Anda di halaman 1dari 13

José Aristides da Silva Gamito (Organizador)

Esta edição faz parte de uma iniciativa


para valorizar os poetas de Conceição

Ilustração: Cantamissa Bonato


de Ipanema. Os talentos de uma terra
precisam de oportunidades para serem
mostrados e apreciados. A literatura local
deveria ser o primeiro passo do nosso
contato com a leitura.

Edições ANTOLOGIA DE POETAS


CONCEIÇÃOIPANEMENSES
2201201915122018
José Aristides da Silva Gamito (Organizador)

ANTOLOGIA DE POETAS
CONCEIÇÃOIPANEMENSES

Edições
Edições
© Edições Concipa

Antologia de Poetas Conceiçãoipanemenses AUTORES PARTICIPANTES


DESTA ANTOLOGIA

Organização e diagramação:
José Aristides da Silva Gamito
Ilustração da Capa:
Cantamissa Bonato - Dama do Lago, 2017, nanquim s/ papel,
14 x 12 cm.
Jhórgines José
José Aristides da Silva Gamito
Luzia Couto
Maria do Rosário Pereira
Morfeu
Paulo Magalhães de Abreu
P. R.
Rosinei Arantes
Dados para citação bibliográfica Sanya Luiza

GAMITO, José Aristides da Silva(Org.). Antologia de Poetas


ConceiçãoIpanemenses. Conceição de Ipanema:
Edições CONCIPA, 2019. 1ª edição.

Um projeto da
Todos os direitos reservados aos autores. Associação Sociocultural
Concipa

Conceição de Ipanema, MG
26 de janeiro de 2019
Antologia de Poetas Conceição Ipanemenses Antologia de Poetas Conceição Ipanemenses

Mas algo que decidi: Voltei! Eu não vou voltar atrás. Não olhei para atrás. SUMÁRIO
Quando, enfim, retornei. Agradeci a estadia.
Enriqueci aquela nação que me acolheu, paguei meus impostos.
E vim rumo à pátria, não olhei para atrás para lamentar, o que tinha e não 1. JHÓRGINES JOSÉ 2
tenho mais. Poema 1 2
Só olho pra frente sempre. Aqui vou ficar até o dia que Deus permitir. Poema 2 2
Eu acredito, que ainda não cheguei ao meu último destino. 2. JOSÉ ARISTIDES DA SILVA GAMITO 3
Sempre serei imigrante. Minha última parada será o céu dos céus, Existência Fugiente 3
De lá não mudo mais! Pra sempre. A Teia 4
Crespúsculo Urbano 5
Cheiro de Coentro 6
3. LUZIA COUTO 7
Mulher Brasileira 7
Poema de Louco 8
4. MARIA DO ROSÁRIO PEREIRA 9
Saudade 9
Quem é... 9
5. MORFEU 10
6. PAULO MAGALHÃES DE ABREU 10
Amor Eterno 10
A distância é demais 11
Graças e bênçãos encontrar 12
Minha família 13
7. P. R. 15
As Margens do Amor 15
Amor 16
8. SANYA LUIZA
Amizade 16
Momentos 17
Volta ao mundo 17
9. LAURA BEATRIZ COUTO DE FREITAS 18
Pedras Cintilantes 18
10. ROSINEI ARANTES 19
Alma Imigrante 19-20

