Anda di halaman 1dari 56

UNIVERSIDADE DE UBERABA INFORMÁTICA APLICADA

AULA 01

A. Elementos da Interface

Barra de Títulos: Exibe o nome do programa e o nome do arquivo atualmente aberto. O


AutoCAD utiliza o nome temporário “Drawing” mais um número seqüencial até que você o
salve. Também ficam nesta barra os botões convencionais para controle de janela existente
em qualquer programa do Windows (minimizar, restaurar/maximizar e fechar).

Barra de Menus: Contém os principais comandos do AutoCAD dispostos em menus. Cada


menu corresponde a um determinado tipo de ação a ser executada dentro do programa. Os
menus são: File, Edit, View, Insert, Format, Tools, Draw, Dimension, Modify, Window e Help.

Barra de Ferramentas ou Toolbars: As toolbars oferecem uma maneira fácil de acessar os


comandos do programa, através de ícones. Existem diversas barras no AutoCAD, mas não
é necessário ativar todas, pois grande parte delas é exclusiva para a parte 3D do software.

Material Didático elaborado pela Professora Ana Carolina F. Maciel 1


UNIVERSIDADE DE UBERABA INFORMÁTICA APLICADA

Para ativá-las, clique com o botão direito do mouse em cima de qualquer ícone da tela, você
verá a figura abaixo:

Aconselha-se deixar as seguintes toolbars ativadas:


Default (Padrão de Fábrica) Aconselháveis
+ Standard + Layers + Dimension + Text
+ Properties + Modify + Inquiry + Zoom
+ Draw + Modify II

Barras de Rolagem – permitem ‘rolar’ a tela, deslocando nossa área de visualização.

Prompt de Comando: Outra forma de acessar os comandos do AutoCAD, porém é


necessário saber as teclas de atalho. Sempre que acionar um comando no AutoCAD
(independentemente da forma) aparecerá no prompt informações sobre o mesmo. É
importante estar sempre de olho nele.

Barra de Status: Nela encontra-se o contador de coordenadas e informações sobre


ativação ou não dos comandos de precisão.

Área Gráfica: Ocupando maior parte da tela, é a área de desenhos.

Cursor: Formado por duas linhas em ângulo reto, permite ao usuário movimentar-se pela
tela, indicar posições, selecionar elementos e comandos. De acordo com a função
pretendida, ele pode assumir diferentes formatos:

Cursor fora de comando / Cursor em comando de desenho / Cursor em comando de seleção

Material Didático elaborado pela Professora Ana Carolina F. Maciel 2


UNIVERSIDADE DE UBERABA INFORMÁTICA APLICADA

B. Modo de Seleção de Objetos:

PICK BOX – clique sobre o objeto.

Durante a seleção Após a seleção


WINDOW – quadro de seleção da esquerda para a direita: Só serão selecionados os objetos
que estiverem totalmente dentro da janela aberta. O retângulo da janela de seleção se
mostra com linha contínua e com preenchimento na cor Azul.

Durante a seleção Após a seleção


CROSSING – quadro de seleção da direita para a esquerda: serão selecionados todos os
objetos que estiverem totalmente dentro da janela independente se estão inteiramente
dentro da mesma ou não. O retângulo da janela de seleção se mostra com linha tracejada e
com preenchimento na cor Verde.

Durante a seleção Após a seleção


REMOÇÃO de objetos da seleção – tecla SHIFT pressionada e “Crossing” ou “Pickbox”
sobre o elemento a ser excluído da seleção.

Remoção de objetos – Pickbox


Material Didático elaborado pela Professora Ana Carolina F. Maciel 3
UNIVERSIDADE DE UBERABA INFORMÁTICA APLICADA

Remoção de objetos - Crossing


C. Ferramentas básicas

UNDO (U ↵ ou Ctrl +Z ou ainda Edit → Undo): Permite voltar atrás nas ações feitas,
na ordem inversa de sua realização. Cuidado para não desfazer as ações rápido demais e
voltar mais do que o necessário.

REDO (Ctrl + Y ou Edit → Redo): Refaz a última ação desfeita, ou seja, desfaz o
Undo. O Redo desfaz quantos Undos tiverem sido realizados e só funciona imediatamente
após o Undo. Cuidado com o Zoom do mouse (bolinha), pois ele inibe o uso do Redo.

DISTANCE (DI ↵): Permite a verificação de medidas através do clique em dois pontos.
 Ative o comando;
 Clique em um ponto, clique no segundo ponto.

D. Ferramentas de Precisão

Todas as ferramentas de precisão são ativadas de duas formas: Barra de Status


(figura acima) e uma das funções F do teclado (F3, F7, F8...). Para editar qualquer um dos
comandos pode-se clicar com o botão direito em cima da função e settings, ou Tools →
Drafting Settings.

(F8): Esta ferramenta restringe o movimento do cursor nas direções horizontal e


vertical. Trava o movimento de forma que, se o usuário esbarrar no mouse o objeto não seja
desenhado fora da direção desejada.

(F10): Esta ferramenta permite desenhar em ângulos, previamente configurados


(botão direito em Polar na barra de Status e Settings). O Polar irá encontrar sempre o
ângulo zero, o ângulo pré-determinado e todas as variáveis do mesmo. É sempre bom
lembrar que nem sempre o Polar irá encontrar os ângulos 90°, 180° e 270°.
Material Didático elaborado pela Professora Ana Carolina F. Maciel 4
UNIVERSIDADE DE UBERABA INFORMÁTICA APLICADA

Exemplo 1: Se o ângulo 20° for estabelecido para o Polar, serão encontrados os


ângulos: 0°, 20°, 40°, 60°, 80°, 100°, 120°... Repare que dentre as variáveis do mesmo o 90°
não foi encontrado.
Exemplo 2: Se o ângulo 45° for estabelecido para o Polar, serão encontrados os
ângulos: 0°, 45°, 90°, 135°, 180°, 225°, 270°, 315° e 360° ou 0°. Neste exemplo já
encontramos todos os ângulos retos.

(F3): Permite trabalhar com precisões. Ferramentas fundamentais para um


desenho de qualidade no AutoCAD. Esta ferramenta capta os pontos chaves dos objetos.
· ENDPOINT: Ponto final (extremidade) de uma entidade.
· MIDPOINT: Ponto médio de uma entidade.
· CENTER: Centro de uma circunferência, arco ou elipse.
· NODE: Capta objetos ponto.
· QUADRANT: Quadrante de uma circunferência, arco ou elipse (0º, 90º, 180º e 270º).
· INTERSECTION: Intersecção de duas entidades.
· EXTENSION: Capta um ponto resultante da extensão de outro.
· INSERTION: Capta o ponto de inserção de um bloco ou texto.
· PERPENDICULAR: Capta um ponto perpendicular em relação a outro.
· TANGENT: Ponto tangente em relação a outro.
· NEAREST: Capta um ponto mais próximo do selecionado sobre um objeto.
· APPARENT INTERSECTION: Capta um ponto que representa o cruzamento aparente
de dois objetos. Esta ferramenta é usada somente em 3D.
· PARALLEL: Capta um ponto paralelo em relação a outro.

Material Didático elaborado pela Professora Ana Carolina F. Maciel 5


UNIVERSIDADE DE UBERABA INFORMÁTICA APLICADA

(F11): Permite localizar pontos no espaço a partir da projeção de pontos de um


ou mais objetos. Ainda permite iniciar um objeto a certa medida a partir de outro objeto.
Exemplo1: É possível localizar o centro de um retângulo projetando-se o ponto médio
de dois de seus lados. Com esse ponto localizado, pode-se então desenhar um círculo.

Exemplo 2: Através do Endpoint do canto direito inferior do retângulo digitamos um


valor de 100 para começar a desenhar o círculo 100 a partir desse canto.

