Anda di halaman 1dari 47

Curso Técnico em Farmácia

KAUANE OLIVEIRA BISPO DOS REIS

Relatório de Estágio: Farmácia e Drogaria

AMERICANA - SP

2018
KAUANE OLIVEIRA BISPO DOS REIS

Relatório de Estágio: Farmácia de Manipulação e Drogaria

Relatório de estágio obrigatório


apresentado à Faculdade de
Americana, como requisito parcial para
a obtenção do título de Técnico em
Farmácia.

Orientador: Leandro Rodrigues

AMERICANA - SP

2018
AGRADECIMENTOS

A Deus primordialmente por ter guardado, guiado e cuidado de todos os meus passos
perdurante essa jornada, e pelo seu imprescindível amor para com os teus filhos.

À minha família que com grande determinação sempre caminha ao meu lado e me
ensina a tornar relevante e de grande prestígio as novas aprendizagens.

Agradeço ao orientador que por hora dispunha-se de seu tempo para me orientar,
tanto de forma presencial quanto virtualmente.
IDENTIFICAÇÃO

IDENTIFICAÇÃO DO ALUNO

Nome completo: Kauane Oliveira Bispo Dos Reis. R.A: 71700509.

UNIDADE CONCEDENTE

Razão Social: Salves De Oliveira Gonçalles & Cia – LTDA-ME.

Nome fantasia: Drogaria & Manipulação Salves Saúde.

DADOS DA EMPRESA

Endereço: Rua Treze de Maio, 1195 – Vila Naide Lice, Santa Bárbara D’Oeste São
Paulo, 13450-035.

Telefone: (19) 3628-4601.

CNPJ: 12.427.825/0001-76.

Horário de funcionamento: 08:00am às 20:00pm.

Farmacêutico responsável: Rosangela Salves De Oliveira Gonçalles.

Inscrição no conselho: N° 32277.

Data de Início: 20/10/2018

Data de Término: 04/12/2018.

Carga Horária: De Segunda-Feira a Sexta-Feira das 08:00am às 14:00pm (seis

horas diárias – 30 horas por semana).


ASSINATURAS

___________________________________
Assinatura do Estagiário

___________________________________
Assinatura e carimbo do Orientador
Drogaria

___________________________________
Assinatura e carimbo do Orientador
Leandro Rodrigues CRF-SP: 53454
SUMÁRIO

1. INTRODUÇÃO ...................................................................................................... 8
1.1 Farmácia de Manipulação ................................................................................. 9
1.1.1 Leis que regem o estabelecimento de Farmácia .......................................... 10
1.1.2 Serviços prestados ....................................................................................... 11
1.1.3 Estrutura....................................................................................................... 13
1.1.4 Atividades atribuídas ao Técnico em Farmácia .......................................... 167
1.1.5 Receituário ................................................................................................. 178
1.2 Drogaria ......................................................................................................... 199
1.2.1 Leis que regem o estabelecimento de Drogaria ........................................... 21
1.2.2 Serviços Prestados pela Drogaria Salves Saúde ......................................... 23
1.2.3 Estrutura....................................................................................................... 28
1.2.4 Atividades atribuídas ao Técnico em Farmácia ............................................ 34
1.2.5 Receituário ................................................................................................... 35
2. ATIVIDADES DESENVOLVIDAS ....................................................................... 36
2.1 Farmácia de Manipulação ............................................................................... 36
2.2 Drogaria ........................................................................................................... 38
3. CONCLUSÃO ..................................................................................................... 46
4. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ................................................................... 47
RESUMO

A farmácia é um estabelecimento de prestação de serviços farmacêuticos de


interesse público e/ou privado, articulado ao Sistema Único de Saúde (SUS),
destinado a prestar assistência farmacêutica e orientação sanitária individual ou
coletiva, onde é processada a manipulação e a dispensação de produtos e
correlatos com finalidade profilática, curativa, paliativa, estética ou para fins de
diagnóstico. Este relatório tem como objetivo apresentar as atividades de estágio
desenvolvidas na empresa Drogaria e Manipulação Salves Saúde. O estágio se
insere no Técnico em Farmácia como aprofundamento em competências técnicas
e profissionais que objetivam promover o conhecimento científico em dispensação
e organização farmacêutica, e o desenvolvimento na capacidade de gestão,
coordenação e manipulação de medicamentos, salientando as exigências
decorridas pelo Regulamento do Conselho Federal de Farmácia CRF, Lei N° 3.820,
de 1 de Novembro de 1960.

Palavras-chave: Desenvolvimento Técnico; Drogaria & Manipulação;


1. INTRODUÇÃO

As unidades farmacêuticas comunitárias, dado o acesso inteligível e gratuito, é


um espaço indispensável no sistema de saúde sendo a primeira porta de entrada para
serviços que visam proporcionar a saúde e o bem estar do cliente. A administração
de medicamentos é uma das atividades mais sérias e de maior responsabilidade
atualmente. O planejamento de execução e comercialização de medicamentos
abordam desde o conhecimento técnico das vias de administração, aos efeitos
colaterais-indesejáveis, e a supervisão e orientação mediante as enfermidades do
paciente. Sua execução intervê com seriedade na saúde psíquica e física do paciente,
viabilizando ou não, conforto e melhorias. Considerando os termos do decreto n°
20.377/31 que aprova a regulamentação do exercício farmacêutico no Brasil, a
resolução 328/99 Legislação Sanitária Brasileira, administra as boas práticas de
dispensação de medicamentos e insumos no setor, que assegura a garantia e
qualidade dos produtos comercializados em conformidade aos padrões solicitados
pelo registro sanitário do produto. As normas envolvem requisitos fundamentais,
desde as indústrias de fabricação às lojas de comercialização, que vão desde a
estrutura do ambiente e modo de fabricação até os procedimentos de supervisão,
organização, gerência e dispensação. Essa resolução intervém a diminuição de riscos
inerentes à produção e comercialização farmacêutica, compreendendo a importância
crucial da estabilidade e a saúde dos consumidores.

A Assistência Farmacêutica (AF) incorpora um conjunto de ações voltadas ao


paciente, que caracteriza a promoção da utilização dos medicamentos de forma
precisa e consciente. As implementações da RDC (Resolução da Diretoria Colegiada)
344/09 e 344/10 intervém prudência a assistência ao paciente, permitindo o
reconhecimento da população quanto à cautela aos usos medicamentosos e ao
profissional, possibilitando cada vez mais a inserção destes profissionais nas áreas
da saúde.

No que rege o crescimento da atuação dos serviços farmacêuticos, o trabalho


da farmácia com manipulação reforça cada vez mais o papel desses profissionais
como agente de saúde; A manipulação de medicamentos visa proporcionar ao cliente
tratamento igualitário aos tratamentos industriais com custeio acessível, viabilizando
8
tratamentos individualizados e personalizados com alternância em doses ou princípios
ativos.

“A farmácia com manipulação é o único estabelecimento autorizado por lei para


o preparo (aviamento) e comercialização dos medicamentos magistrais”. (GUIA
PROFISSÃO FARMACÊUTICA, 2017).

No que diverge dos medicamentos industrializados, os medicamentos


magistrais são produzidos em laboratórios que garantem a proteção e individualização
dos dados do paciente, a eficácia no tratamento, e a fácil acessibilidade de
comercialização. As boas práticas de Fabricação (RDC n° 17/2010) regulamentam
regras técnicas que asseguram a eficácia e a qualidade da fabricação de
medicamentos (BPL – Boas Práticas de Laboratório), tais como requisitos
circunstanciais.

“O medicamento manipulado está sob cuidado de um rigoroso conjunto de


regulamentações da Agencia Nacional de Vigilância Sanitária – ANVISA, que
coordena o Sistema Nacional de Vigilância Sanitária (SNVS) do Ministério da Saúde
e ao qual estão relacionadas todas as vigilâncias sanitárias dos estados e municípios,
responsáveis pela importante e regular inspeção sanitária (Manual do Consumidor da
Farmácia Magistral, 2010)”. (MESSIAS DANTAS, 2013).

1.1. Farmácia de Manipulação

No passado os medicamentos eram manipulados de acordo com prescrição


médica. Entretanto, no começo do século XX as indústrias farmacêuticas atendiam a
maior produção de medicamentos e a necessidade da população minimizou. Desde
então, porém, as indústrias farmacêuticas deixaram de atender as necessidades dos
pacientes, viabilizando o crescimento dos medicamentos manipulados. Os
laboratórios de manipulação, hoje, intervêm de medicamentos em dosagens únicas,
priorizando as necessidades do paciente. No processo da assistência farmacêutica, o
setor magistral visa proporcionar a população metodologias coerentes e eficazes em
tratamentos, de forma que o custeio monetário seja viável a qualquer classe social.

No setor magistral as formas farmacêuticas são facilmente controladas,


característica excludente das indústrias farmacêuticas que produzem medicamentos
9
de formas padronizadas. Os medicamentos manipulados aplicam a eficácia
terapêutica a classes de pacientes acamados, pacientes terminais ou sob tratamentos
paliativos, drogas descontinuadas, medicamentos em baixas ofertas, tratamentos
isentos de prescrição médica (exemplo: fitoterápicos), enfermidades psíquicas
(exemplo: ansiedade, inquietação, memória descontínua), tratamentos
dermatológicos, populações especiais, entre outros. Além disso, o farmacêutico
atuante da área presta assistência ao paciente no que tange às informações sobre o
tratamento, a posologia, suas necessidades e vias de administração, além dos
acréscimos relacionados às enfermidades. Com a importância da classe terapêutica
magistral, os medicamentos manipulados denotaram grandes avanços tecnológicos
possibilitando ainda mais a inerente importância do setor que vende ao paciente
inovação e eficácia na comercialização dos medicamentos.

1.1.1 Leis que regem o estabelecimento de Farmácia

Licença de Funcionamento: N° CEVS: 354580301-477-000231-1-6 Atividade


econômica-CNAE: 4771-7/02 Comércio Varejista de produtos farmacêuticos,
com manipulação de fórmulas.

Certidão de regularidade, Serviço Público Federal CFF Conselho Federal de


Farmácia: 56865.

