Anda di halaman 1dari 82

DISPONIBILIZAÇÃO: GHOST LADIES

TRADUÇÃO: MEL WRAITH


REVISÃO: CAROL GHOST E MEL WRAITH
LEITURA FINAL: SUK WRAITH
FORMATAÇÃO: MEL WRAITH
é o filho mais velho da família Sinclair. Ele é forte e sexy como o inferno e
anseia a recepcionista rechonchuda trabalhando em seu prédio de escritórios. Na noite
da festa de Natal, sua vida virou de cabeça para baixo, mas ele está determinado a ter a
mulher que ele quer.

Cassie Walker se apaixonou por seu chefe. Ela passa todos os dias no trabalho,
desejando sua atenção. Uma noite sua vida mudou para sempre. Quebrada e usada;
Cassie deve aprender a seguir em frente e esquecer o homem que possui seu coração.

Cinco anos se passam. Com um divórcio e um filho sob sua custódia, Blaze fica
cara a cara com a única mulher que ele sempre quis.

Ela pode perdoar Blaze e dar-lhe uma segunda chance, ou será tarde demais para
ela perceber que vale a pena lutar pelas melhores coisas da vida?
Para todos os meus leitores. Muito obrigado por me apoiarem.
Cassie Walker lutou para manter o olhar longe da tentadora bunda de seu
chefe. Blaze Sinclair era um homem incrivelmente gostoso. Ele era um homem alto e
bem musculoso, considerando que ele passava muito tempo atrás de uma mesa. Ele
tinha olhos castanhos esfumaçados que ela adorava olhar, seu cabelo do mesmo
castanho intenso no topo de sua cabeça.
Graças a Blaze, Cassie era o rosto que todos viam pela manhã. Ela sabia que a
diretoria principal ficara furiosa quando conseguiu o emprego. Qualificações
impecáveis não eram as únicas coisas que eles estavam procurando. Na primeira
semana de trabalho, ela notou que todas as principais secretárias e assistentes pessoais
eram loiras, bonitas e incrivelmente magras. A única vez que ela esteve magra foi
quando ela era muito jovem para se importar com sua figura.
Infelizmente, não importava quantas dietas ou opções de alimentação saudáveis
ela adotasse; suas curvas e tamanho 48, e provavelmente um pouco mais, ficariam para
sempre com ela. Peso para ela era o mesmo que morte e impostos para todos os outros.
Blaze ficou preso por sua decisão, e ela se tornou o rosto que todos viam quando
entravam no prédio. Isso aconteceu há um ano. Blaze havia se tornado uma das pessoas
intermináveis que ela viu pela manhã. E ela amava olhar para sua bunda apertada
quando ele passava todas as manhãs. Ela nunca teve um dia de doença e sempre teve
um sorriso para todos.
O fracasso nunca foi uma opção para ela. Cassie fez seu trabalho do jeito que ela
foi treinada, embora isso não a impedisse de ter muitas fantasias sexuais secretas sobre
o homem que estava longe do resto do grupo.
Ela dirigiu os fornecedores para o canto da área de recepção do edifício
Sinclair. Foram três dias até o Natal e todos os anos a empresa fazia uma festa de
Natal. Eles eram a única empresa a permitir que toda a temporada festiva fosse
concluída no Ano Novo. Cassie sorriu para os colegas que passavam e reuniu o enfeite
para se espalhar pelos últimos pedaços da recepção. A idéia era que todos entrassem no
espírito a tempo do grande dia. Ela adorava ser recepcionista, e estar apaixonada pelo
patrão a ajudou superar algumas das coisas desagradáveis que outras funcionárias lhe
mandavam. Ser a maior mulher da empresa traria um comentário ou dois.
A música filtrada através do sistema de som, canções de Natal e música de estilo
de Natal. Ela assinou os últimos pedidos para as bebidas e fez os táxis ficarem de
prontidão. Presentes foram colocados sob a grande árvore de Natal decorativa.
Cassie olhou ao redor e sorriu para algumas pessoas, que levantaram os óculos
em sua direção. Esta fora a primeira festa de Natal que ela jogou sem qualquer ajuda de
outras fontes. Para inspeção final, ela foi até a mesa do buffet e ficou satisfeita com a
variedade de comidas e lanches oferecidos. Roubou um canapé de camarão antes de
caminhar até o final da mesa para desconectar todos os telefones quando chegou uma
ligação final.
“Olá, Fundação Sinclair. Como posso ajudá-lo? ”Cassie escutou a mulher rude
na linha por alguns minutos antes de perceber que cortá-la seria um erro. "Por favor, me
dê um momento enquanto eu o encontro." Ela colocou o telefone sobre a mesa e foi em
busca do homem em questão. Seu coração disparou e sua boceta ficou cremosa como
sempre acontecia quando pensava no chefe. Blaze estava com o irmão e ela foi até eles.
"Olá, Sr. Sinclair, há um telefonema na mesa principal para você", disse ela,
encolhendo-se com o quão formal ela soava. O trabalho de recepção a fez bem e
verdadeiramente treinada.
“Obrigado, Cassie. Quem é?”
Ela adorava ouvir os sons de cascalho de sua voz.
“Uma mulher. Ela disse que só falaria com você” . Ela sorriu, girando uma
mecha de cabelo entre os dedos. Não havia necessidade de contar a ele sobre sua
grosseria. O Natal deveria ser um momento para perdoar.
"Obrigado." Ela viu quando ele caminhou em direção à recepção até que ele
parou e se virou. "Você vai estar na festa de Natal a noite toda, Cassie?"
"Eu tenho que estar. Foi-me dito que faz parte do trabalho da recepcionista. Para
garantir que tudo corra bem.”
“Bom.” Ele se virou e foi até a mesa principal. Suas palavras poderiam significar
alguma coisa? Por que ele estaria interessado em ela estar na festa? Ela olhou para o
irmão antes de sair para fazer seu trabalho.
"Francesca está no telefone?" Cassie se virou, vendo Chris observando seu
irmão.
Cassie deu de ombros. "Ela não me disse o nome dela."
Francesca Lawe era a namorada atual de Blaze Sinclair. Cassie estava
apaixonada por um homem que não sabia que ela existia além dos reinos das quatro
paredes onde ela trabalhava.
Ela voltou seu foco para o chefe, desejando ter dito à mulher para telefonar de
volta durante o expediente. Ele parecia estressado. Cassie queria se chutar. Seu intestino
tinha dito a ela para deixar a mulher pendurada, mas havia tantos telefonemas pessoais
femininos para Blaze que ela se certificou de que eles chegassem até ele.
"Ele não parece feliz", disse Cassie para Chris, sentindo-se nervosa ao senti-lo
olhando para ela.
"Isso é porque Francesca está tentando convencê-lo a se casar com ela", disse
Chris. Cassie engasgou. Se a mulher conseguisse, ela precisaria de outro emprego.
Desejar e ansiar um homem que solteiro era completamente diferente de cobiçar
um homem que era casado. Cassie não seria capaz de lidar com ele todos os dias e saber
que não havia absolutamente nenhuma chance para ela. Mesmo que ela soubesse disso
agora. Com ele casado, isso impulsionaria a estaca com firmeza.
“No entanto, há uma chance para outra pessoa. Blaze quer alguém, mas parece
que seria sua decisão dar o primeiro passo”
. Chris se afastou, deixando suas palavras para atacar Cassie e sua imaginação.
Ela odiava o irmão de Blaze. O homem era uma máquina casamenteira. Ele era o
responsável pela recepcionista anterior saindo e se casando com o homem dos seus
sonhos, e Cassie ouvira rumores de como ele se meteu com os outros no escritório.
Chris “Matchmaking” Sinclair era como algumas das mulheres o chamavam.
O que ele quis dizer com uma mulher dando o primeiro passo? Ele quis dizer
ela? Isso não foi possível. O que Blaze Sinclair veria nela?
Ela não pensou muito e deixou a festa levá-la para o espírito natalino. Já passava
das onze e a festa estava em pleno andamento. Todos pareciam estar se divertindo e
agradecendo a Cassie. Gritos de prazer e risadas soaram de todos os lados da
sala. Cassie adorou quando viu o sucesso de seu planejamento. A comida quase
sumiu. Ela fez uma nota mental para agradecer ao amigo John por toda sua ajuda. O
homem era genial.
Ela se misturou, distribuindo presentes e servindo bolo. Mesmo que todos
estivessem se divertindo, uma pessoa estava ausente, e isso deixou Cassie triste. Assim
que passou da meia-noite, as pessoas começaram a sair para voltar para casa por causa
de babás e planos para amanhã. O último par saiu por volta da uma da
madrugada. Cassie estava sozinha no prédio. Ela precisava organizar a limpeza. Ela
recolheu os copos de plástico e começou a colocá-los em sacos de lixo, em seguida,
pegando confetes de festa e papel de embrulho.
Ela ouviu o som de um copo batendo contra a parede e um homem
soluçando. Cassie procurou nos escritórios até chegar a um escritório escuro e
fechado. Ela abriu a porta sem saber quem encontraria.
"Sr. Sinclair?” Cassie tinha assumido que Blaze tinha ido para casa.
"Cassie?" Sua voz não estava bêbada ou arrastada, mas crua de emoção.
Cassie entrou no quarto, fechando a porta atrás dela. "Qual é o problema, Sr.
Sinclair?"
"Sr. Sinclair? Pela primeira vez você não pode me chamar de Blaze?” Ele
parecia irritado.
“Qual é o problema, Blaze?” Ela repetiu. Vendo-o chateado estava matando ela.
"Oh, minha vida acabou de estragar completamente." Cassie veio ao redor de sua
mesa, pressionando as costas da mão contra a testa, mas ele parecia bem, sem febre.
“É só Natal. Deixe-me chamá-lo de um táxi para levá-lo para casa.” Cassie
estendeu a mão sobre a mesa e pegou o telefone, mas ela ficou surpresa quando Blaze
enrolou os dedos em torno de seu pulso.
"Eu não preciso ir para casa", disse ele, pegando o telefone da mão dela. O
coração de Cassie se acelerou. Ela pensou que iria explodir de seu peito enquanto as
batidas rápidas aumentavam. Ele manteve um bom aperto no pulso dela. Seus olhos
olhavam para onde eles se tocavam.
"Você é tão suave.", ele sussurrou. Os dedos correndo ao longo do interior de
seu pulso. Ele pressionou contra o pulso dela, e deve ter sentido saltar. Seu outro braço
veio até o quadril dela e puxou-a para o centro de sua mesa, diante dele. Cassie ofegou,
a força erótica do momento lhe tirou o fôlego. Ela viu quando ele colocou a cabeça em
sua barriga levemente redonda. Ela o ouviu pressionando beijos em seu estômago e
inalando seu perfume. Suas mãos se moveram para baixo e estavam pressionando as
pernas dela, acariciando o interior de suas pernas e juntando sua saia.
Cassie precisava detê-lo, mas os sentimentos que ele evocava estavam deixando-
a louca. Ela não queria nada mais do que atrair a atenção dele, mas o bom senso veio à
tona. Ela parou suas mãos, forçando-o a fazer uma pausa antes que ele expusesse sua
calcinha.
"Blaze, você precisa parar", ela sussurrou. A negação parecia patética, mas ela
precisava ser a sensata. Este não era o Blaze que ela conhecia, e ela se recusou a ser um
arrependimento.
“Por favor, não me afaste, Cassie. Eu vi você me observando e sei o que você
quer. É Natal. Vamos apenas esquecer tudo, menos esse momento.” Suas palavras
enviaram alarmes em sua cabeça. Ele estava certo. Ela queria isso e precisava sentir
isso. As palavras anteriores de Chris voltaram para ela. E se depois de todo esse tempo
Blaze estivesse esperando por ela? Ela se recusou a passar o resto da vida se
perguntando e lamentando o que poderia acontecer hoje à noite. Cassie puxou a gravata
dele, trazendo a cabeça para mais perto dela. Ela tomou seus lábios, seu primeiro beijo
com a chama quente e resoluta. Blaze ficou de pé sobre ela. Ele puxou a saia dela o
máximo que pôde, expondo sua calcinha molhada. Cassie podia sentir o cheiro de sua
excitação, e ela sabia que ele deveria. Sua vagina estava molhada e suculenta.
Ele rasgou sua camisa aberta, enviando botões por toda a sala. Cassie riu, mas
ela ouviu Blaze rosnar. Seus olhos devoraram seus seios cobertos de renda. Ele abriu a
frente, observando enquanto eles explodiam. Ele gemeu, assim como Cassie, enquanto
seus seios eram enormes e sensíveis.
“Você tem ótimos seios. Eu quero chupar eles.” Blaze segurou seus seios. Eles
encheram as mãos e derramaram por cima. Cassie gemeu, arqueando as costas.
"Não é bom, eu preciso de você completamente nua." Blaze a forçou ficar de pé
enquanto ele tirava o resto de suas roupas, assim como as dele até que elas ficaram
olhando um para o outro. Nus. Ele empurrou-a através de sua mesa, seu pênis enorme
como se destacou.
"Você é tão bonita. Um lindo pêssego maduro” ele rosnou. Blaze pegou um de
seus seios e beliscou seu mamilo.
Ela ofegou. "Você não parece muito mal mesmo."
"Eu fantasiei sobre você assim", disse Blaze. Cassie segurou a respiração. Este
homem lindo tinha fantasiado sobre ela? Ele a queria?
"Você está molhada para mim, baby?". Perguntou ele. Seus dedos correram
através de sua fenda molhada. Ela engasgou, seus olhos se fecharam. “Não, não feche
seus olhos. Observe-me”, ele disse. Cassie abriu os olhos e seguiu o caminho que ele
estava tomando. Ele estava assistindo enquanto seus dedos circulavam seu clitóris. O
homem estava torturando-a.
"Tão inchada e molhada, implorando para ser tocada." Ela gritou quando ele a
penetrou com dois dedos.
Ele espetou sua buceta e tocou seu clitóris. Os sons molhados ecoaram nas
paredes de seu escritório e aumentaram sua excitação. Ela estava molhada e desesperada
para gozar. Ele a fodeu com dois dedos, e ela o observou, o creme visível enquanto ele
desaparecia dentro de seu corpo até os nós dos dedos. As estocadas e o toque em sua
protuberância inchada estavam levando-a para mais perto da borda. Ela chorou e resistiu
e implorou por liberação.
Blaze levou-a para o auge e trouxe de volta antes de dar a liberação. Ele a
segurou de volta, negando-a até que ela estivesse tremendo, inconsciente, insana e
bêbada com o prazer que ele estava desencadeando.
Somente quando ela implorou e implorou por libertação, apenas quando estava
uma bagunça estremecendo, cegada pelo prazer intenso, só então ele a trouxe para a
borda e depois para o pico do êxtase. Ela gritou enquanto seus sucos cobriam seus
dedos. Antes que ela tivesse a chance de descer do alto requintado e colocar seus
sentidos em ordem, Blaze se moveu entre suas pernas. Com as mãos nos quadris, levou-
a até a beira da mesa, abrindo-a para ele. Blaze moveu uma das mãos entre eles. Cassie
observou-o agarrar seu grande pau grosso e provocar o topo através de sua fenda
molhada. Ela engasgou e gritou quando seu pênis bateu em seu clitóris, a cabeça nua
revestida em seu creme pingando.
"Por favor. Não mais”, disse ela. Blaze riu e colocou a cabeça de seu pênis em
sua entrada. Ele empurrou para frente até que apenas a cabeça pressionou o
interior. Cassie não podia acreditar como ela estava esticada apenas da cabeça de seu
pênis. Blaze pegou ambos os quadris em suas grandes mãos, e com grande força ele
mergulhou todo o caminho dentro de sua buceta gotejante até o punho. Ele a fez tomar
toda a sua força poderosa. Ele era grande, e havia um ponto de dor em sua penetração,
mas parecia maravilhoso, o prazer apagando completamente a pequena quantidade de
dor.
“É isso aí, baby. Pegue meu pau, ame-o. Tão fodidamente apertada e molhada.”
Ele bateu em sua vagina chorosa, segurando-a no lugar, soltando com selvageria
animal. Gritos e gemidos encheram o escritório, o ar permeado com o cheiro de
sexo. Ele puxou e bateu de volta. Cassie gritou. Cada terminação nervosa estava
disparando com a sensação. Sua buceta pulsou em torno de seu pênis, implorando por
mais desse homem poderoso. Ele empurrou dentro dela, usando seu corpo para levá-los
ao prazer irracional. Cassie nunca sentiu nada tão surpreendente em sua vida. Ela não
queria que isso parasse. Ela queria mais.
"Você faz eu me perder", disse Blaze. Cassie gritou quando Blaze se perdeu
completamente, cavalgando forte e profundamente. O prazer era intenso demais.
"Não posso...esperar...não...controle", Blaze gritou. Ele fodeu sua vagina
esperando, rosnando com pulsos de sêmen disparados de seu pênis em seu ventre.
Eles desmoronaram juntos em uma pilha em sua mesa, nus e suados.
Cassie não sabia quanto tempo eles ficaram assim. Ela precisava se mover.
"Blaze, eu tenho que levantar." Ela bateu em seu ombro. Algo não estava
certo. Cassie sentiu, como uma reflexão tardia. Havia algo sobre todo o encontro que
não se encaixava bem com ela. Blaze nunca a tratou com nada além do maior
respeito. O que mudou no período entre o telefonema e agora? Não houve conversa,
apenas sexo. Inacreditável, suado, nunca vai esquecer que tipo de sexo, mas ainda
apenas sexo.
Blaze se moveu, seu pênis deslizando para fora de sua vagina. Cassie
choramingou muito ligeiramente.
Ele ajudou-a a ficar de pé. Cassie esperou para ver se ele falaria com ela. Ele não
disse nada. Em vez disso, os dois se vestiram em silêncio. O silêncio continuou
enquanto ele a levava para casa. Ela assistiu ele ir embora, seu coração pesado.
****
Blaze não a assistiu ir até a porta. Em vez disso, ele partiu sentindo-se o maior
idiota do mundo. Ele passou os dedos pelos cabelos e sentiu o cheiro dela em todo o
corpo. No ano anterior, ele não fizera nada além de fantasiar sobre a mulher mais
completa que trabalhava na recepção.
Seu sorriso bondoso e atitude divertida em geral ajudaram-no nos dias
sombrios. De todas as coisas ruins que ele poderia fazer com ela, ele lhe dera
esperança. Uma esperança de futuro. Seu irmão, Chris, o avisara sobre seu tempo ser
muito tarde. Não só ele tinha perdido o seu tempo, mas ele tinha tomado o que queria
porque sabia que Cassie Walker não estaria em seu futuro. As novidades que Francesca
decidira dar a ele haviam destruído todo o seu mundo.
Ele chegou a sua casa uma hora depois e bebeu seu uísque mais forte. Nas
semanas seguintes, ele precisou se perder. Ele não queria tomar um banho e lavar a
mulher que ele queria mais do que qualquer outra coisa.
Um segundo copo de licor forte foi derramado e consumido, ele pensou na noite
estando dentro de Cassie.
Ela veio para o escritório deles com vinte e três anos. Isso foi há um ano, e ele
ficou tão impressionado com suas credenciais, que ele queria que ela trabalhasse para
ele. A maioria das mulheres era menor em tamanho, e ele foi atraído por sua
personalidade de pé no chão. Blaze ficou surpreso ao saber que não era casada e que
nenhum homem a estava esperando.
Merda. Ele esvaziou o copo e serviu outro. O álcool não faria nada além de lhe
dar algumas horas de escuridão.
Blaze olhou para o relógio e pegou o telefone. Seu pai precisava ser avisado
quando seu filho mais velho estava prestes a ser pai e se casar com uma das mulheres
mais bonitas do mundo.
Em seu coração ele estava indo direto para o inferno. Ele sabia disso enquanto
fodia a doce Cassie. Como de costume, ele havia tomado o que queria sem se importar
com quem se machucasse.
Blaze não ligou na época festiva, e Cassie passou sozinha em sua pequena
casa. Ela desejava ter sua própria família, mas em vez disso tinha trabalho lhe
esperando. O primeiro dia de trabalho depois do Natal foi o pior. Cassie se sentiu
nervosa e insegura, mas estava certa de que Blaze também sentia algo.
Ela sorriu quando os empregados entraram no prédio, conversando sobre como o
Natal e o Ano Novo tinham sido excelentes. Ela se sentou atrás de sua mesa,
respondendo a chamadas e lidando com a pilha de correspondência. Blaze não tinha
passado pela porta principal. Ela sabia que ele estava no prédio porque ela o ouviu e
ligou para o escritório dele. Ele parecia estar evitando-a.
Não é uma boa maneira de começar o ano novo no trabalho. Suas mãos tremiam
toda vez que falava com ele.
Na hora do almoço, Cassie teve o maior choque de sua vida.
“Olá, sou Francesca. Tenho um compromisso para ver meu noivo.” Francesca, a
linda mulher que estivera ao telefone na noite da festa.
"Sim, quem é o seu noivo?" Cassie perguntou, temendo a resposta.
"Eu vou lidar com isso, senhorita Walker." Cassie ofegou quando o homem de
seus sonhos finalmente chegou à área de recepção. Ele nem sequer falou o nome dela.
"Querido, você não contou a ninguém a nossa boa notícia?" Francesca ronronou
quando foi para o lado de Blaze, beijando-o nos lábios.
Cassie ficara doente.
“Que boas notícias?” Ela sussurrou. No fundo de seu intestino, ela já sabia a
resposta.
"Estou noivo e vou me casar." Ela ouviu Blaze falar. Cassie não queria
ouvir. Antes de partir para o Natal, ele estava dentro do corpo dela. Eles tinham fodido
em sua mesa. Blaze Sinclair era um daqueles homens que usavam e esqueciam as
mulheres?
Cassie observou-o colocar uma mão reconfortante em torno de sua
namorada. Como ela poderia ter sido tão estúpida ao pensar que ele se importaria com
ela?
“Essa não é a única boa notícia. Vamos ter um bebê.” Francesca enfiou a unha
no caixão de Cassie.
Cassie olhou para o casal diante dela e sentiu que ia desmaiar. Não havia como
ela viver com essa dor, a dor emocional excruciante.
Ela reuniu sua bolsa e casaco. Pela primeira vez desde que trabalhara para os
homens Sinclair, ela iria almoçar fora em vez de ficar. Cassie precisava sair do prédio.
“Blaze, há algo errado com a mulher? Ela parece muito pálida.”
Cassie não podia acreditar que ela tinha alguma cor. Foi assim que outras
mulheres reagiram quando perceberam que tinham sido usadas?
"Parabéns. Voltarei em uma hora.”, disse Cassie. As palavras eram difíceis para
falar, o nó na garganta dolorido. O que mais ela poderia fazer?
Ela saiu pelas portas do escritório, não se importando que não houvesse ninguém
para cobri-la na recepção.
Pela primeira vez em sua vida ela foi usada por um homem. O homem que ela
amava desde que o conheceu. Ela ouviu a comoção e olhou para trás para assistir.
"Vá para o meu escritório, Francesca." Blaze empurrou sua noiva para longe. Ele
correu em direção a ela, e Cassie se virou e continuou andando. Ela não queria que
ninguém testemunhasse sua humilhação. As provocações e comentários desagradáveis
voltaram para assombrá-la. Como poderia qualquer homem, especialmente um tão sexy
e bonito como Blaze Sinclair, querer alguma coisa com a gorda e feia Cassie
Walker? Ela continuou andando e conteve o soluço que ela queria expulsar.
"Cassie", ele gritou. Ela andou mais rápido.
"Cassie, espere." Ele correu para o lado dela, pegando o braço e parando-a. Ela
se afastou dele, não querendo que ele visse suas lágrimas.
"Como posso ajudá-lo, Sr. Sinclair?" Sua voz era formal, uma maneira de mantê-
lo tão longe dela quanto possível.
"Cassie, não faça isso, por favor."
Ele parecia tão quebrado e desesperado. Ela olhou para ele e desejou que não
tivesse. Ele parecia tão torturado quanto ela.
"O que você quer que eu faça? Sinto muito, mas não consigo encontrar as
palavras de sabedoria agora. Quando você ficou noivo?” Ela viu a pergunta pegá-lo
desprevenido.
“Cassie, por favor. Conversaremos..."
"Foi na festa, não foi?" Cassie sabia que as lágrimas estavam caindo em seu
rosto. Ela perdeu a luta para mantê-las dentro. "Você me usou." Ela baixou a cabeça em
vergonha. O que tinha sido tão maravilhoso para ela, era o jeito dele de ter uma última
transa grátis. Logo ele seria um homem casado e todas as outras mulheres estavam fora
do cardápio. Ela teve alguma pena de foda? Dane-se a garota gorda enquanto ele sabia
que ela não teria qualquer direito a ele depois?
****
"Cassie, me desculpe." Blaze não tinha idéia do que dizer, e o arrependimento
não soava bom o suficiente nem para ele. Ele usou Cassie da maneira mais terrível que
ele sabia. Naquela noite, ele implorou à ela para não recusá-lo. Chris contou à ele sobre
sua paixão, e ele usou isso contra ela. Como ela poderia recusá-lo, quando passava a
maior parte do tempo querendo estar em seus braços? Ela o recebeu em seu corpo com
tanto desejo e paixão que ele ficou duro apenas se lembrando. Sua mesa era agora uma
memória preciosa para ele.
Blaze sabia que ele deveria ter ligado para ela durante as férias, tentou falar com
ela sobre o que aconteceria. Ele tinha sido um covarde e estava pagando o preço por seu
engano.
“Você sente muito? Você me usou sabendo que você não teria que fazer nada
sobre isso. O que eu era? Uma foda de pena? Foda a garota gorda antes de ir para a sua
vida conjugal.” Cassie rosnou. As lágrimas eram um fluxo constante em seu rosto. Ela
não parecia se importar com a atenção que eles estavam criando.
"Sinto muito", ele disse mais uma vez.
"Eu não quero ouvir isso."
Seu peito doía, e ele queria dobrá-la em seus braços, jurar que não tinha nada a
ver com ela. Ele era o bastardo que tinha tomado o que queria.
"Cassie, por favor, vamos entrar e conversar sobre isso." Ele pegou o braço dela,
mas ela puxou para longe como se o toque dele fisicamente a machucasse.
"Não me toque." Ela olhou para ele. Ele viu a raiva brilhar em seus olhos. Blaze
queria ver a raiva em vez da dor que ele causou. "Por favor, deixe-me só..."
Blaze ficou onde ele estava se preparando para atacar. O que ele poderia
fazer? Ele recuou. Não havia sentido em tentar conversar. Cassie estava sofrendo e ele
tinha sido a causa. "Eu vou te ver no meu escritório quando eu voltar." Ele esperou até
que ela assentisse, e ele ficou na rua e a observou ir embora.
Blaze passou as próximas horas esperando em seu escritório. Todo o trabalho
deixado de lado, ele não conseguia se concentrar e, ele não se importava com isso
também. Não enquanto ele pensava em Cassie e na dor que ele lhe causara. Francesca
tinha ido embora há muito tempo. Ela estava fora agora gastando seu dinheiro para criar
o casamento maravilhoso para o casal feliz.
“Margaret, Cassie Walker não voltou ainda?”, perguntou à secretária pelo
interfone. Ele ouviu quando ela fez perguntas.
"Não senhor. Nenhum sinal dela também. Eles parecem muito preocupados.”
“Obrigado. Diga a eles para não se preocuparem. A senhorita Walker me
informou que demoraria um pouco.”
"Ok, senhor, farei isso."
Blaze sentou-se em sua cadeira. Sua mão esfregou ao longo de sua mesa onde
algumas semanas antes, Cassie se espalhou e gritou sua libertação. Ela tomou cada
centímetro de seu pau duro nas profundezas de sua linda buceta apertada. Ele colocou a
cabeça nas mãos. Ele realmente fez uma bagunça.
Uma batida na porta fez com que ele se endireitasse.
"Entre", ele chamou. Nos poucos segundos que a pessoa levou para abrir a porta,
ele rezou para que fosse Cassie. Seu coração caiu.
"O que você quer?" Ele rosnou para seu irmão.
"Bem, eu pensei em vir e dar isso a você." Chris levantou um envelope branco
simples.
Blaze levantou-se e deu a volta para se apoiar do outro lado da mesa. Ele pegou
o envelope de seu irmão e leu o conteúdo.
"O que diabos é isso? Algum tipo de piada?” Blaze jogou o papel de volta para
ele.
“Senhorita Walker deixou em meu escritório uma hora atrás. Sua renúncia
entrou em vigor imediatamente.”, disse Chris, pegando a carta.
"Ninguém a viu", disse Blaze. Ela prometeu ir até ele.
“Isso é porque ela pediu para me encontrar e eu a esgueirei para o meu
escritório. Depois de tudo o que ouvi, foi a única coisa que pude fazer para ajudar o
coração machucado de uma mulher.” Chris arrumou a carta no envelope.
"Ela não tinha outro lugar para ir", Blaze murmurou para si mesmo. Todos os
outros gerentes e diretores foram contra contratá-la. Pelo menos, Chris daria a ela o que
ela precisava para fazer o seu caminho no mundo.
"Eu fiz o certo para ela", disse Chris.
"Você encontrou um novo lugar para trabalhar?"
“A mulher estava chateada. Ela queria sair, e em vez de sair sem referências, eu
dei a ela, além da minha palavra, que ela seria cuidada.” Chris franziu o cenho para
ele. “Você sabe que eu disse que o Natal era uma época para começar algo novo. Para
abrir seu coração e mente. Eu não queria que fodesse uma mulher enquanto você
engravidasse outra, se pretendia se casar com ela. Cassie não merecia esse tipo de
tratamento.”, disse Chris.
Blaze olhou para o irmão. Ele não tinha intenção de ir atrás de Cassie. Depois da
ligação que Francesca fez e das revelações, junto com Cassie aparecendo em seu
escritório, ele estava fraco demais para resistir.
“Acabou de acontecer.” A desculpa era manca até para si mesmo.
Chris bateu a mão na mesa. “Você não usa mulheres como Cassie Walker. Você
não as fode, e depois as deixa como se fossem lixo. Acredite em mim, tudo que você
terá é mágoa e se sentirá uma porcaria completa.”
"Como você sabe o que é isso?" Blaze atacou de volta. Ele não se sentaria e
tomaria o discurso de seu irmão mais novo. Ele sabia que estava errado, e não precisava
de ninguém para contar a ele.
“Porque eu estive onde você está agora. Eu tive a melhor mulher para mim, e eu
a peguei, e a larguei.” O silêncio desceu na sala. Blaze ficou chocado. “Eu senti a
essência do amor. Para que uma mulher me siga e se aqueça em tudo que sou. Não o
dinheiro que ganho ou quem é meu irmão, mas sim amar e gostar de mim. Você quer
saber o que eu fiz? Eu a ganhei e a comi, e então eu a peguei sem sentido. Tomei a
virgindade dela e depois a larguei para a próxima modelo que veio junto.” Os olhos de
Chris estavam cheios de emoção violenta.
Blaze não tinha idéia do que dizer. Ele nunca tinha visto seu irmão apaixonado,
ou até mesmo sabia que havia uma mulher lá fora. A dor que ele vislumbrou nos olhos
de seu irmão era real.
"Você a vê?" Blaze perguntou baixinho.
“Sim, eu a vejo diariamente. Ela trabalha nesse prédio. Eu não vou te dizer
quem, mas seus olhos já não me seguem. Quando ela fala comigo, é porque ela precisa
e não tem outro motivo.” Chris foi e olhou pela janela do escritório. “Você acha que
isso é difícil? Espere até você vê-la novamente, sabendo que a dor que reflete nos olhos
dela é por sua causa. Ou você vê um cara prestando atenção na mulher que ama e sabe
que não pode impedi-la.”
Blaze ficou em choque, a dor e o conhecimento da dor de seu irmão o
assustando. É este o futuro que ele deveria ter?
"É por isso que você assumiu a coisa de casar?", perguntou Blaze. Ele conhecia
os rumores que corriam em torno de seu escritório.
Chris riu. "Não somos todos idiotas quando se trata de amor, mas alguns de nós,
só precisam de ajuda."
Blaze sorriu. Este homem, seu irmão mais novo, era um romântico
incurável. Seu pai disse que quando seus filhos conhecessem a mulher certa, não
haveria outra mulher para eles. Seus corações amariam apenas uma, e esse amor nunca
cessaria e só ficaria mais forte.
Blaze recordou o amor que sua mãe e seu pai compartilhavam, esse era o amor
verdadeiro. Quando sua mãe morreu, dando à luz ao seu terceiro filho, Trent, quase
destruiu seu pai. No entanto, dez anos depois, ele se casou com outra mulher e teve
mais dois filhos. Ele se perguntou se Molly já se sentiu em segundo lugar. Pela primeira
vez ele começou a se perguntar sobre sua própria vida.
"O que devo fazer, Chris?", perguntou Blaze.
"Eu não tenho idéia." Chris o deixou sozinho em seu escritório com seus
pensamentos imaginando.
Cassie se sentou em casa imaginando o que havia acontecido com ela. Apenas
um mês atrás, ela teve o trabalho mais incrível. Sua vida tinha sido simples e
divertida. Agora ela se sentia como se tivesse sido atingida por um raio. A dor nunca
cessou. Com o passar das horas, ficou mais fácil fazer algo além de chorar. Seu rosto
estava vermelho e inchado, e seu nariz dolorido por usar tecidos. No pequeno período
de tempo, ela consumiu três potes de sorvete de chocolate e recorreu à baunilha. Nada
parecia ajudar seu coração dolorido. Quando ela conseguiu se controlar, saiu de sua
pequena casa. No caminho para o supermercado, ela passou por uma banca com todos
os jornais e revistas brilhantes. Em todas as páginas, ela viu uma foto de Blaze e
Francesca com as palavras “casal feliz” pontilhando a página. O mal estar e as lágrimas
haviam retornado e ela voltou direto para casa.
Chris Sinclair tinha sido um milagreiro. Ele a ajudou a encontrar um trabalho e
fez com que ela ficasse bem. Ele era um cara ótimo.
Ela acariciou seu gato ruivo, Whiskers, e se perguntou como ela seria capaz de
lidar com o resto de sua vida.
"Eu o amo, Whiskers.", ela disse a seu amigo confidente.
Whiskers ronronou e subiu em seu colo a abraçando.
A batida na porta a surpreendeu. Ela estava esperando que Chris reunisse seus
pertences e os entregasse a ela. Pegando Whiskers, ela abriu a porta.
Blaze estava de pé em sua porta, com uma caixa na mão. O desejo de bater a
porta na cara dele era tão tentador, mas ela tinha sido educada com melhores maneiras
do que isso.
Cassie embalou Whiskers mais perto, usando seu gato como um escudo contra a
emoção que borbulhava dentro dela.
"Eu trouxe as suas coisas." Blaze empurrou a caixa para ela.
"Obrigada. Chris disse que iria trazê-lo.” Cassie abaixou o Whiskers e pegou a
caixa de seus braços que esperavam.
"Eu queria ver você. Posso, por favor, entrar?” Ele gesticulou para a casa dela.
Cassie relutantemente o deixou entrar.
Ela fechou a porta, levando-o para sua pequena sala de estar. “Posso te dar uma
bebida? Café, chá? Uma Coca-Cola?” A parte cortês dela nunca poderia ir.
"Café." Ela assentiu com a cabeça. Cassie atravessou seu pequeno corredor que
levava à sua cozinha. A casa era pequena, mas fácil e confortável para uma mulher
solteira.
Ela sabia como ele gostava de seu café, e fez direto da memória. Cinco minutos
depois, ela entrou em sua sala de estar para vê-lo olhando através de sua coleção de
livros. Ela colocou as duas xícaras de café sobre a mesa com o prato de biscoitos.
“O que você queria me ver?”, Perguntou Cassie. Ela tinha que tirá-lo de sua
casa. Sua presença a estava matando, rasgando seu coração e esmagando-o em
pedacinhos. Quando a mágoa terminaria? Quando ela seria capaz de passar numa banca,
onde a foto dele estaria espalhada por todas as páginas?
"Cassie, eu não quero fazer isso com você."
"Então não faça."
"Cassie, você não tem que sair"
"Sim, eu quero. Eu me envolvi com você naquela noite, Blaze. Para você foi
apenas uma noite, mas para mim significou mais, e eu não vou passar o resto da minha
vida observando você com outra pessoa. Eu não quero pena. Eu só quero ignorar e
esquecer o que aconteceu e continuar com a minha vida.” A fala soou muito bem aos
ouvidos dela, mas por dentro ela estava quebrando. “Isso seria o melhor para nós dois.”
Ela forçou um sorriso a seus lábios.
"Se houvesse alguma coisa, eu poderia fazer..." Não havia nada que ele pudesse
fazer. Ela sabia disso, e ele também.
Ele estava se casando com uma mulher que carregava seu filho. Não havia mais
nada a dizer ou fazer. Ela não teria um relacionamento com um homem casado. Se ela
soubesse de Francesca na noite da festa, não teria se envolvido então.
Por que ela tinha que ter mais do que sexo em um relacionamento?
Ela não podia apenas fazer sexo e deixar assim, ela não foi construída dessa
maneira. Ela precisava de mais. Ela queria ser amada e amar de volta.
“Você não pode fazer nada sobre aquela noite. Nós dois cometemos um erro, e
este é o preço que pagamos.” Cassie assentiu com a cabeça e colocou uma mecha de
cabelo atrás da orelha.
Ela usava jeans e uma camisa vermelha. Ela esperava que ele não pudesse ver os
quilos extras que ela colocara desde que saíra do escritório.
“Eu não deveria ter deixado você naquela noite. Se eu fosse qualquer tipo de
homem, teria forçado você a se virar e ir embora. Mas eu não sou esse tipo de
homem. Francesca me contou o que aconteceu, você entrou e eu tive que ter você. Eu
não me importei com mais nada.”, disse ele.
Cassie lambeu os lábios e olhou para o chão. Ela não podia fazer isso. Agora
não.
"Eu acho que você deveria ir embora.", ela disse e caminhou em direção à porta.
Ela o ouviu seguindo-a e estendeu a mão para a maçaneta da porta. Blaze
pressionou a mão acima da cabeça e fechou a porta da frente. Seu coração disparou e ela
se virou para encará-lo.
"Sinto muito, mas não posso sair sem fazer isso." Blaze a beijou.
Cassie se odiava por derreter contra o seu toque. Seus braços o envolveram e ela
respondeu, abrindo os lábios para que ele pudesse entrar. Ela se afastou primeiro e
forçou a porta a se abrir.
Blaze acariciou sua bochecha e saiu.
Três anos depois