(F12): Dynamic Input, essa ferramenta permite a visualização das informações do


prompt de comando perto do cursor. Durante um comando o Dyn ainda oferece as
informações de comprimento, ângulo e raio de um arco ou círculo, de uma maneira
interativa, ou seja, as medidas vão modificando conforme o cursor se movimenta na tela.
Exemplo: Ao fazer uma linha o Dyn mostra qual será o primeiro passo do comando e
as coordenadas absolutas de onde o cursor se encontra. Ao fazer o primeiro clique o Dyn
mostra qual é o próximo passo, o comprimento da linha e o ângulo que a mesma faz com o
ângulo 0°, tudo de forma interativa.

CUIDADO: O Dynamic Input não substitui o Prompt de Comando e o Polar. Os dados


mostrados por ele são ilustrativos, não representam ângulo e distância de forma totalmente
precisa.
Material Didático elaborado pela Professora Ana Carolina F. Maciel 6
UNIVERSIDADE DE UBERABA INFORMÁTICA APLICADA

E. Ferramentas de Zoom

PAN (P ↵ ou View → Pan → Pan Realtime): Este comando permite arrastar a


imagem na área de trabalho, em tempo real, sem alteração de zoom. Para deslocar o
desenho na tela basta clicar com o botão esquerdo do mouse e mantê-lo pressionado
enquanto o movimenta. Para terminar o comando, ENTER ou clique com o botão direito do
mouse e escolha a opção Enter. Pode-se utilizar o PAN com a bolinha do mouse, basta
clicar e mantê-la pressionada enquanto movimenta o mouse.

ZOOM REALTIME (Z ↵ ↵ ou View → Zoom → Zoom Realtime): Amplia ou reduz a


área de visualização em tempo real. Pressionando o botão esquerdo do mouse e
arrastando-o para baixo afasta-se o desenho. Arrastando-o para cima aproxima-se do
desenho. Para finalizar este comando, ENTER, ou clique com o botão direito do mouse e
escolha a opção Enter. Temos uma opção parecida com este zoom no scroll do mouse,
basta movimentá-lo para frente ou para trás que a imagem aumentará ou diminuirá,
respectivamente. Porém, o zoom do mouse não trabalha somente com o centro da imagem,
é possível focar em determinado ponto do desenho que o mesmo aumenta ou diminui
conforme o movimento.

ZOOM WINDOW (Z ↵ ou View → Zoom → Zoom Window): Neste zoom, através de


um quadro de seleção escolhe-se a parte do desenho que se deseja aumentar. Exemplo:

ZOOM PREVIOUS (Z ↵ P ↵ ou View → Zoom →): Retorna ao zoom anterior. Pode-


se clicar várias vezes consecutivas nesse comando, retornando todas as visualizações
possíveis. Só desfaz zoom, não desfaz outros comandos.

Material Didático elaborado pela Professora Ana Carolina F. Maciel 7


UNIVERSIDADE DE UBERABA INFORMÁTICA APLICADA

BARRA ZOOM (SEPARADA):

ZOOM EXTENTS (Z ↵ E ↵ ou View → Zoom → Zoom Extends): Visualiza todo o


desenho centralizando o mesmo na tela, independente do zero absoluto do AutoCAD.
Exemplo:

F. Ferramentas

LINE (L ↵): Permite desenhar segmentos de linha, por meio da informação de pontos
na tela. Para informar esses pontos utilize as funções Polar e/ou Ortho.
 Ative a ferramenta Line e clique em um ponto qualquer da tela (P1);
 Com o Polar e/ou Ortho ativado indique a direção da linha e digite o valor, ↵ ↵.

Dicas: 1) A opção CLOSE (obtida ao digitarmos a letra ‘c’ pelo teclado) fecha a figura.
2) A opção UNDO desfaz o último segmento de reta realizado, desde que ainda
dentro do comando LINE. Os segmentos são considerados entidades independentes.

ERASE (E ↵): Apaga entidades.


 Ative o comando Erase;
 Selecione os objetos e ↵.
Obs: Outra forma de apagar objetos no AutoCAD: Selecione os objetos (fora de comando) e
delete (do teclado).

Material Didático elaborado pela Professora Ana Carolina F. Maciel 8


UNIVERSIDADE DE UBERABA INFORMÁTICA APLICADA

EXERCÍCIOS:

Material Didático elaborado pela Professora Ana Carolina F. Maciel 9


UNIVERSIDADE DE UBERABA INFORMÁTICA APLICADA

AULA 02

A. Ferramentas

RECTANGLE (REC ↵): É uma polyline fechada de 04 lados.


 Ative o comando Rectangle e clique em um canto;
 Digite os valores para o retângulo em forma de coordenada x,y; ↵. Exemplo: 100,50

Coordenada X é sempre horizontal, coordenada Y é sempre vertical!!!


Lembre-se de deixar a ferramenta de precisão Dyn ativada, senão o retângulo não sairá
com o tamanho correto.

CIRCLE (C ↵): Existem duas maneiras básicas de se criar um círculo:

1ª Opção 2ª Opção
1ª Opção:
 Ative o comando Circle e clique no centro do círculo;
 Digite o raio, ↵.
2ª Opção:
 Ative o comando Circle e clique no centro do círculo;
 Clique no Botão Direito (BD) e escolha a sup-opção Diameter;
 Digite o Diâmetro e ↵.
Material Didático elaborado pela Professora Ana Carolina F. Maciel 10
UNIVERSIDADE DE UBERABA INFORMÁTICA APLICADA

OFFSET (O ↵): Cria um objeto paralelo ao original. No caso de linhas, a cópia paralela
possui o mesmo tamanho da original, em formas como retângulos e círculos a cópia fica
proporcionalmente menor ou maior do que o objeto inicial.
 Ative o comando Offset;
 Defina a distância entre os objetos;
 Selecione o objeto a ser duplicado;
 Clique no lado que deseja que a cópia fique.

Obs.: Quando se deseja mudar a distância das cópias paralelas devemos sair e entrar de
novo no comando OFFSET, pois a distância das cópias só é determinada no início do
comando.

TRIM (TR ↵): Corta objetos a partir de suas intersecções com outro(s).
 Ative o comando Trim;
 Enter para ativar a sub-opção do comado <select all>, que significa que todos os
objetos funcionarão como barreira;
 Selecione os objetos a serem cortados.
Obs.: Objetos inteiros não podem ser cortados.

Material Didático elaborado pela Professora Ana Carolina F. Maciel 11


UNIVERSIDADE DE UBERABA INFORMÁTICA APLICADA

EXTEND (EX ↵): Parecido com o Trim, é utilizado para estender um objeto até um
outro.
 Ative o comando Extend;
 Enter para ativar a sub-opção do comado <select all>, que significa que todos os
objetos funcionarão como barreira;
 Selecione os objetos a serem estendidos (eles chegarão na primeira barreira que
encontrarem e assim por diante).

EXPLODE (X ↵): Este comando desagrupa objetos compostos como: Polyline,


Rectangle, Polygon, Block, entre outros. Esse comando é muito útil quando se deseja
modificar as medidas de um bloco para criar outro a partir do primeiro, ou dar offset de um
dos lados de um retângulo ou polígono, por exemplo.

COPY (CO ↵ ou CP ↵): Copia objetos através de um ponto base de referência.


Existem duas formas de copiar, de ponto a ponto ou com medidas.

1ª Opção 2ª Opção
Material Didático elaborado pela Professora Ana Carolina F. Maciel 12
UNIVERSIDADE DE UBERABA INFORMÁTICA APLICADA

1ª Opção:
 Ative o comando Copy;
 Selecione os objetos a serem copiados e ↵;
 Clique em um ponto de referência (ponto de saída) do objeto;
 Clique em um segundo ponto (ponto de chegada). Podem ser feitas uma ou várias
cópias. Para finalizar o comando, ↵.
2ª Opção:
 Ative o comando Copy;
 Selecione os objetos a serem copiados e ↵;
 Clique em um ponto de referência (ponto de saída) do objeto;
 Mostre uma direção com o mouse e digite o valor desejado (valor que corresponde a
distância entre o ponto de saída e o ponto de chegada), ↵ para confirmar a medida.

