Anda di halaman 1dari 22

tópico especial

Os 10 mandamentos da estética do sorriso

Andre Wilson Machado1

DOI: http://dx.doi.org/10.1590/2176-9451.19.4.136-157.sar

Pacientes em busca de tratamentos estéticos são uma constante na rotina de todos os profissionais que oferecem este
tipo de serviço. Seguindo esta tendência, os pacientes odontológicos vêm buscando tratamentos com o objetivo pri-
mário de melhorias na estética do sorriso. O objetivo deste artigo é apresentar um protocolo de avaliação do sorriso,
intitulado de “Os 10 mandamentos da estética do sorriso”.

Palavras-chave: Estética dentária. Ortodontia. Sorriso.

introdução informações essenciais ao clínico sobre estética do sor-


A busca por aprimoramentos na estética dentofa- riso. Por outro lado, estas diretrizes clínicas podem ser
cial tem sido uma constante na sociedade contempo- questionadas, já que o conceito de estética é subjetivo e
rânea. Assim, inspirados pelas belas faces e belos sor- tende a variar entre diferentes indivíduos e normas cul-
risos de diversos modelos de identificação, pacientes turais10. Este aspecto se torna um obstáculo ao clínico
vêm buscando tratamentos que envolvem melhorias que procura um protocolo para tratamentos que envol-
na estética dentofacial e, principalmente, mudanças vem mudanças na estética do sorriso, pois muitos arti-
positivas no sorriso1-6. gos que retratam este tema foram baseados nas opiniões
Para se obter resultados estéticos ideais nos tratamen- de autores e não em evidência científica.
tos odontológicos, é necessário seguir alguns parâmetros A partir do pioneiro trabalho de Kokich et al.11, al-
de referência. Durante muitos anos, essas orientações guns autores buscaram a tecnologia digital, por meio
foram baseadas em opiniões de experts no assunto4,5,7,8,9 da manipulação de imagens, para pesquisar referenciais
. Entre os trabalhados consultados, especial atenção mais consistentes cientificamente. Assim, diversas va-
deve ser direcionada aos de Camara4,5, pois  fornecem riáveis do sorriso foram pesquisadas, como o arco do

» O autor declara não ter interesses associativos, comerciais, de propriedade ou Como citar este artigo: Machado AW. 10 commandments of smile esthet-
financeiros, que representem conflito de interesse, nos produtos e companhias ics. Dental Press J Orthod. 2014 July-Aug;19(4):136-57. DOI: http://dx.doi.
descritos nesse artigo. org/10.1590/2176-9451.19.4.136-157.sar

Enviado em: 02 de abril de 2014 - Revisado e aceito: 07 de abril de 2014


1
Mestre em Ortodontia, PUC/Minas. Doutor em Ortodontia, UNESP/
Araraquara-UCLA. Professor Adjunto de Ortodontia, UFBA. Professor » O(s) paciente(s) que aparece(m) no presente artigo autorizou(aram) previamente
visitante, curso de Mestrado em Ortodontia, Universidade da Califórnia em a publicação de suas fotografias faciais e intrabucais, e/ou radiografias.
Los Angeles (UCLA).
Endereço para correspondência: Andre Wilson Machado
Av. Araújo Pinho, 62 – 7º Andar – Canela – Salvador/BA
CEP: 40.110-150 – E-mail: awmachado@gmail.com

© 2014 Dental Press Journal of Orthodontics 136 Dental Press J Orthod. 2014 July-Aug;19(4):136-57
Machado AW tópico especial

sorriso12; o tipo de corredor bucal13; a quantidade de dos olhos humanos em diversas situações. Seus estudos
exposição gengival no sorriso13,14,15; a presença de as- demonstraram que, durante a análise de fotografias fa-
simetrias gengivais e incisais1,11,16,17; a presença de dias- ciais, as duas áreas da face que mais chamam a atenção
temas na região anterossuperior3,14; a presença de des- são a boca e os olhos.
vios de linha média e alterações nas inclinações axiais Dentre as razões que podem explicar esta hipótese,
dentárias11,17; a proporção, o tamanho e a simetria dos destaca-se, principalmente, o dinamismo dos olhos e da
incisivos superiores1,12; entre outros. boca comparado às outras estruturas estáticas da face, bem
Se, por um lado, a existência de diversos artigos que como o contraste de cores nos olhos, entre a íris, a pupila e
estudaram tais características é de grande relevância à lite- a esclerótica, e, na boca, entre os lábios, o tecido gengival,
ratura odontológica, por outro lado impõe certa dificul- os dentes e o “fundo” preto.
dade ao clínico que busca um protocolo simples e prático. Esse achado foi corroborado recentemente por outros
O profissional, geralmente, enfrenta alguns questiona- autores, os quais ratificaram que, durante interações pes-
mentos. Por onde começo o meu planejamento estético soais, a maior atenção é voltada para a boca e os olhos,
do sorriso? Quais os aspectos mais relevantes a considerar além disso, como a boca seria um dos centros de atenção
em um tratamento estético? Quais referenciais científicos da face, o sorriso desempenharia papel fundamental na
devo considerar em minha abordagem terapêutica? estética facial18. Assim, podemos instituir o primeiro as-
O objetivo do presente artigo é apresentar um pro- pecto na avaliação da estética do sorriso: a dominância do
tocolo de avaliação da estética do sorriso, intitulado de sorriso na estética facial.
“Os 10 mandamentos da estética do sorriso”, com o Durante a realização de pesquisas no curso de Espe-
intuito de simplificar a aplicabilidade clínica e os pla- cialização em Ortodontia da Universidade Federal da Ba-
nejamentos interdisciplinares do tratamento do sorriso. hia (UFBA), ainda tínhamos esta dúvida: até que ponto
Para tornar a leitura mais fluida, e por razões didáticas, o sorriso realmente é mandatório na avaliação da estética
o tema será distribuído em três tópicos: 1) Por que ava- global da face? Assim, em diversos trabalhos13,15,16, ima-
liar o sorriso? 2) Como analisar o sorriso? 3) O que ava- gens manipuladas foram submetidas à avaliação de orto-
liar no sorriso – 10 mandamentos. dontistas e leigos, por meio de duas tomadas: face total
É essencial ressaltar dois importantes aspectos. O pri- e sorriso aproximado. Os resultados demonstraram não
meiro é que, com o objetivo de alcançar resultados estéti- haver diferença estatisticamente significativa entre essas
cos ideais, é fundamental trabalhar em equipe, ou seja, na duas formas de avaliação (p > 0,05). Isso mostra que, na
maioria das vezes serão necessários tratamentos interdis- avaliação da estética do sorriso, em uma vista total da face
ciplinares. O segundo ponto é que, embora grande parte (incluindo nariz, cabelo, olhos, contornos faciais, etc.) ou
desses mandamentos tenha sido baseada em evidências em uma vista aproximada, destacando somente o sorri-
científicas, o protocolo apresentado não deve ser utiliza- so, há o mesmo grau de percepção, sugerindo não haver
do de forma generalizada, mas sim como um ponto de influência da face na avaliação estética de diversas carac-
partida, pois o conceito do “belo” varia para cada pessoa. terísticas do sorriso. Esses dados reforçam a soberania do
Assim, todos os mandamentos devem ser discutidos entre sorriso no contexto da estética global facial.
os membros da equipe de trabalho e com os pacientes, Após perceber a importância do sorriso no contexto
para a criação de planejamentos estéticos individualizados facial, podemos extrapolar ainda mais. O sorriso, não só é
e, consequentemente, mais satisfatórios. decisivo na percepção da atratividade da face, como também
está relacionado com a percepção de diversas características
1) POR QUE AVALIAR O SORRISO? psicológicas dos indivíduos. A presença ou não de alterações
A expressão popular, amplamente conhecida, “o sor- deletérias no sorriso tem influência significativa sobre como
riso é o nosso cartão de visita” deve ser bastante respei- se percebe e se avalia outros indivíduos10. Tais alterações ne-
tada e considerada, pois já existe evidência científica que gativas no sorriso podem afetar avaliações de personalidade,
destaca o sorriso como o elemento mais importante no inteligência, estabilidade emocional, dominância, sexualida-
contexto da estética dentofacial. de, bem como as intenções comportamentais para interagir
No século passado, o cientista Alfred Yarbus17 de- com os outros10. O conjunto dessas características pode ser
senvolveu um equipamento que registrava o movimento facialmente percebido quando tratamentos odontológicos

