Anda di halaman 1dari 126

MARCOS DA MATA

O vidreiro 9

O raio da morte 21

transmissor universal 33

obsessions beer 45

evolução elétrica 55

atrito primordial 67

mágica alternada 79

o que nos excita 91

a centelha 103

estímulo desenfreado 115


O VIDREIRO
Adnelson Campos

Adnelson Campos
é administrador, gerente de mineração da Industrialização do Xisto em São Mateus do Sul, PR. Possui vários textos publicados em
antologias impressas e digitais. É autor do livro Histórias que as estrelas contam: um pouco de astronomia para adolescentes.
Contato: adnelsoncampos@gmail.com
O VIDREIRO
Adnelson Campos

Carl Staklar fazia os últimos ajustes antes de acionar o


dispositivo. A ciência não seria a mesma depois da experiência. Mal
podia esperar pela próxima reunião da Academia e olhar nos olhos dos
descrentes e do jornalista que o ridicularizou.
O mundo era uma efervescência de descobertas. O telefone
havia sido aperfeiçoado por Graham Bell, Tesla conseguira a primeira
transmissão sem fio e disputava com Edison a Guerra das Correntes. O
mais pesado que o ar estava prestes a voar.
Foram cinco anos de intenso trabalho no velho galpão
empoeirado e cheirando a cinzas. O calor do forno e da caldeira deixavam
no seu corpo as marcas das várias tentativas de conseguir o material
perfeito. A rotina se tornava suportável com a ajuda de Victor, seu
assistente, que além de um cientista era um ótimo cozinheiro. A comida
diminuía um pouco a ansiedade dos dias de confinamento.
— Mestre, gostaria que eu preparasse algo antes do teste?
— Obrigado, Victor, mas eu não conseguiria mastigar algo
neste momento.
— Seu pai sentiria muito orgulho, Senhor!

11
— Preciso que dê tudo certo. Usei o dinheiro de toda uma
vida de trabalho dele. Transformei a fábrica em meu laboratório. Me
lembro do dia, um pouco antes de sua morte, em que ele me presenteou
com o livro de Júlio Verne e disse: Carl, um homem de sucesso precisa
ter visão de futuro. Este homem possui este dom e coloca no papel uma
visão diferente sobre as potencialidades da ciência, do poder criativo e
realizador do ser humano.
— Vai dar certo! Nunca conversamos sobre isto, aliás,
conversamos pouco, trabalhamos muito, mas tenho uma curiosidade:
qual foi o livro de Verne e o que despertou o seu interesse pela ciência?
— Quando li Vinte mil léguas submarinas foi como se algo
iluminasse meu pensamento. O Nautilus possuía uma fonte de energia
inesgotável e baterias capazes de acumula-la. A solução de Nemo não me
parecia possível. Verne era um escritor, não um cientista. Assim, apesar
de brilhante, não conhecia certos aspectos técnicos. Eu me tornaria o
cientista que ele não foi. O Capitão Nemo tirava das águas, do mundo
submarino pouco explorado, tudo o que precisava. Percebi que em nossa
vida terrestre não nos damos conta de que no ar, na atmosfera, embora
invisíveis estão elementos vitais para o nosso futuro. Tesla também havia
chegado a mesma conclusão.
— Agora sim! Me lembro de algo que o senhor havia
resmungado por diversas vezes: é trágico imaginar que para nos
comunicarmos precisamos estar presos a um cabo de telégrafo. Foi a cena
onde o capitão Nemo dizia que para deixar o Nautilus num escaler usava
um cabo de cobre preso entre a nave e o barco, não foi?
— Isto mesmo.
— Eu também li Vinte mil léguas submarinas e o que me

12
impressionou foi a descrição da cena onde era possível ver, mesmo em
grandes profundidades, o oceano através do vidro. Eu pensava: como o
vidro poderia suportar tanta pressão?
— Pois foi nesta cena que eu busquei a resposta para o meu
projeto. Lembre-se que neste galpão funcionou a fábrica de vidros do
meu pai.
— Eu durmo, acordo e passo o dia trabalhando os cristais.
Só não havia ligado tudo isso a história de Verne. No começo eu não
entendia como um isolante elétrico poderia ajudar a compor uma fonte
inesgotável de energia.
— Não há fonte inesgotável de energia, nem um moto-
contínuo perfeito. Minha máquina será capaz de acumular e gerar energia
com um pequeno impulso. Usará as forças eletromagnéticas presentes no
universo para alimentá-la. – disse Carl como que tentando tocar algo
invisível no ar.
— Vejo que guarda segredos, não confia em mim Mestre.
— Confio. Apanhe na gaveta de minha mesa um pacote.
Passei o último fim de semana organizando meus documentos, minhas
anotações. Preciso que guarde com você.
— Por que o senhor mesmo não guarda?
— Quando eu acionar o dispositivo, preciso que você esteja
longe daqui caso algo dê errado.
O aparelho de Carl possuía o formato de um grande obelisco
de cristal quase que maciço. Em sua base, diversas camadas de vidro e
metal fundidos em blocos e com dispositivos internos interconectados
por fios do mesmo metal transparente. No centro, um pequeno motor,
aparentemente simples, com um rotor e pequenos sensores magnéticos.

13
Ao lado do motor, algumas bobinas e pequenas peças que lembravam
o rádio de Marconi. Tais peças restavam num cubo totalmente fechada
a vácuo, o que permitiria ao motor sofrer o menor impacto possível da
força de atrito. Envolvendo a cúpula central, havia uma esfera com dois
anéis que, em movimento, geravam um campo magnético capaz de isolar
a ação da força da gravidade. Tudo permitindo a menor perda de energia
nos movimentos.
— Mas mestre, o que pode dar errado?
— Pense, Victor! O aparelho foi concebido para concentrar e
fornecer energia. Se o material isolante não for resistente o suficiente para
suportar a alta temperatura e a energia gerada, o vidro poderá se partir e
cada pedacinho se transformará num projétil.
— Então, porque não isolamos o aparelho com algum metal
mais resistente?
— Para evitar qualquer interferência do metal. Lembre-se
que o aparelho no centro é um receptor de ondas eletromagnéticas, que
captura as ondas vinda do Sol e da própria Terra, precisa de passagem livre
para ser recebido, decodificado e transformar as ondas em comandos para
o motor, que devolverá as ondas concentradas, fazendo-as multiplicar
por infinitas vezes a energia recebida, como se fosse o calor do próprio
astro rei.
— E como pretende controlar, comandar a intensidade dessa
energia?
— Lembra-se do controle remoto de Tesla?
— Sim, mas se era realmente um controle remoto, só
comandava direções. Era muito simples. Para controlar essas ondas
precisaríamos de um cérebro artificial!

14
— Teremos um cérebro natural! – afirmou Carl.
Victor permaneceu em silêncio. Por um instante pensou que
seu mestre era, como diziam, um cientista louco, uma espécie de Dr.
Frankenstein, misturando matéria viva com uma máquina.
— Fico aliviado por não contar com o meu cérebro, já que
pediu que eu me afaste durante o teste final. Mas o senhor pretende
retirar o cérebro de alguém?
— Vá até o armário, nos fundos da oficina. Lá há uma caixa,
traga-a.
O ajudante atendeu à ordem, preocupado com o que
encontraria. Pensou numa alternativa de fugir dali, caso o que encontrasse
na caixa fosse o que ele estava imaginando. Carregou a caixa com um
misto de medo e nojo e depositou-a sobre a bancada.
— Vamos, abra-a! – ordenou Carl.
Victor soltou os dois fechos, retirou a tampa de olhos fechados
e os abriu lentamente. Aliviado, retirou uma espécie de capacete, com
algumas bobinas e dispositivos desconhecidos para ele, tudo soldado na
parte superior do objeto.
— Que susto, senhor! Mas como um elmo o conectará com
a máquina?
— E, se eu lhe disser que o nosso cérebro é capaz de gerar
energia suficiente para causar uma explosão?
— Eu não acreditaria.
— Gosto da sua sinceridade, Victor. Todo o organismo
humano é movido por impulsos elétricos, comandados a partir do cérebro.
A energia cerebral é transmitida para o meio externo através de ondas,
em várias frequências, dependendo do estado de consciência cerebral.

15
Isto conectará minhas ondas cerebrais aos comandos da máquina.
— Me perdoe, senhor, eu me dedico a física, às ciências
exatas, não tenho como compreender isso.
— Lembra-se de que algumas vezes lhe pedi silêncio e me
isolei em minha sala?
— Pensei que se encontrava com sono e descansava.
— Eu estava me concentrando, reduzindo a minha atividade
cerebral, buscando frequências mais baixas, treinando o meu cérebro
para o processo.
— Sendo prático, senhor. Caso algo dê errado hoje, como eu
retomaria um projeto assim, com algo em que não acredito?
— Nas minhas anotações há mais informações a respeito.
Também há o endereço de um médico francês, que mora na Terceira
Avenida. Ele trabalha com sessões de hipnose e poderá ajudá-lo.
— Não seria melhor que eu procurasse um monge budista?
— Não zombe, Victor. Embora muitos não reconheçam, isto
também é ciência.
— Eu não queria ser indelicado, mas me falta fé!
— Então, não percamos mais tempo!
— Mestre, uma última pergunta, é possível?
— Faça-a!
— Seu pai trabalhou durante tantos anos na fábrica de vidros,
muitos sopradores trabalhavam aqui também. Nestes anos o senhor
descobriu mais sobre o vidro que nos últimos quatro mil anos. Porque
não investe o dinheiro que lhe restou numa nova fábrica e transforma
tudo numa grande fortuna? Seria reconhecido como um revolucionário
na indústria de materiais, sem correr riscos.

16
Também pensei nisso. Num futuro não muito distante o
mundo será feito de cristais. Hoje tenho três motivos para o meu projeto:
mostrar aos críticos do que sou capaz; realizar um sonho de juventude e
conquistar o coração de certa pessoa. Não penso em dinheiro ou fortuna.
— Sempre o vi como um homem frio, de poucas emoções ou
sentimentos.
— Quem sabe seja uma forma de proteção, meu caro Victor.
— Quanto a pessoa a conquistar, é a jovem Rose, professora
do Instituo de Artes, não é?
— Como sabe?
— Nas últimas duas vezes em que cruzamos com ela, o senhor
quase acidentou-se. Na primeira vez torceu o tornozelo virando o pé na
guia e por pouco não foi atropelado por um automóvel e na segunda vez
o senhor deu de cara com o poste.
— Fico bobo na presença dela, não é?
— Todos ficamos na presença de uma bela mulher, senhor!
— Me imagino perdido entre aqueles cabelos ruivos.
Carl parou por alguns instantes, como quem ouve a melodia
do instrumento, imaginando os dedos da jovem dedilhando o velho piano
do teatro na apresentação de Natal. Ela indiferente a existência dele.
— Será que ela leu a primeira página do Diário? – questionou
Victor.
— Quem não leu? Por isso preciso mostrar que estão
enganados. Assim, quem sabe, Rose me perceba em sua vida. Não com um
louco ou um bruxo. É incrível, mas o Século XX estava batendo às portas
do mundo e quando não se consegue entender ou explicar determinado
fenômeno confunde-se a experiência com magia ou feitiçaria.

17
— Creio que eles tenham algum motivo para isso senhor. Eu
mesmo...
— Já sei Victor. Espere, depois me julgue. A edição de amanhã
do Diário trará a chamada: Carl Staklar, o Mago do Novo Milênio, põe
fogo em Nova Iorque.
— Pretende colocar fogo em Nova Iorque?
— Não, meu caro. Só reproduzo o exagera das manchetes. A
cidade apenas será iluminada, um pouco mais do que o de costume.
Fizeram os últimos ajustes. Victor conectou os últimos cabos
e ajudou Carl com o capacete.
— Mestre, posso abraça-lo?
— Não precisamos de despedidas. Obrigado pelo apoio. Tudo
isto está me deixando com fome. Volte logo! Quem sabe dê tempo para
que você me prepare um lanche antes da chegada da multidão.
Victor saiu a passos rápidos. Queria muito poder observar o
funcionamento, o teste final da máquina, entretanto, não iria contrariar
as ordens do mestre. Como combinado, posicionou-se depois da cerca
da fábrica, no outro lado da rua, segurando o pacote com as anotações
de Carl.
No interior da fábrica, Carl acionou os dispositivos e iniciou
a série de comandos. O receptor no interior do obelisco de cristal
começou a receber os sinais: a pequena lâmpada ao lado da principal
bobina ascendeu-se. Lentamente o motor começou a funcionar. As
ondas eletromagnéticas fizeram o rotor movimentar-se e aos poucos a
energia produzida começou a inundar o dispositivo. Era como se toda a
força gerada se concentrasse no compartimento que envolvia o cérebro
da máquina. Carl tocou o obelisco para verificar a temperatura. Tudo

18
permanecia perfeitamente isolado. Remotamente comandou a conexão
com o cabo condutor externo, que se ligava a uma máquina que acionava
o alto forno da fábrica de vidro. A energia elétrica que substituía o
carvão do forno aqueceu a massa e mais vidro se derramava nos moldes
previamente dispostos. Carl sorria.
Distante, Victor percebia a luminosidade do obelisco que
iluminava as pequenas janelas na cobertura da fábrica e se expandia
ainda mais pelas placas de vidro instaladas na cobertura. Provavelmente
toda Nova Iorque estaria procurando a origem da luz projetada contra as
nuvens altas que cobriam parcialmente o céu da cidade.
Tudo ia bem, até o momento em que Carl percebeu estar
recebendo sinais através de seu capacete. Os sinais, cada vez mais fortes
minavam suas forças. Ele tentou acionar o dispositivo que desligaria a
máquina, o cabo que fazia a ligação rompeu-se internamente à peça de
cristal. O rotor girava agora numa velocidade indescritível e a energia
parecia concentrar-se ainda mais.
Não houve tempo para a expressão de uma única palavra
saída da boca do cientista. Um clarão tomou conta de todo o espaço e a
fábrica foi pelos ares. Victor esboçou uma fuga. Não chegou a deslocar-
se e foi atingido pelo impacto que destruiu muitos quarteirões em cada
direção a partir do obelisco.
No dia seguinte Rose segurava nas mãos um exemplar do
Diário e a manchete da primeira página era a profetizada por Carl Staklar.
Uma lágrima escorreu em seu rosto, lembrando do sujeito que assistia o
seu concerto de Natal boquiaberto, a mesma expressão que se repetiu em
alguns rápidos encontros nas ruas de Nova Iorque.

19
O RAIO DA MORTE
Alex Giacomin Rebonato

Alex Giacomin Rebonato


é formado em História, RPGista, Akidísta e escritor. Contato: alexrebonato@gmail.com
O RAIO DA MORTE
Alex Giacomin Rebonato

Contei histórias de bicho-papão, Saci-Pererê e Mula-Sem-


Cabeça aos meus filhos, mas nunca contaria sobre a guerra. Mesmo assim,
enquanto me preparo para alcançar o fim da linha, acredito necessário
meu desabafo confidente.
Há medos que somos propícios a superar com o tempo e
a idade, mas há horrores que nunca deveriam sair da mente perturbada
dos lunáticos.
Fomos a Itália, na década de 1940, embora todos
acreditassem que seria mais fácil uma cobra fumar do que o Brasil, pátria
amada idolatrada, enviar teus filhos ao combate na Segunda Grande
Guerra. Mas, a cobra fumou no final das contas.
Em geral, nós do 1° Grupo de Aviação de Caça da Força
Aérea Brasileira, fazíamos várias sortidas por dia, procurando inimigos
que vagassem pelo céu, ou qualquer coisa com as cores do inimigo que se
movesse em terra.
A guerra pode ser difícil de superar, mas, pelo menos para
mim, as mortes pareciam bem distantes. A FAB tinha a vantagem de não
olhar os inimigos nos olhos. Que Deus abençoe a FEB.