MOVE (M ↵): Move objetos através de um ponto base de referência. Funciona


exatamente como o Comando Copy.
1ª Opção:
 Ative o comando Move;
 Selecione os objetos a serem movimentados e ↵;
 Clique em um ponto de referência (ponto de saída) do objeto;
 Clique em um segundo ponto (ponto de chegada).
2ª Opção:
 Ative o comando Move;
 Selecione os objetos a serem movimentados e ↵;
 Clique em um ponto de referência (ponto de saída) do objeto;
 Mostre uma direção com o mouse e digite o valor desejado (valor que corresponde a
distância entre o ponto de saída e o ponto de chegada), ↵ para confirmar a medida.

ROTATE (RO ↵): Rotaciona objetos através de um eixo de rotação.


 Ative o comando Rotate;
 Selecione os objetos a serem rotacionados e ↵;
 Clique em um ponto que será o eixo de rotação do objeto;
 Movimente o mouse para visualisar as possíveis formas de rotação e clique na
direção que deseje.

Material Didático elaborado pela Professora Ana Carolina F. Maciel 13


UNIVERSIDADE DE UBERABA INFORMÁTICA APLICADA

EXERCÍCIOS:

Exercício 4

Exercício 5

Material Didático elaborado pela Professora Ana Carolina F. Maciel 14


UNIVERSIDADE DE UBERABA INFORMÁTICA APLICADA

Exercício 6

Exercício 7

Material Didático elaborado pela Professora Ana Carolina F. Maciel 15


UNIVERSIDADE DE UBERABA INFORMÁTICA APLICADA

AULA 03

A. Ferramentas

CHAMFER (CHA ↵): Este comando permite chanfrar cantos de objetos pela
informação das medidas. Se as distâncias do chanfro forem iguais a zero, os dois objetos se
unem formando um vértice (quina viva).
 Ative o comando Chamfer;
 Selecione a sub-opção “Distance” do comado (botão direito do mouse na tela, ou
digite D no teclado) e digite a primeira distância, ↵, digite a segunda distância, ↵;
 Selecione o primeiro objeto que define o canto a ser chamfrado, depois o segundo.

Obs.: O Chamfer funciona uma única vez e suas distâncias são configurações do comando,
ou seja, serão mantidas para o próximo chamfer a ser executado.

FILLET (F ↵): Este comando permite arredondar cantos de objetos usando um raio
determinado. Se o ângulo for igual a zero, os dois objetos se unem formando um vértice
(quina viva). Se os objetos forem paralelos, mesmo que o raio seja definido como zero, será
criado um arco (semi-círculo perfeito).
 Ative o comando Fillet;
 Selecione a sub-opção “Radius” do comado (botão direito do mouse na tela, ou digite
F no teclado) e digite o raio a ser utilizado;
 Selecione o primeiro objeto que define o canto a ser arredondado, depois o segundo.

Material Didático elaborado pela Professora Ana Carolina F. Maciel 16


UNIVERSIDADE DE UBERABA INFORMÁTICA APLICADA

Obs.: O Fillet funciona uma única vez e seu raio é uma configuração do comando, ou seja,
será mantida para o próximo fillet a ser executado.

MIRROR (MI ↵): Produz objetos invertidos através da definição de uma linha
imaginária de “mirror” (eixo para espelhar os elementos selecionados).

 Ative o comando Mirror;


 Selecione os objetos a serem espelhados e ↵;
 Clique em um ponto de referência - primeiro ponto de espelho (pode ser o ponto de
um objeto ou mostrando uma direção e digitando uma medida (valor correspondente
a distância do objeto até o espelho – metade da distância entre objeto e imagem);
 Movimente o mouse até encontrar a direção desejada para a imagem e confirme
com um clique;
 Responda a pergunta que aparece: Você quer apagar o objeto fonte? Y para sim e N
para não e confirme com ↵.

Material Didático elaborado pela Professora Ana Carolina F. Maciel 17


UNIVERSIDADE DE UBERABA INFORMÁTICA APLICADA

Obs.: O Mirror pode ser usado com qualquer ângulo inclusive 30° e 45°. Exemplo:

EXERCÍCIOS:

Exercício 8

Exercício 9

Material Didático elaborado pela Professora Ana Carolina F. Maciel 18


UNIVERSIDADE DE UBERABA INFORMÁTICA APLICADA

Exercício 10

Exercício 11

Material Didático elaborado pela Professora Ana Carolina F. Maciel 19


UNIVERSIDADE DE UBERABA INFORMÁTICA APLICADA

AULA 04

A. Organizando o arquivo

LAYERS Format → Layers, ou “LA” no teclado


Os layers, ou camadas, servem para organização dos elementos do projeto. Podem
ser entendidas como camadas transparentes sobrepostas. Pode-se controlar com facilidade
a visibilidade dos elementos que compõe um desenho, visualizando estas camadas
isoladamente ou em conjunto.
Os Layers devem ser criados conforme a natureza dos elementos contidos no
projeto. Por exemplo: em um desenho de arquitetura pode-se criar layers como: Alvenaria,
Esquadrias, Texto, Cotas, Mobiliário, Piso, etc. e separar os objetos conforme os layers
criados. O layer default (padrão) é o layer 0 (zero), e por conter características especiais
deve ser utilizado como layer de apoio.
Não existe uma padronização quanto ao nome dos layers e suas características.
Deve-se criar um padrão baseado no tipo de projeto que irá ser desenvolvido. Procure
adotar nomes objetivos e claros, isso ajuda outras pessoas a entender a função de cada
layer dentro do desenho. Evite usar números, abreviações e códigos indecifráveis, ou
compreensíveis somente por você.

Barra de Ferramentas Layers

Material Didático elaborado pela Professora Ana Carolina F. Maciel 20


UNIVERSIDADE DE UBERABA INFORMÁTICA APLICADA

Características dos Layers:


 Nome (name): Pode ter até 255 caracteres, contando os espaços. Procure definir
um nome objetivo para cada layer.
 Cor (color): Podemos definir uma cor para cada layer, o que facilita na visualização
dos objetos.
 Tipo de Linha (linetype): Existem diversos tipos de linhas para diversas finalidades
e tipos de desenho. Os tipso mais comuns são a Dashed e a Hidden (tracejada).
Para utilizar um tipo de linha diferente basta clicar no tipo de linha e depois carregar
(load). Não esqueça de ativar o tipo de linha após tê-la carregado.
 Espessura de Linha (Lineweight): Define a espessura de linha a ser utilizada na
impressão por cada layers (para todos os objetos dentro daquele layer).

Estados dos Layers:

 On/Off (ligar/desligar): Exibe ou oculta objetos contido dentro do layer selecionado.


Objetos em layers desligados não aparecem na tela ou na impressão, porém podem
ser editados acidentalmente conforme o tipo de seleção.
 Freeze/Traw (congela/descongela): Parecido com o On/Off, exibe ou oculta objetos
contido dentro do layer selecionado. Objetos em layers desligados não aparecem na
tela ou na impressão, e não podem ser editados acidentalmente. Prefira utilizar este
método.
 Lock/Unlock (Tranca/Destranca): Os objetos contidos em um layer trancado podem
ser vistos, porém não podem ser apagados ou editados. Serão impressos.
 Plot: habilita/desabilita layer para impressão

Criando Layers
 Clique em “New”;
 Dê um nome para o seu layer;
 Clique sobre a cor (color) daquele layer e escolha uma outra cor (cada layer deve ter
uma cor diferente para se poder diferenciá-los, OK;

Material Didático elaborado pela Professora Ana Carolina F. Maciel 21


UNIVERSIDADE DE UBERABA INFORMÁTICA APLICADA

 Clique no tipo de linha daquele layer (Linetype);


 Para um tipo de linha diferente da padrão (continuous), clique em Load;

 Escolha o tipo de linha que deseja, OK;


 Clique sobre a linha carregada e OK;
 Clique na espessura de linha daquele layer (lineweight), escolha uma espessura,
OK.
 Depois de todos os seus layers criados, Apply e OK.

