Anda di halaman 1dari 9

31 de dezembro de 2018

Lição 1: Batalha Espitual - A Realidade não Pode Ser Subestimada


REVISTA ADULTOS 1° TRIMESTRE 2019
TEMA: Batalha Espiritual: O povo de Deus e a guerra contra as potestades do mal
COMENTARISTA: Pr. Esequias Soares

-LIÇÃO 1-
6 de Janeiro de 2019

BATALHA ESPIRITUAL
A Realidade não Pode Ser Subestimada
TEXTO ÁUREO
"Vigiai e orai, para que não entreis em tentação; na verdade, o espírito está pronto, mas a carne é fraca."
(Mt 26.41)

VERDADE PRÁTICA
Batalha Espiritual é uma realidade bíblica que consiste na luta contínua da Igreja contra o reino das
trevas.

LEITURA BÍBLICA EM CLASSE


1 Pedro 5.5-9
5 Semelhantemente vós, jovens, sede sujeitos aos anciãos; e sede todos sujeitos uns aos outros e revesti-

vos de humildade, porque Deus resiste aos soberbos, mas dá graça aos humildes.
6 Humilhai-vos, pois, debaixo da potente mão de Deus, para que, a seu tempo, vos exalte,
7 lançando sobre ele toda a vossa ansiedade, porque ele tem cuidado de vós.
8 Sede sóbrios, vigiai, porque o diabo, vosso adversário, anda em derredor, bramando como leão,

buscando a quem possa tragar;


9 ao qual resisti firmes na fé, sabendo que as mesmas aflições se cumprem entre os vossos irmãos no

mundo.

INTRODUÇÃO
“A Batalha Espiritual é o tema do trimestre que estamos iniciando. Basta uma olhada na leitura diária
para confirmar a menção do assunto nas Escrituras. Mas existe uma onda extravagante que surgiu na
década de 1960 e que tenta se passar por batalha espiritual. A presente lição apresenta o equilíbrio
doutrinário que servirá como ajuda para ninguém subestimar o assunto.” [Lições Bíblicas CPAD, Revista
Adultos, 1º Trimestre 2019. Lição 1, 6 Jan, 2019]
- Iniciando o primeiro trimestre deste novo ano, refletiremos acerca de um assunto importante,
no entanto, ignorado: "Batalha Espiritual". Não podemos ignorar, subestimar ou supervalorizar a
Batalha Espiritual; ela é real, mas requer cuidados e conhecimento bíblico para não incorrermos
em superstição e erros teológicos que soam como heresia, tais como “maldição hereditária”,
“mapeamento espiritual” e “crentes endemoninhados”. “Precisamos nos guardar contra dois perigos
extremos. Não podemos tratá-lo com muita leviandade, para não subestimar seus perigos. Por
outro lado, também não podemos nos interessar demais por ele.”( Millard J. Erickson- INTRODUÇÃO A TEOLOGIA
SISTEMÁTICA- Pág. 200). Precisamos de uma visão bíblica e equilibrada sobre o tema e saber que a

verdadeira Batalha Espiritual consiste na luta contínua da Igreja contra o reino das trevas: com a
pregação do Evangelho! – Dito isto, convido-o a pensar maduramente a fé cristã!

I - A BATALHA ESPIRITUAL
“A autêntica batalha espiritual tem fundamentos bíblicos, mas nem tudo o que se diz ser batalha espiritual
tem sustentação nas Escrituras.
1. Conceito de Batalha Espiritual. A Bíblia afirma "que todo o mundo está no maligno" (1 Jo 5.19). Assim,
existem seres malignos e espirituais que desde o princípio conspiram contra Deus e contra a humanidade
para a destruição e o caos no mundo. Primordialmente, os demônios existem; eles são reais e manifestam-
se de várias maneiras, em princípio, nas pessoas possessas, e tais espíritos precisam ser expulsos. Por
conseguinte, os cristãos se opõem a essas forças malignas pela pregação do evangelho, a oração e o poder
da Palavra de Deus. A essa oposição dos crentes denominamos "batalha espiritual".” [Lições Bíblicas
CPAD, Revista Adultos, 1º Trimestre 2019. Lição 1, 6 Jan, 2019]
- Há uma ‘moda’ atualmente no meio evangélico nacional ‘gerando’ novas doutrinas como
nunca houve na história da Igreja. Entre muitas novidades está o Movimento de Batalha Espiritual,
que emprega todas as suas forças em especular uma nova cosmovisão sobre a esfera espiritual,
especialmente sobre os demônios, e como enfrentar este mundo de espíritos. Claramente se vê na
Bíblia que existe uma batalha espiritual sendo travada entre os servos de Deus e os servos do
diabo e que todos os crentes estão envolvidos nesta batalha. Segundo João 10.10, é o diabo quem
governa as forças espirituais em rebelião contra Deus. Devemos resistir ao adversário mas não
precisamos ter medo dele, porque Deus é mais forte que todos os nossos inimigos.
“Não existe explicitamente o termo "batalha espiritual" na Bíblia, ou pelo menos na versão que
busquei, mas isso não quer dizer que o crente não esteja em uma constante guerra no mundo
espiritual, a qual é travada em oração. Esta passagem é um exemplo: Saúda-vos Epafras, que é
dos vossos, servo de Cristo, combatendo sempre por vós em orações, para que vos conserveis
firmes, perfeitos e consumados em toda a vontade de Deus (Cl 4.12). Estamos empenhados em
uma batalha espiritual - se quiser usar o termo - em todos os aspectos da vida cristã, seja em
nossas orações, quando invadimos com elas as regiões celestiais para lutarmos contra seres
espirituais, seja na labuta diária para testemunharmos de Cristo.” (RESPONDI)

