Anda di halaman 1dari 18

Prática de Ensino

em Matemática no
Ensino Médio
Material Teórico
Matemática e suas Tecnologias: Interfaces com outras
Áreas de Conhecimento

Responsável pelo Conteúdo:


Prof. Ms. Douglas Tinti

Revisão Textual:
Profa. Ms. Luciene Oliveira da Costa Santos
Matemática e suas Tecnologias:
Interfaces com outras Áreas
de Conhecimento

• O que é Interdisciplinaridade?
• Interdisciplinaridade e Matemática

OBJETIVO DE APRENDIZADO
· Refletir sobre a interdisciplinaridade;
· Fomentar o desenvolvimento de projetos interdisciplinares
nas escolas;
· Promover uma reflexão sobre o papel do conhecimento matemático
na integração com as demais áreas de conhecimento;
· Apresentar possíveis focos de observação para o desenvolvimento
do Estágio Curricular Supervisionado;
· Subsidiar as discussões e ações do Estágio Curricular Supervisionado.

ORIENTAÇÕES
Nesta unidade, focaremos nossa atenção para a interdisciplinaridade.
Desse modo, os questionamentos a seguir podem ser entendidos como
direcionadores desta nossa reflexão:

• O que é interdisciplinaridade?

• Qual sua importância na construção do conhecimento?

• Em que medida os conhecimentos matemáticos podem ser conectados a


temáticas da atualidade?

• Como o professor se prepara para explorar as potencialidades desta


abordagem em sala de aula?

Participe do fórum de discussões, assista às videoaulas e fique atento(a) ao


prazo de entrega da documentação comprobatória de seu Estágio. Lembre-
se: o cumprimento do Estágio Curricular Supervisionado é de sua inteira
responsabilidade!
UNIDADE Matemática e suas Tecnologias:
Interfaces com outras Áreas de Conhecimento

Contextualização
Prezado(a) aluno(a), nesta unidade, abordaremos a temática da interdiscipli-
naridade. Partindo dessa perspectiva, buscaremos refletir sobre as diferentes
conexões que podemos estabelecer entre o saber matemático e as demais áreas
de conhecimento.

Você já participou de algum projeto interdisciplinar? Que lembranças possui


desse projeto? Que áreas de conhecimento foram envolvidas?

Se você não participou de nenhum, que tal se desafiar a implementar um em seu


estágio? Foi o que fez nosso amigo Leandro! Vamos ver como ele se saiu?

6
Desenvolvendo Projetos Interdisciplinares
Hoje, fui convidado pelo Prof. Adriano para participar de uma reunião de
planejamento em que iria se discutir o desenvolvimento de projetos interdisciplinares.
Tais projetos deveriam ser apresentados pelos alunos, ao final do bimestre, em uma
exposição aberta à comunidade.
Na referida reunião, estavam presentes todos os professores da escola,
cujas discussões foram conduzidas pela coordenadora pedagógica. Para iniciá-
las, a coordenadora apresentou algumas reflexões sobre a importância da
interdisciplinaridade na construção do conhecimento e no desenvolvimento
da autonomia intelectual dos alunos. Enquanto ela falava, alguns professores
prestavam bastante atenção, tomavam nota de pontos principais e, além disso,
faziam questionamentos que potencializavam as reflexões apresentadas.
Por outro lado, observei que alguns professores estavam ali apenas de corpo
presente. Espantei-me ao perceber que uma professora estava lixando as unhas,
enquanto outros mexiam no celular. Fiquei pensando, qual o comprometimento/
envolvimento deles com o que estava propondo a coordenação pedagógica?
Terminado o momento de reflexão, a coordenadora informou que cada um dos
professores seria responsável por acompanhar o trabalho dos alunos e organizar as
apresentações. O professor Adriano ficou responsável por uma sala de 1ª série do
Ensino Médio. Além disso, a coordenadora solicitou que os professores sugerissem
um tema gerador para desencadear os trabalhos. Tal solicitação gerou algumas
possibilidades de tema, os quais tiveram que ser votados pelos professores. Após
muitas discussões, o tema escolhido foi “A crise híbrida no Brasil”.
Concluída a reunião, o professor Adriano me perguntou se eu poderia ser um
colaborador dele no desenvolvimento do projeto. Eu fiquei muito feliz e aceitei
na hora! Além disso, ele me sinalizou que gostaria da minha contribuição para
que pensássemos em um projeto interdisciplinar que não limitasse a matemática
à elaboração de gráficos e tabelas. Como não entendi muito bem o que ele quis
me dizer, pedi para que ele me explicasse melhor. Ele me relatou que, quando
pensamos em projetos interdisciplinares na escola, os professores de outras áreas
de conhecimento, sempre se voltam para os professores de matemática e pedem
para que eles fiquem, tão somente, com a elaboração de gráficos e tabelas, como
se a matemática se resumisse a isso.
Compreendido o desafio ao qual estava me inserindo, decidi que iria estudar
algumas possibilidades de abordagem para ajudar o professor Adriano a desenvolver
o trabalho.
No dia seguinte, ele apresentou aos alunos a proposta de trabalho e o tema.
Dividiu os alunos em grupos e fez uma sondagem com os alunos acerca de possíveis
abordagens e foco para a temática. Fiquei impressionado com a criatividade dos
alunos. Tomei nota de todas as ideias para, posteriormente, poder partilhar com o
professor Adriano.