Resolução – RDC N° 214, de 12 de Dezembro de 2006: Dispõe sobre as boas


práticas de manipulação em medicamentos para uso humano em farmácia.

Resolução – RDC N° 199, de 17 de Agosto de 2004: Permite às farmácias e


drogarias a afixação dos preços dos medicamentos nos locais internos do
estabelecimento, visíveis ao público geral.

Resolução – RDC N° 140, de 29 de Maio de 2003: Bula de medicamento.

Resolução – RDC N° 33, de 19 de Abril de 2000: Aprova o regulamento


técnico sobre as boas práticas de manipulação de medicamentos em
farmácias.

Resolução – RDC N° 33, de 25 de Fevereiro de 2003: Dispõe sobre o


regulamento técnico para o gerenciamento de resíduos e serviços de saúde.

Resolução – RDC N° 17, de 24 de Fevereiro de 2000: Dispõe sobre o registro


de medicamentos fitoterápicos.

10
Resolução – RDC N° 328, de 22 de Julho de 1999: Dispõe sobre os requisitos
exigidos para a dispensação de produtos de interesse à saúde em farmácias e
drogarias.

Resolução – RDC Nº 338, de 06 de Maio de 2004: Aprova a Política Nacional


de Assistência Farmacêutica.

Resolução – RDC nº 268, de 26 de Setembro de 2003: Aprova as instruções


para utilização da lista das Denominações Comuns Brasileiras (Anexo 1 a) e a
lista das Denominações Comuns Brasileiras - DCB 2003 (Anexo 1 b) para
substâncias farmacêuticas

Portaria N° 344, de 12 de Maio de 1998 Secretaria da Vigilância Nacional:


Controle de medicamentos sujeitos à controle especial (psicotrópicos,
psicotrópicos anorexígenos, antimicrobianos). Manipulação com prescrição
médica e retenção de receita. (Fonte: Centro de informação do CRF, 2015).

1.1.2 Serviços prestados

Na manipulação “Salves Saúde” o objetivo principal interpela a eficácia no


tratamento terapêutico dos pacientes. Os tratamentos se desenvolvem nas seguintes
classes: medicamentos fitoterápicos, medicamentos de utilização livre (com finalidade
dermatológica ou física) e medicamentos sintéticos.

1. Os medicamentos fitoterápicos se intui no tratamento de pacientes que procuram


opções viáveis e não muito degradantes ao organismo, no qual sofrem de
enfermidades psíquicas ou físicas, podendo ser estes das seguintes classes:
Transtornos de ansiedade generalizada; Lapsos de memória; Inquietação psíquica
ou física; Debilidade energética; Lentidão mental, entre outros. As vias de
administração produzidas por medicamentos desta classe são de via oral com
padronização de cápsulas de acordo com as necessidades do paciente.

2 Os tratamentos de utilização livre representam duas classes:

Utilização Dermatológica: Medicamento com via de prescrição médica (ou


não) com a finalidade de tratamento a Coceiras; Alergias; Doenças de pele; Manchas
não agravadas, Rejuvenescimento, entre outros. Os medicamentos desta classe
podem ser produzidos por via de administração oral ou utópica (cremes ou pomadas).

11
Utilização com finalidade física: Os medicamentos com utilização em
finalidades físicas abordam a indução de emagrecimento, a potencialização de
energia, a indução ao apetite ou inibidor a tratamentos de exclusão de alimentos
específicos, tratamentos gastrointestinais, entre outros. Essa classe terapêutica
pertence à via de administração oral com encapsulação padronizada de acordo com
as necessidades do paciente.

3 Os medicamentos sintéticos são produzidos com indução de prescrição


médica, de acordo com determinação de posologia e matéria prima a ser utilizada. As
adequações as necessidades do paciente que faz utilização a longo e contínuo prazo
são também executados, nos quais priorizam a cautela com a saúde do mesmo. Os
medicamentos pertencentes à classe sintética são administrados por via oral.

A manipulação e comercialização dos medicamentos recorrem-se aos


requisitos exigidos pela padronização das boas práticas farmacêuticas (BPF – RDC
n° 17/10), valorizando a eficácia no tratamento ao paciente e promovendo a
assistência farmacêutica, assegurando a responsabilidade dos medicamentos
comercializados.

Medicamentos contidos nas listas B1 e B2 sujeitos a controle especial


(psicotrópicos, psicotrópicos anorexígenos e antimicrobianos) são manipulados
apenas com prescrição médica e retenção de receita, de acordo com as exigências
contidas na resolução portaria N° 344, de 12 de maio de 1998 – Secretaria da
Vigilância Nacional.

3.1.1 Estrutura

As atividades desenvolvidas de manipulação decorrem somente da profissional


farmacêutica e proprietária do estabelecimento, CRF N° 32277.

Certidão de regularidade e funcionamento CFF Conselho Federal de Farmácia,


N° 56865.

Certidão de funcionamento Drogaria e Manipulação, inscrição municipal:


N°30912.

12
A manipulação Salves Saúde exercita suas funções
de segunda a sexta, das 08:00AM às 20:00PM,
valorizando e prestando aos seus fornecedores e
consumidores, assistência via telefone ou e-mail.

A Manipulação Salves Saúde localiza-se no segundo andar da drogaria Salves


Saúde, na rua 13 de maio, N° 1195, ponto de referência com a esquina da rua Capitão
Manoel Caetano. A loja possui duas portas (lado esquerdo e direito), sendo a do lado
direito possuinte de uma pequena escadaria e do lado esquerdo com rampa de
acesso. A porta de acesso ao laboratório de manipulação é de blindex, possuindo ela
uma média escadaria até o presente laboratório. Em frente à escadaria preserva-se a
presença de uma porta para saída de emergência e ao topo da escadaria, ao lado
esquerdo, identifica-se uma alta porta emadeirada de acesso ao laboratório. O
laboratório é composto por 10 salas divididas entre as funções e as manipulações:
Escritório & Banheiro; Laboratório de Hormônios (com antessala para evitar
contaminação cruzada); Laboratório antimicrobiano (com antessala para evitar
contaminação cruzada); Laboratório de sólidos; Laboratório de semissólidos;
Laboratório de Homeopatia; Laboratório de Controle de qualidade; Laboratório de
controle especial; Laboratório de paramentação e a sala de lavagem.

Os corredores superiores, ao lado externo das salas de manipulação e


paramentação, são compostos por um escritório e um banheiro. O escritório possui
uma janela em frente ao jardim do primeiro andar da loja (drogaria) e uma cortina bege
de tamanho médio. Possui uma escrivaninha embutida (emadeirada) para a análise
dos receituários médicos e a efetivação de rotulagem. Tem um computador, um
aparelho de rotulagem, e gavetas que armazenam as fichas de pesagem de
manipulação já efetuadas, rascunhos e receituários médicos, além do controle
efetuado pela farmacêutica responsável. Ao lado direito do computador, identifica-se
uma base de copo com canetas e lápis adequados para a utilização laboratorial.

O banheiro possui revestimento na parede na altura de dois metros, paredes e


pisos laváveis, possui uma lixeira, e uma sala de higienização com pia e seus

13
componentes (sabonete e papel toalha). Iluminação natural, lâmpada LED e
ventilação natural. Na parede central em frente a pia para lavagem de mãos do
banheiro, identifica-se um folheto impresso com os passos exatos da higienização de
mãos.

O laboratório de paramentação localiza-se no corredor da primeira passagem


de acesso aos laboratórios de manipulação e controle. É composto por armários para
guardar materiais e/ou adornos dos manipuladores em função, e uma pia blindex alta
com os materiais para lavagem de mãos (sabonete, álcool e papel toalha), o
procedimento correto para a higienização das mãos estão visivelmente impressos e
postos na parede. Há uma distância de 10 metros, em frente a pia, localizam-se as
paramentações (jaleco) e sapatos adequados para a permanência nos laboratórios de
manipulação. E em 25 metros, após uma porta blindex de entrada ao corredor superior
dos laboratórios de manipulação, denota-se a presença de um armário com a
presença de luvas, toucas, máscaras TNT e jalecos (reservas).

Os laboratórios estão presente ao lado esquerdo e direito dos corredores, onde


possuem portas de blindex com facilidade de acesso e pisos lisos (laváveis). São
compostos por ar-condicionado e aparelhos atualizados (balanças analíticas) sob os
móveis planejados. As vidrarias são devidamente organizadas em diferentes gavetas
e/ou espaços dos armários planejados (emadeirados), nos quais se mantém
afastados de outras vidrarias que não possuem a mesma função. Os laboratórios são
compostos apenas por matérias primas adequadas a cada laboratório em sua
composição e função, e as matérias primas (reagentes ou materiais) são organizados
por ordem alfabética ou numeração para fácil acesso e identificação (em prateleiras
adequadas para tal).

Os recipientes utilizados nos laboratórios de semissólidos ou homeopatas são


devidamente esterilizados (limpos), lacrados e guardados nos armários adequados.
Àqueles que não estão esterilizados ficam desvencilhados (em isolação) nos sacos
plásticos da entrega, até que os devidos procedimentos de higienização possam ser
efetuados e estes possam ser devidamente lacrados e guardados.

A sala de lavagem fica ao final do corredor do lado externo dos laboratórios


utilizados para manipulação, contudo com uma distância afável para o cumprimento

14
das higienizações. No corredor central laboratorial na parede a direita, em frente ao
laboratório de controle especial, localiza-se uma lousa de controle de qualidade
(projeção organizacional, medicamentos em manipulação, materiais utilizados,
necessidades de compras e novos abastecimentos). As salas possuem ventilação
natural, luz LED adequada ao ambiente, e em cada uma delas, no canto superior ao
lado direito acima da arquibancada planejada estão presentes lixo adequado para
descarte de materiais utilizados.

Para a gestão organizacional dos laboratórios, são produzidos os pops


(procedimento operacional padrão), que decorrem das exigências transcritas na Lei
n° 79/09 RDC Resolução da Diretoria Colegiada, e auxiliam na excelência de
padronização da organização farmacêutica. Estes podem ser divididos nas seguintes
classes: ¹Procedimento operacional padrão que proporciona ao manipulador
exigências de manipulação dos medicamentos (instruções). ²Procedimento
operacional padrão que descreve o cotidiano da limpeza das vidrarias e/ou
instrumentos e reagentes utilizados. ³Procedimento operacional padrão que descreve
os termos de higienização que devem estar presentes no laboratório de manipulação.
⁴ Procedimento operacional padrão logístico que visa o pedido de materiais (estoque).

