Anda di halaman 1dari 40

A fronteira do sudeste do império Inka ao encontro dos chiriguanos: estrutura e

dinâmica das zonas de fronteira imperiais do império.


Sonia Alconini.
Latin American Antiquity 15.4 (Dec 2004): p389(30).

A pesquisa recente sobre os incas documentou as estratégias e os efeitos da administração


imperial em um nível provincial e local. Menos é sabido, entretanto, sobre a estrutura e a
dinâmica da fronteira dos incas e sobre seu impacto em processos locais e econômicos. A
fronteira do sudeste dos incas de acordo com o registro etnohistórico --era o ajuste para o
conflito entre os incas e os grupos chiriguanos, falantes de Guarani- dos piedmonts do
Chaco e das planícies Amazonicas. No contexto de dois modelos de frontera competindo,
um militar (um perímetro fprtificado ou uma defesa in-depth) e um cultural (com longos
processos socioeconômicos), este artigo avalia a natureza da fronteira do sudeste dos incas
e seus efeitos na dinâmica socioeconômica local. A pesquisa arqueológica e etnohistórico
em Oroncota e em Cuzcotuyo, dois centros incas de fronteira, sugerem que uma alternativa
na forma “de uma fronteira militar macia” dada forma por outposts e por centros imperiais
disembedded dos processos socioeconômicos locais. Quando a arquitetura revela níveis
elevados do investimento, os dados do estabelecimento, a potencialidade de
armazenamento e a distribuição de materiais imperiais do império, todos sugerem uma
participação mínima em processos socioeconômicos locais. Os resultados são relevantes
para compreender estratégias da fronteira d o império e fornecem um estudo da facilidade
da interação da fronteira entre um estado pré-histórico altamente organizado e umas
populações tribais.

Domisticos imperiais han dos provinciales um v dos niveles de y efectos de la


administracion Inka dos estrategias dos los do documentado dos investigaciones de
Recientes. Embargo do Sin, estructura y dinamica de la frontera Inka do la do sobre do
conoce do SE do poco, economicos dos locales y dos procesos do en do impacto do su de y.
Fue do sudeste do al de Inka do frontera do La--sabanas Amazonicas de Chiriguanos
Guarani del piedemonte Chaqueno y dos grupos de Inka s y dos los do entre do conflictiva
de emohistoria escenario de interaccion do la do segun. Os modelos de frontera imperial,
EL (profunda do defensa do endurecido o do perimetro do como) y militar cultural
(socioeconomicos con dos procesos dos amplios), sudeste do En EL contexto de dos do al
de la naturaleza de la frontera Inka do evalua do articulo do este, local do socioeconomica
do dinamica do la do en dos efectos do sus de y, en Oroncota y Cuzcotuyo dos
etnohistoricas dos arqueologicas y de Investigaciones, dos centros de la frontera, sugieren o
tenue militar do frontera de en forma de una do alternativa do variante do una, locales do
ósmio do socioeconomica de casi desarraigados de procesos dos imperiales dos centros de
por puestos de observacion y do formada. O revela niveles altos de inversion do
arquitecturo do la do que de Mientras, poblacional de datos de asentamiento, capacidad de
almacenoje, imperiales de y distribucion de materiales sugieren locales dos
socioeconomicos dos procesos do un minimo nivel de ingerencia en. Estrategias Inka de
fronteras dos los do entender de parágrafos dos relevantes do filho dos resultados de Los,
tribales dos poblaciones do organizado y do altamente do prehistorico do estado do un do
entre do fronteriza do interaccion dos ademas.

**********

As fronteiras imperiais são ajustes especiais para estudar o interplay entre povos,
instituições, e seu ambiente. Os clientes ethnohistoric da fronteira de Inka no Chaco
Bolivian descrevem um encontro unprecedented entre uma dos polities os maiores e os
mais poderosos do mundo novo e de uma população tropical da planície que o Inka poderia
nunca sujeitar. Esta interação, vista ethnohistorically, era geralmente invasões intermitentes
hostis e incluídas pelos grupos Guarani-faladores “selvagens e barbarian” de Chiriguano do
Amazon e das planícies (Romano 1994 de Barragan; Garcilazo de la Vega 1960 [1609];
Sarmiento de Gamboa 1960 [1572]). Como uma resposta, a expansão de Inka no Chaco
adotou uma postura defensiva para resistir estes incursions, e a fronteira militarized
freqüentemente descrita de Inka desenvolvida. Embora seja altamente provável que estes
clientes apresentam uma imagem demasiadamente simplificada de um império civilized
que mantem a fronteira de encontro aos selvagens externos, esta região fornece uma
posição excelente investigando o contato direto entre o polity de Inka e unsubdued grupos
da planície.

No contexto de dois modelos competindo da fronteira, este artigo é parte de um projeto de


pesquisa mais largo que avalía a natureza e a estrutura do

Fronteira de Inka/Chiriguano no Chaco Bolivian oriental. O primeiro modelo, derivado de


ethnohistory, caracteriza a fronteira de Antis/Chaco como uma barreira militar projetada
impedir invasões pelo Chiriguanos. O segundo modelo força a fronteira como uma zona
cultural e o locus de processos socioeconomic complexos including o acculturation, o
stratification social, e o comércio. Minha pesquisa focalizou na escavação e no exame
sistemático em torno de Oroncota e de Cuzcotuyo, dois centros de Inka da fronteira do
sudeste. Os dados relevantes da coleção do exame e da superfície nos hinterlands destes
centros, assim como dados architectural, serão apresentados.

Primeiro, as considerações teóricas na escala de processos socioeconomic em fronteiras


imperiais antigas são fornecidas, including fronteiras militares e cultural e seus correlates
archaeological respectivos. Em segundo, um sumário da pesquisa em várias partes da
fronteira de Inka é esboçado, as well as a informação ethnohistorical a respeito da fronteira
no Chaco Bolivian. Os resultados do exame, das coleções de superfície, e das análises
architectural são apresentados então para explicar a natureza da fronteira do sudeste.

Dinâmica e estrutura de fronteiras imperiais

A interação ao longo das fronteiras imperiais é freqüentemente complexa, dinâmica, e


multi-encalhado (Hudson 1985). Uma característica salient é defesa militar de encontro à
invasão. Entretanto, as fronteiras são também os focos da interação social e econômica
fluida entre o império e as populações exteriores. Esta interação, beneficiando geralmente o
império, inclui frequentemente um aumento de redes do comércio da distância através das
beiras para materiais valiosos (Cooter 1977; Gorenstein 1985; Paynter 1985; Redmond
1988), a extração em excesso das populações da fronteira no formulário dos impostos
dentro da fronteira e o tributo além dela (Paynter 1985), aggregations da população de
supporters imperiais aproximam as facilidades imperiais que variam das instalações dos
administradores e dos soldados para rectificar colônias (Lewis 1984; Sttefen 1980),
deslocamentos do estabelecimento e a formação de territórios e de polities do amortecedor
nas situações da hostilidade elevada DeBoer 1981; Parker 1998; Upham 1986), e processos
do acculturation e do ethnogenesis, amarrados às vezes à competição e ao stratification
social aumentados entre habitantes nativos Brumfield e raposa 1994; Campeão e campeão
1986). Porque estas atividades são sobrepostas, as fronteiras imperiais são “zonas largas da
interação” dada forma sobrepondo limites da extensão e da distribuição variáveis (Elton
1996). Como espaços contestados, as fronteiras imperiais são também sujeitas ao fluxo e ao
redefinition constantes como uma resposta aos avanços e aos recuos contínuos.

Além a compreender a dinâmica de fronteiras imperiais, uma outra dimensão importante


está compreendendo sua estrutura. A maneira em que os componentes foram articulados e
organizados fornece introspecções nas estratégias e nas políticas usadas pelo império
manter o controle em ajustes da fronteira. Melhor que nos termos de typologies isolados, as
fronteiras imperiais devem ser compreendidas como a representação de um continuum dos
perímetros defensivos closed para abrir e das fronteiras cultural inteiramente integradas
(Anderson 1996:6). As fronteiras imperiais antigas nos mundos velhos e novos são
caracterizadas geralmente como (1) perímetros defensivos (Luttwak 1976; Whittaker 1994),
(2) zonas largas da interação sociopolitical (Eadie 1977; Elton 1996; Lattimore 1940,
1962), ou (3) limites marginais (Turner 1993; Upham 1986).

A fim examinar a natureza da fronteira do sudeste de Inka, eu modelo duas modalidades: as


forças armadas e a fronteira cultural. Quando o modelo militar for suportado pela
informação ethnohistoric disponível que sugere uma fronteira fortemente defensiva de
encontro aos ataques intermitentes de grupos Amazonian tropicais (Cobo 1993 [1582-
1657]; Sarmiento de Gamboa 1960 [1572]), outras referências ethnohistoric sugere também
os aspectos da fronteira mais consistentes com o modelo cultural, including o comércio
extensivo e o acculturation de grupos tropicais (Alcaya [ga] 1961 [1605]; Saignes 1985;
Susnik 1968). As seguintes seções esboçam os modelos competindo e definem correlates
archaeological para cada um.

A fronteira como uma barreira militar

No primeiro modelo, a fronteira faz exame do formulário de uma barreira militar projetada
impedir o incursion dos grupos “barbarous” de Chiriguano da planície. Em clientes
ethnohistorical, e como é a cruz-culturally comum em situações imperiais da fronteira, o
Chiriguanos portrayed como os selvagens que ameaçam a ordem e o território sociais de
Inka. Neste caso, a fronteira faria exame do formulário “de um perímetro endurecido
claramente demarcated” das facilidades militares que dividem a paisagem em áreas internas
e externas, ou alternativamente do formulário de uma “defesa-em-profundidade” com uma
série de dificuldades fortified em posições estratégicas para o transporte (D'Altroy 1992;
Hudson 1985; Rawls 1979).
Evidência histórica dada, nós esperaríamos “o perímetro endurecido” na fronteira
easternmost de Inka consistir archaeologically nos cordons dos fortresses (D'Altroy
1992:73; Hyslop 1990). No contraste aos centros militar orientados na fronteira, os centros
atrás da fronteira devem ter mais na terra comum funcionalmente com os locais
administrativos provinciais de Inka. Os estabelecimentos dentro da fronteira devem mostrar
mais evidência de “Inkanization,” including dislocations do estabelecimento, adoption de
canons stylistic de Inka, e participação na economia política provincial de Inka, do que se
aqueles ou além da fronteira. Alternativamente, “defesa dentro - a modalidade da
profundidade” deve exibir “dificuldades self-contained” nas posições defensivas ligadas
por estradas, outposts (tampu), e armazéns, com o investimento mais menos total na
arquitetura militar (D'Altroy 1992). Esta modalidade alternativa da defesa resultaria em
menos differentiation funcional entre centros na fronteira apropriada e aquelas dentro da
fronteira.

A fronteira Cultural

O segundo modelo força a importância da fronteira como uma “zona fluida do


acculturation,” melhor que simplesmente de uma barreira militar. A zona de fronteira
cultural deve ser o ajuste para alliances com locals, acculturation, relacionamentos do
patron-cliente com elites nativos, e comércio amarrado a uma economia do prestige de
artigos imperiais selecionados. Deve haver uma interferência imperial direta mínima em
testes padrões e em instituições locais, e os relacionamentos do império com populações
locais devem ser enraizados em processos sociais e econômicos melhor que na
administração centralizada. Em vez de controle militar direto imponente, o império
delegaria o controle da fronteira às populações locais que deram forma a membros
supernumerary da rede defensiva do estado, suportado pela promessa do revestimento
protetor militar imperial (Eadie 1977). Os forts imperiais devem agir principalmente como
impedimentos visíveis ou como os bornes avançados.

