Anda di halaman 1dari 15

INVESTIGAÇÃO

OPERACIONAL

1
Aula 4 - MÉTODOS DE RESOLUÇÃO DOS PROBLEMAS DE
PROGRAMAÇÃO LINEAR

Com este aula pretende-se:


- Fornecer aos discentes o instrumental matemático para se
resolver os diferentes tipos de problemas de programação linear
nas organizações;
- Explicar as diferenças, vantagens e desvantagens dos métodos
matemáticos;

Para tal recomenda-se a seguinte referência bibliográfica:


- Alberto Mulenga, (2005) “Investigação Operacional – uma
abordagem introdutória”;
- Bronson & Naadimuthu, (2001) “Investigação Operacional”;
- Hill & Dos Santos (2002) “Investigação Operacional Vol 1 e 2”;
- Oliveira & Correia (1996), “Investigação Operacional”;

UEM - Investigação Operacional, 2


Laboral/2010 VTM
Aula 4 - MÉTODOS DE RESOLUÇÃO DOS PROBLEMAS DE
PROGRAMAÇÃO LINEAR

1. Breve Introdução
Para resolução dos problemas de programação linear, os
economistas, gestores e matemáticos, consideram os seguintes
métodos:
- Método Gráfico;
- Algoritimo do Simplex
- Método BIG M
- Método Duas Fases
- Programa LINDO

Contudo, na presente aula interessa analisar o método gráfico e


o algoritmo do simplex.

UEM - Investigação Operacional, 3


Laboral/2010 VTM
Aula 4 - MÉTODOS DE RESOLUÇÃO DOS PROBLEMAS DE
PROGRAMAÇÃO LINEAR

2. Método Gráfico
2.1. Aplicação prática
Mulenga (2005:12), diz que o método gráfico pode ser aplicado para a resolução de
problemas de programação linear de forma eficiente, apenas quando a função objectivo e o
conjunto das restrições tiver duas variáveis de decisão.

O método gráfico consiste em construir através das restrições um conjunto das soluções
possíveis e tomar como solução óptima, aquela que satisfaz o objectivo do decisor, que
neste caso pode ser de maximizar ou minimizar.

2.2. Passos do método gráfico


O método gráfico segue os seguintes passos:
a) Admitir que as inequações do sistema representam equações, isto é converter as restrições
da procura ou oferta em restrições de equilíbrio);
b) Enumerar as equações de equilíbrio, para depois encontrar os pontos extremos de cada uma
das equações e representar graficamente, as coordenadas encontradas.
c) Depois de representar graficamente as restrições de equilíbrio, deve-se ir as restrições
iniciais da procura e/ ou oferta, para excluir a área que não pertença a solução;

UEM - Investigação Operacional, 4


Laboral/2010 VTM
MÉTODO GRÁFICO

d) Face a exclusão, termos um leque de coordenadas que toma o nome de


soluções admissíveis;
e) Na posse das soluções admissiveis, substituímos o valor de cada uma das
coordenadas na função objectivo, e dependendo do objectivo do decisor,
termos a solução óptima que deverá satisfazer o objectivo da definido
inicialmente na função objectivo (maximizar ou minimizar).

2.3. Principais Teoremas de Programação Linear


Mulenga (2005:19), considera 2 teoremas essenciais que ajudam a
entender o método gráfico na resolução de problemas de PL:
1º Teorema 1 – teorema fundamental da programação linear, segundo o
qual, só existe valor óptimo na função objectivo num problema de PL, se a
solução óptima ocorre em pelo menos um dos pontos extremos na região
das soluções admissíveis. Isso significa que, obrigatoriamente, sempre a
solução óptima deverá fazer parte da área da região das soluções
admissíveis, caso contrário, ela não será óptima.

UEM - Investigação Operacional, 5


Laboral/2010 VTM
MÉTODO GRÁFICO

2º Teorema 2 – Teorema de existência da solução, segundo o qual, um


dado problema de PL, e K o conjunto de soluções admissíveis da
função objectivo (Z=ax1+bx2), pode-se tirar as seguintes ilações:
- Se K é uma área fechada, então existe um máximo e um mínimo
para o objectivo do decisor;
- Se K é uma região não fechada, e os coeficientes económicos do
problema de PL apresentam valores maiores que zero, então
existirá apenas um mínima do objectivo do decisor e não existe o
ponto máximo sobre K.
- Se K é um conjunto vazio, ou seja não existe soluções admissíveis,
então não deverá existir nem máximo e nem mínimo que satisfará o
objectivo do decisor.

UEM - Investigação Operacional, 6


Laboral/2010 VTM
MÉTODO GRÁFICO

2.4. Tipos de Soluções do Método Gráfico


No Método Gráfico podemos encontrar variedade de soluções, como se
segue:
a) Solução Impossível, se as restrições não se cruzam em nenhum ponto;
Ex:. Caso de rectas paralelas; Caso de área aberta em ambos os lados,
sem limite inferior e nem superior;
b) Solução Óptima alternativa, quando, todo o primeiro quadrante positivo,
havendo uma limitação ao redor de toda a área admissível;
c) Solução óptima com infinitas soluções básicas, quando apenas existe um
limite inferior, e não existe limite superior na área das soluções
admissíveis;
d) Solução óptima não limitada, quando par além de existir o limite inferior,
não existe o limite superior, e temos restrições em forma de constante.
e) Solução óptima, quando as rectas se cruzam ou quando há área de
soluções admissíveis encontra-se toda ela limitada.

