Anda di halaman 1dari 160

Adolescência: Ideação Suicida, Depressão,

Desesperança e Memórias Autobiográficas

INÊS ALEXANDRA NABIÇA CARDOSO DA COSTA

Orientador de Dissertação:
PROFESSORA DOUTORA MARIA GOUVEIA-PEREIRA

Coordenador de Seminário de Dissertação:


PROFESSORA DOUTORA MARIA GOUVEIA-PEREIRA

Tese submetida como requisito parcial para a obtenção do grau de:


MESTRE EM PSICOLOGIA
Especialidade em Psicologia Clínica

2012
Dissertação de Mestrado realizada sob a orientação de Doutora Maria
Gouveia Pereira, apresentada no ISPA – Instituto Universitário para
obtenção de grau de Mestre na especialidade de Psicologia Clínica
conforme o despacho da DGES, nº 19673 / 2006 publicado em
Diário da República 2ª série de 26 de Setembro, 2006.

II
AGRADECIMENTOS

À Professora Doutora Maria Gouveia-Pereira, pelo empenho e motivação na


orientação, pela partilha de conhecimentos, pelas sugestões dadas e pelas conversas e
reflexões permitidas nas aulas.
À Direção e Professores das escolas onde foi recolhida a amostra, pela
colaboração, amabilidade e disponibilidade.
À Nani, pela amizade, apoio e ajuda na recolha dos dados.
Ao Steves e à Mª do Patrocínio, pelo apoio e ajuda na recolha dos dados.
À Patrícia Sousa, pela amizade, ideias partilhadas ao longo do curso e presença
no júri de categorias.
À Vânia Maio, pela disponibilidade, apoio e paciência e presença no júri de
categorias.
Ao Departamento de Estatística, pela disponibilidade e apoio na análise
estatística.
Aos colegas do seminário de dissertação, pelas sugestões e partilha de
conhecimentos e inquietações.
Aos meus pais, pelo suporte e pela paciência.
À minha irmã, por compreender, via skype, as conversas que ficaram
interrompidas ao longo deste último ano.
Aos meus amigos, pela amizade, apoio e motivação.
A todos os elementos do dISPAr, pela partilha de experiências e sentimentos ao
longo do curso, pela amizade, apoio e motivação.
Por último e, não menos importante, a todos os adolescentes que participaram no
estudo.

III
NOME: Inês Alexandra Nabiça Cardoso da Costa Nº 14591

CURSO: Mestrado Integrado em Psicologia

ÁREA DE ESPECIALIZAÇÃO: Psicologia Clínica

ANO LECTIVO: 2011/2012

ORIENTADOR: Professora Doutora Maria Gouveia-Pereira

DATA: 3 de Dezembro de 2012

TÍTULO DA DISSERTAÇÃO: Adolescência: ideação suicida, depressão, desesperança


e memórias autobiográficas

RESUMO

O nosso estudo procurou perceber se a depressão, a desesperança e a ideação


suicida estavam correlacionadas e se o tipo de recordação de memórias autobiográficas
para as palavras família, amigos e escola, ao nível da especificidade, valência e
categorias, influencia as primeiras três variáveis. Para tal, foi aplicada uma tarefa de
memórias autobiográficas onde era pedido para recordar três memórias referentes às
palavras família, escola e amigos, a Escala de auto-avaliação da Depressão (DSRS), a
Escala da Desesperança de Beck (BHS) e o questionário da ideação suicida (QIS). Os
resultados sugeriram que a ideação suicida, a depressão e a desesperança estão positiva
e fortemente correlacionadas. Sugeriram ainda que a recordação das memórias
autobiográficas referentes às palavras família e amigos não influenciaram a ideação
suicida, a depressão nem a desesperança. Para a recordação das memórias
autobiográficas referentes à palavra escola, foi possível verificar que a variável
categoria tem apenas um efeito principal na depressão. Embora os resultados referentes
à especificidade e valência das memórias autobiográficas para as palavras família,
amigos e escola não apresentassem diferenças estatisticamente significativas, foi
possível verificar uma tendência de recuperação de memórias específicas e memórias

IV
positivas para adolescentes que apresentaram menor média de ideação suicida,
depressão e desesperança.

Palavras-chave: Adolescência, Depressão, Desesperança, Ideação Suicida e Memórias


Autobiográficas.

TÍTULO DA DISSERTAÇÃO EM INGLÊS: Adolescence: suicidal ideation,


depression, hopelessness and autobiographical memories

ABSTRACT
The aim of our study is to understand if depression, hopelessness and suicidal ideation
were correlated and if the type of recall of autobiographical memories for the words
family, friends and school, at the specificity, valence and categories, influences the first
three variables. For that, we applied a task of autobiographical memories where was
asked to recall three memories concerning the words family, school and friends, the
Scale for self-rating Depression (DSRS), the Beck Hopelessness Scale (BHS) and the
questionnaire of suicidal ideation (QIS). The results suggested that suicidal ideation,
depression and hopelessness are positively and strongly correlated. They also suggested
that the recall of autobiographical memories related to the words family and friends did
not influence suicidal ideation, depression or hopelessness. To the recall of
autobiographical memories related to the word school, we only found that the variable
category has one main effect on depression. Although the results regarding the
prevalence and specificity of autobiographical memories for the words family, friends
and school did not show statistically significant differences, we found a trend toward
recovery of specific memories and positive memories for adolescents who had lower
average suicide ideation, depression and hopelessness.

Key-words: Adolescence, Depression, Hopelessness, Suicide Ideation and


Autobiographical Memories.

V
ÍNDICE

INTRODUÇÃO 1

CAPÍTULO I - ENQUADRAMENTO TEÓRICO 2

Adolescência 2

A adolescência e as suas tarefas de desenvolvimento 2

A importância da família, dos amigos e da escola no processo de 4


construção de identidade e autonomização do adolescente

Depressão 7

Desesperança 10

Ideação Suicida 14

Fatores de risco e fatores protetores 16

Comportamentos suicidários na adolescência 17

Memórias autobiográficas 19

Funções das memórias autobiográficas 20

Evocação de memórias autobiográficas 21

A recordação de memórias autobiográficas na adolescência 23

CAPÍTULO II - OBJETIVO E HIPÓTESES DO ESTUDO 26

CAPÍTULO III - MÉTODO 28

Participantes 28

Instrumentos 29

Escala de Auto-Avaliação da Depressão (DSRS) 29

Inventário da Desesperança de Beck (BHS) 30

Questionário de Ideação Suicida (QIS) 30


VI
Tarefas de Memórias Autobiográficas 31

Procedimento 31

CAPÍTULO IV – APRESENTAÇÃO E DISCUSSÃO DOS 33


RESULTADOS
33
Análise descritiva das variáveis mais relevantes
37
Apresentação e discussão dos resultados relativos às hipóteses

53
CAPÍTULO V - CONCLUSÃO

55
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

65
ANEXOS

ÍNDICE DE TABELAS

Tabela 1: Distribuição dos sujeitos por idade e ano de escolaridade 28

Tabela 2: Distribuição dos sujeitos por idade e sexo 28

Tabela 3: Distribuição dos sujeitos por conhecimento de alguém que tenha 29


cometido suicídio e sexo

Tabela 4: Análise descritiva das variáveis depressão, desesperança e ideação 33


suicida.

Tabela 5: Diferença de médias entre sexo em relação à depressão, desesperança 34


e ideação suicida

Tabela 6: diferença de média entre as ideias suicidas e tentativas de suicídio em 34


reção a conhecer alguém que tenha cometido suicídio

Tabela 7: Percentagem da especificidade das memórias recordadas referentes 35

VII
às palavra família, amigos ou escola

Tabela 8: Percentagem da valência das memórias recordadas para as palavras 35

família, amigos ou escola

Tabela 9: Categorias encontradas nas memórias autobiográficas para a palavra 36

família

Tabela 10: Categorias encontradas nas memórias autobiográficas para a palavra 37

amigos

Tabela 11: Categorias encontradas nas memórias autobiográficas para a palavra 37

escola

Tabela 12: Correlações de Pearson entre depressão, desesperança e ideação 37

suicida

Tabela 13: Média da ideação suicida nos efeitos principais ao nível das 39

memórias autobiográficas para a palavra família

Tabela 14: Média da depressão nos efeitos principais ao nível das memórias 40

autobiográficas para a palavra família

Tabela 15: Média da desesperança nos efeitos principais ao nível das memórias 41

autobiográficas para a palavra família

Tabela 16: Média da ideação suicida nos efeitos principais ao nível das 44

memórias autobiográficas para a palavra amigos

Tabela 17: Média da depressão nos efeitos principais ao nível das memórias 45

autobiográficas para a palavra amigos

Tabela 18: Média da desesperança nos efeitos principais ao nível das memórias 46

autobiográficas para a palavra amigos

Tabela 19: Média da ideação suicida nos efeitos principais ao nível das 48

memórias autobiográficas para a palavra escola

Tabela 20: Média da depressão nos efeitos principais ao nível das memórias 49

autobiográficas para a palavra escola

Tabela 21: Média da desesperança nos efeitos principais ao nível das memórias 50

autobiográficas para a palavra escola

VIII
ÍNDICE DE QUADROS

Quadro 1: Síntese esquemática dos resultados relativos à recordação de 41


memórias autobiográficas para a palavra família

Quadro 2: Síntese esquemática dos resultados relativos à recordação de 46


memórias autobiográficas para a palavra amigos

Quadro 3: Síntese esquemática dos resultados relativos à recordação de 51


memórias autobiográficas para a palavra escola

ÍNDICE DE ANEXOS

Anexo 1: Instrumento utilizado 66

Anexo 2: Pedido de autorização para as escolas e encarregados de educação 76

Anexo 3: Dados demográficos e caracterização da amostra 78

Anexo 3.1: Frequência de variáveis 78

Anexo 3.2: Distribuição dos sujeitos por idade e ano de escolaridade 81

Anexo 3.3: Distribuição dos sujeitos por idade e sexo do sujeito 81

Anexo 3.4: Distribuição dos sujeitos por conhecimento de alguém que 82


cometeu suicídio e sexo

Anexo 3.5: Distribuição dos sujeitos por pensamentos e tentativas de 83


suicídio e género

Anexo 3.6: Distribuição dos sujeitos por idade das memórias referentes às 84
palavras família, escola e amigos e idade do sujeito

Anexo 4: Análise descritiva 86

Anexo 4.1: Resultados da análise para testar o Alfa de Cronbach em relação 86


à depressão, desesperança e ideação suicida

Anexo 4.2: Resultados da análise descritiva relativamente à depressão, à 87


desesperança e à ideação suicida

IX
Anexo 4.3: Resultados do teste T-Student para caracterização do sexo face à 87
depressão, desesperança e ideação suicida

Anexo 4.4: Resultados do teste T-Student para caracterização dos sujeitos 88


que conheceram alguém que tivesse cometido suicídio face às ideias suicidas e
tentativas de suicídio

Anexo 4.5: Frequência da especificidade, valência e categoria das memórias 89


autobiográficas recordadas para as palavras família, amigos e escola

Anexo 5: Análise estatística para testar a hipótese 1 93

Anexo 5.1: Correlações de Pearson para a ideação suicida, depressão e 93


desesperança

Anexo 6: Análise estatística para testar a hipótese 2 94

Anexo 6.1: Anova Two-way para a especificidade, valência e categoria das 94

memórias autobiográficas referentes à palavra família em função da Ideação


Suicida

Anexo 6.2: Anova Two-way para a especificidade, valência e categoria das 98


memórias autobiográficas referentes à palavra família em função depressão

Anexo 6.3: Anova Two-way para a especificidade, valência e categoria das 103
memórias autobiográficas referentes à palavra família em função da
desesperança

Anexo 7: Análise estatística para testar a hipótese 3 108

Anexo 7.1: Anova Two-way para a especificidade, valência e categoria das 108
memórias autobiográficas referentes à palavra amigos em função da Ideação
Suicida

Anexo 7.2: Anova Two-way para a especificidade, valência e categoria das 112
memórias autobiográficas referentes à palavra amigos em função depressão

Anexo 7.3: Anova Two-way para a especificidade, valência e categoria das 117
memórias autobiográficas referentes à palavra amigos em função da
desesperança
122
Anexo 8: Análise estatística para testar a hipótese 4

X
Anexo 8.1: Anova Two-way para a especificidade, valência e categoria das 122
memórias autobiográficas referentes à palavra escola em função da Ideação
Suicida

Anexo 8.2: Anova Two-way para a especificidade, valência e categoria das 127
memórias autobiográficas referentes à palavra escola em função depressão

Anexo 8.3: Anova Two-way para a especificidade, valência e categoria das 136
memórias autobiográficas referentes à palavra escola em função da
desesperança

Anexo 9: Exemplos das categorias das memórias recordadas para as palavras 141
família, amigos e escola

XI
INTRODUÇÃO

A adolescência é uma fase muito particular do desenvolvimento humano, onde o


jovem já não é criança mas também ainda não é adulto, pressupondo assim tarefas de
desenvolvimento específicas. Nesta fase, os comportamentos suicidários tomam proporções
alarmantes, tendo sido considerados, nos países europeus, a segunda causa de morte dos
jovens (Sampaio et al., 2000).
A ideação suicida, pensamento ou ideia suicida, é um fator preditivo do suicídio e,
associados a esta variável, têm sido encontrados grupos de risco, nomeadamente ser do sexo
feminino, consumir álcool ou drogas e ter familiares que se suicidaram (Fensterseifer et al.,
2004; Ferreira e Castela, 1999; Souza et al., 2009).
Outras duas variáveis que têm sido amplamente estudadas e que estão associadas a
estes pensamentos são a depressão e a desesperança. Os estudos sugerem que nos
adolescentes, ao contrário do que acontece em adultos, a depressão adquire um papel mais
importante na ideação suicida que a desesperança.
Ao longo das últimas décadas, o papel das emoções e de algumas perturbações
emocionais tem sido estudado no processamento da informação, nomeadamente em relação às
memórias autobiográficas. Segundo Tulving (1972, citado por Tulving, 1973) estas memórias
dizem respeito a recordações de eventos experienciados pessoalmente num determinado
espaço e tempo.
O tipo de memórias que recordamos, involuntariamente ou através de um estimulo,
não são as mesmas ao longo da vida, estando geralmente relacionadas com as preocupações
atuais do sujeito. Neste sentido, o objetivo geral deste trabalho é perceber de que forma a
ideação suicida, a depressão e a desesperança estão relacionadas com o tipo de memórias
autobiográfica que recordamos.
Assim, no primeiro capítulo, será apresentada uma revisão de literatura sobre os temas
anteriormente abordados – Depressão, Desesperança, Ideação Suicida e Memórias
Autobiográficas - que justificam o propósito da realização deste estudo. No segundo capítulo,
será apresentado o objetivo e as hipóteses do estudo, no terceiro capítulo a amostra e
metodologia utilizada e, no quarto capítulo serão mostrados os resultados e a sua respetiva
discussão. A apresentação das conclusões que consideramos mais importantes para se
perceber se a depressão, a desesperança e a ideação suicida estão correlacionadas e, de que
forma o tipo de recordação de memórias autobiográficas influência estas três variáveis, serão
apresentadas no quinto capítulo.
1
CAPÍTULO I

ENQUADRAMENTO TEÓRICO

Adolescência

A adolescência e as suas tarefas de desenvolvimento

“Há uma criança e um eu mais crescido que coexistem e alternam de forma


inesperada e imprevisível” (Bradley, 2003, p.111)

Segundo Sampaio (1991), a adolescência é um período de desenvolvimento que tem o


seu início na puberdade, com o aparecimento de alterações biológicas que principiam a
maturação, prolongando-se até à idade adulta, onde é esperado um sistema de valores e
crenças enquadrados numa identidade já estabelecida. De acordo com Laufer (2000), é
durante esta fase que “a pessoa procurará uma resposta – através de relações, através de
experiências sociais e sexuais, através de esforços educativos e de trabalho – acerca do que é
aceitável para a sua consciência e para os seus ideais (…).” (p. 72)
A adolescência é, efetivamente, uma etapa da vida com características muito próprias,
não se podendo exigir a um adolescente o mesmo que se exige a uma criança ou a um adulto.
Nesta fase, a escola e a identificação com o grupo de pares ganham força, aumentando os
conflitos com os pais e, consequentemente, as negociações familiares.
Para que o jovem consiga fazer um movimento de autonomização, é necessário que
consiga executar tarefas próprias da sua idade.
Havighurst (1948, cit por Schoeppe e Havighurst, 1952), foi o primeiro autor a
explicitar o conceito de tarefas de desenvolvimento com detalhe. Posteriormente, de forma a
tornar este conhecimento mais prático, uma vez que até então baseava-se apenas em teoria,
Schoeppe e Havighurst (1952) realizaram um estudo com o objetivo de verificar o
desempenho de adolescentes na realização de 5 tarefas de desenvolvimento:
- Aprender um papel sexual apropriado;
- Atingir a independência emocional dos pais, bem como de outros adultos;
- Desenvolver a consciência, a moralidade e um conjunto de outros valores;
- Dar-se bem com os colegas da mesma idade;
- Desenvolver capacidades intelectuais.
2
Os resultados do referido estudo sugeriram que é maioritariamente a partir dos 13 anos
de idade que os adolescentes começam a realizar as tarefas de desenvolvimento mencionadas,
sendo o período dos 10 aos 13 anos fundamental para que comecem a ocorrer mudanças a
nível pessoal e social. Os resultados sugerem também que uma relação satisfatória com os
pares parece ser a tarefa mais importante na influência da realização das outras tarefas,
seguindo-se a aprendizagem de um papel sexual apropriado, embora a realização desta última
tarefa tenha tido uma variação superior às outras ao nível da idade, possivelmente devido à
existência de questões fisiológicas que ultrapassam o controlo dos adolescentes. Constatou-se
ainda que um bom desempenho na realização de uma tarefa foi associado a um bom
desempenho na realização de outras tarefas.
O estudo de Schoeppe e Havighurst (1952) aponta para a possibilidade de existência
de três fatores básicos subjacentes às tarefas de desenvolvimento: Fator de base afetiva, onde
se inserem as tarefas “aprender um papel sexual apropriado”, “atingir a independência” e
“dar-se bem com os colegas da mesma idade”; Fator de base intelectual, onde se inserem as
tarefas “desenvolver a consciência, a moralidade e um conjunto de outros valores” e
“desenvolver capacidades intelectuais”; e Fator de base biológica (hormonal), onde apenas se
insere a tarefa “aprender um papel sexual apropriado”.

Palmonari, Kirchler e Pombeni (1991) também se debruçaram sobre esta temática e


nos estudos realizados em 1989, 1990, 1991, identificaram três tarefas de desenvolvimento na
adolescência tardia:
- Tarefas relacionais, maioritariamente referentes a conflitos com os namorados ou
melhores amigos, bem como ser traído por um amigo;
- Problemas pessoais, referentes à solidão, ao isolamento social e à falta de valores de
vida;
- Problemas sócio-institucionais, referentes a atos ilegais de pequena dimensão,
praticados nas escolas ou locais de trabalho.
Por fim, De Wit, Van der Veer e Slot (1995, citado por Delgado e Do Vale, 2005),
consideram as seguintes tarefas de desenvolvimento para um adolescente:
- Relações dinâmicas no seio da família, o que implica fortalecer a relação com os pais
e/ou irmãos, bem como tornar-se mais autónomo e fazer escolhas pessoais;
- Educação ou profissão, relacionado com a capacidade de frequentar a escola ou uma
profissão e fazer escolhas acerca do futuro;

3
- Tempos livres, relacionado com a ocupação de forma útil dos tempos livres em que
não estão na escola, no trabalho ou a realizar tarefas domésticas;
- Hierarquia, que inclui ter a capacidade de comunicar e contactar com várias figuras
de autoridade, como por exemplo o professor, o diretor de um serviço, o médico, o polícia, o
presidente da câmara, o empregado de balcão, entre outros;
- Saúde e aparência, que se prende com o cuidado do próprio visual e da saúde, tal
como tomar medidas preventivas face a determinadas doenças;
- Relacionamento, referente à escolha dos amigos, a construir e manter amizades e
fazer a distinção entre amigos e contactos sociais;
- Intimidade e Sexualidade, que se prende com a capacidade de construir e preservar a
própria intimidade e, viver os afetos e a sexualidade de forma responsável e saudável.

A importância da família, dos amigos e da escola no processo de construção de identidade e


autonomização do adolescente

É na fase da adolescência que os jovens começam a desenvolver um pensamento mais


elaborado, questionando-se sobre si próprio e sobre o que os rodeia, conseguindo diferenciar
as suas ideias e opiniões das ideias e opiniões dos outros (Bradley, 2003). Com esta mudança
ao nível do pensamento, o adolescente desenvolve novas necessidades face aos papéis
desempenhados pelos vários elementos da família, sendo inevitável uma mudança na estrutura
familiar.
Os pais deverão encontrar um novo papel para desempenhar na vida do adolescente,
como também no mundo exterior, sendo a independência do filho complementar à sua. Nesta
reorganização, para além de ser frequente os pais investirem mais no trabalho, é também
frequente ocorrerem alguns divórcios (Gammer e Cabié, 1999), uma vez que os problemas
conjugais deixam de estar encobertos pela preocupação tida com os filhos (Pinto, 2010).
Dartington perguntou aos adolescentes e aos pais o que esperavam e desejavam da sua
vida familiar e, dentro das diversas respostas, as mais frequentes foram: a proteção da
exposição pública, o que implica não partilhar questões íntimas e pessoais do adolescente;
proteção da humilhação desnecessária, que se prende com não contar a outros situações
embaraçosas que o adolescente viveu e que o possam fazer sentir humilhado; capacidade de
negociação, que implica um acordo entre ambas as partes; um lugar privado, onde o
adolescente saiba que ninguém mexe sem o seu consentimento; oportunidade de observar
como os adultos falam e se relacionam uns com os outros, principalmente quando os incluem
4
nas atividades que estão a realizar e, espaço para se afastar dos desejos e das aspirações
familiares, começando a conquistar alguma autonomia (Dartington, 2003)
De acordo com Powers, Hauser e Kilner (1989, citado por Petersen et al., 1993) a
adolescência não é uma fase problemática, podendo o jovem manter relações próximas em
simultâneo tanto com a família como com os amigos. Contudo, outros autores referem que o
facto dos adolescentes passarem mais tempo com o grupo de pares, partilhando os seus
pensamentos e intimidade, faz com que estes se afastem dos pais, acabando por existir
divergências de crenças, atitudes e valores (Palmonari, Kirchler e Pombeni, 1991).
Os conflitos que ocorrem com os pais nem sempre são pacíficos, querendo muitas
vezes o jovem substituir os pais por figuras idealizadas, confrontando-os por exemplo com o
facto dos pais dos colegas serem melhores do que eles, ou começando a idolatrar figuras
públicas cujos valores são muito diferentes daqueles que os pais defendem (Rodrigues e
Machado, 2002). Como nesta fase a identidade ainda se está a formar, para além da
necessidade de mudança, também existe o medo de perder esses valores e crenças já
adquiridos, podendo o jovem ser agressivo com os pais ou procurar a sua proteção e consolo
(Gammer e Cabié, 1999).
Como defesa contra esta perda de identidade que ocorre na adolescência, Erikson
(1972) defende que os adolescentes constituem grupos do mesmo sexo, com pares que
apresentam características semelhantes entre si (por exemplo ao nível dos gostos, dos ideais,
da cultura e do vestuário), com o objetivo de projetar a sua imagem no outro e conseguirem
verem a sua própria imagem refletida, tendo uma melhor perceção de si. Outra estratégia
utilizada contra a perda de identidade, desta vez recorrendo a meios destrutivos, é o
afastamento de grupos não semelhantes a si, sendo intolerantes e desadequados face à
diferença.
Halligan e Philips (2010) realizaram uma investigação com o objetivo de estudar a
influência do grupo de pares com tendências de atribuição hostis, sugerindo os resultados uma
correlação significativa entre os níveis de hostilidade dos adolescentes e os níveis de
hostilidade do seu grupo de pares, ocorrendo especificamente quando a amizade é reciproca.
Também Kiuru, Nurmi, Aunola e Salmela-Aro (2009), estudaram o papel dos grupos de pares
na trajetória educacional dos adolescentes e concluíram que a trajetória educacional, no que
respeita à transição para o ensino secundário ou para cursos profissionais foi semelhante entre
os membros dos grupos de pares, tal como a orientação académica ao longo do curso
(performance escolar, onde queriam ingressar e se efetivamente o fizeram).

5
O que os rapazes e as raparigas procuram e esperam de um grupo geralmente não é
consonante. Os rapazes tendem a procurar apoio na resolução de conflitos, principalmente
com figuras de autoridade, enquanto que as raparigas preferem alguém confidente com quem
seja possível partilhar questões intimas e conhecimento (Cole e Cole, 2004).
De acordo com um estudo realizado por Newman, Lohman e Newman (2007), as
raparigas relatam mais problemas referentes a questões internas, enquanto que os rapazes
relataram mais problemas referentes a questões externas. Foi também encontrado um
sentimento de pertença ao grupo superior nas raparigas que nos rapazes e o sentimento de
pertença ao grupo foi negativamente associado a problemas referentes a questões internas ou
externas. Foram ainda encontrados menos problemas de comportamento em adolescentes que
consideraram como muito importante pertencer a um grupo e que tiveram um sentimento
positivo de pertença ao grupo, do que em adolescentes que nas mesmas condições não tiveram
um sentimento positivo de pertença ao grupo.
Também num estudo realizado por Pinto (2010), os resultados sugeriram que as
raparigas vivenciam a separação familiar mais harmoniosamente que os rapazes, envolvendo-
se mais com o grupo de pares, tendo relações familiares protetoras e de suporte, enquanto que
os rapazes apresentam maior tendência para a rejeição de regras e para ter comportamentos de
risco.
Para os adolescentes é fundamental que os pais aceitem o seu grupo de pares, pois
sentem que as suas escolhas estão a ser respeitadas. Se o filho sentir que os pais confiam nele,
a autonomia é promovida, conseguindo o filho investir no grupo de pares sem grandes medos.
Pode então começar a ter “ensaios exploratórios” e tomar decisões de forma protegida,
ficando a relação familiar salvaguardada. Nesta fase, os pais devem optar por centrar-se mais
em temas neutros ou atividades lúdicas na relação com o filho. (Pinto, 2010)
Palmonari, Kirchler e Pombeni (1991) realizaram um estudo com o objetivo de
perceber a influência da identificação com a família e com o grupo de pares, na realização das
tarefas de desenvolvimento dos adolescentes. Os resultados sugerem que os adolescentes que
se identificaram com a família e com o grupo de pares, estão mais aptos para se autonomizar e
fazer a transição da adolescência para a fase adulta do que aqueles que só se identificaram ou
com a família ou com o grupo de pares.
Embora nesta idade o jovem tenda a esconder algumas experiencias dos pais, como
por exemplo experimentar drogas, dar o primeiro beijo ou ter a primeira relação sexual, se
este precisar de ajuda ou se a situação o afligir, tende a dar sinais aos adultos, ainda que de
forma inconsciente (Rodrigues e Machado, 2002).
6
Na adolescência, a escola ganha inevitavelmente uma importância acrescida,
principalmente devido ao tempo que o jovem passa na mesma, à presença do grupo de pares e
às novas atividades desenvolvidas, podendo os problemas pessoais e familiares serem
transferidos para a escola, apaixonando-se o aluno por algum professor ou sentido raiva do
mesmo (Rodrigues e Machado, 2002).
É neste período que o jovem começa a sentir responsabilidades e obrigações, não só
em casa como também na escola, sendo fundamental uma boa articulação entre a família e a
escola, principalmente no caso de existirem comportamentos desregrados. Os pais devem
entender que existem regras que todos os alunos têm que cumprir, inclusive o seu filho, e
devem olhar para este não só como filho mas também como cidadão (Rodrigues e Machado,
2002).
Egbochuku e Aihie (2009) realizaram um estudo com o objetivo de perceber a
influência da escola no auto-conceito dos adolescentes, sugerindo os resultados que o auto-
conceito é mais elevado em escolas só de raparigas do que mistas, possivelmente porque nas
segundas os professores passam mais tempo com os rapazes.
Perante uma situação adversa, o adolescente tende a colocar a responsabilidade nos
pais, porque não estiveram alerta o suficiente, ou no grupo de pares, porque este o influenciou,
ainda que o adolescente seja mais submisso com os amigos do que com os pais. Nesta fase, a
responsabilidade atribuída a cada grupo ainda não é clara (Rodrigues e Machado, 2002) e,
para que o processo de autonomização seja realizado, é pressuposto que haja uma negociação
da autonomia a um nível emocional, financeiro e funcional (Gammer e Cabié, 1999).

Depressão

Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS) (2001, Citado por Stewart, Kennard
et al, 2005), a depressão é considerada um dos maiores problemas de saúde mundial e, embora
não seja a única causa do suicídio, tem sido uma das variáveis mais estudadas e fortemente
correlacionadas com este tema. A OMS prevê que em 2020 a depressão seja a doença que
mais afetará a população em geral (Cardoso, Rodrigues e Vilar, 2004).
Segundo autores psicodinâmicos, a origem da depressão está essencialmente associada
à perda do objeto, independentemente de ser real ou imaginária, no tipo de vinculação e na
dificuldade no processo de construção de identidade e separação/individuação (Coelho, 2004).
Já a teoria cognitiva da depressão explica a depressão com base em três conceitos –
tríade cognitiva, esquemas e erros cognitivos (Rush e Beck, 1978):
7
A tríade cognitiva debruça-se sobre três padrões cognitivos:
1) a forma como a pessoa se perceciona: o sujeito deprimido tem uma visão negativa
acerca de si próprio, vendo-se como uma pessoa sem valor, não digna, não adequada e com
defeitos. Atribui as experiências mal sucedidas a si próprio e acha que as características que
lhe faltam são essenciais para ser feliz;
2) a forma como perceciona as suas vivências: o sujeito vê o mundo de forma
enviesada e interpreta as suas experiências de forma negativa. Acha que as tarefas que lhe são
pedidas são demasiado exigentes e impossíveis de realizar, ficando impossibilitado de atingir
os seus objetivos;
3) a forma como perceciona o futuro: o sujeito antecipa o futuro de forma negativa,
visualizando apenas dificuldades, frustrações e privações. Perante a realização de uma tarefa
espera falhar e acha que a sua condição atual não vai melhorar.

Os esquemas, definidos como “padrões cognitivos relativamente estáveis que formam


a base para a regularidade das interpretações de um conjunto particular de situações” (p.203),
são criados através do agrupamento de estímulos específicos selecionados de uma situação, de
forma a conceptualiza-la. Assim, quando a pessoa vivencia uma situação, o esquema dessa
situação é ativado e faz com que a pessoa dê uma resposta coerente nas diversas situações de
acordo com esse estímulo. Estes padrões são diferentes de pessoa para pessoa, consoante o
detalhe a que foi dada importância.
À medida que a depressão se vai agravando, mais dificilmente o sujeito vê a sua
interpretação da situação como um erro. Por exemplo, se uma pessoa não se achar
competente, ela irá validar o esquema “a menos que eu faça tudo perfeito, eu sou um falhado”
(p.203). Este tipo de esquemas erróneos que ocorrem na depressão, levam a que a pessoa
distorça a realidade.

Por último, os erros cognitivos prendem-se com a inferência arbitrária, abstração


seletiva, sobregeneralização, maximização ou minimização e personalização, conceitos que
definiremos adiante quando abordarmos a ideação suicida.

Atualmente sabemos que as causas para a depressão são diversas e, que antes da
puberdade a prevalência da depressão aumenta de 1% para 3% e na fase da adolescência
aumenta de 3% para 9% (Josephson, 2007.)

8
Segundo Laufer, M. E. (2000), para abordarmos o tema da depressão na adolescência é
necessário ter em consideração os desafios que esta nova fase apresenta para os jovens e as
tensões que naturalmente lhes estão subjacentes. Deve-se então distinguir a depressão que
ocorre pontualmente daquela que persiste no tempo. A primeira diz respeito às consequências
das crises ditas normais da adolescência, que podem ser referentes a problemas de
relacionamento com os pais ou com a escola, com sentimentos de rejeição social, com
insatisfação face à aparência, entre outros. A segunda afeta o normal funcionamento do
adolescente, levando-o a um estado de desesperança que o impede de lutar.
Este sentimento prolongado de tristeza interfere geralmente nos ciclos de sono, nos
hábitos alimentares, na auto-estima e nas relações sociais, provocando fadiga, dificuldades de
concentração e tomada de decisões, baixo rendimento escolar e isolamento social. Durante a
fase da adolescência, os sintomas referentes à depressão podem também manifestar-se através
da irritação, ao invés da tristeza (Acosta-Hernández et al., 2011).
Sabe-se que a depressão Major é a principal causa do comportamento suicida em
adolescentes, tendo os adolescentes pensamentos sobre a morte e o suicídio, assumindo, entre
outros, que os outros ficariam mais felizes se ele não estivesse vivo. Embora não seja possível
prever se um adolescente vai suicidar-se, sabe-se que as pessoas que estão em menor risco de
suicídio são aquelas que pensam nesta questão uma ou duas vezes por semana, enquanto que
as que estão em maior risco são aquelas que já adquiriram os materiais para cometer o ato
suicida (Acosta-Hernández et al., 2011).

