Anda di halaman 1dari 38

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL

Manipulação de dados de
vazão II
Disciplina: Hidrologia aplicada

Profa. M.Sc. Liri Yoko Cruz Prieto Hojo


Engenharia Civil - 3° ano - 2016

1
Curva de permanência – Características
Dado importante em estudos de conservação e/ou
aproveitamento dos recursos hídricos
• A declividade da curva é um indicativo das características do
curso d’água: curva plana sugere grandes armazenamentos
naturais; curva inclinada sugere ausência de armazenamento;
• O período das grandes estiagens geralmente ocorre para
probabilidade superior a 95%.

2
Curva de permanência – Características
• Bacias grandes com maior regularização natural tem um
patamar de vazões frequentes menos inclinado;
• Bacias pequenas com menor regularização natural tem um
patamar de vazões frequentes mais inclinado

3
Curva de permanência – Características
• Vazão Mediana: a vazão correspondente a 50% é chamada vazão
mediana, que é facilmente encontrada na curva de permanência;
Vazão Média: calculo da média aritmética de todos os valores da
série de registros, também pode ser avaliada a partir da curva de
permanência (determinar a área sob a curva e dividir este valor
n
por 100).
å x i
x = i =1
n

4
Curva de permanência – Características
• Desvio padrão: é uma medida de dispersão dos valores de uma
amostra em torno da média.

å (x )
n
2
i - x
s = i =1
n -1

5
Curva de permanência – Características
DISTRIBUIÇÃO DE PROBABILIDADE

6
Exercício
1. Um curso d’água intermitente, situado na região do
semiárido do Nordeste, passa mais da metade do tempo
seco. Qual o valor de sua Q80?

7
Exercício
2. Construir a curva de permanência das vazões médias
mensais com base nos dados da tabela abaixo.
Determinar, com base nesta curva, a porcentagem do
tempo em que a vazão de 35 m³/s é igualada ou excedida.
Determinar, também, as vazões mediana e média das
médias mensais.

8
Hidrologia estatística
Considerando que a frequência representa a probabilidade, então
o Tempo de Retorno (TR) em anos, pode ser:
1 1 Estrutura TR (anos)
TR = = Bueiros de estradas pouco 5 a 10
F P movimentadas

Bueiros de estradas muito 50 a 100


movimentadas
Pontes 50 a 100
Diques de proteção de 50 a 200
cidades
Drenagem Pluvial 2 a 10
Grandes barragens 10.000
Pequenas barragens 100

9
Chuvas anuais e distribuição normal
• MÉTODO ANALÍTICO

x -m
z=
s
x: vazão
μ: média das vazões
σ: desvio padrão
z: variável obtida pelas tabelas de distribuição normal

10
Probabilidade de ocorrer um valor maior do que z, considerando uma distribuição normal
com média zero e desvio padrão igual a 1.

11
Hidrologia estatística
Probabilidade de ocorrer um valor maior do que z, considerando
uma distribuição normal com média zero e desvio padrão igual a 1.

12
Exercício
Exercício 3
As chuvas anuais em um posto pluviométrico seguem,
aproximadamente, uma distribuição normal, com média igual a
1433 mm e desvio padrão igual a 299 mm. Qual é a probabilidade
de ocorrer um ano com chuva total superior a 2000 mm e o tempo
de retorno?

13
Análise de frequência de eventos
hidrológicos extremos

VAZÕES MÁXIMAS E VAZÕES MÍNIMAS

14
Análise de frequência de eventos hidrológicos extremos
• Análise de frequência de vazões máximas
- Distribuição empírica
- Distribuição normal
- Distribuição log-normal
- Distribuição log-Pearson tipo III
- Distribuição de Gumbel

15
Análise de frequência de vazões máximas
• Distribuição empírica
-Ordem decrescente
- Probabilidade pela fórmula de Weibull
m
P =
n +1
m: número de ordem
n: tamanho da amostra

O problema da estimativa empírica de probabilidades é que não é possível


extrapolar a estimativa para tempos de retorno maiores. Por exemplo, se é
necessário estimar a vazão máxima de 100 anos de tempo de retorno, mas
existem apenas 20 anos de dados observados, as probabilidades empíricas
permitem estimar vazões máximas de TR próximo de 20 anos.
16
Análise de frequência de vazões máximas
• Distribuição normal
- Solução para o problema da distribuição empírica, extrapolação da
análise de eventos extremos:
x = x + K ×s
x: vazão máxima para dada probabilidade
x: média das vazões máximas
s: desvio padrão das vazões máximas
K: fator de frequência obtido pelas tabelas de distribuição normal
(equivalente ao z das tabelas)

Obs.: as vazões máxima não seguem a distribuição normal è invalida17o


método
Análise de frequência de vazões máximas
• Distribuição log-normal
- Solução para o problema da distribuição empírica,
extrapolação da análise de eventos extremos.

log( x ) = log( x ) + K × s log( x )


log (x): logaritmo da vazão máxima
log (x): média dos logaritmos da vazão máxima
slog(x): desvio padrão dos logaritmos da vazão
K: fator de frequência tabelado

18
Análise de frequência de vazões máximas
Exercício 4
Considere as vazões máximas anuais do rio Cuiabá, em Cuiabá.
Estime as probabilidade e os tempos de retorno utilizando a
distribuição empírica.