23
No início das missões na Itália, nós brasileiros sempre
ocupávamos o quarto lugar na esquadria composta por americanos.
Eles chegaram lá primeiro, mas assim que tiramos os pés do chão, não
envergonhamos nossa pátria. Com o tempo, passamos a voar juntos,
quatro malandros no céu lusitano. Para superarmos o medo de morrer,
primeiro superamos o medo de matar.
Durante nosso serviço, em 44, mossa esquadria estava em
missão como objetivo de destruir uma estação ferroviária que, segundo
nossas ordens, estava em atividade e transportava munição e mantimentos
para as forças do Eixo no fronte.
Até aquele momento, não havia muita surpresa nas
investidas. A fase do combate aéreo já havia praticamente terminado,
então era mergulhar, fazer a mira, lançar as bombas e recuperar. Nossa
única preocupação eram as defesas terrestres, que cobriam o ar com
artilharia pesada bem onde deveríamos descer. Isso explicava a conta
cara de três baixas por mês. Após a missão principal, a sortida consistia
em buscar o que chamávamos de alvos de oportunidade, localizando e
destruindo com nossas metralhadoras de .30pol em ação sempre que
fosse preciso. Tínhamos oito dessas em cada P-47.
Foi um orgulho pessoal muito grande quando, após o fim
da guerra, meus companheiros comentassem que a Esquadria Amarela
foi a de maior bravura no combate. Éramos destemidos, sem dúvida, mas
o elogio teve seu preço. Todos nós caímos.
Mesmo que eu tenha sobrevivido.
Nesta última missão, demos com um pequeno comboio
alemão percorrendo uma estradinha irregular que levava ao sopé da
montanha. Havia uma caverna ali, e apesar de abatermos os últimos

24
carros, boa parte da fila de veículos alcançou a segurança da caverna.
Fizemos a volta. A manobra nos levaria ao alvo, e “sentaríamos o dedo”
no gatilho, como costumávamos dizer, para, no mínimo, incomodar os
inimigos.
Foi nosso líder que viu os trilhos de trem que saíam da boca
obscura da caverna. Antes que ele pudesse atirar, um grande vagão –
bastante esquisito, como eu constatei depois – foi empurrado para fora
da toca. O vagão transportava algo que me lembrou o cano de um tanque
de guerra, mas não era exatamente como um. Era incompreensivelmente
diferente.
Aquilo estava apontado para o céu, para nós. Foi muito
rápido, o clarão passou por nós com uma intensa vibração que fez tremer
o avião. A luz teria nos cegado se não fossem os óculos, e, rápido como
um raio, os aviões morreram em pleno ar.
Tive tempo de tentar a comunicação com meus parceiros,
mas, assim como todas as outras funções, o rádio também morrera.
Lembro de ter aberto o canopy, desengatado tudo o que me prendia
ao acento e saltado, rezando alto para que o pára-quedas não falhasse
comigo.
Aquele relâmpago vibrante foi o único tiro que o estranho
canhão nazista disparou. A aterrissagem foi bruta, mas felizmente
consegui descer sobre um capim que, apesar de seco e quebradiço,
amorteceu bem o impacto. Meu líder – era ele o outro sobrevivente a ter
saltado – já não teve tanta sorte. Os segundos a mais que levou para se
desvencilhar do equipamento e conseqüentemente abrir o pára-quedas,
foram propositais para a obtenção de um tornozelo inchado e fraturado.
Escondi os equipamentos de salto que salvaram nossas

25
vidas em moitas próximas, mas sabia que os alemães estariam em breve
rondando aqueles lados a nossa procura. Nossa apreensão de nada valeu
e passamos o restante do dia escondidos esperando os alemães que nunca
vieram. Talvez estivessem rondando a nossa procura e fosse só questão
de tempo até nos cercarem e efetuarem a captura – ou o abate – mas não
vimos, nem ouvimos nem sinal do inimigo. Quem sabe acreditassem que
todos os pilotos tivessem sido fatalmente abatido na queda,
Mas os alemães, metódicos como eram, não deixariam
uma presa fácil escapar. A não ser que algo mais importante requisitasse
sua atenção. E isso, por sua vez, atraiu a nossa atenção também.
Ao cair da noite, com a cobertura da escuridão que
aumentava, fui de fininho buscar o local da queda dos dois aviões que
não explodiram. Invadido por uma tristeza fria como o clima daquele
inicio de noite, vi o metal retorcido e parcialmente chamuscado. O rastro
e os destroços indicaram que assim que atingiu o solo, o principio de
incêndio foi apagado bruscamente quando o avião ricocheteou na terra,
deslizando por uns oito metros antes de se chocar com um amontoado
de pedras e ali permanecer. Dentro, tão destroçado como a aeronave que
pilotava, estava o piloto, meu companheiro e irmão de armas, e em meio
à luz final do ocaso, constatei cheio de pesar que seu sangue, a despeito
de todos os discursos inflamados que incentivavam os pilotos, não era
verde oliva como nossos uniformes, mas sim de um vermelho vivo que
apertava meu coração.
Desisti de vasculhar a outra aeronave. Aquilo foi suficiente.
Já abatidos, nos restava agora completar esta missão e dar o troco aos
alemães.
Dentro da caverna pudemos perceber porque nenhuma
equipe de busca foi designada para averiguar nossa queda. Havia poucos

26
soldados ali, armados, e um oficial – facilmente reconhecido pelo porte
alinhado e por gritar mais alto com seus subordinados. O que estavam
fazendo era grotesco e perturbador.
Os trilhos da linha férrea que chegavam ali adentravam na
gruta e foram por eles que o vagão abarrotado de corpos.
Aos pilares naturais de pedra sólida se misturavam as
grandes colunas que me lembraram Bobinas de Tesla, e eram delas que
provinha a maior parte da iluminação que nos permitia ver. Feixes de
raios constantes emitiam uma luz azulada e, assim como o raio que
nos atingiu, também produziam o chiado arrepiante que nos deixou
magnetizados.
Como os soldados se apressavam em seguir as ordens do
oficial, fui cada vez mais, mesmo que vagarosamente, conduzindo meu
líder para o interior da caverna, sempre seguindo as laterais rochosas que
nos ofereçam cobertura. Contei vinte soldados vivos, cuja maior parte
retirava os soldados abatidos do vagão e os depositava em uma lona
estendida ao chão. Indescritível foi minha repulsa ao ver que alguns,
ainda que feridos de morte movimentassem fracamente seus membros
ou pronunciavam resmungo de dor e desespero.
Estávamos próximos agora do “vagão canhão” que nos
atingiu, repousando sem qualquer operador. Meu líder, sujeito culto,
disse algo e tal era seu medo que só pude entender “bobina primária” e
“centelhador”. Segui a direção que seu dedo trêmulo indicava e observe
dois homens de jaleco branco e luvas amarelas, ambos com óculos
redondos e escuros lhes cobrindo os olhos.
Ao dizer que eu estava liberado para tomar minhas
próprias decisões, meu líder foi se arrastando para dentro do “vagão
canhão”. Apesar da aparente dor que sentia por seu tornozelo partido,

27
havia um resquício de bom humor no canto dos lábios. Ele sabia como
acabar com uma festa.
Enquanto ele preparava e reconhecia os comandos do
mecanismo esdrúxulo, reparei de esguelha a rotina frenética dos soldados
inimigos. Todo o equipamento dos homens abatidos era retirado e
depositado em uma grande pilha onde se misturavam rifles, cintos de
munição, algumas metralhadoras e, bendito seja Deus, várias granadas.
As baionetas não. Essas eram separadas.
O canhão foi se iluminando conforme girava em direção
ao interior da caverna. O oficial alemão cessou seus gritos e por um
momento todos cessaram também suas ações. Como o disparo daquela
máquina esquisita não havia nos explodido, também não explodiria
nada ali, e foi com esse pensamento que me líder – como despedida de
uma guerra cujo papel que desempenhara poderia se orgulhar – fez mira
onde os homens de jaleco branco trabalhavam. Um deles, recobrando
a consciência, puxou uma exagerada manivela que pareceu “ligar” toda
aquela parafernália.
Uma série de raios azulados desprendeu-se da bobina central
saltando aleatoriamente entre os outros pilares-bobinas até circular a
lona onde os soldados abatidos jaziam inertes – em sua maioria.
Os feixes se aglomeraram em torno de um grande
equipamento que lembrava um lustre, suspenso sobre o amontoado de
soldados parcialmente destroçados, que pareceu absorver a energia, para
depois, com um clarão cegante, descarregar uma única rajada que fez os
cadáveres dançarem em louca e horripilante convulsão.
Neste exato momento, meu líder disparava o mesmo canhão
que nos abatera, e a rajada vibrante atingiu, em cheio, o pilar central,

28
causando uma espécie de curto que fez todas as luzes da caverna se apagar.
Eu já havia acalcado a pilha de equipamentos, e dela estava retirando
tudo que podia ser útil. Os soldados disparavam suas armas no vagão,
onde meu líder estava, alheios a minha presença.
Na escuridão total em que estávamos, ouvi as ordens
gritadas do oficial da SS, e em seguida a movimentação frenética de
uma manivela. Logo os holofotes que ladeavam as paredes da gruta se
acenderam com uma luz fraca, no início, que se intensificava a cada
impulsão da manivela do gerador.
Meu líder saiu pela mesma abertura lateral do vagão,
alvejado pelos tiros inimigos, e para ele arremessei uma metralhadora
alemã, e revidamos fogo com fogo. Quando os holofotes atingiram
sua plenitude, até os soldados alemães petrificaram-se ante as palavras
gritadas do oficial da SS “Ja! Die Toten sind am Leben!” – que dizia, eu
soube depois por meio de um tradutor – Sim! Os mortos estão vivos!
Ele erguia suas mãos enluvadas ao alto e gargalhava freneticamente ante
aos soldados que, outrora moribundos e sem vida, agora se levantavam
tropegamente ou se arrastavam pelo solo. Muitos ainda sangravam de seus
ferimentos, e nem a falta de membros – braços, pernas, mãos – e lacerações
por todo o corpo, tórax, face e crânio, impediam que se movimentassem.
Não falavam, todavia, mas emitiam grunhidos pavorosos, mantendo os
olhos leitosos fixos a observar o nada.
O oficial alemão despejava novas ordens gritadas e
apontava para onde nos abrigávamos, enquanto eu procurava um
fuzil de precisão, e os soldados “não-mais-mortos” passavam pela
grande bancada e apanhavam baionetas, se dirigindo vagarosamente
em nossa direção.

29
Quando encontrei o que procurava, fiz mira e disparei
bem na garganta do SS, calando seu estridente júbilo, mas os inimigos
reanimados não cessaram de avançar. Os soldados vivos, mesmo eles, se
afastaram do caminho das criaturas desnaturadas, correndo para o lado
oposto ao nosso.
“Exploda o lugar”, foi o que meu líder me ordenou,
descarregando a metralhadora inutilmente nos defuntos que avançavam.
Ganhando terreno ante a impossibilidade de corrida do alvo – pois a
fratura nos tornozelos, ele sabia lhe custaria à vida – os soldados inimigos
não mostravam reação aos novos buracos de bala, e caíram sobre meu
líder com as afiadas baionetas rasgando sua carne.
Como não havia manual de instrução no mundo capaz de
me dizer o que fazer, eu recolhi o máximo de granadas que pude e saí em
disparada para a abertura da caverna. Arremessei uma das granadas no
amontoado de equipamento, mas não estava a uma distancia adequada, e
a força da explosão – bem maior do que eu esperava – lançou-me ainda
mais adiante.
Larguei os vários explosivos no pé de uma grande coluna e,
ao correr, arremessei ali a última “granada de vara” alemã. A explosão
estremeceu toda a montanha, e o desabamento me impeliu ainda mais
para fora da caverna.
Quando acordei, no dia seguinte, meu braço estava
esmagado por um grande pedregulho, mas não havia sinal algum do
que antes era à entrada da gruta. Só os trilhos de ferro, que morriam
no amontoado maciço de rochas, denunciavam uma vaga ideia da
trama anterior.
Fui regatado mais tarde por partisanos, e dei conta dos

30
meus ferimentos à queda que sofremos, mas preferi pegar um porre a
contar a verdade.
Embora tenha deixado a guerra com honrarias, nunca
esquecerei aquela missão fatídica que me custara um braço e parte eterna
de minha sanidade.
Levaria o segredo comigo de bom grado para o túmulo,
pois há bastante espaço no caixão pelo braço que me falta, embora não
haja espaço em minha alma para manter apenas para mim o medo das
coisas que os inventos mais absurdos podem ser capazes de criar.

31
TRANSMISSOR UNIVERSAL
Bruno Lopes Curiel

Bruno Lopes CurieL


é mineiro e bacharel em Ciências Econômicas. Contato: curiel_br@yahoo.com.br
TRANSMISSOR UNIVERSAL
Bruno Lopes Curiel

Andreas Zimmer lia a carta pela sétima vez e ainda não cria
em seus dizeres. Bebeu outra golada de uísque e recostou-se sobre o apoio
da poltrona carmin. Respirou fundo e massageou sua testa vagarosamente
em busca de conforto e concentração. Dobrou as folhas manuscritas tal
como estavam antes de abri-las e as guardou de volta no envolpe.
— Andreas, tenho outros clientes a atender. Amigos, amigos,
negócios a parte. Se for ficar mais meia hora olhando para esse envelope
terei de ir embora.
— Desculpe, Louis, mas por que você só me entregou isso
agora?
— Fui contratado para lhe entregar essa carta na data de hoje.
Você sabe muito bem como opero, mon ami.
— Vou precisar de sua ajuda. E de seus serviços profissionais.
— Ótimo — Disse Andreas, que abriu sua maleta de onde
tirou um bloco de anotações, uma caneta ponta de pena, um tinteiro e
uma pequena coruja de pedra.
— Por que essa coruja?
— É um amuleto. Vamos, diga tudo que preciso saber.

35
— Bem, essa carta foi realmente entregue a você por Tesla?
— Pela oitava vez, foi entregue pessoalmente por ele a mim.
Disse que era seu plano B.
— Ele realmente foi assassinado? Ele tinha quase noventa
anos!
— Não tenho dúvidas. Minhas fontes nunca estão erradas,
mon cher.
— Pois bem, recapitulando meus últimos contatos pessoais
com Nikola, ele dizia estar perto de finalizar o Transmissor Universal.
E em sua última carta ele parecia paranoico, falando sobre estar sendo
perseguido e vigiado, isso foi em 1941, há quatro anos — Louis tomava
nota e escrevia observações em seu bloco. Vez ou outra acariciava sua
coruja de pedra, como se fosse um animal de estimação.
— Muito bem, prossiga.
— Bem, aqui há uma possível localização de onde estariam
os projetos do Transmissor. Ele disse que trocaria sempre que houvesse
alguma atualização. Só há um problema, existe a possibilidade de já terem
roubado.
— Uma guerra mal termina e outra parece estar prestes a
começar, mon cher Andreas. Teremos de sair da Áustria o quanto antes
com destino aos Estados Unidos da América.
— Você acha que será difícil?
— Se eu acho? Se eu acho? Que diabos de pergunta é essa?
— Disse tirando seu chapéu e colocando-o ao lado da coruja — É claro
que será difícil. Você está acostumado a ser o manda-chuva por aqui,
mas há outros criminosos, Herr Andreas, outros criminosos muito mais
poderosos que você.

36
— Então você me vê como um criminoso?
— Aos olhos da lei você é. Robin Hood era um criminoso,
não era? Tesla não foi considerado criminoso, mas, por outro lado,
assassinaram-no. Tomaram sua vida por desejar um bem maior. Por
mais que a vaidade intelectual estivesse em jogo. Os lacaios dos finados
Thomas Edison e J. P. Morgan são os responsáveis e com certeza vão
procurar por qualquer evidência que coloque seus bolsos em cheque.
— Mas se há tanta urgência, por que só recebi essa carta
depois de mais de dois anos de sua morte?
— Eu tenho uma modesta teoria. Mas vou guardá-la por mais
um tempo. Não quero lhe dar falsas esperanças.
— Ah, filho da mãe, não me deixe curioso.
— Não pense nisso por enquanto. Preciso terminar o que
vim fazer aqui. Obrigado pelos drinques. Sortemente saí de Paris com
tudo o que precisava. Se estiver tudo bem para você, saíremos em três
dias. O que me dizer, Herr Andreas?
— Ótimo. A título de curiosidade, qual o serviço da vez?
— Se for contextualizar toda a razão do serviço, acho que
perderíamos esses três dias até a viagem. Digamos apenas que com Hitler
fora da jogada, fui contratado para fazer uma pequena limpeza. Ainda há
vestígios de seus seguidores políticos que precisam de umas férias lá no
inferno e eu, como um bom agente de viagens, providenciarei a primeira
classe.
Após Louis Portier ir embora, rumo a sua empreitada,
Andreas tirou seu diário de seu esconderijo e começou a escrever suas
percepções a respeito do dia e os fatos fora do comum que caíram em seu
destino. Desde a visita de seu grande amigo francês a sua nova missão no

37
continente americano. A princípio sentira-se confiante a respeito de sua
missão, contudo sentiu as pernas bambearam quando o amigo ressaltou
as proporções inimagináveis do inimigo. Será que Portier já servira
alguém mais poderoso que ele?
*
— Odeio viagens longas, ainda mais em um barco!
— Acalme-se, mon ami! Era um navio muito bem estruturado.
Estamos são e salvos. E em solo americano.
— Louis, ainda acho um erro não ter trazido pelo menos dez
de meus homens conosco.
— Meus contatos aqui me garantiram uma pequena tropa se
necessário, Herr Zimmer. Você não muda mesmo, sempre desconfiado.
Quando foi que já te deixei na mão?
— Bem, nunca...
— Pois bem, vamos. Jason deve estar aqui em algum lu...
— Monsieur Louis!
— Jason, como vai? Já faz um bom tempo, desde nosso último
encontro.
— Sim. Tenho vontade de voltar a Moscou.
— Os tempos agora são outros, acredito que seríamos menos
bem-vindos ainda se fizéssemos uma visita. Onde estão meus modos?
Jason, por favor conheça meu amigo, Herr Zimmer.
— Prazer, senhor Zimmer — Trocaram um aperto de mãos.
— O prazer é todo meu, Jason.
— Peço que me acompanhem. O hotel fica próximo e lá
poderemos conversar mais à vontade.
*

