Anda di halaman 1dari 392

MISSAL ROMANO

LECCIONÁRIO
DOMINICAL

ANO A
M I S S A L R O M A N O
REFORMADO POR DECRETO DO CONCÍLIO
ECUMÉNICO VATICANO II E PROMULGADO
POR AUTORIDADE DE S. S. O PAPA PAULO VI

LECCIONÁRIO
DOMINICAL

ANO A

MCMXCIII
APRESENTAÇÃO

No seguimento da reforma litúrgica estabelecida pela Constituição “Sacro-


sanctum Concilium”, a 25 de Maio de 1969 foi promulgado o Ordenamento das
Leituras da Sagrada Escritura a utilizar na Missa. Pouco depois apareceu a primeira
edição típica do Leccionário, parte integrante do Missal Romano.
Logo se iniciou a tradução portuguesa dessas leituras bíblicas. Publicadas
em fascículos e aprovadas como “texto provisório”, aguardando versão oficial,
prestaram um belo serviço nas celebrações.
Entretanto, a 21 de Janeiro de 1981, foi promulgada a segunda edição típica
latina, enriquecida com várias alterações e com Preliminares aumentados.
Além de outros motivos, esta circunstância e a necessidade de melhorar a
tradução, impunham a revisão cuidada de todo o texto e uma edição digna do
Leccionário.
O Leccionário Dominical, Ano A, é o primeiro de vários volumes a editar
seguidamente.
Aprovado, confirmado e declarado típico em língua portuguesa, o presente
texto destina-se às dioceses de Portugal, Angola, Moçambique, Guiné-Bissau,
Cabo Verde e São Tomé e Príncipe. Constitui mais um sinal de comunhão entre as
várias Igrejas que, exprimindo-se no mesmo idioma, agradecem a Deus o dom da fé
e a alimentam com a palavra sagrada.
A dignidade da palavra de Deus, proclamada na Missa, exige que o Leccio-
nário, como sinal e símbolo das realidades celestes, seja um livro digno, ornado e
belo, nunca substituído por pequenas publicações, folhas ou revistas (cfr. Prelimi-
nares, 35 e 37).
Que o Leccionário, cuja publicação agora se inicia, contribua para maior
dignidade e beleza das nossas celebrações eucarísticas.

Santarém, 1 de Janeiro de 1993


Solenidade de Santa Maria, Mãe de Deus

? ANTÓNIO FRANCISCO MARQUES ,


Bispo de Santarém
Presidente da Comissão Episcopal de Liturgia
A CONFERÊNCIA EPISCOPAL PORTUGUESA
A CONFERÊNCIA EPISCOPAL DE ANGOLA E SÃO TOMÉ
A CONFERÊNCIA EPISCOPAL DE MOÇAMBIQUE
O BISPO DE BISSAU E O BISPO DE CABO VERDE

Aprovaram a presente versão portuguesa do Leccionário Dominical,


Ano A, e, depois de confirmada pela Congregação do Culto Divino e da
Disciplina dos Sacramentos, promulgam-na e declaram-na típica para todas as
dioceses de Portugal, Angola, Moçambique, Guiné-Bissau, Cabo Verde e São Tomé
e Príncipe.

Fátima, 8 de Dezembro de 1992


Solenidade da Imaculada Conceição

? A NTÓNIO R IBEIRO
Cardeal Patriarca de Lisboa
Presidente da Conferência Episcopal Portuguesa

? A LEXANDRE DO N ASCIMENTO
Cardeal Arcebispo de Luanda
Presidente da Conferência Episcopal de Angola e S. Tomé

? P AULO M ANDLATE
Bispo de Tete
Presidente da Conferência Episcopal de Moçambique

? S ETTIMIO A RTURO F ERRAZZETTA


Bispo de Bissau

? P AULINO L IVRAMENTO É VORA


Bispo de Cabo Verde

? A BÍLIO R ODAS DE S OUSA R IBAS


Bispo de São Tomé e Príncipe
CONGREGAÇÃO DO CULTO DIVINO
E DA DISCIPLINA DOS SACRAMENTOS

Prot. n. CD. 1847/92

PORTUGAL

A pedido do Excelentíssimo Senhor D. António Francisco Marques, Bispo


de Santarém em Portugal, Presidente da Comissão Episcopal de Liturgia, em carta
de 21 de Outubro de 1992, em virtude das faculdades concedidas a esta Congre-
gação pelo Sumo Pontífice João Paulo II, muito gostosamente confirmamos a
tradução portuguesa do Leccionário do Missal Romano para os domingos do Ano
A, conforme o exemplar anexo.
Este Decreto, pelo qual a Sé Apostólica concede a confirmação pedida, deve
ser incluído integralmente no texto a imprimir-se.
Do texto impresso devem ser enviados dois exemplares a esta Congre-
gação.
Nada obste em contrário.
Sede da Congregação do Culto Divino e da Disciplina dos Sacramen-
tos, 23 de Novembro de 1992.

António M. Card. Javierre,


Prefeito
? Geraldo M. Agnelo
Arceb. Secretário

A Congregação do Culto Divino e da Disciplina dos Sacramentos


aprovou por Decreto, nos mesmos termos e com a mesma data,
a presente versão em língua portuguesa do Leccionário do Missal Romano para o Ano A
para a Conferência Episcopal de Angola e S. Tomé (Prot. n. CD 1989/92),
para a Conferência Episcopal de Moçambique (Prot. n. CD 1991/92),
para a diocese de Bissau (Prot. n. CD 1983/92)
e para a diocese de Cabo Verde (Prot. n. CD 1995/92)
SAGRADA CONGREGAÇÃO DO CULTO DIVINO

Prot. n. 106/69

DECRETO

O Ordenamento das Leituras da Sagrada Escritura a utilizar na Missa, de


acordo com as normas da Constituição sobre a sagrada Liturgia, para apresentar aos
fiéis com maior abundância a mesa da palavra de Deus, abrir-lhes mais amplamente
os tesouros bíblicos e ler ao povo, dentro de determinado espaço de tempo, a parte
mais importante das Santas Escrituras (art. 51), foi preparado pelo Consilium para
a execução da Constituição da sagrada Liturgia e aprovado pelo Sumo Pontífice
PAULO VI na Constituição Apostólica «Missale Romanum» no dia 3 de Abril de
1969.
Por isso esta Sagrada Congregação do Culto Divino, por especial mandato do
Sumo Pontífice, promulga este Ordenamento das Leituras da Missa, determinando
que entre em vigor a partir do dia 30 de Novembro de 1969, primeiro domingo do
Advento. No próximo ano litúrgico utilizar-se-á o ano B das leituras dominicais e a
série II da primeira leitura nos dias feriais do Tempo Comum.
Contudo, uma vez que neste Ordenamento se apresentam apenas as indica-
ções para cada leitura, confia-se às Conferências Episcopais o cuidado de preparar
os textos integrais nas línguas vernáculas, observando as normas que foram estabe-
lecidas pela Instrução sobre as traduções em língua vernácula, emitida pelo Consilium
para a execução da Constituição sobre a sagrada Liturgia no dia 25 de Janeiro de
1969.
Os textos em língua vernácula ou serão tomados das traduções da Sagrada
Escritura legitimamente aprovados para cada região e confirmados pela Sé Apostó-
lica, ou, se se redigirem de novo, propor-se-ão à confirmação desta Sagrada
Congregação.
Nada em contrário o deve impedir.
Palácio da Sagrada Congregação do Culto Divino, 25 de Maio de 1969,
Domingo de Pentecostes.

BENNO, Card. GUT


Prefeito
A. BUGNINI
Secretário
SAGRADA CONGREGAÇÃO
DOS SACRAMENTOS E DO CULTO DIVINO

Prot. CD 240/81

DECRETO
SEGUNDA EDIÇÃO TÍPICA
O Ordenamento das Leituras da Missa, impressa pela primeira vez em edição típica no ano
de 1969, tinha sido promulgado no dia 25 de Maio do mesmo ano por especial mandato do Sumo
Pontífice Paulo VI, de acordo com as normas da Constituição sobre a Sagrada Liturgia, para
oferecer às Conferências Episcopais indicações acerca de cada uma das leituras bíblicas a utilizar
na celebração da Missa, tendo em vista a elaboração dos Leccionários redigidos nas línguas
vernáculas das diversas regiões.
Nessa edição, faltavam as indicações bíblicas das leituras para os Rituais dos sacramentos,
bem como dos ritos que foram publicados depois do mês de Maio de 1969. Além disso, concluída
a edição da Nova Vulgata da Bíblia Sagrada, foi determinado pela Constituição Apostólica
«Scripturarum thesaurus», do dia 25 de Abril de 1979, que o texto da Nova Vulgata devia tomar-
se daí em diante como texto típico para o uso litúrgico.
Entretanto, como a primeira edição típica já está esgotada, pareceu oportuno preparar a
segunda edição, que, relativamente à primeira, apresenta os seguintes elementos próprios:
1. O texto dos «Preliminares» foi aumentado.
2. De acordo com as normas da Constituição «Scripturarum thesaurus», na referência dos
livros bíblicos foi utilizada a edição da Nova Vulgata da Bíblia Sagrada.
3. Foram inseridas todas as indicações bíblicas que se encontram nos Leccionários dos
sacramentos e dos sacramentais publicados depois da primeira edição do Ordenamento das
Leituras da Missa.
4. Também foram acrescentadas as indicações bíblicas referentes às leituras de algumas
Missas «para várias circunstâncias», bem como às leituras das outras Missas que foram inseridas
pela primeira vez na segunda edição do Missal Romano no ano de 1975.
5. No que se refere às celebrações da Sagrada Família, do Baptismo do Senhor, da
Ascensão e do Pentecostes, foram acrescentadas as indicações das leituras facultativas, a fim de se
completarem os textos bíblicos dessas celebrações, distribuídos pelos ciclos A, B, C no Leccioná-
rio para os domingos e dias festivos.
O Sumo Pontífice João Paulo II aprovou com a sua autoridade esta segunda edição do
Ordenamento das Leituras da Missa e a Sagrada Congregação dos Sacramentos e do Culto Divino
promulga-a e declara-a como típica.
As Conferências Episcopais providenciarão para que as alterações que se encontram nesta
segunda edição sejam introduzidas nas edições que vierem a ser preparadas nas línguas vernáculas.
Nada em contrário o deve impedir.
Palácio da Sagrada Congregação dos Sacramentos e do Culto Divino, 21 de Janeiro de
1981.
TIAGO R. Card. KNOX
Prefeito
VIRGÍLIO NOÉ
Secretário adjunto
PRELIMINARES

PROÉMIO

CAPÍTULO I

PRINCÍPIOS GERAIS
SOBRE A CELEBRAÇÃO LITÚRGICA DA PALAVRA DE DEUS

1. Algumas observações prévias

a) IMPORTÂNCIA DA PALAVRA DE DEUS NA CELEBRAÇÃO LITÚRGICA

1. Sobre a importância da palavra de Deus e a reforma do uso da Sagrada Escritura em cada


celebração litúrgica, muitas e excelentes coisas já foram ditas, quer no Concílio Vaticano II,1 quer
no Magistério dos Sumos Pontífices,2 quer em vários documentos promulgados depois do Concílio
pelos Dicastérios da Santa Sé.3 Além disso, alguns princípios da maior importância foram a seu
tempo apresentados e brevemente esclarecidos nos Preliminares do Ordenamento das Leituras da
Missa editado no ano de 1969.4

1
Cf. especialmente o Concílio Vaticano II, Const. sobre a sagrada Liturgia, Sacrosanctum Concilium, nn. 6,
24, 33, 35, 48, 51, 52, 56; Const. dogm. sobre a Revelação Divina, Dei Verbum, nn. 1, 21, 25, 26; Decreto sobre a
Actividade Missionária da Igreja, Ad Gentes, n. 6; Decreto sobre o ministério e a vida dos Presbíteros, Presbyterorum
Ordinis, n. 18.
2
Cf. entre o que foi proferido pelos Sumos Pontífices oralmente ou por escrito, especialmente: Paulo VI, Carta
Apost. Ministeria quaedam, de 15 de Ag. de 1972, n. V: AAS 64 (1972), p. 532; Id., Exort. Apost. Marialis cultus,
de 2 de Fev. de 1974, n. 12: AAS 66 (1974), pp. 125-126; Id., Exort. Apost. Evangelii nuntiandi, de 8 de Dez. de 1975,
n. 28; AAS 68 (1976), pp. 24-25; n. 43: Ibid., pp. 33-34; n. 47: Ibid., pp. 36-37; João Paulo II, Const. Apost.
Scripturarum thesaurus, de 25 de Abril de 1979; na edição da Nova Vulgata Bibliorum Sacrorum, Typ. Polygl. Vat.
1979, pp. V-VIII; Id., Exort. Apost. Catechesi tradendae, de 16 de Out. de 1979, n. 23: AAS 71 (1979), pp. 1296-
1297; n. 27: Ibid., pp. 1298-1299; n. 48: Ibid., p. 1316; Id., Carta Dominicae Cenae, de 24 de Fev. de 1980, n. 10:
AAS 72 (1980), pp. 134-137.
3
Cf., por ex., S. Cong. dos Ritos, Instr. Eucharisticum Mysterium, de 25 de Maio de 1967, n. 10: AAS 59
(1967), pp. 547-548; S. Congr. do Culto Divino, Instr. Liturgicae instaurationes, 5 de Set. de 1970, n. 2; AAS 62
(1970), pp. 695-696; S. Congr. para o Clero, Directorium catechisticum generale, 11 de Abr. de 1971: AAS 64 (1972),
pp. 106-107; n. 25: Ibid., p. 114; S. Congr. do Culto Divino, Instrução Geral do Missal Romano, nn. 9, 11, 24, 33,
60, 62, 316, 320; S. Congr. para a Educação Católica, Instr. sobre a educação litúrgica nos seminários, In
ecclesiasticam, 3 de Junho de 1979, nn. 11, 52; Ibid., Apêndice, n. 15: S. Congr. dos Sacramentos e do Culto Divino,
Instr. Inaestimabile Donum, 3 de Abril de 1980, nn. 1, 2, 3: AAS 72 (1980), pp. 333-334.
4
Cf. Missal Romano reformado por decreto do Concílio Ecuménico Vaticano II e promulgado por autoridade
de S. S. o Papa Paulo VI, Ordenamento das Leituras da Missa, IX-XII (Preliminares; Decreto da Promulgação: AAS
61 (1969), pp. 548-549) ed. port. 1992, pp. 14-15.
12 PRELIMINARES

Como, porém, aproveitando a oportunidade desta nova edição do referido Ordenamento


das Leituras da Missa, de vários lados surgiram pedidos para que tais princípios fossem expostos
de maneira mais precisa, foi cuidadosamente elaborada esta exposição mais ampla e coerente dos
Preliminares, na qual, depois de se confirmar a íntima relação entre a palavra de Deus e a acção
litúrgica,5 se tratará mais concretamente da mesma palavra de Deus na celebração da Missa e se
exporá finalmente a estrutura do Ordenamento das Leituras assim definida.

b) TERMOS USADOS PARA DESIGNAR A PALAVRA DE DEUS

2. Embora se considere, com razão, que neste assunto se deve procurar uma certa
circunspecção de palavras, para que o termo seja verdadeiramente claro e preciso, usamos,
contudo, nestes Preliminares os mesmos vocábulos que se utilizam no Concílio e nas publicações
pós-conciliares e empregaremos com frequência e indiferentemente as expressões «Sagrada
Escritura» e «Palavra de Deus» para designar os livros escritos sob a inspiração do Espírito Santo,
evitando sempre qualquer possível confusão de nomes ou de matéria.6

c) SIGNIFICADO LITÚRGICO DA PALAVRA DE DEUS

3. Os múltiplos tesouros da palavra de Deus são apresentados de modo admirável nas várias
celebrações, bem como nas diversas assembleias de fiéis que participam nas celebrações, quando se
comemora o mistério de Cristo no decorrer do ano litúrgico, ou quando se celebram os sacramentos
e os sacramentais da Igreja, ou quando cada um dos fiéis responde à acção interior do Espírito
Santo.7 Então, com efeito, a própria acção litúrgica, que se fundamenta e consolida sobretudo na
palavra de Deus, torna-se um acontecimento novo e enriquece a mesma palavra com novo sentido
e nova eficácia. Assim, na liturgia a Igreja segue fielmente o modo de ler e interpretar a Sagrada
Escritura que o próprio Cristo utilizou, quando exortava a perscrutar todas as Escrituras a partir do
«hoje» que definiu a sua realidade pessoal.8

2. A celebração litúrgica da palavra de Deus

a) CARACTERÍSTICAS PRÓPRIAS DA PALAVRA DE DEUS NA ACÇÃO LITÚRGICA


4. A palavra de Deus não é proferida de uma única forma na celebração litúrgica,9 nem atinge
sempre com a mesma eficácia os corações dos que a escutam; mas Cristo está sempre presente na

5
Cf. Conc. Vat. II, Const. sobre a sagrada Liturgia, Sacrosanctum Concilium, nn. 35, 56; Paulo VI, Exort.
Apost. Evangelii nuntiandi, 8 de Dez. de 1975, nn. 28, 47: AAS 68 (1976), pp. 24-25 e 36-37; João Paulo II, Carta
Dominicae Cenae, 24 de Fev. de 1980, nn. 10, 11, 12: AAS 72 (1980), pp. 134-146.
6
Assim, por ex., Palavra de Deus, Sagrada Escritura, Antigo e Novo Testamento, Leitura(s) da Palavra de
Deus, Leitura(s) da Sagrada Escritura, Celebração(-ões) da Palavra de Deus, etc.
7
O mesmo e único texto pode, portanto, ler-se e utilizar-se sob diversos aspectos e mesmo em diversas
ocasiões e celebrações do ano litúrgico da Igreja. Isto deve ser tido em conta na homilia, na exegese, na pastoral e
na catequese. Como se depreende dos índices deste volume, todos podem verificar o uso, por ex., de Rom 6 ou Rom
8 nos diversos tempos do Ano Litúrgico e nas diversas celebrações dos sacramentos e sacramentais.
8
Cf. Lc 4, 16-21; 24, 25-35, 44-49.
9
Assim, por ex., Proclamação ou Leitura, etc., na celebração da Missa (Cf. Instrução Geral do Missal
Romano, nn. 21, 23, 95, 131, 146, 234, 235); assim também as celebrações da palavra de Deus no Pontifical, no Ritual
Romano e na Liturgia das Horas, reformados por Decreto do Concílio Ecuménico Vaticano II.
PROÉMIO 13

sua palavra, 10 a realizar o mistério da salvação, santificando os homens e prestando ao Pai o culto
perfeito.11
Além disso, a economia da salvação, que a palavra de Deus sem cessar recorda e proclama,
atinge o seu pleno significado na acção litúrgica, de modo que a celebração litúrgica se converte
numa exposição contínua, plena e eficaz da própria palavra de Deus.
Assim, a palavra de Deus, continuamente proposta na liturgia, é sempre viva e eficaz12 pelo
poder do Espírito Santo e manifesta o amor operante e indefectível do Pai para com os homens.

b) A PALAVRA DE DEUS NA ECONOMIA DA SALVAÇÃO


5. A Igreja anuncia sempre o mesmo e único mistério de Cristo, ao proclamar na celebração
litúrgica tanto o Antigo como o Novo Testamento.
Com efeito, no Antigo Testamento está latente o Novo, e no Novo Testamento torna-se
patente o Antigo.13 Mas Cristo é o centro e a plenitude de toda a Escritura, bem como de toda a
celebração litúrgica;14 por isso, das suas fontes devem beber todos os que buscam a salvação e a vida.
Quanto mais se compreende a celebração litúrgica, tanto mais intensamente se aprecia a
importância da palavra de Deus, pois o que se diz de uma pode também afirmar-se da outra, já que
ambas recordam o mistério de Cristo e o perpetuam, embora cada uma à sua maneira.

c) A PALAVRA DE DEUS NA PARTICIPAÇÃO LITÚRGICA DOS FIÉIS


6. A Igreja, na acção litúrgica, responde fielmente o mesmo «Amen» que Cristo, Mediador
entre Deus e os homens, pronunciou de uma vez para sempre, ao derramar o seu sangue, para firmar
de maneira divina a nova aliança no Espírito Santo.15
Com efeito, quando Deus comunica a sua palavra, espera sempre uma resposta, que
consiste em ouvi-l’O e adorá-l’O «em Espírito e verdade» (Jo 4, 23). É o Espírito Santo que torna
eficaz essa resposta, para que as palavras escutadas na acção litúrgica também se concretizem na
vida, como está escrito: «Sede cumpridores da palavra, não vos limiteis a escutá-la» (Tg 1, 22).
As atitudes do corpo, os gestos e as palavras com que se exprime a acção litúrgica e se
manifesta a participação dos fiéis, recebem o seu significado não só da experiência humana, donde
são tomadas, mas também da palavra de Deus e da economia da salvação, a que se referem. Por isso,
os fiéis participam tanto mais na acção litúrgica quanto mais se esforçam, ao escutarem a palavra
de Deus nela proclamada, por aderir ao próprio Verbo de Deus encarnado em Cristo, a fim de
procurarem mostrar nos costumes e na vida o que tiverem celebrado na liturgia e, vice-versa,
tentarem transferir para a celebração litúrgica o que tiverem realizado na sua vida.16

10
Cf. Vat. II, Const. sobre a sagrada Liturgia, Sacrosanctum Concilium, nn. 7, 33: Mc 16, 19-20; Mt 28, 20;
S. Agostinho, Sermão 85, 1 «O Evangelho é a boca de Cristo. Está sentado no Céu, mas não cessa de falar na terra»
(PL 38, 520; cf. tb. Trat. sobre o Ev. de S. João, XXX, 1: PL 35, 1632; CCL 36, 289) e a passagem do Pontifical
Romano-Germânico: «É lido o Evangelho, em que Cristo pela sua própria boca fala ao povo, para ... actualizar o
Evangelho na Igreja, como se o próprio Cristo falasse ao povo». (Cf. V. Vogel-R. Elze, ed., Le pontifical Romano-
-Germanique du dixième siècle. Le Texte, 1. Città del Vaticano 1963, XCIV, 18, p. 334), ou ainda: «É que, ao
aproximar-Se Cristo, isto é, o Evangelho, baixamos os báculos, por não precisarmos de auxílio humano» (o.c., XCIV,
23, p. 335).
11
Cf. Conc. Vat. II, Const. sobre a sagrada Liturgia, Sacrosanctum Concilium, n. 7.
12
Cf. Hebr 4, 12.
13
Cf. S. Agostinho em Questões sobre o Heptateuco, livro 2, 73 (PL 34, 623; CCL 33, 106); Conc. Vat. II,
Const. dogm. sobre a Revelação Divina, Dei Verbum, n. 16.
14
Cf. S. Jerónimo: «É que, segundo o Apóstolo S. Paulo (1 Cor 1, 24), Cristo é força de Deus e sabedoria de
Deus, e quem desconhece as Escrituras desconhece a força de Deus e a sua sabedoria. Pois ignorar as Escrituras é
ignorar Cristo» (Comentários sobre o profeta Isaías. Pról. em: PL 24, 17 A; CCL 73, 1); Conc. Vat. II, Const. dogm.
sobre a Revelação Divina, Dei Verbum, n. 25.
15
Cf. 2 Cor 1, 20-22.
16
Cf. Conc. Vat. II, Const. sobre a sagrada Liturgia, Sacrosanctum Concilium, n. 10.
14 PRELIMINARES

3. A palavra de Deus na vida do povo da «aliança»

a) A PALAVRA DE DEUS NA VIDA DA IGREJA

7. A Igreja edifica-se e vai crescendo pela audição da palavra de Deus, e as maravilhas que
Deus, ao longo do tempo, realizou de muitos modos na história da salvação, tornam-se de novo
presentes, de maneira misteriosa mas real, nos sinais da celebração litúrgica; por sua vez, Deus
serve-Se da própria assembleia dos fiéis que celebra a Liturgia, para que a sua palavra seja
difundida e celebrada e o seu nome seja glorificado entre as nações.17
Por isso, todas as vezes que a Igreja, reunida pelo Espírito Santo na celebração litúrgica,18
anuncia e proclama a palavra de Deus, reconhece-se a si mesma como o novo povo, no qual a
aliança, firmada nos tempos antigos, se torna finalmente perfeita e definitiva. Todos os fiéis,
constituídos pelo Baptismo e Confirmação no Espírito anunciadores da palavra de Deus, uma vez
que receberam a graça de a escutar, devem anunciar esta palavra de Deus na Igreja e no mundo, ao
menos pelo testemunho da sua vida.
Esta palavra de Deus que é proclamada na celebração dos divinos mistérios, não se refere
apenas às realidades presentes, mas também contempla o passado e antevê o futuro, estimulando
a nossa esperança para essas realidades futuras, a fim de que, no meio da instabilidade deste mundo,
fixemos os nossos corações onde se encontram as verdadeiras alegrias.19

b) A EXPOSIÇÃO DA PALAVRA DE DEUS NA IGREJA

8. Como o novo povo de Deus, por vontade do próprio Cristo, se encontra diversificado numa
admirável diversidade de membros, vários são também os ofícios e as funções que competem a cada
um relativamente à palavra de Deus; e assim, os fiéis escutam e meditam a palavra, mas só a
explicam aqueles a quem, pela sagrada ordenação, compete a função do magistério, ou aqueles a
quem se confia o exercício deste ministério.
Deste modo, a Igreja, na sua doutrina, na sua vida e no seu culto, perpetua e transmite a
todas as gerações tudo o que ela mesma é, tudo o que crê, de forma que, no decorrer dos séculos,
tende continuamente para a plenitude da verdade divina, até que nela tenha plena realização a
palavra de Deus.20

c) A RELAÇÃO ENTRE A PALAVRA DE DEUS PROCLAMADA


E A ACÇÃO DO ESPÍRITO SANTO

9. Para que a palavra de Deus realize de facto nos corações aquilo que ressoa aos ouvidos,
requere-se a acção do Espírito Santo, por cuja inspiração e auxílio a palavra de Deus se torna o
fundamento da acção litúrgica e a norma e sustento de toda a vida.
Por conseguinte, a actuação do Espírito Santo não só precede, acompanha e segue toda a
acção litúrgica, mas também sugere21 ao coração de cada um tudo aquilo que é proferido na
proclamação da palavra de Deus para toda a assembleia dos fiéis; e, consolidando a unidade entre
todos, também reanima os diversos carismas e suscita múltiplas actividades.

17
2 Tes 3, 1.
18
Cf. Orações Colectas, Pela Santa Igreja, em Missal Romano reformado por decreto do Concílio Vaticano
II e promulgado por autoridade de S. S. o Papa Paulo VI, ed. port. 1992, pp. 1181, 1182, 1183; S. Cipriano, Sobre
a oração dominical 23; PL 4, 553; CSEL 3/2, 285; CCL 3 A, 105; S. Agostinho, Sermão 71, 20, 33: PL 38, 463 s.
19
Cf. Oração Colecta do Domingo XXI do Tempo Comum, no Missal Romano, o. c., p. 415.
20
Cf. Conc. Vat. II Const. dogm. sobre a Revelação Divina, Dei Verbum, n. 8.
21
Cf. Jo 14, 15-17. 25-26; 15, 26 _ 16, 15.
PROÉMIO 15

d) A CONEXÃO ÍNTIMA DA PALAVRA DE DEUS COM O MISTÉRIO EUCARÍSTICO

10. A Igreja honra com a mesma veneração, embora não com o mesmo culto, a palavra de Deus
e o mistério eucarístico; e sempre e em toda a parte desejou e mandou que se imite este modo de
proceder, uma vez que, movida pelo exemplo do seu Fundador, nunca deixou de celebrar o seu
mistério pascal, reunindo-se em comum para ler «em todas as Escrituras o que a Ele se refere»
(Lc 24, 47) e para exercer a obra da salvação por meio do memorial do Senhor e dos sacramentos.
Com efeito, para o ministério dos sacramentos é requerida a proclamação da palavra, por serem
sacramentos da fé, que nasce e se alimenta da palavra.22
Alimentada espiritualmente nas duas mesas,23 a Igreja progride no seu conhecimento
graças a uma e na sua santificação graças à outra. Com efeito, na palavra de Deus é proclamada a
aliança divina, enquanto na Eucaristia é renovada a mesma nova e eterna aliança. Naquela, a
história da salvação é evocada no som das palavras; nesta, a mesma história da salvação é
apresentada nos sinais sacramentais da Liturgia.
Convém, por isso, ter sempre em conta que a palavra divina, lida e anunciada pela Igreja
na Liturgia, leva, por assim dizer, ao sacrifício da aliança e ao banquete da graça, isto é, à Eucaristia,
como seu fim próprio. Por conseguinte, a celebração da Missa, na qual se escuta a palavra e se
oferece e recebe a Eucaristia, constitui um único acto de culto divino,24 no qual se apresenta a Deus
o sacrifício de louvor e se proporciona ao homem a plenitude da redenção.

22
Conc. Vat II Decr. sobre o ministério e vida dos presbíteros, Presbyterorum Ordinis, n. 4.
23
Cf. Conc. Vat. II, Const. sobre a sagrada Liturgia, Sacrosanctum Concilium, n. 51; Decreto sobre o
ministério e vida dos Presbíteros, Presbyterorum Ordinis, n. 18; e tb. a Const. sobre a Revelação Divina, Dei Verbum,
n. 21; Decr. sobre a Actividade Missionária da Igreja, Ad Gentes Divinitus, n. 6; Cf. Instrução Geral do Missal
Romano, n. 8.
24
Conc. Vat II, Const. sobre a sagrada Liturgia, Sacrosanctum Concilium, n. 56.
PRIMEIRA PARTE

A PALAVRA DE DEUS NA CELEBRAÇÃO DA MISSA

CAPÍTULO II

A CELEBRAÇÃO DA LITURGIA DA PALAVRA NA MISSA

1. Elementos da Liturgia da Palavra e seus ritos

11. «A parte principal da liturgia da palavra é constituída pelas leituras da Sagrada Escritura
com os cânticos intercalares. São seu desenvolvimento a homilia, a profissão de fé e a oração
universal ou oração dos fiéis».25

a) AS LEITURAS BÍBLICAS

12. Na celebração da Missa não é permitido omitir, nem diminuir, nem, o que seria mais grave,
substituir as leituras bíblicas, juntamente com os cânticos tomados da Sagrada Escritura, por outras
leituras não bíblicas.26 Com efeito, pela palavra de Deus transmitida nesses escritos, «Deus fala
(ainda) ao seu povo»,27 e, pela utilização continuada da Sagrada Escritura, o povo de Deus, dócil
ao Espírito Santo sob a luz da fé, poderá dar, com a sua vida e costumes, testemunho de Cristo
perante o mundo.
13. A leitura do Evangelho constitui o ponto culminante desta liturgia da palavra, para a qual
as outras leituras, na ordem tradicional, isto é, passando do Antigo ao Novo Testamento, preparam
a assembleia reunida.
14. A maneira como os leitores lêem, ao fazerem a proclamação em voz alta e de forma clara
e inteligente, tem como finalidade primária comunicar correctamente, por meio das leituras, a
palavra de Deus à assembleia. As leituras, tomadas de edições aprovadas,28 podem, segundo a
índole das diversas línguas, ser cantadas, de modo que o canto não as obscureça, mas antes as ponha
em evidência. Quando acontecer que se leiam em latim, observe-se o modo indicado no Ordo
cantus Missae.29

25
Instrução Geral do Missal Romano, n. 33.
26
Cf. S. Congr. do Culto Divino, Instr. Liturgicae instaurationes, 5 de Set. de 1970, n. 2: AAS 62 (1970), pp.
695-696; João Paulo II, Carta Dominicae Cenae, 24 de Fev. de 1980, n. 10: AAS 72 (1980), pp. 134-137; S. Congr.
dos Sacramentos e do Culto Divino, Instr. Inaestimabile Donum, 3 de Abr. de 1980, n. 1: AAS 72 (1980), p. 333.
27
Conc. Vat. II, Const. sobre a sagrada Liturgia, Sacrosanctum Concilium, n. 33.
28
Cf. adiante, Preliminares, n. 111, p. 39.
29
Cf. Missale Romanum ex Decreto Sacrosancti Oecumenici Concilii Vaticani II instauratum, auctoritate Pauli
PP. VI promulgatum, Ordo Cantus Missae, ed. typ. 1972, Praenotanda, nn. 4, 6, 10.
A PALAVRA DE DEUS NA CELEBRAÇÃO DA MISSA 17

15. Na liturgia da palavra, antes das leituras, especialmente da primeira, podem fazer-se
admonições breves e apropriadas. Deve atender-se com cuidado ao género literário destas
admonições. Convém que sejam simples, fiéis ao texto, breves, preparadas com diligência e
adaptadas de forma variada ao texto que devem introduzir.30
16. As leituras, na celebração da Missa com participação do povo, devem proclamar-se
sempre do ambão.31
17. Nos ritos da liturgia da palavra, deve ter-se em conta a veneração que a leitura evangélica
merece.32 Quando se dispõe de um Evangeliário, que nos ritos iniciais é levado processionalmente
pelo diácono ou pelo leitor,33 muito convém que o livro seja tomado do altar 34 pelo diácono ou, na
falta deste, pelo presbítero e, precedido dos ministros com os círios e o incenso ou outros sinais de
veneração, se for costume, seja levado ao ambão. Os fiéis estão de pé e veneram o livro dos
Evangelhos aclamando o Senhor. O diácono que há-de proclamar o Evangelho, inclinado diante de
quem preside, pede e recebe a bênção. O presbítero, quando não há diácono, inclinado diante do
altar, diz em silêncio a oração: Purificai o meu coração (Munda cor meum). 35
Do ambão, aquele que proclama o Evangelho saúda o povo, que está de pé, anuncia o título
da leitura, fazendo o sinal da cruz na fronte, na boca e no peito; a seguir, se se usa o incenso, incensa
o livro e por fim lê o Evangelho. Terminado o Evangelho, beija o livro, dizendo em silêncio as
palavras prescritas.
Convém que a saudação, o anúncio Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo... e no fim
Palavra da salvação sejam cantados, para que a assembleia possa aclamar do mesmo modo, ainda
que o Evangelho seja apenas lido. Deste modo, não só se põe em relevo a importância da leitura
evangélica, mas se estimula a fé dos ouvintes.
18. A conclusão Palavra do Senhor (ou Palavra da salvação) no final das leituras, também
pode ser cantada por um cantor distinto do leitor que proclamou a leitura, respondendo todos com
a aclamação. Deste modo, a assembleia reunida honra a palavra de Deus, recebida com fé e com
espírito de acção de graças.

b) O SALMO RESPONSORIAL
19. Por ser «parte integrante da liturgia da palavra»,36 o salmo responsorial, também chamado
gradual, tem grande importância litúrgica e pastoral. Por isso os fiéis devem ser instruídos
constantemente sobre o modo de entenderem a palavra de Deus que fala nos salmos e sobre a forma
de converterem estes salmos em oração na Igreja. Por certo, «isto poderá conseguir-se mais
facilmente desde que se promova com a maior diligência para o clero um conhecimento mais
profundo dos salmos e se tornem disso participantes todos os fiéis por meio de catequese
adequada».37
Podem prestar alguma ajuda umas breves admonições, com as quais se justifique a escolha
do salmo e do refrão, bem como o seu relacionamento com as leituras.

30
Cf. Instrução Geral do Missal Romano, n. 11.
31
Cf. Ibid., n. 272; e adiante, Preliminares, nn. 32-34, p. 20.
32
Cf. Instrução Geral do Missal Romano, nn. 35, 95.
33
Cf. Ibid., nn. 82-84.
34
Cf. Ibid., nn. 94, 131.
35
Cf. Ordinário da Missa, em Missal Romano reformado por decreto do Concílio Ecuménico Vaticano II e
promulgado por autoridade de S. S. o Papa Paulo VI, ed. port. (Gráfica de Coimbra, 1992), p. 446.
36
Instrução Geral do Missal Romano, n. 36.
37
Paulo VI, Const. Apost. Laudis canticum, em Liturgia das Horas reformada por decreto do Concílio
Vaticano II e promulgado por Paulo VI, ed. port. (Gráfica de Coimbra, 1983), vol. I, p. 17; cf. tb. Conc. Vat. II, Const.
sobre a sagrada Liturgia, Sacrosanctum Concilium, nn. 24, 90; Sagr. Congr. dos Ritos, Instr. sobre a música na sagrada
Liturgia, Musicam Sacram, 5 de Março de 1967, n. 39: AAS 59 (1967), p. 311; Liturgia das Horas, Instrução Geral,
nn. 23 e 109; Sagr. Congr. para a Educação Católica, «Ratio fundamentalis», n. 53.
18 PRELIMINARES

20. Habitualmente, o salmo responsorial deve ser cantado. Tenha-se em conta os dois modos
de cantar o salmo que se segue à primeira leitura: o modo responsorial e o modo directo. No modo
responsorial, que na medida do possível se deve preferir, o salmista, ou cantor do salmo, canta os
versículos do salmo e toda a assembleia participa mediante o refrão. No modo directo, o salmo é
cantado sem refrão intercalado pela assembleia, ou só pelo cantor do salmo, enquanto a assembleia
se limita a escutar, ou por todos ao mesmo tempo.
21. O canto da salmo, ou apenas do refrão, ajuda muito a entender o sentido espiritual do salmo
e favorece a sua meditação. Em cada cultura hão-de utilizar-se todos os meios que possam
favorecer o canto da assembleia, e em especial o uso das faculdades para tal previstas no
Ordenamento das Leituras da Missa,38 no que se refere aos refrães a utilizar nos vários tempos
litúrgicos.
22. O salmo que se segue à leitura, se não for cantado, deve recitar-se da maneira mais
adequada à meditação da palavra de Deus. 39 O salmo responsorial é cantado ou recitado do ambão
pelo salmista ou cantor.40

c) A ACLAMAÇÃO ANTES DA LEITURA DO EVANGELHO


23. Também o «Aleluia» ou, segundo o tempo litúrgico, o versículo antes do Evangelho,
constitui «um rito ou acto com valor em si próprio»,41 com o qual a assembleia dos fiéis acolhe e
saúda o Senhor, que lhe vai falar, e professa a sua fé pelo canto.
O «Aleluia» e o versículo antes do Evangelho devem ser cantados de pé, mas de modo que
todo o povo cante unanimemente e não apenas o cantor que entoa ou o coro.42

d ) A HOMILIA
24. A homilia, como parte da liturgia da palavra,43 na qual se expõem, no decorrer do ano
litúrgico, a partir do texto sagrado, o mistério da fé e as normas da vida cristã, muitas vezes, e
sobretudo a partir da Constituição litúrgica do Concílio Vaticano II, tem sido recomendada com o
maior interesse e mesmo prescrita em alguns casos. Deve ser feita habitualmente por aquele que
preside.44 Na celebração da Missa, a homilia tem como finalidade fazer que a palavra de Deus
proclamada, juntamente com a liturgia eucarística, seja «como que o anúncio das maravilhas de
Deus na história da salvação ou no mistério de Cristo».45 Na verdade, o mistério pascal de Cristo,
proclamado nas leituras e na homilia, é realizado pelo sacrifício da Missa .46 Cristo está sempre
presente e operante na pregação da sua Igreja.47
Por consequência, a homilia, quer explique a palavra da Sagrada Escritura acabada de ler,
quer outro texto litúrgico,48 deve levar a comunidade dos fiéis a celebrar activamente a Eucaristia,

38
Cf. adiante, Preliminares, nn. 89-90, p. 35.
39
Cf. Instrução Geral do Missal Romano, nn. 18. 39.
40
Cf. Ibid., nn. 272 e adiante, Preliminares, nn. 32 ss., p. 20
41
Cf. Instrução Geral do Missal Romano, n. 39.
42
Cf. tb. Ibid., nn. 37-39; Missale Romanum ex Decreto Sacrosancti Concilii Oecumenici Vaticani II
instauratum, auctoritate Pauli PP. VI promulgatum, Ordo Cantus Missae, Praenotanda nn. 7-9; Graduale Romanum,
1974, Praenotanda, n. 7; Graduale simples, ed. typ. alt., 1975, Praenotanda, n. 16.
43
Conc. Vat. II Const. sobre a sagrada Liturgia, Sacrosanctum Concilium, n. 52; cf. S. Congr. dos Ritos, Instr.
Inter Oecumenici, 26 de Set. de 1964, n. 54; AAS 56 (1964), p. 890.
44
Cf. Instrução Geral do Missal Romano, n. 42.
45
Conc. Vat. II. Const. sobre a sagrada Liturgia, Sacrosanctum Concilium, n. 35, 2.
46
Cf. Ibid., nn. 6 e 47.
47
Cf. Paulo VI, Enc. Mysterium Fidei, 3 de Set. de 1965: AAS 57 ( 1965), p. 753; Conc. Vat. II, Decr. sobre
a Actividade Missionária da Igreja, Ad Gentes Divinitus, n. 9; Paulo VI, Exort. Apost. Evangelii nuntiandi, 8 de Dez.
de 1975, n. 43; AAS 69 ( 1976), pp. 33-34.
48
Cf. Conc. Vat. II, Const. sobre a sagrada Liturgia, Sacrosanctum Concilium, n. 35, 2; Instrução Geral do
Missal Romano, n. 41.
A PALAVRA DE DEUS NA CELEBRAÇÃO DA MISSA 19

para que «sejam fiéis na vida ao que receberam pela fé».49 Por meio desta explicação viva, a palavra
de Deus que foi lida e as celebrações da Igreja que se realizam, podem adquirir maior eficácia, se
a homilia é realmente fruto da meditação, devidamente preparada, nem demasiado longa nem
demasiado breve, e se nela forem tidos em conta todos os presentes, incluindo as crianças e as
pessoas menos cultas.50
Na concelebração, a homilia é feita normalmente pelo celebrante principal ou um dos
concelebrantes.51
25. Nos dias prescritos, isto é, nos domingos e festas de preceito, deve fazer-se a homilia em
todas as Missas com participação do povo; e não pode omitir-se senão por causa grave, mesmo
naquelas que são celebradas na tarde do dia anterior.52 Também nas Missas com crianças e para
grupos particulares se deve fazer a homilia.53
A homilia é muito recomendada nos dias feriais do Advento, da Quaresma e do Tempo
Pascal, para os fiéis que participam habitualmente na celebração da Missa, bem como noutras festas
e ocasiões em que é maior a afluência do povo à igreja.54
26. O sacerdote celebrante faz a homilia da sede presidencial, de pé ou sentado, ou do ambão.55
27. Devem separar-se da homilia os breves avisos a fazer eventualmente ao povo, os quais
devem ter lugar a seguir à Oração depois da Comunhão.56

e) O SILÊNCIO
28. A liturgia da palavra deve celebrar-se de modo que favoreça a meditação; por isso deve
evitar-se toda a espécie de precipitação que impeça o recolhimento. O diálogo entre Deus e os
homens, com a ajuda do Espírito Santo, exige breves momentos de silêncio, acomodados à
assembleia reunida, durante os quais a palavra de Deus é acolhida interiormente e a resposta se
prepara pela oração.
Tais momentos de silêncio na liturgia da palavra podem guardar-se, por exemplo, antes de
começar a própria liturgia da palavra, depois da primeira e da segunda leituras e, por fim, a seguir
à homilia.57

f) A PROFISSÃO DE FÉ
29. O símbolo ou profissão de fé diz-se na celebração da Missa, conforme as rubricas, para que
a assembleia reunida manifeste o seu assentimento como resposta à palavra de Deus escutada nas
leituras e na homilia, e recorde, antes de começar a celebração do mistério eucarístico, a regra da
sua fé, segundo a fórmula aprovada pela Igreja.58

49
Conc. Vat. II, Const. sobre a sagrada Liturgia, Sacrosanctum Concilium, n. 10.
50
Cf. João Paulo II, Exort. Apost. Catechesi tradendae, 16 de Out. de 1979, n. 48: AAS 71 ( 1979), p. 1316.
51
Cf. Instrução Geral do Missal Romano, n. 165.
52
Cf. Ibid., n. 42 e tb. S. Congr. dos Ritos, Instr. Eucharisticum mysterium, 25 de Maio de 1967, n. 28: AAS
59 (1967), pp. 556-557.
53
Cf. S. Congr. do Culto Divino, Instr. Actio pastoralis, de 15 de Maio de 1969, n. 6 g: AAS 61 (1969), p. 809;
Directorium de Missis cum pueris, 1 de Nov. de 1973, n. 48: AAS 66 (1974), p. 44.
54
Cf. Instrução Geral do Missal Romano, nn. 42, 338; Ritual Romano, reformado por Decreto do Conc. Ecum.
Vat. II e prom. por autoridade de S. S. o Papa Paulo VI, Celebração do Matrimónio (1970), nn. 22, 42, 57; Celebração
das Exéquias (1970), nn. 41, 64.
55
Cf. Instrução Geral do Missal Romano, n. 97.
56
Cf. Ibid., n. 139.
57
Cf. Ibid., n. 23.
58
Cf. Ibid., n. 43.
20 PRELIMINARES

g) A ORAÇÃO UNIVERSAL OU ORAÇÃO DOS FIÉIS


30. Na oração universal, a assembleia dos fiéis, à luz da palavra de Deus, à qual de certo modo
responde, ora habitualmente pelas necessidades de toda a Igreja e da comunidade local, pela
salvação do mundo, pelos que sofrem qualquer dificuldade e por determinados grupos de pessoas.
Sob a orientação do celebrante, são propostas à assembleia pelo diácono, por um ministro,
ou por alguns fiéis, petições breves e compostas com judiciosa liberdade, com as quais «o povo,
exercendo o seu múnus sacerdotal, ora por todos os homens»,59 de modo que, completando em si
mesmo os frutos da palavra, possa entrar do modo mais adequado na liturgia eucarística.
31. O celebrante dirige da sede presidencial a oração universal, mas as intenções são
proferidas do ambão.60 A assembleia reunida, de pé, participa na oração dizendo ou cantando a
invocação comum depois de cada petição, ou orando em silêncio.61

2. Elementos que contribuem para celebrar condignamente


a liturgia da palavra

a) O LUGAR DA PROCLAMAÇÃO DA PALAVRA DE DEUS


32. No espaço da igreja deve haver um lugar elevado, fixo, dotado de conveniente disposição
e nobreza, que corresponda à dignidade da palavra de Deus e ao mesmo tempo recorde com clareza
aos fiéis que na Missa se prepara tanto a mesa da palavra de Deus como a mesa do Corpo de Cristo
62
e, finalmente, os ajude, o melhor possível, a ouvir e a prestar atenção durante a liturgia da palavra.
Por isso, deve atender-se, de acordo com a estrutura de cada igreja, às proporções e harmonia entre
o ambão e o altar.
33. Convém que o ambão seja adornado com sobriedade, de acordo com a sua estrutura, de
modo permanente ou ocasional, ao menos nos dias mais solenes. Como o ambão é o lugar de onde
os ministros anunciam a palavra de Deus, deve reservar-se por sua própria natureza às leituras, ao
salmo responsorial e ao precónio pascal. No entanto, a homilia e a oração dos fiéis podem proferir-
se do ambão, dada a íntima conexão destes elementos com toda a liturgia da palavra. Não é
conveniente que outros subam ao ambão, por exemplo, o comentador, o cantor ou aquele que dirige
os cânticos.63
34. Para servir de maneira adequada às celebrações, o ambão deve ser amplo, dado que por
vezes têm de estar nele vários ministros. Além disso, devem tomar-se providências para que os
leitores disponham, no ambão, de iluminação suficiente para lerem o texto e possam eventualmente
utilizar os instrumentos técnicos modernos para se fazerem ouvir facilmente pelos fiéis.

b) OS LIVROS DESTINADOS À PROCLAMAÇÃO DA PALAVRA DE DEUS


NAS CELEBRAÇÕES
35. Os livros que contêm os textos da palavra de Deus, bem como os ministros, os lugares e
as outras coisas afins, suscitam nos ouvintes a recordação da presença de Deus que fala ao seu povo.
Procure-se, portanto, que também os livros, que na acção litúrgica são sinais e símbolos das
realidades celestes, sejam realmente dignos, adornados e belos.64

59
Cf. Ibid., n. 45.
60
Cf. Ibid., n. 99.
61
Cf. Ibid., n. 47.
62
Cf. atrás, nota 23.
63
Cf. Instrução Geral do Missal Romano, n. 272.
64
Cf. Conc. Vat. II, Const. sobre a sagrada Liturgia, Sacrosanctum Concilium, n. 122.
A PALAVRA DE DEUS NA CELEBRAÇÃO DA MISSA 21

36. Como a proclamação do Evangelho é sempre o ponto culminante da liturgia da palavra,


a tradição litúrgica, tanto no Ocidente como no Oriente, desde sempre estabeleceu uma certa
diferença entre os livros das leituras. Com efeito, o livro dos Evangelhos, elaborado com o maior
cuidado, era adornado e gozava de veneração superior à dos outros livros das leituras. É, pois, muito
conveniente que, também no nosso tempo, pelo menos nas catedrais e nas paróquias e igrejas
maiores e mais frequentadas, haja um Evangeliário, ornado com beleza, distinto de qualquer outro
livro das leituras. Com razão este livro é entregue ao diácono na sua ordenação e é imposto e
sustentado sobre a cabeça do eleito na ordenação episcopal.65
37. Finalmente, em razão da dignidade da palavra de Deus, os leccionários que se utilizam na
celebração não devem ser substituídos por outras publicações subsidiárias de carácter pastoral,
como as folhas destinadas aos fiéis para eles prepararem as leituras ou para a sua meditação pessoal.

CAPÍTULO III

OFÍCIOS E MINISTÉRIOS
NA CELEBRAÇÃO DA LITURGIA DA PALAVRA DENTRO DA MISSA

1. As funções do presidente na liturgia da palavra


38. Aquele que preside à liturgia da palavra e partilha com os fiéis, sobretudo na homilia, o
alimento interior que ela contém, embora escute também ele a palavra de Deus proclamada por
outros, é sempre o primeiro a quem está confiado o múnus de anunciar a palavra transmitida.
Embora procure que, por si ou por outros, a palavra de Deus seja proclamada de modo conveniente,
reserva habitualmente para si a função de formular algumas admonições para tornar mais atenta a
audição dos fiéis e sobretudo fazer a homilia, para neles fomentar uma compreensão mais fecunda
da palavra de Deus.
39. É necessário que, melhor que ninguém, aquele que preside à celebração conheça perfei-
tamente a estrutura do Ordenamento das Leituras, para saber fazê-la produzir frutos no coração dos
fiéis. Além disso, pela oração e pelo estudo, deve compreender muito bem a harmonia e a conexão
entre os vários textos da liturgia da palavra, para que se entenda adequadamente, a partir do
Ordenamento das Leituras, o mistério de Cristo e a sua obra de salvação.
40. Aquele que preside deve utilizar à sua escolha as diversas possibilidades propostas no
Leccionário quanto às leituras, refrães, salmos responsoriais, aclamações antes do Evange-
lho, 66 mas de comum acordo67 com todos a quem diz respeito, ouvindo também os fiéis naquilo que
lhes compete.68

65
Cf. Pontificale Romanum ex Decreto Sacrosancti Oecumenici Concilii Vaticani II instauratum, auctoritate
Pauli PP. VI promulgatum, De Ordinatione Diaconi, Presbyteri et Episcopi: (Typ. Polygl. Vat., 1968), p. 28, n. 24;
p. 58, n. 21; p. 85, n. 24; p. 70, n. 25; p. 110, n. 25.
66
Cf. adiante, Preliminares, nn. 78-91, pp. 29-32.
67
Cf. Instrução Geral do Missal Romano, nn. 318-320; 324-325.
68
Cf. Ibid., n. 313.
22 PRELIMINARES

41. O presidente exerce também a sua função própria e o ministério da palavra quando faz a
homilia.69 Com ela, de facto, leva os seus irmãos a entender e saborear a Sagrada Escritura, abre
o espírito dos fiéis à acção de graças pelas maravilhas de Deus, alimenta a fé dos presentes acerca
da palavra, que se torna sacramento pelo Espírito Santo, e, finalmente, prepara-os para uma
comunhão frutuosa e convida-os a assumir as exigências da vida cristã.
42. Compete ao presidente introduzir de vez em quando os fiéis na liturgia da palavra mediante
admonições, antes de se proclamarem as leituras.70 Estas admonições podem sem dúvida ajudar a
assembleia reunida a escutar melhor a palavra de Deus, estimulando o espírito de fé e de boa
vontade. Tal função pode exercê-la por meio de outros, por exemplo, do diácono ou do
comentador. 71
43. O presidente, dirigindo a oração universal e, quanto possível, relacionando-a com as
leituras da celebração e a homilia, por meio da admonição inicial e da conclusão, introduz os fiéis
na liturgia eucarística.72

2. O ofício dos fiéis na liturgia da palavra


44. O povo de Deus reúne-se, cresce, alimenta-se pela palavra de Cristo; «isto aplica-se
especialmente à liturgia da palavra na celebração da Missa, na qual se unem inseparavelmente o
anúncio da morte e da ressurreição do Senhor, a resposta do povo que escuta e a própria oblação
com a qual Cristo confirmou no seu sangue a nova aliança, oblação na qual os fiéis comungam pela
oblação de si mesmos e pela recepção do sacramento».73 Na verdade, «não é só quando se lê ‘o que
foi escrito para nossa instrução’(Rom 15, 4), mas também quando a Igreja reza, canta ou actua, que
a fé dos participantes se alimenta e as suas almas se elevam para Deus, a fim de Lhe prestarem um
culto espiritual e receberem a sua graça com maior abundância».74
45. Na liturgia da palavra, também hoje a assembleia dos fiéis cristãos recebe de Deus, pela
audição da fé, a palavra da aliança e deve responder a essa palavra com a mesma fé, para se tornar
cada vez mais, de dia para dia, o povo da nova aliança.
O povo de Deus tem o direito de receber abundantemente o tesouro espiritual da palavra
de Deus, o que se leva a efeito também pelo uso do Leccionário da Missa, pelas homilias e pela
acção pastoral.
Os fiéis, na celebração da Missa, escutem a palavra de Deus com uma veneração interior
e exterior que contribua para progredir cada vez mais na vida espiritual e os introduza mais
profundamente no mistério que se celebra.75
46. Para poderem celebrar com alegria de coração o memorial do Senhor, compreendam os
fiéis que é uma só a presença de Cristo, quer na palavra de Deus __ «pois é Ele mesmo que fala
quando se lêem na Igreja as Sagradas Escrituras» __ quer «principalmente sob as espécies
eucarísticas».76
47. A palavra de Deus, para ser acolhida e influir eficazmente na vida dos fiéis cristãos,77 exige
a fé viva, fé que é estimulada constantemente pela audição da palavra de Deus proclamada.

69
Cf. Ibid., n. 42; Sagrada Congregação dos Sacramentos e do Culto Divino, Instr. Inaestimabile Donum, 3
de Abril de 1980, n. 3: AAS 72 (1980) p. 334.
70
Cf. Instrução Geral do Missal Romano, n. 11.
71
Cf. Ibid., n. 68.
72
Cf. Ibid., n. 33. 47
73
Conc. Vat. II, Decr. sobre o ministerio e a vida dos Presbíteros, Presbyterorum Ordinis, n. 4.
74
Conc. Vat. II, Const. sobre a sagrada Liturgia, Sacrosanctum Concilium, n. 33.
75
Cf. Instrução Geral do Missal Romano, n. 9.
76
Conc. Vat. II, Const. sobre a sagrada Liturgia, Sacrosanctum Concilium, n. 7.
77
Cf. Ibid., n. 9.
A PALAVRA DE DEUS NA CELEBRAÇÃO DA MISSA 23

Com efeito, a Sagrada Escritura é, principalmente na proclamação litúrgica, fonte de vida


e de força, conforme o testemunho do Apóstolo: «o Evangelho é força de salvação para todo o
crente»;78 por isso, o amor da Sagrada Escritura é vigor e renovação para todo o povo de Deus.79
Convém, portanto, que todos os fiéis cristãos estejam sempre dispostos a escutar com alegria a
palavra de Deus.80 Quando a palavra de Deus é anunciada pela Igreja e se reflecte na prática da vida,
ilumina os fiéis pela acção do Espírito e leva-os a viver todo o mistério do Senhor.81 Com efeito,
a palavra de Deus, fielmente recebida, desperta o coração e as suas disposições para a conversão
e para uma vida resplandecente de fé, individual e comunitária,82 porque é alimento da vida cristã
e fonte de toda a oração da Igreja.83
48. A íntima conexão da liturgia da palavra com a liturgia eucarística na celebração da Missa
deve levar os fiéis a estarem presentes na celebração desde o início,84 bem como a participarem
atentamente e, quanto possível, a prepararem a audição, principalmente pelo conhecimento mais
profundo da Sagrada Escritura anteriormente adquirido; além disso, despertará neles o desejo de
compreenderem o sentido litúrgico dos textos que se lêem e a vontade de lhes responder por meio
do canto.85
Assim também, pela palavra de Deus escutada e reflectida na meditação, os fiéis cristãos
podem dar-lhe uma resposta activa, cheia de fé, esperança e caridade, mediante a oração e a oblação de
si mesmos, não só na própria celebração, mas também em toda a sua vida cristã.

3. Os ministérios da liturgia da palavra

49. A tradição litúrgica atribui a função de ler as leituras bíblicas na celebração da Missa aos
ministros: leitores e diácono. Na falta do diácono ou de outro sacerdote, o próprio sacerdote
celebrante lê o Evangelho,86 e, se também não há leitor, todas as leituras.87
50. Na liturgia da palavra da Missa compete ao diácono proclamar o Evangelho, fazer
eventualmente a homilia, conforme as circunstâncias, e propor ao povo as intenções da oração
universal.88
51. «O leitor tem na celebração da Missa uma função que lhe é própria e que ele deve exercer
por si mesmo, ainda que haja ministros de grau superior».89 O ministério do leitor, conferido pelo
rito litúrgico, deve ser tido em apreço. Os leitores instituídos, se estiverem presentes, devem
exercer a função própria ao menos nos domingos e dias festivos, sobretudo na celebração principal.
Também lhes pode ser confiado o ofício de ajudar na organização da liturgia da palavra e, se for
preciso, preparar outros fiéis que, por encargo temporário, fazem as leituras na celebração da Missa.90

78
Cf. Rom 1, 16.
79
Cf. Conc. Vat. II, Const. dogm. sobre a Revelação Divina, Dei Verbum, n. 21.
80
Cf. Ibid.
81
Cf. Jo 14, 15-26; 15, 26 _ 16, 4. 5-15.
82
Cf. Conc. Vat. II, Decr. sobre a Actividade Missionária da Igreja, Ad Gentes Divinitus, nn. 6 e 15; e tb. Const.
sobre a Revelação Divina, Dei Verbum, n. 26.
83
Cf. Conc. Vat. II, Const. sobre a sagrada Liturgia, Sacrosanctum Concilium, n. 24; e tb. S. Congr. do Clero,
Directorium catechisticum generale, 11 de Abril de 1971, n. 25: AAS 64 (1972), p. 114.
84
Cf. Conc. Vat. II, Const. sobre a sagrada Liturgia, Sacrosanctum Concilium, n. 56; e tb. S. Congr. dos
Sacramentos e do Culto Divino, Instr. Inaestimabile Donum, 3 de Abr. de 1980, n. 1: AAS 72 (1980), pp. 333-334.
85
Cf. Conc. Vat. II, Const. sobre a sagrada Liturgia, Sacrosanctum Concilium, nn. 24 e 35.
86
Cf. Instrução Geral do Missal Romano, n. 34.
87
Cf. Ibid., n. 96
88
Cf. Ibid., nn. 47, 61, 132; Sagr. Congr. dos Sacramentos e do Culto Divino, Instr. Inaestimabile Donum, 3
de Abr. de 1980, n. 3: AAS 72 (1980) p. 334.
89
Instrução Geral do Missal Romano, n. 66.
90
Cf. Paulo Vl, Carta Apost., Ministeria quaedam, 15 de Ag. de 1972, n. V: AAS 64 ( 1972), p. 532.
24 PRELIMINARES

52. A assembleia litúrgica precisa de leitores, embora não instituídos para esta função.
Procure-se, portanto, que haja alguns leigos, dos mais idóneos, que estejam preparados para
exercer este ministério.91 Se se dispuser de vários leitores e houver várias leituras a fazer, convém
distribuí-las entre eles.
53. Nas Missas sem diácono, a função de propor as intenções da oração universal confia-se a um
cantor, principalmente quando essas intenções forem cantadas, a um leitor ou a outra pessoa. 92
54. O sacerdote distinto do celebrante, o diácono e o leitor instituído no ministério próprio,
quando sobem ao ambão para ler a palavra de Deus na celebração da Missa com participação do
povo, devem usar a veste sagrada própria da sua função. No entanto, aqueles que exercem o
ministério de leitor de forma ocasional, ou mesmo habitualmente, podem subir ao ambão com o
trajo comum, respeitando, porém, os costumes das várias regiões.
55. «Para que a audição das leituras divinas desperte no coração dos fiéis aquele afecto vivo
e suave pela Sagrada Escritura, é necessário que os leitores encarregados deste ofício, ainda que
não tenham recebido a instituição, sejam realmente idóneos e cuidadosamente preparados».93
Esta preparação deve ser principalmente espiritual, mas é necessária a chamada
preparação técnica. A preparação espiritual pressupõe pelo menos a dupla formação, bíblica e
litúrgica: a formação bíblica, para que possam os leitores compreender as leituras, no seu contexto
próprio e entender à luz da fé o núcleo da mensagem revelada; a formação litúrgica, para que os
leitores possam perceber o sentido e a estrutura da liturgia da palavra e os motivos que explicam
a conexão entre a liturgia da palavra e a liturgia eucarística. A preparação técnica deve tornar os
leitores cada vez mais aptos na arte de ler em público, quer de viva voz, quer com a ajuda dos
modernos instrumentos de amplificação sonora.
56. Ao salmista ou cantor do salmo compete cantar, em forma responsorial ou directa, o salmo
ou outro cântico bíblico, o gradual e o «Aleluia», ou outro cântico que haja entre as leituras. Se
parecer oportuno, pode ser ele a entoar o «Aleluia» e o versículo.94
Para exercer a função do salmista, é muito conveniente haver em cada comunidade eclesial
leigos competentes na arte de salmodiar e dotados de pronúncia correcta e dicção perfeita. O que
acima se disse sobre a formação dos leitores vale também para os cantores do salmo.
57. Também o comentador, que do lugar adequado propõe à assembleia dos fiéis explicações
e admonições oportunas, claras, sóbrias, cuidadosamente preparadas, normalmente escritas e
previamente aprovadas pelo celebrante, exerce um verdadeiro ministério litúrgico.95

91
Cf. Sagr. Congr. dos Sacramentos e do Culto Divino, Instr. Inaestimabile Donum, 3 de Abr. de 1980, nn. 2
e 18: AAS 72 (1980), p. 334; Cf. tb. Sagr. Congr. para o Culto Divino, Directorium de Missis cum pueris, 1 de Nov.
de 1973, nn. 22, 24, 27: AAS 66 (1974) p. 43.
92
Instrução Geral do Missal Romano, nn. 47, 66, 151; cf. tb. Consilium ad exsequendam Const. de sacra
Liturgia, De oratione communi seu fidelium (Città del Vat., 1966), n. 8.
93
Instrução Geral do Missal Romano, n. 66.
94
Cf. Ibid., nn. 37a e 67.
95
Cf. Ibid., n. 68.
SEGUNDA PARTE

A ESTRUTURA DO
ORDENAMENTO DAS LEITURAS DA MISSA

CAPÍTULO IV

ORDENAMENTO GERAL DAS LEITURAS DA MISSA

1. A finalidade pastoral do Ordenamento das Leituras da Missa

58. O Ordenamento das Leituras, que se encontram no Leccionário do Missal Romano, foi
elaborado, de acordo com a intenção do Concílio Vaticano II, com uma finalidade principalmente
pastoral. Para atingir este objectivo, não só os princípios em que se fundamenta o novo Ordenamen-
to, mas também os próprios conjuntos de textos que adiante se apresentam, foram repetidamente
revistos e retocados, com a colaboração de grande número de pessoas de todo o mundo, competentes
em matéria exegética, litúrgica, catequética e pastoral. O Ordenamento é o fruto desse trabalho
comum.
Espera-se que a frequente leitura e explicação da Sagrada Escritura ao povo cristão na
celebração eucarística, a partir deste Ordenamento das Leituras, contribua eficazmente para
alcançar o objectivo repetidamente proposto pelo Concílio Vaticano II.96
59. Nesta reforma, pareceu mais conveniente preparar e compor um único Ordenamento das
Leituras, rico e abundante, plenamente de acordo com a vontade e as normas do Concílio Vaticano
II,97 mas que, ao mesmo tempo, pela sua forma se adaptasse a determinadas exigências e ao uso das
Igrejas particulares e das assembleias celebrantes. Por esse motivo, os que trabalharam na
elaboração desta reforma preocuparam-se em salvaguardar a tradição litúrgica do Rito Romano,
tendo em grande conta o valor de todas as formas de selecção, distribuição e uso das leituras
bíblicas nas outras famílias litúrgicas e em certas Igrejas particulares, utilizando as que já tinham
sido comprovadas pela experiência e procurando ao mesmo tempo evitar algumas deficiências
existentes na tradição anterior.

96
Cf., por ex., Paulo VI Const. Apost. Missale Romanum: «Todo este ordenamento visa a despertar cada vez
mais nos fiéis aquela fome da palavra de Deus que leve o Povo da nova aliança a sentir-se como que impelido pelo
Espírito Santo a realizar a perfeita unidade da Igreja. Nestas condições, nutrimos a mais viva esperança de que os
sacerdotes e os fiéis preparem em comum mais santamente o espírito para a celebração da Ceia do Senhor,
alimentando-se dia a dia mais abundantemente com a palavra do Senhor, através de uma meditação mais profunda da
Sagrada Escritura. Daqui resulta, como é desejo do Concílio Vaticano II, que a Escritura divina se torne para todos
fonte perene de vida espiritual, instrumento primordial de catequese cristã, compêndio substancial de formação
teológica»: Missal Romanum, reformado por decreto do Concílio Ecuménico Vaticano II e promulgado por
autoridade de S. S. o Papa Paulo VI, ed. port. 1992, p. 15.
97
Cf. Conc. Vat. II, Const. sobre a sagrada Liturgia, Sacrosanctum Concilium, nn. 35 e 51.
26 PRELIMINARES

60. Por conseguinte, o actual Ordenamento das Leituras da Missa é uma colecção de leituras
bíblicas que oferece aos fiéis cristãos o conhecimento de toda a palavra de Deus, segundo uma
organização adequada. Em todo o ano litúrgico, mas particularmente no Tempo Pascal, na
Quaresma e no Advento, a selecção e ordem das leituras pretendem dar aos fiéis cristãos a
possibilidade de conhecer cada vez mais profundamente a fé que professam e a história da
salvação.98 Por isso, o Ordenamento das Leituras responde às necessidades e aspirações do povo
cristão.
61. Embora a acção litúrgica, por si mesma, não seja uma forma determinada da catequese, ela
possui no entanto um carácter didáctico, que se exprime também no Leccionário do Missal
Romano,99 de tal modo que pode com toda a razão ser considerada como um instrumento
pedagógico para fomentar a catequese.
Na verdade, o Ordenamento das Leituras da Missa apresenta de modo adequado os
principais factos e palavras da história da salvação contidos na Sagrada Escritura, de modo que a
própria história da salvação, que a liturgia da palavra vai sucessivamente recordando nos seus
diversos momentos e acontecimentos, aparece aos fiéis como uma realidade que tem continuidade
actual ao tornar-se de novo presente o mistério pascal de Cristo, celebrado na Eucaristia.
62. Por outro lado, também se entende a conveniência e a utilidade pastoral de um só
Ordenamento das Leituras do Leccionário da Missa no Rito Romano, para que todos os fiéis,
principalmente aqueles que por diversos motivos nem sempre participam na mesma assembleia,
escutem, em qualquer parte e em determinados dias e tempos, as mesmas leituras, meditando-as
e aplicando-as às circunstâncias concretas, mesmo nos lugares que não têm sacerdote, onde um
diácono ou outra pessoa delegada pelo Bispo dirige a celebração da palavra de Deus.100
63. Os pastores de almas que querem dar uma resposta peculiar, a partir da palavra de Deus,
às preocupações da sua própria comunidade, devem lembrar-se que são, antes de mais, mensageiros
de todo o mistério de Cristo e de todo o Evangelho; podem usar do modo mais conveniente as
alternativas propostas no próprio Ordenamento das Leituras da Missa, sobretudo ao celebrarem
alguma Missa ritual, votiva, ou em honra dos Santos, ou para várias circunstâncias. Tendo em conta
as normas gerais, concedem-se faculdades particulares relativamente às leituras da palavra de Deus
nas celebrações da Missa para grupos particulares.101

2. Os princípios observados na elaboração do Ordenamento


das Leituras da Missa
64. Para alcançar a finalidade do Ordenamento das Leituras da Missa, a selecção e distribuição
das suas partes foi feita tendo em conta, por um lado, a sucessão dos tempos litúrgicos e, por outro
lado, os princípios hermenêuticos que os estudos exegéticos do nosso tempo permitiram descobrir
e definir.
Por isso, pareceu conveniente expor aqui os princípios observados na elaboração do
Ordenamento das Leituras da Missa.

