norma estrangeira, ao bra-
pregadores nos colegiados dos órgãos públicos em que seus inte- sileiro residente em estado estrangeiro, como condição para perma-
resses profissionais ou previdenciários sejam objeto de discussão nência em seu território ou para o exercício de direitos civis; (Incluído
e deliberação. pela Emenda Constitucional de Revisão nº 3, de 1994)
 Art. 11. Nas empresas de mais de duzentos empregados, é Art. 13. A língua portuguesa é o idioma oficial da República Fe-
assegurada a eleição de um representante destes com a finalidade derativa do Brasil.
exclusiva de promover-lhes o entendimento direto com os empre- § 1º São símbolos da República Federativa do Brasil a bandeira,
gadores. o hino, as armas e o selo nacionais.
§ 2º Os Estados, o Distrito Federal e os Municípios poderão ter
CAPÍTULO III símbolos próprios.
DA NACIONALIDADE
CAPÍTULO IV
Art. 12. São brasileiros: DOS DIREITOS POLÍTICOS
I - natos:
Art. 14. A soberania popular será exercida pelo sufrágio universal
a) os nascidos na República Federativa do Brasil, ainda que
e pelo voto direto e secreto, com valor igual para todos, e, nos termos
de pais estrangeiros, desde que estes não estejam a serviço de seu
da lei, mediante:
país;
I - plebiscito;
b) os nascidos no estrangeiro, de pai brasileiro ou mãe brasi-
II - referendo;
leira, desde que qualquer deles esteja a serviço da República Fe-
III - iniciativa popular.
derativa do Brasil;
§ 1º O alistamento eleitoral e o voto são:
c) os nascidos no estrangeiro de pai brasileiro ou de mãe bra-
I - obrigatórios para os maiores de dezoito anos;
sileira, desde que sejam registrados em repartição brasileira com-
II - facultativos para:
petente ou venham a residir na República Federativa do Brasil e a) os analfabetos;
optem, em qualquer tempo, depois de atingida a maioridade, pela b) os maiores de setenta anos;
nacionalidade brasileira; (Redação dada pela Emenda Constitucio- c) os maiores de dezesseis e menores de dezoito anos.
nal nº 54, de 2007) § 2º Não podem alistar-se como eleitores os estrangeiros e, du-
II - naturalizados: rante o período do serviço militar obrigatório, os conscritos.
a) os que, na forma da lei, adquiram a nacionalidade brasilei- § 3º São condições de elegibilidade, na forma da lei:
ra, exigidas aos originários de países de língua portuguesa apenas I - a nacionalidade brasileira;
residência por um ano ininterrupto e idoneidade moral; II - o pleno exercício dos direitos políticos;
b) os estrangeiros de qualquer nacionalidade, residentes na III - o alistamento eleitoral;
República Federativa do Brasil há mais de quinze anos ininterrup- IV - o domicílio eleitoral na circunscrição;
tos e sem condenação penal, desde que requeiram a nacionalidade V - a filiação partidária; Regulamento
brasileira. (Redação dada pela Emenda Constitucional de Revisão VI - a idade mínima de:
nº 3, de 1994) a) trinta e cinco anos para Presidente e Vice-Presidente da Repú-
§ 1º   Aos portugueses com residência permanente no País, blica e Senador;
se houver reciprocidade em favor de brasileiros, serão atribuídos b) trinta anos para Governador e Vice-Governador de Estado e
os direitos inerentes ao brasileiro, salvo os casos previstos nesta do Distrito Federal;
Constituição. (Redação dada pela Emenda Constitucional de Re- c) vinte e um anos para Deputado Federal, Deputado Estadual ou
visão nº 3, de 1994) Distrital, Prefeito, Vice-Prefeito e juiz de paz;
§ 2º A lei não poderá estabelecer distinção entre brasileiros d) dezoito anos para Vereador.
natos e naturalizados, salvo nos casos previstos nesta Constituição. § 4º São inelegíveis os inalistáveis e os analfabetos.
§ 3º São privativos de brasileiro nato os cargos: § 5º O Presidente da República, os Governadores de Estado e do
I - de Presidente e Vice-Presidente da República; Distrito Federal, os Prefeitos e quem os houver sucedido, ou substi-
II - de Presidente da Câmara dos Deputados; tuído no curso dos mandatos poderão ser reeleitos para um único
III - de Presidente do Senado Federal; período subsequente. (Redação dada pela Emenda Constitucional
IV - de Ministro do Supremo Tribunal Federal; nº 16, de 1997)

Didatismo e Conhecimento 5
LEGISLAÇÃO BÁSICA
§ 6º Para concorrerem a outros cargos, o Presidente da Repú- § 1º É assegurada aos partidos políticos autonomia para defi-
blica, os Governadores de Estado e do Distrito Federal e os Pre- nir sua estrutura interna, organização e funcionamento e para ado-
feitos devem renunciar aos respectivos mandatos até seis meses tar os critérios de escolha e o regime de suas coligações eleitorais,
antes do pleito. sem obrigatoriedade de vinculação entre as candidaturas em âmbi-
§ 7º São inelegíveis, no território de jurisdição do titular, o to nacional, estadual, distrital ou municipal, devendo seus estatu-
cônjuge e os parentes consanguíneos ou afins, até o segundo grau tos estabelecer normas de disciplina e fidelidade partidária. (Reda-
ou por adoção, do Presidente da República, de Governador de Es- ção dada pela Emenda Constitucional nº 52, de 2006)
tado ou Território, do Distrito Federal, de Prefeito ou de quem os § 2º Os partidos políticos, após adquirirem personalidade ju-
haja substituído dentro dos seis meses anteriores ao pleito, salvo se rídica, na forma da lei civil, registrarão seus estatutos no Tribunal
já titular de mandato eletivo e candidato à reeleição. Superior Eleitoral.
§ 8º O militar alistável é elegível, atendidas as seguintes con- § 3º Os partidos políticos têm direito a recursos do fundo par-
dições: tidário e acesso gratuito ao rádio e à televisão, na forma da lei.
I - se contar menos de dez anos de serviço, deverá afastar-se § 4º É vedada a utilização pelos partidos políticos de organi-
da atividade; zação paramilitar.
II - se contar mais de dez anos de serviço, será agregado pela
autoridade superior e, se eleito, passará automaticamente, no ato TÍTULO III
da diplomação, para a inatividade. Da Organização do Estado
§ 9º  Lei complementar estabelecerá outros casos de inelegi- CAPÍTULO I
bilidade e os prazos de sua cessação, a fim de proteger a probidade DA ORGANIZAÇÃO POLÍTICO-ADMINISTRATIVA
administrativa, a moralidade para exercício de mandato conside-
rada vida pregressa do candidato, e a normalidade e legitimidade Art. 18. A organização político-administrativa da República
das eleições contra a influência do poder econômico ou o abuso do Federativa do Brasil compreende a União, os Estados, o Distri-
exercício de função, cargo ou emprego na administração direta ou to Federal e os Municípios, todos autônomos, nos termos desta
indireta.  (Redação dada pela Emenda Constitucional de Revisão Constituição.
nº 4, de 1994) § 1º Brasília é a Capital Federal.
§ 10. O mandato eletivo poderá ser impugnado ante a Justiça § 2º Os Territórios Federais integram a União, e sua criação,
Eleitoral no prazo de quinze dias contados da diplomação, instruí-
transformação em Estado ou reintegração ao Estado de origem se-
da a ação com provas de abuso do poder econômico, corrupção
rão reguladas em lei complementar.
ou fraude.
§ 3º Os Estados podem incorporar-se entre si, subdividir-se
§ 11. A ação de impugnação de mandato tramitará em segredo
ou desmembrar-se para se anexarem a outros, ou formarem novos
de justiça, respondendo o autor, na forma da lei, se temerária ou
Estados ou Territórios Federais, mediante aprovação da população
de manifesta má-fé.
diretamente interessada, através de plebiscito, e do Congresso Na-
Art. 15. É vedada a cassação de direitos políticos, cuja perda
cional, por lei complementar.
ou suspensão só se dará nos casos de:
§ 4º A criação, a incorporação, a fusão e o desmembramento
I - cancelamento da naturalização por sentença transitada em
julgado; de Municípios, far-se-ão por lei estadual, dentro do período de-
II - incapacidade civil absoluta; terminado por Lei Complementar Federal, e dependerão de con-
III - condenação criminal transitada em julgado, enquanto du- sulta prévia, mediante plebiscito, às populações dos Municípios
rarem seus efeitos; envolvidos, após divulgação dos Estudos de Viabilidade Munici-
IV - recusa de cumprir obrigação a todos imposta ou prestação pal, apresentados e publicados na forma da lei. (Redação dada pela
alternativa, nos termos do art. 5º, VIII; Emenda Constitucional nº 15, de 1996)
V - improbidade administrativa, nos termos do art. 37, § 4º. Art. 19. É vedado à União, aos Estados, ao Distrito Federal e
Art. 16. A lei que alterar o processo eleitoral entrará em vigor aos Municípios:
na data de sua publicação, não se aplicando à eleição que ocorra I - estabelecer cultos religiosos ou igrejas, subvencioná-los,
até um ano da data de sua vigência. (Redação dada pela Emenda embaraçar-lhes o funcionamento ou manter com eles ou seus re-
Constitucional nº 4, de 1993) presentantes relações de dependência ou aliança, ressalvada, na
forma da lei, a colaboração de interesse público;
CAPÍTULO V II - recusar fé aos documentos públicos;
DOS PARTIDOS POLÍTICOS III - criar distinções entre brasileiros ou preferências entre si.

Art. 17. É livre a criação, fusão, incorporação e extinção de CAPÍTULO II


partidos políticos, resguardados a soberania nacional, o regime de- DA UNIÃO
mocrático, o pluripartidarismo, os direitos fundamentais da pessoa
humana e observados os seguintes preceitos: Regulamento Art. 20. São bens da União:
I - caráter nacional; I - os que atualmente lhe pertencem e os que lhe vierem a ser
II - proibição de recebimento de recursos financeiros de enti- atribuídos;
dade ou governo estrangeiros ou de subordinação a estes; II - as terras devolutas indispensáveis à defesa das fronteiras,
III - prestação de contas à Justiça Eleitoral; das fortificações e construções militares, das vias federais de co-
IV - funcionamento parlamentar de acordo com a lei. municação e à preservação ambiental, definidas em lei;

Didatismo e Conhecimento 6
LEGISLAÇÃO BÁSICA
III - os lagos, rios e quaisquer correntes de água em terrenos b) os serviços e instalações de energia elétrica e o aproveita-
de seu domínio, ou que banhem mais de um Estado, sirvam de mento energético dos cursos de água, em articulação com os Esta-
limites com outros países, ou se estendam a território estrangeiro dos onde se situam os potenciais hidroenergéticos;
ou dele provenham, bem como os terrenos marginais e as praias c) a navegação aérea, aeroespacial e a infra-estrutura aeropor-
fluviais; tuária;
IV as ilhas fluviais e lacustres nas zonas limítrofes com ou- d) os serviços de transporte ferroviário e aquaviário entre por-
tros países; as praias marítimas; as ilhas oceânicas e as costeiras, tos brasileiros e fronteiras nacionais, ou que transponham os limi-
excluídas, destas, as que contenham a sede de Municípios, exceto tes de Estado ou Território;
aquelas áreas afetadas ao serviço público e a unidade ambiental e) os serviços de transporte rodoviário interestadual e interna-
federal, e as referidas no art. 26, II; (Redação dada pela Emenda cional de passageiros;
Constitucional nº 46, de 2005) f) os portos marítimos, fluviais e lacustres;
V - os recursos naturais da plataforma continental e da zona XIII - organizar e manter o Poder Judiciário, o Ministério Pú-
econômica exclusiva; blico do Distrito Federal e dos Territórios e a Defensoria Pública
VI - o mar territorial; dos Territórios; (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 69,
VII - os terrenos de marinha e seus acrescidos; de 2012)  (Produção de efeito)
VIII - os potenciais de energia hidráulica; XIV - organizar e manter a polícia civil, a polícia militar e o
IX - os recursos minerais, inclusive os do subsolo; corpo de bombeiros militar do Distrito Federal, bem como prestar
X - as cavidades naturais subterrâneas e os sítios arqueológi- assistência financeira ao Distrito Federal para a execução de ser-
cos e pré-históricos; viços públicos, por meio de fundo próprio; (Redação dada pela
XI - as terras tradicionalmente ocupadas pelos índios. Emenda Constitucional nº 19, de 1998)
§ 1º É assegurada, nos termos da lei, aos Estados, ao Distrito XV - organizar e manter os serviços oficiais de estatística,
Federal e aos Municípios, bem como a órgãos da administração di- geografia, geologia e cartografia de âmbito nacional;
reta da União, participação no resultado da exploração de petróleo XVI - exercer a classificação, para efeito indicativo, de diver-
ou gás natural, de recursos hídricos para fins de geração de energia sões públicas e de programas de rádio e televisão;
elétrica e de outros recursos minerais no respectivo território, pla- XVII - conceder anistia;
taforma continental, mar territorial ou zona econômica exclusiva, XVIII - planejar e promover a defesa permanente contra as
ou compensação financeira por essa exploração. calamidades públicas, especialmente as secas e as inundações;
§ 2º A faixa de até cento e cinquenta quilômetros de largura, XIX - instituir sistema nacional de gerenciamento de recursos
ao longo das fronteiras terrestres, designada como faixa de frontei-
hídricos e definir critérios de outorga de direitos de seu uso; (Re-
ra, é considerada fundamental para defesa do território nacional, e
gulamento)
sua ocupação e utilização serão reguladas em lei.
XX - instituir diretrizes para o desenvolvimento urbano, in-
Art. 21. Compete à União:
clusive habitação, saneamento básico e transportes urbanos;
I - manter relações com Estados estrangeiros e participar de
XXI - estabelecer princípios e diretrizes para o sistema nacio-
organizações internacionais;
nal de viação;
II - declarar a guerra e celebrar a paz;
XXII - executar os serviços de polícia marítima, aeroportuária
III - assegurar a defesa nacional;
IV - permitir, nos casos previstos em lei complementar, que e de fronteiras; (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 19,
forças estrangeiras transitem pelo território nacional ou nele per- de 1998)
maneçam temporariamente; XXIII - explorar os serviços e instalações nucleares de qual-
V - decretar o estado de sítio, o estado de defesa e a interven- quer natureza e exercer monopólio estatal sobre a pesquisa, a la-
ção federal; vra, o enriquecimento e reprocessamento, a industrialização e o
VI - autorizar e fiscalizar a produção e o comércio de material comércio de minérios nucleares e seus derivados, atendidos os se-
bélico; guintes princípios e condições:
VII - emitir moeda; a) toda atividade nuclear em território nacional somente será
VIII - administrar as reservas cambiais do País e fiscalizar admitida para fins pacíficos e mediante aprovação do Congresso
as operações de natureza financeira, especialmente as de crédito, Nacional;
câmbio e capitalização, bem como as de seguros e de previdência b) sob regime de permissão, são autorizadas a comercializa-
privada; ção e a utilização de radioisótopos para a pesquisa e usos médicos,
IX - elaborar e executar planos nacionais e regionais de orde- agrícolas e industriais; (Redação dada pela Emenda Constitucional
nação do território e de desenvolvimento econômico e social; nº 49, de 2006)
X - manter o serviço postal e o correio aéreo nacional; c) sob regime de permissão, são autorizadas a produção, co-
XI - explorar, diretamente ou mediante autorização, conces- mercialização e utilização de radioisótopos de meia-vida igual ou
são ou permissão, os serviços de telecomunicações, nos termos da inferior a duas horas; (Redação dada pela Emenda Constitucional
lei, que disporá sobre a organização dos serviços, a criação de um nº 49, de 2006)
órgão regulador e outros aspectos institucionais; (Redação dada d) a responsabilidade civil por danos nucleares independe da
pela Emenda Constitucional nº 8, de 15/08/95:) existência de culpa; (Redação dada pela Emenda Constitucional
XII - explorar, diretamente ou mediante autorização, conces- nº 49, de 2006)
são ou permissão: XXIV - organizar, manter e executar a inspeção do trabalho;
a) os serviços de radiodifusão sonora, e de sons e imagens; (Re- XXV - estabelecer as áreas e as condições para o exercício da
dação dada pela Emenda Constitucional nº 8, de 15/08/95:) atividade de garimpagem, em forma associativa.

Didatismo e Conhecimento 7
LEGISLAÇÃO BÁSICA
Art. 22. Compete privativamente à União legislar sobre: II - cuidar da saúde e assistência pública, da proteção e garan-
I - direito civil, comercial, penal, processual, eleitoral, agrário, tia das pessoas portadoras de deficiência;
marítimo, aeronáutico, espacial e do trabalho; III - proteger os documentos, as obras e outros bens de valor
II - desapropriação; histórico, artístico e cultural, os monumentos, as paisagens natu-
III - requisições civis e militares, em caso de iminente perigo rais notáveis e os sítios arqueológicos;
e em tempo de guerra; IV - impedir a evasão, a destruição e a descaracterização de
IV - águas, energia, informática, telecomunicações e radio- obras de arte e de outros bens de valor histórico, artístico ou cul-
difusão; tural;
V - serviço postal; V -  proporcionar os meios de acesso à cultura, à educação, à
VI - sistema monetário e de medidas, títulos e garantias dos ciência, à tecnologia, à pesquisa e à inovação;  (Redação dada pela
metais; Emenda Constitucional nº 85, de 2015)
VII - política de crédito, câmbio, seguros e transferência de VI - proteger o meio ambiente e combater a poluição em qual-
valores; quer de suas formas;
VIII - comércio exterior e interestadual; VII - preservar as florestas, a fauna e a flora;
IX - diretrizes da política nacional de transportes; VIII - fomentar a produção agropecuária e organizar o abas-
X - regime dos portos, navegação lacustre, fluvial, marítima, tecimento alimentar;
aérea e aeroespacial; IX - promover programas de construção de moradias e a me-
XI - trânsito e transporte; lhoria das condições habitacionais e de saneamento básico;
XII - jazidas, minas, outros recursos minerais e metalurgia; X - combater as causas da pobreza e os fatores de marginali-
XIII - nacionalidade, cidadania e naturalização; zação, promovendo a integração social dos setores desfavorecidos;
XIV - populações indígenas; XI - registrar, acompanhar e fiscalizar as concessões de direi-
XV - emigração e imigração, entrada, extradição e expulsão tos de pesquisa e exploração de recursos hídricos e minerais em
de estrangeiros; seus territórios;
XVI - organização do sistema nacional de emprego e condi- XII - estabelecer e implantar política de educação para a se-
ções para o exercício de profissões; gurança do trânsito.
XVII - organização judiciária, do Ministério Público do Dis- Parágrafo único. Leis complementares fixarão normas para a
trito Federal e dos Territórios e da Defensoria Pública dos Territó- cooperação entre a União e os Estados, o Distrito Federal e os
rios, bem como organização administrativa destes; (Redação dada Municípios, tendo em vista o equilíbrio do desenvolvimento e do
pela Emenda Constitucional nº 69, de 2012)  (Produção de efeito) bem-estar em âmbito nacional. (Redação dada pela Emenda Cons-
XVIII - sistema estatístico, sistema cartográfico e de geologia titucional nº 53, de 2006)
nacionais; Art. 24. Compete à União, aos Estados e ao Distrito Federal
XIX - sistemas de poupança, captação e garantia da poupança legislar concorrentemente sobre:
popular; I - direito tributário, financeiro, penitenciário, econômico e
XX - sistemas de consórcios e sorteios; urbanístico;
XXI - normas gerais de organização, efetivos, material bélico, II - orçamento;
garantias, convocação e mobilização das polícias militares e cor- III - juntas comerciais;
pos de bombeiros militares; IV - custas dos serviços forenses;
XXII - competência da polícia federal e das polícias rodoviá- V - produção e consumo;
ria e ferroviária federais; VI - florestas, caça, pesca, fauna, conservação da natureza,
XXIII - seguridade social; defesa do solo e dos recursos naturais, proteção do meio ambiente
XXIV - diretrizes e bases da educação nacional; e controle da poluição;
XXV - registros públicos; VII - proteção ao patrimônio histórico, cultural, artístico, tu-
XXVI - atividades nucleares de qualquer natureza; rístico e paisagístico;
XXVII – normas gerais de licitação e contratação, em todas as VIII - responsabilidade por dano ao meio ambiente, ao consu-
modalidades, para as administrações públicas diretas, autárquicas midor, a bens e direitos de valor artístico, estético, histórico, turís-
e fundacionais da União, Estados, Distrito Federal e Municípios, tico e paisagístico;
obedecido o disposto no art. 37, XXI, e para as empresas públi- IX - educação, cultura, ensino, desporto, ciência, tecnolo-
cas e sociedades de economia mista, nos termos do art. 173, § 1°, gia, pesquisa, desenvolvimento e inovação;   (Redação dada pela
III; (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 19, de 1998) Emenda Constitucional nº 85, de 2015)
XXVIII - defesa territorial, defesa aeroespacial, defesa maríti- X - criação, funcionamento e processo do juizado de pequenas
ma, defesa civil e mobilização nacional; causas;
XXIX - propaganda comercial. XI - procedimentos em matéria processual;
Parágrafo único. Lei complementar poderá autorizar os Esta- XII - previdência social, proteção e defesa da saúde;
dos a legislar sobre questões específicas das matérias relacionadas XIII - assistência jurídica e Defensoria pública;
neste artigo. XIV - proteção e integração social das pessoas portadoras de
Art. 23. É competência comum da União, dos Estados, do Dis- deficiência;
trito Federal e dos Municípios: XV - proteção à infância e à juventude;
I - zelar pela guarda da Constituição, das leis e das instituições XVI - organização, garantias, direitos e deveres das polícias
democráticas e conservar o patrimônio público; civis.

Didatismo e Conhecimento 8
LEGISLAÇÃO BÁSICA
§ 1º No âmbito da legislação concorrente, a competência da mino do mandato de seus antecessores, e a posse ocorrerá em pri-
União limitar-se-á a estabelecer normas gerais. meiro de janeiro do ano subsequente, observado, quanto ao mais,
§ 2º A competência da União para legislar sobre normas gerais o disposto no art. 77. (Redação dada pela Emenda Constitucional
não exclui a competência suplementar dos Estados. nº 16, de1997)
§ 3º Inexistindo lei federal sobre normas gerais, os Estados § 1º Perderá o mandato o Governador que assumir outro cargo
exercerão a competência legislativa plena, para atender a suas pe- ou função na administração pública direta ou indireta, ressalvada
culiaridades. a posse em virtude de concurso público e observado o disposto no
§ 4º A superveniência de lei federal sobre normas gerais sus- art. 38, I, IV e V. (Renumerado do parágrafo único, pela Emenda
pende a eficácia da lei estadual, no que lhe for contrário. Constitucional nº 19, de 1998)
§ 2º Os subsídios do Governador, do Vice-Governador e dos
CAPÍTULO III Secretários de Estado serão fixados por lei de iniciativa da Assem-
DOS ESTADOS FEDERADOS bleia Legislativa, observado o que dispõem os arts. 37, XI, 39, §
4º, 150, II, 153, III, e 153, § 2º, I. (Incluído pela Emenda Constitu-
Art. 25. Os Estados organizam-se e regem-se pelas Constitui- cional nº 19, de 1998)
ções e leis que adotarem, observados os princípios desta Consti-
tuição. CAPÍTULO IV
§ 1º São reservadas aos Estados as competências que não lhes Dos Municípios
sejam vedadas por esta Constituição.
§ 2º Cabe aos Estados explorar diretamente, ou mediante con- Art. 29. O Município reger-se-á por lei orgânica, votada em
cessão, os serviços locais de gás canalizado, na forma da lei, veda- dois turnos, com o interstício mínimo de dez dias, e aprovada por
da a edição de medida provisória para a sua regulamentação. (Re- dois terços dos membros da Câmara Municipal, que a promulgará,
dação dada pela Emenda Constitucional nº 5, de 1995) atendidos os princípios estabelecidos nesta Constituição, na Cons-
§ 3º Os Estados poderão, mediante lei complementar, instituir tituição do respectivo Estado e os seguintes preceitos:
regiões metropolitanas, aglomerações urbanas e microrregiões, I - eleição do Prefeito, do Vice-Prefeito e dos Vereadores, para
constituídas por agrupamentos de municípios limítrofes, para inte- mandato de quatro anos, mediante pleito direto e simultâneo reali-
grar a organização, o planejamento e a execução de funções públi- zado em todo o País;
cas de interesse comum. II - eleição do Prefeito e do Vice-Prefeito realizada no pri-
Art. 26. Incluem-se entre os bens dos Estados: meiro domingo de outubro do ano anterior ao término do mandato
I - as águas superficiais ou subterrâneas, fluentes, emergentes dos que devam suceder, aplicadas as regras do art. 77, no caso de
e em depósito, ressalvadas, neste caso, na forma da lei, as decor- Municípios com mais de duzentos mil eleitores; (Redação dada
rentes de obras da União; pela Emenda Constitucional nº 16, de1997)
II - as áreas, nas ilhas oceânicas e costeiras, que estiverem no III - posse do Prefeito e do Vice-Prefeito no dia 1º de janeiro
seu domínio, excluídas aquelas sob domínio da União, Municípios do ano subsequente ao da eleição;
ou terceiros; IV - para a composição das Câmaras Municipais, será obser-
III - as ilhas fluviais e lacustres não pertencentes à União; vado o limite máximo de: (Redação dada pela Emenda Constitu-
IV - as terras devolutas não compreendidas entre as da União. cional nº 58, de 2009)   (Produção de efeito) (Vide ADIN 4307)
Art. 27. O número de Deputados à assembleia Legislativa cor- a) 9 (nove) Vereadores, nos Municípios de até 15.000 (quinze
responderá ao triplo da representação do Estado na Câmara dos mil) habitantes; (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 58,
Deputados e, atingido o número de trinta e seis, será acrescido de de 2009)
tantos quantos forem os Deputados Federais acima de doze. b) 11 (onze) Vereadores, nos Municípios de mais de 15.000
§ 1º Será de quatro anos o mandato dos Deputados Estaduais, (quinze mil) habitantes e de até 30.000 (trinta mil) habitantes; (Re-
aplicando- sê-lhes as regras desta Constituição sobre sistema elei- dação dada pela Emenda Constitucional nº 58, de 2009)
toral, inviolabilidade, imunidades, remuneração, perda de manda- c) 13 (treze) Vereadores, nos Municípios com mais de 30.000
to, licença, impedimentos e incorporação às Forças Armadas. (trinta mil) habitantes e de até 50.000 (cinquenta mil) habitan-
§ 2º O subsídio dos Deputados Estaduais será fixado por lei tes; (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 58, de 2009)
de iniciativa da assembleia Legislativa, na razão de, no máximo, d) 15 (quinze) Vereadores, nos Municípios de mais de 50.000
setenta e cinco por cento daquele estabelecido, em espécie, para os (cinquenta mil) habitantes e de até 80.000 (oitenta mil) habitan-
Deputados Federais, observado o que dispõem os arts. 39, § 4º, 57, tes; (Incluída pela Emenda Constitucional nº 58, de 2009)
§ 7º, 150, II, 153, III, e 153, § 2º, I. (Redação dada pela Emenda e) 17 (dezessete) Vereadores, nos Municípios de mais de
Constitucional nº 19, de 1998) 80.000 (oitenta mil) habitantes e de até 120.000 (cento e vinte mil)
§ 3º Compete às Assembleias Legislativas dispor sobre seu habitantes; (Incluída pela Emenda Constitucional nº 58, de 2009)
regimento interno, polícia e serviços administrativos de sua secre- f) 19 (dezenove) Vereadores, nos Municípios de mais de
taria, e prover os respectivos cargos. 120.000 (cento e vinte mil) habitantes e de até 160.000 (cento ses-
§ 4º A lei disporá sobre a iniciativa popular no processo legis- senta mil) habitantes; (Incluída pela Emenda Constitucional nº 58,
lativo estadual. de 2009)
Art. 28. A eleição do Governador e do Vice-Governador de g) 21 (vinte e um) Vereadores, nos Municípios de mais de
Estado, para mandato de quatro anos, realizar-se-á no primeiro 160.000 (cento e sessenta mil) habitantes e de até 300.000 (tre-
domingo de outubro, em primeiro turno, e no último domingo de zentos mil) habitantes; (Incluída pela Emenda Constitucional nº
outubro, em segundo turno, se houver, do ano anterior ao do tér- 58, de 2009)

Didatismo e Conhecimento 9
LEGISLAÇÃO BÁSICA
h) 23 (vinte e três) Vereadores, nos Municípios de mais de w) 53 (cinquenta e três) Vereadores, nos Municípios de mais
300.000 (trezentos mil) habitantes e de até 450.000 (quatrocentos de 7.000.000 (sete milhões) de habitantes e de até 8.000.000 (oito
e cinquenta mil) habitantes; (Incluída pela Emenda Constitucional milhões) de habitantes; e  (Incluída pela Emenda Constitucional
nº 58, de 2009) nº 58, de 2009)
i) 25 (vinte e cinco) Vereadores, nos Municípios de mais de x) 55 (cinquenta e cinco) Vereadores, nos Municípios de mais
450.000 (quatrocentos e cinquenta mil) habitantes e de até 600.000 de 8.000.000 (oito milhões) de habitantes; (Incluída pela Emenda
(seiscentos mil) habitantes; (Incluída pela Emenda Constitucional Constitucional nº 58, de 2009)
nº 58, de 2009) V - subsídios do Prefeito, do Vice-Prefeito e dos Secretários
j) 27 (vinte e sete) Vereadores, nos Municípios de mais de Municipais fixados por lei de iniciativa da Câmara Municipal, ob-
600.000 (seiscentos mil) habitantes e de até 750.000 (setecentos servado o que dispõem os arts. 37, XI, 39, § 4º, 150, II, 153, III, e
cinquenta mil) habitantes; (Incluída pela Emenda Constitucional 153, § 2º, I; (Redação dada pela Emenda constitucional nº 19, de
nº 58, de 2009) 1998)
k) 29 (vinte e nove) Vereadores, nos Municípios de mais de VI - o subsídio dos Vereadores será fixado pelas respectivas
750.000 (setecentos e cinquenta mil) habitantes e de até 900.000 Câmaras Municipais em cada legislatura para a subsequente, ob-
(novecentos mil) habitantes; (Incluída pela Emenda Constitucio- servado o que dispõe esta Constituição, observados os critérios es-
nal nº 58, de 2009) tabelecidos na respectiva Lei Orgânica e os seguintes limites má-
l) 31 (trinta e um) Vereadores, nos Municípios de mais de ximos: (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 25, de 2000)
900.000 (novecentos mil) habitantes e de até 1.050.000 (um mi- a)  em Municípios de até dez mil habitantes, o subsídio má-
lhão e cinquenta mil) habitantes; (Incluída pela Emenda Constitu- ximo dos Vereadores corresponderá a vinte por cento do subsídio
cional nº 58, de 2009) dos Deputados Estaduais; (Incluído pela Emenda Constitucional
m) 33 (trinta e três) Vereadores, nos Municípios de mais nº 25, de 2000)
de 1.050.000 (um milhão e cinquenta mil) habitantes e de até b) em Municípios de dez mil e um a cinquenta mil habitan-
1.200.000 (um milhão e duzentos mil) habitantes; (Incluída pela tes, o subsídio máximo dos Vereadores corresponderá a trinta por
Emenda Constitucional nº 58, de 2009) cento do subsídio dos Deputados Estaduais;(Incluído pela Emenda
n) 35 (trinta e cinco) Vereadores, nos Municípios de mais de Constitucional nº 25, de 2000)
1.200.000 (um milhão e duzentos mil) habitantes e de até 1.350.000 c) em Municípios de cinquenta mil e um a cem mil habitantes,
(um milhão e trezentos e cinquenta mil) habitantes; (Incluída pela
o subsídio máximo dos Vereadores corresponderá a quarenta por
Emenda Constitucional nº 58, de 2009)
cento do subsídio dos Deputados Estaduais; (Incluído pela Emen-
o) 37 (trinta e sete) Vereadores, nos Municípios de 1.350.000
da Constitucional nº 25, de 2000)
(um milhão e trezentos e cinquenta mil) habitantes e de até
d) em Municípios de cem mil e um a trezentos mil habitantes,
1.500.000 (um milhão e quinhentos mil) habitantes; (Incluída pela
o subsídio máximo dos Vereadores corresponderá a cinquenta por
Emenda Constitucional nº 58, de 2009)
cento do subsídio dos Deputados Estaduais; (Incluído pela Emen-
p) 39 (trinta e nove) Vereadores, nos Municípios de mais
da Constitucional nº 25, de 2000)
de 1.500.000 (um milhão e quinhentos mil) habitantes e de até
1.800.000 (um milhão e oitocentos mil) habitantes; (Incluída pela e) em Municípios de trezentos mil e um a quinhentos mil habi-
Emenda Constitucional nº 58, de 2009) tantes, o subsídio máximo dos Vereadores corresponderá a sessen-
q) 41 (quarenta e um) Vereadores, nos Municípios de mais ta por cento do subsídio dos Deputados Estaduais; (Incluído pela
de 1.800.000 (um milhão e oitocentos mil) habitantes e de até Emenda Constitucional nº 25, de 2000)
2.400.000 (dois milhões e quatrocentos mil) habitantes; (Incluída f) em Municípios de mais de quinhentos mil habitantes, o sub-
pela Emenda Constitucional nº 58, de 2009) sídio máximo dos Vereadores corresponderá a setenta e cinco por
r) 43 (quarenta e três) Vereadores, nos Municípios de mais cento do subsídio dos Deputados Estaduais; (Incluído pela Emen-
de 2.400.000 (dois milhões e quatrocentos mil) habitantes e de da Constitucional nº 25, de 2000)
até 3.000.000 (três milhões) de habitantes;(Incluída pela Emenda VII - o total da despesa com a remuneração dos Vereadores
Constitucional nº 58, de 2009) não poderá ultrapassar o montante de cinco por cento da receita do
s) 45 (quarenta e cinco) Vereadores, nos Municípios de mais Município; (Incluído pela Emenda Constitucional nº 1, de 1992)
de 3.000.000 (três milhões) de habitantes e de até 4.000.000 (qua- VIII - inviolabilidade dos Vereadores por suas opiniões, pala-
tro milhões) de habitantes; (Incluída pela Emenda Constitucional vras e votos no exercício do mandato e na circunscrição do Muni-
nº 58, de 2009) cípio; (Renumerado do inciso VI, pela Emenda Constitucional nº
t) 47 (quarenta e sete) Vereadores, nos Municípios de mais de 1, de 1992)
4.000.000 (quatro milhões) de habitantes e de até 5.000.000 (cinco IX - proibições e incompatibilidades, no exercício da verean-
milhões) de habitantes; (Incluída pela Emenda Constitucional nº ça, similares, no que couber, ao disposto nesta Constituição para os
58, de 2009) membros do Congresso Nacional e na Constituição do respectivo
u) 49 (quarenta e nove) Vereadores, nos Municípios de mais Estado para os membros da Assembleia Legislativa; (Renumerado
de 5.000.000 (cinco milhões) de habitantes e de até 6.000.000 (seis do inciso VII, pela Emenda Constitucional nº 1, de 1992)
milhões) de habitantes; (Incluída pela Emenda Constitucional nº X - julgamento do Prefeito perante o Tribunal de Justiça; (Re-
58, de 2009) numerado do inciso VIII, pela Emenda Constitucional nº 1, de
v) 51 (cinquenta e um) Vereadores, nos Municípios de mais 1992)
de 6.000.000 (seis milhões) de habitantes e de até 7.000.000 (sete XI - organização das funções legislativas e fiscalizadoras
milhões) de habitantes; (Incluída pela Emenda Constitucional nº da Câmara Municipal; (Renumerado do inciso IX, pela Emenda
58, de 2009) Constitucional nº 1, de 1992)

Didatismo e Conhecimento 10
LEGISLAÇÃO BÁSICA
XII - cooperação das associações representativas no planeja- IV - criar, organizar e suprimir distritos, observada a legisla-
mento municipal; (Renumerado do inciso X, pela Emenda Consti- ção estadual;
tucional nº 1, de 1992) V - organizar e prestar, diretamente ou sob regime de conces-
XIII - iniciativa popular de projetos de lei de interesse especí- são ou permissão, os serviços públicos de interesse local, incluído
fico do Município, da cidade ou de bairros, através de manifestação o de transporte coletivo, que tem caráter essencial;
de, pelo menos, cinco por cento do eleitorado; (Renumerado do in- VI - manter, com a cooperação técnica e financeira da União e
ciso XI, pela Emenda Constitucional nº 1, de 1992) do Estado, programas de educação infantil e de ensino fundamen-
XIV - perda do mandato do Prefeito, nos termos do art. 28, pa- tal; (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 53, de 2006)
rágrafo único. (Renumerado do inciso XII, pela Emenda Constitu- VII - prestar, com a cooperação técnica e financeira da União
cional nº 1, de 1992) e do Estado, serviços de atendimento à saúde da população;
Art.  29-A.  O total da despesa do Poder Legislativo Municipal, VIII - promover, no que couber, adequado ordenamento terri-
incluídos os subsídios dos Vereadores e excluídos os gastos com torial, mediante planejamento e controle do uso, do parcelamento
inativos, não poderá ultrapassar os seguintes percentuais, relativos e da ocupação do solo urbano;
ao somatório da receita tributária e das transferências previstas no § IX - promover a proteção do patrimônio histórico-cultural lo-
5o do art. 153 e nos arts. 158 e 159, efetivamente realizado no exer- cal, observada a legislação e a ação fiscalizadora federal e estadual.
cício anterior: (Incluído pela Emenda Constitucional nº 25, de 2000) Art. 31. A fiscalização do Município será exercida pelo Poder
I - 7% (sete por cento) para Municípios com população de até Legislativo Municipal, mediante controle externo, e pelos sistemas
100.000 (cem mil) habitantes;  (Redação dada pela Emenda Consti- de controle interno do Poder Executivo Municipal, na forma da lei.
tuição Constitucional nº 58, de 2009)  (Produção de efeito) § 1º O controle externo da Câmara Municipal será exercido
II - 6% (seis por cento) para Municípios com população entre com o auxílio dos Tribunais de Contas dos Estados ou do Muni-
100.000 (cem mil) e 300.000 (trezentos mil) habitantes; (Redação cípio ou dos Conselhos ou Tribunais de Contas dos Municípios,
dada pela Emenda Constituição Constitucional nº 58, de 2009) onde houver.
III - 5% (cinco por cento) para Municípios com população entre § 2º O parecer prévio, emitido pelo órgão competente sobre
300.001 (trezentos mil e um) e 500.000 (quinhentos mil) habitan- as contas que o Prefeito deve anualmente prestar, só deixará de
tes; (Redação dada pela Emenda Constituição Constitucional nº 58, prevalecer por decisão de dois terços dos membros da Câmara Mu-
nicipal.
de 2009)
§ 3º As contas dos Municípios ficarão, durante sessenta dias,
IV - 4,5% (quatro inteiros e cinco décimos por cento) para
anualmente, à disposição de qualquer contribuinte, para exame e
Municípios com população entre 500.001 (quinhentos mil e um) e
apreciação, o qual poderá questionar-lhes a legitimidade, nos ter-
3.000.000 (três milhões) de habitantes;(Redação dada pela Emenda
mos da lei.
Constituição Constitucional nº 58, de 2009)
§ 4º É vedada a criação de Tribunais, Conselhos ou órgãos de
V - 4% (quatro por cento) para Municípios com população entre
Contas Municipais.
3.000.001 (três milhões e um) e 8.000.000 (oito milhões) de habi-
tantes; (Incluído pela Emenda Constituição Constitucional nº 58, de CAPÍTULO V
2009) DO DISTRITO FEDERAL E DOS TERRITÓRIOS
VI - 3,5% (três inteiros e cinco décimos por cento) para Muni- Seção I
cípios com população acima de 8.000.001 (oito milhões e um) ha- DO DISTRITO FEDERAL
bitantes. (Incluído pela Emenda Constituição Constitucional nº 58,
de 2009) Art. 32. O Distrito Federal, vedada sua divisão em Municí-
§ 1o  A Câmara Municipal não gastará mais de setenta por cen- pios, reger- se-á por lei orgânica, votada em dois turnos com in-
to de sua receita com folha de pagamento, incluído o gasto com o terstício mínimo de dez dias, e aprovada por dois terços da Câmara
subsídio de seus Vereadores. (Incluído pela Emenda Constitucional Legislativa, que a promulgará, atendidos os princípios estabeleci-
nº 25, de 2000) dos nesta Constituição.
§ 2o   Constitui crime de responsabilidade do Prefeito Munici- § 1º Ao Distrito Federal são atribuídas as competências legis-
pal: (Incluído pela Emenda Constitucional nº 25, de 2000) lativas reservadas aos Estados e Municípios.
I  -  efetuar repasse que supere os limites definidos neste arti- § 2º A eleição do Governador e do Vice-Governador, obser-
go; (Incluído pela Emenda Constitucional nº 25, de 2000) vadas as regras do art. 77, e dos Deputados Distritais coincidirá
II - não enviar o repasse até o dia vinte de cada mês; ou (Incluí- com a dos Governadores e Deputados Estaduais, para mandato de
do pela Emenda Constitucional nº 25, de 2000) igual duração.
III - enviá-lo a menor em relação à proporção fixada na Lei Or- § 3º Aos Deputados Distritais e à Câmara Legislativa aplica-se
çamentária. (Incluído pela Emenda Constitucional nº 25, de 2000) o disposto no art. 27.
§ 3o  Constitui crime de responsabilidade do Presidente da Câ- § 4º Lei federal disporá sobre a utilização, pelo Governo do
mara Municipal o desrespeito ao § 1o  deste artigo. (Incluído pela Distrito Federal, das polícias civil e militar e do corpo de bombei-
Emenda Constitucional nº 25, de 2000) ros militar.
Art. 30. Compete aos Municípios:
I - legislar sobre assuntos de interesse local; Seção II
II - suplementar a legislação federal e a estadual no que couber; DOS TERRITÓRIOS
III - instituir e arrecadar os tributos de sua competência, bem
como aplicar suas rendas, sem prejuízo da obrigatoriedade de pres- Art. 33. A lei disporá sobre a organização administrativa e ju-
tar contas e publicar balancetes nos prazos fixados em lei; diciária dos Territórios.

Didatismo e Conhecimento 11
LEGISLAÇÃO BÁSICA
§ 1º Os Territórios poderão ser divididos em Municípios, aos Art. 36. A decretação da intervenção dependerá:
quais se aplicará, no que couber, o disposto no Capítulo IV deste I - no caso do art. 34, IV, de solicitação do Poder Legislativo
Título. ou do Poder Executivo coacto ou impedido, ou de requisição do
§ 2º As contas do Governo do Território serão submetidas ao Supremo Tribunal Federal, se a coação for exercida contra o Poder
Congresso Nacional, com parecer prévio do Tribunal de Contas Judiciário;
da União. II - no caso de desobediência a ordem ou decisão judiciária, de
§ 3º Nos Territórios Federais com mais de cem mil habitantes, requisição do Supremo Tribunal Federal, do Superior Tribunal de
além do Governador nomeado na forma desta Constituição, ha- Justiça ou do Tribunal Superior Eleitoral;
verá órgãos judiciários de primeira e segunda instância, membros III - de provimento, pelo Supremo Tribunal Federal, de repre-
do Ministério Público e defensores públicos federais; a lei disporá sentação do Procurador-Geral da República, na hipótese do art. 34,
sobre as eleições para a Câmara Territorial e sua competência de- VII, e no caso de recusa à execução de lei federal. (Redação dada
liberativa. pela Emenda Constitucional nº 45, de 2004)
IV - (Revogado pela Emenda Constitucional nº 45, de 2004)
CAPÍTULO VI § 1º O decreto de intervenção, que especificará a amplitude, o
DA INTERVENÇÃO prazo e as condições de execução e que, se couber, nomeará o inter-
ventor, será submetido à apreciação do Congresso Nacional ou da
Art. 34. A União não intervirá nos Estados nem no Distrito Assembleia Legislativa do Estado, no prazo de vinte e quatro horas.
Federal, exceto para: § 2º Se não estiver funcionando o Congresso Nacional ou a As-
I - manter a integridade nacional; sembleia Legislativa, far-se-á convocação extraordinária, no mesmo
II - repelir invasão estrangeira ou de uma unidade da Federa- prazo de vinte e quatro horas.
ção em outra; § 3º Nos casos do art. 34, VI e VII, ou do art. 35, IV, dispensada
III - pôr termo a grave comprometimento da ordem pública; a apreciação pelo Congresso Nacional ou pela Assembleia Legislati-
IV - garantir o livre exercício de qualquer dos Poderes nas va, o decreto limitar-se-á a suspender a execução do ato impugnado,
unidades da Federação; se essa medida bastar ao restabelecimento da normalidade.
V - reorganizar as finanças da unidade da Federação que: § 4º Cessados os motivos da intervenção, as autoridades afasta-
das de seus cargos a estes voltarão, salvo impedimento legal.
a) suspender o pagamento da dívida fundada por mais de dois
anos consecutivos, salvo motivo de força maior;
CAPÍTULO VII
b) deixar de entregar aos Municípios receitas tributárias fi-
DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA
xadas nesta Constituição, dentro dos prazos estabelecidos em lei;
Seção I
VI - prover a execução de lei federal, ordem ou decisão judi-
DISPOSIÇÕES GERAIS
cial;
VII - assegurar a observância dos seguintes princípios cons-
Art. 37. A administração pública direta e indireta de qualquer
titucionais:
dos Poderes da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Muni-
a) forma republicana, sistema representativo e regime demo- cípios obedecerá aos princípios de legalidade, impessoalidade, mo-
crático; ralidade, publicidade e eficiência e, também, ao seguinte:  (Redação
b) direitos da pessoa humana; dada pela Emenda Constitucional nº 19, de 1998)
c) autonomia municipal; I - os cargos, empregos e funções públicas são acessíveis aos
d) prestação de contas da administração pública, direta e in- brasileiros que preencham os requisitos estabelecidos em lei, assim
direta. como aos estrangeiros, na forma da lei; (Redação dada pela Emenda
e) aplicação do mínimo exigido da receita resultante de im- Constitucional nº 19, de 1998)
postos estaduais, compreendida a proveniente de transferências, na II - a investidura em cargo ou emprego público depende de
manutenção e desenvolvimento do ensino e nas ações e serviços aprovação prévia em concurso público de provas ou de provas e
públicos de saúde. (Redação dada pela Emenda Constitucional nº títulos, de acordo com a natureza e a complexidade do cargo ou
29, de 2000) emprego, na forma prevista em lei, ressalvadas as nomeações para
Art. 35. O Estado não intervirá em seus Municípios, nem a cargo em comissão declarado em lei de livre nomeação e exonera-
União nos Municípios localizados em Território Federal, exceto ção;(Redação dada pela Emenda Constitucional nº 19, de 1998)
quando: III - o prazo de validade do concurso público será de até dois
I - deixar de ser paga, sem motivo de força maior, por dois anos, prorrogável uma vez, por igual período;
anos consecutivos, a dívida fundada; IV - durante o prazo improrrogável previsto no edital de convo-
II - não forem prestadas contas devidas, na forma da lei; cação, aquele aprovado em concurso público de provas ou de provas
III – não tiver sido aplicado o mínimo exigido da receita mu- e títulos será convocado com prioridade sobre novos concursados
nicipal na manutenção e desenvolvimento do ensino e nas ações e para assumir cargo ou emprego, na carreira;
serviços públicos de saúde; (Redação dada pela Emenda Constitu- V - as funções de confiança, exercidas exclusivamente por
cional nº 29, de 2000) servidores ocupantes de cargo efetivo, e os cargos em comissão, a
IV - o Tribunal de Justiça der provimento a representação para serem preenchidos por servidores de carreira nos casos, condições
assegurar a observância de princípios indicados na Constituição e percentuais mínimos previstos em lei, destinam-se apenas às atri-
Estadual, ou para prover a execução de lei, de ordem ou de decisão buições de direção, chefia e assessoramento;  (Redação dada pela
judicial. Emenda Constitucional nº 19, de 1998)

Didatismo e Conhecimento 12
LEGISLAÇÃO BÁSICA
VI - é garantido ao servidor público civil o direito à livre as- c) a de dois cargos ou empregos privativos de profissionais de
sociação sindical; saúde, com profissões regulamentadas; (Redação dada pela Emen-
VII - o direito de greve será exercido nos termos e nos limites da Constitucional nº 34, de 2001)
definidos em lei específica; (Redação dada pela Emenda Constitu- XVII - a proibição de acumular estende-se a empregos e fun-
cional nº 19, de 1998) ções e abrange autarquias, fundações, empresas públicas, socieda-
VIII - a lei reservará percentual dos cargos e empregos públi- des de economia mista, suas subsidiárias, e sociedades controla-
cos para as pessoas portadoras de deficiência e definirá os critérios das, direta ou indiretamente, pelo poder público;   (Redação dada
de sua admissão; pela Emenda Constitucional nº 19, de 1998)
IX - a lei estabelecerá os casos de contratação por tempo de- XVIII - a administração fazendária e seus servidores fiscais
terminado para atender a necessidade temporária de excepcional terão, dentro de suas áreas de competência e jurisdição, precedên-
interesse público; cia sobre os demais setores administrativos, na forma da lei;
X - a remuneração dos servidores públicos e o subsídio de que XIX – somente por lei específica poderá ser criada autarquia
trata o § 4º do art. 39 somente poderão ser fixados ou alterados por e autorizada a instituição de empresa pública, de sociedade de
lei específica, observada a iniciativa privativa em cada caso, asse- economia mista e de fundação, cabendo à lei complementar, neste
gurada revisão geral anual, sempre na mesma data e sem distinção último caso, definir as áreas de sua atuação; (Redação dada pela
de índices;   (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 19, de Emenda Constitucional nº 19, de 1998)
1998)  (Regulamento) XX - depende de autorização legislativa, em cada caso, a cria-
XI - a remuneração e o subsídio dos ocupantes de cargos, ção de subsidiárias das entidades mencionadas no inciso anterior,
funções e empregos públicos da administração direta, autárquica assim como a participação de qualquer delas em empresa privada;
e fundacional, dos membros de qualquer dos Poderes da União, XXI - ressalvados os casos especificados na legislação, as
dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, dos detentores obras, serviços, compras e alienações serão contratados mediante
de mandato eletivo e dos demais agentes políticos e os proventos, processo de licitação pública que assegure igualdade de condições
pensões ou outra espécie remuneratória, percebidos cumulativa- a todos os concorrentes, com cláusulas que estabeleçam obriga-
mente ou não, incluídas as vantagens pessoais ou de qualquer ou- ções de pagamento, mantidas as condições efetivas da proposta,
tra natureza, não poderão exceder o subsídio mensal, em espécie, nos termos da lei, o qual somente permitirá as exigências de quali-
dos Ministros do Supremo Tribunal Federal, aplicando-se como ficação técnica e econômica indispensáveis à garantia do cumpri-
limite, nos Municípios, o subsídio do Prefeito, e nos Estados e no mento das obrigações. (Regulamento)
Distrito Federal, o subsídio mensal do Governador no âmbito do XXII - as administrações tributárias da União, dos Estados, do
Poder Executivo, o subsídio dos Deputados Estaduais e Distritais Distrito Federal e dos Municípios, atividades essenciais ao funcio-
no âmbito do Poder Legislativo e o subsidio dos Desembargadores
namento do Estado, exercidas por servidores de carreiras específi-
do Tribunal de Justiça, limitado a noventa inteiros e vinte e cinco
cas, terão recursos prioritários para a realização de suas atividades
centésimos por cento do subsídio mensal, em espécie, dos Minis-
e atuarão de forma integrada, inclusive com o compartilhamento
tros do Supremo Tribunal Federal, no âmbito do Poder Judiciário,
de cadastros e de informações fiscais, na forma da lei ou convê-
aplicável este limite aos membros do Ministério Público, aos Pro-
nio. (Incluído pela Emenda Constitucional nº 42, de 19.12.2003)
curadores e aos Defensores Públicos; (Redação dada pela Emenda
§ 1º A publicidade dos atos, programas, obras, serviços e
Constitucional nº 41, 19.12.2003)
campanhas dos órgãos públicos deverá ter caráter educativo, in-
XII - os vencimentos dos cargos do Poder Legislativo e do
Poder Judiciário não poderão ser superiores aos pagos pelo Poder formativo ou de orientação social, dela não podendo constar no-
Executivo; mes, símbolos ou imagens que caracterizem promoção pessoal de
XIII - é vedada a vinculação ou equiparação de quaisquer es- autoridades ou servidores públicos.
pécies remuneratórias para o efeito de remuneração de pessoal do § 2º A não observância do disposto nos incisos II e III impli-
serviço público;   (Redação dada pela Emenda Constitucional nº cará a nulidade do ato e a punição da autoridade responsável, nos
19, de 1998) termos da lei.
XIV - os acréscimos pecuniários percebidos por servidor pú- § 3º A lei disciplinará as formas de participação do usuário
blico não serão computados nem acumulados para fins de conces- na administração pública direta e indireta, regulando especialmen-
são de acréscimos ulteriores; (Redação dada pela Emenda Consti- te: (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 19, de 1998)
tucional nº 19, de 1998) I - as reclamações relativas à prestação dos serviços públicos
XV - o subsídio e os vencimentos dos ocupantes de cargos em geral, asseguradas a manutenção de serviços de atendimento ao
e empregos públicos são irredutíveis, ressalvado o disposto nos usuário e a avaliação periódica, externa e interna, da qualidade dos
incisos XI e XIV deste artigo e nos arts. 39, § 4º, 150, II, 153, III, serviços; (Incluído pela Emenda Constitucional nº 19, de 1998)
e 153, § 2º, I; (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 19, II - o acesso dos usuários a registros administrativos e a infor-
de 1998) mações sobre atos de governo, observado o disposto no art. 5º, X
XVI - é vedada a acumulação remunerada de cargos públicos, e XXXIII;  (Incluído pela Emenda Constitucional nº 19, de 1998)
exceto, quando houver compatibilidade de horários, observado em III - a disciplina da representação contra o exercício negli-
qualquer caso o disposto no inciso XI: (Redação dada pela Emen- gente ou abusivo de cargo, emprego ou função na administração
da Constitucional nº 19, de 1998) pública. (Incluído pela Emenda Constitucional nº 19, de 1998)
a) a de dois cargos de professor; (Redação dada pela Emenda § 4º - Os atos de improbidade administrativa importarão a
Constitucional nº 19, de 1998) suspensão dos direitos políticos, a perda da função pública, a in-
b) a de um cargo de professor com outro técnico ou científi- disponibilidade dos bens e o ressarcimento ao erário, na forma e
co; (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 19, de 1998) gradação previstas em lei, sem prejuízo da ação penal cabível.

Didatismo e Conhecimento 13
LEGISLAÇÃO BÁSICA
§ 5º A lei estabelecerá os prazos de prescrição para ilícitos pra- IV - em qualquer caso que exija o afastamento para o exer-
ticados por qualquer agente, servidor ou não, que causem prejuízos cício de mandato eletivo, seu tempo de serviço será contado para
ao erário, ressalvadas as respectivas ações de ressarcimento. todos os efeitos legais, exceto para promoção por merecimento;
§ 6º As pessoas jurídicas de direito público e as de direito pri- V - para efeito de benefício previdenciário, no caso de afas-
vado prestadoras de serviços públicos responderão pelos danos que tamento, os valores serão determinados como se no exercício es-
seus agentes, nessa qualidade, causarem a terceiros, assegurado o tivesse.
direito de regresso contra o responsável nos casos de dolo ou culpa.
§ 7º A lei disporá sobre os requisitos e as restrições ao ocupante Seção II
de cargo ou emprego da administração direta e indireta que possi- DOS SERVIDORES PÚBLICOS
bilite o acesso a informações privilegiadas. (Incluído pela Emenda (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 18, de 1998)
Constitucional nº 19, de 1998)
§ 8º A autonomia gerencial, orçamentária e financeira dos ór- Art. 39. A União, os Estados, o Distrito Federal e os Muni-
gãos e entidades da administração direta e indireta poderá ser am- cípios instituirão, no âmbito de sua competência, regime jurídico
pliada mediante contrato, a ser firmado entre seus administradores e único e planos de carreira para os servidores da administração pú-
o poder público, que tenha por objeto a fixação de metas de desem- blica direta, das autarquias e das fundações públicas.  (Vide ADIN
penho para o órgão ou entidade, cabendo à lei dispor sobre: (Incluí- nº 2.135-4)
do pela Emenda Constitucional nº 19, de 1998) Art. 39. A União, os Estados, o Distrito Federal e os Municí-
I - o prazo de duração do contrato; pios instituirão conselho de política de administração e remunera-
II - os controles e critérios de avaliação de desempenho, direi- ção de pessoal, integrado por servidores designados pelos respec-
tos, obrigações e responsabilidade dos dirigentes; tivos Poderes.       (Redação dada pela Emenda Constitucional nº
III - a remuneração do pessoal.” 19, de 1998)       (Vide ADIN nº 2.135-4)
§ 9º O disposto no inciso XI aplica-se às empresas públicas § 1º A fixação dos padrões de vencimento e dos demais com-
e às sociedades de economia mista, e suas subsidiárias, que rece- ponentes do sistema remuneratório observará: (Redação dada pela
berem recursos da União, dos Estados, do Distrito Federal ou dos Emenda Constitucional nº 19, de 1998)
Municípios para pagamento de despesas de pessoal ou de custeio I - a natureza, o grau de responsabilidade e a complexidade
em geral. (Incluído pela Emenda Constitucional nº 19, de 1998) dos cargos componentes de cada carreira; (Incluído pela Emenda
§ 10. É vedada a percepção simultânea de proventos de apo- Constitucional nº 19, de 1998)
sentadoria decorrentes do art. 40 ou dos arts. 42 e 142 com a re- II - os requisitos para a investidura; (Incluído pela Emenda
muneração de cargo, emprego ou função pública, ressalvados os Constitucional nº 19, de 1998)
cargos acumuláveis na forma desta Constituição, os cargos eletivos III - as peculiaridades dos cargos. (Incluído pela Emenda
e os cargos em comissão declarados em lei de livre nomeação e Constitucional nº 19, de 1998)
exoneração.  (Incluído pela Emenda Constitucional nº 20, de 1998) § 2º A União, os Estados e o Distrito Federal manterão escolas
§ 11. Não serão computadas, para efeito dos limites remune- de governo para a formação e o aperfeiçoamento dos servidores
ratórios de que trata o inciso XI do caput deste artigo, as parcelas públicos, constituindo-se a participação nos cursos um dos requi-
de caráter indenizatório previstas em lei. (Incluído pela Emenda sitos para a promoção na carreira, facultada, para isso, a celebração
Constitucional nº 47, de 2005) de convênios ou contratos entre os entes federados. (Redação dada
 § 12. Para os fins do disposto no inciso XI do caput deste ar- pela Emenda Constitucional nº 19, de 1998)
tigo, fica facultado aos Estados e ao Distrito Federal fixar, em seu § 3º Aplica-se aos servidores ocupantes de cargo público o
âmbito, mediante emenda às respectivas Constituições e Lei Orgâ- disposto no art. 7º, IV, VII, VIII, IX, XII, XIII, XV, XVI, XVII,
nica, como limite único, o subsídio mensal dos Desembargadores XVIII, XIX, XX, XXII e XXX, podendo a lei estabelecer requisi-
do respectivo Tribunal de Justiça, limitado a noventa inteiros e vin- tos diferenciados de admissão quando a natureza do cargo o exi-
te e cinco centésimos por cento do subsídio mensal dos Ministros gir. (Incluído pela Emenda Constitucional nº 19, de 1998)
do Supremo Tribunal Federal, não se aplicando o disposto neste § 4º O membro de Poder, o detentor de mandato eletivo, os
parágrafo aos subsídios dos Deputados Estaduais e Distritais e dos Ministros de Estado e os Secretários Estaduais e Municipais serão
Vereadores. (Incluído pela Emenda Constitucional nº 47, de 2005) remunerados exclusivamente por subsídio fixado em parcela úni-
Art. 38. Ao servidor público da administração direta, autárqui- ca, vedado o acréscimo de qualquer gratificação, adicional, abono,
ca e fundacional, no exercício de mandato eletivo, aplicam-se as prêmio, verba de representação ou outra espécie remuneratória,
seguintes disposições: (Redação dada pela Emenda Constitucional obedecido, em qualquer caso, o disposto no art. 37, X e XI. (In-
nº 19, de 1998) cluído pela Emenda Constitucional nº 19, de 1998)
I - tratando-se de mandato eletivo federal, estadual ou distrital, § 5º Lei da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Mu-
ficará afastado de seu cargo, emprego ou função; nicípios poderá estabelecer a relação entre a maior e a menor re-
II - investido no mandato de Prefeito, será afastado do cargo, muneração dos servidores públicos, obedecido, em qualquer caso,
emprego ou função, sendo-lhe facultado optar pela sua remunera- o disposto no art. 37, XI. (Incluído pela Emenda Constitucional nº
ção; 19, de 1998)
III - investido no mandato de Vereador, havendo compatibi- § 6º Os Poderes Executivo, Legislativo e Judiciário publicarão
lidade de horários, perceberá as vantagens de seu cargo, emprego anualmente os valores do subsídio e da remuneração dos cargos e
ou função, sem prejuízo da remuneração do cargo eletivo, e, não empregos públicos. (Incluído pela Emenda Constitucional nº 19,
havendo compatibilidade, será aplicada a norma do inciso anterior; de 1998)

Didatismo e Conhecimento 14
LEGISLAÇÃO BÁSICA
§ 7º Lei da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Mu- I portadores de deficiência; (Incluído pela Emenda Constitu-
nicípios disciplinará a aplicação de recursos orçamentários prove- cional nº 47, de 2005)
nientes da economia com despesas correntes em cada órgão, autar- II que exerçam atividades de risco; (Incluído pela Emenda
quia e fundação, para aplicação no desenvolvimento de programas Constitucional nº 47, de 2005)
de qualidade e produtividade, treinamento e desenvolvimento, III cujas atividades sejam exercidas sob condições especiais
modernização, reaparelhamento e racionalização do serviço públi- que prejudiquem a saúde ou a integridade física. (Incluído pela
co, inclusive sob a forma de adicional ou prêmio de produtivida- Emenda Constitucional nº 47, de 2005)
de. (Incluído pela Emenda Constitucional nº 19, de 1998) § 5º - Os requisitos de idade e de tempo de contribuição serão
§ 8º A remuneração dos servidores públicos organizados em reduzidos em cinco anos, em relação ao disposto no  § 1º, III, «a»,
carreira poderá ser fixada nos termos do § 4º. (Incluído pela Emen- para o professor que comprove exclusivamente tempo de efetivo
da Constitucional nº 19, de 1998) exercício das funções de magistério na educação infantil e no en-
Art. 40. Aos servidores titulares de cargos efetivos da União, sino fundamental e médio. (Redação dada pela Emenda Constitu-
dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, incluídas suas cional nº 20, de 15/12/98)
autarquias e fundações, é assegurado regime de previdência de ca- § 6º - Ressalvadas as aposentadorias decorrentes dos cargos
ráter contributivo e solidário, mediante contribuição do respectivo
acumuláveis na forma desta Constituição, é vedada a percepção
ente público, dos servidores ativos e inativos e dos pensionistas,
de mais de uma aposentadoria à conta do regime de previdência
observados critérios que preservem o equilíbrio financeiro e atua-
previsto neste artigo. (Redação dada pela Emenda Constitucional
rial e o disposto neste artigo. (Redação dada pela Emenda Consti-
nº 20, de 15/12/98)
tucional nº 41, 19.12.2003)
§ 1º Os servidores abrangidos pelo regime de previdência de § 7º Lei disporá sobre a concessão do benefício de pensão por
que trata este artigo serão aposentados, calculados os seus proven- morte, que será igual: (Redação dada pela Emenda Constitucional
tos a partir dos valores fixados na forma dos §§ 3º e 17: (Redação nº 41, 19.12.2003)
dada pela Emenda Constitucional nº 41, 19.12.2003) I - ao valor da totalidade dos proventos do servidor faleci-
I - por invalidez permanente, sendo os proventos proporcio- do, até o limite máximo estabelecido para os benefícios do regime
nais ao tempo de contribuição, exceto se decorrente de acidente geral de previdência social de que trata o art. 201, acrescido de
em serviço, moléstia profissional ou doença grave, contagiosa ou setenta por cento da parcela excedente a este limite, caso aposen-
incurável, na forma da lei; (Redação dada pela Emenda Constitu- tado à data do óbito; ou (Incluído pela Emenda Constitucional nº
cional nº 41, 19.12.2003) 41, 19.12.2003)
II - compulsoriamente, com proventos proporcionais ao tempo II - ao valor da totalidade da remuneração do servidor no car-
de contribuição, aos 70 (setenta) anos de idade, ou aos 75 (setenta go efetivo em que se deu o falecimento, até o limite máximo esta-
e cinco) anos de idade, na forma de lei complementar;       (Reda- belecido para os benefícios do regime geral de previdência social
ção dada pela Emenda Constitucional nº 88, de 2015) de que trata o art. 201, acrescido de setenta por cento da parcela
III - voluntariamente, desde que cumprido tempo mínimo de excedente a este limite, caso em atividade na data do óbito. (Incluí-
dez anos de efetivo exercício no serviço público e cinco anos no do pela Emenda Constitucional nº 41, 19.12.2003)
cargo efetivo em que se dará a aposentadoria, observadas as se- § 8º É assegurado o reajustamento dos benefícios para preser-
guintes condições: (Redação dada pela Emenda Constitucional nº var-lhes, em caráter permanente, o valor real, conforme critérios
20, de 15/12/98) estabelecidos em lei. (Redação dada pela Emenda Constitucional
a) sessenta anos de idade e trinta e cinco de contribuição, se nº 41, 19.12.2003)
homem, e cinquenta e cinco anos de idade e trinta de contribuição, § 9º - O tempo de contribuição federal, estadual ou municipal
se mulher; (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 20, de será contado para efeito de aposentadoria e o tempo de serviço cor-
15/12/98) respondente para efeito de disponibilidade. (Incluído pela Emenda
b) sessenta e cinco anos de idade, se homem, e sessenta anos Constitucional nº 20, de 15/12/98)
de idade, se mulher, com proventos proporcionais ao tempo de
§ 10 - A lei não poderá estabelecer qualquer forma de con-
contribuição.  (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 20,
tagem de tempo de contribuição fictício.  (Incluído pela Emenda
de 15/12/98)
Constitucional nº 20, de 15/12/98)
§ 2º - Os proventos de aposentadoria e as pensões, por ocasião
§ 11 - Aplica-se o limite fixado no art. 37, XI, à soma total
de sua concessão, não poderão exceder a remuneração do respecti-
vo servidor, no cargo efetivo em que se deu a aposentadoria ou que dos proventos de inatividade, inclusive quando decorrentes da
serviu de referência para a concessão da pensão. (Redação dada acumulação de cargos ou empregos públicos, bem como de ou-
pela Emenda Constitucional nº 20, de 15/12/98) tras atividades sujeitas a contribuição para o regime geral de pre-
§ 3º Para o cálculo dos proventos de aposentadoria, por oca- vidência social, e ao montante resultante da adição de proventos
sião da sua concessão, serão consideradas as remunerações utili- de inatividade com remuneração de cargo acumulável na forma
zadas como base para as contribuições do servidor aos regimes desta Constituição, cargo em comissão declarado em lei de livre
de previdência de que tratam este artigo e o art. 201, na forma da nomeação e exoneração, e de cargo eletivo. (Incluído pela Emenda
lei. (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 41, 19.12.2003) Constitucional nº 20, de 15/12/98)
§ 4º É vedada a adoção de requisitos e critérios diferencia- § 12 - Além do disposto neste artigo, o regime de previdên-
dos para a concessão de aposentadoria aos abrangidos pelo regi- cia dos servidores públicos titulares de cargo efetivo observará, no
me de que trata este artigo, ressalvados, nos termos definidos em que couber, os requisitos e critérios fixados para o regime geral de
leis complementares, os casos de servidores: (Redação dada pela previdência social. (Incluído pela Emenda Constitucional nº 20,
Emenda Constitucional nº 47, de 2005) de 15/12/98)

Didatismo e Conhecimento 15
LEGISLAÇÃO BÁSICA
§ 13 - Ao servidor ocupante, exclusivamente, de cargo em § 1º O servidor público estável só perderá o cargo: (Redação
comissão declarado em lei de livre nomeação e exoneração bem dada pela Emenda Constitucional nº 19, de 1998)
como de outro cargo temporário ou de emprego público, aplica-se I - em virtude de sentença judicial transitada em julgado; (In-
o regime geral de previdência social. (Incluído pela Emenda Cons- cluído pela Emenda Constitucional nº 19, de 1998)
titucional nº 20, de 15/12/98) II - mediante processo administrativo em que lhe seja assegu-
§ 14 - A União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios, rada ampla defesa; (Incluído pela Emenda Constitucional nº 19,
desde que instituam regime de previdência complementar para os de 1998)
seus respectivos servidores titulares de cargo efetivo, poderão fi- III - mediante procedimento de avaliação periódica de de-
xar, para o valor das aposentadorias e pensões a serem concedidas sempenho, na forma de lei complementar, assegurada ampla defe-
pelo regime de que trata este artigo, o limite máximo estabelecido sa. (Incluído pela Emenda Constitucional nº 19, de 1998)
para os benefícios do regime geral de previdência social de que § 2º Invalidada por sentença judicial a demissão do servidor es-
trata o art. 201. (Incluído pela Emenda Constitucional nº 20, de tável, será ele reintegrado, e o eventual ocupante da vaga, se estável,
15/12/98) reconduzido ao cargo de origem, sem direito a indenização, apro-
§ 15. O regime de previdência complementar de que trata o veitado em outro cargo ou posto em disponibilidade com remunera-
§ 14 será instituído por lei de iniciativa do respectivo Poder Exe- ção proporcional ao tempo de serviço. (Redação dada pela Emenda
cutivo, observado o disposto no art. 202 e seus parágrafos, no Constitucional nº 19, de 1998)
que couber, por intermédio de entidades fechadas de previdência § 3º Extinto o cargo ou declarada a sua desnecessidade, o servi-
complementar, de natureza pública, que oferecerão aos respecti- dor estável ficará em disponibilidade, com remuneração proporcio-
vos participantes planos de benefícios somente na modalidade de nal ao tempo de serviço, até seu adequado aproveitamento em outro
contribuição definida. (Redação dada pela Emenda Constitucional cargo. (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 19, de 1998)
nº 41, 19.12.2003) § 4º Como condição para a aquisição da estabilidade, é obri-
§ 16 - Somente mediante sua prévia e expressa opção, o dis- gatória a avaliação especial de desempenho por comissão instituída
posto nos  §§ 14 e 15 poderá ser aplicado ao servidor que tiver para essa finalidade. (Incluído pela Emenda Constitucional nº 19, de
ingressado no serviço público até a data da publicação do ato de 1998)
instituição do correspondente regime de previdência complemen-
tar. (Incluído pela Emenda Constitucional nº 20, de 15/12/98) Seção III
§ 17. Todos os valores de remuneração considerados para o DOS MILITARES DOS ESTADOS, DO DISTRITO FEDERAL
cálculo do benefício previsto no § 3° serão devidamente atualiza- E DOS TERRITÓRIOS 
dos, na forma da lei. (Incluído pela Emenda Constitucional nº 41, (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 18, de 1998)
19.12.2003)
§ 18. Incidirá contribuição sobre os proventos de aposenta- Art. 42 Os membros das Polícias Militares e Corpos de Bom-
dorias e pensões concedidas pelo regime de que trata este artigo beiros Militares, instituições organizadas com base na hierarquia e
que superem o limite máximo estabelecido para os benefícios do
disciplina, são militares dos Estados, do Distrito Federal e dos Ter-
regime geral de previdência social de que trata o art. 201, com per-
ritórios. (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 18, de 1998)
centual igual ao estabelecido para os servidores titulares de cargos
§ 1º Aplicam-se aos militares dos Estados, do Distrito Federal e
efetivos. (Incluído pela Emenda Constitucional nº 41, 19.12.2003)
dos Territórios, além do que vier a ser fixado em lei, as disposições
§ 19. O servidor de que trata este artigo que tenha completado
do art. 14, § 8º; do art. 40, § 9º; e do art. 142, §§ 2º e 3º, cabendo
as exigências para aposentadoria voluntária estabelecidas no § 1º,
a lei estadual específica dispor sobre as matérias do art. 142, § 3º,
III, a, e que opte por permanecer em atividade fará jus a um abono
inciso X, sendo as patentes dos oficiais conferidas pelos respectivos
de permanência equivalente ao valor da sua contribuição previden-
governadores. (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 20, de
ciária até completar as exigências para aposentadoria compulsória
contidas no § 1º, II. (Incluído pela Emenda Constitucional nº 41, 15/12/98)
19.12.2003) § 2º Aos pensionistas dos militares dos Estados, do Distrito Fe-
§ 20. Fica vedada a existência de mais de um regime próprio deral e dos Territórios aplica-se o que for fixado em lei específica do
de previdência social para os servidores titulares de cargos efeti- respectivo ente estatal. (Redação dada pela Emenda Constitucional
vos, e de mais de uma unidade gestora do respectivo regime em nº 41, 19.12.2003)
cada ente estatal, ressalvado o disposto no art. 142, § 3º, X. (Incluí-
do pela Emenda Constitucional nº 41, 19.12.2003) Seção IV
§ 21. A contribuição prevista no § 18 deste artigo incidirá ape- DAS REGIÕES
nas sobre as parcelas de proventos de aposentadoria e de pensão
que superem o dobro do limite máximo estabelecido para os be- Art. 43. Para efeitos administrativos, a União poderá articular
nefícios do regime geral de previdência social de que trata o art. sua ação em um mesmo complexo geoeconômico e social, visando a
201 desta Constituição, quando o beneficiário, na forma da lei, for seu desenvolvimento e à redução das desigualdades regionais.
portador de doença incapacitante. (Incluído pela Emenda Consti- § 1º - Lei complementar disporá sobre:
tucional nº 47, de 2005) I - as condições para integração de regiões em desenvolvimento;
Art. 41. São estáveis após três anos de efetivo exercício os II - a composição dos organismos regionais que executarão, na
servidores nomeados para cargo de provimento efetivo em virtude forma da lei, os planos regionais, integrantes dos planos nacionais de
de concurso público. (Redação dada pela Emenda Constitucional desenvolvimento econômico e social, aprovados juntamente com
nº 19, de 1998) estes.