© 2014 Dental Press Journal of Orthodontics 137 Dental Press J Orthod. 2014 July-Aug;19(4):136-57
tópico especial Os 10 mandamentos da estética do sorriso

que envolvem aprimoramentos na estética do sorriso são do lábio levantam levemente, podendo ou não apa-
realizados. O leitor, com certeza, já testemunhou a melhora recer dentes. O segundo tipo, o sorriso de canino21,
na autoestima de pacientes no pós-tratamento estético e o ou sorriso social, vem sendo mundialmente utilizado
quanto isso agregou qualidade de vida a eles. e divulgado nas redes sociais pelos diversos tipos de
Dessa forma, tudo isso justifica o porquê dos pacientes selfies. É aquele em que o lábio superior é elevado de
procurarem tratamentos odontológicos por queixas estéti- forma uniforme, mostrando os dentes anterossupe-
cas. Quando mudanças estéticas no sorriso são realizadas, riores (Fig. 1B). Este tipo pode ou não ser voluntário
os pacientes não só ficam mais atraentes, mas também mais e, muitas vezes, os pacientes com alterações negativas
jovens e com mudanças positivas no âmbito psicológico. no sorriso (como sorrisos gengivais), podem aprender
Por outro lado, um aspecto a ser discutido é até que a mascarar tal alteração, limitando, assim, uma análise
ponto os ortodontistas estão priorizando a estética do do sorriso mais fidedigna. O terceiro tipo foi definido
sorriso no planejamento de seus casos. A exemplo disso, como sorriso complexo21, no qual ocorre movimen-
o trabalho conduzido por Schabel et al.19 demonstrou não tação do lábio inferior, além de ampla movimentação
existir forte relação entre casos ortodônticos bem finali- do lábio superior. Este tipo também é chamado de
zados, do ponto de vista oclusal, com estética do sorriso. sorriso espontâneo, geralmente involuntário, retra-
Em outras palavras, os autores sugerem a inclusão de novos tando de forma mais realista o desenho do sorriso dos
critérios para avaliar a estética do sorriso na análise global pacientes (Fig.  1C). Segundo Camara5, os planeja-
dos casos finalizados ortodonticamente. mentos estéticos devem ser realizados tomando como
base este tipo de sorriso, pois o sorriso social pode
2) COMO ANALISAR O SORRISO? não corresponder à realidade, mas sim representar um
A análise do sorriso pode ser realizada, basicamen- movimento aprendido e voluntário.
te, por meio da avaliação clínica, de registros fotográficos Torna-se perceptível a dificuldade em realizar o regis-
e de filmagens. De fato, o exame clínico é soberano no tro do sorriso de forma mais acertada, no momento exato,
contexto odontológico, porém, é necessário o registro de com tomadas fotográficas estáticas. Para dificultar ainda
dados dos pacientes. Para tal, as fotografias sempre foram mais o registro fotográfico, o estímulo do sorriso torna-se
o padrão-ouro. Porém, recentemente, a validade das foto- outro problema, pois o que é engraçado para alguns indiví-
grafias para o registro do sorriso tem sido questionada em duos pode não ser para outros5.
detrimento das filmagens. Quando essas dificuldades são analisadas, parece óbvio
Isso ocorre porque o sorriso é um movimento dinâmico compreender que o registro do sorriso por meio de filma-
e complexo, com a interação de diversos músculos faciais, gens pode proporcionar dados mais fiéis e elucidativos ao
gerando diferentes posições da arquitetura dentolabial. clínico20. Este recurso possibilita a análise de outra informa-
Segundo Rubin21, existem três níveis, ou tipos, de ção bastante pertinente para o planejamento dos tratamen-
sorriso (Fig.  1). O sorriso de comissura21, também tos estéticos: o estudo dos diferentes níveis de exposição de
chamado de sorriso de Mona Lisa, é aquele comu- dentes anteriores durante a fala (Fig. 2A a 2D). Vale ressal-
mente apresentado durante o cumprimento de pes- tar que esse método também possui desvantagens, como
soas em situações sociais ou locais inusitados, como a) a qualidade final das imagens individualizadas (frames)
em elevadores (Fig. 1A). Nesse sorriso, as comissuras provenientes das filmagens é menor do que a qualidade das

A B C

Figura 1 - Diferentes tipos de sorriso: A) sorriso de comissura; B) sorriso social e C) sorriso espontâneo.

© 2014 Dental Press Journal of Orthodontics 138 Dental Press J Orthod. 2014 July-Aug;19(4):136-57
Machado AW tópico especial

A B C D

E F G H

Figura 2 - Ilustração de “frames” mostrando diferentes níveis de exposição de incisivos: (A–D) durante a fala e (E–H) durante diferentes fases do sorriso.

fotografias; b) o espaço (em bytes) ocupado é maior do que 8º)  linha média e angulação dentária; 9º) detalhamento:
o das fotografias nas memórias dos computadores ou em cor e anatomia dentária; 10º) volume labial.
dispositivos de armazenamento; e, c) há maior necessidade Entre esses, especial atenção é direcionada ao arranjo
de conhecimento técnico específico para realizar as filma- dos dentes anterossuperiores (canino a canino ou primeiro
gens, bem como avaliá-las em softwares22. pré-molar a primeiro pré-molar), área chamada pela lite-
Em resumo, a avaliação clínica por meio de um ratura de “zona estética”. Nesta região, os incisivos cen-
exame clínico detalhado, associada ao diálogo com os trais são chamados de “elementos-chave”, caracterizando
pacientes, pode fornecer dados bastante fidedignos. a terminologia “dominância dos incisivos centrais”
De forma semelhante, quando um adequado protoco- (Fig. 3). Em síntese, os incisivos centrais devem ser os den-
lo fotográfico é utilizado, é possível obter informações tes que mais se destacam, os verdadeiros protagonistas do
consistentes sobre o sorriso, favorecendo o planejamen- sorriso. Dessa forma, os mandamentos de 1 a 4 estão di-
to estético dos casos. Por fim, o uso de filmagens é uma retamente relacionados a esta característica, compondo o
ferramenta bastante completa e interessante, fornecen- grupo “dominância dos incisivos centrais”.
do dados dinâmicos aos clínicos, não só sobre o sorriso,
mas também sobre o nível de exposição dos dentes ante- 1º mandamento ‒ Arco do sorriso:
riores durante toda a dinâmica da boca (Fig. 2). posição vertical dos incisivos superiores
Um planejamento estético deve ser iniciado pela área
3) O QUE AVALIAR NO SORRISO? mais nobre do sorriso: os incisivos centrais superiores7,8,9.
10 MANDAMENTOS DA ESTÉTICA DO SORRISO Assim, o 1º mandamento estabelece a posição vertical ideal
Conforme citado anteriormente, a existência de diver- dos incisivos superiores no sorriso, sendo este o 1º passo a ser
sos artigos que pesquisaram isoladamente características planejado nos tratamentos estéticos.
do sorriso é de grande valia científica, porém, impõe cer- O sorriso ilustrado na Figura 4A ilustra dentes com
ta dificuldade ao clínico que busca um passo-a-passo para boa coloração e boa anatomia. Apesar dessas qualidades, o
planejar seus casos objetivando a estética máxima do sorri- sorriso pode ser considerado bastante antiestético. A razão
so. Assim, o presente protocolo é composto por dez tópi- principal é a posição vertical inadequada dos incisivos, con-
cos (dez mandamentos), que auxiliam de forma prática e siderada ponto crucial na estética do sorriso2,8,9.
simplificada os planejamentos ortodônticos e/ou estéticos, Em um arco do sorriso ideal, as bordas incisais dos den-
além de ser útil na comunicação “profissional x profissio- tes superiores formam um arco que acompanha suavemen-
nal” e “profissional x paciente”. te o contorno do lábio inferior (Fig. 5A). Essa diagramação
Os dez mandamentos sugeridos consistem nos se- ideal do arco do sorriso é descrita de diferentes formas,
guintes: 1º) Arco do sorriso: posição vertical dos incisivos como arco convexo, arco curvo, arco consoante, arco em
superiores; 2º) proporção e simetria dos incisivos centrais forma de prato fundo, etc.4,5,7,8,9,23
superiores; 3º) proporção entre dentes anterossuperiores; Por outro lado, quando o contorno incisal dos dentes na
4º) presença de espaços anterossuperiores; 5º) design gen- zona estética não acompanha o desenho do lábio inferior,
gival; 6º) nível de exposição gengival; 7º) corredor bucal; o arco do sorriso pode ser classificado de duas  formas23.

© 2014 Dental Press Journal of Orthodontics 139 Dental Press J Orthod. 2014 July-Aug;19(4):136-57
tópico especial Os 10 mandamentos da estética do sorriso

A B C

Figura 3 - Ilustração do sorriso: (A) design ideal; (B) zona estética do sorriso, em azul, e (C) dominância dos incisivos centrais, em amarelo.