O procedimento operacional padrão que envolve as exigências da manipulação


aborda as seguintes classes:

 Material necessário: Os materiais que são utilizados na manipulação.


 Procedimento: Os procedimentos que serão efetuados no processo de
manipulação, tendo em vista os termos da legislação sanitária (ANVISA) e
as publicações contidas na Farmacopeia Brasileira.
 Ativos Hidrossolúveis: Modo de dispersar os fármacos.
 Ativos Lipossolúveis: Modo de dispensar os fármacos.
 Critérios para manipulação de líquido: (em sua individualidade).
 Critérios para manipulação de géis: (em sua individualidade).
 Critérios para manipulação de emulsões: Mistura entre dois líquidos
Imiscíveis, que exigem cautela na separação (fase dispersa e fase
dispersante).

15
 Critérios para preparação de soluções: Mistura homogênea composta
por um ou mais solutos diferentes dissolvidos.
 Critério para o preparo de xampus.
 Procedimento para aditivação de princípios ativos em
cremes/loções e condicionadores.
 Procedimento para aditivação de princípios ativos em filtros
solares.
 Orientações para a conferência: Orientação para a verificação do
processo de manipulação (receituário, princípios ativos utilizados,
composição final).
 Prazo de validade de Formulações semi sólidas e líquidas: Data de
validade das fórmulas.

O Procedimento Operacional Padrão que envolve a limpeza dos materiais e


dos laboratórios são efetivados juntamente, no qual abordam os processos que devem
ser feitos para que o laboratório e os materiais mantenham-se devidamente
higienizados e seguro para o processo de uso em que sejam evitados contaminações.

O procedimento operacional padrão logístico engloba a compra de material


(reposição) para estoque. Tendo em vista que os materiais não podem faltar ou sobrar,
a gestão farmacêutica exige que o profissional atenha-se quando um princípio ativo
estiver ao fim, e tenha outro em estoque que será brevemente utilizado, contudo esse
mesmo princípio ativo deverá ser pedido antecedentemente (em quantidade
suficiente, na qual não haja desperdício ou sobra) para que passe a ser o estoque.

3.1.2 Atividades atribuídas ao Técnico em Farmácia

Conforme disposto pelo Ministério da Educação


(MEC) – Governo Federal do Brasil, o curso técnico
em farmácia tem como perfil um curso de nível
médio que objetiva capacitar o aluno com
conhecimentos teóricos e práticos nas atividades
respectivas do setor (BRASIL, 2012).

O Técnico em Farmácia é o profissional de saúde que, em supervisão de um


farmacêutico graduado, assume uma posição relevante com competência técnicas

16
no setor. De acordo com o nível de aprendizagem do cargo, o técnico em farmácia,
no setor de manipulação, é capacitado para atuar em exercício das seguintes
funções:

 Manipulação e realização de controle de qualidade de medicamentos e


cosméticos em Farmácias de Manipulação.
 Realizar operações farmacotécnicas.
 Auxiliar nos processos de manipulação das bases Farmacêuticas
(líquidos, sólidos, semissólidos).
 Conferir fórmulas.
 Efetuar manutenção de rotina em equipamentos e utensílios de
laboratórios.
 Controlar estoque.
 Realizar testes de qualidade de matérias primas, equipamentos e
ambiente.
 Realizar procedimentos de separação de doses, segundo modelos de
dispensação utilizados em nível hospitalar.
 Documentar atividades e procedimentos de Manipulação Farmacêutica.

O diploma de um nível Técnico em Farmácia, quando registrado, possui


validade nacional, conforme preconiza a Lei N° 9.394, de 20 de Dezembro de 1996
(BRASIL, 1996).

Contudo, o diploma de Técnico em Farmácia não confere direito a inscrição do


Conselho Federal de Farmácia (CRF) conforme preconiza a Lei N° 3.820, de 11 de
Novembro de 1960 (Brasil, 1996).

3.1.3 Receituário

Na Farmácia de Manipulação Salves Saúde os receituários médicos são


tomados por um dos atendentes (balconistas) já digitalizados, se prescrito pelo
médico. Posteriormente, realiza-se uma anamnese do paciente que identifica o uso
do medicamento pelo paciente (se trata-se de uso continuo ou não), os sintomas, e
as necessidades do paciente (mediante as escolhas de encapsulação). O receituário
17
é digitalizado pelo sistema e impresso com uma ficha de pesagem de cada
componente (matéria prima) que serão utilizados, no qual contam com uma conduta
ética do profissional de identificação de possíveis erros do receituário. Caso esteja em
ausência de possíveis erros, os receituários são carimbados (controle de
dispensação, pagamento e manipulação) e entregues para a farmacêutica de
manipulação (farmacêutica chefe e proprietária do estabelecimento). Caso haja
identificação de dúvidas ou erros a farmacêutica deve entrar em contato com o médico
prescritor. O processo de identificação do medicamento por rotulagem é feito
posteriormente digitalmente (com aparelho específico). Ao final de todo o
procedimento, o receituário médico, a ficha de pesagem e a rotulagem fica com a
farmacêutica responsável no processo de manipulação.

Ao final de todo os procedimentos e cumprimento das devidas exigências, a


farmacêutica analisa novamente a prescrição médica, e verifica a manipulação,
rubrifica as fichas de devolução dos medicamentos manipulados e os identifica com
as devidas etiquetas. O medicamento manipulado é posto em uma embalagem
plástica de segurança e lacrado. A ficha de pesagem é grampeada na embalagem
plástica e o medicamento guardado no setor próprio de manipulação com a
identificação do nome do paciente e o receituário médico. Na entrega do
medicamento, somente o receituário médico e o medicamento manipulado são
devolvidos, a ficha de pesagem fica à mercê da farmácia.

Outrora, se requerido de forma impessoal (pelo telefone) ou pessoal, contudo,


sem a prescrição médica, o atendente efetua uma anamnese mais complexa do
paciente, perguntando-lhe absolutamente todos os seus dados (idade, altura, sexo),
os motivos, evidenciando os riscos, prestando assistência farmacêutica mediante a
imposição do paciente. O requerido é descrito manualmente e enviado para o setor
magistral, onde a farmacêutica retém o receituário e analisa os devidos descritos.
Posteriormente, se houver algum erro, a mesma encarrega-se de corrigir, e se preciso,
entrar em contato com o paciente. O requerido então é digitalizado e impresso uma
ficha de pesagem, que ao ser verificado novamente, é carimbado (controle de
dispensação, pagamento e manipulação) e posteriormente, a identificação da
rotulagem é impressa. A ficha de pesagem e o rótulo do medicamento ficam com a
farmacêutica responsável no processo de manipulação. Ao finalizar todo o

18
procedimento, o receituário com a devida posologia e requerimento é verificado
novamente, e a farmacêutica rubrifica as fichas de devolução do medicamento
manipulado. O medicamento é posto em uma embalagem plástica de segurança, no
qual é lacrado. A ficha de pesagem é grampeada a embalagem plástica, e o
medicamento guardado no setor próprio para manipulações. No processo de entrega
do medicamento ao paciente, a ficha de pesagem fica à mercê da farmacêutica
responsável.

Nota: Os medicamentos manipulados são armazenados por ordem alfabética, de acordo com a inicial do nome do

cliente.

3.2 Drogaria

“A farmácia é um estabelecimento de prestação de serviços


farmacêuticos de interesse público e/ou privado, articulado ao
Sistema Único de Saúde (SUS), destinado a prestar assistência
farmacêutica e orientação sanitária individual ou coletiva, onde é
processada a manipulação e a dispensação de produtos e
correlatos com finalidade profilática, curativa, paliativa, estética ou
para fins de diagnóstico” (CASSYANO J. CORRER & MICHEL F.
OTUKI – A FARMÁCIA COMUNITÁRIA NO BRASIL).

Drogarias são estabelecimentos de assistência à saúde não hospitalares ou


ambulatoriais que atendem à comunidade com drogas ou insumos farmacêuticos
(correlatos) padronizados. No que diverge às farmácias de manipulação, os
medicamentos industrializados são fórmulas laboratoriais desenvolvidas de acordo
com a linha de produção em “alta escala”, ou seja, descartando a individualidade do
medicamento ou insumo de utilização farmacêutica para cada paciente, no qual
demanda a subsistência do controle sanitário dos medicamentos que visam monitorar
a qualidade dos mesmos, desde a elaboração de normas para o registro do
medicamento, até o acompanhamento de sua produção e comercialização.

Tradicionalmente, as drogarias é um componente crucial na prática profissional


onde o farmacêutico interage diretamente com o paciente para compreender e atender
às suas necessidades. O sistema de dispensação farmacêutica engloba a
19
padronização e comercialização dos medicamentos subsistentes e contemporâneos
presentes nas prateleiras, no qual objetivam o tratamento as mais diversas
enfermidades populacionais. Entre as divergentes categorias caracterizam-se os
medicamentos e correlatos as classes terapêuticas, no qual são comercializados para
a população com as seguintes classificações: MIP (Medicamentos isentos de
prescrição) que naturalmente ficam à mercê do paciente; Sujeitos a controle especial
(Medicamentos das classes B1 e B2 Psicotrópicos ou Antimicrobianos) que
essencialmente são comercializados apenas sob prescrição médica; Perfumaria
(Insumos para utilização individual) que são distribuídos organizadamente em
prateleiras pela farmácia para ágil atividade de venda; Outros medicamentos em
situação gerais não pertencentes a uma classe determinada no qual são oferecidos
em divergências; E/ou iguarias, comércio de alimentos da classe light ou sem açúcar
conforme estabelecido pela Resolução N° 5.991/73. O consenso de serviços
farmacêuticos também aborda a assistência de saúde do paciente, no qual priorizam
serviços, como a aferição de pressão, o teste de glicemia e a aplicação de injetáveis.