7
7
UNIDADE Matemática e suas Tecnologias:
Interfaces com outras Áreas de Conhecimento

Finalizado aquele dia de observação, voltei para casa com o desejo de aprofundar
o tema do projeto interdisciplinar e refletir sobre como esta temática poderia
envolver as diferentes áreas de conhecimento.
Não vejo a hora de poder colocar a mão na massa e concluir este trabalho junto
à escola. Como é bom me sentir parte integrante da comunidade escolar!

Se você fosse o Leandro,


Explor

• por onde começaria a buscar informações sobre a temática escolhida?


• que áreas de conhecimento poderia envolver?
• como superar o desafio de não restringir a matemática a gráficos e tabelas em projetos
como este?
Se você fosse o professor Adriano,
• como desenvolveria este trabalho com seus alunos?
• como envolveria os demais professores da escola?
• como motivaria seus alunos a participar do projeto?
• que recurso materiais utilizaria?
• como avaliaria os trabalhos dos alunos?

Embora pareçam questionamentos simples, promovem reflexões e, conse-


quentemente, aprendizagem. Reflita sobre eles antes de continuar a explorar o
material teórico.

O que é Interdisciplinaridade?
Você Sabia? Importante!

Etimologicamente, a palavra interdisciplinaridade é formada por três termos:


•  inter: que significa ação recíproca, ação de A sobre B e de B sobre A;
•  disciplinar: termo que diz respeito à disciplina, do latim discere – aprender,
discipulus – aquele que aprende ;
•  dade: corresponde à qualidade, estado ou resultado da ação.

A interdisciplinaridade pode ser entendida como uma abordagem que visa


estabelecer integração entre diferentes disciplinas escolares em relação a
determinado(s) conteúdo(s).
Como nos apontam os Parâmetros Curriculares Nacionais para o Ensino Médio
(PCNEM), a abordagem interdisciplinar não objetiva fragmentar um determinado
conteúdo, mas sim promover diferentes ópticas para o mesmo.

8
[...] a interdisciplinaridade não dilui as disciplinas, ao contrário, mantém
sua individualidade. Mas integra as disciplinas a partir da compreensão
das múltiplas causas ou fatores que intervêm sobre a realidade e trabalha
todas as linguagens necessárias para a constituição de conhecimentos,
comunicação e negociação de significados e registro sistemático dos
resultados. (BRASIL, 1999, p. 76).

Em termos curriculares, os PCNEM orientam para o desenvolvimento de


um currículo que compreenda a interdisciplinaridade como um movimento de
superação da justaposição disciplinar sem descaracterizar a essência de cada uma
das disciplinas envolvidas.
É importante enfatizar que a interdisciplinaridade supõe um eixo inte-
grador, que pode ser o objeto de conhecimento, um projeto de investi-
gação, um plano de intervenção. Nesse sentido, ela deve partir da ne-
cessidade sentida pelas escolas, professores e alunos de explicar,
compreender, intervir, mudar, prever, algo que desafia uma disci-
plina isolada e atrai a atenção de mais de um olhar, talvez vários.
Explicação, compreensão, intervenção são processos que requerem um
conhecimento que vai além da descrição da realidade e mobiliza com-
petências cognitivas para deduzir, tirar inferências ou fazer previsões a
partir do fato observado. (BRASIL, 2002, p. 76, grifos do autor)

Como podemos evidenciar, à medida que se escolhe uma temática que emerge
do cotidiano dos alunos e/ou da escola o projeto se fortalece e, consequentemente,
mobiliza os alunos a se engajarem e a buscarem soluções para as problemáticas que
serão elencadas.

O que é multidisciplinaridade?
Explor

O que é pluridisciplinaridade?
O que é transdisciplinaridade?