A B

C D

Figura 4 - Caso clínico exemplificando o impacto estético da mudança no posicionamento vertical dos incisivos no sorriso: A) sorriso inicial, demonstrando um
arco do sorriso invertido; B) desenho da posição final ideal dos incisivos; C) resultado após a fase de alinhamento e nivelamento com mudança do protocolo de
colagem, segundo o contorno do lábio inferior; e D) resultado final.

Na  primeira, chamado de arco plano ou reto, as bordas outra característica fundamental: a jovialidade. Quanto mais
incisais dos dentes na zona estética encontram-se pratica- arqueado o contorno incisal dos dentes anterossuperiores,
mente no mesmo nível das bordas dos dentes posteriores, maior aparência de jovem terá o sorriso, e quanto mais pla-
paralelas ao solo, não acompanhando o contorno do lábio no, mais denotará aparência de sorriso mais envelhecido.
inferior (Fig. 5B). Na outra forma, chamada de arco inver- Adicionalmente, segundo a literatura24, quanto mais idade,
tido, reverso ou não-consoante, o desenho das bordas inci- menor a exposição de incisivos superiores e maior a exposi-
sais, além de não acompanhar o lábio inferior, apresenta-se ção de incisivos inferiores no sorriso, em repouso ou durante
com a curvatura invertida23 (Fig. 5C). a fala24. Tais mudanças são fisiológicas e ocorrem devido a
Quando comparamos sorrisos com arcos convexos e um conjunto de fatores, como aumento da flacidez muscu-
arcos invertidos, o seguinte questionamento pode ser feito: lar na região peribucal, genética, raça, idade e exposição ao
por que eles são tão antagônicos do ponto de vista estético? sol, resultando em menor exposição dos dentes superiores6.
O primeiro aspecto está na beleza do contorno arqueado Na sociedade contemporânea, grande associação tem
da incisal dos dentes na zona estética, que é considerado o sido feita entre estética e jovialidade, onde, muitas vezes,
fator isolado mais importante na estética dentária (Fig. 6)9. o belo e o jovem estão interligados. Algumas caracterís-
O segundo ponto está, não só na beleza, mas também em ticas estéticas vêm sendo bastante observadas em artistas

© 2014 Dental Press Journal of Orthodontics 140 Dental Press J Orthod. 2014 July-Aug;19(4):136-57
Machado AW tópico especial

A B C

Figura 5 - Diferentes tipos de arco do sorriso: A) convexo, ou curvo; B) reto, ou plano; e C) invertido, ou reverso.

centrais superiores e constatamos que incisivos centrais


levemente extruídos foram mais atrativos do que leve-
mente intruídos. Os resultados desse trabalho indicam
que a posição vertical mais atrativa dos centrais superiores
é aquela em que a borda incisal dos centrais está próxi-
ma ao lábio inferior e distante das incisais dos laterais e
caninos, garantindo a dominância dos incisivos centrais2.
Em outras palavras, a borda incisal dos centrais superiores
deve ficar abaixo da ponta de cúspide dos caninos, garan-
tindo a dominância dos incisivos centrais (Fig. 5A).
Com o objetivo de auxiliar o clínico na obtenção do de-
Figura 6 - Design ideal do contorno incisal dos dentes na zona estética.
senho ideal do contorno incisal da zona estética, o degrau
entre incisivos centrais e laterais deve ser de 1,0 a 1,5mm,
de televisão, cantoras e modelos, e, entre essas, uma maior no sexo feminino, e de 0,5 a 1,0mm, no sexo masculino
exposição de incisivos superiores em repouso. Este aspec- (Fig. 6)2. Este dado demonstra que arcos mais convexos são
to tem sido associado à beleza, jovialidade, sensualidade e os ideais para o sexo feminino (Fig. 5A). Para o sexo mascu-
sexualidade. É possível inferir que o padrão atual de beleza lino, arcos convexos, ou mesmo planos, são aceitos (Fig. 5B).
é composto não só por belos sorrisos, mas também por lá- Após a discussão desses conceitos, podemos avaliar
bios volumosos e uma maior exposição de incisivos supe- novamente a Figura 4A. Nesse caso, percebe-se nitida-
riores no sorriso, em repouso ou durante a fala. mente a necessidade de extrusão dos incisivos centrais
Esse ponto pode nortear algumas decisões durante superiores para contemplar o 1º mandamento (Fig. 4B).
planejamentos odontológicos, como restaurações e/ou Neste ponto, vale ressaltar a necessidade da individuali-
reabilitações estéticas, confecção de próteses totais e tam- zação da colagem dos braquetes ortodônticos. Se, nesta
bém durante a movimentação vertical de incisivos nos situação clínica, fossem utilizados guias de alturas forne-
tratamentos ortodônticos. Nesta última situação, é pos- cidos pelos fabricantes de braquetes, sugerindo que a al-
sível, por meio da modificação no protocolo de colagem tura dos caninos (X) deve ser a mesma dos centrais (X),
dos braquetes e/ou pela incorporação de dobras nos arcos dificilmente um arco ideal seria alcançado, mas sim um
ortodônticos, maximizar a extrusão de incisivos, tornan- arco plano. De forma semelhante, caso a colagem fos-
do-os mais visíveis no repouso e no sorriso pela obten- se baseada no posicionamento dos braquetes no centro
ção do arco do sorriso adequado (Fig. 7). Em outra pes- das coroas clínicas, o arco ideal curvo, talvez, não fos-
quisa, testamos diferentes posições verticais dos incisivos se alcançado. Assim, sugere-se que o procedimento de

© 2014 Dental Press Journal of Orthodontics 141 Dental Press J Orthod. 2014 July-Aug;19(4):136-57
tópico especial Os 10 mandamentos da estética do sorriso

A B

Figura 7 - Estratégias para extruir incisivos superiores com o objetivo de obter o design ideal do contorno incisal e maximizar sua exposição no repouso, sorriso e
fala: A) mudança na altura do posicionamento dos braquetes e B) dobras no arco ortodôntico.

colagem ortodôntica, na zona estética, seja individuali- sorriso, repouso e fala. Nos casos de incisivos projeta-
zado segundo o contorno do lábio inferior e a anatomia dos (ângulo interincisal diminuído), a extrusão estará
dentária de cada paciente. Na Figura 4C, observa-se o dificultada ou impossibilitada, como nas má oclusões de
posicionamento dos braquetes respeitando esse princí- Classe  I biprotrusão ou de Classe I, 1ª divisão. Nessas
pio e com o objetivo principal de extruir os incisivos situações se faz necessário corrigir a angulação dos inci-
centrais. Nesse exemplo, a altura dos braquetes dos cani- sivos, para, então, otimizar sua posição vertical.
nos foi de 3,5mm, enquanto nos centrais foi de 5,5mm. Para concluir este mandamento, voltamos a avaliar
Assim, após o alinhamento e nivelamento, foi possível cuidadosamente a Figura 6. Nessa ilustração, percebe-se
posicionar idealmente os incisivos centrais superiores, que, com o objetivo de ajustar idealmente o contorno
segundo as recomendações descritas anteriormente, al- incisal dos dentes na zona estética, a posição das margens
cançando um sorriso agradável e jovem (Fig. 4D). gengivais também será modificada. Em grande parte das
Vale ressaltar que, frente ao planejamento de modi- situações clínicas, o profissional talvez se depare com o
ficações da posição vertical dos dentes na zona estéti- problema de ter a borda incisal dos centrais posicionada
ca, três importantes aspectos devem ser considerados. abaixo da incisal dos caninos. Assim, como fica o design
O  primeiro é a inclinação do plano oclusal maxilar e das margens gengivais? Este questionamento será res-
da cabeça dos pacientes no momento da avaliação do pondido durante a descrição do 5º mandamento.
sorriso. Nas situações de inclinações horárias do plano
maxilar, bem como da cabeça, existe uma maior expo- Resumo do 1º mandamento
sição dos incisivos e, assim, arcos convexos são mais fa- » O posicionamento vertical dos incisivos supe-
cilmente encontrados. Por outro lado, nas situações de riores é determinante para a obtenção de sorrisos
inclinações anti-horárias do plano oclusal maxilar, bem atraentes e joviais.
como nos casos que a cabeça do paciente encontra-se » A borda incisal dos centrais superiores deve fi-
inclinada para trás, a visualização e/ou obtenção de arcos car abaixo da ponta de cúspide dos caninos, garan-
convexos estará dificultada. tindo a dominância dos centrais.
O segundo aspecto a ser considerado é a função man- » O degrau entre incisivos centrais e laterais
dibular, que sempre deve ser soberana nos planejamen- deve ser de 1,0 a 1,5mm, no sexo feminino, e de
tos odontológicos. Em outras palavras, os ideais estéticos 0,5 a 1,0mm, no sexo masculino.
não devem violar o equilíbrio oclusal. A extrusão ou a
intrusão de incisivos pode influenciar os movimentos de
protrusão e lateralidade. Portanto, a função mandibu- 2° mandamento – Proporção e Simetria
lar deve ser cuidadosamente avaliada, e possíveis ajustes dos Incisivos Centrais Superiores
oclusais poderão ser necessários2. Após estabelecer a posição vertical dos incisivos superio-
O terceiro ponto a ser analisado é a inclinação axial res, procede-se o ajuste da proporção e simetria dos incisivos
dos incisivos superiores e inferiores (ângulo interincisal). centrais superiores. Assim, o 2° mandamento estabelece que
Essa característica é determinante para possibilitar ou não se deve alcançar proporção largura/altura (L/A) ideal dos in-
a extrusão dos incisivos, aumentando sua visibilidade no cisivos centrais, além de máxima simetria entre eles.