Didatismo e Conhecimento 16
LEGISLAÇÃO BÁSICA
§ 2º - Os incentivos regionais compreenderão, além de outros, § 5º Se o Congresso Nacional estiver em recesso, será convoca-
na forma da lei: do, extraordinariamente, no prazo de cinco dias.
I - igualdade de tarifas, fretes, seguros e outros itens de custos § 6º O Congresso Nacional apreciará o decreto dentro de dez
e preços de responsabilidade do Poder Público; dias contados de seu recebimento, devendo continuar funcionando
II - juros favorecidos para financiamento de atividades prio- enquanto vigorar o estado de defesa.
ritárias; § 7º Rejeitado o decreto, cessa imediatamente o estado de defesa.
III - isenções, reduções ou diferimento temporário de tributos
federais devidos por pessoas físicas ou jurídicas; Seção II
IV - prioridade para o aproveitamento econômico e social dos DO ESTADO DE SÍTIO
rios e das massas de água represadas ou represáveis nas regiões de
baixa renda, sujeitas a secas periódicas. Art. 137. O Presidente da República pode, ouvidos o Conselho
§ 3º - Nas áreas a que se refere o § 2º, IV, a União incentivará da República e o Conselho de Defesa Nacional, solicitar ao Congresso
a recuperação de terras áridas e cooperará com os pequenos e mé- Nacional autorização para decretar o estado de sítio nos casos de:
 I - comoção grave de repercussão nacional ou ocorrência de fa-
dios proprietários rurais para o estabelecimento, em suas glebas,
tos que comprovem a ineficácia de medida tomada durante o estado
de fontes de água e de pequena irrigação.
de defesa;
II - declaração de estado de guerra ou resposta a agressão armada
TÍTULO V estrangeira.
Da Defesa do Estado e Das Instituições Democráticas  Parágrafo único. O Presidente da República, ao solicitar autori-
CAPÍTULO I zação para decretar o estado de sítio ou sua prorrogação, relatará os
DO ESTADO DE DEFESA E DO ESTADO DE SÍTIO motivos determinantes do pedido, devendo o Congresso Nacional de-
Seção I cidir por maioria absoluta.
DO ESTADO DE DEFESA Art. 138. O decreto do estado de sítio indicará sua duração, as
normas necessárias a sua execução e as garantias constitucionais que
Art. 136. O Presidente da República pode, ouvidos o Conse- ficarão suspensas, e, depois de publicado, o Presidente da República
lho da República e o Conselho de Defesa Nacional, decretar estado designará o executor das medidas específicas e as áreas abrangidas.
de defesa para preservar ou prontamente restabelecer, em locais § 1º - O estado de sítio, no caso do art. 137, I, não poderá ser
restritos e determinados, a ordem pública ou a paz social ameaça- decretado por mais de trinta dias, nem prorrogado, de cada vez, por
das por grave e iminente instabilidade institucional ou atingidas prazo superior; no do inciso II, poderá ser decretado por todo o tempo
por calamidades de grandes proporções na natureza. que perdurar a guerra ou a agressão armada estrangeira.
§ 1º O decreto que instituir o estado de defesa determinará o § 2º - Solicitada autorização para decretar o estado de sítio duran-
tempo de sua duração, especificará as áreas a serem abrangidas e te o recesso parlamentar, o Presidente do Senado Federal, de imediato,
indicará, nos termos e limites da lei, as medidas coercitivas a vigo- convocará extraordinariamente o Congresso Nacional para se reunir
rarem, dentre as seguintes: dentro de cinco dias, a fim de apreciar o ato.
I - restrições aos direitos de: § 3º - O Congresso Nacional permanecerá em funcionamento até
a) reunião, ainda que exercida no seio das associações; o término das medidas coercitivas.
b) sigilo de correspondência; Art. 139. Na vigência do estado de sítio decretado com funda-
c) sigilo de comunicação telegráfica e telefônica; mento no art. 137, I, só poderão ser tomadas contra as pessoas as se-
II - ocupação e uso temporário de bens e serviços públicos, na guintes medidas:
hipótese de calamidade pública, respondendo a União pelos danos I - obrigação de permanência em localidade determinada;
e custos decorrentes. II - detenção em edifício não destinado a acusados ou condena-
dos por crimes comuns;
§ 2º O tempo de duração do estado de defesa não será superior
III - restrições relativas à inviolabilidade da correspondência, ao
a trinta dias, podendo ser prorrogado uma vez, por igual período,
sigilo das comunicações, à prestação de informações e à liberdade de
se persistirem as razões que justificaram a sua decretação.
imprensa, radiodifusão e televisão, na forma da lei;
§ 3º Na vigência do estado de defesa: IV - suspensão da liberdade de reunião;
I - a prisão por crime contra o Estado, determinada pelo exe- V - busca e apreensão em domicílio;
cutor da medida, será por este comunicada imediatamente ao juiz VI - intervenção nas empresas de serviços públicos;
competente, que a relaxará, se não for legal, facultado ao preso VII - requisição de bens.
requerer exame de corpo de delito à autoridade policial; Parágrafo único. Não se inclui nas restrições do inciso III a difu-
II - a comunicação será acompanhada de declaração, pela au- são de pronunciamentos de parlamentares efetuados em suas Casas
toridade, do estado físico e mental do detido no momento de sua Legislativas, desde que liberada pela respectiva Mesa.
autuação;
III - a prisão ou detenção de qualquer pessoa não poderá ser Seção III
superior a dez dias, salvo quando autorizada pelo Poder Judiciário; DISPOSIÇÕES GERAIS
IV - é vedada a incomunicabilidade do preso.
§ 4º Decretado o estado de defesa ou sua prorrogação, o Presi- Art. 140. A Mesa do Congresso Nacional, ouvidos os líderes
dente da República, dentro de vinte e quatro horas, submeterá o ato partidários, designará Comissão composta de cinco de seus mem-
com a respectiva justificação ao Congresso Nacional, que decidirá bros para acompanhar e fiscalizar a execução das medidas referen-
por maioria absoluta. tes ao estado de defesa e ao estado de sítio.

Didatismo e Conhecimento 17
LEGISLAÇÃO BÁSICA
Art. 141. Cessado o estado de defesa ou o estado de sítio, ces- VII - o oficial condenado na justiça comum ou militar a pena
sarão também seus efeitos, sem prejuízo da responsabilidade pelos privativa de liberdade superior a dois anos, por sentença transitada
ilícitos cometidos por seus executores ou agentes. em julgado, será submetido ao julgamento previsto no inciso ante-
Parágrafo único. Logo que cesse o estado de defesa ou o esta- rior; (Incluído pela Emenda Constitucional nº 18, de 1998)
do de sítio, as medidas aplicadas em sua vigência serão relatadas VIII - aplica-se aos militares o disposto no art. 7º, incisos VIII,
pelo Presidente da República, em mensagem ao Congresso Na- XII, XVII, XVIII, XIX e XXV, e no art. 37, incisos XI, XIII, XIV
cional, com especificação e justificação das providências adota- e XV, bem como, na forma da lei e com prevalência da atividade
das, com relação nominal dos atingidos e indicação das restrições militar, no art. 37, inciso XVI, alínea “c”;   (Redação dada pela
aplicadas. Emenda Constitucional nº 77, de 2014)
IX -  (Revogado pela Emenda Constitucional nº 41, de
CAPÍTULO II 19.12.2003)
DAS FORÇAS ARMADAS X - a lei disporá sobre o ingresso nas Forças Armadas, os limi-
tes de idade, a estabilidade e outras condições de transferência do
Art. 142. As Forças Armadas, constituídas pela Marinha, pelo militar para a inatividade, os direitos, os deveres, a remuneração,
Exército e pela Aeronáutica, são instituições nacionais permanen- as prerrogativas e outras situações especiais dos militares, con-
tes e regulares, organizadas com base na hierarquia e na disciplina, sideradas as peculiaridades de suas atividades, inclusive aquelas
sob a autoridade suprema do Presidente da República, e destinam- cumpridas por força de compromissos internacionais e de guer-
se à defesa da Pátria, à garantia dos poderes constitucionais e, por ra. (Incluído pela Emenda Constitucional nº 18, de 1998)
iniciativa de qualquer destes, da lei e da ordem. Art. 143. O serviço militar é obrigatório nos termos da lei.
§ 1º Lei complementar estabelecerá as normas gerais a serem § 1º Às Forças Armadas compete, na forma da lei, atribuir
adotadas na organização, no preparo e no emprego das Forças Ar- serviço alternativo aos que, em tempo de paz, após alistados, ale-
madas. garem imperativo de consciência, entendendo-se como tal o decor-
§ 2º Não caberá habeas corpus em relação a punições disci- rente de crença religiosa e de convicção filosófica ou política, para
plinares militares. se eximirem de atividades de caráter essencialmente militar. (Re-
§ 3º Os membros das Forças Armadas são denominados mili- gulamento)
tares, aplicando-se lhes, além das que vierem a ser fixadas em lei, § 2º As mulheres e os eclesiásticos ficam isentos do serviço
as seguintes disposições: (Incluído pela Emenda Constitucional nº militar obrigatório em tempo de paz, sujeitos, porém, a outros en-
18, de 1998) cargos que a lei lhes atribuir. (Regulamento)
I - as patentes, com prerrogativas, direitos e deveres a elas
inerentes, são conferidas pelo Presidente da República e assegura- CAPÍTULO III
das em plenitude aos oficiais da ativa, da reserva ou reformados, DA SEGURANÇA PÚBLICA
sendo-lhes privativos os títulos e postos militares e, juntamente
com os demais membros, o uso dos uniformes das Forças Arma- Art. 144. A segurança pública, dever do Estado, direito e res-
das; (Incluído pela Emenda Constitucional nº 18, de 1998) ponsabilidade de todos, é exercida para a preservação da ordem
II - o militar em atividade que tomar posse em cargo ou em- pública e da incolumidade das pessoas e do patrimônio, através
prego público civil permanente, ressalvada a hipótese prevista no dos seguintes órgãos:
art. 37, inciso XVI, alínea “c”, será transferido para a reserva, nos I - polícia federal;
termos da lei;  (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 77, II - polícia rodoviária federal;
de 2014) III - polícia ferroviária federal;
III - o militar da ativa que, de acordo com a lei, tomar posse IV - polícias civis;
em cargo, emprego ou função pública civil temporária, não eletiva, V - polícias militares e corpos de bombeiros militares.
ainda que da administração indireta, ressalvada a hipótese prevista § 1º A polícia federal, instituída por lei como órgão perma-
no art. 37, inciso XVI, alínea “c”, ficará agregado ao respectivo nente, organizado e mantido pela União e estruturado em carreira,
quadro e somente poderá, enquanto permanecer nessa situação, ser destina-se a:” (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 19,
promovido por antiguidade, contando-se lhe o tempo de serviço de 1998)
apenas para aquela promoção e transferência para a reserva, sendo I - apurar infrações penais contra a ordem política e social ou
depois de dois anos de afastamento, contínuos ou não, transferido em detrimento de bens, serviços e interesses da União ou de suas
para a reserva, nos termos da lei;  (Redação dada pela Emenda entidades autárquicas e empresas públicas, assim como outras in-
Constitucional nº 77, de 2014) frações cuja prática tenha repercussão interestadual ou internacio-
IV - ao militar são proibidas a sindicalização e a greve; (In- nal e exija repressão uniforme, segundo se dispuser em lei;
cluído pela Emenda Constitucional nº 18, de 1998) II - prevenir e reprimir o tráfico ilícito de entorpecentes e dro-
V - o militar, enquanto em serviço ativo, não pode estar filiado gas afins, o contrabando e o descaminho, sem prejuízo da ação
a partidos políticos; (Incluído pela Emenda Constitucional nº 18, fazendária e de outros órgãos públicos nas respectivas áreas de
de 1998) competência;
VI - o oficial só perderá o posto e a patente se for julgado in- III - exercer as funções de polícia marítima, aeroportuária e
digno do oficialato ou com ele incompatível, por decisão de tribu- de fronteiras; (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 19,
nal militar de caráter permanente, em tempo de paz, ou de tribunal de 1998)
especial, em tempo de guerra; (Incluído pela Emenda Constitucio- IV - exercer, com exclusividade, as funções de polícia judi-
nal nº 18, de 1998) ciária da União.

Didatismo e Conhecimento 18
LEGISLAÇÃO BÁSICA
§ 2º A polícia rodoviária federal, órgão permanente, organizado Art. 18 No exercício de sua autonomia o Estado editará leis,
e mantido pela União e estruturado em carreira, destina-se, na forma expedirá atos e adotará medidas pertinentes aos seus interesses, às
da lei, ao patrulhamento ostensivo das rodovias federais. (Redação necessidades da Administração e ao bem-estar da população.
dada pela Emenda Constitucional nº 19, de 1998) Art. 19 São símbolos estaduais a bandeira, o selo e o brasão
§ 3º A polícia ferroviária federal, órgão permanente, organizado de armas em uso na data da promulgação desta Constituição, bem
e mantido pela União e estruturado em carreira, destina-se, na forma como o hino estabelecido em lei.
da lei, ao patrulhamento ostensivo das ferrovias federais. (Redação Art. 20 Incluem-se entre os bens do Estado:
dada pela Emenda Constitucional nº 19, de 1998) I - os que, atualmente, lhe pertencem e os que vierem a ser
§ 4º Às polícias civis, dirigidas por delegados de polícia de car- atribuídos;
reira, incumbem, ressalvada a competência da União, as funções de II - as ilhas fluviais e as terras devolutas situadas em seu terri-
polícia judiciária e a apuração de infrações penais, exceto as mili- tório, não pertencentes à União;
tares. III - as águas superficiais ou subterrâneas, fluentes, emergen-
§ 5º Às polícias militares cabem a polícia ostensiva e a preser- tes e em depósito, ressalvadas, neste caso, na forma de lei, as de-
vação da ordem pública; aos corpos de bombeiros militares, além correntes de obras da União.
das atribuições definidas em lei, incumbe a execução de atividades
de defesa civil. CAPÍTULO II
§ 6º As polícias militares e corpos de bombeiros militares, for- Do Poder Legislativo Estadual
ças auxiliares e reserva do Exército, subordinam-se, juntamente com SEÇÃO I
as polícias civis, aos Governadores dos Estados, do Distrito Federal Da Assembleia Legislativa
e dos Territórios.
§ 7º A lei disciplinará a organização e o funcionamento dos ór- Art. 21 O Poder Legislativo é exercido pela Assembleia Le-
gãos responsáveis pela segurança pública, de maneira a garantir a gislativa, composta de representantes do povo mato-grossense,
eficiência de suas atividades. eleitos pelo sistema proporcional, entre cidadãos brasileiros, maio-
§ 8º Os Municípios poderão constituir guardas municipais des- res de vinte e um anos, no exercício dos direitos políticos, por voto
tinadas à proteção de seus bens, serviços e instalações, conforme direto e secreto, na forma da Legislação Federal.
dispuser a lei. § 1º O número de Deputados à Assembleia Legislativa cor-
§ 9º A remuneração dos servidores policiais integrantes dos ór- responderá ao triplo da representação do Estado na Câmara dos
gãos relacionados neste artigo será fixada na forma do § 4º do art. Deputados, e, atingindo o número de trinta e seis, será acrescido
39. (Incluído pela Emenda Constitucional nº 19, de 1998) de tantos quantos forem os Deputados Federais acima de doze,
§ 10. A segurança viária, exercida para a preservação da ordem procedendo-se aos ajustes necessários no ano anterior às eleições.
pública e da incolumidade das pessoas e do seu patrimônio nas vias § 2º Cada legislatura terá a duração de quatro anos, iniciando-
públicas: (Incluído pela Emenda Constitucional nº 82, de 2014) se com a posse dos Deputados.
I - compreende a educação, engenharia e fiscalização de trân- Art. 22 Salvo disposição constitucional em contrário, as de-
sito, além de outras atividades previstas em lei, que assegurem ao liberações da Assembleia Legislativa e de suas Comissões serão
cidadão o direito à mobilidade urbana eficiente; e  (Incluído pela tomadas por maioria de votos, presente a maioria absoluta de seus
Emenda Constitucional nº 82, de 2014) membros.
II - compete, no âmbito dos Estados, do Distrito Federal e dos Art. 23 Ao Poder Legislativo fica assegurada autonomia fun-
Municípios, aos respectivos órgãos ou entidades executivos e seus cional, administrativa e financeira.
agentes de trânsito, estruturados em Carreira, na forma da lei.  (In- Art. 24 A Assembleia Legislativa será dirigida por uma Mesa,
cluído pela Emenda Constitucional nº 82, de 2014) composta de um Presidente, um primeiro e um segundo Secretá-
rios, à qual cabe, em colegiado, a direção dos trabalhos legislativos
e serviços administrativos.
§ 1º O Presidente representará a Assembleia Legislativa em
CONSTITUIÇÃO DO ESTADO DO MATO Juízo e fora dele e presidirá as sessões plenárias e as reuniões da
GROSSO (TÍTULO III – DO ESTADO); Mesa e do Colégio de Líderes.
§ 2º Para substituir o Presidente e os Secretários haverá um
Primeiro e um Segundo Vice-Presidente e um Terceiro e Quarto
Secretário. (EC 25/04)
TÍTULO III § 3º Os membros da Mesa e seus respectivos substitutos serão
DO ESTADO eleitos para um mandato de 02 (dois) anos, na forma estabelecida
CAPÍTULO I pelo Regimento Interno da Assembleia Legislativa, permitida a re-
Das Disposições Gerais condução. (EC 63/12)
Art. 25 Cabe à Assembleia Legislativa, com a sanção do Go-
Art. 17 É mantida a integridade territorial do Estado, que so- vernador do Estado, não exigida esta para o especificado no art.
mente será alterada mediante aprovação de sua população e por lei 26, dispor sobre todas as matérias de competência do Estado, es-
complementar federal. pecialmente:
§ 1º A organização político-administrativa do Estado com- I - sistema tributário, arrecadação e distribuição de rendas es-
preende seus Municípios, dotados de autonomia e subdivididos em taduais, anistia ou remissão envolvendo matéria tributária;
distritos criados por eles, observada a legislação estadual. II - plano plurianual, diretrizes orçamentárias, Orçamento
§ 2º A cidade de Cuiabá é a Capital do Estado. anual, operações de crédito, dívida pública;

Didatismo e Conhecimento 19
LEGISLAÇÃO BÁSICA
III - planos e programas estaduais, regionais e setoriais de de- XI - autorizar, por dois terços de seus membros, a instauração
senvolvimento; de processo contra o Governador, o Vice-Governador e os Secre-
IV - criação, incorporação, fusão, subdivisão ou desmembra- tários de Estado;
mento de Municípios, observado o disposto no art. 18, § 4º, da XII - autorizar referendo e convocar plebiscito;
Constituição Federal; XIII - elaborar e votar seu Regimento Interno;
V - limites do território de cada unidade municipal e bens de XIV - dispor sobre sua organização, funcionamento, poder de
domínio do Estado; polícia, criação, transformação ou extinção dos cargos, empregos
VI - transferência temporária de sede do Governo Estadual; e funções de seus serviços e fixação da respectiva remuneração,
VII - organização administrativa e judiciária do Poder Judi- observados os parâmetros estabelecidos na Constituição Federal e
ciário, Ministério Público, da Procuradoria Geral do Estado, da nesta Constituição;
Defensoria Pública, do Tribunal de Contas, da Polícia Judiciária XV - elaborar sua proposta de orçamento, dentro dos limites
Civil, da Polícia Militar e do Corpo de Bombeiros Militar. (EC da lei de diretrizes orçamentárias;
09/94). XVI - processar e julgar o Governador do Estado e Vice-Go-
VIII - criação, transformação e extinção de cargos, empregos vernador nos crimes de responsabilidade e os Secretários de Esta-
e funções públicas, na Administração Pública direta e indireta, do nos crimes da mesma natureza conexos com aqueles;
bem como fixação dos respectivos vencimentos e remuneração, XVII - processar e julgar o Procurador-Geral de Justiça, o
observados os critérios estabelecidos na Constituição Federal e Procurador-Geral do Estado e o Procurador-Geral da Defensoria
nesta Constituição; Pública nos crimes de responsabilidade;
IX - criação, estruturação e atribuições das Secretarias de Es- XVIII - escolher, mediante voto secreto e após arguição pú-
tado e órgãos da Administração Pública; blica, dois terços dos membros do Tribunal de Contas do Estado;
X - matéria financeira, podendo: XIX - aprovar, previamente, por voto secreto, após arguição
a) autorizar, previamente, o Governador a estabelecer conces- pública, a escolha de:
são para exploração de serviço público, bem como fixação e rea- a) Conselheiros do Tribunal de Contas do Estado;
juste de tarifas e preços respectivos; b) (declarado inconstitucional, em controle concentrado,
b) autorizar a alienação, cessão e arrendamento de bens imó- pelo Supremo Tribunal Federal – ADIN nº 184-1, julgada em
veis do Estado e o recebimento de doações com encargos gravo- 25/06/1993, DJ 27.08.1993)
sos, inclusive a simples destinação específica do bem;
c) (declarado inconstitucional, em controle concentrado,
c) autorizar a criação de fundos, autarquias, empresas públi-
pelo Supremo Tribunal Federal – ADIN nº 452-2, julgada em
cas, sociedades de economia mista e fundações instituídas pelo
28/08/2002, DJ 31.10.2002);
Poder Público ou mantidas pelo Estado;
d) Interventor em Município;
XI - aprovar, previamente, mudanças na composição da remu-
e) Titulares de outros cargos que a lei determinar.
neração dos servidores públicos, integrada de vencimento-base,
XX - ressalvado o disposto no art. 52, V, da Constituição Fe-
representação e adicional por tempo de serviço.
deral, autorizar operações internas e externas de natureza financei-
Art. 26 É da competência exclusiva da Assembleia Legisla-
tiva: ra de interesse do Estado, exceto no caso de operação interna para
I - eleger a Mesa Diretora e constituir suas Comissões; atender à calamidade pública, quando esse ato será praticado “ad
II - receber o compromisso e dar posse ao Governador e ao referendum” da Assembleia Legislativa;
Vice-Governador do Estado, conhecer-lhes da renúncia e apreciar XXI - suspender a execução, total ou parcial, de lei ou ato nor-
seus pedidos de licença; mativo estadual, declarado inconstitucional por decisão definitiva
III - autorizar o Governador e ao (sic.) Vice-Governador a se do Tribunal de Justiça;
ausentarem do Estado, quando a ausência exceder a quinze dias, e XXII - autorizar, previamente, por iniciativa do Governador, a
do país por qualquer tempo; destituição do Procurador-Geral de Justiça e do Procurador-Geral
IV - estabelecer e mudar, temporariamente, sua sede, local de da Defensoria Pública;
suas reuniões, bem como da reunião de suas Comissões Perma- XXIII - destituir, por deliberação da maioria absoluta dos De-
nentes; putados, na forma da lei estadual complementar, o Procurador-Ge-
V - apreciar o decreto de intervenção em Municípios; ral de Justiça e o Procurador-Geral da Defensoria Pública;
VI - sustar os atos normativos do Poder Executivo que exorbi- XXIV - apreciar os relatórios trimestral e anual do Tribunal de
tem do poder regulamentar ou dos limites da delegação legislativa; Contas do Estado;
VII - julgar, anualmente, as contas do Governador e apreciar XXV - requerer intervenção federal, se necessário, para asse-
os relatórios sobre a execução dos planos de governo, procedendo gurar o livre exercício de suas funções;
à tomada de contas, quando não apresentadas dentro de sessenta XXVI - ordenar a sustação de contrato impugnado pelo Tri-
dias, contados da abertura da Sessão Legislativa; bunal de Contas;
VIII - fiscalizar e controlar, diretamente, através de quaisquer XXVII - apreciar convênios, acordos ou contratos celebrados
de seus membros ou Comissões, os atos do Poder Executivo, in- pelo Poder Executivo com os Governos Federal, Estaduais ou Mu-
cluídos os da Administração indireta; nicipais, entidades de direito público ou privado, ou particulares,
IX - zelar pela preservação de sua competência legislativa em de que resultem para o Estado quaisquer encargos;
face da atribuição normativa dos outros Poderes; XXVIII - emendar a Constituição Estadual, promulgar leis
X - fixar remuneração para os Deputados Estaduais, em cada nos casos previstos nesta Constituição, expedir decretos legisla-
legislatura para a subsequente, observado o que dispõem os artigos tivos e resoluções;
150, II, 153, III e 153, § 2º, I da Constituição Federal; XXIX - apreciar vetos do Governador do Estado;

Didatismo e Conhecimento 20
LEGISLAÇÃO BÁSICA
XXX - solicitar ao Governador do Estado informações sobre § 8º As imunidades dos Deputados Estaduais subsistirão du-
assunto relacionado com matéria legislativa em tramitação ou su- rante o estado de sítio, só podendo ser suspensas mediante o voto
jeita a sua fiscalização; de dois terços dos membros da Assembleia Legislativa, nos casos
XXXI - estabelecer, para o início de cada exercício financeiro, de atos praticados fora do recinto do Parlamento Estadual, que se-
a remuneração do Governador, do Vice-Governador e dos Secre- jam incompatíveis com a execução da medida. (EC 42/06)
tários de Estado. Art. 30 Os Deputados Estaduais não poderão:
Parágrafo único Nos casos previstos nos inciso XVI e XVII, I - desde a expedição do diploma:
funcionará como Presidente o do Tribunal de Justiça, limitando-se a) firmar ou manter contrato com pessoa jurídica de direito
a condenação, que somente será proferida por dois terços dos vo- público, autarquia, empresa pública, sociedade de economia mis-
tos da Assembleia Legislativa, à perda do cargo, com inabilitação, ta ou empresa concessionária de serviço público, salvo quando o
por oito anos, para o exercício da função pública, sem prejuízo das contrato obedecer a cláusulas uniformes;
demais sanções cabíveis. b) aceitar ou exercer cargo, função ou emprego remunerado,
Art. 27 A Assembleia Legislativa, bem como qualquer de inclusive os de que sejam demissíveis “ad nutum”, nas entidades
suas Comissões, poderá convocar para prestar, pessoalmente, in- constantes da alínea anterior.
formações sobre assuntos previamente determinados, importando II - desde a posse:
crime de responsabilidade e ausência sem justificação adequada: a) ser proprietários, controladores ou diretores de empresa que
I - Secretários de Estado; goze de favor decorrente de contrato com pessoa jurídica de direito
II - Procurador-Geral de Justiça; público, ou nela exercer função remunerada;
III - Procurador-Geral do Estado; b) ocupar cargo ou função de que sejam demissíveis “ad nu-
IV - Procurador-Geral da Defensoria Pública; tum” nas entidades referidas no inciso I, “a”;
V - Titulares dos órgãos da Administração Pública indireta. c) patrocinar causa em que seja interessada qualquer das enti-
Art. 28 A Mesa da Assembleia Legislativa, poderá enca- dades a que se refere o inciso I, “a”;
minhar pedidos escritos de informação aos ocupantes de cargos d) ser titulares demais de um cargo ou mandato público ele-
enumerados nos incisos do artigo anterior, importando crime de tivo.
responsabilidade a recusa ou o não atendimento no prazo de trinta Art. 31 Perderá o mandato o Deputado Estadual:
dias, bem como a prestação de informações falsas. I - que infringir qualquer das proibições estabelecidas no ar-
tigo anterior;
SEÇÃO III II - cujo procedimento for declarado incompatível com o de-
Dos Deputados Estaduais coro parlamentar;
III - que deixar de comparecer, em cada sessão legislativa à
terça parte das sessões ordinárias da Assembleia Legislativa, salvo
Art. 29 Os Deputados Estaduais são invioláveis, civil e pe-
licença ou missão por esta autorizada;
nalmente, por quaisquer de suas opiniões, palavras e votos.9 (EC
IV - que perder ou tiver suspensos os direitos políticos;
42/06)
V - que sofrer condenação criminal em sentença transitada em
§ 1º Os Deputados Estaduais, desde a expedição do diploma,
julgado;
serão submetidos a julgamento perante o Tribunal de Justiça. (EC
VI - quando decretar a Justiça Eleitoral, nos casos previstos na
42/06)
Constituição Federal.
§ 2º Desde a expedição do diploma, os Deputados Estaduais
§ 1º É incompatível com o decoro parlamentar, além dos ca-
não poderão ser presos, salvo em flagrante de crime inafiançável.
sos definidos do Regimento Interno, o abuso das prerrogativas as-
Nesse caso, os autos serão remetidos dentro de vinte e quatro horas seguradas aos Deputados Estaduais ou a percepção de vantagens
à Assembleia Legislativa, para que, pelo voto da maioria de seus indevidas.
membros, resolva sobre a prisão. (EC 42/06) § 2º Nos casos dos incisos I, II e V, a perda do mandato será
§ 3º Recebida a denúncia contra o Deputado, por crime ocor- decidida pela Assembleia Legislativa, por voto secreto e maioria
rido após a diplomação, o Tribunal de Justiça dará ciência à As- absoluta, mediante provocação da Mesa ou de partido político re-
sembleia Legislativa, que, por iniciativa de partido político nela presentado na Casa, assegurada a ampla defesa.
representado e pelo voto da maioria de seus membros, poderá, até § 3º Nos casos previstos nos incisos III, IV e VI, a perda será
a decisão final, sustar o andamento da ação. (EC 42/06) declarada pela Mesa da Assembleia Legislativa, de ofício ou me-
§ 4º O pedido de sustação será apreciado pela Assembleia Le- diante provocação de qualquer de seus membros ou de partido po-
gislativa no prazo improrrogável de quarenta e cinco dias do seu lítico representado na Casa, assegurada a ampla defesa.
recebimento pela Mesa Diretora. (EC 42/06) Art. 32 Não perderá o mandato o Deputado Estadual:
§ 5º A sustação do processo suspende a prescrição, enquanto I - investido no cargo de Ministro de Estado, Secretário de
durar o mandato. (EC 42/06) Estado e de Prefeitura da Capital;
§ 6º Os Deputados Estaduais não serão obrigados a testemu- II - licenciado pela Assembleia Legislativa por motivo de
nhar sobre informações recebidas ou prestadas em razão do exercí- doença ou para tratar, sem remuneração, de interesse particular,
cio do mandato, nem sobre as pessoas que lhes confiaram ou deles desde que, neste caso, o afastamento não ultrapasse 180 (cento e
receberam informações. (EC 42/06) oitenta) dias por Sessão Legislativa. (EC 68/14)
§ 7º A incorporação às Forças Armadas de Deputados, embora § 1º O suplente será convocado nos casos de vaga, de inves-
militares e ainda que em tempo de guerra, dependerá de prévia tidura em funções previstas neste artigo ou de licença superior a
licença da Assembleia Legislativa. (EC 42/06) cento e vinte dias.

Didatismo e Conhecimento 21
LEGISLAÇÃO BÁSICA
§ 2º Ocorrendo vaga e não havendo suplente, far-se-á eleição III - convocar Secretários de Estado para prestar informações
para preenchê-la se faltarem mais de quinze meses para o término sobre assuntos inerentes às suas atribuições;
do mandato. IV - receber petições, reclamações, representações ou queixas
§ 3º Na hipótese do inciso I, o Deputado Estadual poderá optar de qualquer pessoa contra atos ou omissões das autoridades ou
pela remuneração do mandato. entidades públicas;
Art. 33 As contribuições devidas ao fundo de previdência V - solicitar depoimento de qualquer autoridade ou cidadão;
parlamentar serão calculadas tomando-se por base a remuneração VI - apreciar programas de obras, planos estaduais regionais e
mensal, nos termos da lei. setoriais de desenvolvimento e sobre eles emitir parecer.
§ 3º As comissões parlamentares de inquérito, que terão po-
SEÇÃO IV deres de investigação próprios das autoridades judiciais, além de
Das Reuniões outros previstos no Regimento Interno da Casa, serão criadas a re-
querimento de um terço dos membros da Assembleia Legislativa,
Art. 34 A Assembleia Legislativa reunir-se-á, anualmente, na para apuração de fato determinado e por prazo certo, sendo suas
Capital do Estado, de 02 de fevereiro a 17 de julho e de 1º de agos- conclusões, se for o caso, encaminhadas ao Ministério Público,
to a 22 de dezembro. (EC 49/06) para que promova a responsabilidade civil ou criminal dos infra-
§ 1º As reuniões marcadas para essas datas serão transferidas tores.
para o primeiro dia útil subsequente, quando recaírem nos sábados, § 4º Durante o recesso, haverá uma Comissão representativa
domingos ou feriados. da Assembleia Legislativa, eleita pelo Plenário por voto secreto,
2º A sessão legislativa não será interrompida sem a aprovação na última sessão ordinária do período legislativo, com atribuições
do projeto de lei de diretrizes orçamentárias, do orçamento anual, definidas no Regimento Interno, e cuja composição reproduzirá,
da eleição da Mesa da Assembleia Legislativa, quando for o caso, quando possível, a proporcionalidade da representação partidária.
e o julgamento das contas do Governador do Estado relativas ao
exercício financeiro anterior. SEÇÃO VI
§ 3º A Assembleia Legislativa reunir-se-á em sessão prepa- Do Processo Legislativo
ratória a partir de 1º de fevereiro, no primeiro ano da Legislatu- SUBSEÇÃO I
ra, para a posse dos Deputados Estaduais e eleição da Mesa, para Das Disposições Gerais
mandato de 02 (dois) anos, na forma estabelecida em seu Regi-
mento Interno. (EC 63/12) Art. 37 O processo legislativo compreende a elaboração de:
§ 4º A convocação extraordinária da Assembleia Legislativa I – emendas à Constituição;
far-se-á por ato do Governador do Estado, do Presidente da Casa II – leis complementares;
ou a requerimento da maioria de seus membros, em caso de urgên- III – leis ordinárias;
cia ou interesse público relevante. IV – leis delegadas;
§ 5º Na sessão legislativa extraordinária, a Assembleia Legis- V – decretos legislativos;
lativa somente deliberará sobre a matéria para a qual foi convoca- VI – resoluções.
da e que deverá constar, expressamente, no ato convocatório. Parágrafo único Lei complementar disporá sobre a elabora-
§ 6º Para o segundo biênio, a eleição da Mesa dar-se-á na ção, redação, alteração e consolidação das leis.
Ordem do Dia da primeira sessão do mês de setembro do segundo
ano legislativo, tomando posse os eleitos em 1º de fevereiro do ano SUBSEÇÃO II
subsequente.13 (EC 53/08) Da Emenda à Constituição
Art. 35 A Assembleia Legislativa funcionará, ordinariamente,
todos os dias úteis, à exceção de segunda-feira e sábado, com a Art. 38 A constituição poderá ser emendada mediante pro-
presença de, pelo menos, um terço de seus membros, em sessões posta:
públicas, consoante o seu Regimento Interno. I - de um terço, no mínimo, dos membros da Assembleia Le-
gislativa;
SEÇÃO V II - do Governador do Estado;
Das Comissões III - de mais da metade das Câmaras Municipais do Estado,
manifestando-se, cada uma delas, pela maioria simples de seus
Art. 36 A Assembleia Legislativa terá comissões permanentes membros.
e temporárias, constituídas na forma e com as atribuições previstas § 1º A Constituição não poderá ser emendada na vigência de
no Regimento Interno ou no ato de que resultar sua criação. intervenção federal, de estado de defesa ou estado de sítio.
§ 1º Na constituição da Mesa e de cada Comissão, é assegura- § 2º A proposta será discutida e votada pela Assembleia Le-
da, tanto quanto possível, a representação proporcional dos parti- gislativa, em dois turnos, considerando-se aprovada se obtiver, em
dos ou dos blocos parlamentares que participam da Casa ambos, três quintos dos votos dos Deputados Estaduais.
§ 2º Às comissões, em razão da matéria de sua competência § 3º A emenda à Constituição será promulgada pela Mesa da
cabe: Assembleia Legislativa, com o respectivo número de ordem.
I - discutir e votar projetos de lei que dispensar, no forma do § 4º Não serão objeto de deliberação as propostas de emendas
Regimento, a competência do Plenário, salvo se houver recurso de previstas no § 4, do art. 60, da Constituição Federal.
um décimo dos membros de Casa; § 5º A matéria constante de proposta de emenda rejeitada ou
II - realizar audiências públicas com entidades da sociedade havida por prejudicada não pode ser objeto de nova proposta na
civil; mesma sessão legislativa.

Didatismo e Conhecimento 22
LEGISLAÇÃO BÁSICA
Art. ... As leis sancionadas e promulgadas serão obrigato- § 4º Decorrido o prazo de quinze dias, o silêncio do Governa-
riamente regulamentadas no prazo máximo de 90 (noventa) dias, dor importará em sanção.
contados da data de sua publicação, importando em crime de res- § 5º O veto será apreciado no prazo de trinta dias a contar de
ponsabilidade o descumprimento deste dispositivo. (EC 19/01) seu recebimento, só podendo ser rejeitado pelo voto da maioria
absoluta dos membros da Assembleia Legislativa, em escrutínio
SUBSEÇÃO III secreto.
Das Leis § 6º Se o veto não for mantido, será o projeto enviado, para
promulgação, ao Governador do Estado.
Art. 39 A iniciativa das leis complementares e ordinárias cabe § 7º Esgotado sem deliberação o prazo estabelecido no par. 5º,
a qualquer membro ou Comissão da Assembleia Legislativa, ao Go- o veto será colocado na ordem do dia da sessão imediata, sobres-
vernador do Estado, ao Tribunal de Justiça, à Procuradoria Geral de tadas as demais proposições, até sua votação final, ressalvadas as
Justiça e aos cidadãos, na forma e nos casos previstos nesta Cons- matérias de que trata o art. 41, desta Constituição.
tituição. § 8º Se a lei não for promulgada dentro de quarenta e oito ho-
Parágrafo único São de iniciativa privativa do Governador do ras pelo Governador do Estado, nos casos dos parágrafos 4º e 6º, o
Estado as leis que: Presidente da Assembleia Legislativa a promulgará e, se este não o
I - fixem ou modifiquem os efetivos da Polícia Militar e do Cor- fizer em igual prazo, caberá ao Vice-Presidente fazê-lo.
po de Bombeiros Militar; § 9º Na apreciação do veto, a Assembleia Legislativa não po-
II - disponham sobre: derá introduzir qualquer modificação no texto vetado.
a) criação de cargos, funções ou empregos públicos na Admi- Art. 43 A matéria constante do projeto de lei rejeitado so-
nistração Pública direta e indireta ou aumento de sua remuneração, mente poderá constituir objeto de novo projeto, na mesma sessão
observado o disposto na Seção III, Capítulo V, deste Título; legislativa, mediante proposta da maioria absoluta dos membros
b) servidores públicos do Estado, seu regime jurídico, provi- da Assembleia Legislativa.
mento de cargos, estabilidade e aposentadoria de civis, reforma e Art. 44 As leis delegadas serão elaboradas pelo Governador
transferência de militares para a inatividade; do Estado, que deverá solicitar, para cada caso, a delegação à As-
c) organização do Ministério Público, da Procuradoria Geral do sembleia Legislativa.
Estado e da Defensoria Pública, observado o disposto na Constitui- § 1º Não serão objeto de delegação os atos competência exclu-
ção Federal; siva da Assembleia Legislativa, a matéria reservada à lei comple-
d) criação, estruturação e atribuições das Secretarias de Estado mentar, nem a legislação sobre:
e órgãos da Administração Pública. I - organização do Poder Judiciário e do Ministério público, a
Art. 40 Não será admitido aumento de despesa prevista: carreira e a garantia de seus membros;
I - nos projetos de iniciativa privativa do Governador, ressalva- II - planos plurianuais, diretrizes orçamentárias e orçamentos.
do o disposto do art. 164, desta Constituição. § 2º A delegação ao Governador do Estado terá a forma de re-
II - nos projetos sobre organização dos serviços administrativos solução da Assembleia Legislativa, que especificará seu conteúdo
da Assembleia Legislativa, dos Tribunais e do Ministério Público. e os termos de seu exercício.
Art. 41 O Governador do Estado poderá solicitar urgência para § 3º Se a resolução determinar a apreciação do projeto pela
apreciação de projetos de sua iniciativa. Assembleia Legislativa, esta a fará em votação única, vedada qual-
§ 1º Se a Assembleia Legislativa não se manifestar no prazo quer emenda.
máximo de quarenta e cinco dias, esta dever ser incluída na ordem Art. 45 As leis complementares serão aprovadas por maioria
do dia, sobrestando-se a deliberação quanto aos demais assuntos, absoluta dos membros da Assembleia Legislativa e receberão nu-
para que se ultime a votação. meração distinta das leis ordinárias.
§ 2º O prazo de que trata o parágrafo anterior não corre no pe- Parágrafo único Serão regulados por lei complementar, entre
ríodo de recesso da Assembleia Legislativa, nem se aplica aos pro- outros casos previstos nesta Constituição:
jetos de lei complementar. I - Sistema Financeiro e Tributário do Estado;
§ 3º A solicitação de urgência poderá ser feita mesmo depois II – Organização Judiciária do Estado;
da remessa do projeto de lei e em qualquer fase de sua tramitação, III – Organização do Ministério Público do Estado;
começando a fluir o prazo a partir da leitura no expediente. IV – Organização da Procuradoria Geral do Estado;
Art. 42 O projeto de lei, após concluída a respectiva votação, se V - Organização da Defensoria Pública do Estado;
rejeitado pela Assembleia Legislativa, será arquivado; se aprovado, VI - Estatuto dos Servidores Públicos Civis do Estado;
será enviado ao Governador do Estado que, aquiescendo, o sancio- VII - Estatuto dos Servidores Públicos Militares do Estado;
nará no prazo de quinze dias úteis. VIII – Organização dos Profissionais da Educação Básica.
§ 1º Se o Governador do Estado considerar o projeto de lei, no (EC 12/98)
todo ou em parte, inconstitucional ou contrário ao interesse público, IX - Organização da Polícia Judiciária Civil do Estado;
vetá-lo-á total ou parcialmente, no prazo de quinze dias úteis, conta- X - Organização do Grupo Tributação, Arrecadação e Fisca-
dos da data do recebimento, e comunicará, dentro de quarenta e oito lização;
horas, os motivos do veto ao Presidente da Assembleia Legislativa. XI - Organização do Tribunal de Contas do Estado;
§ 2º O veto parcial somente abrangerá texto integral de artigo, XII - Organização das entidades da Administração Pública
de parágrafo, de inciso ou de alínea. Indireta;
§ 3º Se o veto ocorrer durante o recesso da Assembleia Legis- XIII - Lei de Diretrizes da Educação;
lativa, o Governador do Estado fará publicá-lo. XIV - Código da Saúde;

Didatismo e Conhecimento 23
LEGISLAÇÃO BÁSICA
XV - Outras leis de caráter estrutural referidas nesta Cons- IX - aplicar aos responsáveis, em caso de ilegalidade de des-
tituição ou incluídas nesta categoria pelo voto prévio da maioria pesa ou irregularidade de contas, as sanções previstas em lei, que
absoluta dos membros da Assembleia Legislativa. estabelecerá, dentre outras cominações, multas proporcionais ao
XVI – Regime Jurídico das Carreiras da Agência Estadual vulto do dano causado ao erário;
de Regulação dos Serviços Públicos Delegados - AGER/MT. (EC X - assinar prazo para que o órgão ou entidade adote as pro-
14/99) vidências necessárias ao exato cumprimento da lei, se verificada
ilegalidade;
SEÇÃO VII XI - sustar, se não atendido, a execução de ato impugnado,
Da Fiscalização Contábil, Financeira e Orçamentária comunicando, a decisão à Assembleia Legislativa;
XII - representar ao Poder competente sobre irregularidade ou
Art. 46 A fiscalização contábil, financeira, orçamentária, ope- abusos apurados.
racional e patrimonial do Estado e das entidades da Administração § 1º No caso de contrato, o ato de sustação será adotado dire-
Pública direta e indireta, quanto aos aspectos de legalidade, legi- tamente pela Assembleia Legislativa, que solicitará, de imediato,
timidade e economicidade, aplicação das subvenções e renúncia ao Poder Executivo, as medidas cabíveis.
de receitas, será exercida pela Assembleia Legislativa, mediante § 2º Se a Assembleia Legislativa ou o Poder Executivo, no
controle externo, e pelo sistema de controle interno de cada Poder. prazo de noventa dias, não efetivar as medidas previstas no pará-
Parágrafo único Prestará contas qualquer pessoa física ou grafo anterior, o Tribunal decidirá a respeito.
entidade pública que utilize, arrecade, guarde, gerencie, ou, por
§ 3º As decisões do Tribunal de que resulte imputação de dé-
qualquer forma, administre dinheiros, bens e valores públicos ou
bito ou multa, terão eficácia de título executivo.
pelos quais o Estado responda, ou que, em nome deste, assuma
§ 4º O Tribunal encaminhará à Assembleia Legislativa, tri-
obrigações de natureza pecuniária.
mestral e anualmente, relatório de suas atividades.
Art. 47 O controle externo, a cargo da Assembleia Legislati-
va, é exercido com o auxílio do Tribunal de Contas do Estado, ao Art. 48 A Assembleia Legislativa ou sua Comissão competen-
qual compete: te, ante indício de despesas não autorizadas, ainda que sob forma
I - apreciar as contas prestadas, anualmente, pelo Governador de investimentos não programados ou de subsídios não aprovados,
do Estado, mediante parecer prévio a ser elaborado em sessenta poderá solicitar à autoridade governamental responsável que, no
dias, a contar de seu recebimento e enviado à Assembleia Legisla- prazo de cinco dias, preste os esclarecimentos necessários.
tiva para julgamento; § 1º Não prestados os esclarecimentos, ou considerados in-
II - julgar as contas dos administradores e demais respon- suficientes, a Assembleia Legislativa ou a Comissão referida no
sáveis por dinheiros, bens e valores públicos da Administração “caput” deste artigo solicitará ao Tribunal pronunciamento conclu-
Pública direta e indireta e as contas daqueles que derem causa a sivo sobre a matéria, no prazo de trinta dias.
perda, extravio ou outra irregularidade de que resulte prejuízo ao § 2º Entendendo o Tribunal irregular a despesa, a Assembleia
erário público; Legislativa, se julgar que o gasto possa causar dano irreparável ou
III - apreciar, para fins de registro, a legalidade dos atos de grave lesão à economia pública, determinará sua sustação.
admissão de pessoal, a qualquer título, na Administração Pública Art. 49 O Tribunal de Contas do Estado, integrado por sete
direta e indireta, do Poder Público Estadual ou Municipal, exce- Conselheiros, tem sede na Capital, quadro próprio de pessoal e
tuadas as nomeações para cargo de provimento em comissão, bem jurisdição em todo o território estadual, exercendo, no que couber,
como a das concessões de aposentadorias, reformas e pensões, res- as atribuições previstas no art. 46, desta Constituição.
salvadas as melhorias posteriores que não alterem o fundamento § 1º Os Conselheiros do Tribunal de Contas serão nomeados
legal do ato concessório; pelo Governador do Estado, com aprovação prévia da Assembleia
IV - realizar, por iniciativa própria da Assembleia Legislati- Legislativa, dentre brasileiros que satisfaçam os seguintes requi-
va, de Comissão técnica ou de inquérito, inspeções e auditorias, sitos:
de natureza contábil, financeira, orçamentária, operacional o pa- I - mais de trinta anos e menos de sessenta e cinco anos de
trimonial, nas unidades administrativas dos Poderes Legislativo, idade;
Executivo e Judiciário, e demais entidades referidas no inciso II; II - idoneidade moral e reputação ilibada;
V - fiscalizar a aplicação de quaisquer recursos repassados III - notório conhecimento jurídico, contábil, econômico e fi-
pelo Estado, diretamente ou através dos seus órgãos da Adminis-
nanceiro ou de administração pública;
tração Pública direta ou indireta, mediante convênio, acordo, ajus-
IV - mais de 10 (dez) anos de exercício de função ou de efetiva
te ou outros instrumentos congêneres;
atividade profissional que exija os conhecimentos mencionados no
VI - apreciar, para registro, os cálculos para transferência aos
inciso anterior e, no caso dos Auditores e membros do Ministério
Municípios de parcelas do Imposto sobre operações relativas à
Circulação de mercadorias e sobre Prestação de Serviços; Público junto ao Tribunal de Contas, 10 (dez) anos de efetiva ati-
VII - velar pela entrega, na forma e nos prazos constitucionais, vidade nas respectivas carreiras daquele Tribunal.(EC 61/2011)17
dos recursos aos Municípios das parcelas a que se refere o inciso § 2º Os Conselheiros do Tribunal de Contas Estado serão es-
anterior; colhidos:18 I – três pelo Governador do Estado, com aprovação
VIII - prestar as informações solicitadas pela Assembleia Le- da Assembleia Legislativa, sendo um da sua livre escolha e dois,
gislativa, ou por qualquer de suas comissões, sobre a fiscalização alternadamente, dentre auditores e membros do Ministério Público
contábil, financeira, orçamentária, operacional e Patrimonial, bem junto ao Tribunal, indicados em lista tríplice pelo Tribunal, segun-
como sobre resultados de auditorias e inspeções realizadas; do os critérios de antiguidade e merecimento; (EC 06/93)

Didatismo e Conhecimento 24
LEGISLAÇÃO BÁSICA
II – quatro pela Assembleia Legislativa. (EC 06/93) III - exercer o controle das operações de crédito, avais e garan-
§ 3º O auditor, quando em substituição a Conselheiro, terá as tias, bem como dos direitos e haveres do Estado;
mesmas garantias e impedimentos do titular e, quando no exercí- IV - apoiar o controle externo no exercício de sua missão ins-
cio das demais atribuições da judicatura, as de Juiz de Entrância titucional.
Especial. (EC 06/93) § 1º Os responsáveis pelo controle interno ao tomarem conhe-
§ 4º É vedado aos Conselheiros, sob pena de perda do cargo, cimento de qualquer irregularidade ou ilegalidade, dele darão ciên-
ainda que em disponibilidade, o exercício de outra função pública, cia ao Tribunal de Contas, sob pena de responsabilidade solidária.
salvo de um cargo de magistério, bem como receber, a qualquer § 2º A Auditoria-Geral do Estado constitui-se como órgão su-
título ou pretexto, custas ou participações nos processos, ou ainda, perior de Controle Interno do Poder Executivo Estadual.
dedicar-se a atividades político-partidárias. (EC 39/05) Art. 53 O Tribunal de Contas prestará suas contas anualmen-
Art. 50 Os Conselheiros do Tribunal de Contas terão as mes- te, à Assembleia Legislativa, no prazo de sessenta dias da abertura
mas garantias, prerrogativas, vedações, impedimentos, remune- da sessão legislativa.
ração e vantagens dos Desembargadores e somente poderão apo- Art. 54 Qualquer cidadão, partido político, associação ou sin-
sentar-se com as vantagens do cargo quando o tiverem exercido dicato é parte legítima para denunciar irregularidades ou abusos
efetivamente por mais de cinco anos. (EC 39/05) perante o Tribunal de Contas, exigir-lhe completa apuração e a
§ 1º (declarado inconstitucional, em controle concentrado, devida aplicação de sanções legais aos responsáveis, ficando as
pelo Supremo Tribunal Federal - ADIN nº 184-1, de 23/06/93 – DJ autoridades que receberem a denúncia ou requerimento de provi-
27.08.1993) dências solidariamente responsáveis em caso de omissão.
§ 2º (declarado inconstitucional, em controle concentrado, Art. 55 As declarações de bens que devem fazer o Governa-
pelo Supremo Tribunal Federal - ADIN nº 184-1, de 23/06/93 – DJ dor, Vice-Governador, os Secretários de Estado, o Procurador-Ge-
27.08.1993) ral do Estado, o Procurador-Geral de Justiça, o Procurador-Geral
§ 3º20 (revogado pela EC 39/05) da Defensoria Pública, os Deputados Estaduais, os Prefeitos, os
§ 4º21 (declarado inconstitucional, em controle concentrado, Vereadores, o Presidente do Tribunal de Contas e do Tribunal de
pelo Supremo Tribunal Federal, ADIN 98-5, de 7/08/97) Justiça, no início e no fim da gestão, serão enviadas em quinze dias
Art. 5122 Fica criado o Ministério Público de Contas do Es- ao Tribunal de Contas, para registro e avaliação.
tado de Mato Grosso, instituição permanente, essencial às funções Parágrafo único Não enviadas as declarações no prazo de-
de fiscalização e controle externo contábil, financeiro, orçamen- terminado, o Tribunal fará, de ofício, levantamento, dando ao inte-
tário, operacional e patrimonial do Estado de Mato Grosso. (EC ressado o direito de sobre ele manifestar dentro de quinze dias, sob
58/10) pena de prevalecer, como declaração, os dados levantados.
§ 1º São princípios institucionais do Ministério Público de Art. 56 As contas relativas a subvenções, financiamentos,
Contas a unidade, a indivisibilidade, a independência funcional e a empréstimos, auxílios e outros instrumentos congêneres, recebi-
autonomia administrativa. (EC 58/10) dos do Estado ou por seu intermédio, serão prestadas em separado,
§ 2º O Ministério Público de que trata o caput deste artigo ao Tribunal de Contas do Estado, na forma e prazos estabelecidos.
será integrado por 04 (quatro) Procuradores de Contas de carreira (EC 34/05)
própria, dirigido pelo Procurador-Geral de Contas, escolhido pelos Parágrafo único As contas relativas a convênios de trans-
integrantes da carreira, para investidura a termo de 02 (dois) anos, ferências voluntária de recursos do Estado serão prestadas, pela
vedada a recondução imediata. (EC 58/10) convenente, ao órgão ou entidade concedente, no prazo máximo
§ 3º Lei Complementar, de iniciativa do Tribunal de Contas, de 30 dias, devendo este encaminhá-las ao Tribunal de Contas do
estabelecerá a organização da carreira e as atribuições dos Procu- Estado no prazo de 60 dias, contados do término das respectivas
radores de Contas. (EC 58/10) vigências. (EC 34/05)
§ 4º Aos Procuradores do Ministério Público de Contas são
assegurados os direitos, garantias, prerrogativas e vedações dos CAPÍTULO III
membros do Ministério Público Estadual, inclusive de natureza Do Poder Executivo Estadual
remuneratória. (EC 58/10) SEÇÃO I
§ 5º A investidura dos Procuradores de Contas pressupõe in- Do Governador e do Vice-Governador do Estado
gresso na carreira através de concurso público de provas e títu-
los, obedecendo-se, nas nomeações, a ordem de classificação, sem Art. 57 O Poder Executivo é exercido pelo Governador do
prejuízo das disposições constitucionais alusivas aos membros do Estado, auxiliado pelos Secretários de Estado.
Ministério Público Estadual. (EC 58/10) Art. 58 O Governador e o Vice-Governador do Estado se-
Art. 52 Os Poderes Legislativo, Executivo e Judiciário man- rão eleitos, simultaneamente, noventa dias antes do término do
terão, de forma integrada, sistema de controle interno com a fina- mandato de seus antecessores, observado o disposto no art. 77 da
lidade de: Constituição Federal.
I - avaliar o cumprimento das metas previstas no plano plu- Parágrafo único O mandato do Governador é de quatro anos,
rianual, a execução dos programas de governo e dos orçamentos vedada a reeleição para o período subsequente, e terá início em
do Estado; primeiro de janeiro do ano seguinte ao da sua eleição.
II - comprovar a legalidade e avaliar os resultados, quanto à Art. 59 São condições de elegibilidade do Governador e do
eficácia e à eficiência da gestão orçamentária, financeira e patrimo- Vice-Governador:
nial nos órgãos e entidades da Administração Estadual, bem como I - a nacionalidade brasileira;
da aplicação de recursos públicos por entidades de direito privado; II - o pleno exercício dos direitos políticos;

Didatismo e Conhecimento 25
LEGISLAÇÃO BÁSICA
III - o domicílio eleitoral na circunscrição do Estado pelo pra- VII - nomear, após aprovação pela Assembleia Legislativa, o
zo fixado em lei; Procurador- Geral de Justiça, dentre os indicados em lista tríplice
IV - a filiação partidária; composta na forma da lei complementar, e os titulares dos cargos
V - a idade mínima de trinta anos. indicados no inciso XIX, do art. 26 desta Constituição;
Art. 60 O Governador e o Vice-Governador tomarão posse VIII - (Inciso suspenso em liminar concedida na ADIN 282-1).
em sessão da Assembleia Legislativa, prestando o compromisso IX - enviar à Assembleia Legislativa o plano plurianual, o pro-
de manter a Constituição, defendê-la, bem como às instituições jeto de lei de diretrizes orçamentárias e as propostas de orçamento
democráticas, cumpri-la, observar as leis e promover o bem geral previstas nesta Constituição;
da população do Estado de Mato Grosso. X - prestar, anualmente, à Assembleia Legislativa, dentro de
Parágrafo único Se, decorridos dez dias da data fixada para sessenta dias após a abertura da sessão legislativa, as contas relati-
a posse, o Governador ou Vice-Governador, salvo motivo de for- vas ao exercício anterior;
ça maior, não tiverem assumido o cargo, este será declarado vago XI - prover os cargos públicos estaduais, na forma da lei;
pela Assembleia Legislativa. XII - exercer o comando supremo da Polícia Militar e do Cor-
Art. 61 Substituirá o Governador, no caso de impedimento, e po de Bombeiros Militar do Estado e as demais atribuições previs-
suceder-lhe-á, no de vaga, o Vice-Governador. tas nesta Constituição. (EC 09/94)26
Parágrafo único O Vice-Governador, além de outras atribui-
ções que lhe forem conferidas por lei complementar, auxiliará o Parágrafo único O Governador poderá delegar as atribuições
Governador, sempre que por ele convocado para missões especiais. mencionadas nos incisos V e XI aos Secretários de Estado, ao Pro-
Art. 62 Em casos de impedimento do Governador ou do Vi- curador-Geral de Justiça ou ao Procurador-Geral do Estado, que
ce-Governador, ou vacância dos respectivos cargos, serão sucessi- observarão os limites traçados nas respectivas delegações.
vamente chamados ao exercício da chefia do Poder Executivo, o
Presidente da Assembleia Legislativa e o Presidente do Tribunal SEÇÃO III
de Justiça. De Responsabilidade do Governador do Estado
Art. 63 Vagando os cargos de Governador e de Vice-Gover-
nador, far-se-á eleição noventa dias depois de aberta a última vaga. Art. 67 (artigo declarado inconstitucional pela ADI 291-1,
§ 1º Ocorrendo a vacância no último ano do período governa- julgada em 07/04/2010)
mental, a eleição para ambos os cargos será feita trinta dias depois Art.68 O Governador, admitida a acusação pelo voto de dois
da última vaga, pela Assembleia Legislativa na forma da lei. terços dos Deputados, será submetido a julgamento perante o Su-
§ 2º Em qualquer dos casos, os eleitos deverão completar o perior Tribunal de Justiça, nas infrações penais comuns, ou perante
período de seus antecessores. a Assembleia Legislativa, nos crimes de responsabilidade.
Art. 64 O Governador deve residir na Capital do Estado. § 1º O Governador ficará suspenso de suas funções:
§ 1º O Governador e o Vice-Governador não poderão, sem I - nas infrações penais comuns, se recebida a denúncia ou
licença da Assembleia Legislativa, ausentar-se do País, por qual- queixa- crime pelo Superior Tribunal de Justiça;
quer tempo, nem do Estado, por mais de quinze dias, sob pena de II - nos crimes de responsabilidade, após a instauração do pro-
perda do cargo. cesso pela Assembleia Legislativa.
§ 2º Tratando-se de viagem oficial, o Governador, no prazo de § 2º Se, decorrido o prazo de cento e oitenta dias, o julgamen-
quinze dias a partir da data do retorno, deverá enviar à Assembleia to não estiver concluído, cessará o afastamento do Governador,
Legislativa relatório circunstanciado sobre resultado da mesma. sem prejuízo do regular prosseguimento do processo.
Art. 65 Aplicam-se ao Governador e ao Vice-Governador, no § 3º (declarado inconstitucional, em controle concentrado,
que couber, as proibições e impedimentos estabelecidos para os pelo Supremo Tribunal Federal pela ADIN 1010 – DJ 17.11.1995)
Deputados Estaduais.
Parágrafo único Perderá o mandato o Governador que as- SEÇAO IV
sumir outro cargo ou função na Administração Pública direta ou Das Secretarias de Estado
indireta, ressalvada a posse em virtude de concurso público.
Art. ...24 (Revogado pela EC 22/03) Art. 69 A direção superior da Administração do Estado é
exercida pelo Gabinete do Governador e auxiliado pelos Secretá-
SEÇÃO II rios de Estado.
Das Atribuições do Governador do Estado Parágrafo único A criação, a extinção e a transformação de
Secretaria de Estado serão regidas por lei, devendo ser observadas:
Art. 66 Compete privativamente ao Governador do Estado: I - a existência de necessidade de otimizar a ação administra-
I - nomear e exonerar os Secretários de Estado; tiva e social do Poder Executivo;
II - iniciar o processo legislativo na forma e nos casos pre- II - a manutenção de integração orgânica de setores e funções
vistos nesta Constituição, inclusive, (sic.) nos casos de aumentos administrativas oficiais;
salariais; III - a realização de direção unificada para uma mesma polí-
III - sancionar, promulgar e fazer publicar as leis, expedir de- tica setorial;
cretos e regulamentos para sua fiel execução; IV - a presença dos demais requisitos exigidos pela lei para a
IV - vetar projetos de lei, total ou parcialmente; sua estruturação.
V - dispor sobre a organização e funcionamento da Adminis- Art. 70 Os Secretários de Estado serão escolhidos dentre bra-
tração do Estado, na forma da lei; sileiros maiores de vinte e um anos e no exercício dos direitos
VI - decretar e executar a intervenção nos municípios; políticos.

Didatismo e Conhecimento 26
LEGISLAÇÃO BÁSICA
Art. 71 Compete ao Secretário de Estado, além de outras atri- III - promover a integração social, com a finalidade de preve-
buições estabelecidas nesta Constituição e em lei: nir a violência, com o resgate da cidadania mediante a assistência
I - exercer a orientação, coordenação e supervisão dos órgãos aos diversos segmentos excluídos dos processos de desenvolvi-
e entidades da Administração Pública Estadual na área de sua com- mento socioeconômico.
petência e referendar os atos e decretos assinados pelo Governa- Art. 75 O Estado assegurará a defesa da sociedade e do cida-
dor; dão, pautando a ação policial pelo zelo das instituições democráti-
II - expedir instruções para a execução das leis, decretos e cas e pela defesa das garantias constitucionais.
regulamentos; Art. 76 A ação policial organiza-se de forma sistêmica e rea-
III - apresentar ao Governador do Estado relatório anual dos liza-se sob direção operacional unificada.
serviços realizados na Secretaria; Parágrafo único A direção operacional, exercida pelo Poder
IV - praticar os atos pertinentes às a Executivo, realiza-se através da Secretaria de Estado de Segurança
V - comparecer à Assembleia Legislativa ou a qualquer de Pública. (EC 10/95)
suas Comissões, quando convocado, no prazo máximo de dez dias Art. 77 A defesa da ordem jurídica, da ordem pública, dos
após a sua convocação; direitos e das garantias constitucionais e a segurança no Estado
VI - comparecer perante a Assembleia Legislativa e a qual- de Mato Grosso constituem área de competência da Secretaria de
quer de suas Comissões, por sua iniciativa e mediante entendimen- Estado de Justiça e Defesa da Cidadania e da Secretaria de Estado
to prévio com a Mesa Diretora, para expor assunto de relevância de Segurança Pública. (EC 10/95)
de sua Secretaria; Parágrafo único A organização, a competência e as atribui-
VII - propor ao Governador, anualmente, o orçamento de sua ções das Secretarias de Estado aludidas no caput deste artigo serão
pasta; definidas em lei. (EC 10/95).
VIII - delegar suas próprias atribuições, por ato expresso, aos
seus subordinados, sem eximir-se, todavia, da responsabilidade SUBSEÇÃO II
administrativa, civil ou penal, ocasionada por prática de irregulari- Da Polícia Civil
dade que venha ocorrer em decorrência do exercício de delegação.
Art. 72 Os Secretários de Estado, nos crimes comuns, são jul- Art. 78 A Polícia Judiciária Civil, incumbida das funções de
gados pelo Tribunal de Justiça. polícia judiciária e da apuração de infrações penais, exceto as mili-
Parágrafo único Nos crimes de responsabilidade, o processo tares e ressalvada a competência da União, é dirigida por Delegado
e o julgamento serão efetuados pela Assembleia Legislativa. de Polícia estável na carreira, de livre escolha, nomeação e exone-
ração pelo Governador do Estado.
SEÇÃO V Parágrafo único O cargo de Delegado de Polícia integra,
Do Conselho de Governo para todos os fins, as carreiras jurídicas do Estado. (EC 65/12)
Art. 79 Lei complementar estabelecerá a organização e o es-
Art. 73 O Conselho de Governo é órgão superior de consulta tatuto da Polícia Judiciária Civil, observado:
Governador do Estado, sob sua presidência e dele participam: I - criação de Academia de Policia Civil, destinada ao aperfei-
I - o Vice-Governador do Estado; çoamento dos seus membros e cuja frequência será obrigatória aos
II - o Presidente da Assembleia Legislativa; policiais civis em estágio probatório;
III - os líderes das bancadas partidárias na Assembleia Legis- II - ingresso inicial na carreira por concurso público, sendo:
lativa; a) de provas e títulos, com exame oral e público dos candida-
IV - outros previstos na lei que regulamentará sua organização tos, para os cargos de Delegados de Polícia, privativos de bacha-
e funcionamento. réis em Direito, assegurada a participação da Ordem dos Advoga-
Parágrafo único Compete ao Conselho pronunciar-se sobre dos do Brasil em sua realização e observado (sic.), nas nomeações,
questões relevantes suscitadas pelo Governador do Estado, incluí- a ordem de classificação;
da a estabilidade das instituições e problemas emergentes, de gra- b) de provas ou provas e títulos para os demais cargos.
ve complexidade e implicações sociais. III - a remoção do Delegado de Polícia somente se dará por
necessidade do serviço ou a pedido do servidor, neste caso desde
SEÇÃO VI que atenda à conveniência do serviço policial;
Da Defesa do Cidadão e da Sociedade IV - vencimentos compatíveis com a importância da atividade
SUBSEÇÃO I policial, aplicando-se aos Delegados de Polícia o disposto no arti-
Das Disposições Gerais go 120 desta Constituição;
V - remuneração, a qualquer título, fixada com diferença não
Art. 74 A defesa da sociedade e do cidadão, dever do Estado, excedente a 10% (dez por cento) de uma para outra classe de De-
direito e responsabilidade de todos, é exercida para: legado de Polícia. (EC 64/12)
I - garantir a segurança pública, mediante a manutenção da
ordem pública, com a finalidade de proteger o cidadão, a sociedade SUBSEÇÃO III
e os bens públicos e particulares, coibindo os ilícitos penais e as Da Polícia Militar
infrações administrativas;
II - auxiliar a defesa civil, por meio de atividades de socorro Art. 80 A Polícia Militar, instituição permanente e regular,
e assistência, em casos de calamidade pública, sinistros e outros força auxiliar e reserva do Exército, organizada com base na hie-
flagelos; rarquia e na disciplina, é dirigida pelo Comandante-Geral.

