Anda di halaman 1dari 113

Companhia Municipal de Limpeza Urbana

COMLURB
Profissional de Operações de Limpeza e Serviços Urbanos

Função: Gari
A apostila preparatória é elaborada antes da publicação do Edital Oficial com
base no Edital anterior, para que o aluno antecipe seus estudos.

AB088-2017
DADOS DA OBRA

Título da obra: Companhia Municipal de Limpeza Urbana - COMLURB

Cargo: Profissional de Operações de Limpeza e Serviços Urbanos - Função: Gari

Atualizado até 04/2017

• Língua Portuguesa
• Matemática

Gestão de Conteúdos
Emanuela Amaral de Souza

Produção Editorial/Revisão
Elaine Cristina
Igor de Oliveira
Suelen Domenica Pereira

Capa
Rosa Thaina dos Santos

Editoração Eletrônica
Marlene Moreno

Gerente de Projetos
Bruno Fernandes
APRESENTAÇÃO

PARABÉNS! ESTE É O PASSAPORTE PARA SUA APROVAÇÃO.

A Nova Concursos tem um único propósito: mudar a vida das pessoas.


Vamos ajudar você a alcançar o tão desejado cargo público.
Nossos livros são elaborados por professores que atuam na área de Concursos Públicos. Assim a
matéria é organizada de forma que otimize o tempo do candidato. Afinal corremos contra o tempo,
por isso a preparação é muito importante.
Aproveitando, convidamos você para conhecer nossa linha de produtos “Cursos online”, conteúdos
preparatórios e por edital, ministrados pelos melhores professores do mercado.
Estar à frente é nosso objetivo, sempre.
Contamos com índice de aprovação de 87%*.
O que nos motiva é a busca da excelência. Aumentar este índice é nossa meta.
Acesse www.novaconcursos.com.br e conheça todos os nossos produtos.
Oferecemos uma solução completa com foco na sua aprovação, como: apostilas, livros, cursos on-
line, questões comentadas e treinamentos com simulados online.
Desejamos-lhe muito sucesso nesta nova etapa da sua vida!
Obrigado e bons estudos!

*Índice de aprovação baseado em ferramentas internas de medição.

CURSO ONLINE

PASSO 1
Acesse:
www.novaconcursos.com.br/passaporte

PASSO 2
Digite o código do produto no campo indicado no
site.
O código encontra-se no verso da capa da apostila.
*Utilize sempre os 8 primeiros dígitos.
Ex: FV054-17

PASSO 3
Pronto!
Você já pode acessar os conteúdos online.
SUMÁRIO

Língua Portuguesa

Compreensão de texto........................................................................................................................................................................................... 01
Sinônimos. Antônimos. ......................................................................................................................................................................................... 06
Ortografia. .................................................................................................................................................................................................................. 12
Plural e feminino dos substantivos e adjetivos............................................................................................................................................. 16
Emprego dos pronomes pessoais. .................................................................................................................................................................... 16
Verbos. ......................................................................................................................................................................................................................... 16
Concordância entre substantivo e adjetivo e entre verbo e substantivo........................................................................................... 16

Matemática

Operações com números naturais e fracionários; adição, subtração, multiplicação e divisão; ................................................ 01
Sistemas de medidas: tempo, comprimento, capacidade, massa, quantidade................................................................................ 20
LÍNGUA PORTUGUESA

Compreensão de texto........................................................................................................................................................................................... 01
Sinônimos. Antônimos. ......................................................................................................................................................................................... 06
Ortografia. .................................................................................................................................................................................................................. 12
Plural e feminino dos substantivos e adjetivos............................................................................................................................................. 16
Emprego dos pronomes pessoais. .................................................................................................................................................................... 16
Verbos. ......................................................................................................................................................................................................................... 16
Concordância entre substantivo e adjetivo e entre verbo e substantivo........................................................................................... 16
LÍNGUA PORTUGUESA

Interpretar X compreender
COMPREENSÃO DE TEXTO.
Interpretar significa
- Explicar, comentar, julgar, tirar conclusões, deduzir.
É muito comum, entre os candidatos a um cargo públi- - Através do texto, infere-se que...
co, a preocupação com a interpretação de textos. Por isso, - É possível deduzir que...
vão aqui alguns detalhes que poderão ajudar no momento - O autor permite concluir que...
de responder às questões relacionadas a textos. - Qual é a intenção do autor ao afirmar que...

Texto – é um conjunto de ideias organizadas e relacio- Compreender significa


nadas entre si, formando um todo significativo capaz de - intelecção, entendimento, atenção ao que realmente
produzir interação comunicativa (capacidade de codificar está escrito.
e decodificar ). - o texto diz que...
- é sugerido pelo autor que...
Contexto – um texto é constituído por diversas frases. - de acordo com o texto, é correta ou errada a afirma-
Em cada uma delas, há uma certa informação que a faz ção...
ligar-se com a anterior e/ou com a posterior, criando con- - o narrador afirma...
dições para a estruturação do conteúdo a ser transmitido.
A essa interligação dá-se o nome de contexto. Nota-se que Erros de interpretação
o relacionamento entre as frases é tão grande que, se uma
frase for retirada de seu contexto original e analisada se- É muito comum, mais do que se imagina, a ocorrência
paradamente, poderá ter um significado diferente daquele de erros de interpretação. Os mais frequentes são:
inicial. - Extrapolação (viagem): Ocorre quando se sai do con-
texto, acrescentado ideias que não estão no texto, quer por
Intertexto - comumente, os textos apresentam refe-
conhecimento prévio do tema quer pela imaginação.
rências diretas ou indiretas a outros autores através de ci-
tações. Esse tipo de recurso denomina-se intertexto.
- Redução: É o oposto da extrapolação. Dá-se atenção
apenas a um aspecto, esquecendo que um texto é um con-
Interpretação de texto - o primeiro objetivo de uma
junto de ideias, o que pode ser insuficiente para o total do
interpretação de um texto é a identificação de sua ideia
principal. A partir daí, localizam-se as ideias secundárias, entendimento do tema desenvolvido.
ou fundamentações, as argumentações, ou explicações,
que levem ao esclarecimento das questões apresentadas - Contradição: Não raro, o texto apresenta ideias con-
na prova. trárias às do candidato, fazendo-o tirar conclusões equivo-
cadas e, consequentemente, errando a questão.
Normalmente, numa prova, o candidato é convidado a:
- Identificar – é reconhecer os elementos fundamen- Observação - Muitos pensam que há a ótica do es-
tais de uma argumentação, de um processo, de uma época critor e a ótica do leitor. Pode ser que existam, mas numa
(neste caso, procuram-se os verbos e os advérbios, os quais prova de concurso, o que deve ser levado em consideração
definem o tempo). é o que o autor diz e nada mais.
- Comparar – é descobrir as relações de semelhança
ou de diferenças entre as situações do texto. Coesão - é o emprego de mecanismo de sintaxe que
- Comentar - é relacionar o conteúdo apresentado relaciona palavras, orações, frases e/ou parágrafos entre si.
com uma realidade, opinando a respeito. Em outras palavras, a coesão dá-se quando, através de um
- Resumir – é concentrar as ideias centrais e/ou secun- pronome relativo, uma conjunção (NEXOS), ou um prono-
dárias em um só parágrafo. me oblíquo átono, há uma relação correta entre o que se
- Parafrasear – é reescrever o texto com outras pala- vai dizer e o que já foi dito.
vras. OBSERVAÇÃO – São muitos os erros de coesão no dia
-a-dia e, entre eles, está o mau uso do pronome relativo e
Condições básicas para interpretar do pronome oblíquo átono. Este depende da regência do
Fazem-se necessários: verbo; aquele do seu antecedente. Não se pode esquecer
- Conhecimento histórico–literário (escolas e gêneros também de que os pronomes relativos têm, cada um, valor
literários, estrutura do texto), leitura e prática; semântico, por isso a necessidade de adequação ao ante-
- Conhecimento gramatical, estilístico (qualidades do cedente.
texto) e semântico; Os pronomes relativos são muito importantes na in-
Observação – na semântica (significado das palavras) terpretação de texto, pois seu uso incorreto traz erros de
incluem--se: homônimos e parônimos, denotação e cono- coesão. Assim sendo, deve-se levar em consideração que
tação, sinonímia e antonímia, polissemia, figuras de lingua- existe um pronome relativo adequado a cada circunstância,
gem, entre outros. a saber:
- Capacidade de observação e de síntese e - que (neutro) - relaciona-se com qualquer anteceden-
- Capacidade de raciocínio. te, mas depende das condições da frase.

1
LÍNGUA PORTUGUESA

- qual (neutro) idem ao anterior. Texto para a questão 2:


- quem (pessoa) DA DISCRIÇÃO
- cujo (posse) - antes dele aparece o possuidor e depois Mário Quintana
o objeto possuído. Não te abras com teu amigo
- como (modo) Que ele um outro amigo tem.
- onde (lugar) E o amigo do teu amigo
quando (tempo) Possui amigos também...
quanto (montante) (http://pensador.uol.com.br/poemas_de_amizade)

Exemplo: 2-) (PREFEITURA DE SERTÃOZINHO – AGENTE COMUNI-


Falou tudo QUANTO queria (correto) TÁRIO DE SAÚDE – VUNESP/2012) De acordo com o poema,
Falou tudo QUE queria (errado - antes do QUE, deveria é correto afirmar que
aparecer o demonstrativo O ). (A) não se deve ter amigos, pois criar laços de amizade
é algo ruim.
Dicas para melhorar a interpretação de textos (B) amigo que não guarda segredos não merece respei-
to.
- Ler todo o texto, procurando ter uma visão geral do (C) o melhor amigo é aquele que não possui outros ami-
assunto; gos.
- Se encontrar palavras desconhecidas, não interrompa (D) revelar segredos para o amigo pode ser arriscado.
a leitura; (E) entre amigos, não devem existir segredos.
- Ler, ler bem, ler profundamente, ou seja, ler o texto
pelo menos duas vezes; 3-) (GOVERNO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO – SE-
- Inferir; CRETARIA DE ESTADO DA JUSTIÇA – AGENTE PENITENCIÁ-
- Voltar ao texto quantas vezes precisar; RIO – VUNESP/2013) Leia o poema para responder à questão.
- Não permitir que prevaleçam suas ideias sobre as do
autor; Casamento
- Fragmentar o texto (parágrafos, partes) para melhor
compreensão; Há mulheres que dizem:
- Verificar, com atenção e cuidado, o enunciado de Meu marido, se quiser pescar, pesque,
cada questão; mas que limpe os peixes.
- O autor defende ideias e você deve percebê-las. Eu não. A qualquer hora da noite me levanto,
ajudo a escamar, abrir, retalhar e salgar.
Fonte: É tão bom, só a gente sozinhos na cozinha,
http://www.tudosobreconcursos.com/materiais/portu- de vez em quando os cotovelos se esbarram,
gues/como-interpretar-textos ele fala coisas como “este foi difícil”
“prateou no ar dando rabanadas”
QUESTÕES e faz o gesto com a mão.
O silêncio de quando nos vimos a primeira vez
1-) (SABESP/SP – ATENDENTE A CLIENTES 01 – atravessa a cozinha como um rio profundo.
FCC/2014 - ADAPTADA) Atenção: Para responder à ques-
Por fim, os peixes na travessa,
tão, considere o texto abaixo.
vamos dormir.
A marca da solidão
Coisas prateadas espocam:
Deitado de bruços, sobre as pedras quentes do chão de
paralelepípedos, o menino espia. Tem os braços dobrados e a somos noivo e noiva.
testa pousada sobre eles, seu rosto formando uma tenda de (Adélia Prado, Poesia Reunida)
penumbra na tarde quente. A ideia central do poema de Adélia Prado é mostrar
Observa as ranhuras entre uma pedra e outra. Há, den- que
tro de cada uma delas, um diminuto caminho de terra, com (A) as mulheres que amam valorizam o cotidiano e não
pedrinhas e tufos minúsculos de musgos, formando pequenas gostam que os maridos frequentem pescarias, pois acham
plantas, ínfimos bonsais só visíveis aos olhos de quem é capaz difícil limpar os peixes.
de parar de viver para, apenas, ver. Quando se tem a marca da (B) o eu lírico do poema pertence ao grupo de mulhe-
solidão na alma, o mundo cabe numa fresta. res que não gostam de limpar os peixes, embora valorizem
(SEIXAS, Heloísa. Contos mais que mínimos. Rio de Janei- os esbarrões de cotovelos na cozinha.
ro: Tinta negra bazar, 2010. p. 47) (C) há mulheres casadas que não gostam de ficar so-
zinhas com seus maridos na cozinha, enquanto limpam os
No texto, o substantivo usado para ressaltar o universo peixes.
reduzido no qual o menino detém sua atenção é (D) as mulheres que amam valorizam os momentos
(A) fresta. mais simples do cotidiano vividos com a pessoa amada.
(B) marca. (E) o casamento exige levantar a qualquer hora da noi-
(C) alma.
te, para limpar, abrir e salgar o peixe.
(D) solidão.
(E) penumbra.

2
LÍNGUA PORTUGUESA

4-) (ANCINE – TÉCNICO ADMINISTRATIVO – CES- — Minha irmã.


PE/2012) — Mas por que não está escrito nada?
O riso é tão universal como a seriedade; ele abarca a — Ah, porque nós brigamos e não estamos nos falando!
totalidade do universo, toda a sociedade, a história, a con- Internet: <www.humortadela.com.br/piada> (com
cepção de mundo. É uma verdade que se diz sobre o mundo, adaptações).
que se estende a todas as coisas e à qual nada escapa. É, O efeito surpresa e de humor que se extrai do texto
de alguma maneira, o aspecto festivo do mundo inteiro, em acima decorre
todos os seus níveis, uma espécie de segunda revelação do A) da identificação numérica atribuída ao louco.
mundo. B) da expressão utilizada pelo carteiro ao entregar a
Mikhail Bakhtin. A cultura popular na Idade Média e o carta no hospício.
Renascimento: o contexto de François Rabelais. São Paulo: C) do fato de outro louco querer saber quem enviou
Hucitec, 1987, p. 73 (com adaptações).
a carta.
D) da explicação dada pelo louco para a carta em bran-
Na linha 1, o elemento “ele” tem como referente tex-
co.
tual “O riso”.
(...) CERTO ( ) ERRADO E) do fato de a irmã do louco ter brigado com ele.

5-) (ANEEL – TÉCNICO ADMINISTRATIVO – CESPE/2010) 8-) (CORREIOS – CARTEIRO – CESPE/2011)


Só agora, quase cinco meses depois do apagão que atin- Um homem se dirige à recepcionista de uma clínica:
giu pelo menos 1.800 cidades em 18 estados do país, surge — Por favor, quero falar com o dr. Pedro.
uma explicação oficial satisfatória para o corte abrupto e — O senhor tem hora?
generalizado de energia no final de 2009. O sujeito olha para o relógio e diz:
Segundo relatório da Agência Nacional de Energia Elé- — Sim. São duas e meia.
trica (ANEEL), a responsabilidade recai sobre a empresa es- — Não, não... Eu quero saber se o senhor é paciente.
tatal Furnas, cujas linhas de transmissão cruzam os mais de — O que a senhora acha? Faz seis meses que ele não me
900 km que separam Itaipu de São Paulo. paga o aluguel do consultório...
Equipamentos obsoletos, falta de manutenção e de in- Internet: <www.humortadela.com.br/piada> (com
vestimentos e também erros operacionais conspiraram para adaptações).
produzir a mais séria falha do sistema de geração e distri-
buição de energia do país desde o traumático racionamento No texto acima, a recepcionista dirige-se duas vezes ao
de 2001. homem para saber se ele
Folha de S.Paulo, Editorial, 30/3/2010 (com adapta- A) verificou o horário de chegada e está sob os cuida-
ções). dos do dr. Pedro.
B) pode indicar-lhe as horas e decidiu esperar o paga-
Considerando os sentidos e as estruturas linguísticas mento do aluguel.
do texto acima apresentado, julgue os próximos itens. C) tem relógio e sabe esperar.
A oração “que atingiu pelo menos 1.800 cidades em 18 D) marcou consulta e está calmo.
estados do país” tem, nesse contexto, valor restritivo. E) marcou consulta para aquele dia e está sob os cui-
(...) CERTO ( ) ERRADO dados do dr. Pedro.
6-) (COLÉGIO PEDRO II/RJ – ASSISTENTE EM ADMINIS-
(GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO – TÉCNICO DA
TRAÇÃO – AOCP/2010) “A carga foi desviada e a viatura,
FAZENDA ESTADUAL – FCC/2010 - ADAPTADA) Atenção: As
com os vigilantes, abandonada em Pirituba, na zona norte
questões de números 9 a 12 referem-se ao texto abaixo.
de São Paulo.”
Liderança é uma palavra frequentemente associada a
Pela leitura do fragmento acima, é correto afirmar que,
em sua estrutura sintática, houve supressão da expressão feitos e realizações de grandes personagens da história e da
vida social ou, então, a uma dimensão mágica, em que al-
a) vigilantes.
gumas poucas pessoas teriam habilidades inatas ou o dom
b) carga. de transformar-se em grandes líderes, capazes de influenciar
c) viatura. outras e, assim, obter e manter o poder.
d) foi. Os estudos sobre o tema, no entanto, mostram que a
e) desviada. maioria das pessoas pode tornar-se líder, ou pelo menos
desenvolver consideravelmente as suas capacidades de lide-
7-) (CORREIOS – CARTEIRO – CESPE/2011) rança.
Um carteiro chega ao portão do hospício e grita: Paulo Roberto Motta diz: “líderes são pessoas comuns
— Carta para o 9.326!!! que aprendem habilidades comuns, mas que, no seu conjun-
Um louco pega o envelope, abre-o e vê que a carta está to, formam uma pessoa incomum”. De fato, são necessárias
em algumas habilidades, mas elas podem ser aprendidas tanto
branco, e um outro pergunta: através das experiências da vida, quanto da formação volta-
— Quem te mandou essa carta? da para essa finalidade.

3
LÍNGUA PORTUGUESA

O fenômeno da liderança só ocorre na inter-relação; en- No contexto, inter-relação significa


volve duas ou mais pessoas e a existência de necessidades (A) o respeito que os membros de uma equipe devem
para serem atendidas ou objetivos para serem alcançados, demonstrar ao acatar as decisões tomadas pelo líder, por re-
que requerem a interação cooperativa dos membros envol- sultarem em benefício de todo o grupo.
vidos. Não pressupõe proximidade física ou temporal: pode- (B) a igualdade entre os valores dos integrantes de um
se ter a mente e/ou o comportamento influenciado por um grupo devidamente orientado pelo líder e aqueles propostos
escritor ou por um líder religioso que nunca se viu ou que pela organização a que prestam serviço.
viveu noutra época. [...] (C) o trabalho que deverá sempre ser realizado em equi-
Se a legitimidade da liderança se baseia na aceitação pe, de modo que os mais capacitados colaborem com os de
do poder de influência do líder, implica dizer que parte desse menor capacidade.
poder encontra-se no próprio grupo. É nessa premissa que (D) a criação de interesses mútuos entre membros de
se fundamenta a maioria das teorias contemporâneas sobre uma equipe e de respeito às metas que devem ser alcançadas
liderança. por todos.
Daí definirem liderança como a arte de usar o poder
que existe nas pessoas ou a arte de liderar as pessoas para 12-) (GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO – TÉCNICO
fazerem o que se requer delas, da maneira mais efetiva e DA FAZENDA ESTADUAL – FCC/2010) Não pressupõe proximi-
humana possível. [...] dade física ou temporal ... (4º parágrafo)
(Augusta E.E.H. Barbosa do Amaral e Sandra Souza A afirmativa acima quer dizer, com outras palavras, que
Pinto. Gestão de pessoas, in Desenvolvimento gerencial na (A) a presença física de um líder natural é fundamental
Administração pública do Estado de São Paulo, org. Lais para que seus ensinamentos possam ser divulgados e aceitos.
Macedo de Oliveira e Maria Cristina Pinto Galvão, Secre- (B) um líder verdadeiramente capaz é aquele que sempre
taria de Gestão pública, São Paulo: Fundap, 2. ed., 2009, p. se atualiza, adquirindo conhecimentos de fontes e de autores
290 e 292, com adaptações) diversos.
(C) o aprendizado da liderança pode ser produtivo, mes-
9-) (GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO – TÉCNI- mo se houver distância no tempo e no espaço entre aquele
CO DA FAZENDA ESTADUAL – FCC/2010) De acordo com o que influencia e aquele que é influenciado.
texto, liderança (D) as influências recebidas devem ser bem analisadas e
(A) é a habilidade de chefiar outras pessoas que não postas em prática em seu devido tempo e na ocasião mais
pode ser desenvolvida por aqueles que somente executam
propícia.
tarefas em seu ambiente de trabalho.
(B) é típica de épocas passadas, como qualidades de
13-) (DETRAN/RN – VISTORIADOR/EMPLACADOR – FGV
heróis da história da humanidade, que realizaram grandes
PROJETOS/2010)
feitos e se tornaram poderosos através deles.
Painel do leitor (Carta do leitor)
(C) vem a ser a capacidade, que pode ser inata ou até
mesmo adquirida, de conseguir resultados desejáveis da- Resgate no Chile
queles que constituem a equipe de trabalho. Assisti ao maior espetáculo da Terra numa operação de
(D) torna-se legítima se houver consenso em todos os salvamento de vidas, após 69 dias de permanência no fundo
grupos quanto à escolha do líder e ao modo como ele irá de uma mina de cobre e ouro no Chile.
mobilizar esses grupos em torno de seus objetivos pes- Um a um os mineiros soterrados foram içados com suces-
soais. so, mostrando muita calma, saúde, sorrindo e cumprimentando
seus companheiros de trabalho. Não se pode esquecer a ajuda
10-) (GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO – TÉC- técnica e material que os Estados Unidos, Canadá e China ofe-
NICO DA FAZENDA ESTADUAL – FCC/2010) O texto deixa receram à equipe chilena de salvamento, num gesto humani-
claro que tário que só enobrece esses países. E, também, dos dois médicos
(A) a importância do líder baseia-se na valorização de e dois “socorristas” que, demonstrando coragem e desprendi-
todo o grupo em torno da realização de um objetivo co- mento, desceram na mina para ajudar no salvamento.
mum. (Douglas Jorge; São Paulo, SP; www.folha.com.br – painel
(B) o líder é o elemento essencial dentro de uma orga- do leitor – 17/10/2010)
nização, pois sem ele não se poderá atingir qualquer meta
ou objetivo. Considerando o tipo textual apresentado, algumas ex-
(C) pode não haver condições de liderança em algumas pressões demonstram o posicionamento pessoal do leitor
equipes, caso não se estabeleçam atividades específicas diante do fato por ele narrado. Tais marcas textuais podem
para cada um de seus membros. ser encontradas nos trechos a seguir, EXCETO:
(D) a liderança é um dom que independe da participa- A) “Assisti ao maior espetáculo da Terra...”
ção dos componentes de uma equipe em um ambiente de B) “... após 69 dias de permanência no fundo de uma mina
trabalho. de cobre e ouro no Chile.”
C) “Não se pode esquecer a ajuda técnica e material...”
11-) (GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO – TÉCNI- D) “... gesto humanitário que só enobrece esses países.”
CO DA FAZENDA ESTADUAL – FCC/2010) O fenômeno da E) “... demonstrando coragem e desprendimento, des-
liderança só ocorre na inter-relação ... (4º parágrafo) ceram na mina...”

4
LÍNGUA PORTUGUESA

(DCTA – TÉCNICO 1 – SEGURANÇA DO TRABALHO – 17-) (POLÍCIA MILITAR/TO – SOLDADO – CONSUL-


VUNESP/2013 - ADAPTADA) Leia o texto para responder às PLAN/2013 - ADAPTADA) Texto para responder à questão.
questões de números 14 a 16.
Férias na Ilha do Nanja
Meus amigos estão fazendo as malas, arrumando as
malas nos seus carros, olhando o céu para verem que tempo
faz, pensando nas suas estradas – barreiras, pedras soltas,
fissuras* – sem falar em bandidos, milhões de bandidos entre
as fissuras, as pedras soltas e as barreiras...
Meus amigos partem para as suas férias, cansados de
tanto trabalho; de tanta luta com os motoristas da contra-
mão; enfim, cansados, cansados de serem obrigados a viver
numa grande cidade, isto que já está sendo a negação da
própria vida. (Adail et al II. Antologia brasileira de humor. Volume 1.
E eu vou para a Ilha do Nanja. Porto Alegre: L&PM, 1976. p. 95.)
Eu vou para a Ilha do Nanja para sair daqui. Passarei as
férias lá, onde, à beira das lagoas verdes e azuis, o silêncio A charge anterior é de Luiz Carlos Coutinho, cartunis-
cresce como um bosque. Nem preciso fechar os olhos: já es- ta mineiro mais conhecido como Caulos. É correto afirmar
tou vendo os pescadores com suas barcas de sardinha, e a que o tema apresentado é
(A) a oposição entre o modo de pensar e agir.
moça à janela a namorar um moço na outra janela de outra
(B) a rapidez da comunicação na Era da Informática.
ilha.
(C) a comunicação e sua importância na vida das pes-
(Cecília Meireles, O que se diz e o que se entende.
soas.
Adaptado)
(D) a massificação do pensamento na sociedade mo-
derna.
*fissuras: fendas, rachaduras
Resolução
14-) (DCTA – TÉCNICO 1 – SEGURANÇA DO TRABA-
LHO – VUNESP/2013) No primeiro parágrafo, ao descre- 1-)
ver a maneira como se preparam para suas férias, a autora Com palavras do próprio texto responderemos: o mun-
mostra que seus amigos estão do cabe numa fresta.
(A) serenos.
(B) descuidados. RESPOSTA: “A”.
(C) apreensivos.
(D) indiferentes. 2-)
(E) relaxados. Pela leitura do poema identifica-se, apenas, a informa-
ção contida na alternativa: revelar segredos para o amigo
15-) (DCTA – TÉCNICO 1 – SEGURANÇA DO TRABALHO pode ser arriscado.
– VUNESP/2013) De acordo com o texto, pode-se afirmar
que, assim como seus amigos, a autora viaja para RESPOSTA: “D”.
(A) visitar um lugar totalmente desconhecido.
(B) escapar do lugar em que está. 3-)
(C) reencontrar familiares queridos. Pela leitura do texto percebe-se, claramente, que a auto-
(D) praticar esportes radicais. ra narra um momento simples, mas que é prazeroso ao casal.
(E) dedicar-se ao trabalho.
RESPOSTA: “D”.
16-) Ao descrever a Ilha do Nanja como um lugar onde, 4-)
“à beira das lagoas verdes e azuis, o silêncio cresce como Com palavras do próprio texto responderemos: o mun-
um bosque” (último parágrafo), a autora sugere que viajará do cabe numVamos ao texto: O riso é tão universal como a
para um lugar seriedade; ele abarca a totalidade do universo (...). Os termos
(A) repulsivo e populoso. relacionam-se. O pronome “ele” retoma o sujeito “riso”.
(B) sombrio e desabitado.
(C) comercial e movimentado. RESPOSTA: “CERTO”.
(D) bucólico e sossegado.
(E) opressivo e agitado.

5
LÍNGUA PORTUGUESA

5-) 12-)
Voltemos ao texto: “depois do apagão que atingiu pelo Não pressupõe proximidade física ou temporal = o
menos 1.800 cidades”. O “que” pode ser substituído por “o aprendizado da liderança pode ser produtivo, mesmo se
qual”, portanto, trata-se de um pronome relativo (oração su- houver distância no tempo e no espaço entre aquele que
bordinada adjetiva). Quando há presença de vírgula, temos influencia e aquele que é influenciado.
uma adjetiva explicativa (generaliza a informação da oração
principal. A construção seria: “do apagão, que atingiu pelo
RESPOSTA: “C”.
menos 1800 cidades em 18 estados do país”); quando não
há, temos uma adjetiva restritiva (restringe, delimita a infor-
mação – como no caso do exercício). 13-)
Em todas as alternativas há expressões que represen-
RESPOSTA: “CERTO’. tam a opinião do autor: Assisti ao maior espetáculo da
Terra / Não se pode esquecer / gesto humanitário que só
6-) enobrece / demonstrando coragem e desprendimento.
“A carga foi desviada e a viatura, com os vigilantes, aban-
donada em Pirituba, na zona norte de São Paulo.” Trata-se RESPOSTA: “B”.
da figura de linguagem (de construção ou sintaxe) “zeugma”,
que consiste na omissão de um termo já citado anteriormen-
14-)
te (diferente da elipse, que o termo não é citado, mas facil-
mente identificado). No enunciado temos a narração de que “pensando nas suas estradas – barreiras, pedras soltas,
a carga foi desviada e de que a viatura foi abandonada. fissuras – sem falar em bandidos, milhões de bandidos en-
tre as fissuras, as pedras soltas e as barreiras...” = pensar
RESPOSTA: “D”. nessas coisas, certamente, deixa-os apreensivos.

7-) RESPOSTA: “C”.


Geralmente o efeito de humor desses gêneros textuais
aparece no desfecho da história, ao final, como nesse: “Ah, 15-)
porque nós brigamos e não estamos nos falando”. Eu vou para a Ilha do Nanja para sair daqui = resposta
da própria autora!
RESPOSTA: “D”.

8-) RESPOSTA: “B”.


“O senhor tem hora? (...) Não, não... Eu quero saber se o
senhor é paciente” = a recepcionista quer saber se ele mar- 16-)
cou horário e se é paciente do Dr. Pedro. Pela descrição realizada, o lugar não tem nada de ruim.

RESPOSTA: “E”. RESPOSTA: “D”.


9-) 17-)
Utilizando trechos do próprio texto, podemos chegar à Questão que envolve interpretação “visual”! Fácil. Basta
conclusão: O fenômeno da liderança só ocorre na inter-re-
observar o que as personagens “dizem” e o que “pensam”.
lação; envolve duas ou mais pessoas e a existência de ne-
cessidades para serem atendidas ou objetivos para serem
alcançados, que requerem a interação cooperativa dos RESPOSTA: “A”.
membros envolvidos = equipe

RESPOSTA: “C”. SINÔNIMOS. ANTÔNIMOS.


10-)
O texto deixa claro que a importância do líder baseia-
se na valorização de todo o grupo em torno da realização
de um objetivo comum. - Sinônimos
São palavras de sentido igual ou aproximado: alfabeto
RESPOSTA: “A”. - abecedário; brado, grito - clamor; extinguir, apagar - abolir.
Observação: A contribuição greco-latina é responsável
11-) pela existência de numerosos pares de sinônimos: adver-
Pela leitura do texto, dentre as alternativas apresenta- sário e antagonista; translúcido e diáfano; semicírculo e he-
das, a que está coerente com o sentido dado à palavra “in- miciclo; contraveneno e antídoto; moral e ética; colóquio e
ter-relação” é: “a criação de interesses mútuos entre mem- diálogo; transformação e metamorfose; oposição e antítese.
bros de uma equipe e de respeito às metas que devem ser
alcançadas por todos”.
- Antônimos
São palavras de significação oposta: ordem - anarquia;
RESPOSTA: “D”.
soberba - humildade; louvar - censurar; mal - bem.

6
LÍNGUA PORTUGUESA

Observação: A antonímia pode originar-se de um pre- Você comprou um smartphone e acha que aquele seu
fixo de sentido oposto ou negativo: bendizer e maldizer; celular antigo é imprestável? Não se engane: o que é lixo
simpático e antipático; progredir e regredir; concórdia e dis- para alguns pode ser matéria-prima para outros. O CMID
córdia; ativo e inativo; esperar e desesperar; comunista e an- – Centro Marista de Inclusão Digital –, que funciona junto
ticomunista; simétrico e assimétrico. ao Colégio Marista de Santa Maria, no Rio Grande do Sul,
ensina os alunos do colégio a fazer robôs a partir de lixo
O que são Homônimos e Parônimos: eletrônico.
- Homônimos Os alunos da turma avançada de robótica, por exemplo,
a) Homógrafos: são palavras iguais na escrita e diferen- constroem carros com sensores de movimento que respon-
tes na pronúncia: dem à aproximação das pessoas. A fonte de energia vem de
rego (subst.) e rego (verbo); baterias de celular. “Tirando alguns sensores, que precisa-
colher (verbo) e colher (subst.); mos comprar, é tudo reciclagem”, comentou o instrutor de
jogo (subst.) e jogo (verbo); robótica do CMID, Leandro Schneider. Esses alunos também
denúncia (subst.) e denuncia (verbo); aprendem a consertar computadores antigos. “O nosso pro-
providência (subst.) e providencia (verbo). jeto só funciona por causa do lixo eletrônico. Se tivéssemos
que comprar tudo, não seria viável”, completou.
b) Homófonos: são palavras iguais na pronúncia e di- Em uma época em que celebridades do mundo digital
ferentes na escrita: fazem campanha a favor do ensino de programação nas es-
acender (atear) e ascender (subir); colas, é inspirador o relato de Dionatan Gabriel, aluno da
concertar (harmonizar) e consertar (reparar); turma avançada de robótica do CMID que, aos 16 anos, já
cela (compartimento) e sela (arreio); sabe qual será sua profissão. “Quero ser programador. No
censo (recenseamento) e senso ( juízo); início das aulas, eu achava meio chato, mas depois fui me
paço (palácio) e passo (andar). interessando”, disse.
(Giordano Tronco, www.techtudo.com.br, 07.07.2013.
c) Homógrafos e homófonos simultaneamente: São Adaptado)
palavras iguais na escrita e na pronúncia:
caminho (subst.) e caminho (verbo); 02. A palavra em destaque no trecho –“Tirando alguns
cedo (verbo) e cedo (adv.); sensores, que precisamos comprar, é tudo reciclagem”... –
livre (adj.) e livre (verbo). pode ser substituída, sem alteração do sentido da mensa-
gem, pela seguinte expressão:
- Parônimos A) Pelo menos B) A contar de
São palavras parecidas na escrita e na pronúncia: coro C) Em substituição a D) Com exceção de
e couro; cesta e sesta; eminente e iminente; osso e ouço; sede E) No que se refere a
e cede; comprimento e cumprimento; tetânico e titânico; au-
tuar e atuar; degradar e degredar; infligir e infringir; deferir 03. Assinale a alternativa que apresenta um antônimo
e diferir; suar e soar. para o termo destacado em – …“No início das aulas, eu
achava meio chato, mas depois fui me interessando”, disse.
http://www.coladaweb.com/portugues/sinonimos,-an- A) Estimulante. B) Cansativo.
tonimos,-homonimos-e-paronimos C) Irritante. D) Confuso.
Questões sobre Significação das Palavras E) Improdutivo.
04. (Agente de Escolta e Vigilância Penitenciária – VU-
01. Assinale a alternativa que preenche corretamente NESP – 2013). Analise as afirmações a seguir.
as lacunas da frase abaixo: I. Em – Há sete anos, Fransley Lapavani Silva está preso
Da mesma forma que os italianos e japoneses _________ por homicídio. – o termo em destaque pode ser substituí-
para o Brasil no século passado, hoje os brasileiros ________ do, sem alteração do sentido do texto, por “faz”.
para a Europa e para o Japão, à busca de uma vida melhor; II. A frase – Todo preso deseja a libertação. – pode ser
internamente, __________ para o Sul, pelo mesmo motivo. reescrita da seguinte forma – Todo preso aspira à liberta-
a) imigraram - emigram - migram ção.
b) migraram - imigram - emigram III. No trecho – ... estou sendo olhado de forma dife-
c) emigraram - migram - imigram. rente aqui no presídio devido ao bom comportamento. –
d) emigraram - imigram - migram. pode-se substituir a expressão em destaque por “em razão
e) imigraram - migram – emigram do”, sem alterar o sentido do texto.
De acordo com a norma-padrão da língua portuguesa,
Agente de Apoio – Microinformática – VUNESP – 2013
está correto o que se afirma em
- Leia o texto para responder às questões de números 02
A) I, II e III. B) III, apenas.
e 03.
C) I e III, apenas. D) I, apenas.
Alunos de colégio fazem robôs com sucata eletrônica E) I e II, apenas.

7
LÍNGUA PORTUGUESA

05. Leia as frases abaixo: 2-) “Com exceção de alguns sensores, que precisamos
1 - Assisti ao ________ do balé Bolshoi; comprar, é tudo reciclagem”...
2 - Daqui ______ pouco vão dizer que ______ vida em
Marte. 3-) antônimo para o termo destacado : “No início das
3 - As _________ da câmara são verdadeiros programas aulas, eu achava meio chato, mas depois fui me interes-
de humor. sando”
4 - ___________ dias que não falo com Alfredo. “No início das aulas, eu achava meio estimulante, mas
depois fui me interessando”
Escolha a alternativa que oferece a sequência correta
de vocábulos para as lacunas existentes: 4-)
a) concerto – há – a – cessões – há; I. Em – Há sete anos, Fransley Lapavani Silva está preso
b) conserto – a – há – sessões – há; por homicídio. – o termo em destaque pode ser substituí-
c) concerto – a – há – seções – a; do, sem alteração do sentido do texto, por “faz”. = correta
d) concerto – a – há – sessões – há; II. A frase – Todo preso deseja a libertação. – pode ser
e) conserto – há – a – sessões – a . reescrita da seguinte forma – Todo preso aspira à liberta-
ção. = correta
06. (Agente de Escolta e Vigilância Penitenciária – VU- III. No trecho – ... estou sendo olhado de forma dife-
NESP – 2013-adap.). Considere o seguinte trecho para res- rente aqui no presídio devido ao bom comportamento. –
ponder à questão. pode-se substituir a expressão em destaque por “em razão
Adolescentes vivendo em famílias que não lhes trans- do”, sem alterar o sentido do texto. = correta
mitiram valores sociais altruísticos, formação moral e não
lhes impuseram limites de disciplina. 5-)
O sentido contrário (antônimo) de altruísticos, nesse 1 - Assisti ao concerto do balé Bolshoi;
trecho, é: 2 - Daqui a pouco vão dizer que há (= existe)
A) de desprendimento. B) de responsabi- vida em Marte.
lidade. 3 – As sessões da câmara são verdadeiros pro-
C) de abnegação. D) de amor. gramas de humor.
E) de egoísmo. 4- Há dias que não falo com Alfredo. (=
tempo passado)
07. Assinale o único exemplo cuja lacuna deve ser
preenchida com a primeira alternativa da série dada nos
6-) Adolescentes vivendo em famílias que não lhes
parênteses:
transmitiram valores sociais altruísticos, formação moral e
A) Estou aqui _______ de ajudar os flagelados das en-
não lhes impuseram limites de disciplina.
chentes. (afim- a fim).
O sentido contrário (antônimo) de altruísticos, nesse
B) A bandeira está ________. (arreada - arriada).
trecho, é de egoísmo
C) Serão punidos os que ________ o regulamento. (in-
Altruísmo é um tipo de comportamento encontrado
flingirem - infringirem).
D) São sempre valiosos os ________ dos mais velhos. nos seres humanos e outros seres vivos, em que as ações
(concelhos - conselhos). de um indivíduo beneficiam outros. É sinônimo de filan-
E) Moro ________ cem metros da praça principal. (a cer- tropia. No sentido comum do termo, é muitas vezes per-
ca de - acerca de). cebida, também, como sinônimo de solidariedade. Esse
08. Assinale a alternativa correta, considerando que à conceito opõe-se, portanto, ao egoísmo, que são as incli-
direita de cada palavra há um sinônimo. nações específica e exclusivamente individuais (pessoais ou
a) emergir = vir à tona; imergir = mergulhar coletivas).
b) emigrar = entrar (no país); imigrar = sair (do país)
c) delatar = expandir; dilatar = denunciar 7-)
d) deferir = diferenciar; diferir = conceder A) Estou aqui a fim de de ajudar os flagelados das
e) dispensa = cômodo; despensa = desobrigação enchentes. (afim = O adjetivo “afim” é empregado para in-
dicar que uma coisa tem afinidade com a outra. Há pessoas
GABARITO que têm temperamentos afins, ou seja, parecidos)
01. A 02. D 03. A 04. A B) A bandeira está arriada . (arrear = colocar
05. D 06. E 07. E 08. A arreio no cavalo)
C) Serão punidos os que infringirem o regulamen-
RESOLUÇÃO to. (inflingirem = aplicarem a pena)
D) São sempre valiosos os conselhos dos mais ve-
1-) Da mesma forma que os italianos e japoneses lhos; (concelhos= Porção territorial ou parte administrativa
imigraram para o Brasil no século passado, hoje os bra- de um distrito).
sileiros emigram para a Europa e para o Japão, à busca E) Moro a cerca de cem metros da praça principal.
de uma vida melhor; internamente, migram para o (acerca de = Acerca de é sinônimo de “a respeito de”.).
Sul, pelo mesmo motivo.

8
LÍNGUA PORTUGUESA

8-) “Letra” é uma palavra polissêmica. Letra pode significar


b) emigrar = entrar (no país); imigrar = sair (do país) = o elemento básico do alfabeto, o texto de uma canção ou a
significados invertidos caligrafia de um determinado indivíduo. Neste caso, os dife-
c) delatar = expandir; dilatar = denunciar = significa- rentes significados estão interligados porque remetem para
dos invertidos o mesmo conceito, o da escrita.
d) deferir = diferenciar; diferir = conceder = significa-
dos invertidos Polissemia e ambiguidade
e) dispensa = cômodo; despensa = desobrigação =
significados invertidos Polissemia e ambiguidade têm um grande impacto na
interpretação. Na língua portuguesa, um enunciado pode
ser ambíguo, ou seja, apresenta mais de uma interpretação.
Polissemia Essa ambiguidade pode ocorrer devido à colocação espe-
cífica de uma palavra (por exemplo, um advérbio) em uma
Consideremos as seguintes frases: frase. Vejamos a seguinte frase: Pessoas que têm uma ali-
Paula tem uma mão para cozinhar que dá inveja! mentação equilibrada frequentemente são felizes. Neste caso
Vamos! Coloque logo a mão na massa! podem existir duas interpretações diferentes. As pessoas têm
As crianças estão com as mãos sujas. alimentação equilibrada porque são felizes ou são felizes por-
Passaram a mão na minha bolsa e nem percebi. que têm uma alimentação equilibrada.
De igual forma, quando uma palavra é polissêmica, ela
Chegamos à conclusão de que se trata de palavras idênti- pode induzir uma pessoa a fazer mais do que uma interpre-
cas no que se refere à grafia, mas será que possuem o mesmo tação. Para fazer a interpretação correta é muito importante
significado? saber qual o contexto em que a frase é proferida.
Existe uma parte da gramática normativa denominada
Semântica. Ela trabalha a questão dos diferentes significados
que uma mesma palavra apresenta de acordo com o contexto Denotação e Conotação
em que se insere.
Tomando como exemplo as frases já mencionadas, ana- Na língua portuguesa, uma PALAVRA (do latim parabola,
lisaremos os vocábulos de mesma grafia, de acordo com seu que por sua vez deriva do grego parabolé) pode ser definida
sentido denotativo, isto é, aquele retratado pelo dicionário.
como sendo um conjunto de letras ou sons de uma língua,
Na primeira, a palavra “mão” significa habilidade, eficiên-
juntamente com a ideia associada a este conjunto.
cia diante do ato praticado. Nas outras que seguem o sig-
nificado é de: participação, interação mediante a uma tarefa
Sentido Próprio e Figurado das Palavras
realizada; mão como parte do corpo humano e por último
simboliza o roubo, visto de maneira pejorativa.
Pela própria definição acima destacada podemos perce-
Reportando-nos ao conceito de Polissemia, logo perce-
bemos que o prefixo “poli” significa multiplicidade de algo. ber que a palavra é composta por duas partes, uma delas
Possibilidades de várias interpretações levando-se em consi- relacionada a sua forma escrita e os seus sons (denominada
deração as situações de aplicabilidade. significante) e a outra relacionada ao que ela (palavra) ex-
Há uma infinidade de outros exemplos em que podemos pressa, ao conceito que ela traz (denominada significado).
verificar a ocorrência da polissemia, como por exemplo: Em relação ao seu SIGNIFICADO as palavras subdivi-
O rapaz é um tremendo gato. dem-se assim:
O gato do vizinho é peralta. - Sentido Próprio - é o sentido literal, ou seja, o senti-
Precisei fazer um gato para que a energia voltasse. do comum que costumamos dar a uma palavra.
Pedro costuma fazer alguns “bicos” para garantir sua so- - Sentido Figurado - é o sentido “simbólico”, “figura-
brevivência do”, que podemos dar a uma palavra.
O passarinho foi atingido no bico. Vamos analisar a palavra cobra utilizada em diferentes
contextos:
Polissemia e homonímia
1. A cobra picou o menino. (cobra = réptil peçonhento)
A confusão entre polissemia e homonímia é bastante co- 2. A sogra dele é uma cobra. (cobra = pessoa desagra-
mum. Quando a mesma palavra apresenta vários significados, dável, que adota condutas pouco apreciáveis)
estamos na presença da polissemia. Por outro lado, quando 3. O cara é cobra em Física! (cobra = pessoa que co-
duas ou mais palavras com origens e significados distintos nhece muito sobre alguma coisa, “expert”)
têm a mesma grafia e fonologia, temos uma homonímia. No item 1 aplica-se o termo cobra em seu sentido co-
A palavra “manga” é um caso de homonímia. Ela pode mum (ou literal); nos itens 2 e 3 o termo cobra é aplicado
significar uma fruta ou uma parte de uma camisa. Não é polis- em sentido figurado.
semia porque os diferentes significados para a palavra manga Podemos então concluir que um mesmo significante
têm origens diferentes, e por isso alguns estudiosos men- (parte concreta) pode ter vários significados (conceitos).
cionam que a palavra manga deveria ter mais do que uma
entrada no dicionário.

9
LÍNGUA PORTUGUESA

Denotação e Conotação 3-) (TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAU-


LO - ESCREVENTE TÉCNICO JUDICIÁRIO – VUNESP/2013 -
- Denotação: verifica-se quando utilizamos a palavra ADAPTADA) Para responder a esta questão, considere as
com o seu significado primitivo e original, com o sentido palavras destacadas nas seguintes passagens do texto:
do dicionário; usada de modo automatizado; linguagem Desde o surgimento da ideia de hipertexto...
comum. Veja este exemplo: Cortaram as asas da ave para ... informações ligadas especialmente à pesquisa aca-
que não voasse mais. dêmica,
Aqui a palavra em destaque é utilizada em seu sentido ... uma “máquina poética”, algo que funcionasse por
próprio, comum, usual, literal. analogia e associação...
Quando o cientista Vannevar Bush [...] concebeu a
MINHA DICA - Procure associar Denotação com Di- ideia de hipertexto...
cionário: trata-se de definição literal, quando o termo é uti- ... 20 anos depois de seu artigo fundador...
lizado em seu sentido dicionarístico.
As palavras destacadas que expressam ideia de tempo
- Conotação: verifica-se quando utilizamos a palavra são:
com o seu significado secundário, com o sentido amplo (ou (A) algo, especialmente e Quando.
simbólico); usada de modo criativo, figurado, numa lingua- (B) Desde, especialmente e algo.
gem rica e expressiva. Veja este exemplo: (C) especialmente, Quando e depois.
Seria aconselhável cortar as asas deste menino, antes (D) Desde, Quando e depois.
que seja tarde demais. (E) Desde, algo e depois.
Já neste caso o termo (asas) é empregado de forma
figurada, fazendo alusão à ideia de restrição e/ou controle 4-) (TRF - 5ª REGIÃO - TÉCNICO JUDICIÁRIO - FCC/2012)
de ações; disciplina, limitação de conduta e comportamen- A importância de Rodolfo Coelho Cavalcante para o mo-
to. vimento cordelista pode ser comparada à de outros dois
grandes nomes...
Fonte: Sem qualquer outra alteração da frase acima e sem
http://www.tecnolegis.com/estudo-dirigido/oficial-de- prejuízo da correção, o elemento grifado pode ser subs-
justica-tjm-sp/lingua-portuguesa-sentido-proprio-e-figu- tituído por:
rado-das-palavras.html (A) contrastada.
(B) confrontada.
Questões sobre Denotação e Conotação (C) ombreada.
(D) rivalizada.
1-) (TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAU-
(E) equiparada.
LO - ESCREVENTE TÉCNICO JUDICIÁRIO – VUNESP/2013) O
sentido de marmóreo (adjetivo) equivale ao da expressão
5-) (PREFEITURA DE SERTÃOZINHO – AGENTE COMU-
de mármore. Assinale a alternativa contendo as expressões
NITÁRIO DE SAÚDE – VUNESP/2012) No verso – Não te
com sentidos equivalentes, respectivamente, aos das pala-
abras com teu amigo – o verbo em destaque foi emprega-
vras ígneo e pétreo.
do em sentido figurado.
(A) De corda; de plástico.
Assinale a alternativa em que esse mesmo verbo “abrir”
(B) De fogo; de madeira.
(C) De madeira; de pedra. continua sendo empregado em sentido figurado.
(D) De fogo; de pedra. (A) Ao abrir a porta, não havia ninguém.
(E) De plástico; de cinza. (B) Ele não pôde abrir a lata porque não tinha um abri-
dor.
2-) (TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAU- (C) Para aprender, é preciso abrir a mente.
LO - ESCREVENTE TÉCNICO JUDICIÁRIO – VUNESP/2013 (D) Pela manhã, quando abri os olhos, já estava em
- ADAPTADO) Para responder à questão, considere a se- casa.
guinte passagem: Sem querer estereotipar, mas já estereoti- (E) Os ladrões abriram o cofre com um maçarico.
pando: trata-se de um ser cujas interações sociais terminam,
99% das vezes, diante da pergunta “débito ou crédito?”. 6-) (SABESP/SP – ATENDENTE A CLIENTES 01 –
FCC/2014 - ADAPTADA) Atenção: Para responder à ques-
Nesse contexto, o verbo estereotipar tem sentido de tão, considere o texto abaixo.
(A) considerar ao acaso, sem premeditação.
(B) aceitar uma ideia mesmo sem estar convencido A marca da solidão
dela. Deitado de bruços, sobre as pedras quentes do chão de
(C) adotar como referência de qualidade. paralelepípedos, o menino espia. Tem os braços dobrados e a
(D) julgar de acordo com normas legais. testa pousada sobre eles, seu rosto formando uma tenda de
(E) classificar segundo ideias preconcebidas. penumbra na tarde quente.

