Anda di halaman 1dari 11

Psicogênese da língua escrita

Emília Ferreiro
Paula Tavares da Cunha Melo

Emilia Ferreiro
• Psicolinguista argentina radicada no
México
• Aluna de doutorado de Piaget
• Continuou estudando um campo não abordado por
Piaget: a escrita
– Desvendou os mecanismos pelos quais as crianças
aprendem a ler e escrever
– Descreve como o aprendiz se apropria dos conceitos e
habilidades de ler e escrever

“Ler não é decifrar, escrever não é copiar.”

Psicogênese da Língua Escrita


1
Questões da psicogênese da escrita
 Quais as formas iniciais do conhecimento da língua?

 Quais os processos de conceitualização do sujeito?

 Como a criança chega a ser um leitor, no sentido das


formas terminais de domínio da base alfabética da
língua escrita?

Psicogênese da língua escrita


• As crianças têm papel ativo no aprendizado
 Existe um sujeito que busca a aquisição de conhecimento,
que se propõe problemas e trata de solucioná-los, segundo
sua própria metodologia.
• Antes de entrar na escola, as crianças já têm ideias e
fazem hipóteses sobre o código escrito .
 o professor deve descobrir quais são elas, para poder
determinar as estratégias para sua alfabetização
 antigamente acreditava-se que as crianças chegavam à escola
sem nenhum conhecimento sobre a leitura e a escrita
• É um processo construtivo
 O desenvolvimento ocorre por reconstruções de
conhecimentos anteriores, dando lugar a novas construções

Psicogênese da Língua Escrita


2
Períodos e Níveis (hipóteses)
• A partir de 3 grandes períodos:
– Saber o que é uma figura e o que não é uma figura
– Quantidade mínima de caracteres e variação deles
– Fonetização da escrita
• O aprendiz formula hipóteses sobre o código
percorrendo 4 níveis, ou hipóteses:
– Pré-silábica
– Silábica
– Silábica-alfabética
– Alfabética

Hipótese pré-silábica: 1º momento


• Características (aquilo que já sabe):
- Escrever e desenhar têm o mesmo significado;
- Não relaciona a escrita com a fala;
- Acredita que coisas grandes têm um nome grande e
coisas pequenas têm um nome pequeno (realismo
nominal);

Psicogênese da Língua Escrita


3
Hipóteses pré-silábica:
1º momento (cont.)
• supõe que para algo poder ser lido precisa ter no mínimo de duas
a quatro grafias, geralmente três ( hipóteses da quantidade
mínima de caracteres)
• supõe que para algo poder ser lido precisa ter grafias variadas
(hipótese da variedade de caracteres)
• Conflitos vividos pela criança nesta etapa:
– Que sinais eu uso para escrever palavras?
– Conhecer o significado dos sinais escritos.
• O que precisa saber:
– Diferenciar o desenho da escrita
– Reconhecer que usamos letras para
escrever
– Identificar e escrever o próprio nome
– Perceber que usamos letras diferentes em diferentes posições.

Hipótese pré-silábica: 2º momento


• Características: (aquilo que já sabe):
– Para escrever, a criança utiliza letras aleatórias (geralmente
presentes em seu próprio nome) e sem quantidade definida
– Não atribui valor sonoro à letra
– Pode usar muitas letras para
escrever e ao ler, aponta uma letra
para cada fonema, ainda que
sobrem letras.

Cavalo é um
animal grande e
formiga é
pequena

Psicogênese da Língua Escrita


4
Hipóteses pré-silábica:
2º momento (cont.)
• Conflitos vividos pela criança nesta etapa:
– A escrita está vinculada à pronúncia das partes da palavra?
– Como ajustar a escrita à fala?
– Qual a quantidade mínima de letras necessárias para
escrever?
• O que precisa saber:
– Atribuir valor sonoro às letras
– Aceitar que não é preciso muitas letras para se escrever,
apenas o necessário para representar a fala.
– Perceber que palavras diferentes são escritas com letras em
ordens diferentes, que costumam não se repetir.

Hipótese pré-silábica: 2º momento

Psicogênese da Língua Escrita


5
Hipótese silábica: sem valor sonoro
• A criança já supõe que a escrita representa a fala
• representa cada sílaba por uma única letra qualquer,
sem relação com os sons que ela representa.
• Uma letra para cada sílaba (para cada vez que abre a
boca - sílaba). Em frases, uma letra para cada palavra
Ex.: GATO poderia ser escrito como EF

Hipóteses silábica: com valor sonoro


• cada sílaba é representada por uma vogal ou consoante
que expressa o seu som correspondente.
• Exemplo: PATO poderia ser escrito como AO (vogais)

Psicogênese da Língua Escrita


6
Hipóteses silábica: com valor sonoro
• Conflitos vividos pela criança nesta etapa:
- A escrita está vincula à pronúncia das partes da palavra?
- Como ajustar a escrita à fala?
- Qual a quantidade mínima de letras necessárias para se
escrever?

