Anda di halaman 1dari 8

Universidade de Brasília

Faculdade do Gama
Disciplina: Engenharia e Ambiente
Professora: Josiane do Socorro Aguiar de Souza
Turma: 2017/2
Grupo: 06

Componentes:
Erick Pereira Araujo(17/0141179) - contato: erckaraujo@gmail.com ;
Erick Giffoni Felicíssimo(17/0141161) - contato: giffoni.erick@gmail.com ;
Fabricio Varela Adolfo(17/0141586) - contato: fabricio.207@hotmail.com ;
Fabrício Carvalho Araújo(17/0141578)- contato: fabriciocarvalho448@gmail.com ;
Felipe Rodrigues Sobrinho, coordenador (17/0141764) - contato: felipe4004@gmail.com ;
Josiane do Socorro Aguiar de Souza;

Os valores socioeconômicos do fósforo.


Abstract: The main objective of this work is to evaluate and consider the way in
which the phosphorus (P) is found in nature, the manner it engage with the socioeconomic
ambit, as well as how phosphorus acts in its biogeochemical cycle. Furthermore, it will be
explained the subjects that have been through changes throughout history. This paper has as
groundwork some mathematical moldings that were obtained by researches of scientific
academic articles databases, such as CAPES and SCIELO.

Keywords: cycle; phosphorus; economy; life; return; biosphere; environment;


plantation; fertilizer;.

Resumo: O objetivo do trabalho é a avaliação e ponderação da forma em que o


fósforo(P) se encontra na natureza, a forma que se relaciona com o meio socioeconômico,
como também a forma como ele se comporta no seu ciclo biogeoquímico. Adiante, será
explicado as alterações no ciclo ao longo da história. Terá como base algumas modelagens
matemáticas obtidas através de pesquisas em bancos de dados de artigos científicos, como
CAPES e SCIELO.

Palavras-chave : ciclo; fósforo; economia; vida; retorno; biosfera; ambiente;


plantação; fertilizantes;.

INTRODUÇÃO

Este artigo tem como intuito promover o conhecimento sobre o ciclo biogeoquímico
do fósforo, tratando das suas aplicações, formas que o fósforo pode ser encontrado na
natureza e propriedades, como: A forma que reage ao entrar em contato com outros
elementos químicos, os efeitos causados nos corpos abióticos e bióticos, os males que podem
ser causados pelo seu excesso ou sua falta,etc. Aplicações como: Onde o fósforo se encontra
presente na composição química de um ser vivo, como o fósforo atua no metabolismo animal
e vegetal, como o fósforo é usado para produzir materiais na indústria, etc.
É provável que o fósforo é um dos elementos mais importantes para o organismo dos
seres vivos. Mesmo sendo apenas 1% de toda a composição química biológica do ser
humano, ele atua como um fator de muita importância para as estruturas ósseas, e
predominantemente compositor das moléculas de energia para as células, o ATP . Isso
porque, como George E. Hutchinson e William D. McElroy pontuaram, o fósforo: é
encontrado nos ácidos ribonucleico e desoxirribonucleico - RNA e DNA, respectivamente -
atuando na reprodução e transmissão dos caracteres genéticos; tem papel fundamental no
metabolismo animal, vegetal e protista, uma vez que compõe as moléculas energéticas ATP e
ADP; é um elemento limitante do crescimento de plantas; também é encontrado na
composição de fosfolipídios, fosfossacarídios, nucleotídios etc.(HUTCHINSON, 2016, D.
ROY).
Quando no solo, esse elemento é obtido por meio da acidificação do meio no qual um
organismo vive ou pela ação de fosfatases - reação entre um éter fosfatado e água, gerando
um radical ligado a um OH mais o íon (PO4) - que rendem o fosfato solúvel para ser
assimilado. O fósforo do solo é proveniente de restos de animais e vegetais, além de
protoplasma e produtos metabólicos microbianos, sendo caracterizado como orgânico.

Entretanto, o fósforo presente no solo também pode ser inorgânico. Isso ocorre
quando ele é encontrado em formas cristalinas - termo relacionado à organização dos átomos
de forma geométrica - , amorfas - quando a organização dos átomos não se dá de forma
geométrica - , absorvidas ao complexo coloidal ou na solução do solo. Vale ressaltar que a
maior reserva desse elemento está na litosfera - crosta terrestre - , o que caracteriza o ciclo
dele na natureza como sedimentar.

Com isso, pode-se perceber que esse elemento atua no meio ambiente de inúmeras
maneiras, as quais serão discutidas no decorrer do presente estudo. Além disso, sabe-se que o
retorno desse elemento ao seu ciclo tem sido dificultado por inúmeros motivos, dentre os
quais destaca-se a atividade humana. Porém, há estudos que acreditam na possibilidade do
retorno massivo do fósforo à superfície terrestre a partir de novos dobramentos motivados
pelos movimentos tectônicos.

