Anda di halaman 1dari 11

The Effectiveness of Triarchic Teaching

and Assessment

A eficácia do ensino e a avaliação


triarquica

De acordo com a Teoria da Inteligência Triarquica de Sternberg, a inteligência resulta


de componentes de processamento de informação sendo aplicados à experiência para
fins de adaptação, modelagem e seleção de ambientes. De acordo com essa teoria, a
inteligência e as habilidades intelectuais que a constituem e formam a base das
realizações intelectuais são formas de desenvolver expertise - elas podem ser
desenvolvidas como qualquer outra forma de conhecimento. Habilidades não são
fixas, mas sim flexíveis.

Noções básicas da teoria trítrica

A teoria triarquica é baseada na noção de que todos os alunos precisam aprender um ciclo de
solução de problemas. Primeiro, eles precisam identificar problemas. Em outras palavras, eles
precisam saber que devem fazer o dever de casa, estudar para um teste, escrever um artigo e
entregá-lo a tempo. Em segundo lugar, eles precisam alocar recursos para resolver o problema.
Por exemplo, eles precisam pensar com antecedência sobre quanto tempo e esforço dedicar a
fazer o dever de casa, estudar para um teste ou escrever um artigo. Eles também precisam
planejar quando começarão e terminarão seu trabalho. Terceiro, eles precisam formular uma
estratégia para resolver o problema. Por exemplo, eles precisam decidir como fazer o dever de
casa, ou estudar para o teste, ou obter seu trabalho escrito. Que tipos de notas eles usarão?
Que tipos de estratégias de estudo funcionarão melhor, levando em conta o que precisam
fazer? Que tipo de ajuda eles precisarão? Em quarto lugar, eles precisam monitorar sua
resolução de problemas. Por exemplo, como eles estão estudando ou escrevendo um artigo,
eles precisam estar cientes de que as coisas estão indo bem ou se estão encontrando
problemas que precisam consertar. Quinto, eles precisam avaliar sua resolução de problemas.
Depois de concluírem a tarefa em que estão trabalhando, precisam decidir se seu trabalho é
adequado ou se precisam melhorar o que fizeram.
De acordo com a teoria triarquica, três tipos de pensamento são essenciais para a
resolução de problemas, em particular, e para a inteligência humana, em geral.

O pensamento analítico ocorre quando os componentes são aplicados a tipos


relativamente familiares de problemas em sua forma abstraída. O pensamento
analítico está envolvido quando as pessoas analisam, avaliam, julgam, comparam e
contrastam e criticam. Por exemplo, pode-se pedir a um aluno que avalie as
suposições subjacentes a um argumento lógico ou compare e contraste os temas
subjacentes a duas histórias curtas.
O pensamento criativo ocorre quando os componentes do processamento de
informações são aplicados a tipos relativamente novos de problemas. O
pensamento criativo está envolvido quando as pessoas criam, inventam,
descobrem, exploram, supõem e imaginam. Por exemplo, pode ser solicitado a um
aluno que crie um poema ou invente uma armadilha de rato melhor.
O pensamento prático ocorre quando os componentes do processamento da
informação são aplicados a problemas cotidianos altamente contextualizados. O
pensamento prático está envolvido quando as pessoas aplicam, utilizam, utilizam,
implementam e contextualizam. Por exemplo, pode-se perguntar a um aluno como
as lições da Guerra do Vietnã são e não são relevantes para a situação que surgiu
na Sérvia, ou como aplicar técnicas algébricas para determinar os juros compostos
de um investimento.
Validação da Teoria
Estamos interessados não apenas em propor teorias, mas também em conduzir
testes rigorosos dessas teorias no laboratório, na sala de aula e no local de
trabalho. Algumas das principais descobertas desses estudos são as seguintes:

Os aspectos analíticos, criativos e práticos da inteligência podem ser medidos por


meio de formatos de múltipla escolha e ensaio. A modelagem formal suporta o
modelo triarquico de inteligência sobre modelos concorrentes, como um modelo de
um fator geral abrangente e um modelo de fatores de conteúdo. Inteligência
analítica, criativa e prática são essencialmente distintas; não há um fator geral de
inteligência que se aplique a todos os tipos de tarefas intelectuais.
Testes de habilidades intelectuais analíticas tendem a se correlacionar bem com
testes convencionais de habilidades intelectuais, porque esses testes medem o que
os testes convencionais medem.
Testes de habilidades intelectuais criativas são relativamente específicos ao domínio
e correlacionam-se fracamente a moderadamente com testes convencionais de
inteligência, sendo as correlações mais altas quanto mais novo o conteúdo dos
testes convencionais.
Testes de habilidades intelectuais práticas correlacionam-se fracamente ou não com
testes convencionais de inteligência e preveem o sucesso ocupacional no mundo
real, bem como ou melhor que os testes convencionais de inteligência acadêmica,
complementando assim os testes convencionais. Em circunstâncias especiais,
testes de inteligência prática podem mostrar correlações negativas com testes de
habilidade convencionais.
Nossos dados
Em nossa pesquisa anterior, mostramos que é possível, por meio de intervenções
instrucionais, melhorar as habilidades de pensamento analítico, as habilidades de
pensamento criativo e as habilidades de pensamento prático. Em nossa pesquisa
mais recente, mostramos que a teoria triarquica pode ser aplicada para melhorar o
desempenho dos alunos na escola (Sternberg, 1997; Sternberg et al., 2000).

O Estudo de Interação de Tratamento de Aptidão Triacrica


Neste estudo, examinamos se a teoria triarquica daria origem a uma interação de
aptidão no contexto de um curso de psicologia de nível universitário ministrado a
alunos do ensino médio que foram selecionados por seu padrão de habilidade
triarquica e depois ensinados de uma maneira melhor ou mais mal combinado seu
padrão de habilidade, e cuja conquista foi avaliada triarcicamente também. Assim,
um aspecto crucial deste estudo foi que a identificação dos participantes, a
instrução dos participantes e a avaliação das conquistas dos participantes
baseavam-se na teoria triarquímica da inteligência. A motivação para este estudo
foi mostrar que os meios convencionais de ensino e avaliação podem
sistematicamente desvalorizar os alunos criativos e praticamente orientados. Esses
alunos podem ter a capacidade de apresentar um bom desempenho, mas podem
atuar em níveis mais baixos do que aqueles de que são capazes, porque nem a
forma de instrução nem a forma de avaliação correspondem bem ao seu padrão de
força.
Os participantes consistiram de 199 estudantes do ensino médio (146 do sexo
feminino e 53 do sexo masculino) entre 326 que foram testados e que foram
selecionados para participar de um programa de verão com base em seus padrões
de habilidades. Os participantes do programa eram 60% europeus-americanos, 11%
afro-americanos, 6% hispano-americanos e 17% americanos de outra minoria étnica
(portanto, um total de 34% de minorias étnicas dos EUA). Outros 4% eram da África
do Sul e 2% eram de outras localidades.

Os participantes foram identificados com alta capacidade analítica (20%), alta


capacidade criativa (19%), alta habilidade prática (18%), alta balanceada (alta em
todas as três habilidades - 20%) e baixa balanceada ( isto é, baixa em todas as três
habilidades - 24%). A identificação foi realizada através de um formulário de
pesquisa do Teste de Habilidades Triatricas de Sternberg (STAT), que se baseia na
teoria triarctica. Foram realizados 9 testes de múltipla escolha, cruzando 3 tipos de
habilidades (analítica, criativa, prática) com 3 tipos de conteúdo (verbal,
quantitativo, figurativo), além de 3 testes de ensaio (analítico, criativo, prático). Por
exemplo, o teste de escolha múltipla analítico verbal envolveu a inferência de
significados de palavras desconhecidas de contextos de parágrafos, e o teste de
escolha múltipla de figuras práticas envolveu mapas de uso de planejamento de
rotas. Como outro exemplo, o ensaio criativo exigia que os participantes
projetassem sua escola ideal.
A instrução de 4 semanas para o curso envolveu elementos comuns e únicos para
cada grupo instrucional. Duas partes eram comuns: o texto de psicologia de nível
universitário, que continha conteúdo analítico, criativo e prático; e as palestras da
manhã, ministradas por um professor premiado, que envolvia elementos analíticos,
criativos e práticos. A manipulação experimental ocorreu à tarde, quando os
participantes foram designados para uma seção de discussão que enfatizava o
processamento de memória, analítico, criativo ou prático, e que era melhor ou pior
para o padrão testado de habilidades dos participantes.