Archaeologically, nós esperaríamos esta estratégia resultar nos fortifications construídos no


estilo local (D'Altroy 1992:77), quando as facilidades de Inka seriam muito limitadas na
escala. No império Roman, as fronteiras acculturative como em Pannonia, eram parte de
uma estratégia a longo prazo de grupos nativos “civilizing” como “os barbarians internos”
para proteger o império de esses “exteriores”. Esta estratégia barata foi perseguida quando:
(1) a fronteira externa não foi caracterizada pelo investimento econômico pesado; (2) as
populações externas consistiram em grupos altamente fragmentados do “incômodo”; e (3)
fatores ecological impediram o transplant fácil de instituições econômicas do núcleo (Eadie
1977).
A fim testar ambos os modelos, eu conduzi a pesquisa archaeological na fronteira do
sudeste de Inka (Bolívia) na Cordilheira Oriental que divide os Andes da bacia Amazonian
(figura 1). Minha pesquisa foi focalizada em ambos os lados da Cordilheira extensiva
Oriental e compreendeu uma escala de ambientes altitudinal: Oroncota, dentro da fronteira
(montana) nos vales secos ocidentais que enfrentam os Andes, e Cuzcotuyo, nas margens
da fronteira no Chaco tropical oriental piedmont que enfrenta os savannas Amazonian.
Ambas as áreas são mencionadas extensivamente em clientes ethnohistoric como parte da
fronteira imperial de Inka de encontro ao Chiriguanos (Combes e Saignes 1991; Parssinen e
Siiriainen 1998). Os complexos de Oroncota e de Cuzcotuyo Inka foram identificados nas
duas áreas, e o projeto foi projetado examinar sistematicamente os arredors de cada centro
em um raio de 5 quilômetros, representando a distância aproximadamente de uma
caminhada one-day (que aproxima 90 [km.sup.2]). Embora não discutido aqui, o projeto foi
projetado também excavate partes variadas de cada um complexo para avaliar
deslocamentos funcionais sobre o tempo e para estabelecer comparações do inter-centro
(Alconini 2002).

A seguinte discussão focaliza em aspectos relevantes do exame e dos dados architectural


para verter a luz na dinâmica spatial da fronteira de Inka. Dirigir-se-á às seguintes
perguntas da pesquisa: (1) O conquest de Inka alterou testes padrões locational existentes
do estabelecimento? (2) O controle de Inka nas beiras do sudeste foi manifestado no
investimento pesado no infrastructure militar? (3) O conquest de Inka promoveu uma
economia do grampo na fronteira como visto em capacidades de armazenamento grandes? e
(4) fêz o Inka promovem uma economia dos bens do prestige baseada na distribuição
vertical da cerâmica imperial como visto em outras partes do império? Primeiramente, eu
examinarei a região de Oroncota dentro da fronteira, e então Cuzcotwo na beira imperial.

Fronteiras imperiais de Inka

Durante o décimo quinto século, o império de Inka constituiu um do maior do mundo novo
na escala e na complexidade. Com seu núcleo político em Cuzco, o império estendeu para o
norte ao Ecuadorian montana, sul a Argentina e ao Chile central, oeste à costa pacífica, e
leste aos piedmonts Amazonian, abrangendo um spectrum largo dos ambientes including a
costa seca, o montana tropical, e os highlands frios. Esta diversidade ecological foi
acompanhada pela incorporação dos polities de níveis diversos da complexidade política e
de fundos étnicos e lingüísticos, including o estado poderoso de Chimu na costa pacífica, e
por uma variedade dos chiefdoms e dos tribes dos Andes e das margens Amazonian
(D'Altroy e outros. 2000; DeMarrais e outros. 1996; Patterson 1992; Rostworowski 1988;
Rowe 1946; Stanish 2001).

A expansão de Inka terminou aproximadamente no piedmont tropical que divide os Andes e


Amazon, que, coincidentemente, demarcates também os limites da terra cultivable
(D'Altroy 1992). Isto divide-se separa duas regiões principais em que as diferenças
principais são evidentes no ecology, na evolução cultural, nos níveis da complexidade
política, e em línguas uniformes. Não obstante, a interação extensiva e as transações
econômicas entre os Andes e o predating de Amazon a fronteira de Inka são também
evidentes (Hastings 1985; Hemming 1970:367 - 369; Lathrap 1970; Lizarraga 1968 [1605];
Saignes 1985).

As fronteiras de Inka não foram o foco da investigação sistemática, embora a pesquisa


recente sugerisse aspectos importantes de sua configuração. Há uma informação histórica
também limitada que documenta mudanças na configuração das fronteiras e desloca nas
políticas que pertencem a elas. Por exemplo, de acordo com algumas fontes, o primeiro
emperor Pachakuti conquistou o território de Charcas e estabeleceu os primeiros
estabelecimentos ao longo da fronteira do sudeste, quando as duas réguas seguintes, Tupac
Inka Yupanqui e Wayna Capac, consolidou estas beiras estabelecendo os nós chaves do
controle de encontro a invadir grupos de Chiriguano-Guarani das planícies (Parssinen
1992). Fazendo exame no cliente que as invasões de Chiriguano portrayed como um
fenômeno atrasado (1520s), é muito provável que alguns estabelecimentos de Inka na
fronteira do sudeste estiveram estabelecidos mais cedo com funções diferentes (Parssinen
1992:120 - 136).

As fronteiras de Inka foram estabelecidas frequentemente como partes dianteiras defensivas


de encontro aos invasores externos. Entretanto, quando as circunstâncias eram mais
favoráveis, foram estabelecidos também como os bornes avançados em territórios
extrangeiros para aceder aos materiais valiosos (Dillehay e Gordon 1988). Na fronteira do
sul (Argentina do norte) uma série de instalações defensivas, administrativas, e residential
foi identificada (Gonzales e Regueiro 1958-1959; Raffino 1988, 1993). Dentro da fronteira
apropriada, na região de Calchaqui entre Cortaderas e Tastil, uma série de estabelecimentos
walled Inka em posições defensivas foi ficada situada também. Estes locais foram usados
assegurar a estabilidade interna de encontro às revoltas locais e garantir a extração segura,
para craft a produção, e o transporte de artigos do metal do elevado-prestige. Junto com o
controle militar, a presença imperial de Inka nesta região periférica foi acompanhada
reshuffling da população (que colocam instalações de Inka em estabelecimentos existentes
de Santamariano), pela exploração agropastoral intensive, pela manipulação do ideology,
por celebrations públicos do hospitality, e pelo tratamento preferential para determinadas
etnicidades (D'Altroy e outros. 2000; DeMarrais 1997; Earle 1994). No contraste a esta
exposição em grande escala do investimento e do controle infrastructural, as beiras
easternmost que enfrentam a selva de Tucuman foram protegidas por outposts mais
extensamente espaçados da fronteira em pontos estratégicos do incursion invadindo grupos
tropicais. Nesta região, as populações de Tucuman foram delegadas o controle das beiras
como amortecedores de encontro aos tribes beligerantes de Lule da selva oriental (D'Altroy
2002; Lorandi 1980). Os exemplos dos outposts nesta região são Pucara de Angaldala,
Pucara de Las Pavas, Nevados de Aconquija, e Campo Colorado, que foram usados talvez
também como os pontos avançados para a extração dos minerais (Gonzales e Regueiro
1958-1959; Hyslop 1990; Paulotti 1958-1959, 1967; Raffino 1988, 1993).

Um norte mais adicional no Chile, expansão de Inka estendeu à área entre os rios Bio Bio e
de Maulo, onde as populações de Araucano foram confrontadas (Dillehay e Gordon 1988;
Hyslop 1988). O controle de Inka era limitado, como atestado por poucas instalações
militares including Chena, Cerro del Inga, e Angostura (Planella e outros. 1991; Stehberg
L. 1976). Entretanto, as transações econômicas estenderam além destes limites, indicando a
escala sobrepondo das atividades ao longo das regiões imperiais da fronteira (Dillehay e
Gordon 1988).

No norte, em Equador, o Inka estabeleceu uma fronteira militar que faz exame do
formulário “de um perímetro endurecido.” Ao longo da beira, um anel dos fortresses
(aproximadamente 37) em torno do vale de Guayllabamba, including o complexo de
Pambamarca (grupo de Quitoloma), deu forma a um cordon das instalações que obstruem a
conexão com o Amazon, quando a linha dos fortresses nos vales de Chilo e de Manchachi
protegeu o flanco do sul de Quito (Gifford e outros. 2004; Hyslop 1990; Plaza Schuller
1976; Salomon 1986:148). Historicamente, esta região resistiu fortemente o controle de
Inka e foi o repouso de chiefdoms espessos including o Caranques, o Cayambes, e o
Otavalo, que se aliou de encontro ao Inkas durante os reinos de Tupac Inka Yupanqui e de
Huayna Capac (Atenas 1992; Zurro 1991; Plaza Schuller 1976: Salomon 1986).

Dois estilos principais dominaram este cordon dos fortresses. Ao norte, concêntrico, walled,
e moated instalações no terreno elevated deu forma aos outposts, visto que ao sul, outposts
constituídos terraces walled em torno dos hilltops (plaza Schuller 1976). Esta diferença no
estilo sugere que estes forts de Inka estiveram construídos em horas diferentes ou por povos
diferentes. Estas instalações defensivas não eram verdadeiramente garrisons que hospedam
exércitos eretos permanentes, mas muito provável foram mantidas e equipadas por aliados
locais. Além dos cordons de facilidades defensivas, a evidência do comércio com grupos
tropicais do nordeste é encontrada também (Salomon 1986). Atrás da corda das defesas era
Tomebamba, um centro provincial importante de Inka construído com masonry e excesso
finos um espaço sacred pre-existing de Canari (Idrovo Urigtien 2000).
A fronteira oriental de encontro às populações tropicais, de acordo com clientes
ethohistoric, foi dada forma por instalações defensivas. A fronteira central-oriental de Inka
de encontro ao Chunchos ao longo dos rios de Urubamba e de Madre de Dios remanesce
unexplored archaeologically, apesar da informação ethnohistoric que descreve incursions de
Inka nestes territórios tropicais (D'Altroy 1992, 2002; Hyslop 1990; Saignes 1985). Poucos
estabelecimentos defensivos foram relatados nos segmentos centrais da fronteira de Inka,
mesmo nas áreas de pesquisa sistemática. No piedmont oriental em torno de Hatun Xauxa,
nenhuma instalação militar foi encontrada (D'Altroy 1992, 2002). Entretanto, na região de
Chachapoya, a pesquisa recente revelou diversos outposts de Inka na floresta tropical,
quando os dados historic identificarem também instalações adicionais no piedmont oriental
do Pampa de Huanuco (Schjellerup 1997). Hyslop (1988) sugere que esta ausência próxima
dos forts no piedmont oriental central pôde ser significativa. Talvez não todas as
populações tropicais externas representaram uma ameaça verdadeira ao império, a
instabilidade política pôde muito ter sido localizada, ou o Inka não pode ter sido interessado
em defender estes territórios.