“2. Uma realidade bíblica. O tema principal da Primeira Epístola do apóstolo Pedro é o sofrimento do
crente por causa do nome de Jesus. Esse sofrimento resulta da nossa contínua luta espiritual contra o
pecado e contra o indiferentismo religioso. Mas, ao encerrar a sua epístola, o apóstolo esclarece que tudo
isso parte de Satanás e seus agentes: "Sede sóbrios, vigiai, porque o diabo, vosso adversário, anda em
derredor, bramando como leão, buscando a quem possa tragar" (v.8).” [Lições Bíblicas CPAD, Revista
Adultos, 1º Trimestre 2019. Lição 1, 6 Jan, 2019]
- Lemos em Efésios 6.11-12 que nossa luta não é contra seres humanos. A verdadeira batalha
é contra forças espirituais malignas que têm autoridade sobre este mundo - o Adversário que
destruir o homem e que permanece no ataque mesmo quando uma pessoa se converte. Em
Apocalipse 12.4, encontramos uma referência à primeira batalha espiritual que foi travada: “E a sua
cauda levou após si a terça parte das estrelas do céu, e lançou-as sobre a terra”; João se refere à
Satanás quando rebelou-se contra Deus e arrastou consigo a terça parte dos anjos. Desde então,
nós vemos, através da Bíblia, Satanás fazendo guerra contra Deus e o Seu povo: “Então ele me
mostrou o sumo sacerdote Josué, o qual estava diante do anjo do Senhor, e Satanás estava à sua
mão direita, para se lhe opor” (Zc 3.1).
- “A batalha espiritual é nossa luta contra tudo que nos afasta de Deus. Os nossos três grandes
inimigos são:
•O diabo – ele governa as forças espirituais em rebelião contra Deus (Jo 10.10)
•O mundo – o mundo está amaldiçoado por causa do pecado, é dominado pelo diabo e tem
muitas tentações (1Jo 5.19)
•Nossa velha natureza – todos temos certa tendência para pecar e precisamos lutar contra
esses desejos errados (Gl 5.16-17)
Esses três inimigos podem atuar juntos ou separados contra nós. Não podemos culpar tudo
apenas no diabo. Mesmo quando somos influenciados ou tentados, se pecarmos, a
responsabilidade é nossa. A Bíblia diz que devemos:
•Resistir ao diabo – rejeitando suas mentiras e declarando a verdade da Bíblia (Tg 4.7)
•Não nos contaminar com o mundo – escolhendo obedecer a Deus e não aos padrões do
mundo (1Jo 2.15-17)
•Mudar nossos pensamentos – submetendo tudo a Deus, para que Sua vontade se torne
nossa vontade (Rm 12.2; 2Co 10.4-5)” (O que a Bíblia fala sobre batalha espiritual? Disponível
em: https://www.respostas.com.br/o-que-a-biblia-fala-sobre-batalha-espiritual/. Acesso em: 31 Dez, 2018)

