Anda di halaman 1dari 40

Anatomia Humana II

Sistema Excretor
(Urinário)
Constituição do Sistema Urinário

2 Rins
2 Ureteres
1 Bexiga urinária e
1 Uretra.
Os Rins

Os rins realizam o trabalho principal


do sistema urinário, com as outras
partes do sistema atuando,
principalmente, como vias de
passagem e áreas de cruzamento.
Com a filtração do sangue e a
formação da urina, os rins
contribuem para a homeostasia dos
líquidos do corpo de várias
maneiras.
As funções dos rins incluem:

Regulação da composição iônica do sangue:;


Manutenção da osmolaridade do sangue;
Regulação do volume sanguíneo
Regulação da pressão arterial
Regulação do pH do sangue
Liberação de hormônios (calcitriol e eritropoietina)
Regulação do nível de glicose no sangue (desaminar os aminoácido
glutamina, usá-lo para a gliconeogênese )
Excreção de resíduos e de substâncias estranhas
Os Rins

O rim é um órgão par, avermelhados, em forma de


grão de feijão, localizados logo acima da cintura,
entre o peritônio e a parede posterior do abdome.
Como sua posição é para trás do peritônio da
cavidade abdominal, são descritos como órgãos
retroperitoniais (retro = atrás).
Os rins ficam localizados entre os níveis da última
vértebra toráxica e terceira vértebra lomba, posição
onde estão, parcialmente, protegidos pelo décimo
primeiro e décimo segundo pares de costelas.
O rim direito é ligeiramente, mais baixo do que o
esquerdo, porque o fígado ocupa especo
considerável, no lado direito acima dos rins.
No pólo superior, situa-se a glândula supra-renal,
pertencendo ao sistema endócrino.
Anatomia externa dos rins
O rim típico, no adulto, acordo com
a Sociedade Brasileira de Nefrologia, mede
cerca de 10 a 13 cm de comprimento, 5 a
7,5 cm de largura, 2,5 a 3 cm de espessura
– aproximadamente o tamanho de uma
barra de sabonete.
O peso do rim do homem adulto varia entre
125 a 170g; na mulher adulta, entre 115 a
155g.
Os Rins

Cada rim possui a forma


de um grão de feijão
com duas faces (anterior
e posterior), duas bordas
(medial e lateral) e dois
pólos ou extremidades
(superior e inferior).
Na borda medial
encontra-se o hilo renal,
por onde passam o
ureter, artéria e veia
renal, linfáticos e
nervos.
Os Rins
Três camadas de tecido envolvem cada rim.

A camada profunda, a cápsula renal (ren = rim), é uma membrana fibrosa, lisa e
transparente, contínua com a túnica externa do ureter. Serve como barreira contra o
trauma e ajuda a manter o formato do rim.

A camada intermediária, a cápsula adiposa, é uma massa de tecido gorduroso, em


torno da cápsula renal. Também protege o rim do trauma e o mantém firmemente no
lugar dentro da cavidade abdominal.

A camada superficial, a fáscia renal, é uma lâmina fina de tecido conjuntivo denso
e irregular, que ancora o rim às estruturas adjacentes e à parede do abdome.
Anatomia interna dos rins
É possível reconhecer duas regiões distintas:

o córtex renal (córtex = casaca), e

a medula adrenal (medula = parte interna).


Os Rins

O córtex emite projeções para a medula denominadas


colunas renais, que separam porções cônicas da medula
chamadas pirâmides renais.
A base (extremidade mais larga) de cada pirâmide esta
voltada para o córtex renal, e seu ápice (extremidade
estreita), chamado papila renal, aponta para o hilo do rim.
As partes do córtex renal que se estendem entre as
pirâmides renais são chamadas colunas renais.
Os Rins

O córtex e as pirâmides renais da medula


renal, juntos, constituem a parte funcionante,
ou parênquima do rim.

No parênquima estão as unidades funcionais


do rim – cerca de 1 milhão de estruturas
denominadas néfrons.

A urina, formada pelos néfrons drena para os


grandes ductos papilares, que se estendem ao
longo das papilas renais das pirâmides.