Para ativar um layer dentro do espaço do desenho (Model Space), basta clicar na
seta do lado direito na toolbar de layer, e clicar sobre o layer desejado.

Material Didático elaborado pela Professora Ana Carolina F. Maciel 22


UNIVERSIDADE DE UBERABA INFORMÁTICA APLICADA

Lista de Layers sugerido:

B. Ferramentas

PROPERTIES (CH ↵): Verifica e permite modificar informações do objeto selecionado,


tais como coordenadas de pontos (início, fim, centro,...), comprimento, layer, cor, tipo de
linha, etc.
Para linhas não contínuas (tracejadas, traço e ponto...) é muito comum modificar o
“Linetype Scale”, que modifica a escala do tracejado, por exemplo.

Material Didático elaborado pela Professora Ana Carolina F. Maciel 23


UNIVERSIDADE DE UBERABA INFORMÁTICA APLICADA

MATCH PROPERTIES (MA ↵): Copia propriedades de um objeto para outro.


Propriedades como layer, cor, tipo de linha, altura do Texto, fonte (se forem selecionados
textos), etc.
Ative o comando e selecione o objeto que possui a propriedade desejada; Clique nos
objetos que devem possuir a nova propriedade, ↵.

EXERCÍCIOS:

01) Em um arquivo novo crie a lista de layers sugeridos;


02) No Projeto 01 desenhe todas as paredes internas e externas no layer Alvenaria;
a. Marque e corte os vãos das portas e janelas no layer Alvenaria;
b. Crie todas as linhas de piso no layer Piso;
c. Crie os muros externos no layer Muro Externo;
d. Crie a projeção da Cobertura no layer Projeção.

03) Em casa, valendo o trabalho da Primeira etapa, faça as mesmas etapas do exercício
01 e 02 para o Projeto 02.

Material Didático elaborado pela Professora Ana Carolina F. Maciel 24


UNIVERSIDADE DE UBERABA INFORMÁTICA APLICADA

AULA 05

A. Criando Blocos
Bloco Externo (W ↵): Só existe através do teclado, portanto lembre-se sempre do seu
atalho.
O bloco externo nada mais é do que um arquivo do AutoCAD com um ponto de
inserção. Depois de criado, sempre estará disponível na pasta onde foi guardado,
independente de quantos Undo´s você dê no seu arquivo. Quando se cria um bloco externo,
este estará disponível para ser utilizado em qualquer arquivo futuro. Os blocos “baixados” da
internet são todos blocos externos.
Antes de iniciar a criar blocos, uma pasta deve ser criada no computador (ou pen
drive) com um nome sugestivo como “Blocos” para arquivos os blocos externos.
 Desenhe o objeto que será transformado em bloco (desenhe o objeto sempre no
layer “0” e deixe o mesmo ativado). Por exemplo: uma janela de 100x15cm;
 Ative o comando (W ↵), aparecerá a seguinte tela:

 Clique em “Pick Point”, no Model Space selecione um ponto do desenho para ser o
ponto de inserção (de preferência um dos cantos do desenho);
 De volta a caixa de diálogos, clique em “select objects”, e no Model Space selecione
todo o objeto (no exemplo, a janela inteira) através de uma janela de seleção;
Material Didático elaborado pela Professora Ana Carolina F. Maciel 25
UNIVERSIDADE DE UBERABA INFORMÁTICA APLICADA

 Em “destination”, “file name and path” clique na caixinha com “...”, selecione a pasta
criada previamente (Blocos) e dê um nome ao bloco.

Obs.: Um bloco é entendido como uma única entidade pelo programa, e pertence ao layer
onde foi inserido. Ao criar um bloco, certifique-se de que seus elementos componentes
pertencem ao layer “zero”, dessa forma o bloco poderá receber as características do layer
utilizado na sua inserção. Por exemplo: se minha janela foi criada no layer “zero”, quando eu
inseri-la no layer “esquadrias” ela ficará com todas as características do layer “esquadrias”.

B. Ferramentas:

STRETCH (S ↵): Permite a deformação de objetos na horizontal ou vertical. Funciona


apenas com o modo de seleção Crossing (da direita para a esquerda).
 Ative o comando Stretch;
 Selecione a área do objeto a ser deformada e ↵ (Se o objeto for selecionado por
completo o Stretch funcionará como o comando Move. O comando só funcionará
corretamente se parte do objeto for selecionado);
 Clique em um ponto de referência e mostre a direção para onde se deseja aumentar
ou diminuir o objeto;
 Digite o valor a ser aumentado ou diminuído do objeto e ↵.

Obs.: Se o objeto estiver cotado, após o comando as cotas serão deformadas com o objeto.
Material Didático elaborado pela Professora Ana Carolina F. Maciel 26
UNIVERSIDADE DE UBERABA INFORMÁTICA APLICADA

Continuando o exemplo utilizado para criar o primeiro bloco (janela 100x15cm).


Pode-se criar um segundo bloco com base no primeiro, por exemplo, uma janela de
150x15cm, basta voltar no desenho e utilizar o comando Stretch aumentando-a em 50 cm.
Depois basta criar outro bloco utilizando a mesma sequência utilizada anteriormente.

SCALE (SC ↵): Permite ampliar ou reduzir objetos proporcionalmente.


 Ative o comando Scale;
 Selecione os objetos a serem escalonados e ↵;
 Clique em um ponto de referência;
 Digite o fator de escala (acima de 1.0 aumenta, abaixo de 1.0 diminui). O fator de
escala é um número que o comando scale multiplica pelas dimensões atuais dos
objetos selecionados.

Obs.: Se os objetos selecionados estiverem cotados, as cotas também serão escalonadas.

B. Inserindo um bloco:

INSERT BLOCK (I ↵)
 Ative o comando. Irá abrir a seguinte caixa de diálogos:

Material Didático elaborado pela Professora Ana Carolina F. Maciel 27


UNIVERSIDADE DE UBERABA INFORMÁTICA APLICADA

 Na caixa “name” estão todos os blocos internos (ou blocos externos que já foram
inseridos uma vez). Se o bloco que você procura ainda não foi inserido clique em
“Browse” e procure a pasta onde ele está salvo. Escolha o bloco e depois em “Ok”.
Ele agora aparecerá na caixa “name”;
 A opção “Specify On-Screen” permite definir a opção na área gráfica do AutoCAD. A
opção “Insertion Point” já vem habilitada por padrão, para se definir o ponto de
inserção do bloco interativamente através de um clique na área gráfica. É
conveniente deixar a opção “Scale” desabilitada, pois normalmente já se desenha o
bloco na escala correta. Por fim, a opção “Rotation” deve ser habilitada, pois dessa
forma o objeto pode ser rotacionado logo após o ponto de inserção ser definido, sem
a necessidade de utilizar o comando “rotate” depois da inserção;
 Clique em “Ok”’;
 Na área gráfica, clique em um ponto do seu desenho onde será encaixado o bloco;
 Rotacione o objeto com o mouse e clique na direção desejada.

C. Bloco de Internet
Não é necessário criar todos os desenhos utilizados em um projeto, pode-se “baixar”
blocos da internet, que são blocos externos. Para isso:
 Acesse uma página de busca (ex: www.google.com.br) no internet Explorer, e digite
a palavra chave “blocos CAD”. Várias páginas com blocos de AutoCAD para
download irão aparecer na tela;
 Escolha uma ou mais páginas para “baixar” os arquivos. Geralmente os blocos vêm
compactados, então para poder utilizá-los deve-se descompactá-los primeiro, não se
esqueça disto.
OBS.: Blocos disponíveis na Internet podem vir com problemas, como por exemplo: escala
diferente da que você usa, ou com layers do usuário que criou o bloco; quando isso
acontecer deve-se editar o bloco (corrigir o problema e criar o bloco novamente).

