Anda di halaman 1dari 29

Fatos Importantes

Outros Nasi SS,


nomes "Cavaleiros",
"Cavaleiros
do Sacrorum
Sedes",
"Cavaleiros
da Santa Sé"
Ano de 1933
origem
Fundador Cardeal
(s) Arcebispo
Pacelli,
Superior
Geral
Ledochowski
Fr.Wlodimir
S.J.
Líder do RiechFührer
primeiro: (sendo 1 Pe.
H. Himmler
S.J.)
Sede Berlim (em
1945),
Washington
DC desde
1945
Chefe da RiechFührer
Organização (sendo 1 Pe.
H. Himmler
S.J.)
Atual líder Diretor, SS
(Serviço
Secreto),
Washington
DC
Deputados 10,000

Os nazistas

A SS nazista também conhecido como "SS"- Um nome abreviado para a" Cavaleiros da
Santa Sé" É uma ordem espiritual e militar católica romana formada em 1933 com base
totalmente em cima da estrutura de ordem Jesuíta sobre a assinatura do "sagrado" Reich
Concordata nomeadamente através da aplicação dos artigos 1,12,15,21 e 33 com a enação de
cláusula (c), do "Anexo Secreto" da Concordata entre Franz von Papen (em nome da
Alemanha nazista) e Cardeal Eugenio Pacelli (Pio XII).
O termo Nazi publicamente usado pela primeira vez como o nome renomeado do Nacional-
Socialista Alemão Partido dos Trabalhadores (NSDAP), em 1933, sobre o líder católico
devoto - conhecido como "Pai" ou Führer - (Fr.) Adolf Hitler assumir o cargo de chanceler
alemão.

A SS nazista foi dada formalmente à luz ao abrigo da Concordata do Reich de 1933 com seu
primeiro Superior Geral, sendo Reichführer (Superior Pai / Geral) Pe. Heinrich Himmler
S.J. que participou pessoalmente da cerimônia de assinatura da Concordata do Reich, em
Roma (1933). Ao abrigo da Concordata do Reich, o Reichführer teve a mesma classificação
como um cardeal católico romano Senior – e é superior ao Führer, o "leigo" representante
dos Nazi (Cavaleiros).

Como um ordem militar da Igreja Católica Romana, os Cavaleiros da Santa Sé (SS


nazista) são concedidos pelas ordens jurídicas "infalíveis" do Pontífice Romano, em nome da
Igreja Matriz de salário constante da Santa Inquisição contra todos os hereges, incluindo
assassinato, tortura e contra -inteligência, para proteger o nome da Santa Igreja Católica
Romana e representam diretamente os interesses da Santa Sé como a sua ordem primária
de Cavaleiros Sagrados - a SS (Sedes Sacrorum ou Santa Sé).

Como a principal ordem espiritual católica romana encarregada de efetuar as execuções da


Santa Inquisição, os Cavaleiros da Santa Sé (SS nazista) são dadas tarefas com o
aprisionamento de um grande número de pessoas, privando-os dos seus direitos sobre a
alegação de serem hereges e matando elas.

Como uma ordem espiritual da Igreja Católica Romana, os nazistas - como os jesuítas -
foram agraciados com a extraordinária graça Católica de serem perdoados de todos seus
pecados mortais (portanto, podendo ir para o Céu), que "infelizmente" deve ser feito a fim
de observar suas ordens temporais.

Como membros de uma Ordem Católica, segurando os poderes espirituais equivalente de


Sacerdotes, Bispos e até Cardeais (por exemplo, Himmler Pe. SJ), os Cavaleiros da Santa Sé,
historicamente, assassinou os hereges e se apropriou dos seus bens. Milhares de pessoas
entre judeus, e cristãos e protestantes que eram contra Hitler foram expulsos de suas
residências e presos em campos de concentração para trabalho escravo.

Como a ordem das SS nazistas ("Cavaleiros da Santa Sé") foi constituída por ato formal do
Papa e ação, na forma da Concordata do Reich de 1933, a continuação da existência da
Ordem nazista SS depende deste documento legal restante promulgada. Dado que o
Governo alemão e a Santa Sé (Vaticano), continuam a honrar esse Concordata para este dia,
a SS continua legal e técnica ainda promulgada, já concedeu até uma nova organização.

Hitler e a fundação do NSDAP

O Nacional-Socialista Alemão Partido dos Trabalhadores (NSDAP), nasceu no início de


1920 como uma evolução do primeiro grupo político - o extremista Partido dos
Trabalhadores Alemães (Arbeiterpartei, DAP) em primeiro lugar, fundada por Anton
Drexler (1884-1942), incluindo outras, como Gottfried Feder, Dietrich Eckart e Karl Harrer.

Adolf Hitler teve o primeiro contato com o DAP em torno de junho de 1919 - cinco meses
depois de sua formação - como agente duplo e oficial de inteligência do Reichswehr da
Baviera católica controlada do grupo encarregado de apresentar relatórios sobre suas
atividades. Sua aceitação para as fileiras da rede católica de inteligência do Reichswehr da
Baviera foi graças ao apoio de seu patrono Católico Núncio Apostólico, o Arcebispo Cardeal
Eugenio Pacelli, sediado em Munique na época.

Desde finais de 1919 até que se mudou para Berlim em 1925, Hitler encontrou-se com seu
mentor, o Cardeal Pacelli a cada poucas semanas e, provavelmente, o Arcebispo era
atualizado sobre os seus progressos ao receber suas instruções a seguir. Testemunho como
uma "questão de fato" para as reuniões ordinárias e relógio de Hitler e Pacelli foi dada pela
governanta e amiga de Pacelli de 41 anos, a irmã Pascalina Lehnert.

Hitler foi aceito como membro 55 do Partido dos Trabalhadores Alemães (DAP), e não
desempenhou qualquer papel ativo até o início de 1920, quando o minúsculo Partido
Alemão dos Trabalhadores enfrentava graças a falência e extinção da gestão desastrosa do
jornal da sociedade publicada Thule semanais Münchener Beobachter o (Munich Observer)
por Drexler, Feder Eckart e, Harrer.

Ao invés de ser re-atribuído a outro projeto de inteligência, Hitler foi imediatamente


dispensado do serviço militar até o final de fevereiro de 1920 e durante a noite foi de
membro do partido desempregados menores de salvador do DAP, fornecendo todo o ouro
necessário para manter a Münchener Beobachter (Munich Observer) e o PAD à tona.

Em uma medida da influência e controle Hitler agora tinha como milagroso financiador, o
partido mudou seu nome de março 1920 para Nationalsozialistische Deutsche
Arbeiterpartei ou (NSDAP) - Nacional-Socialista dos Trabalhadores Alemães Partido e do
nome do seu papel para Völkischer Beobachter ( Observador Popular), após sua aquisição
pelo NSDAP re-nomeado da Sociedade Thule.

Mais tarde, os jesuítas escreveram a mentira em Mein Kampf que esta decisão estratégica de
mudar a festa foi feita pelo errático alcólatra e toxicodependente Dietrich Eckart. O que
nunca é mencionado é que Hitler chegou rolando milhões de dólares em ouro,
aparentemente fora do "ar" para transformar um pequeno grupo ecletico em um movimento
político.

O Partido, para não pressionar o poder pela força

Apesar de Hitler organizando o cabo de segurança para manter o NSDAP à tona, os


membros da Sociedade Thule permaneceram em meio coração transformando-o em um
verdadeiro movimento político, mas não quiseram se afastar.

Ao começo de 1921, o Cardeal Pacelli também assistido por Hitler discretamente


introduzindo-chave e confiável membros católicos como Rudolf Hess, Hans Frank e Alfred
Rosenberg no NSDAP. Em uma reunião extraordinária do partido em 28 de julho de 1921
Hitler fez sua jogada e foi votado em como o presidente do NSDAP contra a vontade dos
seus fundadores.

Agora, com seu protegido no cargo, Pacelli empurrou para o NSDAP para acelerar a sua
transformação. Logo após ser nomeado Führer, Superior Geral Wlodimir Ledochowski
desde padres jesuítas a Adolf Hitler em 1921 para ajudar a criar um grupo paramilitar para o
NSDAP a ser conhecido como (SA), também conhecidos como "camisas pardas", primeiro
dirigido por Ernst Röhm. A nova insígnia oficial do partido, a suástica também foi adotada.

O plano entregue a Hitler pelo Cardeal Pacelli, no final de 1921 que o NSDAP era organizar-
se como uma milícia católica pronto para tomar o poder dentro do ano. No entanto, mesmo
com novos recrutas e milhões de dólares de ouro no banco, o NSDAP demonstrou uma
completa falta de competência em organizar-se em uma força político-militar.

Em contrapartida, o Partido Nacional Fascista liderado por Benito Mussolini com o seu
"Camisas Pretas" (squadristi) mostrou muito mais capacidade de ganhar nas eleições
italianas em 1922 e, em seguida, encenando um golpe para tomar o poder total em outubro
de 1922.

No início de novembro de 1923 após uma despesa considerável, o NSDAP já tinha cerca de
20.000 membros e alguns milhares de membros da Sturmabteilung "camisas pardas". Sob
pressão para demonstrar resultados, Hitler deu seu golpe para tentar e aquisição na
Alemanha, na noite de 08 de novembro-a assim chamada "golpe da cervejaria", começando
com um comício de 2.000 torcedores por meio de Munique. Ele não imediatamente, com as
tropas Reichswehr abriram fogo contra os rebeldes e Hitler com o resto da liderança do
partido foram presos e condenados por traição, até Março de 1924-o partido foi proibido de
ter qualquer ala militar e impedido de correr nas eleições de quatro anos .

Deve-se notar claramente que não há absolutamente nenhuma evidência crível que o Pe.
Heinrich Himmler foi associado com Hitler, ou de qualquer membro da NDSAP de qualquer
forma até 1929. Nem há qualquer evidência crível que seja que o NSDAP usou a palavra
"nazista" ou " Partido Nazista " até a chegada de Himmler. Ambos os fatos cruciais sendo
deliberadamente obscurecidos e deturpados a sua evolução acurada dos eventos que
levaram à Segunda Guerra Mundial.

No entanto, foi a prisão de Hitler (embora por um incrivelmente curtos 12 meses, até 20 de
dezembro de 1924), que acabou por ser uma propaganda grande vitória por Pacelli e os
jesuítas para seu pupilo. Hitler pode ter sido um orador notável, mas não era tão bom em
escrever, como a pintura. Enquanto estava na prisão Lansberg, Hitler foi visitado várias
vezes por Bernhardt Staempfle SJ para o doloroso processo de extrair o contorno de uma
autobiografia e manifesto político a ser chamado de "Mein Kampf" Minha Vida.