Nenhum estudo sistemático tem estado sul mais distante conduzido na fronteira oriental que
enfrenta o Chaco Bolivian. Entretanto, as várias instalações defensivas ao longo do
piedmont tropical que enfrenta os savannas documentam interesses defensivos de Inka com
invadir grupos de Chiriguano da afiliação de Guarani (Nordenskiold 1917; Sarmiento de
Gamboa 1960 [1572]). As facilidades militares nesta fronteira incluem Cuzcotuyo,
Inkahuasi de Caraparicito, Inao, e Inkapirca (Lee 1992; Nordenskiold 1924; Parssinen e
Siiriainen 1998).

A fronteira do sudeste e o Chiriguanos

Os chronicles coloniais descrevem os intrusions constantes por Chiriguano tribal de


encontro aos borderlands imperiais do sudeste de Inka no território de Charcas, que
enfrenta o Chaco. Estes grupos tropicais foram descritos como o “selvagem, os barbarians”
e os “cannibals,” ameaçando a ordem social de Inka. Como Cobo anota:

Na província grande de Chirihuana…


os nativos eram totalmente selvagens e mais maus do que
as bestas selvagens, porque não tiveram nenhuma religião e
para não adorar qualquer coisa em tudo, vivendo sem leis
de costumes bons, como animais nos hillsides,
não tendo nenhuma vila ou casa. Comeram o ser humano
carne que obteve invadindo neighboring
províncias, devouring seus cativos
sem consideração para a idade ou o sexo… [Cobo 1993
(1582-1657): 443].

Seu conquest foi visto pelo Inka como uma tarefa “civilizing”, uma justificação imperial
comum da cruz-culturally. Na realidade, esta justificação mascarou outros motriz para o
conquest, including a aquisição da terra e de tributários férteis para cultivá-la. (Alcaya [ga]
1961 [1605]; Cobo 1993 [1582-1657]; Saignes 1985). Diversas campanhas falhadas de Inka
para penetrar a floresta são descritas, including avanços por capitães de Tupac Inka
Yupanqui (Cobo 1993 [1582-1657]: 443). Nestas descrições, o Inka faz saber a sua
frustração em confrontar um ambiente áspero completamente novo a elas e a seus
habitantes totalmente selvagens. Como uma resposta aos incursions de Chiriguano,
construíram uma série dos fortresses durante os reinos de Tupac Yupanqui e seu filho
Huayna Capac, criando a fronteira militarized e defensiva portrayed em descrições
ethnohistoric (Rowe 1985: Saignes 1985; Sarmiento de Gamboa 1960 [1572]).

Entretanto, há umas razões estar skeptical desta imagem altamente convencional da


fronteira imperial que prende para trás acena de ataques barbarian. Primeiramente, a
história oficial foi coletada de emissaries affiliated com Tawantinsuyu que teve interesses
subjacentes em legitimizing atividades de Inka. Em segundo, a opinião as populações
indígenas “selvagens” que ameaçam a ordem social é cruz-culturally comum às situações
imperiais da fronteira (por exemplo, os “barbarians” através das beiras chinesas Roman e
Dynastic) (Bronson 1988; Douglas 1966; Eadie 1977; Lattimore 1940). Em terceiro lugar, o
perspective de Inka reflete também um resentment aprofundado depois que diversos
falharam tentativas de conquistar os territórios da floresta.

No fato, uma imagem completamente diferente é obtida quando os materiais ethnohistoric


consultando produziram fora da fronteira de Inka nos tropics orientais. Melhor que
simplesmente uma descrição do avanço bem sucedido de Inka nestas regiões, um retrato
textured do variability cultural desta região portrayed (Alcaya [ga] 1961 [1605]; Saignes
1985; Susnik 1968, 1975). Para minha região do estudo, o chronicler Alcaya [ga] (ou
Alcayala) relaciona-se que um líder de Inka do local nomeou Guancane decidido conquistar
mais mais os vales intermediários do Cochabamba e de uns para o leste. Suas expedições
alcançaram Samaipata, um dos pontos easternmost da expansão de Inka no piedmont
Amazonian que enfrenta os savannas. Samaipata é ficado situado aproximadamente um
norte de 120 quilômetros de minha região do estudo. O cliente sugere que Guancane era um
parente da régua de Inka (1) e estêve emitido para subdue os vales do sudeste. Durante
estas viagens, Guancane cruzou o Mizque, o Pojo, o Comarapa, os vales dos Sauces dos
los, e do Pulquina, e o Valle Grande em Bolívia do sul até que alcançou Sabaypata, onde
estabeleceu uma cidade com um outcrop carved belamente executado. Guancane decidiu-se
estabelecir-se em Samaipata. Deste ponto, avançou eastwards nos tropics a Guapay e a
Caypurum, e inicía sua campanha para ganhar a sustentação política distribuindo presentes
entre os líderes locais. Em conseqüência, Guancane fixou a sustentação de vários grupos
locais e do Grigota grande, um líder Amazonian chave, consolidando avanços de Inka e seu
próprio governo.

Apesar destes esforços, os avanços orientais crescentes de grupos de Chiriguano obstruíram


um conquest mais adicional de Inka e ameaçaram a instabilidade política atacando o local e
as populações de Inka. Uma guerra de encontro ao Chiriguanos foi declarada e o Inka
procurou o dae (dispositivo automático de entrada) dos aliados locais de encontro a estes
intrusions. Grigota, um líder local paramount das planícies Amazonian, jogou um papel
crítico na guerra de encontro ao Chiriguanos enquanto Guancane promoveu a afiliação de
chefes locais com o império e confrontou com sucesso o Chiriguanos (Alcaya [ga] 1961:49
[1605]).
Cuzcotuyo é descrito como um dos forts invadidos pelo Chiriguanos durante estes eventos
e reconstruídos por Yasca, um capitão emitido por Huayna Capac (Saignes 1985; Sarmiento
de Gamboa 1960 [1572]). Oroncota, minha segunda região do estudo, é descrito também
como sendo invadido por grupos de Chiriguano durante o reino de Huayna Capac, que
estabeleceu alliances com um chefe local de Yampara para realçar a defesa imperial (AGI,
Charcas 44, ff. 151v, cited em Julien 1995:105).

Quem eram o Chiriguanos? A informação ethnohistoric Scant sugere que o Chiriguanos era
lingüìstica parte dos grupos Guarani-faladores que estenderam extensamente através da
bacia Amazonian. Alguns clientes ethnohistorical sugerem também que estes grupos de
Guarani migraram lá do Paraguayan Chaco e derrotaram uma escala de uns grupos mais
adiantados da afiliação de Arawak e de Carib (Nordenski61d 1917; Riester 1995). Nestes
clientes um scenario dinâmico da migração de Guarani e dos grupos locais “constantemente
que vão e que retornam” portrayed (Susnik 1968:165 - 168). Também discutiu-se que a
etiqueta “Chiriguana” (inoperante em conseqüência de se congelar) era um stereotype
pejorative usado pelo Inkas designar uma variedade larga de grupos de Guarani destas
regiões tropicais (Alcaya [ga] 196111605]; Julien 1997). Os grupos de Guarani que habitam
o piedmont secundário-Andean foram divididos em segmentos tribais numerosos. Susnik
(1968) diferencia “o Chiriguanos velho,” estabelecido já ao longo do piedmont, “do
Chiriguanos novo,” quem immigrating ainda nestes e em outras áreas na altura do conquest
espanhol. Similarmente, Julien (1997) portrays uma variedade de grupos distintos de
Guarani, distinguindo de “o la Cordilheira Chiriguanos de,” estabelecido já no piedmont
secundário-Andean, do descanso dos segmentos tribais. Embora os motriz subjacentes para
a migração não estivessem desobstruídos, uma justificação ideological era a busca para
“Candire”--a “terra mythical sem evil, ouro e recursos,” uma opinião difundida entre
Guarani e grupos tropicais (Combes e Saignes 1991; Julien 1997; Nordenskiold 1917;
Susnik 1968). Esta busca pôde mais mais ter sido estimulada pela chegada de Inka, que
promoveu uma rede extensiva da troca de bens valiosos como meios de promover alliances
verticais (Alcaya [ga] 1961 [1605]; Saignes 1985; Susnik 1968).

A região de Oroncota

A região de Oroncota encontra-se nos vales secos da montanha na afluência dos rios de
Pilcomayo e de Oroncotilla. Entre os vales sheer da zona intermediária, a área de Oroncota
era, de acordo com as fontes ethnohistoric, parte de uma região multiethnic dada forma por
uma variedade dos polities (senorios) da afiliação étnica distinta que foram organizados em
confederacies principais. Esta região foi habitada pelo Yampara, junto com outros grupos
étnicos including o Chicha e o Chui, que eram parte do confederation maior de Charcas
(Julien 1995; Parssinen 1992:124). Como um polity hierárquico, o território de Yampara foi
organizado em dois parcialidades principais (moieties) em um formulário duplo da
organização típico dos Andes. Durante o conquest de Inka, o centro do moiety superior foi
ficado situado em Yotala e naquele do mais baixo em Quilaquila (Romano 1994 de
Barragan). Embora seja debatido se ambos os centros predated o conquest de Inka (Lima
2000: Parssinen 1997), a área de Oroncota e a vizinhança tiveram uma ocupação
consistente de Yampara datar de uns períodos mais adiantados como visto na distribuição
dominante de estilos da cerâmica de Yampara including Hatun Yampara (figura 2)
(Alconini 2002; Janusek e Blom 2005; Janusek e outros. 1993-1996; Lima 2000; Parssinen
1997).
Deslocamentos Locational

Uma avaliação da evolução do estabelecimento before and after o Inka fornece um glimpse
dos efeitos do conquest em populações indígenas. Eu avalío deslocamentos na posição de
local, no crescimento da população como uma resposta à posição, e no tempo excedente do
nucleation do estabelecimento iluminar o conquest de Inka na região.

Duas zonas ecological principais estão atuais na área de Oroncota: (1) a zona do vale com
terra agricultural fértil ao longo do rio, e (2) a zona do platô deram forma por montanhas
sheer e por mesa de Pucara aproximadamente 1.000 m acima do assoalho do vale. A
coleção do exame e da superfície revelou um total de 308 locais na região de Oroncota
dentro de um raio mínimo de uma caminhada one-day em torno do complexo principal de
Oroncota Inka. Estes locais foram definidos na base de distribuições da arquitetura e do
artifact na superfície, e mais ocupados em horas diferentes. A distribuição ecological e
temporal destes locais é apresentada na tabela 1.

Três divisões archaeological principais foram definidas para a região baseada em


escavações e em mudanças stratigraphic em assemblages de Yampara (figura 2): (1)
Período adiantado de Yampara (A.D. 400-800), (2) período clássico de Yampara (A.D. 800-
1300), e (3) período atrasado de Yampara-Inka including a chegada de Inka (A.D. 1300-
1536) (Alconini 2002; Alconini e Rivera 2003; Ibarra Grasso e Lewis 1986; Janusek e
outros. 1993-1996; Walter 1968). (2)
Posição de local. Como mostrado na tabela 1 e na figura 3, no período adiantado de
Yampara a maioria de locais foram ficados situados nos assoalhos do vale ao lado do rio de
Pilcomayo (n = 24) com somente o alguns no platô. A altura total, média do local era 2.203
M. No seguinte período clássico de Yampara (antes da chegada de Inka), havia um
deslocamento radical ao estabelecimento intensive do platô. Mesmo que a maioria dos
locais adiantados de Yampara remanescessem habitados, muitos locais novos foram
estabelecidos no platô (figura 4). Conseqüentemente, este deslocamento envolve um
aumento na população regional, no número dos locais (n = 107), e na preferência ecological
do estabelecimento. A altura média do local era 2.588 m neste período.