“3. O que não é Batalha Espiritual. O que geralmente se chama de "batalha espiritual" por alguns é
um modelo não bíblico e nocivo à fé cristã. Os mentores dessa doutrina pinçam a Bíblia aqui e ali e
adaptam as passagens selecionadas para ajustá-las às suas próprias experiências. Trata-se de uma
cosmovisão abrangente de culturas antigas como a da Mesopotâmia e do Egito, influenciada pela magia
e pelo ocultismo.* Era na época um mundo cheio de forças ocultas em que os homens viviam procurando
se proteger de deuses e demônios malévolos. É uma estrutura muito próxima do ocultismo
contemporâneo com a doutrina dos espíritos territoriais, maldição hereditária ou de família com os
rituais de libertação.” [Lições Bíblicas CPAD, Revista Adultos, 1º Trimestre 2019. Lição 1, 6 Jan, 2019]
- Exposto o que é batalha espiritual como aparece nas Escrituras, precisamos entender o que
ela não é, e faremos isso expondo um pouco sobre o Movimento de Batalha Espiritual.
No imaginário brasileiro o diabo goza de um certo “carisma”, vemos isso em literaturas
produzidas e encenadas. O novelista Aguinaldo Silva chegou a dizer o seguinte: “No Brasil, as
pessoas acreditam que o diabo realmente interfere em nossa vida, mais até do que os
santos.” (Revista Veja, 11 de agosto de 1999, pág. 142); e esse imaginário é materializa-se no espiritualismo. Mas
não está restrito ao mundo não alcançado pelo Evangelho, nos círculos evangélicos há hoje, uma
super-valorizão do mundo angelical, há Assembleias de Deus, por exemplo, onde é reservada uma
cadeira no púlpito, destacada das demais, para o ‘anjo da igreja’! É comum encontrarmos “cultos
de libertação”, de “poder” e seminários sobre batalha espiritual. É fácil encontrar irmãos que já
‘devoraram’ o livro ‘Este Mundo Tenebroso’ (Ed. Vida), de Frank Peretti.
- “A esta ênfase dada aos demônios, pelo menos aqui no Brasil, atribuímos a responsabilidade
a um pastor norte americano chamado C. Peter Wagner. Ele é autor de trinta livros e é a atual
autoridade no campo de guerra espiritual. Em seu livro intitulado Oração de Guerra (Ed. Unilit), ele
nos conta como foi originado este movimento de guerra espiritual. Peter Wagner é representante
do Movimento de Crescimento da Igreja, fundado por Donald MacGavran, em 1955. Em 1980
começou a interessar-se sobre as dimensões espirituais do crescimento eclesiástico. Em 1989,
percebeu que o evangelismo funciona melhor quando é realizado através de oração e que Deus
tem dotado certos indivíduos que se mostram incomumente poderosos no ministério da
intercessão. Pensando sobre a idéia de como conciliar evangelismo e intercessão, Peter Wagner
reuniu um grupo de cinqüenta intercessores para orarem em um hotel, localizado em frente do local
onde seria o segundo congresso de Lausanne. Durante esta intercessão, Peter Wagner diz que
recebeu de Deus o que denominou de “parábola viva”. Ele deu esse nome a um acontecimento
durante a intercessão. Uma das intercessoras, Juana Francisco, foi acometida de uma crise
asmática, rapidamente levaram-na às pressas para o hospital. Esperando a recuperação da amiga
no hospital, outras duas intercessoras, Mary Lance e Cidy Jacobs, tiveram uma mensagem que
logo identificaram como sendo de Deus. Juana Francisco havia sido atacada por um espírito da
macumba. Recebendo a revelação, as duas intercessoras fizeram uma oração quebrando o poder
do demônio enquanto, no mesmo momento, Bill Bright, estava com a enferma orando em prol da
cura. O que aconteceu foi que no mesmo momento a mulher ficou boa. Peter Wagner interpretou
este episódio como sendo uma lição de Deus ao Seu povo. A partir daí ele tomou para si os
seguintes princípios:
• (1) A evangelização do mundo é uma questão de vida ou morte;
• (2) A chave para a evangelização do mundo consiste em ouvirmos a Deus e obedecermos
àquilo que tivermos ouvido. “Elas sabiam que Deus queria que a maldição fosse anulada, pelo que
entraram em ação”5;
• (3) Deus usará a totalidade do corpo de Cristo para completar a tarefa da evangelização
do mundo.
Naquela mesma conferência de Lausanne, em Manila, foram abordados os temas de espíritos
territoriais e da intercessão espiritual em nível estratégico. O interesse sobre o assunto cresceu e
foi organizado um grupo de pessoas que se interessavam por guerra espiritual. Peter Wagner
tornou-se o líder deste grupo que posteriormente foi denominado de “Rede de Guerra Espiritual”.
Entre os membros deste grupo podemos mencionar Larry Lea, John Dawson, Cindy Jacobs e
Edgardo Silvoso.” (Batalha Espiritual. Disponível em: http://www.cacp.org.br/batalha-espiritual/. Acesso em: 31 Dez, 2019)