© 2014 Dental Press Journal of Orthodontics 142 Dental Press J Orthod. 2014 July-Aug;19(4):136-57
Machado AW tópico especial

O passo clínico consiste em registrar a largura e a al- A Figura 10 ilustra uma situação clínica de um
tura das coroas clínicas dos incisivos centrais superiores paciente que apresentava a queixa principal de pos-
para então, calcular a proporção L/A (Fig. 8). Em segui- suir um “dentão” na zona estética. O central direi-
da, deve-se planejar a obtenção de proporções entre 75 to apresentava 9,1mm de largura e 9,5mm de altura,
e 85%, consideradas mais estéticas (Fig. 9A)25. Quando gerando uma proporção L/A de 95%, altamente an-
os valores tenderem a 75%, os centrais serão mais lon- tiestética. O central esquerdo apresentava 8,0mm de
gos, sendo mais aceito pelo sexo feminino e, quando as largura e 9,5mm de altura, gerando uma proporção
proporções tenderem a 85%, os centrais serão mais lar- de 84%, dentro dos valores de normalidade. Assim,
gos, sendo mais aceito pelo sexo masculino. o tratamento consistiu de desgastes interproximais
Em situações clínicas de proporções alteradas, o pri- de 0,5mm nas faces mesial e distal do central direito,
meiro passo a ser tomado é definir se existe algum central seguido de fechamento ortodôntico do espaço. Com
com a proporção L/A adequada. Caso positivo, este dente isso, a proporção ideal do lado esquerdo foi mantida
será utilizado como referência (template) para, em segui- e a do lado direito foi modificada. Após este procedi-
da, o outro central ser modificado. Se ambos os centrais mento, com o objetivo de completar o 2° mandamen-
estão alterados, é necessário utilizar a altura como ponto to, a restauração do central esquerdo foi refeita para
de partida para a sua correção. Em outras palavras, inci- obtenção de máxima simetria entre os centrais.
sivos centrais considerados estéticos possuem, em média, A busca por simetria entre centrais é baseada na
de 9,5 a 11mm8,9 de altura das coroas. Assim, é possível opinião clínica de que, quanto mais próximo da linha
comparar a medida encontrada com estes dados para, en- média, maior a necessidade de simetria e, quanto mais
tão, definir a abordagem terapêutica mais adequada. distante, leves assimetrias são aceitáveis, clinicamente9.

A B C

Figura 8 - Diferentes métodos para aferir a largura e altura dos centrais superiores: A) medição com paquímetro, clinicamente; B) medição com paquímetro no
modelo convencional e C) medição por meio de softwares em modelo digital.

A B C

Figura 9 - Diferentes proporções largura/altura de centrais: A) proporção ideal entre 75 e 85%; B) dentes longos, com proporções < 75%; e C) dentes curtos ou
quadrados, com proporções > 85%.

© 2014 Dental Press Journal of Orthodontics 143 Dental Press J Orthod. 2014 July-Aug;19(4):136-57
tópico especial Os 10 mandamentos da estética do sorriso

A B C

Figura 10 - Caso clínico exemplificando a importância da proporção L/A


na estética do sorriso: A) vista inicial aproximada dos incisivos superiores;
B)  situação após a remoção do aparelho ortodôntico; C)  resultado final;
D D) sorriso final.

Com isso, em situações clínicas de finalização orto-


dôntica, sugerimos tratamentos multidisciplinares para
obtenção de máxima simetria entre os centrais supe-
riores. Na Figura 12, por exemplo, a proporção L/A do
central do lado esquerdo era de 78%, sendo utilizado
como template na condução do tratamento. Após o tra-
tamento ortodôntico, a paciente foi encaminhada para a
realização de restauração cosmética no central direito e
reanatomização incisal para complementar o 2° manda-
mento, obtendo, assim, adequada proporção e máxima
simetria entre os incisivos centrais superiores.
Figura 11 - Limites de aceitabilidade estética de assimetrias incisais e gengivais
na zona estética: A) 0,5mm1; B) 1,0mm1; C) 2,0mm17; D) de 1,5 a 2,0mm11,14; e
E) de 1,5 a 2,0mm16. Resumo do 2° Mandamento
» Registre as medidas Largura / Altura dos cen-
trais superiores.
» Busque proporções estéticas (75 – 85%) e má-
Com o objetivo de testar esta hipótese, publicamos xima simetria.
uma pesquisa que avaliou o impacto estético de assi- » A simetria entre as bordas incisais é o aspecto
metrias incisais, em centrais e laterais, num sorriso de mais importante.
duas mulheres adultas, uma leucoderma e outra mela-
noderma1. Os resultados encontrados corroboram essa
hipótese, pois uma leve assimetria de 0,5mm, na inci- 3º mandamento
sal de um central superior, foi detectada como anties- Proporção entre dentes anterossuperiores
tética por ortodontistas e leigos. Por outro lado, leves Na sequência deste protocolo, após ajustar a posição
assimetrias em laterais podem passar despercebidas1, vertical ideal dos incisivos, a proporção L/A ideal dos
enquanto em caninos, assimetrias ainda maiores po- centrais e máxima simetria entre eles, procede-se ao
dem não ser detectadas (Fig. 11)16. ajuste da proporção entre os dentes anterossuperiores.

© 2014 Dental Press Journal of Orthodontics 144 Dental Press J Orthod. 2014 July-Aug;19(4):136-57
Machado AW tópico especial

A B

C D E

Figura 12 - Caso clínico exemplificando a importância da simetria entre centrais na estética do sorriso: A) inicial; B) durante o tratamento ortodôntico; C) após a
remoção do aparelho ortodôntico; D) final e E) sorriso final.

Essa característica é bastante utilizada em Odontologia por exemplo, duas grades foram utilizadas, uma com a
e é baseada na proporção áurea, ou de ouro, proposta proporção áurea (62%; Fig. 14A) e outra com a propor-
inicialmente por Levin, em 197826. Segundo este autor, ção modificada (70; Fig. 14B), para demonstrar que, em
em uma vista frontal, existe uma proporção da largura ambos os sorrisos, os laterais dos dois lados encontram-
dos dentes, na visualização em perspectiva. A Figura 13 -se estreitos, não respeitando a proporção esteticamente
ilustra este aspecto, no qual a largura visível do lateral re- mais agradável entre os dentes anterossuperiores.
presenta 62% da largura do central, enquanto a largura A situação clínica descrita na Figura 15 ilustra um
do canino representa 62% da largura do lateral. caso em que existia assimetria entre a proporção dos
Uma pesquisa publicada recentemente27 comparou dentes anterossuperiores. O uso da grade de proporção
diversas proporções, como a de 57% (caracterizando la- áurea facilita a localização da discrepância, indicando
terais mais estreitos) e as de 67%, 70% e 72% (caracteri- que o lateral direito encontrava-se com a dimensão
zando laterais mais largos)27. Os resultados encontrados mésiodistal reduzida. Durante o tratamento ortodôn-
mostraram que a proporção áurea deve ser utilizada com tico foi aberto espaço na região do lateral para posterior
cautela, pois o valor de 62% deve ser encarado como restauração estética, contemplando assim, o 3º manda-
uma média e não como um padrão a ser buscado sem- mento, que é a proporção entre dentes anterossuperio-
pre. Além disso, proporções maiores (67% e 70%) fo- res. Além disso, reanatomizações incisais foram reali-
ram apontadas como mais estéticas, demonstrando que zadas para otimizar a simetria entre centrais e ajustar o
parece existir uma maior preferência por laterais mais degrau entre centrais e laterais, realçando a dominância
largos àqueles muito estreitos. dos centrais no sorriso.
Clinicamente, essa característica é facilmente per-
ceptível frente à presença de incisivos laterais conoides
ou muito estreitos. Existem réguas e guias de referência
para serem utilizadas clinicamente. Outra ferramen- Resumo do 3° Mandamento
ta bastante útil é a confecção de guias ou grades de si- » Laterais muito estreitos são antiestéticos.
metria digitais, respeitando essas proporções. Por meio » Tratamentos multidisciplinares são necessários.
dessas grades é possível estudar e visualizar essa variável
nas telas dos computadores e/ou tablets. Na Figura 14,

© 2014 Dental Press Journal of Orthodontics 145 Dental Press J Orthod. 2014 July-Aug;19(4):136-57
tópico especial Os 10 mandamentos da estética do sorriso

Figura 13 - Sorriso com a proporção áurea (62%) entre os dentes na zona estética.