Durante o período atrasado de Yampara-Inka, que inclui o conquest de Inka, as tendências


precedentes continuaram. Não somente o estabelecimento continuou a crescer ràpidamente,
mas a maioria de locais novos foram estabelecidos também no platô (figura 5). Como
notável na tabela 1, o número de locais do platô dobrou no período atrasado de Yampara-
Inka (75 146). Na comparação, o número de locais do vale remanesceu aproximadamente o
mesmo com relação ao período precedente (32 44). A altura média do local para o período
atrasado de Yampara-Inka era 2.643 M.

Crescimento e posição da população. O aspecto o mais impressionante destas tendências do


estabelecimento é o crescimento da população em uma zona com potencial agricultural
limitado. Que fatores, então, guiaram a decisão de habitantes de Oroncota para povoar
pesadamente o platô no período clássico de Yampara, melhor que para apreciar os
benefícios de viver mais perto dos solos agriculturais melhores? Para avaliar este e outras
perguntas, eu calculei o rendimento agricultural potencial das zonas do platô e do vale, e
comparei estas estimativas com a área habitada total de cada um durante todos os períodos.
Esta comparação é baseada na necessidade caloric melhor que em estimativas absolutas do
tamanho da população, permitindo a comparação de níveis da população para cada zona
com relação ao potencial agricultural.

Eu usei os índices agriculturais fornecidos por Hastorf (1993) em seu estudo da agricultura
prehispanic no vale de Mantaro (Peru), um centro provincial de Inka. Os cálculos foram
baseados em uma suposição de três pessoas por a estrutura, fazendo exame no cliente que
aproximadamente seis pessoas habitaram uma casa Andean (composta de um patio e de
uma média de duas estruturas) (Hastorf 1993:71). Eu calculei a ocupação pré-histórica da
região de Oroncota, baseada em um número mínimo e médio das estruturas identificadas
nos locais do exame. Em locais domésticos bem-preservados, um mínimo de 7 structures/ha
e uma média de 20 structures/ha foram calculados. Estes números foram multiplicados pela
área ocupada total na região do exame para o total de locais identificados (n = 308). Melhor
que fornecendo uma estimativa exata do tamanho da população de Oroncota, os cálculos
forneceram estimativas razoáveis para comparar a densidade da ocupação e o potencial
agricultural das zonas do platô e do vale durante todos os períodos.

Para calcular uma figura anual de exigências caloric para a população pré-histórica, eu usei
uma entrada calorific para os povos Andean de 1.530 kcal por a pessoa por o dia, baseados
no estudo detalhado de Thomas de entradas de energia e de saídas em Nunoa, uma
comunidade do sul Andean do highland (Hastorf 1993). Este valor produz uma exigência
anual de 558.450 kcal/person/year.
A figura potencial optimal do rendimento para Oroncota foi baseada também em índices de
Hastorf para a irrigação do vale (1.557.915 kcal/ha) e a agricultura extensiva do hillside
(984.373 kcal/ha) no vale de Mantaro. Estas figuras são associadas com os ambientes
similares às zonas do vale e do platô em minha área do estudo. Baseado na pesquisa
ethnographic, Hastorf (1993: 126-60) chegado nestes cálculos como “a saída total que o
grupo da rotação de colheita dá um ciclo poderia produzir dentro de uma zona,” dado uma
combinação particular da colheita (maize, batata, quinoa, feijões, e tubers) e estratégias do
fallowing para cada zona. A fim chegar na produção anual optimal para o vale e nas zonas
do platô em Oroncota, eu multipliquei a área produtiva em cada zona pelo rendimento
calculado correspondente por o hectare.

As estimativas resultantes para Oroncota (tabela 2) mostram que os deslocamentos da


população para o platô não eram em resposta à pressão de população ou à falta da terra
cultivable, porque cada zona poderia fàcilmente ter suportado seus habitantes. Um
rendimento agricultural substancialmente mais elevado pode ser produzido nos vales férteis
do que no platô. Entretanto, a população calculada para cada zona (vale e platô) poderia
confortavelmente ter sido suportada para zonas respectivas em um tamanho mínimo ou
médio da vila. No vale, uma figura da população da médio-vila de 2.778 (menos de 1.6
necessidades kcal de x [10.sup.9]) poderia fàcilmente ter sido suportada pela produção do
vale (3.7 x [10.sup.9] kcal). A mesma situação é encontrada no platô, onde a população
média da vila de 1.344 habitantes (7.5 necessidades kcal de x [10.sup.8]) também poderia
ter sido suportada com produção do platô (1.7 x [10.sup.9] kcal). Em cada caso, a produção
dentro das zonas poderia aproximadamente ter-se encontrado com duas vezes as
necessidades da população provável. Porque a população para cada período estava
provavelmente abaixo das estimativas “médias” generosas, os deslocamentos da população
de Oroncota não podem ser atribuídos às faltas da pressão ou da terra de população durante
o período clássico de Yampara. A outra chegada de Inka do predating dos fatores, tal como
o aumento da instabilidade política, o conflito interno entre polities locais, e as invasões
ethnohistorically relatadas de Chiriguano (3) necessitam ser considerados. O que quer que
as causas, o Inka em cima da chegada adaptaram às tendências existentes do
estabelecimento.

Nucleation do local. Uma mudança importante do estabelecimento antes que a chegada de


Inka estiver a ocupação aumentada do platô, caracterizada pelo estabelecimento que se
aglomera, uma tendência que continuasse após sua chegada. A fim avaliar before and after
deslocamentos em agrupar dos locais o Inka, k-significa que a análise se aglomerando
estêve executada (Alconini 2002). Eu olhei também mudanças na distância média entre
locais como uma maneira compreender processos do nucleation e relacionamentos entre
locais. Meus objetivos mais adicionais eram ver se o aggregation do local revelou polities
ou unidades políticas e se as mudanças nas distâncias entre estabelecimentos puderam
indicar deslocamentos sociais ou econômicos.

K-significa que a análise é uma análise se aglomerando divisive nonhierarchical essa locais
dos grupos de acordo com critérios spatial. Cada conjunto dos locais tem um centróide
hipotético, que forneça por sua vez o SSE (soma do erro padrão). O SSE é calculado
enquanto a “soma sobre todos os objetos na análise da distância euclidian esquadrada de
cada objeto ao centróide do conjunto a que está atribuído” (Kintigh e Ammerman 1982:39).
(4) Se os locais forem “aglomerado bom,” há um declínio rápido no SSE (soma de erros
padrão). Se não, o declínio é relativamente lento. Esta propriedade, por sua vez, ajuda
definir o número optimal dos conjuntos para a região. Mais conjuntos, mais menos
dramático o declínio do SSE, e versa vice (Kintigh e Ammerman 1982).

K-significa que a análise não poderia com sucesso ser aplicada ao período adiantado de
Yampara, porque demasiado poucos locais foram identificados para definir tendências
claramente se aglomerando. A análise revelou que no período clássico de Yampara a
distribuição do estabelecimento não era aleatória, mas agregado em conjuntos. Dois
conjuntos optimal foram delineados para os vales, e uns dois adicionais para o platô (figura
4). Os dois conjuntos do platô foram agrupados firmemente com uma distância mínima de .
2 quilômetro entre estabelecimentos. Eu acredito que esse acesso à água jogou
provavelmente um papel importante em uma distribuição tão apertada. Cada conjunto é
associado com um dos dois córregos os mais importantes no platô.

Na comparação, os conjuntos do vale foram compostos de menos, mais locais dispersados


espaçados aproximadamente .5 a 2.5 quilômetro de um outros. A distribuição destes locais
seguiu o Pilcomayo e os rios do Pampa de Inka e a base dos montes, um teste padrão
relacionaram-se à agricultura. A maioria dos locais os maiores do vila-tamanho foram
ficados situados na zona do vale, e a concentração da população nestes locais refletiu
provavelmente uma estratégia para alocar uma terra mais produtiva à agricultura.

A distância média entre locais indica que os fatores sociais e econômicos que se operam
nos vales não eram mesmos que governam o platô. Quando no platô havia locais menores e
firmemente mais aglomerados, aqueles nos vales eram maiores e aglomerados mais menos.
É possível que no platô, os homesteads estiveram ocupados por famílias individuais e
deram forma a conjuntos well-defined, quando nos vales o uso intensive da terra
agricultural promoveu o nucleation em locais maiores (vilas) mas agrupou mais
frouxamente conjuntos. Estas diferenças na distância nas duas zonas sugerem arranjos
socioeconomic diferindo e nivelam unidades políticas diferindo.

No seguinte período atrasado de Yampara-Inka, k-significa que a análise mostrou que o


número optimal previamente estabelecido dos conjuntos estêve mantido (figura 5). Embora
a posição destes conjuntos remanescesse a mesma, o número dos locais aumentou
substancialmente durante o período atrasado de Yampara-Inka, particularmente no platô.
Aqui, a distância média relativamente curta (200 m) entre locais clássicos de Yampara
diminuiu mais mais com a adição de estabelecimentos novos, produzindo aglomerar-se
mais apertado uniforme do que antes.

Que eram então os fatores que favorecido um teste padrão firmemente tão aglomerado no
platô no período atrasado de Yampara-Inka melhor que uma disposição mais expansive?
Embora seja possível que o teste padrão se aglomerando do platô era somente uma resposta
às fontes de água restritas, outros correlates são possíveis. A redução da distância entre
locais implica a redução de sua zona econômica imediata da sustentação, mas outros
aspectos socioeconomic também devem ser feitos exame no cliente (interação social
aumentada, condições melhores para pooling o trabalho, ou o uso reduzido de “in-fields”).
Este aglomerar-se apertado do local sugere que os dois conjuntos do platô representam
alguma sorte de unidades políticas, sociais, ou incorporadas, talvez depois de uma
modalidade organizational dupla, como esta tendência agrupando consistente e a redução
na distância do local continuaram com os períodos clássicos e atrasados de Yampara de
Yampara-Inka.

Em cima da chegada, o Inka fêz exame da vantagem destas tendências do estabelecimento


estabelecendo o complexo de Oroncota entre a população indígena aglomerada. O
complexo de Oroncota foi construído dentro de um dos conjuntos as well as dentro uma
posição optimal relativo à população inteira do platô (figura 5). Entretanto, o complexo de
Oroncota, como os outros estabelecimentos de Inka, nunca constituiu um centro principal
da população como atestado por seu tamanho relativamente pequeno (6 ha) na comparação
aos centros locais de Yampara (18-10 ha).

Um teste padrão contrastando é observado na zona do vale durante o período atrasado de


Yampara-Inka. Em ambos os vales, as posições do conjunto remanesceram mais ou menos
idênticas, com poucos locais novos fundados na fase atrasada de Yampara-Inka. A maioria
de locais do vale eram multicomponent--ocupado sobre diversos períodos e com a mesma
distância média. Melhor que mais locais, eu suspeito que o crescimento da população na
zona do vale estêve expressado no aumento no tamanho médio do local, como revelado
comparando únicos locais componentes (com apenas um período da ocupação) (5) locais
que datam ao período atrasado de Yampara-Inka na zona do vale aumentaram mais em
locais clássicos de Yampara do excesso do tamanho do que aqueles do platô.