II - PRINCIPAIS CRENÇAS DA PSEUDOBATALHA ESPIRITUAL


“As inovações mais chocantes que se pregam por aí são o mapeamento espiritual, a maldição hereditária
e a ideia de que um salvo pode ser possuído pelos demônios.
1. Mapeamento espiritual. A doutrina consiste na crença de que Satanás designou seus correligionários
para cada país, região ou cidade. O evangelho só pode prosperar nesses lugares quando alguém, cheio do
Espírito Santo, expulsar esse espírito maligno. Em decorrência, surgiu a necessidade de uma geografia
espiritual, o mapeamento espiritual. Os espíritos territoriais são identificados por nomes que eles mesmos
teriam revelado, com as respectivas regiões que eles supostamente comandam. Essas pessoas acreditam
que tudo isso se baseia na Bíblia (Dn 10.13,20; Mc 5.10).” [Lições Bíblicas CPAD, Revista Adultos, 1º
Trimestre 2019. Lição 1, 6 Jan, 2019]
- Os adeptos do Movimento de Batalha Espiritual adotam um método muito comum - o
mapeamento espiritual de cidades, regiões, países. Segundo pensam, a igreja precisa conhecer a
região onde está plantada, conhecer a história do lugar onde se deseja evangelizar e descobrir o
espírito territorial que governa aquela região. Esse levantamento é necessário para que o demônio
que governa ali seja amarrado. Segundo um artigo publicado em um site deste movimento,
‘mapeamento espiritual’ é definido assim: “Mapeamento espiritual é o processo em que se
comparam as informações e dados de uma região ou pessoas, colocando-as sobre um mapa ou
gráfico. As informações colhidas são usadas na guerra espiritual com o fim de arrancar as pessoas
das mãos do inimigo. O mapeamento espiritual é como uma grande luz lançada numa região
escura. Permite-nos ver a estratégia do inimigo, e expõe os planos ocultos de Satanás para aquela
região ou algum grupo especial. "Pois nada está oculto, senão para ser manifesto; e nada se faz
escondido, senão para ser revelado" (Mc 4.22).” (SEMEAR).
Não há nas Escrituras respaldo teológico para este ensino; Não encontramos Jesus falando
ou ensinando sobre isto. O que nos cabe fazer é obedecer integralmente suas ordens pregando o
evangelho integral do Senhor Jesus Cristo a toda criatura, crendo que ele é poderoso para a
salvação de todo aquele que nele crê, como também para expulsar da vida dos homens toda sorte
de espíritos malignos. “Ide, portanto, fazei discípulos de todas as nações, batizando-os em nome
do Pai, e do filho, e do Espírito Santo; ensinando-os a guardar todas as coisas que vos tenho
ordenado.” (Mt 29.18,19); “Ide por todo o mundo e pregai o evangelho a toda criatura” (Mc 16.15).

“2. A maldição hereditária. A doutrina resume-se nisso: se uma pessoa tem problemas com adultério,
pornografia, divórcio, alcoolismo ou tendências suicidas é porque, no passado, alguém de sua família, não
importa se avós, bisavós ou tataravós, teve esse problema. Desse modo, a pessoa afetada pela maldição
hereditária deve, em primeiro lugar, descobrir em que geração seus ancestrais deram lugar ao Diabo. Uma
vez descoberta a tal geração, pede-se perdão por ela, e, dessa forma, a maldição de família será desfeita. É
uma espécie de perdão por procuração, muito parecido com o batismo pelos mortos praticado pelos
mórmons. Os que defendem essa doutrina pinçam as Escrituras em busca de sustentação bíblica (Êx 20.5;
Dt 5.9; Is 8.19).” [Lições Bíblicas CPAD, Revista Adultos, 1º Trimestre 2019. Lição 1, 6 Jan, 2019]
“Uma das distorções doutrinárias mais difundidas entre o povo de Deus ultimamente é o ensino das
“maldições hereditárias”, conhecido também como “maldição de família ou “pecado de geração”.
Estes conceitos circulam bastante através da televisão, rádio, literatura e seminários nas igrejas.
Muitos líderes, ministérios e igrejas, antes sólidos e confiáveis, acabaram sucumbindo a mais esse
ensino controvertido e importado dos Estados Unidos. Os pregadores da maldição afirmam que se
alguém tem algum problema relacionado com alcoolismo, pornografia, depressão, adultério,
nervosismo, divórcio, diabete, câncer e muitos outros, é porque algum antepassado viveu aquela
situação ou praticou aquele pecado e transmitiu tal pecado ou maldição a um descendente.A
pessoa deve então orar a Deus a fim de que lhe seja revelado qual é a geração no passado que o
está afetando. Uma vez que se saiba qual, pede-se perdão por aquele antepassado ou pela
geração revelada e o problema estará resolvido, isto é, estará desfeita a maldição.” (CACP).
A quebra de maldições hereditárias tem o objetivo de elucidar as causas espirituais de
problemas vividos por alguém como conseqüência de ‘herança’ espiritual, tais como Alcoolismo,
pornografia, depressão, ou problemas de gênero, e aponta o caminho para anular pactos malignos
que pesam sobre indivíduos, famílias e até cidades inteiras, conduzindo à libertação espiritual
definitiva. Um dos textos bíblicos mais usados pelos pregadores da maldição hereditária para
defender este ensino é Êxodo 20.4-6
“É verdade que os filhos que repetem os pecados de seus pais têm toda a possibilidade de colher
o que seus pais colheram. Os pais que vivem no alcoolismo têm grande possibilidade de ter filhos
alcoólatras. Os que vivem blasfemando, ou na imoralidade e vícios, estão estabelecendo um
padrão de comportamento que, com grande probabilidade, será seguido por seus filhos, pois “aquilo
que o homem semear, isso também ceifará” (Gl 6.7). Isso poderá suceder até que uma geração se
arrependa, volte-se para Deus e entre num relacionamento de amor com ele através de Jesus
Cristo. Cessou aí toda a maldição. Não deve ser esquecido também que o autor da maldição ou
punição é Deus e que ela é a manifestação da sua ira. Note que, no final do versículo cinco do
capítulo vinte de Êxodo, a Palavra de Deus declara que a maldição viria apenas sobre aqueles que
aborrecem a Deus, algo que não se passa com o cristão.” (CACP).
Jesus veio para libertar de toda maldição do pecado (Rm 5.15). Isso significa que, quando
uma pessoa se converte, pode ser libertado de qualquer maldição hereditária. Assim, o crente tem
poder para tratar de qualquer problema espiritual e viver na liberdade de Jesus.