D. Editando Blocos
 Insira o bloco;
 Exploda o mesmo (comando Explode);
 Verifique o problema do mesmo e corrija;
– Escala diferente: através do comando “scale” modifique a escala do objeto;
– Layers do usuário: selecione todo o objeto e modifique para o layer “0”, e
coloque toda a barra de propriedades dos layers em “By layer”, “By layer” e “By
layer”;

Material Didático elaborado pela Professora Ana Carolina F. Maciel 28


UNIVERSIDADE DE UBERABA INFORMÁTICA APLICADA

 Após modificar o objeto, crie-o novamente, através do comando “write block”, e


salve-o por cima do que você inseriu.
OBS.: Ao inserir um bloco corrigido no mesmo arquivo, haverá a necessidade de gravar
este bloco por cima do já existente no arquivo (isso porque ao inserir um bloco externo no
arquivo, o AutoCAD cria uma cópia dentro do mesmo para não haver a necessidade de
procurar pelo bloco no PC todas as vezes). Ao clicar em “ok”, no “Insertion Block”, o
programa irá perguntar se você deseja redefinir o arquivo do bloco, clique em “yes” para que
o novo arquivo seja gravado por cima do antigo.

EXERCÍCIOS:

01) Crie todos os blocos de janelas e portas referentes ao Projeto 01;


02) Insira todos os blocos de janelas e portas referentes ao Projeto 01;
03) Desenhe todas as linhas de soleiras;
04) “Baixe” blocos de mobiliário da internet e edite os que for utilizar no seu Projeto;
05) Coloque os mobiliários da Cozinha, Banheiros e Área de Serviço (se possuir);

06) Em casa, continuando o trabalho da Primeira etapa, faça os exercícios de 01 à 05


para o Projeto 02.

Material Didático elaborado pela Professora Ana Carolina F. Maciel 29


UNIVERSIDADE DE UBERABA INFORMÁTICA APLICADA

AULA 06

A. Estilos de Texto (st ↵)

Os estilos de texto definem as características dos textos inseridos no desenho. A


criação de estilos de texto é importante para a padronização dos seus textos em diferentes
arquivos.

 Clique em “New”, e entre com o nome do estilo;


 Escolha a fonte a ser utilizada (é importante utilizar uma fonte limpa para textos
menores e que serão utilizados para medidas de esquadrias ou cotas, como por
exemplo Arial e Times New Roman);
 Na caixa “Height” defina a altura;
 Na caixa Font Style, defina uma formatação para o estilo de texto (variam de acordo
com a fonte), por exemplo: regular, itálico, negrito, sublinhado;
 No campo Effects, você poderá ajustar alguns efeitos que podem ser aplicados aos
textos (não são muito utilizados).
– Upside-down: O texto inserido ficará de cabeça para baixo.
– Backwards: O texto inserido ficará de frente para trás.
– Vertical: O texto inserido ficará na vertical.

Material Didático elaborado pela Professora Ana Carolina F. Maciel 30


UNIVERSIDADE DE UBERABA INFORMÁTICA APLICADA

– Width Factor: Permite definir a largura da letra.


– Oblique Angle: Permite definir a inclinação da letra.
 Após ajustar todos os parâmetros necessários, clique nos botões Apply e Close,
localizados no canto superior direito do quadro principal do comando.

B. Comando Multiline Text (MT↵


↵ ou T↵
↵)
Este comando cria blocos de texto, através da definição dos limites do mesmo e da
interação com a caixa de diálogos. Muito parecido com os editores de texto convencionais
como Word.
Pra inserir um parágrafo de texto ative o comando, clique em dois pontos da tela
criando assim uma janela de texto, aparecerá um quadro de diálogo chamado Text
Formatting. Este quadro é um editor de texto, nele você poderá inserir seu texto e utilizar
diferentes tipos de formatação, como: estilo de texto, tipo de fonte, altura do texto,
justificativas (alinhamentos), inserção de símbolos, etc...

Entre com algum texto dentro da janela do editor. Se desejar pular de linha, tecle
<enter>. Dependendo do tamanho da janela que você abriu no começo do comando, ao
começar a digitar seu texto em determinado ponto ocorrerá a mudança de linha. Pra concluir
clique em “OK”.

C. Comando Single Line Text (DT↵


↵)
Permite-nos produzir várias linhas de texto, que aparecem na tela à medida que
vamos digitando. Cada linha é entendida pelo programa como uma única entidade.

Material Didático elaborado pela Professora Ana Carolina F. Maciel 31


UNIVERSIDADE DE UBERABA INFORMÁTICA APLICADA

 Pra inserir linhas de texto ative o comando;


 Clique em um ponto da tela, o comando pedirá:
 Rotação: indique a direção com o mouse (polar ativado) e clique na mesma;
 Digite o texto, Enter (muda de linha), Enter novamente finaliza o comando.

Justificando um Single Line Text: Pode-se alinhar o texto em diversas posições utilizando
a opção “justify”, dentro do comando.
 Ative o comando;
 Clique com o BD (botão direito) na tela e escolha a sub-opção Justify;
 Escolha uma das opções abaixo de acordo com o seu desenho:
– Top Left (TL): Alinha o texto com o objeto no canto superior esquerdo.
– Top Center (TC): Alinha o texto com o objeto no canto superior central.
– Top Right (TR): Alinha o texto com o objeto no canto superior direito.
– Middle Left (ML): Alinha o texto com o objeto no lado esquerdo, centralizado
no sentido da altura.
– Middle Center (MC): Alinha o texto com o objeto no centro, centralizado no
sentido da altura.
– Middle Right (MR): Alinha o texto com o objeto no lado direito, centralizado
no sentido da altura.
– Botton Left (BL): Alinha o texto com o objeto no canto inferior esquerdo.
– Botton Center (BC): Alinha o texto com o objeto no canto inferior central.
– Botton Right (BR): Alinha o texto com o objeto no canto inferior direito.

D. Edição de Textos (ED ↵): Permite alterar textos.


 Ative o comando e selecione um texto de cada vez;
 Na caixa de diálogos Edit Text, modifique o texto e “OK”.
Obs.: Pode ser substituído por dois cliques em cima do texto.

Material Didático elaborado pela Professora Ana Carolina F. Maciel 32


UNIVERSIDADE DE UBERABA INFORMÁTICA APLICADA

E. Ferramentas:

EDIT POLYLINE (PE ↵): Edita uma polyline já desenhada, e ainda permite criar uma
polyline através de um conjunto de linhas.

1°) Para criar uma polyline a partir de várias linhas:


 Ative o comando e clique em uma das linhas do conjunto;
 Responda a pergunta: “Você quer transformar este objeto em uma Polyline?” Y para
Sim;
 Acione a sub-opção Join e selecione os demais objetos, ↵↵;

2°) Para Editar uma Polyline:


 Ative o comando e clique em uma Polyline;
 Close: fecha a polyline caso a mesma esteja aberta;
 Width: define uma espessura para a polyline;
 Fit: transforma a polyline em curvas acentuadas (provindas de arcos);
 Spline: transforma a polyline em curvas suaves;
 Decurve: volta a polyline para retas;
 Undo: desfaz a última ação.

