Anda di halaman 1dari 4

jornal esfo

12ª Edição | São José dos Pinhais | Dezembro de 2018

Entrevista com o Cel. QOPM Mauro Celso Monteiro


Como o senhor analisa o atual De que forma o contato da Oficiais como grad-
panorama da educação policial militar no APMG com instituições de ensino nacio- uação e os cursos
âmbito da PMPR? nais e internacionais pode beneficiar a de superiores de
A educação policial militar tem PMPR? tecnologia em Se-
sido desenvolvida e aprimorada há mais de Esse aspecto é fundamental para gurança Pública e
50 anos, principalmente desde a fundação a APMG, observando que como uma Uni- Cidadania para Sol-
da APMG em 1971. Entretanto, a APMG tem versidade voltada para as Ciências Policiais dados.
evoluído principalmente no desenvolvi- e Segurança Pública, ter um constante in- Paralela-
mento do ensino superior, com a Escola de tercâmbio entre instituições nacionais e in- mente a educação
Segurança Pública da APMG com vínculo ternacionais possibilitará uma permuta do continuada com
acadêmico com a UNESPAR, com a certifi- ensino, pesquisa e cultura de instituições do cursos de especial-
cação de cursos de graduação para Oficiais ensino policial, buscando sempre uma in- ização latu sensu,
e pós-graduação latu sensu, além dos cursos ternacionalização curricular e da pesquisa, e um programa de Mestrado Profissional
técnico-profissionais realizados na APMG, o intercâmbio acadêmico entre instrutores strictu sensu aprovado pela CAPES e sendo
com alto nível de profissionalização da ativ- e alunos, e principalmente conhecer as re- realizado pela APMG. Ainda, cada vez mais
idade policial, fatores que tem consolidado alidades de outros estados ou nações que a APMG ser referência na capacitação e at-
as carreiras e a profissão policial militar. possam contribuir com experiências adquiri- ualização profissional da PMPR. Finalmente,
das, de acordo com suas peculiaridades e espero que a FAPMG – Fundação de Apoio
Na sua visão, quais são os culturas, mas que possam contribuir com o a Academia Policial Militar do Guatupê, que
desafios para o desenvolvimento e ensino técnico-profissional de alta qualidade esta sendo fundada neste mês, possa ser
evolução da educação policial militar na e isso denotará no desempenho e profis- um modelo de fomento e apoio ao de-
PMPR nos próximos anos? sionalismo dos policiais militares e conse- senvolvimento do ensino, pesquisa, cultura
Penso que dentre os principais quentemente na importância e na imagem e esporte da nossa APMG e consequente-
desafios está a manutenção da profission- da PMPR perante a sociedade. mente da melhoria continua das atividades
alização do ensino policial militar, mantendo desenvolvidas pela PMPR em todo estado
e evoluindo o papel da APMG como institu- Ao olhar para o ensino da PMPR do Paraná.
ição de ensino superior, melhorando sempre daqui a cinco anos, o que o senhor gos- Foto: Diretor/Comandante da APMG
os níveis do ensino e da pesquisa, mas prin- taria de ver concretizado?
Entrevista cedida ao 1º Ten. QOPM Alison
cipalmente, uma adaptação e atualização Espero que daqui a cinco anos,
constante das matrizes curriculares e capac- possamos ter um ciclo permanente de edu-
itação dos professores e instrutores, focados cação na formação inicial e continuada para
na constante transformação e evolução da o desenvolvimento da carreira dos policiais
sociedade. militares, com nosso Curso de Formação de