“3. "Crentes endemoninhados". Esses pregadores ensinam que "o homem é um espírito que tem alma e
habita num corpo" (Kenneth Hagin). Partindo desse falso conceito teológico, afirmam que o Espírito Santo
habita no espírito humano no processo de salvação; e que os espíritos imundos "estão relegados à alma e
ao corpo do cristão". Os promotores dessa doutrina costumam apelar para o estado psicológico de Saul
depois que ele se afastou de Deus (1 Sm 16.14; 18.10; 19.9), o caso de Judas Iscariotes (Lc 22.3), além de
Ananias e Safira (At 5.3).”[Lições Bíblicas CPAD, Revista Adultos, 1º Trimestre 2019. Lição 1, 6 Jan, 2019]
- Este último ponto é o ensino mais polêmico desse Movimento e que tem criado raízes na
mente de muitos crentes: um cristão pode ter demônios? Já tive a oportunidade de presenciar
reuniões onde as pessoas eram chamadas a colocar as mãos sobre suas cabeças e ordenarem a
expulsão de espíritos malignos. Alguns teólogos também passaram, nos últimos anos, a aderir a
tal posição e muitos deles reconhecem que o assunto é controvertido. De qualquer forma, a Bíblia
Sagrada tem a palavra final sobre esta questão ou sobre qualquer outro assunto relacionado com
a vida espiritual e o cristão.
“Merrill F. Unger, um autor lido e seguido por várias pessoas que hoje desenvolvem ministérios
de libertação espiritual no Brasil, reconhece a dificuldade de se tratar do assunto, ao declarar: A
verdade da questão é que as Escrituras em nenhum lugar declaram que um verdadeiro crente não
pode ser invadido por Satanás ou seus demônios. Naturalmente, a doutrina deve sempre ter
precedência sobre a experiência. Nem pode a experiência jamais oferecer base para a
interpretação bíblica. Apesar disso, se experiências consistentes chocam com uma interpretação,
a única conclusão possível é de que há alguma coisa errada, ou com a própria experiência ou com
a interpretação da Escritura que vai contra ela. Certamente a Palavra inspirada de Deus nunca
contradiz a experiência válida. Aquele que procura a verdade com sinceridade deve estar
preparado para consertar sua interpretação a fim de trazê-la em conformidade com os fatos como
eles são. (Merrill F. Unger, What Demons Can Do To Saints (O que os Demônios Podem fazer aos
Santos) (Chicago, E.U.A., Moody Press,1991), p. 69.)” (CACP).
Estas declarações trazem alguns problemas, ele afirma que a Bíblia não é clara quanto um
cristão poder ser possuído por espíritos malignos. Se a Bíblia não afirma com clareza (o que não é
verdade), como pode alguém então ensinar sobre aquilo que não está claro na Palavra de Deus?
A Bíblia não ensina que um cristão pode ficar possesso ou ser habitado por um demônio; há
inúmeros casos de crentes sendo atacados, oprimidos de várias maneiras por demônios, mas não
possuídos por eles (Veja Paulo e o espinho na carne - 2Co 12.7).