Por fim, esse artigo tem como principal objetivo reeducar a relação homem e
natureza, com enfoque no elemento fósforo e em suas aplicabilidades. Todavia, tratará com
clareza a discussão teórica de diversos autores. A motivação para esse estudo encontra-se,
mormente, na vontade de salvaguardar o ambiente, visto que o ser humano apresenta-se como
principal destruidor disso e que não há espaço para tanto lixo produzido e não reutilizado.

1. METODOLOGIA

Para serem realizados o estudo, a pesquisa, o desenvolvimento e a finalização deste


trabalho, foram utilizados métodos de leitura e interpretação textual, bem como a busca de
referenciais científicos via bancos de dados, bibliotecas digitais e portais de periódicos, como,
por exemplo, CAPES e SCIELO. Percebe-se, então, que a internet teve papel fundamental
para a colaboração e efetivação do presente artigo.
Dessa forma, foi possível reunir, de maneira produtiva e inteligente, as informações
obtidas acerca do tema proposto. Por tratar-se de uma conjuntura de dados, não houve
somente um local de pesquisa, mas diversos, como o Distrito Federal (Brasil), o estado de
São Paulo (Brasil), o Reino Unido etc.
Além disso, também serviram como excelentes referenciais os livros: INTRODUÇÃO
À ENGENHARIA AMBIENTAL, de Benedito Braga e outros autores (2005);
MICROBIOLOGIA DO SOLO, da Sociedade Brasileira de Ciência do Solo (1992).
Vale ressaltar que o presente estudo não descumpriu nenhuma norma de segurança,
ética e/ou moral, ou seja, ao mesmo tempo em que tratou sobre questões ambientais, não
propagou, difundiu ou sequer cometeu algum tipo de crime ou prejuízo ambiental, animal ou
ao ser humano. Tampouco feriu normas de citação ou utilizou de fontes sem as devidas
diretrizes autorais.

2. REFERENCIAL TEÓRICO

O fósforo é um elemento necessário nas devidas proporções para a formação de


moléculas essenciais a vida (Bolin, B. , 1981). Tão grande a sua participação que “R. J. P.
Williams (Universidade de Oxford) apresentou a consideração do papel detalhado do fósforo
na biologia, observando as funções vitais que realiza na transferência e armazenamento de
informações (como ácido nucleico) e energia (como ATP) e na compartição (como
fosfolipídios)” (TINKER, 1977). Dado isso, é compreendido a participação massiva do
fósforo na vida, sendo, em primeiro caso, o elemento necessário para formar a mais forma
primitiva de vida.

Devido a sua proficuidade, dá-se muita importância ao comportamento desse material


na natureza, estendendo essa preocupação à comunidade científica mundial desde o século
XX - onde houve o início da grande preocupação internacional com o meio ambiente - até os
dias atuais. A maior problemática em torno do fósforo é justamente a sua exploração sem
precedentes: “O primeiro e o tópico mais básico foi útil, uma vez que houve sugestões de que
o fósforo é uma fonte mineral que pode estar quase esgotada. Vários oradores enfatizaram o
problema da explosão da população e das expectativas econômicas” (TINKER, 1977).

Se for dado importância ao retorno do fósforo de maneira rápida, Benedito Braga


(2005) evidenciará a prospecção do homem para com os pássaros marinhos que - com seus
excrementos, criam depósitos de guano ricos em fosfato de cálcio existentes nas costas do
Peru e do Chile. A caça dessas aves causa uma queda na taxa de retorno de fósforo à
natureza. Por outro lado, P. B. Tinker tratará no seu artigo “Economy and chemistry of
phosphorus”(“Economia e química do fósforo”) que “Os fatos presentes não estão em
disputa: a produção atual é de cerca de 15 milhões de toneladas por ano, aumentando em
uma tendência de longo prazo de 6-7% ao ano, a partir de reservas mínimas demonstradas
de cerca de 6.000 milhões de toneladas, o que sugere o esgotamento em 50 anos, no entanto ,
as reservas reais devem ser muito maiores, e Brinck, usou uma abordagem de modelagem
para inferir que poderia usar uma abordagem de modelagem para inferir que poderia haver
uma quantidade de 40.000 a 500.000 milhões de toneladas em todos. Mesmo esse maior
valor seria exaustado em 120 anos se a tendência continuar. ” (TINKER, 1977).
Consideramos, então, que ambos autores têm problemáticas que não são excludentes, mas se
completam, ainda que Tinker aborde a questão da exploração mineral com mais afinco.