UEM - Investigação Operacional, 7


Laboral/2010 VTM
MÉTODO GRÁFICO

2.5. Vantagens e Desvantagens do Método Gráfico


Uma das grandes vantagens do método gráfico, esta ligado ao
facto de possibilitar obter de forma eficiente e rápida a solução e
melhor visualizar o problema concreto em estudo.

Contudo ela apresenta as desvantagens de não poder ser empregue


para resolução de problemas com mais de duas variáveis de decisão,
e ser bastante trabalhoso nos casos em que se tem mais de duas
restrições.

UEM - Investigação Operacional, 8


Laboral/2010 VTM
Aula 4 - MÉTODOS DE RESOLUÇÃO DOS PROBLEMAS DE
PROGRAMAÇÃO LINEAR

3. Método Simplex
3.1. Enquadramento prático
Bronson & Naadimuthu (2001;39), definem o método simplex,
como o procedimento matricial que é utilizado para resolver
problemas de programação linear expressos na forma standard.
Optimizar: Z = C^TX
Sujeito a: AX=B
com: X>=0

Esta abordagem não interessa, aos gestores do curso de


Investigação Operacional, devido a metodologia que emprega na
apresentação e resolução dos problemas de programação linear.

UEM - Investigação Operacional, 9


Laboral/2010 VTM
MÉTODO SIMPLEX

Para resolver os problemas de programação linear, iremos utilizar


o conceito de Oliveira & Correia (1996:28-35), que da ênfase ao
conceito de optimização linear, como o conjunto de técnicas
matemáticas modernas que permitem resolver os problemas de PL.

Entre estas técnicas encontram-se:


- algoritimo do Simplex (quando temos mais de duas restrições e não
são violadas as condições de não negatividade).
- Duas Fases (consiste em resolver primeiro Fase 1, um problema de
minimização em que a função objectivo é a soma das variáveis
artficiais, e as restrições são as mesmas.
- BIG M (que consiste em introduzir as variáveis artificais na função
objectivo multiplicadas por coeficientes de tal modo grandes que
garantam o anulamento destas variáveis).

UEM - Investigação Operacional, 10


Laboral/2010 VTM
MÉTODO SIMPLEX

3.2. Forma canónica do problema de PL


A forma canónica é um dos primeiros passos que se deve seguir
antes de se começar a resolver os problemas de PL, com recurso a
algoritimo do simplex.

A forma canónica é também conhecida como forma padrão. Para


se entender bem o conceito de forma canónica ou padrão é
indispensável que se conheça a relação que se estabelece entre os
tipos de restrições e diferentes variáveis:

a) Se as restrições são de procura (>=), então para termos a


forma canónica devemos utilizar as variáveis de excesso. Ex:.
X1+X2>=10, fica X1+X2-X3=10, onde X3 será a variável de excesso,
que é introduzida para equilibrar a inequação, devido a existência
de um mínimo de consumo.

UEM - Investigação Operacional, 11


Laboral/2010 VTM
Forma Canónica de PL

b) Se as restrições são de oferta (<=), teremos variáveis de folga


que deverão ser introduzidas para equilibrar a restrição. Ex:.
X1+X2<=5, na forma canónica fica X1+X2+X3=5, onde X3 é a
variável de folga, pois existe um máximo que deve ser atingido.

c) Se as restrições são de não negatividade, irão tomar o nome de


variáveis não restritas, isto porque elas podem ser variáveis de
folga e de excesso.

UEM - Investigação Operacional, 12


Laboral/2010 VTM
MÉTODO SIMPLEX

3.3. Passos do método Simplex


Mulenga, segue a abordagem de Oliveira e Correia (1996:39-40), ao
considerar os seguintes passos do algoritimo do simplex:

1º Passo: Elaborar a tabela inicial do simplex, obedecendo o seguinte:


- Colocar na base apenas as variáveis de folga ou de excesso;
- Os coeficientes económicos devem ser opostos a função objectivo, servindo
de condutor para a determinação da coluna pivô;
- A função objectivo tem valor inicial igual a zero.

2º Passo: Determinação do elemento pivô, seguindo os seguintes passos:


- Escolher na linha dos coeficientes da função objectivo, o maior elemento
negativo (max) ou o maior elemento positivo (min), a coluna que apresentar
esse elemento será chamado, coluna pivô.

UEM - Investigação Operacional, 13


Laboral/2010 VTM
Passos do método Simplex

- Dividir cada termo independente pelo correspondente elemento positivo da


coluna pivô. A linha que representar o menor quociente positivo será
chamado por linha pivô;
- O elemento que situa-se no cruzamento entre a linha pivô e a coluna pivô é
chamado de elemento pivô.

Note que se a tabela resultante não tiver nenhum indicador negativo (máx)
ou positivo (min), será considerada tabela terminal e não tem pivô.

3º Passo: Cálculo da nova tabela simplex

4º Passo: Interpretação da tabela terminal, depois de várias etapas chega-


se a tabela terminal, onde, xi terá uma raiz diferente de zero, pertecendo a
base, se estiver fóra da base, xi =0, com Ci diferente de zero.

UEM - Investigação Operacional, 14


Laboral/2010 VTM
OBRIGADO!