“Ela quer a casa e um bom acordo, juntamente com uma conta de despesas
mensais abertas e disponíveis. A Sra. Sinclair disse que se você concordar com seus
termos, ela não vai lutar pela custódia, e você pode ter a custódia total do Blaze Junior.”
Blaze ouviu seu advogado de divórcio enquanto assistia seu menininho brincando no
jardim com sua babá. . Ele era um menino lindo, cabelo ondulado grosso escuro, doce
rosto de bebê delicioso e uma mente afiada, também, seu filho, Blaze Sinclair Jr.
“Faça o que ela quiser. Eu quero aquela mulher fora da minha vida. Certifique-se
de que eu não tenha que lidar com ela diretamente.” Blaze acenou para o seu advogado
e saiu de seu escritório em casa. Ele e seu filho tiveram um encontro com seu pai. Blaze
recebia instruções estritas para tirar folga do trabalho e visitar a casa do pai à beira-mar.
Três anos haviam sido desperdiçados. Além do nascimento de seu filho, a vida
com Francesca fora um pesadelo. A mulher era uma vadia manipuladora e
trapaceira. Ele não podia suportá-la. Chegar em casa para vê-la transando com o
jardineiro pela vista da janela de seu filho tinha sido a última gota. Ele agradeceu à
Deus que seu filho não estava em casa naquele dia.
“Você não me ama, Blaze. Como eu posso ser feliz quando você está
constantemente pensando em outra pessoa?” Ela havia lançado a acusação para ele. Ele
não podia discutir com ela. Ele pode ter dado a ela seu nome, seu corpo e até mesmo seu
herdeiro, mas seu coração e alma eram propriedade de outra mulher completamente
diferente. Uma mulher que ligou para o homem, e não apenas o seu dinheiro e posição
na vida.
Cassie Walker. Ele pensava nela com frequência. O que ela estaria fazendo? Ela
era feliz? Ele sabia que Chris mantinha contato com ela regularmente. Blaze nunca
perguntou, e ele não podia suportar ir vê-la. Ela dividiu seu mundo entre desejo e
querer. Alguns dias isso era tudo o que ele tinha. Sentou-se e imaginou como teria sido
a vida se ele tivesse engravidado Cassie, em vez de Francesca. Seu relacionamento
estava condenado desde o começo. Enquanto ele estava com Francesca, ele fantasiava
sobre estar com Cassie, e uma vez durante o sexo ele gritou o nome de Cassie. O
argumento e a desculpa que tiveram sucesso foram horrendos. Ele ficou no pátio,
observando seu filho rir enquanto sua jovem babá fazia cócegas nele.
"Seu pequeno monstro." Ele ouviu os dois. Eles eram mais como irmão e irmã
do que babá e alguém por quem ela era responsável.
"Papai." Blaze sentiu seu coração estufar quando seu garotinho correu para ele,
radiante de felicidade.
"Oi carinha. Você está pronto para ir ao vovô?” Blaze o pegou, segurando-o
perto.
"Sim, sim. Babá Tracy voltará quando você precisar dela.” Sua voz era tão doce
e fofa. Seu filho derreteu seu coração congelado. Suas palavras estavam em todo lugar
para a sua idade, mas Blaze sabia o que seu filho queria dizer.
"Isso mesmo." Blaze voltou sua atenção para a babá. “Vou manter contato. Você
foi uma grande ajuda, Tracy.”
“Ei, para que servem os vizinhos? E de qualquer maneira eu fiz algum dinheiro
extra, então meu pai não vai ficar louco quando eu pedir.” Ela se inclinou e beijou Blaze
Jr. na bochecha. “Certo, monstrinho, eu vou te ver em breve. Cuide-se."
"Tchau, babá Tracy", disse Blaze Jr. e Blaze, seguindo-a até a porta. Eles
acenaram adeus. Blaze chamou a atenção do filho com uma pequena sacudida.
“Quer ir ao vovô?”
"Sim. Eu quero ver vovó Molly. Ela faz biscoitos.” Blaze Jr. bateu em seus
lábios.
Blaze riu. "Sim. Os biscoitos de Molly são os melhores.”
Blaze o colocou no carro enquanto seu mordomo carregava o porta malas. Ele
acenou para o mordomo, e pegou a estrada para o pai dele. Foi uma boa viagem de três
horas. Blaze passou o tempo cantando músicas infantis e tocando Simon Says.
Não importava quantas vezes ele cantasse, sua mente se dirigia para uma festa de
Natal onde ele entregara seu coração à única mulher que importava.

****

Cassie estava correndo em torno de seu apartamento. Whiskers, que agora estava
muito mais gordo, apenas sentou roncando a observando.
"Você sabe que você poderia me ajudar." Cassie bufou para seu gato
incrivelmente gordo. Ela precisaria colocá-lo em uma dieta em breve, se ele continuasse
ficando mais pesado.
Indo embora por três semanas não deveria ser tão estressante. Começar sua
primeira agência não foi tão estressante. Ela possuía sua própria agência, onde as
empresas de ponta pagavam por ela e sua equipe para encontrar, contratar e treinar
funcionários. Muito aconteceu nos três anos desde o desastre com Blaze Sinclair. Ela
havia conseguido construir seu próprio negócio, o que ela achava que nunca seria capaz
de fazer. Devido a todo o seu sucesso, ela conseguiu comprar sua casa. O que ela mais
amava em ter seu próprio negócio, era a quantidade de tempo que ela tinha que gastar
fazendo isso. Ela não teve muito tempo para pensar no passado. Houve momentos em
que Blaze entrou em sua mente, mas no momento em que começou a trabalhar, sua
memória foi direto para o esquecimento. Possuindo sua própria casa, uma empresa em
tempo integral, e ter uma renda suficiente para ela não se preocupar com o futuro, tinha
sido metas que ela nunca imaginou realizar. Ela conseguira superar suas próprias
dúvidas. Sua amizade com Chris Sinclair foi o maior choque de todos. Ele era o melhor
amigo que ela já teve. Ela não podia se arrepender de um único momento. Cassie
Walker não era a tímida recepcionista que as pessoas viam ao entrar em um prédio e se
esqueciam em cinco minutos. Agora, ela possuía um escritório que lhe dava a
independência que ela precisava. Sua pequena empresa tinha uma reputação sólida.
“Onde coloquei aquelas malditas chaves?” Ela se virou e girou em círculos,
esperando que elas saltassem para ela. Ela olhou para seu aconchegante sofá que
Whiskers estava sentado. “Você é um pequeno sorrateiro. Eu sei que você odeia andar
no carro, mas nós, senhor, vamos sair de férias. Nós merecemos isso. Ela pegou seu
gordo gato, e lá, brilhando para ela, estavam as chaves do carro.
Cassie colocou a última mala no carro. Ela voltou pela última vez para pegar
Whiskers. O telefone tocou quando ela passou e, sem pensar, ela atendeu.
"Oi, Cassie Walker falando", disse ela, sua voz feliz e alegre.
"Você deveria estar na estrada." Chris Sinclair repreendeu- a.
“Ouça, senhor. Estou a caminho da porta. Acabei de pegar Whiskers. O gato
estava matando o braço dela.
"Deixe-o. Ele vai sobreviver sem comida por mais de um mês.”
"Você o perdeu. Eu sei que você ama pequeno Whiskers.”, ela disse.
"Sim. Sim. Sim. Apenas pegue a estrada.”
"Tudo bem, tudo bem. Estou indo, estou indo.” Ela bateu o telefone, deixando
seu apartamento e trancando a porta. "Feito." Ela sorriu e colocou Whiskers em sua
caixa, fazendo seu caminho para relaxar na praia.

****

Na casa perto da praia, Chris colocou o telefone de volta na base. "Cassie está a
caminho, e Blaze também."
“Espero que você saiba o que está fazendo, filho.” Seu pai, David, não gostou
dos esquemas intrometidos de seu filho.
“Confie em mim, pai. Isso vai funcionar. Vai doer, e haverá algumas explosões,
mas no final será felicidade.” Chris podia sentir isso.
"Espero que você esteja certo." Trent, o irmão mais novo, falou da porta.
"Tenha um pouco de fé, vocês dois", disse Chris.
“Eu não quero mais Molly chateada, Chris. Isto é para nós também.”, disse seu
pai.
Chris sabia sobre os problemas no casamento de seu pai. Molly havia enfrentado
seu pai com papéis de divórcio há dois meses, dizendo que ela não aguentava mais. Seu
pai havia se recusado a assiná-los, usando sua teimosia habitual. Desta vez, era para eles
perceberem que o casamento era bom. Era parte da razão pela qual seu pai pedira a seus
filhos que voltassem para casa, então Molly não o deixaria. O patife sabia o quanto ela
amava seus meninos.
“Eu sei, e isso vai ajudar. Cassie e Blaze deveriam estar juntos. Você não os viu
há três anos. Francesca destruiu o que eles poderiam ter. Eles podem ter isso agora. Eles
só precisam de um pouco de persuasão.”
Era hora de Cassie ter alguma felicidade. Chris manteve contato e eles se
tornaram bons amigos. Chris queria ver sua amiga feliz.
“Eu me esqueci de mencionar que Cassie está trazendo seu gato gordo,
Whiskers. O coração de Molly vai derreter.” Chris acalmou seu pai.
"Luke e John chegarão em poucos dias, então vocês meninos serão legais.", disse
David. Luke e John eram os meninos que seu pai tinha com Molly, sua segunda e última
esposa.
“Nós nunca tivemos um problema com eles antes, pai. O que faz você pensar que
teremos uma agora?”, perguntou Trent. Trent era o mais sossegado de todos os filhos.
“Porque foram Luke e John que disseram a Molly que exigisse o divórcio.”,
grunhiu David.
Chris observou seu pai. Ele amava o velho, mas ele era um idiota. Ele sabia que
Molly sofria diariamente sabendo que seu marido nunca a amaria. Pelo menos, David
achava que nunca poderia amar outra mulher. Chris amara a mãe, mas sabia o valor de
seguir em frente. Ele esperava que com o tempo seu pai visse o mesmo.
“Parem seus planos, jovens homens. É hora do almoço.” Molly entrou no
escritório do pai usando um avental manchado. Chris observou enquanto ela sorria para
Trent e para ele, mas acenou para o pai, os olhos cheios de dor e outra emoção que ele
nunca tinha visto ali, desesperança. Molly finalmente desistira da esperança. Ele viu
quando seu pai foi beijar Molly, mas ela se virou e ele apenas roçou sua bochecha.
Vendo seu pai e Molly lutando.
Parecia que sua próxima missão seria ajudar seus pais. Isso é o que Molly era
para ele agora, sua mãe.
“Olha, papai. O vovô e vovó.” Blaze Jr. gritou de alegria.
Blaze estacionou o carro com os olhos no pai e na madrasta. Havia algo diferente
neles, mas ele não conseguia dizer o que era.
O carro estacionou em segurança, Blaze Jr. pulou do banco e correu para os
avós. Naquele instante, Blaze percebeu a diferença. Eles estavam em ambos os lados de
seus dois irmãos. Eles geralmente ficavam lado a lado, mas estavam separados por uma
enorme lacuna. Essa lacuna surpreendeu o garoto, que normalmente corria para o centro
e recebia atenção dos dois. Blaze Jr. parou, hesitante.
"Tio Trent, tio Chris.", ele gritou momentos depois, correndo para o meio, entre
eles.
"Oi, garotinho.", os dois disseram, bagunçando o cabelo.
Blaze Jr. sacudiu as mãos, sorrindo para os tios.
Blaze observou Molly levar seu filho, levando-o até a casa, com o rosto aberto e
sorridente.
"Vocês vão me ajudar a pegar minhas malas?" Blaze perguntou, vendo seu pai
seguir atrás de sua esposa, os ombros derrotados.
Trent e Chris o ajudaram com suas coisas. “Jesus, Blaze. Francesca está se
juntando a nós, com tantas coisas que você trouxe?” Trent zombou.
“Pare de ser um bucetinha. Eu sou um pai solteiro agora.”, disse Blaze. “De
qualquer forma, o que houve com Molly e papai? Eles nunca ficaram separados assim.”