AREA (AA ↵): Permite o cálculo de áreas e perímetros, definidos por uma seqüência
de pontos ou por entidades como círculos, elipses e polylines.
1ª opção:
 Ative o comando e clique em cada canto do desenho até voltar ao primeiro ponto, a
área será mostrada imediatamente na tela (se o Dyn estiver ativado) e/ou no Prompt
de comando;
2ª Opção:
 Ative o comando, clique com o botão direito do mouse na tela;
 Escolha a sub-opção “Object”;
 Selecione o objeto, a área será mostrada imediatamente na tela (se o Dyn estiver
ativado) e/ou no Prompt de comando;

Material Didático elaborado pela Professora Ana Carolina F. Maciel 33


UNIVERSIDADE DE UBERABA INFORMÁTICA APLICADA

LIST (LI ↵): Permite que o usuário obtenha informações sobre as entidades
selecionadas, tais como cor, layer, tipo de linha, dimensões, etc.
 Ative o comando;
 Selecione o objeto, ↵

ANOTAÇÕES:

Material Didático elaborado pela Professora Ana Carolina F. Maciel 34


UNIVERSIDADE DE UBERABA INFORMÁTICA APLICADA

AULA 07

Hachuras são um tipo especial de bloco. Este comando nos permite aplicar uma
hachura dentro de uma área fechada. Todos os vértices da área que se deseja hachurar
devem estar conectados para garantir a aplicação correta. Existem dois tipos de Hachuras:
PRE-DEFINED e USER-DEFINED que se utiliza para representar os mais diferentes tipos
de materiais.

Hachuras: Draw → Hatch ou H ↵

A. Para aplicar uma hachura do tipo PREDEFINED:


 Ative o comando;
 Clique na seta no canto inferior direito da caixa de diálogo;

 Clique no botão “Add: Pick Points”, de volta ao Model Space, clique na área a ser
hachurada, Enter.
 De volta a caixa de diálogo, clique em “Type” e escolha a opção “User-Defined”, na
opção “Spacing” escolha o tamanho do piso que deseja utilizar (30,45,60...). Para
que este saia quadrado ative a opção “Double”, caso contrário as linhas serão
somente em um sentido;
 Ative a opção “Specified origin” e clique sobre o quadrado “Click to set new origin”
para, através de um clique no Model Space, determinar o ponto de início do
assentamento do piso;
 Determine o “Angle” que deseja deixar o seu piso (0,45,90...);

Material Didático elaborado pela Professora Ana Carolina F. Maciel 35


UNIVERSIDADE DE UBERABA INFORMÁTICA APLICADA

 Determine o tipo de “Island” que você prefere;


– Normal: A hachura aparecerá no interior de parte dos objetos;
– Outer: A hachura encontra seus objetos por completa e não passa por cima;
– Ignore: A hachura ignora a presença dos objetos e passa por cima de todos;
 Clique em “Preview”, se a hachura estiver do seu gosto, “Enter”, caso queira
modificar algum item “Esc”.

B. Para aplicar uma hachura do tipo USER-DEFINED:

 Clique no botão “Add: Pick Points”, de volta ao Model Space, clique na área a ser
hachurada, Enter. De volta a caixa de diálogo;
 Clique em “Swatch” ou em “...” na opção “Pattern” escolha um tipo de hachura para
aplicar;

 Determine o “Angle” que deseja deixar a sua hachura (0,45,90...). Obs.: A hachura
na rotação 0º significa que manterá a angulação na qual foi criada (0,45,90...);
 Determine o “Scale” para sua hachura. Obs.: A escala “1” é a mais indicada para o
início, pois existem diferentes proporções para cada hachura. Algumas ficarão boas
com Scale 1, outras 0.1, outras 10, e assim por diante;
Material Didático elaborado pela Professora Ana Carolina F. Maciel 36
UNIVERSIDADE DE UBERABA INFORMÁTICA APLICADA

 Ative a opção “Specified origin” e clique sobre o quadrado “Click to set new origin”
para, através de um clique no Model Space, determinar o ponto de início da hachura;
 Determine o tipo de “Island” que você prefere;
– Normal: A hachura aparecerá no interior de parte dos objetos;
– Outer: A hachura encontra seus objetos por completa e não passa por cima;
– Ignore: A hachura ignora a presença dos objetos e passa por cima de todos;
 Clique em “Preview”, se a hachura estiver do seu gosto, “Enter”, caso queira
modificar algum item “Esc”.

C. Outras disposições a respeito de hachura:


· EXPLODED: Esta opção permite aplicar a hachura não como um bloco, mas como
vários objetos.
· INHERT PROPERTIES: Esta opção permite selecionar uma hachura já existente
para servir como padrão para uma nova área que irá ser hachurada.
· ASSOCIATIVE: Esta opção permite definir se a hachura será associativa ou não. Em
caso positivo, se a área com a hachura sofrer alterações, a hachura se adaptará as
mesmas.
· GRADIENT: Permite colorir áreas, de forma sólida (uma única cor) ou degradê (duas
cores misturando-se aos poucos). É um recurso interessante na apresentação de um
projeto, porém sobrecarrega o arquivo. Se um arquivo com hachura gradiente for aberto em
uma versão de AutoCAD anterior a 2004, a versão não reconhecerá o recurso e substituirá
automaticamente a hachura por sólidos irregulares e grandes manchas pretas podem
aparecer no desenho, portanto, MUITO CUIDADO!
Possui os mesmos passos de criação de uma hachura convencional.

Material Didático elaborado pela Professora Ana Carolina F. Maciel 37


UNIVERSIDADE DE UBERABA INFORMÁTICA APLICADA

D. Edição de Hachuras: EDIT HATCH (Modify → Object → Hatch) ou dois cliques


sobre a hachura existente
Pode-se modificar qualquer item da hachura, a partir do AutoCAD 2006.

ANOTAÇÕES:

Material Didático elaborado pela Professora Ana Carolina F. Maciel 38


UNIVERSIDADE DE UBERABA INFORMÁTICA APLICADA

AULA 08

A. Tipos de Cotas:

 Linear: cria cotas horizontais e verticais;

 Aligned: cria cotas alinhadas (paralelas) com o objeto escolhido. É importante


prestar muita atenção aos cliques das cotas com esse tipo, pois se os cliques não
estiverem na direção desejada, a cota não sairá como queremos.

 Radius: usado para dimensionar o raio de um arco ou círculo.

 Diameter: usado para dimensionar o diâmetro de um arco ou círculo.

 Angular: executa o dimensionamento do ângulo entre dois objetos.

 Continue: Continua uma cota com o ponto inicial sendo o ponto final da última
cota criada ou da cota selecionada. Para a correta utilização da “Continue
Dimension”, deve-se primeiro criar uma cota no sentido desejado.

 Dimension Style Control: Permite alterar o estilo de


dimensionamento corrente.

 Dimension Style: permite criar ou editar um estilo de dimensionamento.

 Edit Text: comando de edição de texto, é excelente para editar textos de cotas,
e bem mais simplificado. Basta acionar o comando, clicar sobre o texto da cota cujo
valor deseja editar e escrever o novo valor.

Obs.: Uma vez que o texto foi modificado ele não será alterado junto com o desenho.

Material Didático elaborado pela Professora Ana Carolina F. Maciel 39


UNIVERSIDADE DE UBERABA INFORMÁTICA APLICADA

B. Conhecendo uma cota:


É importante saber quais são os componentes de uma cota:
 Defpoints: São os pontos em que foram feitas as marcações;
 Dimension Line: Linha de cota;
 Extension Line: Linha de chamada, que une a linha de cota aos pontos marcados;
 Arrowheads: São as marcas de cruzamento das linhas de dimensão e extensão.
Podem ser uma reta, um ponto, um tique, etc.;
 Text: Texto que representa o valor da cota.
As cotas são produzidas quando se clica nos pontos cujo intervalo deseja-se medir
ou quando se seleciona um elemento. Observe a interação com o comando:

C. Estilos de Dimensionamento: Format → Dimension Style ou D↵


Depois que um estilo de dimensionamento for criado é possível criar outros utilizando
o primeiro como base, somente modificando os itens que dependem da proporção no
desenho, são eles:

1° Caso: Utilizando “Fixed lenght extension lines”, a cota não gruda no desenho (muito
utilizada em desenhos arquitetônicos).