Sugerimos o texto a seguir para auxiliar na busca por respostas para estes questionamentos:
Explor

CARLOS, Jairo Gonçalves. Interdisciplinaridade no Ensino Médio: desafios e potencialidades.


https://goo.gl/5aXTwf

Se considerarmos o Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM), perceberemos


que, embora a matemática se constitua em uma área de conhecimento
“independente”, ela estabelece relações com as demais. Haja vista que muitas das
questões apresentadas no ENEM assumem esta perspectiva.

9
9
UNIDADE Matemática e suas Tecnologias:
Interfaces com outras Áreas de Conhecimento

Interdisciplinaridade e Matemática
MACHADO, Nilson José. Interdisciplinaridade e Matemática. In.: Pro-Posições. Vol. 4.
Explor

Nº 1 [10], março de 1993.


https://goo.gl/rK5m41
Explor

Como deve ser estruturado um projeto interdisciplinar?

Estrutura de um projeto
Há muitas formas de estruturar um projeto, desse modo, sugerimos a seguinte
estrutura:
• Titulo

Apresentar um título para o projeto. Este título deve estar intrinsicamente


relacionado ao tema gerador escolhido.
• Objetivos e Abrangência

Traçar objetivos específicos e gerais para direcionar o projeto. Estes objetivos


devem ser entendidos como metas a serem cumpridas, portanto, devem ser
escritos considerando verbos específicos (por exemplo: elaborar, construir,
pesquisar, apresentar, mapear, delimitar). Em relação à abrangência, sugere-
se que sejam indicadas as disciplinas que serão envolvidas no projeto, bem
como os participantes.
• Justificativa
Apresente a relevância do projeto. Busque relacioná-lo com a temática central
escolhida e a problemática que a envolve. Apresente dados estatísticos que
possam embasar e reforçar a relevância do projeto.

• Desenvolvimento e Cronograma de Trabalho


Detalhe os passos do projeto. Podem ser apontadas etapas a serem cumpridas.
Em relação ao cronograma, é preciso decidir o tempo desprendido para sua
concretização (semana ou meses, por exemplo). Você pode considerar o
exemplo a seguir, lembrando que as ações são fictícias:

Ações Semana 1 Semana 2 Semana 3 Semana 4


1. Elaboração do projeto X
2. Divulgação aos alunos X X
3. Organização dos grupos (alunos) X
4. Entrega parcial dos trabalhos X

10
Ações Semana 1 Semana 2 Semana 3 Semana 4
5. Entrega final dos trabalhos X
6. Avaliação dos trabalhos X
7. Autoavaliação X

• Recursos
Detalhe os recursos humanos e materiais necessários para implementar seu
projeto. Caso seja necessário, você pode montar uma planilha de custos.

• Critérios de Avaliação
Detalhe como você avaliará o desenvolvimento do projeto, bem como o
avanço cognitivo dos alunos. Detalhe os instrumentos que serão considerados
para atingir este objetivo.

• Autoavaliação
Trata-se de uma etapa importante do projeto. É um momento em que, após a
conclusão do projeto, são avaliados os pontos fortes e fracos do projeto com o
objetivo de, numa próxima execução, potencializar o que deu certo e melhorar
o que não foi satisfatório.

Retome a vivência do estagiário Leandro. O tema escolhido para o projeto na escola foi “A
Explor

crise híbrida no Brasil”. Se você fosse o Leandro, como estaria estruturado seu projeto? Que
tal fazer um rascunho considerando esta temática?

Proposta de ação
1. Considerando esta estrutura, pense em três temáticas nas quais seria possível
desenvolver um trabalho interdisciplinar:

Temática 1: _____________________________________________________

Temática 2: _____________________________________________________

Temática 3: _____________________________________________________
2. Busque escrever uma justificativa para cada uma delas e, ainda, quais
disciplinas poderiam ser relacionadas.

Temática Justificativa Disciplinas envolvidas

11
11
UNIDADE Matemática e suas Tecnologias:
Interfaces com outras Áreas de Conhecimento

3. Indique um recurso que possa ser utilizado para introduzir a temática, ou


seja, que possa ser um disparador para o projeto.

Sugestão: considere reportagens, vídeos, séries, filme, obras de arte ... use
sua criatividade!
4. Compartilhe as reflexões dos itens 1, 2 e 3 no fórum de discussão.

Possíveis focos de observação:


• O Projeto Pedagógico aborda a temática da interdisciplinaridade? De que
forma? Quais os referenciais teóricos que contribuem para embasar esse
documento?
• O Projeto Pedagógico da escola prevê o desenvolvimento de atividades/
projetos interdisciplinares? Como?
• O planejamento do professor indica o desenvolvimento de aulas/atividades/
projetos interdisciplinares?
• A escola estimula projetos interdisciplinares? Quais são/foram desenvolvidos?
• Como são/foram avaliados os projetos interdisciplinares?
• Que conhecimentos matemáticos são/foram explorados nestes projetos
interdisciplinares?