Na soma, diversos aspectos da dinâmica do estabelecimento de Oroncota são noteworthy:


(1) o platô teve muitos mais locais do que a zona do vale, mas eram muito menores no
tamanho; (2) um teste padrão aglomerando-se claramente definido ocorreu no platô que
começa no período clássico de Yampara, sugerindo a presença de alguma sorte de unidades
políticas, sociais, ou territoriais; (3) o teste padrão aglomerando-se na zona do vale
remanesceu mais ou menos idêntico before and after o Inka, com uma tendência para que
os locais sejam espaçados mais ou o menos equidistantly ao longo do rio; (4) processos
socioeconomic diferindo governaram aglomerar-se do local e relacionamentos do local nas
zonas do vale e do platô; a redução (de 5) da distância média entre o tempo excedente dos
locais, particularmente no platô, sugere arranjos sociais ou econômicos novos; o
crescimento da população (de 6) na zona do vale fêz exame do formulário de maior melhor
que de uns locais mais numerosos; e (7) a ocupação de Inka não resultou nos
deslocamentos na posição de local, no nucleation da população, ou no uso da terra
cultivable na região de Oroncota; estas mudanças ocorreram antes da chegada de Inka.
Rather, o império adaptou-se às tendências spatial existentes e reforçou-se as.
Arquitetura e Infrastructure imperial

Uma inovação importante de Inka em Oroncota era a construção da arquitetura elaborada


que seguiu os canons imperiais encontrados somente na área do núcleo. Os edifícios foram
construídos com com cuidado corte e as paredes da pedra da cara alisada, “descansada”, e,
no centro complexo principal de Oroncota, esta foram acopladas com o jamb dobro e triplo,
niches corpo-feitos sob medida ao longo das paredes. Ambas as características stylistic
foram restringidas aos edifícios do elevado-prestige no heartland de Inka, quando eram
muito uncommon nas periferias e nos borderlands (Niles 1987) (figura 7). Esta ênfase na
exposição architectural sugere que as instalações de Inka em Oroncota não facilitaram
simplesmente a administração e o controle da região, mas os marcos também constituídos
que symbolizing o poder imperial. Uma sobre-execução architectural similar nas fronteiras
Egyptian de Nubian foi anotada por Smith (2002), que observou na importância de edifícios
do elevado-prestige como símbolos do poder imperial, particularmente nas regiões
marginais ao controle imperial.

Em um nível regional, três construções principais de Inka foram ficadas estratègica de


acordo com sua função. O centro complexo principal de Oroncota (6 ha) na zona do platô
foi construído no meio de um conjunto pre-existing da população as well as perto do centro
do platô de gravidade (como revelado pelo K-significa a análise do conjunto). O Inka
adaptou-se às tendências já existentes do estabelecimento colocando o complexo imperial
principal em um conjunto existente do local de Oroncota ao controle político direto do
exercício, melhor que ao edifício que em a depopulated a área para instigate o influx da
população. Entretanto, as escavações revelaram que o centro complexo de Oroncota estêve
construído sobre um estabelecimento precedente pequeno e não em um centro local
existente como em outras partes do império de Inka (D'Altroy e outros. 2000; Hyslop
1990).

Embora os locais atrasados do período de Yampara-Inka fossem aglomerados firmemente, o


complexo de Oroncota não atraiu uma população imediata (figura 7), ao contrário do caso
com EL Pedregal, o segundo local de Inka no platô. Este estabelecimento era um outpost da
defesa e do controle de aproximadamente .8 ha. O outpost do EL Pedregal exibe o
investimento mais menos architectural do que o complexo construindo de Oroncota, foi
escondido estratègica em um cleft de penhascos do platô, e ficado situado em a depopulated
a área. O terceiro complexo de Inka, Inkarry Moqo, foi ficado situado dentro de um grupo
dos locais ao longo do rio do Inka-pampa na zona do vale. Este local (2 ha) teve a
arquitetura de alta qualidade e um jogo modesto das unidades unidas do armazenamento
para facilitar a coleção e o armazenamento dos grampos agriculturais produzidos nos vales.
Fazendo exame no cliente do elaboration architectural destas facilidades, assim como sua
colocação estratégica dentro de um raio da caminhada de um dia do complexo de Oroncota,
a ênfase de Inka no investimento do infrastructure torna-se desobstruída.

Agricultura e capacidade de armazenamento de Inka

A intensidade a exploração e a posição e do número agricultural de facilidades do


armazenamento em uma região fornecem uma janela avaliando a capacidade da extração do
império e os centros de Inka do papel jogados nestes processos (D Altroy e Earle 1992;
Morris e Thompson 1992; Morris e Thompson 1985). Em Oroncota, o exame revelou uma
ausência dos canais e dos terraces agriculturais em grande escala comuns em outras partes
do império. Entretanto, o assoalho rico do vale ao longo do rio de Pilcomayo--dado forma
por depósitos alluvial naturalmente irrigated e ricos--era provavelmente o foco da
exploração agricultural intensa na vista do tact que tem ainda entre os potenciais
agriculturais os mais elevados da região inteira (Agreda Corrales 1994). Por causa das
facilidades complexas e próximas de Oroncota perto deste setor do vale, é provável que se
beneficiaram também de sua exploração agricultural.

Uma avaliação da distribuição de facilidades do armazenamento (qolqas) nas duas divisões


revelou que a zona do vale teve poucos armazéns (n = 16) do que o platô de Pucara (n = 66)
(tabela 3). Estas distribuições contrastando sugerem que, embora dispersados, os locais de
Inka do platô de Pucara estiveram envolvidos mais com armazenar recursos quando os
locais do vale foram concernidos mais com a produção. Nós não encontramos nenhuma
evidência dos tambos ou das redes do transporte relacionadas aos storehouses na zona do
vale. Além, as facilidades do armazenamento foram concentradas na maior parte nos dois
conjuntos existentes da população do platô, melhor que primeiramente perto das facilidades
de Inka.

Totais, a escala e o valor do armazenamento nos locais de Oroncota eram completamente


pequenos em comparação com outros centros administrativos principais tais como o Pampa
de Huanuco e aqueles do vale de Mantaro. A tabela 4 compara a quantidade e a intensidade
de facilites do armazenamento em províncias de Inka com as aquelas de Oroncota. A
potencialidade de armazenamento em Oroncota sugere uma expressão mínima das finanças
do grampo que caracterizaram a economia política de Inka em muitas outras áreas
(D'Altroy e Earle 1992; Morris e Thompson 1985).

Distribuição da cerâmica de Inka

Apesar do investimento notável no infrastructure e da exposição mostrada em edifícios de


Inka da alta qualidade, os testes padrões do estabelecimento em Oroncota não mudaram
marcada. Similarmente, a ocorrência infrequënte de artifacts Inka-relacionados entre os
estabelecimentos locais mudou pouco. Um objetivo da pesquisa era determinar se
Oroconcota desenvolveu uma economia do prestige com a distribuição restrita de bens
imperiais aos elites locais, ou se a distribuição destes bens imperiais era irrestrita e
difundida, talvez como uma estratégia de Inka para a integração econômica e o
acculturation. Para avaliar estes e outras alternativas, eu tracei a distribuição de cerâmica
Inka-relacionada em estabelecimentos locais com relação à distância ao complexo principal
de Oroncota (figura 8). As categorias eram como segue: (1) Estilos regionais de Inka; (2)
Cuzquefio de Inka do capital; e (3) cerâmica de Inka Pacajes (ou Saxamar) dos highlands
de Titicaca.

A mostra dos resultados que poucos locais tiveram o acesso significativo a Inka e aos
estilos cerâmicos Inka-relacionados. Esta cerâmica foi encontrada em apenas 15 de 190
locais que datam ao período atrasado de Yampara-Inka. Somente aproximadamente 8 por
cento dos locais renderam tal cerâmica, indicando acesso completamente restrito a--ou
aceitação limitada de--estes artigos pela população total.

A cerâmica imperial de Inka (cuzqueno) foi encontrada em apenas três locais na associação
com os edifícios de Inka, sugerindo ambos a ausência de uma economia do prestige
baseada na distribuição da cerâmica imperial e na falta da demanda de comércio para a
cerâmica imperial, como era freqüentemente o caso em outras províncias de Inka (Costin e
Earle 1989; Morris e Thompson 1985). Adicionalmente, a cerâmica de Pacajes Inka das
fontes do highland em algumas residências unidas ao complexo de Oroncota do cano
principal sugere que os povos de Pacajes podem ter sido trazidos na região como colônias
extrangeiras do mitima, como mencionado em clientes ethnohistoric (Romano 1994)
(figura 9) de Barragan.
A influência de Inka no inventário local do artifact foi expressada na ascensão de um estilo
de Yampara-Inka, combinando o local e as decorações de Inka e as formas (figuras 9 e 10).
Entretanto, a cerâmica de Yampara-Inka não era terra comum e foi encontrada em menos de
10 por cento (12 fora de 190) dos locais que datam ao período atrasado de Yampara-Inka.
Estes locais não eram consistentes nos termos do tamanho, da função, da posição, ou do
acesso a outros artigos do prestige. A maioria eram comunidades ou homesteads pequenos
compostas de uma única estrutura e foram ficados situados nas zonas do vale e do platô.

É muito provável que o uso do estilo cerâmico de Yampara-Inka não denotou o


acculturation de um grupo privilegiado. Rather, um segmento da população pode ter
adotado canons stylistic de Inka na produção cerâmica local, mas estas preferências não
evoluíram ou para tornar-se generalizou mais, talvez devido à presença relativamente breve
de Inka antes que os conflitos seguindo do recuo imperial com o Chiriguanos e a chegada
dos Spaniards. Adicionalmente, nenhuma cerâmica de Chiriguano-Guarani foi encontrada
na região de Oroncota, sugerindo que as invasões intermitentes fizeram exame do
formulário de invasões rápidas, deixando pouco traço material dos incursions mencionados
abundante em clientes ethnohistoric.

Para sumariar, os exemplos da arquitetura elaborada de Inka no carrinho de Oroncota em


contraste impressionante à ausência próxima de artifacts imperiais. Talvez as réguas de Inka
requisitaram a construção do complexo de Oroncota como um marco do poder imperial
com a intenção mais tarde de consolidar mais controle político direto. Entretanto, a política
imperial pode ter deslocado a outras prioridades, deixando o controle da região aos aliados
nativos trustworthy do elite como representantes do império. Alternativamente, o Inka
deliberadamente pode ter usado a arquitetura fina symbolize o poder imperial compensar
uma presença imperial de outra maneira menos-visível. O que quer que o caso, Oroncota
era uma província marginal na fronteira com um efeito mínimo em processos
socioeconomic locais.

A região de Cuzcotuyo

Um retrato completamente diferente prevaleceu na estrutura de estabelecimento do sistema


de Cuzcotuyo nas beiras easternmost do império. Esta área, situada no Chaco tropical
húmido piedmont acima dos savannas Amazonian, constituiu um ajuste ecological diferente
do que aquele de Oroncota e foi ocupada por grupos que tropicais semi-móveis empregar
slash-e-queima a agricultura. A fronteira imperial cobre assim uma fronteira ecological e
cultural pre-existing. Quando o piedmont e os vales secos ocidentais, including Oroncota,
foram habitados pelos polities Andean do chiefdom-nível que praticam a agricultura
intensive (senorios), o piedmont tropical oriental foi habitado por tribal slash-e-queima
cultivadores do Amazon e do Chaco. Ambas as áreas eram parte da zona de fronteira
imperial multiethnic complexa.