A depressão não tem origem numa só causa mas sim em diversos fatores que
aumentam a probabilidade da sua ocorrência, entre eles destacamos: fatores genéticos e
biológicos - ser filho de pais que sofrem de depressão ou entrar na puberdade mais
tardiamente; fatores psicológicos - imagem corporal negativa, baixa auto-estima ou problemas
de ansiedade; fatores referente aos pares - baixa popularidade, experiências de rejeição,
contacto reduzido com os amigos ou mesmo não haver proximidade com um melhor amigo; e
fatores familiares - indisponibilidade emocional dos pais, relações disfuncionais entre pais e
filhos, falta de coesão familiar, conflito conjugal, dificuldades financeiras e divórcio dos pais.
O stress a que os adolescentes estão sujeitos diariamente ou em acontecimentos específicos é
outro fator que aumenta o risco de depressão (Petersen et al., 1993).
Cardoso, Rodrigues e Vilar (2004) realizaram um estudo com o objetivo de
caracterizar a população adolescente em função de determinadas variáveis associadas aos
sintomas depressivos. 11% dos jovens evidenciaram sintomas depressivos, tendo estes
9
prevalecido quando a mãe não era licenciada, quando os jovens viviam só com a mãe, quando
estavam frequentemente doentes, quando tiveram doenças graves, quando estiveram
internados ou tiveram familiares doentes, quando consumiam tabaco e bebidas alcoólicas,
quando não gostavam da sua escola ou quando tinham valores elevados de insucesso escolar e
quando não desejavam concluir uma licenciatura. A percentagem de raparigas com sintomas
depressivos foi superior à dos rapazes.
Os transtornos depressivos aumentam significativamente a partir dos 14 anos, sendo as
raparigas duplamente mais afetadas que os rapazes, podendo, na população feminina, dever-se
às alterações hormonais que ocorrem durante a fase da adolescência (Acosta-Hernández et al.,
2011). Este facto pode ainda ser demonstrativo de uma maior resistência por parte dos rapazes
em expressarem sofrimento e sintomas (Cardoso, Rodrigues e Vilar, 2004).
Cruz, Sanfins, Lemos, Maltez e Felix (1999) realizaram um estudo para perceber de
que forma a corporalidade e os acontecimentos biográficos significativos para o adolescente
afetam a depressão. A grande maioria dos adolescentes com depressão apresentaram como
acontecimentos biográficos mais importantes “problemas de relacionamento com os pais ou
com pessoa íntima”, seguido de “nova amizade” e “sucesso nos estudos”. Relativamente à
corporalidade, adolescentes deprimidos apresentaram uma percentagem mais elevada de
problemas com a corporalidade e imagem de si do que os outros.

Desesperança

Stotland (1969, citado por Minkoff, Bergman, Beck e Beck, 1973) definiu
desesperança como um sistema de esquemas cognitivos onde as expectativas negativas acerca
do futuro são denominador. Até à data, a desesperança era vista como um conceito vago e
impossível de ser estudado de forma sistemática. Para Stotland, um individuo que não tem
esperança no futuro acredita que nada lhe irá correr bem, que nunca terá sucesso em nada que
faça, que não conseguirá alcançar os seus objetivos e que o seu problema mais significativo
nunca será resolvido.
Beck (1963, citado por Minkoff, Bergman, Beck e Beck, 1973), através da observação
de 50 pacientes deprimidos que estava a acompanhar, constatou que os pensamentos acerca do
suicídio surgiam quando os sujeitos percecionavam o seu problema ou situação
desesperançada como insustentável e impossível de solucionar. Após algum tempo de estarem
a ser acompanhados por Beck, estes pacientes já conseguiam percecionar a sua antiga falta de
esperança como uma distorção cognitiva ou como premissas erróneas e irrealistas.
10
Estudos posteriores encontraram resultados semelhantes, colocando a falta de
esperança como um fator importante para que o suicídio ocorresse (Farber, 1968, e Kobler e
Stotland, 1964, citado por Minkoff, Bergman, Beck e Beck, 1973). Curiosamente, Fragoso
Mendes (1979, citado por Santos, 1998), define o suicídio como um comportamento que
configura desesperança ou anulação do sentido da existência.

Desde a década de 60 que diversos autores se têm debruçado sobre o papel das
cognições no humor, em particular no que diz respeito à ideação e comportamento suicida.
Abramson et al. (1987, 1988a, b, citado por Alloy, Abramson, Metalsky, Hartlage, 1988)
reformularam a teoria do desamparo (helplessness theory) de Seligman de 1975 e chamaram-
na de teoria da desesperança da depressão (hopelessness theory of depression). Esta teoria
postula, no essencial, a desesperança como a causa de um subtipo de depressão, a “depressão
desesperançada”, cujos sintomas incluem o comportamento suicida. Os autores descrevem a
depressão como uma variável multifatorial, onde estão presentes 3 tipos de fatores: os que são
necessários para que os sintomas da depressão se manifestem; os que não sendo necessários,
se estiverem presentes contribuem para a manifestação dos sintomas; e aqueles que servem
para aumentar a probabilidade dos sintomas ocorrerem, independentemente de serem ou não
necessários. A desesperança encontra-se situada no segundo tipo de fator anteriormente
mencionados.
Esta teoria avança também a hipótese de existir uma sequência de eventos que
culminem nos sintomas da depressão, sumariamente:

Sintomas da depressão
Eventos Atribuição global para Expectativas
desesperançada:
de vida eventos de vida negativos de desesperança
negativos e elevada importância
1.Sintomas motivacionais
dada a esses eventos
2. Sintomas cognitivos
3. Sintomas emocionais

Se a atribuição for estável


4. Baixa auto-estima
é internalizada

Vários estudos têm sido realizados com o intuito de analisar a relação existente entre a
desesperança, a depressão e o pensamento ou comportamento suicida.
Minkoff, Bergman, Beck e Beck (1973) encontraram uma correlação positiva entre a
desesperança e a intenção suicida, tal como entre a depressão e a intenção suicida. Foi

11
também identificado na síndrome da depressão o fator cognitivo desesperança, que aparentou
estar mais fortemente relacionado com a intensão suicida do que a própria depressão.
Beck, Kovacs e Weissman (1975) encontraram resultados idênticos aos anteriores,
demonstrando que a desesperança está mais fortemente correlacionada com a intenção suicida
do que a depressão, tanto em sujeitos deprimidos como em sujeitos esquizofrénicos.
Também Beck, Steer, Kovacs e Garrison (1985) realizaram uma investigação
longitudinal com o objetivo de perceber se a desesperança, a depressão e a ideação suicida
eram variáveis preditivas do suicídio em pacientes que estavam hospitalizados devido a
ideação suicida. Os resultados sugeriram que a desesperança é uma variável útil para avaliar o
risco de suicídio, uma vez que existe relação entre a desesperança e a ideação e
comportamento suicida e, que a desesperança é preditiva de futuros suicídios em indivíduos
com ideação suicida. Já a severidade da depressão não diferenciou significativamente os
indivíduos com ideação suicida que tinham cometido suicídios recentes dos restantes sujeitos
da amostra. Embora a ideação suicida não tenha previsto os suicídios que ocorreram, a
intensidade do pensamento pareceu ser um indicador do risco de suicídio.

Embora os estudos até aqui apresentados estabeleçam uma relação muito consistente
entre a desesperança e a ideação suicida, outros estudos têm demonstrado que esta relação
varia de acordo com diversos fatores: idade dos sujeitos, a população ser clínica ou não
clínica, entre outros. Abordaremos de seguida estudos com população adolescente.
De acordo com alguns investigadores, a desesperança aparenta estar correlacionada
com a severidade da depressão e da ideação suicida, ser preditiva de futuros comportamentos
suicidas em adolescentes que já fizeram tentativas de suicídio e, distinguir crianças e
adolescentes com perturbações psiquiátricas em 2 grupos – os que têm ideação suicida mas
sem um plano concreto de suicídio e os que têm um plano já elaborado (Brent et al., 1986,
Hawton et al., 1982, Pfeffer et al., 1979, Smith & Crawford, 1986, citados por Soeiro, 1998).
Rudd (1990, citado por Reifman e Windle, 1995), demonstrou que tanto a
desesperança como a depressão são preditores da ideação suicida em adolescentes não-
clínicos, embora a depressão seja um melhor preditor do que a desesperança. Também
Lewinsohn, Rohde e Seeley (1994, citado por Reifman e Windle, 1995) constataram que
numa amostra de estudantes do ensino superior a depressão foi melhor preditor para a
tentativa de suicídio do que a desesperança.
Cole (1989) realizou dois estudos com adolescentes, com o intuito de perceber a
relação existente entre algumas variáveis cognitivas e a depressão face a comportamentos
12
relacionados com o suicídio. No primeiro estudo a depressão foi mais fortemente
correlacionada com o comportamento suicida do que a desesperança e, só as raparigas tiveram
uma correlação, ainda que modesta, entre a desesperança e o suicídio, mesmo depois da
depressão estar estatisticamente controlada. (media 17 anos). No segundo estudo foi apenas
utilizada uma população masculina de adolescentes delinquentes, sugerindo também os
resultados que a desesperança não é uma variável muito relevante para o comportamento
suicida. A desesperança foi unicamente relacionada com os pensamentos das pessoas acerca
de morrer, enquanto que a depressão foi unicamente relacionada com tentativas de suicídio
passadas.
Cole avança a hipótese de que eventualmente a desesperança tem menos importância
em adolescentes do que em adultos porque existe a possibilidade dos primeiros visualizarem o
fim dos estudos e a saída de casa dos pais como uma mudança positiva num futuro próximo
Dixon, Heppner e Anderson (1991) realizaram dois estudos com adolescentes, um com
o objetivo de analisar a relação entre a resolução de problemas, os eventos de vida negativos e
o pensamento suicida e, o outro, com o objetivo de analisar a relação entre a desesperança e a
resolução de problemas. Os resultados de ambos os estudos, sugeriram que valores elevados
de stress e incapacidade de resolução de problemas foram associados a elevados níveis de
desesperança e ideação suicida; que a dificuldade de adaptação às exigências da vida,
espelhadas na desesperança e na ideação suicida, não foram só uma consequência das
exigências da vida e dos eventos de vida negativos, mas também da perceção que os
adolescentes têm sobre a sua capacidade de resolução de problemas e que introduzem na sua
resposta face aos eventos de vida negativos. Estes resultados sugerem que a capacidade de
resiliência é um recurso importante para lidar com a desesperança e com a ideação suicida.
Contudo, é importante referir que a incapacidade de resolução de problemas foi mais
fortemente preditiva da desesperança, que por sua vez foi o preditor mais forte da ideação
suicida.
Soeiro (1997) realizou um estudo longitudinal com o intuito de perceber se a falta de
esperança em adolescentes que fizeram tentativas de suicídio podia diminuir com a construção
de uma boa aliança terapêutica. Num primeiro momento da avaliação, encontrou valores mais
baixos do que o esperado para a desesperança e, num segundo momento de avaliação, também
ao contrário do esperado, alguns adolescentes mostraram valores mais elevados de falta de
esperança do que tinham no primeiro momento.
Já Stewart, Kennard et al. (2005) realizaram uma investigação longitudinal com o
intuito de estudar a relação entre a cognição e a ideação suicida em adolescentes que vivem
13
em Hong Kong e adolescentes que vivem nos Estados Unidos. Relativamente aos resultados, a
auto-eficácia, a desesperança e os erros cognitivos foram correlacionados positivamente com a
ideação suicida nas duas culturas, sendo a desesperança a variável cognitiva mais fortemente
correlacionada. Também em ambas as culturas a desesperança e a depressão foram preditivas
da ideação suicida.

Ideação Suicida

A palavra suicídio tem a sua origem no latim, de sui (se si) e cædere (matar),
designando a morte de si ou do próprio (Santos, 1998).
De acordo com Sampaio (1989), o suicídio pode ser definido como uma estratégia
desesperada de libertação que ocorre quando já foram utilizadas todas as estratégias
conhecidas para comunicar a tristeza e a solidão, não sendo somente um ato individual, mas
também um ato cheio de mensagens.
Devido aos números alarmantes de atos suicidas, o suicídio tem sido considerado um
problema de saúde pública, tendo sido estimado pela Organização Mundial de Saúde (2002,
citado por Gonçalves, Freitas e Sequeira, 2011) que, no ano de 2000, um milhão de pessoas
cometeram suicídio em todo o mundo. Particularmente nos países europeus e, no que diz
respeito aos jovens, o suicídio tem sido considerada a segunda causa de morte, sendo a
primeira referente a acidentes (Sampaio et al., 2000).
Existem diferentes formas do sujeito causar lesões a si próprio e, de acordo com a
literatura específica da suicidologia, o comportamento suicida engloba três conceitos: a
ideação suicida, caracterizada por pensamentos ou ideias acerca do suicídio e/ou planeamento
da própria morte do sujeito; a tentativa de suicídio, referente a um ato levado a cabo com o
intuito efetivo de pôr termo à vida; e o suicídio consumado, onde o ato anteriormente levado a
cabo culminou na morte do sujeito. O termo parassuicidio é também amplamente referido na
literatura, diferindo da tentativa de suicídio no facto de não existir o objetivo final de pôr
termo à vida, sendo o grau de intenção letal muito inferior ao da tentativa de suicídio
(Gonçalves, Freitas e Sequeira, 2011).
Embora seja nosso objetivo estudar apenas a ideação suicida, dificilmente
conseguiremos isolar este conceito, uma vez que é muito frequente os pensamentos acerca do
suicídio serem silenciados a amigos e familiares (M. Laufer, 2000), despertando apenas estes
para o facto do jovem não estar bem quando ocorre um comportamento mais grave, como
uma tentativa de suicídio (Gonçalves, Freitas e Sequeira, 2011).
14
Segundo Stengel (1980), o único objetivo de alguém tentar suicidar-se seria pôr termo
à vida, contudo, existem muitos sujeitos que após tentativas de suicídio afirmam que lhes
eram indiferente estar vivos ou mortos, ou negam a intensão evidente de se terem tentado
matar. Para o autor, o facto do ato não ser bem sucedido, seria devido à intensão não ter sido
suficientemente forte e genuína, ou devido ao sujeito ter ignorado que o método que iria
utilizar tinha limitações, ou, ainda, devido a problemas de saúde mental que tiram a
compreensão e o poder de decisão adequado.
Stengel (1980) acha que o comportamento suicida deve ser resultante da junção de
duas necessidades: causar dano a si próprio e, sentir que aqueles que lhe são próximos gostam
de si e sentem tristeza e remorso pelo sucedido, agindo posteriormente em consonância com
esse sentimento.
Neste sentido e, segundo Sampaio (1989), mesmo que o ato suicida possa parecer
individual e caracterizado por um grande isolamento, existe sempre uma vertente interativa e
interrelacional, sendo bastante comum a pessoa comunicar previamente a sua intensão na
esperança de ser salva. Os estudos demonstram que em mais de 50% dos casos, indivíduos
que atentaram contra a própria vida comunicaram previamente o seu intuito a familiares, ao
médico assistente e aos amigos.
O suicídio deve ser entendido não só tendo em consideração o fator especifico que o
desencadeou, como por exemplo o fim de uma relação, mas também tendo em consideração a
história e personalidade do sujeito. Embora muitas vezes a ideação suicida apareça nos jovens
sob forma de “apelo” ou “desafio”, deve ser valorizada ao invés de menosprezada ou
ignorada, principalmente quando associada aos fatores de risco (Sampaio, 1989).
Numa perspetiva mais cognitivista, o pensamento suicida tem origem em distorções
cognitivas (Freeman e Reineck, 1993, citado por Soeiro 2006):

Pensamento dicotómico (pensamento extremado e pouco flexível de tudo ou nada),


sentimento de catástrofe (dificuldades percecionadas de forma exagerada),
sobregeneralização (todas as vivências são generalizadas e construídas de acordo com um
acontecimento negativo isolado), abstração seletiva (foco na informação ou vivências que
apoiam as crenças de desespero), inferência arbitrária (conclusões tiradas independentemente
dos factos suportados pela realidade), maximização ou minimização (eventos de vida
negativos são valorizados e eventos positivos desvalorizados), racionalização emocional
(confusão entre o que se sente e o que se é), condicionalismos (crenças disfuncionais que
condicionam a finalização de projetos), rotulagem (sobregeneralização negativa referentes a
15
erros e imperfeições), personalização (interpretação de vivências externas como vivências
pessoais), controlo de falácias (a falta de controlo vivida nalgumas situações é generalizada
para todas as situações), pensamento comparado (comparação permanente com os outros),
desqualificação do positivo (frases começadas por “sim, mas…”) e, falácia do belo (crença de
que todas as experiencias têm de estar inseridas na categoria “belo”).

Fatores de risco e fatores protetores

Embora não seja possível prever se uma pessoa vai suicidar-se, é possível identificar
fatores riscos (Jain, Singh, Gupta e Kumar, 1999).
Um dos fatores de risco para que o comportamento suicida ocorra é a ideação suicida,
onde estão presentes desejos, cognições, atitudes ou planos suicidas (Fensterseifer et al., 2004;
Ferreira e Castela, 1999). No âmbito da intervenção precoce e, de forma a explorar quais os
fatores associados à ideação suicida, Souza et al. (2009) realizaram um estudo, cujos
resultados demonstraram que os fatores associados à ideação suicida são: ser do sexo
feminino, consumir álcool e drogas ilícitas, apresentar sintomas depressivos e sintomatologia
que indiquem transtorno de conduta.
Fawcett (1990, citado por Jain, Singh, Gupta e Kumar, 1999), demonstrou que a
desesperança e a história passada de comportamentos suicidas são preditores a longo prazo do
suicídio, enquanto que a anedonia, sintomas de ansiedade e a dificuldade de concentração são
apenas preditores a curto prazo.
Outro estudo que vai de encontro a esta ideia, de que a desesperança é preditiva do
suicídio, foi realizado por Jain, Singh, Gupta e Kumar (1999). O objetivo do estudo foi
investigar a severidade e relação da depressão, da desesperança e da intenção suicida em
adolescentes e adultos admitidos no hospital, após tentativa de suicídio. Os resultados
demostraram que houve uma relação fortemente significativa entre a intenção suicida e a
desesperança, entre a desesperança e a depressão e, entre a depressão e a intenção suicida. Foi
também verificado que os pacientes deprimidos tiveram valores mais elevados na escala de
desesperança.
Também Borges et al. (2004) realizaram um estudo com adolescentes de forma a
poder caracterizar a ideação suicida face à depressão e desesperança. Os resultados sugerem
que 36% têm ideação suicida, existindo também uma associação significativa entre a ideação
suicida a depressão e desesperança.

16
Outros fatores de risco são referentes à falta de suporte social (Reifman e Windle,
1995), tentativa prévia de suicídio, história familiar de suicídio, maus tratos ou abuso na
infância, crenças culturais e qualquer tipo de perda (Santos, 2006).
Relativamente aos fatores protetores encontramos facilidade de acesso aos serviços de
saúde, suporte social e familiar, apoios comunitários e boa articulação entre serviços e crenças
religiosas que não encorajam o suicídio (Santos, 2006).

Comportamentos suicidários na adolescência

Os adolescentes não têm a noção exata do que é a morte e de que ela é irreversível, não
ficando geralmente surpreendidos quando, após uma tentativa de suicídio, sobrevivem. Outro
dos motivos que leva à tentativa do suicídio é o facto de acharem que só existe essa solução
para acabar com o sofrimento (M. Laufer, 2000).
Embora os adolescentes suicidas ou em risco de suicídio possam pedir para ninguém
os ajudar, o que eles procuram é compreensão por parte de alguém e uma alternativa para a
resolução dos seus problemas, no fundo, renascer (Joffe, 2000).
É importante referir que embora o sujeito já tenha pensado em suicidar-se, a grande
maioria dos atos suicidas ocorrem devido a um impulso momentâneo e não devido a um plano
efetivamente muito bem delineado (Stengel, 1980).
Num estudo realizado por Sampaio et al. (2000), com o objetivo de analisar as
representações sociais dos adolescentes face ao suicídio, foram encontrados os seguintes
resultados: a representação face ao suicídio varia de acordo com a idade, sexo, ano de
escolaridade, região e presença de ideação suicida. Os adolescentes consideraram a ausência
de amigos, a disfunção familiar, o abuso de substâncias e a fuga dos problemas como
indicadores fortes que podem levar ao suicídio. Explicaram também o suicídio com base em
fatores intraindividuais (problemas de personalidade, vergonha de si próprio), interativos,
psicossociais (problemas na integração social) e biológicos(doença mental ou incurável).
Oliveira (1989), ao estudar as características dos sujeitos que deram entrada num
hospital central após tentativa de suicídio, encontrou um grupo significativo de adolescentes,
solteiros e que têm conflitos familiares e/ou dificuldades escolares.
Diversos autores têm estudado a importância da família, do grupo de pares e da escola
na ideação suicida e na tentativa de suicídio na adolescência:

17
Lai e Chang (2001) encontraram uma associação positiva entre ideação suicida e
elevado controlo por parte da mãe, reduzida afetividade por parte de ambos os pais, práticas
de educação negativas e ambiente familiar negativo.
Já Prinstein, Boergers, Spirito, Little, e Grapentine (2000) demonstraram que a
severidade da ideação suicida foi diretamente associada a distúrbios na relação com os pares,
nomeadamente rejeição por parte dos pares e baixos níveis de suporte referente à amizade.
Filiação a grupos desviantes, disfunções familiares, baixo status no grupo de pares e elevados
níveis de vitimização dos pares foi relacionado indiretamente com a ideação suicida, através
do uso de substâncias e sintomas depressivos. Elevado status no grupo de pares foi associado
com níveis baixos de sintomas depressivos e ideação suicida.
Cui, Cheng, Xu, Chen, e Wang (2011) demonstraram que problemas na relação com os
pares, nomeadamente crueldade, pouca ajuda, inexistência de amigos chegados, intimidação
frequente ou lutas físicas, são significativamente associados com uma maior probabilidade de
ideação e tentativa de suicídio. Por outro lado, a solidão foi encontrada como variável
moderadora da relação com os pares e o comportamento suicida.
Young, Sweeting e Ellaway (2011) demonstraram que a probabilidade de cometer
suicídio e de estar em risco de suicídio foi mais elevada em alunos com baixo envolvimento
com a escola e, embora ser católico seja um fator protetor, estudar numa escola católica tendo
uma religião diferente é um fator de risco, aumentando 2 a 4 vezes a probabilidade de tentar o
suicídio, estar em risco de suicídio ou praticar automutilação.
Bertera (2007) demonstrou que trocas sociais negativas com os pares não foram
associadas a valores mais elevados de ideação suicida, nem trocas sociais positivas com os
pares foram associadas a valores mais baixos de ideação suicida, contudo, trocas sociais
negativas com a família foram associadas a níveis mais elevados de ideação suicida. Também
Fotti, Katz, Afifi e Cox (2006) demonstraram que pobres relações parentais são mais
fortemente associado com a ideação e tentativa suicida do que pobres relações com os pares.
Por fim, Au, Lau e Lee (2009) demonstraram que o autoconceito social positivo,
referente à relação com os pares e, a coesão familiar, principalmente referente ao suporte, ao
compromisso e a uma ligação emocional forte, são variáveis que reduzem o risco de ideação
suicida, sendo a segunda variável mais relevante que a primeira.

18
Memórias Autobiográficas

Os primeiros autores a estudar as memórias autobiográficas foram Galton e Freud,


ainda que em linhas de trabalho distintas. Galton tinha como objetivo descrever, quantificar e
codificar as memórias de forma a criar uma taxonomia das recordações, enquanto que, Freud,
tinha como objetivo tratar a neurose através da exploração da história de vida do sujeito
(Robinson, 1986).
Numa fase inicial, Galton (1883) pedia aos sujeitos que recordassem a mesa do
pequeno-almoço e a definissem em termos de iluminação, nitidez e cor mas, como este
método não permitia dar a devida atenção aos processos do pensamento, começou a utilizar o
método da associação livre de ideias, fornecendo uma palavra a si próprio e pensando
livremente acerca dela. Embora este último método fosse melhor que o anterior, nem todas as
memórias que surgiam eram autobiográficas e, de forma a colmatar esta falha, Crovitz e
Schiffman (1974) alteraram a instrução dada, pedindo aos sujeitos para pensarem nas palavras
fornecidas até conseguirem associa-las a uma memória autobiográfica. Embora existam
diferentes métodos para recordar memórias autobiográficas, este último tem sido um dos mais
utilizados, diferindo as palavras fornecidas de estudo para estudo, consoante o seu objetivo.
Segundo Tulving (1972, citado por Tulving, 1973), as memórias autobiográficas
podem ser definidas como recordações de eventos experienciados pessoalmente, num espaço e
num tempo definidos. Estas memórias, episódicas, diferiam das memórias semânticas no
sentido em que as segundas seriam apenas referentes a conceitos, sem relação espácio-
temporal, ou seja, sem manutenção do contexto.
A memória episódica é uma memória de longo prazo, declarativa e com capacidade de
armazenamento de informação ilimitada, tendo uma função associativa entre diferentes tipos
de informação, nomeadamente visual, espacial e temporal, originando assim um estímulo
complexo ao qual se denomina de “evento” (Carrillo-Mora, 2010).
De acordo com Tulving (2002), para que uma memória seja considerada episódica, é
necessário que se conheça o “quê”, o “onde” e o “quando” e, para que estas sejam recordadas,
são necessárias 3 condições: um sentido de tempo subjetivo que nos permite viajar no tempo
através da mente; uma consciência autonoética que nos permite estar conscientes de que existe
um tempo subjetivo, diferente do tempo real; e, um self que consiga viajar num tempo
subjetivo. Assim, este tipo de memória é a única que nos permite, de forma consciente, voltar
a experienciar acontecimentos passados com precisão temporal. É este tipo de memória que dá
sentido à expressão usualmente utilizada “recordar é viver” (Carrillo-Mora, 2010).
19
Brewer (1986), utilizou a terminologia de memórias pessoais para falar de memórias
autobiográficas, definindo-as como “memórias para informação relacionada com o Self” (p.
26), que apareceriam num tempo e num local específico. As memórias pessoais seriam então a
recordação de episódios específicos do passado do sujeito, acompanhados pela crença de que
ocorreram efetivamente no passado do sujeito e que estariam a ser reproduzidos tal e qual
como os eventos ocorreram originalmente.

Funções das memórias autobiográficas

Robinson (1986) referiu que “as memórias da vida dizem-nos qualquer coisa acerca
do recordar e acerca de quem recorda” (p. 19)
Embora a lembrança involuntária de uma memória possa parecer aleatória e
desprovida de significado, as suas funções são diversas e, episódios específicos que são
lembrados têm geralmente aspetos sobrepostos às preocupações atuais do sujeito, o que não
significa que digam respeito ao contexto de recordação. Assim, estas memórias tornam-se
fundamentais para a manutenção do self, para dar um sentido de continuidade de forma a
ampliar o horizonte temporal subjetivo, para a reavaliação de comportamentos passados de
forma a resolver problemas atuais, para atualizar a nossa existência pessoal de uma forma
automática e para recordar ou reconstruir partes de informação que estão armazenadas na
memória a longo prazo (Rasmussen & Berntsen, 2009).
Neste sentido e, de acordo com as teorias vigentes, pode dizer-se que as memórias
autobiográficas têm 3 funções gerais: diretiva (guia pensamentos e comportamentos presentes
e futuros, auxilia na motivação, no planeamento e na resolução de problemas), individual
(proporciona conhecimento do self tendo em consideração a história de vida passada) e social
(facilita relações sociais presentes e futuras apoiando-se em comportamentos passados e,
facilita a comunicação, empatia e intimidade quando as memórias são partilhadas com outros)
(Rasmussen & Berntsen, 2009).
Pensa-se que as funções das memórias autobiográficas nem sempre são as mesmas ao
longo da vida. Cohen (1996, citado por Schlagman, Schulz & Kvavilashvili, 2006), sugere
que com o avançar da idade os sujeitos começam a preocupar-se mais com o seu bem-estar e
menos com funções sociais, ou seja, em idades mais jovens as funções seriam mais do âmbito
interpessoal (interação e ajuda social) e, em sujeitos idosos seriam mais do âmbito
intrapessoal (preservação do conceito de self e promoção da satisfação emocional).

20
Assink e Schroots (2011) realizaram um estudo longitudinal com o objetivo de estudar
diversos aspetos das memórias autobiográficas e verificaram que os conteúdos das memórias
variaram em função da idade (os jovens adultos recordaram menos memórias referentes a
trabalho do que os sujeitos de meia idade e idosos e, os idosos recordam menos memórias
referentes a escola e mais referentes a saúde, comparativamente com os outros dois grupos) e
do sexo (as mulheres recordaram mais memórias referentes a saúde e nascimentos e os
homens referente a trabalho). Também Conway e Holmes (2004, citado por Antalíková et. al.,
2011) realizaram um estudo onde pediram para que os sujeitos recordassem memórias de
décadas específicas, sugerindo os resultados que o conteúdo recordado refletiu a fase de
desenvolvimento de cada década.

Evocação de memórias autobiográficas

As crianças de 3 e 2 anos de idade têm uma boa e precisa memória de longo prazo,
conseguindo falar sobre eventos que ocorreram no passado, contudo, tem sido encontrada com
alguma consistência uma dificuldade em recordar memórias dos primeiros três anos e meio de
vida, período intitulado de amnesia infantil. Embora a grande maioria dos estudos sobre
amnesia infantil seja referente a adultos, Peterson, Grant e Boland (2005) realizaram um
estudo exploratório com crianças e adolescentes dos 6 aos 19 anos de idade. Os resultados
demonstraram que a idade da primeira memória que as crianças dos 6-9 anos recordaram foi
em média aos 3 anos e, nos jovens dos 10-19 anos foi em média aos 3 anos e meio, sendo que
este último resultado é idêntico aos resultados encontrados em adultos.
Para entendermos que memórias são recuperadas, temos de esclarecer os três tipos de
memórias existentes. J. M. G. Williams e Dritschel (1988, citado por Brennen et. al., 2010)
foram os primeiros autores a distinguir 3 tipos de memórias autobiográficas: memórias
autobiográficas específicas, referentes a um único episódio que ocorreu num determinado
espaço e tempo e que durou menos de um dia; memórias categóricas, referentes a eventos
genéricos, como por exemplo “eu como pipocas quando vou ao cinema”; e memórias
alargadas, referentes a eventos que duraram mais do que um dia, como por exemplo “Eu
aluguei um apartamento quando fui a Chipre nas férias”. Os últimos dois tipos de memórias
são memórias gerais, referentes a mais do que um evento, sendo que são as memórias
categóricas que frequentemente são associadas à depressão.
Williams e Broadbent (1986) realizaram uma investigação com o objetivo de estudar a
recuperação de memórias autobiográficas em sujeitos que realizaram tentativas de suicídio
21
recentes, sugerindo os resultados uma recuperação maior de memórias gerais para estes
sujeitos, comparativamente com um grupo controlo.
Desde então e, em adultos, a dificuldade em recuperar memórias especificas tem sido
encontrada com alguma consonância em diversas populações, nomeadamente: sujeitos
deprimidos, com história de abuso sexual, trauma e stress pós-traumático, com distúrbios
alimentares, com perturbação da personalidade borderline, com delírios paranoides e com
transtorno de stress agudo. Uma exceção a esta dificuldade em recordar episódios específicos
tem sido encontrada em sujeitos ansiosos (Decker, Hermans, Raes & Eelen, 2003; Swales,
Williams & Wood, 2001).
Goddard, Dritschel e Burton (1996) associaram a dificuldade de recordar informação
autobiográfica específica a uma reduzida capacidade de resolução de problemas sociais,
Williams, Ellis, Tyers, MacLeod, e Rose (1996, cit. por Dalgleish et al., 2007) associaram a
uma dificuldade em imaginar o futuro e, Dalgleish et al. (2007) a uma diminuição do controlo
executivo, operacionalizado através da fluência verbal.
Segundo J. M. G. Williams (1996, citado por Brennen et. al., 2010), a recordação de
memórias categóricas gerais é um processo automático, ao contrário da recordação de
memórias específicas, aprendido por volta dos três ou quatro anos de idade. Contudo, este
normal desenvolvimento de recordação de memórias autobiográficas pode ser diminuído no
caso de traumas precoces, de forma a evitar a recordação de memórias específicas e,
consequentemente o afeto negativo associado às mesmas.
Já Conway e Rubin (1993, citado por Mace, Clevinger & Martin, 2010), tendo em
consideração a recordação hierárquica, defendem que os sujeitos têm primeiro acesso à
memória geral e só depois à memória específica e, por uma questão de economia, pela
incapacidade de encontrar determinada memória ou pela tarefa ser cognitivamente muito
exigente, os sujeitos terminam as suas pesquisas com maior quantidade de memórias gerais.
Por outro lado, Kuyken e Brewin (1995, citado por Decker et al., 2003) e Brewin
Reynolds e Tata (1999, citado por Decker et al., 2003) defendem que pensamentos intrusivos
devido a psicopatologia ou memórias sobre experiencias traumáticas e os esforços para evitar
essas situações podem esgotar os recursos cognitivos e interferir com o funcionamento da
memória.
Tem também sido observado um efeito de recência em diversos estudos, ou seja, a
recordação mais frequente de eventos recentes do que passados. Assink e Schroots (2011)
estudaram as memórias autobiográficas e as expetativas futuras, dividindo os sujeitos em 3
grupos etários, dos 18-30 anos, dos 31-55 anos e dos 56-84. Os resultados indicaram um
22
efeito de recência muito claro (eventos recentes foram recordados mais frequentemente que
eventos passados) para os sujeitos mais jovens, decrescendo este efeito com o avanço da
idade.