10
LÍNGUA PORTUGUESA

Observa as ranhuras entre uma pedra e outra. Há, den- (A) O menino leva o material adequado para a escola.
tro de cada uma delas, um diminuto caminho de terra, com (B) João levou uma surra da mãe.
pedrinhas e tufos minúsculos de musgos, formando peque- (C) A enchente leva todo o lixo rua abaixo.
nas plantas, ínfimos bonsais só visíveis aos olhos de quem é (D) O trabalho feito com empenho leva ao sucesso.
capaz de parar de viver para, apenas, ver. Quando se tem a (E) O atleta levou apenas dez segundos para terminar
marca da solidão na alma, o mundo cabe numa fresta. a prova.
(SEIXAS, Heloísa. Contos mais que mínimos. Rio de Ja-
neiro: Tinta negra bazar, 2010. p. 47) Resolução

No primeiro parágrafo, a palavra utilizada em sentido 1-)


figurado é Questão que pode ser resolvida usando a lógica ou as-
(A) menino. sociação de palavras! Veja: a ignição do carro lembra-nos
(B) chão. fogo, combustão... Pedra, petrificado. Encontrou a respos-
(C) testa. ta?
(D) penumbra. RESPOSTA: “D”.
(E) tenda.
2-)
7-) (UFTM/MG – AUXILIAR DE BIBLIOTECA – VU- Classificar conforme regras conhecidas, mas não con-
NESP/2013 - ADAPTADA) Leia o texto para responder à firmadas se verdadeiras.
questão. RESPOSTA: “E”.
RIO DE JANEIRO – A Prefeitura do Rio está lançando a 3-)
Operação Lixo Zero, que vai multar quem emporcalhar a ci- As palavras que nos dão a noção, ideia de tempo são:
dade. Em primeira instância, a campanha é educativa. Equi- desde, quando e depois.
pes da Companhia Municipal de Limpeza Urbana estão per- RESPOSTA: “D”.
correndo as ruas para flagrar maus cidadãos jogando coisas
onde não devem e alertá-los para o que os espera. Em breve, 4-)
com guardas municipais, policiais militares e 600 fiscais em Ao participar de um concurso, não temos acesso a di-
ação, as multas começarão a chegar para quem tratar a via
cionários para que verifiquemos o significado das palavras,
pública como a casa da sogra.
por isso, caso não saibamos o que significam, devemos
Imagina-se que, quando essa lei começar para valer, os
analisá-las dentro do contexto em que se encontram. No
recordistas de multas serão os cerca de 300 jovens golpistas
exercício acima, a que se “encaixa” é “equiparada”.
que, nas últimas semanas, se habituaram a tomar as ruas,
pichar monumentos, vandalizar prédios públicos, quebrar RESPOSTA: “E”.
orelhões, arrancar postes, apedrejar vitrines, depredar ban-
cos, saquear lojas e, por uma estranha compulsão, destruir 5-)
lixeiras, jogar o lixo no asfalto e armar barricadas de fogo Em todas as alternativas o verbo “abrir” está empre-
com ele. gado em seu sentido denotativo. No item C, conotativo
É verdade que, no seu “bullying” político, eles não estão (“abrir a mente” = aberto a mudanças, novas ideias).
nem aí para a cidade, que é de todos – e que, por algum RESPOSTA: “C”.
motivo, parecem querer levar ao colapso. 6-)
Pois, já que a lei não permite prendê-los por vandalis- Novamente, responderemos com frase do texto: seu
mo, saque, formação de quadrilha, desacato à autoridade, rosto formando uma tenda.
resistência à prisão e nem mesmo por ataque aos órgãos RESPOSTA: “E”.
públicos, talvez seja possível enquadrá-los por sujar a rua. 7-)
(Ruy Castro, Por sujar a rua. Folha de S.Paulo, 21.08.2013. Pela leitura do texto, compreende-se que a intenção
Adaptado) do autor ao utilizar a expressão” levar ao colapso” refere-se
à queda, ao fim, à ruína da cidade.
Na oração – ... parecem querer levar ao colapso. – (3.º RESPOSTA: “E”.
parágrafo), o termo em destaque é sinônimo de
(A) progresso. 8-)
(B) descaso. No enunciado, o verbo “levar” está empregado com o
(C) vitória. sentido de “duração/tempo”
(D) tédio. (A) O menino leva o material adequado para a escola.
(E) ruína. = carrega
(B) João levou uma surra da mãe. = apanhou
8-) (BNDES – TÉCNICO ADMINISTRATIVO – BN- (C) A enchente leva todo o lixo rua abaixo. = arrasta
DES/2012) Considere o emprego do verbo levar no trecho: (D) O trabalho feito com empenho leva ao sucesso. =
“Uma competição não dura apenas alguns minutos. Leva direciona
anos”. A frase em que esse verbo está usado com o mesmo (E) O atleta levou apenas dez segundos para terminar a
sentido é: prova = duração/tempo
RESPOSTA: “E”.

11
LÍNGUA PORTUGUESA

O fonema z:
ORTOGRAFIA.
Escreve-se com S e não com Z:
*os sufixos: ês, esa, esia, e isa, quando o radical é subs-
tantivo, ou em gentílicos e títulos nobiliárquicos: freguês,
A ortografia é a parte da língua responsável pela gra- freguesa, freguesia, poetisa, baronesa, princesa, etc.
fia correta das palavras. Essa grafia baseia-se no padrão *os sufixos gregos: ase, ese, ise e ose: catequese, me-
culto da língua. tamorfose.
As palavras podem apresentar igualdade total ou par- *as formas verbais pôr e querer: pôs, pus, quisera, quis,
cial no que se refere a sua grafia e pronúncia, mesmo ten- quiseste.
do significados diferentes. Essas palavras são chamadas *nomes derivados de verbos com radicais terminados
de homônimas (canto, do grego, significa ângulo / canto, em “d”: aludir - alusão / decidir - decisão / empreender -
do latim, significa música vocal). As palavras homônimas empresa / difundir - difusão
dividem-se em homógrafas, quando têm a mesma grafia *os diminutivos cujos radicais terminam com “s”: Luís -
(gosto, substantivo e gosto, 1ª pessoa do singular do verbo Luisinho / Rosa - Rosinha / lápis - lapisinho
gostar) e homófonas, quando têm o mesmo som (paço, pa- *após ditongos: coisa, pausa, pouso
lácio ou passo, movimento durante o andar). *em verbos derivados de nomes cujo radical termina
Quanto à grafia correta em língua portuguesa, devem- com “s”: anális(e) + ar - analisar / pesquis(a) + ar - pesquisar
se observar as seguintes regras:
Escreve-se com Z e não com S:
O fonema s: *os sufixos “ez” e “eza” das palavras derivadas de adje-
tivo: macio - maciez / rico - riqueza
Escreve-se com S e não com C/Ç as palavras substan- *os sufixos “izar” (desde que o radical da palavra de
tivadas derivadas de verbos com radicais em nd, rg, rt, pel, origem não termine com s): final - finalizar / concreto - con-
corr e sent: pretender - pretensão / expandir - expansão / cretizar
ascender - ascensão / inverter - inversão / aspergir aspersão *como consoante de ligação se o radical não terminar
/ submergir - submersão / divertir - diversão / impelir - im- com s: pé + inho - pezinho / café + al - cafezal ≠ lápis +
pulsivo / compelir - compulsório / repelir - repulsa / recorrer inho - lapisinho
- recurso / discorrer - discurso / sentir - sensível / consentir
- consensual O fonema j:

Escreve-se com SS e não com C e Ç os nomes deri- Escreve-se com G e não com J:
vados dos verbos cujos radicais terminem em gred, ced, *as palavras de origem grega ou árabe: tigela, girafa,
prim ou com verbos terminados por tir ou meter: agredir gesso.
- agressivo / imprimir - impressão / admitir - admissão / *estrangeirismo, cuja letra G é originária: sargento, gim.
ceder - cessão / exceder - excesso / percutir - percussão / *as terminações: agem, igem, ugem, ege, oge (com
regredir - regressão / oprimir - opressão / comprometer - poucas exceções): imagem, vertigem, penugem, bege, foge.
compromisso / submeter - submissão Observação: Exceção: pajem
*quando o prefixo termina com vogal que se junta com *as terminações: ágio, égio, ígio, ógio, ugio: sortilégio,
a palavra iniciada por “s”. Exemplos: a + simétrico - assimé- litígio, relógio, refúgio.
trico / re + surgir - ressurgir *os verbos terminados em ger e gir: eleger, mugir.
*no pretérito imperfeito simples do subjuntivo. Exem- *depois da letra “r” com poucas exceções: emergir, sur-
plos: ficasse, falasse gir.
*depois da letra “a”, desde que não seja radical termi-
Escreve-se com C ou Ç e não com S e SS os vocábulos nado com j: ágil, agente.
de origem árabe: cetim, açucena, açúcar
*os vocábulos de origem tupi, africana ou exótica: cipó, Escreve-se com J e não com G:
Juçara, caçula, cachaça, cacique *as palavras de origem latinas: jeito, majestade, hoje.
*os sufixos aça, aço, ação, çar, ecer, iça, nça, uça, uçu, *as palavras de origem árabe, africana ou exótica: ji-
uço: barcaça, ricaço, aguçar, empalidecer, carniça, caniço, boia, manjerona.
esperança, carapuça, dentuço *as palavras terminada com aje: aje, ultraje.
*nomes derivados do verbo ter: abster - abstenção /
deter - detenção / ater - atenção / reter - retenção O fonema ch:
*após ditongos: foice, coice, traição
*palavras derivadas de outras terminadas em te, to(r): Escreve-se com X e não com CH:
marte - marciano / infrator - infração / absorto - absorção *as palavras de origem tupi, africana ou exótica: aba-
caxi, muxoxo, xucro.
*as palavras de origem inglesa (sh) e espanhola (J):
xampu, lagartixa.

12
LÍNGUA PORTUGUESA

*depois de ditongo: frouxo, feixe. A) A fim ...a partir ... as


*depois de “en”: enxurrada, enxoval. B) A fim ...à partir ... às
Observação: Exceção: quando a palavra de origem C) A fim ...a partir ... às
não derive de outra iniciada com ch - Cheio - (enchente) D) Afim ...a partir ... às
E) Afim ...à partir ... as
Escreve-se com CH e não com X:
*as palavras de origem estrangeira: chave, chumbo, 04. (TRF - 1ª REGIÃO - TÉCNICO JUDICIÁRIO - FCC/2011)
chassi, mochila, espadachim, chope, sanduíche, salsicha. As palavras estão corretamente grafadas na seguinte frase:
(A) Que eles viajem sempre é muito bom, mas não é boa
As letras e e i: a ansiedade com que enfrentam o excesso de passageiros nos
*os ditongos nasais são escritos com “e”: mãe, põem. aeroportos.
Com “i”, só o ditongo interno cãibra. (B) Comete muitos deslises, talvez por sua espontaneida-
*os verbos que apresentam infinitivo em -oar, -uar são de, mas nada que ponha em cheque sua reputação de pessoa
escritos com “e”: caçoe, tumultue. Escrevemos com “i”, os cortês.
verbos com infinitivo em -air, -oer e -uir: trai, dói, possui. (C) Ele era rabugento e tinha ojeriza ao hábito do sócio de
descançar após o almoço sob a frondoza árvore do pátio.
- atenção para as palavras que mudam de sentido
(D) Não sei se isso influe, mas a persistência dessa mágoa
quando substituímos a grafia “e” pela grafia “i”: área (su-
pode estar sendo o grande impecilho na superação dessa sua
perfície), ária (melodia) / delatar (denunciar), dilatar (expan-
crise.
dir) / emergir (vir à tona), imergir (mergulhar) / peão (de (E) O diretor exitou ao aprovar a retenção dessa alta quan-
estância, que anda a pé), pião (brinquedo). tia, mas não quiz ser taxado de conivente na concessão de pri-
vilégios ilegítimos.
Fonte: http://www.pciconcursos.com.br/aulas/portu-
gues/ortografia 05.Em qual das alternativas a frase está corretamente es-
crita?
Questões sobre Ortografia A) O mindingo não depositou na cardeneta de poupansa.
B) O mendigo não depositou na caderneta de poupança.
01. (TRE/AP - TÉCNICO JUDICIÁRIO – FCC/2011) Entre C) O mindigo não depozitou na cardeneta de poupanssa.
as frases que seguem, a única correta é: D) O mendingo não depozitou na carderneta de poupansa.
a) Ele se esqueceu de que?
b) Era tão ruím aquele texto, que não deu para distri- 06.(IAMSPE/SP – ATENDENTE – [PAJEM] - CCI) – VU-
bui-lo entre os presentes. NESP/2011) Assinale a alternativa em que o trecho – Mas
c) Embora devessemos, não fomos excessivos nas crí- ela cresceu ... – está corretamente reescrito no plural, com o
ticas. verbo no tempo futuro.
d) O juíz nunca negou-se a atender às reivindicações (A) Mas elas cresceram...
dos funcionários. (B) Mas elas cresciam...
e) Não sei por que ele mereceria minha consideração. (C) Mas elas cresçam...
(D) Mas elas crescem...
02. (Escrevente TJ SP – Vunesp/2013). Assinale a alter- (E) Mas elas crescerão...
nativa cujas palavras se apresentam flexionadas de acordo com 07. (MPE/RJ – TÉCNICO ADMINISTRATIVO – FUJB/2011)
a norma- -padrão. Assinale a alternativa em que a frase NÃO contraria a norma
(A) Os tabeliãos devem preparar o documento. culta:
(B) Esses cidadões tinham autorização para portar fuzis. A) Entre eu e a vida sempre houve muitos infortúnios, por
(C) Para autenticar as certidãos, procure o cartório local. isso posso me queixar com razão.
(D) Ao descer e subir escadas, segure-se nos corrimãos. B) Sempre houveram várias formas eficazes para ultra-
(E) Cuidado com os degrais, que são perigosos! passarmos os infortúnios da vida.
C) Devemos controlar nossas emoções todas as vezes que
03. (Agente de Vigilância e Recepção – VUNESP – 2013). vermos a pobreza e a miséria fazerem parte de nossa vida.
Suponha-se que o cartaz a seguir seja utilizado para informar D) É difícil entender o por quê de tanto sofrimento, prin-
os usuários sobre o festival Sounderground. cipalmente daqueles que procuram viver com dignidade e
Prezado Usuário simplicidade.
________ de oferecer lazer e cultura aos passageiros do metrô, E) As dificuldades por que passamos certamente nos fa-
________ desta segunda-feira (25/02), ________ 17h30, começa o zem mais fortes e preparados para os infortúnios da vida.
Sounderground, festival internacional que prestigia os músicos
que tocam em estações do metrô. GABARITO
Confira o dia e a estação em que os artistas se apresenta- 01.E 02. D 03. C 04. A 05. B 06. E 07. E
rão e divirta-se!
Para que o texto atenda à norma-padrão, devem-se preen-
cher as lacunas, correta e respectivamente, com as expressões

13
LÍNGUA PORTUGUESA

RESOLUÇÃO 7-) Fiz as correções entre parênteses:


A) Entre eu (mim) e a vida sempre houve muitos infor-
1-) túnios, por isso posso me queixar com razão.
(A) Ele se esqueceu de que? = quê? B) Sempre houveram (houve) várias formas eficazes
(B) Era tão ruím (ruim) aquele texto, que não deu para para ultrapassarmos os infortúnios da vida.
distribui-lo (distribuí-lo) entre os presentes. C) Devemos controlar nossas emoções todas as vezes
(C) Embora devêssemos (devêssemos) , não fomos exces- que vermos (virmos) a pobreza e a miséria fazerem parte
sivos nas críticas. de nossa vida.
(D) O juíz (juiz) nunca (se) negou a atender às reivindica- D) É difícil entender o por quê (o porquê) de tanto so-
ções dos funcionários. frimento, principalmente daqueles que procuram viver com
(E) Não sei por que ele mereceria minha consideração. dignidade e simplicidade.
E) As dificuldades por que (= pelas quais; correto) pas-
2-) samos certamente nos fazem mais fortes e preparados para
(A) Os tabeliãos devem preparar o documento. = tabe- os infortúnios da vida.
liães
(B) Esses cidadões tinham autorização para portar fuzis. O hífen é um sinal diacrítico (que distingue) usado
= cidadãos para ligar os elementos de palavras compostas (couve-flor,
(C) Para autenticar as certidãos, procure o cartório local. ex-presidente) e para unir pronomes átonos a verbos (ofere-
= certidões ceram-me; vê-lo-ei).
(E) Cuidado com os degrais, que são perigosos = degraus Serve igualmente para fazer a translineação de palavras,
isto é, no fim de uma linha, separar uma palavra em duas
3-) Prezado Usuário partes (ca-/sa; compa-/nheiro).
A fim de oferecer lazer e cultura aos passageiros do metrô,
a partir desta segunda-feira (25/02), às 17h30, começa o Sou- Uso do hífen que continua depois da Reforma Orto-
nderground, festival internacional que prestigia os músicos que gráfica:
tocam em estações do metrô.
Confira o dia e a estação em que os artistas se apresenta- 1. Em palavras compostas por justaposição que formam
rão e divirta-se! uma unidade semântica, ou seja, nos termos que se unem
A fim = indica finalidade; a partir: sempre separado; antes para formam um novo significado: tio-avô, porto-alegrense,
de horas: há crase luso-brasileiro, tenente-coronel, segunda-feira, conta-gotas,
guarda-chuva, arco- -íris, primeiro-ministro, azul-escuro.
4-) Fiz a correção entre parênteses:
(A) Que eles viajem sempre é muito bom, mas não é boa 2. Em palavras compostas por espécies botânicas e zoo-
a ansiedade com que enfrentam o excesso de passageiros lógicas: couve-flor, bem-te-vi, bem-me-quer, abóbora-meni-
nos aeroportos. na, erva-doce, feijão-verde.
(B) Comete muitos deslises (deslizes), talvez por sua es-
pontaneidade, mas nada que ponha em cheque (xeque) sua 3. Nos compostos com elementos além, aquém, recém
reputação de pessoa cortês. e sem: além-mar, recém-nascido, sem-número, recém-casa-
(C) Ele era rabugento e tinha ojeriza ao hábito do sócio do, aquém- -fiar, etc.
de descançar (descansar) após o almoço sob a frondoza
(frondosa) árvore do pátio. 4. No geral, as locuções não possuem hífen, mas algu-
(D) Não sei se isso influe (influi), mas a persistência des- mas exceções continuam por já estarem consagradas pelo
sa mágoa pode estar sendo o grande impecilho (empecilho) uso: cor- -de-rosa, arco-da-velha, mais-que-perfeito, pé-
na superação dessa sua crise. de-meia, água-de- -colônia, queima-roupa, deus-dará.
(E) O diretor exitou (hesitou) ao aprovar a retenção des-
sa alta quantia, mas não quiz (quis) ser taxado de conivente 5. Nos encadeamentos de vocábulos, como: ponte Rio-
na concessão de privilégios ilegítimos. Niterói, percurso Lisboa-Coimbra-Porto e nas combinações
históricas ou ocasionais: Áustria-Hungria, Angola-Brasil, Al-
5-) sácia-Lorena, etc.
A) O mindingo não depositou na cardeneta de poupan-
sa. = mendigo/caderneta/poupança 6. Nas formações com os prefixos hiper-, inter- e su-
C) O mindigo não depozitou na cardeneta de poupans- per- quando associados com outro termo que é iniciado
sa. = mendigo/caderneta/poupança por r: hiper-resistente, inter-racial, super-racional, etc.
D) O mendingo não depozitou na carderneta de pou-
7. Nas formações com os prefixos ex-, vice-: ex-diretor,
pansa. =mendigo/depositou/caderneta/poupança
ex- -presidente, vice-governador, vice-prefeito.
6-) Futuro do verbo “crescer”: crescerão. Teremos: mas
8. Nas formações com os prefixos pós-, pré- e pró-:
elas crescerão...
pré-natal, pré-escolar, pró-europeu, pós-graduação, etc.

14
LÍNGUA PORTUGUESA

9. Na ênclise e mesóclise: amá-lo, deixá-lo, dá-se, abra- 02.Assinale a alternativa errada quanto ao emprego do
ça-o, lança-o e amá-lo-ei, falar-lhe-ei, etc. hífen:
A) Pelo interfone ele comunicou bem-humorado que
10. Nas formações em que o prefixo tem como segun- faria uma superalimentação.
do termo uma palavra iniciada por “h”: sub-hepático, ele- B) Nas circunvizinhanças há uma casa malassombrada.
tro-higrómetro, geo-história, neo-helênico, extra-humano, C) Depois de comer a sobrecoxa, tomou um antiácido.
semi-hospitalar, super- -homem. D) Nossos antepassados realizaram vários anteproje-
tos.
11. Nas formações em que o prefixo ou pseudo prefixo E) O autodidata fez uma autoanálise.
termina na mesma vogal do segundo elemento: micro-on-
das, eletro-ótica, semi-interno, auto-observação, etc. 03.Assinale a alternativa incorreta quanto ao emprego
Obs: O hífen é suprimido quando para formar outros
do hífen, respeitando-se o novo Acordo.
termos: reaver, inábil, desumano, lobisomem, reabilitar.
A) O semi-analfabeto desenhou um semicírculo.
- Lembre-se: ao separar palavras na translineação (mu- B) O meia-direita fez um gol de sem-pulo na semifinal
dança de linha), caso a última palavra a ser escrita seja for- do campeonato.
mada por hífen, repita-o na próxima linha. Exemplo: escre- C) Era um sem-vergonha, pois andava seminu.
verei anti-inflamatório e, ao final, coube apenas “anti-”. Na D) O recém-chegado veio de além-mar.
linha debaixo escreverei: “-inflamatório” (hífen em ambas E) O vice-reitor está em estado pós-operatório.
as linhas).
04.Segundo o novo Acordo, entre as palavras pão duro
Não se emprega o hífen: (avarento), copo de leite (planta) e pé de moleque (doce) o
hífen é obrigatório:
1. Nas formações em que o prefixo ou falso prefixo A) em nenhuma delas.
termina em vogal e o segundo termo inicia-se em “r” ou B) na segunda palavra.
“s”. Nesse caso, passa-se a duplicar estas consoantes: antir-
C) na terceira palavra.
religioso, contrarregra, infrassom, microssistema, minissaia,
D) em todas as palavras.
microrradiografia, etc.
E) na primeira e na segunda palavra.
2. Nas constituições em que o prefixo ou pseudopre-
fixo termina em vogal e o segundo termo inicia-se com 05.Fez um esforço __ para vencer o campeonato __.
vogal diferente: antiaéreo, extraescolar, coeducação, autoes- Qual alternativa completa corretamente as lacunas?
trada, autoaprendizagem, hidroelétrico, plurianual, autoes- A) sobreumano/interregional
cola, infraestrutura, etc. B) sobrehumano-interregional
C) sobre-humano / inter-regional
3. Nas formações, em geral, que contêm os prefixos D) sobrehumano/ inter-regional
“dês” e “in” e o segundo elemento perdeu o h inicial: desu- E) sobre-humano /interegional
mano, inábil, desabilitar, etc. 06. Suponha que você tenha que agregar o prefixo sub-
às palavras que aparecem nas alternativas a seguir. Assinale
4. Nas formações com o prefixo “co”, mesmo quando aquela que tem de ser escrita com hífen:
o segundo elemento começar com “o”: cooperação, coo- A) (sub) chefe
brigação, coordenar, coocupante, coautor, coedição, coexistir, B) (sub) entender
etc. C) (sub) solo
D) (sub) reptício
5. Em certas palavras que, com o uso, adquiriram noção E) (sub) liminar
de composição: pontapé, girassol, paraquedas, paraquedis-
ta, etc. 07.Assinale a alternativa em que todas as palavras estão
grafadas corretamente:
6. Em alguns compostos com o advérbio “bem”: benfei- A) autocrítica, contramestre, extra-oficial
to, benquerer, benquerido, etc. B) infra-assinado, infra-vermelho, infra-som
C) semi-círculo, semi-humano, semi-internato
Questões sobre Hífen D) supervida, superelegante, supermoda
E) sobre-saia, mini-saia, superssaia
01.Assinale a alternativa em que o hífen, conforme o
novo Acordo, está sendo usado corretamente: 08.Assinale o item em que o uso do hífen está incorreto.
A) Ele fez sua auto-crítica ontem. A) infraestrutura / super-homem / autoeducação
B) Ela é muito mal-educada. B) bem-vindo / antessala /contra-regra
C) Ele tomou um belo ponta-pé. C) contramestre / infravermelho / autoescola
D) Fui ao super-mercado, mas não entrei. D) neoescolástico / ultrassom / pseudo-herói
E) Os raios infra-vermelhos ajudam em lesões. E) extraoficial / infra-hepático /semirreta

15
LÍNGUA PORTUGUESA

09.Uma das alternativas abaixo apresenta incorreção 7-)


quanto ao emprego do hífen. A) autocrítica, contramestre, extraoficial
A) O pseudo-hermafrodita não tinha infraestrutura para B) infra-assinado, infravermelho, infrassom
relacionamento extraconjugal. C) semicírculo, semi-humano, semi-internato
B) Era extraoficial a notícia da vinda de um extraterreno. D) supervida, superelegante, supermoda = corretas
C) Ele estudou línguas neolatinas nas colônias ultrama- E) sobressaia, minissaia, supersaia
rinas.
D) O anti-semita tomou um anti-biótico e vacina antir- 8-) B) bem-vindo / antessala / contrarregra
rábica.
E) Era um suboficial de uma superpotência. 9-) D) O antissemita tomou um antibiótico e vacina an-
tirrábica.
10.Assinale a alternativa em que ocorre erro quanto ao
emprego do hífen. 10-) C) O contrarregra comeu um contrafilé.
A) Foi iniciada a campanha pró-leite.
B) O ex-aluno fez a sua autodefesa. PLURAL E FEMININO DOS SUBSTANTIVOS
C) O contrarregra comeu um contra-filé. E ADJETIVOS. EMPREGO DOS PRONOMES
D) Sua vida é um verdadeiro contrassenso. PESSOAIS. VERBOS. CONCORDÂNCIA ENTRE
E) O meia-direita deu início ao contra-ataque.
SUBSTANTIVO E ADJETIVO E ENTRE VERBO E
SUBSTANTIVO.
GABARITO

01. B 02. B 03. A 04. E 05. C


06. D 07. D 08. B 09. D 10. C SUBSTANTIVO
RESOLUÇÃO Substantivo é a classe gramatical de palavras variáveis,
as quais denominam os seres. Além de objetos, pessoas e
1-) fenômenos, os substantivos também nomeiam:
A) autocrítica -lugares: Alemanha, Porto Alegre...
C) pontapé -sentimentos: raiva, amor...
D) supermercado -estados: alegria, tristeza...
E) infravermelhos -qualidades: honestidade, sinceridade...
-ações: corrida, pescaria...
2-)B) Nas circunvizinhanças há uma casa mal-assom- Morfossintaxe do substantivo
brada.
Nas orações de língua portuguesa, o substantivo em
3-) A) O semianalfabeto desenhou um semicírculo. geral exerce funções diretamente relacionadas com o ver-
4-) bo: atua como núcleo do sujeito, dos complementos verbais
a) pão-duro / b) copo-de-leite (planta) / c) pé de mo- (objeto direto ou indireto) e do agente da passiva. Pode ain-
leque (doce) da funcionar como núcleo do complemento nominal ou do
a) Usa-se o hífen nas palavras compostas que não aposto, como núcleo do predicativo do sujeito, do objeto ou
apresentam elementos de ligação. como núcleo do vocativo. Também encontramos substan-
b) Usa-se o hífen nos compostos que designam espé- tivos como núcleos de adjuntos adnominais e de adjuntos
adverbiais - quando essas funções são desempenhadas por
cies animais e botânicas (nomes de plantas, flores, frutos,
grupos de palavras.
raízes, sementes), tenham ou não elementos de ligação.
c) Não se usa o hífen em compostos que apresentam Classificação dos Substantivos
elementos de ligação.
1- Substantivos Comuns e Próprios
5-) Fez um esforço sobre-humano para vencer o cam- Observe a definição: s.f. 1: Povoação maior que vila, com
peonato inter-regional. muitas casas e edifícios, dispostos em ruas e avenidas (no Bra-
- Usa-se o hífen diante de palavra iniciada por h. sil, toda a sede de município é cidade). 2. O centro de uma
- Usa-se o hífen se o prefixo terminar com a mesma cidade (em oposição aos bairros).
letra com que se inicia a outra palavra
Qualquer “povoação maior que vila, com muitas casas e
6-) Com os prefixos sub e sob, usa-se o hífen também edifícios, dispostos em ruas e avenidas” será chamada cidade.
diante de palavra iniciada por r. : subchefe, subentender, Isso significa que a palavra cidade é um substantivo comum.
subsolo, sub- -reptício (sem o hífen até a leitura da pala- Substantivo Comum é aquele que designa os seres de
vra será alterada; /subre/, ao invés de /sub re/), subliminar uma mesma espécie de forma genérica: cidade, menino,
homem, mulher, país, cachorro.
Estamos voando para Barcelona.

16
LÍNGUA PORTUGUESA

O substantivo Barcelona designa apenas um ser da es- Substantivo coletivo Conjunto de:
pécie cidade. Esse substantivo é próprio. Substantivo Pró- assembleia pessoas reunidas
prio: é aquele que designa os seres de uma mesma espécie alcateia lobos
de forma particular: Londres, Paulinho, Pedro, Tietê, Brasil. acervo livros
antologia trechos literários selecionados
2 - Substantivos Concretos e Abstratos arquipélago ilhas
banda músicos
LÂMPADA MALA bando desordeiros ou malfeitores
banca examinadores
Os substantivos lâmpada e mala designam seres com batalhão soldados
existência própria, que são independentes de outros seres. cardume peixes
São substantivos concretos. caravana viajantes peregrinos
Substantivo Concreto: é aquele que designa o ser que cacho frutas
existe, independentemente de outros seres. cáfila camelos
Obs.: os substantivos concretos designam seres do cancioneiro canções, poesias líricas
mundo real e do mundo imaginário. colmeia abelhas
Seres do mundo real: homem, mulher, cadeira, cobra, chusma gente, pessoas
Brasília, etc. concílio bispos
Seres do mundo imaginário: saci, mãe-d’água, fantas- congresso parlamentares, cientistas.
ma, etc. elenco atores de uma peça ou filme
esquadra navios de guerra
Observe agora: enxoval roupas
Beleza exposta falange soldados, anjos
Jovens atrizes veteranas destacam-se pelo visual. fauna animais de uma região
O substantivo beleza designa uma qualidade. feixe lenha, capim
flora vegetais de uma região
frota navios mercantes, ônibus
Substantivo Abstrato: é aquele que designa seres que
girândola fogos de artifício
dependem de outros para se manifestar ou existir.
horda bandidos, invasores
Pense bem: a beleza não existe por si só, não pode ser
junta médicos, bois, credores, examinadores
observada. Só podemos observar a beleza numa pessoa
júri jurados
ou coisa que seja bela. A beleza depende de outro ser para
legião soldados, anjos, demônios
se manifestar. Portanto, a palavra beleza é um substantivo
leva presos, recrutas
abstrato.
malta malfeitores ou desordeiros
Os substantivos abstratos designam estados, qualida-
manada búfalos, bois, elefantes,
des, ações e sentimentos dos seres, dos quais podem ser matilha cães de raça
abstraídos, e sem os quais não podem existir: vida (estado), molho chaves, verduras
rapidez (qualidade), viagem (ação), saudade (sentimento). multidão pessoas em geral
ninhada pintos
3 - Substantivos Coletivos nuvem insetos (gafanhotos, mosquitos, etc.)
penca bananas, chaves
Ele vinha pela estrada e foi picado por uma abelha, ou- pinacoteca pinturas, quadros
tra abelha, mais outra abelha. quadrilha ladrões, bandidos
Ele vinha pela estrada e foi picado por várias abelhas. ramalhete flores
Ele vinha pela estrada e foi picado por um enxame. rebanho ovelhas
récua bestas de carga, cavalgadura
Note que, no primeiro caso, para indicar plural, foi ne- repertório peças teatrais, obras musicais
cessário repetir o substantivo: uma abelha, outra abelha, réstia alhos ou cebolas
mais outra abelha... romanceiro poesias narrativas
No segundo caso, utilizaram-se duas palavras no plu- revoada pássaros
ral. sínodo párocos
No terceiro caso, empregou-se um substantivo no talha lenha
singular (enxame) para designar um conjunto de seres da tropa muares, soldados
mesma espécie (abelhas). turma estudantes, trabalhadores
O substantivo enxame é um substantivo coletivo. vara porcos
Substantivo Coletivo: é o substantivo comum que,
mesmo estando no singular, designa um conjunto de seres
da mesma espécie.

17
LÍNGUA PORTUGUESA

Formação dos Substantivos Substantivos Uniformes: são aqueles que apresentam


uma única forma, que serve tanto para o masculino quanto
Substantivos Simples e Compostos para o feminino. Classificam-se em:
Chuva - subst. Fem. 1 - água caindo em gotas sobre a - Epicenos: têm um só gênero e nomeiam bichos: a
terra. cobra macho e a cobra fêmea, o jacaré macho e o jacaré
O substantivo chuva é formado por um único elemento fêmea.
ou radical. É um substantivo simples. - Sobrecomuns: têm um só gênero e nomeiam pes-
soas: a criança, a testemunha, a vítima, o cônjuge, o gênio,
Substantivo Simples: é aquele formado por um único o ídolo, o indivíduo.
elemento. - Comuns de Dois Gêneros: indicam o sexo das pes-
Outros substantivos simples: tempo, sol, sofá, etc. Veja soas por meio do artigo: o colega e a colega, o doente e a
agora: O substantivo guarda-chuva é formado por dois ele- doente, o artista e a artista.
mentos (guarda + chuva). Esse substantivo é composto. Saiba que: Substantivos de origem grega terminados
em ema ou oma, são masculinos: o fonema, o poema, o
Substantivo Composto: é aquele formado por dois ou sistema, o sintoma, o teorema.
mais elementos. Outros exemplos: beija-flor, passatempo. - Existem certos substantivos que, variando de gêne-
Substantivos Primitivos e Derivados ro, variam em seu significado: o rádio (aparelho receptor)
Meu limão meu limoeiro, e a rádio (estação emissora) o capital (dinheiro) e a capital
meu pé de jacarandá... (cidade)
O substantivo limão é primitivo, pois não se originou de
Formação do Feminino dos Substantivos Biformes
nenhum outro dentro de língua portuguesa.
Substantivo Primitivo: é aquele que não deriva de ne-
- Regra geral: troca-se a terminação -o por –a: aluno
nhuma outra palavra da própria língua portuguesa. O subs-
- aluna.
tantivo limoeiro é derivado, pois se originou a partir da pa-
- Substantivos terminados em -ês: acrescenta-se -a ao
lavra limão.
masculino: freguês - freguesa
Substantivo Derivado: é aquele que se origina de outra
palavra. - Substantivos terminados em -ão: fazem o feminino
de três formas:
Flexão dos substantivos - troca-se -ão por -oa. = patrão – patroa
- troca-se -ão por -ã. = campeão - campeã
O substantivo é uma classe variável. A palavra é variável -troca-se -ão por ona. = solteirão - solteirona
quando sofre flexão (variação). A palavra menino, por exem- Exceções: barão – baronesa ladrão- ladra sultão
plo, pode sofrer variações para indicar: - sultana
Plural: meninos Feminino: menina
Aumentativo: meninão Diminutivo: menininho - Substantivos terminados em -or:
- acrescenta-se -a ao masculino = doutor – doutora
Flexão de Gênero - troca-se -or por -triz: = imperador - imperatriz

Gênero é a propriedade que as palavras têm de indicar - Substantivos com feminino em -esa, -essa, -isa: côn-
sexo real ou fictício dos seres. Na língua portuguesa, há dois sul - consulesa / abade - abadessa / poeta - poetisa / duque
gêneros: masculino e feminino. Pertencem ao gênero mascu- - duquesa / conde - condessa / profeta - profetisa
lino os substantivos que podem vir precedidos dos artigos o,
os, um, uns. Veja estes títulos de filmes: - Substantivos que formam o feminino trocando o -e
O velho e o mar final por -a: elefante - elefanta
Um Natal inesquecível
Os reis da praia - Substantivos que têm radicais diferentes no masculi-
no e no feminino: bode – cabra / boi - vaca
Pertencem ao gênero feminino os substantivos que po-
dem vir precedidos dos artigos a, as, uma, umas: - Substantivos que formam o feminino de maneira es-
A história sem fim pecial, isto é, não seguem nenhuma das regras anteriores:
Uma cidade sem passado czar – czarina réu - ré
As tartarugas ninjas
Formação do Feminino dos Substantivos Uniformes
Substantivos Biformes e Substantivos Uniformes
Epicenos:
Substantivos Biformes (= duas formas): ao indicar nomes Novo jacaré escapa de policiais no rio Pinheiros.
de seres vivos, geralmente o gênero da palavra está relacio-
nado ao sexo do ser, havendo, portanto, duas formas, uma Não é possível saber o sexo do jacaré em questão. Isso
para o masculino e outra para o feminino. Observe: gato ocorre porque o substantivo jacaré tem apenas uma forma
– gata, homem – mulher, poeta – poetisa, prefeito - prefeita para indicar o masculino e o feminino.

18
LÍNGUA PORTUGUESA

Alguns nomes de animais apresentam uma só forma Gênero dos Nomes de Cidades:
para designar os dois sexos. Esses substantivos são chama-
dos de epicenos. No caso dos epicenos, quando houver a Com raras exceções, nomes de cidades são femininos.
necessidade de especificar o sexo, utilizam-se palavras ma- A histórica Ouro Preto.
cho e fêmea. A dinâmica São Paulo.
A cobra macho picou o marinheiro. A acolhedora Porto Alegre.
A cobra fêmea escondeu-se na bananeira. Uma Londres imensa e triste.
Exceções: o Rio de Janeiro, o Cairo, o Porto, o Havre.
Sobrecomuns:
Entregue as crianças à natureza. Gênero e Significação:
A palavra crianças refere-se tanto a seres do sexo mas- Muitos substantivos têm uma significação no masculi-
culino, quanto a seres do sexo feminino. Nesse caso, nem o
no e outra no feminino. Observe: o baliza (soldado que, que
artigo nem um possível adjetivo permitem identificar o sexo
à frente da tropa, indica os movimentos que se deve realizar
dos seres a que se refere a palavra. Veja:
em conjunto; o que vai à frente de um bloco carnavalesco,
A criança chorona chamava-se João.
A criança chorona chamava-se Maria. manejando um bastão), a baliza (marco, estaca; sinal que
marca um limite ou proibição de trânsito), o cabeça (chefe),
Outros substantivos sobrecomuns: a cabeça (parte do corpo), o cisma (separação religiosa, dissi-
a criatura = João é uma boa criatura. Maria é uma boa dência), a cisma (ato de cismar, desconfiança), o cinza (a cor
criatura. cinzenta), a cinza (resíduos de combustão), o capital (dinhei-
o cônjuge = O cônjuge de João faleceu. O cônjuge de ro), a capital (cidade), o coma (perda dos sentidos), a coma
Marcela faleceu (cabeleira), o coral (pólipo, a cor vermelha, canto em coro),
a coral (cobra venenosa), o crisma (óleo sagrado, usado na
Comuns de Dois Gêneros: administração da crisma e de outros sacramentos), a crisma
Motorista tem acidente idêntico 23 anos depois. (sacramento da confirmação), o cura (pároco), a cura (ato de
curar), o estepe (pneu sobressalente), a estepe (vasta planície
Quem sofreu o acidente: um homem ou uma mulher? de vegetação), o guia (pessoa que guia outras), a guia (docu-
É impossível saber apenas pelo título da notícia, uma vez mento, pena grande das asas das aves), o grama (unidade de
que a palavra motorista é um substantivo uniforme. peso), a grama (relva), o caixa (funcionário da caixa), a caixa
A distinção de gênero pode ser feita através da análise (recipiente, setor de pagamentos), o lente (professor), a lente
do artigo ou adjetivo, quando acompanharem o substantivo: (vidro de aumento), o moral (ânimo), a moral (honestidade,
o colega - a colega; o imigrante - a imigrante; um jovem - uma bons costumes, ética), o nascente (lado onde nasce o Sol), a
jovem; artista famoso - artista famosa; repórter francês - re- nascente (a fonte), o maria-fumaça (trem como locomotiva
pórter francesa a vapor), maria-fumaça (locomotiva movida a vapor), o pala
- A palavra personagem é usada indistintamente nos (poncho), a pala (parte anterior do boné ou quepe, antepa-
dois gêneros. ro), o rádio (aparelho receptor), a rádio (estação emissora), o
a) Entre os escritores modernos nota-se acentuada pre- voga (remador), a voga (moda, popularidade).
ferência pelo masculino: O menino descobriu nas nuvens os
personagens dos contos de carochinha. Flexão de Número do Substantivo
b) Com referência a mulher, deve-se preferir o feminino:
O problema está nas mulheres de mais idade, que não aceitam
Em português, há dois números gramaticais: o singular,
a personagem.
que indica um ser ou um grupo de seres, e o plural, que
- Diz-se: o (ou a) manequim Marcela, o (ou a) modelo fo-
tográfico Ana Belmonte. indica mais de um ser ou grupo de seres. A característica
Observe o gênero dos substantivos seguintes: do plural é o “s” final.

Masculinos: o tapa, o eclipse, o lança-perfume, o dó Plural dos Substantivos Simples


(pena), o sanduíche, o clarinete, o champanha, o sósia, o ma-
racajá, o clã, o hosana, o herpes, o pijama, o suéter, o soprano, - Os substantivos terminados em vogal, ditongo oral e
o proclama, o pernoite, o púbis. “n” fazem o plural pelo acréscimo de “s”: pai – pais; ímã –
Femininos: a dinamite, a derme, a hélice, a omoplata, a ímãs; hífen - hifens (sem acento, no plural). Exceção: cânon
cataplasma, a pane, a mascote, a gênese, a entorse, a libido, a - cânones.
cal, a faringe, a cólera (doença), a ubá (canoa).
- Os substantivos terminados em “m” fazem o plural
- São geralmente masculinos os substantivos de origem em “ns”: homem - homens.
grega terminados em -ma: o grama (peso), o quilograma, o
plasma, o apostema, o diagrama, o epigrama, o telefonema, o - Os substantivos terminados em “r” e “z” fazem o plu-
estratagema, o dilema, o teorema, o trema, o eczema, o ede- ral pelo acréscimo de “es”: revólver – revólveres; raiz - raízes.
ma, o magma, o estigma, o axioma, o tracoma, o hematoma.
Exceções: a cataplasma, a celeuma, a fleuma, etc. Atenção: O plural de caráter é caracteres.

19
LÍNGUA PORTUGUESA

- Os substantivos terminados em al, el, ol, ul flexionam- - Flexiona-se somente o primeiro elemento, quando
se no plural, trocando o “l” por “is”: quintal - quintais; formados de:
caracol – caracóis; hotel - hotéis. Exceções: mal e males, substantivo + preposição clara + substantivo = água-
cônsul e cônsules. de-colônia e águas-de-colônia
substantivo + preposição oculta + substantivo = ca-
- Os substantivos terminados em “il” fazem o plural valo-vapor e cavalos-vapor
de duas maneiras: substantivo + substantivo que funciona como deter-
- Quando oxítonos, em “is”: canil - canis minante do primeiro, ou seja, especifica a função ou o
- Quando paroxítonos, em “eis”: míssil - mísseis. tipo do termo anterior: palavra-chave - palavras-chave,
bomba-relógio - bombas-relógio, notícia-bomba - notí-
Obs.: a palavra réptil pode formar seu plural de duas cias-bomba, homem-rã - homens-rã, peixe-espada - pei-
maneiras: répteis ou reptis (pouco usada). xes-espada.