Por exemplo, a instrução orientada para a memória pode pedir aos alunos que
lembrem os principais elementos da teoria cognitiva da depressão; instrução
analiticamente orientada pode pedir aos alunos que comparem e contrastem o
cognitivo com a teoria psicanalítica da depressão; a instrução orientada
criativamente pode pedir aos alunos que inventem sua própria teoria da depressão,
aproveitando-se, mas indo além das teorias do passado; e instruções praticamente
orientadas podem pedir aos alunos que mostrem como poderiam usar as teorias
existentes sobre depressão para ajudar um amigo deprimido.
Todos os participantes foram testados através de trabalhos de casa, um exame
intercalar, um exame final e um projeto independente. Todas as avaliações foram
avaliadas para conquistas analíticas, criativas e práticas. Os exames também
incluíram itens de múltipla escolha que mediram o desempenho da memória.

Todas as correlações dos escores dos testes de habilidade (analítico, criativo,


prático) com todas as medidas de aproveitamento foram estatisticamente
significativas, refletindo talvez o fato de que a instrução e a avaliação foram
guiadas pela mesma teoria do instrumento de identificação (ou seja, o STAT). Mais
importante foi a interação aptidão-tratamento, que também foi estatisticamente
significativa para todos os grupos de habilidades. Em outras palavras, os alunos que
foram melhor comparados triarquicamente em termos de seu padrão de habilidades
superaram os alunos que eram mais mal-adaptados. Talvez tão interessante tenha
sido o resultado que o teste analítico (do tipo QI) tendeu a identificar como
superdotados, em sua maioria crianças brancas, de classe média e média alta de
classe socioeconômica, que eram estudantes nas chamadas escolas “boas”. Os
testes práticos e criativos, no entanto, identificaram os alunos de uma mistura
muito mais ampla de grupos étnicos, níveis socioeconômicos e formações
educacionais como talentosos.
Os Estudos Instrucionais Triarchicos em Estudos Sociais e Ciência
Em um conjunto de estudos de acompanhamento, procuramos mostrar que, em
termos de efeitos principais simples, a instrução triarquímica é potencialmente
superior a outras formas de instrução, independentemente dos padrões de
habilidades dos alunos. A teoria triarquica sustenta que os estudantes devem ser
instruídos de uma maneira que os ajude a capitalizar seus pontos fortes e a corrigir
e compensar as fraquezas. Assim, idealmente, os alunos serão ensinados de todas
as três formas (analiticamente, criativamente, praticamente), bem como para a
memória. Esses estudos foram conduzidos nas próprias escolas dos alunos, em vez
de em um ambiente especial de verão; seus professores eram seus professores de
sala de aula reais; e o material que eles estudaram era o material real que eles
estavam estudando como parte de sua instrução regular, adequadamente
modificado conforme necessário para o estudo.

Os participantes de um estudo da escola primária incluíram 213 alunos do terceiro


ano (106 meninos e 107 meninas) em duas escolas de ensino fundamental em
Raleigh, Carolina do Norte. Ambas as escolas atendem a uma população
diversificada de estudantes quase exclusivamente de nível socioeconômico baixo,
incluindo grandes grupos de estudantes afro-americanos, hispano-americanos e
asiáticos. Um total de nove turmas de 20 a 25 alunos participaram da pesquisa.
Durante a intervenção, os alunos receberam uma unidade de instrução sobre o
tema das comunidades - uma unidade de estudos sociais exigida para alunos da
terceira série na Carolina do Norte. Nenhum texto formal foi usado para a unidade,
mas os materiais foram desenvolvidos pelos professores. A intervenção ocorreu
durante 10 semanas, 4 dias por semana, durante 45 minutos por dia, num total de
30 horas de instrução.