• O que precisa saber:


- Atribuir valor sonoro a todas as letras.
- Aceitar que não é preciso muitas letras para se escrever,
apenas o necessário para representar a fala.
- Perceber que palavras diferentes são escritas com letras em
ordens diferentes, que costumam não se repetir.

Hipóteses silábica-alfabética
• Características:
– Inicia a superação da hipótese silábica (a sílaba não é a
unidade)
– Compreende que a escrita representa o som da fala
– Passa a fazer uma leitura termo a termo (não global)
– Consegue combinar vogais e consoantes numa mesma
palavra, numa tentativa de combinar sons.
– Percebe a necessidade de mais de uma letra para a
maioria das sílabas;
– Reconhece o som das letras;
– Atribui o valor do fonema em algumas letras:
cabelo = KBLO

Psicogênese da Língua Escrita


7
Hipótese silábica-alfabética
• período de transição no qual a criança trabalha
simultaneamente com duas hipóteses: a silábica
e a alfabética.
• ora ela escreve atribuindo a cada
sílaba uma letra, ora representando
as unidades sonoras menores, os
fonemas.
– SAPTO

Hipótese silábica-alfabética (cont.)


• Conflitos vividos pela criança nesta etapa:
– Como fazer a escrita dela ser lida por outras pessoas?
– Como separar as palavras na escrita, se isto não acontece
na fala?
– Como adequar a escrita à quantidade mínima de
caracteres?
• O que precisa saber:
– Usar mais de uma letra para representar o fonema,
quando necessário
– Atribuir valor sonoro às letras

Psicogênese da Língua Escrita


8
Hipótese silábica-alfabética (cont.)

Eu comi carne assada

Hipótese alfabética
• Características:
– Compreende a função social da escrita: comunicação
– Conhece o valor sonoro de todas, ou quase todas, as
letras
– Apresenta estabilidade na escrita das palavras
– Compreende que cada letra corresponde aos menores
valores sonoros da sílaba
– Procura adequar a escrita à fala
– Separa as palavras quando escreve frases
– Produz textos de forma convencional

Psicogênese da Língua Escrita


9
Hipótese alfabética (cont.)
• Conflitos vividos pela criança nesta etapa:
– Por que escrevemos de uma forma e falamos de outra?
– Como distinguir letras, sílabas e frases?
– Como aprender as convenções da língua escrita?
• O que precisa saber?
– Questões ortográficas e textuais
• Parágrafo e pontuação
– Usa letra cursiva

Hipótese Alfabética
• a criança já consegue reproduzir adequadamente todos
os fonemas de uma palavra, caracterizando a escrita
convencional que todos nós empregamos.
• Novos problemas:
– Lado quantitativo: uma sílaba pode ter várias letras
• a – pa – pre – plan – ta
– Lado qualitativo: problemas ortográticos
• A identidade do som não garante a identidade das
letras: xadrez - chá
• A identidade das letras não corresponde à
identidade do som: casa - sapo
• Com a prática, estes problemas vão sendo superados.

Psicogênese da Língua Escrita


10
Características dos 4 níveis
Pré-silábica Silábica Silábica-Alfabética Alfabética
Escrever e desenhar têm Já supõe que a escrita Inicia a superação da Compreende o uso social
o mesmo significado representa a fala hipótese silábica da escrita: comunicação
Não relaciona a escrita Para cada fonema usa Compreende que a Conhece o valor sonoro
com a fala uma letra para escrita representa os de todas, ou quase
Caracteriza uma palavra representá-lo sons da fala todas, as letras
com a letra inicial
Não diferencia letras de Pode, ou não, atribuir Percebe a necessidade Apresenta estabilidade
números valor sonoro à letra de mais de uma letra na escrita das palavras
Supõe que a palavra Ao escrever frases, pode para a maioria das Procura adequar a
representa o objeto e usar uma letra para cada sílabas escrita à fala
não seu nome palavra.
Acredita que coisas Atribui os valores do Compreende que cada
grandes tem um nome fonema em algumas letra corresponde aos
grande e coisas letras (KVALO) menores valores sonoras
pequenas tem um nome da sílaba
pequeno
Usa letras do próprio Preocupação com as
nome para escrever tudo questões ortográficas
Não aceita que seja Separa palavras quando
possível ler e escrever escreve frases
com menos de 3 letras

Psicogênese da Língua Escrita


11