Dentro de alguns meses de seu lançamento Pe. Staempfle SJ tinha completado Volume I
"Reckoning A" - 12 capítulos descrevendo os argumentos essenciais para o nacionalismo
católico (fascismo) na Alemanha salpicado pela ficção semi-vida de Hitler.

Os jesuítas ainda garantiram um top-notch bávaro nascido EUA agente mídia chamado
Ernst Hanfstaengl que tinha trabalhado para Franklin Delano Roosevelt e estava em
condições de fechar a muitos na Alemanha e nos EUA "alta sociedade", incluindo meios
barão William Randolph Hearst. Foi Hanfstaengl que foi fundamental na massageando a
imagem pública de Hitler em um " Cavaleiro cristão católico " contra a "ameaça judaica
mundial".

Enquanto a carreira de Hitler como "celebridade mundial de mídia em primeiro lugar" a


ganhar terreno, o NDSAP e Hitler continuou proibida de participar nas eleições até 1927.
Contrariamente ao que afirma a desinformação deliberada a NDSAP participou
secretamente como o "Nacional-Socialista Movimento para a Liberdade" em eleições
nacionais de 1924 alemão, a primeira eleição em que o NDSAP e Hitler já estava candidatos
foi nas eleições nacionais em 20 de maio de 1928 em que o NDSAP pesquisou um 2,6% mais
pobres do voto com Hitler como seu líder celebridade famosa.

Entretanto, Mussolini já tinha estado no poder absoluto da Itália desde 1922. Claramente,
todo o aparato político do NDSAP precisava mudar.

A chegada do Padre S.J. Himmler e os nazistas

Uma das (vários) mitologias absurdas aceitas por historiadores eminentes e acadêmicos é a
proposição de que a Schutzstaffel (alemão para "Esquadrão" e o mesmo conceito como o
italiano "Esquadrões Negras" de Mussolini Católica) foi formada em 1925 como guarda
pessoal de Hitler após a sua libertação da prisão.

Alguns escritores audaciosos mesmo ter "história revista" para reivindicar a Schutzstaffel
(freqüentemente cortada ao meio para tentar conseguir os dois S é a nossa da palavra única
para esquadrão) já tinha começado a usar os símbolos da SS e do crânio e ossos, inclusive
chamando a sua cabeça Reichführer-SS e da saudação romana (braço direito) a sua
fidelidade ao Vaticano, em Roma.

A natureza ridícula dessas mentiras são facilmente expostos quando os fatos são
considerados a principal reivindicação de Hitler para a fama em 1925, foi como escritor e
filósofo político nascente, cercado por um grupo compacto de indivíduos, cada um
fornecendo as competências-chave, tais como Rudolf Hess pessoal privada secretário, Ernst
Hanfstaengl-media, Hans Frank-Advogado e Julius Schreck segurança pessoal. Além disso,
o NDSAP era uma organização pública proibida até maio de 1927.

Na verdade, a primeira eleição do NDSAP reformada em maio de 1928 foi uma humilhação
completa e desastre. Foi durante este período da recriminação e da falta que o Padre.
Heinrich Himmler entrou para ser imediatamente nomeado adjunto do Erhard Heiden,
comandado da Schutzstaffel (esquadrão). Em questão de poucos meses, Erhard Heiden
pediu demissão e Padre Himmler foi apontado como o comandante da Schutzstaffel.

Novamente, é importante ressaltar que a Schutzstaffel (só S) usavam camisas marrom até
que a Concordata do Reich foi assinada entre o Cardeal Pacelli e Franz von Papen (para a
Alemanha) em 1933, concedendo poderes espirituais exclusivos pelo Vaticano à
Schutzstaffel do Padre. Himmler. O Caveira e Ossos jesuíta foi constituída pelo Pe. Himmler
nas insígnias militares da Schutzstaffel, mas não na infame SS até depois da Concordata de
1933.

O destino político do NDSAP apareceu de repente virar graças a crescentes fileiras de


recrutas disciplinados à Schutzstaffel. Em setembro de 1930, o NSDAP ganhou 18,3% dos
votos e 107 cadeiras no Reichstag (Parlamento). Até julho de 1932 as eleições nacionais, esta
votação tinha aumentado para 37,8% e 230 dos 608 assentos do Parlamento. No entanto,
em novembro de 1932 as eleições, a vantagem caiu para 33,1% e 196 assentos em 584
assentos do Parlamento.

Em 1933 as eleições nacionais, a Schutzstaffel sob o controle do Padre Himmler numerou


pelo menos 52.000 membros altamente capacitados e absolutamente leais muito longe da
incompetência no início dez anos antes de Munique.

Foi em março de 1933 que o mundo viu a palavra "nazista", desencadeada como uma força
política e religiosa nas eleições seguintes, a destruição do Reichstag (Parlamento) por
agentes da Schutzstaffel que culparam os comunistas.

A etimologia (origem) e o significado de nazista


1933 marca o primeiro ano da palavra religiosa nazista (do hebraico Nasi significa
"Cavaleiro") foi usado como o novo nome oficial da NDSAP no governo.

É frequente e erradamente que a palavra "nazista" vem da extração aleatória de letras da


primeira palavra do nome do NSDAP - Nationalsozialistische Deutsche Arbeiterpartei para
produzir uma abreviatura simples. Essa explicação é obviamente falsa como o NSDAP já
tem um perfeitamente bom e bem conhecido abreviação NSDAP!. A palavra "nazi" só
apareceu depois que Hitler assumiu o poder convidado por Franz von Papen por um motivo
totalmente diferente.

A palavra nazi / Nasi remonta ao tempo dos conselhos Sinédrio da Palestina do primeiro
formado pelos romanos no primeiro século aC. Aos membros do judaísmo moderno, o Nasi
eram os líderes espirituais nomeados do Sinédrio, em oposição à liderança temporal do
Sumo Sacerdote do Templo Principal. Embora haja alguma incerteza quanto à credibilidade
de toda a história do alegado cargo de Nasi e da linhagem de rabinos estudiosos da Casa de
Hillel, não há dúvida a posição existiu em algum ponto.

O problema para os leitores modernos sobre a relação direta com o termo hebraico (Nasi)
para cavaleiro e nazista para a NDSAP como o "Novo Cavaleiros da Alemanha" é que Hitler
e os NDSAP deviam fazer racialmente oposição a todas as coisas "judaicas". Sem uma
compreensão da verdadeira história acerca de Israel sendo historicamente uma região
chamada Samara / Samaria e Judá sendo Yahud, sem uma compreensão da fenícia/
Samaritano linhagens sefardita os rei-sacerdotes como os khazares, os venezianos, os reis
de Septimania como apenas alguns exemplos, então o uso da palavra "Nasi", como "Nazi"
parece absurdo.

O simples fato é que a palavra do século 16 e no rótulo "judeu" mascarados duas distintas e
completamente separadas antiga religiosa / cultural / racial grupos com absolutamente
nada em comum exceto uma história de antipatia, ódio, guerra e renascimento. Os
sármatas / sefarditas / sacerdotes saducederam os reis do Norte, os inventores do hebraico,
descendentes dos Fenícios, sendo os inimigos mortais do Sul os sefarditas / aramaico / reis
sacerdotes saduceu de Yahud (Judá). O termo "judeu" é equivalente a dizer todas as pessoas
no Oriente Médio são "orientais", falsamente uma homogeneidade e unidade de
identificação cultural.

A etimologia da palavra nazista é totalmente sármatas / saduceu / serfarditas,


os fundadores de Veneza e um conjunto de famílias que tinham crescido muito
ricas e poderosas em suas ligações com o culto romano controlado pela Igreja
Católica desde os séculos 12 e 13. Hoje, nós os conhecemos pelo nome
deliberadamente enganoso de " banqueiros judeus globais ".

A verdade chocante sobre os nazistas é que em vez de tentar destruir qualquer tipo de
"Conspiração Global dos Banqueiros judeus ", na realidade, estavam dedicados a levá-los a
restabelecer o controle pré-eminente sobre o Sistema Financeiro Europeu e, finalmente, ao
culto romano do Vaticano, Roma, a quem eles servem.

Os SS , Cavaleiros da Santa Sé

Há um paralelo e uma mudança bastante extraordinária na estrutura de poder do NSDAP


como os nazistas, a ascensão do padre Himmler ao Reichführer (também Reichführer
nazista SS) - ou Superior Geral dos Cavaleiros da Santa Sé.
Muitos historiadores deliberadamente mascararam os primeiros passos do uso do título
Reichführer deixando cair fora a palavra "Nazi", ou remover "SS" de alguma forma, afirmam
esta posição era o título oficial do comandante da Schutzstaffel tão cedo quanto 1925. A
razão para essa falsificação é duplo e um para mascarar a verdadeira data de 1933 como a
mudança histórica na introdução da sigla SS e em segundo lugar para mascarar a verdadeira
chegada de Himmler em 1929 e o título Reichführer nazi-SS em 1933.

Mas o que é mais incrível é a história fabricada que continua a escondeu a


verdade absoluta que, em 1933, depois que a Concordata do Reich foi assinado
com o Vaticano, o Padre Himmler foi elevado em nome de poder e status acima
de Hitler. O Padre Himmler tem o título superior de Reichführer (em oposição ao antigo e
simples Führer para Hitler). Padre Himmler tinha o controle completo sobre todos da
polícia independente, a investigação de inteligência paramilitares, científica e de
desenvolvimento de armas e as unidades de elite temida de mais de 50 mil soldados isso já
em 1933 e Hitler não tinha absolutamente nenhuma autoridade sobre ele. Na
verdade, a prova da aversão que cada homem tinha um pelo outro é demonstrado em
inúmeros filmes de arquivo de guerra que mostram em detalhe clara a linguagem corporal
dos dois homens.

O fato de que Hitler não poderia fazer nada contra Himmler no final da guerra, quando é
universalmente reconhecido que Himmler estava tentando mediar algum tipo de acordo de
paz pessoal é mais do que provas suficientes para concluir que Hitler era um fantoche de
forças maiores.

Finalmente, o fato de que nem Hitler, nem qualquer um de seus capangas nunca tentou
assassinar Himmler, apesar de sua usurpação aberto de autoridade de Hitler, em muitas
ocasiões, é a indicação do título de Reichführer-SS nazis e do significado da SS é
extremamente significativo.