- Os substantivos terminados em “s” fazem o plural - Permanecem invariáveis, quando formados de:
de duas maneiras: verbo + advérbio = o bota-fora e os bota-fora
- Quando monossilábicos ou oxítonos, mediante o verbo + substantivo no plural = o saca-rolhas e os
acréscimo de “es”: ás – ases / retrós - retroses saca-rolhas
- Quando paroxítonos ou proparoxítonos, ficam inva- - Casos Especiais
riáveis: o lápis - os lápis / o ônibus - os ônibus. o louva-a-deus e os louva-a-deus
o bem-te-vi e os bem-te-vis
- Os substantivos terminados em “ao” fazem o plural o bem-me-quer e os bem-me-queres
de três maneiras. o joão-ninguém e os joões-ninguém.
- substituindo o -ão por -ões: ação - ações
- substituindo o -ão por -ães: cão - cães Plural das Palavras Substantivadas
- substituindo o -ão por -ãos: grão - grãos
As palavras substantivadas, isto é, palavras de outras
- Os substantivos terminados em “x” ficam invariá-
classes gramaticais usadas como substantivo, apresen-
veis: o látex - os látex.
tam, no plural, as flexões próprias dos substantivos.
Pese bem os prós e os contras.
Plural dos Substantivos Compostos
O aluno errou na prova dos noves.
Ouça com a mesma serenidade os sins e os nãos.
-A formação do plural dos substantivos compostos
depende da forma como são grafados, do tipo de pa-
Obs.: numerais substantivados terminados em “s” ou
lavras que formam o composto e da relação que esta-
“z” não variam no plural: Nas provas mensais consegui
belecem entre si. Aqueles que são grafados sem hífen
comportam-se como os substantivos simples: aguar- muitos seis e alguns dez.
dente/aguardentes, girassol/girassóis, pontapé/ponta-
pés, malmequer/malmequeres. Plural dos Diminutivos
O plural dos substantivos compostos cujos elementos
são ligados por hífen costuma provocar muitas dúvidas e Flexiona-se o substantivo no plural, retira-se o “s” fi-
discussões. Algumas orientações são dadas a seguir: nal e acrescenta-se o sufixo diminutivo.
pãe(s) + zinhos = pãezinhos
- Flexionam-se os dois elementos, quando forma- animai(s) + zinhos = animaizinhos
dos de: botõe(s) + zinhos = botõezinhos
substantivo + substantivo = couve-flor e couves-flores chapéu(s) + zinhos = chapeuzinhos
substantivo + adjetivo = amor-perfeito e amores-per- farói(s) + zinhos = faroizinhos
feitos tren(s) + zinhos = trenzinhos
adjetivo + substantivo = gentil-homem e gentis-ho- colhere(s) + zinhas = colherezinhas
mens flore(s) + zinhas = florezinhas
numeral + substantivo = quinta-feira e quintas-feiras mão(s) + zinhas = mãozinhas
papéi(s) + zinhos = papeizinhos
- Flexiona-se somente o segundo elemento, quan- nuven(s) + zinhas = nuvenzinhas
do formados de: funi(s) + zinhos = funizinhos
verbo + substantivo = guarda-roupa e guarda-roupas túnei(s) + zinhos = tuneizinhos
palavra invariável + palavra variável = alto-falante e pai(s) + zinhos = paizinhos
alto- -falantes pé(s) + zinhos = pezinhos
palavras repetidas ou imitativas = reco-reco e re- pé(s) + zitos = pezitos
co-recos

20
LÍNGUA PORTUGUESA

Plural dos Nomes Próprios Personativos Celebraram o sacrifício divino muitas vezes em capelas
improvisadas.
Devem-se pluralizar os nomes próprios de pessoas
sempre que a terminação preste-se à flexão. Flexão de Grau do Substantivo
Os Napoleões também são derrotados.
As Raquéis e Esteres. Grau é a propriedade que as palavras têm de exprimir
as variações de tamanho dos seres. Classifica-se em:
Plural dos Substantivos Estrangeiros - Grau Normal - Indica um ser de tamanho considera-
do normal. Por exemplo: casa
Substantivos ainda não aportuguesados devem ser es-
critos como na língua original, acrescentando-se “s” (exceto - Grau Aumentativo - Indica o aumento do tamanho
quando terminam em “s” ou “z”): os shows, os shorts, os jazz. do ser. Classifica-se em:
Analítico = o substantivo é acompanhado de um adje-
Substantivos já aportuguesados flexionam-se de acor- tivo que indica grandeza. Por exemplo: casa grande.
do com as regras de nossa língua: os clubes, os chopes, os Sintético = é acrescido ao substantivo um sufixo indi-
jipes, os esportes, as toaletes, os bibelôs, os garçons, os ré- cador de aumento. Por exemplo: casarão.
quiens.
Observe o exemplo: - Grau Diminutivo - Indica a diminuição do tamanho
Este jogador faz gols toda vez que joga. do ser. Pode ser:
O plural correto seria gois (ô), mas não se usa. Analítico = substantivo acompanhado de um adjetivo
Plural com Mudança de Timbre que indica pequenez. Por exemplo: casa pequena.
Sintético = é acrescido ao substantivo um sufixo indi-
Certos substantivos formam o plural com mudança de cador de diminuição. Por exemplo: casinha.
timbre da vogal tônica (o fechado / o aberto). É um fato
fonético chamado metafonia (plural metafônico). ADJETIVO

Singular Plural Adjetivo é a palavra que expressa uma qualidade ou


característica do ser e se relaciona com o substantivo.
corpo (ô) corpos (ó) Ao analisarmos a palavra bondoso, por exemplo, per-
esforço esforços cebemos que, além de expressar uma qualidade, ela pode
fogo fogos ser colocada ao lado de um substantivo: homem bondoso,
forno fornos moça bondosa, pessoa bondosa.
fosso fossos Já com a palavra bondade, embora expresse uma quali-
imposto impostos dade, não acontece o mesmo; não faz sentido dizer: homem
olho olhos bondade, moça bondade, pessoa bondade. Bondade, portan-
osso (ô) ossos (ó) to, não é adjetivo, mas substantivo.
ovo ovos
poço poços Morfossintaxe do Adjetivo:
porto portos
posto postos O adjetivo exerce sempre funções sintáticas (função
tijolo tijolos dentro de uma oração) relativas aos substantivos, atuando
como adjunto adnominal ou como predicativo (do sujeito
Têm a vogal tônica fechada (ô): adornos, almoços, bol- ou do objeto).
sos, esposos, estojos, globos, gostos, polvos, rolos, soros, etc.
Adjetivo Pátrio (ou gentílico)
Obs.: distinga-se molho (ô) = caldo (molho de carne), Indica a nacionalidade ou o lugar de origem do ser. Ob-
de molho (ó) = feixe (molho de lenha). serve alguns deles:
Estados e cidades brasileiros:
Particularidades sobre o Número dos Substantivos
Alagoas alagoano
- Há substantivos que só se usam no singular: o sul, o Amapá amapaense
norte, o leste, o oeste, a fé, etc. Aracaju aracajuano ou aracajuense
- Outros só no plural: as núpcias, os víveres, os pêsames, Amazonas amazonense ou baré
as espadas/os paus (naipes de baralho), as fezes. Belo Horizonte belo-horizontino
- Outros, enfim, têm, no plural, sentido diferente do sin- Brasília brasiliense
gular: bem (virtude) e bens (riquezas), honra (probidade, bom Cabo Frio cabo-friense
nome) e honras (homenagem, títulos). Campinas campineiro ou campinense
- Usamos às vezes, os substantivos no singular, mas
com sentido de plural:
Aqui morreu muito negro.

21
LÍNGUA PORTUGUESA

Adjetivo Pátrio Composto 
 Veja outros exemplos:


Na formação do adjetivo pátrio composto, o primeiro Motos vinho (mas: motos verdes)
elemento aparece na forma reduzida e, normalmente, eru- Paredes musgo (mas: paredes brancas).
dita. Observe alguns exemplos: Comícios monstro (mas: comícios grandiosos).

África afro- / Cultura afro-americana Adjetivo Composto


Alemanha germano- ou teuto-/Competições teuto-inglesas
América américo- / Companhia américo-africana É aquele formado por dois ou mais elementos. Nor-
Bélgica belgo- / Acampamentos belgo-franceses malmente, esses elementos são ligados por hífen. Apenas
China sino- / Acordos sino-japoneses o último elemento concorda com o substantivo a que se
Espanha hispano- / Mercado hispano-português refere; os demais ficam na forma masculina, singular. Caso
Europa euro- / Negociações euro-americanas um dos elementos que formam o adjetivo composto seja
França franco- ou galo- / Reuniões franco-italianas um substantivo adjetivado, todo o adjetivo composto fica-
Grécia greco- / Filmes greco-romanos rá invariável. Por exemplo: a palavra rosa é originalmente
Inglaterra anglo- / Letras anglo-portuguesas um substantivo, porém, se estiver qualificando um elemen-
Itália ítalo- / Sociedade ítalo-portuguesa to, funcionará como adjetivo. Caso se ligue a outra pala-
Japão nipo- / Associações nipo-brasileiras vra por hífen, formará um adjetivo composto; como é um
Portugal luso- / Acordos luso-brasileiros substantivo adjetivado, o adjetivo composto inteiro ficará
invariável. Por exemplo:
Flexão dos adjetivos Camisas rosa-claro.
Ternos rosa-claro.
O adjetivo varia em gênero, número e grau. Olhos verde-claros.
Calças azul-escuras e camisas verde-mar.
Gênero dos Adjetivos Telhados marrom-café e paredes verde-claras.

Os adjetivos concordam com o substantivo a que se Obs.: - Azul-marinho, azul-celeste, ultravioleta e qual-
referem (masculino e feminino). De forma semelhante aos quer adjetivo composto iniciado por cor-de-... são sempre
substantivos, classificam-se em: invariáveis.
- Os adjetivos compostos surdo-mudo e pele-vermelha
Biformes - têm duas formas, sendo uma para o mas- têm os dois elementos flexionados.
culino e outra para o feminino. Por exemplo: ativo e ativa,
mau e má, judeu e judia. Grau do Adjetivo
Se o adjetivo é composto e biforme, ele flexiona no
feminino somente o último elemento. Por exemplo: o moço Os adjetivos flexionam-se em grau para indicar a inten-
norte-americano, a moça norte-americana. sidade da qualidade do ser. São dois os graus do adjetivo:
Exceção: surdo-mudo e surda-muda. o comparativo e o superlativo.

Uniformes - têm uma só forma tanto para o masculino Comparativo


como para o feminino. Por exemplo: homem feliz e mulher
feliz. Nesse grau, comparam-se a mesma característica atri-
Se o adjetivo é composto e uniforme, fica invariável no buída a dois ou mais seres ou duas ou mais característi-
feminino. Por exemplo: conflito político-social e desavença cas atribuídas ao mesmo ser. O comparativo pode ser de
político-social. igualdade, de superioridade ou de inferioridade. Observe
Número dos Adjetivos os exemplos abaixo:
Sou tão alto como você. = Comparativo de Igualdade
Plural dos adjetivos simples No comparativo de igualdade, o segundo termo da
Os adjetivos simples flexionam-se no plural de acor- comparação é introduzido pelas palavras como, quanto ou
do com as regras estabelecidas para a flexão numérica dos quão.
substantivos simples. Por exemplo: mau e maus, feliz e feli-
zes, ruim e ruins boa e boas Sou mais alto (do) que você. = Comparativo de Supe-
rioridade Analítico
Caso o adjetivo seja uma palavra que também exerça No comparativo de superioridade analítico, entre os
função de substantivo, ficará invariável, ou seja, se a pa- dois substantivos comparados, um tem qualidade supe-
lavra que estiver qualificando um elemento for, original- rior. A forma é analítica porque pedimos auxílio a “mais...do
mente, um substantivo, ela manterá sua forma primitiva. que” ou “mais...que”.
Exemplo: a palavra cinza é originalmente um substantivo;
porém, se estiver qualificando um elemento, funciona- O Sol é maior (do) que a Terra. = Comparativo de Supe-
rá como adjetivo. Ficará, então, invariável. Logo: camisas rioridade Sintético
cinza, ternos cinza.

22
LÍNGUA PORTUGUESA

Alguns adjetivos possuem, para o comparativo de su- Em termos morfológicos, os pronomes são palavras
perioridade, formas sintéticas, herdadas do latim. São eles: variáveis em gênero (masculino ou feminino) e em núme-
bom /melhor, pequeno/menor, mau/pior, alto/superior, ro (singular ou plural). Assim, espera-se que a referência
grande/maior, baixo/inferior. através do pronome seja coerente em termos de gênero
Observe que: e número (fenômeno da concordância) com o seu objeto,
a) As formas menor e pior são comparativos de supe- mesmo quando este se apresenta ausente no enunciado.
rioridade, pois equivalem a mais pequeno e mais mau, res-
pectivamente. Fala-se de Roberta. Ele quer participar do desfile da nos-
b) Bom, mau, grande e pequeno têm formas sintéticas sa escola neste ano.
(melhor, pior, maior e menor), porém, em comparações fei- [nossa: pronome que qualifica “escola” = concordância
tas entre duas qualidades de um mesmo elemento, deve- adequada]
se usar as formas analíticas mais bom, mais mau,mais gran- [neste: pronome que determina “ano” = concordância
de e mais pequeno. Por exemplo: adequada]
Pedro é maior do que Paulo - Comparação de dois ele- [ele: pronome que faz referência à “Roberta” = concor-
mentos. dância inadequada]
Pedro é mais grande que pequeno - comparação de Existem seis tipos de pronomes: pessoais, possessivos,
duas qualidades de um mesmo elemento. demonstrativos, indefinidos, relativos e interrogativos.
Sou menos alto (do) que você. = Comparativo de In- Pronomes Pessoais
ferioridade
Sou menos passivo (do) que tolerante. São aqueles que substituem os substantivos, indicando
diretamente as pessoas do discurso. Quem fala ou escreve
PRONOME assume os pronomes “eu” ou “nós”, usa os pronomes “tu”,
“vós”, “você” ou “vocês” para designar a quem se dirige e
Pronome é a palavra que se usa em lugar do nome, ou “ele”, “ela”, “eles” ou “elas” para fazer referência à pessoa
a ele se refere, ou que acompanha o nome, qualificando-o ou às pessoas de quem fala.
de alguma forma. Os pronomes pessoais variam de acordo com as fun-
ções que exercem nas orações, podendo ser do caso reto
A moça era mesmo bonita. Ela morava nos meus so- ou do caso oblíquo.
nhos!
[substituição do nome]
Pronome Reto
A moça que morava nos meus sonhos era mesmo bo-
Pronome pessoal do caso reto é aquele que, na sen-
nita!
tença, exerce a função de sujeito ou predicativo do sujeito.
[referência ao nome]
Nós lhe ofertamos flores.
Essa moça morava nos meus sonhos!
Os pronomes retos apresentam flexão de número, gê-
[qualificação do nome]
nero (apenas na 3ª pessoa) e pessoa, sendo essa última a
Grande parte dos pronomes não possuem significados principal flexão, uma vez que marca a pessoa do discurso.
fixos, isto é, essas palavras só adquirem significação dentro Dessa forma, o quadro dos pronomes retos é assim confi-
de um contexto, o qual nos permite recuperar a referên- gurado:
cia exata daquilo que está sendo colocado por meio dos
pronomes no ato da comunicação. Com exceção dos pro- - 1ª pessoa do singular: eu
nomes interrogativos e indefinidos, os demais pronomes - 2ª pessoa do singular: tu
têm por função principal apontar para as pessoas do dis- - 3ª pessoa do singular: ele, ela
curso ou a elas se relacionar, indicando-lhes sua situação - 1ª pessoa do plural: nós
no tempo ou no espaço. Em virtude dessa característica, - 2ª pessoa do plural: vós
os pronomes apresentam uma forma específica para cada - 3ª pessoa do plural: eles, elas
pessoa do discurso.
Atenção: esses pronomes não costumam ser usados
Minha carteira estava vazia quando eu fui assaltada. como complementos verbais na língua-padrão. Frases
[minha/eu: pronomes de 1ª pessoa = aquele que fala] como “Vi ele na rua”, “Encontrei ela na praça”, “Trouxeram
Tua carteira estava vazia quando tu foste assaltada? eu até aqui”, comuns na língua oral cotidiana, devem ser
[tua/tu: pronomes de 2ª pessoa = aquele a quem se evitadas na língua formal escrita ou falada. Na língua for-
fala] mal, devem ser usados os pronomes oblíquos correspon-
A carteira dela estava vazia quando ela foi assaltada. dentes: “Vi-o na rua”, “Encontrei-a na praça”, “Trouxeram-
[dela/ela: pronomes de 3ª pessoa = aquele de quem me até aqui”.
se fala]

23
LÍNGUA PORTUGUESA

Obs.: frequentemente observamos a omissão do pro- Atenção: Os pronomes o, os, a, as assumem formas
nome reto em Língua Portuguesa. Isso se dá porque as pró- especiais depois de certas terminações verbais. Quando o
prias formas verbais marcam, através de suas desinências, verbo termina em -z, -s ou -r, o pronome assume a forma
as pessoas do verbo indicadas pelo pronome reto: Fizemos lo, los, la ou las, ao mesmo tempo que a terminação verbal
boa viagem. (Nós) é suprimida. Por exemplo:
fiz + o = fi-lo
Pronome Oblíquo fazeis + o = fazei-lo
dizer + a = dizê-la
Pronome pessoal do caso oblíquo é aquele que, na
sentença, exerce a função de complemento verbal (objeto Quando o verbo termina em som nasal, o pronome as-
direto ou indireto) ou complemento nominal. sume as formas no, nos, na, nas. Por exemplo:
Ofertaram-nos flores. (objeto indireto) viram + o: viram-no
repõe + os = repõe-nos
Obs.: em verdade, o pronome oblíquo é uma forma retém + a: retém-na
variante do pronome pessoal do caso reto. Essa variação tem + as = tem-nas
indica a função diversa que eles desempenham na oração:
pronome reto marca o sujeito da oração; pronome oblíquo Pronome Oblíquo Tônico
marca o complemento da oração.
Os pronomes oblíquos sofrem variação de acordo com Os pronomes oblíquos tônicos são sempre precedidos
a acentuação tônica que possuem, podendo ser átonos ou por preposições, em geral as preposições a, para, de e com.
tônicos. Por esse motivo, os pronomes tônicos exercem a função
de objeto indireto da oração. Possuem acentuação tônica
Pronome Oblíquo Átono forte.
O quadro dos pronomes oblíquos tônicos é assim con-
São chamados átonos os pronomes oblíquos que não figurado:
são precedidos de preposição. Possuem acentuação tônica - 1ª pessoa do singular (eu): mim, comigo
fraca: Ele me deu um presente. - 2ª pessoa do singular (tu): ti, contigo
O quadro dos pronomes oblíquos átonos é assim con- - 3ª pessoa do singular (ele, ela): ele, ela
figurado: - 1ª pessoa do plural (nós): nós, conosco
- 1ª pessoa do singular (eu): me - 2ª pessoa do plural (vós): vós, convosco
- 2ª pessoa do singular (tu): te - 3ª pessoa do plural (eles, elas): eles, elas
- 3ª pessoa do singular (ele, ela): o, a, lhe
- 1ª pessoa do plural (nós): nos Observe que as únicas formas próprias do pronome tô-
- 2ª pessoa do plural (vós): vos nico são a primeira pessoa (mim) e segunda pessoa (ti). As
- 3ª pessoa do plural (eles, elas): os, as, lhes demais repetem a forma do pronome pessoal do caso reto.
- As preposições essenciais introduzem sempre prono-
Observações: mes pessoais do caso oblíquo e nunca pronome do caso
O “lhe” é o único pronome oblíquo átono que já se reto. Nos contextos interlocutivos que exigem o uso da
apresenta na forma contraída, ou seja, houve a união en- língua formal, os pronomes costumam ser usados desta
tre o pronome “o” ou “a” e preposição “a” ou “para”. Por forma:
acompanhar diretamente uma preposição, o pronome Não há mais nada entre mim e ti.
“lhe” exerce sempre a função de objeto indireto na oração. Não se comprovou qualquer ligação entre ti e ela.
Os pronomes me, te, nos e vos podem tanto ser objetos Não há nenhuma acusação contra mim.
diretos como objetos indiretos. Não vá sem mim.
Os pronomes o, a, os e as atuam exclusivamente como Atenção: Há construções em que a preposição, apesar
objetos diretos. de surgir anteposta a um pronome, serve para introduzir
Os pronomes me, te, lhe, nos, vos e lhes podem combi- uma oração cujo verbo está no infinitivo. Nesses casos, o
nar-se com os pronomes o, os, a, as, dando origem a for- verbo pode ter sujeito expresso; se esse sujeito for um pro-
mas como mo, mos , ma, mas; to, tos, ta, tas; lho, lhos, lha, nome, deverá ser do caso reto.
lhas; no-lo, no-los, no-la, no-las, vo-lo, vo-los, vo-la, vo-las. Trouxeram vários vestidos para eu experimentar.
Observe o uso dessas formas nos exemplos que seguem: Não vá sem eu mandar.
- Trouxeste o pacote?
- Sim, entreguei-to ainda há pouco. - A combinação da preposição “com” e alguns prono-
- Não contaram a novidade a vocês? mes originou as formas especiais comigo, contigo, consigo,
- Não, no-la contaram. conosco e convosco. Tais pronomes oblíquos tônicos fre-
quentemente exercem a função de adjunto adverbial de
No português do Brasil, essas combinações não são companhia.
usadas; até mesmo na língua literária atual, seu emprego Ele carregava o documento consigo.
é muito raro.

24
LÍNGUA PORTUGUESA

- As formas “conosco” e “convosco” são substituídas por “com nós” e “com vós” quando os pronomes pessoais são
reforçados por palavras como outros, mesmos, próprios, todos, ambos ou algum numeral.
Você terá de viajar com nós todos.
Estávamos com vós outros quando chegaram as más notícias.
Ele disse que iria com nós três.

Pronome Reflexivo

São pronomes pessoais oblíquos que, embora funcionem como objetos direto ou indireto, referem-se ao sujeito da
oração. Indicam que o sujeito pratica e recebe a ação expressa pelo verbo.
O quadro dos pronomes reflexivos é assim configurado:
- 1ª pessoa do singular (eu): me, mim.
Eu não me vanglorio disso.
Olhei para mim no espelho e não gostei do que vi.

- 2ª pessoa do singular (tu): te, ti.


Assim tu te prejudicas.
Conhece a ti mesmo.

- 3ª pessoa do singular (ele, ela): se, si, consigo.


Guilherme já se preparou.
Ela deu a si um presente.
Antônio conversou consigo mesmo.

- 1ª pessoa do plural (nós): nos.


Lavamo-nos no rio.

- 2ª pessoa do plural (vós): vos.


Vós vos beneficiastes com a esta conquista.

- 3ª pessoa do plural (eles, elas): se, si, consigo.


Eles se conheceram.
Elas deram a si um dia de folga.

A Segunda Pessoa Indireta

A chamada segunda pessoa indireta manifesta-se quando utilizamos pronomes que, apesar de indicarem nosso inter-
locutor (portanto, a segunda pessoa), utilizam o verbo na terceira pessoa. É o caso dos chamados pronomes de tratamento,
que podem ser observados no quadro seguinte:

Pronomes de Tratamento

Vossa Alteza V. A. príncipes, duques


Vossa Eminência V. Ema.(s) cardeais
Vossa Reverendíssima V. Revma.(s) sacerdotes e bispos
Vossa Excelência V. Ex.ª (s) altas autoridades e oficiais-generais
Vossa Magnificência V. Mag.ª (s) reitores de universidades
Vossa Majestade V. M. reis e rainhas
Vossa Majestade Imperial V. M. I. Imperadores
Vossa Santidade V. S. Papa
Vossa Senhoria V. S.ª (s) tratamento cerimonioso
Vossa Onipotência V. O. Deus

Também são pronomes de tratamento o senhor, a senhora e você, vocês. “O senhor” e “a senhora” são empregados no
tratamento cerimonioso; “você” e “vocês”, no tratamento familiar. Você e vocês são largamente empregados no português
do Brasil; em algumas regiões, a forma tu é de uso frequente; em outras, pouco empregada. Já a forma vós tem uso restrito
à linguagem litúrgica, ultraformal ou literária.

25
LÍNGUA PORTUGUESA

Observações: Observações:
a) Vossa Excelência X Sua Excelência : os pronomes de
tratamento que possuem “Vossa (s)” são empregados em 1 - A forma “seu” não é um possessivo quando resultar
relação à pessoa com quem falamos: Espero que V. Ex.ª, Se- da alteração fonética da palavra senhor: Muito obrigado,
nhor Ministro, compareça a este encontro. seu José.

*Emprega-se “Sua (s)” quando se fala a respeito da 2 - Os pronomes possessivos nem sempre indicam
pessoa. posse. Podem ter outros empregos, como:
Todos os membros da C.P.I. afirmaram que Sua Excelên- a) indicar afetividade: Não faça isso, minha filha.
cia, o Senhor Presidente da República, agiu com propriedade.
b) indicar cálculo aproximado: Ele já deve ter seus 40
- Os pronomes de tratamento representam uma for- anos.
ma indireta de nos dirigirmos aos nossos interlocutores. Ao
tratarmos um deputado por Vossa Excelência, por exemplo, c) atribuir valor indefinido ao substantivo: Marisa tem
estamos nos endereçando à excelência que esse deputado lá seus defeitos, mas eu gosto muito dela.
supostamente tem para poder ocupar o cargo que ocupa.
3- Em frases onde se usam pronomes de tratamento,
- 3ª pessoa: embora os pronomes de tratamento diri- o pronome possessivo fica na 3ª pessoa: Vossa Excelência
jam-se à 2ª pessoa, toda a concordância deve ser feita trouxe sua mensagem?
com a 3ª pessoa. Assim, os verbos, os pronomes possessi-
vos e os pronomes oblíquos empregados em relação a eles 4- Referindo-se a mais de um substantivo, o posses-
devem ficar na 3ª pessoa. sivo concorda com o mais próximo: Trouxe-me seus livros
Basta que V. Ex.ª cumpra a terça parte das suas promes- e anotações.
sas, para que seus eleitores lhe fiquem reconhecidos.
5- Em algumas construções, os pronomes pessoais
- Uniformidade de Tratamento: quando escrevemos ou oblíquos átonos assumem valor de possessivo: Vou seguir-
nos dirigimos a alguém, não é permitido mudar, ao longo lhe os passos. (= Vou seguir seus passos.)
do texto, a pessoa do tratamento escolhida inicialmente.
Assim, por exemplo, se começamos a chamar alguém de Pronomes Demonstrativos
“você”, não poderemos usar “te” ou “teu”. O uso correto
exigirá, ainda, verbo na terceira pessoa. Os pronomes demonstrativos são utilizados para ex-
Quando você vier, eu te abraçarei e enrolar-me-ei nos plicitar a posição de uma certa palavra em relação a outras
teus cabelos. (errado) ou ao contexto. Essa relação pode ocorrer em termos de
Quando você vier, eu a abraçarei e enrolar-me-ei nos espaço, no tempo ou discurso.
seus cabelos. (correto) No espaço:
Quando tu vieres, eu te abraçarei e enrolar-me-ei nos Compro este carro (aqui). O pronome este indica que o
teus cabelos. (correto) carro está perto da pessoa que fala.
Compro esse carro (aí). O pronome esse indica que o
Pronomes Possessivos carro está perto da pessoa com quem falo, ou afastado da
pessoa que fala.
São palavras que, ao indicarem a pessoa gramatical Compro aquele carro (lá). O pronome aquele diz que
(possuidor), acrescentam a ela a ideia de posse de algo o carro está afastado da pessoa que fala e daquela com
(coisa possuída). quem falo.
Este caderno é meu. (meu = possuidor: 1ª pessoa do
singular) Atenção: em situações de fala direta (tanto ao vivo
quanto por meio de correspondência, que é uma moda-
NÚMERO PESSOA PRONOME lidade escrita de fala), são particularmente importantes o
singular primeira meu(s), minha(s) este e o esse - o primeiro localiza os seres em relação ao
singular segunda teu(s), tua(s) emissor; o segundo, em relação ao destinatário. Trocá-los
singular terceira seu(s), sua(s) pode causar ambiguidade.
plural primeira nosso(s), nossa(s) Dirijo-me a essa universidade com o objetivo de soli-
plural segunda vosso(s), vossa(s) citar informações sobre o concurso vestibular. (trata-se da
plural terceira seu(s), sua(s) universidade destinatária).
Reafirmamos a disposição desta universidade em parti-
Note que: A forma do possessivo depende da pessoa cipar no próximo Encontro de Jovens. (trata-se da universi-
gramatical a que se refere; o gênero e o número concor- dade que envia a mensagem).
dam com o objeto possuído: Ele trouxe seu apoio e sua con-
tribuição naquele momento difícil.

26
LÍNGUA PORTUGUESA

No tempo: Pronomes Indefinidos


Este ano está sendo bom para nós. O pronome este se
refere ao ano presente. São palavras que se referem à terceira pessoa do dis-
Esse ano que passou foi razoável. O pronome esse se re- curso, dando-lhe sentido vago (impreciso) ou expressando
fere a um passado próximo. quantidade indeterminada.
Aquele ano foi terrível para todos. O pronome aquele está Alguém entrou no jardim e destruiu as mudas recém
se referindo a um passado distante. -plantadas.

- Os pronomes demonstrativos podem ser variáveis ou Não é difícil perceber que “alguém” indica uma pessoa
invariáveis, observe: de quem se fala (uma terceira pessoa, portanto) de forma
Variáveis: este(s), esta(s), esse(s), essa(s), aquele(s), aque- imprecisa, vaga. É uma palavra capaz de indicar um ser hu-
la(s). mano que seguramente existe, mas cuja identidade é des-
Invariáveis: isto, isso, aquilo. conhecida ou não se quer revelar. Classificam-se em:

- Também aparecem como pronomes demonstrativos: - Pronomes Indefinidos Substantivos: assumem o lu-
- o(s), a(s): quando estiverem antecedendo o “que” e pu- gar do ser ou da quantidade aproximada de seres na frase.
derem ser substituídos por aquele(s), aquela(s), aquilo. São eles: algo, alguém, fulano, sicrano, beltrano, nada, nin-
Não ouvi o que disseste. (Não ouvi aquilo que disseste.) guém, outrem, quem, tudo.
Essa rua não é a que te indiquei. (Esta rua não é aquela Algo o incomoda?
que te indiquei.) Quem avisa amigo é.
- mesmo(s), mesma(s): Estas são as mesmas pessoas que - Pronomes Indefinidos Adjetivos: qualificam um ser
o procuraram ontem. expresso na frase, conferindo-lhe a noção de quantidade
aproximada. São eles: cada, certo(s), certa(s).
- próprio(s), própria(s): Os próprios alunos resolveram o Cada povo tem seus costumes.
problema.
Certas pessoas exercem várias profissões.
- semelhante(s): Não compre semelhante livro.
Note que: Ora são pronomes indefinidos substantivos,
ora pronomes indefinidos adjetivos:
- tal, tais: Tal era a solução para o problema.
algum, alguns, alguma(s), bastante(s) (= muito, muitos),
demais, mais, menos, muito(s), muita(s), nenhum, nenhuns,
Note que:
nenhuma(s), outro(s), outra(s), pouco(s), pouca(s), qualquer,
- Não raro os demonstrativos aparecem na frase, em
construções redundantes, com finalidade expressiva, para quaisquer, qual, que, quanto(s), quanta(s), tal, tais, tanto(s),
salientar algum termo anterior. Por exemplo: Manuela, essa é tanta(s), todo(s), toda(s), um, uns, uma(s), vários, várias.
que dera em cheio casando com o José Afonso. Desfrutar das Menos palavras e mais ações.
belezas brasileiras, isso é que é sorte! Alguns se contentam pouco.

- O pronome demonstrativo neutro ou pode representar Os pronomes indefinidos podem ser divididos em va-
um termo ou o conteúdo de uma oração inteira, caso em riáveis e invariáveis. Observe:
que aparece, geralmente, como objeto direto, predicativo ou Variáveis = algum, nenhum, todo, muito, pouco, vário,
aposto: O casamento seria um desastre. Todos o pressentiam. tanto, outro, quanto, alguma, nenhuma, toda, muita, pouca,
vária, tanta, outra, quanta, qualquer, quaisquer, alguns, ne-
- Para evitar a repetição de um verbo anteriormente ex- nhuns, todos, muitos, poucos, vários, tantos, outros, quantos,
presso, é comum empregar-se, em tais casos, o verbo fazer, algumas, nenhumas, todas, muitas, poucas, várias, tantas,
chamado, então, verbo vicário (= que substitui, que faz as ve- outras, quantas.
zes de): Ninguém teve coragem de falar antes que ela o fizesse. Invariáveis = alguém, ninguém, outrem, tudo, nada,
algo, cada.
- Em frases como a seguinte, este se refere à pessoa
mencionada em último lugar; aquele, à mencionada em pri- São locuções pronominais indefinidas:
meiro lugar: O referido deputado e o Dr. Alcides eram amigos
íntimos; aquele casado, solteiro este. [ou então: este solteiro, cada qual, cada um, qualquer um, quantos quer (que),
aquele casado] quem quer (que), seja quem for, seja qual for, todo aquele
(que), tal qual (= certo), tal e qual, tal ou qual, um ou outro,
- O pronome demonstrativo tal pode ter conotação irô- uma ou outra, etc.
nica: A menina foi a tal que ameaçou o professor? Cada um escolheu o vinho desejado.

- Pode ocorrer a contração das preposições a, de, em com


pronome demonstrativo: àquele, àquela, deste, desta, disso, nis-
so, no, etc: Não acreditei no que estava vendo. (no = naquilo)

27
LÍNGUA PORTUGUESA

Indefinidos Sistemáticos - O qual, os quais, a qual e as quais são exclusivamente


pronomes relativos: por isso, são utilizados didaticamente
Ao observar atentamente os pronomes indefinidos, para verificar se palavras como “que”, “quem”, “onde” (que
percebemos que existem alguns grupos que criam oposição podem ter várias classificações) são pronomes relativos.
de sentido. É o caso de: algum/alguém/algo, que têm sen- Todos eles são usados com referência à pessoa ou coisa
tido afirmativo, e nenhum/ninguém/nada, que têm sentido por motivo de clareza ou depois de determinadas preposi-
negativo; todo/tudo, que indicam uma totalidade afirmativa, ções: Regressando de São Paulo, visitei o sítio de minha tia,
e nenhum/nada, que indicam uma totalidade negativa; al- o qual me deixou encantado. (O uso de “que”, neste caso,
guém/ninguém, que se referem à pessoa, e algo/nada, que geraria ambiguidade.)
se referem à coisa; certo, que particulariza, e qualquer, que
generaliza. Essas são as conclusões sobre as quais pairam muitas
Essas oposições de sentido são muito importantes na dúvidas? (Não se poderia usar “que” depois de sobre.)
construção de frases e textos coerentes, pois delas muitas
vezes dependem a solidez e a consistência dos argumentos - O relativo “que” às vezes equivale a o que, coisa que, e
expostos. Observe nas frases seguintes a força que os pro- se refere a uma oração: Não chegou a ser padre, mas deixou
nomes indefinidos destacados imprimem às afirmações de de ser poeta, que era a sua vocação natural.
que fazem parte:
Nada do que tem sido feito produziu qualquer resultado - O pronome “cujo” não concorda com o seu antece-
prático. dente, mas com o consequente. Equivale a do qual, da qual,
Certas pessoas conseguem perceber sutilezas: não são dos quais, das quais.
pessoas quaisquer. Este é o caderno cujas folhas estão rasgadas.
(antecedente) (consequente)
Pronomes Relativos
- “Quanto” é pronome relativo quando tem por antece-
São aqueles que representam nomes já mencionados dente um pronome indefinido: tanto (ou variações) e tudo:
anteriormente e com os quais se relacionam. Introduzem as Emprestei tantos quantos foram necessários.
orações subordinadas adjetivas. (antecedente)
O racismo é um sistema que afirma a superioridade de Ele fez tudo quanto havia falado.
um grupo racial sobre outros. (antecedente)
(afirma a superioridade de um grupo racial sobre outros
= oração subordinada adjetiva). - O pronome “quem” se refere a pessoas e vem sempre
O pronome relativo “que” refere-se à palavra “sistema” precedido de preposição.
e introduz uma oração subordinada. Diz-se que a palavra É um professor a quem muito devemos.
“sistema” é antecedente do pronome relativo que. (preposição)
O antecedente do pronome relativo pode ser o prono-
me demonstrativo o, a, os, as. - “Onde”, como pronome relativo, sempre possui an-
Não sei o que você está querendo dizer. tecedente e só pode ser utilizado na indicação de lugar: A
Às vezes, o antecedente do pronome relativo não vem casa onde morava foi assaltada.
expresso.
Quem casa, quer casa. - Na indicação de tempo, deve-se empregar quando
ou em que.
Observe: Sinto saudades da época em que (quando) morávamos
Pronomes relativos variáveis = o qual, cujo, quanto, os no exterior.
quais, cujos, quantos, a qual, cuja, quanta, as quais, cujas,
quantas. - Podem ser utilizadas como pronomes relativos as pa-
Pronomes relativos invariáveis = quem, que, onde. lavras:
- como (= pelo qual): Não me parece correto o modo
Note que: como você agiu semana passada.
- O pronome “que” é o relativo de mais largo emprego, - quando (= em que): Bons eram os tempos quando po-
sendo por isso chamado relativo universal. Pode ser subs- díamos jogar videogame.
tituído por o qual, a qual, os quais, as quais, quando seu - Os pronomes relativos permitem reunir duas orações
antecedente for um substantivo. numa só frase.
O trabalho que eu fiz refere-se à corrupção. (= o qual) O futebol é um esporte.
A cantora que acabou de se apresentar é péssima. (= a O povo gosta muito deste esporte.
qual) O futebol é um esporte de que o povo gosta muito.
Os trabalhos que eu fiz referem-se à corrupção. (= os
quais) - Numa série de orações adjetivas coordenadas, pode
As cantoras que se apresentaram eram péssimas. (= as ocorrer a elipse do relativo “que”: A sala estava cheia de
quais) gente que conversava, (que) ria, (que) fumava.

28
LÍNGUA PORTUGUESA

Pronomes Interrogativos O pronome oblíquo átono pode assumir três posições


na oração em relação ao verbo:
São usados na formulação de perguntas, sejam elas 1. próclise: pronome antes do verbo
diretas ou indiretas. Assim como os pronomes indefinidos, 2. ênclise: pronome depois do verbo
referem- -se à 3ª pessoa do discurso de modo 3. mesóclise: pronome no meio do verbo
impreciso. São pronomes interrogativos: que, quem, qual
(e variações), quanto (e variações). Próclise
Quem fez o almoço?/ Diga-me quem fez o almoço.
Qual das bonecas preferes? / Não sei qual das bonecas A próclise é aplicada antes do verbo quando temos:
preferes. - Palavras com sentido negativo:
Quantos passageiros desembarcaram? / Pergunte Nada me faz querer sair dessa cama.
quantos passageiros desembarcaram. Não se trata de nenhuma novidade.

Sobre os pronomes: - Advérbios:


Nesta casa se fala alemão.
O pronome pessoal é do caso reto quando tem função Naquele dia me falaram que a professora não veio.
de sujeito na frase. O pronome pessoal é do caso oblíquo
quando desempenha função de complemento. Vamos en- - Pronomes relativos:
tender, primeiramente, como o pronome pessoal surge na A aluna que me mostrou a tarefa não veio hoje.
frase e que função exerce. Observe as orações: Não vou deixar de estudar os conteúdos que me falaram.
1. Eu não sei essa matéria, mas ele irá me ajudar.
2. Maria foi embora para casa, pois não sabia se devia - Pronomes indefinidos:
lhe ajudar. Quem me disse isso?
Todos se comoveram durante o discurso de despedida.
Na primeira oração os pronomes pessoais “eu” e “ele” - Pronomes demonstrativos:
exercem função de sujeito, logo, são pertencentes ao caso Isso me deixa muito feliz!
reto. Já na segunda oração, observamos o pronome “lhe” Aquilo me incentivou a mudar de atitude!
exercendo função de complemento, e, consequentemen-
te, é do caso oblíquo. - Preposição seguida de gerúndio:
Os pronomes pessoais indicam as pessoas do discur- Em se tratando de qualidade, o Brasil Escola é o site mais
so, o pronome oblíquo “lhe”, da segunda oração, aponta indicado à pesquisa escolar.
para a segunda pessoa do singular (tu/você): Maria não
sabia se devia ajudar.... Ajudar quem? Você (lhe). - Conjunção subordinativa:
Vamos estabelecer critérios, conforme lhe avisaram.
Importante: Em observação à segunda oração, o em-
prego do pronome oblíquo “lhe” é justificado antes do Ênclise
verbo intransitivo “ajudar” porque o pronome oblíquo
pode estar antes, depois ou entre locução verbal, caso o A ênclise é empregada depois do verbo. A norma culta
verbo principal (no caso “ajudar”) esteja no infinitivo ou não aceita orações iniciadas com pronomes oblíquos áto-
gerúndio. nos. A ênclise vai acontecer quando:
Eu desejo lhe perguntar algo. - O verbo estiver no imperativo afirmativo:
Eu estou perguntando-lhe algo. Amem-se uns aos outros.
Sigam-me e não terão derrotas.
Os pronomes pessoais oblíquos podem ser átonos ou
tônicos: os primeiros não são precedidos de preposição, - O verbo iniciar a oração:
diferentemente dos segundos que são sempre precedidos Diga-lhe que está tudo bem.
de preposição. Chamaram-me para ser sócio.
- Pronome oblíquo átono: Joana me perguntou o que
eu estava fazendo. - O verbo estiver no infinitivo impessoal regido da pre-
- Pronome oblíquo tônico: Joana perguntou para mim posição “a”:
o que eu estava fazendo. Naquele instante os dois passaram a odiar-se.
Passaram a cumprimentar-se mutuamente.
- O verbo estiver no gerúndio:
COLOCAÇÃO PRONOMINAL Não quis saber o que aconteceu, fazendo-se de despreo-
cupada.
A colocação pronominal é a posição que os prono- Despediu-se, beijando-me a face.
mes pessoais oblíquos átonos ocupam na frase em relação
ao verbo a que se referem. São pronomes oblíquos átonos:
me, te, se, o, os, a, as, lhe, lhes, nos e vos.

29
LÍNGUA PORTUGUESA

- Houver vírgula ou pausa antes do verbo: 04. (Papiloscopista Policial – Vunesp – 2013). Assinale a
Se passar no concurso em outra cidade, mudo-me no alternativa em que o pronome destacado está posicionado
mesmo instante. de acordo com a norma-padrão da língua.
Se não tiver outro jeito, alisto-me nas forças armadas. (A) Ela não lembrava-se do caminho de volta.
(B) A menina tinha distanciado-se muito da família.
Mesóclise (C) A garota disse que perdeu-se dos pais.
(D) O pai alegrou-se ao encontrar a filha.
A mesóclise acontece quando o verbo está flexionado (E) Ninguém comprometeu-se a ajudar a criança.
no futuro do presente ou no futuro do pretérito:
A prova realizar-se-á neste domingo pela manhã. (= ela 05. (Escrevente TJ SP – Vunesp 2011). Assinale a alter-
se realizará) nativa cujo emprego do pronome está em conformidade
Far-lhe-ei uma proposta irrecusável. (= eu farei uma com a norma padrão da língua.
proposta a você) (A) Não autorizam-nos a ler os comentários sigilosos.
(B) Nos falaram que a diplomacia americana está aba-
Questões sobre Pronome
lada.
01. (Escrevente TJ SP – Vunesp/2012). (C) Ninguém o informou sobre o caso WikiLeaks.
Restam dúvidas sobre o crescimento verde. Primeiro, não (D) Conformado, se rendeu às punições.
está claro até onde pode realmente chegar uma política ba- (E) Todos querem que combata-se a corrupção.
seada em melhorar a eficiência sem preços adequados para
o carbono, a água e (na maioria dos países pobres) a terra. 06. (Papiloscopista Policial = Vunesp - 2013). Assinale
É verdade que mesmo que a ameaça dos preços do carbono a alternativa correta quanto à colocação pronominal, de
e da água faça em si diferença, as companhias não podem acordo com a norma-padrão da língua portuguesa.
suportar ter de pagar, de repente, digamos, 40 dólares por (A) Para que se evite perder objetos, recomenda-se
tonelada de carbono, sem qualquer preparação. Portanto, que eles sejam sempre trazidos junto ao corpo.
elas começam a usar preços-sombra. Ainda assim, ninguém (B) O passageiro ao lado jamais imaginou-se na situa-
encontrou até agora uma maneira de quantificar adequada- ção de ter de procurar a dona de uma bolsa perdida.
mente os insumos básicos. E sem eles a maioria das políticas (C) Nos sentimos impotentes quando não consegui-
de crescimento verde sempre será a segunda opção. mos restituir um objeto à pessoa que o perdeu.
(Carta Capital, 27.06.2012. Adaptado) (D) O homem se indignou quando propuseram-lhe
que abrisse a bolsa que encontrara.
Os pronomes “elas” e “eles”, em destaque no texto, re- (E) Em tratando-se de objetos encontrados, há uma
ferem- -se, respectivamente, a
tendência natural das pessoas em devolvê-los a seus do-
(A) dúvidas e preços.
nos.
(B) dúvidas e insumos básicos.
(C) companhias e insumos básicos.
(D) companhias e preços do carbono e da água. 07. (Agente de Apoio Operacional – VUNESP – 2013).
(E) políticas de crescimento e preços adequados. Há pessoas que, mesmo sem condições, compram produ-
tos______ não necessitam e______ tendo de pagar tudo______
02. (Agente de Apoio Administrativo – FCC – 2013- prazo.
adap.). Fazendo-se as alterações necessárias, o trecho gri- Assinale a alternativa que preenche as lacunas, correta
fado está corretamente substituído por um pronome em: e respectivamente, considerando a norma culta da língua.
A) ...sei tratar tipos como o senhor. − sei tratá-lo A) a que … acaba … à
B) ...erguendo os braços desalentado... − erguendo- B) com que … acabam … à
lhes desalentado C) de que … acabam … a
C) ...que tem de conhecer as leis do país? − que tem D) em que … acaba … a
de conhecê-lo? E) dos quais … acaba … à
D) ...não parecia ser um importante industrial... − não
parecia ser-lhe 08. (Agente de Apoio Socioeducativo – VUNESP –
E) incomodaram o general... − incomodaram-no 2013-adap.). Assinale a alternativa que substitui, correta e
respectivamente, as lacunas do trecho.
03.(Agente de Defensoria Pública – FCC – 2013-adap.).
______alguns anos, num programa de televisão, uma jo-
A substituição do elemento grifado pelo pronome cor-
respondente, com os necessários ajustes, foi realizada de vem fazia referência______ violência______ o brasileiro estava
modo INCORRETO em: sujeito de forma cômica.
A) mostrando o rio= mostrando-o. A) Fazem... a ... de que
B) como escolher sítio= como escolhê-lo. B) Faz ...a ... que
C) transpor [...] as matas espessas= transpor-lhes. C) Fazem ...à ... com que
D) Às estreitas veredas[...] nada acrescentariam = D) Faz ...à ... que
nada lhes acrescentariam. E) Faz ...à ... a que
E) viu uma dessas marcas= viu uma delas.

30
LÍNGUA PORTUGUESA

09. (TRF 3ª região- Técnico Judiciário - /2014) 4-)


As sereias então devoravam impiedosamente os tripu- (A) Ela não se lembrava do caminho de volta.
lantes. (B) A menina tinha se distanciado muito da família.
... ele conseguiu impedir a tripulação de perder a ca- (C) A garota disse que se perdeu dos pais.
beça... (E) Ninguém se comprometeu a ajudar a criança
... e fez de tudo para convencer os tripulantes...
Fazendo-se as alterações necessárias, os segmentos 5-)
grifados acima foram corretamente substituídos por um (A) Não nos autorizam a ler os comentários sigilosos.
pronome, na ordem dada, em: (B) Falaram-nos que a diplomacia americana está aba-
(A) devoravam-nos − impedi-la − convencê-los lada.
(B) devoravam-lhe − impedi-las − convencer-lhes (D) Conformado, rendeu-se às punições.
(E) Todos querem que se combata a corrupção.
(C) devoravam-no − impedi-las − convencer-lhes
(D) devoravam-nos − impedir-lhe − convencê-los
6-)
(E) devoravam-lhes − impedi-la − convencê-los (B) O passageiro ao lado jamais se imaginou na situa-
ção de ter de procurar a dona de uma bolsa perdida.
10. (Agente de Vigilância e Recepção – VUNESP – 2013- (C) Sentimo-nos impotentes quando não conseguimos
adap.). No trecho, – Em ambos os casos, as câmeras dos es- restituir um objeto à pessoa que o perdeu.
tabelecimentos felizmente comprovam os acontecimentos, (D) O homem indignou-se quando lhe propuseram
e testemunhas vão ajudar a polícia na investigação. – de que abrisse a bolsa que encontrara.
acordo com a norma-padrão, os pronomes que substi- (E) Em se tratando de objetos encontrados, há uma
tuem, corretamente, os termos em destaque são: tendência natural das pessoas em devolvê-los a seus do-
A) os comprovam … ajudá-la. nos.
B) os comprovam …ajudar-la.
C) os comprovam … ajudar-lhe. 7-) Há pessoas que, mesmo sem condições, compram
D) lhes comprovam … ajudar-lhe. produtos de que não necessitam e acabam tendo
E) lhes comprovam … ajudá-la. de pagar tudo a prazo.
8-) Faz alguns anos, num programa de televisão, uma
GABARITO jovem fazia referência à violência a que o brasileiro
estava sujeito de forma cômica.
Faz, no sentido de tempo passado = sempre no sin-
01. C 02. E 03. C 04. D 05. C
gular
06. A 07. C 08. E 09. A 10. A
9-)
RESOLUÇÃO devoravam - verbo terminado em “m” = pronome
oblíquo no/na (fizeram-na, colocaram-no)
1-) Restam dúvidas sobre o crescimento verde. Primei- impedir - verbo transitivo direto = pede objeto direto;
ro, não está claro até onde pode realmente chegar uma “lhe” é para objeto indireto
política baseada em melhorar a eficiência sem preços ade- convencer - verbo transitivo direto = pede objeto dire-
quados para o carbono, a água e (na maioria dos países to; “lhe” é para objeto indireto
pobres) a terra. É verdade que mesmo que a ameaça dos (A) devoravam-nos − impedi-la − convencê-los
preços do carbono e da água faça em si diferença, as com-
panhias não podem suportar ter de pagar, de repente, di- 10-) – Em ambos os casos, as câmeras dos estabeleci-
gamos, 40 dólares por tonelada de carbono, sem qualquer mentos felizmente comprovam os acontecimentos, e teste-
preparação. Portanto, elas começam a usar preços-som- munhas vão ajudar a polícia na investigação.
bra. Ainda assim, ninguém encontrou até agora uma ma- felizmente os comprovam ... ajudá-la
neira de quantificar adequadamente os insumos básicos. (advérbio)
E sem eles a maioria das políticas de crescimento verde
sempre será a segunda opção.
VERBO
2-)
A) ...sei tratar tipos como o senhor. − sei tratá-los Verbo é a classe de palavras que se flexiona em pessoa,
B) ...erguendo os braços desalentado... − erguendo-os número, tempo, modo e voz. Pode indicar, entre outros
desalentado processos: ação (correr); estado (ficar); fenômeno (chover);
C) ...que tem de conhecer as leis do país? − que tem de ocorrência (nascer); desejo (querer).
conhecê-las ? O que caracteriza o verbo são as suas flexões, e não
D) ...não parecia ser um importante industrial... − não os seus possíveis significados. Observe que palavras como
parecia sê-lo corrida, chuva e nascimento têm conteúdo muito próximo
ao de alguns verbos mencionados acima; não apresentam,
3-) transpor [...] as matas espessas= transpô-las porém, todas as possibilidades de flexão que esses verbos
possuem.