38
Já no quarto de hotel os três rapazes sentavam-se circundando
uma mesa oval. Jason trajava um terno cinza, Andreas estava de preto
e Louis trajava um terno cinza pomposo, com chapéu combinando,
acariciava seu bigode fino enquanto Jason passava as instruções
requeridas.
— Este endereço é da Biblioteca de Nova Iorque. Tem certeza
de que está correto?
— Só descobriremos investigando — Observou o austríaco.
— Ok. Aqui é o endereço da biblioteca, mas o que está escrito
depois... O que ele escreveu, não estou entendendo a grafia.
— Deixe-me ver — Pediu Portier, que pegou seus óculos
piscinê para encontrar mais precisão.
— ILLLY.
— É isso mesmo — Concordou Zimmer.
— Mas o que significa?
— Monsieur James, acredito que seja a identificação de um
livro — Andreas olhou para o amigo com insatisfação, já havia passado
detalhes demais a respeito de sua missão — Mas agora deixemos o
trabalho um pouco de lado. Percebi ali em cima alguns charutos para
degustarmos.
Distraíram-se por cerca de uma hora conversando a respeito
de política, estratégias da II Grande Guerra e até mesmo sobre a beleza
feminina em torno do globo. Andreas achou graça pelo fato de o fumo e o
álcool terem o poder de unir pessoas tão diferentes e de origens distintas.
Após mais meia hora de conversa fiada, Jason se despediu.
— Gostei muito desse charuto. Precisamos repetir uma
tragada antes de vocês irem embora. Se precisarem de mim, meu contato

39
estará na recepção. Boa noite, amigos! — E saiu.
— Louis, você é maluco? Você confia tanto assim nesse
homem para lhe passar informações tão facilmente?
— Claro que não. Não estou há tanto tempo no meu ramo
distribuindo flores na rua, mon cher. Uma fonte segura me informou
que Jason trabalha para os lacaios — Andreas fizera quase dezessete
expressões diferentes procurando palavras para profanar o nome do
amigo, quando finalmente encontrou uma, Louis fizera um adendo.
— Eu nunca te deixei na mão, e nunca deixarei, mon ami.
ILLLY não é a identificação de um livro, é um anagrama. Que quer dizer
Lilly — A face torta ainda segurada por Andreas se desfez e a surpresa
assumiu forma.
— Você é um filho da mãe, monsieur Portier! Estou a décadas
no submundo austríaco e você ainda me faz sentir um iniciante ás vezes.
Mas diga, como poder ter tanta certeza do significado da sigla?
— A razão de sua surpresa não é minha perspicácia. É, na
verdade, resultado do trabalho de Tesla. Não fez sentido nenhum, mas
quando me entregou a carta ele me disse cinco vezes seguidas “Lilly.”
Fiz uma careta torta e ele repetiu mais cinco vezes. Quando finalmente
perguntei o que diabos era Lilly, ele repetiu mais cinco vezes. Ou seja,
quinze vezes ele me falou Lilly, e aquilo me atormentou por um bom
tempo. Agora faz todo sentido.
— Aquele Nikola foi sempre zombeteiro, não é mesmo?
Adorava aquelas manobras visuais com eletricidade. Uma vez quase
tive uma parada cardíaca. Aquele desgraçado ficou brincando naquela
gaiola... Enfim, bons tempos.
— É, você realmente tem bons amigos, mon cher. Agora vou

40
para meu quarto, amanhã será um grande dia e é bom que estejamos
descansados.
*
— Bela estrutura arquitetônica!
— Qui. Tenho de concordar. Mais bela ainda é essa sua barba
ruiva — Zombou do disfarce do amigo.
— E você tem certeza de que não estamos sendo perseguidos?
— Eu não reparei nada. E sobretudo, se você não reparou
nada é por que realmente estamos seguros.
— Isso é verdade. Embora eu tenha quase certeza de que
vamos nos deparar com algum problema ali dentro. Ajeite sua barba, está
meio torta.
— Merci. E caso algo dê errado, nós precisaremos correr, mas
não se preocupe. Tenho um coelho para tirar da cartola.
Entraram na Biblioteca de Nova Iorque, era tão linda por
dentro, quanto o era por fora. Observaram tudo ao redor. Aparentemente,
ninguém os observava. Apenas a recepcionista que notara a presença dos
forasteiros.
— Tente a sorte na recepção. Darei uma volta aqui dentro,
Louis.
O francês tomou rumo para a senhora que os observava
enquanto Andreas caminhava por entre as inúmeras prateleiras. Bonita,
mas nem se compara à de Viena. Pensou enquanto procurava por algo
que não fazia ideia do que poderia ser. Até que percebeu Jason com mais
dois comparsas ao fim de uma das estantes a procura de algum livro. Pela
pressa aparente, devia ser algo bem específico que procuravam.
— Herr Zimmer! — Andreas olhou atônito para Louis. Fez

41
sinal de silêncio para que não fossem descobertos e aproximou-se do
amigo.
— Jason está ao fim daquela estante com mais dois comparsas.
E agora?
— Agora nós vamos embora, eles estão em busca da pista
falsa.
— Você descobriu algo?
— Lilly me pediu para esperar alguns minutos.
— Então ela era Lilly?
— Sim. Ela faz questão de conhecê-lo — Voltaram para a
recepção, onde Lilly os esperava com um pacote na mão.
— Andreas Zimmer! Que prazer finalmente conhecê-lo, sabe
que Niko me falava muito a seu respeito, ríamos muito com a história da
gaiola.
— Aquele desgraçado! — Riram juntos das lembranças,
deixando Louis um pouco deslocado.
— Lá, são eles. Vamos pegá-los!
— Lilly, foi um prazer — Disseram juntos ao perceberem que
foram descobertos por Jason.
Correram em busca de um bom refúgio. Ao saírem da
biblioteca, Jason sinalizou para capangas que aguardavam do lado de
fora e agora corriam de encontro aos dois estrangeiros. Um táxi seria o
ideal naquele momeno, todavia nada encontraram. Louis percebera que
alguns dos perseguidores tiraram armas de seus coldres.
— Vire aqui, mon ami!
Andreas o seguiu sem perceber onde entravam. Os
seguranças do local foram de encontro a eles apontando suas armas para

42
suas cabeças. Zimmer começou a manifestar novamente suas emoções
por meio de caretas em busca de um palavrão para se dirigir a Portier,
porém, percebeu que na verdade as armas estavam voltadas para o lado
de fora, onde agora Jason estava parado com expressão de ódio junto a
seus capangas.
— Isso está longe de acabar, seus desgraçados! — E foi embora
com seus empregados.
— Louis, seu filho de uma cadela, onde nós estamos?
— Ora, não use essas expressões em solo austríaco, mon cher.
— Essa é a embaixada?
— Certamente. O embaixador Strauss estava me devendo
dois favores.
— Esse deveria valer dois, Portier. — Disse o embaixador se
aproximando.
— Herr Strauss, que honra revê-lo! — Disse Andreas surpreso.
— Louis, você pede a minha ajuda para salvar a bunda de um
mafioso austríaco? Não podia ser italiano pelo menos? Já providenciei a
extradição de vocês. Haverá um primeiro navio que enviará sósias por
precaução e então vocês serão levados.
*
Dois dias depois estavam onde tudo havia começado, na
sala de estar da casa de Andreas Zimmer, o mafioso mais procurado da
Áustria. Momento quando finalmente abririam o pacote entregue por
Lilly, a bibliotecária estadunidense. Sentavam-se lado a lado na mesa para
desembrulhar o pacote.
— Você fez suspense, se tivesse me falado de seu plano eu
não teria quase me borrado todo.

43
— E onde estaria a diversão nisso tudo? E falando nisso, qual
é a história com a gaiola?
— Eu te conto se você me contar a história da sua coruja.
Temos um trato?
— De acordo.
— Tesla foi fazer a demonstração de sua gaiola para mim.
Quando surgiu a eletricidade sobre ela ele caiu e começou a se debater, eu
gritei feito uma mocinha assustada. Ele, por outro lado, levantou rindo
da minha cara. Sempre que conversávamos ele lembrava desse maldito
dia. — Após dois minutos rindo da cara de Andreas, Louis cumpriu sua
parte no acordo.
— A coruja é a única lembrança que tenho de meu pai. Ela
é meu lembrete do porquê busco por vingança. Em outro momento
conversamos mais a respeito. Mãos a obra — Desempacotaram o
embrulho.
— Projeto Mark Twain? — Indagou Louis.
— Eles eram amigos. Samuel Clemens, o escritor.
Provavelmente Tesla tenha homenagiado o amigo — Após um breve
vislumbre sobre as páginas acrescentou — É, monsieur Portier, em cada
página há uma assinatura de Nikola. Será que estamos mesmo perto de
construir o Transmissor Universal, e realizar o sonho da energia gratuita?

44
OBSESSIONS BEER
DIEGO NAVARRO

DIEGO NAVARRO
nasceu em Londrina, PR. É poeta, fotógrafo, designer gráfico e pesquisador musical. Em 2007 publicou Inverso Aparente. Também
possui poemas publicados na Coyote e em outras revistas literárias. Escreve resenhas sobre bandas no blog 60’s Hotel. Contato:
factorydesign@outlook.com
OBSESSIONS BEER
DIEGO NAVARRO

Não tenho outro modo de começar essa história a não ser


com esse relato que aconteceu comigo logo ao mudar para os subúrbios
de New York. Acordei uma noite com um cano de uma arma cutucando
minha testa entre os olhos, não tive tempo de expressar qualquer reação
com aquela situação, era um ser ligeiramente gordo com um bigode
exposto em um terno roto e seu chapéu coco mal colocado na cabeça.
Com uma voz amistosa e rouca dizendo que queria o que houvesse de
valor no quarto e, pra minha surpresa, sua tagarelice não tinha fim. Não
pude perder a chance de sacanear a figura em meu primeiro assalto. No
meio de sua procura e nossa conversa, perguntei a ele se aceitaria um
café, com todo cinismo, e, no meio do preparo adicionei mescalina em
sua xícara. Aquela situação tinha que ter um fim cômico. Ele gritava todo
tipo de loucuras, disse o policial quando encontrou meu “latro-amigo”
em ruas isoladas da vizinhança. Suspeito por intoxicar essa pobre alma, o
policial me encheu de perguntas dizendo que ele havia dito estar em meu
quarto. Mas logo aquela madrugada se acabou.
Naquelas primeiras manhãs de outono em New York, cruzei
toda cidade a fim de reunir peças para um quebra-cabeça que existia
em minha mente. Tinha um projeto ambicioso de uma máquina, uma

47
espécie de armário movido à energia elétrica, seria refrigerada e teria
uso doméstico.
Trabalhava em vários empregos e perambulava por todo o
canto trabalhando pra me manter naquela cidade. Após os dias cansativos
de trabalho as noites começavam sempre em uma taverna perto de onde
eu morava — Cohen’s Tavern, um lugar sempre com boas figuras ao
balcão, com sua luz baixa, pó de serra pelo chão e alguém desmaiado no
corredor que levava ao banheiro.
Todas as noites eu passava para algumas cervejas e conversas
ali mesmo pelo balcão onde estacionava todo tipo de maluco. Foi numa
noite dessas que conheci Pietro Fiori, rapaz grande cabelos curtos falava
aos montes arrastando seu italiano mafioso, sempre tinha um interesse
curioso sobre tudo da pessoa com quem conversava.
Na época, estava lendo sobre James Harrison, australiano,
tinha desenvolvido há alguns anos a primeira máquina refrigeradora com
o conceito da compressão a vapor. Harrison havia sido contratado por
uma cervejaria para desenvolver este projeto e a cerveja fosse resfriada
em seu processo.
Assim, comecei a projetar os modelos para os compressores
como uma bomba de calor para criar a refrigeração no ambiente interno
da caixa, mas tudo numa escala doméstica e movida por eletricidade.
Tinha poucos com quem contar e ainda precisava ter algo concreto para
ter um investidor. Então minhas teorias e ideias precisavam flutuar pra
fora da minha mente o mais rápido possível.
Com o novo mundo acontecendo diante de todos, numa
noite no Cohen’s me encontrei com Fiori e conversei por horas, e, num
acidente total, me disse que havia encontrado um projetista que estava

48
trabalhando numa ideia inovadora. Um refrigerador doméstico, onde
caras normais tomariam sua cerveja gelada sentado em seu sofá sujo
junto das baratas do quarto.
Agora seria uma corrida mortal, minha inovadora ideia
estava escorregando por aí e alguém iria ficar rico antes de mim. Precisava
conhecer o tal figura, armei tudo com Fiori. Foi numa tarde, eu e Fiori
chegamos bem amistosos, Fiori logo foi nos apresentando.
— Esse é Irving Daniel’s, o projetista de quem lhe falei. —
disse Fiori. Era um jovem rapaz; tinha certa inocência no olhar que era
logo encoberta pela minha mesma ambição. — Esse é David Richards,
o investidor de quem falei. — Havia combinado tudo com Fiori para
falarmos e espionar até onde Daniel’s tinha chegado com o projeto.
Era o mesmo quebra-cabeça sem fim e mistérios insolúveis.
Mais tarde precisei explicar para Fiori quais eram minhas intenções.
Dizer que eu tinha o mesmo projeto, mas não conseguia concretizá-lo,
por isso estávamos ali com aquele teatro.
Desde então, eu me encontrava numa obsessão imensa
por saber que existia alguém tão perto, tentando realizar o mesmo que
eu, já estava passando dias e dias trancado estudando e repassando o
projeto, projetos finais pendurados por todas as paredes. Eram partes do
compressor, capacitores, sistema de arrefecimento, a caixa, posição para
o compressor, ideias para design. Era a obsessão em sua escala real.
Fiori me veio com todas as histórias possíveis pra me fazer
largar aquela obsessão e abandonar meu quarto pra fora daquilo tudo.
O bom de tudo que sua preocupação sempre estava acompanhada de
cervejas. Numa noite tentei limpar minha mente, saí para algumas voltas,
perambular um pouco, talvez algumas cervejas e sexo barato. No fim

49
estava no Cohen’s, no mesmo balcão, segui por tantas ruas estranhas e
miseráveis passos que acabei com o velho pó de serra de sempre nos pés.
Fiori não demorou a me encontrar ali, veio alucinado, dizendo que havia
me procurado por toda cidade. Dizia ele quase alucinadamente, que na
noite anterior havia bebido num bar com um empregado de um cientista
chamado Nikola Tesla
– Ele tem vários experimentos...
E mencionou que daqui uns dias Tesla teria uma reunião
com o Irving Daniel’s. Algo estava pra acontecer e Daniel’s estava se
adiantando com Tesla. Disse para Fiori conseguir uma reunião com Tesla
para mim antes de Daniel’s.
Em poucas noites lá estava eu na minha obsessiva corrida
contra Daniel’s, parado num portão de um velho casarão nos arredores
da Cidade. Era a casa de Tesla. Era um sujeito esguio, olhar misterioso,
cabelo aparado num bigode e barba muito bem feitos. Tinha uma
conversa excêntrica, não fez nenhuma pergunta sobre mim, fez todo
tipo de apresentação de seus experimentos — alguns eram verdadeiras
loucuras, como obras de algum show bizarro soltando arcos elétricos por
toda sala. Mas quando fomos ao seu escritório, Tesla tinha sobre uma
bandeja dois copos suando com cerveja dentro, algo que me intrigou.
Serviu-me de um, a cerveja estava gelada. Eu olhei pra Tesla com espanto
e mudo, ele me devolveu um olhar de quem sabia exatamente o que eu
queria. Tesla fez sua primeira pergunta.
— Por que queria tanto me ver antes do Sr. Daniel’s? — Tesla
disse como o senhor de todos os mistérios.
Fui obrigado a explicar e dizer toda verdade, mesmo sabendo
que um cientista como ele tinha as peças para meu quebra-cabeça e o de
Daniel’s. Depois de tudo, Tesla disse no auge de sua excentricidade:

50
— Me encontre aqui em duas semanas, com certo valor em
dinheiro. — Mas Tesla me direcionou seu olhar e me perguntou: — Você
está preparado pra isso? Pra ir adiante com essa obsessão...
Nada me consumia mais do que o medo de Tesla ter tido a
mesma reunião com Daniel’s. Já repassava os planos de como apresentar
para o mundo tal projeto e como ficaria rico com aquilo. Revia minha
obsessão nas paredes por todo quarto. Fiori apareceu poucos dias antes
do encontro com Tesla, ele havia conseguido parte do valor que faltava.
Agora, eu e meu novo sócio naquela loucura, estávamos prontos para
buscarmos a máquina do futuro.
Estava diante daquele velho portão novamente ao encontro
do meu futuro. Um sujeito de olhar vazio veio em minha direção, dizia
ser o empregado de Tesla e que estava me aguardando. Ao entrarmos no
velho casarão perguntei sobre Tesla, se ele iria me receber, seu empregado
disse que ele havia partido as pressas para uma viagem de última hora.
Aquilo me pareceu estranho, mas naquela altura pouco me importava o
paradeiro de Tesla.
– O valor que combinei com Tesla está aqui, onde está minha
máquina? –perguntei ansioso.
De baixo de um pano, lá estava, revelada, foi como uma adaga
de luz aos olhos.
De posse do meu refrigerador doméstico, levei até meu quarto
como uma joia. Era branco o meu sonho, tinha anéis que o decoravam
por cima da caixa e escondiam o grande compressor, com um cabo o
liguei na tomada. Pouco tempo depois constatei que seu interior estava
gelado pronto pra resfriar várias cervejas. No interior do meu quarto só
restou a minha obsessão.