Material Didático elaborado pela Professora Ana Carolina F. Maciel 40


UNIVERSIDADE DE UBERABA INFORMÁTICA APLICADA

2° Caso: Utilizando “Offset from origin”, a cota quase gruda no desenho (muito utilizada em
desenhos mecânicos).

Para criar um novo estilo de cota:


 Clique em “New”, dê um novo nome para este estilo e Continue;

Veremos os itens mais importantes de cada guia, pela ordem mais fácil de utilização:
Guia Text: nesta guia são configuradas as características do texto da cota.

Material Didático elaborado pela Professora Ana Carolina F. Maciel 41


UNIVERSIDADE DE UBERABA INFORMÁTICA APLICADA

Text Appearance:
+ Text Style: seleciona o estilo de texto a ser utilizado (escolha o seu, ou crie um novo);
+ Text Color: seleciona a cor do texto (by layer);
+ Fill Color: insere uma cor de fundo na caixa de texto da cota (None);
+ Text Height: define o tamanho do texto da cota (proporcional ao seu desenho).
Text Placement:
+ Vertical: define a posição do texto da cota no sentido vertical da dimension line (above ou
centered);
+ Horizontal: define a posição do texto da cota no sentido horizontal da dimension line
(sempre centered);
+ Offset from Dim Line: define a distância entre o texto e a Dim Line (só é necessária a
definição se na Vertical for escolhida a opção Above, proporcional ao tamanho do texto).
Text Alignment:
+ Horizontal: o texto da cota ficará sempre na posição horizontal;
+ Aligned with dim line: o texto da cota ficará sempre alinhado com a dim line;
+ ISO Standard: o texto poderá ficar tanto na horizontal quanto alinhado, o software define a
melhor posição em relação ao desenho (não recomendável, por não haverá uma simetria
das cotas).

Guia Lines: Nesta guia são configuradas a aparência e as características das Linhas de
Dimensão e Linhas de Extensão.

Material Didático elaborado pela Professora Ana Carolina F. Maciel 42


UNIVERSIDADE DE UBERABA INFORMÁTICA APLICADA

Dimension Lines:
+ Color: regula a cor da dimension line (By Layer);
+ Linetype: regula o tipo da dimension line (By Layer);
+ Lineweight: regula a espessura da dimension line (By Layer);
+ Extend beyond ticks: regula a distância da linha de dimensão após a linha de extensão
(proporcional ao tamanho do texto. Só é passível de modificação se a Arrowhead escolhida
for a Architectural tick).
Extension Lines:
+ Color: regula a cor da extension line (By Layer);
+ Linetype ext line 1: regula o tipo da extension line (By Layer);
+ Linetype ext line 2: regula o tipo da extension line (By Layer);
+ Lineweight: regula a espessura da extension line (By Layer);
+ Extend beyond dim lines: define a distância que a linha de extensão ultrapassa a linha de
cota (proporcional ao tamanho do texto);
+ Offset from origin: distância entre o defpoint e o início da linha de extensão (ZERO no 1°
Caso. Proporcional ao tamanho do texto no 2° caso);
+ Fixed Lenght for extension Lines: Novidade do AutoCAD 2007. Permite definir um
tamanho fixo total para as extension lines (proporcional ao tamanho do texto).

Guia Symbols and Arrows: nesta guia são configuradas as características das setas.

Arrowheads:
+ First: regula a figura dos dois terminais da cota;

Material Didático elaborado pela Professora Ana Carolina F. Maciel 43


UNIVERSIDADE DE UBERABA INFORMÁTICA APLICADA

+ Second: regula a figura do segundo terminal da cota;


+ Arrow Size: regula o tamanho do terminal da cota (proporcional ao tamanho do texto).

Guia Fit

Text Placement: quando o texto não cabe na posição Default, onde o mesmo deve ficar?
1) Do lado da linha de dimensão (não recomendável);

2) Acima da linha de dimensão, com uma seta de apoio;

3) Acima da linha de dimensão, sem uma seta de apoio (mais utilizada).

Fine Tunning
() Colocar o texto manualmente (normalmente Desligada)
() Desenhar linha de dimensão entre as linhas de extensão (sempre Ligada).

Material Didático elaborado pela Professora Ana Carolina F. Maciel 44


UNIVERSIDADE DE UBERABA INFORMÁTICA APLICADA

Guia Primary Units: nesta guia são configuradas as unidades de dimensões.

Linear Dimensions:
+ Unit Format: definição do formato de unidade desejada (no Brasil, Decimal);
+ Precision: regula a quantidade de casas decimais após a vírgula;
+ Decimal Separator: tipo de representação para separação da casa decimal. Pode-se
escolher entre vírgula, ponto ou espaço, sendo este último não recomendável.
Zero Supression:
+ Leading: Elimina o zero antes da vírgula da cota. Ex: 0,50 → ,50 (não recomendável);
+ Trailing: Elimina os zeros desnecessários antes da vírgula da cota. Ex: 10,50 → 10,5
10,05 → 10,05
Angular Dimension:
+ Units Format: definição do formato de unidade desejada (no Brasil, normalmente Decimal
Degrees);
+ Precision: regula a quantidade de casas decimais após a vírgula.
Zero Supression: idêntico ao da Linear Dimension.

ANOTAÇÕES:

Material Didático elaborado pela Professora Ana Carolina F. Maciel 45


UNIVERSIDADE DE UBERABA INFORMÁTICA APLICADA

AULA 09

A. Configuração de Impressão:
Para impressão de um desenho do AutoCAD podemos proceder de duas formas:
1- Imprimir cada desenho de escala diferente em folha separada – Impressão padrão;
2- Imprimir em layouts, dessa forma podemos imprimir várias escalas diferentes em
uma mesma folha, sem para isso ser necessário dar escala (comando scale da
barra de Modify) – Impressão Avançada;

B. Impressão Padrão do AutoCAD: FILE → PLOT.

1. Escolha a impressora em que deseja imprimir o desenho;


2. Configure o tamanho do papel;
3. Defina a escala de impressão CUSTOM e nas caixas em branco define-se a escala.
Por exemplo, se você desenha em centímetros (1m = 100 cm) e quer imprimir seu desenho
na escala 1:50 então na primeira caixa você colocará 10 e na segunda 50, pois a unidade de
impressão é milímetro (10mm = 1cm).
4. Clicando em WINDOW, volta-se para o Model Space, onde, através de uma janela de
seleção, e definem-se as margens do que deverá ser impresso.
5. Clicando em FULL PREVIEW é possível visualizar o desenho como será impresso.

Material Didático elaborado pela Professora Ana Carolina F. Maciel 46


UNIVERSIDADE DE UBERABA INFORMÁTICA APLICADA

6. Pode-se ativar a opção “center plot” em “plot offset” para centralizar o desenho
selecionado no papel.

C. Impressão em Layout
1) Clique sobre a Guia “Layout1” na parte inferior da tela para transferirmos para o modo
Layout onde veremos o desenho de uma folha de papel com dois retângulos em seu
interior: Viewport (retângulo contínuo contornando o seu desenho do Model Space) e
as margens da folha (retângulo tracejado);

2) Clique com o botão direito na guia Layout e selecione a opção “Page Setup Manager”,
depois em “Modify”;

Material Didático elaborado pela Professora Ana Carolina F. Maciel 47


UNIVERSIDADE DE UBERABA INFORMÁTICA APLICADA

 Defina como impressora: DWF6 ePlot.pc3;


 Defina o tamanho do seu papel: ISO A0 (dessa forma cabe qualquer selo/folha
menor do que a A0);
 Em “Plot Style” escolha o estilo de penas “Monochrome”, desta forma todos os seus
layers sairão na cor preta;
 Em “Plot Scale” deixe 1:1 (mudaremos as escalas do desenho uma a uma);

3) Insira o seu Carimbo/Selo referente ao tamanho do papel, através da inserção de


Blocos (Insert → Block);

Material Didático elaborado pela Professora Ana Carolina F. Maciel 48


UNIVERSIDADE DE UBERABA INFORMÁTICA APLICADA

4) Movimente o seu desenho (retângulo com os desenhos do Model Space) para dentro
do selo (comando move);

5) Aumente seu retângulo (clique uma vez em cima do mesmo, clique no ponto azul do
canto e arraste o mouse, clique novamente no ponto desejado e Enter);
6) Dê dois cliques no interior do retângulo, a borda do mesmo ficará realçada (atenção!
estamos dentro do Model Space através do layout). Dê um zoom na Planta Baixa
deixando-a centralizada no retângulo (lembre-se de finalizar o comando de zoom).
Depois clique duas vezes na área externa ao retângulo.