Chris e Trent se entreolharam. “Você é o criador de estórias. Você diz a ele.”,


disse Trent.
"Molly exigiu o divórcio há alguns meses, e papai se recusou", Chris disse a
Blaze enquanto encarava Trent.
"Papai deve saber o que ela sente sobre ele", Blaze disse, perplexo.
"Luke e John foram os brilhantes que disseram Molly para fazê-lo", disse Chris.
"Esses dois bastardos precisam aprender a manter a boca fechada." Blaze estava
fumegando.
"Acho que eles estavam certos em dizer a ela para se divorciar", disse Trent atrás
deles.
Chris e Blaze se aproximaram dele.
“Vocês realmente a culpam? Vinte e cinco anos em um casamento, onde o
marido continua a lamentar a morte de sua primeira esposa. Para vocês, ela é apenas
Molly. Para mim, ela é minha mãe. Eu tinha dez anos quando papai se casou com
ela. Ela é minha mãe. Papai passa a maior parte do tempo dizendo como não
esquecemos nosso primeiro amor, que nunca amamos depois daquele primeiro
amor. Molly sempre seria a segunda melhor. Eu não sei sobre vocês, mas eu nunca vivi
sendo o segundo melhor. Espero que ela se divorcie, porque então ela poderá encontrar
um homem que a ame, em vez de uma esposa morta.” Trent passou por seus irmãos e
entrou na casa.
Chris e Blaze o observaram partir.
"Você sabia que ele se sentia assim?" Blaze perguntou.
“Acho que é a primeira vez que o ouço falar mais de uma frase. Parece que este
verão será bastante interessante.”, disse Chris.
Blaze admitiu que nunca ouvira Trent falar assim antes. Ele geralmente dava
uma resposta de uma palavra. Ele mal falava ou dava sua opinião. Ele era quieto e
isolado de todos. Todos, isto é, exceto Molly. Ele se destacou na escola, ficando em
casa e estudando em vez de ir para festas. Ele nunca se juntou a Blaze ou Chris nas
noites da cidade. Blaze nem sabia se Trent tinha alguma namorada. De fato, com
relação a seu irmão mais novo, ele não tinha idéia do que ele gostava, ou de quem ele
era como pessoa. Ele nunca esteve interessado em Blaze ou em seus negócios. O que ele
tinha a dizer, no entanto, fazia sentido. Francesca dissera que sentia o mesmo. Molly
finalmente desistiu do amor que ela tinha por seu pai? Blaze não sabia como ele se
sentia sobre isso. Molly tinha se tornado uma característica permanente em sua vida,
assim como em seu filho. Blaze Jr. adorava sua avó e ele ficaria arrasado se alguma
coisa mudasse.
"Então, Matchmaker, como você pretende ajudar Molly e papai?" O apelido que
havia começado nos escritórios da Sinclair Industry, tinha pegado e se tornado o apelido
de Chris em casa também.
“Estou começando a me perguntar se devo ajudar. Papai está preso em seu
passado, e Molly merece mais.” A voz de Chris tinha um toque de derrota.
“Não, Chris. Papai ama Molly. Você sabe. Eu sei isso. São apenas os dois que
não sabem disso. Blaze se sentiu desesperado.
“Nós sabemos disso, mas o amor é profundo o suficiente para Molly? Eu não
quero adicionar a essa dor.”
Blaze não tinha idéia do que Chris estava falando. Amor, qualquer amor, valeria
à pena lutar. Se Molly realmente amava seu pai, então qualquer coisa dele seria o
mundo. Blaze sentiu o amor de uma mulher. Uma recepcionista sensual e voluptuosa,
que por uma hora muito curta lhe mostrara o amor. Seu coração se abriu naquele dia,
apenas para morrer em um telefonema, um telefonema que o levou a usar aquela mulher
da maneira mais desprezível.
Blaze observou o céu, saboreando o brilho do sol. Olhando para aquele sol, ele
se perguntou sobre Cassie.
Ele se perguntou como ela estava e o que ela estava fazendo.
O sol brilhava em seu rosto, aquecendo-o.
O som de um carro se aproximando fez com que ele se virasse.
Não, não poderia ser.
****

Molly observou o marido. Ele fez seu coração doer. Por anos ele tinha feito seu
coração doer. Após a morte de sua primeira esposa, observando sua dor e sofrimento a
machucou profundamente. Ela viria para a casa dele e cuidaria de seus três filhos. Ela
era dez anos mais nova do que ele, então quando ele tinha trinta e cinco anos, ela tinha
vinte e cinco anos e abrindo as asas. Depois de ajudá-lo com seus filhos e cuidar de
Trent, ele pediu que ela se tornasse a babá dos meninos. Ele a pagou para ficar em casa,
trabalhando com os meninos, criando um estilo de vida caseiro. Trent se ligara a ela,
seguindo-a sempre que lhe permitiam e esperando pacientemente pelo retorno dela.
Blaze e Chris não pareciam incomodados com a presença dela. Em alguns aspectos eles
eram indiferentes a ela.
Durante cinco meses ela esteve nas nuvens, tendo uma família para chamar de
sua, mesmo que fosse em silêncio. Então uma noite sua vida mudaria.
Naquela noite, David voltou para casa, bêbado e irritado. Ele culpou Trent pela
morte de sua primeira esposa. Molly enviara Trent e os meninos para a
cama. Assumindo o controle, ela invadiu o galpão do lado de fora, levando David o
mais longe que pudesse das crianças.
Eles gritaram e amaldiçoaram um ao outro, e então no chão duro eles fizeram
sexo. Na época ela o chamava de fazer amor, mas agora para ela era apenas sexo. David
nunca fez amor. Ele guardou isso para sua primeira esposa. Aquela que ele mais
amava. O pior aspecto daquela noite foi que eles fizeram sexo desprotegido.
Três meses depois; três meses de absoluto silêncio entre eles, Molly descobriu
que estava grávida.
Ela nunca esqueceria as suas palavras até hoje. “Eu vou me casar com
você. Nenhum filho meu nascerá sem o nome Sinclair. Mas, Molly, eu vou cuidar de
você, mas nunca amarei você.”
Suas palavras doeram, e ainda doem agora. Eles se casaram e, seis meses depois,
Luke nascera. Três anos depois disso, John também. Ela amava seus filhos. Eles eram o
motivo de viver no limbo, sempre sendo a segunda melhor. Ela não podia mais fazer
isso, porém, viver sem amor. Seus meninos estavam mais velhos e saíram de casa. Eles
até a encorajaram a deixar o pai. Trent dissera que a amava e não importava o que, ele
respeitaria sua decisão.
Dois meses atrás, ela ficara chocada até o âmago de seu ser, quando David se
enfurecera e gritara com ela.
Nenhum divórcio. Ele não permitiria isso.
Vindo como um compromisso, ela iria esperar e ver se eles poderiam resolver
seus problemas.

****

David assistiu Molly ajudando seu neto. A mulher com quem ele estava casado
há vinte e cinco anos. Com quem tinha tido dois de seus filhos, e quem ajudou a amar e
cuidar de todos os seus cinco filhos. Molly era uma mulher fantástica, cheia de amor e
vida.
Ele havia matado esse amor. Ela não queria mais estar com ele. Ela não queria
um casamento, um relacionamento ou fazer amor. Dois meses atrás, após o choque de
suas demandas, ele foi para a cama deles e tentou seduzi-la, conquistá-la amando seu
corpo, mas ela se virou, sussurrando as palavras que o assustariam para sempre se ele
não o conseguisse reconquistá-la de volta. "Eu não suporto o seu toque.", ela sussurrou
com seus olhos vermelhos e sangrentos. Ela agora dormia no quarto de hóspedes.
Ele sentia falta dela à noite, seu calor, seu corpo, o jeito que ela costumava
recebê-lo. Ele sentia falta do sorriso dela, do toque dela, até da proximidade dela.
Por vinte e cinco anos ele se acostumou a certas ações e modos de vida, e agora
eles estavam sendo completamente expulsos.
Ele não seria capaz de viver sem ela. Ela era o mundo dele.
Ele amava e adorava ela com todo o seu coração.
Ela não podia deixá-lo.
Molly era sua mulher.
Sua mulher.
"Você acha que chegamos, Whiskers?" Cassie perguntou a seu gato, olhando
rapidamente para o mapa impresso.
Ela foi encostando o carro na calçada. Parecia abandonado e bonito. Privado e
isolado, Chris dissera a ela. Um caminho levaria diretamente para a praia. O sol batia, o
ar-condicionado não fazia nada para impedir o calor. O sol a cegou e ela parou o carro.
Cassie desafivelou o cinto de segurança, pegou sua bolsa e saiu do carro. Ela se
moveu para trás, onde puxou Whiskers para fora. Cassie saiu do sol ofuscante, sorrindo
para a figura masculina. Chris estaria esperando por ela. Ela sorriu, acenando com a
mão. Quando ela saiu do clarão do sol, Cassie parou abruptamente.
Não, não podia ser. Não foi possível.
Lá, em toda a sua glória masculina, estava o único homem que Cassie nunca
havia superado, o único homem pelo qual ela vinha chorando nos últimos três anos.
Blaze Sinclair, o homem que possuía seu coração e alma.
Eles se endireitaram, uma pequena distância entre eles, encarando um ao outro.
Cassie sentiu lágrimas se acumulando em seus olhos. Ela não conseguia tirar os
olhos dele. Ela estava comendo-o, devorando-o. Whiskers ficou impaciente e saiu de
seus braços, entrando na casa.
"Cassie, você fez isso." Chris desceu os degraus, caminhando em direção a
ela. Ela viu sua diversão e naquele momento Cassie o odiou. Como ele poderia fazer
isso com ela?
Ela ficou congelada quando ele a puxou para um abraço de urso. Ela não
conseguia encontrar a vontade de mover seus músculos. Ela se sentiu congelada por
dentro.
"Você fez uma boa viagem?" Chris se afastou, virando o rosto para olhar para
ela.
"Como você pôde fazer isso comigo?" Ela perguntou, sua voz rouca com as
lágrimas apenas ficando à margem.
"É hora, Cassie.", Chris disse a ela, aproximando-a e caminhando com ela para
Blaze, seu irmão.
"Blaze, você se lembra da Cassie."
Cassie olhou nos olhos do homem que amava e quase se encolheu com a raiva
que viu na dele.
"Qual é o significado disso, Chris?", perguntou Blaze. Sua voz era dura e firme,
mostrando claramente sua raiva pela situação.
"Cassie é uma querida amiga minha, e eu queria que ela ficasse comigo no
verão." Até ela estava duvidando.
“Que querida amiga?” Isso foi ciúme que ela ouviu?
"Somos apenas amigos", disse Cassie, assumindo o controle. "Se você ou sua
esposa tem um problema comigo estando aqui, então eu poderia ir embora." Ela foi se
afastando, quase rezando para que seu carro fosse buscá-la e tirá-la dessa situação
embaraçosa.
"Não.", os irmãos falaram em uníssono.
Cassie não sabia se devia ficar desapontada. Seria mais fácil e menos doloroso
ser mandado para casa. Ela seria capaz de lidar com Blaze e sua esposa juntos? Uma
pergunta estúpida, porque não haveria como ela lidar com isso. A dor seria como andar
sobre um vidro quebrado sem sapatos, doloroso e perigoso.
“Eu não estou mais casado, Cassie. Francesca e eu concordamos em um
divórcio, e isso será finalizado dentro de algumas semanas.” Cassie olhou para
Blaze. Suas palavras penetraram a parede ao redor de seu coração, mas não foi o
suficiente. Em vez de alívio, ela sentiu medo. Ela não podia permitir se soltar. Eles
podem ter feito sexo apenas uma vez e por cima de sua mesa, mas para ela significou
mais. Ela não sobreviveria a outro pisoteio em seu coração.
"Sinto muito por ouvir isso.", ela sussurrou.
“Vamos lá, Raios de sol. Vamos mostrar o seu quarto. Tenho a sensação de que
Whiskers já pode ter encontrado e reivindicado sua cama.” Ele riu. Chris colocou os
braços ao redor dos ombros dela. "Eu vou te mostrar o seu quarto, deixar você se
refrescar, e depois levá-la para conhecer o resto da família." Chris conduziu-a pelo
corredor e subir algumas escadas. Ela não conseguia absorver o ambiente. Sua mente
estava correndo.
“E aqui está um dos quartos mais incríveis desta casa. Além do quarto dos meus
pais, é claro. Você tem uma pequena varanda, então você pode assistir o nascer do sol e
o pôr do sol.” O quarto era adorável. Uma enorme cama king-size dominava o quarto, e
havia um banheiro e um closet para guardar suas roupas. A cor era agradável e leve. Ela
testou a beira da cama. E afundou nas cobertas. A cama tinha que ser boa, enquanto
Whiskers estava aconchegado no centro, ronronando alegremente.
"Por quê?" Cassie perguntou, olhando em volta antes de olhar para ele.
“Cassie...”
"Não. Não, não me chame ‘Cassie’. Apenas me diga por quê?”, ela disse, sua
voz soando um pouco histérica até para ela.
"Olha, apenas confie em mim tudo bem." Chris foi e ficou na frente dela.
"Eu confio em você, Chris, mas isso não é algo que você deveria estar se
intrometendo." Ela se levantou da cama, não gostando dele se elevando sobre ela.
"Eu nunca fiz nada errado com você no passado.", disse Chris.
Frustrada, Cassie o acertou no peito. “Não se trata de escolher roupas ou uma
cesta para Whiskers, Chris. Trata-se de brincar com o coração e os sentimentos de
alguém. Não só o meu, mas também do seu irmão.” Ela ficou cara a cara com ele,
discutindo.
"Se eu não fizer, quem vai?"
Isso foi Chris, sempre achando que ele estava certo, não importa o quê.
“Os sentimentos não são algo para se mexer. Não é um jogo, e não é justo.” Ela
respirou fundo.
"Então, eu devo sentar e assistir duas pessoas que me importam, em serem
miseráveis porque não podem ter o que querem?"
"Escute a si mesmo. Já se passaram três anos. Pessoas mudam. Sentimentos
mudam. Você não pode simplesmente juntar duas pessoas depois dessa longa separação,
e esperar que elas resolvam isso. Não funciona dessa maneira.” Cassie sentiu seu
interior se transformar em mingau.
“Pode ter sido três anos, Cassie, mas eu vi vocês dois. Seus sentimentos um pelo
outro não mudaram. Vocês dois mudaram do seu jeito, mas o fato é que os sentimentos
ainda estão lá. Você ainda o ama e ele ainda ama você.”
Cassie zombou. “Ele me usou. Ele nunca me amou.”
"Não. Ele amava você, Cassie. Eu assisti ele observando você. Quando você
começou a trabalhar para ele, ele costumava se esgueirar em seu escritório pelos
fundos. Ele sempre se certificou de que ele pudesse ver você. Quando você não estava
no trabalho, ele perguntava por você e voltava para o caminho de sempre. Quando você
voltasse, lá estaria ele, pela porta da frente sorrindo para você. Você mudou ele. Isso o
chocou. Ele queria você, Cassie, e ele respeitava você. Blaze queria mais do que um
arremesso de escritório, e ele achou que você merecia mais. Então você está errada,
Cassie. Blaze ama você, mas a questão é: você ainda o ama?”, Chris perguntou.
Ela não tinha controle de suas lágrimas. Elas saíram entre seus cílios. Ela não
chorou em um tempo considerável. Mantendo-se ocupada para que ela não tivesse
tempo livre ajudou.
"Você o ama, Cassie?" Ele perguntou novamente.
"Eu não sei." Cassie respondeu tão honestamente quanto podia. Ela ainda tinha
sentimentos por ele. Ela não sabia se ela ainda absolutamente, de todo o coração, o
amava. Ele a machucou profundamente. Ela ainda, sem dúvida, o amava?
Ela estava realmente com medo dessa resposta.
Chris suspirou, se afastando.
“Ainda tenho sentimentos por ele, Chris. Eu só não sei se eu o amo.”
“Bem, você tem que descobrir. Tem que haver um ponto em que você coloca
tudo isso para trás. Ou abraçar Blaze e o amor, ou superar isso. E faça um favor a si
mesma. Faça isso enquanto você está aqui. Vocês dois precisam de tempo para entender
seus sentimentos e de onde você está ”, disse Chris.
"Sim", ela sussurrou.
“Eu vou deixar você por agora. Mas desça, conheça quase toda a família.”
Ela acenou com a cabeça se afastando dele para juntar suas poucas coisas.
"Ah, a propósito, Blaze, trouxe seu filho." Chris a deixou com outra bomba.