III - VAMOS À BÍBLIA


“Ninguém tem o direito de fazer o que quiser com a Bíblia. Vejamos, portanto, o que Bíblia ensina nas
passagens reivindicadas pelos líderes defensores dessa inovação:
1. Sobre o mapeamento espiritual. As duas passagens de Daniel falam sobre o "príncipe do reino da
Pérsia" (Dn 10.13) e o "príncipe da Grécia" (v.20). São citações fora de contexto, pois se trata de guerra
angelical, e não há indícios da presença humana. O gadareno "rogava-lhe muito que os não enviasse para
fora daquela província" (Mc 5.10) porque Jesus havia mandado os tais espíritos para o abismo: “E
rogavam-lhe que não os mandasse para o abismo" (Lc 8.31). Essa é a razão de pedirem para ficar na
região; não se refere, portanto, a espíritos territoriais. Assim, fica claro que se trata de uma doutrina
baseada numa interpretação equivocada.” [Lições Bíblicas CPAD, Revista Adultos, 1º Trimestre 2019.
Lição 1, 6 Jan, 2019]
O conflito entre o Arcanjo Miguel e o príncipe do reino da Pérsia (10.13). No capítulo dez do
livro de Daniel, dois príncipes das milícias satânicas são identificados: “o príncipe do reino da
Pérsia” (v.13) e o “príncipe da Grécia” (v.20). Estes príncipes não eram homens comuns, mas anjos
satânicos. Estes anjos caídos só foram derrotados depois que Deus enviou Miguel, o príncipe de
Israel (v.21). O anjo que falava com o profeta explicou que o príncipe da Pérsia estava impedindo
que a mensagem de Deus fosse entregue. O propósito de Satanás era impedir que Daniel
recebesse a revelação do Senhor. “A narrativa no evangelho de Mateus menciona somente o
pedido dos demônios para que fossem enviados aos porcos. Mas o evangelho de Marcos fala do
desejo prévio dos demônios de que não fossem enviados para fora do país, ou seja, daquele
território geográfico. Lucas menciona que os demônios não desejavam ser expulsos e lançados no
abismo — uma referência ao hades. O ponto básico é que os demônios queriam evitar o tormento,
conforme mencionado em Mateus 8.29. Alguns estudiosos explicam que na região de Decápolis se
concentravam os judeus helenizados, apóstatas. Não temos aqui informação suficiente para
delinearmos o campo de ação dos demônios. Podemos concordar que deve haver uma hierarquia
baseada no poder desses seres espirituais. Contudo, o texto bíblico enfatiza a soberania de Jesus
sobre quaisquer classes demoníacas. Enquanto os exorcistas afirmavam que precisavam saber os
nomes das entidades manifestadas, notamos que o Senhor Jesus apenas ordenou uma vez a toda
legião, e não houve necessidade que identificasse um por um.” (CACP)

“2. Sobre a maldição hereditária. No segundo mandamento do Decálogo, Deus afirma visitar "a maldade
dos pais nos filhos até à terceira e quarta geração daqueles que me aborrecem" (Êx 20.5; Dt 5.9). Essas
palavras não podem se aplicar à doutrina da maldição hereditária porque, quando alguém se converte a
Cristo, deixa de aborrecer a Deus; logo, essa passagem bíblica não pode se aplicar aos crentes (Rm 5.8-10),
pois estes se tornam nova criatura, "as coisas velhas já passaram; eis que tudo se fez novo" (2 Co 5.17). 0
que eles fazem com a expressão "espíritos familiares" é uma fraude. O termo usado na Bíblia hebraica é
ov, ou ovoth, plural, "médium, espírito, espírito de mortos, necromante e mágico" (Lv 19.31; 20.6). Isso está
muito longe de serem espíritos que passam de pai para filhos.” [Lições Bíblicas CPAD, Revista Adultos, 1º
Trimestre 2019. Lição 1, 6 Jan, 2019]
Para entender Êxodo 20.5 é preciso ter em mente que o Senhor estava falando com Israel
enquanto povo. Com o povo, o Senhor lidava coletivamente. A passagem se refere ao fato de que
se Israel fosse idólatra, geração após geração, em algum momento a punição chegaria, como de
fato ocorreu. A chave para esse versículo é: “Daqueles que me odeiam.” O texto fala de idolatria e
não oferece qualquer base para alguém afirmar que herdamos maldições espirituais de nossos
antepassados em qualquer área das dificuldades humanas. A narrativa do Antigo Testamento nos
informa que sempre que a nação de Israel esteve num relacionamento de amor com Deus, ela não
podia ser amaldiçoada. Vemos a prova disso em Números 23:7, 8, quando Balaque pediu a Balaão
que amaldiçoasse a Israel. A resposta de Balaão aparece no versículo 23: “Pois contra Jacó não
vale encantamento, nem adivinhação contra Israel”. Por outro lado, sempre que a nação quebrou
a aliança de amor com Deus, ela ficou exposta a maldição, calamidades e cativeiro. (Leia mais
sobre esse tema aqui)