IV Encontro Internacional de Diretores de Educação Policial


Nos dias 7, 8 e 9 de novembro de o intercâmbio de informações apresenta-se do policial e da mente criminosa; além de
2018, na cidade de Foz do Iguaçu/PR, foi como importante ferramenta para a concre- processos acadêmicos de certificação inter-
realizado o IV Encontro Internacional de Di- tização desse objetivo. nacional para o asseguramento da qualida-
retores de Educação Policial, evento promo- Essa mentalidade vem sendo con- de dos sistemas educativos policiais.
vido pela PMPR em conjunto com a Polícia solidada por meio da Rede de Internaciona- No final do evento, foi realizada a
Nacional da Colômbia (sede da Secretaria lização de Educação Policial (RINEP), ente de passagem da presidência executiva da RINEP,
Executiva da Rinep) e contou com a organi- caráter acadêmico que envolve as Polícias cargo que foi ocupado pelo Coronel QOPM
zação da Academia Policial Militar do Guatu- Civis e Militares de 17 diferentes países da Mauro Celso Monteiro no ano de 2018, para
pê. O evento reuniu 15 nações - dentre elas Europa e da América. Criada em 2016, na o General do Peru, Miguel Palomino.
Colômbia, Turquia, El Salvador e México - e Colômbia, hoje conta com 33 instituições
Autoria: Cad. 2º PM Delai
37 organizações policiais. de educação policial e visa à internaciona-
Foto: P5/APMG
De acordo com David Harvey, em lização educativa nos corpos de polícia e a
sua obra “A Compreensão do tempo-espa- cooperação acadêmica entre as instituições
ço e a condição pós-moderna”, os aconte- participantes.
cimentos globais passam por um processo Na pauta do IV Encontro Interna-
de aceleração. A nova sociedade, posterior cional de Diretores de Educação Policial esti-
ao Fordismo, é marcadamente global e des- veram presentes tópicos como a criação de
provida de fronteiras. O fenômeno da glo- um núcleo curricular comum às Academias
balização também alcançou as organizações Policiais pertencentes à RINEP; o reconhe-
criminosas, suas estruturas, organizações e cimento mútuo de cursos realizados entre
práticas. Diante desse cenário, as forças po- corporações; a figura da RINEP como fo-
liciais têm o desafio de aprimorar e moder- mentadora de acordos internacionais de se-
nizar seus paradigmas e técnicas, sendo que gurança; a exploração científica da biologia 1
Retrospectiva 2018

O ano foi marcado pela despedida da terceira idade e recepcionando jo-


dos Aspirantes 2018 em junho (foto 3) e por vens e crianças para conhecerem um
dois Espadins Tiradentes, um da turma que pouco mais da APMG.(foto 5)
ingressou em agosto de 2017 (foto 1), No dia 11 de novembro o 3°CFO
outro dos calouros de 2018 (foto 2). PM elaborou a Operação Futebol para
Em março aconteceu a desafiadora o jogo entre Paraná e Vitória, válido
marcha no CICBA. Foram 39 pelo Campeonato Brasileiro. Toda a
km na subida da Serra da escola foi empregada tanto no plane-
Graciosa e diversas instru- jamento, coordenação, controle e exe-
ções. (foto 4) cução das atividades (foto 6).
Compromissada A Rede de Internaciona-
com o esporte e o espírito lização da Educação Policial
de corpo, a Escola, com o apoio dos (RINEP) promoveu em Foz
cadetes do 3°ano, organizou os Jogos do Iguaçu, nos dias 7, 8 e 9
Olímpicos EsFO, em que sagrou-se de novembro, o IV Encontro
campeão o 3° PM Alfa. (foto 8) Internacional de Diretores de
Neste ano 62 Cadetes foram premia- Educação Policial. O evento foi
dos em diversas modalidades esporti- elaborado pela PMPR em conjunto com a
vas, entre elas corridas de rua (5K, 10K, Polícia Nacional da Colômbia (sede da Se-
21K), MMA, corrida de orientação e cretaria Executiva da Rinep) e contou com
Duathlon. Os cadetes também rece- a organização da Academia Policial Militar
beram premiações no Torneio de tiro do Guatupê. Participaram 17 nações - dentre
promovido pela APMG e participaram elas Colômbia, Turquia, El Salvador (foto 8).
dos Jogos dos Servidores de São José dos O rapel na Torre da OI, em setem- Por fim, a EsFO agradece a cola-
Pinhais, sendo premiados nas seguintes mo- bro, abrilhantou a passagem do 2°para o 3° boração de todos os instrutores, Unidades,
dalidades: handebol feminino e masculino, CFO. Foram 109 m de pura emoção. (foto 9) militares estaduais e civis que colaboraram
basquete feminino e masculino, vôlei mas- Em junho aconteceu a tradicional Festa Ju- para a realização de todas as atividades do
culino e misto, vôlei de areia, futebol society nina da APMG, integrando a Polícia Militar ano de 2018.
e natação. com a sociedade. (foto 4).
A equipe da APMG foi premiada A EsFO empenhou-se em diversas Autoria:Cad. 3º PM Patricia e Cad. 1º PM Blanc
com terceiro lugar geral dos Jogos dos Ser- ações sociais, arrecadando brinquedos e lei-
vidores de São José dos Pinhais. te em pó, visitando creches, escolas e bailes
1. Espadim, março de 2018. Fotografia Marilly Padilia; 2. Aniversário 164 anos da PMPR e entrega do Espadim Tiradentes 2018. Fotografia: 3º Sargento Gomes; 3. Aspirantado,
junho de 2018; 4.Marcha CICBA, março de 2018; 5. Ação Social em comemoração ao dia das crianças. Fotografia: 3º Sargento Gomes; 6. Operação Futebol, novembro de 2018; 7.
IV Encontro Internacional dos Diretores de Educação Policial, novembro de 2018; 8. Jogos Olímpicos da EsFo, 2018; 9. Rapel Torre da Oi, setembro de 2018; 10. Sete de Setembro.
Fotografia Soldados Adilson Voinaski Afonso e Juliana Pereira; 11. Festa Junina da Academia Policial Militar do Guatupê. Fotografia: 3 º Sargento Gomes; 12. Corrida CrossCountry
APMG 2018. Fotografia: Marilly Padilia.