A B

Figura 14 - Exemplo do uso da grade de proporção digital, ilustrando dois sorrisos com laterais estreitos: A) grade com a proporção áurea (62%) e B) grade com a
proporção modificada (70%).

A B

Figura 15 - Caso clínico exemplificando a impor-


tância da proporção entre os dentes anterossu-
periores: A) vista aproximada inicial da zona esté-
tica, demonstrando o lateral direito com a largura
reduzida (seta azul); B) sorriso inicial; C) resultado
final, demonstrando adequada proporção dos
C D dentes na zona estética; D) sorriso final.

4º mandamento diastemas medianos (até 2,0mm) podem passar despercebi-


Presença de espaços anterossuperiores dos pelos leigos. Esse achado pode, de certa forma, explicar
A percepção estética de diastemas na zona estética é tema o porquê de alguns artistas famosos apresentarem diastemas
bem discutido na literatura e, ao mesmo tempo, assunto e, até mesmo, acharem esses espaços atrativos. Por outro
polêmico na sociedade contemporânea. A pergunta chave lado, o  resultado desse trabalho14 pode ser questionado,
que resume este debate é: diastemas na zona estética são pois é bastante otimista quanto ao impacto dos diastemas
estéticos ou antiestéticos? Segundo a literatura14, pequenos medianos na estética do sorriso. Será que diastemas de 1,0

© 2014 Dental Press Journal of Orthodontics 146 Dental Press J Orthod. 2014 July-Aug;19(4):136-57
Machado AW tópico especial

a 2,0mm realmente podem passar despercebidos pelos lei- foram detectados pelos leigos. Assim, caso algum espaço re-
gos? Embora o conceito de estética tenha forte influência manescente seja deixado após os tratamentos ortodônticos,
da subjetividade, o 4º mandamento estabelece que todos os a face distal dos laterais deve ser a área de escolha3.
diastemas medianos devem ser fechados, ortodonticamente As Figuras 16 e 17 ilustram duas situações clínicas com a
ou por tratamentos multidisciplinares. Outro questiona- presença de diastemas na zona estética. Na primeira, o espa-
mento seria se diastemas na região dos laterais (mesial, distal ço estava localizado entre centrais, e, na segunda, localizado
ou ambas as faces) afetariam a percepção estética do sorriso. na distal do lateral superior esquerdo. Em ambas as situações
Com o objetivo de tentar responder a esta pergunta, reali- clínicas, com o objetivo de contemplar o 4º mandamento,
zamos outra pesquisa para avaliar o impacto estético des- todos os espaços foram fechados.
ses diastemas no sorriso de duas mulheres3. Os resultados
encontrados mostraram que quanto maiores os diastemas Resumo do 4° mandamento
e quanto mais próximos à linha média, mais antiestéticos » Diastemas na zona estética são antiestéticos.
eram os sorrisos. A única exceção foi a dos sorrisos com » Recomenda-se o fechamento de todos os diastemas.
diastemas de 0,5mm na face distal dos laterais, pois não

A B

C D E

Figura 16 - Exemplo do impacto no sorriso da correção de diastema mediano: A) sorriso inicial; B) sorriso final; C) frontal inicial; D) frontal após uso de ativador;
E) frontal final após tratamento ortodôntico corretivo fixo.

A B

Figura 17 - Exemplo da correção de diastemas


na região dos laterais superiores: A) inicial frontal;
B)  inicial da região do lateral superior esquerdo;
C) final frontal; e D) final da região do lateral su-
C D perior esquerdo.

© 2014 Dental Press Journal of Orthodontics 147 Dental Press J Orthod. 2014 July-Aug;19(4):136-57
tópico especial Os 10 mandamentos da estética do sorriso

5° mandamento ‒ Design gengival (estética branca) é o fator isolado mais importante na es-
A arquitetura do tecido gengival também deve ser levada tética dentária9, corroborando a literatura. Assim, além
em consideração nos tratamentos estéticos. Recentemente, das recomendações descritas no 1º mandamento (arco do
a nomenclatura de “estética rosa”, ou ”estética vermelha”, sorriso), pode-se usar um design gengival modificado, no
vem sendo utilizada para descrever contornos ideais dos te- qual as margens gengivais dos centrais e laterais são coin-
cidos gengivais no sorriso. cidentes, e ambas encontram-se levemente (0,5 a 1,0mm)
Em alguns livros didáticos de Odontologia, o seguinte abaixo dos caninos ou centrais abaixo dos caninos (0,5 a
parâmetro de estética gengival ideal pode ser encontrado: 1,0mm) e laterais abaixo dos centrais (0,5mm) (Fig. 18B).
“as margens gengivais dos caninos devem estar coinciden- É evidente que a magnitude da extrusão dos centrais deve
tes às margens dos centrais, enquanto as margens dos late- ser individualizada segundo o contorno do lábio inferior
rais devem estar posicionadas levemente abaixo dessa linha e, também, segundo o sexo, respeitando a indicação de
(Fig. 18A).” De fato, esta posição poderá proporcionar esté- centrais mais extruídos para sorrisos femininos. Ademais,
tica máxima do sorriso. Porém, em muitos casos, como nas conforme descrito anteriormente, o nível de extrusão
situações em que os caninos e centrais possuem o mesmo não deve violar as guias de lateralidade2.
comprimento2, se o clínico seguir rigorosamente este pa- Outro parâmetro estético divulgado é o posicionamento
râmetro, poderá posicionar a borda incisal dos centrais no dos zênites gengivais, definidos como os pontos mais apicais
mesmo nível, ou acima, dos caninos. Assim, arcos do sorriso do contorno das margens gengivais. Em uma análise frontal
planos ou invertidos poderão ser criados, respectivamente, dos dentes na zona estética, esse ponto estaria localizado no
representando sorrisos antiestéticos. centro das coroas ou levemente para distal. Por outro lado,
Essa dúvida clínica possui foco no seguinte questio- com base nos limites de aceitabilidade da presença de assi-
namento: qual é o parâmetro estético mais importante? metrias no sorriso (Fig. 11), mudanças nos zênites gengivais
O contorno incisal (estética branca) ou o design gengival dificilmente impactarão negativamente o sorriso.
(estética rosa)? Em um trabalho publicado na literatura, Após estabelecer o design ideal das margens gengivais
correlacionamos a percepção da estética em uma avaliação na zona estética, faz-se necessário lembrar que, em muitas
do sorriso completo, com o sorriso somente mostrando situações clínicas, teremos assimetrias gengivais entre esses
as bordas incisais e, por fim, num sorriso mostrando as dentes. Conforme mencionado anteriormente, quando
margens gengivais2. O resultado foi que o desenho incisal assimetrias ocorrem entre as bordas incisais dos centrais,

A B

Figura 18 - Dois diferentes tipos de design das margens gengivais: A) clássico; margens dos caninos e centrais niveladas, e dos laterais levemente abaixo. B) Modi-
ficado; margens dos centrais abaixo dos caninos e margem dos laterais niveladas com os centrais ou levemente abaixo desses.

© 2014 Dental Press Journal of Orthodontics 148 Dental Press J Orthod. 2014 July-Aug;19(4):136-57
Machado AW tópico especial

Figura 19 - Duas condições clínicas com assime-


trias gengivais na zona estética, com diferentes
necessidade de tratamento: A) real necessidade
de intervenção devido à grande exposição do
problema no sorriso; e B) sorriso sem exposição
das assimetrias gengivais, demonstrando não ser
B mandatório tratá-las.