Os ductos drenam para estruturas, em forma


de xícara, chamadas cálices renais menor e
maior. Cada rim tem 8-18 cálices menores e
2-3 maiores. O cálice renal menor recebe
urina dos ductos papilares de uma papila renal
e a transporta até um cálice renal maior. Do
cálice renal maior, a urina drena para a grande
cavidade chamada pelve renal (pelve – bacia)
e depois para fora, pelo ureter, até a bexiga
urinária.
Os Rins

O hilo se expande em uma cavidade, no rim, chamado seio renal, que


contém parte da pelve renal, os cálices e os ramos dos vasos sangüíneos
e nervos renais. O tecido adiposo ajuda a estabilizar a posição da
estrutura, no seio renal.
Suprimento sangüíneo renal

Os rins são supridos pela artéria renal, que se origina da aorta abdominal.

A artéria renal dividi-se no hilo em um ramo anterior e um ramo posterior, estes, dividem-
se em várias artérias segmentares que irão irrigar vários segmentos do rim.

Essas artérias, por sua vez, dão origem às artérias interlobares, que na junção cortiço-
medular dividem-se para formar as artérias arqueadas e posteriormente as artérias
interlobulares.

Dessas artérias surgem as arteríola aferentes (a = em direção a; -ferente = que carrega),


as quais sofrem divisão formando os capilares dos glomérulos (= bola pequena), que em
seguida, confluem-se para forma a arteríola eferente (e- = para fora). A arteríola eferente
dá origem aos capilares peritubulares (peri- = em torno de) a às arteríolas retas ou
vasos retos, responsáveis pelo suprimento arterial da medula renal.
Suprimento sangüíneo renal

A drenagem venosa costuma seguir paralelamente o trajeto do sistema arterial. O sangue


do córtex drena para as veias arqueadas e destas para as veias interlobares, veias
segmentares, veia renal e finalmente veia cava abdominal.

Os rins recebem cerca de 1,2 litros de sangue por minuto, ou seja, cerca de um quarto do
sangue bombeado pelo coração. Podemos dizer que os rins filtram todo o sangue de uma
pessoa cerca de 12 vezes por hora.

No córtex renal há numerosos vasos linfáticos


que drenam para a
cápsula ou junção córtico-medular.
Córtex-- contém
O sangue chega os néfrons. O sangue
rins através das circula no interior
artérias renais dos “néfrons”onde
ocorre a filtracção.

Sangue entra

Sangue sai
Inervação renal

As fibras simpáticas alcançam o rim através do plexo celíaco. Essas


fibras envolvem e seguem os vasos arteriais através do córtex e medula.
As fibras para a sensibilidade dolorosa alcançam a medula espinhal pelos
nervos esplênicos ou pelas raízes dorsais dos nervos espinhais de T12
a L2.
Os Néfrons

Cada rim é formado por cerca de 1 milhão de pequenas


estruturas chamadas néfrons.
O néfron é a unidade funcional dos rins, envolvidas em 3
processos básicos: filtragem, retorno de substâncias úteis
para o sangue, de modo que não sejam eliminadas do corpo,
e remoção de substâncias do sangue que não sejam
necessárias para o corpo.
Como resultado desses processos os néfrons mantêm a
homeostasia e produzem a urina.
Os Néfrons
Cápsula de Bowman,
Glomérulo,
Túbulo contorcido
proximal,
Alça de Henle,
Túbulo contorcido
distal, e
Túbulo coletor.
Fisiologia Renal
Filtração glomerular: na primeira fase da produção de urina, a água e a
maioria dos solutos, no plasma, passam pelo sangue, através da parede
dos capilares glomerulares, para a cápsula glomerular, que desemboca no
túbulo renal.
Fisiologia Renal
Reabsorção tubular: à medida que o liquido filtrado flui ao
longo do túbulo renal e pelo ducto coletor, a maioria parte da
água filtrada e muitos solutos úteis são reabsorvidos pelas
células do túbulo e levados de volta ao sangue, à medida que
flui pelos capilares peritubulares e vasos retos. Observe que
reabsorção refere-se ao retorno de substancias para a
corrente sanguínea, diferente da absorção, que significa
entrada de novas substâncias no corpo.
Fisiologia Renal
Secreção tubular: à medida que o líquido flui ao longo do túbulo
e pelo ducto, o túbulo e as células do ducto secretam substancias
adicionais, tais como resíduos, medicamentos e excesso de íons,
para o líquido. A secreção tubular remove a substância do sangue:
em outros casos de secreção- por exemplo, secreção de hormônios
– a substância é freqüentemente liberada do sangue.