51
Era a manhã do novo mundo, eu tinha nas mãos uma
invenção que me renderia milhões, ao abrir novamente a pequena porta,
como na presença de Tesla, fiquei surpreso, havia uma cerveja dentro,
em seu rótulo escrito Satanic Majesties Beer, só poderia ser uma piada de
Fiori, fiz questão de beber quase num gole só... Mas tarde me encontrei
com Fiori.
– Como a máquina vai nos deixar ricos?
– Você só pode estar brincando, não foi você quem deixou
uma cerveja hoje lá? — E Fiori com cara de surpreso disse que não... O
que me deixou da mesma forma. Fomos até nossa máquina.
Na mesma noite fomos a cada canto sujo da cidade, voltas
cambaleantes naquela histérica madrugada sem fim. Chegando ao
meu quarto, mesmo bêbado não conseguia tirar os olhos da máquina.
Precisava tocá-la e sentir seu ar gelado novamente, e, mais uma vez, lá
estava à garrafa de cerveja Satanic Majesties Beer e mais nada em seu
interior. Déjà Vu de um bêbado. Bebi mesmo assim e apaguei.
Pela manhã, mais uma vez no interior da máquina, mais uma
cerveja, como se estivesse me aguardando. Como poderia sair e mostrar
aquilo pra alguém, iriam dizer que estava ficando louco. Como uma
maldição escrita por Harrison ou Tesla, na caixa ao abrir, atendendo pelo
nome de Satanic Majesties Beer à espera. Ela estava olhando de volta pra
mim como um reflexo da minha obsessão.
Como poderia me desprender daquela paranoia que me
impedia de mostrar minha máquina a um grande investidor, com aquela
cerveja aparecendo para mim toda vez que abria aquele refrigerador.
Preso cada vez mais em meu quarto, tentando escavar uma saída. Até
Fiori tentou me resgatar daquela maldição sem explicação. Mas foi inútil.

52
Quando me vi sem saídas, pensei na resposta mais inocente
para meus temores — Tesla — só ele poderia ter as respostas, ele havia
concebido aquele sonho bizarro. Procurei certa noite ir à procura dele,
era tarde da noite, minha paranoia não me permitia sair em outra hora
que não fosse aquela. Naquela noite não esperei de frente ao portão entrei
e bati a porta várias vezes, entrei, e para minha surpresa era como se
ninguém tivesse morado ali, ou tivesse partido as pressas, como ficou
claro, ao andar pelos cômodos vazios.
Sem saber o que fazer, depois de alguns dias, sem examinar as
horas ou os vestígios da minha coragem ou o que restou dela, tateei o chão,
tropecei em várias garrafas, por onde olhava enxergava minha extensa
obsessão materializada em garrafas com Satanic Majesties Beer escrita
em seu rótulo, que brotavam do meu sonho branco. O que importava o
dinheiro e as horas em seu movimento estupido. Quando enxerguei uma
provável saída, meu pesadelo era movido à eletricidade, me movi até a
parede e puxei o cabo. Não tive coragem de tentar ver se aquilo realmente
funcionou. Não queria mais sentir aquela improvável perseguição me
olhando de volta. Naquele mesmo momento, sem olhar pra trás, escapei
porta fora correndo, quando toquei o asfalto não reconheci a cidade, o
som da cidade soava estranho, até o ar tinha um peso sinistro ao respirar.
Ao tirar meu queixo do peito, levantei meu olhar, alguém
estava a minha frente, bem vestido em roupas bem alinhadas e sapatos
elegantes, um bigode exposto ao rosto, um sujeito ligeiramente gordo
num chapéu coco mal colocado à cabeça. Mas foi quando escorregou de
sua boca aquela voz amistosa e meio rouca que tive a certeza de conhecê-
lo. Como é colocar as mãos no seu sonho e não poder materializá-lo?
Veio a pergunta junto de um olhar que me penetrou a alma.

53
– Gostou da cerveja gelada que lhe enviei durante esses dias?
Era o verdadeiro mal estampando seu melhor sorriso direto
para mim. Não fazia ideia do que falar para aquele ser, e me lancei numa
rápida busca pela memória para tentar lembrar o que eu havia feito para
estar passando por tudo aquilo.
Teria sido mais um contrato simples, mais um sonho rodeado
de ganância em troca de uma pobre alma; teria sido mais um bom negócio
numa madruga perdida de outono, mas o seu cinismo tinha que estar à
frente, você não quis ter o seu fim cômico, eu também sei escrever finais
cômicos, agora seu sonho está nas mãos de outra pessoa não muito longe
daqui, John Standart ficará rico com sua ideia e será lembrado durante
anos. Agora eu sabia quem era e o que eu havia feito, e, pra quem eu havia
feito de fato.
Já tive o meu final cômico e você seu estoque inesgotável de
Satanic Majesties Beer. O medo tomou conta de mim e tudo ao meu redor
era como se estivesse parado, suspirei fundo e, mesmo sabendo que não
poderia escapar, me virei e corri o máximo que pude, meio que de olhos
fechados, cruzei as ruas sem contar e virei em alguma esquina sem saber
onde estava, quando pisquei meus olhos, tudo estava normal, o mesmo
cotidiano imutável, tudo no lugar. Era o mesmo grande quebra-cabeças
com a imagem destorcida da minha obsessão, outra vez.

54
EVOLUÇÃO ELÉTRICA
Eduardo Yoshikazu Nishitani

Eduardo Yoshikazu Nishit ani


nasceu na cidade de São Paulo. Atualmente vive em Suzano, SP e leciona Física para o Ensino Médio na E.E. “Luiz Bianconi”. Ele é
licenciado em Física pela USP e Mestrado em Educação, Arte e História da Cultura pela UPM. Contato: eduardonishitani@gmail.com
EVOLUÇÃO ELÉTRICA
Eduardo Yoshikazu Nishitani

Escuta algo como: “... voluntário para defendê-lo?”, enquanto


desce tropegamente. Tem dificuldade em coordenar suas pernas entre
degraus na penumbra saturada de névoa. Quase chegando à plataforma
inferior, pisa em falso. Surpreende-se ao sentir braços que o amparam.
Dessa vez, perto de seu ouvido, entende nitidamente palavras ditas num
sussurro: “Não se preocupe. Sou seu advogado”.
Apoiando-se no desconhecido, senta-se numa cadeira
metálica. Seus pensamentos se concentram no estranho que tem um
pombo branco em seu ombro. Suas elucubrações são interrompidas por
uma descarga elétrica que lhe percorre violentamente seu esquelético
corpo. Foi desagradável, decerto, mas familiar. Da primeira voz, entende
algo como: “... levantar-se dessa cadeira, o fará sentir outro eletrochoque,
está claro?”. Tentou balbuciar algo como resposta, mas o homem
encapuzado a seu lado, o que o amparara, interpela em alta voz:
– O réu concorda, meritíssimo. — Depois, dirigindo-se ao
condenado com um enigmático sorriso, diz: — É um prazer encontrá-lo
Dr. Galvani.
– E o senhor é... — A voz de Galvani soa rouca. Há meses que
não fala nada.

57
– Seu advogado. Tentarei fazer com que esse julgamento seja
justo. Pelo menos, esse tribunal deixa qualquer um defender os réus, uma
vez que os advogados se recusem aceitar a causa. Então me voluntario.
Peço que o senhor assine esses papéis para que possamos prosseguir
com a impugnação. — De uma pasta, retira documentos e uma caneta
prateada.
Durante sua luta em entender as palavras impressas nos
papéis e manipular a caneta para rabiscar sua assinatura, bombardeia
seu interlocutor com perguntas, porém apenas recebe respostas evasivas,
acompanhadas por um sorriso enigmático.
– Confie em mim. Partilho da mesma paixão que o senhor:
eletricidade.
Um fraco facho de luz ilumina a ambos, enquanto as
acusações são lidas pela voz austera do juiz, o qual conclui indagando
sobre a prontidão da defesa.
Após breve silêncio, o advogado faz um gesto. Gigantescos
arcos voltaicos aparecem flutuando no ar formando um retângulo,
arrancando muitas exclamações de sustos de pessoas ocultas ali reunidas.
Um odor característico de ozônio preenche o ar. O defensor acalma a
todos. Suavemente explica sobre o material que trouxera para trabalhar
sua defesa. Na região interna dos arcos aparecem imagens de Galvani,
jovial, retirando fetos e embriões de várias mulheres uniformizadas como
prisioneiras de guerra. Outra cena: o acusado aparece dissecando um
comprido animal aquático que se contorcendo numa mesa cirúrgica.
– O réu deve explicar-nos o que está fazendo nesses registros
— ordena o juiz.
Com voz trêmula e rouca, o cientista diz que está retirando

58
células da coluna vertebral de um peixe conhecido como Poraquê,
injetando-as logo em seguida em fetos, que por sua vez foram colocados
em incubadoras.
– Monstro! — Faz-se ouvir uma voz feminina, apresentando-
se como Bertha von Suttner. — Com esforço, Galvani nota uma sombra
agitada de onde viera a exclamação. Com voz chorosa de raiva, a baronesa
prossegue: — Descartou as mulheres como se não passassem de carne
para suas malditas experiências!
Antes que a mulher continuasse, ouve-se um pigarro e
um facho elétrico ilumina fortemente o suposto advogado de Galvani,
quando este recomeça a falar:
– Senhores, gostaria de protestar dizendo que as prisioneiras
seriam cremadas vivas. Quanto aos bebês, pode-se afirmar que ao menos
tiveram alguma chance de sobrevivência. Relatórios dizem que pelo
menos seis sobreviveram, o que torna o meu cliente um herói...
Um tumulto se instaura entre as sombras. Protestos se
misturam a xingamentos, até que a voz austera se faz ouvir novamente,
após pesadas marteladas impactarem um tambor.
– Ordem! — Quando os murmúrios cessam quase por
completo, a voz continuou: — A defesa pode prosseguir, mas sob a
advertência de que não provoque mais os jurados.
– Obrigado, meritíssimo — o advogado faz um leve gesto
com a cabeça em direção à sombra postada mais ao alto. Apontou para os
arcos voltaicos que mudaram a cena para um ambiente da Terra primitiva.
Relâmpagos cruzam os céus, acompanhados de trovões. As primeiras gotas
de chuva alcançam a superfície sacudida por terremotos, vaporizando-se
nas lavas vulcânicas. O defendente discorre sobre a formação da sopa

59
primordial, aminoácidos, descarga elétrica e o surgimento da vida.
As cenas saltam em eras, acompanhadas pelo discurso apaixonado,
esbanjando conhecimento de várias áreas, explanando sobre a evolução
das espécies até o domínio do homo sapiens sobre a eletricidade. As
imagens cessam de correr, focalizando em personalidades afamadas. Um
resumo dos experimentos elétricos de mais profundo impacto é exibido.
A fala torna-se solene enquanto há exibição de gigantescos geradores de
corrente alternada disparando faíscas tremeluzentes. — E aqui chegamos
ao ponto. Recordemos do que foi dito no início: Somos produto de
milhares de anos de evolução. Hoje, com nosso cérebro, repleto de flashes
elétricos de bilhões de neurônios, sabemos que a vida é um fenômeno
eletromagnético. Manipulamos a eletricidade, graças à descoberta e
esforço de pessoas como ele. — Nesse ponto, o defensor faz uma pausa
de efeito, enquanto uma foto de Nikola Tesla ilumina todo o ambiente.
Alguns até cessam de respirar, como se estivessem vendo uma entidade
sagrada. — Pois bem, — continua o advogado em tom professoral —
pergunto aos senhores, se estamos realmente adaptados a uma nova era.
E se pudermos ajudar a natureza com a nossa ciência? Meu cliente estava
justamente fazendo isso...
O advogado teve que parar por causa da nova algazarra que
se formou. Gritos só amainaram ante os bastões elétricos que zuniram
cortando a névoa como dardos ziguezagueantes de tempestades.
Os guardas, sob as ordens do juiz entraram em ação, para reforçar as
marteladas.
O silêncio voltou a reinar e o preletor prossegue:
– Sabemos que as leis deveriam ser aplicadas inclusive em
situações de guerra, mas digo aos senhores que estamos numa guerra que

60
jamais sonharam em seus piores pesadelos. Quem são os inimigos? Eles
não são deste planeta.
Antes que um novo tumulto se iniciasse, as cenas entre
os arcos voltaicos mostram seres exóticos massacrando multidões.
Cidades são tomadas por estranhos objetos voadores. Ante as imagens
seguintes, a fala do advogado se perde entre os horrores que se sucedem
à população indefesa. Berros de desespero se mesclam aos terríveis sons
incompreensíveis dos alienígenas.
Com tom mais forte para se fazer ouvir, o intercessor continua:
– Os mais evoluídos extinguem os menos. Nós, homo sapiens,
aniquilamos os hominídeos menos adaptados na aurora da humanidade
e varremos da face do planeta várias espécies animais e vegetais. Podemos
acelerar nossa própria evolução com as pesquisas do Dr. Galvani.
Entre nova algazarra que se seguiu, a voz do juiz rugiu com
auxílio de amplificadores:
– A defesa tem provas das alegações?
O advogado faz um gesto com as mãos e todos os bastões dos
guardas estouram em faíscas, gerando pânico.
O enigmático homem manipula os amplificadores a distância.
Com a intensidade sonora elevada a níveis próximas à dor, as pessoas
reunidas no tribunal não puderam deixar de ouvir:
– Sou produto de experimentos do Dr. Luigi Galvani numa
outra realidade. A que em duras penas conseguimos rechaçar o inimigo,
porque nos tornamos, além de sapiens, homo eletricus! — Apontando
para o réu igualmente assustado com as afirmações do seu defensor, esse
continua: — Dr. Luigi Galvani salvou a humanidade na realidade paralela
a essa. — Quando os arcos voltaicos tremeluziram novamente, aumentou

61
mais um pouco a potência de sua voz: — Sim. Há outras realidades além
desta. Vim aqui como emissário da minha, onde conseguimos rechaçar
os invasores. Eles neutralizaram nossas armas, mas não nosso dom de
manipular a eletricidade. Nossa atmosfera está energizada, como a dos
senhores, graças ao Tesla. Vejam. Os invasores não estavam adaptados ao
fruto das pesquisas do Dr. Galvani donde vim. Nesse caso, fomos mais
evoluídos!
Todos fitam com misto de pavor e alívio, os alienígenas sendo
afugentados por temíveis faíscas.
– Assevero-lhes de que os invasores já estão vindo. Temos
aproximadamente quatro gerações para nos prepararmos...
– Desculpe-me por interromper a prelação, senhor defensor
— diz uma das sombras ao fundo, com voz de um ancião, após pedir
permissão para falar ao juiz. — Suponhamos que tudo o que diz seja
verdade e não tenho razões para duvidar, pois meus estudos incluem
mundos alternativos. Fiz rapidamente uma lista de perguntas. — O
idoso aproxima um papel do rosto. — A primeira é: O que o faz ter
certeza de que seremos invadidos por esses monstros vindos do espaço?
A segunda: Como o senhor veio a essa realidade? A terceira: Por que o
réu é importante, agora que sabemos sobre a ameaça? Quarta pergunta:
Há alguma razão em ter vindo sozinho? Não houve maneira melhor de
tentar nos convencer?
Por um momento, o advogado acaricia seu bigode ocultado
pelo capuz e, esboçando um sorriso discreto, responde:
– Agradeço pelas perguntas tão oportunas, prezado senhor
do júri. — Pousa a mão no ombro de Galvani e continua: — Nem mesmo
os melhores geneticistas deste mundo poderiam entender as anotações do

62
meu cliente, estou certo? — Sem esperar resposta prossegue: — Há certos
eventos que se repetem em quase todas as realidades. A invasão alienígena
é uma delas e o modo de neutralizá-los, pelo que que vi em outras
realidades, é o mesmo. Vislumbrei mundos dotados de armas exóticas e
espetaculares, mas infelizmente não tiveram sucesso. Há alguns anos, a
Marinha deste país fez testes sobre invisibilidade, num projeto intitulado
Philadelphia; exemplo de mais uma constante entre as realidades.
Sabe-se que alguns valorosos marinheiros morreram, com exceção dos
descendentes dos experimentos do Dr. Galvani. Com a manipulação
do eletromagnetismo, somos incólumes aos efeitos das viagens entre as
realidades, mas só pude vir porque meu outro eu daqui foi assassinado
pelo invejoso Thomas Edison. — Citou o nome com irritação. Prosseguiu:
— Eu e meus irmãos de experimentos nos encontramos no ponto zero
durante o ápice do Projeto. — As imagens entre os arcos deixam todos
atônitos. — E a partir dessa singularidade, pudemos vislumbrar toda a
história da humanidade em várias realidades e seus possíveis futuros.
Descobrimos que o amanhã não existe. Há probabilidades que podem ser
reescritas, ao contrário do passado. Eu e meus irmãos somos emissários
da realidade vencedora. Também descobrimos que só podemos viajar
um por vez numa determinada realidade para não romper o tecido
existencial.
– Por que a espetacularização? O senhor poderia facilmente
libertar o réu ou ter vindo numa época em que ele ainda não estivesse
preso. — A sombra de onde vinha a voz idosa avança até a claridade,
mostrando sua cabeleira rebelde e grisalha.
– Trabalhei com o senhor na realidade de onde vim. Será
que aqui o distinto cavalheiro se chama Einstein também? Logo após

63
o desaparecimento e reaparecimento do navio que deveria apenas
ficar invisível, o Einstein da minha realidade teorizou sobre janelas
de aproximação entre as dimensões. Não posso escolher a época que
quiser, mas tudo depende das zonas de convergência espaço-temporais,
conhecimento de que o senhor deve ser mais versado do que eu. — O
advogado fez um gesto de reverência olhando para o ancião estarrecido.
— Sim. Posso libertar Dr. Galvani a qualquer momento, mas de onde
vim, isso não seria ético. Cada realidade tem suas peculiaridades. Meu
povo aprecia papéis assinados. Não nos seria correto libertar alguém
taxado de criminoso. E reafirmo que ele aprimorou nossa evolução
e nos deu chances de sobreviver. Suas pesquisas deram origem a mim
e a meus irmãos e, em diversas realidades; espero que nessa também,
temos esperança de um dia rumarmos às estrelas. Ainda acredito na força
das canetas do que das armas, senhores. Peço-lhes sabedoria em suas
decisões. Alego inocência ao meu cliente. — O defensor volta seu rosto
para a sombra mais ao alto. — Meritíssimo, a defesa termina.
O som ribombante se repete três vezes. O juiz explana sobre
decisão dos jurados e retorno daqui a uma hora. As luzes se acendem
aos poucos e a névoa se dissipa lentamente. Os jurados começam a se
retirar, restando apenas um. Albert Einstein aperta a mão do advogado,
indagando pelo nome.
– Pode me chamar de Nikola. — O gênio da eletricidade
retira o capuz, deixando seu interlocutor estupefato. — É uma honra
conhecê-lo nesta realidade, senhor Einstein. Trabalhamos juntos no
Projeto Philadelphia aqui também, não é Albert?
– Tesla! — exclama Einstein, lívido. — Outra constante entre
as realidades deve ser sua predileção em ser um showman! — O físico

64
dá uma risadinha, mas logo se aquieta ao olhar para Dr. Galvani, que se
levantava pesarosamente. — Por fim, diz resoluto: — Agora, com licença.
Tentarei persuadir meus colegas.
– Sim, velho amigo — diz Tesla, abraçando o cientista. —
Salvaremos esse mundo.
O pombo alça voo do ombro de Nikola Tesla graciosamente.