****

Blaze estava andando de um lado para o outro no corredor esperando pelo irmão
morto. Morto, porque era isso que Blaze ia fazer para Chris. Morto. O homem não
podia deixar as pessoas sozinhas. Cassie Walker estava aqui, na casa de praia dos pais
dele. Por quanto tempo, ele não tinha idéia. Ela parecia incrível. Ela havia perdido
algum peso, mas ele descobriu que sentia falta daquele peso. Sua mulher havia
mudado. Ela parecia confiante e feliz.
Sua presença a machucou?
No momento em que a viu, seu coração disparou com antecipação, admiração e,
finalmente, confusão. Em seu desespero para vê-la, ele se perguntou se estava
alucinando. A familiaridade entre Cassie e seu irmão o enervou um pouco. Quão perto
eles estavam? O desejo de tirar os braços do irmão dos ombros dela o atormentava. Para
controlar seu impulso de tirá-la de Chris, ele trancou os punhos dentro das calças.
"Você está esperando por mim ou a deliciosa Miss Walker?" Chris perguntou.
Blaze reagiu, agarrando seu irmão e empurrando-o contra a parede. "O que você
acha que está fazendo?" Blaze perdeu o controle.
“Eu convidei Cassie. Ela parece incrível, não é?” Chris não pareceu alarmado
com o fato de que ele foi empurrado contra a parede e seu irmão estava quase cuspindo
violência.
“Você não olha para ela. Você me ouviu?” Blaze soou calmo, mas por dentro ele
estava fervendo.
"E daí? Eu só deveria olhar para o chão?” Chris perguntou, sua voz cheia de
humor.
“Por que você faz isso, Chris? Por quê?” Blaze o soltou, sabendo que não havia
chance de mudar seu irmão. Chris tinha suas razões para tudo e, na maioria das vezes,
suas razões faziam sentido.
Chris encolheu os ombros, endireitando a camisa enquanto o fazia.
“Pelo amor de Deus, Chris. Se você a machucou ...”
“Você quer dizer como você fez? Diga-me e seja sincero. Quando você a viu sair
daquele carro, todo o seu mundo se tornou mais brilhante, cheio de esperança?” Blaze
ignorou a pergunta, se afastando de seu irmão. Seu mundo inteiro se virou quando a viu,
linda e deslumbrante como ela costumava fazer. “Veja, é o que você deveria sentir.
Estou cansado de pessoas correndo do que querem. Bem, se eu me intrometo, é por uma
boa razão.” Chris saiu, deixando Blaze sozinho no corredor vazio.
Isto deveria ser um simples período de férias. Tempo longe do trabalho e da vida
da cidade, para apreciar as coisas boas. Ele tinha seu filho, mas sua família e seu mundo
pareciam estar caindo ao seu redor. Chris estava se tornando mais exigente em suas
formas de parceria fraternal. Trent ficou em silêncio e fumegando. Molly e seu pai
estavam desmoronando, e a única mulher a tocar seu coração estava se
recuperando. Parecia que umas simples férias estavam prestes a se tornar muito pior.
"Oi". Blaze virou-se para as escadas assistindo Cassie descer. Ela usava um
simples vestido de verão verde pastel. Ele a observou até que ela ficou bem na frente
dele.
"Oi", ele disse.
Cassie sorriu. "Isso parece um pouco estranho.", disse ela.
“Não, não é estranho. Apenas...apenas...novo.” Blaze finalmente conseguiu
encontrar uma palavra para descrever sua situação.
"Se você quiser que eu..." Ela apontou para a porta.
"Não, você não tem que sair." Ele parou, olhando em seus olhos, tentando
aprender tudo sobre ela. "Podemos começar de novo, como se nunca tivéssemos nos
encontrado e não tivéssemos uma estória?", perguntou ele.
"Blaze." Ela deu um passo para trás.
“Não, me ouça. Eu sei que temos alguns problemas, mas isso não significa que
não podemos resolvê-los.” Blaze não queria soar como se estivesse implorando, mas ele
queria estar na companhia dessa mulher.
"Tudo bem, vamos ver o que acontece.", disse ela.
"Certo, eu vou mostrar-lhe o resto da minha família." Blaze tomou seu cotovelo,
a energia crepitante através dele. Ela se sentiu leve, seu aroma lindo e provocando-a.
Cassie sorriu. Ela abraçou Molly e depois David. Trent beijou sua bochecha e
Blaze Jr. se escondeu atrás das pernas do pai.
"Oi, você deve ser Blaze Jr.? Eu sou Cassie Walker." Ela sorriu para o menino,
não querendo assustá-lo.
“Vamos, filho. Diga oi.”, disse Blaze.
Blaze Jr. ficou atrás das pernas de seu pai, mas deu um olá abafado.
Introduções foram bastante simples. Parecia que, embora toda a família estivesse
na casa de praia, não havia atividades familiares reais acontecendo. Eles eram todos
livres para entrar e sair quando quisessem. Molly estaria cozinhando, então não havia
necessidade de ir buscar comida extra. Considerando o tamanho da família, todos
pareciam tensos. Blaze ficou no canto, observando seu pai e Molly. Trent parecia estar
fumegando em silêncio, e Chris, bem, Chris parecia estar assistindo a todos.
“Então, Cassie. Como você conhece Chris?” Molly perguntou quebrando o
silêncio tenso.
“Bem, eu costumava trabalhar para ele. Eu era recepcionista da Sinclair
Industry.”
"Mas você não é agora?" Molly parecia desesperada para preencher o silêncio.
"Não, eu só estava lá há pouco tempo."
"Como você e Chris permaneceram em contato?"
"Bem, ele me conseguiu outro emprego como recepcionista em outra empresa, e
então ele me ajudou a montar minha própria agência." Falar sobre o trabalho era fácil.
"O que você faz?" Molly continuou a perguntar.
“Deixe a pobre garota relaxar, Mol.” A interrupção de David foi a primeira vez
que ele falou. Ele parecia irritado e Molly parou e olhou para ele. A dor que ela viu nos
olhos dessa mulher machucou Cassie ao ver.
“As empresas nos pedem para encontrar candidatos adequados para trabalhar
para eles, então procuramos e fazemos a pesquisa. Em seguida, entrevistamos e fazemos
as verificações necessárias e contratamos essa pessoa para essa empresa. A indústria de
Sinclair foi muito generosa. A dor ainda refletia nos olhos de Molly. Cassie queria
ajudar a acalmar a outra mulher. Algo a disse para ajudá-la.
"Desculpe, eu não queria me intrometer." Molly se levantou, prestes a sair.
“Não, eu adoro falar sobre o meu trabalho. A maioria das pessoas não me
suporta. Dizem que tudo que faço é trabalho.” Cassie tentou tranquilizá-la.
Molly assentiu, mas saiu da sala.
Cassie a observou ir, imaginando quantas vezes Molly se afastou.
"Você não tem que fazer isso, pai", Blaze sussurrou.
"O que eu fiz?" David parecia completamente alheio.
"Homens". Chris balançou a cabeça.
"Você faz isso o tempo todo." Trent rosnou de seu pequeno canto, seus olhos
compassivos, assistindo Molly sair, de repente cheio de ódio. “Não admira que Molly
não queira nada com você. Você é apenas um touro arrogante. Ela pode fazer muito
melhor.” Trent gritou para o pai, sem se incomodar em ouvir qualquer resposta ao sair
da cadeira e seguir Molly.
Rostos chocados observavam os mais jovens saírem.
"Se você não se importa, eu vou dar uma volta." Cassie se levantou para sair,
virando-se para o homem mais velho da sala. “Uma mulher não gosta de se sentir usada
ou de ser tratada como criança. Apenas no caso de você não saber, Sr. Sinclair.”
"Eu não fiz nada de errado."
Cassie deu de ombros, deixando os homens para si.
Ela queria sair desta casa. Era óbvio que os pais estavam tendo problemas. Férias
cheias do amor do seu passado, uma família conturbada e arrependimento. As férias
clássicas. Ela correu para fora da casa, na esperança de encontrar a trilha até a praia. A
noite estava quente e fresca.
Ela respirou profundamente, amando o cheiro do ar não poluído. Viver na cidade
tinha seus lados negativos. Ar impuro, sentindo como se você fosse sufocar com todos
os gases, faz você apreciar a vida assim. Apenas arrumar suas malas, e ir para o campo
ou a praia e apenas desfrutar da alegria da vida. Isso era vivo, absorvendo o ar do mar, o
ar livre.
Cassie seguiu uma trilha bem usada, afastando arbustos e gravetos do caminho,
certificando-se de que ela não tropeçaria em uma rocha. O sol a aqueceu. Ela seguiu a
trilha por alguns minutos amando a leve sombra, e então a visão a deixou sem
fôlego. Uma ilha de fantasia se abriu, linda e decadente. O céu num azul brilhante, sem
nuvens à vista, uma leve brisa soprando ao longo de sua pele, areia amarela e nítida, o
mar de um belo azul claro. Cassie ficou olhando ao redor, os odores inebriantes. Ela
poderia morar aqui. A vista e extensão do oceano acalmavam-na como nada mais, longe
da agitação da vida na cidade, nesta perfeita quietude.
Como alguém poderia imaginar viver em uma cidade, vivendo em um paraíso
como esse?
Ela podia ver pequenos grupos de pessoas, suas sombras não significando nada
para ela. A vista dizia tudo. Paz e tranquilidade.
Ela ficou por um tempo, apenas amando o brilho do sol, a frieza da brisa e o
silêncio que descia em volta dela.
Felicidade total.
Não conseguindo se conter, e necessitando sentir a areia gloriosa sob seus pés,
Cassie correu para a praia, o cabelo revolto com a brisa.
Sem fôlego, Cassie tirou as sandálias e quase gemeu em voz alta.
A areia ainda estava um pouco quente e enrolada em torno de seus pés, como um
tapete macio e confortável.
Felicidade.
Com as sandálias na mão, ela desceu até a linha da costa, sorrindo para as outras
pessoas se aquecendo no calor do sol.
A simpatia do lugar a atraía, não reclamava nem brigava. Ninguém precisava
provar que era o líder, ou melhor do que ninguém.
O estresse evaporou completamente. O estresse de administrar sua agência, o
estresse de Blaze, Chris, e tudo mais, sumiu.
Ela queria isso, ela decidiu.
Ela queria viver uma vida sem stress, medo ou preocupação.
Ela começaria a fazer planos para sair da cidade e afastar-se de todos os estresses
horríveis. Ela construiu um negócio firme. Cassie poderia se dar ao luxo de estar longe.
Ela gemeu quando o oceano frio tocou seus pés.
"Cassie Walker, é você?" Cassie olhou em volta procurando a voz
feminina. “Você provavelmente não se lembra de mim. Sou Erica, Erica Black.”
Cassie viu a pequena e delicada mulher se aproximar. Longas ondas loiras de
cabelo caíram em cascata ao redor dela. Seu rosto delicado e fino, a mulher era
linda. Ela se lembrava dela agora. “Você trabalha para a Sinclair Industry. Uma
secretária, certo?”
Erica assentiu, sorrindo. "Isso mesmo. O que você está fazendo aqui? Eu não te
vejo há anos. O que você tem feito?"
Cassie sorriu. Ela sempre gostara de Erica, uma mulher legal.
“Executando meu próprio negócio. Eu vou ficar com os Sinclairs.” Cassie
apontou atrás dela. “E você?”
“Eu deixei a Sinclair não muito depois de você. Eu tenho feito algumas coisas de
vez em quando. Vou ficar com uns amigos do outro lado da praia.”
Eles caminhavam pela praia, conversando e se aproximando. Estavam
organizando as compras no shopping local para o dia seguinte, para que pudessem pegar
um pouco mais.
Ambas estavam apenas se movendo ao longo da praia quando Cassie notou que
Chris estava esperando por ela.
"Oi Cris. Olha quem eu esbarrei!?”
"Erica Black", disse Chris.
"Oi", disse Erica.
"Oi, Erica."
Cassie olhou de um para o outro, imaginando o que causara a súbita tensão. É
assim que as férias dela seriam? Cheia de momentos tensos e desconfortáveis?”
"Eu vou buscá-la amanhã, Cassie.", disse Erica enquanto se afastava.
Cassie a observou ir.
"Uau! Ela estava bem até você aparecer.", disse Cassie. Ela viu quando ele olhou
para Erica.
"Ela sempre esta.", ele murmurou.
Não se importando em ir muito longe em seu estado mental, Cassie o seguiu até
a casa. O sol estava se pondo e ela estava desesperada para vê-lo em seu quarto.
"Por que você me chamou de qualquer maneira?". Ela perguntou, movendo os
ramos para fora do caminho enquanto voltava para casa.
“Molly me enviou. Ela estava preocupada, e pensou que você tinha se perdido.”
Chris parecia completamente perdido em pensamentos. "O que Erica está fazendo
aqui?", ele perguntou.
“Ela está com alguns amigos do outro lado da praia. Eu acho que ela precisava
de algum tempo longe da cidade.”
"Ela disse mais alguma coisa?"
“Não, não realmente. Nós conversamos sobre esse lugar e como nós duas
odiamos morar na cidade. Nos encontraremos amanhã, para ir às compras e almoçar.”
Cassie o deixou na escada e seguiu para o quarto dela. Whiskers estava acordado
e rosnando.
"Não é minha culpa você ter dormido a tarde toda, e perdido a comida", ela disse
acariciando sua cabeça peluda.
Outro rosnado.
"Sim. Sim. Sim. Dê-me alguns minutos para lavar o rosto e vou levá-lo para
baixo e sentir falta do meu lindo pôr do sol.”
Ela realmente precisava parar de falar com seu gato.
Nos últimos três anos, ela deve ter tido mais conversas com aquele pacote vivo
de pêlo do que já tivera com outra pessoa.
Cassie lavou o rosto e penteou o cabelo, bufando quando pegou o gato
gordo. Todos os dias ele parecia mais pesado. Ela foi até a cozinha.
Molly estava ao lado do fogão zumbindo.
"Olá, Molly."
Molly se virou e seu rosto se derreteu ao ver Whiskers.
"Oh meu senhor, ele ou ela?"
"Um muito preguiçoso ele.", disse Cassie. Ela acariciou a cabeça dele.
"Posso segurá-lo?"
Cassie não teve problemas em transmitir seu peso.
"Ele é tão adorável." Molly murmurou para o gato.
Cassie se sentou em um banquinho e observou a mulher mais velha
carinhosamente acariciar seu gato. Whiskers desfrutando a atenção.
"Ele precisa se alimentar."
Cassie observou quando Molly preparou a comida para seu gato. A mulher era
tão amorosa e carinhosa.
"O que há sobre mulheres e gatos?" Blaze entrou e sentou-se ao lado de Cassie.
"Eles são muito melhores companheiros do que os homens.", disse Cassie
imediatamente.
"Eu concordo.", disse Molly.
“Bem, se eu soubesse que vocês, mulheres amáveis, estariam se unindo contra
mim, eu teria ficado no meu quarto.” Blaze riu.
"Onde está Blaze Jr.?", perguntou Molly.
“Ele está na cama. Papai está lendo uma estória para ele na hora de dormir.
"Eu vou dizer boa noite." Molly saiu da cozinha.
Cassie se moveu para dar a Blaze toda sua atenção. Ele era tão sexy quanto ela
se lembrava. Uma barba por fazer estragava seu rosto, onde ele obviamente precisava se
barbear. Robustamente bonito veio à mente, ou sexy como pecado. Seu corpo ainda
estava com tudo. Ela podia ver isso debaixo de suas roupas casuais. Tudo sobre ele
gritava sex appeal. Não era justo. O homem estava positivamente exalando sexo. Seu
corpo respondeu a sua atração magnética. Sua vagina ficou molhada quando se lembrou
do poder que esse homem tinha, e do sexo violento que eles tiveram na borda de sua
mesa. Foi o momento mais surreal de toda a sua vida, com o qual ela sonhava o tempo
todo. Se ela não tivesse perdido tempo por ter medo, Blaze Sinclair poderia ter sido seu
marido e Blaze Jr. poderia ter sido seu filho.
"Pare de me olhar assim, a menos que você queira que eu faça algo sobre isso.",
disse Blaze. Seus olhos se encheram de fome.
“Que olhar eu estou te dando?” Ela perguntou. Ela não conseguia disfarçar a
luxúria aquecida em sua voz. Cassie parecia desesperada até para si mesma.
“O olhar que diz 'quero foder você'. Você está me comendo com seu olhar,
Cassie, e se você continuar fazendo isso, eu não serei responsabilizado pelas minhas
ações.” Ele se levantou do banco e se moveu para o lado oposto da ilha.
"Eu não estou comendo você com meus olhos.", disse ela.
“Você está me comendo. Você me quer, Cassie. Você sempre me quis e sempre
vai me querer.”
O ego do homem. “Não, eu não quero. Eu admito que você está...”
"Quantos homens você fodeu nos últimos três anos?"
A pergunta a pegou desprevenida. Com quantos homens ela esteve? A resposta
era embaraçosa. Sua vida estava tão ocupada tentando esquecê-lo, que ela havia
negligenciado até mesmo entrar em um relacionamento. A resposta patética foi zero. No
entanto, se ela contasse seus vibradores, teria que ser três. Até ela tinha
necessidades. Especialmente quando ela acordava no meio da noite suando e sentindo
falta de alívio. Doendo porque esse homem tinha fodido ela e depois a deixado. Suas
necessidades e curiosidades imploravam para serem respondidas.
"Eu não estou dizendo a você.", disse ela, respondendo a sua pergunta de
qualquer maneira.
“Você me quer, Cassie. Desde aquela noite que eu te fiz minha.”
"Sim. Naquele momento que você me usou. Você nunca teve qualquer intenção
de me levar à diante.” Ela gritou de volta para ele, ignorando as outras pessoas na casa.
“Bem, eu superei isso, Blaze." Ela saiu da casa deixando-o chocado.

****

“Uau, parece que os homens Sinclair sabem muito sobre amor e mulheres.”
Trent entrou na cozinha.
"Mantenha suas opiniões para si mesmo." Blaze seguiu atrás dela.
Ele não conseguia lidar com o pensamento dela machucada. Ele a encontrou no
pátio olhando para o céu noturno.
"Cassie."
“Não se incomode, Blaze. Não tenho nada que eu queira dizer para você.” Ela o
deteve. Blaze a observou de volta.
"Eu senti sua falta.", ele sussurrou enquanto colocava a mão em seu ombro. Ele
sentiu ela se encolher com seu toque. Quando ela veio a ele naquela noite, ela tinha sido
tão lindamente apaixonada. Uma mulher sensual e sedutora. Ela não se encolheu, mas o
tocou de volta.
"Não faça isso comigo, Blaze.", disse ela.
“Eu nunca pensei que veria você de novo.” Chris nunca lhe contara sobre o
relacionamento deles. Ele se perguntou o que mais seu irmão mais novo estava
escondendo dele. “Minha vida com Francesca foi um erro. Nós éramos miseráveis
juntos. Mesmo quando eu estava com ela, pensava em você.”
Blaze tinha que contar tudo a ela. Ele desperdiçou tantos anos lutando contra sua
atração e o desejo por Cassie. Ela estava tão perto dele, e ele poderia tê-la. “Blaze sabia
que não passaria um dia sem lutar por ela.”
"Como você pode dizer essas coisas para mim?" Ele ouviu o soluço em sua voz,
e ele se odiava novamente. “Isso deveria ser um fim de semana relaxante, e até agora
não fiz nada além de querer chorar. Diga-me o que há de errado com isso?” Ela se virou
e ele viu as lágrimas caindo de seus olhos.
Ele estendeu a mão e tocou-os com o polegar. "Eu sou um bastardo", disse ele.
"Não. Você não é.” Ela esfregou as lágrimas e olhou para frente. “Nós não
tivemos nenhuma reclamação sobre o outro. Naquela noite, nada mais era do que dois
adultos que consentiram em ceder à tentação.”
"Não diga isso." Ele ficou diretamente atrás dela com as duas mãos sobre
ela. "Aquela noite é a única lembrança que me mantém vivo."
“Isso é um pouco dramático, Blaze. Mesmo para você.
“Zombe e ria de mim tudo que você quiser, Cassie. Isso não muda o que sinto
por você.” Blaze se virou para encará-la. Ele agarrou seu queixo rudemente e a forçou
olhar para ele.
"Eu era apenas um empregada para você.” disse ela.
“Você era muito mais. Você nunca percebeu o quanto eu lutei por você.” Ele
bateu os lábios nos dela. Este não foi um beijo falso. Isso foi sobre possessão. Blaze
queria reivindicá-la por conta própria. Para selar cada fragmento de si mesmo dentro
dela e nunca deixá-la ir. Seus dedos afundaram no cabelo liso e escuro, e ele segurou a
cabeça dela. Ele a segurou no lugar enquanto ele amava completamente seus lábios e
boca. Beijá-la estava se tornando uma droga em suas veias. Cassie lutou contra ele. Suas
lutas eram fracas, e ele a acalmou, nunca quebrando o contato. Ela derreteu embaixo
dele, e ele amava sua submissão a ele.
Seus seios cheios e apertados pressionaram contra seu peito. Ele queria chupá-
los, saborear seus mamilos vermelhos cheios entre os dentes.
Seu pau estava tão duro quanto rocha. Seus pequenos gemidos escaparam de
seus lábios e ele aproveitou cada pequena vantagem. Ele mergulhou a língua em suas
profundezas.
Seus suspiros de prazer se misturaram. Blaze não conseguiu mais segurar. Ele
precisava tocá-la. Sua mão escorregou do cabelo dela, sobre o pescoço e passou pela
clavícula. Ele gritou ao mesmo tempo que Cassie, quando ele segurou um dos seios dela
na palma da mão. Naquela noite, há tanto tempo, ele não teve tempo de amar esses
montes suaves. Contanto que ele jogasse suas cartas corretamente, eles teriam o resto de
seu futuro juntos. Seu broto ereto empurrou contra sua palma, e ele correu uma unha
sobre a ponta através de seu vestido de verão. Blaze queria mais. Ele pegou a alça dela e
passou pelo braço, expondo o seio inteiro à sua visão consumidora.
Seu peito subiu e desceu com sua respiração. Ele se separou e olhou em seus
olhos dilatados. Cassie estava tão ligada quanto ele.
"Você sabe o que você faz comigo?", ele perguntou.
Ela balançou a cabeça.
Blaze pegou a mão dela e descansou a palma da mão em cima das calças, onde
sua protuberância estava claramente delineada.
Seu dedo circulou a ponta do seio dela. "Eu quero você tão malditamente."
"Isso não muda o que você fez", disse ela.
Blaze amaldiçoou e olhou para o céu. Ele desejou poder voltar no tempo e dizer
a ela um milhão de vezes o quanto ele amava e se importava com ela. Os últimos três
anos ensinaram-lhe tudo sobre o verdadeiro significado da luxúria e do amor. Naquela
época, ele deveria ter dito ao pai que não. Viver com Francesca e testemunhar a
verdadeira maldade da mulher mostrara-lhe quão estúpidas haviam sido suas ações.
No ano em que Cassie trabalhou para a Sinclair Industry, ele se sentiu mais vivo
e bem-vindo do que nos dois meses de vida de casado que passara com Francesca.
Blaze se lembrou do casamento e do período de lua de mel. Eles foram embora
para Milão, onde ele passou o tempo todo desejando estar com outra mulher. E
Francesca passara as compras em todas as butiques de grife. Seu casamento tinha sido
um pesadelo, e um que ele esperava nunca reviver novamente.
"Eu sei. Naquela época eu era um homem estúpido. Um tolo sem coração. Por
favor, Cassie. Me dê mais uma chance. Eu sei que sou divorciado, e agora tenho um
filho, mas você não acharia isso em seu coração para nos dar uma chance?”, implorou
ele. Ele passou o polegar sobre o lábio inferior rechonchudo. Ela tinha a boca mais sexy
que ele já provou. Ele queria beijá-la, fazer amor com ela e passar o resto de sua vida
com ela. Chris era um bastardo intrometido, mas nisso ele parecia saber o que estava
fazendo.
“E se não funcionar?” Ela perguntou.
Ele entendeu o medo dela. Quando ela se entregou a ele, todo esse tempo atrás,
ele a pegou e a largou mais rápido do que qualquer coisa.
"Arriscar. Você é uma mulher de negócios. Eu sei que você sentiu algo por mim
naquela época. Vendo você aqui com minha família - na verdade, apenas vendo você -
me lembrou o quanto senti sua falta. Eu quero você, Cassie. Desta vez, nas próximas
três semanas, nos dê a chance de ver o que poderíamos ser.”
Blaze parou e esperou por sua resposta. Ele levantou a alça do vestido de verão e
cobriu o corpo dela. Ele tirou a mão dela do comprimento de seu pênis e deu um beijo
em seus dedos.
“O que você está fazendo?” Ela perguntou.
Ele sorriu. “Eu vou te mostrar que eu te quero mais do que sexo. Nas próximas
três semanas, sem sexo. Nós teremos a companhia um do outro.”
"Então, sexo está fora do cardápio?"
Ele detectou desapontamento?
"Sim."
Blaze sorriu, segurou a mão dela e esperou.
"Bem. Nas próximas duas semanas.”
Ele se inclinou e beijou-a uma vez nos lábios. "Obrigado. Você não vai se
arrepender.” Ele a levou de volta para seu quarto e lhe desejou boa noite. Depois de
verificar seu filho, Blaze foi para seu próprio quarto.
Ele serviu um copo de bourbon e brindou seu reflexo.
"Para segundas chances", disse ele.
Blaze sorveu o líquido escuro e foi para a cama, sua mente inundada de planos
de sedução.
“Eu pensei que nós pudéssemos fazer uma viagem até a cidade. Poderíamos
levar Blaze Junior para a feira e depois jantar em um restaurante?” Blaze perguntou.
Cassie não conseguia tirar os olhos do casal discutindo no gramado. David e
Molly estavam tendo outra briga.
“Por que ela fica com ele se tudo o que eles fazem é discutir?” Ela perguntou.
"O que?"
"Seus pais. Eles só discutem.” Ela apontou para o gramado principal. Cassie
avistou seu filho dele do outro lado do gramado brincando com seus tios, o menino
completamente alheio à ocorrência da briga.
“Molly não é minha mãe.”
Ela se virou para Blaze, chocada com a raiva em seu tom.
"Explique-se?"
Seu ex-chefe passou os dedos pelos cabelos e ela não pôde deixar de se sentir
atraída pelo movimento. Essas mãos e dedos haviam tocado seu corpo intimamente na
noite anterior. Seu coração acelerou e ela cruzou os braços sobre os seios. Seus mamilos
traiçoeiros estavam intumescidos e já implorando por seu toque. Cassie odiava a falta de
controle sobre seu próprio corpo.
"Bem. Molly é a segunda esposa do papai. Minha mãe morreu dando a luz a
Trent.”
"Que horrível", disse ela e olhou para o gramado.
"Sim. Papai está convencido de que os homens Sinclair só podem amar uma
única mulher. Minha mãe era sua única mulhe.”, disse Blaze.
Cassie observou o casal. Ela viu a dor no rosto da mulher mais velha. Doeu ver
até de longe.
"Por que ele se casou com ela então?"
"O que?"
Ela revirou os olhos. "Por que seu pai se casou com uma mulher que ele sabia
que nunca seria capaz de amar?"
Blaze se virou e olhou para o casal discutindo. "Eu não sei."
"Eu sinto muito por ela."
“Você sente pena de Molly? Por favor, ela tem uma família, esta maravilhosa
casa e filhos. Sem mencionar todo o resto.”, disse ele.
Cassie balançou a cabeça e pegou seu prato de café da manhã e xícara. "Eu
imagino que ela não quis nenhuma dessas coisas sem amor." Ela entrou na cozinha, de
repente se sentindo realmente zangada.
Ela colocou o prato e o copo na pia e se virou. Blaze ficou perto, prendendo-a
contra a borda da pia com seu corpo rígido.
"Afaste-se de mim", disse ela.
"Qual é o problema agora?"
"Você. Você é meu problema. E sua falta de simpatia e sentimento.” Ela o
empurrou de volta e passou por ele.
“E os nossos planos?” Ele perguntou.
“Eu nunca concordei com seus planos. Olha, talvez toda essa coisa da empresa
tenha sido um erro. Eu acho que você precisa olhar para seus pais e ver o futuro por si
mesmo.”
“Não temos nada a ver com meus pais, Cassie. Que tal ir comigo e meu filho
para a feira?”
Cassie parou com a mão no batente da porta. Ela se virou e olhou nos olhos que
ela havia passado tanto tempo sonhando. A maneira como ele a olhara, com tanta
emoção quanto mergulhava dentro do corpo dela, e a paixão que havia queimado entre
eles anulou qualquer um de seu senso comum.
“Eu adoraria ir, mas fiz planos hoje. Eu sinto Muito."
Ela pegou sua bolsa e casaco e saiu pela porta.

