Anda di halaman 1dari 26

Usinagem I

PROF. ME. LUCAS ANINGER


GRANDEZAS FÍSICAS NO
PROCESSO DE CORTE
•Movimento relativo entre peça e ferramenta

•NBR 6162 – Movimentos e Relações Geométricas na Usinagem


dos Metais: Terminologia (ABNT, 1989)

USINAGEM I PROF. ME. LUCAS ANINGER 2


Movimentos
Movimentos que causam diretamente a saída do cavaco:
➢Movimento de corte (Vc)
➢Movimento de avanço (Vf)
➢Movimento efetivo (Ve)

USINAGEM I PROF. ME. LUCAS ANINGER 3


Movimentos
Mov. efetivo

Peça

Mov. de avanço

USINAGEM I PROF. ME. LUCAS ANINGER 4


Movimentos

USINAGEM I PROF. ME. LUCAS ANINGER 5


Movimentos

USINAGEM I PROF. ME. LUCAS ANINGER 6


Movimentos
Movimentos que não causam diretamente a saída de cavaco
➢Movimento de aproximação
➢Movimento de ajuste
➢Movimento de correção
➢Movimento de recuo

USINAGEM I PROF. ME. LUCAS ANINGER 7


2.2 Direções dos movimentos
As direções de corte são análogas aos seus respectivos
movimentos:

➢Direção de corte
➢Direção de avanço
➢Direção efetiva
➢Direção de aproximação
➢Direção de ajuste
➢Direção de correção
➢Direção de recuo

USINAGEM I PROF. ME. LUCAS ANINGER 8


Percursos da ferramenta na
peça
•Percurso de corte (Lc)
•Percurso de avanço (Lf)
•Percurso efetivo (Le)

USINAGEM I PROF. ME. LUCAS ANINGER 9


Percursos da ferramenta na
peça

USINAGEM I PROF. ME. LUCAS ANINGER 10


Velocidades
•Velocidade de corte (vc) para processos com movimentos de
rotação

𝜋∙𝑑∙𝑛
𝑣𝑐 = [mm/min]
1000

Onde:
𝑑 = diâmetro da peça ou da ferramenta em mm
𝑛 = número de rotações por minuto (rpm)

USINAGEM I PROF. ME. LUCAS ANINGER 11


Velocidades
•Velocidade de avanço (vf)

𝑣𝑓 = 𝑓 ∙ 𝑛 [mm/min]

Onde:
𝑓 = avanço em mm/rev
𝑛 = número de rotações por minuto

USINAGEM I PROF. ME. LUCAS ANINGER 12


Velocidades
•Velocidade efetiva de corte (ve)

𝑣Ԧ𝑒 = 𝑣Ԧ𝑐 + 𝑣Ԧ𝑓 [mm/min]

Sendo esta equação uma soma vetorial das velocidades.

USINAGEM I PROF. ME. LUCAS ANINGER 13


Velocidades
•A seleção das velocidades de corte e de avanço mais adequadas
depende da operação de usinagem e dos materiais da
ferramenta e da peça.

USINAGEM I PROF. ME. LUCAS ANINGER 14


Tempo de corte
Resume a totalidade dos tempos ativos, aqueles que causam a remoção
do cavaco:

𝑙𝑓
𝑡𝑐 =
𝑉𝑓

USINAGEM I PROF. ME. LUCAS ANINGER 15


Conceitos auxiliares
• Plano de trabalho (Pfe): esse plano passando pelo ponto de
referência, contém as direções de corte e de avanço.
•Neste plano é possível identificar e definir os ângulos da direção de
avanço e da direção efetiva de corte:
➢Ângulo da direção de avanço (𝜑): formado entre a direção de
avanço e a direção de corte.
➢Ângulo da direção efetiva de corte (𝜂): formado entre a direção
efetiva de corte e a direção de corte.