65
ATRITO PRIMORDIAL
Gabriel Guandalini

Gabriel Guandalini
nasceu em Belo Horizonte, MG. Mantém o blog folhaembranco.com.br. Contato: g.guandalini@gmail.com
ATRITO PRIMORDIAL
Gabriel Guandalini

Tomás tirou do bolso do colete seu desgastado isqueiro


prateado, no qual intricadas figuras dançavam em alto-relevo, e acendeu
o cigarro que levava nos lábios. Tragou com vigor e, em seguida, expeliu
a fumaça azulada para o céu carioca.
— Você ainda usa esse tipo de porcaria? Por que não usa um
acendedor elétrico? — perguntou Carlos, enrolando o bigode entre os
enormes dedos.
— É uma herança de família — respondeu Tomás, devolvendo
o objeto ao seu lugar ao lado do peito.
— De qual família? A daquela casa grande da semana passada
ou a que tinha o mordomo e o cachorro?
Os dois riram. Carlos retirou do bolso do paletó seu
acendedor, um pequeno cilindro com uma esfera oca na ponta.
Levantou-o em direção ao cachimbo que segurava na outra mão e, com
um clique, um feixe de energia brilhante se formou no ar e acertou
o fumo, levantando uma leve névoa de tabaco a frente dos olhos do
homem atarracado e de braços fortes.
— Tu não precisava fazer aquilo com o mordomo, por sinal
— comentou Tomás, se recostando ao muro que os separava das docas,
logo atrás deles.

69
— Ninguém mandou ele me provocar — grunhiu o outro,
com o cachimbo entre os dentes.
— E tu queria que ele fizesse o quê? Te deixasse levar a prataria
toda da casa sem mais nem menos?
— Ele não precisava me apontar a maldita arma, Tomás! —
exclamou Carlos, encarando o parceiro — Era queima-roupa aquilo! Até
parece que você nunca viu o estrago que um rifle Gauss faz.
— Tudo bem, eu entendo. Mas tinha que ser no banheiro?
— Quem limpou a sujeira não foi você mesmo...
Na rua, uma carruagem passou chacoalhando ruidosamente,
sendo puxada por dois cavalos metálicos que cuspiam vapor enquanto
trotavam sem ritmo. O cocheiro largara o controle de lado e tinha toda
sua atenção voltada para o rádio com inúmeras antenas que levava nas
mãos, absorvendo cada palavra que o aparelho lhe cuspia. O homem
só voltou a olhar para frente quando uma senhora de vestido longo
que seguia pela rua bradou impropérios assim que as rodas do veículo
passaram perigosamente perto de suas anáguas. O cocheiro levou um
dedo ao manche do controle e fez os cavalos marcharem de volta para
o meio da pista, mas não se preocupou em manter os olhos na via. A
rádionovela estava chegando perto do clímax.
— E essas carruagens a vapor? — perguntou Tomás, puxando
novo assunto enquanto esperavam — Tu acha que prestam?
— Não trocaria as de bobina por isso, mas pelo menos é
melhor que diesel — respondeu Carlos, entre uma baforada e outra.
— Lá na transaerovia usavam alguma coisa de vapor?
— Não, todos os foguetes lá eram elétricos. Vapor não
compensa. Gasta carvão demais. Aquele cara esquisito desenvolveu as

70
turbinas enormes foi para isso mesmo.
— Mas e as patentes?
— O dia que o Barão de Mauá pagar patentes para os ingleses,
este país acaba e viramos parte da Nova República de Nova Iorque.
— Até que não seria nada mal. Ouvi dizer que eles fazem
cerveja com o que sobra do chá.
— É?
— É. Ouvi no rádio, no programa daquele cara que canta.
Sempre toca um chorinho e uma música de gafieira. Como é o nome
mesmo?
— O do Jair Lemos. O Atrito Primordial.
— Isso mesmo. Ele falou isso lá. Falou também que vão
substituir os mineiros lá nas Minas Reais por rôbos.
— Até que enfim. Já passava da hora daquele povo parar de
morrer em desabamento.
Do outro lado da rua, um senhor de bengala que passava
lançou um olhar aos dois homens encostados ao muro e depois tocou a
cartola em um cumprimento, antes de seguir em frente pela rua. Tomás
jogou o cigarro no chão e o amassou com a sola do sapato, em seguida
fazendo sinal para Carlos acompanhá-lo enquanto atrevessava a rua. O
homem atarracado ajeitou o chapeú-coco na cabeça antes de seguí-lo.
Logo a frente, o senhor de cartola virou à esquerda, entrando
em um beco entre dois prédios. Tomás e Carlos pararam onde ele havia se
virado e olharam em volta. Sem ver ninguém por perto, lançaram-se para
dentro do beco. O homem mais velho os aguardava apoiado na bengala,
próximo ao único poste de iluminação daquela pequena alameda, que
ainda estava apagado naquele fim de tarde.

71
— Olá, rapazes — cumprimentou o velho, a medida que os
dois se aproximavam dele.
— Boa tarde, Jorge — cumprimentou Tomás, enquanto
Carlos tocava a aba do chapéu em uma breve reverência com a cabeça.
— Não foram seguidos, presumo? — perguntou o senhor,
tamborilando os dedos na base da bengala.
— Tomamos as precauções usuais, não te preocupes —
assegurou-lhe Tomás.
— Ótimo. Preparados para hoje à noite? — perguntou Jorge.
Ele tinha os lábios tortos, assimétricos, parte deles caída, acompanhando
suas rugas.
— Como sempre — respondeu Carlos, enfiando as mãos nos
bolsos.
— Mas hoje é um dia especial — afirmou o velho, com um
sorriso brotando da boca molenga — Ligeiramente mais complicado do
que o usual, eu diria.
— Estamos prontos — tornou a afirmar Carlos.
— Seu entusiasmo é louvável, meu jovem. É o que eu quero
ouvir — e tornou a sorrir, apenas metade dos lábios deixando entrever
os dentes, o que lhe deva um aspecto impossível de discernir entre o
sarcástico e o sinistro. Carlos apertava os punhos todas as vezes que via
aquilo.
— Entramos, abrimos o cofre, pegamos os documentos
e saímos — disse Tomás e acrescentou, antes que o velho pudesse
perguntar — Sem alarde, sem testemunhas e tudo de forma irrastreável.
Já preparamos o equipamento e revisamos todo o plano.
— Bom, muito bom. Tenho certeza que já fizeram tudo que é

72
preciso — afirmou Jorge, ainda com o sorriso enigmático no rosto.
— E os convites? Tu conseguiu? — perguntou Tomás.
— Oh, sim, é claro — respondeu, enquanto enfiava uma
mão enluvada dentro do paletó e de lá de dentro tirava um envelope —
Aqui estão. Dois convites para o baile da Marquesa de Cantagalo, para a
inauguração de seu novo flutuador atmosférico.
Carlos estendeu a mão e pegou o envelope. Abriu-o em
seguida, puxando para fora os dois pedaços de papel grosso, ilustrado
com nuvens douradas e o brasão da família do marquês que organizava
a festividade, preenchido com a caligrafia fina característica da alta
sociedade carioca, feita pelo rôbo que havia se popularizado entre a
aristocracia no último ano. Era perfumado e continha o endereço da
estação de lançamento de flutuadores, localizado ao lado do ponto inicial
dos telefêricos intermunicipais no morro da Urca.
— O que eu não consigo entender é por que o cofre estaria lá,
no flutuador? Por que não guardar isso em casa? — perguntou o homem
atarracado, levantando as grossas sombrancelhas.
— Adrian von Zingler — limitou-se a dizer Jorge, aumentando
o sorriso dual.
— O alemão?
— Suiço — corrigiu Tomás — Ele que vai cuidar de toda a
parte técnica do lançamento.
— E daí? — tornou Carlos — Onde tem um suiço tem que ter
um banco e um cofre agora?
— Ele é louco. Ou ficou louco — explicou Tomás — Desde
que teve um acidente no experimento com aquela gaiola de raios, exige
que todos as plantas, planos, esquemas e diagramas fiquem com ele, para

73
serem revisados em caso de qualquer emergência.
— Então é isso que nós vamos roubar? Papelada de
experimentos de um louco?
— Que diferença isso faz, Carlos?
— Nenhuma, desde que ele pague direito — respondeu,
apontando para o velho.
Tomás chegou a enunciar as primeiras sílabadas de sua
próxima frase, mas lançando um olhar para o senhor de cartola, calou-
se. Jorge tinha agora, na face, um esgar tão aberto que era possível lhe
enxergar as gengivas e os olhos estavam esbugalhados. A face parecia
se contorcer tentando aumentar o riso, mas um estalo atrás deles
interrompeu o espasmo voluntário. O poste faiscou, ruídoso, e dele um
grande feixo de energia, brilhante como um raio, surgiu, avançando para
fora do beco, em direção a rua, onde se juntaria a outros milhares de
feixes para iluminar a cidade. Anoitecia.
— Bem, o papo está ótimo, mas é hora de ir — disse Tomás,
tocando o ombro de Carlos, sem tirar os olhos do rosto de Jorge, que
murchava aos poucos.
— Nós entramos em contato pela manhã e combinamos o
local para pegarmos o pagamento — afirmou Carlos, enquanto guardava
o envelope com os convites.
— Isso, isso — apressou-lhe, Tomás — Fique tranquilo que
vamos cumprir o serviço, Jorge — completou ele, enquanto se virava para
sair do beco.
Tomás marchou pela alameda, pronto a ganhar a rua. Atrás
dele, Carlos estendeu a palma em direção a Jorge, para cumprimentá-lo.
Este se apoiou na bengala e, usando a boca, retirou a luva, revelando uma

74
mão pálida, de dedos longos embranquecidos e unhas raiadas escuras,
inteiramente coberta, do punho as polpas digitais, de manchas disformes
de padrões variados. Ele estendeu a mão e apertou a de Carlos. Seu toque
era gelado e rígido, mas firme. Ainda mantendo o aperto, deu um passo a
frente e disse, quase num sussurro:
— Não estrague tudo, se não…
— ... vai descobrir por que me chamam de Mão Morta —
completou Carlos, sem desviar o olhar do outro.
Apartaram-se sem dizer mais palavra, Carlos de cara
amarrada e Jorge sem mostrar os dentes. De súbito, o velho explodiu em
um riso rouco e áspero, enquanto assistia o outro se afastando.
Na entrada do beco, Tomás aguardava o companheiro,
assistindo a toda a cena com a boca seca. Carlos passou por ele e seguiu
pela rua. O mais alto o alcançou e caminharam lado a lado.
— Por que tu faz isso? — perguntou Tomás.
— O quê? — devolveu Carlos.
— Provoca ele.
— Ainda vou queimar a outra metade daquele desgraçado.
Separaram-se. Algumas horas mais tarde, voltaram a se
encontrar, vestidos em trajes de gala e portando cartolas, perto da entrada
do baile. À sua volta, inúmeros cabriolés elétricos estavam estacionados,
repousando ainda com os grandes dínamos que cercavam as quatro rodas
a resfriar. Aqui e ali, uma ou outra carruagem estava parada, os cavalos
metálicos de cabeça baixa aguardavam desligados.
— Cadê tua gravata borboleta? — perguntou Tomás.
— Não consegui amarrar — respondeu Carlos, levando as
mãos ao colarinho amarrotado.

75
— Me dê cá que eu arrumo pra ti.
— Larguei no lixo aquela porcaria.
— Eu não sei por que ainda pergunto… Mas e se eles
perguntarem da sua gravata?
— Eu digo que joguei fora.
— Carlos…
— Que é? É só uma gravata!
Mulheres de vestidos voluptuosos e homens bem-arrumados
dirigiam-se para a entrada da festa. Seguranças conferiam os convites e
avisavam ao mestre de cerimônias quando alguém importante precisava
ser anunciado. Tomás e Carlos misturaram-se aos convidados que
chegavam e passaram pelos portões. Ninguém se interessou por eles,
muito menos por suas gravatas, e eles fizeram o possível para continuar
assim enquanto galgavam a rampa decorada que levava até o flutuador,
onde o verdadeiro baile ocorria.
Alguns fotógrafos tentavam capturar a magia da máquina
movida por seis hélices metálicas imensas que se juntavam em uma grande
estrutura oval, recoberta por vidro em toda superfície e encimada por
um balão que a ajudava a levantar vôo. Acima do balão, ligando-se a ele
por anéis que desciam até a aeronave propriamente dita, receptáculos de
ponta cobreada aguardavam raios para energizar as hélices, recarregando-
as em pleno vôo, e estavam decorados com bandeirolas com o brasão da
Marquesa de Cantagalo.
Tomás e Carlos adentraram o salão de baile, todo cercado por
vidro, de onde podiam ver a baía de Guanabara iluminada. Zanzaram
entre barões e bancários, agarrando drinques quando algum garçom
lhes oferecia e largando-os logo a frente. Andaram por todo espaço,

76
dos banheiros a beira do palco posicionado entre as grandes janelas,
perscrutando pessoas e ambiente com olhar treinado pela malícia.
Completavam o giro pelo salão quando Tomás puxou Carlos
para a saída, de volta para a rampa.
— Preciso de um cigarro — disse ele — Me empresta teu
acendedor.
— Que foi? Nervoso? — perguntou o bigodudo, passando-
lhe o pequeno cilindro metálico.
Tomás não respondeu. Esperou a faísca do acendedor dar
chama ao tabaco e o levou à boca, inalando profundamente.
— Cadê aquele seu isqueiro? Deixou em casa? — perguntou
Carlos.
— Não. Está aqui no bolso.
— E pra que me pediu o acendedor então? — perguntou o
outro, levantando as mãos em um gesto de incompreensão.
— Eu ouvi no rádio…
— O quê?
— Na radionovela…
— Radionovela!? — inquietou-se Carlos, encarando o
companheiro e franzindo o nariz.
— É, no programa do Jair Lemos — respondeu Tomás e deu
outra inalada profunda no cigarro — Na história, o herói leva um tiro.
Bem aqui. No peito — completou, apontando para o próprio toráx.
— E daí, Tomás?
— Ele não morreu. Tinha uma Bíblia no bolso. Foi salvo por
ela. Parou a bala.
— Não me diga que…

77
— Achei que podia funcionar com o isqueiro. Então coloquei
ele direitinho em cima do coração. Não quero mexer nele e correr o risco
de ficar fora do lugar.
Ficaram em silêncio por três longas baforadas.
— Tomás, por que você faz isso comigo?
— O quê?
— Me provoca.
Os dois riram. Carlos colocou uma mão sobre o ombro do
amigo e voltaram para dentro do salão. Pouco depois, surgiu a anfitriã
da festa. Seguiu-se um emocionado discurso da marquesa, e então o
flutuador ligou as hélices e começou a ganhar altitude sob uma salva de
aplausos de todos os presentes.
— Tomás — chamou Carlos.
— O que foi? — respondeu ele, sem tirar os olhos da cidade
que diminuía cada vez mais.
— Estava aqui pensando…
— No quê?
— Pra quê que você colocou o isqueiro aí no peito se ninguém
mais usa balas, só armas de raio?
A banda começou a tocar. Era um choro com guitarras
elétricas.