Cultura PM
Neste ano a EsFO realizou entre os com o tal Cadete:
cadetes do Corpo de Alunos o concurso de -Onde está o cabo solteiro seu “moco-
Direto do túnel do tempo rongo”, porque demorou tanto?
canções militares, a fim de exaltar os valo-
O Cadete nervoso e demonstrando um
res da nossa instituição. A canção eleita foi O “Cabo Solteiro” misto de medo com incerteza, articulando dificul-
‘‘Você almeja alcançar a estrela tão so- tosamente as palavras, baixinho respondeu:
nhada?’’ de autoria do Cadete 3º PM Bruno Aconteceu no ano de 1987, durante -Senhor Tenente, um cabo solteiro não
Hiroshi Souto Uratani. aula da disciplina de Operações de Defesa Interna encontrei, mas consegui achar aqui o Cabo Levi,
e Defesa Territorial (ODIDT), ministrada aos Cade- que é noivo, ou seja, quase solteiro, apontando
tes do 1º CFO PM – Pelotão Alfa. para o militar que o acompanhava que também
Você almeja alcançar a estrela tão sonhada?
O Instrutor, um Tenente “Caveira” mi- não aguentou e “caiu” na gargalhada
Então se prepare pra uma árdua jornada
nistrava aulas de pista de cordas aos Cadetes no As gargalhadas dos demais Cadetes foram imen-
Porque a Vitória não chega por acaso
bosque ao lado do Bloco da EsFO, quando em sas. O Tenente não sabia se sorria ou se já deman-
Mas sim com muita luta, persistência e cansaço
determinado momento, percebendo a falta de dava a reprimenda no “tabacudo”.
um equipamento de segurança, melhor dizendo O Cabo Levi foi dispensado o Tenente
Assim como aço sou forjado em fogo forte
de uma seção de cordas a qual costumeiramente perguntou ao Cadete “confuso” se ele não sabia o
Treinado e preparado pra não temer a morte
chamamos de “cabo solteiro”, determinou a um que era um “cabo solteiro” e ficando sem respos-
PM ou BM sempre vidas a salvar
Cadete, que já tinha fama de “confuso” e que se ta, demandou outro Cadete para cumprir a mis-
Diante do perigo não posso hesitar
expressava com certa dificuldade em função do são, enquanto o Cadete “confuso” era orientado
“sotaque” carregado e típico (o indigitado era do por assim dizer e a cada apoio sobre o solo tinha
Honestidade, integridade, bravura e moral
Amazonas), que fosse até o Bloco do Centro de que gritar:
São valores inerentes de um bom oficial
Formação e Aperfeiçoamento de Praças (CFAP, -Cabo Solteiro é uma corda e não um
Exemplo a seguir do Coronel ao Aspirante
hoje EsFAEP), e buscasse um “cabo solteiro” para militar!
Porque a tropa é o espelho do Comandante
a continuidade da instrução.
Passada mais de meia hora o indigita-
Para ser da EsFO é preciso vocação
do retornou, acompanhado de um outro militar
É muito sacrifício e abnegação
estadual. A inquietude e a contrariedade do ins- Texto escrito pelo Tenente-Coronel QOPM Maurício Ce-
Mas a recompensa chega no final
trutor eram visíveis. De pronto o Tenente berrou sar de Moraes
Da minha Gloriosa, serei Oficial
2
Atividade PM