19
Análise de frequência de vazões máximas
Exercício 5
As vazões máximas anuais do rio Guaporé no posto fluviométrico
Linha Colombo são apresentadas na tabela abaixo. Utilize a
distribuição log-normal para estimar a vazão máxima com 100
anos de tempo de retorno.

Resposta:
As falhas são desconsideradas na análise,
assim o tamanho da amostra é N=48.
Para TR 100 anos è z= 2,326.
média dos logaritmos da
vazoes máximas é 2,831 20
desvio padrão é 0,206
Análise de frequência de vazões mínimas
- Semelhante as vazões máximas
-Probabilidade de ocorrência de vazões iguais ou menores que
um determinado limite.
- Dados de vazão organizados em ordem crescente na análise de
probabilidades empíricas

21
Análise de frequência de vazões mínimas
Probabilidade de ocorrência de vazões mínimas
• Distribuição empírica
• Distribuição normal
• Distribuição de Weibull

22
Análise de frequência de vazões mínimas
• Distribuição empírica
-Ordem crescente
- Probabilidade
m
P =
n +1
m: número de ordem
n: tamanho da amostra

• Distribuição normal

Q = Q -S Q ×K
23
Análise de frequência de vazões mínimas
• Distribuição de Weibull
Distribuição de frequências teórica mais adequada para a
estimativa de vazões mínimas de alto tempo de retorno

Sendo que e são dados pelas equações

24
Análise de frequência de vazões mínimas
• Distribuição de Weibull
O valor de lambda é obtido por

G: coeficiente de assimetria
Γ: função gama

25
Análise de frequência de vazões mínimas
• Distribuições de probabilidades: Comparação das três
distribuições

26
Análise de frequência de vazões mínimas
• Análise comparativa

- Uma dificuldade da aplicação da distribuição de Weibull


é a necessidade de calcular o valor da função Gama

- Distribuição de Weibull aproxima melhor às vazões


mínimas do que a distribuição normal, especialmente para
tempos de retorno altos, quando a distribuição normal
tende a valores negativos

27
Análise de frequência de vazões mínima
Exercício 6
A tabela presenta as vazões mínimas anuais
observadas no rio Piquiri, no município de Iporã
(PR). Considerando que os dados seguem uma
distribuição normal, determine a vazão mínima
de 5 anos de tempo de retorno.

28
Resolução
- Distribuição empírica

29
Resolução
- Distribuição normal

Q = Q -S Q ×K

média = 163
Desvio padrão= 65,2
TR 5anos è K=0,842

= 163 − 0,842 · 65,2


= 108,1 3

30
Vazões características

Q 90%
Q 95%
Q 7,10

31
Vazões características

Curva de permanência: Q 90% e Q 95%

32
Vazões características

Origem da Q 7,10

- Significa a vazão mínima por 7 dias consecutivos para


um tempo de retorno de 10 anos
- Também em meados dos ano 70 apareceu nos Estados
Unidos o método Q7,10 que foi exigido em projetos para
evitar o problema de poluição dos rios. Foi exigido para
áreas maiores que 1,3km2 e a vazão mínima usada foi de
1 L/s x Km2 que era a vazão necessária na bacia para o
fluxo natural da água.
- Se a vazão fosse menor que Q7,10 haveria degradação
do curso de água.
33
Vazões características
Exemplo de cálculo da Q 7,10: dados médias diária de 2001

34
Exemplo de cálculo
da Q 7,10
Calcular as Médias
Moveis de 7 dias
consecutivos para
cada ano

35
Vazões características
Exemplo de cálculo da
Q 7,10

-Montar uma nova


série histórica com os
valores mínimos das
médias moveis de 7
dias de cada ano ( Q7 )

Calcular
- Média=6,40
- Des. padrão=1,42

36
Vazões características

Calcular a Vazão mínima das médias de 7 dias para um


Tempo de Retorno igual a 10 anos - Q 7,10

37
Vazões de referência para outorga de direito de uso
Estado Vazão Critério de
de outorga de direito de
referência uso (consuntivo)
ANA Curva de permanência de vazões 70% da Q95%
QMLT
PR Curva de permanência de vazões 50% da Q95%
BA Curva de permanência de vazões 80% da Q90%
Distrito Q7,10 80% das vazões de referência
Federal Q90%
QMLT 90% da Q7,10 para
(Decreto n° 22.359, de 31 de agosto de 2001) abastecimento humano
GO Curva de permanência de vazões 70% da Q95%
RO Q7,10 30% da Q7,10 (captação a
fio d’água)
SP Q7,10 50% da Q7,10
MG Q7,10 30% da Q7,10
PI Curva de permanência de vazões 80% da Q95%
PB, RN, CE Curva de permanência de vazões 90% da Q90% reg 38