De acordo com a Resolução CRF Lei N° 9.782/99, os equipamentos utilizados


na área da saúde devem ser previamente registrados ou cadastrados na Agência
Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) para a garantia da qualidade e segurança
da população. No ambiente das farmácias e drogarias, os equipamentos automáticos
para medição de pressão arterial somente são permitidos se atenderem aos requisitos
descritos pela normativa, e se a aferição da pressão arterial for realizada no contexto
do acompanhamento farmacoterapêutico, sob a supervisão de um farmacêutico
responsável. (RDC Resolução da Diretoria Colegiada N° 44/2009). Referente às
aplicações de injetáveis, a Resolução N° 499, prontifica que só devem ser realizados
os exercícios de aplicações de injetáveis mediante a prescrição médica, no qual sejam
exercidos por um profissional da área altamente qualificado. A Agência Nacional de
Vigilância Sanitária assegura as prestações de serviços adicionais como atribuições
conferidas por lei em um conjunto de ações que visem assegurar a assistência
terapêutica integral de modo seguro e responsável, no qual estabelece conexões de
serviços que visam a saúde e conveniência humana. O setor farmacêutico é marcado
pela necessidade de cooperação entre os profissionais de saúde, cuja englobam
segmentos que visam à atuação do farmacêutico no cuidado direto ao paciente, com
promoção à saúde, prevenção de doenças e outras condições;
20
3.2.1 Leis que regem o estabelecimento de Drogaria

Certidão de regularidade, serviço público federal CFF Conselho Federal de


Farmácia: 56865.

Resolução – Lei N° 13.021, de 08 de Agosto de 2014, Dispõe sobre o


exercício e a fiscalização das atividades farmacêuticas.

Resolução – Lei N° 10.669, de 14 de Maio de 2003 (Altera a Lei N° 6.360, de


23 de setembro de 1976), Dispõe sobre a vigilância sanitária a que ficam
sujeitos os medicamentos, as drogas, os insumos farmacêuticos e correlatos,
cosméticos, saneantes e outros produtos.

Resolução – Lei N° 11.343, de 23 de Agosto de 2003, Institui o Sistema


Nacional de Políticas Públicas sobre Drogas - Sisnad; prescreve medidas para
prevenção do uso indevido, atenção e reinserção social de usuários e
dependentes de drogas; estabelece normas para repressão à produção não
autorizada e ao tráfico ilícito de drogas; define crimes e dá outras providências.

Resolução – Lei N° 10.231, de 27 de Março de 2001, Define as normas de


regulação para o setor de medicamentos, institui a Fórmula Paramétrica de
Reajuste de Preços de Medicamentos - FPR, cria a Câmara de Medicamentos
e dá outras providências.

Resolução – Lei N° Lei nº 9.965, de 27 de Abril de 2000, Dispõe a dispensação


ou a venda de medicamentos do grupo terapêutico dos esteroides ou peptídeos
anabolizantes para uso humano estarão restritas à apresentação e retenção
da receita emitida por médico ou dentista.

Resolução – Lei Nº 9.787, de 10 de Fevereiro de 1999 (Altera a Lei nº 6.360,


de 23 de setembro de 1976), Dispõe sobre a vigilância sanitária, estabelece o
medicamento genérico, dispõe sobre a utilização de nomes genéricos em
produtos farmacêuticos e dá outras providências.

Resolução – Lei Nº 8.080, de 19 de Setembro de 1990, Dispõe sobre as


condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização
e o funcionamento dos serviços correspondentes, e dá outras providências.

Resolução – Lei Nº 6.360, de 23 de Setembro de 1976, Dispõe sobre a


vigilância a que ficam sujeitos os medicamentos, as drogas, os insumos
farmacêuticos e correlatos, cosméticos, saneantes e outros produtos.

21
Resolução – Lei N° 5.991, de 17 de Dezembro de 1973, Dispõe sobre o
controle sanitário do comércio de drogas, medicamentos, insumos
farmacêuticos e correlatos, e dá outras providências.

Resolução – Lei N° 9.120, de 26 de Outubro de 1.995 (Altera dispositivos da


Lei Nº 3.820, de 11 de Novembro de 1960), Dispõe sobre a criação do
Conselho Federal e dos Conselhos Regionais de Farmácia.

Resolução – Lei N° 3.820, de 11 de Novembro de 1960, Cria o Conselho


Federal e os Conselhos Regionais de Farmácia, e dá outras Providências.

Resolução Lei N° 13.021, de 08 de agosto de 2014, Dispõe sobre o exercício


e a fiscalização das atividades farmacêuticos, entendendo por assistência
farmacêutica o conjunto de ações e de serviços que visem assegurar a
assistência terapêutica integral e a promoção, proteção e recuperação da
saúde nos estabelecimentos públicos ou privas que desempenhem atividades
farmacêuticas, tendo como o medicamento insumo essencial visando ao seu
acesso e ao seu racional.

(Fonte: Centro de informação Conselho Federal de Farmácia (CRF),


2008).

3.2.2 Serviços Prestados pela Drogaria SALVES SAÚDE

No processo de serviços prestados, a estrutura organizacional farmacêutica


permeia um manejo de organização as suas atividades, no qual objetivam a
regularização de eficiência no setor e predileção pública.

Venda de medicamentos

A dispensa de medicamentos é a principal ação executada pela farmácia,


intente a propiciar ao paciente o bem estar e a qualidade de vida. No ato da
comercialização dos medicamentos, o farmacêutico tem como papel assegurar o
comprometimento com o paciente, viabilizando esclarecimentos e dúvidas sobre os
medicamentos comercializados e advertindo-o sobre a administração dos
medicamentos, interações medicamentosas, efeitos colaterais ou efeitos adversos. A
Assistência Farmacêutica (AF) desempenha a conferência das necessidades do
paciente, dos medicamentos prescritos e se necessário, do contato direto com o
prescritor para esclarecimentos precisos.

22
As transações de medicamentos devem assegurar o compromisso com os
correspondentes descritos pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA),
cujo controle dispõe sobre a comercialização apropriada dos medicamentos e a
qualidade dos mesmos.

Portaria N°344, de 12 de maio de 1998, Dispõe sobre o exercício e a


fiscalização das atividades farmacêuticas no uso de suas atribuições e
considerando a convenção única sobre entorpecentes de 1961 (Decreto N°
52.216/64) Convenção sobre Substâncias Psicotrópicas, de 1971 (Decreto n.º
79.388/77), a Convenção Contra o Tráfico Ilícito de Entorpecentes e
Substâncias Psicotrópicas, de 1988 (Decreto n.º 154/91).

A Agência de Vigilância Sanitária (ANVISA) desempenha o controle da


comercialização de medicamentos com prescrição médica obrigatória, com
obediência as diretrizes exigidas da qualidade dos medicamentos.

Resolução Lei N° 138, de 29 de maio de 2003, regulamenta no uso da


atribuição que lhe confere o art. 11, inciso IV do Regulamento da ANVISA
aprovado pelo Decreto nº 3.029, de 16 de abril de 1999, c/c o art. 111, inciso I,
alínea “b”, § 1º do Regimento Interno aprovado pela Portaria nº 593, de 25 de
agosto de 2000, republicada em 22 de dezembro de 2000, em reunião
realizada em 6 de março de 2003.

A Agência de Vigilância Sanitária (ANVISA) regulamenta sobre a venda livre de


medicamentos isentos de prescrição (MIP), cujo estejam presentes na lista de
publicação do CRF Conselho Federal de Farmácia, com obediência as diretrizes
exigidas da qualidade dos medicamentos.

Perfumaria

A comercialização de cosméticos, produtos de higiene e perfumes para fins


individuais, são controlados pela legislação da Constituição Federal, artigo 197, que
determina ações e serviços de saúde como relevância pública. As transações destas

23
perfumarias numa drogaria são de vendas livres, e que exigem pelo controle sanitário,
a qualidade dos produtos vendidos.

Convênios atendidos pela farmácia

Os convênios atendidos objetivam ferramentas gerenciais que garantem a


beneficiação do acesso dos serviços farmacêuticos aos colaboradores e conveniados,
concedendo auxílio no bem estar destes.

Relação de empresas: Convênios atendidos: Ms Construtora (Vegas). Folha Matic


(Vegas). JCF Metalúrgica (UseCred). Clínica São Lucas (UseCred). Esporte Clube
Barbarense (UseCred). Têxtil Basseto (Vegas). Libera Trânsito (Vegas). Têxtil
Covolan (UseCred). Têxtil Poles (Vegas). Pavan Zanetti (Vegas). Milano (Vegas).
Pague Menos. Tech Fios (Vegas). Têxtil Panamericano (Vegas). Aviação Clewis
LTDA. W e MED (UseCred). Vegas Saúde.

Atenção Farmacêutica

A assistência farmacêutica (AF) é um conjunto de ações que integram à


promoção de saúde, proteção, segurança e uso racional de medicamentos. A prática
profissional dessa ação obedece a uma sequência de passos conhecidos como
métodos clínicos, que por intermédio da anamnese farmacêutica viabiliza a
identificação de problemas, implantação de um plano de cuidados e seguimento do
paciente de modo seguro no tratamento.

A assistência farmacêutica (AF) é um modelo que abrange os seguintes itens:

 A consulta com o farmacêutico.


 Verificação do tratamento medicamentoso em requerimento.
 Checagem de problemas e promoção de solução (Obedecendo a
prescrição médica ou viabilizando medicamentos isentos de prescrição
MIP).

As atividades da assistência farmacêutica asseguram a qualidade no processo


da utilização de medicamentos, viabilizando ao paciente acompanhamento no

24
tratamento, instruções mediante ao uso e vias de administração (efeitos adversos ou
colaterais), e intervenção no tratamento (quando necessário).

Administração de medicamentos:

A administração de medicamentos é uma responsabilidade de conhecimento


do exercício farmacêutico. Os aspectos das vias de administração englobam a
interpretação do plano terapêutico estabelecido e a orientação e supervisão do
paciente.