Dois períodos foram definidos na região de Cuzcotuyo: (1) o período adiantado de


Manchachi (? -1480 A.D.) including todas as ocupações do pre-Inka e os anos adiantados
da chegada de Inka, e (2) o período atrasado de Ungulate-Inka (A.D. 1480-1536) que
testemunhou a consolidação de Inka. A chegada imperial na região de Cuzcotuyo foi
marcada por uma série das mudanças na fronteira, como indicado pelo exame e pelas
escavações do estabelecimento no complexo de Cuzcotuyo.

Deslocamentos Locational
O exame do estabelecimento em torno do complexo de Cuzcotuyo (aproximadamente 105
[km.sup.2]), suplementado por um programa augering sistemático em áreas estratégicas,
revelou que antes que a chegada de Inka lá estêve uma ausência próxima de locais
archaeological (tabela 5 e figura 11). Apenas dois locais potenciais do pre-Inka foram
identificados para o período adiantado de Manchachi; claramente, a ocupação antes que o
Inkas estiver completamente escasso e dispersado, reforçando interpretações mais velhas
destes tropics húmidos de montana como sendo ocupado em épocas prehispanic por
agricultores deslocando semi-móveis (Susnik 1968, 1975). Os agricultores deslocando
requereram o controle sobre territórios extensivos para a aquisição de recursos dispersados,
ao minimizar o conflito intertribal com as zonas de amortecedor. Julgando pela ausência de
artifacts de Guarani-Chiriguano, os grupos de Guarani-Chiriguano não se tinham movido
ainda na área.

Após o conquest de Inka no período atrasado de Ungulate-Inka, os estabelecimentos novos


eram toda a parte do infrastructure imperial e continuada lá a ser uma ausência próxima de
estabelecimentos locais. Como pode ser visto na tabela 5, todos os locais de Inka foram
estabelecidos nos flancos ocidentais da montanha de Cuzcotuyo nas áreas com a floresta
mais menos tropical e em uma acessibilidade mais grande às terras naturalmente irrigated.
No contraste, o infrastructure de Inka era ausente no piedmont tropical dos flancos
orientais. Duas explanações puderam esclarecer esta preferência locational. Primeiramente,
esta estratégia minimizaria invasões potenciais de Chiriguano do leste e, segundo, o Inka
pode ter escolhido estabelecir-se perto da terra agricultural apropriada.
Arquitetura e Infrastructure imperial

O Recognition de instalações militares é um tanto difícil mas as características diagnósticas


de facilidades militares de Inka contribuem a sua identificação. As características comuns
incluem: (1) zig-zagging grande, concêntrico, ou as paredes circunvizinhas, (2) plataformas
interior nas paredes, (3) barracks longos (kallankas), (4) poucos qolqas do armazenamento,
(5) janelas oblique pequenas (ou furos disparados), (6) qualidade baixa da construção do
masonry, (7) “confundiram” passagens, (8) pedras do estilingue e do bola, (9) outposts e
walled fortifications da sustentação com poucos ou nenhuns edifícios, e (10) a posição
estratégica (Hyslop 1990; Raffino 1988:126).

A presença destes atributos nos construcions de Inka da região de Cuzcotuyo sugere que
estiveram dedicados à defesa. O complexo de Cuzcotuyo foi ficado estratègica no alto da
montanha de Cuzcotuyo, e os tamanhos do estabelecimento variaram de 30 [m.sup.2] a 6.7
ha (tabela 6). Uma parede longa da defesa de 1.7 quilômetros funcionou ao longo do pico,
com outposts unidos para facilitar a defesa e o surveillance (figura 12). Os grupos de pedras
pequenas do ovoid do tamanho similar foram encontrados ao longo do lado interno da
parede, talvez para o uso como pedras do estilingue (Lee 1992; Parssinen e Siiriainen
1998). As escavações em um outpost revelaram plataformas interior ao longo das paredes,
uma característica comum em locais militares (Alconini 2002). Esta parede de uma altura
de aproximadamente 1 m pode ter agido como um impedimento de encontro às invasões
externas e como um ponto de controle para o trânsito dos povos e dos bens que movem-se
através da fronteira. Uma estrada cruzou a parede, conectando o complexo de Cuzcotuyo
com outros strongholds ao longo da fronteira do sudeste.

Ao lado da estrada de Inka ao oeste ao longo das planícies de Pucara, um jogo adicional de
montes walled e semi-walled com estruturas unidas da parede era também parte do sistema
do defensive de Cuzcotuyo. O mais importante destes locais (local S-5) era um monte
walled concêntrico. A parede--embora destruído--fêz exame “de um formulário da escada
pisada” no terreno elevated e teve uma série de outposts unidos retangulares. Os montes
walled similares são descritos também em outras regiões do império, a maioria de
representante que é a corda dos fortresses na fronteira do norte de Inka (em Equador). Esta
corda dos forts, sabida como o complexo de Pambamarca, foi composta de 14 instalações
walled, including os montes walled isolados que seguiram às vezes testes padrões
concêntricos (Hyslop 1990:164 - 171; Plaza Schuller 1976).

Ao lado do complexo principal do edifício, um kallanka retangular extensivo foi usado


como barracks de umas forças armadas (figura 12). Embora os kallankas servissem a uma
variedade das funções, esta estrutura teve uns papéis mais defensivos, julgando pelo
investimento architectural baixo em sua construção e por um número restrito das entradas,
apesar de suas dimensões grandes (25 por 5 m no interior). As escavações desta estrutura
revelaram concentrações das armas (bolas e boleadoras) (Alconini 2002).
O complexo construindo principal de Cuzcotuyo, encontrado aproximadamente 300 m ao
oeste da parede da defesa, era o centro de atividades do multitask. O complexo do edifício
consiste em duas plazas com uma série de quartos retangulares em torno de cada um. Fora
deste edifício outras facilidades foram identificadas, including um número restrito de
unidades do armazenamento circular ou qolqas (n = 27), algumas residências retangulares
(n = 6), e um espaço para rituals confidenciais como indicado pela escavação (figura 12)
(Alconini 2002). Todas estas facilidades na exibição da região de Cuzcotuyo uma qualidade
baixa da construção do masonry que cabe “a terra comum do estilo architectural
intermediário” em regiões periféricas e caracterizada pelo uso parcialmente da pedra local
do corte obstruem (Niles 1987).

Para sumariar, a arquitetura em Cuzcotuyo é consistente com as instalações militares de


Inka em outra parte. Oito das dez características comuns ao infrastructure defensivo foram
encontradas, à excecpção das passagens “confundidas” e das janelas oblique pequenas nas
paredes da defesa. A ausência destas duas características defensivas pode refletir o fato que
Cuzcotuyo não estêve envolvido com as invasões high-intensity como outros outposts, ou a
preservação pobre.

No nível regional, o sparsity da ocupação local continuou seguindo a chegada de Inka.


Cuzcotuyo não se transformou um centro principal da população. Os locals podem ter tido
incentive limitado para habitar a área perto das facilidades de Inka, ou os níveis dispersados
do distribuição do estabelecimento e os baixos da população puderam ter inibido tais
deslocamentos. Este scarcity da população perto das beiras da fronteira foi observado
também pelos primeiros Spaniards que incorporam a região ao período colonial (Susnik
1968:175).

Agricultura e capacidade de armazenamento de Inka

Como em Oroncota, nenhum remains de terraces agriculturais ou os canais foram


encontrados na zona de Cuzcotuyo. A área a mais próxima com solo alluvial naturalmente
irrigated é as planícies ocidentais de Pucara, onde as pedras moendo dispersadas (batanes)
foram encontradas. Nenhuma indicação de estabelecimentos domésticos foi registada,
embora poucas residências fossem encontradas perto do complexo principal de Cuzcotuyo.
O fato que as planícies com a terra apropriada para o cultivation estavam dentro de curso
dia do complexo principal sugere que os residentes do outpost de Cuzcotuyo confiaram na
produção agricultural dessa área.

Poucas unidades foram encontradas como a evidência da capacidade de armazenamento.


Vinte sete qolqas do armazenamento, toda circular no formulário, foram ficados situados na
área do estudo e concentrados no complexo principal de Cuzcotuyo. Na comparação com
outros centros provinciais, a escala é completamente pequena, sugerindo que o
armazenamento estêve pretendido cumprir as necessidades imediatas do stronghold, melhor
que para servir a uma economia regional do grampo. Fazendo exame no cliente da posição
destas unidades do armazenamento com relação à área agricultural, nós podemos também
conclir que em Cuzcotuyo a produção e o armazenamento não ocorreram na mesma área.
Depois que os grampos foram colhidos nas planícies de Pucara, e lá em julgar
provavelmente processado pela distribuição de pedras moendo, a farinha seria movida
imediatamente para o complexo de Cuzcotuyo.

Cerâmica de Inka e distribuição cerâmica local

Na ausência dos dados do exame do estabelecimento, a avaliação cerâmica foi baseada no


assemblage recuperado das escavações do complexo principal (particularmente da plaza
ocidental) como revelou uma seqüência stratigraphic mais longa) (figura 12). Esta cerâmica
permitiu uma compreensão da natureza do assemblage do artifact no complexo. A avaliação
cerâmica fêz também possível avaliar o impacto de Inka na região de Cuzcotuyo e
estabelecer comparações com Oroncota.

As escavações revelaram dois deslocamentos principais no inventário cerâmico. (6) No


período adiantado de Manchachi (? - 1480 A.D.), além da cerâmica utilitarian, havia um
dominance da cerâmica vermelha do Slate local de Manchachi que teve grões do slate como
a têmpera e um deslizamento vermelho. Esta cerâmica foi associada technologically com os
vales ocidentais internos (figura 12). As freqüências do descanso dos tipos cerâmicos eram
mínimas. No período atrasado de Ungulate-Inka (A.D. 1480-1536), o complexo de
Cuzcotuyo testemunhou uma série de renovations architectural e mudanças no assemblage
cerâmico. Durante este segundo período, havia uma diminuição da cerâmica vermelha do
Slate local de Manchachi, correlacionada com um aumento significativo na planície e na
cerâmica orientais de Chiriguano-Guarani. Esta cerâmica foi produzida com os sherds
esmagados como a têmpera e decorada com imprints da unha (estilos esmagados
Condorillo) (figura 13) (Alconini 2002 de Sherds e de Parapeti Ungulate; La Salvia e
Brochado 1989).

