Anda di halaman 1dari 24

Mecânica da Fratura

O campo de mecânica da fratura tem como base


os trabalhos de Griffith e Irwin. É utilizado para tratar
problemas de fratura envolvendo trincas de maneira
quantitativa.

• Mecânica da Fratura Linear Elástica (MFLE)


• Mecânica da Fratura Elasto-plástica (MFEP).

Griffith - 1920 Irwin - 1950


Fundamentos da Mecânica da Fratura
1920 – Estudo do comportamento em fratura do vidro por Griffith
A presença de trincas reduz a resistência do material.
1ª Lei da Termodinâmica: Princípio de conservação de energia
Na análise são consideradas as seguintes energias:
2a<<B

1) Energia de deformação: o processo de formação da trinca


libera energia de deformação e num elemento circular de
raio r = 2𝑎, o volume V = 2𝜋𝑎2
A redução de energia de deformação elástica por unidade de
volume (resiliência) será de:
𝜎
1𝜎ε 1𝜎. 𝜎 2
2𝜋𝑎2 𝜎 2
𝑈𝑟 = =− 𝐸 = ∆𝑊𝑒 = −
2 2 2𝐸 2𝐸
Fundamentos da Mecânica da Fratura
1920 – Estudo do comportamento em fratura do vidro por Griffith
A presença de trincas reduz a resistência do material.
1ª Lei da Termodinâmica: Princípio de conservação de energia
Na análise são consideradas as seguintes energias:

2) Energia de superficial:
∆𝑊𝑠 = 4𝑎γ𝑠
• γ𝑠 é a energia superficial por unidade de área, uma constante do material.
• O número 4 aparece uma vez que a o comprimento da trinca é 2a e a trinca possui uma superfície superior
e inferior.
Fundamentos da Mecânica da Fratura
Sendo assim,
𝜋𝑎2 𝜎 2
∆𝑊 = − + 4𝑎γ𝑠
𝐸
𝑑 𝜋𝑎2 𝜎 2
− + 4𝑎γ𝑠 = 0
𝑑𝑎 𝐸
2𝜋𝑎𝜎𝑐2
− + 4γ𝑠 = 0
𝐸
Logo,
2𝐸γ𝑠
𝜎𝑐 = - tensão crítica necessária para propagar uma trinca frágil.
𝜋𝑎
Fundamentos da Mecânica da Fratura
Griffith ensaiou um vidro frágil e o resultado estava de acordo com as previsões
da equação de 𝜎𝑐 , a qual também pode ser escrita da seguinte forma:
𝜎𝑐 𝜋𝑎 = 2𝐸γ𝑠

Quantidades Quantidades
extrínsecas intrínsecas

K=𝜎 𝜋𝑎 Fator intensidade de tensão

Propriedade intrínseca
𝐾𝐶 = 2𝐸γ𝑠 Tenacidade à fratura – índice c indica que o
valor de K para um nível crítico para a
fratura.
Fundamentos da Mecânica da Fratura
1950 - Orowan-Irwin – Modificação da Equação de Griffith
• γ𝑠 de um aço possuía uma ordem de magnitude maior que a esperada

2𝜋𝑎𝜎𝑐2
− + 4γ𝑠 = 0
𝐸

𝜋𝑎𝜎𝑐2
= 2γ𝑝 = 𝐺𝑐  γ𝑝 = trabalho plástico para estender (aumentar) a trinca ou
𝐸
energia de deformação plástica;
γ𝑠 = pode ser desprezada.
2Eγ𝑝
𝜎𝑐 =
𝜋𝑎
Fundamentos da Mecânica da Fratura
𝜋𝑎𝜎𝑐2
= 2γ𝑝 = 𝐺𝑐  𝐺𝑐 é taxa crítica de energia de deformação na ponta da trinca
𝐸
𝐾𝑐 = 𝐸𝐺𝑐
𝐾𝑐2
𝐺𝑐 =
𝐸

𝑬𝑮𝑰𝒄
Para o estão plano de tensão – Modo I: 𝑲𝑰𝒄 =
𝟏−𝝂𝟐
Fatores de Intensidade de Tensão
• Trinca no centro
𝜋𝑎
𝐾 = 𝜎 𝜋𝑎. 𝑠𝑒𝑐
𝑊