“Os cuidados na administração dos medicamentos, se relacionam à assistência


individualizada preconizada pela metodologia assistencial de maneira a satisfazer as
exigências de se prestar uma assistência integrada e segura. Desta forma
embasamos os princípios gerais de administração de medicamentos em aspectos
éticos e de postura profissional, científicos e iatrogênicos” Artigo: Princípios gerais
de administração de medicamentos e ações da enfermagem.

Na drogaria estão presentes os medicamentos de: ¹Via oral: Cápsulas e


comprimidos sublinguais, xarope adulto e infantil, edulito (xarope sem açúcar), sais de
fruta e medicamentos que se dissolvem na água.

²Via parenteral: Aplicação de injetáveis via intramuscular.

³Via inalatória: Medicamentos de venda para uso de disfunção respiratória.

4Outras vias – Dérmica: Cosméticos, pomadadas, cremes, entre outros.

Monitoramento de pressão arterial

A monitoração da pressão arterial tem como objetivo monitorar prevalências


populacionais e identificar fatores de riscos associados à hipertensão/hipotensão
arterial. No serviço prestado em função da aferição da pressão arterial se utiliza um
esfigmomanometro, onde o profissional em exercício deve assegurar ao cliente que o
resultado obtido é certeiro. Em prós de tal requerimento, o farmacêutico em função
efetua a aferição somente após ter realizado uma anamnese no cliente e ter se
certificado de que o mesmo se encontra num estado calmo. Informações como a
25
utilização de medicamentos e/ou dias agitados também devem ser considerados de
relevância. O paciente precisa ter compreensão de que resultados que oscilam não
são subsequentes somente de hipertensão ou hipotensão arterial, mas também da
forma habitual na qual vive.

A drogaria disponibiliza aos clientes um cartãozinho para registro de


monitoramento da pressão arterial. Em clientes frequentes e/ou com problemas de
hipertensão/hipotensão arterial o recomendado é validar o monitoramento da pressão
arterial uma vez por semana ou a cada quinze dias. No entanto a recomendação se
torna supressiva se houver, sob a vida do paciente, controle médico, no qual deverá
ser primordialmente respeitado.

Monitoramento da glicemia no sangue

O teste de glicemia capilar são executados com o intuito de identificar a alta


glicemia no sangue. Para o teste de glicemia capilar é utilizado um monitor glicêmico
que deve conter uma agulhinha para perfurar o dedo e uma fitinha de apoio. Os testes
de glicemia são efetuados na sala de aplicação de injetáveis.

A princípio o profissional em função deve efetivar a higienização das mãos,


subsequente o monitor glicêmico é preparado e o profissional insere a agulhinha na
ponta do dedo escolhido (preferencialmente onde haja maior número de vasos
sanguíneos). É utilizado como apoio a fitinha para recolhimento do sangue presente
na ponta do dedo e essa fitinha é inserida no monitor glicêmico que indica ou não, a
glicemia no sangue.

Aplicação de Injetáveis

A administração da aplicação de injetáveis é um dos exercícios farmacêuticos


de maiores exigências à cautela. O procedimento mal executado pode ser conduzido
a complicações severas no local de aplicação.

Em função do requerido pelo procedimento, na drogaria Salves Saúde, são


realizados a aplicação de injetáveis somente por funcionários que possuem a
capacitação comprovada pela farmacêutica chefe. A administração da aplicação se
26
limita à via de administração intramuscular e a prescrição médica (obrigatoriamente)
como exigido pela Resolução da Diretoria Colegiada Lei N° 44, de 17 de agosto de
2009.

Farmácia Popular

O programa Farmácia Popular objetiva distribuir medicamentos à uma


população de baixa renda. Adotado pelo Governo Federal Brasileiro em 2004, o
programa oferece um total de 25 produtos disponíveis, sendo 14 deles integralmente
gratuitos. São compostos por medicamentos para tratamentos de Hipertensão Arterial;
Diabetes; Colesterol; Asma; e anticoncepcionais. Os produtos que ao final precisam
ser pagos contam somente com uma taxa de 20% à 5% do preço ao todo do
medicamento.

>

SERVIÇOS PRESTADOS PELA DROGARIA


PORCENTUAL DE ATIVIDADES
100.00%
90.00%
80.00%
70.00%
60.00%
50.00%
40%
40.00%
30.00% 25%

20.00% 15%
10%
10.00% 5% 5%

0.00%
Medicamentos Farmácia Insumos Monitoramento Monitoramento Aplicação de
Popular Farmacêuticos de Pressão de Glicemia no Injetáveis
& Correlatos Arterial Sangue

Imagem 1: Porcentual de atribuições exercidas habitualmente pela drogaria – Relevante à frequência


das atividades no dia-a-dia da farmácia.

27
3.2.3 Estrutura

As atividades desenvolvidas no âmbito da drogaria são compostas por quatro


profissionais em exercício. ¹ Farmacêutica chefe e proprietária do estabelecimento. ²
Funcionário responsável pela administração e controle financeiro. ³ Dois balconistas.

Certidão de regularidade e funcionamento CFF Conselho Federal de Farmácia,


N° 56865.

A drogaria Salves Saúde exercita suas funções de segunda a sexta, das


08:00AM às 20:00PM, valorizando e prestando aos seus fornecedores e
consumidores, assistência via telefone ou e-mail.

A Drogaria Salves Saúde localiza-se na Rua 13 de maio, N° 1195, ponto de


referência com a esquina da Rua Capitão Manoel Caetano. A loja possui duas
portas (lado esquerdo e direito), sendo a do lado direito possuinte de uma pequena
escadaria e do lado esquerdo com rampa de acesso, as portas são de blindex,
totalizando uma área de 75,32 m². A estrutura física da loja possui pisos laváveis,
teto decorado com luzes “olhos de gatos” nos cantos inferiores, e luzes LED que
iluminam toda a drogaria. Ao lado direito da drogaria localiza-se o balcão para
venda de medicamentos de tarja vermelha e/ou com controle de prescrição médica.
O balcão da farmácia responsável pela venda instruída toma uma parte do lado
esquerdo da loja à parte ao lado direito; são inteiramente brancos, com exterior
com pequenas vitrines, onde são expostos alguns materiais a olho nu dos clientes.
Ao lado interior no canto direto do balcão, estão presentes algumas gavetas de uso
pessoal dos balconistas, organização financeira, organização de notas, e
organização do monetário recebido pelas vendas. O balcão possui três
computadores, sendo estes, dois ao lado esquerdos e um ao lado direito, cadernos
para anotações, canetas devidamente organizadas.

Longe do alcance dos olhos dos clientes, na parte inferior (a baixo do


computador do lado direito), está presente o scanner para utilização de
medicamentos prescritos em receituários da Farmácia Popular. Ali também são
guardados em uma caixa específica notas ficais não requeridas pelos clientes. Ao
lado do computador direito, visualiza-se a impressora de notas fiscais das vendas

28
feitas. E ao lado esquerdo do segundo computador, está presente a máquina onde
são realizadas as compras com cartões de crédito. A vitrine ao lado inferior
esquerdo compõe-se de vendas de produtos em controle, como esfigmomanômetro
digital ou manual, tiras para testes de glicemia, controle para batimentos cardíacos
em função de exercício físicos, entre outros. Na vitrine ao lado esquerdo, ao canto
superior estão expostos alguns medicamentos cartelados (de venda fracionada) e
seringas, e ao lado inferior estão expostos produtos de utilização dermatológica
(dermocosméticos). Ao lado externo do balcão se dispõe três gôndolas e
prateleiras, na parte superior destes estão localizados os medicamentos isentos de
prescrição médica em caixas ou fracionados, ao lado direito estão localizados a
venda de alimentos light, conforme o decreto pela RDC – N° 44/2009 – ANVISA.

Na parte interior do balcão existem quatros prateleiras de organizações


medicamentosas. Na prateleira localizada no canto direito existem duas divisões,
sendo o lado do canto esquerdo organizados os medicamentos similares por ordem
de sintomas (enfermidades), e ao lado no canto direito, medicamentos contidos
pela farmácia popular. Na prateleira ao fundo da prateleira central, são organizados
os medicamentos patenteados por ordem alfabética. Na prateleira ao lado
esquerdo são organizados os medicamentos em gotas por ordem alfabética. Os
medicamentos são armazenados de acordo com a logística de importância da
drogaria; Todos os dias a farmacêutica chefe realiza pedidos dos medicamentos
com maior venda do dia, e esses pedidos costumam chegar ao longo da semana.
Os medicamentos não armazenados (em estoque) são organizados em caixas na
última prateleira de cima. Essas caixas são identificadas com a numeração de
quantia de medicamentos armazenados nela, e qual é a linha do medicamento ali
presente.

No canto superior esquerdo ao lado interno do balcão encontra-se o banheiro


para utilização de funcionários. O banheiro contém uma sala de lavagem de mãos
contidos nesta, papel toalha, sabonete líquido e uma lixeira para lixos comuns. Em
frente a pia, observa-se o passo-a-passo da lavagem de mãos impressos, e ao lado
esquerdo da porta, observa-se impresso o procedimento operacional padrão de
limpeza do ambiente. O banheiro e a sala de lavagem de mãos possuem
revestimento na parede na altura de dois metros, paredes e pisos laváveis, medidas
que facilitam a entrada de cadeirantes e outros deficientes físicos. O ambiente
29
possui iluminação natural, lâmpadas LED, janelas com adequação ao ambiente e
ventilação natural.

No canto inferior ao lado interno direito do balcão encontra-se uma porta


blindex que possui a passagem para o jardim da loja e a segunda porta (do lado
direito) se encontra a passagem para o escritório. No canto superior ao lado interno
direito do balcão encontra-se uma porta alta de madeira, onde estão presentes a
sala de injetáveis, o escritório, a sala onde fica o armário para controle de
medicamentos psicotrópicos e/ou sujeitos a controle especial, e a sala de
organização de armazenamento de materiais de limpeza, medicamentos vencidos
e/ou coleta de lixos não comuns.