31
LÍNGUA PORTUGUESA

Estrutura das Formas Verbais ** fazer, ser e estar (quando indicam tempo)
Do ponto de vista estrutural, uma forma verbal pode Faz invernos rigorosos no Sul do Brasil.
apresentar os seguintes elementos: Era primavera quando a conheci.
- Radical: é a parte invariável, que expressa o significa- Estava frio naquele dia.
do essencial do verbo. Por exemplo: fal-ei; fal-ava; fal-am.
(radical fal-) ** Todos os verbos que indicam fenômenos da natu-
- Tema: é o radical seguido da vogal temática que in- reza são impessoais: chover, ventar, nevar, gear, trovejar,
dica a conjugação a que pertence o verbo. Por exemplo: amanhecer, escurecer, etc. Quando, porém, se constrói,
fala-r “Amanheci mal-humorado”, usa-se o verbo “amanhecer”
São três as conjugações: 1ª - Vogal Temática - A - (fa- em sentido figurado. Qualquer verbo impessoal, emprega-
lar), 2ª - Vogal Temática - E - (vender), 3ª - Vogal Temática do em sentido figurado, deixa de ser impessoal para ser
- I - (partir). pessoal.
- Desinência modo-temporal: é o elemento que de- Amanheci mal-humorado. (Sujeito desinencial: eu)
signa o tempo e o modo do verbo. Por exemplo: Choveram candidatos ao cargo. (Sujeito: candidatos)
Fiz quinze anos ontem. (Sujeito desinencial: eu)
falávamos ( indica o pretérito imperfeito do indicativo.)
falasse ( indica o pretérito imperfeito do subjuntivo.)
** São impessoais, ainda:
- Desinência número-pessoal: é o elemento que de-
1. o verbo passar (seguido de preposição), indicando
signa a pessoa do discurso ( 1ª, 2ª ou 3ª) e o número (sin-
tempo: Já passa das seis.
gular ou plural): 2. os verbos bastar e chegar, seguidos da preposição
falamos (indica a 1ª pessoa do plural.) de, indicando suficiência: Basta de tolices. Chega de blas-
falavam (indica a 3ª pessoa do plural.) fêmias.
3. os verbos estar e ficar em orações tais como Está
Observação: o verbo pôr, assim como seus derivados bem, Está muito bem assim, Não fica bem, Fica mal, sem re-
(compor, repor, depor, etc.), pertencem à 2ª conjugação, ferência a sujeito expresso anteriormente. Podemos, ainda,
pois a forma arcaica do verbo pôr era poer. A vogal “e”, nesse caso, classificar o sujeito como hipotético, tornando-
apesar de haver desaparecido do infinitivo, revela-se em se, tais verbos, então, pessoais.
algumas formas do verbo: põe, pões, põem, etc. 4. o verbo deu + para da língua popular, equivalente
de “ser possível”. Por exemplo:
Formas Rizotônicas e Arrizotônicas Não deu para chegar mais cedo.
Ao combinarmos os conhecimentos sobre a estrutura Dá para me arrumar uns trocados?
dos verbos com o conceito de acentuação tônica, perce-
bemos com facilidade que nas formas rizotônicas o acento * Unipessoais: são aqueles que, tendo sujeito, conju-
tônico cai no radical do verbo: opino, aprendam, nutro, por gam-se apenas nas terceiras pessoas, do singular e do
exemplo. Nas formas arrizotônicas, o acento tônico não cai plural.
no radical, mas sim na terminação verbal: opinei, aprende- A fruta amadureceu.
rão, nutriríamos. As frutas amadureceram.
Obs.: os verbos unipessoais podem ser usados como
Classificação dos Verbos verbos pessoais na linguagem figurada: Teu irmão amadu-
Classificam-se em: receu bastante.
- Regulares: são aqueles que possuem as desinências
normais de sua conjugação e cuja flexão não provoca alte- Entre os unipessoais estão os verbos que significam
rações no radical: canto cantei cantarei cantava vozes de animais; eis alguns: bramar: tigre, bramir: crocodi-
cantasse. lo, cacarejar: galinha, coaxar: sapo, cricrilar: grilo
- Irregulares: são aqueles cuja flexão provoca altera-
ções no radical ou nas desinências: faço fiz farei fi- Os principais verbos unipessoais são:
zesse. 1. cumprir, importar, convir, doer, aprazer, parecer, ser
- Defectivos: são aqueles que não apresentam conju- (preciso, necessário, etc.):
gação completa. Classificam-se em impessoais, unipessoais Cumpre trabalharmos bastante. (Sujeito: trabalharmos
e pessoais: bastante.)
* Impessoais: são os verbos que não têm sujeito. Nor- Parece que vai chover. (Sujeito: que vai chover.)
malmente, são usados na terceira pessoa do singular. Os É preciso que chova. (Sujeito: que chova.)
principais verbos impessoais são:
** haver, quando sinônimo de existir, acontecer, reali- 2. fazer e ir, em orações que dão ideia de tempo, segui-
zar-se ou fazer (em orações temporais). dos da conjunção que.
Havia poucos ingressos à venda. (Havia = Existiam) Faz dez anos que deixei de fumar. (Sujeito: que deixei de
Houve duas guerras mundiais. (Houve = Aconteceram) fumar.)
Haverá reuniões aqui. (Haverá = Realizar-se-ão) Vai para (ou Vai em ou Vai por) dez anos que não vejo
Deixei de fumar há muitos anos. (há = faz) Cláudia. (Sujeito: que não vejo Cláudia)
Obs.: todos os sujeitos apontados são oracionais.

32
LÍNGUA PORTUGUESA

* Pessoais: não apresentam algumas flexões por motivos morfológicos ou eufônicos. Por exemplo:
- verbo falir. Este verbo teria como formas do presente do indicativo falo, fales, fale, idênticas às do verbo falar - o que
provavelmente causaria problemas de interpretação em certos contextos.
- verbo computar. Este verbo teria como formas do presente do indicativo computo, computas, computa - formas de
sonoridade considerada ofensiva por alguns ouvidos gramaticais. Essas razões muitas vezes não impedem o uso efetivo de
formas verbais repudiadas por alguns gramáticos: exemplo disso é o próprio verbo computar, que, com o desenvolvimento
e a popularização da informática, tem sido conjugado em todos os tempos, modos e pessoas.

- Abundantes: são aqueles que possuem mais de uma forma com o mesmo valor. Geralmente, esse fenômeno costuma
ocorrer no particípio, em que, além das formas regulares terminadas em -ado ou -ido, surgem as chamadas formas curtas
(particípio irregular). Observe:

INFINITIVO PARTICÍPIO REGULAR PARTICÍPIO IRREGULAR

Anexar Anexado Anexo


Dispersar Dispersado Disperso
Eleger Elegido Eleito
Envolver Envolvido Envolto
Imprimir Imprimido Impresso
Matar Matado Morto
Morrer Morrido Morto
Pegar Pegado Pego
Soltar Soltado Solto

- Anômalos: são aqueles que incluem mais de um radical em sua conjugação. Por exemplo: Ir, Pôr, Ser, Saber (vou, vais,
ides, fui, foste, pus, pôs, punha, sou, és, fui, foste, seja).

- Auxiliares: São aqueles que entram na formação dos tempos compostos e das locuções verbais. O verbo principal,
quando acompanhado de verbo auxiliar, é expresso numa das formas nominais: infinitivo, gerúndio ou particípio.

Vou espantar as moscas.


(verbo auxiliar) (verbo principal no infinitivo)

Está chegando a hora do debate.


(verbo auxiliar) (verbo principal no gerúndio)

Os noivos foram cumprimentados por todos os presentes.


(verbo auxiliar) (verbo principal no particípio)

Obs.: os verbos auxiliares mais usados são: ser, estar, ter e haver.

Conjugação dos Verbos Auxiliares

SER - Modo Indicativo


Presente Pret.Perfeito Pretérito Imp. Pret.Mais-Que-Perf. Fut.do Pres. Fut. Do Pretérito
sou fui era fora serei seria
és foste eras foras serás serias
é foi era fora será seria
somos fomos éramos fôramos seremos seríamos
sois fostes éreis fôreis sereis seríeis
são foram eram foram serão seriam

SER - Modo Subjuntivo


Presente Pretérito Imperfeito Futuro
que eu seja se eu fosse quando eu for
que tu sejas se tu fosses quando tu fores
que ele seja se ele fosse quando ele for
que nós sejamos se nós fôssemos quando nós formos
que vós sejais se vós fôsseis quando vós fordes
que eles sejam se eles fossem quando eles forem

33
LÍNGUA PORTUGUESA

SER - Modo Imperativo

Afirmativo Negativo
sê tu não sejas tu
seja você não seja você
sejamos nós não sejamos nós
sede vós não sejais vós
sejam vocês não sejam vocês

SER - Formas Nominais

Infinitivo Impessoal Infinitivo Pessoal Gerúndio Particípio


ser ser eu sendo sido
seres tu
ser ele
sermos nós
serdes vós
serem eles

ESTAR - Modo Indicativo



Presente Pret. perf. Pret. Imperf. Pret.Mais-Que-Perf. Fut.doPres. Fut.do Preté.
estou estive estava estivera estarei estaria
estás estiveste estavas estiveras estarás estarias
está esteve estava estivera estará estaria
estamos estivemos estávamos estivéramos estaremos estaríamos
estais estivestes estáveis estivéreis estareis estaríeis
estão estiveram estavam estiveram estarão estariam

ESTAR - Modo Subjuntivo e Imperativo

Presente Pretérito Imperfeito Futuro Afirmativo Negativo


esteja estivesse estiver
estejas estivesses estiveres está estejas
esteja estivesse estiver esteja esteja
estejamos estivéssemos estivermos estejamos estejamos
estejais estivésseis estiverdes estai estejais
estejam estivessem estiverem estejam estejam

ESTAR - Formas Nominais

Infinitivo Impessoal Infinitivo Pessoal Gerúndio Particípio


estar estar estando estado
estares
estar
estarmos
estardes
estarem

HAVER - Modo Indicativo

Presente Pret. Perf. Pret. Imper. Pret.Mais-Que-Perf. Fut. Do Pres. Fut. Do Preté.
hei houve havia houvera haverei haveria
hás houveste havias houveras haverás haverias
há houve havia houvera haverá haveria
havemos houvemos havíamos houvéramos haveremos haveríamos
haveis houvestes havíeis houvéreis havereis haveríeis
hão houveram haviam houveram haverão haveriam

34
LÍNGUA PORTUGUESA

HAVER - Modo Subjuntivo e Imperativo

Presente Pretérito Imperfeito Futuro Afirmativo Negativo


haja houvesse houver
hajas houvesses houveres há hajas
haja houvesse houver haja haja
hajamos houvéssemos houvermos hajamos hajamos
hajais houvésseis houverdes havei hajais
hajam houvessem houverem hajam hajam

HAVER - Formas Nominais

Infinitivo Impessoal Infinitivo Pessoal Gerúndio Particípio


haver haver havendo havido
haveres
haver
havermos
haverdes
haverem
TER - Modo Indicativo

Presente Pret. Perf. Pret. Imper. Preté.Mais-Que-Perf. Fut. Do Pres. Fut. Do Preté.
Tenho tive tinha tivera terei teria
tens tiveste tinhas tiveras terás terias
tem teve tinha tivera terá teria
temos tivemos tínhamos tivéramos teremos teríamos
tendes tivestes tínheis tivéreis tereis teríeis
têm tiveram tinham tiveram terão teriam

TER - Modo Subjuntivo e Imperativo

Presente Pretérito Imperfeito Futuro Afirmativo Negativo


Tenha tivesse tiver
tenhas tivesses tiveres tem tenhas
tenha tivesse tiver tenha tenha
tenhamos tivéssemos tivermos tenhamos tenhamos
tenhais tivésseis tiverdes tende tenhais
tenham tivessem tiverem tenham tenham

- Pronominais: São aqueles verbos que se conjugam com os pronomes oblíquos átonos me, te, se, nos, vos, se, na
mesma pessoa do sujeito, expressando reflexibilidade (pronominais acidentais) ou apenas reforçando a ideia já implícita no
próprio sentido do verbo (reflexivos essenciais). Veja:
- 1. Essenciais: são aqueles que sempre se conjugam com os pronomes oblíquos me, te, se, nos, vos, se. São poucos: abs-
ter-se, ater- -se, apiedar-se, atrever-se, dignar-se, arrepender-se, etc. Nos verbos pronominais essenciais a reflexibilidade
já está implícita no radical do verbo. Por exemplo: Arrependi-me de ter estado lá.
A ideia é de que a pessoa representada pelo sujeito (eu) tem um sentimento (arrependimento) que recai sobre ela
mesma, pois não recebe ação transitiva nenhuma vinda do verbo; o pronome oblíquo átono é apenas uma partícula inte-
grante do verbo, já que, pelo uso, sempre é conjugada com o verbo. Diz-se que o pronome apenas serve de reforço da ideia
reflexiva expressa pelo radical do próprio verbo.
Veja uma conjugação pronominal essencial (verbo e respectivos pronomes):
Eu me arrependo
Tu te arrependes
Ele se arrepende
Nós nos arrependemos
Vós vos arrependeis
Eles se arrependem

35
LÍNGUA PORTUGUESA

- 2. Acidentais: são aqueles verbos transitivos diretos 2ª pessoa do singular: Radical + ES Ex.: teres(tu)
em que a ação exercida pelo sujeito recai sobre o obje- 1ª pessoa do plural: Radical + MOS Ex.: termos (nós)
to representado por pronome oblíquo da mesma pessoa 2ª pessoa do plural: Radical + DES Ex.: terdes (vós)
do sujeito; assim, o sujeito faz uma ação que recai sobre 3ª pessoa do plural: Radical + EM Ex.: terem (eles)
ele mesmo. Em geral, os verbos transitivos diretos ou tran- Por exemplo: Foste elogiado por teres alcançado uma
sitivos diretos e indiretos podem ser conjugados com os boa colocação.
pronomes mencionados, formando o que se chama voz
reflexiva. Por exemplo: Maria se penteava. - Gerúndio: o gerúndio pode funcionar como adjetivo
A reflexibilidade é acidental, pois a ação reflexiva pode
ou advérbio. Por exemplo:
ser exercida também sobre outra pessoa. Por exemplo:
Saindo de casa, encontrei alguns amigos. (função de ad-
Maria penteou-me.
vérbio)
Observações: Nas ruas, havia crianças vendendo doces. (função de
- Por fazerem parte integrante do verbo, os pronomes adjetivo)
oblíquos átonos dos verbos pronominais não possuem
função sintática. Na forma simples, o gerúndio expressa uma ação em
- Há verbos que também são acompanhados de pro- curso; na forma composta, uma ação concluída. Por exem-
nomes oblíquos átonos, mas que não são essencialmente plo:
pronominais, são os verbos reflexivos. Nos verbos refle- Trabalhando, aprenderás o valor do dinheiro.
xivos, os pronomes, apesar de se encontrarem na pessoa Tendo trabalhado, aprendeu o valor do dinheiro.
idêntica à do sujeito, exercem funções sintáticas. Por exem-
plo: - Particípio: quando não é empregado na formação
Eu me feri. = Eu(sujeito) - 1ª pessoa do singular me dos tempos compostos, o particípio indica geralmente o
(objeto direto) - 1ª pessoa do singular resultado de uma ação terminada, flexionando-se em gê-
nero, número e grau. Por exemplo:
Modos Verbais Terminados os exames, os candidatos saíram.
Dá-se o nome de modo às várias formas assumidas
Quando o particípio exprime somente estado, sem
pelo verbo na expressão de um fato. Em Português, exis-
nenhuma relação temporal, assume verdadeiramente a
tem três modos:
função de adjetivo (adjetivo verbal). Por exemplo: Ela foi a
Indicativo - indica uma certeza, uma realidade: Eu
sempre estudo. aluna escolhida para representar a escola.
Subjuntivo - indica uma dúvida, uma possibilidade:
Talvez eu estude amanhã.
Imperativo - indica uma ordem, um pedido: Estuda Tempos Verbais
agora, menino.
Tomando-se como referência o momento em que se
Formas Nominais fala, a ação expressa pelo verbo pode ocorrer em diversos
tempos. Veja:
Além desses três modos, o verbo apresenta ainda for-
mas que podem exercer funções de nomes (substantivo, 1. Tempos do Indicativo
adjetivo, advérbio), sendo por isso denominadas formas - Presente - Expressa um fato atual: Eu estudo neste
nominais. Observe: colégio.

- Infinitivo Impessoal: exprime a significação do ver- - Pretérito Imperfeito - Expressa um fato ocorrido
bo de modo vago e indefinido, podendo ter valor e função num momento anterior ao atual, mas que não foi comple-
de substantivo. Por exemplo: tamente terminado: Ele estudava as lições quando foi inter-
Viver é lutar. (= vida é luta)
rompido.
É indispensável combater a corrupção. (= combate à)
O infinitivo impessoal pode apresentar-se no presen-
- Pretérito Perfeito - Expressa um fato ocorrido num
te (forma simples) ou no passado (forma composta). Por
momento anterior ao atual e que foi totalmente terminado:
exemplo:
Ele estudou as lições ontem à noite.
É preciso ler este livro.
Era preciso ter lido este livro.
- Pretérito-Mais-Que-Perfeito - Expressa um fato
ocorrido antes de outro fato já terminado: Ele já tinha es-
- Infinitivo Pessoal: é o infinitivo relacionado às três
tudado as lições quando os amigos chegaram. (forma com-
pessoas do discurso. Na 1ª e 3ª pessoas do singular, não
posta) Ele já estudara as lições quando os amigos chegaram.
apresenta desinências, assumindo a mesma forma do im-
(forma simples).
pessoal; nas demais, flexiona-se da seguinte maneira:

36
LÍNGUA PORTUGUESA

- Futuro do Presente - Enuncia um fato que deve ocorrer num tempo vindouro com relação ao momento atual: Ele
estudará as lições amanhã.

- Futuro do Pretérito - Enuncia um fato que pode ocorrer posteriormente a um determinado fato passado: Se eu ti-
vesse dinheiro, viajaria nas férias.

2. Tempos do Subjuntivo

- Presente - Enuncia um fato que pode ocorrer no momento atual: É conveniente que estudes para o exame.

- Pretérito Imperfeito - Expressa um fato passado, mas posterior a outro já ocorrido: Eu esperava que ele vencesse o
jogo.

Obs.: o pretérito imperfeito é também usado nas construções em que se expressa a ideia de condição ou desejo. Por
exemplo: Se ele viesse ao clube, participaria do campeonato.

- Futuro do Presente - Enuncia um fato que pode ocorrer num momento futuro em relação ao atual: Quando ele vier
à loja, levará as encomendas.
Obs.: o futuro do presente é também usado em frases que indicam possibilidade ou desejo. Por exemplo: Se ele vier à
loja, levará as encomendas.

Presente do Indicativo
1ª conjugação 2ª conjugação 3ª conjugação Desinência pessoal
CANTAR VENDER PARTIR
cantO vendO partO O
cantaS vendeS parteS S
canta vende parte -
cantaMOS vendeMOS partiMOS MOS
cantaIS vendeIS partIS IS
cantaM vendeM parteM M

Pretérito Perfeito do Indicativo


1ª conjugação 2ª conjugação 3ª conjugação Desinência pessoal
CANTAR VENDER PARTIR
canteI vendI partI I
cantaSTE vendeSTE partISTE STE
cantoU vendeU partiU U
cantaMOS vendeMOS partiMOS MOS
cantaSTES vendeSTES partISTES STES
cantaRAM vendeRAM partiRAM RAM

Pretérito mais-que-perfeito
1ª conjugação 2ª conjugação 3ª conjugação Des. temporal Desinência pessoal
1ª/2ª e 3ª conj.
CANTAR VENDER PARTIR
cantaRA vendeRA partiRA RA Ø
cantaRAS vendeRAS partiRAS RA S
cantaRA vendeRA partiRA RA Ø
cantáRAMOS vendêRAMOS partíRAMOS RA MOS
cantáREIS vendêREIS partíREIS RE IS
cantaRAM vendeRAM partiRAM RA M

Pretérito Imperfeito do Indicativo


1ª conjugação 2ª conjugação 3ª conjugação
CANTAR VENDER PARTIR
cantAVA vendIA partIA
cantAVAS vendIAS partAS
CantAVA vendIA partIA
cantÁVAMOS vendÍAMOS partÍAMOS

cantÁVEIS vendÍEIS partÍEIS
cantAVAM vendIAM partIAM

37
LÍNGUA PORTUGUESA

Futuro do Presente do Indicativo

1ª conjugação 2ª conjugação 3ª conjugação


CANTAR VENDER PARTIR
cantar ei vender ei partir ei
cantar ás vender ás partir ás
cantar á vender á partir á
cantar emos vender emos partir emos
cantar eis vender eis partir eis
cantar ão vender ão partir ão

Futuro do Pretérito do Indicativo

1ª conjugação 2ª conjugação 3ª conjugação


CANTAR VENDER PARTIR
cantarIA venderIA partirIA
cantarIAS venderIAS partirIAS
cantarIA venderIA partirIA
cantarÍAMOS venderÍAMOS partirÍAMOS
cantarÍEIS venderÍEIS partirÍEIS
cantarIAM venderIAM partirIAM

Presente do Subjuntivo

Para se formar o presente do subjuntivo, substitui-se a desinência -o da primeira pessoa do singular do presente do
indicativo pela desinência -E (nos verbos de 1ª conjugação) ou pela desinência -A (nos verbos de 2ª e 3ª conjugação).

1ª conjug. 2ª conjug. 3ª conju. Des. temporal Des.temporal Desinên. pessoal


1ª conj. 2ª/3ª conj.
CANTAR VENDER PARTIR
cantE vendA partA E A Ø
cantES vendAS partAS E A S
cantE vendA partA E A Ø
cantEMOS vendAMOS partAMOS E A MOS
cantEIS vendAIS partAIS E A IS
cantEM vendAM partAM E A M

Pretérito Imperfeito do Subjuntivo

Para formar o imperfeito do subjuntivo, elimina-se a desinência -STE da 2ª pessoa do singular do pretérito perfeito, ob-
tendo-se, assim, o tema desse tempo. Acrescenta-se a esse tema a desinência temporal -SSE mais a desinência de número
e pessoa correspondente.

1ª conjugação 2ª conjugação 3ª conjugação Des. temporal Desinência pessoal


1ª /2ª e 3ª conj.
CANTAR VENDER PARTIR
cantaSSE vendeSSE partiSSE SSE Ø
cantaSSES vendeSSES partiSSES SSE S
cantaSSE vendeSSE partiSSE SSE Ø
cantáSSEMOS vendêSSEMOS partíSSEMOS SSE MOS
cantáSSEIS vendêSSEIS partíSSEIS SSE IS
cantaSSEM vendeSSEM partiSSEM SSE M

38
LÍNGUA PORTUGUESA

Futuro do Subjuntivo

Para formar o futuro do subjuntivo elimina-se a desinência -STE da 2ª pessoa do singular do pretérito perfeito, ob-
tendo-se, assim, o tema desse tempo. Acrescenta-se a esse tema a desinência temporal -R mais a desinência de número e
pessoa correspondente.

1ª conjugação 2ª conjugação 3ª conjugação Des. temporal Desinência pessoal


1ª /2ª e 3ª conj.
CANTAR VENDER PARTIR
cantaR vendeR partiR Ø
cantaRES vendeRES partiRES R ES
cantaR vendeR partiR R Ø
cantaRMOS vendeRMOS partiRMOS R MOS
cantaRDES vendeRDES partiRDES R DES
cantaREM vendeREM PartiREM R EM

Modo Imperativo

Imperativo Afirmativo
Para se formar o imperativo afirmativo, toma-se do presente do indicativo a 2ª pessoa do singular (tu) e a segunda
pessoa do plural (vós) eliminando-se o “S” final. As demais pessoas vêm, sem alteração, do presente do subjuntivo. Veja:

Presente do Indicativo Imperativo Afirmativo Presente do Subjuntivo


Eu canto --- Que eu cante
Tu cantas CantA tu Que tu cantes
Ele canta Cante você Que ele cante
Nós cantamos Cantemos nós Que nós cantemos
Vós cantais CantAI vós Que vós canteis
Eles cantam Cantem vocês Que eles cantem

Imperativo Negativo
Para se formar o imperativo negativo, basta antecipar a negação às formas do presente do subjuntivo.

Presente do Subjuntivo Imperativo Negativo


Que eu cante ---
Que tu cantes Não cantes tu
Que ele cante Não cante você
Que nós cantemos Não cantemos nós
Que vós canteis Não canteis vós
Que eles cantem Não cantem eles

Observações:
- No modo imperativo não faz sentido usar na 3ª pessoa (singular e plural) as formas ele/eles, pois uma ordem, pedido
ou conselho só se aplicam diretamente à pessoa com quem se fala. Por essa razão, utiliza-se você/vocês.
- O verbo SER, no imperativo, faz excepcionalmente: sê (tu), sede (vós).

Infinitivo Pessoal
1ª conjugação 2ª conjugação 3ª conjugação
CANTAR VENDER PARTIR
cantar vender partir
cantarES venderES partirES
cantar vender partir
cantarMOS venderMOS partirMOS
cantarDES venderDES partirDES
cantarEM venderEM partirEM

39
LÍNGUA PORTUGUESA

Questões sobre Verbo A) puder.


B) poderia.
01. (Agente Polícia Vunesp 2013) Considere o trecho C) pôde.
a seguir. D) poderá.
É comum que objetos ___________ esquecidos em locais E) pudesse.
públicos. Mas muitos transtornos poderiam ser evitados se as
pessoas _____________ a atenção voltada para seus pertences, 06. (Escrevente TJ SP Vunesp 2013) Assinale a alterna-
conservando-os junto ao corpo. tiva em que todos os verbos estão empregados de acordo
Assinale a alternativa que preenche, correta e respecti- com a norma- -padrão.
vamente, as lacunas do texto. (A) Enviaram o texto, para que o revíssemos antes da
(A) sejam … mantesse impressão definitiva.
(B) sejam … mantivessem (B) Não haverá prova do crime se o réu se manter em
silêncio.
(C) sejam … mantém
(C) Vão pagar horas-extras aos que se disporem a tra-
(D) seja … mantivessem
balhar no feriado.
(E) seja … mantêm (D) Ficarão surpresos quando o verem com a toga...
(E) Se você quer a promoção, é necessário que a reque-
02. (Escrevente TJ SP Vunesp 2012-adap.) Na frase –… ra a seu superior.
os níveis de pessoas sem emprego estão apresentando que-
das sucessivas de 2005 para cá. –, a locução verbal em des- 07. (Papiloscopista Policial Vunesp 2013-adap.) Assina-
taque expressa ação le a alternativa que substitui, corretamente e sem alterar o
(A) concluída. sentido da frase, a expressão destacada em – Se a crian-
(B) atemporal. ça se perder, quem encontrá-la verá na pulseira instruções
(C) contínua. para que envie uma mensagem eletrônica ao grupo ou
(D) hipotética. acione o código na internet.
(E) futura. (A) Caso a criança se havia perdido…
03. (Escrevente TJ SP Vunesp 2013-adap.) Sem querer (B) Caso a criança perdeu…
estereotipar, mas já estereotipando: trata-se de um ser cujas (C) Caso a criança se perca…
interações sociais terminam, 99% das vezes, diante da per- (D) Caso a criança estivera perdida…
gunta “débito ou crédito?”. (E) Caso a criança se perda…
Nesse contexto, o verbo estereotipar tem sentido de
(A) considerar ao acaso, sem premeditação. 08. (Agente de Apoio Operacional – VUNESP – 2013-
(B) aceitar uma ideia mesmo sem estar convencido adap.). Assinale a alternativa em que o verbo destacado
dela. está no tempo futuro.
(C) adotar como referência de qualidade. A) Os consumidores são assediados pelo marketing …
(D) julgar de acordo com normas legais. B) … somente eles podem decidir se irão ou não com-
(E) classificar segundo ideias preconcebidas. prar.
C) É como se abrissem em nós uma “caixa de neces-
04. (Escrevente TJ SP Vunesp 2013) Assinale a alterna- sidades”…
tiva contendo a frase do texto na qual a expressão verbal D) … de onde vem o produto…?
destacada exprime possibilidade. E) Uma pesquisa mostrou que 55,4% das pessoas…
(A) ... o cientista Theodor Nelson sonhava com um sis- 09. (Papiloscopista Policial – VUNESP – 2013). Assina-
tema capaz de disponibilizar um grande número de obras le a alternativa em que a concordância das formas verbais
literárias...
destacadas se dá em conformidade com a norma-padrão
(B) Funcionando como um imenso sistema de informa-
da língua.
ção e arquivamento, o hipertexto deveria ser um enorme
(A) Chegou, para ajudar a família, vários amigos e vi-
arquivo virtual.
zinhos.
(C) Isso acarreta uma textualidade que funciona por
(B) Haviam várias hipóteses acerca do que poderia ter
associação, e não mais por sequências fixas previamente
estabelecidas. acontecido com a criança.
(D) Desde o surgimento da ideia de hipertexto, esse (C) Fazia horas que a criança tinha saído e os pais já
conceito está ligado a uma nova concepção de textuali- estavam preocupados.
dade... (D) Era duas horas da tarde, quando a criança foi en-
(E) Criou, então, o “Xanadu”, um projeto para disponi- contrada.
bilizar toda a literatura do mundo... (E) Existia várias maneiras de voltar para casa, mas a
criança se perdeu mesmo assim.
05.(POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DO ACRE – ALUNO
SOLDADO COMBATENTE – FUNCAB/2012) No trecho: “O 10. (Agente de Escolta e Vigilância Penitenciária – VU-
crescimento econômico, se associado à ampliação do empre- NESP – 2013-adap.). Leia as frases a seguir.
go, PODE melhorar o quadro aqui sumariamente descrito.”, I. Havia onze pessoas jogando pedras e pedaços de ma-
se passarmos o verbo destacado para o futuro do pretérito deira no animal.
do indicativo, teremos a forma: II. Existiam muitos ferimentos no boi.

40
LÍNGUA PORTUGUESA

III. Havia muita gente assustando o boi numa avenida 9-)


movimentada. (A) Chegaram, para ajudar a família, vários amigos e
Substituindo-se o verbo Haver pelo verbo Existir e este vizinhos.
pelo verbo Haver, nas frases, têm-se, respectivamente: (B) Havia várias hipóteses acerca do que poderia ter
A) Existia – Haviam – Existiam acontecido com a criança.
B) Existiam – Havia – Existiam (D) Eram duas horas da tarde, quando a criança foi en-
C) Existiam – Haviam – Existiam contrada.
D) Existiam – Havia – Existia (E) Existiam várias maneiras de voltar para casa, mas a
E) Existia – Havia – Existia criança se perdeu mesmo assim.

GABARITO 10-) I. Havia onze pessoas jogando pedras e pedaços


01. B 02. C 03. E 04. B 05. B de madeira no animal.
06. A 07. C 08. B 09. C 10. D II. Existiam muitos ferimentos no boi.
III. Havia muita gente assustando o boi numa avenida
RESOLUÇÃO movimentada.
Haver – sentido de existir= invariável, impessoal;
1-) É comum que objetos sejam esquecidos em existir = variável. Portanto, temos:
locais públicos. Mas muitos transtornos poderiam ser evi- I – Existiam onze pessoas...
tados se as pessoas mantivessem a atenção voltada para II – Havia muitos ferimentos...
seus pertences, conservando-os junto ao corpo. III – Existia muita gente...

2-) os níveis de pessoas sem emprego estão apresen- Verbos irregulares são verbos que sofrem alterações
tando quedas sucessivas de 2005 para cá. –, a locução ver- em seu radical ou em suas desinências, afastando-se do
bal em destaque expressa ação contínua (= não concluída) modelo a que pertencem.
No português, para verificar se um verbo sofre altera-
3-) Sem querer estereotipar, mas já estereotipando:
ções, basta conjugá-lo no presente e no pretérito perfeito
trata-se de um ser cujas interações sociais terminam, 99%
do indicativo. Ex: faço – fiz, trago – trouxe, posso - pude.
das vezes, diante da pergunta “débito ou crédito?”. Não é considerada irregularidade a alteração gráfica
Nesse contexto, o verbo estereotipar tem sentido de do radical de certos verbos para conservação da regulari-
classificar segundo ideias preconcebidas. dade fônica. Ex: embarcar – embarco, fingir – finjo.
4-) (B) Funcionando como um imenso sistema de infor-
mação e arquivamento, o hipertexto deveria ser um enor- Exemplo de conjugação do verbo “dar” no presente do
me arquivo virtual. = verbo no futuro do pretérito indicativo:
Eu dou
5-) Conjugando o verbo “poder” no futuro do pretérito Tu dás
do Indicativo: eu poderia, tu poderias, ele poderia, nós po- Ele dá
deríamos, vós poderíeis, eles poderiam. O sujeito da oração Nós damos
é crescimento econômico (singular), portanto, terceira pes- Vós dais
soa do singular (ele) = poderia. Eles dão

6-) Percebe-se que há alteração do radical, afastando-se


(B) Não haverá prova do crime se o réu se mantiver em do original “dar” durante a conjugação, sendo considerado
silêncio. verbo irregular.
(C) Vão pagar horas-extras aos que se dispuserem a Exemplo: Conjugação do verbo valer:
trabalhar no feriado.
(D) Ficarão surpresos quando o virem com a toga... Modo Indicativo
(E) Se você quiser a promoção, é necessário que a re- Presente
queira a seu superior. eu valho
tu vales
ele vale
7-) Caso a criança se perca…(perda = substantivo:
nós valemos
Houve uma grande perda salarial...)
vós valeis
eles valem
8-)
A) Os consumidores são assediados pelo marketing = Pretérito Perfeito do Indicativo
presente eu vali
C) É como se abrissem em nós uma “caixa de necessi- tu valeste
dades”… = pretérito do Subjuntivo ele valeu
D) … de onde vem o produto…? = presente nós valemos
E) Uma pesquisa mostrou que 55,4% das pessoas… = vós valestes
pretérito perfeito eles valeram

41
LÍNGUA PORTUGUESA

Pretérito Imperfeito do Indicativo Futuro do Subjuntivo


eu valia quando eu valer
tu valias quando tu valeres
ele valia quando ele valer
nós valíamos quando nós valermos
vós valíeis quando vós valerdes
eles valiam quando eles valerem

Pretérito Mais-que-perfeito do Indicativo Imperativo


eu valera Imperativo Afirmativo
tu valeras --
ele valera vale tu
nós valêramos valha ele
vós valêreis valhamos nós
eles valeram valei vós
valham eles
Futuro do Presente do Indicativo
eu valerei Imperativo Negativo
tu valerás --
ele valerá não valhas tu
nós valeremos não valha ele
vós valereis não valhamos nós
eles valerão não valhais vós
Futuro do Pretérito do Indicativo não valham eles
eu valeria Infinitivo
tu valerias Infinitivo Pessoal
ele valeria por valer eu
nós valeríamos por valeres tu
vós valeríeis por valer ele
eles valeriam por valermos nós
por valerdes vós
Mais-que-perfeito Composto do Indicativo por valerem eles
eu tinha valido
tu tinhas valido Infinitivo Impessoal = valer
ele tinha valido
Particípio = Valido
nós tínhamos valido
vós tínheis valido
Acompanhe abaixo uma lista com os principais verbos
eles tinham valido
irregulares:
Gerúndio do verbo valer = valendo
Dizer
Presente do indicativo: Digo, dizes, diz, dizemos, di-
Modo Subjuntivo
zeis, dizem.
Presente
que eu valha
que tu valhas Pretérito perfeito do indicativo: Disse, disseste, disse,
que ele valha dissemos, dissestes, disseram.
que nós valhamos
que vós valhais Futuro do presente do indicativo: Direi, dirás, dirá,
que eles valham diremos, direis, dirão.

Pretérito Imperfeito do Subjuntivo Fazer


se eu valesse Presente do indicativo: Faço, fazes, faz, fazemos, fa-
se tu valesses zeis, fazem.
se ele valesse
se nós valêssemos Pretérito perfeito do indicativo: Fiz, fizeste, fez, fize-
se vós valêsseis mos, fizestes, fizeram.
se eles valessem
Futuro do presente do indicativo: Farei, farás, fará,
faremos, fareis, farão.

42
LÍNGUA PORTUGUESA

Ir O trabalho foi feito por ele.


Presente do indicativo: Vou, vais, vai, vamos, ides, vão. sujeito paciente ação agente da passiva

Pretérito perfeito do indicativo: Fui, foste, foi, fomos, - Reflexiva: quando o sujeito é ao mesmo tempo agen-
fostes, foram. te e paciente, isto é, pratica e recebe a ação. Por exemplo:
O menino feriu-se.
Futuro do presente do indicativo: Irei, irás, irá, ire-
mos, ireis, irão. Obs.: não confundir o emprego reflexivo do verbo com
a noção de reciprocidade: Os lutadores feriram-se. (um ao
outro)
Futuro do subjuntivo: For, fores, for, formos, fordes,
Formação da Voz Passiva
forem.
A voz passiva pode ser formada por dois processos:
Querer analítico e sintético.
Presente do indicativo: Quero, queres, quer, queremos,
quereis, querem. 1- Voz Passiva Analítica

Pretérito perfeito do indicativo: Quis, quiseste, quis, Constrói-se da seguinte maneira: Verbo SER + particípio
quisemos, quisestes, quiseram. do verbo principal. Por exemplo:
A escola será pintada.
Presente do subjuntivo: Queira, queiras, queira, quei- O trabalho é feito por ele.
ramos, queirais, queiram.
Obs.: o agente da passiva geralmente é acompanhado
Ver da preposição por, mas pode ocorrer a construção com a
Presente do indicativo: Vejo, vês, vê, vemos, vedes, preposição de. Por exemplo: A casa ficou cercada de sol-
veem. dados.
Pretérito perfeito do indicativo: Vi, viste, viu, vimos, - Pode acontecer ainda que o agente da passiva não
vistes, viram. esteja explícito na frase: A exposição será aberta amanhã.

Futuro do presente do indicativo:Verei, verás, verá, - A variação temporal é indicada pelo verbo auxiliar
veremos, vereis, verão. (SER), pois o particípio é invariável. Observe a transforma-
ção das frases seguintes:
Futuro do subjuntivo: Vir, vires, vir, virmos, virdes, vi-
a) Ele fez o trabalho. (pretérito perfeito do indicativo)
rem.
O trabalho foi feito por ele. (pretérito perfeito do indi-
cativo)
Vir
Presente do indicativo: Venho, vens, vem, vimos, vin-
b) Ele faz o trabalho. (presente do indicativo)
des, vêm.
O trabalho é feito por ele. (presente do indicativo)
Pretérito perfeito do indicativo: Vim, vieste, veio, vie- c) Ele fará o trabalho. (futuro do presente)
mos, viestes, vieram. O trabalho será feito por ele. (futuro do presente)
- Nas frases com locuções verbais, o verbo SER assume
Futuro do presente do indicativo: Virei, virás, virá, vi- o mesmo tempo e modo do verbo principal da voz ativa.
remos, vireis, virão. Observe a transformação da frase seguinte:
O vento ia levando as folhas. (gerúndio)
Futuro do subjuntivo: Vier, vieres, vier, viermos, vier- As folhas iam sendo levadas pelo vento. (gerúndio)
des, vierem.
Obs.: é menos frequente a construção da voz passiva
Vozes do Verbo analítica com outros verbos que podem eventualmente
funcionar como auxiliares. Por exemplo: A moça ficou mar-
Dá-se o nome de voz à forma assumida pelo verbo para cada pela doença.
indicar se o sujeito gramatical é agente ou paciente da
ação. São três as vozes verbais: 2- Voz Passiva Sintética

- Ativa: quando o sujeito é agente, isto é, pratica a ação A voz passiva sintética ou pronominal constrói-se com
expressa pelo verbo. Por exemplo: o verbo na 3ª pessoa, seguido do pronome apassivador SE.
Ele fez o trabalho. Por exemplo:
sujeito agente ação objeto (paciente) Abriram-se as inscrições para o concurso.
Destruiu-se o velho prédio da escola.
- Passiva: quando o sujeito é paciente, recebendo a Obs.: o agente não costuma vir expresso na voz passiva
ação expressa pelo verbo. Por exemplo: sintética.

43
LÍNGUA PORTUGUESA

Curiosidade: A palavra passivo possui a mesma raiz la- Questões sobre Vozes dos Verbos
tina de paixão (latim passio, passionis) e ambas se relacio-
nam com o significado sofrimento, padecimento. Daí vem 01. (TRE/AL – ANALISTA JUDICIÁRIO – FCC/2010) A fra-
o significado de voz passiva como sendo a voz que expres- se que admite transposição para a voz passiva é:
sa a ação sofrida pelo sujeito. Na voz passiva temos dois (A) O cúmulo da ilusão é também o cúmulo do sagrado.
elementos que nem sempre aparecem: SUJEITO PACIENTE (B) O conceito de espetáculo unifica e explica uma
e AGENTE DA PASSIVA. grande diversidade de fenômenos.
(C) O espetáculo é ao mesmo tempo parte da socieda-
Conversão da Voz Ativa na Voz Passiva de, a própria sociedade e seu instrumento de unificação.
(D) As imagens fluem desligadas de cada aspecto da
Pode-se mudar a voz ativa na passiva sem alterar subs- vida (...).
tancialmente o sentido da frase. (E) Por ser algo separado, ele é o foco do olhar iludido
e da falsa consciência.
Gutenberg inventou a imprensa (Voz Ativa)
Sujeito da Ativa objeto Direto 02. (TRE/RS – ANALISTA JUDICIÁRIO – FCC/2010) ... a
Coreia do Norte interrompeu comunicações com o vizinho ...
A imprensa foi inventada por Gutenberg (Voz Pas- Transpondo a frase acima para a voz passiva, a forma
siva) verbal corretamente obtida é:
Sujeito da Passiva Agente da Passiva a) tinha interrompido.
b) foram interrompidas.
Observe que o objeto direto será o sujeito da passiva, o c) fora interrompido.
sujeito da ativa passará a agente da passiva e o verbo ativo d) haviam sido interrompidas.
assumirá a forma passiva, conservando o mesmo tempo. e) haveriam de ser interrompidas.
Observe mais exemplos:
03. (FCC-TRE-Analista Judiciário – 2011) Transpondo-se
- Os mestres têm constantemente aconselhado os alunos.
para a voz passiva a frase Hoje a autoria institucional en-
Os alunos têm sido constantemente aconselhados pelos
mestres. frenta séria concorrência dos autores anônimos, obter-se-á
a seguinte forma verbal:
- Eu o acompanharei. (A) são enfrentados.
Ele será acompanhado por mim. (B) tem enfrentado.
(C) tem sido enfrentada.
Obs.: quando o sujeito da voz ativa for indeterminado, (D) têm sido enfrentados.
não haverá complemento agente na passiva. Por exemplo: (E) é enfrentada.
Prejudicaram-me. / Fui prejudicado. 04. (TRF - 5ª REGIÃO – ANALISTA JUDICIÁRIO –
FCC/2012) Para o Brasil, o fundamental é que, ao exercer a
Saiba que: responsabilidade de proteger pela via militar, a comunida-
- Aos verbos que não são ativos nem passivos ou refle- de internacional [...] observe outro preceito ...
xivos, são chamados neutros. Transpondo-se o segmento grifado acima para a voz
O vinho é bom.
passiva, a forma verbal resultante será:
Aqui chove muito.
a) é observado.
- Há formas passivas com sentido ativo: b) seja observado.
É chegada a hora. (= Chegou a hora.) c) ser observado.
Eu ainda não era nascido. (= Eu ainda não tinha nascido.) d) é observada.
És um homem lido e viajado. (= que leu e viajou) e) for observado.

- Inversamente, usamos formas ativas com sentido pas- 05. (Analista de Procuradoria – FCC – 2013-adap) Trans-
sivo: pondo- -se para a voz passiva a frase O poeta teria
Há coisas difíceis de entender. (= serem entendidas) aberto um diálogo entre as duas partes, a forma verbal re-
Mandou-o lançar na prisão. (= ser lançado) sultante será:
A) fora aberto.
- Os verbos chamar-se, batizar-se, operar-se (no sentido B) abriria.
cirúrgico) e vacinar-se são considerados passivos, logo o
C) teria sido aberto.
sujeito é paciente.
Chamo-me Luís. D) teriam sido abertas.
Batizei-me na Igreja do Carmo. E) foi aberto.
Operou-se de hérnia.
Vacinaram-se contra a gripe. 06.(SEE/SP – PROFESSOR EDUCAÇÃO BÁSICA II E PRO-
FESSOR II – LÍNGUA PORTUGUESA - FCC/2011) ...permite
Fonte: http://www.soportugues.com.br/secoes/morf/ que os criadores tomem atitudes quando a proliferação de
morf54.php algas tóxicas ameaça os peixes.