A recordação de memórias autobiográficas na adolescência

Embora o conceito de memórias autobiográficas tenha sido e, continue a ser,


amplamente estudado em adultos, só mais recentemente começou a ser explorado em crianças
e adolescentes. A depressão tem sido uma das variável mais estudadas:
Swales, Williams e Wood (2001) estudaram os distúrbios de humor e a recordação de
memórias autobiográficas em duas populações de adolescentes: clinica (adolescentes
internados na ala de psiquiatria) e não clinica. Os resultados demonstraram valores mais
elevados de depressão e desesperança para a população clinica, bem como menor
especificidade na recordação de memórias. Os adolescentes com valores mais elevados de
depressão e desesperança recordaram memórias mais específicas para as palavras fornecidas
que eram de valência negativa, tendo sido esta tendência associada à desesperança. Este
aumento de especificidade pode ser explicado pela repetição de certas memórias específicas
para mais do que uma palavra, fundamentalmente em sujeitos com uma história de
parasuicidio.
Também num estudo realizado por Kuyken e Howell (2000), com adolescentes
deprimidos e adolescentes que nunca estiveram deprimidos, os resultados sugeriram que os
primeiros, em comparação com os segundos, recordam memórias mais recentes e
preferencialmente negativas. Este efeito de recência pode ter ocorrido devido a estas
memórias serem mais fáceis de aceder porque alguns recursos cognitivos estão em défice ou,
pelo conteúdo das memórias estar mais consonante com os objetivos atuais do sujeito.
Kuyken e Dalgleish (2011) realizaram dois estudos de forma a perceber se os
adolescentes em risco de depressão apresentavam défices nas memórias autobiográficas. No
primeiro estudo o risco da depressão foi operacionalizado tendo em conta elevados valores de
neuroticismo, não havendo sujeitos com história passada de depressão e, no segundo estudo,
foi operacionalizado tendo em conta a história da depressão. Ambos os estudos sugeriram
uma associação entre o risco de depressão e maior recordação de memórias categóricas gerais
para as palavras fornecidas com valência negativa, sendo este efeito mediado no primeiro
estudo pela severidade da depressão. Não houve diferenças significativas na quantidade de

23
memórias específicas recordadas em sujeitos em risco de depressão e sujeitos que não
estavam e risco.
Relativamente à especificidade das memórias, tem sido encontrada uma maior
recordação de memórias gerais em adolescentes com sintomas de depressão, em oposição aos
que não têm sintomas de depressão (Johnson, Greenhoot, Glisky, e McCloskey, 2005;
Kuyken, Howell e Dalgleish, 2006) e uma menor recordação de memórias específicas em
raparigas vítimas de queimaduras (Stokes Dritschel e Bekerian, 2004, cit. por Kuyken, Howell
e Dalgleish, 2006) e adolescentes expostos a situações de trauma na sua infância (Brennen et.
al., 2010).
Já Decker, Hermans, Raes e Eelen (2003), realizaram um estudo com o objetivo de
perceber a especificidade das memórias e o trauma em adolescentes internados, sugerindo os
resultados uma tendência para recordar um menor número de memórias específicas em
adolescentes que sofreram traumas severos. Contudo, não houve uma correlação significativa
entre variáveis emocionais, como a depressão e a desesperança, e a especificidade das
memórias recordadas.
Também Brennen et. al. (2010), de forma a estudar a especificidade das memórias
autobiográficas realizaram dois estudos com adolescentes expostos a situações de trauma na
sua infância, no estudo 1 provenientes da Bósnia e no estudo 2 provenientes da Sérvia. Os
resultados foram idênticos para ambos os estudos, sugerindo menor recordação de memórias
especificas e maior recordação de memórias gerais, comparativamente com o grupo de
controle. Tal como no estudo anteriormente referido, não houve uma associação entre a
especificidade das memórias autobiográficas e a depressão.
Estes estudos vão de encontro à ideia de J. M. G. Williams (1996, citado por Brennen
et. al., 2010), onde defende que o trauma precoce pode levar à diminuição de memórias
específicas mas não necessariamente à depressão, como acontece em adultos, uma vez que
antes da fase adulta pensa-se que a recordação de memórias gerais pode ser um processo
adaptativo e protetor.
Antalíková, Hansen, Gulbrandsen, Mata e Santamaría (2011) tiveram como objetivo
explorar de que forma as pessoas que estão em redor do adolescente contribuem para o seu
desenvolvimento, particularmente ao nível da autonomia. Para tal, foi pedido aos adolescentes
que recordassem memórias autobiográficas com um significado importante, referente a cada
uma das seguintes palavras - família, escola e amigos – uma vez que são três envolventes
sociais centrais e de elevado significado no desenvolvimento do individuo no período da
adolescência. Os resultados sugeriram que a idade das memórias para a palavra família foram
24
as mais antigas, seguindo-se as memórias para a palavra escola e, por último, para a palavra
amigos. Os resultados demonstraram, ainda, que o rácio entre o número de vezes que o sujeito
referiu os outros e o número de vezes que se referiu a si próprio foi mais elevado para a
palavra família e menos para a palavra escola. Conclui-se, ainda, neste estudo que a
quantidade de expressões associadas a autonomia foi superior em memórias para a palavra
escola, seguindo-se em memórias para a palavra amigos e finalmente em memórias para a
palavra família.
Por considerar-mos que a família, os amigos e a escola são três entidades de
socialização muito importantes na adolescência, como já referido no início deste capítulo,
optámos por recorrer a uma metodologia semelhante à do estudo anterior. Embora a grande
maioria dos estudos anteriormente mencionados analisem as memórias autobiográficas como
variável dependente, achámos pertinente analisá-las como variável independente, uma vez que
pensamos que o tipo de memórias recordadas para estas três entidades de socialização, podem
influenciar, cada uma por si, a ideação suicida, a depressão e a desesperança.

25
CAPÍTULO II

OBJETIVO E HIPOTESES DO ESTUDO

Com o presente estudo pretende-se perceber se a depressão, a desesperança e a ideação


suicida estão correlacionadas e, perceber se o tipo de recordação de memórias autobiográficas
para as palavras família, amigos e escola influencia as primeiras três variáveis.
Após a realização da revisão de literatura, é possível afirmar que a ideação suicida, a
depressão e a desesperança são fatores relevantes para o comportamento suicida. Jain, Singh,
Gupta e Kumar (1999) encontraram uma relação fortemente significativa entre esses três
fatores em adolescentes que realizaram uma tentativa de suicídio. Também Borges et al.
(2004) também encontraram uma associação significativa entre a ideação suicida e as
variáveis depressão e desesperança numa população de adolescentes.
Num estudo realizado por Rudd (1990, cit. por Reifman e Windle, 1995), a depressão
e a desesperança foram ambas preditores da ideação suicida em jovens, embora a depressão
tivesse parecido ser um melhor preditor do que a desesperança. Da mesma forma, Cole
(1989), com o objetivo de perceber a relação existente entre algumas variáveis cognitivas e a
depressão face a comportamentos relacionados com o suicídio, verificou que a depressão foi
mais fortemente correlacionada com o comportamento suicida do que a desesperança. Noutro
estudo, com o mesmo objetivo e numa população masculina, Cole (1989) constatou que
desesperança não é uma variável muito relevante para o comportamento suicida, embora tenha
sido relacionada com os pensamentos acerca de morrer, ao contrário da depressão. Face os
resultados obtidos nestes estudos, colocamos a seguinte hipótese:

Hipótese 1. Em adolescentes, a depressão, a desesperança e a ideação suicida estão


fortemente correlacionadas.

A depressão tem origem em diversos fatores, entre eles citamos: fatores


genéticos/biológicos, fatores psicológicos, fatores referentes aos pares e fatores familiares
(Petersen et al., 1993).
Cruz, Sanfins, Lemos, Maltez e Felix (1999) realizaram um estudo para compreender
de que forma os acontecimentos biográficos significativos para o adolescente afetam a
depressão. Os resultados revelaram que a grande maioria dos adolescentes com depressão

26
apresentaram como acontecimentos biográficos mais importantes “problemas de
relacionamento com os pais ou com pessoa íntima”, “nova amizade” e “sucesso nos estudos”.
Já Oliveira (1989), ao estudar as características dos sujeitos que deram entrada num
hospital após tentativa de suicídio, verificou a existência de um grupo significativo de
adolescentes, solteiros, com conflitos familiares e/ou dificuldades escolares. Diversos são os
estudos que têm encontrado uma associação positiva entre ideação suicida e problemas
referentes à família ou progenitores (Lai e Chang, 2001; Bertera, 2007; Fotti, Katz, Afifi e
Cox, 2006;), bem como problemas relacionados com os pares (Cui, Cheng, Xu, Chen, e
Wang, 2011) e baixo envolvimento com a escola (Young, Sweeting e Ellaway, 2011). Uma
boa relação com os pares e uma boa coesão familiar podem reduzir o risco de ideação suicida
(Au, Lau e Lee, 2009).
Num estudo realizado por Kuyken e Howell (2000), com adolescentes deprimidos e
adolescentes que nunca estiveram deprimidos, os resultados sugeriram que os adolescentes
deprimidos, em comparação com os que nunca estiveram deprimidos, recordam memórias
mais recentes e preferencialmente negativas. Relativamente à especificidade das memórias,
tem sido encontrada uma maior recordação de memórias gerais em adolescentes com sintomas
de depressão, em oposição aos que não apresentam aquele tipo de sintomas (Johnson,
Greenhoot, Glisky, e McCloskey, 2005; Kuyken, Howell e Dalgleish, 2006)
Assim, como já referimos no fim do capítulo I (p. 26), analisaremos as memórias
autobiográficas como variável independente, tendo presente que Rasmussen & Berntsen
(2009) referem que os episódios específicos que são recordados têm aspetos sobrepostos às
preocupações atuais do sujeito. Neste contexto, formulámos as seguintes hipóteses:

Hipótese 2. Na adolescência existem diferenças significativas relativamente à ideação


suicida, depressão e desesperança entre a especificidade, valência e conteúdos das memórias
autobiográficas recordadas para a palavra família;
Hipótese 3. Na adolescência existem diferenças significativas relativamente à ideação
suicida, depressão e desesperança entre a especificidade, valência e conteúdos das memórias
autobiográficas recordadas para a palavra amigos.
Hipótese 4. Na adolescência existem diferenças significativas relativamente à ideação
suicida, depressão e desesperança entre a especificidade, valência e conteúdos das memórias
autobiográficas recordadas para a palavra escola.

27
CAPÍTULO III

MÉTODO

Participantes

Participaram neste estudo um total de 205 jovens de duas escolas públicas da área da
Grande Lisboa. Do total dos participantes, 9 foram excluídos devido à idade ou à tarefa ter
sido mal respondida. Embora um dos sujeitos não tivesse respondido ao questionário
sociodemográfico, decidimos inclui-lo na amostra, uma vez que o resto da tarefa estava
totalmente preenchida. A amostra final foi, assim, constituída por 196 adolescentes com
idades compreendidas entre os 13 e os 17 anos (M=14,56; SD=0,97), tendo sido o instrumento
aplicado a quatro turmas do 8º ano (n=59;30,3%), a três turmas do 9º ano (n=62;31,8%) e a
três turmas do 10º ano (n=74;37,9%) (Anexo 3.1). A tabela 1 mostra a distribuição dos
sujeitos por idade e ano de escolaridade (Anexo 3.2).

Tabela 1: Distribuição dos sujeitos por idade e ano de escolaridade.


Ano de escolaridade
Idade 8ºano 9ºano 10ºano
13 27 0 0
14 30 23 12
15 1 26 49
16 1 8 11
17 0 5 2

Relativamente ao sexo dos jovens, 51,8% (n=101) dos adolescentes são do sexo
feminino e 48,2% (n=94) do sexo masculino (Anexo 3.1). A tabela 2 mostra a distribuição dos
sujeitos por idade e sexo (Anexo 3.3).

Tabela 2: Distribuição dos sujeitos por idade e género.


Idades Feminino Masculino
13 12 15
14 37 28
15 42 34
16 8 12
17 2 5
Total 101 94

28
Dos 196 adolescentes, 94,8% (n=184) têm nacionalidade portuguesa e 5,2% (n=10)
são de outras nacionalidades (Anexo 3.1).
Da amostra total, 64,9% (n=126) afirmaram nunca ter pensado em suicidar-se e 35,1%
(n=68) afirmaram ter pensado em suicidar-se. Destes últimos, 13,9% (n=27) pensaram em
suicidar-se uma vez, 7,7% (n=15) duas vezes e 13,4% (n=26) mais do que duas vezes (Anexo
3.1).
Já no que respeita às tentativas de suicídio, 90,7% (n=176) dos adolescentes nunca
tentaram suicidar-se e 9,3% (n=18) dos adolescentes já tentaram suicidar-se. Destes últimos,
5,2% (n=10) tentaram suicidar-se uma vez, 2,1% (n=4) duas vezes e 2,1% (n=4) mais do que
duas vezes (Anexo 3.1).
Quando perguntado aos jovens se conheciam alguém que se tivesse suicidado, 33,5%
dos jovens responderam que sim e 66,5% que não, sendo que 90,7% desses suicídios foram
referentes a conhecidos/vizinhos/amigos e 9,3% foram referentes a familiares. A tabela 3
mostra distribuição dos sujeitos por conhecimento de alguém que se tenha suicidado e sexo
(Anexo 3.3).

Tabela 3: Distribuição dos sujeitos por conhecimento de alguém que tenha cometido suicídio
e sexo.
Conhece alguém que cometeu
Feminino Masculino
suicídio
Sim 41 24
Não 59 70

Instrumentos

Escala de auto-avaliação da Depressão (DSRS)


A Escala de auto-avaliação da Depressão é um instrumento de auto-preenchimento e
avaliação que permite medir os sintomas afetivos e cognitivos e comportamentos da
depressão, originalmente desenvolvido por Birleson (1981), na sequência de uma adaptação
da escala de Zung (1965). A escala, contendo inicialmente 18 itens, foi posteriormente
alterada por Asarnow e Carlson (1985), ficando com mais 3 itens da depressão e 3 itens da
desesperança, estes últimos provenientes da BHS. Ao nível da consistência interna, o alfa de
Cronbach encontrado foi de .76 (p. < .01) e o coeficiente de fidelidade de Spearman-Brown de
.67. (Marujo, 1994)

29
Para o presente estudo foi aplicada a versão da DSRS utilizada por Marujo, H. (1994),
onde foi excluído um item, referente ao suicídio. A escala ficou assim composta por 20 itens
da depressão e 3 da desesperança, existindo três possibilidades de resposta para cada item
(“quase sempre”, “às vezes” ou “nunca”), sendo que metade dos itens afirmam o sintoma e a
outra metade negam o sintoma. Cada item tem uma pontuação possível de 0 a 2, o que resulta
numa pontuação máxima de 40 para os sintomas depressivos.

Escala da Desesperança de Beck (BHS)


A Escala da Desesperança de Beck é um instrumento de auto-preenchimento e
avaliação de Beck, Weissman, Lester e Trexler (1974, cit por Beck, A. T. & Steer, R. A.,
1988), constituído por 20 itens, que permite medir as atitudes negativas acerca do futuro,
percecionadas por adolescentes e adultos. Destes 20 itens, 9 são classificados como
verdadeiros e 11 como falsos, podendo os resultados obtidos ir de 0 a 20. Se o valor
encontrado estiver entre 0 e 3 é considerado mínimo, se estiver entre 4 e 9 é considerado
médio, se se encontrar entre 9 e 14 moderado e, se for maior que 9 é considerado severo.
Ao nível da consistência interna, o nível de fidelidade Kunder-Richardson (KR-20) foi
de .92, .93, .91, .82, .92, .92 para sujeitos com ideação suicida, com tentativa de suicídio,
alcoólicos, dependentes de heroína, com um único episódio de Depressão Major, com
episódios recorrentes de Depressão Major e Distúrbios Distémicos, respetivamente. A
correlação teste-reteste com intervalo de 6 semanas entre as aplicações foi de .66 (p < .001). O
instrumento que será utilizado é a versão traduzida para a população portuguesa por Viveiros
et al. (1997, citado por Soeiro, 1997).

Questionário de Ideação Suicida (QIS)


O Questionário de Ideação Suicida é um instrumento de auto-preenchimento
primeiramente desenvolvido por Reynolds (1988), que permite avaliar a gravidade dos
pensamentos suicidas em adolescentes e adultos. A versão que irá ser utilizado é a de Ferreira
e Castela (1993/94), aferida e validada para a população portuguesa. Nesta versão ao nível da
consistência interna o alfa de Cronbach encontrado foi de .96 e a correlação teste-reteste com
intervalo de um mês entre as duas aplicações foi de .76.
O instrumento é constituído por 30 itens, variando as respostas de 1 – “o pensamento
nunca ocorreu” até 7 – “o pensamento ocorreu sempre”, podendo o resultado oscilar entre 0 e
180.

30
Tarefas de Memórias Autobiográficas
A tarefa de memórias autobiográficas consiste em pedir aos adolescentes que recordem
memórias referentes às palavras família, escola e amigos, experienciadas pessoalmente e o
mais detalhadas possível. Neste estudo, de forma a evitar qualquer efeito de primazia ou
recência, as três palavras foram colocadas por seis ordens diferentes. A tarefa tal como é
apresentada, foi desenvolvida por Antaliková et al. (2011), tendo sido baseada na tarefa
utilizada no estudo de Wang (2006).
A codificação desta tarefa foi realizada tendo em consideração três parâmetros:

- Especificidade - no qual se distinguem três tipos de memórias autobiográficas:


Memórias Especificas, referentes a um único evento, com duração inferior a um dia;
Memórias Categóricas, referentes a episódios genéricos e Memórias Alargadas, referentes a
eventos com duração superior a um dia (conforme referido na p. 24, capítulo I). As respostas
que não foram memórias (ex. opiniões) foram consideradas Não-Memórias.
- Valência - positiva, negativa ou neutra.
- Categorias – relações encontradas relativamente ao conteúdo das memórias para as
palavras família, amigos e escola. As categorias definidas serão apresentadas no capítulo III.

O instrumento aplicado aos adolescentes encontra-se no Anexo 1.

Procedimento

Com o intuito de recolher uma amostra de adolescentes para o presente estudo, pediu-
se autorização por escrito a diversas escolas da área da Grande Lisboa (Anexo 2), obtendo-se
o consentimento da direção de duas dessas escolas para a realização deste trabalho. Agendou-
se a recolha dos dados com a direção e com os professores, tendo sido os instrumentos
aplicados no decorrer dos tempos letivas. A participação no estudo foi consentida pelos pais
(Anexo 2.1), tendo a tarefa demorado cerca de 45 minutos a ser realizada.
Após os questionários terem sido preenchidos, procedeu-se à codificação das
memórias autobiográficas com três júris independentes e licenciados em psicologia. Só foram
consideradas as respostas em que pelo menos dois dos elementos do júri estiveram de acordo.
As respostas foram posteriormente inseridas na versão 20 do software IBM SPSS. Para se
proceder a análise dos resultados, teve-se em consideração que amostras superiores a 30

31
sujeitos dispensam a verificação dos pressupostos para a aplicação dos testes paramétricos.
Para todas as análises realizadas, considerou-se uma probabilidade de erro tipo I (α) de 0,05.
Quando se procedeu à análise dos resultados, verificou-se que 78 das memórias
recordadas, referentes às palavras família, amigos e escola, foram alusivas à idade atual do
sujeito e não relativas a eventos ocorridos há mais de um ano, como foi solicitado na tarefa
(Anexo 3.5). Apesar deste número ser muito elevado, optou-se por analisar as respostas e
percebeu-se então que a tarefa não tinha sido compreendida, pois este erro era
fundamentalmente cometido em uma ou duas respostas e não nas três respostas. Para tomar
esta decisão teve-se também em consideração o facto dos adolescentes se guiarem
fundamentalmente pelo ano letivo e não pelo ano civil.

32
CAPÍTULO IV

APRESENTAÇÃO E DISCUSSÃO DOS RESULTADOS

De forma a facilitar a leitura deste capítulo, optou-se por efetuar a análise dos
resultados e respetiva discussão de forma integrada. Num primeiro momento será apresentada
uma análise descritiva das variáveis mais revelantes para o nosso estudo e, posteriormente,
serão apresentados e discutidos os resultados relativos às hipóteses.

Análise descritiva das variáveis mais relevantes

Sendo a fidelidade de um instrumento elevada se estiver acima de 0,60, é-nos possível


afirmar que no nosso estudo os instrumentos da depressão, desesperança e ideação suicida
tiveram uma boa consistência interna (Anexo 4.1; Tabela 4).

Tabela 4: Análise descritiva das variáveis depressão, desesperança e ideação suicida.


Dimensões Média Desvio-Padrão Αlfa de Cronbach
Depressão 11,73 5,31 0,81
Desesperança 4,50 3,68 0,82
Ideação Suicida 1,75 1,00 0,97

A média dos sintomas de depressão foi de 11,73, sendo que Marujo (1994) considera
que um valor inferior de 15 é baixo e um valor superior a 15 é elevado, tendo, este ultimo, seis
vezes mais a probabilidade de estar associado a um diagnóstico clínico de depressão. Para a
escala da desesperança a média encontrada foi de 4,50, o que segundo a classificação de Beck
e Steer (1988) significa que as atitudes negativas acerca do futuro tiveram um valor médio (0-
3 mínimo; 4-8 médio; 9-14 moderado; > 14 severo). No que diz respeito à ideação suicida, o
valor obtido foi de 1,75. Embora este valor tenha sido estatisticamente baixo, qualquer valor
superior a 1,00 indica a existência de pensamentos suicidas, já sendo por isso um motivo de
alerta (Anexo 4.2; Tabela 4).
No que concerne à relação entre depressão, desesperança e ideação suicida no género
feminino e masculino, constatou-se que a média dos sintomas destas três variáveis foi mais
elevada nas raparigas do que nos rapazes, sendo essa diferença significativa para todas as
variáveis (p. < 0,05) (Anexo 4.3; Tabela 5).

33
Tabela 5: Diferença de médias entre sexo em relação à depressão, desesperança e ideação suicida.

Género Média Desvio-Padrão t Valor-p


Feminino 13,26 5,52 4,31 0,00
Depressão
Masculino 10,11 4,61
Feminino 5,28 4,03 3,09 0,00
Desesperança
Masculino 3,68 3,09
Feminino 1,90 1,04 2,24 0,03
Ideação suicida
Masculino 1,59 0,94

Estes resultados foram de encontro ao esperado, uma vez que ser do sexo feminino tem
sido considerado um fator de risco para a presença de ideação suicida (Lopes et al., 2001;
Fensterseifer et al, 2004; Santos, 2006; Souza et al., 2009). Estes resultados referentes à
população feminina, como já referido anteriormente, podem dever-se às alterações hormonais
que ocorrem durante a fase da adolescência (Acosta-Hernández et al., 2011), como também
podem ser demonstrativos de uma maior resistência por parte dos rapazes de expressarem
sofrimento e sintomas (Cardoso, Rodrigues e Vilar, 2004).
Constata-se igualmente que outro dos fatores de risco para a ideação suicida,
frequentemente descrito na literatura é conhecer alguém que tenha cometido suicídio. Na
Tabela 3, já como anteriormente mencionado, verificou-se que existiu um maior número de
raparigas do que rapazes que conheceu alguém que tenha cometido suicídio. Já através da
observação da Tabela 6, é possível verificar que a média de ideação suicida e de tentativas de
suicídio é superior nos adolescentes que conheceram alguém que tenha cometido suicídio do
que naqueles que, pelo contrário, não conheceram indivíduos nesta situação. Contudo, esta
diferença foi apenas significativa ao nível da ideação suicida (p. < 0,05), embora também
interpretável para as tentativas de suicídio (p. < 0,10) (Anexo 4.4). Estes resultados são
congruentes com a literatura, uma vez que o facto de conhecer alguém que se tenha suicidado
tem sido encontrado como um fator de risco para o suicídio (Santos, 2006; Lopes, Barreira e
Pires, 2001).

Tabela 6: Diferença de médias entre as ideias suicidas e tentativa de suicídio em relação a


conhecer alguém que tenha cometido suicídio.
Conhece alguém que
Média Desvio-Padrão t Valor-p
cometeu suicídio
Sim 2,05 1,23 3,24 0,00
Ideias Suicidas
Não 1,52 0,96
Sim 1,25 0,64 1,65 0,10
Tentativa de Suicídio
Não 1,11 0,49

34
Relativamente à especificidade das memórias autobiográficas, uma vez que a
percentagem de sujeitos que recordou memórias categóricas foi reduzida (6,8% para a palavra
família; 4,6% para a palavra amigos; e 4,7% para a palavra escola), comparativamente com a
percentagem de sujeitos que produziu memórias específicas (47,9% para a palavra família;
43,3% para a palavra amigos; e 48,7% para a palavra escola) e memórias alargadas (42,6%
para a palavra família; 46,4% para a palavra amigos; e 40,9% para a palavra escola), optou-se
por considerar as memórias gerais no seu todo (categóricas + alargadas). Assim sendo, os
resultados apresentam uma percentagem mais elevada de recordação de memórias
autobiográficas gerais do que específicas para todas as palavras e maior percentagem de não-
memórias para as palavras amigos e escola (Anexo 4.5; Tabela 7).

Tabela 7: Percentagem da especificidade das memórias recordadas referentes às palavra


família, amigos ou escola.

Especificidade M.A. Família Amigos Escola


Específica 47,9% 43,3% 48,7%
Gerais (Categóricas + Alargadas) 49,4% 51% 45,6%
Não-memória 2,6% 5,7% 5,7%

Mais uma vez, sendo que a percentagem de memórias com valência neutra (4,9% para
a palavra família; 5,4% para a palavra amigos; e 9,3% para a palavra escola) foi bastante
reduzida comparativamente com as de valência positiva e negativa, como se pode verificar na
Tabela 8, optou-se por retirar esta valência na análise estatística que será efetuada para a
confirmação das hipóteses do estudo (Anexo 4.5).

Tabela 8: Percentagem da valência das memórias recordadas para as palavras família, amigos
ou escola.
Valência da M.A. Família Amigos Escola
Positivo 48,9% 56,5% 48,4%
Negativo 46,2% 38,0% 42,3%

De acordo com a análise estatística, houve maior percentagem de recordação de


memórias positivas para a palavra amigos do que para família ou escola e, maior percentagem
de recordação de memórias negativas para a palavra família do que para amigos ou escola. É
também notória uma percentagem bastante mais elevada de memórias positivas para a palavra
amigos do que negativas, não acontecendo o mesmo com as palavras família ou escola.

35
Os amigos ganham efetivamente uma maior relevância na vida dos adolescentes,
podendo o facto de os adolescentes passarem mais tempo com o grupo de pares e partilhem
pensamentos e intimidade, levar a um maior afastamento por parte dos pais, acabando por
existir divergências de crenças, atitudes e valores (Palmonari, Kirchler e Pombeni, 1991).
Num estudo realizado por Amaral et.al (1998) com o objetivo de perceber as representações
da escola em pré-adolescentes e adolescentes, os jovens evidenciaram como aspetos positivos
da escola a relação entre pares, por oposição à relação com os adultos e tipo de aulas.

No que diz respeito às categorias, após a leitura de todas as memórias, foram


encontradas as seguintes categorias para a palavra família: conflitos, apoio familiar, divórcio,
mudança, lazer, despedida/reencontro de familiares, saúde, nascimento e morte. Já para a
palavra amigos, as categorias foram as seguintes: amizade, conflitos, mudança, lazer, início
escolar, comportamentos desregrados, despedida/reencontro de familiares e saúde. Ainda
referente à palavra escola, as categorias que surgiram foram as seguintes: amizade, conflitos,
namoro, mudança, lazer, início escolar, atividades escolares, desempenho escolar,
comportamentos desregrados e saúde. No anexo 9 encontram-se exemplos de memórias que
os adolescentes recordaram para todas as categorias.
Em traços gerais, verificou-se uma recordação mais elevada de memórias referentes a
lazer e conflitos parra a palavra família, uma maior recordação de memórias alusivas a lazer e
amizade para a palavra amigos e, ainda, uma recordação mais significativa de memórias
alusivas a desempenho escolar e atividades escolares e para a palavra escola (Tabelas 9, 10 e
11).

Tabela 9: Categorias encontradas nas memórias autobiográficas para a palavra família.

Categoria_Família N
Conflitos 24
Apoio familiar 14
Divórcio 12
Mudança 8
Lazer 67
Despedida/Reencontro familiares 7
Saúde 14
Nascimento 16
Morte 18

36
Tabela 10:Categorias encontradas nas memórias autobiográficas para a palavra amigos.
Categoria_Amigos N
Amizade 46
Conflitos 21
Mudança 23
Lazer 56
Inicio escolar 8
Comportamentos desregrados 7
Despedida/Reencontro familiares 4
Saúde 13

Tabela 11: Categorias encontradas nas memórias autobiográficas para a palavra escola.
Categoria_Escola N
Amizade 15
Conflitos 15
Namoro 6
Mudança 17
Lazer 8
Inicio escolar 23
Atividades escolares 27
Desempenho escolar 29
Comportamentos desregrados 20
Saúde 12

Apresentação e discussão dos resultados relativos às hipóteses

Para testar a nossa hipótese 1 “Em adolescentes a depressão, a desesperança e a


ideação suicida estão fortemente correlacionadas”, procedeu-se à correlação de Pearson entre
as três variáveis (Anexo 5.1).
Os resultados das correlações sugeriram que as três variáveis estão positivamente e
fortemente correlacionadas entre si e que a correlação entre a ideação suicida e a depressão é
mais forte do que a correlação entre a ideação suicida e a desesperança (Tabela 12; Anexo
5.1), confirmando assim a hipótese 1.

Tabela 12: Correlações de Pearson entre depressão, desesperança e ideação suicida.


1. 2. 3.
1. Depressão G -
2. Desesperança é 0,66 -
3. Ideação Suicida n 0,59 0,47 -
e
37
r
o
Os resultados acima apresentados vão de encontro aos estudos realizados por Cole
(1989), Rudd (1990, citado por Reifman e Windle, 1995; ) e Lewinsohn, Rohde e Seeley
(1994, citado por Reifman e Windle, 1995), onde a depressão e a desesperança foram
consideradas relevantes, ganhando a primeira maior importância do que a segunda. Também
no estudo realizado por Cole (1989), a desesperança não foi tão significativa quanto à
depressão na ideação suicida dos adolescentes. Este facto pode dever-se segundo ao autor, aos
jovens conseguirem visualizar mudanças positivas a curto prazo (fim dos estudos ou saída de
casa dos pais), por oposição aos adultos. Sendo assim, para os adultos, a desesperança é
considerada uma variável mais importante do que a depressão nos pensamentos suicidas
(Farber, 1968; Beck, 1963, e Kobler e Stotland, 1964, citado por Minkoff, Bergman, Beck e
Beck, 1973).