Didatismo e Conhecimento 27
LEGISLAÇÃO BÁSICA
Parágrafo único A escolha do Comandante-Geral é de livre § 1º Os trabalhos de perícia e identificação serão prestados e
nomeação e exoneração pelo Governador do Estado, dentre os ofi- suas informações fornecidas, sempre que requisitados por Presi-
ciais da ativa do Quadro de Oficiais da Polícia Militar do último dente de Inquérito Policial, Civil ou Militar, pelo Ministério Públi-
posto de carreira. co ou por determinação judicial, em qualquer fase da persecução
Art. 81 À Polícia Militar incumbe o policiamento ostensivo, penal. (EC 33/05)
a preservação da ordem pública e a polícia judiciária militar, além § 2º A Perícia Oficial e Identificação Técnica é incumbida de
de outras atribuições que a lei estabelecer. realizar, ressalvada a competência da União, as perícias de crimi-
Art. 82 Ao Corpo de Bombeiros Militar, instituição perma- nalística, de medicina legal, de odontologia legal e os serviços de
nente e regular, força auxiliar e reserva do Exército, organizada identificação civil e criminal, em todo o Estado de Mato Grosso.
com base na hierarquia e na disciplina, e dirigida pelo Comandan- (EC 33/05)
Art. 84 A Perícia Oficial e Identificação Técnica – POLITEC
te-Geral, compete32: (EC 09/94)
será dirigida por Perito Oficial, servidor de carreira, de livre nomea-
I - realizar serviços de prevenção e extinção de incêndio; (EC
ção e exoneração pelo Governador do Estado. (EC 33/05)
09/94)
II - executar serviços de proteção, busca e salvamento; (EC SUBSEÇÃO V
09/94) Da Coordenadoria do Sistema Penitenciário
III - planejar, coordenar e executar as atividades de defesa ci-
vil, dentro de sua área de competência, no Sistema Estadual de Art. 85 A Polícia Penitenciária do Estado tem como Objetivo
Defesa Civil; (EC 09/94) a humanização, a reeducação, a reintegração social e a ressocializa-
IV - estudar, analisar, exercer e fiscalizar todo o serviço de ção dos reeducandos, fundada no trabalho manual, técnico, cientí-
segurança contra incêndio e pânico no Estado; (EC 09/94) fico, cultural e artístico, e se subordinará aos seguintes princípios:
V - realizar socorros de urgência; (EC 09/94) I - respeito à dignidade e à integridade física dos presos, as-
VI - executar perícia de incêndios relacionada com sua com- segurando-lhes o pleno exercício dos direitos não atingidos pela
petência; (EC 09/94) condenação;
VII - realizar pesquisa científica no seu campo de ação; (EC II - garantia da prestação de assistência odontológica, psicoló-
09/94) gica e jurídica para os condenados e aqueles que aguardam julga-
VIII - desempenhar atividades educativas de prevenção de in- mento;
cêndios, pânicos coletivos e de proteção ao meio ambiente. (EC III - a manutenção de colônias penais agrícolas e industriais;
IV - garantia aos sentenciados e egressos, como etapa conclusi-
09/94)
va do processo de reintegração social, de oportunidades de trabalho
Parágrafo único A escolha do Comandante-Geral é da livre
produtivo, condignamente remunerado, que possa gerar, a baixo
nomeação e exoneração pelo Governador do Estado, dentre os ofi- custo, bens de significativo valor social para as comunidades de
ciais da ativa do Quadro de Oficiais Combatentes do último posto onde provenham.
de carreira. (EC 09/94). Parágrafo único Para implementação do previsto no inciso
IV, serão estabelecidos programas alternativos de educação e traba-
SUBSEÇÃO IV lho remunerado em atividade industrial, agrícola e artesanal, atra-
Da Perícia Oficial e Identificação Técnica – POLITEC (EC vés de convênios com entidades públicas ou privadas.
33/05) Art. 86 Nos estabelecimentos penitenciários do Estado será
garantido ao preso acesso às informações prestadas pelos meios de
Art. 8334 A Perícia Oficial e Identificação Técnica – POLI- comunicação social e a sua situação judiciária.
TEC, na forma da lei complementar, ressalvada a competência da Art. 87 O estabelecimento prisional destinado a mulheres terá,
União, é incumbida de: (EC 33/05) como dependência anexa e independente, creche, garantido o dis-
I – realizar as perícias de criminalística, de medicina legal e de posto no art. 5o, L, da Constituição Federal.
odontologia legal; (EC 33/05) Art. 88 Todo preso, qualquer que seja sua condição, será sub-
II – realizar os serviços de identificação civil e criminal; (EC metido pelo órgão competente, semestralmente, a exame completo
33/05) de saúde, adotando-se imediatamente as medidas necessárias.
III – realizar perícias auxiliares à proposição de ações civis Art. 89 Lei ordinária disporá sobre o Quadro Especial de Ser-
vidores Penitenciários.
públicas, no âmbito de atuação da Perícia Oficial e Identificação
Art. 90 O Estado será ressarcido pelo preso, na medida de suas
Técnica; (EC 33/05)
possibilidades, das despesas decorrentes da execução da pena e da
IV – realizar outras perícias de que necessitar a Administração medida de segurança.
Pública Estadual, no âmbito de atuação da Perícia Oficial e Identi-
ficação Técnica; (EC 33/05) CAPÍTULO IV
V – participar, no âmbito de sua competência, das ações es- Da Administração da Justiça
tratégicas visando à segurança pública e à garantia da cidadania; SEÇÃO I
(EC 33/05) Do Poder Judiciário
VI – buscar a integração com os demais órgãos vinculados à
Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública; (EC 33/05) Art. 91 São órgãos do Poder Judiciário Estadual:
VII – organizar e manter, no âmbito de sua atuação, grupos I - o Tribunal de Justiça;
de pesquisa científica, técnica e criminais, que visem à constante II - o Tribunal do Júri;
atualização e aperfeiçoamento de seus procedimentos. (EC 33/05) III - os Juízes de Direito;

Didatismo e Conhecimento 28
LEGISLAÇÃO BÁSICA
IV - os Conselhos de Justiça Militar Estadual; VI - o Tribunal somente poderá remover, colocar em dispo-
V - os Juizados Especiais; nibilidade ou aposentar compulsoriamente o magistrado por inte-
VI - as Turmas Recursais, resse público, em decisão por voto secreto de dois terços, de seus
VII - os Juizados de Menores; membros, assegurada ampla defesa;
VIII - a Justiça de Paz; VII - estabelecimento de plantão judiciário permanente nas
IX - as Varas Distritais; Comarcas de Terceira Entrância e Especial durante os horários
X - as Varas Itinerantes; não cobertos pelo expediente forense, inclusive nos fins de sema-
XI - outros órgãos instituídos em lei. na, dias santos e feriados, com a finalidade de garantir a tutela
Art. 92 A lei de Organização Judiciária, de iniciativa do Tri- dos direitos individuais, os relativos a cidadania, o atendimento
bunal de Justiça, disporá sobre o ingresso e a carreira de magis- de pedidos de “habeas-corpus” e prisão preventiva e de busca e
trado, bem como a divisão judiciária do Estado, observando os apreensão;
seguintes critérios: VIII - o subsídio dos Magistrados será fixado com diferença
I - ingresso na carreira, cujo cargo inicial será o de juiz subs- não superior a dez e nem inferior a cinco por cento de uma para
tituto, através de concurso público de provas e títulos, com exame
outra instância e de uma para outra entrância, não podendo exceder
oral e público dos candidatos, com a participação da Ordem dos
a título nenhum a dos Desembargadores do Tribunal de Justiça,
Advogados do Brasil em todas as suas fases para compor a banca
observadas as disposições contidas na Seção III, Capítulo V, Título
examinadora;
III, desta Constituição; (EC 37/05)
II - nomeações feitas com observância da ordem crescente de
classificação; IX - todos os julgamentos dos órgãos do Poder Judiciário
III - promoção, de entrância para entrância feita por antiguida- serão públicos, e fundamentadas todas as decisões, sob pena de
de e merecimento, alternadamente, com observância dos seguintes nulidade, podendo a lei, se o interesse público o exigir, limitar a
critérios: presença em determinados atos, às próprias partes e a seus advo-
a) promoção obrigatória do juiz que figurar por três vezes con- gados, ou somente a estes;
secutivas ou cinco alternadas em lista de merecimento; X - as decisões administrativas do Tribunal de Justiça serão
b) somente poderão concorrer à promoção por merecimento motivadas, sendo as de disciplina tomadas pelo voto da maioria
os juízes que integrarem a primeira quinta parte da lista de anti- absoluta de seus membros;
guidade de entrância e que nela conte com o mínimo de dois anos XI - o subsídio mensal dos Desembargadores do Tribunal de
de exercício, salvo se não houver, com tais requisitos, quem aceite Justiça corresponderá a noventa inteiros e vinte e cinco centésimos
a promoção; por cento do subsídio mensal dos Ministros do Supremo Tribunal
c) aferição do merecimento levando-se em conta critérios ob- Federal. (EC 37/05)
jetivos de presteza, segurança e eficiência no exercício da função § 1º O Tribunal de Justiça, Órgão Superior do Poder Judiciá-
jurisdicional, bem como pela frequência e aproveitamento em cur- rio Estadual, compõe-se de trinta Desembargadores e tem sede na
so de aperfeiçoamento jurídico reconhecido pelo Tribunal; Capital e Jurisdição em todo o Estado40. (EC 30/04)
d) na apuração da antiguidade, o Tribunal somente poderá re- § 2º A representação do Poder Judiciário compete ao Presi-
cusar o juiz mais antigo pelo voto de dois terços de seus membros, dente do Tribunal de Justiça.
conforme procedimento próprio, repetindo-se a votação até fixar- § 3º Compete, privativamente ao Tribunal de Justiça do Esta-
se a indicação. do de Mato Groso, eleger seu órgão diretivo, por maioria absoluta
e) (dispositivo com eficácia suspensa por liminar na ADI e voto direto, secreto e paritário, dentre os membros do Tribunal
4042-1) Pleno, exceto os cargos de corregedoria, por todos os magistrados
IV - o acesso ao Tribunal de Justiça dar-se-á por antiguidade em atividade, de primeiro e segundo graus, da respectiva jurisdi-
e por merecimento, alternadamente, apuradas na última entrância, ção, para um mandato de 02 (dois) anos, permitida uma recondu-
observadas as alíneas “c” e “d”, do inciso anterior e os seguintes ção. (EC 67/13)
critérios: 37 (EC 43/06)
§ 4º O disposto no parágrafo anterior não se aplica ao Tribu-
a) acesso obrigatório do juiz mais votado, na vaga de mereci-
nal Regional Eleitoral, competindo-lhe eleger seu órgão diretor na
mento; (EC 43/06)
forma de seu Regimento Interno, observado o previsto no § 2º do
b) somente poderão concorrer ao acesso por merecimento os
Art. 120 da Constituição Federal. (EC 67/13)
juízes que integrarem a última entrância da carreira e que nela con-
tem com o mínimo de dois anos de exercício, salvo se não houver, Art. 93 Um quinto dos lugares do Tribunal de Justiça será
com tais requisitos, quem aceite a vaga. (EC 43/06) composto de membros do Ministério Público e de advogados, na
V – (declarado inconstitucional, em controle concentrado, seguinte forma: (EC 56/09)
pelo Supremo Tribunal Federal – ADIN nº 98-5, Sessão 7/08/97, I - para o Ministério Público, a escolha dar-se-á entre Promo-
acórdão DJ 31.10.1997)38 tores e Procuradores de Justiça, com mais de 35 (trinta e cinco)
a) os proventos da aposentadoria serão revisados nas mesmas anos de idade e pelo menos 10 (dez) de carreira, mediante voto
oportunidades e proporções dos reajustes ou aumentos da remune- plurinominal, facultativo e secreto dos integrantes ativos da car-
ração concedida, a qualquer título, aos magistrados em atividade; reira; (EC 56/09)
b) os proventos dos magistrados aposentados serão pagos na II - para a advocacia, a escolha se dar-se-á entre advogados de
mesma condição em que for a remuneração dos magistrados em notório saber jurídico e reputação ilibada, com mais de 10 (dez)
atividade, figurando em folha de pagamento expedida pelo Poder anos de efetiva atividade profissional, indicados pela Ordem dos
Judiciário. Advogados do Brasil - Seccional Mato Grosso. (EC 56/09)

Didatismo e Conhecimento 29
LEGISLAÇÃO BÁSICA
Parágrafo único As entidades de que trata o caput elabora- m) a representação, objetivando a intervenção em Municípios
rão lista sêxtupla, encaminhando-a ao Tribunal de Justiça, que dela na forma prevista na Constituição Federal e nesta Constituição;
formará lista tríplice, enviando-a ao Poder Executivo que, nos 20 n) a restauração de autos extraviados ou destruídos e outros in-
(vinte) dias subsequentes, escolherá um dos seus integrantes para cidentes que ocorrerem em processo de sua competência originária;
nomeação. (EC 56/09) o) as revisões e reabilitações, quanto às condenações que haja
Art. 94 Os juízes gozam das seguintes garantias: proferido;
I - vitaliciedade, que, no primeiro grau, só será adquirida após p) o impedimento e a suspensão, não reconhecidos, de Desem-
dois anos de exercício, dependendo a perda do cargo, nesse perío- bargador e do Procurador-Geral de Justiça, contra eles arguídos;
do, de deliberação do Tribunal de Justiça ou de sentença judicial II - julgar, em grau de recurso:
transitada em julgado; a) as causas decididas em primeira instância, inclusive as dos
II - inamovibilidade, salvo por motivo de interesse público, na Conselhos de Justiça Militar Estadual;
forma do art. 93, VIII, da Constituição Federal; b) as demais questões sujeitas por lei à sua competência;
III - irredutibilidade de vencimentos, observados, quanto à re- III - por deliberação administrativa:
muneração, o que dispõem os artigos 37, XI, 150, II, 153, III e 153, a) propor à Assembleia Legislativa o projeto de lei de orga-
§ 2º, I, da Constituição Federal e o disposto da Seção III, Capítulo nização Judiciária, eleger seus órgãos diretivos e elaborar seu re-
V, deste Título. gimento interno com observância das normas de processo e das
Art. 95 Aos juízes é vedado: garantias processuais das partes, dispondo sobre a competência e
I - exercer, ainda que em disponibilidade, outro cargo ou fun- o funcionamento dos respectivos órgãos jurisdicionais e adminis-
ção, salvo uma de magistério; trativos;
II - receber, a qualquer título ou pretexto, custas ou participa- b) organizar suas secretarias e serviços auxiliares e dos Juízes
ção em processo; que lhes forem vinculados, zelando pelo exercício da atividade cor-
III - dedicar-se à atividade político-partidária. recional respectiva;
Art. 96 Compete privativamente ao Tribunal de Justiça: c) conceder licença, férias e outros afastamentos a seus mem-
I – processar e julgar, originariamente: (EC 31/04) bros e aos Juízes e servidores que lhes forem imediatamente vin-
a) nas infrações penais comuns e de responsabilidade, os culados;
juízes de primeiro grau e os membros do Ministério Público, da d) propor a criação de novas varas judiciárias;
Procuradoria-Geral do Estado, da Defensoria Pública, o Coman- e) prover, por concurso público de provas, ou de provas e tí-
dante-Geral da Polícia Militar e do Diretor-Geral da Polícia Civil, tulos, obedecido o disposto no artigo 167 desta Constituição, os
ressalvado a competência da Justiça Eleitoral; (EC 31/04) cargos necessários ao seu funcionamento, exceto os de confiança
b) as ações rescisórias de seus acórdãos e as revisões criminais assim definidos em lei;
nos processos de sua competência; f) prover, na forma prevista nesta Constituição, os cargos de
c) o habeas-corpus, quando o coator ou o paciente for auto- Juízes de carreira da respectiva jurisdição;
ridade diretamente sujeita à sua jurisdição em única instância, ou g) propor ao Poder Legislativo, na forma desta Constituição:
quando houver perigo de se consumar a violência antes que outro 1 - a alteração do número de seus membros;
Juízo possa conhecer do pedido; 2 - a criação e a extinção de cargos e a fixação dos vencimentos
d) as representações sobre inconstitucionalidade de leis ou ato dos seus membros, dos juízes e dos serviços auxiliares;
normativo estaduais ou municipais, 3 - a criação, alteração ou extinção de tribunais inferiores;
e) os conflitos de competência entre Câmaras ou Turmas do 4 - a alteração da organização juridiciária;
Tribunal ou entre seus respectivos membros, os conflitos de atri- 5 - a criação e alteração dos Juizados;
buições entre autoridades judiciárias e administrativas, quando fo- 6 - a criação e alteração dos Conselhos de Justiça Militar Es-
rem neles interessadas o Governador, os Magistrados, os Secretá- tadual;
rios de Estado, o Procurador-Geral de Justiça, o Procurador-Geral 7 - a criação e alteração da Justiça de Paz.
do Estado e o Procurador da Defensoria Pública; h) escolher, na forma do art. 120, § 1º, alíneas “a” e “b” da
f) os conflitos de competência entre os Juízes de Direito e os Constituição Federal, os membros do Tribunal Regional Eleitoral
Conselhos de Justiça Militar; de sua indicação.
g) o mandado de segurança e o habeas data contra os atos Art. 97 A Lei de Organização Judiciária organizará os Juiza-
do Governador do Estado, da Mesa da Assembleia Legislativa, do dos Especiais, providos por juízes togados, em quadro próprio e
próprio Tribunal de Justiça, do Tribunal de Contas, dos Secretários concurso específico, competentes para a conciliação, o julgamento
de Estado, do Procurador-Geral de Justiça, do Procurador-Geral e a execução de causas cíveis de menor complexidade e infrações
do Estado, do Defensor Público-Geral, do Comandante-Geral da penais de menor potencial ofensivo, mediante procedimento oral e
Polícia Militar e do Diretor-Geral da Polícia Civil; (EC 31/04) sumaríssimo, permitida, nas hipóteses previstas em lei, a tramitação
h) o habeas-data e o mandado de injunção nos casos de sua e o julgamento de recursos por turmas de juízes de primeiro grau.
jurisdição; Art. 98 Através da Lei de Organização Judiciária será orga-
i) a execução de sentença proferida nas causas de competên- nizada a Justiça de Paz remunerada, composta de cidadãos eleitos
cia originária, facultada a delegação de atos do processo a juiz de pelo voto direto, universal e secreto, com mandato de quatro anos
primeiro grau; e competência para, na forma da lei, celebrar casamentos, verificar,
j) as habilitações incidentes nas causas sujeitas a seu conhe- de ofício ou em face à impugnação apresentada, o processo de ha-
cimento; bilitação, exercer atribuições conciliatórias, sem caráter jurisdicio-
l) a execução de suas decisões; nal, além de outras previstas na legislação.

Didatismo e Conhecimento 30
LEGISLAÇÃO BÁSICA
Art. 99 Ao Poder Judiciário é assegurada autonomia funcio- SEÇÃO II
nal, administrativa e financeira. Do Ministério Público
§ 1º O Tribunal de Justiça elaborará sua proposta orçamentá-
ria dentro dos limites estipulados na lei de diretrizes orçamentárias. Art. 103 O Ministério Público é uma instituição permanen-
§ 2º O encaminhamento da proposta compete ao Presidente do te, essencial à função jurisdicional do Estado, incumbindo-lhe a
Tribunal de Justiça, após aprovação do Tribunal Pleno. defesa da ordem jurídica, do regime democrático e dos interesses
§ 3º No prédio onde funciona o Fórum e o Tribunal de Justiça, sociais e individuais indisponíveis.
haverá instalações próprias ao Ministério Público, à Ordem dos Ad- Parágrafo único São princípios institucionais do Ministério
vogados do Brasil, à Procuradoria-Geral do Estado e à Defensoria Público a unidade, a indivisibilidade e a independência funcional.
Pública Art. 104 Ao Ministério Público é assegurada a autonomia
§ 4º Os Procuradores de Justiça gozarão do mesmo tratamento funcional e administrativa, cabendo-lhe:
e das mesmas prerrogativas dispensadas aos membros dos Tribunais I - praticar atos próprios de gestão;
perante os quais oficiem. II - praticar atos e decidir sobre a situação funcional do pes-
Art. 100 Os pagamentos devidos pelas Fazendas Estadual e soal da carreira e dos serviços auxiliares organizados em quadros
Municipais, em virtude de sentença judiciária, far-se-ão exclusiva- próprios;
mente na ordem cronológica da apresentação dos precatórios e a III - adquirir bens e serviços e efetuar a respectiva contabili-
conta dos créditos respectivos, proibida a designação de casos ou de zação;
pessoas nas dotações orçamentárias e nos créditos adicionais abertos IV - propor, de maneira facultativa, a criação e extinção de
para este fim. seus cargos, nos termos desta Constituição e da Constituição Fe-
§ 1º É obrigatória a inclusão, no orçamento das entidades de deral;
Direito Público, de verba necessária ao pagamento dos seus débitos V - organizar suas secretarias e os serviços auxiliares das Pro-
constantes de precatórios judiciários, até o dia primeiro de julho, motorias de Justiça;
data em que terão atualizados os seus valores fazendo-se o paga- VI - eleger os integrantes dos órgãos de sua administração
mento até o final do exercício seguinte. superior, na forma da lei;
§ 2º As dotações orçamentárias e os créditos abertos serão con- VII - elaborar seu regimento interno;
signados ao Poder Judiciário, recolhendo-se as importâncias respec- VIII - exercer outras competências dela decorrentes.
tivas à repartição competente, cabendo ao Presidente do Tribunal de Parágrafo único O Ministério Público, sem prejuízo de ou-
Justiça determinar o pagamento segundo as possibilidades do depó-
tras dependências, instalará as Promotorias de Justiça em Prédios
sito, e autorizar, a requerimento do credor e exclusivamente para o
sob sua administração, integrantes do conjunto arquitetônico dos
caso de preterimento do seu direito de precedência, o sequestro da
Fóruns.
quantia necessária à satisfação do débito.
Art. 105 O Ministério Público elaborará sua proposta orça-
§ 3º Dar-se-á direito de preferência de pagamento de precató-
mentária dentro dos limites da lei de diretrizes orçamentárias.
rios de natureza alimentícia aos servidores ativos e aposentados,
Parágrafo único A fiscalização contábil, financeira, orça-
bem como aos pensionistas, que preencherem um dos seguintes re-
mentária, operacional e patrimonial do Ministério Público, quanto
quisitos: (EC 36/05)
I - portadores de moléstia profissional, tuberculose ativa, alie- à legalidade, legitimidade, economicidade, aplicação de dotações
nação mental, esclerose múltipla, neoplasia maligna, cegueira, e recursos próprios e renúncia de receitas, será exercida pelo Poder
hanseníase, paralisia irreversível e incapacitante, cardiopatia gra- Legislativo, mediante controle externo, e pelo sistema de controle
ve, doença de Parkinson, espondiloartrose anquilosante, nefropatia interno estabelecido na sua Lei Complementar.
grave, hepatopatia grave, estados avançados da doença de Paget Art. 106 Lei Complementar, cuja iniciativa é facultada ao
(osteíte deformante), contaminação por radiação, síndrome da imu- Procurador-Geral de Justiça, disporá sobre:
nodeficiência adquirida, diabetes maleatus, no caso de magistério, I - normas específicas de organização, atribuições e Estatu-
surdez permanente ou anomalia da fala, enfisema pulmonar, osteíte to do Ministério Público, observados, dentre outros, os seguintes
deformante, fibrose cística (mucoviscidose) comprovadas mediante princípios:
perícia médica feita pelo Sistema de Saúde do Estado; (EC 36/05) a) ingresso na carreira mediante concurso público de provas
II - idade superior a 60 (sessenta anos); (EC 36/05) e títulos com exame oral e público dos candidatos, assegurada a
III - créditos com origem em ações propostas há mais de quinze participação da Ordem dos Advogados do Brasil em sua realização
anos. (EC 36/05) e observada, nas nomeações, a ordem de classificação;
Art. 101 Aos Conselhos de Justiça Militar, constituídos na for- b) promoção voluntária de entrância a entrância e acesso à
ma da Lei de Organização Judiciária, compete, em primeiro grau, Procuradoria de Justiça, alternadamente, por antiguidade e mereci-
processar e julgar os integrantes da Polícia Militar e do Corpo de mento, apuradas na entrância imediatamente anterior, observando,
Bombeiros Militar, nos crimes militares assim definidos em lei. para qualquer caso, o disposto nas alíneas “c”, “d”, “e” e “f”, deste
Parágrafo único Os Conselhos de Justiça Militar comporão a inciso;
Vara Especializada da Justiça Militar, dirigida por juiz de direito de c) a promoção por merecimento, em qualquer caso, pressupõe
entrância especial integrante da magistratura de carreira. dois anos de exercício na respectiva entrância e integrar o Promo-
Art. 102 Para dirimir conflitos fundiários, o Tribunal de Justiça tor de Justiça a primeira quinta parte da lista de antiguidade desta,
designará juiz com competência exclusiva para questões agrárias. salvo se não houver com tais requisitos quem aceite o lugar vago;
Parágrafo único Para o exercício das funções previstas neste d) é obrigatória a promoção do Promotor de Justiça que figure
artigo, o juiz se deslocará até o local do conflito, sempre que ne- por três vezes consecutivas ou cinco alternadas em lista de mere-
cessário à eficiência da prestação jurisdicional. cimento;

Didatismo e Conhecimento 31
LEGISLAÇÃO BÁSICA
e) na apuração da antiguidade, o Promotor de Justiça somente Art. 108 Os membros do Ministério Público sujeitam-se às
poderá ser recusado pelo voto de dois terços dos Procuradores de seguintes vedações:
Justiça, conforme procedimento próprio, repetindo-se a votação até I - receber, a qualquer título e sob qualquer pretexto, honorá-
fixar-se a indicação; rios, percentagens ou custas processuais;
f) subsídio que será fixado por lei, observada a diferença entre II - exercer a advocacia;
cinco e dez por cento de uma para outra entrância ou categoria e III - participar de sociedade comercial, na forma da Lei;
de entrância mais elevada para o de Procurador-Geral de Justiça e IV - exercer, ainda que em disponibilidade, qualquer outra fun-
Procurador de Justiça, percentual este que será fixado por delibe- ção pública, salvo uma de magistério;
ração da maioria absoluta dos membros integrantes do Colégio de V - exercer, atividade político-partidária, salvo exceções pre-
Procuradores de Justiça, sendo que o valor do subsídio não poderá vistas na lei.
ser inferior ao limite estabelecido na parte final do art. 37, XI, da Art. 109 As funções do Ministério Público são privativas dos
Constituição Federal43. (EC 38/05) integrantes da carreira, que deverão residir na Comarca da respec-
II – elaboração, pelos membros do Ministério Público, de listra tiva lotação.
tríplice, dentre os integrantes da carreira, maiores de trinta e cinco Parágrafo único (declarado inconstitucional, em controle
anos de idade, e com dez anos, no mínimo, no cargo de Promotor concentrado, pelo Supremo Tribunal Federal – ADIN nº 98-5 –
de Justiça ou Procurador de Justiça, para a escolha do Procurador- Acórdão publicado no DJ de 31/10/97).
Geral de Justiça pelo Governador, para mandato de dois anos, per-
mitida uma recondução44; (EC 32/05) SEÇÃO III
III - destituição do Procurador-Geral de Justiça por deliberação Da Procuradoria Geral do Estado
da maioria absoluta e por voto secreto da Assembleia Legislativa;
IV - controle externo da atividade policial; Art. 110 A Procuradoria Geral do Estado é instituição neces-
V - procedimentos administrativos de sua competência; sária à Administração Pública Estadual e função essencial à Admi-
VI - exercício da fiscalização dos estabelecimentos prisionais e nistração da Justiça, responsável, em toda sua plenitude e a título
dos que abrigam idosos, menores, incapazes ou pessoas portadoras exclusivo, pela advocacia do Estado.
de deficiências; Parágrafo único (Parágrafo declarado inconstitucional pela
VII - aprovação, pela Promotoria de Justiça especializada, no ADIN 291-1, julgada em 07/04/2010.)
registro e mudanças estatutárias das fundações, inclusive as insti- Art. 111 A carreira de Procurador do Estado, a organização e
tuídas e mantidas pelo Poder Público, funcionando em feitos que o funcionamento da Instituição serão disciplinados em lei comple-
tratem de seus interesses e exercendo a fiscalização nos termos da mentar.
lei civil; § 1º O ingresso na classe inicial da carreira far-se-á mediante
VIII - e Justiça Militar Estadual; concurso público de provas e títulos, com exame oral e público
IX - conhecimento de representação por violação de direitos dos candidatos, realizado perante comissão composta por Procura-
humanos e sociais, por abuso de poder econômico e administrativo dores do Estado, sob a presidência do Procurador-Geral, e por um
e apurá-las; representante da Seção de Mato Grosso da Ordem dos Advogados
X - exercício da proteção, da defesa do meio ambiente e do do Brasil.
patrimônio cultural; § 2º O Procurador Geral do Estado, nos termos desta Constitui-
XI - demais matérias necessárias ao cumprimento de suas fina- ção, será nomeado pelo Governador.
lidades institucionais. Art. 112 São funções institucionais da Procuradoria Geral do
Parágrafo único No exercício de suas funções o Ministério Estado, além da representação judicial e extrajudicial do Estado:
Público poderá: I – exercer as funções de consultoria e assessoria jurídica do
a) instaurar procedimentos administrativos de sua competên- Estado, na forma da lei;
cia, requisitando informações e documentos para instruí-los; II – (Inciso declarado inconstitucional pela ADIN 291-1, jul-
b) requisitar informações e documentos de entidades privadas gada em 07/04/2010)
para instruir procedimentos ou processo em que oficie; III - unificar a jurisprudência administrativa do Estado;
c) requisitar à autoridade policial competente a instauração de IV- promover a inscrição e a cobrança judicial da dívida ativa
inquérito, acompanhá-lo e produzir provas; estadual;
d) dar publicidade dos procedimentos administrativos que ins- V - orientar, juridicamente, os Municípios, na forma da lei
taurar e das medidas adotadas. complementar;
Art. 107 Os membros do Ministério Público têm as seguintes VI - (Inciso declarado inconstitucional pela ADIN 291-1, jul-
garantias: gada em 07/04/2010)
I - vitaliciedade, após dois anos do exercício, não podendo per- VII - supervisionar técnica e juridicamente as consultorias, as-
der o cargo senão por sentença judicial transitada em julgado; sessorias, departamentos jurídicos, procuradorias das autarquias e
II - inamovibilidade de comarca ou função especializada, salvo das fundações e os demais órgãos e unidades jurídicas integrantes
por motivo de interesse público, mediante decisão por voto de dois da administração direta e indireta do Poder Executivo, podendo
terços dos Procuradores de Justiça, após assegurada ampla defesa; avocar processos judiciais a fim de atender ao interesse público;
III - irredutibilidade de vencimentos observado, quanto à re- (EC 62/12)
muneração, o disposto na Constituição Federal e na Seção III, Ca- VIII – representar o Estado perante os Tribunais de Contas do
pítulo V, deste Título. Estado e da União;

Didatismo e Conhecimento 32
LEGISLAÇÃO BÁSICA
IX - sugerir aos representantes dos Poderes do Estado provi- Art. 116-A A Defensoria Pública elaborará sua proposta or-
dências de ordem jurídica reclamadas pelo interesse público e pela çamentária dentro dos limites da Lei de Diretrizes Orçamentárias.
boa aplicação das leis vigentes; (EC 35/2005)
X - opinar em todos os processos que impliquem alienação de Parágrafo único A fiscalização contábil, financeira, orça-
bens do Estado; mentária, operacional e patrimonial da Defensoria Pública, quanto
XI - a realização dos processos administrativos-disciplinares, à legalidade, legitimidade, economicidade, aplicação de dotações
nos termos da lei; e recursos próprios e renúncias de receitas será exercida pelo Po-
XII - exercer as demais atribuições definidas em lei, desde que der Legislativo, mediante controle externo, e pelo sistema de con-
compatíveis com a natureza da Instituição. trole interno estabelecido na sua Lei Complementar. (EC 35/2005)
§ 1º A Procuradoria-Geral do Estado deverá manter, conforme Art. 117 Lei Complementar, cuja iniciativa é facultada ao De-
lei orgânica própria, órgãos regionais para executar adequadamen- fensor Público Geral, disporá sobre a organização e funcionamen-
te as suas funções constitucionais. (EC 67/12) to da Defensoria Pública, observados os seguintes princípios:56
§ 2º Os órgãos regionais da Procuradoria-Geral do Estado de- (EC 35/2005)
verão ser instalados, preferencialmente, de acordo com as regiões a) ingresso na carreira mediante concurso público e provas
de planejamento do Plano de Desenvolvimento para Mato Grosso de títulos com exame oral e público dos candidatos, assegurada
– MT + 20. (EC 62/12) a participação da Ordem dos Advogados do Brasil em sua reali-
Art. 113 São asseguradas aos Procuradores do Estado as se- zação e observada, nas nomeações, a ordem de classificação; (EC
guintes garantias. 35/2005)
I - irredutibilidade de vencimentos, observado, quanto à remu- b) promoção voluntária de entrância para entrância, e da en-
neração, o disposto na Constituição Federal e na Seção III, Capí- trância mais elevada para o cargo de Procurador da Defensoria
tulo V, deste Título; Pública, alternadamente, por antiguidade e merecimento, apurados
II - (Inciso declarado inconstitucional na ADIN 291-1, julgada na entrância imediatamente anterior; (EC 35/2005)
em 07/04/2010) c) remuneração fixada com diferença não excedente a dez por
III - responsabilidade disciplinar apurada através de processo cento de uma para outra entrância, e da entrância mais elevada
administrativo instruído pela Corregedoria da Procuradoria Geral para o cargo de Procurador da Defensoria Pública; (EC 35/2005)
do Estado, mediante decisão do Colégio de Procuradores; d) destituição do Defensor Público-Geral por deliberação da
IV - promoção por antiguidade e merecimento, alternadamen- maioria absoluta por voto secreto da Assembleia Legislativa. (EC
te, nos termos da lei; 35/2005)
V - fixação de remuneração com diferença não superior cinco Art. 118 À Defensoria Pública compete:
por cento de uma para outra categoria. I - dar assistência jurídica, judicial e extra-judicial aos neces-
Art. 114 A concessão dos direitos inerentes ao cargo de Pro- sitados;
curador, dar-se-á por ato do Procurador-Geral do Estado, após de- II - orientar e dar assistência judiciária aos usuários de bens
cisão do Colégio de Procuradores, ressalvados, nos termos desta e serviços finais e, nesta condição, ao Sistema Estadual de Defesa
Constituição, os atos de competência do Governador do Estado. do Consumidor;
Art. 115 Os servidores da Administração Pública atenderão às III - exercer, quando se tratar de réu pobre, as atribuições de
solicitações de certidões, informações, autos de processos e docu- Procuradorde-Ofício junto aos Conselhos de Justiça Militares;
mentos formuladas pela Procuradoria Geral do Estado. IV - assistir, judiciariamente, os menores em situação irregu-
lar ou de risco, sem prejuízo das atribuições próprias do Ministério
SEÇÃO IV Público;
Da Defensoria Pública V - ter assento nos órgãos colegiados estaduais cujas ativida-
des guardem relação direta com os direitos individuais e sociais;
Art. 116 A Defensoria Pública do Estado é instituição es- VI - assistir, judiciariamente, os sindicatos profissionais sem
sencial à função jurisdicional, atuando junto à sociedade civil, na recursos suficientes para a defesa de seus interesses;
orientação jurídica e na defesa, em todos os graus e instâncias, dos VII - solicitar de autoridade estadual e seus agentes certidões,
direitos e interesses dos necessitados, na forma da lei. exames, perícias, vistorias, diligências, processos, documentos,
Parágrafo único São princípios institucionais da Defensoria informações, esclarecimentos e providências necessárias ao exer-
Pública a unidade, a indivisibilidade, a autonomia funcional e ad- cício de suas atribuições;
ministrativa, competindolhe: (EC 35/2005) VIII - exercer a fiscalização dos estabelecimentos prisionais;
a) praticar atos próprios de gestão; (EC 35/2005) IX - exercer as demais atribuições definidas em lei.
b) praticar atos e decidir sobre a situação funcional do pessoal Art. 119 Aos membros da Defensoria Pública é assegurado
da carreira e dos serviços auxiliares organizados em quadros pró- o direito de comunicar-se pessoal e reservadamente com o preso,
prios; (EC 35/2005) tendo livre acesso e trânsito em qualquer local e dependências em
c) propor a criação e a extinção de seus cargos, nos termos que ele se encontrar.
desta Constituição; (EC 35/2005) Art. 120 Às carreiras disciplinadas neste Capítulo aplica-se o
d) eleger os integrantes de sua Administração Superior, na for- disposto no art. 135 da Constituição Federal.
ma da Lei; (EC 35/2005) Parágrafo único O subsídio do grau ou nível máximo da
e) elaborar seu regimento interno; (EC 35/2005) carreira da Defensoria Pública, corresponderá a noventa inteiros
f) exercer outras competências de sua autonomia. (EC e vinte e cinco centésimos por cento do subsídio mensal, fixado
35/2005) para os Ministros do Supremo Tribunal Federal, e os subsídios dos

Didatismo e Conhecimento 33
LEGISLAÇÃO BÁSICA
demais Membros serão fixados em lei e escalonados, não podendo CAPÍTULO V
a diferença entre um e outro ser superior a dez por cento ou inferior Da Administração Pública
a cinco por cento, nem exceder a noventa inteiros e vinte e cinco SEÇÃO I
centésimos por cento do subsídio mensal fixado para os Ministros Das Disposições Gerais
do Supremo Tribunal Federal, obedecido, em qualquer caso, o dis-
posto nos Arts. 37, XI, e 39, § 4º, da CF/88. (EC 59/10) Art. 127 A Administração Pública é o conjunto dos órgãos e
funções dos Poderes do Estado e das entidades descentralizadas,
SEÇÃO V aplicadas à execução de atividades e serviços administrativos, com
Do Conselho Estadual de Justiça a finalidade de promoção do bem-estar geral e da satisfação das ne-
cessidades coletivas.
Art. 121 (declarado inconstitucional, em controle concentrado, Art. 128 A Administração Pública direta é efetivada imedia-
pelo Supremo Tribunal Federal – ADIN nº 98-5 – Sessão realizada tamente por qualquer dos órgãos próprios dos Poderes do Estado.
em 7/08/97 – DJ 31.10.1997) Parágrafo único A Administração Pública Indireta é realizada
Art. 122 (declarado inconstitucional, em controle concentrado, imediatamente por:
pelo Supremo Tribunal Federal – ADIN nº 98-5 – Sessão realizada a) autarquias, de serviço ou territorial;
em 7/08/97 – DJ 31.10.1997) b) sociedades de economia mista;
Art. 123 (declarado inconstitucional, em controle concentrado, c) empresas públicas;
pelo Supremo Tribunal Federal – ADIN nº 98-5 – Sessão realizada d) fundações instituídas ou mantidas pelo Poder Público;
em 7/08/97 – DJ 31.10.1997) e) demais entidades de Direito Privado, sob o controle direto ou
indireto do Estado.
SECÃO VI Art. 129 A Administração Pública direta e indireta, de qualquer
Do Controle da Constitucionalidade dos Poderes do Estado, obedecerá aos princípios de legalidade, im-
pessoalidade, moralidade, publicidade e, também, ao seguinte:
Art. 124 São partes legítimas para propor a ação direta de in- I - os cargos, empregos e funções públicas são acessíveis aos
constitucionalidade de lei ou ato normativo estadual ou municipal brasileiros que preencham os requisitos estabelecidos em lei;
em face desta Constituição: II - a investidura em cargo ou emprego público depende de
I – o Governador do Estado; aprovação prévia em concurso público de provas ou de provas e
II – a Mesa da Assembleia Legislativa; títulos, ressalvadas as nomeações para cargo em comissão declarado
III – o Procurador-Geral de Justiça; em lei de livre nomeação e exoneração;
IV – o Procurador-Geral do Estado; III - o edital de convocação para concurso público estabelecerá:
V – o Procurador-Geral da Defensoria Pública; a) prazo de validade do concurso de até dois anos, prorrogável
VI – o Conselho Seccional da Ordem dos Advogados do Brasil; uma vez por igual período;
VII - partido político com representação na Assembleia Legis- b) o número de vagas oferecidas.
lativa; IV - os cargos em comissão e as funções de confiança serão
VIII - federação sindical ou entidade de classe de âmbito esta- exercidos, preferencialmente, por servidores ocupantes de cargo de
dual; carreira técnica ou profissional, nos casos e condições previstos em
IX - o Prefeito, a Mesa da Câmara de Vereadores ou partido lei;
político com representação nesta, quando se tratar de lei ou ato nor- V - a lei ordinária reservará um percentual não inferior a um por
mativo municipal. cento dos cargos e empregos públicos para as pessoas portadoras de
Art. 125 Somente pelo voto da maioria absoluta dos seus mem- deficiência de qualquer natureza e definirá os critérios de sua admis-
bros ou dos membros do respectivo órgão especial poderá o Tribunal são, observando o disposto nesta Constituição;
de Justiça declarar a inconstitucionalidade de lei ou ato normativo VI - a lei estabelecerá os casos de contratação por tempo deter-
do Poder Público. minado para atender à necessidade de excepcional interesse público;
§ 1º O Procurador-Geral de Justiça será previamente ouvido nas VII - somente por lei específica poderão ser criadas e extintas as
ações de inconstitucionalidade. entidades da Administração Pública direta e indireta;
§ 2º Quando o Tribunal de Justiça apreciar a inconstituciona- VIII - depende de autorização legislativa em cada caso, a cria-
lidade, em tese, de norma legal ou ato normativo estadual, citará, ção de subsidiárias das entidades da Administração Pública indireta,
previamente, a Procuradoria Geral do Estado para defender o ato ou assim como a participação de qualquer delas em empresa privada;
o texto impugnado ou o Procurador Municipal, para o mesmo fim, IX - as normas administrativas que criam, modificam ou ex-
quando se tratar de norma legal ou ato normativo municipal. tinguem direitos dos servidores públicos da Administração Pública
Art. 126 Declarada a inconstitucionalidade por decisão defini- direta e indireta serão estabelecidas somente através de lei;
tiva, esta será comunicada à Assembleia Legislativa ou à Câmara X - ressalvados os casos específicos na legislação, as obras, ser-
Municipal de Vereadores para a suspensão da execução, no todo ou viços, compras e alienações serão contratados mediante processo de
em parte, da lei ou do ato normativo do Poder Público. licitação pública que assegure igualdade de condições a todos os
Parágrafo único Declarada a inconstitucionalidade por omis- concorrentes, com cláusulas que estabeleçam obrigações de paga-
são de medida para tornar efetiva norma desta Constituição, será mento, mantidas as condições efetivas da proposta, nos termos da
dada ciência ao Poder competente para a adoção das providências lei, o qual somente permitirá as exigências de qualificação técnica
necessárias e, em se tratando de órgão administrativo, para fazê-lo e econômica indispensável à garantia do cumprimento das obri-
em trinta dias. gações;

Didatismo e Conhecimento 34
LEGISLAÇÃO BÁSICA
XI - para se habilitarem às licitações estaduais ou à obtenção Art. 132 Ao servidor público em exercício de mandato eletivo
de empréstimos concedidos pelos órgãos do Sistema Financeiro do aplicam-se as disposições do artigo 38 da Constituição Federal.
Estado, as empresas deverão comprovar, na forma da lei, o cumpri- Art. 133 Quando no exercício de mandato eletivo em direto-
mento de suas obrigações previdenciárias e trabalhistas. ria de entidade sindical ou associativa, representativa de categoria
§ 1º A publicidade dos atos, programas, obras, serviços e cam- profissional de membros da Administração Pública, será colocado à
panha dos órgãos públicos deverá ter caráter educativo, informativo disposição da entidade, desde que:
ou de orientação social, dela não podendo constar nomes, símbolos I - seja solicitado e não ultrapasse o limite de três servidores, em
ou imagens que caracterizem promoção pessoal de autoridade ou entidade que congregue um mínimo de mil representados;
servidores públicos. II - seja solicitado e não ultrapasse o limite de um servidor, em
§ 2º (Revogado pela EC 11/96) entidades que congregue menos de mil e mais de trezentos repre-
§ 3º A não observância do disposto nos incisos II e III implicará sentados.
a nulidade do ato e a punição da autoridade responsável, nos termos Art. 134 (O caput do artigo foi suspenso em liminar concedida
da lei. em medida cautelar na ADIN 282-1)
§ 4º As reclamações relativas à prestação de serviços públicos Parágrafo único (O parágrafo único do artigo foi suspenso em
serão disciplinadas em lei. liminar concedida em medida cautelar na ADIN 282-1)
§ 5º Os atos de improbidade administrativa importarão na sus- Art. 135 O Poder Público do Estado e dos Municípios garanti-
pensão dos direitos políticos, na perda da função pública, na indis- rá assistência médicoodontológica, creches e pré-escolas aos filhos
ponibilidade dos bens e no ressarcimento do erário, na forma e gra- e dependentes dos servidores públicos, do nascimento até aos seis
dação prevista em lei, sem prejuízo da ação penal cabível. anos e onze meses.
§ 6º (O parágrafo foi suspenso em liminar concedida em medi- Art. 136 Somente poderão ser criados cargos em comissão
da cautelar na ADIN 282-1) quando houver justificada necessidade baseada em relação pessoal
§ 7º A não publicação importa na nulidade do ato e na punição, e pública de confiança.
pelo Tribunal de Contas, da autoridade responsável pelo fato, que
será referendada pela Assembleia Legislativa. SEÇÃO II
§ 8º A lei estabelecerá a obrigatoriedade da notificação ou in- Dos Valores Públicos
timação pessoal do interessado para determinados atos administra- SUBSECÃO I
tivos, caso em que só produzirão efeitos a partir de tais diligências. Das Disposições Gerais
§ 9º A lei fixará prazos para a prática dos atos administrativos e
estabelecerá procedimentos adequados à sua revisão, indicando seus Art. 137 A qualquer pessoa é atribuído o direito de levar ao
efeitos e forma de processamento. conhecimento da autoridade a improbidade, irregularidade ou ilega-
§ 10 A Administração Pública é obrigada a fornecer ao inte- lidade de que tomar ciência, imputável a qualquer servidor público,
ressado, no prazo máximo de quinze dias, contados da respectiva competindo ao funcionário ou empregado público fazê-lo perante
solicitação, certidão de atos, contratos, decisões ou pareceres que seu superior hierárquico.
não tenham sido previamente declarados sigilosos, sob pena de res- Art. 138 Todas as autoridades sem lei específica, quando indi-
ponsabilidade da autoridade ou servidor que retardar ou negar a sua ciadas em inquérito administrativo ou policial, por crime de respon-
expedição. No mesmo prazo deverá atender às requisições judiciais, sabilidade ou crime comum, serão afastadas da função por seu chefe
se outro não for fixado pelo Juiz. imediato, até final decisão judicial e administrativa.
Art. 130 As empresas concessionárias de serviços públicos su-
jeitam-se ao permanente controle e fiscalização do Poder Público e SUBSEÇÃO II
da coletividade, cumprindo-lhes manter adequada execução do ser- Dos Servidores Públicos Civis
viço e a plena satisfação dos direitos dos usuários.
Art. 131 A autorização, permissão ou concessão para a presta- Art. 139 O Estado e os Municípios, instituirão, no âmbito de
ção de serviços públicos, sempre mediante licitação, será regulada sua competência, regime jurídico único e planos de carreira para os
por lei, que disporá sobre: servidores da Administração Pública direta, autarquias e fundações.
I - o regime das empresas concessionárias de serviços públicos, § 1º A lei assegurará, aos servidores de Administração Pública
o caráter especial de seu contrato e de sua prorrogação e as condi- direta, isonomia de vencimentos para cargos de atribuições iguais
ções de caducidade, fiscalização, rescisão e reversão de concessão ou assemelhados no mesmo Poder ou entre servidores dos Pode-
ou permissão; res Executivo, Legislativo e Judiciário, ressalvadas as vantagens de
II - os direitos dos usuários; caráter individual e as relativas à natureza ou ao local de trabalho.
III - tarifas que permitam cobrir o custo, a depreciação dos equi- § 2º As entidades da Administração Pública indireta, não con-
pamentos e os investimentos na melhoria e a expansão dos serviços; templadas neste artigo, são constituídas de empregos públicos sob
IV - a obrigatoriedade de manter o serviço adequado; regime jurídico de natureza trabalhista observado o disposto no art.
V - a reversão dos bens vinculados ao serviço público objeto de 129 desta Constituição e o art. 173, § 2º, da Constituição Federal.
concessão ou permissão. § 3º Aplicam-se aos servidores públicos estaduais as seguintes
§ 1º Os contratos de concessão e permissão de serviços públicos disposições, além das previstas no § 2º do art. 39 da Constituição
serão firmados por prazo determinado. Federal:
§ 2º A cassação de concessão e permissão de serviço público I – (O inciso foi suspenso em liminar concedida em medida
inabilitará, em qualquer hipótese, a participação do concessionário cautelar na ADIN 282-1.)
ou permissionário em nova concorrência pública para serviços da II - (O inciso foi suspenso em liminar concedida em medida
mesma natureza. cautelar na ADIN 282-1.)

Didatismo e Conhecimento 35
LEGISLAÇÃO BÁSICA
§ 4º Sob pena de responsabilização, a autoridade que deter- § 4º É vedada a vinculação ou equiparação de quaisquer espé-
minar o desconto em folha de pagamento do servidor para insti- cies remuneratórias para efeito de remuneração de pessoal do servi-
tuições de previdência ou associações, deverá efetuar o repasse do ço público.67 (EC 60/11)
desconto no prazo máximo de cinco dias úteis, juntamente com a § 5º Os acréscimos pecuniários percebidos por servidor Público
parcela de responsabilidade do órgão. não serão computados nem acumulados, para fins de concessão de
Art. 140 Aplica-se ao servidor público o disposto no art. 41 da acréscimos ulteriores, sob o mesmo título ou idêntico fundamento.
Constituição Federal. § 6º Os vencimentos dos servidores civis e militares são irredu-
Parágrafo único O servidor público estadual será aposentado tíveis, e a remuneração observará o que dispõe os parágrafos 2º e 3º
na forma prevista no art. 40 da Constituição Federal, observando-se: deste artigo, a legislação do imposto de rende e as demais normas
a) o benefício da pensão por morte corresponderá à totalidade contidas na Constituição Federal e nesta Constituição.
da remuneração ou proventos do servidor civil ou militar falecido, § 7º É vedada a acumulação remunerada de cargo públicos, ex-
sendo majorado na mesma proporção sempre que houver reajuste ceto, quando houver compatibilidade de horários:
na remuneração integral do servidor da ativa, acrescida de todas as a) a de dois cargos de Professor;
vantagens; b) a de um cargo de professor com outro técnico ou científico;
b) incorporam-se aos proventos da aposentadoria, todas as c) (declarado inconstitucional, em controle concentrado, pelo
gratificações da atividade quando exercidas por mais de cinco anos Supremo Tribunal Federal – ADIN nº 281-3 – Acórdão publicado
ininterruptos ou dez intercalados. no DJ 6/02/98).
§ 8º A proibição de acumular estende-se a empregos e funções e
SUBSEÇÃO III abrange todas as entidades da Administração Pública indireta.
Dos Servidores Públicos Militares Art. 146 A lei, ao instituir o regime estatutário o os planos de
carreira para os servidores e empregados públicos, fixará o limite
Art. 141 São servidores públicos militares os integrantes da Po- máximo e a relação de valores entre a maior e a menor remuneração
lícia Militar do Estado e do Corpo de Bombeiros Militar. de carreira, estabelecendo, também, a representação única.
Art. 142 As patentes, conferidas pelo Governador, com prer- Parágrafo único A relação entre a maior e a menor remune-
rogativas, direitos e deveres a elas inerentes, são asseguradas em ração, prevista neste artigo, será revista trienalmente, até chegar a
plenitude aos oficiais da ativa, da reserva ou reformados, sendo-lhes oito vezes.
privativos os títulos, postos e uniformes militares. Art. 147 A revisão geral da remuneração dos servidores pú-
Art. 143 Caberá ao Tribunal de Justiça decidir sobre a perda do blicos, sem distinção de índices, entre servidores públicos civis e
posto e da patente dos oficiais e da graduação das praças nos termos militares, far-se-á sempre na mesma data.
do Art. 125, § 4º, da Constituição Federal. § 1º Os reajustes e aumentos, a qualquer título e feitos em qual-
§ 1º Os Oficiais, nos termos do artigo 42, § 7º e 8º da Consti- quer época por qualquer dos Poderes, serão automaticamente esten-
tuição Federal, e as praças graduadas, após submetidas a julgamento didos aos demais, sem distinção de índices entre servidores públicos
condenatório com sentença transitada em julgado, na justiça comum civis e militares.
ou militar, ou com decisão condenatória nos respectivos Conselhos § 2º O pagamento da remuneração dos servidores públicos civis
Disciplinares, serão julgados na forma deste artigo. e militares dar-se-á até o dia dez do mês seguinte ao que se refere.
Art. 144 Aplica-se aos servidores a que se refere esta Subseção, § 3º O não pagamento da remuneração até a data referida no
o disposto no art. 42 e seus parágrafos da Constituição Federal. parágrafo anterior, importará na correção de seu valor, aplicando-se
os índices federais de correção diária, a partir do dia seguinte ao
SEÇÃO III vencimento até a data do efetivo pagamento.
Da Política Salarial Única § 4º O montante da correção será pago juntamente com o venci-
mento do mês subsequente, corrigido o seu total até o último dia do
Art. 145 A remuneração total dos cargos, empregos e funções mês, pelos mesmos índices do parágrafo anterior.
dos Poderes Legislativo, Executivo será composta, exclusivamente, Art. 148 Os Poderes Legislativo, Executivo e Judiciário farão
do vencimento-base e de uma única verba de representação. publicar, trimestralmente, no Diário Oficial, seus respectivos lota-
§ 1º O adicional por tempo de serviço concedido aos ocupan- cionogramas, com a especificação de remuneração atualizada de
tes dos cargos de carreira de provimento efetivo e aos empregados todos os servidores.
públicos, como única vantagem pessoal, não será considerado para Parágrafo único As nomeações, demissões, exonerações, con-
efeitos deste artigo e do inciso XXXI do art. 26 desta Constituição. tratações para prestação de serviços e reajustes de remuneração que
§ 2º Fica fixado como limite único, no âmbito de qualquer dos não forem publicados no Diário Oficial do Estado serão considera-
Poderes, do Tribunal de Contas e do Ministério Público do Estado, dos nulos de pleno direito.
para fins do disposto no Art. 37, §12, da Constituição Federal, o sub-
sídio mensal dos Desembargadores do Tribunal de Justiça do Esta- CAPÍTULO VI
do, limitado a noventa inteiros e vinte e cinco centésimos por cento Do Sistema Tributário e Financeiro
do subsídio mensal dos Ministros do Supremo Tribunal Federal, não SEÇÃO I
se aplicando o disposto neste parágrafo aos subsídios dos Deputados Das Disposições Gerais
Estaduais e Vereadores. (EC 60/2011)
§ 3º Os vencimentos dos cargos do Poder Legislativo e do Po- Art. 149 O Estado e os Municípios, observado o disposto na
der Judiciário não poderão ser superiores aos pagos pelo Poder Constituição Federal e nesta Constituição, poderão instituir os se-
Executivo. guintes tributos:

Didatismo e Conhecimento 36
LEGISLAÇÃO BÁSICA
I - impostos; § 4º A vedação estabelecida na alínea “d” do inciso VI será
II - taxas, em razão do exercício do poder de polícia ou pela suspensa sempre que caracterizado o dano por ação ou omissão
utilização, efetiva ou potencial de serviços públicos específicos ou comprovada pelos órgãos competentes, na forma da lei.
divisíveis prestados ao contribuinte ou postos à sua disposição; § 5º Não se considera limitação a tráfego de bens, para fins
III - contribuição de melhoria, decorrente de obras públicas. do disposto no inciso V, deste artigo, a retenção de mercadorias
§ 1º Sempre que possível, os impostos terão caráter pessoal e desacompanhadas de documentação fiscal ou acompanhadas de
serão graduados segundo a capacidade econômica do contribuinte, documentação fiscal inidônea, hipóteses em que ficarão retidas até
facultado à administração tributária, especialmente para conferir a comprovação da legitimidade de sua posse e da regularidade fis-
efetividade a esses objetivos, identificar, respeitados os direitos cal. (EC 55/09)
individuais e nos termos da lei, o patrimônio, os rendimentos e as Art. 151 Qualquer anistia ou remissão que envolva matéria
atividades econômicas do contribuinte. tributária ou previdenciária só poderá ser concedida através de lei
§ 2º As taxas não poderão ter base de cálculo própria de im- específica, estadual ou municipal.
postos. Parágrafo único A concessão ou revogação de isenções in-
Art. 150 Sem prejuízo de outras garantias asseguradas ao con- centivos, benefícios fiscais e tributários, no Estado, dependerá de
tribuinte, é vedado ao Estado e aos Municípios: autorização do Poder Legislativo Estadual ou Municipal.
I - exigir ou aumentar tributo sem lei que o estabeleça; Art. 152 O Estado poderá, excepcionalmente e por convênio,
II - instituir tratamento desigual entre contribuintes que se transferir para os municípios a fiscalização da arrecadação de seus
encontrarem em situação equivalente, proibida qualquer distinção tributos.
em razão de ocupação profissional ou função por eles exercida,
independentemente da denominação jurídica dos rendimentos, tí- SEÇÃO II
tulos ou direitos; Dos Impostos do Estado
III - cobrar tributos:
a) em relação a fatos gerados ocorridos antes do inicio de vi- Art. 153 Compete ao Estado instituir:
gência da lei que os houver instituído ou aumentado; I - impostos sobre:
b) no mesmo exercício financeiro em que haja sido publicada a) transmissão causa-mortis e doação, de quaisquer bens ou
direitos;
a lei que os instituiu ou aumentou.
b) operações relativas à circulação de mercadorias e sobre
IV - utilizar tributo com efeito de confisco;
prestações de serviços de transporte interestadual e intermunicipal
V - estabelecer limitações ao tráfego de pessoas ou bens, por
e de comunicação, ainda que as operações e as prestações se ini-
meio de tributos interestaduais ou intermunicipais, ressalvada a
ciem no exterior;
cobrança de pedágio pela utilização de vias conservadas pelo Po-
c) propriedade de veículos automotores.
der Público;
II - adicional ao imposto de renda incidente sobre lucros, ga-
VI - instituir impostos sobre:
nhos e rendimentos de capital até o limite de cinco por cento do
a) patrimônio, renda ou serviços, uns dos outros;
imposto pago à União por pessoas físicas ou jurídicas domiciliadas
b) templos de qualquer culto; em seu território.
c) patrimônio, renda ou serviços dos partidos políticos, inclu- § 1º O imposto previsto no inciso I, alínea “a”, atenderá ao
sive suas fundações, das entidades sindicais dos trabalhadores, das seguinte:
instituições de educação e de assistência social, sem fins lucrati- I - relativamente aos bens imóveis e respectivos direitos, com-
vos, observados os requisitos da lei; petirá ao Estado quando nele se situar o bem;
d) os imóveis tombados pelos órgãos competentes; II - relativamente aos bens móveis, títulos e créditos, compe-
e) livros, jornais, periódicos e o papel destinado a sua impres- tirá ao Estado onde nele se processar o inventário ou arrolamento,
são. ou tiver domicílio o doador;
VII - estabelecer diferença tributária entre bens e serviços, de III - terá a competência para sua instituição regulada por lei
qualquer natureza, em razão de sua procedência ou destino. complementar federal:
§ 1º A vedação expressa na alínea “a” do inciso VI é extensi- a) se o doador tiver domicílio ou residência no exterior;
va às autarquias e às fundações instituídas e mantidas pelo Poder b) se o de cujus, possuía bens, era residente ou domiciliado ou
Público, no que se refere ao patrimônio, à renda e aos serviços, teve seu inventário processado no exterior.
vinculados às suas finalidades essenciais ou delas decorrentes. IV - terá suas alíquotas máximas fixadas pelo Senado Federal.
§ 2º O disposto na alínea “a” do inciso VI e no parágrafo an- § 2º O imposto previsto no inciso I, “b”, atenderá ao seguinte:
terior não compreende o patrimônio, a renda e os serviços, relacio- I - será não-cumulativo, admitida sua seletividade, em função
nados com a exploração de atividades econômicas, regidas pelas da essencialidade das mercadorias e dos serviços, compensando-se
normas aplicáveis a empreendimentos privados, ou que haja con- o que for devido em cada operação relativa à circulação de mer-
traprestação ou pagamento de preços ou tarifas pelo usuário, nem cadorias ou prestação de serviços, com o montante cobrado nas
exonera o promitente comprador de obrigação de pagar imposto anteriores por este ou outro Estado ou pelo Distrito Federal;
relativamente ao bem imóvel. II - a isenção ou não-incidência, salvo determinação em con-
§ 3º As vedações expressas nas alíneas “b” e “c” do inciso VI, trário da legislação, não implicará crédito para compensação com
compreendem somente o patrimônio, a renda e os serviços rela- o montante devido nas operações ou prestações seguintes e acar-
cionados com as finalidades essenciais das entidades nelas men- retará a anulação do crédito relativo às operações e prestações an-
cionadas. teriores;

Didatismo e Conhecimento 37
LEGISLAÇÃO BÁSICA
III - terá alíquotas aplicáveis às operações e prestações inte- III - vendas a varejo de combustíveis líquidos e gasosos, ex-
restaduais e de exportação, na forma estabelecida por Resolução ceto o óleo diesel;
do Senado Federal; IV - serviços de qualquer natureza, não compreendidos no art.
IV - poderá ter as alíquotas máximas e mínimas nas operações 153, I, “b”, definidos em lei complementar federal.
internas estabelecidas por Resolução do Senado Federal, nos ter- § 1º O imposto de que se trata o inciso I poderá ser progres-
mos do art. 155, § 2º, V, da Constituição Federal; sivo, nos termos de lei municipal, de forma a assegurar o cumpri-
V - não poderá ter alíquotas internas nas operações relativas à mento da função social da propriedade.
circulação de mercadorias e nas prestações de serviços, inferiores § 2º O imposto previsto no inciso II:
às previstas para as operações interestaduais, salvo deliberação em a) não incidirá sobre a transmissão de bens ou direitos incor-
contrário do Estado, na forma da lei do Sistema Financeiro e Tri- porados ao patrimônio da pessoa jurídica em realização de capital,
butário do Estado e do art. 155, XII, “g” de Constituição Federal; nem sobre a transmissão de bens ou direitos decorrentes de fusão,
VI - em relação às operações e prestações que destinem bens incorporação, cisão ou extinção de pessoa jurídica, salvo se, nes-
e serviços a consumidor final localizado em outro Estado, adotar- ses casos, a atividade preponderante do adquirente for a compra e
se-á: venda desses bens ou direitos, locação de bens imóveis ou arren-
a) a alíquota interestadual, quando o destinatário for contri- damento mercantil;
buinte do imposto; b) compete ao Município da situação do bem.
b) a alíquota interna quando o destinatário não for contribuin- § 3º O imposto previsto no inciso III não exclui a incidência
te dele; do imposto estadual previsto no art. 153, I, “b” sobre a mesma
c) a diferença de que trata o art. 155, § 2º, VIII, da Consti- operação.
tuição Federal, caberá ao Estado, quando nele o destinatário for
contribuinte do imposto. SEÇÃO IV
VII - incidirá, também: Da Repartição das Receitas Tributárias
a) sobre a entrada de mercadoria importada do exterior, ainda
quando se tratar de bem destinado ao consumo ou ativo fixo do Art. 156 Pertencem ao Estado:
estabelecimento, assim como sobre serviço prestado no exterior, I - o produto da arrecadação do imposto da União sobre renda
cabendo o imposto ao Estado, quando nele estiver situado o esta- e proventos de qualquer natureza, incidente na fonte sobre rendi-
belecimento destinatário da mercadoria ou do serviço;
mentos pagos, a qualquer título, por ele, suas autarquias e pelas
b) sobre o valor total da operação, quando mercadorias forem
fundações que instituírem e mantiverem;
fornecidas com serviços não compreendidos na competência tribu-
II - vinte por cento do produto da arrecadação do imposto que
tária dos Municípios;
a União instituir no exercício da competência que lhe é atribuída
VIII - não incidirá:
pelo art. 154, I, da Constituição Federal;
a) sobre operações que destinem ao exterior produtos indus-
III - trinta por cento do produto da arrecadação do imposto
trializados, excluídos os semi-elaborados definidos em lei comple-
sobre operações de crédito, câmbio e seguro, ou relativas a títu-
mentar federal;
b) sobre operações que destinem a outros Estados petróleo, los ou valores mobiliários incidente sobre o ouro, originário deste
inclusive lubrificantes, combustíveis líquidos e gasosos dele deri- Estado, quando definido em lei federal como ativo financeiro ou
vados e energia elétrica; instrumento cambial.
c) sobre o ouro, quando definido em lei federal como ativo Art. 157 Pertencem aos Municípios:
financeiro ou instrumento cambial, nos termos do art. 153, § 5º, da I - o produto da arrecadação do imposto da União sobre renda
Constituição Federal. e proventos de qualquer natureza, incidente na fonte sobre rendi-
IX - não compreenderá, em sua base de cálculo, o montante mentos pagos, a qualquer título, por eles, suas autarquias e pelas
do imposto sobre produtos industrializados, quando a operação, fundações que instituírem e mantiverem;
realizada entre contribuintes e relativa a produto destinado à indus- II - cinquenta por cento do produto da arrecadação do imposto
trialização ou à comercialização, configure fato gerador dos dois da União sobre a propriedade territorial rural, relativamente aos
impostos. imóveis neles situados;
Art. 154 O Estado e os Municípios não poderão instituir ou- III - cinquenta por cento do produto da arrecadação do impos-
tro tributo incidente sobre operações relativas a energia elétrica, to do Estado sobre a propriedade de veículos automotores licencia-
combustíveis líquidos e gasosos, lubrificantes e minerais do país, dos em seu território;
além dos impostos previstos nos artigos 153, I, “b” e 155, III, desta IV - vinte e cinco por cento do produto da arrecadação do
Constituição. imposto do Estado sobre operações relativas à circulação de mer-
cadorias e sobre prestações de serviços de transporte interestadual
SEÇÃO III e intermunicipal e de comunicação;
Dos Impostos dos Municípios V - setenta por cento para o Município de origem, do produto
da arrecadação do imposto sobre operações de crédito, câmbio e
Art. 155 Compete aos Municípios instituir impostos sobre: seguro ou relativas a títulos ou valores mobiliários, incidente sobre
I - propriedade predial e territorial urbana; o ouro, quando definido em lei federal como ativo financeiro ou
II - transmissão inter-vivos, a qualquer título, por ato oneroso, instrumento cambial.
de bens imóveis, por natureza ou acessão física, e de direitos reais Parágrafo único As parcelas de receita pertencentes aos Mu-
sobre imóveis, exceto os de garantia, bem como cessão de direitos nicípios, mencionados no inciso IV, serão creditadas conforme os
à sua aquisição; seguintes critérios:

Didatismo e Conhecimento 38
LEGISLAÇÃO BÁSICA
I - no mínimo, 75% (setenta e cinco por cento) na proporção § 5º A lei orçamentária anual compreenderá:
do valor adicionado nas operações relativas à circulação de merca- I - o orçamento fiscal referente aos Poderes do Estado, seus
dorias e nas prestações de serviços realizados em seus territórios; fundos, órgãos e entidades da Administração Pública direta e in-
(EC 15/99) direta;
II - até 25% (vinte e cinco por cento) distribuídos aos Municí- II - o orçamento de investimento das empresas em que o direta
pios, conforme critérios econômicos, sociais e ambientais a serem ou indiretamente, detenha a maioria do capital social com direito
definidos em Lei Complementar. (EC 15/99) a voto;
Art. 158 O Estado e os Municípios receberão da União a parte III - o orçamento de seguridade social, abrangendo todas as
que lhes cabe nos tributos por ela arrecadados, calculados na forma entidades e órgãos a ela vinculados, da Administração Pública di-
do art. 159, da Constituição Federal. reta ou indireta bem como os fundos instituídos e mantidos pelo
Art. 159 O Estado entregará: (EC 08/93) Poder Público.
I - dos recursos que receber nos termos do inciso II, Artigo § 6º O projeto de lei orçamentária será acompanhado de de-
159, da Constituição Federal, 25% (vinte e cinco por cento) aos monstrativo regionalizado, sobre as receitas e despesas, decorren-
municípios, observados os critérios estabelecidos no Artigo 157, tes de isenções, anistias, remissões, subsídios e benefícios de natu-
parágrafo único, incisos I e II, desta Constituição; (EC 08/93) reza financeira, tributária e creditícia.
II - das receitas tributárias próprias do Tesouro do Estado, § 7º A lei orçamentária anual não conterá dispositivo estranho
provenientes de impostos, 03% (três por cento) para aplicação em à previsão da receita e à fixação da despesa, não se incluindo na
programas de financiamento ao setor privado, através de institui- proibição a autorização para abertura de créditos suplementares e
ções financeiras de caráter oficial, ficando assegurados aos mini, contratação de operações de crédito, ainda que por antecipação de
micro e pequenos agentes econômicos, no mínimo 60% (sessenta receita, nos termos da lei federal.
por cento) destes recursos, na forma que a lei complementar esta- § 8º As operações de crédito por antecipação de receita, a que
belecer. (EC 08/93) alude o parágrafo anterior, obedecerão ao estatuído pelo inciso III
Art. 160 É vedada ao Estado a retenção ou qualquer restrição do artigo 167 da Constituição Federal e serão liquidadas no pró-
à entrega e ao emprego dos recursos atribuídos, nesta seção, aos prio exercício financeiro72. (EC 07/93)
Municípios, neles compreendidos adicionais e acréscimos relati- § 9º A previsão de receita e a fixação da despesa no projeto
vos a impostos. e na lei orçamentária devem refletir com fidedignidade a conjun-
Parágrafo único Esse vedação não impede o Estado de con- tura econômica e a política fiscal do Estado de Mato Grosso. (EC
dicionar a entrega de recursos ao pagamento de seus créditos. 69/14)
Art. 161 O Estado e os Municípios divulgarão, até o último
Art. 163 Serão estabelecidos em lei os planos e programas
dia do mês subsequente ao da arrecadação, os montantes de cada
estaduais e setoriais, sob a forma de diretrizes e bases de plane-
um dos tributos arrecadados, os recursos recebidos, os valores de
jamento estadual, compatibilizados com as disposições federais e
origem tributária entregues e a entregar e a expressão numérica
com o desempenho econômico do Estado.
dos critérios de rateio.
Art. 164 Os projetos de lei relativos ao plano plurianual, às
Parágrafo único Os dados divulgados pelo Estado serão dis-
diretrizes orçamentárias, ao orçamento anual e aos créditos adicio-
criminados por Município.
nais serão apreciados pela Assembleia Legislativa, sendo aprova-
SEÇÃO V dos por maioria absoluta dos seus membros.
Dos Orçamentos § 1º Caberá à Comissão Permanente de Fiscalização e Acom-
panhamento da Execução Orçamentária:
Art. 162 Leis de iniciativa do Poder Executivo estabelecerão: I - examinar e emitir parecer sobre os projetos referidos neste
I - o plano plurianual; artigo e sobre as contas apresentadas anualmente pelo Governador
II - as diretrizes orçamentárias; do Estado;
III - os orçamentos anuais do Estado. II - examinar e emitir parecer sobre os planos e programas
§ 1º A lei que instituir o plano plurianual estabelecerá as dire- estaduais e setoriais e exercer o acompanhamento e a fiscalização
trizes, objetivos e metas da Administração Pública Estadual para orçamentária, sem prejuízo da atuação das demais Comissões da
as despesas de capital e outras delas decorrentes, bem como a re- Assembleia Legislativa.
dução das desigualdades inter-regionais segundo critérios popula- § 2º As emendas serão apresentadas na Comissão referida no
cionais. parágrafo anterior, que sobre elas emitirá parecer, e apreciadas, na
§ 2º A lei de diretrizes orçamentárias compreenderá as metas forma regimental, pelo Plenário da Assembleia Legislativa.
e prioridades da Administração Pública, incluindo as despesas de § 3º As emendas ao projeto de lei do orçamento anual ou aos
capital para o exercício financeiro subsequente, orientará a elabo- projetos que o modifiquem somente podem ser aprovadas caso:
ração da lei orçamentária anual, disporá, justificadamente, sobre I - sejam compatíveis com o plano plurianual e com a lei de
alterações na legislação tributária e estabelecerá a política de apli- diretrizes orçamentárias;
cação das agências financeiras oficiais de fomento. II - indiquem os recursos necessários, admitidos apenas os
§ 3º O Poder Executivo publicará, até trinta dias após o en- provenientes de anulação de despesa, excluídos as que incidam
cerramento de cada bimestre, relatório resumido da execução or- sobre:
çamentária. a) dotações para pessoal e seus encargos;
§ 4º Os planos e programas estaduais e setoriais serão ela- b) serviço de dívida;
borados em consonância com plano plurianual e apreciados pela c) transferências tributárias constitucionais para os Municí-
Assembleia Legislativa. pios.