****

"Então, como é que você está passando tempo com os Sinclairs?" Erica
perguntou enquanto saia do provador. Depois de caminharem por algumas horas,
decidiram se refrescar do calor do verão em um dos shoppings mais luxuosos.
Cassie não conseguiu encontrar nada em seu tamanho, mas Erica era um pouco
menor que ela. A outra mulher saiu do provador usando um lindo vestido vermelho sem
alças.
"Uau, você está linda", disse Cassie.
Erica fez alguns giros na frente do espelho e sacudiu a cabeça. “Eu pareço
estúpida. Quero dizer, sou uma garota trabalhadora. Onde diabos eu vou vestir algo tão
elegante?”
"Você pode comprá-lo, e quando você estiver se sentindo deprimida, coloca o
vestido para você se sentir melhor?" Cassie disse dando uma risada.
Ambas as mulheres ficaram quietas quando duas mulheres, de aparência bastante
magra, passaram por elas e soltaram uma risadinha. Cassie sabia que um rubor manchou
suas bochechas.
"Eu odeio meninas assim", Erica rosnou e voltou para o vestiário. "É isso aí. Nós
estamos indo para outro lugar. Um lugar onde as mulheres possam ter acúmulo de
gordura e uma oscilação debaixo de seus braços e não se importam. Estou cansada de
ser ridicularizada por mulheres que não comem nada além de um pedaço de aipo
enquanto eu amo um pedaço de frango frito.”
Cassie riu. Ela entendeu os problemas da outra mulher. Mesmo tendo diminuído
o tamanho que veste nos últimos três anos, isso não impediu os risos de outras
mulheres.
“Não pense que esqueci minha pergunta também”, disse Erica.
Cassie parou de rir e esperou até que sua amiga estivesse vestida. Elas saíram da
loja e se mudaram para uma parte do shopping com roupas para mulheres reais.
"Fale então", Erica perguntou novamente.
Cassie tirou uma saia da arara e colocou-a para dar uma boa olhada nela. Ela
tentava evitar o branco quando podia, mas o comprimento da saia e do design eram
adoráveis demais para serem ignorados.
“Não há nada para contar. Deixei o emprego deles há três anos e comecei meu
próprio negócio. Chris me ajudou. Ele é uma dádiva de Deus, e eu não teria feito nada
sem ele.” Ela segurou a saia. Pelo menos ela poderia experimentar.
"Você acha?" Cassie ouviu o sarcasmo na voz de sua amiga e se virou para ver a
outra mulher olhando atentamente para a seção de sapatos. "Eu acho que você precisa
de saltos com essa saia." Erica puxou um par de saltos agulha de seis polegadas.
"Você está rindo se acha que posso andar nelas." As mulheres fizeram compras
por alguns minutos antes de se mudarem para outra área. "O que você tem contra o
Chris?", ela perguntou enquanto elas experimentavam as roupas e saíram para obter a
opinião do outro.
"Roxo não é sua cor e eu não tenho nada contra ele", disse Erica.
Eles voltaram para os provadores. Cassie colocou a saia branca com o top azul
pastel que encontrara.
Erica estava esperando. "Uau. Você está bonita."
Cassie sorriu e caminhou até onde a outra mulher estava. "Erica, você pode me
dizer."
"Estou com fome." Erica estava saindo, mas Cassie a parou. "OK. Que tal
almoçarmos e depois conversaremos. Você vai contar o que aconteceu antes de sair e eu
vou lhe contar meu problema.”
"Combinado."
Trinta minutos depois, elas entraram em um restaurante de estilo italiano e
encontraram um reservado privado na parte de trás.
“Eu amo isso aqui. Não é nada como a cidade.”, disse Erica.
"Eu sei. Eu acho que vou procurar uma casa ou algo assim. A cidade é ótima
para ir de A à B. Mas eu quero um lugar para começar a criar raízes. Eu também amo a
praia.
Um garçom anotou seus pedidos. Ambas concordaram com a massa puttanesca
seguida de torta de chocolate.
“Você vai primeiro.” Erica pegou um pedaço de pão na travessa. Cassie pegou
um para si e olhou ao redor do movimentado restaurante.
“Você se lembra daquela festa de Natal que eu fiz. Sozinha?”, perguntou Cassie.
"Sim. A melhor festa que alguém já fez.”
"Bem, quando todo mundo saiu, e você tem que prometer manter isso para si
mesma." Erica fez a cruz sobre seu coração. "Eu fiz sexo com Blaze Sinclair em sua
mesa."
Cassie observou os olhos de sua amiga se abrirem mais, e ela deu uma mordida
enorme no pão.
“De qualquer forma, saí para as férias de duas semanas e, quando voltei,
descobri que não só o chefe me usava, como também estava noivo. E sua noiva estava
carregando seu filho. Como você pode imaginar, não foi o ponto alto da minha vida.”
Cassie parou e agradeceu ao garçom quando ele trouxe seus cafés.
“Você quer me dizer que há três anos o patrão te fodeu enquanto ele tinha uma
família esperando nos bastidores?
"Parece assim."
Minutos depois, o jantar delas foi trazido. Foi o serviço mais rápido que Cassie
já teve.
“Chris era minha rocha. Ele me ajudou a conseguir outro emprego e iniciar meu
negócio. Somos melhores amigos e ele me ofereceu esta viagem para descansar. Como
você sabe, Chris é um casamenteiro e acho que ele quer que eu e Blaze nos juntemos.”
As duas mulheres cavaram o macarrão e Cassie ficou grata por não ter
consciência do quanto comia. Erica era uma mulher maravilhosa para estar perto. Cassie
se sentiu culpada. Ela não manteve contato durante os anos.
O silêncio não foi desconfortável, e deu-lhe tempo para pensar sobre o que Blaze
dissera na noite anterior. Ela estava ansiosa para passar o tempo com ele e conhecer o
novo homem que ele se tornara.
Assim que terminaram o macarrão, o garçom veio e levou os pratos para
longe. Cassie tomou um gole de café enquanto Erica olhava pela janela.
"Derrame. É sua hora de contar sua história sobre o Sinclair.”
Erica se virou para encará-la e Cassie notou a dor no rosto da mulher. Quando
ela veria uma mulher feliz com um desses homens? Primeiro, Molly, depois ela, e agora
Erica.
“Comecei a trabalhar para a Sinclair Industry quando tinha dezenove anos. Eu
estava recém-saída do ensino médio e fiz algum tipo de programa de treinamento para
ajudar adolescentes problemáticos a trabalhar. Eu comecei por baixo, entregando
correspondência e, em seguida, servindo café e pegando o almoço, até que eu peguei o
olhar do Christopher Sinclair. Dentro de dois anos eu era sua secretária. Ele me
conseguiu a posição. Deu-me uma carga leve sobre o quão duro eu teria que trabalhar.
Nos primeiros seis meses tudo foi ótimo, e todo dia eu me apaixonava um pouco mais
por ele. Chris tem uma charmosa sagacidade sobre ele e sempre me fez sorrir. Acho que
vou toma um vinho branco.”, disse Erica. Cassie esperou enquanto Erica pegava um
vinho. Cassie recusou o álcool. Ela nunca bebeu mais do que café. “Eu costumava ir
embora com ele em suas viagens. Tomava notas e tudo mais. Chris recebeu ordens para
ir a algum resort espanhol e dar uma olhada. Pelo menos foi o que ele me disse.”
Cassie observou enquanto Erica bebia o vinho e pedia outro. "Se isso é muito
difícil de lidar..."
“Não, eu preciso falar com alguém sobre isso. Nós viajamos para este resort. Um
parque temático de férias de algum tipo. Naquela noite jantamos e ele foi gentil comigo.
E então, antes que eu soubesse o que aconteceu, eu estava em sua suíte e estávamos
fazendo sexo no chão da sala de estar. Erica afastou uma lágrima. “Ele foi meu
primeiro. Eu era virgem quando ele me teve. Foi a experiência mais incrível da minha
vida. Bem, sendo o tipo de garota que eu sou, eu tinha vinte e um anos na época. Eu não
estava preparada para o despejo imediato assim que voltássemos ao trabalho. Eu era
apenas outra mulher em uma longa linha de conquistas. Ele me queria, ele me teve, e
então ele me deixou. Ele passou para a próxima mulher, e eu voltei a entregar a
correspondência e o café. Assim que eu tive o suficiente na poupança, saí e me afastei.
Então você tem isso. “Minha triste estória.”
Cassie não podia acreditar no que Chris colocara lhe fizera isso. Uma pequena
merda desagradável.
“Você nunca pode contar a ninguém o que eu acabei de dizer. No que me diz
respeito, nossa conversa nunca deixa essa mesa”, disse Erica.
"Claro."
"Há uma outra coisa, e Chris nunca soube", disse Erica e esvaziou o copo. "Você
se lembra de eu tirando uma licença?" Cassie assentiu e desejou que ela pudesse dizer
para a outra mulher não parar de falar. Ela imaginou que Erica precisava contar a
alguém sobre sua provação com Chris Sinclair. Cassie, tendo seu próprio passado, seria
o candidato perfeito. “O tempo que passei com ele teve consequências. Eu estava
grávida de dois meses quando abortei. O bebê nunca deveria existir.”
Cassie e Erica terminaram a torta de chocolate e saíram do restaurante duas
horas depois.
"Eu realmente sinto muito descarregar todo meu drama em você", disse Erica
enquanto voltavam para o carro de Cassie.
“Por favor, não faça. Eu me odeio por não manter contato com você. Eu sinto
muito por não estar lá para você durante a sua crise.” Cassie ligou o motor e entrou no
trânsito.
“Parece que nenhuma mulher está imune ao encanto dos Sinclair.”, disse Erica
no silêncio. Cassie a deixou na casa de praia que ela estava hospedada com amigos
antes de viajar a curta distância da estrada para a casa dos Sinclairs. Ela pensou em
Molly e em tudo que aprendeu nas últimas horas.
Mais dois carros haviam chegado no tempo em que ela estivera fora. Pegando a
bolsa, ela saiu do carro, e ouviu o grito da frente da casa.
Blaze olhou para sua família e o pesadelo que estava se desdobrando. Poderia ter
ficado apenas ontem à noite quando ele tinha Cassie sozinha e quase nua em seus
braços? Blaze Junior estava na cama para o cochilo da tarde. Blaze ficou agradecido por
seu filho não conseguir ouvir os gritos de sua família. Cassie tinha saído a manhã toda,
e eram três da tarde. Ele queria passar o dia com ela e seu filho. David avançou em
Blaze, que ficou tenso quando assistiu Chris ficar entre a luta prestes a acontecer.
"Saia do meu caminho, filho", disse David.
"Você não sabe o que está fazendo", disse Chris.
Luke e John apareceram há mais de uma hora e a luta entre pai e filho
começara. Molly ficou na frente de seus dois garotos, enquanto David parecia pronto
para matar. Os irmãos mais novos de Blaze vieram para levar Molly embora. Eles
encontraram uma casinha bonita na orla da cidade. Ela teve uma chance de ser feliz
antes que David a puxasse mais para a depressão. A três semanas seguintes, passaria
com a família que ele não via há mais de três anos. Desde que ele se casara com
Francesca, ele tentara passar o menor tempo possível em um lugar com ela. Mas Chris
dissera que era imperativo que ele viesse. Tudo o que Blaze testemunhou foi argumento
após argumento.
"Você não a merece, David", gritou Luke.
"Vocês vão parar com isso?" Molly gritou para os homens, que ignoraram seus
pedidos.
"Quando você parou de me chamar de 'pai'?" David perguntou.
"Quando você não merecia mais o título.", disse John.
“Enfrente isso, pai, você nunca amou a mãe. Ouvimos durante anos você falando
como ela sempre seria a segunda melhor. Como ela não podia cozinhar tão bem quanto
sua primeira esposa, e como ela nunca poderia se comparar àquela mulher. Nossa mãe é
a melhor pessoa que você poderia ter. Nenhuma outra mulher teria lidado com todas as
suas merdas por tanto tempo.” Luke gritou e se afastou de Molly. Ele atacou David e
cutucou-o no peito. “Então, se você quiser me dar um bom golpe para me mostrar o
quanto você é viril, então faça. Porque eu apreciaria a oportunidade de mostrar a você
que tipo de escória você realmente é.”
Luke ficou olhando para o pai. Ambos os homens se pareciam muito. Eles eram
da mesma altura e construção. A única diferença entre os dois era o olhar envelhecido
em David. Blaze prendeu a respiração e viu Cassie virando as costas, o rosto pálido
enquanto ela observava a cena.
“Sinto muito por interromper. Você podia ouvir os gritos pela frente e imagino
que metade da cidade pudesse ouvir vocês.”, disse Cassie, com as chaves na mão.
"Quem é? Uma de suas vagabundas?” Luke rosnou no rosto do pai.
Blaze ficou olhando enquanto Cassie se aproximava de seu meio-irmão mais
novo. Antes que David pudesse reagir, Cassie empurrou Luke para longe, desarmando a
situação imediatamente.
"Com licença? Você insulta uma mulher e não tem a cortesia de fazer isso na
cara dela?” Cassie empurrou Luke novamente, que não estava esperando, e acabou
caindo em sua bunda.
Blaze se manteve firme, sabendo que interferir seria visto como algo diferente de
querer ajudar a mulher com quem ele se importava.
"O que você espera que eu pense com esse bastardo?" Luke perguntou e ficou de
pé olhando para Cassie. Blaze sentiu seu coração disparar para ela, o modo como ela
ficou entre os dois homens e impediu que a situação tivesse sérias consequências. Se
David ou Luke batessem um no outro, jamais voltaria a ser o mesmo.
“Você poderia ter a decência que todos os outros seres humanos têm e dizer:
'Olá, sou alguém Sinclair. E você é?” Cassie até estendeu a mão. O humor não se perdeu
nele.
Luke ficou vermelho beterraba e esfregou as mãos no jeans. "Eu sou Luke
Sinclair." Ele pegou a mão dela. "E você é?"
“Eu sou Cassie Walker. Prazer em conhecê-lo. Suas mãos se separaram e ela se
afastou. "Eu sei que isso não é da minha conta, mas se você seguir essa estrada, não há
como voltar atrás."
"O que você quer dizer?" Luke perguntou.
Blaze olhou para as costas de seu irmão mais novo. Ele viu e ouviu a diferença
em Luke. O cara estava interessado na linda mulher que estava perto.
“Se vocês dois começarem a bater um no outro com os punhos. Todo o pai e
filho vão mudar. Se você lutar, então você perderá qualquer amizade que você poderia
ter.” Cassie olhou para cada homem e se afastou. Blaze manteve o olhar enquanto
atravessava o gramado.
"Como você sabe?" John perguntou.
“Porque foi o que aconteceu com meu irmão há mais de dez anos. Eu não o vejo
desde então.” Cassie deixou a bomba explodir, e ela passou direto por ele para dentro da
casa. O silêncio do lado de fora foi ensurdecedor. Blaze sabia que as próximas três
semanas poderiam destruir qualquer forma de família que ele já teve. Ele amava toda a
sua família e odiaria vê-lo desaparecer.
"Por favor, apenas deixe", disse Molly. Blaze olhou para a mulher que fez o
melhor para criar os meninos que não eram dela. Ela fez um trabalho fantástico. Ele
pensou em seu tempo com ela como mãe ao longo dos anos. Ela nunca exigiu que ele a
chamasse de mãe. As fotos de sua mãe permaneceram no lugar. Na verdade, seu pai não
permitira que sua foto de casamento com Molly fosse colocada em qualquer lugar
visível.
Ele olhou para o gramado e viu tudo sob uma nova luz, como se a venda
finalmente tivesse sido tirada dele. David ficou no meio como sempre. Chris e Trent, de
um lado, encaravam o homem que ajudara a criá-los. Luke e John estavam do outro lado
com Molly. E Blaze ficou do mesmo lado que Chris e Trent. Assim que foi crescer?
Molly sempre tentando juntar as duas famílias. Todas as memórias rápidas que
ele teve de seu tempo crescendo e seu pai com Molly. Nenhuma lembrança feliz
principal veio à mente. Seu coração se despedaçou pela jovem que Molly tinha
sido. Não havia muitos anos entre ele e a mulher que tentara criá-lo. Cerca de quatorze
anos. Havia casais no mundo com essa diferença de idade.
Molly tinha vivido os últimos vinte e cinco anos sempre e se sentindo como a
segunda melhor. Um nó se formou em sua garganta e ele forçou as lágrimas a
permanecerem na baía.
“Eu não posso deixar isso, mãe. Nós amamos você e queremos ver você feliz.”,
disse Luke.
"Eu posso fazê-la feliz", gritou David.
Blaze se moveu a curta distância até que ele estava na frente de seu pai. "Eu acho
que você precisa ter tempo para entender o que está acontecendo." Ele se virou para
Molly. "Me desculpe se eu já fiz alguma coisa para contribuir para a sua dor." Ele se
concentrou em seu pai. “Mamãe morreu há mais de vinte e cinco anos. Eu a amava e a
princípio senti falta dela. Isso é muito tempo para segurar alguém. Molly não é a
segunda melhor. Ela é uma mulher incrível e uma pessoa que eu ficaria orgulhoso de
chamar de mãe. Ele abraçou o pai. “Não a mantenha só porque tem medo de ficar
sozinho. Molly merece alguém que a ame.” Ele acenou para o pai e foi até Molly. Blaze
abraçou a mulher que ele sempre anulou. Lágrimas escorriam de seus olhos. "Eu te amo,
mãe." Ele beijou sua bochecha e foi em busca da mulher que amava.
Ele a encontrou no quarto dela, empacotando uma mala.
"O que você está fazendo?", Ele perguntou.
“Dando o fora daqui. Eu não concordei em ser um árbitro, ou concordei em
ouvir uma disputa familiar.”, disse ela.
Blaze observou enquanto ela dobrava peças de roupa, e ele olhou para o relógio
para se certificar de que seu filho ainda estaria dormindo. Ele fechou a porta atrás de si.
Em poucos segundos ele a segurou em seus braços. "Deixe sair", disse ele.
"O que?"
“Eu conheço você, Cassie. Deixe a dor sair. Eu tenho você.” Blaze a segurou
quando a primeira onda de soluços chegou. Suas lágrimas chamavam a parte protetora
dele. "É isso aí. Eu tenho você e não vou te deixar.”
"Vendo seu irmão e aquilo lá embaixo trouxe aquela noite", ela disse as palavras
entre cada soluço. Ele a levou para a cama e segurou-a.
"Você quer me contar sobre isso?", ele perguntou. Ela parou por um tempo, e
Blaze não achou que ela confiaria nele.
“Meu pai era um bêbado. Ele chegava em casa e começava xingar minha
mãe. Foi assim que começaram alguns comentários desagradáveis sobre como ela se
parecia e como ninguém mais a amaria. Um dia ele chegou em casa e começou a usar
seus punhos. Isso aconteceu por alguns anos. Meu irmão, Daryl, tinha dezoito anos e
estava prestes a se formar. Ele pegou meu pai. A luta foi sangrenta. De qualquer forma,
Daryl saiu e eu não o vi novamente.”
A história era curta, mas horrível.
"O que aconteceu com seus pais?" Ele perguntou, querendo saber mais sobre a
mulher em seu colo. Seu corpo estava tão bem amortecido contra ele. Seu pau estava
duro e latejante. Ele não usaria ou tentaria tirar vantagem da situação. Estar perto dela
era prazeroso o suficiente.
“Meu pai morreu em um acidente de carro embriagado. Irônico como era a
primeira vez que meu pai estava sóbrio há anos. Ele amava beber. Minha mãe morreu
de câncer alguns anos depois, pouco depois de me formar no ensino médio.”
"Você nunca pensou em entrar em contato com seu irmão?"
“Ele saiu anos atrás. Eu nunca soube para onde ele foi, e nunca tive dinheiro para
procurar. Achei que ele teria voltado para mim, ou pelo menos me deixado alguma
informação para entrar em contato. Eu acho que ele nunca quis ser encontrado.”
Suas lágrimas haviam diminuído e ela olhou para ele.
Porra, eu amo essa mulher.
O pensamento veio a ele. Em vez de assustá-lo, o pensamento o acalmou, como
se soubesse o tempo todo como se sentia, e agora podia admitir isso.
Assustador, considerando o pouco que ele realmente sabia sobre ela e a situação
entre eles.
"Sinto muito pelo que você viu lá embaixo.", ele disse. Ele faria qualquer coisa
para mantê-la em seus braços mais alguns segundos.
“Não se preocupe com isso. Você não podia controlá-lo.” Ela passou a mão
pelos cabelos e ele sentiu o cheiro de morangos.
“Posso te fazer outra pergunta?” Blaze estava preocupado com isso a manhã
toda. Toda vez que ele olhava para o filho, ele se perguntava se ele seria um problema
para Cassie. Blaze não sabia o que faria se Cassie não conseguisse ultrapassar sua
conexão com Francesca.
"Sou toda ouvidos. Eu te devo depois de chorar em você.”
Ele não disse a ela como ele teria prazer em tê-la de qualquer maneira que ela
viesse.
“A razão pela qual você não passou o dia comigo. Não teve nada a ver com meu
filho, não foi?”
Ela viu o choque em seus olhos quando se afastou dele.
"Não. Eu fiz planos com Erica. Isso foi antes do nosso acordo para nos dar outra
chance.”
Ufa . Seu coração desacelerou.
"Isso é bom.", ele sussurrou.
“Você realmente acha que Blaze Júnior seria um problema? Quão mesquinha
você pensa que eu sou?”
Blaze sacudiu a cabeça. “Eu não acho que você é mesquinha. Eu sei que magoei
você naquela época, e pensei que ele seria um lembrete do que aconteceu.”
"Ele pode ser parte de Francesca, mas ele também é parte de você." Ela tocou a
mão no peito dele.
"Papai, por que a senhora está em seu colo?" Blaze e Cassie se separaram
quando seu filho falou.
"Oi filho. Você teve uma boa soneca?” Blaze pegou a mão dela e a levou para o
filho. Ele queria que eles se conhecessem.
"Olá.", ela disse.
"Eu sou Blaze, e eu vou fazer três este ano.", disse seu filho e estendeu a mão.
Ele soltou um suspiro quando eles pareciam se dar bem.
O jantar foi uma coisa tensa. Cassie fez uma verificação rápida e ficou
agradecida por ninguém ter contusões, ossos quebrados ou lábios com sangue. Ela viu
David constantemente olhando para Molly, que estava olhando para todos e tudo,
menos o marido.
Blaze Junior se sentou em frente a ela, e ele continuou fazendo rostos engraçados
fazendo-a rir. Cassie amava como ele estava alheio à tensão na sala.
"Como foi fazer compras?" Chris perguntou.
Cassie pensou na amiga e tentou ver o tipo de homem que Erica havia descrito
no almoço. Chris era um homem diferente do que Erica descreveu. Sempre que ele
estava na companhia dela, ele passava a maior parte do tempo tentando encontrar o
casal perfeito.
"Bom.", ela respondeu e dando uma mordida na carne.
"Como está Erica?", ele perguntou.
Ela olhou para ele e pensou em todos os pequenos detalhes que sua amiga havia
dito. Se este homem soubesse sobre a dor que ele causou a ela, não o físico, mas o
emocional, isso o quebraria. Ele não sabia que ele seria pai de uma criança ou como ela
tinha perdido bebê.
"Ela está ótima."
Cassie olhou para o prato para mostrar que não haveria mais conversa. O resto
da noite passou sem problemas. Ela acabou em um jogo com Blaze Junior na sala de
jogos montada na parte de trás da casa.
"Você é engraçada.", disse ele quando ela fez uma pequena dança da vitória ao
ganhar uma partida.
"Legal você notar." Ela sentou-se e tomou um gole da lata de refrigerante que
Blaze tinha trazido.
“Meu pai não passa tempo jogando comigo. Minha babá, sim.”
Cassie olhou para o menino pequeno. Ele parecia muito com seu pai. Foi
inacreditável.
“Eu acho que ele está muito ocupado. Qual é o nome da sua babá?”
“Tracy. Ele está sempre ocupado. Mesmo quando a mamãe estava por perto. Ela
ouviu a raiva na voz dele, e, por instinto, ela o levou ao colo e o abraçou.
“Às vezes, os adultos têm que fazer alguns trabalhos realmente importantes antes
de terem tempo para brincar”, ela sussurrou.
"Mas eu só quero que ele brinque comigo", ele soluçou.
Cassie odiava estar nesta posição.
"Ele vai. Um dia.”
Ela o segurou por mais alguns minutos até que voltaram a jogar. Era como se o
mundo inteiro tivesse se esquecido deles até que Blaze entrou algumas horas depois.
“Eu pensei que você estivesse na cama, homenzinho. Já passa das oito horas.”
Ele pegou seu filho e Cassie se virou guardando todos os jogos.
"Espere, eu quero que Cassie me leia uma estória", disse ele.
Ela olhou para Blaze.
"Eu não me importo", disse Blaze.
Ela o acompanhou até a cama e ajudou a acomodá-lo. Blaze saiu, e ela se pôs a
ler uma estória para Blaze Júnior. Na segunda página ele estava dormindo, mas ela ficou
lendo toda a história antes de beijá-lo e sair do quarto em silêncio.
Blaze atravessou o quarto.
"Você quer um pouco de chá?", ele perguntou.
Cassie assentiu e seguiu-o até a cozinha. Ela se sentou no balcão enquanto ele
pegava as xícaras. Ele ainda tinha uma ótima bunda para olhar.
"Você é ótima com as crianças.", disse ele enquanto apertava o botão da chaleira
para trabalhar.
“Dificilmente. Eu não saberia o que fazer com uma criança. Blaze é legal
embora. Ele é amigável.” Ela sorriu para ele.
“Eu ouvi o que ele disse. Sobre eu não estar jogando.”
Cassie olhou para o colo, onde seus dedos se entrelaçaram. “Isso não tem nada a
ver comigo. Ele parece um ótimo garoto. Parece que ele fica solitário às vezes.”
Ela não estava tentando entrar em sua vida em tudo. Blaze levou as xícaras
fumegantes de chá e se sentou em frente a ela.
“A vida com Francesca foi complicada. Para ser honesto, foi um desastre total
desde o início.”, disse ele.
"Eu não preciso ouvir sobre isso.", disse ela.
"Não. Eu quero te dizer. Na verdade, nunca deveria ter me casado com ela. Eu
fiz isso porque meu pai me disse para fazer. É o que nós homens fazemos. Fique com as
mulheres que nos dão filhos.” Blaze soou um pouco amargo na última parte.
Cassie tomou um gole de chá e ouviu a mágoa e as dores que se juntaram a ele
ao longo do caminho. Ela aprendeu que Francesca tinha dado à luz a Blaze Junior e
depois praticamente desapareceu de sua vida. Ela estava sempre gastando dinheiro ou
exibindo um novo amante para os tablóides.
“Eu não me importei. Às vezes me pergunto se isso é metade do problema,
minha falta de carinho.”.
“Ela o vê mesmo?”, Perguntou Cassie. Mesmo com sua carreira, ela gostaria de
ver seu filho.
"Não. Tudo o que ela se preocupa é o próximo pagamento que eu tenho que
pagar.” Blaze respondeu.
Ela estendeu a mão e pegou a dele. “Sinto muito que você e seu filho tenham que
passar por isso. Ele é um garoto doce.”
“Eu não consigo passar tanto tempo com ele quanto eu gostaria. Eu sou um pai
de merda, mas ao olhar para a cena desta noite, eu não tive um grande modelo.”
Cassie sacudiu a cabeça. “Você não deveria pensar assim. Nossos pais não fazem
quem somos. Nós fazemos. Nossos pontos fortes e fracos. Blaze Junior te ama e você
pode ver isso.”
O relógio bateu no corredor. Ela olhou para o homem que amava e desejou que
eles estivessem em sua própria casa e colocar seu próprio filho na cama.
"Vou dizer o que faremos. Eu estou livre amanhã. Por que não vamos ao
zoológico, ao cinema ou algo assim?” Ela perguntou.
"Com Blaze Junior?"
"Claro. Ele já esteve no zoológico?”
Ele balançou sua cabeça.
"Então está marcado." Cassie apertou sua mão. “Eu vou seguir em frente. Não se
preocupe com essa cena hoje. Todo mundo passa por isso.”
Ela deixou-o com seus pensamentos e subiu as escadas. Antes de ir para o
quarto, ela checou Blaze Júnior primeiro, para certificar-se de que o moleque estava
seguro.
Chris esperou por ela em seu quarto. Ela olhou para ele e deixou a porta
aberta. "Eu não convidei você.", disse ela.
"Eu não sou um vampiro, então isso é uma vantagem."
“Fazendo o engraçadinho. Diga o que quiser e depois vá embora, por favor.” Ela
passou por ele e foi até a cama onde sua mala ainda estava.
"Eu pensei que você estava saindo." Ele veio para ficar ao lado dela.
"Pensei sobre isso. Mas decidi ficar.” Ela moveu o fardo de roupas para a
cômoda vazia. “Sua família é uma piada. Eu não sabia que os homens saíam para ferir
as mulheres.” Ela fez uma pausa e se amaldiçoou. A promessa que fizera a Erica foi
esquecida pela sua língua solta.
“O que isso quer dizer?” Ele perguntou.
"Nada."
Ela empurrou a mala debaixo da cama e se virou para ele. Suas mãos cruzaram o
peito.
"Erica, ela contou tudo a você." Um rubor vermelho manchou suas bochechas.
"Eu não sei do que você está falando.", disse ela. Ela tentou manter a promessa
que a outra mulher lhe pedira.
Um silêncio desceu no quarto. Chris olhou para ela, e Cassie tentou com todo
seu poder olhá-lo nos olhos. Ela prometeu manter seu segredo. Que tipo de amiga ela
era se não pudesse fazer algo tão simples assim?
"Ela disse a você.", disse Chris. Ele se aproximou e segurou os ombros dela,
olhando em seus olhos.
"Não faça isso.", ela falou.
Chris segurou sua bochecha e inclinou a cabeça para trás. “Não há nada que você
possa esconder de mim, Cassie. Eu te amo como um amigo, mas também conheço a dor
que causei a Erica.”
Não vendo outra alternativa, ela saiu de seus braços e olhou para ele. “Por que
você fez isso?” Ela perguntou. Cassie decidiu que usaria o distintivo de pior amigo do
mundo.
"Quando se trata de mim e Erica, sugiro que você fique fora disso.", disse Chris
antes de sair da sala.
Desnorteada, Cassie foi para fora do quarto para ficar na varanda com vista para
os jardins. Todo o lugar estava tão calmo e silencioso. Ela não podia acreditar que
apenas algumas horas atrás, um pai e um filho estavam preparados para dar socos. O
céu noturno parecia lindo e calmo. Ela pensou em Blaze e em todos os seus encontros
com o homem por quem se apaixonara.
Três anos foi um intervalo de tempo desde que eles se viram. No entanto, seu
coração continuava a correr em sua presença, e sua buceta latejava, pensando em estar
espalhada sobre a mesa do escritório. O tempo não se compara ao amor que ela sentia
dentro de seu coração. Cassie colocou a mão sobre o peito e pensou em tudo sobre
aquele homem.
Ele estava divorciado com um filho. Ela adorava o garotinho, e podia ver
claramente que ele desejava o carinho que ele sentia falta. Francesca deve ter causado
algum sofrimento em sua busca para ganhar autoridade na vida de Blaze. Uma
verdadeira mulher, uma mulher atenciosa, ficaria ao lado de seu filho.
Cassie deixou o ar frio da noite e se entrou para tomar um banho rápido. Em um
período de férias, a vida deveria ser relaxante. Ela esperava que as próximas duas
semanas fossem muito melhores do que as duas últimas.
No dia seguinte, Cassie foi com Blaze e seu filho ao zoológico. Eles encontraram
um, não muito longe da casa de praia, com um parque de estilo temático anexado. Blaze
Junior ficou ao lado dela, segurando sua mão. Ela adorava percorrer as diferentes seções
de cada espécie animal.
Cassie não ficou surpresa quando Blaze Junior amou a seção de répteis. Ela se
encolheu e segurou seus gritos quando olhou para todos os animais de aparência
esquisita. Não que ela tivesse algo contra eles, mas ela nunca seria deixada em um
quarto com um deles.
“Você viu aquela cobra? É enorme com grandes dentes afiados.” Blaze fez um
som de assobio entre os dentes.
"Sim. Vamos esquecer tudo sobre a cobra venenosa que nos mataria em um
piscar de olhos.” Cassie congelou quando percebeu o que tinha dito. Blaze deu a ela um
olhar engraçado, e seu filho levantou as sobrancelhas.
"Você fala engraçado.", Blaze Júnior disse e encolheu os ombros.
“E o que é que isso quer dizer?” Ela perguntou, instintivamente se defendendo.
“Você não gosta de grandes cobras. Meu pai vai nos proteger. Eu irei
também. Eu vou rugir.” Blaze Junior então começou a soltar um rugido todo-poderoso.
Ela bagunçou o cabelo dele e riu. Quase três e já competindo pelo domínio. Ele
seria igual ao pai quando ficasse mais velho.
“Vamos manter essa conversa para outra hora. Eu estou com fome. O que você
diz a um hambúrguer?” Ela pegou a mão dele e se dirigiu para a comida.
"Você come hambúrgueres?"
Cassie parou e olhou para o menino. "Sim, eu como tudo." Não foi um
choque. Olhe o tamanho dela.
"Eu não sabia que as meninas comiam hambúrgueres."
Em vez de olhar para o menino para uma explicação, ela olhou para o outro
adulto em sua presença.
“Francesca e suas amigas nunca comiam, ou pelo menos só comiam saladas.”
Que bom tema arruinar um dia lindo. Cassie olhou para Blaze e se perguntou se
ele a via como algum porco repugnante faminto. Ela ficaria insana nesse ritmo. Ela
nunca sabia o que ele estava pensando ou sentindo.
"Eu estou com fome."
Eles caminharam até a lanchonete mais próxima e pediram hambúrgueres e
batatas fritas para todos. Eles se sentaram na parte de trás fugindo do sol. O coração de
Cassie se derreteu quando Blaze Júnior empurrou a cadeira para mais perto dela e subiu.
Blaze sorriu e se recostou na cadeira.
Aquele homem estava tramando alguma coisa?
O jovem entregou seus hambúrgueres, e para enfatizar seu ponto de comer, ela
roubou uma batata frita de Blaze Junior. O resto da refeição o garoto aguardou sua
comida e comeu cada mordida. Nas próximas horas Blaze e Cassie se revezaram em
passeios com seu filho.
Ela adorava cada segundo e desejava ter uma família própria. No caminho de
volta para a casa de praia, sentou-se atrás e deixou que Blaze Júnior adormecesse em
seu colo.
"Ele gosta de você.", disse Blaze.
"Eu gosto dele também. Você é um bom pai.”, ela disse para ajudar a tranqüilizá-
lo.
"Eu não sou. Pelo menos quando Francesca estava por perto eu não era. Espero
poder mudar isso agora. Ela se foi e posso ficar na mesma sala por mais de trinta
segundos.”
"Parece que foi difícil." Ela sorriu e correu os dedos pelos cabelos no pacotinho
em seu colo. Seu instinto natural era acalmar e aliviar cada dor e problema.
"Isso foi. Para Blaze Junior, acho que foi pior.”
O silêncio encontrou suas palavras. Ela não podia dizer o quanto a doía, por ele
falar sobre Francesca. Essa mulher fazia parte do seu passado e seria para o futuro
previsível.
"Estou feliz que você veio, e eu tive a chance de vê-lo novamente", disse ele.
Cassie olhou para o espelho. Ela lambeu os lábios e sorriu. “Estou feliz por ter
vindo também. Estar com Chris foi divertido, mas acima de tudo estou feliz por ter visto
você de novo. Senti sua falta.” Não havia como lutar contra seus sentimentos.
Seu coração pertenceu e sempre pertenceria a Blaze Sinclair.