98
Cf. Paulo VI, Const. Apost. Missale Romanum: «É posta mais em relevo a continuidade do mistério salvífico,
apresentada nos próprios textos da revelação divina»: Missal Romano, o. c., p. 14.
99
Cf. Conc. Vat. II, Const. sobre a sagrada Liturgia, Sacrosanctum Concilium, nn. 9, 33; Sagrada Congregação
dos Ritos, Instr. Inter Oecumenici, 26 de Set. de 1964, n. 7: AAS 56 (1964), p. 878; João Paulo II, Exort. Apost.
Catechesi tradendae, 16 de Out. de 1979, n. 23: AAS 71 (1979), pp. 1296-1297.
100
Cf. Conc. Vat. II, Const. sobre a sagrada Liturgia, Sacrosanctum Concilium, n. 35, 4: Sagrada Congregação
dos Ritos, Instr. Inter Oecumenici, 26 de Set. de 1964, nn. 37-38: AAS 56 (1964), pp. 884.
101
Cf. S. Congr. do Culto Divino, Instr. Actio Pastoralis, 15 de Maio de 1969, n. 6: AAS 61(1969) p. 809;
Directorium de Missis cum pueris, 1 de Nov. de 1973, nn. 41. 47: AAS 66 (1974), p. 43; Paulo Vl, Exort. Apost.
Marialis Cultus, 2 de Fev. de 1974, n. 12: AAS 66 ( 1974) pp. 125-126.
A ESTRUTURA DO ORDENAMENTO DAS LEITURAS DA MISSA 27

a) A SELECÇÃO DOS TEXTOS


65. A sequência das leituras do «Próprio do Tempo» dispõe-se do seguinte modo: nos
domingos e dias festivos propõem-se os textos mais importantes, de modo que, num espaço de
tempo conveniente, possam ser lidas à assembleia dos fiéis as passagens principais da palavra de
Deus. Outra série de textos da Sagrada Escritura, com os quais de certo modo se completa o anúncio
da salvação exposto nos dias festivos, é proposta para os dias feriais. Contudo, nenhuma das duas
séries destas partes principais do Ordenamento das Leituras, isto é, a série dominical e festiva e a
série ferial, depende da outra. De facto, o Ordenamento das Leituras dominical e festivo
distribui-se por três anos, ao passo que o ferial se distribui por dois. Daí que o Ordenamento das
Leituras dominical e festivo se desenvolve independentemente do ferial e vice-versa.
Entretanto, a sequência das leituras proposta para as outras partes do Ordenamento das
Leituras, como são as séries de leituras para as celebrações dos Santos, para as Missas rituais ou
para várias circunstâncias ou votivas ou de defuntos, rege-se por normas próprias.

b) O ORDENAMENTO DAS LEITURAS PARA OS DOMINGOS E DIAS FESTIVOS


66. As características do Ordenamento das Leituras para os domingos e dias festivos são as
seguintes:
1. Cada Missa apresenta três leituras: a primeira, do Antigo Testamento; a segunda, do
Apóstolo (isto é, das Epístolas ou do Apocalipse, segundo os diversos tempos do ano); a terceira,
do Evangelho. Com esta distribuição, põe-se em evidência a unidade dos dois Testamentos e da
história da salvação, cujo centro é Cristo celebrado no seu mistério pascal.
2. O facto de se propor para os domingos e dias festivos um ciclo de três anos dá origem,
nesses dias, a uma leitura mais variada e abundante da Sagrada Escritura, de modo que os mesmos
textos se lêem apenas três anos depois.102
3. Os princípios que regem o Ordenamento das Leituras para os domingos e dias festivos
são os designados por «composição harmónica» ou «leitura semi-contínua». Utiliza-se um ou outro
princípio, conforme os diversos tempos do ano e as características peculiares de cada tempo
litúrgico.
67. A melhor composição harmónica entre as leituras do Antigo e do Novo Testamento tem
lugar quando é sugerida pela Escritura, isto é, naqueles casos em que a doutrina e os factos expostos
nos textos do Novo Testamento têm uma relação mais ou menos explícita com a doutrina e os factos
do Antigo Testamento. No presente Ordenamento das Leituras, os textos do Antigo Testamento são
escolhidos principalmente pela sua congruência com os textos do Novo Testamento que se lêem
na mesma Missa, em especial com o Evangelho.
No Tempo do Advento, na Quaresma e no Tempo Pascal, isto é, nos tempos que têm
importância e características peculiares, a composição entre os textos das leituras de cada Missa
fundamenta-se noutros princípios.
Pelo contrário, nos domingos do Tempo Comum, que não têm característica peculiar, os
textos da leitura apostólica e do Evangelho dispõem-se segundo a ordem da leitura semi-contínua,
ao passo que a leitura do Antigo Testamento se compõe harmonicamente com o Evangelho.

102
Cada ano é indicado com as letras A, B, C. Para se determinar qual é o Ano A, B ou C, procede-se da maneira
seguinte: Pela letra C, designa-se o ano cujo número for divisível por três, como se o ciclo começasse no primeiro
ano da contagem cristã. Deste modo, o Ano I teria sido o Ano A, o Ano 2 o Ano B, o Ano 3 o Ano C, e os Anos 6,
9, 12 ... novamente o Ano C. Assim, por ex. o ano de 1983 é o Ano C, o ano seguinte, isto é, 1984, é Ano A, o ano
de 1985 é Ano B, e o ano de 1986 é de novo Ano C. E assim por diante. É evidente que cada ciclo se desenvolve
conforme a estrutura do ano litúrgico, isto é, a partir da primeira semana do Advento, que ocorre no ano civil anterior.
Os anos de cada ciclo caracterizam-se de certo modo pela indicação principal do Evangelho sinóptico
utilizado, no Tempo Comum, para a leitura semi-contínua. Assim, o primeiro ano do ciclo diz-se e é o ano da leitura
de São Mateus, e os restantes, isto é, o segundo e o terceiro, respectivamente o ano da leitura de São Marcos e o ano
da leitura de São Lucas.
28 PRELIMINARES

68. O que era conveniente para aqueles tempos acima referidos não pareceu oportuno
aplicá-lo aos domingos, de modo que neles houvesse uma certa unidade temática que facilitasse
a instrução homilética. Efectivamente, a uma semelhante composição opõe-se o conceito genuíno
de acção litúrgica, que é sempre celebração do mistério de Cristo e que, pela própria tradição,
utiliza a palavra de Deus, não movida por preocupações de ordem racional ou exteriores, mas pela
solicitude de anunciar o Evangelho e de conduzir os crentes para a verdade plena.

c) O ORDENAMENTO DAS LEITURAS PARA OS DIAS FERIAIS


69. O Ordenamento das Leituras para os dias feriais fez-se do seguinte modo:
1. Cada Missa apresenta duas leituras: a primeira, do Antigo Testamento ou do Apóstolo
(isto é, das Epístolas ou do Apocalipse), mas no Tempo Pascal, dos Actos dos Apóstolos; a
segunda, do Evangelho.
2. O ciclo anual para o Tempo da Quaresma ordena-se segundo princípios especiais, que
têm em conta as características desse tempo, a saber, a sua índole baptismal e penitencial.
3. Nos dias feriais do Advento, do Tempo do Natal e do Tempo Pascal, o ciclo é igualmente
anual e, por isso, as leituras são as mesmas todos os anos.
4. Nos dias feriais das trinta e quatro semanas do Tempo Comum, as leituras evangélicas
dispõem-se num só ciclo, que se repete todos os anos. Mas a primeira leitura distribui-se em dois
ciclos, a ler em anos alternados. O ano primeiro utiliza-se nos anos ímpares; o ano segundo nos anos
pares.
Deste modo, no Ordenamento das Leituras para os dias feriais, tal como para os domingos
e dias festivos, seguem-se os princípios da composição harmónica e da leitura semi-contínua por
motivos semelhantes, sobretudo quando se trata de tempos que apresentam características
especiais.

d) AS LEITURAS PARA AS CELEBRAÇÕES DOS SANTOS


70. Para as celebrações dos Santos propõem-se duas séries de leituras:
1. Uma no Próprio, para as solenidades, festas e memórias, principalmente se para cada
uma delas existem textos próprios. Aliás, indica-se como preferível algum texto mais adequado,
de entre os que se encontram nos Comuns.
2. Outra, aliás mais ampla, encontra-se nos Comuns dos Santos. Nesta parte propõem-se
primeiro os textos mais próprios para as diversas categorias de Santos (Mártires, Pastores, Virgens, etc.)
e, em seguida, diversos textos que tratam da santidade em geral e que podem utilizar-se
facultativamente, sempre que se remeta para os Comuns a escolha das leituras.
71. No que se refere ao ordenamento dos textos nesta parte, ajudará saber que eles se
encontram todos juntos, segundo a ordem em que devem ler-se. Assim, aparecem primeiro os
textos do Antigo Testamento, depois os textos do Apóstolo, a seguir os salmos e os versículos entre
as leituras e, finalmente, os textos do Evangelho. Estão colocados desta maneira para que o
celebrante os escolha à sua vontade, tendo em conta as necessidades pastorais da assembleia que
participa na celebração, a não ser que expressamente se indique outra coisa.

e) AS LEITURAS PARA AS MISSAS RITUAIS,


PARA VÁRIAS CIRCUNSTÂNCIAS, VOTIVAS E DE DEFUNTOS
72. Na mesma disposição se encontram os textos das leituras para as Missas rituais, para várias
circunstâncias, votivas e de defuntos. Propõem-se vários textos, dispostos conjuntamente, como
nos Comuns dos Santos.

f) OS PRINCIPAIS CRITÉRIOS UTILIZADOS NA SELECÇÃO


E ORDENAMENTO DAS LEITURAS
73. Além destes princípios que regem a distribuição das leituras em cada parte do Ordenamento
das Leituras, há outros de carácter mais geral, que podem enunciar-se do modo seguinte:
A ESTRUTURA DO ORDENAMENTO DAS LEITURAS DA MISSA 29

1) O uso de alguns livros segundo os tempos litúrgicos


74. Pela sua importância intrínseca e por tradição litúrgica, no presente Ordenamento alguns
livros da Sagrada Escritura reservam-se para determinados tempos litúrgicos. Conserva-se, por
exemplo, a tradição tanto ocidental (ambrosiana e hispânica) como oriental, de ler os Actos dos
Apóstolos no Tempo Pascal. Assim se torna bem patente que toda a vida da Igreja teve a sua origem
no mistério pascal. Conserva-se igualmente a tradição, tanto ocidental como oriental, de ler o
Evangelho de São João nas últimas semanas da Quaresma e no Tempo Pascal.
A leitura de Isaías, sobretudo a primeira parte, é atribuída por tradição ao Tempo do
Advento. Não obstante, alguns textos deste livro lêem-se no Tempo do Natal. Ao Tempo do Natal
se atribui também a Primeira Epístola de São João.
2) A extensão dos textos
75. No que se refere à extensão dos textos, segue-se um critério intermédio. Faz-se distinção
entre as narrações, que precisam de uma certa extensão textual e normalmente são escutadas pelos
fiéis com atenção, e textos que, pela sua profundidade doutrinal, não convém alongar muito.
Para alguns textos demasiado longos, prevê-se uma dupla forma, a longa e a breve,
conforme as circunstâncias. Estas abreviações foram feitas com grande cuidado.
3) Textos mais difíceis
76. Por motivos pastorais, evitam-se nas leituras dos domingos e solenidades os textos
bíblicos realmente mais difíceis, quer objectivamente, porque levantam grandes problemas de
ordem literária, crítica ou exegética, quer eventualmente, pelo menos em certa medida, porque são
mais difíceis de entender pelos fiéis. Contudo, não era lícito esconder aos fiéis as riquezas
espirituais de alguns textos por lhes serem mais difíceis de entender, quando esta dificuldade
resulta duma insuficiente formação cristã, da qual nenhum fiel deve carecer, ou de uma insuficiente
formação bíblica que todo o pastor de almas deve possuir. Algumas vezes, uma leitura difícil
torna-se mais fácil pela sua harmonia com outra leitura da mesma Missa.
4) Omissões de alguns versículos
77. A tradição de muitas liturgias, sem excluir a própria liturgia romana, seguiu o costume de
omitir por vezes alguns versículos nas leituras da Escritura. Deve dizer-se certamente que estas
omissões não se podem fazer de ânimo leve, para evitar que fiquem mutilados o sentido do texto
ou o seu espírito e, de certo modo, o estilo da Escritura. Todavia, tendo o cuidado de conservar
integralmente o sentido essencial do texto, pareceu conveniente, por motivos pastorais, seguir
também no presente Ordenamento a referida tradição. De outro modo, alguns textos teriam de
alongar-se demasiado, ou então algumas leituras de não pequena e até, por vezes, de grande
utilidade espiritual para os fiéis, teriam de ser integralmente omitidas pelo facto de conterem um
ou outro versículo que, sob o aspecto pastoral, são de menor utilidade ou incluem questões
realmente demasiado difíceis.

3. Os princípios a observar no uso do Ordenamento das Leituras

a) FACULDADE DE ESCOLHER ALGUNS TEXTOS

78. No Ordenamento das Leituras concede-se por vezes ao celebrante a faculdade de escolher
a leitura de um ou outro texto, ou de escolher um texto entre vários que simultaneamente se
propõem para a mesma leitura. Isto raras vezes sucede nos domingos, solenidades e festas, para que
não se desvaneça a índole própria de determinado tempo litúrgico, ou não se interrompa indevida-
mente a leitura semi-contínua de determinado livro; pelo contrário, concede-se mais facilmente
esta faculdade nas celebrações dos Santos e nas Missas rituais, para várias circunstâncias, votivas
e de defuntos.
30 PRELIMINARES

Estas faculdades, juntamente com outras indicadas na Instrução Geral do Missal Romano
e no Ordo cantus Missae103, têm uma finalidade pastoral. Por isso, o sacerdote, ao organizar a
liturgia da palavra, «deve atender mais ao bem espiritual da comunidade do que aos seus gostos
pessoais. Lembre-se, além disso, que convém fazer a escolha das partes da Missa de comum acordo
com os ministros e as outras pessoas chamadas a desempenhar algum ministério na celebração, sem
excluir os próprios fiéis, naquilo que mais directamente lhes diz respeito».104
1) As duas leituras antes do Evangelho
79. Nas Missas em que se propõem três leituras, devem fazer-se efectivamente três leituras.
No entanto, se a Conferência Episcopal, por motivos pastorais, permitir que em algum lugar haja
apenas duas leituras,105 a escolha entre as duas primeiras há-de fazer-se de modo que não se
desvirtue a intenção de instruir plenamente os fiéis sobre o mistério da salvação. Por conseguinte,
se não se indica outra coisa nalgum caso, das duas leituras deve preferir-se aquela que esteja mais
harmonicamente relacionada com o Evangelho, ou aquela que, conforme a intenção acima referida,
melhor possa contribuir para uma catequese orgânica seguida durante certo período de tempo, ou
aquela que possa permitir a leitura semi-contínua de algum livro.106
2) A forma longa e breve
80. É tambem o critério pastoral que deve orientar a escolha entre as duas formas em que se
apresenta o mesmo texto. Com efeito, apresenta-se algumas vezes uma forma longa e uma forma
breve do mesmo texto. Nestes casos, convém atender à capacidade que têm os fiéis de escutar com
proveito a leitura mais ou menos extensa, à sua capacidade de ouvir o texto mais completo, que será
explicado na homilia.
3) Dois textos propostos
81. Quando se oferece a faculdade de escolher entre um ou outro texto já determinado, ou
proposto como facultativo, deve atender-se à utilidade dos participantes, isto é, conforme se trate
de utilizar um texto mais fácil ou mais conveniente para a assembleia, ou de repetir ou retomar um
texto indicado para uma celebração como próprio e para outra como facultativo, sempre que a
utilidade pastoral o aconselhe.
Isto pode suceder quando se receia que algum texto origine certas dificuldades em
determinada assembleia, ou quando o mesmo texto tenha de ler-se novamente em dias muito
próximos, no domingo e num dia ferial seguinte.
4) As leituras para os dias feriais
82. Na distribuição das leituras feriais, propõem-se textos para cada um dos dias da semana,
durante todo o ano; por isso, regra geral, estas leituras devem utilizar-se nos dias a que estão
atribuídas, a não ser que ocorra uma solenidade, uma festa ou uma memória com leituras
próprias. 107
No Ordenamento das Leituras a utilizar nos dias feriais, convém verificar se em alguma
celebração durante aquela semana terá de se omitir uma ou outra leitura do mesmo livro. Nesse

103
Cf. Instrução Geral do Missal Romano, nn. 36-40; Missale Romanum ex Decreto Sacrosancti Oecumenici
Concilii Vaticani II instauratum, auctoritate Pauli VI PP. promulgatum, Ordo Cantus Missae (Typ. Polygl. Vat.,
1972), nn. 5-9.
104
Instrução Geral do Missal Romano, n. 313.
105
Ibid., n. 318; Sagrada Congregação dos Sacramentos e do Culto Divino, Instr. Inaestimabile Donum, 3 de
Abr. de 1980, n. 1: AAS 72 ( 1980), pp. 333-334.
106
Por ex., no Tempo da Quaresma, propõe-se uma continuidade de leituras do Antigo Testamento, segundo
a evolução da história da salvação; ou, nos domingos do Tempo Comum, propõe-se a leitura semi-contínua de alguma
Epístola. Neste caso, convém que o pastor de almas escolha uma ou outra das leituras de maneira sistemática durante
vários domingos seguidos, a fim de estabelecer um sistema coerente de catequese; nem seria, de modo nenhum,
conveniente que, sem nexo, se fizesse a leitura ora do Antigo Testamento ora de uma Epístola, sem um seguimento
orgânico dos textos.
107
Cf. Instrução Geral do Missal Romano, n. 319.
A ESTRUTURA DO ORDENAMENTO DAS LEITURAS DA MISSA 31

caso, o sacerdote, tendo em conta a distribuição das leituras de toda a semana, há-de prever as partes
a omitir por serem de menor importância, ou a maneira mais conveniente de unir essas partes a
outras, quando forem úteis para uma visão de conjunto do tema que tratam.
5) As celebrações dos Santos
83. Para as celebrações dos Santos propõem-se por vezes leituras próprias, isto é, leituras que
tratam da própria pessoa do Santo ou do mistério que é celebrado na Missa. Estas leituras, mesmo
que se trate de uma memória, devem dizer-se em vez das leituras dos dias feriais ocorrentes. Sempre
que existem leituras próprias na memória, isso é expressamente indicado no respectivo lugar deste
Ordenamento.
Por vezes apresentam-se leituras apropriadas, quer dizer, que põem em relevo um aspecto
peculiar da vida espiritual ou da actividade do Santo. Nestes casos não parece tão necessário o uso
de tais leituras, a não ser que um motivo pastoral o aconselhe realmente. A maior parte das vezes
indicam-se as leituras existentes nos Comuns, para facilitar a escolha. Trata-se, porém, de
sugestões: em vez da leitura apropriada ou simplesmente proposta, pode escolher-se qualquer outra
dos Comuns indicados.
O sacerdote que celebra com participação do povo atenderá em primeiro lugar ao bem
espiritual dos fiéis e procurará não lhes impor as suas preferências. Terá sobretudo o cuidado de
não omitir, com frequência e sem motivo suficiente, as leituras indicadas para cada dia no
Leccionário Ferial: a Igreja quer que se apresente aos fiéis de modo mais abundante a mesa da
palavra de Deus.108
Apresentam-se ainda leituras comuns, isto é, que figuram nos Comuns para determinada
categoria de Santos (por exemplo, Mártires, Virgens, Pastores) ou para os Santos em geral. Como
nestes casos se propõem vários textos para a mesma leitura, compete ao sacerdote celebrante
escolher aquela que mais convenha aos ouvintes.
Em todas as celebrações, além dos Comuns para os quais se remete em cada caso, podem
sempre escolher-se leituras do Comum dos Santos e das Santas, todas as vezes que algum motivo
especial o aconselhe.
84. Para as celebrações dos Santos, deve ainda atender-se ao seguinte:
a) Nas solenidades e nas festas, devem utilizar-se sempre as leituras que vêm no Próprio
ou no Comum; às celebrações do calendário geral atribuem-se sempre leituras próprias.
b) Nas solenidades dos calendários particulares, proponham-se três leituras, a primeira das
quais do Antigo Testamento (no Tempo Pascal, dos Actos dos Apóstolos ou do Apocalipse); a
segunda, do Apóstolo; a terceira, do Evangelho. No entanto, a Conferência Episcopal pode
determinar que deve haver só duas leituras.109
c) Nas festas e nas memórias, em que se lêem apenas duas leituras, a primeira pode
escolher-se do Antigo Testamento ou do Apóstolo, e a segunda, do Evangelho. Todavia, no Tempo
Pascal, de acordo com o costume tradicional da Igreja, a primeira leitura será tomada do Apóstolo
e a segunda, quanto possível, do Evangelho de São João.
6) As outras partes do Ordenamento das Leituras
85. No Ordenamento das Leituras para as Missas rituais indicam-se os mesmos textos que já
foram promulgados em cada um dos respectivos Rituais, exceptuando, como é óbvio, os textos
pertencentes àquelas celebrações que não se inserem na Missa.110

108
Cf. Ibid., n. 316, c; Conc. Vat. II, Const. sobre a sagrada Liturgia, Sacrosanctum Concilium, n. 51.
109
Cf. Instrução Geral do Missal Romano, n. 318.
110
Cf. Ritual Romano reformado por Decreto do Concílio Ecuménico Vaticano II e promulgado por autoridade
de S. S. o Papa Paulo VI, Celebração da Penitência (Gráfica de Coimbra, 1976), Preleminares, n. 13.
32 PRELIMINARES

86. O Ordenamento das Leituras das Missas para várias circunstâncias, votivas e de defuntos
apresenta vários textos que podem prestar ajuda valiosa para adaptar tais celebrações às caracte-
rísticas, às circunstâncias e às preocupações das diversas assembleias que nelas participam. 111
87. Nas Missas rituais, para várias circunstâncias, votivas e de defuntos, quando se propõem
vários textos para a mesma leitura, a escolha faz-se segundo os mesmos critérios acima descritos
para escolher as leituras do Comum dos Santos.
88. Quando alguma Missa ritual é proibida e, segundo as normas indicadas em cada rito, se
permite tomar uma leitura das que são propostas para as Missas rituais, deve atender-se ao bem
comum espiritual dos participantes.112

b) O SALMO RESPONSORIAL E A ACLAMAÇÃO ANTES DO EVANGELHO

89. Entre estes cânticos tem grande importância o salmo que se segue à primeira leitura.
Normalmente deve tomar-se o salmo atribuído à leitura, a não ser que se trate de leituras do Comum
dos Santos, das Missas rituais, para várias circunstâncias, votivas e de defuntos, nas quais a escolha
se confia ao sacerdote celebrante, que deverá proceder de acordo com a utilidade pastoral dos
participantes.
No entanto, para que o povo possa dizer mais facilmente a resposta salmódica,
indicam-se no Ordenamento das Leituras alguns textos de salmos e de refrães seleccionados para
os diversos tempos do ano ou para as diversas categorias de Santos, os quais podem utilizar-se em
vez do texto que corresponde à leitura, sempre que o salmo é cantado.113
90. O outro cântico que deve proferir-se depois da segunda leitura, antes do Evangelho, ou se
determina para cada Missa e está relacionado com o Evangelho, ou se deixa à livre escolha dentro
da série comum de cada tempo litúrgico ou do Comum.
91. No Tempo da Quaresma, pode utilizar-se, se for oportuno, uma das aclamações propostas
mais adiante, 114 a qual se diz antes e depois do versículo antes do Evangelho.

111
Cf. Instrução Geral do Missal Romano, n. 320.
112
Cf. Ibid., n. 313.
113
Cf. Ordenamento das Leituras, nn. 173-174.
114
Cf. Ibid., n. 223.
A ESTRUTURA DO ORDENAMENTO DAS LEITURAS DA MISSA 33

CAPÍTULO V

DESCRIÇÃO DO ORDENAMENTO DAS LEITURAS

92. Para ajudar os pastores de almas a entender a estrutura do Ordenamento das Leituras, de
modo que o utilizem de maneira viva e com proveito dos fiéis cristãos, parece oportuno apresentar
uma breve descrição deste Ordenamento das Leituras, pelo menos no que se refere às celebrações
mais importantes e aos diversos tempos do ano litúrgico, em atenção aos quais se seleccionaram
as leituras segundo as regras atrás indicadas.

1. Tempo do Advento

a) NOS DOMINGOS

93. As leituras do Evangelho têm uma característica própria: referem-se à vinda do Senhor no
fim dos tempos (primeiro domingo), a João Baptista (segundo e terceiro domingos), aos
acontecimentos que prepararam de perto o nascimento do Senhor (quarto domingo).
As leituras do Antigo Testamento são profecias acerca do Messias e do tempo messiânico,
tomadas principalmente do Livro de Isaías.
As leituras do Apóstolo apresentam exortações e proclamações apropriadas às características
deste tempo.

b) NOS DIAS FERIAIS

94. Apresentam-se duas séries de leituras, uma para se utilizar desde o início até ao dia 16 de
Dezembro, a outra desde o dia 17 até ao dia 24.
Na primeira parte do Advento, temos a leitura do Livro de Isaías distribuída segundo a
ordem do Livro, sem excluir os textos mais importantes que aparecem também nos domingos. Os
Evangelhos destes dias foram escolhidos tendo em conta a primeira leitura.
A partir da quinta-feira da segunda semana, começam as leituras do Evangelho que se
referem a João Baptista; a primeira leitura ou é a continuação do Livro de Isaías, ou um texto
escolhido em função do Evangelho.
Na última semana antes do Natal do Senhor, apresentam-se os acontecimentos que
imediatamente prepararam o nascimento do Senhor, tomados do Evangelho de São Mateus
(cap. 1) e de São Lucas (cap. 1). Para a primeira leitura, foram seleccionados, tendo em conta o
Evangelho do dia, textos de vários livros do Antigo Testamento, entre os quais se encontram alguns
vaticínios messiânicos de grande importância.

2. Tempo do Natal

a) NAS SOLENIDADES, FESTAS E DOMINGOS

95. Para a Vigília e para as três Missas do Natal do Senhor, as leituras, tanto as proféticas como
as outras, foram tomadas da tradição romana.
No domingo dentro da Oitava do Natal, festa da Sagrada Família, o Evangelho refere-se
à infância de Jesus e as outras leituras às virtudes da vida doméstica.
34 PRELIMINARES

Na Oitava do Natal, solenidade de Santa Maria Mãe de Deus, as leituras referem-se à


Virgem Mãe de Deus e à imposição do Santo Nome de Jesus.
No segundo domingo depois do Natal, as leituras referem-se ao mistério da Encarnação.
Na Epifania do Senhor, a leitura do Antigo Testamento e a do Evangelho conservam a
tradição romana; na leitura apostólica lê-se um texto relativo ao chamamento dos gentios à salvação.
Na festa do Baptismo do Senhor, foram seleccionados textos relativos a este mistério.

b) NOS DIAS FERIAIS


96. A partir do dia 29 de Dezembro, faz-se a leitura contínua de toda a Primeira Epístola de
São João, que já se começara a ler no dia 27 de Dezembro, festa do próprio São João, e no dia
seguinte, festa dos Santos Inocentes. Os Evangelhos referem-se às manifestações do Senhor. Com
efeito, lêem-se os acontecimentos da infância de Jesus tomados do Evangelho de São Lucas
(nos dias 29 e 30 de Dezembro), o primeiro capítulo do Evangelho de São João (de 31 de Dezembro
a 5 de Janeiro) e as principais manifestações do Senhor, tomadas dos quatro Evangelhos (de 7 a 12
de Janeiro).

3. Tempo da Quaresma
a) NOS DOMINGOS
97. As leituras do Evangelho estão distribuídas do seguinte modo: no primeiro e segundo
domingos conservam-se as narrações da Tentação e da Transfiguração do Senhor, que se lêem, no
entanto, segundo os três sinópticos.
Nos três domingos seguintes foram restabelecidos para o ano A o Evangelho da
Samaritana, do cego de nascença e da ressurreição de Lázaro; estes Evangelhos, por serem da maior
importância relativamente à iniciação cristã, podem ler-se também nos anos B e C, sobretudo onde
houver catecúmenos.
No entanto, nos anos B e C propõem-se também outros textos: no ano B, textos de São João
sobre a futura glorificação de Cristo pela Cruz e Ressurreição; no ano C, textos de São Lucas sobre
a conversão.
No «Domingo de Ramos na Paixão do Senhor», para a procissão foram escolhidos os
textos que se referem à entrada solene do Senhor em Jerusalém, tomados dos três sinópticos; na
Missa, lê-se a narração da Paixão do Senhor.
As leituras do Antigo Testamento referem-se à história da salvação, que é um dos temas
próprios da catequese quaresmal. Em cada ano há uma série de textos que apresentam os principais
elementos desta história da salvação, desde o princípio até à promessa da nova aliança.
As leituras do Apóstolo foram seleccionadas de maneira a corresponderem às leituras do
Evangelho e do Antigo Testamento e, na medida do possível, a haver entre elas uma adequada
conexão.

b) NOS DIAS FERIAIS


98. As leituras do Evangelho e do Antigo Testamento que foram seleccionadas têm mútua
relação entre si e tratam diversos temas próprios da catequese quaresmal, apropriados ao sentido
espiritual deste tempo. A partir da segunda-feira da quarta semana, é proposta a leitura semi-contínua
de São João, na qual aparecem os textos deste Evangelho que melhor correspondem às características
da Quaresma.
Como as leituras da Samaritana, do cego de nascença e da ressurreição de Lázaro se lêem
agora nos domingos, mas apenas no ano A (e nos outros apenas facultativamente), pretendeu-se
tornar possível a sua leitura também nos dias feriais: assim, no princípio das semanas terceira,
quarta e quinta, inseriram-se «Missas facultativas» com aqueles textos; essas Missas podem
utilizar-se em qualquer dia ferial da semana correspondente, em vez das leituras do dia.
A ESTRUTURA DO ORDENAMENTO DAS LEITURAS DA MISSA 35

Nos primeiros dias da Semana Santa, as leituras referem-se ao mistério da Paixão. Na


Missa Crismal, as leituras põem em relevo a função messiânica de Cristo e a sua continuação na
Igreja pelos sacramentos.

4. Tríduo Sagrado e Tempo Pascal

a) NO SAGRADO TRÍDUO PASCAL


99. Na Quinta-Feira da Ceia do Senhor, na Missa vespertina, a recordação da refeição que
precedeu o Êxodo ilumina de modo especial não só o exemplo de Cristo lavando os pés dos
discípulos, mas também as palavras de São Paulo sobre a instituição da Páscoa cristã na Eucaristia.
A acção litúrgica da Sexta-Feira da Paixão do Senhor atinge o seu ponto culminante no
relato, segundo São João, da Paixão d’Aquele que, como o Servo do Senhor anunciado no livro de
Isaías, Se tornou realmente o único sacerdote, oferecendo-Se a Si mesmo ao Pai.
Na Vigília Pascal da noite santa, propõem-se sete leituras do Antigo Testamento, que
recordam as maravilhas de Deus na história da salvação, e duas do novo, a saber, o anúncio da
Ressurreição segundo os três Evangelhos sinópticos e a leitura apostólica sobre o Baptismo cristão
como sacramento da Ressurreição de Cristo.
Para a Missa do dia de Páscoa, propõe-se a leitura do Evangelho de São João sobre o
encontro do sepulcro vazio. Também podem ser lidos, se se preferir, os textos propostos para a noite
santa, ou, quando há Missa vespertina, a narração de São Lucas sobre a aparição aos discípulos que
iam a caminho de Emaús. A primeira leitura toma-se dos Actos dos Apóstolos, livro que se utiliza
durante o Tempo Pascal em vez da leitura do Antigo Testamento. A leitura do Apóstolo refere-se
ao mistério da Páscoa que se deve viver na Igreja.

b) NOS DOMINGOS
100. Até ao terceiro domingo da Páscoa, as leituras do Evangelho relatam as aparições de Cristo
ressuscitado. As leituras do Bom Pastor estão atribuídas ao quarto domingo da Páscoa. Nos
domingos quinto, sexto e sétimo da Páscoa há passagens das palavras e da oração do Senhor depois
da última ceia.
A primeira leitura toma-se dos Actos dos Apóstolos, no ciclo de três anos, de modo
paralelo e progressivo; deste modo se apresentam cada ano algumas perspectivas da vida,
testemunho e progresso da Igreja primitiva.
Como leitura apostólica, lê-se no ano A a Primeira Epístola de São Pedro, no ano B a
Primeira Epístola de São João, no ano C o Apocalipse. Estes textos parecem estar muito de acordo
com o espírito de fé jubilosa e de firme esperança, que é próprio deste tempo.

c) NOS DIAS FERIAIS


101. A primeira leitura toma-se dos Actos dos Apóstolos, como nos domingos, de modo semi-
contínuo. Como Evangelho, dentro da Oitava da Páscoa, lêem-se os relatos das aparições do
Senhor. A seguir faz-se a leitura semi-contínua do Evangelho de São João, do qual se tomam agora
os textos de índole mais propriamente pascal, para completar assim a leitura já iniciada no Tempo
da Quaresma. Nesta leitura pascal, ocupam uma grande parte as palavras e a oração do Senhor
depois da ceia.

d) NAS SOLENIDADES DA ASCENSÃO E DO PENTECOSTES


102. A solenidade da Ascensão conserva como primeira leitura a narração do acontecimento
segundo os Actos dos Apóstolos, texto que é completado pelas leituras apostólicas acerca de Cristo
exaltado à direita do Pai. Como leitura do Evangelho, cada ciclo apresenta um texto próprio
segundo as variantes de cada evangelista.
36 PRELIMINARES

Na Missa que se celebra à tarde na Vigília do Pentecostes propõem-se quatro textos do


Antigo Testamento, a fim de se tomar um deles à escolha, para ilustrar o significado múltiplo da
solenidade. A leitura apostólica manifesta a acção exercida na Igreja pelo Espírito Santo. Por fim,
a leitura evangélica recorda a promessa do Espírito feita por Cristo antes de ser glorificado.
Na Missa do dia, toma-se como primeira leitura a habitual narração dos Actos dos
Apóstolos sobre o grande acontecimento do Pentecostes, enquanto o texto do Apóstolo manifesta
os efeitos da acção do Espírito na vida da Igreja. A leitura evangélica recorda Jesus comunicando
o Espírito aos seus discípulos, na tarde da Páscoa, enquanto os outros textos facultativos referem-
-se à acção do Espírito nos discípulos e na Igreja.

5. Tempo Comum

a) DISTRIBUIÇÃO E ESCOLHA DOS TEXTOS

103. O Tempo Comum começa na segunda-feira que se segue ao domingo que ocorre depois
do dia 6 de Janeiro e prolonga-se até à terça-feira antes da Quaresma, inclusive; retoma-se na
segunda-feira depois do domingo de Pentecostes e termina antes das primeiras Vésperas do
primeiro domingo do Advento.
O Ordenamento das Leituras apresenta leituras para os 34 domingos e as semanas que os
seguem. Às vezes, no entanto, as semanas do Tempo Comum são apenas 33. Além disso, alguns
domingos ou pertencem a outro tempo (domingo em que se celebra a festa do Baptismo do Senhor
e o domingo de Pentecostes), ou ficam impedidos pela ocorrência de uma solenidade (por exemplo,
a Santíssima Trindade, Nosso Senhor Jesus Cristo Rei do Universo).
104. Para ordenar correctamente o uso das leituras estabelecidas para o Tempo Comum, deve
observar-se o que segue:
1. O domingo em que é celebrada a festa do Baptismo do Senhor ocupa o lugar do Domingo
I do Tempo Comum; por conseguinte, as leituras da Semana I começam na segunda-feira a seguir
ao domingo que ocorre depois do dia 6 de Janeiro. Se a festa do Baptismo do Senhor se celebra na
segunda-feira a seguir ao domingo em que foi celebrada a Epifania, as leituras da Semana I
começam na terça-feira.
2. O domingo que se segue à festa do Baptismo do Senhor é o segundo do Tempo Comum.
Os restantes numeram-se em ordem sucessiva, até ao domingo que precede o início da Quaresma.
As leituras da semana em que ocorre a Quarta-Feira de Cinzas interrompem-se depois do dia que
precede esta Quarta-Feira.
3. Quando se retomam, depois do Domingo de Pentecostes, as leituras do Tempo Comum,
ordenam-se do seguinte modo:
___
Se os domingos do Tempo Comum são 34, toma-se aquela semana que se segue imediatamente
à semana cujas leituras se utilizaram em último lugar antes da Quaresma.115
___
Se os domingos do Tempo Comum são 33, omite-se a primeira semana que devia tomar-se
depois do Pentecostes, de modo que se possam ler no fim do ano os textos escatológicos atribuídos
às duas últimas semanas. 116

115
Assim, por ex., se as semanas antes da Quaresma foram seis, na segunda-feira depois do Pentecostes começa
a sétima semana. A solenidade da Santíssima Trindade ocupa o lugar de um domingo do Tempo Comum.
116
Se as semanas antes da Quaresma foram, por ex., cinco, na segunda-feira depois do Pentecostes, omitida
a sexta semana, começa-se pela sétima semana.
A ESTRUTURA DO ORDENAMENTO DAS LEITURAS DA MISSA 37

b) LEITURAS PARA OS DOMINGOS

1. Leituras do Evangelho
105. No Domingo II do Tempo Comum, o Evangelho refere-se ainda à manifestação do Senhor
celebrada na Epifania, pela perícope tradicional das bodas de Caná e outras duas tomadas
igualmente do Evangelho de São João.
A partir do Domingo III começa a leitura semi-contínua dos três Evangelhos sinópticos;
esta leitura está ordenada de modo a apresentar a doutrina própria de cada Evangelho, à medida que
vai decorrendo a vida e a pregação do Senhor.
Além disso, com esta distribuição consegue-se uma certa harmonia entre o sentido de cada
Evangelho e o decorrer do ano litúrgico. Com efeito, depois da Epifania lêem-se os inícios da
pregação do Senhor, que se articulam perfeitamente com o Baptismo e as primeiras manifestações
de Cristo. No fim do ano litúrgico, aborda-se espontaneamente o tema escatológico, próprio dos
últimos domingos; de facto os capítulos dos Evangelhos que precedem a narração da Paixão tratam
mais ou menos amplamente este tema.
No ano B inserem-se, depois do Domingo XVI, cinco leituras do capítulo 6 de São João
(«o pão da vida»); esta inserção faz-se de modo natural, porque a multiplicação dos pães do
Evangelho de São João ocupa o lugar da narrativa paralela em São Marcos. Na leitura semi-
-contínua de São Lucas, no ano C, o primeiro texto (isto é, no Domingo III) é precedido do prólogo
do Evangelho, que explica a intenção do autor de modo admirável e que parecia não ter lugar
noutro lado.

2. Leituras do Antigo Testamento


106. Estas leituras foram seleccionadas de harmonia com as perícopes evangélicas, para evitar
uma excessiva diversidade entre as leituras de cada Missa e sobretudo para manifestar a unidade
dos dois Testamentos. A relação entre as leituras da mesma Missa é esclarecida pela cuidadosa
selecção dos títulos que antecedem cada leitura.
A selecção foi feita, quanto possível, de modo que as leituras fossem breves e fáceis. Mas
também se providenciou para que se lesse nos domingos o maior número possível dos textos mais
importantes do Antigo Testamento, os quais foram distribuídos como o pedia a sua relação com a
leitura evangélica, isto é, sem uma ordem lógica: no entanto, o tesouro da palavra de Deus é de tal
modo aberto aos fiéis que quase todas as páginas principais do Antigo Testamento serão conhecidas
por aqueles que participam na Missa dominical.

3. Leituras do Apóstolo
107. Para a Epístola propõe-se a leitura semi-contínua das Epístolas de São Paulo e de São
Tiago (as Epístolas de São Pedro e de São João lêem-se no Tempo Pascal e no Tempo do Natal
do Senhor).
A Primeira Epístola aos Coríntios, dada a sua extensão e a diversidade de temas, foi
distribuída pelos três anos do ciclo, no início deste Tempo Comum. Também pareceu oportuno
distribuir a Epístola aos Hebreus em duas partes, lendo-se a primeira no ano B e a segunda
no ano C.
Convém notar que foram seleccionadas apenas leituras bastante breves e não demasiado
difíceis, de modo que sejam compreendidas pelos fiéis.
A tabela II, que se encontra mais adiante,117 indica a distribuição das Epístolas pelos
domingos do Tempo Comum nos três anos do ciclo.

117
Cf. adiante, p. 44.
38 PRELIMINARES

c) LEITURAS PARA AS SOLENIDADES DO SENHOR NO TEMPO COMUM

108. Para as solenidades da Santíssima Trindade, do Santíssimo Corpo e Sangue de Cristo e do


Sagrado Coração de Jesus, foram seleccionados textos que correspondem às principais catacterísticas
destas celebrações.
As leituras do Domingo XXXIV e último celebram Jesus Cristo, Rei do Universo,
sugerido pela figura de David, proclamado nas humilhações da Paixão e da Cruz, reinando na Igreja
e que virá de novo no fim dos tempos.

d) LEITURAS PARA OS DIAS FERIAIS

1) Os Evangelhos
l09. Os Evangelhos estão ordenados de modo que se leia primeiro São Marcos (semanas I-IX),
depois São Mateus (semanas X-XXI), por fim São Lucas (semanas XXII-XXXIV). Os capítulos
1 __ 12 de São Marcos lêem-se integralmente, exceptuando apenas duas perícopes, do capítulo 6,
que se lêem em dias feriais de outros tempos. De São Mateus e de São Lucas lê-se tudo aquilo que
não se encontra em São Marcos. Lêem-se duas ou três vezes algumas passagens, ou porque têm em
cada Evangelho características totalmente próprias, ou porque são necessárias para entender
correctamente a sequência do Evangelho. O discurso escatológico lê-se todo em São Lucas, e esta
leitura coincide com o fim do ano litúrgico.

2. A primeira leitura
110. Na primeira leitura procede-se de modo a utilizar durante algumas semanas ora um ora
outro Testamento, segundo a extensão dos livros que se lêem.
Dos livros do Novo Testamento lêem-se partes bastante amplas, de modo a apresentar-se
como que a substância de cada Epístola.
Do Antigo Testamento não era possível ler mais do que passagens escolhidas que
manifestam, quanto possível, as características de cada livro. Os textos históricos foram
seleccionados de maneira a dar uma visão global da história da salvação antes da Encarnação do
Senhor. Mas as narrativas demasiado longas dificilmente se poderiam apresentar: por vezes
seleccionaram-se versículos, para não tornar a leitura demasiado longa. Além disso, o significado
religioso dos acontecimentos históricos é por vezes iluminado por meio de alguns textos tomados
dos Livros Sapienciais, que se inserem, à maneira de introdução ou de conclusão, numa
determinada série histórica.
Quase todos os livros do Antigo Testamento encontraram lugar no Ordenamento das
Leituras para os dias feriais do Próprio do Tempo. Somente foram omitidos alguns livros proféticos
muito breves (Abdias, Sofonias) e um livro poético (Cântico dos Cânticos). Entre as narrativas
escritas com finalidade edificante, que exigem uma leitura bastante longa para serem entendidas,
lêem-se os livros de Tobias e de Rute e omitem-se as restantes (Ester, Judite). Destes livros,
contudo, existem alguns textos nos domingos e dias feriais de outros tempos.
A tabela III, que figura mais adiante,118 indica a distribuição dos livros de ambos os
Testamentos pelos dias feriais do Tempo Comum nos dois anos.
No final do ano litúrgico, lêem-se os livros que estão em consonância com a índole
escatológica deste tempo, a saber, Daniel e o Apocalipse.

118
Cf. adiante, p. 45.
A ESTRUTURA DO ORDENAMENTO DAS LEITURAS DA MISSA 39

CAPÍTULO VI

ADAPTAÇÕES, TRADUÇÕES E APRESENTAÇÃO GRÁFICA


DO ORDENAMENTO DAS LEITURAS

1. As adaptações e traduções
111. A palavra de Deus na assembleia litúrgica deve ser sempre proclamada a partir dos textos
latinos preparados pela Santa Sé ou das traduções em vernáculo aprovadas para uso litúrgico pelas
Conferências Episcopais segundo as normas vigentes.119
112. O Leccionário da Missa deve ser integralmente traduzido, em todas as suas partes, sem
exceptuar os Preliminares. Se a Conferência Episcopal considerar necessário e oportuno introduzir
algumas adaptações, estas devem ser inseridas após confirmação da Santa Sé.120
113. Dada a extensão do Leccionário, as edições constarão necessariamente de vários volumes,
para os quais não se prescreve qualquer divisão. Mas cada volume incluirá os textos em que se
expõe a estrutura e a finalidade da parte correspondente.
Recomenda-se o antigo costume de editar em separado um livro para os Evangelhos e
outro para as leituras do Antigo e do Novo Testamento.
Mas, se for julgado oportuno, pode editar-se separadamente o Leccionário dominical
___
no qual poderão incluir-se textos do Santoral julgados mais convenientes ___ e o Leccionário
ferial. O dominical poderá ser oportunamente dividido segundo o ciclo dos três anos, de modo que
seja apresentado tudo seguido para cada ano.
Podem ainda utilizar-se facultativamente outras divisões que porventura se encontrem e
pareçam mais aptas para o uso pastoral.
114. Os textos dos cânticos devem colocar-se sempre junto das leituras; mas poderão fazer-se
livros separados só com os cânticos. Recomenda-se que o texto se imprima dividido em estrofes.
115. Sempre que a leitura conste de partes diversas, tal estrutura do texto deve manifestar-se
claramente na disposição tipográfica. Também se recomenda que os textos, mesmo os não
poéticos, se imprimam divididos em estíquios, para tornar mais fácil a proclamação das leituras.
116. Quando há formas longas e breves, apresentam-se em separado, para se poder ler
facilmente cada uma delas; mas, quando tal separação não parecer oportuna, procure-se o modo de
ambos os textos se poderem proclamar sem equívocos.

119
Cf. Consilium ad exsequendam Const. de sacra Liturgia, Instr. De popularibus interpretationibus conficiendis,
25 de Jan. de 1969: Notitiae 5 (1969), pp. 3-12; Declaratio circa interpretationes textuum liturgicorum «ad interim»
paratas: Notitiae 5 (1969), p. 69; S. Congr. do Culto Divino, Declaratio de interpretatione textuum liturgicorum:
Notitiae 5 (1969), pp. 333-334 (Cf. tb. Responsiones ad dubia, em Notitiae 9 (1973), pp. 153-154); De unica
interpretatione textuum liturgicorum: Notitiae 6 ( 1970), pp. 84-85; S. Congr. dos Sacramentos e do Culto Divino,
Epistula ad Praesides Conferentiarum Episcopalium de linguis vulgaribus in S. Liturgiam inducendis: Notitiae 12
(1976), pp. 300-302.
120
Cf. S. Congr. do Culto Divino, Instr. Liturgicae instaurationes, 5 de Set. de 1970, n. 11: AAS 62 (1970),
pp. 702-703; Instrução Geral do Missal Romano, n. 325.
40 PRELIMINARES

117. Nas traduções em vernáculo, não se apresentem os textos sem os títulos. Ao título pode
acrescentar-se também, se parecer oportuno, uma admonição que explique mais claramente o
sentido geral da perícope, com algum sinal adequado ou em caracteres tipográficos diferentes, para
se ver claramente que se trata de um texto facultativo. 121
118. Em cada volume é oportuno acrescentar um índice bíblico das perícopes, semelhante ao
que se encontra neste volume,122 para que se possam encontrar com facilidade nos Leccionários da
Missa os textos necessários ou úteis para determinadas ocasiões.

2. A apresentação gráfica de cada leitura

Neste volume propõem-se, para cada leitura, a indicação do texto, o título e as palavras
iniciais («incipit»), acerca dos quais se deve observar o seguinte:

a) A INDICAÇÃO DO TEXTO

119. A indicação do texto (isto é, o capítulo e os versículos) é sempre dada segundo a edição
da Nova Vulgata, exceptuando os Salmos,123 embora se acrescente por vezes outra indicação
segundo o texto original (hebraico, aramaico ou grego), sempre que há discrepância. Nas traduções
em vernáculo, de acordo com o que determine a autoridade competente em cada língua, pode
conservar-se a numeração que corresponde à tradução aprovada pela mesma autoridade para uso
litúrgico. É necessário, no entanto, que haja sempre uma cuidadosa indicação dos capítulos e dos
versículos, a qual se colocará oportunamente também no próprio texto ou na margem do mesmo.
120. Desta indicação resulta que nos livros litúrgicos tem de haver a «inscrição»do texto, que
há-de ser lida na celebração, mas que se omite no Ordenamento das Leituras. Far-se-á de acordo
com as normas seguintes, que podem contudo ser modificadas por decisão das autoridades
competentes, conforme os costumes e conveniências de cada lugar ou de cada língua:
121. 1) Dir-se-á sempre «Leitura do Livro...», ou «Leitura da Epístola...», ou «Leitura do
Evangelho...»,* e não «Início» (a não ser que em casos especiais pareça oportuno) ou
«Continuação».
122. 2) Quanto ao nome dos livros, conservar-se-á o uso tradicional, com excepção dos casos
seguintes:
a) quando há dois livros com o mesmo nome, dir-se-á «Primeiro Livro» e «Segundo Livro»
(por exemplo, dos Reis, dos Macabeus), ou «Primeira Epístola», «Segunda Epístola»;
b) utiliza-se o nome hoje mais em uso para os seguintes livros:
«Primeiro e Segundo Livro de Samuel», em vez de Primeiro e Segundo Livro dos Reis;
«Primeiro e Segundo Livro dos Reis», em vez de Terceiro e Quarto Livro dos Reis
«Primeiro e Segundo Livro das Crónicas», em vez de Primeiro e Segundo Livro dos Paralipómenos;
«Livros de Esdras e de Neemias», em vez de Primeiro e Segundo Livros de Esdras;

121
Cf. Ibid., nn. 11, 29, 68 a, 139.
122
Cf. adiante, p. 393.
123
O número dos salmos é indicado segundo a ordem que se encontra no Liber Psalmorum, da Comissão
Pontifícia para a Nova Vulgata, Typ. Polygl. Vat., editado no ano de 1969. * Neste Leccionário em língua portuguesa
segue-se a numeração do «Saltério Litúrgico», editado pelo Secretariado Nacional de Liturgia.
* Nesta edição em língua portuguesa, com a aprovação da Sé Apostólica, não se diz «Leitura do
Evangelho ...», mas «Evangelho de Nosso Senhor».
A ESTRUTURA DO ORDENAMENTO DAS LEITURAS DA MISSA 41

c) distingam-se os livros sapienciais com os seguintes nomes: Livro de Job, dos


Provérbios, do Eclesiastes ou de Coeleth, do Cântico dos Cânticos, Livro da Sabedoria, do
Eclesiástico ou de Ben-Sirá (Sirácides);
d) quanto aos livros que na edição da Nova Vulgata se contam entre os Profetas, dir-se-á:
«Leitura do Livro de Isaías, de Jeremias, de Baruc» e «Leitura da profecia de Ezequiel, de Daniel,
de Oseias, ... de Malaquias», mesmo para aqueles que alguns não consideram verdadeiramente
proféticos.
e) dir-se-á «Lamentações» e «Epístola aos Hebreus», sem a menção de Jeremias ou de
São Paulo.

b) TÍTULO

123. Em cada texto escreve-se um título cuidadosamente escolhido (a maior parte das vezes
tomado das próprias palavras do texto), para se indicar o tema principal da leitura e, quando é
necessário, para que pelos próprios títulos se note a relação entre as leituras da mesma Missa.

c) PALAVRAS INICIAIS («INCIPIT»)

124. As palavras iniciais («incipit») contêm as habituais primeiras palavras introdutórias:


«Naquele tempo», «Naqueles dias», «Irmãos», «Caríssimos», «Eis o que diz o Senhor», que no
entanto se omitem quando no próprio texto há uma indicação suficiente de tempo ou de pessoas,
ou quando, pela natureza do texto, tais palavras não são oportunas. Nas diversas traduções, estas
fórmulas podem mudar-se ou omitir-se por decisão das autoridades competentes. Depois dessas
palavras, vem o início da leitura propriamente dito, suprimindo-se ou acrescentando-se algumas
palavras, conforme for necessário para a compreensão do texto separado do seu contexto. Dão-se
também indicações convenientes quando o texto é construído por versículos não contínuos, se, por
esse motivo, tiver de se fazer-se alterações.

d) ACLAMAÇÃO FINAL

125. No final das leituras, para tornar mais fácil a aclamação do povo, propõem-se as palavras:
«Palavra do Senhor», que o leitor deve proferir, ou outra expressão do mesmo género, conforme
os costumes locais. **

** Nos países de língua portuguesa, com a aprovação da Sé Apostólica, diz-se, no fim do Evangelho: «Palavra
da salvação».
42 PRELIMINARES

TABELA I

TABELA TEMPORÁRIA

Corpo e
Ano Ciclo Ciclo Cinzas Páscoa Ascensão * Pente- Sangue de
festivo ferial costes Cristo *

1992 C II 4 Mar. 19 Abril (28) 31 Maio 7 Junho (18) 21 Junho


1993 A I 24 Fev. 11 Abril (20) 23 Maio 30 Maio (10) 13 Junho
1994 B II 16 Fev. 3 Abril (12) 15 Maio 22 Maio (2) 5 Junho
1995 C I 1 Mar. 16 Abril (25) 28 Maio 4 Junho (15) 18 Junho

1996 A II 21 Fev. 7 Abril (16) 19 Maio 26 Maio (6) 9 Junho


1997 B I 12 Fev. 30 Mar. (8) 11 Maio 18 Maio (29 M.) 1 Jun
1998 C II 25 Fev. 12 Abril (21) 24 Maio 31 Maio (11) 14 Junho
1999 A I 17 Fev. 4 Abril (13) 16 Maio 23 Maio (3) 6 Junho

2000 B II 8 Mar. 23 Abril (1) 4 Junho 11 Junho (22) 25 Junho


2001 C I 28 Fev. 15 Abril (24) 27 Maio 3 Junho (14) 17 Junho
2002 A II 13 Fev. 31 Mar. (9) 12 Maio 19 Maio (30 M.) 2 Jun
2003 B I 5 Mar. 20 Abril (29 M.) 1 Jun 8 Junho (19) 22 Junho

2004 C II 25 Fev. 11 Abril (20) 23 Maio 30 Maio (10) 13 Junho


2005 A I 9 Fev. 27 Mar. (5) 8 Maio 15 Maio (26) 29 Maio
2006 B II 1 Mar. 16 Abril (25) 28 Maio 4 Junho (15) 18 Junho
2007 C I 21 Fev. 8 Abril (17) 20 Maio 27 Maio (7) 10 Junho

2008 A II 6 Fev. 23 Mar. (1) 4 Maio 11 Maio (22) 25 Maio


2009 B I 25 Fev. 12 Abril (21) 24 Maio 31 Maio (11) 14 Junho
2010 C II 17 Fev. 4 Abril (13) 16 Maio 23 Maio (3) 6 Junho
2011 A I 9 Mar. 24 Abril (2) 5 Junho 12 Junho (23) 26 Junho

2012 B II 22 Fev. 8 Abril (17) 20 Maio 27 Maio (7) 10 Junho


2013 C I 13 Fev. 31 Mar. (9) 12 Maio 19 Maio (30 M.) 2 Jun
2014 A II 5 Mar. 20 Abril (29 M.) 1 Jun 8 Junho (19) 22 Junho
2015 B I 18 Fev. 5 Abril (14) 17 Maio 24 Maio (4) 7 Junho

2016 C II 10 Fev. 27 Mar. (5) 8 Maio 15 Maio (26) 29 Maio


2017 A I 1 Mar. 16 Abril (25) 28 Maio 4 Junho (15) 18 Junho
2018 B II 14 Fev. 1 Abril (10) 13 Maio 20 Maio (31 M.) 3 Jun
2019 C I 6 Mar. 21 Abril (30 M.) 2 Jun 9 Junho (20) 23 Junho

2020 A II 26 Fev. 12 Abril (21) 24 Maio 31 Maio (11) 14 Junho


2021 B I 17 Fev. 4 Abril (13) 16 Maio 23 Maio (3) 6 Junho
2022 C II 2 Mar. 17 Abril (26) 29 Maio 5 Junho (16) 19 Junho
2023 A I 22 Fev. 9 Abril (18) 21 Maio 28 Maio (8) 11 Junho

2024 B II 14 Fev. 31 Mar. (9)12 Maio 19 Maio (30 M.) 2 Jun


2025 C I 5 Mar. 20 Abril (29 M.) 1 Jun 8 Junho (19) 22 Junho

* O dia assinalado entre parêntesis refere-se à celebração segundo o Calendário romano; o outro indica o dia da
transferência, onde estas solenidades são celebradas no Domingo seguinte ao dia próprio.
CALENDÁRIO 43

DAS PRINCIPAIS CELEBRAÇÕES DO ANO LITÚRGICO

S e m a n a s do T e m p o C o m u m
Ano Ciclo Ciclo Domingo I
festivo antes da Quaresma depois da Quaresma
ferial do Advento
até ao dia semana desde o dia semana

1992 C II 3 Mar. 8 8 Junho 10 29 Nov.


1993 A I 23 Fev. 7 31 Maio 9 28 Nov.
1994 B II 15 Fev. 6 23 Maio 8 27 Nov.
1995 C I 28 Fev. 8 5 Junho 9 3 Dez.

1996 A II 20 Fev. 7 27 Maio 8 1 Dez.


1997 B I 11 Fev. 5 19 Maio 7 30 Nov.
1998 C II 24 Fev. 7 1 Junho 9 29 Nov.
1999 A I 16 Fev. 6 24 Maio 8 28 Nov.

2000 B II 7 Mar. 9 12 Junho 10 3 Dez.


2001 C I 27 Fev. 8 4 Junho 9 2 Dez.
2002 A II 12 Fev. 5 20 Maio 7 1 Dez.
2003 B I 4 Mar. 8 9 Junho 10 30 Nov.

2004 C II 24 Fev. 7 31 Maio 9 28 Nov.


2005 A I 8 Fev. 5 16 Maio 7 27 Nov.
2006 B II 28 Fev. 8 5 Junho 9 3 Dez.
2007 C I 20 Fev. 7 28 Maio 8 2 Dez.

2008 A II 5 Fev. 4 12 Maio 6 30 Nov.


2009 B I 24 Fev. 7 1 Junho 9 29 Nov.
2010 C II 16 Fev. 6 24 Maio 8 28 Nov.
2011 A I 8 Mar. 9 13 Junho 11 27 Nov

2012 B II 21 Fev. 7 28 Maio 8 2 Dez.


2013 C I 12 Fev. 5 20 Maio 7 1 Dez.
2014 A II 4 Mar. 8 9 Junho 10 30 Nov.
2015 B I 17 Fev. 6 25 Maio 8 29 Nov.

2016 C II 9 Fev. 5 16 Maio 7 27 Nov.


2017 A I 28 Fev. 8 5 Junho 9 3 Dez.
2018 B II 13 Fev. 6 21 Maio 7 2 Dez.
2019 C I 5 Mar. 8 10 Junho 10 1 Dez.

2020 A II 25 Fev. 7 1 Junho 9 29 Nov.


2021 B I 16 Fev. 6 24 Maio 8 28 Nov.
2022 C II 1 Mar. 8 6 Junho 10 27 Nov.
2023 A I 21 Fev. 7 29 Maio 8 3 Dez.

2024 B II 13 Fev. 6 20 Maio 7 1 Dez.


2025 C I 4 Mar. 8 9 Junho 10 30 Nov.
44 PRELIMINARES

T A B E L A II

ORDENAMENTO DA LEITURA II NOS DOMINGOS DO TEMPO COMUM

Do-
mingo Ano A Ano B Ano C

2 ... 1 Coríntios 1 – 4 ... ... 1 Coríntios 6 – 11 ... ...1 Coríntios 12 – 15...


3 ... » ... ... » ... ... » ...
4 ... » ... ... » ... ... » ...
5 ... » ... ... » ... ... » ...
6 ... » ... ... » ... ... » ...
7 ... » ... ... 2 Coríntios ... ... » ...
8 ... » ... ... » ... ... » ...
9 ... Romanos ... ... » ... ... Gálatas ...
10 ... » ... ... » ... ... » ...
11 ... » ... ... » ... ... » ...
12 ... » ... ... » ... ... » ...
13 ... » ... ... » ... ... » ...
14 ... » ... ... » ... ... » ...
15 ... » ... ... Efésios ... ... Colossenses ...
16 ... » ... ... » ... ... » ...
17 ... » ... ... » ... ... » ...
18 ... » ... ... » ... ... » ...
19 ... » ... ... » ... ... Hebreus 11 – 12 ...
20 ... » ... ... » ... ... » ...
21 ... » ... ... » ... ... » ...
22 ... » ... ... Tiago ... ... » ...
23 ... » ... ... » ... ... Filémon ...
24 ... » ... ... » ... ... 1 Timóteo ...
25 ... Filipenses ... ... » ... ... » ...
26 ... » ... ... » ... ... » ...
27 ... » ... ... Hebreus 2 – 10 ... ... 2 Timóteo ...
28 ... » ... ... » ... ... » ...
29 ... 1 Tessalonicenses ... ... » ... ... » ...
30 ... » ... ... » ... ... » ...
31 ... » ... ... » ... ... 2 Tessalonicenses...
32 ... » ... ... » ... ... » ...
33 ... » ... ... » ... ... » ...
ORDENAMENTO DAS LEITURAS 45

T A B E L A III

ORDENAMENTO DA LEITURA I NOS DIAS FERIAIS DO TEMPO COMUM

Se-
Ano I Ano II
mana

1 ... Hebreus ... ... 1 Samuel ...


2 ... » ... ... » ...
3 ... » ... ... 2 Samuel ...
4 ... » ... ... 2 Samuel e 1 Reis 1 – 16 ...
5 ... Génesis 1 – 11 ... ... 1 Reis 1 – 16 ...
6 ... » ... ... Tiago ...
7 ... Ben-Sirá (Ecli.) ... ... » ...
8 ... » ... ... 1 Pedro e Judas ...
9 ... Tobias ... ... 2 Pedro e 2 Timóteo ...
10 ... 2 Coríntios ... ... 1 Reis 17 – 22 ...
11 ... » ... ... 1 Reis 17 – 22 e 2 Reis ...
12 ... Génesis 12 – 50 ... ... 2 Reis e Lamentações ...
13 ... » ... ... Amós ...
14 ... » ... ... Oseias e Isaías ...
15 ... Êxodo ... ... Isaías e Miqueias ...
16 ... » ... ... Miqueias e Jeremias ...
17 ... Êxodo e Levítico ... ... Jeremias ...
18 ... Números e Deuteronómio ... ... Jeremias, Naum, Habacuc ...
19 ... Deuteronómio e Josué ... ... Ezequiel ...
20 ... Juízes e Rute ... ... » ...
21 ... 1 Tessalonicenses ... ... 2 Tessalonicenses e 1 Coríntios ...
22 ... 1 Tessalonicenses e Colossenses ... ... 1 Coríntios ...
23 ... Colossenses e 1 Timóteo ... ... » ...
24 ... 1 Timóteo ... ... » ...
25 ... Esdras, Ageu e Zacarias ... ... Provérbios e Coeleth (Ecle.) ...
26 ... Zacarias, Neemias e Baruc ... ... Job ...
27 ... Jonas, Malaquias e Joel ... ... Gálatas ...
28 ... Romanos ... ... Gálatas e Efésios ...
29 ... » ... ... Efésios ...
30 ... » ... ... » ...
31 ... » ... ... Efésios e Filipenses ...
32 ... Sabedoria ... ... Tito, Filémon, 2 e 3 João ...
33 ... 1 e 2 Macabeus ... ... Apocalipse ...
34 ... Daniel ... ... » ...
46 PRELIMINARES

ÍNDICE DAS SIGLAS

Abd ................. Profecia de Abdias


Actos .............. Actos dos Apóstolos
Ag ................... Profecia de Ageu
Am .................. Profecia de Amós
Ap ................... Apocalipse de São João

Bar.................. Livro de Baruc

Cant................ Cântico dos Cânticos


Co ................... Livro de Coeleth (= Eclesiastes)
Col .................. Epístola do apóstolo São Paulo aos Colossenses
1 e 2 Cor ........ Epístola I e II do apóstolo São Paulo aos Coríntios
1 e 2 Cr .......... Livro I e II das Crónicas (= I e II dos Paralipómenos)

Dan ................. Profecia de Daniel


Deut ................ Livro do Deuteronómio

Ef .................... Epístola do apóstolo São Paulo aos Efésios


Esdr ................ Livro de Esdras (= I de Esdras)
Est .................. Livro de Ester
Ex ................... Livro do Êxodo
Ez .................... Profecia de Ezequiel

Flm ................. Epístola do apóstolo São Paulo a Filémon


Filip ................ Epístola do apóstolo São Paulo aos Filipenses

Gal .................. Epístola do apóstolo São Paulo aos Gálatas


Gen ................. Livro do Génesis

Hab ................. Profecia de Habacuc


Hebr ............... Epístola aos Hebreus

Is ..................... Livro de Isaías

Jer .................. Livro de Jeremias


Judas .............. Epístola de São Judas
Judite ............. Livro de Judite
Jo .................... Evangelho segundo São João
1, 2 e 3 Jo....... Epístola I, II e III de São João
Job .................. Livro de Job
ÍNDICE DAS SIGLAS 47

Joel ................. Profecia de Joel


Jonas .............. Profecia de Jonas
Jos .................. Livro de Josué
Jz .................... Livro dos Juízes

Lam ................ Lamentações ( = Trenos)


Lev.................. Livro do Levítico
Lc .................... Evangelho segundo São Lucas

Mal ................. Profecia de Malaquias


Mc................... Evangelho segundo São Marcos
Mt ................... Evangelho segundo São Mateus
1 e 2 Mac ....... Livro I e II dos Macabeus
Miq ................. Profecia de Miqueias

Naum.............. Profecia de Naum


Ne ................... Livro de Neemias ( = II de Esdras)
Num ................ Livro dos Números

Os ................... Profecia de Oseias

1 e 2 Pedro .... Epístola I e II de São Pedro


Prov ................ Livro dos Provérbios

1 e 2 Reis ....... I e II Livro dos Reis ( = III e IV dos Reis)


Rom ................ Epístola do apóstolo São Paulo aos Romanos
Rute ................ Livro de Rute

Sab .................. Livro da Sabedoria


Salmo ............. Livro dos Salmos
1 e 2 Sam ....... Livro I e II de Samuel ( = I e II dos Reis)
Sir ................... Livro de Ben-Sirá ( = Sirácides = Eclesiástico)
Sof .................. Profecia de Sofonias

1 e 2 Tes ......... Epístola I e II do apóstolo São Paulo aos Tessalonicenses


Tg ................... Epístola de São Tiago
1 e 2 Tim ........ Epístola I e II do apóstolo São Paulo a Timóteo
Tito ................. Epístola do apóstolo São Paulo a Tito
Tob.................. Livro de Tobias

Zac .................. Profecia de Zacarias


PRÓPRIO DO TEMPO
TEMPO DO ADVENTO
DOMINGO I DO ADVENTO

LEITURA I Is 2, 1-5

O Senhor chama todos os povos


à paz eterna do reino de Deus

Leitura do Livro de Isaías


Visão de Isaías, filho de Amós,
acerca de Judá e de Jerusalém:
Sucederá, nos dias que hão-de vir,
que o monte do templo do Senhor
se há-de erguer no cimo das montanhas
e se elevará no alto das colinas.
Ali afluirão todas as nações
e muitos povos acorrerão, dizendo:
«Vinde, subamos ao monte do Senhor,
ao templo do Deus de Jacob.
Ele nos ensinará os seus caminhos
e nós andaremos pelas suas veredas.
De Sião há-de vir a lei
e de Jerusalém a palavra do Senhor».
Ele será juiz no meio das nações
e árbitro de povos sem número.
Converterão as espadas em relhas de arado
e as lanças em foices.
Não levantará a espada nação contra nação,
nem mais se hão-de preparar para a guerra.
Vinde, ó casa de Jacob,
caminhemos à luz do Senhor.
Palavra do Senhor.
54 TEMPO DO ADVENTO

SALMO RESPONSORIAL 121 (122), 1-2.4-5.6-7.8-9 (R. cf. 1)


Refrão: Vamos com alegria para a casa do Senhor.
Alegrei-me quando me disseram:
«Vamos para a casa do Senhor».
Detiveram-se os nossos passos
às tuas portas, Jerusalém.
Para lá sobem as tribos, as tribos do Senhor,
segundo o costume de Israel,
para celebrar o nome do Senhor;
ali estão os tribunais da justiça,
os tribunais da casa de David.
Pedi a paz para Jerusalém:
«Vivam seguros quantos te amam.
Haja paz dentro dos teus muros,
tranquilidade em teus palácios».
Por amor de meus irmãos e amigos,
pedirei a paz para ti.
Por amor da casa do Senhor,
pedirei para ti todos os bens.

LEITURA II Rom 13, 11-14


Está perto a salvação
Leitura da Epístola do apóstolo São Paulo aos Romanos
Irmãos:
Vós sabeis em que tempo estamos:
Chegou a hora de nos levantarmos do sono,
porque a salvação está agora mais perto de nós
do que quando abraçámos a fé.
A noite vai adiantada e o dia está próximo.
Abandonemos as obras das trevas
e revistamo-nos das armas da luz.
Andemos dignamente, como em pleno dia,
evitando comezainas e excessos de bebida,
as devassidões e libertinagens, as discórdias e ciúmes;
DOMINGO I 55

não vos preocupeis com a natureza carnal


para satisfazer os seus apetites,
mas revesti-vos do Senhor Jesus Cristo.
Palavra do Senhor.

ALELUIA Salmo 84, 8


Refrão: Aleluia. Repete-se
Mostrai-nos, Senhor, a vossa misericórdia
e dai-nos a vossa salvação. Refrão

EVANGELHO Mt 24, 37-44


Vigiai, para que estejais preparados
✠ Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Mateus
Naquele tempo,
disse Jesus aos seus discípulos:
«Como aconteceu nos dias de Noé,
assim sucederá na vinda do Filho do homem.
Nos dias que precederam o dilúvio,
comiam e bebiam, casavam e davam em casamento,
até ao dia em que Noé entrou na arca;
e não deram por nada,
até que veio o dilúvio, que a todos levou.
Assim será também na vinda do Filho do homem.
Então, de dois que estiverem no campo,
um será tomado e outro deixado;
de duas mulheres que estiverem a moer com a mó,
uma será tomada e outra deixada.
Portanto, vigiai,
porque não sabeis em que dia virá o vosso Senhor.
Compreendei isto:
se o dono da casa soubesse a que horas da noite viria o ladrão,
estaria vigilante e não deixaria arrombar a sua casa.
Por isso, estai vós também preparados,
porque na hora em que menos pensais,
virá o Filho do homem.
Palavra da salvação.
56 TEMPO DO ADVENTO

DOMINGO II DO ADVENTO

LEITURA I Is 11, 1-10


«Julgará os infelizes com justiça»
Leitura do Livro de Isaías
Naquele dia,
sairá um ramo do tronco de Jessé
e um rebento brotará das suas raízes.
Sobre ele repousará o espírito do Senhor:
espírito de sabedoria e de inteligência,
espírito de conselho e de fortaleza,
espírito de conhecimento e de temor de Deus.
Animado assim do temor de Deus,
não julgará segundo as aparências,
nem decidirá pelo que ouvir dizer.
Julgará os infelizes com justiça
e com sentenças rectas os humildes do povo.
Com o chicote da sua palavra atingirá o violento
e com o sopro dos seus lábios exterminará o ímpio.
A justiça será a faixa dos seus rins
e a lealdade a cintura dos seus flancos.
O lobo viverá com o cordeiro
e a pantera dormirá com o cabrito;
o bezerro e o leãozinho andarão juntos
e um menino os poderá conduzir.
A vitela e a ursa pastarão juntamente,
suas crias dormirão lado a lado;
e o leão comerá feno como o boi.
A criança de leite brincará junto ao ninho da cobra
e o menino meterá a mão na toca da víbora.
Não mais praticarão o mal nem a destruição
em todo o meu santo monte:
o conhecimento do Senhor encherá o país,
como as águas enchem o leito do mar.
DOMINGO II 57

Nesse dia, a raiz de Jessé surgirá como bandeira dos povos;


as nações virão procurá-la e a sua morada será gloriosa.
Palavra do Senhor.