Nesse contexto, surgem as pesquisas de cientistas do mundo inteiro que, em busca de


uma solução para a problemática, viram ser mais proveitoso estudar o ciclo do fósforo desde
os seus primórdios para solucionar o problema de maneira mais eficaz. Um desses grupos é
coordenado pelo pesquisador Cristopher Reinhard (School of Earth and Atmospheric
Sciences, Georgia Institute of Technology, Atlanta, Georgia), o qual, em seu artigo
“Evolution of the global phosphorus cycle” (“Evolução do ciclo global de fósforo”)
demonstra que as “Previsões teóricas e observações do registro geoquímico fornece fortes
evidências de que os primeiros 80% - 90% de 4,5 bilhões de anos da história da Terra foi
caracterizada por enterro de P (fósforo) em margens próxima de sedimentos, um padrão que
ligamos a altas relações C(carbono) / P(fósforo) em produtores primários resultantes de uma
armadilha de P de nutrientes com base em Fe(ferro).” (REINHARD ,2017). Se é mostrado,
então, que, embora Braga (2005) e Tinker (1977) tenham suas discrepâncias, eles
complementam-se. Por isso, entende-se que a configuração do ciclo do fósforo tem,
praticamente, o mesmo tempo que a vida na Terra para a sua formação. Dado isso, para que
tenhamos um repositório rápido, seguro e não danoso aos anos de trabalho da natureza, se é
conveniente ater à exploração de guano.

3. ANÁLISES E DISCUSSÕES

Foi graças ao fósforo que o Brasil emergiu como uma grande potência de produtos
alimentícios tropicais, produzindo 40% de cana-de-açucar global, 29% de soja, 25% de
laranjas, 8% de milho e 8% de mandioca em 2013. Uma grande fração (49-62%) das terras
cultivadas no Brasil em 2005 estava em solos de fixação de fósforo. (Eric D. Roy, et al.
,2016).

Durante a revolução verde foram desenterrados grandes reservatórios de fósforo,


gerando um grande escoamento de fósforo das plantações para os rios e lagos e por fim aos
oceanos, que ao mesmo tempo prejudica o meio ambiente por meio do fenômeno da
eutrofização e torna o fósforo mais difícil de ser reutilizado.(Elser, J. and E. Bennett
,2011).Logo, “quantificar os impactos gerados pela atividade da aquicultura através de
indicadores ambientais é uma ferramenta útil com em relação à sustentabilidade ambiental.”
(Osti, J. A. S., et al. ,2017).

Com o escoamento de fósforo para rios e lagos, veio o processo da eutrofização que
vem se tornando um impacto ambiental de ordem global (Wiegand, M. C., et al., 2016).A
eutrofização é definida como o aumento na concentração de nutrientes como fósforo e
nitrogênio nas águas naturais (Souza, J. S. d., et al. , 2014). No geral, os resíduos da
agroindústria nos lagos apresentam composição de fósforo total variando entre 1 a 300 g/m -3.
Por isso, o Conselho Nacional do Meio Ambiente, estabeleceu uma regra para a concentração
máxima de corpos d’água de até 0,030 mg/L em ambientes lênticos; e até 0,050 mg/L, em
ambiente intermediários, com o tempo de residência entre 2 e 40 dias, e tributários direitos de
ambiente lêntico (CONAMA, 2005, 357). Por isso a eutrofização tem despertado a atenção
pública devido ao perigo que essas águas oferecem quando utilizadas para o abastecimento
humano.(Barbosa, I. B. R. and J. A. Cirilo, 2015).

A grande problemática sobre a escassez do fósforo será na industria alimentícia, pois


grande parte do fósforo e utilizada em fertilizantes. Prova disso foi que em 2005 das 17,5
milhões de toneladas de fósforo que foram coletadas na mineração 14 milhões foram usadas
em fertilizantes. Em 2008 por conta do crescente aumento no preço do fosfato devido a sua
diminuição nos reservatórios e pela crise imobiliária, houve um aumento de 700% no preço
do fósforo proveniente da mineração, gerando um aumento nos preços dos alimentos.(Elser,
J. and E. Bennett ,2011).

Porém esse problema de escassez não é algo recente em 1977 já foi dito que "O
primeiro tópico e mais básico é o fornecimento, já que o fósforo é um recurso mineral que
pode estar quase esgotado "(Tinker, P. B. ,1977)

4. CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES

Para começar a resolver o problema da falta de fósforo, é necessário diminuir o seu


desperdício e utilizar uma forma de reciclagem. Em parte 30% a 40% de alimentos são
desperdiçados, o que gera uma perda de 1 milhão de toneladas de fósforo por ano. Logo, uma
forma de diminuir esse desperdício seria mudar a produção de alimentos para mais perto das
cidades , dessa forma facilitando a compostagem devolvendo o fósforo ao solo.(Elser, J. and
E. Bennett ,2011).