Para validar a hipótese 2 “Na adolescência existem diferenças significativas


relativamente à ideação suicida, depressão e desesperança entre a especificidade, valência e
conteúdos das memórias autobiográficas recordadas para a palavra família”, realizou-se uma
análise de variância (Anova Two-way).
Quanto à dimensão ideação suicida, não se verificaram efeitos de interação entre a
especificidade, valência e categorias das memórias autobiográficas para a palavra família. O
mesmo se verificou para os efeitos principais referentes às mesmas variáveis (Anexo 6.1).
Contudo, é possível verificar que a média de ideação suicida é mais elevada em adolescentes
que recordaram memórias gerais, memórias negativas e, memórias referentes a “conflitos” e
“saúde”. Já para a categoria “nascimento”, a média de ideação suicida foi mais baixa (Tabela
13).
Para a categoria “conflitos” as memórias foram, por exemplo, referentes a: conflitos
entre pais e familiares; agressões físicas entre pais; discussões familiares devido ao irmão ser
toxicodependente; conflitos devido à inexistência de quartos para todo o agregado familiar;
discussões devido ao facto de um avô ter arranjado uma amante no dia de anos; conflitos com
os pais devido a alteração de forma de vestir do adolescente, conflitos com os pares onde os
pais têm uma intervenção ativa.
Na categoria “Saúde” as memórias foram alusivas a acidentes (ex. ver a mãe cair na
linha do metro) e saúde mental do próprio ou de outros (ex. a mãe tivera uma depressão e por
várias vezes tentou matar-se).

38
Relativamente às memórias referentes a “nascimento”, estas foram maioritariamente
alusivas ao nascimento de irmãos e sobrinhos, encontradas como motivo de grande felicidade
pelo adolescente.

Tabela 13 – Média da ideação suicida nos efeitos principais ao nível das memórias
autobiográficas para a palavra família.
Média
Especificas 1,71
Especificidade das
Gerais 1,80
memórias_Família
F(1,144)=0,04; p.=0,86
Positivo 1,62
Valência das memórias_Família Negativo 1,93
F(1,144)=0,18; p.=0,67
Conflitos 2,03
Apoio familiar 1,83
Divórcio 1,85
Mudança 1,57
Lazer 1,62
Categoria das memórias_Família Despedida/reencontro de 1,96
familiares
Saúde 2,02
Nascimento 1,27
Morte 1,99
F(8,144)=0,64; p.=0,74

Quanto à dimensão depressão, não se verificaram efeitos de interação entre a


especificidade, valência e categorias das memórias autobiográficas para a palavra família. O
mesmo se verificou para os efeitos principais referentes às mesmas variáveis (Anexo 6.2).
Contudo, é possível verificar que a média de depressão é mais elevada em adolescentes que
recordaram memórias gerais, memórias negativas e, memórias referentes a
“despedida/reencontro de familiares”, “morte” e “conflitos”. Já para a categoria “nascimento”,
a média de depressão foi mais baixa (Tabela 14).
No que respeita à categoria “despedida e reencontro de familiares”, as memórias
foram referentes a imigração de pais e outros familiares, ao encontro de pais e familiares que
já não viam há anos.
As memórias referentes à categoria “morte” foram maioritariamente relativas a
falecimento dos avós e outros familiares.

39
Tabela 14 – Média da depressão nos efeitos principais ao nível das memórias autobiográficas
para a palavra família.
Média
Especificas 11,58
Especificidade das
Gerais 12,02
memórias_Família
F(1,144)=0,55; p.=0,46
Positivo 10,83
Valência das memórias_Família Negativo 12,88
F(1,144)=0,56; p.=0,46
Conflitos 13,08
Apoio familiar 11,79
Divórcio 12,42
Mudança 12,00
Lazer 10,96
Categoria das memórias_Família Despedida/reencontro de 15,14
familiares
Saúde 10,36
Nascimento 8,75
Morte 14,61
F(8,144)=1,10; p.=0,37

No que respeita à desesperança, não se verificaram efeitos de interação entre a


especificidade, valência e categorias das memórias autobiográficas para a palavra família. Da
mesma forma não se registaram diferenças significativas ao nível dos efeitos principais na
ideação suicida, depressão e desesperança.
De qualquer forma, através da Tabela 15 é verificável que a média de desesperança foi
mais elevada para as categorias “apoio familiar” e “despedida/reencontro de familiares”. Este
resultado relativamente à categoria “apoio familiar” pode eventualmente dever-se às situações
que levaram à necessidade de receber esse apoio. A média da desesperança foi mais baixa nas
categorias “mudança” e “nascimento”, possivelmente por serem acontecimentos que
pressupõem uma alteração na vida a curto ou longo prazo.
Embora não se tivessem verificado efeitos principais para a especificidade e para a
valência destas memórias, a média da desesperança, foi superior em adolescentes que
recuperaram memórias gerais e memórias negativas (Tabela 15; Anexo 6.3).

40
Tabela 15 – Média da desesperança nos efeitos principais ao nível das memórias
autobiográficas para a palavra família
Média
Especificas 4,44
Especificidade das
Gerais 4,73
memórias_Família
F(1,144)=0,01; p.=0,91
Positivo 4,44
Valência das memórias_Família Negativo 4,91
F(1,144)=0,00; p.=0,99
Conflitos 3,75
Apoio familiar 6,57
Divórcio 4,92
Mudança 3,12
Lazer 4,16
Categoria das memórias_Família Despedida/reencontro de 6,43
familiares
Saúde 5,93
Nascimento 3,25
Morte 5,44
F(8,144)=1,55; p.=0,15

Passamos a apresentar, em quadro síntese (Quadro 1), todos os resultados referentes à


recordação de memórias autobiográficas ao nível da especificidade, valência e categorias, para
a palavra família, embora estatisticamente não significativos.

Quadro 1 – Síntese esquemática dos resultados relativos à recordação de memórias


autobiográficas para a palavra família.
Memórias autobiográficas referentes à palavra família
Especificidade Valência
Variável Categoria
Especifica Geral Positiva Negativa
Ideação - + - + + Conflitos, Saúde
suicida F(1,144)=0,04; F(1,144)=0,18; - Nascimento
p.=0,86 p.=0,67 F(8,144)=0,64; p.=0,74
- + - + + Despedida/reencontro de
familiares, Morte, Conflitos
Depressão F(1,144)=0,55; F(1,144)=0,56; - Nascimento
p.=0,46 p.=0,46 F(8,144)=1,10; p.=0,37
- + - + + Apoio familiar, Despedida/
reencontro de familiares
Desesperança F(1,144)=0,01; F(1,144)=0,00; - Mudança, Nascimento
p.=0,91 p.=0,99 F(8,144)=1,55; p.=0,15
Legenda: + Valores mais elevados na média das variáveis; - Valores mais baixos na média das
variáveis.

41
No que concerne a todas as análises realizadas para a validação da hipótese 2 (Quadro
1), constatamos o seguinte:
- Não se registaram valores significativos que nos permitam afirmar que a
especificidade, valência ou categoria das memórias autobiográficas influenciam os valores de
ideação suicida, depressão ou desesperança.

Os resultados obtidos (tendência de recuperação de memórias negativas para


adolescentes que apresentaram uma média de ideação suicida mais elevada, depressão e
desesperança), embora não sendo estatisticamente significativos, vão de encontro à teoria da
desesperança da depressão de Abramson et al. (1987, 1988a, b, citado por Alloy, Abramson,
Metalsky, Hartlage, 1988), que avança com a hipótese de existir uma sequência de eventos
que culminem nos sintomas da depressão, nomeadamente o facto dos sujeitos fazerem uma
atribuição global de eventos de vida negativos e posterior expetativa de desesperança, o que
culmina nos sintomas da depressão desesperançada.
Bertera (2007) demonstrou que trocas sociais negativas com a família foram
associadas a níveis mais elevados de ideação suicida e Fotti, Katz, Afifi e Cox (2006)
demonstraram que pobres relações parentais foram mais fortemente associadas com ideação
suicida e tentativa suicida do que pobres relações com os pares. Por último, Au, Lau e Lee
(2009) demonstraram que a coesão familiar reduz o risco de ideação suicida. Mais uma vez,
embora os resultados encontrados para a variável categoria das memórias autobiográficas não
tenham sido estatisticamente significativos, podemos afirmar existir uma tendência para
recordar memórias referentes a “conflitos” e “saúde” em sujeitos que tiveram médias mais
elevadas de ideação suicida.
Na adolescência é pressuposto que os jovens sejam capazes de atingir a independência
emocional dos pais (Schoeppe e Havighurst, 1952) e estabelecer relações dinâmicas no seio
da família, de modo a fortalecer ligações com os vários elementos da família Wit, Van der
Veer e Slot (1995, citado por Berger e Spanjaard). Contudo, para tal, é inevitável que os
papéis familiares se reorganizem, surgindo novas regras e responsabilidades, o que pode
implicar um aumento de conflitos familiares. O problema surge quando a hostilidade é
dominante nestes conflitos, podendo ser um sinal de alerta por parte do adolescente para
mudança do sistema familiar (Minuchin, 1998)
Relativamente à depressão, Cruz, Sanfins, Lemos, Maltez e Felix (1999) verificaram
que adolescentes com depressão recordam mais acontecimentos biográficos referentes a
“problemas de relacionamento com os pais ou com pessoa íntima”. No nosso estudo, os
42
sujeitos que recordaram memórias referentes a “conflitos” foram os que apresentaram uma
média de sintomas de depressão mais elevada, não sendo, contudo, os resultados
estatisticamente significativos.
O facto de não termos encontrado muitas diferenças estatisticamente significativas
pode dever-se à média encontrada para a ideação suicida, depressão e desesperança ter sido
relativamente baixa (Tabela 4, p. 34).

Para se proceder à verificação da hipótese 3 “Na adolescência existem diferenças


significativas relativamente à ideação suicida, depressão e desesperança entre a
especificidade, valência e conteúdos das memórias autobiográficas recordadas para a palavra
amigos”, realizou-se novamente uma análise de variância (Anova Two-way).
De acordo com os resultados obtidos para a dimensão ideação suicida, não existiram
efeitos de interação entre a especificidade, valência e categorias referentes às memórias
recordadas para a palavra amigos e o mesmo sucedeu com os efeitos principais (Anexo 7.1).
Embora não tenham existido diferenças significativas, é possível verificar através da
Tabela 16 que a média de ideação suicida é foi mais elevada em adolescentes que recordaram
memórias gerais e memórias negativas. Também em memórias recordadas referentes a
“comportamentos desregrados” e “conflitos”, a média da ideação suicida foi mais elevada.
As memórias referentes a comportamentos desregrados foram do tipo: faltar às aulas;
não respeitar ordens dos professores; colocar desodorizante no secador da casa de banho da
escola de forma a provocar uma “explosão”; gozar com pessoas, entre outros. Já as memórias
referentes a conflitos foram, por exemplo, alusivas a: zangas entre amigos; contar segredos;
gostar da mesma rapariga que outro amigo e sofrer bullying.

43
Tabela 16 – Média da ideação suicida nos efeitos principais ao nível das memórias
autobiográficas para a palavra amigos.
Média
Especificas 1,74
Especificidade das
Gerais 1,79
memórias_Amigos
F(1,147)=0,03; p.=0,95
Positivo 1,65
Valência das memórias_Amigos Negativo 1,84
F(1,147)=1,07; p.=0,30
Amizade 1,76
Conflitos 2,07
Mudança 1,84
Lazer 1,75
Categoria das Inicio escolar 1,30
memórias_Amigos Comp. Desregrados 2,26
Despedida/reencontro de 1,21
familiares
Saúde 1,41
F(7,147)=0,60; p.=0,76

Para a dimensão depressão, não existiram efeitos de interação entre a especificidade,


valência e categorias referentes às memórias recordadas para a palavra amigos, bem como
também não existiram efeitos principais significativos (Anexo 7.2). Porém, é possível
constatar que sujeitos que recordaram memórias autobiográficas gerais e memórias
autobiográficas negativas tiveram uma média de depressão superior aos outros. Já na variável
categoria, sujeitos que recordaram memórias referentes ao “inicio escolar” tiveram uma média
de depressão mais baixa que os restantes, por oposição aos que recordaram memórias acerca
de “conflitos” (Tabela 17).
As memórias acerca do “início escolar” foram referentes a: medos e angústias por não
conhecer ninguém nos primeiros dias de aulas, embora posteriormente houvesse a construção
de novas amizades e reencontro de amigos.

44
Tabela 17 – Média da depressão nos efeitos principais ao nível das memórias autobiográficas
para a palavra amigos.
Média
Especificas 11,19
Especificidade das
Gerais 12,13
memórias_Amigos
F(1,147)=0,03; p.=0,87
Positivo 11,08
Valência das memórias_Amigos Negativo 12,64
F(1,147)=1,11; p.=0,29
Amizade 12,28
Conflitos 14,24
Mudança 11,96
Lazer 10,54
Categoria das Inicio escolar 9,75
memórias_Amigos Comp. Desregrados 12,86
Despedida/reencontro de 12,25
familiares
Saúde 10,38
F(7,147)=0,55; p.=0,79

No que é referente à dimensão desesperança, também não existiram efeitos de


interação entre a especificidade, valência e categorias referentes às memórias recordadas para
a palavra amigos, tal como também não existiram efeitos principais significativos (Anexo
7.3).
Similarmente ao que aconteceu nos resultados apresentados anteriormente, os
adolescentes que recordaram memórias gerais e memórias negativas tiveram uma média de
desesperança mais baixa do que os outros. Tal como na dimensão depressão, sujeitos que
recordaram memórias referentes ao “inicio escolar” tiveram uma média de desesperança mais
baixa que os restantes, por oposição aos que recordaram memórias acerca de “conflitos”
(Tabela 18).

45
Tabela 18 – Média da desesperança nos efeitos principais ao nível das memórias
autobiográficas para a palavra amigos.
Média
Especificas 4,36
Especificidade das
Gerais 4,77
memórias_Amigos
F(1,147)=0,97; p.=0,33
Positivo 4,06
Valência das memórias_Amigos Negativo 5,33
F(1,147)=2,41; p.=0,12
Amizade 4,63
Conflitos 6,38
Mudança 4,65
Lazer 4,05
Categoria das Inicio escolar 3,25
memórias_Amigos Comp. Desregrados 5,00
Despedida/reencontro de 5,50
familiares
Saúde 4,00
F(7,147)=0,27; p.=0,97

Passamos a apresentar o quadro síntese (Quadro 2) referente a todos os resultados


alusivos à recordação de memórias autobiográficas ao nível da especificidade, valência e
categorias, para a palavra amigos, embora estatisticamente não significativos.

Quadro 2 – Síntese esquemática dos resultados relativos à recordação de memórias


autobiográficas para a palavra amigos.
Memórias autobiográficas referentes à palavra amigos
Especificidade Valência
Variável Categoria
Especifica Geral Positiva Negativa
Ideação - + - + + Comportamentos desregrados,
F(1,147)=0,03; F(1,147)=1,07; Conflitos
suicida
p.=0,95 p.=0,30 F(7,147)=0,60; p.=0,76
- + - + + Conflitos
Depressão F(1,147)=0,03; F(1,147)=1,11; - Inicio escolar
p.=0,87 p.=0,29 F(7,147)=0,55; p.=0,79
- + - + + Conflitos
Desesperança F(1,147)=0,97; F(1,147)=2,41; - Inicio escolar
p.=0,3 p.=0,12 F(7,147)=0,27; p.=0,97
Legenda: + Valores mais elevados na média das variáveis; - Valores mais baixos na média das
variáveis.

No que concerne a todas as análises realizadas para a validação da hipótese 3 (Quadro


2), constatamos o seguinte:

46
- Não se registaram valores significativos que nos permitam afirmar que a
especificidade, valência ou categoria da memória autobiográfica influenciam os valores de
ideação suicida, depressão ou desesperança.
- Tal como os resultados encontrados para as memórias referentes à palavra família,
nas memórias referentes à palavra amigos, embora as diferenças não tivessem sido
estatisticamente significativas, foram encontradas médias mais baixas para todas as dimensões
estudadas (ideação suicida, depressão e desesperança) em sujeitos que recordaram memórias
específicas e memórias positivas.
Num estudo realizado por Sampaio et al. (2000), os adolescentes consideraram a
ausência de amigos um indicador forte que pode levar ao suicídio, bem como dificuldades na
integração social (fatores psicossociais). A severidade da ideação suicida também foi
diretamente associada a distúrbios na relação com os pares por Prinstein, Boergers, Spirito,
Little, e Grapentine (2000). Consideram os mesmos autores que a filiação a grupos desviantes,
o baixo status no grupo de pares e elevados níveis de vitimização dos pares estão
indiretamente relacionados com a ideação suicida. No nosso estudo, embora os resultados não
tenham sido estatisticamente significativos, adolescentes que recordaram memórias acerca de
“conflito” tiveram uma média mais elevada de ideação suicida que os restantes.
Ao nível da depressão e da desesperança, verificaram-se tendências semelhantes às
anteriormente descritas para memórias referentes a “conflitos”. Sabe-se que a depressão não
tem origem numa só causa mas sim em diversos fatores e entre eles encontram-se experiências
de rejeição por parte dos pares (Petersen et al., 1993).
Os valores de depressão e desesperança registados relativamente às memórias sobre
“inicio escolar” foram maioritariamente alusivas ao primeiro dia de aulas, que embora num
primeiro momento pudessem ser indiciadores de efeitos negativos de stress e portanto
associadas a uma maior vulnerabilidade do adolescente, num segundo momento os
adolescentes são capazes de identificar vivências positivas ao nível da relação entre pares. De
facto, na adolescência é normal que os jovens se aproximem de pares semelhantes a si e
evitem grupos com os quais não se identificam, de forma a não perder a sua identidade
(Erikson, 1972).

Para se proceder à verificação da hipótese 4 “Na adolescência existem diferenças


significativas relativamente à ideação suicida, depressão e desesperança entre a
especificidade, valência e conteúdos das memórias autobiográficas recordadas para a palavra
escola”, realizou-se mais uma vez uma análise de variância (Anova Two-way).
47
Os resultados sugerem que não existiram efeitos de interação entre a especificidade,
valência e categorias das memórias referentes à palavra escola na ideação suicida, bem como
não existiram diferenças significativas nos efeitos principais (Anexo 8.2). No entanto, é
possível afirmar que a média de ideação suicida foi mais elevada em adolescentes que
recuperaram memórias gerais e memórias negativas. Adolescentes que recordaram memórias
referentes a “namoro”, “saúde” e “mudança” para a palavra escola tiveram uma média de
ideação suicida mais elevada do que os restantes (Tabela 19).
As categorias referentes a “namoro” foram alusivas a: conhecer uma pessoa e iniciar
namoro; discussões e fim de namoro; mudança do namorado para a mesma escola e assumir o
relacionamento perante os colegas.
Já as categorias referentes a “saúde” traduziram-se em acontecimentos que ocorreram
na escola: queda de um colega e consequente traumatismo craniano; rasteiras ou empurrões de
amigos, fratura de braço ou cabeça; assistir a uma colega ser mordida por um cão, entre
outros.
No que respeita à categoria “mudança”, englobou respostas do tipo: entrar para uma
turma nova e ser gozado por ser mais velho; mudar de escola e não ficar satisfeito com a
mudança; existir uma adaptação a novos hábitos culturais e relações numa escola nova; medo
de não conseguir adaptar-se mas acabar por formar amizades fortes, entre outras.

Tabela 19 – Média da ideação suicida nos efeitos principais ao nível das memórias
autobiográficas para a palavra escola.
Média
Especificas 1,70
Especificidade das
Gerais 1,83
memórias_Escola
F(1,124)=0,08; p.=0,77
Positivo 1,62
Valência das memórias_Escola Negativo 1,88
F(1,124)=2,36; p.=0,13
Amizade 1,85
Conflitos 1,78
Namoro 2,38
Mudança 2,04
Lazer 1,19
Categoria das memórias_Escola Inicio escolar 1,65
Atividades escolares 1,87
Desempenho escolar 1,42
Comp. Desregrados 1,90
Saúde 2,18
F(9,124)=1,36; p.=0,12

48
Relativamente à depressão, mais uma vez não existiram efeitos de interação entre a
especificidade, valência e categorias das memórias referentes à palavra escola, contudo,
existiu um efeito principal para a variável categoria da memória autobiográfica (Anexo 8.2).
Aquando a realização do Teste de Scheffé, não foram encontradas quaisquer diferenças
significativas, possivelmente pelo design ser muito desequilibrado, ou seja, o número de
sujeitos ser diferente entre as categorias. De qualquer forma, é possível aferir que a média de
depressão foi mais elevada em adolescentes que recuperaram memórias gerais e memórias
negativas. Adolescentes que recordaram memórias referentes a “lazer” tiveram uma média de
depressão mais baixa, por oposição aos que recordaram memórias referentes a “saúde”
(Tabela 20).
Na categoria “lazer” as respostas foram referentes a: jogar às cartas; pôr a conversa em
dia; fazer uma guerra de água; jogar futebol; ir passear com a avó depois de ficar livre das
avaliações do ano letivo e fazer um jantar para a diretora de turma.

Tabela 20 – Média da depressão nos efeitos principais ao nível das memórias autobiográficas
para a palavra escola.
Média
Especificas 10,93
Especificidade das
Gerais 12,66
memórias_Escola
F(1,124)=1,67; p.=0,20
Positivo 10,50
Valência das memórias_Escola Negativo 12,84
F(1,124)=2,19; p.=0,14
Amizade 12,93
Conflitos 12,27
Namoro 14,17
Mudança 14,94
Lazer 9,13
Categoria das memórias_Escola Inicio escolar 10,09
Atividades escolares 10,11
Desempenho escolar 10,17
Comp. Desregrados 12,75
Saúde 15,67
F(9,124)=2,26; p.=0,02

Na dimensão desesperança, não foram encontrados efeitos de interação entre a


especificidade, valência e categorias das memórias referentes à palavra escola, bem como não
existiram diferenças significativas nos efeitos principais (Anexo 8.3). Todavia, a média de
desesperança foi mais elevada em adolescentes que recuperaram memórias gerais e memórias
negativas. Adolescentes que recordaram memórias referentes a “desempenho escolar”,

49
“atividades escolares” e “inicio escolar” tiveram uma média de desesperança mais baixa do
que os outros adolescentes, por oposição aos que recordaram memórias referentes a “saúde”
(Tabela 21).
As memórias de “desempenho” escolar foram referentes: esforço para melhorar o
aproveitamento ao longo dos três períodos e transitar de ano; reprovar de ano devido a faltas;
ter a primeira negativa; a receber um teste com nota elevada; receber prendas devido a boas
notas; entrar para o quadro de excelência da escola, entre outras.
Já no que respeita às “atividades escolares”, as memórias foram alusivas a: jogos
organizados pelos professores; festas de natal organizadas para os pais; ser DJ numa festa a
escola; entrar numa peça de teatro da escola, entre outros.
Relativamente ao “início escolar”, foram recordadas memórias referentes a: primeiro
dia de aulas (ficar com medo ou nervos, não saber onde são as salas ou o refeitório, etc);
construção de amizades no primeiro dia de aulas ou inicio do ano letivo, entre outras.

Tabela 21 – Média da desesperança nos efeitos principais ao nível das memórias


autobiográficas para a palavra escola.
Média
Especificas 4,27
Especificidade das
Gerais 4,72
memórias_Escola
F(1,124)=0,88; p.=0,35
Positivo 3,65
Valência das memórias_Escola Negativo 5,48
F(1,124)=2,69; p.=0,10
Amizade 5,40
Conflitos 4,87
Namoro 5,00
Mudança 5,71
Lazer 5,00
Categoria das memórias_Escola Inicio escolar 3,65
Atividades escolares 3,48
Desempenho escolar 3,28
Comp. Desregrados 4,50
Saúde 8,00
F(9,124)=1,37; p.=0,21

Passamos a apresentar o quadro síntese (Quadro 3) referente a todos os resultados


alusivos à recordação de memórias autobiográficas ao nível da especificidade, valência e
categorias, para a palavra amigos, embora estatisticamente não significativos.

50
Quadro 3 – Síntese esquemática dos resultados relativos à recordação de memórias
autobiográficas para a palavra escola.
Memórias autobiográficas referentes à palavra escola
Especificidade Valência
Variável Categoria
Especifica Geral Positiva Negativa
Ideação - + - +
+ Namoro, Saúde e Mudança
suicida F(1,124)=0,08; F(1,124)=2,36; F(9,124)=1,36; p.=0,12
p.=0,77 p.=0,13
- + - + + Saúde
Depressão F(1,124)=1,67; F(1,124)=2,19; - Lazer
p.=0,20 p.=0,14 F(9,124)=2,26; p.=0,02
- + - + + Saúde
Desesperança - Desempenho escolar, Atividades
F(1,124)=0,88; F(1,124)=2,69; escolares e Inicio escolar
p.=0,35 p.=0,10 F(9,124)=1,37; p.=0,21
Legenda: + Valores mais elevados na média das variáveis; - Valores mais baixos na média das
variáveis.

No que concerne a todas as análises realizadas para a validação da hipótese 4 (Quadro


3), constatamos o seguinte:
- A variável categoria tem um efeito principal na depressão. No que diz respeito à
ideação suicida e desesperança, não se verificaram qualquer influência das memórias
autobiográficas nestas dimensões.
A escola está muito associada à presença do grupo de pares (Rodrigo e Machado,
2002) e, no nosso estudo, embora sem diferenças estatisticamente significativas, foi
encontrada uma tendência de recordação de memórias referentes a “lazer” para adolescentes
com médias mais baixas de depressão.
No processo de interação educativa, ao nível das categorias das memórias destaca-se a
“saúde” (acidentes escolares), transversal às variáveis ideação suicida, depressão e
desesperança, apresentando uma média superior.
Num estudo realizado por Amaral et.al (1998), no 9º ano de escolaridade, as
capacidades pessoais do individuo - inteligência e compreensão – surgiram como sendo um
pré-requisito para ter sucesso escolar e, como aspetos negativos da escola os jovens realçaram
a relação com os adultos, o tipo de aulas, as condições e organização da escola e situações de
avaliação. A escola surgiu também fundamentalmente como entidade importante e
fundamental para o futuro profissional. No nosso estudo, embora sem diferenças
estatisticamente significativas, foi encontrada uma tendência de recordação de memórias
referentes a “desempenho escolar” e “atividades escolares” para adolescentes com médias
mais baixas de desesperança. Estes resultados não vão no mesmo sentido dos estudos

51
realizados por Cruz, Sanfins, Lemos, Maltez e Felix (1999), onde acontecimentos biográficos
referentes a “sucesso nos estudos” foram importantes em adolescentes com depressão.
Também Oliveira (1989), ao estudar as características dos sujeitos que deram entrada num
hospital central após tentativa de suicídio, encontrou um grupo significativo de adolescentes,
solteiros e que têm conflitos familiares e/ou dificuldades escolares.
Embora os resultados referentes à especificidade e valência das memórias
autobiográficas para as palavras família, amigos e escola não tivessem apresentado diferenças
estatisticamente significativas, foi possível verificar uma tendência de recuperação de
memórias específicas e memórias positivas para adolescentes que apresentaram menor média
de ideação suicida, depressão e desesperança. Estes resultados são-nos difíceis de comprar
com a literatura existente, uma vez que a grande maioria dos estudos não analisa as memórias
autobiográficas como variável independente e o tipo de tarefa utilizada não é semelhantes a
esta, sendo normalmente pedido para os sujeitos recordarem memórias referentes a palavras
com valência positiva e negativa e/ou neutra e, quando a tarefa é semelhante, a valência e
especificidade não é analisada.
De acordo com Kuyken e Dalgleish (1995, citado por Aurélio e Cláudio, 2009), os
sujeitos deprimidos realizam um enviesamento na recordação de memórias autobiográficas,
produzindo mais memórias negativas, de forma a confirmar as suas crenças e manter o ciclo
da depressão. Neste sentido, a acessibilidade aos esquemas negativos referentes ao próprio
sujeito seria superior e, a valência da memória recordada seria tanto mais negativa quando
mais negativo fosse o humor do sujeito, existindo assim um efeito de congruência de humor.
Cláudio (2004), numa investigação que realizou com o objetivo de perceber a relação
existente entre o processamento e a evocação da informação e a depressão major, constatou
que a severidade da depressão tem influência na recordação de memórias negativas, sendo que
quando o grau da depressão é menor não ocorre um enviesamento negativo.
Em diversos estudos com população adolescente, foi encontrada uma recordação
preferencialmente negativa em adolescentes deprimidos (Kuyken e Howell, 2000), memórias
mais específicas para as palavras fornecidas que eram de valência negativa para adolescentes
com valores mais elevados de depressão e desesperança (Swales, Williams e Wood, 2001) e
maior recordação de memórias categóricas para as palavras fornecidas com valência negativa
em adolescentes que estavam em risco de depressão, (Kuyken e Dalgleish, 2011).

52
CAPÍTULO V

CONCLUSÃO

O nosso estudo procurou perceber se a depressão, a desesperança e a ideação suicida


estavam correlacionadas e se o tipo de recordação de memórias autobiográficas para as
palavras família, amigos e escola influencia as primeiras três variáveis.
De um total de 196 adolescentes inquiridos, 35,1% (n=68) afirmaram ter pensado em
suicidar-se e 9,3% (n=18) afirmaram já tentaram suicidar-se. Constatou-se ainda uma
diferença significativa de médias entre sexo feminino e masculino em relação à ideação
suicida, depressão e desesperança, onde as médias mais elevadas foram registadas no sexo
feminino.
Verificou-se também que a média de ideação suicida e tentativa de suicídio é superior
em adolescentes que conheceram alguém que se tenha suicida, do que naqueles que, pelo
contrario, não conheceram situações deste tipo. Estas diferenças foram estatisticamente
significativas para a ideação suicida.
Constatámos uma forte correlação entre a depressão, desesperança e ideação suicida
em adolescentes, sendo que a correlação entre a ideação suicida e depressão foi mais obteve
valores mais elevados do que a correlação entre a ideação suicida e a desesperança, o que
confirmou a hipótese 1.
No que concerne à influência da recordação das memórias autobiográficas relativas às
palavras família e amigos na ideação suicida, depressão e desesperança, não se registaram
efeitos principais e de interação, pelo que não podemos afirmar que tipo de memórias
autobiográficas influência os valores de ideação suicida, depressão ou desesperança. Neste
contexto, não foram validadas as hipóteses 2 e 3.
Relativamente à influência da recordação das memórias autobiográficas relativas à
palavra escola na depressão foi possível verificar que a variável categoria tem um efeito
principal na depressão, ainda que ao nível da ideação suicida e desesperança não se verificasse
qualquer efeito principal. Não foram verificados quaisquer efeitos de interação entre as
diferentes variáveis. Assim, consideramos que a hipótese 4 é em parte corroborada.
Embora os resultados referentes à especificidade e valência das memórias
autobiográficas para as palavras família, amigos e escola não apresentassem diferenças
estatisticamente significativas, foi possível verificar uma tendência de recuperação de

53
memórias específicas e memórias positivas para adolescentes que apresentaram menor média
de ideação suicida, depressão e desesperança.
Por último, no que respeita às limitações do nosso estudo, consideramos o facto de
termos registado valores baixos para a ideação suicida, a depressão e a desesperança,
provavelmente condicionados pela população estudada ter sido não clínica. Assim,
consideramos pertinente realizar outros estudos semelhantes com populações diversas.

54
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

Acosta-Hernández, M. E., Mancilla-Percino, T., Correa-Basurto, J., Saavedra-Vélez,


M., Ramos-Morales, F. R., Cruz-Sánchez, J. S., & Niconoff, S. D. (2011). Depresión en la
infancia y adolescencia: enfermedad de nuestro tiempo. Arch Neurocien (Mex), 16(1), 20-25.

Alloy, L. B., Abramson, L. Y., Metalsky, G. I., & Hartlage, S. (1988). The hopelessness
theory of depression: Attributional aspects. British Journal of Clinical Psychology, 27, 5-21.

Amaral, V., Peixoto, F., Martins, M. A., Pereira, M. G., & Pedro, I. (1998).
Representações da escola em pré-adolescentes e adolescentes. In Almeida, L. S. (Ed.)
Congresso, IV, Galaico-Português de Psicopedagogia. Braga: Universidade do Minho.

Antalíková, R., Hansen, T., Gulbrandsen, K., Mata, M., & Santamaría, A. (2011).
Adolescents’ meaningful memories reflect a trajectory of self-development from family over
school to friends. Nordic Psychology, 63(3).

Assink, M. H. J., & Schroots, J. J. F. (2011). The dynamics of autobiographical


memory: using the LIM, life-line interview method. USA: Hogrefe.

Au, A. C. Y., Lau, S., Lee, M. T. Y. (2009). Suicide ideation and depression: the
moderation effects of family cohesion and social self-concept. Adolescence, 44(176), 851-
868.

Aurélio, J. G., & Cláudio, V. (2009). Congruência de humor em memórias autobiográficas de


infância de indivíduos com depressão. Análise Psicológica, 2(XXVII), 159-173.

Beck, A. T., Kovacs, M., & Weissman, A. (1975). Hopelessness and Suicide Behavior.
In Essential Papers on Suicide (cap. 21, 331-341). New York: New York University.

Beck, A.T., Steer, R. A., Kovacs, M., & Garrison, B. (1985). Hopelessness and eventual
suicide: A 10-year prospective study of patients hospitalized with suicidal ideation. American
Journal of Psychiatry, 142(5), 559-563.