Frente a uma situação de discrepâncias gengivais entre


centrais (Fig. 20), existem, basicamente, três estratégias de
tratamento para correção: a) gengivoplastia do central com
menor altura; b) a intrusão de um dos centrais e restauração
incisal desse; e c) a extrusão de um dos centrais e seu poste-
rior desgaste incisal28. Para a definição do tratamento ideal,
o primeiro passo a ser seguido é testar o 2º mandamento
(proporção e simetria dos incisivos centrais superiores) e
Figura 20 - Assimetria gengival entre centrais superiores. estabelecer qual é o incisivo central considerado padrão-
-ouro, que, neste exemplo, seria o direito (elemento 11).
mesmo que pequenas, elas são bastante antiestéticas1. E as Assim, as opções seriam a gengivoplastia (a) ou a intru-
assimetrias gengivais? Elas são detectadas pelos leigos? Se- são (b). Para definir o planejamento, é necessário localizar
gundo alguns estudos, assimetrias gengivais de até 1,5 a a junção cemento-esmalte por meio de sondagem clínica e
2,0mm, entre centrais11,14, não são perceptíveis aos leigos. radiografia periapical ou tomografia, definindo a viabilida-
Em outro trabalho realizado na UFBA, testamos o impacto de ou não da gengivoplastia.
estético dessas assimetrias gengivais entre caninos16 e encon- A Figura 21 ilustra uma situação clínica de uma paciente
tramos o mesmo limite de percepção (1,5 a 2,0mm) para os que, após a remoção dos aparelhos ortodônticos fixos, obte-
leigos. Estes achados ressaltam, mais uma vez, que a estética ve uma melhora na estética do sorriso, porém, ainda possuía
branca é mais importante do que a estética rosa (Fig. 11). discrepância entre as margens gengivais e entre as bordas
Embora resultados de algumas pesquisas sejam oti- incisais dos centrais. O tratamento indicado foi a realização
mistas com relação ao impacto estético dessas assime- de gengivoplastia no central direito e restauração estética no
trias11,14, o 5º mandamento estabelece que, após a obten- esquerdo, contemplando, com isso, todos os mandamentos
ção do design gengival ideal, descrito anteriormente, seja descritos anteriormente.
este o clássico ou o modificado, eventuais assimetrias
localizadas devem ser corrigidas, desde que estejam evi-
Resumo do 5º mandamento
dentes no sorriso. Sorrisos que expõem tecido gengival
» A margem gengival dos centrais deve ficar ao mes-
mostrarão tais assimetrias e, assim, devem ser tratados.
mo nível ou levemente (0,5 a 1,0mm) abaixo dos caninos.
Porém, para sorrisos que não expõem tecido gengival
» A margem gengival dos laterais deve ficar ao mes-
talvez não sejam necessárias correções (Fig.  19). Vale
mo nível dos centrais ou levemente (0,5mm) abaixo.
acrescentar que, caso essas discrepâncias sejam visíveis
» Tratamentos multidisciplinares são necessários
no sorriso e localizadas próximas à linha média, a neces-
para o ajuste do design gengival ideal.
sidade de correção torna-se ainda mais crítica.

© 2014 Dental Press Journal of Orthodontics 149 Dental Press J Orthod. 2014 July-Aug;19(4):136-57
tópico especial Os 10 mandamentos da estética do sorriso

A B C

Figura 21 - Caso clínico exemplificando a correção de assimetria gengival e incisal: A) sorriso inicial; B) resultado após o tratamento ortodôntico e C) sorriso final.

6º mandamento ‒ Exposição gengival Os dois principais aspectos a serem ressaltados


Entre as diversas características do sorriso, torna-se sobre este tópico são: a) a necessidade de elaborar
fundamental a avaliação da quantidade de exposição dos um plano de tratamento segundo a etiologia primá-
dentes e do tecido gengival na zona estética. Segundo ria do caso, evitando, assim, eventuais insucessos;
o trabalho clássico de Tjan et al.23, essa característica é e, b) evitar, ao máximo, a intrusão dos incisivos
definida pela linha do sorriso, podendo ser classificada superiores, respeitando os pontos discutidos ante-
em sorriso alto, médio ou baixo (Fig. 22). riormente. Um erro clínico comum é a tentativa
É importante compreender que, para se alcançar de intrusão dos incisivos superiores para minimi-
um sorriso ideal, não é necessário eliminar a exposi- zar a exposição gengival nos casos em que o arco
ção de tecido gengival. Muitos artistas de televisão, do sorriso encontra-se normal. Nessas situações, a
modelos e pessoas tidas como modelos de identifi- perda do design ideal do contorno incisal do sorriso
cação de beleza expõem, durante o sorriso, todo o (1º mandamento) pode ser muito mais deletéria do
comprimento dos dentes e, com frequência, pequena que a exposição de tecido gengival.
faixa de tecido gengival. Como citado anteriormen- Para exemplificar esse conceito, a Figura 23 ilus-
te, expor mais incisivos, bem como pequena faixa de tra uma situação clínica de um sorriso com extensa
gengiva no sorriso, além de ser considerado estético faixa de tecido gengival. O tratamento ortodôntico
é uma característica de jovialidade. O ponto prin- foi conduzido com extrações de primeiros pré-mo-
cipal de discussão clínica e científica é exatamente lares. Após a remoção dos aparelhos fixos, a paciente
este: expor tecido gengival no sorriso seria estéti- foi encaminhada para gengivoplastia e confecção de
co? Se sim, qual a quantidade de exposição gengival facetas laminadas na zona estética. Em seguida, com
ideal? Ou, até quanto de exposição seria aceitável? o auxílio de procedimentos dermatológicos5, como o
Segundo a literatura, expor tecido gengival no uso da toxina botulínica, a faixa de tecido gengival
sorriso, per se, não é uma característica negativa11,14,15. do sorriso foi diminuída, alcançando um resultado
Em pesquisa realizada na UFBA15, encontramos que bastante satisfatório do ponto de vista estético. Res-
o limite máximo de exposição de tecido gengival salta-se que, mesmo frente a um sorriso gengival, o
seria de 3,0mm, corroborando outros trabalhos da 1º mandamento foi contemplado, com um arco do
literatura11,14. Assim, sorrisos com até 3,0mm de ex- sorriso ideal e adequados design das bordas incisais e
posição são plenamente aceitáveis, enquanto maio- design gengival modificado.
res do que este valor são considerados antiestéticos.
Baseado nestes achados, entre os diferentes tipos de
Resumo do 6º mandamento
sorriso (alto, médio e baixo – Fig. 22), o 6º manda-
» Exposições gengivais até 3mm não são anties-
mento sugere que o sorriso mais estético é o alto,
téticas.
com a faixa de exposição de até 3,0mm, seguido do
» Evitar a intrusão de incisivos superiores, prin-
médio e, por último, o baixo.
cipalmente centrais.
Como o tema “sorriso gengival” é bastante extenso,
» O tratamento do sorriso gengival deve ser
não será detalhadamente abordado no presente artigo.
norteado pela etiologia.
Por isso, sugerimos leitura complementar29.

© 2014 Dental Press Journal of Orthodontics 150 Dental Press J Orthod. 2014 July-Aug;19(4):136-57
Machado AW tópico especial

A B C

Figura 22 - Diferentes linhas do sorriso, segundo Tjan et al. A) sorriso alto, caracterizado pela exposição total das coroas clínicas e uma faixa contínua de tecido
23

gengival; B) sorriso médio, quando tona-se visível grande parte (75%) ou a totalidade (100%) das coroas clínicas e apenas as papilas interdentárias ou interproximais;
C) sorriso baixo, caracterizado pela exposição de menos de 75% das coroas clínicas e nenhum nível de tecido gengival.

A B C

Figura 23 - Caso clínico exemplificando o tratamento de uma paciente com sorriso gengival: A) sorriso inicial; B) resultado após o tratamento ortodôntico, ilustran-
do a manutenção do design incisal ideal; e C) sorriso final.