Didatismo e Conhecimento 39
LEGISLAÇÃO BÁSICA
III - sejam relacionadas: a) 12% para a saúde;
a) com a correção de erros ou omissões; b) 25% para a educação;
b) com os dispositivos do texto do projeto de lei. c) 6,5% em esporte, e;
§ 4º As emendas ao projeto de lei de diretrizes orçamentárias d) 6,5% em cultura.
não poderão ser aprovados quando incompatíveis com o plano plu- II - demonstrada no relatório resumido da execução orçamen-
rianual. tária de que trata o Art. 162, § 3º; (EC 69/14)
§ 5º O Governador do Estado poderá enviar mensagem à As- III - objeto de manifestação específica no parecer do Tribunal
sembleia Legislativa para propor modificação nos projetos a que de Contas do Estado, previsto no Art. 47, I; (EC 69/14)
se refere este artigo, enquanto não iniciada a votação na Comissão IV - divulgadas em audiências públicas pelos municípios be-
Permanente de Fiscalização e Acompanhamento da Execução Or- neficiados, e; (EC 69/14)
çamentária, de parte cuja alteração é proposta. V - fiscalizada e avaliada quanto aos resultados obtidos. (EC
§ 6º Os projetos de lei do plano plurianual, de diretrizes or- 69/14)
çamentárias e do orçamento anual serão enviados ao Poder Legis- Art. 165 São vedados:
lativo, pelo Governador do Estado, nos seguintes prazos:73 (EC I - o início de programas ou projetos não incluídos na lei or-
29/04) çamentária anual;
I - projeto de lei do Plano Plurianual, até 30 de agosto do pri- II - a realização de despesas ou a assunção de obrigações dire-
meiro ano do mandato do Governador;74 (EC 50/07) tas que excedam os créditos orçamentários ou adicionais;
II – projeto de lei de diretrizes orçamentárias, anualmente, até III - a realização de operações de créditos que excedam o
30 de maio; (EC 29/04) montante das despesas de capital, ressalvadas as autorizadas me-
III – projeto de lei do orçamento anual, até 30 de setembro. diante créditos suplementares ou especiais com finalidade precisa,
(EC 29/04) aprovados pelo Poder Legislativo por maioria absoluta;
§ 7º Aplicam-se aos projetos mencionados neste artigo, no IV - a vinculação de impostos a órgão, fundo ou despesas,
que não contrariar o disposto nesta Seção, as demais normas rela- ressalvadas a repartição do produto da arrecadação dos impostos
tivas ao processo legislativo. a que se referem os incisos III e IV do artigo 157 e o artigo 159 e
respectivos incisos, desta Constituição; a destinação de recursos
§ 8º Os recursos que, em decorrência de veto, emenda ou re-
para manutenção e desenvolvimento do ensino, como determinado
jeição do projeto de lei orçamentária anual, ficarem sem despesas
pelo artigo 245 desta Constituição, e a prestação de garantias às
correspondentes poderão ser utilizados, conforme o caso, median-
operações de crédito por antecipação de receita, previstas no artigo
te créditos especiais ou suplementares, com prévia e específica au-
162, § 7º, desta Constituição;75 (EC 08/93)
torização legislativa.
V - a abertura de crédito suplementar ou especial sem prévia
§ 9º No primeiro ano do mandato do Governador o projeto de
autorização legislativa e sem indicação dos recursos correspon-
lei do Plano Plurianual conterá como anexo as metas e prioridades
dentes;
do Governo, sem prejuízo do encaminhamento do referido anexo VI - a transposição, o remanejamento ou a transferência de
nos demais exercícios através da Lei de Diretrizes Orçamentárias. recursos de uma categoria de programação para outra, ou de um
(EC 50/07) órgão para outro, sem prévia autorização legislativa;
§ 10 É obrigatória a execução da Programação incluída na VII - a solicitação e a concessão de créditos ilimitados;
lei orçamentária anual, resultante das emendas parlamentares. (EC VIII - a utilização, sem autorização legislativa específica, de
69/14) recursos dos orçamentos fiscal e da seguridade social para suprir
§ 11 As emendas parlamentares ao Projeto de Lei Orçamen- necessidades ou cobrir “déficit” de empresas, fundações e fundos,
tária serão aprovadas no limite de 1% (um por cento) da Receita inclusive dos mencionados no art. 162, § 5º, desta Constituição;
Corrente Líquida realizada no exercício anterior. (EC 69/14) IX - a instituição de fundos de qualquer natureza, sem prévia
§ 12 A não execução da programação orçamentária, nas con- autorização legislativa;
dições previstas nos §§ 10 e 11 deste artigo, implicará crime de X - lançamento de títulos da dívida pública estadual, sem pré-
responsabilidade, salvo nas situações abaixo especificadas, desde via autorização legislativa; (EC 05/93)
que autorizadas pela Assembleia Legislativa: (EC 69/14) XI - a aplicação de disponibilidade de caixa do Estado em tí-
I - nos casos de impedimento de ordem técnica, legal ou ope- tulos, valores mobiliários e outros ativos de empresa privada. (EC
racional, que torne impossível a sua execução, mediante justifica- 05/93).
tiva apresentada pelo Poder Executivo até 90 (noventa) dias antes § 1º Nenhum investimento cuja execução ultrapasse um exer-
do encerramento da Sessão legislativa; (EC 69/14) cício financeiro poderá ser iniciado sem prévia inclusão no plano
II - quando for constatado que o montante previsto poderá re- plurianual, ou sem lei que autorize a inclusão, sob pena de crime
sultar no não cumprimento das metas fiscais estabelecidas na Lei de responsabilidade.
de Diretrizes Orçamentária, situação em que as emendas parla- § 2º Os créditos especiais e extraordinários terão vigência
mentares poderão ser reduzidas em percentual igual ao que incidir no exercício financeiro em que forem autorizados, salvo se o ato
sobre o conjunto das despesas discricionárias. (EC 69/14) de autorização for promulgado nos últimos quatro meses daquele
§ 13 Para fins do disposto nos §§ 10 e 11 deste artigo, a exe- exercício, caso em que, reabertos nos limites de seus saldos, serão
cução da programação orçamentária das emendas parlamentares incorporados ao orçamento do exercício financeiro subsequente.
será: (EC 69/14) § 3º A abertura de crédito extraordinário somente será admi-
I - aplicada, sob pena de implicar em crime de responsabili- tida para atender a despesas imprevisíveis e urgentes, como as
dade, nas seguintes áreas e nos respectivos percentuais mínimos: decorrentes de guerra, comoção interna ou calamidade pública,
(EC 69/14) observado o disposto no art. 41, desta Constituição.

Didatismo e Conhecimento 40
LEGISLAÇÃO BÁSICA
Art. 166 Os recursos correspondentes às dotações orçamen-
tárias, inclusive os créditos suplementares e especiais, destinados
aos Poderes Legislativo e Judiciário e ao Ministério Público, ser- CÓDIGO DE PROCESSO PENAL
lhes-ão entregues até o dia vinte de cada mês, nos termos da lei (ART. 1º AO 28 E ART. 301 A 307).
complementar federal a que alude o § 9º, art. 165 da Constituição
Federal.
Art. 167 A despesa com pessoal ativo e inativo do Estado e
dos Municípios não poderá exceder os limites estabelecidos em lei DECRETO-LEI Nº 3.689, DE 3 DE OUTUBRO DE 1941.
complementar federal.
Parágrafo único A concessão de qualquer vantagem ou au- Código de Processo Penal.
mento de remuneração, a criação de cargos ou alteração de es-
trutura de carreiras, bem como a admissão de pessoal, a qualquer O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, usando da atribuição
título, pelos órgãos e entidades de Administração Pública direta que Ihe confere o art. 180 da Constituição, decreta a seguinte Lei:
ou indireta, inclusive fundações instituídas e mantidas pelo Poder
Público, só poderão ser feitas: LIVRO I
I - se houver prévia dotação orçamentária suficiente para aten- DO PROCESSO EM GERAL
der às projeções de despesa de pessoal e aos acréscimos dela de- TÍTULO I
correntes; DISPOSIÇÕES PRELIMINARES
II - se houver autorização específica na lei de diretrizes or-
çamentárias, ressalvadas as empresas públicas e as sociedades de Art. 1o O processo penal reger-se-á, em todo o território bra-
economia mista. sileiro, por este Código, ressalvados:
I - os tratados, as convenções e regras de direito internacio-
SEÇÃO VI nal;
Do Sistema Financeiro Estadual II - as prerrogativas constitucionais do Presidente da Repú-
blica, dos ministros de Estado, nos crimes conexos com os do
Art. 168 O Sistema Financeiro Público Estadual estruturado Presidente da República, e dos ministros do Supremo Tribunal
de forma a promover o desenvolvimento equilibrado do Estado e Federal, nos crimes de responsabilidade (Constituição, arts. 86,
a servir aos interesses da coletividade, com a função precípua de 89, § 2o, e 100);
democratizar o crédito e permitir à população o acesso aos servi- III - os processos da competência da Justiça Militar;
ços bancários, é constituído pelas instituições financeiras oficiais IV - os processos da competência do tribunal especial (Cons-
estaduais. tituição, art. 122, no 17);
Art. 169 As instituições financeiras estaduais são órgãos de V - os processos por crimes de imprensa. (Vide ADPF nº 130)
execução da política de crédito do Governo Estadual, sendo cons- Parágrafo único.  Aplicar-se-á, entretanto, este Código aos
tituídas em todos os segmentos do sistema financeiro que convie- processos referidos nos nos. IV e V, quando as leis especiais que
rem ao desenvolvimento estadual. os regulam não dispuserem de modo diverso.
Art. 170 A criação, transformação, fusão, cisão, incorporação Art. 2o  A lei processual penal aplicar-se-á desde logo, sem
ou extinção das instituições financeiras oficiais estaduais depende-
prejuízo da validade dos atos realizados sob a vigência da lei an-
rão sempre de prévia autorização da Assembleia Legislativa.
terior.
Art. 171 A arrecadação de tributos e demais receitas, dos ór-
Art. 3o  A lei processual penal admitirá interpretação extensi-
gãos da Administração Pública direta e indireta, será efetuada em
va e aplicação analógica, bem como o suplemento dos princípios
instituições financeiras públicas e nas privadas em que brasileiros
gerais de direito.
detenham mais de 50% (cinquenta por cento) do capital com direi-
to a voto.76 (EC 27/04)
TÍTULO II
§ 1º As contribuições sociais devidas também serão, obriga-
DO INQUÉRITO POLICIAL
toriamente, depositadas em instituição financeira pública estadual
ou federal e nas provadas em que brasileiros detenham mais 50%
(cinquenta por cento) do capital com direito a voto. (EC 27/04) Art. 4º A polícia judiciária será exercida pelas autoridades
§ 2º A movimentação de recursos financeiros, do Poder Le- policiais no território de suas respectivas circunscrições e terá por
gislativo, Executivo e Judiciário, deverá ser através de instituição fim a apuração das infrações penais e da sua autoria.  (Redação
financeira oficial, seja estadual ou federal, e privada em que brasi- dada pela Lei nº 9.043, de 9.5.1995)
leiros detenham mais de 50% (cinquenta por cento) do capital com Parágrafo único.   A competência definida neste artigo não
direito a voto. (EC 27/04) excluirá a de autoridades administrativas, a quem por lei seja co-
Art. 172 Os recursos financeiros captados pelas instituições metida a mesma função.
oficiais estaduais serão, integralmente, aplicados no interesse do Art. 5o   Nos crimes de ação pública o inquérito policial será
desenvolvimento do Estado. iniciado:
Parágrafo único Os recursos financeiros relativos a progra- I - de ofício;
mas e projetos de caráter regional, de responsabilidade do Estado, II - mediante requisição da autoridade judiciária ou do Mi-
serão depositados em suas instituições financeiras oficiais. nistério Público, ou a requerimento do ofendido ou de quem tiver
qualidade para representá-lo.

Didatismo e Conhecimento 41
LEGISLAÇÃO BÁSICA
§ 1o   O requerimento a que se refere o no  II conterá sempre Art. 10.  O inquérito deverá terminar no prazo de 10 dias, se
que possível: o indiciado tiver sido preso em flagrante, ou estiver preso preven-
a) a narração do fato, com todas as circunstâncias; tivamente, contado o prazo, nesta hipótese, a partir do dia em que se
b) a individualização do indiciado ou seus sinais característi- executar a ordem de prisão, ou no prazo de 30 dias, quando estiver
cos e as razões de convicção ou de presunção de ser ele o autor da solto, mediante fiança ou sem ela.
infração, ou os motivos de impossibilidade de o fazer; § 1o  A autoridade fará minucioso relatório do que tiver sido apu-
c) a nomeação das testemunhas, com indicação de sua profis- rado e enviará autos ao juiz competente.
são e residência. § 2o   No relatório poderá a autoridade indicar testemunhas que
§ 2o  Do despacho que indeferir o requerimento de abertura de não tiverem sido inquiridas, mencionando o lugar onde possam ser
inquérito caberá recurso para o chefe de Polícia. encontradas.
§ 3o  Qualquer pessoa do povo que tiver conhecimento da exis- § 3o  Quando o fato for de difícil elucidação, e o indiciado estiver
tência de infração penal em que caiba ação pública poderá, verbal- solto, a autoridade poderá requerer ao juiz a devolução dos autos, para
mente ou por escrito, comunicá-la à autoridade policial, e esta, veri- ulteriores diligências, que serão realizadas no prazo marcado pelo juiz.
ficada a procedência das informações, mandará instaurar inquérito. Art. 11.  Os instrumentos do crime, bem como os objetos que
§ 4o  O inquérito, nos crimes em que a ação pública depender interessarem à prova, acompanharão os autos do inquérito.
de representação, não poderá sem ela ser iniciado.
Art. 12.  O inquérito policial acompanhará a denúncia ou queixa,
§ 5o  Nos crimes de ação privada, a autoridade policial somente
sempre que servir de base a uma ou outra.
poderá proceder a inquérito a requerimento de quem tenha qualida-
Art. 13.  Incumbirá ainda à autoridade policial:
de para intentá-la.
I - fornecer às autoridades judiciárias as informações necessárias
Art. 6o   Logo que tiver conhecimento da prática da infração
penal, a autoridade policial deverá: à instrução e julgamento dos processos;
I - dirigir-se ao local, providenciando para que não se alterem II -  realizar as diligências requisitadas pelo juiz ou pelo Minis-
o estado e conservação das coisas, até a chegada dos peritos crimi- tério Público;
nais;   (Redação dada pela Lei nº 8.862, de 28.3.1994)(Vide Lei nº III - cumprir os mandados de prisão expedidos pelas autoridades
5.970, de 1973) judiciárias;
II - apreender os objetos que tiverem relação com o fato, após IV - representar acerca da prisão preventiva.
liberados pelos peritos criminais; (Redação dada pela Lei nº 8.862, Art. 13-A.  Nos crimes previstos nos arts. 148, 149 e 149-A, no §
de 28.3.1994) 3º do art. 158 e no art. 159 do Decreto-Lei no 2.848, de 7 de dezembro
III - colher todas as provas que servirem para o esclarecimento de 1940 (Código Penal), e no art. 239 da Lei no 8.069, de 13 de julho de 1990 (Esta-
do fato e suas circunstâncias; tuto da Criança e do Adolescente)
, o membro do Ministério Público ou o delegado
IV - ouvir o ofendido; de polícia poderá requisitar, de quaisquer órgãos do poder público ou
V - ouvir o indiciado, com observância, no que for aplicável, de empresas da iniciativa privada, dados e informações cadastrais da
do disposto no Capítulo III do Título Vll, deste Livro, devendo o vítima ou de suspeitos.    (Incluído pela Lei nº 13.344, de 2016)  (Vi-
respectivo termo ser assinado por duas testemunhas que Ihe tenham gência)
ouvido a leitura; Parágrafo único. A requisição, que será atendida no prazo de 24
VI - proceder a reconhecimento de pessoas e coisas e a aca- (vinte e quatro) horas, conterá:     (Incluído pela Lei nº 13.344, de
reações; 2016)  (Vigência)
VII - determinar, se for caso, que se proceda a exame de corpo I - o nome da autoridade requisitante;     (Incluído pela Lei nº
de delito e a quaisquer outras perícias; 13.344, de 2016)  (Vigência)
VIII - ordenar a identificação do indiciado pelo processo da- II - o número do inquérito policial; e     (Incluído pela Lei nº
tiloscópico, se possível, e fazer juntar aos autos sua folha de ante- 13.344, de 2016)  (Vigência)
cedentes; III - a identificação da unidade de polícia judiciária responsável
IX - averiguar a vida pregressa do indiciado, sob o ponto de pela investigação.    (Incluído pela Lei nº 13.344, de 2016)  (Vigência)
vista individual, familiar e social, sua condição econômica, sua ati-
Art. 13-B.  Se necessário à prevenção e à repressão dos crimes
tude e estado de ânimo antes e depois do crime e durante ele, e
relacionados ao tráfico de pessoas, o membro do Ministério Público
quaisquer outros elementos que contribuírem para a apreciação do
ou o delegado de polícia poderão requisitar, mediante autorização ju-
seu temperamento e caráter.
dicial, às empresas prestadoras de serviço de telecomunicações e/ou
X - colher informações sobre a existência de filhos, respectivas
idades e se possuem alguma deficiência e o nome e o contato de telemática que disponibilizem imediatamente os meios técnicos ade-
eventual responsável pelos cuidados dos filhos, indicado pela pes- quados – como sinais, informações e outros – que permitam a locali-
soa presa.   (Incluído pela Lei nº 13.257, de 2016) zação da vítima ou dos suspeitos do delito em curso.     (Incluído pela
Art. 7o  Para verificar a possibilidade de haver a infração sido Lei nº 13.344, de 2016)  (Vigência)
praticada de determinado modo, a autoridade policial poderá pro- § 1o  Para os efeitos deste artigo, sinal significa posicionamento
ceder à reprodução simulada dos fatos, desde que esta não contrarie da estação de cobertura, setorização e intensidade de radiofrequên-
a moralidade ou a ordem pública. cia.     (Incluído pela Lei nº 13.344, de 2016) (Vigência)
Art. 8o  Havendo prisão em flagrante, será observado o disposto § 2o  Na hipótese de que trata o caput, o sinal:     (Incluído pela
no Capítulo II do Título IX deste Livro. Lei nº 13.344, de 2016)  (Vigência)
Art. 9o  Todas as peças do inquérito policial serão, num só pro- I - não permitirá acesso ao conteúdo da comunicação de qualquer
cessado, reduzidas a escrito ou datilografadas e, neste caso, rubri- natureza, que dependerá de autorização judicial, conforme disposto
cadas pela autoridade. em lei;     (Incluído pela Lei nº 13.344, de 2016)  (Vigência)

Didatismo e Conhecimento 42
LEGISLAÇÃO BÁSICA
II - deverá ser fornecido pela prestadora de telefonia móvel Art.  23.  Ao fazer a remessa dos autos do inquérito ao juiz
celular por período não superior a 30 (trinta) dias, renovável por competente, a autoridade policial oficiará ao Instituto de Identifi-
uma única vez, por igual período;     (Incluído pela Lei nº 13.344, cação e Estatística, ou repartição congênere, mencionando o juízo
de 2016)  (Vigência) a que tiverem sido distribuídos, e os dados relativos à infração
III - para períodos superiores àquele de que trata o inciso II, penal e à pessoa do indiciado.
será necessária a apresentação de ordem judicial.     (Incluído pela
Lei nº 13.344, de 2016)  (Vigência) TÍTULO III
§ 3o  Na hipótese prevista neste artigo, o inquérito policial de- DA AÇÃO PENAL
verá ser instaurado no prazo máximo de 72 (setenta e duas) horas,
contado do registro da respectiva ocorrência policial.    (Incluído Art. 24.  Nos crimes de ação pública, esta será promovida por
pela Lei nº 13.344, de 2016)  (Vigência) denúncia do Ministério Público, mas dependerá, quando a lei o
§ 4o  Não havendo manifestação judicial no prazo de 12 (doze) exigir, de requisição do Ministro da Justiça, ou de representação do
horas, a autoridade competente requisitará às empresas prestado- ofendido ou de quem tiver qualidade para representá-lo.
ras de serviço de telecomunicações e/ou telemática que disponibi- § 1o  No caso de morte do ofendido ou quando declarado au-
lizem imediatamente os meios técnicos adequados – como sinais, sente por decisão judicial, o direito de representação passará ao
informações e outros – que permitam a localização da vítima ou cônjuge, ascendente, descendente ou irmão.  (Parágrafo único re-
dos suspeitos do delito em curso, com imediata comunicação ao numerado pela Lei nº 8.699, de 27.8.1993)
juiz.    (Incluído pela Lei nº 13.344, de 2016)  (Vigência) § 2o   Seja qual for o crime, quando praticado em detrimento
Art. 14.  O ofendido, ou seu representante legal, e o indiciado do patrimônio ou interesse da União, Estado e Município, a ação
poderão requerer qualquer diligência, que será realizada, ou não, a penal será pública. (Incluído pela Lei nº 8.699, de 27.8.1993)
juízo da autoridade. Art. 25.  A representação será irretratável, depois de oferecida
Art. 15.  Se o indiciado for menor, ser-lhe-á nomeado curador a denúncia.
pela autoridade policial. Art. 26.  A ação penal, nas contravenções, será iniciada com o
Art. 16.  O Ministério Público não poderá requerer a devolu- auto de prisão em flagrante ou por meio de portaria expedida pela
ção do inquérito à autoridade policial, senão para novas diligên-
autoridade judiciária ou policial.
cias, imprescindíveis ao oferecimento da denúncia.
Art. 27.  Qualquer pessoa do povo poderá provocar a iniciati-
Art. 17.  A autoridade policial não poderá mandar arquivar
va do Ministério Público, nos casos em que caiba a ação pública,
autos de inquérito.
fornecendo-lhe, por escrito, informações sobre o fato e a autoria e
Art. 18.  Depois de ordenado o arquivamento do inquérito pela
indicando o tempo, o lugar e os elementos de convicção.
autoridade judiciária, por falta de base para a denúncia, a autorida-
Art. 28.  Se o órgão do Ministério Público, ao invés de apre-
de policial poderá proceder a novas pesquisas, se de outras provas
sentar a denúncia, requerer o arquivamento do inquérito policial
tiver notícia.
ou de quaisquer peças de informação, o juiz, no caso de considerar
Art. 19.  Nos crimes em que não couber ação pública, os autos
do inquérito serão remetidos ao juízo competente, onde aguarda- improcedentes as razões invocadas, fará remessa do inquérito ou
rão a iniciativa do ofendido ou de seu representante legal, ou serão peças de informação ao procurador-geral, e este oferecerá a denún-
entregues ao requerente, se o pedir, mediante traslado. cia, designará outro órgão do Ministério Público para oferecê-la,
Art. 20.  A autoridade assegurará no inquérito o sigilo neces- ou insistirá no pedido de arquivamento, ao qual só então estará o
sário à elucidação do fato ou exigido pelo interesse da sociedade. juiz obrigado a atender.
Parágrafo único.  Nos atestados de antecedentes que lhe forem
solicitados, a autoridade policial não poderá mencionar quaisquer
anotações referentes a instauração de inquérito contra os requeren- CAPÍTULO II
tes.  (Redação dada pela Lei nº 12.681, de 2012) DA PRISÃO EM FLAGRANTE
Art. 21.  A incomunicabilidade do indiciado dependerá sem-
pre de despacho nos autos e somente será permitida quando o in- Art. 301.  Qualquer do povo poderá e as autoridades policiais
teresse da sociedade ou a conveniência da investigação o exigir. e seus agentes deverão prender quem quer que seja encontrado em
Parágrafo único. A incomunicabilidade, que não excederá de flagrante delito.
três dias, será decretada por despacho fundamentado do Juiz, a Art. 302.  Considera-se em flagrante delito quem:
requerimento da autoridade policial, ou do órgão do Ministério I - está cometendo a infração penal;
Público, respeitado, em qualquer hipótese, o disposto no artigo 89, II - acaba de cometê-la;
inciso III, do Estatuto da Ordem dos Advogados do Brasil (Lei n. III - é perseguido, logo após, pela autoridade, pelo ofendido
4.215, de 27 de abril de 1963)      (Redação dada pela Lei nº 5.010, ou por qualquer pessoa, em situação que faça presumir ser autor
de 30.5.1966) da infração;
Art. 22.  No Distrito Federal e nas comarcas em que houver IV - é encontrado, logo depois, com instrumentos, armas, ob-
mais de uma circunscrição policial, a autoridade com exercício em jetos ou papéis que façam presumir ser ele autor da infração.
uma delas poderá, nos inquéritos a que esteja procedendo, ordenar Art. 303.  Nas infrações permanentes, entende-se o agente em
diligências em circunscrição de outra, independentemente de pre- flagrante delito enquanto não cessar a permanência.
catórias ou requisições, e bem assim providenciará, até que com- Art. 304. Apresentado o preso à autoridade competente, ouvi-
pareça a autoridade competente, sobre qualquer fato que ocorra em rá esta o condutor e colherá, desde logo, sua assinatura, entregando
sua presença, noutra circunscrição. a este cópia do termo e recibo de entrega do preso. Em seguida,

Didatismo e Conhecimento 43
LEGISLAÇÃO BÁSICA
procederá à oitiva das testemunhas que o acompanharem e ao in-
terrogatório do acusado sobre a imputação que lhe é feita, colhen- (LEI FEDERAL Nº 8.429/1992):
do, após cada oitiva suas respectivas assinaturas, lavrando, a auto-
ridade, afinal, o auto. (Redação dada pela Lei nº 11.113, de 2005) AGENTE PÚBLICO, ATOS DE
§ 1o  Resultando das respostas fundada a suspeita contra o con- IMPROBIDADE E SANÇÕES.
duzido, a autoridade mandará recolhê-lo à prisão, exceto no caso
de livrar-se solto ou de prestar fiança, e prosseguirá nos atos do
inquérito ou processo, se para isso for competente; se não o for,
enviará os autos à autoridade que o seja. LEI Nº 8.429, DE 2 DE JUNHO DE 1992.
§ 2o   A falta de testemunhas da infração não impedirá o auto
de prisão em flagrante; mas, nesse caso, com o condutor, deve- Dispõe sobre as sanções aplicáveis aos agentes públicos nos
rão assiná-lo pelo menos duas pessoas que hajam testemunhado a casos de enriquecimento ilícito no exercício de mandato, cargo,
apresentação do preso à autoridade. emprego ou função na administração pública direta, indireta ou
§ 3o  Quando o acusado se recusar a assinar, não souber ou fundacional e dá outras providências.
não puder fazê-lo, o auto de prisão em flagrante será assinado por
duas testemunhas, que tenham ouvido sua leitura na presença des- O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, Faço saber que o Con-
te.   (Redação dada pela Lei nº 11.113, de 2005) gresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte lei:
 § 4o  Da lavratura do auto de prisão em flagrante deverá cons-
tar a informação sobre a existência de filhos, respectivas idades e CAPÍTULO I
se possuem alguma deficiência e o nome e o contato de eventual Das Disposições Gerais
responsável pelos cuidados dos filhos, indicado pela pessoa pre-
sa.   (Incluído pela Lei nº 13.257, de 2016) Art. 1° Os atos de improbidade praticados por qualquer agente
Art. 305.  Na falta ou no impedimento do escrivão, qualquer público, servidor ou não, contra a administração direta, indireta ou
pessoa designada pela autoridade lavrará o auto, depois de presta- fundacional de qualquer dos Poderes da União, dos Estados, do
do o compromisso legal. Distrito Federal, dos Municípios, de Território, de empresa incor-
porada ao patrimônio público ou de entidade para cuja criação ou
Art. 306.  A prisão de qualquer pessoa e o local onde se en-
custeio o erário haja concorrido ou concorra com mais de cinquen-
contre serão comunicados imediatamente ao juiz competente, ao
ta por cento do patrimônio ou da receita anual, serão punidos na
Ministério Público e à família do preso ou à pessoa por ele indica-
forma desta lei.
da.   (Redação dada pela Lei nº 12.403, de 2011).
Parágrafo único. Estão também sujeitos às penalidades des-
§ 1o  Em até 24 (vinte e quatro) horas após a realização da
ta lei os atos de improbidade praticados contra o patrimônio de
prisão, será encaminhado ao juiz competente o auto de prisão em
entidade que receba subvenção, benefício ou incentivo, fiscal ou
flagrante e, caso o autuado não informe o nome de seu advogado,
creditício, de órgão público bem como daquelas para cuja criação
cópia integral para a Defensoria Pública.    (Redação dada pela Lei ou custeio o erário haja concorrido ou concorra com menos de cin-
nº 12.403, de 2011). quenta por cento do patrimônio ou da receita anual, limitando-se,
§ 2o  No mesmo prazo, será entregue ao preso, mediante re- nestes casos, a sanção patrimonial à repercussão do ilícito sobre a
cibo, a nota de culpa, assinada pela autoridade, com o motivo da contribuição dos cofres públicos.
prisão, o nome do condutor e os das testemunhas.(Redação dada Art. 2° Reputa-se agente público, para os efeitos desta lei,
pela Lei nº 12.403, de 2011). todo aquele que exerce, ainda que transitoriamente ou sem re-
Art. 307.  Quando o fato for praticado em presença da au- muneração, por eleição, nomeação, designação, contratação ou
toridade, ou contra esta, no exercício de suas funções, constarão qualquer outra forma de investidura ou vínculo, mandato, cargo,
do auto a narração deste fato, a voz de prisão, as declarações que emprego ou função nas entidades mencionadas no artigo anterior.
fizer o preso e os depoimentos das testemunhas, sendo tudo assi- Art. 3° As disposições desta lei são aplicáveis, no que couber,
nado pela autoridade, pelo preso e pelas testemunhas e remetido àquele que, mesmo não sendo agente público, induza ou concorra
imediatamente ao juiz a quem couber tomar conhecimento do fato para a prática do ato de improbidade ou dele se beneficie sob qual-
delituoso, se não o for a autoridade que houver presidido o auto. quer forma direta ou indireta.
Art. 4° Os agentes públicos de qualquer nível ou hierarquia
são obrigados a velar pela estrita observância dos princípios de
legalidade, impessoalidade, moralidade e publicidade no trato dos
assuntos que lhe são afetos.
Art. 5° Ocorrendo lesão ao patrimônio público por ação ou
omissão, dolosa ou culposa, do agente ou de terceiro, dar-se-á o
integral ressarcimento do dano.
Art. 6° No caso de enriquecimento ilícito, perderá o agente
público ou terceiro beneficiário os bens ou valores acrescidos ao
seu patrimônio.
Art. 7° Quando o ato de improbidade causar lesão ao patrimô-
nio público ou ensejar enriquecimento ilícito, caberá a autoridade
administrativa responsável pelo inquérito representar ao Ministé-
rio Público, para a indisponibilidade dos bens do indiciado.

Didatismo e Conhecimento 44
LEGISLAÇÃO BÁSICA
Parágrafo único. A indisponibilidade a que se refere o caput X - receber vantagem econômica de qualquer natureza, direta
deste artigo recairá sobre bens que assegurem o integral ressar- ou indiretamente, para omitir ato de ofício, providência ou decla-
cimento do dano, ou sobre o acréscimo patrimonial resultante do ração a que esteja obrigado;
enriquecimento ilícito. XI - incorporar, por qualquer forma, ao seu patrimônio bens,
Art. 8° O sucessor daquele que causar lesão ao patrimônio pú- rendas, verbas ou valores integrantes do acervo patrimonial das
blico ou se enriquecer ilicitamente está sujeito às cominações desta entidades mencionadas no art. 1° desta lei;
lei até o limite do valor da herança. XII - usar, em proveito próprio, bens, rendas, verbas ou valo-
res integrantes do acervo patrimonial das entidades mencionadas
CAPÍTULO II no art. 1° desta lei.
Dos Atos de Improbidade Administrativa
Seção I Seção II
Dos Atos de Improbidade Administrativa que Dos Atos de Improbidade Administrativa que
Importam Enriquecimento Ilícito Causam Prejuízo ao Erário

Art. 9° Constitui ato de improbidade administrativa importan- Art. 10. Constitui ato de improbidade administrativa que cau-
do enriquecimento ilícito auferir qualquer tipo de vantagem patri- sa lesão ao erário qualquer ação ou omissão, dolosa ou culposa,
monial indevida em razão do exercício de cargo, mandato, função, que enseje perda patrimonial, desvio, apropriação, malbaratamen-
emprego ou atividade nas entidades mencionadas no art. 1° desta to ou dilapidação dos bens ou haveres das entidades referidas no
lei, e notadamente: art. 1º desta lei, e notadamente:
I - receber, para si ou para outrem, dinheiro, bem móvel ou I - facilitar ou concorrer por qualquer forma para a incorpora-
imóvel, ou qualquer outra vantagem econômica, direta ou indire- ção ao patrimônio particular, de pessoa física ou jurídica, de bens,
ta, a título de comissão, percentagem, gratificação ou presente de rendas, verbas ou valores integrantes do acervo patrimonial das
quem tenha interesse, direto ou indireto, que possa ser atingido ou entidades mencionadas no art. 1º desta lei;
amparado por ação ou omissão decorrente das atribuições do agen- II - permitir ou concorrer para que pessoa física ou jurídica
te público; privada utilize bens, rendas, verbas ou valores integrantes do acer-
II - perceber vantagem econômica, direta ou indireta, para fa- vo patrimonial das entidades mencionadas no art. 1º desta lei, sem
cilitar a aquisição, permuta ou locação de bem móvel ou imóvel, a observância das formalidades legais ou regulamentares aplicá-
ou a contratação de serviços pelas entidades referidas no art. 1° por veis à espécie;
preço superior ao valor de mercado; III - doar à pessoa física ou jurídica bem como ao ente des-
III - perceber vantagem econômica, direta ou indireta, para personalizado, ainda que de fins educativos ou assistências, bens,
facilitar a alienação, permuta ou locação de bem público ou o for- rendas, verbas ou valores do patrimônio de qualquer das entidades
necimento de serviço por ente estatal por preço inferior ao valor de mencionadas no art. 1º desta lei, sem observância das formalidades
mercado; legais e regulamentares aplicáveis à espécie;
IV - utilizar, em obra ou serviço particular, veículos, máquinas, IV - permitir ou facilitar a alienação, permuta ou locação de
equipamentos ou material de qualquer natureza, de propriedade ou bem integrante do patrimônio de qualquer das entidades referidas
à disposição de qualquer das entidades mencionadas no art. 1° desta no art. 1º desta lei, ou ainda a prestação de serviço por parte delas,
lei, bem como o trabalho de servidores públicos, empregados ou por preço inferior ao de mercado;
terceiros contratados por essas entidades; V - permitir ou facilitar a aquisição, permuta ou locação de
V - receber vantagem econômica de qualquer natureza, direta bem ou serviço por preço superior ao de mercado;
ou indireta, para tolerar a exploração ou a prática de jogos de azar, VI - realizar operação financeira sem observância das normas
de lenocínio, de narcotráfico, de contrabando, de usura ou de qual- legais e regulamentares ou aceitar garantia insuficiente ou inidô-
quer outra atividade ilícita, ou aceitar promessa de tal vantagem; nea;
VI - receber vantagem econômica de qualquer natureza, di- VII - conceder benefício administrativo ou fiscal sem a ob-
reta ou indireta, para fazer declaração falsa sobre medição ou servância das formalidades legais ou regulamentares aplicáveis à
avaliação em obras públicas ou qualquer outro serviço, ou sobre espécie;
quantidade, peso, medida, qualidade ou característica de merca- VIII - frustrar a licitude de processo licitatório ou de processo
dorias ou bens fornecidos a qualquer das entidades mencionadas seletivo para celebração de parcerias com entidades sem fins lucra-
no art. 1º desta lei; tivos, ou dispensá-los indevidamente;  (Redação dada pela Lei nº
VII - adquirir, para si ou para outrem, no exercício de mandato, 13.019, de 2014)     (Vigência)
cargo, emprego ou função pública, bens de qualquer natureza cujo IX - ordenar ou permitir a realização de despesas não autori-
valor seja desproporcional à evolução do patrimônio ou à renda do zadas em lei ou regulamento;
agente público; X - agir negligentemente na arrecadação de tributo ou renda,
VIII - aceitar emprego, comissão ou exercer atividade de con- bem como no que diz respeito à conservação do patrimônio pú-
sultoria ou assessoramento para pessoa física ou jurídica que te- blico;
nha interesse suscetível de ser atingido ou amparado por ação ou XI - liberar verba pública sem a estrita observância das nor-
omissão decorrente das atribuições do agente público, durante a mas pertinentes ou influir de qualquer forma para a sua aplicação
atividade; irregular;
IX - perceber vantagem econômica para intermediar a libera- XII - permitir, facilitar ou concorrer para que terceiro se enri-
ção ou aplicação de verba pública de qualquer natureza; queça ilicitamente;

Didatismo e Conhecimento 45
LEGISLAÇÃO BÁSICA
XIII - permitir que se utilize, em obra ou serviço particular, VII - revelar ou permitir que chegue ao conhecimento de ter-
veículos, máquinas, equipamentos ou material de qualquer natu- ceiro, antes da respectiva divulgação oficial, teor de medida política
reza, de propriedade ou à disposição de qualquer das entidades ou econômica capaz de afetar o preço de mercadoria, bem ou serviço.
mencionadas no art. 1° desta lei, bem como o trabalho de servidor VIII - descumprir as normas relativas à celebração, fiscalização
público, empregados ou terceiros contratados por essas entidades. e aprovação de contas de parcerias firmadas pela administração pú-
XIV – celebrar contrato ou outro instrumento que tenha por blica com entidades privadas.   (Redação dada pela Lei nº 13.019, de
objeto a prestação de serviços públicos por meio da gestão associa- 2014)       (Vigência)
da sem observar as formalidades previstas na lei;       (Incluído pela IX - deixar de cumprir a exigência de requisitos de acessi-
Lei nº 11.107, de 2005) bilidade previstos na legislação. (Incluído pela Lei nº 13.146, de
XV – celebrar contrato de rateio de consórcio público sem su- 2015)       (Vigência)
ficiente e prévia dotação orçamentária, ou sem observar as formali-
dades previstas na lei.(Incluído pela Lei nº 11.107, de 2005) CAPÍTULO III
XVI - facilitar ou concorrer, por qualquer forma, para a incor- Das Penas
poração, ao patrimônio particular de pessoa física ou jurídica, de
Art. 12.  Independentemente das sanções penais, civis e admi-
bens, rendas, verbas ou valores públicos transferidos pela adminis-
nistrativas previstas na legislação específica, está o responsável pelo
tração pública a entidades privadas mediante celebração de parce-
ato de improbidade sujeito às seguintes cominações, que podem ser
rias, sem a observância das formalidades legais ou regulamentares aplicadas isolada ou cumulativamente, de acordo com a gravidade do
aplicáveis à espécie;   (Incluído pela Lei nº 13.019, de 2014)     (Vi- fato: (Redação dada pela Lei nº 12.120, de 2009).
gência) I - na hipótese do art. 9°, perda dos bens ou valores acrescidos
XVII - permitir ou concorrer para que pessoa física ou jurídica ilicitamente ao patrimônio, ressarcimento integral do dano, quando
privada utilize bens, rendas, verbas ou valores públicos transferidos houver, perda da função pública, suspensão dos direitos políticos de
pela administração pública a entidade privada mediante celebração oito a dez anos, pagamento de multa civil de até três vezes o valor do
de parcerias, sem a observância das formalidades legais ou regu- acréscimo patrimonial e proibição de contratar com o Poder Público
lamentares aplicáveis à espécie;   (Incluído pela Lei nº 13.019, de ou receber benefícios ou incentivos fiscais ou creditícios, direta ou
2014)     (Vigência) indiretamente, ainda que por intermédio de pessoa jurídica da qual
XVIII - celebrar parcerias da administração pública com enti- seja sócio majoritário, pelo prazo de dez anos;
dades privadas sem a observância das formalidades legais ou regu- II - na hipótese do art. 10, ressarcimento integral do dano, perda
lamentares aplicáveis à espécie;   (Incluído pela Lei nº 13.019, de dos bens ou valores acrescidos ilicitamente ao patrimônio, se con-
2014)     (Vigência) correr esta circunstância, perda da função pública, suspensão dos
XIX - agir negligentemente na celebração, fiscalização e aná- direitos políticos de cinco a oito anos, pagamento de multa civil de
lise das prestações de contas de parcerias firmadas pela administra- até duas vezes o valor do dano e proibição de contratar com o Poder
ção pública com entidades privadas;   (Incluído pela Lei nº 13.019, Público ou receber benefícios ou incentivos fiscais ou creditícios, di-
de 2014)     (Vigência) reta ou indiretamente, ainda que por intermédio de pessoa jurídica da
XX - liberar recursos de parcerias firmadas pela administração qual seja sócio majoritário, pelo prazo de cinco anos;
pública com entidades privadas sem a estrita observância das nor- III - na hipótese do art. 11, ressarcimento integral do dano, se
mas pertinentes ou influir de qualquer forma para a sua aplicação houver, perda da função pública, suspensão dos direitos políticos de
irregular.   (Incluído pela Lei nº 13.019, de 2014)     (Vigência) três a cinco anos, pagamento de multa civil de até cem vezes o valor
XXI - liberar recursos de parcerias firmadas pela administra- da remuneração percebida pelo agente e proibição de contratar com
ção pública com entidades privadas sem a estrita observância das o Poder Público ou receber benefícios ou incentivos fiscais ou credi-
normas pertinentes ou influir de qualquer forma para a sua aplica- tícios, direta ou indiretamente, ainda que por intermédio de pessoa
jurídica da qual seja sócio majoritário, pelo prazo de três anos.
ção irregular.   (Incluído pela Lei nº 13.019, de 2014)     (Vigência)
Parágrafo único. Na fixação das penas previstas nesta lei o juiz
levará em conta a extensão do dano causado, assim como o proveito
Seção III
patrimonial obtido pelo agente.
Dos Atos de Improbidade Administrativa que Atentam Contra os
Princípios da Administração Pública CAPÍTULO IV
Da Declaração de Bens
Art. 11. Constitui ato de improbidade administrativa que aten-
ta contra os princípios da administração pública qualquer ação ou Art. 13. A posse e o exercício de agente público ficam condicio-
omissão que viole os deveres de honestidade, imparcialidade, lega- nados à apresentação de declaração dos bens e valores que compõem
lidade, e lealdade às instituições, e notadamente: o seu patrimônio privado, a fim de ser arquivada no serviço de pes-
I - praticar ato visando fim proibido em lei ou regulamento ou soal competente. (Regulamento)    (Regulamento)
diverso daquele previsto, na regra de competência; § 1° A declaração compreenderá imóveis, móveis, semoventes,
II - retardar ou deixar de praticar, indevidamente, ato de ofício; dinheiro, títulos, ações, e qualquer outra espécie de bens e valores
III - revelar fato ou circunstância de que tem ciência em razão patrimoniais, localizado no País ou no exterior, e, quando for o caso,
das atribuições e que deva permanecer em segredo; abrangerá os bens e valores patrimoniais do cônjuge ou compa-
IV - negar publicidade aos atos oficiais; nheiro, dos filhos e de outras pessoas que vivam sob a dependência
V - frustrar a licitude de concurso público; econômica do declarante, excluídos apenas os objetos e utensílios
VI - deixar de prestar contas quando esteja obrigado a fazê-lo; de uso doméstico.

Didatismo e Conhecimento 46
LEGISLAÇÃO BÁSICA
§ 2º A declaração de bens será anualmente atualizada e na data § 3o  No caso de a ação principal ter sido proposta pelo Minis-
em que o agente público deixar o exercício do mandato, cargo, tério Público, aplica-se, no que couber, o disposto no § 3o do art.
emprego ou função. 6o da Lei no 4.717, de 29 de junho de 1965. (Redação dada pela Lei
§ 3º Será punido com a pena de demissão, a bem do serviço nº 9.366, de 1996)
público, sem prejuízo de outras sanções cabíveis, o agente público § 4º O Ministério Público, se não intervir no processo como
que se recusar a prestar declaração dos bens, dentro do prazo de- parte, atuará obrigatoriamente, como fiscal da lei, sob pena de nu-
terminado, ou que a prestar falsa. lidade.
§ 4º O declarante, a seu critério, poderá entregar cópia da de- § 5o  A propositura da ação prevenirá a jurisdição do juízo para
claração anual de bens apresentada à Delegacia da Receita Federal todas as ações posteriormente intentadas que possuam a mesma
na conformidade da legislação do Imposto sobre a Renda e pro- causa de pedir ou o mesmo objeto. (Incluído pela Medida provisó-
ventos de qualquer natureza, com as necessárias atualizações, para ria nº 2.180-35, de 2001)
suprir a exigência contida no caput e no § 2° deste artigo . § 6o  A ação será instruída com documentos ou justificação que
contenham indícios suficientes da existência do ato de improbida-
CAPÍTULO V de ou com razões fundamentadas da impossibilidade de apresen-
Do Procedimento Administrativo e do Processo Judicial tação de qualquer dessas provas, observada a legislação vigente,
inclusive as disposições inscritas nos arts. 16 a 18 do Código de
Art. 14. Qualquer pessoa poderá representar à autoridade ad-
Processo Civil.(Incluído pela Medida Provisória nº 2.225-45, de
ministrativa competente para que seja instaurada investigação des-
2001)
tinada a apurar a prática de ato de improbidade.
§ 7o  Estando a inicial em devida forma, o juiz mandará autuá
§ 1º A representação, que será escrita ou reduzida a termo e
assinada, conterá a qualificação do representante, as informações -la e ordenará a notificação do requerido, para oferecer manifesta-
sobre o fato e sua autoria e a indicação das provas de que tenha ção por escrito, que poderá ser instruída com documentos e justi-
conhecimento. ficações, dentro do prazo de quinze dias.  (Incluído pela Medida
§ 2º A autoridade administrativa rejeitará a representação, em Provisória nº 2.225-45, de 2001)
despacho fundamentado, se esta não contiver as formalidades esta- § 8o  Recebida a manifestação, o juiz, no prazo de trinta dias,
belecidas no § 1º deste artigo. A rejeição não impede a representa- em decisão fundamentada, rejeitará a ação, se convencido da ine-
ção ao Ministério Público, nos termos do art. 22 desta lei. xistência do ato de improbidade, da improcedência da ação ou da
§ 3º Atendidos os requisitos da representação, a autoridade inadequação da via eleita. (Incluído pela Medida Provisória nº
determinará a imediata apuração dos fatos que, em se tratando de 2.225-45, de 2001)
servidores federais, será processada na forma prevista nos arts. 148 § 9o  Recebida a petição inicial, será o réu citado para apresen-
a 182 da Lei nº 8.112, de 11 de dezembro de 1990 e, em se tratando tar contestação.       (Incluído pela Medida Provisória nº 2.225-45,
de servidor militar, de acordo com os respectivos regulamentos de 2001)
disciplinares. § 10.  Da decisão que receber a petição inicial, caberá agravo
Art. 15. A comissão processante dará conhecimento ao Minis- de instrumento. (Incluído pela Medida Provisória nº 2.225-45, de
tério Público e ao Tribunal ou Conselho de Contas da existência 2001)
de procedimento administrativo para apurar a prática de ato de im- § 11.  Em qualquer fase do processo, reconhecida a inade-
probidade. quação da ação de improbidade, o juiz extinguirá o processo sem
Parágrafo único. O Ministério Público ou Tribunal ou Conse- julgamento do mérito.  (Incluído pela Medida Provisória nº 2.225-
lho de Contas poderá, a requerimento, designar representante para 45, de 2001)
acompanhar o procedimento administrativo. § 12.  Aplica-se aos depoimentos ou inquirições realizadas nos
Art. 16. Havendo fundados indícios de responsabilidade, a processos regidos por esta Lei o disposto no art. 221, caput e § 1o,
comissão representará ao Ministério Público ou à procuradoria do Código de Processo Penal.(Incluído pela Medida Provisória nº
do órgão para que requeira ao juízo competente a decretação do 2.225-45, de 2001)
sequestro dos bens do agente ou terceiro que tenha enriquecido Art. 18. A sentença que julgar procedente ação civil de repa-
ilicitamente ou causado dano ao patrimônio público.
ração de dano ou decretar a perda dos bens havidos ilicitamente
§ 1º O pedido de sequestro será processado de acordo com o
determinará o pagamento ou a reversão dos bens, conforme o caso,
disposto nos arts. 822 e 825 do Código de Processo Civil.
em favor da pessoa jurídica prejudicada pelo ilícito.
§ 2° Quando for o caso, o pedido incluirá a investigação, o
exame e o bloqueio de bens, contas bancárias e aplicações finan-
ceiras mantidas pelo indiciado no exterior, nos termos da lei e dos CAPÍTULO VI
tratados internacionais. Das Disposições Penais
Art. 17. A ação principal, que terá o rito ordinário, será pro-
posta pelo Ministério Público ou pela pessoa jurídica interessada, Art. 19. Constitui crime a representação por ato de improbida-
dentro de trinta dias da efetivação da medida cautelar. de contra agente público ou terceiro beneficiário, quando o autor
§ 1º É vedada a transação, acordo ou conciliação nas ações de da denúncia o sabe inocente.
que trata o caput. Pena: detenção de seis a dez meses e multa.
§ 2º A Fazenda Pública, quando for o caso, promoverá as Parágrafo único. Além da sanção penal, o denunciante está
ações necessárias à complementação do ressarcimento do patri- sujeito a indenizar o denunciado pelos danos materiais, morais ou
mônio público. à imagem que houver provocado.

Didatismo e Conhecimento 47
LEGISLAÇÃO BÁSICA
Art. 20. A perda da função pública e a suspensão dos direitos
políticos só se efetivam com o trânsito em julgado da sentença ARTIGOS 312 A 326, DO CÓDIGO PENAL,
condenatória. QUE TRATAM DOS CRIMES COMETIDOS
Parágrafo único. A autoridade judicial ou administrativa com- POR FUNCIONÁRIO PÚBLICO CONTRA A
petente poderá determinar o afastamento do agente público do
exercício do cargo, emprego ou função, sem prejuízo da remune- ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA.
ração, quando a medida se fizer necessária à instrução processual.
Art. 21. A aplicação das sanções previstas nesta lei independe:
I - da efetiva ocorrência de dano ao patrimônio público, salvo
quanto à pena de ressarcimento; (Redação dada pela Lei nº 12.120,
de 2009). DECRETO-LEI No 2.848, DE 7
II - da aprovação ou rejeição das contas pelo órgão de controle DE DEZEMBRO DE 1940.
interno ou pelo Tribunal ou Conselho de Contas.
Art. 22. Para apurar qualquer ilícito previsto nesta lei, o Mi- Código Penal.
nistério Público, de ofício, a requerimento de autoridade admi-
nistrativa ou mediante representação formulada de acordo com o TÍTULO XI
disposto no art. 14, poderá requisitar a instauração de inquérito DOS CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA
policial ou procedimento administrativo. CAPÍTULO I
DOS CRIMES PRATICADOS
CAPÍTULO VII POR FUNCIONÁRIO PÚBLICO
Da Prescrição CONTRA A ADMINISTRAÇÃO EM GERAL

Art. 23. As ações destinadas a levar a efeitos as sanções pre- Peculato


vistas nesta lei podem ser propostas: Art. 312 - Apropriar-se o funcionário público de dinheiro, va-
I - até cinco anos após o término do exercício de mandato, de lor ou qualquer outro bem móvel, público ou particular, de que
cargo em comissão ou de função de confiança; tem a posse em razão do cargo, ou desviá-lo, em proveito próprio
II - dentro do prazo prescricional previsto em lei específica ou alheio:
para faltas disciplinares puníveis com demissão a bem do serviço Pena - reclusão, de dois a doze anos, e multa.
público, nos casos de exercício de cargo efetivo ou emprego. § 1º - Aplica-se a mesma pena, se o funcionário público, em-
III - até cinco anos da data da apresentação à administração bora não tendo a posse do dinheiro, valor ou bem, o subtrai, ou
pública da prestação de contas final pelas entidades referidas no concorre para que seja subtraído, em proveito próprio ou alheio,
parágrafo único do art. 1o desta Lei. (Incluído pela Lei nº 13.019, valendo-se de facilidade que lhe proporciona a qualidade de fun-
de 2014)       (Vigência) cionário.
CAPÍTULO VIII Peculato culposo
Das Disposições Finais
§ 2º - Se o funcionário concorre culposamente para o crime
de outrem:
Art. 24. Esta lei entra em vigor na data de sua publicação.
Pena - detenção, de três meses a um ano.
Art. 25. Ficam revogadas as Leis n°s 3.164, de 1° de junho de
§ 3º - No caso do parágrafo anterior, a reparação do dano, se
1957, e 3.502, de 21 de dezembro de 1958 e demais disposições
precede à sentença irrecorrível, extingue a punibilidade; se lhe é
em contrário.
posterior, reduz de metade a pena imposta.
Rio de Janeiro, 2 de junho de 1992; 171° da Independência e
104° da República.
Peculato mediante erro de outrem
Art. 313 - Apropriar-se de dinheiro ou qualquer utilidade que,
no exercício do cargo, recebeu por erro de outrem:
Pena - reclusão, de um a quatro anos, e multa.

Inserção de dados falsos em sistema de informações (In-


cluído pela Lei nº 9.983, de 2000)
Art. 313-A. Inserir ou facilitar, o funcionário autorizado, a
inserção de dados falsos, alterar ou excluir indevidamente dados
corretos nos sistemas informatizados ou bancos de dados da Ad-
ministração Pública com o fim de obter vantagem indevida para si
ou para outrem ou para causar dano: (Incluído pela Lei nº 9.983,
de 2000))
Pena – reclusão, de 2 (dois) a 12 (doze) anos, e multa. (Incluí-
do pela Lei nº 9.983, de 2000)

Didatismo e Conhecimento 48
LEGISLAÇÃO BÁSICA
Modificação ou alteração não autorizada de sistema de in- Facilitação de contrabando ou descaminho
formações (Incluído pela Lei nº 9.983, de 2000) Art. 318 - Facilitar, com infração de dever funcional, a prática
Art. 313-B. Modificar ou alterar, o funcionário, sistema de de contrabando ou descaminho (art. 334):
informações ou programa de informática sem autorização ou so- Pena - reclusão, de 3 (três) a 8 (oito) anos, e multa. (Redação
licitação de autoridade competente: (Incluído pela Lei nº 9.983, dada pela Lei nº 8.137, de 27.12.1990)
de 2000)
Pena – detenção, de 3 (três) meses a 2 (dois) anos, e mul- Prevaricação
ta. (Incluído pela Lei nº 9.983, de 2000) Art. 319 - Retardar ou deixar de praticar, indevidamente, ato
Parágrafo único. As penas são aumentadas de um terço até de ofício, ou praticá-lo contra disposição expressa de lei, para sa-
a metade se da modificação ou alteração resulta dano para a Ad- tisfazer interesse ou sentimento pessoal:
ministração Pública ou para o administrado.(Incluído pela Lei nº Pena - detenção, de três meses a um ano, e multa.
9.983, de 2000) Art. 319-A.  Deixar o Diretor de Penitenciária e/ou agente pú-
blico, de cumprir seu dever de vedar ao preso o acesso a aparelho
Extravio, sonegação ou inutilização de livro ou documento telefônico, de rádio ou similar, que permita a comunicação com
Art. 314 - Extraviar livro oficial ou qualquer documento, de outros presos ou com o ambiente externo: (Incluído pela Lei nº
que tem a guarda em razão do cargo; sonegá-lo ou inutilizá-lo, 11.466, de 2007).
total ou parcialmente: Pena: detenção, de 3 (três) meses a 1 (um) ano.
Pena - reclusão, de um a quatro anos, se o fato não constitui
crime mais grave. Condescendência criminosa
Art. 320 - Deixar o funcionário, por indulgência, de respon-
Emprego irregular de verbas ou rendas públicas sabilizar subordinado que cometeu infração no exercício do cargo
Art. 315 - Dar às verbas ou rendas públicas aplicação diversa ou, quando lhe falte competência, não levar o fato ao conhecimen-
da estabelecida em lei: to da autoridade competente:
Pena - detenção, de um a três meses, ou multa. Pena - detenção, de quinze dias a um mês, ou multa.

Concussão Advocacia administrativa


Art. 316 - Exigir, para si ou para outrem, direta ou indireta- Art. 321 - Patrocinar, direta ou indiretamente, interesse pri-
mente, ainda que fora da função ou antes de assumi-la, mas em vado perante a administração pública, valendo-se da qualidade de
razão dela, vantagem indevida: funcionário:
Pena - detenção, de um a três meses, ou multa.
Pena - reclusão, de dois a oito anos, e multa.
Parágrafo único - Se o interesse é ilegítimo:
Pena - detenção, de três meses a um ano, além da multa.
Excesso de exação
§ 1º - Se o funcionário exige tributo ou contribuição social que
Violência arbitrária
sabe ou deveria saber indevido, ou, quando devido, emprega na
Art. 322 - Praticar violência, no exercício de função ou a pre-
cobrança meio vexatório ou gravoso, que a lei não autoriza:  (Re-
texto de exercê-la:
dação dada pela Lei nº 8.137, de 27.12.1990)
Pena - detenção, de seis meses a três anos, além da pena cor-
Pena - reclusão, de 3 (três) a 8 (oito) anos, e multa. (Redação
respondente à violência.
dada pela Lei nº 8.137, de 27.12.1990)
§ 2º - Se o funcionário desvia, em proveito próprio ou de ou- Abandono de função
trem, o que recebeu indevidamente para recolher aos cofres pú- Art. 323 - Abandonar cargo público, fora dos casos permitidos
blicos: em lei:
Pena - reclusão, de dois a doze anos, e multa. Pena - detenção, de quinze dias a um mês, ou multa.
§ 1º - Se do fato resulta prejuízo público:
Corrupção passiva Pena - detenção, de três meses a um ano, e multa.
Art. 317 - Solicitar ou receber, para si ou para outrem, direta § 2º - Se o fato ocorre em lugar compreendido na faixa de
ou indiretamente, ainda que fora da função ou antes de assumi-la, fronteira:
mas em razão dela, vantagem indevida, ou aceitar promessa de tal Pena - detenção, de um a três anos, e multa.
vantagem:
Pena – reclusão, de 2 (dois) a 12 (doze) anos, e multa. (Reda- Exercício funcional ilegalmente antecipado ou prolongado
ção dada pela Lei nº 10.763, de 12.11.2003) Art. 324 - Entrar no exercício de função pública antes de sa-
§ 1º - A pena é aumentada de um terço, se, em consequência tisfeitas as exigências legais, ou continuar a exercê-la, sem autori-
da vantagem ou promessa, o funcionário retarda ou deixa de prati- zação, depois de saber oficialmente que foi exonerado, removido,
car qualquer ato de ofício ou o pratica infringindo dever funcional. substituído ou suspenso:
§ 2º - Se o funcionário pratica, deixa de praticar ou retarda ato Pena - detenção, de quinze dias a um mês, ou multa.
de ofício, com infração de dever funcional, cedendo a pedido ou
influência de outrem: Violação de sigilo funcional
Pena - detenção, de três meses a um ano, ou multa. Art. 325 - Revelar fato de que tem ciência em razão do cargo
e que deva permanecer em segredo, ou facilitar-lhe a revelação:

Didatismo e Conhecimento 49
LEGISLAÇÃO BÁSICA
Pena - detenção, de seis meses a dois anos, ou multa, se o fato Art. 3º A Controladoria-Geral da União, no prazo de sessenta
não constitui crime mais grave. dias a contar da publicação desta Portaria, fica incumbida de tornar
§ 1o  Nas mesmas penas deste artigo incorre quem: (Incluído e manter disponível repositório, denominado “banco de dados de
pela Lei nº 9.983, de 2000) Transparência Pública”, com as informações que formarão o con-
I – permite ou facilita, mediante atribuição, fornecimento e em- teúdo mínimo a ser divulgado nas páginas dos órgãos e entidades
préstimo de senha ou qualquer outra forma, o acesso de pessoas não da Administração Pública Federal direta e indireta.
autorizadas a sistemas de informações ou banco de dados da Admi- Art. 4º O Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, no
nistração Pública; (Incluído pela Lei nº 9.983, de 2000) prazo de sessenta dias a contar da publicação desta Portaria, apre-
II – se utiliza, indevidamente, do acesso restrito. (Incluído pela sentará modelo das páginas de Transparência Pública, ficando a cri-
Lei nº 9.983, de 2000) tério de cada órgão ou entidade da Administração Pública Federal
§ 2o Se da ação ou omissão resulta dano à Administração Públi-
adotá-lo.
ca ou a outrem: (Incluído pela Lei nº 9.983, de 2000)
Art. 5º O acesso às páginas de Transparência Pública de cada
Pena – reclusão, de 2 (dois) a 6 (seis) anos, e multa. (Incluído
pela Lei nº 9.983, de 2000) órgão e entidade da Administração Pública Federal, deverá ser efe-
tuado por meio de atalho em imagem gráfica, conhecida como ban-
Violação do sigilo de proposta de concorrência ner, com identidade visual específica para a Transparência Pública,
Art. 326 - Devassar o sigilo de proposta de concorrência públi- constante da página inicial de seu respectivo sítio, sempre em en-
ca, ou proporcionar a terceiro o ensejo de devassá-lo: dereço estruturado como “www.domínio do órgão/transparencia”.
Pena - Detenção, de três meses a um ano, e multa. § 1º As informações a que se refere esta Portaria também po-
derão ser obtidas na página do Portal da Transparência do Governo
Federal, por meio dos endereços eletrônicos www.transparencia.
PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº gov.br, www.portaldatransparencia.gov.br ou www.portaltranspa-
140/2006 (DIVULGAÇÃO DE DADOS E rencia.gov.br.
INFORMAÇÕES PELOS ÓRGÃOS E § 2º No mesmo prazo estabelecido no art. 4º, a imagem grá-
ENTIDADES DA ADMINISTRAÇÃO fica - banner - com a identidade visual para o atalho menciona-
do no caput, será estabelecida pelo Ministério do Planejamento,
PÚBLICA FEDERAL, POR MEIO DA Orçamento e Gestão, em um modelo, com três possibilidades de
REDE MUNICIPAL DE tamanho, nos termos da Cartilha de Usabilidade para Sítios e Por-
COMPUTADORES – INTERNET). tais do Governo Federal, elaborada pelo Comitê Técnico de Gestão
de Sítios e Serviços On-line, vinculado ao Comitê Executivo de
Governo Eletrônico.
Art. 6º O prazo para divulgação das informações na respectiva
PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 140, DE 16 DE página de Transparência Pública será de trinta dias para os órgãos
MARÇO DE 2006. da Administração direta, e de sessenta para as entidades da Admi-
nistração indireta, a contar da data em que o banco de dados e o
Disciplina a divulgação de dados e informações pelos órgãos e modelo de que tratam os arts. 3º e 4º tenham sido disponibilizados.
entidades da Administração Pública Federal, por meio da rede mun-
dial de computadores – internet, e dá outras providências. Capítulo II
O MINISTRO DE ESTADO DO CONTROLE E DA
DO CONTEÚDO DAS PÁGINAS DE
TRANSPARÊNCIA e o MINISTRO DE ESTADO DO PLANE-
TRANSPARÊNCIA PÚBLICA
JAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO, no uso das atribuições
que lhes confere o inciso II do parágrafo único do art. 87 da Consti-
tuição, e em cumprimento do disposto no parágrafo único do art. 2º Art. 7º As páginas de Transparência Pública conterão informa-
do Decreto nº 5.482, de 30 de junho de 2005, ções sobre a execução orçamentária e financeira, licitações, con-
tratos, convênios, despesas com passagens e diárias dos órgãos e
R E S O L V E M: entidades da Administração Pública Federal direta e indireta, além
de outros conteúdos que vierem a ser estabelecidos, utilizando obri-
Capítulo I gatoriamente o banco de dados de que trata o art. 3º.
DISPOSIÇÕES GERAIS Parágrafo único. A Controladoria-Geral da União, no mesmo
prazo estabelecido no art. 3º desta Portaria, determinará os proce-
Art. 1º A divulgação de informações relativas à execução orça- dimentos para acesso às informações contidas no banco de dados
mentária e financeira dos órgãos e entidades da Administração Pú- referido no caput.
blica Federal direta e indireta, exclusivamente para fins de controle Art. 8º As informações de que trata esta Portaria não substi-
social, seguirá o disposto nesta Portaria.
tuem publicação prevista em lei, nem consulta direta aos sistemas
Art. 2º Os órgãos e entidades da Administração Pública Federal
deverão manter em seus respectivos sítios eletrônicos na rede mun- estruturadores do Governo Federal, devendo essa restrição figurar
dial de computadores página denominada “Transparência de forma destacada na página de Transparência Pública.
Pública”, tendo por conteúdo mínimo as informações previstas
nesta Portaria.