55
Beck, A. T. & Steer, R. A. (1988). Beck Hopelessness Scale – Manual. The
Psychological Corporation. U.S.A.: Harcourt Brace Jovanovich, Inc.

Bertera, E. M. (2007).The Role of Positive and Negative Social Exchanges Between


Adolescents, their Peers and Family as Predictors of Suicide Ideation. Child and Adolescent
Social Work Journal, 24, 523–538.

Borges, V. R., Werlang, B. S., & Paranhos, M. E. (2004). Ideação suicida em


adolescentes fora de um contexto clínico. In Ribeiro, J., & Leal, I. (Ed.) Actas do 5º
Congresso Nacional de Psicologia da Saúde (pp.231-237). Lisboa: Fundação Calouste
Gulbenkian.

Bradley, J. (2003). Confrontação, apaziguamento ou comunicação? In Anderson, & R.,


Dartington, A. (Ed.), Olhar de frente, Perspectivas Clínicas das Perturbações da
Adolescência (pp. 107-124). Lisboa: Assírio & Alvim.

Brennen, T., Hasanovic, M., Zotovic, M., Blix, I., Skar, A. S., Prelic, N. K.,
Mehmedovic, I., Pajevic, I., Popovic, N., & Gavrilov-Jerkovic, V. (2010). Trauma Exposure
in Childhood Impairs the Ability to Recall Specific Autobiographical Memories in Late
Adolescence. Journal of Traumatic Stress, 23(2), 240–247.

Brewer, W. F. (1986). What is autobiographical memory? In D.C. Rubin (Ed.),


Autobiographical memory (pp. 19-24). USA: Cambridge University Press.

Cardoso, P., Rodrigues, C., & Vilar, A. (2004). Prevalência de sintomas depressivos
em adolescentes portugueses. Análise Psicológica, 4(XXII), 667-675.

Carrillo-Mora, P. (2010). Sistemas de memoria: reseña histórica, clasificación y


conceptos actuales. Segunda parte: Sistemas de memoria de largo plazo: Memoria episódica,
sistemas de memoria no declarativa y memoria de trabajo. Salud Mental, 33, 197-205.

Cláudio, V. (2004). Da trama das minhas memórias o fio que tece a depressão:
Esquecimento dirigido e memórias autobiográficas na depressão major. Lisboa: Instituto
Superior de Psicologia Aplicada.
56
Coelho, R. A. M. (2004). Depressão na adolescência: da investigação comunitária à
clínica (pp. 30-54). Porto: BIAL.

Cole, D. A. (1989). Psychopathology of adolescent suicide: Hopelessness, coping


beliefs, and depression. Journal of Abnormal Psychology, 98(3), 248-255.

Cole, M., & Cole, S. R. (2004). O desenvolvimento da criança e do adolescente. Porto


Alegre: Artmed.

Crovitz, H. F., & Schiffman, H. (1974). Frequency of episodic memories as a function


of their age. Bulletin of the Psychonomic Society, 4(5-B), 517-518.

Cruz, M., Sanfins, A., Lemos, B., Maltez, D., & Felix, E. (1999). Depressão na
adolescência : aspectos biográficos e corporais. In Lopes, G. (Ed.), Temas CL de Psiquiatria,
Psicossomática e Psicologia (pp. 93-99). Lisboa: Grupo Português de Psiquiatria Consiliar-
Ligação e Psicossomática.

Cui, S., Cheng, Y., Xu, Z., Chen, D., & Wang, Y. (2011). Peer relationships and
suicide ideation and attempts among Chinese adolescents. Child: care, health and
development, 37(5), 692–702.

Dalgleish, T., Williams, J. M. G., Golden, A. M. J., Perkins, N., Barrett, L. F.,
Barnard, P. J., et al. (2007). Reduced specificity of autobiographical memory and depression:
The role of executive control. Journal of Experimental Psychology: General, 136(1), 23-42.

Dartington, A. (2003). A intensidade da adolescência nas pequenas famílias. In


Anderson, & R., Dartington, A. (Ed.), Olhar de frente, Perspectivas Clínicas das
Perturbações da Adolescência (pp. 33-57). Lisboa: Assírio & Alvim.

Decker, A., Hermans, D., Raes, F., & Eelen P. (2003) Autobiographical Memory
Specificity and Trauma in Inpatient Adolescents. Journal of Clinical Child and Adolescent
Psychology, 32(1), 22–31.

57
Delgado, G. M. & Do Vale, I. (2005). Projecto Família. Manual para assistentes
familiars. Revisão e adaptação à realidade portuguesa. (Manual não publicado).

Dixon, W. A, Heppner, P. P., & Anderson, W. P. (1991). Problem-Solving Appraisal,


Stress, Hopelessness, and Suicide Ideation in a College Population. Journal of Counseling
Psychology, 38(1),51-56.

Egbochuku, E. O., & Aihie, N. O. (2009). Peer Group Counselling and School
Influence on Adolescents' Self-Concept. Journal of Instructional Psychology, 36(1), 3-12.

Erikson, E. H. (1972). Identidade, juventude e crise. Rio de Janeiro: Zahar

Feigenberg, L. F., King, M. S., Barr, D. J., & Selman, R. L. (2008). Belonging to and
exclusion from the peer group in schools: influences on adolescents’ moral choices. Journal
of Moral Education, 37(2), 165-184.

Fensterseifer, L., Werlang, B. S., Seminotti, E., & Lima, G. Q. (2004). Dor psicológica
em adolescentes com e sem ideação suicida. In Ribeiro, J., & Leal, I. (Ed.) Actas do 5º
Congresso Nacional de Psicologia da Saúde (pp. 223-230). Lisboa: Fundação Calouste
Gulbenkian.

Ferreira, J. A., & Castela, M. C. (1999). Questionário de ideação suicida (Q.I.S). In M.


R. Simões, Gonçalves, & Almeida (Eds), Testes e provas psicológicas em Portugal (vol.II)
pp. 123-130. Braga: Sistemas Humanos e Organizacionais, Lda.

Fotti, S. A., Katz, L. Y., Afifi, T. O., Cox, B. J. (2006). The Associations Between
Peer and Parental Relationships and Suicidal Behaviours in Early Adolescents. Can J
Psychiatry, 51(11), 698-703.
Galton, F. (1883). Inquiries into human faculty and its development. In: Readings in
the history of psychology. Dennis, Wayne (Ed.); East Norwalk, CT, US: Appleton-Century-
Crofts, 1948. pp. 277-289.

Gammer, C., & Cabié, M. C. (1999). Adolescência e crise familiar. Lisboa: Climepsi
Editores.
58
Goddard, L., Dritschel, B., & Burton, A. (1996). Role of autobiographical memory in
social problem solving and depression. Journal of Abnormal Psychology, 105(4), Nov, 609-
616.

Gonçalves, A., Freitas, P., Sequeira, C. (2011). Comportamentos Suicidários em


Estudantes do Ensino Superior: Factores de Risco e de Protecção. Millenium, 40, 149‐159.

Halligan, S. L., & Philips, K. J. (2010). Are You Thinking What I’m Thinking? Peer
Group Similarities in Adolescent Hostile Attribution Tendencies. Developmental Psychology,
46(5), 1385–1388.

Jain, V., Singh, H., Gupta S. C., & Kumar, S. (1999). A study of hopelessness, suicidal
intent and depression in case of attempted suicide. Indian Journal of Psychiatry, 41(2), 122-
130.

Joffe, R. (2000). <Não me ajudem>. O adolescente suicida. In Laufer, M. (Ed.) O


adolescente suicida (pp. 57-66). Lisboa: Climepsi Editores.

Johnson, R. J., Greenhoot, A. F., Glisky, E., & McCloskey, L. A. (2005). The
Relations Among Abuse, Depression, and Adolescents’ Autobiographical Memory. Journal of
Clinical Child and Adolescent Psychology, 34( 2), 235–247.

Josephson, A. M. (2007). Depression and Suicide in Children and Adolescents: A


Spiritual Perspective. Southern Medical Association, 100(7,)744-145.

Kiuru, N., Nurmi, J., Aunola, K., & Salmela-Aro, K. (2009). The role of peer groups in
adolescents´ educational trajectories. European Journal of Developmental Psychology, 6(5),
521-547.

Kuyken, W., & Howell, R. (2000). Facets of autobiographical memory in adolescents


with major depressive disorder and never-depressed controls. Cognition and Emotion, 20(3/4),
466-487.

59
Kuyken, W., Howell, R., & Dalgleish, T. (2006). Overgeneral Autobiographical
Memory in Depressed Adolescents With, Versus Without, a Reported History of Trauma.
Journal of Abnormal Psychology, 115( 3), 387–396.

Kuyken, W., & Dalgleish, T. (2011). Overgeneral autobiographical memory in


adolescents at risk for depression. Memory, 19(3), 241-250.

Lai, K. W., & Chang, C. M. (2001). Suicidal ideation, parenting style, and family
climate among Hong Kong adolescents. International Journal of Psychology, 36 (2), 81–87.

Laufer, M. (2000). Compreender o suicídio: tem um significado especial na


adolescência? In Laufer, M. (Ed.) O adolescente suicida (pp. 69-79). Lisboa: Climepsi
Editores.

Laufer, M. E. (2000). Depressão e ódio a si mesmo. In Laufer, M. (Ed.) O adolescente


suicida (pp. 35-39). Lisboa: Climepsi Editores.

Lopes, P., Barreira, D. P., & Pires, A.M. (2001). Tentativa de suicídio na adolescência:
avaliação do efeito de género na depressão e personalidade. Psicologia, Saúde & Doenças,
2(1), 47-57.

Mace, J. H., Clevinger, A. M., & Martin, C. (2010). Involuntary memory chaining
versus event cueing: Which is a better indicator of autobiographical memory organisation?
Memory, 18(8), 845-854.

Marujo, H. (1995). Síndromas depressivos na infância e na adolescência. Tese de


Doutoramento, FPCE-UL.

Minkoff, K., Bergman, E., Beck, A.T., & Beck, R. (1973). Hopelessness, depression,
and attempted suicide. American Journal of Psychiatry, 130(4), 455-459.

Minuchin, S. (1988). Famílias, funcionamento e tratamento. Porto Alegre: Artes


Médicas.

60
Newman, B. M., Lohman, B. J., & Newman, P. R. (2007). Peer group membership and
a sense of belonging: their relationship to adolescent behavior problems. Adolescence,
42(166), 241-263.

Oliveira, V. (1989). A tentativa de suicídio na urgência do Hospital Central. In


Psiquiatria de ligação e psicossomática: workshops do serviço de psiquiatria do hospital de
santa maria (pp. 124-128). Lisboa: Delagranje.

Palmonari, A., Kirchler, R., & Pombeni, M. L. (1991). Differential effects of


identification with family and peers on coping with developmental tasks in adolescence.
European Journal of Social Psychology, 21, 381-402.

Peterson, A. C., Compas, B. E., Brooks-Gunn, Stemmler, M., Ey, S., & Grant, K. E.
(1993). Depression in Adolescence. American Psychologist, 48(2), 155-168.

Peterson, C., Grant, V. V., & Boland, L. D. (2005). Childhood amnesia in children and
adolescents: Their earliest memories. Memory, 13(6), 622-637.

Pinto, J. (2010). A adolescência e a família: o processo de separação/individuação.


Se…, Não!, 1, 73-87.

Prinstein, M. J., Boergers, J., Spirito, A., Little, T. D., & Grapentine, W. L. (2000).
Peer Functioning, Family Dysfunction, and Psychological Symptoms in a Risk Factor Model
for Adolescent Inpatients’ Suicidal Ideation Severity. Journal of Clinical Child Psychology,
29(3), 392–405.

Rasmussen, A. S., & Berntsen, D. (2009). The Possible Functions of Involuntary


Autobiographical Memories. Applied Cognitive Psychology, 23, 1137-1152.

Reifman, A., Windle, & M. (1995). Adolescent suicidal behaviors as a function of


depression, hopelessness, alcohol use, and social support: A longitudinal investigation.
American Journal of Community Psychology, 23(3), 329-354.

61
Robinson, J. A. (1986). Autobiographical memory: a historical prologue. In D.C.
Rubin (Ed.), Autobiographical memory (pp. 19-24). USA: Cambridge University Press.

Rodrigues, A. R., & Machado, M. (2002). Questões urgentes na educação.


Adolescência: Interfaces com a escola e com a família (229-256). Porto Alegre: Artmed
Editora.

Rush, A. J, & Beck, A. T. (1978). Cognitive therapy of depression and suicide.


American Journal of Psychotherapy, 32(2), 201-219.

Sampaio, D. (1989). Suicídio: ninguém morre sozinho. In Psiquiatria de ligação e


psicossomática: workshops do serviço de psiquiatria do hospital de santa maria (pp. 119-
123). Lisboa : Delagranje.

Sampaio, D. (1991). Ninguém morre sozinho. Lisboa: Caminho.

Sampaio, D., Oliveira, A., Vinagre, M. G., Gouveia-Pereira, M., Santos, N., & Ordaz,
O. (2000). Representações sociais do suicídio em estudantes do ensino secundário. Análise
Psicológica, 2(XVIII), 139-155.

Santos, J. M. (1998). Suicídio e autópsia psicológica: estudo compreensivo e


redefinição das estratégias de categorização das mortes auto-infligidas. Lisboa: Faculdade de
Medicina Lisboa.

Santos, M. J. (2006). Modelos psicológicos do suicídio. In Peixoto, B., Saraiva, C. B. &


Sampaio, D. (Ed.) Comportamentos Suicidários em Portugal. Coimbra: Sociedade Portuguesa
de Suicidologia.

Schlagman, S., Schulz, J., & Kvavilashvili, L. (2006). A content analysis of


involuntary autobiographical memories: Examining the positivity effect in old age. Memory,
14 (2), 161-175.

Schoeppe, A., & Havighurst, R. J. (1952). A validation of development and adjustment


hypotheses of adolescence. The Journal of Educational Psychology,43(6), 339-353.
62
Soeiro, P. (1997). A aliança terapêutica e a falta de esperança em adolescentes com
tentativas de suicídio. Lisboa: Instituto Superior de Psicologia Aplicada – Instituto
Universitário. (Monografia não publicada)

Soeiro, P. (2006). Modelos psicológicos do suicídio. In Peixoto, B., Saraiva, C. B. &


Sampaio, D. (Ed.) Comportamentos Suicidários em Portugal. Coimbra: Sociedade Portuguesa
de Suicidologia.

Souza, L. D., Silva, R. A., Jansen, K., Kuhn, R. P., Horta, B. L., & Pinheiro, R.T.
(2009). Suicidal ideation in adolescents aged 11 to 15 years: prevalence and associated
factors. Revista Brasileira de Psiquiatria, 32(1), 37-41.

Stengel, E. (1980). Suicídio e tentativa de suicídio. Lisboa: Dom Quixote.

Stewart, S. M., Kennard, B. D., Lee, P. W., Mayes, T., Hughes, C., & Emslie, G.
(2005). Hopelessness and suicidal ideation among adolescents in two cultures. Journal of
Child Psychology and Psychiatry. 46(4), 364-372.

Swales, M. A., Williams, J. M. G., & Wood, P. (2001). Specificity of autobiographical


memory and mood disturbance in adolescents. Cognition and Emotion, 15(3), 321–331.

Tulving, E., & Thomson, D. M. (1973). Encoding specificity and retrieval processes in
episodic memory. Psychological Review, 80(5), 352-373.

Tulving, E. (2002). Episodic memory: From mind to brain. Annual view Psychology,
53, 1–25.

Wang, Q. (2006). Earliest Recollections of Self and Others in European American and
Taiwanese Young Adults. Psychological Science, 17(8), 708-714.

Williams, J. M. G., & Broadbent, K. (1986). Autobiographical Memory in Suicide


Attempters. Journal of Abnormal Psychology, 95(2), 144-149.

63
Young, R., Sweeting, H., & Ellaway, A. (2011). Do schools differ in suicide risk? The
influence of school and neighbourhood on attempted suicide, suicidal ideation and self-harm
among secondary school pupils. Young et al. BMC Public Health, 11(874).

64
ANEXOS

65
ANEXO 1

Instrumento utilizado

Nas páginas seguintes ser-te-ão dadas instruções.


Lê cada uma delas com atenção.

Deves seguir a sequência das páginas e


não virar a página enquanto não acabares de preencher a anterior.

O questionário é totalmente ANÓNIMO E CONFIDENCIAL.


É importante que sejas completamente sincero(a).

Não existem respostas certas ou erradas.

66
Gostava que pensasses na palavra FAMÍLIA . .
Já pensaste? Então agora peço-te que escrevas um acontecimento relacionado com a
família e que esse acontecimento tenha um significado importante para ti.
O acontecimento deve ser relacionado com algo que tu vivenciaste e não relacionado com
algo que alguém te contou.
O acontecimento deve ser de pelo menos há 1 ano atrás.

Peço-te que escrevas o acontecimento o mais pormenorizado possível.

Estimativa da idade que tinhas quando o acontecimento que escreveste ocorreu: _____ anos

Frequência com que pensas no acontecimento que escreveste:


Muito
Nunca 1 2 3 4 5 6 7
Frequente

Frequência com que pensas na palavra “família”:


Muito
Nunca 1 2 3 4 5 6 7
Frequente

Importância que atribuis à palavra “família”:


Nenhuma Muito
1 2 3 4 5 6 7
Importância Importante

67
Acabaste de escrever um acontecimento relacionado com a palavra “família”.
Gostava que agora fizesses exatamente o mesmo com a palavra ESCOLA .

Peço-te que escrevas o acontecimento o mais pormenorizado possível.

Estimativa da idade que tinhas quando o acontecimento que escreveste ocorreu: _____ anos

Frequência com que pensas no acontecimento que descreveste:


Muito
Nunca 1 2 3 4 5 6 7
Frequente

Frequência com que pensas na palavra “escola”:


Muito
Nunca 1 2 3 4 5 6 7
Frequente

Importância que atribuis à palavra “escola”:


Nenhuma Muito
1 2 3 4 5 6 7
Importância Importante

68
Acabaste de escrever um acontecimento relacionado com a palavra “escola”.
Gostava que agora fizesses exatamente o mesmo com a palavra AMIGOS .

Peço-te que escrevas o acontecimento o mais pormenorizado possível.

Estimativa da idade que tinhas quando o acontecimento que descreveste ocorreu: _____ anos

Frequência com que pensas no acontecimento que descreveste:


Muito
Nunca 1 2 3 4 5 6 7
Frequente

Frequência com que pensas na palavra “amigos”:


Muito
Nunca 1 2 3 4 5 6 7
Frequente

Importância que atribuis à palavra “amigos”:


Nenhuma Muito
1 2 3 4 5 6 7
Importância Importante

69
Acabaste de escrever alguns acontecimentos sobre a família, a escola e os amigos. Gostava
agora que pensasses um pouco sobre ti próprio(a). Assinala com uma cruz (X) a resposta que
mais se aplica no teu caso atualmente. Cada item tem três possibilidades de resposta:

1 2 3
Nunca Às vezes Quase Sempre

1 2 3
1. Durmo muito bem.
2. Quando olho à minha volta acho que o mundo tem mais coisas
desagradáveis do que agradáveis.
3. Sinto vontade de chorar.
4. Imagino o que me vai acontecer com tanto prazer como antigamente.
5. Sinto vontade de fugir.
6. Tenho dores de estomago.
7. Tenho muita energia.
8. Sei que o meu futuro vai ser bom.
9. Como com prazer.
10. Penso que a vida não vale a pena.
11. Consigo resolver sozinho(a) os meus problemas.
12. As coisas que faço dão-me tanto prazer como antigamente.
13. Gosto de conversas com a minha família.
14. Tenho sonhos horríveis.
15. Sinto-me muito sozinho(a).
16. Quando estou “em baixo” consigo facilmente animar-me e ficar
satisfeito.
17. Sinto-me tão triste que acho que não vou aguentar.
18. Sou bom/boa naquilo que faço.
19. Sinto-me muito aborrecido(a).
20. Gosto de me divertir.
21. Acho que não vale a pena tentar obter qualquer coisa que quero
porque provavelmente não vou conseguir.
22. Estou sempre “na lua” e não me consigo concentrar.
23. Fico aborrecido(a) e zangado(a) com muita facilidade.

70
Gostava que continuasses a pensar sobre ti próprio(a). Assinala com uma cruz (X) a resposta
que melhor expressa a tua atitude nesta ultima semana, incluindo o dia de hoje. Cada item
tem duas possibilidades de resposta:

V F
Verdadeiro Falso

V F
1. Eu antevejo o futuro com esperança e entusiasmo.
2. Posso desde já desistir porque não há nada que eu possa fazer para tornar
as coisas melhores para mim.
3. Quando as coisas estão a correr mal, ajuda-me saber que elas não podem
ficar assim para sempre.
4. Não consigo imaginar como será a minha vida daqui a 10 anos.
5. Tenho tempo suficiente para realizar aquilo que quero fazer.
6. No futuro, eu espero ter sucesso no que me preocupa mais.
7. O meu futuro parece-me negro.
8. Acontece que eu sou particularmente sortudo, e espero obter mais das
coisas boas da vida do que a média das pessoas.
9. Eu simplesmente não consigo as oportunidades, e não há razão para que
eu as consiga no futuro.
10. As minhas experiências passadas prepararam-me bem para o futuro.
11. Tudo o que consigo ver no futuro é desagradável em vez de agradável.
12. Eu não espero ter o que realmente quero.
13. Quando eu penso no futuro, eu espero vir a ser mais feliz do que sou
agora.
14. As coisas simplesmente não resultam da maneira que eu quero.
15. Eu tenho grande fé no futuro.
16. Eu nunca tenho o que quero, por isso é tolice querer alguma coisa.
17. É muito improvável que eu venha a obter alguma verdadeira satisfação
no futuro.
18. O futuro parece-me vago e incerto.
19. Eu posso contar com mais bons momentos do que com maus momentos.
20. É inútil tentar esforçar-me por qualquer coisa que eu queira porque
provavelmente não vou conseguir tê-la.

71
Gostava que continuasses a pensar sobre ti próprio(a).. Assinala com uma cruz (X) a resposta
que melhor expressa o teu sentimento nos últimos 6 meses. Cada item tem sete
possibilidades de resposta:

1 2 3 4 5 6 7
Nunca Quase Raramente Às vezes Frequentemente Quase Sempre
nunca sempre

1 2 3 4 5 6 7
1. Pensei que seria melhor não estar vivo.
2. Pensei suicidar-me.
3. Pensei na maneira como me suicidaria.
4. Pensei quando me suicidaria.
5. Pensei em pessoas a morrerem.
6. Pensei na morte.
7. Pensei no que escrever num bilhete sobre o suicídio.
8. Pensei em escrever um testamento
9. Pensei em dizer às pessoas que planeava suicidar-me.
10. Pensei que as pessoas estariam mais felizes se eu
não estivesse presente.
11. Pensei em como as pessoas se sentiriam se me
suicidasse.
12. Desejei estar morto(a).
13. Pensei em como seria fácil acabar com tudo.
14. Pensei que suicidar-me resolveria os meus
problemas.
15. Pensei que os outros ficariam melhor se eu estivesse
morto(a).
16. Desejei ter coragem para me matar.
17. Desejei nunca ter nascido.
18. Pensei que se tivesse oportunidade me suicidaria.
19. Pensei na maneira como as pessoas se suicidam.
20. Pensei em matar-me mas não o faria.
21. Pensei em ter um acidente grave.
22. Pensei que a vida não valia a pena.
23. Pensei que a minha vida era muito miserável para
continuar.

72
24. Pensei que a única maneira de repararem em mim
era matar-me.
25. Pensei que se me matasse as pessoas se
aperceberiam que teria valido a pena preocuparem-se
comigo.
26. Pensei que ninguém se importava se eu estivesse
vivo(a) ou morto(a).
27. Pensei em magoar-me mas não suicidar-me.
28. Perguntei-me se teria coragem para me matar.
29. Pensei que se as coisas não melhorassem eu matar-
me-ia.
30. Desejei ter o direito de me matar.

73
Por fim, gostava que respondesses a algumas perguntas sobre ti:

1. Idade: _____ anos


2. Género: Feminino Masculino
3. Ano de escolaridade: _______

4. Estás ou já estiveste num psicólogo? Sim Não


4.1. Se respondeste “Sim”, indica há quanto tempo iniciaste as sessões _________, há
quanto tempo finalizaste as sessões _________ e qual foi a duração das sessões
_________.

6. Tens conhecimento de alguma pessoa que cometeu suicídio? Sim Não


6.1. Se respondeste “Sim”, menciona quem:

Conhecidos:
Vizinhos Colegas Amigos Conhecidos Outros:_____

Familiares:
Mãe Pai Irmãos Avós Outros:_____

7. Já alguma vez tiveste ideias suicidas? Coloca um círculo à volta da opção que melhor
descreve o teu pensamento:

1 2 3 4

Nenhuma vez Uma só vez Duas vezes Mais do que


duas vezes

8. Já alguma vez tentaste suicidar-te? Coloca um círculo à volta da opção que melhor
descreve o teu comportamento:
1 2 3 4

Nenhuma vez Uma só vez Duas vezes Mais do que


duas vezes

Obrigada pela tua colaboração!

74
Se precisar de ajuda, podes dirigir-te ao NES - Hospital de Santa Maria de Lisboa, Serviço de
Psiquiatria, de 2ª a 6ª feira das 11h às 13h.

Morada: Avenida Professor Egas Moniz, 1649-035 Lisboa

Telefone Geral: 21 780 5000


Urgência Geral (Informações): 21 780 5111
Consulta de Psiquiatria: 21 780 5143

E-mail: nesuicidio@gmail.com

75
ANEXO 2

Pedido de autorização para as escolas e encarregados de educação

76
PARTICIPAÇÃO NUM ESTUDO

Autorização do Encarregado de Educação

Eu, _______________________________________________________, Encarregado de


Educação do aluno ___________________________________________________, nº
_______, da turma ______ do _____ºAno, da Escola__________________
______________________________________, declaro que autorizo o meu educando a
participar num estudo sobre a forma como os adolescentes pensam e sentem acerca de
assuntos que dizem respeito aos jovens, realizado no âmbito de uma dissertação de
mestrado do Instituto Superior de Psicologia Aplicada – Instituto Universitária, sendo as
respostas dadas totalmente anónimas e confidenciais.

(Local) _________________, (Data) ____ / ____ / 2012

77
ANEXO 3

Dados demográficos e caracterização da amostra

Anexo 3.1

Frequencies

Statistics
Idade do Género do Ano de Conhece_alguem Quem Ideias_Suicidas Tentativa_Suicidio
sujeito sujeito escolaridade _Suicidio
Valid 195 195 195 194 65 194 194
N
Missing 1 1 1 2 131 2 2
Mean 14,56 1,48 9,08 1,66 4,00 1,70 1,15
Std. Deviation ,974 ,501 ,824 ,473 2,681 1,085 ,545

Statistics
Nacionalidade do sujeito
Valid 194
N
Missing 2

Idade do sujeito
Frequency Percent Valid Percent Cumulative
Percent
13 27 13,8 13,8 13,8
14 65 33,2 33,3 47,2
15 76 38,8 39,0 86,2
Valid
16 20 10,2 10,3 96,4
17 7 3,6 3,6 100,0
Total 195 99,5 100,0
Missing 999 1 ,5
Total 196 100,0

78
Género do sujeito
Frequency Percent Valid Percent Cumulative
Percent
Feminino 101 51,5 51,8 51,8
Valid Masculino 94 48,0 48,2 100,0
Total 195 99,5 100,0
Missing 999 1 ,5
Total 196 100,0
Ano de escolaridade
Frequency Percent Valid Percent Cumulative
Percent
8 59 30,1 30,3 30,3
9 62 31,6 31,8 62,1
Valid
10 74 37,8 37,9 100,0
Total 195 99,5 100,0
Missing 999 1 ,5
Total 196 100,0
Conhece_alguem_Suicidio
Frequency Percent Valid Percent Cumulative
Percent
Sim 65 33,2 33,5 33,5
Valid Não 129 65,8 66,5 100,0
Total 194 99,0 100,0
Missing 999 2 1,0
Total 196 100,0
Quem
Frequency Percent Valid Percent Cumulative
Percent
Vizinhos 17 8,7 26,2 26,2
Amigos 6 3,1 9,2 35,4
Conhecidos 31 15,8 47,7 83,1
Valid Avós 2 1,0 3,1 86,2
Outros_conhecidos 5 2,6 7,7 93,8
Outros_familiares 4 2,0 6,2 100,0
Total 65 33,2 100,0
999 1 ,5
Missing System 130 66,3
Total 131 66,8
Total 196 100,0

79
Ideias_Suicidas
Frequency Percent Valid Percent Cumulative
Percent
Nenhuma vez 126 64,3 64,9 64,9
Uma só vez 27 13,8 13,9 78,9
Valid Duas vezes 15 7,7 7,7 86,6
Mais do que duas vezes 26 13,3 13,4 100,0
Total 194 99,0 100,0
Missing 999 2 1,0
Total 196 100,0

Tentativa_Suicidio
Frequency Percent Valid Percent Cumulative
Percent
Nenhuma vez 176 89,8 90,7 90,7
Uma só vez 10 5,1 5,2 95,9
Valid Duas vezes 4 2,0 2,1 97,9
Mais do que duas vezes 4 2,0 2,1 100,0
Total 194 99,0 100,0
Missing 999 2 1,0
Total 196 100,0

Nacionalidade do sujeito
Frequency Percent Valid Percent Cumulative
Percent
Portuguesa 184 93,9 94,8 94,8
Valid Outras 10 5,1 5,2 100,0
Total 194 99,0 100,0
Missing 999 2 1,0
Total 196 100,0

80
Anexo 3.2

Crosstabs

Case Processing Summary


Cases
Valid Missing Total
N Percent N Percent N Percent
Idade do sujeito * Ano de
195 99,5% 1 0,5% 196 100,0%
escolaridade

Idade do sujeito * Ano de escolaridade Crosstabulation


Count
Ano de escolaridade Total
8 9 10
13 27 0 0 27
14 30 23 12 65
Idade do sujeito 15 1 26 49 76
16 1 8 11 20
17 0 5 2 7
Total 59 62 74 195

Anexo 3.3

Crosstabs
Case Processing Summary
Cases
Valid Missing Total
N Percent N Percent N Percent
Idade do sujeito * Género
195 99,5% 1 0,5% 196 100,0%
do sujeito

81
Idade do sujeito * Género do sujeito Crosstabulation
Count
Género do sujeito Total
Feminino Masculino
13 12 15 27
14 37 28 65
Idade do sujeito 15 42 34 76
16 8 12 20
17 2 5 7
Total 101 94 195

Anexo 3.4

Crosstabs

Case Processing Summary


Cases
Valid Missing Total
N Percent N Percent N Percent
Conhece_alguem_Suicidio *
194 99,0% 2 1,0% 196 100,0%
Género do sujeito

Conhece_alguem_Suicidio * Género do sujeito Crosstabulation


Count
Género do sujeito Total
Feminino Masculino
Sim 41 24 65
Conhece_alguem_Suicidio
Não 59 70 129
Total 100 94 194

82
Anexo 3.5

Crosstabs
Case Processing Summary
Cases
Valid Missing Total
N Percent N Percent N Percent
Ideias_Suicidas * Género
194 99,0% 2 1,0% 196 100,0%
do sujeito
Tentativa_Suicidio * Género
194 99,0% 2 1,0% 196 100,0%
do sujeito

Ideias_Suicidas * Género do sujeito Crosstabulation


Count
Género do sujeito Total
Feminino Masculino
Nenhuma vez 58 68 126
Uma só vez 19 8 27
Ideias_Suicidas
Duas vezes 11 4 15
Mais do que duas vezes 13 13 26
Total 101 93 194

Tentativa_Suicidio * Género do sujeito Crosstabulation


Count
Género do sujeito Total
Feminino Masculino
Nenhuma vez 91 85 176
Uma só vez 7 3 10
Tentativa_Suicidio
Duas vezes 1 3 4
Mais do que duas vezes 2 2 4
Total 101 93 194

83
Anexo 3.6

Crosstabs

Case Processing Summary


Cases
Valid Missing Total
N Percent N Percent N Percent
Idade da memória da
178 90,8% 18 9,2% 196 100,0%
familia * Idade do sujeito
Idade da memória dos
179 91,3% 17 8,7% 196 100,0%
amigos * Idade do sujeito
Idade da memória da
178 90,8% 18 9,2% 196 100,0%
escola * Idade do sujeito

Idade da memória da familia * Idade do sujeito Crosstabulation


Count
Idade do sujeito Total
13 14 15 16 17
2 1 1 0 0 1 3
3 3 1 1 0 0 5
4 1 0 2 0 0 3
5 1 2 4 1 1 9
6 1 2 2 0 0 5
7 0 6 2 0 0 8
8 1 4 4 0 0 9
Idade da memória da familia
9 1 1 4 0 0 6
10 4 6 5 1 1 17
11 5 4 1 1 0 11
12 5 10 9 3 0 27
13 3 18 13 4 1 39
14 0 8 13 3 0 24
15 0 0 8 3 1 12
Total 26 63 68 16 5 178

84
Idade da memória dos amigos * Idade do sujeito Crosstabulation
Count
Idade do sujeito Total
13 14 15 16 17
3 1 0 0 0 0 1
4 1 0 2 0 0 3
5 0 2 0 0 0 2
6 0 1 0 1 0 2
7 0 0 2 1 0 3
8 0 0 3 0 0 3

Idade da memória dos 9 2 3 2 0 1 8


amigos 10 2 3 3 1 0 9
11 2 6 2 1 0 11
12 10 9 9 2 0 30
13 8 23 12 0 0 43
14 0 13 25 3 2 43
15 0 0 8 9 1 18
16 0 0 0 1 2 3
Total 26 60 68 19 6 179

Idade da memória da escola * Idade do sujeito Crosstabulation


Count
Idade do sujeito Total
13 14 15 16 17
2 1 0 1 0 0 2
3 0 0 0 1 1 2
5 0 1 2 0 0 3
6 3 0 1 0 0 4
7 0 2 1 0 0 3
8 0 1 1 1 0 3
9 2 1 1 0 0 4
Idade da memória da escola
10 4 9 7 1 0 21
11 0 4 7 3 1 15
12 7 11 10 4 0 32
13 6 19 13 1 0 39
14 0 11 18 1 0 30
15 0 0 11 4 2 17
16 0 0 0 1 2 3
Total 23 59 73 17 6 178

85
ANEXO 4

Análise descritiva

Anexo 4.1

Reliability

Scale: Depressão

Case Processing Summary


N %
Valid 182 92,9
a
Cases Excluded 14 7,1
Total 196 100,0
a. Listwise deletion based on all variables in the
procedure.