SALMO RESPONSORIAL 71 (72), 2.7-8.12-13.17 (R. cf. 7)

Refrão: Nos dias do Senhor nascerá a justiça


e a paz para sempre.
Ó Deus, dai ao rei o poder de julgar
e a vossa justiça ao filho do rei.
Ele governará o vosso povo com justiça
e os vossos pobres com equidade.
Florescerá a justiça nos seus dias
e uma grande paz até ao fim dos tempos.
Ele dominará de um ao outro mar,
do grande rio até aos confins da terra.
Socorrerá o pobre que pede auxílio
e o miserável que não tem amparo.
Terá compaixão dos fracos e dos pobres
e defenderá a vida dos oprimidos.
O seu nome será eternamente bendito
e durará tanto como a luz do sol;
nele serão abençoadas todas as nações,
todos os povos da terra o hão-de bendizer.

LEITURA II Rom 15, 4-9


Cristo salva todos os homens
Leitura da Epístola do apóstolo São Paulo aos Romanos
Irmãos:
Tudo o que foi escrito no passado
foi escrito para nossa instrução,
a fim de que, pela paciência e consolação que vêm das Escrituras,
tenhamos esperança.
58 TEMPO DO ADVENTO

O Deus da paciência e da consolação vos conceda


que alimenteis os mesmos sentimentos uns para com os outros,
segundo Cristo Jesus,
para que, numa só alma e com uma só voz,
glorifiqueis a Deus, Pai de Nosso Senhor Jesus Cristo.
Acolhei-vos, portanto, uns aos outros,
como Cristo vos acolheu,
para glória de Deus.
Pois Eu vos digo que Cristo Se fez servidor dos judeus,
para mostrar a fidelidade de Deus
e confirmar as promessas feitas aos nossos antepassados.
Por sua vez, os gentios dão glória a Deus pela sua misericórdia,
como está escrito:
«Por isso eu Vos bendirei entre as nações
e cantarei a glória do vosso nome».
Palavra do Senhor.

ALELUIA Lc 3, 4.6

Refrão: Aleluia. Repete-se


Preparai o caminho do Senhor, endireitai as suas veredas
e toda a criatura verá a salvação de Deus. Refrão

EVANGELHO Mt 3, 1-12
«Arrependei-vos, porque está perto o reino dos Céus»
✠ Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Mateus
Naqueles dias,
apareceu João Baptista a pregar no deserto da Judeia, dizendo:
«Arrependei-vos, porque está perto o reino dos Céus».
Foi dele que o profeta Isaías falou, ao dizer:
«Uma voz clama no deserto:
‘Preparai o caminho do Senhor, endireitai as suas veredas’».
João tinha uma veste tecida com pêlos de camelo
e uma cintura de cabedal à volta dos rins.
O seu alimento eram gafanhotos e mel silvestre.
DOMINGO II 59

Acorria a ele gente de Jerusalém,


de toda a Judeia e de toda a região do Jordão;
e eram baptizados por ele no rio Jordão,
confessando os seus pecados.
Ao ver muitos fariseus e saduceus que vinham ao seu baptismo,
disse-lhes:
«Raça de víboras,
quem vos ensinou a fugir da ira que está para vir?
Praticai acções
que se conformem ao arrependimento que manifestais.
Não penseis que basta dizer:
‘Abraão é o nosso pai’,
porque eu vos digo:
Deus pode suscitar, destas pedras, filhos de Abraão.
O machado já está posto à raiz das árvores.
Por isso, toda a árvore que não dá fruto
será cortada e lançada ao fogo.
Eu baptizo-vos com água,
para vos levar ao arrependimento.
Mas Aquele que vem depois de mim é mais forte do que eu
e não sou digno de levar as suas sandálias.
Ele baptizar-vos-á no Espírito Santo e no fogo.
Tem a pá na sua mão:
há-de limpar a eira e recolher o trigo no celeiro.
Mas a palha, queimá-la-á num fogo que não se apaga».
Palavra da salvação.
60 TEMPO DO ADVENTO

DOMINGO III DO ADVENTO

LEITURA I Is 35, 1-6a.10

«Deus vem salvar-nos»»

Leitura do Livro de Isaías


Alegrem-se o deserto e o descampado,
rejubile e floresça a terra árida,
cubra-se de flores como o narciso,
exulte com brados de alegria.
Ser-lhe-á dada a glória do Líbano,
o esplendor do Carmelo e do Sáron.
Verão a glória do Senhor,
o esplendor do nosso Deus.
Fortalecei as mãos fatigadas
e robustecei os joelhos vacilantes.
Dizei aos corações perturbados:
«Tende coragem, não temais:
Aí está o vosso Deus,
vem para fazer justiça e dar a recompensa.
Ele próprio vem salvar-vos».
Então se abrirão os olhos dos cegos
e se desimpedirão os ouvidos dos surdos.
Então o coxo saltará como um veado
e a língua do mudo cantará de alegria.
Voltarão os que o Senhor libertar,
hão-de chegar a Sião com brados de alegria,
com eterna felicidade a iluminar-lhes o rosto.
Reinarão o prazer e o contentamento
e acabarão a dor e os gemidos.
Palavra do Senhor.
DOMINGO III 61

SALMO RESPONSORIAL 145 (146), 7.8-9a.9bc-10 (R. cf. Is 35, 4)

Refrão: Vinde, Senhor, e salvai-nos.


Ou: Vinde salvar-nos, Senhor.
O Senhor faz justiça aos oprimidos,
dá pão aos que têm fome
e a liberdade aos cativos.
O Senhor ilumina os olhos dos cegos,
o Senhor levanta os abatidos,
o Senhor ama os justos.
O Senhor protege os peregrinos,
ampara o órfão e a viúva
e entrava o caminho aos pecadores.
O Senhor reina eternamente.
o teu Deus, ó Sião,
é rei por todas as gerações.

LEITURA II Tg 5, 7-10
«Fortalecei os vossos corações,
porque a vinda do Senhor está próxima»
Leitura da Epístola de São Tiago
Irmãos:
Esperai com paciência a vinda do Senhor.
Vede como o agricultor espera pacientemente
o precioso fruto da terra,
aguardando a chuva temporã e a tardia.
Sede pacientes, vós também,
e fortalecei os vossos corações,
porque a vinda do Senhor está próxima.
Não vos queixeis uns dos outros,
a fim de não serdes julgados.
Eis que o Juiz está à porta.
Irmãos, tomai como modelos de sofrimento e de paciência
os profetas, que falaram em nome do Senhor.
Palavra do Senhor.
62 TEMPO DO ADVENTO

ALELUIA Is 61, 1 (cf. Lc 4, 18)

Refrão: Aleluia. Repete-se


O Espírito do Senhor está sobre mim:
enviou-me a anunciar a boa nova aos pobres. Refrão

EVANGELHO Mt 11, 2-11


«És tu Aquele que há-de vir ou devemos esperar outro?»
✠ Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Mateus
Naquele tempo,
João Baptista ouviu falar, na prisão, das obras de Cristo
e mandou-Lhe dizer pelos discípulos:
«És Tu Aquele que há-de vir ou devemos esperar outro?»
Jesus respondeu-lhes:
«Ide contar a João o que vedes e ouvis:
os cegos vêem, os coxos andam, os leprosos são curados,
os surdos ouvem, os mortos ressuscitam
e a boa nova é anunciada aos pobres.
E bem-aventurado aquele que não encontrar em Mim
motivo de escândalo».
Quando os mensageiros partiram,
Jesus começou a falar de João às multidões:
«Que fostes ver ao deserto? Uma cana agitada pelo vento?
Então que fostes ver? Um homem vestido com roupas delicadas?
Mas aqueles que usam roupas delicadas
encontram-se nos palácios dos reis.
Que fostes ver então? Um profeta?
Sim __ Eu vo-lo digo __ e mais que profeta.
É dele que está escrito:
‘Vou enviar à tua frente o meu mensageiro,
para te preparar o caminho’.
Em verdade vos digo:
Entre os filhos de mulher,
não apareceu ninguém maior do que João Baptista.
Mas o menor no reino dos Céus é maior do que ele».
Palavra da salvação.
DOMINGO IV 63

DOMINGO IV DO ADVENTO

LEITURA Is 7, 10-14
«A virgem conceberá»
Leitura do Livro de Isaías
Naqueles dias,
o Senhor mandou ao rei Acaz a seguinte mensagem:
«Pede um sinal ao Senhor teu Deus,
quer nas profundezas do abismo,
quer lá em cima nas alturas».
Acaz respondeu:
«Não pedirei, não porei o Senhor à prova».
Então Isaías disse:
«Escutai, casa de David:
Não vos basta que andeis a molestar os homens
para quererdes também molestar o meu Deus?
Por isso, o próprio Senhor vos dará um sinal:
a virgem conceberá e dará à luz um filho
e o seu nome será Emanuel».
Palavra do Senhor.

SALMO RESPONSORIAL 23 (24), 1-2.3-4ab.5-6 (R. 7c e 10b)

Refrão: Venha o Senhor: é Ele o rei glorioso.


Ou: O Senhor virá: Ele é o rei da glória.
Do Senhor é a terra e o que nela existe,
o mundo e quantos nele habitam.
Ele a fundou sobre os mares
e a consolidou sobre as águas.
Quem poderá subir à montanha do Senhor?
Quem habitará no seu santuário?
O que tem as mãos inocentes e o coração puro,
que não invocou o seu nome em vão nem jurou falso.
64 TEMPO DO ADVENTO

Este será abençoado pelo Senhor


e recompensado por Deus, seu Salvador.
Esta é a geração dos que O procuram,
que procuram a face do Deus de Jacob.

LEITURA II Rom 1, 1-7

Jesus Cristo, nascido da descendência de David, segundo a carne

Leitura da Epístola do apóstolo São Paulo aos Romanos


Paulo, servo de Jesus Cristo,
apóstolo por chamamento divino,
escolhido para o Evangelho
que Deus tinha de antemão prometido pelos profetas
nas Sagradas Escrituras, acerca de seu Filho,
nascido, segundo a carne, da descendência de David,
mas, segundo o Espírito que santifica,
constituído Filho de Deus em todo o seu poder
pela sua ressurreição de entre os mortos:
Ele é Jesus Cristo, Nosso Senhor.
Por Ele recebemos a graça e a missão de apóstolo,
a fim de levarmos todos os gentios a obedecerem à fé,
para honra do seu nome,
dos quais fazeis parte também vós,
chamados por Jesus Cristo.
A todos os que habitam em Roma,
amados por Deus e chamados a serem santos,
a graça e a paz de Deus nosso Pai
e do Senhor Jesus Cristo.
Palavra do Senhor.

ALELUIA Mt 1, 23

Refrão: Aleluia. Repete-se


A Virgem conceberá e dará à luz um Filho,
que será chamado Emanuel, Deus connosco. Refrão
DOMINGO IV 65

EVANGELHO Mt 1, 18-24

Jesus nascerá de Maria,


noiva de José, filho de David

✠ Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Mateus


O nascimento de Jesus deu-se do seguinte modo:
Maria, sua Mãe, noiva de José,
antes de terem vivido em comum,
encontrara-se grávida por virtude do Espírito Santo.
Mas José, seu esposo,
que era justo e não queria difamá-la,
resolveu repudiá-la em segredo.
Tinha ele assim pensado,
quando lhe apareceu num sonho o Anjo do Senhor,
que lhe disse:
«José, filho de David,
não temas receber Maria, tua esposa,
pois o que nela se gerou é fruto do Espírito Santo.
Ela dará à luz um Filho
e tu pôr-Lhe-ás o nome de Jesus,
porque Ele salvará o povo dos seus pecados».
Tudo isto aconteceu para se cumprir o que o Senhor anunciara
por meio do Profeta, que diz:
«A Virgem conceberá e dará à luz um Filho,
que será chamado ‘Emanuel’,
que quer dizer ‘Deus connosco’».
Quando despertou do sono,
José fez como o Anjo do Senhor lhe ordenara
e recebeu sua esposa.
Palavra da salvação.
TEMPO DO NATAL
25 de Dezembro

NATAL DO SENHOR

Missa da Vigília

Estas leituras utilizam-se na Missa celebrada no dia 24 de Dezembro à


tarde, quer antes quer depois das Vésperas I do Natal.

LEITURA I Is 62, 1-5


«Serás a predilecta do Senhor»

Leitura do Livro de Isaías


Por amor de Sião não me calarei,
por amor de Jerusalém não terei repouso,
enquanto a sua justiça não despontar como a aurora
e a sua salvação não resplandecer como facho ardente.
Os povos hão-de ver a tua justiça
e todos os reis da terra a tua glória.
Receberás um nome novo,
que a boca do Senhor designará.
Serás coroa esplendorosa nas mãos do Senhor,
diadema real nas mãos do teu Deus.
Não mais te chamarão «Abandonada»,
nem à tua terra «Deserta»;
mas hão-de chamar-te «Predilecta»
e à tua terra «Desposada»,
porque serás a predilecta do Senhor
e a tua terra terá um esposo.
Tal como o jovem desposa uma virgem,
o teu Construtor te desposará;
e como a esposa é a alegria do marido,
tu serás a alegria do teu Deus.
Palavra do Senhor.
70 TEMPO DO NATAL

SALMO RESPONSORIAL Salmo 88 (89), 4-5.16-17. 27 e 29 (R. 2a)

Refrão: Cantarei eternamente as misericórdias do Senhor.


Concluí uma aliança com o meu eleito,
fiz um juramento a David meu servo:
Conservarei a tua descendência para sempre,
estabelecerei o teu trono por todas as gerações.
Feliz o povo que sabe aclamar-Vos
e caminha, Senhor, à luz do vosso rosto.
Todos os dias aclama o vosso nome
e se gloria com a vossa justiça.
Ele me invocará: ‘Vós sois meu Pai,
meu Deus, meu Salvador’.
Assegurar-lhe-ei para sempre o meu favor,
a minha aliança com ele será irrevogável.

LEITURA II Actos 13, 16-17.22-25


Testemunho de Paulo acerca de Cristo, Filho de David.
Leitura dos Actos dos Apóstolos
Naqueles dias,
Paulo chegou a Antioquia da Pisídia.
Uma vez em que ele estava na sinagoga,
levantou-se, fez sinal com a mão e disse:
«Homens de Israel e vós que temeis a Deus, escutai:
O Deus deste povo de Israel escolheu os nossos pais
e fez deles um grande povo,
quando viviam como estrangeiros na terra do Egipto.
Depois, com seu braço poderoso, tirou-os de lá.
Por fim, suscitou-lhes David como rei,
de quem deu este testemunho:
‘Encontrei David, filho de Jessé,
homem segundo o meu coração,
que fará sempre a minha vontade’.
Da sua descendência, como prometera,
Deus fez nascer Jesus, o Salvador de Israel.
NATAL DO SENHOR 71

João tinha proclamado, antes da sua vinda,


um baptismo de penitência a todo o povo de Israel.
Prestes a terminar a sua carreira, João dizia:
‘Eu não sou quem julgais;
mas depois de mim, vai chegar Alguém,
a quem eu não sou digno de desatar as sandálias dos seus pés’».
Palavra do Senhor.

ALELUIA

Refrão: Aleluia. Repete-se


Amanhã cessará a malícia na terra
e reinará sobre nós o Salvador do mundo. Refrão

EVANGELHO Forma longa Mt 1, 1-25


Genealogia de Jesus Cristo, Filho de David.
✠ Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Mateus
Genealogia de Jesus Cristo, Filho de David, Filho de Abraão:
Abraão gerou Isaac; Isaac gerou Jacob;
Jacob gerou Judá e seus irmãos.
Judá gerou, de Tamar, Farés e Zara;
Farés gerou Esrom; Esrom gerou Arão;
Arão gerou Aminadab; Aminadab gerou Naasson;
Naasson gerou Sálmon; Sálmon gerou, de Raab, Booz;
Booz gerou, de Rute, Obed; Obed gerou Jessé;
Jessé gerou o rei David.
David, da mulher de Urias, gerou Salomão;
Salomão gerou Roboão; Roboão gerou Abias;
Abias gerou Asa; Asa gerou Josafat;
Josafat gerou Jorão; Jorão gerou Ozias;
Ozias gerou Joatão; Joatão gerou Acaz;
Acaz gerou Ezequias; Ezequias gerou Manassés;
Manassés gerou Amon; Amon gerou Josias;
Josias gerou Jeconias e seus irmãos,
ao tempo do desterro de Babilónia.
72 TEMPO DO NATAL

Depois do desterro de Babilónia,


Jeconias gerou Salatiel;
Salatiel gerou Zorobabel; Zorobabel gerou Abiud;
Abiud gerou Eliacim; Eliacim gerou Azor;
Azor gerou Sadoc; Sadoc gerou Aquim;
Aquim gerou Eliud; Eliud gerou Eleazar;
Eleazar gerou Matã; Matã gerou Jacob;
Jacob gerou José, esposo de Maria,
da qual nasceu Jesus, chamado Cristo.
Assim, todas estas gerações são:
de Abraão a David, catorze gerações;
de David ao desterro de Babilónia, catorze gerações;
do desterro de Babilónia até Cristo, catorze gerações.
O nascimento de Jesus deu-se do seguinte modo:
Maria, sua Mãe, noiva de José,
antes de terem vivido em comum,
encontrara-se grávida por virtude do Espírito Santo.
Mas José, seu esposo,
que era justo e não queria difamá-la,
resolveu repudiá-la em segredo.
Tinha ele assim pensado,
quando lhe apareceu num sonho o Anjo do Senhor,
que lhe disse:
«José, filho de David,
não temas receber Maria, tua esposa,
pois o que nela se gerou é fruto do Espírito Santo.
Ela dará à luz um filho
e tu pôr-Lhe-ás o nome de Jesus,
porque Ele salvará o povo dos seus pecados».
Tudo isto aconteceu para se cumprir o que o Senhor anunciara
por meio do profeta, que diz:
«A Virgem conceberá e dará à luz um Filho,
que será chamado ‘Emanuel’, que quer dizer ‘Deus connosco’».
Quando despertou do sono,
José fez como o Anjo do Senhor lhe ordenara
e recebeu sua esposa.
Palavra da salvação.
NATAL DO SENHOR 73

EVANGELHO Forma breve Mt 1, 18-25

« Maria dará à luz um Filho


e tu pôr-Lhe-ás o nome de Jesus»

✠ Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Mateus


O nascimento de Jesus deu-se do seguinte modo:
Maria, sua Mãe, noiva de José,
antes de terem vivido em comum,
encontrara-se grávida por virtude do Espírito Santo.
Mas José, seu esposo,
que era justo e não queria difamá-la,
resolveu repudiá-la em segredo.
Tinha ele assim pensado,
quando lhe apareceu num sonho o Anjo do Senhor,
que lhe disse:
«José, filho de David,
não temas receber Maria, tua esposa,
pois o que nela se gerou é fruto do Espírito Santo.
Ela dará à luz um Filho
e tu pôr-Lhe-ás o nome de Jesus,
porque Ele salvará o povo dos seus pecados».
Tudo isto aconteceu para se cumprir o que o Senhor anunciara
por meio do Profeta, que diz:
«A Virgem conceberá e dará à luz um Filho,
que será chamado ‘Emanuel’, que quer dizer ‘Deus connosco’».
Quando despertou do sono,
José fez como o Anjo do Senhor lhe ordenara
e recebeu sua esposa.
Palavra da salvação.

Nas Missas celebradas no dia do Natal, utilizam-se os formulários a seguir


indicados, podendo-se escolher os textos mais aptos de uma das três Missas,
conforme for pastoralmente mais oportuno para cada assembleia.
74 TEMPO DO NATAL

Missa da Noite

LEITURA I Is 9, 1-6
«Um Filho nos foi dado»

Leitura do Livro de Isaías


O povo que andava nas trevas viu uma grande luz;
para aqueles que habitavam nas sombras da morte
uma luz começou a brilhar.
Multiplicastes a sua alegria,
aumentastes o seu contentamento.
Rejubilam na vossa presença,
como os que se alegram no tempo da colheita,
como exultam os que repartem despojos.
Vós quebrastes, como no dia de Madiã,
o jugo que pesava sobre o povo,
o madeiro que ele tinha sobre os ombros
e o bastão do opressor.
Todo o calçado ruidoso da guerra
e toda a veste manchada de sangue
serão lançados ao fogo e tornar-se-ão pasto das chamas.
Porque um menino nasceu para nós,
um filho nos foi dado.
Tem o poder sobre os ombros
e será chamado «Conselheiro admirável, Deus forte,
Pai eterno, Príncipe da paz».
O seu poder será engrandecido numa paz sem fim,
sobre o trono de David e sobre o seu reino,
para o estabelecer e consolidar por meio do direito e da justiça,
agora e para sempre.
Assim o fará o Senhor do Universo.
Palavra do Senhor.
NATAL DO SENHOR 75

SALMO RESPONSORIAL Salmo 95 (96), 1-2a.2b-3.11-12.13 (R. Lc 2, 11)

Refrão: Hoje nasceu o nosso salvador, Jesus Cristo, Senhor.


Cantai ao Senhor um cântico novo,
cantai ao Senhor, terra inteira,
cantai ao Senhor, bendizei o seu nome.
Anunciai dia a dia a sua salvação,
publicai entre as nações a sua glória,
em todos os povos as suas maravilhas.
Alegrem-se os céus, exulte a terra,
ressoe o mar e tudo o que ele contém,
exultem os campos e quanto neles existe,
alegrem-se as árvores das florestas.
Diante do Senhor que vem,
que vem para julgar a terra:
julgará o mundo com justiça
e os povos com fidelidade.

LEITURA II Tito 2, 11-14

«Manifestou-se a graça de Deus para todos os homens»


Leitura da Epístola do apóstolo São Paulo a Tito
Caríssimo:
Manifestou-se a graça de Deus,
fonte de salvação para todos os homens.
Ela nos ensina a renunciar à impiedade e aos desejos mundanos
para vivermos, no tempo presente,
com temperança, justiça e piedade,
aguardando a ditosa esperança e a manifestação da glória
do nosso grande Deus e Salvador, Jesus Cristo,
que Se entregou por nós,
para nos resgatar de toda a iniquidade
e preparar para Si mesmo um povo purificado,
zeloso das boas obras.
Palavra do Senhor.
76 TEMPO DO NATAL

ALELUIA Lc 2, 10-11

Refrão: Aleluia. Repete-se


Anuncio-vos uma grande alegria:
Hoje nasceu o nosso salvador, Jesus Cristo, Senhor.
Refrão

EVANGELHO Lc 2, 1-14

«Nasceu-vos hoje um Salvador»

✠ Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Lucas


Naqueles dias, saiu um decreto de César Augusto,
para ser recenseada toda a terra.
Este primeiro recenseamento efectuou-se
quando Quirino era governador da Síria.
Todos se foram recensear, cada um à sua cidade.
José subiu também da Galileia, da cidade de Nazaré,
à Judeia, à cidade de David, chamada Belém,
por ser da casa e da descendência de David,
a fim de se recensear com Maria, sua esposa,
que estava para ser mãe.
Enquanto ali se encontravam,
chegou o dia de ela dar à luz
e teve o seu Filho primogénito.
Envolveu-O em panos e deitou-O numa manjedoura,
porque não havia lugar para eles na hospedaria.
Havia naquela região uns pastores que viviam nos campos
e guardavam de noite os rebanhos.
O Anjo do Senhor aproximou-se deles
e a glória do Senhor cercou-os de luz;
e eles tiveram grande medo.
Disse-lhes o Anjo: «Não temais,
porque vos anuncio uma grande alegria para todo o povo:
nasceu-vos hoje, na cidade de David, um Salvador,
que é Cristo Senhor.
NATAL DO SENHOR 77

Isto vos servirá de sinal:


encontrareis um Menino recém-nascido,
envolto em panos e deitado numa manjedoura».
Imediatamente juntou-se ao Anjo
uma multidão do exército celeste,
que louvava a Deus, dizendo:
«Glória a Deus nas alturas
e paz na terra aos homens por Ele amados».
Palavra da salvação.

Missa da Aurora

LEITURA I Is 62, 11-12


«Eis que vem o teu Salvador»

Leitura do Livro de Isaías


Eis o que o Senhor proclama até aos confins da terra:
«Dizei à filha de Sião:
Eis que vem o teu Salvador.
Com Ele vem o seu prémio e precede-O a sua recompensa.
Serão chamados ‘Povo santo’, ‘Resgatados do Senhor’;
e tu serás chamada ‘Pretendida’, ‘Cidade não abandonada’».
Palavra do Senhor.
78 TEMPO DO NATAL

SALMO RESPONSORIAL Salmo 96 (97), 1 e 6.11-12

Refrão: Hoje sobre nós resplandece uma luz:


nasceu o Senhor.
O Senhor é rei: exulte a terra,
rejubile a multidão das ilhas.
Os céus proclamam a sua justiça
e todos os povos contemplam a sua glória.
A luz resplandece para os justos
e a alegria para os corações rectos.
Alegrai-vos, ó justos, no Senhor
e louvai o seu nome santo.

LEITURA II Tito 3, 4-7


«Salvou-nos pela sua misericórdia»

Leitura da Epístola do apóstolo São Paulo a Tito


Caríssimo:
Ao manifestar-se a bondade de Deus nosso Salvador
e o seu amor para com os homens,
Ele salvou-nos,
não pelas obras justas que praticámos,
mas em virtude da sua misericórdia,
pelo baptismo da regeneração e renovação do Espírito Santo,
que Ele derramou abundantemente sobre nós,
por meio de Jesus Cristo nosso Salvador,
para que, justificados pela sua graça,
nos tornássemos, em esperança,
herdeiros da vida eterna.
Palavra do Senhor.

ALELUIA Lc 2, 14

Refrão: Aleluia. Repete-se


Glória a Deus nas alturas
e paz na terra aos homens por Ele amados. Refrão
NATAL DO SENHOR 79

EVANGELHO Lc 2, 15-20

«Os pastores encontraram Maria, José e o Menino»

✠ Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Lucas


Quando os Anjos se afastaram dos pastores
em direcção ao Céu,
começaram estes a dizer uns aos outros:
«Vamos a Belém,
para vermos o que aconteceu
e que o Senhor nos deu a conhecer».
Para lá se dirigiram apressadamente
e encontraram Maria e José
e o Menino deitado na manjedoura.
Quando O viram,
começaram a contar o que lhes tinham anunciado
sobre aquele Menino.
E todos os que ouviam
admiravam-se do que os pastores diziam.
Maria guardava todos estes acontecimentos,
meditando-os em seu coração.
Os pastores regressaram,
glorificando e louvando a Deus
por tudo o que tinham ouvido e visto,
como lhes tinha sido anunciado.
Palavra da salvação.
80 TEMPO DO NATAL

Missa do Dia

LEITURA I Is 52, 7-10


«Todos os confins da terra
verão a salvação do nosso Deus»
Leitura do Livro de Isaías
Como são belos sobre os montes
os pés do mensageiro que anuncia a paz,
que traz a boa nova, que proclama a salvação
e diz a Sião: «O teu Deus é Rei».
Eis o grito das tuas sentinelas que levantam a voz.
Todas juntas soltam brados de alegria,
porque vêem com os próprios olhos
o Senhor que volta para Sião.
Rompei todas em brados de alegria, ruínas de Jerusalém,
porque o Senhor consola o seu povo,
resgata Jerusalém.
O Senhor descobre o seu santo braço à vista de todas as nações
e todos os confins da terra verão a salvação do nosso Deus.
Palavra do Senhor.

SALMO RESPONSORIAL Salmo 97 (98), 1.2-3ab.3cd-4.5-6 (R. 3c)

Refrão: Todos os confins da terra


viram a salvação do nosso Deus.
Cantai ao Senhor um cântico novo
pelas maravilhas que Ele operou.
A sua mão e o seu santo braço
Lhe deram a vitória.
O Senhor deu a conhecer a salvação,
revelou aos olhos das nações a sua justiça.
Recordou-Se da sua bondade e fidelidade
em favor da casa de Israel.
NATAL DO SENHOR 81

Os confins da terra puderam ver


a salvação do nosso Deus.
Aclamai o Senhor, terra inteira,
exultai de alegria e cantai.
Cantai ao Senhor ao som da cítara,
ao som da cítara e da lira;
ao som da tuba e da trombeta,
aclamai o Senhor, nosso Rei.

LEITURA II Hebr 1, 1-6


«Deus falou-nos por seu Filho»

Leitura da Epístola aos Hebreus


Muitas vezes e de muitos modos
falou Deus antigamente aos nossos pais, pelos Profetas.
Nestes dias, que são os últimos,
falou-nos por seu Filho,
a quem fez herdeiro de todas as coisas
e pelo qual também criou o universo.
Sendo o Filho esplendor da sua glória
e imagem da sua substância,
tudo sustenta com a sua palavra poderosa.
Depois de ter realizado a purificação dos pecados,
sentou-Se à direita da Majestade no alto dos Céus
e ficou tanto acima dos Anjos
quanto mais sublime que o deles
é o nome que recebeu em herança.
A qual dos Anjos, com efeito, disse Deus alguma vez:
«Tu és meu Filho, Eu hoje Te gerei»?
E ainda: «Eu serei para Ele um Pai
e Ele será para Mim um Filho»?
E de novo,
quando introduziu no mundo o seu Primogénito, disse:
«Adorem-n’O todos os Anjos de Deus».
Palavra do Senhor.
82 TEMPO DO NATAL

ALELUIA

Refrão: Aleluia. Repete-se


Santo é o dia que nos trouxe a luz.
Vinde adorar o Senhor.
Hoje, uma grande luz desceu sobre a terra. Refrão

EVANGELHO Forma longa Jo 1, 1-18

«O Verbo fez-Se carne e habitou entre nós»

✠ Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São João


No princípio era o Verbo
e o Verbo estava com Deus
e o Verbo era Deus.
No princípio, Ele estava com Deus.
Tudo se fez por meio d’Ele
e sem Ele nada foi feito.
N’Ele estava a vida
e a vida era a luz dos homens.
A luz brilha nas trevas
e as trevas não a receberam.
Apareceu um homem enviado por Deus, chamado João.
Veio como testemunha,
para dar testemunho da luz,
a fim de que todos acreditassem por meio dele.
Ele não era a luz,
mas veio para dar testemunho da luz.
O Verbo era a luz verdadeira,
que, vindo ao mundo, ilumina todo o homem.
Estava no mundo
e o mundo, que foi feito por Ele, não O conheceu.
Veio para o que era seu
e os seus não O receberam.
Mas, àqueles que O receberam e acreditaram no seu nome,
deu-lhes o poder de se tornarem filhos de Deus.
NATAL DO SENHOR 83

Estes não nasceram do sangue,


nem da vontade da carne, nem da vontade do homem,
mas de Deus.
E o Verbo fez-Se carne e habitou entre nós.
Nós vimos a sua glória,
glória que Lhe vem do Pai como Filho Unigénito,
cheio de graça e de verdade.
João dá testemunho d’Ele, exclamando:
«Era deste que eu dizia:
‘O que vem depois de mim passou à minha frente,
porque existia antes de mim’».
Na verdade, foi da sua plenitude que todos nós recebemos
graça sobre graça.
Porque, se a Lei foi dada por meio de Moisés,
a graça e a verdade vieram por meio de Jesus Cristo.
A Deus, nunca ninguém O viu.
O Filho Unigénito, que está no seio do Pai,
é que O deu a conhecer.
Palavra da salvação.

EVANGELHO Forma breve Jo 1, 1-5.9-14

«O Verbo fez-Se carne e habitou entre nós»


✠ Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São João
No princípio era o Verbo
e o Verbo estava com Deus
e o Verbo era Deus.
No princípio, Ele estava com Deus.
Tudo se fez por meio d’Ele
e sem Ele nada foi feito.
N’Ele estava a vida
e a vida era a luz dos homens.
A luz brilha nas trevas
e as trevas não a receberam.
84 TEMPO DO NATAL

O Verbo era a luz verdadeira,


que, vindo ao mundo, ilumina todo o homem.
Estava no mundo
e o mundo, que foi feito por Ele, não O conheceu.
Veio para o que era seu
e os seus não O receberam.
Mas, àqueles que O receberam e acreditaram no seu nome,
deu-lhes o poder de se tornarem filhos de Deus.
Estes não nasceram do sangue,
nem da vontade da carne, nem da vontade do homem,
mas de Deus.
E o Verbo fez-Se carne e habitou entre nós.
Nós vimos a sua glória,
glória que Lhe vem do Pai como Filho Unigénito,
cheio de graça e de verdade.
Palavra da salvação.
Domingo dentro da Oitava do Natal

SAGRADA FAMÍLIA DE JESUS, MARIA E JOSÉ

LEITURA I Sir 3, 3-7.14-17a (gr. 2-6.12-14)


«Aquele que teme a Deus honra os seus pais»

Leitura do Livro de Ben-Sirá


Deus quis honrar os pais nos filhos
e firmou sobre eles a autoridade da mãe.
Quem honra seu pai obtém o perdão dos pecados
e acumula um tesouro quem honra sua mãe.
Quem honra o pai encontrará alegria nos seus filhos
e será atendido na sua oração.
Quem honra seu pai terá longa vida,
e quem lhe obedece será o conforto de sua mãe.
Filho, ampara a velhice do teu pai
e não o desgostes durante a sua vida.
Se a sua mente enfraquece, sê indulgente para com ele
e não o desprezes, tu que estás no vigor da vida,
porque a tua caridade para com teu pai nunca será esquecida
e converter-se-á em desconto dos teus pecados.
Palavra do Senhor.

SALMO RESPONSORIAL Salmo 127 (128), 1-2.3.4-5 (R. cf. 1)

Refrão: Felizes os que esperam no Senhor,


e seguem os seus caminhos.
Ou: Ditosos os que temem o Senhor,
ditosos os que seguem os seus caminhos.
Feliz de ti, que temes o Senhor
e andas nos seus caminhos.
Comerás do trabalho das tuas mãos,
serás feliz e tudo te correrá bem.
86 TEMPO DO NATAL

Tua esposa será como videira fecunda


no íntimo do teu lar;
teus filhos serão como ramos de oliveira
ao redor da tua mesa.
Assim será abençoado o homem que teme o Senhor.
De Sião te abençoe o Senhor:
vejas a prosperidade de Jerusalém
todos os dias da tua vida.

LEITURA II Col 3, 12-21

A vida doméstica no Senhor.

Leitura da Epístola do apóstolo São Paulo aos Colossenses


Irmãos:
Como eleitos de Deus, santos e predilectos,
revesti-vos de sentimentos de misericórdia,
de bondade, humildade, mansidão e paciência.
Suportai-vos uns aos outros e perdoai-vos mutuamente,
se algum tiver razão de queixa contra outro.
Tal como o Senhor vos perdoou,
assim deveis fazer vós também.
Acima de tudo, revesti-vos da caridade,
que é o vínculo da perfeição.
Reine em vossos corações a paz de Cristo,
à qual fostes chamados para formar um só corpo.
E vivei em acção de graças.
Habite em vós com abundância a palavra de Cristo,
para vos instruirdes e aconselhardes uns aos outros
com toda a sabedoria;
e com salmos, hinos e cânticos inspirados,
cantai de todo o coração a Deus a vossa gratidão.
E tudo o que fizerdes, por palavras ou por obras,
seja tudo em nome do Senhor Jesus,
dando graças, por Ele, a Deus Pai.
SAGRADA FAMÍLIA 87

Esposas, sede submissas aos vossos maridos,


como convém no Senhor.
Maridos, amai as vossas esposas
e não as trateis com aspereza.
Filhos, obedecei em tudo a vossos pais,
porque isto agrada ao Senhor.
Pais, não exaspereis os vossos filhos,
para que não caiam em desânimo.
Palavra do Senhor.

ALELUIA Col 3, 15a.16a

Refrão: Aleluia. Repete-se

Reine em vossos corações a paz de Cristo,


habite em vós a sua palavra. Refrão

EVANGELHO Mt 2, 13-15.19-23

«Toma o Menino e sua Mãe e foge para o Egipto»

✠ Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Mateus


Depois de os Magos partirem,
o Anjo do Senhor apareceu em sonhos a José e disse-lhe:
«Levanta-te, toma o Menino e sua Mãe e foge para o Egipto
e fica lá até que eu te diga,
pois Herodes vai procurar o Menino para O matar».
José levantou-se de noite,
tomou o Menino e sua Mãe e partiu para o Egipto
e ficou lá até à morte de Herodes.
Assim se cumpriu o que o Senhor anunciara pelo profeta:
«Do Egipto chamei o meu filho».
88 TEMPO DO NATAL

Quando Herodes morreu,


o Anjo apareceu em sonhos a José no Egipto e disse-lhe:
«Levanta-te, toma o Menino e sua Mãe
e vai para a terra de Israel,
pois aqueles que atentavam contra a vida do Menino
já morreram».
José levantou-se, tomou o Menino e sua Mãe,
e voltou para a terra de Israel.
Mas, quando ouviu dizer que Arquelau reinava na Judeia,
em lugar de seu pai, Herodes,
teve receio de ir para lá.
E, avisado em sonhos, retirou-se para a região da Galileia
e foi morar numa cidade chamada Nazaré.
Assim se cumpriu o que fora anunciado pelos Profetas:
«Há-de chamar-Se Nazareno».
Palavra da salvação.

Quando não ocorre nenhum domingo entre os dias 25 de Dezembro e 1 de


Janeiro, e por isso esta festa se celebra no dia 30 de Dezembro, faz-se apenas uma
leitura antes do Evangelho.
Na Oitava do Natal do Senhor

SOLENIDADE DE SANTA MARIA, MÃE DE DEUS

LEITURA I Num 6, 22-27

«Invocarão o meu nome sobre os filhos de Israel


e Eu os abençoarei»

Leitura do Livro dos Números


O Senhor disse a Moisés:
«Fala a Aarão e aos seus filhos e diz-lhes:
Assim abençoareis os filhos de Israel, dizendo:
‘O Senhor te abençoe e te proteja.
O Senhor faça brilhar sobre ti a sua face
e te seja favorável.
O Senhor volte para ti os seus olhos
e te conceda a paz’.
Assim invocarão o meu nome sobre os filhos de Israel
e Eu os abençoarei».
Palavra do Senhor.

SALMO RESPONSORIAL Salmo 66 (67), 2-3.5.6 e 8 (R. 2a)

Refrão: Deus Se compadeça de nós


e nos dê a sua bênção.
Deus Se compadeça de nós e nos dê a sua bênção,
resplandeça sobre nós a luz do seu rosto.
Na terra se conhecerão os seus caminhos
e entre os povos a sua salvação.
90 TEMPO DO NATAL

Alegrem-se e exultem as nações,


porque julgais os povos com justiça
e governais as nações sobre a terra.
Os povos Vos louvem, ó Deus,
todos os povos Vos louvem.
Deus nos dê a sua bênção
e chegue o seu temor aos confins da terra.

LEITURA II Gal 4, 4-7


«Deus enviou o seu Filho, nascido de uma mulher»

Leitura da Epístola do apóstolo São Paulo aos Gálatas


Irmãos:
Quando chegou a plenitude dos tempos,
Deus enviou o seu Filho,
nascido de uma mulher e sujeito à Lei,
para resgatar os que estavam sujeitos à Lei
e nos tornar seus filhos adoptivos.
E porque sois filhos,
Deus enviou aos nossos corações
o Espírito de seu Filho, que clama:
«Abbá! Pai!».
Assim, já não és escravo, mas filho.
E, se és filho, também és herdeiro, por graça de Deus.
Palavra do Senhor.

ALELUIA Hebr 1, 1-2

Refrão: Aleluia. Repete-se


Muitas vezes e de muitos modos
falou Deus antigamente aos nossos pais pelos Profetas.
Nestes dias, que são os últimos,
Deus falou-nos por seu Filho. Refrão
SANTA MARIA MÃE DE DEUS 91

EVANGELHO Lc 2, 16-21

«Encontraram Maria, José e o Menino.


E depois de oito dias, deram-Lhe o nome de Jesus»

✠ Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Lucas


Naquele tempo,
os pastores dirigiram-se apressadamente para Belém
e encontraram Maria, José
e o Menino deitado na manjedoura.
Quando O viram, começaram a contar
o que lhes tinham anunciado sobre aquele Menino.
E todos os que ouviam
admiravam-se do que os pastores diziam.
Maria conservava todas estas palavras,
meditando-as em seu coração.
Os pastores regressaram, glorificando e louvando a Deus
por tudo o que tinham ouvido e visto,
como lhes tinha sido anunciado.
Quando se completaram os oito dias
para o Menino ser circuncidado,
deram-Lhe o nome de Jesus,
indicado pelo Anjo,
antes de ter sido concebido no seio materno.
Palavra da salvação.
92 TEMPO DO NATAL

DOMINGO II DEPOIS DO NATAL

LEITURA I Sir 24, 1-4.12-16 (gr. 1-2.8-12)


A Sabedoria de Deus veio habitar no seu povo eleito

Leitura do Livro de Ben-Sirá


A Sabedoria faz o elogio de Si mesma
e gloria-Se no meio do seu povo.
Toma a palavra na assembleia do Altíssimo
e, perante o seu poder, manifesta a sua glória:
«O criador do universo deu-me as suas ordens.
Aquele que Me criou estabeleceu a minha morada e disse-me:
‘Habita em Jacob, possui a tua herança em Israel’.
Antes dos séculos, desde o início, Ele me criou
e não deixarei de existir por toda a eternidade.
Em sua presença exerci o meu ministério na santa morada
e assim me fixei em Sião.
Encontrei o meu descanso na cidade escolhida,
e em Jerusalém exerço o meu poder.
Lancei raízes no meio de um povo glorioso,
no domínio do Senhor, na sua herança,
e estabeleci a minha morada na assembleia dos santos».
Palavra do Senhor.

SALMO RESPONSORIAL Salmo 147, 12-13.14-15.19-20 (R. Jo 1, 14)

Refrão: O Verbo fez-Se carne e habitou entre nós.


Ou: Aleluia.
Glorifica, Jerusalém, o Senhor,
louva, Sião, o teu Deus.
Ele reforçou as tuas portas
e abençoou os teus filhos.
DOMINGO DEPOIS DO NATAL 93

Estabeleceu a paz nas tuas fronteiras


e saciou-te com a flor da farinha.
Envia à terra a sua palavra,
corre veloz a sua mensagem.
Revelou a sua palavra a Jacob,
suas leis e preceitos a Israel.
Não fez assim com nenhum outro povo,
a nenhum outro manifestou os seus juízos.

LEITURA II Ef 1, 3-6.15-18

«Predestinou-nos para sermos seus filhos adoptivos por Jesus Cristo»

Leitura da Epístola do apóstolo São Paulo aos Efésios


Bendito seja Deus, Pai de Nosso Senhor Jesus Cristo,
que do alto dos Céus nos abençoou
com todas as bênçãos espirituais em Cristo.
N'Ele nos escolheu, antes da criação do mundo,
para sermos santos e irrepreensíveis,
em caridade, na sua presença.
Ele nos predestinou, conforme a benevolência da sua vontade,
a fim de sermos seus filhos adoptivos, por Jesus Cristo,
para louvor da sua glória
e da graça que derramou sobre nós, por seu amado Filho.
Tendo ouvido falar da vossa fé no Senhor Jesus
e da vossa caridade para com todos os santos,
não cesso de dar graças por vós,
lembrando-me de vós nas minhas orações.
O Deus de Nosso Senhor Jesus Cristo, o Pai da glória,
vos conceda um espírito de sabedoria e de revelação
para O conhecerdes plenamente,
e ilumine os olhos do vosso coração
para compreenderdes a esperança a que fostes chamados
e os tesouros de glória da sua herança entre os santos.
Palavra do Senhor.
94 TEMPO DO NATAL

ALELUIA cf. 1 Tim 3, 16

Refrão: Aleluia. Repete-se


Glória a Vós, Jesus Cristo, anunciado aos gentios;
glória a Vós, Jesus Cristo, acreditado no mundo.
Refrão

EVANGELHO Forma longa Jo 1, 1-18

«O Verbo fez-Se carne e habitou entre nós»

✠ Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São João


No princípio era o Verbo
e o Verbo estava com Deus
e o Verbo era Deus.
No princípio, Ele estava com Deus.
Tudo se fez por meio d’Ele
e sem Ele nada foi feito.
N’Ele estava a vida
e a vida era a luz dos homens.
A luz brilha nas trevas
e as trevas não a receberam.
Apareceu um homem enviado por Deus, chamado João.
Veio como testemunha,
para dar testemunho da luz,
a fim de que todos acreditassem por meio dele.
Ele não era a luz,
mas veio para dar testemunho da luz.
O Verbo era a luz verdadeira,
que, vindo ao mundo, ilumina todo o homem.
Estava no mundo
e o mundo, que foi feito por Ele, não O conheceu.
Veio para o que era seu
e os seus não O receberam.
Mas, àqueles que O receberam e acreditaram no seu nome,
deu-lhes o poder de se tornarem filhos de Deus.
DOMINGO DEPOIS DO NATAL 95

Estes não nasceram do sangue,


nem da vontade da carne, nem da vontade do homem,
mas de Deus.
E o Verbo fez-Se carne e habitou entre nós.
Nós vimos a sua glória,
glória que Lhe vem do Pai como Filho Unigénito,
cheio de graça e de verdade.
João dá testemunho d’Ele, exclamando:
«Era deste que eu dizia:
‘O que vem depois de mim passou à minha frente,
porque existia antes de mim’».
Na verdade, foi da sua plenitude que todos nós recebemos
graça sobre graça.
Porque, se a Lei foi dada por meio de Moisés,
a graça e a verdade vieram por meio de Jesus Cristo.
A Deus, nunca ninguém O viu.
O Filho Unigénito, que está no seio do Pai,
é que O deu a conhecer.
Palavra da salvação.

EVANGELHO Forma breve Jo 1, 1-5.9-14

«O Verbo fez-Se carne e habitou entre nós»

✠ Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São João


No princípio era o Verbo
e o Verbo estava com Deus
e o Verbo era Deus.
No princípio, Ele estava com Deus.
Tudo se fez por meio d’Ele
e sem Ele nada foi feito.
N’Ele estava a vida
e a vida era a luz dos homens.
A luz brilha nas trevas
e as trevas não a receberam.
96 TEMPO DO NATAL

O Verbo era a luz verdadeira,


que, vindo ao mundo, ilumina todo o homem.
Estava no mundo
e o mundo, que foi feito por Ele, não O conheceu.
Veio para o que era seu
e os seus não O receberam.
Mas, àqueles que O receberam e acreditaram no seu nome,
deu-lhes o poder de se tornarem filhos de Deus.
Estes não nasceram do sangue,
nem da vontade da carne, nem da vontade do homem,
mas de Deus.
E o Verbo fez-Se carne e habitou entre nós.
Nós vimos a sua glória,
glória que Lhe vem do Pai como Filho Unigénito,
cheio de graça e de verdade.
Palavra da salvação.
6 de Janeiro

ou o Domingo entre 2 e 8 de Janeiro

EPIFANIA DO SENHOR

LEITURA I Is 60, 1-6

«Brilha sobre ti a glória do Senhor»

Leitura do Livro de Isaías


Levanta-te e resplandece, Jerusalém,
porque chegou a tua luz
e brilha sobre ti a glória do Senhor.
Vê como a noite cobre a terra
e a escuridão os povos.
Mas sobre ti levanta-Se o Senhor
e a sua glória te ilumina.
As nações caminharão à tua luz
e os reis ao esplendor da tua aurora.
Olha ao redor e vê:
todos se reúnem e vêm ao teu encontro;
os teus filhos vão chegar de longe
e as tuas filhas são trazidas nos braços.
Quando o vires ficarás radiante,
palpitará e dilatar-se-á o teu coração,
pois a ti afluirão os tesouros do mar,
a ti virão ter as riquezas das nações.
Invadir-te-á uma multidão de camelos,
de dromedários de Madiã e Efá.
Virão todos os de Sabá;
trazendo ouro e incenso
e proclamando as glórias do Senhor.
Palavra do Senhor.
98 TEMPO DO NATAL

SALMO RESPONSORIAL Salmo 71 (72), 2.7-8.10-11.12-13(R. cf. 11)

Refrão: Virão adorar-Vos, Senhor,


todos os povos da terra.
Ó Deus, concedei ao rei o poder de julgar
e a vossa justiça ao filho do rei.
Ele governará o vosso povo com justiça
e os vossos pobres com equidade.
Florescerá a justiça nos seus dias
e uma grande paz até ao fim dos tempos.
Ele dominará de um ao outro mar,
do grande rio até aos confins da terra.
Os reis de Társis e das ilhas virão com presentes,
os reis da Arábia e de Sabá trarão suas ofertas.
Prostrar-se-ão diante dele todos os reis,
todos os povos o hão-de servir.
Socorrerá o pobre que pede auxílio
e o miserável que não tem amparo.
Terá compaixão dos fracos e dos pobres
e defenderá a vida dos oprimidos.

LEITURA II Ef 3, 2-3a.5-6

Os gentios recebem a mesma herança prometida

Leitura da Epístola do apóstolo São Paulo aos Efésios


Irmãos:
Certamente já ouvistes falar
da graça que Deus me confiou a vosso favor:
por uma revelação,
foi-me dado a conhecer o mistério de Cristo.
EPIFANIA DO SENHOR 99

Nas gerações passadas,


ele não foi dado a conhecer aos filhos dos homens
como agora foi revelado pelo Espírito Santo
aos seus santos apóstolos e profetas:
os gentios recebem a mesma herança que os judeus,
pertencem ao mesmo corpo
e participam da mesma promessa,
em Cristo Jesus, por meio do Evangelho.
Palavra do Senhor.

ALELUIA Mt 2, 2

Refrão: Aleluia. Repete-se


Vimos a sua estrela no Oriente
e viemos adorar o Senhor. Refrão

EVANGELHO Mt 2, 1-12

«Viemos do Oriente adorar o Rei»

✠ Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Mateus


Tinha Jesus nascido em Belém da Judeia,
nos dias do rei Herodes,
quando chegaram a Jerusalém uns Magos vindos do Oriente.
«Onde está __ perguntaram eles __
o rei dos judeus que acaba de nascer?
Nós vimos a sua estrela no Oriente
e viemos adorá-l’O».
Ao ouvir tal notícia, o rei Herodes ficou perturbado
e, com ele, toda a cidade de Jerusalém.
Reuniu todos os príncipes dos sacerdotes e escribas do povo
e perguntou-lhes onde devia nascer o Messias.
100 TEMPO DO NATAL

Eles responderam: «Em Belém da Judeia,


porque assim está escrito pelo profeta:
‘Tu, Belém, terra de Judá,
não és de modo nenhum a menor
entre as principais cidades de Judá,
pois de ti sairá um chefe,
que será o Pastor de Israel, meu povo’».
Então Herodes mandou chamar secretamente os Magos
e pediu-lhes informações precisas
sobre o tempo em que lhes tinha aparecido a estrela.
Depois enviou-os a Belém e disse-lhes:
«Ide informar-vos cuidadosamente acerca do Menino;
e, quando O encontrardes, avisai-me,
para que também eu vá adorá-l’O».
Ouvido o rei, puseram-se a caminho.
E eis que a estrela que tinham visto no Oriente
seguia à sua frente
e parou sobre o lugar onde estava o Menino.
Ao ver a estrela, sentiram grande alegria.
Entraram na casa,
viram o Menino com Maria, sua Mãe,
e, prostrando-se diante d’Ele,
adoraram-n’O.
Depois, abrindo os seus tesouros, ofereceram-Lhe presentes:
ouro, incenso e mirra.
E, avisados em sonhos
para não voltarem à presença de Herodes,
regressaram à sua terra por outro caminho.
Palavra da salvação.

Onde a solenidade da Epifania é transferida para o domingo seguinte,


quando ela ocorre no dia 7 ou 8 de Janeiro, a festa do Baptismo do Senhor é
transferida para a segunda-feira imediatamente a seguir. Neste caso, faz-se apenas
uma leitura antes do Evangelho.
Domingo depois do dia 6 de Janeiro

BAPTISMO DO SENHOR

LEITURA I Is 42, 1-4.6-7


«Eis o meu servo, enlevo da minha alma»

Leitura do Livro de Isaías


Diz o Senhor:
«Eis o meu servo, a quem Eu protejo,
o meu eleito, enlevo da minha alma.
Sobre ele fiz repousar o meu espírito,
para que leve a justiça às nações.
Não gritará, nem levantará a voz,
nem se fará ouvir nas praças;
não quebrará a cana fendida,
nem apagará a torcida que ainda fumega:
proclamará fielmente a justiça.
Não desfalecerá nem desistirá,
enquanto não estabelecer a justiça na terra,
a doutrina que as ilhas longínquas esperam.
Fui Eu, o Senhor, que te chamei segundo a justiça;
tomei-te pela mão, formei-te
e fiz de ti a aliança do povo e a luz das nações,
para abrires os olhos aos cegos,
tirares do cárcere os prisioneiros
e da prisão os que habitam nas trevas».
Palavra do Senhor.
102 TEMPO DO NATAL

SALMO RESPONSORIAL Salmo 28 (29), 1a.2.3ac-4.3b.9b-10 (R. 11b)

Refrão: O Senhor abençoará o seu povo na paz.


Tributai ao Senhor, filhos de Deus,
tributai ao Senhor glória e poder.
Tributai ao Senhor a glória do seu nome,
adorai o Senhor com ornamentos sagrados.
A voz do Senhor ressoa sobre as nuvens,
o Senhor está sobre a vastidão das águas.
A voz do Senhor é poderosa,
a voz do Senhor é majestosa.
A majestade de Deus faz ecoar o seu trovão
e no seu templo todos clamam: Glória!
Sobre as águas do dilúvio senta-Se o Senhor,
o Senhor senta-Se como Rei eterno.

LEITURA II Actos 10, 34-38


«Deus ungiu-O com o Espírito Santo»

Leitura dos Actos dos Apóstolos


Naqueles dias,
Pedro tomou a palavra e disse:
«Na verdade,
eu reconheço que Deus não faz acepção de pessoas,
mas, em qualquer nação,
aquele que O teme e pratica a justiça é-Lhe agradável.
Ele enviou a sua palavra aos filhos de Israel,
anunciando a paz por Jesus Cristo, que é o Senhor de todos.
Vós sabeis o que aconteceu em toda a Judeia,
a começar pela Galileia,
depois do baptismo que João pregou:
Deus ungiu com a força do Espírito Santo a Jesus de Nazaré,
que passou fazendo o bem
e curando todos os que eram oprimidos pelo demónio,
porque Deus estava com Ele».
Palavra do Senhor.
BAPTISMO DO SENHOR 103

ALELUIA cf. Mc 9, 6

Refrão: Aleluia. Repete-se


Abriram-se os céus e ouviu-se a voz do Pai:
«Este é o meu Filho muito amado: escutai-O».
Refrão

EVANGELHO Mt 3, 13-17

«Depois de ter sido baptizado,


Jesus viu o Espírito de Deus descer sobre Si»

✠ Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Mateus


Naquele tempo,
Jesus chegou da Galileia
e veio ter com João Baptista ao Jordão,
para ser baptizado por ele.
Mas João opunha-se, dizendo:
«Eu é que preciso de ser baptizado por Ti
e Tu vens ter comigo?»
Jesus respondeu-lhe:
«Deixa por agora;
convém que assim cumpramos toda a justiça».
João deixou então que Ele Se aproximasse.
Logo que Jesus foi baptizado, saiu da água.
Então, abriram-se os céus
e Jesus viu o Espírito de Deus
descer como uma pomba e pousar sobre Ele.
E uma voz vinda do céu dizia:
«Este é o meu Filho muito amado,
no qual pus toda a minha complacência».
Palavra da salvação.
TEMPO DA QUARESMA
DOMINGO I DA QUARESMA

LEITURA I Gen 2, 7-9; 3, 1-7

A criação e o pecado dos nossos primeiros pais


Leitura do Livro do Génesis
O Senhor Deus formou o homem do pó da terra,
insuflou em suas narinas um sopro de vida,
e o homem tornou-se um ser vivo.
Depois, o Senhor Deus plantou um jardim no Éden, a oriente,
e nele colocou o homem que tinha formado.
Fez nascer na terra toda a espécie de árvores,
de frutos agradáveis à vista e bons para comer,
entre as quais a árvore da vida, no meio do jardim,
e a árvore da ciência do bem e do mal.
Ora, a serpente era o mais astucioso
de todos os animais dos campos
que o Senhor Deus tinha feito.
Ela disse à mulher:
«É verdade que Deus vos disse:
‘Não podeis comer o fruto de nenhuma árvore do jardim’?»
A mulher respondeu:
«Podemos comer o fruto das árvores do jardim;
mas, quanto ao fruto da árvore que está no meio do jardim,
Deus avisou-nos:
‘Não podeis comer dele nem tocar-lhe, senão morrereis’».
A serpente replicou à mulher:
«De maneira nenhuma! Não morrereis.
Mas Deus sabe que, no dia em que o comerdes,
abrir-se-ão os vossos olhos e sereis como deuses,
ficando a conhecer o bem e o mal».
108 TEMPO DA QUARESMA

A mulher viu então que o fruto da árvore


era bom para comer e agradável à vista,
e precioso para esclarecer a inteligência.
Colheu fruto da árvore e comeu;
depois deu-o ao marido,
que comeu juntamente com ela.
e ele também comeu.
Abriram-se então os seus olhos
e compreenderam que estavam despidos.
Por isso, entrelaçaram folhas de figueira
e cingiram os rins com elas.
Palavra do Senhor.

SALMO RESPONSORIAL Salmo 50 (51), 3-4.5-6a.12-13.14.17 (R. cf. 3a)

Refrão: Pecámos, Senhor: tende compaixão de nós.


Ou: Tende compaixão de nós, Senhor,
porque somos pecadores.

Compadecei-Vos de mim, ó Deus, pela vossa bondade,


pela vossa grande misericórdia,apagai os meus pecados.
Lavai-me de toda a iniquidade
e purificai-me de todas as faltas.
Porque eu reconheço os meus pecados
e tenho sempre diante de mim as minhas culpas.
Pequei contra Vós, só contra Vós,
e fiz o mal diante dos vossos olhos.
Criai em mim, ó Deus, um coração puro
e fazei nascer dentro de mim um espírito firme.
Não queirais repelir-me da vossa presença
e não retireis de mim o vosso espírito de santidade.
Dai-me de novo a alegria da vossa salvação
e sustentai-me com espírito generoso.
Abri, Senhor, os meus lábios
e a minha boca cantará o vosso louvor.
DOMINGO I 109

LEITURA II Forma longa Rom 5, 12-19

«Onde abundou o pecado, superabundou a graça»

Leitura da Epístola do apóstolo São Paulo aos Romanos


Irmãos:
Assim como por um só homem entrou o pecado no mundo
e pelo pecado a morte,
assim também a morte atingiu todos os homens,
porque todos pecaram.
De facto, até à Lei, existia o pecado no mundo.
Mas o pecado não é levado em conta, se não houver lei.
Entretanto, a morte reinou desde Adão até Moisés,
mesmo para aqueles que não tinham pecado
por uma transgressão à semelhança de Adão,
que é figura d’Aquele que havia de vir.
Mas o dom gratuito não é como a falta.
Se pelo pecado de um só todos pereceram,
com muito mais razão a graça de Deus,
dom contido na graça de um só homem, Jesus Cristo,
se concedeu com abundância a todos os homens.
E esse dom não é como o pecado de um só:
o julgamento que resultou desse único pecado
levou à condenação,
ao passo que o dom gratuito, que veio depois de muitas faltas,
leva à justificação.
Se a morte reinou pelo pecado de um só homem,
com muito mais razão, aqueles que recebem com abundância
a graça e o dom da justiça,
reinarão na vida por meio de um só, Jesus Cristo.
Porque, assim como pelo pecado de um só,
veio para todos os homens a condenação,
assim também, pela obra de justiça de um só,
virá para todos a justificação que dá a vida.
De facto, como pela desobediência de um só homem,
todos se tornaram pecadores,
assim também, pela obediência de um só,
todos se tornarão justos.
Palavra do Senhor.
110 TEMPO DA QUARESMA

LEITURA II Forma breve Rom 5, 12.17-19

«Onde abundou o pecado, superabundou a graça»


Leitura da Epístola do apóstolo São Paulo aos Romanos
Irmãos:
Assim como por um só homem entrou o pecado no mundo
e pelo pecado a morte,
assim também a morte atingiu todos os homens,
porque todos pecaram.
Se a morte reinou pelo pecado de um só homem,
com muito mais razão, aqueles que recebem com abundância
a graça e o dom da justiça,
reinarão na vida por meio de um só, Jesus Cristo.
Porque, assim como pelo pecado de um só,
veio para todos os homens a condenação,
assim também, pela obra de justiça de um só,
virá para todos a justificação que dá a vida.
De facto, como pela desobediência de um só homem,
todos se tornaram pecadores,
assim também, pela obediência de um só,
todos se tornarão justos.
Palavra do Senhor.

ACLAMAÇÃO ANTES DO EVANGELHO Mt 4, 4b

Refrão: Ver pág. 391


Nem só de pão vive o homem,
mas de toda a palavra que sai da boca de Deus. Refrão
DOMINGO I 111

EVANGELHO Mt 4, 1-11

Jesus jejua durante quarenta dias e é tentado

✠ Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Mateus


Naquele tempo,
Jesus foi conduzido pelo Espírito ao deserto,
a fim de ser tentado pelo Diabo.
Jejuou quarenta dias e quarenta noites
e, por fim, teve fome.
O tentador aproximou-se e disse-lhe:
«Se és Filho de Deus,
diz a estas pedras que se transformem em pães».
Jesus respondeu-lhe:
«Está escrito: ‘Nem só de pão vive o homem,
mas de toda a palavra que sai da boca de Deus’».
Então o Diabo conduziu-O à cidade santa,
levou-O ao pináculo do templo e disse-Lhe:
«Se és Filho de Deus,
lança-Te daqui abaixo, pois está escrito:
‘Deus mandará aos seus Anjos que te recebam nas suas mãos,
para que não tropeces em alguma pedra’».
Respondeu-lhe Jesus:
«Também está escrito: ‘Não tentarás o Senhor teu Deus’».
De novo o Diabo O levou consigo a um monte muito alto,
mostrou-Lhe todos os reinos do mundo e a sua glória,
e disse-Lhe:
«Tudo isto Te darei,
se, prostrado, me adorares».
Respondeu-lhe Jesus:
«Vai-te, Satanás, porque está escrito:
‘Adorarás o Senhor teu Deus e só a Ele prestarás culto’».
Então o Diabo deixou-O
e aproximaram-se os Anjos e serviram-n'O.
Palavra da salvação.
112 TEMPO DA QUARESMA

DOMINGO II DA QUARESMA

LEITURA I Gen 12, 1-4a

Vocação de Abraão, pai do povo de Deus

Leitura do Livro do Génesis


Naqueles dias,
o Senhor disse a Abrão:
«Deixa a tua terra, a tua família e a casa de teu pai
e vai para a terra que Eu te indicar.
Farei de ti uma grande nação e te abençoarei;
engrandecerei o teu nome e serás uma bênção.
Abençoarei a quem te abençoar,
amaldiçoarei a quem te amaldiçoar;
por ti serão abençoadas todas as nações da terra».
Abrão partiu, como o Senhor lhe tinha ordenado.
Palavra do Senhor.

SALMO RESPONSORIAL Salmo 32 (33), 4-5.18-19.20.22 (R. 22)

Refrão: Esperamos, Senhor, na vossa misericórdia.


Ou: Desça sobre nós a vossa misericórdia,
porque em Vós esperamos, Senhor.

A palavra do Senhor é recta,


da fidelidade nascem as suas obras.
Ele ama a justiça e a rectidão:
a terra está cheia da bondade do Senhor.
DOMINDO II 113

Os olhos do Senhor estão voltados


para os que O temem,
para os que esperam na sua bondade,
para libertar da morte as suas almas
e os alimentar no tempo da fome.
A nossa alma espera o Senhor:
Ele é o nosso amparo e protector.
Venha sobre nós a vossa bondade,
porque em Vós esperamos, Senhor.

LEITURA II 2 Tim 1, 8b-10

Deus nos chama e ilumina

Leitura da Segunda Epístola do apóstolo São Paulo a Timóteo


Caríssimo:
Sofre comigo pelo Evangelho, apoiado na força de Deus.
Ele salvou-nos e chamou-nos à santidade,
não em virtude das nossas obras,
mas do seu próprio desígnio e da sua graça.
Esta graça, que nos foi dada em Cristo Jesus,
desde toda a eternidade,
manifestou-se agora pelo aparecimento
de Cristo Jesus, nosso Salvador,
que destruiu a morte
e fez brilhar a vida e a imortalidade,
por meio do Evangelho.
Palavra do Senhor.

ACLAMAÇÃO ANTES DO EVANGELHO

Refrão: Ver pág. 391


No meio da nuvem luminosa, ouviu-se a voz do Pai:
«Este é o meu Filho muito amado: escutai-O». Refrão
114 TEMPO DA QUARESMA

EVANGELHO Mt 17, 1-9

«O seu rosto ficou resplandecente como o sol»

✠ Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Mateus


Naquele tempo,
Jesus tomou consigo Pedro, Tiago e João seu irmão
e levou-os, em particular, a um alto monte
e transfigurou-Se diante deles:
o seu rosto ficou resplandecente como o sol
e as suas vestes tornaram-se brancas como a luz.
E apareceram Moisés e Elias a falar com Ele.
Pedro disse a Jesus:
«Senhor, como é bom estarmos aqui!
Se quiseres, farei aqui três tendas:
uma para Ti, outra para Moisés e outra para Elias».
Ainda ele falava,
quando uma nuvem luminosa os cobriu com a sua sombra
e da nuvem uma voz dizia:
«Este é o meu Filho muito amado,
no qual pus toda a minha complacência.
Escutai-O».
Ao ouvirem estas palavras,
os discípulos caíram de rosto por terra e assustaram-se muito.
Então Jesus aproximou-se e, tocando-os, disse:
«Levantai-vos e não temais».
Erguendo os olhos, eles não viram mais ninguém, senão Jesus.
Ao descerem do monte, Jesus deu-lhes esta ordem:
«Não conteis a ninguém esta visão,
até o Filho do homem ressuscitar dos mortos».
Palavra da salvação.
DOMINGO III 115

DOMINGO III DA QUARESMA

LEITURA I Ex 17, 3-7

«Dá-nos água para beber»

Leitura do Livro do Êxodo


Naqueles dias,
o povo israelita, atormentado pela sede,
começou a altercar com Moisés, dizendo:
«Porque nos tiraste do Egipto?
Para nos deixares morrer à sede,
a nós, aos nossos filhos e aos nossos rebanhos?»
Então Moisés clamou ao Senhor, dizendo:
«Que hei-de fazer a este povo?
Pouco falta para me apedrejarem».
O Senhor respondeu a Moisés:
«Passa para a frente do povo
e leva contigo alguns anciãos de Israel.
Toma na mão a vara com que fustigaste o Rio
e põe-te a caminho.
Eu estarei diante de ti, sobre o rochedo, no monte Horeb.
Baterás no rochedo e dele sairá água;
então o povo poderá beber».
Moisés assim fez à vista dos anciãos de Israel.
E chamou àquele lugar Massa e Meriba,
por causa da altercação dos filhos de Israel
e por terem tentado o Senhor, ao dizerem:
«O Senhor está ou não no meio de nós?»
Palavra do Senhor.
116 TEMPO DA QUARESMA

SALMO RESPONSORIAL Salmo 94 (95), 1-2.6-7.8-9 (R. cf. 8)

Refrão: Se hoje ouvirdes a voz do Senhor,


não fecheis os vossos corações.
Vinde, exultemos de alegria no Senhor,
aclamemos a Deus, nosso salvador.
Vamos à sua presença e dêmos graças,
ao som de cânticos aclamemos o Senhor.
Vinde, prostremo-nos em terra,
adoremos o Senhor que nos criou.
Pois Ele é o nosso Deus
e nós o seu povo, as ovelhas do seu rebanho.
Quem dera ouvísseis hoje a sua voz:
«Não endureçais os vossos corações,
como em Meriba, como no dia de Massa no deserto,
onde vossos pais Me tentaram e provocaram,
apesar de terem visto as minhas obras.

LEITURA II Rom 5, 1-2.5-8


«O amor de Deus foi derramado em nossos corações
pelo Espírito Santo que nos foi dado»

Leitura da Epístola do apóstolo São Paulo aos Romanos


Irmãos:
Tendo sido justificados pela fé,
estamos em paz com Deus, por Nosso Senhor Jesus Cristo,
pelo qual temos acesso, na fé,
a esta graça em que permanecemos e nos gloriamos,
apoiados na esperança da glória de Deus.
Ora, a esperança não engana,
porque o amor de Deus foi derramado em nossos corações
pelo Espírito Santo que nos foi dado.
Quando ainda éramos fracos,
Cristo morreu pelos ímpios no tempo determinado.
Dificilmente alguém morre por um justo; por um homem bom,
talvez alguém tivesse a coragem de morrer.
DOMINGO III 117

Mas, Deus prova assim o seu amor para connosco:


Cristo morreu por nós, quando éramos ainda pecadores.
Palavra do Senhor.

