Anda di halaman 1dari 22

Indices

1 Introdução ................................................................................................................ 2
2 Funções Lineares ..................................................................................................... 3
3 Funções Quadráticas ............................................................................................... 3
3.1 Forma fatorada de uma função quadrática ......................................................... 4
4 Função exponencial ................................................................................................. 4
4.1.1 Características destas funções .................................................................... 4
5 Função logaritmo..................................................................................................... 5
5.1.1 Características destas funções .................................................................... 6
5.2 Propriedades dos logaritmos .............................................................................. 7
6 Funções Trigonométricas ....................................................................................... 7
6.1 Função sen ......................................................................................................... 8
6.1.1 Características desta função...................................................................... 10
6.2 Função arcsen .................................................................................................. 10
6.2.1 Características desta função...................................................................... 11
6.3 Função cosseno ................................................................................................ 12
6.3.1 Características desta função...................................................................... 14
6.4 Função arccos .................................................................................................. 14
6.4.1 Características desta função...................................................................... 15
6.5 Função tangente ............................................................................................... 16
6.5.1 Características desta função...................................................................... 18
6.6 Função arcotangente ........................................................................................ 18
6.6.1 Características desta função...................................................................... 19
7 Conclusão ............................................................................................................... 21
8 Bibliografia ............................................................................................................ 22

1
1 Introdução
A importância do estudo de função não é restrita apenas aos interesses da matemática,
mas colocado em prática em outras ciências, como a física e a química. Na matemática,
o estudo de função é dividido basicamente em: Características, tipos e elementos de uma
função. Função do primeiro grau. Função do segundo grau, função linear, função
quadrática, função trigonométrica, função exponencial e função logarítmica. Nem sempre
percebemos, mas estamos em contato com as funções no nosso dia-a-dia.

Para dar início ao estudo de função é necessário o conhecimento de equações, pois todo
o desenvolvimento algébrico de uma função é resolvido através de equações.

2
2 Funções Lineares
Funções lineares (ou funções polinomiais do 1o grau) são funções1 f: R → R da forma

y = f(x) = ax + b

Onde a e b são constantes reais. Sua representação no plano cartesiano é uma reta (linha).
A constante a é chamada coefciente angular e, por definição, é a tangente do ângulo
formado entre a reta e o eixo-x no sentido positivo. A constante b é chamada coeficiente
linear e geometricamente é a ordenada do ponto em que a reta
intercepta o eixo-y (Figura). A raiz 2 é dada por x = −b/a.

Figura 1. Coeficiente angular, coeficiente linear e raiz de uma função linear.

3 Funções Quadráticas
Funções quadráticas (ou funções polinomiais do 2o grau) são funções f : R → R da
forma
y = f(x) = ax2 + bx + c, a 6= 0.
Sua representação no plano cartesiano é uma parábola. As duas raízes são dadas pela
Fórmula de Báskara.

−𝒃 ± √∆
𝒙=
𝟐𝒂
onde o discriminante (ou delta) é dado por ∆= 𝑏 2 − 4𝑎𝑐
Temos que:
Se ∆ > 0 : duas raízes reais distintas;
Se ∆ = 0 : duas raízes reais iguais (raiz dupla);
Se ∆ < 0 : duas raízes complexas3
Para o traçado do gráfico de funções quadráticas é útil lembrar que as coordenadas do
−𝑏 −∆
vértice da parábola são dadas por ( 2𝑎 , 4𝑎 )

3
3.1 Forma fatorada de uma função quadrática
Se os números r1 e r2 são as raízes de uma função quadrática 𝑦 = 𝑓(𝑥) = 𝑎𝑥 2 +
𝑏𝑥 + 𝑐 então podemos reescrevê-la na forma fatorada 𝑦 = 𝑓(𝑥) = 𝑎𝑥 2 + 𝑏𝑥 +
𝑐 = 𝑎(𝑥 − 𝑟1)(𝑥 − 𝑟2).