O real significado da SS da elite nazista

Como foi dito, duas S não pode, logicamente, ser extraído da Schutzstaffel palavra que
simplesmente significa "esquadrão". A importância do uso do símbolo SS pela elite das
forças de Himmler depois que ele participou pessoalmente da assinatura da Concordata do
Reich com o Vaticano, em 1933, é frequentemente ignorado.

Antes de sua utilização por Himmler, os símbolos da SS foi mais freqüentemente e


oficialmente usado como abreviatura de Sedes Sacrorum ou a denominação jurídica do
Vaticano é a "Santa Sé"(Latino Sedes = banco e Sacrorum = Santa / Sagrada) desde o século
16 como um sinal impresso sobre documentos oficiais do Vaticano.

Ou é uma coincidência extraordinária que Himmler e sua elite começou a usar o símbolo da
SS como Reichführer imediatamente após a assinatura da Concordata do Reich, em 1933,
com a SS o Sacrorum Sedes, a Santa Sé. Dado o precedente que o SS está associado com a
Santa Sé a 400 anos, não é razoável concluir que o uso dos símbolos está associado com
algum espiritual, ainda inéditos, poderes temporais agraciados com as tropas SS pelo SS da
Santa Sé.

Quando se considera que traduz SS nazista mais perfeitamente o significado


"Cavaleiros da Santa Sé", que o papel da melhor traduz Himmler para o novo
Grande Inquisitor e que milhões de pessoas na Polónia e na Rússia foram
mortas, então o SS foi, sem dúvida, o novo "Santo exército" de uma grande
inquisição contra os "hereges" orquestrada pelo Vaticano, em Roma.

Assim que isso for entendido, então as reivindicações de milhões de pessoas mortas faz
sentido, pois a doutrina oficial (até hoje) dao Igreja Católica Romana para punir os
hereges. Faz sentido porque a SS nazista construiu campos de concentração. Faz sentido
porque alguns muitos milhões foram direcionados e porque tanta energia foi gasta sobre
este mal maior, porque elas estavam as tropas leais a Inquisição Católica de Vaticano Jesuíta
de 1933-1945.

Os nazistas de Hoje

Como a ordem nazista ("Cavaleiros do Reich") foi constituída por ato formal do Papa e ação,
na forma da Concordata do Reich de 1933, a existência contínua da Ordem nazista depende
deste documento legal restantes promulgada. Dado que o Governo alemão e a Santa Sé
(Vaticano), continuam a honrar essa Concordata para este dia, a ordem nazista fica legal e
técnicamente ainda promulgada, já esperando até uma nova organização.

Fatos Importantes
Outros O mar,
nomes Sedes
Sacrorum,
SS De Santa
Sede,.
Ano de 1250
origem
Fundador Papa
Inocêncio
IV, 1250
Sede Cidade do
Vaticano,
Roma
Chefe da O Papa
Organização
Atual líder Papa Bento
XVI
Sujeitos 1 bilhão
(2008)
Criaturas 5,5 bilhões
(2008)

Resumo

Sedes Sacrorum (Latino Sedes para banco e Sacrorum para santo) também conhecida
como Santa Sede e a "SS" também conhecida em Inglês como" Santa Sé "refere-se ao aparato
jurídico como um todo, através da qual o papa católico romano e sua Cúria Episcopal
reivindicam o reconhecimento histórico como uma entidade soberana superior com direitos
legais.

A Igreja Católica usa duas personalidades jurídicas para realizar seus negócios internacionais:
a primeira é como um Estado internacional conhecida como a Cidade do Vaticano, para a qual
o Papa é o Chefe do Governo. A segunda é como a Suprema Personalidade jurídica acima
todas as outras personalidades jurídica pela qual todos os bens e "criaturas" são sujeitos.

O enforcabilidade jurídica da sua primeira personalidade internacional como um Estado é


limitada pelo direito internacional. O estado soberano da Cidade do Vaticano permanece
dependente do reconhecimento contínuo de um acordo conhecido como o "Tratado de
Latrão", assinado entre os católicos e o ditador fascista e assassino em massa Benito
Mussolini em 1929 e sua política apoiante do Papa Pio XI. Este reconhecimento permanece no
desafio e desprezo às leis existentes internacionais que proíbem o reconhecimento de Estados
párias e leis criadas por ditadores assassinos em massa.

O enforcabilidade jurídica da segunda personalidade da Igreja Católica como a Santa Sé está


dependente da adesão continuada aos estatutos legais, as definições, convenções e pactos que
foram acumulados desde a Idade Média, a respeito do primado do Papa sobre toda a
propriedade e as criaturas. Teses estatutos, convenções e pactos continuam a ser o tecido e
fundamento do sistema jurídico moderno da maioria dos estados do mundo.

Para estender a sua força colectiva que utilize a sua segunda personalidade, a Igreja Católica
considera a região controlada por cada bispo e sua Sede (Veja).

Origem da palavra Veja

A Religião Romana que controla a Igreja Católica sustenta que a primeira pessoa a usar o
conceito da Santa Sé foi São Pedro. Isto, obviamente, é impossível que a etimologia da palavra
"Sedes" (Veja) e seu significado associado não existiam até centenas de anos após a execução
de São Pedro em 70 dC, no cerco de Jerusalém.

O primeiro uso da palavra "ver" como era o nome informal da forjada "Cátedra de São Pedro",
criado pelos monges da Abadia de St. Denis, Paris em nome de Pepino, o Breve volta 748, em
antecipação de sua coroação e prova da legitimidade das reivindicações de Pepino na criação
da Igreja Católica. Ela vem da velha palavra francesa SIED e sed que por sua vez vem do latim
sedem (nom. Sedes), que significa "assento, morada", e também sedere "sentar". O nome
formal para a cadeira era (e ainda é) Cathedra Petri - literalmente, "cadeira de São Pedro"

Quando a cadeira foi criada em St. Denis, assim era o conceito jurídico da cadeira,
literalmente, que representa a legítima sedes ou "sede" do poder do Vicarius Christi. Isso foi
no confronto direto para a posição jurídica do primaz e o Patriarca de Constantinopla,
afirmando ser o sedes ou "sede" do cristianismo.

A ficção jurídica conhecida como Ex Cathedra (que significa literalmente "da cadeira ... de São
Pedro"), o que implica a infalibilidade não era a intenção original ao criar a possibilidade de
falsificação. Em vez disso, o conceito herético da infalibilidade não pareceu até muito séculos
depois.

Também não é verdade que os Patriarcas Imperiais cristãos usaram o termo "ver" ou sedes até
séculos depois que o conceito foi criado na Igreja Católica por Charles Martel e seus filhos.
A falsificação não foi a Roma, mas permaneceu na Igreja Matriz para a Igreja Católica de St.
Denis, onde foi usada como a cadeira da coroação de Pepino, o Breve, em 751. A cadeira foi
levada por Pepino em sua conquista da Itália a partir de 752 - desde que como um dom para a
coroação de Vicarius Christi Paulo em 757 - a primeira vez na história, um "Papa" nunca tinha
sentado em uma cadeira carregando esse título.

Ao longo dos séculos, muitas cadeiras de S. Pedro, foram várias vezes roubadas, vandalizadas
além de reparadas, queimadas e perdidas. No entanto, como as falsas alegações da sucessão
apostólica contida na falsificação obra conhecida como Liber Pontificalis, a cadeira de S.
Pedro afirma uma sucessão ininterrupta de papas ter fisicamente sentado em sua sede.

Legalmente e tecnicamente, se a cadeira de S. Pedro for destruída a Igreja Católica será capaz
de encontrar um substituto rapidamente para esconder o fato, o poder legítimo legal principal
da Santa Sé, afirmou que emanam desta sagrada "relíquia "iria cessar imediatamente - assim
também as declarações ainda que são Ex Cathedra. N = Cadeira n º de alimentação da cadeira.

A atual cadeira, que foi consagrada pela obra de Gian Lorenzo Bernini para o altar-mor da
Basílica de São Pedro foi reivindicada por ser do século 8 - portanto, é alegada ser a original.
No entanto, é mais provável que seja uma falsificação do século 17.

Apesar de a Igreja Católica admitir abertamente que a Cátedra de São Pedro é


uma completa fraude, a fraude continua em exibição pública, sem dúvida uma
das relíquias da igreja mais reverenciadas.

Fundação da Santa Sé

Em 1249 Giovanni Bernardone Morosini (Moriconi), também conhecido como Francisco de


Assis e neto de Doge Domenico Morosini (1148-1166) se tornou o primeiro cristão Doge de
Veneza (1.249-1.253). É por isso que os falsificadores do culto romano depois viram que era
importante romper com qualquer possibilidade de "São Francisco" ser um Moroconi /
Morisini sendo também o Doge "Marinho" (Mariner, ou do mar) Morosini, em 1249-1253.

Em seu primeiro ano de mandato, as obras na Basílica de São Marcos foi ampliado e muito o
primeiro Bucentaur (galley estado) foi construído. Doge Giovanni então chamou de antipapa
Inocêncio IV (1243-1254) por dar a ele é o anel papal - o símbolo da autoridade.

Então em 1250 sobre o Bucentaur, Doge Giovanni (São Francisco) e Inocêncio IV sairam para
o mar perto da Praça de São Marcos, onde São Francisco jogou o anel papal para o mar
durante a cerimônia formal do culto religioso romano em que São Francisco foi um dos
primeiros a inaugurar "Desponsamus te, égua, em signum veri perpetuique domini "Nós te
desposamos mar, no sinal do Senhor, verdadeiro e eterno") declarou que Veneza e o mar
(Santo), eram indissoluvelmente um - por isso a Santa Sé foi o primeiro nascido como a
primeira "plenamente cristão" empreendimento conjunto entre o culto romano, os venezianos
e os da Coroa de Inglaterra.

Origem da pessoa jurídica "Sedes Sacrorum"

Esta primeira utilização da "Santa Sé", para significar precisamente, a personalidade jurídica
do escritório de um bispo começou sob Papa Bonifácio VIII quando emitiu sua famosa Bula
Papal de 25 de fevereiro de 1296 que decretou que "todos os prelados ou outros superiores
eclesiásticos que, sob qualquer pretexto ou de cor, deverá, sem autorização dos Santa Sé,
Pagar para leigos (público em geral) de qualquer parte de sua renda ou da receita da Igreja,
como de todos os imperadores, reis, duques, condes, etc, que devem exata ou receber os
pagamentos, incorrer e o ipso a pena de excomunhão ".