Você conhece os números relati-


vos à manutenção do Regimento de Polícia
Montada Coronel Dulcídio, unidade opera-
cional mais antiga da Polícia Militar do Pa-
raná? Este dispõe da seguinte estrutura: um
Centro Veterinário com centro cirúrgico, 3
veterinários e 90 cavalos, os quais são ali-
mentados pela mais diversificada matriz
alimentar de todo o Brasil, que inclui alfa-
fa, aveia, ração, matéria verde e sal mineral,
totalizando aproximadamente 65.000 kg de
gêneros alimentícios e cerca 200.000 litros
de água destinados ao consumo equino
mensal.
O RPMon teve sua origem na se-
ção de Cavalaria da Província do Paraná,
instituída pela Lei nº 522, de 28 de Junho de
1879. Em agosto de 1966 recebeu a deno-
minação histórica de Regimento de Polícia
Montada Coronel Dulcídio e desde então
está instalado no bairro do Tarumã. O pio-
neiro policiamento hipomóvel era destinado
principalmente para o transporte das tropas, cessária para a realização de apenas uma atua também em proximidade com a comu-
principalmente pelo caminho da Graciosa, das 80 Operações Futebol que são realiza- nidade através do Policiamento Montado,
que ligava Curitiba à Antonina. Com o pas- das por ano, as quais exigem muita técnica que desperta a curiosidade das pessoas e,
sar do tempo, descobriu-se que esse pro- do policial e de seu cavalo, demandando 20 principalmente, pelo programa de Equotera-
cesso de policiamento conta com caracterís- horas mensais de treinamento para manu- pia, que desde 1992 já beneficiou aproxima-
ticas que possibilitam uma maior eficiência tenção de Choque Montado e Equitação damente 3.500 famílias, contribuindo para
na atuação em grandes concentrações de da tropa hipo. Os policiais devem ser es- o autocontrole e desenvolvimento neural,
público. Sua ostensividade, efeito psicológi- pecialistas em polícia montada, tendo sido motor e psicológico de pacientes diagnos-
co, poder repressivo, mobilidade e extenso aprovados em curso com esta finalidade. Os ticados com Síndrome de Down, esclerose
campo de visão o tornam de grande valor semoventes, de maneira análoga, também múltipla, hiperatividade, estresse, depressão
para a Segurança Pública, sendo aplicado passam por uma seleção para compor a entre outros. Provando assim que apesar de
em eventos como: Copa do Mundo de 2014, tropa especializada e são escolhidos os que sua alta representação ostensiva e repressiva
manifestações de 2013, eleições, festivais, possuem franqueza, calma, retidão, tenham também vai ao encontro da moderna filoso-
entre outros eventos de grande porte. porte avantajado, boa caixa torácica, bons fia de Polícia Comunitária, amplamente di-
O serviço de Choque Montado, aprumos e sejam naturalmente impulsiona- fundida pelas principais polícias do mundo.
1º Esquadrão, é fundamental para opera- dos. Os cavalos passam ainda por um ades-
ções de reintegração de posse, rebeliões tramento, que leva em média o período de Autoria: Cad. 3º PM Gradovski; Revisão técnica: Major
em presídio e manifestações, se faz impres- 2 meses, composto pelas seguintes fases:
QOPM Cruz, Apoio: Ten. QOPM Galvão, Ten. QOPM Zi-
cindível nas Operações Futebol. Conta com lotto e Ten. QOPM Wosniak
adestramento básico, dessensibilização e si-
14 conjuntos (cavalo+ cavaleiro), 14 bastões, mulação de ambiente hostil. Foto divulgada na página:
coletes e capacetes, dois caminhões e uma ​​ Vale ressaltar que o Regimento wwww.instagram.com/rpmon­_pmpr
viatura de apoio. Toda essa estrutura é ne-