¹ A sala de injetáveis (ao lado esquerdo) possui revestimento na parede na


altura de dois metros, paredes e pisos laváveis, pia com gabinete e torneira de
alavanca, papel toalha, sabonete líquido, álcool em gel setenta, e ao canto inferior
lixo descarpack para materiais perfuro cortantes. Ao canto inferior da sala, ao chão,
encontram-se lixos com pedais, sendo estes a lixeira para lixo comum e lixo
contaminante. Nas pias estão presentes algumas gavetas de organização dos
materiais e materiais que identificam o teste de glicemia. Na parte superior da
parede estão presentes impressos o passo-a-passo da aplicação de injetáveis, as
formas de limpeza, e o certificado de cursos para capacitação em injetáveis.

² O armário de controle de medicamentos controlados fica presente no


corredor superior da sala de injetáveis. O armário possui uma alta porta de madeira
revestida com formica de fácil limpeza e secagem, e segue a legislação vigente
descrito de acordo com a Resolução da Diretoria Colegiada – Portaria N° 344/98.
Os medicamentos são organizados por ordem alfabética.

³ No canto ao lado direito do corredor superior localiza-se uma porta de


madeira de entrada a sala para o depósito de materiais de limpeza. Os materiais
de limpeza são organizados ao lado esquerdo. Ao lado direito estão em
organização recipientes (com sacolinhas brancas) de identificação para coleta de
lixos. Em meio à salinha estão localizados, acima de um apoio de madeira, alguns
medicamentos com prazo de validade excedido. Esses medicamentos seguem os
padrões impostos pela Resolução da Diretoria Colegiada – N° 17/2010, no qual não
é permitido o contato dos medicamentos com o chão. O exercício da coleta de lixos
30
e dos medicamentos com prazos excedidos são efetuados uma vez por mês por
uma empresa em específico (não identificada) contratada pela empresa
concedente Salves Saúde.

₄ No corredor a frente da sala de injetáveis, encontra-se a sala de


administração. A sala possui um monitor de câmeras para visualização superior da
loja, e uma longa mesa de madeira com gavetas. Em cima da mesa estão presentes
os materiais de utilização organizacional administrativo (computador, monitor, entre
outros) e em frente à mesa encontra-se presente uma cadeira para conforto do
administrador. No canto esquerdo da sala de administração encontra-se uma alta
porta blindex que possui passagem para o jardim da loja, após o jardim da loja
estão presentes, a área para armazenagem de lixo geral e reciclável, a garagem
(aos fundos) e ao lado esquerdo encontra-se uma alta porta onde está presente o
refeitório (em ausência de uso). O refeitório possui ventilação, luzes, e uma sala de
lavagem de mãos, e um banheiro para uso de possíveis funcionários. Nas paredes
ao teto do refeitório estão presentes duas câmeras.

Na loja central (drogaria) estão presentes gôndolas de armazenamento de


insumos farmacêuticos e correlatos. Essas gôndolas caracterizam-se em: ¹Higiene
Bucal. ²Higiene Pessoal. ³Acessórios. 4Hidratantes. 5Desodorantes. E 6Linhas
Femininas. Ao lado superior direito externo da bancada observa-se uma alta
prateleira com organização de correlatos divididos sob duas categorias: ¹Utilização
Feminina (maquiagens, esmaltes, entre outros). E ² Utilização público geral
(Preventivos, entre outros). Ao lado inferior esquerdo externo da bancada
presencia-se uma alta prateleira de uso infantil (chupetas, mamadeiras, entre
outros). Em frente à prateleira presencia-se uma bancada (salinha) para
armazenamento de medicamentos manipulados. Dentro dessa salinha presencia-
se uma estante emadeirada planejada com organização em quadradinhos com
divisões por ordem alfabética. Em frente à estante, visualiza-se uma longa mesa
para escritório emadeirado, com a organização para usos administrativos
(computador, impressora, scanner, entre outros) e algumas gavetas para o controle
de armazenamento dos medicamentos. Entre a alta prateleira para uso infantil e a
sala para armazenamento de manipulados encontra-se uma alta porta emadeirada
onde presencia-se uma salinha para lavagem de mãos, com sabonete líquidos e
papel toalha (uso do cliente), e ao lado esquerdo um banheiro com porta blindex.
31
Ao lado direito presencia-se a porta blindex de passagem ao laboratório de
manipulação.

Ao lado esquerdo da porta superior de entrada para a drogaria presencia-se


a sala de aferição de pressão, que possui uma cadeira para conforto do paciente,
apoio para o braço e em frente uma balança digital para cortesia dos clientes. As
portas de entrada da loja possuem tapetes, e aos cantos do teto da loja estão
presentes as câmeras. O ar condicionado se localiza ao lado esquerdo do teto. A
loja possui dois extintores conforme o decreto N° 56.819/10, de março de 2011,
sendo um de 10lts de água e outro de 4kg de pó químico. Tem em disponibilidade
uma área adequada para recebimento de mercadorias com localização ao contato
inferior esquerdo da parte interna da bancada, os medicamentos possuem o pallet
para armazenamento que impeçam o contato direto com o chão. Todas as
instalações da drogaria são feitas de alvenaria, possuem superfície lisas e
impermeáveis resistentes aos agentes sanitizantes e de fácil lavagem (piso,
paredes e teto).

Medicamentos Termo lábeis

Os medicamentos sensíveis à ação de temperatura são armazenados no


refrigerador que se encontra ao lado esquerdo, próximo ao balcão e as prateleiras
de organização dos medicamentos genéricos e pertencentes a farmácia popular.
Ao lado desse refrigerador se presencia um filtro de água e a porta blindex de
passagem ao jardim.

O refrigerador se mantém sob a temperatura +2°C e -8°C, conforme o


decretado pela ANVISA Lei N° 13.097, de 19 de janeiro de 2015, artigo 117. Os
medicamentos presentes no refrigerador são de insulina de origem humana NPH e
Insulina de origem animal.

Temperatura Ambiente

Em meio a prateleira de organização dos medicamentos genéricos e pertencentes


a farmácia hospitalar se encontra o Termo Higrômetro Digital (Termômetro e
Higrômetro) para controle de umidade e temperatura do ambiente. O termômetro
não deve exceder a temperatura de 30°C do ambiente.
32
Procedimento Operacional Padrão

O procedimento operacional padrão numa drogaria englobam diretrizes de


segmentos para a organização do vigente do ambiente. Esse procedimento
operacional padrão é divido nas seguintes categorias:

 Estrutura física e instalações.


 Teto piso e paredes.
 Equipamentos, utensílios e acessórios.
 Limpeza do ambiente.
 Sanitização e controle integrado de pragas.
 Estrutura organizacional do ambiente.
 Armazenamento e conservação dos medicamentos.
 Dispensação de medicamentos sujeitos à controle especial.
 Manejo, segregação e acondicionamento de resíduos para destinação.

O procedimento operacional padrão logístico engloba a compra de materiais


(reposição) para estoque. Tendo em vista que os materiais não podem faltar ou sobrar,
a gestão farmacêutica exige que o profissional atenha-se quando um medicamento,
insumo farmacêutico ou correlato, estiver ao fim, e tenha outro em estoque que será
brevemente utilizado, contudo, esse medicamento, insumo farmacêutico ou correlato,
deverá ser pedido antecedentemente (em quantidade suficiente, na qual não haja
desperdício ou sobra) para que passe a ser o estoque.

Outrora, os funcionários devem ater-se tencionados aos produtos em


prateleiras, de forma que não haja a comercialização de produtos com data de
validade excedida.

O presente estágio foi realizado como componente obrigatório do curso técnico


em farmácia com considerações pautadas na lei 11.788 de 25 de setembro de 2008.
O estágio supervisionado abrange conhecimentos legislativos, administrativos e
logístico da organização e comercialização de medicamentos, sendo estes das
seguintes classes: ¹ Fármacos sujeitos à controle especial (psicotrópicos e
antimicrobianos). ² MIP (medicamentos isentos de prescrição). E ³ Medicamentos
magistrais (medicamentos padronizados).
33
3.2.4 Atividades atribuídas ao Técnico em Farmácia

Conforme disposto pelo Ministério da Educação


(MEC) – Governo Federal do Brasil, o curso técnico
em farmácia tem como perfil um curso de nível
médio que objetiva capacitar o aluno com
conhecimentos teóricos e práticos nas atividades
respectivas do setor, bem como o recebimento de
medicamento, a tria, o armazenamento e a
dispensação dos medicamentos. Lei Federal CRF
N° 5.991/1973.

O técnico em farmácia é o profissional de saúde que, em supervisão de um


farmacêutico graduado, assume uma posição relevante com competência técnicas
no setor. De acordo com o nível de aprendizagem do cargo, o técnico em farmácia,
no setor da dispensação, é capacitado para atuar em exercício das seguintes
funções:

 Auxílio no fornecimento de medicamentos em farmácias e drogarias.


 Auxílio na orientação de uso racional de medicamentos em farmácia
e drogarias.
 Auxílio no fornecimento de medicamentos e outros produtos para
saúde em unidades de dispensação do SUS.
 Auxílio no fornecimento de medicamentos e produtos para saúde em
hospitais e clínicas.
 Auxílio no controle de estoque de medicamentos, cosméticos,
insumos e correlatos.
 Auxílio na realização de ações de promoção de saúde no segmento
farmacêutico.

O diploma de um nível técnico em farmácia, quando registrado, possui validade


nacional, conforme preconiza a Lei N° 9.394, de 20 de Dezembro de 1996 (BRASIL,
1996).
Contudo, o diploma de técnico em farmácia não confere direito a inscrição do
Conselho Federal de Farmácia (CRF) conforme preconiza a Lei N° 3.820, de 11 de
Novembro de 1960 (Brasil, 1996).
34
3.2.5 Receituário

A prescrição médica é um documento recorrente das atividades medicinais que


objetiva notificar o caminho terapêutico a ser adotado pelo paciente e o medicamento
de utilização para o tratamento do mesmo. No território Nacional Brasileiro as normas
estabelecidas determinam que o receituário médico deve ser prescrito à tinta, com
letra de forma, de maneira clara e por extenso. As informações contidas devem
apresentar: ¹Cabeçalho; ²Informação do paciente; ³Nome do medicamento;
4Dosagem; 5Orientações de administração do medicamento; 6Data, 7assinatura e
8número do Registro Profissional – CRM. Em conjectura, o manual de orientações
básicas para prescrição médica 2° Edição do CRF Conselho Federal de Farmácia,
conceitua a utilização distinta de receituários médicos em tratamentos terapêuticos
que visam assegurar o controle e a eficiência na dispensação farmacêutica.