ACLAMAÇÃO ANTES DO EVANGELHO cf. Jo 4, 42.15

Refrão: Ver pág. 391


Senhor, Vós sois o Salvador do mundo:
dai-nos a água viva, para não termos sede. Refrão

EVANGELHO Forma longa Jo 4, 5-42

«Fonte da água que jorra para a vida eterna»

✠ Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São João


Naquele tempo,
chegou Jesus a uma cidade da Samaria, chamada Sicar,
junto da propriedade que Jacob tinha dado a seu filho José,
onde estava o poço de Jacob.
Jesus, cansado da caminhada, sentou-Se à beira do poço.
Era por volta do meio-dia.
Veio uma mulher da Samaria para tirar água.
Disse-lhe Jesus: «Dá-Me de beber».
Os discípulos tinham ido à cidade comprar alimentos.
Respondeu-Lhe a samaritana:
«Como é que Tu, sendo judeu,
me pedes de beber, sendo eu samaritana?»
De facto, os judeus não se dão com os samaritanos.
Disse-lhe Jesus:
«Se conhecesses o dom de Deus
e quem é Aquele que te diz: ‘Dá-Me de beber’,
tu é que Lhe pedirias e Ele te daria água viva».
Respondeu-Lhe a mulher:
«Senhor, Tu nem sequer tens um balde, e o poço é fundo:
donde Te vem a água viva?
Serás Tu maior do que o nosso pai Jacob,
que nos deu este poço, do qual ele mesmo bebeu,
com os seus filhos e os seus rebanhos?»
118 TEMPO DA QUARESMA

Disse-Lhe Jesus:
«Todo aquele que bebe desta água voltará a ter sede.
Mas aquele que beber da água que Eu lhe der
nunca mais terá sede:
a água que Eu lhe der tornar-se-á nele uma nascente
que jorra para a vida eterna».
«Senhor, __ suplicou a mulher __ dá-me dessa água,
para que eu não sinta mais sede
e não tenha de vir aqui buscá-la».
Disse-lhe Jesus:
«Vai chamar o teu marido e volta aqui».
Respondeu-lhe a mulher: «Não tenho marido».
Jesus replicou:
«Disseste bem que não tens marido,
pois tiveste cinco
e aquele que tens agora não é teu marido.
Neste ponto falaste verdade».
Disse-lhe a mulher:
«Senhor, vejo que és profeta.
Os nossos antepassados adoraram neste monte,
e vós dizeis que é em Jerusalém que se deve adorar».
Disse-lhe Jesus:
«Mulher, acredita em Mim:
Vai chegar a hora
em que nem neste monte nem em Jerusalém adorareis o Pai.
Vós adorais o que não conheceis;
nós adoramos o que conhecemos,
porque a salvação vem dos judeus.
Mas vai chegar a hora __ e já chegou __
em que os verdadeiros adoradores
hão-de adorar o Pai em espírito e verdade,
pois são esses os adoradores que o Pai deseja.
Deus é espírito
e os seus adoradores devem adorá-l’O em espírito e verdade».
Disse-Lhe a mulher:
«Eu sei que há-de vir o Messias,
isto é, Aquele que chamam Cristo.
Quando vier, há-de anunciar-nos todas as coisas».
DOMINGO III 119

Respondeu-lhe Jesus:
«Sou Eu, que estou a falar contigo».
Nisto, chegaram os discípulos
e ficaram admirados por Ele estar a falar com aquela mulher,
mas nenhum deles Lhe perguntou:
«Que pretendes?» ou então: «Porque falas com ela?»
A mulher deixou a bilha, correu à cidade e falou a todos:
«Vinde ver um homem que me disse tudo o que eu fiz.
Não será Ele o Messias?»
Eles saíram da cidade e vieram ter com Jesus.
Entretanto, os discípulos insistiam com Ele, dizendo:
«Mestre, come».
Mas Ele respondeu-lhes:
«Eu tenho um alimento para comer que vós não conheceis».
Os discípulos perguntavam uns aos outros:
«Porventura alguém Lhe trouxe de comer?»
Disse-lhes Jesus:
«O meu alimento é fazer a vontade d’Aquele que Me enviou
e realizar a sua obra.
Não dizeis vós que dentro de quatro meses
chegará o tempo da colheita?
Pois bem, Eu digo-vos:
Erguei os olhos e vede os campos,
que já estão loiros para a ceifa.
Já o ceifeiro recebe o salário
e recolhe o fruto para a vida eterna
e, deste modo, se alegra o semeador juntamente com o ceifeiro.
Nisto se verifica o ditado:
‘Um é o que semeia e outro o que ceifa’.
Eu mandei-vos ceifar o que não trabalhastes.
Outros trabalharam e vós aproveitais-vos do seu trabalho».
Muitos samaritanos daquela cidade acreditaram em Jesus,
por causa da palavra da mulher, que testemunhava:
«Ele disse-me tudo o que eu fiz».
Por isso os samaritanos, quando vieram ao encontro de Jesus,
pediram-Lhe que ficasse com eles.
E ficou lá dois dias.
120 TEMPO DA QUARESMA

Ao ouvi-l’O, muitos acreditaram e diziam à mulher:


«Já não é por causa das tuas palavras que acreditamos.
Nós próprios ouvimos
e sabemos que Ele é realmente o Salvador do mundo».
Palavra da salvação.

EVANGELHO Forma breve Jo 4, 5-15.19b-26.39a40-42

«A fonte da água que jorra para a vida eterna»


✠ Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São João
Naquele tempo,
Chegou Jesus a uma cidade da Samaria, chamada Sicar,
junto da propriedade que Jacob tinha dado a seu filho José,
onde estava o poço de Jacob.
Jesus, cansado da caminhada, sentou-Se à beira do poço.
Era por volta do meio-dia.
Veio uma mulher da Samaria para tirar água.
Disse-lhe Jesus: «Dá-Me de beber».
Os discípulos tinham ido à cidade comprar alimentos.
Respondeu-Lhe a samaritana:
«Como é que Tu, sendo judeu,
me pedes de beber, sendo eu samaritana?»
De facto, os judeus não se dão com os samaritanos.
Disse-lhe Jesus:
«Se conhecesses o dom de Deus
e quem é Aquele que te diz: ‘Dá-Me de beber’,
tu é que Lhe pedirias e Ele te daria água viva».
Respondeu-Lhe a mulher:
«Senhor, Tu nem sequer tens um balde e o poço é fundo:
donde Te vem a água viva?
Serás Tu maior do que o nosso pai Jacob,
que nos deu este poço, do qual ele mesmo bebeu,
com os seus filhos e os seus rebanhos?»
Disse-lhe Jesus:
«Todo aquele que bebe desta água voltará a ter sede.
Mas aquele que beber da água que Eu lhe der
nunca mais terá sede:
DOMINGO III 121

a água que Eu lhe der tornar-se-á nele uma nascente


que jorra para a vida eterna».
«Senhor, __ suplicou a mulher __ dá-me dessa água,
para que eu não sinta mais sede
e não tenha de vir aqui buscá-la.
Vejo que és profeta.
Os nossos pais adoraram neste monte
e vós dizeis que é em Jerusalém que se deve adorar».
Disse-lhe Jesus:
«Mulher, acredita em Mim:
Vai chegar a hora
em que nem neste monte nem em Jerusalém adorareis o Pai.
Vós adorais o que não conheceis;
nós adoramos o que conhecemos,
porque a salvação vem dos judeus.
Mas vai chegar a hora __ e já chegou __
em que os verdadeiros adoradores
hão-de adorar o Pai em espírito e verdade,
pois são esses os adoradores que o Pai deseja.
Deus é espírito
e os seus adoradores devem adorá-l’O em espírito e verdade».
Disse-Lhe a mulher:
«Eu sei que há-de vir o Messias,
isto é, Aquele que chamam Cristo.
Quando vier há-de anunciar-nos todas as coisas».
Respondeu-lhe Jesus:
«Sou Eu, que estou a falar contigo».
Muitos samaritanos daquela cidade acreditaram em Jesus,
por causa da palavra da mulher.
Quando os samaritanos vieram ao encontro de Jesus,
pediram-Lhe que ficasse com eles.
E ficou lá dois dias.
Ao ouvi-l’O, muitos acreditaram e diziam à mulher:
«Já não é por causa das tuas palavras que acreditamos.
Nós próprios ouvimos
e sabemos que Ele é realmente o Salvador do mundo».
Palavra da salvação.
122 TEMPO DA QUARESMA

DOMINGO IV DA QUARESMA

LEITURA I 1 Sam 16, 1b.6-7.10-13a

David é ungido rei de Israel.

Leitura do Primeiro Livro de Samuel


Naqueles dias,
o Senhor disse a Samuel:
«Enche a âmbula de óleo e parte.
Vou enviar-te a Jessé de Belém,
pois escolhi um rei entre os seus filhos».
Quando chegou, Samuel viu Eliab e pensou consigo:
«Certamente é este o ungido do Senhor».
Mas o Senhor disse a Samuel:
«Não te impressiones com o seu belo aspecto,
nem com a sua elevada estatura,
pois não foi esse que Eu escolhi.
Deus não vê como o homem;
o homem olha às aparências, o Senhor vê o coração».
Jessé fez passar os sete filhos diante de Samuel,
mas Samuel declarou-lhe:
«O Senhor não escolheu nenhum destes».
E perguntou a Jessé:
«Estão aqui todos os teus filhos?»
Jessé respondeu-lhe:
«Falta ainda o mais novo, que anda a guardar o rebanho».
Samuel ordenou: «Manda-o chamar,
porque não nos sentaremos à mesa, enquanto ele não chegar».
Então Jessé mandou-o chamar:
era ruivo, de belos olhos e agradável presença.
O Senhor disse a Samuel:
«Levanta-te e unge-o, porque é este mesmo».
DOMINGO IV 123

Samuel pegou na âmbula do óleo e ungiu-o no meio dos irmãos.


Daquele dia em diante,
o Espírito do Senhor apoderou-Se de David.
Palavra do Senhor.

SALMO RESPONSORIAL Salmo 22 (23), 1-3a.3b-4.5.6 (R. 1)

Refrão: O Senhor é meu pastor: nada me faltará.


Ou: O Senhor me conduz: nada me faltará.
O Senhor é meu pastor: nada me falta.
Leva-me a descansar em verdes prados,
conduz-me às águas refrescantes
e reconforta a minha alma.
Ele me guia por sendas direitas por amor do seu nome.
Ainda que tenha de andar por vales tenebrosos,
não temerei nenhum mal, porque Vós estais comigo:
o vosso cajado e o vosso báculo
me enchem de confiança.
Para mim preparais a mesa
à vista dos meus adversários;
com óleo me perfumais a cabeça
e meu cálice transborda.
A bondade e a graça hão-de acompanhar-me
todos os dias da minha vida,
e habitarei na casa do Senhor
para todo o sempre.

LEITURA II Ef 5, 8-14
« Desperta e levanta-te do meio dos mortos,
e Cristo brilhará sobre ti»
Leitura da Epístola do apóstolo São Paulo aos Efésios
Irmãos:
Outrora vós éreis trevas,
mas agora sois luz no Senhor.
124 TEMPO DA QUARESMA

Vivei como filhos da luz,


porque o fruto da luz é a bondade, a justiça e a verdade.
Procurai sempre o que mais agrada ao Senhor.
Não tomeis parte nas obras das trevas, que são inúteis;
tratai antes de condená-las abertamente,
porque o que eles fazem em segredo
até é vergonhoso dizê-lo.
Mas, todas as coisas que são condenadas
são postas a descoberto pela luz,
e tudo o que assim se manifesta torna-se luz.
É por isso que se diz:
«Desperta, tu que dormes; levanta-te do meio dos mortos
e Cristo brilhará sobre ti».
Palavra do Senhor.

ACLAMAÇÃO ANTES DO EVANGELHO Jo 8, 12

Refrão: Ver pág. 391


Eu sou a luz do mundo, diz o Senhor:
quem Me segue terá a luz da vida. Refrão

EVANGELHO Forma longa Jo 9, 1-41


«Eu fui, lavei-me e comecei a ver»

✠ Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São João


Naquele tempo,
Jesus encontrou no seu caminho um cego de nascença.
Os discípulos perguntaram-Lhe:
«Mestre, quem é que pecou para ele nascer cego?
Ele ou os seus pais?»
Jesus respondeu-lhes:
«Isso não tem nada que ver com os pecados dele ou dos pais;
mas aconteceu assim
para se manifestarem nele as obras de Deus.
É preciso trabalhar, enquanto é dia,
nas obras d’Aquele que Me enviou.
Vai chegar a noite, em que ninguém pode trabalhar.
DOMINGO IV 125

Enquanto Eu estou no mundo, sou a luz do mundo».


Dito isto, cuspiu em terra,
fez com a saliva um pouco de lodo e ungiu os olhos do cego.
Depois disse-lhe:
«Vai lavar-te à piscina de Siloé»; Siloé quer dizer «Enviado».
Ele foi, lavou-se e ficou a ver.
Entretanto, perguntavam os vizinhos
e os que antes o viam a mendigar:
«Não é este o que costumava estar sentado a pedir esmola?»
Uns diziam: «É ele».
Outros afirmavam: «Não é. É parecido com ele».
Mas ele próprio dizia: «Sou eu».
Perguntaram-lhe então:
«Como foi que se abriram os teus olhos?»
Ele respondeu:
«Esse homem, que se chama Jesus, fez um pouco de lodo,
ungiu-me os olhos e disse-me:
‘Vai lavar-te à piscina de Siloé’.
Eu fui, lavei-me e comecei a ver».
Perguntaram-lhe ainda: «Onde está Ele?»
O homem respondeu: «Não sei».
Levaram aos fariseus o que tinha sido cego.
Era sábado esse dia em que Jesus fizera lodo
e lhe tinha aberto os olhos.
Por isso, os fariseus perguntaram ao homem
como tinha recuperado a vista.
Ele declarou-lhes: «Jesus pôs-me lodo nos olhos;
depois fui lavar-me e agora vejo».
Diziam alguns dos fariseus:
«Esse homem não vem de Deus, porque não guarda o sábado».
Outros observavam:
«Como pode um pecador fazer tais milagres?»
E havia desacordo entre eles.
Perguntaram então novamente ao cego:
«Tu que dizes d’Aquele que te deu a vista?»
O homem respondeu: «É um profeta».
Os judeus não quiseram acreditar
que ele tinha sido cego e começara a ver.
126 TEMPO DA QUARESMA

Chamaram então os pais dele e perguntaram-lhes:


«É este o vosso filho? É verdade que nasceu cego?
Como é que ele agora vê?»
Os pais responderam:
«Sabemos que este é o nosso filho e que nasceu cego;
mas não sabemos como é que ele agora vê,
nem sabemos quem lhe abriu os olhos.
Ele já tem idade para responder; perguntai-lho vós».
Foi por medo que eles deram esta resposta,
porque os judeus tinham decidido expulsar da sinagoga
quem reconhecesse que Jesus era o Messias.
Por isso é que disseram:
«Ele já tem idade para responder; perguntai-lho vós».
Os judeus chamaram outra vez o que tinha sido cego
e disseram-lhe: «Dá glória a Deus.
Nós sabemos que esse homem é pecador».
Ele respondeu: «Se é pecador, não sei.
O que sei é que eu era cego e agora vejo».
Perguntaram-lhe então:
«Que te fez Ele? Como te abriu os olhos?»
O homem replicou:
«Já vos disse e não destes ouvidos.
Porque desejais ouvi-lo novamente?
Também quereis fazer-vos seus discípulos?»
Então insultaram-no e disseram-lhe:
«Tu é que és seu discípulo; nós somos discípulos de Moisés.
Nós sabemos que Deus falou a Moisés;
mas este, nem sabemos de onde é».
O homem respondeu-lhes:
«Isto é realmente estranho: não sabeis de onde Ele é,
mas a verdade é que Ele me deu a vista.
Ora, nós sabemos que Deus não escuta os pecadores,
mas escuta aqueles que O adoram e fazem a sua vontade.
Nunca se ouviu dizer que alguém tenha aberto os olhos
a um cego de nascença.
Se Ele não viesse de Deus, nada podia fazer».
Replicaram-lhe então eles:
«Tu nasceste inteiramente em pecado e pretendes ensinar-nos?»
DOMINGO IV 127

E expulsaram-no.
Jesus soube que o tinham expulsado
e, encontrando-o, disse-lhe:
«Tu acreditas no Filho do homem?»
Ele respondeu-Lhe:
«Quem é, Senhor, para que eu acredite n'Ele?».
Disse-lhe Jesus:
«Já O viste: é Quem está a falar contigo».
O homem prostrou-se diante de Jesus e exclamou:
«Eu creio, Senhor».
Então Jesus disse-lhe:
«Eu vim a este mundo para exercer um juízo:
os que não vêem ficarão a ver;
os que vêem ficarão cegos».
Alguns fariseus que estavam com Ele, ouvindo isto,
perguntaram-Lhe:
«Nós também somos cegos?»
Respondeu-lhes Jesus:
«Se fôsseis cegos, não teríeis pecado.
Mas como agora dizeis: ‘Nós vemos’,
o vosso pecado permanece».
Palavra da salvação.

EVANGELHO Forma breve Jo 9, 1.6-9.13-17.34-38

«Eu fui, lavei-me e comecei a ver»

✠ Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São João


Naquele tempo,
Jesus encontrou no seu caminho um cego de nascença.
Cuspiu em terra, fez com a saliva um pouco de lodo
e ungiu os olhos do cego.
Depois disse-lhe:
«Vai lavar-te à piscina de Siloé»; Siloé quer dizer «Enviado».
Ele foi, lavou-se e começou a ver.
128 TEMPO DA QUARESMA

Entretanto, perguntavam os vizinhos


e os que o viam a mendigar:
«Não é este o que costumava estar sentado a pedir esmola?»
Uns diziam: «É ele».
Outros afirmavam: «Não é. É parecido com ele».
Mas ele próprio dizia: «Sou eu».
Levaram aos fariseus o que tinha sido cego.
Era sábado esse dia em que Jesus fizera lodo
e lhe tinha aberto os olhos.
Por isso, os fariseus perguntaram ao homem
como tinha recuperado a vista.
Ele declarou-lhes:
«Jesus pôs-me lodo nos olhos;
depois fui lavar-me e agora vejo».
Diziam alguns dos fariseus:
«Esse homem não vem de Deus, porque não guarda o sábado».
Outros observavam:
«Como pode um pecador fazer tais milagres?»
E havia desacordo entre eles.
Perguntaram então novamente ao cego:
«Tu que dizes d’Aquele que te deu a vista?»
O homem respondeu: «É um profeta».
Replicaram-lhe então eles:
«Tu nasceste inteiramente em pecado e pretendes ensinar-nos?»
E expulsaram-no.
Jesus soube que o tinham expulsado
e, encontrando-o, disse-lhe:
«Tu acreditas no Filho do homem?»
Ele respondeu-Lhe:
«Quem é, Senhor, para que eu acredite n'Ele?».
Disse-lhe Jesus:
«Já O viste: é Quem está a falar contigo».
O homem prostrou-se diante de Jesus e exclamou:
«Eu creio, Senhor».
Palavra da salvação.
DOMINGO V 129

DOMINGO V DA QUARESMA

LEITURA I Ez 37, 12-14


«Infundirei em vós o meu espírito e revivereis»
Leitura da Profecia de Ezequiel
Assim fala o Senhor Deus:
«Vou abrir os vossos túmulos
e deles vos farei ressuscitar, ó meu povo,
para vos reconduzir à terra de Israel.
Haveis de reconhecer que Eu sou o Senhor,
quando abrir os vossos túmulos
e deles vos fizer ressuscitar, ó meu povo.
Infundirei em vós o meu espírito e revivereis.
Hei-de fixar-vos na vossa terra
e reconhecereis que Eu, o Senhor, digo e faço».
Palavra do Senhor.

SALMO RESPONSORIAL Salmo 129 (130),1-2.3-4ab.4c-6.7-8 (R. 7)

Refrão: No Senhor está a misericórdia e abundante redenção.


Ou: No Senhor está a misericórdia,
no Senhor está a plenitude da redenção.
Do profundo abismo chamo por Vós, Senhor,
Senhor, escutai a minha voz.
Estejam os vossos ouvidos atentos
à voz da minha súplica.
Se tiverdes em conta as nossas faltas,
Senhor, quem poderá salvar-se?
Mas em Vós está o perdão,
para Vos servirmos com reverência.
130 TEMPO DA QUARESMA

Eu confio no Senhor,
a minha alma espera na sua palavra.
A minha alma espera pelo Senhor
mais do que as sentinelas pela aurora.
Porque no Senhor está a misericórdia
e com Ele abundante redenção.
Ele há-de libertar Israel
de todas as suas faltas.

LEITURA II Rom 8, 8-11

«O Espírito d’Aquele que ressuscitou Jesus de entre os mortos habita em vós»

Leitura da Epístola do apóstolo São Paulo aos Romanos


Irmãos:
Os que vivem segundo a carne não podem agradar a Deus.
Vós não estais sob o domínio da carne, mas do Espírito,
se é que o Espírito de Deus habita em vós.
Mas, se alguém não tem o Espírito de Cristo,
não Lhe pertence.
Se Cristo está em vós,
embora o vosso corpo seja mortal por causa do pecado,
o espírito permanece vivo por causa da justiça.
E, se o Espírito d’Aquele que ressuscitou Jesus de entre os mortos
habita em vós,
Ele, que ressuscitou Cristo Jesus de entre os mortos,
também dará vida aos vossos corpos mortais,
pelo seu Espírito que habita em vós.
Palavra do Senhor.

ACLAMAÇÃO ANTES DO EVANGELHO Jo 11, 25a.26

Refrão: Ver pág. 391


Eu sou a ressurreição e a vida, diz o Senhor.
Quem acredita em Mim nunca morrerá. Refrão
DOMINGO V 131

EVANGELHO Forma longa Jo 11, 1-45

«Eu sou a ressurreição e a vida»

✠ Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São João


Naquele tempo,
estava doente certo homem, Lázaro de Betânia,
aldeia de Marta e de Maria, sua irmã.
Maria era aquela que tinha ungido o Senhor com perfume
e Lhe tinha enxugado os pés com os cabelos.
Era seu irmão Lázaro que estava doente.
As irmãs mandaram então dizer a Jesus:
«Senhor, o teu amigo está doente».
Ouvindo isto, Jesus disse:
«Essa doença não é mortal, mas é para a glória de Deus,
para que por ela seja glorificado o Filho do homem».
Jesus era amigo de Marta, de sua irmã e de Lázaro.
Entretanto, depois de ouvir dizer que ele estava doente,
ficou ainda dois dias no local onde Se encontrava.
Depois disse aos discípulos:
«Vamos de novo para a Judeia».
Os discípulos disseram-Lhe:
«Mestre, ainda há pouco os judeus procuravam apedrejar-Te
e voltas para lá?»
Jesus respondeu:
«Não são doze as horas do dia?
Se alguém andar de dia, não tropeça,
porque vê a luz deste mundo.
Mas se andar de noite, tropeça,
porque não tem luz consigo».
Dito isto, acrescentou:
«O nosso amigo Lázaro dorme, mas Eu vou despertá-lo».
Disseram então os discípulos:
«Senhor, se dorme, estará salvo».
Jesus referia-se à morte de Lázaro,
mas eles entenderam que falava do sono natural.
Disse-lhes então Jesus abertamente:
132 TEMPO DA QUARESMA

«Lázaro morreu;
por vossa causa, alegro-Me de não ter estado lá,
para que acrediteis.
Mas vamos ter com ele».
Tomé, chamado Dídimo, disse aos companheiros:
«Vamos nós também, para morrermos com Ele».
Ao chegar, Jesus encontrou o amigo sepultado havia quatro dias.
Betânia distava de Jerusalém cerca de três quilómetros.
Muitos judeus tinham ido visitar Marta e Maria,
para lhes apresentar condolências pela morte do irmão.
Quando ouviu dizer que Jesus estava a chegar,
Marta saiu ao seu encontro,
enquanto Maria ficou sentada em casa.
Marta disse a Jesus:
«Senhor, se tivesses estado aqui,
meu irmão não teria morrido.
Mas sei que, mesmo agora, tudo o que pedires a Deus,
Deus To concederá».
Disse-lhe Jesus: «Teu irmão ressuscitará».
Marta respondeu:
«Eu sei que há-de ressuscitar na ressurreição, do último dia».
Disse-lhe Jesus:
«Eu sou a ressurreição e a vida.
Quem acredita em Mim,
ainda que tenha morrido, viverá;
e todo aquele que vive e acredita em Mim, nunca morrerá.
Acreditas nisto?»
Disse-Lhe Marta:
«Acredito, Senhor, que Tu és o Messias, o Filho de Deus,
que havia de vir ao mundo».
Dito isto, retirou-se e foi chamar Maria,
a quem disse em segredo:
«O Mestre está ali e manda-te chamar».
Logo que ouviu isto, Maria levantou-se e foi ter com Jesus.
Jesus ainda não tinha chegado à aldeia,
mas estava no lugar em que Marta viera ao seu encontro.
Então os judeus que estavam com Maria em casa
para lhe apresentar condolências,
DOMINGO V 133

ao verem-na levantar-se e sair rapidamente,


seguiram-na, pensando que se dirigia ao túmulo para chorar.
Quando chegou aonde estava Jesus,
Maria, logo que O viu, caiu-Lhe aos pés e disse-Lhe:
«Senhor, se tivesses estado aqui,
meu irmão não teria morrido».
Jesus, ao vê-la chorar,
e vendo chorar também os judeus que vinham com ela,
comoveu-Se profundamente e perturbou-Se.
Depois perguntou: «Onde o pusestes?»
Responderam-Lhe: «Vem ver, Senhor».
E Jesus chorou.
Diziam então os judeus:
«Vede como era seu amigo».
Mas alguns deles observaram:
«Então Ele, que abriu os olhos ao cego,
não podia também ter feito que este homem não morresse?»
Entretanto, Jesus, intimamente comovido, chegou ao túmulo.
Era uma gruta, com uma pedra posta à entrada.
Disse Jesus: «Tirai a pedra».
Respondeu Marta, irmã do morto:
«Já cheira mal, Senhor, pois morreu há quatro dias».
Disse Jesus:
«Eu não te disse que, se acreditasses,
verias a glória de Deus?»
Tiraram então a pedra.
Jesus, levantando os olhos ao Céu, disse:
«Pai, dou-Te graças por Me teres ouvido.
Eu bem sei que sempre Me ouves,
mas falei assim por causa da multidão que nos cerca,
para acreditarem que Tu Me enviaste».
Dito isto, bradou com voz forte:
«Lázaro, sai para fora».
O morto saiu, de mãos e pés enfaixados com ligaduras
e o rosto envolvido num sudário.
Disse-lhes Jesus:
«Desligai-o e deixai-o ir».
134 TEMPO DA QUARESMA

Então muitos judeus, que tinham ido visitar Maria,


ao verem o que Jesus fizera, acreditaram n’Ele.
Palavra da salvação.

EVANGELHO Forma breve Jo 11, 3-7.17.20-27.33b-45


«Eu sou a ressurreição e a vida»
✠ Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São João
Naquele tempo,
as irmãs de Lázaro mandaram dizer a Jesus:
«Senhor, o teu amigo está doente».
Ouvindo isto, Jesus disse:
«Essa doença não é mortal, mas é para a glória de Deus,
para que por ela seja glorificado o Filho do homem».
Jesus era amigo de Marta, de sua irmã e de Lázaro.
Entretanto, depois de ouvir dizer que ele estava doente,
ficou ainda dois dias no local onde Se encontrava.
Depois disse aos discípulos:
«Vamos de novo para a Judeia».
Ao chegar lá,
Jesus encontrou o amigo sepultado havia quatro dias.
Quando ouviu dizer que Jesus estava a chegar,
Marta saiu ao seu encontro,
enquanto Maria ficou sentada em casa.
Marta disse a Jesus:
«Senhor, se tivesses estado aqui,
meu irmão não teria morrido.
Mas sei que, mesmo agora, tudo o que pedires a Deus,
Deus To concederá».
Disse-lhe Jesus: «Teu irmão ressuscitará».
Marta respondeu:
«Eu sei que há-de ressuscitar na ressurreição, do último dia».
Disse-lhe Jesus:
«Eu sou a ressurreição e a vida.
Quem acredita em Mim,
ainda que tenha morrido, viverá;
e todo aquele que vive e acredita em Mim, nunca morrerá.
DOMINGO V 135

Acreditas nisto?»
Disse-Lhe Marta:
«Acredito, Senhor, que Tu és o Messias, o Filho de Deus,
que havia de vir ao mundo».
Jesus comoveu-Se profundamente e perturbou-Se.
Depois perguntou: «Onde o pusestes?»
Responderam-Lhe: «Vem ver, Senhor».
E Jesus chorou.
Diziam então os judeus:
«Vede como era seu amigo».
Mas alguns deles observaram:
«Então Ele, que abriu os olhos ao cego,
não podia também ter feito que este homem não morresse?»
Entretanto, Jesus, intimamente comovido, chegou ao túmulo.
Era uma gruta, com uma pedra posta à entrada.
Disse Jesus: «Tirai a pedra».
Respondeu Marta, irmã do morto:
«Já cheira mal, Senhor, pois morreu há quatro dias».
Disse Jesus:
«Eu não te disse que, se acreditasses,
verias a glória de Deus?»
Tiraram então a pedra.
Jesus, levantando os olhos ao Céu, disse:
«Pai, dou-Te graças por Me teres ouvido.
Eu bem sei que sempre Me ouves,
mas falei assim por causa da multidão que nos cerca,
para acreditarem que Tu Me enviaste».
Dito isto, bradou com voz forte:
«Lázaro, sai para fora».
O morto saiu, de mãos e pés enfaixados com ligaduras
e o rosto envolvido num sudário.
Disse-lhes Jesus:
«Desligai-o e deixai-o ir».
Então muitos judeus, que tinham ido visitar Maria,
ao verem o que Jesus fizera, acreditaram n’Ele.
Palavra da salvação.
136 TEMPO DA QUARESMA

DOMINGO DE RAMOS
NA PAIXÃO DO SENHOR

Procissão de Ramos

EVANGELHO Mt 21, 1-11

«Bendito o que vem em nome do Senhor»


✠ Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Mateus
Quando se aproximaram de Jerusalém
e chegaram a Betfagé, junto ao Monte das Oliveiras,
Jesus enviou dois discípulos, dizendo-lhes:
«Ide à povoação que está em frente
e encontrareis uma jumenta presa e, com ela, um jumentinho.
Soltai-os e trazei-mos.
E se alguém vos disser alguma coisa,
respondei que o Senhor precisa deles,
mas não tardará em devolvê-los».
Isto sucedeu para se cumprir o que o profeta tinha anunciado:
«Dizei à filha de Sião:
‘Eis o teu Rei, que vem ao teu encontro,
humildemente montado num jumentinho,
filho de uma jumenta’».
Os discípulos partiram e fizeram como Jesus lhes ordenara:
trouxeram a jumenta e o jumentinho,
puseram-lhes em cima as suas capas
e Jesus sentou-Se sobre elas.
Numerosa multidão estendia as capas no caminho;
outros cortavam ramos de árvores e espalhavam-nos pelo chão.
DOMINGO DE RAMOS 137

E, tanto as multidões que vinham à frente de Jesus


como as que O seguiam,
diziam em altos brados:
«Hossana ao Filho de David!
Bendito O que vem em nome do Senhor!
Hossana nas alturas!»
Quando Jesus entrou em Jerusalém,
toda a cidade ficou em alvoroço.
«Quem é Ele?» __ perguntavam.
E a multidão respondia:
«É Jesus, o profeta de Nazaré da Galileia».
Palavra da salvação.

Missa

LEITURA I Is 50, 4-7

«Não desviei o meu rosto dos que Me ultrajavam,


mas sei que não ficarei desiludido»

Leitura do Livro de Isaías


O Senhor deu-me a graça de falar como um discípulo,
para que eu saiba dizer uma palavra de alento
aos que andam abatidos.
Todas as manhãs Ele desperta os meus ouvidos,
para eu escutar, como escutam os discípulos.
O Senhor Deus abriu-me os ouvidos
e eu não resisti nem recuei um passo.
Apresentei as costas àqueles que me batiam
e a face aos que me arrancavam a barba;
não desviei o meu rosto dos que me insultavam e cuspiam.
Mas o Senhor Deus veio em meu auxílio,
e, por isso, não fiquei envergonhado;
tornei o meu rosto duro como pedra,
e sei que não ficarei desiludido.
Palavra do Senhor.
138 TEMPO DA QUARESMA

SALMO RESPONSORIAL Salmo 21 (22), 8-9.17-18a.19-20.23-24 (R. 2a)

Refrão: Meu Deus, meu Deus, porque me abandonastes?


Todos os que me vêem escarnecem de mim,
estendem os lábios e meneiam a cabeça:
«Confiou no Senhor, Ele que o livre,
Ele que o salve, se é seu amigo».
Matilhas de cães me rodearam,
cercou-me um bando de malfeitores.
Trespassaram as minhas mãos e os meus pés,
posso contar todos os meus ossos.
Repartiram entre si as minhas vestes
e deitaram sortes sobre a minha túnica.
Mas Vós, Senhor, não Vos afasteis de mim,
sois a minha força, apressai-Vos a socorrer-me.
Hei-de falar do vosso nome aos meus irmãos,
hei-de louvar-Vos no meio da assembleia.
Vós, que temeis o Senhor, louvai-O,
glorificai-O, vós todos os filhos de Jacob,
reverenciai-O, vós todos os filhos de Israel.

LEITURA II Filip 2, 6-11

«Humilhou-Se a Si próprio; por isso Deus O exaltou»


Leitura da Epístola do apóstolo São Paulo aos Filipenses
Cristo Jesus, que era de condição divina,
não Se valeu da sua igualdade com Deus,
mas aniquilou-Se a Si próprio.
Assumindo a condição de servo,
tornou-Se semelhante aos homens.
Aparecendo como homem, humilhou-Se ainda mais,
obedecendo até à morte e morte de cruz.
DOMINGO DE RAMOS 139

Por isso Deus O exaltou


e Lhe deu um nome que está acima de todos os nomes,
para que ao nome de Jesus todos se ajoelhem
no céu, na terra e nos abismos,
e toda a língua proclame que Jesus Cristo é o Senhor,
para glória de Deus Pai.
Palavra do Senhor.

ACLAMAÇÃO ANTES DO EVANGELHO Filip 2, 8-9

Refrão: Ver pag. 391


Cristo obedeceu até à morte
e morte de cruz.
Por isso Deus O exaltou
e Lhe deu um nome que está acima de todos os nomes.

EVANGELHO Forma longa Mt 26, 14 __ 27, 66

Paixão de Nosso Senhor Jesus Cristo

N Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo


segundo São Mateus
Naquele tempo,
um dos doze, chamado Judas Iscariotes,
foi ter com os príncipes dos sacerdotes e disse-lhes:
R «Que estais dispostos a dar-me para vos entregar Jesus?»
N Eles garantiram-lhe trinta moedas de prata.
E a partir de então,
Judas procurava uma oportunidade para O entregar.
No primeiro dia dos Ázimos,
os discípulos foram ter com Jesus e perguntaram-Lhe:
R «Onde queres que façamos os preparativos
para comer a Páscoa?»
140 TEMPO DA QUARESMA

N Ele respondeu:
J «Ide à cidade, a casa de tal pessoa, e dizei-lhe:
‘O Mestre manda dizer:
O meu tempo está próximo.
É em tua casa que Eu quero celebrar a Páscoa
com os meus discípulos’».
N Os discípulos fizeram como Jesus lhes tinha mandado,
e prepararam a Páscoa.

Ao cair da noite, sentou-Se à mesa com os Doze.


Enquanto comiam, declarou:
J «Em verdade vos digo:
Um de vós há-de entregar-Me».
N Profundamente entristecidos,
começou cada um a perguntar-Lhe:
R «Serei eu, Senhor?»
N Jesus respondeu:
J «Aquele que meteu comigo a mão no prato
é que há-de entregar-Me.
O Filho do homem vai partir,
como está escrito acerca d’Ele.
Mas ai daquele
por quem o Filho do homem vai ser entregue!
Melhor seria para esse homem não ter nascido».
N Judas, que O ia entregar, tomou a palavra e perguntou:
R «Serei eu, Mestre?»
N Respondeu Jesus:
J «Tu o disseste».

N Enquanto comiam,
Jesus tomou o pão, recitou a bênção,
partiu-o e deu-o aos discípulos, dizendo:
J «Tomai e comei: Isto é o meu Corpo».
N Tomou em seguida um cálice,
deu graças e entregou-lho, dizendo:
J «Bebei dele todos,
porque este é o meu Sangue, o Sangue da aliança,
derramado pela multidão,
para remissão dos pecados.
DOMINGO DE RAMOS 141

Eu vos digo que não beberei mais deste fruto da videira,


até ao dia em que beberei convosco
o vinho novo no reino de meu Pai».

N Cantaram os salmos
e seguiram para o Monte das Oliveiras.

N Então, Jesus disse-lhes:


J «Todos vós, esta noite, vos escandalizareis por minha causa,
como está escrito:
‘Ferirei o pastor e dispersar-se-ão as ovelhas do rebanho’.
Mas, depois de ressuscitar,
preceder-vos-ei a caminho da Galileia».
N Pedro interveio, dizendo:
R «Ainda que todos se escandalizem por tua causa,
eu não me escandalizarei».
N Jesus respondeu-lhe:
J «Em verdade te digo:
Esta mesma noite, antes do galo cantar,
Me negarás três vezes».
N Pedro disse-lhe:
R «Ainda que tenha de morrer contigo, não Te negarei».
N E o mesmo disseram todos os discípulos.

Então, Jesus chegou com eles a uma propriedade,


chamada Getsémani,
e disse aos discípulos:
J «Ficai aqui, enquanto Eu vou além orar».
N E, tomando consigo Pedro e os dois filhos de Zebedeu,
começou a entristecer-Se e a angustiar-Se.
Disse-lhes então:
J «A minha alma está numa tristeza de morte.
Ficai aqui e vigiai comigo».
N E adiantando-Se um pouco mais, caiu com o rosto por terra,
enquanto orava e dizia:
J «Meu Pai, se é possível, passe de Mim este cálice.
Todavia, não se faça como Eu quero,
mas como Tu queres».
142 TEMPO DA QUARESMA

N Depois, foi ter com os discípulos,


encontrou-os a dormir e disse a Pedro:
J «Nem sequer pudestes vigiar uma hora comigo!
Vigiai e orai, para não cairdes em tentação.
O espírito está pronto, mas a carne é fraca».

N De novo Se afastou, pela segunda vez, e orou, dizendo:


J «Meu Pai,
se este cálice não pode passar sem que Eu o beba,
faça-se a tua vontade».
N Voltou novamente e encontrou-os a dormir,
pois os seus olhos estavam pesados de sono.
Deixou-os e foi de novo orar, pela terceira vez,
repetindo as mesmas palavras.
Veio então ao encontro dos discípulos e disse-lhes:
J «Dormi agora e descansai.
Chegou a hora em que o Filho do homem
vai ser entregue às mãos dos pecadores.
Levantai-vos, vamos.
Aproxima-se aquele que Me vai entregar».
N Ainda Jesus estava a falar,
quando chegou Judas, um dos Doze,
e com ele uma grande multidão, com espadas e varapaus,
enviada pelos príncipes dos sacerdotes
e pelos anciãos do povo.
O traidor tinha-lhes dado este sinal:
R «Aquele que eu beijar, é esse mesmo. Prendei-O».
N Aproximou-se imediatamente de Jesus e disse-Lhe:
R «Salve, Mestre!»
N E beijou-O.
Jesus respondeu- lhe:
J «Amigo, a que vieste?»
N Então avançaram, deitaram as mãos a Jesus
e prenderam-n’O.
Um dos que estavam com Jesus levou a mão à espada,
desembainhou-a e feriu um servo do sumo sacerdote,
cortando-lhe a orelha.
Jesus disse-lhe:
DOMINGO DE RAMOS 143

J «Mete a tua espada na bainha,


pois todos os que puxarem da espada morrerão à espada.
Pensas que não posso rogar a meu Pai
que ponha já ao meu dispor mais de doze legiões de Anjos?
Mas como se cumpririam as Escrituras,
segundo as quais assim tem de acontecer?»
N Voltando-Se depois para a multidão, Jesus disse:
J «Viestes com espadas e varapaus para Me prender
como se fosse um salteador!
Eu estava todos os dias sentado no templo a ensinar
e não Me prendestes ...
Mas, tudo isto aconteceu
para se cumprirem as Escrituras dos profetas».
N Então todos os discípulos O abandonaram e fugiram.

N Os que tinham prendido Jesus


levaram-n’O à presença do sumo sacerdote Caifás,
onde os escribas e os anciãos se tinham reunido.
Pedro foi-O seguindo de longe,
até ao palácio do sumo sacerdote.
Aproximando-se, entrou e sentou-se com os guardas,
para ver como acabaria tudo aquilo.
Entretanto, os príncipes dos sacerdotes e todo o Sinédrio
procuravam um testemunho falso contra Jesus
para O condenarem à morte,
mas não o encontravam,
embora se tivessem apresentado muitas testemunhas falsas.
Por fim, apresentaram-se duas que disseram:
R «Este homem afirmou:
‘Posso destruir o templo de Deus
e reconstruí-lo em três dias’».
N Então, o sumo sacerdote levantou-se e disse a Jesus:
R «Não respondes nada?
Que dizes ao que depõem contra Ti?»
N Mas Jesus continuava calado.
Disse-Lhe o sumo sacerdote:
R «Eu Te conjuro pelo Deus vivo,
que nos declares se és Tu o Messias, o Filho de Deus».
144 TEMPO DA QUARESMA

N Jesus respondeu-lhe:
J «Tu o disseste.
E Eu digo-vos:
vereis o Filho do homem
sentado à direita do Todo-poderoso,
vindo sobre as nuvens do céu».
N Então, o sumo sacerdote rasgou as vestes, dizendo:
R «Blasfemou.
Que necessidade temos de mais testemunhas?
Acabais de ouvir a blasfémia. Que vos parece?»
N Eles responderam:
R «É réu de morte».
N Cuspiram-Lhe então no rosto e deram-Lhe punhadas.
Outros esbofeteavam-n’O, dizendo:
R «Adivinha, Messias: quem foi que Te bateu?»

N Entretanto, Pedro estava sentado no pátio.


Uma criada aproximou-se dele e disse-lhe:
R «Tu também estavas com Jesus, o galileu».
N Mas ele negou diante de todos, dizendo:
R «Não sei o que dizes».
N Dirigindo-se para a porta,
foi visto por outra criada que disse aos circunstantes:
R «Este homem estava com Jesus de Nazaré».
N E, de novo, ele negou com juramento:
R «Não conheço tal homem».
N Pouco depois, aproximaram-se os que ali estavam
e disseram a Pedro:
R «Com certeza tu és deles, pois até a fala te denuncia».
N Começou então a dizer imprecações e a jurar:
R «Não conheço tal homem».
N E, imediatamente, um galo cantou.
Então, Pedro lembrou-se das palavras que Jesus dissera:
«Antes do galo cantar, tu Me negarás três vezes».
E, saindo, chorou amargamente.

Ao romper da manhã,
todos os príncipes dos sacerdotes e os anciãos do povo
DOMINGO DE RAMOS 145

se reuniram em conselho contra Jesus,


para Lhe darem a morte.
Depois de Lhe atarem as mãos,
levaram-n’O e entregaram-n’O ao governador Pilatos.

Então Judas, que entregara Jesus,


vendo que Ele tinha sido condenado,
tocado pelo remorso, devolveu as trinta moedas de prata
aos príncipes dos sacerdotes e aos anciãos, dizendo:
R «Pequei, entregando sangue inocente».
N Mas eles replicaram:
R «Que nos importa? É lá contigo».
N Então arremessou as moedas para o santuário,
saiu dali e foi-se enforcar.
Mas os príncipes dos sacerdotes
apanharam as moedas e disseram:
R «Não se podem lançar no tesouro,
porque são preço de sangue».
N E, depois de terem deliberado,
compraram com elas o Campo do Oleiro,
que servia para a sepultura dos estrangeiros.
Por este motivo se tem chamado àquele campo,
até ao dia de hoje, «Campo de Sangue».
Cumpriu-se então o que fora dito pelo profeta:
«Tomaram trinta moedas de prata,
preço em que foi avaliado
Aquele que os filhos de Israel avaliaram
e deram-nas pelo Campo do Oleiro,
como o Senhor me tinha ordenado».

N Entretanto, Jesus foi levado à presença do governador,


que lhe perguntou:
R «Tu és o Rei dos judeus?»
N Jesus respondeu:
J «É como dizes».
N Mas, ao ser acusado pelos príncipes dos sacerdotes
e pelos anciãos, nada respondeu.
Disse-Lhe então Pilatos:
R «Não ouves quantas acusações levantam contra Ti?»
146 TEMPO DA QUARESMA

N Mas Jesus não respondeu coisa alguma,


a ponto de o governador ficar muito admirado.

Ora, pela festa da Páscoa,


o governador costumava soltar um preso,
à escolha do povo.
Nessa altura, havia um preso famoso, chamado Barrabás.
E, quando eles se reuniram, disse-lhes:
R «Qual quereis que vos solte?
Barrabás, ou Jesus, chamado Cristo?»
N Ele bem sabia que O tinham entregado por inveja.
Enquanto estava sentado no tribunal,
a mulher mandou-lhe dizer:
R «Não te prendas com a causa desse justo,
pois hoje sofri muito em sonhos por causa d’Ele».

N Entretanto, os príncipes dos sacerdotes e os anciãos


persuadiram a multidão a que pedisse Barrabás
e fizesse morrer Jesus.
O governador tomou a palavra e perguntou-lhes:
R «Qual dos dois quereis que vos solte?»
N Eles responderam:
R «Barrabás».
N Disse-lhes Pilatos:
R «E que hei-de fazer de Jesus, chamado Cristo?»
N Responderam todos:
R «Seja crucificado».
N Pilatos insistiu:
R «Que mal fez Ele?»
N Mas eles gritavam cada vez mais:
R «Seja crucificado».
N Pilatos, vendo que não conseguia nada
e aumentava o tumulto,
mandou vir água
e lavou as mãos na presença da multidão, dizendo:
R «Estou inocente do sangue deste homem.
Isso é lá convosco».
N E todo o povo respondeu:
R «O seu sangue caia sobre nós e sobre os nossos filhos».
DOMINGO DE RAMOS 147

N Soltou-lhes então Barrabás.


E, depois de ter mandado açoitar Jesus,
entregou-lh’O para ser crucificado.
Então os soldados do governador
levaram Jesus para o pretório
e reuniram à volta d’Ele toda a coorte.
Tiraram-Lhe a roupa
e envolveram-n’O num manto vermelho.
Teceram uma coroa de espinhos e puseram-Lha na cabeça
e colocaram uma cana na sua mão direita.
Ajoelhando diante d’Ele, escarneciam-n’O, dizendo:
R «Salve, Rei dos judeus!»
N Depois, cuspiam-Lhe no rosto
e, pegando na cana, batiam-Lhe com ela na cabeça.
Depois de O terem escarnecido,
tiraram-Lhe o manto, vestiram-Lhe as suas roupas
e levaram-n’O para ser crucificado.

N Ao saírem,
encontraram um homem de Cirene, chamado Simão,
e requisitaram-no para levar a cruz de Jesus.
Chegados a um lugar chamado Gólgota,
que quer dizer lugar do Calvário,
deram-Lhe a beber vinho misturado com fel.
Mas Jesus, depois de o provar, não quis beber.
Depois de O terem crucificado,
repartiram entre si as suas vestes, tirando-as à sorte,
e ficaram ali sentados a guardá-l’O.
Por cima da sua cabeça puseram um letreiro,
indicando a causa da sua condenação:
«Este é Jesus, o Rei dos judeus».

Foram crucificados com Ele dois salteadores,


um à direita e outro à esquerda.
Os que passavam insultavam-n’O
e abanavam a cabeça, dizendo:
R «Tu, que destruías o templo e o reedificavas em três dias,
salva-Te a Ti mesmo;
se és Filho de Deus, desce da cruz».
148 TEMPO DA QUARESMA

N Os príncipes dos sacerdotes,


juntamente com os escribas e os anciãos,
também troçavam d’Ele, dizendo:
R «Salvou os outros e não pode salvar-Se a Si mesmo!
Se é o Rei de Israel,
desça agora da cruz e acreditaremos n’Ele.
Confiou em Deus:
Ele que O livre agora, se O ama,
porque disse: ‘Eu sou Filho de Deus’».
N Até os salteadores crucificados com Ele O insultavam.

Desde o meio-dia até às três horas da tarde,


as trevas envolveram toda a terra.
E, pelas três horas da tarde, Jesus clamou com voz forte:
J «Eli, Eli, lemá sabactáni?»,
N que quer dizer:
«Meu Deus, meu Deus, porque Me abandonastes?»
Alguns dos presentes, ouvindo isto, disseram:
R «Está a chamar por Elias».
N Um deles correu a tomar uma esponja,
embebeu-a em vinagre,
pô-la na ponta duma cana e deu-Lhe a beber.
Mas os outros disseram:
R «Deixa lá. Vejamos se Elias vem salvá-l’O».
N E Jesus, clamando outra vez com voz forte, expirou.

N Então, o véu do templo rasgou-se em duas partes,


de alto a baixo;
a terra tremeu e as rochas fenderam-se.
Abriram-se os túmulos
e muitos dos corpos de santos que tinham morrido
ressuscitaram;
e, saindo do sepulcro, depois da ressurreição de Jesus,
entraram na cidade santa e apareceram a muitos.
Entretanto, o centurião e os que com ele guardavam Jesus,
ao verem o tremor de terra e o que estava a acontecer,
ficaram aterrados e disseram:
R «Este era verdadeiramente Filho de Deus».
DOMINGO DE RAMOS 149

N Estavam ali, a observar de longe, muitas mulheres


que tinham seguido Jesus desde a Galileia, para O servirem.
Entre elas encontrava-se Maria Madalena,
Maria, mãe de Tiago e de José,
e a mãe dos filhos de Zebedeu.
Ao cair da tarde,
veio um homem rico de Arimateia, chamado José,
que também se tinha tornado discípulo de Jesus.
Foi ter com Pilatos e pediu-lhe o corpo de Jesus.
E Pilatos ordenou que lho entregassem.
José tomou o corpo, envolveu-o num lençol limpo
e depositou-o no seu sepulcro novo
que tinha mandado escavar na rocha.
Depois rolou uma grande pedra para a entrada do sepulcro,
e retirou-se.
Entretanto, estavam ali Maria Madalena e a outra Maria,
sentadas em frente do sepulcro.

No dia seguinte, isto é, depois da Preparação,


os príncipes dos sacerdotes e os fariseus
foram ter com Pilatos e disseram-lhe:
R «Senhor, lembrámo-nos do que aquele impostor disse
quando ainda era vivo:
‘Depois de três dias ressuscitarei’.
Por isso, manda que o sepulcro seja mantido em segurança
até ao terceiro dia,
para que não venham os discípulos roubá-lo
e dizer ao povo: ‘Ressuscitou dos mortos’.
E a última impostura seria pior do que a primeira».
N Pilatos respondeu:
R «Tendes à vossa disposição a guarda:
ide e guardai-o como entenderdes».
N Eles foram e guardaram o sepulcro,
selando a pedra e pondo a guarda.
Palavra da salvação.
150 TEMPO DA QUARESMA

EVANGELHO Forma breve Mt 27, 11-54

Paixão de Nosso Senhor Jesus Cristo

N Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo


segundo São Mateus

Naquele tempo,
Jesus foi levado à presença do governador Pilatos,
que lhe perguntou:
R «Tu és o Rei dos judeus?»
N Jesus respondeu:
J «É como dizes».
N Mas, ao ser acusado pelos príncipes dos sacerdotes
e pelos anciãos, nada respondeu.
Disse-Lhe então Pilatos:
R «Não ouves quantas acusações levantam contra Ti?»
N Mas Jesus não respondeu coisa alguma,
a ponto de o governador ficar muito admirado.

Ora, pela festa da Páscoa,


o governador costumava soltar um preso, à escolha do povo.
Nessa altura, havia um preso famoso, chamado Barrabás.
E, quando eles se reuniram, disse-lhes:
R «Qual quereis que vos solte?
Barrabás, ou Jesus, chamado Cristo?»
N Ele bem sabia que O tinham entregado por inveja.
Enquanto estava sentado no tribunal,
a mulher mandou-lhe dizer:
R «Não te prendas com a causa desse justo,
pois hoje sofri muito em sonhos por causa d’Ele».
N Entretanto, os príncipes dos sacerdotes e os anciãos
persuadiram a multidão a que pedisse Barrabás
e fizesse morrer Jesus.
O governador tomou a palavra e perguntou-lhes:
R «Qual dos dois quereis que vos solte?»
N Eles responderam:
R «Barrabás».
DOMINGO DE RAMOS 151

N Disse-lhes Pilatos:
R «E que hei-de fazer de Jesus, chamado Cristo?»
N Responderam todos:
R «Seja crucificado».
N Pilatos insistiu:
R «Que mal fez Ele?»
N Mas eles gritavam cada vez mais:
R «Seja crucificado».
N Pilatos, vendo que não conseguia nada
e aumentava o tumulto,
mandou vir água
e lavou as mãos na presença da multidão, dizendo:
R «Estou inocente do sangue deste homem.
Isso é lá convosco».
N E todo o povo respondeu:
R «O seu sangue caia sobre nós e sobre os nossos filhos».
N Soltou-lhes então Barrabás.
E, depois de ter mandado açoitar Jesus,
entregou-lh’O para ser crucificado.
Então os soldados do governador levaram Jesus para o pretório
e reuniram à volta d’Ele toda a coorte.
Tiraram-Lhe a roupa e envolveram-n’O num manto vermelho.
Teceram uma coroa de espinhos e puseram-Lha na cabeça
e colocaram uma cana na sua mão direita.
Ajoelhando diante d’Ele, escarneciam-n’O, dizendo:
R «Salve, Rei dos judeus!»
N Depois, cuspiam-Lhe no rosto
e, pegando na cana, batiam-Lhe com ela na cabeça.
Depois de O terem escarnecido,
tiraram-Lhe o manto, vestiram-Lhe as suas roupas
e levaram-n’O para ser crucificado.

N Ao saírem,
encontraram um homem de Cirene, chamado Simão,
e requisitaram-no para levar a cruz de Jesus.
Chegados a um lugar chamado Gólgota,
que quer dizer lugar do Calvário,
deram-Lhe a beber vinho misturado com fel.
152 TEMPO DA QUARESMA

Mas Jesus, depois de o provar, não quis beber.


Depois de O terem crucificado,
repartiram entre si as suas vestes, tirando-as à sorte,
e ficaram ali sentados a guardá-l’O.
Por cima da sua cabeça puseram um letreiro,
indicando a causa da sua condenação:
«Este é Jesus, o Rei dos judeus».

Foram crucificados com Ele dois salteadores,


um à direita e outro à esquerda.
Os que passavam insultavam-n’O
e abanavam a cabeça, dizendo:
R «Tu que destruías o templo e o reedificavas em três dias,
salva-Te a Ti mesmo;
se és Filho de Deus, desce da cruz».
N Os príncipes dos sacerdotes,
juntamente com os escribas e os anciãos,
também troçavam d’Ele, dizendo:
R «Salvou os outros e não pode salvar-Se a Si mesmo!
Se é o Rei de Israel,
desça agora da cruz e acreditaremos n’Ele.
Confiou em Deus:
Ele que O livre agora, se O ama,
porque disse: ‘Eu sou Filho de Deus’».
N Até os salteadores crucificados com Ele O insultavam.

Desde o meio-dia até às três horas da tarde,


as trevas envolveram toda a terra.
E, pelas três horas da tarde,
Jesus clamou com voz forte:
J «Eli, Eli, lemá sabactáni?»,
N que quer dizer:
«Meu Deus, meu Deus, porque Me abandonastes?»
Alguns dos presentes, ouvindo isto, disseram:
R «Está a chamar por Elias».
DOMINGO DE RAMOS 153

N Um deles correu a tomar uma esponja,


embebeu-a em vinagre,
pô-la na ponta duma cana e deu-Lhe a beber.
Mas os outros disseram:
R «Deixa lá. Vejamos se Elias vem salvá-l’O».
N E Jesus, clamando outra vez com voz forte, expirou.

N Então, o véu do templo rasgou-se em duas partes,


de alto a baixo;
a terra tremeu e as rochas fenderam-se.
Abriram-se os túmulos
e muitos dos corpos de santos que tinham morrido
ressuscitaram;
e, saindo do sepulcro, depois da ressurreição de Jesus,
entraram na cidade santa e apareceram a muitos.
Entretanto, o centurião e os que com ele guardavam Jesus,
ao verem o tremor de terra e o que estava a acontecer,
ficaram aterrados e disseram:
R «Este era verdadeiramente Filho de Deus».
N Palavra da salvação.

A Missa deste domingo é dotada de três leituras, que muito se reco-


mendam, se não há um motivo pastoral que aconselhe outra coisa.
Dada a importância da leitura da Paixão do Senhor, compete ao sacerdote,
tendo em conta a natureza de cada grupo de fiéis, a opção de ler apenas uma das
duas leituras que precedem o Evangelho, ou apenas a história da Paixão, se for
necessário, mesmo na forma breve.
Isto vigora apenas para as Missas celebradas com participação do povo.
TRÍDUO PASCAL
E
TEMPO PASCAL
QUINTA-FEIRA DA CEIA DO SENHOR

Para a Missa do Crisma, ver no Leccionário ferial.

Missa da Ceia do Senhor

LEITURA I Ex 12, 1-8.11-14


Preceitos sobre a ceia pascal
Leitura do Livro do Êxodo
Naqueles dias,
o Senhor disse a Moisés e a Aarão na terra do Egipto:
«Este mês será para vós o princípio dos meses;
fareis dele o primeiro mês do ano.
Falai a toda a comunidade de Israel e dizei-lhe:
No dia dez deste mês,
procure cada qual um cordeiro por família,
uma rês por cada casa.
Se a família for pequena demais para comer um cordeiro,
junte-se ao vizinho mais próximo, segundo o número de pessoas,
tendo em conta o que cada um pode comer.
Tomareis um animal sem defeito,
macho e de um ano de idade.
Podeis escolher um cordeiro ou um cabrito.
Deveis conservá-lo até ao dia catorze desse mês.
Então, toda a assembleia da comunidade de Israel
o imolará ao cair da tarde.
Recolherão depois o seu sangue,
que será espalhado nos dois umbrais e na padieira da porta
das casas em que o comerem.
E comerão a carne nessa mesma noite;
comê-la-ão assada ao fogo, com pães ázimos e ervas amargas.
158 TRÍDUO PASCAL

Quando o comerdes,
tereis os rins cingidos, sandálias nos pés e cajado na mão.
Comereis a toda a pressa: é a Páscoa do Senhor.
Nessa mesma noite, passarei pela terra do Egipto
e hei-de ferir de morte, na terra do Egipto,
todos os primogénitos, desde os homens até aos animais.
Assim exercerei a minha justiça contra os deuses do Egipto,
Eu, o Senhor.
O sangue será para vós um sinal, nas casas em que estiverdes:
ao ver o sangue, passarei adiante
e não sereis atingidos pelo flagelo exterminador,
quando Eu ferir a terra do Egipto.
Esse dia será para vós uma data memorável,
que haveis de celebrar com uma festa em honra do Senhor.
Festejá-lo-eis de geração em geração,
como instituição perpétua».
Palavra do Senhor.

SALMO RESPONSORIAL Salmo 115 (116), 12-13.15-16bc.17-18


(R. cf. 1 Cor 10, 16)

Refrão: O cálice de bênção é comunhão do Sangue de Cristo.


Como agradecerei ao Senhor
tudo quanto Ele me deu?
Elevarei o cálice da salvação,
invocando o nome do Senhor.
É preciosa aos olhos do Senhor
a morte dos seus fiéis.
Senhor, sou vosso servo, filho da vossa serva:
quebrastes as minhas cadeias.
Oferecer-Vos-ei um sacrifício de louvor,
invocando, Senhor, o vosso nome.
Cumprirei as minhas promessas ao Senhor,
na presença de todo o povo.
QUINTA-FEIRA DA CEIA DO SENHOR 159

LEITURA II 1 Cor 11, 23-26


«Todas as vezes que comerdes deste pão e beberdes deste cálice,
anunciareis a morte do Senhor»
Leitura da Primeira Epístola do apóstolo São Paulo aos Coríntios
Irmãos:
Eu recebi do Senhor o que também vos transmiti:
o Senhor Jesus, na noite em que ia ser entregue,
tomou o pão e, dando graças, partiu-o e disse:
«Isto é o meu Corpo, entregue por vós.
Fazei isto em memória de Mim».
Do mesmo modo, no fim da ceia, tomou o cálice e disse:
«Este cálice é a nova aliança no meu Sangue.
Todas as vezes que o beberdes, fazei-o em memória de Mim».
Na verdade, todas as vezes que comerdes deste pão
e beberdes deste cálice,
anunciareis a morte do Senhor, até que Ele venha.
Palavra do Senhor.

ACLAMAÇÃO ANTES DO EVANGELHO Jo 13, 34

Refrão: Ver pag. 391


Dou-vos um mandamento novo, diz o Senhor:
amai-vos uns aos outros como Eu vos amei.

EVANGELHO Jo 13, 1-15


«Amou-os até ao fim»
✠ Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São João
Antes da festa da Páscoa,
sabendo Jesus que chegara a sua hora
de passar deste mundo para o Pai,
Ele, que amara os seus que estavam no mundo,
amou-os até ao fim.
No decorrer da ceia,
tendo já o Demónio metido no coração de Judas Iscariotes,
filho de Simão,
160 TRÍDUO PASCAL

a ideia de O entregar,
Jesus, sabendo que o Pai Lhe tinha dado toda a autoridade,
sabendo que saíra de Deus e para Deus voltava,
levantou-Se da mesa, tirou o manto
e tomou uma toalha que pôs à cintura.
Depois, deitou água numa bacia,
e começou a lavar os pés aos discípulos
e a enxugá-los com a toalha que pusera à cintura.
Quando chegou a Simão Pedro, este disse-Lhe:
«Senhor, Tu vais lavar-me os pés?»
Jesus respondeu:
«O que estou a fazer, não o podes entender agora,
mas compreendê-lo-ás mais tarde».
Pedro insistiu:
«Nunca consentirei que me laves os pés».
Jesus respondeu-lhe:
«Se não tos lavar, não terás parte comigo».
Simão Pedro replicou:
«Senhor, então não somente os pés,
mas também as mãos e a cabeça».
Jesus respondeu-lhe:
«Aquele que já tomou banho está limpo
e não precisa de lavar senão os pés.
Vós estais limpos, mas não todos».
Jesus bem sabia quem O havia de entregar.
Foi por isso que acrescentou: «Nem todos estais limpos».
Depois de lhes lavar os pés,
Jesus tomou o manto e pôs-Se de novo à mesa.
Então disse-lhes:
«Compreendeis o que vos fiz?
Vós chamais-Me Mestre e Senhor,
e dizeis bem, porque o sou.
Se Eu, que sou Mestre e Senhor, vos lavei os pés,
também vós deveis lavar os pés uns aos outros.
Dei-vos o exemplo,
para que, assim como Eu fiz, vós façais também».
Palavra da salvação.
SEXTA-FEIRA DA PAIXÃO DO SENHOR

LEITURA I Is 52, 13 __ 53, 12

«Foi trespassado por causa das nossas culpas»


(Quarto cântico do servo do Senhor)

Leitura do Livro de Isaías


Vede como vai prosperar o meu servo:
subirá, elevar-se-á, será exaltado.
Assim como, à sua vista, muitos se encheram de espanto
__
tão desfigurado estava o seu rosto
que tinha perdido toda a aparência de um ser humano __
assim se hão-de encher de assombro muitas nações
e, diante dele, os reis ficarão calados,
porque hão-de ver o que nunca lhes tinham contado
e observar o que nunca tinham ouvido.
Quem acreditou no que ouvimos dizer?
A quem se revelou o braço do Senhor?
O meu servo cresceu diante do Senhor como um rebento,
como raiz numa terra árida,
sem distinção nem beleza para atrair o nosso olhar
nem aspecto agradável que possa cativar-nos.
Desprezado e repelido pelos homens,
homem de dores, acostumado ao sofrimento,
era como aquele de quem se desvia o rosto,
pessoa desprezível e sem valor para nós.
Ele suportou as nossas enfermidades
e tomou sobre si as nossas dores.
Mas nós víamos nele um homem castigado,
ferido por Deus e humilhado.
Ele foi trespassado por causa das nossas culpas
e esmagado por causa das nossas iniquidades.
162 TRÍDUO PASCAL

Caiu sobre ele o castigo que nos salva:


pelas suas chagas fomos curados.
Todos nós, como ovelhas, andávamos errantes,
cada qual seguia o seu caminho.
E o Senhor fez cair sobre ele as faltas de todos nós.
Maltratado, humilhou-se voluntariamente
e não abriu a boca.
Como cordeiro levado ao matadouro,
como ovelha muda ante aqueles que a tosquiam,
ele não abriu a boca.
Foi eliminado por sentença iníqua,
mas, quem se preocupa com a sua sorte?
Foi arrancado da terra dos vivos
e ferido de morte pelos pecados do seu povo.
Foi-lhe dada sepultura entre os ímpios
e um túmulo no meio de malfeitores,
embora não tivesse cometido injustiça
nem se tivesse encontrado mentira na sua boca.
Aprouve ao Senhor esmagar o seu servo pelo sofrimento.
Mas, se oferecer a sua vida como sacrifício de expiação,
terá uma descendência duradoira,
viverá longos dias
e a obra do Senhor prosperará em suas mãos.
Terminados os sofrimentos,
verá a luz e ficará saciado na sua sabedoria.
O justo, meu servo, justificará a muitos
e tomará sobre si as suas iniquidades.
Por isso, Eu lhe darei as multidões como prémio
e terá parte nos despojos no meio dos poderosos;
porque ele próprio entregou a sua vida à morte
e foi contado entre os malfeitores,
tomou sobre si as culpas das multidões
e intercedeu pelos pecadores.
Palavra do Senhor.
SEXTA-FEIRA DA PAIXÃO DO SENHOR 163

SALMO RESPONSORIAL Salmo 30 (31), 2.6.12-13.15-16.17.25 (R. Lc 23, 46)

Refrão: Pai, em vossas mãos entrego o meu espírito.


Em Vós, Senhor, me refugio, jamais serei confundido,
pela vossa justiça, salvai-me.
Em vossas mãos entrego o meu espírito,
Senhor, Deus fiel, salvai-me.
Tornei-me o escárnio dos meus inimigos,
o desprezo dos meus vizinhos
e o terror dos meus conhecidos:
todos evitam passar por mim.
Esqueceram-me como se fosse um morto,
tornei-me como um objecto abandonado.
Eu, porém, confio no Senhor:
Disse: «Vós sois o meu Deus,
nas vossas mãos está o meu destino».
Livrai-me das mãos dos meus inimigos
e de quantos me perseguem.
Fazei brilhar sobre mim a vossa face,
salvai-me pela vossa bondade.
Tende coragem e animai-vos,
vós todos que esperais no Senhor.
164 TRÍDUO PASCAL

LEITURA II Hebr 4, 14-16; 5, 7-9

«Aprendeu a obediência
e tornou-Se causa de salvação para todos os que Lhe obedecem»

Leitura da Epístola aos Hebreus


Irmãos:
Tendo nós um sumo sacerdote que penetrou os Céus,
Jesus, Filho de Deus,
permaneçamos firmes na profissão da nossa fé.
Na verdade, nós não temos um sumo sacerdote
incapaz de Se compadecer das nossas fraquezas.
Pelo contrário, Ele mesmo foi provado em tudo,
à nossa semelhança, excepto no pecado.
Vamos, portanto, cheios de confiança, ao trono da graça,
a fim de alcançarmos misericórdia
e obtermos a graça de um auxílio oportuno.
Nos dias da sua vida mortal,
Ele dirigiu preces e súplicas,
com grandes clamores e lágrimas,
Àquele que O podia livrar da morte,
e foi atendido por causa da sua piedade.
Apesar de ser Filho, aprendeu a obediência no sofrimento.
E, tendo atingido a sua plenitude,
tornou-Se, para todos os que Lhe obedecem,
causa de salvação eterna.
Palavra do Senhor.

ACLAMAÇÃO ANTES DO EVANGELHO Filip 2, 8-9

Refrão: Ver pag. 391


Cristo obedeceu até à morte e morte de cruz.
Por isso Deus O exaltou
e Lhe deu um nome que está acima de todos os nomes.
SEXTA-FEIRA DA PAIXÃO DO SENHOR 165

EVANGELHO Jo 18, 1 __ 19, 42


Paixão de Nosso Senhor Jesus Cristo
N Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São João
Naquele tempo,
Jesus saiu com os seus discípulos
para o outro lado da torrente do Cédron.
Havia lá um jardim, onde Ele entrou com os seus discípulos.
Judas, que O ia entregar, conhecia também o local,
porque Jesus Se reunira lá muitas vezes com os discípulos.
Tomando consigo uma companhia de soldados
e alguns guardas,
enviados pelos príncipes dos sacerdotes e pelos fariseus,
Judas chegou ali, com archotes, lanternas e armas.
Sabendo Jesus tudo o que Lhe ia acontecer,
adiantou-Se e perguntou-lhes:
J «A quem buscais?»
N Eles responderam-Lhe:
R «A Jesus, o Nazareno».
N Jesus disse-lhes:
J «Sou Eu».
N Judas, que O ia entregar, também estava com eles.
Quando Jesus lhes disse: «Sou Eu»,
recuaram e caíram por terra.
Jesus perguntou-lhes novamente:
J «A quem buscais?»
N Eles responderam:
R «A Jesus, o Nazareno».
N Disse-lhes Jesus:
J «Já vos disse que sou Eu.
Por isso, se é a Mim que buscais,
deixai que estes se retirem».
N Assim se cumpriam as palavras que Ele tinha dito:
«Daqueles que Me deste, não perdi nenhum».
Então, Simão Pedro, que tinha uma espada,
desembainhou-a e feriu um servo do sumo sacerdote,
cortando-lhe a orelha direita.
166 TRÍDUO PASCAL

O servo chamava-se Malco.


Mas Jesus disse a Pedro:
J «Mete a tua espada na bainha.
Não hei-de beber o cálice que meu Pai Me deu?»
N Então, a companhia de soldados,
o oficial e os guardas dos judeus
apoderaram-se de Jesus e manietaram-n’O.
Levaram-n’O primeiro a Anás,
por ser sogro de Caifás,
que era o sumo sacerdote nesse ano.
Caifás é que tinha dado o seguinte conselho aos judeus:
«Convém que morra um só homem pelo povo».

Entretanto, Simão Pedro seguia Jesus com outro discípulo.


Esse discípulo era conhecido do sumo sacerdote
e entrou com Jesus no pátio do sumo sacerdote,
enquanto Pedro ficava à porta, do lado de fora.
Então o outro discípulo, conhecido do sumo sacerdote,
falou à porteira e levou Pedro para dentro.
A porteira disse a Pedro:
R «Tu não és dos discípulos desse homem?»
N Ele respondeu:
R «Não sou».
N Estavam ali presentes os servos e os guardas,
que, por causa do frio, tinham acendido um braseiro
e se aqueciam.
Pedro também se encontrava com eles a aquecer-se.

Entretanto, o sumo sacerdote interrogou Jesus


acerca dos seus discípulos e da sua doutrina.
Jesus respondeu-lhe:
J «Falei abertamente ao mundo.
Sempre ensinei na sinagoga e no templo,
onde todos os judeus se reúnem,
e não disse nada em segredo.
Porque Me interrogas?
Pergunta aos que Me ouviram o que lhes disse:
eles bem sabem aquilo de que lhes falei».
SEXTA-FEIRA DA PAIXÃO DO SENHOR 167

N A estas palavras, um dos guardas que estava ali presente


deu uma bofetada a Jesus e disse-Lhe:
R «É assim que respondes ao sumo sacerdote?»
N Jesus respondeu-lhe:
J «Se falei mal, mostra-Me em quê.
Mas, se falei bem, porque Me bates?»
N Então Anás mandou Jesus manietado
ao sumo sacerdote Caifás.

Simão Pedro continuava ali a aquecer-se.


Disseram-lhe então:
R «Tu não és também um dos seus discípulos?»
N Ele negou, dizendo:
R «Não sou».
N Replicou um dos servos do sumo sacerdote,
parente daquele a quem Pedro cortara a orelha:
R «Então eu não te vi com Ele no jardim?»
N Pedro negou novamente,
e logo um galo cantou.

Depois, levaram Jesus da residência de Caifás ao Pretório.