Atividade BM

A RPA(Remotely Piloted Aircraft), chamas e decidir qual front priorizar; buscas


Autoria: Cad 3º BM Gabriel; Revisão técnica: 2º Ten.
Aeronave Remotamente Pilotada, conheci- terrestres e aquáticas e resgate vertical. Além
QOBM Fernandes
da como “drone”é utilizada pelo Corpo de de diversas aplicações, seus benefícios são a
Bombeiros do Paraná por meio da Defesa agilidade, rapidez no preparo dos profissio- Foto: www.bombeiros.pr.gov.br
Civil para mapamento de áreas de risco, nais operadores e baixo custo de operação,
ampliando o campo de visão e a seguran- quando comparado à aviação tradicional
ça do Bombeiro Operador. Serão também com helicópteros e aviões.
aplicados no monitoramento de banhistas
na Operação Verão 2018/19. Estes aparelhos Defesa Civil usará drones para mapear áreas de risco.
Disponível em: <http://www.bombeiros.pr.gov.br/modu-
foram utilizados pelo Corpo de Bombeiros les/noticias/article.php?storyid=7026> Acesso em 22 de
do Rio de Janeiro para avaliar as estruturas novembro de 2018.
do Museu Nacional após o incêndio, sem
MIRANDA LIMA, E. Drones de asas rotativas nas ativida-
expor os profissionais. Os seus benefícios se
des operacionais do CBMDF: Análise das possibilidades
estendem a situações de incêndios florestais de uso. 2016. 118f. Monografia do Curso de Aperfeioçoa-
e urbanos, para acompanhar a evolução das mento de Oficiais, CBMDF, Brasília, 2016.
3
Cantinho da Saudade
Quais os principais fatos que Quais conselhos o senhor pode proferir tenta vários batalhões foram instalados no
marcaram o período em que o senhor foi aos atuais Cadetes e às novas gerações interior. Procedimento no qual, no decorrer
Cadete da PMPR? de Oficiais da PMPR? dos anos, paulatinamente, novas unidades
Ingressamos na PMPR como Ca- Para obter sucesso na carreira foram criadas. Isso ainda vem ocorrendo.
detes no dia 07 de março de 1964 e já no Policial Militar é necessário muito esforço, No início da década de noventa,
final desse mês irrompeu a “Revolução de 31 dedicação, desprendimento, aspirações, ob- quando comandei o Comando do Policia-
de Março de 1964”, que depôs o Presidente jetivos, correção e honestidade. Para tanto, mento do Interior (CPI), havia 15 Batalhões
João Goulart, interrompendo as iniciativas seguem alguns conselhos: e 03 Companhias Independentes de Polícia
dos governantes de implantar o “comunis- - Aproveitar bem os conteúdos das maté- Militar subordinados ao CPI, além dos Bata-
mo” no Brasil. rias do curso; lhões Rodoviário e Florestal.
Os Cadetes foram empregados na - Ouvir as experiências narradas pelos pro- Posteriormente, foram criados os
segurança do Palácio Iguaçu e na prefeitura fessores e instrutores, internalizando os fatos Comandos Regionais, cujas sedes foram
Municipal de Curitiba, além de outras ativi- positivos; alocadas nas principais cidades de cada área
dades. Nossa turma, por não ter uniformes - Cuidar da sua imagem profissional como regional. E também foram criadas novas uni-
ainda, não era utilizada operacionalmente, Cadete e como Oficial; dades de Batalhão e Companhia Indepen-
mas tinha que comparecer ao Centro de - Elencar como seus exemplos Oficiais dedi- dente.
Formação e Aperfeiçoamento, na Rua Vi- cados, responsáveis e honestos;
cente Machado, aguardando ordens, até - Ter responsabilidade em todas as missões
que nos liberassem para retornar na manhã recebidas e nas tarefas que realizar;
seguinte. - Respeitar seus superiores e tratar bem os