20 01
JHÓRGINES JOSÉ
Tudo frio e escuro, tudo. As montanhas que cobrem toda a cidade
Tudo tão confuso e sem cor, tudo. Faço desse poema
Tudo nas trevas e solidão, tudo. Um mar de tranquelidade
Tudo faz parte de uma ferida que sangrou meu coração, Um mar de tranquilidade.
que levou minha alma.
Onde eu sei, não tenho salvação. ROSINEI ARANTES
Teve um encontro com o passado,
minha vida estava nas suas mãos. 1. Alma Imigrante
Que descuido seu, ela foi parar no chão.
Que descuido meu, entrei na angústia da solidão. Já vivi muitas histórias, já escutei muitos contos, versos e prosa nesta
minha trajetória da vida... Já atravessei os mares e vivi em cultura
*** estranha.
Não sabia nem pedir água. Me expressar era um tormento.
Mas com tempo me acostumei, achei até interessante! Muitas vezes
Então o tempo se fecha, e todo dia é noite. cheguei a pensar que tinha nascido no lugar errado. Me sentia parte
Minha alma ainda está viva e anda pelas trevas à procura de daquele lugar.
libertação. Mas o tempo foi passando a saudade a aumentar. O que fazer? Voltar?
Não ainda! Não é o momento!!! Vou lutar um pouco mais. Mas sempre
Não há algo mais dolorido do que ouvir o silêncio do coração. com a esperança de retorno.
Mas o tempo a questão eu pude aproveitar. Realizei caprichos, tudo
Não há algo mais sombrio do que se esquecer de quem realmente que não tive, talvez a própria autoconfiança. Aqui a gente tem de
és. sobressair. Aqui a gente descobre que a gente sobressai de verdade.
Terra abençoada, muito trabalho árduo, mas compensador.
O mundo esqueceu-se de ser normal e, muita gente deixou de ser Imigrar para outro país é uma descoberta incrível,
humano. A gente descobre que a gente é capaz, a gente se adapta ao frio,
Ao calor úmido e passageiro do curto verão.
E eu, sozinho, estou sem saber: o que sou, para onde vou?
Imigrante é sempre imigrante, sua alma não muda.
Você sempre se lembra da sua pátria, da sua língua mãe.
Uma vez é noite, outra vez é de dia, e eu não sei que tempo Acho que todo imigrante, em primeiro lugar, precisa sonhar, nunca
chorar... deixar de sonhar.
Um dia, me cortei e nem sangrei. Porque senão a vida perde a graça, o brilho!
Mas é bom saber que um dia vai retornar.
Muitos não sonhar mais com isto, mas criamos ilusões, quando
Minhas veias se inflamaram de solidão,
partimos e quando retornamos.
02 19
E, eu morri uma morte curta e prematura.
Chego à Itália e, como macarrão.
Logo que saio de lá, vou direto para o Japão. Não há sorriso em meus lábios, não há felicidade no meu olhar.
Por que a morte veio e insistiu, até me levar.
Chego lá em Londres e, vejo o Big Ben.
Depois, erro o caminho e, chego ao Iêmen.
JOSÉ ARISTIDES DA SILVA GAMITO
Passei por muitos lugares, e pretendo ir de novo.
Em cada lugar que fui, conheci um belo povo. 1. Existência Fugiente

LAURA BEATRIZ COUTO DE FREITAS Poetiza


Profetiza
1. Pedras Cintilantes Como precisas
Retém em teu ser
Os pássaros a voar A doçura das brisas
A água a brotar Ao alvorecer
A inspiração a voltar Porque a existência passa
Feito a vidraça velha
Um rio que um dia Que devido ao tempo embaça.
teve gente a nadar
E hoje tão vazio estar Ama
Conclama
Um sol tão brilhante Às chamas
que água destacou Teu ímpeto de ser
A lua tão prata Sai de tuas lamas
que rua iluminou Antes de anoitecer
Pois a noite supreende
As árvores tão macias Com um sono letal
que choram no luar Quem a vigiar não aprende.
logo, logo que começa a ventar

18 03
Aponta
Leva em conta Se um dia passei por você,
Além das contas desculpe por não ter te reparado.
O teu horizonte
Que na vida montas Se um dia te conheci,
Como esta ponte desculpe por não lembrar.
Esta chance voa
Não avisa a hora Se um dia fomos amigos,
E te leva embora. desculpe, mas eu esqueci.

Caratinga - 12/03/2004 Mas, se você se lembra, dê valor.


Pois, um dia,
2. A Teia eu poderei ser sua velha nova amizade.

Como as aranhas 2. Momentos


Os homens constroem suas teias
Erguem um edifício sobre o ar Um momento pode ser preparado,
A sua matéria prima é endógena mas não quer dizer que irá dar certo.
As teias tomam dimensões
Maiores do que seus criadores Fique um momento com sua família,
Só o arquiteto anda sobre elas. e com seus amigos.