“3.Sobre a possibilidade de o cristão ser possesso. É bom lembrar que Saul já estava desviado nessa
época (1 Sm 15.23); além disso, a Bíblia não fala de demônio, mas que "o assombrava um espírito mau da
parte do SENHOR" (1 Sm 16.14). Quem foi que disse que Judas Iscariotes era crente? Foi Jesus quem disse:
"Não vos escolhi a vós os doze? E um de vós é um diabo. E isso dizia ele de Judas Iscariotes" (Jo 6.70,71). E,
quanto a Ananias e Safira, a Bíblia declara que eles mentiram ao Espírito Santo, e não que ficaram
possessos. 0 crente em Jesus tem a promessa de Deus de que "o maligno não lhe toca" (1 Jo 5.18).” [Lições
Bíblicas CPAD, Revista Adultos, 1º Trimestre 2019. Lição 1, 6 Jan, 2019]
- Quando um Cristão recebe Cristo como seu Senhor e Salvador pessoal, o Espírito Santo
entra no corpo do Cristão, na sua alma e no seu espírito. Deus toma a vida do Cristão para Ele, e
como resultado, os demônios não podem ocupar o mesmo lugar que o Espírito Santo. Satanás
sabe disto, e é por isso que ele tenta arduamente seduzir a pessoa antes disso e ter seus demônios
ou influências demoníacas controlando ou afetando esta pessoa. “Os cristãos são habitados pelo
Espírito Santo Rm 8.9-11 -“vós, porém, não estais na carne, mas no Espírito, se é que o Espírito
de Deus habita em vós. Mas, se alguém não tem o Espírito de Cristo, esse tal não é dele. 10 – e,
se cristo está em vós, o corpo, na verdade, está morto por causa do pecado, mas o espírito vive
por causa da justiça. 11 – e, se o Espírito daquele que dentre os mortos ressuscitou a Jesus habita
em vós, aquele que dentre os mortos ressuscitou a cristo também vivificará os vossos corpos
mortais, pelo seu Espírito que em vós habita.” I Co 3.16 – “não sabeis vós que sois o templo de
Deus e que o Espírito de Deus habita em vós? I Co 6.19 – “ou não sabeis que o vosso corpo é o
templo do Espírito Santo, que habita em vós, proveniente de Deus, e que não sois de vós
mesmos?.” Certamente o Espírito Santo não permitiria que um demônio possuísse a mesma
pessoa em quem ele habita. É impensável que Deus permitiria que um de seus filhos, alguém que
ele adquiriu com o sangue de Cristo, fosse habitado pelo diabo. I Pe 1.18-19 – “sabendo que não
foi com coisas corruptíveis, como prata ou ouro, que fostes resgatados da vossa vã maneira de
viver que por tradição recebestes dos vossos pais, 19 – mas com o precioso sangue de cristo, como
de um cordeiro imaculado e incontaminado, e tornou uma nova criatura.” II Co 5.17 – “assim que,
se alguém está em cristo, nova criatura é; as coisas velhas já passaram; eis que tudo se fez novo.”,
poderia ser possuído por um demônio? Não. Como seguidores de cristo, estamos em guerra com
satanás e seus demônios, mas não de dentro de nós mesmos. Em (IJo 4:4) lemos: “filhinhos, vós
sois de Deus e tendes vencido os falsos profetas, porque maior é aquele que está em vós do que
aquele que está no mundo.” Quem é o ser que em nós habita? O Espírito Santo. Quem é o que
está no mundo? Satanás e seus demônios. Portanto, o crente tem vitória sobre o mundo dos
demônios e o caso de possessão demoníaca de um seguidor de Jesus não pode ser defendido
biblicamente. Em vista da forte evidência bíblica de que um cristão não possa ser possuído por
demônios, alguns intérpretes da bíblia usam o termo “demonização” para se referir a um demônio
tendo controle sobre um cristão. Alguns argumentam que, embora um cristão não possa ser
possuído por demônios, ele ainda pode ser demonizado. Normalmente, a descrição de
demonização é praticamente idêntica à descrição da possessão demoníaca. Assim, temos o
mesmo problema. Mudar a terminologia não muda o fato de que um demônio não pode habitar ou
assumir o controle total de um cristão. Influência e opressão demoníaca são realidades para os
cristãos, sem dúvida, mas simplesmente não é bíblico dizer que um cristão pode ser demonizado
ou possuído por um demônio” (CACP).