Imagem 2: Controle da utilização de receituários médicos na dispensação farmacêutica – ANVISA


Agência de Vigilância Sanitária – Portaria N° 344/98; RDC Lei N° 58/2007.

35
2. ATIVIDADES DESENVOLVIDAS

2.1 - Farmácia de Manipulação

A atividade atribuída ao técnico em farmácia objetivou a compreensão em


função da manipulação medicamentosa com identificação das exigências requeridas
para tal.

Fórmula Farmacêutica & Quantidade: (Não Identificado), 1.

As atividades exercidas pelo técnico contaram com o auxílio deste na encapsulação


da fórmula.

Inicialmente, foi abordado o processo de retenção de receita e/ou fórmula


requerido pelo paciente, ressaltando que, os detalhes descritos e as atribuições dos
dados pessoais do paciente, são inerentes para a manipulação do medicamento.
Posteriormente, os dados e o requerido foram analisados cautelosamente e
identificados, no qual foram realizadas as etiquetas de identificação (digitalmente), no
qual deverá ser colada no recipiente escolhido. A gestão organizacional das matérias
primas dos medicamentos são efetuados pessoalmente pela farmacêutica chefe, na
qual mantém uma base de identificação das matérias primas de forma precisa. O
desenvolvimento técnico abordou práticas organizacionais costumeiras com
instruções mediante a separação antecipada das matérias primas e vidrarias que
seriam utilizadas. As placas e as cápsulas foram devidamente preparadas. Os
seguintes procedimentos realizados dispõem das noções técnicas-laboratoriais, nas
quais a farmacêutica devidamente paramentada realizou os passos para manipulação
de encapsulação: Foram pesados os componentes contidos na ficha de pesagem
primordialmente analisada, decorrente, houve a homogeneização dos componentes
presentes na fórmula (padrões exigidos pela Farmacopeia Brasileira) e
posteriormente, em conjunto ao técnico em farmácia, foram realizados os processos
de encapsulação do medicamento. Ao final de todo o procedimento, os medicamentos
foram devidamente armazenados, vedados, e identificados com a etiqueta e a ficha
individual da manipulação. Ao encerramento de todo o procedimento foi realizado a
36
higienização do setor conforme o manual das boas práticas de manipulação:
bancadas, matérias primas, embalagens, e materiais utilizados (vidrarias).

O técnico em farmácia deve dispor conhecimentos técnicos e teóricos na


utilização dos paramentos em exercício da manipulação (luva, toucas, jaleco, sapatos
adequados e fechados, máscaras de TNT e a exclusão de adornos), além dos
mantimentos na higienização das mãos. O conhecimento de todas as salas
laboratoriais e os materiais contidos nestas foram inerentes para a evidenciação da
estrutura desvencilhada para cada manipulação exigida.

PORCENTUAL DE VENDAS DE MEDICAMENTOS


MANIPULADOS

95%

5%

Cápsulas Outras Formas


Farmacêuticas

Imagem 3: Porcentual de venda de medicamentos manipulados em sua forma.

2.2 Drogaria

As atividades atribuídas ao técnico em farmácia objetivou a compreensão da


logística administrativa farmacêutica e a dispensação de medicamentos de forma
consciente e precisa. No ademais, o técnico se responsabilizou pelo discernimento e
execução da aferição de pressão arterial dos clientes no estabelecimento.

37
Logística Farmacêutica

As atividades exercidas pelo técnico obtiveram atribuições de aprendizagem e


discernimento no setor de recebimentos de medicamentos e conferência dos mesmos.

O controle farmacêutico de medicamentos é atribuído cotidianamente. Insere-


se na logística farmacêutica uma demanda habitual de vendas processadas. Os
medicamentos vendidos são cadastrados no sistema, cujo possui uma organização
digital do controle de estoque destes. Ao final do dia, a farmacêutico chefe e
proprietário do estabelecimento, responsabiliza-se por verificar a quantia de
medicamentos vendidos e a necessidade de reposição destes ou de outros que se
encontra em ausência. Esses medicamentos podem ser requeridos por duas vias de
controle: ¹ Via telefone. ² Via presença de vendedores de determinadas empresas na
loja farmacêutica.

¹ Os medicamentos requeridos pela via de controle telefônica inserem-se na


categoria de medicamentos que exigem urgência em sua chegada ao estabelecimento
farmacêutico. São medicamentos constatados como estoque baixo ou nenhum. Esses
medicamentos são identificados pelo profissional em exercício e são pedidos via
telefone em indústrias de distribuição farmacêutica. Esses pedidos são entregues com
o prazo de até sete dias úteis. Os medicamentos pedidos são entregues pelo
representante da empresa em embalagem (caixa de papelão) lacrada. Os
medicamentos são postos em um pallet e em sua presença estão grampeados um
formulário de identificação dos medicamentos pedidos, quantias presentes dentro da
caixa e seus valores. A farmacêutica assina o contrato de recebimento dos
medicamentos, retém sua via e entrega a via da empresa ao representante.

² Medicamentos requeridos via presença de vendedores na loja, são efetuados,


usualmente, por empresas de escolhas da proprietária do estabelecimento. Os
representantes destas empresas estão presentes uma vez por semana na loja, na
qual entram em contato pessoalmente com farmacêutica e descreve os pedidos desta
digitalmente. Esses pedidos são entregues com o prazo de até sete dias úteis. São
entregues pelo representante da empresa em uma embalagem (caixa de papelão)

38
lacrada, e armazenada em um pallet e em sua presença estão grampeados um
formulário de identificação dos medicamentos pedidos, quantias presentes dentro da
caixa, e seus valores. A farmacêutica assina o contrato de recebimento dos
medicamentos, retém sua vida e entrega a via da empresa ao representante.

Os medicamentos que usualmente chegam à farmácia requerem o


processamento de recebimento no sistema, e posteriormente são realizadas a
conferência destes com a nota de recebimento e com as informações contidas no
sistema.

É analisada a quantidade de medicamentos presentes na nota de recebimento


e em presença, posteriormente, verifica-se o código de barras do medicamento com
a presença de estoque na farmácia e os recebidos. Os medicamentos devem
assegurar a quantidade exata em estoque e em recebimento na ocasião, e se forem
constatado erros na quantidade de número, deverão ser efetuados o conserto no
sistema dos erros.

Posteriormente, são avaliados os preços contidos no sistema e no formulário


de recebimento dos medicamentos, esses preços precisam estar de acordo. No
ademais, se constatado erros, também precisarão ser corrigidos no sistema e/ou se
os erros foram constatados diretamente no formulário de recebimento, o atuante em
exercício deverá entrar em contato com a indústria de entrega e advertir sobre o
incidente. Deverão ser avaliadas as datas de validade de cada medicamento, bem
como importância inerente ao processo de armazenamento e comercialização.

Sucessivamente os medicamentos são organizados para o processo de


armazenamento. O armazenamento destes deve priorizar a organização
anteriormente estabelecida e quando armazenados a verificação da data de validade
dos medicamentos devem ser realizados. O medicamento no qual contém a data de
validade em menor prazo deve ser prioridade no armazenamento em frente e/ou
acima de todos os outros que contenham a data de validade em maior prazo

39
Recebimento de
medicamentos

Pedido de
medicamentos Verificação do
formulário (baixa
no sistema)

Verificação do
formulario e do Conferência dos
estoque no recebidos e Armazenagem
sistema (PMC armazenados de estoque
E QUANT).

Legenda: PMC – Preço máximo permitido por venda.


Quant – Quantidade de medicamentos em estoque e quantidade de
medicamentos recebidos (registrados no formulário).

Imagem 4: Organograma Logística Farmacêutica

Nota: Somente é necessário entrar em contato com o fornecedor quando o erro analisado estiver na quantidade
recebida, sendo uma margem de erro com um porcentual mínimo. O porcentual de erros habituais ocorrem por via do
sistema, no qual viabiliza metodologias de conserto pelo farmacêutico.

Dispensação de medicamentos

As atividades exercidas pelo técnico obtiveram atribuições em compreensão e


discernimento no setor da dispensação farmacêutica.

A dispensa de medicamentos é a principal ação realizada pelos farmacêuticos,


cuja ação promove o uso racional de medicamentos, a saúde e o bem estar do utente.
Em uma drogaria o papel do farmacêutico na dispensa engloba diretrizes que visam
averiguar as necessidades retratadas pelo paciente e a utilização terapêutica dos
medicamentos. Subsequentemente, o atendente deve primordialmente estabelecer
um vínculo de relação com as necessidades do paciente. Posteriormente, se o
requerido dispuser da prescrição médica, deve ser avaliada a prescrição médica e
dispensados os medicamentos prescritos (respeitando a prescrição médica). O
farmacêutico em exercício deve orientar ao paciente mediante ao uso do
medicamento, as vias de administração, os efeitos colaterais e/ou adversos e
informando a composição dos medicamentos, objetivando que o cliente entenda sobre
o medicamento do qual fará uso. Poderão ser oferecidos ao paciente medicamentos
genéricos aos patenteados, todavia as escolhas do paciente deverão ser respeitadas.

40
Outrora, se o requerido pelo cliente dispuser do uso de medicamentos sem a
prescrição médica, somente poderão ser dispensados medicamentos da classe dos
MIP Medicamentos Isentos de Prescrição Médica, na qual o farmacêutico em
exercício também deve orientar ao paciente mediante ao uso do medicamento, as vias
de administração, os efeitos colaterais e/ou adversos e sua composição, objetivando
que o cliente entenda sobre o medicamento do qual fará uso.

Em função dos casos complexos que exigem diagnóstico médico, o cliente


deve ser orientado a procurar um serviço de saúde, no qual o profissional de saúde
possa efetivar o diagnóstico adequado e prescrever o tratamento terapêutico em
harmonia com o identificado.