44
LÍNGUA PORTUGUESA

A transposição para a voz passiva da oração grifada aci- RESOLUÇÃO


ma teria, de acordo com a norma culta, como forma verbal
resultante: 1-)
(A) ameaçavam. (A) O cúmulo da ilusão é também o cúmulo do sagrado.
(B) foram ameaçadas. (B) O conceito de espetáculo unifica e explica uma grande
(C) ameaçarem. diversidade de fenômenos.
(D) estiver sendo ameaçada. - Uma grande diversidade de fenômenos é unificada e ex-
(E) forem ameaçados. plicada pelo conceito...
(C) O espetáculo é ao mesmo tempo parte da sociedade, a
07. (INFRAERO – ENGENHEIRO SANITARISTA – própria sociedade e seu instrumento de unificação.
FCC/2011) Transpondo-se para a voz passiva a frase Um (D) As imagens fluem desligadas de cada aspecto da vida
figurante pode obscurecer a atuação de um protagonista, a (...).
forma verbal obtida será: (E) Por ser algo separado, ele é o foco do olhar iludido e
(A) pode ser obscurecido. da falsa consciência.
(B) obscurecerá.
(C) pode ter obscurecido. 2-) ... a Coreia do Norte interrompeu comunicações com o
(D) pode ser obscurecida. vizinho = voz ativa com um verbo, então a passiva terá dois:
(E) será obscurecida. comunicações com o vizinho foram interrompidas pela Co-
08.(GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO – PRO- reia...
CON – ADVOGADO – CEPERJ/2012) “todos que são impac- 3-) Hoje a autoria institucional enfrenta séria concorrência
tados pelas mídias de massa” dos autores anônimos = Séria concorrência é enfrentada pela
O fragmento transcrito acima apresenta uma constru- autoria...
ção na voz passiva do verbo. Outro exemplo de voz passiva
encontra-se em: 4-) a comunidade internacional [...] observe outro preceito
A) “As crianças brasileiras influenciam 80% das decisões = se na voz ativa temos um verbo, na passiva teremos dois:
de compra de uma família” outro preceito seja observado.
B) “A publicidade na TV é a principal ferramenta do
mercado para a persuasão do público infantil” 5-) O poeta teria aberto um diálogo entre as duas partes
C) “evidenciaram outros fatores que influenciam as = Um diálogo teria sido aberto...
crianças brasileiras nas práticas de consumo.”
6-) Quando a proliferação ameaça os peixes = voz ativa
D) “Elas são assediadas pelo mercado”
Quando os peixes forem ameaçados pela proliferação... =
E) “valores distorcidos são de fato um problema de or-
voz passiva
dem ética”
09. (GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO – CASA CI- 7-) Um figurante pode obscurecer a atuação de um pro-
VIL – EXECUTIVO PÚBLICO – FCC/2010) Transpondo a frase tagonista.
o diretor estava promovendo seu filme para a voz passiva, Se na voz ativa temos um verbo, na passiva teremos dois;
obtém-se corretamente o seguinte segmento: se na ativa temos dois, na passiva teremos três. Então: A atua-
(A) tinha recebido promoção. ção de um protagonista pode ser obscurecida por um figu-
(B) estaria sendo promovido. rante.
(C) fizera a promoção.
(D) estava sendo promovido. 8-)
(E) havia sido promovido. A) “As crianças brasileiras influenciam 80% das decisões
de compra de uma família” = voz ativa
10. -) (MPE/PE – ANALISTA MINISTERIAL – FCC/2012) B) “A publicidade na TV é a principal ferramenta do mer-
Da sede do poder no Brasil holandês, Marcgrave acompa- cado para a persuasão do público infantil” = ativa (verbo de
nhou e anotou, sempre sozinho, alguns fenômenos celestes, ligação); não dá para passar para a passiva
sobretudo eclipses lunares e solares. C) “evidenciaram outros fatores que influenciam as crian-
Ao transpor-se a frase acima para a voz passiva, as for- ças brasileiras nas práticas de consumo.” = ativa
mas verbais resultantes serão: D) “Elas são assediadas pelo mercado” = voz passiva
a) eram anotados e acompanhados. E) “valores distorcidos são de fato um problema de ordem
b) fora anotado e acompanhado. ética” = ativa (verbo de ligação); não dá para passar para a
c) foram anotados e acompanhados. passiva
d) anota-se e acompanha-se.
e) foi anotado e acompanhado. 9-) o diretor estava promovendo seu filme = dois verbos
na voz ativa, três na passiva: seu filme estava sendo produzido.
GABARITO
10-)Marcgrave acompanhou e anotou alguns fenômenos
celestes = voz ativa com um verbo (sem auxiliar!), então na
01. B 02.B 03. E 04.B 05. C
passiva teremos dois: alguns fenômenos foram acompanha-
06. E 07. D 08. D 09.D 10.C
dos e anotados por Marcgrave.

45
EXERCÍCIOS COMPLEMENTARES

1-) (FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC/ (D) Um levantamento, (X) mostrou que os adolescentes
SP – ADMINISTRADOR - VUNESP/2013) Assinale a al- americanos, (X) consomem (X) em média (X) 357 calorias
ternativa correta quanto à concordância, de acordo diárias dessa fonte.
com a norma-padrão da língua portuguesa. (E) Um levantamento mostrou que os adolescentes
(A) A má distribuição de riquezas e a desigualdade americanos, (X) consomem (X) em média (X) 357 calorias
social está no centro dos debates atuais. diárias, (X) dessa fonte.
(B) Políticos, economistas e teóricos diverge em re-
lação aos efeitos da desigualdade social. RESPOSTA: “C”.
(C) A diferença entre a renda dos mais ricos e a dos
mais pobres é um fenômeno crescente. 3-) (TRT/RO E AC – ANALISTA JUDICIÁRIO –
(D) A má distribuição de riquezas tem sido muito FCC/2011) Estão plenamente observadas as normas de
criticado por alguns teóricos. concordância verbal na frase:
(E) Os debates relacionado à distribuição de rique- a) Destinam-se aos homens-placa um lugar visível
zas não são de exclusividade dos economistas. nas ruas e nas praças, ao passo que lhes é suprimida a
visibilidade social.
Realizei a correção nos itens: b) As duas tábuas em que se comprimem o famige-
(A) A má distribuição de riquezas e a desigualdade so- rado homem-placa carregam ditos que soam irônicos,
cial está = estão como “compro ouro”.
(B) Políticos, economistas e teóricos diverge = diver- c) Não se compara aos vexames dos homens-placa
gem a exposição pública a que se submetem os guardadores
(C) A diferença entre a renda dos mais ricos e a dos de carros.
mais pobres é um fenômeno crescente. d) Ao se revogarem o emprego de carros-placa na
(D) A má distribuição de riquezas tem sido muito criti- propaganda imobiliária, poupou-se a todos uma de-
cado = criticada monstração de mau gosto.
(E) Os debates relacionado = relacionados e) Não sensibilizavam aos possíveis interessados
em apartamentos de luxo a visão grotesca daqueles ve-
RESPOSTA: “C”. lhos carros-placa.

2-) (COREN/SP – ADVOGADO – VUNESP/2013) Se- Fiz as correções entre parênteses:


guindo a norma-padrão da língua portuguesa, a frase a) Destinam-se (destina-se) aos homens-placa um lu-
– Um levantamento mostrou que os adolescentes ame- gar visível nas ruas e nas praças, ao passo que lhes é supri-
ricanos consomem em média 357 calorias diárias dessa mida a visibilidade social.
fonte. – recebe o acréscimo correto das vírgulas em: b) As duas tábuas em que se comprimem (comprime)
(A) Um levantamento mostrou, que os adolescentes o famigerado homem-placa carregam ditos que soam irô-
americanos consomem em média 357 calorias, diárias nicos, como “compro ouro”.
dessa fonte. c) Não se compara aos vexames dos homens-placa a
(B) Um levantamento mostrou que, os adolescentes exposição pública a que se submetem os guardadores de
americanos consomem, em média 357 calorias diárias carros.
dessa fonte. d) Ao se revogarem (revogar) o emprego de carros-
(C) Um levantamento mostrou que os adolescentes -placa na propaganda imobiliária, poupou-se a todos uma
americanos consomem, em média, 357 calorias diárias demonstração de mau gosto.
dessa fonte. e) Não sensibilizavam (sensibilizava) aos possíveis in-
(D) Um levantamento, mostrou que os adolescentes teressados em apartamentos de luxo a visão grotesca da-
americanos, consomem em média 357 calorias diárias queles velhos carros-placa.
dessa fonte.
(E) Um levantamento mostrou que os adolescentes RESPOSTA: “C”.
americanos, consomem em média 357 calorias diárias,
dessa fonte. 4-) (TRE/PA- ANALISTA JUDICIÁRIO – FGV/2011)
Assinale a palavra que tenha sido acentuada seguindo a
Assinalei com um “X” onde há pontuação inadequada mesma regra que distribuídos.
ou faltante: (A) sócio
(A) Um levantamento mostrou, (X) que os adolescentes (B) sofrê-lo
americanos consomem (X) em média (X) 357 calorias, (X) (C) lúcidos
diárias dessa fonte. (D) constituí
(B) Um levantamento mostrou que, (X) os adolescentes (E) órfãos
americanos consomem, em média (X) 357 calorias diárias
dessa fonte. Distribuímos = regra do hiato
(C) Um levantamento mostrou que os adolescentes (A) sócio = paroxítona terminada em ditongo
americanos consomem, em média, 357 calorias diárias des- (B) sofrê-lo = oxítona (não se considera o pronome
sa fonte. oblíquo. Nunca!)

46
EXERCÍCIOS COMPLEMENTARES

(C) lúcidos = proparoxítona 7-) (TRE/AL – TÉCNICO JUDICIÁRIO – FCC/2010)


(D) constituí = regra do hiato (diferente de “constitui” ... valores e princípios que sejam percebidos pela so-
– oxítona: cons-ti-tui) ciedade como tais.
(E) órfãos = paroxítona terminada em “ão” Transpondo para a voz ativa a frase acima, o verbo
passará a ser, corretamente,
RESPOSTA: “D”. (A) perceba.
(B) foi percebido.
5-) (TRT/PE – ANALISTA JUDICIÁRIO – FCC/2012) A
(C) tenham percebido.
concordância verbal está plenamente observada na frase:
(A) Provocam muitas polêmicas, entre crentes e ma- (D) devam perceber.
terialistas, o posicionamento de alguns religiosos e parla- (E) estava percebendo.
mentares acerca da educação religiosa nas escolas públi-
cas. ... valores e princípios que sejam percebidos pela so-
(B) Sempre deverão haver bons motivos, junto àque- ciedade como tais = dois verbos na voz passiva, então te-
les que são contra a obrigatoriedade do ensino religioso, remos um na ativa: que a sociedade perceba os valores e
para se reservar essa prática a setores da iniciativa privada. princípios...
(C) Um dos argumentos trazidos pelo autor do texto,
contra os que votam a favor do ensino religioso na escola RESPOSTA: “A”
pública, consistem nos altos custos econômicos que acar-
retarão tal medida. 8-) (TRE/AL – TÉCNICO JUDICIÁRIO – FCC/2010)
(D) O número de templos em atividade na cidade de A concordância verbal e nominal está inteiramente cor-
São Paulo vêm gradativamente aumentando, em propor-
reta na frase:
ção maior do que ocorrem com o número de escolas pú-
(A) A sociedade deve reconhecer os princípios e
blicas.
(E) Tanto a Lei de Diretrizes e Bases da Educação como valores que determinam as escolhas dos governantes,
a regulação natural do mercado sinalizam para as incon- para conferir legitimidade a suas decisões.
veniências que adviriam da adoção do ensino religioso nas (B) A confiança dos cidadãos em seus dirigentes
escolas públicas. devem ser embasados na percepção dos valores e prin-
cípios que regem a prática política.
(A) Provocam = provoca (o posicionamento) (C) Eleições livres e diretas é garantia de um verda-
(B) Sempre deverão haver bons motivos = deverá haver deiro regime democrático, em que se respeita tanto as
(C) Um dos argumentos trazidos pelo autor do texto, con- liberdades individuais quanto as coletivas.
tra os que votam a favor do ensino religioso na escola pública, (D) As instituições fundamentais de um regime de-
consistem = consiste. mocrático não pode estar subordinado às ordens indis-
(D) O número de templos em atividade na cidade de São criminadas de um único poder central.
Paulo vêm gradativamente aumentando, em proporção maior (E) O interesse de todos os cidadãos estão voltados
do que ocorrem = ocorre
para o momento eleitoral, que expõem as diferentes
(E) Tanto a Lei de Diretrizes e Bases da Educação como a
regulação natural do mercado sinalizam para as inconveniên- opiniões existentes na sociedade.
cias que adviriam da adoção do ensino religioso nas escolas Fiz os acertos entre parênteses:
públicas. (A) A sociedade deve reconhecer os princípios e va-
lores que determinam as escolhas dos governantes, para
RESPOSTA: “E”. conferir legitimidade a suas decisões.
6-) (TRE/PA- ANALISTA JUDICIÁRIO – FGV/2011) (B) A confiança dos cidadãos em seus dirigentes de-
Segundo o Manual de Redação da Presidência da Repúbli- vem (deve) ser embasados (embasada) na percepção dos
ca, NÃO se deve usar Vossa Excelência para valores e princípios que regem a prática política.
(A) embaixadores. (C) Eleições livres e diretas é (são) garantia de um ver-
(B) conselheiros dos Tribunais de Contas estaduais. dadeiro regime democrático, em que se respeita (respei-
(C) prefeitos municipais. tam) tanto as liberdades individuais quanto as coletivas.
(D) presidentes das Câmaras de Vereadores. (D) As instituições fundamentais de um regime demo-
(E) vereadores.
crático não pode (podem) estar subordinado (subordina-
(...) O uso do pronome de tratamento Vossa Senhoria (abrevia- das) às ordens indiscriminadas de um único poder central.
do V. Sa.) para vereadores está correto, sim. Numa Câmara de (E) O interesse de todos os cidadãos estão (está) vol-
Vereadores só se usa Vossa Excelência para o seu presidente, de tados (voltado) para o momento eleitoral, que expõem (ex-
acordo com o Manual de Redação da Presidência da República põe) as diferentes opiniões existentes na sociedade.
(1991).
(Fonte: http://www.linguabrasil.com.br/nao-tropece-detail. RESPOSTA: “A”.
php?id=393)
9-) (TRE/AL – ANALISTA JUDICIÁRIO – FCC/2010)
RESPOSTA: “E”. A frase que admite transposição para a voz passiva é:

47
EXERCÍCIOS COMPLEMENTARES

(A) O cúmulo da ilusão é também o cúmulo do sa- Devido à igualdade textual entre os itens, a apresenta-
grado. ção da alternativa correta indica quais são as inadequações
(B) O conceito de espetáculo unifica e explica uma nas demais.
grande diversidade de fenômenos.
(C) O espetáculo é ao mesmo tempo parte da so- RESPOSTA: “E”.
ciedade, a própria sociedade e seu instrumento de uni-
ficação. 12-) (POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DO ACRE –
(D) As imagens fluem desligadas de cada aspecto ALUNO SOLDADO COMBATENTE – FUNCAB/2012)
da vida (...). No trecho: “O crescimento econômico, se associado à
(E) Por ser algo separado, ele é o foco do olhar ilu- ampliação do emprego, PODE melhorar o quadro aqui
dido e da falsa consciência. sumariamente descrito.”, se passarmos o verbo desta-
cado para o futuro do pretérito do indicativo, teremos
(A) O cúmulo da ilusão é também o cúmulo do sagra-
a forma:
do.
A) puder.
(B) O conceito de espetáculo unifica e explica uma
B) poderia.
grande diversidade de fenômenos.
- Uma grande diversidade de fenômenos é unificada e C) pôde.
explicada pelo conceito... D) poderá.
(C) O espetáculo é ao mesmo tempo parte da socieda- E) pudesse.
de, a própria sociedade e seu instrumento de unificação.
(D) As imagens fluem desligadas de cada aspecto da Conjugando o verbo “poder” no futuro do pretérito do
vida (...). Indicativo: eu poderia, tu poderias, ele poderia, nós pode-
(E) Por ser algo separado, ele é o foco do olhar iludido ríamos, vós poderíeis, eles poderiam. O sujeito da oração
e da falsa consciência. é crescimento econômico (singular), portanto, terceira pes-
soa do singular (ele) = poderia.
RESPOSTA: “B”.
RESPOSTA: “B”.
10-) (MPE/AM - AGENTE DE APOIO ADMINISTRA- 13-) (TRE/AP - TÉCNICO JUDICIÁRIO – FCC/2011)
TIVO - FCC/2013) “Quando a gente entra nas serrarias, Entre as frases que seguem, a única correta é:
vê dezenas de caminhões parados”, revelou o analista a) Ele se esqueceu de que?
ambiental Geraldo Motta. b) Era tão ruím aquele texto, que não deu para dis-
Substituindo-se Quando por Se, os verbos subli- tribui-lo entre os presentes.
nhados devem sofrer as seguintes alterações: c) Embora devessemos, não fomos excessivos nas
(A) entrar − vira críticas.
(B) entrava − tinha visto d) O juíz nunca negou-se a atender às reivindica-
(C) entrasse − veria ções dos funcionários.
(D) entraria − veria e) Não sei por que ele mereceria minha conside-
(E) entrava − teria visto ração.
Se a gente entrasse (verbo no singular) na serraria, ve- (A) Ele se esqueceu de que? = quê?
ria = entrasse / veria.
(B) Era tão ruím (ruim) aquele texto, que não deu para
distribui-lo (distribuí-lo) entre os presentes.
RESPOSTA: “C”.
(C) Embora devêssemos (devêssemos) , não fomos ex-
11-) (TRE/AL – ANALISTA JUDICIÁRIO – FCC/2010) cessivos nas críticas.
A pontuação está inteiramente adequada na frase: (D) O juíz (juiz) nunca (se) negou a atender às reivindi-
a) Será preciso, talvez, redefinir a infância já que as cações dos funcionários.
crianças de hoje, ao que tudo indica nada mais têm a (E) Não sei por que ele mereceria minha consideração.
ver com as de ontem.
b) Será preciso, talvez redefinir a infância: já que RESPOSTA: “E”.
as crianças, de hoje, ao que tudo indica nada têm a ver,
com as de ontem. 14-) (FUNDAÇÃO CASA/SP - AGENTE ADMINIS-
c) Será preciso, talvez: redefinir a infância, já que TRATIVO - VUNESP/2011 - ADAPTADA) Observe as
as crianças de hoje ao que tudo indica, nada têm a ver frases do texto:
com as de ontem. I, Cerca de 75 por cento dos países obtêm nota ne-
d) Será preciso, talvez redefinir a infância? - já que gativa...
as crianças de hoje ao que tudo indica, nada têm a ver II,... à Venezuela, de Chávez, que obtém a pior clas-
com as de ontem. sificação do continente americano (2,0)...
e) Será preciso, talvez, redefinir a infância, já que Assim como ocorre com o verbo “obter” nas frases
as crianças de hoje, ao que tudo indica, nada têm a ver I e II, a concordância segue as mesmas regras, na ordem
com as de ontem. dos exemplos, em:

48
EXERCÍCIOS COMPLEMENTARES

(A) Todas as pessoas têm boas perspectivas para o (D) Se os meios tecnológicos não tivessem se tor-
próximo ano. Será que alguém tem opinião diferente nado tão eficientes, talvez as coisas não ficaram tão
da maioria? baratas.
(B) Vem muita gente prestigiar as nossas festas ju- (E) Se as pessoas não se propuserem a consumir
ninas. Vêm pessoas de muito longe para brincar de qua- conscientemente, a oferta de produtos supérfluos cres-
drilha. cia.
(C) Pouca gente quis voltar mais cedo para casa.
Quase todos quiseram ficar até o nascer do sol na praia. Fiz as correções necessárias:
(D) Existem pessoas bem intencionadas por aqui, (A) Se o consumo desnecessário vier a crescer, o plane-
mas também existem umas que não merecem nossa ta não resistiu = resistirá
atenção. (B) Se todas as partes do mundo estiverem com alto
(E) Aqueles que não atrapalham muito ajudam. poder de consumo, o planeta em breve sofrerá um colapso.
(C) Caso todo prazer, como o da comida, o da bebida,
Em I, obtêm está no plural; em II, no singular. Vamos o do jogo, o do sexo e o do consumo não conhecesse dis-
aos itens: torções patológicas, não haverá = haveria
(A) Todas as pessoas têm (plural) ... Será que alguém
(D) Se os meios tecnológicos não tivessem se tornado
tem (singular)
tão eficientes, talvez as coisas não ficaram = ficariam (ou
(B) Vem (singular) muita gente... Vêm pessoas (plural)
teriam ficado)
(C) Pouca gente quis (singular)... Quase todos quise-
ram (plural) (E) Se as pessoas não se propuserem a consumir cons-
(D) Existem (plural) pessoas ... mas também existem cientemente, a oferta de produtos supérfluos crescia =
umas (plural) crescerá
(E) Aqueles que não atrapalham muito ajudam (ambas
as formas estão no plural) RESPOSTA: “B”.
17-) (TJ/SP – AGENTE DE FISCALIZAÇÃO JUDICIÁ-
RESPOSTA: “A”. RIA – VUNESP/2010) Assinale a alternativa que preen-
15-) (CETESB/SP - ANALISTA ADMINISTRATIVO - che adequadamente e de acordo com a norma culta a
RECURSOS HUMANOS - VUNESP/2013 - ADAPTADA) lacuna da frase: Quando um candidato trêmulo ______ eu
Considere as orações: … sabíamos respeitar os mais lhe faria a pergunta mais deliciosa de todas.
velhos! / E quando eles falavam nós calávamos a boca! (A) entrasse
Alterando apenas o tempo dos verbos destacados (B) entraria
para o tempo presente, sem qualquer outro ajuste, (C) entrava
tem-se, de acordo com a norma-padrão da língua por- (D) entrar
tuguesa: (E) entrou
(A) … soubemos respeitar os mais velhos! / E quan-
do eles falaram nós calamos a boca! O verbo “faria” está no futuro do pretérito, ou seja, in-
(B) … saberíamos respeitar os mais velhos! / E quan- dica que é uma ação que, para acontecer, depende de ou-
do eles falassem nós calaríamos a boca! tra. Exemplo: Quando um candidato entrasse, eu faria / Se
(C) … soubéssemos respeitar os mais velhos! / E ele entrar, eu farei / Caso ele entre, eu faço...
quando eles falassem nós calaríamos a boca!
(D) … saberemos respeitar os mais velhos! / E quan- RESPOSTA: “A”.
do eles falarem nós calaremos a boca!
(E) … sabemos respeitar os mais velhos! / E quando 18-) (TJ/SP – AGENTE DE FISCALIZAÇÃO JUDICIÁ-
eles falam nós calamos a boca!
RIA – VUNESP/2010 - ADAPTADA)
Assinale a alternativa de concordância que pode ser
No presente: nós sabemos / eles falam.
considerada correta como variante da frase do texto –
RESPOSTA: “E”. A maioria considera aceitável que um convidado che-
gue mais de duas horas ...
16-) (UNESP/SP - ASSISTENTE TÉCNICO ADMINIS- (A) A maioria dos cariocas consideram aceitável
TRATIVO - VUNESP/2012) A correlação entre as formas que um convidado chegue mais de duas horas...
verbais está correta em: (B) A maioria dos cariocas considera aceitáveis que
(A) Se o consumo desnecessário vier a crescer, o um convidado chegue mais de duas horas...
planeta não resistiu. (C) As maiorias dos cariocas considera aceitáveis
(B) Se todas as partes do mundo estiverem com alto que um convidado chegue mais de duas horas...
poder de consumo, o planeta em breve sofrerá um co- (D) As maiorias dos cariocas consideram aceitáveis
lapso. que um convidado chegue mais de duas horas...
(C) Caso todo prazer, como o da comida, o da bebi- (E) As maiorias dos cariocas consideram aceitável
da, o do jogo, o do sexo e o do consumo não conheces- que um convidado cheguem mais de duas horas...
se distorções patológicas, não haverá vícios.

49
EXERCÍCIOS COMPLEMENTARES

Fiz as indicações: (D) À ninguém é dado o direito de colocar em risco


(A) A maioria dos cariocas consideram (ou considera, a vida dos demais motoristas e de pedestres.
tanto faz) aceitável que um convidado chegue mais de (E) Cabe à todos na sociedade zelar pelo cumpri-
duas horas... mento da nova lei para que ela possa funcionar.
(B) A maioria dos cariocas considera (ok) aceitáveis
(aceitável) que um convidado chegue mais de duas horas... (A) A população, de um modo geral, está à espera (dá
(C) As (A) maiorias (maioria) dos cariocas considera (ok) para substituir por “esperando”) de que
aceitáveis (aceitável) que um convidado chegue mais de (B) A nova lei chega para obrigar os motoristas à re-
duas horas... pensarem (antes de verbo)
(D) As (A) maiorias (maioria) dos cariocas consideram (C) A partir de agora os motoristas estarão sujeitos à
(ok) aceitáveis (aceitável) que um convidado chegue mais punições (generalizando, palavra no plural)
de duas horas... (D) À ninguém (pronome indefinido)
(E) As (A) maiorias (maioria) dos cariocas consideram (E) Cabe à todos (pronome indefinido)
(ok) aceitável que um convidado cheguem (chegue) mais
de duas horas... RESPOSTA: “A”.
(TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO
RESPOSTA: “A”. - ESCREVENTE TÉCNICO JUDICIÁRIO – VUNESP/2013 -
ADAPTADO) Leia o texto, para responder às questões
19-) (TJ/SP – AGENTE DE FISCALIZAÇÃO JUDICIÁ- de números 21 e 22.
RIA – VUNESP/2010) Assinale a alternativa em que as Veja, aí estão eles, a bailar seu diabólico “pas de
palavras são acentuadas graficamente pelos mesmos deux” (*): sentado, ao fundo do restaurante, o cliente
motivos que justificam, respectivamente, as acentua- paulista acena, assovia, agita os braços num agônico
ções de: década, relógios, suíços. polichinelo; encostado à parede, marmóreo e impassí-
(A) flexíveis, cartório, tênis. vel, o garçom carioca o ignora com redobrada atenção.
(B) inferência, provável, saída. O paulista estrebucha: “Amigô?!”, “Chefê?!”, “Parcei-
(C) óbvio, após, países. rô?!”; o garçom boceja, tira um fiapo do ombro, olha
(D) islâmico, cenário, propôs. pro lustre.
Eu disse “cliente paulista”, percebo a redundância:
(E) república, empresária, graúda.
o paulista é sempre cliente. Sem querer estereotipar,
mas já estereotipando: trata-se de um ser cujas inte-
Década = proparoxítona / relógios = paroxítona termi-
rações sociais terminam, 99% das vezes, diante da per-
nada em ditongo / suíços = regra do hiato
gunta “débito ou crédito?”.[...] Como pode ele entender
(A) flexíveis e cartório = paroxítonas terminadas em
que o fato de estar pagando não garantirá a atenção do
ditongo / tênis = paroxítona terminada em “i” (seguida
garçom carioca? Como pode o ignóbil paulista, nascido
de “s”)
e criado na crua batalha entre burgueses e proletários,
(B) inferência = paroxítona terminada em ditongo /
compreender o discreto charme da aristocracia?
provável = paroxítona terminada em “l” / saída = regra do Sim, meu caro paulista: o garçom carioca é antes
hiato de tudo um nobre. Um antigo membro da corte que
(C) óbvio = paroxítona terminada em ditongo / após esconde, por trás da carapinha entediada, do descaso
= oxítona terminada em “o” + “s” / países = regra do hiato e da gravata borboleta, saudades do imperador. [...]
(D) islâmico = proparoxítona / cenário = paroxítona Se deixou de bajular os príncipes e princesas do século
terminada em ditongo / propôs = oxítona terminada em 19, passou a servir reis e rainhas do 20: levou gim tô-
“o” + “s” nicas para Vinicius e caipirinhas para Sinatra, uísques
(E) república = proparoxítona / empresária = paroxíto- para Tom e leites para Nelson, recebeu gordas gorjetas
na terminada em ditongo / graúda = regra do hiato de Orson Welles e autógrafos de Rockfeller; ainda hoje
fala de futebol com Roberto Carlos e ouve conselhos de
RESPOSTA: “E”. João Gilberto. Continua tão nobre quanto sempre foi,
seu orgulho permanece intacto.
20-) (POLÍCIA CIVIL/SP – AGENTE POLICIAL - VU- Até que chega esse paulista, esse homem bidimen-
NESP/2013) De acordo com a norma- padrão da sional e sem poesia, de camisa polo, meia soquete e
língua portuguesa, o acento indicativo de crase está sapatênis, achando que o jacarezinho de sua Lacoste é
corretamente empregado em: um crachá universal, capaz de abrir todas as portas. Ah,
(A) A população, de um modo geral, está à espera paulishhhhta otááário, nenhum emblema preencherá o
de que, com o novo texto, a lei seca possa coibir os aci- vazio que carregas no peito - pensa o garçom, antes de
dentes. conduzi-lo à última mesa do restaurante, a caminho do
(B) A nova lei chega para obrigar os motoristas à banheiro, e ali esquecê-lo para todo o sempre.
repensarem a sua postura. Veja, veja como ele se debate, como se debaterá
(C) A partir de agora os motoristas estarão sujeitos amanhã, depois de amanhã e até a Quarta-Feira de Cin-
à punições muito mais severas. zas, maldizendo a Guanabara, saudoso das várzeas do

50
EXERCÍCIOS COMPLEMENTARES

Tietê, onde a desigualdade é tão mais organizada: “Ô, (A) De corda; de plástico.
companheirô, faz meia hora que eu cheguei, dava pra (B) De fogo; de madeira.
ver um cardápio?!”. Acalme-se, conterrâneo. (C) De madeira; de pedra.
Acostume-se com sua existência plebeia. O garçom (D) De fogo; de pedra.
carioca não está aí para servi-lo, você é que foi ao res- (E) De plástico; de cinza.
taurante para homenageá-lo.
(Antonio Prata, Cliente paulista, garçom carioca. Folha Questão que pode ser resolvida usando a lógica ou as-
de S.Paulo, 06.02.2013) sociação de palavras! Veja: a ignição do carro lembra-nos
fogo, combustão... Pedra, petrificado. Encontrou a respos-
(*) Um tipo de coreografia, de dança. ta?

21-) (TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO RESPOSTA: “D”.


PAULO - ESCREVENTE TÉCNICO JUDICIÁRIO – VU-
NESP/2013) Assinale a alternativa contendo passagem (TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO
em que o autor simula dialogar com o leitor. - ESCREVENTE TÉCNICO JUDICIÁRIO – VUNESP/2013 -
(A) Acalme-se, conterrâneo. Acostume-se com sua ADAPTADO) Para responder às questões de números
existência plebeia. 24 e 25, considere a seguinte passagem: Sem querer
(B) Ô, companheiro, faz meia hora que eu cheguei... estereotipar, mas já estereotipando: trata-se de um ser
(C) Veja, aí estão eles, a bailar seu diabólico “pas de cujas interações sociais terminam, 99% das vezes, dian-
deux”. te da pergunta “débito ou crédito?”.
(D) Sim, meu caro paulista...
(E) Ah, paulishhhhta otááário... 24-) (TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE
SÃO PAULO - ESCREVENTE TÉCNICO JUDICIÁRIO –
Em “meu caro paulista”, o autor está dirigindo-se a nós, VUNESP/2013) Nesse contexto, o verbo estereotipar
leitores.
tem sentido de
(A) considerar ao acaso, sem premeditação.
RESPOSTA: “D”.
(B) aceitar uma ideia mesmo sem estar convencido
dela.
22-) (TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO
(C) adotar como referência de qualidade.
PAULO - ESCREVENTE TÉCNICO JUDICIÁRIO – VU-
(D) julgar de acordo com normas legais.
NESP/2013) O contexto em que se encontra a passa-
(E) classificar segundo ideias preconcebidas.
gem – Se deixou de bajular os príncipes e princesas do
século 19, passou a servir reis e rainhas do 20 (2.º pará-
Classificar conforme regras conhecidas, mas não con-
grafo) – leva a concluir, corretamente, que a menção a
(A) príncipes e princesas constitui uma referência firmadas se verdadeiras.
em sentido não literal.
(B) reis e rainhas constitui uma referência em sen- RESPOSTA: “E”.
tido não literal.
(C) príncipes, princesas, reis e rainhas constitui uma 25-) (TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE
referência em sentido não literal. SÃO PAULO - ESCREVENTE TÉCNICO JUDICIÁRIO –
(D) príncipes, princesas, reis e rainhas constitui uma VUNESP/2013) Nessa passagem, a palavra cujas tem
referência em sentido literal. sentido de
(E) reis e rainhas constitui uma referência em sen- (A) lugar, referindo-se ao ambiente em que ocorre a
tido literal. pergunta mencionada.
(B) posse, referindo-se às interações sociais do pau-
Pela leitura do texto infere-se que os “reis e rainhas” lista.
do século 20 são as personalidades da mídia, os “famosos” (C) dúvida, pois a decisão entre débito ou crédito
e “famosas”. Quanto a príncipes e princesas do século 19, ainda não foi tomada.
esses eram da corte, literalmente. (D) tempo, referindo-se ao momento em que ter-
minam as interações sociais.
RESPOSTA: “B”. (E) condição em que se deve dar a transação finan-
ceira mencionada.
23-) (TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO
PAULO - ESCREVENTE TÉCNICO JUDICIÁRIO – VU- O pronome “cujo” geralmente nos dá o sentido de
NESP/2013) O sentido de marmóreo (adjetivo) equiva- posse: O livros cujas folhas (lê-se: as folhas dos livros).
le ao da expressão de mármore. Assinale a alternativa
contendo as expressões com sentidos equivalentes, res- RESPOSTA: “B”.
pectivamente, aos das palavras ígneo e pétreo.

51
EXERCÍCIOS COMPLEMENTARES

26-) (TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO A – Máquina = sem acréscimo de afixos (prefixo ou
PAULO - ESCREVENTE TÉCNICO JUDICIÁRIO – VU- sufixo)
NESP/2013) Assinale a alternativa em que a oração B - Brilhantismo. = acréscimo de sufixo (ismo)
destacada expressa finalidade, em relação à outra que C – Hipertexto = acréscimo de prefixo (hiper)
compõe o período. D – Textualidade = acréscimo de sufixo (idade)
(A) Se deixou de bajular os príncipes e princesas do E – Arquivamento = acréscimo de sufixo (mento)
século 19, passou a servir reis e rainhas do 20...
(B) Pensa o garçom, antes de conduzi-lo à última RESPOSTA: “C”.
mesa do restaurante...
(C) Você é que foi ao restaurante para homenageá- (TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO
-lo. - ESCREVENTE TÉCNICO JUDICIÁRIO – VUNESP/2013 -
(D) ... nenhum emblema preencherá o vazio que ADAPTADA) Para responder a esta questão, considere
carregas no peito ... as palavras destacadas nas seguintes passagens do tex-
(E) O garçom boceja, tira um fiapo do ombro... to:
Desde o surgimento da ideia de hipertexto...
Vamos às análises: ... informações ligadas especialmente à pesquisa
A - Se deixou de bajular os príncipes e princesas do acadêmica,
século 19 = a conjunção inicial é condicional. ... uma “máquina poética”, algo que funcionasse
B - antes de conduzi-lo à última mesa do restaurante = por analogia e associação...
conjunção temporal (dá-nos noção de tempo) Quando o cientista Vannevar Bush [...] concebeu a
C - para homenageá-lo = nessa oração temos a noção ideia de hipertexto...
do motivo (qual a finalidade) da ação de “ter ido ao restau- ... 20 anos depois de seu artigo fundador...
rante”, segundo o texto
D - que carregas no peito – o “que” funciona como 29-) As palavras destacadas que expressam ideia de
tempo são:
pronome relativo (podemos substituí-lo por “o qual” car-
(A) algo, especialmente e Quando.
regas no peito)
(B) Desde, especialmente e algo.
E - tira um fiapo do ombro – temos aqui uma oração
(C) especialmente, Quando e depois.
assindética (sem conjunção “final”)
(D) Desde, Quando e depois.
(E) Desde, algo e depois.
RESPOSTA: “C”.
As palavras que nos dão a noção, ideia de tempo são:
27-) (TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO desde, quando e depois.
PAULO - ESCREVENTE TÉCNICO JUDICIÁRIO – VU-
NESP/2011) Em – A falta de modos dos homens da Casa RESPOSTA: “D”.
de Windsor é proverbial, mas o príncipe Edward dizendo
bobagens para estranhos no Quirguistão incomodou a 30- (TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO
embaixadora americana. PAULO - ESCREVENTE TÉCNICO JUDICIÁRIO – VU-
A conjunção destacada pode ser substituída por NESP/2013) Assinale a alternativa contendo frase com
A) portanto. (B) como. (C) no entanto. (D) redação de acordo com a norma-padrão de concordân-
porque. (E) ou. cia.
(A) Pensava na necessidade de ser substituído de
O “mas” é uma conjunção adversativa, dando a ideia de imediato os métodos existentes.
oposição entre as informações apresentadas pelas orações, (B) Substitui-se os métodos de recuperação de in-
o que acontece no enunciado da questão. Em “A”, temos formações que se ligava especialmente à pesquisa aca-
uma conclusiva; “B”, comparativa; “C”, adversativa; “D”, ex- dêmica.
plicativa; “E”, alternativa. (C) No hipertexto, a textualidade funciona por se-
quências fixas que se estabeleceram previamente.
RESPOSTA: “C”. (D) O inventor pensava em textos que já deveria es-
tar disponíveis em rede.
28-) (TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO (E) Era procurado por ele máquinas com as quais
PAULO - ESCREVENTE TÉCNICO JUDICIÁRIO – VU- pudesse capturar o brilhantismo anárquico da imagi-
NESP/2013) Assinale a alternativa contendo palavra nação humana.
formada por prefixo.
(A) Máquina. Coloquei entre parênteses a correção:
(B) Brilhantismo. (A) Pensava na necessidade de ser substituído (serem
(C) Hipertexto. substituídos) de imediato os métodos existentes.
(D) Textualidade. (B) Substitui-se (substituem-se) os métodos de recupe-
(E) Arquivamento. ração de informações que se ligava (ligavam) especialmen-
te à pesquisa acadêmica.

52
EXERCÍCIOS COMPLEMENTARES

(C) No hipertexto, a textualidade funciona por sequên- 33-) (TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO
cias fixas que se estabeleceram previamente. PAULO - ESCREVENTE TÉCNICO JUDICIÁRIO – VU-
(D) O inventor pensava em textos que já deveria (deve- NESP/2013) Assinale a alternativa em que todos os ver-
riam) estar disponíveis em rede. bos estão empregados de acordo com a norma-padrão.
(E) Era procurado (eram procuradas) por ele máquinas (A) Enviaram o texto, para que o revíssemos antes
com as quais pudesse capturar o brilhantismo anárquico da da impressão definitiva.
imaginação humana. (B) Não haverá prova do crime se o réu se manter
em silêncio.
RESPOSTA: “C”. (C) Vão pagar horas-extras aos que se disporem a
trabalhar no feriado.
31-) (TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO (D) Ficarão surpresos quando o verem com a toga...
PAULO - ESCREVENTE TÉCNICO JUDICIÁRIO – VU- (E) Se você quer a promoção, é necessário que a re-
NESP/2013) Assinale a alternativa com as palavras quera a seu superior.
Realizei a correção entre parênteses:
acentuadas segundo as regras de acentuação, respecti-
(A) Enviaram o texto, para que o revíssemos antes da
vamente, de intercâmbio e antropológico.
impressão definitiva.
(A) Distúrbio e acórdão. (B) Não haverá prova do crime se o réu se manter
(B) Máquina e jiló. (mantiver) em silêncio.
(C) Alvará e Vândalo. (C) Vão pagar horas-extras aos que se disporem (dispu-
(D) Consciência e características. serem) a trabalhar no feriado.
(E) Órgão e órfãs. (D) Ficarão surpresos quando o verem (virem) com a
toga...
Para que saibamos qual alternativa assinalar, primeiro (E) Se você quer a promoção, é necessário que a reque-
temos que classificar as palavras do enunciado quanto à ra (requeira) a seu superior.
posição de sua sílaba tônica:
Intercâmbio = paroxítona terminada em ditongo; An- RESPOSTA: “A”.
tropológico = proparoxítona (todas são acentuadas). Ago-
ra, vamos à análise dos itens apresentados: 34-) (TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO
(A) Distúrbio = paroxítona terminada em ditongo; PAULO - ESCREVENTE TÉCNICO JUDICIÁRIO – VU-
acórdão = paroxítona terminada em “ão” NESP/2013) Assinale a alternativa que completa as la-
(B) Máquina = proparoxítona; jiló = oxítona terminada cunas do trecho a seguir, empregando o sinal indicativo
em “o” de crase de acordo com a norma-padrão.
(C) Alvará = oxítona terminada em “a”; Vândalo = pro- Não nos sujeitamos ____ corrupção; tampouco cede-
paroxítona remos espaço ____ nenhuma ação que se proponha ____
(D) Consciência = paroxítona terminada em ditongo; prejudicar nossas instituições.
características = proparoxítona (A) à … à … à
(E) Órgão e órfãs = ambas: paroxítona terminada em (B) a … à … à
“ão” e “ã”, respectivamente. (C) à … a … a
(D) à … à … a
RESPOSTA: “D”. (E) a … a … à

Vamos por partes!


32-) (TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO
- Quem se sujeita, sujeita-se A algo ou A alguém, por-
PAULO - ESCREVENTE TÉCNICO JUDICIÁRIO – VU-
tanto: pede preposição;
NESP/2013) Na passagem – Nesse contexto, governos e - quem cede, cede algo A alguém, então teremos ob-
empresas estão fechando o cerco contra a corrupção e a jeto direto e indireto;
fraude, valendo-se dos mais variados mecanismos... – a - quem se propõe, propõe-se A alguma coisa.
oração destacada expressa, em relação à anterior, sen- Vejamos:
tido que responde à pergunta: Não nos sujeitamos À corrupção; tampouco cedere-
(A) “Quando?” mos espaço A nenhuma ação que se proponha A prejudi-
(B) “Por quê?” car nossas instituições.
(C) “Como?” * Sujeitar A + A corrupção;
(D) “Para quê?” * ceder espaço (objeto direto) A nenhuma ação (objeto
(E) “Onde?” indireto. Não há acento indicativo de crase, pois “nenhu-
ma” é pronome indefinido);
Questão que envolve conhecimento de coesão e coe- * que se proponha A prejudicar (objeto indireto, no
rência. Se perguntássemos à primeira oração “COMO o caso, oração subordinada com função de objeto indireto.
governo está fechando o cerco contra a corrupção?”, ob- Não há acento indicativo de crase porque temos um verbo
teríamos a resposta apresentada pela oração em destaque. no infinitivo – “prejudicar”).

RESPOSTA: “C”. RESPOSTA: “C”.

53
EXERCÍCIOS COMPLEMENTARES

35-) (TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO Sublinhei os sujeitos das orações para facilitar a per-
PAULO – ADVOGADO - VUNESP/2013) Analise a propa- cepção da concordância verbal:
ganda do programa 5inco Minutos. Falha no Facebook expõe dados de 6 milhões de usuá-
rios.
Números de telefone e e-mails de parte dos usuários
do site estavam disponíveis
“expõe” e “estavam disponíveis”.

RESPOSTA: “B”.

(TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAU-


LO – ADVOGADO - VUNESP/2013 - ADAPTADA) Leia o
texto para responder às questões de números 37.
Metrópoles desenvolvidas arcam com parte do cus-
to do transporte público. Fazem-no não só por populis-
mo dos políticos locais mas também para imprimir mais
eficiência ao sistema. E, se a discussão se dá em termos
Em norma-padrão da língua portuguesa, a frase da de definir o nível ideal de subsídio, a gratuidade deixa
propaganda, adaptada, assume a seguinte redação: de ser um delírio para tornar-se a posição mais extrema
(A) 5INCO MINUTOS: às vezes, dura mais, mas não num leque de possibilidades.
matem-na porisso. Sou contra a tarifa zero, porque ela traz uma ou-
(B) 5INCO MINUTOS: as vezes, dura mais, mas não tra classe de problemas que já foi bem analisada pelo
matem-na por isso. pessoal da teoria dos jogos: se não houver pagamento
(C) 5INCO MINUTOS: às vezes, dura mais, mas não a
individual, aumenta a tendência de as pessoas usarem
matem por isso.
ônibus até para andar de uma esquina a outra, o que é
(D) 5INCO MINUTOS: as vezes, dura mais, mas não lhe
ruim para o sistema e para a saúde.
matem por isso.
Para complicar mais, vale lembrar que a discus-
(E) 5INCO MINUTOS: às vezes, dura mais, mas não a
são surge no contexto de prefeituras com orçamentos
matem porisso.
apertados e áreas ainda mais prioritárias como educa-
A questão envolve colocação pronominal e ortografia. Co- ção e saúde para atender.
mecemos pela mais fácil: ortografia! A palavra “por isso” é es- (Hélio Schwartsman, Tarifa zero, um delírio? Folha de
crita separadamente. Assim, já descartamos duas alternativas S.Paulo, 21.06.2013. Adaptado)
(“A” e “E”). Quanto à colocação pronominal, temos a presença
do advérbio “não”, que sabemos ser um “ímã” para o prono- 37-) (TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO
me oblíquo, fazendo-nos aplicar a regra da próclise (pronome PAULO – ADVOGADO - VUNESP/2013) A ideia central
antes do verbo). Então, a forma correta é “mas não A matem” do texto pode ser sintetizada da seguinte forma, em
(por que A e não LHE? Porque quem mata, mata algo ou al- conformidade com a norma-padrão da língua portu-
guém, objeto direto. O “lhe” é usado para objeto indireto. Se guesa:
não tivéssemos a conjunção “mas” nem o advérbio “não”, a (A) Daqui à pouco teremos à passagem gratuita.
forma “matem-na” estaria correta, já que, após vírgula, o ideal (B) Não existe condições de se implantar a passa-
é que utilizemos ênclise – pronome oblíquo após o verbo). gem gratuita.
(C) É necessário a implementação da passagem gra-
RESPOSTA: “C”. tuita.
(D) O povo prefere mais passagem paga que gra-
36-) (TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO tuita.
PAULO – ADVOGADO - VUNESP/2013) Falha no Face- (E) A passagem barata é preferível à gratuita.
book ______________ dados de 6 milhões de usuários. Nú-
meros de telefone e e-mails de parte dos usuários do site Fiz as correções entre parênteses:
______________ para download a partir da ferramenta “Baixe (A) Daqui à (a) pouco teremos à (a) passagem gratuita.
uma cópia dos seus dados”, presente na seção “Geral” da (B) Não existe (existem) condições de se implantar a
categoria “Privacidade”, sem o consentimento dos cadas- passagem gratuita.
trados da rede social. (C) É necessário (necessária) a implementação da pas-
(http://veja.abril.com.br, 21.06.2013. Adaptado) sagem gratuita.
Em norma-padrão da língua portuguesa, as lacunas (D) O povo prefere mais passagem paga que (paga à)
do texto devem ser preenchidas, respectivamente, com gratuita.
(A) expõe … estava disponível (E) A passagem barata é preferível à gratuita.
(B) expõe … estavam disponíveis O verbo “preferir” pede preposição: Prefiro água a vi-
(C) expõem … estavam disponível nho (e não: “do que vinho”)
(D) expõem … estava disponível
(E) expõem … estava disponíveis RESPOSTA: “E”.

54
MATEMÁTICA

Operações com números naturais e fracionários; adição, subtração, multiplicação e divisão; ................................................ 01
Sistemas de medidas: tempo, comprimento, capacidade, massa, quantidade................................................................................ 20
MATEMÁTICA

- Todo número natural dado N, exceto o zero, tem um


OPERAÇÕES COM NÚMEROS NATURAIS antecessor (número que vem antes do número dado).
E FRACIONÁRIOS; ADIÇÃO, SUBTRAÇÃO, Exemplos: Se m é um número natural finito diferente
MULTIPLICAÇÃO E DIVISÃO; de zero.
a) O antecessor do número m é m-1.
b) O antecessor de 2 é 1.
c) O antecessor de 56 é 55.
Números Naturais d) O antecessor de 10 é 9.