Da importância particular é a distribuição de embarcações bem-decoradas de origens de


Guarani-Chiriguano (Parapeti Ungulate) na recusa das duas plazas. Estes eram o produto do
público que deleita as atividades patrocinadas pelo Inka. Adicionalmente, em diversas áreas
do complexo, nós encontramos a cerâmica utilitarian da origem tropical. O uso da cerâmica
decorada Guarani-Chiriguano nas plazas sugere que no último período, ou o Inka incluiu
factions de Chiriguano em seus celebrations como uma estratégia da incorporação política,
ou o império favoreceu o uso da cerâmica de Guarani-Chiriguano em tais atividades. Em
um ou outro caso, este deslocamento sugere um comportamento imperial duplo para os
factions de Chiriguano que immigrating do leste. Quando alguns grupos de Chiriguano
além da fronteira representaram uma ameaça ao império, outros segmentos de Chiriguano
dentro da fronteira foram incorporados como aliados locais de encontro aos grupos
externos. O Inka fêz exame da vantagem da estrutura política temporária e do rivalry tribal
do Chiriguano (Julien 1997; Susnik 1968). As situações similares incluem a incorporação
de Inka dos júris locais para defender as beiras de Inka de encontro às invasões de
Chiriguano e de Lule em Argentina do sul (Lorandi 1980), e a incorporação seletiva Roman
de barbarians “internos” como populações do amortecedor de encontro aos barbarians
“externos” além dos borderlands imperiais (Eadie 1977).
No contraste a Oroncota, nós não encontramos a cerâmica de Inka Cuzqueno ou de Pacajes-
Inka em qualquer lugar em Cuzcotuyo. A distância sozinho não pode esclarecer esta
ausência, desde outros locais nos borderlands, tais como Samaipata, Bolívia (Meyers 1997,
2005) e o território de Caranqui em Equador (zurro 1991) rendeu esta cerâmica. Sua
ausência em Cuzcotuyo pode ser evidência que esta cerâmica imperial não era um artigo
importante no comércio da fronteira aqui, nem nas atividades status-realçando para que foi
usada em outra parte no império. Embora Cuzcotuyo estivesse ficado situado somente
aproximadamente 60 quilômetros ao oeste de Oroncota “enquanto o corvo voa,” nós não
encontramos nenhuma cerâmica de Yampara na região de Cuzcotuyo. A ausência da
cerâmica de Yampara indica redes cerâmicas altamente restritas da troca entre estas
populações em dois lados de um ecotone. A influência de Inka na cerâmica local era
mínima, com pouco Slate de Manchachi nas amostras vermelhas que reproduzem formas de
Inka.

Conclusões

Meu objetivo era avaliar a natureza da fronteira do sudeste com a comparação com dois
modelos idealized da fronteira. No modelo militar endurecido do perímetro, eu esperei que
um cordon de forts imperiais na fronteira apropriada permitiria um formulário menos-
militar da administração imperial dentro, manifestado na presença de centros provinciais de
Inka. Alternativamente, a fronteira da “defesa-em-profundidade” consistiria nas
dificuldades ligadas por estradas e por outposts, tendo por resultado menos differentiation
funcional entre centros na fronteira apropriada e aquelas dentro dela. No segundo modelo, a
fronteira acculturative deve ser dada forma “por margens classificadas” das instalações
defensivas construídas e equipadas por aliados locais. Porque as relações entre o império e
as populações da fronteira seriam baseadas em processos socioeconomic melhor que na
administração central ou no domination militar, estas relações devem ter envolvido os
relacionamentos do patron-cliente, amarrados a uma economia do prestige de bens
imperiais para bolster e marcar alliances locais.

Os resultados da pesquisa revelaram aspectos importantes da estrutura e da dinâmica da


fronteira imperial de Inka. A fronteira do sudeste, na relação ecological dos Andes e do
Amazon, não era simplesmente uma linha que divide territórios internos e externos. Rather,
fêz exame do formulário de uma zona extensiva da interação sociopolitical. Dentro da
fronteira, Oroncota era um centro provincial pequeno com o masonry fino de Inka, quando
a defesa e o armazenamento foram delegados às facilidades suplementares. Na fronteira
própria, Cuzcotuyo era um garrison militar multifunctional, com uma ênfase consistente em
facilidades da defesa. As facilidades imperiais aqui foram construídas no estilo
intermediário mais comum e ficadas situadas em um território de densidades de população
baixas.

As regiões de Oroncota e de Cuzcotuyo mostraram a evolução muito diferente do


estabelecimento. Na área de Oroncota, nós vemos diversos processos including: (1)
população crescente com o tempo no formulário de locais pequenos; (2) um deslocamento
no foco do estabelecimento (bem antes da chegada de Inka) do assoalho fértil do vale ao
platô menos-produtivo; e (3) estabelecimentos no platô que aglomera-se pelo menos em
dois conjuntos distintos que puderam representar unidades políticas. No contraste, em
Cuzcotuyo no piedmont tropical inacessível, o estabelecimento remanesceu escasso durante
todo a seqüência pré-histórica. Em nenhuma área fêz a chegada de Inka alteram este o
trajectories regional do estabelecimento. As tendências Pre-existing continuaram durante o
período de Inka em Oroncota, e em Cuzcotuyo, a ocupação local remanesceu muito
escassa. Nós podemos, conseqüentemente, conclir que em cada caso, o conquest de Inka
não teve nenhum efeito em tendências regionais do estabelecimento.
Similarmente, eu não encontrei nenhuma evidência em Cuzcotuyo ou em Oroncota para o
intensification agricultural do Inka-estado que caracterizou muitas outras áreas do império
de Inka. Ambos os centros confiaram nos assoalhos do vale para a produção agricultural
com despesas mínimas do infrastructure. Quando na região de Oroncota as facilidades do
armazenamento foram colocadas em conjuntos existentes da população, as facilidades em
Cuzcotuyo foram colocadas no centro de Inka. Entretanto, a escala da produção e do
armazenamento em ambas as regiões da fronteira sugere uma produção em excesso
modesta destined para suportar a administração local de Inka.

Os artifacts imperiais de Inka eram quase ausentes em estabelecimentos locais e nos centros
de Inka de Oroncota e de Cuzcotuyo. Conseqüentemente, o conquest de Inka nesta região
da fronteira imperial não envolveu materiais de Inka como marcadores do status, não
alterou testes padrões existentes da troca, nem não promoveu uma economia do prestige.
Em uma forma similar, nenhuma região mostrou a evidência da produção do ofício de
materiais de Inka. As residências unidas nos centros eram também mínimas.

As regiões de Oroncota e de Cuzcotuyo têm as características mais consistentes com o


modelo militar da fronteira no formulário “de um perímetro endurecido.” Porque este
modelo prediria, nós encontramos que ambos os locais eram funcionalmente distintos, com
o Cuzcotuyo que é um outpost militar com uma série de facilidades defensivas, quando o
complexo de Oroncota era um centro provincial pequeno. Nós não encontramos que ambos
os centros tiveram um foco da defesa porque o modelo da defesa-em-profundidade prediria.
Nenhum centro era o ponto focal para a interação social e econômica que incluiu uma
economia dos prestige-bens, um centro da atração da população, ou construído no estilo
local porque o modelo da zona do acculturation prediria.

Entretanto, “endureceu o perímetro” na fronteira do sudeste de Inka diferiu em duas


maneiras principais do modelo, marcando uma característica importante da estrutura
imperial da fronteira de Inka. Primeiramente, o perímetro não se conformou a uma linha
apertada dos fortifications, talvez porque o Inka não pretendeu criar uma parede
impenetrable dos forts, mas estabeleceu-se uma barreira obstruindo os nós chaves do
movimento ditados pelo topography. Em segundo, a estratégia de Inka não foi orientada
para fortresses enormes do edifício ou postar exércitos imperiais grandes na fronteira, mas
para o estabelecimento de outposts tais como Cuzcotuyo que poderia ser ocupado por
aliados ou por forças locais de Inka em caso da invasão. Além, nenhum centro de Inka era o
foco de processos socioeconomic maiores. O controle de Inka foi manifestado no
formulário de disembedded centros. Por disembedded centros, mim significam que o Inka
não gerou deslocamentos significativos em tendências socioeconomic locais existentes,
apesar do investimento grande do infrastructure.

Eu discuto que estas três características--(1) um perímetro ditado pelo topography, (2) a
formação dos outposts melhor que garrisons permanentes, e (3) a criação de disembedded
centros--seja mais consistente com um perímetro militar rather “macio” como o variant
alternativo da estrutura da fronteira exemplified pelo Inka. Entre os formulários possíveis
de fronteiras militares imperiais antigas, “os perímetros militares macios” eram mais
eficientes quando a ameaça externa era esporádica, quando as populações além das beiras
imperiais foram compostas de grupos altamente fragmentados do incômodo, e quando as
circunstâncias ecological adversas impediram um transplant fácil de instituições imperiais,
como dentro pela fronteira do sudeste de Inka. Em vez de constituir barreiras impenetrable,
os perímetros militares macios serviram como impedimentos e como “pontos de
advertência distantes” aos invasores potenciais, ao também servir como os pontos
avançados em territórios novos. Fazendo exame no cliente que outras partes da fronteira de
Inka compartilharam de características similares, a pesquisa futura nestas regiões deve
avaliar se “o perímetro militar macio” era uma característica consistente da estrutura
imperial da fronteira de Inka ou, rather, se era exclusivo às margens imperiais do sudeste.

Tabele a distribuição, o Chronology, e a posição do local da região do L.


Oroncota

Período Datas Número dos locais (a)

1. Yampara adiantado A.D. 400-800 24 2. Yampara


clássico A.D. 800-1300 107 3. Yampara-Inka atrasado
A.D. 1300-1536 190 4. Colonial A.D. 1536-1700
10 5. Desconhecido 100

Período Vales (zona 1) Platô (zona 2)

1. Yampara adiantado 19 5 2. Yampara


clássico 32 75 3. Yampara-Inka atrasado
44 146 4. Colonial 10
0 5. Desconhecido 14 86

Período Altura média

1. Yampara adiantado 2.203 m 2. Yampara clássico


2.588 m 3. Yampara-Inka atrasado 2.643 m 4. Colonial
2.030 m 5. Desconhecido

(a) Um total de 308 locais foi encontrado. O número dos locais para cada
período inclui locais multicomponent com uma ocupação durante esse
período.

Tabela 2. Região de Oroncota: Tamanho agricultural do potencial e da


população.

Vales da zona 1

Número dos locais 65 áreas ocupadas


46.3 ha popluation mínimo de população/área (21 persons/ha)
inhab 972.
População média da vila (60 persons/ha) inhab 2.778.
Popluation mínimo das exigências da população (em kcal) (21 persons/ha)
população média kcal da vila 542.980.935 (Ilajta) (60
persons/ha) 1.551.374, irrigação
potencial agricultural kcal do vale 100
2355.4 ha de irrigação potencial Optimal do vale do rendimento da
agricultura extensiva do hillside (kcal/ha)
agricultura extensiva kcal do hillside 3.669.512.991

Platô da zona 2

Número dos locais 243 áreas ocupadas


22.4 ha popluation mínimo de população/área (21 persons/ha)
inhab 470.
População média da vila (60 persons/ha) inhab 1.344.
Popluation mínimo das exigências da população (em kcal) (21 persons/ha)
população média kcal da vila 262.694.880 (Ilajta) (60
persons/ha) agricultura extensiva do
hillside da irrigação potencial agricultural kcal do vale 750.556.800
1.809.4 ha de agricultura extensiva do hillside da irrigação potencial
Optimal do vale do rendimento (kcal/ha) 1.781.124.506 kcal

Total

Número dos locais 308 áreas ocupadas


68.7 ha popluation mínimo de população/área (21 persons/ha)
inhab 1.442.
População média da vila (60 persons/ha) popluation mínimo de 4.122
exigências da população do inhab (em kcal) (21 persons/ha)
população média kcal da vila 805.675.815 (Ilajta) (60
persons/ha) irrigação potencial
agricultural kcal do vale 2.301.930.900
2.355.4 ha de agricultura extensiva do hillside 1.809.4 ha
de irrigação potencial Optimal do vale do rendimento (kcal/ha)
agricultura extensiva kcal do hillside 3.669.512.991
1.781.124.506 kcal

Tabela 3. Facilidades do armazenamento na região de Oroncota.