Reliability Statistics
Cronbach's N of Items
Alpha
,806 20

Scale: Desesperança

Case Processing Summary


N %
Valid 180 91,8
a
Cases Excluded 16 8,2
Total 196 100,0
a. Listwise deletion based on all variables in the
procedure.

Reliability Statistics
Cronbach's N of Items
Alpha
,823 20

86
Scale: Ideação suicida

Case Processing Summary


N %
Valid 186 94,9
a
Cases Excluded 10 5,1
Total 196 100,0
a. Listwise deletion based on all variables in the
procedure.

Reliability Statistics
Cronbach's N of Items
Alpha
,969 30

Anexo 4.2

Descriptives

Descriptive Statistics
N Minimum Maximum Mean Std. Deviation
DSRS_TOTAL 196 1,00 29,00 11,7347 5,31288
BHS_TOTAL 196 0 18 4,50 3,680
QIS_TOTAL 196 1,0 6,6 1,748 1,0002
Valid N (listwise) 196

Anexo 4.3
T-Test

Group Statistics
Género do sujeito N Mean Std. Deviation Std. Error Mean
Feminino 101 13,2574 5,51843 ,54910
DSRS_TOTAL
Masculino 94 10,1064 4,60824 ,47530
Feminino 101 5,28 4,033 ,401
BHS_TOTAL
Masculino 94 3,68 3,091 ,319
Feminino 101 1,904 1,0364 ,1031
QIS_TOTAL
Masculino 94 1,587 ,9419 ,0972

87
Independent Samples Test
Levene's Test t-test for Equality of Means
for Equality of
Variances
F Sig. t df Sig. Mean Std. 95% Confidence
(2- Differen Error Interval of the
taile ce Differen Difference
d) ce Lower Upper
DSRS_TOTAL Equal variances assumed 4,194 ,042 4,311 193 ,000 3,15104 ,73093 1,70940 4,59268
Equal variances not assumed 4,339 190,810 ,000 3,15104 ,72624 1,71855 4,58354
BHS_TOTAL Equal variances assumed 6,769 ,010 3,086 193 ,002 1,596 ,517 ,576 2,617
Equal variances not assumed 3,115 186,278 ,002 1,596 ,512 ,585 2,607
QIS_TOTAL Equal variances assumed 2,691 ,103 2,228 193 ,027 ,3168 ,1422 ,0364 ,5972
Equal variances not assumed 2,236 192,894 ,026 ,3168 ,1417 ,0374 ,5963

Anexo 4.4

T-Test

Group Statistics
Conhece_alguem_Suicidio N Mean Std. Deviation Std. Error Mean
Sim 65 2,05 1,230 ,153
Ideias_Suicidas
Não 128 1,52 ,964 ,085
Sim 65 1,25 ,638 ,079
Tentativa_Suicidio
Não 128 1,11 ,490 ,043

Independent Samples Test


Levene's Test t-test for Equality of Means
for Equality of
Variances
F Sig. t df Sig. Mean Std. 95%
(2- Differe Error Confidence
taile nce Differe Interval of the
d) nce Difference
Lower Upper
Ideias_Suicidas Equal variances assumed 12,901 ,000 3,236 191 ,001 ,523 ,162 ,204 ,841
Equal variances not assumed 2,991 104,959 ,003 ,523 ,175 ,176 ,869
Tentativa_Suicidio Equal variances assumed 8,378 ,004 1,651 191 ,100 ,137 ,083 -,027 ,300
Equal variances not assumed 1,516 103,361 ,133 ,137 ,090 -,042 ,316

88
Anexo 4.5

Frequencies

Statistics
F_Espec F_Valen F_categ A_Especifi A_Valen A_cate E_Especifi E_Valen E_categ
ificidade cia oria cidade cia goria cidade cia oria
Valid 190 184 185 194 184 184 193 182 182
N
Missing 6 12 11 2 12 12 3 14 14
Mean 2,00 1,56 9,03 2,14 1,49 6,22 2,04 1,61 9,03
Std. Deviation 1,008 ,588 5,700 1,053 ,600 4,871 1,062 ,654 4,698

F_Especificidade
Frequency Percent Valid Percent Cumulative
Percent
Especifica 91 46,4 47,9 47,9
categórica 13 6,6 6,8 54,7
Valid alargada 81 41,3 42,6 97,4
não_memória 5 2,6 2,6 100,0
Total 190 96,9 100,0
Missing 999 6 3,1
Total 196 100,0

F_Valencia
Frequency Percent Valid Percent Cumulative
Percent
Positivo 90 45,9 48,9 48,9
Negativo 85 43,4 46,2 95,1
Valid
neutro 9 4,6 4,9 100,0
Total 184 93,9 100,0
Missing 999 12 6,1
Total 196 100,0

89
F_categoria
Frequency Percent Valid Percent Cumulative
Percent
conflitos 24 12,2 13,0 13,0
apoio familiar 14 7,1 7,6 20,5
divórcio 12 6,1 6,5 27,0
mudança 8 4,1 4,3 31,4
lazer 67 34,2 36,2 67,6
Valid despedida_ou_reencontro 7 3,6 3,8 71,4
saúde 14 7,1 7,6 78,9
nascimento 16 8,2 8,6 87,6
morte 18 9,2 9,7 97,3
outros 5 2,6 2,7 100,0
Total 185 94,4 100,0
Missing 999 11 5,6
Total 196 100,0

A_Especificidade
Frequency Percent Valid Percent Cumulative
Percent
Especifica 84 42,9 43,3 43,3
categórica 9 4,6 4,6 47,9
Valid alargada 90 45,9 46,4 94,3
não_memória 11 5,6 5,7 100,0
Total 194 99,0 100,0
Missing 999 2 1,0
Total 196 100,0

A_Valencia
Frequency Percent Valid Percent Cumulative
Percent
Positivo 104 53,1 56,5 56,5
Negativo 70 35,7 38,0 94,6
Valid
neutro 10 5,1 5,4 100,0
Total 184 93,9 100,0
Missing 999 12 6,1
Total 196 100,0

90
A_categoria
Frequency Percent Valid Percent Cumulative
Percent
amizade 46 23,5 25,0 25,0
conflitos 21 10,7 11,4 36,4
mudança 23 11,7 12,5 48,9
lazer 56 28,6 30,4 79,3
inicio_escolar 8 4,1 4,3 83,7
Valid comportamentos_desregrad
7 3,6 3,8 87,5
os
despedida_ou_reencontro 4 2,0 2,2 89,7
saúde 13 6,6 7,1 96,7
outros 6 3,1 3,3 100,0
Total 184 93,9 100,0
Missing 999 12 6,1
Total 196 100,0

E_Especificidade
Frequency Percent Valid Percent Cumulative
Percent
Especifica 94 48,0 48,7 48,7
categórica 9 4,6 4,7 53,4
Valid alargada 79 40,3 40,9 94,3
não_memória 11 5,6 5,7 100,0
Total 193 98,5 100,0
Missing 999 3 1,5
Total 196 100,0

E_Valencia
Frequency Percent Valid Percent Cumulative
Percent
Positivo 88 44,9 48,4 48,4
Negativo 77 39,3 42,3 90,7
Valid
neutro 17 8,7 9,3 100,0
Total 182 92,9 100,0
Missing 999 14 7,1
Total 196 100,0

91
E_categoria
Frequency Percent Valid Percent Cumulative
Percent
amizade 15 7,7 8,2 8,2
conflitos 15 7,7 8,2 16,5
namoro 6 3,1 3,3 19,8
mudança 17 8,7 9,3 29,1
lazer 8 4,1 4,4 33,5
inicio_escolar 23 11,7 12,6 46,2
Valid atividades_escolares 27 13,8 14,8 61,0
desempenho escolar 29 14,8 15,9 76,9
comportamentos_desregrad
20 10,2 11,0 87,9
os
saúde 12 6,1 6,6 94,5
outros 10 5,1 5,5 100,0
Total 182 92,9 100,0
Missing 999 14 7,1
Total 196 100,0

92
ANEXO 5

Análise estatística para testar a hipótese 1

Anexo 5.1

Correlations

Descriptive Statistics
Mean Std. Deviation N
DSRS_TOTAL 11,7347 5,31288 196
BHS_TOTAL 4,50 3,680 196
QIS_TOTAL 1,748 1,0002 196

Correlations
DSRS_TOTAL BHS_TOTAL QIS_TOTAL
**
Pearson Correlation 1 ,656 ,585**
DSRS_TOTAL Sig. (2-tailed) ,000 ,000
N 196 196 196
** **
Pearson Correlation ,656 1 ,472
BHS_TOTAL Sig. (2-tailed) ,000 ,000
N 196 196 196
** **
Pearson Correlation ,585 ,472 1
QIS_TOTAL Sig. (2-tailed) ,000 ,000
N 196 196 196
**. Correlation is significant at the 0.01 level (2-tailed).

93
ANEXO 6
Análise estatística para testar a hipótese 2

Anexo 6.1
Univariate Analysis of Variance

Between-Subjects Factors
Value Label N
1 Especifica 85
F_Especificidade_1
2 Geral 85
1 Positivo 86
F_Valência_1
2 Negativo 84
2 conflitos 24
3 apoio familiar 14
5 divórcio 10
6 mudança 5
7 lazer 62
F_categoria_1
despedida_ou_r
14 7
eencontro
15 saúde 14
17 nascimento 16
18 morte 18

Descriptive Statistics
Dependent Variable: QIS_TOTAL
F_Especificidade_1 F_Valência_1 F_categoria_1 Mean Std. Deviation N
apoio familiar 1,717 ,5725 4
lazer 1,644 ,9817 32
Positivo despedida_ou_reencontro 2,017 1,1549 2
nascimento 1,111 ,1979 9
Total 1,564 ,8731 47
conflitos 2,212 1,3653 14
Especifica apoio familiar 1,000 . 1
divórcio 2,267 . 1
mudança 1,190 ,2682 2
Negativo
lazer 1,500 ,6044 6
despedida_ou_reencontro 1,733 ,7172 3
saúde 2,293 2,1764 8
morte 1,767 ,8021 3

94
Total 1,959 1,3468 38
conflitos 2,212 1,3653 14
apoio familiar 1,573 ,5904 5
divórcio 2,267 . 1
mudança 1,190 ,2682 2
lazer 1,622 ,9272 38
Total
despedida_ou_reencontro 1,847 ,7841 5
saúde 2,293 2,1764 8
nascimento 1,111 ,1979 9
morte 1,767 ,8021 3
Total 1,741 1,1205 85
apoio familiar 1,763 ,5181 8
lazer 1,739 1,0086 23
despedida_ou_reencontro 1,800 . 1
Positivo
nascimento 1,478 ,6565 6
morte 1,000 . 1
Total 1,686 ,8471 39
conflitos 1,773 1,2376 10
apoio familiar 3,600 . 1
divórcio 1,919 1,1850 9
mudança 1,178 ,1678 3
lazer 1,333 . 1
Negativo
despedida_ou_reencontro 2,700 . 1
saúde 1,644 ,7314 6
Geral
nascimento 1,400 . 1
morte 2,112 1,0583 14
Total 1,891 1,0452 46
conflitos 1,773 1,2376 10
apoio familiar 1,967 ,7810 9
divórcio 1,919 1,1850 9
mudança 1,178 ,1678 3
lazer 1,722 ,9899 24
Total
despedida_ou_reencontro 2,250 ,6364 2
saúde 1,644 ,7314 6
nascimento 1,467 ,6000 7
morte 2,038 1,0595 15
Total 1,797 ,9594 85
apoio familiar 1,747 ,5106 12
lazer 1,684 ,9849 55
Total Positivo
despedida_ou_reencontro 1,944 ,8262 3
nascimento 1,258 ,4592 15

95
morte 1,000 . 1
Total 1,620 ,8585 86
conflitos 2,029 1,3045 24
apoio familiar 2,300 1,8385 2
divórcio 1,953 1,1226 10
mudança 1,183 ,1792 5
lazer 1,476 ,5553 7
Negativo
despedida_ou_reencontro 1,975 ,7593 4
saúde 2,015 1,6932 14
nascimento 1,400 . 1
morte 2,051 1,0044 17
Total 1,922 1,1841 84
conflitos 2,029 1,3045 24
apoio familiar 1,826 ,7217 14
divórcio 1,953 1,1226 10
mudança 1,183 ,1792 5
lazer 1,660 ,9452 62
Total
despedida_ou_reencontro 1,962 ,7184 7
saúde 2,015 1,6932 14
nascimento 1,267 ,4451 16
morte 1,993 1,0054 18
Total 1,769 1,0403 170

a
Levene's Test of Equality of Error Variances
Dependent Variable: QIS_TOTAL
F df1 df2 Sig.
1,768 25 144 ,020
Tests the null hypothesis that the error variance
of the dependent variable is equal across groups.
a. Design: Intercept + F_Especificidade_1 +
F_Valência_1 + F_categoria_1 +
F_Especificidade_1 * F_Valência_1 +
F_Especificidade_1 * F_categoria_1 +
F_Valência_1 * F_categoria_1 +
F_Especificidade_1 * F_Valência_1 *
F_categoria_1

96
Tests of Between-Subjects Effects
Dependent Variable: QIS_TOTAL
Source Type III Sum of df Mean Square F Sig.
Squares
a
Corrected Model 20,069 25 ,803 ,710 ,841
Intercept 161,914 1 161,914 143,186 ,000
F_Especificidade_1 ,049 1 ,049 ,044 ,835
F_Valência_1 ,200 1 ,200 ,177 ,674
F_categoria_1 5,830 8 ,729 ,644 ,739
F_Especificidade_1 *
1,874 1 1,874 1,657 ,200
F_Valência_1
F_Especificidade_1 *
6,912 8 ,864 ,764 ,635
F_categoria_1
F_Valência_1 *
1,531 4 ,383 ,338 ,852
F_categoria_1
F_Especificidade_1 *
F_Valência_1 * 2,255 2 1,127 ,997 ,372
F_categoria_1
Error 162,834 144 1,131
Total 714,913 170
Corrected Total 182,903 169
a. R Squared = ,110 (Adjusted R Squared = -,045)

Means

QIS_TOTAL * F_Especificidade_1
QIS_TOTAL
F_Especificidade_1 Mean N Std. Deviation
Especifica 1,708 91 1,0914
Geral 1,799 94 ,9521
Total 1,754 185 1,0212

QIS_TOTAL * F_Valência_1
QIS_TOTAL
F_Valência_1 Mean N Std. Deviation
Positivo 1,616 89 ,8487
Negativo 1,925 86 1,1724
Total 1,768 175 1,0295

97
QIS_TOTAL * F_categoria_1
QIS_TOTAL
F_categoria_1 Mean N Std. Deviation
conflitos 2,029 24 1,3045
apoio familiar 1,826 14 ,7217
divórcio 1,847 12 1,0455
mudança 1,568 8 ,9731
lazer 1,623 67 ,9197
despedida_ou_reencontro 1,962 7 ,7184
saúde 2,015 14 1,6932
nascimento 1,267 16 ,4451
morte 1,993 18 1,0054
Total 1,755 180 1,0314

Anexo 6.2

Univariate Analysis of Variance

Between-Subjects Factors
Value Label N
1 Especifica 85
F_Especificidade_1
2 Geral 85
1 Positivo 86
F_Valência_1
2 Negativo 84
2 conflitos 24
3 apoio familiar 14
5 divórcio 10
6 mudança 5
7 lazer 62
F_categoria_1
despedida_ou_r
14 7
eencontro
15 saúde 14
17 nascimento 16
18 morte 18

98
Descriptive Statistics
Dependent Variable: DSRS_TOTAL
F_Especificidade_1 F_Valência_1 F_categoria_1 Mean Std. Deviation N
apoio familiar 12,2500 5,05800 4
lazer 11,0000 4,93179 32
Positivo despedida_ou_reencontro 17,0000 4,24264 2
nascimento 9,1111 5,03598 9
Total 11,0000 5,02602 47
conflitos 13,6429 6,17199 14
apoio familiar 10,0000 . 1
divórcio 18,0000 . 1
mudança 11,0000 7,07107 2
Negativo lazer 12,1667 4,49073 6
despedida_ou_reencontro 13,3333 4,72582 3
saúde 11,3750 6,78101 8
Especifica
morte 14,3333 8,02081 3
Total 12,8421 5,73998 38
conflitos 13,6429 6,17199 14
apoio familiar 11,8000 4,49444 5
divórcio 18,0000 . 1
mudança 11,0000 7,07107 2
lazer 11,1842 4,82592 38
Total
despedida_ou_reencontro 14,8000 4,43847 5
saúde 11,3750 6,78101 8
nascimento 9,1111 5,03598 9
morte 14,3333 8,02081 3
Total 11,8235 5,40321 85
apoio familiar 11,2500 4,16619 8
lazer 11,1739 4,05252 23
despedida_ou_reencontro 16,0000 . 1
Positivo
nascimento 8,1667 5,77639 6
Geral morte 3,0000 . 1
Total 10,6410 4,53923 39
conflitos 12,3000 6,05622 10
Negativo apoio familiar 16,0000 . 1
divórcio 11,3333 6,12372 9

99
mudança 11,6667 6,50641 3
lazer 8,0000 . 1
despedida_ou_reencontro 16,0000 . 1
saúde 9,0000 5,65685 6
nascimento 9,0000 . 1
morte 15,5000 5,38873 14
Total 12,6087 5,81751 46
conflitos 12,3000 6,05622 10
apoio familiar 11,7778 4,20648 9
divórcio 11,3333 6,12372 9
mudança 11,6667 6,50641 3
lazer 11,0417 4,01605 24
Total
despedida_ou_reencontro 16,0000 ,00000 2
saúde 9,0000 5,65685 6
nascimento 8,2857 5,28250 7
morte 14,6667 6,11400 15
Total 11,7059 5,33145 85
apoio familiar 11,5833 4,27377 12
lazer 11,0727 4,54547 55
despedida_ou_reencontro 16,6667 3,05505 3
Positivo
nascimento 8,7333 5,16121 15
morte 3,0000 . 1
Total 10,8372 4,78690 86
conflitos 13,0833 6,02831 24
apoio familiar 13,0000 4,24264 2
divórcio 12,0000 6,14636 10
mudança 11,4000 5,81378 5
lazer 11,5714 4,39155 7
Negativo
Total despedida_ou_reencontro 14,0000 4,08248 4
saúde 10,3571 6,20926 14
nascimento 9,0000 . 1
morte 15,2941 5,64319 17
Total 12,7143 5,74891 84
conflitos 13,0833 6,02831 24
apoio familiar 11,7857 4,13575 14
divórcio 12,0000 6,14636 10
Total mudança 11,4000 5,81378 5
lazer 11,1290 4,49584 62
despedida_ou_reencontro 15,1429 3,67099 7
saúde 10,3571 6,20926 14

100
nascimento 8,7500 4,98665 16
morte 14,6111 6,19429 18
Total 11,7647 5,35187 170

a
Levene's Test of Equality of Error Variances
Dependent Variable: DSRS_TOTAL
F df1 df2 Sig.
,812 25 144 ,722
Tests the null hypothesis that the error variance
of the dependent variable is equal across groups.
a. Design: Intercept + F_Especificidade_1 +
F_Valência_1 + F_categoria_1 +
F_Especificidade_1 * F_Valência_1 +
F_Especificidade_1 * F_categoria_1 +
F_Valência_1 * F_categoria_1 +
F_Especificidade_1 * F_Valência_1 *
F_categoria_1

Tests of Between-Subjects Effects


Dependent Variable: DSRS_TOTAL
Source Type III Sum of df Mean Square F Sig.
Squares
Corrected Model 745,789a 25 29,832 1,049 ,410
Intercept 7509,655 1 7509,655 264,089 ,000
F_Especificidade_1 15,669 1 15,669 ,551 ,459
F_Valência_1 15,791 1 15,791 ,555 ,457
F_categoria_1 250,717 8 31,340 1,102 ,365
F_Especificidade_1 *
6,205 1 6,205 ,218 ,641
F_Valência_1
F_Especificidade_1 *
82,313 8 10,289 ,362 ,939
F_categoria_1
F_Valência_1 *
107,273 4 26,818 ,943 ,441
F_categoria_1
F_Especificidade_1 *
F_Valência_1 * 40,202 2 20,101 ,707 ,495
F_categoria_1
Error 4094,799 144 28,436
Total 28370,000 170
Corrected Total 4840,588 169
a. R Squared = ,154 (Adjusted R Squared = ,007)

101
Means

DSRS_TOTAL * F_Especificidade_1
DSRS_TOTAL
F_Especificidade_1 Mean N Std. Deviation
Especifica 11,5824 91 5,35219
Geral 12,0213 94 5,48699
Total 11,8054 185 5,41084

DSRS_TOTAL * F_Valência_1
DSRS_TOTAL
F_Valência_1 Mean N Std. Deviation
Positivo 10,8315 89 4,77740
Negativo 12,8837 86 5,94963
Total 11,8400 175 5,46752

DSRS_TOTAL * F_categoria_1
DSRS_TOTAL
F_categoria_1 Mean N Std. Deviation
conflitos 13,0833 24 6,02831
apoio familiar 11,7857 14 4,13575
divórcio 12,4167 12 5,96137
mudança 12,0000 8 4,86973
lazer 10,9552 67 4,46003
despedida_ou_reencontro 15,1429 7 3,67099
saúde 10,3571 14 6,20926
nascimento 8,7500 16 4,98665
morte 14,6111 18 6,19429
Total 11,7333 180 5,29847

102
Anexo 6.3

Univariate Analysis of Variance

Between-Subjects Factors
Value Label N
1 Especifica 85
F_Especificidade_1
2 Geral 85
1 Positivo 86
F_Valência_1
2 Negativo 84
2 conflitos 24
3 apoio familiar 14
5 divórcio 10
6 mudança 5
7 lazer 62
F_categoria_1
despedida_ou_r
14 7
eencontro
15 saúde 14
17 nascimento 16
18 morte 18

Descriptive Statistics
Dependent Variable: BHS_TOTAL
F_Especificidade_1 F_Valência_1 F_categoria_1 Mean Std. Deviation N
apoio familiar 7,25 3,862 4
lazer 4,22 3,471 32
Positivo despedida_ou_reencontro 9,00 ,000 2
nascimento 3,56 2,351 9
Total 4,55 3,438 47
conflitos 4,29 4,548 14
Especifica
apoio familiar 5,00 . 1
divórcio 1,00 . 1
Negativo mudança 4,50 3,536 2
lazer 4,17 2,858 6
despedida_ou_reencontro 4,00 4,359 3
saúde 6,63 4,241 8

103
morte 5,00 4,000 3
Total 4,74 3,916 38
conflitos 4,29 4,548 14
apoio familiar 6,80 3,493 5
divórcio 1,00 . 1
mudança 4,50 3,536 2
lazer 4,21 3,346 38
Total
despedida_ou_reencontro 6,00 4,123 5
saúde 6,63 4,241 8
nascimento 3,56 2,351 9
morte 5,00 4,000 3
Total 4,64 3,638 85
apoio familiar 5,75 4,132 8
lazer 4,48 3,654 23
despedida_ou_reencontro 7,00 . 1
Positivo
nascimento 2,83 2,563 6
morte 1,00 . 1
Total 4,46 3,604 39
conflitos 3,00 2,261 10
apoio familiar 12,00 . 1
divórcio 5,22 4,295 9
mudança 3,00 2,000 3
lazer 2,00 . 1
Negativo
despedida_ou_reencontro 8,00 . 1
saúde 5,00 4,980 6
Geral
nascimento 3,00 . 1
morte 5,86 4,222 14
Total 4,85 3,916 46
conflitos 3,00 2,261 10
apoio familiar 6,44 4,391 9
divórcio 5,22 4,295 9
mudança 3,00 2,000 3
lazer 4,37 3,609 24
Total
despedida_ou_reencontro 7,50 ,707 2
saúde 5,00 4,980 6
nascimento 2,86 2,340 7
morte 5,53 4,257 15
Total 4,67 3,759 85
apoio familiar 6,25 3,934 12
Total Positivo lazer 4,33 3,517 55
despedida_ou_reencontro 8,33 1,155 3

104
nascimento 3,27 2,374 15
morte 1,00 . 1
Total 4,51 3,494 86
conflitos 3,75 3,756 24
apoio familiar 8,50 4,950 2
divórcio 4,80 4,264 10
mudança 3,60 2,408 5
lazer 3,86 2,734 7
Negativo
despedida_ou_reencontro 5,00 4,082 4
saúde 5,93 4,463 14
nascimento 3,00 . 1
morte 5,71 4,074 17
Total 4,80 3,892 84
conflitos 3,75 3,756 24
apoio familiar 6,57 3,956 14
divórcio 4,80 4,264 10
mudança 3,60 2,408 5
lazer 4,27 3,422 62
Total
despedida_ou_reencontro 6,43 3,457 7
saúde 5,93 4,463 14
nascimento 3,25 2,295 16
morte 5,44 4,105 18
Total 4,65 3,688 170

Levene's Test of Equality of Error Variancesa


Dependent Variable: BHS_TOTAL
F df1 df2 Sig.
,772 25 144 ,772
Tests the null hypothesis that the error variance
of the dependent variable is equal across groups.
a. Design: Intercept + F_Especificidade_1 +
F_Valência_1 + F_categoria_1 +
F_Especificidade_1 * F_Valência_1 +
F_Especificidade_1 * F_categoria_1 +
F_Valência_1 * F_categoria_1 +
F_Especificidade_1 * F_Valência_1 *
F_categoria_1

105
Tests of Between-Subjects Effects
Dependent Variable: BHS_TOTAL
Source Type III Sum of df Mean Square F Sig.
Squares
a
Corrected Model 314,675 25 12,587 ,914 ,586
Intercept 1226,443 1 1226,443 89,023 ,000
F_Especificidade_1 ,197 1 ,197 ,014 ,905
F_Valência_1 ,002 1 ,002 ,000 ,990
F_categoria_1 170,523 8 21,315 1,547 ,146
F_Especificidade_1 *
22,602 1 22,602 1,641 ,202
F_Valência_1
F_Especificidade_1 *
67,059 8 8,382 ,608 ,770
F_categoria_1
F_Valência_1 *
25,971 4 6,493 ,471 ,757
F_categoria_1
F_Especificidade_1 *
F_Valência_1 * 39,003 2 19,501 1,416 ,246
F_categoria_1
Error 1983,849 144 13,777
Total 5979,000 170
Corrected Total 2298,524 169
a. R Squared = ,137 (Adjusted R Squared = -,013)

Means

BHS_TOTAL * F_Especificidade_1
BHS_TOTAL
F_Especificidade_1 Mean N Std. Deviation
Especifica 4,44 91 3,606
Geral 4,73 94 3,900
Total 4,59 185 3,751

BHS_TOTAL * F_Valência_1
BHS_TOTAL
F_Valência_1 Mean N Std. Deviation
Positivo 4,44 89 3,471
Negativo 4,91 86 4,078
Total 4,67 175 3,777

106
BHS_TOTAL * F_categoria_1
BHS_TOTAL
F_categoria_1 Mean N Std. Deviation
conflitos 3,75 24 3,756
apoio familiar 6,57 14 3,956
divórcio 4,92 12 4,522
mudança 3,12 8 2,100
lazer 4,16 67 3,328
despedida_ou_reencontro 6,43 7 3,457
saúde 5,93 14 4,463
nascimento 3,25 16 2,295
morte 5,44 18 4,105
Total 4,57 180 3,665

107
ANEXO 7

Análise estatística para testar a hipótese 1

Anexo 7.1

Univariate Analysis of Variance

Between-Subjects Factors
Value Label N
1 Especifica 75
A_Especificidade_1
2 Geral 94
1 Positivo 103
A_Valência_1
2 Negativo 66
1 amizade 45
2 conflitos 21
6 mudança 23
7 lazer 52
9 inicio_escolar 8
A_categoria_1
comportamento
12 4
s_desregrados
despedida_ou_r
14 3
eencontro
15 saúde 13

Descriptive Statistics
Dependent Variable: QIS_TOTAL
A_Especificidade_1 A_Valência_1 A_categoria_1 Mean Std. Deviation N
amizade 1,776 1,1558 7
mudança 1,267 . 1
lazer 1,815 1,0903 33
Positivo inicio_escolar 1,256 ,1644 3
comportamentos_desregrad
Especifica 2,133 ,7542 2
os
Total 1,774 1,0334 46
amizade 2,425 1,3935 4
Negativo conflitos 1,662 ,4676 7
mudança 1,333 . 1

108
lazer 1,856 ,7691 3
comportamentos_desregrad
2,067 1,2257 2
os
despedida_ou_reencontro 1,344 ,3918 2
saúde 1,357 ,5184 10
Total 1,677 ,7653 29
amizade 2,012 1,2211 11
conflitos 1,662 ,4676 7
mudança 1,300 ,0471 2
lazer 1,818 1,0587 36
inicio_escolar 1,256 ,1644 3
Total
comportamentos_desregrad
2,100 ,8318 4
os
despedida_ou_reencontro 1,344 ,3918 2
saúde 1,357 ,5184 10
Total 1,737 ,9345 75
amizade 1,729 ,9721 31
conflitos 1,333 . 1
mudança 1,158 ,1619 4
Positivo
lazer 1,400 ,4041 16
inicio_escolar 1,324 ,2464 5
Total 1,554 ,7721 57
amizade 1,333 ,4163 3
conflitos 2,338 1,3177 13
mudança 2,057 1,0779 17
Negativo
despedida_ou_reencontro 1,067 . 1
Geral
saúde 1,589 ,7954 3
Total 2,032 1,1212 37
amizade 1,694 ,9394 34
conflitos 2,267 1,2942 14
mudança 1,886 1,0315 21
lazer 1,400 ,4041 16
Total
inicio_escolar 1,324 ,2464 5
despedida_ou_reencontro 1,067 . 1
saúde 1,589 ,7954 3
Total 1,742 ,9491 94
amizade 1,738 ,9915 38
conflitos 1,333 . 1
Total Positivo mudança 1,180 ,1483 5
lazer 1,679 ,9392 49
inicio_escolar 1,298 ,2089 8

109
comportamentos_desregrad
2,133 ,7542 2
os
Total 1,653 ,9003 103
amizade 1,957 1,1701 7
conflitos 2,102 1,1293 20
mudança 2,016 1,0595 18
lazer 1,856 ,7691 3
Negativo comportamentos_desregrad
2,067 1,2257 2
os
despedida_ou_reencontro 1,251 ,3199 3
saúde 1,410 ,5633 13
Total 1,876 ,9900 66
amizade 1,772 1,0099 45
conflitos 2,065 1,1134 21
mudança 1,835 ,9979 23
lazer 1,690 ,9247 52
inicio_escolar 1,298 ,2089 8
Total
comportamentos_desregrad
2,100 ,8318 4
os
despedida_ou_reencontro 1,251 ,3199 3
saúde 1,410 ,5633 13
Total 1,740 ,9398 169