A Bula Papal foi em resposta à promulgação crescente de cartas por nobres de toda a Europa
após a Carta Magna em 1215. Alguns desses documentos tem o efeito de técnica jurídica de
colocar a propriedade da igreja "em" um Estado soberano, portanto, em risco de apreensão,
quando um bispo poderoso morresse. A criação do conceito de personalidade jurídica
denominada "Santa Sé" que existia antes de um bispo e continuou depois que um bispo
morresse foi uma forma de superar esta ameaça.

Papa Bonifácio VIII, também associado a um segundo conceito e mais significativo para a
idéia da Santa Sé, quando ele declarou em torno do mesmo tempo em que "toda a criatura
está sujeita à autoridade do papa". Papa Bonifácio VIII, reforçou o veículo jurídico da Santa Sé
em 1302, quando emitiu a bula papal Unun Sanctum afirmando: "Nós declaramos, por
exemplo, definir, e pronunciar que é absolutamente necessário para a salvação
de toda criatura humana estar sujeita ao pontífice romano."

A personalidade jurídica da Santa Sé tornou-se fundamental para a Igreja Católica, que


estabelece um dos negócios mais rentáveis na Idade Média, o Internacional Comércio de
Escravos. Essa indústria, inicialmente controlada por Portugal e Espanha só foi possível
porque os atributos únicos foram reivindicos da Santa Sé.

No entanto, um novo desafio surgiu com a proposta de expedições de "novas terras" por
Espanha e Portugal e como estes podem ser resolvidos. Papa Sisto IV (1471-1484) ajudou na
resolução do litígio com a Espanha e Portugal na sequência do Tratado de Alcáçovas, emitindo
a Bula Papal Aeterni Regis em 1481 que concedeu as terras "ainda a ser descoberto" ao longo
da costa oeste da África, na medida em Guiné para Portugal.

Quando a Espanha patrocinou uma expedição da marinha Papal para reivindicar o Novo
Mundo sob o comando de Cristóvão Colon (Colombo), o papa Inocêncio VIII (1484-1492),
estendeu o conceito de Santa Sé agora a ser literalmente pelos oceanos todo completo com
todas as terras dele. Cristóvão Colon foi dado o título jurídico especial do Governador e
Capitão-General das índias, ilhas e terra firme, sobre o Mar Oceano.

A palavra "Índias" não se refere às Ilhas hoje conhecidas como o Caribe, mas um termo que
define o conceito católico romano dos direitos humanos como "criaturas" sem prejuízo do
Papa reclamando o controle legal.

O prazo alargado jurídica da Santa Sé, sendo a personalidade jurídica da Igreja Católica
Romana, abrangendo todo os oceanos e a terra foi aperfeiçoado na Bula Papal siquidem
Dudum datado de 25 de setembro de 1493, intitulada prorrogação da concessão Apostólica e
Doação das Índias, o Papa concedeu a Espanha, mesmo aquelas terras, nas águas orientais de
que "ao mesmo tempo ou até mesmo ainda pertencia a Portugal." Esta declaração de nulidade
das aspirações de Portugal levou ao Tratado de Tordesilhas 1494 entre Espanha e Portugal,
que passou a linha um pouco mais a oeste a 39 º 53'W °.

Inicialmente, a linha de divisão não explicitamente se estendia por todo o globo. Espanha e
Portugal, poderia passar o outro para o oeste ou leste, respectivamente, do outro lado do
globo e ainda possuem o que eles foram os primeiros a descobrir. Em resposta à descoberta de
Portugal, das Ilhas das Especiarias, em 1512, o espanhol avançou com a ideia, em 1518, que o
Papa Alexandre tinha dividido o mundo em duas metades. A linha de antípoda do Hemisfério
Oriental, em seguida, foi instituído pelo Tratado de Saragoça (1529) perto de 145 ° E.

Origens da entidade espiritual chamada SS

De acordo com o papa Inocêncio VIII, o papel da Inquisição e Inquisidor alterado para
aumentar a sua autoridade jurídica e espiritual, quando despachar "hereges". Cerca de 1483
Tomás de Torquemada foi nomeado Inquisidor Geral de Aragão, Valência e Catalunha.

Seus torturadores e as milícias especiais foram abençoados com a tomada de posse na mais
alta ordem sagrada do culto romano - os SS ou os Cavaleiros do Sedes Sacrorum.

Como um ordem militar da Igreja Católica Romana, os Cavaleiros do Sedes Sacrorum (SS)
foram concedidos pela ordem jurídica do Pontífice Romano, em nome da Igreja Matriz de
salário constante Santa Inquisição contra todos os hereges, incluindo assassinatos, tortura e
contra-inteligência, para proteger o nome da Santa Igreja Católica Romana e representam
diretamente os interesses da Santa Sé como a sua ordem primária de Cavaleiros Sagrados - a
SS (Sedes Sacrorum ou Santa Sé).

Como uma ordem espiritual da Igreja Católica Romana, a SS - foi agraciada com a
extraordinária graça de serem perdoados de todos seus pecados mortais (portanto, podiam ir
para o Céu), que "infelizmente" deve ser feito a fim de observar suas ordens temporal. Em
outras palavras, as tropas do Grande Inquisidor, Tomás de Torquemada foi a primeira ordem
religiosa militar a ser concedida "imunidade do inferno" pelo Papa por conta de seus atos
de tortura, terror e o mal.

O último a fazer sacrifícios rituais satânicos sob a Santa Inquisição foi no início do século 19.
No início do século 20, havia menos de algumas centenas de soldados da SS ainda atribuídos à
Santa Inquisição. No entanto, após a nomeação do Padre. Heinrich Himmler em 1929 para o
Partido Nazista na Alemanha, uma nova nazista SS (Cavaleiros do Sedes Sacrorum) Exército
de várias centenas de milhares foi criado em 1939 para travar a única e maior Inquisição já
realizada pelo Culto Romano - com milhões de pessoas inocentes mortas na Rússia, Polónia e
outros países europeus.

O alemão da SS foram dispensados no final da II Guerra Mundial, com o deslocamento


romano da SS sendo entregue aos Estados Unidos SS (Serviço Secreto / Sedes Sacrorum), em
1945. Os SS dos Estados Unidos foi criado oficialmente em uma força militar / espiritual após
o assassinato do presidente William McKinley em 1901. Após a encenação de arma de luta
fora de Blair House, em 1950, os SS dos Estados Unidos tiveram uma proteção absoluta do
presidente dos Estados Unidos, segurando-o um prisioneiro virtual do Estado, sob o pretexto
de proteção oficial.
Fatos Importantes
Outros Ordem dos
nomes Perfectibilists
Ano de 1785
origem
Fundador Duque Ernest
II de Saxe-
Gotha-
Altenburg
(1745-1804),
Gabriel
Lenkiewicz
(1785-1798)
Sede Castelo de
Windsor, na
Inglaterra
Chefe da
Organização
Atual líder Sua Majestade
a Rainha
Elizabeth II
Deputados Menos de
1.000

Fundação

Illuminati é o nome dado a um pequeno grupo de famílias nobres e não nobres, no século 18
que ajudaram a Ordem dos Jesuítas em seus planos de vingança contra a Igreja
Católica por sua dissolução em julho de 1773 pelo Papa Clemente XIV e da ordem Dominus
ac Redemptor.

As famílias dos Illuminati foram fundamentais para ajudar os jesuítas em roubar tanto as
reservas de ouro da Igreja Católica e do Estado francês, através da promoção da Revolução
Francesa e Napoleão (atravéz da maçonaria). É certo também que os jesuítas obtiveram em sua
posse uma série de documentos incriminatórios de extrema importância e dos Arquivo Secreto
do Vaticano durante a captura de Roma pelas forças de Napoleão.

Após o estabelecimento dos termos, a Sociedade foi restaurada para o mundo através da carta
do Papa "Omnium Ecclesiarum Solicitudine" em 14 de agosto de 1814. Em reconhecimento
pelos seus esforços, as famílias "Illuminati" foram recompensadas por seu apoio através de
vários meios, incluindo títulos nobres, propriedades e controle da uma riqueza fabulosa (em
nome da sociedade).
Três das famílias mais famosas e os destinatários do favor dos jesuítas para a sua
assistência são a Casa de Saxe-Coburgo-Gotha (a família alemã que controla a
Inglaterra hoje), os Rothschilds e os Lafayettes.

A Casa de Saxe-Coburgo-Gotha foi recompensada com a coroa da Inglaterra, e continuam a ser


os principais líderes da família dos Illuminati e firmemente leais aos jesuítas.

Eventos de fundo

O termo "Illuminati" e sua estrutura planejada oriundos advogado jesuíta Adam


Weishaupt (1748-1830), na Baviera.

Em 1773, Weishaupt se tornou professor de direito canónico, sendo agora um jesuíta e definir
sobre o apoio de seus irmãos jesuítas se escondendo da perseguição. Tendo-se juntado uma
série de sociedades secretas, como a Loja da Maçonaria, em Munique, a fim de ver como eles
operam, Weishaupt finalizou um novo modelo de funcionamento para os jesuítas no exílio em
abril de 1776.

Com a ajuda de simpatizantes ricos, incluindo Adolf Freiherr Knigge, em 1 de maio de 1776,
Weishaupt formou a "Ordem de Perfectibilists", que mais tarde ficou conhecido como os
Illuminati. Ele adotou o nome de "Irmão Spartacus" dentro da ordem.

A missão principal dos Illuminati sob Weishaupt foi estabelecer uma Nova Ordem Mundial
por meio do uso da ciência, tecnologia e negócios, enquanto a abolição de todos os
governos monárquicos e do Vaticano por causa de seu apoio a destruição dos jesuítas.

Weishaupt cunhou o lema dos Illuminati para ser "os fins justificam os meios". Cada célula
isolada de iniciados relatou a um superior, que não sabiam o que elimina a possibilidade de
todos os jesuítas em uma determinada região a ser encontrado e morto.

Adolf Freiherr Knigge Weishaupt introduziu a alguns nobres, incluindo Ernest Duque II de
Saxe-Gotha-Altenburg (1745-1804) que era simpático à causa dos jesuítas, e prometeu enviar
os planos dos Illuminati de Weishaupt para Vigário Geral Stanislaus Czerniewicz no exílio na
Rússia. No entanto, foi seu sucessor jesuíta Gabriel Lenkiewicz (1785-1798), que reconheceu o
valor do trabalho de Weishaupt e prontamente tinha promulgado como o modelo oficial e nova
estrutura dos jesuítas em 1785.

O modelo de célula secreta Illuminati de Weishaupt é creditado com a economia de muitas


centenas de jesuítas em toda a Europa e foi utilizado para efeito extremo no planejamento da
Revolução Francesa, alguns anos depois. Ele é o primeiro a conceber o modelo da "célula
terrorista perfeita" que é utilizada por muitas facções político-militar para este dia.