****

De volta a casa, a tensão podia ser sentida em todos os cômodos. Cassie levou
Blaze Júnior até seu quarto e o colocou debaixo das cobertas.
"Que tal banhá-lo?", Perguntou ela ao pai.
“Ele teve um longo dia. Deixe-o descansar. Ele vai tomar um banho amanhã.”
Cassie assentiu e saiu do quarto com ele. “O que você acha que está acontecendo
com todo mundo?” Ela perguntou enquanto eles chegavam à cozinha. Blaze ligou a
chaleira, e Cassie sentou-se no balcão. Molly lhe deu permissão para fazer o que
quisesse. Ela estava desconfortável bisbilhotando a casa de outra pessoa. De qualquer
forma, ela gostava de ver Blaze na cozinha. Toda vez que ela tinha uma boa visão de
sua bunda era uma coisa boa em seu livro.
“Eu contei a você no outro dia. Como tenho certeza que você adivinhou, meu pai
é um idiota. Aquela pequena cena que você viu no quintal. Luke e John são aqueles que
convenceram Molly a se divorciar.”
Cassie tinha ouvido pedaços da informação. Ela pensou que por causa do casal
mais velho passar algum tempo juntos, eles poderiam estar resolvendo as coisas.
"Acha que nada está acontecendo?", Perguntou ela.
"Eu acho que de tudo o que vimos, só está piorando."
Blaze se acomodou em frente a ela e trouxe alguns biscoitos com ele.
"Yum, chocolate", disse ela.
"Eu pensei que você poderia apreciá-los."
Eles se sentaram juntos em silêncio, tomando chá e mergulhando
bolachas. Cassie riu quando Blaze deixou a sua em muito tempo, e caiu no copo.
"Eu acho que você é um sádico", disse ele, apesar de continuar a beber sua
bebida.
Cassie esfregou as lágrimas dos olhos da risada. Blaze se aproximou e parou de
rir em um instante. Ele agarrou a mão dela e fechou os dedos.
Com a conexão, Cassie não pôde conter sua reação. Seu corpo amava tudo sobre
esse homem. Seus mamilos brotaram, e sua buceta estava tão molhada que ela estava
preocupada que poderia deixar uma mancha molhada em seu assento.
"Estou tão feliz que você ficou."
"Foi apenas um dia.", disse ela.
“Eu sei, mas você poderia ter se virado e saído. Eu te admiro por ficar. Estar
comigo depois do que fiz não pode ter sido fácil para você.” Seu polegar acariciou a
palpitação em seu pulso.
Cassie sorriu e lambeu os lábios. De repente, eles ficaram secos.
“Há três anos, quando pensei em vê-lo novamente, pensei em todos os tipos de
coisas. Em um determinado momento, toda imagem que passa por esse cérebro me trás
algum tipo machucado. Então, com o tempo eles mudaram, e eu pensei que se eu te
visse de novo e você estivesse feliz, não importaria.” Ela parou e tomou um gole de sua
bebida. “Quando te vi de novo, não vou mentir, doeu. Mas junto com a dor havia um
pouco de felicidade.”
"Por que você estava feliz?", ele perguntou.
“Porque eu poderia olhar para você e não desmoronar. Eu passei uma quantidade
considerável de tempo pensando que não poderia lidar com você de qualquer
maneira. Estar aqui me fez perceber o quanto sou forte”.
"Sinto muito", ele sussurrou.
Cassie franziu a testa e olhou para ele. "Por que você sente muito?"
"Pelo que fiz naquela época."
Ela já ouvira suas ‘desculpas’ antes. Ela não precisava mais ouvi-las. Na
verdade, ela não queria mais pensar no passado. Doeu revisitar, e ela sentiu que não
adiantou nada. Um olhar ao redor da sala ajudou-a a encontrar as palavras certas. Ela se
inclinou e pegou a outra mão dele, então ela estava segurando as duas.
“Eu quero que você me escute, Blaze Sinclair. Essa é a última vez que eu quero
ouvir essas palavras saindo de sua boca por esse erro há três anos. Nós esqueceremos, e
eu não tenho nenhuma reclamação sobre você ou você sobre mim. Vamos chamar este
dia a última vez que pensamos ou mencionamos o que aconteceu naquela época?”
"Combinado."
"Bom." Ela beijou-o nos lábios e sorriu para o olhar de choque em seu
rosto. Talvez eles tivessem um futuro em algum lugar.

****
Molly ouviu Blaze e Cassie chegarem em casa, e ela viu do fundo do corredor
quando eles colocaram seu neto na cama.
Ela adorava esta casa de praia. Este foi o primeiro lugar que David já havia
comprado para ela. Tinha sido muito depois que ela aprendeu o valor dela e de sua
primeira esposa. Ela desejou ter forças para ficar com ele. Com o passar dos dias, ela
sabia que seu coração ficava pesado demais para lidar com a dor.
David olhou para ela, e ela sabia que ele estava pensando em sua esposa morta.
Quando Blaze e Cassie saíram, ela checou seu neto pela última vez antes de
caminhar até o último andar da casa.
Todos pensaram que ela tinha sido tão inteligente. Molly pegara o homem mais
rico da cidade. Ela balançou a cabeça. Ela tinha sido uma tola naquela época ao pensar
que poderia ter alguma coisa com David Sinclair. O homem era muito mais velho do
que ela e, sob alguma hipótese, ele não poderia amar ninguém além da única mulher.
Seu coração acelerou quando o viu sentado no chão com as costas pressionadas
contra a porta.
“O que você está fazendo aqui?” Ela perguntou.
"Esperando por você", ele disse e se levantou do chão. Mesmo depois de todo
esse tempo juntos, ele era o homem mais bonito que ela já tinha visto. A vida não era
justa para ela. Ela tinha sido amaldiçoada a passar toda a sua vida adulta amando um
homem que nunca poderia amá-la de volta.
"O que você quer?" Ela cruzou os braços sobre o peito e esperou que a posição
lhe desse a proteção que precisava. Tantas vezes ele quase a convencera a não dormir
sozinha. Ela tinha que se lembrar de ser forte. Para lutar pelo amor que ela merecia e
queria. Mesmo que esse homem não pudesse dar a ela.
"Eu queria falar com você."
“Então fale.” Molly sabia que no momento em que ela o deixasse entra no
quarto, tudo terminaria. Mesmo quando jovem, ela não tinha o poder de recusar.
Ela viu quando ele passou a mão pelos cabelos. Com as faixas de cinza, ele ainda
chamava sua atenção. Por que ele não poderia envelhecer e perder sua atração? Ela
lambeu os lábios e olhou além do ombro dele.
“Eu sei que te magoei ao longo dos anos e sinto muito. Mas fazer isso é estúpido
e imaturo. Nós fizemos nossos votos.”
Por que ela acha que desta vez seria diferente dos últimos tempos? Molly fechou
os olhos, mas ao invés de lutar contra as lágrimas, ela abriu os olhos e deixou-o ver toda
a dor e dor que ele causou a ela.
“Eu fiz votos. Eu fiz os votos de amar, honrar e respeitar, como acredito que
você também fez. Você quebrou seus votos no mesmo dia que você falou.” Ela avançou
em direção a ele, lágrimas escorrendo pelo rosto e sua raiva tão forte que ela apontou
um dedo para o peito dele. "Você prometeu me amar, mas como você pode me amar
quando todo o seu coração foi tomado e enterrado sete palmos abaixo com sua primeira
esposa morta?"
“Molly.”, disse ele.
"Não. Não me corte. Você fica aí e me acusa de dar as costas aos meus votos,
quando os meus são os únicos a contar. Eu honrei todas as decisões que você tomou em
sua vida, e apreciei a pequena migalha de afeto que você e seus filhos me deram. O que
eu ganhei? Eu moro em uma casa atormentada pelas memórias e pelas fotos de uma
mulher morta que eu nunca poderia ser. Vinte e cinco anos atrás você prometeu amar,
honrar e cuidar de mim, e você mentiu.” Ela esfregou a mão sobre os olhos. “Você
deveria ter me deixado sozinha. Eu não merecia isso, e agora eu prefiro não ter nada
além de ser sempre a segunda melhor.”
Molly passou por ele e entrou no quarto. Ela bateu e trancou a porta. Seu olhar
avistou uma única fotografia ao lado da cama. Uma foto dela e de David. Seus braços
estavam em volta dela. A única foto que ela tinha do carinho que ele pode ter sentido
por ela. Sua raiva irrompeu dez vezes. Ela pegou a foto, destrancou e abriu a porta, não
surpresa ao vê-lo. Ela jogou a foto na porta oposta.
A mensagem foi clara. Molly estava pronta. Seu casamento, depois de vinte e
cinco anos, acabara.
Pelo resto da semana Blaze e Cassie passaram cada momento um com o
outro. Erica ligou para cancelar todos os seus encontros. Ela estava saindo cedo, e
Cassie tinha adivinhado que tinha algo a ver com Chris.
Blaze Júnior se juntou a eles em seus dias de folga, e quando ele foi para a cama
à noite, Blaze e Cassie faziam o que queriam.
A maior parte do tempo eles passavam andando na praia, de mãos dadas como os
outros casais. A cada hora, seus sentimentos ficavam mais fortes. Quando ela olhou
para a garota que ela tinha sido todos aqueles anos atrás, o amor não tinha sido tão
forte. Ela ainda amava Blaze, mas não com a paixão ardente e consumidora que ela
sentia agora.
Quando o ar da noite esfriava demais, eles se enrolavam no sofá e assistiam a um
filme. Aqueles eram os momentos que ela mais amava. Ela deitava a cabeça contra o
peito dele e as mãos dele estavam sobre ela, e elas relaxavam.
O passado foi esquecido em face do futuro. Enquanto seus pais desmoronavam,
Cassie acreditava que ela e Blaze estavam se aproximando, não apenas como amigos,
mas como parceiros em potencial.
Depois de um jantar longo e tenso e colocando seu filho na cama, Cassie andou
de mãos dadas com Blaze até a praia. Ele colocou um cobertor em um local perto de
algumas pedras. As rochas forneciam cobertura do vento, então o cobertor não se
soltava. Eles se sentaram e olharam para o sol poente por algum tempo. Cassie sentou-
se com as costas contra o peito dele. Blaze tinha seus braços ao redor dela.
"Eu amo estar com você.", disse ele e beijou sua bochecha.
Cassie riu e olhou para ele.
"Vamos dar um passeio. Molly é uma cozinheira fantástica, e acho que preciso
do exercício.” Ela se levantou e estendeu a mão para ele seguir. "Vamos deixar o
cobertor?", ela perguntou.
"Sim. Ninguém vai pegar.”
Eles caminharam ao longo da frente do mar. Blaze apontou algumas pedras com
significado para a aldeia. Cassie gostava de estar com ele, não importava a hora do dia.
“Então, conte-me o que aconteceu em sua vida. O que Cassie Walker fez a
seguir?” Ele perguntou. Ela observou quando ele pegou uma pequena pedra e jogou a
pedra na água.
"O que você quer saber?"
"Tudo."
Cassie riu. Estar com Blaze à fez se sentir viva pela primeira vez.
"Deixe-me ver. Eu me demiti da Sinclair Industry e fui trabalhar como
recepcionista em um hospital. Eu sei, um grande passo em uma direção diferente. De
qualquer forma, decidi que estar perto de pessoas doentes era difícil para mim. Eu não
conseguia lidar com a pressão, e um dia eu estava na fila do centro comunitário
procurando por trabalho, quando abri meus olhos e olhei ao meu redor.” Blaze pegou a
mão dela, e eles se moveram ao longo da borda da água. Cassie tirou as sandálias e
fechou os olhos em êxtase. A água fria estava perfeita em seus pés doloridos.
"Você olhou para todas as pessoas que estavam em uma fila?", ele disse.
“Não tão simples assim. Você já esteve em um centro de empregos?”
"Não."
“Quando você vir uma, vá e dê uma olhada nelas. Então, estou na fila e estou
observando as pessoas procurarem trabalho e as pessoas que estão lá para ajudar, bem,
eu acho que a melhor maneira de dizer é que eles estavam fazendo um trabalho. Alguém
entra no escritório que está desempregado. Eles precisam de um emprego, e não importa
qual trabalho eles recebam, desde que não estejam mais lá. Você vem me comigo?"
Blaze assentiu.
“Um pouco mais de bisbilhotice e aprendi que pessoas com habilidades estavam
fazendo o primeiro trabalho que pudessem encontrar porque não sabiam onde encontrar
trabalho nas fontes apropriadas. Foi aí que fui ao Chris com a minha idéia. Eu tenho
uma agência que assume qualquer um com uma habilidade e persegue o trabalho através
de cada caminho para melhor corresponder essa pessoa ao trabalho.”
"Então você é como um site de namoro, só com trabalho?"
"De certa forma.", disse Cassie. “Eu só tenho um escritório, mas fazemos muito
bem. Eu recebo um pagamento dos escritórios que querem que procuremos novos
funcionários, e as pessoas bem sucedidas me pagam uma taxa pelo primeiro ano de
emprego. Uma vez que o ano é completado, nos separamos. Todo mundo vence.”
Cassie parou e olhou para o oceano. O sol estava terminando de se pôr. As cores
no céu eram lindas. Vermelhos e laranjas de fogo. As cores da paixão.
"Chris estava lá para tudo?" Ele perguntou. Ela ouviu a nota de ciúme em sua
voz, que trouxe um sorriso ao rosto dela.
"Não. Não tudo. Ele tem sido um grande amigo e eu o amo. Mesmo que suas
habilidades de matchmaking me deixem louca.”
"Ele tentou estabelecer você nos últimos três anos?"
Mais ciúmes. Ela olhou para ele e gostou da carranca entre as sobrancelhas. Sua
reação a fez se sentir sexy.
"Não. Eu quis dizer com as outras mulheres no meu escritório. Ele encontra um
casal e depois trabalha duro para fazê-lo funcionar.” Pelo menos agora ela sabia por
quê. As revelações de Erica tornaram as ações de Chris mais compreensíveis.
"Sim, ele não costumava ser assim."
Por instinto, Cassie envolveu seus braços ao redor de seu pescoço e pressionou
seu corpo contra o dele. Afagá-lo parecia a coisa mais natural do mundo. Ela olhou para
ele, e olhou em seus lindos olhos. Seus dedos acariciaram os pequenos cabelos na parte
de trás do seu pescoço. A tensão entre eles cresceu. Suas mãos descansaram na curva de
seus quadris acima de sua bunda. O calor do seu toque penetrou no tecido fino. Ela
respirou e viu quando seu olhar se moveu para seus lábios.
Ele pensou em beijá-la?
O que estava passando por sua cabeça neste exato segundo?
Pela primeira vez ela não se importou com o toque da mão dele em seu
corpo. Sua pele ficou sensível, e a brisa da noite dançou em seus nervos. Seus mamilos
estavam duros e apertados, criando uma ponta de dor para o prazer. Ele mal a tocava e
ela estava quase chegando ao clímax em seus braços.
Sua proximidade e o ar frio eram demais, e ela estava consciente de sua calcinha
molhada.
"Você tem alguma idéia do que está fazendo comigo?", ele perguntou.
Seus olhos se fecharam e, quando os abriu, seus lábios estavam a um sopro de
distância.
"Quando estou com você, não tenho idéia do que fazer.", disse ela.
Uma de suas mãos subiu de seu quadril até seu queixo, seu toque uma distração
bem-vinda, tentando pensar em uma razão para recusar seu toque.
Seus dedos foram para o cabelo dela, e ela engasgou quando ele agarrou um
punhado em um aperto afiado e puxou a cabeça para trás para expor seu pescoço. O
simples ato mostrou sua dominação quando ele inseriu uma coxa entre as pernas dela e
esfregou o ápice contra sua buceta molhada.
"É isso que você quer?", ele perguntou, sua voz grossa de excitação. Cassie ficou
satisfeita por não ter sido a única afetada por sua proximidade.
"Sim.", ela disse com um suspiro. Cassie queria ele. Ela sempre o queria, e
mesmo quando ele a usou, os sentimentos não mudaram.
A forma como o corpo dela estava respondendo ao toque dele era mais intensa
do que qualquer coisa que ela já tivesse experimentado antes em sua vida.
Ela se aproximou, mas seu aperto no cabelo a impediu. Ele a puxou de
volta. Cassie estremeceu com a dor, amando seu controle sobre seu corpo. Blaze poderia
tê-la e fazer o que ele quisesse, desde que ele a deixasse vir em breve.
"Blaze", ela sussurrou.
Em resposta, seus lábios roçaram os dela. O mais leve toque. Ela queria mais,
muito mais.