O conjunto dos números naturais é representado pela O conjunto abaixo é conhecido como o conjunto dos
letra maiúscula N e estes números são construídos com os números naturais pares. Embora uma sequência real seja
algarismos: 0, 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9, que também são co- outro objeto matemático denominado função, algumas
nhecidos como algarismos indo-arábicos. No século VII, os vezes utilizaremos a denominação sequência dos números
árabes invadiram a Índia, difundindo o seu sistema numéri- naturais pares para representar o conjunto dos números
co. Embora o zero não seja um número natural no sentido naturais pares: P = { 0, 2, 4, 6, 8, 10, 12, ...}
que tenha sido proveniente de objetos de contagens na- O conjunto abaixo é conhecido como o conjunto dos
turais, iremos considerá-lo como um número natural uma números naturais ímpares, às vezes também chamados, a
vez que ele tem as mesmas propriedades algébricas que sequência dos números ímpares. I = { 1, 3, 5, 7, 9, 11, 13, ...}
os números naturais. Na verdade, o zero foi criado pelos
hindus na montagem do sistema posicional de numeração Operações com Números Naturais
para suprir a deficiência de algo nulo.
Na sequência consideraremos que os naturais têm Na sequência, estudaremos as duas principais opera-
início com o número zero e escreveremos este conjunto ções possíveis no conjunto dos números naturais. Pratica-
como: N = { 0, 1, 2, 3, 4, 5, 6, ...} mente, toda a Matemática é construída a partir dessas duas
Representaremos o conjunto dos números naturais operações: adição e multiplicação.
com a letra N. As reticências (três pontos) indicam que este
conjunto não tem fim. N é um conjunto com infinitos nú- A adição de números naturais
meros.
Excluindo o zero do conjunto dos números naturais, o A primeira operação fundamental da Aritmética tem
conjunto será representado por: N* = {1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, por finalidade reunir em um só número, todas as unidades
9, 10, ...} de dois ou mais números. Antes de surgir os algarismos
indo-arábicos, as adições podiam ser realizadas por meio
A construção dos Números Naturais de tábuas de calcular, com o auxílio de pedras ou por meio
de ábacos.
- Todo número natural dado tem um sucessor (número
Propriedades da Adição
que vem depois do número dado), considerando também
- Fechamento: A adição no conjunto dos números na-
o zero.
turais é fechada, pois a soma de dois números naturais é
Exemplos: Seja m um número natural.
ainda um número natural. O fato que a operação de adição
a) O sucessor de m é m+1.
é fechada em N é conhecido na literatura do assunto como:
b) O sucessor de 0 é 1.
A adição é uma lei de composição interna no conjunto N.
c) O sucessor de 1 é 2. - Associativa: A adição no conjunto dos números na-
d) O sucessor de 19 é 20. turais é associativa, pois na adição de três ou mais parce-
las de números naturais quaisquer é possível associar as
- Se um número natural é sucessor de outro, então os parcelas de quaisquer modos, ou seja, com três números
dois números juntos são chamados números consecutivos. naturais, somando o primeiro com o segundo e ao resulta-
Exemplos: do obtido somarmos um terceiro, obteremos um resultado
a) 1 e 2 são números consecutivos. que é igual à soma do primeiro com a soma do segundo e
b) 5 e 6 são números consecutivos. o terceiro. (A + B) + C = A + (B + C)
c) 50 e 51 são números consecutivos. - Elemento neutro: No conjunto dos números naturais,
existe o elemento neutro que é o zero, pois tomando um
- Vários números formam uma coleção de números na- número natural qualquer e somando com o elemento neu-
turais consecutivos se o segundo é sucessor do primeiro, tro (zero), o resultado será o próprio número natural.
o terceiro é sucessor do segundo, o quarto é sucessor do - Comutativa: No conjunto dos números naturais, a
terceiro e assim sucessivamente. adição é comutativa, pois a ordem das parcelas não altera
Exemplos: a soma, ou seja, somando a primeira parcela com a segun-
a) 1, 2, 3, 4, 5, 6 e 7 são consecutivos. da parcela, teremos o mesmo resultado que se somando a
b) 5, 6 e 7 são consecutivos. segunda parcela com a primeira parcela.
c) 50, 51, 52 e 53 são consecutivos.

1
MATEMÁTICA

Multiplicação de Números Naturais - Em uma divisão exata de números naturais, o divisor


deve ser menor do que o dividendo. 35 : 7 = 5
É a operação que tem por finalidade adicionar o pri- - Em uma divisão exata de números naturais, o dividen-
meiro número denominado multiplicando ou parcela, tan- do é o produto do divisor pelo quociente. 35 = 5 x 7
tas vezes quantas são as unidades do segundo número - A divisão de um número natural n por zero não é pos-
denominadas multiplicador. sível pois, se admitíssemos que o quociente fosse q, então
Exemplo poderíamos escrever: n ÷ 0 = q e isto significaria que: n = 0
x q = 0 o que não é correto! Assim, a divisão de n por 0 não
4 vezes 9 é somar o número 9 quatro vezes: 4 x 9 = 9 tem sentido ou ainda é dita impossível.
+ 9 + 9 + 9 = 36
O resultado da multiplicação é denominado produto Potenciação de Números Naturais
e os números dados que geraram o produto, são chama-
dos fatores. Usamos o sinal × ou · ou x, para representar a Para dois números naturais m e n, a expressão mn é um
multiplicação. produto de n fatores iguais ao número m, ou seja: mn = m
Propriedades da multiplicação . m . m ... m . m → m aparece n vezes
O número que se repete como fator é denominado
- Fechamento: A multiplicação é fechada no conjunto base que neste caso é m. O número de vezes que a base se
N dos números naturais, pois realizando o produto de dois repete é denominado expoente que neste caso é n. O re-
ou mais números naturais, o resultado estará em N. O fato sultado é denominado potência. Esta operação não passa
que a operação de multiplicação é fechada em N é conhe- de uma multiplicação com fatores iguais, como por exem-
cido na literatura do assunto como: A multiplicação é uma plo: 23 = 2 × 2 × 2 = 8 → 43 = 4 × 4 × 4 = 64
lei de composição interna no conjunto N.
- Associativa: Na multiplicação, podemos associar 3 ou Propriedades da Potenciação
mais fatores de modos diferentes, pois se multiplicarmos o
primeiro fator com o segundo e depois multiplicarmos por - Uma potência cuja base é igual a 1 e o expoente na-
um terceiro número natural, teremos o mesmo resultado tural é n, denotada por 1n, será sempre igual a 1.
que multiplicar o terceiro pelo produto do primeiro pelo Exemplos:
segundo. (m . n) . p = m .(n . p) → (3 . 4) . 5 = 3 . (4 . 5) = 60 a- 1n = 1×1×...×1 (n vezes) = 1
- Elemento Neutro: No conjunto dos números naturais b- 13 = 1×1×1 = 1
existe um elemento neutro para a multiplicação que é o 1. c- 17 = 1×1×1×1×1×1×1 = 1
Qualquer que seja o número natural n, tem-se que: 1 . n =
n.1=n→1.7=7.1=7 - Se n é um número natural não nulo, então temos que
- Comutativa: Quando multiplicamos dois números na-
no=1. Por exemplo:
turais quaisquer, a ordem dos fatores não altera o produto,
ou seja, multiplicando o primeiro elemento pelo segundo
- (a) nº = 1
elemento teremos o mesmo resultado que multiplicando o
- (b) 5º = 1
segundo elemento pelo primeiro elemento. m . n = n . m
- (c) 49º = 1
→ 3 . 4 = 4 . 3 = 12

Propriedade Distributiva - A potência zero elevado a zero, denotada por 0o, é


carente de sentido no contexto do Ensino Fundamental.
Multiplicando um número natural pela soma de dois
números naturais, é o mesmo que multiplicar o fator, por - Qualquer que seja a potência em que a base é o nú-
cada uma das parcelas e a seguir adicionar os resultados mero natural n e o expoente é igual a 1, denotada por n1, é
obtidos. m . (p + q) = m . p + m . q → 6 x (5 + 3) = 6 x 5 + igual ao próprio n. Por exemplo:
6 x 3 = 30 + 18 = 48
- (a) n¹ = n
Divisão de Números Naturais - (b) 5¹ = 5
- (c) 64¹ = 64
Dados dois números naturais, às vezes necessitamos
saber quantas vezes o segundo está contido no primeiro. - Toda potência 10n é o número formado pelo algaris-
O primeiro número que é o maior é denominado dividendo mo 1 seguido de n zeros.
e o outro número que é menor é o divisor. O resultado da Exemplos:
divisão é chamado quociente. Se multiplicarmos o divisor a- 103 = 1000
pelo quociente obteremos o dividendo. b- 108 = 100.000.000
No conjunto dos números naturais, a divisão não é c- 10o = 1
fechada, pois nem sempre é possível dividir um número
natural por outro número natural e na ocorrência disto a
divisão não é exata.
Relações essenciais numa divisão de números naturais

2
MATEMÁTICA

Questões 5 - PREF. JUNDIAI/SP – AGENTE DE SERVIÇOS OPERA-


CIONAIS – MAKIYAMA/2013) Ontem, eu tinha 345 bolinhas
1 - (SABESP – APRENDIZ – FCC/2012) A partir de 1º de de gude em minha coleção. Porém, hoje, participei de um
março, uma cantina escolar adotou um sistema de rece- campeonato com meus amigos e perdi 67 bolinhas, mas
bimento por cartão eletrônico. Esse cartão funciona como ganhei outras 90. Sendo assim, qual a quantidade de bo-
uma conta corrente: coloca-se crédito e vão sendo debi- linhas que tenho agora, depois de participar do campeo-
tados os gastos. É possível o saldo negativo. Enzo toma nato?
lanche diariamente na cantina e sua mãe credita valores no A) 368
cartão todas as semanas. Ao final de março, ele anotou o B) 270
seu consumo e os pagamentos na seguinte tabela: C) 365
D) 290
E) 376

6 – (Pref. Niterói) João e Maria disputaram a prefeitura


de uma determinada cidade que possui apenas duas zo-
nas eleitorais. Ao final da sua apuração o Tribunal Regional
Eleitoral divulgou a seguinte tabela com os resultados da
eleição. A quantidade de eleitores desta cidade é:

1ª Zona Eleitoral 2ª Zona Eleitoral


João 1750 2245
No final do mês, Enzo observou que tinha Maria 850 2320
A) crédito de R$ 7,00.
B) débito de R$ 7,00. Nulos 150 217
C) crédito de R$ 5,00. Brancos 18 25
D) débito de R$ 5,00. Abstenções 183 175
E) empatado suas despesas e seus créditos.
A) 3995
2 - (PREF. IMARUI/SC – AUXILIAR DE SERVIÇOS GERAIS B) 7165
- PREF. IMARUI/2014) José, funcionário público, recebe sa- C) 7532
lário bruto de R$ 2.000,00. Em sua folha de pagamento vem D) 7575
o desconto de R$ 200,00 de INSS e R$ 35,00 de sindicato. E) 7933
Qual o salário líquido de José?
A) R$ 1800,00 7 - (PREF. JUNDIAI/SP – AGENTE DE SERVIÇOS OPE-
B) R$ 1765,00 RACIONAIS – MAKIYAMA/2013) Durante um mutirão para
C) R$ 1675,00 promover a limpeza de uma cidade, os 15.000 voluntários
D) R$ 1665,00 foram igualmente divididos entre as cinco regiões de tal
cidade. Sendo assim, cada região contou com um número
3 – (Professor/Pref.de Itaboraí) O quociente entre dois de voluntários igual a:
números naturais é 10. Multiplicando-se o dividendo por A) 2500
cinco e reduzindo-se o divisor à metade, o quociente da B) 3200
nova divisão será: C) 1500
A) 2 D) 3000
B) 5 E) 2000
C) 25
8 - (PREF. JUNDIAI/SP – AGENTE DE SERVIÇOS OPERA-
D) 50
CIONAIS – MAKIYAMA/2013) Em determinada loja, o paga-
E) 100
mento de um computador pode ser feito sem entrada, em
12 parcelas de R$ 250,00. Sendo assim, um cliente que opte
4 - (PREF. ÁGUAS DE CHAPECÓ – OPERADOR DE MÁ-
por essa forma de pagamento deverá pagar pelo compu-
QUINAS – ALTERNATIVE CONCURSOS) Em uma loja, as tador um total de:
compras feitas a prazo podem ser pagas em até 12 vezes A) R$ 2500,00
sem juros. Se João comprar uma geladeira no valor de R$ B) R$ 3000,00
2.100,00 em 12 vezes, pagará uma prestação de: C) R$1900,00
A) R$ 150,00. D) R$ 3300,00
B) R$ 175,00. E) R$ 2700,00
C) R$ 200,00.
D) R$ 225,00.

3
MATEMÁTICA

9 – (CREFITO/SP – ALMOXARIFE – VUNESP/2012) O su- 5 - RESPOSTA: “A”.


cessor do dobro de determinado número é 23. Esse mesmo 345-67=278
determinado número somado a 1 e, depois, dobrado será Depois ganhou 90
igual a 278+90=368
A) 24.
B) 22. 6 - RESPOSTA: “E”.
C) 20. Vamos somar a 1ª Zona: 1750+850+150+18+183 =
D) 18. 2951
E) 16. 2ª Zona : 2245+2320+217+25+175 = 4982
Somando os dois: 2951+4982 = 7933
10 - (SABESP – ANALISTA DE GESTÃO I -CONTABILIDA-
DE – FCC/2012) Uma montadora de automóveis possui cin- 7 - RESPOSTA: “D”.
co unidades produtivas num mesmo país. No último ano,
cada uma dessas unidades produziu 364.098 automóveis.
Toda a produção foi igualmente distribuída entre os merca-
dos consumidores de sete países. O número de automóveis
que cada país recebeu foi
A) 26.007 Cada região terá 3000 voluntários.
B) 26.070 8 - RESPOSTA: “B”.
C) 206.070 250∙12=3000
D) 260.007 O computador custa R$3000,00.
E) 260.070
9 - RESPOSTA: “A”.
Respostas
Se o sucessor é 23, o dobro do número é 22, portanto
o número é 11.
1 - RESPOSTA: “B”.
(11+1) → 2=24
crédito: 40+30+35+15=120
débito: 27+33+42+25=127
10 - RESPOSTA: “E”.
120-127=-7 364098 → 5=1820490 automóveis
Ele tem um débito de R$ 7,00.

2 - RESPOSTA: “B”.
2000-200=1800-35=1765
O salário líquido de José é R$1765,00.
Conjunto dos Números Inteiros – Z
3 - RESPOSTA: “E”.
D= dividendo Definimos o conjunto dos números inteiros como a re-
d= divisor união do conjunto dos números naturais (N = {0, 1, 2, 3,
Q = quociente = 10 4,..., n,...}, o conjunto dos opostos dos números naturais e o
R= resto = 0 (divisão exata) zero. Este conjunto é denotado pela letra Z (Zahlen=núme-
Equacionando: ro em alemão). Este conjunto pode ser escrito por: Z = {...,
D= d.Q + R -4, -3, -2, -1, 0, 1, 2, 3, 4, ...}
D= d.10 + 0 → D= 10d O conjunto dos números inteiros possui alguns sub-
conjuntos notáveis:
Pela nova divisão temos:
- O conjunto dos números inteiros não nulos:
Z* = {..., -4, -3, -2, -1, 1, 2, 3, 4,...};
Z* = Z – {0}

- O conjunto dos números inteiros não negativos:


Isolando Q temos: Z+ = {0, 1, 2, 3, 4,...}
Z+ é o próprio conjunto dos números naturais: Z+ = N

- O conjunto dos números inteiros positivos:


Z*+ = {1, 2, 3, 4,...}

4 - RESPOSTA: “B”. - O conjunto dos números inteiros não positivos:


Z_ = {..., -5, -4, -3, -2, -1, 0}

- O conjunto dos números inteiros negativos:


Cada prestação será de R$175,00 Z*_ = {..., -5, -4, -3, -2, -1}

4
MATEMÁTICA

Módulo: chama-se módulo de um número inteiro a - Temos duas quantidades e queremos saber quanto
distância ou afastamento desse número até o zero, na reta falta a uma delas para atingir a outra.
numérica inteira. Representa-se o módulo por | |. A subtração é a operação inversa da adição.
O módulo de 0 é 0 e indica-se |0| = 0
O módulo de +7 é 7 e indica-se |+7| = 7 Observe que: 9 – 5 = 4 4+5=9
O módulo de –9 é 9 e indica-se |–9| = 9 diferença
O módulo de qualquer número inteiro, diferente de subtraendo
zero, é sempre positivo. minuendo

Números Opostos: Dois números inteiros são ditos Considere as seguintes situações:
opostos um do outro quando apresentam soma zero; as-
sim, os pontos que os representam distam igualmente da 1- Na segunda-feira, a temperatura de Monte Sião
origem. passou de +3 graus para +6 graus. Qual foi a variação da
Exemplo: O oposto do número 2 é -2, e o oposto de -2 temperatura?
é 2, pois 2 + (-2) = (-2) + 2 = 0 Esse fato pode ser representado pela subtração: (+6)
No geral, dizemos que o oposto, ou simétrico, de a – (+3) = +3
é – a, e vice-versa; particularmente o oposto de zero é o
próprio zero. 2- Na terça-feira, a temperatura de Monte Sião, duran-
te o dia, era de +6 graus. À Noite, a temperatura baixou de
Adição de Números Inteiros 3 graus. Qual a temperatura registrada na noite de terça-
feira?
Para melhor entendimento desta operação, associare- Esse fato pode ser representado pela adição: (+6) +
mos aos números inteiros positivos a idéia de ganhar e aos (–3) = +3
números inteiros negativos a idéia de perder. Se compararmos as duas igualdades, verificamos que
Ganhar 5 + ganhar 3 = ganhar 8 (+5) + (+3) = (+8) (+6) – (+3) é o mesmo que (+6) + (–3).
Perder 3 + perder 4 = perder 7 (-3) + (-4) = (-7)
Ganhar 8 + perder 5 = ganhar 3 (+8) + (-5) = (+3) Temos:
Perder 8 + ganhar 5 = perder 3 (-8) + (+5) = (-3) (+6) – (+3) = (+6) + (–3) = +3
(+3) – (+6) = (+3) + (–6) = –3
O sinal (+) antes do número positivo pode ser dispen- (–6) – (–3) = (–6) + (+3) = –3
sado, mas o sinal (–) antes do número negativo nunca pode
ser dispensado.
Daí podemos afirmar: Subtrair dois números inteiros
Propriedades da adição de números inteiros: O con-
é o mesmo que adicionar o primeiro com o oposto do se-
junto Z é fechado para a adição, isto é, a soma de dois
gundo.
números inteiros ainda é um número inteiro.
Multiplicação de Números Inteiros
Associativa: Para todos a,b,c em Z:
a + (b + c) = (a + b) + c
2 + (3 + 7) = (2 + 3) + 7 A multiplicação funciona como uma forma simplificada
de uma adição quando os números são repetidos. Podería-
Comutativa: Para todos a,b em Z: mos analisar tal situação como o fato de estarmos ganhan-
a+b=b+a do repetidamente alguma quantidade, como por exemplo,
3+7=7+3 ganhar 1 objeto por 30 vezes consecutivas, significa ganhar
30 objetos e esta repetição pode ser indicada por um x,
Elemento Neutro: Existe 0 em Z, que adicionado a isto é: 1 + 1 + 1 ... + 1 + 1 = 30 x 1 = 30
cada z em Z, proporciona o próprio z, isto é: Se trocarmos o número 1 pelo número 2, obteremos: 2
z+0=z + 2 + 2 + ... + 2 + 2 = 30 x 2 = 60
7+0=7 Se trocarmos o número 2 pelo número -2, obteremos:
(–2) + (–2) + ... + (–2) = 30 x (-2) = –60
Elemento Oposto: Para todo z em Z, existe (-z) em Z, Observamos que a multiplicação é um caso particular
tal que da adição onde os valores são repetidos.
z + (–z) = 0 Na multiplicação o produto dos números a e b, pode
9 + (–9) = 0 ser indicado por a x b, a . b ou ainda ab sem nenhum sinal
entre as letras.
Subtração de Números Inteiros Para realizar a multiplicação de números inteiros, deve-
A subtração é empregada quando: mos obedecer à seguinte regra de sinais:
- Precisamos tirar uma quantidade de outra quantida- (+1) x (+1) = (+1)
de; (+1) x (-1) = (-1)
- Temos duas quantidades e queremos saber quanto (-1) x (+1) = (-1)
uma delas tem a mais que a outra; (-1) x (-1) = (+1)

5
MATEMÁTICA

Com o uso das regras acima, podemos concluir que: - No conjunto Z, a divisão não é comutativa, não é as-
sociativa e não tem a propriedade da existência do ele-
Sinais dos números Resultado do produto mento neutro.
1- Não existe divisão por zero.
Iguais Positivo Exemplo: (–15) : 0 não tem significado, pois não existe
Diferentes Negativo um número inteiro cujo produto por zero seja igual a –15.
2- Zero dividido por qualquer número inteiro, diferente
Propriedades da multiplicação de números intei- de zero, é zero, pois o produto de qualquer número inteiro
ros: O conjunto Z é fechado para a multiplicação, isto é, a por zero é igual a zero.
multiplicação de dois números inteiros ainda é um número Exemplos: a) 0 : (–10) = 0 b) 0 : (+6) = 0 c) 0 : (–1)
inteiro. =0
Potenciação de Números Inteiros
Associativa: Para todos a,b,c em Z:
a x (b x c) = (a x b) x c A potência an do número inteiro a, é definida como um
2 x (3 x 7) = (2 x 3) x 7 produto de n fatores iguais. O número a é denominado a
base e o número n é o expoente.
Comutativa: Para todos a,b em Z: an = a x a x a x a x ... x a
axb=bxa a é multiplicado por a n vezes
3x7=7x3
Exemplos:33 = (3) x (3) x (3) = 27
Elemento neutro: Existe 1 em Z, que multiplicado por (-5)5 = (-5) x (-5) x (-5) x (-5) x (-5) = -3125
todo z em Z, proporciona o próprio z, isto é: (-7)² = (-7) x (-7) = 49
zx1=z (+9)² = (+9) x (+9) = 81
7x1=7 - Toda potência de base positiva é um número inteiro
Elemento inverso: Para todo inteiro z diferente de positivo.
zero, existe um inverso z–1=1/z em Z, tal que Exemplo: (+3)2 = (+3) . (+3) = +9
z x z–1 = z x (1/z) = 1
9 x 9–1 = 9 x (1/9) = 1 - Toda potência de base negativa e expoente par é
um número inteiro positivo.
Distributiva: Para todos a,b,c em Z:
Exemplo: (– 8)2 = (–8) . (–8) = +64
a x (b + c) = (a x b) + (a x c)
3 x (4+5) = (3 x 4) + (3 x 5)
- Toda potência de base negativa e expoente ímpar é
um número inteiro negativo.
Divisão de Números Inteiros
Exemplo: (–5)3 = (–5) . (–5) . (–5) = –125
Dividendo divisor dividendo: Propriedades da Potenciação:
Divisor = quociente 0
Quociente . divisor = dividendo Produtos de Potências com bases iguais: Conserva-
se a base e somam-se os expoentes. (–7)3 . (–7)6 = (–7)3+6
Sabemos que na divisão exata dos números naturais: = (–7)9
40 : 5 = 8, pois 5 . 8 = 40
36 : 9 = 4, pois 9 . 4 = 36 Quocientes de Potências com bases iguais: Conser-
va-se a base e subtraem-se os expoentes. (+13)8 : (+13)6 =
Vamos aplicar esses conhecimentos para estudar a di- (+13)8 – 6 = (+13)2
visão exata de números inteiros. Veja o cálculo:
(–20) : (+5) = q  (+5) . q = (–20)  q = (–4) Potência de Potência: Conserva-se a base e multipli-
Logo: (–20) : (+5) = - 4 cam-se os expoentes. [(+4)5]2 = (+4)5 . 2 = (+4)10

Considerando os exemplos dados, concluímos que, Potência de expoente 1: É sempre igual à base. (+9)1
para efetuar a divisão exata de um número inteiro por ou- = +9 (–13)1 = –13
tro número inteiro, diferente de zero, dividimos o módulo
do dividendo pelo módulo do divisor. Daí: Potência de expoente zero e base diferente de zero:
- Quando o dividendo e o divisor têm o mesmo sinal, o É igual a 1. Exemplo: (+14)0 = 1 (–35)0 = 1
quociente é um número inteiro positivo.
- Quando o dividendo e o divisor têm sinais diferentes,
o quociente é um número inteiro negativo.
- A divisão nem sempre pode ser realizada no conjunto
Z. Por exemplo, (+7) : (–2) ou (–19) : (–5) são divisões que
não podem ser realizadas em Z, pois o resultado não é um
número inteiro.

6
MATEMÁTICA

Radiciação de Números Inteiros C) −12.


D) 15.
A raiz n-ésima (de ordem n) de um número inteiro a é E) 20.
a operação que resulta em outro número inteiro não ne-
gativo b que elevado à potência n fornece o número a. O 2 - (UEM/PR – AUXILIAR OPERACIONAL – UEM/2014)
número n é o índice da raiz enquanto que o número a é o Ruth tem somente R$ 2.200,00 e deseja gastar a maior
radicando (que fica sob o sinal do radical). quantidade possível, sem ficar devendo na loja.
A raiz quadrada (de ordem 2) de um número inteiro a Verificou o preço de alguns produtos:
é a operação que resulta em outro número inteiro não ne- TV: R$ 562,00
gativo que elevado ao quadrado coincide com o número a. DVD: R$ 399,00
Micro-ondas: R$ 429,00
Observação: Não existe a raiz quadrada de um núme- Geladeira: R$ 1.213,00
ro inteiro negativo no conjunto dos números inteiros. Na aquisição dos produtos, conforme as condições
mencionadas, e pagando a compra em dinheiro, o troco
Erro comum: Frequentemente lemos em materiais di- recebido será de:
dáticos e até mesmo ocorre em algumas aulas aparecimen- A) R$ 84,00
to de: B) R$ 74,00
√9 = ±3 C) R$ 36,00
D) R$ 26,00
mas isto está errado. O certo é: E) R$ 16,00
√9 = +3
3 - (PREF. JUNDIAI/SP – ELETRICISTA – MAKIYA-
Observamos que não existe um número inteiro não MA/2013) Analise as operações a seguir:
negativo que multiplicado por ele mesmo resulte em um
número negativo.
A raiz cúbica (de ordem 3) de um número inteiro a é a
operação que resulta em outro número inteiro que elevado
I abac=ax
ao cubo seja igual ao número a. Aqui não restringimos os
nossos cálculos somente aos números não negativos.

Exemplos

(a)
3
8 = 2, pois 2³ = 8.
II
(b)
3
− 8 = –2, pois (–2)³ = -8.

3
III
(c) 27 = 3, pois 3³ = 27.
De acordo com as propriedades da potenciação, temos
(d)
3
− 27 = –3, pois (–3)³ = -27. que, respectivamente, nas operações I, II e III:
A) x=b-c, y=b+c e z=c/2.
Observação: Ao obedecer à regra dos sinais para o B) x=b+c, y=b-c e z=2c.
produto de números inteiros, concluímos que: C) x=2bc, y=-2bc e z=2c.
(a) Se o índice da raiz for par, não existe raiz de número D) x=c-b, y=b-c e z=c-2.
inteiro negativo. E) x=2b, y=2c e z=c+2.
(b) Se o índice da raiz for ímpar, é possível extrair a raiz
de qualquer número inteiro.
4 - (BNDES – TÉCNICO ADMINISTRATIVO – CES-
Questões GRANRIO/2013) Multiplicando-se o maior número inteiro
menor do que 8 pelo menor número inteiro maior do que
1 - (TRF 2ª – TÉCNICO JUDICIÁRIO – FCC/2012) Uma - 8, o resultado encontrado será
operação λ é definida por: A) - 72
wλ = 1 − 6w, para todo inteiro w. B) - 63
Com base nessa definição, é correto afirmar que a C) - 56
soma 2λ + (1λ) λ é igual a D) - 49
A) −20. E) – 42
B) −15.

7
MATEMÁTICA

5 - (SEPLAG - POLÍCIA MILITAR/MG - ASSISTENTE ADMINISTRATIVO - FCC/2012) Em um jogo de tabuleiro, Carla


e Mateus obtiveram os seguintes resultados:

Ao término dessas quatro partidas,


A) Carla perdeu por uma diferença de 150 pontos.
B) Mateus perdeu por uma diferença de 175 pontos.
C) Mateus ganhou por uma diferença de 125 pontos.
D) Carla e Mateus empataram.

6 – (Operador de máq./Pref.Coronel Fabriciano/MG) Quantos são os valores inteiros e positivos de x para os quais
é um número inteiro?

A) 0
B) 1
C) 2
D) 3
E) 4

7- (CASA DA MOEDA) O quadro abaixo indica o número de passageiros num vôo entre Curitiba e Belém, com duas
escalas, uma no Rio de Janeiro e outra em Brasília. Os números indicam a quantidade de passageiros que subiram no avião
e os negativos, a quantidade dos que desceram em cada cidade.

Curtiba +240
-194
Rio de Janeiro
+158
-108
Brasília
+94

O número de passageiros que chegou a Belém foi:


A) 362
B) 280
C) 240
D) 190
E) 135
Respostas

1 - RESPOSTA:“E”.
Pela definição:
Fazendo w=2

8
MATEMÁTICA

2 - RESPOSTA: “D”. No conjunto Q destacamos os seguintes subconjuntos:


Geladeira + Microondas + DVD = 1213+429+399 = - Q* = conjunto dos racionais não nulos;
2041 - Q+ = conjunto dos racionais não negativos;
Geladeira + Microondas + TV = 1213+429+562 = - Q*+ = conjunto dos racionais positivos;
2204, extrapola o orçamento - Q _ = conjunto dos racionais não positivos;
Geladeira +TV + DVD=1213+562+399=2174, é a maior - Q*_ = conjunto dos racionais negativos.
quantidade gasta possível dentro do orçamento.
Troco:2200-2174=26 reais Representação Decimal das Frações

3 - RESPOSTA: “B”. Tomemos um número racional q , tal que p não seja


p

múltiplo de q. Para escrevê-lo na forma decimal, basta


I da propriedade das potências, temos: efetuar a divisão do numerador pelo denominador.
Nessa divisão podem ocorrer dois casos:

1º) O numeral decimal obtido possui, após a vírgula,


II um número finito de algarismos. Decimais Exatos:
2 = 0,4
III 5

4 - RESPOSTA: “D”. 1 = 0,25


Maior inteiro menor que 8 é o 7 4
Menor inteiro maior que -8 é o -7.
Portanto: 7⋅(-7)=-49 35 = 8,75
4
5 - RESPOSTA: “C”.
Carla: 520-220-485+635=450 pontos 153 = 3,06
Mateus: -280+675+295-115=575 pontos 50
Diferença: 575-450=125 pontos
2º) O numeral decimal obtido possui, após a vírgula,
6 - RESPOSTA:“C”. infinitos algarismos (nem todos nulos), repetindo-se
Fazendo substituição dos valores de x, dentro dos con- periodicamente. Decimais Periódicos ou Dízimas Periódicas:
juntos do inteiros positivos temos:
1
= 0,333...
3
x=0 ; x=1
1 = 0,04545...
22

167 = 2,53030...
, logo os únicos números que sa- 66
tisfazem a condição é x= 0 e x=5 , dois números apenas.

7 - RESPOSTA:“D”. Representação Fracionária dos Números Decimais


240- 194 +158 -108 +94 = 190
Trata-se do problema inverso: estando o número
Números Racionais – Q racional escrito na forma decimal, procuremos escrevê-lo
na forma de fração. Temos dois casos:
m Um número racional é o que pode ser escrito na forma 1º) Transformamos o número em uma fração cujo
, onde m e n são números inteiros, sendo que n deve numerador é o número decimal sem a vírgula e o
n
ser diferente de zero. Frequentemente usamos m/n para denominador é composto pelo numeral 1, seguido de
significar a divisão de m por n. tantos zeros quantas forem as casas decimais do número
Como podemos observar, números racionais podem decimal dado:
ser obtidos através da razão entre dois números inteiros,
razão pela qual, o conjunto de todos os números racionais 0,9 = 9
é denotado por Q. Assim, é comum encontrarmos na lite- 10
ratura a notação:
57
m 5,7 =
Q={ : m e n em Z, n diferente de zero} 10
n

9
MATEMÁTICA

Números Opostos: Dizemos que – 32 e 32 são números


0,76 = 76 racionais opostos ou simétricos e cada um deles é o oposto
100
do outro. As distâncias dos pontos – 3 e 3 ao ponto zero
da reta são iguais.
2 2
3,48 = 348
100
Soma (Adição) de Números Racionais

0,005 = 5 = 1 Como todo número racional é uma fração ou pode ser


1000 200
escrito na forma de uma fração, definimos a adição entre
a c
os números racionais e , da mesma forma que a
2º) Devemos achar a fração geratriz da dízima dada; soma de frações, através de: d
b
para tanto, vamos apresentar o procedimento através de
alguns exemplos:
Exemplo 1 a
+ c =
ad + bc
b d bd
Seja a dízima 0, 333... .
Propriedades da Adição de Números Racionais
Façamos x = 0,333... e multipliquemos ambos os
membros por 10: 10x = 0,333 O conjunto Q é fechado para a operação de adição, isto
Subtraindo, membro a membro, a primeira igualdade é, a soma de dois números racionais ainda é um número
da segunda: racional.
10x – x = 3,333... – 0,333... ⇒ 9x = 3 ⇒ x = 3/9 - Associativa: Para todos a, b, c em Q: a + ( b + c ) = (
a+b)+c
Assim, a geratriz de 0,333... é a fração 3 . - Comutativa: Para todos a, b em Q: a + b = b + a
9
- Elemento neutro: Existe 0 em Q, que adicionado a
Exemplo 2 todo q em Q, proporciona o próprio q, isto é: q + 0 = q
- Elemento oposto: Para todo q em Q, existe -q em Q,
Seja a dízima 5, 1717... tal que q + (–q) = 0

Façamos x = 5,1717... e 100x = 517,1717... . Subtração de Números Racionais


Subtraindo membro a membro, temos:
99x = 512 ⇒ x = 512/99 A subtração de dois números racionais p e q é a própria
operação de adição do número p com o oposto de q, isto é:
Assim, a geratriz de 5,1717... é a fração 512 . p – q = p + (–q)
99
Exemplo 3 Multiplicação (Produto) de Números Racionais

Seja a dízima 1, 23434... Como todo número racional é uma fração ou pode ser
escrito na forma de uma fração, definimos o produto de
Façamos x = 1,23434... 10x = 12,3434... 1000x = dois números racionais a e c , da mesma forma que o
1234,34... . produto de frações, através
b de:d
Subtraindo membro a membro, temos:
990x = 1234,34... – 12,34... ⇒ 990x = 1222 ⇒ x a
x
c
=
ac
= 1222/990 b d bd
O produto dos números racionais a e b também pode
Simplificando, obtemos x = 611 , a fração geratriz da ser indicado por a × b, axb, a.b ou ainda ab sem nenhum
dízima 1, 23434... 495
sinal entre as letras.
Para realizar a multiplicação de números racionais,
Módulo ou valor absoluto: É a distância do ponto que devemos obedecer à mesma regra de sinais que vale em
representa esse número ao ponto de abscissa zero. toda a Matemática:
(+1) × (+1) = (+1)
(+1) × (-1) = (-1)
Exemplo: Módulo de - 3 é 3 . Indica-se - 3 = 3 (-1) × (+1) = (-1)
2 2
2 2 (-1) × (-1) = (+1)

3 Podemos assim concluir que o produto de dois


Módulo de + 3 é 3 . Indica-se + 3 = números com o mesmo sinal é positivo, mas o produto de
2 2 2 2
dois números com sinais diferentes é negativo.

10
MATEMÁTICA

Propriedades da Multiplicação de Números −2 2


Racionais ⎛ 3⎞ ⎛ 5 ⎞ 25
⎜⎝ − ⎟⎠ .⎜⎝ − ⎟⎠ =
5 3 9
O conjunto Q é fechado para a multiplicação, isto é, - Toda potência com expoente ímpar tem o mesmo
o produto de dois números racionais ainda é um número sinal da base.
racional. 3
- Associativa: Para todos a, b, c em Q: a × ( b × c ) = (
⎛ 2⎞ ⎛ 2⎞ ⎛ 2⎞ ⎛ 2⎞ 8
⎜⎝ ⎟⎠ = ⎜⎝ ⎟⎠ .⎜⎝ ⎟⎠ .⎜⎝ ⎟⎠ =
a×b)×c 3 3 3 3 27
- Comutativa: Para todos a, b em Q: a × b = b × a
- Elemento neutro: Existe 1 em Q, que multiplicado por - Toda potência com expoente par é um número
todo q em Q, proporciona o próprio q, isto é: q × 1 = q positivo.
- Elemento inverso: Para todo q = a em Q, q diferente 2
de zero, existe q-1 = b em Q: q × q-1 b= 1 a x ⎛ 1⎞ ⎛ 1⎞ ⎛ 1⎞ 1
b =1 a b ⎜⎝ − ⎟⎠ = ⎜⎝ − ⎟⎠ .⎜⎝ − ⎟⎠ =
5 5 5 25
a - Produto de potências de mesma base. Para reduzir um
- Distributiva: Para todos a, b, c em Q: a × ( b + c ) = ( produto de potências de mesma base a uma só potência,
a×b)+(a×c) conservamos a base e somamos os expoentes.
2 3 2+3 5
Divisão de Números Racionais ⎛ 2⎞ ⎛ 2⎞ ⎛ 2 2⎞ ⎛ 2 2 2⎞ ⎛ 2⎞ ⎛ 2⎞
⎜⎝ ⎟⎠ .⎜ ⎟ = ⎜ . ⎟ .⎜ . . ⎟ = ⎜ ⎟ =⎜ ⎟
A divisão de dois números racionais p e 5 ⎝ 5⎠ ⎝ 5 5⎠ ⎝ 5 5 5⎠ ⎝ 5⎠ ⎝ 5⎠
q é a própria operação de multiplicação do
número p pelo inverso de q, isto é: p ÷ q = - Quociente de potências de mesma base. Para reduzir
p × q-1 um quociente de potências de mesma base a uma só
potência, conservamos a base e subtraímos os expoentes.
Potenciação de Números Racionais
A potência qn do número racional q é um produto de
n fatores iguais. O número q é denominado a base e o
número n é o expoente.
qn = q × q × q × q × ... × q, (q aparece n vezes)

Exemplos: - Potência de Potência. Para reduzir uma potência de


potência a uma potência de um só expoente, conservamos
3 a base e multiplicamos os expoentes
⎛ 2⎞ ⎛ 2⎞ ⎛ 2⎞ ⎛ 2⎞ 8
a) ⎜ ⎟ = ⎜ ⎟ .⎜ ⎟ .⎜ ⎟ =
⎝ 5 ⎠ ⎝ 5 ⎠ ⎝ 5 ⎠ ⎝ 5 ⎠ 125

b)

Radiciação de Números Racionais


c) (–5)² = (–5) . ( –5) = 25
Se um número representa um produto de dois ou mais
d) (+5)² = (+5) . (+5) = 25 fatores iguais, então cada fator é chamado raiz do número.
Vejamos alguns exemplos:
Propriedades da Potenciação: Toda potência com
expoente 0 é igual a 1. Exemplo 1
0
⎛ 2⎞ = 1 4 Representa o produto 2 . 2 ou 22. Logo, 2 é a raiz
⎜⎝ + ⎟⎠
5 quadrada de 4. Indica-se √4= 2.

- Toda potência com expoente 1 é igual à própria base. Exemplo 2


1
⎛ 9⎞ 9
⎜⎝ − ⎟⎠ = - 4 Representa o produto 3 . 3 ou . Logo, é a raiz
2
1 1 1 ⎛ 1⎞ 1
9 ⎜⎝ ⎟⎠ 3
4 quadrada de 19 .Indica-se 1 = 3
1 3
9

- Toda potência com expoente negativo de um número


racional diferente de zero é igual a outra potência que tem
a base igual ao inverso da base anterior e o expoente igual
ao oposto do expoente anterior.

11
MATEMÁTICA

Exemplo 3 4 - (FUNDAÇÃO CASA – AGENTE DE APOIO OPERA-


0,216 Representa o produto 0,6 . 0,6 . 0,6 ou (0,6)3. CIONAL – VUNESP/2013) Em um estado do Sudeste, um
Logo, 0,6 é a raiz cúbica de 0,216. Indica-se 3 0,216 = 0,6. Agente de Apoio Operacional tem um salário mensal de:
salário­base R$ 617,16 e uma gratificação de R$ 185,15. No
Assim, podemos construir o diagrama: mês passado, ele fez 8 horas extras a R$ 8,50 cada hora,
mas precisou faltar um dia e foi descontado em R$ 28,40.
No mês passado, seu salário totalizou
N Z Q
A) R$ 810,81.
B) R$ 821,31.
C) R$ 838,51.
D) R$ 841,91.
E) R$ 870,31.
Um número racional, quando elevado ao quadrado, dá
o número zero ou um número racional positivo. Logo, os 5 - (Pref. Niterói) Simplificando a expressão abaixo
números racionais negativos não têm raiz quadrada em Q.
Obtém-se :
O número -100 não tem raiz quadrada em Q, pois A) ½
9
tanto -10 como +10 , quando elevados ao quadrado, dão B) 1
3
. C) 3/2
100 3

Um número racional positivo só tem raiz quadrada no D) 2


9

conjunto dos números racionais se ele for um quadrado E) 3


perfeito.
6 - (SABESP – APRENDIZ – FCC/2012) Em um jogo
2
O número não tem raiz quadrada em Q, pois não matemático, cada jogador tem direito a 5 cartões marcados
3
existe número racional que elevado ao quadrado dê 2 . com um número, sendo que todos os jogadores recebem
Questões 3 os mesmos números. Após todos os jogadores receberem
seus cartões, aleatoriamente, realizam uma determinada
1 - (PREF. JUNDIAI/SP – AGENTE DE SERVIÇOS OPE- tarefa que também é sorteada. Vence o jogo quem cumprir
RACIONAIS – MAKIYAMA/2013) Na escola onde estudo, a tarefa corretamente. Em uma rodada em que a tarefa era
¼ dos alunos tem a língua portuguesa como disciplina fa- colocar os números marcados nos cartões em ordem cres-
vorita, 9/20 têm a matemática como favorita e os demais cente, venceu o jogador que apresentou a sequência
têm ciências como favorita. Sendo assim, qual fração repre-
senta os alunos que têm ciências como disciplina favorita?
A) 1/4
B) 3/10
C) 2/9
D) 4/5
E) 3/2

2 - (UEM/PR – AUXILIAR OPERACIONAL – UEM/2014)


Dirce comprou 7 lapiseiras e pagou R$ 8,30, em cada uma
delas. Pagou com uma nota de 100 reais e obteve um des-
conto de 10 centavos. Quantos reais ela recebeu de troco?
A) R$ 40,00
B) R$ 42,00 7 – (Prof./Prefeitura de Itaboraí) Se x = 0,181818...,
C) R$ 44,00 então o valor numérico da expressão:
D) R$ 46,00
E) R$ 48,00

3 - (FUNDAÇÃO CASA – AGENTE DE APOIO OPERA-


CIONAL – VUNESP/2013) De um total de 180 candidatos,
2/5 estudam inglês, 2/9 estudam francês, 1/3estuda espa- A) 34/39
nhol e o restante estuda alemão. O número de candidatos B) 103/147
que estuda alemão é: C) 104/147
A) 6. D) 35/49
B) 7. E) 106/147
C) 8.
D) 9.
E) 10.

12
MATEMÁTICA

8 - (SABESP – APRENDIZ – FCC/2012) Mariana abriu 3 - RESPOSTA: “C”.


seu cofrinho com 120 moedas e separou-as:
− 1 real: ¼ das moedas
− 50 centavos: 1/3 das moedas
− 25 centavos: 2/5 das moedas Mmc(3,5,9)=45
− 10 centavos: as restantes
Mariana totalizou a quantia contida no cofre em
A) R$ 62,20.
B) R$ 52,20. O restante estuda alemão: 2/45
C) R$ 50,20.
D) R$ 56,20.
E) R$ 66,20.

9 - (PM/SE – SOLDADO 3ªCLASSE – FUNCAB/2014) 4 - RESPOSTA: “D”.


Numa operação policial de rotina, que abordou 800 pes-
soas, verificou-se que 3/4 dessas pessoas eram homens e
1/5 deles foram detidos. Já entre as mulheres abordadas,
1/8 foram detidas.
Qual o total de pessoas detidas nessa operação poli- Salário foi R$ 841,91.
cial?
A) 145 5 - RESPOSTA: “B”.
B) 185 1,3333= 12/9 = 4/3
C) 220 1,5 = 15/10 = 3/2
D) 260
E) 120
10 - (PREF. JUNDIAI/SP – AGENTE DE SERVIÇOS
OPERACIONAIS – MAKIYAMA/2013) Quando pergunta-
do sobre qual era a sua idade, o professor de matemática
respondeu:
“O produto das frações 9/5 e 75/3 fornece a minha 6 - RESPOSTA: “D”.
idade!”.
Sendo assim, podemos afirmar que o professor tem:
A) 40 anos.
B) 35 anos.
C) 45 anos.
D) 30 anos.
E) 42 anos. A ordem crescente é :

Respostas 7 - RESPOSTA: “B”.


x=0,181818... temos então pela transformação na fra-
1 - RESPOSTA: “B”. ção geratriz: 18/99 = 2/11, substituindo:
Somando português e matemática:

O que resta gosta de ciências:

8 - RESPOSTA: “A”.

2 - RESPOSTA: “B”.

Como recebeu um desconto de 10 centavos, Dirce pa-


gou 58 reais
Troco:100-58=42 reais

Mariana totalizou R$ 62,20.

13
MATEMÁTICA

9 - RESPOSTA: “A”. Classificação dos Números Irracionais


Existem dois tipos de números irracionais:

- Números reais algébricos irracionais: são raí-


zes de polinômios com coeficientes inteiros. Todo número
real que pode ser representado através de uma quantidade
finita de somas, subtrações, multiplicações, divisões e raí-
zes de grau inteiro a partir dos números inteiros é um nú-
Como 3/4 eram homens, 1/4 eram mulheres mero algébrico, por exemplo,

ou 800-600=200 mulheres   .
A recíproca não é verdadeira: existem números algé-
bricos que não podem ser expressos através de radicais,
conforme o teorema de Abel-Ruffini.

- Números reais transcendentes: não são raízes de


Total de pessoas detidas: 120+25=145 polinômios com coeficientes inteiros. Várias constantes
matemáticas são transcendentes, como pi ( ) e o núme-
10 - RESPOSTA: “C”. ro de Euler ( ). Pode-se dizer que existem mais números
transcendentes do que números algébricos (a comparação
entre conjuntos infinitos pode ser feita na teoria dos con-
juntos).
A definição mais genérica de números algébricos e
transcendentes é feita usando-se números complexos.
Números Irracionais
Os números racionais, aqueles que podem ser escritos na Identificação de números irracionais
forma de uma fração  a/b onde a e b são dois números inteiros, Fundamentado nas explanações anteriores, podemos
com a condição de que b seja diferente de zero, uma vez que afirmar que:
sabemos da impossibilidade matemática da divisão por zero. - Todas as dízimas periódicas são números racionais.
Vimos também, que todo número racional pode ser es- - Todos os números inteiros são racionais.
crito na forma de um número decimal periódico, também - Todas as frações ordinárias são números racionais.
conhecido como dízima periódica. - Todas as dízimas não periódicas são números irra-
Vejam os exemplos de números racionais a seguir: cionais.
3 / 4 = 0,75 = 0, 750000... - Todas as raízes inexatas são números irracionais.
- 2 / 3 = - 0, 666666... - A soma de um número racional com um número irra-
1 / 3 = 0, 333333... cional é sempre um número irracional.
2 / 1 = 2 = 2, 0000... - A diferença de dois números irracionais, pode ser um
4 / 3 = 1, 333333... número racional.
- 3 / 2 = - 1,5 = - 1, 50000...
0 = 0, 000...   Exemplo:  -  = 0 e 0 é um número racional.
- O quociente de dois números irracionais, pode ser
Existe, entretanto, outra classe de números que não um número racional.
podem ser escritos na forma de fração a/b, conhecidos
como números irracionais.  Exemplo:  :  =  = 2  e 2 é um número racional.
- O produto de dois números irracionais, pode ser um
Exemplo número racional.
O número real abaixo é um número irracional, embora pa-
reça uma dízima periódica: x = 0,10100100010000100000... Exemplo:  .  =  = 5 e 5 é um número racional.
Observe que o número de zeros após o algarismo 1 - A união do conjunto dos números irracionais com o
aumenta a cada passo. Existem infinitos números reais que conjunto dos números racionais, resulta num conjunto de-
não são dízimas periódicas e dois números irracionais mui- nominado conjunto R  dos números reais.
to importantes, são: - A interseção do conjunto dos números racionais com
e = 2,718281828459045..., o conjunto dos números irracionais, não possui elementos
Pi () = 3,141592653589793238462643... comuns e, portanto,  é igual ao conjunto vazio (  ).
Simbolicamente, teremos:
Que são utilizados nas mais diversas aplicações práti- Q I=R
cas como: cálculos de áreas, volumes, centros de gravida- Q  I = 
de, previsão populacional, etc.

14
MATEMÁTICA

Questões
II
1 - (TRF 2ª – TÉCNICO JUDICIÁRIO – FCC/2012)
Considere as seguintes afirmações:
I. Para todo número inteiro x, tem-se 10x=4,4444...
-x=0,4444.....
9x=4
x=4/9

II.