Sob a proteção e o cuidado de Duque Ernest II de Saxe-Gotha-Altenburg, Weishaupt viveu em


Gotha e continuou a escrever, incluindo um histórico completo das perseguições contra os
Illuminati da Baviera (1785), Um retrato do Iluminismo (1786), um pedido de desculpas para
os Illuminati (1786), e um sistema melhorado do Iluminismo (1787).

Restauração dos jesuítas e da supremacia dos Illuminati

Após a vitória sobre o Papado e à restauração da ordem jesuíta pela carta papal "Omnium
Ecclesiarum Solicitudine" em 14 de agosto de 1814, uma nova ordem de poder foi estabelecida,
com os Illuminati em uma posição importante.
O Superior Geral dos Jesuítas era agora o cargo mais poderoso do mundo,
seguido por seu aparato substancial incluindo outros jesuítas, os bancos
patrocinados pelos jesuíta, empresas e fabricantes militares.

O Pontífice Romano era o mais antigo, reportando-se aos funcionários do Superior Geral dos
Jesuítas e, em seguida, as famílias Illuminati. As velhas famílias monarquicas, que
anteriormente haviam apoiado o Pontífice Romano foram reduzidas para menos importância
que a Santa Sé.

Finalmente, a Santa Sé (Sedes Sacrorum), conhecida como SS, tornou-se um instrumento


crucial jurídica utilizada pelos jesuítas para estabelecer uma frente de trabalho global legal que
protege tanto o culto romano e depois os jesuítas como "tecnicamente" uma filial da ordem
jurídica todos os possíveis repressão.
Fatos Importantes
Outros AGORA, A
nomes Elite Global
Ano de 1943, Teerã
origem
Fundador Padre.
Edmund
Walsh,
Padre.
Joseph Stalin
Sede Washington,
Moscou,
Londres.
Chefes de Generais
Organização Provinciaia
dos Jesuítas
Atuais Generais
líderes Provinciais
dos Jesuítas
Deputados

Fundação

A Nova Ordem Mundial foi fundada em 1943 na primeira Conferência entre a Inglaterra, os
Estados Unidos e a União Soviética pela liderança Jesuítas em Teerã. Foi confirmado no final
da Segunda Guerra Mundial após a vitória completa da Religião Romana que controla a Igreja
Católica Romana no restabelecimento do controle católico efetiva dos antigos principados do
Reino Franco conhecidos agora como Alemanha, França, Áustria, Holanda e Suíça.

No entanto, o primeiro termo entrou na arena pública, em 1949, através do


trabalho de co-agitador jesuíta George Orwell e seu livro "Nova Ordem Mundial"
prestação de contas de refrigeração do mundo futuro sob o socialismo católico
global (fascismo).

No coração, da Nova Ordem Mundial está uma associação definida de consórcio financeiro,
político e industrial global baseado em torno do maciço subjacente activos financeiros da Igreja
Católica com base em Zürich ainda está no controle dos jesuítas e seu monopólio continua
como a única organização na Universidade Católica de história (excluindo os Cavaleiros
Templários) para manter um documento papal que lhes concede direitos exclusivos a
realização de atividades bancárias e financeiras.

Como a Nova Ordem Mundial é um consórcio de entidades financeiras, políticas, militares e


industriais, a sua estrutura precisa, normas de funcionamento e a agenda continua difícil de
confirmar com precisão. Por exemplo, uma dúzia de bancos privados na Europa e nos Estados
Unidos, foram primeiro formados pelos jesuítas no século 18 e início do século 19 e continuam
a serem os pilares fundamentais do sistema financeiro global e de crédito - os mesmos bancos
privados que retiraram centenas de bilhões de dólares de crédito do sistema financeiro global
em 2008 e 2009, causando o que era um aperto de crédito localizadas de empréstimos ruins
em uma depressão global.

A Nova Ordem Mundial também mantém uma estrutura político-militar, através


de laços de cooperação entre agências de inteligência e grande público e
fabricantes privados de armas de tal forma que este aparelho serve para proteger
os interesses da Igreja Católica em todo o mundo.

A Nova Ordem Mundial também representa um grupo discreto de empresas globais,


principalmente envolvidos em indústrias como a farmacêutica, assim como meios substanciais
e interesses de publicação, mais uma vez que têm mantido com sucesso protecção contra os
interesses católicos, com exceção de inevitável ocasionais escândalos públicos, tais como curso
pedofilia por padres.

A Guerra Civil dos Jesuítas (1942-1945)

Em 1941, 55 anos, conde Wladimir Ledochowski - Superior Geral dos Jesuítas - estava no auge
de sua supremacia, um ajuste e completamente homem motivado. Seu exército de influentes
jesuítas semelhante atingiram grandes alturas em todos os lugares realizados pelos ditadores
católicos, assim como os Estados Unidos. Então porque é que uma guerra civil entre facções
dos jesuítas aconteceu?

Uma das anomalias de grande valor histórico é o comportamento de ambos Adolf Hitler, padre
Himmler. e Padre Joseph Stalin na invasão nazista da Rússia. Contrariamente ao spin
historiadores, estes homens não tinham mostrado apenas o pragmatismo impiedoso no
gerenciamento de energia, até este ponto, mas estavam ativamente trabalhando em
conjunto em diversas frentes militares e científicos até a invasão.

A desculpa dada é freqüente que o católico Hitler tinha se tornado "embriagado" com o poder e
decidiu invadir a Rússia, porque ele odiava os russos. Mas Hitler era um mero soldado,
em comparação com o Padre Himmler o novo Grande Inquisitor da Igreja Católica Romana e
seu exército de assassinos e torturadores.

Em vez disso, é muito mais seguro que o Superior Geral jesuíta Ledochowski encarregou
Himmler de empurrar para o ataque ao entendimento que tal uma limpeza completa dos
católicos do nacional socialismo sobre os católicos do national comunismo. Da
mesma forma, é evidente que o conde Ledochowski disse algo no sentido inverso ao Padre
Stalin - que este era o plano que acabaria por destruir a Alemanha como o comportamento de
Stalin contra seu próprio país e povo não era senão traiçoeiro.

Quando Hitler invadiu em junho de 1941, Stalin - contra todos os outro exemplo de julgamento
implacável para proteger seu próprio poder - aparentemente convidou as suas tropas para
serem abatidos e derrotados e proibiu os generais de se empenhar plenamente, depois de ter
executado os generais e depois repetindo o processo bizarro quase até Moscou.

No entanto, no inverno sombrio russo de dezembro de 1941, as mandíbulas da


máquina soviética jesuíta apertaram o cerco fechando nas pernas do Exército
alemão. Deste ponto em diante, o destino do sonho e poder nazista foram selados.

Para tal um jesuíta alemão como o Fiel Padre Himmler e a trapaça deliberada como por
Ledochowski teria sido devastador e imperdoável. Os jesuítas tinham mudado o seu
poder da Alemanha, França e Itália para a América -, pela primeira vez na
história da ordem.

Em 13 de dezembro de 1942 (56 anos) Conde Wladimir Ledochowski morreu de repente -


quase certamente assassinado pelos melhores bandidos do Padre Himmler por sua traição
condenando os jesuítas alemão-suíço-francês "Illuminati".

Tecnicamente, esse ato imediatamente mergulhou os jesuítas em Guerra Civil. Não é possível a
convocação de uma Congregação Geral, até o final da Guerra - quando todos os jesuítas têm
permissão para eleger seu líder - Vigário Geral Norbert de Boyne não poderia ser feito Superior
Geral. Isso deixou os jesuítas americanos, liderados por Padre Edmund Walsh. livre para
exercer a sua agenda, juntamente com outras facções internacionais.

Os jesuítas alemão-suíço-italiano-francês durante a guerra dirigido pelo Padre Heinrich


Himmler de SJ representou os "Illuminati" - a velha guarda que havia sido traída por seu líder
morto o Padre Ledochowski . O outro campo que representa a nova guarda, a "Nova Ordem
Mundial", dirigida pelos jesuítas americano-canadense e aliados, juntamente com os Ingleses e
jesuítas até mesmo da Austrália.

No meio dos dois campos rivais dos jesuítas estavam as províncias "neutras" como a Holanda e
a Espanha, que ainda estão lutando pela sua sobrevivência contra a popularidade do Vaticano
patrocinando o Opus Dei Maria (Mari) Culto satânico de devoção espanhola.

É durante este evento, em que o número sem precedentes de jesuítas foram mortos que o plano
para a Nova Ordem Mundial foi idealizada pelos jesuítas superiores, como os americanos Padre
Edmund Walsh .

O plano foi confirmado por funcionários jesuítas que acompanham cada um dos líderes
mundiais de Roosevelt, Stalin e Churchill e à conferência Teerã em dezembro de 1943.

É aí que vemos pela primeira vez a revelação do rosto público da Nova Ordem
Mundial - um modo de se opor "amigos" e as ideologias do capitalismo vs
comunismo mas em última análise, financiado e dirigido a partir da mesma
máquina.

Reportagem estrutura da Nova Ordem Mundial


A Nova Ordem Mundial não mantém sede oficial, além da estrutura existente da
Igreja Católica. Nem a Nova Ordem Mundial mantem arquivos secretos das
reuniões "secretas" em salas de painéis de carvalho.

Toda a estrutura do aparelho, e as relações da Nova Ordem Mundial é em grande parte aos
olhos do público "escondidos na vista lisa" e foi examinada inúmeras vezes em publicações de
investigadores e co-adjutores de desinformação.

Por exemplo, importantes grupos de encontro sobre a New World Order, como o Grupo
Bilderberg e a Comissão Trilateral reunem muitos dos principais membros da Nova Ordem
Mundial, mas com discussões sobre temas que para qualquer observador seria considerado
como largamente "benigno".

Este é particularmente o caso no que diz respeito à comunicação do núcleo e a estrutura de


poder da atual Nova Ordem Mundial. Excluindo as grandes reuniões de membros "escondidos
na vista lisa", os generais jesuíta provinciais têm dividido os seus exércitos de sacerdotes em
áreas especializadas - cada um tem a tarefa de se envolver com pessoas-chave na área de
especialização de tal forma que seus relacionamentos e encontros parecem normal e natural.

Por exemplo, quando um jesuíta que é considerado como um advogado de topo e especialista
em Direito Constitucional reúne-se com os legisladores, parece normal e desprovida de
segundas intenções. Quando um jesuíta é um especialista em um campo da ciência, da política
ou o mesmo pode ser dito.
Assim, o poder real da Nova Ordem Mundial baseia-se nos níveis mais baixos da estrutura dos
Jesuítas, com uma parte da organização jesuíta nunca tem um quadro completo do que o outro
lado sabe a menos que estejam ao nível do Geral Provincial.