Casos clínicos de observação pelo técnico: Dispensa de medicamentos

CASO 1 – Um cliente de sexo masculino com aproximadamente trinta anos


entrou na farmácia com um receituário azul (psicotrópico Lista B1) de prescrição
médica. A prescrição médica continha as duas vias exigidas e requeria uma caixa com
30 comprimidos de alprazolam 2 mg para uso contínuo de um mês.

Analisados a prescrição, dosagem, data de validade, preenchimento nos


receituários efetivo pelo médico, o farmacêutico em exercício pegou ambas as caixas
de alprazolam e mostrou ao cliente o medicamento requerido da prescrição médica.
Subsequente, foi analisada com o cliente a forma de utilização do medicamento (uma
vez ao dia) e orientado ao cliente sobre os efeitos colaterais e/ou adversos que o
medicamento poderia lhe causar. No ademais, o cliente expôs um pouco de sua
situação pessoal e fora orientado que o mesmo mantivesse o tratamento de forma
adequada, evitando falhas, visando a melhoria de seu quadro clínico. Posteriormente
foram preenchidas as duas vias da prescrição médica com os dados do paciente, data
em que o medicamento foi retirado, nome do farmacêutico que efetuou a venda, e o
carimbo do estabelecimento com indicação do efetivo. A primeira via fora entregue ao
cliente e a segunda via se manteve sob o controle da farmácia.

CASO 2- Uma cliente do sexo feminino com aproximadamente trinta e cinco


anos entrou na farmácia em busca de um medicamento para emagrecimento.
41
Visivelmente, a cliente possuía um quadro de peso acima da média (obesidade) e
tremor em todo o seu corpo. Não houve apresentação de nenhuma prescrição médica
e/ou orientação anterior de um profissional de saúde.

Examinando o caso da cliente o farmacêutico em exercício indagou-lhe sobre


a apresentação de alguma orientação médica. Ao notar a negação da presença de
auxílio médico, o farmacêutico tentou prestar assistência orientando-a a se encorajar
na procura de um profissional que pudesse prestar os devidos auxílios com o caso
clínico apresentado por ela, todavia, a cliente se manteve em resistência procurando
apenas por um medicamento que a ajudasse sem que fosse importante ter
conhecimentos de orientações de outrem. O farmacêutico então efetuou uma venda
de um medicamento isento de prescrição, contudo propôs-se a reforçar a ela a
importância de um diagnóstico médico, e de uma vida com hábitos saudáveis, bem
como a prática de exercício físicos, a alimentação saudável e a ingestão de água.

CASO 3 – Uma senhora do sexo feminino entrou em contato com a farmácia


pelo telefone em busca de um medicamento para verminose constatando ser para o
seu filho de onze anos. A senhora indagava ao balconista qual seria o melhor
medicamento para que ela pudesse encomendar para o seu filho em relação à
verminose e mediante às dores e sensação de inchaço estomacal, seguido de
vômitos.

Primordialmente a cliente foi orientada à buscar ajuda profissional, todavia a


cliente se manteve em insistência no quadro clínico em busca de um medicamento
que obtivesse um resultado de melhora imediatista. O profissional então se propôs a
insistir na orientação da busca do auxílio médico ao filho da cliente, acrescendo-lhe
explicações sobre a importância de procurar uma ajuda profissional e os riscos que
seu filho estava correndo em continuar de tal forma e em buscar por medicamentos
alternativos sem um diagnóstico médico. Ainda que em desapontamento, a cliente
aceitou a sugestão profissional e encerrou o pedido.

>

42
ENFERMIDADES COM MAIOR PORCENTUAL DE
DISPENSA FARMACÊUTICA
100%
90%
80%
70%
60%
50%
40%
30%
20%
10%
0%
Dor Inflamação Reação Alérgica Verminose Psicotrópicos
(%) 50% 10% 15% 10% 15%

Imagem 5: Análise de Dispensa Farmacêutica: Enfermidades com maior porcentual de procura por
dispensa farmacêutica.

Aferição de pressão arterial exercida pelo técnico

Caso 1: Cliente do sexo feminino de quarenta e cinco anos com alegação de


fortes dores de cabeça e zonzeira. O cliente valida a informação de utilizar
medicamentos para hipertensão arterial de forma correta e ter tido uma semana
agitada.

A pressão arterial do cliente fora conferido e constatado em 13.6 – limiar normal


para o quadro clínico de pressão arterial do mesmo. O cliente foi instruído a tentar se
manter calmo e manter uma alimentação saudável.

Caso 2: Cliente do sexo feminino com trinta e cinco anos que alega não estar
sob agitação e não ter consumo de alimentação desregrada.

A pressão arterial da cliente fora conferida e constada em 16.6 – limiar acima


da média de acordo com a organização mundial de saúde. A cliente foi instruída a
procurar apoio médico para a identificação de possível caso de hipertensão arterial.

43
Caso 3: Cliente do sexo masculino com aproximadamente quarenta anos que
alega ter tido um quadro de hipertensão nos últimos três dias e que não faz utilização
de medicamentos.

A pressão arterial do cliente fora conferido e constado em 16.8 – limiar


equilibradamente acima da média de acordo com a organização mundial de saúde. O
cliente foi instruído a diminuir a ingestão de sal no alimento, manter um hábito
alimentício saudável pela próxima semana e efetuar novamente o controle de pressão
arterial. Se constatado oscilações na pressão arterial sem aparentes motivos o mesmo
deve procurar um apoio médico.

>

FREQUÊNCIA EM PORCENTAGEM DE ATIVIDADE


DESENVOLVIDA MONITORAMENTO DE PRESSÃO
ARTERIAL
8%

7% 7%

6%

5%

4% 4% 4% Equivalência de Porcentagem a
100%.
3% 3%

2% 2%

1%

0%
1° Dia 2° Dia 3° Dia 4° Dia 5° Dia

Imagem 6: Frequência de porcentagem de atividade desenvolvida em monitoramento de


pressão arterial dos clientes.

44
3. CONCLUSÃO

Os usos medicamentosos contribuem com o sentimento de “essencialidade” da


vida atual no humanismo. Entende-se como medicamento, solução viável e afável
mediante a tratamentos terapêuticos de enfermidades físicas ou psíquicas, e que no
entanto, ainda que sejam substâncias com fortes reagentes químicos e de usos
limitados, o desvelo e a cautela com a utilização dos mesmos são ínfimos. O essencial
papel que exerce o farmacêutico no âmbito social, propõe viabilizar a inerência da
responsabilidade na dispensa farmacêutica à tratamentos terapêuticos e a atuação da
assistência profissional nestes. As orientações que visam a assertividade no bem
estar do paciente estão ligados à ruptura de revés em vidas alheias, veiculando o
conhecimento e discernimento a estes; Em consonância, os exercícios iniciais que
atuaram no estágio curricular se apresentaram como uma constituição de aquisição e
aprimoramento de conhecimentos e habilidades essenciais ao exercício farmacêutico.
Os inquéritos atribuídos apresentaram grandes oportunidades de crescimento
profissional, uma vez que viabilizaram, a atuação no setor farmacêutico em contato
com os clientes, possibilitando observações e reconhecimento de assistência e auxílio
farmacêutico para com estes. Em conjectura, conclui-se então que o exercício
profissional farmacêutico não trata-se apenas de conhecimento em termos técnicos,
mas também de conhecimentos teóricos para com o tratamento ao meio social.

45
4. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

1. Conselho Federal de Farmácia – Resolução CRF N° 357 de 20 de Abril de 2001.


Regulamentação das Boas Práticas Farmacêuticas, 2001.
2. Regulamento do Conselho Federal de Farmácia CRF, Lei N°3.820, de 1 de
Novembro de 1960.
3. Centro de Informação Conselho Federal de Farmácia CRF, 2008.
4. Cartilha Centro de Informação Agência Nacional de Legislação Sanitária Brasileira
ANVISA – 2008.
5. Brasil, Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Lei N° 5.991,
de 17 de dezembro de 1973 Dispõe sobre o Controle Sanitário do Comércio de
Drogas, medicamentos, insumos farmacêuticos e correlatos, e dá providências
[Internet]. Brasília: MS; 1973.
6. Guia de Profissão Farmacêutica, 2017.
7. Cartilha Brasileira Guia Profissional do setor de Farmácia CRF Conselho de
Farmácia Federal, 1996.
8. Ministério de Saúde – A Farmácia. Saúde.gov – 2010.
9. Conselho Federal de Farmácia CRF – Perfil do Farmacêutico no Brasil, org, 2015.
10. Portaria SVS/MS N° 344/98 Ministério de Saúde de 12 de Maio de 1998.
11. J. CORRER, Cassiano; OTUKU F, Michel A Farmácia Comunitária no Brasil, 2016.
12. MENDER EV, Editor. Gestão da Clínica: A importância do cuidado Farmacêutico
na atenção primária à saúde. In: II Seminário Rede Farmácia de Mina; 2010 16-18
Jun; Belo Horizonte, 2010.
13. SANTOS CRL, Dupin GK. Desenho e Implantação de um modelo de manejo de
transtornos menores em farmácia comunitária [Monografia]; Curitiba: Universidade
Federal do Paraná; 2011.
14. DE SANTI.V Brasil O farmacêutico em Revista. 2010;1:8-9.
15. CÍCERO T. Maria; Honorato, Sandra. Artigo Princípios gerais de administração de
medicamentos e ações da enfermagem – USP Universidade de São Paulo Rev.
esc enferm. Vol 23, N°1, pp3-16, 1980.
16. MESSIAS, Dantas; Manual do Consumidor da Farmácia Magistral, 2010.
17. DÚRAN, I. Romero, F.M; FAUS, M.I. Problemas relacionados com medicamentos
resultado em uma farmácia comunitária, 1999.

46
18. SANTOS, A.M Desafios e oportunidades do farmacêutico na promoção da saúde.
Informa, Brasília, DF, V.17.N 5/6 p.74-78, 2005.
19. AMSLER, M.R. et al. Pharmaceutical care in chain Pharmacies; Journal Pf The
American Pharmaciasts Assiociation, Washington, DC, v 41,n.6.p.850-855.2001.
20. CORREIA C. Ana Carolina, Farmácia Azevedo – Ciências Farmacêuticas
Faculdade de Farmácia da Universidade de Porto – BA, Porto Seguro. 2015.

47