III

III. Efetuando-se obtém- Portanto, apenas as afirmativas I e II são verdadeiras.


se um número maior que 5.

Relativamente a essas afirmações, é certo que 2 - RESPOSTA: “D”.

A) I,II, e III são verdadeiras.


B) Apenas I e II são verdadeiras.
C) Apenas II e III são verdadeiras.
D) Apenas uma é verdadeira.
E) I,II e III são falsas.
2 – (DPE/RS – ANALISTA ADMINISTRAÇÃO –
FCC/2013) A soma S é dada por:

Dessa forma, S é igual a

3 - RESPOSTA: “D”.

3 - (CÂMARA DE CANITAR/SP – RECEPCIONISTA – Números Reais


INDEC/2013) O resultado do produto:
é: O conjunto dos números reais R é uma expansão
do conjunto dos números racionais que engloba não só
os inteiros e os fracionários, positivos e negativos, mas
B) 2 também todos os números irracionais.
Os números reais são números usados para representar
uma quantidade contínua (incluindo o zero e os negativos).
Pode-se pensar num número real como uma fração decimal
possivelmente infinita, como 3,141592(...). Os números
Respostas reais têm uma correspondência biunívoca com os pontos
de uma reta.
1 - RESPOSTA: “B”. Denomina-se corpo dos números reais a coleção
dos elementos pertencentes à conclusão dos racionais,
I formado pelo corpo de frações associado aos inteiros
(números racionais) e a norma associada ao infinito.
Existem também outras conclusões dos racionais, uma
para cada número primo p, chamadas números p-ádicos. O
corpo dos números p-ádicos é formado pelos racionais e a
norma associada a p!

15
MATEMÁTICA

Propriedade Propriedades da relação de ordem


O conjunto dos números reais com as operações - Reflexiva: a ≤ a
binárias de soma e produto e com a relação natural de - Transitiva: a ≤ b e b ≤ c → a ≤ c
ordem formam um corpo ordenado. Além das propriedades - Anti-simétrica: a ≤ b e b ≤ a → a = b
de um corpo ordenado, R tem a seguinte propriedade: - Ordem total: a < b ou b < a ou a = b 
Se R for dividido em dois conjuntos (uma partição) A e
B, de modo que todo elemento de A é menor que todo Expressão aproximada dos números Reais
elemento de B, então existe um elemento x que separa os
dois conjuntos, ou seja, x é maior ou igual a todo elemento
de A e menor ou igual a todo elemento de B.

Ao conjunto formado pelos números Irracionais e pelos


números Racionais chamamos de conjunto dos números
Reais. Ao unirmos o conjunto dos números Irracionais com
o conjunto dos números Racionais, formando o conjunto
dos números Reais, todas as distâncias representadas
por eles sobre uma reta preenchem-na por completo; Os números Irracionais possuem infinitos algarismos
isto é, ocupam todos os seus pontos. Por isso, essa reta é decimais não-periódicos. As operações com esta classe
denominada reta Real. de números sempre produzem erros quando não se
utilizam todos os algarismos decimais. Por outro lado, é
impossível utilizar todos eles nos cálculos. Por isso, somos
obrigados a usar aproximações, isto é, cortamos o decimal
em algum lugar e desprezamos os algarismos restantes. Os
algarismos escolhidos serão uma aproximação do número
Real. Observe como tomamos a aproximação de e do
número nas tabelas.

Aproximação por
Falta Excesso
Erro menor que π π
1 unidade 1 3 2 4
1 décimo 1,4 3,1 1,5 3,2
1 centésimo 1,41 3,14 1,42 3,15
Podemos concluir que na representação dos números 1 milésimo 1,414 3,141 1,415 3,142
Reais sobre uma reta, dados uma origem e uma unidade, a 1 décimo de
cada ponto da reta corresponde um número Real e a cada milésimo
1,4142 3,1415 1,4134 3,1416
número Real corresponde um ponto na reta.
Operações com números Reais
Operando com as aproximações, obtemos uma
sucessão de intervalos fixos que determinam um número
Real. É assim que vamos trabalhar as operações adição,
subtração, multiplicação e divisão. Relacionamos, em
seguida, uma série de recomendações úteis para operar
com números Reais:
Ordenação dos números Reais - Vamos tomar a aproximação por falta.
A representação dos números Reais permite definir uma - Se quisermos ter uma ideia do erro cometido,
relação de ordem entre eles. Os números Reais positivos são escolhemos o mesmo número de casas decimais em ambos
maiores que zero e os negativos, menores. Expressamos os números.
a relação de ordem da seguinte maneira: Dados dois - Se utilizamos uma calculadora, devemos usar a
números Reais a e b,  aproximação máxima admitida pela máquina (o maior
a≤b↔b–a≥0 número de casas decimais).
Exemplo: -15 ≤ ↔ 5 – (-15) ≥ 0
5 + 15 ≥ 0

16
MATEMÁTICA

- Quando operamos com números Reais, devemos Questões


fazer constar o erro de aproximação ou o número de casas
decimais. 1 - (SABESP – APRENDIZ – FCC/2012) Um comer-
- É importante adquirirmos a idéia de aproximação ciante tem 8 prateleiras em seu empório para organizar os
em função da necessidade. Por exemplo, para desenhar o produtos de limpeza. Adquiriu 100 caixas desses produtos
projeto de uma casa, basta tomar medidas com um erro de com 20 unidades cada uma, sendo que a quantidade total
centésimo. de unidades compradas será distribuída igualmente entre
- Em geral, para obter uma aproximação de n casas essas prateleiras. Desse modo, cada prateleira receberá um
decimais, devemos trabalhar com números Reais número de unidades, desses produtos, igual a
aproximados, isto é, com n + 1 casas decimais. A) 40
Para colocar em prática o que foi exposto, vamos B) 50
fazer as quatro operações indicadas: adição, subtração, C) 100
multiplicação e divisão com dois números Irracionais.  D) 160
E) 250
2 - (CÂMARA DE CANITAR/SP – RECEPCIONISTA –
INDEC/2013) Em uma banca de revistas existem um total
de 870 exemplares dos mais variados temas. Metade das
revistas é da editora A, dentre as demais, um terço são pu-
Valor Absoluto blicações antigas. Qual o número de exemplares que não
Como vimos, o erro  pode ser: são da Editora A e nem são antigas?
- Por excesso: neste caso, consideramos o erro positivo. A) 320
- Por falta: neste caso, consideramos o erro negativo. B) 290
Quando o erro é dado sem sinal, diz-se que está dado C) 435
em valor absoluto. O valor absoluto de um número a é D) 145
designado por |a| e coincide com o número positivo, se for 3 - (TRT 6ª – TÉCNICO JUDICIÁRIO- ADMINISTRA-
positivo, e com seu oposto, se for negativo.  TIVA – FCC/2012) Em uma praia chamava a atenção um
Exemplo: Um livro nos custou 8,50 reais. Pagamos com catador de cocos (a água do coco já havia sido retirada).
uma nota de 10 reais. Se nos devolve 1,60 real de troco, o Ele só pegava cocos inteiros e agia da seguinte maneira:
vendedor cometeu um erro de +10 centavos. Ao contrário, o primeiro coco ele coloca inteiro de um lado; o segundo
se nos devolve 1,40 real, o erro cometido é de 10 centavos.  ele dividia ao meio e colocava as metades em outro lado;
o terceiro coco ele dividia em três partes iguais e coloca-
va os terços de coco em um terceiro lugar, diferente dos
outros lugares; o quarto coco ele dividia em quatro partes
iguais e colocava os quartos de coco em um quarto lugar
diferente dos outros lugares. No quinto coco agia como
se fosse o primeiro coco e colocava inteiro de um lado, o
seguinte dividia ao meio, o seguinte em três partes iguais,
o seguinte em quatro partes iguais e seguia na sequência:
inteiro, meios, três partes iguais, quatro partes iguais. Fez
isso com exatamente 59 cocos quando alguém disse ao
catador: eu quero três quintos dos seus terços de coco e
metade dos seus quartos de coco. O catador consentiu e
deu para a pessoa
A) 52 pedaços de coco.
B) 55 pedaços de coco.
C) 59 pedaços de coco.
D) 98 pedaços de coco.
E) 101 pedaços de coco.

4 - (UEM/PR – AUXILIAR OPERACIONAL – UEM/2014)


A mãe do Vitor fez um bolo e repartiu em 24 pedaços, to-
dos de mesmo tamanho. A mãe e o pai comeram juntos, ¼
do bolo. O Vitor e a sua irmã comeram, cada um deles, ¼
do bolo. Quantos pedaços de bolo sobraram?
A) 4
B) 6
C) 8
D) 10
E) 12

17
MATEMÁTICA

5 - (UEM/PR – AUXILIAR OPERACIONAL – UEM/2014) 10 - (BNDES – TÉCNICO ADMINISTRATIVO – CES-


Paulo recebeu R$1.000,00 de salário. Ele gastou ¼ do salário GRANRIO/2013) Gilberto levava no bolso três moedas de
com aluguel da casa e 3/5 do salário com outras despesas. R$ 0,50, cinco de R$ 0,10 e quatro de R$ 0,25. Gilberto reti-
Do salário que Paulo recebeu, quantos reais ainda restam? rou do bolso oito dessas moedas, dando quatro para cada
A) R$ 120,00 filho.
B) R$ 150,00 A diferença entre as quantias recebidas pelos dois fi-
C) R$ 180,00 lhos de Gilberto é de, no máximo,
D) R$ 210,00 A) R$ 0,45
E) R$ 240,00 B) R$ 0,90
C) R$ 1,10
6 - (UFABC/SP – TECNÓLOGO-TECNOLOGIA DA IN- D) R$ 1,15
FORMAÇÃO – VUNESP/2013) Um jardineiro preencheu E) R$ 1,35
parcialmente, com água, 3 baldes com capacidade de 15
litros cada um. O primeiro balde foi preenchido com 2/3
Respostas
de sua capacidade, o segundo com 3/5 da capacidade, e o
terceiro, com um volume correspondente à média dos vo-
1 - RESPOSTA: “E”.
lumes dos outros dois baldes. A soma dos volumes de água
nos três baldes, em litros, é Total de unidades: 100⋅20=2000 unidades
A) 27.
B) 27,5. unidades em cada prateleira.
C) 28. 2 - RESPOSTA: “B”.
D) 28,5. editora A: 870/2=435 revistas
E) 29. publicações antigas: 435/3=145 revistas

7 - (UFOP/MG – ADMINISTRADOR DE EDIFICIOS –


UFOP/2013) Uma pessoa caminha 5 minutos em ritmo
normal e, em seguida, 2 minutos em ritmo acelerado e, O número de exemplares que não são da Editora A e
assim, sucessivamente, sempre intercalando os ritmos da nem são antigas são 290.
caminhada (5 minutos normais e 2 minutos acelerados). A
caminhada foi iniciada em ritmo normal, e foi interrompida 3 - RESPOSTA: “B”.
após 55 minutos do início.
O tempo que essa pessoa caminhou aceleradamente
foi:
A) 6 minutos 14 vezes iguais
B) 10 minutos Coco inteiro: 14
C) 15 minutos Metades:14.2=28
D) 20 minutos Terça parte:14.3=42
Quarta parte:14.4=56
8 - (PREF. IMARUÍ – AGENTE EDUCADOR – PREF. 3 cocos: 1 coco inteiro, metade dos cocos, terça parte
IMARUÍ/2014) Sobre o conjunto dos números reais é COR- Quantidade total
RETO dizer: Coco inteiro: 14+1=15
A) O conjunto dos números reais reúne somente os nú-
Metades: 28+2=30
meros racionais.
Terça parte:42+3=45
B) R* é o conjunto dos números reais não negativos.
Quarta parte :56
C) Sendo A = {-1,0}, os elementos do conjunto A não
são números reais.
D) As dízimas não periódicas são números reais.

9 - (TJ/SP - AUXILIAR DE SAÚDE JUDICIÁRIO - AU-


XILIAR EM SAÚDE BUCAL – VUNESP/2013) Para numerar
as páginas de um livro, uma impressora gasta 0,001 mL por 4 - RESPOSTA “B”.
cada algarismo impresso. Por exemplo, para numerar as pá-
ginas 7, 58 e 290 gasta-se, respectivamente, 0,001 mL, 0,002
mL e 0,003 mL de tinta. O total de tinta que será gasto para
numerar da página 1 até a página 1 000 de um livro, em
mL, será Sobrou 1/4 do bolo.
A) 1,111.
B) 2,003.
C) 2,893.
D) 1,003.
E) 2,561.

18
MATEMÁTICA

5 - RESPOSTA: “B”.

Aluguel:

Outras despesas:

Restam :1000-850=R$150,00

6 - RESPOSTA: “D”.
Primeiro balde:

Segundo balde:

Terceiro balde:

A soma dos volumes é : 10+9+9,5=28,5 litros

7 - RESPOSTA: “C”.
A caminhada sempre vai ser 5 minutos e depois 2 minutos, então 7 minutos ao total.
Dividindo o total da caminhada pelo tempo, temos:

Assim, sabemos que a pessoa caminhou 7. (5 minutos +2 minutos) +6 minutos (5 minutos+1 minuto)
Aceleradamente caminhou: (7.2)+1➜ 14+1=15 minutos
8 - RESPOSTA: “D”.
A) errada - O conjunto dos números reais tem os conjuntos: naturais, inteiros, racionais e irracionais.
B) errada – R* são os reais sem o zero.
C) errada - -1 e 0 são números reais.

9 - RESPOSTA: “C”.
1 a 9 =9 algarismos=0,001⋅9=0,009 ml
De 10 a 99, temos que saber quantos números tem.
99-10+1=90.
OBS: soma 1, pois quanto subtraímos exclui-se o primeiro número.
90 números de 2 algarismos: 0,002⋅90=0,18ml

De 100 a 999
999-100+1=900 números
900⋅0,003=2,7ml
1000=0,004ml
Somando: 0,009+0,18+2,7+0,004=2,893

10 - RESPOSTA: “E”.
Supondo que as quatro primeiras moedas sejam as 3 de R$ 0,50 e 1 de R$ 0,25(maiores valores).
Um filho receberia : 1,50+0,25=R$1,75
E as ouras quatro moedas sejam de menor valor: 4 de R$ 0,10=R$ 0,40.
A maior diferença seria de 1,75-0,40=1,35
Dica: sempre que fala a maior diferença tem que o maior valor possível – o menor valor.

19
MATEMÁTICA

SISTEMAS DE MEDIDAS: TEMPO,


COMPRIMENTO, CAPACIDADE, MASSA,
QUANTIDADE.

Sistema de Medidas Decimais

Um sistema de medidas é um conjunto de unidades de medida que mantém algumas relações entre si. O sistema
métrico decimal é hoje o mais conhecido e usado no mundo todo. Na tabela seguinte, listamos as unidades de medida de
comprimento do sistema métrico. A unidade fundamental é o metro, porque dele derivam as demais.

Unidades de Comprimento
km hm dam m dm cm mm
quilômetro hectômetro decâmetro metro decímetro centímetro milímetro
1000m 100m 10m 1m 0,1m 0,01m 0,001m

Há, de fato, unidades quase sem uso prático, mas elas têm uma função. Servem para que o sistema tenha um padrão:
cada unidade vale sempre 10 vezes a unidade menor seguinte.
Por isso, o sistema é chamado decimal.

E há mais um detalhe: embora o decímetro não seja útil na prática, o decímetro cúbico é muito usado com o nome
popular de litro.
As unidades de área do sistema métrico correspondem às unidades de comprimento da tabela anterior.
São elas: quilômetro quadrado (km2), hectômetro quadrado (hm2), etc. As mais usadas, na prática, são o quilômetro
quadrado, o metro quadrado e o hectômetro quadrado, este muito importante nas atividades rurais com o nome de hec-
tare (ha): 1 hm2 = 1 ha.
No caso das unidades de área, o padrão muda: uma unidade é 100 vezes a menor seguinte e não 10 vezes, como nos
comprimentos. Entretanto, consideramos que o sistema continua decimal, porque 100 = 102.

Unidades de Área
km2 hm2 dam2 m2 dm2 cm2 mm2
quilômetro hectômetro decâmetro metro decímetro centímetro milímetro
quadrado quadrado quadrado quadrado quadrado quadrado quadrado
1000000m2 10000m2 100m2 1m2 0,01m2 0,0001m2 0,000001m2

Agora, vejamos as unidades de volume. De novo, temos a lista: quilômetro cúbico (km3), hectômetro cúbico (hm3), etc.
Na prática, são muitos usados o metro cúbico e o centímetro cúbico.
Nas unidades de volume, há um novo padrão: cada unidade vale 1000 vezes a unidade menor seguinte. Como 1000 =
103, o sistema continua sendo decimal.

Unidades de Volume
km 3
hm 3
dam3 m3 dm3 cm3 mm3
quilômetro hectômetro decâmetro metro decímetro centímetro milímetro
cúbico cúbico cúbico cúbico cúbico cúbico cúbico
1000000000m3 1000000m3 1000m3 1m3 0,001m3 0,000001m3 0,000000001m3

A noção de capacidade relaciona-se com a de volume. Se o volume da água que enche um tanque é de 7 000 litros,
dizemos que essa é a capacidade do tanque. A unidade fundamental para medir capacidade é o litro (l); 1l equivale a 1 dm3.

Cada unidade vale 10 vezes a unidade menor seguinte.


Unidades de Capacidade
kl hl dal l dl cl ml
quilolitro hectolitro decalitro litro decilitro centímetro mililitro
1000l 100l 10l 1l 0,1l 0,01l 0,001l

20
MATEMÁTICA

O sistema métrico decimal inclui ainda unidades de medidas de massa. A unidade fundamental é o grama.

Unidades de Massa
kg hg dag g dg cg mg
quilograma hectograma decagrama grama decigrama centigrama miligrama
1000g 100g 10g 1g 0,1g 0,01g 0,001g

Dessas unidades, só têm uso prático o quilograma, o grama e o miligrama. No dia-a-dia, usa-se ainda a tonelada (t):
1t = 1000 kg.

Não Decimais

Desse grupo, o sistema hora – minuto – segundo, que mede intervalos de tempo, é o mais conhecido.

2h = 2 . 60min = 120 min = 120 . 60s = 7 200s

Para passar de uma unidade para a menor seguinte, multiplica-se por 60.

0,3h não indica 30 minutos nem 3 minutos; como 1 décimo de hora corresponde a 6 minutos, conclui-se que 0,3h =
18min.

Para medir ângulos, também temos um sistema não decimal. Nesse caso, a unidade básica é o grau. Na astronomia, na
cartografia e na navegação são necessárias medidas inferiores a 1º. Temos, então:

1 grau equivale a 60 minutos (1º = 60’)


1 minuto equivale a 60 segundos (1’ = 60”)

Os minutos e os segundos dos ângulos não são, é claro, os mesmos do sistema hora – minuto – segundo. Há uma
coincidência de nomes, mas até os símbolos que os indicam são diferentes:
1h32min24s é um intervalo de tempo ou um instante do dia.
1º 32’ 24” é a medida de um ângulo.

Por motivos óbvios, cálculos no sistema hora – minuto – segundo são similares a cálculos no sistema grau – minuto –
segundo, embora esses sistemas correspondam a grandezas distintas.

Há ainda um sistema não-decimal, criado há algumas décadas, que vem se tornando conhecido. Ele é usado para me-
dir a informação armazenada em memória de computadores, disquetes, discos compacto, etc. As unidades de medida são
bytes (b), kilobytes (kb), megabytes (Mb), etc. Apesar de se usarem os prefixos “kilo” e “mega”, essas unidades não formam
um sistema decimal.

Um kilobyte equivale a 210 bytes e 1 megabyte equivale a 210 kilobytes.

Exercícios

1. Raquel saiu de casa às 13h 45min, caminhando até o curso de inglês que fica a 15 minutos de sua casa, e che-
gou na hora da aula cuja duração é de uma hora e meia. A que horas terminará a aula de inglês?
a) 14h
b) 14h 30min
c) 15h 15min
d) 15h 30min
e) 15h 45min

2. 348 mm3 equivalem a quantos decilitros?

3. Quantos decalitros equivalem a 1 m3?

4. Passe 50 dm2 para hectômetros quadrados.

21
MATEMÁTICA

5. Quantos quilômetros cúbicos equivalem a 14 mm3?

6. Quantos centilitros equivalem a 15 hl?

7. Passe 5.200 gramas para quilogramas.

8. Converta 2,5 metros em centímetros.

9. Quantos minutos equivalem a 5h05min?

10. Quantos minutos se passaram das 9h50min até as 10h35min?

Respostas

1) Resposta “D”.
Solução: Basta somarmos todos os valores mencionados no enunciado do teste, ou seja:
13h 45min + 15 min + 1h 30 min = 15h 30min

Logo, a questão correta é a letra D.

2) Resposta “0, 00348 dl”.


Solução: Como 1 cm3 equivale a 1 ml, é melhor dividirmos 348 mm3 por mil, para obtermos o seu equivalente em cen-
tímetros cúbicos: 0,348 cm3.
Logo 348 mm3 equivalem a 0, 348 ml, já que cm3 e ml se equivalem.

Neste ponto já convertemos de uma unidade de medida de volume, para uma unidade de medida de capacidade.
Falta-nos passarmos de mililitros para decilitros, quando então passaremos dois níveis à esquerda. Dividiremos então
por 10 duas vezes:

Logo, 348 mm³ equivalem a 0, 00348 dl.

3) Resposta “100 dal”.


Solução: Sabemos que 1 m3 equivale a 1.000 l, portanto para convertermos de litros a decalitros, passaremos um nível
à esquerda.
Dividiremos então 1.000 por 10 apenas uma vez:

Isto equivale a passar a vírgula uma casa para a esquerda.


Poderíamos também raciocinar da seguinte forma:

Como 1 m3 equivale a 1 kl, basta fazermos a conversão de 1 kl para decalitros, quando então passaremos dois níveis à
direita. Multiplicaremos então 1 por 10 duas vezes:

Logo, 100 dal equivalem a 1 m³.

4) Resposta “0, 00005 hm²”.


Solução: Para passarmos de decímetros quadrados para hectômetros quadrados, passaremos três níveis à esquerda.
Dividiremos então por 100 três vezes:

Isto equivale a passar a vírgula seis casas para a esquerda.

Portanto, 50 dm² é igual a 0, 00005 hm².

22
MATEMÁTICA

5) Resposta “0,000000000000000014 km3, ou a 1,4 x 10-17 km3”.  


Solução: Para passarmos de milímetros cúbicos para quilômetros cúbicos, passaremos seis níveis à esquerda. Dividire-
mos então 14 por 1000 seis vezes:

Portanto, 0, 000000000000000014 km3, ou a 1,4 x 10-17 km3 se expresso em notação científica equivalem a 14 mm3.

6) Resposta “150.000 cl”.


Solução: Para irmos de hectolitros a centilitros, passaremos quatro níveis à direita.
Multiplicaremos então 15 por 10 quatro vezes:

Isto equivale a passar a vírgula quatro casas para a direita.

Logo, 150.000 cl equivalem a 15 hl.

7) Resposta “5,2 kg”.


Solução: Para passarmos 5.200 gramas para quilogramas, devemos dividir (porque na tabela grama está à direita de
quilograma) 5.200 por 10 três vezes, pois para passarmos de gramas para quilogramas saltamos três níveis à esquerda.
Primeiro passamos de grama para decagrama, depois de decagrama para hectograma e finalmente de hectograma
para quilograma:

Isto equivale a passar a vírgula três casas para a esquerda.

Portanto, 5.200 g são iguais a 5,2 kg.

8) Resposta “250 cm”.


Solução: Para convertermos 2,5 metros em centímetros, devemos multiplicar (porque na tabela metro está à esquerda
de centímetro) 2,5 por 10 duas vezes, pois para passarmos de metros para centímetros saltamos dois níveis à direita.
Primeiro passamos de metros para decímetros e depois de decímetros para centímetros:

Isto equivale a passar a vírgula duas casas para a direita.

Logo, 2,5 m é igual a 250 cm.

9) Resposta “305min”.
Solução:
(5 . 60) + 5 = 305 min.

10) Resposta “45 min”.


Solução: 45 min

Unidade de tempo

A unidade padrão de medida de tempo é o segundo, abreviado por s.


Os múltiplos do segundo são:
Hora Minuto Segundo
h min s
3600 s 60 s 1s

23
MATEMÁTICA

Usamos o sistema sexagesimal, que emprega a base Para multiplicarmos uma unidade de medida de tempo
sessenta. Os múltiplos do segundo enquadram-se nesse por um número natural, devemos multiplicar as horas, mi-
sistema. Repare que cada unidade é sessenta vezes maior nutos e segundos Por esse número natural.
que a unidade que a antecede. Ex: multiplicar 4 h 52 min 8 s por 6
1 h = 60 min 4 h52 min 8 s
1 min = 60 s X6
--------------------------------------
Para transformar uma unidade em outra imediatamen- 24h 312 min48 s
te superior, basta dividi-la por 60 e inferior basta multipli-
ca-la por 60. Como 312 min é maior que 1 hora, devemos descobrir
Ex:3h = 3 . 60 = 180 min quantas horas cabem em 312 minutos. Para isso basta divi-
52 min = 52 . 60 = 3120 s dir 312 por 60 onde o resultado é 5 e o resto é 12.
1020 s = 1020 : 60 = 17 min Então 312 min = 5 h 12 min
420 min = 420 : 60 = 7 h Devemos então acrescentar 5 h a 24 h = 29 h e o re-
sultado fica
Ao usarmos o sistema sexagesimal, cada grupo de 60
29 h 12 min 48 s
forma outra classe; então, 60 segundos formam 1 minuto e
60 minutos formam 1 hora. Para adicionarmos unidades de
Problemas
tempo vamos tomar cuidado para posicionar hora embaixo
de hora, minuto embaixo de minuto e segundo embaixo de 1.Dois amigos partiram às 10h 32 min de Aparecida do
segundo. Norte e chegaram a Ribeirão Preto às 16 h 8 min. Quanto
Por exemplo: 1)Para adicionarmos 5h 12 min 37 s a tempo durou a viagem?
8 h 20 min 11 s, vamos colocar as unidades iguais uma
embaixo da outra e depois adicionar os valores da mesma 2. João nasceu numa terça feira às 13 h 45 min 12 s e
classe. Maria nasceu no mesmo dia, às 8 h 13 min 47 s. Determine
a diferença entre os horários de nascimento de João e Ma-
Horaminuto segundo ria, nessa ordem.
5 1237
8 2011 3.Um passageiro embarcou em um ônibus na cidade
-------------------------------------------- A às 14h 32 min 18s, esse ônibus saiu da rodoviária desta
13 3248 cidade às 14h 55min 40s e chegou à rodoviária da cidade
2)vamos adicionar 8h 19 min 58 s com 2 h 24 min 39 s B às 19h 27min 15s,do mesmo dia. Quanto tempo o passa-
Horaminuto segundo geiro permaneceu no interior do ônibus?
8 19 58 a) 05h 54min 09s
224 39 b) 04h 05min 57s
------------------------------------------- c) 05h 05min 09s
10 43 97 d) 04h 54min 57s
Note que , na casa dos segundos, obtivemos 97 s e
vamos decompor esse valor em: Respostas
97 s = 60 s + 37 s = 1 min + 37 s
Então, devemos retirar 60 s da classe dos segundos e 1.5 h 36 min
acrescentar 1 min na classe dos minutos. 2.5 h 31 min 25 s
Logo a resposta fica: 10 h 44 min 37 s
3.Vamos considerar o horário de chegada à cidade B e
Para subtrair unidades de medida de tempo, o proces-
o horário que o passageiro entrou no ônibus
so é semelhante ao usado na adição.
Ex; vamos subtrair 4 h 41 min 44 s de 7 h 53 min 36 s 19 h27 min15 seg
Horaminutosegundo 14 h32 min18 seg
7 5336
4 4144 Para subtrair 18 de 15 não é possível então empresta-
-------------------------------------------------- mos 1 minuto dos 27
Que passa a ser 26 e no lugar de 15 seg usamos 15
Perceba que a subtração 36 s – 44 s não é possível nos +60(que é 1 min). Então
números naturais, então, vamos retirar 1 min de 53 min, 75 – 18 = 57 seg.
transformar esse 1 min em 60 s e acrescenta-los aos 36 s.
Assim: O mesmo acontece com os minutos. Vamos emprestar
Hora minuto segundo 1 hora das 19 que passa a ser 18 e no lugar de 26 minutos
7 52 96 usamos 26 + 60 ( que é uma hora). Então 86 – 32 = 54
4 41 44 minutos
------------------------------------------------ Por fim 18 h – 14 h = 4 horas
3 11 52 Resp. 4 horas 54 min e 57 seg.

24
EXERCÍCIOS COMPLEMENTARES

1. (PREF. JUNDIAI/SP – ELETRICISTA – MAKIYA- _____


MA/2013) Dentre os nove competidores de um cam- 8.7.6.5.4=6720
peonato municipal de esportes radicais, somente os
quatro primeiros colocados participaram do campeo- RESPOSTA: “D”.
nato estadual. Sendo assim, quantas combinações são
possíveis de serem formadas com quatro desses nove 4. (PM/SP – SARGENTO CFS – CETRO/2012) Leia o
competidores? trecho abaixo e, em seguida, assinale a alternativa que
A) 126 preenche corretamente a lacuna.
B) 120 Com a palavra PERMUTA é possível formar ____ ana-
C) 224 gramas começados por consoante e terminados por
D) 212 vogal.
E) 156 A) 120
B) 480
C) 1.440
9! 9 ∙ 8 ∙ 7 ∙ 6 ∙ 5! D) 5.040
!!,! = = = 126
5! 4! 5! ∙ 24
! _______
P5.4.3.2.1 A=120
RESPOSTA: “A”. 120.2(letras E e U)=240

2. (PREF. LAGOA DA CONFUSÃO/TO – ORIENTA- 120+240=360 anagramas com a letra P


DOR SOCIAL – IDECAN/2013) Renato é mais velho que
Jorge de forma que a razão entre o número de anagra- 360.4=1440 (serão 4 tipos por ter 4 consoantes)
mas de seus nomes representa a diferença entre suas
idades. Se Jorge tem 20 anos, a idade de Renato é RESPOSTA: “C”.
A) 24. 5. (PM/SP – CABO – CETRO/2012) Assinale a al-
B) 25. ternativa que apresenta o número de anagramas da pa-
C) 26. lavra QUARTEL que começam com AR.
D) 27. A) 80.
E) 28. B) 120.
C) 240.
Anagramas de RENATO D) 720.
______
6.5.4.3.2.1=720 AR_ _ _ _ _
5 ⋅ 4 ⋅ 3 ⋅ 2 ⋅ 1=120
Anagramas de JORGE
_____ RESPOSTA: “B”.
5.4.3.2.1=120 720
Razão dos anagramas: = 6! 6. (PM/SP – CABO – CETRO/2012) Uma lei de cer-
120
to país determinou que as placas das viaturas de polícia
Se Jorge tem 20 anos, Renato tem 20+6=26 anos deveriam ter 3 algarismos seguidos de 4 letras do alfa-
beto grego (24 letras).
RESPOSTA: “C”. Sendo assim, o número de placas diferentes será
igual a
3. (PREF. NEPOMUCENO/MG – PORTEIRO – CON- A) 175.760.000.
SULPLAN/2013) Uma dona de casa troca a toalha de B) 183.617.280.
rosto do banheiro diariamente e só volta a repeti-la C) 331.776.000.
depois que já tiver utilizado todas as toalhas. Sabe-se D) 358.800.000.
que a dona de casa dispõe de 8 toalhas diferentes. De
quantas maneiras ela pode ter utilizado as toalhas nos Algarismos possíveis: 0,1,2,3,4,5,6,7,8,9=10 algarismos
primeiros 5 dias de um mês? _ _ _ _ _ _ _
A) 4650. 10 ⋅ 10 ⋅ 10 ⋅ 24 ⋅ 24 ⋅ 24 ⋅ 24=331.776.000
B) 5180.
C) 5460. RESPOSTA: “C”.
D) 6720.
E) 7260.

25
EXERCÍCIOS COMPLEMENTARES

7. (CÂMARA DE SÃO PAULO/SP – TÉCNICO AD- 10. (BNDES – TÉCNICO ADMINISTRATIVO – CES-
MINISTRATIVO – FCC/2014) São lançados dois dados e GRANRIO/2013) Uma empresa de propaganda preten-
multiplicados os números de pontos obtidos em cada de criar panfletos coloridos para divulgar certo produ-
um deles. A quantidade de produtos distintos que se to. O papel pode ser laranja, azul, preto, amarelo, ver-
pode obter nesse processo é melho ou roxo, enquanto o texto é escrito no panfleto
A) 36. em preto, vermelho ou branco.
B) 27. De quantos modos distintos é possível escolher
C) 30. uma cor para o fundo e uma cor para o texto se, por
D) 21. uma questão de contraste, as cores do fundo e do texto
E) 18. não podem ser iguais?
A) 13
__ B) 14
6.6=36 C) 16
Mas, como pode haver o mesmo produto por ser dois D) 17
dados, 36/2=18 E) 18

RESPOSTA: “E”. __
6.3=18
8. (PREF. PAULISTANA/PI – PROFESSOR DE MA-
TEMÁTICA – IMA/2014) Quantos são os anagramas da Tirando as possibilidades de papel e texto iguais:
palavra TESOURA? P P e V V=2 possibilidades
A) 2300 18-2=16 possiblidades
B) 5040
C) 4500 RESPOSTA: “C”.
D) 1000
E) 6500 11. (PREF. NEPOMUCENO/MG – TÉCNICO EM SE-
GURANÇA DO TRABALHO – CONSULPLAN/2013) Numa
_______ sala há 3 ventiladores de teto e 4 lâmpadas, todos com
7.6.5.4.3.2.1=5040 interruptores independentes. De quantas maneiras é
Anagramas são quaisquer palavras que podem ser for- possível ventilar e iluminar essa sala mantendo, pelo
madas com as letras, independente se formam palavras menos, 2 ventiladores ligados e 3 lâmpadas acesas?
que existam ou não. A) 12.
B) 18.
RESPOSTA: “B”. C) 20.
D) 24.
9. (PM/SP – SARGENTO CFS – CETRO/2012) Anali- E) 36.
se as sentenças abaixo.
I. 4! + 3! = 7! 1ª possibilidade:2 ventiladores e 3 lâmpadas
II. 4! ⋅ 3! = 12! !!
!!,! = !!!! = 3
III. 5! + 5! = 2 ⋅ 5!
É correto o que se apresenta em
A) I, apenas. !!!,! =
!!
=4
B) II, apenas. !!!!
C) III, apenas.
D) I, II e III. !!,! ∙ !!,! = 3 ∙ 4 = 12
!
I falsa 2ª possibilidade:2 ventiladores e 4 lâmpadas
4!=24 !!
!!,! = !!!! = 3
3!=6
7!=5040
II falsa !!,! =
!!
=1
4! ⋅ 3! ≠12! !!!!
III verdadeira
5!=120 !!,! ∙ !!,! = 3 ∙ 1 = 3
5!+5!=240 !
2 ⋅ 5!=240

RESPOSTA: “C”.

26
EXERCÍCIOS COMPLEMENTARES

3ª possibilidade:3 ventiladores e 3 lâmpadas A P3 deve ser feita, pois os processos tem que ficar jun-
!! tos, mas não falam em que ordem podendo ser de qual-
!!,! = =1 quer juiz antes.
!!!!
Portanto pode haver permutação entre eles.
!!
!!,! = !!!! = 4 RESPOSTA: “E”.

!!,! ∙ !!,! = 1 ∙ 4 = 4 14. (TJ/RS - TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA JUDICIÁ-


RIA E ADMINISTRATIVA – FAURGS/2012) O Tribunal de
! Justiça está utilizando um código de leitura de barras
4ª possibilidade:3 ventiladores e 4 lâmpadas composto por 5 barras para identificar os pertences de
uma determinada seção de trabalho. As barras podem
!!
!!,! = =1 ser pretas ou brancas. Se não pode haver código com
!!!! todas as barras da mesma cor, o número de códigos di-
ferentes que se pode obter é de
!!
!!,! = !!!! = 1 A) 10.
B) 30.
C) 50.
!!,! ∙ !!,! = 1 ∙ 1 = 1 D) 150.
! E) 250.
Somando as possibilidades:12+3+4+1=20 _____
2 ⋅ 2 ⋅ 2 ⋅ 2 ⋅ 2=32 possibilidades se pudesse ser
RESPOSTA: “C”. qualquer uma das cores
Mas, temos que tirar código todo preto e todo branco.
12. (PREF. PAULISTANA/PI – PROFESSOR DE MATE- 32-2=30
MÁTICA – IMA/2014) Se enfileirarmos três dados iguais,
obteremos um agrupamento dentre quantos possíveis. RESPOSTA: “B”.
A) 150
B) 200 15. (PETROBRAS – TÉCNICO AMBIENTAL JÚNIOR
C) 410 – CESGRANRIO/2012) Certa empresa identifica as dife-
D) 216 rentes peças que produz, utilizando códigos numéricos
E) 320 compostos de 5 dígitos, mantendo, sempre, o seguin-
!!,! ∙ !!,! ∙ !!,! te padrão: os dois últimos dígitos de cada código são
iguais entre si, mas diferentes dos demais. Por exemplo,
o código “03344” é válido, já o código “34544”, não.
6! 6.5! Quantos códigos diferentes podem ser criados?
!!,! = = =6 A) 3.312
1! 5! 5!
B) 4.608
C) 5.040
6 ∙ 6 ∙ 6 = 216 D) 7.000
! E) 7.290
RESPOSTA: “D”. _____
13. (TJ/RS - TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA JUDICIÁ- 9.9.9.1.1=729
São 10 possibilidades para os últimos dois dígitos:
RIA E ADMINISTRATIVA – FAURGS/2012) Um técnico
729.10=7290
judiciário deve agrupar 4 processos do juiz A, 3 do juiz
B e 2 do juiz C, de modo que os processos de um mes-
RESPOSTA: “E”.
mo juiz fiquem sempre juntos e em qualquer ordem. A
quantidade de maneiras diferentes de efetuar o agru- 16. (DNIT – ANALISTA ADMINISTRATIVO –ADMI-
pamento é de NISTRATIVA – ESAF/2012) Os pintores Antônio e Batis-
A) 32. ta farão uma exposição de seus quadros. Antônio vai
B) 38. expor 3 quadros distintos e Batista 2 quadros distintos.
C) 288. Os quadros serão expostos em uma mesma parede e
D) 864. em linha reta, sendo que os quadros de um mesmo pin-
E) 1728. tor devem ficar juntos. Então, o número de possibilida-
des distintas de montar essa exposição é igual a:
Juiz A:P4=4!=24 A) 5
Juiz B: P3=3!=6 B) 12
Juiz C: P2=2!=2 C) 24
_ _ _ D) 6
24.6.2=288.P3=288.6=1728 E) 15

27
EXERCÍCIOS COMPLEMENTARES

Para Antônio um para cada. Alberto não come carne vermelha nem
_ _ _ P3=3!=6 frango, Bianca só come vegetais, e Carolina só não
come vegetais. O total de pedidos diferentes que po-
Para Batista dem ser feitos atendendo as restrições alimentares dos
_ _ P2=2!=2 três é igual a
E pode haver permutação dos dois expositores: A) 384.
B) 392.
6.2.2=24 C) 396.
D) 416.
RESPOSTA: “C”. E) 432.

17. (CRMV/RJ – AUXILIAR ADMINISTRATIVO – Para Alberto:5+4=9


FUNDAÇÃO BIO-RIO/2014) Um anagrama de uma pa- Para Bianca:4
lavra é um reordenamento de todas as suas letras. Por Para Carolina: 12
exemplo, ADEUS é um anagrama de SAUDE e OOV é um ___
anagrama de OVO. A palavra MOTO possui a seguinte 9.4.12=432
quantidade de anagramas:
A)8 RESPOSTA: “E”.
B)10
C)12 20. (SAMU/SC – ASSISTENTE ADMINISTRATIVO –
D)16 SPDM/2012) O total de números de 3 algarismos que
E)20 terminam por um número par e que podem ser forma-
dos pelos algarismos 3,4,5,7,8, com repetição, é de:
Como tem letra repetida: A) 50
!! !∙!∙!∙! B) 100
!!! = !! = = 12 C) 75
!
D) 80
!
O último algarismo pode ser 4 ou 8
RESPOSTA: “C”. ___
18. (TJ/PE – ANALISTA JUDICIÁRIO – ADMINIS- 5.5.2=50
TRATIVA – FCC/2012) A palavra GOTEIRA é formada
por sete letras diferentes. Uma sequência dessas letras, RESPOSTA: “A”.
em outra ordem, é TEIGORA. Podem ser escritas 5040
sequências diferentes com essas sete letras. São 24 as 21. (CÂMARA DE SÃO PAULO/SP – TÉCNICO AD-
sequências que terminam com as letras GRT, nessa or- MINISTRATIVO – FCC/2014) Dos 43 vereadores de uma
dem, e começam com as quatro vogais. Dentre essas cidade, 13 dele não se inscreveram nas comissões de
24, a sequência AEIOGRT é a primeira delas, se forem Educação, Saúde e Saneamento Básico. Sete dos verea-
listadas alfabeticamente. A sequência IOAEGRT ocupa- dores se inscreveram nas três comissões citadas. Doze
ria, nessa listagem alfabética, a posição de número deles se inscreveram apenas nas comissões de Educa-
A) 11. ção e Saúde e oito deles se inscreveram apenas nas co-
B) 13. missões de Saúde e Saneamento Básico. Nenhum dos
C) 17. vereadores se inscreveu em apenas uma dessas comis-
D) 22. sões. O número de vereadores inscritos na comissão de
E) 23. Saneamento Básico é igual a
A) 15.
A_ _ _ GRT P3=3!=6 B) 21.
E_ _ _ GRT P3=3!=6 C) 18.
IA_ _GRT P2=2!=2 D) 27.
IE_ _GRT P2=2!=2 E) 16.
IOAEGRT-17ª da sequência
7 vereadores se inscreveram nas 3.
RESPOSTA: “C”. APENAS 12 se inscreveram em educação e saúde (o
12 não deve ser tirado de 7 como costuma fazer nos con-
19. (SEED/SP – AGENTE DE ORGANIZAÇÃO ESCO- juntos, pois ele já desconsidera os que se inscreveram nos
LAR – VUNESP/2012) Um restaurante possui pratos três)
principais e individuais. Cinco dos pratos são com pei- APENAS 8 se inscreveram em saúde e saneamento bá-
xe, 4 com carne vermelha, 3 com frango, e 4 apenas sico.
com vegetais. Alberto, Bianca e Carolina pretendem fa- São 30 vereadores que se inscreveram nessas 3 comis-
zer um pedido com três pratos principais individuais, sões, pois 13 dos 43 não se inscreveram.

28
EXERCÍCIOS COMPLEMENTARES

Portanto, 30-7-12-8=3 quistou medalhas apenas em modalidades individuais.


Se inscreveram em educação e saneamento 3 verea- Sabe-se ainda que cada atleta da delegação desse país
dores. que ganhou uma ou mais medalhas não ganhou mais
de uma medalha do mesmo tipo (ouro, prata, bronze).
De acordo com o diagrama, por exemplo, 2 atletas da
delegação desse país ganharam, cada um, apenas uma
medalha de ouro.

Só em saneamento se inscreveram: 3+7+8=18

RESPOSTA: “C”.
A análise adequada do diagrama permite concluir
22. (TRT 19ª – TÉCNICO JUDICIÁRIO – FCC/2014) corretamente que o número de medalhas conquistadas
Dos 46 técnicos que estão aptos para arquivar docu- por esse país nessa edição dos jogos universitários foi
mentos 15 deles também estão aptos para classificar de
processos e os demais estão aptos para atender ao pú- A) 15.
blico. Há outros 11 técnicos que estão aptos para aten- B) 29.
der ao público, mas não são capazes de arquivar do- C) 52.
cumentos. Dentre esses últimos técnicos mencionados, D) 46.
4 deles também são capazes de classificar processos. E) 40.
Sabe-se que aqueles que classificam processos são, ao
todo, 27 técnicos. Considerando que todos os técnicos O diagrama mostra o número de atletas que ganharam
que executam essas três tarefas foram citados anterior- medalhas.
mente, eles somam um total de No caso das intersecções, devemos multiplicar por
A) 58. 2 por ser 2 medalhas e na intersecção das três medalhas
B) 65. multiplica-se por 3.
C) 76.
D) 53. Intersecções:
E) 95. 6 ∙ 2 = 12
1∙2=2
15 técnicos arquivam e classificam 4∙2=8
46-15=31 arquivam e atendem 3∙3=9
4 classificam e atendem !
Classificam:15+4=19 como são 27 faltam 8 Somando as outras:
2+5+8+12+2+8+9=46

RESPOSTA: “D”.

24. (PREF. CAMAÇARI/BA – TÉC. VIGILÂNCIA EM


SAÚDE NM – AOCP/2014) Qual é o número de elemen-
tos que formam o conjunto dos múltiplos estritamente
positivos do número 3, menores que 31?
A) 9
B) 10
C) 11
D) 12
E) 13
RESPOSTA: “B”. A={3,6,9,12,15,18,21,24,27,30}

23. (METRÔ/SP – OFICIAL LOGISTICA –ALMOXARI- 10 elementos


FADO I – FCC/2014) O diagrama indica a distribuição de
atletas da delegação de um país nos jogos universitários RESPOSTA: “B”.
por medalha conquistada. Sabe-se que esse país con-

29
EXERCÍCIOS COMPLEMENTARES

25. (PREF. CAMAÇARI/BA – TÉC. VIGI- − 20 sócios não simpatizam com qualquer uma des-
LÂNCIA EM SAÚDE NM – AOCP/2014) Con- tas pessoas.
sidere dois conjuntos A e B, sabendo que − 20 sócios simpatizam apenas com a pessoa A.
! ∩ ! = {!}, ! ∪ ! = {!; !; !; !; !}!!!! − ! = {!; !},!!assi- − 40 sócios simpatizam apenas com a pessoa B.
nale a alternativa que apresenta o conjunto B. − 30 sócios simpatizam apenas com a pessoa C.
A) {1;2;3} − 10 sócios simpatizam com as pessoas A, B e C.
B) {0;3}
C) {0;1;2;3;5} A quantidade de sócios que simpatizam com pelo
D) {3;5} menos duas destas pessoas é
E) {0;3;5} A) 20.
B) 30.
A intersecção dos dois conjuntos, mostra que 3 é ele- C) 40.
mento de B. D) 50.
A-B são os elementos que tem em A e não em B. E) 60.
Então de A ∪ B, tiramos que B={0;3;5}.

RESPOSTA: “E”.
26. (TJ/BA – ANAISTA JUDICIARIO – BANCO DE
DADOS – FAPERP/2012) Foi realizada uma pesquisa,
com um grupo de pessoas, envolvendo a preferência
por até duas marcas de carros dentre as marcas C1, C2 e
C3. A pesquisa apresentou os seguintes dados:
-59 preferem a marca C1
40 preferem a marca C2
A+B+C=90
-50 preferem a marca C3.
Simpatiza com as três: 10
-17 preferem as marcas C1 e C2.
Não simpatizam com nenhuma 20
-12 preferem as marcas C1 e C3
90+10+20 =120 pessoas
-23 preferem as marcas C2 e C3
Como têm 160 pessoas:
-49 não preferem nenhuma das três marcas.
X+Y+Z=160-120=40 pessoas
Portanto, a quantidade de sócios que simpatizam com
O número de pessoas que preferem apenas a marca
pelo menos 2 são 40 (dos sócios que simpatizam com duas
C2 é igual a
pessoas) + 10 (simpatizam com três)=50
A) 0
B) 15 RESPOSTA: “D”.
C) 25.
D) 40. 28. (EBSERH/HU-UFS/SE - TECNÓLOGO EM RA-
DIOLOGIA - AOCP /2014) Em uma pequena cidade, cir-
culam apenas dois jornais diferentes. O jornal A e o jor-
nal B. Uma pesquisa realizada com os moradores dessa
cidade mostrou que 33% lê o jornal A, 45% lê o jornal
B, e 7% leem os jornais A e B. Sendo assim, quantos
porcentos não leem nenhum dos dois jornais?
A) 15%
B) 25%
C) 27%
D) 29%
E) 35%
O número de pessoas que preferem apenas a marca
C2 é zero.