7º mandamento ‒ Corredor bucal De fato, quando comparamos essa característica com


A definição de "corredor bucal" é o espaço bilate- as descritas anteriormente, percebemos que o corredor
ral entre a superfície vestibular dos dentes posterossu- bucal não é um aspecto tão crítico na estética do sorriso.
periores visíveis e a comissura labial, durante o sorriso Mesmo assim, o 7º mandamento estabelece que corre-
(Fig.  24A)8,9. Basicamente, existem três tipos de cor- dores bucais intermediários são os ideais, seguidos dos
redores bucais: a) amplos, aqueles que costumam ser estreitos ou inexistentes. Assim, nos casos de corredores
acompanhados por arcadas dentárias superiores estreitas bucais amplos, sugere-se a expansão rápida da maxila e/
(Fig. 24B); b) intermediários, acompanhados por arcadas ou expansão dentária, quando bem indicada, para auxi-
com dimensões transversais intermediárias (Fig. 24C); e liar na otimização da estética do sorriso.
c) estreitos ou inexistentes, quando associados a arcadas
dentárias bastante amplas transversalmente (Fig. 24D). Resumo do 7º mandamento
A literatura é controversa sobre o impacto estético desses » O corredor bucal não é um aspecto crítico na
tipos de corredores bucais no sorriso, com alguns trabalhos estética do sorriso.
mostrando que diferentes tipos de corredores bucais não afe- » Corredores intermediários são os mais atrati-
tam a estética do sorriso e outros que afetam. Em outra pes- vos, e os amplos (arcos estreitos) são os mais anties-
quisa conduzida na UFBA13, encontramos que corredores téticos.
intermediários são mais estéticos quando comparados aos » Evitar corredores amplos, indicando a expan-
amplos e estreitos. Seguindo essa mesma tendência, corre- são maxilar, quando for necessária.
dores bucais amplos são os mais antiestéticos12,13.

© 2014 Dental Press Journal of Orthodontics 151 Dental Press J Orthod. 2014 July-Aug;19(4):136-57
tópico especial Os 10 mandamentos da estética do sorriso

A B C D

Figura 24 - Corredor bucal e seus tipos: A) localização do corredor bucal no sorriso; B) corredor bucal amplo; C) corredor bucal intermediário; e D) corredor bucal
estreito.

8º mandamento Assim, alterações nas angulações dos incisivos devem ser


Linha média e angulação dentária pesquisadas tanto em vista frontal quanto lateral do sorriso.
Semelhante ao corredor bucal, o papel dos desvios de A Figura 26 ilustra um caso com ambos os proble-
linha média na estética do sorriso é controverso. Quan- mas: desvio de linha média e alteração nas angulações
do o desvio de linha média está presente, é pouco per- dentárias na zona estética. É facilmente perceptível que
ceptível aos leigos. Segundo a literatura, desvios de até o segundo problema é mandatório em detrimento ao
3 a 4mm não são detectados pelos leigos11,14. Isso pode primeiro. Foi utilizado um mini-implante para a corre-
explicar porque alguns artistas e modelos famosos pos- ção das angulações alteradas e, ao devolver o paralelismo
suem desvios de linha média grosseiros e, mesmo, assim, entre bordas incisais dos centrais e linha interpupilar, o
são tidos como modelos de identificação de beleza. ganho estético foi notório.
Se, por um lado, desvios de linha média são pouco Embora a literatura estabeleça o limite de percepção
perceptíveis aos leigos, alterações nas angulações dentárias pelos leigos entre 3 e 4mm para a detecção de desvios
na zona estética, individuais ou em grupo, são muito mais de linha média, e de até 2,0mm para alterações nas an-
deletérias ao sorriso. Segundo a literatura14, alterações nas gulações, o 8º mandamento sugere que desvios de linha
angulações dos dentes anteriores, em uma vista frontal, de média a partir de 2,0mm e qualquer nível de angulação
2,0mm, já são detectadas como antiestéticas pelos leigos e, dentária alterada devem ser corrigidos.
assim, devem ser tratadas. Para a correção dessas discrepân-
cias angulares, o ponto de partida deve ser uma orientação
Resumo do 8º mandamento
clínica clássica na literatura estética odontológica: a linha
» Desvios de linha média são menos relevantes
das bordas incisais dos centrais deve ser paralela à linha in-
do que alterações na angulação de dentes na zona
terpupilar7,8,9. Não se deve esquecer das alterações no tor-
estética.
que dos incisivos, principalmente centrais, em uma vista
» Desvios de linha média a partir de 2,0mm e
lateral do sorriso. Este tipo de análise deve ser considerada,
qualquer nível de angulação dentária alterada de-
pois, nessa visão, as pessoas avaliam a estética de um ângulo
vem ser corrigidos.
diferente daquele visto em uma análise frontal (Fig. 25)3.

A B C

Figura 25 - Importância da avaliação da angulação dos incisivos numa vista lateral: A) torque ideal; B) avaliação em uma tomada oblíqua; e C) análise em uma
tomada perpendicular.

© 2014 Dental Press Journal of Orthodontics 152 Dental Press J Orthod. 2014 July-Aug;19(4):136-57
Machado AW tópico especial

Figura 26 - Caso clínico ilustrando o impacto negativo da alteração da angulação dos incisivos em uma vista frontal: A) frontal inicial e do sorriso; B) resultado
intermediário após a correção do plano incisal e das angulações com o auxílio de mini-implante.

9º Mandamento ocupado pela papila e a outra metade pelo ponto de


Cor e anatomia dentária contato (Fig.  28)28. Assim, desgastes interproximais
Os procedimentos relacionados a este mandamento, ge- foram realizados para posicionar o ponto de contato
ralmente, são realizados na fase de finalização ortodôntica. no meio das coroas clínicas, favorecendo o fechamen-
Basicamente, o 9º mandamento estabelece três procedi- to dos triângulos negros e o preenchimento papilar
mentos que auxiliam no refinamento estético dos casos: a) o ideal (Fig.  27C). Com o objetivo de refinar a esté-
clareamento dentário; b) o ajuste dos pontos de contato; e tica do contorno das bordas incisais, leves desgastes
c) a reanatomização das bordas incisais da zona estética. também foram realizados para o aprimoramento das
A Figura 27A ilustra uma situação clínica de fi- embrasuras (ou ameias) incisais, maximizando, assim,
nalização ortodôntica. Nesse exemplo, o seguinte a estética e a jovialidade do sorriso (Fig. 27C, 29).
questionamento pode ser realizado: o que está faltan-
do nesse caso? Uma vista aproximada dos dentes da Resumo do 9º mandamento
zona estética demonstra a presença de triângulos ne- » Clareamentos dentários são bem indicados
gros e a ausência de papila nos espaços interproximais para aprimorar os resultados.
(Fig. 27B). É sabido que as papilas devem preencher » Ajustes dos pontos de contato são necessários
os espaços interdentários até o ponto de contato. Po- para corrigir eventuais triângulos negros.
rém, quando este está inadequado, espaços remanes- » Ameloplastias por desgaste ou acréscimo para
centes podem existir. Como a relação papila/ponto de otimizar a estética do desenho incisal.
contato nos centrais é de 1:1, metade do espaço será

© 2014 Dental Press Journal of Orthodontics 153 Dental Press J Orthod. 2014 July-Aug;19(4):136-57
tópico especial Os 10 mandamentos da estética do sorriso

Figura 27 - Caso clínico ilustrando a importância do detalhamento e anatomia dentária: A) fase de finalização ortodôntica; B) vistas aproximadas da zona estética,
mostrando a presença de triângulos negros devido à presença de pontos de contatos inadequados; C) resultado após reanatomizações dentárias.

Figura 28 - Esquema ilustrando a localização ideal do ponto de contato entre Figura 29 - Esquema ilustrando o arranjo ideal das embrasuras (ameias) inci-
incisivos centrais para facilitar o preenchimento dos espaços interproximais sais, mostrando um aumento natural e progressivo dos centrais aos caninos.
pelas papilas interdentárias.

10º mandamento ‒ Volume labial volume dos lábios5,30. A exemplo disso, as Figuras 30 e
O último mandamento está associado à estrutura 31 ilustram um caso clínico de um paciente com 38 anos
que emoldura os sorrisos: os lábios. Como mencionado de idade, com mordida profunda e extrema redução da
anteriormente, o padrão atual de beleza do “novo sécu- exposição do vermelhão dos lábios. Após a correção da
lo” é composto não só por belos sorrisos, mas também mordida profunda e projeção de incisivos, principal-
por lábios volumosos e uma maior exposição de incisi- mente inferiores, ocorreu melhora significativa no vo-
vos superiores no sorriso, em repouso e durante a fala. lume labial, maximizando a estética labial e, também,
Segundo a literatura, o posicionamento anteropos- rejuvenescendo o paciente. Ressalta-se que, mesmo
terior dos dentes desempenha papel fundamental no frente a uma mordida bastante profunda, nenhum tipo

© 2014 Dental Press Journal of Orthodontics 154 Dental Press J Orthod. 2014 July-Aug;19(4):136-57
Machado AW tópico especial

de intrusão foi realizada nos dentes superiores, para evi- lábios finos. Após tratamento ortodôntico e abordagem
tar o envelhecimento do sorriso. Vale lembrar, ainda, dermatológica, por meio de preenchimento com ácido
que se deve ter muita cautela frente à decisão de realizar hialurônico, o resultado alcançou um sorriso agradável
retrações dentárias, pois o volume labial pode diminuir, em conjunto com lábios mais volumosos, contemplan-
tornando os lábios mais finos e menos estéticos. do, assim, o 10º mandamento (volume labial).
Outra opção terapêutica que pode ser sugerida pelo
ortodontista é o tratamento multidisciplinar por meio Resumo do 10º mandamento
do uso de agentes preenchedores para aumentar o vo- » Lábios volumosos são o padrão atual de beleza.
lume labial. Este tema é extenso e, por isso, sugere-se » Cuidado nas retrações de dentes anteriores,
leitura complementar5,30. para não impactar negativamente no volume labial.
Para exemplificar o uso de preenchedores labiais, » Parcerias com a Dermatologia são necessárias
as Figuras 32 e 33 ilustram um caso de apinhamen- para a realização de possíveis preenchimentos labiais.
to moderado, com um sorriso bastante desagradável e

Figura 30 - Caso clínico exemplificando o ganho


de volume labial pós-tratamento ortodôntico:
A) iniciais; B) finais; C) perfil inicial, mostrando lá-
bios finos; e D) perfil final, mostrando o ganho no
C D volume labial.