4 Função exponencial
A uma função f : IR → IR definida por f (x) = a x , onde a ∈ IR , a > 0 e a ≠ 1, dá-se o
nome de função exponencial de base a.
Exemplos:
1 𝑥 3 𝑥
𝑓(𝑥) = 2𝑥 ; 𝑔(𝑥) = ( ) ; ℎ(𝑥) = ( ) ; 𝑚(𝑥) = 2−𝑥 ;
3 2
f (x) = 𝑒 𝑥 – esta função é particularmente importante pelas suas aplicações em diversas
áreas do conhecimento, nomeadamente na área da Economia.
Obs.: O número “ e ” é irracional ( e = 2,71828182845), e é conhecido por constante
de Euler.
𝑥 𝑛
lim (1 + ) = 𝑒 𝑥
𝑛→+∞ 𝑛
4.1.1 Características destas funções
Se a > 1
 Domínio: Df = IR
 Contradomínio: Im( f ) = IR +
 Zeros: não tem zeros.
 f (0) = 1 (⇔ a 0 = 1)
 O gráfico de f passa no ponto (0,1)
 Injectiva
 Estritamente crescente, em particular se x > 0 a x > 1

Se 0 < a < 1
 Domínio: D f =IR
 Contradomínio: Im( f ) = IR +
 Zeros: não tem zeros.

4
 f (0) = 1
 O gráfico de f passa no ponto (0,1)
 Injectiva
 Estritamente decrescente. (Note-se que agora a x >1 quando x < 0 )

5 Função logaritmo
A função inversa da função exponencial é a função f : IR + → IR que se define por f (x)
= loga (x) onde a ∈IR , a > 0 e a ≠ 1, à qual se dá o nome de função logaritmo de base a.

Obs.: log a (x) representa o número y pelo qual se eleva a de modo a obter x , isto é, log
a (x) = y ⇔ a y = x Desta equivalência resulta também que x = aLoga(x) e log a (ay ) = y

log a (x) é a função inversa da função a elevado a x .


Notação:
 loga (x) logaritmo de base a
 log(x) logaritmo de base 10
 ln(x) logaritmo de base e , estes logaritmos chamam-se neperianos, em
homenagem ao matemático inglês Neper.

Se 0 < a < 1
 Domínio: D f = IR
 Contradomínio: Im( f ) = IR +
 Zeros: não tem zeros.
 f (0) = 1
 O gráfico de f passa no ponto (0,1)
 Injectiva
 Estritamente decrescente. (Note-se que agora a x >1 quando x < 0 )

5
A função inversa da função exponencial é a função f : IR + → IR que se define por f (x)
= loga (x) onde a ∈ IR , a > 0 e a ≠ 1, à qual se dá o nome de função logaritmo de base a.

Obs.: loga (x) representa o número y pelo qual se eleva a de modo a obter x, isto é,

Desta equivalência resulta também que

log a (x) é a função inversa da função a x .


Notação:
 loga (x) logaritmo de base a
 log(x) logaritmo de base 10
 ln(x) logaritmo de base e , estes logaritmos chamam-se neperianos, em
homenagem ao matemático inglês Neper.

5.1.1 Características destas funções


Se a > 1
 Domínio: D f = {x ∈ R : x > 0} = R +
 Contradomínio: Im( f ) = IR
 Zeros: x = 1 (⇔ loga (1) = 0
 O gráfico passa no ponto (1,0)
 Injectiva e sobrejectiva (bijectiva)
 Estritamente crescente, em particular, se x < 1 log a (x) < 0

6
Exemplos:
 f (x) = log 2 (x)
 g(x) = log10 (x)
 h(x) = ln(x)

Se 0 < a < 1

 Domínio: D f = {x ∈ R : x > 0} = R +
 Contradomínio: Im( f ) = IR
 Zeros: x = 1 (⇔ loga (1) = 0)
 O gráfico passa no ponto (1,0)
 Injectiva e sobrejectiva (bijectiva)
 Estritamente crescente, em particular, se x < 1 log a (x) < 0