RESPOSTA: “A”.

27. (TJ/PE – OFICIAL DE JUSTIÇA – JUDICIÁRIO E


ADMINISTRATIVO – FCC/2012) Em um clube com 160
associados, três pessoas, A, B e C (não associados), ma-
nifestam seu interesse em participar da eleição para ser
o presidente deste clube. Uma pesquisa realizada com
todos os 160 associados revelou que

30
EXERCÍCIOS COMPLEMENTARES

26+7+38+x=100
x=100-71
x=29%

RESPOSTA: “D”.

29. (METRÔ/SP – ENGENHEIRO SEGURANÇA DO


TRABALHO – FCC/2014) Uma pesquisa, com 200 pes-
soas, investigou como eram utilizadas as três linhas: A,
B e C do Metrô de uma cidade. Verificou-se que 92 pes-
soas utilizam a linha A; 94 pessoas utilizam a linha B e
110 pessoas utilizam a linha C. Utilizam as linhas A e B 16-x+x+15-x+3=24
um total de 38 pessoas, as linhas A e C um total de 42 -x=24-34
X=10
pessoas e as linhas B e C um total de 60 pessoas; 26 pes-
soas que não se utilizam dessas linhas. Desta maneira,
RESPOSTA: “A”.
conclui-se corretamente que o número de entrevista-
dos que utilizam as linhas A e B e C é igual a 31. (TJ/RS – OFICIAL DE TRANSPORTE – CE-
A) 50. TRO/2013) Dados os conjuntos A = {x | x é vogal da pa-
B) 26. lavra CARRO} e B = {x | x é letra da palavra CAMINHO},
C) 56. é correto afirmar que A∩ B tem
D) 10. A) 1 elemento.
E) 18. B) 2 elementos.
C) 3 elementos.
D) 4 elementos.
E) 5 elementos.

Como o conjunto A é dado pelas vogais: A={A,O}, por-


tanto A∩ B={A,O}

RESPOSTA: “B”.

32. (CGU – ADMINISTRATIVA – ESAF/2012) Em um


grupo de 120 empresas, 57 estão situadas na Região
Nordeste, 48 são empresas familiares, 44 são empre-
sas exportadoras e 19 não se enquadram em nenhuma
das classifi cações acima. Das empresas do Nordeste,
19 são familiares e 20 são exportadoras. Das empresas
familiares, 21 são exportadoras. O número de empre-
92-38+x-x-42+x+94-38+x-x-60+x+110-42+x-x- sas do Nordeste que são ao mesmo tempo familiares e
-60+x+38-x+x+42-x+60-x+26=200 exportadoras é
A)21.
X=200-182
B)14.
X=18
C)16.
D)19.
RESPOSTA: “E”. E)12.
30. (TJ/RS - TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA JUDICIÁ-
RIA E ADMINISTRATIVA – FAURGS/2012) Observando-
-se, durante certo período, o trabalho de 24 desenhistas
do Tribunal de Justiça, verificou-se que 16 executaram
desenhos arquitetônicos, 15 prepararam croquis e 3
realizaram outras atividades. O número de desenhistas
que executaram desenho arquitetônico e prepararam
croquis, nesse período, é de
A) 10. 57-19-20+x+19-x+48-19-21+x+x+20-x+21-x+44-20-
B) 11. 21+x+19=120
C) 12. X=120-108
D) 13. X=12
E) 14.
RESPOSTA: “E”.

31
EXERCÍCIOS COMPLEMENTARES

33. (MPE/ES – AGENTE DE APOIO-ADMINISTRATI- 100-x+x+200-x+250=500


VA – VUNESP/2013) No diagrama, observe os conjun- -x=500-550
tos A, B e C, as intersecções entre A e B e entre B e C, e X=50
a quantidade de elementos que pertencem a cada uma
das intersecções. RESPOSTA: “A”.

35. (CREMEGO – AGENTE ADMINISTRATIVO –


QUADRIX/2012) Considere os conjuntos:
A={1,3,5,6,9,11,12} e B={2,6,8,10,13,25}
Quantos são os elementos do conjunto A-B?
A) 6
B) 5
Sabe-se que pertence apenas ao conjunto A o dobro C) 7
do número de elementos que pertencem à intersecção D) 9
entre A e B. Sabe-se que pertence, apenas ao conjunto E) 1
C, o dobro do número de elementos que pertencem à
intersecção entre B e C. Sabe-se que o número de ele- A-B ={1,3,5,9,11,12}
mentos que pertencem apenas ao conjunto B é igual à
metade da soma da quantidade de elementos que per- RESPOSTA: “A”.
tencem à intersecção de A e B, com a quantidade de
elementos da intersecção entre B e C. Dessa maneira, 36. (SECAD/TO – ASSISTENTE ADMINISTRATIVO –
pode-se afirmar corretamente que o número total de AOCP/2012) Em um bairro da cidade, as famílias foram
elementos dos conjuntos A, B e C é igual a entrevistadas. Nesta entrevista, a primeira pergunta era
A) 90. “Sua família possui gatos?” e a segunda era “Sua famí-
B) 108. lia possui cachorros?”. Constatou-se que 218 famílias
C) 126. responderam “sim” na segunda pergunta, 307 respon-
D) 162. deram “não” na primeira pergunta e 74 responderam
E) 180. “sim” em ambas as perguntas. Sabendo que neste bair-
ro 418 famílias foram entrevistadas, quantas famílias
A=2.16=32 possuem apenas gatos?
C=2.20=40 A) 21 famílias.
B=(16+20)/2=18 B) 28 famílias.
A+B+C=32+40+18=90 C) 31 famílias.
90+16+20=126. D) 37 famílias.
E) 43 famílias.
RESPOSTA: “C”.

34. (MPE/AC – ANALISTA ADMINISTRATIVO –


FMP/2013) Dos 500 frequentadores de uma academia
de ginástica, 100 dedicam-se à musculação, 200 à nata-
ção e 250 a outras atividades que não musculação nem
natação. O número de frequentadores da academia que 163 são as pessoas que responderam não para as duas
se dedicam simultaneamente à musculação e à natação perguntas
é X+74+144+163=418
A) 50. X=418-381
B) 100. X=37
C) 200.
D) 250. RESPOSTA: “D”.
E) 300.
37. (IAMSPE – ANALISTA ADMINISTRATIVO – VU-
NESP/2012) O diagrama mostra pessoas que praticam
esteira, sendo seus praticantes homens e mulheres, bi-
cicleta, sendo seus praticantes somente homens e ab-
dominal, sendo seus praticantes somente mulheres.

32
EXERCÍCIOS COMPLEMENTARES

C)

D)

A) apenas 23 pessoas são homens.


B) apenas 31 pessoas são mulheres.
C) 55 pessoas praticam esteira e bicicleta.
D) 42 pessoas fazem esteiras e são mulheres.
E) 88 pessoas fazem esteira.

A-No mínimo tem 32+23=55 homens


B-No mínimo 31 mulheres, sem contar as que fazem E)
apenas esteira
C- 23 pessoas praticam esteira e bicicleta
D-50+23+15=88 pessoas fazem esteira e não da pra
saber quantas são mulheres.

RESPOSTA: “E”.

38. (IAMSPE – ANALISTA ADMINISTRATIVO –


VUNESP/2012) Em uma empresa, quase todos os
contadores(CT) são programadores(PG). Apenas um CT tem que ter intersecção com PG(exclui B e C)
contador não é programador. Alguns publicitários(PB) PB tem que ter intersecção com PG(exclui A)
dessa empresa são programadores, mas não todos. Todos os programadores possuem notebook , ou seja,
Uma enquete realizada nessa empresa apresentou alguns publicitários e contadores têm notebook.
como resultado que todos os programadores possuem
um notebook(NB). RESPOSTA: “E”.
Sendo assim, uma representação possível para essa
situação é: 39. (CPTM – ALMOXARIFE – MAKIYAMA/2013)
A) Considere um conjunto A formado por todos os nú-
meros naturais de 0 a 15, um conjunto B formado por
todos os números pares de 1 a 10 e C um conjunto for-
mado por todos os números naturais de 0 a 12 que são
divisíveis por 3. Sobre esses três conjutos, podemos
corretamente afirmar que:
A) ! ⊂ !!!!! ⊃ ! !
B) ! ∪ ! = 0,6,12 !!!! ⊃ !!
C) !! ∪ ! = 2, 4, 6, 8, 10 !!!! ⊂ !!
D) ! ⊃ !!!!! ⊂ ! !
B) E) ! ∩ ! = 6 !!!! ⊃ !!

A={0, 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9, 10, 11, 12, 13, 14, 15}


B={2, 4, 6, 8, 10}
C={3, 6, 9, 12}

Lembrando que a “abertura” do sinal ⊃ , sempre vai


estar para o conjunto maior.

33
EXERCÍCIOS COMPLEMENTARES

Alternativa A-errada ,pois está falando que o conjunto 42. (INES – TÉCNICO EM CONTABILIDADE – MAG-
A está dentro do B NUS CONCURSOS/2014) Numa biblioteca são lidos
B-símbolo de união coloca todos os números apenas dois livros, K e Z. 80% dos seus frequentadores
C-mesma coisa que a alternativa B leem o livro K e 60% o livro Z. Sabendo-se que todo
D- A ⊃ B, mas A ⊂ C frequentador é leitor de pelo menos um dos livros, a
opção que corresponde ao percentual de frequentado-
RESPOSTA: “E”. res que leem ambos, é representado:
A) 26%
40. (CODESP – AUXILIAR DE ENFERMAGEM – CON- B) 40%
SULPLAN/2012) Sejam os conjuntos A = {2, 4, 6, 7, x, C) 34%
11, 12, 15, 18}, B = {4, 5, 7, 8, 9, 11, y, 14, 15, 16} e C D) 78%
= {4, 6, 9, 10, 11, 12, 13, z, 17}, cujos elementos estão E) 38%
dispostos em ordem crescente. Se a interseção desses 3
conjuntos possui 5 elementos, então a soma de x, y e z é
A)29.
B)40.
C)34.
D)51.
E)36.

A∩B∩C={4,11}
Agora, precisamos descobrir os valores de x,y,z para
saber quais são os outros 3 elementos da interseção 80-x+x+60-x=100
Como os números estão em ordem crescente: -x=100-140
X=9, para poder ser outro elemento da interseção. X=40%
Y=12
Z=15 RESPOSTA: “B”.
A∩B∩C={4,9,11,12,15}
Soma:x+y+z=9+12+15=36
43. (INES – TÉCNICO EM CONTABILIDADE – MAG-
NUS CONCURSOS/2014) Numa recepção, foram servi-
RESPOSTA: “E”.
dos os salgados pastel e casulo. Nessa, estavam presen-
41. (ALMT – EDITOR GRÁFICO – FGV/2013) De um
tes 10 pessoas, das quais 5 comeram pastel, 7 comeram
grupo de 30 jogadores do futebol mato-grossense, 24
casulo e 3 comeram as duas. Quantas pessoas não co-
chutam com a perna direita e 10 chutam com a perna
meram nenhum dos dois salgados?
esquerda.
A) 0
Desse grupo de 30 jogadores, a quantidade daque-
les que chutam somente com a perna esquerda é B) 5
A) 3.  C) 1
B) 4.  D) 3
C) 5.  E) 2
D) 6. 
E) 7.

2+3+4+x=10
X=10-9
X=1

10-x+x+24-x=30 RESPOSTA: “C”.


-x=30-34
X=4 44. (IBGE – ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR – CES-
GRANRIO/2013) Num concurso, cada um dos 520 can-
Esqueda:10-x=10-4=6 didatos inscritos fez uma prova de português e uma de
matemática. Para ser aprovada, o candidato deve ser
RESPOSTA: “D”. aprovado em ambas as provas. O número de candida-

34
EXERCÍCIOS COMPLEMENTARES

tos que foi aprovado em matemática é igual ao triplo 46. (CREFITO/SP – ALMOXARIFE – VUNESP/2012)
do número de candidatos aprovados no concurso, e o Em época de Natal, uma pesquisadora colheu dados de
número de candidatos aprovados em português é igual opinião dos clientes sobre shopping centers, seguindo
ao quádruplo do número de candidatos aprovados em os critérios da tabela seguinte:
nenhuma das duas provas é igual a metada do número
de candidatos aprovados no concurso. Quantos candi-
datos foram aprovados ao todo?
A) 60
B) 80
C) 100
D) 120
E) 130

Um shopping recebeu nota 8 para “estacionamen-


to” e “preços” e nota 7 para os demais critérios. Logo, a
média final atingida por esse shopping foi
A) 7,5.
B) 7,6.
C) 7,7.
3X-X+X+4X-X+X/2=520 D) 7,8.
6,5X=520 E) 7,9.
X=80
RESPOSTA: “B”.
8∙3+8∙2+7∙3+7∙2
45. (SAP/SP - AGENTE DE SEGURANÇA PENITEN- = 7,5
10
CIÁRIA DE CLASSE I – VUNESP/2013) Em uma seção de !
uma empresa com 20 funcionários, a distribuição dos RESPOSTA: “A”.
salários mensais, segundo os cargos que ocupam, é a
seguinte: 47. (SEED/SP – ANALISTA ADMINISTRATIVO – VU-
NESP/2013) Em certo departamento, trabalham ho-
mens e mulheres, sendo que nesse grupo há 10 homens
a mais que o número de mulheres. A média salarial
desse departamento é de R$ 3.800,00. Entretanto, cal-
culando separadamente, verifica-se que a média sala-
rial dos homens é de R$ 4.000,00, enquanto a média
salarial das mulheres é de R$ 3.500,00. O número de
Sabendo-se que o salário médio desses funcioná- homens que trabalham nesse departamento é igual a
rios é de R$ 1.490,00, pode-se concluir que o salário de A) 20.
cada um dos dois gerentes é de B) 40.
A) R$ 2.900,00. C) 30.
B) R$ 4.200,00. D) 25.
C) R$ 2.100,00. E) 15.
D) R$ 1.900,00.
E) R$ 3.400,00. Salário homens: SH
2! + 8 ∙ 1700 + 10 ∙ 1200 Salário mulher:SM
!é!"# = Homens: x+10
20 Mulheres: x

2! + 8 ∙ 1700 + 10 ∙ 1200
1490 =
20

2! + 13600 + 12000 = 29800


2! = 4200
! = 2100
!
Cada um dos gerentes recebem R$ 2100,00
RESPOSTA: “C”.

35
EXERCÍCIOS COMPLEMENTARES

!" X1+x2+x3+x4+x5
= 4000!!!!" = 4000! + 40000 X1+x2=4000
!!!"
X3+x4+x5=12000
!"
! ! = 3500!!!!!" = 3500! x2+x3+x4=9000
!!!!!! + !! + !! + !! + !! = 4000 + 12000 = 16000!
!"!!"
= 3800 Sendo x1 e x5 o menor e o maior salário respectiva-
!!!!!"
mente:
!"!!" !! + 9000 + !! = 16000
= 3800
!!!!" !!! + !! = 16000 − 9000 = 7000
!
7600! + 38000 = !" + !" Então, a média aritmética:
!
! ! !! ! !"""
Substituindo SH e SM: = = 3500
! !
7600x+38000=4000x+40000+3500x !
100x=2000
X=20 RESPOSTA: “A”.
Homens:x+10=20+10=30
50. (PM/SP – SARGENTO CFS – CETRO/2012) Em
RESPOSTA: “C”. um grupo de pessoas, há 5 pessoas com 1,80m de altu-
ra, 6 com 1,70m e 4 com 1,90m. Logo, é correto afirmar
48. (ASSEMBLEIA LEGISLATIVA/PB – ASSESSOR que a média aritmética das alturas desse grupo é, apro-
TÉCNICO LEGISLATIVO – FCC/2013) A média aritmética ximadamente, de
simples entre dois números é igual à metade da soma A) Z1,82m.
desses números. Utilizando essa definição, a média arit- B) 1,73m.
mética simples entre é igual a C) 1,87m.
A) ½ D) 1,79m.
B) 2/9
C) 8/9! 5 ∙ 1,80 + 6 ∙ 1,70 + 4 ∙ 1,90
D) ! ! ≈ 1,79
! 15
E) ! !
( )²!
! RESPOSTA: “D”.

Pela definição: 51. (SEAP – AGENTE DE ESCOLTA E VIGILÂNCIA PE-


NITENCIÁRIA – VUNESP/2013)  Uma pessoa comprou
1 5 3+5 8 quatro cadeiras iguais para sua cozinha, pagando R$
+9 8 4 2
3 = 9 =9= = = ( )² 120,00 por cada uma delas, três cadeiras de praia por
2 2 2 18 9 3 R$ 90,00 cada uma delas e dois banquinhos iguais, de
! madeira. Considerando-se o total de peças compradas,
na média, o preço de uma peça saiu por R$ 94,00. O
RESPOSTA: “D”. preço de cada banquinho era de
A) R$ 44,00.
49. (PC/SP – OFICIAL ADMINISTRATIVO – VU- B) R$ 56,00.
NESP/2014) Em uma empresa com 5 funcionários, a C) R$ 52,00.
soma dos dois menores salários é R$4.000,00, e a soma D) R$ 48,00.
dos três maiores salários é R$12.000,00. Excluindo-se E) R$ 40,00.
o menor e o maior desses cinco salários, a média dos 3
restantes é R$3.000,00, podendo-se concluir que a mé- Total de objetos: 4+3+2=9
dia aritmética entre o menor e o maior desses salários Cadeiras de cozinha: 120 ⋅ 4=480
é igual a Cadeiras de praia: 90 ⋅ 3=270
A) R$3.500,00. Banquinhos : 2x
B) R$3.400,00.
C) R$3.050,00. 480 + 270 + 2!
D) R$2.800,00. = 94
E) R$2.500,00.
9
!

36
EXERCÍCIOS COMPLEMENTARES

2x+750=846 54. (IAMSPE – OFICIAL ADMINISTRATIVO – VU-


2x=96 NESP/2012) A tabela mostra o número de funcionários
x=48 por cargo em certa empresa, com seus respectivos salá-
Cada banquinhos custa R$48,00. rios em janeiro de 2012.

RESPOSTA: “D”.

52. (PREF. PAULISTANA/PI – PROFESSOR DE MATE-


MÁTICA – IMA/2014) Considere o conjunto de dados Se a média de todos esses salários foi, em janeiro de
abaixo, referente ao salário médio dos funcionários de 2012, igual a R$ 2.500,00, pode-se concluir que o valor
uma empresa. de X da tabela é
A) R$ 2.600,00.
B) R$ 2.800,00.
C) R$ 3.000,00.
D) R$ 3.200,00.
E) R$ 3.600,00.
2 ∙ 1200 + 3 ∙ 2200 + 5!
= 2500
10
2400 + 6600 + 5! = 25000
5! = 25000 − 2400 − 6600
!
O valor da Mediana é: X=3200
A) 1240
B) 1500 RESPOSTA: “D”.
C) 1360
D) 1600 55. (COREN/SP – AGENTE ADMINISTRATIVO – VU-
E) 1420 NESP/2013) Um caminhão de entregas estava carre-
gado com 240 caixas de diferentes produtos, sendo a
Colocando na ordem crescente: média aritmética das massas das caixas igual a 10,5 kg.
1100;1200;1210;1250;1300;1420;1450;1500;1600;1980 Após descarregar n caixas, cuja massa total era 560 kg,
A mediana é o número que se encontra no meio. Nesse a média aritmética das massas das caixas restantes no
caso que tem 10 números(par) é a média do 5º e 6º nú- caminhão passou a ser igual a 9,8 kg.
meros: Desse modo, é correto afirmar que
A) n = 44.
1300 + 1420 2720 B) n = 40.
= = 1360 C) n = 35.
2 2 D)!n = 30.
!RESPOSTA: “C”. E) n ==2610,5
53. (BNDES – TÉCNICO ADMINISTRATIVO – CES-
240
GRANRIO/2013) Considere o seguinte conjunto:
{15; 17; 21; 25; 25; 29; 33; 35} ! = 2520!!"
A média, a mediana e a moda desse conjunto de
dados são, respectivamente, 2520-560=1960kg
A) 1, 2 e 3
B) 5, 7 e 9
C) 7, 9 e 5 1960
D) 25, 25 e 25 = 9,8
240 − !
E) 25, 27 e 29
!"!!"!!"!!"!!"!!"!!!!!"
!é!"# = = 25 9,8 240 − ! = 1960
!
!
A mediana é a média entre o 4º e 5º termo: 2352 − 9,8! = 1960
25 + 25 −9,8! = −392
!!!!!"#$%&% = = 25
2 ! = 40
! !
Moda é o número que mais aparece: 25
RESPOSTA: “B”.
RESPOSTA: “D”.

37
EXERCÍCIOS COMPLEMENTARES

56. (UFABC/SP – TRADUTOR E INTÉRPRETE DE LIN-


GUAGENS DE SINAIS – VUNESP/2013) Daniel trabalha
6+3+4+2+!
= 4,4
8 horas por dia, de segunda a sexta-feira, e 10 horas 5
aos sábados. O valor da hora trabalhada aos sábados é
o dobro do valor recebido nos outros dias. Em um de- 15 + ! = 22
terminado mês, Daniel trabalhou 25 dias, sendo que 5
!
dias foram sábados, e recebeu, em média, R$ 26,00 por
hora. O valor da hora trabalhada aos sábados é X=7
A) R$ 32,00.
B) R$ 36,00. 15 + 8
C) R$ 42,00. =!
D) R$ 48,00. 5
E) R$ 52,00.
!5Y=23
Y=4,6
5 sábados: 5.10=50 horas
20 dias de segunda a sexta: 20.8=160 horas RESPOSTA: “B”.

Sendo x o valor da hora trabalhada de dia de semana e (SEFAZ/RJ – ANALISTA DE CONTROLE INTERNO –
2x o valor de sábado(sábado é o dobro do valor recebido CEPERJ/2013) Observe os números relacionados a se-
nos outros dias) guir, e responda às questões de números 58 e 59.
Total de horas: 50+160=210horas
50 ∙ 2! + 160 ∙ !
= 26
210
100! + 160! = 5460
260! = 5460 58. A mediana desses valores vale:
! = 21 A) 6
!Ele recebe R$ 21,00 de segunda a sexta por hora, por- B) 6,5
tanto recebe R$ 42,00 por hora aos sábados. C) 7
D) 7,5
RESPOSTA: “C”. E) 8

57. (SPTRANS – AGENTE DE INFORMAÇÕES – VU- Colocando em ordem crescente:


NESP/2012) A tabela mostra o número de acidentes 3; 4; 6; 7; 7; 8; 8; 8; 9
com motos, em determinada cidade, no decorrer de 5
dias. São 9 elementos, então a mediana é o quinto elemen-
to(9+1/2)
Mediana 7

RESPOSTA: “C”.

59. A moda desses valores vale:


A) 8
B) 7
C) 6
D) 5
E) 4

Na média, o número de acidentes por dia foi 4,4. Se Moda é o elemento que aparece com mais frequência:
tivesse ocorrido mais um acidente na 6.ª feira, a média 8
diária desses 5 dias teria sido de
A) 4,5. RESPOSTA: “A”.
B) 4,6.
C) 4,7.
D) 4,8. 60. (UEM/PR – AGENTE UNIVERSITÁRIO – MOTO-
E) 4,9. RISTA – UEM/2013) A média aritmética simples de três
números é 10 e a média aritmética simples de dois des-
Número de acidentes na sexta: X ses números é 5.

Nessas condições, o terceiro número é igual a

38
EXERCÍCIOS COMPLEMENTARES

A) 10. A) 5.
B) 14. B) 5,4.
C) 15. C) 5,5.
D) 18. D) 6.
E) 20. E) 6,4.

Números: x, y e z 3 + 7 ∙ 2 + 5 ∙ 2 27
(x+y+z)/3 =10 != = = 5,4
5 5
!!! !
=5
! RESPOSTA: “B”.
! X+y=10
63. (FAPESP – ANALISTA ADMINISTRATIVO – VU-
!"!! NESP/2012) A tabela a seguir apresenta o número de
= 10
! usuários internos atendidos por um departamento de
! Z=30-10=20 uma determinada fundação, de segunda a sexta-feira,
da semana anterior.
RESPOSTA: “E”.
61. (SEED/SP – AGENTE DE ORGANIZAÇÃO ESCO-
LAR – VUNESP/2012) A média aritmética entre três nú-
meros inteiros positivos é igual a , e a média aritmética
entre o maior e o menor desses números é igual a . Sen-
do assim, o número intermediário entre os três núme-
ros mencionados é, necessariamente, igual a
A) !"!

B) ! + !"!

C) !!
D) !" − !"!
Com base nas informações da tabela, é possível
E)!+!
! afirmar que o número médio de atendimentos diário,
!! +!!! + !! daqueles dias, foi
A) 120
=!
3 B) 117,5.
!! + !! C) 110.
=! D) 54,5.
2
!! + !! = 2! E) 47.

52 + 47 + 38 + 45 + 53
2! + !! = 47
=! 5
3 !
!! = 3! − 2!
RESPOSTA: “E”.
!
RESPOSTA: “D”.
64. (FAPESP – ANALISTA ADMINISTRATIVO – VU-
62. (UNESP – ASSISTENTE ADMINISTRATIVO – VU- NESP/2012) A nota média 0≤M≤10 de análise dos
NESP/2012) Em uma instituição, a nota final de cada projetos recebidos por uma determinada instituição,
disciplina é composta pela média aritmética ponderada efetuada para fins de financiamento, é calculada pela
de 3 avaliações: A1, A2 e A3. média aritmética ponderada das notas das fases F1, F2 e
F3, pelas quais todos os projetos passam no período de
A avaliação A1 tem peso um e as demais avaliações avaliação. Se a fase F1 tem peso 1, a fase F2, peso 2, e a
têm peso dois, cada uma delas. Um aluno que tirou, em fase F3, peso 3, e todas elas são avaliadas com notas que
determinada disciplina, notas 3, 7 e 5 na A1, A2 e A3, variam de zero a dez, um projeto que teve nota M igual
respectivamente, teve, como nota final, nessa discipli- a 8 e notas 7 e 8,5 nas fases F1 e F2, respectivamente, ele
na, teve a fase F3 avaliada com nota

39
EXERCÍCIOS COMPLEMENTARES

A) 7,5.
B) 8.
C) 8,5.
D) 9.
E) 9,5.
!! . !! ;!!! !! ;!!! !! ;!… ;!!! !! !
!=
!! + ! !! + ! !! + ! … + ! !!

7 + 2 ∙ 8,5 + 3 ∙ !!
=8
6
!
3F3=48-24
F3=8

RESPOSTA: “B”.

65. (PREF. IMARUÍ – AGENTE EDUCADOR – PREF.


IMARUÍ/2014) Certa quantia em dinheiro foi dividida
igualmente entre três pessoas, cada pessoa gastou a
metade do dinheiro que ganhou e 1/3(um terço) do Um estudante determinou os valores desconheci-
restante de cada uma foi colocado em um recipiente to- dos corretamente e para 3x − 1 atribuiu
talizando R$900,00(novecentos reais), qual foi a quan- A) 14
tia dividida inicialmente? B) 12
A) R$900,00 C) 5
B) R$1.800,00 D) 3
C) R$2.700,00 E) 1
D) R$5.400,00
Igualando a 1ª linha com a 3ª
Quantidade a ser dividida:x 15 + 10 + ! − 2 + 6 = 3! − 1 + 11 + 2 + 7
2! = 10
Se 1/3 de cada um foi colocado em um recipiente e !=5
deu R$900,00, quer dizer que cada uma colocou R$300,00.
A pessoa gastou metade, e ficou com metade. 3x-1=14
!
Então foi guardado no recipiente, 1/3 da metade do RESPOSTA: “A”.
que a pessoa tinha.
67. (PGE/BA – ASSISTENTE DE PROCURADORIA
Se a quantia foi dividida em 3 pessoas, ela tem x/3 – FCC/2013) A prefeitura de um município brasileiro
1 1 ! anunciou que 3/5 da verba destinada ao transporte pú-
∙ ∙ = 300 blico seriam aplicados na construção de novas linhas de
3 2 3 metrô. O restante da verba seria igualmente distribuído
entre quatro outras frentes: corredores de ônibus, me-
! = 300.18 = 5400 lhoria das estações de trem, novos terminais de ônibus
! e subsídio a passagens. Se o site da prefeitura informa
que serão gastos R$ 520 milhões com a melhoria das
RESPOSTA: “D”. estações de trem, então o gasto com a construção de
novas linhas de metrô, em reais, será de
66. (SABESP – APRENDIZ – FCC/2012) Um quadra- A) 3,12 bilhões.
do é chamado mágico quando suas casas são preenchi- B) 2,86 bilhões.
das por números cuja soma em cada uma das linhas, C) 2,60 bilhões.
colunas ou diagonais é sempre a mesma. D) 2,34 bilhões.
O quadrado abaixo é mágico. E) 2,08 bilhões.
520 milhões para as melhorias das estações de trem,
como foi distribuído igualmente, corredores de ônibus, no-
vos terminais e subsídio de passagem também receberam
cada um 520 milhões.
Restante da verba foi de 520.4=2080

40
EXERCÍCIOS COMPLEMENTARES

Verba:y 70. (DAE AMERICANAS/SP – ANALISTA ADMINS-


! TRATIVO – SHDIAS/2013) Em uma praça, Graziela es-
!
! + 2080.10! = ! tava conversando com Rodrigo. Graziela perguntou a
!
! − ! = −2080.10! Rodrigo qual era sua idade, e ele respondeu da seguinte
!
forma:
−2! = −10400.10! - 2/5 de minha idade adicionados de 3 anos corres-
! = 5200.10! pondem à metade de minha idade.
!
5200.10! = 3120.10! = 3,12.10!
!
! Qual é a idade de Rodrigo?
RESPOSTA: “A”. A) Rodrigo tem 25 anos.
B) Rodrigo tem 30 anos.
68. (CÂMARA DE SÃO PAULO/SP – TÉCNICO AD- C) Rodrigo tem 35 anos.
MINISTRATIVO – FCC/2014) Um funcionário de uma D) Rodrigo tem 40 anos.
empresa deve executar uma tarefa em 4 semanas. Esse
funcionário executou 3/8 da tarefa na 1a semana. Na Idade de Rodrigo: x
2a semana, ele executou 1/3 do que havia executado na
! !
1a semana. Na 3a e 4a semanas, o funcionário termina ! +3 = !!
a execução da tarefa e verifica que na 3a semana exe- !
! !
cutou o dobro do que havia executado na 4a semana. ! − ! ! = −3
!
Sendo assim, a fração de toda a tarefa que esse funcio-
nário executou na 4ª semana é igual a ! Mmc(2,5)=10
A) 5/16. !!!!!
! !" = −3
B) 1/6.
C) 8/24. 4! − 5! = −30
D)1/ 4. ! = 30
E) 2/5. !
RESPOSTA: “B”.
Tarefa:x
Primeira semana:3/8x 71. (PREF. JUNDIAI/SP – ELETRICISTA – MAKIYA-
1 3 1 MA/2013) Para que a equação (3m-9)x²-7x+6=0 seja
2 semana: ∙ ! = !! uma equação de segundo grau, o valor de m deverá,
3 8 8 necessariamente, ser diferente de:
3 1 4 1 A) 1.
1ª e 2ª semana: ! + ! = ! = !! B) 2.
8 8 8 2 C) 3.
Na 3ª e 4ª semana devem ser feito a outra metade. D) 0.
3ªsemana:2y E) 9.
4ª semana:y 3m-9≠0
! 3m≠9
2! + ! = ! m≠3
!
!
3! = ! !
! RESPOSTA: “C”.
! = !!
! 72. (METRO/SP - AGENTE DE SEGURANÇA METRO-
RESPOSTA: “B”. VIÁRIA I - FCC/2013) Dois amigos foram a uma pizzaria.
69. (CÂMARA DE SÃO PAULO/SP – TÉCNICO AD- O mais velho comeu da pizza que compraram. Ainda
MINISTRATIVO – FCC/2014) Bia tem 10 anos a mais que da mesma pizza o mais novo comeu da quantidade
Luana, que tem 7 anos a menos que Felícia. Qual é a que seu amigo havia comido. Sendo assim, e sabendo
diferença de idades entre Bia e Felícia? que mais nada dessa pizza foi comido, a fração da pizza
A) 3 anos. que restou foi
B) 7 anos. !
C) 5 anos. A) !
D) 10 anos. !
E) 17 anos.
Luana:x B) !!
Bia:x+10 !
Felícia:x+7
Bia-Felícia=x+10-x-7=3 C) !
!
RESPOSTA: “A”. !"

41
EXERCÍCIOS COMPLEMENTARES

!!!"
3! + 4(! + 15) + ! = 197
D) ! !
!"
9! + 12 ! + 15 + ! + 15
= 197
3
E) !"! 9! + 12! + 180 + ! + 15 = 591
!" 22! = 396
! = 18
!"##$: ! ! + 15 18 + 15
á!"#$: = = 11
3 3 3
!"#$!!"#ℎ!: ! !
8 RESPOSTA: “E”.

7 3 21 74. (METRO/SP - AGENTE DE SEGURANÇA METRO-


!"#$!!"#" ∶ ∙ != ! VIÁRIA I - FCC/2013) Hoje, a soma das idades de três
5 8 40
irmãos é 65 anos. Exatamente dez anos antes, a idade
3 21 do mais velho era o dobro da idade do irmão do meio,
!+ !+! =! que por sua vez tinha o dobro da idade do irmão mais
8 40
novo. Daqui a dez anos, a idade do irmão mais velho
3 21 será, em anos, igual a
!=!− !− ! A) 55.
8 40 B) 25.
C) 40.
40! − 15! − 21! 4! 1 D) 50.
!= = = !
40 40 10 E) 35.
!
Irmão mais novo: x
Sobrou 1/10 da pizza. Irmão do meio: 2x
Irmão mais velho:4x
RESPOSTA: “C”. Hoje:
Irmão mais novo: x+10
Irmão do meio: 2x+10
Irmão mais velho:4x+10
73. (METRO/SP - AGENTE DE SEGURANÇA METRO-
VIÁRIA I - FCC/2013) Glauco foi à livraria e comprou 3 x+10+2x+10+4x+10=65
exemplares do livro J. Comprou 4 exemplares do livro 7x=65-30
K, com preço unitário de 15 reais a mais que o preço 7x=35
unitário do livro J. Comprou também um álbum de fo- x=5
tografias que custou a terça parte do preço unitário do hoje:
livro K. Irmão mais novo: x+10=5+10=15
Irmão do meio: 2x+10=10+10=20
Glauco pagou com duas cédulas de 100 reais e re- Irmão mais velho:4x+10=20+10=30
cebeu o troco de 3 reais. Glauco pagou pelo álbum o
valor, em reais, igual a Daqui a dez anos
Irmão mais novo: 15+10=25
A) 33. Irmão do meio: 20+10=30
B) 132. Irmão mais velho: 30+10=40
C) 54.
D) 44. RESPOSTA: “C”.
E) 11.
75. (PREF. NEPOMUCENO/MG – SERVENTE DE
Preço livro J: x OBRAS – CONSULPLAN/2013) Se a soma de dois nú-
Preço do livro K=x+15 meros consecutivos é igual a 101, então a metade do
! + 15 sucessor do maior desses números é
á!"#$: A)23.
3 B)24.
!valor pago:197 reais C)25.
D)26.
E)27.

42
EXERCÍCIOS COMPLEMENTARES

Primeiro número:x Essa quantia seria dividida igualmente entre 3, ou 5, ou


Maior número:x+1 7 funcionários. Se fosse dividida entre 3 funcionários,
cada um deles receberia 4 mil reais a mais do que se a
! + ! + 1 = 101 quantia fosse dividida entre 7 funcionários. A diretoria
2! = 100 da empresa resolveu dividir para 5 funcionários. Sendo
! = 50 assim, a quantia que cada um desses 5 funcionários re-
cebeu é, em reais, igual a
!Maior número:x+1=50+1=51 A) 4.600,00.
Sucessor :52 B) 4.200,00.
52 C) 4.800,00.
= 26 D) 5.200,00.
2 E) 3.900,00.
!RESPOSTA: “D”. Quantia: x
! !
76. (CÂMARA DE CANITAR/SP – RECEPCIONISTA – = + 4000
3 7
INDEC/2013) Qual a equação do 2º grau cujas raízes são !
1 e 3/2? Mmc(3,7)=21
A)x²-3x+4=0
B)-3x²-5x+1=0 7! = 3! + 84000
C)3x²+5x+2=0 4! = 84000
D)2x²-5x+3=0 ! = 21000
Como as raízes foram dadas, para saber qual a equa-
!
ção:
x²-Sx+P=0 A quantia que vai ser dividida é de R$21.000,00
3 5
! =1+ = 21000
2 2 = 4200
3 3 5
! =1∙ = !
2 2
5 3
!! − ! + = 0 RESPOSTA: “B”.
2 2
2! ! − 5! + 3 = 0 79. (TRF 3ª – ANALISTA JUDICIÁRIO-INFORMÁTI-
! CA – FCC/2014) O dinheiro de Antônio é a quarta parte
RESPOSTA: “D”. do de Bianca que, por sua vez, é 80% do dinheiro de
Cláudia. Mexendo apenas no dinheiro de Antônio, um
77. (SABESP/SP – AGENTE DE SANEAMENTO AM- aumento de x% fará com que ele fique com o mesmo
BIENTAL – FCC/2014) Somando-se certo número positi- dinheiro que Cláudia tem.
vo x ao numerador, e subtraindo-se o mesmo número x Nas condições dadas, x é igual a
do denominador da fração 2/3 obtém-se como resulta- A) 500.
do, o número 5. Sendo assim, x é igual a B) 800.
A) 52/25. C) 900.
B) 13/6. D) 400.
C) 7/3. E) 300.
D) 5/2. Cláudia: y
E) 47/23. Bianca:0,8y
2+! !
Antônio: ! 0,8! = 0,2!
=5
3−! 0,2! + 0,2! ∙
!
=!
15 − 5! = 2 + ! !,!!
!""

6! = 13 ! 0,2 + !""
=!
!,!!
13 0,2 + !"" = 1
!=
6 0,2! = 0,8 ∙ 100
! ! = 400
!
RESPOSTA: “B”.
RESPOSTA: “D”.
78. (SABESP – TÉCNICO EM SISTEMAS DE SANEA-
MENTO-QUÍMICA – FCC/2014) Uma empresa resolveu
doar a seus funcionários uma determinada quantia.

43
EXERCÍCIOS COMPLEMENTARES

80. (TRF 3ª – TÉCNICO JUDICIÁRIO – FCC/2014) Um 81. (UFOP/MG – ADMINISTRADOR DE EDIFICIOS


técnico precisava arquivar x processos em seu dia de – UFOP/2013) Um professor, ao corrigir uma prova de
trabalho. Outro técnico precisava arquivar y processos, múltipla escolha com 60 questões, definiu que a cada
diferente de x, em seu dia de trabalho. O primeiro téc- resposta correta o aluno acumularia 5 pontos e perde-
nico arquivou, no período da manhã, 2/3 dos processos ria 1 ponto a cada resposta errada ou questão não res-
que precisava arquivar naquele dia. No período da tar- pondida.
de, esse técnico arquivou 3/8 dos processos que arqui- Quantas questões um aluno que totalizou 210 pon-
vara pela manhã e ainda restaram 14 processos para se- tos acertou?
rem arquivados. O segundo técnico arquivou, no perío- A) 15
do da manhã, 3/5 dos processos que precisava arquivar B) 30
naquele dia. No período da tarde, o segundo técnico C) 45
arquivou 5/18 dos processos que arquivara pela manhã D) 50
e ainda restaram 42 processos para serem arquivados. Acertos: x
Dessa forma, é possível determinar que, o técnico Erros:60-x
que arquivou mais processos no período da tarde su- 5x-(60-x)=210
perou o que o outro arquivou, também no período da 5x-60+x=210
tarde, em um número de processos igual a 6x=270
A) 4. X=45
B) 18.
C) 12. RESPOSTA “C”.
D) 30.
E) 15. 82. (FUNDAÇÃO CASA – AGENTE DE APOIO OPE-
RACIONAL – VUNESP/2013) Para comprar uma bicicle-
Primeiro técnico ta no valor de R$ 240,00, um jovem juntou durante oito
Processos:x meses 1/4 da mesada que recebe de seu pai. No dia em
Manhã:2/3x que iria comprar a bicicleta, sua mãe colaborou com R$
60,00, mas, mesmo assim, ainda lhe faltavam R$ 20,00.
Tarde:2 3 2 1 A mesada que seu pai lhe dá é de
∙ ! = ! = !!
! 3! 8 8 4 A) R$ 68,00.
! + ! + 14 = ! B) R$ 72,00.
! !
C) R$ 76,00.
D) R$ 80,00.
!!!!!!!"#
=! E) R$ 84,00.
!" Mesada: x
1 Durante oito meses ele conseguiu guardar:
11! + 168 = 12! ∙ 8! = 2! !
4
! = 168!!"#$%&&#& 2! + 60 + 20 = 240
! 2! = 160
1
Tarde: ∙ 168 = 42!!"#$%&&#&! !
4 X=80
Segundo técnico Mesada é de R$ 80,00.
Processos:y
Manhã:3/5y RESPOSTA: “D”.

3 5 3 1 83. (FUNDAÇÃO CASA – AGENTE DE APOIO OPE-


Tarde: ∙ != ! = !! RACIONAL – VUNESP/2013) Hoje, a minha idade é o
5 18 18 6 dobro da idade de meu filho e a idade de meu filho é o
!!!!!!!!"#$
=! triplo da idade de meu neto. Se daqui a 6 anos a soma
!" de nossas idades for de 118 anos, eu tenho, a mais do
que o meu neto,
18! + 5! + 1260 = 30! A) 45 anos.
B) 48 anos.
−7! = −1260 C) 50 anos.
! = 180 D) 54 anos.
!
!"#$%: ! ∙ 180 = 30!!"#$%&&#& E) 60 anos.
Neto: x
! Pai: 3x
RESPOSTA: “C”. Vô:6x

44
EXERCÍCIOS COMPLEMENTARES

6 anos 11
x+6+3x+6+6x+6=118 !!
No primeiro e no segundo dia resolveram 15
10x=118-18
10x=100
X=10
11 4
!"#$"%#&!!"#:!1 − = !
15 15
Neto: 10 anos 4
Vô: 60 anos ! = 12
Diferença:60-10=50 anos
15

RESPOSTA: “C”. ! = 45
!
84. (BNDES – TÉCNICO ADMINISTRATIVO – CES-
RESPOSTA: “C”.
GRANRIO/2013) Cem gramas de certo bolo têm 270
kcal. Pedro comeu 20 g de bolo a mais que Vitor e, ao
86. (DPE/SP – AGENTE DE DEFENSORIA PÚBLICA
todo, os dois ingeriram 378 kcal.
– FCC/2013) Carlos e Alberto disputam um jogo, um
Quantos gramas de bolo Pedro comeu?
contra o outro, sendo que a cada jogada o dinheiro
A) 55
que um perde é equivalente ao que o outro ganha. De
B) 60
início, Carlos tem o dobro do dinheiro de Alberto para
C) 75
apostar. Depois de algumas partidas, Carlos perdeu R$
D) 80
400,00 e, nessa nova situação, Alberto passou a ter o
E) 90
dobro do dinheiro de Carlos. No início desse jogo, Car-
los e Alberto tinham, juntos, para apostar um total de
100g------270 kcal
A) R$ 1.200,00.
Xg--------378
B) R$ 1.100,00.
X=140g
C) R$ 1.250,00.
D) R$ 1.150,00.
Pedro e Vitor comeram juntos 140g
E) R$ 1.050,00.
Vitor : x
Pedro: x+20
Carlos: C
X+x+20=140
Alberto: A
2x=120
Início
X=60
C=2A
Depois de algumas partidas
Pedro: x+20=60+20=80g
Carlos perdeu 400: 2A-400
Alberto ganhou esses 400 e ficou com o dobro de Car-
RESPOSTA: “D”.
los
A+400=2(2A-400)
A+400=4A-800
85. (BNDES – TÉCNICO ADMINISTRATIVO – CES-
A+400=4A-800
GRANRIO/2013) Mauro precisava resolver alguns exer-
3A=1200
cícios de Matemática. Ele resolveu 1/5 dos exercícios no
A=400
primeiro dia. No segundo dia, resolveu 2/3 dos exercí-
C=2A=800
cios restantes e, no terceiro dia, os 12 últimos exercí-
A+C=400+800=1200
cios.
Ao todo, quantos exercícios Mauro resolveu?
RESPOSTA: “A”.
A)30
87. (TJ/SP - AUXILIAR DE SAÚDE JUDICIÁRIO - AU-
B)40
XILIAR EM SAÚDE BUCAL – VUNESP/2013) A água do
C)45
mar contém 2,5% da sua massa em sal. Para obtenção
D)75
de 600 gramas de sal a partir de água do mar, são ne-
E)90
cessários x quilogramas de água do mar. Nesse caso x
Exercícios: x
é igual a
1 3 A) 24.
1º dia: != !!
5 15 B) 25.
C) 21.
2º dia: 2 ∙ 4 ! = 8 ! !
D) 14.
3 5 15
E) 18.
3º dia: 12

45
EXERCÍCIOS COMPLEMENTARES

600 gramas=0,6kg
2,5 90. (PM/SP – CABO – CETRO/2012) No bloco A de
∙ ! = 0,6 certo presídio, há o triplo de presos do bloco B e, no
100 bloco C, há a metade de presos do bloco B. Sabendo
60 que o total de presos nos três blocos é igual a 7.506,
!= = 24!!" pode-se concluir que, no bloco A, há
2,5 A) 5.000 presos.
! B) 5.004 presos.
RESPOSTA: “A”. C) 5.018 presos.
D) 5.046 presos.
88. (SAP/SP - AGENTE DE SEGURANÇA PENITEN-
CIÁRIA DE CLASSE I – VUNESP/2013) Em uma papelaria Bloco B: x
há duas máquinas de xerox. Uma é mais nova e mais Bloco A: 3x
rápida do que a outra. A produção da máquina antiga é Bloco C: (1/2)x
igual a1/3 da produção da máquina mais nova. Em uma 1
! + 3! + ! = 7506
semana, as duas máquinas produziram juntas 3 924 fo- 2
lhas xerocadas. Dessa quantidade, o número de folhas
que a máquina mais rápida xerocou é 9! = 15012
!
A) 1 762. Ao invés de dividir por 9 e depois multiplicar por 3 pra
B) 2 943. saber quantos presos tem no bloco A, vamos dividir por 3
C) 1 397. o número 15012.
D) 2 125.
E) 981.
3! = 5004
!
Máquina nova: x RESPOSTA: “B”.
Máquina velha: 1/3x
91. (PM/SP – CABO – CETRO/2012) O valor de x na
1 equação é ! ∙ !!!! + !!!! = !"#!!é
! + ! = 3924 A) 1.
3
3! + ! = 11772 B) 2.
C) 3.
! = 2943 D) 4.
! 3!!! 5 + 3!! = 408
RESPOSTA: “B”. !
3!!! 5 + !" = 408
89. (CREFITO/SP – ALMOXARIFE – VUNESP/2012) 3!!!
!"#
= 408
Em um dia, um auxiliar de escritório computou o re- !"
!"
cebimento de 123 correspondências eletrônicas, todas 3 !!! = 408 ∙ !"#
enviadas do Estado de São Paulo ou do Estado do Rio !!!
de Janeiro. Se foram 15 correspondências a mais do
3 = 81
! . 3 = 81
Estado de São Paulo, o total das do Estado do Rio de 3
Janeiro foi 3! = 27
A) 24. 3! = 3!
B) 39. !=3
C) 54. !
D) 69. RESPOSTA: “C”.
E) 84. RESPOSTA: “B”.

Estado do Rio de Janeiro: x


Estado de São Paulo: x+15

x+x+15=123
2x=108
x=54

RESPOSTA: “C”.

46