“4. O homem segundo a Bíblia. Jesus disse que "um espírito não tem carne nem ossos" (Lc 24.39). Se o
espírito não tem carne nem ossos, logo se conclui que não é verdade que o homem seja um espírito. A Bíblia
declara que Deus formou "o homem do pó da terra e soprou em seus narizes o fôlego da vida; e o homem
foi feito alma vivente" (Gn 2.7). Isso mostra que o ser humano é uma combinação do pó da terra com o
sopro de Deus. 0 Senhor Jesus se fez homem, pois "o verbo se fez carne" (Jo 1.14).” [Lições Bíblicas CPAD,
Revista Adultos, 1º Trimestre 2019. Lição 1, 6 Jan, 2019]
Segundo o Pr Elienai Cabral, em seu artigo ‘A tricotomia do homem’, publicado no Portal
CPAD News, “O homem é um ser tricótomo (1Ts 5.23; Hb 4.12). O termo tricotomia significa “aquilo
que é dividido em três” ou “que se divide em três tomos”. Em relação ao homem, o termo tricotomia
refere-se às três partes do seu ser: corpo, alma e espírito. Há divergência neste ponto entre alguns
teólogos. Há aqueles que entendem o homem como apenas um ser dicótomo, ou seja, que se
divide em duas partes: corpo e alma (ou espírito). Os defensores da dicotomia do homem unem
alma e espírito como sendo uma e a mesma coisa. Entretanto, parece-nos mais aceitável o ponto
de vista da tricotomia. Esse conceito da tricotomia crê que o homem é uma triunidade composta e
inseparável. Só a morte física é capaz de separar as partes: o corpo de sua parte imaterial” (CPAD
NEWS). Teológicamente diz-se que o homem é a Imago dei (a Imagem de Deus no Homem). O
fato de ser o homem à imagem de Deus significa que ele é semelhante a Deus e o representa.
Cuidado é requerido ao entender o homem como “carne”. O corpo se constitui de elementos
químicos, porém, sem os elementos divinos, ele é de ínfimo valor.

CONCLUSÃO
“Há necessidade de equilíbrio para que os exageros dessas aberrações doutrinárias não levem o crente ao
ceticismo, porque a batalha espiritual existe e ninguém deve subestimá-la. Os fatos estão registrados na
Bíblia, e nenhum cristão ousa negar essa realidade. Por outro lado, os crentes devem ter maturidade
suficiente para não entrar no fanatismo, mas discernir entre o que é verdadeiramente espiritual e o que é
manipulação esotérica.”[Lições Bíblicas CPAD, Revista Adultos, 1º Trimestre 2019. Lição 1, 6 Jan, 2019]
Há uma guerra sendo travada no mundo espiritual com reflexos na vida real e todos os crentes
estão alistados para combater neste conflito, de forma involuntária, pelo simples fato de terem
assentido com fé ao Evangelho. Satanás e o mundo lutam violentamente contra nós externamente,
e nossa carne se opõe a nós internamente. “Há dois lados nesta batalha cósmica das eras. “O
inimigo é Satanás, o campo de batalha é a nossa mente, e a questão é a nossa caminhada cristã.
Nós não vivemos em um mundo neutro. Existem forças hostis em operação nele, um ser maligno
com uma hoste de serviçais que se opõem a Deus e ao homem.” (Paul W. Powell, The Great Deceiver: Seeing
Satan for What He Is (Nashville, TN: Broadman Press, 1988), p. 9). A boa notícia é que na cruz, Jesus derrotou o diabo,

o mundo e o pecado. Jesus até derrotou a morte, quando ressuscitou. Por isso, a vitória é nossa
(1Jo 5.4-5). O nascido de Deus não pode ser derrotado pelo diabo, não pode ser possuído por ele,
nem precisa sair identificando governantes espirituais antes de evangelizar. A ordem do Mestre é:
“Portanto ide, fazei discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai, e do Filho, e do
Espírito Santo; Ensinando-os a guardar todas as coisas que eu vos tenho mandado; e eis que eu
estou convosco todos os dias, até a consumação dos séculos” (Mt 28.19,20).

“Achando-se as tuas palavras, logo as comi, e a tua palavra foi para mim o gozo e alegria do
meu coração; porque pelo teu nome sou chamado, ó Senhor Deus dos Exércitos”. (Jeremias 15.16),
Francisco Barbosa
Campina Grande-PB
Dezembro de 2018
PARA REFLETIR
A respeito de "Batalha Espiritual - A Realidade não Pode Ser Subestimada", responda:
• Os cristãos se opõem às forças malignas; como denominamos essa oposição dos crentes?
A essa oposição dos crentes denominamos "Batalha Espiritual".
•Em que se baseia a doutrina do mapeamento espiritual?
A doutrina consiste na crença de que Satanás designou seus correligionários para cada país, região ou cidade.
•Por que as palavras do segundo mandamento do Decálogo não se aplicam à doutrina da maldição hereditária?
Essas palavras não podem se aplicar à doutrina da maldição hereditária porque, quando alguém se converte a
Cristo, deixa de aborrecera Deus.
•Qual a promessa do crente em Jesus que ele tem em Deus?
O crente em Jesus tem a promessa de Deus de que "o maligno não lhe toca" (1 Jo 5.18).
•O que se conclui do fato de o espírito não ter carne nem ossos?
Se o espírito não tem carne nem ossos, logo se conclui que não é verdade que o homem seja um
espírito.[Lições Bíblicas CPAD, Revista Adultos, 1º Trimestre 2019. Lição 1, 6 Jan, 2019]
Postado por Francisco Barbosa