****

Isso era mais do que ele poderia ter esperado. A mulher que ele queria, e estava
apaixonado, estava em seus braços e pronta para se submeter a ele.
O calor de sua buceta vibrou ao longo de sua perna. Ele queria jogá-la no chão e
enfiar seu pau dentro de seu corpo. Blaze a queria nadando em sua coragem. Os
pensamentos eróticos se agitaram ao longo de sua mente e ele não pôde parar. Ele era
um escravo de seus desejos. Cassie era a mulher para ele, e ele queria ir nessa jornada
sexual com ela.
Ele se afastou e agarrou a mão dela. Nenhuma outra pessoa veria sua mulher em
uma posição vulnerável. Seria fácil para ele levá-la ali mesmo com a ameaça de alguém
passando por ela. Mas Blaze não podia fazer isso. Ele não queria dar a ela qualquer
motivo para arrependimentos.
“Para onde estamos indo?” Ela perguntou.
Blaze não se incomodou em responder. Em segundos ele encontrou a parte
isolada da praia onde eles haviam deixado o cobertor. Seu lugar estaria escondido de
qualquer pessoa.
"Eu tenho que ter você.", Blaze rosnou e bateu os lábios em cima dos dela. Sua
submissão foi uma coisa linda. Na última semana ele não tinha feito nada além de vinho
e jantar, e agora ele teria o prazer de seu corpo. Tudo o que lhe restava, eram as
lembranças daquela noite em que ela o acolhera em seu corpo.
"Leve-me.", ela sussurrou.
Ele não se importava onde eles estavam ou se poderiam ser pegos. Sua única
necessidade anulou o senso comum.
Blaze tirou o vestido de seu corpo, e a levou ao chão. Os cobertores apenas lhes
davam cobertura parcial da areia abaixo, apenas o suficiente para ele ter um gosto
inicial. Seus seios grandes estavam cobertos por um sutiã de renda frágil. Ele pegou o
copo e puxou seu peito para derramar por cima.
Ele quebrou o beijo de seus lábios e se moveu para circular um peito arfante. A
luz suave da lua delineou seu corpo. Seus grandes mamilos estavam centrados e
pontiagudos. Ele queria tocá-los e saboreá-los enquanto fazia amor com ela.
Seus gemidos eram adoráveis de ouvir, e o corpo sob suas mãos era uma mulher
cheia. Blaze não tinha medo de ser muito áspero. Seus dedos cavaram em seus quadris e
a puxaram para baixo. Suas pernas envolveram sua cintura, e ele pressionou para baixo,
seu pau apertado nivelado com o ápice de suas coxas. Ele queria estar dentro dela.
Ele deu atenção aos seus seios, dedicando o máximo de tempo possível para
amar cada ponta e plenitude.
“Foda-me, Blaze. Por favor, não me faça esperar.”, ela disse.
Blaze estava esperando pelos últimos três anos para estar dentro dela. O material
fino de sua calcinha o incomodava, ele rasgou-as em dois e jogou o tecido longe de seu
corpo. Ele a tinha exatamente onde ele a queria.
“Não há como voltar atrás depois disso. Eu fodo meu pau em sua buceta, e você
será minha para sempre.”, disse ele.
“Sinta-me.” Cassie pegou suas mãos e as deslizou através do calor úmido de sua
fenda. Seus gemidos se misturaram, e ele não teve escolha a não ser provar de seus
lábios novamente.
"Você está tão fodidamente molhada."
“Foda-me, Blaze. Estou pronta."
Ele tocou a fenda dela primeiro. Blaze não queria que ela estivesse pronta. Ele a
queria implorando por seu pau. Usando a palma da mão, ele empurrou para o clitóris e
inseriu dois dedos dentro de sua vagina. Ela estava encharcada e, mesmo ao ar livre,
cheirava seu creme.
Ela ainda teria gosto de morangos?
Puxando a mão dele e segurando seu olhar, ele lambeu os dedos e gemeu. Ela
tinha um gosto tão doce e perfeito.
"Por quê?" Ela suspirou.
"Você tem um gosto maravilhoso."
Quando ele a levasse para casa e se espalhasse na cama, ele comeria sua pequena
buceta. Cassie Walker era seu vício, e pretendia saborear regularmente ela.
Seu clitóris estava inchado, e ele sentiu isso espreitando para fora do seu
pequeno capuz. Ele gemeu em frustração. Blaze queria ver cada centímetro dela.
Seu pau estava duro e grosso, ao ponto de dor dentro de seu jeans. Ele se afastou
do corpo dela, e com a luz do luar sendo derramada, ele viu o contorno do corpo corado
dela. Seus seios subiam e desciam com cada respiração ofegante. Eles eram tão grandes
e bonitos. Imaginou-se deitado em cima dela, amortecido por aqueles montes
suaves. Sua barriga desceu, mas em vez de ser oca ele viu a linda curva de seu estômago
se projetando ligeiramente. Blaze encontrou seu pau engrossando ao ver sua cintura e
estômago. Antes de conhecer Cassie, ele achava que ele era o tipo de homem de
mulheres magras, mas agora ele queria Cassie de qualquer maneira que ele pudesse tê-
la.
"Você odeia o que vê?", perguntou ela. Ele ouviu a insegurança e odiou todas as
pessoas que a colocaram lá. Cassie era linda e maravilhosa por dentro e por fora.
"Eu amo isso.", ele disse. Sua camisa foi removida em tempo rápido. Ele pode
não ser capaz de vê-la, mas ele queria aqueles seios nus em seu peito. Ele abriu o botão
e o zíper de sua calça jeans e empurrou-a até os tornozelos. Ele não teve tempo de ir
mais longe. O desejo de estar dentro dela era muito grande.
Ele olhou para ela e segurou seu pênis em sua mão. “Eu não tenho proteção. Eu
deveria foder minha mão e vir todo esse corpo delicioso?” Ele perguntou.
Ele amaldiçoou suas palavras imediatamente depois, enquanto pensava em
espalhar sua semente sobre o monte de sua buceta. Porra, ele estava transformando seu
tempo juntos em um filme pornô.
"Estou tomando pílula e estou limpa.", disse ela. Seus dedos se moveram para
seu belo clitóris. Ele assistiu na semi-escuridão enquanto ela tocava sua buceta.
"Por que você está tomando a pílula?", ele perguntou. Havia outro homem na
foto? Ele sabia que não tinha o direito de ficar bravo por ela estar com outro homem,
mas não precisava gostar.
“Eu nunca fui ótima quando se trata daquela época do mês. A pílula ajuda à
regular isso.” Ele a viu corar e sorriu. Cassie ainda era tão inocente no coração.
Seu ciúmes diminuiu, Blaze não sabia o que ele queria fazer agora, se assistir até
que eles gozassem, ou se transava com ela na praia.
"Por favor, eu preciso de você.", ela implorou novamente.
Dilema resolvido.
Ele correu a ponta para cima e ao redor de seu clitóris, e ela engasgou e gritou
com cada movimento. Blaze pegou a cabeça e o comprimento revestidos em seus
sucos. Seu ego cresceu com o quão molhada ela estava, e sabendo que ele era a causa.
Segurando uma mão firme ao redor do eixo, ele olhou em seus olhos antes de
mergulhar dentro de seu corpo.
Seus gritos de prazer se misturaram, e Blaze não conseguia manter os olhos
abertos o prazer tão intenso. Os sons do oceano e da areia sob seus pés, toda a
experiência era inebriante.
Sua vagina apertou em torno dele.
"Você está apertada", ele gemeu.
"Você está reclamando?"
"Não", disse ele com um sorriso, e para provar isso ele puxou todo o caminho de
seu corpo e, em seguida, bateu de volta para dentro.
Ela arqueou as costas, curvando-se para cima. Seus dedos cavaram a carne em
seus quadris, e ele desejou poder observar cada movimento e ofegar. Mas o prazer era
intenso demais. Ele precisava que ela viesse antes que ele encontrasse seu próprio
prazer.
“Faça você mesmo. Eu quero assistir.” Blaze parou de se mover e observou o
melhor que pôde, tomando seu prazer das ondulações de sua buceta apertada.
"Estou tão perto.", ela gritou.
Ele beliscou seus mamilos e usando as unhas comprimidas nos pontos
apertados. Ela gritou, e segundos depois seu pau foi apertado mais apertado do que
qualquer torno, seu creme encharcando seu eixo grosso.
"Isso não demorou muito.", disse ele com os dentes cerrados.
"Faz algum tempo."
Blaze agarrou seus quadris e puxou apenas para bater dentro dela, seu gozo
proporcionando a melhor lubrificação e facilitando seu caminho. Ele desejou poder ver
o filme de seu prazer revestindo seu pau e ver como ele afundou em seu pequeno buraco
apertado. Em vez disso, ele se inclinou com as pernas em volta da cintura e a
fodeu. Seus lábios encontraram os dela, e ele a beijou, mergulhando sua língua dentro
enquanto seu pau fazia o mesmo entre suas pernas.
Ele poderia ter sido casado, mas ele não tinha uma mulher há anos. O aperto dela
ao redor dele fez o prazer tão intenso, que em questão de momentos ele estava rosnando
contra seu pescoço, enquanto suas bolas se apertavam e seu esperma disparava para fora
de sua ponta. O lançamento foi tão forte que ele desmoronou em cima dela e
simplesmente a segurou pelos próximos cinco minutos da sensação mais prazerosa que
ele já havia encontrado.
“Uau.” Ele ouviu Cassie falar.
Ele rolou para fora dela e a pegou em seus braços, seu pau puxando para fora do
corpo dela
"Você é incrível", disse ele e beijou o topo de sua cabeça.
“O que acontece agora?” Ela perguntou.
Blaze olhou para o topo de sua cabeça. Ele não podia ver o rosto dela. Sua voz
não dava nenhuma dica, e seu coração batia dentro de seu peito por um motivo
diferente.
Ele a rolou de costas e se empoleirou acima dela. Seus olhos estavam cheios de
lágrimas, e ele os afastou.
"Porque você esta chorando?"
Ela balançou a cabeça e tentou desviar o olhar.
“Não, por favor, Cassie. Fale comigo.”, disse ele.
“Porque não sei o que acontece a seguir. Estou com medo, Blaze.”
Blaze olhou em seus olhos, seu coração se elevando quando percebeu que o
início de um novo futuro poderia estar acontecendo agora. Tudo o que ele tinha que
fazer era dar o próximo passo. Cassie lhe dera uma segunda chance, e desta vez ele faria
o que deveria ter feito.
"O que acontece depois? Eu te levo para casa e lavo seu corpo. Então eu coloco
você na minha cama e amo você a noite toda.” Ele a beijou.
"E depois disso?"
“Você não ouviu o que eu te disse? Você é minha, Cassie. Para sempre, não para
um caso rápido.”
Blaze foi fiel à sua palavra. Vestiram-se na praia e voltaram para casa. Todos os
outros estavam fora ou dormindo. Ele a levou para o seu quarto.
"Eu nunca estive dentro do seu quarto.", ela sussurrou.
Ele a levou até o banheiro, e a colocou em um assento. Ela ficou e esperou
enquanto ele enchia a banheira com água e sabonetes. O aroma de lavanda estava no ar.
"Você está tentando me deixar com sono?", ela perguntou.
"Não. Quero que você esteja alerta para o que planejei para depois.”, disse
ele. Blaze veio até ela e ajudou a desnudá-la. Ela estava consciente da mancha úmida de
seus lançamentos combinados sobre os pelos de seu monte.
Ele a ajudou a entrar no banho e depois se juntou a ela. Ela se virou para ele na
água.
"Você não quer me usar como uma almofada?"
"Não. Eu quero aprender mais sobre esse homem que você se tornou. A última
vez que ouvi você era um filho da puta, e eu ainda gostava de você.” Ela não dizia a
palavra amor. Seu tempo juntos ainda era novo, e ela não queria estragar nada por uma
palavra mal escolhida.
"OK. Bem, isso é muito difícil.” Ela gostou de vê-lo no limite. Seus dedos
sempre corriam pelo cabelo dele. Este lado de Blaze o fez mais real para ela. “Depois
que você saiu e eu não vi você de novo, casei-me com Francesca. Sete, ou foram seis
meses mais tarde, ela deu à luz meu filho. Minha vida era miserável e passei o tempo
todo trabalhando e construindo o império Sinclair. É isso, em uma casca de noz.”
Cassie achava que ia se machucar com a menção de Francesca. Em vez disso, ela
se sentiu horrível pela vida que Blaze viveu. Quando a maioria das famílias teve um
filho, ele aproximou o casal, enquanto na situação de Blaze ele o afastou ainda mais.
"Você estava lá quando Blaze Junior nasceu?"
"Não. Francesca queria uma cesariana e conseguiu uma, porque ela era muito
elegante para empurrar em um parto normal.”
"Estou deixando você desconfortável?"
Blaze encolheu os ombros. “Isso é parte da razão pela qual eu não consegui ter
você. Eu amo meu filho, mas às vezes eu costumava imaginar como teria sido se eu
dissesse a Francesca para tirá-lo.”
"Por que você teria feito isso?" As verdades que saíam de sua boca estavam
chocando-a. Ela pensou que ele queria Francesca naquela época. Que ela tinha sido uma
foda de pena. Nunca pensara que seria um consolo, uma lembrança para levar com ele
ao inferno.
“Porque eu teria tido você. Você veio ao meu escritório naquela noite depois que
a puta me ligou. Eu pensei que era um sinal estúpido. Uma saída. Você parecia tão
linda, e eu te queria por todo o ano. Eu amei o seu sorriso e cara gentil. Então veio a
notícia que eu tinha fodido. O preservativo tinha rasgado quando eu estava bêbado
demais para notar.” Ele riu, e ela ouviu a ponta amarga do som.
"Eu pensei que era uma foda de pena.", disse ela para ele.
Ele olhou para ela com olhos tristes. “Você nunca foi uma porra de pena para
mim, Cassie. Sabe quando veio me contar sobre aquele telefonema? Eu estava
conversando com meu irmão sobre você. Ele sabia, naquela época, o quanto eu queria
você, e naquela noite eu decidi que iria fazer a minha jogada. Eu não me importava em
ser o chefe. E então ela telefonou e meu mundo estava fodido. Não. Naquela noite no
escritório, pude provar o que eu poderia ter. Aquela noite foi a única coisa que me
manteve. Pensando em vê-la novamente e segurando você em meus braços. Isso é o que
eu queria.”
O coração de Cassie se partiu. Todo esse tempo ela estava errada. Blaze a viu em
uma luz diferente. Uma lágrima rompeu em seus olhos e ele parecia querer chorar. "Por
favor, não chore", ele falou. "Eu odeio ver suas lágrimas."
“Essas são lágrimas de felicidade. Você não entende o que acabou de me dar.
Cassie se jogou na banheira, e jogou os braços ao redor do pescoço dele. Ela o beijou
com um enorme sorriso no rosto. Ele segurou-a enquanto ela escorregou de todas as
bolhas.
"Talvez eu deva lhe contar meus sentimentos com mais freqüência.", disse ele.
"Sim. Não guarde nada de volta.”
Ela gemeu e segurou o rosto dele entre as mãos. Cassie olhou para o rosto dele e
absorveu cada característica e linha de seu rosto.
"Nunca". Ele escovou o cabelo sobre um ombro.
"Acho que precisamos sair dessa água."
No tempo que levara conversando com Blaze, a água ao redor deles esfriara.
Cassie gritou quando ele a levantou da água. Ela se agarrou a ele quando ele saiu
do banho.
"Não me deixe cair.", disse ela e segurou mais apertado.
"Eu não deixaria você por nada do mundo." Blaze levou-a para o quarto, e com
ela ainda bonita e molhada, ele a colocou no centro de seus lençóis de seda.
"Eles serão arruinados."
"Eu não pretendo mantê-los, e eu prometi a mim mesmo, que quando eu tivesse
você na minha cama, eu comeria essa buceta sob luz para eu ver." Ele se ajoelhou entre
as pernas dela, suas mãos indo para o topo dela coxas e espalhando-a aberta.
Cassie não estava mais consciente de seu corpo. O peso de todas as inseguranças
foi levantado em sua admissão. O sentimento mais estranho e bizarro tomou conta
dela. Blaze admitindo que ela não tinha sido uma piedade, abriu seu mundo e mente
para aquela noite.
"Eu sou sua.", disse ela.
Blaze ficou com um brilho malicioso nos olhos, e Cassie não pôde fazer nada
além de segurar a respiração enquanto abaixava a cabeça.
Ela gritou no primeiro golpe de sua língua através de sua fenda molhada com seu
creme. Seus dedos se apertaram no lençol de seda. Ele não tinha nada para ela
segurar. Cassie engasgou quando seus dedos tocaram em torno de sua entrada. Ela
prendeu a respiração quando um dedo grosso empurrou dentro dela seguido por um
segundo. Sua língua torturou seu inchado clitóris dolorido.
Seus olhos se fecharam.
"Sim, me coma", ela ofegou.
Um terceiro dedo juntou-se aos outros dois, esticando sua buceta. Ele fez uma
ação de tesoura dentro dela. Cassie moveu seus quadris com o empurrão de sua mão,
sua língua acelerando e diminuindo a velocidade toda vez que ela se aproximava do
pico. Sua língua escorregava sobre ela, e ela sentiu quando correu para abaixo em sua
bunda.
Ela gemeu com o prazer proibido escondido ali.
Seus olhos se abriram quando o que parecia um polegar foi pressionado contra o
buraco apertado.
"O que você está fazendo?", ela perguntou, assustada e animada. Nenhum
homem jamais tocou em sua bunda antes, nunca tão intimamente. Cassie tinha pensado
sobre isso ao longo dos anos, quando ela leu livros e artigos, mas ela sempre achava que
a informação era exagerada. Como alguém poderia encontrar prazer no que ela
considerava um buraco?
"Você já foi fodida na bunda?"
"Não.", ela disse, extraindo a palavra.
“Que tal eu te dar uma pequena prova?” Ele disse. "Confie em mim."
Ela odiava essas palavras. Se ela recusasse, isso mostraria que ela não confiava
nele. Para dizer sim, o que isso faria para ela? Uma vagabunda? Uma mulher?
Ela estava pensando demais.
Cassie se deitou e se submeteu ao que quisesse fazer com seu corpo. Sua língua
começou a sacudir seu clitóris, e em poucos momentos ela se esqueceu de estar tensa e
da decisão que ele estava tomando e se soltou. Sua buceta estava cheia, seu clitóris
clamando por atenção.
Oh doce mãe de Deus.
Seu polegar passou pelos anéis apertados de músculos. Cassie não podia ficar
tensa mesmo se quisesse. O prazer e a queimadura se transformaram no gosto mais
requintado de tortura que ela já havia participado. Ela queria mais, ser preenchida por
mais do que um polegar. Ele nunca enfiaria seu pau nela?
Nada importava. Seu polegar estava combinando com os impulsos de seus
dedos, e sua língua dançou sobre seu clitóris. Um trio de êxtase. Cassie não conseguia
se controlar.
O orgasmo subiu, caindo sobre ela, inesperado, mas grande pra caralho.
Ela gritou, seus quadris e pélvis empurrando para cima e para trás tentando pegar
os dedos e o polegar ao mesmo tempo.
Seu gozo pulsava de seu corpo ensopando suas mãos e os lençóis. Cassie sabia
que ela viria muito. O prazer não cessou até que ela desmaiou na cama, um sono
profundo a consumindo.

****
Não houve satisfação maior do que saber que você mandou sua mulher para um
sono profundo. Cassie acordou cedo pela manhã. Com o tempo na praia, o longo dia
juntos e a dupla penetração que ela experimentou, sua mulher estava acabada.
Ele puxou para fora do corpo dela, cuidadosamente, para ter certeza que ele não
acordou ou a perturbou, e foi até o banheiro para se lavar e pegar um pano.
Ele trouxe um pano úmido e limpou entre suas pernas e bunda. A frieza faria
bem a ela. Ela estaria dolorida pela manhã se ele não a ajudasse. Em vez de movê-la,
encontrou os cobertores extras e os cobriu. Blaze deitou ao seu lado. Ele segurou Cassie
nos braços e pensou naquela noite três anos atrás. Não sobre Francesca, mas sobre o que
ele dissera no banheiro quando conversava com Chris. Cassie não sabia que ela tinha
um impacto sobre ele muito antes da noite da festa de Natal. As lembranças eram tão
claras para ele como se tivessem acontecido ontem.