Didatismo e Conhecimento 50
LEGISLAÇÃO BÁSICA
Seção I § 1º As informações de que trata este artigo serão extraídas do
Execução orçamentária e financeira Sistema Integrado de Administração de Serviços Gerais – SIASG.
§ 2º Os dados a que se refere o caput deste artigo permane-
Art. 9º As seguintes informações, relativas à execução orça- cerão nas páginas de Transparência Pública pelo prazo mínimo de
mentária e financeira dos órgãos e entidades da Administração quatro anos após o encerramento da licitação.
Pública Federal, serão divulgadas e atualizadas mensalmente nas
páginas de Transparência Pública: Seção III
I - Quadro de Detalhamento de Programas, por unidade orça- Contratações
mentária do órgão ou entidade, contendo:
a) código e especificação dos programas orçamentários; Art. 11. As seguintes informações, relativas aos contratos fir-
b) orçamento atualizado, levando em consideração os recur- mados e notas de empenho expedidas pelos órgãos e entidades da
sos consignados por programa na Lei Orçamentária Anual e em Administração Pública Federal, deverão ser divulgadas e atualiza-
seus créditos adicionais; das quinzenalmente nas páginas de Transparência Pública:
c) valor liquidado no ano considerado, para exercícios encer- I - órgão superior;
rados, e valor liquidado até o mês considerado, para o exercício II - órgão subordinado ou entidade vinculada;
corrente; III - unidade administrativa dos serviços gerais - UASG;
d) valor pago no ano considerado, para exercícios encerrados, IV - número do contrato;
e valor pago até o mês considerado, para o exercício corrente; V - data de publicação no Diário Oficial da União;
e) percentual dos recursos liquidados comparados aos auto- VI - número do processo;
rizados; VII - modalidade da licitação;
f) percentual dos recursos pagos comparados aos autorizados; VIII - nome do contratado;
II - Quadro de Execução de Despesas, por unidade orçamen- IX - número de inscrição do contratado no Cadastro Nacional
tária dos órgãos e entidades, contendo: de Pessoas Jurídicas – CNPJ ou no Cadastro de Pessoas Físicas -
a) descrição da natureza das despesas; CPF;
b) valor liquidado no ano considerado, para exercícios encer- X - objeto;
rados e valor liquidado até o mês considerado, para o exercício XI - fundamento legal;
corrente; XII - período de vigência;
c) valor pago no ano considerado, para exercícios encerrados XIII - valor do contrato;
e valor pago até o mês considerado, para o exercício corrente. XIV - situação do contrato (ativo, concluído, rescindido ou
Parágrafo único. As informações de que trata este artigo serão cancelado);
extraídas do Sistema Integrado de Administração Financeira do XV - atalho para solicitar ao órgão ou entidade responsável,
Governo Federal – SIAFI. via correio eletrônico, a íntegra do instrumento de contrato e res-
pectivos aditivos;
Seção II XVI - relação de aditivos ao contrato com as seguintes infor-
Licitações mações:
a) número do aditivo;
Art. 10. As seguintes informações, referentes às licitações rea- b) data da publicação no Diário Oficial da União;
lizadas pelos órgãos e entidades da Administração Pública Federal, c) número do processo;
serão publicadas nas páginas de Transparência Pública, devendo d) objeto do aditivo.
ser atualizadas semanalmente: § 1º As informações de que trata este artigo serão extraídas do
I - órgão superior; Sistema Integrado de Administração de Serviços Gerais – SIASG.
II - órgão subordinado ou entidade vinculada; § 2º As informações a que se refere o caput deste artigo per-
III - unidade administrativa dos serviços gerais - UASG; manecerão nas páginas de Transparência Pública pelo prazo míni-
IV - número da licitação; mo de quatro anos após o encerramento da vigência do contrato.
V - número do processo; Art. 12. Os órgãos e entidades da Administração Pública Fe-
VI - modalidade da licitação; deral divulgarão, com atualização quinzenal, nas respectivas pá-
VII - objeto; ginas de Transparência Pública, relação de empresas que, por ato
VIII - número de itens; seu, tenham sido declaradas suspensas do direito de participar de
IX - data e hora da abertura; licitação ou impedidas de contratar com a Administração Pública
X - local da abertura; Federal em razão de descumprimento de contrato consigo, fazen-
XI - cidade da abertura; do-se constar:
XII - Unidade da Federação da abertura; I - órgão superior;
XIII - situação da licitação (aberta ou homologada); II - órgão subordinado ou entidade vinculada;
XIV - contato no órgão ou entidade responsável; III - unidade administrativa dos serviços gerais - UASG;
XV - atalho para solicitação, por meio de correio eletrônico, IV - nome da empresa;
da íntegra de editais, atas, anexos, projetos básicos e informações V - número de inscrição no Cadastro Nacional de Pessoas Ju-
adicionais, diretamente à área responsável do órgão ou entidade. rídicas - CNPJ;

Didatismo e Conhecimento 51
LEGISLAÇÃO BÁSICA
VI - penalidade aplicada; VIII - período da viagem;
VII - período de vigência da penalidade; IX - motivo da viagem;
VIII - objeto do contrato. X - meio de transporte;
Parágrafo único. As informações de que trata este artigo serão XI - categoria da passagem;
extraídas do Sistema Integrado de Administração de Serviços Ge- XII - valor da passagem;
rais – SIASG. XIII - número de diárias;
XIV - valor total das diárias;
Seção IV XV - valor total da viagem.
Convênios e Instrumentos Congêneres § 1º As informações de que trata este artigo, referentes aos
órgãos e entidades da Administração Pública Federal direta, ficam
Art. 13. As seguintes informações relativas aos convênios ou condicionadas à implantação do Sistema de Concessão de Diárias
instrumentos congêneres que envolvam transferência de recursos e Passagens – SCDP, de onde deverão ser extraídas.
públicos federais celebrados pelos órgãos e entidades da Adminis- § 2º As informações a que se refere o caput deste artigo per-
tração Pública Federal serão divulgadas e atualizadas quinzenal- manecerão nas páginas de Transparência Pública pelo prazo míni-
mente nas páginas de Transparência Pública: mo de quatro anos após a realização da viagem.
I - órgão superior;
II - órgão subordinado ou entidade vinculada; Capítulo III
III - unidade gestora; DA APRESENTAÇÃO E DA LINGUAGEM
IV - nome do conveniado;
V - número do convênio; Art. 16. As informações serão apresentadas de forma simples,
VI - número do processo; com a utilização de recursos de navegação intuitiva a qualquer ci-
VII - objeto; dadão, independentemente de senhas ou conhecimentos específi-
VIII - valor de repasse; cos de informática.
IX - valor da contrapartida do conveniado; Art. 17. Todo o conteúdo técnico deverá ser precedido de tex-
X - valor total dos recursos; to introdutório e, sempre que possível, acompanhado por notas ex-
XI - período de vigência. plicativas, na forma de dicas de tela.
§ 1º As informações de que trata este artigo serão extraídas do Art. 18. As informações serão divulgadas na forma extensiva
Sistema Integrado de Administração Financeira - SIAFI. e decodificada, com a utilização de linguagem simples e objetiva.
§ 2º Os dados a que se refere o caput deste artigo permane- Art. 19. O conteúdo estabelecido no Capitulo II deverá ser
cerão nas páginas de Transparência Pública pelo prazo mínimo de apresentado nas páginas de Transparência Pública conforme a no-
quatro anos após o encerramento da vigência do convênio. menclatura dos itens de dados estabelecida pelo Ministério do Pla-
Art. 14. Os órgãos e entidades da Administração Pública Fe- nejamento, Orçamento e Gestão no modelo a que se refere o art.
deral divulgarão, com atualização quinzenal, nas respectivas pági- 4º desta Portaria.
nas de Transparência Pública, relação de entes conveniados que, Art. 20. As páginas de Transparência Pública conterão glossá-
em razão de ato de sua responsabilidade, tenham sido declarados rio com as definições, em linguagem acessível ao cidadão, de todos
inadimplentes em razão de descumprimento de obrigação pactua- os termos técnicos empregados na apresentação das informações.
da consigo, fazendo constar as informações relacionadas no caput Parágrafo único. O modelo definido no art. 4º conterá suges-
do art. 13. tão de glossário, que poderá ser adotada pelos órgãos e entidades
Parágrafo único. As informações de que trata este artigo se- da Administração Pública Federal.
rão extraídas do Sistema Integrado de Administração Financeira Art. 21. Os dados deverão ser apresentados com a respectiva
- SIAFI. fonte e data da última atualização.

Seção V Capítulo IV
Diárias e passagens DAS ENTIDADES DA ADMINISTRAÇÃO INDIRETA

Art. 15. As diárias e passagens pagas a servidores públicos em Art. 22. Independentemente da publicação na respectiva pá-
viagem em razão do trabalho ou a colaboradores eventuais em via- gina de Transparência Pública, as entidades da Administração Pú-
gens no interesse da Administração, terão seus dados publicados e blica Federal indireta deverão encaminhar, em meio eletrônico, à
atualizados quinzenalmente nas páginas de Transparência Pública, Controladoria-Geral da União, nas periodicidades estabelecidas
devendo constar as seguintes informações relativas a cada trecho: no Capítulo II e no prazo estabelecido no art. 6º, as informações,
I - órgão superior; requeridas nesta Portaria, que não se encontram registradas nos
II - órgão subordinado ou entidade vinculada; sistemas informatizados da Administração Pública Federal - SIA-
III - unidade gestora; FI, SIASG e SCDP.
IV - nome do servidor; Parágrafo único. A Controladoria-Geral da União, no prazo
V - cargo; estabelecido no art. 3º desta Portaria, determinará os procedimen-
VI - origem de todos os trechos da viagem; tos e padrões para envio das informações pelas entidades da Admi-
VII - destino de todos os trechos da viagem; nistração Pública Federal referidas no caput.

Didatismo e Conhecimento 52
LEGISLAÇÃO BÁSICA
Capítulo V CAPÍTULO I
DO SIGILO DAS INFORMAÇÕES DISPOSIÇÕES GERAIS

Art. 23. As informações classificadas como sigilosas, nos ter- Art. 1o  Esta Lei dispõe sobre os procedimentos a serem ob-
mos da legislação sobre a matéria, terão sua divulgação restrita, servados pela União, Estados, Distrito Federal e Municípios, com
tendo em vista o que dispõe o art. 4º do Decreto nº 5.482, de 30 de o fim de garantir o acesso a informações previsto no inciso XXXIII
junho de 2005. do art. 5o, no inciso II do § 3º do art. 37 e no § 2º do art. 216 da
Art. 24. Caberá aos órgãos e entidades da Administração Pú- Constituição Federal. 
blica Federal informar à Controladoria-Geral da União, no prazo Parágrafo único.  Subordinam-se ao regime desta Lei: 
de sessenta dias a contar da publicação desta Portaria, as infor- I - os órgãos públicos integrantes da administração direta dos
mações referentes ao conteúdo mínimo estabelecido no Capítulo Poderes Executivo, Legislativo, incluindo as Cortes de Contas, e
II que estão protegidas pelo sigilo mencionado no art. 23, com a Judiciário e do Ministério Público; 
respectiva fundamentação legal. II - as autarquias, as fundações públicas, as empresas públicas,
as sociedades de economia mista e demais entidades controladas
Capítulo VI direta ou indiretamente pela União, Estados, Distrito Federal e Mu-
DISPOSIÇÕES FINAIS nicípios. 
Art. 2o  Aplicam-se as disposições desta Lei, no que couber,
Art. 25. O Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão às entidades privadas sem fins lucrativos que recebam, para reali-
e a Controladoria-Geral da União, no prazo de 90 dias, deverão zação de ações de interesse público, recursos públicos diretamente
adotar as providências necessárias para a incorporação às páginas do orçamento ou mediante subvenções sociais, contrato de gestão,
de Transparência Pública, de dados agregados, associados aos pro- termo de parceria, convênios, acordo, ajustes ou outros instrumen-
gramas e ações de governo, para fins de aprimorar a qualidade das tos congêneres. 
informações postas à disposição da população, de forma a permitir Parágrafo único.  A publicidade a que estão submetidas as en-
ao cidadão, análises mais abrangentes sobre a gestão dos recursos tidades citadas no caput refere-se à parcela dos recursos públicos
públicos. recebidos e à sua destinação, sem prejuízo das prestações de contas
Art. 26. Nos termos do art. 5º do Decreto nº 5.482, de 2005, a que estejam legalmente obrigadas. 
os órgãos integrantes do Sistema de Controle Interno do Poder Art. 3o  Os procedimentos previstos nesta Lei destinam-se a
Executivo Federal verificarão o cumprimento do disposto nesta assegurar o direito fundamental de acesso à informação e devem
Portaria. ser executados em conformidade com os princípios básicos da ad-
Art. 27. Esta Portaria entra em vigor na data de sua publica- ministração pública e com as seguintes diretrizes: 
ção. I - observância da publicidade como preceito geral e do sigilo
como exceção; 
JORGE HAGE SOBRINHO II - divulgação de informações de interesse público, indepen-
Ministro de Estado do Controle dentemente de solicitações; 
e da Transparência - Interino III - utilização de meios de comunicação viabilizados pela tec-
nologia da informação; 
PAULO BERNARDO SILVA IV - fomento ao desenvolvimento da cultura de transparência
Ministro de Estado do Planejamento, na administração pública; 
Orçamento e Gestão V - desenvolvimento do controle social da administração pú-
blica. 
Art. 4o  Para os efeitos desta Lei, considera-se: 
LEI Nº 12.527/2011 I - informação: dados, processados ou não, que podem ser uti-
lizados para produção e transmissão de conhecimento, contidos em
(ACESSO A INFORMAÇÕES). qualquer meio, suporte ou formato; 
II - documento: unidade de registro de informações, qualquer
que seja o suporte ou formato; 
III - informação sigilosa: aquela submetida temporariamente
LEI Nº 12.527, DE 18 DE NOVEMBRO DE 2011. à restrição de acesso público em razão de sua imprescindibilidade
para a segurança da sociedade e do Estado; 
Regula o acesso a informações previsto no inciso XXXIII do IV - informação pessoal: aquela relacionada à pessoa natural
art. 5o, no inciso II do § 3o do art. 37 e no § 2o do art. 216 da Cons- identificada ou identificável; 
tituição Federal; altera a Lei no 8.112, de 11 de dezembro de 1990; V - tratamento da informação: conjunto de ações referentes à
revoga a Lei no 11.111, de 5 de maio de 2005, e dispositivos da Lei produção, recepção, classificação, utilização, acesso, reprodução,
no 8.159, de 8 de janeiro de 1991; e dá outras providências. transporte, transmissão, distribuição, arquivamento, armazenamen-
to, eliminação, avaliação, destinação ou controle da informação; 
A PRESIDENTA DA REPÚBLICA Faço saber que o Con- VI - disponibilidade: qualidade da informação que pode ser
gresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:  conhecida e utilizada por indivíduos, equipamentos ou sistemas
autorizados; 

Didatismo e Conhecimento 53
LEGISLAÇÃO BÁSICA
VII - autenticidade: qualidade da informação que tenha sido § 3o  O direito de acesso aos documentos ou às informações
produzida, expedida, recebida ou modificada por determinado in- neles contidas utilizados como fundamento da tomada de decisão e
divíduo, equipamento ou sistema;  do ato administrativo será assegurado com a edição do ato decisório
VIII - integridade: qualidade da informação não modificada, respectivo. 
inclusive quanto à origem, trânsito e destino;  § 4o  A negativa de acesso às informações objeto de pedido for-
IX - primariedade: qualidade da informação coletada na fonte, mulado aos órgãos e entidades referidas no art. 1o, quando não funda-
com o máximo de detalhamento possível, sem modificações.  mentada, sujeitará o responsável a medidas disciplinares, nos termos
Art. 5o  É dever do Estado garantir o direito de acesso à infor- do art. 32 desta Lei. 
mação, que será franqueada, mediante procedimentos objetivos e § 5o  Informado do extravio da informação solicitada, poderá o in-
ágeis, de forma transparente, clara e em linguagem de fácil com- teressado requerer à autoridade competente a imediata abertura de sin-
preensão.  dicância para apurar o desaparecimento da respectiva documentação. 
§ 6o  Verificada a hipótese prevista no § 5o deste artigo, o respon-
CAPÍTULO II sável pela guarda da informação extraviada deverá, no prazo de 10
DO ACESSO A INFORMAÇÕES E DA (dez) dias, justificar o fato e indicar testemunhas que comprovem sua
alegação. 
SUA DIVULGAÇÃO
Art. 8o  É dever dos órgãos e entidades públicas promover, in-
dependentemente de requerimentos, a divulgação em local de fácil
Art. 6o  Cabe aos órgãos e entidades do poder público, obser-
acesso, no âmbito de suas competências, de informações de interesse
vadas as normas e procedimentos específicos aplicáveis, assegurar coletivo ou geral por eles produzidas ou custodiadas. 
a:  § 1o  Na divulgação das informações a que se refere o caput, de-
I - gestão transparente da informação, propiciando amplo verão constar, no mínimo: 
acesso a ela e sua divulgação;  I - registro das competências e estrutura organizacional, endere-
II - proteção da informação, garantindo-se sua disponibilida- ços e telefones das respectivas unidades e horários de atendimento ao
de, autenticidade e integridade; e  público; 
III - proteção da informação sigilosa e da informação pessoal, II - registros de quaisquer repasses ou transferências de recursos
observada a sua disponibilidade, autenticidade, integridade e even- financeiros; 
tual restrição de acesso.  III - registros das despesas; 
Art. 7o  O acesso à informação de que trata esta Lei compreen- IV - informações concernentes a procedimentos licitatórios, inclu-
de, entre outros, os direitos de obter:  sive os respectivos editais e resultados, bem como a todos os contratos
I - orientação sobre os procedimentos para a consecução de celebrados; 
acesso, bem como sobre o local onde poderá ser encontrada ou V - dados gerais para o acompanhamento de programas, ações,
obtida a informação almejada;  projetos e obras de órgãos e entidades; e 
II - informação contida em registros ou documentos, produ- VI - respostas a perguntas mais frequentes da sociedade. 
zidos ou acumulados por seus órgãos ou entidades, recolhidos ou § 2o  Para cumprimento do disposto no caput, os órgãos e entida-
não a arquivos públicos;  des públicas deverão utilizar todos os meios e instrumentos legítimos
III - informação produzida ou custodiada por pessoa física ou de que dispuserem, sendo obrigatória a divulgação em sítios oficiais da
entidade privada decorrente de qualquer vínculo com seus órgãos rede mundial de computadores (internet). 
ou entidades, mesmo que esse vínculo já tenha cessado;  § 3o  Os sítios de que trata o § 2o deverão, na forma de regulamen-
IV - informação primária, íntegra, autêntica e atualizada;  to, atender, entre outros, aos seguintes requisitos: 
V - informação sobre atividades exercidas pelos órgãos e enti- I - conter ferramenta de pesquisa de conteúdo que permita o aces-
dades, inclusive as relativas à sua política, organização e serviços;  so à informação de forma objetiva, transparente, clara e em linguagem
VI - informação pertinente à administração do patrimônio pú- de fácil compreensão; 
II - possibilitar a gravação de relatórios em diversos formatos ele-
blico, utilização de recursos públicos, licitação, contratos admi-
trônicos, inclusive abertos e não proprietários, tais como planilhas e
nistrativos; e 
texto, de modo a facilitar a análise das informações; 
VII - informação relativa: 
III - possibilitar o acesso automatizado por sistemas externos em
a) à implementação, acompanhamento e resultados dos pro- formatos abertos, estruturados e legíveis por máquina; 
gramas, projetos e ações dos órgãos e entidades públicas, bem IV - divulgar em detalhes os formatos utilizados para estruturação
como metas e indicadores propostos;  da informação; 
b) ao resultado de inspeções, auditorias, prestações e tomadas V - garantir a autenticidade e a integridade das informações dis-
de contas realizadas pelos órgãos de controle interno e externo, poníveis para acesso; 
incluindo prestações de contas relativas a exercícios anteriores.  VI - manter atualizadas as informações disponíveis para acesso; 
§ 1o  O acesso à informação previsto no caput não compreen- VII - indicar local e instruções que permitam ao interessado co-
de as informações referentes a projetos de pesquisa e desenvolvi- municar-se, por via eletrônica ou telefônica, com o órgão ou entidade
mento científicos ou tecnológicos cujo sigilo seja imprescindível à detentora do sítio; e 
segurança da sociedade e do Estado.  VIII - adotar as medidas necessárias para garantir a acessibilidade
§ 2o  Quando não for autorizado acesso integral à informação de conteúdo para pessoas com deficiência, nos termos do art. 17 da Lei
por ser ela parcialmente sigilosa, é assegurado o acesso à parte não no 10.098, de 19 de dezembro de 2000, e do art. 9oda Convenção
sigilosa por meio de certidão, extrato ou cópia com ocultação da sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência, aprovada pelo De-
parte sob sigilo.  creto Legislativo no 186, de 9 de julho de 2008. 

Didatismo e Conhecimento 54
LEGISLAÇÃO BÁSICA
§ 4o  Os Municípios com população de até 10.000 (dez mil) § 4o  Quando não for autorizado o acesso por se tratar de in-
habitantes ficam dispensados da divulgação obrigatória na internet formação total ou parcialmente sigilosa, o requerente deverá ser
a que se refere o § 2o, mantida a obrigatoriedade de divulgação, informado sobre a possibilidade de recurso, prazos e condições
em tempo real, de informações relativas à execução orçamentária para sua interposição, devendo, ainda, ser-lhe indicada a autorida-
e financeira, nos critérios e prazos previstos no  art. 73-B da Lei de competente para sua apreciação. 
Complementar no 101, de 4 de maio de 2000 (Lei de Responsabi- § 5o  A informação armazenada em formato digital será forne-
lidade Fiscal).  cida nesse formato, caso haja anuência do requerente. 
Art. 9o  O acesso a informações públicas será assegurado me- § 6o  Caso a informação solicitada esteja disponível ao público
diante:  em formato impresso, eletrônico ou em qualquer outro meio de
I - criação de serviço de informações ao cidadão, nos órgãos acesso universal, serão informados ao requerente, por escrito, o
e entidades do poder público, em local com condições apropriadas lugar e a forma pela qual se poderá consultar, obter ou reproduzir
para:  a referida informação, procedimento esse que desonerará o órgão
a) atender e orientar o público quanto ao acesso a informa- ou entidade pública da obrigação de seu fornecimento direto, salvo
ções;  se o requerente declarar não dispor de meios para realizar por si
b) informar sobre a tramitação de documentos nas suas res- mesmo tais procedimentos. 
pectivas unidades;  Art. 12.  O serviço de busca e fornecimento da informação é
c) protocolizar documentos e requerimentos de acesso a in- gratuito, salvo nas hipóteses de reprodução de documentos pelo
formações; e  órgão ou entidade pública consultada, situação em que poderá ser
II - realização de audiências ou consultas públicas, incentivo à cobrado exclusivamente o valor necessário ao ressarcimento do
participação popular ou a outras formas de divulgação.  custo dos serviços e dos materiais utilizados. 
Parágrafo único.  Estará isento de ressarcir os custos previstos
CAPÍTULO III no caput todo aquele cuja situação econômica não lhe permita fa-
DO PROCEDIMENTO DE ACESSO À INFORMAÇÃO zê-lo sem prejuízo do sustento próprio ou da família, declarada nos
Seção I termos da Lei no 7.115, de 29 de agosto de 1983. 
Do Pedido de Acesso Art. 13.  Quando se tratar de acesso à informação contida em
documento cuja manipulação possa prejudicar sua integridade, de-
Art. 10.  Qualquer interessado poderá apresentar pedido de verá ser oferecida a consulta de cópia, com certificação de que esta
acesso a informações aos órgãos e entidades referidos no art. confere com o original. 
1o desta Lei, por qualquer meio legítimo, devendo o pedido con- Parágrafo único.  Na impossibilidade de obtenção de cópias, o
ter a identificação do requerente e a especificação da informação interessado poderá solicitar que, a suas expensas e sob supervisão
requerida.  de servidor público, a reprodução seja feita por outro meio que não
§ 1o  Para o acesso a informações de interesse público, a iden- ponha em risco a conservação do documento original. 
tificação do requerente não pode conter exigências que inviabili- Art. 14.  É direito do requerente obter o inteiro teor de decisão
zem a solicitação.  de negativa de acesso, por certidão ou cópia. 
§ 2o  Os órgãos e entidades do poder público devem viabilizar
alternativa de encaminhamento de pedidos de acesso por meio de Seção II
seus sítios oficiais na internet.  Dos Recursos
§ 3o  São vedadas quaisquer exigências relativas aos motivos
determinantes da solicitação de informações de interesse público.  Art. 15.  No caso de indeferimento de acesso a informações
Art. 11.  O órgão ou entidade pública deverá autorizar ou con- ou às razões da negativa do acesso, poderá o interessado interpor
ceder o acesso imediato à informação disponível.  recurso contra a decisão no prazo de 10 (dez) dias a contar da sua
§ 1o  Não sendo possível conceder o acesso imediato, na forma ciência. 
disposta no caput, o órgão ou entidade que receber o pedido deve- Parágrafo único.  O recurso será dirigido à autoridade hierar-
rá, em prazo não superior a 20 (vinte) dias:  quicamente superior à que exarou a decisão impugnada, que deve-
I - comunicar a data, local e modo para se realizar a consulta, rá se manifestar no prazo de 5 (cinco) dias. 
efetuar a reprodução ou obter a certidão;  Art. 16.  Negado o acesso a informação pelos órgãos ou enti-
II - indicar as razões de fato ou de direito da recusa, total ou dades do Poder Executivo Federal, o requerente poderá recorrer à
parcial, do acesso pretendido; ou  Controladoria-Geral da União, que deliberará no prazo de 5 (cin-
III - comunicar que não possui a informação, indicar, se for do co) dias se: 
seu conhecimento, o órgão ou a entidade que a detém, ou, ainda, I - o acesso à informação não classificada como sigilosa for
remeter o requerimento a esse órgão ou entidade, cientificando o negado; 
interessado da remessa de seu pedido de informação.  II - a decisão de negativa de acesso à informação total ou
§ 2o  O prazo referido no § 1o poderá ser prorrogado por mais parcialmente classificada como sigilosa não indicar a autoridade
10 (dez) dias, mediante justificativa expressa, da qual será cienti- classificadora ou a hierarquicamente superior a quem possa ser di-
ficado o requerente.  rigido pedido de acesso ou desclassificação; 
§ 3o  Sem prejuízo da segurança e da proteção das informações III - os procedimentos de classificação de informação sigilosa
e do cumprimento da legislação aplicável, o órgão ou entidade po- estabelecidos nesta Lei não tiverem sido observados; e 
derá oferecer meios para que o próprio requerente possa pesquisar IV - estiverem sendo descumpridos prazos ou outros procedi-
a informação de que necessitar.  mentos previstos nesta Lei. 

Didatismo e Conhecimento 55
LEGISLAÇÃO BÁSICA
§ 1o  O recurso previsto neste artigo somente poderá ser diri- Seção II
gido à Controladoria-Geral da União depois de submetido à apre- Da Classificação da Informação quanto ao
ciação de pelo menos uma autoridade hierarquicamente superior Grau e Prazos de Sigilo
àquela que exarou a decisão impugnada, que deliberará no prazo
de 5 (cinco) dias.  Art. 23.  São consideradas imprescindíveis à segurança da
§ 2o  Verificada a procedência das razões do recurso, a Con- sociedade ou do Estado e, portanto, passíveis de classificação as
troladoria-Geral da União determinará ao órgão ou entidade que informações cuja divulgação ou acesso irrestrito possam: 
adote as providências necessárias para dar cumprimento ao dis- I - pôr em risco a defesa e a soberania nacionais ou a integri-
posto nesta Lei.  dade do território nacional; 
§ 3o  Negado o acesso à informação pela Controladoria-Geral II - prejudicar ou pôr em risco a condução de negociações
da União, poderá ser interposto recurso à Comissão Mista de Rea- ou as relações internacionais do País, ou as que tenham sido for-
valiação de Informações, a que se refere o art. 35.  necidas em caráter sigiloso por outros Estados e organismos in-
Art. 17.  No caso de indeferimento de pedido de desclassi- ternacionais; 
ficação de informação protocolado em órgão da administração III - pôr em risco a vida, a segurança ou a saúde da popula-
pública federal, poderá o requerente recorrer ao Ministro de Es-
ção; 
tado da área, sem prejuízo das competências da Comissão Mista
IV - oferecer elevado risco à estabilidade financeira, econô-
de Reavaliação de Informações, previstas no art. 35, e do disposto
mica ou monetária do País; 
no art. 16. 
V - prejudicar ou causar risco a planos ou operações estraté-
§ 1o  O recurso previsto neste artigo somente poderá ser diri-
gido às autoridades mencionadas depois de submetido à aprecia- gicos das Forças Armadas; 
ção de pelo menos uma autoridade hierarquicamente superior à VI - prejudicar ou causar risco a projetos de pesquisa e de-
autoridade que exarou a decisão impugnada e, no caso das Forças senvolvimento científico ou tecnológico, assim como a sistemas,
Armadas, ao respectivo Comando.  bens, instalações ou áreas de interesse estratégico nacional; 
§ 2o  Indeferido o recurso previsto no caput que tenha como VII - pôr em risco a segurança de instituições ou de altas
objeto a desclassificação de informação secreta ou ultrassecreta, autoridades nacionais ou estrangeiras e seus familiares; ou 
caberá recurso à Comissão Mista de Reavaliação de Informações VIII - comprometer atividades de inteligência, bem como de
prevista no art. 35.  investigação ou fiscalização em andamento, relacionadas com a
Art. 18.  Os procedimentos de revisão de decisões denegató- prevenção ou repressão de infrações. 
rias proferidas no recurso previsto no art. 15 e de revisão de clas- Art. 24.  A informação em poder dos órgãos e entidades pú-
sificação de documentos sigilosos serão objeto de regulamentação blicas, observado o seu teor e em razão de sua imprescindibilida-
própria dos Poderes Legislativo e Judiciário e do Ministério Pú- de à segurança da sociedade ou do Estado, poderá ser classificada
blico, em seus respectivos âmbitos, assegurado ao solicitante, em como ultrassecreta, secreta ou reservada. 
qualquer caso, o direito de ser informado sobre o andamento de § 1o  Os prazos máximos de restrição de acesso à informa-
seu pedido.  ção, conforme a classificação prevista no caput, vigoram a partir
Art. 19.  (VETADO).  da data de sua produção e são os seguintes: 
§ 1o  (VETADO).  I - ultrassecreta: 25 (vinte e cinco) anos; 
§ 2o  Os órgãos do Poder Judiciário e do Ministério Público in- II - secreta: 15 (quinze) anos; e 
formarão ao Conselho Nacional de Justiça e ao Conselho Nacional III - reservada: 5 (cinco) anos. 
do Ministério Público, respectivamente, as decisões que, em grau § 2o  As informações que puderem colocar em risco a segu-
de recurso, negarem acesso a informações de interesse público.  rança do Presidente e Vice-Presidente da República e respecti-
Art. 20.  Aplica-se subsidiariamente, no que couber, a Lei vos cônjuges e filhos(as) serão classificadas como reservadas e
no 9.784, de 29 de janeiro de 1999, ao procedimento de que trata ficarão sob sigilo até o término do mandato em exercício ou do
este Capítulo. 
último mandato, em caso de reeleição. 
§ 3o  Alternativamente aos prazos previstos no § 1o, poderá
CAPÍTULO IV
ser estabelecida como termo final de restrição de acesso a ocor-
DAS RESTRIÇÕES DE ACESSO À INFORMAÇÃO
rência de determinado evento, desde que este ocorra antes do
Seção I
Disposições Gerais transcurso do prazo máximo de classificação. 
§ 4o  Transcorrido o prazo de classificação ou consumado
Art. 21.  Não poderá ser negado acesso à informação neces- o evento que defina o seu termo final, a informação tornar-se-á,
sária à tutela judicial ou administrativa de direitos fundamentais.  automaticamente, de acesso público. 
Parágrafo único.  As informações ou documentos que versem § 5o  Para a classificação da informação em determinado grau
sobre condutas que impliquem violação dos direitos humanos pra- de sigilo, deverá ser observado o interesse público da informação
ticada por agentes públicos ou a mando de autoridades públicas e utilizado o critério menos restritivo possível, considerados: 
não poderão ser objeto de restrição de acesso.  I - a gravidade do risco ou dano à segurança da sociedade e
Art. 22.  O disposto nesta Lei não exclui as demais hipóteses do Estado; e 
legais de sigilo e de segredo de justiça nem as hipóteses de segredo II - o prazo máximo de restrição de acesso ou o evento que
industrial decorrentes da exploração direta de atividade econômica defina seu termo final. 
pelo Estado ou por pessoa física ou entidade privada que tenha
qualquer vínculo com o poder público. 

Didatismo e Conhecimento 56
LEGISLAÇÃO BÁSICA
Seção III § 3o  A autoridade ou outro agente público que classificar in-
Da Proteção e do Controle de Informações Sigilosas formação como ultrassecreta deverá encaminhar a decisão de que
trata o art. 28 à Comissão Mista de Reavaliação de Informações, a
Art. 25.  É dever do Estado controlar o acesso e a divulgação que se refere o art. 35, no prazo previsto em regulamento. 
de informações sigilosas produzidas por seus órgãos e entidades, Art. 28.  A classificação de informação em qualquer grau de
assegurando a sua proteção. (Regulamento) sigilo deverá ser formalizada em decisão que conterá, no mínimo,
§ 1o  O acesso, a divulgação e o tratamento de informação os seguintes elementos: 
classificada como sigilosa ficarão restritos a pessoas que tenham I - assunto sobre o qual versa a informação; 
necessidade de conhecê-la e que sejam devidamente credenciadas II - fundamento da classificação, observados os critérios esta-
na forma do regulamento, sem prejuízo das atribuições dos agentes belecidos no art. 24; 
públicos autorizados por lei.  III - indicação do prazo de sigilo, contado em anos, meses ou
§ 2o  O acesso à informação classificada como sigilosa cria a dias, ou do evento que defina o seu termo final, conforme limites
obrigação para aquele que a obteve de resguardar o sigilo.  previstos no art. 24; e 
§ 3o  Regulamento disporá sobre procedimentos e medidas a IV - identificação da autoridade que a classificou. 
serem adotados para o tratamento de informação sigilosa, de modo Parágrafo único.  A decisão referida no caput será mantida no
a protegê-la contra perda, alteração indevida, acesso, transmissão mesmo grau de sigilo da informação classificada. 
e divulgação não autorizados.  Art. 29.  A classificação das informações será reavaliada pela
Art. 26.  As autoridades públicas adotarão as providências ne- autoridade classificadora ou por autoridade hierarquicamente supe-
cessárias para que o pessoal a elas subordinado hierarquicamente rior, mediante provocação ou de ofício, nos termos e prazos previs-
conheça as normas e observe as medidas e procedimentos de segu- tos em regulamento, com vistas à sua desclassificação ou à redução
rança para tratamento de informações sigilosas.  do prazo de sigilo, observado o disposto no art. 24.  (Regulamento)
Parágrafo único.  A pessoa física ou entidade privada que, em § 1o  O regulamento a que se refere o caput deverá considerar
razão de qualquer vínculo com o poder público, executar ativida- as peculiaridades das informações produzidas no exterior por auto-
des de tratamento de informações sigilosas adotará as providências ridades ou agentes públicos. 
necessárias para que seus empregados, prepostos ou representan- § 2o  Na reavaliação a que se refere o caput, deverão ser exa-
tes observem as medidas e procedimentos de segurança das infor- minadas a permanência dos motivos do sigilo e a possibilidade de
mações resultantes da aplicação desta Lei.  danos decorrentes do acesso ou da divulgação da informação. 
§ 3o  Na hipótese de redução do prazo de sigilo da informação,
o novo prazo de restrição manterá como termo inicial a data da sua
Seção IV
produção. 
Dos Procedimentos de Classificação, Reclassificação e
Art. 30.  A autoridade máxima de cada órgão ou entidade pu-
Desclassificação
blicará, anualmente, em sítio à disposição na internet e destinado à
veiculação de dados e informações administrativas, nos termos de
Art. 27.  A classificação do sigilo de informações no âmbito da
regulamento: 
administração pública federal é de competência:  (Regulamento)
I - rol das informações que tenham sido desclassificadas nos
I - no grau de ultrassecreto, das seguintes autoridades:  últimos 12 (doze) meses; 
a) Presidente da República;  II - rol de documentos classificados em cada grau de sigilo, com
b) Vice-Presidente da República;  identificação para referência futura; 
c) Ministros de Estado e autoridades com as mesmas prerro- III - relatório estatístico contendo a quantidade de pedidos de
gativas;  informação recebidos, atendidos e indeferidos, bem como informa-
d) Comandantes da Marinha, do Exército e da Aeronáutica; e  ções genéricas sobre os solicitantes. 
e) Chefes de Missões Diplomáticas e Consulares permanentes § 1o  Os órgãos e entidades deverão manter exemplar da publi-
no exterior;  cação prevista no caput para consulta pública em suas sedes. 
II - no grau de secreto, das autoridades referidas no inciso § 2o  Os órgãos e entidades manterão extrato com a lista de
I, dos titulares de autarquias, fundações ou empresas públicas e informações classificadas, acompanhadas da data, do grau de sigilo
sociedades de economia mista; e  e dos fundamentos da classificação. 
III - no grau de reservado, das autoridades referidas nos inci-
sos I e II e das que exerçam funções de direção, comando ou che- Seção V
fia, nível DAS 101.5, ou superior, do Grupo-Direção e Assesso- Das Informações Pessoais
ramento Superiores, ou de hierarquia equivalente, de acordo com
regulamentação específica de cada órgão ou entidade, observado o Art. 31.  O tratamento das informações pessoais deve ser fei-
disposto nesta Lei.  to de forma transparente e com respeito à intimidade, vida privada,
§ 1o  A competência prevista nos incisos I e II, no que se refere honra e imagem das pessoas, bem como às liberdades e garantias
à classificação como ultrassecreta e secreta, poderá ser delegada individuais. 
pela autoridade responsável a agente público, inclusive em missão § 1o  As informações pessoais, a que se refere este artigo, relati-
no exterior, vedada a subdelegação.  vas à intimidade, vida privada, honra e imagem: 
§ 2o  A classificação de informação no grau de sigilo ultras- I - terão seu acesso restrito, independentemente de classificação
secreto pelas autoridades previstas nas alíneas “d” e “e” do inciso de sigilo e pelo prazo máximo de 100 (cem) anos a contar da sua
I deverá ser ratificada pelos respectivos Ministros de Estado, no data de produção, a agentes públicos legalmente autorizados e à
prazo previsto em regulamento.  pessoa a que elas se referirem; e 

Didatismo e Conhecimento 57
LEGISLAÇÃO BÁSICA
II - poderão ter autorizada sua divulgação ou acesso por ter- § 2o  Pelas condutas descritas no caput, poderá o militar ou
ceiros diante de previsão legal ou consentimento expresso da pes- agente público responder, também, por improbidade administrati-
soa a que elas se referirem.  va, conforme o disposto nas Leis nos 1.079, de 10 de abril de 1950,
§ 2o  Aquele que obtiver acesso às informações de que trata e 8.429, de 2 de junho de 1992. 
este artigo será responsabilizado por seu uso indevido.  Art. 33.  A pessoa física ou entidade privada que detiver infor-
§ 3o  O consentimento referido no inciso II do § 1o não será exigi- mações em virtude de vínculo de qualquer natureza com o poder
do quando as informações forem necessárias:  público e deixar de observar o disposto nesta Lei estará sujeita às
I - à prevenção e diagnóstico médico, quando a pessoa estiver fí- seguintes sanções: 
sica ou legalmente incapaz, e para utilização única e exclusivamente I - advertência; 
para o tratamento médico;  II - multa; 
II - à realização de estatísticas e pesquisas científicas de evidente III - rescisão do vínculo com o poder público; 
interesse público ou geral, previstos em lei, sendo vedada a identifica- IV - suspensão temporária de participar em licitação e impe-
ção da pessoa a que as informações se referirem;  dimento de contratar com a administração pública por prazo não
III - ao cumprimento de ordem judicial;  superior a 2 (dois) anos; e 
IV - à defesa de direitos humanos; ou  V - declaração de inidoneidade para licitar ou contratar com a
V - à proteção do interesse público e geral preponderante.  administração pública, até que seja promovida a reabilitação peran-
§ 4o  A restrição de acesso à informação relativa à vida privada, te a própria autoridade que aplicou a penalidade. 
honra e imagem de pessoa não poderá ser invocada com o intuito de § 1o  As sanções previstas nos incisos I, III e IV poderão ser
prejudicar processo de apuração de irregularidades em que o titular das aplicadas juntamente com a do inciso II, assegurado o direito de
informações estiver envolvido, bem como em ações voltadas para a defesa do interessado, no respectivo processo, no prazo de 10 (dez)
recuperação de fatos históricos de maior relevância.  dias. 
§ 5o  Regulamento disporá sobre os procedimentos para tratamen- § 2o  A reabilitação referida no inciso V será autorizada somen-
to de informação pessoal.  te quando o interessado efetivar o ressarcimento ao órgão ou enti-
dade dos prejuízos resultantes e após decorrido o prazo da sanção
CAPÍTULO V aplicada com base no inciso IV. 
DAS RESPONSABILIDADES § 3o  A aplicação da sanção prevista no inciso V é de competên-
cia exclusiva da autoridade máxima do órgão ou entidade pública,
Art. 32.  Constituem condutas ilícitas que ensejam responsabilida- facultada a defesa do interessado, no respectivo processo, no prazo
de do agente público ou militar:  de 10 (dez) dias da abertura de vista. 
I - recusar-se a fornecer informação requerida nos termos desta
Art. 34.  Os órgãos e entidades públicas respondem diretamente
Lei, retardar deliberadamente o seu fornecimento ou fornecê-la inten-
pelos danos causados em decorrência da divulgação não autoriza-
cionalmente de forma incorreta, incompleta ou imprecisa; 
da ou utilização indevida de informações sigilosas ou informações
II - utilizar indevidamente, bem como subtrair, destruir, inutilizar,
pessoais, cabendo a apuração de responsabilidade funcional nos
desfigurar, alterar ou ocultar, total ou parcialmente, informação que se
casos de dolo ou culpa, assegurado o respectivo direito de regresso. 
encontre sob sua guarda ou a que tenha acesso ou conhecimento em ra-
Parágrafo único.  O disposto neste artigo aplica-se à pessoa
zão do exercício das atribuições de cargo, emprego ou função pública; 
física ou entidade privada que, em virtude de vínculo de qualquer
III - agir com dolo ou má-fé na análise das solicitações de acesso
à informação;  natureza com órgãos ou entidades, tenha acesso a informação sigi-
IV - divulgar ou permitir a divulgação ou acessar ou permitir aces- losa ou pessoal e a submeta a tratamento indevido. 
so indevido à informação sigilosa ou informação pessoal; 
V - impor sigilo à informação para obter proveito pessoal ou de CAPÍTULO VI
terceiro, ou para fins de ocultação de ato ilegal cometido por si ou por DISPOSIÇÕES FINAIS E TRANSITÓRIAS
outrem; 
VI - ocultar da revisão de autoridade superior competente infor- Art. 35.  (VETADO). 
mação sigilosa para beneficiar a si ou a outrem, ou em prejuízo de § 1o  É instituída a Comissão Mista de Reavaliação de Infor-
terceiros; e  mações, que decidirá, no âmbito da administração pública federal,
VII - destruir ou subtrair, por qualquer meio, documentos concer- sobre o tratamento e a classificação de informações sigilosas e terá
nentes a possíveis violações de direitos humanos por parte de agentes competência para: 
do Estado.  I - requisitar da autoridade que classificar informação como
§ 1o  Atendido o princípio do contraditório, da ampla defesa e do ultrassecreta e secreta esclarecimento ou conteúdo, parcial ou inte-
devido processo legal, as condutas descritas no caput serão conside- gral da informação; 
radas:  II - rever a classificação de informações ultrassecretas ou se-
I - para fins dos regulamentos disciplinares das Forças Armadas, cretas, de ofício ou mediante provocação de pessoa interessada,
transgressões militares médias ou graves, segundo os critérios neles observado o disposto no art. 7o e demais dispositivos desta Lei; e 
estabelecidos, desde que não tipificadas em lei como crime ou contra- III - prorrogar o prazo de sigilo de informação classificada
venção penal; ou  como ultrassecreta, sempre por prazo determinado, enquanto o seu
II - para fins do disposto na Lei no 8.112, de 11 de dezembro de acesso ou divulgação puder ocasionar ameaça externa à soberania
1990, e suas alterações, infrações administrativas, que deverão ser nacional ou à integridade do território nacional ou grave risco às
apenadas, no mínimo, com suspensão, segundo os critérios nela relações internacionais do País, observado o prazo previsto no §
estabelecidos.  1o do art. 24. 

Didatismo e Conhecimento 58
LEGISLAÇÃO BÁSICA
§ 2o  O prazo referido no inciso III é limitado a uma única III - recomendar as medidas indispensáveis à implementação
renovação.  e ao aperfeiçoamento das normas e procedimentos necessários ao
§ 3o  A revisão de ofício a que se refere o inciso II do § 1o de- correto cumprimento do disposto nesta Lei; e 
verá ocorrer, no máximo, a cada 4 (quatro) anos, após a reavaliação IV - orientar as respectivas unidades no que se refere ao cum-
prevista no art. 39, quando se tratar de documentos ultrassecretos primento do disposto nesta Lei e seus regulamentos. 
ou secretos.  Art. 41.  O Poder Executivo Federal designará órgão da admi-
§ 4o  A não deliberação sobre a revisão pela Comissão Mista nistração pública federal responsável: 
de Reavaliação de Informações nos prazos previstos no § 3o impli- I - pela promoção de campanha de abrangência nacional de
cará a desclassificação automática das informações.  fomento à cultura da transparência na administração pública e
§ 5o  Regulamento disporá sobre a composição, organização conscientização do direito fundamental de acesso à informação; 
e funcionamento da Comissão Mista de Reavaliação de Informa- II - pelo treinamento de agentes públicos no que se refere ao
ções, observado o mandato de 2 (dois) anos para seus integrantes e desenvolvimento de práticas relacionadas à transparência na admi-
demais disposições desta Lei.  (Regulamento) nistração pública; 
Art. 36.  O tratamento de informação sigilosa resultante de III - pelo monitoramento da aplicação da lei no âmbito da ad-
tratados, acordos ou atos internacionais atenderá às normas e reco- ministração pública federal, concentrando e consolidando a publi-
mendações constantes desses instrumentos.  cação de informações estatísticas relacionadas no art. 30; 
Art. 37.  É instituído, no âmbito do Gabinete de Segurança IV - pelo encaminhamento ao Congresso Nacional de relató-
Institucional da Presidência da República, o Núcleo de Segurança rio anual com informações atinentes à implementação desta Lei. 
e Credenciamento (NSC), que tem por objetivos:  (Regulamento) Art. 42.  O Poder Executivo regulamentará o disposto nesta
I - promover e propor a regulamentação do credenciamento Lei no prazo de 180 (cento e oitenta) dias a contar da data de sua
de segurança de pessoas físicas, empresas, órgãos e entidades para publicação. 
tratamento de informações sigilosas; e  Art. 43.  O inciso VI do art. 116 da Lei no 8.112, de 11 de de-
II - garantir a segurança de informações sigilosas, inclusive zembro de 1990, passa a vigorar com a seguinte redação: 
aquelas provenientes de países ou organizações internacionais “Art. 116.  ...................................................................
com os quais a República Federativa do Brasil tenha firmado trata- ............................................................................................ 
do, acordo, contrato ou qualquer outro ato internacional, sem pre- VI - levar as irregularidades de que tiver ciência em razão do
juízo das atribuições do Ministério das Relações Exteriores e dos cargo ao conhecimento da autoridade superior ou, quando houver
demais órgãos competentes. 
suspeita de envolvimento desta, ao conhecimento de outra autori-
Parágrafo único.  Regulamento disporá sobre a composição,
dade competente para apuração;
organização e funcionamento do NSC. 
.................................................................................” (NR) 
Art. 38.  Aplica-se, no que couber, a Lei no 9.507, de 12 de
Art. 44.  O Capítulo IV do Título IV da Lei no 8.112, de 1990,
novembro de 1997, em relação à informação de pessoa, física ou
passa a vigorar acrescido do seguinte art. 126-A: 
jurídica, constante de registro ou banco de dados de entidades go-
“Art. 126-A. Nenhum servidor poderá ser responsabilizado ci-
vernamentais ou de caráter público. 
vil, penal ou administrativamente por dar ciência à autoridade su-
Art. 39.  Os órgãos e entidades públicas deverão proceder à
reavaliação das informações classificadas como ultrassecretas e perior ou, quando houver suspeita de envolvimento desta, a outra
secretas no prazo máximo de 2 (dois) anos, contado do termo ini- autoridade competente para apuração de informação concernente
cial de vigência desta Lei.  à prática de crimes ou improbidade de que tenha conhecimento,
§ 1o  A restrição de acesso a informações, em razão da reava- ainda que em decorrência do exercício de cargo, emprego ou fun-
liação prevista no caput, deverá observar os prazos e condições ção pública.” 
previstos nesta Lei.  Art. 45.  Cabe aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municí-
§ 2o  No âmbito da administração pública federal, a reavalia- pios, em legislação própria, obedecidas as normas gerais estabele-
ção prevista no caput poderá ser revista, a qualquer tempo, pela cidas nesta Lei, definir regras específicas, especialmente quanto ao
Comissão Mista de Reavaliação de Informações, observados os disposto no art. 9o e na Seção II do Capítulo III. 
termos desta Lei. Art. 46.  Revogam-se: 
§ 3o  Enquanto não transcorrido o prazo de reavaliação previs- I - a Lei no 11.111, de 5 de maio de 2005; e 
to no caput, será mantida a classificação da informação nos termos II - os arts. 22 a 24 da Lei no 8.159, de 8 de janeiro de 1991. 
da legislação precedente.  Art. 47.  Esta Lei entra em vigor 180 (cento e oitenta) dias
§ 4o  As informações classificadas como secretas e ultrassecre- após a data de sua publicação.  
tas não reavaliadas no prazo previsto no caput serão consideradas, Brasília, 18 de novembro de 2011; 190o da Independência e
automaticamente, de acesso público.  123  da República.  
o

Art. 40.  No prazo de 60 (sessenta) dias, a contar da vigência


desta Lei, o dirigente máximo de cada órgão ou entidade da admi-
nistração pública federal direta e indireta designará autoridade que
lhe seja diretamente subordinada para, no âmbito do respectivo
órgão ou entidade, exercer as seguintes atribuições: 
I - assegurar o cumprimento das normas relativas ao acesso a
informação, de forma eficiente e adequada aos objetivos desta Lei; 
II - monitorar a implementação do disposto nesta Lei e apre-
sentar relatórios periódicos sobre o seu cumprimento; 

Didatismo e Conhecimento 59
LEGISLAÇÃO BÁSICA
I - ser tratado com respeito pelas autoridades e servidores, que
LEIS ESTADUAIS E SUAS deverão facilitar o exercício de seus direitos e o cumprimento de
suas obrigações;
ATUALIZAÇÕES: LEI 7692/2002 II - ter ciência da tramitação dos processos administrativos
em que tenha a condição de interessado, ter vista dos autos, obter
cópias de documentos neles contidos e conhecer as decisões profe-
ridas;
LEI N° 7.692, DE 1º DE JULHO DE 2002 - D.O. 1º.07.02. III - formular alegações e apresentar documentos antes da de-
cisão, os quais serão objeto de consideração do órgão competente;
Regula o processo administrativo no âmbito da Adminis- IV - fazer-se assistir, facultativamente, por advogado, salvo
tração Pública Estadual. quando obrigatória a representação, por força de lei.

O GOVERNADOR DO ESTADO DE MATO GROSSO, CAPÍTULO II


tendo em vista o que dispõe o Art. 42 da Constituição Estadual, DOS DEVERES DO ADMINISTRADO
sanciona a seguinte lei:
Art. 7º São deveres do administrado perante a Administração
TÍTULO I Pública Estadual, sem prejuízo de outros previstos em lei:
DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES I - expor os fatos conforme a verdade;
II - prestar as informações que lhe sejam solicitadas e colaborar
Art. 1º Esta lei regula os atos e procedimentos administrativos para o esclarecimento dos fatos;
da Administração Pública centralizada e descentralizada do Estado III - proceder com urbanidade, lealdade e boa-fé;
de Mato Grosso, que não tenham disciplina legal específica. IV - não agir de modo temerário.
§ 1º Para os fins desta lei, consideram-se:
I - órgão: unidade de atuação integrante da estrutura da Admi- TÍTULO IV
nistração direta; DOS INTERESSADOS
II - entidade: a unidade de atuação dotada de personalidade
jurídica, integrante da Administração indireta; Art. 8º São legitimados como interessados para os fins de pro-
III - autoridade: o servidor ou agente público dotado de poder cesso administrativo estadual:
de decisão. I - as pessoas físicas ou jurídicas que o iniciem como titulares
§ 2º Considera-se integrante da Administração descentralizada de direitos ou interesses individuais ou no exercício do direito de
representação;
estadual toda pessoa jurídica controlada ou mantida, direta ou in-
II - aqueles que, sem terem iniciado o processo, têm direitos ou
diretamente, pelo Poder Público estadual, seja qual for seu regime
interesses que possam ser afetados pela decisão a ser adotada;
jurídico.
III - as organizações e associações representativas, no tocante a
Art. 2º As normas desta lei aplicam-se subsidiariamente aos
direitos ou interesses coletivos;
atos e procedimentos administrativos com disciplina legal específi-
IV - as pessoas ou as associações legalmente constituídas quan-
ca, observada a hierarquia das normas jurídicas..
to a direitos ou interesses difusos.
Art. 3º Os prazos fixados em normas legais específicas preva-
Art. 9º São capazes, para fins de processo administrativo esta-
lecem sobre os desta lei. dual, os maiores de 18 (dezoito) anos, ressalvada previsão especial
em lei.
TÍTULO II
DOS PRINCÍPIOS DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA TÍTULO V
ESTADUAL DA COMPETÊNCIA
Art. 4º A Administração Pública Estadual obedecerá, dentre Art. 10 Competência é a fração do poder político autônomo do
outros, aos princípios da legalidade, impessoalidade, moralidade, Estado, conferida pela Constituição ou pela lei como própria e irre-
publicidade, eficiência, motivação, finalidade, razoabilidade, pro- nunciável dos órgãos administrativos, salvo os casos de delegação e
porcionalidade, ampla defesa, contraditório e segurança jurídica. avocação legalmente admitidos.
Art. 5º A norma administrativa deve ser interpretada e aplica- Art. 11 Um órgão administrativo, através de seu titular poderá,
da de forma que melhor garanta a realização do interesse público a se não houver impedimento legal, delegar parte da sua competência
que se dirige. a outros órgãos, quando for conveniente, em razão de circunstâncias
de índole técnica, social, econômica, jurídica ou territorial.
TÍTULO III Parágrafo único O órgão colegiado não pode delegar suas fun-
DOS DIREITOS E DEVERES DO ADMINISTRADO ções, mas apenas a execução material de suas deliberações.
CAPÍTULO I Art. 12 Não podem ser objeto de delegação:
DOS DIREITOS DO ADMINISTRADO I - a competência para edição de atos normativos que regulam
direitos e deveres dos administrados;
Art. 6º O administrado tem os seguintes direitos perante a II - as atribuições inerentes ao caráter político da autoridade;
Administração Pública Estadual, sem prejuízo de outros que lhe III - as atribuições recebidas por delegação, salvo autorização
sejam assegurados por lei: expressa e na forma por ela determinada;

Didatismo e Conhecimento 60
LEGISLAÇÃO BÁSICA
IV - a totalidade da competência do órgão; CAPÍTULO II
V - as competências essenciais do órgão que justifiquem sua DA FORMALIZAÇÃO DOS ATOS ADMINISTRATIVOS
existência;
VI - a decisão de recursos administrativos. Art. 21 Os atos administrativos, produzidos por escrito, in-
Art. 13 O ato de delegação e sua revogação deverão ser publi- dicarão a data e o local de sua edição e conterão a identificação
cados no Diário Oficial do Estado de Mato Grosso. nominal, funcional e a assinatura da autoridade responsável.
§ 1º O ato de delegação especificará as matérias e poderes Art. 22 Os atos de conteúdo normativo e os de caráter geral
transferidos, os limites da atuação do delegado, a duração e os serão numerados em séries específicas, seguidamente, sem reno-
objetivos da delegação, podendo conter ressalva de exercício de vação anual.
atribuição delegada. Art. 23 Os regulamentos serão editados por decreto, observa-
§ 2º O ato de delegação é revogável a qualquer tempo pela das as seguintes regras:
autoridade delegante. I - nenhum regulamento poderá ser editado sem base em lei,
§ 3º As decisões adotadas por delegação devem mencionar nem prever infrações, sanções, deveres ou condicionamentos de
explicitamente esta qualidade e considerar-se como editadas pelo direitos nela não estabelecidos;
delegado. II - os decretos serão referendados pelos Secretários de Estado
Art. 14 Será permitida, em caráter excepcional e por moti- em cuja área de atuação devam incidir, ou pelo Procurador-Geral
vos relevantes devidamente justificados, a avocação temporária de do Estado, quando for o caso;
competência atribuída a órgão hierarquicamente inferior. III - nenhum decreto regulamentar será editado a consideração
Art. 15 Inexistindo competência legal específica, o processo dos motivos que demonstre o fundamento legal de sua edição, a
administrativo deverá ser iniciado perante a autoridade de menor finalidade das medidas adotadas e a extensão de seus efeitos;
grau hierárquico para decidir. IV - as minutas de regulamento serão obrigatoriamente sub-
metidas ao órgão jurídico competente e, posteriormente, à Procu-
TÍTULO VI radoria-Geral do Estado, antes de sua apreciação pelo Governador
do Estado.
DOS IMPEDIMENTOS E DA SUSPEIÇÃO
CAPÍTULO III
Art. 16 É impedido de exercer suas competências em proces-
DA REVOGAÇÃO, INVALIDAÇÃO E CONVALIDAÇÃO
so administrativo o servidor ou autoridade que:
DOS ATOS ADMINISTRATIVOS
I - tenha interesse direto ou indireto na matéria;
Seção I
II - tenha participado ou venha a participar como perito, tes-
Disposição Preliminar
temunha ou representante, ou se tais situações ocorrem quanto ao
cônjuge, companheiro, ou qualquer parente seu, consanguíneo ou Art. 24 A Administração Pública Estadual deve anular seus
afim, em linha reta, ou na linha colateral até o terceiro grau; próprios atos, quando eivados de vício de legalidade e pode revo-
III - esteja litigando judicial ou administrativamente com o in- gá-los por motivo de conveniência ou oportunidade, respeitados os
teressado ou respectivo cônjuge, companheiro, ou qualquer paren- direitos adquiridos, sempre assegurando a ampla defesa e o con-
te seu, consanguíneo ou afim, em linha reta, ou na linha colateral traditório.
até o terceiro grau. Parágrafo único Os atos que apresentem defeitos sanáveis
Art. 17 A autoridade ou servidor que incorrer em impedimen- poderão ser convalidados pela própria Administração Pública Es-
to deve comunicar o fato à autoridade competente, abstendo-se de tadual, em decisão na qual se evidencie não acarretarem lesão ao
exercer suas competências. interesse público nem prejuízo a terceiros.
Parágrafo único A omissão do dever de comunicar o impedi-
mento constitui falta grave para efeitos disciplinares. Seção II
Art. 18 Pode ser arguida a suspeição de autoridade ou servi- Da Invalidação dos Atos Administrativos
dor que tenha amizade íntima ou inimizade capital com algum dos
interessados, ou com os respectivos cônjuges, companheiros, ou Art. 25 São inválidos os atos administrativos que desatendam
qualquer parente seu, consanguíneo ou afim, em linha reta, ou na os princípios da Administração Pública Estadual e os pressupostos
linha colateral até o terceiro grau. legais e regulamentares de sua edição, especialmente nos casos de:
Art. 19 O indeferimento de alegação de suspeição poderá ser I - incompetência do órgão, entidade ou autoridade de que
objeto de recurso sem efeito suspensivo. emane;
II - ilicitude, impossibilidade, incerteza ou imoralidade do ob-
TÍTULO VII jeto;
DOS ATOS ADMINISTRATIVOS III - omissão de formalidades ou procedimentos essenciais;
CAPÍTULO I IV - inexistência ou impropriedade do motivo de fato ou de
DISPOSIÇÃO PRELIMINAR direito;
V - falta ou insuficiência de motivação;
Art. 20 A Administração Pública Estadual não iniciará qual- VI - desvio de poder;
quer atuação material relacionada com a esfera jurídica dos parti- VII - desvio de finalidade.
culares sem a prévia expedição do ato administrativo que lhe sirva Parágrafo único Nos atos discricionários, será razão de inva-
de fundamento, salvo na hipótese de expressa previsão legal. lidade a falta de correlação lógica entre o motivo e o objeto do ato,
tendo em vista sua finalidade.

Didatismo e Conhecimento 61
LEGISLAÇÃO BÁSICA
Art. 26 O direito de a Administração Pública Estadual inva- TÍTULO VIII
lidar os atos administrativos de que decorram efeitos favoráveis DOS PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS
para os destinatários decai em 10 (dez) anos, contados da data em CAPÍTULO I
que foram praticados, salvo comprovada má fé. NORMAS GERAIS
§ 1º No caso de efeitos patrimoniais contínuos, o prazo de Seção I
decadência contar-se-á da percepção do primeiro pagamento. Do Direito de Petição
§ 2º Considera-se exercício do direito de anular qualquer me-
dida da autoridade administrativa que importe impugnação à va- Art. 31 Fica assegurado a qualquer pessoa, física ou jurídica,
lidade do ato. independentemente de pagamento, o direito de petição para defesa
de direitos, bem como contra ilegalidade ou abuso de poder.
Seção III Parágrafo único As associações, quando expressamente au-
Da Convalidação dos Atos Administrativos torizadas por seus estatutos ou por ato especial, e os sindicatos
poderão exercer o direito de petição, em defesa dos direitos e inte-
Art. 27 A Administração Pública Estadual poderá convalidar resses coletivos ou individuais de seus membros.
seus atos inválidos, quando a invalidade decorrer de vício de com- Art. 32 Em nenhuma hipótese, a Administração Pública Esta-
petência ou de ordem formal desde que: dual poderá recusar-se a protocolar a petição, sob pena de respon-
I - na hipótese de vício de competência, a convalidação seja sabilidade do agente.
feita pela autoridade titulada para a prática do ato e não se trate de
competência indelegável; Seção II
II - na hipótese de vício formal, este possa ser suprimido de Da Forma, Tempo e Lugar dos Atos do Processo Adminis-
modo eficaz. trativo
Parágrafo único Não será admitida a convalidação quando
dela resultar prejuízo à Administração Pública Estadual ou a ter- Art. 33 Os atos do processo administrativo não dependem de
ceiros ou quando se tratar de ato impugnado. forma determinada, senão quando a lei expressamente a exigir.
§ 1º Salvo imposição legal, o reconhecimento de firma somen-
CAPÍTULO IV te será exigido quando houver fundada dúvida de autenticidade.
DA PUBLICIDADE DOS ATOS ADMINISTRATIVOS § 2º A autenticação de documentos exigidos em cópia poderá
ser feita pelo órgão administrativo.
Art. 28 Os atos administrativos, inclusive os de caráter geral, § 3º O processo deverá ter suas páginas numeradas sequen-
entrarão em vigor na data de sua publicação, salvo disposição ex- cialmente e rubricadas.
pressa em contrário. Art. 34 Os atos do processo devem realizar-se em dias úteis,
Art. 29 Salvo norma expressa em contrário, a publicidade dos no horário normal de funcionamento da repartição na qual tramitar
atos administrativos consistirá em sua publicação no Diário Ofi- o processo.
cial do Estado de Mato Grosso, ou, quando for o caso, na citação Art. 35 Os atos do processo devem realizar-se preferencial-
ou intimação do interessado. mente na sede do órgão, cientificando-se o interessado, quando
Parágrafo único A publicação dos atos sem conteúdo norma- imprescindível sua presença, se outro for o local de realização.
tivo poderá ser resumida.
Seção III
CAPÍTULO V Dos Prazos
DO PRAZO PARA PRODUÇÃO DOS
ATOS ADMINISTRATIVOS Art. 36 Quando outros não estiverem previstos nesta lei ou
em disposições especiais, serão obedecidos os seguintes prazos
Art. 30 Será de 30 (trinta) dias, se outra não for a determina- máximos nos procedimentos administrativos:
ção legal, o prazo máximo para a prática de atos administrativos I - para autuação, juntada aos autos, publicação e outras provi-
isolados, que não exijam procedimentos especiais para sua prola- dências de mero expediente: 02 (dois) dias;
ção ou para sua adoção pela autoridade pública, de outras provi- II - para expedição de intimação pessoal: 05 (cinco) dias;
dências necessárias à aplicação de lei, ato normativo ou decisão III - para elaboração e apresentação de informes sem caráter
administrativa. técnico ou jurídico: 05 (cinco) dias;
§ 1º O prazo fluirá a partir do momento em que, à vista das IV - para elaboração e apresentação de pareceres ou informes
circunstâncias, tornar-se logicamente possível a produção do ato de caráter técnico ou jurídico: 15 (quinze) dias;
ou a adoção da medida. V - para manifestações do particular ou providências a seu
§ 2º Os prazos previstos neste artigo poderão ser, caso a caso, cargo: 05 (cinco) dias;
prorrogados uma vez, por igual período, pela autoridade compe- VI - para decisões no curso do procedimento: 05 (cinco) dias;
tente, à vista de representação fundamentada do agente responsá- VII - para decisão final: 20 (vinte) dias;
vel por seu cumprimento. VIII - para outras providências da Administração Pública Es-
tadual: 05 (cinco) dias.
§ 1º O prazo fluirá a partir do momento em que, à vista das
circunstâncias, tornar-se logicamente possível a produção do ato
ou a adoção da providência.

Didatismo e Conhecimento 62
LEGISLAÇÃO BÁSICA
§ 2º Os prazos previstos neste artigo poderão ser, caso a caso, Art. 42 Ao advogado fica assegurado o direito de retirar os
prorrogados uma vez, por igual período, pela autoridade compe- autos da repartição, mediante recibo, durante o prazo para mani-
tente, à vista de representação fundamentada do agente responsá- festação de seu constituinte, salvo na hipótese de prazo comum.
vel por seu cumprimento.
Art. 37 O prazo máximo para decisão de requerimentos de CAPÍTULO II
qualquer espécie apresentados à Administração Pública Estadual DO INÍCIO DO PROCESSO
será de 120 (cento e vinte) dias, se outro não for legalmente esta-
belecido. Art. 43 O processo administrativo pode iniciar-se de ofício ou
§ 1º Ultrapassado o prazo sem decisão, o interessado poderá a pedido de interessado.
considerar rejeitado o requerimento na esfera administrativa, salvo Art. 44 O requerimento inicial do interessado deve ser formu-
previsão legal em contrário. lado por escrito e conter os seguintes dados:
§ 2º Quando a complexidade da questão envolvida não per- I - órgão ou autoridade administrativa a que se dirige;
mitir o atendimento do prazo previsto neste artigo, a autoridade II - identificação do interessado e de quem o represente, sendo
cientificará o interessado das providências até então tomadas, sem o caso;
prejuízo do disposto no parágrafo anterior. III - domicílio do requerente ou local para recebimento de co-
§ 3º O disposto no § 1º deste artigo não desonera a autoridade municações;
do dever de apreciar o requerimento. IV - formulação do pedido, com exposição dos fatos e de seus
fundamentos;
Seção IV V - data e assinatura do requerente ou de seu representante.
Da Publicidade Parágrafo único É vedada à Administração Pública Estadual a
recusa de recebimento de documentos, devendo o servidor orientar
Art. 38 No curso de qualquer procedimento administrativo, o interessado quanto ao suprimento de eventuais falhas.
as citações e intimações, quando feitas pessoalmente ou por carta Art. 45 Os órgãos e entidades administrativas deverão elaborar
com aviso de recebimento, observarão as seguintes regras: modelos ou formulários padronizados para assuntos que importem
I - constitui ônus do requerente informar seu endereço para pretensões equivalentes.
correspondência, bem como alterações posteriores; Art. 46 Quando os pedidos de uma pluralidade de interessados
II - considera-se efetivada a intimação por carta com sua en- tiverem conteúdo e fundamentos idênticos, poderão ser formulados
trega no endereço fornecido pelo interessado; em um único requerimento, salvo preceito legal em contrário.
III - na citação e intimação pessoal, caso o destinatário se re-
cuse a assinar o comprovante de recebimento, o servidor encarre- CAPÍTULO III
gado certificará a entrega e a recusa; DA INSTRUÇÃO DO PROCESSO
IV - quando o particular estiver representado nos autos por
procurador, a este serão dirigidas as intimações, salvo disposição Art. 47 As atividades de instrução destinadas a averiguar e
expressa em contrário. comprovar os dados necessários à tomada de decisão realizam-se de
Art. 39 A intimação deverá conter: ofício, sem prejuízo do direito dos interessados de propor atuações
I - a identificação do intimado e nome do órgão ou entidade probatórias.
administrativa; § 1º O órgão competente para a instrução fará constar dos autos
II - finalidade da intimação; os dados necessários à decisão do processo.
III - indicação dos fatos e fundamentos legais pertinentes; § 2º Os atos de instrução que exijam a atuação dos interessados
IV - informação da continuidade do processo independente- devem realizar-se do modo menos oneroso para estes.
mente do seu comparecimento; Art. 48 O órgão ou entidade da Administração Pública Estadual
V - se necessário, data, hora e local em que deve comparecer. que necessitar de informações de outro, para instrução de procedi-
§ 1º A intimação pode ser efetuada por ciência no processo, mento administrativo, poderá requisitá-las diretamente sem obser-
por via postal com aviso de recebimento, por telegrama ou por vância da vinculação hierárquica, mediante ofício, do qual uma có-
outro meio que assegure a certeza da ciência do interessado. pia será juntada aos autos.
§ 2º No caso de interessados indeterminados, desconhecidos Art. 49 Durante a instrução, os autos do procedimento adminis-
ou com domicílio indefinido, a intimação deve ser feita por meio trativo permanecerão na repartição competente.
de publicação no Diário Oficial do Estado de Mato Grosso. Art. 50 Quando a matéria do processo envolver assunto de in-
§ 3º As intimações serão nulas quando feitas sem observância teresse geral, a autoridade competente poderá, mediante despacho
das prescrições legais, mas o comparecimento do administrado su- motivado, abrir período de consulta pública para manifestação de
pre sua falta ou irregularidade. terceiros, antes da decisão do pedido, se não houver prejuízo para a
Art. 40 O desatendimento à intimação não importa o reco- parte interessada.
nhecimento da verdade dos fatos, nem a renúncia a direito pelo § 1º A abertura da consulta pública será objeto de divulgação
administrado. pelos meios oficiais, a fim de que as pessoas físicas ou jurídicas
Parágrafo único No prosseguimento do processo administra- possam examinar os autos, fixando-se prazo para oferecimento de
tivo, será garantido direito de ampla defesa ao interessado. alegações escritas.
Art. 41 Devem ser objeto de intimação os atos do processo § 2º O comparecimento à consulta pública não confere, por si,
que resultem para o interessado em imposição de deveres, ônus, a condição de interessado no processo, mas confere o direito de ob-
sanções ou restrição ao exercício de direitos e atividades e atos de ter da Administração Pública Estadual resposta fundamentada, que
outra natureza, de seu interesse. poderá ser comum a todas as alegações substancialmente escritas.