78
MÁGICA ALTERNADA
Gregório Bernardino Matoso

Gregório Bernardino Matoso


nasceu em 1997 na cidade de Cambé, PR. Atualmente cursa História na Uel. Contato: grematoso@gmail.com
MÁGICA ALTERNADA
Gregório Bernadino Matoso

Mais uma noite normal na feira, poucas barracas já estavam


funcionando, mas ainda era pôr do sol. Duncan já estava fazendo suas
magicas, uma garotinha estava maravilhada com uma carta flutuando na
altura do rosto de seu pai. Eles deixam uma moeda de prata no balcão e
seguem pela feira.
Duncan se senta em uma cadeira mais para dentro, rodando
um par de bolas boading na palma da mão esquerda e do toldo caem
raios, que atingem em cheio a cadeira, mas parece não afetar o magico.
Na barraca da frente, Ramona, sua esposa, via a sorte de um cliente nas
cartas, quando essa se levanta e, ela acena para Duncan como sempre
fazia quando tinha um bom resultado.
A noite estava meio fraca para magicas, mas assim que saia
um cliente, vinha outra falar com Ramona. Os postes foram acessos agora
que a noite cobria a cidade, começando na torre central, os raios foram se
espalhando pela cidade criando um caminho de luz.
Duncan percebe uma pessoa estranha se aproximando da
barraca de sua esposa, vestia um manto muito longo com um capuz que
escondia seu rosto e um símbolo nas costas que ele já tinha visto, mas não
conseguia se lembrar de onde. Ramona usa a bola de cristal e pareceu não

81
perceber que a luz de um poste próximo diminuiu, Duncan se levanta e
vai até a barraca de Ramona e fica atrás da pessoa desconhecida e notou
que estava dizendo alguma coisa, em um tom inaudível.
— Ramona — ela não esboça reação — Ramona, esta me
ouvindo? — seus olhos se moviam muito rápido — Ramona! — pula
o balcão e chacoalha ela pelos ombros — Acorda, Ramona fala comigo
— Duncan tira ela de frente da bola de cristal e seus olhos diminuem a
velocidade do movimento.
— Duncan... O que... Eu...
Eles olham para a bola de cristal, ela tinha uma nuvem
elétrica se contorcendo dentro dela. Duncan se aproxima da pessoa
desconhecida, tira o capuz e veem que era uma mulher, seus olhos
brilham como se tivesse conseguido um grande feito; ela carregava no
pescoço um pequeno raio azulado, que Duncan reconheceu — Você não
fez...
— Sim, ele esta outra vez entre nós — ela se ajoelha e ergue
as mãos para a bola de cristal — Bem vindo de volta, mestre.
— Duncan, o que está acontecendo? — Ramona encostou-
se à parede do fundo, estava muito assustada — Quem é ela?
— Uma eletromântica — Duncan respirava pesadamente —
você amaldiçoou a todos nós, os mortos não devem ser perturbados, o
lugar de seu mestre não é nesse mundo.
— Quem é você para dizer isso? — a mulher pega a bola
de cristal — liberte-se mestre — e atira no chão, a bola se esmigalha e
uma nevoa azulada sobe de onde ela se quebrou e um som agudo de
interferência elétrica tomou todo o quarteirão.
As lâmpadas começaram a vibrar, como se algo tentasse fugir

82
delas. Elas se quebram e a energia dentro delas se junta no meio da rua
se contorcendo, aumentando a massa elétrica, até que tomou uma forma
semelhante à de um homem. Ele se movia lentamente, parecia não estar
acostumado a esta forma; tocava seu rosto, sentindo seu novo corpo e
pequenas descargas subiam do chão e se ligavam a sua perna na altura
do joelho.
Os olhos da garota pareciam brasas — mestre, mestre — ela
se ajoelha na frente do ser elétrico — me guie... — ao dizer isso ela toca
umas das mão nele, que parece tentar impedir e assim que a mão dela o
toca ela cai convulsionando.
As pessoas das barracas olharam preocupadas, alguns
corriam para longe, outros se aproximavam com curiosidade. Duncan se
aproxima do homem e se ajoelha — senhor...
O homem estica uma das mãos e Duncan retribui o gesto, mas
uma rajada elétrica sai em sua direção. O raio atinge sua mão estendida,
passa por todo o seu corpo e sai pela outra mão em direção ao solo —
Duncan, você esta bem? — Ramona estava desesperada.
— Estou bem, pelo menos ainda — ele ofegava — temos um
grande problema.
O homem ergue o braço, todos os postes da rua se apagam e
mandam raios de energia que chegam até o seu braço. Sua forma tremula
e cresce; Duncan corre para sua barraca, abre um baú e tira uma besta,
uma serie de dardos de metal e um cabo de fios de cobre. Enquanto a
criatura absorvia a energia dos postes, ele enterra uma das pontas do cabo
no chão, a outra em um dardo, carrega a besta e mira no meio do peito.
O dardo crava no corpo elétrico, faíscas saiam como sangue
de uma ferida, e o cabo se ilumina quando parte da carga elétrica atravessa

83
ele. A criatura solta um forte grito, uma interferência elétrica alta que faz
muitos se curvarem cobrindo os ouvidos, o cabo estoura e cai no chão,
ele tira o dardo do peito e sai correndo em direção ao centro da cidade.
Duncan pega no baú mais alguns cabos e um par de luvas de
couro, pula o balcão e se vira em direção ao centro — Ramona, corra até
os bombeiros, diga que vamos precisar de muita água na central elétrica.
Vá junto com eles, te espero lá — e sai correndo atrás do monstro, ela na
direção contraria.
A criatura corria e absorvia a energia dos postes que passava,
crescendo cada vez mais. Duncan seguia atrás, carrega outra carga da
besta e dispara na perna, parte do pé desaparece, mas o cabo tenciona e
cai e uma parte da energia da perna forma um pé novo.
As pessoas do começo da rua ainda não sabiam do ocorrido,
e muitos se assustam quando um homem elétrico com quase dois metros
de altura passa correndo por ele. O guarda saca a arma e atira, mas as
balas atravessam direto; quando Duncan passa quase tromba com ele —
O que diabos é isso?
— Sem tempo de explicar agora policial — tira o cassetete
do cinto dele — vou precisar disso emprestado — já iam longe quando
grita — mande reforços para a torre!
Ramona corria o mais rápido que suas pernas permitiam,
quando chega ao Corpo de Bombeiros ofegava muito, um deles a vê —
Senhora, precisa de alguma coisa?
— Meu marido pediu... Vai precisar... Quer que vocês vão
para a torre...
— Calma, respire e diga novamente. Com calma.
— Meu marido pediu para que vocês vão para a torre central,

84
que vai precisar de muita água.
— Hmm — o bombeiro parece não entender — quem é o
seu marido e por que ele pediu isso?
— O nome dele é Duncan, ele é o magico da feira aqui perto.
Uma eletrocromântica invocou um espirito elétrico, ele esta indo em
direção à torre e o Duncan foi atrás.
— Certo, senhora...
Ela interrompe — me chame de Ramona.
— Certo, Ramona — ele puxa uma alavanca na parede — sou
o Major Arthur — um alarme toca no prédio — Duncan falou quanto de
água vai precisar?
— Só que era muita.
— Certo — deixa Ramona de lado um pouco — Homens,
temos um incidente elétrico na torre. Quero três caminhos tanque e
um de aterramento. Partindo agora — diz no alto falante — você vem
comigo, vamos tentar impedir que essa coisa chegue até a central — Os
dois sobem em um dos caminhões tanque e saem do quartel seguido
pelos outros caminhões.
Duncan vira uma esquina e olha em volta, perdeu a criatura
de vista; respira funda tentando recuperar o folego. De repente, uma
descarga elétrica sai da parede e ele rola pelo chão, quase sendo acertado
pelo raio. Caído, Duncan vê o ser correndo novamente, prepara um novo
disparo da besta e volta à perseguição.
Amarra dois cabos e mira na cabeça, o dardo atravessa e
crava no chão do outro lado formando um arco com o cabo. A criatura
cambaleia e cai com um joelho no chão quando duas descargas saem de
seu corpo, Duncan dispara em sua direção com o cassetete em punho

85
e bate na altura da cintura, a borracha divide o corpo em dois, mas
pequenos raios juntam as duas metades novamente.
Duncan respira fundo, já estava cansando de correr. Quando
ia voltar à perseguição, um caminhão do Corpo de Bombeiros vira a
esquina e para meio atravessado na rua — quer uma carona? — a porta
do passageiro estava aberta e Ramona o esperava lá dentro.
— Certo, mágico, o que fazer?
— Bom, Major, vamos o mais rápido possível para a central
de distribuição de energia e torcer para chegar antes da criatura, se
encontrarmos ele no caminho, daremos um banho nele.
— E se ele chegar primeiro?
— Tem mais gente com você?
— Dois caminhos já indo para a central.
— Eles têm que ficar olhando, passe um radio para eles,
se alguma anomalia acontecer por perto de lá eles desligam a chave e
começam o aterramento. Assim que chegarmos reforçamos a operação.
— Entendido — Arthur pega o radio. — Tenente, onde está
e qual a situação?
Uma voz meio destorcida sai do painel:
— Chegamos à central senhor, os computadores estão
acusando uma enorme vasão de energia, e se aproxima de nos.
— Me da isso aqui — Duncan pega o rádio. — Tenente,
desligue a chave geral da cidade. Deixe que criatura entre na central,
vamos aprisionar ele dentro do prédio e diminuir a força dele.
— Isso vai dar certo, mágico?
— É o melhor e mais eficiente que consigo pensar agora
Major — Duncan sai pela janela e se prende na cesta da auto-escada,

86
esperando pela hora de agir.
A torre se apaga, e gradativamente a luz de toda a cidade se
apaga, quarteirão por quarteirão. O monstro suga o ultimo pulso elétrico
e diminui o ritmo da corrida, ele se volta para trás como se soubesse
os responsáveis pelo fim da energia, arranca um dos postes e atira na
direção do caminhão. Duncan aponta a mangueira para o poste e a liga,
uma forte rajada de água diminui a força, e ele bate de raspão na lataria,
ele gira mais a torneira e aumenta a pressão o suficiente para que a águe
chegue até a criatura. Ele urra quando é atingido, uma chuva de faíscas
toma a rua e faz Arthur frear.
O monstro vai diminuindo conforme a água o atinge, mas
consegue se transformas em um grande raio e se dirige ao poste ao lado,
e continua seguindo rumo a torre.
Duncan se pendura na lateral do caminhão e coloca a cabeça
dentro da cabine — mande abrirem caminho até a bobina.
— Você está louco? Vai abrir caminho para um demônio
elétrico chegar até a bobina de energia que alimenta a cidade?
— Confie em mim. Com a chave desligada ele não vai ter
acesso nenhum à energia, e vai estar em uma câmara completamente
isolada. Coloquem uma barra de cada lado da entrada para servirem de
para-raios.
— Caso esse plano maluco não funcione, não vou me
responsabilizar pelo desastre — Arthur repassa as instruções pelo radio
e acelera o caminhão, seu inimigo agora andava a uma velocidade muito
alta.
Quando a criatura chega à central, as portas estavam
completamente abertas. Sua forma já não era mais de um homem, estava

87
completamente disforme e retorcida; se arrasta lentamente na direção da
bobina no centro do prédio. O caminhão chega pouco depois, o monstro
se vira e tenta lanças um raio, mas as barras na entrada da bobina os
atraem e dissipam.
— Fechem a porta! — Duncan desce do caminhão e se dirige
ao painel de controle, enquanto um dos bombeiros gira uma manivela
fechando a porta da bobina. Ele meche nos controles e a bobina começa
a girar devagar.
— O que esta fazendo? Vai dar ainda mais na energia para
esse monstro?
— Só confia. Major prepare as mangueiras. Ramona vem
aqui.
Ela se aproxima e para atrás dele — quando eu disser, você
empurra esse alavanca — toca a mão direita uma alavanca com a ponta
vermelha — até o fim, sem hesitar.
— Certo — ele da um beijo no seu rosto e aperta um botão
no meio do painel; uma serie de raios cruza o teto do prédio e indo para a
torre de distribuição. A criatura espanca a porta da bobina, e gritos muito
altos são ouvidos dentro da sala. Duncan abre a porta e um enorme raio
corte o ar da sala, a criatura se debate fortemente enquanto sua energia era
sugada pelo gerador. Ele faz sinal e os bombeiros jogam três fortíssimos
jatos de água no corpo elétrico.
Ramona olha atentamente toda a cena, o espirito tentava
sair, mas a água o empurrava para trás, a bobina girava lentamente e
Duncan se aproximava da porta entreaberta. Ele aponta para Ramona e
ela empurra a alavanca para cima com toda sua força, a bobina alcança
velocidade máxima e o mostro vai diminuindo de tamanho rapidamente;

88
o chão da câmara estava alagado e a água parecia dissolver a eletricidade.
Arthur usa o caminhão de aterramento e lança um dardo,
muito maior do que os que Duncan usou, com um cabo supercondutor
aterrado, e acerto no meio da massa elétrica. Ele parece desistir de lutar,
a energia era imensamente sugada pela bobina e pelos jatos de água;
quando a situação parecia controlado, Duncan pula para dentro da
câmara da bobina.
Todos correm para a porta e tentam ver o que acontecia dentro
da sala, mas uma nuvem de faíscas impedia de verem qualquer coisa.
Em um ultimo suspiro, o monstro solta um ultimo urro de interferência
elétrica, já sem força e com tamanho muito reduzido, ele desaparece nos
meandros da bobina e, do outro lado, Duncan estava segurando uma
capsula opaca, estava todo desgrenhado.
Ele sai da câmara meio cambaleante — senhores — se vira
para Ramona — e senhoras, conseguimos — e ergue a capsula.
Um dos bombeiros avança, tentando pegar a capsula — nós
assumimos daqui...
— Não, não. Prefiro eu mesmo dar um fim nisso. Não se
preocupe ninguém mais vai chegar perto disso novamente — e os dois,
Duncan e Ramona saem do prédio rumo a noite estrelada.

89
O QUE NOS EXCITA
Jean Thallis

Jean Thallis
é geógrafo e escritor do gênero gore, atualmente escreve seu quarto livro sobre o tema, tendo já lançado o primeiro livro em
2013, pela Chiado Editora, Lapso Esquizofrênico. Publicou contos nas antologias Maravilhosas Distopias, Épicos Homéricos e
Seres Amazônicos, organizadas por Maurício Coelho.
O QUE NOS EXCITA
Jean Thallis

No balcão, um jovem de nossa idade mexia lentamente a


cabeça em sintonia com a música elétrica. O ambiente era propício e
favorável para aquele estereótipos. Em suas costas uma suástica brilhava
na jaqueta que vestia, em LED’s vermelhos, é a última moda entre os
nazistas, uma bela jaqueta de couro com uma suástica.
Ainda era cedo e o estabelecimento estava quase vazio,
a música ainda soava numa frequência hipnótica, talvez seja ela que
transforme tantos jovens em adeptos do nazismo, é claro que este gênero
não me agrada, mas em 1918 nenhum lugar toca nem mesmo Wagner,
quando mais um Beethoven.
Essa música elétrica infectou a cidade como a Gestapo, em
todos os lugares agentes da URSS e da Alemanha Unida estão fumando
um cigarro, bebendo vodca ou espancando um mulato na esquina por
não ter obedecido ao toque de recolher para negros.
Por eu e meu amigo sermos brancos, podíamos nos deliciar
com a maravilhosa música elétrica que a cada dia forma nazistas e mais
nazistas numa progressão geométrica. Pois sim, se trata de uma ironia,
não seria menos do que isso, mas confesso que até mesmo eu já estou
aprendendo a reconhecer os estampidos, chiados, silvos e as diferentes
frequências dessa nova corrente musical.