Os participantes de um estudo da escola secundária consistiram em 141 alunos da


oitava série (68 meninos e 73 meninas) tirados de todo o país a partir de origens de
classe média predominantemente brancas. Os alunos fizeram um curso de
psicologia de verão em Baltimore, MD, ou Fresno, CA, em conexão com o Center for
Academic Advancement da John Hopkins University. O curso de 10 seções ocorreu
em duas sessões intensivas de 3 semanas. As turmas atendiam 5 dias por semana
com 7 horas de aula por dia.

Em ambos os estudos, os alunos foram divididos em três grupos instrucionais:


tradicional (orientado para a memória), crítico (orientado analiticamente) e
triarquizado (analiticamente, criativamente e praticamente orientado). O tempo de
instrução foi o mesmo em cada condição, e todos os professores foram
devidamente atendidos.
Para ilustrar os três diferentes tratamentos instrucionais, considere três maneiras
pelas quais uma unidade de terceiro grau em serviços públicos (por exemplo, fogo,
polícia) pode ser ensinada. A abordagem adotada na instrução tradicional era que
as crianças memorizassem os nomes e as funções dos vários serviços públicos. Na
instrução do pensamento crítico, foi realizado um esforço analítico adicional, em
que os alunos compararam e contrastaram os diferentes serviços e avaliaram quais
manter - e por quê - em caso de crise orçamentária. Na instrução triarquica, os
estudantes podem adicionalmente ser convidados a inventar seu próprio serviço
público, a descrever seus meios e fins, e a comparar este novo serviço público com
os convencionais.

Os alunos de ambos os estudos foram avaliados quanto ao aproveitamento baseado


na memória (por meio de testes de múltipla escolha), bem como para conquistas
analíticas, criativas e práticas (por meio de testes de redação). Por exemplo, uma
avaliação orientada à memória pode perguntar qual dos vários funcionários é eleito.
Uma avaliação analítica pode pedir aos alunos que escrevam uma página
explicando o que uma pessoa em determinada posição governamental (por
exemplo, prefeito de Raleigh) faz, por que a posição é necessária e por que a
posição é de autoridade. Uma avaliação criativa pode pedir ao aluno que imagine
um lugar onde ninguém tentou ser um bom cidadão e escrever sobre a visita de um
aluno da terceira série a esse local. Uma avaliação prática pode perguntar ao aluno
como lidar com uma situação na qual ele ou ela é responsável pelo ensino de
estudantes de 8 anos que visitam da Inglaterra diferentes tipos de serviços
governamentais disponíveis em Raleigh, Carolina do Norte.
Os resultados dos dois estudos foram aproximadamente comparáveis. Em geral, a
instrução triarquímica era superior aos outros modos de instrução, mesmo em itens
de múltipla escolha baseados em memória. Em outras palavras, os alunos
mostraram um melhor desempenho acadêmico por meio da instrução triarquica,
mesmo que sua conquista tenha sido medida em termos de desempenho puro
baseado em memória. No estudo do ensino fundamental, os alunos também
receberam um questionário de autoavaliação para o qual os alunos foram
questionados sobre o quanto eles gostaram do curso, o quanto eles acharam que
aprenderam no curso e como eles achavam que eles gostavam no curso. Os alunos
do grupo triarcico geralmente davam notas significativamente mais altas do que os
alunos dos outros dois grupos.
Os estudos da leitura trítrica
Mais recentemente, estendemos nosso trabalho na aplicação da teoria triarquica na
sala de aula com o objetivo de melhorar o desempenho de leitura (Sternberg &
Grigorenko, 2000). Escolhemos como alvo um grupo de alunos com as pontuações
médias de leitura entre as mais baixas no estado de Connecticut (de acordo com as
pontuações do Connecticut Mastery Test), ou seja, alunos em escolas públicas de
New Haven. O projeto teve três partes. Uma parte era um estudo da comunidade do
ensino médio, uma segunda parte de um estudo Summerbridge (programa de
verão) e uma terceira parte de um estudo em uma escola de ensino médio da
comunidade. Todos esses estudos foram de longo prazo e foram totalmente
infundidos, com base em unidades de currículo existentes, em vez de introduzir
novos. Como nos estudos anteriores, estávamos tentando ajudar os professores a
melhorar o que já estavam fazendo (por exemplo, ensinar a ler), em vez de dar a
eles um novo currículo que eles provavelmente rejeitariam por falta de tempo.