5.2 Propriedades dos logaritmos

𝑙𝑛(𝑥) 𝑙𝑛(𝑥)
Em particular, log1/𝑒 (𝑥) = 1 = = −𝑙𝑛(𝑥)
𝑙𝑛(𝑒) 𝑙𝑛(1)−𝑙𝑛(𝑒)

6 Funções Trigonométricas
Considere-se um triângulo [ABC] rectângulo em A .

7
Seja α = A𝐵̂C, a = BC, b = AC, c = AB

Define-se:

𝑏 𝑐𝑎𝑡𝑒𝑡𝑜 𝑜𝑝𝑜𝑠𝑡𝑜
𝑠𝑒𝑛𝛼 = = ;
𝑎 ℎ𝑖𝑝𝑜𝑡𝑒𝑛𝑢𝑠𝑎

𝑐 𝑐𝑎𝑡𝑒𝑡𝑜 𝑜𝑝𝑜𝑠𝑡𝑜
cos 𝛼 = = ;
𝑎 ℎ𝑖𝑝𝑜𝑡𝑒𝑛𝑢𝑠𝑎

𝑠𝑒𝑛(𝛼) 𝑏
𝑡𝑔 𝛼 = = ;
cos(𝛼) 𝑐

1 𝑐𝑜𝑠(𝛼) 𝑏
𝑐𝑜𝑡𝑔 𝛼 = = =
𝑡𝑔(𝛼) sen(𝛼) 𝑐

Obs.: Alguns valores de referências destas funções:

6.1 Função sen


Seja α um ângulo representado no círculo trigonométrico (círculo de raio 1). Sen(α)
corresponde ao valor da ordenada do ponto que resulta da intersecção entre a
circunferência e o segmento que determina o ângulo com o eixo dos xx’s (medido no
sentidocontrário ao dos ponteiros do relógio), de acordo com a figura ao lado.

8
Assim, dado um ângulo α temos as seguintes relações: (i) sen(α ) = sen(π −α) e (ii)
sen(−α ) = −sen(α).
Notar que a função seno toma valores positivos nos 1º e 2º quadrantes e valores negativos
no 3º e 4º quadrantes. As relações anteriores permitem-nos determinar o seno de qualquer
ângulo α conhecendo apenas o valor do seno no 1º Quadrante.

Exemplo:
5𝜋
= 3º Quadrante mas
4

Como função real de variável real, temos

9
À função f dá-se o nome de função seno. (Obs: x é a medida de um ângulo em radianos)
O seu gráfico é

6.1.1 Características desta função


 Domínio: IR;
 Contradomínio: Im( f ) = [−1,1];
 Injectividade: não injectiva;
 Zeros: x = kπ , k ∈ Z ;
 Paridade: ∀x sen(−x) = −sen(x) (seno é uma função ímpar);
 Periodicidade: ∀x sen(x + 2π ) = sen(x) ( 2π é o período positivo mínimo);
 Limitada: ∀x −1≤ sen(x) ≤1;
𝜋
 Máximos: em 𝑥 = + 2𝑘𝜋, 𝑘 𝜖 𝑍;
2
3𝜋
 Máximos: em 𝑥 = + 2𝑘𝜋, 𝑘 𝜖 𝑍;
2

6.2 Função arcsen


Consideremos a função

Esta função não é injectiva

Por exemplo, há infinitos pontos do domínio que têm por imagem zero ( sen(x) = 0 ⇔ x
= kπ , k ∈ Z ). Pelo que f não admite inversa.

10
Contudo, podemos considerar uma restrição do domínio onde a função seno seja
injectiva (chamada restrição principal):

Cujo gráfico é:

Assim definida, g é uma função injectiva e portanto faz sentido falar na sua inversa, g−1.
𝜋 𝜋
Então g −1 tem por domínio [−1,1], imagem [− 2 , 2 ]e a cada x ∈ [−1,1] faz corresponder

o ângulo (ou arco) cujo seno é x , que se representa por arcsen(x).