Os solutos, no líquido que drena para a pelve renal, permanecem


na urina e são excretados. A excreção urinária de qualquer soluto é
igual á sua filtração glomerular, mais sua secreção, menos sua
reabsorção.
Bexiga Urinária

Órgão muscular oco, elástico, situado na cavidade pélvica,


posterior á sínfise púbica.

Nos homens, situa-se diretamente anterior ao reto; nas mulheres,


esta à frente da vagina abaixo do útero.

O formato da bexiga urinária depende do volume de urina que


contém.

A capacidade média da bexiga urinária é de 700-800ml; é menor


nas mulheres porque o útero ocupa o espaço imediatamente
abaixo da bexiga.
Bexiga Urinária

É dividida anatomicamente em: ápice (anterior), corpo, fundo


(posterior), colo.
Sua túnica muscular é composta por músculo liso, possuindo 3
camadas de fibras musculares lisas entrelaçadas em todas as direções,
originando o músculo detrussor (= empurra para baixo).
Em torno da abertura da uretra, as fibras circulares formam o esfíncter
interno da uretra; abaixo dele está o esfíncter externo da uretra, composto
por músculo esquelético e uma modificação do diafragma urogenital.
A túnica mucosa da maior parte da bexiga vazia é pregueada, mas estas
pregas desaparecem quando a bexiga está cheia. A área da túnica mucosa
que reveste a face interna da base da bexiga é chamada de trígono (=
triângulo) da bexiga.
A micção
Ocorre por meio de uma combinação de músculos involuntários e voluntários.
Quando o volume de urina na bexiga excede 200-400 ml a pressão dentro da
bexiga aumenta e os receptores de estiramento na sua parede transmitem
impulsos nervosos para medula espinhal, estes se propagam ate ao centro de
micção situado no seguimentos S2 e S3 da medula espinhal e desencadeiam o
reflexo de micção.
Nesse arco reflexo, os impulsos parassimpáticos provenientes do centro de
micção propagam–se para parede da bexiga urinária e para o esfíncter interno da
uretra, que causam contração do músculo detrusor e relaxamento do esfíncter
interno da uretra.
Simultaneamente, o centro de micção inibe os neurônios motores somáticos que
inervam o músculo esquelético do esfíncter da uretra.
A partir da contração da parede da bexiga e do relaxamento dos esfincteres,
ocorre a micção o enchimento da bexiga causa sensação de repleção que inicia
o desejo consciente de urinar, antes do reflexo de micção ocorrer.
Ureter

São dois tubos musculares que transportam a urina dos rins para a
bexiga. Órgãos pouco calibrosos, os ureteres têm menos de 6 mm de
diâmetro e 25 a 30cm de comprimento.
A Pelve renal é a extremidade superior do ureter, localizada no interior
do rim. Descendo obliquamente para baixo e medialmente, o ureter
percorre por diante da parede posterior do abdome, penetrando em
seguida na cavidade pélvica, abrindo-se no óstio uretral situado no
assoalho da bexiga urinária.
Em virtude desse seu trajeto, distinguem-se duas partes do ureter:
abdominal e pélvica.
Os ureteres são capazes de realizar contrações rítmicas denominadas
peristaltismo. A urina se move ao longo dos ureteres em resposta à
gravidade e ao peristaltismo.
Ureter
Uretra

É um tudo pequeno revestido por mucosa que contém grande


quantidade de glândulas secretoras de muco.
A uretra se abre para o exterior através do óstio externo da
uretra, que vai do óstio interno da uretra, situado no assoalho
da bexiga urinária até o exterior do corpo.
Tanto nos homens como nas mulheres a uretra é a parte
terminal do sistema urinário e a passagem para eliminar a
urina do corpo; nos homens também secretam o sêmem.
Ao menos meu sistema excretor
esta funcionando