A eventual trégua na guerra civil dos jesuítas veio na forma de um compromisso


do poder da Nova Ordem Mundial é, de fato, muito clara e precisa de seis níveis
(6) pirâmide de poder.

Facções jesuítas da Ordem dos Jesuítas

Papa Negro, Superior Geral dos Jesuítas

Ordem dos Jesuítas Financeiro, Corporativo e Aparelho Militar

Reconstituídas Famílias Illuminati (sob a estrutura da Nova Ordem Mundial)

Santa Sé (com o Papa na sua cabeça)

As Nações Unidas

Seria incorreto dizer que o Papa Negro é a pessoa mais poderosa do planeta
Terra. Desde 1945, o papel foi em grande parte simbólica e realizada por um
candidato de um país neutro entre as principais facções da Guerra Civil dos
Jesuítas. Como tal, o papel tem sido dominado por dois candidatos holandês e
espanhol.

A força mais poderosa na Nova Ordem Mundial são inquestionávelmente os generais


Provinciais da Ordem dos líderes mais altos entre as facções dos jesuítas, que continuam a
manter uma trégua desde 1945. Embora o Superior Geral pode, tecnicamente, dar ordens
absolutas a seu provinciais, na prática, tem sido o contrário por mais de sessenta anos.

Então chegamos à terceira camada sendo o aparato financeiro-militar que poucas


pessoas que acreditam na existência da Nova Ordem Mundial diriam. No entanto,
poucos já ouviram falar da fundação real do sistema financeiro mundial no início
do século 19 utilizado pelos jesuítas que controlam o ouro roubado do Vaticano e
da França durante as Guerras jesuíta-Papal para financiar um exército de bancos
privados na Europa e nos Estados Unidos.

Então chegamos à quarta camada do aparelho da Nova Ordem Mundial a ser reconstituída
pelas famílias"Illuminati" dos Estados Unidos, Europa e até da Ásia / Oriente Médio. Eles não
têm nenhum controle sobre os jesuítas, nem desejam desafiá-los de qualquer forma
como as suas posições diferentes das famílias reais, ocasionais presidentes, primeiros-
ministros e líderes globais são dependentes do clientelismo favorável dos jesuítas.

A quinta camada do aparelho da Nova Ordem Mundial é a Santa Sé. Contrariamente às


informações incorrectas comuns, o papel do Papa agora é de importância secundária
para o aparato jurídico da Santa Sé - A Santa Sé, sendo o quadro jurídico que afirma a
superioridade do Vaticano sobre todas as outras leis do homem, bem como o domínio completo
sobre os animais ( os seres humanos são classificados como animais por suas leis). É
o papado e a Cúria do Vaticano, que nos últimos anos tem aumentando a guerra
travada para revelar mais e mais o aparelho da Nova Ordem Mundial contra os
jesuítas.
A sexta camada é a das Nações Unidas e aparato legal que reconhece a Santa Sé como um
estado legítimo e entidade, portanto, suas leis, pois todas as legislações nacionais, subserviente
a Organização das Nações Unidas.

A Grande Depressão de 2009-2012

Em 2008 os banqueiros Illuminati sob o controle da Religião Romana em Zürich usaram seus
bancos e as explorações de ouro para lançar um ataque contra o sistema financeiro controlado
pelos Jesuítas - escolhendo a crise sub-prime como o catalisador.

Apesar da falta do verdadeiro ouro em que assenta o sistema global financeiro moderno criado
pelos jesuítas, a criatividade dos bancos e os governos conseguiram evitar uma grande dívida
financeira alimentada pelo colapso do sistema por diversas vezes desde a sua criação em 1945.

No entanto, sob a estrutura de poder da Nova Ordem Mundial, a Santa Sé e os Illuminati de


cidades como a de Munique e Zürich são subservientes aos jesuítas - como têm sido nos
últimos 200 anos.

Usando a crise do subprime, os bancos controlados pelo Vaticano simplesmente se recusaram a


renovar a novas linhas de crédito apoiadas por metais preciosos reais no sistema do hald
segundo semestre de 2008 e novamente no início de 2009, fazendo com que todo o sistema
financeiro eficaz para "aproveitar-se ".

Diferente dos primeiros relatos, este não parece ser uma ação dos jesuítas, mas uma ação
deliberada, em nome das famílias dos Illuminati e o Vaticano contra os jesuítas, na esperança
de que a turbulência social resultante irá definir as condições para a futura guerra.

A prova de que estamos testemunhando uma guerra dentro da estrutura de poder da Nova
Ordem Mundial pode ser visto pelos recentes comentários negativos e extraordináriamente
perturbadores da União Europeia e da Comissão contra os planos dos Estados Unidos para o
comércio sair da crise.

Não pode haver dúvida que estamos no meio da luta de maior poder desde a Segunda Guerra
Mundial. É incerto se os jesuítas vão prevalecer e o sistema será restaurado no fim, ou se o
Vaticano e os Illuminati consigam quebrar os grilhões da submissão forçada depois de 200
anos.
http://one-evil.org/default.asp

"Os jesuítas são uma organização militar, e não uma ordem religiosa. Seu chefe é um
general de um exército, e não o mero abade de um mosteiro. E o objetivo dessa
organização é o poder - o poder em seu exercício mais despótico - o poder absoluto,
o poder universal, o poder de controlar o mundo por vontade de um único homem
[isto é, o Papa Negro, o Superior Geral dos Jesuítas].

Jesuitismo é a absoluta maioria dos despotismos [sic] - e, ao mesmo tempo o maior e


mais enorme dos abusos ... "

Napoleão I (Ou seja, Napoleão Bonaparte, 1769-1821, imperador dos franceses)


Fatos Importantes
Outros nomes Companhia de Jesus, da
Companhia de Jesus, da
Companhia
Ano de origem 1540 bula papal Regimini
militantis ecclesiae ("Para o
Governo da Igreja Militante")
Fundador Francisco Borja e Santo Inácio de
Loyola
Sede Igreja do Gesù, em Roma
Chefe da Superior Geral
Organização
Atual líder Adolfo Nicolás
Deputados 18,815 (2008)

Fundação

Os jesuítas foram fundados, inicialmente, como a Companhia de Jesus no "Dia da


Assunção" 15 de agosto de 1534, em uma cerimônia secreta na cripta da Capela de St.
Denis por Inácio de Loyola (nascida Íñigo López de Loyola) e Francisco Xavier, Alfonso
Salmeron, Diego Lainez, Nicolau Bobadilla e todos da Espanha, Pedro Fabro de Sabóia, em
França, Rodrigues Simão e de Portugal.

A constituição foi aprovada por Francisco Borja, da infame família "Borja", Duque de
Grandia, neto do Papa Alexandre VI, o patrono de Inácio de Loyola. Francisco Borja foi o
financiador principal e arquiteto na formalização dos jesuítas como a primeira ordem
militar dedicado aos monges da Igreja Católica. Ele também foi responsável por garantir a
Bula Papal Regimini militantis (27 de setembro de 1540) do amigo da família Borja, o Papa
Paulo III, que primeiro deu o estatuto oficial jesuítas como uma ordem.
Inácio de Loyola primeiro chamou a atenção do jovem duque de Grandia em 1529 depois
que Inácio foi novamente preso pela Inquisição por praticar extrema devoção religiosa.
Borja viu potencial na devoção extrema e base militar que estava sendo pregada por Inácio
de Loyola e seu desejo de estabelecer uma ordem de monges militares. Foi o jovem Borja
que salvou a vida de Inácio da Inquisição.

Com a morte de Inácio, em 1557, Francisco de Borja era esperado para ser o segundo
Superior Geral. No entanto, suas ambições foram prejudicadas, em primeiro lugar pelo
arqui-inimigo Giovanni Pietro Carafa como o Papa Paulo IV (1555-1559). Carafa tinha
sido um dos maiores inimigos de Borja e do Papa Alexandre VI e imediatamente nomeou
Diego Laynez (James Lainez) como Superior Geral. Papa Paulo IV morreu em agosto de
1559 e foi substituído por Giovanni Angelo de Medici (Papa Pio IV). Em ambos os casos, o
Superior Geral dos Jesuítas Diego Laynez alinhou-se estreitamente tornando-o
praticamente intocável.
No entanto, após o Papa Pio IV ter tentado torturar e assassinar Benedetto Accolti e outros
de famílias papais em um suposto plano que falhou, o cardeal Borja fez o seu movimento e
Pio IV foi envenenado e levado a morte em 09 de dezembro de 1565. Poucos dias depois, o
Superior Geral Diego Laynez sofreu o mesmo destino, e logo depois que o cardeal
Francisco Borja foi eleito por unanimidade o terceiro Superior Geral.

As características únicas da Ordem Militar dos Jesuítas.

Borja reforçou os poderes já substanciais do Superior Geral dos Jesuítas a ser maior do
que qualquer outra Ordem na história da Igreja Católica. Embora tecnicamente monges, a
Constituição da Ordem foi a única que isentou os sacerdotes da regra enclausuramento (ou
seja, que vivem em mosteiros). Em vez disso, monges jesuítas estavam a viver "no mundo".
Apenas os padres dominicanos que eram os principais torturadores da Inquisição e da
Igreja Católica na época tinham qualquer coisa como essas liberdades. No entanto, a
Constituição dos Jesuítas desde o início foi ainda mais longe na medida em que permitiu e
até incentivou os sacerdotes a não usar o hábito (vestido tradicional de monge) para que
eles "se misturassem" com o mundo.

Borja garantiu uma Bula do Papa Paulo III em 1545, permitindo aos jesuítas para pregar,
confessar, dispensar os sacramentos e a missa, sem ter que se referir a um bispo, colocando-
os efetivamente fora do controle dos clérigos regionais. Além disso, Borja alterou a
Constituição da Ordem Militar dos jesuítas ainda mais quando ele conferiu poderes para o
cargo de Superior Geral dos jesuítas, perdendo apenas para o Papa. Por sua própria
constituição de 1565 (e que continua em vigor até hoje), o Superior Geral pode absolver os
sacerdotes e os novos recrutas de todos os seus pecados, até mesmo o pecado de heresia e
cisma, a falsificação dos escritos apostólicos. Além disso, os Superiores Gerais desde o
tempo de Borja tinham o poder "oficial" por Bula Papal e pelos seus estatutos para reverter
sentenças de excomunhão, suspensão ou interdição e até mesmo absolver padres jesuítas
culpados de assassinato e bigamia.
Mas uma das vitórias mais impressionantes do Superior Geral Borja foi no ano em que
morreu, quando ele conseguiu, sob o Papa Gregório XIII, em 1572 os direitos dos jesuítas
para tratar do comércio e da banca - um direito que não tinha sido concedida a qualquer
ordem religiosa da Igreja Católica desde os Cavaleiros Templários 400 anos anteriores.
De fato, são essas leis ao abrigo da Constituição da Ordem dos Jesuítas que têm lugar ao
Superior Geral a ser conhecido como o Papa Negro.