93
A verdade é que este som todo parece nos colocar numa
tempestade de raios no olho do Maelstrom pulse. O pulso eletromagnético
russo que obliterou a frota marítima e aérea da Inglaterra. Deve ser dos
chiados dos mortos e das descargas elétricas daquele genocídio que
surgiram esses sons.... Não consigo pensar em outra coisa que não isso.
É desta forma que embriagado pela música decidimos pedir
vodca, vetores de luzes dançavam pelo bar e a todo tempo seria possível
delirar como holofotes soviéticos fritando seus neurônios. Os efeitos de
luzes irritavam meus olhos, um caleidoscópio cobrindo todas as paredes
do bar e as pessoas a medida que se moviam.
Admito que nestes bares é possível ficar meio louco, grogue
ou extasiado sem o uso de álcool ou pilhas... Não sei se hoje é o dia de
ficar pilhado... Quero me manter são, não deveria ter vindo até aqui, um
pessoal bem diferente está frequentando o lugar.
– Tem isqueiro? Obrigado.
Por agora talvez só fumar, beber e tentar esquecer estas luzes,
me fritam a cabeça, não é disso que gosto, não gosto de sentir meu cérebro
derreter com essa merda toda.
– Vou dar uma carga, já volto.
No banheiro as propagandas do “mundo global” de sempre,
um neon do Tesla em alta definição, ele tinha um moicano como corte de
cabelo, ao estilo dos elmos romanos com plumagens coloridas.
– É, Tesla... Essa aqui é pra você!
Peguei a pilha que sempre costumava usar, já estava
habituado aos seus volts, peguei o transmissor, o tubo da pilha, e injetei
no músculo da coxa. O tesão foi imediato, meu corpo se chacoalhou por
dois segundos, meus cabelos se espetaram e um leve deleite passou pelas

94
minhas entranhas correndo pelo corpo num só pulso e terminando nos
meus testículos.
Suspirei e fechei os olhos, sorri... Estava recarregado e pronto
para sobreviver àqueles espectros de cores lá fora. Meu amigo disse que
um olho meu parecia ainda um pouco desarticulado. Mas logo voltaria
ao normal.
– Pode acreditar, essas luzes estão atrapalhando mais minha
visão.... Parece que esta onda de luminosidade só tende a se expandir.
– É o que você sempre diz.
O efeito em breve passaria, melhor, os efeitos colaterais, eu
voltaria a ficar um chato com ele, com Felipe, meu amigo. E havia motivos
para tal, eu o acompanhava para uma apresentação de luminescência, as
luzes seriam apagadas e algum artista louco e delirante por comprimentos
de ondas eletromagnéticas iria propor desenhos no negrume do bar.
Esta parece ser outra comunhão religiosa dos com pactos ao
deus Magneto e glorificação dos Nêutrons e Elétrons, com o intuito de
obter fótons. Me parece mais uma Igreja com cristãos ortodoxos, ao invés
temos um monte de nazistas... Me perdoe, talvez pague com a língua, mas
dei-me os malditos cristãos e devolva aquele cara pregado numa cruz
para o Vaticano!
Minha mente se acelerava e meus olhos estalados queriam
gritar na escuridão. Mas logo apareceram as luminescências flutuando no
bar, começaram com fótons amarelados, depois tapei minha visão e pedi
para que Felipe me avisasse chegado ao término da apresentação.
Estranhamente me senti excitado, Felipe neste momento
estava muito próximo de mim, sentia o cheiro da sua pele, o calor que
saía do seu corpo, me imaginei chupando sua vara, minha boca salivou

95
e tremi por dentro, senti angústias, quando eu poderia revelar a ele meu
gosto por homens? Num país que a cada minuto um afeminado vai parar
na cadeira elétrica?
Toda vez que penso em nossa amizade, imagino o quanto
ela é forte para ser ao menos compreendido, para não ser denunciado
a delegacia... Nem sei se ele se simpatiza com o nazismo, pois até isso
é difícil falar com um ser humano sem correr o risco de ser preso por
subversão e receber umas boas doses de sessões de choques, nenhum
pouco parecidas com o pulso de dar uma recarga, agora eles podem fazer
você só sentir dor...
Tem um fio de eletrocussão em cada distrito policial... O
quanto vale este meu desejo? Se não for pelos soviéticos, ou pela Alemanha
Unida, será por minhas próprias mãos? Me embrulha o estômago pensar
que meu mundo só fara sentindo com meus desejos sexuais realizados.
Abri os olhos e havia acabado a apresentação alucinógena,
todos pareciam dopados e que não se lembrariam caso beijassem uma
boca homossexual.
– Olá, senhores.
– Não, Demitri, sem delongas. Aquele último lote de pilha foi
ruim, não tremi nem por meio segundo.
– Eu tô com uma pilha eletroloca, agora, confia.
– Não, não quero.
– Essa aqui não é qualquer comprimento de onda. Vai fazer
seus nervos saltarem!
– Eu conheço dessas, não gosto dos volts elevados.
– Não, você não conhece, peguei com um cara da Gestapo.
Trouxe direto da Alemanha! Essa pilha vai levar seus sangue para o crânio

96
e você vai disparar centelhas de tesão! Você é meu camarada. Toma, leva
uma, depois você me procura. É uma amostra grátis.
– E quem garante que as outras serão como essa?
Ele riu e gargalhou longamente.
– A Gestapo, amigo! A Gestapo!
Levantou-se com um sorriso sardônico e foi-se embora. Na
suas costas a suástica brilhava em um neon vermelho.
O tempo passando, luzes girando, um espectro de tom azul
correndo por paredes e pinturas, um mosaico da modernidade, aquilo
girava em minha mente, ou seria o ápice de nossa amizade que estava
dando enjoos?
Não sei até que ponto tudo isso se confunde, os brilhos
e reflexos nos olhos me incomodam, não tenho este fascínio por elas,
prefiro sentir as correntes elétricas dançando em meu corpo. Queria sair
dali...
– Conhece o morro escuro?
– Só de ouvir falar. Dizem que lá é escuro.
Rimos falsamente.
– Quero recarregar lá, peguei uma pilha com aquele cabeça
raspada.
– Tudo bem, vamos lá. A vista deve ser ao menos interessante.
– Como falei outras vezes, Felipe, muito melhor que estas
nebulosas.
– Duvido que seja, mas a experiência é sempre excitante.
– É a palavra certa!
– Experiência?
– Excitante.

97
Gargalhamos e brindamos nosso último copo de vodca que
nem lembrava como havia ido parar aquela garrava na mesa, mas sabia
não ter bebido muito, ainda poderia dirigir meu Denmark, 1890, carro
dinamarquês conceituado ainda, sendo o melhor dos primeiros veículos
movidos a dínamos eletromagnéticos.
Fui dirigindo e Felipe bebendo a vodca, não andamos mais
de oito quilômetros em profundo silêncio introspectivo e o vasilhame
havia acabado neste percurso, ao chegarmos ao Morro Escuro.
– O pessoal da Gestapo costuma dispensar alguns cadáveres
aqui, ouviu esta história alguma vez?
– Vi isto acontecendo. Mas o que achou da vista? — Não
queria entrar naqueles assuntos, iriam desviar minhas pretensões.
– É uma cidade brilhante e tanto, mas prefiro as nebulosas.
Dei um meio sorriso. Um pouco a frente víamos de um
pequeno mirante um horizonte de luzes brancas, amarelas, vermelhas e
azuis.
– Eu acho uma bela composição...
Me aproximei um pouco mais dele, embriagado do modo
como costuma ficar, mas desta vez existia uma real chance. Com ele
poderia ser tudo diferente, mas não foi.
Com um ímpeto alcoólatra ele se desvencilhou da minha mão
que tocava seu ombro, furioso fitou-me com olhos em chamas e sibilou:
– Tenho a nítida certeza que confundiu minha sincera
amizade! Uma pena, pois pensei ser um homem de verdade, — tentei
intervir, mas não consegui, ele me cortou e subiu o tom — não pense que
pode abusar de mim se aproveitando do meu estado etílico!
– Felipe...

98
– Não! Eu como um cidadão de bem venho a cumprir meu
dever e declarar-te voz de prisão por homossexualidade!
Felipe caiu se contorcendo no chão com o choque elétrico que
recebera de minha arma, teve alguns espasmos e depois tentou recuperar
o fôlego enquanto iniciava o meu discurso.
– É pena, pois pensei que nada disso seria necessário.
– Seu filho da puta. Bicha desgraçada. Ah, ah, ah!
Dei-lhe outra sessão de choques para que batesse os dentes,
só para ter o deleite em vê-lo se contorcendo.
– É uma pena como falou, uma pena ser heterossexual e
querer me prender, mas hoje quem sorri sou eu e quem morre é você.
– Você não tem coragem! — Bradou cuspindo — Você não
tem culhão para me matar! Você não é homem!
Eu injetei aquela pilha no músculo, a corrente explodiu em
meu cérebro, meus olhos saltaram, esqueci por que aquele corpo estava
no chão, tremi inteiro e cerrei os dentes por três segundos num deleite
onírico, a Gestapo entendia de choques.
Meu coração sentiu alegria, um riso bobo no rosto, descartei
a pilha e no porta-malas do carro peguei minha espada eslava, sentia uma
leve corrente elétrica ligando meu corpo ao metal.
– Vamos! Mostre se é um homem! Você é um viado! É um,
ah! Ah! Ah!
A primeira espadada lambeu o meio das suas costas fazendo-o
arquear, gritou e berrou como um porco no abatedouro, a lâmina era
uma extensão de minhas mãos, que desceram duas, três, quatro vezes em
suas costas num ritmo alucinante, com cada corte saindo uma saraivada
de sangue levada pela espada.

99
Pisei em suas costas, em suas feridas, seus olhos desesperados
voltados para trás, soluçando por causa do sangue saindo dos pulmões e
indo extravasar pela boca.
– Você grita como uma bicha! Você geme mais que um
viadinho dando a bunda!
Ele cuspiu sangue, tentou rir.
– Você nunca vivera como um homem.... Nunca!
– Não importa, Felipe. O que importa é que você vai engolir
sua homofobia e morrer como uma bicha!
Tirei o cinto da minha calça, Felipe gritou por socorro,
tentou gritar tossindo com o próprio sangue, enquanto ainda morria,
engasgando com o próprio sangue tentando se arrastar para longe de
mim. Vi lágrimas saindo de seus olhos enquanto eu arrombava o cu
apertado dele com meu poderoso falo.
E trepei no asfalto daquele morro. Soquei em sua bunda aos
gorgulhos que fazia, a suas lamúrias, vendo o muco que escorria de seu
nariz, implorando para que o mata-se de uma vez.
– Me mata! Por favor! Cof, cof, cof — cuspia sangue. — Me
mata... — dizia choramingando.
– Me diz?! Como é ser uma bicha, nazista! Me diz como é ser
viado! — Bradei em loucura.
– Me diz!?
Levantei, juntei a espada e o decapitei com três movimentos,
era o ápice da minha insanidade. Tudo era um frenesi intenso e saboroso,
o cheiro de sangue abundou todo o ar de forma espantosa. Fui tragado
pelo odor forte de sangue e morte fresca...
Pode ser que pareça doentio, mas nas cidades globais

100
nazistas, onde nada para, onde as luzes te perseguem o tempo todo, onde
pássaros de aço sobrevoam o ar e prédios arranham a abobada celeste,
matar alguém não seja louco.
– Aliás, o que talvez você pense ser louco, seja apenas
excitante.

101
A CENTELHA
Leandro Zerbinatti de Oliveira

Leandro Zerbinatti de Oliveira


é advogado, apaixonado pela fantasia. Começou a escrever por diversão e hoje se lança profissionalmente na literatura.
Contato: abaddon_ascidhiz@yahoo.com.br
a centelha
Leandro Zerbinatti de Oliveira

Um livro. Nem mesmo os museus aceitariam aquela coisa, ao


menos não depois da invenção da digitalização tridimensional táctil. Era o
que Trev havia pensado ao encontrar a relíquia durante a escavação de um
velho laboratório com séculos de idade.
Felizmente ele resolvera dar uma olhada além da capa
encouraçada antes de se desfazer da coisa. Tratava-se de um diário
manuscrito; uma obra única, certamente, que ao contrário dos demais
textos, não havia sido ainda digitalizada. Assumiu então a tarefa para si,
concomitantemente à sua primeira leitura:
À quem algum dia ler estas palavras, saiba que aqui está
contida a verdade sobre seu mundo. Ou sobre como ele será, alguns anos
depois dos eventos aqui narrados.
Yurev é como me chamo, e você com certeza não ouviu falar
de mim. Meu nome foi apagado da história, mas eu estava lá, ajudando
a escrevê-la. Eu salvei a vida dele... E, no final, é irônico pensar que não
passamos de um amontoado de carne e impulsos elétricos.
Nikola Tesla. É dele que irei falar.
Tesla era (e creio que isso não tenha mudado) visto como um
gênio por alguns, como um louco iludido por outros... Mas o homem
era único; algo que era de se supor do responsável por transformar os

105
Estados Unidos na capital mundial da energia, com suas carroças sem
cavalos e teleféricos autômatos, ambos correndo sobre trilhos elétricos
que cruzavam a cidade por terra e céu. Sua grandeza me foi evidente
desde o primeiro momento, e não digo pelo fato de que o homem media
quase um metro e noventa, nem pelo que ele fizera, mas pela forma com
que ele via as coisas, o modo com que sua mente funcionava. Era como
se ele estivesse sempre enxergando além; compreendendo as nuances
do mundo, ao passo que os homens normais vislumbravam apenas uma
superfície artificial.
Eu havia sido contratado para ser seu guia e carregador de
bagagem em uma expedição, mas só fui conhecê-lo no dia da partida. Lá
estava eu, em Nova Iorque, no dia 23 de fevereiro de 1823, parado à porta
do hotel, quando ele surgiu, cabelos negros repartidos ao meio, bigode
encerado, trajando um terno preto e carregando desengonçadamente três
pesadas valises pretas.
— Senhor Nikola, eu...
— Sim, sim, o carregador. Tome, carregue estas. Cuidado, são
extremamente valiosas e um punhado de imbecis invejosos e incapazes
adoraria roubá-las — ele sequer se apresentou ou perguntou meu nome.
— Se me permite senhor Tesla, onde estão os guarda costas?
— Não há guarda costas — o homem estava carregando itens
de extremo valor, de acordo com suas palavras, e sequer providenciara
um serviço de escolta. Eu começava a compreender sua fama de louco, e
temia que aquilo fosse só o começo.
— Espere! — ele berrou depois de darmos os primeiros
passos. Então se aproximou de mim, pegou meu pulso e nele prendeu
uma pulseira rústica de metal, com pequenas antenas ao redor de sua

106
circunferência. Fez o mesmo consigo, e sem qualquer explicação pôs-se
a caminhar.
Enquanto o seguia, ele parou diante de um bueiro e lá atirou
uma bola de papel amassado e um objeto quadrado.
O homem andava a passos lagos e eu lutava para acompanhá-
lo. O caminho nos levou ao Central Park. Diante dos portões, um grupo
de cavalheiros nos aguardava. Assim que nos avistaram franziram o
cenho e vieram até nós, foi quando me dei conta que não eram de fato
cavalheiros, e sim capangas, portando facas, bastões e pistolas.
— Senhor Tesla, vejo que vai tirar férias. Isso significa que
nossa encomenda já está pronta? — disse um homem calvo e magro,
aparentemente liderando o grupo.
— Dói-me o orgulho informar, senhores, mas o projeto
provou-se impossível. O plano não deu certo.
— Não se atreva a nos ludibriar! Nós lhe pagamos uma
fortuna, e esse dinheiro voltará em eletroarmas ou em sangue!
— Cavalheiros, o dinheiro cobria apenas os gastos com
pesquisas, ademais, o excedente, tendo em vista que as pesquisas
revelaram a impossibilidade da criação das eletroarmas foi revertido em
prol da cidade. Sintam-se gratos.
Cheguei a saltar de susto quando os tiros foram disparados.
Tesla morreria ali, e eu com ele. Mas os tiros não nos acertaram, em
vez disso as balas pararam no ar, a alguns centímetros de nós, e então,
repentinamente voltaram contra os atiradores.
No meio do caos, os demais avançaram com suas armas
brancas, mas estas pareciam parar em alguma barreira diante de nós,
antes que o golpe fosse impulsionado de volta com muito mais força,
vindo ainda a eletrocutá-los.

107
Ali percebi a genialidade incomensurável do homem.
Quando me dei conta, Tesla pegava dois pares de objetos
metálicos de dentro de seu paletó. Pareciam palmilhas. Um par ele
encaixou sob seus sapatos, o outro, jogou pra mim e ordenou que eu
fizesse o mesmo.
— Senhor Tesla, e quanto aos homens que acabamos de
matar?
— Não matamos ninguém, felizmente. Eles se mataram.
Ação e reação.
Não pude responder. De súbito alguma força passou a atuar
nos aparatos sob meus pés. Tanto eu quanto meu patrão passamos
a deslizar pelas ruas; não pelas trilhofaixas condutoras, de onde a
eletricidade guia e mantém os carros afastados do solo. Foi como esquiar,
mas sem controle do destino.
Notei que estávamos sendo perseguidos. Magnetomóveis
estavam em nosso encalço. Por mais que os aparatos nos conduzissem por
caminhos escusos, eles sempre nos encontravam. Meia hora e chegamos
ao nosso destino, um grande galpão abandonado nos limites da cidade.
Foi ali que nossos perseguidores nos cercaram.
Parados o centro do círculo formado pelos Magnetomóveis
já estacionados, nós esperamos enquanto os ocupantes desciam. Eram
capangas, tais quais os primeiros homens com os quais lidamos no
Central Park, mas estes se vestiam com mais formalidade, embora suas
armas se resumissem a pedaços de pau.
— Tesla, você vem conosco!
— Madeira? Engenhoso — observou meu patrão. — Assim
meus aparatos não podem manipular suas armas; mas recuso o convite.
— Então vamos arrancar seus segredos aqui mesmo...

108
— Os impulsos elétricos das suas mentes os tornam tão
previsíveis, se vocês apenas soubessem...
Os homens avançaram. Tesla segurou meu braço e eu por
reflexo me virei, já em desespero perante a ameaça que nos cercava. Então
em um único segundo centenas de coisas aconteceram. Todos os meus
pelos se arrepiaram. Ao mesmo tempo os homens foram arremessados
para longe, enquanto que um clarão iniciou-se no círculo de veículos,
cresceu e nos envolveu.
Tudo ficou branco. Foi como tomar um choque e ao mesmo
tempo receber uma agradável carícia.
Abri os olhos e senti o frio. Ao nosso redor, o Himalaia surgia
imponente, despejando neve. Tesla estava em pé, me olhando.
— Desculpe, Yurev.
— Quem eram eles? O que foi aquilo? O que fazemos aqui?
— Eram tolos incapazes. Rivais que desejavam meus projetos.
Aquilo foi um dos meus aparatos que aproveitou a eletricidade dos
veículos deles e nos transportou até aqui. Dada a sua confiabilidade, vou
lhe dizer a verdade.
— Como sabe que sou confiável?
— Pois atiraram em você também. E principalmente, porque
meu animômetro analisa suas ondas cerebrais. Agora ouça, meu caro,
a eletricidade sempre me fascinou, e sem falsa modéstia, minha mente
sempre transcendeu os limites do comum no que tange suas aplicações.
Mas tudo o que eu criei sempre me pareceu simplório. Sempre senti
como se faltasse algo. A vida depende da eletricidade; nossos músculos,
pensamentos, dependem de impulsos elétricos. Mas criar algo tão
complexo e duradouro como a vida está além da minha genialidade.