A teia é um recurso de sobrevivência Aproveite cada segundo,


A natureza original é bruta pois, a vida é uma só e, passa rápido.
Porém, a teia se torna pérfida
Os seus desavisados convertem-se em presas 3. Volta ao mundo
A teia sobrepõe o arquiteto.
Irei a um país ver as atrações.
Tarefa crucial: Utilizar a teia. Em cada lugar, tem suas emoções.
A constituição desta teia? Seus fios?
São os sustentáculos da razão: Chego a Paris e, vejo a Torre Eiffel.
Cultura, filosofia, ciência e técnica Passo lá na África e, encontro uma cascavel.
04 17
Conceitos, pensamentos e ações.
2. Amor
Nesta teia a aranha incauta
Amor, algo imensurável. Pode se tornar a presa
Amor, algo incomparável. Se não houver a tomada de consciência
Amor, algo que, nem com todos os médicos do mundo, Fundante de todo aracnídeo:
Pode ser diagnosticado. De que aranha necessariamente
Se, algum dia, te perguntarem o que é o amor, Antecede a teia.
apenas diga: é algo inexplicável.
Caratinga - 29/04/2005
Por amor viemos,
Por amor morreremos. 3. Crepúsculo Urbano
O amor é tanto,
Que dele dependemos. Véu noturno sobre a cidade
Por entre prédios altos
O amor pode ser um veneno;
Vê-se a iluminação urbana
Mas, amor é a causa porque vivemos.
Escuridão nos planaltos
*** A cidade muda o tom
Gente regressa do trabalho
Coração, frágil e sensível. Os sinos impõem um som
Coração, algo incrível. Gente partindo para a faculdade
Coração todos têm, Casais dialogam em amorês
mas poucos usam. Luzes de faróis
Coração armazena
O tumulto ofusca
o amor mais puro.
Confunde nossa busca
E a beleza dos arrebóis
Extraída a originalidade
SANYA LUIZA
Alguém à procura de amor.

1. Amizade
16 05
Nas complexidades urbanas Pois, nossa família é grande,
A noite surpreende Todos com coração gigante.
Jovens saem à caça Somos em dez irmãos,
Todos de pé no chão.
O desejo acende
Cada um no seu lugar.
Em toda a raça
Mescla de trevas e luzes
Família que, nem o tempo
A lida exaustiva Nem a distância podem separar.
Permite encostar as cruzes Unidos com a certeza de juntos sempre lutar.
Porém no meio desta balbúrdia E para sempre juntos vamos caminhar.
De tantos entrelaços
De aconchegos e abraços, Papai hoje comemora o seu dia;
Mora a solidão. Mas, pai é pra todo dia.
Por isso, venho agradecer
Por tudo o que me ajudou a fazer,
Juiz de Fora, 20/05/2004
E a crescer.
Obrigado meus pais.
5. Cheiro de Coentro
P. R.
A madrugada do sussurro dos amantes,
A manhã da preguiça de domingo, 1. As margens do Amor
A tarde das temperaturas escaldantes,
A noite da chuva com respingo; No Amor, não há margens.
Mas, se procurar, você vai achar.
As marcas que o tempo deixa nas paredes, Pois, se o Amor não encontrar,
A obra que evoca a recordação de alguém, igual sabiá irá cantar.
Aquilo que se junta ao desejo de lançar redes,
Se a vida é feita de amor,
Tudo isso reivindica um direito de ir além.
o amor deve prevalecer,
pois, sem amor,
Apesar do cheiro de coentro que estimo não dá para viver.
06 15
Que o tempo e a distância não separaram. E do meu afã de perenemente senti-lo,
Só posso expressá-los nos versos que rimo,
Pai, quantas vezes vi o senhor pegar numa enxada. Pois, tudo tem fim e não posso impedi-lo.
Com suas mãos calejadas,
E a sua idade avançada, Conceição de Ipanema, 03/01/2019
O pão em casa não faltou.