Didatismo e Conhecimento 63
LEGISLAÇÃO BÁSICA
Art. 51 Antes da tomada de decisão, a juízo da autoridade, Art. 64 A motivação indicará as razões que justifiquem a edi-
diante da relevância da questão, poderá ser realizada audiência pú- ção do ato, especialmente a regra de competência, os fundamentos
blica para debates sobre a matéria do processo. de fato e de direito e a finalidade objetivada.
Art. 52 Os órgãos e entidades administrativas, em matéria re- § 1º A motivação do ato no procedimento administrativo po-
levante, poderão estabelecer outros meios de participação de admi- derá consistir em declaração de concordância com fundamentos de
nistrados, diretamente ou por meio de organizações e associações anteriores pareceres, informações, propostas ou decisões, que, nes-
legalmente constituídas. te caso, serão parte integrante do ato.
Art. 53 Os resultados da consulta, da audiência pública e de § 2º Na solução de vários assuntos da mesma natureza, pode
outros meios de participação de administrados deverão ser apre- ser utilizado meio mecânico que reproduza os fundamentos das de-
sentados com a indicação do procedimento adotado. cisões, desde que não prejudique direito ou garantia dos interessa-
Art. 54 Quando necessária à instrução do processo, a au- dos.
diência de outros órgãos ou entidades administrativas poderá ser § 3º A motivação das decisões de órgãos colegiados e comis-
realizada em reunião conjunta, com a participação de titulares ou sões ou de decisões orais constará da respectiva ata ou de termo
representantes dos órgãos competentes, lavrando-se a respectiva escrito.
ata, a ser juntada aos autos.
Art. 55 Cabe ao interessado a prova dos fatos que tenha ale- CAPÍTULO V
gado, sem prejuízo do dever atribuído ao órgão competente para a DA EXTINÇÃO DO PROCESSO
instrução e do disposto no artigo seguinte desta lei.
Art. 56 Quando o interessado declarar que fatos e dados estão Art. 65 O interessado poderá, mediante manifestação escrita,
registrados em documentos existentes no próprio órgão ou entida- desistir total ou parcialmente do pedido formulado ou, ainda, re-
de administrativa responsável pelo processo, o órgão competente nunciar a direitos disponíveis.
para a instrução providenciará, de ofício, a obtenção dos documen- § 1º Havendo vários interessados, a desistência ou renúncia
tos ou das respectivas cópias. atinge somente quem a tenha formulado.
Art. 57 O interessado poderá, na fase instrutória e antes da § 2º A desistência ou renúncia do interessado, conforme o caso,
tomada da decisão, juntar documentos e pareceres, requerer dili- não prejudica o prosseguimento do processo, se a Administração
gências e perícias, bem como aduzir alegações referentes à matéria Pública Estadual considerar que o interesse público assim o exige.
objeto do processo. Art. 66 O órgão competente poderá declarar extinto o processo
quando exaurida sua finalidade ou o objeto da decisão se tornar
§ 1º Os elementos probatórios deverão ser considerados na
impossível, inútil ou prejudicado por fato superveniente.
motivação do relatório e da decisão.
§ 2º Somente poderão ser recusadas, mediante decisão fun-
TÍTULO IX
damentada, as provas propostas pelos interessados quando sejam
DOS RECURSOS
ilícitas, impertinentes, desnecessárias ou protelatórias.
CAPÍTULO I
Art. 58 Quando for necessária a prestação de informações
DISPOSIÇÃO PRELIMINAR
ou a apresentação de provas pelos interessados ou terceiros, serão
expedidas intimações para esse fim, mencionando-se data, prazo, Art. 67 Das decisões administrativas cabe recurso, por razões
forma e condições de atendimento. de legalidade e de mérito.
Art. 59 Quando a apresentação das provas solicitadas aos Art. 68 São irrecorríveis, na esfera administrativa, os atos de
interessados for necessária à apreciação de pedido formulado, o mero expediente ou preparatórios de decisões.
não-atendimento no prazo fixado pela Administração Pública Es- Art. 69 Contra decisões tomadas originariamente pelo Gover-
tadual para a respectiva apresentação implicará arquivamento do nador do Estado, caberá pedido de reconsideração, que não poderá
processo. ser renovado, observando-se, no que couber, o regime do recurso
Art. 60 Encerrada a instrução, o interessado terá o direito de previsto no art. 67.
manifestar-se no prazo máximo de 10 (dez) dias, salvo outro prazo Parágrafo único O pedido de reconsideração só será admitido
legalmente fixado. se contiver novos argumentos, e será sempre dirigido à autoridade
Art. 61 Em caso de risco iminente, a Administração Pública que houver expedido o ato ou proferido a decisão.
Estadual poderá motivadamente adotar providências acauteladoras
sem a prévia manifestação do interessado. CAPÍTULO II
Art. 62 O órgão de instrução que não for competente para DA LEGITIMIDADE PARA RECORRER
emitir a decisão final elaborará relatório indicando o pedido ini-
cial, o conteúdo das fases do procedimento e formulará proposta Art. 70 Têm legitimidade para interpor recurso administrativo
de decisão, objetivamente justificada, encaminhando o processo à os interessados citados no art. 8º desta lei, desde que prejudicados
autoridade competente. pela decisão.

CAPÍTULO IV CAPÍTULO III


DA DECISÃO DO PROCESSO DA COMPETÊNCIA PARA CONHECER DO RECURSO

Art. 63 A Administração Pública Estadual tem o dever de Art. 71 Quando norma legal não dispuser de outro modo, será
emitir decisão nos processos administrativos, em matéria de sua competente para conhecer do recurso a autoridade imediatamente
competência. superior àquela que praticou o ato.

Didatismo e Conhecimento 64
LEGISLAÇÃO BÁSICA
Art. 72 Salvo disposição legal em contrário, a instância má- V - a autoridade recorrida poderá reconsiderar seu ato, nos
xima para o recurso administrativo será: 05 (cinco) dias subsequentes;
I - na Administração centralizada, o Secretário de Estado ou VI - mantido o ato, os autos serão encaminhados à autoridade
autoridade a ele equiparada, excetuados os casos em que o ato competente para conhecer do recurso, para decisão, em 30 (trinta)
tenha sido praticado originariamente; dias.
II - na Administração descentralizada, o dirigente superior § 1º As decisões previstas nos incisos II, V e VI serão encami-
da pessoa jurídica. nhadas, em 02 (dois) dias, à publicação no Diário Oficial do Estado
de Mato Grosso.
CAPÍTULO IV § 2º Da decisão prevista no inciso II, não caberá recurso na
DOS REQUISITOS DA PETIÇÃO DE RECURSO esfera administrativa.
Art. 79 Os recursos dirigidos diretamente ao Governador do
Art. 73 O recurso interpõe-se por meio de requerimento no Estado de Mato Grosso serão, previamente, submetidos à Procu-
qual o recorrente deverá expor os fundamentos do pedido de ree- radoria-Geral do Estado, para parecer, a ser apresentado no prazo
xame, podendo juntar os documentos que julgar convenientes. máximo de 15 (quinze) dias.
Art. 74 A petição de recurso observará os seguintes requi- Art. 80 O recurso não será conhecido quando interposto:
sitos: I - fora do prazo;
I - será dirigida à autoridade recorrida e protocolada no ór- II - perante órgão incompetente;
gão a que esta pertencer; III - por quem não seja legitimado;
II - trará a indicação do nome, qualificação e endereço do IV - depois de exaurida a esfera administrativa.
recorrente; § 1º Na hipótese do inciso II, será indicada ao recorrente a auto-
III - conterá exposição das razões de inconformidade; ridade competente, sendo-lhe devolvido o prazo para recurso.
IV - conterá o pedido de nova decisão. § 2º O não-conhecimento do recurso não impede a Administra-
Art. 75 Salvo disposição legal em contrário, o prazo para ção Pública Estadual de rever de ofício o ato ilegal, desde que não
apresentação de recurso ou pedido de reconsideração será de 15 ocorrida a hipótese prevista no art. 26.
(quinze) contados da publicação ou intimação do ato.
§ 1º Quando a lei não fixar prazo diferente, o recurso admi- CAPÍTULO VII
nistrativo deverá ser decidido no prazo máximo de 30 (trinta) DA DECISÃO DOS RECURSOS
dias, a partir do recebimento dos autos pelo órgão competente.
§ 2º O prazo mencionado no parágrafo anterior poderá ser Art. 81 O órgão competente para decidir o recurso poderá con-
prorrogado por igual período, mediante justificativa explícita. firmar, modificar, anular ou revogar, total ou parcialmente, a decisão
Art. 76 Conhecer-se-á do recurso erroneamente designado, recorrida, se a matéria for de sua competência.
quando de seu conteúdo resultar induvidosa a impugnação do Art. 82 A decisão de recurso não poderá, no mesmo procedi-
ato. mento, agravar a restrição produzida pelo ato ao interesse do recor-
rente, salvo em casos de invalidação.
CAPÍTULO V Art. 83 Ultrapassado, sem decisão, o prazo de 120 (cento e
DOS EFEITOS DOS RECURSOS vinte) dias contado do protocolo do recurso que tramite sem efei-
to suspensivo, o recorrente poderá considerá-lo rejeitado na esfera
Art. 77 Salvo disposição legal em contrário, o recurso não administrativa.
tem efeito suspensivo. § 1º No caso do pedido de reconsideração previsto no art. 69, o
Parágrafo único Havendo justo receio de prejuízo de di- prazo para a decisão será de 90 (noventa) dias.
fícil ou incerta reparação decorrente da execução, a autoridade § 2º O disposto neste artigo não desonera a autoridade do dever
recorrida ou a imediatamente superior poderá, de ofício ou a de apreciar o recurso.
pedido, dar efeito suspensivo ao recurso. Art. 84 Os processos administrativos de que resultem sanções
poderão ser revistos, a qualquer tempo, a pedido ou de ofício, quan-
CAPÍTULO VI do surgirem fatos novos ou circunstâncias relevantes suscetíveis de
DA TRAMITAÇÃO DOS RECURSOS justificar a inadequação da sanção aplicada.
Parágrafo único Da revisão do processo não poderá resultar
Art. 78 A tramitação dos recursos observará as seguintes agravamento da sanção.
regras: Art. 85 Esgotados os recursos, a decisão final tomada em pro-
I - a petição será juntada aos autos em 02 (dois) dias, conta- cedimento administrativo formalmente regular não poderá ser mo-
dos da data de seu protocolo; dificada pela Administração Pública Estadual, salvo por invalidação
II - requerida a concessão de efeito suspensivo, a autoridade ou revisão, ou quando o ato, por sua natureza, for revogável.
recorrida apreciará o pedido nos 05 (cinco) dias subsequentes;
III - havendo outros interessados representados nos autos, TÍTULO X
que possam ser prejudicados pela nova decisão, serão estes inti- DAS DISPOSIÇÕES FINAIS
mados, com prazo comum de 15 (quinze) dias, para oferecimen-
to de contrarrazões; Art. 86 O descumprimento injustificado, pela Administração Pú-
IV - com ou sem contrarrazões, os autos serão submetidos blica Estadual, dos prazos previstos nesta lei gera responsabilidade
ao órgão jurídico, para elaboração de parecer, no prazo de 15 disciplinar, imputável aos agentes públicos encarregados do assunto,
(quinze) dias; não implicando, necessariamente, em invalidação do procedimento.

Didatismo e Conhecimento 65
LEGISLAÇÃO BÁSICA
§ 1º Respondem também os superiores hierárquicos que se TÍTULO I
omitirem na fiscalização dos serviços de seus subordinados, ou CAPÍTULO ÚNICO
que de algum modo concorram para a infração. Das Disposições Preliminares
§ 2º Os prazos concedidos aos particulares poderão ser de-
volvidos, mediante requerimento do interessado, quando óbices Art. 1° Esta lei complementar institui o Estatuto dos Servido-
causados pela Administração Pública Estadual resultarem na im- res Públicos da Administração Direta, das Autarquias e das Funda-
possibilidade de atendimento do prazo fixado. ções Estaduais criadas e mantidas pelo Poder Público.
Art. 87 Os prazos começam a correr a partir da data da cien- Art. 2° Para os efeitos desta lei complementar, servidor é a
tificação oficial, excluindo-se da contagem o dia do começo e in- pessoa legalmente investida em cargo público.
cluindo-se o do vencimento. Art. 3° Cargo Público integrante da carreira é o conjunto de
§ 1º Considera-se prorrogado o prazo até o primeiro dia útil atribuições e responsabilidades previstas na estrutura organizacio-
seguinte se o vencimento cair em dia em que não houver expedien- nal que deve ser cometido a um servidor.
te ou este for encerrado antes da hora normal. Parágrafo único Os cargos públicos, acessíveis a todos os bra-
§ 2º Os prazos expressos em dias contam-se de modo contí- sileiros, são criados por lei complementar, com denominação pró-
nuo. pria e remuneração paga pelos cofres públicos, para provimento
§ 3º Os prazos fixados em meses ou anos contam-se de data
em caráter efetivo ou em comissão.
a data.
Art. 4° Os cargos de provimento efetivo da Administração
§ 4º No caso do parágrafo anterior, não havendo, no mês do
Direta, das Autarquias e das Fundações criadas e mantidas pelo
vencimento, o dia equivalente àquele do início do prazo, tem-se
Poder Público, serão organizados e providos em carreiras.
como termo o último dia do mês.
Art. 88 Salvo motivo de força maior devidamente comprova- Art. 5º As carreiras serão organizadas em classes de cargos,
do, os prazos processuais não se suspendem. observadas a escolaridade e a qualificação profissional exigidas,
Art. 89 Os processos administrativos específicos continuarão bem assim a natureza e complexidade das atribuições a serem
a reger-se por lei própria, aplicando-se-lhes apenas subsidiaria- exercidas e manterão correlação com as finalidades dos órgãos ou
mente os preceitos desta lei. entidades a que devam atender.
Art. 90 Esta lei entra em vigor na data de sua publicação. § 1º Classe é a divisão básica da carreira, que agrupa os car-
Art. 91 Revogam-se as disposições em contrário. gos da mesma denominação, segundo o nível de atribuições e res-
Palácio Paiaguás, em Cuiabá, 1º de julho de 2002. ponsabiIidades, inclusive aquelas das funções de direção, chefia,
assessoramento o assistência.
as) JOSÉ ROGÉRIO SALLES § 2º As Classes serão desdobradas em padrões, aos quais cor-
Governador do Estado respondem a remuneração do cargo.
§ 3º As carreiras compreendem Classes de cargos do mesmo
grupo profissional, reunidas em segmentos distintos, escalonados
nos níveis básico, auxiliar, médio e superior.
LEI COMPLEMENTAR 04/1990 Art. 6º Quadro é o conjunto de carreira e em comissão, inte-
grantes das estruturas dos órgãos da Administração Direta, das Au-
tarquias a das Fundações criadas e mantidas pelo Poder Público.
Art. 7º É proibida a prestação de serviços gratuitos, salvo os
casos previstos em lei.
LEI COMPLEMENTAR Nº 04, DE
15 DE OUTUBRO DE 1990. TÍTULO II
Do Provimento, Progressão. Vacância, Promoção, Ascen-
. Consolidada até a LC 568/15. são, Acesso, Remoção, Redistribuição e Substituição.
. Publicada no DOE de 15/10/90, p. 02.
CAPÍTULO I
. Alterada pelas
Do Provimento
LC: 12/92, 33/94, 42/96, 59/99, 68/00, 85/01, 94/01 ,123/03,
Seção I
124/03, 14 1/03; 187/04, 197/04, 254/06, 260/06, 263/06, 266/06,
Disposições Gerais
289/07, 293/07, 298/08, 330/08 , 345/09 ,347/09, 400/10 , 426/11,
479/12, 515/13, 524/14, 550/14 , 568/15
Art. 8º São requisitos básicos para o ingresso no serviço pú-
Dispõe sobre o Estatuto dos Servidores, Públicos da Ad- blico:
ministração Direta das Autarquias e das Fundações Públicas I - a nacionalidade brasileira;
Estaduais. II - o gozo dos direitos políticos;
III - a quitação com as obrigações militares e eleitorais;
O GOVERNADOR DO ESTADO DE MATO GROSSO IV - o nível de escolaridade exigido para o exercício do cargo;
Faço saber que a Assembleia Legislativa do Estado decreta e eu V - a idade mínima prevista em lei;
sanciono a seguinte Lei Complementar. VI - a boa saúde física e mental.
§ 1º As atribuições do cargo podem justificar a exigência de
outros requisitos estabelecidos em lei.

Didatismo e Conhecimento 66
LEGISLAÇÃO BÁSICA
§ 2° Às pessoas portadoras de deficiência é assegurado o direi- § 4º O aproveitamento dos candidatos classificados e exce-
to de se inscrever em concurso público para provimento de cargo dentes de que trata o § 3° se dará por convocação publicada em
cujas atribuições sejam compatíveis com a deficiência de que são Diário Oficial. (Acrescentado pela LC 298/08)
portadoras; para as quais deverá ser reservado um mínimo de 5% § 5º O candidato que opta por assumir vagas em outros municí-
(cinco por cento) das vagas oferecidas no concurso, observando-se pios ou região pólo que eventualmente tiver vagas não preenchidas,
o disposto na Lei Estadual n° 4.902, de 09.10.85. automaticamente, será considerado desistente de assumir na região ou
Art. 9º O provimento dos cargos públicos far-se-á mediante município pólo opção para qual se inscreveu para o concurso. (Acres-
ato da autoridade competente de cada Poder, do dirigente superior centado pela LC 298/08)
da autarquia ou da fundação pública. Art. 15. O concurso público terá validade de até 02 (dois) anos,
Art 10 A investidura em cargo público ocorrerá com a posse. podendo ser prorrogada uma única vez, por igual período.
Art. 11 São forma de provimento de cargo público: § 1º O prazo de validade do concurso e as condições de sua reali-
I - nomeação; zação serão fixados em edital que será publicado no Diário Oficial do
II - ascensão; Estado. (Nova redação dada pela LC 260/06)
III - transferência; § 2º Não se abrirá novo concurso enquanto houver candidato
IV - readaptação; aprovado em concurso anterior com prazo de validade ainda não ex-
pirado.
V - reversão;
§ 3º Os princípios da ética e da filosofia serão matérias obrigató-
VI - aproveitamento;
rias nos concursos públicos. (Acrescentado pela LC 400/10)
VII - reintegração;
VIII - recondução. SEÇÃO IV
Da Posse e do Exercício
SEÇÃO II
Da Nomeação Art. 16. Posse é a investidura no cargo público mediante a acei-
tação expressa das atribuições, deveres e responsabilidades inerentes
Art. 12. A nomeação far-se-á : ao cargo público com o compromisso de bem servir, formalizada com
I - em caráter efetivo, quando se tratar de cargo de carreiras; a assinatura do termo pela autoridade competente e pelo empossado.
II - em comissão, para os cargos de confiança, de livre exo- § 1º A posse ocorrerá no prazo improrrogável de 30 (trinta) dias
neração, respeitando o que dispõe o Artigo 7º da Lei, nº 5.601, de contados da publicação do ato de provimento. (Nova redação dada
09.05.90. pela LC 289/07 )
Parágrafo único A designação por acesso, para a função de § 2º Em se tratando de servidor em licença, ou afastamento por
direção, chefia, assessoramento e assistência, recairá, exclusiva- qualquer outro motivo legal, o prazo será contado do término do im-
mente, em servidor de carreira, satisfeitos os requisitos de que trata pedimento.
o Artigo 13, Parágrafo Único. § 3º A posse poderá dar-se mediante procuração especifica.
Art. 13 A nomeação para cargo de carreira depende de prévia § 4° Só haverá posse nos casos de provimento de cargo por no-
habilitação em concurso público de provas ou de provas e títulos, meação, acesso e ascensão.
obedecida a ordem de classificação e o prazo de sua validade. § 5º No ato da posse, o servidor apresentará, obrigatoriamente,
Parágrafo único Os demais requisitos para o ingresso e o de- declaração dos bens e valores que constituem seu patrimônIo e decla-
senvolvimento do servidor na carreira, mediante progressão, pro- ração quanto ao exercício ou não de outro cargo, emprego ou função
moção, ascensão e acesso serão estabelecidos pela lei que fixar as pública.
diretrizes do sistema de carreira na administração pública estadual § 6º Será tornado sem efeito o ato de provimento se a posse não
e seus regulamentos. ocorrer no prazo previsto no parágrafo 1º.
§ 7° O ato de provimento ocorrerá no prazo máximo de 30 (trinta)
SEÇÃO III dias após a publicação do resultado do concurso para as vagas imedia-
tamente disponíveis conforme o estabelecido no edital de concurso.
Do Concurso Público
Art. 17. A posse em cargo público dependerá de comprovada
aptidão física e mental para o exercício do cago, mediante inspeção
Art. 14. O concurso será de caráter eliminatório e classificató-
médica oficial.
rio, compreendendo, provas ou provas e títulos. Parágrafo único. Será empossado em cargo público aquele que
§ 1º A publicação do resultado do concurso deverá ser efe- for julgado apto física e mentalmente pela assistência médica pública
tivado no prazo máximo de 30 (trinta) dias após a realização do do Estado, excetuando-se os casos previstos no parágrafo 2º do Artigo
mesmo. (Renumerado de p. único para § 1º pela LC 298/08) 8º desta Lei Complementar.
§ 2º O concurso público e as vagas estabelecidas no edital Art. 18. Exercício é o efetivo desempenho das atribuições do
poderão ser dispostas por região ou municípios pólos, a critério da cargo.
Administração Pública. (Acrescentado pela LC 298/08) § 1º É de 15 (quinze) dias o prazo para o servidor empossado em
§ 3º A Administração Pública, observando-se estritamente cargo público de provimento efetivo entrar em exercício, contados da
a ordem classificatória e a pontuação obtida no certame, quando data da posse. (Nova redação dada pela LC 289/07 )
não forem preenchidas todas as vagas existentes em determinada § 2º Será exonerado o servidor empossado que não entrar em
região ou município pólo poderá aproveitar os candidatos classi- exercício no prazo previsto no parágrafo anterior.
ficados e excedentes dos demais pólos. (Acrescentado pela LC § 3º A autoridade competente do órgão ou entidade para onde
298/08) for designado o servidor compete dar-lhe exercício.

Didatismo e Conhecimento 67
LEGISLAÇÃO BÁSICA
Art. 19. O início, a suspensão, a interrupção a o reinício do Art. 25 O servidor estável só perderá o cargo em virtude de
exercício serão registrados no assentamento individual do servidor. sentença judicial transitada em julgado ou de processo administra-
Parágrafo único Ao entrar em exercício, o servidor apresenta- tivo disciplinar no qual lhe seja assegurada ampla defesa.
rá ao órgão competente, os elementos necessários ao assentamento
individual. Seção VI
Art. 20. A promoção ou a ascensão não interrompem o tempo Da Transferência
de exercício, que é contado no novo posicionamento na carreira
a partir da data da publicação do ato que promover ou ascender o Art. 26 Transferência é a passagem do servidor estável de cargo
servidor. efetivo de carreira para outro de igual denominação, classe e remune-
Art. 21. O servidor transferido, removido, redistribuído, re- ração, pertencente a quadro de pessoal diverso e na mesma localidade.
quisitado ou cedido, quando licenciado, que deva prestar serviços Art. 27 Será admitida a transferência de servidor ocupante de
em outra localidade, terá 30 (trinta) dias de prazo para entrar em cargo de quadro em extinção para igual situação em quadro de outro
exercício, incluído nesse tempo o necessário ao deslocamento para órgão ou entidade.
a nova sede. Parágrafo único A transferência far-se-á a pedido do servidor,
Parágrafo único. Na hipótese do servidor encontrar-se afasta- atendendo a conveniência do serviço público.
do legalmente, o prazo a que se refere este artigo será contado a Art. 28 São requisitos essenciais da transferência:
partir do término do afastamento. I - interesse comprovado do serviço;
Art. 22. O ocupante de cargo de provimento efetivo, integran- II - existência de vaga;
te do sistema de carreira, fica sujeito a 30 (trinta) horas semanais III - contar, o servidor, com 02 (dois) anos de efetivo exercício
de trabalho. no cargo.
Art. 23 Ao entrar em exercício, o servidor nomeado para o Parágrafo único Nos casos de transferência não se aplicam os
cargo de provimento efetivo ficará sujeito a estágio probatório por incisos deste artigo para cônjuge ou companheiro (a).
período de 24 (vinte e quatro) meses, durante o qual sua aptidão e Art. 29 As transferências não poderão exceder de 1/3 (um terço)
capacidade serão objeto de avaliação para o desempenho do cargo, das vagas de cada classe.
observados os seguintes fatores:
I - assiduidade; Seção VII
II - disciplina; Da Readaptação
III - capacidade de iniciativa;
IV - produtividade; Art. 30 Readaptação é a investidura do servidor em cargo de atri-
V - responsabilidade; buições e responsabilidades compatíveis com a limitação que tenha
VI - idoneidade moral. sofrido em sua capacidade física ou mental verificada em inspeção
§ 1° 04 (quatro) meses antes de findo o período do estágio médica.
probatório, será, obrigatoriamente, submetida à homologação da § 1° Se julgado incapaz para o serviço público, o readaptando
autoridade competente a avaliação do desempenho do servidor, será aposentado, nos termos da lei vigente.
realizada de acordo com o que dispuser a lei e o regulamento do § 2° A readaptação será efetivada em cargo de carreira de atribui-
plano de carreira, sem prejuízo da continuidade de apuração dos ções afins, respeitada a habilitação exigida.
fatores enumerados nos incisos I a VI. § 3° Em qualquer hipótese, a readaptação não poderá acarretar
§ 2° Se, no curso do estágio probatório, for apurada, em pro- aumento ou redução de remuneração do servidor.
cesso regular, a inaptidão para exercício do cargo, será exonerado.
§ 3° No curso do processo a que se refere o parágrafo ante- Seção VIII
rior, e desde a sua instauração, será assegurado ao servidor ampla Da Reversão
defesa que poderá ser exercitada pessoalmente ou por intermédio
de procurador habilitado, conferindo-se-lhe, ainda, o prazo de 10 Art. 31 Reversão é o retorno à atividade de servidor aposentado
(dez) dias, para juntada de documentos e apresentação de defesa por invalidez. quando, por junta médica oficial, forem declarados in-
escrita. subsistentes os motivos determinantes da aposentadoria.
§ 4° Para a avaliação prevista neste artigo, deverá ser consti- Art. 32 A reversão far-se-á no mesmo cargo ou no cargo resultan-
tuída uma comissão paritária no órgão ou entidade composta por te de sua transformação, com remuneração integral.
06 (seis) membros. Parágrafo único Encontrando-se provido este cargo, o servidor
§ 5° Não constituem provas suficientes e eficazes as certidões exercerá suas atribuições como excedente, até a ocorrência de vaga.
ou portarias desacompanhadas dos documentos de atos adminis- Art. 33 Não poderá reverter o aposentado que já tiver completa-
trativos para avaliar negativamente a aptidão e capacidade do ser- do 70 (setenta) anos de idade.
vidor no desempenho do cargo, sobretudo nos fatores a que refere Art. 34 A reversão far-se-á a pedido.
os incisos I, II, III, IV, V e VI deste artigo.
Seção IX
Seção V Da Reintegração
Da Estabilidade
Art. 35 Reintegração é a investidura do servidor estável no cargo
Art. 24 O servidor habilitado em concurso público e empos- anteriormente ocupado ou no cargo resultante de sua transforma-
sado em cargo de carreira adquirirá estabilidade no serviço público ção, quando invalidada a sua demissão por ocasião administrativa
ao completar 02 (dois) anos de efetivo exercício. ou judicial, com ressarcimento de todas as vantagens.

Didatismo e Conhecimento 68
LEGISLAÇÃO BÁSICA
§ 1° Na hipótese do cargo ter sido extinto, o servidor ocupará Art. 44 A exoneração de cargo efetivo dar-se-á a pedido do
outro cargo equivalente ao anterior com todas as vantagens. servidor, ou de ofício.
§ 2° O cargo a que se refere o artigo somente poderá ser preen- Parágrafo único A exoneração de ofício dar-se-á:
chido em caráter precário até o julgamento final. I - quando não satisfeitas as condições do estágio probatório;
II - quando por decorrência do prazo, ficar extinta a punibili-
Seção X dade para demissão por abandono de cargo;
Da Recondução III - quando, tendo tomado posse, não entrar no exercício no
prazo estabelecido.
Art. 36 Recondução é o retorno do servidor estável ao cargo Art. 45 A exoneração de cargo em comissão dar-se-á: (Re-
anteriormente ocupado e decorrerá de: prestinado o art 45, pela LC550/14)
I - inabilitação em estágio probatório relativo a outro cargo; I - a juízo da autoridade competente, salvo os cargos ocupados
II - reintegração do anterior ocupante. por servidores do plano de carreira através de eleições;
Parágrafo único Encontrando-se provido o cargo de origem, o II - a pedido do próprio servidor;
servidor será aproveitado em outro, observado o disposto no Artigo III - em conformidade com o que dispõe a Lei n° 5.601, de
40. 09.05.90.
Parágrafo único Os cargos em comissão ocupados por servi-
Seção XI
dores do quadro de carreiras eleitos conforme Artigo 134 da Cons-
Da Disponibilidade e do Aproveitamento
tituição Estadual, só poderão ser exonerados a pedido ou quando
Art. 37 Aproveitamento é o retorno do servidor em disponibili- comprovadamente através de processo administrativo, agir contra
dade ao exercício do cargo público. os interesses do Estado e da categoria que o elegeu.
Art. 38 Extinto o cargo ou declarada a sua desnecessidade, o
servidor estável ficará em disponibilidade, com remuneração inte- CAPÍTULO III
gral. DA PROGRESSÃO, PROMOÇÃO,
Art. 39 O retorno à atividade de servidor em disponibilidade far- ASCENSÃO E ACESSO
se-á mediante aproveitamento obrigatório em cargo de atribuições e
remunerações compatíveis com o anteriormente ocupado. Art. 46 Progressão é a passagem do servidor de uma refe-
Parágrafo único O Órgão Central do Sistema de Pessoal Civil rência para a imediatamente superior, dentro da mesma classe e
determinará o imediato aproveitamento de servidor em disponibili- da categoria funcional a que pertence, obedecidos os critérios es-
dade em vaga que vier a ocorrer nos órgãos da administração pública, pecificados para a avaliação de desempenho e tempo de efetiva
na localidade em que trabalhava anteriormente ou em outra com a permanência na carreira.
concordância do servidor. Art. 47 Ascensão é a passagem do servidor de um nível para
Art. 40 O aproveitamento do servidor que se encontra em dis- outro sendo posicionado na primeira classe e em referência ou
ponibilidade há mais de 12 (doze) meses dependerá de prévia com- padrão de vencimento imediatamente superior àquele em que se
provação de sua capacidade física e mental, por junta médica oficial. encontrava, na mesma carreira.
§ 1° Se julgado apto, o servidor assumirá o exercício do cargo Art. 48 Promoção é a passagem do servidor de uma classe
no prazo de 30 (trinta) dias, contados da publicação do ato de apro- para a imediatamente superior do respectivo grupo de carreira que
veitamento. pertence, obedecidos os critérios de avaliação, desempenho e qua-
§ 2° Verificada a incapacidade definitiva, o servidor em disponi- lificação funcional.
bilidade será aposentado, na forma da legislação em vigor. Art. 49 Acesso é a investidura do servidor na função de di-
Art. 41 Será tornado sem efeito o aproveitamento e cassada a reção, chefia, assessoramento e assistência, segundo os critérios
disponibilidade se o servidor não entrar em exercício no prazo legal, estabelecidos em lei.
salvo doença comprovada por junta médica oficial. Art. 50 Os critérios para aplicação deste capítulo serão defini-
Art. 42 Havendo mais de um concorrente à mesma vaga, terá
dos ao instituir o plano de carreira.
preferência o de maior tempo de disponibilidade e, no caso de empa-
Parágrafo único Fica assegurada a participação dos servidores
te, o de maior tempo de serviço público.
na elaboração do plano de carreira e seus critérios.
CAPÍTULO II
DA VACÂNCIA CAPÍTULO IV
Da Remoção e da Redistribuição
Art. 43 A vacância do cargo público decorrerá de: SEÇÃO I
I - exoneração; Da Remoção
II - demissão;
III - ascensão; Art. 51 Remoção é o deslocamento do servidor a pedido ou
IV - acesso; de oficio, no âmbito do mesmo quadro, com ou sem mudança de
V - transferência; sede, observada a lotação existente em cada órgão: (Nova redação
VI - readaptação; dada pela LC 187/04)
VII - aposentadoria; I - de uma para outra repartição do mesmo órgão ou entidade;
VIII - posse em outro cargo inacumulável; II - de um para outro órgão ou entidade, desde que compatíveis
IX - falecimento. a situação funcional e a carreira especifica do servidor removido.

Didatismo e Conhecimento 69
LEGISLAÇÃO BÁSICA
§ 1º A remoção a pedido para outra localidade, por motivo Art. 58 A remuneração total do servidor será composta exclu-
de saúde do servidor, cônjuge, companheiro ou dependente, fica sivamente do vencimento base, de uma única verba de representa-
condicionada à apresentação de laudo pericial emitido pela Corre- ção e do adicional por tempo de serviço.
gedoria-Geral de Perícia Medica da Secretaria de Estado de Admi- Parágrafo único O adicional por tempo de serviço concedido
nistração - SAD, bem como à existência de vagas. (Acrescentado aos ocupantes dos cargos de carreira de provimento efetivo e aos
pela LC187/04) empregados públicos como única vantagem pessoal, não será con-
§ 2º A remoção para outra localidade, baseada no interesse siderado para efeito deste artigo.
público, deverá ser devidamente fundamentada. (Acrescentado Art. 59 Ao servidor nomeado para o exercício de cargo em co-
pela LC 187/04) missão, é facultado optar entre o vencimento de seu cargo efetivo e
Art. 52 O ato que remover o servidor estudante de uma para do cargo em comissão, acrescido da verba única de representação.
outra cidade ficará suspenso se, na nova sede, não existir estabe- Parágrafo único O servidor investido em cargo em comissão
lecimento congênere oficial, reconhecido ou equiparado àquele de órgão ou entidade diversa da de sua lotação receberá a remune-
em que o interessado esteja matriculado, devendo permanecer no ração de acordo com o estabelecido no Artigo 119, § 1°.
exercício do cargo. Art. 60 O vencimento do cargo efetivo, acrescido das vanta-
§ 1° Efetivar-se-á a remoção se o servidor concluir o curso, gens de caráter permanente, é irredutível.
deixar de cursá-lo ou for reprovado durante 02 (dois) anos conse- Art. 61 É assegurada a isonomia de vencimento para cargos
cutivos. de atribuições iguais ou assemelhadas do mesmo Poder ou entre
§ 2° Semestralmente, o interessado deverá apresentar prova servidores dos três Poderes, ressalvadas as vantagens de caráter
de sua frequência regular do curso que estiver matriculado perante individual e as relativas à natureza e ao local de trabalho.
a repartição a que esteja subordinado. Art. 62 Nenhum servidor poderá perceber, mensalmente, a
título de remuneração, importância superior à soma dos valores
SEÇÃO II percebidos como remuneração, em espécie, a qualquer título, no
Da Redistribuição âmbito dos respectivos Poderes, pelos Secretários de Estado, por
membros da Assembleia Legislativa e membros do Tribunal de
Art. 53 Redistribuição é o deslocamento do servidor, com o Justiça.
Parágrafo único Excluem-se do teto de remuneração, o adi-
respectivo cargo, para o quadro de pessoal do mesmo ou qualquer
cional por tempo de serviço e as vantagens previstas no Artigo 82,
órgão ou entidade do Governo, cujo planos de carreira e remune-
I a VIII.
ração sejam idêntico, observado sempre o interesse da administra-
Art. 63 A relação entre a menor e a maior remuneração atri-
ção. (Nova redação dada pela LC 187/04)
buída aos cargos de carreira não poderá ser superior a 08 (oito)
§ 1º A redistribuição dar-se-á exclusivamente para ajustamen-
vezes.
to de quadros de pessoal às necessidades dos serviços, inclusive
Art. 64 O servidor perderá:
nos casos de reorganização, extinção, ou criação de órgão ou en-
I - vencimento ou remuneração do dia que não comparecer ao
tidade.
serviço, salvo motivo legal ou moléstia comprovada;
§ 2º Nos casos de extinção de órgão ou entidade os servidores II - 1/3 (um terço) do vencimento ou da remuneração do dia,
estáveis que não puderem ser redistribuídos, na forma deste artigo, quando comparecer ao serviço com atraso máximo de uma hora,
serão colocados em disponibilidade com remuneração integral, até ou quando se retirar antecipadamente;
seu aproveitamento na forma do artigo 40. III - 1/3 (um terço) do vencimento ou da remuneração durante
o afastamento por motivo de prisão preventiva, pronúncia por cri-
CAPÍTULO V me comum, denúncia por crime funcional, condenação recorrível
Da Substituição por crime inafiançável ou processo no qual haja pronúncia, com
direito à diferença, se absolvida;
Art. 54 (revogado) (Revogado pela LC 266/06) IV - 2/3 (dois terços) do vencimento ou da remuneração du-
Art. 55 (revogado) (Revogado pela LC 266/06) rante o período de afastamento em virtude da condenação por sen-
tença definitiva, cuja pena não resulte em demissão.
TÍTULO III Art. 65 Salvo por imposição legal, ou mandado judicial, ne-
Dos Direitos e Vantagens nhum desconto incidirá sobre a remuneração ou provento.
CAPÍTULO I § 1° Mediante autorização do servidor poderá haver consigna-
Do Vencimento e da Remuneração ção em folha de pagamento a favor de terceiros, ou seja, institui-
ções de previdências, associações, sindicatos, pecúlio, seguros e os
Art. 56. Vencimento é a retribuição pecuniária pelo exercício demais na forma definida em regulamento instituído pelas associa-
de cargo público, com valor fixado em lei. ções e sindicatos dos servidores.
Art. 57. Remuneração é o vencimento do cargo efetivo, acres- § 2° Sob pena de responsabilidade a autoridade que determinar
cido das vantagens pecuniárias, permanentes ou temporárias, pre- o desconto em folha de pagamento para instituições de previdência
vistas na Constituição Federal, Estadual, em acordos coletivos ou ou associações, deverá efetivar o repasse do desconto, no prazo
em convenções de trabalho que venham a ser celebrados. (ADI máximo dos 05 (cinco) primeiros dias úteis do mês subsequente.
559-6 – DOU 24/05/2006, declara incostitucional apenas a ex- Art. 66 As reposições e indenizações ao erário serão descon-
pressão “em acordos coletivos ou em convenções de trabalho que tadas em parcelas mensais não excedentes à décima parte da remu-
venham a ser celebrados”) neração ou provento.

Didatismo e Conhecimento 70
LEGISLAÇÃO BÁSICA
§ 1° Independente do parcelamento previsto neste artigo, o SUBSEÇÃO II
recebimento de quantias indevidas poderá implicar processo dis- Das Diárias
ciplinar para apuração de responsabilidades e aplicação das pena-
lidades cabíveis. Art. 79 O servidor que, a serviço, se afastar da sede, em ca-
§ 2° Nos casos de comprovada má fé e abandono de cargo, a ráter eventual ou transitório, para outro ponto do território mato-
reposição deverá ser feita de uma só vez, sem prejuízo das pena- grossense e de outras unidades da Federação, fará jus a passagens
lidades cabíveis, inclusive no que se refere a inscrição na dívida e diárias para cobrir as despesas de pousada, alimentação, locomo-
ativa. ção urbana e rural.
Art. 67 O servidor em débito com o erário que for demitido, Parágrafo único A diária será concedida por dia de afastamen-
exonerado ou que tiver a sua aposentadoria ou disponibilidade cas- to, sendo devida pela metade quando o deslocamento não exigir
sada, terá o prazo de 60 (sessenta) dias para quitá-lo. pernoite fora da sede.
Parágrafo único A não-quitação do débito no prazo previsto Art. 80 O servidor que receber diárias e não se afastar da sede,
implicará sua inscrição na dívida ativa. por qualquer motivo, fica obrigado a restituí-las integralmente, no
Art. 68 O vencimento, a remuneração e o provento não serão prazo de 05 (cinco) dias.
objeto de arresto, sequestro ou penhora, exceto nos casos de pres- Parágrafo único Na hipótese do servidor retornar à sede em
tação de alimentos resultantes de decisão judicial. prazo menor do que o previsto para o seu afastamento, restituirá as
Art. 69 O pagamento da remuneração dos servidores públicos diárias recebidas em excesso, em igual prazo.
dar-seá até o dia 10 (dez) do mês seguinte ao que se refere.
§ 1° O não-pagamento até a data prevista neste artigo impor- SUBSEÇÃO III
tará na correção do seu valor, aplicando-se os índices federais de Da Indenização de Transporte
correção diária, a partir do dia seguinte ao do vencimento até a
data do efetivo pagamento. Art. 81 Conceder-se-á indenização de transporte ao servidor
§ 2° O montante da correção será pago juntamente com o ven- que realizar despesas com a utilização do meio próprio de locomo-
cimento do mês subsequente, corrigido o seu total até o último dia ção para execução de serviços externos, por força das atribuições
do mês, pelos mesmos índices do parágrafo anterior. próprias do cargo, conforme regulamento.
CAPÍTULO II SUBSEÇÃO IV
Das Vantagens
Das Gratificações e Adicionais
Art. 70 Além do vencimento poderão ser pagas ao servidor as
Art. 82. Além da remuneração e das indenizações previstas
seguintes vantagens:
nesta lei, poderão ser deferidas aos servidores, as seguintes grati-
I - indenizações;
ficações adicionais:
II - gratificações e adicionais.
I - gratificação natalina;
Parágrafo único A indenização não se incorpora ao vencimen-
II - adicional pelo exercício de atividades insalubres, perigo-
to ou provento para qualquer efeito.
sas ou penosas;
Art. 71 As vantagens não serão computadas nem acumuladas
para efeito de concessão de quaisquer outros acréscimos pecuniá- III - adicional pela prestação de serviço extraordinário;
rios ulteriores, sob o mesmo título ou idêntico fundamento. IV - adicional noturno;
V - adicional de férias;
Seção I VI - adicional por tempo de serviço;
Das Indenizações VII – Vetado;
VIII – Vetado.
Art. 72 Constituem indenizações ao servidor:
I - ajuda de custo; SUBSEÇÃO V
II - diárias. Da Gratificação Natalina
Art. 73 Os valores das indenizações, assim como as condi-
ções para a sua concessão, serão estabelecidos em regulamento. Art. 83. A gratificação natalina corresponde-te a um doze avos
Art. 74 (revogado) (Revogado pela LC 59/99) da remuneração a que o servidor fizer jus ao mês de dezembro, por
Art. 75 (revogado) (Revogado pela LC 59/99) mês de exercício, no respectivo ano.
Art. 76 Não será concedida a ajuda de custo ao servidor que Parágrafo único A fração igual ou superior a 15 (quinze) dias
se afastar do cargo, ou reassumi-lo, em virtude de mandato eletivo. será considerada como mês integral.
Art. 77 (revogado) (Revogado pela LC 59/99) Art. 84 A gratificação natalina será paga até o dia 20 (vinte)
Art. 78 O servidor ficará obrigado a restituir a ajuda de custo do mês de dezembro de cada ano. (Nova redação dada pela LC
quando, injustificadamente, não se apresentar na nova sede no pra- 479/12)
zo determinado no Artigo 21. Parágrafo único (revogado) (Revogado pela LC 479/12)
Parágrafo único Não haverá obrigação de restituir a ajuda de Art. 85. O servidor exonerado perceberá sua gratificação na-
custo nos casos de exoneração de ofício, ou de retorno por motivo talina, proporcionalmente aos de efetivo exercício, calculada sobre
de doença comprovada. a remuneração do mês de exoneração.

Didatismo e Conhecimento 71
LEGISLAÇÃO BÁSICA
SUBSEÇÃO VI SUBSEÇÃO IX
Do Adicional, Por Tempo de Serviço Do Adicional Noturno

Art. 86 O adicional por tempo de serviço é devido à razão de Art. 94. O serviço noturno prestado em horário compreendi-
2% (dois por cento), por ano de serviço público estadual, incidente do entre 22 (vinte e duas) horas de um dia e 05 (cinco) horas do
sobre o vencimento - base do cargo efetivo, até o limite de 50% dia seguinte, terá o valor hora acrescido de 25 % (vinte e cinco
(cinquenta por cento). (Nova redação dada pela LC 42/96) por cento) computando-se cada hora com 52 (cinquenta e dois)
§ 1º O servidor fará jus ao adicional a partir do mês imediato minutos e 30 (trinta) segundos.
àquele em que completar o anuênio, independente, de requerimen- Parágrafo único. Em se tratando de serviço extraordinário, o
to. (Acrescentado pela LC 42/96) acréscimo de que trata este artigo incidirá sobre a remuneração
§ 2º - V E T A D O (Acrescentado pela LC 42/96) prevista no artigo 93.
§ 3º Fica excluído do teto constitucional o adicional por tempo
de serviço. (Acrescentado pela LC 42/96) SUBSEÇÃO X
Do Adicional de Férias
SUBSEÇÃO VII
Dos Adicionais de Insalubridade, Art. 95. Independente de solicitação, será pago ao servidor,
Periculosidade ou Penosidade por ocasião das férias, um adicional de 1/3 (um terço) da remune-
ração correspondente ao período de férias.
Art. 87. Os servidores que trabalham com habitualidade em Parágrafo único. No caso do servidor exercer função de di-
locais insalubres ou em contato permanente com substâncias tóxi- reção , chefia, assessoramento ou assistência ou ocupar cargo em
cas ou com risco de vida, fazem jus a um adicional nos termos da comissão, a respectiva vantagem será considerada no cálculo do
legislação pertinente. adicional de que trata este artigo.
§ 1º O servidor que fizer jus a mais de um adicional será con- Art. 96. O servidor em regime de acumulação lícita percebe-
cedido o pagamento, de acordo com a legislação pertinente. rá o adicional de férias, calculado sobre a remuneração do cargo
§ 2º O direito ao adicional de insalubridade ou periculosidade em que for gozar as férias.
cessa com a eliminação das condições ou dos riscos que deram
Art. 97. O servidor fará jus a 30 (trinta) dias de férias, que
causa a sua concessão.
podem ser cumuladas até o máximo de dois períodos, median-
Art. 88 . Caberá à Administração Estadual exercer permanen-
te comprovada necessidade de serviço, ressalvadas as hipóteses
te controle da atividade de servidores em operações ou locais con-
em que haja legislação específica. (Nova redação dada pela LC
siderados penosos, insalubres ou perigosos.
141/03)
Parágrafo único. A servidora gestante ou lactante será afasta-
§ 1º Para o período aquisitivo de férias, serão exigidos 12
da, enquanto durar a gestação e a lactação, das operações e locais
(doze) meses de exercício.
previstos neste artigo, exercendo suas atividades em local salubre
§ 2º É vedado levar à conta de férias qualquer falta ao serviço.
e em serviço não perigoso.
Art. 89 Na concessão dos adicionais de penosidade, insalubri- § 3º Fica proibida a contagem, em dobro, de férias não goza-
dade e de periculosidade serão observadas as situações especifica- das, para fins de aposentadoria e promoção por antiguidade acu-
das na legislação pertinente aplicável ao servidor público. muladas ,por mais de 02 (dois) períodos.
Art. 90. O adicional de penosidade será devido ao servidor § 4º Para gozo das férias previstas neste artigo, deverá ser
em exercício em zonas de fronteira ou em locais, cujas condições observada a escala a a ser organizada pela repartição.
de vida o justifiquem. nos termos, condições e limites fixados em § 5º As férias poderão ser parceladas em até 02 (duas) etapas,
regulamento. se assim requeridas pelo servidor, sendo cada uma destas de 15
Art. 91. Os locais de trabalho e os servidores que operam com (quinze dias. (Acrescentado pela LC141/03)
Raio X ou substâncias radioativas devem ser mantidos sob contro- § 6º Caso não cumprido o estabelecido no caput deste artigo,
le permanente, de modo que as doses de radiação, ionizantes não o servidor público, automaticamente, entrará em gozo de férias a
ultrapassam o nível máximo previsto na legislação própria. partir do primeiro dia do terceiro período aquisitivo. (Acrescenta-
Parágrafo único. Os servidores a que se refere este artigo de- do pela LC 293/07) Art. 98 Quando em gozo de férias, o servidor
vem ser submetidos a exame médico oficial. terá direito a receber o equivalente a 01 (um) mês de vencimento.
(Nova redação dada pela LC 141/03)
SUBSEÇÃO VIII Parágrafo único. No caso de férias proporcionais, o servidor
Do Adicional Por Serviço Extraordinário perceberá uma remuneração correspondente ao número de dias
gozados. (Acrescentado pela LC 141/03)
Art. 92. O serviço extraordinário será remunerado com acrés- Art. 99. O pagamento da remuneração das férias deverá ser
cimo de no mínimo 50 % (cinquenta por cento) em relação à hora efetuado até 2 (dois) dias antes do início do respesctivo período,
normal de trabalho. observando-se o disposto no parágrafo primeiro deste artigo.
Art. 93. Somente será permitido serviço extraordinário para § 1º É facultado ao servidor converter 1/3 (um terço) das fé-
atender situações excepcionais e temporárias, respeitado o limite rias ou abono pecuniário desde que o requeira com pelo menos 60
máximo de 02 (duas) horas diárias, conforme se dispuser em re- (sessenta) dias de antecedência de seu início.
gulamento. § 2º No cálculo do abono pecuninário será considerado o va-
lor do adicional de férias, previsto no artigo 82, inciso V.

Didatismo e Conhecimento 72
LEGISLAÇÃO BÁSICA
Art. 100 O servidor que opera direta e permanentemente com § 1º A licença será por prazo indeterminado e sem remuneração.
Raios X ou substâncias radioativas gozará, obrigatoriamente, 20 § 2º Na hipótese do deslocamento de que trata este artigo,
(vinte) dias consecutivos de férias, por semestre de atividade pro- o servidor poderá ser lotado, provisoriamente, em repartição da
fissional, proibida, em qualquer hipótese a acumulação. Administração Estadual Direta, Autárquica ou Fundacional, desde
Art. 101. É proibido a transferência, e remoção do servidor que para exercício de atividade compatível com o seu cargo com
quando em gozo de férias. remuneração do órgão de origem.
Art. 102. As férias somente poderão ser interrompidas por
motivo de calamidade pública, comoção interna, convocação para SEÇÃO IV
juri, serviço militar ou ,eleitoral ou por motivo de superior interes- Da licença para o serviço militar
se público definidos em lei, devendo o período interrompido ser
gozado imediatamente, após a cessação do motivo da interrupção. Art. 107. Ao servidor convocado para o serviço miltar será
concedida licença, na forma e condições previstas na legislação
CAPÍTULO III específica.
Das Licenças Parágrafo único Concluído o serviço militar, o servidor terá
SEÇÃO I 30 (trinta) dias, com remuneração, para reassumir o exercício do
Disposições Gerais cargo.

Art. 103. Conceder-se-á, ao servidor, licença: SEÇÃO V


I - por motivo de doença em pessoa da família; Da Licença para Atividade Política
II - por motivo de afastamento do cônjuge ou companheiro;
III - para serviço militar; Art. 108. O servidor terá direito a licença, sem remuneração,
IV - para atividade políticas; durante o período que mediar entre a sua escolha, em convenção
V - prêmio por assiduidade; partidária, como candidato a cargo eletivo, e a véspera do registro
de sua candidatura perante a justiça eleitoral.
VI - para tratar de interesses particulares;
§ 1º O servidor candidato a cargo eletivo na localidade onde
VII - para qualificação profissional.
desempenha sua função e que exerça cargo de direção, chefia, as-
§ 1º A licença prevista no inciso I será precedida de exame por
sessoramento, assistência, arrecadação ou fiscalização, dele será
médico da junta médica oficial.
afastado, a partir do dia imediato ao do registro de sua candidatura
§ 2º O servidor não poderá permanecer em licença da mesma
perante, a justiça eleitoral, até o décimo quinto dia seguinte ao do
espécie por período superior a 24 (vinte e quatro) meses, salvo nos
pleito.
casos dos incisos II, III, IV e VII deste artigo.
§ 2º A partir do registro de candidatura e até o décimo quinto
§ 3º É vedado o exercício de atividade remunerada durante o dia seguinte ao da eleição, o servidor fará jus à licença como se
período da licença prevista no inciso I deste artigo, ressaIvada a em exercício estivesse, com o vencimento de que trata o artigo 57.
hipótese do artigo 105 e seus parágrafos.
Art. 104. A licença concedida dentro de 60 (sessenta) dias do SEÇÃO VI
término de outra da mesma espécie será considerada como pror- Da Licença-Prêmio por Assiduidade
rogação.
Art. 109. Após cada quinquênio ininterrupto de efetivo exer-
SEÇÃO II cício no serviço público Estadual, o servidor fará jus a 03 (três)
Da Licença Por Motivo de Doença em Pessoas em Família meses de licença, a título de prêmio por assiduidade, com a re-
muneração do cargo efetivo, sendo permitida sua conversão em
Art. 105. Poderá ser concedida licença ao servidor, por mo- espécie parcial ou total, por opção do servidor.
tivo de doença do cônjuge ou companheiro, padrastro ou madras- § 1º Para fins da licença-prêmio de que trata este artigo, será
ta, ascendente, descendente, enteado e colateral consanguíneo ou considerado o tempo de serviço desde seu ingresso no serviço pú-
afim até o segundo grau civil, mediante comprovação médica. blico estadual.
§ 1º A licença somente será deferida se a assistência direta do § 2º É facultado ao servidor fracionar a licença de que trata
servidor for indispenssável e não puder ser prestada simultanea- este artigo, em até 03 (três) parcelas, desde que defina previamente
mente com o exercício do cargo, o que deverá ser apurado através os meses para gozo da licença.
de acompanhamento social. § 3º (revogado) (Revogado pela LC 59/99)
§ 2º A licença será concedida sem prejuízo da remuneração do § 4º (revogado) (Revogado pela LC 59/99)
cargo efetivo, até um 01 (um) ano, com 2/3 (dois terços) do venci- Art. 110. Não se concederá licença-prêmio ao servidor que,
mento ou remuneração, excedente, esse prazo, até 02 (dois) anos. no período aquisitivo:
I - sofrer penalidade disciplinar, de suspensão;
SEÇÃO III II - afastar-se do cargo em virtude de:
Da Licença Por Motivo de Afastamento do Cônjuge a) licença por motivo de doença em pessoa da família, sem
remuneração;
Art. 106. Poderá ser concedida licença ao servidor para acom- b) licença para tratar de interesses particulares;
panhar o cônjuge ou companheiro que for deslocado para outro c) condenação a pena privativa de liberdade, por sentença de-
ponto do território nacional, para o exterior ou para exercício de finitiva;
mandato eletivo dos Poderes Executivo e Legislativo. d) afastamento para acompanhar cônjuge ou companheiro.

Didatismo e Conhecimento 73
LEGISLAÇÃO BÁSICA
Parágrafo único. As faltas injustificadas ao serviço retardarão carreira e será concedida para frequência de curso de formação,
a concessão de licença prevista neste artigo, na proporção de um treinamento, aperfeiçoamento ou especializacão profissional ou a
mês para cada três faltas. nível da pós-graduação e estágio, no país ou no exterior, se de
Art. 111. O número de servidor em gozo simultâneo de licen- interesse do Estado.
ça-prêmio não poderá ser superior a 1/3 (um terço) da lotação da Art. 117. Para concessão da licença de que trata o artigo an-
respectiva unidade administrativa do órgão ou entidade. terior, terão preferências os servidores que satisfaçam os seguintes
Art. 112. Para efeito de aposentadoria será contado em dobro requisitos:
o tempo de licença-prêmio não gozado. I - Residência em localidade onde não existam unidades uni-
Art. 113. Para possibilitar o controle das concessões da licen- versitárias ou faculdades isoladas;
ça, o órgão de lotação deverá proceder anualmente a escala dos II - Experiência no máximo de 05 (cinco) anos de magistério
servidores, a fim de atender o disposto no artigo 109, Parágrafo 4º, público estadual, e o servidor com 05 (cinco) anos de efetivo exer-
e garantir os recursos orçamentários e financeiros necessários ao cício no Estado;
pagamento, no caso de opção em espécie. III - Curso correlacionado com a área de atuação.
§ 1º O servidor não poderá cumular duas licenças-prêmio. Art. 118. Realizando-se o curso na mesma localidade da lota-
(Acrescentado pela LC 293/07) cão do serviço ou em outra de fácil acesso, em lugar da licença será
§ 2º O servidor deverá gozar a licença-prêmio concedida, concedida simples dispensa do expediente pelo tempo necessário a
obrigatoriamente, no período aquisitivo subsequente. (Acrescen- frequência regular do curso.
tado pela LC 293/07) Parágrafo único. A dispensa de que trata o artigo deverá ser
§ 3º Caso não usufrua no período subsequente, entrará, au- obrigatóriamente comprovado mediante frequência regular do cur-
tomaticamente, em gozo da referida licença a partir do primeiro so.
dia do terceiro período aquisitivo.(Acrescentado pela LC 293/07)
CAPÍTULO V
SEÇÃO VII Dos Afastamentos
Da Licença para Tratar de Interesses Particulares SEÇÃO I
Do Afastamento Para servir a Outro Órgão ou Entidade
Art. 114. A pedido e sem prejuízo do serviço será concedida,
ao servidor estável, licença para o trato de assuntos particulares, Art. 119. O servidor poderá ser cedido para ter exercício em
pelo prazo de até 02 (dois) anos consecutivos, sem remuneração, outro órgão ou entidade dos Poderes da União, dos Estados, do
Distrito Federal e dos Municípios, nas seguintes hipóteses:
podendo esta licença ser interrompida a qualquer momento por
I - para exercício de cargo em comissão de confiança;
interesse do servidor.
II - em casos previstos em leis específicas.
§ 1º A licença poderá ser interrompida a qualquer tempo, a
§ 1º Nas hipóteses do inciso I deste artigo, o ônus da remune-
pedido do servidor ou no interesse do serviço público.
ração será do órgão ou entidade cessionária.
§ 2º Não se concederá nova licença antes de decorridos 02
§ 2º Mediante autorização do Governador do Estado, o ser-
(dois) anos do término da anterior.
vidor do Poder Executivo poderá ter exercício em outro órgão da
§ 3º Não se concederá licença a servidor nomeado, removido,
Administração Pública Estadual, que não tenha quadro próprio de
redistribuído ou transferido, antes de compIetar 02 (dois) anos de
pessoal, para fim determinado e a prazo certo.
exercício.
§ 4º O requerente aguardará, em exercício no cargo, a publi- SEÇÃO II
cação, no diário oficial, do ato decisório sobre a licença solicitada. Do Afastamento para Exercício de Mandato Eletivo
SEÇÃO VIII Art. 120. Ao servidor investido em mandato eletivo aplicam-
De Licença para o Desempenho de Mandato Classista se as seguintes disposições:
I - tratando-se de mandato federal, Estadual ou distrital, ficará
Art. 115. É assegurado ao servidor o direito a licença para o afastado do cargo;
desempenho do mandato em confederação, federação, associação II - investido no mandato de prefeito, será afastado do cargo,
de classe de âmbito estadual, sindicato representativo da categoria sendo-lhe facultado optar pela sua remuneração.
e entidade fiscalizadora da profissão, nos termos do artigo 133 da III - investido no mandato de vereador :
Constituição Estadual. a) havendo compatibilidade de horários, perceberá as vanta-
Parágrafo único. A licença terá duração igual à do mandato, gens de seu cargo, sem prejuízo da remuneração do cargo eletivo;
podendo ser prorrogado no caso de reeleição. b) não havendo compatibilidade de horários, será afastado do
cargo, sendo-lhe facultado optar peIa sua remuneração;
SEÇÃO IX c) não poderá exercer cargo em comissão ou de confiança na
Da Licença para Qualificação Profissional Administração Pública, de livre exoneração.
§ 1º No caso de afastamento do cargo, o servidor contribuirá
Art. 116. A licença para qualificação profissional se dará com para a seguridade social como se em exercício estivesse.
prévia autorização do Governador do Estado e consiste no afas- § 2º O servidor investido em mandato eletivo ou classista não
tamento do servidor de suas funções, sem prejuízo dos seus ven- poderá ser removido ou redistribuído de ofício para localidade di-
cimentos, assegurada a sua efetividade para todos os efeitos de versa onde exerce a mandato.

Didatismo e Conhecimento 74
LEGISLAÇÃO BÁSICA
SEÇÃO III I – férias;
Do Afastamento para Estudo ou Missão no Exterior II – exercício de cargo em comissão, ou equivalente em ór-
gãos ou entidade dos Poderes da União, dos Estados, Municípios
Art. 121. O servidor não poderá ausentar-se do Estado ou País e Distrito Federal;
para estudo ou missão oficial, sem autorização do Governador do III – exercício de cargo, ou função de governo ou adminis-
Estado, ou Presidente dos Órgãos dos Poderes Legislativo e Judi- tração, em qualquer parte do território nacional, por nomeação do
ciário. Presidente da República, Governo Estadual e Municipal.
§ 1º A ausência não excederá de 04(quatro) anos e, finda a IV – participação em programas de treinamento regularmente
missão ou estudo, somente decorrido igual período, será permitida
instituído;
nova ausência.
V – desempenho de mandato eletivo federal, estadual, munici-
§ 2º Ao servidor beneficiado pelo disposto neste artigo não
pal ou do distrito federal, exceto para promoção por merecimento;
será concedida exoneração ou licença para tratar da interesse par-
ticular, antes de decorrido período igual ao do afastamento, ressal- VI – júri e outros serviços obrigatórios por lei;
vada a hipótese do ressarcimento da despesa havida com o afas- VII – missão ou estudo no exterior, quando autorizado o afas-
tamento. tamento.
Art. 122. O afastamento de servidor para servir em organismo VIII – licença:
internacional de que o Brasil participe ou com o qual coopere dar- a) à gestante, à adotante e à paternidade;
se-á com direito a opção pela remuneração. b) para tratamento da própria saúde, até 02 (dois) anos;
Art. 123. O afastamento para estudo ou missão oficial no ex- c) por motivo de acidente em serviço ou doença Profissional;
terior, obedecerá ao disposto em legislação específica. d) prêmio por assiduidade;
e) por convocação para o serviço militar;
CAPÍTULO V f) qualificação Profissional;
Das Concessões g) licença para acompanhar cônjuge ou companheiro;
h) licença para tratamento de saúde em pessoa da família;
Art. 124. Sem qualquer prejuízo, poderá o servidor ausentar- i) para desempenho de mandato classista.
se do serviço: IX – deslocamento para a nova sede de que trata o artigo 21.
I – por um (01) dia, para doação de sangue; X – participação em competição desportiva estadual e nacio-
II - por 02 (dois) dias para se alistar como eleitor;
nal ou convocação para integrar representação desportiva nacio-
III - por 08 (oito) dias consecutivos em razão de:
nal, no país ou no exterior, conforme disposto em lei específica.
a) casamentos;
Art. 130 Contar-se-á apenas para efeito de aposentadoria e
b) falecimento do cônjuge, companheiro, pais, madrasta ou
padrasto, filhos, enteado, menor sob guarda ou tutela, irmãos e disponibilidade:
avós. I – o tempo do serviço público federal, estadual e municipal,
Art. 125 (revogado) (Revogado pela LC 293/07) mediante comprovação do serviço prestado e do recolhimento da
Art. 126. Ao servidor estudante, que mudar de sede no interes- previdência social;
se da administração, assegurada, na localidade da nova residência II – a licença para atividade política, no caso do artigo 108,
ou na mais próxima, matrícula em instituto de ensino congênere, Parágrafo 2º;
em qualquer época, independente de vaga, na forma e condições III – o tempo correspondente ao desempenho de mandato ele-
estabelecidas na legislação específica. tivo federal, estadual, municipal ou distrital, anterior ao ingresso
Parágrafo único O disposto neste artigo estende-se ao cônjuge no serviço público estadual;
ou companheiro, aos filhos ou enteados do servidor, que vivam IV – o tempo de serviço em atividade privada, vinculada à
na sua companhia, bem como aos menores sob sua guarda, com Previdência Social, o após decorridos 05 (cinco) anos de efetivo
autorização judicial. exercício no serviço público;
V – o tempo de serviço relativo a tiro de guerra;
CAPÍTULO VI VI – Vetado.
Do Tempo de Serviço § 1º O tempo de serviço a que se refere o inciso I deste artigo
não poderá ser contado em dobro ou quaisquer outros acréscimos,
Art. 127. É contado para todos os efeitos o tempo de serviço
salvo se houver norma correspondente na legislação estadual.
público prestado ao Estado de Mato Grosso, inclusive o das Forças
§ 2º O tempo em que a servidor esteve aposentado ou em
Armadas.
Art. 128. A apuração do tempo de serviço será feita em dias disponibilidade será apenas contado para nova aposentadoria ou
que serão convertidos em anos, considerado o ano como de 365 disponibilidade.
(trezentos e sessenta e cinco) dias. § 3º Será contado, em dobro, o tempo de serviço prestado às
Parágrafo único Feita a converção, os dias restantes até 182 Forças Armadas em operações de guerra.
(cento o oitenta a dois), não serão computados, arredondando-se § 4º É vedado a contagem cumulativa de tempo de serviço
para 01 (um) ano quando excederem deste número, para efeito de prestado concomitantemente em mais de um cargo ou função em
aposentadoria. órgão ou entidades dos Poderes da União, Estado, Distrito Federal
Art. 129. Além das ausências ao serviço previstas no artigo e Município, autarquia, fundação pública, sociedade de economia
125, serão considerados como de efetivo exercício os afastamentos mista e empresa pública.
em virtude de:

Didatismo e Conhecimento 75
LEGISLAÇÃO BÁSICA
CAPÍTULO VII TÍTULO IV
Do Direito de Petição Do Regime Disciplinar
CAPÍTULO I
Art. 131. É assegurado ao servidor o direito de requerer aos Po- Dos Deveres
deres Públicos, em defesa de direito ou de interesse legítimo.
Parágrafo único. É possibilitado, dependente somente de sindi- Art. 143. São deveres do funcionário:
calização prévia, que o requerimento seja subscrito pelo respectivo I – exercer com zelo e dedicação as atribuições do cargo;
Sindicato da categoria do servidor. (Acrescentado pela LC 345/09) II – ser leal às instituições a que servir;
Art. 132. O requerimento será dirigido à autoridade competente III – observar as normas legais e regulamentares;
para decidi-lo e encaminhado através daquela a que estiver imediata- IV– cumprir as ordens superiores, exceto quando manifesta-
mente subordinado o requerente. mente ilegais;
Art. 133. Cabe pedido de reconsideração à autoridade que hou- V - atender com presteza:
ver expedido o ato ou proferido a primeira decisão, não podendo ser a) ao público em geral, prestando as informações requeridas,
renovado. ressalvadas as protegidas por sigilo;
Parágrafo único. O requerimento e o pedido da reconsideração b) a expedição de certidões requeridas para defesa de direito
de que tratam os artigos anteriores deverão ser despachados no prazo ou esclarecimento de situações de interesse pessoal;
de 05 (cinco) dias e decididos dentro de 30 (trinta) dias, contados c) as requisições para a defesa da fazenda pública.
a partir do recebimento dos autos pela autoridade julgadora, após a VI – levar ao conhecimento da autoridade superior as irregu-
apreciação pela Procuradoria-Geral do Estado, consoante estabelece laridades de que tiver ciência em razão do cargo;
o art. 14, II, da Lei Complementar nº 111, de 1º de julho de 2002. VII – zelar pela economia do material e a conservação do pa-
(Nova redação dada pela LC 123/03) trimônio público;
Art. 134. Caberá recurso: VIII – guardar sigilo sobre assuntos da repartição;
IX – manter conduta compatível com a da moralidade admi-
I – do indeferimento do pedido de reconsideração;
nistrativa;
II – das decisões sobre os recursos sucessivamente interpostos.
X – ser assíduo e pontual ao serviço;
§ 1º O recurso será dirigido à autoridade imediatamente superior
XI – tratar com urbanidade as pessoas;
a que tiver expedido o ato ou proferido a decisão, e, sucessivamente,
XII – representar contra ilegalidade ou abuso de Poder.
em escala ascendente, às demais autoridades.
Parágrafo único A representação do que trata o inciso XII, será
§ 2º O recurso será encaminhado por intermédio da autoridade a
encaminhada pela via hierárquica e obrigatoriamente apreciada
que estiver imediatamente subordinado o requerente.
pela autoridade superior àquela contra a qual é formulada, assegu-
Art. 135. O prazo para interposição de pedido de reconsideração rando ao representado direito de defesa.
ou de recurso é de 30 (trinta) dias, a contar da publicação ou da ciên-
cia, pelo interessado, da decisão decorrida. CAPÍTULO II
Art. 136. O recurso poderá ter recebido com efeito suspensivo, Das Proibições
a juízo da autoridade competente.
Parágrafo único. Em caso de provimento do pedido de reconsi- Art. 144. Ao servidor público é proibido:
deração ou de recurso, os efeitos da decisão retroagirão à data do ato I - ausentar-se do serviço durante o expediente, sem prévia
impugnado. autorização do chefe imediato;
Art. 137. O direito em requerer prescreve: II - retirar, sem prévia anuência da autoridade competente,
I – em 05 (cinco) anos, quanto aos atos de demissão e de cas- qualquer documento, ou objeto da repartição;
sação de aposentadoria ou disponibilidade ou que afetem Interesse III - recusar fé a documentos públicos;
patrimonial a créditos resultantes das relações de trabalho. IV - opor resistência injustificada ao andamento de documen-
II – em 120 (cento e vinte) dias, nos demais casos, salvo quando to e processo ou execução de serviço;
outro prazo for fixado em lei. V - referir-se de modo depreciativo ou desrespeitoso, à autori-
Parágrafo único O prazo de prescrição será contado da data da dades públicas ou aos atos do Poder Público, mediante manifesta-
publicação do ato impugnado ou de ciência pelo interessado, quando ção escrita ou oral, podendo, porém, criticar ato do Poder Público,
o ato não for publicado. do ponto de vista doutrinário ou da organizanção do serviço, em
Art. 138. O pedido de reconsideração e o recurso, quando cabí- trabalho assinado;
veis, interrompem a prescrição; VI – cometer a pessoa estranha à repartição , fora dos casos
Parágrafo único Interrompida a prescrição, o prazo recomeçará a previstos em lei, o desempenho de atribuições que seja sua respon-
correr pelo restante, no dia em que cessar a interrupção. sabilidade ou de seu subordinado;
Art. 139. A prescrição é de ordem pública, não podendo ser re- VII - compelir ou aliciar outro servidor no sentido de filiação a
levada pela administração. associação profissional ou sindical, ou a partido político;
Art. 140. Para o exercício do direito de petição, é assegurada VIII - manter sob sua chefia imediata, cônjuge, companheiro
vista ao processo ou documento na repartição ao servidor ou a procu- ou parente até o segundo grau civil;
rador por ele constituído. IX - valer-se do cargo para lograr proveito pessoal ou de ou-
Art. 141. A administração deverá rever seus atos , a qualquer trem, em detrimento da dignidade da função pública;
tempo, quando eivados de ilegalidade. X – participar de gerência ou administração de empresa pri-
Art. 142. São fatais e improrrogáveis os prazos estabelecidos vada, de sociedade civil, ou exercer comércio e, nessa qualidade,
neste Capítulo. transacionar com o Estado.