Levene's Test of Equality of Error Variancesa


Dependent Variable: QIS_TOTAL
F df1 df2 Sig.
1,730 21 147 ,032
Tests the null hypothesis that the error variance
of the dependent variable is equal across groups.
a. Design: Intercept + A_Especificidade_1 +
A_Valência_1 + A_categoria_1 +
A_Especificidade_1 * A_Valência_1 +
A_Especificidade_1 * A_categoria_1 +
A_Valência_1 * A_categoria_1 +
A_Especificidade_1 * A_Valência_1 *
A_categoria_1

110
Tests of Between-Subjects Effects
Dependent Variable: QIS_TOTAL
Source Type III Sum of df Mean Square F Sig.
Squares
a
Corrected Model 17,170 21 ,818 ,916 ,571
Intercept 126,907 1 126,907 142,160 ,000
A_Especificidade_1 ,002 1 ,002 ,003 ,959
A_Valência_1 ,952 1 ,952 1,066 ,304
A_categoria_1 3,725 7 ,532 ,596 ,758
A_Especificidade_1 *
,015 1 ,015 ,017 ,898
A_Valência_1
A_Especificidade_1 *
3,249 6 ,541 ,607 ,725
A_categoria_1
A_Valência_1 *
,663 4 ,166 ,186 ,946
A_categoria_1
A_Especificidade_1 *
A_Valência_1 * 1,148 1 1,148 1,286 ,259
A_categoria_1
Error 131,227 147 ,893
Total 659,956 169
Corrected Total 148,396 168
a. R Squared = ,116 (Adjusted R Squared = -,011)

Means

QIS_TOTAL * A_Especificidade_1
QIS_TOTAL
A_Especificidade_1 Mean N Std. Deviation
Especifica 1,736 84 1,0519
Geral 1,789 99 1,0002
Total 1,764 183 1,0218

QIS_TOTAL * A_Valência_1
QIS_TOTAL
A_Valência_1 Mean N Std. Deviation
Positivo 1,646 104 ,8982
Negativo 1,843 70 ,9727
Total 1,725 174 ,9312

111
QIS_TOTAL * A_categoria_1
QIS_TOTAL
A_categoria_1 Mean N Std. Deviation
amizade 1,755 46 1,0051
conflitos 2,065 21 1,1134
mudança 1,835 23 ,9979
lazer 1,752 56 1,1170
inicio_escolar 1,298 8 ,2089
comportamentos_desregrad
2,261 7 1,3513
os
despedida_ou_reencontro 1,214 4 ,2719
saúde 1,410 13 ,5633
Total 1,763 178 1,0207

Anexo 7.2

Univariate Analysis of Variance

Between-Subjects Factors
Value Label N
1 Especifica 75
A_Especificidade_1
2 Geral 94
1 Positivo 103
A_Valência_1
2 Negativo 66
1 amizade 45
2 conflitos 21
6 mudança 23
7 lazer 52
9 inicio_escolar 8
A_categoria_1
comportamento
12 4
s_desregrados
despedida_ou_r
14 3
eencontro
15 saúde 13

112
Descriptive Statistics
Dependent Variable: DSRS_TOTAL
A_Especificidade_1 A_Valência_1 A_categoria_1 Mean Std. Deviation N
amizade 10,5714 6,57919 7
mudança 13,0000 . 1
lazer 11,1212 5,92536 33
Positivo inicio_escolar 11,0000 1,73205 3
comportamentos_desregrad
12,0000 1,41421 2
os
Total 11,1087 5,57466 46
amizade 13,2500 8,05709 4
conflitos 12,8571 3,67099 7
mudança 11,0000 . 1
lazer 10,6667 1,52753 3
Negativo comportamentos_desregrad
15,0000 5,65685 2
os
Especifica
despedida_ou_reencontro 15,0000 ,00000 2
saúde 10,3000 5,79367 10
Total 12,0345 4,98915 29
amizade 11,5455 6,87552 11
conflitos 12,8571 3,67099 7
mudança 12,0000 1,41421 2
lazer 11,0833 5,67891 36
inicio_escolar 11,0000 1,73205 3
Total
comportamentos_desregrad
13,5000 3,78594 4
os
despedida_ou_reencontro 15,0000 ,00000 2
saúde 10,3000 5,79367 10
Total 11,4667 5,34065 75
amizade 12,4516 5,42119 31
conflitos 10,0000 . 1
mudança 12,0000 5,47723 4
Positivo
lazer 9,1875 4,02026 16
inicio_escolar 9,0000 2,00000 5
Geral Total 11,1579 4,94899 57
amizade 15,6667 4,50925 3
conflitos 15,3077 6,40813 13
Negativo mudança 11,9412 6,24971 17
despedida_ou_reencontro 12,0000 . 1
saúde 10,6667 6,65833 3

113
Total 13,3243 6,16916 37
amizade 12,7353 5,36718 34
conflitos 14,9286 6,31804 14
mudança 11,9524 5,97893 21
lazer 9,1875 4,02026 16
Total
inicio_escolar 9,0000 2,00000 5
despedida_ou_reencontro 12,0000 . 1
saúde 10,6667 6,65833 3
Total 12,0106 5,53288 94
amizade 12,1053 5,60304 38
conflitos 10,0000 . 1
mudança 12,2000 4,76445 5
lazer 10,4898 5,41265 49
Positivo
inicio_escolar 9,7500 2,05287 8
comportamentos_desregrad
12,0000 1,41421 2
os
Total 11,1359 5,21132 103
amizade 14,2857 6,39568 7
conflitos 14,4500 5,62396 20
mudança 11,8889 6,06716 18
lazer 10,6667 1,52753 3
Negativo comportamentos_desregrad
15,0000 5,65685 2
Total os
despedida_ou_reencontro 14,0000 1,73205 3
saúde 10,3846 5,70874 13
Total 12,7576 5,67602 66
amizade 12,4444 5,71106 45
conflitos 14,2381 5,56691 21
mudança 11,9565 5,70867 23
lazer 10,5000 5,25991 52
inicio_escolar 9,7500 2,05287 8
Total
comportamentos_desregrad
13,5000 3,78594 4
os
despedida_ou_reencontro 14,0000 1,73205 3
saúde 10,3846 5,70874 13
Total 11,7692 5,43906 169

114
a
Levene's Test of Equality of Error Variances
Dependent Variable: DSRS_TOTAL
F df1 df2 Sig.
1,352 21 147 ,152
Tests the null hypothesis that the error variance
of the dependent variable is equal across groups.
a. Design: Intercept + A_Especificidade_1 +
A_Valência_1 + A_categoria_1 +
A_Especificidade_1 * A_Valência_1 +
A_Especificidade_1 * A_categoria_1 +
A_Valência_1 * A_categoria_1 +
A_Especificidade_1 * A_Valência_1 *
A_categoria_1

Tests of Between-Subjects Effects


Dependent Variable: DSRS_TOTAL
Source Type III Sum of df Mean Square F Sig.
Squares
Corrected Model 487,238a 21 23,202 ,761 ,762
Intercept 7066,946 1 7066,946 231,741 ,000
A_Especificidade_1 ,817 1 ,817 ,027 ,870
A_Valência_1 33,850 1 33,850 1,110 ,294
A_categoria_1 118,528 7 16,933 ,555 ,791
A_Especificidade_1 *
2,001 1 2,001 ,066 ,798
A_Valência_1
A_Especificidade_1 *
57,784 6 9,631 ,316 ,928
A_categoria_1
A_Valência_1 *
46,969 4 11,742 ,385 ,819
A_categoria_1
A_Especificidade_1 *
A_Valência_1 * ,643 1 ,643 ,021 ,885
A_categoria_1
Error 4482,762 147 30,495
Total 28379,000 169
Corrected Total 4970,000 168
a. R Squared = ,098 (Adjusted R Squared = -,031)

115
Means

DSRS_TOTAL * A_Especificidade_1
DSRS_TOTAL
A_Especificidade_1 Mean N Std. Deviation
Especifica 11,1905 84 5,24686
Geral 12,1313 99 5,46538
Total 11,6995 183 5,37212

DSRS_TOTAL * A_Valência_1
DSRS_TOTAL
A_Valência_1 Mean N Std. Deviation
Positivo 11,0769 104 5,22074
Negativo 12,6429 70 5,61064
Total 11,7069 174 5,41997

DSRS_TOTAL * A_categoria_1
DSRS_TOTAL
A_categoria_1 Mean N Std. Deviation
amizade 12,2826 46 5,75292
conflitos 14,2381 21 5,56691
mudança 11,9565 23 5,70867
lazer 10,5357 56 5,19778
inicio_escolar 9,7500 8 2,05287
comportamentos_desregrad
12,8571 7 4,91354
os
despedida_ou_reencontro 12,2500 4 3,77492
saúde 10,3846 13 5,70874
Total 11,6910 178 5,42645

116
Anexo 7.3

Univariate Analysis of Variance

Between-Subjects Factors
Value Label N
1 Especifica 75
A_Especificidade_1
2 Geral 94
1 Positivo 103
A_Valência_1
2 Negativo 66
1 amizade 45
2 conflitos 21
6 mudança 23
7 lazer 52
9 inicio_escolar 8
A_categoria_1
comportamento
12 4
s_desregrados
despedida_ou_r
14 3
eencontro
15 saúde 13

Descriptive Statistics
Dependent Variable: BHS_TOTAL
A_Especificidade_1 A_Valência_1 A_categoria_1 Mean Std. Deviation N
amizade 3,00 2,449 7
mudança 6,00 . 1
lazer 4,03 3,917 33
Positivo inicio_escolar 3,67 1,528 3
comportamentos_desregrad
2,00 ,000 2
os
Especifica Total 3,80 3,494 46
amizade 5,00 6,055 4
conflitos 6,00 3,830 7
mudança 3,00 . 1
Negativo
lazer 5,00 1,732 3
comportamentos_desregrad
8,50 3,536 2
os

117
despedida_ou_reencontro 9,00 2,828 2
saúde 4,10 2,961 10
Total 5,38 3,659 29
amizade 3,73 3,952 11
conflitos 6,00 3,830 7
mudança 4,50 2,121 2
lazer 4,11 3,778 36
inicio_escolar 3,67 1,528 3
Total
comportamentos_desregrad
5,25 4,272 4
os
despedida_ou_reencontro 9,00 2,828 2
saúde 4,10 2,961 10
Total 4,41 3,617 75
amizade 5,16 3,634 31
conflitos 4,00 . 1
mudança 2,00 ,816 4
Positivo
lazer 3,69 2,651 16
inicio_escolar 3,00 ,707 5
Total 4,32 3,174 57
amizade 3,67 3,055 3
conflitos 6,77 5,036 13
mudança 5,29 4,687 17
Negativo
despedida_ou_reencontro 3,00 . 1
Geral
saúde 3,67 2,887 3
Total 5,49 4,532 37
amizade 5,03 3,572 34
conflitos 6,57 4,894 14
mudança 4,67 4,408 21
lazer 3,69 2,651 16
Total
inicio_escolar 3,00 ,707 5
despedida_ou_reencontro 3,00 . 1
saúde 3,67 2,887 3
Total 4,78 3,788 94
amizade 4,76 3,522 38
conflitos 4,00 . 1
mudança 2,80 1,924 5
lazer 3,92 3,529 49
Total Positivo
inicio_escolar 3,25 1,035 8
comportamentos_desregrad
2,00 ,000 2
os
Total 4,09 3,314 103

118
amizade 4,43 4,685 7
conflitos 6,50 4,560 20
mudança 5,17 4,579 18
lazer 5,00 1,732 3
Negativo comportamentos_desregrad
8,50 3,536 2
os
despedida_ou_reencontro 7,00 4,000 3
saúde 4,00 2,828 13
Total 5,44 4,140 66
amizade 4,71 3,666 45
conflitos 6,38 4,477 21
mudança 4,65 4,228 23
lazer 3,98 3,450 52
inicio_escolar 3,25 1,035 8
Total
comportamentos_desregrad
5,25 4,272 4
os
despedida_ou_reencontro 7,00 4,000 3
saúde 4,00 2,828 13
Total 4,62 3,706 169

a
Levene's Test of Equality of Error Variances
Dependent Variable: BHS_TOTAL
F df1 df2 Sig.
1,818 21 147 ,021
Tests the null hypothesis that the error variance
of the dependent variable is equal across groups.
a. Design: Intercept + A_Especificidade_1 +
A_Valência_1 + A_categoria_1 +
A_Especificidade_1 * A_Valência_1 +
A_Especificidade_1 * A_categoria_1 +
A_Valência_1 * A_categoria_1 +
A_Especificidade_1 * A_Valência_1 *
A_categoria_1

119
Tests of Between-Subjects Effects
Dependent Variable: BHS_TOTAL
Source Type III Sum of df Mean Square F Sig.
Squares
a
Corrected Model 276,162 21 13,151 ,951 ,527
Intercept 980,168 1 980,168 70,914 ,000
A_Especificidade_1 13,439 1 13,439 ,972 ,326
A_Valência_1 33,281 1 33,281 2,408 ,123
A_categoria_1 26,092 7 3,727 ,270 ,965
A_Especificidade_1 *
2,555 1 2,555 ,185 ,668
A_Valência_1
A_Especificidade_1 *
30,550 6 5,092 ,368 ,898
A_categoria_1
A_Valência_1 *
37,914 4 9,478 ,686 ,603
A_categoria_1
A_Especificidade_1 *
A_Valência_1 * 31,239 1 31,239 2,260 ,135
A_categoria_1
Error 2031,838 147 13,822
Total 5908,000 169
Corrected Total 2308,000 168
a. R Squared = ,120 (Adjusted R Squared = -,006)

Means

BHS_TOTAL * A_Especificidade_1
BHS_TOTAL
A_Especificidade_1 Mean N Std. Deviation
Especifica 4,36 84 3,689
Geral 4,77 99 3,749
Total 4,58 183 3,717

BHS_TOTAL * A_Valência_1
BHS_TOTAL
A_Valência_1 Mean N Std. Deviation
Positivo 4,06 104 3,312
Negativo 5,33 70 4,049
Total 4,57 174 3,669

120
BHS_TOTAL * A_categoria_1
BHS_TOTAL
A_categoria_1 Mean N Std. Deviation
amizade 4,63 46 3,666
conflitos 6,38 21 4,477
mudança 4,65 23 4,228
lazer 4,05 56 3,685
inicio_escolar 3,25 8 1,035
comportamentos_desregrad
5,00 7 3,651
os
despedida_ou_reencontro 5,50 4 4,435
saúde 4,00 13 2,828
Total 4,58 178 3,755

121
ANEXO 8
Análise estatística para testar a hipótese 4

Anexo 8.1

Univariate Analysis of Variance

Between-Subjects Factors
Value Label N
1 Especifica 79
E_Especificidade_1
2 Geral 77
1 Positivo 85
E_Valência_1
2 Negativo 71
1 amizade 15
2 conflitos 15
4 namoro 5
6 mudança 16
7 lazer 7
9 inicio_escolar 21
E_categoria_1 atividades_esco
10 24
lares
desempenho
11 28
escolar
comportamento
12 14
s_desregrados
15 saúde 11

Descriptive Statistics
Dependent Variable: QIS_TOTAL
E_Especificidade_1 E_Valência_1 E_categoria_1 Mean Std. Deviation N
amizade 2,400 1,6971 2
mudança 1,317 ,1179 2
lazer 1,089 ,1262 3
inicio_escolar 1,669 ,9767 11
atividades_escolares 1,767 ,9130 15
Especifica Positivo
desempenho escolar 1,270 ,2579 9
comportamentos_desregrad
2,000 ,9428 2
os
saúde 2,333 . 1
Total 1,629 ,8264 45

122
conflitos 1,317 ,2380 4
mudança 2,600 . 1
lazer 1,300 ,3300 2
inicio_escolar 1,890 2,0970 7
atividades_escolares 1,933 1,5858 4
Negativo
desempenho escolar 1,433 . 1
comportamentos_desregrad
1,311 ,2746 6
os
saúde 2,330 1,0750 9
Total 1,815 1,2324 34
amizade 2,400 1,6971 2
conflitos 1,317 ,2380 4
mudança 1,744 ,7456 3
lazer 1,173 ,2204 5
inicio_escolar 1,755 1,4579 18
Total atividades_escolares 1,802 1,0356 19
desempenho escolar 1,287 ,2486 10
comportamentos_desregrad
1,483 ,5315 8
os
saúde 2,330 1,0135 10
Total 1,709 1,0180 79
amizade 1,807 ,7783 12
namoro 1,833 ,7414 4
mudança 2,017 1,6162 4
lazer 1,183 ,0236 2
inicio_escolar 1,200 . 1
Positivo
atividades_escolares 1,147 ,1386 5
desempenho escolar 1,378 ,3073 9
comportamentos_desregrad
2,165 1,0962 3
os
Total 1,632 ,7797 40
Geral
amizade 1,333 . 1
conflitos 1,948 1,5524 11
namoro 4,800 . 1
mudança 2,202 1,0728 9
inicio_escolar 1,567 ,7542 2
Negativo
desempenho escolar 1,629 ,6786 9
comportamentos_desregrad
2,500 2,3154 3
os
saúde 1,267 . 1
Total 1,999 1,2895 37

123
amizade 1,771 ,7566 13
conflitos 1,948 1,5524 11
namoro 2,427 1,4739 5
mudança 2,145 1,1951 13
lazer 1,183 ,0236 2
inicio_escolar 1,444 ,5738 3
Total
atividades_escolares 1,147 ,1386 5
desempenho escolar 1,504 ,5271 18
comportamentos_desregrad
2,333 1,6306 6
os
saúde 1,267 . 1
Total 1,808 1,0647 77
amizade 1,892 ,8834 14
namoro 1,833 ,7414 4
mudança 1,783 1,3041 6
lazer 1,127 ,1038 5
inicio_escolar 1,630 ,9410 12
Positivo atividades_escolares 1,612 ,8332 20
desempenho escolar 1,324 ,2807 18
comportamentos_desregrad
2,099 ,9117 5
os
saúde 2,333 . 1
Total 1,631 ,8000 85
amizade 1,333 . 1
conflitos 1,780 1,3480 15
namoro 4,800 . 1
Total
mudança 2,242 1,0192 10
lazer 1,300 ,3300 2
inicio_escolar 1,819 1,8411 9
Negativo
atividades_escolares 1,933 1,5858 4
desempenho escolar 1,610 ,6427 10
comportamentos_desregrad
1,707 1,3194 9
os
saúde 2,223 1,0678 10
Total 1,911 1,2569 71
amizade 1,854 ,8634 15
conflitos 1,780 1,3480 15
Total namoro 2,427 1,4739 5
mudança 2,070 1,1148 16
lazer 1,176 ,1802 7

124
inicio_escolar 1,711 1,3609 21
atividades_escolares 1,665 ,9573 24
desempenho escolar 1,426 ,4547 28
comportamentos_desregrad
1,847 1,1683 14
os
saúde 2,233 1,0136 11
Total 1,758 1,0391 156
a
Levene's Test of Equality of Error Variances
Dependent Variable: QIS_TOTAL
F df1 df2 Sig.
2,111 31 124 ,002
Tests the null hypothesis that the error variance
of the dependent variable is equal across groups.
a. Design: Intercept + E_Especificidade_1 +
E_Valência_1 + E_categoria_1 +
E_Especificidade_1 * E_Valência_1 +
E_Especificidade_1 * E_categoria_1 +
E_Valência_1 * E_categoria_1 +
E_Especificidade_1 * E_Valência_1 *
E_categoria_1
Tests of Between-Subjects Effects
Dependent Variable: QIS_TOTAL
Source Type III Sum of df Mean Square F Sig.
Squares
a
Corrected Model 30,315 31 ,978 ,885 ,643
Intercept 216,008 1 216,008 195,437 ,000
E_Especificidade_1 ,089 1 ,089 ,081 ,777
E_Valência_1 2,606 1 2,606 2,358 ,127
E_categoria_1 13,568 9 1,508 1,364 ,212
E_Especificidade_1 *
,004 1 ,004 ,004 ,952
E_Valência_1
E_Especificidade_1 *
5,316 8 ,664 ,601 ,775
E_categoria_1
E_Valência_1 *
7,089 8 ,886 ,802 ,602
E_categoria_1
E_Especificidade_1 *
E_Valência_1 * 1,410 3 ,470 ,425 ,735
E_categoria_1
Error 137,052 124 1,105
Total 649,519 156
Corrected Total 167,366 155
a. R Squared = ,181 (Adjusted R Squared = -,024)

125
Means

QIS_TOTAL * E_Especificidade_1
QIS_TOTAL
E_Especificidade_1 Mean N Std. Deviation
Especifica 1,701 94 ,9777
Geral 1,827 88 1,0701
Total 1,762 182 1,0226

QIS_TOTAL * E_Valência_1
QIS_TOTAL
E_Valência_1 Mean N Std. Deviation
Positivo 1,618 88 ,7909
Negativo 1,881 77 1,2291
Total 1,741 165 1,0243

QIS_TOTAL * E_categoria_1
QIS_TOTAL
E_categoria_1 Mean N Std. Deviation
amizade 1,854 15 ,8634
conflitos 1,780 15 1,3480
namoro 2,383 6 1,3226
mudança 2,042 17 1,0854
lazer 1,188 8 ,1699
inicio_escolar 1,649 23 1,3136
atividades_escolares 1,865 27 1,1297
desempenho escolar 1,424 29 ,4466
comportamentos_desregrad
1,898 20 1,0275
os
saúde 2,177 12 ,9862
Total 1,783 172 1,0368

126
Anexo 8.2

Univariate Analysis of Variance

Between-Subjects Factors
Value Label N
1 Especifica 79
E_Especificidade_1
2 Geral 77
1 Positivo 85
E_Valência_1
2 Negativo 71
1 amizade 15
2 conflitos 15
4 namoro 5
6 mudança 16
7 lazer 7
9 inicio_escolar 21
E_categoria_1 atividades_esco
10 24
lares
desempenho
11 28
escolar
comportamento
12 14
s_desregrados
15 saúde 11

Descriptive Statistics
Dependent Variable: DSRS_TOTAL
E_Especificidade_1 E_Valência_1 E_categoria_1 Mean Std. Deviation N
amizade 16,0000 5,65685 2
mudança 13,0000 4,24264 2
lazer 5,3333 3,05505 3
inicio_escolar 9,8182 4,77113 11
atividades_escolares 9,7333 3,47371 15
Positivo
desempenho escolar 6,8889 2,93447 9
Especifica
comportamentos_desregrad
10,5000 3,53553 2
os
saúde 18,0000 . 1
Total 9,5333 4,38282 45
conflitos 10,0000 3,74166 4
Negativo
mudança 22,0000 . 1

127
lazer 13,0000 8,48528 2
inicio_escolar 9,5714 4,61364 7
atividades_escolares 11,0000 2,94392 4
desempenho escolar 10,0000 . 1
comportamentos_desregrad
9,6667 5,81951 6
os
saúde 15,5556 6,91215 9
Total 11,9706 5,85939 34
amizade 16,0000 5,65685 2
conflitos 10,0000 3,74166 4
mudança 16,0000 6,00000 3
lazer 8,4000 6,34823 5
inicio_escolar 9,7222 4,57365 18
Total atividades_escolares 10,0000 3,33333 19
desempenho escolar 7,2000 2,93636 10
comportamentos_desregrad
9,8750 5,11126 8
os
saúde 15,8000 6,56252 10
Total 10,5823 5,18036 79
amizade 12,6667 5,22813 12
namoro 11,2500 4,50000 4
mudança 12,5000 6,35085 4
lazer 9,5000 2,12132 2
inicio_escolar 18,0000 . 1
Positivo
atividades_escolares 7,0000 2,64575 5
desempenho escolar 10,8889 3,95109 9
comportamentos_desregrad
15,3333 3,78594 3
os
Total 11,5750 4,77111 40
amizade 10,0000 . 1
Geral
conflitos 13,0909 7,36824 11
namoro 24,0000 . 1
mudança 15,4444 5,41089 9
inicio_escolar 10,0000 5,65685 2
Negativo
desempenho escolar 12,1111 5,98841 9
comportamentos_desregrad
16,0000 10,14889 3
os
saúde 19,0000 . 1
Total 13,8649 6,55389 37
amizade 12,4615 5,05990 13
Total
conflitos 13,0909 7,36824 11

128
namoro 13,8000 6,90652 5
mudança 14,5385 5,62162 13
lazer 9,5000 2,12132 2
inicio_escolar 12,6667 6,11010 3
atividades_escolares 7,0000 2,64575 5
desempenho escolar 11,5000 4,96162 18
comportamentos_desregrad
15,6667 6,86052 6
os
saúde 19,0000 . 1
Total 12,6753 5,77527 77
amizade 13,1429 5,20144 14
namoro 11,2500 4,50000 4
mudança 12,6667 5,27889 6
lazer 7,0000 3,31662 5
inicio_escolar 10,5000 5,12569 12
Positivo atividades_escolares 9,0500 3,44085 20
desempenho escolar 8,8889 3,95398 18
comportamentos_desregrad
13,4000 4,15933 5
os
saúde 18,0000 . 1
Total 10,4941 4,65634 85
amizade 10,0000 . 1
conflitos 12,2667 6,61672 15
namoro 24,0000 . 1
mudança 16,1000 5,50656 10
Total
lazer 13,0000 8,48528 2
inicio_escolar 9,6667 4,47214 9
Negativo
atividades_escolares 11,0000 2,94392 4
desempenho escolar 11,9000 5,68526 10
comportamentos_desregrad
11,7778 7,54615 9
os
saúde 15,9000 6,60724 10
Total 12,9577 6,25970 71
amizade 12,9333 5,07749 15
conflitos 12,2667 6,61672 15
namoro 13,8000 6,90652 5
Total mudança 14,8125 5,51626 16
lazer 8,7143 5,28250 7
inicio_escolar 10,1429 4,75695 21
atividades_escolares 9,3750 3,38555 24

129
desempenho escolar 9,9643 4,77247 28
comportamentos_desregrad
12,3571 6,40441 14
os
saúde 16,0909 6,30007 11
Total 11,6154 5,56424 156

Levene's Test of Equality of Error Variancesa


Dependent Variable: DSRS_TOTAL
F df1 df2 Sig.
1,098 31 124 ,349
Tests the null hypothesis that the error variance
of the dependent variable is equal across groups.
a. Design: Intercept + E_Especificidade_1 +
E_Valência_1 + E_categoria_1 +
E_Especificidade_1 * E_Valência_1 +
E_Especificidade_1 * E_categoria_1 +
E_Valência_1 * E_categoria_1 +
E_Especificidade_1 * E_Valência_1 *
E_categoria_1
Tests of Between-Subjects Effects
Dependent Variable: DSRS_TOTAL
Source Type III Sum of df Mean Square F Sig.
Squares
Corrected Model 1462,536a 31 47,179 1,753 ,016
Intercept 10728,741 1 10728,741 398,744 ,000
E_Especificidade_1 44,822 1 44,822 1,666 ,199
E_Valência_1 58,999 1 58,999 2,193 ,141
E_categoria_1 546,724 9 60,747 2,258 ,022
E_Especificidade_1 *
32,192 1 32,192 1,196 ,276
E_Valência_1
E_Especificidade_1 *
272,249 8 34,031 1,265 ,268
E_categoria_1
E_Valência_1 *
301,242 8 37,655 1,399 ,203
E_categoria_1
E_Especificidade_1 *
E_Valência_1 * 34,150 3 11,383 ,423 ,737
E_categoria_1
Error 3336,388 124 26,906
Total 25846,000 156
Corrected Total 4798,923 155
a. R Squared = ,305 (Adjusted R Squared = ,131)

130
Means

DSRS_TOTAL * E_Especificidade_1
DSRS_TOTAL
E_Especificidade_1 Mean N Std. Deviation
Especifica 10,9255 94 5,04227
Geral 12,6591 88 5,65256
Total 11,7637 182 5,40147

DSRS_TOTAL * E_Valência_1
DSRS_TOTAL
E_Valência_1 Mean N Std. Deviation
Positivo 10,5000 88 4,59135
Negativo 12,8442 77 6,09155
Total 11,5939 165 5,45480

DSRS_TOTAL * E_categoria_1
DSRS_TOTAL
E_categoria_1 Mean N Std. Deviation
amizade 12,9333 15 5,07749
conflitos 12,2667 15 6,61672
namoro 14,1667 6 6,24233
mudança 14,9412 17 5,36739
lazer 9,1250 8 5,02671
inicio_escolar 10,0870 23 4,66040
atividades_escolares 10,1111 27 4,08876
desempenho escolar 10,1724 29 4,81863
comportamentos_desregrad
12,7500 20 6,00767
os
saúde 15,6667 12 6,18405
Total 11,8198 172 5,50142

131
Post Hoc Tests

E_categoria_1
Multiple Comparisons
Dependent Variable: DSRS_TOTAL
Scheffe
(I) E_categoria_1 (J) E_categoria_1 Mean Std. Sig. 95% Confidence
Differenc Error Interval
e (I-J) Lower Upper
Bound Bound
conflitos ,6667 1,89407 1,000 -7,2807 8,6140
namoro -,8667 2,67862 1,000 -12,1059 10,3726
mudança -1,8792 1,86424 ,999 -9,7014 5,9430
lazer 4,2190 2,37435 ,956 -5,7435 14,1816
inicio_escolar 2,7905 1,75357 ,979 -4,5673 10,1483
amizade
atividades_escolares 3,5583 1,70729 ,884 -3,6053 10,7220
desempenho escolar 2,9690 1,65973 ,954 -3,9950 9,9331
comportamentos_desregrado
,5762 1,92760 1,000 -7,5118 8,6642
s
saúde -3,1576 2,05907 ,984 -11,7973 5,4821
amizade -,6667 1,89407 1,000 -8,6140 7,2807
namoro -1,5333 2,67862 1,000 -12,7726 9,7059
mudança -2,5458 1,86424 ,993 -10,3680 5,2764
lazer 3,5524 2,37435 ,986 -6,4102 13,5149
inicio_escolar 2,1238 1,75357 ,997 -5,2340 9,4816
conflitos
atividades_escolares 2,8917 1,70729 ,968 -4,2720 10,0553
desempenho escolar 2,3024 1,65973 ,992 -4,6617 9,2664
comportamentos_desregrado
-,0905 1,92760 1,000 -8,1785 7,9976
s
saúde -3,8242 2,05907 ,941 -12,4639 4,8154
amizade ,8667 2,67862 1,000 -10,3726 12,1059
conflitos 1,5333 2,67862 1,000 -9,7059 12,7726
mudança -1,0125 2,65761 1,000 -12,1636 10,1386
lazer 5,0857 3,03727 ,970 -7,6584 17,8298
inicio_escolar 3,6571 2,58119 ,991 -7,1733 14,4876
namoro
atividades_escolares 4,4250 2,54997 ,962 -6,2745 15,1245
desempenho escolar 3,8357 2,51837 ,984 -6,7312 14,4026
comportamentos_desregrado
1,4429 2,70243 1,000 -9,8963 12,7820
s
saúde -2,2909 2,79773 1,000 -14,0299 9,4481
amizade 1,8792 1,86424 ,999 -5,9430 9,7014
mudança
conflitos 2,5458 1,86424 ,993 -5,2764 10,3680

132
namoro 1,0125 2,65761 1,000 -10,1386 12,1636
lazer 6,0982 2,35062 ,664 -3,7648 15,9612
inicio_escolar 4,6696 1,72131 ,601 -2,5528 11,8921
atividades_escolares 5,4375 1,67414 ,319 -1,5870 12,4620
desempenho escolar 4,8482 1,62560 ,453 -1,9727 11,6691
comportamentos_desregrado
2,4554 1,89830 ,995 -5,5097 10,4204
s
saúde -1,2784 2,03167 1,000 -9,8031 7,2463
amizade -4,2190 2,37435 ,956 -14,1816 5,7435
conflitos -3,5524 2,37435 ,986 -13,5149 6,4102
namoro -5,0857 3,03727 ,970 -17,8298 7,6584
mudança -6,0982 2,35062 ,664 -15,9612 3,7648
inicio_escolar -1,4286 2,26385 1,000 -10,9275 8,0703
lazer
atividades_escolares -,6607 2,22820 1,000 -10,0100 8,6886
desempenho escolar -1,2500 2,19196 1,000 -10,4473 7,9473
comportamentos_desregrado
-3,6429 2,40118 ,985 -13,7180 6,4323
s
saúde -7,3766 2,50795 ,475 -17,8997 3,1465
amizade -2,7905 1,75357 ,979 -10,1483 4,5673
conflitos -2,1238 1,75357 ,997 -9,4816 5,2340
namoro -3,6571 2,58119 ,991 -14,4876 7,1733
mudança -4,6696 1,72131 ,601 -11,8921 2,5528
lazer 1,4286 2,26385 1,000 -8,0703 10,9275
inicio_escolar
atividades_escolares ,7679 1,54995 1,000 -5,7356 7,2713
desempenho escolar ,1786 1,49740 1,000 -6,1044 6,4615
comportamentos_desregrado
-2,2143 1,78973 ,997 -9,7238 5,2953
s
saúde -5,9481 1,93062 ,401 -14,0487 2,1526
amizade -3,5583 1,70729 ,884 -10,7220 3,6053
conflitos -2,8917 1,70729 ,968 -10,0553 4,2720
namoro -4,4250 2,54997 ,962 -15,1245 6,2745
mudança -5,4375 1,67414 ,319 -12,4620 1,5870
lazer ,6607 2,22820 1,000 -8,6886 10,0100
atividades_escolares
inicio_escolar -,7679 1,54995 1,000 -7,2713 5,7356
desempenho escolar -,5893 1,44293 1,000 -6,6437 5,4651
comportamentos_desregrado
-2,9821 1,74441 ,965 -10,3015 4,3373
s
saúde -6,7159 1,88868 ,193 -14,6407 1,2088
amizade -2,9690 1,65973 ,954 -9,9331 3,9950
conflitos -2,3024 1,65973 ,992 -9,2664 4,6617
desempenho escolar namoro -3,8357 2,51837 ,984 -14,4026 6,7312
mudança -4,8482 1,62560 ,453 -11,6691 1,9727
lazer 1,2500 2,19196 1,000 -7,9473 10,4473

133
inicio_escolar -,1786 1,49740 1,000 -6,4615 6,1044
atividades_escolares ,5893 1,44293 1,000 -5,4651 6,6437
comportamentos_desregrado
-2,3929 1,69789 ,991 -9,5170 4,7313
s
saúde -6,1266 1,84580 ,286 -13,8714 1,6182
amizade -,5762 1,92760 1,000 -8,6642 7,5118
conflitos ,0905 1,92760 1,000 -7,9976 8,1785
namoro -1,4429 2,70243 1,000 -12,7820 9,8963
mudança -2,4554 1,89830 ,995 -10,4204 5,5097
comportamentos_desregrado
lazer 3,6429 2,40118 ,985 -6,4323 13,7180
s
inicio_escolar 2,2143 1,78973 ,997 -5,2953 9,7238
atividades_escolares 2,9821 1,74441 ,965 -4,3373 10,3015
desempenho escolar 2,3929 1,69789 ,991 -4,7313 9,5170
saúde -3,7338 2,08996 ,954 -12,5030 5,0355
amizade 3,1576 2,05907 ,984 -5,4821 11,7973
conflitos 3,8242 2,05907 ,941 -4,8154 12,4639
namoro 2,2909 2,79773 1,000 -9,4481 14,0299
mudança 1,2784 2,03167 1,000 -7,2463 9,8031
lazer 7,3766 2,50795 ,475 -3,1465 17,8997
saúde
inicio_escolar 5,9481 1,93062 ,401 -2,1526 14,0487
atividades_escolares 6,7159 1,88868 ,193 -1,2088 14,6407
desempenho escolar 6,1266 1,84580 ,286 -1,6182 13,8714
comportamentos_desregrado
3,7338 2,08996 ,954 -5,0355 12,5030
s
Based on observed means.
The error term is Mean Square(Error) = 26,906.