Local (a) Tamanho Qolqas Zona

S-1: Oroncota C. 6 ha circular 5 platô S-137


.15 ha circular 13 platô S-114 .03 ha
circular 4 platô S-113 .09 ha circular 12
platô S-112 .06 ha circular 16 platô S-
129 .041 ha circular 10 platô S-162
.04 ha circular 6 platô S-317: Inkarry M. 2 ha
circular 10 vales S-318 1.8 ha circular
6 total dos vales 82

Dist. Para situar (a)


Volume (b) Oroncota

S-1: Oroncota C. 260 [m.sup.3] 0 quilômetros S-137


676 [m.sup.3] .4 quilômetro S-114 208 [m.sup.3]
1.3 quilômetros S-113 624 [m.sup.3] 1.4
quilômetros S-112 832 [m.sup.3] 1.5 quilômetros S-
129 520 [m.sup.3] 2.4 quilômetros S-162
312 [m.sup.3] 4.6 quilômetros S-317: Inkarry M. 710 [m.sup.3]
5.9 quilômetros S-318 312 [m.sup.3] um total de
6.9 quilômetros 4.454 [m.sup.3]

Volume do armazenamento
no local dos intervalos de 1 quilômetro (a)
do complexo de Oroncota

S-1: Oroncota C.S-137 0-1 quilômetro = 936


[m.sup.3] S-114 S-113 S-112 1-2 quilômetro
= 1664 [m.sup.3] S-129 2-3 quilômetro = 520
[m.sup.3] S-162 4-5 quilômetro = 312
[m.sup.3] S-317: Inkarry M. 5-6 quilômetro = 710
[m.sup.3] S-318 6-7 quilômetro = 312 totais
[m.sup.3]

(a) Todos os locais são compostos exclusivamente dos qolqas do


armazenamento situados nos altos do monte, exceto S-1, S-317, e os S-318,
que são instalações de Inka com números restritos dos golqas.

(b) Os índices do volume foram feitos exame de D'Altroy e de Earle (1992:


183-185): 52 [m.sup.3] para qolgas circulares e 71 [m.sup.3] para
armazéns retangulares.

Tabela 4. Comparação da capacidade de armazenamento da região de Oroncota


com outras partes do império de Inka.

Região Storehouses

Vale de Mantaro 1.992 Cotapachi, 4.491


Pampa de Cochabamba Huanuco 497 Willka Waman 700
Oroncota 82 Cuzcotuyo 27

Região Fonte

Vale de Mantaro D'Altroy e Earle 1992:188 Cotapachi, Gyarmati e


Varga 1999:46
Pampa de Cochabamba Huanuco Morris 1992:155 Willka Waman
Gasparini e Margolis 1980:293 Oroncota Cuzcotuyo

Tabela 5. Distribuição do local na região de Cuzcotuyo.

Ecozone de
superfície Área Avaliação

1. Ocidental: Esfrege e rochoso 33.84 [km.sup.2] Aplaina


piedmont (com remendos exame da
floresta high-density).

2. Do leste: Piedmont com 7.00 [km.sup.2] A superfície


esfrega a floresta) exame
(bajo de Monte

3. Do leste: Piedmont com (b) 57.66 [km.sup.2] No., o


mais cloudforest grosso e extremamente
remendos do dossel limitado
(alto de Monte). acessibilidade

4. Ocidental: Planície de Pucara 6.50 [km.sup.2]


Superfície
exame
Total 105.00 [km.sup.2]

Sistemático Não. Eixos


helicoidais Ecozone Augering (cada
30-50 m)

1. Ocidental: Esfrege e rochoso Sim, dentro 105


(a)
piedmont (com remendos selecionado da floresta high-density).
áreas

2. Do leste: Piedmont com Sim, dentro 127


esfregam a floresta) selecionado (bajo de Monte
áreas

3. Do leste: Piedmont com Não, 0 as


mais cloudforest grossos e extremamente remendos do dossel
limitado (alto de Monte). acessibilidade

4. Ocidental: Planície de Pucara Sim, dentro


77
selecionado
total das áreas
309

Pre-Inka Inka Ecozone


Locais Locais

1. Ocidental: Esfrege e rochoso 1 8


piedmont (com os remendos da floresta high-density).

2. Do leste: Piedmont com 0 0


esfregam a floresta) (bajo de Monte

3. Do leste: Piedmont com 0 0


remendos grossos os mais cloudforest e do dossel (alto de Monte).

4. Ocidental: Planície de Pucara 1 3

Total 2 11

(a) Na zona 1 (esfrege e piedmont rochoso), 62 amostras do eixo


helicoidal foram coletadas no complexo principal de Cuzcotuyo. O descanso
(43 amostras) foi distribuído entre áreas selecionadas da zona.

(b) Um mínimo de um raio de 5 quilômetros foi pretendido (79 [km.sup.2]).


Entretanto, uma área maior foi estudada (105 [km.sup.2]) including a
floresta inacessível da nuvem (57.66 [km.sup.2]).

Tabela 6. Região de Cuzcotuyo: Tamanho e função do local durante o


período de Inka.

Local Tamanho Remains Architectural

1 .173 ha Parede extensiva no mountaintop 2 de Cuzcotuyo


.25 ha Segmento da parede e outpost 3 .20 ha Estrutura
longa ao longo da estrada 4 .003 ha Única estrutura
circular 5 (a - d) 6.75 ha Parede em um monte, outposts 6 do
perímetro .003 ha O scatter do Artifact, pedras moendo
aproxima a estrada 7 4.68 ha Complexo principal 8
.15 ha Segmento da estrada, bifurcação 9 .002 ha
Segmento da parede 10 do perímetro .003 ha Segmento 11 da
parede .40 ha Estrada

Local Função

1 Defesa, controle 2 Defesa, controle 3


Borne do obervatório, tambo 4 Borne do obervatório?
armazenamento?
5 (a - d) Defesa (planície) de Pucara 6 Processar de
alimento, moendo 7 8 Multi-functional Uma comunicação
9 Defesa 10 Defesa? estrada?
11 Uma comunicação

Figura 2. Chronology da região de Oroncota (* Janusek e Blom 2005).

LATIN - ANTIQUITY AMERICANO

OCUPAÇÃO DE YAMPARA

A.D. 1700 Região de Oroncota Região de Icla *

A.D. 1500 Colônia


(A.D.1536-1700) Yampara
(A.D. 1450-1575) A.D. 1300 Yampara-
Inka atrasado
(A.D.1300-1536) Mogo
(A.D. 1100-1450)

A.D. 800 Yampara clássico


(A.D.800-1300) Mayu
(A.D. 500-1100)

A.D. 800 Yampara adiantado


(A.D. 400-800) Tiwanaku clássico

A.D. 400 Formativo


(B.C. 1800-A.D. 500)

COMPARAÇÃO COM ANDES CENTRAIS


SEQÜÊNCIA DE ALTIPLANIC CHRONOLOGY A.D. 1700

A.D. 1500

Inka Horizonte atrasado A.D. 1300

Regional desenvolva Intermediário atrasado


ments Período

A.D. 800
Tiwanaku atrasado Horizonte médio

A.D. 800
A.D. 400
Tiwanaku adiantado Período intermediário adiantado

Horizonte adiantado

CUZCOTUYO OCUPAÇÃO
NO PIEDMONT AMAZONIAN A.D. 1700

A.D. 1500

Ungulate-Inka atrasado (A.D. 1480-1536) A.D. 1300

Manchachi adiantado
(? - A.D. 1480)

A.D. 800

A.D. 800

A.D. 400
Reconhecimentos. A pesquisa em Oroncota e em Cuzcotuyo durante 1998-2001 foi
financiada pela concessão doctoral do dissertation do National Science Foundation (SBR
9712711), pela concessão pre-doctoral geográfica nacional da sociedade (No. 6150-98), do
Wenner-Gren (No. 6361), pela fundação do funileiro através do centro do latin - estudos
americanos, pela universidade de Pittsburgh, e pela fundação de John Heinz. Eu agradeço o
Marc Bermann, Robert Drennan, James Richardson III, Erick Langer, e Olivier de
Montmollin para seus sustentação, friendship, e orientação intelectuais. Eu recebi a
sustentação institutional do Direccion Nacional de Antropologia y Arqueologia de Bolívia,
do Prefectura de Potosi, e do museu do Archaeology do Universidad Mayor de San
Francisco Xavier. Eu sou também thankful a Jose Luis Paz, a Carla Jaimes, a Gary
Palacios, a Stella Nair, a Michael Kruschek, a Velia Mardonez, a Gaston Vacaflores, a
Dante Angelo, a Claudia Rivera, a Pilar Lima, e a Carlos Lemuz para seu friendship,
participação em estágios diferentes do fieldwork, e contribuição com idéias. Meus
agradecimentos vão também a Terence D'Altroy, a Michael Malpass, a República do Tchad
Gifford, a Charles Hastings, a Ramiro Matos, a John Janusek, e a Deborah Blom para
compartilhar de informação unpublished. Mary McElhinny, Vincent McElhinny, e Ruth
Fauman-Fichman ajudaram-me generosa melhorar a qualidade do manuscrito. Eu gostaria
também de agradecer os revisores anonymous para seus comentários valiosos.

Notas

(1.) Saignes (1985: 19) consideram que Guancane estêve relacionado ao Inka Huayna
Capac.

(2.) A região de Oroncota tem um preponderance de estilos da cerâmica de Yampara


including Hatun Yampara. A região teve também o acesso largo à cerâmica importada dos
vales na vizinhança, que poderia ser devido a uma rede interregional extensiva da troca ou à
composição multiethnic destes vales. Os assemblages adiantados de Yampara incluem a
cerâmica adiantada de Yampara e estilos importados de Omereque e de Uruquilla; o período
de Yampara do clássico é composto de Hatun Yampara e cerâmica clássica de Yampara
including estilos de Uruquilla e de Yura; no período atrasado de Yampara-Inka os estilos
comuns incluem os Ware brancos de Oroncota, estilos simples de Yampara, de presto Puno,
e de Yampara-Inka, com uma diminuição da cerâmica importada. Os estilos como Uruquilla
e a borda grossa Incised e carimbados estão atuais durante a seqüência inteira, com uma
tendência declinar sobre o tempo. Para uma descrição mais detalhada destes estilos
cerâmicos e do seu cronológico, os atributos tecnologicos, e decorativos vêem (Alconini
2002; Alconini e Rivera 2003; Al elétrico 1993-1996 de Janusek: Janusek e Blom 2005:
Parssinen 1997).

(3.) AGI, Charcas 44, ff. 151 V. (cited em Julien 1995:105), relaciona as reivindicações de
Francisco Aymoro, um cacique de Yampara, que Guayna Capac o forneceu com os mitimas
para defender fortresses de Yampara de encontro aos intrusions de Chiriguano.

(4.) K-significa que a fórmula é

SSE = [soma sobre (i = 1)] [[([X.sub.i] - [X.sub.ci]) .sup.2] + [(([Y.sub.i] - [Y.sub.ci])


.sup.2]]
(5.) Comparar o tamanho de únicos locais componentes evitou a dificuldade do aumento de
avaliação do tamanho nos estabelecimentos com mais de um período da ocupação.

(6.) A informação detalhada a respeito das comparações spatial e da inter-área pode ser
encontrada em meu dissertation doctoral (Alconini 2002).

As referências Cited