Os jesuítas e a Educação

Embora desde o seu início, a Ordem Militar dos jesuítas foram arquitetados para serem
capazes de realizar todos os tipos de missões perigosas de assassinato, a propaganda de
falsificação e roubo, sua missão principal era e continua sendo hoje a derrota completa de
todas as forças em oposição à autoridade do papa católico romano - especificamente o
movimento protestante. Mesmo no século 16, a Igreja Católica tentou suprimir e controlar o
comércio e educação através da combinação de Direito Pontifício, ações e ocasionalmente
vigor. Em contraste, aqueles estados que tinham rejeitado a supremacia do Papa, como
Inglaterra e em partes da Alemanha, França, Europa Oriental e do Norte eram livres para
buscar o comércio e educação, sem restrição.
De todas as conseqüências da Reforma, o mais perigoso para a Igreja Católica era (e ainda
é) a educação. É por isso que os jesuítas foram forçados a adotar uma posição contrária na
educação, numa fase tão precoce. Usando seus poderes não anunciados, os jesuítas
estabeleceram um movimento de educação contra os protestantes, usando o acesso de valor
inestimável para os arquivos secretos do Vaticano, os jesuítas dedicaram-se a manipulação
de cada fluxo importante de ciência e filosofia protestante contra os intelectuais, inclusive
subvertendo as suas sociedades secretas.

O recrutamento e promoção da Educação teve um benefício secundário para os jesuítas na


medida em que assegurou aos recrutas maior calibre e fez os seus serviços mais atraentes
em todo o mundo católico. Os jesuítas rapidamente se tornaram conhecidos como a Ordem
dedicada à excelência da educação em países católicos, uma noção perversa considerando
a sua finalidade original que era de existência e estrutura militar.

Os jesuítas e o Comércio

Outra área onde os jesuítas procuraram para competir contra os jovens estados
protestantes foi na segurança das rotas comerciais lucrativas. Graças ao papa Gregório XIII,
os jesuítas eram a única ordem religiosa com o poder de conduzir o comércio e bancos.
Superior Geral dos Jesuítas Claudio Acquaviva (1581 - 1615) logo colocou isso em bom
uso quando em 1580, ele ordenou que o Padre Vilela SJ comprasse o porto de Nagasaki a
partir de um caudilho local japonês. O Superior Geral Acquaviva enviou Alessandro
Valignano SJ para gerir a nova missão comercial.
Os jesuítas promoveram fortemente o crescimento de seu porto completamente possuído
de Nagasaki, a um dos portos comerciais mais rentáveis do mundo. A propriedade Jesuíta
do porto de Nagasaki deu a essa Sociedade um concreto monopólio na tributação sobre
todas as mercadorias importadas que entravam no Japão.
Os jesuítas sob Pedro Claver S.J. também foram fundamentais para o desenvolvimento do
comércio de escravos da África para a América do Sul para serem usados nas minas de
ouro. Até meio milhão de escravos foram enviados e chegaram sob o olhar de Pedro Claver
SJ. Mais tarde, os jesuítas transformaram Claver em um dos mestres da pior história dos
escravos tendo o tornado o santo padroeiro dos escravos Africanos e da América.

No entanto, tanto a Espanha e Portugal em particular, estavam irritados com o aumento da


riqueza e da influência dos jesuítas avançando sobre os lucros dos escravos e
monopolização do comércio. Em resposta os Portugueses pretendiam restringir os jesuítas
no Japão, armando seus inimigos, o general Claudio Acquaviva formou uma aliança em
1595 com os holandeses no apoio dos seus navios mercantes e de comércio. Em resposta à
nova aliança, o Parlamento Inglês emitiu uma carta de concessão de um monopólio sobre a
aliança do comércio pirata da Companhia das Indias Orientais, em 1600.

Em 1602, o general Claudio Acquaviva assistido por comerciantes jesuítas ganhou uma
carta de 21 anos de monopólio dos Estados Gerais dos Países Baixos para formar o
Vereenigde Oostindische Compagnie ou VOC em holandês, literalmente " Companhias
Unidas das Índias (Companhia holandesa das Índias Orientais). Utilizando as competências
exclusivas dos jesuítas para realizar serviços bancários e comércio, os holandeses da
Companhia das Índias Orientais representavam uma das empresas mais rentáveis da
história graças a seu controle de especiarias, escravos, drogas e plantações. Os jesuítas só
perderam o controle em 1773 na dissolução da Ordem. Depois que a ordem foi dissolvida
em 1773 os jesuitas usaram como fachada o judeu convertido ao cristianismo Adam
Weishaupt que criou em 1776 na Alemanha a sociedade secreta dos Illuminati da
Baviera para se vingar dos monarcas que os expulsaram de seus países bem como o
Papa. Os Illuminati-Jesuitas se infiltraram nas lojas Maçônicas na Europa a partir de
então, modificando os seus valores iniciais e hoje a dominam completamente bem
como todas as casas reais da europa e de diversos países.

Embora o argumento inicial dos jesuítas à sua participação no comércio foi o de


corromper e prejudicar as atividades do comércio protestante, na realidade foram as nações
católicas que estavam mais chateadas. Adicionado aos problemas dos jesuítas foi o
crescente perigo para a Ordem dos seus deveres como chefe de assassinos. Cada vez que
um novo rei ou rainha morria sob sua custódia, as famílias nobres da Europa tornavam-se
mais agitados.

Mas foi o controle dos jesuítas da educação e da supressão do liberalismo que era para
levar à sua dissolução. Enquanto as nações protestantes saltaram à frente no comércio,
indústria e educação, os estados católicos continuavam a perder o controle. A Espanha,
Portugal, os estados de Itália e França olhavam todos com indignação, enquanto a
Inglaterra, Alemanha, Rússia e outros países europeus do Norte tinham crescido em termos
de riqueza e prestígio.

Em 1758, o ministro de D. José I de Portugal (1750-1777), e o Marquês de Pombal,


expulsou os jesuítas de Portugal, e os enviou em massa para Roma, como "um presente
para o Papa". Em 1764, o Rei Luís XV da França também expulsou os jesuítas.
Até 1769, o movimento para expulsar os jesuítas tinha crescido em ritmo suficiente e
houve um risco real de que os imóveis papais também pudessem ser tomados. O Papa
Clemente XIII pediu um consistório, a fim de dispersar os jesuítas, incluindo a preparação
de uma bula papal para o pronunciamento. Mas em 02 fevereiro de 1769 na noite anterior
em que a Bula para desmantelar os jesuítas estava prevista para ser promulgada, o General
Lorenzo Ricci assassinou o Papa.

Seu sucessor, o Papa Clemente XIV, ele mesmo treinado pelos jesuítas, era mais
estratégico. Em julho de 1773, o Papa Clemente XIV assinou a ordem Dominus ac
Redemptor para desmantelar os jesuítas e suas igrejas e bens foram apreendidos em ações
simultâneas. Em troca, ao Papa Clemente foram devolvidas Avignon e Benevento para os
estados papais pelos "serviços prestados" para as casas reais. A repressão tomou
completamente de surpresa o Geral Ricci, mas antes que pudesse reagir, ele foi preso em 17
de agosto e preso no Castelo Sant'Angelo, em Roma. Mas em 22 de setembro de 1774,
Ricci teve êxito e o Papa Clemente XIV foi assassinado com 68 anos de idade. Ricci ficou
preso e morreu lá em 24 de novembro de 1775 após 15 anos como general.

O contra-ataque dos Jesuítas


A prisão e a morte de Ricci e a Carta de Repressão não trouxe o fim desejado dos jesuítas.
A carta era válida apenas nos países onde foi oficialmente promulgada. Frederico da
Prússia, reconhecendo o valor dos jesuítas como educadores se recusou a promulgar o
Breve. Assim, também, Catarina II da Rússia proibiu a sua promulgação para a algumas das
mesmas razões. No início, alguns jesuítas tornaram-se os párocos e continuaram a ensinar
em colégios jesuítas, como antes. Desde que eles foram reconhecidos legalmente como
jesuítas nesses dois países, os padres na Rússia Branca chamado de Congregação Geral, o
primeiro na Rússia Branca. Elegeram como Vigário Geral os 53 anos de idade, Pe.
Estanislau Czerniewicz. Ele era um líder jesuíta da Província e foi Reitor do Colégio
Polotsk.

Stanislaus Czerniewicz morreu em 07 de julho de 1785 e os chamados Padres da


Congregação da Segunda Rússia Branca para eleger um sucessor. Elegeram como Vigário
Geral Padre Gabriel Lenkiewicz em 27 de setembro. Dois anos depois de sua eleição,
Gabriel Lenkiewicz SJ aproveitou a oportunidade para infligir vingança em cima de uma
das casas reais da Europa que contribuíram para a queda dos jesuítas. Com uma reforma em
mente o rei Luís XVI da França havia convocado uma assembléia de notáveis um grupo de
alguns nobres, a burguesia e os burocratas escolhidos de modo a contornar o Parlamento,
dominado por famílias nobres.

A fim de melhorar o padrão de vida para os mais pobres da França e deter o crescimento
da fome, o rei pediu a aprovação da Assembléia para o seu plano de impostos às famílias
nobres e da Igreja Católica, pela primeira vez. O plano indignou os Bispos católicos e os
Jesuítas foram chamados da Rússia para prestar assistência sobre a forma de subverter os
bons planos do Rei. Os jesuítas rapidamente aproveitaram o plano do rei para by-pass do
Parlamento completamente corrupto e começou a imprimir panfletos e material anti-
Monarquia informando que o rei estava realmente trabalhando contra o povo comum,
porque pela lei de um terço (O Terceiro Estado), do francês Parlamento foi eleita das
pessoas comuns.