USINAGEM I PROF. ME. LUCAS ANINGER 16


Conceitos auxiliares

USINAGEM I PROF. ME. LUCAS ANINGER 17


Conceitos auxiliares
• As superfícies em usinagem são as geradas na peça pela
ferramenta. Devem-se distinguir a superfície em usinagem
principal e a superfície em usinagem secundária, sendo que a
primeira é gerada pela aresta principal de corte, enquanto a
segunda é gerada pela aresta secundária de corte.

USINAGEM I PROF. ME. LUCAS ANINGER 18


Conceitos auxiliares

USINAGEM I PROF. ME. LUCAS ANINGER 19


Grandezas de corte
• São grandezas a serem ajustadas na máquina.
• O avanço (f) é o percurso de avanço em cada volta (mm/rev) ou
em cada curso da ferramenta (mm/golpe). No caso de
ferramentas que possuem mais de um dente, como a fresa,
distingue-se ainda o avanço por dente (fz), que representa o
percurso de avanço de cada dente medido na direção do
avanço da ferramenta.

𝑓 = 𝑓𝑧 ∙ 𝑧 [mm/min]
Onde:
𝑧 = número de dentes

USINAGEM I PROF. ME. LUCAS ANINGER 20


Grandezas de corte
•O avanço por dente pode ainda ser decomposto no avanço de corte
(fc) e no avanço efetivo de corte (fe).
•O avanço de corte (fc) é a distancia entre duas superfícies
consecutivas em usinagem medida na direção perpendicular à
direção de corte no plano de trabalho.

𝑓𝑐 = 𝑓𝑧 ∙ sin 𝜑 [mm/dente]
•Já o avanço efetivo de corte(fe) representa a distancia entre duas
superfícies consecutivas em usinagem medida na direção
perpendicular à direção efetiva de corte no plano de trabalho.

𝑓𝑒 = 𝑓𝑧 ∙ sin(𝜑 − 𝜂) [mm/dente]
USINAGEM I PROF. ME. LUCAS ANINGER 21
Grandezas de corte

USINAGEM I PROF. ME. LUCAS ANINGER 22


Grandezas de corte
•A profundidade ou largura de usinagem (ap) é a profundidade
ou largura de penetração da ferramenta na peça, medida em
uma direção perpendicular ao plano de trabalho.
•A penetração de trabalho (ae) é a penetração da ferramenta em
relação à peça, medida no plano de trabalho e em uma direção
perpendicular à direção de avanço.
•A penetração de avanço (af) é a grandeza de penetração da
ferramenta medida no plano de trabalho e na direção de
avanço.

USINAGEM I PROF. ME. LUCAS ANINGER 23


Grandezas de corte

𝑇𝑅𝑀 = 𝑣𝑐 ∙ 𝑓𝑐 ∙ 𝑎𝑝

Onde:

𝑇𝑅𝑀 = Taxa de remoção de material (cm3/min)


𝑣𝑐 = velocidade de corte (m/min)
𝑓𝑐 = avanço (mm/rev)
𝑎𝑝 = profundidade de usinagem (mm)
USINAGEM I PROF. ME. LUCAS ANINGER 24
Exemplo
1- Numa operação de torneamento, a rotação da peça é de n = 700rpm
e o avanço f = 0,15mm/volta. O diâmetro da peça usinada é D = 50mm.
Calcule a velocidade de corte, a velocidade de avanço e o tempo de
usinagem para um percurso de avanço de lf = 350mm.

USINAGEM I PROF. ME. LUCAS ANINGER 25


Referência
CHIAVERINI, V. Tecnologia Mecânica II: Processos de fabricação e
tratamento. 2. ed. São Paulo: Editora McGrow-Hill, 1986.

DINIZ, A. Tecnologia da Usinagem dos Materiais. 8. ed. São Paulo:


Editora ArtLiber, 2013.

FERRARESI, D. Fundamentos da Usinagem dos Metais. 1. ed. São Paulo:


Editora Edgard Blücher e EDUSP, 1970.

USINAGEM I PROF. ME. LUCAS ANINGER 26