O primeiro, o estudo do ensino médio, envolveu duas fases. Na fase 1, 2 escolas (10
professores e 146 estudantes) participaram como um grupo experimental e 2
escolas (4 professores e 171 estudantes) participaram como um grupo de controle.
Na fase 2, 4 escolas (14 professores e 350 alunos) participaram como grupo
experimental e 3 escolas (9 professores e 225 estudantes) participaram como
grupos de controle. O material de leitura deste estudo foi o material que os
estudantes estavam estudando na escola, a saber, histórias de Light Up the Sky, um
leitor basal do Tesouro de Literatura de Harcourt Brace. Neste estudo, todos os
alunos receberam um pré-teste envolvendo 2 avaliações de vocabulário, 2 de
compreensão e 2 de lição de casa (seção levar para casa) e um pós-teste com os
mesmos elementos. Apenas os alunos experimentais receberam a intervenção, com
os outros alunos recebendo suas instruções normais de leitura. Todos os professores
(experimental e controle) estavam envolvidos no desenvolvimento profissional
voltado para o seu papel apropriado. Assim, os professores do grupo experimental
estavam envolvidos no ensino triarquico e os professores do grupo de controle
sobre o uso de mnemônicos para ajudar a melhorar o desempenho da memória do
aluno. O programa durou de novembro até o final do ano letivo.
O segundo, o estudo Summerbridge, foi de menor abrangência, envolvendo 5
professores e 33 alunos da sétima série como grupo experimental e nenhum
professor e 29 alunos da sétima série como grupo controle. Neste estudo, todos os
alunos foram aceitos para um programa de verão e, em seguida, os alunos
experimentais que foram selecionados aleatoriamente do grupo total foram
informados de que receberiam o programa de verão no verão de 1998. Os alunos
de controle, também selecionados aleatoriamente, participaram do programa de
verão no verão de 1999. No estudo de Summerbridge, o material de leitura foi
escolhido por professores regulares do programa, e incluiu dois romances, A Raisin
in the Sun e The Lottery Rose. Todos os alunos receberam um pré-teste e um pós-
teste. A intervenção de 6 semanas foi dada apenas aos alunos do grupo
experimental.

Nesses estudos, o objetivo era suplementar a instrução de leitura padrão - que


incluía elementos fonológicos e lingüísticos inteiros - com uma intervenção
especificamente triarcal. Um exemplo de uma atividade analítica seria criar uma
linha do tempo que exige que os alunos ordenem uma série de eventos importantes
que aconteceram em uma história. Para a história “Professor por um dia”, os alunos
são informados de que primeiro Belva foi para a escola, então Miss Englehardt ficou
tonta, então Belva ensinou a turma, depois ____, então Belva usou a alavanca para
mover a pedra. Os alunos tiveram que preencher o espaço em branco com um dos
quatro eventos. Um exemplo de atividade criativa, realizada após a leitura da
história “Muitos luas”, exigia que os alunos especulassem, com base em
informações incompletas, por que existem arco-íris após tempestades, por que os
arco-íris podem ter cores diferentes e por que as vacas dizem "MOO" na maior parte
do tempo. Um exemplo de atividade prática, feita depois que os alunos leram “Um
Novo Lar em Ohio”, exigiu que os alunos planejassem uma fuga da escravidão
usando uma ferrovia subterrânea. Os alunos receberam um mapa, um conjunto de
ferramentas e um conjunto de regras de sobrevivência para ajudá-los a planejar a
rota de fuga.
O terceiro estudo na escola envolveu o trabalho com professores em diferentes
áreas de estudo (inglês, matemática, ciências, artes, ciências sociais, história e
línguas estrangeiras), com foco no ensino de leitura de conteúdo. Os participantes
do estudo eram estudantes do ensino médio que frequentavam a 10ª a 12ª série do
ensino médio em New Haven e Ansonia, Connecticut. Um total de 432 estudantes
(130 do sexo feminino, 215 do sexo masculino e 87 do sexo não declarado)
participaram do estudo. Destes estudantes, 201 (46,5%) frequentavam escolas
matriculadas no grupo triarquico (2 escolas de New Haven) e 231 frequentavam a
escola de controle (em Ansonia). Os guias dos professores e as avaliações dos
alunos foram desenvolvidos com base no currículo específico de cada professor.