Mais uma vez explorando o desejo da reforma do Rei para ver o trabalho da mudança, os
jesuítas promoveram tumultos abertos e um movimentos contra, alegando que eram
realmente a pessoas que queriam mudar, não o rei. Para acabar com o caos, em 1791, o Rei
Luís XVI promulgou uma nova Constituição, em que a França iria funcionar como uma
monarquia constitucional - prestação de liberdade política e da democracia real pela
primeira vez para qualquer nação do continente europeu.

Em resposta, o Papa Pio VI (1775-1799) ordenou ao Sacro Imperador Leopoldo II da


Áustria para atacar seu cunhado. Até 1792, os jesuítas controlavam os Jacobitas que haviam
capturado o rei e para os dois anos seguintes, durante o "reinado de terror" os jesuítas
executaram mais de 40.000 pessoas, a maioria sem sequer um julgamento. A revolução em
si não foi só o primeiro avanço dos jesuítas para ver sua causa ser reintegrada. Em vez
disso, ela deu uma confiança renovada na sua capacidade para derrubar até a mais
antiga das monarquias e assim deu origem ao audacioso plano para capturar o Papa e
a riqueza da Igreja Católica.
Em um dos grandes erros e falsificações da história, o fiel agente jesuíta Gilbert du
Motier, marquês de La Fayette, mais conhecido simplesmente como "La Fayette" não
simplesmente abandonou suas tropas leais e influência para se esconder na região belga de
Liège, onde obscura ele foi convenientemente mantido "prisioneiro" por 5 anos. Em vez
disso, La Fayette foi incumbido pelos jesuítas para levar as vastas reservas de ouro da
França para a América. Em Nova York, o ouro roubado dos francêses foi colocado
sob os cuidados do Bank of New York (fundado em 1784) e do Banco recém-formado
da Companhia de Manhattan (hoje JP Morgan Chase Bank).

O agente jesuíta Antoine Christophe Saliceti tinha preparado com cuidado a carreira do
companheiro corso, Napoleão Bonaparte, durante vários anos. Em 1795, enquanto servia
em Paris, Napoleão conseguiu esmagar uma rebelião de monarquistas e contra-
revolucionários e foi promovido pelo novo regime do líder Paul François Jean Nicolas,
visconde de Barras (Paul Barras). Após seu casamento com Josefina de Beauharnais,
Saliceti assegurou Napoleão a qual foi dado o comando do Exército francês na Itália em
março de 1796 e o ordenou a invadir a Itália, especificamente para capturar o Papa em
Roma.

Ao mesmo tempo, os jesuítas através da Suíça formaram os bancos privados Darier


Hentsch & Cie e Lombard Odier Darier Hentsch como depositários de todo o ouro do
tesouro, e os contratos apreendidos durante a campanha. No entanto, o Papa Pio VI
organizou o seu próprio tratado de paz com Napoleão como Tolentino em 19 de fevereiro
de 1797. O que levou os jesuítas a organizar o assassinato do brigadeiro-general francês
Mathurin-Léonard Duphot em Roma, para fazer com que Napoleão finalmente completasse
a tarefa de prender o Papa. Seis semanas após a transferência do Papa para às más
condições da fortaleza de Valença, ele morreu em 29 de agosto de 1799.

De volta a Roma, os agentes de Superior Geral dos Jesuítas Gabriel Lenkiewicz SJ


reviram todas as notas do tesouro do Vaticano, como os vários locais onde estavam o ouro
e os tesouros do Vaticano, enviando-os para a Suíça para o Darier Hentsch & Cie Bank. Por
sua vez, o banco continuou por algum tempo financiando as campanhas de Napoleão para a
continuação da conquista. Em novembro de 1798, Gabriel Lenkiewicz S.J. morreu em 01
de fevereiro e o Padre Franz Xavier Kareu foi eleito Vigário Geral.

Restabelecimento e novas ordens militares dos Jesuítas

Com a morte de Pio VI, em agosto de 1799 como um prisioneiro francês, o cardeal e
Conde Barnaba Chiaramonti acabou por ser eleito como Papa Pio VII em 14 de março de
1800. Embora inicialmente em termos aceitáveis com Napoleão de ter garantido uma
concordata em 1801 e atendendo a sua coroação em 1804. No entanto, em 1808, ele era um
prisioneiro da França, e não por intrigas dos jesuítas, mas por Napoleão funcionando agora
por conta própria.

Depois da desastrosa campanha russa que tinha suficientemente enfraquecido o poder de


Napoleão, o líder jesuíta Tadeusz Brzozowski (primeiro Superior Geral, após a restauração)
reuniu-se com o Papa Pio VII em sua prisão em janeiro / fevereiro de 1814 e garantiu um
acordo com o Papa Pio VII para restaurar completamente a Ordem Jesuíta e dotá-la de
novas terras e direitos na Ásia com o acordo: (1) Que os jesuítas se organizariam para a
libertação segura do Papa sobre a prisão de Napoleão (que ocorreu em abril de 1814), (2)
Que os jesuítas não empreenderiam mais ações contra qualquer Papa e reafirmariam o seu
compromisso de fidelidade, (3) que o Papa voltaria a ter controle dos territórios papais e (4)
que parte dos fundos da Igreja Católica controlados pelo Vaticano seriam devolvidos.

Posteriormente, a Sociedade foi restaurada para o mundo através da carta do Papa


"Omnium Ecclesiarum Solicitudine" em 14 de agosto de 1814.

Fatos Importantes
Outros nomes
Nascido 1748
Localização Ingolstadt, Baviera (Alemanha)
Bloodline
Casado Afra Sausenhofer
Crianças Não
Posição
Morreu 18 de novembro de 1830 (82 anos)

Antecedentes

Adam Weishaupt nasceu em Ingolstadt, Baviera (Alemanha) de Johann Georg Weishaupt


(1717-1753) Professor de Direito na Universidade Jesuíta controlada de Ingolstadt. Quando
seu pai morreu em 1753, ele foi adotado por seu padrinho, Johann Adam Freiherr von
Ickstatt que assumiu a posição de seu pai na Universidade. Weishaupt posteriormente se
matriculou na Universidade de Ingolstadt e formou-se em 1768 aos 20 anos com um
doutorado de direito. Em 1772 tornou-se professor de direito. No ano seguinte, casou-se
com Afra Sausenhofer de Eichstätt.

Sobre a supressão dos jesuítas pelo Papa Clemente XIV em 1773, sua vida mudou
drasticamente. Ele decidiu juntar-se aos jesuítas, agora à procura de refúgio no sul da
Alemanha e em Ingolstadt. Em 1773, Weishaupt se tornou professor de direito canónico,
sendo agora um jesuíta e o jogo sobre apoiar seus irmãos jesuítas se escondendo da
perseguição. Tendo-se juntado a uma série de sociedades secretas, como a Loja da
Maçonaria, em Munique, a fim de ver como eles operam, Weishaupt finalizou um novo
modelo de funcionamento para os jesuítas no exílio em abril de 1776.

Com a ajuda de ricos simpatizantes, incluindo Adolf Freiherr Knigge, em 1 de maio de


1776, Weishaupt formou a "Ordem de Perfectibilists", que mais tarde ficou conhecido
como o Illuminati. Ele adotou o nome de "Irmão Spartacus" dentro da ordem. A missão
principal dos Illuminati era criar uma Nova Ordem Mundial por meio do uso da ciência,
tecnologia e negócios, enquanto a abolição de todos os governos monárquicos e do
Vaticano por causa de seu apoio a destruição dos jesuítas. Weishaupt cunhou o lema dos
Illuminati para ser "os fins justificam os meios". Cada célula isolada de iniciados relatava a
um superior, que não sabiam o que elimina a possibilidade de todos os jesuítas em uma
determinada região a ser encontrado e morto.

Adolf Freiherr Knigge Weishaupt introduziu a alguns nobres, incluindo Duque Ernest II
de Saxe-Gotha-Altenburg (1745-1804) que era simpático à causa dos jesuítas (família
alemã que hoje governa a Inglaterra e mudou o sobrenome para Windsor), e prometeu
enviar os planos dos Illuminati de Weishaupt para Vigário Geral Stanislaus Czerniewicz no
exílio na Rússia. No entanto, foi seu sucessor o jesuíta Gabriel Lenkiewicz (1785-1798),
que reconheceu o valor do trabalho de Weishaupt e prontamente tinha promulgado como o
modelo oficial e nova estrutura dos jesuítas em 1785. O modelo de célula secreta Illuminati
de Weishaupt é creditado com a economia de muitas centenas de jesuítas em toda a Europa
e foi utilizado para efeito extremo no planejamento da Revolução Francesa, alguns anos
depois. Ele é o primeiro a conceber a "célula terrorista perfeita" do modelo, desde que
utilizado por muitas facções político-militar para este dia.

Em 1784, alguns dos seus escritos foram interceptados e interpretados como sediciosos, e
a sociedade foi proibida pelo governo de Karl Theodor, Eleitor da Baviera em 1784.
Weishaupt perdeu sua posição na Universidade de Ingolstadt, Baviera e fugiu. Sob a
proteção e o cuidado do Duque Ernest II de Saxe-Gotha-Altenburg, Weishaupt viveu
em Gotha e continuou a escrever, incluindo um histórico completo das perseguições contra
os Illuminati da Baviera (1785), Um retrato do Iluminismo (1786), um pedido de desculpas
para os Illuminati (1786), e um sistema melhorado do Iluminismo (1787).
A maioria dos crimes Malignos

Da criação de uma empresa ilegal para efeitos de crime: (1776) Esse jesuíta Adam
Weishaupt, professor de Direito Canônico na Universidade Jesuíta de Ingolstadt na Baviera
fez um empreendimento ilegal, para efeitos de crime em 01 maio de 1776, conhecida como
a Ordem dos Illuminati, também conhecida como "os Illuminati "ou simplesmente"A
Compania". E o propósito desta organização era especificamente para formar uma
sociedade secreta de simpatizantes influentes dos jesuítas, controlada pelos jesuítas (1) ao
re-estabelecer os seus interesses financeiros (2) permanecer secretos em operação para
garantir o apoio do Vaticano e os Estados nunca poderiam aproveitar estes recursos
específicos da ordem (3) usar seu poder e da rede para vingar as famílias nobres que
forçaram a supressão da ordem dos jesuítas, incluindo França, Espanha, Portugal, Parma,
Nápoles e da Áustria, (4) para subverter o movimento maçónico Inglês tanto para prevenir
a propagação da democracia constitucional secular (como na América) e na vingança para
assumir os seus interesses de negócio rentável na Ásia (Compania das Indias Orientais), (5)
empreender ações para forçar o Papa e o Vaticano para restabelecer a Ordem dos Jesuítas e
nunca mais usar as suas forças de repressão.