Didatismo e Conhecimento 76
LEGISLAÇÃO BÁSICA
XI – atuar, como procurador ou intermediário, junto a repar- Art. 151. A responsabilidade administrativa resulta do ato
tições públicas, salvo quando se tratar de benefícios previdenciá- omissivo ou comissivo praticado no desempenho de cargo ou fun-
rios ou assistenciais de parentes até segundo grau, e de cônjuge ou ção.
companheiro; Art. 152. As sanções civis penais e administrativas poderão
XII - receber propina, comissão, presente ou vantagem de cumular-se sendo independentes entre sí.
qualquer espécie, em razão de suas atribuições; Art. 153. A responsabilidade civil ou administrativa do ser-
XIII - aceitar comissão, emprego ou pensão de Estado estran- vidor será afastada no caso da absolvição criminal que negue a
geiro, sem licença do Governador do Estado; existência do fato ou de sua autoria.
XIV - praticar usura sob qualquer de suas formas;
XV - proceder de forma desidiosa; CAPÍTULO V
XVI - utilizar pessoa ou recursos materiais em serviços ou Das Penalidades
atividades particulares;
XVII - cometer a outro servidor atribuições estranhas às do
Art. 154. São penalidades disciplinares:
cargo que ocupa, exceto em situações de emergência e transitórias;
I – repreensão;
XVIII - exercer quaisquer atividades que sejam incompatíveis
II – suspensão;
com o exercício do cargo ou função e com o horário de trabalho.
III – demissão
XIX - assediar sexualmente ou moralmente outro servidor pú-
blico. (Acrescentado pela LC 347/09) IV – cassação de aposentadoria ou disponibilidade;
V –destituição de cargo em comissão.
CAPÍTULO III Art. 155. Na aplicação das penalidades serão consideradas a
Da Acumulação natureza e a gravidade da infração cometida, os danos que dela
provieram para o serviço público, as circunstâncias agravantes ou
Art. 145. Ressalvados os casos previstos na Constituição, é atenuantes a os antecedentes funcionais.
vedada a acumulação remunerada de cargos públicos. Art. 156. A repreensão será aplicada por escrito, nos casos de
§ 1º A proibição de acumular estende-se a cargos. empregos violação de proibição constante do artigo 143, Inciso I a lX, e de
e funções em autarquias, fundações públicas, empresas públicas, inobservância de dever funcional previsto em lei, regulamento ou
sociedades de economia mista da União, dos Estados e dos Mu- norma interna, que não justifique imposição de penalidade mais
nicípios. grave.
§ 2º A acumulação de cargos, ainda que lícita, fica condiciona- Art. 157. A suspensão será aplicada em caso de reincidência
da à comprovação da compatibilidade de horários. das faltas punidas com repreensão e de violação das demais proibi-
Art. 146. O servidor não poderá exercer mais de um cargo ções que não tipifiquem infração sujeita a penalidade de demissão,
em comissão nem ser remunerado pela participação em órgão de não podendo exceder de 90 (noventa)dias.
deliberação coletiva. § 1º Será punido com suspensão de até 15 (quinze) dias o ser-
Art. 147. O servidor vinculado ao regime desta lei, que acu- vidor que injustificadamente, recusar-se a ser submetido a inspe-
mular licitamente dois cargos de carreira, quando investido em ção médica determinada pela autoridade competente, cessando os
cargo de provimento em comissão, ficará afastado de ambos os efeitos da penalidade uma vez cumprida a determinação.
cargos efetivos recebendo a remuneração do cargo em comissão, § 2º Quando houver conveniência para o serviço, a penali-
facultando-lhe a opção pela remuneração. dade de suspensão poderá ser convertida em multa, na base de
Parágrafo único. O afastamento previsto neste artigo ocorrerá 50% (cinquenta por cento) por dia de vencimento ou remuneração,
apenas em relação a um dos cargos, se houver compatibilidade de ficando o servidor obrigado a permanecer em serviço.
horários.
Art. 158. As penalidades de repreensão e de suspensão terão
seus registros cancelados, após o decurso de 01 (um) ano a 03
CAPÍTULO IV
(três) meses de efetivo exercício, respectivamente, se o servidor
Das Responsabilidades
não houver, nesse período, praticado nova infração disciplinar.
Art. 148. O servidor responde civil, penal e administrativa- Parágrafo único O cancelamento da penalidade não surtirá
mente, pelo exercício irregular de suas atribuições. efeitos retroativos.
Art. 149. A responsabilidade civil decorre do ato omissivo ou Art. 159. A demissão será aplicada nos seguintes casos:
comissivo, doloso ou culposo que resulte em prejuízo ao erário ou I - crime contra a administração pública;
a terceiro. II - abandono de cargo;
§ 1º A Indenização de prejuízo dolosamante causado ao erário III - inassiduidade habitual;
somente será liquidado na forma prevista no artigo 66, na falta do IV - improbidade administrativa;
outros bens que assegurem a execução do débito pela via judicial. V - incontinência pública e conduta escandalosa;
§ 2º Tratando-se de dano causado a terceiros, responderá o VI - insubordinação grave em serviço;
servidor perante a fazenda estadual, em ação regressiva. VII - ofensa física, em serviço, a servidor ou a particular, sal-
§ 3º A obrigação de reparar o dano estende-se aos sucessores vo em legítima defesa própria ou de outrem;
e contra eles será executada, até o limite do valor da herança re- VIII - aplicação irregular de dinheiro público;
cebida. IX – revelação de segredo apropriado em razão do cargo;
Art. 150 A responsabilidade penal abrange os crimes e contra- X - lesão aos cofres públicos e dilapidação do patrimônio Es-
venções imputados ao servidor, nessa qualidade. tadual;

Didatismo e Conhecimento 77
LEGISLAÇÃO BÁSICA
XI - corrupção; § 1º O prazo de prescrição começa da data em que, o fato ou
XII - acumulação ilegal de cargos ou fuções públicas após transgressão se tornou conhecido.
constatação em processo disciplinar; § 2º Os prazos de prescrição previstos na lei penal aplicam-se
XIII - transgressão do artigo 144, incisos X a XVII. às infrações disciplinares capituladas também como crime.
Art. 160. Verificada em processo disciplinar acumulação proi- § 3º A abertura de sindicância ou a instauração de processo
bida, e provada a boa fé, o servidor optará por um dos cargos. disciplinar interrompe a prescrição, até a decisão final proferida
§ 1º Provada a má fé, perderá também o cargo que exercia há por autoridade competente.
mais tempo e restituirá o que tiver percebido indevidamente. § 4º Interrompido o curso da prescrição, este recomeçará a
§ 2º Na hipótese do parágrafo anterior, sendo um dos cargos correr pelo prazo restante, à partir do dia em que cessar a inter-
ou função exercido em outro órgão ou entidade, a demissão lhe rupção.
será comunicada. § 5º Se decorrido o prazo legal para o disposto no parágrafo
Art. 161. Será cassada a aposentadoria ou a disponibilidade terceiro, sem a conclusão e o julgamento, recomeçará a correr o
do inativo que houver praticado, na atividade, falta punível com curso da prescrição.
a demissão.
Art. 162. A destituição de cargo em comissão exercido por TÍTULO V
não ocupante de cargo efetivo será aplicada nos casos de infração Do Processo Administrativo Disciplinar
sujeita a penalidades de suspensão e de demissão. CAPÍTULO I
Parágrafo único Ocorrida a exoneração de que trata o artigo Disposições Gerais
45, o ato será convertido em destituição de cargo em comissão
prevista neste artigo. Art. 170. A autoridade que tiver ciência de irregularidade no
Art. 163. A demissão ou a destituição de cargo em comissão, serviço público é obrigada a promover a sua apuração imediata,
nos casos dos incisos IV, VIII a X do artigo 144, implica indispo- mediante sindicância ou processo disciplinar, assegurado ao acu-
nibilidade dos bens e ressarcimento ao erário sem prejuízo da ação sado ampla defesa.
penal cabível. Art. 171. As denúncias sobre irregularidades serão objeto de
Art. 164. A demissão ou a destituição de cargo em comissão
apuração, desde que contenham a identificação e o endereço do
por infringência do artigo 144, inciso X, XII e XIII, incompatibili-
denunciante e sejam formulados por escrito, confirmada a auten-
za o ex servidor para nova investidura em cargo público estadual,
ticidade.
pelo prazo mínimo de 05 (cinco) anos.
Parágrafo único Quando o fato narrado não configurar eviden-
Parágrafo único. Não poderá retornar ao serviço público esta-
te infração disciplinar ou ilícito penal, a denúncia será arquivada
dual o servidor que for demitido ou destituído do cargo em comis-
por falta de objeto.
são por infringência do artigo 159, Inciso I, IV, VIII, X e XI.
Art. 172 . Da sindicância poderá resultar:
Art. 165. Configura o abandono de cargo a ausência inten-
I - arquivamento do processo;
cional do servidor ao serviço por mais de 30 (trinta) dias conse-
cutivos. II - aplicação de penalidade de repreensão ou suspensão de até
Art. 166. Entende-se por inassiduidade habitual, a falta ao 30 (trinta) dias;
serviço sem causa justificada por 60 (sessenta) dias, interpolada- III - instauração de processo dinciplinar.
mente, durante o período de 12 (doze) meses. Art. 173. Sempre que o ilícito praticado pelo servidor ensejar
Art. 167. O ato de imposição da penalidade mencionará sem- à imposição de penalidade de suspensão por mais de 30 (trinta)
pre o fundamento legal e a causa da sanção disciplinar. dias de demissão ou destituição de cargo em comissão, será obri-
Art. 168. As penalidades disciplinares serão aplicadas: gatória a instauração do processo disciplinar.
I - pelo Governador do Estado, pelos Presidentes do Poder Le-
gislativo e dos Tribunais Estaduais, pelo Procurador Geral da Jus- CAPÍTULO II
tiça e o pelo dirigente superior de autarquia e Fundação, quando se Do Afastamento Preventivo
tratar de demissão e cassação de aposentadoria ou disponibilidade
de servidor vinculado ao respectivo Poder, Órgão ou Entidade; Art. 174. Como medida cautelar e a fim de que o servidor não
II - pelas autoridades administrativas de hierarquia imediata- venha a influir na apuração da irregularidade, a autoridade instau-
mente inferior aquelas mencionadas no inciso I , quando se trata de radora do processo disciplinar poderá ordenar o seu afastamento
suspensão superior a 30 (trinta) dias. do exercício do cargo, pelo prazo de até 60 (sessenta) dias, sem
III - pelo chefe da repartição e outra autoridade, na forma dos prejuízo da remuneração.
respectivos regimentos ou regulamentos , nos casos de repreensão Parágrafo único O afastamento poderá ser prorrogado por
ou de superior de até 30 (trinta) dias; igual prazo, findo o qual cassarão os seus efeitos, ainda que não
IV - peIa autoridade que houver feito a nomeação, quando concluído o processo.
se tratar de destituição de cargo em comissão de não ocupante do Art. 175. O processo disciplinar é o instrumento destinado
cargo efetivo. a apurar responsabilidade de servidor por infração praticada no
Art. 169 A ação disciplinar prescreverá: exercício de suas atribuições, ou que tenha relação mediata com,
I – em 05 (cinco) anos, quanto às infrações puníveis com de- as atribuições do cargo que se encontre investido.
missão, cassação de aposentadoria ou disponibilidade e destituição § 1º O servidor que responde a processo administrativo disci-
de cargo em comissão; plinar nos termos do caput deste artigo, até decisão final da autori-
II – em 2 (dois) anos, quanto à representação e suspensão; dade competente e independentemente do que dispõe o artigo an-

Didatismo e Conhecimento 78
LEGISLAÇÃO BÁSICA
terior, deverá ser remanejado para exercer as atribuições do cargo Art. 184. As testemunhas serão intimadas a depor mediante
em que se encontra investido em ambiente de trabalho diverso da- mandado expedido pelo Presidente da comissão, devendo a segun-
quele em que as exercia quando da instauração do referido proces- da via, com o ciente do interessado, ser anexada aos autos.
so, sem prejuízo da remuneração. (Acrescentado pela LC 85/01) Parágrafo único. Se a testemunha for servidor público, a ex-
§ 2º Para a aplicação das penalidades previstas nesta lei com- pedição do mandado será imediatamente comunicado ao chefe da
plementar, observar-se-á o disposto no artigo 168.(Acrescentado repartição onde serve, com indicação do dia e hora marcados para
pela LC 85/01) a inquirição.
Art. 176 Vetado. Art. 185. O depoimento será prestado oralmente e reduzido a
Art. 177. A comissão de inquérito exercerá suas atividades termo, não sendo lícito à testemunha trazê-lo por escrito.
com independência e imparcialidade, assegurado o sigilo necessá- § 1º As testemunhas serão inquiridas separadamente.
rio a elucidação do fato ou exigido pelo interesse da administração. § 2º Na hipótese de depoimentos contraditórios ou que se in-
Art. 178. O processo discipIinar se desenvolve nas seguintes firmem, proceder-se-á a acareacão,entre os depoentes.
fases: Art. 186. Concluída a inquirição das tentemunhas a comissão
I – instauração, com publicação do ato que Constituiu a co- promoverá o interrogatório do acusado, observados os procedi-
missão; mentos previstos nos artigos 184 e 185.
II – inquérito administrativo, que compreende instrução, de- § 1º No caso de mais de um acusado, cada um deles será ouvi-
fesa e relatório; do separadamente, e sempre que divergirem em suas declarações
III – julgamento. sobre fatos ou circunstâncias, será promovida a acareação entre
Art. 179. O prazo para a conclusão do processo disciplinar eles.
não excederá 60 (sessenta) dias, contados da publicação do ato que § 2º O Procurador do acusado poderá assistir ao interrogató-
constituir a comissão, admitida a sua prorrogação por igual prazo, rio, bem como à inquirição das testemunhas, sendo-lhes vedado
quando as circunstâncias o exigirem. interferir nas perguntas e respostas, facultando-lhe, porém, rein-
§ 1º Decorrido, sem que seja apresentado o relatório conclusi- quirí-las, por intermédio do Presidente da comissão.
vo, a autoridade competente deverá determinar a apuração, a res- Art. 187. Quando houver dúvida sobre a sanidade mental do
ponsabilidade dos membros da comissão. acusado, a comissão proporá à autoridade compete que ele seja
§ 2º Sempre que necessário, a comissão dedicará tempo in- submetido a exame por junta médica oficial, da qual participe pelo
tegral aos seus trabalhos, ficando seus membros dispensados do menos um médico psiquiatra.
ponto, até a entrega do relatório final. Parágrafo único. O incidente de sanidade mental será proces-
§ 3º As reuniões da comissão serão registradas em atas que sado em auto apartado e apenso no processo principal, após a ex-
deverão detalhar as deliberações adotadas. pedição do laudo pericial.
Art. 188. Tipificada a Infração disciplinar será formulada a in-
SEÇÃO I dicação do servidor com a especificação dos fatos a ele imputados
Do Inquérito a das respectivas provas.
§ 1º O indiciado será citado por mandado expedido pelo Pre-
Art. 180. O inquérito administrativo será contraditório, asse- sidente de Comissão para apresentar defesa escrita, no prazo de
gurado ao acusado a ampla defesa, com a utilização dos meios e 10 (dez) dias, assegurando-se- lhe vista do processo na repartição.
recursos admitidos em direito. § 2º Havendo dois ou mais indiciados, o prazo será comum e
Art. 181. Os autos de sindicância integrarão o processo disci- de 20 (vinte) dias.
plinar, como peça informativa de instrução. § 3º O prazo de defesa poderá ser prorrogado pelo dobro, para
Parágrafo único. Na hipótese do relatório da sindicância diligências indispensáveis.
concluir que a infração está capitulada como ilícito penal, a au- § 4º No caso de recusa do indiciado em opor o ciente na cópia
toridade competente encaminhará cópia dos autos ao Ministério da citação, o prazo para defesa contar-se-á da data declarada em
Público, independentemente da imediata instauração do processo termo próprio, pelo membro da comissão que fez a citação.
disciplinar. Art. 189 O indiciado que mudar de residência fica obrigado a
Art. 182. Na fase do inquérito, a comissão promoverá a toma- comunicar à Comissão o lugar onde poderá ser encontrado.
da de depoimentos, acareações, investigações diligências cabíveis, Art. 190. Achando-se o indiciado em lugar incerto e não sabi-
objetivando a coleta de prova, recorrendo quando necessário, a do, será citado por edital, publicado no Diário Oficial do Estado e
técnicos e peritos, de modo a permitir a completa elucidação dos em jornal de grande circulação na localidade do último domicílio
fatos. conhecido, para apresentar defesa.
Art. 183. É assegurado ao servidor o direito de acompanhar Parágrafo único Na hipótese deste artigo, o prazo para defesa
o processo em qualquer fase, pessoalmente ou por intermédio de será de 15 (quinze) dias a partir da última publicação do edital.
procurador, arrolar-se e reinquirir testemunhas, produzir provas a Art. 191.Considerar-se-á revel o indiciado que, regularmente
contra-provas e formular quesitos, quando se tratar de prova peri- citado, não apresentar defesa no prazo legal,
cial, § 1º O Presidente da comissão poderá denegar pedidos con- § 1º A revelia será declarada por termo nos autos do processo
siderados impertinentes meramente protelatórios ou de nenhum e devolverá o prazo para a defesa.
interesse para o esclarecimento dos fatos. § 2º Para defender o indiciado revél, a autoridade instauradora
§ 2º Será indeferido o pedido de prova pericial, quando a com- do processo designará um servidor como defensor-dativo de cargo
provação do fato independer, de conhecimento especial de perito. de nível igual ou superior ao do indiciado.

Didatismo e Conhecimento 79
LEGISLAÇÃO BÁSICA
Art. 192. Apreciada a defesa, a comissão elaborará relatório SEÇÃO III
minucioso, onde resumirá as peças principais dos autos e mencio- Da Revisão do Processo
nará as provas em que se baseou para formar a sua convicção.
§ 1º O relatório será conclusivo quanto a inocência ou respon- Art. 201. O processo disciplinar poderá ser revisto, a qualquer
sabilidade do servidor. tempo, a pedido ou de ofício, quando se aduzirem fatos novos ou
§ 2º O processo disciplinar, com o relatório da comissão, indi- circunstanciais suscetíveis de justificar a inocência do punido ou a
cará o dispositivo legal ou regulamentar transgredido, bem como as inadequação da penalidade aplicada.
circunstâncias agravantes ou atenuantes. § 1º Em caso de falecimento, ausência, ou desaparecimento do
Art. 193. O processo disciplinar, com o relatório da comissão, será servidor, qualquer pessoa poderá requerer a revisão do processo.
remetido á autoridade que determinou a instauração, para julgamento. § 2º No caso de incapacidade mental do servidor, a revisão será
requerida pelo respectivo curador.
SEÇÃO II Art. 202. No processo revisional, o ônus da prova cabe ao re-
Do Julgamento querente.
Art. 203 A simples alegação de injustiça da penalidade não
Art. 194. No prazo de 60 (sessenta) dias, contados do recebimen- constitui fundamento para revisão que requer elementos novos, ain-
to do processo, a autoridade julgadora proferirá a sua decisão. da não apreciados no processo originário.
§ 1º Se a penalidade a ser aplicada exceder a alçada da autoridade Art. 204. o requerimento de revisão do processo será dirigido
instauradora do processo, este será encaminhado à autoridade compe- ao Secretário de Estado ou autoridade equivalente, que, se autorizar
tente que decidirá em igual prazo. a revisão encaminhará o pedido ao , dirigente do órgão ou entidade
§ 2º Havendo mais de um indiciado e diversidade de sanções, o onde se originou o processo disciplinar.
julgamento caberá a autoridade competente para a imposição da pena Parágrafo único. Recebida a petição, o dirigente do órgão ou
mais grave. entidade providenciará a constituição da comissão na forma prevista
§ 3º Se a penalidade prevista for de demissão, o julgamento caberá no art. 176, desta lei.
às autoridades de que trata o inciso l, do artigo 169. Art. 205. A revisão correrá em apenso ao processo originário.
Art. 195. O julgamento acatará o relatório da comissão, salvo Parágrafo único. Na petição inicial, o requerente pedirá dia e
quando contrário às provas dos autos. hora para a produção de provas e inquirição das testemunhas que
Parágrafo único Quando o relatório da comissão contrariar as pro- arrolar.
vas dos autos, a autoridade julgadora poderá motivadamente, agravar Art. 206. A comissão revisora terá até 60 (sessenta) dias para
a penalidade proposta, abrandá-la, ou isentar o funcionário de respon- a conclusão dos trabalhos, prorrogável por igual prazo quando as
sabilidade. circunstâncias o exigirem.
Art. 196. Verificada a existência de vício insanável, a autoridade Art. 207. Aplicam-se aos trabalhos da comissão revisora, no
julgadora declarará a nulidade total ou parcial do processo e ordenará que couber, as normas e procedimentos próprios da comissão do
a constituição de outra comissão, para a instauração de novo processo. processo disciplinar.
§ 1º O julgamento fora do prazo legal não implica nulidade do Art 208. O julgamento caberá à autoridade que aplicou a pena-
processo. (Nova redação dada pela LC 123/03) lidade nos termos do art. 154 desta lei.
§ 1º O julgamento fora do prazo legal implica nulidade do pro- Parágrafo único. O prazo para julgamen to será até 60 (sessen-
cesso. ta) dias, contados do recebimento do processo no curso do qual a
§ 2º A autoridade julgadora que der causa à prescrição de que trata autoridade julgadora poderá determinar diligências.
o artigo 169, parágrafo 2º, será responsabilizada na forma do Capitulo Art. 209. Julgada procedente a revisão, será declarada sem
V, do Título V desta. Lei. efeito a penalidade aplicada, restabelecendo-se todos os direitos do
Art. 197. Extinta a punibilidade peIa prescrição, a autoridade jul- servidor, exceto em relação a destituição de cargo em comissão que
gadora determinará o registro do fato nos assentamentos individuais será convertida em exoneração.
do servidor. Parágrafo único. Da revisão do processo não poderá resultar
Art. 198. Quando a infração estiver capitulada como crime, o pro- agravamento de penalidade.
cesso disciplinar será remetido ao Ministério Público para instauração
da Ação Penal, ficando translado na repartição. TÍTULO VI
Art. 199. O servidor que responde processo disciplinar só pode- Da Seguridade Social do Servidor
rá ser exonerado a pedido, do cargo, ou aposentado voluntariamente, CAPÍTULO I
após a conclusão do processo e o do cumprimento da penalidade acaso Disposições Gerais
aplicada.
Parágrafo único. Ocorrida a exoneração de que trata o artigo 44, Art. 210. O Estado manterá Plano de Seguridade Social para o
parágrafo único, inciso I, o ato será convertido em demissão, se for o servidor e sua família submetido ao Regime Jurídico Único.
caso. Art. 211. O Plano de Seguridade Social visa dar cobertura aos
Art. 200. Serão assegurados transporte e diárias: riscos a que esta sujeito o servidor e sua família, e compreende um
I – ao servidor convocado para prestar depoimento fora, da sede conjunto de benefícios e ações que atendam as seguintes finalidades:
de sua repartição, na condição de testemunha, denunciado ou indicia- I – garantir meios de subsistência nos eventos de doença, in-
do; validez, velhice, acidente em serviço, inatividade, falecimento e
II – aos membros da comissão e ao secretário, quando obri- reclusão;
gados a se deslocarem da sede dos trabalhos para a realização de II – proteção à maternidade, à adoção e à paternidade;,
missão essencial ao esclarecimento dos fatos. III – (revogado) (Revogado pela LC 94/01)

Didatismo e Conhecimento 80
LEGISLAÇÃO BÁSICA
Parágrafo único. Os benefícios serão concedidos nos termos § 2º Nos casos de exercícios de atividades consideradas insa-
e condições definidos em regulamento, observadas as disposições lubres ou perigosas, bem como nas hipóteses previstas no artigo
desta lei. 90, a aposentadoria que trata o inciso III, alíneas “a”, “b” e “c”,
Art. 212. Os benefícios do Plano de Seguridade Social do ser- observará o disposto em lei especial.
vidor compreendem: § 3º Estende-se aos ocupantes de cargos em comissão, as prer-
I – quanto ao servidor: rogativas inseridas no inciso I deste artigo, quando se tratar de
a) aposentadoria; acidente em serviço, moléstia profissional e invalidez permanente.
b) (revogado) (Revogado pela LC 94/01) (Acrescentado pela LC 68/00)
c) salário-famílía; § 4º Para atender o disposto no inciso I deste artigo a Junta
d) licença à gestante, à adotante e licença-paternidade; (Nova Médica do IPEMAT terá o prazo de 30 (trinta) dias para expedir, o
redação dada pela LC 263/06) laudo ou atestado de invalidez, contados da data do requerimento
e) licença por acidente em serviço; do interessado. (Acrescentado pela LC 68/00)
f) licença para tratamento de saúde. Art. 214. A aposentadoria compulsória será automática e de-
II – quanto aos dependentes: clarada por ato com vigência a partir do dia imediato àquele em
a) pensão vitalícia e temporária; que o servidor atingir a idade limite de permanência no serviço
ativo.
c) (revogado) (Revogado pela LC 94/01) Art. 215. A aposentadoria voluntária ou por invalídez vigora-
d) auxílio-reclusão. rá a partir da data da publicação do respectivo ato.
§ 1º (revogado) (Revogado pela LC 254/06) § 1º A aposentadoria por invalidez será precedida de licença
§ 2º O recebimento indevido de benefícios havidos por fraude, para tratamento de saúde, por período não excedente a 24 (vinte e
dolo ou má fé, implicará na devolução ao erário do total auferido, quatro) meses.
sem prejuízo da ação penal cabível. § 2º Expirado o período de licença e não estando em condi-
ções de reassumir o cargo, ou de ser readaptado, o servidor será
CAPÍTULO II aposentado.
Dos Benefícios § 3º O lapso de tempo compreendido entre o término de licen-
SEÇÃO I ça e a publicação do ato de aposentadoria será considerado como
de prorrogação de licença.
Da aposentadoria
Art. 216. O provento de aposentadoria será calculado com
observância do disposto no artigo 57, e revisto na mesma data e
Art. 213. O servidor será aposentado:
proporção, sempre que se modificar a remuneração do servidor em
I – por invalidez permanente, sendo os proventos integrais
atividade.
quando decorrentes de acidentes em serviço, moléstia profissio-
Parágrafo único. São estendidos aos inativos quaisquer be-
nal ou doença grave, contagiosa ou incurável, especificada em lei,
nefícios ou vantagens posteriormente concedidos ao servidor em
com base de conclusões de junta médica do IPEMAT - Instituto de
atividade, inclusive, quando decorrentes da transformação ou re-
Previdência do Estado de Mato Grosso e proporcional nos demais
classificação do cargo ou função em que se deu a aposentadoria.
casos. (Nova redação dada pela LC 68/00) Art. 217. O servidor aposentado com provento proporcional
II – compulsoriamente, aos 70 (setenta) anos de idade, com ao tempo de serviço, se acometido de qualquer das moléstias espe-
proventos proporcionais ao tempo de serviço; cificadas no artigo 213, parágrafo 1º, passará a perceber provento
III – voluntáriamente: integral.
a) aos 35 (trinta e cinco) anos de serviço, se homem, e aos 30 Art. 218. (revogado) (Revogado pela LC 524/14
(trinta) se mulher, com proventos integrais; Art. 219. (revogado) (Revogado pela LC 59/99)
b) aos 30 (trinta) anos de efetivo exercício em funções de Art. 220. O servidor que tiver exercido função de direção,
magistério, se professor, e 25 (vinte e cinco), se professora, com chefia, assessoramento, assistência ou cargo em comissão, por pe-
proventos integrais; ríodo de 05 (cinco) anos consecutivos ou 10 (dez) anos interpola-
c) aos 30 (trinta) anos de serviço, se homem e aos 25 (vinte e dos poderá se aposentar com a gratificação da função ou remune-
cinco) se mulher, com proventos proporcionais; ração do cargo em comissão, de maior valor, desde que exercido
d) aos 65 (sessenta o cinco) anos de idade, se homem, e aos por um, período mínimo de 02 (dois) anos.
60 (sessenta), se mulher, com proventos proporcionais ao tempo Parágrafo único. Quando o exercício da função ou cargo em
de serviço. comissão de maior valor não corresponde ao período de 02 (dois)
§ 1º Consideram-se doenças graves, contagiosas ou incurá- anos, será incorporada a gratificação ou remuneração da função
veis, a que se refere o inciso I deste artigo, tuberculose ativa, alie- ou cargo em comissão imediatamente inferior dentre os exercidos.
nação mental, neoplasia maligna, cegueira posterior ao ingresso Art. 221 Ao servidor aposentado será paga a, gratificação
no serviço público, hanseníase, cardiopatia grave, esclerose múlti- natalina, até o dia 20 (vinte) do mês de dezembro, em valor equi-
pla, hepatopatia grave, doença de Parkinson, paralisia irreversível valente ao respectivo provento, deduzido adiantamento recebido.
e incapacitante, expondiloartrose anquilorante, nefropatia grave, Art. 222 Ao Ex-combatente que tenha efetivamennte partici-
estado avançado do mal de Paget, osteíte deformante, síndrome da pado de operações bélicas, durante a segunda guerra mundial, nos
imunodeficiência adquirida, AIDS; no caso de magistério, surdez temos da Lei nº 5.315, de 12 de setembro de 1967, será concedida
permanente, anomalia da fala e outros que a lei indicar com base aposentadoria com proventos integrais, aos 25 (vinte e cinco) anos
na medicina especializada. (Nova redação dada pela LC 568/15) de serviço efetivo.

Didatismo e Conhecimento 81
LEGISLAÇÃO BÁSICA
SEÇÃO Il Art. 233. O servidor que apresente indícios de lesões orgâni-
Do Auxílio-Natalidade cas ou funcionais será submetido à inspeção médica.
Art. 234. Será punido disciplinarmente o servidor que se re-
Art. 223 (revogado) (Revogado pela LC 124/03) cusar à inspeção médica, cessando os efeitos da pena logo que se
§ 1º Na hipótese de parto múltiplo, o valor será acrescido de verifique a inspeção.
100% (cem por cento).
§ 2º O auxílio será pago ao cônjuge ou companheiro, servidor SEÇÃO V
público, quando a parturiente não for servidora. Da Licença à Gestante, à Adotante e da
Licença-Paternidade
SEÇÃO III
Do Salário-Família Art. 235 Será concedida licença à servidora gestante por um
período de 180 (cento e oitenta) dias consecutivos, sem prejuízo
Art. 224. O salário-familia, definido na legislação específica, da remuneração, mediante inspeção médica. (Nova redação dada
é devido ao servidor ativo ou ao inativo, por dependente econô- pela LC 330/08)
mico. § 1º A licença poderá ter inicio no primeiro dia do oitavo mês
§ 1º Consideram.se dependentes para efeito de percepção do da gestação, salvo antecipação por prescrição médica. (Nova reda-
salário-família: ção dada pela LC 330/08)
(Nova redação dada pela LC 124/03)
I – o filho, até quatorze anos de idade ou inválido. § 2º no caso de nascimento prematuro, a licença terá início a
II – o enteado e o menor que esteja sob sua tutela, comprovada partir do parto. (Nova redação dada pela LC 330/08)
a dependência econômica, e desde que não possua bens suficientes § 3º No caso de natimorto, será concedida a licença para tra-
para o próprio sustento e educação. tamento de saúde, a critério médico, na forma prescrita no Art.
§ 2º O salário-família somente será devido ao servidor que 231, da Lei Complementar n° 04/90.(Nova redação dada pela LC
perceber remuneração, vencimento ou subsídio igual ou interior ao 330/08)
teto fixado para esse fim pelo Regime Geral de Previdência Socia. § 4º Ocorrido o parto, sem que tenha sido requerida a licença,
(Nova redação dada pela LC 124/03)
poderá esta ser concedida mediante apresentação da certidão de
Art. 225. Não se configura a dependência econômica quando
nascimento e vigorará a partir da data do evento. (Nova redação
o beneficiário do salário-família perceber rendimento do trabalho
dada pela LC 330/08)
ou de qualquer outra fonte, inclusive pensão ou provento de apo-
§ 5º no caso de aborto não criminoso, atestado por médico
sentadoria, em valor igual ou superior ao salário-mínimo.
oficial, a servidora terá direito a 60 (sessenta) dias de repouso re-
Art. 226. Quando pai e mãe forem servidores públicos e vi-
munerado, podendo ser prorrogado por inspeção médica. (Acres-
verem em comum, o salário-família será pago a um deles quando
centado pela LC 330/08)
separados, será pago a um e outro, de acordo com a distribuição
§ 6º No caso de recém-nascido com deficiência visual, audi-
dos dependentes.
Parágrafo único. Ao pai e à mãe equiparam-se o padrasto, a tiva, mental, motora ou que sofra de má-formação congênita, o
madrasta e, na falta destes, os representantes legais dos incapazes. período da licença-maternidade estabelecido no caput deste artigo
Art. 227. O salário-família não está sujeito a qualquer tribu- será prorrogado por mais 120 (cento e vinte) dias, mediante ne-
to, nem servirá de base para qualquer contribuição, inclusive para cessidade fundamentada em laudo clínico pelo médico assistente.
previdência social. (Acrescentado pela LC 515/13)
Art. 228. O afastamento do cargo efetivo, sem remuneração, Art. 236 Pelo nascimento ou adoção de filho, o servidor terá
não acarreta a suspensão do pagamento do salário-família. direito à licença-paternidade de 05 (cinco) dias consecutivos.
(Nova redação dada pela LC 263/06)
SEÇÃO IV Art. 237 Para amamentar o próprio filho, até a idade de 06
Da Licença para Tratamento de Saúde (seis) meses, a servidora lactante terá direito, durante a jornada de
trabalho, a uma hora de descanso, que poderá ser parcelada em 02
Art. 229. Será concedida ao servidor licença para tratamento (dois) períodos de 1/2 (meia) hora.
de saúde, a pedido ou de ofício, com base em perícia médica, sem Art. 238 À servidora que adotar ou obtiver guarda judicial de
prejuízo da remuneração a que fizer jus. criança de até 04 (quatro) anos de idade serão concedidos 90 (no-
Art. 230. A Inspeção para fins de licença para Tratamento de venta) dias, de licença remunerada para ajustamento do adotado ao
Saúde será feita pelo Médico Assistente do órgão da Previdência novo lar. (Nova redação dada pela LC 426/11)
Estadual ou por Junta Médica Oficial, conforme se dispuser em § 1º (revogado) (Revogado pela LC 124/03)
regulamento. (Nova redação dada pela LC 12/92) § 2º (revogado) (Revogado pela LC 124/03)
Art. 231. Findo o prazo de licença, se necessário, o servidor § 3º No caso de adoção ou guarda judicial de recém nascido
será submetido a nova inspeção médica, que concluirá pela volta a licença será concedida até que a criança complete 06 (seis) me-
ao serviço, pela prorrogação da licença ou pela aposentadoria. ses de idade, mas nunca inferior ao prazo concedido pelo caput.
Art. 232. O atestado e o laudo da junta médica não se referirão (Acrescentado pela LC 426/11)
ao nome ou natureza da doença, salvo quando se tratar de lesões § 4º No caso de adoção ou guarda judicial de criança com
produzidas por acidente em serviço, doença profissional ou quais- mais de 04 (quatro) anos de idade, o prazo de que trata este artigo
quer das doenças especificadas no art. 213, parágrafo 1º. será de 30 (trinta) dias. (Acrescentado pela LC 426/11)

Didatismo e Conhecimento 82
LEGISLAÇÃO BÁSICA
§ 5º Decorrido o prazo da licença, a servidora deverá apresen- c) o irmão órfão de pai e sem padrasto, até18 (dezoito) anos
tar ao órgão competente certidão judicial, atestando a permanência e o irmão inválido, enquanto durar a invalidez, que comprovem
da adoção ou da guarda no período correspondente, sob pena de dependência econômica do servidor, por meio de ação judicial
incorrer nas sanções previstas no Art. 154, I e III. (Acrescentado própria ao reconhecimento.” (NR) (Nova redação dada pela LC
pela LC 426/11) 524/14)
d) (revogado) (Revogado pela LC 124/03)
SEÇÃO VI § 1º A concessão da pensão vitalícia aos beneficiários de que
Da Licença por Acidente em Serviço tratam as, alíneas “a” a “c” do inciso I deste artigo, exclui desse
direito os demais beneficiários referidos nas alíneas “d” e “e”.
Art. 239 Será licenciado, com remuneração integral, o servi- § 2º A concessão da pensão temporária aos beneficiários de
dor acidentado em serviço. que tratam as alíneas “a” a “b” do inciso II deste artigo, exclui des-
Art. 240 Configura acidente em serviço o dano físico ou men- se direito os demais beneficiários referidos nas alíneas “c” e “d”.
tal sofrido pelo servidor e que se relacione mediata ou imediata- Art. 246. A pensão será concedida integralmente ao titular da
mente com as atribuições do cargo exercido. pensão vitalícia, exceto se existirem beneficiários da pensão tem-
Parágrafo único. Equipara-se ao acidente em serviço o dano: porária.
I – decorrente de agressão sofrida a não provocada pelo servi- § 1º Decorrendo habilitação de vários titulares à pensão vita-
dor no exercício do cargo; lícia, o seu valor será distribuído em partes iguais entre os benefi-
II – sofrido no percurso da residência para o trabalho e vice- ciários habilitados.
versa. § 2º Ocorrendo habilitação às pensões vitalícia e temporária,
Art. 241. O servidor acidentado em serviço que necessite da metade do valor caberá ao titular ou titulares da pensão vitalícia,
tratamento especializado poderá ser tratado em instituição privada, sendo a outra metade rateada em partes iguais, entre os titulares da
à conta de recursos públicos, dentro ou fora do Estado. pensão temporária.
Parágrafo único. O tratamento recomendado por junta médi-
§ 3º Ocorrendo habilitação somente à pensão temporária, o
ca oficial constitui medida de exceção a somente será admissível
valor integral da pensão será rateada, em partes iguais, entre os
quando inexistirem, meios a recursos adequados, em instituição
que se habilitarem.
pública.
§ 4º Quando o beneficiário se tratar de pessoa desquitada,
Art. 242. A prova do acidente será feita no prazo de 10 (dez)
separada judicialmente ou divorciada, com percepção de pensão
dias, prorrogável quando as circunstâncias o exigirem.
alimentícia, o valor do benefício corresponderá àquele determi-
Art. 243. Por morte do servidor, os dependentes fazem jus
nado judicialmente a título de alimentos. (Acrescentado pela LC
a uma pensão mensal de valor correspondente ao da respectiva
524/14)
remuneração ou provento, a partir da data do óbito, observado o
Art. 247 A pensão poderá ser requerida a qualquer tempo,
limite estabelecido no artigo 62 desta lei.
Art. 244. As pensões distinguem-se, quanto à natureza, em sendo que será devida a contar da data: (Nova redação dada pela
vitalícias e temporárias. LC 524/14)
§ 1º A pensão vitalícia é composta de cota ou cotas permanen- I – do óbito, quando requerida até 30 (trinta) dias depois deste;
tes, que somente se extinguem ou revertem com a morte de seus (Acrescentado pela LC 524/14)
beneficiários. II – do requerimento, quando requerida após o prazo previsto
§ 2º A pensão temporária é composta de cota ou cotas que no inciso anterior; (Acrescentado pela LC 524/14)
podem se extinguir ou reverter por motivo de morte, cessação da III – da decisão judicial, no caso de morte presumida. (Acres-
invalidez ou maioridade do beneficiário. centado pela LC 524/14)
§ 3º Aplica-se, para efeito deste artigo, os benefícios previstos Parágrafo único. Concedida a pensão, qualquer prova poste-
na alínea “a” do artigo 140 da Constituição Estadual. rior ou habilitação tardia que implique exclusão de beneficiários
Art. 245. São beneficiários das pensões: ou redução de pensão só produzirá efeitos a partir da data em que
I – vitalícia: foi oferecida.
a) cônjuge; Art. 248. Não faz jus à pensão o beneficiário condenado pela
b) a pessoa desquitada, separada judicialmente ou divorciada, prática de crime doloso de que resultou a morte do servidor.
com percepção de pensão alimentícia; Art. 249. Será concedida pensão provisória por morte do ser-
c) o companheiro ou companheira designado(a) que compro- vidor nos seguintes casos:
ve união estável como entidade familiar, por meio de ação judicial I – declaração de ausência, pela autoridade judiciária compe-
própria ao reconhecimento; (Nova redação dada pela LC 524/14) tente.
d) a mãe e o pai que comprovem a dependência econômica II – desaparecimento em desabamento inundação, incêndio ou
do servidor, por meio de ação judicial própria ao reconhecimento. acidente não caracterizado como em serviço;
(Nova redação dada pela LC 524/14) III – desaparecimento no desempenho das atribuições do car-
e) (revogado) (Revogado pela LC 124/03) go ou em missão de segurança.
II – temporária: Parágrafo único. A pensão provisória será transformada em vi-
a) os filhos até que atinjam a maioridade civil ou, se inválidos, talícia ou temporária conforme o caso, decorridos 05 (cinco) anos
enquanto durar a invalidez; (Nova redação dada pela LC 197/04) de sua vigência, ressalvado o eventual reaparecimento do servidor,
b) (revogado) (Revogado pela LC 197/04) hipótese em que a benefício será automaticamente cancelado.

Didatismo e Conhecimento 83
LEGISLAÇÃO BÁSICA
Art. 250. Acarreta perda de qualidade de beneficiário: § 2º O auxílio será devido também ao servidor por morte do
I – o seu falecimento; cônjuge, companheiro ou dependente econômico.
II – a anulação do casamento, quando a decisão ocorrer após a § 3º O auxílio será pago no prazo de 48 (quarente e oito) ho-
concessão da pensão do cônjuge; ras, por meio de prodimento sumaríssimo, à pessoa da família que
III – a cessação da invalidez, em se tratando de beneficiário houver custeado o funeral.
inválido; Art. 258 (revogado) (Revogado pela LC 59/99)
IV – a cessação da menoridade civil por qualquer das causas Art. 259 (revogado) (Revogado pela LC 59/99)
previstas na legislação em vigor, bem como a da invalidez. (Nova
redação dada pela LC 197/04) SEÇÃO X
V – a acumulação de pensão na forma do artigo 249; Do Auxílio-Reclusão
VI – a renúncia expressa.
VII – a constituição de nova união estável ou a celebração de Art. 260 A família do servidor ativo é devido o auxílio-reclu-
novo casamento para os que recebem o benefício com fundamento são, nos seguintes valores:
nas alíneas “a”, “b” ou “c” do inciso I do art. 245.”VII - a consti- I – 2/3 (dois terços) da remuneração quando afastado por mo-
tuição de nova união estável ou a celebração de novo casamento tivo de prisão, em flagrante ou preventiva, determinada pela auto-
para os que recebem o benefício com fundamento nas alíneas “a”, ridade competente, enquanto perdurar a Prisão;
“b” ou “c” do inciso I do art. 245. (Acrescentado pela LC 197/04 ) II – metade da remuneração, durante o afastamento em virtude
Art. 251. Por morte ou perda da qualidade de beneficiário a de condenação, por sentença difinitiva, a pena que não determine
respectiva cota reverterá: perda do cargo.
I – da pensão vitalícia para os remanescentes desta pensão ou § 1º Nos casos previstos no inciso I deste artigo, o servidor
para os titulares da pensão temporária se não houver pensionista terá direito à integralização da remuneração, desde que absolvido.
remanescente da pensão vitalícia; § 2º O pagamento do auxílio-reclusão cessará a partir do dia
II – da pensão temporária para os co-beneficiários ou, na falta imediato àquele em que a servidor for posto em liberdade, ainda
destes, para o beneficiário da pensão vitalícia. que condicional.
Art. 252 As pensões serão reajustadas segundo critérios esta- § 3º O auxilio reclusão somente será devido à família do ser-
belecidos pelas normas constitucionais e legais aplicáveis ao bene- vidor que perceber remuneração, vencimento ou subsídio igual ou
fício. (Nova redação dada pela LC 524/14) inferior ao teto fixado para esse fim pelo Regime Geral de Previ-
Art. 253. Ressalvado o direito de opção, é vedada a percepção dência Sócial. (Acrescentado pela LC 124/03)
cumulativa de mais de 02 (duas) pensões.
CAPÍTULO III
Da Assistência à saúde
SEÇÃO VIII
Do Pecúlio Especial
Art. 261 (revogado) (Revogado pela LC 94/01)
Art. 254 (revogado) (Revogado pela LC 59/99)
CAPÍTULO IV
§ 1º O pecúlio será concedido obedecida a seguinte ordem de
Do Custeio
preferência:
I - Ao cônjuge ou companheiro sobrevivente; Art. 262 O Plano de Seguridade Social do servidor será cus-
II - Aos filhos e aos enteados, menores de 21 vinte a um) anos: teado com o produto de arrecadação de contribuições sociais obri-
III - Aos indicados por livre nomeação do servidor; gatório dos servidores dos três Poderes do Estado, da Autarquias e
IV - Aos herdeiros, na forma da lei civil. das Fundações e das Fundações Públicas, criadas e mantidas pelo
§ 2º A declaração para beneficiários será feita ou alterada a Poder Público Estadual.
qualquer tempo, nela se mencionando o critério de divisão do pe- § 1º A contribuição do servidor, diferenciada em função da
cúlio, no caso de mais de um beneficiário. remuneração mensal, bem com dos órgãos e entidades, será fixada
Art. 255 (revogado) (Revogado pela LC 59/99) em lei.
Parágrafo único Reaparecendo o servidor, o pecúlio será por § 2º O custeio da aposentadoria é de responsabilidade integral
este restituído, mediante desconto em folha de pagamento à razão do tesouro do Estado.
da 10% (dez por cento) da remuneração ou dos proventos mensais.
Art. 256 (revogado) (Revogado pela LC 59/99) TÍTULO VII
I - Do óbito do servidor; CAPÍTULO ÚNICO
II - Da data da declaração de ausência ou do dia do desapare- Da Contratação Temporária de Excepcional Interesse Pú-
cimento do servidor. blico

SEÇÃO IX Art. 263 Para atender a necessidade temporária de excepcio-


Do Auxílio-Funeral nal interesse público, poderão ser efetuadas contratações de pes-
soal por tempo determinado.
Art. 257 (revogado) (Revogado pela LC 59/99) Art. 264 Consideram-se como de necessidade temporária de
§ Iº No caso de acumulação legal de cargos no Estado, o au- excepcional interesse público as contratações que visem a:
xílio será pago tomando-se por base a soma de ambas as remune- I - combater surtos epidêmicos;
rações. II - fazer Recenseamento;

Didatismo e Conhecimento 84
LEGISLAÇÃO BÁSICA
III - atender a situações de calamidade pública; Art. 272. São assegurados ao servidor público os direitos de
IV - substituir professor ou admitir professor visitante, inclu- associação profissional ou sindical e o de greve.
sive estrangeiro, conforme lei específica do magistério; § 1º O direito de greve será exercido nos termos e nos limites
V - permitir a execução de serviço, por profissional de notó- definidos em lei.
ria especialização, inclusive estrangeiro, nas áreas de pesquisas § 2º (Julgado inconstitucional pela ADI STF 554-5 - DOU
científica e tecnológica; 24/05/06)
VI - atender as outras situações motivadamente de urgência. Art. 273. É vedado ao servidor servir sob a direção imediata
(Nova redação dada pela LC 12/92) de cônjuge ou parente até segundo grau, salvo em função de con-
§ 1º As contratações de que trata este artigo terão dotação fiança ou livre escolha, não podendo ultrapassar de 02 (dois) o seu
específica e não poderão ultrapassar o prazo de 06 (seis) meses, número.
exceto nas hipóteses dos incisos II, IV e VI, cujo prazo máxi- Art. 274. Consideram-se da família do servidor, além do
mo será de 12 (doze) meses, e inciso V, cujo prazo máximo será cônjuge e filhos, quaisquer pessoas que vivam as suas expensas e
de 24 (vinte e quatro) meses, prazos estes somente prorrogáveis constem de seu assentamento individual.
se o interesse público, justificadamente, assim o exigir ou até a Parágrafo único Equipara-se ao cônjuge a companheira ou
nomeação por concurso público. (Nova redação dada pela LC companheiro, que comprove união estável como entidade familiar.
12/92) Art. 275. Para os fins desta lei, considera-se sede do muni-
§ 2º O recrutamento, será feito mediante processos seletivos cípio onde a repartição estiver instalada e onde o servidor tiver
simplificado, sujeito a ampla divulgação em jornal de grande cir- exercício, em caráter permanente.
culação e observará os critérios definidos em regulamento, exce- Art. 276. Aos servidores regidos pelas Leis especiais, de que
to na hipótese prevista nos incisos III e IV deste artigo, quando trata o parágrafo único do artigo 45 da Constituição Estadual, com
se tratar de situação emergencial. exceção do inciso VII e artigo 79, serão aplicados, subsidiariamen-
Art. 265. É vedado o desvio de função de pessoa contratada, te, as disposições deste estatuto.
na forma deste Título, sob pena de nulidade do contrato e respon- Art. 277. Quando da fixação das condições para realização de
sabilidade administrativa e civil da autoridade contratante. (Nova concurso público de provas ou de provas e títulos. deverá ser ob-
redação dada pela LC 12/92) servado que a inscrição de ocupantes de cargo público independerá
Art. 266. Nas contratações por tempo determinado serão do limite de idade.
observados os padrões de vencimento dos planos de carreira do Parágrafo único Ao estipular o limite de vagas, deverá ser re-
órgão ou entidade contratante, exceto na hipótese do ínciso V servado 50% (cinquenta por cento) do quantitativo fixado, para
do art. 264, quando serão observados os valores do mercado de fins de ascenção funcional.
Art. 278. A Polícia Militar e Civil do Estado será regido por
trabalho.
estatuto próprio.
Art. 279. A investidura em cargo público depende de aprova-
TÍTULO VIII
ção prévia em concurso público de provas ou de provas e títulos,
CAPÍTULO ÚNICO
ressalvadas as nomeações para cargo em comissão declarado em
Das Disposições Gerais
lei, de livre nomeação e exoneração, conforme artigo 12 desta lei.
Art. 267. O dia do servidor público será comemorado a vinte
TÍTULO IX
e oito de outubro.
CAPÍTULO ÚNICO
Art. 268 Poderão ser instituídos, no âmbito dos Poderes Das Disposições Transitórias e Finais
Executivo, Legislativo o Judiciário, os seguintes incentivos fun-
cionais, além daqueles já previstos nos respectivos planos de Art. 280. Ficam submetidos ao regime jurídico desta lei, os
carreira: servidores dos Poderes do Estado da Administração Direta, das
I - prêmios pela apresentação de ideias, inventos ou traba- Autarquias e Fundações criadas e mantidas pelo Estado de Mato
lhos que favorecem o aumento da produtividade e a redução dos Grosso, regidos pelo Estatuto do Servidores Públicos Civis do Es-
custos operacionais; e tado, de que trata a Lei nº 1.638, de 28 de outubro de 1961, ou pela
II - concessão de medalhas, diploma de honra ao mérito, Consolidação das Leis do Trabalho CLT, aprovada pelo Decreto
condecorações e elogio. -Lei nº 5.452, de 01 de maio de 1943, exceto os contratados por
Art. 269. Os prazos previstos nesta lei serão contados em prazo determinado, conforme o disposto nesta lei.
dias corridos excluindo-se o dia do começo e incluindo-se o do § 1º A submissão de que trata este artigo fica condicionada ao
vencimento, ficando prorrogado, para o primeiro dia útil seguin- que dispõe a lei que instituir o Regime Jurídico Único.
te, o prazo vencido em dia em que não haja expediente. § 2º Os empregos ocupados pelos servidores incluídos no re-
Art. 270. Por motivo de crença religiosa ou de convicção gime estatutário ficam transformados em cargos, na data da publi-
filosófica ou política, nenhum servidor poderá ser privado de cação desta lei.
quaisquer de seus direitos, sofrer discriminação em sua vida fun- § 3º Os contratos individuais de trabalho se extinguem auto-
cional, nem eximir-se do cumprimento de seus deveres. maticamente pela transformação dos empregos ou funções, fican-
Art. 271. É vedado exigir atestado de ideologia como condi- do assegurados aos respectivos ocupantes a continuidade da conta-
ção para posse ou exercício de cargo ou função pública. gem de tempo de serviço para fins de férias, gratificação natalina,
Parágrafo único. Será responsabilidade administrativa e cri- anuênio, aposentadoria e disponibilidade, e ao pessoal optante nos
minalmente a autoridade que infringir o disposto neste artigo. termos da lei no 5.107, de 13.09. 66, o levantamento do FGTS.

Didatismo e Conhecimento 85
LEGISLAÇÃO BÁSICA
§ 4º O regime jurídico desta lei é extensivo aos serventuários
da justiça, remunerados com recursos do Estado no que couber. LEI COMPLEMENTAR 207/2004,
§ 5º Os empregos dos servidores estrangeiros com estabilida-
de no serviço público, enquanto não adquirirem a nacionalidade E ALTERAÇÕES
brasileira, passarão a integrar tabela em extinção, do respectivo
órgão ou entidade, sem prejuízo.
§ 6º Vetado.
§ 7º Assegura-se aos servidores contratados sob o regime jurí-
dico celetista que não desejarem ser submetidos ao regime jurídico LEI COMPLEMENTAR Nº 207, DE 29 DE DEZEMBRO
estatutário o direito de, alternativamente: DE 2004 - D.O. 18.03.05.
I – ter o contrato de trabalho rescindido garantindo-lhe a in-
denização pecuniária integral de todos os direitos adquiridos na Institui o Código Disciplinar do Servidor Público Civil do
vigência do regime celetista, inclusive os previstos nos parágrafos Poder Executivo do Estado de Mato Grosso, e dá outras provi-
3º e 6º deste artigo; dências.
II – obter remanejamento para empresas públicas ou de eco-
nomia mista do Estado, desde que haja manifestação favorável da A ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE MATO
administração do órgão de origem e da empresa de destino do ser- GROSSO, tendo em vista o que dispõe o Art. 45 da Constituição
vidor. Estadual, aprova e o Governador do Estado sanciona a seguinte lei
Art. 281 Vetado. complementar:

DOS DIREITOS INERENTES AOS PLANOS DE CAR- CAPÍTULO I


REIRA AOS QUAIS SE ENCONTRAM VINCULADOS OS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES
EMPREGOS
Art. 1º Esta lei complementar institui o Código Disciplinar do
Art. 282. A licença especial disciplinada pelo artigo 120, de Servidor Público Civil do Estado de Mato Grosso.
Lei n 1.638, de 1.961, ou por outro diploma legal, fica transfor- Art. 2º O servidor público civil, detentor de emprego público,
mada em licença-prêmio por assiduidade, na forma prevista nos cargo efetivo ou em comissão, que infringir deveres elementares ou
artigos 109 a 113 desta lei. violar condutas vedadas, previstas no Estatuto do Servidor Público,
Art. 283. Até a data de vigência da Lei de que trata o artigo estará sujeito a procedimentos administrativos disciplinares previs-
262, § 1º, os servidores abrangidos por esta lei contribuirão na tos nesta lei complementar.
forma e nos percentuais atualmente estabelecidos para o servidor
do Estado, conforme regulamento próprio. CAPÍTULO II
DAS PENALIDADES
Art. 284. Esta Lei Complementar entrará em vigor na data de
sua publicação, com efeitos financeiros a partir do primeiro dia do
Art. 3º São penalidades disciplinares:
mês subsequente.
I - repreensão;
Art. 285. Revogam-se as Leis nºs. 1.638, de 28 de outubro de
II - suspensão:
1961; 5.083, de 03 de dezembro de 1986 e 978, de 04 de novembro
a) de 01 (um) a 30 (trinta) dias e,
de 1957, Decreto nº 511, de 25 de março de 1968, Lei no 5.063, de
b) de 31 (trinta e um) a 90 (noventa) dias;
20 de novembro de 1986 e Decreto nº 2.245, de 02 de dezembro
III - demissão;
de 1986. IV - cassação de aposentadoria ou disponibilidade;
V - destituição de cargo efetivo ou em comissão.
Palácio Paiaguás, em Cuiabá, 15 de outubro de 1990, 168º dia Art. 4º Quando do julgamento pela autoridade competente, em
Independência e 101º da República. havendo conveniência para o serviço, a penalidade de suspensão
EDISON FREITAS DE OLIVEIRA poderá ser convertida em multa, na base de 50% (cinquenta por
SANTO SCARAVELLI cento) por dia de vencimento ou remuneração, ficando o servidor
VALDECIR FLETRIN obrigado a permanecer em serviço.
JOSEFINA DA CRUZ COELHO Parágrafo único O servidor punido com suspensão, em seu
MANOEL ALBANO DA SILVA direito de recorrer em sua defesa ou de interesse legítimo, pode
ARGEU ORTIZ KERBER pleitear a conversão em multa.
VALTER ALBANO DA SILVA Art. 5º A suspensão terá o seu início de imediato ou em até 02
ULISSES RIBEIRO (dois) meses da ciência do servidor, de acordo com a conveniência
BENEDITO FLAVIANO DE SOUZA da Administração.
ARQUIMEDES BORGES MONTEIRO Art. 6º Será cassada a aposentadoria ou a disponibilidade do
ELMO DOS SANTOS BERTINETTI inativo que houver praticado, na atividade, falta punível com a de-
CARLOS PEREIRA DO NASCIMENTO missão.
EDISON TARCISIO OLIVEIRA CAMPOS Art. 7º A destituição de cargo em comissão, exercido por não
JOAREZ GOMES DE SOUZA ocupante de cargo efetivo, será aplicada nos casos de infração su-
YÊNES JESUS DE MAGALHÃES jeita às penalidades de suspensão de 31 (trinta e um) a 90 (noventa)
dias ou demissão.

Didatismo e Conhecimento 86
LEGISLAÇÃO BÁSICA
Art. 8º Configura abandono de cargo a ausência, sem cau- CAPÍTULO V
sa justificada, do servidor ao serviço, por mais de 30 (trinta) dias DA INSTRUÇÃO SUMÁRIA
consecutivos.
Art. 9º Entende-se por inassiduidade habitual a falta ao servi- Art. 21 A Instrução Sumária é a fase formal e interna, de rito
ço, sem causa justificada, por 60 (sessenta) dias, intercaladamente, sumário, que antecede a Sindicância Administrativa ou Processo
durante o período de 12 (doze) meses. Administrativo Disciplinar, quando houver, em tese, indícios de
Parágrafo único Para o fim do disposto no caput, a cada final infringência legal ou regulamentar em denúncia, processo admi-
de mês as unidades de recursos humanos deverão efetuar a soma- nistrativo ou auto de constatação, nos casos de autoria e materiali-
tória de faltas dos servidores nos últimos 12 (doze) meses. dade certas ou incertas.
Art. 22 A Instrução Sumária será iniciada por determinação
CAPÍTULO III das autoridades competentes, a saber: o Governador do Estado,
DAS REGRAS PARA APLICAÇÃO DAS PENALIDADES Secretário de Estado, Superintendentes, Presidente de Entidades,
Diretores de Entidades e Órgãos Desconcentrados.
Art. 10 A natureza, a gravidade, os motivos determinantes e Art. 23 A autoridade designada ou comissão deve concluir o
a repercussão da infração, os danos por ela causados, o comporta- procedimento no prazo de 45 (quarenta e cinco) dias, podendo ser
mento e os antecedentes funcionais do servidor, a intensidade do renovado por igual período, iniciando-a através de despacho do
dolo ou grau de culpa devem ser considerados para a dosagem da servidor designado.
sanção administrativa. Parágrafo único Os documentos produzidos no procedimen-
Art. 11 São circunstâncias que atenuam a pena: to de instrução passam a ter validade legal, devendo obrigatoria-
I - haver o transgressor procurado diminuir as consequências mente, serem acostado aos autos de sindicância administrativa ou
da falta, ou haver antes da aplicação da pena reparado o dano; processo administrativo disciplinar.
II - haver o transgressor confessado espontaneamente a falta Art. 24 Finalizada a instrução, havendo ou não enquadramen-
perante a autoridade sindicante ou processante, de modo a facilitar to previsto em lei, o servidor designado para a apuração dos fatos
a apuração daquela. fará fundamentado relatório o qual apontará os fatos e tipificações,
III - a boa conduta funcional; e sugerindo ou não a instauração de sindicância administrativa ou
IV - relevantes serviços prestados. processo administrativo disciplinar ou recomendando o arquiva-
Art. 12 São circunstâncias que agravam a pena: mento em Instrução Sumária, a qual será autuada para controle.
I - reincidência; Art. 25 Em sendo recomendado o arquivamento, a Instrução
II - coação, instigação ou determinação para que outro servi- Sumária deverá ser encaminhada ao superior que determinou sua
dor, subordinado ou não, pratique infração ou dela participe; instauração, o qual poderá concordar com o arquivamento ou jus-
III - impedir ou dificultar, de qualquer maneira, a apuração de tificar decisão contrária, hipótese em que será designado outro ser-
falta funcional cometida; vidor para nova apuração.
IV - concurso de dois ou mais agentes na prática de infrações. Parágrafo único Acatado o arquivamento pela autoridade
competente será dada ciência ao servidor denunciante e denun-
CAPÍTULO IV ciado.
DAS RESPONSABILIDADES Art. 26 Havendo, em tese, materialidade e tipificação admi-
nistrativa será elaborada, de imediato, portaria de instauração da
Art. 13 O servidor responde civil, penal e administrativamen- Sindicância Administrativa para apurar os fatos atribuídos ao ser-
te, pelo exercício irregular de suas atribuições. vidor, nos termos desta lei complementar.
Art. 14 A responsabilidade civil decorre do ato omissivo ou
comissivo, doloso ou culposo, que resulte em prejuízo ao erário CAPÍTULO VI
ou a terceiros. SINDICÂNCIA ADMINISTRATIVA
Art. 15 A indenização de prejuízo causado ao erário será li-
quidada em parcelas limitadas ao máximo de 30% (trinta por cen- Art. 27 A autoridade competente que determinar a instaura-
to) da remuneração ou provento do servidor, desde que consentido ção de Sindicância Administrativa deverá indicar, para presidi-la,
pelo mesmo. sempre que possível servidor estável com formação profissional
Art. 16 Tratando-se de dano causado a terceiros, responderá o igual ou superior ao sindicado.
servidor perante a fazenda estadual, em ação regressiva. Parágrafo único Poderá ser determinado um único servidor
Art. 17 A obrigação de reparar o dano estende-se aos suces- ou comissão processante.
sores e contra eles será executada, até o limite do valor da herança Art. 28 A autoridade competente para determinar a instaura-
recebida. ção de sindicância administrativa se convencida da existência de
Art. 18 A responsabilidade administrativa resulta de ato omis- irregularidade funcional e de indícios de quem seja o autor, pode-
sivo ou comissivo praticado no desempenho de cargo ou função. rá em despacho fundamentado do seu convencimento remanejar
Art. 19 As sanções civis, penais e administrativas poderão o sindicado para exercer as atribuições de seu cargo em unidade
cumular-se sendo independentes entre si. diversa daquela em que se deu o fato investigado.
Art. 20 A responsabilidade civil ou administrativa do servidor Art. 29 O servidor designado ou o Presidente da Comissão de
será afastada no caso de absolvição criminal que negue a existên- Sindicância consignará, por meio de despachos interlocutórios, as
cia do fato ou a sua autoria. diligências necessárias à elucidação dos fatos, estabelecendo um
nexo causal entre o objeto da apuração e as medidas adotadas.