Analisamos os dados desses estudos de várias formas. Uma maneira era olhar para
mudanças no comportamento do professor. Antes de nossa intervenção no ensino
médio, os professores em uma aula típica de sala de aula usavam uma média de 18
atividades analíticas de memória (combinadas), 0 atividades criativas e 3 atividades
práticas. Após a intervenção, os professores do grupo experimental usaram uma
média de 18 atividades analíticas de memória, 13 atividades criativas e 17
atividades práticas. A intervenção, portanto, teve um efeito enorme (e significativo)
sobre o comportamento do professor no ensino da leitura. A análise do
comportamento individual do professor revelou que quase todos os professores
individuais apresentaram mudanças no comportamento como resultado da
intervenção. Os professores também foram solicitados a classificar o programa em
várias facetas em uma escala de 1 (baixa) a 7 (alta). Os índices de amostragem
foram 6,4 por interesse para o professor, 6,0 por interesse para os alunos, 6,2 por
motivar o professor e 6,1 por motivar os alunos. Os alunos também foram
solicitados por seus comentários. Do total, 35% gostaram muito das atividades,
51% gostaram das atividades, 10% não se importaram muito de um jeito ou de
outro, 2% não gostaram das atividades e 2% detestaram as atividades. Mais
importante ainda, foram as avaliações de melhoria objetiva. No estudo do ensino
médio, os estudantes experimentais mostraram ganhos significativamente maiores
do que os controles em leitura e vocabulário. Para o estudo da Summerbridge, os
alunos experimentais do programa mostraram ganhos significativamente maiores
do que os estudantes de controle em conquistas analíticas, criativas e práticas. Os
ganhos gerais foram significativamente maiores para os alunos experimentais do
que para os do grupo controle. No estudo do ensino médio, uma comparação das
habilidades de leitura / escrita dos alunos antes e depois da intervenção sugeriu
que o ensino triarcal melhorou significativamente o desempenho dos alunos em
relação ao ensino convencional. Como foi o caso no ensino médio, tanto professores
como alunos avaliaram positivamente o programa.
Conclusão
O ensino trítrico - ensinar os alunos não apenas à memória, mas também ao
processamento analítico, criativo e prático - funciona. Ele melhora as realizações
avaliadas por meio de avaliações convencionais ou de desempenho em todos os
níveis de ensino e em todas as áreas temáticas que examinamos, em todos os
níveis socioeconômicos e de aproveitamento dos alunos.
O ensino trítrico é fácil de fazer. Os principais princípios são simples:

Algumas vezes, ensine analiticamente, ajudando os alunos a aprender a analisar,


avaliar, comparar e contrastar, criticar e julgar.
Algumas vezes, ensinar de forma criativa, ajudando os alunos a aprender a criar,
inventar, imaginar, descobrir, explorar e supor.
Algumas vezes, ensine de maneira prática, ajudando os alunos a aprender a aplicar,
usar, utilizar, contextualizar, implementar e colocar em prática.
Algumas vezes, permita que todos os alunos aproveitem seus pontos fortes.
Na maioria das vezes, permitem que todos os alunos corrijam ou compensem suas
fraquezas.
Certifique-se de que suas avaliações correspondem ao seu ensino, recorrendo a
habilidades analíticas, criativas e práticas, bem como à memória.
Valorize os diversos padrões de habilidades em todos os alunos.

Qualquer professor sabe ensinar triarticamente. Nosso objetivo é simplesmente dar


aos professores uma "receita" simples de seguir para garantir que os professores
façam o que já sabem fazer. Você pode começar a ensinar triarticamente
imediatamente e começar a ver melhorias significativas nas realizações e atitudes
de seus alunos.

https://translate.google.com.br/translate?hl=pt-
BR&sl=en&u=https://nrcgt.uconn.edu/newsletters/spring002/&prev=search

https://nrcgt.uconn.edu/newsletters/spring002/

Robert J. Sternberg
(1949-)
Psicólogo Cognitivo

Influências

 Estudante de:

 Influenciado por: Piaget , Psicologia do


Processamento de Informação

 Alunos:

 Influenciado:

 Período de tempo: esforços atuais

Educação
 Universidade de Yale, BA em psicologia (1972)

 Universidade de Stanford, Ph.D. (1975)

Carreira

 The Psychological Corporation, Assistente de Pesquisa (1968-1969)

 Serviço de Testes Educacionais, Assistente de Pesquisa (verão, 1970)

 Universidade de Yale, Escritório de Pesquisa Institucional, Assistente de


Pesquisa (1970-1971)

 Universidade de Yale, Departamento de Psicologia, Professor


Assistente (1975-1980); Professor Associado (1980-1983); Professor
(1983-1986); Professor IBM de Psicologia e Educação (1986-2005)

 Diretor do Centro Yale de Psicologia das Competências, Competências


e Expertise ( PACE Center ) (2000-2005)

 Presidente da Associação Americana de Psicologia (2003)

 Tufts University, Dean da Escola de Artes e Ciências (2005-2010)

 Diretor do Centro de Psicologia das Competências, Competências e


Expertise (Tufts University) (2006-2010)

 Reitor, vice-presidente sênior e professor de psicologia (Oklahoma


State University) (2010-presente)

 Consultor, The Psychological Corporation (1986-1989); Harcourt Brace


Jovanovich, Departamento Escolar (1989-1993); Grupo de
Desenvolvimento Educacional Harcourt Brace (1993-1994); Divisão da
faculdade de Harper Collins (1994-1996)

 Numerosos prêmios incluindo: Distinguished Scholar Award,


Associação Nacional de Superdotados (1985); Outstanding Book
Award, Associação Americana de Pesquisa Educacional (1987); Prêmio
de Excelência, Mensa Educação e Fundação de Pesquisa
(1989); Prêmio James McKeen Cattell, American Psychological Society
(1999);Listado como um dos "Top 100 Psicólogos do século 20"
American Psychological Association (APA) Monitor (2002); Prêmio EL
Thorndike de Realização em Psicologia Educacional, APA
(2003); aproximadamente 5 doutorados honorários
 Universidade Estadual de Oklahoma, Provost, Vice-Presidente Sênior,
Professora Regentes de Psicologia e Educação e Presidente da
Fundação para a Liderança Ética da George Kaiser Family (2010-2013)

 Universidade de Wyoming, presidente e professor de educação e


psicologia (2013)

 Cornell University, Professor de Desenvolvimento Humano (2014 -


Presente)

Definição de Inteligência

"Eu defino [inteligência] como sua habilidade em alcançar o que quer que
você queira alcançar em sua vida dentro de seu contexto sociocultural.
Capitalizando suas forças e compensando ou corrigindo suas fraquezas
( comunicação pessoal , 29 de julho de 2004). "

Contribuições Principais

 Teoria trítrica da inteligência humana

 Várias teorias influentes relacionadas à criatividade, sabedoria, estilos


de pensamento, amor e ódio

 Autor de mais de 1000 livros, capítulos de livros e artigos

Entrevista com o Dr. Sternberg (com videoclipes)

Clique aqui para ver a transcrição da entrevista e os videoclipes.

Ideias e Interesses

A espetacular carreira de pesquisa de Robert J. Sternberg em psicologia teve


um começo pouco auspicioso; Como muitos dos psicólogos descritos neste
site, seu interesse pela inteligência humana começou cedo. No caso do Dr.
Sternberg, no entanto, o interesse era intensamente pessoal. Na escola
primária, ele teve um desempenho ruim nos testes de QI, e as ações de seus
professores transmitiram suas baixas expectativas para seu progresso
futuro. Tudo mudou quando sua professora da quarta série, a Sra. Alexa, viu
que ele tinha potencial e desafiou-o a fazer melhor. Com o seu encorajamento,
ele se tornou um estudante de alto desempenho, acabando por se
formar summa cum laude e Phi Beta Kappa da Universidade de Yale. Em um
gesto de gratidão, Dr. Sternberg dedicou seu livro, Successful
Intelligence (1996) à Sra. Alexa ( comunicação pessoal , 29 de julho de 2004;
partes recuperadas de http://www.yale.edu/rjsternberg/about.html ) .
As experiências pessoais do Dr. Sternberg com testes de inteligência no ensino
fundamental o levaram a criar seu próprio teste de inteligência para um
projeto científico de 7ª série.Ele encontrou as escalas de Stanford-Binet na
biblioteca local e, com impertinência não intencional, começou a administrar
o teste a seus colegas de classe; seu próprio teste, o Teste de Habilidades
Mentais de Sternberg (STOMA) apareceu pouco depois ( comunicação
pessoal , 29 de julho de 2004). Nos anos seguintes, ele se destacou em muitos
domínios da psicologia, tendo publicado teorias influentes relacionadas à
inteligência, criatividade, sabedoria, estilos de pensamento, amor e ódio.