𝐾 = 𝑌𝜎 𝜋𝑎

parâmetro Y ou função adimensional, que


depende tanto do tamanho quanto da
geometria da trinca e da amostra
Fatores de Intensidade de Tensão
• Trinca semicircular • Trinca superficial na borda
(superfície)
2
𝐾 = 1,12 𝜋𝑎 𝐾 = 1,12𝜎 𝜋𝑎
𝜋

No ponto máximo de profundidade da


trinca, o fator intensidade de tensão é um
pouco menor, isto é:

2
𝐾= 𝜋𝑎
𝜋
Fatores de Intensidade de Tensão
• Trinca semielíptica No ponto máximo de profundidade da
trinca, o fator intensidade de tensão é um
1,12 𝑎 pouco menor, isto é:
𝐾= 𝜋𝑎
𝐼2 𝑐
1,12
𝐾= 𝜎 𝜋𝑎
𝐼2

Valores de I2.

a/c 0,0 0,1 0,2 0,3 0,4 0,5 0,6 0,7 0,8 0,9 1,0
I2 1,000 1,016 1,1051 1,097 1,151 1,211 1,277 1,345 1,418 1,493 π/2
Fatores de Intensidade de Tensão
• Corpo de prova de flexão de 3 pontos (ASTM E 399)
𝑃𝑆 𝑎
𝐾= 3𝑓 𝑊
𝐵𝑊 2

𝑎 1 2 𝑎 𝑎 3,93𝑎 𝑎 2
𝑎 3 1,99 − 1− 2,15 − + 2,7
𝑊 𝑊 𝑊 𝑊 𝑊
𝑓 = 3
𝑊 𝑎 𝑎 2
2[1 + 2( ] 1 −
𝑊 𝑊
Fatores de Intensidade de Tensão
• Corpo de prova de Compact Tension Specimen (ASTM E 399)

𝑃𝑆 𝑎
𝐾= 1𝑓 𝑊
𝐵𝑊 2
𝑎 𝑎 𝑎 2 𝑎 3 𝑎 4
𝑎 2+ 0,886 + 4,64 − 13,32 + 14,72 − 5,6
𝑊 𝑊 𝑊 𝑊 𝑊
𝑓 = 3
𝑊 𝑎 2
1−
𝑊
Fatores Intensidade de Tensão
Outros fatores de intensidade de tensão pode ser encontrados em:
•H. Tada, P. C. Paris, and G. R. Irwin, The Stress Analysis of Cracks Handbook, 2nd ed.,Paris
Productions, Inc., St. Louis, 1985.
•G. C. Sih, Handbook of Stress Intensity Factors, Institute of Fracture and Solid Mechanics, Lehigh
University, Bethlehem, PA, 1973.
•D. P. Rooke and D. J. Cartwright, Stress Intensity Factors, HMSO, London, 1976.
•Stress Intensity Factors Handbook, ed. by Y. Murakami, S. Aoki, N. Hasebe, Y. Itoh, H. Miyata, H.
Terada, K. Tohgo, M. Toya, and R. Yuuki, Society of Materials Science, Kyoto, Japan, 1987.

https://www.dropbox.com/sh/pn3b55e565a5zyg/AACd2by1vWfl7_lUmfoGXZawa?dl=0
Modos de Carregamento
O modo I é o modo de abertura sob
tração e o fator intensidade de tensão é
chamado de KI. O modo II é o
deslizamento no plano e o fator
intensidade de tensão é designado como
KII. O modo III é o modo de ruptura fora do
plano, por vezes chamado de modo de
rasgamento e o fator intensidade de
tensão é chamado de KIII.
Validade da Mecânica da Fratura Linear Elástica
Determinação do tamanho da zona plástica ASTM E 399

O tamanho da zona plástica que se desenvolve num metal na Considerando uma trinca interna
ponta da trinca deve ser pequeno em relação ao comprimento
da trinca 16 2𝑎 > 𝑟𝑧𝑝
Dugdale Para que a MFLE possa ser utilizada.
𝐾² 𝜋 𝜎
𝑟𝑧𝑝 = ou 𝑟𝑧𝑝 = 𝑎 sec −1
2𝜋𝜎𝑌2 2 𝜎𝑌
Sendo assim:

O comprimento da trinca deve ser aumentado em metade do


𝐾 = 𝑌𝜎 𝜋𝑎𝑒𝑓
tamanho da zona plástica

1 𝛑 𝛔 𝑎 𝜋 𝜎 Para casos em que a zona plástica


𝑎𝑒𝑓 = 𝑎 + 𝐚 𝐬𝐞𝐜 −1 = sec +1 é grande em relação ao
2 2 𝛔𝐘 2 2 𝜎𝑌
comprimento da trinca
Efeito da Espessura na Tenacidade
Para espessuras 16 vezes maiores que o tamanho da zona plástica no estado plano de tensão
valor máximo do fator de
intensidade de tensão
𝐾2 𝐾2
16 2 = 2,5
2𝜋𝜎𝑌 𝜎𝑌2
A Figura apresenta o comportamento da tenacidade à
fratura em função da espessura da peça, reforçando a
ideia de que a tenacidade à fratura da placa de parede
fina é maior. Para amostras relativamente finas, o valor
de Kc dependerá e diminuirá com o aumento da
espessura da amostra B, conforme está indicado na
figura. Finalmente, Kc se torna independente de B,
momento em que se diz existir a condição de
deformação plana (KIc).
Fatores que influenciam
TEMPERATURA

TAXA DE CARREGAMENTO

Variações moderadas de velocidade de


deformação provocam efeitos muito pouco
pronunciados em KIC para uma aço semi-acalmado

Figura 11 – Variação de KIC e 𝜎𝑌 com


a temperatura para um aço A 533 B
classe I.
Fatores que influenciam
PROPRIEDADES DOS MATERIAIS
Aço ao Cr, Mo, Ni
e Si Aço Maraging
 Resistência Mecânica
Exercício 1
1) Um compósito de matriz cerâmica contém trincas internas de 0,001
centímetros de comprimento. Sua tenacidade à fratura em deformação plana é
45 MPa m e seu limite de resistência é 550 MPa. Mostre se esta trinca é capaz
de causar uma falha antes que seja alcançado o limite de resistência do material.
Exercício 2
2) Uma placa de aço possui tensão de escoamento de 1000 MPa. Como a placa
rompeu-se quando foi tracionada a 800 MPa, supuseram a existência de uma
trinca superficial. Se a tenacidade a fratura para este aço é de 60 MPa m, qual
seria o valor aproximado da trinca?
Exercício 3
De acordo com a norma ASTM E399, Standard Test Method for Plane-Strain Fracture Toughness of
Metallic Materials, o fator intensidade de tensão, 𝐾𝐼 , para o corpo de prova altamente usado
(compact speciment), com entalhe de profundidade 0,2 W é igual a:
𝑃𝑆 𝑎
𝐾𝐼 = 1 𝑓
𝑊
𝐵𝑊 2
𝑎
Onde 𝑓 é dada como:
𝑊
𝑎 𝑎 𝑎 2 𝑎 3 𝑎 4
𝑎 2+ 0,886+4,64 −13,32 +14,72 −5,6
𝑊 𝑊 𝑊 𝑊 𝑊
𝑓 𝑊
= 3
𝑎 2
1−
𝑊

𝐾𝐼
Plote um gráfico 𝑃 para valores de a/W entre 0,25 e 0,75.
1
𝐵𝑊2
Exercício 4
𝐾𝐼 para uma placa com uma trinca no centro é dada por:
𝜋𝑎
𝐾𝐼 = 𝜎 𝜋𝑎. 𝑠𝑒𝑐
𝑊

Para o mesmo valor de B, compare as cargas necessárias para obter o mesmo valor de 𝐾𝐼 para o
“compact specimen” (W = 50 mm, a/W = 0,5) e uma trinca no centro da placa (W= 200 mm, a/W
= 0,25).
Exercício 5
Determine o diagrama de resistência residual (Tensão crítica versus a/W) para
uma placa de liga de alumínio cuja tensão de escoamento é de 350 MPa, 𝐾𝐼𝐶 é
50 MPa 𝑚, W= 0,254 m para valores entre 0,25 e 0,75.
Exercício 6
O fator intensidade de tensão para uma trinca semicircular de 𝑎 = 0,01 m para
um suposto vaso de pressão cilíndrico é dado por 0,71𝜎 𝜋𝑎. A pressão interna
é igual a 15 MPa. O volume total do vaso de pressão é de 1000 m³. Três aços
estão disponíveis e suas características são dadas na Tabela 3. O peso estrutural
e a segurança devem ser as considerações primárias. A tensão máxima deve ser
½ da tensão de escoamento e o fator de segurança deve ser maior que 1,1. Qual
dos aços deveria ser escolhido?
Tabela 3
Aço Espessura (m) 𝜎𝑌𝑆 , MPa KIC, MPa (m)1/2
A 0,08 965 280
B 0,06 1310 66
C 0,04 1700 40