Cujo gráfico é

6.2.1 Características desta função


Domínio: [−1,1];
𝜋 𝜋
Imagem: [− , ]
2 2

11
Injectividade: injectiva;
Zeros: x = 0 ;
Paridade: ∀x arcsen(−x) = −arcsen(x) ( arcsen é uma função ímpar);
Monotonia: estritamente crescente;
𝜋 𝜋
Limitada: ∀x − 2 ≤ arcsen π (x) ≤ 2 ;
• Máximo em x =1;
• Mínimo em x = −1;

Obs.:

 O arcsen(x) é o valor real y tal que sen( y) = x , onde x ∈[−1,1], ou seja:


arcsen(x) = y ⇔ sen(y) = x
 sen(arcsen(x)) = x onde −1≤ x ≤1;
π π
 arcsen(sen(x)) = x onde − 2 ≤ x ≤ 2 .

6.3 Função cosseno


Seja α um ângulo representado no círculo trigonométrico (circulo de raio 1).
Cos (α) corresponde ao valor da abcissa do ponto que resulta da intersecção entre a
circunferência e o segmento que determina o ângulo com o eixo dos xx' s, conforme
se pode ver na figura ao lado.

Recorrendo ao círculo trigonométrico, é fácil verificar as seguintes igualdade para um


determinado ângulo α :

12
Assim, usando as igualdades anteriores, é sempre possível determinar o valor do co-seno
de um ângulo α conhecendo apenas os valores da função co-seno no 1º quadrante.

Exemplo:
4𝜋
𝜖 3° quadrante mas
3

Como função real de variável real, temos:

À função f dá-se o nome de função co-seno. (obs: x é a medida de um ângulo em


radianos).

O seu gráfico é

13
6.3.1 Características desta função
 Domínio: IR;
 Contradomínio: Im( f ) = [−1,1];
 Injectividade: não injectiva;
𝜋
 Zeros: x = + 2 kπ, k ∈ Ζ

 Paridade: ∀x cos(−x) = cos(x) (co-seno é uma função par);


 Periodicidade: ∀x cos(x + 2π ) = cos(x) ( 2π é o período positivo mínimo);
 Limitada: ∀x −1 ≤ cos(x) ≤ 1;
 Máximos: em x = 2kπ , k ∈ Ζ ;
 Mínimos: em x = π + 2kπ , k ∈ Ζ .

6.4 Função arccos


Consideremos a função

Esta função não é injectiva

Por exemplo, há infinitos pontos do domínio que têm por imagem zero ( sen(x) = 0 ⇔ x
= kπ , k ∈ Z ). Pelo que f não admite inversa.

Contudo, podemos considerar uma restrição do domínio onde a função co-seno seja
injectiva (chamada restrição principal):

14
Cujo gráfico é:

Assim definida, g é uma função injectiva e portanto faz sentido falar na sua inversa, g −1.
Então g −1 tem por domínio [−1,1], imagem [0,π ] e a cada x ∈[−1,1] faz corresponder o
ângulo (ou arco) cujo co-seno é x , que se representa por arccos(x) .

Cujo gráfico é

6.4.1 Características desta função


 Domínio: [−1,1];
 Imagem: [0,π ];
 Injectividade: injectiva;
 Zeros: x = 1;
 Paridade: nem é par nem é ímpar;
 Monotonia: estritamente decrescente;
 Limitada: ∀x ∈[−1,1] 0 ≤ arccos (x) ≤ π ;
 Máximo em x = −1;

15
 Mínimo em x = 0;

Obs.:
O arccos(x) é o valor real y tal que cos(y) = x , onde x ∈[−1,1], ou seja:
 arccos(x) = y ⇔ cos(y) = x
 cos(arccos(x)) = x onde −1≤ x ≤1;
 arccos(cos(x)) = x onde 0 ≤ x ≤ π .