Era de manhã cedo.
Eles não entraram no pretório,
para não se contaminarem e assim poderem comer a Páscoa.
Pilatos veio cá fora ter com eles e perguntou-lhes:
R «Que acusação trazeis contra este homem?»
N Eles responderam-lhe:
R «Se não fosse malfeitor, não t’O entregávamos».
N Disse-lhes Pilatos:
R «Tomai-O vós próprios, e julgai-O segundo a vossa lei».
N Os judeus responderam:
R «Não nos é permitido dar a morte a ninguém».
N Assim se cumpriam as palavras que Jesus tinha dito,
ao indicar de que morte ia morrer.
Entretanto, Pilatos entrou novamente no pretório,
chamou Jesus e perguntou-Lhe:
R «Tu és o Rei dos judeus?»
N Jesus respondeu-lhe:
168 TRÍDUO PASCAL

J «É por ti que o dizes,


ou foram outros que to disseram de Mim?»
N Disse-Lhe Pilatos:
R «Porventura sou eu judeu?
O teu povo
e os sumos sacerdotes é que Te entregaram a Mim.
Que fizeste?»
N Jesus respondeu:
J «O meu reino não é deste mundo.
Se meu reino fosse deste mundo, os meus guardas lutariam
para que Eu não fosse entregue aos judeus.
Mas o meu reino não é daqui».
N Disse-Lhe Pilatos:
R «Então, Tu és Rei?»
N Jesus respondeu-lhe:
J «É como dizes: sou Rei.
Para isso nasci e vim ao mundo,
a fim de dar testemunho da verdade.
Todo aquele que é da verdade escuta a minha voz».
N Disse-Lhe Pilatos:
R «Que é a verdade?»
N Dito isto, saiu novamente para fora e declarou aos judeus:
R «Não encontro neste homem culpa nenhuma.
Mas vós estais habituados
a que eu vos solte alguém pela Páscoa.
Quereis que vos solte o Rei dos judeus?»
N Eles gritaram de novo:
R «Esse não. Antes Barrabás».
N Barrabás era um salteador.
Então Pilatos mandou que levassem Jesus e O açoitassem.
Os soldados teceram uma coroa de espinhos,
colocaram-Lha na cabeça
e envolveram Jesus num manto de púrpura.
Depois aproximavam-se d’Ele e diziam:
R «Salve, Rei dos judeus».
N E davam-Lhe bofetadas.
Pilatos saiu novamente para fora e disse:
R «Eu vo-l’O trago aqui fora,
para saberdes que não encontro n’Ele culpa nenhuma».
SEXTA-FEIRA DA PAIXÃO DO SENHOR 169

N Jesus saiu,
trazendo a coroa de espinhos e o manto de púrpura.
Pilatos disse-lhes:
R «Eis o homem».
N Quando viram Jesus,
os príncipes dos sacerdotes e os guardas gritaram:
R «Crucifica-O. Crucifica-O».
N Disse-lhes Pilatos:
R «Tomai-O vós mesmos e crucificai-O,
que eu não encontro n’Ele culpa alguma».
N Responderam-lhe os judeus:
R «Nós temos uma lei
e, segundo a nossa lei, deve morrer,
porque Se fez Filho de Deus».
N Quando Pilatos ouviu estas palavras, ficou assustado.
Voltou a entrar no pretório e perguntou a Jesus:
R «Donde és Tu?»
N Mas Jesus não lhe deu resposta.
Disse-Lhe então Pilatos:
R «Não me falas? Não sabes que tenho poder
para Te soltar e para Te crucificar?»
N Jesus respondeu-lhe:
J «Nenhum poder terias sobre Mim,
se não te fosse dado do alto.
Por isso, quem Me entregou a ti tem maior pecado».
N A partir de então, Pilatos procurava libertar Jesus.
Mas os judeus gritavam:
R «Se O libertares, não és amigo de César:
todo aquele que se faz rei é contra César».
N Ao ouvir estas palavras, Pilatos trouxe Jesus para fora
e sentou-se no tribunal,
no lugar chamado «Lagedo», em hebraico «Gabatá».
Era a Preparação da Páscoa, por volta do meio-dia.
Disse então aos judeus:
R «Eis o vosso Rei!»
N Mas eles gritaram:
R «À morte, à morte! Crucifica-O!»
170 TRÍDUO PASCAL

N Disse-lhes Pilatos:
R «Hei-de crucificar o vosso Rei?»
N Replicaram-lhe os príncipes dos sacerdotes:
R «Não temos outro rei senão César».
N Entregou-lhes então Jesus, para ser crucificado.
E eles apoderaram-se de Jesus.

Levando a cruz,
Jesus saiu para o chamado Lugar do Calvário,
que em hebraico se diz Gólgota.
Ali O crucificaram, e com Ele mais dois:
um de cada lado e Jesus no meio.
Pilatos escreveu ainda um letreiro
e colocou-o no alto da cruz; nele estava escrito:
«Jesus, o Nazareno, Rei dos judeus».
Muitos judeus leram esse letreiro,
porque o lugar onde Jesus tinha sido crucificado
era perto da cidade.
Estava escrito em hebraico, grego e latim.
Diziam então a Pilatos os príncipes dos sacerdotes dos judeus:
R «Não escrevas: ‘Rei dos judeus’,
mas que Ele afirmou: ‘Eu sou o Rei dos judeus’».
N Pilatos retorquiu:
R «O que escrevi está escrito».

N Quando crucificaram Jesus,


os soldados tomaram as suas vestes,
das quais fizeram quatro lotes, um para cada soldado,
e ficaram também com a túnica.
A túnica não tinha costura:
era tecida de alto a baixo como um todo.
Disseram uns aos outros:
R «Não a rasguemos, mas lancemos sortes,
para ver de quem será».
N Assim se cumpria a Escritura:
«Repartiram entre si as minhas vestes
e deitaram sortes sobre a minha túnica».
Foi o que fizeram os soldados.
SEXTA-FEIRA DA PAIXÃO DO SENHOR 171

Estavam junto à cruz de Jesus


sua Mãe, a irmã de sua Mãe,
Maria, mulher de Cléofas, e Maria Madalena.
Ao ver sua Mãe e o discípulo predilecto,
Jesus disse a sua Mãe:
J «Mulher, eis o teu filho».
N Depois disse ao discípulo:
J «Eis a tua Mãe».
N E a partir daquela hora,
o discípulo recebeu-a em sua casa.
Depois, sabendo que tudo estava consumado
e para que se cumprisse a Escritura,
Jesus disse:
J «Tenho sede».
N Estava ali um vaso cheio de vinagre.
Prenderam a uma vara uma esponja embebida em vinagre
e levaram-Lha à boca.
Quando Jesus tomou o vinagre, exclamou:
J «Tudo está consumado».
N E, inclinando a cabeça, expirou.

N Por ser a Preparação,


e para que os corpos não ficassem na cruz durante o sábado,
__
era um grande dia aquele sábado __
os judeus pediram a Pilatos
que se lhes quebrassem as pernas e fossem retirados.
Os soldados vieram e quebraram as pernas ao primeiro,
depois ao outro que tinha sido crucificado com ele.
Ao chegarem a Jesus, vendo-O já morto,
não Lhe quebraram as pernas,
mas um dos soldados trespassou-Lhe o lado com uma lança,
e logo saiu sangue e água.
Aquele que viu é que dá testemunho
e o seu testemunho é verdadeiro.
Ele sabe que diz a verdade,
para que também vós acrediteis.
172 TRÍDUO PASCAL

Assim aconteceu para se cumprir a Escritura, que diz:


«Nenhum osso lhe será quebrado».
Diz ainda outra passagem da Escritura:
«Hão-de olhar para Aquele que trespassaram».

Depois disto, José de Arimateia, que era discípulo de Jesus,


embora oculto por medo dos judeus,
pediu licença a Pilatos para levar o corpo de Jesus.
Pilatos permitiu-lho.
José veio então tirar o corpo de Jesus.
Veio também Nicodemos,
aquele que, antes, tinha ido de noite ao encontro de Jesus.
Trazia uma mistura de quase cem libras de mirra e aloés.
Tomaram o corpo de Jesus
e envolveram-no em ligaduras juntamente com os perfumes,
como é costume sepultar entre os judeus.
No local em que Jesus tinha sido crucificado,
havia um jardim e, no jardim, um sepulcro novo,
no qual ainda ninguém fora sepultado.
Foi aí que, por causa da Preparação dos judeus,
porque o sepulcro ficava perto,
depositaram Jesus.
Palavra da salvação.
DOMINGO DE PÁSCOA
RESSURREIÇÃO DO SENHOR

Vigília pascal na Noite Santa

Para a Vigília Pascal são propostas nove leituras: sete do Antigo Testa-
mento e duas do Novo Testamento. Se, por motivos particulares, as circunstâncias
o requerem, pode-se reduzir o número das leituras. Façam-se, pelo menos, três
leituras do Antigo Testamento, ou, em casos mais urgentes, só duas, antes da
Epístola e do Evangelho. Mas nunca se deve omitir a leitura do Êxodo sobre a
passagem do Mar Vermelho (Leitura III).

LEITURA I Forma longa Gen 1, 1 — 2, 2


«Deus viu tudo o que tinha feito: era tudo muito bom»

Leitura do Livro do Génesis


No princípio, Deus criou o céu e a terra.
A terra estava deserta e vazia,
as trevas cobriam a superfície do abismo
e o espírito de Deus pairava sobre as águas.
Disse Deus: «Faça-se a luz». E a luz apareceu.
Deus viu que a luz era boa, e separou a luz das trevas.
Deus chamou ‘dia’ à luz e ‘noite’ às trevas.
Veio a tarde e, em seguida, a manhã: era o primeiro dia.
Disse Deus: «Haja um firmamento no meio das águas,
para as manter separadas umas das outras».
Deus fez o firmamento
e separou as águas que estavam debaixo do firmamento
das águas que estavam por cima dele.
E ao firmamento chamou ‘céu’.
Veio a tarde e, em seguida, a manhã: foi o segundo dia.
174 TRÍDUO PASCAL

Disse Deus: «Juntem-se as águas


que estão debaixo do firmamento
num só lugar
e apareça a terra seca».
E assim sucedeu.
À parte seca Deus chamou ‘terra’
e ‘mar’ ao conjunto das águas.
E Deus viu que isto era bom.

Disse Deus: «Cubra-se a terra de verdura:


ervas que dêem sementes
e árvores de fruto,
que produzam sobre a terra frutos com a sua semente,
segundo a própria espécie».
E assim sucedeu.
A terra produziu verdura:
erva que produz semente, segundo a sua espécie,
e árvores que dão frutos com a sua semente,
segundo a própria espécie.
Deus viu que isto era bom.
Veio a tarde e, em seguida, a manhã: foi o terceiro dia.

Disse Deus: «Haja luzeiros no firmamento do céu,


para distinguirem o dia da noite
e servirem de sinais para as festas, os dias e os anos,
para que brilhem no firmamento do céu
e iluminem a terra».
E assim sucedeu.
Deus fez dois grandes luzeiros:
o maior para presidir ao dia
e o menor para presidir à noite;
e fez também as estrelas.
Deus colocou-os no firmamento do céu
para iluminarem a terra,
para presidirem ao dia e à noite
e separarem a luz das trevas.
Deus viu que isto era bom.
Veio a tarde e, em seguida, a manhã: foi o quarto dia.
VIGÍLIA PASCAL 175

Disse Deus: «Povoem as águas inúmeros seres vivos


e voem as aves na terra sob o firmamento do céu».
Deus criou os monstros marinhos
e todos os seres vivos que se movem nas águas,
segundo as suas espécies,
e todos os animais voadores, segundo as suas espécies.
Deus viu que isto era bom;
e abençoou-os, dizendo:
«Crescei e multiplicai-vos,
enchei as águas dos mares
e multipliquem-se as aves sobre a terra».
Veio a tarde e, em seguida, a manhã: foi o quinto dia.

Disse Deus: «Produza a terra seres vivos,


segundo as suas espécies:
animais domésticos, répteis e animais selvaens,
segundo as suas espécies».
E assim sucedeu.
Deus fez os animais selvagens, segundo as suas espécies,
os animais domésticos, segundo as suas espécies,
e todos os répteis da terra, segundo as suas espécies.
Deus viu que isto era bom.

Disse Deus: «Façamos o homem à nossa imagem e semelhança.


Domine sobre os peixes do mar, sobre as aves do céu,
sobre os animais domésticos, sobre os animais selvagens
e sobre todos os répteis que rastejam pela terra».
Deus criou o ser humano à sua imagem,
criou-o à imagem de Deus.
Ele o criou homem e mulher.
Deus abençoou-os, dizendo:
«Crescei e multiplicai-vos, enchei e dominai a terra.
Dominai sobre os peixes do mar, sobre as aves do céu
e sobre todos os animais que se movem na terra».
Disse Deus: «Dou-vos todas as plantas com semente
que existem em toda a superfície da terra,
assim como todas as árvores de fruto com semente,
para que vos sirvam de alimento.
176 TRÍDUO PASCAL

E a todos os animais da terra, a todas as aves do céu


e a todos os seres vivos que se movem na terra
dou as plantas verdes como alimento».
E assim sucedeu.
Deus viu tudo o que tinha feito: era tudo muito bom.
Veio a tarde e, em seguida, a manhã: foi o sexto dia.

Assim se completaram o céu e a terra


e tudo o que eles contêm.
Deus concluiu, no sétimo dia, a obra que fizera
e, no sétimo dia, descansou do trabalho que tinha realizado.
Palavra do Senhor.

LEITURA I Forma breve Gen 1, 1.26-31a


«Deus viu tudo o que tinha feito: era tudo muito bom»
Leitura do Livro do Génesis
No princípio, Deus criou o céu e a terra.
Disse Deus: «Façamos o homem à nossa imagem e semelhança.
Domine sobre os peixes do mar, sobre as aves do céu,
sobre os animais domésticos, sobre os animais selvagens
e sobre todos os répteis que rastejam pela terra».
Deus criou o ser humano à sua imagem,
criou-o à imagem de Deus.
Ele o criou homem e mulher.
Deus abençoou-os, dizendo:
«Crescei e multiplicai-vos,
enchei e dominai a terra.
Dominai sobre os peixes do mar, sobre as aves do céu
e sobre todos os animais que se movem na terra».
Disse Deus: «Dou-vos todas as plantas com semente
que existem em toda a superfície da terra,
assim como todas as árvores de fruto com semente,
para que vos sirvam de alimento.
E a todos os animais da terra, a todas as aves do céu
e a todos os seres vivos que se movem na terra
dou as plantas verdes como alimento».
VIGÍLIA PASCAL 177

E assim sucedeu.
Deus viu tudo o que tinha feito: era tudo muito bom.
Veio a tarde e, em seguida, a manhã: foi o sexto dia.
Assim se completaram o céu e a terra
e tudo o que eles contêm.
Deus concluiu, no sétimo dia, a obra que fizera
e, no sétimo dia, descansou do trabalho que tinha realizado.
Palavra do Senhor.

SALMO RESPONSORIAL Salmo 103 (104), 1-2a.5-6.10.12.13-14.24.35c


(R. cf. 30)
Refrão: Enviai, Senhor, o vosso Espírito
e renovai a face da terra.

Bendiz, ó minha alma, o Senhor.


Senhor, meu Deus, como sois grande!
Revestido de esplendor e majestade,
envolvido em luz como num manto!
Fundastes a terra sobre alicerces firmes:
não oscilará por toda a eternidade.
Vós a cobristes com o manto do oceano,
por sobre os montes pousavam as águas.
Transformais as fontes em rios
que correm entre as montanhas.
Nas suas margens habitam as aves do céu;
por entre a folhagem fazem ouvir o seu canto.
Com a chuva regais os montes,
encheis a terra com o fruto das vossas obras.
Fazeis germinar a erva para o gado
e as plantas para o homem, que tira o pão da terra.
Como são grandes as vossas obras!
Tudo fizestes com sabedoria:
a terra está cheia das vossas criaturas.
Glória a Deus para sempre.
178 TRÍDUO PASCAL

Ou Salmo 32 (33), 4-5.6-7.12-13.20.22 (R. 5b)

Refrão: A bondade do Senhor encheu a terra.


A palavra do Senhor é recta,
da fidelidade nascem as suas obras.
Ele ama a justiça e a rectidão:
a terra está cheia da bondade do Senhor.
A palavra do Senhor criou os céus,
o sopro da sua boca os adornou.
Foi Ele quem juntou as águas do mar
e distribuiu pela terra os oceanos.
Feliz a nação que tem o Senhor por seu Deus,
o povo que Ele escolheu para sua herança.
Do céu o Senhor contempla
e observa todos os homens.
A nossa alma espera o Senhor:
Ele é o nosso amparo e protector.
Venha sobre nós a vossa bondade,
porque em Vós esperamos, Senhor.

LEITURA II Forma longa Gen 22, 1-18

«O sacrifício do nosso pai Abraão»

Leitura do Livro do Génesis


Naqueles dias,
Deus quis pôr à prova Abraão e chamou-o:
«Abraão!»
Ele respondeu: «Aqui estou».
Deus disse: «Toma o teu filho,
o teu único filho, a quem tanto amas, Isaac,
e vai à terra de Moriá,
onde o oferecerás em holocausto,
num dos montes que Eu te indicar».
VIGÍLIA PASCAL 179

Abraão levantou-se de manhã cedo,


aparelhou o jumento, tomou consigo dois dos seus servos
e o seu filho Isaac.
Cortou a lenha para o holocausto
e pôs-se a caminho do local que Deus lhe indicara.
Ao terceiro dia, Abraão ergueu os olhos e viu de longe o local.
Disse então aos servos: «Ficai aqui com o jumento.
Eu e o menino iremos além fazer adoração
e voltaremos para junto de vós».
Abraão apanhou a lenha do holocausto
e pô-la aos ombros do seu filho Isaac.
Depois, tomou nas mãos o fogo e o cutelo
e seguiram juntos o caminho.
Isaac disse a Abraão: «Meu pai».
Ele respondeu: «Que queres, meu filho?»
Isaac prosseguiu: «Temos aqui fogo e lenha;
mas onde está o cordeiro para o holocausto?»
Abraão respondeu:
«Deus providenciará o cordeiro para o holocausto, meu filho».
E continuaram juntos o caminho.
Quando chegaram ao local designado por Deus,
Abraão levantou um altar e colocou a lenha sobre ele,
atou seu filho Isaac e pô-lo sobre o altar, em cima da lenha.
Depois, estendendo a mão,
puxou do cutelo para degolar o filho.
Mas o Anjo do Senhor gritou-lhe do alto do Céu:
«Abraão, Abraão!»
«Aqui estou, Senhor», respondeu ele.
O Anjo prosseguiu:
«Não levantes a mão contra o menino,
não lhe faças mal algum.
Agora sei que na verdade temes a Deus,
uma vez que não Me recusaste o teu filho, o teu filho único».
Abraão ergueu os olhos
e viu atrás de si um carneiro, preso pelos chifres num silvado.
Foi buscá-lo e ofereceu-o em holocausto, em vez do filho.
Abraão deu ao local este nome: «O Senhor providenciará».
180 TRÍDUO PASCAL

E ainda hoje se diz: «Sobre a colina o Senhor providenciará».


O Anjo do Senhor chamou Abraão, do Céu, pela segunda vez,
e disse-lhe:
«Por Mim próprio te juro __ oráculo do Senhor __
já que assim procedeste,
e não Me recusaste o teu filho, o teu filho único,
abençoar-te-ei e multiplicarei a tua descendência
como as estrelas do céu e como a areia que está nas praias do mar,
e a tua descendência conquistará as portas das cidades inimigas.
Porque obedeceste à minha voz,
na tua descendência serão abençoadas
todas as nações da terra».
Palavra do Senhor.

LEITURA II Forma breve Gen 22, 1-2.9a.10-13.15-18

O sacrifício do nosso pai Abraão


Leitura do Livro do Génesis
Naqueles dias,
Deus quis pôr à prova Abraão e chamou-o:
«Abraão!»
Ele respondeu: «Aqui estou».
Deus disse: «Toma o teu filho,
o teu filho único, a quem tanto amas, Isaac,
e vai à terra de Moriá,
onde o oferecerás em holocausto,
num dos montes que Eu te indicar».
Quando chegaram ao local designado por Deus,
Abraão levantou um altar e colocou a lenha sobre ele;
depois, estendendo a mão,
puxou do cutelo para degolar o filho.
Mas o Anjo do Senhor gritou-lhe do alto do Céu:
«Abraão, Abraão!»
«Aqui estou, Senhor», respondeu ele.
O Anjo prosseguiu:
«Não levantes a mão contra o menino,
nem lhe faças mal algum.
VIGÍLIA PASCAL 181

Agora sei que na verdade temes a Deus,


uma vez que não Me recusaste o teu filho, o teu filho único».
Abraão ergueu os olhos
e viu atrás de si um carneiro, preso pelos chifres num silvado.
Foi buscá-lo e ofereceu-o em holocausto, em vez do filho.
O Anjo do Senhor chamou Abraão, do Céu, pela segunda vez,
e disse-lhe:
«Por Mim próprio te juro __ oráculo do Senhor __
já que assim procedeste,
e não Me recusaste o teu filho, o teu filho único,
abençoar-te-ei e abençoarei a tua descendência
como as estrelas do céu e como a areia que está nas praias do mar,
e a tua descendência conquistará as portas das cidades inimigas.
Porque obedeceste à minha voz,
na tua descendência serão
abençoadas todas as nações da terra».
Palavra do Senhor.

SALMO RESPONSORIAL Salmo 15 (16), 5 e 8.9-10.11 (R. 1)

Refrão: Defendei-me, Senhor: Vós sois o meu refúgio.


Ou: Guardai-me, Senhor, porque esperei em Vós.
Senhor, porção da minha herança e do meu cálice,
está nas vossas mãos o meu destino.
O Senhor está sempre na minha presença,
com Ele a meu lado não vacilarei.
Por isso o meu coração se alegra e a minha alma exulta,
e até o meu corpo descansa tranquilo.
Vós não abandonareis a minha alma
na mansão dos mortos,
nem deixareis o vosso fiel sofrer a corrupção.
Dar-me-eis a conhecer os caminhos da vida,
alegria plena em vossa presença,
delícias eternas à vossa direita.
182 TRÍDUO PASCAL

LEITURA III Ex 14, 15 __ 15, 1

«Os filhos de Israel penetraram no mar a pé enxuto»

Leitura do Livro do Êxodo


Naqueles dias,
disse o Senhor a Moisés:
«Porque estás a bradar por Mim?
Diz aos filhos de Israel que se ponham em marcha.
E tu ergue a tua vara, estende a mão sobre o mar e divide-o,
para que os filhos de Israel entrem nele a pé enxuto.
Entretanto, vou permitir que se endureça o coração dos egípcios,
que hão-de perseguir os filhos de Israel.
Manifestarei então a minha glória,
triunfando do Faraó,
de todo o seu exército, dos seus carros e dos seus cavaleiros.
Os egípcios reconhecerão que Eu sou o Senhor,
quando Eu manifestar a minha glória,
vencendo o Faraó, os seus carros e os seus cavaleiros».
O Anjo de Deus, que seguia à frente do acampamento de Israel,
deslocou-se para a retaguarda.
A coluna de nuvem que os precedia
veio colocar-se atrás do acampamento
e postou-se entre o campo dos egícios e o de Israel.
A nuvem era tenebrosa de um lado
e do outro iluminava a noite,
de modo que, durante a noite,
não se aproximaram uns dos outros.
Moisés estendeu a mão sobre o mar
e o Senhor fustigou o mar, durante a noite,
com um forte vento de leste.
O mar secou e as águas dividiram-se.
Os filhos de Israel penetraram no mar a pé enxuto,
enquanto as águas formavam muralha à direita e à esquerda.
Os egípcios foram atrás deles:
todos os cavalos do Faraó, os seus carros e cavaleiros
os seguiram pelo mar dentro.
VIGÍLIA PASCAL 183

Na vigília da manhã,
o Senhor olhou da coluna de fogo e da nuvem
para o acampamento dos egípcios
e lançou nele a confusão.
Bloqueou as rodas dos carros,
que dificilmente se podiam mover.
Então os egípcios disseram:
«Fujamos dos israelitas,
que o Senhor combate por eles contra os egípcios».
O Senhor disse a Moisés:
«Estende a mão sobre o mar
e as águas precipitar-se-ão sobre os egípcios,
sobre os seus carros e os seus cavaleiros».
Moisés estendeu a mão sobre o mar
e, ao romper da manhã, o mar retomou o seu nível normal,
quando os egípcios fugiam na sua direcção.
E o Senhor precipitou-os no meio do mar.
As águas refluíram
e submergiram os carros, os cavaleiros e todo o exército do Faraó,
que tinham entrado no mar, atrás dos filhos de Israel.
Nem um só escapou.
Mas os filhos de Israel tinham andado pelo mar a pé enxuto,
enquanto as águas formavam muralha à direita e à esquerda.
Nesse dia, o Senhor salvou Israel das mãos dos egípcios
e Israel viu os egípcios mortos nas praias do mar.
Viu também o grande poder
que o Senhor exercera contra os egípcios,
e o povo temeu o Senhor,
acreditou n’Ele e em seu servo Moisés.
Então Moisés e os filhos de Israel
cantaram este hino em honra do Senhor:
«Cantemos ao Senhor, que fez brilhar a sua glória,
precipitou no mar o cavalo e o cavaleiro».
Palavra do Senhor.
184 TRÍDUO PASCAL

SALMO RESPONSORIAL Ex 15, 1-2.3-4.5-6.17-18 (R. 1b)

Refrão: Cantemos ao Senhor, que fez brilhar a sua glória.


Ou: Deus fez maravilhas: o seu nome é Senhor.
Cantarei ao Senhor, que fez brilhar a sua glória:
precipitou no mar o cavalo e o cavaleiro.
O Senhor é a minha força e a minha protecção:
a Ele devo a minha liberdade.
Ele é o meu Deus: eu O exalto;
Ele é o Deus de meu pai: eu O glorifico.
O Senhor é um guerreiro, Omnipotente é o seu nome;
precipitou no mar os carros do Faraó e o seu exército.
Os seus melhores combatentes afogaram-se
no Mar Vermelho,
foram engolidos pelas ondas,
caíram como pedra no abismo.
A vossa mão direita, Senhor, revelou a sua força,
a vossa mão direita, Senhor, destroçou o inimigo.
Levareis o vosso povo e o plantareis na vossa montanha,
na morada segura que fizestes, Senhor,
no santuário que vossas mãos construíram.
O Senhor reinará pelos séculos dos séculos.

LEITURA IV Is 54, 5-14


«Na sua eterna misericórdia, o Senhor, teu Redentor, teve compaixão de ti»
Leitura do Livro de Isaías
O teu Criador, Jerusalém, será o teu Esposo
e o seu nome é ‘Senhor do Universo’.
O teu Redentor será o Santo de Israel,
que se chama ‘Deus de toda a terra’.
Como à mulher abandonada e de alma aflita,
o Senhor volta a chamar-te:
A esposa da juventude, poderá ser repudiada?,
– diz o teu Deus.
VIGÍLIA PASCAL 185

Por um momento abandonei-te,


mas no meu grande amor volto a chamar-te.
Num acesso de ira, escondi de ti a minha face,
mas na minha misericórdia eterna tive compaixão de ti,
diz o Senhor, teu Redentor.
Comigo sucede como no tempo de Noé,
quando jurei que as águas do dilúvio
não mais invadiriam a terra.
Assim Eu juro não tornar a irritar-Me contra ti,
não voltar a ameaçar-te.
Ainda que sejam abaladas as montanhas
e vacilem as colinas,
a minha misericórdia não te abandonará,
a minha aliança de paz não vacilará,
diz o Senhor, compadecido de ti.
Pobre cidade, batida pela tempestade e desolada,
vou assentar as tuas pedras sobre jaspe
e os teus alicerces em safiras;
vou fazer-te ameias de rubis,
portas de cristal
e todas as tuas muralhas de pedras preciosas.
Todos os teus habitantes serão instruídos pelo Senhor
e gozarão de uma grande paz.
Serás fundada sobre a justiça,
longe da violência, porque nada terás a temer,
longe do pavor, porque não poderá atingir-te.
Palavra do Senhor.

SALMO RESPONSORIAL Salmo 29 (30), 2 e 4.5-6.11 e 12a e 13b (R. 2a)

Refrão: Eu Vos louvarei, Senhor, porque me salvastes.


Eu Vos glorifico, Senhor, porque me salvastes
e não deixastes que de mim se regozijassem os inimigos.
Tirastes a minha alma da mansão dos mortos,
vivificastes-me para não descer ao túmulo.
186 TRÍDUO PASCAL

Cantai salmos ao Senhor, vós os seus fiéis,


e dai graças ao seu nome santo.
A sua ira dura apenas um momento
e a sua benevolência a vida inteira.
Ao cair da noite vêm as lágrimas
e ao amanhecer volta a alegria.
Ouvi, Senhor, e tende compaixão de mim,
Senhor, sede Vós o meu auxílio.
Vós convertestes em júbilo o meu pranto:
Senhor meu Deus, eu Vos louvarei eternamente.

LEITURA V Is 55, 1-11


«Vinde a Mim e a vossa alma viverá.
Farei convosco uma aliança eterna»

Leitura do Livro de Isaías


Eis o que diz o Senhor:
«Todos vós que tendes sede, vinde à nascente das águas.
Vós que não tendes dinheiro, vinde, comprai e comei.
Vinde e comprai, sem dinheiro e sem despesa, vinho e leite.
Porque gastais o vosso dinheiro naquilo que não alimenta
e o vosso trabalho naquilo que não sacia?
Ouvi-Me com atenção e comereis o que é bom;
saboreareis manjares suculentos.
Prestai-Me ouvidos e vinde a Mim;
escutai-Me e vivereis.
Firmarei convosco uma aliança eterna,
com as graças prometidas a David.
Fiz dele um testemunho para os povos,
um chefe e legislador das nações.
Chamarás povos que não conhecias;
nações que não te conheciam acorrerão a ti,
por causa do Senhor teu Deus,
do Santo de Israel que te glorificou.
Procurai o Senhor enquanto Se pode encontrar,
invocai-O enquanto está perto.
Deixe o ímpio o seu caminho
e o homem perverso os seus pensamentos.
VIGÍLIA PASCAL 187

Converta-se ao Senhor, que terá compaixão dele,


ao nosso Deus, que é generoso em perdoar.
Porque os meus pensamentos não são os vossos,
nem os vossos caminhos são os meus __ oráculo do Senhor.
Tanto quanto os céus estão acima da terra,
assim os meus caminhos estão acima dos vossos
e acima dos vossos estão os meus pensamentos.
E assim como a chuva e a neve que descem do céu
não voltam para lá sem terem regado a terra,
sem a haverem fecundado e feito produzir,
para que dê a semente ao semeador e o pão para comer,
assim a palavra que sai da minha boca
não volta sem ter produzido o seu efeito,
sem ter cumprido a minha vontade,
sem ter realizado a sua missão».
Palavra do Senhor.

SALMO RESPONSORIAL Is 12, 2-3.4bcd.5-6 (R. 3)

Refrão: Ireis com alegria às fontes da salvação.


Ou: Das fontes da salvação, saciai-vos na alegria.

Deus é o meu Salvador,


tenho confiança e nada temo.
O Senhor é a minha força e o meu louvor.
Ele é a minha salvação.
Tirareis água, com alegria, das fontes da salvação.
Agradecei ao Senhor, invocai o seu nome,
Anunciai aos povos a grandeza das suas obras,
proclamai a todos que o seu nome é santo.
Cantai ao Senhor, porque Ele fez maravilhas,
anunciai-as em toda a terra.
Entoai cânticos de alegria e exultai, habitantes de Sião,
porque é grande no meio de vós o Santo de Israel.
188 TRÍDUO PASCAL

LEITURA VI Bar 3, 9-15.32 __ 4, 4

«Caminha para o esplendor da luz do Senhor»

Leitura do Livro de Baruc


Escuta, Israel, os mandamentos da vida;
inclina os teus ouvidos para aprenderes a prudência.
Porque será, Israel, que te encontras em país inimigo
e envelheces em terra estrangeira?
Porque te contaminaste com os mortos,
foste contado entre os que descem ao sepulcro
e abandonaste a fonte da Sabedoria.
Se tivesses seguido o caminho de Deus,
viverias em paz eternamente.
Aprende onde está a prudência,
onde está a força e a inteligência,
para conheceres também
onde se encontra a longevidade e a vida,
onde está a luz dos olhos e a paz.
Quem descobriu a morada da Sabedoria?
Quem penetrou nos seus tesouros?
Aquele que tudo sabe conhece-a;
descobriu-a com a sua inteligência
Aquele que firmou a terra para sempre,
enchendo-a de animais quadrúpedes,
Aquele que envia a luz e ela vai,
que a chama e ela obedece-Lhe tremendo.
As estrelas brilham vigilantes nos seus postos
cheias de alegria;
Ele chama por elas e respondem: «Aqui estamos»
e resplandecem alegremente para Aquele que as criou.
Este é o nosso Deus, e nenhum outro se Lhe pode comparar.
Penetrou todos os caminhos da Sabedoria
e mostrou-os a Jacob seu servo, a Israel seu predilecto.
Depois, ela apareceu sobre a terra
e habitou no meio dos homens.
Ela é o livro dos mandamentos de Deus
e a lei que permanece eternamente.
VIGÍLIA PASCAL 189

Os que a seguirem alcançarão a vida,


mas aqueles que a abandonarem morrerão.
Volta, Jacob e abraça-a,
caminha para o esplendor da sua luz.
Não cedas a outros a tua glória,
nem os teus privilégios a uma nação estrangeira.
Felizes de nós, Israel,
porque nos foi revelado o que agrada a Deus.
Palavra do Senhor.

SALMO RESPONSORIAL Salmo 18 (19), 8.9.10.11 (R. Jo 6, 68c)

Refrão: Senhor, Vós tendes palavras de vida eterna.


A lei do Senhor é perfeita,
ela reconforta a alma;
as ordens do Senhor são firmes,
dão sabedoria aos simples.
Os preceitos do Senhor são rectos
e alegram o coração;
os mandamentos do Senhor são claros
e iluminam os olhos.
O temor do Senhor é puro
e permanace eternamente;
os juízos do Senhor são verdadeiros,
todos eles são rectos.
São mais preciosos que o ouro,
o ouro mais fino;
são mais doces que o mel,
o puro mel dos favos.
190 TRÍDUO PASCAL

LEITURA VII Ez 36, 16-17a.18-28


«Derramarei sobre vós água pura e dar-vos-ei um coração novo»
Leitura da Profecia de Ezequiel
A palavra do Senhor foi-me dirigida nestes termos:
«Filho do homem,
quando os da casa de Israel habitavam na sua terra,
mancharam-na com o seu proceder e as suas obras.
Fiz-lhes então sentir a minha indignação,
por causa do sangue que haviam derramado no país
e dos ídolos com que o tinham profanado.
Dispersei-os entre as nações,
espalhei-os entre os outros povos;
julguei-os segundo o seu proceder e as suas obras.
Em todas as nações para onde foram,
profanaram o meu santo nome; e por isso se dizia deles:
‘São o povo do Senhor: tiveram de deixar a sua terra’.
Quis então salvar a honra do meu santo nome,
que a casa de Israel profanara
entre as nações para onde tinha ido.
Por isso, diz à casa de Israel: Assim fala o Senhor Deus:
Não faço isto por causa de vós, israelitas,
mas por causa do meu santo nome,
que profanastes entre as nações para onde fostes.
Manifestarei a Santidade do meu grande nome,
profanado por vós entre as nações para onde fostes.
E as nações reconhecerão que Eu sou o Senhor
__
oráculo do Senhor Deus __
quando a seus olhos Eu manifestar a minha santidade,
a vosso respeito.
Então retirar-vos-ei de entre as nações,
reunir-vos-ei de todos os países,
para vos restabelecer na vossa terra.
Derramarei sobre vós água pura
e ficareis limpos de todas as imundícies;
e purificar-vos-ei de todos os falsos deuses.
Dar-vos-ei um coração novo
e infundirei em vós um espírito novo.
Arrancarei do vosso peito o coração de pedra
e dar-vos-ei um coração de carne.
VIGÍLIA PASCAL 191

Infundirei em vós o meu espírito


e farei que vivais segundo os meus preceitos,
que observeis e ponhais em prática as minhas leis.
Habitareis na terra que dei a vossos pais;
sereis o meu povo e Eu serei o vosso Deus».
Palavra do Senhor.

SALMO RESPONSORIAL Salmo 41 (42), 2-3.5; 42 (43), 3-4 (R. 41 (42), 2)

Refrão: Como suspira o veado pelas correntes das águas,


assim minha alma suspira por Vós, Senhor.
Ou: Como o veado em busca das águas,
assim, ó Deus, a minha alma Vos deseja.
Como suspira o veado pelas correntes das águas,
assim minha alma suspira por Vós, Senhor.
Minha alma tem sede de Deus, do Deus vivo:
Quando irei contemplar a face de Deus?
A minha alma estremece ao recordar
quando passava em cortejo para o templo do Senhor,
entre as vozes de louvor e de alegria
da multidão em festa.
Enviai a vossa luz e verdade,
sejam elas o meu guia e me conduzam
à vossa montanha santa
e ao vosso santuário.
E eu irei ao altar de Deus,
a Deus que é a minha alegria.
Ao som da cítara Vos louvarei,
Senhor, meu Deus.

________________________________________________

Quando se celebra o Baptismo, pode dizer-se, em vez deste salmo, o


cântico de Is 12, como acima (depois da Leitura V); ou ainda o Salmo 50 (51),
como segue:
192 TRÍDUO PASCAL

Salmo 50 (51), 12-13.14-15.18-19 (R. 12a)

Refrão: Criai em mim, Senhor, um coração puro.


Criai em mim, ó Deus, um coração puro
e fazei nascer dentro de mim um espírito firme.
Não queirais repelir-me da vossa presença
e não retireis de mim o vosso espírito de santidade.
Dai-me de novo a alegria da vossa salvação
e sustentai-me com espírito generoso.
Ensinarei aos pecadores os vossos caminhos
e os transviados hão-de voltar para Vós.
Não é do sacrifício que Vos agradais
e, se eu oferecer um holocausto, não o aceitareis.
Sacrifício agradável a Deus é o espírito arrependido:
não desprezareis, Senhor,
um espírito humilhado e contrito.

________________________________________________

EPÍSTOLA Rom 6, 3-11

«Cristo, ressuscitado dos mortos, já não pode morrer»

Leitura da Epístola do apóstolo São Paulo aos Romanos


Irmãos:
Todos nós que fomos baptizados em Jesus Cristo
fomos baptizados na sua morte.
Fomos sepultados com Ele pelo Baptismo na sua morte,
para que, assim como Cristo ressuscitou dos mortos
pela glória do Pai,
também nós vivamos uma vida nova.
Se, na verdade, estamos totalmente unidos a Cristo
pela semelhança da sua morte,
também o estaremos pela semelhança da sua ressurreição.
VIGÍLIA PASCAL 193

Bem sabemos que o nosso homem velho


foi crucificado com Cristo,
para que fosse destruído o corpo do pecado
e não mais fôssemos escravos dele.
Quem morreu, está livre do pecado.
Se morremos com Cristo,
acreditamos que também com Ele viveremos,
sabendo que, uma vez ressuscitado dos mortos,
Cristo já não pode morrer;
a morte já não tem domínio sobre Ele.
Porque na morte que sofreu,
Cristo morreu para o pecado de uma vez para sempre;
mas a sua vida é uma vida para Deus.
Assim vós também,
considerai-vos mortos para o pecado
e vivos para Deus, em Cristo Jesus.
Palavra do Senhor.

SALMO RESPONSORIAL Salmo 117 (118), 1-2.16ab-17.22-23 (R. Aleluia)

Refrão: Aleluia. Aleluia. Aleluia.


Dai graças ao Senhor, porque Ele é bom,
porque é eterna a sua misericórdia.
Diga a casa de Israel:
é eterna a sua misericórdia.
A mão do Senhor fez prodígios,
a mão do Senhor foi magnífica.
Não morrerei, mas hei-de viver
para anunciar as obras do Senhor.
A pedra que os construtores rejeitaram
tornou-se pedra angular.
Tudo isto veio do Senhor:
é admirável aos nossos olhos.
194 TRÍDUO PASCAL

EVANGELHO Mt 28, 1-10

«Ressuscitou e vai adiante de vós para a Galileia»

✠ Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Mateus


Depois do sábado, ao raiar do primeiro dia da semana,
Maria Madalena e a outra Maria foram visitar o sepulcro.
De repente, houve um grande terramoto:
o Anjo do Senhor desceu do Céu
e, aproximando-se, removeu a pedra do sepulcro
e sentou-se sobre ela.
O seu aspecto era como um relâmpago
e a sua túnica branca como a neve.
Os guardas começaram a tremer de medo
e ficaram como mortos.
O Anjo tomou a palavra e disse às mulheres:
«Não tenhais medo; sei que procurais Jesus, o Crucificado.
Não está aqui: ressuscitou, como tinha dito.
Vinde ver o lugar onde jazia.
E ide depressa dizer aos discípulos:
‘Ele ressuscitou dos mortos
e vai adiante de vós para a Galileia.
Lá O vereis’.
Era o que tinha para vos dizer».
As mulheres afastaram-se rapidamente do sepulcro,
cheias de temor e grande alegria,
e correram a levar a notícia aos discípulos.
Jesus saiu ao seu encontro e saudou-as.
Elas aproximaram-se,
abraçaram-Lhe os pés e prostraram-se diante d’Ele.
Disse-lhes então Jesus:
«Não temais.
Ide avisar os meus irmãos que partam para a Galileia.
Lá Me verão».
Palavra da salvação.
Missa no dia de Páscoa

LEITURA I Actos 10, 34a.37-43

«Comemos e bebemos com Ele, depois de ter ressuscitado dos mortos»

Leitura dos Actos dos Apóstolos


Naqueles dias,
Pedro tomou a palavra e disse:
«Vós sabeis o que aconteceu em toda a Judeia,
a começar pela Galileia,
depois do baptismo que João pregou:
Deus ungiu com a força do Espírito Santo a Jesus de Nazaré,
que passou fazendo o bem
e curando a todos os que eram oprimidos pelo Demónio,
porque Deus estava com Ele.
Nós somos testemunhas de tudo o que Ele fez
no país dos judeus e em Jerusalém;
e eles mataram-n’O, suspendendo-O na cruz.
Deus ressuscitou-O ao terceiro dia
e permitiu-Lhe manifestar-Se, não a todo o povo,
mas às testemunhas de antemão designadas por Deus,
a nós que comemos e bebemos com Ele,
depois de ter ressuscitado dos mortos.
Jesus mandou-nos pregar ao povo
e testemunhar que ele foi constituído por Deus
juiz dos vivos e dos mortos.
É d’Ele que todos os profetas dão o seguinte testemunho:
quem acredita n’Ele
recebe pelo seu nome a remissão dos pecados».
Palavra do Senhor.
196 TRÍDUO PASCAL

SALMO RESPONSORIAL Salmo 117 (118), 1-2.16ab-17.22-23 (R. 24)

Refrão: Este é o dia que o Senhor fez:


exultemos e cantemos de alegria.
Ou: Aleluia.
Dai graças ao Senhor, porque Ele é bom,
porque é eterna a sua misericórdia.
Diga a casa de Israel:
é eterna a sua misericórdia.
A mão do Senhor fez prodígios,
a mão do Senhor foi magnífica.
Não morrerei, mas hei-de viver
para anunciar as obras do Senhor.
A pedra que os construtores rejeitaram
tornou-se pedra angular.
Tudo isto veio do Senhor:
é admirável aos nossos olhos.

LEITURA II Col 3, 1-4


«Aspirai às coisas do alto, onde está Cristo»

Leitura da Epístola do apóstolo São Paulo aos Colossenses


Irmãos:
Se ressuscitastes com Cristo,
aspirai às coisas do alto,
onde está Cristo, sentado à direita de Deus.
Afeiçoai-vos às coisas do alto e não às da terra.
Porque vós morrestes
e a vossa vida está escondida com Cristo em Deus.
Quando Cristo, que é a vossa vida, Se manifestar,
também vós vos haveis de manifestar com Ele na glória.
Palavra do Senhor.
DIA DE PASCOA 197

_________________________
Ou 1 Cor 5, 6b-8
«Purificai-vos do velho fermento, para serdes uma nova massa»

Leitura da Primeira Epístola do apóstolo São Paulo aos Coríntios


Irmãos:
Não sabeis que um pouco de fermento leveda toda a massa?
Purificai-vos do velho fermento,
para serdes uma nova massa,
visto que sois pães ázimos.
Cristo, o nosso cordeiro pascal, foi imolado.
Celebremos a festa,
não com fermento velho,
nem com fermento de malícia e perversidade,
mas com os pães ázimos da pureza e da verdade.
Palavra do Senhor.
_________________________

SEQUÊNCIA

À Vítima pascal
ofereçam os cristãos
sacrifícios de louvor.
O Cordeiro resgatou as ovelhas:
Cristo, o Inocente,
reconciliou com o Pai os pecadores.
A morte e a vida
travaram um admirável combate:
Depois de morto,
vive e reina o Autor da vida.
198 TRÍDUO PASCAL

Diz-nos, Maria:
Que viste no caminho?
Vi o sepulcro de Cristo vivo
e a glória do Ressuscitado.
Vi as testemunhas dos Anjos,
vi o sudário e a mortalha.
Ressuscitou Cristo, minha esperança:
precederá os seus discípulos na Galileia.
Sabemos e acreditamos:
Cristo ressuscitou dos mortos:
Ó Rei vitorioso,
tende piedade de nós.

ALELUIA 1 Cor 5, 7b-8a

Refrão: Aleluia. Repete-se


Cristo, nosso Cordeiro pascal, foi imolado:
celebremos a festa do Senhor. Refrão

EVANGELHO Jo 20, 1-9

«Ele tinha de ressuscitar dos mortos»

✠ Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São João


No primeiro dia da semana,
Maria Madalena foi de manhãzinha, ainda escuro, ao sepulcro
e viu a pedra retirada do sepulcro.
Correu então e foi ter com Simão Pedro
e com o discípulo predilecto de Jesus
e disse-lhes:
«Levaram o Senhor do sepulcro
e não sabemos onde O puseram».
Pedro partiu com o outro discípulo
e foram ambos ao sepulcro.
DIA DE PASCOA 199

Corriam os dois juntos,


mas o outro discípulo antecipou-se,
correndo mais depressa do que Pedro,
e chegou primeiro ao sepulcro.
Debruçando-se, viu as ligaduras no chão, mas não entrou.
Entretanto, chegou também Simão Pedro, que o seguira.
Entrou no sepulcro
e viu as ligaduras no chão
e o sudário que tinha estado sobre a cabeça de Jesus,
não com as ligaduras, mas enrolado à parte.
Entrou também o outro discípulo
que chegara primeiro ao sepulcro:
viu e acreditou.
Na verdade, ainda não tinham entendido a Escritura,
segundo a qual Jesus devia ressuscitar dos mortos.
Palavra da salvação.

Em vez deste Evangelho, pode ler-se o que se leu na Vigília da Noite Santa.
Nas missas vespertinas pode ler-se o Evangelho de Lc 24, 13-35.

EVANGELHO (facultativo para as Missas vespertinas) Lc 24, 13-35

«Ficai connosco, Senhor, porque vem caindo a noite»


✠ Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Lucas
Dois dos discípulos de Jesus
iam a caminho duma povoação chamada Emaús,
que ficava a duas léguas de Jerusalém.
Conversavam entre si sobre tudo o que tinha sucedido.
Enquanto falavam e discutiam,
Jesus aproximou-Se deles e pôs-Se com eles a caminho.
Mas os seus olhos estavam impedidos de O reconhecerem.
200 TRÍDUO PASCAL

Ele perguntou-lhes:
«Que palavras são essas que trocais entre vós pelo caminho?»
Pararam, com ar muito triste,
e um deles, chamado Cléofas, respondeu:
«Tu és o único habitante de Jerusalém
a ignorar o que lá se passou nestes dias».
E Ele perguntou: «Que foi?»
Responderam-Lhe:
«O que se refere a Jesus de Nazaré,
profeta poderoso em obras e palavras
diante de Deus e de todo o povo;
e como os príncipes dos sacerdotes e os nossos chefes
O entregaram para ser condenado à morte e crucificado.
Nós esperávamos que fosse Ele quem havia de libertar Israel.
Mas, afinal, é já o terceiro dia depois que isto aconteceu.
É verdade que algumas mulheres do nosso grupo
nos sobressaltaram:
foram de madrugada ao sepulcro,
não encontraram o corpo de Jesus
e vieram dizer que lhes tinham aparecido uns Anjos
a anunciar que Ele estava vivo.
Alguns dos nossos foram ao sepulcro
e encontraram tudo como as mulheres tinham dito.
Mas a Ele não O viram».
Então Jesus disse-lhes:
«Homens sem inteligência e lentos de espírito
para acreditar em tudo o que os profetas anunciaram!
Não tinha o Messias de sofrer tudo isso
para entrar na sua glória?»
Depois, começando por Moisés
e passando pelos Profetas,
explicou-lhes em todas as Escrituras o que Lhe dizia respeito.
Ao chegarem perto da povoação para onde iam,
Jesus fez menção de seguir para diante.
Mas eles convenceram-n’O a ficar, dizendo:
«Ficai connosco, porque o dia está a terminar
e vem caindo a noite».
Jesus entrou e ficou com eles.
DIA DE PASCOA 201

E quando Se pôs à mesa, tomou o pão, recitou a bênção,


partiu-o e entregou-lho.
Nesse momento abriram-se-lhes os olhos e reconheceram-n’O.
Mas Ele desapareceu da sua presença.
Disseram então um para o outro:
«Não ardia cá dentro o nosso coração,
quando Ele nos falava pelo caminho
e nos explicava as Escrituras?»
Partiram imediatamente de regresso a Jerusalém
e encontraram reunidos os Onze e os que estavam com eles, que
diziam:
«Na verdade, o Senhor ressuscitou e apareceu a Simão».
E eles contaram o que tinha acontecido no caminho
e como O tinham reconhecido ao partir o pão.
Palavra da salvação.
202 TEMPO PASCAL

DOMINGO II DA PÁSCOA

LEITURA I Actos 2, 42-47


«Todos os que haviam abraçado a fé
viviam unidos e tinham tudo em comum»

Leitura dos Actos dos Apóstolos


Os irmãos eram assíduos ao ensino dos Apóstolos,
à comunhão fraterna, à fracção do pão e às orações.
Perante os inumeráveis prodígios e milagres
realizados pelos Apóstolos,
toda a gente se enchia de temor.
Todos os que haviam abraçado a fé
viviam unidos e tinham tudo em comum.
Vendiam propriedades e bens
e distribuíam o dinheiro por todos,
conforme as necessidades de cada um.
Todos os dias frequentavam o templo,
como se tivessem uma só alma,
e partiam o pão em suas casas;
tomavam o alimento com alegria e simplicidade de coração,
louvando a Deus e gozando da simpatia de todo o povo.
E o Senhor aumentava todos os dias
o número dos que deviam salvar-se.
Palavra do Senhor.

SALMO RESPONSORIAL Salmo 117 (118), 2-4.13-15.22-24 (R. 1)

Refrão: Dai graças ao Senhor, porque Ele é bom,


porque é eterna a sua misericórdia.
Ou: Aclamai o Senhor, porque Ele é bom:
o seu amor é para sempre.
Ou: Aleluia.
DOMINGO II 203

Diga a casa de Israel:


é eterna a sua misericórdia.
Diga a casa de Aarão:
é eterna a sua misericórdia.
Digam os que temem o Senhor:
é eterna a sua misericórdia.
Empurraram-me para cair,
mas o Senhor me amparou.
O Senhor é a minha fortaleza e a minha glória,
foi Ele o meu Salvador.
Gritos de júbilo e de vitória nas tendas dos justos:
a mão do Senhor fez prodígios.
A pedra que os construtores rejeitaram
tornou-se pedra angular.
Tudo isto veio do Senhor:
é admirável aos nossos olhos.
Este é o dia que o Senhor fez:
exultemos e cantemos de alegria.

LEITURA II 1 Pedro 1, 3-9


«Fez-nos renascer para uma esperança viva
pela ressurreição de Jesus Cristo de entre os mortos»

Leitura da Primeira Epístola de São Pedro


Bendito seja Deus, Pai de Nosso Senhor Jesus Cristo,
que, na sua grande misericórdia, nos fez renascer,
pela ressurreição de Jesus Cristo de entre os mortos,
para uma esperança viva,
para uma herança que não se corrompe,
nem se mancha, nem desaparece.
Esta herança está reservada nos Céus para vós
que pelo poder de Deus sois guardados, mediante a fé,
para a salvação que se vai revelar nos últimos tempos.
204 TEMPO PASCAL

Isto vos enche de alegria,


embora vos seja preciso ainda, por pouco tempo,
passar por diversas provações,
para que a prova a que é submetida a vossa fé
__
muito mais preciosa que o ouro perecível,
que se prova pelo fogo __
seja digna de louvor, glória e honra,
quando Jesus Cristo Se manifestar.
Sem O terdes visto, vós O amais;
sem O ver ainda, acreditais n’Ele.
E isto é para vós fonte de uma alegria inefável e gloriosa,
porque conseguis o fim da vossa fé:
a salvação das vossas almas.
Palavra do Senhor.

ALELUIA Jo 20, 29

Refrão: Aleluia. Repete-se


Disse o Senhor a Tomé:
«Porque Me viste, acreditaste;
felizes os que acreditam sem terem visto. Refrão

EVANGELHO Jo 20, 19-31


«Oito dias depois, veio Jesus ...»
✠ Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São João
Na tarde daquele dia, o primeiro da semana,
estando fechadas as portas da casa
onde os discípulos se encontravam,
com medo dos judeus,
veio Jesus, colocou-Se no meio deles e disse-lhes:
«A paz esteja convosco».
Dito isto, mostrou-lhes as mãos e o lado.
Os discípulos ficaram cheios de alegria ao verem o Senhor.
DOMINGO II 205

Jesus disse-lhes de novo:


«A paz esteja convosco.
Assim como o Pai Me enviou, também Eu vos envio a vós».
Dito isto, soprou sobre eles e disse-lhes:
«Recebei o Espírito Santo:
àqueles a quem perdoardes os pecados ser-lhes-ão perdoados;
e àqueles a quem os retiverdes ser-lhes-ão retidos».
Tomé, um dos Doze, chamado Dídimo,
não estava com eles quando veio Jesus.
Disseram-lhe os outros discípulos:
«Vimos o Senhor».
Mas ele respondeu-lhes:
«Se não vir nas suas mãos o sinal dos cravos,
se não meter o dedo no lugar dos cravos e a mão no seu lado,
não acreditarei».
Oito dias depois, estavam os discípulos outra vez em casa
e Tomé com eles.
Veio Jesus, estando as portas fechadas,
apresentou-Se no meio deles e disse:
«A paz esteja convosco».
Depois disse a Tomé:
«Põe aqui o teu dedo e vê as minhas mãos;
aproxima a tua mão e mete-a no meu lado;
e não sejas incrédulo, mas crente».
Tomé respondeu-Lhe:
«Meu Senhor e meu Deus!»
Disse-lhe Jesus:
«Porque Me viste acreditaste:
felizes os que acreditam sem terem visto».
Muitos outros milagres fez Jesus na presença dos seus discípulos,
que não estão escritos neste livro.
Estes, porém, foram escritos
para acreditardes que Jesus é o Messias, o Filho de Deus,
e para que, acreditando, tenhais a vida em seu nome.
Palavra da salvação.
206 TEMPO PASCAL

DOMINGO III DA PÁSCOA

LEITURA I Actos 2, 14.22-33

«Não era possível que Ele ficasse sob o domínio da morte»

Leitura dos Actos dos Apóstolos


No dia de Pentecostes,
Pedro, de pé, com os onze Apóstolos,
ergueu a voz e falou ao povo:
«Homens da Judeia e vós todos que habitais em Jerusalém,
compreendei o que está a acontecer e ouvi as minhas palavras:
Jesus de Nazaré
foi um homem acreditado por Deus junto de vós
com milagres, prodígios e sinais,
que Deus realizou no meio de vós, por seu intermédio,
como sabeis.
Depois de entregue,
segundo o desígnio imutável e a previsão de Deus,
vós destes-Lhe a morte,
cravando-O na cruz pela mão de gente perversa.
Mas Deus ressuscitou-O, livrando-O dos laços da morte,
porque não era possível que Ele ficasse sob o seu domínio.
Diz David a seu respeito:
‘O Senhor está sempre na minha presença,
com Ele a meu lado não vacilarei.
Por isso o meu coração se alegra e a minha alma exulta
e até o meu corpo descansa tranquilo.
Vós não abandonareis a minha alma na mansão dos mortos,
nem deixareis o vosso Santo sofrer a corrupção.
Destes-me a conhecer os caminhos da vida,
a alegria plena em vossa presença’.
Irmãos, seja-me permitido falar-vos com toda a liberdade:
o patriarca David morreu e foi sepultado
e o seu túmulo encontra-se ainda hoje entre nós.
DOMINGO III 207

Mas, como era profeta


e sabia que Deus lhe prometera sob juramento
que um descendente do seu sangue
havia de sentar-se no seu trono,
viu e proclamou antecipadamente a ressurreição de Cristo,
dizendo que Ele não O abandonou na mansão dos mortos,
nem a sua carne conheceu a corrupção.
Foi este Jesus que Deus ressuscitou
e disso todos nós somos testemunhas.
Tendo sido exaltado pelo poder de Deus,
recebeu do Pai a promessa do Espírito Santo,
que Ele derramou, como vedes e ouvis».
Palavra do Senhor.

SALMO RESPONSORIAL Salmo 15 (16), 1-2a.5.7-8.9-10.11


(R. 11a ou Aleluia)

Refrão: Mostrai-me, Senhor, o caminho da vida.


Ou: Aleluia.

Defendei-me, Senhor; Vós sois o meu refúgio.


Digo ao Senhor: Vós sois o meu Deus.
Senhor, porção da minha herança e do meu cálice,
está nas vossas mãos o meu destino.
Bendigo o Senhor por me ter aconselhado,
até de noite me inspira interiormente.
O Senhor está sempre na minha presença,
com Ele a meu lado não vacilarei.
Por isso o meu coração se alegra e a minha alma exulta
e até o meu corpo descansa tranquilo.
Vós não abandonareis a minha alma
na mansão dos mortos,
nem deixareis o vosso fiel conhecer a corrupção.
208 TEMPO PASCAL

Dar-me-eis a conhecer os caminhos da vida,


alegria plena em vossa presença,
delícias eternas à vossa direita.

LEITURA II 1 Pedro 1, 17-21


«Fostes resgatados pelo sangue precioso
de Cristo, Cordeiro sem mancha»

Leitura da Primeira Epístola de São Pedro


Caríssimos:
Se invocais como Pai
Aquele que, sem acepção de pessoas,
julga cada um segundo as suas obras,
vivei com temor, durante o tempo de exílio neste mundo.
Lembrai-vos que não foi por coisas corruptíveis,
como prata e oiro,
que fostes resgatados da vã maneira de viver,
herdada dos vossos pais,
mas pelo sangue precioso de Cristo,
Cordeiro sem defeito e sem mancha,
predestinado antes da criação do mundo
e manifestado nos últimos tempos por vossa causa.
Por Ele acreditais em Deus,
que O ressuscitou dos mortos e Lhe deu a glória,
para que a vossa fé e a vossa esperança estejam em Deus.
Palavra do Senhor.

ALELUIA cf. Lc 24, 32

Refrão: Aleluia. Repete-se


Senhor Jesus, abri-nos as Escrituras,
falai-nos e inflamai o nosso coração. Refrão
DOMINGO III 209

EVANGELHO Lc 24, 13-35

«Conheceram-n’O ao partir o pão»

✠ Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Lucas


Dois dos discípulos de Jesus
iam a caminho duma povoação chamada Emaús,
que ficava a duas léguas de Jerusalém.
Conversavam entre si sobre tudo o que tinha sucedido.
Enquanto falavam e discutiam,
Jesus aproximou-Se deles e pôs-Se com eles a caminho.
Mas os seus olhos estavam impedidos de O reconhecerem.
Ele perguntou-lhes.
«Que palavras são essas que trocais entre vós pelo caminho?»
Pararam, com ar muito triste,
e um deles, chamado Cléofas, respondeu:
«Tu és o único habitante de Jerusalém
a ignorar o que lá se passou estes dias».
E Ele perguntou: «Que foi?»
Responderam-Lhe:
«O que se refere a Jesus de Nazaré,
profeta poderoso em obras e palavras
diante de Deus e de todo o povo;
e como os príncipes dos sacerdotes e os nossos chefes
O entregaram para ser condenado à morte e crucificado.
Nós esperávamos que fosse Ele quem havia de libertar Israel.
Mas, afinal, é já o terceiro dia depois que isto aconteceu.
É verdade que algumas mulheres do nosso grupo
nos sobressaltaram:
foram de madrugada ao sepulcro,
não encontraram o corpo de Jesus
e vieram dizer que lhes tinham aparecido uns Anjos
a anunciar que Ele estava vivo.
Alguns dos nossos foram ao sepulcro
e encontraram tudo como as mulheres tinham dito.
Mas a Ele não O viram».
Então Jesus disse-lhes:
«Homens sem inteligência e lentos de espírito
para acreditar em tudo o que os profetas anunciaram!
210 TEMPO PASCAL

Não tinha o Messias de sofrer tudo isso


para entrar na sua glória?»
Depois, começando por Moisés
e passando pelos Profetas,
explicou-lhes em todas as Escrituras o que Lhe dizia respeito.
Ao chegarem perto da povoação para onde iam,
Jesus fez menção de ir para diante.
Mas eles convenceram-n’O a ficar, dizendo:
«Ficai connosco, porque o dia está a terminar
e vem caindo a noite».
Jesus entrou e ficou com eles.
E quando Se pôs à mesa, tomou o pão, recitou a bênção,
partiu-o e entregou-lho.
Nesse momento abriram-se-lhes os olhos e reconheceram-n’O.
Mas Ele desapareceu da sua presença.
Disseram então um para o outro:
«Não ardia cá dentro o nosso coração,
quando Ele nos falava pelo caminho
e nos explicava as Escrituras?»
Partiram imediatamente de regresso a Jerusalém
e encontraram reunidos os Onze e os que estavam com eles,
que diziam:
«Na verdade, o Senhor ressuscitou e apareceu a Simão».
E eles contaram o que tinha acontecido no caminho
e como O tinham reconhecido ao partir o pão.
Palavra da salvação.
DOMINGO IV 211

DOMINGO IV DA PÁSCOA

LEITURA I Actos 2, 14a.36-41


«Deus fê-l’O Senhor e Messias»

Leitura dos Actos dos Apóstolos


No dia de Pentecostes,
Pedro, de pé, com os onze Apóstolos,
ergueu a voz e falou ao povo:
«Saiba com absoluta certeza toda a casa de Israel
que Deus fez Senhor e Messias
esse Jesus que vós crucificastes».
Ouvindo isto, sentiram todos o coração trespassado
e perguntaram a Pedro e aos outros Apóstolos:
«Que havemos de fazer, irmãos?»
Pedro respondeu-lhes:
«Convertei-vos
e peça cada um de vós o Baptismo
em nome de Jesus Cristo,
para vos serem perdoados os pecados.
Recebereis então o dom do Espírito Santo,
porque a promessa desse dom é para vós,
para os vossos filhos e para quantos, de longe,
ouvirem o apelo do Senhor nosso Deus».
E com muitas outras palavras os persuadia e exortava,
dizendo: «Salvai-vos desta geração perversa».
Os que aceitaram as palavras de Pedro
receberam o Baptismo
e naquele dia juntaram-se aos discípulos
cerca de três mil pessoas.
Palavra do Senhor.
212 TEMPO PASCAL

SALMO RESPONSORIAL Salmo 22 (23), 1-3a.3b-4.5.6


(R. 1 ou Aleluia)

Refrão: O Senhor é meu pastor: nada me faltará.


Ou: Aleluia.
O Senhor é meu pastor: nada me falta.
Leva-me a descansar em verdes prados,
conduz-me às águas refrescantes
e reconforta a minha alma.
Ele me guia por sendas direitas por amor do seu nome.
Ainda que tenha de andar por vales tenebrosos,
não temerei nenhum mal, porque Vós estais comigo:
o vosso cajado e o vosso báculo
me enchem de confiança.
Para mim preparais a mesa
à vista dos meus adversários;
com óleo me perfumais a cabeça
e o meu cálice transborda.
A bondade e a graça hão-de acompanhar-me
todos os dias da minha vida,
e habitarei na casa do Senhor
para todo o sempre.

LEITURA II 1 Pedro 2, 20b-25


«Voltastes para o pastor e guarda das vossas almas»

Leitura da Primeira Epístola de São Pedro


Caríssimos:
Se vós, fazendo o bem, suportais o sofrimento com paciência,
isto é uma graça aos olhos de Deus.
Para isto é que fostes chamados,
porque Cristo sofreu também por vós,
deixando-vos o exemplo,
para que sigais os seus passos.
DOMINGO IV 213

Ele não cometeu pecado algum


e na sua boca não se encontrou mentira.
Insultado, não pagava com injúrias;
maltratado, não respondia com ameaças;
mas entregava-Se Àquele que julga com justiça.
Ele suportou os nossos pecados
no seu Corpo, no madeiro da cruz,
a fim de que, mortos para o pecado, vivamos para a justiça:
pelas suas chagas fomos curados.
Vós éreis como ovelhas desgarradas,
mas agora voltastes para o pastor e guarda das vossas almas.
Palavra do Senhor.

ALELUIA Jo 10, 14

Refrão: Aleluia. Repete-se


Eu sou o bom pastor, diz o Senhor:
conheço as minhas ovelhas e elas conhecem-Me.
Refrão

EVANGELHO Jo 10, 1-10

«Eu sou a porta das ovelhas»

✠ Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São João


Naquele tempo, disse Jesus:
«Em verdade, em verdade vos digo:
Aquele que não entra no aprisco das ovelhas pela porta,
mas entra por outro lado,
é ladrão e salteador.
Mas aquele que entra pela porta é o pastor das ovelhas.
O porteiro abre-lhe a porta
e as ovelhas conhecem a sua voz.
Ele chama cada uma delas pelo seu nome e leva-as para fora.
214 TEMPO PASCAL

Depois de ter feito sair todas as que lhe pertencem,


caminha à sua frente
e as ovelhas seguem-no, porque conhecem a sua voz.
Se for um estranho, não o seguem, mas fogem dele,
porque não conhecem a voz dos estranhos».
Jesus apresentou-lhes esta comparação,
mas eles não compreenderam o que queria dizer.
Jesus continuou: «Em verdade, em verdade vos digo:
Eu sou a porta das ovelhas.
Aqueles que vieram antes de Mim são ladrões e salteadores,
mas as ovelhas não os escutaram.
Eu sou a porta.
Quem entrar por Mim será salvo:
é como a ovelha que entra e sai do aprisco e encontra pastagem.
O ladrão não vem senão para roubar, matar e destruir.
Eu vim para que as minhas ovelhas tenham vida
e a tenham em abundância».
Palavra da salvação.
DOMINGO V 215

DOMINGO V DA PÁSCOA

LEITURA I Actos 6,1-7

«Escolheram sete homens cheios do Espírito Santo ...»


Leitura dos Actos dos Apóstolos
Naqueles dias,
aumentando o número dos discípulos,
os helenistas começaram a murmurar contra os hebreus,
porque no serviço diário não se fazia caso das suas viúvas.
Então os Doze convocaram a assembleia dos discípulos
e disseram:
«Não convém que deixemos de pregar a palavra de Deus,
para servirmos às mesas.
Escolhei entre vós, irmãos,
sete homens de boa reputação,
cheios do Espírito Santo e de sabedoria,
para lhes confiarmos esse cargo.
Quanto a nós, vamos dedicar-nos totalmente
à oração e ao ministério da palavra».
A proposta agradou a toda a assembleia;
e escolheram Estêvão,
homem cheio de fé e do Espírito Santo,
Filipe, Prócoro, Nicanor, Timão,
Parmenas e Nicolau, prosélito de Antioquia.
Apresentaram-nos aos Apóstolos
e estes oraram e impuseram as mãos sobre eles.
A palavra de Deus ia-se divulgando cada vez mais;
o número dos discípulos
aumentava consideravelmente em Jerusalém
e obedecia à fé também grande número de sacerdotes.
Palavra do Senhor.
216 TEMPO PASCAL

SALMO RESPONSORIAL Salmo 32 (33), 1-2.4-5.18-19 (R. 22)

Refrão: Esperamos, Senhor, na vossa misericórdia.


Ou: Venha sobre nós a vossa bondade,
porque em Vós esperamos, Senhor.
Justos, aclamai o Senhor,
os corações rectos devem louvá-l’O.
Louvai o Senhor com a cítara,
cantai-Lhe salmos ao som da harpa.
A palavra do Senhor é recta,
da fidelidade nascem as suas obras.
Ele ama a justiça e a rectidão:
a terra está cheia da bondade do Senhor.
Os olhos do Senhor estão voltados para os que O temem,
para os que esperam na sua bondade,
para libertar da morte as suas almas
e os alimentar no tempo da fome.

LEITURA II 1 Pedro 2, 4-9


«Vós sois geração eleita, sacerdócio real»

Leitura da Primeira Epístola de São Pedro


Caríssimos:
Aproximai-vos do Senhor, que é a pedra viva,
rejeitada pelos homens,
mas escolhida e preciosa aos olhos de Deus.
E vós mesmos, como pedras vivas,
entrai na construção deste templo espiritual,
para constituirdes um sacerdócio santo,
destinado a oferecer sacrifícios espirituais,
agradáveis a Deus por Jesus Cristo.
Por isso se lê na Escritura:
«Vou pôr em Sião uma pedra angular, escolhida e preciosa;
e quem nela puser a sua confiança não será confundido».
DOMINGO V 217

Honra, portanto, a vós que acreditais.


Para os incrédulos, porém,
«a pedra que os construtores rejeitaram
tornou-se pedra angular»,
«pedra de tropeço e pedra de escândalo».
Tropeçaram por não acreditarem na palavra,
pois foram para isso destinados.
Vós, porém, sois «geração eleita, sacerdócio real,
nação santa, povo adquirido por Deus,
para anunciar os louvores»
d’Aquele que vos chamou das trevas para a sua luz admirável.
Palavra do Senhor.