****

Blaze Sinclair continuou olhando na direção da recepcionista sexy em seu


prédio. Não importa onde ele fosse, ele constantemente tentava encontrá-la. Antes de
contratá-la no início do ano, ele se escondia e passava pela saída dos fundos. Mas
agora ele se esforçava para dar a volta na frente do prédio e falar com ela antes de
começar o dia. Seu sorriso alegre e simpática personalidade, começava seu dia de
folga, com um pau duro e pensamentos agradáveis.
Ele se afastou do funcionário que havia demitido, por incompetência e uso
indevido dos fundos da empresa, e observou Cassie enquanto ela girava e dançava em
torno de sua área de recepção. Ela estava decorando e fazendo brilhar para a festa de
Natal. Ela realmente animou este lugar. Todos que ele conhecia falavam muito dela,
até mesmo de seus colegas de trabalho, que gostavam de ver um rosto sorridente
quando iam visitar o prédio principal de Sinclair.
"Você está babando." Blaze se virou para ver seu irmão, Chris Sinclair se
aproximar.
Blaze sorriu. "Ela vale a pena babar."
"Só se você gosta delas no lado robusto", disse Chris.
“Ela não é gorda. Ela é uma mulher cheia.” Blaze odiava quando seu irmão
chamava Cassie de robusta. Ela estava deliciosa e cheia de energia. Ele ansiava por
sentir sua suavidade contra ele, para ver seu corpo delicioso nu debaixo dele,
aceitando-o dentro dela. Ele se virou, seu pau endurecendo e tornando-o
desconfortável para ele nas calças apertadas que ele usava.
"Hoje à noite você poderia cuidar dessa pequena dor.", disse Chris, obviamente
sabendo exatamente por que Blaze havia se afastado.
“Ela é uma funcionária. Eu nunca a colocaria em uma posição como essa.”
Blaze estava firme. Não importa o quanto ele a queria, ele não abusaria de sua posição
como seu chefe para tomar o que ele queria. Ela merecia mais do que ser manipulada.
“Bem, é sempre um pensamento. É Natal afinal de contas.” As palavras finais
de Chris ecoaram em torno de sua cabeça.
Era Natal, mas ele poderia usar Cassie assim? Não haveria maneira de
continuar qualquer tipo de relacionamento depois de um breve caso. Blaze não queria
fazer qualquer encontro entre ele e Cassie se sentirem sórdidos.
Ele estava realmente se adiantando. Ele nem sabia se Cassie o queria. Por tudo
o que ele sabia, o pequeno sorriso e os olhares que ela lhe dava, eram todos sobre ser
amiga do dono do prédio em que trabalhava.
Blaze sacudiu a cabeça para tentar clarear seus pensamentos. Ele precisava
tirar Cassie da cabeça. Às vezes ela era a única coisa em que ele conseguia
pensar. Todas as mulheres com as quais ele teve um breve relacionamento estariam
rindo dele agora. A primeira mulher a tirar sua atenção do trabalho e ele nem sabia se
Cassie estava interessada nele.
Todo o corpo de Blaze chamou a atenção quando ele se virou para os olhos
verdes risonhos de sua recepcionista.
“Obrigado, Cassie. Quem é?” Ele adorava ouvir os sons calmos de sua voz.
"Uma mulher, ela disse apenas para te chamar." Cassie sorriu, girando um
pedaço de lantejoulas através de seus dedos.
"Obrigado." Ele foi caminhar em direção ao telefone quando um pensamento
veio a ele. "Você vai estar na festa de Natal, Cassie?"
"Eu tenho que estar. Disseram-me que faz parte do trabalho da recepcionista.”
"Bom". Ele se virou.
Era Natal e você nunca sabe o que poderia estar reservado, ou o que poderia
acontecer. Sentindo-se um pouco mais feliz, Blaze levantou o telefone dando um alegre
"Olá".
“Oi baby. Feliz Natal.” A voz sensual falando sobre a linha imediatamente
transformou seu bom humor em azedo.
"O que você quer, Francesca?" Ele esfregou os olhos, sentindo-se cansado.

****

Ele saiu da memória. Ele não gostava do que viera a seguir. Cassie suspirou
contra ele, e ele trabalhou um braço sob sua cabeça.
Nunca antes ele havia considerado uma segunda chance. Cassie lhe dera uma, e
ele pretendia provar a ela que valia a pena o risco.
Blaze acordou na manhã seguinte e passou uma boa hora observando Cassie
dormir. Ele estava mal. Em um determinado momento, na noite anterior, ele pensou que
ela admitiria que estava apaixonada por ele. Infelizmente, não deveria ser.
Balançando a cabeça, ele saiu da cama. Ele vestiu um roupão e foi checar seu
filho. Sua cama estava bem arrumada e ele sabia que Molly o havia pegado.
A casa ficou em silêncio, e ele desceu as escadas para a cozinha. Chris sentou-se
à mesa olhando através de um papel enquanto Trent, John e Luke estavam sentados na
outra extremidade comendo cereal.
“Molly não fez comida hoje?” Ele perguntou indo direto para o café.
"Não. Ela está ao redor com Blaze Junior.”, disse Trent.
Blaze encolheu os ombros. Molly amava seu filho. "Ele a pegou jogando
futebol?"
"Não. Eles estão na piscina e o pai está assistindo. Eu acho que o vi
babando. Meio grosseiro.”, disse Trent.
Blaze assentiu e olhou para todos os seus irmãos. "Nenhum de vocês vai falar
comigo?"
Seus outros três irmãos ergueram os olhos. “O que você quer que a gente diga?”
Chris perguntou.
"Eu não sei? 'Bom Dia'."
Luke e John franziram o cenho para ele e se afastaram. Eles fizeram muito isso
ultimamente.
“Sério, nossa família está desmoronando. Papai parece que quer matar alguém
enquanto anseia por sua esposa. Molly está chorando o tempo todo e, como tudo está
indo bem com você, acha que todos deveriam ser felizes?” Trent saiu furioso, deixando
Chris.
"Continue. Carranca para mim ou desabafo.”, disse Blaze.
Chris sacudiu a cabeça. “Não no meu estilo. Estou esperando o pai perceber que
ele está apaixonado e por aqueles três idiotas verem isso acontecer. Eles não acham que
ele a mereça, mas acho que ele merece. De qualquer forma, percebi que Cassie não está
no quarto dela. Eu entendo que tudo está indo bem com você?”
Blaze olhou para ele e levou um café para o seu quarto. Cassie estava sentada na
cama.
"Bom dia", ele disse.
"Bom dia", ela disse.
"Acho que alguém precisa de um desses, nas primeiras horas da manhã."
Cassie não respondeu, e ela pegou a xícara. Blaze sorriu e a observou. Ele
poderia se acostumar com isso, para uma vida acordando com ela em seus braços. Por
três anos ele a desejou. Esta noite, ele a levaria para jantar e pediria que ela se casasse
com ele. Eles só se viam a uma semana, mas em seu coração ele a queria nos últimos
três anos e mais.
Tanto tempo já havia sido desperdiçado. Ele esperava que a pílula em que ela
estava não funcionasse. Blaze adorou o pensamento de um bebê crescendo dentro
dela. Seus seios seriam maciços.
"O que está na agenda para hoje?" Ela perguntou uma vez que ela sorveu o café.
"Eu estava pensando que poderíamos ficar e brincar na piscina, e esta noite eu
quero levar você para sair." Blaze se inclinou e a beijou. Ele esperou o tempo suficiente.
"Eu gosto do som disso. Tem que ser um restaurante italiano embora. Eu tive um
desejo por comida italiana durante toda a semana.”, disse Cassie.
"Tudo o que minha mulher quiser."

****

A família Sinclair estava à beira da piscina. Cassie viu que na presença de Blaze
Junior todos estavam no seu melhor comportamento. Ela notou que David continuava
tentando encurralar Molly. O homem ativou o modo de sedução. Blaze estava brincando
na piscina enquanto ela sentava na beirada, seus pés mergulhando na água.
"Você parece feliz.", disse Chris quando ele se juntou a ela.
"Eu sou. Eu estou feliz. Obrigado por me convidar.” Ela abraçou o amigo.
"Este sou eu. Meu plano diabólico para colocar você com meu irmão.” Ela ouviu
atentamente e sabia que outras coisas atormentavam sua mente.
"Eu percebi isso." Cassie observou o homem que ela amava com seu filho.
“Agora você só tem que lutar para mantê-lo. Você deu a ele uma segunda
chance, então agora lute para mantê-lo o bom rapaz.”, disse Chris.
Ela pensou em Erica. Chris estava pagando o preço de seu erro, estabelecendo
uma partida de amor com a maioria dos casais que encontrou.
"Por que você não segue seu próprio conselho?", ela perguntou.
Chris olhou para ela. "Eu não sei o que você quer dizer."
"Não seja um idiota." Ela empurrou-o no braço. “Você ferrou com Erica. Isso
não significa que você não possa reconquistá-la.”
Chris riu. “Eu não ‘estraguei’ tudo. Isso é muito leve para se colocar sobre isso.”
"Você ama Erica?"
Ele fez uma pausa, e ela viu as diferentes emoções brilhando em seu rosto. "Com
todo meu coração."
“Então, depois de hoje, vá e encontre-a. Faça-a ver o novo homem que você é e
não o idiota que você costumava ser.”
"Obrigado pela conversa estimulante.", disse ele com uma risada.
"A qualquer momento."
Ela procurou por Blaze e congelou no lugar. Ele estava em pé com a mão
impedindo alguém de entrar. No tempo que levara para falar com Chris, Blaze estava
fora e encontrando um problema.
"Que porra ela está fazendo aqui?" Cassie ouviu a amigo dizer. Seus
pensamentos eram os mesmos.
Francesca Sinclair estava de pé em uma mini-saia, um top claro e apertado e
saltos. Do outro lado do gramado, Cassie viu o contorno da mulher. Como essa pessoa
poderia ser a mãe de Blaze Junior?
As mãos de Francesca estavam por todo o lado de Blaze.
Coração batendo no peito, Cassie esperou que eles se movessem.
Blaze se livraria dela? Esta é a parte em que ela acordou e percebeu que ele
nunca a quereria?
Como suas antigas inseguranças poderiam inundá-la? Ela pensou que eles
tinham sido aniquilados pela noite passada.
Não teve essa sorte. Ela viu a mulher do passado de Blaze, com seu cabelo e
maquiagem perfeitos, com seu corpo magro e pernas longas. Cassie olhou para seu
corpo no biquíni que Blaze havia convencido a usar.
Ela se sentiu como uma idiota. Uma idiota feia e gorda.
Blaze a trouxe para mais perto da piscina.
"Francesca veio ver seu filho", disse ele ao grupo. O vento foi arrancado de
Cassie quando ele não olhou para ela.
“Ele é tão modesto. Eu não só vim pelo meu filho, mas eu vim lutar pelo nosso
casamento. Os dedos dela correram pelo peito dele, e em um ato tão possessivo que não
poderia haver engano, ela beijou Blaze.
Cassie não esperou para ver o que aconteceu em seguida. Ela se levantou da
cadeira e correu pela casa. Chris chamou por ela, assim como os outros. Ela não ficaria
para reviver seu passado.
"Cassie", Blaze chamou.
Ele estava atrás dela, e ele a girou para encará-lo.
Seus lábios estavam cobertos de batom vermelho. Ela deu um tapa no rosto
dele. Enojada consigo mesma, ela foi até seu quarto.
“Cassie, não faça isso. Isso não é o que você pensa.”
"O que eu penso? Acho que fui uma tola por te dar uma segunda chance. Não há
como competir com aquela mulher. Eu não vim aqui para ser puxada para o seu drama
novamente. Você me prometeu que ela estava fora da sua vida.” Cassie gritou e puxou a
mala debaixo da cama. O primeiro vestido de sol que ela encontrou colocou sobre a
cabeça.
"Ela é a mãe de Blaze Junior", ele disse.
Cassie olhou para ele por alguns segundos e não podia acreditar o quão estúpida
ela tinha sido. É claro que ele voltaria para a mulher magra e bonita em um piscar de
olhos. Ele bateu no que escapou e se saciou com ela e seu corpo. Ele poderia seguir em
frente agora. Assim como Chris teve com Erica.
"Estou indo embora. Este foi o maior erro da minha vida.” Ela reuniu suas
roupas e tudo que ela comprou. Ela pegou o ursinho de pelúcia que Blaze ganhou na
feira e jogou nele. Não mais, ela não seria sugada para qualquer coisa. De agora em
diante, a firmeza era o único caminho a percorrer. Ela não podia confiar em ninguém
além de si mesma.
"Você não deveria estar dirigindo nesta condição.", disse ele.
“Estou bem, Blaze. Desta vez não é diferente da última vez.” Ela pegou sua mala
e sua bolsa caminhando pelo corredor. Não havia sentido em prolongar-se em
despedidas e ela saiu pela porta da frente. Blaze havia bloqueado o carro na noite
anterior. "Você vai mover o seu carro?", ela perguntou.
"Não. Eu te disse, você não vai.”
Ela abriu o porta-malas do carro e largou as malas lá dentro. Whiskers saiu, e ela
o pegou e o colocou no banco de trás.
“Que pena.” Cassie abriu a porta do carro e foi entrar. Blaze estendeu a mão e
impediu que ela se movesse.
“Eu te disse naquela noite na praia que você é minha mulher. Espero que você
mantenha sua parte no acordo.”
Como ele ousa? Cassie olhou para o homem que havia roubado e esmagado seu
coração, não uma, mas duas vezes nos últimos três anos.
“Você realmente acha que aquela noite tem algum valor aqui? Francesca
pretende ser sua esposa. Ela não vai assinar os papéis do divórcio, e você é mais do que
feliz em mantê-la por perto. Está feito. Só que desta vez não há esperança de uma
terceira chance.” Ela puxou a porta do aperto dele e entrou.
Blaze ficou de pé e a observou. Suas bochechas queimaram de seu
escrutínio. Suas mãos tremiam, e ela precisou de várias tentativas para pegar as chaves
na ignição.
Depois que o carro foi ligado, ela abaixou a janela.
"Mova o seu carro", disse ela.
"Não. Você não vai a lugar nenhum.”, ele disse.
Cassie olhou para ele e odiou ver o olhar de triunfo em sua voz. Ela olhou além
dele para sua família que estava na varanda. Chris estava de braços cruzados e estava
olhando para a cena. Seus outros irmãos pareciam se divertir com toda a
situação. Francesca segurou o filho e Molly olhou para a cena.
Olhar para a mãe ajudou Cassie a fazer sua escolha. Se ela parasse o carro e
entrasse, ela nunca se sentiria melhor, vivendo sempre a vida, sabendo que nunca ficaria
em primeiro lugar. Ela pode soar como uma cadela de primeira classe, mas ela queria
ser a primeira de alguém para variar.
"Tire seu carro do caminho, ou vou esmagá-lo.", disse ela. Cassie não quebrou o
contato visual com Molly. A outra mulher pode não saber, mas ela estava dando a
Cassie a força para sair da situação com Blaze.
"Você não tem que fazer isso, Cassie."
Por que os homens persistem em incitar as mulheres?
Cassie sorriu e acenou para sua família.
"Me veja então."
Ela jogou o carro no sentido contrário, colocou o cinto de segurança e se
assegurou de que Whiskers estava seguro em sua caixa de viagem. Ela pressionou o pé
no acelerador e o carro recuou. Cassie observou o impacto no espelho e ela se sacudiu
em seu assento. O carro de Blaze se moveu um pouco. Indo para frente ela ajustou o
carro. Ela ouviu Blaze amaldiçoando ela e os outros homens gemendo. Ela não se
importou. A liberdade estava na ponta dos dedos dela.
Depois de mais algumas batidas, ela não pensou nos danos ao seu próprio carro,
o virou e saiu pelo portão.
As lágrimas vieram dentro de momentos em que ela estava livre pela auto-
estrada. Ela estacionou em uma estação de serviço para se acalmar e relaxar. Cassie
pode ter sido muitas coisas, mas perder a vida por sofrer não seria uma delas.
Francesca havia tirado tudo dela. O homem que ela amava e sua
dignidade. Como ela poderia ter destruído o carro dele?
Ela bateu os punhos contra o volante e usou todas as maldições que conseguiu
encontrar. A felicidade da manhã havia evaporado em poucas palavras de uma mulher
deslumbrante.
Cassie fez uma pausa e pensou no que acabara de acontecer. Francesca entrara
no Sinclairs e dizia que ia lutar pelo casamento. Blaze já dissera que odiava
Francesca. As palavras de Chris voltaram para ela.
“Agora você só tem que lutar para mantê-lo. Você deu a ele uma segunda
chance. Agora lute para mantê-lo o bom rapaz.”
Porra, Francesca não tinha um casamento para lutar e, de qualquer modo, Cassie
poderia revidar.
"Sua idiota", ela gritou. Cassie ligou o carro e correu de volta para lutar pelo
homem que amava. Ela estava agradecida por ter estado apenas dez minutos na estrada.
Ela não fugiria. Blaze Sinclair era dela, e era melhor aquela cadela correr.
Blaze observou a mulher que ele amava deixá-lo pela segunda vez. Ele ouviu
Chris batendo palmas e se virou para ver toda a sua família observando-o. Seu carro
estava completamente destruído.
"Bom para Cassie.", disse Chris.
"Espero que você a faça pagar por esse estrago?", Disse Francesca.
Ele ficou um pouco satisfeito quando sua família voltou a encará-la. Molly se
aproximou e pegou o neto da mulher.
"Você tem algumas coisa para resolver.", disse ela antes de entrar na casa. David
seguiu atrás. Seu pai passou a última semana ficando colado ao lado dela como super
cola. Todos os seus irmãos os deixaram sozinhos.
Francesca aproximou-se dele com um sorriso abafado nos lábios. "Sozinho,
finalmente depois de todo esse tempo."
"O que você está fazendo aqui?", ele perguntou.
Tudo estava indo muito bem. Ele tinha certeza de que Cassie estava perto de
dizer como se sentia sobre ele. Tudo isso foi perdido. Seu coração doeu e um gosto
amargo se instalou em sua boca.
"Quando eu ouvi o que estava acontecendo, eu sabia que tinha que te salvar da
humilhação." Ela tirou uma mancha de poeira de sua camisa, e ele pegou a mão dela.
"Não me toque." Ele correu os dedos pelos cabelos e pensou sobre o que ela
disse. "Que diabos você está falando?"
Francesca era uma mulher estranha. Por que ele a achara atraente?
“Ela é a putinha cujo nome você chamou enquanto estávamos juntos na cama. A
mulher que trabalhou para você. Você realmente acha que vou deixar você se divorciar
de mim para estar com alguém como ela?”
Blaze não podia acreditar no que estava ouvindo. "Cassie é mais mulher do que
você jamais será." Ele apontou um dedo em seu rosto. Um homem ruim daria um tapa
nela. Não daria a Francesca ou à imprensa a satisfação da história decadente.
"Sim. Da gordura que vi saindo daquele biquíni, eu diria que ela é mais mulher
do que eu. A última vez que chequei não era tão obesa.”
“É realmente por isso que você veio aqui hoje? Porque você não aguenta ser
substituída por uma mulher de verdade?”
Francesca sorriu, colocando uma mão no quadril. Ele viu os sinais indicadores
então, o tremor de suas mãos e o olhar vidrado em seus olhos.
"Você quer mais dinheiro?", ele perguntou.
A única coisa que ele aprendeu sendo casado com Francesca era que ela poderia
manter um segredo mortal.
"Eu não sei o que você está falando." Ela esfregou um ponto sob o nariz.
"Qual é o problema? O namorado não gosta do fato de você ter se livrado da sua
principal fonte de renda?”
“Não fale bobagem. Sinto sua falta, Blaze, e quero que voltemos a ser uma
família.”
Sua raiva veio à tona. Eles nunca foram uma família. Francesca o usara para
conseguir o que queria. Ela nunca o amou. "Saia da porra da minha propriedade antes
que eu acabe com você para sempre."
“Acabar? Como você pode?”
"Eu me pergunto como seu namorado levaria ao descobrir sobre o seu caro
hábito de cheirar?"
Blaze sorriu maldosamente e a viu pálida. Ele era o único que sabia sobre seu
problema com drogas. Ele até tentou mandá-la para a reabilitação, o que não
funcionou. O som de um carro parado impediu que ele destruísse a mãe de seu filho.
Ele franziu a testa. Certamente ele ainda estava acordado. Cassie parou e saiu do
carro. Não podia acreditar que ela estava de volta. Seus quadris balançaram e ele viu a
determinação em seu rosto. Ela andou até ele, colocou as mãos em volta do pescoço
dele e o beijou. Desta vez, com esta mulher, ele respondeu. Ele a pegou nos braços e
circulou com ela.
"O que está acontecendo?" Ele perguntou quando ela se afastou.
"Eu te dei uma segunda chance, e esta sou eu lutando pelo que é meu." Ele a
colocou no chão.
Cassie olhou para ele. “Eu te amo, Blaze Sinclair. Você sempre me teve e
sempre terá. Você disse que eu era sua na praia. Bem, você é meu. Para sempre."
Blaze sorriu.
Ela me ama.
Cassie voltou sua atenção para a mulher ao seu lado. Ele não estava preparado
para o que ela fez em seguida, e Francesca não teve tempo para se defender.
Cassie estendeu a mão e deu-lhe um tapa no rosto, o som alto e claro. “Isso é por
tocar no meu namorado. Eu sei que você é a mãe de Blaze Junior, e eu aceito isso. Mas
você coloca uma mão no meu homem novamente e eu vou te machucar. Você entende?"
Francesca assentiu e correu para o próprio carro. Blaze a viu pegar algo do carro.
"Ele pode ser seu namorado, mas ele será sempre meu marido", disse ela
enquanto jogava os papéis de divórcio não assinados para ele.
Cassie foi bater nela novamente, e Blaze a segurou.
“Francesca, você se lembra daquele acordo de divórcio amigável? Bem, isso é
nulo e sem efeito diante das acusações de adultério.”
"Você não tem nenhuma prova.", disse sua ex-mulher.
“Na verdade, um dos seus amantes do passado tentou me chantagear com uma
fita de sexo. Essa fita está em minha posse. Você pega esses papéis e eu não vou
destruir sua vida.
Blaze sabia que ela estava debatendo a opção. A fita de sexo não era uma
mentira. Ele mostraria ao mundo inteiro se ela não assinasse esses papéis. As drogas, no
entanto, significariam que ela não conseguiria ver Blaze Jr., não importa o que
acontecesse.
A ameaça era tudo que precisava. Ela se abaixou e assinou os papéis. Minutos
depois, seu carro diminuiu a distância.
Cassie colocou os braços em volta do pescoço dele.
"Então, minha pequena safadinha, você lutaria por mim?"
"Num piscar de olhos."
“Aquele tapa foi épico, mas como está a mão?” Ele perguntou.
“Ardendo. Aquela vadia tinha pedido. Eu derrotei a cadela e você está se
divorciando. O que acontece depois?"
Cinco anos depois

"Feliz aniversário para você, feliz aniversário para você, feliz aniversário,
querido papai, feliz aniversário para você."
Blaze riu quando seus dois filhos e filha trouxeram um bolo e cantaram para
ele. Cassie estava atrás das crianças, seu estômago inchado com o terceiro filho. Blaze
Junior era agora um garoto de oito anos e adorava ser o mais velho.
"Não se esqueça de dizer ao papai para fazer um desejo", disse Cassie.
Blaze não podia acreditar como a vida dele tinha sido mágica. A partir daquele
dia na casa de praia, quando Cassie lhe perguntou o que aconteceria a seguir, ele não
sabia o que dizer.
Ele cortou o bolo e colocou os filhos na cama. Infelizmente, ele havia trabalhado
até tarde e seus filhos estavam mortos.
Cassie o deixou para ler as estórias e, meia hora depois, ele a encontrou
limpando a cozinha.
Ele passou os braços ao redor da cintura dela e soube em um mês ou dois que ele
não seria capaz de fechar as mãos ao redor dela.
"Como estão meus dois bebês?", Ele perguntou.
“Estamos indo muito bem. Você deveria voltar para casa do trabalho mais
cedo.”, disse ela.
"Vire-se."
Cassie fez o que ele pediu e colocou os braços ao redor de seu pescoço.
"Pergunte-me o que aconteceu depois?"
"O que?"
Ele a beijou nos lábios. “Aquele dia, cinco anos atrás, você me fez uma pergunta
e agora eu posso responder.”
Ela sorriu e seu mundo ficou mais brilhante.
“O que acontece depois?” Ela sussurrou.
“Meu divórcio está finalizado e Francesca fica fora de nossa vida para
sempre. Por causa de seu vício em drogas, ela não pode ver nosso filho, então ela não
tem nenhum efeito sobre ele. Nos casamos no inverno, cercados de neve. E no verão
seguinte você está grávida do nosso primeiro filho. Você dá à luz um filho a quem
chamamos Daniel. Nós temos um aniversário de dois anos na Itália, onde você come o
quanto quiser, e nós concebemos nosso segundo filho, uma filha que chamamos de
Yvonne. Você promete me amar pelo resto da sua vida e, em troca, eu lhe dou tudo o
que você sempre quis. Agora, como isso soa?”
Cassie suspirou e sorriu. “Como um sonho se tornando realidade. Agora, o que
acontece depois?” Ela perguntou com uma risada.
Blaze a beijou e seu pau engrossou instantaneamente. "Que tal eu te levar para
cima, te debruçar sobre a cama e te foder por trás?"
“Oh, estilo cachorrinho. Eu gosto, mas estava pensando nos próximos vinte e
tantos anos.”
Blaze pegou a mão dela e levou-a para cima. Ele fechou a porta e a puxou para
perto. "Vamos ambos descobrir juntos."