Minha mãe, pobrezinha,


Ia correndo pra cozinha LUZIA COUTO
Para a comida fazer.
Comida simples, 1. Mulher Brasileira
Mas feita com carinho;
E eu ainda criança. Simplicidade e meiguice de mulher menina,
assim é a mulher brasileira.
Trago em minha lembrança Olhar terno, lábios sedutores, sorriso de malícia e corpo de sereia,
A família reunida,
Assim é a mulher brasileira.
Minha mãezinha querida ia uma oração fazer
Onde ela esteja é maravilhosa,
Antes de começarmos a comer.
No sol, na chuva, no verão ou inverno, continua bela.
Roupas boas não tínhamos. Negra ou Branca, Amarela ou Indígena a mulher brasileira é sincera.
Mamãe, coitadinha, juntava os retalhos Mesmo alta, baixinha ou mediana, para beleza delas não existe
Pra nossas roupas cozer. comparação,
Minha família, que me ajudou a crescer, pois a mulher brasileira é linda de coração.
Muito me ensinou. Toda mulher nasce bonita por natureza, elas tem o dom da trazer a
Por isso, aprendi a viver. vida
E, hoje, ajuda meu filho a viver.
e fazer outras vidas felizes. Assim a mulher brasileira se completa, se
Na vida, não só doutor
realiza,
Mas, muita coisa pude aprender.
não importa a situação, quando se tem amor e carinho.
Mas, pai, sei o quanto o senhor lutou A mulher brasileira é feita de magia e sedução.
Pra nossa família criar. Amorosa, protetora que valente se revela