134
DSRS_TOTAL
Scheffe
E_categoria_1 N Subset
1
lazer 7 8,7143
atividades_escolares 24 9,3750
desempenho escolar 28 9,9643
inicio_escolar 21 10,1429
conflitos 15 12,2667
comportamentos_desregrad
14 12,3571
os
amizade 15 12,9333
namoro 5 13,8000
mudança 16 14,8125
saúde 11 16,0909
Sig. ,213
Means for groups in homogeneous subsets are
displayed.
Based on observed means.
The error term is Mean Square(Error) = 26,906.
a. Uses Harmonic Mean Sample Size = 12,106.
b. The group sizes are unequal. The harmonic mean
of the group sizes is used. Type I error levels are not
guaranteed.
c. Alpha = ,05.

135
Anexo 8.3

Univariate Analysis of Variance

Between-Subjects Factors
Value Label N
1 Especifica 79
E_Especificidade_1
2 Geral 77
1 Positivo 85
E_Valência_1
2 Negativo 71
1 amizade 15
2 conflitos 15
4 namoro 5
6 mudança 16
7 lazer 7
9 inicio_escolar 21
E_categoria_1 atividades_esco
10 24
lares
desempenho
11 28
escolar
comportamento
12 14
s_desregrados
15 saúde 11

Descriptive Statistics
Dependent Variable: BHS_TOTAL
E_Especificidade_1 E_Valência_1 E_categoria_1 Mean Std. Deviation N
amizade 5,50 4,950 2
mudança 3,00 1,414 2
lazer 3,00 1,000 3
inicio_escolar 2,73 1,794 11
atividades_escolares 3,00 2,299 15
Positivo
Especifica desempenho escolar 1,67 2,500 9
comportamentos_desregrad
3,50 2,121 2
os
saúde 9,00 . 1
Total 2,93 2,406 45
Negativo conflitos 6,00 4,967 4

136
mudança 5,00 . 1
lazer 9,00 8,485 2
inicio_escolar 4,86 5,014 7
atividades_escolares 4,00 2,582 4
desempenho escolar 1,00 . 1
comportamentos_desregrad
5,67 3,559 6
os
saúde 8,00 4,924 9
Total 6,00 4,539 34
amizade 5,50 4,950 2
conflitos 6,00 4,967 4
mudança 3,67 1,528 3
lazer 5,40 5,413 5
inicio_escolar 3,56 3,451 18
Total atividades_escolares 3,21 2,323 19
desempenho escolar 1,60 2,366 10
comportamentos_desregrad
5,13 3,271 8
os
saúde 8,10 4,654 10
Total 4,25 3,784 79
amizade 5,25 3,519 12
namoro 4,25 2,062 4
mudança 5,25 5,965 4
lazer 3,50 ,707 2
inicio_escolar 5,00 . 1
Positivo
atividades_escolares 3,60 2,074 5
desempenho escolar 3,44 1,667 9
comportamentos_desregrad
4,33 2,517 3
os
Total 4,38 2,924 40
Geral amizade 7,00 . 1
conflitos 4,45 5,184 11
namoro 9,00 . 1
mudança 6,67 5,123 9
inicio_escolar 6,00 5,657 2
Negativo
desempenho escolar 4,56 5,223 9
comportamentos_desregrad
2,33 1,155 3
os
saúde 11,00 . 1
Total 5,30 4,824 37
Total amizade 5,38 3,404 13

137
conflitos 4,45 5,184 11
namoro 5,20 2,775 5
mudança 6,23 5,183 13
lazer 3,50 ,707 2
inicio_escolar 5,67 4,041 3
atividades_escolares 3,60 2,074 5
desempenho escolar 4,00 3,804 18
comportamentos_desregrad
3,33 2,066 6
os
saúde 11,00 . 1
Total 4,82 3,953 77
amizade 5,29 3,518 14
namoro 4,25 2,062 4
mudança 4,50 4,806 6
lazer 3,20 ,837 5
inicio_escolar 2,92 1,832 12
Positivo atividades_escolares 3,15 2,207 20
desempenho escolar 2,56 2,255 18
comportamentos_desregrad
4,00 2,121 5
os
saúde 9,00 . 1
Total 3,61 2,743 85
amizade 7,00 . 1
conflitos 4,87 4,998 15
namoro 9,00 . 1
Total mudança 6,50 4,859 10
lazer 9,00 8,485 2
inicio_escolar 5,11 4,807 9
Negativo
atividades_escolares 4,00 2,582 4
desempenho escolar 4,20 5,051 10
comportamentos_desregrad
4,56 3,321 9
os
saúde 8,30 4,739 10
Total 5,63 4,670 71
amizade 5,40 3,418 15
conflitos 4,87 4,998 15
namoro 5,20 2,775 5
Total
mudança 5,75 4,782 16
lazer 4,86 4,525 7
inicio_escolar 3,86 3,511 21

138
atividades_escolares 3,29 2,236 24
desempenho escolar 3,14 3,514 28
comportamentos_desregrad
4,36 2,872 14
os
saúde 8,36 4,501 11
Total 4,53 3,866 156

a
Levene's Test of Equality of Error Variances
Dependent Variable: BHS_TOTAL
F df1 df2 Sig.
1,864 31 124 ,009
Tests the null hypothesis that the error variance
of the dependent variable is equal across groups.
a. Design: Intercept + E_Especificidade_1 +
E_Valência_1 + E_categoria_1 +
E_Especificidade_1 * E_Valência_1 +
E_Especificidade_1 * E_categoria_1 +
E_Valência_1 * E_categoria_1 +
E_Especificidade_1 * E_Valência_1 *
E_categoria_1
Tests of Between-Subjects Effects
Dependent Variable: BHS_TOTAL
Source Type III Sum of df Mean Square F Sig.
Squares
Corrected Model 513,512a 31 16,565 1,139 ,302
Intercept 1760,695 1 1760,695 121,069 ,000
E_Especificidade_1 12,852 1 12,852 ,884 ,349
E_Valência_1 39,155 1 39,155 2,692 ,103
E_categoria_1 179,225 9 19,914 1,369 ,209
E_Especificidade_1 *
2,687 1 2,687 ,185 ,668
E_Valência_1
E_Especificidade_1 *
52,057 8 6,507 ,447 ,890
E_categoria_1
E_Valência_1 *
52,284 8 6,535 ,449 ,889
E_categoria_1
E_Especificidade_1 *
E_Valência_1 * 13,403 3 4,468 ,307 ,820
E_categoria_1
Error 1803,327 124 14,543
Total 5521,000 156
Corrected Total 2316,840 155
a. R Squared = ,222 (Adjusted R Squared = ,027)

139
Means

BHS_TOTAL * E_Especificidade_1
BHS_TOTAL
E_Especificidade_1 Mean N Std. Deviation
Especifica 4,27 94 3,655
Geral 4,72 88 3,769
Total 4,48 182 3,707

BHS_TOTAL * E_Valência_1
BHS_TOTAL
E_Valência_1 Mean N Std. Deviation
Positivo 3,65 88 2,763
Negativo 5,48 77 4,527
Total 4,50 165 3,793

BHS_TOTAL * E_categoria_1
BHS_TOTAL
E_categoria_1 Mean N Std. Deviation
amizade 5,40 15 3,418
conflitos 4,87 15 4,998
namoro 5,00 6 2,530
mudança 5,71 17 4,634
lazer 5,00 8 4,209
inicio_escolar 3,65 23 3,419
atividades_escolares 3,48 27 2,327
desempenho escolar 3,28 29 3,524
comportamentos_desregrad
4,50 20 2,982
os
saúde 8,00 12 4,472
Total 4,53 172 3,766

140
ANEXO 9

Exemplos das categorias das memórias recordadas para as palavras família, amigos e
escola.

Categorias para a palavra Família

Conflitos Memórias referentes discussões e conflitos familiares.

Exemplos:
“(…) reparei que a luz da cozinha estava ligada e ouvi a minha mãe com o meu pai a
discutirem (…) foi quando eu entrei e vi que aquela discussão passou do verbal para o
físico, foi logo que intervi e expulsei o meu pai de casa.”
“(…) a minha mãe arranjou outro homem e na tarde em que nos apresentou, ele
levou-nos a jantar fora (…) o meu pai estava em casa já preocupado por não saber das
filhas (…) quando chegámos o meu pai passou-se não só por ver a minha mãe com o
meu futuro padrasto, mas também por nós estarmos com ela (…)”
“Um dia eu discuti com a minha irmã o que levou a uma discussão ainda maior com a
minha mãe. A minha mãe enervou-se e disse-me coisas horríveis. Disse-me que eu sou
um monstro sem sentimentos e que eu nunca irei ser melhor que a minha irmã.”

Apoio Memórias referentes suporte familiar ou a uma boa relação familiar.


Familiar
Exemplos:
“(…) os meus pais viram a minha prova de admissão para o conservatório de musica e
o meu pai trouxe-me de propósito de Silves para Lisboa, abdicando das suas férias, só
para eu estar numa escola de artes que é o que eu quero na vida (…)”
“(…) quando sofria de bullying a minha família ajudou-me sempre de todas as
maneiras, quer quando chegava a casa a chorar, quer quando fosse para enfrentar as
pessoas ou fazer queixa.”
“(…) a morte de uma grande amiga minha (…) mudou a minha relação com o meu
pai (…) era um pai ausente e quando viu a minha dor percebeu que tinha de estar mais
presente.”

Divórcio Memórias referentes ao divórcio dos pais ou namorados(as) das(os)


mães(pais).

Exemplos:
“(…). Foi algo traumatizante, pois descobri que tinha ´outra família` do lado oposto
dos meus pais. O que mais me doeu foi sem dúvida o facto do meu pai se ter ido
embora e de não falar com ele há cerca de 3 anos. A minha mãe entrou em depresso e
eu fiquei muito doente - anorexia e bulimia (…). Ainda hoje, sinto que, não sei o que é
realmente uma família.”
“Quando tinha 4 anos a minha mãe e o meu pai separaram-se. Eu nunca me importei

141
muito porque não me lembro de pensar no meu pai como alguém importante para
mim. (…)”
“A minha família sempre foi muito unida, mas certo dia os meus pais separaram-se!
Foi um pouco difícil ara mim, mudei o meu aproveitamento escolar… Foi uma grande
mudança, tudo aquilo que eu julgava eterno desmoronou-se! (…)”

Mudança Memórias referentes a mudanças de escola, casa ou país e a alterações


nas relações devido a mudanças.

Exemplos:
“(…) quando eu soube que ia para uma instituição, é claro que não gostei (…) foram
buscar-me a mim e à minha irmã à escola e levaram-me sem me deixarem ver a minha
família.”
“Há um ano atrás os meus pais trouxeram-me para Portugal para estudar aqui.”
“(…). Mas os meus pais separaram-se e passei a viver com a minha mãe, no entanto, a
minha mãe não podia viver comigo e entregou-me aos cuidados da ama mas que me
levou a viver com desconhecidos que estavam na mesma situação e fiquei abandonado
à porta. Felizmente uma vizinha acolheu-me e fiquei a viver com ela até aos 7 anos.
Depois o meu pai acabou por reclamar-me e fiquei a conhecer a família do meu pai.
Mais tarde eu passei a viver com a minha mãe.”

Lazer Memórias referentes a atividades de lazer, férias e épocas festivas.

Exemplos:
“(…). Na páscoa as minhas tias escondem sempre ovos da páscoa pela casa toda e eu
e os meus 6 primos temos de encontrá-los (…).”
“(…) No verão passado, estávamos: eu, os meus pais, os meus avós, alguns dos meus
tios-avós, dois primos e a minha tia. Foi um momento muito simples, mas quando vi
tantas pessoas da minha família juntas, parece que se acendeu uma chama dentro de
mim, que me aqueceu por dentro, porque por um instante eu soube que a minha
família não eram só os meus pais.”
“Quando fiz anos eu organizei com os meus pais uma churrascada lá em casa e foi
quase toda a minha família, e passámos um bom tempo jutos a comer e a beber (…).”

Despedida/ Memórias referentes a despedida ou reencontro de familiares.


Reencontro
Exemplos:
de familiares “(…) quando o meu pai foi trabalhar para Inglaterra, senti-me muito triste, mas
passado um bocado vi o meu irmão chorar, nunca o tinha visto chorar, desabafámos
muito (…).”
“Há 1 ano atrás o meu pai foi para Angola e não me despedi dele e chorei muito. Era
ele que dava alegria à família, era quem ia pôr-me e buscar-me aos treinos e ia ver os
jogos (…). Mas ele está la para ajudar a nossa família, eu sei que custa as é para nosso
bem, para viver melhor. ”
“(…) há 1 ano atrás ocorreu-me encontrar uma família que foi o meu tio, a minha tia e
os meus primos e foi muito importante porque foi uma experiência nova para mim e
para os meus pais.”

142
Saúde Memórias referentes a acidentes e saúde do próprio ou de outrem.

Exemplos:
“Há 2 anos, em Abril, descobriu-se que a minha irmã tinha doença de crohn (…). Eu e
ela não somos ou não eramos muito chegadas, somos só filhas do mesmo pai, mas
cheguei a vê-la muito mal, com menos de 40kg numa cama de hospital, e nesse
momento sim dei importância e valor ao quanto é bom ter alguém mais velho, da nossa
família, a quem podemos chamar irmã.”
“Foi um dos momentos mais horríveis. A minha mãe caiu na linha do metro.”
“Há cerca de 2 anos a minha mãe teve uma depressão e por várias vezes tentou matar-
se (…) e estava sempre a dizer que estava farta de mim, do meu pai e do meu irmão.”

Nascimento Memórias referentes a gravidez ou nascimento de irmãos/sobrinhos.

Exemplos:
“(…) o nascimento do meu sobrinho (…) quando chegámos vimos uma coisa fofa,
pequena e gorducha, era o meu sobrinho, ficámos muito contentes, nesse natal
juntámos mais um elemento à nossa linda família.”
“O nascimento da minha irmã que tem uma doença displásica nas duas ancas, pois, sei
que à medida que ela vai crescendo, eu como também tenho, posso ajudá-la a superar
as dificuldades que eu superei.”
“(…) A minha mãe passou por muitos tratamentos, mas conseguiu engravidar. Agora
eu acho que tenho o irmão mais lindo do mundo e gosto muito dele.”

Morte Morte de familiares e amigos.

Exemplos:
“Morreu o meu avô e foi a altura em que vi a minha família mais unida (…)”
“(…). Eu estava no 1ºano e quando estava a ir para a escola o meu pai diz-me que a
minha mãe tinha falecido. Fiquei todos os dias a chorar e só tinha a minha família para
me apoiar em tudo.”
“(…). Há 2 anos atrás o meu avô paterno faleceu 3 dias antes de eu fazer anos, e a
partir daí comecei a dar mais valor à família, antes de ir para casa depois da escola
passo sempre em casa deles para ver a minha avó (…).”

Outros Memórias que não se enquadram em nenhum dos outros conteúdos.

Exemplos:
“(…) a minha casa tinha sido assaltada. Foi horrível ver o meu quarto naquele estado,
nessa noite tive medo de dormir na minha cama (…)”
“Quando a minha prima era pequena (…) os meus tios estavam a tentar ensinar-lhe a
dizer pai e mãe mas não conseguiram, um dia ela chegou-se ao pé de mim e disse o
meu nome (…).

Categorias para a palavra Amigos

143
Amizade Memórias referentes a inicio de amizades, a melhores amigos e suporte
de amigos e/ou turma.

Exemplos:
“Os meus amigos foram aqueles que me ajudaram e me deram força e coragem
quando mais precisei (…) ensinaram-me a falar português (…). E no dia em que quis
voltar para minha terra fizeram-me entender o sacrifício que a minha família fez para
eu poder estar cá.”
“Os amigos são como uma segunda família (…) quando estava a jogar futebol sem
querer marquei um autogolo, eu fiquei muito triste, mas rapidamente eles ajudaram-me
a ficar bem.”
“Há 1 ano atrás passei os melhores momentos da vida, conheci uma rapariga que era
da minha turma, começámos a conversar num dia e no outro já eramos melhores
amigas (…).”

Conflitos Memórias referentes a conflitos entre pares e bullying.

Exemplos:
“(…) descobri que uma amiga minha espalhou por toda a turma um dos meus
segredos. Ainda por cima mentiu-me dizendo que não foi ela, apresar de eu saber que
foi. Foi horrível saber que a pessoa em quem eu mais podia confiar, me traiu.”
“Logo que penso em amigos, lembro-me do que aconteceu no ano passado ,quando fui
vitima de bullying e pensava que tinha amigos.”
“(…). Conheci uma rapariga, dei-me muito bem com ela, tornamo-nos melhores
amigas, no final do ano disse-me que não me considerava como tal, para ela era
indiferente eu ser amiga dela ou não. A partir daí fiquei a perceber que ela é uma parva
porque manipulou-me (…) e no fim magoei-me.”

Mudança Memórias referentes a mudança de turma, escola, casa ou país e a


alterações nas relações devido a mudanças.

Exemplos:
“(…). Mudei de escola, estava praticamente sozinha, sem saber o que fazer. Os dias
passaram, comecei a fazer mais amizades e comecei a dizer eu sim arranjei bons
amigos (…).”
“(…) conheci uma amiga que me marcou (…) há precisamente 3 anos atrás o destino
separou-nos, seguimos caminhos diferentes, ela tinha uma religião diferente e teve de
casar e saiu da escola (…).”
“(…) Fazíamos todos os anos uma festa de final de ano, recebíamos medalhas,
diplomas, saquinhos de prendas e sentia-me muito feliz e triste ao mesmo tempo (…)
mas depois disse para dentro: nunca vos vou esquecer, especialmente a vocês Ricardo
e Tiago.”

Lazer Memórias referentes a atividades de lazer, férias e épocas festivas.

Exemplos:

144
“(…) eu e o meu grupo de amigos mais próximos decidimos ir ao cinema (…) quando
o filme acabou alguns foram logo para casa mas no meu caso ficámos ate mais tarde,
ficámos na rua a fazer palhaçadas (…). Foi uma noite diferente e da qual recordo com
saudade.”
“Fomos sair à noite, fomos até a um bar beber shot´s e depois fomos a uma loja
comprar vodka. Fomos até um estabelecimento e começámos a beber e a rir bastante.
Foi divertido e não costumamos fazer muitas vezes.”
“(…) uma viagem de autocarro com uma amiga minha muito próxima até ao Algarve.
(…) eu e ela fomos de autocarro ter com uns amigos muito chegados à minha mãe (…)
passámos lá uma semana com eles e com os filhos deles (…) diverti-me muito nessa
semana e lembro-me que me marcou ter sido a 1ªsemana que passava longe dos meus
pais, com os meus amigos (…).”

Inicio Memórias referentes ao primeiro dia de aulas e a amizades que se


Escolar iniciam no(s) primeiro(s) dia(s) de aulas.

Exemplos:
“Quando conheci os meus colegas de turma (…) no quinto ano pensava que eles eram
trogloditas, e, depois passado algum tempo, eles ficaram a ser os meus melhores
amigos. Foi um dia marcante.”
“(…) o primeiro dia de aulas (…) já que reencontramos os nossos amigos. É um dia
vivido com muita ansiedade por contarmos uns aos outros as novidades e também
porque começa uma nova etapa na nossa vida.”
“Quando fui para o 1ºano eu até chorei para não ir para a escola, era tanta gente que
não conhecia, mas quando entrei todos queriam conhecer-me para sermos amigos e
ficaram meus amigos, a maior parte até hoje.”

Comporta- Memórias referentes a comportamentos que vão contra as regras


mentos escolares ou sociais.

desregrados Exemplos:
“Fio numa casa de banho da minha antiga escola… colocámos desodorizante no
secador das mãos e quando uma rapariga passou a mão por baixo aquilo explodiu. O
momento foi lindo, parecia que estávamos em guerra, tudo a gritar (…) Hilariante..”
“(…). Muitos amigos meus fumam ganzas, xamon, cavalo e muitas outras coisas e eu
já tive vontade de experimentar, até que um dia experimentei.”
“Uma vez tínhamos comprado uma lata de tinta no chines para um trabalho (…) no
final acabámos a grafitar um estabelecimento da polícia.”

Despedida/ Memórias referentes a despedida ou reencontro de familiares ou amigos.


Reencontro
Exemplos:
de familiares “Durante a despedida de uma viagem do meu pai no Brasil, um dos nossos amigos
ou amigos (…) esteve comigo durante o tempo da despedida (…) e enquanto meu pai esteve fora,
ele e a família dele ajudaram a cuidar de mim e a criar-me.”
“Uma vez, na festa de final do 6ºano, eu e os meus amigos começámos a chorar, por
ser final de aulas e só nos vermos no ano seguinte.”
“”Noite de Halloween (…) estávamos um bocado em baixo pois um dos nossos

145
grandes amigos ia partir, pois cá a vida não é fácil (…) foi então que o vimos a ajudar
a avó a carregar as malas para o carro (…) que grande abraço.”

Saúde Memórias referentes a acidentes e saúde do próprio ou de outrem.

Exemplos:
“(…) quando tinha 7 anos uma amiga minha era minha vizinha, então fui para casa
dela (…) chegamos ao quarto do tio da minha amiga e encontrámos uma pistola (…)
ela agarrou a arma e tentou disparar mas não deu e carregou numa coisa e a arma tinha
e deu. O tiro acertou-me, foi a sensação mais estranha que já passei, porque não
consegui mover nada. (…)”
“(…). Estava um dia de sol, com algum vento e o mar estava agitado (…) fui
surpreendido por uma onda, fui levado para um sítio onde não tinha pé (…)”
“Um amigo meu uma vez estava a mandar pedras à copa de uma arvore (..) levei com
uma pedra mesmo no meio da testa. Comecei a sangrar e fui levado para a enfermaria
da escola (…)”

Outros Memórias que não se enquadram em nenhum dos outros conteúdos.

Exemplos:
“(…) quando estávamos de férias, eu dei-me com pessoas que eram/são consideradas
más influencias e estava a seguir maus caminhos que me estavam a fazer mudar e eles
(Tatiana e Cláudio) foram os únicos que me apoiaram.”
“O dia em que um amigo meu morreu passado três dias em coma, depois de ter sido
atropelado por um carro, enquanto andava de bicicleta.”

Categorias para a palavra Escola

Amizade Memórias referentes a inicio de amizades, a melhores amigos e suporte


de amigos e/ou turma.

Exemplos:
“Na escola aconteceu um dos melhores acontecimentos da minha via que fi ter
conhecido os meus amigos. Morávamos todos perto uns dos outros e então começámos
a pôr conversa uns com os outros e ficámos grandes amigos.”
“Uma colega minha estava a chorar muito (…) acabou por dizer o que tinha
acontecido, que a sua mãe era alcoólica (…) eu comecei a chorar também e contei-lhe
o meu maior segredo (…) que a minha mãe também era (…) começámos a partilhar
experiencia (…)”
“(…) o que mais me marca é quando a turma se une toda para ajudar algum colega ou
para sair de um sarilho (…) o que eu me vou lembrar sempre é o quão esta turma era
unida dentro da sala de aula!”

Conflitos Memórias referentes a conflitos entre pares e bullying.

Exemplos:

146
“Uma vez discuti com uma colega minha e isso acabou por levar o resto da minha
turma a ficar contra mim. Chamavam-me nomes e isso fez com que eu não
conseguisse mais suportar vir à escola.”
“Durante o meu 6ºano escolar, passei o ano a dividir os estudos com conflitos pela
minha nacionalidade, um dos meus colegas não aceitava um estrangeiro na turma
(…).”
“(…) um dia na escola consegui ganhar uma competição, mas toda a gente dizia que
tinha sido batota, entretanto por dizerem acabaram por não contar o meu lugar e isso
deixou-me bastante irritada.”

Namoro Memórias referentes ao início ou fim de namoro.

Exemplos:
“Lembro-me que estava muito perdido, pois tinha acabado de acabar uma relação com
a minha colega Helena, em consequência as minhas notas baixaram, andava e ando um
pouco deprimido (…)”
“(…) o ano passado não andava na mesma escola do rapaz com que eu namorava, e
este ano estamos na mesma escola (…) agora estou sempre com ele e a emoção é
diferente.”
“(…).Eu andava às escondidas com uma rapariga da escola, ninguém suspeitava até
que um dia, decidimos namorar a sério (…) amo-a simplesmente.”

Mudança Memórias referentes a mudança de turma, escola, casa ou país e a


alterações nas relações devido a mudanças.

Exemplos:
“Quando passei para o 7ºano (…) uns mudaram de escola e outros foram para outras
turmas (…). Escolhi ir para francês, não só por gostar mas também para tentar ficar na
mesma turma de uma grande amiga (…)”
“(…) os meus pais tinham mudado de casa, ou seja, tive de ir para uma escola onde
nenhum dos meus amigos iam (…) o método de estudo, as aulas e os professores eram
totalmente diferentes. Foi uma adaptação muito difícil.”
“O acontecimento que tem um significado importante para mim foi quando a minha
escola antiga foi construída noutro lugar mas nova, e marcou-me porque gostava muito
da escola antiga e foi onde passei bons momentos.”

Lazer Memórias referentes a atividades de lazer, férias e épocas festivas.

Exemplos:
“Uma vez estávamos a brincar com uma bola e eu sem querer chutei com muita força e
foi parar ao telhado dos balneários da escola (…)”
“Nós na escola juntamo-nos muito frequentemente à hora de almoço para pormos a
conversa em dia, só que um dia começámos a jogar às cartas, e tantos foram os berros
que a auxiliar do bar passou-se e soltou um berro enorme (…)”
“Os momentos de conversas na escola, nos tempos livres, e conhecer pessoas novas
(…)”

Inicio Memórias referentes ao primeiro dia de aulas, a amizades que se iniciam

147
Escolar no(s) primeiro(s) dia(s) de aulas e a praxes.

Exemplos:
“(…) quando entrei a primeiro vez na escola primária. Não chorei mas estava com
medo porque não conhecia bem a escola (…) pensava que ali havia fantasmas (…).”
“(…) já me tinham contado muitas histórias sobre as praxes, disseram que nos
sujavam. No primeiro dia vim para a escola, esperei até tocar com sete colegas (…) no
primeiro intervalo começo a ver pessoas com farinha e ovos na cabeça (…).”
“Quando entrei pela primeira vez numa escola pensei que era uma prisão, que ali havia
pessoas más. Entrei numa sala e apresentei-me, perguntaram o que eu gostava e o que
não gostava.”

Atividades Memórias referentes a atividades realizadas no interior da escola,


Escolares organizadas pelos órgãos da escola ou pelos próprios alunos.

Exemplos:
“(…) a minha turma juntou-se com outra turma próxima e pela altura do natal
decidimos organizar uma pequena festa para os pais (…). Fi muito engraçado porque
na altura eu gostava muito de uma banda chamada ´just girls´ e eu e mais 4 amigas
(…) resolvemos criar as 5 uma coreografia com uma música delas (…).”
“O acontecimento eu mis me marcou foi quando no 7ºano a minha turma ganhou todos
os inter-turmas de desporto mas principalmente o de futebol, na final ganhámos à
equipa que tínhamos perdido no primeiro jogo, foi inesquecível.”
“(…). No final das aulas, para começarem as férias de carnaval houve um karaoke e eu
participei porque adoro cantar (…) ”

Desempenho Memórias referentes a sucesso/insucesso escolar ou a atribuição de


Escolar prémios de excelência.

Exemplos:
“(…) eu tinha todas as esperanças que iria passar de ano mas tal não aconteceu. A
aminha mãe ficou triste e eu também claro. Se eu passasse nessa altura a minha mãe
disse-me que poderia pedir o que quisesse mas não consegui.”
“O facto de ter passado para o ensino básico como aluna de valor e excelência
(melhores notas a tudo).”
“(…). Tive 100% num teste e esse momento foi especial para mim porque tinha-me
esforçado para tal nota.”

Comporta- Memórias referentes a comportamentos que vão contra as regras


mentos escolares ou sociais.

desregrados Exemplos:
“(…) descobri a minha sexualidade e isso tudo fez com que os problemas
aumentassem. Comecei a faltar às aulas, a ter faltas de comportamento e a ser suspensa
(…).”
“(…). Já fui algumas vezes ao conselho executivo mas não foi nada de especial, não
tenho grandes coisas que aconteceram lá mas até me divirto.”

148
“(…). Já fiz uma coisa que me lembro que nunca fui apanhado, foi a ´guerra de balões
de água´, não percebo o porquê de não podermos, porque todas as pessoas têm que se
divertir.”

Saúde Memórias referentes a acidentes e saúde do próprio ou de outrem.

Exemplos:
“(…) quando eu pari o braço no 6ºano. Isto aconteceu em meados de Novembro, no
primeiro intervalo da manhã e quem me levou para concelho foi a minha prima.”
“Um miúdo mais ou menos com 10/11 anos caiu da parte de cima do recreio para a
parte de baixo, caiu de cabeça, teve um traumatismo craniano (…).”
“(…) quando tive um acidente na escola (…) um colega meu empurrou-me nas
escadas e acabei por rolar nas escadas, magoei o pé, não conseguia mexe-lo, então um
amigo meu carregou-me e levou-me para a entrada e acabei por ir ao hospital (…)”

Outros Memórias que não se enquadram em nenhum dos outros conteúdos.

Exemplos:
“(…) tinham feito cabulas no teste intermédio e eu ajudei a resolver as coisas com os
professores mesmo não tendo sido eu a fazer as cábulas.”
“Lembro-me da minha mãe a levar-me para a escola e na hora em que me deixava à
porta da escola para eu ir para as aulas eu não via a hora para ela vir-me buscar para eu
poder fazer-lhe perguntas acerca de tudo e mais alguma coisa (…).”

149