7) Selecione o desenho (retângulo) e modifique a escala do mesmo (abaixo como


modificar a escala do desenho)

Material Didático elaborado pela Professora Ana Carolina F. Maciel 49


UNIVERSIDADE DE UBERABA INFORMÁTICA APLICADA

 Ative a barra de propriedade (comando Properties, PR↵);


 Dentro da guia “Misc” existe uma opção chamada “Custom Scale”, é nesta opção
que colocaremos a opção de escala. Para a Planta Baixa queremos 1:50, então digitaremos
nesta guia 10/50. Por quê? A impressão no AutoCAD é em milímetros e desenhamos em
centímetros. O 10 significa 10mm = 01cm (nossa escala) e o 50 representará a escala
desejada para o desenho.
 Ajeite o seu desenho dentro do retângulo utilizando o Pan. Se o retângulo estiver
maior, ou menor do que o tamanho da Planta basta diminuí-lo ou aumentá-lo utilizando a
forma vista no item 5.

Material Didático elaborado pela Professora Ana Carolina F. Maciel 50


UNIVERSIDADE DE UBERABA INFORMÁTICA APLICADA

8) Coloque sua viewport (retângulo) no layer “zero” e corte a impressora do mesmo


(Format → Layer – clique sobre a impressora do layer zero). Dessa forma a borda não
será impressa, somente o desenho dentro dela;

9) Faça o desenho de informação do desenho, com o comando Multiline Text (Texto


Principal: tamanho 10, Texto Secundário: tamanho 6). Ex:

10) Copie (utilizando o comando Copy - Co↵) a viewport para o lado e repita os passos 06
e 07 para cada desenho que vá inserir na folha;
11) Para que a escala das linhas tracejadas sejam impressas como foram criadas no
Model Space devemos ir em: Format → Linetype, clique sobre o ícone “Show Details”
(caso apareça) e desligue a seguinte caixa mostrada abaixo:

Atenção!!! Esse procedimento deve ser repetido para todos os layouts.

Material Didático elaborado pela Professora Ana Carolina F. Maciel 51


UNIVERSIDADE DE UBERABA INFORMÁTICA APLICADA

12) Clique com o botão direito do mouse em “Layout”, escolha a opção “Plot”, depois
“Preview” e veja como seu desenho ficará impresso. ESC, depois “Cancel”. Pronto! É
só enviar o arquivo para a copiadora (se necessário, corrija os erros e faça novamente
o Preview).

A sua folha deverá ficar como a figura abaixo:

Observações:
1. Para criar mais layouts, clique com o botão direito do mouse sobre um layout, e
escolha a opção “New”. Podemos criar quantos layouts forem necessários àquele
arquivo;

Material Didático elaborado pela Professora Ana Carolina F. Maciel 52


UNIVERSIDADE DE UBERABA INFORMÁTICA APLICADA

2. Pra copiar um layout, clique com o botão direito sobre a guia layout e escolha a
opção “Move or Copy”, depois clique sobre o nome do layout que virá após a
cópia, e selecione a caixa “create a copy”. Dê OK.

3. Para re-nomear um layout clique com o botão direito do mouse sobre “Layout”,
escolha a opção “Rename”, digite o novo nome e OK;

ANOTAÇÕES:

Material Didático elaborado pela Professora Ana Carolina F. Maciel 53


UNIVERSIDADE DE UBERABA INFORMÁTICA APLICADA

AULA 10

A. AutoCAD Design Center:

Esta ferramenta surgiu para que se possa “pegar” características de um arquivo


existente do AutoCAD para outro no qual se esteja trabalhando. Muito utilizado também
quando se quer criar um “template” com base em um arquivo que já utilizado.
Quando se ativa esta ferramenta (pela toolbar “Standard”, pela barra de menus Tools
→ Design Center, Ctrl+2, ou ainda “adcenter” pelo prompt de comando), aparecerá na área
gráfica uma caixa de diálogo parecida com o “Windows Explorer”, porém nesta caixa de
diálogo os arquivos de desenho são considerados diretórios e os elementos do desenho
(layers, blocos, estilos de texto e dimensionamento, etc.) são considerados arquivos.
Com esta ferramenta pode-se copiar qualquer elemento contido em um arquivo de
desenho para o arquivo atual. Por exemplo: os layers. Para isso basta clicar sobre o
elemento a ser copiado, segurar e arrastar para a área gráfica.

B. Template:
Quando se trabalha no AutoCAD é comum se querer criar um padrão de desenho.
Por exemplo, um padrão para layers (mesmos nomes, cores e espessuras de linhas), tipo
de texto e tipo de cotas, entre outros. Para não ser necessário criar estas configurações
toda vez que se inicia um desenho é possível criar previamente um “Template”, também
chamado de “Arquivo Modelo”, onde se configura tudo que for necessário para o início de

Material Didático elaborado pela Professora Ana Carolina F. Maciel 54


UNIVERSIDADE DE UBERABA INFORMÁTICA APLICADA

um desenho. Os Templates possuem terminação DWT e normalmente ficam armazenados


na pasta do AutoCAD, mas se quiser pode gravá-los em uma pasta do seu computador.
Desta forma, você poderá utilizá-lo em qualquer computador, e não perderá o template
quando formatar a máquina.
Existem diversas configurações que se pode definir dentro de um template,
dependendo do tipo de desenho que você costuma fazer. As mais comuns são:
· Ferramentas de Precisão;
· Formatação de Layers;
· Estilos de Texto;
· Estilos de Cotas;
· Layout-padrão.
Para criar um Template siga os seguintes passos:
 Abra um arquivo novo;
 No quadro “Drafting Settings” (Osnap), clique nos comandos que você mais utiliza;
 Acione o “Polar” ou o “Ortho” (no caso do Polar, configure o ângulo que você mais
utiliza);
 Crie os layers que você mais utiliza e configure-os.
 Ative o layer com o qual costuma começar a desenhar;
 Crie quantos estilos de texto achar conveniente para um desenho completo e ative
um deles;
 Crie um estilo de cota e o ative;
 Crie um layout-base se achar conveniente;
 Para finalizar, vá ao menu “File” e escolha “Save As”;
 Selecione dentro da caixa “Files of type” a opção “AutoCAD Drawing Template File
(*.DWT)”;

 Na caixa “File Name” escolha um nome para o seu template e clique em Save.

Material Didático elaborado pela Professora Ana Carolina F. Maciel 55


UNIVERSIDADE DE UBERABA INFORMÁTICA APLICADA

 Irá aparecer um quadro “Template Description”, entre com as características que


você configurou no seu template e depois clique em OK.

Para utilizar um template, quando for abrir um arquivo novo no seu AutoCAD,
escolha o seu Template dentro da lista do AutoCAD.

ANOTAÇÕES:

Esse material teve como objetivo capacitá-lo na utilização do AutoCAD , mas para que
isso aconteça, é necessário muita dedicação e criatividade.

A maior preocupação foi apresentar os assuntos de forma didática para que este trabalho
possa servir de apoio para usuários e profissionais da área.

Ana Carolina Fernandes Maciel


Arquiteta – CREA 86034-D

Uberlândia, 01 de Dezembro de 2009.

Material Didático elaborado pela Professora Ana Carolina F. Maciel 56