Didatismo e Conhecimento 87
LEGISLAÇÃO BÁSICA
Art. 30 Serão carreadas para os autos todas as provas pos- Parágrafo único Considera-se autoridade competente para
síveis e necessárias ao esclarecimento do fato atribuído e ense- designar apuração e posterior julgamento da sindicância que possa
jador do procedimento administrativo, juntando-se documentos e culminar com penalidades de repreensão ou suspensão até 30 (trin-
oitavando pessoas, que de alguma forma possam contribuir para a ta) dias, os Secretários de Estado, os Superintendentes, os Direto-
elucidação dos fatos. res de Entidades e Órgãos desconcentrados.
Art. 31 O servidor designado ou o Presidente da Comissão Art. 43 O sindicado será notificado para seu interrogatório, no
Processante deverá garantir, no texto da portaria inaugural, a refe- mínimo com 03 (três) dias de antecedência, com cópia da portaria
rência à necessidade de cumprimento do art. 5°, LV, da Constitui- instauradora e do despacho de indiciação.
ção da República Federativa do Brasil, e do art. 10, X, da Consti- Art. 44 Se no curso da sindicância administrativa, em qual-
tuição Estadual, que tratam do princípio da ampla defesa. quer hipótese, surgirem indícios de prática de crime, a autoridade
Art. 32 Durante a instrução do procedimento administrativo, sindicante encaminhara cópia dos autos à autoridade que determi-
não existe impedimento para que o servidor mencionado, em pre- nou a instauração, para conhecimento e providências de encami-
liminar, seja oitivado sobre os fatos em apuração. nhamento à autoridade policial, sem prejuízo da continuidade da
Art. 33 As testemunhas prestarão depoimento oral, sendo que, apuração no âmbito administrativo.
na redação do termo, a autoridade sindicante cingir-se-á às expres- Art. 45 A autoridade competente para determinar a instaura-
sões usadas por elas, tentando reproduzir fielmente o que foi dito. ção de sindicância administrativa deverá observar a hierarquia, em
Art. 34 A inquirição de testemunhas que estejam em locali- toda sua plenitude, para designar o presidente do feito, podendo
dade diversa daquela onde se processa a Sindicância Administra- ser designados os servidores do Jurídico, das comissões processan-
tiva, deverá ser feita por meio de pergunta prévia e objetivamente tes, das Coordenadorias, das Gerências e servidores de cargo igual
formulada, por via precatória ou ofício circunstanciado, remetido ou superior ao sindicado.
pelo meio mais rápido de comunicação, devendo o relatório de in- Art. 46 As autoridades competentes para designar, em se tra-
quirição ser devolvido o mais rápido possível, para que se possam tando de designação de servidores de outros órgãos ou unidades,
cumprir os prazos estabelecidos em lei. deverão ter o consentimento prévio do responsável pelos mesmos.
Art. 35 É permitida a qualquer tempo, vista dos autos do pro- Art. 47 A Sindicância Administrativa será registrada em livro
cedimento administrativo disciplinar para facilitar o trabalho dos próprio das unidades que tenham competência para a apuração.
defensores. Art. 48 A Sindicância Administrativa deve obrigatoriamente
Art. 36 Sendo a Sindicância Administrativa um instrumento ser observado os direitos de ampla defesa, do contraditório e do
para sustentáculo à instauração de processo administrativo disci- devido processo legal, devendo ser dado publicidade.
plinar ou para aplicação de faltas de menor gravidade, punida com Art. 49 Compete à autoridade sindicante designada, comuni-
car o início do feito aos setores do Jurídico e de Recursos Huma-
repreensão ou com suspensão de até 30 (trinta) dias, infere-se que
nos, fornecendo-lhes o nome do sindicado, sua individualização
as provas em desfavor do sindicado deverão ser aceitas a qualquer
funcional, sua lotação, o número do feito e a data da autuação.
tempo antes da elaboração do despacho de acusação (libelo acusa-
Art. 50 A Sindicância será concluída no prazo de 30 (trinta)
tório), vez que, representam meios importantes à apuração do fato
dias, a contar da data da portaria inaugural.
atribuído e à definição dos possíveis autores.
Parágrafo único A Sindicância Administrativa poderá ser
Art. 37 O pedido de juntada de documento será feito pelo in-
prorrogada por iguais e sucessivos períodos, não podendo exceder
teressado, mediante requerimento dirigido à autoridade sindicante.
a 120 (cento e vinte) dias.
Art. 38 Deferido o requerimento pela autoridade sindicante, o Art. 51 Instruído o procedimento e colhidos os elementos ne-
documento será juntado aos autos, o qual não poderá ser retirado cessários à comprovação dos fatos e da autoria, a autoridade sin-
antes de findo e arquivado o processo de sindicância. dicante:
Art. 39 O desentranhamento de documentos integrantes dos I - formalizará despacho de indiciação (libelo acusatório),
autos poderá ser concedido a qualquer tempo para novas investi- devendo pormenorizar e fundamentar o motivo da apuração, in-
gações de fatos não relacionados à apuração, e neste caso, os docu- dividualizando ou reiterando a acusação, apontando os fatos irre-
mentos serão encaminhados à autoridade competente, mantendo- gulares, os dispositivos legais violados, e, em tese, e atribuídos ao
se no processo cópias autênticas dos documentos desentranhados. servidor;
Art. 40 Nos casos em que os autos de sindicância adminis- II - deverá consignar no despacho de indiciação o nome do
trativa passem a instruir o Processo Administrativo Disciplinar, a denunciante, se houver, e das testemunhas que serão inquiridas,
solicitação de documentos a serem desentranhados, a pedido das podendo o defensor do sindicado reperguntar, cumprindo os dita-
partes, somente poderá ser concedida após a conclusão do referido mes de ampla defesa;
processo. III - obrigatoriamente, deverá anexar cópia da ficha funcional
Art. 41 Em qualquer fase, pode o dirigente do órgão ou enti- do servidor, no qual deverá ser grifado e registrado o que consta
dade requerer às autoridades designadas cópias de instrução sumá- em favor e desfavor do mesmo, para quando do relatório conclusi-
ria ou de sindicância administrativa, para conhecimento e demais vo ser parâmetro para dosagem da pena;
providências. IV - notificará o sindicado e defensor com cópia da portaria
Art. 42 A Sindicância Administrativa será instaurada por instauradora e do despacho de indiciação, com antecedência mí-
meio de portaria da autoridade designada, nos seguintes casos: nima de 03 (três) dias, do local, dia e hora designados para seu
I - como preliminar de processo administrativo disciplinar. interrogatório, bem como, dará ciência das testemunhas arroladas
II - quando não for obrigatório o processo administrativo dis- pela autoridade sindicante;
ciplinar e a aplicação da penalidade resultar em pena de repreensão V - a autoridade sindicante poderá arrolar até 05 (cinco) teste-
ou suspensão em até 30 (trinta) dias. munhas, e a defesa, igual número.

Didatismo e Conhecimento 88
LEGISLAÇÃO BÁSICA
Art. 52 A inquirição de testemunha que esteja em localida- IV - sugerir a instauração de processo administrativo disci-
de diversa daquela onde se processa a sindicância poderá ocorrer plinar quando previr que a pena possa ser superior a 30 (trinta) dias
por carta precatória ou ofício circunstanciado, remetido pelo meio ou que seja caso de demissão, destituição de cargo comissionado ou
mais rápido de comunicação, expediente do qual constará pergunta cassação de aposentadoria.
prévia e objetivamente formulada, devendo a diligência ser cum- Art. 63 Na fase de apreciação e decisão (relatório conclusivo),
prida com urgência e restituída à origem o mais rápido possível, resultando provas a favor do sindicado, pode a autoridade sindicante
devendo ser dada ciência ao acusado e defensor, do dia, hora e local excluir enquadramentos, de forma parcial ou na íntegra, daqueles su-
em que a testemunha será oitivada. geridos no despacho de indiciação.
Art. 53 Considerar-se-á revel o sindicado que, regularmente Parágrafo único É vedado acrescentar novo enquadramento em
notificado, não se apresentar ao seu interrogatório. fase de relatório final.
§ 1º A revelia será declarada por termo nos autos da Sindicân- Art. 64 Concluída a Sindicância Administrativa, os autos serão
cia. encaminhados ao setor jurídico do órgão ou entidade para análise e
§ 2º Para a defesa do indiciado revel, a autoridade sindican- parecer quanto a sua legalidade, devendo ser devolvida à autoridade
te designará um servidor como defensor dativo, de cargo de nível julgadora no prazo de 03 (três) dias úteis.
igual ou superior ao do sindicado, sempre que possível bacharel Art. 65 O sindicado será notificado do julgamento no prazo de
em Direito. 05 (cinco) dias.
Art. 54 Procedido ao interrogatório do sindicado, inicia-se o Parágrafo único Na hipótese de punição, o sindicado será no-
prazo de 03 (três) dias para requerimento ou oferecimento de pro- tificado com a cópia da portaria punitiva, a qual será encaminhada a
dução de provas de seu interesse, que serão deferidas, se pertinen- unidade de Recursos Humanos para anotação em ficha funcional e
tes. descontos pecuniários.
Art. 55 O denunciante, se existir, prestará declarações no inter- Art. 66 A portaria punitiva, assinada pela autoridade competen-
regno da notificação do despacho de indiciação e a data fixada para te para o julgamento, mencionará o fundamento legal e a causa da
o interrogatório do sindicado. sanção disciplinar.
Art. 56 A declaração do denunciante deverá ser lida ao sindi- Art. 67 A Sindicância Administrativa poderá, em qualquer fase,
cado, antes de seu interrogatório, devendo ser consignado no termo, ser avocada pelo dirigente do órgão ou entidade, mediante despacho
a leitura. fundamentado.
Art. 57 Havendo dois ou mais sindicados o prazo será contado
em dobro. CAPÍTULO VII
Art. 58 A autoridade sindicante poderá, indeferir diligências DO PROCESSO ADMINISTRATIVO DISCIPLINAR
consideradas procrastinadoras ou desnecessárias à apuração do fato
atribuído ao servidor, devendo neste caso fundamentar o despacho Art. 68 O processo administrativo disciplinar é o instrumento
de indeferimento, dando ciência imediata ao acusado e a seu de- destinado a apurar responsabilidade do servidor por infração atribuí-
fensor. da no exercício de sua função, ou que tenha relação com as atribui-
Art. 59 Quando o sindicado e defensor devidamente notifica- ções do cargo em que se encontrar investido, nos casos em que se
dos para a produção de provas, não as oferecer no prazo regimental, atribua ao servidor, faltas de natureza grave que possam culminar em
deverá a autoridade sindicante consignar, em despacho, o fato e, penas de suspensão superiores a 30 (trinta) dias, demissão, destitui-
após, determinar a notificação dos mesmos para as alegações finais; ção de cargo comissionado ou cassação de aposentadoria.
Art. 60 O sindicado e seu defensor poderão ter vista dos autos, Parágrafo único Deverão ser observados no processo adminis-
na repartição ou fora dela, mediante extração de cópias às expensas trativo disciplinar os princípios do contraditório e da ampla defesa,
do requerente. com a utilização dos meios e recursos admitidos em direito.
Art. 61 Concluída a produção de prova, o sindicado será inti- Art. 69 São competentes para determinar a instauração de pro-
mado para, dentro de 03 (três) dias, oferecer defesa escrita (alega- cesso administrativo disciplinar e posterior julgamento: o Governa-
ções finais). dor do Estado em caso de demissão, Secretários de Estado e os Pre-
Parágrafo único Na hipótese de não-oferecimento de defesa sidentes de Entidades, nos casos de suspensão de 31 (trinta e um) a
escrita, a autoridade sindicante nomeará, para representar o sindi- 90 (noventa) dias.
cado, um servidor que seja, preferencialmente, bacharel em direito, Art. 70 A autoridade competente para determinar a instauração
concedendo-lhe novo prazo de 03 (três) dias. de processo administrativo disciplinar, se convencida da existência
Art. 62 Findo o prazo de defesa, a autoridade sindicante emi- de irregularidade funcional e de indícios de quem seja o autor, deve-
tirá relatório conclusivo, em que examinará todos os elementos co- rá, em despacho fundamentado, remanejar o acusado para exercer as
lhidos na sindicância. atribuições de seu cargo em unidade diversa daquela em que se deu
Parágrafo único O relatório conclusivo deverá: o fato investigado.
I - sugerir a sanção cabível e encaminhar à autoridade julga- Art. 71 Como medida cautelar e a fim de que o servidor não
dora, nos casos de repreensão e suspensão em até 30 (trinta) dias; venha a influir na apuração da irregularidade, a autoridade instau-
II - sugerir o arquivamento dos autos, quando não forem co- radora do processo administrativo disciplinar poderá ordenar o seu
lhidos elementos fáticos suficientes para caracterização das faltas afastamento do exercício do cargo, pelo prazo de até 60 (sessenta)
atribuídas no despacho de indiciação ou para definição de autoria; dias, sem prejuízo da remuneração, podendo o afastamento ser pror-
III - sugerir a absolvição do sindicado quando inexistir o fato rogado, somente uma vez, em até mais 60 (sessenta dias).
ou, em existindo, não constituir proibição prevista em lei; não ter Parágrafo único Durante o afastamento previsto no caput o ser-
sido o sindicado o autor da infração; ou não houver inexigibilidade vidor deverá ser colocado à disposição da Escola de Governo ou con-
de conduta diversa; gêneres, devendo cumprir integralmente seu horário de trabalho.

Didatismo e Conhecimento 89
LEGISLAÇÃO BÁSICA
Art. 72 O processo administrativo disciplinar será realizado II - se estiver em outro município deste Estado, pessoalmen-
por Comissão Processante, Permanente ou Especial, designada te, por intermédio do respectivo superior hierárquico, ao qual se-
por autoridade mencionada no art. 69 desta lei complementar. rão encaminhadas, pelo correio através de carta registrada com
Art. 73 A Comissão Processante será integrada por 03 (três) aviso de recebimento, ou meio próprio; a citação será acompa-
servidores estáveis, sendo o presidente o mais categorizado hie- nhada de cópia da portaria de instauração e da ata de instalação,
rarquicamente. juntando-se ao processo o comprovante de sua entrega ao desti-
§ 1º Não poderá fazer parte da Comissão Processante, o ser- natário;
vidor que anteriormente tenha presidido sindicância ou partici- III - se estiver em lugar certo e conhecido em outro Estado,
pado das investigações que dão suporte ao Processo Adminis- pelo correio, com as cautelas exigidas neste artigo.
trativo. § 1º Não sendo encontrado o acusado e ignorando-se o seu
§ 2º Não poderá fazer parte da Comissão Processante, os paradeiro, será citado por edital, inserto três vezes seguidas, no
parentes consanguíneos ou afins, em linha reta ou colateral, até Diário Oficial do Estado com prazo de 15 (quinze) dias para o
o terceiro grau, inclusive cônjuge ou qualquer subordinado hie- comparecimento, a contar da data da última publicação.
rárquico do denunciante ou do acusado, ou desafetos do acusado. § 2º O secretário da Comissão certificará no processo as datas
§ 3º O servidor que se encontrar na situação do § 2º deste ar- em que o edital foi publicado.
tigo, deverá comunicar à autoridade competente o impedimento. Art. 79 A Comissão Processante poderá arrolar até 08 (oito)
§ 4º O presidente da comissão designará o secretário, que testemunhas.
será um servidor do órgão ou entidade. Art. 80 Existindo denunciante, este prestará declarações no
§ 5º O presidente da Comissão Processante não poderá ser interregno entre a citação e o interrogatório do acusado.
subordinado ao acusado. § 1º O acusado poderá assistir à inquirição do denuncian-
Art. 74 A Comissão Processante exercerá suas atividades te, salvo se este alegar constrangimento ou intimidação, porém,
com independência e imparcialidade, assegurando o sigilo ne- a proibição não se aplica ao seu defensor que poderá formular
cessário à elucidação dos fatos, ou exigido pelo interesse da ad- perguntas ao denunciante.
ministração. § 2º As declarações do denunciante, se houver, serão lidas,
Art. 75 O processo administrativo será iniciado pelo pre- antes do interrogatório, pelo secretário da Comissão Processante
sidente da comissão dentro do prazo improrrogável de 10 (dez) para que o denunciado possa ter conhecimento.
dias, a contar da publicação da portaria que determinar sua ins- Art. 81 Não comparecendo o acusado regularmente citado,
tauração. prosseguirá o processo à sua revelia, nomeando o presidente um
§ 1º O processo administrativo será concluído no prazo de defensor dativo para defendê-lo, que deverá ser servidor do órgão
60 (sessenta) dias, a contar da citação do acusado, admitida sua ou entidade, sempre que possível bacharel em Direito.
prorrogação por igual prazo, quando as circunstâncias o exigi- Art. 82 O acusado poderá constituir advogado para todos os
rem, mediante solicitação à autoridade que determinou sua ins- atos e termos do processo.
tauração. § 1º Em sendo constituído advogado, em caso de desistência
§ 2º A Comissão Processante comunicará o início do proces- deverá ser juntado aos autos do processo, o substabelecimento.
so administrativo aos setores Jurídico e de Recursos Humanos. § 2º Não tendo o acusado, condições financeiras ou negando-
Art. 76 A portaria vestibular, que será publicada no Diário se a constituir advogado, o presidente da Comissão Processante
Oficial do Estado, deverá esclarecer os motivos que a enseja- nomeará um defensor, preferencialmente, bacharel em direito,
ram, a qualificação individual do acusado, minuciosa atribuição servidor do órgão ou entidade.
dos fatos atribuídos ao acusado e os dispositivos legais, em tese, Art. 83 Realizado o interrogatório, será o acusado e ou seu
violados. defensor notificado para defesa, podendo produzir provas, contra
Art. 77 O presidente da Comissão Processante e seus mem- provas ou formular quesitos, quando se tratar de prova pericial, no
bros elaborarão ata de instalação do processo administrativo dis- prazo de 08 (oito) dias.
ciplinar, a qual determinará: Parágrafo único A vista dos autos processuais será conce-
I - autuação e registro; dida na repartição, mediante requerimento da parte ou defensor,
II - designação de dia e hora para audiência inicial; ou fora da repartição mediante cópia às expensas do requerente.
III - citação do acusado; Art. 84 Ao acusado é facultado arrolar até 08 (oito) teste-
IV - notificação do denunciante, no caso de existência; munhas.
V - notificação de testemunhas; Art. 85 Concluído o prazo para defesa, o Presidente da Co-
VI - a juntada de cópia da ficha funcional do servidor, na missão Processante designará audiência de instrução.
qual deverá ser grifado e registrado o que consta em favor e des- § 1º O acusado e seu defensor serão notificados da data, dia,
favor do mesmo; hora e local da audiência de instrução, com antecedência mínima
VII - demais providências tendentes a permitir a completa de 05 (cinco) dias, nominando as testemunhas que serão oitivadas.
elucidação dos fatos. § 2º Serão ouvidas, pela ordem, as testemunhas arroladas
Art. 78 O acusado será citado para interrogatório por uma pela comissão e em seguida as arroladas pelo acusado.
das seguintes formas: § 3º O denunciante, o acusado e as testemunhas, se necessá-
I - pessoalmente, com antecedência mínima de 05 (cinco) rio, poderão ser ouvidos, reinquiridos ou acareados, em mais de
dias, devendo ser enviada, junto à citação, cópia da portaria de uma audiência.
instauração e da ata de instalação, que permita ao acusado co- § 4º A notificação do servidor público será comunicada ao
nhecer o motivo do procedimento disciplinar e o enquadramento respectivo chefe imediato, com a indicação do dia, local e hora
administrativo atribuído em seu desfavor; marcados para sua inquirição.

Didatismo e Conhecimento 90
LEGISLAÇÃO BÁSICA
Art. 86 A testemunha arrolada não poderá eximir-se de depor, § 1º Quando forem atribuídos novos fatos pertinentes ao pro-
salvo se for ascendente, descendente, cônjuge, ainda que separado cesso, deles será citado o acusado com cópia de portaria comple-
legalmente, irmão, sogro, cunhado, pai, mãe ou filho adotivo do mentar, reabrindo-lhe prazo para produção de provas.
acusado, exceto quando não for possível, de outro modo, obter-se § 2º Se os novos fatos atribuídos não tiverem ligação com o
informações dos fatos e suas circunstâncias, considerando-o como processo, será designada outra comissão para apuração do fato.
informante. Art. 94 Encerrada a fase probatória, o acusado e seu defensor
§ 1º Os parentes, nos mesmos graus, do denunciante, ficam serão notificados para apresentação das alegações finais, no prazo
proibidos de depor, ressalvada a exceção prevista neste artigo. de 10 (dez) dias, a contar da ciência no respectivo mandado.
§ 2º O servidor que se recusar a depor, sem motivo justo, será § 1º Havendo dois ou mais acusados o prazo será, comum, de
objeto de sindicância administrativa, devendo a recusa ser comu- 20 (vinte) dias.
nicada oficialmente à autoridade designante, que determinará sua § 2º Não tendo sido apresentadas as alegações finais, o Pre-
apuração, devendo o resultado final ser comunicado ao Presidente sidente da Comissão nomeara defensor dativo, abrindo-lhe novo
da Comissão Processante. prazo.
§ 3º O servidor que tiver de ser ouvido fora da sede de seu exer- Art. 95 Terão forma sucinta, quanto possível, os termos in-
cício terá direito, exceto o acusado, a transporte e diárias na forma terlocutórios lavrados pelo secretário, bem como as certidões e os
da lei. compromissos.
§ 4º Concluído o processo administrativo disciplinar com a ab- Art. 96 Toda e qualquer juntada aos autos far-se-á em ordem
solvição do acusado, poderá o mesmo requerer o ressarcimento de cronológica de apresentação, rubricada pelo secretário.
despesas com transporte e diárias. Art. 97 Recebidas às alegações finais, e saneado o processo,
§ 5º São proibidas de depor as pessoas que, em razão de função, a Comissão Processante apresentará o seu relatório dentro de 10
ministério, ofício ou profissão, devam guardar segredo, a menos que, (dez) dias.
desobrigadas pela parte interessada, queiram dar seu testemunho. Art. 98 Do relatório da Comissão Processante deverá constar:
Art. 87 Residindo a testemunha em município diverso da sede I - apreciação individualizada, em relação a cada acusado,
da Comissão Processante, sua inquirição poderá ser deprecada às às irregularidades que lhe foram imputadas, às provas colhidas e
unidades mais próximas do local de sua residência, devendo constar às razões de defesa, propondo a absolvição ou a punição cabível,
na precatória os quesitos a serem respondidos pela testemunha. mencionando as provas em que se baseou para formar sua convic-
§ 1º A Comissão Processante certificar-se á a data e horário da ção, e indicará os dispositivos legais violados e as circunstâncias
realização da audiência de inquirição para deles cientificar, com 05 atenuantes e agravantes;
(cinco) dias de antecedência, o acusado ou seu defensor, em cumpri- II - sugestão de quaisquer providências relacionadas com o
mento ao direito de ampla defesa e do contraditório.
feito que lhe pareçam do interesse do serviço público.
§ 2º A carta precatória conterá a síntese dos fatos atribuídos,
Parágrafo único Havendo divergência entre os membros da
indicará os esclarecimentos pretendidos e solicitará comunicação
comissão processante quanto à sanção sugerida, o membro diver-
tempestiva da data da audiência.
gente apresentará relatório em separado.
Art. 88 A Comissão Processante, se entender conveniente, ou-
Art. 99 O processo relatado será encaminhado, inicialmente,
virá o denunciante ou as testemunhas no respectivo município de
ao setor jurídico do órgão ou entidade, para exarar Parecer quan-
residência.
to a sua legalidade, e que, após 03 (três) dias úteis, encaminhará
Art. 89 As testemunhas arroladas pelo acusado deverão ser no-
tificadas a comparecer na audiência, salvo quando o acusado, por os autos à autoridade que determinou a instauração do processo
escrito, se comprometer em apresentá-las, espontaneamente. para julgamento, que o fará em 20 (vinte) dias, de acordo com sua
Parágrafo único Será notificada a testemunha que não compa- competência.
recer espontaneamente e cujo depoimento for considerado impres- § 1º Havendo mais de um acusado e diversidade de sanção,
cindível pela Comissão Processante. o julgamento caberá à autoridade competente para imposição da
Art. 90 O Presidente da Comissão Processante indeferirá per- pena mais grave.
gunta considerada impertinente, formulada pelo acusado ou seu de- § 2º Nos casos de suspensão superior a 30 (trinta) dias, a au-
fensor, mas fará o ocorrido constar do termo. toridade após seu julgamento, devolverá os autos à Comissão Pro-
Art. 91 Em qualquer fase do processo poderá o Presidente or- cessante para elaboração da Portaria Punitiva, de sua lavra.
denar diligência que entender conveniente, de ofício ou a requeri- § 3º Colhido o ciente do servidor na Portaria Punitiva, esta
mento do acusado. será encaminhada ao setor de Recursos Humanos para as provi-
Parágrafo único Sendo necessário o concurso de técnicos ou dências de anotações e descontos pecuniários.
peritos oficiais, o Presidente da Comissão requisitá-los-á quem de Art. 100 Se a penalidade prevista for a de demissão, desti-
direito, observados os impedimentos de ordem legal. tuição de cargo comissionado ou cassação de aposentadoria, seu
Art. 92 O Presidente da Comissão, em despacho fundamenta- julgamento e a aplicação da sanção caberão ao Governador do Es-
do, poderá indeferir as diligências requeridas com finalidade mani- tado, amparado no parecer proferido pela autoridade designante,
festadamente protelatória ou de nenhum interesse para o esclareci- observada a manifestação da Procuradoria-Geral do Estado.
mento do fato, devendo dar ciência do indeferimento ao acusado e Parágrafo único O julgamento fora do prazo legal não impli-
seu defensor. ca nulidade do processo.
Art. 93 No curso do processo, tomando a Comissão Processan- Art. 101 A autoridade julgadora, quando o relatório da Co-
te conhecimento de novas acusações em desfavor do processado, missão Processante contrariar as provas dos autos, poderá, moti-
deverá de imediato dar ciência à autoridade que determinou a ins- vadamente, agravar a penalidade proposta, abrandá-la ou isentar o
tauração do procedimento administrativo disciplinar. servidor da responsabilidade.

Didatismo e Conhecimento 91
LEGISLAÇÃO BÁSICA
Art. 102 O ato de imposição da penalidade mencionará o fun- CAPÍTULO IX
damento legal e a causa da sanção disciplinar. DA RECONSIDERAÇÃO, DO RECURSO
Art. 103 Quando houver notícia de infração penal praticada por E DA REVISÃO.
servidor, sem que tenha sido instaurado inquérito policial, a autori-
dade designante ou o presidente da Comissão Processante, de ime- Art. 110 Assegura-se ao servidor o direito de recorrer em defesa do
diato, encaminhará as peças à Delegacia de Polícia competente para direito ou interesse legítimo.
os devidos fins.
Art. 104 O processo administrativo será sobrestado se o acusa- Seção I
do for demitido por decisão proferida em outro procedimento disci- Da Reconsideração
plinar, retomando o seu andamento se o acusado for reintegrado ao
cargo que ocupava. Art. 111 Cabe pedido de reconsideração à autoridade que houver
Art. 105 É defeso fornecer, a qualquer meio de divulgação, nota expedido o ato ou proferido a primeira decisão, não podendo ser o mes-
sobre ato processual antes de seu julgamento, salvo no interesse da mo renovado.
administração e a juízo do dirigente do órgão ou entidade. Art. 112 O prazo para interposição do pedido de reconsideração é
Art. 106 O servidor que responder a processo administrativo de 30 (trinta) dias, a contar da ciência do servidor da penalidade lhe im-
disciplinar só poderá ser exonerado, a pedido, ou aposentado vo- posta, ou da publicação do ato de demissão, cassação de aposentadoria
luntariamente, após o julgamento do processo e o cumprimento da e destituição de cargo efetivo ou comissionado.
penalidade. Parágrafo único Nos casos de processo administrativo disciplinar
Parágrafo único Havendo requerimento de exoneração a pe- em que houver pedido de reconsideração ao Governador do Estado, o
dido, este deve ser juntado nos autos para apreciação ao término do prazo para decisão será iniciado após apreciação pela Procuradoria-Ge-
procedimento. ral do Estado, contado a partir do recebimento dos autos pela autoridade
julgadora.
CAPÍTULO VIII Art. 113 O pedido de reconsideração será decidido no prazo de 20
DA EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE E DA REABILITA- (vinte) dias.
ÇÃO
Seção I Seção II
Da Extinção da Punibilidade Do Recurso

Art. 107 A extinção da punibilidade ocorre pela prescrição, que Art. 114 Caberá recurso do indeferimento do pedido de reconside-
se dá: ração à autoridade superior.
I - em 02 (dois) anos, nas faltas sujeitas à repreensão e suspensão Art. 115 O recurso será encaminhado por intermédio da chefia a
até 30 dias; que estiver imediatamente subordinado o requerente.
II - em 03 (três) anos, nas faltas sujeitas à suspensão de 31 (trinta Art. 116 O prazo para interposição de recurso é de 15 (quinze)
e um) dias a noventa dias; dias, a contar:
III - em cinco anos, nas faltas sujeitas a demissão, cassação de I - da ciência do servidor do indeferimento do pedido de reconsi-
aposentadoria e destituição de caro efetivo ou em comissão. deração, se houver;
§ 1º O prazo de prescrição inicia-se no dia do conhecimento do II - da ciência da penalidade lhe imposta, nos casos de repreensão
fato e interrompe-se pela instauração de sindicância ou de processo ou suspensão;
administrativo disciplinar, ou pelo sobrestamento de que trata o art. III - da publicação do ato de demissão, cassação de aposentadoria
104 desta lei complementar. e destituição de cargo efetivo ou comissionado.
§ 2º Interrompido o curso da prescrição, este recomeçará a cor- Art. 117 O recurso será recebido com efeito devolutivo.
rer pelo prazo restante, a partir do dia em cessar a interrupção. Parágrafo único O recurso poderá ser admitido, com efeito sus-
pensivo para evitar possíveis lesões ao direito do recorrente ou para sal-
Seção II vaguardar interesses superiores da Administração.
Da Reabilitação
Seção III
Art. 108 Será considerado reabilitado o servidor punido disci- Da Revisão
plinarmente:
I - com a pena de repreensão após 01 (um) ano de sua aplicação; Art. 118 O processo disciplinar poderá ser revisto, a qualquer tem-
II - com pena de suspensão em até 30 (trinta) dias, após 03 (três) po, a pedido, ou de ofício, quando se aduzirem fatos novos ou circuns-
anos de sua aplicação; tanciais suscetíveis de justificar a inocência do punido ou a inadequação
III - com pena de suspensão de 31 (trinta e um) a 90 (noventa) da penalidade aplicada, quando:
dias, após 05 (cinco) anos de sua aplicação. I - a decisão houver sido proferida contra expressa disposição legal;
Parágrafo único A reabilitação será requerida pelo servidor, II - a decisão colhida for contrária à evidência nos autos;
decorrido o lapso referido neste artigo, a qual será analisada pelo se- III - a decisão se fundar em depoimentos, exames periciais, visto-
tor Jurídico do órgão ou entidade, e em seguida encaminhada para o rias e documentos falsos;
setor de Recursos Humanos para atualização de registro funcional. IV - surgirem, após a decisão, provas de inocência do punido;
Art. 109 Na imposição de nova penalidade disciplinar será V - ocorrer circunstâncias que autorizem o abrandamento da pena.
somado a esta o prazo restante a ser cumprido, da pena anterior- Parágrafo único Os pedidos que não se fundarem nos casos
mente aplicada. enumerados neste artigo serão indeferidos liminarmente.

Didatismo e Conhecimento 92
LEGISLAÇÃO BÁSICA
Art. 119 Em caso de falecimento, ausência ou desaparecimento
do servidor, qualquer pessoa poderá requerer a revisão do processo.
Art. 120 No caso de incapacidade mental do servidor, a revisão LEI COMPLEMENTAR 566/2015
será requerida pelo respectivo curador.
Art. 121 No processo revisional, o ônus da prova cabe ao reque-
rente.
Art. 122 A simples alegação de injustiça da penalidade não cons- LEI COMPLEMENTAR Nº 566, DE 20 DE MAIO DE
titui fundamento para revisão que requer elementos novos, ainda não 2015 - D.O. 20.05.15.
apreciados no processo originário.
Art. 123 O requerimento de revisão do processo será dirigido ao Dispõe sobre a organização administrativa do Poder Exe-
Secretário de Estado ou autoridade equivalente, que se autorizar à re- cutivo Estadual e dá outras providências.
visão, encaminhará o pedido ao dirigente do órgão ou entidade onde se
originou o processo disciplinar. A ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE
Parágrafo único Recebida a petição, o dirigente do órgão ou en- MATO GROSSO, tendo em vista o que dispõe o Art. 45 da Cons-
tidade providenciará a constituição da comissão revisora. tituição Estadual, aprova e o Governador do Estado sanciona a se-
Art. 124 A revisão correrá em apenso ao processo originário. guinte lei complementar:
Parágrafo único Na petição inicial, o requerente pedirá dia e hora
para a produção de provas e inquirição das testemunhas que arrolar. CAPÍTULO I
Art. 125 A comissão revisora terá até 30 (trinta) dias para a con- DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES
clusão dos trabalhos, prorrogáveis, uma vez, por igual prazo, quando
as circunstâncias o exigirem. Art. 1º Esta lei complementar dispõe sobre a organização da
Art. 126 Aplica-se aos trabalhos da comissão revisora, no que Administração do Poder Executivo do Estado de Mato Grosso e dá
couber, as normas e procedimentos próprios da comissão sindicante ou outras providências.
comissão de processo administrativo disciplinar. Art. 2º O Poder Executivo é exercido pelo Governador do
Art. 127 O julgamento caberá à autoridade que determinou a re- Estado, auxiliado pelos Secretários de Estado.
visão. Parágrafo único O Vice-Governador do Estado, além das
Parágrafo único O prazo para julgamento será até 20 (vinte) dias, atribuições que lhe forem conferidas por lei complementar, au-
contados do recebimento do processo, podendo a autoridade julgadora xiliará o Governador do Estado quando convocado para missões
determinar diligências. especiais.
Art. 128 Julgada procedente a revisão, será declarada sem efeito
Art. 3º Os Secretários de Estado possuem suas competências
a penalidade aplicada, restabelecendo-se todos os direitos do servidor,
regidas pelo Art. 71 da Constituição do Estado, adicionando-se a
exceto em relação à destituição de cargo em comissão que será conver-
estas:
tida em exoneração.
I - planejar, coordenar e avaliar as atividades de sua área de
Parágrafo único Da revisão do processo não poderá resultar
competência;
agravamento de penalidade.
II - dar plena publicidade dos atos e atividades de sua gestão,
Art. 129 A revisão será processada por comissão especialmente
conforme legislação específica;
designada pela autoridade que a deferiu, composta de 03 (três) mem-
III - elaborar a programação do órgão compatibilizando-a com
bros.
Art. 130 Cabe ao Presidente da Comissão designar seu secretário. as diretrizes gerais do governo e aprovar a programação das ativi-
Art. 131 É vedada a participação na revisão de quem tenha atuado dades de entidades da Administração Indireta que lhes são vincu-
no procedimento disciplinar. ladas;
Art. 132 Tratando-se de sindicância finalizada, a revisão será pro- IV - referendar atos administrativos e normativos assinados
cessada por autoridade especialmente designada pela autoridade que a pelo Governador;
deferiu, observada a hierarquia. V - propor o orçamento do órgão e encaminhar as respectivas
Art. 133 Recebido o pedido, o Presidente da Comissão, ou a auto- prestações de contas;
ridade designada para processar a revisão, providenciará o apensamen- VI - ordenar, fiscalizar e impugnar despesas públicas;
to do procedimento disciplinar e notificará o requerente para, no prazo VII - participar de Conselhos e Comissões, podendo designar
de 08 (oito) dias, juntar as provas que tiver ou indicar as que pretenda representantes com poderes específicos;
produzir, oferecendo rol de testemunhas se for o caso. VIII - realizar a supervisão interna e externa dos órgãos;
Art. 134 Contar-se-ão por dias corridos os prazos previstos nesta IX - receber reclamações relativas à prestação de serviços pú-
lei complementar, não se computando o dia inicial e prorrogando-se o blicos, decidir e promover as correções exigidas;
vencimento que cair em sábado, domingo ou feriado, para o primeiro X - determinar, nos termos da legislação, a instauração de
dia útil subsequente. sindicância e processo administrativo, aplicando-se as necessárias
Art. 135 Esta lei complementar entra em vigor na data de sua punições disciplinares;
publicação. XI - prestar esclarecimentos relativos aos atos de sua Pasta,
Palácio Paiaguás, em Cuiabá, 29 de dezembro de 2004. conforme previsto na Constituição Estadual;
XII - propor ao Governador a intervenção nos órgãos das
as) BLAIRO BORGES MAGGI entidades vinculadas, assim como a substituição dos respectivos
Governador do Estado dirigentes;

Didatismo e Conhecimento 93
LEGISLAÇÃO BÁSICA
XIII - exercer outras atividades situadas na área de abrangên- VIII - Nível de Administração Desconcentrada - representa-
cia da respectiva secretaria e demais atribuições delegadas pelo do por órgãos e unidades responsáveis pela execução de ativida-
Chefe do Poder Executivo. des-fim cujas características exijam organização e funcionamento
Parágrafo único São Secretários de Estado: peculiares, dotadas de relativa autonomia administrativa e finan-
I - os titulares das Secretarias; ceira, com adequada flexibilidade de ação gerencial;
II - os titulares dos Gabinetes da Governadoria de Estado; IX - Nível de Administração Descentralizada - compreenden-
III - o Secretário-Chefe da Casa Civil; do as entidades autárquicas, fundacionais, sociedades de economia
IV - o Secretário-Chefe da Casa Militar; mista e empresas públicas, com organização fixada em lei e regula-
V - o Procurador-Geral do Estado; mentos próprios, vinculadas aos órgãos centrais.
VI - o Controlador-Geral do Estado.
Art. 4º A Administração Pública Estadual compreende, CAPÍTULO II
conforme Anexo I desta Lei Complementar: A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA DIRETA
I - a Administração Direta, constituída pelos órgãos inte- Seção I
grantes da estrutura organizacional administrativa da Governa- Da Governadoria do Estado
doria do Estado, das Secretarias de Estado e demais órgãos e
instituições indicados por lei; Art. 6º A Governadoria do Estado é composta pelo conjunto
II - a Administração Indireta, constituída pelas seguintes es- de órgãos auxiliares do Governador e a ele, direta e imediatamen-
pécies de entidades, dotadas de personalidade jurídica própria: te, vinculados, com as competências definidas nesta lei comple-
a) autarquias; mentar.
b) fundações públicas de direito público e de direito priva- Art. 7º Integram a Governadoria do Estado, como órgãos es-
do; senciais:
c) empresas públicas; I - a Casa Civil;
d) sociedades de economia mista. II - a Casa Militar;
Parágrafo único As entidades compreendidas na Adminis- III - o Gabinete de Articulação e Desenvolvimento Regional;
tração Indireta serão vinculadas à Secretaria de Estado em cuja IV - o Gabinete de Comunicação;
área de competência estiver enquadrada sua principal atividade, V - o Gabinete de Governo;
VI - o Gabinete de Assuntos Estratégicos;
conforme as disposições desta lei complementar.
VII - o Gabinete de Transparência e Combate à Corrupção;
Art. 5º A estrutura organizacional básica dos órgãos e enti-
VIII - o Gabinete da Vice-Governadoria.
dades da Administração Pública Direta e Indireta é constituída
§ 1º Integra a Governadoria do Estado, como órgão de asses-
dos seguintes níveis:
soramento imediato ao Governador, o Conselho de Desenvolvi-
I - Nível de Decisão Colegiada - representado pelos Conse-
mento Econômico e Social;
lhos Superiores dos órgãos e entidades ou assemelhados e suas
§ 2º Integra a Governadoria do Estado, como órgão superior
unidades de apoio, necessárias ao cumprimento de suas compe-
de controle interno essencial permanente, a Controladoria-Geral
tências legais e funções regimentais;
do Estado.
II - Nível de Direção Superior - representado pelos titulares § 3º Junto à Governadoria do Estado funcionará, como órgão
dos órgãos, entidades e Secretários de Estado, no desempenho de consulta do Governador do Estado, o Conselho de Governo.
de suas funções estratégicas institucionais e administrativas; Art. 8º À Casa Civil compete:
III - Nível de Apoio Estratégico e Especializado - repre- I - fortalecer o relacionamento e facilitar a articulação do go-
sentado pelas unidades responsáveis por competências de apoio verno com as entidades da sociedade civil, visando maior partici-
direto, estratégico e altamente especializado, ao Núcleo Estraté- pação do cidadão mato-grossense nas ações de governo;
gico do órgão e entidade no desempenho de suas competências II - garantir a representação política do Governador perante os
institucionais; Poderes, outros Entes da Federação, autoridades nacionais e inter-
IV - Nível de Assessoramento Superior - representado pelas nacionais e sociedade mato-grossense, promovendo a integração
unidades de assessoria responsáveis pelo apoio técnico e espe- política institucional;
cializado aos titulares em assuntos de interesse geral do órgão III - atuar como elo entre o governo e demais órgãos, execu-
e entidade; tando e transmitindo decisões governamentais;
V - Nível de Administração Sistêmica - compreendendo os IV - avaliar previamente a nomeação e a exoneração de to-
órgãos e unidades setoriais prestadores de serviços nas áreas de dos os cargos comissionados da Administração Pública Direta e
planejamento, administração e finanças, coordenados, respecti- Indireta;
vamente, pelas Secretarias de Estado de Planejamento, de Ges- V- planejar, promover e coordenar os planos e programas de
tão e de Fazenda; regularização fundiária rural e urbana;
VI - Nível de Execução Programática - representado pelos VI - promover e coordenar a busca, em articulação com en-
órgãos e unidades responsáveis pelas atividades-fim de cada Se- tidades descentralizadas vinculadas ao órgão, por soluções ade-
cretaria, consubstanciadas em funções de caráter permanente; quadas e pacíficas para os conflitos fundiários, rurais e urbanos
VII - Nível de Administração Regionalizada - representado do Estado;
pela execução de atividades-fim do órgão e entidade em deter- VII - coordenar e fiscalizar, em coordenação com entidades
minados polos regionais a serem definidos por Decreto; descentralizadas vinculadas ao órgão, a regulação dos serviços pú-
blicos delegados pelo Estado.

Didatismo e Conhecimento 94
LEGISLAÇÃO BÁSICA
Art. 9º À Casa Militar compete: II - articular as atividades e os trabalhos essenciais à execução
I - prestar assistência direta e imediata ao Governador no desem- das estratégias do Plano de Governo, em conjunto com a Secreta-
penho de suas atribuições; ria de Estado de Planejamento, e colaborar no desenvolvimento do
II - adotar medidas preventivas de enfrentamento às ocorrências planejamento estratégico do governo e seu acompanhamento, bem
de crise que venham afetar a segurança do Governador; como na avaliação contínua das ações desenvolvidas;
III - planejar, executar, controlar e avaliar as atividades de inteli- III - acompanhar os debates e as deliberações estratégicas nos
gência e contrainteligência de interesse governamental; conselhos governamentais, apoiando o monitoramento do cumpri-
IV - prestar assessoramento militar ao Cerimonial Oficial do Es- mento de suas decisões nas áreas técnicas;
tado; IV - colaborar com a Secretaria de Estado de Planejamento no
V - gerir os serviços de proteção pessoal do Governador, seu côn- que tange ao subsídio e orientação às Secretarias de Estado e aos
juge e seus parentes em linha reta em primeiro grau, bem como a segu- demais órgãos e entidades estaduais, com vista ao planejamento
rança pessoal do Vice-Governador e, excepcionalmente, do secretaria- estratégico e à gestão de ações, programas e projetos estratégicos
do, autoridades e outras pessoas, quando expressamente determinado de governo;
pelo Governador; V - propor ajustes na execução das ações, programas e proje-
VI - gerir os serviços de segurança da sede do governo e residên- tos estratégicos de governo.
cia do Governador, bem como dos demais locais e adjacências onde Art. 12 Ao Gabinete de Comunicação compete:
estiver presente; I - gerir a política de comunicação social do Poder Executivo
VII - gerir os serviços de transporte aéreo e viário do Governador Estadual;
e Vice-Governador, bem como coordenar o fretamento, a utilização, a II - gerir ações de comunicação, propaganda e publicidade das
fiscalização e o controle dos serviços de transporte aéreo dos demais ações de governo e dos eventos internos e externos;
órgãos do Poder Executivo; III - gerir os serviços de assessoria de imprensa, bem como as
VIII - receber, orientar e acompanhar autoridades e convidados entrevistas coletivas e individuais;
em visitas oficiais ao Estado, quando formalmente autorizado pelo Go- IV - gerir o conteúdo web do Poder Executivo Estadual, bem
vernador; como a padronização institucional de todos os portais eletrônicos;
IX - coordenar as atividades do Comitê Estadual de Acompanha- V - gerir os serviços de marketing de relacionamento;
mento de Conflitos Fundiários do Estado, em conformidade com a re- VI - gerir a política de comunicação institucional interna do
gulamentação específica. Poder Executivo Estadual;
Art. 10 Ao Gabinete de Articulação e Desenvolvimento Regional VII - estimular a participação da comunidade em eventos cí-
compete: vicos, bem como contribuir para a divulgação da cultura estadual
I - coordenar e planejar, em conjunto com a Secretaria de Estado e maior conhecimento da realidade mato-grossense, no próprio
de Planejamento, as políticas de desenvolvimento regional através dos Estado e no País.
seguintes instrumentos: Art. 13 Ao Gabinete de Governo compete:
a) Política de Desenvolvimento Regional do Estado de Mato I - prestar assessoria ao Governador para o bom desempenho
Grosso; de suas funções no que se refere à organização das atividades de
b) Planos Regionais de Desenvolvimento; agenda, ao planejamento de viagens (nacionais e internacionais),
c) Programas de Desenvolvimento Regional do PPA; ao cerimonial de governo, à assessoria jurídica do Governador, à
II - gerir a rede, central e regional, de desenvolvimento regional; ajudância de ordens, à organização do acervo documental e à ma-
III - definir e implantar metodologias de formulação de planos de nutenção do Palácio;
desenvolvimento regional; II - produzir informações para subsidiar o governo nas au-
IV - elaborar, disponibilizar e fazer cumprir as normas sobre o diências, visitas, reuniões, viagens, entrevistas e participações em
funcionamento da rede de desenvolvimento regional; eventos de qualquer natureza;
V - capacitar os parceiros e atores para atuar na área de gestão das III - articular as ações sociais do governo junto às demais Se-
políticas de desenvolvimento regional; cretarias de Estado, a órgãos nacionais e internacionais, bem como
VI - coordenar os programas estaduais de desenvolvimento regio- fomentar as ações de voluntariado;
nal em áreas sensíveis e regiões de fronteira; IV - coordenar as relações internacionais do Governo do Esta-
VII - realizar a articulação com os demais órgãos e entidades da do no que se relaciona a:
Administração Pública que possuam atividades afins; a) relações diplomáticas;
VIII - integrar e coordenar programas estaduais voltados para o b) estabelecimento de parcerias, termos de cooperação, trata-
desenvolvimento sustentável de Municípios; dos e acordos com governos estrangeiros;
IX - identificar e gerenciar as demandas levantadas pelos Consór- c) articulação com os demais órgãos para a promoção do go-
cios Intermunicipais. verno no âmbito internacional;
Art. 11 Ao Gabinete de Assuntos Estratégicos compete: V - coordenar, em ação conjunta com a Casa Civil, a contra-
I - prestar assessoramento direto e imediato ao Governador do Es- tação e a nomeação de servidores públicos em cargos comissiona-
tado no desempenho de suas atribuições, especialmente: dos, observando a qualificação técnica.
a) na coordenação, no planejamento e na execução das diretrizes e Art. 14 Ao Gabinete de Transparência e Combate à Corrup-
políticas relativas à integração das ações governamentais estratégicas; ção compete:
b) na promoção de análises de políticas públicas estratégicas I - formular, coordenar e fomentar a implementação de planos,
para o Estado; programas e projetos voltados à prevenção da corrupção e à pro-
c) na realização de estudos de natureza político-institucional moção da transparência, do acesso à informação, da conduta ética,
de dimensão estratégica; da integridade e do controle social na Administração Pública;

Didatismo e Conhecimento 95
LEGISLAÇÃO BÁSICA
II - estimular e apoiar a implantação de planos, programas, § 1º A organização, funcionamento e demais atribuições do
projetos e normas voltadas à prevenção da corrupção e ao forta- Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social serão discipli-
lecimento da transparência, da integridade e da conduta ética no nados em regimento interno.
setor público e na sua relação com o setor privado; § 2º Funcionará vinculada ao Conselho de Desenvolvimento
III - promover, coordenar e fomentar a realização de estudos e Econômico e Social a Secretaria Técnica do CONDES, cujas ati-
pesquisas, visando à produção e à disseminação do conhecimento vidades ficarão subordinadas à Casa Civil.
nas áreas de prevenção da corrupção, promoção da transparência, Art. 17 A Controladoria-Geral do Estado é instituição perma-
acesso à informação, conduta ética, integridade e controle social; nente e essencial ao funcionamento do controle interno do Poder
IV - promover a articulação com órgãos, entidades e organis- Executivo Estadual, na forma dos arts. 70 e 74 da Constituição
mos nacionais e internacionais que atuem no campo da prevenção Federal e art. 52 da Constituição Estadual, cujas competências, or-
da corrupção, de promoção da transparência, do acesso à informa- ganização e funcionamento são estabelecidos em lei complemen-
ção, da conduta ética, da integridade e do controle social; tar específica.
V - participar em fóruns ou organismos nacionais e interna- Art. 18 A Procuradoria-Geral do Estado é instituição necessá-
cionais relacionados ao combate e à prevenção da corrupção, à ria à Administração Pública Estadual e função essencial à adminis-
promoção da transparência, do acesso à informação, da conduta tração da Justiça, responsável sob título exclusivo pela advocacia
ética, da integridade e do controle social, e atuar como agente mul- do Estado, e exercendo, nos termos do Art. 112 da Constituição
tiplicador; Estadual, a representação judicial e a consultoria jurídica do Esta-
VI - propor, estimular e fortalecer a implementação de ins- do de Mato Grosso.
trumentos, políticas e iniciativas que valorizem padrões éticos na Parágrafo único A organização e o funcionamento da Pro-
ação administrativa; curadoria-Geral do Estado são estabelecidos em lei complementar
VII - receber e averiguar demandas referentes à restrição ile- específica, nos termos do Art. 111 da Constituição Estadual.
gal de acesso à informação e/ou práticas ilícitas, encaminhando-as Art. 19 Compete ao Conselho de Governo, nos termos do
para os órgãos competentes, bem como acompanhar e dar a res- Art. 73 da Constituição Estadual e das disposições de sua lei re-
pectiva resposta; gulamentadora, pronunciar-se sobre questões relevantes suscitadas
VIII - propor, estimular e colaborar para a difusão dos ins- pelo Governador do Estado, incluída a estabilidade das instituições
trumentos de boas práticas para uma gestão pública responsável, e problemas emergentes, de grave complexidade e implicações so-
transparente e participativa no contexto da Administração Esta- ciais.
dual, com a colaboração dos órgãos e entidades afins;
IX - implementar as ações do plano estadual de transparência Seção II
e do plano estadual de combate à corrupção; Das Secretarias de Estado
X - sugerir ou recomendar a adoção de medidas visando ao
aperfeiçoamento, à proposição e ao alcance de objetivos que ofe- Art. 20 As Secretarias de Estado são órgãos auxiliares do Go-
reçam respostas efetivas e necessárias às demandas da sociedade. vernador e a ele, direta e imediatamente, subordinados, com as
Art. 15 Ao Gabinete da Vice-Governadoria compete: atribuições definidas nesta Lei Complementar.
I - auxiliar o Governador do Estado no desempenho de suas Art. 21 As Secretarias de Estado são as seguintes:
funções; I - Secretaria de Estado de Agricultura Familiar e Assuntos
II - auxiliar o Governador do Estado no relacionamento com Fundiários - SEAF;
autoridades federais, estaduais e municipais, autoridades religio- II - Secretaria de Estado de Cidades - SECID;
sas, civis e militares, partidos políticos, entidades de classe e ou- III - Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Inovação
tras organizações e instituições representativas da sociedade; - SECITECI;
III - gerir o Observatório de Gestão. IV - Secretaria de Estado de Cultura, Esporte e Lazer - SE-
Art. 16 Ao Conselho de Desenvolvimento Econômico e So- CEL;
cial - CONDES, órgão de assessoramento do Governador do Esta- V - Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico -
do na formulação de políticas e diretrizes específicas voltadas ao SEDEC;
desenvolvimento econômico e social do Estado de Mato Grosso, VI - Secretaria de Estado de Educação - SEDUC;
compete: VII - Secretaria de Estado de Fazenda - SEFAZ;
I - aprovar as diretrizes e objetivos estratégicos para as políti- VIII - Secretaria de Estado de Gestão - SEGES;
cas públicas que integrarão o Plano Plurianual (PPA); IX - Secretaria de Estado de Infraestrutura e Logística - SIN-
II - aprovar propostas de elaboração e revisão do Plano de FRA;
Longo Prazo - PLP do Estado; X - Secretaria de Estado de Justiça e Direitos Humanos - SE-
III - aprovar a indicação de órgãos e entidades responsáveis JUDH;
pelos programas estratégicos e prioritários intersetoriais; XI - Secretaria de Estado de Meio Ambiente - SEMA;
IV - aprovar a proposta de anteprojeto de Lei de Diretrizes XII - Secretaria de Estado de Planejamento - SEPLAN;
Orçamentárias - LDO; XIII - Secretaria de Estado de Saúde - SES;
V - aprovar a proposta de Lei Orçamentária Anual - LOA; XIV - Secretaria de Estado de Segurança Pública - SESP;
VI - aprovar a formação de Núcleos Temáticos; XV - Secretaria de Estado de Trabalho e Assistência Social -
VII - decidir sobre estratégias de planejamento, replanejamen- SETAS.
to e avaliação dos resultados fiscais; Parágrafo único A organização e o funcionamento das Secre-
VIII - avaliar programas e ações de desenvolvimento regional. tarias de Estado são estabelecidos em regimento interno.

Didatismo e Conhecimento 96
LEGISLAÇÃO BÁSICA
Art. 22 À Secretaria de Estado de Agricultura Familiar e As- VI - contribuir para a capacitação profissional da força de tra-
suntos Fundiários compete: balho do Estado, no sentido de viabilizar investimentos geradores
I - planejar, promover e coordenar a política agrícola e fundiá- de trabalho e renda, implementando a Política Estadual de Educa-
ria do Estado de acordo com as características e peculiaridades da ção Profissional e Tecnológica, garantindo a oferta pública e gra-
agricultura familiar, considerando sua produção e sustentabilidade; tuita de cursos de educação profissional e tecnológica em todas as
II - promover o desenvolvimento rural sustentável do segmen- suas modalidades e níveis, exercendo a função de fiscalizá-los, nas
to constituído pelos agricultores familiares; instituições pertencentes ao Sistema Estadual de Ensino;
III - planejar, promover e coordenar, em articulação com enti- VII - contribuir para o desenvolvimento e melhoria da qualida-
dades descentralizadas vinculadas ao órgão, a assistência técnica e de do ensino superior mediante a regulação, supervisão e avaliação
das Instituições de Ensino Superior Estaduais e seus cursos;
extensão rural do Estado;
VIII - contribuir para o fomento da inovação no sistema produ-
IV - promover atividades de pesquisa, validação e transferên-
tivo do Estado e para transformação da sua base técnica, através do
cia de tecnologia; uso intensivo da ciência, tecnologia, inovação, educação profissio-
V - promover atividades de fomento para o fortalecimento da nal e educação superior;
agricultura familiar. IX - contribuir para inserção do conhecimento científico e tec-
Art. 23 À Secretaria de Estado de Cidades compete: nológico nos processos de produção de bens e serviços, com resul-
I - desenvolver o planejamento e a gestão das políticas esta- tados na melhoria da produtividade e da qualidade dos produtos
duais da habitação de interesse social, saneamento ambiental, mo- gerados;
bilidade e acessibilidade urbana, planejamento do uso e ocupação X - contribuir para a promoção do desenvolvimento científico
do solo urbano e planejamento metropolitano articulados entre si e que estimule a conservação dos recursos naturais renováveis, de
com as demais políticas públicas afins e correlatas, apoiando igual- maneira a torná-los fonte permanente de renda para o desenvolvi-
mente os municípios na efetivação dessas políticas; mento regional;
II - desenvolver atividades voltadas para o aumento da oferta XI - promover a dinamização do Sistema Estadual de Ciência,
de infraestrutura urbana nos municípios do Estado; Tecnologia e Inovação, através da integração e interação de seus
III - analisar, elaborar, fiscalizar e executar projetos e obras pú- componentes;
blicas e de pavimentação urbana, sob sua competência, observando XII - promover o desenvolvimento de ações regionalizadas em
os parâmetros de qualidade, segurança, prazo e custos planejados; ciência, tecnologia e inovação com os Estados da Região Centro
IV - gerenciar o uso e ocupação do solo no complexo do Cen- -Oeste, bem como ações de caráter federativo com outros Estados
brasileiros e com órgãos do Governo Federal;
tro Político Administrativo, tendo em vista a acessibilidade, a mo-
XIII - estimular o desenvolvimento de ambientes especializa-
bilidade, a urbanização e o paisagismo;
dos e cooperativos de inovação;
V - elaborar, fiscalizar e executar projetos e obras públicas re- XIV - administrar o Fundo Estadual de Ciência e Tecnologia -
lacionadas à estrutura organizacional do Estado, conforme planeja- FUNTEC, cabendo ao Conselho Estadual de Ciência e Tecnologia
mento de governo; definir as prioridades para aplicação de recursos do Fundo.
VI - coordenar as ações da Defesa Civil; Art. 25 À Secretaria de Estado de Cultura, Esporte e Lazer
VII - articular e coordenar as ações de integração dos órgãos compete:
de defesa civil, em especial no âmbito da gestão da informação e do I - planejar, organizar, coordenar, executar, controlar e avaliar
planejamento operacional. as ações setoriais, a cargo do Estado, relativas ao incentivo, à pro-
Art. 24 À Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Ino- dução, à valorização e à difusão das manifestações culturais da so-
vação compete: ciedade mato-grossense, assegurada a preservação da diversidade
I - colaborar com o Conselho Estadual competente na formu- cultural, a democratização do acesso à cultura e o oferecimento de
lação da Política Estadual de Desenvolvimento Científico, Tecno- oportunidades para o exercício do direito à identidade cultural;
lógico e Inovação; II - fomentar e divulgar a cultura mato-grossense em todas as
II - propor políticas e planos, com a participação dos compo- suas expressões e diversidade regional, promovendo a difusão da
nentes do Sistema Estadual de Ciência e Tecnologia e da sociedade, identidade e da memória do Estado;
capazes de elevar a capacidade científica e tecnológica em setores III - articular-se com órgãos, entidades oficiais e agentes da
estratégicos para o desenvolvimento sustentado do Estado, articu- comunidade, bem como relacionar-se com instituições nacionais e
estrangeiras, com vistas ao intercâmbio e à cooperação culturais, de
lando ações e instituições para sua execução;
esporte e de lazer;
III - implementar mecanismos que favoreçam o desenvolvi-
IV - promover a integração das ações culturais e de esporte e
mento científico, tecnológico e de inovação nas áreas estratégicas lazer com as ações de outros segmentos, voltadas à construção da
definidas na Política Estadual de Desenvolvimento Científico, Tec- cidadania e ao desenvolvimento humano, considerando-se os ele-
nológico e Inovação; mentos característicos do contexto cultural do Estado;
IV - contribuir para a consolidação, expansão e aprimoramento V- promover a articulação sistemática e estabelecer relações
da base física de apoio às iniciativas científicas e de desenvolvi- de parceria com órgãos e entidades governamentais e não gover-
mento tecnológico, instalada no Estado; namentais, nacionais, estrangeiras e internacionais, e viabilizar a
V - concorrer para a capacitação dos recursos humanos dedica- execução de programas, projetos e ações da cultura, esporte e lazer,
dos ao ensino, pesquisa científica, desenvolvimento experimental e assegurando a participação da cultura e do esporte no desenvolvi-
serviços técnicos atuantes nas instituições que integram o Sistema mento social, econômico, político e ambiental do Estado de Mato
Estadual de Ciência e Tecnologia; Grosso;

Didatismo e Conhecimento 97
LEGISLAÇÃO BÁSICA
VI - promover a preservação do patrimônio cultural, histórico X - estimular a integração institucional e instrumental entre
e artístico do Estado, material e imaterial, incentivando sua fruição os órgãos do setor e as instâncias municipal e federal, bem como
pela comunidade; com a iniciativa privada, os produtores e suas organizações rurais;
VII - promover e ampliar o acesso da população aos bens cul- XI - formular, planejar, executar, coordenar, avaliar as polí-
turais, materiais e imateriais, por meio da interiorização, da des- ticas, programas, projetos e demais ações relativas ao desenvol-
centralização e do fomento das cadeias geradoras de cultura nos vimento do turismo do Estado como atividade econômica susten-
Municípios; tável;
VIII - promover ações que visem a estimular o desenvolvi- XII - incentivar e estimular a dinamização das empresas e
mento de vocações artísticas e esportivas e a formação, o aperfei- agentes de produção, instalados ou que venham a se instalar no
çoamento e a qualificação de técnicos e agentes culturais; Estado;
IX - planejar, incentivar, estimular, patrocinar, apoiar e rea- XIII - formular, normatizar e gerir fundos especiais de investi-
lizar projetos e programas esportivos e recreativos do Estado; mentos e de incentivos fiscais destinados ao desenvolvimento das
(Revogado pela Lei Complementar nº 572, de 16 de novembro de empresas de turismo, para o incremento do turismo no Estado.
2015.) Art. 27 À Secretaria de Estado de Educação compete:
X - formular diretrizes e promover a definição e implantação I - formular e coordenar as atividades estaduais de educação e
de planos, programas, projetos e ações relativas à cultura, esporte supervisionar sua execução nas instituições que compõem sua área
e lazer no âmbito regional e estadual; de competência;
XI - formular e coordenar o Plano Estadual da Cultura e o II - estabelecer mecanismos que garantam a qualidade do en-
Plano Estadual do Desporto; sino público estadual;
XII - desenvolver estudos e pesquisas visando a elaboração, III - promover e acompanhar as ações de planejamento, o de-
ampliação e acompanhamento dos seus programas, projetos e ati- senvolvimento dos currículos, os programas e a pesquisa referente
vidades; ao desenvolvimento escolar, viabilizando a organização e o fun-
XIII - promover, coordenar e acompanhar, em parceria com cionamento da escola;
outras instituições públicas e privadas, programas de fomento à IV - realizar a avaliação da educação e dos recursos humanos
economia criativa, visando à geração de trabalho, emprego e ren- no setor, gerando indicadores educacionais e mantendo sistemas
da; de informações;
XIV - supervisionar e coordenar as práticas do desporto edu- V - fortalecer a cooperação com os Municípios, com vistas ao
cacional do Sistema Estadual do Desporto, em parceria com ór- desenvolvimento da educação básica no Estado;
gãos e entidades estaduais afins. (Revogado pela Lei Complemen- VI - coordenar a gestão e a adequação da rede de ensino es-
tar nº 572, de 16 de novembro de 2015.) tadual, o planejamento e a caracterização das obras a serem exe-
Art. 26 À Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econô- cutadas em prédios escolares, o aparelhamento e o suprimento das
mico compete: escolas e as ações de apoio ao aluno;
I - analisar, propor, orientar, articular, coordenar e supervisio- VII - definir, coordenar e executar as ações da política de ca-
nar a execução de medidas que envolvam as diferentes esferas de pacitação dos educadores e diretores da rede pública de ensino
governo, nos setores públicos e privados, no tocante ao desenvol- Estadual.
vimento industrial, comercial, turístico, mineral e de energia; Art. 28 À Secretaria de Estado de Fazenda compete:
II - propor e supervisionar a execução das políticas de incenti- I - executar a administração financeira e a contabilidade pú-
vos e investimentos de natureza federal e estadual, e privada; blicas estaduais;
III - identificar as oportunidades de investimentos e tomar II - executar a administração das dívidas públicas internas e
providências destinadas à atração, à localização, à permanência e externas;
ao desenvolvimento de iniciativas industriais, comerciais, mine- III - promover a gestão dos recursos financeiros e o efetivo
rais e de energia, de cunho econômico para o Estado; controle dos gastos públicos para viabilizar a execução financeira
IV - orientar o planejamento, a implantação e a operação das das políticas governamentais;
áreas dos Distritos Industriais do Estado; IV - exercer a orientação, a supervisão e a fiscalização das
V - coordenar a execução de políticas estaduais que estejam atividades de administração financeira do Estado;
articuladas com as políticas federais, relativas a produtos de ex- V - exercer a orientação normativa, a supervisão técnica e o
portação, sujeitos às medidas regulares de beneficiamento e co- controle das atividades contábeis relativas à gestão financeira do
mercialização; Estado;
VI - promover, fomentar e apoiar o empreendedorismo no Es- VI - formular as políticas tributária e fiscal do Estado e pro-
tado; mover sua execução, controle, acompanhamento e avaliação;
VII - coordenar, supervisionar e controlar ações e instrumen- VII - planejar, executar, acompanhar e avaliar, conforme o or-
tos do setor público para o desenvolvimento da política agríco- denamento da política geral do Estado, as atividades relativas a
la, referente às atividades agrossilvopastoris, comercialização e tributação, fiscalização, arrecadação, cobrança e recolhimento dos
agroindústria, visando à promoção do desenvolvimento de Mato tributos estaduais, contribuições a fundos, conformada em matéria
Grosso; tributária, bem como as transferências constitucionais recebidas
VIII - propor políticas e supervisionar as ações no âmbito da da União e as receitas não tributárias previstas no art. 20, § 1°, da
defesa agropecuária; Constituição Federal;
IX - desenvolver e elaborar políticas públicas de desenvolvi- VIII - gerir o Sistema Tributário Estadual para garantir a efeti-
mento econômico de forma sistêmica e integrada, em nível regio- vação do potencial contributivo da economia e assegurar o contro-
nal e estadual; le da arrecadação tributária;

Didatismo e Conhecimento 98
LEGISLAÇÃO BÁSICA
IX - exercer o controle das atividades econômicas, na forma III - gerir a política de formação e capacitação dos servidores
da legislação tributária e fiscal, para assegurar a compatibilidade civis e militares e empregados públicos e promover a produção e a
entre a real capacidade contributiva da economia e a receita efetiva; divulgação de conhecimentos;
X - definir, em conjunto com as demais Secretarias, nas respec- IV - gerir a política de aquisições de bens e contratações de
tivas áreas de competência, as políticas de concessão de incentivos serviços no âmbito do Poder Executivo Estadual;
fiscais, na forma da lei; V - gerir a política de patrimônio e serviços do Poder Execu-
XI - observado o devido processo legal, o sigilo fiscal e a le- tivo Estadual;
gislação pertinente, mediante contraditório e ampla defesa, aplicar VI - gerir a publicidade de todas as matérias oficiais do go-
medidas ou sanções administrativas, quando for o caso, inclusive a verno para garantir a legitimidade dos atos e fatos da Adminis-
representação cabível, aprovada em colegiado; tração Pública Estadual e a fé pública das matérias previstas em
XII - manter programas, projetos e atividades de desenvolvi- lei, exceto nas hipóteses de utilização, na forma da lei, de diário
mento e aperfeiçoamento permanente do pessoal fazendário, indis- oficial eletrônico pela Secretaria responsável pela matéria objeto
pensáveis ao cumprimento de seus objetivos; de divulgação, além de fornecer serviços gráficos;
XIII - zelar pelo equilíbrio de atuação entre as 03 (três) car- VII - gerir a política para arquivo, protocolo e documentos
reiras do quadro da SEFAZ, a fim de proporcionar oportunidade permanentes de valor histórico produzidos pelo Poder Executivo,
de desenvolvimento profissional a todos os servidores fazendários;
preservar e facilitar o acesso aos documentos sob sua guarda;
XIV - aplicar os critérios de proporcionalidade e de paridade
VIII - gerir o sistema previdenciário do Poder Executivo Es-
entre as 03 (três) carreiras específicas da SEFAZ nas nomeações
tadual;
dos órgãos comissionados e funções de confiança das áreas da Re-
IX - gerir os serviços de perícia médica devidos aos servidores
ceita Pública, do Tesouro Estadual e órgãos de atendimento ao con-
tribuinte, de acordo com os seguintes critérios: estaduais civis e militares e seus dependentes, para a instrução de
a) na área da Receita Pública os cargos em comissão e funções processos de posse e exercício, licença, aposentadoria, readapta-
de confiança devem ser ocupados exclusivamente e paritariamente ção, reversão, pensão e outros previstos em lei;
por servidores das 03 (três) carreiras fazendárias: X - gerir a política de assistência à saúde dos servidores e
1) inclusive, nos órgãos de Julgamentos e Reexame de Proces- empregados públicos do Poder Executivo Estadual;
sos, a paridade passa a ser obrigatória entre os servidores das 03 XI - orientar, supervisionar e avaliar tecnicamente os proce-
(três) carreiras fazendárias; dimentos organizacionais dos órgãos e entidades relacionados aos
2) no Conselho de Contribuinte do Estado de Mato Grosso, as sistemas de sua competência;
nomeações dos servidores fazendários se dará de forma paritária XII - prover, normatizar e aplicar metodologias e ferramentas
por servidores das 03 (três) carreiras fazendárias; de gestão voltadas para a padronização e melhoria de processos e
b) não há relação de hierarquia ou subordinação entre as 03 a modelagem das estruturas organizacionais;
(três) carreiras do quadro da SEFAZ; (Promulgação - D.O. 12.01.16) XIII - aumentar o rendimento e reduzir os custos administra-
XV - assegurar ao contribuinte o devido processo legal, na tivos e operacionais dos órgãos e entidades do Poder Executivo
forma da lei, para revisão em instância administrativa do crédito Estadual.
tributário constituído e questionado; Art. 30 À Secretaria de Estado de Infraestrutura e Logística
XVI - executar a administração tributária estadual para a con- compete:
tínua efetivação do potencial contributivo do tributo, estímulo I - elaborar, coordenar e supervisionar as políticas públicas de
crescente ao cumprimento voluntário e constante simplificação da logística e transportes do Estado;
obrigação tributária. II - executar a política estadual de logística e transportes, com-
§ 1º Na Secretaria de Estado de Fazenda, com exceção do preendendo o planejamento, o projeto e a execução de obras de
cargo de Secretário de Estado de Fazenda, os cargos e funções de infraestrutura, de forma direta ou indireta;
confiança devem ser ocupados preferencialmente por servidores III - planejar, projetar, coordenar, regular, controlar e integrar
das 03 (três) carreiras específicas da SEFAZ, a fim de proporcionar as ações inerentes às atividades de infraestrutura e serviços pú-
oportunidades de desenvolvimento profissional a todos os servido- blicos de transporte terrestre, hidroviário, terminais de transporte
res fazendários.
de passageiros e cargas, sob a responsabilidade do Governo do
§ 2º A Gerência do Conselho de Contribuintes, unidade ad-
Estado;
ministrativa integrante do Nível de Execução Programática, bem
IV - elaborar e propor planos, programas, normas, padrões
como a Gerência de Controle e Reexame de Processos, unidade
técnicos, tabela de preços e projetos relativos a obras públicas e
administrativa integrante do Nível de Execução Programática, pas-
sam a ser órgãos vinculados diretamente ao Gabinete do Secretário acompanhar as ações referentes à sua execução;
de Estado de Fazenda, sem qualquer vínculo ou subordinação às V - administrar e dar manutenção na infraestrutura de trans-
Secretarias Adjuntas. portes por via direta ou mediante deleg