No final de 1964 participamos da subordinados, sendo justo com estes ao elo-
Olimpíada dos Cadetes em São Paulo e, giá-los e ao repreendê-los;
no ano seguinte, no Rio de Janeiro. Nesses - Buscar aperfeiçoamento profissional na
eventos travávamos contatos com os Cade- carreira, aproveitando os processos de Tec-
tes dos outros estados, trocando experiên- nologia da Informação;
cias. - Honrar seu “Juramento” proferido na Sole-
Anualmente a Escola de Oficiais nidade de Formatura.
realizava a “Olimpíada dos Cadetes” com
diversas modalidades desportivas entre as Quanto aos desafios para os próximos 50
turmas. Era uma semana intensa de com- anos, não me atrevo a elencá-los, mas vejo
petições: atletismo, natação, futebol, vôlei, jovens Oficiais desenvolvendo aplicativos
basquete e outras modalidades. Como as para facilitar o contato do cidadão com a
turmas não eram grandes os melhores atle- área operacional, fazendo suas solicitações,
tas se desgastavam muito, pois tinham que acompanhando o desenrolar das ações,
participar de várias competições. seus resultados e concluindo que a Polícia
Nas “Décadas de Cinquenta e Ses- Militar estará sempre pronta a lhe oferecer o
senta” a Polícia Militar instalou diversos Ba- que tem de melhor.
talhões e Companhias no Interior do Estado. Novos tempos estão chegando. Mudanças
Em vista disso ficou carente de Oficiais Su- estão ocorrendo. Posturas políticas diferen-
balternos. Na época cursávamos dois anos Completando 50 anos de Aspirantado ciadas. As pessoas de bem acordaram.Gran-
preparatórios (CP) e três de CFO. Então, su- da turma de 1968, qual o retrospecto da des esperanças para 2019.
primiram nossas férias, aumentaram a carga PMPR neste período e quais os desafios
diária e, assim, nossa formatura ocorreu no da Corporação nos próximos 50 anos? Eugenio Semmer, Cel. PM RR
dia 31 de Março de 1968, no dia da come- Nesses últimos 50 anos a PMPR Entrevista cedida ao 1º Ten. QOPM Alison
moração do Aniversário da Revolução. evoluiu bastante na melhoria das condições
Após as formaturas realizadas em de trabalho da tropa: Fotos cedidas pelo Cel. RR Semmer e pelo
1968 (turmas 14ª e 15ª) mais uma turma, a - Equipamentos de proteção, coletes balís- Cel. RR Ribeiro
16ª, concluiu o curso no CFA em 1969, com ticos, escudos mais leves, transparentes e
a formatura realizada no Quartel General da mais apropriados para o manejo;
PMPR. As turmas seguintes terminaram o - Uniformes mais confortáveis para o cum-
curso na APMG, ainda em construção, de- primento das variadas missões;
vido ao comprometimento do prédio que - Armamentos mais adequados operacio-
abrigava o CFA. nalmente para fazer frente aos confrontos
inevitáveis com marginais;
- Modernas viaturas operacionais adequa-
das às atividades desenvolvidas pelas unida-
des ou frações de tropa;
- Adequada alimentação das tropas empre-
Equipe Editorial
gadas em operações, seja fornecida pelas Supervisores: 1º Ten. QOPM da Silva e 1º Ten. QOPM Alison
unidades ou através de diárias, entre muitas Editora chefe: Cad 3º PM Patrícia
outras melhorias. Equipe de arte: Cad. 3º PM Fracaro e Cad. 1º PM Simonini
Também nesse perío- Equipe de revisão: Cad. 3º PM Conrado e Valeria, Cad. 1º
do, a Corporação criou novas unidades PM Alves, De Sá e Lisiane.
operacionais e interiorizou unidades e su- Equipe de logística: Cad. 3º PM Nogueira, Thaísa, Molina,
bunidades, tanto as de polícia como as de Assunção e Pilz.
Último dia de aula da turma de 1968 bombeiros. Nas décadas de sessenta e se-
4