ALELUIA Jo 14, 6

Refrão: Aleluia. Repete-se


Eu sou o caminho, a verdade e a vida, diz o Senhor;
ninguém vai ao Pai senão por mim. Refrão

EVANGELHO Jo 14, 1-12


«Eu sou o caminho, a verdade e a vida»
✠ Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São João
Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos:
«Não se perturbe o vosso coração.
Se acreditais em Deus, acreditai também em Mim.
Em casa de meu Pai há muitas moradas;
se assim não fosse,
Eu vos teria dito que vou preparar-vos um lugar?
Quando eu for preparar-vos um lugar,
virei novamente para vos levar comigo,
para que, onde Eu estou, estejais vós também.
Para onde Eu vou, conheceis o caminho».
Disse-Lhe Tomé:
«Senhor, não sabemos para onde vais:
como podemos conhecer o caminho?»
218 TEMPO PASCAL

Respondeu-lhe Jesus:
«Eu sou o caminho, a verdade e a vida.
Ninguém vai ao Pai senão por Mim.
Se Me conhecêsseis, conheceríeis também o meu Pai.
Mas desde agora já O conheceis e já O vistes».
Disse-Lhe Filipe:
«Senhor, mostra-nos o Pai e isto nos basta».
Respondeu-lhe Jesus:
«Há tanto tempo que estou convosco
e não Me conheces, Filipe?
Quem Me vê, vê o Pai.
Como podes tu dizer: ‘Mostra-nos o Pai’?
Não acreditas que Eu estou no Pai e o Pai está em Mim?
As palavras que Eu vos digo, não as digo por Mim próprio;
mas é o Pai, permanecendo em Mim, que faz as obras.
Acreditai-Me: Eu estou no Pai e o Pai está em Mim;
acreditai ao menos pelas minhas obras.
Em verdade, em verdade vos digo:
quem acredita em Mim fará também as obras que Eu faço
e fará ainda maiores que estas,
porque Eu vou para o Pai».
Palavra da salvação.
DOMINGO VI 219

DOMINGO VI DA PÁSCOA

Onde a Ascensão do Senhor se celebra no domingo seguinte, podem ler-se,


no Domingo VI da Páscoa, a Leitura II e o Evangelho indicados para o Domingo
VII da Páscoa: pp. 226 e 228

LEITURA I Actos 8, 5-8.14-17


« Impunham as mãos sobre eles
e eles recebiam o Espírito Santo»

Leitura dos Actos dos Apóstolos


Naqueles dias,
Filipe desceu a uma cidade da Samaria
e começou a pregar o Messias àquela gente.
As multidões aderiam unanimemente às palavras de Filipe,
ao ouvi-las e ao ver os milagres que fazia.
De muitos possessos saíam espíritos impuros,
soltando enormes gritos,
e numerosos paralíticos e coxos foram curados.
E houve muita alegria naquela cidade.
Quando os Apóstolos que estavam em Jerusalém
ouviram dizer que a Samaria recebera a palavra de Deus,
enviaram-lhes Pedro e João.
Quando chegaram lá, rezaram pelos samaritanos,
para que recebessem o Espírito Santo,
que ainda não tinha descido sobre eles:
só estavam baptizados em nome do Senhor Jesus.
Então impunham-lhes as mãos
e eles recebiam o Espírito Santo.
Palavra do Senhor.
220 TEMPO PASCAL

SALMO RESPONSORIAL Salmo 65 (66),1-3a.4-5.6-7a.16.20


(R. 1 ou Aleluia)

Refrão: A terra inteira aclame o Senhor.


Ou: Aleluia.
Aclamai a Deus, terra inteira,
cantai a glória do seu nome,
celebrai os seus louvores,
dizei a Deus: «Maravilhosas são as vossas obras».
«A terra inteira Vos adore e celebre,
entoe hinos ao vosso nome».
Vinde contemplar as obras de Deus,
admirável na sua acção pelos homens.
Todos os que temeis a Deus, vinde e ouvi,
vou narrar-vos quanto Ele fez por mim.
Bendito seja Deus que não rejeitou a minha prece,
nem me retirou a sua misericórdia.

LEITURA II 1 Pedro 3, 15-18

«Morreu segundo a carne, mas voltou à vida pelo Espírito»

Leitura da Primeira Epístola de São Pedro


Caríssimos:
Venerai Cristo Senhor em vossos corações,
prontos sempre a responder, a quem quer que seja,
sobre a razão da vossa esperança.
Mas seja com brandura e respeito,
conservando uma boa consciência,
para que, naquilo mesmo em que fordes caluniados,
sejam confundidos os que dizem mal
do vosso bom procedimento em Cristo.
Mais vale padecer por fazer o bem,
se for essa a vontade de Deus,
do que por fazer o mal.
DOMINGO VI 221

Na verdade, Cristo morreu uma só vez pelos nossos pecados


__
o Justo pelos injustos __
para nos conduzir a Deus.
Morreu segundo a carne, mas voltou à vida pelo Espírito.
Palavra do Senhor.

ALELUIA Jo 14, 23

Refrão: Aleluia. Repete-se


Se alguém Me ama, guardará a minha palavra.
Meu Pai o amará e faremos nele a nossa morada. R.

EVANGELHO Jo 14, 15-21

«Eu pedirei ao Pai, que vos dará outro Defensor»

✠ Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São João


Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos:
«Se Me amardes, guardareis os meus mandamentos.
E Eu pedirei ao Pai, que vos dará outro Paráclito,
para estar sempre convosco:
o Espírito da verdade, que o mundo não pode receber,
porque não O vê nem O conhece,
mas que vós conheceis,
porque habita convosco e está em vós.
Não vos deixarei órfãos: voltarei para junto de vós.
Daqui a pouco o mundo já não Me verá,
mas vós ver-Me-eis, porque Eu vivo e vós vivereis.
Nesse dia reconhecereis que Eu estou no Pai
e que vós estais em Mim e Eu em vós.
Se alguém aceita os meus mandamentos e os cumpre,
esse realmente Me ama.
E quem Me ama será amado por meu Pai
e Eu amá-lo-ei e manifestar-Me-ei a ele».
Palavra da salvação.
222 TEMPO PASCAL

ASCENSÃO DO SENHOR

LEITURA I Actos 1, 1-11


«Elevou-Se à vista deles»

Leitura dos Actos dos Apóstolos


No meu primeiro livro, ó Teófilo,
narrei todas as coisas que Jesus começou a fazer e a ensinar,
desde o princípio até ao dia em que foi elevado ao Céu,
depois de ter dado, pelo Espírito Santo,
as suas instruções aos Apóstolos que escolhera.
Foi também a eles que, depois da sua paixão,
Se apresentou vivo com muitas provas,
aparecendo-lhes durante quarenta dias
e falando-lhes do reino de Deus.
Um dia em que estava com eles à mesa,
mandou-lhes que não se afastassem de Jerusalém,
mas que esperassem a promessa do Pai,
«da qual __ disse Ele __ Me ouvistes falar.
Na verdade, João baptizou com água;
vós, porém, sereis baptizados no Espírito Santo,
dentro de poucos dias».
Aqueles que se tinham reunido começaram a perguntar:
«Senhor, é agora que vais restaurar o reino de Israel?»
Ele respondeu-lhes:
«Não vos compete saber os tempos ou os momentos
que o Pai determinou com a sua autoridade;
mas recebereis a força do Espírito Santo,
que descerá sobre vós,
e sereis minhas testemunhas
em Jerusalém e em toda a Judeia e na Samaria
e até aos confins da terra».
ASCENSÃO DO SENHOR 223

Dito isto, elevou-Se à vista deles


e uma nuvem escondeu-O a seus olhos.
E estando de olhar fito no Céu, enquanto Jesus Se afastava,
apresentaram-se-lhes dois homens vestidos de branco,
que disseram:
«Homens da Galileia, porque estais a olhar para o Céu?
Esse Jesus, que do meio de vós foi elevado para o Céu,
virá do mesmo modo que O vistes ir para o Céu».
Palavra do Senhor.

SALMO RESPONSORIAL Salmo 46 (47), 2-3.6-7.8-9 (R. 6)

Refrão: Por entre aclamações e ao som da trombeta,


ergue-Se Deus, o Senhor.
Ou: Ergue-Se Deus, o Senhor,
em júbilo e ao som da trombeta.
Povos todos, batei palmas,
aclamai a Deus com brados de alegria,
porque o Senhor, o Altíssimo, é terrível,
o Rei soberano de toda a terra.
Deus subiu entre aclamações,
o Senhor subiu ao som da trombeta.
Cantai hinos a Deus, cantai,
cantai hinos ao nosso Rei, cantai.
Deus é Rei do universo:
cantai os hinos mais belos.
Deus reina sobre os povos,
Deus está sentado no seu trono sagrado.
224 TEMPO PASCAL

LEITURA II Ef 1, 17-23
«Colocou-O à sua direita nos Céus»

Leitura da Epístola do apóstolo São Paulo aos Efésios


Irmãos:
O Deus de Nosso Senhor Jesus Cristo, o Pai da glória,
vos conceda um espírito de sabedoria e de revelação
para O conhecerdes plenamente
e ilumine os olhos do vosso coração,
para compreenderdes a esperança a que fostes chamados,
os tesouros de glória da sua herança entre os santos
e a incomensurável grandeza do seu poder
para nós os crentes.
Assim o mostra a eficácia da poderosa força
que exerceu em Cristo,
que Ele ressuscitou dos mortos
e colocou à sua direita nos Céus,
acima de todo o Principado, Poder, Virtude e Soberania,
acima de todo o nome que é pronunciado, não só neste mundo,
mas também no mundo que há-de vir.
Tudo submeteu aos seus pés e pô-l’O acima de todas as coisas
como Cabeça de toda a Igreja, que é o seu Corpo,
a plenitude d’Aquele que preenche tudo em todos.
Palavra do Senhor.

ALELUIA Mt 28, l9a.20b


Refrão: Aleluia. Repete-se
Ide e ensinai todos os povos, diz o Senhor:
Eu estou sempre convosco até ao fim dos tempos.
Refrão
ASCENSÃO DO SENHOR 225

EVANGELHO Mt 28, 16-20


«Todo o poder Me foi dado no Céu e na terra»

✠ Conclusão do santo Evangelho segundo São Mateus.


Naquele tempo,
os Onze discípulos partiram para a Galileia,
em direcção ao monte que Jesus lhes indicara.
Quando O viram, adoraram-n’O;
mas alguns ainda duvidaram.
Jesus aproximou-Se e disse-lhes:
«Todo o poder Me foi dado no Céu e na terra.
Ide e ensinai todas as nações,
baptizando-as em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo,
ensinando-as a cumprir tudo o que vos mandei.
Eu estou sempre convosco até ao fim dos tempos».
Palavra da salvação.
226 TEMPO PASCAL

DOMINGO VII DA PÁSCOA

LEITURA I Actos 1, 12-14


«Perseveravam unidos na oração»

Leitura dos Actos dos Apóstolos


Depois de Jesus ter subido ao Céu,
os Apóstolos voltaram para Jerusalém,
descendo o monte chamado das Oliveiras,
que fica perto de Jerusalém,
à distância de uma caminhada de sábado.
Quando chegaram à cidade, subiram para a sala de cima,
onde se encontravam habitualmente.
Estavam lá Pedro e João, Tiago e André, Filipe e Tomé,
Bartolomeu e Mateus, Tiago, filho de Alfeu,
Simão, o Zeloso, e Judas, irmão de Tiago.
Todos estes perseveravam unidos em oração,
em companhia de algumas mulheres,
entre as quais Maria, Mãe de Jesus.
Palavra do Senhor.

SALMO RESPONSORIAL Salmo 26 (27), 1.4.7-8a (R. 13)

Refrão: Espero contemplar a bondade do Senhor


na terra dos vivos.
Ou: Aleluia.
O Senhor é minha luz e salvação:
a quem hei-de temer?
O Senhor é protector da minha vida:
de quem hei-de ter medo?
DOMINGO VII 227

Uma coisa peço ao Senhor, por ela anseio:


habitar na casa do Senhor todos os dias da minha vida,
para gozar da bondade do Senhor
e visitar o seu santuário.
Ouvi, Senhor, a voz da minha súplica,
tende compaixão de mim e atendei-me.
Diz-me o coração: «Procurai a sua face».
A vossa face, Senhor, eu procuro.

LEITURA II 1 Pedro 4, 13-16

«Felizes de vós, se sois ultrajados pelo nome de Cristo»

Leitura da Primeira Epístola de São Pedro


Caríssimos:
Alegrai-vos, na medida em que participais
nos sofrimentos de Cristo,
a fim de que possais também alegrar-vos e exultar
no dia em que se manifestar a sua glória.
Felizes de vós, se sois ultrajados pelo nome de Cristo,
porque o Espírito de glória, o Espírito de Deus,
repousa sobre vós.
Nenhum de vós tenha de sofrer
por ser ladrão ou assassino ou malfeitor ou difamador.
Se, porém, sofre por ser cristão, não se envergonhe,
mas antes dê glória a Deus por ter esse nome.
Palavra do Senhor.

ALELUIA cf. Jo 14, 18

Refrão: Aleluia. Repete-se


Não vos deixarei órfãos, diz o Senhor:
vou partir, mas virei de novo
e alegrar-se-á o vosso coração. Refrão
228 TEMPO PASCAL

EVANGELHO Jo 17, 1-11a

«Pai, glorifica o teu Filho»

✠ Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São João


Naquele tempo,
Jesus ergueu os olhos ao Céu e disse:
«Pai, chegou a hora.
Glorifica o teu Filho, para que o teu Filho Te glorifique,
e, pelo poder que Lhe deste sobre toda a criatura,
Ele dê a vida eterna a todos os que Lhe confiaste.
É esta a vida eterna:
que Te conheçam a Ti, único Deus verdadeiro,
e Aquele que enviaste, Jesus Cristo.
Eu glorifiquei-Te sobre a terra,
consumando a obra que Me encarregaste de realizar.
E agora, Pai, glorifica-Me junto de Ti mesmo
com aquela glória que tinha em Ti, antes que houvesse mundo.
Manifestei o teu nome aos homens que do mundo Me deste.
Eram teus e Tu mos deste
e eles guardam a tua palavra.
Agora sabem que tudo quanto Me deste vem de Ti,
porque lhes comuniquei as palavras que Me confiaste
e eles receberam-nas:
reconheceram verdadeiramente que saí de Ti
e acreditaram que Me enviaste.
É por eles que Eu rogo; não pelo mundo,
mas por aqueles que Me deste, porque são teus.
Tudo o que é meu é teu e tudo o que é teu é meu;
e neles sou glorificado.
Eu já não estou no mundo,
mas eles estão no mundo, enquanto Eu vou para Ti».
Palavra da salvação.
DOMINGO DE PENTECOSTES

Missa da vigília

Estas leituras utilizam-se na Missa celebrada no sábado à tarde, quer antes


quer depois das Vésperas I do Domingo de Pentecostes. Na leitura I, lê-se um dos
quatro textos seguintes, à escolha:

LEITURA I Gen 11, 1-9


«Chamaram-lhe Babel, porque aí se confundiu a linguagem de todo o mundo»

Leitura do Livro do Génesis


Toda a terra tinha uma só língua e usava as mesmas palavras.
Ao emigrarem do Oriente,
os homens encontraram uma planície na região de Senaar
e nela se fixaram.
Disseram então uns aos outros:
«Vamos fabricar tijolos e cozê-los ao fogo».
Os tijolos serviam-lhes de pedra e o betume de argamassa.
Disseram ainda:
«Vamos edificar uma cidade
e uma torre cujo cimo atinja os céus,
para nos tornarmos famosos
e não nos dispersarmos por toda a superfície da terra».
Mas o Senhor desceu para ver a cidade e a torre
que os filhos dos homens construíam.
Disse então o Senhor:
«Aí está um povo unido e todos falam a mesma língua.
Se este é o começo dos seus empreendimentos,
nenhum projecto lhes será difícil.
Vamos descer até lá para lhes confundir a linguagem,
de modo que não entendam a fala uns dos outros».
230 TEMPO PASCAL

E o Senhor dispersou-os por toda a superfície da terra


e eles desistiram de construir a cidade.
Por isso lhe chamam Babel,
porque lá o Senhor confundiu a linguagem de todo o mundo
e de lá dispersou os habitantes por toda a superfície da terra.
Palavra do Senhor.

Ou Ex 19, 3-8a.16-20b

«O Senhor descerá sobre o monte Sinai à vista de todo o povo»

Leitura do Livro do Êxodo


Naqueles dias,
Moisés subiu à presença de Deus.
O Senhor chamou-o da montanha e disse-lhe:
«Assim falarás à casa de Jacob, isto dirás aos filhos de Israel:
‘Vistes o que Eu fiz ao Egipto,
como vos transportei sobre asas de águia
e vos trouxe até Mim.
Agora, se ouvirdes a minha voz,
se guardardes a minha aliança,
sereis minha propriedade especial entre todos os povos.
Porque toda a terra Me pertence;
mas vós sereis para Mim um reino de sacerdotes,
uma nação santa’.
Tais são as palavras que dirás aos filhos de Israel».
Moisés voltou, convocou os anciãos do povo
e expôs-lhes todas estas palavras,
como o Senhor lhe tinha ordenado.
Todo o povo respondeu numa só voz:
«Faremos tudo o que o Senhor mandou».
Ao amanhecer do terceiro dia, houve trovões e relâmpagos;
uma espessa nuvem cobria a montanha
e ouviu-se um fortíssimo som de trombeta.
No acampamento, todo o povo estremeceu.
PENTECOSTES 231

Moisés fez que o povo saísse do acampamento


ao encontro de Deus
e ficaram no sopé da montanha.
O monte Sinai todo ele fumegava,
porque o Senhor descera sobre ele no meio do fogo.
O fumo subia como de uma fornalha
e toda a montanha tremia violentamente.
O som da trombeta tornava-se cada vez mais forte:
Moisés falava e Deus respondia com voz de trovão.
O Senhor desceu sobre as alturas do monte Sinai
e chamou Moisés para que subisse ao cimo da montanha.
Palavra do Senhor.

Ou Ez 37, 1-14

«Ossos ressequidos, vou introduzir em vós o espírito e vivereis»

Leitura da Profecia de Ezequiel


Naqueles dias,
a mão do Senhor pairou sobre mim
e o Senhor levou-me pelo seu espírito
e colocou-me no meio de um vale que estava coberto de ossos.
Fez-me andar à volta deles em todos os sentidos:
os ossos eram em grande número, na superfície do vale,
e estavam completamente ressequidos.
Disse-me o Senhor:
«Filho do homem, poderão reviver estes ossos?»
Eu respondi: «Senhor Deus, Vós o sabeis».
Disse-me então:
«Profetiza acerca destes ossos e diz-lhes:
Ossos ressequidos, escutai a palavra do Senhor.
Eis o que diz o Senhor Deus a estes ossos:
Vou introduzir em vós o espírito e revivereis.
Hei-de cobrir-vos de nervos, encher-vos de carne
e revestir-vos de pele.
Infundirei em vós o espírito e revivereis.
Então sabereis que Eu sou o Senhor».
232 TEMPO PASCAL

Eu profetizei, segundo a ordem recebida.


Quando eu estava a profetizar,
ouvi um rumor e vi um movimento entre os ossos
que se aproximavam uns dos outros.
Vi que se tinham coberto de nervos,
que a carne crescera e a pele os revestia;
mas não havia espírito neles.
Disse-me o Senhor:
«Profetiza ao espírito, profetiza, filho do homem,
e diz ao espírito: Eis o que diz o Senhor Deus:
Vem dos quatro ventos, ó espírito,
e sopra sobre estes mortos,
para que tornem a viver».
Eu profetizei, como o Senhor me ordenara,
e o espírito entrou naqueles mortos;
eles voltaram à vida e puseram-se de pé:
era um exército muito numeroso.
Então o Senhor disse-me:
«Filho do homem, estes ossos são toda a casa de Israel.
Eles afirmaram:
‘Os nossos ossos estão ressequidos,
desvaneceu-se a nossa esperança, estamos perdidos’.
Por isso, profetiza e diz-lhes:
Assim fala o Senhor Deus:
Abrirei os vossos túmulos
e deles vos farei ressuscitar, meu povo,
para vos reconduzir à terra de Israel.
Haveis de reconhecer que Eu sou o Senhor,
quando Eu abrir os vossos túmulos
e deles vos fizer ressuscitar, meu povo.
Infundirei em vós o meu espírito e revivereis.
Hei-de fixar-vos na vossa terra
e reconhecereis que Eu, o Senhor, digo e faço».
Palavra do Senhor.
PENTECOSTES 233

Ou Joel 3, 1-5 (2, 28-32)


«Sobre os meus servos e servas derramarei o meu espírito»
Leitura da Profecia de Joel
Eis o que diz o Senhor:
«Derramarei o meu espírito sobre todo o ser vivo:
vossos filhos e filhas profetizarão,
os vossos anciãos terão sonhos
e os vossos jovens terão visões;
também sobre os meus servos e servas
derramarei, naqueles dias, o meu espírito.
Realizarei prodígios no céu e na terra:
sangue, fogo e colunas de fumo.
O sol converter-se-á em trevas e a lua em sangue,
antes de vir o dia do Senhor, dia grande e terrível.
Mas todo aquele que invocar o nome do Senhor será salvo,
porque no monte de Sião e em Jerusalém
estará, como o Senhor disse, o resto dos que forem salvos;
e entre os sobreviventes estarão aqueles
que o Senhor tiver chamado».
Palavra do Senhor.

SALMO RESPONSORIAL Salmo 103 (104), 1-2a.24.35c.27-28.29bc-30


(R. 30 ou Aleluia)

Refrão: Enviai, Senhor, o vosso Espírito


e renovai a face da terra.
Ou: Mandai, Senhor, o vosso Espírito
e renovai a terra.
Ou: Aleluia.
Bendiz, ó minha alma, o Senhor.
Senhor, meu Deus, como sois grande!
Revestido de esplendor e majestade,
envolvido em luz como num manto.
234 TEMPO PASCAL

Como são grandes, Senhor, as vossas obras!


Tudo fizestes com sabedoria:
a terra está cheia das vossas criaturas!
Bendiz, ó minha alma, o Senhor.
Todos de Vós esperam
que lhes deis de comer a seu tempo.
Dais-lhes o alimento e eles o recolhem,
abris a mão e enchem-se de bens.
Se lhes tirais o alento, morrem
e voltam ao pó donde vieram.
Se mandais o vosso espírito, retomam a vida
e renovais a face da terra.

LEITURA II Rom 8, 22-27

«O Espírito intercede por nós com gemidos inefáveis»

Leitura da Epístola do apóstolo São Paulo aos Romanos


Irmãos:
Nós sabemos que toda a criatura geme ainda agora
e sofre as dores da maternidade.
E não só ela,
mas também nós, que possuímos as primícias do Espírito,
gememos interiormente,
esperando a adopção filial e a libertação do nosso corpo.
É em esperança que estamos salvos,
pois ver o que se espera não é esperança:
quem espera o que já vê?
Mas esperar o que não vemos é esperá-lo com perseverança.
Também o Espírito Santo vem em auxílio da nossa fraqueza,
porque não sabemos o que pedir nas nossas orações;
mas o próprio Espírito intercede por nós
com gemidos inefáveis.
PENTECOSTES 235

E Aquele que vê no íntimo dos corações


conhece as aspirações do Espírito,
pois é em conformidade com Deus
que o Espírito intercede pelos cristãos.
Palavra do Senhor.

ALELUIA

Refrão: Aleluia. Repete-se


Vinde, Espírito Santo,
enchei os corações dos vossos fiéis
e acendei neles o fogo do vosso amor. Refrão

EVANGELHO Jo 7, 37-39

«Correrão rios de água viva»

✠ Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São João


No último dia, o mais solene da festa,
Jesus estava de pé e exclamou:
«Se alguém tem sede, venha a Mim e beba:
do coração daquele que acredita em Mim
correrão rios de água viva para a vida eterna».
Referia-se ao Espírito que haviam de receber
os que acreditassem n’Ele.
O Espírito ainda não viera,
porque Jesus ainda não tinha sido glorificado.
Palavra da salvação.
236 TEMPO PASCAL

Missa do dia

LEITURA I Actos 2, 1-11

«Todos ficaram cheios do Espírito Santo e começaram a falar»

Leitura dos Actos dos Apóstolos


Quando chegou o dia de Pentecostes,
os Apóstolos estavam todos reunidos no mesmo lugar.
Subitamente, fez-se ouvir, vindo do Céu,
um rumor semelhante a forte rajada de vento,
que encheu toda a casa onde se encontravam.
Viram então aparecer uma espécie de línguas de fogo,
que se iam dividindo,
e poisou uma sobre cada um deles.
Todos ficaram cheios do Espírito Santo
e começaram a falar outras línguas,
conforme o Espírito lhes concedia que se exprimissem.
Residiam em Jerusalém judeus piedosos,
procedentes de todas as nações que há debaixo do céu.
Ao ouvir aquele ruído, a multidão reuniu-se
e ficou muito admirada,
pois cada qual os ouvia falar na sua própria língua.
Atónitos e maravilhados, diziam:
«Não são todos galileus os que estão a falar?
Então, como é que os ouve cada um de nós
falar na sua própria língua?
Partos, medos, elamitas,
habitantes da Mesopotâmia, da Judeia e da Capadócia,
do Ponto e da Ásia, da Frígia e da Panfília,
do Egipto e das regiões da Líbia, vizinha de Cirene,
colonos de Roma, tanto judeus como prosélitos,
cretenses e árabes,
ouvimo-los proclamar nas nossas línguas
as maravilhas de Deus».
Palavra do Senhor.
PENTECOSTES 237

SALMO RESPONSORIAL Salmo 103 (104), 1ab.24c.29bc-30.31.34


(R. 30 ou Aleluia)

Refrão: Enviai, Senhor, o vosso Espírito


e renovai a face da terra.
Ou: Mandai, Senhor o vosso Espírito,
e renovai a terra.
Ou: Aleluia.
Bendiz, ó minha alma, o Senhor.
Senhor, meu Deus, como sois grande!
Como são grandes, Senhor, as vossas obras!
A terra está cheia das vossas criaturas.
Se lhes tirais o alento, morrem
e voltam ao pó donde vieram.
Se mandais o vosso espírito, retomam a vida
e renovais a face da terra.
Glória a Deus para sempre!
Rejubile o Senhor nas suas obras.
Grato Lhe seja o meu canto
e eu terei alegria no Senhor.

LEITURA II 1 Cor 12, 3b-7.12-13


«Todos nós fomos baptizados num só Espírito, para formarmos um só Corpo»
Leitura da Primeira Epístola do apóstolo São Paulo aos Coríntios
Irmãos:
Ninguém pode dizer «Jesus é o Senhor»
a não ser pela acção do Espírito Santo.
De facto, há diversidade de dons espirituais,
mas o Espírito é o mesmo.
Há diversidade de ministérios,
mas o Senhor é o mesmo.
Há diversas operações,
mas é o mesmo Deus que opera tudo em todos.
Em cada um se manifestam os dons do Espírito
para o bem comum.
238 TEMPO PASCAL

Assim como o corpo é um só e tem muitos membros


e todos os membros, apesar de numerosos,
constituem um só corpo,
assim também sucede com Cristo.
Na verdade, todos nós
__
judeus e gregos, escravos e homens livres __
fomos baptizados num só Espírito,
para constituirmos um só Corpo.
E a todos nos foi dado a beber um único Espírito.
Palavra do Senhor.

SEQUÊNCIA

Vinde, ó santo Espírito, Sem a vossa força


vinde, Amor ardente, e favor clemente,
acendei na terra nada há no homem
vossa luz fulgente. que seja inocente.
Vinde, Pai dos pobres: Lavai nossas manchas,
na dor e aflições, a aridez regai,
vinde encher de gozo sarai os enfermos
nossos corações. e a todos salvai.
Benfeitor supremo Abrandai durezas
em todo o momento, para os caminhantes,
habitando em nós animai os tristes,
sois o nosso alento. guiai os errantes.
Descanso na luta Vossos sete dons
e na paz encanto, concedei à alma
no calor sois brisa, do que em Vós confia:
conforto no pranto.
Luz de santidade, Virtude na vida,
que no Céu ardeis, amparo na morte,
abrasai as almas no Céu alegria.
dos vossos fiéis.
PENTECOSTES 239

ALELUIA

Refrão: Aleluia. Repete-se


Vinde, Espírito Santo,
enchei os corações dos vossos fiéis
e acendei neles o fogo do vosso amor. Refrão

EVANGELHO Jo 20, 19-23


«Assim como o Pai Me enviou, também Eu vos envio a vós:
Recebei o Espírito Santo»
✠ Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São João
Na tarde daquele dia, o primeiro da semana,
estando fechadas as portas da casa
onde os discípulos se encontravam,
com medo dos judeus,
veio Jesus, colocou-Se no meio deles e disse-lhes:
«A paz esteja convosco».
Dito isto, mostrou-lhes as mãos e o lado.
Os discípulos ficaram cheios de alegria ao verem o Senhor.
Jesus disse-lhes de novo:
«A paz esteja convosco.
Assim como o Pai Me enviou,
também Eu vos envio a vós».
Dito isto, soprou sobre eles e disse-lhes:
«Recebei o Espírito Santo:
àqueles a quem perdoardes os pecados ser-lhes-ão perdoados;
e àqueles a quem os retiverdes ser-lhes-ão retidos».
Palavra da salvação.

Onde a segunda-feria ou também a terça-feira depois do Pentecostes são dias


em que há especial afluência de fiéis à Missa, podem tomar-se as leituras do domingo
de Pentecostes, como acima se propõe, ou as leituras da Confirmação.
TEMPO COMUM
O primeiro Domingo é a festa do Baptismo do Senhor (cf. acima, pag. 101)
DOMINGO II

LEITURA I Is 49, 3.5-6


«Farei de ti a luz das nações, para que sejas a minha salvação»
Leitura do Livro de Isaías
Disse-me o Senhor:
«Tu és o meu servo, Israel,
por quem manifestarei a minha glória».
E agora o Senhor falou-me,
Ele que me formou desde o seio materno,
para fazer de mim o seu servo,
a fim de Lhe reconduzir Jacob e reunir Israel junto d’Ele.
Eu tenho merecimento aos olhos do Senhor
e Deus é a minha força.
Ele disse-me então:
«Não basta que sejas meu servo,
para restaurares as tribos de Jacob
e reconduzires os sobreviventes de Israel.
Vou fazer de ti a luz das nações,
para que a minha salvação chegue até aos confins da terra».
Palavra do Senhor.

SALMO RESPONSORIAL Salmo 39 (40), 2 e 4ab.7-8a.8b-9.10-11ab (R. 8a e 9a)

Refrão: Eu venho, Senhor,


para fazer a vossa vontade.
Esperei no Senhor com toda a confiança
e Ele atendeu-me.
Pôs em meus lábios um cântico novo,
um hino de louvor ao nosso Deus.
244 TEMPO COMUM

Não Vos agradaram sacrifícios nem oblações,


mas abristes-me os ouvidos;
não pedistes holocaustos nem expiações,
então clamei: «Aqui estou».
«De mim está escrito no livro da Lei
que faça a vossa vontade.
Assim o quero, ó meu Deus,
a vossa lei está no meu coração».
Proclamei a justiça na grande assembleia,
não fechei os meus lábios, Senhor, bem o sabeis.
Não escondi a vossa justiça no fundo do coração,
proclamei a vossa fidelidade e salvação.

LEITURA II 1 Cor l, 1-3


«A graça e a paz de Deus Pai e do Senhor Jesus Cristo estejam convosco»
Início da primeira Epístola do apóstolo São Paulo aos Coríntios
Irmãos:
Paulo, por vontade de Deus
escolhido para Apóstolo de Cristo Jesus
e o irmão Sóstenes,
à Igreja de Deus que está em Corinto,
aos que foram santificados em Cristo Jesus,
chamados à santidade,
com todos os que invocam, em qualquer lugar,
o nome de Nosso Senhor Jesus Cristo, Senhor deles e nosso:
A graça e a paz de Deus nosso Pai e do Senhor Jesus Cristo
estejam convosco.
Palavra do Senhor.
DOMINGO II 245

ALELUIA Jo 1, 14a.12a

Refrão: Aleluia. Repete-se


O Verbo fez-Se carne e habitou entre nós .
Àqueles que O receberam
deu-lhes o poder de se tornarem filhos de Deus. Refrão

EVANGELHO Jo 1, 29-34

«Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo»

✠ Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São João


Naquele tempo,
João Baptista viu Jesus, que vinha ao seu encontro,
e exclamou:
«Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo.
É d’Ele que eu dizia:
‘Depois de mim vem um homem,
que passou à minha frente, porque era antes de mim’.
Eu não O conhecia,
mas foi para Ele Se manifestar a Israel
que eu vim baptizar na água».
João deu mais este testemunho:
«Eu vi o Espírito Santo
descer do Céu como uma pomba e permanecer sobre Ele.
Eu não O conhecia,
mas quem me enviou a baptizar na água é que me disse:
‘Aquele sobre quem vires o Espírito Santo descer e permanecer
é que baptiza no Espírito Santo’.
Ora, eu vi e dou testemunho
de que Ele é o Filho de Deus».
Palavra da salvação.
246 TEMPO COMUM

DOMINGO III

LEITURA I Is 8, 23b __ 9, 3 (9, 1-4)


Na Galileia dos gentios o povo viu uma grande luz
Leitura do Livro de Isaías
Assim como no tempo passado
foi humilhada a terra de Zabulão e de Neftali,
também no futuro será coberto de glória
o caminho do mar, o Além do Jordão, a Galileia dos gentios.
O povo que andava nas trevas viu uma grande luz;
para aqueles que habitavam nas sombras da morte
uma luz se levantou.
Multiplicastes a sua alegria,
aumentastes o seu contentamento.
Rejubilam na vossa presença,
como os que se alegram no tempo da colheita,
como exultam os que repartem despojos.
Vós quebrastes, como no dia de Madiã,
o jugo que pesava sobre o povo,
o madeiro que ele tinha sobre os ombros
e o bastão do opressor.
Palavra do Senhor.

SALMO RESPONSORIAL Salmo 26 (27), 1.4.13-14 (R. 1a)

Refrão: O Senhor é minha luz e salvação.


Ou: O Senhor me ilumina e me salva.
O Senhor é minha luz e salvação:
a quem hei-de temer?
O Senhor é protector da minha vida:
de quem hei-de ter medo?
DOMINGO III 247

Uma coisa peço ao Senhor, por ela anseio:


habitar na casa do Senhor todos os dias da minha vida,
para gozar da suavidade do Senhor
e visitar o seu santuário.
Espero vir a contemplar a bondade do Senhor
na terra dos vivos.
Confia no Senhor, sê forte.
Tem coragem e confia no Senhor.

LEITURA II 1 Cor 1, 10-13.17


«Falai todos a mesma linguagem e não haja divisões»
Leitura da Primeira Epístola do apóstolo São Paulo aos Coríntios
Irmãos:
Rogo-vos, pelo nome de Nosso Senhor Jesus Cristo,
que faleis todos a mesma linguagem
e que não haja divisões entre vós,
permanecendo bem unidos,
no mesmo pensar e no mesmo agir.
Eu soube, meus irmãos, pela gente de Cloé,
que há divisões entre vós, que há entre vós quem diga:
«Eu sou de Paulo», «eu de Apolo»,
«eu de Pedro», «eu de Cristo».
Estará Cristo dividido?
Porventura Paulo foi crucificado por vós?
Foi em nome de Paulo que recebestes o Baptismo?
Na verdade, Cristo não me enviou para baptizar,
mas para anunciar o Evangelho;
não, porém, com sabedoria de palavras,
a fim de não desvirtuar a cruz de Cristo.
Palavra do Senhor.

ALELUIA Cf. Mt 4, 23
Refrão: Aleluia. Repete-se
Jesus proclamava o Evangelho do reino
e curava todas as doenças entre o povo. Refrão
248 TEMPO COMUM

EVANGELHO Forma longa Mt 4, 12-23

«Foi para Cafarnaum,


a fim de se cumprir o que anunciara o profeta Isaías»

✠ Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Mateus


Quando Jesus ouviu dizer
que João Baptista fora preso,
retirou-Se para a Galileia.
Deixou Nazaré e foi habitar em Cafarnaum,
terra à beira-mar, no território de Zabulão e Neftali.
Assim se cumpria o que o profeta Isaías anunciara, ao dizer:
«Terra de Zabulão e terra de Neftali,
estrada do mar, além do Jordão, Galileia dos gentios:
o povo que vivia nas trevas viu uma grande luz;
para aqueles que habitavam na sombria região da morte,
uma luz se levantou».
Desde então, Jesus começou a pregar:
«Arrependei-vos, porque está proximo o reino dos Céus».
Caminhando ao longo do mar da Galileia,
viu dois irmãos:
Simão, chamado Pedro, e seu irmão André,
que lançavam as redes ao mar, pois eram pescadores.
Disse-lhes Jesus: «Vinde e segui-Me
e farei de vós pescadores de homens».
Eles deixaram logo as redes e seguiram-n’O.
Um pouco mais adiante, viu outros dois irmãos:
Tiago, filho de Zebedeu, e seu irmão João,
que estavam no barco, na companhia de seu pai Zebedeu,
a consertar as redes.
Jesus chamou-os
e eles, deixando o barco e o pai, seguiram-n’O.
Depois começou a percorrer toda a Galileia,
ensinando nas sinagogas,
proclamando o Evangelho do reino
e curando todas as doenças e enfermidades entre o povo.
Palavra da salvação.
DOMINGO III 249

EVANGELHO Forma breve Mt 4, 12-17

«Foi para Cafarnaum,


a fim de se cumprir o que anunciara o profeta Isaías»

✠ Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Mateus


Quando Jesus ouviu dizer que João Baptista fora preso,
retirou-Se para a Galileia.
Deixou Nazaré e foi habitar em Cafarnaum,
terra à beira-mar, no território de Zabulão e Neftali.
Assim se cumpria o que o profeta Isaías anunciara, ao dizer:
«Terra de Zabulão e terra de Neftali,
estrada do mar, além do Jordão, Galileia dos gentios:
o povo que vivia nas trevas viu uma grande luz;
para aqueles que habitavam na sombria região da morte
uma luz se levantou».
Desde então, Jesus começou a pregar:
«Arrependei-vos, porque está próximo o reino dos Céus».
Palavra da salvação.
250 TEMPO COMUM

DOMINGO IV

LEITURA I Sof 2, 3; 3, 12-13

«Deixarei ficar no meio de ti um povo pobre e humilde»

Leitura da Profecia de Sofonias


Procurai o Senhor, vós todos os humildes da terra,
que obedeceis aos seus mandamentos.
Procurai a justiça, procurai a humildade;
talvez encontreis protecção no dia da ira do Senhor.
Só deixarei ficar no meio de ti um povo pobre e humilde,
que buscará refúgio no nome do Senhor.
O resto de Israel não voltará a cometer injustiças,
não tornará a dizer mentiras,
nem mais se encontrará na sua boca uma língua enganadora.
Por isso, terão pastagem e repouso,
sem ninguém que os perturbe.
Palavra do Senhor.

SALMO RESPONSORIAL Salmo 145 (146), 7.8-9a.9bc-10


(R. Mt 5, 3 ou Aleluia)

Refrão: Bem-aventurados os pobres em espírito,


porque deles é o reino dos Céus.
Ou: Aleluia.
O Senhor faz justiça aos oprimidos,
dá pão aos que têm fome
e a liberdade aos cativos.
O Senhor ilumina os olhos dos cegos,
o Senhor levanta os abatidos,
o Senhor ama os justos.
DOMINGO IV 251

O Senhor protege os peregrinos,


ampara o órfão e a viúva
e entrava o caminho aos pecadores.
O Senhor reina eternamente.
O teu Deus, ó Sião,
é Rei por todas as gerações.

LEITURA II 1 Cor 1, 26-31


«Deus escolheu o que é fraco aos olhos do mundo»
Leitura da Primeira Epístola do apóstolo São Paulo aos Coríntios
Irmãos:
Vede quem sois vós, os que Deus chamou:
não há muitos sábios, naturalmente falando,
nem muitos influentes, nem muitos bem-nascidos.
Mas Deus escolheu o que é louco aos olhos do mundo
para confundir os sábios;
escolheu o que é fraco, para confundir o forte;
escolheu o que é vil e desprezível,
o que nada vale aos olhos do mundo,
para reduzir a nada aquilo que vale,
a fim de que nenhuma criatura se possa gloriar diante de Deus.
É por Ele que vós estais em Cristo Jesus,
o qual Se tornou para nós sabedoria de Deus,
justiça, santidade e redenção.
Deste modo, conforme está escrito,
«quem se gloria deve gloriar-se no Senhor».
Palavra do Senhor.

ALELUIA Mt 5, 12a

Refrão: Aleluia. Repete-se


Alegrai-vos e exultai,
porque é grande nos Céus a vossa recompensa. Refrão
252 TEMPO COMUM

EVANGELHO Mt 5, 1-12a

«Bem-aventurados os pobres em espírito»

✠ Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Mateus


Naquele tempo,
ao ver as multidões, Jesus subiu ao monte e sentou-Se.
Rodearam-n’O os discípulos
e Ele começou a ensiná-los, dizendo:
«Bem-aventurados os pobres em espírito,
porque deles é o reino dos Céus.
Bem-aventurados os humildes,
porque possuirão a terra.
Bem-aventurados os que choram,
porque serão consolados.
Bem-aventurados os que têm fome e sede de justiça,
porque serão saciados.
Bem-aventurados os misericordiosos,
porque alcançarão misericórdia.
Bem-aventurados os puros de coração,
porque verão a Deus.
Bem-aventurados os que promovem a paz,
porque serão chamados filhos de Deus.
Bem-aventurados os que sofrem perseguição por amor da justiça,
porque deles é o reino dos Céus.
Bem-aventurados sereis, quando, por minha causa,
vos insultarem, vos perseguirem
e, mentindo, disserem todo o mal contra vós.
Alegrai-vos e exultai,
porque é grande nos Céus a vossa recompensa».
Palavra da salvação.
DOMINGO V 253

DOMINGO V

LEITURA I Is 58, 7-10

«A tua luz despontará como a aurora»

Leitura do Livro do profeta Isaías


Eis o que diz o Senhor:
«Reparte o teu pão com o faminto,
dá pousada aos pobres sem abrigo,
leva roupa ao que não tem que vestir
e não voltes as costas ao teu semelhante.
Então a tua luz despontará como a aurora
e as tuas feridas não tardarão a sarar.
Preceder-te-á a tua justiça
e seguir-te-á a glória do Senhor.
Então, se chamares, o Senhor responderá,
se O invocares, dir-te-á: ‘Aqui estou’.
Se tirares do meio de ti a opressão,
os gestos de ameaça e as palavras ofensivas,
se deres do teu pão ao faminto
e matares a fome ao indigente,
a tua luz brilhará na escuridão
e a tua noite será como o meio-dia».
Palavra do Senhor.
254 TEMPO COMUM

SALMO RESPONSORIAL Salmo 111 (112), 4-5.6-7.8a e 9


(R. 4a ou Aleluia)

Refrão: Para o homem recto


nascerá uma luz no meio das trevas.
Ou: Aleluia.

Brilha aos homens rectos, como luz nas trevas,


o homem misericordioso, compassivo e justo.
Ditoso o homem que se compadece e empresta
e dispõe das suas coisas com justiça.
Este jamais será abalado;
o justo deixará memória eterna.
Ele não receia más notícias:
seu coração está firme, confiado no Senhor.
O seu coração é inabalável, nada teme;
reparte com largueza pelos pobres,
a sua generosidade permanece para sempre
e pode levantar a cabeça com altivez.

LEITURA II 1 Cor 2, 1-5

«Anunciei-vos o mistério de Cristo crucificado»


Leitura da Primeira Epístola do apóstolo São Paulo aos Coríntios
Quando fui ter convosco, irmãos,
não me apresentei com sublimidade de linguagem
ou de sabedoria
a anunciar-vos o mistério de Deus.
Pensei que, entre vós, não devia saber nada
senão Jesus Cristo, e Jesus Cristo crucificado.
Apresentei-me diante de vós cheio de fraqueza e de temor
e a tremer deveras.
DOMINGO V 255

A minha palavra e a minha pregação


não se basearam na linguagem convincente da sabedoria humana,
mas na poderosa manifestação do Espírito Santo,
para que a vossa fé não se fundasse na sabedoria humana,
mas no poder de Deus.
Palavra do Senhor.

ALELUIA Jo 8, 12

Refrão: Aleluia. Repete-se


Eu sou a luz do mundo, diz o Senhor:
quem Me segue terá a luz da vida. Refrão

EVANGELHO Mt 5, 13-16

«Vós sois a luz do mundo»

✠ Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Mateus


Naquele tempo,
disse Jesus aos seus discípulos:
«Vós sois o sal da terra.
Mas se ele perder a força, com que há-de salgar-se?
Não serve para nada,
senão para ser lançado fora e pisado pelos homens.
Vós sois a luz do mundo.
Não se pode esconder uma cidade situada sobre um monte;
nem se acende uma lâmpada para a colocar debaixo do alqueire,
mas sobre o candelabro,
onde brilha para todos os que estão em casa.
Assim deve brilhar a vossa luz diante dos homens,
para que, vendo as vossas boas obras,
glorifiquem o vosso Pai que está nos Céus».
Palavra da salvação.
256 TEMPO COMUM

DOMINGO VI

LEITURA I Sir 15, 16-21 (15-20)


«Não mandou a ninguém fazer o mal»
Leitura do Livro de Ben-Sirá
Se quiseres, guardarás os mandamentos:
ser fiel depende da tua vontade.
Deus pôs diante de ti o fogo e a água:
estenderás a mão para o que desejares.
Diante do homem estão a vida e a morte:
o que ele escolher, isso lhe será dado.
Porque é grande a sabedoria do Senhor,
Ele é forte e poderoso e vê todas as coisas.
Seus olhos estão sobre aqueles que O temem,
Ele conhece todas as coisas do homem.
Não mandou a ninguém fazer o mal,
nem deu licença a ninguém de cometer o pecado.
Palavra do Senhor.

SALMO RESPONSORIAL Salmo 118 (119), 1-2.4-5.17-18.33-34 (R. 1b)

Refrão: Ditoso o que anda na lei do Senhor.


Felizes os que seguem o caminho perfeito
e andam na lei do Senhor.
Felizes os que observam as suas ordens
e O procuram de todo o coração.
Promulgastes os vossos preceitos
para se cumprirem fielmente.
Oxalá meus caminhos sejam firmes
na observância dos vossos decretos.
DOMINGO VI 257

Fazei bem ao vosso servo:


viverei e cumprirei a vossa palavra.
Abri, Senhor, os meus olhos
para ver as maravilhas da vossa lei.
Ensinai-me, Senhor, o caminho dos vossos decretos
para ser fiel até ao fim.
Dai-me entendimento para guardar a vossa lei
e para a cumprir de todo o coração.

LEITURA II 1 Cor 2, 6-10

«Antes dos séculos Deus predestinou a sabedoria para a nossa glória»

Leitura da Primeira Epístola do apóstolo São Paulo aos Coríntios


Irmãos:
Nós falamos de sabedoria entre os perfeitos,
mas de uma sabedoria que não é deste mundo,
nem dos príncipes deste mundo,
que vão ser destruídos.
Falamos da sabedoria de Deus, misteriosa e oculta,
que já antes dos séculos
Deus tinha destinado para a nossa glória.
Nenhum dos príncipes deste mundo a conheceu;
porque se a tivessem conhecido,
não teriam crucificado o Senhor da glória.
Mas, como está escrito,
«nem os olhos viram, nem os ouvidos escutaram,
nem jamais passou pelo pensamento do homem
o que Deus preparou para aqueles que O amam».
Mas a nós Deus o revelou por meio do Espírito Santo,
porque o Espírito Santo penetra todas as coisas,
até o que há de mais profundo em Deus.
Palavra do Senhor.
258 TEMPO COMUM

ALELUIA cf. Mt 11, 25

Refrão: Aleluia. Repete-se


Bendito sejais, ó Pai, Senhor do céu e da terra,
porque revelastes aos pequeninos
os mistérios do reino. Refrão

EVANGELHO Forma longa Mt 5, 17-37

«Foi dito aos antigos ... Eu porém, digo-vos ...»

✠ Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Mateus


Naquele tempo,
disse Jesus aos seus discípulos:
«Não penseis que vim revogar a Lei ou os Profetas;
não vim revogar, mas completar.
Em verdade vos digo:
Antes que passem o céu e a terra,
não passará da Lei a mais pequena letra
ou o mais pequeno sinal,
sem que tudo se cumpra.
Portanto, se alguém transgredir um só destes mandamentos,
por mais pequenos que sejam,
e ensinar assim aos homens,
será o menor no reino dos Céus.
Mas aquele que os praticar e ensinar
será grande no reino dos Céus.
Porque Eu vos digo:
Se a vossa justiça não superar a dos escribas e fariseus,
não entrareis no reino dos Céus.
Ouvistes que foi dito aos antigos:
‘Não matarás; quem matar será submetido a julgamento’.
Eu, porém, digo-vos:
Todo aquele que se irar contra o seu irmão
será submetido a julgamento.
DOMINGO VI 259

Quem chamar imbecil a seu irmão


será submetido ao Sinédrio,
e quem lhe chamar louco
será submetido à geena de fogo.
Portanto, se fores apresentar a tua oferta sobre o altar
e ali te recordares que o teu irmão tem alguma coisa contra ti,
deixa lá a tua oferta diante do altar,
vai primeiro reconciliar-te com o teu irmão
e vem depois apresentar a tua oferta.
Reconcilia-te com o teu adversário,
enquanto vais com ele a caminho,
não seja caso que te entregue ao juiz,
o juiz ao guarda, e sejas metido na prisão.
Em verdade te digo:
Não sairás de lá, enquanto não pagares o último centavo.
Ouvistes que foi dito: ‘Não cometerás adultério’.
Eu, porém, digo-vos:
Todo aquele que olhar para uma mulher com maus desejos
já cometeu adultério com ela no seu coração.
Se o teu olho direito é para ti ocasião de pecado,
arranca-o e lança-o para longe de ti,
pois é melhor perder-se um só dos teus olhos
do que todo o corpo ser lançado na geena.
E se a tua mão direita é para ti ocasião de pecado,
corta-a e lança-a para longe de ti,
porque é melhor que se perca um só dos teus membros,
do que todo o corpo ser lançado na geena.
Também foi dito:
‘Quem repudiar sua mulher dê-lhe certidão de repúdio’.
Eu, porém, digo-vos:
Todo aquele que repudiar sua mulher,
salvo em caso de união ilegítima,
fá-la cometer adultério.
E quem se casar com uma repudiada comete adultério.
Ouvistes ainda que foi dito aos antigos:
‘Não faltarás ao que tiveres jurado,
mas cumprirás diante do Senhor o que juraste’.
260 TEMPO COMUM

Eu, porém, digo-vos que não jureis em caso algum:


nem pelo Céu, que é o trono de Deus;
nem pela terra, que é o escabelo dos seus pés;
nem por Jerusalém, que é a cidade do grande Rei.
Também não jures pela tua cabeça,
porque não podes fazer branco ou preto um só cabelo.
A vossa linguagem deve ser: ‘Sim, sim; não, não’.
O que passa disto vem do Maligno».
Palavra da salvação.

EVANGELHO Forma breve Mt 5, 20-22a.27-28.33-34a.37

«Foi dito aos antigos ... Eu porém, digo-vos ...»

✠ Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Mateus


Naquele tempo,
disse Jesus aos seus discípulos:
«Se a vossa justiça não superar a dos escribas e fariseus,
não entrareis no reino dos Céus.
Ouvistes que foi dito aos antigos:
‘Não matarás; quem matar será submetido a julgamento’.
Eu, porém, digo-vos:
Todo aquele que se irar contra o seu irmão
será submetido a julgamento.
Ouvistes que foi dito: ‘Não cometerás adultério’.
Eu, porém, digo-vos:
Todo aquele que olhar para uma mulher com maus desejos,
já cometeu adultério com ela no seu coração.
Ouvistes ainda que foi dito aos antigos:
‘Não faltarás ao que tiveres jurado,
mas cumprirás diante do Senhor o que juraste’.
Eu, porém, digo-vos que não jureis em caso algum.
A vossa linguagem deve ser: ‘Sim, sim; não, não’.
O que passa disto vem do Maligno».
Palavra da salvação.
DOMINGO VII 261

DOMINGO VII

LEITURA I Lev 19, 1-2.17-18


«Amarás o teu próximo como a ti mesmo»

Leitura do Livro do Levítico


O Senhor dirigiu-Se a Moisés nestes termos:
«Fala a toda a comunidade dos filhos de Israel e diz-lhes:
‘Sede santos,
porque Eu, o Senhor, vosso Deus, sou santo’.
Não odiarás do íntimo do coração os teus irmãos,
mas corrigirás o teu próximo,
para não incorreres em falta por causa dele.
Não te vingarás,
nem guardarás rancor contra os filhos do teu povo.
Amarás o teu próximo como a ti mesmo.
Eu sou o Senhor».
Palavra do Senhor.

SALMO RESPONSORIAL Salmo 102 (103), 1-2.3-4.8.10.12-13 (R. 8a)

Refrão: O Senhor é clemente e cheio de compaixão.


Ou: Senhor, sois um Deus clemente e compassivo.
Bendiz, ó minha alma, o Senhor
e todo o meu ser bendiga o seu nome santo.
Bendiz, ó minha alma, o Senhor
e não esqueças nenhum dos seus benefícios.
Ele perdoa todos os teus pecados
e cura as tuas enfermidades;
salva da morte a tua vida
e coroa-te de graça e misericórdia.
262 TEMPO COMUM

O Senhor é clemente e compassivo,


paciente e cheio de bondade;
não nos tratou segundo os nossos pecados,
nem nos castigou segundo as nossas culpas.
Como o Oriente dista do Ocidente,
assim Ele afasta de nós os nossos pecados;
como um pai se compadece dos seus filhos,
assim o Senhor Se compadece dos que O temem.

LEITURA II 1 Cor 3, 16-23


«Tudo é vosso; vós sois de Cristo; Cristo é de Deus»
Leitura da Primeira Epístola do apóstolo São Paulo aos Coríntios
Irmãos:
Não sabeis que sois templo de Deus
e que o Espírito de Deus habita em vós?
Se alguém destrói o templo de Deus, Deus o destruirá.
Porque o templo de Deus é santo, e vós sois esse templo.
Ninguém tenha ilusões.
Se alguém entre vós se julga sábio aos olhos do mundo,
faça-se louco, para se tornar sábio.
Porque a sabedoria deste mundo é loucura diante de Deus,
como está escrito:
«Apanharei os sábios na sua própria astúcia».
E ainda:
«O Senhor sabe como são vãos os pensamentos dos sábios».
Por isso, ninguém deve gloriar-se nos homens.
Tudo é vosso: Paulo, Apolo e Pedro,
o mundo, a vida e a morte, as coisas presentes e as futuras.
Tudo é vosso; mas vós sois de Cristo, e Cristo é de Deus.
Palavra do Senhor.

ALELUIA 1 Jo 2, 5

Refrão: Aleluia. Repete-se


Quem observa a palavra de Cristo,
nesse o amor de Deus é perfeito. Refrão
DOMINGO VII 263

EVANGELHO Mt 5, 38-48
«Amai os vossos inimigos»
✠ Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Mateus
Naquele tempo,
disse Jesus aos seus discípulos:
«Ouvistes que foi dito aos antigos:
‘Olho por olho e dente por dente’.
Eu, porém, digo-vos:
Não resistais ao homem mau.
Mas se alguém te bater na face direita,
oferece-lhe também a esquerda.
Se alguém quiser levar-te ao tribunal,
para ficar com a tua túnica,
deixa-lhe também o manto.
Se alguém te obrigar a acompanhá-lo durante uma milha,
acompanha-o durante duas.
Dá a quem te pedir
e não voltes as costas a quem te pede emprestado.
Ouvistes que foi dito:
‘Amarás o teu próximo e odiarás o teu inimigo’.
Eu, porém, digo-vos:
Amai os vossos inimigos
e orai por aqueles que vos perseguem,
para serdes filhos do vosso Pai que está nos Céus;
pois Ele faz nascer o sol sobre bons e maus
e chover sobre justos e injustos.
Se amardes aqueles que vos amam, que recompensa tereis?
Não fazem a mesma coisa os publicanos?
E se saudardes apenas os vossos irmãos,
que fazeis de extraordinário?
Não o fazem também os pagãos?
Portanto, sede perfeitos,
como o vosso Pai celeste é perfeito».
Palavra da salvação.
264 TEMPO COMUM

DOMINGO VIII

LE I TURA I Is 49, 14-15


«Eu não te esquecerei»

Leitura do Livro de Isaías


Sião dizia:
«O Senhor abandonou-me, o Senhor esqueceu-Se de mim».
Poderá a mulher esquecer a criança que amamenta
e não ter compaixão do filho das suas entranhas?
Mas ainda que ela se esquecesse,
Eu não te esquecerei.
Palavra do Senhor.

SALMO RESPONSORIAL Salmo 61 (62), 2-3.6-7.8-9ab (R. 6a)

Refrão: Só em Deus descansa, ó minha alma.


Só em Deus descansa a minha alma,
d’Ele me vem a salvação.
Ele é meu refúgio e salvação,
minha fortaleza: jamais serei abalado.
Minha alma, só em Deus descansa:
d’Ele vem a minha esperança.
Ele é meu refúgio e salvação,
minha fortaleza: jamais serei abalado.
Em Deus está a minha salvação e a minha glória,
o meu abrigo, o meu refúgio está em Deus.
Povo de Deus, em todo o tempo ponde n’Ele
a vossa confiança,
desafogai em sua presença os vossos corações.
DOMINGO VIII 265

LEITURA II 1 Cor 4, 1-5


«O Senhor manifestará o desígnio dos corações»
Leitura da Primeira Epístola do apóstolo São Paulo aos Coríntios
Irmãos:
Todos nos devem considerar como servos de Cristo
e administradores dos mistérios de Deus.
Ora o que se requer nos administradores é que sejam fiéis.
Quanto a mim, pouco me importa
ser julgado por vós ou por um tribunal humano;
nem sequer me julgo a mim próprio.
De nada me acusa a consciência,
mas não é por isso que estou justificado:
quem me julga é o Senhor.
Portanto, não façais qualquer juízo antes do tempo,
até que venha o Senhor,
que há-de iluminar o que está oculto nas trevas
e manifestar os desígnios dos corações.
E então cada um receberá da parte de Deus
o louvor que merece.
Palavra do Senhor.

ALELUIA Hebr 4, 12

Refrão: Aleluia. Repete-se


A palavra de Deus é viva e eficaz,
conhece os pensamentos e intenções do coração. R.

EVANGELHO Mt 6, 24-34
«Não vos inquieteis com o dia de amanhã»
✠ Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Mateus
Naquele tempo,
disse Jesus aos seus discípulos:
«Ninguém pode servir a dois senhores,
porque ou há-de odiar um e amar o outro,
ou se dedicará a um e desprezará o outro.
266 TEMPO COMUM

Vós não podeis servir a Deus e ao dinheiro.


Por isso vos digo:
«Não vos preocupeis, quanto à vossa vida,
com o que haveis de comer,
nem, quanto ao vosso corpo, com o que haveis de vestir.
Não é a vida mais do que o alimento
e o corpo mais do que o vestuário?
Olhai para as aves do céu:
não semeiam nem ceifam nem recolhem em celeiros;
o vosso Pai celeste as sustenta.
Não valeis vós muito mais do que elas?
Quem de entre vós, por mais que se preocupe,
pode acrescentar um só côvado à sua estatura?
E porque vos inquietais com o vestuário?
Olhai como crescem os lírios do campo:
não trabalham nem fiam;
mas Eu vos digo:
nem Salomão, em toda a sua glória,
se vestiu como um deles.
Se Deus assim veste a erva do campo,
que hoje existe e amanhã é lançada ao forno,
não fará muito mais por vós, homens de pouca fé?
Não vos inquieteis, dizendo:
‘Que havemos de comer? Que havemos de beber?
Que havemos de vestir?’
Os pagãos é que se preocupam com todas estas coisas.
Bem sabe o vosso Pai celeste que precisais de tudo isso.
Procurai primeiro o reino de Deus e a sua justiça,
e tudo o mais vos será dado por acréscimo.
Portanto, não vos inquieteis com o dia de amanhã,
porque o dia de amanhã tratará das suas inquietações.
A cada dia basta o seu cuidado».
Palavra da salvação.
DOMINGO IX 267

DOMINGO IX

LEITURA I Deut 11, 18.26-28.32


«Ponho diante de vós a bênção e a maldição»

Leitura do Livro do Deuteronómio


Moisés falou ao povo nestes termos:
«As palavras que eu vos digo,
gravai-as no vosso coração e na vossa alma,
atai-as à mão como um sinal
e sejam como um frontal entre os vossos olhos.
Ponho hoje diante de vós a bênção e a maldição:
a bênção,
se obedecerdes aos mandamentos do Senhor vosso Deus,
que hoje vos prescrevo;
a maldição,
se não obedecerdes aos mandamentos do Senhor vosso Deus,
afastando-vos do caminho que hoje vos indico,
para seguirdes outros deuses que não conhecestes.
Portanto, procurai pôr em prática todos os preceitos e normas
que hoje vos proponho».
Palavra do Senhor.

SALMO RESPONSORIAL Salmo 30 (31), 2-3a.3bc-4.17.25 (R. 3b)

Refrão: Sede o meu refúgio, Senhor.


Em Vós, Senhor, me refugio, jamais serei confundido,
pela vossa justiça, salvai-me.
Inclinai para mim os vossos ouvidos,
apressai-Vos em me libertar.
268 TEMPO COMUM

Sede a rocha do meu refúgio


e a fortaleza da minha salvação;
porque Vós sois a minha força e o meu refúgio,
por amor do vosso nome, guiai-me e conduzi-me.
Fazei brilhar sobre mim a vossa face,
salvai-me pela vossa bondade.
Tende coragem e animai-vos,
vós todos que esperais no Senhor.

LEITURA II Rom 3, 21-25a.28


«O homem é justificado pela fé, sem as obras da Lei»
Leitura da Epístola do apóstolo São Paulo aos Romanos
Irmãos:
Independentemente da Lei de Moisés,
manifestou-se agora a justiça de Deus,
de que dão testemunho a Lei e os Profetas;
porque a justiça de Deus vem pela fé em Jesus Cristo,
para todos e sobre todos os crentes.
De facto não há distinção alguma,
porque todos pecaram e estão privados da glória de Deus;
e todos são justificados de maneira gratuita pela sua graça,
em virtude da redenção realizada em Cristo Jesus,
que Deus apresentou como vítima de propiciação,
mediante a fé, pelo seu sangue,
para manifestar a sua justiça.
Na verdade, estamos convencidos
de que o homem é justificado pela fé,
sem as obras da Lei.
Palavra do Senhor.

ALELUIA Jo 15, 5

Refrão: Aleluia. Repete-se


Eu sou a videira e vós sois os ramos, diz o Senhor:
quem permanece em Mim dá muito fruto. Refrão
DOMINGO IX 269

EVANGELHO Mt 7, 21-27
A casa edificada sobre a rocha
e a casa edificada sobre a areia
✠ Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Mateus
Naquele tempo,
disse Jesus aos seus discípulos:
«Nem todo aquele que Me diz ‘Senhor, Senhor’
entrará no reino dos Céus,
mas só aquele que faz a vontade de meu Pai que está nos Céus.
Muitos Me dirão no dia do Juízo:
‘Senhor, Senhor, não foi em teu nome que profetizámos
e em teu nome que expulsámos demónios
e em teu nome que fizemos tantos milagres?’
Então lhes direi bem alto:
‘Nunca vos conheci.
Apartai-vos de Mim, vós que praticais a iniquidade’.
Todo aquele que ouve as minhas palavras
e as põe em prática
é como o homem prudente
que edificou a sua casa sobre a rocha.
Caiu a chuva, vieram as torrentes
e sopraram os ventos contra aquela casa;
mas ela não caiu, porque estava fundada sobre a rocha.
Mas todo aquele que ouve as minhas palavras
e não as põe em prática
é como o homem insensato
que edificou a sua casa sobre a areia.
Caiu a chuva, vieram as torrentes
e sopraram os ventos contra aquela casa;
ela desmoronou-se e foi grande a sua ruína».
Palavra da salvação.
270 TEMPO COMUM

DOMINGO X

LEITURA I Os 6, 3-6
«Eu quero a misericórdia e não os sacrifícios»
Leitura da profecia de Oseias
Procuremos conhecer o Senhor.
A sua vinda é certa como a aurora.
Virá a nós como o aguaceiro de Outono,
como a chuva da Primavera sobre a face da terra.
«Que farei por ti, Efraim? Que farei por ti, Judá?»
__
diz o Senhor __
«O vosso amor é como o nevoeiro da manhã,
como o orvalho da madrugada que logo se evapora.
Por isso os castiguei por meio dos Profetas
e vos matei com palavras da minha boca;
e o meu direito resplandece como a luz.
Porque Eu quero a misericórdia e não os sacrifícios,
o conhecimento de Deus, mais que os holocaustos».
Palavra do Senhor.

SALMO RESPONSORIAL Salmo 49 (50), 1.8.12-13.14-15 (R. 23b)

Refrão: A quem segue o caminho recto


darei a salvação de Deus.
Ou: A quem procede rectamente
farei ver a salvação de Deus.

Falou o Senhor, Deus soberano,


e convocou a terra, do Oriente ao Ocidente:
«Não é pelos sacrifícios que Eu te repreendo:
os teus holocaustos estão sempre na minha presença.
DOMINGO X 271

Se tivesse fome, não to diria,


porque meu é o mundo e tudo o que nele existe.
Comerei porventura as carnes dos touros
ou beberei o sangue dos cabritos?
Oferece a Deus sacrifícios de louvor
e cumpre os votos feitos ao Altíssimo.
Invoca-Me no dia da tribulação:
Eu te livrarei e tu Me darás glória».

LEITURA II Rom 4, 18-25

«Fortaleceu-se na fé, dando glória a Deus»

Leitura da Epístola do apóstolo São Paulo aos Romanos


Irmãos:
Contra toda a esperança, Abraão acreditou
que havia de tornar-se pai de muitas nações,
como tinha sido anunciado:
«Assim será a tua descendência».
Sem vacilar na fé,
não tomou em consideração nem a falta de vigor do seu corpo,
pois tinha quase cem anos,
nem a falta de vitalidade do seio materno de Sara.
Perante a promessa de Deus,
não se deixou abalar pela desconfiança,
antes se fortaleceu na fé, dando glória a Deus,
plenamente convencido
de que Deus era capaz de cumprir o que tinha prometido.
Por este motivo é que isto «lhe foi atribuído à conta de justiça».
Não é só por causa dele que está escrito «Foi-lhe atribuído»,
mas também por causa de nós,
que acreditamos n’Aquele que ressuscitou dos mortos,
Jesus, Nosso Senhor,
que foi entregue à morte por causa das nossas faltas
e ressuscitou para nossa justificação.
Palavra do Senhor.
272 TEMPO COMUM

ALELUIA Lc 4, 18

Refrão: Aleluia. Repete-se


O Senhor enviou-me a anunciar o evangelho aos pobres
e a liberdade aos oprimidos. Refrão

EVANGELHO Mt 9, 9-13

«Não vim chamar os justos, mas os pecadores»

✠ Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Mateus


Naquele tempo,
Jesus ia a passar,
quando viu um homem chamado Mateus,
sentado no posto de cobrança dos impostos,
e disse-lhe: «Segue-Me».
Ele levantou-se e seguiu Jesus.
Um dia em que Jesus estava à mesa em casa de Mateus,
muitos publicanos e pecadores
vieram sentar-se com Ele e os seus discípulos.
Vendo isto, os fariseus diziam aos discípulos:
«Por que motivo é que o vosso Mestre
come com os publicanos e os pecadores?»
Jesus ouviu-os e respondeu:
«Não são os que têm saúde que precisam de médico,
mas sim os doentes.
Ide aprender o que significa:
‘Prefiro a misericórdia ao sacrifício’.
Porque Eu não vim chamar os justos,
mas os pecadores».
Palavra da salvação.
DOMINGO XI 273

DOMINGO XI

LEITURA I Ex 19, 2-6a

«Sereis para Mim um reino de sacerdotes, uma nação santa»

Leitura do Livro do Êxodo


Naqueles dias,
os filhos de Israel partiram de Refidim
e chegaram ao deserto do Sinai,
onde acamparam, em frente da montanha.
Moisés subiu à presença de Deus.
O Senhor chamou-o da montanha e disse-lhe:
«Assim falarás à casa de Jacob,
isto dirás aos filhos de Israel:
‘Vistes o que Eu fiz ao Egipto,
como vos transportei sobre asas de águia
e vos trouxe até Mim.
Agora, se ouvirdes a minha voz,
se guardardes a minha aliança,
sereis minha propriedade especial entre todos os povos.
Porque toda a terra Me pertence;
mas vós sereis para Mim um reino de sacerdotes,
uma nação santa’».
Palavra do Senhor.

SALMO RESPONSORIAL Salmo 99 (100), 2.3.5 (R. 3c)

Refrão: Nós somos o povo de Deus,


as ovelhas do seu rebanho.
Aclamai o Senhor, terra inteira,
servi o Senhor com alegria,
vinde a Ele com cânticos de júbilo.
274 TEMPO COMUM

Sabei que o Senhor é Deus,


Ele nos fez, a Ele pertencemos,
somos o seu povo, as ovelhas do seu rebanho.
Porque o Senhor é bom,
eterna é a sua misericórdia,
a sua fidelidade estende-se de geração em geração.

LEITURA II Rom 5, 6-11


«Se fomos reconciliados pela morte do Filho,
com muito mais razão seremos salvos pela sua vida»

Leitura da Epístola do apóstolo São Paulo aos Romanos


Irmãos:
Quando ainda éramos fracos,
Cristo morreu pelos ímpios no tempo determinado.
Dificilmente alguém morre por um justo,
por um homem bom,
talvez alguém tivesse a coragem de morrer.
Mas Deus prova assim o seu amor para connosco:
Cristo morreu por nós, quando éramos ainda pecadores.
E agora, que fomos justificados pelo seu sangue,
com muito mais razão seremos por Ele salvos da ira divina.
Se, na verdade, quando éramos inimigos,
fomos reconciliados com Deus pela morte de seu Filho,
com muito mais razão, depois de reconciliados,
seremos salvos pela sua vida.
Mais ainda: também nos gloriamos em Deus,
por Nosso Senhor Jesus Cristo,
por quem alcançámos agora a reconciliação.
Palavra do Senhor.

ALELUIA Mc 1, 15

Refrão: Aleluia. Repete-se


Está próximo o reino de Deus.
Arrependei-vos e acreditai no Evangelho. Refrão
DOMINGO XI 275

EVANGELHO Mt 9, 36 __ 10, 8

«Chamou os doze discípulos e enviou-os»

✠ Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Mateus


Naquele tempo,
Jesus, ao ver as multidões, encheu-Se de compaixão,
porque andavam fatigadas e abatidas,
como ovelhas sem pastor.
Jesus disse então aos seus discípulos:
«A seara é grande, mas os trabalhadores são poucos.
Pedi ao Senhor da seara
que mande trabalhadores para a sua seara».
Depois chamou a Si os seus Doze discípulos
e deu-lhes poder de expulsar os espíritos impuros
e de curar todas as doenças e enfermidades.
São estes os nomes dos doze apóstolos:
primeiro, Simão, chamado Pedro, e André, seu irmão;
Tiago, filho de Zebedeu, e João, seu irmão;
Filipe e Bartolomeu; Tomé e Mateus, o publicano;
Tiago, filho de Alfeu, e Tadeu;
Simão, o Cananeu, e Judas Iscariotes, que foi quem O entregou.
Jesus enviou estes Doze, dando-lhes as seguintes instruções:
«Não sigais o caminho dos gentios,
nem entreis em cidade de samaritanos.
Ide primeiramente às ovelhas perdidas da casa de Israel.
Pelo caminho, proclamai que está perto o reino dos Céus.
Curai os enfermos, ressuscitai os mortos,
sarai os leprosos, expulsai os demónios.
Recebestes de graça, dai de graça».
Palavra da salvação.
276 TEMPO COMUM

DOMINGO XII

LEITURA I Jer 20, 10-13


«Salvou a vida dos pobres das mãos dos perversos»
Leitura do Livro do profeta Jeremias
Disse Jeremias:
«Eu ouvia as invectivas da multidão:
‘Terror por toda a parte! Denunciai-o, vamos denunciá-lo!’
Todos os meus amigos esperavam
que eu desse um passo em falso:
‘Talvez ele se deixe enganar
e assim o poderemos dominar e nos vingaremos dele’.
Mas o Senhor está comigo como herói poderoso
e os meus perseguidores cairão vencidos.
Ficarão cheios de vergonha pelo seu fracasso,
ignomínia eterna que não será esquecida.
Senhor do Universo,
que sondais o justo e perscrutais os rins e o coração,
possa eu ver o castigo que dareis a essa gente,
pois a Vós confiei a minha causa.
Cantai ao Senhor, louvai o Senhor,
que salvou a vida do pobre das mãos dos perversos».
Palavra do Senhor.