Possíveis focos de participação:


Sugestão 1: elabore um plano de aula em que seja implementada uma
abordagem interdisciplinar.
• Qual o fio condutor dessa aula?
• Quais áreas de conhecimento envolvidas?
• Que recursos serão utilizados?
• Que conteúdos serão relacionados/explorados?
• Como avaliar a produção de conhecimento desta aula?
• A abordagem utilizada é da perspectiva multi/inter ou transdisciplinar?

Sugestão 2: elabore um projeto interdisciplinar.


• Qual o fio condutor desse projeto?
• Quais áreas de conhecimento serão envolvidas?
• Que recursos serão utilizados?
• Que conteúdos serão relacionados/explorados?
• Como avaliar a produção de conhecimento desta aula?
• A abordagem utilizada é da perspectiva multi/inter ou transdisciplinar?

12
Possíveis focos de regência:
• Com a anuência e supervisão do professor da escola, implemente o plano
de aula ou o projeto interdisciplinar. Registre todas as etapas e, ao final,
elabore uma reflexão sobre a importância dessa regência para seu processo de
aprendizagem da docência.

A seguir deixamos algumas sugestões de séries, objetivando ampliar conhecimentos e


Explor

possibilidades de abordagens interdisciplinares em relação ao ensino de matemática.


Arte e Matemática
Série que aborda a relação da Matemática com a Arte
https://goo.gl/o5S32Q
Matemática em toda parte
Série que busca relacionar o conhecimento matemático com as ações cotidianas
https://goo.gl/81y5Hu
NUMB3RS
Série que aborda relações matemática em investigações do FBI.

13
13
UNIDADE Matemática e suas Tecnologias:
Interfaces com outras Áreas de Conhecimento

Material Complementar
Indicações para saber mais sobre os assuntos abordados nesta Unidade:

 Vídeos
Formação do Conceito de Interdisciplinaridade
https://goo.gl/5pTVrw

Interdisciplinaridade - Parte 1
https://goo.gl/lLOk47

Interdisciplinaridade - Parte 2
https://goo.gl/MB96ei

Arte e Matemática
Série que aborda a relação da Matemática com a Arte.
https://goo.gl/u8YMPU

Matemática em Toda Parte


Série que busca relacionar o conhecimento matemático com as ações cotidianas.
https://goo.gl/puAcIe

 Leitura
Interdisciplinaridade no Ensino Médio: Desafios e Potencialidades
CARLOS, Jairo Gonçalves. Interdisciplinaridade no Ensino Médio: desafios e
potencialidades.
https://goo.gl/00fbzO

A importância da Interdisciplinaridade na Educação Matemática


TERRADAS, Rodrigo Donizete. A importância da interdisciplinaridade na Educação
Matemática. In.: Revista da Faculdade de Educação. Ano IX nº 16 (Jul./Dez. 2011).
https://goo.gl/aM5dV8

14
Referências
BRASIL. Ministério da Educação e Cultura. Parâmetros Curriculares Nacionais:
Matemática. Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1997.
Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/livro03.pdf>. Acesso
em: 13 de junho de 2015.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Média e Tecnológica.


Parâmetros Curriculares Nacionais: Ensino Médio. Brasília: Ministério da
Educação, 2002.

________. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Parecer


CNE/CES Nº 1302, de 06 de novembro de 2001 que estabelece as Diretrizes
Curriculares Nacionais para os cursos de Matemática – Bacharelado e Licenciatura.
Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/CES13022.pdf>.
Acesso em: 13 de junho de 2015.

________. Conselho Nacional de Educação. Resolução CNE/CP Nº 01, de 18


de Fevereiro de 2002, que estabelece as Diretrizes Curriculares Nacionais para a
Formação de Professores da Educação Básica. Disponível em: <http://portal.mec.
gov.br/cne/arquivos/pdf/rcp01_02.pdf>. Acesso em: 13 de junho de 2015.

________. Conselho Nacional de Educação. Resolução CNE/CP Nº 02, de 19 de


Fevereiro de 2002, que institui a duração e carga horária dos cursos de licenciatura.
Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/CP022002.pdf>.
Acesso em: 13 de junho de 2015.

BRASIL. Lei nº. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e


bases da educação nacional. Diário Oficial da União, Brasília, 23 dez. 1996.

BRASIL. Resolução CNE/CEB nº. 1, de 5 de julho de 2000. Estabelece as


Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação e Jovens e Adultos. Diário Oficial
da União, Brasília, 19 jul. 2000.

FAZENDA, Ivani. A Interdisciplinaridade: um projeto em parceria. São Paulo:


Loyola, 1993.

15
15