109
Continuei ouvindo, apreensivo.
— Parece loucura, mas foi durante o sono que ele me visitou.
Você é nativo destas terras, então conhece os antigos mitos. Raijin, a
divindade do trovão. Ele falou comigo. Disse que está morto, mas seu
poder — sua centelha — ainda permanece neste mundo. A falta de fé
das pessoas fez com que ele e os demais definhassem, mas ele carregava
o elemento chave da vida, por isso não se foi completamente. Aguardou,
até que encontrasse alguém capaz de compreender e de empregar, de
forma que nem ele seria capaz de imaginar, o cerne da eletricidade.
Quando então o vestígio de sua consciência sentiu minhas criações, ele
me procurou e me passou estas coordenadas, para que eu herde o trovão
condutor da vida.
A primeira reação seria duvidar. Seria chamá-lo de louco.
Mas ele era o homem responsável por toda a maravilha luminosa que
guiava as principais nações. Tudo fazia sentido.
Ele não sentia frio. Um gerador que armazenava a estática
ambiente junto com uma ínfima fração dos impulsos nervosos, acoplado
às suas costas o aquecia. Eu tampouco. Aquela era minha terra natal e por
isso ele me escolhera.
Eu o guiei pela neve, entre as entranhas tortuosas do Himalaia
até onde ele dissera que os restos de Raijin estariam. Em uma falésia
encontramos um velho templo, e logo adiante estaria nosso prêmio.
Nossa jornada quase acabou abruptamente, entretanto. Os
habitantes do velho templo eram descendentes dos antigos opositores
dos servos de Raijin. Resquícios de um clã obscuro, outrora dedicado a
dominar e corromper.
Caímos direto em sua emboscada, e antes que pudéssemos

110
contar com a genialidade de Tesla, meu patrão foi atingido por um dardo
envenenado. Eu não teria tanta sorte, pois em minha direção voaram
flechas.
Corri e o arrastei. Pulei com ele e por pouco não morremos,
rolando pela neve, e nos penduramos em uma beirada. Com sorte
consegui erguê-lo e o levei até uma caverna.
Por cinco dias cuidei dele. O veneno era extraído de uma
planta típica da região. Quase perdi minha vida buscando as plantas para
criar o antídoto, vagando por uma tempestade. No fim consegui salvar
meu patrão, ainda que isso tenha me custado uma mão quebrada.
O homem se levantou revigorado, como se nada houvesse
acontecido.
— Obrigado, meu amigo. Muito obrigado. Agora vamos ao
nosso objetivo.
Ele equipou novamente todos os aparatos metálicos, fios e
pequenas bobinas que eu removera de seu corpo e de suas vestes e pôs-se
a pensar.
— Se formos até lá novamente, eles voltarão a tentar nos
impedir. Temos que bolar uma distração — e a distração seria eu. Outra
pessoa se arrependeria de ter ministrado aquele antidoto.
Correndo no meio da nevasca que se iniciava estava eu, com
abafadores nos ouvidos, carregando em minha mão boa uma pequena
caixa negra. Lá estava o velho templo, e lá estavam os membros do clã
Zait´Arun. Ao menos as chances deles me acertarem eram remotas. A
pequena caixa era um rádio especial, que criava ondas sonoras em uma
frequência única, iludindo os sentidos.
Enquanto eles focavam em qual fosse a ilusão que eu os fazia

111
ver, Tesla surgiu por trás do grande grupo. Em seu braço direito uma
espécie de manopla, cujos fios se ligavam a uma haste que se erguia de
suas costas.
O vento começou a soprar mais forte. O céu cinzento se
enegrecia com nuvens tempestuosas. Finalmente eles se deram conta
de Tesla, foi então que um relâmpago atingiu a haste nas costas do meu
patrão, mas ao invés de mata-lo, a energia envolveu seu corpo. Um
movimento de seu braço e um chicote de energia se projetou da manopla,
partindo tudo ao meio: inimigos e templo. Estava acabado.
Sob a antiga geleira, Raijin não passava de uma luz azulada
pulsante. Seu pulsar, no entanto, cresceu à medida que Nikola Tesla se
aproximava. Com a haste que outrora usara de para-raios, Tesla perfurou
o gelo, fazendo a torrente de eletricidade jorrar sobre si.
Tudo virou luz.
Nikola Tesla que surgiu diante de mim era mais pálido, como
um fantasma.
— Nós mudamos o mundo, meu amigo...
— Como? Onde está Raijin?
— Agora eu e ele somos um. Agora, eu sou a eletricidade e
a eletricidade sou eu. Desde a pequena faísca aos impulsos elétricos no
corpo de cada ser humano, até as tempestades que cercam a atmosfera
terrestre. Tudo é minha vontade. Minha consciência é o mundo e
a vida. Graças a você, meu leal Yurev. Este corpo nada mais é do que
uma projeção, pois o mundo não pode saber a verdade, não até que ele
mude. Ocasionalmente eles verão este simulacro perecer; enquanto isso
o mundo mudará. A tecnologia e o homem serão um só, e as guerras se
tornarão mitos.

112
E assim foi. Com seu poder, ele me levou de volta à América.
Os homens acreditam que Nikola Tesla morreu, mas na verdade, ele é
parte de tudo agora, foi sua vontade que nos guiou ao brilhante futuro.
Trev acabou a leitura boquiaberto, mas ainda cético. Tocou
no ar, fazendo com que o monitor holográfico aparecesse para realizar a
digitalização e então por mera curiosidade indagou.
— Você está aí, Tesla?
A resposta ecoou por todos os circuitos, inclusive na mente
de Trev.
— Sim!

113
ESTÍMULO DESENFREADO
Lucas M. Carvalho

Lucas M. Carvalho
é um jovem escritor de 23 anos. Publicou dois livros: O Espetáculo de Grimnlaud (Canápe) e Abaixo das Nuvens (Dracaena). Possui
um conto publicado na antologia Espada e Feitiçaria 2, da Editora Buriti; e outro pelo selo Átame, da Editora Oito e Meio. Contato:
lucasmcarvalho2015@outlook.com
ESTÍMULO DESENFREADO
Lucas M. Carvalho

O céu brilha num fulgor magenta, e as cores que os olhos


veem diluem-se em meu corpo. Mil anos neste país, e sou só uma criança.
Contudo, já estou voltando.

— A bobina estourou! — ouviu o grito do pai. — Qual delas,


maldição?
Tudo parou numa dor aguda que se esticava. O velho correu
mancando pelas escadas espirais de ferro e lançou-se na tempestade lá
fora, deixando o filho sozinho no décimo quinto andar da torre.
O irmão estava morto, um corpo frouxo pesando para o
lado. Não estava assim da última vez, pensou o menino, agora que as
manchas na vista diminuíam. Ainda estava, e talvez permanentemente,
incapacitado de se mover. Não aguentou a última carga. Eu talvez também
não aguente a próxima. Mas ainda falta tanto tempo...
Os trovões seguiram-se de faíscas e estampidos nos cabos.
Mais uma parte do maquinário estourou.
— Ferramentas! — gritou o pai, voltando e fechando a porta
atrás de si — Onde eu as deixei? Ora, está vazando óleo também aqui
dentro!
Tirou as luvas para tatear e descobrir o ponto do vazamento.

117
Enfiou o braço entre cabos úmidos — o lugar era tão estreito que tinha
de usar a mão direita, com seus apenas dois dedos opositores. Um choque
fê-lo recuar, e, como sempre, agitou o braço e enfiou-o novamente. Desde
que perdera uma parte da perna, alguns dedos e um punhado de pele, já
quase não sentia dor.
— Que diabos de vazamento. Você viu minhas ferramentas?
O menino sobre o leito respondeu:
— Eeeeg nan vio...
— Não viu? Não viu?
O velho subiu correndo de novo, e desapareceu pela porta,
que deixou aberta. Veio a ventania, quase um cataclismo, e as descargas
elétricas descendo do céu sobre os receptores que as lançavam contra os
transformadores. O som da perna mancando sobre o ferro se aproximou
de novo, e a porta se fechou com as travas múltiplas.
— Aqui estão elas — disse o velho encharcado. — Por favor,
não foi difícil de achar. O que aconteceu com seu irmão?
Aproximou-se e tomou o corpo da criança nos braços para
colocar na posição correta no leito.
— Filho! Filho! Está morto? Oras! Ele morreu? Você sabe se
ele morreu?
— Eeeeg acha quie sima, pa.
— Ah, isso não pode ser. Vamos dar mais uma carga pra ver
se ele acorda...
A frase foi interrompida por mais um cano acima que
estourou. O velho puxou uma escada portátil de ferro. O líquido fazia a
queimadura na cabeça meio calva cintilar.
— É impossível trabalhar assim. Deve ser a pressão... Pressão,

118
pressão, pressão. Que se dane.
Num salto, e imundo de óleo, puxou três alavancas e girou
dois botões do maquinário.
— Vamos ver agora!
E veio a eletricidade.

Estou nadando num gigantesco labirinto submerso. Não preciso


respirar. Tem homens andando pelas paredes com ternos secos.
— Senhor, pode me ajudar e encontrar a saída?
Ele tira o chapéu em cortesia.
— Certamente! Tem duas mil portas com duas mil chaves, e
você deve tentar uma a uma.
E eu levo dez anos para encontrar a primeira porta.
E faço amigos. Como amo esses amigos! E muita coisa acontece,
e já não os vejo há tanto tempo, e sinto nostalgia. Depois de mil e novecentas
portas, os reencontro.
Estou feliz, tão feliz que as fibras do meu corpo se desamarram.
— Falta pouco para a saída?
— Sim, finalmente.

Uma explosão sacolejou toda a estrutura. O menino acabava


de acordar quando ouviu o som do pai abrindo a porta novamente,
deixando uma pancada de tempestade entrar.
— Mais um transformador já era! Preciso regular a tensão.
Enquanto o velho usava as mãos mutiladas para ajustar cabos
e botões, o menino sentia a cabeça latejar. Um caco de espelho partido
no canto permitia que olhasse seu reflexo: estava pior, a cabeça grande,

119
as veias grossas como um polegar. O olho esquerdo estava bom, porém
o direito cobria-se de uma membrana vermelha, como uma bolha de
fluídos sobre pressão.
— Eeel nog acoor du.
— O quê? O quê disse? Ah, sim, ele não acordou. Muito fraco,
esse seu irmão, não suportou o limite. Eu calculei tudo certo!
De uma mesa, derrubou uma xícara de leite e papéis, deixando
apenas o grande panorama da anatomia cerebral cheio de manchas e
rabiscos.
— Vamos continuar. Deixa-me ver você.
Aproximou-se do leito, e segurou a enorme cabeça, olhando
os dois lados, depois em cima e embaixo. Com a lupa perscrutou o olho,
depois a nuca. Os oito pinos de ferro cravados na espinha e no cérebro
tinham superaquecido e se fundido à carne.
— Você é forte. Mais forte que seu irmão ou sua mãe foram.
— Errrrgggg errrrrrggg.
— A dor está voltando, não é? Você vai para lá de novo. Mais
um ajuste, e vamos deixar esfriar um pouco. Vou passar o gel.
— Euuug nanc qeer.
Acionou o maquinário, e veio a eletricidade.

É como se uma porta fosse rompida. Todas as infinitas


memórias voltam de uma vez, simultâneas e contraditórias. É um túnel
de luz no espectro de cores. E vejo número, e vejo formas, geometria. Estou
entendendo como o espaço se dobra e como... Sempre foi tão simples?
E num outro mundo, reflexo invertido de um mundo fingido,
vi uma cor nova. Cor que não se explica, que não é mera mistura de cores.

120
O tempo... nunca foi tão longo. Uma gigantesca tumba no
deserto, e cada sonho, que é uma vida inteira, me traz de volta para essa
tumba com um grão de areia na boca. Dois, três, quatro, milhares. Enche
minha boca e a cuspo. Quadrilhões, quintilhões, a tumba transborda ao
deserto. E o sonho de um grão me leva a outra tumba que vai se encher,
e eu penso que jamais sairei, que jamais farei o caminho reverso. E em
algum ponto, num dos mundos sem fim, numa das vidas que vivi, encontrei
novamente aquela cor estranha e nova.
A cor estava no vestido de uma mulher.
E eu a vislumbrei por um instante. Um instante que pesou mais
que todos os outros.

O motor de corrente alternada perdeu potência quando o


ciclo foi concluído.
— Duas horas. — disse o velho — Esse foi nosso limite! Veja
só quanta corrente passou pelos seus neurônios! Veja essa curvatura, o
quanto seu cérebro foi acelerado!
Estendeu um bloco cheio de número e equações. O menino,
em expressão débil, não era capaz de focalizar o objeto com o único olho
bom que restara — o outro já se circundava numa crosta de pus ou remela
sobre a bolha de sangue e fluídos. Os membros inferiores estremeciam.
— Vou pegar o suco. Você precisa descansar e se alimentar,
isso sim. Vamos ver até onde aguenta na próxima.
— Êeeeeeeergaaaa...
Percebeu que seu irmão fora tirado dali. Por um momento
pensou que tinham sido siameses, mas agora não conseguia se lembrar.
Queria olhar para a própria barriga, mas o peso da cabeça não permitia.

121
Ouvia os batimentos cardíacos ecoando como pauladas ao redor do
crânio.
O pai trouxe um limão maduro e espremeu num pote.
— Os jornais vão ser entregues amanhã... Aquele Edison com
sua “lâmpada”... Hoje disseram sobre um trem que não precisa de vapor.
É bom, filho, é bom. Mas é um desperdício...
Ouviu o som do filho engasgando-se, largou o suco e meteu-
lhe uma colher na boca. A saliva espumosa escorria até o chão, mas com
dificuldade o filho pôde voltar a respirar.
— Um desperdício do poder de Deus em nossas mãos.
Máquinas de tudo? Aqueles Westinghouse e Tesla estão apostando nas
correntes alternadas... Para quê? Aquecer a água do banho? Será que não
podem pensar mais alto? Onde está a ousadia do homem?
Serviu um pouco do suco, que, inútil, escorria para fora da
boca.
— Você, filho, é o homem que foi mais longe. Quer continuar?
— Iiihhhh...
— Isso, muito bem. Mesmo que morra na próxima, viveu
muito mais do que eu.
Desistiu do suco e subiu novamente as escadas, talvez pela
vigésima vez hoje. O vento trouxe um forte cheiro de borracha queimada
para dentro.
— A tempestade está mais fraca. Temos que nos apressar.
Depois da correria de ajustes, verificação de vazamentos e
controle de carga, o velho tirou as botas dos pés e deu um beijo na testa
do filho.
— Você vai viver de um modo que invejo. Volte para mim, se

122
puder. Isso é o futuro.
— Maaa... aaa...
— O que diz?
Pelo rio de saliva que crescia em bolhas e espuma, a língua
tentava se expressar. Dois filetes de sangue brotaram das orelhas.
— Cageee massiee me...
— Carga máxima?
O olhar do velho se perdeu por um instante. Virou um pote de
óleo sobre o menino e espalhou. Esperou esfriar, mancou aos resistores.
— Você já não é mais uma criança. É mais humano que eu,
Edison, Westinghouse e Tesla juntos. Você sabe o que pede. Primeiro,
carga normal. Em dois minutos multiplicarei por dez. Em trinta minutos
canalizarei toda a energia que vem do céu. Seu corpo vai fritar, sabe,
filho? Pior do que na minha perna. Deve morrer em poucos segundos.
Mas, pelos meus cálculos, a quantidade de estímulo acelerará a atividade
cerebral exponencialmente até beirar o infinito. Você será imortal um
instante antes de morrer, e jamais sairá desse instante.
O menino, ou o que restara dele, boquiaberto e demente,
já não esboçava resposta. Quando a carga das nuvens rompeu do
firmamento atingindo os receptores várias vezes, sobrecarregando a
estrutura, o velho, com os dois dedos que restavam na mão direita, puxou
a alavanca no espetáculo de faísca e fagulhas.

— Bom dia, meu jovem.


— Bom dia, senhor.
— O que o traz a minha chácara?
— Estou procurando uma pessoa. Uma mulher. Tenho

123
esperança de que possa me ajudar, senhor, sendo sua sabedoria famosa em
toda a terra. Vim de muito longe para perguntar-lhe isso. Seria uma longa
história.
— Vejo que sim. Vejo barro avermelhado nas suas botas. Só
há barro avermelhado porá além das cordilheiras e do mar. Irei ajudá-lo.
Como é a mulher que procuras?
— Lembro-me principalmente de seu vestido.
— Qual a cor do vestido?
— Uma cor que não tem nome, nem pode ser descrita.
— Compreendo. Posso indicar o caminho. Quando chegar à
beira do mundo, tanto tempo terá se passado que o sol será vermelho. E lá
precisará buscar um sábio maior do que eu.
— Obrigado, senhor. Tenho todo o tempo do mundo.

124