6.5 Função tangente


Seja α um ângulo representado no círculo trigonométrico. tg(α) corresponde ao valor da
ordenada do ponto que resulta de projectar o lado extremidade do ângulo α no eixo
paralelo ao eixo das ordenadas e que passa pelo ponto de coordenadas (1,0). (ver figura
ao lado).

Recorrendo ao círculo trigonométrico é fácil verificar as seguintes igualdades para um


determinado ângulo α :

Recorrendo ao círculo trigonométrico é fácil verificar as seguintes igualdades para um


determinado ângulo α :

16
Estas igualdades permitem calcular a tangente de um ângulo α conhecendo apenas os
seus valores no 1º quadrante.

Exemplo:
2𝜋
∈ 2º quadrante
3

Como função real de variável real, temos

À função f dá-se o nome de função tangente. (obs: x é a medida de um ângulo em


radianos)
O seu gráfico é

17
6.5.1 Características desta função
𝜋
 Domínio: IR\ { 2 + 𝑘𝜋}, k ∈ Ζ

 Contradomínio: IR;
 Injectividade: não injectiva;
 Zeros: x = kπ , k ∈ Z ;
 Paridade: ∀x tg(−x) = −tg(x) (tangente é uma função ímpar);
 Periodicidade: ∀x tg(x + π ) = tg(x) (π é o período positivo mínimo);
 Limitada: não limitada;
 Máximos: não tem;
 Mínimos: não tem.

6.6 Função arcotangente


Consideremos a função

Esta função não é injectiva.

Por exemplo, há infinitos pontos do domínio que têm por imagem zero (tg(x) = 0 ⇔ x =
kπ , k ∈ Z ). Pelo que f não admite inversa. Contudo, podemos considerar uma restrição
do domínio onde a função tangente seja injectiva (chamada restrição principal):

Cujo gráfico é:

18
Assim definida, g é uma função injectiva e portanto faz sentido falar na sua inversa, g−1.
𝜋 𝜋
Então g −1 tem por domínio IR , imagem − 2 , 2 e a cada x ∈ IR faz corresponder o

ângulo (ou arco) cuja tangente é x , que se representa por arctg(x).

Cujo gráfico é

6.6.1 Características desta função


 Domínio: IR ;
𝜋 𝜋
 Contradomínio: ]− 2 , 2 [

 Injectividade: injectiva;
 Zeros em x = 0 ;
 Paridade: ∀x arctg(−x) = −arctg(x) ( arctg é uma função ímpar);
 Monotonia: estritamente crescente;
𝜋 𝜋
 Limitada: ∀x − 2 < arctg x < 2 ;

 Máximos: não tem;


 Mínimos: não tem;

Obs.:

19
O arctg(x) é o valor real y tal que tg( y) = x , onde x ∈ IR , ou seja:
arctg(x) = y ⇔ tg(y) = x
tg(arctg(x)) = x onde x ∈ IR ;
𝜋 𝜋
arctg(tg(x)) = x onde − 2 ≤ x ≤ 2 .

Exemplos:

20
7 Conclusão
A função linear é aquela em que temos b = 0, isto é, sua lei de formação é do tipo f (x) =
a.x, com a real e diferente dezero. Observe que toda função que não possui valor para o
coeficiente b é classificada como função linear e, por consequência, é também uma função
afim.

21
8 Bibliografia
Websites
Acessos:
https://midia.atp.usp.br/impressos/lic/modulo01/fund_matematica_PLC0001/FundMat_I_top06
.pdf
Fundamentos de Matemática
https://midia.atp.usp.br/impressos/lic/modulo01/fund_matematica_PLC0001/FundMat_I_top08
.pdf
http://www.ipb.pt/~vitorsousa/AM1_%2003-04/teoricas/2-4(1%AAParte).PDF
Cálculos Lineares
http://www.matematica.pucminas.br/profs/web_fabiano/calculo1/lineares.pdf
Calculo 1
http://www.dfq.pucminas.br/cursodefisica/downloads/calculo_1/oficina2.pdf

22