SALMO RESPONSORIAL Salmo 68 (69), 8-10.14.17. 33-35 (R. 14c)

Refrão: Pela vossa grande misericórdia, atendei-me, Senhor.


Por Vós tenho suportado afrontas,
cobrindo-se meu rosto de confusão.
Tornei-me um estranho para os meus irmãos,
um desconhecido para a minha família.
Devorou-me o zelo pela vossa casa
e recaíram sobre mim os insultos contra Vós.
DOMINGO XII 277

A Vós, Senhor, elevo a minha súplica,


no momento propício, meu Deus.
Pela vossa grande bondade, respondei-me,
em prova da vossa salvação.
Tirai-me do lamaçal, para que não me afunde,
livrai-me dos que me odeiam e do abismo das águas.
Vós, humildes, olhai e alegrai-vos,
buscai o Senhor e o vosso coração se reanimará.
O Senhor ouve os pobres
e não despreza os cativos.
Louvem-n’O o céu e a terra,
os mares e quanto neles se move.

LEITURA II Rom 5, 12-15


«O dom gratuito não é como a falta»

Leitura da Epístola do apóstolo São Paulo aos Romanos


Irmãos:
Assim como por um só homem entrou o pecado no mundo
e pelo pecado a morte,
assim também a morte atingiu todos os homens,
porque todos pecaram.
De facto, até à Lei, existia o pecado no mundo.
Mas o pecado não é levado em conta, se não houver lei.
Entretanto, a morte reinou desde Adão até Moisés,
mesmo para aqueles que não tinham pecado
por uma transgressão à semelhança de Adão,
que é figura d’Aquele que havia de vir.
Mas o dom gratuito não é como a falta.
Se pelo pecado de um só todos pereceram,
com muito mais razão a graça de Deus,
dom contido na graça de um só homem, Jesus Cristo,
se concedeu com abundância a todos os homens.
Palavra do Senhor.
278 TEMPO COMUM

ALELUIA Jo 15, 26b.27a

Refrão: Aleluia. Repete-se


O Espírito da verdade dará testemunho de Mim,
diz o Senhor,
e vós também dareis testemunho de Mim. Refrão

EVANGELHO Mt 10, 26-33

«Não temais os que matam o corpo»

✠ Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Mateus


Naquele tempo, disse Jesus aos seus apóstolos:
«Não tenhais medo dos homens,
pois nada há encoberto que não venha a descobrir-se,
nada há oculto que não venha a conhecer-se.
O que vos digo às escuras, dizei-o à luz do dia;
e o que escutais ao ouvido proclamai-o sobre os telhados.
Não temais os que matam o corpo,
mas não podem matar a alma.
Temei antes Aquele que pode lançar na geena a alma e o corpo.
Não se vendem dois passarinhos por uma moeda?
E nem um deles cairá por terra
sem consentimento do vosso Pai.
Até os cabelos da vossa cabeça estão todos contados.
Portanto, não temais:
valeis muito mais do que todos os passarinhos.
A todo aquele que se tiver declarado por Mim
diante dos homens
também Eu Me declararei por ele
diante do meu Pai que está nos Céus.
Mas àquele que Me negar diante dos homens,
também Eu o negarei
diante do meu Pai que está nos Céus».
Palavra da salvação.
DOMINGO XIII 279

DOMINGO XIII

LEITURA I 2 Reis 4, 8-11.14-16a

«Este é um santo homem de Deus: poderá cá ficar»

Leitura do Segundo Livro dos Reis


Certo dia, o profeta Eliseu passou por Sunam.
Vivia lá uma distinta senhora,
que o convidou com insistência a comer em sua casa.
A partir de então, sempre que por ali passava,
era em sua casa que ia tomar a refeição.
A senhora disse ao marido:
«Estou convencida de que este homem,
que passa frequentemente pela nossa casa,
é um santo homem de Deus.
Mandemos-lhe fazer no terraço um pequeno quarto
com paredes de tijolo,
com uma cama, uma mesa, uma cadeira e uma lâmpada.
Quando ele vier a nossa casa, poderá lá ficar».
Um dia, chegou Eliseu
e recolheu-se ao quarto para descansar.
Depois perguntou ao seu servo Giezi:
«Que podemos fazer por esta senhora?»
Giezi respondeu:
«Na verdade, ela não tem filhos
e o seu marido é de idade avançada».
«Chama-a» __ disse Eliseu.
O servo foi chamá-la e ela apareceu à porta.
Disse-lhe o profeta:
«No próximo ano, por esta época,
terás um filho nos braços».
Palavra do Senhor.
280 TEMPO COMUM

SALMO RESPONSORIAL Salmo 88 (89), 2-3.16-17.18-19 (R. 2a)

Refrão: Cantarei eternamente as misericórdias do Senhor.


Ou: Eu canto para sempre a bondade do Senhor.
Cantarei eternamente as misericórdias do Senhor
e para sempre proclamarei a sua fidelidade.
Vós dissestes:
«A bondade está estabelecida para sempre»,
no céu permanece firme a vossa fidelidade.
Feliz do povo que sabe aclamar-Vos
e caminha, Senhor, à luz do vosso rosto.
Todos os dias aclama o vosso nome
e se gloria com a vossa justiça.
Vós sois a sua força,
com o vosso favor se exalta a nossa valentia.
Do Senhor é o nosso escudo
e do Santo de Israel o nosso rei.

LEITURA II Rom 6, 3-4.8-11


«Sepultados com Ele pelo Baptismo, vivamos uma vida nova»
Leitura da Epístola do apóstolo São Paulo aos Romanos
Irmãos:
Todos nós que fomos baptizados em Jesus Cristo
fomos baptizados na sua morte.
Fomos sepultados com Ele pelo Baptismo na sua morte,
para que, assim como Cristo ressuscitou dos mortos,
pela glória do Pai,
também nós vivamos uma vida nova.
Se morremos com Cristo,
acreditamos que também com Ele viveremos.
sabendo que, uma vez ressuscitado dos mortos,
Cristo já não pode morrer;
a morte já não tem domínio sobre Ele.
Porque na morte que sofreu,
Cristo morreu para o pecado de uma vez para sempre;
DOMINGO XIII 281

mas a sua vida, é uma vida para Deus.


Assim, vós também, considerai-vos mortos para o pecado
e vivos para Deus, em Cristo Jesus.
Palavra do Senhor.

ALELUIA 1 Pedro 2, 9

Refrão: Aleluia. Repete-se


Vós sois geração eleita, sacerdócio real, nação santa,
para anunciar os louvores de Deus,
que vos chamou das trevas à sua luz admirável. Refrão

EVANGELHO Mt 10, 37-42


«Quem não toma a sua cruz não é digno de Mim.
Quem vos recebe a Mim recebe».
✠ Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Mateus
Naquele tempo, disse Jesus aos seus apóstolos:
«Quem ama o pai ou a mãe mais do que a Mim,
não é digno de Mim;
e quem ama o filho ou a filha mais do que a Mim,
não é digno de Mim.
Quem não toma a sua cruz para Me seguir,
não é digno de Mim.
Quem encontrar a sua vida há-de perdê-la;
e quem perder a sua vida por minha causa, há-de encontrá-la.
Quem vos recebe, a Mim recebe ;
e quem Me recebe, recebe Aquele que Me enviou.
Quem recebe um profeta por ele ser profeta,
receberá a recompensa de profeta;
e quem recebe um justo por ele ser justo,
receberá a recompensa de justo.
E se alguém der de beber,
nem que seja um copo de água fresca,
a um destes pequeninos, por ele ser meu discípulo,
em verdade vos digo: não perderá a sua recompensa».
Palavra da salvação.
282 TEMPO COMUM

DOMINGO XIV

LEITURA I Zac 9, 9-10


«Eis o teu Rei que vem ao teu encontro, humildemente ...»
Leitura da Profecia de Zacarias
Eis o que diz o Senhor:
«Exulta de alegria, filha de Sião,
solta brados de júbilo, filha de Jerusalém.
Eis o teu Rei, justo e salvador, que vem ao teu encontro,
humildemente montado num jumentinho, filho duma jumenta.
Destruirá os carros de combate de Efraim
e os cavalos de guerra de Jerusalém;
e será quebrado o arco de guerra.
Anunciará a paz às nações:
o seu domínio irá de um mar ao outro mar
e do Rio até aos confins da terra».
Palavra do Senhor.

SALMO RESPONSORIAL Salmo 144 (145), 1-2.8-9.10-11.13cd-14


(R. 1 ou Aleluia)

Refrão: Louvarei para sempre o vosso nome,


Senhor, meu Deus e meu Rei.
Ou: Aleluia.
Quero exaltar-Vos, meu Deus e meu Rei,
e bendizer o vosso nome para sempre.
Quero bendizer-Vos, dia após dia,
e louvar o vosso nome para sempre.
DOMINGO XIV 283

O Senhor é clemente e compassivo,


paciente e cheio de bondade.
O Senhor é bom para com todos
e a sua misericórdia se estende a todas as criaturas.
Graças Vos dêem, Senhor, todas as criaturas
e bendigam-Vos os vossos fiéis.
Proclamem a glória do vosso reino
e anunciem os vossos feitos gloriosos.
O Senhor é fiel à sua palavra
e perfeito em todas as suas obras.
O Senhor ampara os que vacilam
e levanta todos os oprimidos.

LEITURA II Rom 8, 9.11-13

«Se pelo Espírito fizerdes morrer as obras da carne, vivereis»

Leitura da Epístola do apóstolo São Paulo aos Romanos


Irmãos:
Vós não estais sob o domínio da carne, mas do Espírito,
se é que o Espírito de Deus habita em vós.
Mas se alguém não tem o Espírito de Cristo, não Lhe pertence.
Se o Espírito d’Aquele que ressuscitou Jesus de entre os mortos
habita em vós,
Ele, que ressuscitou Cristo Jesus de entre os mortos,
também dará vida aos vossos corpos mortais,
pelo seu Espírito que habita em vós.
Assim, irmãos, não somos devedores à carne,
para vivermos segundo a carne.
Se viverdes segundo a carne, morrereis;
mas, se pelo Espírito fizerdes morrer as obras da carne,
vivereis.
Palavra do Senhor.
284 TEMPO COMUM

ALELUIA cf. Mt 11, 25

Refrão: Aleluia. Repete-se


Bendito sejais, ó Pai, Senhor do céu e da terra,
porque revelastes aos pequeninos
os mistérios do reino. Refrão

EVANGELHO Mt 11, 25-30

«Sou manso e humilde de coração»

✠ Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Mateus


Naquele tempo, Jesus exclamou:
«Eu Te bendigo, ó Pai, Senhor do céu e da terra,
porque escondeste estas verdades aos sábios e inteligentes
e as revelaste aos pequeninos.
Tudo Me foi dado por meu Pai.
Sim, Pai, Eu Te bendigo,
porque assim foi do teu agrado.
Tudo Me foi dado por meu Pai.
Ninguém conhece o Filho senão o Pai
e ninguém conhece o Pai senão o Filho
e aquele a quem o Filho o quiser revelar.
Vinde a Mim,
todos os que andais cansados e oprimidos,
e Eu vos aliviarei.
Tomai sobre vós o meu jugo
e aprendei de Mim,
que sou manso e humilde de coração,
e encontrareis descanso para as vossas almas.
Porque o meu jugo é suave e a minha carga é leve».
Palavra da salvação.
DOMINGO XV 285

DOMINGO XV

LEITURA I Is 55, 10-11


«A chuva faz a terra produzir»
Leitura do Livro de Isaías
Eis o que diz o Senhor:
«Assim como a chuva e a neve que descem do céu
não voltam para lá sem terem regado a terra,
sem a terem fecundado e feito produzir,
para que dê a semente ao semeador e o pão para comer,
assim a palavra que sai da minha boca
não volta sem ter produzido o seu efeito,
sem ter cumprido a minha vontade,
sem ter realizado a sua missão».
Palavra do Senhor.

SALMO RESPONSORIAL Salmo 64 (65), 10abcd.10e-11.12-13.14 (R. Lc 8, 8)

Refrão: A semente caiu em boa terra e deu muito fruto.


Visitastes a terra e a regastes,
enchendo-a de fertilidade.
As fontes do céu transbordam em água
e fazeis brotar o trigo.
Assim preparais a terra;
regais os seus sulcos e aplanais as leivas,
Vós a inundais de chuva
e abençoais as sementes.
Coroastes o ano com os vossos benefícios,
por onde passastes brotou a abundância.
Vicejam as pastagens do deserto
e os outeiros vestem-se de festa.
286 TEMPO COMUM

Os prados cobrem-se de rebanhos


e os vales enchem-se de trigo.
Tudo canta e grita de alegria.

LEITURA II Rom 8, 18-23


«As criaturas esperam a revelação dos filhos de Deus»
Leitura da Epístola do apóstolo São Paulo aos Romanos
Irmãos:
Eu penso que os sofrimentos do tempo presente
não têm comparação com a glória
que se há-de manifestar em nós.
Na verdade, as criaturas esperam ansiosamente
a revelação dos filhos de Deus.
Elas estão sujeitas à vã situação do mundo,
não por sua vontade,
mas por vontade d’Aquele que as submeteu,
com a esperança de que as mesmas criaturas
sejam também libertadas da corrupção que escraviza,
para receberem a gloriosa liberdade dos filhos de Deus.
Sabemos que toda a criatura geme ainda agora
e sofre as dores da maternidade.
E não só ela, mas também nós,
que possuímos as primícias do Espírito,
gememos interiormente,
esperando a adopção filial e a libertação do nosso corpo.
Palavra do Senhor.

ALELUIA

Refrão: Aleluia. Repete-se


A semente é a palavra de Deus e o semeador é Cristo.
Quem O encontra viverá eternamente. Refrão
DOMINGO XV 287

EVANGELHO Forma longa Mt 13, 1-23


«Saiu o semeador a semear»
✠ Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Mateus
Naquele dia,
Jesus saiu de casa e foi sentar-Se à beira-mar.
Reuniu-se à sua volta tão grande multidão
que teve de subir para um barco e sentar-Se,
enquanto a multidão ficava na margem.
Disse muitas coisas em parábolas, nestes termos:
«Saiu o semeador a semear.
Quando semeava,
caíram algumas sementes ao longo do caminho:
vieram as aves e comeram-nas.
Outras caíram em sítios pedregosos,
onde não havia muita terra,
e logo nasceram porque a terra era pouco profunda;
mas depois de nascer o sol, queimaram-se e secaram,
por não terem raiz.
Outras caíram entre espinhos
e os espinhos cresceram e afogaram-nas.
Outras caíram em boa terra e deram fruto:
umas, cem; outras, sessenta; outras, trinta por um.
Quem tem ouvidos, oiça».
Os discípulos aproximaram-se de Jesus e disseram-Lhe:
«Porque lhes falas em parábolas?»
Jesus respondeu:
«Porque a vós é dado conhecer os mistérios do reino dos Céus,
mas a eles não.
Pois àquele que tem dar-se-á e terá em abundância;
mas àquele que não tem, até o pouco que tem lhe será tirado.
É por isso que lhes falo em parábolas,
porque vêem sem ver e ouvem sem ouvir nem entender.
Neles se cumpre a profecia de Isaías que diz:
‘Ouvindo ouvireis, mas sem compreender;
olhando olhareis, mas sem ver.
288 TEMPO COMUM

Porque o coração deste povo tornou-se duro:


endureceram os seus ouvidos e fecharam os seus olhos,
para não acontecer
que, vendo com os olhos e ouvindo com os ouvidos
e compreendendo com o coração,
se convertam e Eu os cure’.
Quanto a vós, felizes os vossos olhos porque vêem
e os vossos ouvidos porque ouvem!
Em verdade vos digo: muitos profetas e justos
desejaram ver o que vós vedes e não viram
e ouvir o que vós ouvis e não ouviram.
Vós, portanto, escutai o que significa a parábola do semeador:
Quando um homem ouve a palavra do reino
e não a compreende,
vem o Maligno e arrebata o que foi semeado no seu coração.
Este é o que recebeu a semente ao longo do caminho.
Aquele que recebeu a semente em sítios pedregosos
é o que ouve a palavra e a acolhe de momento com alegria,
mas não tem raiz em si mesmo, porque é inconstante,
e, ao chegar a tribulação ou a perseguição por causa da palavra,
sucumbe logo.
Aquele que recebeu a semente entre espinhos
é o que ouve a palavra,
mas os cuidados deste mundo e a sedução da riqueza
sufocam a palavra, que assim não dá fruto.
E aquele que recebeu a palavra em boa terra
é o que ouve a palavra e a compreende.
Esse dá fruto
e produz ora cem, ora sessenta, ora trinta por um».
Palavra da salvação.
DOMINGO XV 289

EVANGELHO Forma breve Mt 13, 1-9


«Saiu o semeador a semear»
✠ Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Mateus
Naquele dia,
Jesus saiu de casa e foi sentar-Se à beira-mar.
Reuniu-se à sua volta tão grande multidão
que teve de subir para um barco e sentar-Se,
enquanto a multidão ficava na margem.
Disse muitas coisas em parábolas, nestes termos:
«Saiu o semeador a semear.
Quando semeava,
caíram algumas sementes ao longo do caminho:
vieram as aves e comeram-nas.
Outras caíram em sítios pedregosos,
onde não havia muita terra,
e logo nasceram porque a terra era pouco profunda;
mas depois de nascer o sol, queimaram-se e secaram,
por não terem raiz.
Outras caíram entre espinhos
e os espinhos cresceram e afogaram-nas.
Outras caíram em boa terra e deram fruto:
umas, cem; outras, sessenta; outras, trinta por um.
Quem tem ouvidos, oiça».
Palavra da salvação.
290 TEMPO COMUM

DOMINGO XVI

LEITURA I Sab 12, 13.16-19


«Após o pecado, dais lugar ao arrependimento»

Leitura do Livro da Sabedoria


Não há Deus, além de Vós,
que tenha cuidado de todas as coisas;
a ninguém tendes de mostrar que não julgais injustamente.
O vosso poder é o princípio da justiça
e o vosso domínio soberano
torna-Vos indulgente para com todos.
Mostrais a vossa força
aos que não acreditam na vossa omnipotência
e confundis a audácia daqueles que a conhecem.
Mas Vós, o Senhor da força, julgais com bondade
e governais-nos com muita indulgência,
porque sempre podeis usar da força quando quiserdes.
Agindo deste modo, ensinastes ao vosso povo
que o justo deve ser humano
e aos vossos filhos destes a esperança feliz
de que, após o pecado, dais lugar ao arrependimento.
Palavra do Senhor.

SALMO RESPONSORIAL Salmo 85 (86), 5-6.9-10.15-16a (R. 5a)

Refrão: Senhor, sois um Deus clemente e compassivo.


Vós, Senhor, sois bom e indulgente,
cheio de misericórdia para com todos
os que Vos invocam.
Ouvi, Senhor, a minha oração,
atendei a voz da minha súplica.
DOMINGO XVI 291

Todos os povos que criastes virão adorar-Vos, Senhor,


e glorificar o vosso nome,
porque Vós sois grande e operais maravilhas,
Vós sois o único Deus.
Senhor, sois um Deus bondoso e compassivo,
paciente e cheio de misericórdia e fidelidade.
Voltai para mim os vossos olhos
e tende piedade de mim.

LEITURA II Rom 8, 26-27

«O Espírito intercede por nós com gemidos inefáveis»

Leitura da Epístola do apóstolo São Paulo aos Romanos


Irmãos:
O Espírito Santo vem em auxílio da nossa fraqueza,
porque não sabemos que pedir nas nossas orações;
mas o próprio Espírito intercede por nós
com gemidos inefáveis.
E Aquele que vê no íntimo dos corações
conhece as aspirações do Espírito,
pois é em conformidade com Deus
que o Espírito intercede pelos cristãos.
Palavra do Senhor.

ALELUIA cf. Mt 11, 25

Refrão: Aleluia. Repete-se


Bendito sejais, ó Pai, Senhor do céu e da terra,
porque revelastes aos pequeninos
os mistérios do reino. Refrão
292 TEMPO COMUM

EVANGELHO Forma longa Mt 13, 24-43

«Deixai-os crescer ambos até à ceifa»

✠ Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Mateus


Naquele tempo,
Jesus disse às multidões mais esta parábola:
«O reino dos Céus pode comparar-se a um homem
que semeou boa semente no seu campo.
Enquanto todos dormiam, veio o inimigo,
semeou joio no meio do trigo e foi-se embora.
Quando o trigo cresceu e comecou a espigar,
apareceu também o joio.
Os servos do dono da casa foram dizer-lhe:
‘Senhor, não semeaste boa semente no teu campo?
Donde vem então o joio?’
Ele respondeu-lhes: ‘Foi um inimigo que fez isso’.
Disseram-lhe os servos:
‘Queres que vamos arrancar o joio?’
‘Não! __ disse ele __
não suceda que, ao arrancardes o joio,
arranqueis também o trigo.
Deixai-os crescer ambos até à ceifa
e, na altura da ceifa, direi aos ceifeiros:
Apanhai primeiro o joio e atai-o em molhos para queimar;
e ao trigo, recolhei-o no meu celeiro’».
Jesus disse-lhes outra parábola:
«O reino dos Céus pode comparar-se ao grão de mostarda
que um homem tomou e semeou no seu campo.
Sendo a menor de todas as sementes,
depois de crescer, é a maior de todas as hortaliças
e torna-se árvore,
de modo que as aves do céu vêm abrigar-se nos seus ramos».
DOMINGO XVI 293

Disse-lhes outra parábola:


«O reino dos Céus pode comparar-se ao fermento
que uma mulher toma e mistura em três medidas de farinha,
até ficar tudo levedado».
Tudo isto disse Jesus em parábolas,
e sem parábolas nada lhes dizia,
a fim de se cumprir o que fora anunciado pelo profeta,
que disse: «Abrirei a minha boca em parábolas,
proclamarei verdades ocultas desde a criação do mundo».
Jesus deixou então as multidões e foi para casa.
Os discípulos aproximaram-se d’Ele e disseram-Lhe:
«Explica-nos a parábola do joio no campo».
Jesus respondeu:
«Aquele que semeia a boa semente é o Filho do homem
e o campo é o mundo.
A boa semente são os filhos do reino,
o joio são os filhos do Maligno
e o inimigo que o semeou é o Diabo.
A ceifa é o fim do mundo
e os ceifeiros são os Anjos.
Como o joio é apanhado e queimado no fogo,
assim será no fim do mundo:
o Filho do homem enviará os seus Anjos,
que tirarão do seu reino todos os escandalosos
e todos os que praticam a iniquidade,
e hão-de lançá-los na fornalha ardente;
aí haverá choro e ranger de dentes.
Então os justos brilharão como o sol
no reino do seu Pai.
Quem tem ouvidos, oiça».
Palavra da salvação.
294 TEMPO COMUM

EVANGELHO Forma breve Mt 13, 24-30

«Deixai-os crescer ambos até à ceifa»

✠ Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Mateus


Naquele tempo,
Jesus disse às multidões mais esta parábola:
«O reino dos Céus pode comparar-se a um homem
que semeou boa semente no seu campo.
Enquanto todos dormiam, veio o inimigo,
semeou joio no meio do trigo e foi-se embora.
Quando o trigo cresceu e começou a espigar,
apareceu também o joio.
Os servos do dono da casa foram dizer-lhe:
‘Senhor, não semeaste boa semente no teu campo?
Donde vem então o joio?’
Ele respondeu-lhes: ‘Foi um inimigo que fez isso’.
Disseram-lhe os servos:
‘Queres que vamos arrancar o joio?’
‘Não! __ disse ele __
não suceda que, ao arrancardes o joio,
arranqueis também o trigo.
Deixai-os crescer ambos até à ceifa
e, na altura da ceifa, direi aos ceifeiros:
Apanhai primeiro o joio e atai-o em molhos para queimar;
e ao trigo, recolhei-o no meu celeiro’».
Palavra da salvação.
DOMINGO XVII 295

DOMINGO XVII

LEITURA II 1 Reis 3, 5.7-12


«Pediste a sabedoria»
Leitura do Primeiro Livro dos Reis
Naqueles dias,
O Senhor apareceu em sonhos a Salomão durante a noite
e disse-lhe:
«Pede o que quiseres»
Salomão respondeu:
«Senhor, meu Deus,
Vós fizestes reinar o vosso servo em lugar do meu pai David
e eu sou muito novo e não sei como proceder.
Este vosso servo está no meio do povo escolhido,
um povo imenso, inumerável,
que não se pode contar nem calcular.
Dai, portanto, ao vosso servo um coração inteligente,
para governar o vosso povo,
para saber distinguir o bem do mal;
pois, quem poderia governar este vosso povo tão numeroso?».
Agradou ao Senhor esta súplica de Salomão
e disse-lhe:
«Porque foi este o teu pedido,
e já que não pediste longa vida, nem riqueza,
nem a morte dos teus inimigos,
mas sabedoria para praticar a justiça,
vou satisfazer o teu desejo.
Dou-te um coração sábio e esclarecido,
como nunca houve antes de ti nem haverá depois de ti».
Palavra do Senhor.
296 TEMPO COMUM

SALMO RESPONSORIAL Salmo 118 (119), 57.72.76-77.127-128.129-130


(R . 97a )

Refrão: Quanto amo, Senhor, a vossa lei!


Senhor, eu disse: A minha herança
é cumprir as vossas palavras.
Para mim vale mais a lei da vossa boca
do que milhões em ouro e prata.
Console-me a vossa bondade,
segundo a promessa feita ao vosso servo.
Desçam sobre mim as vossas misericórdias e viverei,
porque a vossa lei faz as minhas delícias.
Por isso, eu amo os vossos mandamentos,
mais que o ouro, o ouro mais fino.
Por isso, eu sigo todos os vossos preceitos
e detesto todo o caminho da mentira.
São admiráveis as vossas ordens,
por isso, a minha alma as observa.
A manifestação das vossas palavras ilumina
e dá inteligência aos simples.

LEITURA II Rom 8, 28-30

«Predestinou-nos para sermos conformes à imagem do seu Filho»

Leitura da Epístola do apóstolo São Paulo aos Romanos


Irmãos:
Nós sabemos que Deus concorre em tudo
para o bem daqueles que O amam,
dos que são chamados, segundo o seu desígnio.
Porque os que Ele de antemão conheceu,
também os predestinou
para serem conformes à imagem de seu Filho,
a fim de que Ele seja o Primogénito de muitos irmãos.
DOMINGO XVII 297

E àqueles que predestinou, também os chamou;


àqueles que chamou, também os justificou;
e àqueles que justificou, também os glorificou.
Palavra do Senhor.

ALELUIA cf. Mt 11, 25

Refrão: Aleluia. Repete-se


Bendito sejais, ó Pai, Senhor do céu e da terra,
porque revelastes aos pequeninos
os mistérios do reino. Refrão

EVANGELHO Forma longa Mt 13, 44-52

«Vendeu tudo quanto possuía para comprar aquele campo»

✠ Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Mateus


Naquele tempo,
disse Jesus aos seus discípulos:
«O reino dos Céus é semelhante
a um tesouro escondido num campo.
O homem que o encontrou tornou a escondê-lo
e ficou tão contente que foi vender tudo quanto possuía
e comprou aquele campo.
O reino dos Céus é semelhante
a um negociante que procura pérolas preciosas.
Ao encontrar uma de grande valor,
foi vender tudo quanto possuía e comprou essa pérola.
O reino dos Céus é semelhante
a uma rede que, lançada ao mar,
apanha toda a espécie de peixes.
Logo que se enche, puxam-na para a praia
e, sentando-se, escolhem os bons para os cestos
e o que não presta deitam-no fora.
298 TEMPO COMUM

Assim será no fim do mundo:


os Anjos sairão a separar os maus do meio dos justos
e a lançá-los na fornalha ardente.
Aí haverá choro e ranger de dentes.
Entendestes tudo isto?»
Eles responderam-Lhe: «Entendemos».
Disse-lhes então Jesus:
«Por isso, todo o escriba instruído sobre o reino dos Céus
é semelhante a um pai de família
que tira do seu tesouro coisas novas e coisas velhas».
Palavra da salvação.

EVANGELHO Forma breve Mt 13, 44-46


«Vendeu tudo quanto possuía para comprar aquele campo»

✠ Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Mateus


Naquele tempo,
disse Jesus aos seus discípulos:
«O reino dos Céus é semelhante
a um tesouro escondido num campo.
O homem que o encontrou tornou a escondê-lo
e ficou tão contente que foi vender tudo quanto possuía
e comprou aquele campo.
O reino dos Céus é semelhante
a um negociante que procura pérolas preciosas.
Ao encontrar uma de grande valor,
foi vender tudo quanto possuía
e comprou essa pérola».
Palavra da salvação.
DOMINGO XVIII 299

DOMINGO XVIII

LEITURA I Is 55, 1-3


«Vinde e comei»

Leitura do Livro de Isaías


Eis o que diz o Senhor:
«Todos vós que tendes sede, vinde à nascente das águas.
Vós que não tendes dinheiro, vinde, comprai e comei.
Vinde e comprai, sem dinheiro e sem despesa, vinho e leite.
Porque gastais o vosso dinheiro naquilo que não alimenta
e o vosso trabalho naquilo que não sacia?
Ouvi-Me com atenção e comereis o que é bom;
saboreais manjares suculentos.
Prestai-Me ouvidos e vinde a Mim;
escutai-Me e vivereis.
Firmarei convosco uma aliança eterna,
com as graças prometidas a David.
Palavra do Senhor.

SALMO RESPONSORIAL Salmo 144 (145), 8-9.15-16.17-18 (R. cf. 16)

Refrão: Abris, Senhor, as vossas mãos


e saciais a nossa fome.
O Senhor é clemente e compassivo,
paciente e cheio de bondade.
O Senhor é bom para com todos
e a sua misericórdia se estende a todas as criaturas.
Todos têm os olhos postos em Vós
e a seu tempo lhes dais o alimento.
Abris as vossas mãos
e todos saciais generosamente.
300 TEMPO COMUM

O Senhor é justo em todos os seus caminhos


e perfeito em todas as suas obras.
O Senhor está perto de quantos O invocam,
de quantos O invocam em verdade.

LEITURA II Rom 8, 35.37-39

«Nenhuma criatura poderá separar-nos do amor de Deus,


que se manifestou em Jesus Cristo»

Leitura da Epístola do apóstolo São Paulo aos Romanos


Irmãos:
Quem poderá separar-nos do amor de Cristo?
A tribulação, a angústia, a perseguição,
a fome, a nudez, o perigo ou a espada?
Mas em tudo isto somos vencedores,
graças Àquele que nos amou.
Na verdade, eu estou certo de que nem a morte nem a vida,
nem os Anjos nem os Principados,
nem o presente nem o futuro,
nem as Potestades nem a altura nem a profundidade
nem qualquer outra criatura
poderá separar-nos do amor de Deus,
que se manifestou em Cristo Jesus, Nosso Senhor.
Palavra do Senhor.

ALELUIA Mt 4, 4b

Refrão: Aleluia. Repete-se


Nem só de pão vive o homem,
mas de toda a palavra que sai da boca de Deus. Refrão
DOMINGO XVIII 301

EVANGELHO Mt 14, 13-21

«Todos comeram e ficaram saciados»

✠ Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Mateus


Naquele tempo,
quando Jesus ouviu dizer que João Baptista tinha sido morto,
retirou-Se num barco para um local deserto e afastado.
Mas logo que as multidões o souberam,
deixando as suas cidades, seguiram-n’O por terra.
Ao desembarcar, Jesus viu uma grande multidão
e, cheio de compaixão, curou os seus doentes.
Ao cair da tarde, os discípulos aproximaram-se de Jesus
e disseram-Lhe:
«Este local é deserto e a hora avançada.
Manda embora toda esta gente,
para que vá às aldeias comprar alimento».
Mas Jesus respondeu-lhes:
«Não precisam de se ir embora; dai-lhes vós de comer».
Disseram-Lhe eles:
«Não temos aqui senão cinco pães e dois peixes».
Disse Jesus: «Trazei-mos cá».
Ordenou então à multidão que se sentasse na relva.
Tomou os cinco pães e os dois peixes,
ergueu os olhos ao Céu e recitou a bênção.
Depois partiu os pães e deu-os aos discípulos
e os discípulos deram-nos à multidão.
Todos comeram e ficaram saciados.
E, dos pedaços que sobraram, encheram doze cestos.
Ora, os que comeram eram cerca de cinco mil homens,
sem contar mulheres e crianças.
Palavra da salvação.
302 TEMPO COMUM

DOMINGO XIX

LEITURA I 1 Reis 19, 9a.11-13a


«Sai e permanece no monte à espera do Senhor»
Leitura do Primeiro Livro dos Reis
Naqueles dias,
o profeta Elias chegou ao monte de Deus, o Horeb,
e passou a noite numa gruta.
O Senhor dirigiu-lhe a palavra, dizendo:
«Sai e permanece no monte à espera do Senhor».
Então, o Senhor passou.
Diante d’Ele, uma forte rajada de vento
fendia as montanhas e quebrava os rochedos;
mas o Senhor não estava no vento.
Depois do vento, sentiu-se um terramoto;
mas o Senhor não estava no terramoto.
Depois do terramoto, acendeu-se um fogo;
mas o Senhor não estava no fogo.
Depois do fogo, ouviu-se uma ligeira brisa.
Quando a ouviu, Elias cobriu o rosto com o manto,
saiu e ficou à entrada da gruta.
Palavra do Senhor.

SALMO RESPONSORIAL Salmo 84 (85), 9ab-10.11-12.13-14 (R. 8)

Refrão: Mostrai-nos, Senhor, o vosso amor


e dai-nos a vossa salvação.
Deus fala de paz ao seu povo e aos seus fiéis
e a quantos de coração a Ele se convertem.
A sua salvação está perto dos que O temem
e a sua glória habitará na nossa terra.
DOMINGO XIX 303

Encontraram-se a misericórdia e a fidelidade,


abraçaram-se a paz e a justiça.
A fidelidade vai germinar da terra
e a justiça descerá do Céu.
O Senhor dará ainda o que é bom
e a nossa terra produzirá os seus frutos.
A justiça caminhará à sua frente
e a paz seguirá os seus passos.

LEITURA II Rom 9, 1-5


«Quisera eu próprio ser separado de Cristo
por amor dos meus irmãos»
Leitura da Epístola do apóstolo São Paulo aos Romanos
Irmãos:
Em Cristo digo a verdade, não minto,
e disso me dá testemunho a consciência no Espírito Santo:
Sinto uma grande tristeza e uma dor contínua no meu coração.
Quisera eu próprio ser anátema, separado de Cristo
para bem dos meus irmãos,
que são do mesmo sangue que eu, que são israelitas,
a quem pertencem a adopção filial, a glória, as alianças,
a legislação, o culto e as promessas,
a quem pertencem os Patriarcas
e de quem procede Cristo segundo a carne,
Ele que está acima de todas as coisas,
Deus bendito por todos os séculos. Amen.
Palavra do Senhor.

ALELUIA Salmo 129 (130), 5

Refrão: Aleluia. Repete-se


Eu confio no Senhor,
a minha alma espera na sua palavra. Refrão
304 TEMPO COMUM

EVANGELHO Mt 14, 22-33

«Manda-me ir ter contigo sobre as águas»

✠ Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Mateus


Depois de ter saciado a fome à multidão,
Jesus obrigou os discípulos a subir para o barco
e a esperá-l’O na outra margem,
enquanto Ele despedia a multidão.
Logo que a despediu,
subiu a um monte, para orar a sós.
Ao cair da tarde, estava ali sozinho.
O barco ia já no meio do mar,
açoitado pelas ondas, pois o vento era contrário.
Na quarta vigília da noite,
Jesus foi ter com eles, caminhando sobre o mar.
Os discípulos, vendo-O a caminhar sobre o mar,
assustaram-se, pensando que fosse um fantasma.
E gritaram cheios de medo.
Mas logo Jesus lhes dirigiu a palavra, dizendo:
«Tende confiança. Sou Eu. Não temais».
Respondeu-Lhe Pedro: «Se és Tu, Senhor,
manda-me ir ter contigo sobre as águas».
«Vem!» __ disse Jesus.
Então, Pedro desceu do barco e caminhou sobre as águas,
para ir ter com Jesus.
Mas, sentindo a violência do vento e começando a afundar-se,
gritou: «Salva-me, Senhor!»
Jesus estendeu-lhe logo a mão e segurou-o.
Depois disse-lhe:
«Homem de pouca fé, porque duvidaste?»
Logo que subiram para o barco, o vento amainou.
Então, os que estavam no barco prostraram-se diante de Jesus,
e disseram-Lhe:
«Tu és verdadeiramente o Filho de Deus».
Palavra da salvação.
DOMINGO XX 305

DOMINGO XX

LEITURA I Is 56, 1.6-7

«Conduzirei os filhos dos estrangeiros ao meu santo monte»

Leitura do Livro de Isaías


Eis o que diz o Senhor:
«Respeitai o direito, praticai a justiça,
porque a minha salvação está perto
e a minha justiça não tardará a manifestar-se.
Quanto aos estrangeiros que desejam unir-se ao Senhor
para O servirem, para amarem o seu nome e serem seus servos,
se guardarem o sábado, sem o profanarem,
se forem fiéis à minha aliança,
hei-de conduzi-los ao meu santo monte,
hei-de enchê-los de alegria na minha casa de oração.
Os seus holocaustos e os seus sacrifícios
serão aceites no meu altar,
porque a minha casa
será chamada ‘casa de oração para todos os povos’».
Palavra do Senhor.

SALMO RESPONSORIAL Salmo 66 (67), 2-3.5.6.8 (R. 4)

Refrão: Louvado sejais, Senhor,


pelos povos de toda a terra.
Deus Se compadeça de nós e nos dê a sua bênção,
resplandeça sobre nós a luz do seu rosto.
Na terra se conhecerão os vossos caminhos
e entre os povos a vossa salvação.
306 TEMPO COMUM

Alegrem-se e exultem as nações,


porque julgais os povos com justiça
e governais as nações sobre a terra.
Os povos Vos louvem, ó Deus,
todos os povos Vos louvem.
Deus nos dê a sua bênção
e chegue o seu temor aos confins da terra.

LEITURA II Rom 11, 13-15.29-32

«Os dons e o chamamento de Deus para com Israel são irrevogáveis»

Leitura da Epístola do apóstolo São Paulo aos Romanos


Irmãos:
É a vós, os gentios, que eu falo:
Enquanto eu for Apóstolo dos gentios,
procurarei prestigiar o meu ministério
a ver se provoco o ciúme dos homens da minha raça
e salvo alguns deles.
Porque, se da sua rejeição resultou a reconciliação do mundo,
o que será a sua reintegração
senão uma ressurreição de entre os mortos?
Porque os dons e o chamamento de Deus são irrevogáveis.
Vós fostes outrora desobedientes a Deus
e agora alcançastes misericórdia,
devido à desobediência dos judeus.
Assim também eles desobedecem agora,
de modo que, devido à misericórdia obtida por vós,
também eles agora alcancem misericórdia.
Efectivamente, Deus encerrou a todos na desobediência,
para usar de misericórdia para com todos.
Palavra do Senhor.
DOMINGO XX 307

ALELUIA cf. Mt 4, 2

Refrão: Aleluia. Repete-se


Jesus proclamava o evangelho do reino
e curava todas as doenças entre o povo. Refrão

EVANGELHO Mt 15, 21-28


«Mulher, é grande a tua fé»

✠ Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Mateus


Naquele tempo,
Jesus retirou-Se para os lados de Tiro e Sidónia.
Então, uma mulher cananeia, vinda daqueles arredores,
começou a gritar:
«Senhor, Filho de David, tem compaixão de mim.
Minha filha está cruelmente atormentada por um demónio».
Mas Jesus não lhe respondeu uma palavra.
Os discípulos aproximaram-se e pediram-Lhe:
«Atende-a, porque ela vem a gritar atrás de nós».
Jesus respondeu:
«Não fui enviado senão às ovelhas perdidas da casa de Israel».
Mas a mulher veio prostrar-se diante d’Ele, dizendo:
«Socorre-me, Senhor».
Ele respondeu:
«Não é justo que se tome o pão dos filhos
para o lançar aos cachorrinhos».
Mas ela insistiu:
«É verdade, Senhor;
mas também os cachorrinhos
comem das migalhas que caem da mesa de seus donos».
Então Jesus respondeu-lhe:
«Mulher, é grande a tua fé.
Faça-se como desejas».
E, a partir daquele momento, a sua filha ficou curada.
Palavra da salvação.
308 TEMPO COMUM

DOMINGO XXI

LEITURA I Is 22, 19-23


«Porei aos seus ombros a chave da casa de David»

Leitura do Livro de Isaías


Eis o que diz o Senhor a Chebna, administrador do palácio:
«Vou expulsar-te do teu cargo, remover-te do teu posto.
E nesse mesmo dia chamarei o meu servo Eliacim,
filho de Elcias.
Hei-de revesti-lo com a tua túnica,
hei-de pôr-lhe à cintura a tua faixa,
entregar-lhe nas mãos os teus poderes.
E ele será um pai para os habitantes de Jerusalém
e para a casa de Judá.
Porei aos seus ombros a chave da casa de David:
há-de abrir, sem que ninguém possa fechar;
há-de fechar, sem que ninguém possa abrir.
Fixá-lo-ei como uma estaca em lugar firme
e ele será um trono de glória para a casa de seu pai».
Palavra do Senhor.

SALMO RESPONSORIAL Salmo 137 (138), 1-2a.2bc-3.6. 8bc (R. 8bc)

Refrão: Senhor, a vossa misericórdia é eterna:


não abandoneis a obra das vossas mãos.
Ou: Pela vossa misericórdia,
não nos abandoneis, Senhor.
De todo o coração, Senhor, eu Vos dou graças
porque ouvistes as palavras da minha boca.
Na presença dos Anjos Vos hei-de cantar
e Vos adorarei, voltado para o vosso templo santo.
DOMINGO XXI 309

Hei-de louvar o vosso nome pela vossa bondade


e fidelidade,
porque exaltastes acima de tudo o vosso nome
e a vossa promessa.
Quando Vos invoquei, me respondestes,
aumentastes a fortaleza da minha alma.
O Senhor é excelso e olha para o humilde,
ao soberbo conhece-o de longe.
Senhor, a vossa bondade é eterna,
não abandoneis a obra das vossas mãos.

LEITURA II Rom 11, 33-36


«D’Ele, por Ele e para Ele são todas as coisas»
Leitura da Epístola do apóstolo São Paulo aos Romanos
Como é profunda a riqueza, a sabedoria e a ciência de Deus!
Como são insondáveis os seus desígnios
e incompreensíveis os seus caminhos!
Quem conheceu o pensamento do Senhor?
Quem foi o seu conselheiro?
Quem Lhe deu primeiro,
para que tenha de receber retribuição?
D’Ele, por Ele e para Ele são todas as coisas.
Glória a Deus para sempre. Amen.
Palavra do Senhor.

ALELUIA Mt 16, 18

Refrão: Aleluia. Repete-se


Tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei a minha Igreja
e as portas do inferno não prevalecerão contra ela. R.
310 TEMPO COMUM

EVANGELHO Mt 16, 13-20

«Tu és Pedro e dar-te-ei as chaves do reino dos Céus»

✠ Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Mateus


Naquele tempo,
Jesus foi para os lados de Cesareia de Filipe
e perguntou aos seus discípulos:
«Quem dizem os homens que é o Filho do homem?»
Eles responderam: «Uns dizem que é João Baptista,
outros que é Elias,
outros que é Jeremias ou algum dos profetas».
Jesus perguntou: «E vós, quem dizeis que Eu sou?»
Então, Simão Pedro tomou a palavra e disse:
«Tu és o Messias, o Filho de Deus vivo».
Jesus respondeu-lhe:
«Feliz de ti, Simão, filho de Jonas,
porque não foram a carne e o sangue que to revelaram,
mas sim meu Pai que está nos Céus.
Também Eu te digo: Tu és Pedro;
sobre esta pedra edificarei a minha Igreja
e as portas do inferno não prevalecerão contra ela.
Dar-te-ei as chaves do reino dos Céus:
tudo o que ligares na terra será ligado nos Céus,
e tudo o que desligares na terra será desligado nos Céus».
Então, Jesus ordenou aos discípulos
que não dissessem a ninguém
que Ele era o Messias.
Palavra da salvação.
DOMINGO XXII 311

DOMINGO XXII

LEITURA I Jer 20, 7-9


«A palavra do Senhor tornou-se para mim ocasião de insultos ...»
Leitura da Profecia de Jeremias
Vós me seduzistes, Senhor, e eu deixei-me seduzir;
Vós me dominastes e vencestes.
Em todo o tempo sou objecto de escárnio,
toda a gente se ri de mim;
porque sempre que falo é para gritar e proclamar:
«Violência e ruína!»
E a palavra do Senhor tornou-se para mim
ocasião permanente de insultos e zombarias.
Então eu disse: «Não voltarei a falar n’Ele,
Não falarei mais em seu nome».
Mas havia no meu coração um fogo ardente,
comprimido dentro dos meus ossos.
Procurava contê-lo, mas não podia.
Palavra do Senhor.

SALMO RESPONSORIAL Salmo 62 (63), 2.3-4.5-6.8-9 (R. 2b)

Refrão: A minha alma tem sede de Vós, meu Deus.


Senhor, sois o meu Deus: desde a aurora Vos procuro.
A minha alma tem sede de Vós.
Por Vós suspiro,
como terra árida, sequiosa, sem água.
Quero contemplar-Vos no santuário,
para ver o vosso poder e a vossa glória.
A vossa graça vale mais do que a vida;
por isso, os meus lábios hão-de cantar-Vos louvores.
312 TEMPO COMUM

Assim Vos bendirei toda a minha vida


e em vosso louvor levantarei as mãos.
Serei saciado com saborosos manjares,
e com vozes de júbilo Vos louvarei.
Porque Vos tornastes o meu refúgio,
exulto à sombra das vossas asas.
Unido a Vós estou, Senhor,
a vossa mão me serve de amparo.

LEITURA II Rom 12, 1-2


«Oferecei-vos como vítima viva»
Leitura da Epístola do apóstolo São Paulo aos Romanos
Peço-vos, irmãos, pela misericórdia de Deus,
que vos ofereçais a vós mesmos
como sacrifício vivo, santo, agradável a Deus,
como culto espiritual.
Não vos conformeis com este mundo,
mas transformai-vos,
pela renovação espiritual da vossa mente,
para saberdes discernir, segundo a vontade de Deus,
o que é bom,
o que Lhe é agradável,
o que é perfeito.
Palavra do Senhor.

ALELUIA cf. Ef 1, 17-18

Refrão: Aleluia. Repete-se


Deus, Pai de Nosso Senhor Jesus Cristo,
ilumine os olhos do nosso coração,
para sabermos a que esperança fomos chamados. R.
DOMINGO XXII 313

EVANGELHO Mt 16, 21-27


«Se alguém quiser seguir-Me, renuncie a si mesmo»
✠ Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Mateus
Naquele tempo,
Jesus começou a explicar aos seus discípulos
que tinha de ir a Jerusalém
e sofrer muito da parte dos anciãos,
dos príncipes dos sacerdotes e dos escribas;
que tinha de ser morto e ressuscitar ao terceiro dia.
Pedro, tomando-O à parte,
começou a contestá-l’O, dizendo:
«Deus Te livre de tal, Senhor! Isso não há-de acontecer!»
Jesus voltou-Se para Pedro e disse-lhe:
«Vai-te daqui, Satanás.
Tu és para mim uma ocasião de escândalo,
pois não tens em vista as coisas de Deus, mas dos homens».
Jesus disse então aos seus discípulos:
«Se alguém quiser seguir-Me, renuncie a si mesmo,
tome a sua cruz e siga-Me.
Pois quem quiser salvar a sua vida há-de perdê-la;
mas quem perder a sua vida por minha causa,
há-de encontrá-la.
Na verdade, que aproveita ao homem ganhar o mundo inteiro,
se perder a sua vida?
Que poderá dar o homem em troca da sua vida?
O Filho do homem há-de vir na glória de seu Pai,
com os seus Anjos,
e então dará a cada um segundo as suas obras».
Palavra da salvação.
314 TEMPO COMUM

DOMINGO XXIII

LEITURA I Ez 33, 7-9


«Se não falares ao ímpio, pedir-te-ei contas do seu sangue»

Leitura da Profecia de Ezequiel


Eis o que diz o Senhor:
«Filho do homem,
coloquei-te como sentinela na casa de Israel.
Quando ouvires a palavra da minha boca,
deves avisá-los da minha parte.
Sempre que Eu disser ao ímpio: ‘Ímpio, hás-de morrer’,
e tu não falares ao ímpio para o afastar do seu caminho,
o ímpio morrerá por causa da sua iniquidade,
mas Eu pedir-te-ei contas da sua morte.
Se tu, porém, avisares o ímpio,
para que se converta do seu caminho,
e ele não se converter,
morrerá nos seus pecados,
mas tu salvarás a tua vida».
Palavra do Senhor.

SALMO RESPONSORIAL Salmo 94 (95), 1-2.6-7.8-9 (R. cf. 8)

Refrão: Se hoje ouvirdes a voz do Senhor,


não fecheis os vossos corações.
Vinde, exultemos de alegria no Senhor,
aclamemos a Deus, nosso Salvador.
Vamos à sua presença e dêmos graças,
ao som de cânticos aclamemos o Senhor.
DOMINGO XXIII 315

Vinde, prostremo-nos em terra,


adoremos o Senhor que nos criou.
Pois Ele é o nosso Deus
e nós o seu povo, as ovelhas do seu rebanho.
Quem dera ouvísseis hoje a sua voz:
«Não endureçais os vossos corações,
como em Meriba, no dia de Massa no deserto,
onde vossos pais Me tentaram e provocaram,
apesar de terem visto as minhas obras».

LEITURA II Rom 13, 8-10


«A caridade é o pleno cumprimento da lei»

Leitura da Epístola do apóstolo São Paulo aos Romanos


Irmãos:
Não devais a ninguém coisa alguma,
a não ser o amor de uns para com os outros,
pois, quem ama o próximo, cumpre a lei.
De facto, os mandamentos que dizem:
«Não cometerás adultério, não matarás,
não furtarás, não cobiçarás»,
e todos os outros mandamentos,
resumem-se nestas palavras:
«Amarás ao próximo como a ti mesmo».
A caridade não faz mal ao próximo.
A caridade é o pleno cumprimento da lei.
Palavra do Senhor.

ALELUIA 2 Cor 5, 19

Refrão: Aleluia. Repete-se


Em Cristo, Deus reconcilia o mundo consigo
e confiou-nos a palavra da reconciliação. Refrão
316 TEMPO COMUM

EVANGELHO Mt 18, 15-20

«Se te escutar, terás ganho o teu irmão»

✠ Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Mateus


Naquele tempo,
disse Jesus aos seus discípulos:
«Se o teu irmão te ofender,
vai ter com ele e repreende-o a sós.
Se te escutar, terás ganho o teu irmão.
Se não te escutar, toma contigo mais uma ou duas pessoas,
para que toda a questão fique resolvida
pela palavra de duas ou três testemunhas.
Mas se ele não lhes der ouvidos, comunica o caso à Igreja;
e se também não der ouvidos à Igreja,
considera-o como um pagão ou um publicano.
Em verdade vos digo:
Tudo o que ligardes na terra será ligado no Céu;
e tudo o que desligardes na terra será desligado no Céu.
Digo-vos ainda:
Se dois de vós se unirem na terra para pedirem qualquer coisa,
ser-lhes-á concedida por meu Pai que está nos Céus.
Na verdade, onde estão dois ou três reunidos em meu nome,
Eu estou no meio deles».
Palavra da salvação.
DOMINGO XXIV 317

DOMINGO XXIV

LEITURA I Sir 27, 33 __ 28, 9

«Perdoa a ofensa do teu próximo


e quando pedires, as tuas faltas serão perdoadas»

Leitura do Livro de Ben-Sirá


O rancor e a ira são coisas detestáveis,
e o pecador é mestre nelas.
Quem se vinga sofrerá a vingança do Senhor,
que pedirá minuciosa conta de seus pecados.
Perdoa a ofensa do teu próximo
e, quando o pedires, as tuas ofensas serão perdoadas.
Um homem guarda rancor contra outro
e pede a Deus que o cure?
Não tem compaixão do seu semelhante
e pede perdão para os seus próprios pecados?
Se ele, que é um ser de carne, guarda rancor,
quem lhe alcançará o perdão das suas faltas?
Lembra-te do teu fim e deixa de ter ódio;
pensa na corrupção e na morte,
e guarda os mandamentos.
Recorda os mandamentos
e não tenhas rancor ao próximo;
pensa na aliança do Altíssimo
e não repares nas ofensas que te fazem.
Palavra do Senhor.
318 TEMPO COMUM

SALMO RESPONSORIAL Salmo 102 (103), 1-2.3-4.9-10.11-12 (R. 8)

Refrão: O Senhor é clemente e compassivo,


paciente e cheio de bondade.
Bendiz, ó minha alma, o Senhor
e todo o meu ser bendiga o seu nome santo.
Bendiz, ó minha alma, o Senhor
e não esqueças nenhum dos seus benefícios.
Ele perdoa todos os teus pecados
e cura as tuas enfermidades.
Salva da morte a tua vida
e coroa-te de graça e misericórdia.
Não está sempre a repreender
nem guarda ressentimento.
Não nos tratou segundo os nossos pecados
nem nos castigou segundo as nossas culpas.
Como a distância da terra aos céus,
assim é grande a sua misericórdia para os que O temem.
Como o Oriente dista do Ocidente,
assim Ele afasta de nós os nossos pecados.

LEITURA II Rom 14, 7-9


«Quer vivamos, quer morramos, pertencemos ao Senhor»
Leitura da Epístola do apóstolo São Paulo aos Romanos
Irmãos:
Nenhum de nós vive para si mesmo
e nenhum de nós morre para si mesmo.
Se vivemos, vivemos para o Senhor,
e se morremos, morremos para o Senhor.
Portanto, quer vivamos quer morramos,
pertencemos ao Senhor.
Na verdade, Cristo morreu e ressuscitou
para ser o Senhor dos vivos e dos mortos.
Palavra do Senhor.
DOMINGO XXIV 319

ALELUIA Jo 13, 34

Refrão: Aleluia. Repete-se


Dou-vos um mandamento novo, diz o Senhor:
amai-vos uns aos outros como Eu vos amei. Refrão

EVANGELHO Mt 18, 21-35


«Não te digo que perdoes até sete vezes,
mas até setenta vezes sete»

✠ Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Mateus


Naquele tempo,
Pedro aproximou-se de Jesus e perguntou-Lhe:
«Se meu irmão me ofender,
quantas vezes deverei perdoar-lhe?
Até sete vezes?»
Jesus respondeu:
«Não te digo até sete vezes, mas até setenta vezes sete.
Na verdade, o reino de Deus pode comparar-se a um rei
que quis ajustar contas com os seus servos.
Logo de começo,
apresentaram-lhe um homem que devia dez mil talentos.
Não tendo com que pagar,
o senhor mandou que fosse vendido,
com a mulher, os filhos e tudo quanto possuía,
para assim pagar a dívida.
Então o servo prostrou-se a seus pés, dizendo:
‘Senhor, concede-me um prazo e tudo te pagarei’.
Cheio de compaixão, o senhor daquele servo
deu-lhe a liberdade e perdoou-lhe a dívida.
Ao sair, o servo encontrou um dos seus companheiros
que lhe devia cem denários.
Segurando-o, começou a apertar-lhe o pescoço, dizendo:
‘Paga o que me deves’.
Então o companheiro caiu a seus pés e suplicou-lhe, dizendo:
‘Concede-me um prazo e pagar-te-ei’.
320 TEMPO COMUM

Ele, porém, não consentiu e mandou-o prender,


até que pagasse tudo quanto devia.
Testemunhas desta cena,
os seus companheiros ficaram muito tristes
e foram contar ao senhor tudo o que havia sucedido.
Então, o senhor mandou-o chamar e disse:
‘Servo mau, perdoei-te tudo o que me devias,
porque mo pediste.
Não devias, também tu, compadecer-te do teu companheiro,
como eu tive compaixão de ti?’
E o senhor, indignado, entregou-o aos verdugos,
até que pagasse tudo o que lhe devia.
Assim procederá convosco meu Pai celeste,
se cada um de vós não perdoar a seu irmão
de todo o coração».
Palavra da salvação.
DOMINGO XXV 321

DOMINGO XXV

LEITURA I Is 55, 6-9


«Os meus pensamentos não são os vossos»

Leitura do Livro de Isaías


Procurai o Senhor, enquanto se pode encontrar,
invocai-O, enquanto está perto.
Deixe o ímpio o seu caminho
e o homem perverso os seus pensamentos.
Converta-se ao Senhor, que terá compaixão dele,
ao nosso Deus, que é generoso em perdoar.
Porque os meus pensamentos não são os vossos,
nem os vossos caminhos são os meus __ oráculo do Senhor __.
Tanto quanto o céu está acima da terra,
assim os meus caminhos estão acima dos vossos
e acima dos vossos estão os meus pansamentos.
Palavra do Senhor.

SALMO RESPONSORIAL Salmo 144 (145), 2-3.8-9.17-18 (R. 18a)

Refrão: O Senhor está perto de quantos O invocam.


Quero bendizer-Vos, dia após dia,
e louvar o vosso nome para sempre.
Grande é o Senhor e digno de todo o louvor,
insondável é a sua grandeza.
O Senhor é clemente e compassivo,
paciente e cheio de bondade.
O Senhor é bom para com todos
e a sua misericórdia se estende a todas as criaturas.
322 TEMPO COMUM

O Senhor é justo em todos os seus caminhos


e perfeito em todas as suas obras.
O Senhor está perto de quantos O invocam,
de quantos O invocam em verdade.

LEITURA II Filip 1, 20c-24.27a


«Para mim,viver é Cristo»

Leitura da Epístola do apóstolo São Paulo aos Filipenses


Irmãos:
Cristo será glorificado no meu corpo,
quer eu viva quer eu morra.
Porque, para mim, viver é Cristo e morrer é lucro.
Mas, se viver neste corpo mortal me permite um trabalho útil,
não sei o que escolher.
Sinto-me constrangido por este dilema:
desejaria partir e estar com Cristo, que seria muito melhor;
mas é mais necessário para vós
que eu permaneça neste corpo mortal.
Procurai somente viver de maneira digna do Evangelho de Cristo.
Palavra do Senhor.

ALELUIA cf. Actos 16, 14b

Refrão: Aleluia. Repete-se


Abri, Senhor, os nossos corações,
para aceitarmos a palavra do vosso Filho. Refrão

EVANGELHO Mt 20, 1-16a


«Serão maus os teus olhos porque eu sou bom?»
✠ Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Mateus
Naquele tempo,
disse Jesus aos seus discípulos a seguinte parábola:
«O reino dos Céus pode comparar-se a um proprietário,
que saiu muito cedo a contratar trabalhadores para a sua vinha.
DOMINGO XXV 323

Ajustou com eles um denário por dia


e mandou-os para a sua vinha.
Saiu a meia manhã,
viu outros que estavam na praça ociosos e disse-lhes:
‘Ide vós também para a minha vinha
e dar-vos-ei o que for justo’.
E eles foram.
Voltou a sair, por volta do meio-dia e pelas três horas da tarde,
e fez o mesmo.
Saindo ao cair da tarde,
encontrou ainda outros que estavam parados e disse-lhes:
‘Porque ficais aqui todo o dia sem trabalhar?’
Eles responderam-lhe: ‘Ninguém nos contratou’.
Ele disse-lhes: ‘Ide vós também para a minha vinha’.
Ao anoitecer, o dono da vinha disse ao capataz:
«Chama os trabalhadores e paga-lhes o salário,
a começar pelos últimos e a acabar nos primeiros’.
Vieram os do entardecer e receberam um denário cada um.
Quando vieram os primeiros, julgaram que iam receber mais,
mas receberam também um denário cada um.
Depois de o terem recebido,
começaram a murmurar contra o proprietário, dizendo:
‘Estes últimos trabalharam só uma hora
e deste-lhes a mesma paga que a nós,
que suportámos o peso do dia e o calor’.
Mas o proprietário respondeu a um deles:
‘Amigo, em nada te prejudico.
Não foi um denário que ajustaste comigo?
Leva o que é teu e segue o teu caminho.
Eu quero dar a este último tanto como a ti.
Não me será permitido fazer o que quero do que é meu?
Ou serão maus os teus olhos porque eu sou bom?’
Assim, os últimos serão os primeiros
e os primeiros serão os últimos».
Palavra da salvação.
324 TEMPO COMUM

DOMINGO XXVI

LEITURA I Ez 18, 25-28


«Quando o pecador se afastar do mal, salvará a sua vida»

Leitura da Profecia de Ezequiel


Eis o que diz o Senhor:
«Vós dizeis: ‘A maneira de proceder do Senhor não é justa’.
Escutai, casa de Israel:
Será a minha maneira de proceder que não é justa?
Não será antes o vosso modo de proceder que é injusto?
Quando o justo se afastar da justiça,
praticar o mal e vier a morrer,
morrerá por causa do mal cometido.
Quando o pecador se afastar do mal que tiver realizado,
praticar o direito e a justiça,
salvará a sua vida.
Se abrir os seus olhos e renunciar às faltas que tiver cometido,
há-de viver e não morrerá».
Palavra do Senhor.

SALMO RESPONSORIAL Salmo 24 (25), 4-5.6-7.8-9 (R. 6a)

Refrão: Lembrai-Vos, Senhor, da vossa misericórdia.


Mostrai-me, Senhor, os vossos caminhos,
ensinai-me as vossas veredas.
Guiai-me na vossa verdade e ensinai-me,
porque Vós sois Deus, meu Salvador:
em vós espero sempre.
DOMINGO XXVI 325

Lembrai-Vos, Senhor, das vossas misericórdias


e das vossas graças que são eternas.
Não recordeis as minhas faltas
e os pecados da minha juventude.
Lembrai-Vos de mim segundo a vossa clemência,
por causa da vossa bondade, Senhor.
O Senhor é bom e recto,
ensina o caminho aos pecadores.
Orienta os humildes na justiça
e dá-lhes a conhecer os seus caminhos.

LEITURA II Forma longa Filip 2, 1-11


«Tende os mesmos sentimentos de Cristo Jesus»
Leitura da Epístola do apóstolo São Paulo aos Filipenses
Irmãos:
Se há em Cristo alguma consolação,
algum conforto na caridade,
se existe alguma comunhão no Espírito,
alguns sentimentos de ternura e misericórdia,
então completai a minha alegria,
tendo entre vós os mesmos sentimentos e a mesma caridade,
numa só alma e num só coração.
Não façais nada por rivalidade nem por vanglória;
mas, com humildade,
considerai os outros superiores a vós mesmos,
sem olhar cada um aos seus próprios interesses,
mas aos interesses dos outros.
Tende em vós os mesmos sentimentos
que havia em Cristo Jesus.
Ele, que era de condição divina,
não Se valeu da sua igualdade com Deus,
mas aniquilou-Se a Si próprio.
Assumindo a condição de servo,
tornou-Se semelhante aos homens.
326 TEMPO COMUM

Aparecendo como homem, humilhou-Se ainda mais,


obedecendo até à morte, e morte de cruz.
Por isso, Deus O exaltou
e Lhe deu um nome que está acima de todos os nomes,
para que ao nome de Jesus todos se ajoelhem,
no céu, na terra e nos abismos,
e toda a língua proclame que Jesus Cristo é o Senhor,
para glória de Deus Pai.
Palavra do Senhor.

LEITURA II Forma breve Filip 2, 1-5


«Tende em vós os mesmos sentimentos de Cristo Jesus»

Leitura da Epístola do apóstolo São Paulo aos Filipenses


Irmãos:
Se há em Cristo alguma consolação,
algum conforto na caridade,
se existe alguma comunhão no Espírito,
alguns sentimentos de ternura e misericórdia,
então completai a minha alegria,
tendo entre vós os mesmos sentimentos e a mesma caridade,
numa só alma e num só coração.
Não façais nada por rivalidade nem por vanglória;
mas, com humildade,
considerai os outros superiores a vós mesmos,
sem olhar cada um aos seus próprios interesses,
mas aos interesses dos outros.
Tende entre vós os mesmos sentimentos
que havia em Cristo Jesus.
Palavra do Senhor.

ALELUIA Jo 10, 27
Refrão: Aleluia. Repete-se
As minhas ovelhas ouvem a minha voz, diz o Senhor;
Eu conheço as minhas ovelhas e elas seguem-Me.
Refrão
DOMINGO XXVI 327

EVANGELHO Mt 21, 28-32

«Arrependeu-se e foi.
Os publicanos e as mulheres de má vida
irão adiante de vós para o reino de Deus»

✠ Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Mateus


Naquele tempo,
disse Jesus aos príncipes dos sacerdotes
e aos anciãos do povo:
«Que vos parece?
Um homem tinha dois filhos.
Foi ter com o primeiro e disse-lhe:
‘Filho, vai hoje trabalhar na vinha’.
Mas ele respondeu-lhe: ‘Não quero’.
Depois, porém, arrependeu-se e foi.
O homem dirigiu-se ao segundo filho
e falou-lhe do mesmo modo.
Ele respondeu: ‘Eu vou, Senhor’.
Mas de facto não foi.
Qual dos dois fez a vontade ao pai?»
Eles responderam-Lhe: «O primeiro».
Jesus disse-lhes:
«Em verdade vos digo:
Os publicanos e as mulheres de má vida
irão diante de vós para o reino de Deus.
João Baptista veio até vós,
ensinando-vos o caminho da justiça,
e não acreditastes nele;
mas os publicanos e as mulheres de má vida acreditaram.
E vós, que bem o vistes,
não vos arrependestes, acreditando nele».
Palavra da salvação.
328 TEMPO COMUM

DOMINGO XXVII

LEITURA I Is 5, 1-7

«A vinha do Senhor do Universo é a casa de Israel»

Leitura do Livro de Isaías


Vou cantar, em nome do meu amigo,
um cântico de amor à sua vinha.
O meu amigo possuía uma vinha numa fértil colina.
Lavrou-a e limpou-a das pedras,
plantou-a de cepas escolhidas.
No meio dela ergueu uma torre e escavou um lagar.
Esperava que viesse a dar uvas,
mas ela só produziu agraços.
E agora, habitantes de Jerusalém, e vós, homens de Judá,
sede juízes entre mim e a minha vinha:
Que mais podia fazer à minha vinha que não tivesse feito?
E quando eu esperava que viesse a dar uvas,
apenas produziu agraços.
Agora vos direi o que vou fazer à minha vinha:
vou tirar-lhe a vedação e será devastada;
vou demolir-lhe o muro e será espezinhada.
Farei dela um terreno deserto:
não voltará a ser podada nem cavada,
e nela crescerão silvas e espinheiros;
e hei-de mandar às nuvens
que sobre ela não deixem cair chuva.
A vinha do Senhor do Universo é a casa de Israel
e os homens de Judá são a plantação escolhida.
Ele esperava rectidão e só há sangue derramado;
esperava justiça e só há gritos de horror.
Palavra do Senhor.
DOMINGO XXVII 329

SALMO RESPONSORIAL Salmo 79 (80), 9.12.13-14.15-16.19-20 (R. Is 5, 7a)

Refrão: A vinha do Senhor é a casa de Israel.


Arrancastes uma videira do Egipto,
expulsastes as nações para a transplantar.
Estendia até ao mar as suas vergônteas
e até ao rio os seus rebentos.
Porque lhe destruístes a vedação,
de modo que a vindime
quem quer que passe pelo caminho?
Devastou-a o javali da selva
e serviu de pasto aos animais do campo.
Deus dos Exércitos, vinde de novo,
olhai dos céus e vede, visitai esta vinha.
Protegei a cepa que a vossa mão direita plantou,
o rebento que fortalecestes para Vós.
Não mais nos apartaremos de Vós:
fazei-nos viver e invocaremos o vosso nome.
Senhor Deus dos Exércitos, fazei-nos voltar,
iluminai o vosso rosto e seremos salvos.

LEITURA II Filip 4, 6-9


«Ponde isto em prática e o Deus da paz estará convosco»
Leitura da Epístola do apóstolo São Paulo aos Filipenses
Irmãos:
Não vos inquieteis com coisa alguma.
Mas, em todas as circunstâncias,
apresentai os vossos pedidos diante de Deus,
com orações, súplicas e acções de graças.
E a paz de Deus, que está acima de toda a inteligência,
guardará os vossos corações
e os vossos pensamentos em Cristo Jesus.
330 TEMPO COMUM

Quanto ao resto, irmãos,


tudo o que é verdadeiro e nobre,
tudo o que é justo e puro,
tudo o que é amável e de boa reputação,
tudo o que é virtude e digno de louvor
é o que deveis ter no pensamento.
O que aprendestes, recebestes, ouvistes e vistes em mim
é o que deveis praticar.
E o Deus da paz estará convosco.
Palavra do Senhor.

ALELUIA cf. Jo 15, 16

Refrão: Aleluia. Repete-se


Eu vos escolhi do mundo, para que vades e deis fruto
e o vosso fruto permaneça, diz o Senhor. Refrão

EVANGELHO Mt 21, 33-43


«Arrendará a vinha a outros vinhateiros»
✠ Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Mateus
Naquele tempo,
disse Jesus aos príncipes dos sacerdotes e aos anciãos do povo:
«Ouvi outra parábola:
Havia um proprietário que plantou uma vinha,
cercou-a com uma sebe, cavou nela um lagar
e levantou uma torre;
depois, arrendou-a a uns vinhateiros e partiu para longe.
Quando chegou a época das colheitas,
mandou os seus servos aos vinhateiros para receber os frutos.
Os vinhateiros, porém, lançando mão dos servos,
espancaram um, mataram outro, e a outro apedrejaram-no.
DOMINGO XXVII 331

Tornou ele a mandar outros servos,


em maior número que os primeiros.
E eles trataram-nos do mesmo modo.
Por fim, mandou-lhes o seu próprio filho, dizendo:
‘Respeitarão o meu filho’.
Mas os vinhateiros, ao verem o filho, disseram entre si:
‘Este é o herdeiro;
matemo-lo e ficaremos com a sua herança’.
E, agarrando-o, lançaram-no fora da vinha e mataram-no.
Quando vier o dono da vinha, que fará àqueles vinhateiros?»
Eles responderam:
«Mandará matar sem piedade esses malvados,
e arrendará a vinha a outros vinhateiros,
que lhe entreguem os frutos a seu tempo».
Disse-lhes Jesus: «Nunca lestes na Escritura:
‘A pedra que os construtores rejeitaram
tornou-se a pedra angular;
tudo isto veio do Senhor e é admirável aos nossos olhos’?
Por isso vos digo: Ser-vos-á tirado o reino de Deus
e dado a um povo que produza os seus frutos».
Palavra da salvação.
332 TEMPO COMUM

DOMINGO XXVIII

LEITURA I Is 25, 6-10a


«O Senhor preparará um banquete
e enxugará as lágrimas de todas as faces»
Leitura do Livro de Isaías
Sobre este monte,
o Senhor do Universo há-de preparar para todos os povos
um banquete de manjares suculentos,
um banquete de vinhos deliciosos:
comida de boa gordura, vinhos puríssimos.
Sobre este monte,
há-de tirar o véu que cobria todos os povos,
o pano que envolvia todas as nações;
destruirá a morte para sempre.
O Senhor Deus enxugará as lágrimas de todas as faces
e fará desaparecer da terra inteira
o opróbrio que pesa sobre o seu povo.
Porque o Senhor falou.
Dir-se-á naquele dia:
«Eis o nosso Deus, de quem esperávamos a salvação;
é o Senhor, em quem pusemos a nossa confiança.
Alegremo-nos e rejubilemos, porque nos salvou.
A mão do Senhor pousará sobre este monte».
Palavra do Senhor.