14 07
defende os teus e todos por quem zela. Para eu entrar.
assim ela passa a vida toda, Vim em busca de consolo,
sem se importar consigo mesma. A mulher tem amor, E de uma graça alcançar.
Tem gratidão e sabe ser compreensiva, respeitadora e generosa. Trago minhas mãos calejadas,
Em meio a tudo que a mulher representa ela tudo e muito mais, Minha face cansada,
Pra te ofertar.
Feita de amor, carinho sedução e paz.
Sei que na vida fui tolo.
Senhor, este fardo pesado,
2. Poema de Louco
E o pó da estrada,
Fazia frio e a chuva fina caia molhando tudo desde o corpo até a alma Venha me aliviar;
daquela mulher bela e desconhecida, fazia frio, tanto frio que seu corpo Pois, minha viagem foi longa e pesada.
tremia. Estou cansado, por isto, neste lugar,
De quando em vez ela para e olha o céu escuro e a chuva tenra fininha Para uma benção encontrar,
caindo molhando tudo, molhando seu rosto, seu sorriso e seu corpo Quero colocar pra fora este grito
desnudo.
Engasgado em meu peito.
Aquela mulher desconhecida para canta, grita, ninguém parece lhe
ouvir, exceto o tempo e a noite fria escura. Conforte, Senhor, o meu leito;
A mulher estranha diferente, sorri como louca, molhada, gelada, E, só assim, minha vida vai mudar.
despida de corpo e alma. Olha o céu escuro e a chuva fininha caindo Estou fazendo tudo para o Senhor me ajudar.
molhando, molhando tudo. Senhor, quero encontrar
A lua faz que vai aparecer e o céu começa a clarear, a mulher canta, grita, O caminho para tuas graças ganhar.
olha o céu e diz, porque você não sorri pra mim? Oh chuva fina,
Em vós Senhor, a vitória é certa.
molhando meu corpo, minha alma, trás de volta a minha vida.
Vida que você levou sem pedir permissão, sem ao menos me avisar, Por isso, trago a minha oferta,
tirou-me de quem amo e agora finge não me escutar. Pronta pra te dar.
Chuva, chuva, insiste a mulher desconhecida a gritar, o vento sopra com Ao teu lado, encontrei carinho,
força, os raios riscam o céu escuro que parece querer a mulher calar. Já não me sinto sozinho.
Nesta hora sombria, a mulher desconhecida, diferente, calada, parada, Por isto, Senhor, sempre vou louvar.
olha em sua volta, olha em seu corpo desnudo e com uma voz cálida e
trêmula grita: Chuva me leve para longe! onde estou?
Os raios riscam o céu e a mulher desconhecida some, ao longe se ouve 4. Minha família
sua voz gritando mansinho, chuva fria, muito fria, porque meu corpo
gelado ainda treme de frio. Meu pai, te agradeço pela vida,
Pela minha família querida,
08 13
O amor não aguentou,
Sufocando o meu peito;
MARIA DO ROSÁRIO PEREIRA
A boca gritou.
1. Saudade ...
Não dá pra continuar.
Não dá pra viver assim,
É triste aqui. A solidão me domina.
Sem você aqui perto de mim.
No melancólico manto estrelado da natureza errante,
O peito apertado,
a terra iluminada,
O coração tá parado,
abro a janela e sinto emoções na própria alma.
A mente sussurrou,
Talvez, saudades de alguém distante.
Porque tudo mudou.
Preciso te encontrar,
Olho para a lua...
Não sei viver sem você.
Canto a dor com uma voz calma, saudade que não tem fim.
Quando eu parti, me fez juras de amor.
Começo a chorar.
Me falou tantas coisas, que até hoje não entendi.
A lua, triste, pergunta-me, como se fosse um sonho:
Me fez acreditar que o seu amor era tão grande,
'Que lágrimas são essas, na tua idade?'
Que eu nem podia imaginar,
Eu, envergonhada, enxugo-as e, respondo:
Que as palavras perderam a razão.
'Isso é porque amo...'
Já não posso aguentar.
Não posso mais lembrar,
E, choro de saudades...
Que você não vai voltar.
Saudades de alguém que está distante
Meu coração se quebrou,
ou, alguém que mesmo perto, sinto distante:
Não vou aguentar a solidão.
Você.
Não posso mais me lembrar,
***
Que você não vai voltar.
Não vai voltar,
Quem é que não viveu uma saudade?
Porque tudo mudou.
Quem é que não chorou por um amor?
Quem é que não feriu um sentimento,
3. Graças e bênçãos encontrar
pensando que era apenas um momento?
Senhor, hoje eu vim te visitar.
Quem é que não saiu por uma noite,
Encontrei a tua casa de portas abertas,
tentando esquecer uma paixão?
12 09
Quem é que não tentou, por uma noite, O sol brilhou
afogar a solidão? Muito mais que nos outros dias.
E a vontade louca de correr para os braços daquela paixão? Então, pude perceber
Só você me faz sonhar. Que muita coisa em minha vida mudou;
Que há anos, não o via tão amarelo,
Quando você se foi, fiquei pela metade. Um dia tão claro assim.
Hoje, a saudade vive em seu lugar. Havia alguma coisa diferente em mim.
Na verdade, eu sei que não vou te esquecer. Parece que, enfim, aquela nuvem negra,
Mesmo que eu tenha que inventar você dentro de mim. Que pairava sobre a minha cabeça, e
Aquela escuridão sobre os meus olhos, sumiram.
Foi aí que pude perceber,
MORFEU
Que tudo mudou por eu te conhecer.
Depois de te conhecer,
Ventos afluentes, que nos dão almas desgarradas; Meu coração voltou a bater.
sendo que, nós mesmos, não somos apegados a nada. As cores estão mais vivas,
Muito mais vibrantes.
*** Agora, em minha vida, nada é como antes;
Coqueiro, eu te compreendo A vida voltou a ter sentido ao seu lado;
O sonho inatingível. Acabou aquele clima pesado.
Queres subir ao céu, Não vivo mais de lembranças do meu passado.
Mas, prende-te à raiz. Te conhecer me fez renascer.
O destino que tens, Feito na primavera,
De querer o impossível, Que a cada ano renasce uma flor.
É igual a esse meu, Quero eternizar o nosso amor.
De querer ser feliz. Não quero um amor só para o inverno;
Mas, que o nosso amor seja eterno.
PAULO MAGALHÃES DE ABREU
2. A distância é demais
1. Amor eterno
A distância é demais.
Hoje, ao amanhecer, O coração apertou;
Os olhos choraram;
10 11