Contudo, é possível reutilizar o fósforo desperdiçado pelos efluentes da agroindústria


através de tecnologias modernas de captação por abordagens químicas(precipitação química
do fósforo),adsorção, biológicas, além de técnicas de fertirrigação, o que pode ser um bônus à
indústria alimentícia. Ao que tange as vantagens da precipitação química de fósforo, “citam-
se a agilidade do processo, a facilidade de controle operacional, tolerância a compostos
biologicamente tóxicos, e independência da temperatura da reação[...] Os sais de maior
aplicabilidade para esta finalidade são a base de íons de Fe, Al, Ca e Mg, sendo a escolha
uma função da eficiência de remoção, associada à qualidade do lodo formado. Os
equipamentos usados, nesta tecnologia, consistem geralmente em reatores químicos de
mistura perfeita.”(M. Mariana, 2014).

É possível utilizar a técnica de adsorção para a remoção do excesso de fósforo na


água, visto que a sua eficácia chega próximo aos 90%. A forma de remoção se baseia no
desequilíbrio das forças de atração, resultando na adsorção. Assim, a adsorção física pode
ocorrer a partir das interações de Van der Waals universais, ou através de ligações químicas
entre o adsorvente e o poluente adsorvido, fazendo então a divisão da solução em duas
fases.(M. Mariana, 2014). Devido a sua eficiência, os usos de materiais tem sido amplamente
investigada para o uso no controle de poluentes.

A Remoção Biológica Aprimorada de Fosfato (EBPR), do inglês, Enhanced


Biological Phosporus Removal, usa de um grupo específico de bactérias, chamados de
organismos acumuladores de fosfato (PAO). “A alternância em relação à disponibilidade do
elemento oxigênio faz com que os micro-organismos selecionados assimilem uma quantidade
de fósforo superior à requerida nos processos metabólicos usuais. Neste sentido, sob
condições anaeróbias os micro-organismos consomem a matéria orgânica facilmente
biodegradável, armazenando energia na forma de polihidroxialcanoatos intracelulares
(PHAs) com paralela liberação de fosfato para o efluente” (M. Mariana, 2014). Portanto,
torna-se altamente rentável o uso desse tipo de tecnologia para a remoção de poluentes.

As aplicabilidades são muitas e as formas de tornar esse recurso sustentável é um


artifício para o crescimento da agroindústria, o que atualmente é uma preocupação mundial,
visto que a fome é ainda uma das problemáticas universais. Sendo o fósforo como um
elemento de suma importância, todas as formas de estender o tempo de vida dele para médio-
longo prazo devem ser consideradas.

5. Referências Bibliográficas

BRAGA, B. and I., Hespanhol (2005). Introdução à engenharia ambiental: o desafio do desenvolvimento
sustentável, PRENTICE HALL BRASIL.

CARDOSO, E. J. B. N. (1992). Microbiologia do solo, Sociedade Brasileira de Ciência do Solo.

Barbosa, I. B. R. and J. A. Cirilo (2015). "Contribuição média de fósforo em reservatório de abastecimento de


água - Parte 1." Engenharia Sanitaria e Ambiental 20: 39-46.

Bolin, B. (1981). "Interactions of biogeochemical cycles." Nature 293(5832): 434-434.

Elser, J. and E. Bennett (2011). "Phosphorus cycle: A broken biogeochemical cycle." Nature 478(7367): 29-31.

Souza, J. S. d., et al. (2014). "Aplicação das concentrações e proporções de


nutrientes no diagnóstico da eutrofização."

Tinker, P. B. (1977). "Economy and chemistry of phosphorus." Nature Publishing Group


2.

Wiegand, M. C., et al. (2016). "Vulnerabilidade à eutrofização de dois lagos tropicais de climas úmido (Cuba) e
semiárido (Brasil)." Engenharia Sanitaria e Ambiental 21: 415-424.

Osti, J. A. S., et al. (2017). "Nitrogen and phosphorus flux from the production of Nile tilapia through the
application of environmental indicators." Brazilian Journal of Biology: 0-0.

Reinhard, C. T., et al. (2017). "Evolution of the global phosphorus cycle." Nature 541(7637): 386-389.

Maroneze, Mariana Manzoni et al.(2014) “Phosphorus removal technology: Management of the element in
industrial waste”. Ambiente e Água - An Interdisciplinary Journal of Applied Science, [S.l.], v. 9, n. 3, p. 445-
458, aug.. ISSN 1980-993X.

Eric D. Roy, et al. (2016). "The phosphorus cost of agricultural intensification in the tropics." Nature Publishing
Group

CONAMA, Resolução. 357, de 17 de Março de 2005. Conselho Nacional do Meio Ambiente-CONAMA, 2005,
357.