SALMO RESPONSORIAL Salmo 22 (23), 1-3a.3b-4.5.6 (R. 6cd )

Refrão: Habitarei para sempre na casa do Senhor.


O Senhor é meu pastor: nada me falta.
Leva-me a descansar em verdes prados,
conduz-me às águas refrescantes
e reconforta a minha alma.
DOMINGO XXVIII 333

Ele me guia por sendas direitas por amor do seu nome.


Ainda que tenha de andar por vales tenebrosos,
não temerei nenhum mal, porque Vós estais comigo:
o vosso cajado e o vosso báculo
me enchem de confiança.
Para mim preparais a mesa
à vista dos meus adversários;
com óleo me perfumais a cabeça
e o meu cálice transborda.
A bondade e a graça hão-de acompanhar-me
todos os dias da minha vida,
e habitarei na casa do Senhor
para todo o sempre.

LEITURA II Filip 4, 12-14.19-20


«Tudo posso n’Aquele que me conforta»
Leitura da Epístola do apóstolo São Paulo aos Filipenses
Irmãos:
Sei viver na pobreza e sei viver na abundância.
Em todo o tempo e em todas as circunstâncias,
tenho aprendido a ter fartura e a passar fome,
a viver desafogadamente e a padecer necessidade.
Tudo posso n’Aquele que me conforta.
No entanto, fizestes bem em tomar parte na minha aflição.
O meu Deus proverá com abundância
a todas as vossas necessidades,
segundo a sua riqueza e magnificência, em Cristo Jesus.
Glória a Deus, nosso Pai, pelos séculos dos séculos. Amen.
Palavra do Senhor.

ALELUIA cf. Ef 1, 17-18


Refrão: Aleluia. Repete-se
Deus, Pai de Nosso Senhor Jesus Cristo
ilumine os olhos do nosso coração,
para sabermos a que esperança fomos chamados. R.
334 TEMPO COMUM

EVANGELHO Forma longa Mt 22, 1-14

«Convidai para as bodas todos os que encontrardes»

✠ Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Mateus


Naquele tempo,
Jesus dirigiu-Se de novo
aos príncipes dos sacerdotes e aos anciãos do povo
e, falando em parábolas, disse-lhes:
«O reino dos Céus pode comparar-se a um rei
que preparou um banquete nupcial para o seu filho.
Mandou os servos chamar os convidados para as bodas,
mas eles não quiseram vir.
Mandou ainda outros servos, ordenando-lhes:
‘Dizei aos convidados:
Preparei o meu banquete, os bois e os cevados foram abatidos,
tudo está pronto. Vinde às bodas’.
Mas eles, sem fazerem caso,
foram um para o seu campo e outro para o seu negócio;
os outros apoderaram-se dos servos,
trataram-nos mal e mataram-nos.
O rei ficou muito indignado e enviou os seus exércitos,
que acabaram com aqueles assassinos e incendiaram a cidade.
Disse então aos servos:
‘O banquete está pronto, mas os convidados não eram dignos.
Ide às encruzilhadas dos caminhos
e convidai para as bodas todos os que encontrardes’.
Então os servos, saindo pelos caminhos,
reuniram todos os que encontraram, maus e bons.
E a sala do banquete encheu-se de convidados.
O rei, quando entrou para ver os convidados,
viu um homem que não estava vestido com o traje nupcial
e disse-lhe:
‘Amigo, como entraste aqui sem o traje nupcial?’
Mas ele ficou calado.
O rei disse então aos servos:
‘Amarrai-lhe os pés e as mãos e lançai-o às trevas exteriores;
aí haverá choro e ranger de dentes’.
DOMINGO XXVIII 335

Na verdade, muitos são os chamados,


mas poucos os escolhidos».
Palavra da salvação.

EVANGELHO Forma breve Mt 22, 1-10


«Convidai para as bodas todos os que encontrardes»

✠ Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Mateus


Naquele tempo,
Jesus dirigiu-Se de novo
aos príncipes dos sacerdotes e aos anciãos do povo
e, falando em parábolas, disse-lhes:
«O reino dos Céus pode comparar-se a um rei
que preparou um banquete nupcial para o seu filho.
Mandou os servos chamar os convidados para as bodas,
mas eles não quiseram vir.
Mandou ainda outros servos, ordenando-lhes:
‘Dizei aos convidados:
Preparei o meu banquete, os bois e os cevados foram abatidos,
tudo está pronto: Vinde às bodas’.
Mas eles, sem fazerem caso,
foram um para o seu campo e outro para o seu negócio;
os outros apoderaram-se dos servos,
trataram-nos mal e mataram-nos.
O rei ficou muito indignado e enviou os seus exércitos,
que acabaram com aqueles assassinos e incendiaram a cidade.
Disse então aos servos:
‘O banquete está pronto, mas os convidados não eram dignos.
Ide às encruzilhadas dos caminhos
e convidai para as bodas todos os que encontrardes’.
Então os servos, saindo pelos caminhos,
reuniram todos os que encontraram, maus e bons.
E a sala do banquete encheu-se de convidados».
Palavra da salvação.
336 TEMPO COMUM

DOMINGO XXIX

LEITURA I Is 45, 1.4-6

«Tomei Ciro pela mão direita para subjugar diante dele as nações»

Leitura do Livro de Isaías


Assim fala o Senhor a Ciro, seu ungido,
a quem tomou pela mão direita,
para subjugar diante dele as nações
e fazer cair as armas da cintura dos reis,
para abrir as portas à sua frente,
sem que nenhuma lhe seja fechada:
«Por causa de Jacob, meu servo, e de Israel, meu eleito,
Eu te chamei pelo teu nome e te dei um título glorioso,
quando ainda não Me conhecias.
Eu sou o Senhor e não há outro;
fora de Mim não há Deus.
Eu te cingi, quando ainda não Me conhecias,
para que se saiba, do Oriente ao Ocidente,
que fora de Mim não há outro.
Eu sou o Senhor e mais ninguém».
Palavra do Senhor.

SALMO RESPONSORIAL Salmo 95 (96), l.3.4-5.7-8.9-10a.c (R. 7b)

Refrão: Aclamai a glória e o poder do Senhor.


Cantai ao Senhor um cântico novo,
cantai ao Senhor, terra inteira.
Publicai entre as nações a sua glória,
em todos os povos as suas maravilhas.
DOMINGO XXIX 337

O Senhor é grande e digno de louvor,


mais temível que todos os deuses.
Os deuses dos gentios não passam de ídolos,
foi o Senhor quem fez os céus.
Dai ao Senhor, ó família dos povos,
dai ao Senhor glória e poder.
Dai ao Senhor a glória do seu nome,
levai-Lhe oferendas e entrai nos seus átrios.
Adorai o Senhor com ornamentos sagrados,
trema diante d’Ele a terra inteira.
Dizei entre as nações: «O Senhor é Rei»,
governa os povos com equidade.

LEITURA II 1 Tes 1, 1-5b


«Recordamos a vossa fé, caridade e esperança»

Leitura da Primeira Epístola do apóstolo São Paulo


aos Tessalonicenses
Paulo, Silvano e Timóteo à Igreja dos Tessalonicenses,
que está em Deus Pai e no Senhor Jesus Cristo:
A graça e a paz estejam convosco.
Damos continuamente graças a Deus por todos vós,
ao fazermos menção de vós nas nossas orações.
Recordamos a actividade da vossa fé,
o esforço da vossa caridade e a firmeza da vossa esperança
em Nosso Senhor Jesus Cristo,
na presença de Deus, nosso Pai.
Nós sabemos, irmãos amados por Deus,
como fostes escolhidos.
O nosso Evangelho não vos foi pregado somente com palavras,
mas também com obras poderosas,
com a acção do Espírito Santo.
Palavra do Senhor.
338 TEMPO COMUM

ALELUIA Filip 2, 15d.16a

Refrão: Aleluia. Repete-se


Vós brilhais como estrelas no mundo,
ostentando a palavra da vida. Refrão

EVANGELHO Mt 22, 15-21


«Dai a César o que é de César e a Deus o que é de Deus»
✠ Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Mateus
Naquele tempo,
os fariseus reuniram-se para deliberar
sobre a maneira de surpreender Jesus no que dissesse.
Enviaram-Lhe alguns dos seus discípulos,
juntamente com os herodianos, e disseram-Lhe:
«Mestre, sabemos que és sincero
e que ensinas, segundo a verdade, o caminho de Deus,
sem te deixares influenciar por ninguém,
pois não fazes acepção de pessoas.
Diz-nos o teu parecer:
É lícito ou não pagar tributo a César?»
Jesus, conhecendo a sua malícia, respondeu:
«Porque Me tentais, hipócritas?
Mostrai-me a moeda do tributo».
Eles apresentaram-Lhe um denário
e Jesus perguntou:
«De quem é esta imagem e esta inscrição?»
Eles responderam: «De César».
Disse-Lhes Jesus:
«Então, dai a César o que é de César
e a Deus o que é de Deus».
Palavra da salvação.
DOMINGO XXX 339

DOMINGO XXX

LEITURA I Ex 22, 20-26


«Se fizerdes algum mal à viúva e ao órfão,
inflamar-se-á a minha ira contra vós»
Leitura do Livro do Êxodo
Eis o que diz o Senhor:
«Não prejudicarás o estrangeiro, nem o oprimirás,
porque vós próprios fostes estrangeiros na terra do Egipto.
Não maltratarás a viúva nem o órfão.
Se lhes fizeres algum mal e eles clamarem por Mim,
escutarei o seu clamor;
inflamar-se-á a minha indignação
e matar-vos-ei ao fio da espada.
As vossas mulheres ficarão viúvas, e órfãos os vossos filhos.
Se emprestares dinheiro a alguém do meu povo,
ao pobre que vive junto de ti,
não procederás com ele como um usurário,
sobrecarregando-o com juros.
Se receberes como penhor a capa do teu próximo,
terás de lha devolver até ao pôr do sol,
pois é tudo o que ele tem para se cobrir,
é o vestuário com que cobre o seu corpo.
Com que dormiria ele?
Se ele Me invocar, escutá-lo-ei,
porque sou misericordioso».
Palavra do Senhor.
340 TEMPO COMUM

SALMO RESPONSORIAL Salmo 17 (18), 2-3.7.47.51ab (R. 2)

Refrão: Eu Vos amo, Senhor: sois a minha força.


Eu Vos amo, Senhor, minha força,
minha fortaleza, meu refúgio e meu libertador.
Meu Deus, auxílio em que ponho a minha confiança,
meu protector, minha defesa e meu salvador.
Na minha aflição invoquei o Senhor
e clamei pelo meu Deus.
Do seu templo Ele ouviu a minha voz
e o meu clamor chegou aos seus ouvidos.
Viva o Senhor, bendito seja o meu protector;
exaltado seja Deus, meu salvador.
O Senhor dá ao Rei grandes vitórias
e usa de bondade para com o seu Ungido.

LEITURA II 1 Tes 1, 5c-10


«Convertestes-vos dos ídolos
para servir a Deus e esperar o seu Filho»
Leitura da Primeira Epístola do apóstolo São Paulo
aos Tessalonicenses
Irmãos:
Vós sabeis como procedemos no meio de vós, para vosso bem.
Tornastes-vos imitadores nossos e do Senhor,
recebendo a palavra no meio de muitas tribulações,
com a alegria do Espírito Santo;
e assim vos tornastes exemplo
para todos os crentes da Macedónia e da Acaia.
Porque, partindo de vós, a palavra de Deus ressoou
não só na Macedónia e na Acaia,
mas em toda a parte se divulgou a vossa fé em Deus,
de modo que não precisamos de falar sobre ela.
DOMINGO XXX 341

De facto, são eles próprios que relatam


o acolhimento que tivemos junto de vós
e como dos ídolos vos convertestes a Deus,
para servir ao Deus vivo e verdadeiro
e esperar dos Céus o seu Filho,
a quem ressuscitou dos mortos:
Jesus, que nos livrará da ira que há-de vir.
Palavra do Senhor.

ALELUIA Jo 14, 23

Refrão: Aleluia. Repete-se


Se alguém Me ama, guardará a minha palavra,
diz o Senhor;
meu Pai o amará e faremos nele a nossa morada. R.

EVANGELHO Mt 22, 34-40

«Amarás o Senhor teu Deus e o próximo como a ti mesmo»

✠ Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Mateus


Naquele tempo,
os fariseus, ouvindo dizer que Jesus tinha feito calar os saduceus,
reuniram-se em grupo,
e um doutor da Lei perguntou a Jesus, para O experimentar:
«Mestre, qual é o maior mandamento da Lei?»
Jesus respondeu:
«‘Amarás o Senhor teu Deus
com todo o teu coração, com toda a tua alma
e com todo o teu espírito’.
Este é o maior e o primeiro mandamento.
O segundo, porém, é semelhante a este:
‘Amarás o teu próximo como a ti mesmo’.
Nestes dois mandamentos se resumem
toda a Lei e os Profetas».
Palavra da salvação.
342 TEMPO COMUM

DOMINGO XXXI

LEITURA I Mal 1, 14b __ 2, 2b.8-10

«Afastastes-vos do caminho e fizestes tropeçar muitos»


Leitura da Profecia de Malaquias
Eu sou um grande Rei, diz o Senhor do Universo,
e o meu nome é temível entre as nações.
Agora, este aviso é para vós, sacerdotes:
Se não Me ouvirdes,
se não vos empenhardes em dar glória ao meu nome,
diz o Senhor do Universo,
mandarei sobre vós a maldição.
Vós desviastes-vos do caminho,
fizestes tropeçar muitos na lei
e destruístes a aliança de Levi,
diz o Senhor do Universo.
Por isso, como não seguis os meus caminhos
e fazeis acepção de pessoas perante a lei,
também Eu vos tornarei desprezíveis e abjectos
aos olhos de todo o povo.
Não temos todos nós um só Pai?
Não foi o mesmo Deus que nos criou?
Então porque somos desleais uns para com os outros,
profanando a aliança dos nossos pais?
Palavra do Senhor.

SALMO RESPONSORIAL Salmo 130 (131), 1.2.3

Refrão: Guardai-me junto de Vós,


na vossa paz, Senhor.
Ou: Guardai-me na vossa paz, Senhor.
DOMINGO XXXI 343

Senhor, não se eleva soberbo o meu coração,


nem se levantam altivos os meus olhos.
Não ambiciono riquezas,
nem coisas superiores a mim.
Antes fico sossegado e tranquilo,
como criança ao colo da mãe.
Espera, Israel, no Senhor,
agora e para sempre.

LEITURA II 1 Tes 2, 7b-9.13

«Desejávamos partilhar convosco


não só o Evangelho de Deus, mas ainda a própria vida»

Leitura da Primeira Epístola do apóstolo São Paulo


aos Tessalonicenses
Irmãos:
Fizemo-nos pequenos no meio de vós.
Como a mãe que acalenta os filhos que anda a criar,
assim nós também, pela viva afeição que vos dedicamos,
desejaríamos partilhar convosco,
não só o Evangelho de Deus, mas ainda a própria vida,
tão caros vos tínheis tornado para nós.
Bem vos lembrais, irmãos, dos nossos trabalhos e canseiras.
Foi a trabalhar noite e dia,
para não sermos pesados a nenhum de vós,
que vos pregámos o Evangelho de Deus.
Por isso, também nós damos graças a Deus sem cessar,
porque, depois de terdes ouvido a palavra de Deus
por nós pregada,
vós a acolhestes, não como palavra humana,
mas como ela é realmente, palavra de Deus,
que permanece activa em vós, os crentes.
Palavra do Senhor.
344 TEMPO COMUM

ALELUIA Mt 23, 9b.10b

Refrão: Aleluia. Repete-se


Um só é o vosso pai, o Pai celeste;
um só é o vosso mestre, Jesus Cristo. Refrão

EVANGELHO Mt 23, 1-12


«Dizem e não fazem»
✠ Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Mateus
Naquele tempo,
Jesus falou à multidão e aos discípulos, dizendo:
«Na cadeira de Moisés sentaram-se os escribas e os fariseus.
Fazei e observai tudo quanto vos disserem,
mas não imiteis as suas obras,
porque eles dizem e não fazem.
Atam fardos pesados e põem-nos aos ombros dos homens,
mas eles nem com o dedo os querem mover.
Tudo o que fazem é para serem vistos pelos homens:
alargam as filactérias e ampliam as borlas;
gostam do primeiro lugar nos banquetes
e dos primeiros assentos nas sinagogas,
das saudações nas praças públicas
e que os tratem por ‘Mestres’.
Vós, porém, não vos deixeis tratar por ‘Mestres’,
porque um só é o vosso Mestre e vós sois todos irmãos.
Na terra não chameis a ninguém vosso ‘Pai’,
porque um só é o vosso pai, o Pai celeste.
Nem vos deixeis tratar por ‘Doutores’,
porque um só é o vosso doutor, o Messias.
Aquele que for o maior entre vós será o vosso servo.
Quem se exalta será humilhado
e quem se humilha será exaltado».
Palavra da salvação.
DOMINGO XXXII 345

DOMINGO XXXII

LEITURA I Sab 6, 12-16


«A Sabedoria faz-se encontrar aos que a procuram»
Leitura do Livro da Sabedoria
A Sabedoria é luminosa e o seu brilho é inalterável;
deixa-se ver facilmente àqueles que a amam
e faz-se encontrar aos que a procuram.
Antecipa-se e dá-se a conhecer aos que a desejam.
Quem a busca desde a aurora não se fatigará,
porque há-de encontrá-la já sentada à sua porta.
Meditar sobre ela, é prudência consumada
e, quem lhe consagra as vigílias, depressa ficará sem cuidados.
Procura por toda a parte os que são dignos dela:
aparece-lhes nos caminhos, cheia de benevolência,
e vem ao seu encontro em todos os seus pensamentos.
Palavra do Senhor.

SALMO RESPONSORIAL Salmo 62 (63), 2.3-4.5-6.7-8 (R. 2b)

Refrão: A minha alma tem sede de Vós, meu Deus.


Senhor, sois o meu Deus: desde a aurora Vos procuro.
A minha alma tem sede de Vós.
Por Vós suspiro,
como terra árida, sequiosa, sem água.
Quero contemplar-Vos no santuário,
para ver o vosso poder e a vossa glória.
A vossa graça vale mais que a vida;
por isso, os meus lábios hão-de cantar-Vos louvores.
346 TEMPO COMUM

Assim Vos bendirei toda a minha vida


e em vosso louvor levantarei as mãos.
Serei saciado com saborosos manjares
e com vozes de júbilo Vos louvarei.
Quando no leito Vos recordo,
passo a noite a pensar em Vós.
Porque Vos tornastes o meu refúgio,
exulto à sombra das vossas asas.

LEITURA II Forma longa 1 Tes 4, 13-18


«Deus levará com Jesus os que em Jesus tiverem morrido»
Leitura da Primeira Epístola do apóstolo São Paulo
aos Tessalonicenses
Não queremos, irmãos, deixar-vos na ignorância
a respeito dos defuntos,
para não vos contristardes como os outros,
que não têm esperança.
Se acreditamos que Jesus morreu e ressuscitou,
do mesmo modo, Deus levará com Jesus
os que em Jesus tiverem morrido.
Eis o que temos para vos dizer,
segundo uma palavra do Senhor:
Nós, os vivos, os que ficarmos para a vinda do Senhor,
não precederemos os que tiverem morrido.
Ao sinal dado, à voz do Arcanjo e ao som da trombeta divina,
o próprio Senhor descerá do Céu
e os mortos em Cristo ressuscitarão primeiro.
Em seguida, nós, os vivos, os que tivermos ficado,
seremos arrebatados juntamente com eles sobre as nuvens,
para irmos ao encontro do Senhor nos ares,
e assim estaremos sempre com o Senhor.
Consolai-vos uns aos outros com estas palavras.
Palavra do Senhor.
DOMINGO XXXII 347

LEITURA II Forma breve 1 Tes 4, 13-14


«Deus levará com Jesus os que em Jesus tiverem morrido»
Leitura da Primeira Epístola do apóstolo São Paulo
aos Tessalonicenses
Não queremos, irmãos, deixar-vos na ignorância
a respeito dos defuntos,
para não vos contristardes como os outros,
que não têm esperança.
Se acreditamos que Jesus morreu e ressuscitou,
do mesmo modo, Deus levará com Jesus
os que em Jesus tiverem morrido.
Palavra do Senhor.

ALELUIA Mt 24, 42a.44

Refrão: Aleluia. Repete-se

Vigiai e estai preparados,


porque, na hora em que não pensais,
virá o Filho do homem. Refrão

EVANGELHO Mt 25, 1-13


«Aí vem o Esposo: ide ao seu encontro»
✠ Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Mateus
Naquele tempo,
disse Jesus aos seus discípulos a seguinte parábola:
«O reino dos Céus pode comparar-se a dez virgens,
que, tomando as suas lâmpadas, foram ao encontro do esposo.
Cinco eram insensatas e cinco eram prudentes.
348 TEMPO COMUM

As insensatas, ao tomarem as suas lâmpadas,


não levaram azeite consigo,
enquanto as prudentes,
com as lâmpadas, levaram azeite nas almotolias.
Como o esposo se demorava,
começaram todas a dormitar e adormeceram.
No meio da noite ouviu-se um brado:
‘Aí vem o esposo; ide ao seu encontro’.
Então, as virgens levantaram-se todas
e começaram a preparar as lâmpadas.
As insensatas disseram às prudentes:
‘Dai-nos do vosso azeite,
que as nossas lâmpadas estão a apagar-se’.
Mas as prudentes responderam:
‘Talvez não chegue para nós e para vós.
Ide antes comprá-lo aos vendedores’.
Mas, enquanto foram comprá-lo, chegou o esposo:
as que estavam preparadas
entraram com ele para o banquete nupcial;
e a porta fechou-se.
Mais tarde, chegaram também as outras virgens e disseram:
‘Senhor, senhor, abre-nos a porta’.
Mas ele respondeu:
‘Em verdade vos digo: Não vos conheço’.
Portanto, vigiai, porque não sabeis o dia nem a hora».
Palavra da salvação.
DOMINGO XXXIII 349

DOMINGO XXXIII

LEITURA I Prov 31, 10-13.19-20.30-31


«Põe mãos ao trabalho alegremente»
Leitura do Livro dos Provérbios
Quem poderá encontrar uma mulher virtuosa?
O seu valor é maior que o das pérolas.
Nela confia o coração do marido
e jamais lhe falta coisa alguma.
Ela dá-lhe bem-estar e não desventura,
em todos dias da sua vida.
Procura obter lã e linho
e põe mãos ao trabalho alegremente.
Toma a roca em suas mãos, seus dedos manejam o fuso.
Abre as mãos ao pobre e estende os braços ao indigente.
A graça é enganadora e vã a beleza;
a mulher que teme o Senhor é que será louvada.
Dai-lhe o fruto das suas mãos
e suas obras a louvem às portas da cidade.
Palavra do Senhor.

SALMO RESPONSORIAL Salmo 127, 1-2.3.4-5 (R. cf. 1a)

Refrão: Ditoso o que segue o caminho do Senhor.


Feliz de ti que temes o Senhor
e andas nos seus caminhos.
Comerás do trabalho das tuas mãos,
serás feliz e tudo te correrá bem.
350 TEMPO COMUM

Tua esposa será como videira fecunda,


no íntimo do teu lar;
teus filhos serão como ramos de oliveira,
ao redor da tua mesa.
Assim será abençoado o homem que teme o Senhor.
De Sião te abençoe o Senhor:
vejas a prosperidade de Jerusalém
todos os dias da tua vida.

LEITURA II 1 Tes 5, 1-6


«Para que o dia do Senhor não vos surpreenda como um ladrão»
Leitura da Primeira Epístola do apóstolo São Paulo
aos Tessalonicenses
Irmãos:
Sobre o tempo e a ocasião, não precisais que vos escreva,
pois vós próprios sabeis perfeitamente
que o dia do Senhor vem como um ladrão nocturno.
E quando disserem: «Paz e segurança»,
é então que subitamente cairá sobre eles a ruína,
como as dores da mulher que está para ser mãe,
e não poderão escapar.
Mas vós, irmãos, não andais nas trevas,
de modo que esse dia vos surpreenda como um ladrão,
porque todos vós sois filhos da luz e filhos do dia:
nós não somos da noite nem das trevas.
Por isso, não durmamos como os outros,
mas permaneçamos vigilantes e sóbrios.
Palavra do Senhor.

ALELUIA Jo 15, 4a.5b

Refrão: Aleluia. Repete-se


Permanecei em Mim e Eu permanecerei em vós,
diz o Senhor.
Quem permanece em Mim dá fruto abundante. Refrão
DOMINGO XXXIII 351

EVANGELHO Forma longa Mt 25, 14-30

«Foste fiel em coisas pequenas:


vem tomar parte na alegria do teu Senhor»

✠ Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Mateus


Naquele tempo,
disse Jesus aos seus discípulos a seguinte parábola:
«Um homem, ao partir de viagem,
chamou os seus servos e confiou-lhes os seus bens.
A um entregou cinco talentos, a outro dois e a outro um,
conforme a capacidade de cada qual; e depois partiu.
O que tinha recebido cinco talentos
fê-los render e ganhou outros cinco.
Do mesmo modo,
o que recebera dois talentos ganhou outros dois.
Mas, o que recebera um só talento
foi escavar na terra e escondeu o dinheiro do seu senhor.
Muito tempo depois, chegou o senhor daqueles servos
e foi ajustar contas com eles.
O que recebera cinco talentos aproximou-se
e apresentou outros cinco, dizendo:
‘Senhor, confiaste-me cinco talentos:
aqui estão outros cinco que eu ganhei’.
Respondeu-lhe o senhor: ‘Muito bem, servo bom e fiel.
Porque foste fiel em coisas pequenas, confiar-te-ei as grandes.
Vem tomar parte na alegria do teu senhor’.
Aproximou-se também o que recebera dois talentos e disse:
‘Senhor, confiaste-me dois talentos:
aqui estão outros dois que eu ganhei’.
Respondeu-lhe o senhor: ‘Muito bem, servo bom e fiel..
Vem tomar parte na alegria do teu senhor’.
Aproximou-se também o que recebera um só talento e disse:
‘Senhor, eu sabia que és um homem severo,
que colhes onde não semeaste e recolhes onde nada lançaste.
Por isso, tive medo e escondi o teu talento na terra.
Aqui tens o que te pertence’.
352 TEMPO COMUM

O senhor respondeu-lhe: ‘Servo mau e preguiçoso,


sabias que ceifo onde não semeei e recolho onde nada lancei;
devias, portanto, depositar no banco o meu dinheiro
e eu teria, ao voltar, recebido com juro o que era meu.
Tirai-lhe então o talento e dai-o àquele que tem dez.
Porque, a todo aquele que tem,
dar-se-á mais e terá em abundância;
mas, àquele que não tem, até o pouco que tem lhe será tirado.
Quanto ao servo inútil, lançai-o às trevas exteriores.
Aí haverá choro e ranger de dentes’».
Palavra do salvação.

EVANGELHO Forma breve Mt 25, 14-15.19-21


«Porque foste fiel em coisas pequenas,
vem tomar parte na alegria do teu senhor»
✠ Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Mateus
Naquele tempo,
disse Jesus aos seus discípulos a seguinte parábola:
«Um homem, ao partir de viagem,
chamou os seus servos e confiou-lhes os seus bens.
A um deu cinco talentos, a outro dois e a outro um,
conforme a capacidade de cada qual;
e depois partiu.
Muito tempo depois, chegou o senhor daqueles servos
e foi ajustar contas com eles.
O que recebera cinco talentos aproximou-se
e apresentou outros cinco, dizendo:
‘Senhor, entregaste-me cinco talentos:
aqui estão outros cinco que eu ganhei’.
Respondeu-lhe o senhor:
‘Muito bem, servo bom e fiel.
Porque foste fiel em coisas pequenas,
confiar-te-ei as grandes.
Vem tomar parte na alegria do teu senhor’».
Palavra da salvação.
CRISTO REI 353

Domingo XXXIV e último

NOSSO SENHOR JESUS CRISTO,


REI DO UNIVERSO

Solenidade

LEITURA I Ez 34, 11-12.15-17

«Quanto a vós, meu rebanho,


hei-de fazer, justiça entre ovelhas e ovelhas»
Leitura da Profecia de Ezequiel
Eis o que diz o Senhor Deus:
«Eu próprio irei em busca das minhas ovelhas
e hei-de encontrá-las.
Como o pastor vigia o seu rebanho,
quando estiver no meio das ovelhas que andavam tresmalhadas,
assim Eu guardarei as minhas ovelhas,
para as tirar de todos os sítios em que se desgarraram
num dia de nevoeiro e de trevas.
Eu apascentarei as minhas ovelhas,
Eu as levarei a repousar, diz o Senhor Deus.
Hei-de procurar a que anda perdida
e reconduzir a que anda tresmalhada.
Tratarei a que estiver ferida,
darei vigor à que andar enfraquecida
e velarei pela gorda e vigorosa.
Hei-de apascentá-las com justiça.
Quanto a vós, meu rebanho,
assim fala o Senhor Deus:
Hei-de fazer justiça entre ovelhas e ovelhas,
entre carneiros e cabritos».
Palavra do Senhor.
354 TEMPO COMUM

SALMO RESPONSORIAL Salmo 22 (23), 1-2a.2b-3.5-6 (R. 1)

Refrão: O Senhor é meu pastor:


nada me faltará.
O Senhor é meu pastor: nada me falta.
Leva-me a descansar em verdes prados,
conduz-me às águas refrescantes
e reconforta a minha alma.
Ele me guia por sendas direitas,
por amor do seu nome.
Ainda que tenha de andar por vales tenebrosos
não temerei nenhum mal, porque Vós estais comigo.
Para mim preparais a mesa
à vista dos meus adversários;
com óleo me perfumais a cabeça
e o meu cálice transborda.
A bondade e a graça hão-de acompanhar-me
todos os dias da minha vida,
e habitarei na casa do Senhor
para todo o sempre.

LEITURA II 1 Cor 15, 20-26.28


«Entregará o reino a Deus Pai, para que seja tudo em todos»
Leitura da Primeira Epístola do apóstolo São Paulo aos Coríntios
Irmãos:
Cristo ressuscitou dos mortos,
como primícias dos que morreram.
Uma vez que a morte veio por um homem,
também por um homem veio a ressurreição dos mortos;
porque, do mesmo modo que em Adão todos morreram,
assim também em Cristo serão todos restituídos à vida.
Cada qual, porém, na sua ordem:
primeiro, Cristo, como primícias;
a seguir, os que pertencem a Cristo, por ocasião da sua vinda.
CRISTO REI 355

Depois será o fim,


quando Cristo entregar o reino a Deus seu Pai,
depois de ter aniquilado toda a soberania, autoridade e poder.
É necessário que Ele reine,
até que tenha posto todos os inimigos debaixo dos seus pés.
E o último inimigo a ser aniquilado é a morte.
Quando todas as coisas Lhe forem submetidas,
então também o próprio Filho Se há-de submeter
Àquele que Lhe submeteu todas as coisas,
para que Deus seja tudo em todos.
Palavra do Senhor.

ALELUIA Mc 11, 9.10

Refrão: Aleluia. Repete-se


Bendito O que vem em nome do Senhor!
Bendito o reino do nosso pai David! Refrão

EVANGELHO Mt 25, 31-46


«Sentar-Se-á no seu trono glorioso
e separará uns dos outros»
✠ Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Mateus
Naquele tempo,
disse Jesus aos seus discípulos:
«Quando o Filho do homem vier na sua glória
com todos os seus Anjos,
sentar-Se-á no seu trono glorioso.
Todas as nações se reunirão na sua presença
e Ele separará uns dos outros,
como o pastor separa as ovelhas dos cabritos;
e colocará as ovelhas à sua direita e os cabritos à sua esquerda.
Então o Rei dirá aos que estiverem à sua direita:
‘Vinde, benditos de meu Pai;
recebei como herança o reino
que vos está preparado desde a criação do mundo.
356 TEMPO COMUM

Porque tive fome e destes-Me de comer;


tive sede e destes-Me de beber;
era peregrino e Me recolhestes;
não tinha roupa e Me vestistes;
estive doente e viestes visitar-Me;
estava na prisão e fostes ver-Me’.
Então os justos Lhe dirão:
‘Senhor, quando é que Te vimos com fome
e Te demos de comer,
ou com sede e Te demos de beber?
Quando é que Te vimos peregrino e Te recolhemos,
ou sem roupa e Te vestimos?
Quando é que Te vimos doente ou na prisão e Te fomos ver?’.
E o Rei lhes responderá:
‘Em verdade vos digo: Quantas vezes o fizestes
a um dos meus irmãos mais pequeninos,
a Mim o fizestes’.
Dirá então aos que estiverem à sua esquerda:
‘Afastai-vos de Mim, malditos, para o fogo eterno,
preparado para o Diabo e os seus anjos.
Porque tive fome e não Me destes de comer;
tive sede e não Me destes de beber;
era peregrino e não Me recolhestes;
estava sem roupa e não Me vestistes;
estive doente e na prisão e não Me fostes visitar’.
Então também eles Lhe hão-de perguntar:
‘Senhor, quando é que Te vimos com fome ou com sede,
peregrino ou sem roupa, doente ou na prisão,
e não Te prestámos assistência?’
E Ele lhes responderá:
‘Em verdade vos digo: Quantas vezes o deixastes de fazer
a um dos meus irmãos mais pequeninos,
também a Mim o deixastes de fazer’.
Estes irão para o suplício eterno
e os justos para a vida eterna».
Palavra da salvação.
SOLENIDADES DO SENHOR

NO TEMPO COMUM
Domingo depois do Pentecostes

SANTÍSSIMA TRINDADE

LEITURA I Ex 34, 4b-6.8-9


«O Senhor, o Senhor é um Deus clemente e compassivo»
Leitura do Livro do Êxodo
Naqueles dias,
Moisés levantou-se muito cedo e subiu ao monte Sinai,
como o Senhor lhe ordenara,
levando nas mãos as tábuas de pedra.
O Senhor desceu na nuvem, ficou junto de Moisés
e proclamou o nome do Senhor.
O Senhor passou diante de Moisés e proclamou:
«O Senhor, o Senhor é um Deus clemente e compassivo,
sem pressa para Se indignar
e cheio de misericórdia e fidelidade».
Moisés caiu de joelhos e prostrou-se em adoração.
Depois disse:
«Se encontrei, Senhor, aceitação a vossos olhos,
digne-Se o Senhor caminhar no meio de nós.
É certo que se trata de um povo de dura cerviz,
mas Vós perdoareis os nossos pecados e iniquidades
e fareis de nós a vossa herança».
Palavra do Senhor.
360 SOLENIDADES DO SENHOR NO TEMPO COMUM

SALMO RESPONSORIAL Dan 3, 52.53.54.55.56 (R. 52b

Refrão: Digno é o Senhor


de louvor e de glória para sempre.
Ou: Louvor e glória ao Senhor para sempre.
Bendito sejais, Senhor, Deus dos nossos pais:
digno de louvor e de glória para sempre.
Bendito o vosso nome glorioso e santo:
digno de louvor e de glória para sempre.
Bendito sejais no templo santo da vossa glória:
digno de louvor e de glória para sempre.
Bendito sejais no trono da vossa realeza:
digno de louvor e de glória para sempre.
Bendito sejais, Vós que sondais os abismos
e estais sentado sobre os Querubins:
digno de louvor e de glória para sempre.
Bendito sejais no firmamento do céu:
digno de louvor e de glória para sempre.

LEITURA II 2 Cor 13, 11-13


«A graça de Jesus Cristo, o amor de Deus e a comunhão do Espírito Santo»
Leitura da Segunda Epístola do apóstolo São Paulo aos Coríntios
Irmãos:
Sede alegres, trabalhai pela vossa perfeição,
animai-vos uns aos outros,
tende os mesmos sentimentos,
vivei em paz.
E o Deus do amor e da paz estará convosco.
Saudai-vos uns aos outros com o ósculo santo.
Todos os santos vos saúdam.
A graça do Senhor Jesus Cristo, o amor de Deus
e a comunhão do Espírito Santo
estejam convosco.
Palavra do Senhor.
SANTÍSSIMA TRINDADE 361

ALELUIA cf. Ap 1, 8

Refrão: Aleluia. Repete-se


Glória ao Pai e ao Filho e ao Espírito Santo,
ao Deus que é, que era e que há-de vir. Refrão

EVANGELHO Jo 3, 16-18
«Deus enviou o seu Filho ao mundo
para que o mundo seja salvo por Ele»
✠ Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São João
Deus amou tanto o mundo
que entregou o seu Filho Unigénito,
para que todo o homem que acredita n’Ele
não pereça, mas tenha a vida eterna.
Porque Deus não enviou o seu Filho ao mundo
para condenar o mundo,
mas para que o mundo seja salvo por Ele.
Quem acredita n'Ele não é condenado,
mas quem não acredita n’Ele já está condenado,
porque não acreditou no nome do Filho Unigénito de Deus.
Palavra da salvação.
Quinta-Feira depois da Santíssima Trindade

SANTÍSSIMO CORPO E SANGUE DE CRISTO

Solenidade

LEITURA I Deut 8, 2-3.14b-16a


«Deu-te o alimento, que nem tu nem os teus pais tinham conhecido»

Leitura do Livro do Deuteronómio


Moisés falou ao povo, dizendo:
«Recorda-te de todo o caminho
que o Senhor teu Deus te fez percorrer
durante quarenta anos no deserto,
para te atribular e pôr à prova,
a fim de conhecer o íntimo do teu coração
e verificar se guardarias ou não os seus mandamentos.
Atribulou-te e fez-te passar fome,
mas deu-te a comer o maná que não conhecias
nem teus pais haviam conhecido,
para te fazer compreender que o homem não vive só de pão,
mas de toda a palavra que sai da boca do Senhor.
Não te esqueças do Senhor teu Deus,
que te fez sair da terra do Egipto, da casa de escravidão,
e te conduziu através do imenso e temível deserto,
entre serpentes venenosas e escorpiões,
terreno árido e sem águas.
Foi Ele quem, da rocha dura, fez nascer água para ti
e, no deserto, te deu a comer o maná,
que teus pais não tinham conhecido».
Palavra do Senhor.
364 SOLENIDADES DO SENHOR NO TEMPO COMUM

SALMO RESPONSORIAL Salmo 147, 12-13.14-15.19-20


(R. 12a ou Aleluia)

Refrão: Jerusalém, louva o teu Senhor.


Ou: Aleluia.
Glorifica, Jerusalém, o Senhor,
louva, Sião, o teu Deus.
Ele reforçou as tuas portas
e abençoou os teus filhos.
Estabeleceu a paz nas tuas fronteiras
e saciou-te com a flor da farinha.
Envia à terra a sua palavra,
corre veloz a sua mensagem.
Revelou a sua palavra a Jacob,
suas leis e preceitos a Israel.
Não fez assim com nenhum outro povo,
a nenhum outro manifestou os seus juízos.

LEITURA II 1 Cor 10, 16-17


«Há um só pão, formamos um só corpo»
Leitura da Primeira Epístola do apóstolo São Paulo aos Coríntios
Irmãos:
Não é o cálice de bênção que abençoamos
a comunhão com o Sangue de Cristo?
Não é o pão que partimos
a comunhão com o Corpo de Cristo?
Visto que há um só pão,
nós, embora sejamos muitos, formamos um só corpo,
porque participamos do único pão.
Palavra do Senhor.

SEQUÊNCIA facultativa: pag. 370


CORPO E SANGUE DE CRISTO 365

ALELUIA Jo 6, 51

Refrão: Aleluia. Repete-se


Eu sou o pão vivo descido do Céu, diz o Senhor.
Quem comer deste pão viverá eternamente. Refrão

EVANGELHO Jo 6, 51-58
«A minha carne é verdadeira comida, o meu sangue é verdadeira bebida»
✠ Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São João
Naquele tempo,
disse Jesus à multidão:
«Eu sou o pão vivo descido do Céu.
Quem comer deste pão viverá eternamente.
E o pão que Eu hei-de dar é a minha Carne
que Eu darei pela vida do mundo».
Os judeus discutiam entre si:
«Como pode Ele dar-nos a sua Carne a comer?»
Jesus disse-lhes:
«Em verdade, em verdade vos digo:
Se não comerdes a Carne do Filho do homem
e não beberdes o seu Sangue,
não tereis a vida em vós.
Quem come a minha Carne e bebe o meu Sangue
tem a vida eterna;
e Eu o ressuscitarei no último dia.
A minha Carne é verdadeira comida
e o meu Sangue é verdadeira bebida.
Quem come a minha Carne e bebe o meu Sangue
permanece em mim, e Eu nele.
Assim como o Pai, que vive, Me enviou, e Eu vivo pelo Pai,
também aquele que Me come viverá por Mim.
Este é o pão que desceu do Céu;
não é como aquele que os vossos pais comeram, e morreram;
quem comer deste pão viverá eternamente».
Palavra da salvação.
366 SOLENIDADES DO SENHOR NO TEMPO COMUM

Sexta-feira depois da segunda semana


depois do Pentecostes

SAGRADO CORAÇÃO DE JESUS

Solenidade

LEITURA I Deut 7, 6-11


«O Senhor amou-vos e escolheu-vos»
Leitura do Livro do Deuteronómio
Moisés falou ao povo nestes termos:
«Tu és um povo consagrado ao Senhor teu Deus;
foi a ti que o Senhor teu Deus escolheu, para seres o seu povo
entre todos os povos que estão sobre a face da terra.
Se o Senhor Se prendeu a vós e vos escolheu,
não foi por serdes o mais numeroso de todos os povos,
uma vez que sois o menor de todos eles.
Mas foi porque o Senhor vos ama
e quer ser fiel ao juramento feito aos vossos pais,
que a sua mão poderosa vos fez sair
e vos libertou da casa da escravidão,
do poder do Faraó, rei do Egipto.
Reconhece, portanto,
que o Senhor teu Deus é o verdadeiro Deus,
um Deus leal, que por mil gerações
é fiel à sua aliança e à sua benevolência
para com aqueles que amam e observam os seus mandamentos.
SAGRADO CORAÇÃO DE JESUS 367

Mas Ele pune directamente os seus inimigos,


fazendo-os perecer
e infligindo sem demora o castigo merecido
àquele que O odeia.
Guardarás, portanto, os mandamentos, leis e preceitos
que hoje te mando pôr em prática».
Palavra do Senhor.

SALMO RESPONSORIAL Salmo 102 (103), 1-2.3-4.6-7.8 e 10 (R. 17)

Refrão: A bondade do Senhor permanece eternamente


sobre aqueles que O amam.
Bendiz, ó minha alma, o Senhor
e todo o meu ser bendiga o seu nome santo.
Bendiz, ó minha alma, o Senhor
e não esqueças nenhum dos seus benefícios.
Ele perdoa todos os teus pecados
e cura as tuas enfermidades.
Salva da morte a tua vida
e coroa-te de graça e misericórdia.
O Senhor faz justiça
e defende o direito de todos os oprimidos.
Revelou a Moisés os seus caminhos
e aos filhos de Israel os seus prodígios.
O Senhor é clemente e compassivo,
paciente e cheio de bondade.
Não nos tratou segundo os nossos pecados
nem nos castigou segundo as nossas culpas.
368 SOLENIDADES DO SENHOR NO TEMPO COMUM

LEITURA II 1 Jo 4, 7-16

«Deus amou-nos»

Leitura da Primeira Epístola de São João


Caríssimos:
Amemo-nos uns aos outros,
porque o amor vem de Deus;
e todo aquele que ama nasceu de Deus e conhece a Deus.
Quem não ama não conhece a Deus,
porque Deus é amor.
Assim se manifestou o amor de Deus para connosco:
Deus enviou ao mundo o seu Filho Unigénito,
para que vivamos por Ele.
Nisto consiste o amor:
não fomos nós que amámos a Deus,
mas foi Ele que nos amou, e enviou o seu Filho
como vítima de expiação pelos nossos pecados.
Caríssimos, se Deus nos amou assim,
também nós devemos amar-nos uns aos outros.
Ninguém jamais viu a Deus.
Se nos amarmos uns aos outros,
Deus permanece em nós
e em nós o seu amor é perfeito.
Nisto conhecemos que estamos n’Ele e Ele em nós:
porque nos deu o seu Espírito.
E nós vimos e damos testemunho
de que o Pai enviou o seu Filho como Salvador do mundo.
Se alguém confessar que Jesus é o Filho de Deus,
Deus permanece nele e ele em Deus.
Nós conhecemos o amor que Deus nos tem
e acreditámos no seu amor.
Deus é amor:
quem permanece no amor permanece em Deus,
e Deus permanece nele.
Palavra do Senhor.
SAGRADO CORAÇÃO DE JESUS 369

ALELUIA Mt 11, 29ab

Refrão: Aleluia. Repete-se


Tomai o meu jugo sobre vós, diz o Senhor,
e aprendei de Mim,
que sou manso e humilde de coração. Refrão

EVANGELHO Mt 11, 25-30


«Sou manso e humilde de coração»
✠ Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Mateus
Naquele tempo, Jesus exclamou:
«Eu Te bendigo, ó Pai, Senhor do céu e da terra,
porque escondeste estas verdades aos sábios e inteligentes
e as revelaste aos pequeninos.
Sim, Pai, Eu Te bendigo,
porque assim foi do teu agrado.
Tudo Me foi dado por meu Pai.
Ninguém conhece o Filho senão o Pai
e ninguém conhece o Pai senão o Filho
e aquele a quem o Filho o quiser revelar.
Vinde a Mim,
todos os que andais cansados e oprimidos,
e Eu vos aliviarei.
Tomai sobre vós o meu jugo,
e aprendei de Mim,
que sou manso e humilde de coração,
e encontrareis descanso para as vossas almas.
Porque o meu jugo é suave e a minha carga é leve».
Palavra da salvação.
SEQUÊNCIA
para a solenidade do Santíssimo Corpo e Sangue de Cristo
Esta sequência é facultativa e pode dizer-se na íntegra ou em forma mais
breve, isto é, desde as palavras: Eis o pão ...

Terra, exulta de alegria,


Louva o teu pastor e guia,
Com teus hinos, tua voz.

Quanto possas tanto ouses,


Em louvá-lo não repouses:
Sempre excede o teu louvor.

Hoje a Igreja te convida:


O pão vivo que dá vida
Vem com ela celebrar.

Este pão __ que o mundo creia __


Por Jesus na santa Ceia
Foi entregue aos que escolheu.

Eis o pão que os Anjos comem


Transformado em pão do homem;
Só os filhos o consomem:
Não será lançado aos cães.

Em sinais prefigurado,
Por Abraão imolado,
No cordeiro aos pais foi dado,
No deserto foi maná.

Bom pastor, pão da verdade,


Tende de nós piedade,
Conservai-nos na unidade,
Extingui nossa orfandade
E conduzi-nos ao Pai.

Aos mortais dando comida,


Dais também o pão da vida:
Que a família assim nutrida
Seja um dia reunida
Aos convivas lá do Céu.
TEXTOS COMUNS

Normalmente, o salmo responsorial toma-se do Leccionário, dado que o


seu texto tem relação directa com a leitura correspondente: a escolha do salmo
está dependente das leituras. Todavia, para facilitar ao povo a resposta salmódica
(refrão), fez-se, para os diferentes tempos e as várias categorias dos Santos, uma
selecção variada de responsórios e salmos, que podem ser utilizados em vez do
texto proposto a seguir à leitura quando o salmo é cantado (Instrução Geral do
Missal Romano, n. 36).
REFRÃES

NO ADVENTO
Vinde, Senhor, e salvai-nos.
Ou: Vinde salvar-nos, Senhor.

NO TEMPO DO NATAL
Hoje vimos a vossa glória, Senhor.

NA QUARESMA
Lembrai-Vos, Senhor,
da vossa fidelidade e misericórdia.

NO TEMPO PASCAL
Aleluia (duas ou três vezes).

NO TEMPO COMUM
com salmos de louvor:
Dai graças ao Senhor, porque Ele é bom.
Ou: Nós Vos aclamamos, Senhor,
pelas vossas obras admiráveis.
Ou: Cantai ao Senhor um cântico novo.
com salmos de súplica:
O Senhor está perto de quem O invoca.
Ou: Ouvi-nos, Senhor, e salvai-nos.
Ou: Senhor, sois um Deus clemente e compassivo.
Ou: O Senhor é clemente e cheio de compaixão.
SALMOS

NO ADVENTO

SALMO 24 (25) 4bc-5ab.8-9.10.14 (R. 1b)


Refrão: Para Vós, Senhor, elevo a minha alma.
Mostrai-me, Senhor, os vossos caminhos,
ensinai-me as vossas veredas.
Guiai-me na vossa verdade e ensinai-me,
porque Vós sois Deus, meu Salvador.
O Senhor é bom e recto:
ensina o caminho aos pecadores.
Orienta os humildes na justiça
e dá-lhes a conhecer os seus caminhos.
Todos os caminhos do Senhor são misericórdia
e fidelidade
para os que guardam a sua aliança e os seus preceitos.
O Senhor trata com familiaridade os que O temem
e dá-lhes a conhecer a sua aliança.

SALMO 84 (85) 9ab-10.11-12.13-14 (R. 8a)


Refrão: Mostrai-nos, Senhor, a vossa misericórdia.
Ou: Mostrai-nos o vosso amor
e dai-nos a vossa salvação.
Escutemos o que diz o Senhor:
Deus fala de paz ao seu povo e aos seus fiéis.
A sua salvação está perto dos que O temem
e a sua glória habitará na nossa terra.
374 TEXTOS COMUNS

Encontraram-se a misericórdia e a fidelidade,


abraçaram-se a paz e a justiça.
A fidelidade vai germinar da terra
e a justiça descerá do Céu.
O Senhor dará ainda o que é bom
e a nossa terra produzirá os seus frutos.
A justiça caminhará à sua frente
e a paz seguirá os seus passos.

NO TEMPO DO NATAL

SALMO 97 (98) 1.2-3ab.3cd-4.5-6 (R. 3c)

Refrão: Todos os confins da terra


viram a salvação do nosso Deus.

Cantai ao Senhor um cântico novo


pelas maravilhas que Ele operou.
A sua mão e o seu santo braço
Lhe deram a vitória.
O Senhor deu a conhecer a salvação,
revelou aos olhos das nações a sua justiça.
Recordou-Se da sua bondade e fidelidade
em favor da casa de Israel.
Os confins da terra puderam ver
a salvação do nosso Deus.
Aclamai o Senhor, terra inteira,
exultai de alegria e cantai.
Cantai ao Senhor ao som da cítara,
ao som da cítara e da lira;
ao som da tuba e da trombeta,
aclamai o Senhor, nosso Rei.
SALMOS 375

NA EPIFANIA

SALMO 71 (72) 2.7-8.10-11.12-13 (R. 11)

Refrão: Virão adorar-Vos, Senhor, todos os povos da terra.

Ó Deus, dai ao Rei o poder de julgar


e a vossa justiça ao filho do Rei.
Ele governará o vosso povo com justiça
e os vossos pobres com equidade.

Florescerá a justiça nos seus dias


e uma grande paz até ao fim dos tempos.
Ele dominará de um ao outro mar,
do grande rio até aos confins da terra.

Os reis de Társis e das ilhas virão com presentes,


os reis da Arábia e de Sabá trarão suas ofertas.
Prostrar-se-ão diante dele todos os reis,
todos os povos o hão-de servir.

Socorrerá o pobre que pede auxílio


e o miserável que não tem amparo.
Terá compaixão dos fracos e dos pobres
e defenderá a vida dos oprimidos.
376 TEXTOS COMUNS

NA QUARESMA
SALMO 50 (51) 3-4.5-6a.12-13.14.17 (R. cf. 3a)
Refrão: Pecámos, Senhor: tende compaixão de nós.
Ou: Tende compaixão de nós, Senhor,
porque somos pecadores.
Compadecei-Vos de mim, ó Deus, pela vossa bondade,
pela vossa grande misericórdia apagai os meus pecados.
Lavai-me de toda a iniquidade
e purificai-me de todas as faltas.
Porque eu reconheço os meus pecados
e tenho sempre diante de mim as minhas culpas.
Pequei, Senhor, contra Vós,
e fiz o mal diante dos vossos olhos.
Criai em mim, ó Deus, um coração puro
e fazei nascer dentro de mim um espírito firme.
Não queirais repelir-me da vossa presença
e não retireis de mim o vosso espírito de santidade.
Dai-me de novo a alegria da vossa salvação
e sustentai-me com espírito generoso.
Abri, Senhor, os meus lábios
e a minha boca anunciará o vosso louvor.

SALMO 90 (91) 1-2.10-11.12-13.14-15 (R. cf. 15b)


Refrão: Estai comigo, Senhor, no meio da adversidade.
Tu que habitas sob a protecção do Altíssimo
e moras à sombra do Omnipotente,
diz ao Senhor: «Sois o meu refúgio e a minha cidadela;
meu Deus, em Vós confio».
Nenhum mal te acontecerá
nem a desgraça se aproximará da tua tenda,
porque Ele mandará aos seus Anjos
que te guardem em todos os teus caminhos.
SALMOS 377

Na palma das mãos te levarão


para que não tropeces em alguma pedra.
Poderás andar sobre víboras e serpentes,
calcar aos pés o leão e o dragão.
Porque em Mim confiou, hei-de salvá-lo;
hei-de protegê-lo, pois conheceu o meu nome.
Quando Me invocar, hei-de atendê-lo,
estarei com ele na tribulação,
hei-de libertá-lo e dar-lhe glória.

SALMO 129 (130) 1-2.3-4ab.4c-6.7-8 (R. 7)

Refrão: No Senhor está a misericórdia,


no Senhor está a plenitude da redenção.
Ou: No Senhor está a misericórdia
e abundante redenção.

Do profundo abismo chamo por Vós, Senhor,


Senhor, escutai a minha voz.
Estejam os vossos ouvidos atentos
à voz da minha súplica.
Se tiverdes em conta as nossas faltas,
Senhor, quem poderá salvar-se?
Mas em Vós está o perdão
para Vos servirmos com reverência.
Eu confio no Senhor,
a minha alma confia na sua palavra.
A minha alma espera pelo Senhor
mais do que as sentinelas pela aurora.
Porque no Senhor está a misericórdia
e com Ele abundante redenção.
Ele há-de libertar Israel
de todas as suas faltas.
378 TEXTOS COMUNS

SEMANA SANTA

SALMO 21 (22) 8-9.17-18a.19-20.23-24 (R. 2a)


Refrão: Meu Deus, meu Deus, porque me abandonastes?
Todos os que me vêem escarnecem de mim,
estendem os lábios e meneiam a cabeça:
«Confiou no Senhor, Ele que o livre,
Ele que o salve, se é seu amigo».
Matilhas de cães me rodearam,
cercou-me um bando de malfeitores.
Trespassaram as minhas mãos e os meus pés,
posso contar todos os meus ossos.
Repartiram entre si as minhas vestes
e deitaram sortes sobre a minha túnica.
Mas Vós, Senhor, não Vos afasteis de mim,
sois a minha força, apressai-Vos a socorrer-me.
Hei-de falar do vosso nome aos meus irmãos,
hei-de louvar-Vos no meio da assembleia.
Vós que temeis o Senhor, louvai-O,
glorificai-O, vós todos os filhos de Jacob,
reverenciai-O, vós todos os filhos de Israel.

NOITE SANTA

SALMO 135 (136) 1-3.4-6.7-9.24-26


Refrão: É eterna a sua bondade.
Dai graças ao Senhor, porque Ele é bom:
é eterna a sua bondade.
Dai graças ao Deus dos deuses:
é eterna a sua bondade.
Dai graças ao Senhor dos senhores:
é eterna a sua bondade.
SALMOS 379

Só Ele fez grandes maravilhas:


é eterna a sua bondade.
Fez o céu com sabedoria:
é eterna a sua bondade.
Estendeu a terra sobre as águas:
é eterna a sua bondade.
Criou os grandes luzeiros:
é eterna a sua bondade.
O sol para presidir ao dia:
é eterna a sua bondade.
A lua e as estrelas para presidir à noite:
é eterna a sua bondade.
Libertou-nos dos nossos opressores:
é eterna a sua bondade.
Ele dá o alimento a todo o ser vivo:
é eterna a sua bondade.
Dai graças ao Deus do céu:
é eterna a sua bondade.

SALMO 135 (136) 1.3.16.21-23.24-26


Refrão: É eterna a sua bondade.
Dai graças ao Senhor, porque Ele é bom:
é eterna a sua bondade.
Dai graças ao Senhor dos senhores:
é eterna a sua bondade.
Conduziu o seu povo através do deserto:
é eterna a sua bondade.
Deu a terra deles em herança:
é eterna a sua bondade.
Em herança a Israel seu povo:
é eterna a sua bondade.
Lembrou-Se de nós, humilhados na desgraça:
é eterna a sua bondade.
380 TEXTOS COMUNS

Libertou-nos dos nossos opressores:


é eterna a sua bondade.
Ele dá o alimento a todo o ser vivo:
é eterna a sua bondade.
Dai graças ao Deus do céu:
é eterna a sua bondade.

TEMPO PASCAL

SALMO 117 (118) 1-2.16ab-17.22-23 (R. 24)


Refrão: Este é o dia que o Senhor fez:
exultemos e cantemos de alegria.
Dai graças ao Senhor, porque Ele é bom,
porque é eterna a sua misericórdia.
Diga a casa de Israel:
é eterna a sua misericórdia.
A mão do Senhor fez prodígios,
a mão do Senhor foi magnífica.
Não morrerei, mas hei-de viver
para anunciar as obras do Senhor.
A pedra que os construtores rejeitaram
tornou-se pedra angular.
Tudo isto veio do Senhor:
é admirável aos nossos olhos.

SALMO 65 (66) l-3a.4-5.6-7a.16.20 (R. l)


Refrão: A terra inteira aclame o Senhor. Aleluia.
Aclamai o Senhor, terra inteira,
cantai a glória do seu nome,
celebrai os seus louvores, dizei a Deus:
«Maravilhosas são as vossas obras».
SALMOS 381

«A terra inteira Vos adore e celebre,


entoe hinos ao vosso nome».
Vinde contemplar as obras de Deus,
admirável na sua acção pelos homens.
Mudou o mar em terra firme,
atravessaram o rio a pé enxuto.
Alegremo-nos n’Ele:
domina eternamente com o seu poder.
Todos os que temeis a Deus, vinde e ouvi,
vou narrar-vos quanto Ele fez por mim.
Bendito seja Deus que não rejeitou a minha prece,
nem me retirou a sua misericórdia.

ASCENSÃO

SALMO 46 (47) 2-3.6-7.8-9 (R. 6a)


Refrão: Por entre aclamações e ao som da trombeta,
ergue-Se Deus, o Senhor.
Ou: Deus subiu entre aclamações,
o Senhor subiu ao som da trombeta.
Povos todos, batei palmas,
aclamai a Deus com brados de alegria,
porque o Senhor, o Altíssimo, é terrível,
o Rei soberano de toda a terra.
Deus subiu entre aclamações,
o Senhor subiu ao som da trombeta.
Cantai hinos a Deus, cantai,
cantai hinos ao nosso Rei, cantai.
Deus é Rei do universo:
cantai os hinos mais belos.
Deus reina sobre os povos,
Deus está sentado no trono sagrado.
382 TEXTOS COMUNS

DOMINGO DE PENTECOSTES

SALMO 103 (104) 1ab.24ac.29bc-30.31.34 (R. cf. 30)


Refrão: Enviai, Senhor, o vosso Espírito
e renovai a face da terra.
Ou: Mandai, Senhor, o vosso Espírito
e renovai a terra.

Bendiz, ó minha alma, o Senhor:


Senhor meu Deus, como sois grande!
Tudo fizestes com sabedoria,
a terra está cheia das vossas criaturas.
Se lhes tirais o alento, morrem
e voltam ao pó donde vieram.
Se mandais o vosso Espírito, retomam a vida
e renovais a face da terra.
Glória a Deus para sempre!
Rejubile o Senhor em suas obras.
Grato Lhe seja o meu canto
e eu terei alegria no Senhor
.

TEMPO COMUM

SALMO 18 (19) 8.9.10.11 (R. Jo 6, 68c ou 63c)


Refrão: Senhor, Vós tendes palavras de vida eterna.
Ou: As vossas palavras, Senhor, são espírito e vida.

A lei do Senhor é perfeita,


ela reconforta a alma.
As ordens do Senhor são firmes,
dão sabedoria aos simples.
SALMOS 383

Os preceitos do Senhor são rectos


e alegram o coração;
os mandamentos do Senhor são claros
e iluminam os olhos.
O temor do Senhor é puro
e permanece eternamente;
os juízos do Senhor são verdadeiros,
todos eles são rectos.
São mais preciosos que o ouro,
o ouro mais fino;
são mais doces que o mel,
o puro mel dos favos.

SALMO 26 (27) 1.4.13-14 (R. 1a)


Refrão: O Senhor é a minha luz e a minha salvação.

O Senhor é minha luz e salvação:


a quem hei-de temer?
O Senhor é protector da minha vida:
de quem hei-de ter medo?
Uma coisa peço ao Senhor, por ela anseio:
habitar na casa do Senhor todos os dias da minha vida,
para gozar da suavidade do Senhor
e visitar o seu santuário.
Espero vir a contemplar a bondade do Senhor
na terra dos vivos.
Confia no Senhor, sê forte,
tem coragem e confia no Senhor.
384 TEXTOS COMUNS

SALMO 33 (34) 2-3.4-5.6-7.8-9 (R. 2 ou 9a)


Refrão: Em todo o tempo e lugar bendirei o Senhor.
Ou: Saboreai e vede como o Senhor é bom.

A toda a hora bendirei o Senhor,


o seu louvor estará sempre na minha boca.
A minha alma gloria-se no Senhor,
escutem e alegrem-se os humildes.
Enaltecei comigo o Senhor
e exaltemos juntos o seu nome.
Procurei o Senhor e Ele atendeu-me,
libertou-me de toda a ansiedade.
Voltai-vos para Ele e ficareis radiantes,
o vosso rosto não se cobrirá de vergonha.
Este pobre clamou e o Senhor o ouviu,
salvou-o de todas as angústias.
O Anjo do Senhor protege os que O temem
e defende-os dos perigos.
Saboreai e vede como o Senhor é bom:
feliz o homem que n’Ele se refugia.

SALMO 62 (63) 2.3-4.5-6.8-9 (R. 2b)


Refrão: A minha alma tem sede de Vós, Senhor, meu Deus.

Senhor, sois o meu Deus: desde a aurora Vos procuro.


A minha alma tem sede de Vós.
Por Vós suspiro,
como terra árida, sequiosa, sem água.
SALMOS 385

Quero contemplar-Vos no santuário,


para ver o vosso poder e a vossa glória.
A vossa graça vale mais que a vida;
por isso os meus lábios hão-de cantar-Vos louvores.
Assim Vos bendirei toda a minha vida
e em vosso louvor levantarei as mãos.
Serei saciado com saborosos manjares
e com vozes de júbilo Vos louvarei.
Porque Vos tornastes o meu refúgio,
exulto à sombra das vossas asas.
Unido a Vós estou, Senhor,
a vossa mão me serve de amparo.

SALMO 94 (95) 1-2.6-7.8-9ab (R. cf. 8ab)


Refrão: Se hoje ouvirdes a voz do Senhor,
não fecheis os vossos corações.

Vinde, exultemos de alegria no Senhor,


aclamemos a Deus, nosso Salvador.
Vamos à sua presença e dêmos graças,
ao som de cânticos aclamemos o Senhor.
Vinde, prostremo-nos em terra,
adoremos o Senhor que nos criou.
Pois Ele é o nosso Deus
e nós o seu povo, as ovelhas do seu rebanho.
Quem dera ouvísseis hoje a sua voz:
«Não endureçais os vossos corações,
como em Meriba, como no dia de Massa no deserto,
onde vossos pais Me tentaram e provocaram».
386 TEXTOS COMUNS

SALMO 99 (100) 2.3.5 (R. cf. 3c)


Refrão: Nós somos o povo de Deus,
somos as ovelhas do seu rebanho.

Aclamai o Senhor, terra inteira,


servi o Senhor com alegria,
vinde a Ele com cânticos de júbilo.
Sabei que o Senhor é Deus,
Ele nos fez, a Ele pertencemos,
somos o seu povo, as ovelhas do seu rebanho.
Porque o Senhor é bom,
eterna é a sua misericórdia,
a sua fidelidade se estende de geração em geração.

SALMO 102 (103) 1-2.3-4.8.10.12-13 (R. 8a)


Refrão: Senhor, sois um Deus clemente e compassivo.
Ou: O Senhor é clemente e cheio de compaixão.

Bendiz, ó minha alma, o Senhor;


todo o meu ser bendiga o seu nome santo.
Bendiz, ó minha alma, o Senhor,
e não esqueças nenhum dos seus benefícios.
Ele perdoa todos os teus pecados
e cura as tuas enfermidades.
Salva da morte a tua vida
e coroa-te de graça e misericórdia.
O Senhor é clemente e compassivo,
paciente e cheio de bondade.
Não nos tratou segundo os nossos pecados,
nem nos castigou segundo as nossas culpas.
SALMOS 387

Como o Oriente dista do Ocidente,


assim Ele afasta de nós os nossos pecados.
Como um pai se compadece dos seus filhos,
assim Ele Se compadece dos que O temem.

SALMO 144 (145) 1-2.8-9.10-11.13cd-14 (R. cf. 1)


Refrão: Louvarei para sempre o vosso nome,
Senhor, meu Deus e meu Rei.

Quero exaltar-Vos, meu Deus e meu Rei,


e bendizer o vosso nome para sempre.
Quero bendizer-Vos dia após dia
e louvar o vosso nome para sempre.
O Senhor é clemente e compassivo,
paciente e cheio de bondade.
O Senhor é bom para com todos
e a sua misericórdia se estende a todas as criaturas.
Graças Vos dêem, Senhor, todas as criaturas
e bendigam-Vos os vossos fiéis.
Proclamem a glória do vosso reino
e anunciem os vossos feitos gloriosos.
O Senhor é fiel à sua palavra
e perfeito em todas as suas obras.
O Senhor ampara os que vacilam
e levanta todos os oprimidos.
388 TEXTOS COMUNS

Nas últimas semanas do Tempo Comum

SALMO 121 (122) 1-2.3-4a.4b-5.6-7.8-9 (R. cf. 1)

Refrão: Vamos com alegria para a casa do Senhor.

Alegrei-me quando me disseram:


«Vamos para a casa do Senhor».
Detiveram-se os nossos passos
às tuas portas, Jerusalém.

Jerusalém, cidade bem edificada,


que forma tão belo conjunto!
Para lá sobem as tribos,
as tribos do Senhor.

Segundo o costume de Israel,


para celebrar o nome do Senhor;
ali estão os tribunais da justiça,
os tribunais da casa de David.

Pedi a paz para Jerusalém:


«Vivam seguros quantos te amam,
haja paz dentro dos teus muros,
tranquilidade em teus palácios».

«Por amor de meus irmãos e amigos,


pedirei a paz para ti.
Por amor da casa do Senhor nosso Deus,
pedirei para ti todos os bens».
SALMOS 389

ALELUIA

Para os domingos do Tempo Comum

Versículos

1. 1 Sam 3, 9; Jo 6, 68b
Falai, Senhor, que o vosso servo escuta;
Vós tendes palavras de vida eterna.
2. cf. Mt 11, 25
Bendito sejais, ó Pai, Senhor do céu e da terra,
porque revelastes aos pequeninos os mistérios do reino.
3. cf. Lc 19, 38; 2, 14
Bendito o que vem em nome do Senhor:
paz no Céu e glória nas alturas.
4. Jo 1, 14a.12b
O Verbo fez-Se carne e habitou entre nós:
àqueles que O receberam
deu-lhes o poder de se tornarem filhos de Deus.
5. cf. Jo 6, 63c.68c
As vossas palavras, Senhor, são espírito e vida:
Vós tendes palavras de vida eterna.
6. Jo 8, 12
Eu sou a luz do mundo, diz o Senhor:
quem Me segue terá a luz da vida.
7. Jo 10, 27
As minhas ovelhas ouvem a minha voz, diz o Senhor:
Eu conheço as minhas ovelhas e elas seguem-Me.
390 TEXTOS COMUNS

8. Jo 14, 6
Eu sou o caminho, a verdade e a vida, diz o Senhor:
ninguém pode ir ao Pai senão por Mim.
9. Jo 14, 23
Se alguém Me ama, guardará a minha palavra,
diz o Senhor:
meu Pai o amará e faremos nele a nossa morada.
10. Jo 15, 15b
Eu chamo-vos amigos, diz o Senhor,
porque vos dei a conhecer tudo o que ouvi de meu Pai.
11. cf. Jo 17, 17b.a
A vossa palavra é a verdade, Senhor:
consagrai-nos na verdade.
12. cf. Actos 16, 14b
Abri, Senhor, os nossos corações,
para recebermos a palavra do vosso Filho.
13. cf. Ef 1, 17-18
Deus, Pai de Nosso Senhor Jesus Cristo
ilumine os olhos do nosso coração,
para conhecermos a esperança a que fomos chamados.

Para os últimos domingos:

14. Mt 24, 42a.44


Vigiai e estai preparados:
na hora em que não pensais virá o Filho do homem.
SALMOS 391

15. Lc 21, 36
Vigiai e orai em todo o tempo,
para poderdes apresentar-vos diante do Filho do homem.
16. Ap 2, 10c
Permanece fiel até à morte, diz o Senhor,
e dar-te-ei a coroa da vida.

Também podem ser utilizados os que são propostos para os dias feriais do
Tempo Comum.

ACLAMAÇÕES ANTES DO EVANGELHO

Nos dias da Quaresma

1. Louvor e glória a Vós, Jesus Cristo, Senhor.


2. Glória a Vós, Jesus Cristo, Sabedoria do Pai.
3. Glória a Vós, Jesus Cristo, Palavra do Pai.
4. Glória a Vós, Senhor, Filho do Deus vivo.
5. Louvor a Vós, Jesus Cristo, Rei da eterna glória.
6. Grandes e admiráveis são as vossas obras, Senhor.
7. A salvação, a glória e o poder a Jesus Cristo,
Nosso Senhor.