A Teoria Triarchica de Inteligência (Bem Sucedida) do Dr. Sternberg afirma


que o comportamento inteligente surge de um equilíbrio entre habilidades
analíticas, criativas e práticas, e que essas habilidades funcionam
coletivamente para permitir que indivíduos alcancem sucesso dentro de
contextos socioculturais específicos (Sternberg, 1988, 1997,
1999). ). Habilidades analíticas permitem que o indivíduo avalie, analise,
compare e contraste informações. Habilidades criativas geram invenção,
descoberta e outros empreendimentos criativos. As habilidades práticas unem
tudo, permitindo que os indivíduos apliquem o que aprenderam no contexto
apropriado. Para ter sucesso na vida, o indivíduo deve fazer o melhor uso de
seus pontos fortes analíticos, criativos e práticos, enquanto, ao mesmo tempo,
compensa fraquezas em qualquer uma dessas áreas. Isso pode envolver
trabalhar na melhoria de áreas fracas para se adaptar melhor às necessidades
de um ambiente específico ou optar por trabalhar em um ambiente que
valorize os pontos fortes específicos do indivíduo. Por exemplo, uma pessoa
com habilidades analíticas e práticas altamente desenvolvidas, mas com
habilidades criativas menos desenvolvidas, pode optar por trabalhar em um
campo que valorize o conhecimento técnico, mas não exija muito pensamento
imaginativo. Por outro lado, se a carreira escolhida realmente valoriza as
habilidades criativas, o indivíduo pode usar seus pontos fortes analíticos para
encontrar estratégias para melhorar essa fraqueza. Assim, uma característica
central da teoria triarcal da inteligência bem-sucedida é a adaptabilidade -
tanto dentro do indivíduo quanto dentro do contexto sociocultural do
indivíduo (Cianciolo & Sternberg, 2004).

Publicações selecionadas

Sternberg, RJ (1993). Teste de Habilidades Triatricas de


Sternberg. Instrumento de pesquisa não publicado disponível no autor.

Sternberg, RJ (1985). Além do QI: Uma teoria triarquica da inteligência


humana. Nova York: Cambridge University Press.

Sternberg, RJ (1996). Inteligência bem sucedida. Nova Iorque: Simon &


Schuster. (Edição em brochura: Nova York: Dutton, 1997).
Sternberg, RJ, e Spear-Swerling, L. (1996). Ensinando para
pensar. Washington, DC: Associação Americana de Psicologia.

Sternberg, RJ (1997). Estilos de pensamento. Nova York: Cambridge


University Press.

Sternberg, RJ (2000). Sabedoria como forma de superdotação. Criança


superdotada trimestralmente, 44 (4), 252-259.

Sternberg, RJ, & Grigorenko, EL (2000). Ensinando para inteligência de


sucesso. Arlington Heights, IL: Treinamento Skylight e Publishing Inc.

Referências

Sternberg, RJ (1996). Inteligência bem sucedida. Nova Iorque: Simon &


Schuster. (Edição em brochura: Nova York: Dutton, 1997).

Cianciolo, AT, & Sternberg, RJ (2004 ). Inteligência: uma breve


história. Malden, MA: Blackwell Publishing.

Sternberg, RJ (1988). A mente triarquica: Uma nova teoria da inteligência


humana. Nova Iorque: Viking. Cortesia de imagem de Robert J. Sternberg,
tomada por Michael Marsland, universidade de Yale, escritório de relações
públicas.