© 2014 Dental Press Journal of Orthodontics 155 Dental Press J Orthod. 2014 July-Aug;19(4):136-57
tópico especial Os 10 mandamentos da estética do sorriso

Figura 31 - Caso clínico apresentado na Figura 30:


A B A) sorriso inicial e B) sorriso final.

Figura 32 - Caso clínico exemplificando um trata-


mento multidisciplinar entre Ortodontia e Derma-
tologia, para correção do sorriso e do volume la-
bial: A) iniciais; B) finais; C) perfil inicial, mostrando
lábios finos; e D) perfil final, mostrando o ganho
no volume labial após o uso de agentes de pre-
enchimento.
C D

Figura 33 - Caso clínico apresentado na Figura 32:


A) sorriso inicial e B) sorriso final, mostrando o ga-
A B nho estético com o tratamento multidisciplinar.

© 2014 Dental Press Journal of Orthodontics 156 Dental Press J Orthod. 2014 July-Aug;19(4):136-57
Machado AW tópico especial

CONSIDERAÇÕES FINAIS
O protocolo apresentado — Os 10 mandamentos da Vale ressaltar a necessidade de discussão desses aspec-
estética do sorriso — serve como um ponto de partida tos com os pacientes, com o objetivo de individualizar
para os clínicos que desejam alcançar estética máxima os planejamentos, contemplando, assim, seus desejos
nos tratamentos odontológicos. Entre os aspectos anali- e anseios. Por fim, lembramos que, com o objetivo de
sados, especial atenção deve ser direcionada aos quatro alcançar resultados estéticos ideais, é fundamental tra-
primeiros mandamentos, relacionados à dominância dos balhar em equipe, ou seja, na maioria das vezes serão
incisivos centrais no sorriso. necessários tratamentos multidisciplinares.

Referências

1. Machado AW, Moon W, Gandini Jr LG. Influence of maxillary incisor edge 16. Correa BD, Bittencourt MAV, Machado AW. Influence of maxillary canine
asymmetries on the perception of smile esthetics among orthodontists gingival margin asymmetries on the perception of smile esthetics
and laypersons. Am J Orthod Dentofacial Orthop. 2013 143(5):658-64. among orthodontists and laypersons. Am J Orthod Dentofacial Orthop
2. Machado AW, McComb R, Moon W, Gandini Jr LG. Influence of the vertical 2014;145:55-63.
position of maxillary central incisors on the perception of smile esthetics 17. Yarbus AL. Eye movements and vision. New York: Plenum Press; 1967.
among orthodontists and laypersons. J Esthetic Rest Dent. 2013 25(6): 18. Thompson LA, Malmberg J, Goodel MK, Boring RL. The distribution of
392–401. attention across a talker’s face. Discourse Process. 2004 28(1)145-68.
3. Machado AW, Moon W, Campos E, Gandini Jr LG. Influence of spacing 19. Schabel BJ, McNamara JA, Baccetti T, Franchi L, Jamieson SA. The
in the upper lateral incisor area on the perception of smile esthetics relationship between posttreatment smile esthetics and the ABO Objective
among orthodontists and laypersons. Journal of the World Federation of Grading System. Angle Orthod. 2008 78(4):579-84..
Orthodontists. 2013 25(2): e169e174. 20. Van Der Geld P, Oosterveld P, Berge SJ, Kuijpers-Jagtman AM. Tooth
4. Camara CALP. Estética em Ortodontia: Diagramas de Referências Estéticas display and lip position during spontaneous and posed smiling in adults.
Dentárias (DRED) e Faciais (DREF). R Dental Press Ortodon Ortop Facial. Acta Odontol Scand. 2008 66(4):207-13.
2006 11(6)1308-56. 21. Rubin LR. The anatomy of a smile: its importance in the treatment of facial
5. Camara CA. Estética em Ortodontia: seis linhas horizontais do sorriso. paralysis. Plast Reconstr Surg. 1974 53:384-7.
Dental Press J Orthod. 2010 15(1)118-31. 22. Machado AW, Souki, BQ. Simplificando a obtenção e a utilização de
6. Machado AW, Santos TC, Araujo TM, Gandini Jr LG. The role of imagens digitais - scanners e câmeras digitais. R Dental Press Ortodon
orthodontics as an auxiliary tool to lip augmentation. An Bras Dermatol Ortop Facial. 2004 9(4)133-156.
2011 86(4):773-77. 23. Tjan AH, Miller GD, The JG. Some esthetic factors in a smile. J Prosthet
7. Lombardi RE. The principles of visual perception and their clinical Dent. 1984:51(1):24-8.
application to denture esthetics. J Prosthet Dent. 1973 29 (4):358-82. 24. Vig RG, Brundo GC. The kinetics of anterior tooth display. J Prosthet Dent.
8. Rufenacht CR. Fundamentals of esthetics. Chicago: Quintessence; 1990. 1978:39(5):502-4.
9. Chiche G, Pinault A. Esthetics of anterior fixed prosthodontics. Chicago: 25. Wolfart S, Thormann H, Freitag S, Kern M. Assessment of dental
Quintessence; 1994. appearance following changes in incisor proportions. Eur J Oral Sci.
10. Van der Geld P, Oosterveld P, Heck GV, Kuijpers-Jagtman AM. Smile 2005;113(2):159-65.
attractiveness: self-perception and Influence on Personality. Angle Orthod. 26. Levin EI. Dental esthetics and the golden proportion. J Prosthet Dent.
2007 77(5):759-775. 1978;40(3):244-52.
11. Kokich VO, Kiyak HA, Shapiro PA. Comparing the perception of dentists 27. Bukhary SMN, Gill DS, Tredwin CJ, Moles DR. The influence of varying
and lay people to altered dental esthetics. J Esthet Dent. 1999 11(6):311- maxillary lateral incisor dimensions on perceived smile aesthetics. Br Dent
324. J. 2007;22(12):687-93.
12. Krishnan V, Daniel ST, Lazar D, Asok A. Characterization of posed smile by 28. Kokich VG. Adjuntive role of orthodontic therapy. St Louis: Saunders –
using visual analog scale, smile arc, buccal corridor measures, and modified Elsevier; 2006.
smile index. Am J Orthod Dentofacial Orthop. 2008 133(4):515-23. 29. Seixas MR, Costa-Pinto RA, Araújo, TM. Checklist dos aspectos estéticos
13. Nascimento DC, Santos ER, Machado AW, Bittencourt MAV. Influence of a serem considerados no diagnóstico e tratamento do sorriso gingival.
buccal corridor dimension on smile esthetics. Dental Press J Orthod. 2012 Dental Press J Orthod. 2011:6(2):131-57.
17(5):145-50. 30. Machado AW, Santos TC, Araujo TM, Gandini Jr LG. Integração Ortodontia
14. Kokich VO, Kokich VG, Kiyak HA. Perceptions of dental professionals e Dermatologia na busca da excelência na estética labial. Rev Clin
and laypersons to altered dental esthetics: asymmetric and symmetric Ortodon Dental Press. 2010 9(3):47-56.
situations. Am J Orthod Dentofacial Orthop. 2006 13(2):141-151.
15. Suzuki L, Machado AW, Bittencourt MAV. An evaluation of the influence
of gingival display level in the smile esthetics. Dental Press J Orthod. 2011
16(5):37-39.

© 2014 Dental Press Journal of Orthodontics 157 Dental Press J Orthod. 2014 July-Aug;19(4):136-57